13.11.2018 Views

L+D 71

Edição: novembro| dezembro de 2018

Edição: novembro| dezembro de 2018

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

LINHA<br />

Imagens: Maja Petrić<br />

¿QUÉ PASA?<br />

RASTROS DE LUZ<br />

Os ambientes construídos e a forma como são ocupados<br />

podem ter uma incrível capacidade de moldar as relações entre<br />

seus ocupantes, gerando um rastro de laços entre essas pessoas,<br />

que, na maioria das vezes, são invisíveis. Por meio da instalação<br />

imersiva We are all made of light, a artista croata, radicada nos<br />

Estados Unidos, Maja Petrić buscou torná-los visíveis, por meio<br />

do uso da tecnologia como ferramenta artística.<br />

A presença e a movimentação dos visitantes da exposição<br />

no espaço são registradas por uma combinação de luzes<br />

interativas, sons ambientes e inteligência artificial, que geram<br />

rastros audiovisuais individuais, encapsulados pelas luzes. A<br />

cada novo visitante, cresce a quantidade de trajetos registrados,<br />

o que reflete o desenvolvimento da história desse espaço. Uma<br />

espécie de universo estrelado se forma a partir da acumulação<br />

desses dados, que, em constante mutação, produzem espécies<br />

de constelações nas quais os rastros da presença de cada<br />

uma das pessoas que já esteve ali são conectados, unindo<br />

indivíduos do passado com os do presente e conectando-os<br />

com os futuros visitantes.<br />

O objetivo da instalação é explorar a interconectividade<br />

entre os humanos, revelando os invisíveis vínculos entre cada<br />

indivíduo e o restante do mundo. Com o passar do tempo, a<br />

instalação se tornará um arquivo da presença das pessoas e<br />

evidenciará a maneira como se conectam. “Meu desejo é que<br />

tal experiência leve à resposta para as seguintes perguntas:<br />

se pudéssemos vislumbrar os rastros deixados por nossos<br />

companheiros humanos, seríamos capazes de enxergar como<br />

configuramos, de maneira semelhante, a memória espacial do<br />

nosso ambiente? O que a experiência de estar inseridos nessa<br />

rede de rastros poderia nos ensinar acerca do entendimento um<br />

do outro e da nossa experiência coletiva?”, filosofa Petrić.<br />

A trilha sonora foi composta pelo artista local James<br />

Wenlock, e os componentes tecnológicos da obra foram<br />

desenvolvidos em colaboração com o diretor de pesquisa da<br />

Microsoft Mihai Jalobeanu, Ph.D. em inteligência artificial e<br />

robótica. A instalação foi aberta ao público no mês de setembro<br />

e ficará em exposição até o dia 1º de dezembro no MadArt<br />

Studio em Seattle, Estados Unidos – cidade onde a artista está<br />

estabelecida –, que atua em prol da divulgação de artistas locais<br />

e do incentivo ao desenvolvimento de obras de grande escala e<br />

desenvolvidas especificamente para o local. (D.T.)<br />

Fotógrafo Henrique Queiroga | Arquiteto David Guerra | Produção Sílvia Fraga | Loja Franccino BH.<br />

20 21<br />

@

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!