Revista C. Vale - Novembro/Dezembro de 2018

blzinfo

Revista C. Vale - Novembro/Dezembro de 2018

REVISTA

Ano VIII - N o 60 - Novembro/Dezembro de 2018

UM PRESENTE

PARA O FUTURO

C.Vale completa 55 anos e apresenta plano

de investimentos para os próximos 30 anos

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 1


Brevant TM e PowerCore TM ULTRA:

a combinação perfeita entre

genética e tecnologia de ponta.

Só a Brevant TM combina o maior banco

genético do mercado com a inovadora

tecnologia PowerCore TM ULTRA e com

o Tratamento de Sementes Industrial.


durante todo o ciclo da cultura.

Pra que complicar?

Simplifique com Brevant

Acesse e descubra em brevant.com.br

POWERCORE é uma tecnologia desenvolvida pela Dow AgroSciences e Monsanto. POWERCORE e Roundup Ready são marcas da Monsanto LLC.

Agrisure Viptera® é marca registrada da Syngenta Group Company. A tecnologia Agrisure® incorporada nessas sementes é comercializada sob licença

da Syngenta Crop Protection AG. Tecnologia de proteção contra insetos Herculex® I desenvolvida pela Dow AgroSciences e Pioneer Hi-Bred. Herculex®

e o logo HX são marcas registradas da Dow AgroSciences LLC. LibertyLink® é marca registrada da Bayer.

www.brevant.com.br | 0800 772 2492

Marcas registradas da Dow AgroSciences, DuPont ou Pioneer e de suas companhias


PALAVRA DO PRESIDENTE

Crescimento apesar

das dificuldades

Boas safras e condições mais favoráveis à comercialização

de grãos impulsionaram o crescimento da

C.Vale em 2018. Com preços mais atrativos devido

ao dólar e à guerra comercial entre China e Estados

Unidos, os associados aproveitaram para negociar

soja e milho, inclusive o restante dos estoques de 2017.

Os grãos foram os principais responsáveis por elevar

o faturamento para mais de R$ 8 bilhões, já que as

vendas de carne de frango foram prejudicadas pela

greve dos caminhoneiros, pelas limitações impostas

pela Europa e China, e pelo baixo nível de consumo

do mercado interno. As dificuldades do segmento

carnes, aliadas a outros fatores, tiveram como efeito

a redução da rentabilidade dos negócios.

Para os associados, 2018 deixa um saldo positivo

na medida em que as safras foram de razoáveis a

boas, de forma geral, e os preços dos grãos também

permitiram boas margens de lucro.

Nossos

planos estão

fundamentados

em planejamento,

capacidade de

superação e

persistência

O ano de 2018 foi marcante para a C.Vale. Primeiro,

porque completamos 55 anos de existência. Segundo, pelo lançamento da revitalização

de nosso Plano de Modernização. Apresentamos aos associados os investimentos

previstos para os próximos 30 anos, com ênfase na ampliação do processo de agroindustrialização.

Essa estratégia beneficia a todos na medida em que envolvemos os

produtores de grãos como fornecedores de matéria-prima para a produção de carnes

pelos integrados. Nossos planos estão fundamentados em planejamento, fé em nossa

capacidade de superação e persistência para alcançar o que estamos nos propondo.

A velocidade com que implantaremos o plano dependerá do interesse dos associados

e da política de crédito do governo federal. Sobre esse último ponto, esperamos que

o novo governo coloque as contas públicas em ordem e passe a disponibilizar crédito

em condições que viabilizem os investimentos, afinal o Brasil anseia e precisa retomar

o crescimento.

Alfredo Lang

Diretor-presidente da C.Vale

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 3


NESTA EDIÇÃO

06

14

16

28

36

BRASIL

Economista afirma que novo governo

precisa controlar dívidas e fazer a

reforma da Previdência

CLIMA

Meteorologia projeta chuvas frequentes

em janeiro no Sul e Centro-Oeste do Brasil

ANIVERSÁRIO

C.Vale faz 55 anos e diretoria

apresenta plano de investimento

para os próximos 30 anos

COOPERJOVEM

20 a edição do evento envolveu 1.600

estudantes de oito municípios do PR

DIA DE CAMPO

Evento vai mostrar novas tecnologias

para o agronegócio em janeiro

Avenida Independência, 2347

Fone (44) 3649-8181 - CEP 85950-000 Palotina – Paraná

www.cvale.com.br

MISSÃO

Produzir alimentos com excelência para o consumidor.

VISÃO

Ser a melhor empresa no segmento

de alimentos para os nossos clientes.

FILOSOFIA

Somos uma cooperativa na filosofia, na gestão,

uma empresa que visa satisfação e lucro para todos.

POLÍTICA DA QUALIDADE E SEGURANÇA DOS ALIMENTOS

Atender as expectativas dos nossos cooperados, fornecedores,

clientes, consumidores, funcionários e comunidade, através de

sistema seguro, legal e autêntico de melhoria contínua das pessoas,

dos processos e dos produtos.

PRINCÍPIOS E VALORES

Foco no cliente

Ser comprometido

Agir com honestidade

Agir com respeito

Praticar a sustentabilidade

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente: Alfredo Lang

Vice-presidente: Ademar Pedron

Diretor-secretário: Walter Andrei Dal’Boit

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Adelar Viletti, Antonio de Freitas, Celso Utech,

Eurico de Freitas Miranda, João Teles Morilha

e Orival Roque Betinelli

CONSELHO FISCAL

Efetivos: Ari Patel, Inácio Sapelli e Nelson Lauersdorf

Suplentes: Antonio José Moura, Claudinei Hafemann e Edmir Antonio

Soares

MUNICÍPIOS COM UNIDADES DE NEGÓCIO DA C.VALE

Paraná - Alto Piquiri, Assis Chateaubriand, Brasilândia do Sul,

Campina da Lagoa, Campo Mourão, Clevelândia, Dr. Camargo,

Floresta, Francisco Alves, Goioerê, Guaíra, Guarapuava, Jardim Alegre,

Mamborê, Manoel Ribas, Maripá, Nova Cantu, Nova Santa Rosa,

Palotina (matriz), Pitanga, Quinta do Sol, Roncador, São João do Ivaí,

São Jorge do Ivaí, Sarandi, Terra Boa, Terra Roxa, Turvo e Umuarama

Santa Catarina - Abelardo Luz e Faxinal dos Guedes.

Mato Grosso - Cláudia, Diamantino, Feliz Natal, Nova Mutum, Nova

Ubiratã, Santa Carmem, Sinop, Sorriso e Vera.

Mato Grosso do Sul – Amambaí, Antônio João, Aral Moreira, Caarapó,

Dourados, Fátima do Sul, Itaporã, Itaquiraí, Navirai, Ponta Porã,

Rio Brilhante, Tacuru e Laguna Carapã.

Rio Grande do Sul - Bagé, Boa Vista do Cadeado, Bozano,

Catuípe, Cruz Alta, Dilermando de Aguiar, Dom Pedrito,

Fortaleza dos Valos, Jari, Jóia, Júlio de Castilhos, Palmeira das Missões,

Santa Bárbara do Sul, Santo Ângelo, São Borja, São Luiz Gonzaga,

Selbach, Tapera e Tupanciretã.

Paraguai - Katueté, Corpus Christi e La Paloma.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

Gerente - Jonis Centenaro

Jornalistas - Almir Trevisan, Sara Ferneda Messias

e Renan Tadeu Pereira

Marketing - Luciano Campestrini, Michelle Sandri Lima

e Rafael Clarindo

e-mail - imprensa@cvale.com.br

Projeto Gráfico: HDS e Kadabra Design

Editoração: HDS Impressão: Gráfica Tuicial

Representantes comerciais:

Agromídia - (11) 5092-3305

Guerreiro Agromarketing - (44) 3026-4457

4 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 5


ENTREVISTA EXCLUSIVA

Crescimento

econômico à vista

iniciativa privada se ajustou ao ambiente

econômico e está pronta para voltar a

A

investir. Para Roberto Padovani, economista-

-chefe do Banco Votorantim, o governo de Jair

Bolsonaro precisa concentrar sua força política

de início de mandato na reforma da previdência

e para controlar os gastos públicos.

REVISTA C.VALE - Quais medidas o senhor

imagina que o presidente Jair Bolsonaro irá

tomar nos primeiros meses de governo na

tentativa de reativar a economia?

ROBERTO PADOVANI - O fundamental hoje

no Brasil, para permitir a volta do emprego, é

ROBERTO PADOVANI

“É provável que o novo governo

mantenha o regime de câmbio

flutuante”

ganhar a confiança de investidores e empresários

de que o governo irá conseguir estabilizar

a dívida pública. Isso porque o setor privado já

se ajustou e se encontra em condições relativamente

favoráveis para um novo ciclo econômico,

o que faz com que, superando o problema

da dívida pública, a economia volte a ser pre-

6 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


visível e reforce a recuperação de investimento,

crédito e consumo. Mas para estabilizar a

dívida é preciso controlar gastos públicos, ou

seja, fazer a reforma da previdência. A equipe

do novo governo tem este diagnóstico e sabe

que toda a força política de início de mandato

deverá ser usada para enfrentar este problema.

REVISTA C.VALE - Bolsonaro deu sinalizações

fortes de que pretende se aproximar

dos Estados Unidos e de Israel. O senhor vê

risco de o Brasil enfrentar problemas com as

exportações de soja e carne de frango para

China e países árabes como forma de retaliação

ao posicionamento do novo governo?

ROBERTO PADOVANI - A política externa

é, tradicionalmente, muito impregnada pelos

discursos e estratégias políticas domésticas, o

que gera ruídos. Mas o novo governo deverá

ter um perfil mais pragmático e menos ideológico

que os anteriores, evitando conflitos que

gerem custos econômicos e sociais desnecessários.

Neste sentido, a força do setor privado

no Brasil deverá impor limites às estratégias

do Itamaraty.

REVISTA C.VALE - O senhor vê possibilidade

de redução da participação dos bancos

públicos no financiamento do agronegócio?

ROBERTO PADOVANI - As restrições fiscais

e a necessidade de reduzir o tamanho do Estado

no Brasil implicam um novo tipo de atuação

dos bancos públicos, abrindo espaço para um

aumento gradual da participação do mercado

de capitais e do crédito bancário privado. Estes

movimentos, no entanto, deverão ser feitos

de modo gradual. Não acredito em mudanças

bruscas no curto prazo.

REVISTA C.VALE - A taxa de juros das linhas

de crédito para investimento está bem

acima da inflação. O senhor acredita que será

possível reduzí-las ainda em 2019?

ROBERTO PADOVANI - A taxa básica de

juros deverá continuar baixa por mais algum

tempo. Além disso, com o avanço da reforma

da previdência, é provável que os mercados

futuros de juros também mostrem taxas baixas.

Finalmente, a retomada da confiança deverá

favorecer a oferta de crédito, permitindo a

redução do spread bancário. Neste ambiente,

acredito que o custo de capital possa continuar

mostrando tendência de queda.

REVISTA C.VALE - Na sua avaliação, como o

novo governo vai tratar a taxa de câmbio, um

dos fatores que mais interfere da formação

dos preços agrícolas?

ROBERTO PADOVANI - O diagnóstico do

novo governo parece ser o de que a competitividade

do País depende mais de condições

melhores de infraestrutura que de controles

artificiais na taxa de câmbio. Neste caso, é

provável que o novo governo mantenha o regime

de câmbio flutuante, com as taxas sendo

influenciadas de modo importante pelo mercado.

Além disso, a experiência majoritária

das últimas duas décadas mostra que o Banco

Central atua apenas para reduzir a volatilidade

de mercado, não interferindo no nível do

câmbio. Pelo perfil do novo time econômico,

esta prática deverá ser mantida.

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 7


ENTRE ASPAS

Acredito que o

verdadeiro sentido da nossa

existência não é acumular riquezas,

mas deixar valores.

Valores da ética, do trabalho

e da solidariedade

Alfredo Lang, presidente da C.Vale, dias 27,

28 e 29 de novembro, em Palotina, durante as

comemorações de aniversário da cooperativa.

A vida não te oferece

garantias. Ela te oferece

possibilidades

Maurício Louzada, consultor motivacional,

em palestra no Encontro de Lideranças da

C.Vale, dia 3 de setembro, em Palotina.

Fiquei

impressionado

com a estrutura

e com a

tecnologia.

É algo que a

gente não

vê em outros

países

Cantor Daniel,

dia 29 de novembro,

sobre o abatedouro

de peixes da C.Vale.

SABOR E

VARIE

DADE

PARA SEU

Conheça o Filé de Tilápia C.Vale.

Produzido no maior e mais moderno

abatedouro de peixes do Brasil, o Filé

de Tilápia C.Vale é um produto com

uniformidade e qualidade, garantidos

por um rigoroso sistema de

rastreabilidade.

www.cvale.com.br

/cooperativacvale

8 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


EM DESTAQUE

Frigorífico da

Frimesa ganha

prazo para ICMS

PLANTA INDUSTRIAL PARA

SUÍNOS ESTÁ SENDO

CONSTRUÍDA EM ASSIS

CHATEAUBRIAND (PR)

A Frimesa assinou protocolo

de intenções com o governo do

Paraná pelo qual o Estado dará

tratamento fiscal diferenciado no

valor de aproximadamente R$ 150

milhões para a implantação de um

frigorífico de suínos em Assis Chateaubriand.

Entre os benefícios da

medida está o alongamento, por

quatro anos, do prazo para início

do recolhimento do ICMS sobre a

industrialização da carne.

Os incentivos fazem parte do

pacote de reivindicações formulado

pela cooperativa quando o

projeto foi apresentado ao governo

do Estado. Fazem parte da Frimesa

as cooperativas C.Vale, Copacol,

Copagril, Lar e Primato.

O protocolo de intenções foi

assinado, no dia 6 de dezembro,

Vanzella e governadora Cida Borghetti assinam o convênio

em Curitiba. Participaram do ato

a governadora Cida Borghetti, o

presidente do BRDE, Orlando Pessuti,

presidente da Frimesa, Valter

Vanzella, da C.Vale, Alfredo Lang,

da Copacol, Valter Pitol, da Copagril,

Ricardo Chapla, o diretor-

-executivo da Frimesa, Elias José

Zydec, e o vice-presidente da Lar,

Lauro Soethe.

Como contrapartida ao benefício

as cooperativas se comprometem

em implantar um frigorífico

para abate, desossa e industrialização

de derivados de carne suína

no município de Assis Chateaubriand.

O investimento de R$ 1,1

bilhão permitirá o abate de 15 mil

suínos/dia.

As obras estão em andamento,

mas a conclusão ainda vai demorar,

diz o presidente da Frimesa, Valter

Vanzella. Segundo ele, a prorrogação

do prazo para o início do

recolhimento do ICMS dará fôlego

para formação de capital de giro já

que o valor do tributo será alto com

a industrialização.

COMITIVA DA FMC

Representantes da empresa

FMC estiveram na

sede da C.Vale, no dia 4

de dezembro. O gerente

de desenvolvimento de

mercado Evaldo Moreira,

a representante

comercial Aleteia Lang e

o gerente regional Evandro

Barcella entregaram

ao presidente da cooperativa,

Alfredo Lang,

uma placa em homenagem

aos 55 anos da

C.Vale.

10 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


MÁQUINAS E IMPLEMENTOS

Triton comercializa

carreta para 6 toneladas

IMPLEMENTO POSSUI

SISTEMA BASCULANTE

PARA DESCARGA DE

PRODUTOS

Triton está comercializando

A uma carreta metálica com

capacidade para seis toneladas de

carga, ideal para atividades em

pequenas propriedades. O modelo

possui dois eixos, com opção para

rodado duplo e eixo tandem.

O implemento é uma caçamba

basculante, mas pode receber caracol

para descarga. A abertura é com

engate rápido e a carreta pode vir

com terceira tampa opcional. As

opções de cores são verde, azul,

vermelho e amarelo. O implemento

A caçamba é

basculante, mas

pode receber caracol

para descarga

possui 3,65 metros de comprimento

por 2 metros de largura. A C.Vale

comercializa o produto em sua área

de ação.

SÃO JOÃO DO IVAÍ (PR) - Um pulverizador Stronger 3030, fabricado pela Kuhn, foi adquirido pela família

Ambrosio. O autopropelido possui barras de 30 metros e está sendo usado nos 411 hectares do Sítio Ambrósio,

em São Jorge do Ivaí. Na foto, o vendedor Márcio Zeppe (jaqueta escura), produtores Eurides Carlos Ambrósio

e Alex Ambrósio Pavoni, gerente local da C.Vale, André Veloso dos Santos, vendedor de insumos Claudemir

Aparecido Gregório e o produtor Amarildo Jose Ambrósio.

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 11


MÁQUINAS E IMPLEMENTOS

CLÁUDIA 1 (MT) - Produtor

Eleandro Beraldo adquiriu um

pulverizador Boxer 2000, com

barras de 27 metros, da Kuhn,

e uma plantadeira Vence Tudo,

modelo Macanuda Top 2600,

para 24 linhas de soja com espaçamento

de 50 centímetros.

Ele vai utilizar o autopropelido

e o implemento na área de 400

hectares em que cultiva soja e

milho no município de Cláudia

(MT). Na foto, o vendedor Jairo

Vitorassi (primeiro à esquerda),

o produtor Eleandro Beraldo e

o gerente da C.Vale, Francisco

Kaizer Neto.

CLÁUDIA 2 (MT) - Uma

plantadeira Vence Tudo, modelo

Macanuda Top 30000 foi

entregue pela C.Vale à família

Fiorese. O implemento, para

30 linhas de soja com espaçamento

de 45 centímetros,

vai agilizar os trabalhos de

plantio nos 1.000 hectares da

propriedade em Cláudia. A

Macanuda foi entregue pelo

vendedor Jairo Vitorassi e

pelo gerente Francisco Kaizer

Neto aos irmãos Jovani e

Juliano Fiorese.

ASSIS CHATEAUBRIAND (PR)

Produtor Castillo Hendges adquiriu

um pulverizador Kuhn para

a propriedade onde cultiva soja e

milho em Nice, interior de Assis

Chateaubriand (PR). Ele optou por

um modelo Boxer 2000 com barras

de 27 metros. Na foto, o operador

Giovani Danner, o gerente local da

C.Vale, Luiz Carlos Zanotin, gerente

do Departamento de Máquinas,

Lademir Hendges, supervisor

comercial de máquinas, Leopoldo

Costa e o vendedor João Pedro

Moraes de Melo.

12 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


MÁQUINAS E IMPLEMENTOS

MAMBORÊ (PR) - Família

Dummer adquiriu um distribuidor

de fertilizantes Accura

ST 7000, da Kuhn, para a propriedade

em Mamborê. A máquina

tem reservatório inoxidável

para sete metros cúbicos de

carga e controlador automático

de distribuição. Na foto, o assistente

técnico da C.Vale Alan de

Moura (de crachá), engenheiro

agrônomo Emanuel Morais,

Valter Dummer, Armin Dummer

(na máquina), assistente

técnico da Kuhn Jeovan Jung e

o vendedor da C.Vale Douglas

Aparecido Carvalho Vilela.

SARANDI (PR) - Produtor

Paulo Valentim Cemensati

adquiriu um autopropelido

Kuhn Boxer 2000.

Ele passou a utilizar o pulverizador

na propriedade

de 300 hectares em Sarandi

e Marialva (PR). Na foto, a

partir da esquerda, o operador

Pedro Mário, vendedor

Márcio Zeppe, associado

Paulo Cemensati, gerente

local da C.Vale, Clóvis Luiz

dos Santos e gerente de

contas da Sicredi Marialva,

Fernando Oliveira.

SÃO JORGE DO IVAÍ (PR) -

Um pulverizador Boxer 2000, da

Kuhn, com barras de 25 metros,

começou a ser usado nesta safra

pela família Darici no sítio Cruzeirinho,

em São Jorge do Ivaí

(PR). O autopropelido foi entregue

pelo gerente local da C.Vale,

André Veloso dos Santos, vendedor

Márcio Zeppe, vendedor de

insumos Claudemir Gregório, a

Claudemar Darici (de chapeu) e

ao irmão Róbson Darici (primeiro

à direita).

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 13


CLIMA

Chuvas frequentes

no começo de 2019

PROBABILIDADE DE EL

NIÑO ESTÁ EM 94% DE

DEZEMBRO A FEVEREIRO

Com probabilidade de formação

de El Niño superior a 90%

no trimestre dezembro-janeiro-

-fevereiro, existe o risco de períodos

mais úmidos durante a colheita da

soja no Paraná. As primeiras lavouras

começam a ser colhidas ao final

da primeira quinzena de janeiro no

oeste do estado.

“As previsões indicam maior

frequência de chuva por aproximadamente

15 dias, entre 10 e 25

de janeiro”, alerta Celso Oliveira,

da Somar Meteorologia. Ele diz

ainda, que os primeiros dez dias

de fevereiro também devem ser

úmidos. Já as temperaturas vão se

alternar e eventuais períodos mais

frios não devem ser duradouros.

Essa condição reduz a possibilidade

de alongamento do ciclo da

soja, a exemplo do que ocorreu nos

dois últimos anos por influência do

fenômeno La Niña.

CENTRO-OESTE

A alternância de períodos secos

e mais úmidos também será a característico

da fase final do ciclo da soja

no Centro-Oeste do Brasil. “Os produtores

de Mato Grosso e de Mato

Grosso do Sul passarão por alguns

períodos mais complicados para a

colheita, mas em verões de El Niño,

as invernadas (períodos chuvosos)

não costumam ser muito longas.

Então, teremos adversidades, mas

também aparecerão janelas favoráveis

para a colheita da soja e instalação

do milho safrinha”, projeta

Oliveira.

Rio Grande

do Sul e

S. Catarina

As chuvas devem repetir o

padrão dos últimos seis anos

no Rio Grande do Sul e em

Santa Catarina, estados que

cultivam soja mais tardiamente.

Conforme o meteorologista da

Somar, a previsão é de chuvas

frequentes nos dois estados

em 2019. O risco de estiagem

nos primeiros meses do ano é

menor que no início de 2018

para todas as áreas dos três

estados do Sul, inclusive na

fronteira com o Uruguai.

“O único senão é a possibilidade

de excesso de chuva na

colheita, algo normal quando

o Oceano Pacífico está mais

quente que o normal”, antecipa

Oliveira.

Chuvas e períodos secos

devem se alternar durante

a colheita no PR, MS e MT

14 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


MANCHA BRANCA:

ESCOLHA O CONTROLE

QUE NÃO FALHA COM

O MILHO.

DUAS

• ALTO NÍVEL DE CONTROLE

• SEGURO PARA O CULTIVO DO MILHO

• FUNGICIDA COM DOIS MODOS DE AÇÃO:

IDEAL PARA O MANEJO DA RESISTÊNCIA


55 ANOS

CONSTRUINDO O FUTURO

C.VALE APRESENTA PLANO

DE INVESTIMENTOS PARA

OS PRÓXIMOS 30 ANOS

Um telão de 16 metros de comprimento

por quatro metros de

altura chama a atenção dos convidados.

É a primeira visão de quem

entra no salão da Asfuca de Palotina

depois de passar pela recepção

enfeitada por grandes lustres, onde

funcionários dão as boas-vindas.

Produtores de cinco estados e do

Paraguai, alguns dos quais tendo

percorrido mais de 1.500 quilômetros,

formaram uma plateia de 2.500

pessoas por noite.

Luzes apagadas, um vídeo é

projetado no telão que ocupa toda

a extensão do palco. A história dos

55 anos da C.Vale prende a atenção

dos convidados, mas é uma atração

no meio do filme o que mais

impressiona. Surpresos, os convidados

conhecem os planos para os

próximos 30 anos da cooperativa

em que se destacam novos investimentos

na agroindustrialização.

Olhos vidrados no vídeo, alguns

até se emocionam com o presente

que recebem para o futuro da cooperativa.

O presidente da C.Vale, Alfredo

Lang, sobe ao palco e explica que o

novo Plano de Modernização vai

resultar em mais renda aos associados

e geração de novos empregos.

“Bem-vindos ao futuro da C.Vale”,

anuncia o dirigente. Empolgados,

associados e funcionários aplaudem.

O clima de alegria aumenta na

sequência, assim que o cantor sertanejo

Daniel sobe ao palco. Pela

segunda vez ele estava se apresentando

na C.Vale, desta feita para

comemorar os 55 anos da cooperativa,

dias 27, 28 e 29 de novembro.

Cantor Daniel, o pai Camilo e Lang

cortam o bolo dos 55 anos da C.Vale

16 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Exibição do vídeo com

novos investimentos e

show de Daniel atraíram

atenção dos convidados

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 17


55 ANOS

Consumo de grãos

vai a 45 milhões

de sacas por ano

C.VALE APRESENTA PLANO

DE INVESTIMENTOS PARA

OS PRÓXIMOS 30 ANOS

Vinte e oito anos depois de

elaborar seu plano de modernização,

a direção da C.Vale apresentou

a segunda versão do projeto

estratégico. As bases da proposta

mantêm o conceito original: intensificar

a agroindustrialização da

cooperativa.

Esse processo começou em 1997

com o complexo avícola e depois

vieram indústria para processamento

de raiz de mandioca e frigorífico

de peixes, além de incentivo à

produção de leite e suínos.

Ao apresentar a revitalização

do plano durante as comemorações

dos 55 anos da C.Vale, o presidente

Alfredo Lang revelou que

o foco será a produção de carnes.

Nas projeções que apresentou

para os próximos 30 anos, ele fixou

a meta de processamento de

1,6 milhão de frangos por dia e

também 1,6 milhão de peixes por

dia. Além disso, estão previstos

investimentos na industrialização

de carne suína.

Para chegar a esses números, o

consumo de soja e milho aumentará

das atuais 13 para 45 milhões

de sacas para a produção de rações

destinadas à alimentação de

frangos, peixes e suínos. O parque

industrial passará dos atuais 74 mil

metros quadrados de área construída

para 321 mil metros. Ao explicar

o novo plano para as 7.500 pessoas

que participaram de eventos que

marcaram os 55 anos da cooperativa,

dias 27, 28 e 29 de novembro,

em Palotina, Lang disse que nem

Alfredo Lang: o foco dos investimentos será a produção de carnes

todos os cooperados participam

diretamente da industrialização.

No entanto, “todos se beneficiam

do lucro gerado pelas indústrias

conforme a movimentação

econômico-financeira de cada associado

junto à cooperativa, isto

é, compras e vendas”, justificou.

Ele acrescentou que a C.Vale não

descarta investimentos em outras

regiões, “mas sempre levando em

consideração a vocação natural dos

produtores”.

COMPLEXO INDUSTRIAL

NOS PRÓXIMOS 30 ANOS

1,6 milhão de frangos/dia

1,6 milhão de peixes/dia

45 milhões de sacas de

soja e milho para ração

23 mil empregos

321 mil metros quadrados

de área construída

18 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Convidados, a dupla Bruno

& Diego e Daniel durante as

comemorações dos 55 anos

“Nossos valores

são o maior legado”

Superar a descrença em uma

cooperativa que enfrentava dificuldades

financeiras foi o maior

desafio para a implantação do

Plano de Modernização da C.Vale

na década de 1990. Combinando

inovações como a climatização de

aviários e a divisão do ICMS entre

os municípios, a avicultura da cooperativa

deslanchou e, atualmente,

são abatidos 530 mil frangos/dia.

“A fórmula que empregamos foi

a combinação de planejamento, fé

e persistência”, contou o presidente

Alfredo Lang aos convidados

durante os eventos que marcaram

os 55 anos da cooperativa, em novembro.

Essa mesma estratégia ele pretende

usar para a implantação da

segunda versão do plano, ampliando

a geração de renda, empregos

e tributos. O dirigente avalia que

todos os associados serão beneficiados.

“O lucro gerado pela industrialização

permitirá à C.Vale

investir em melhorias e ampliações

nas unidades de recebimento de

grãos”, assegurou.

Lang acredita que a cooperativa

tem a missão de deixar um mundo

mais promissor às novas gerações.

Em discurso para associados, funcionários

e familiares, ele afirmou

que o sentido da existência humana

não é acumular riqueza, mas deixar

valores. “Nossos valores falarão

por nós e é por eles que seremos

julgados. Eles são o nosso maior

legado, afinal, valores inspiram,

valores encorajam, valores ecoam

pela eternidade.”

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 19


55 ANOS

Associados elogiam

solidez da C.Vale e

alternativas de renda

DIVERSIFICAÇÃO E SEGURANÇA

NOS NEGÓCIOS SE DESTACAM

Associados e familiares que participaram

das comemorações dos 55 anos da C.Vale

elogiaram a atuação da cooperativa. A geração

de renda proporcionada pela diversificação de

atividades e a segurança na realização de negócios

foram os pontos mais comentados.

Marli Frietzke, de Maripá (PR), reconheceu

que a avicultura permitiu que os filhos permanecessem

na propriedade. “Quando eles terminaram

o segundo grau, disseram que não queriam

fazer faculdade e pediram para o pai fazer

aviários. A gente construiu um, depois outro e

agora vamos fazer o terceiro”, conta. Segundo

ela, a renda melhorou e os filhos seguem no

campo. Clélio Argenton de Assis Chateaubriand

(PR), comentou que “com cinco hectares, se eu

não tivesse avicultura, não teria conseguido dar

estudo aos filhos e manter a família”.

Luiz Divino, de Nova Mutum (MT), elogiou

a gestão da empresa. “Quero parabenizar a direção

da C.Vale pelo trabalho. É uma cooperativa

que cresceu pela honestidade e pelo trabalho.”

Para Marcelo Barbosa de Souza, de Campo

Mourão (PR), “a assistência técnica é muito

boa”. Alisson Marcon, de Pitanga (PR), entende

que a cooperativa “está ajudando muito tanto

na agricultura quanto na pecuária”. O gaúcho

Vilson Schulz, de Ijuí, ficou impressionado com

as plantas industriais de frangos e de peixes.

“Nunca imaginei frigoríficos desse tamanho.”

• “A C.Vale é muito

respeitada em Mato Grosso.

É uma cooperativa que

cresceu pela honestidade

e pelo trabalho.”

Luiz Divino,

Nova Mutum (MT)

• “Como produtor, a gente

precisa ter segurança tanto na

compra quanto na venda da

produção. A C.Vale tem solidez

e passa confiança.”

Lúcio de Souza dos Santos

Antônio João (MS)

20 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Convidados acompanham discurso

de Lang e se divertem com Daniel

• “O agricultor tem

uma confiança muito

grande na C.Vale.

O que é tratado é

cumprido.”

Carlos Trevisan,

Catuípe (RS)

• “A C.Vale é uma

empresa sólida.

Representa uma

abertura de opção

para comprar e vender.”

Sidnei Kano

Nova Cantu (PR)

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 21


55 ANOS

Cantor visita

indústria e elogia

carne de tilápia

DANIEL CONHECEU O

ESTRUTURA DO FRIGORÍFICO

DE PEIXES DA C.VALE

Em sua segunda passagem pela

C.Vale, o cantor Daniel disse

que se sentiu em casa. Ele esteve na

sede da cooperativa, onde se reuniu

com integrantes da Comissão de

Integração dos Comitês Educativos

(Cice) e com a diretoria-executiva.

O presidente da C.Vale, Alfredo

Lang, disse ao cantor que a decisão

de trazê-lo pela segunda vez para

evento da cooperativa foi motivada

pelo carisma, pela simplicidade e

pela sintonia que o cantor demonstrou

com a filosofia de atuação da

C.Vale durante sua participação

nas comemorações dos 50 anos,

em 2013.

Daniel também visitou o abatedouro

de peixes e disse ter ficado

impressionado com a estrutura e

Daniel reunido com lideranças da C.Vale (foto superior) e em visita ao frigorifico de

peixes, acompanhado pelo presidente Alfredo Lang: impressionado com a tecnologia

com a tecnologia. Depois de participar

de almoço em que experimentou

carne de tilápia, ele elogiou

o alimento e a indústria. “É um

diferencial, a crocância, o paladar

que você tem é incrível. Estou saindo

fascinado com a proporção que

isso vai ter no futuro”, garantiu o

cantor.

Para viabilizar a realização dos

três shows com o cantor sertanejo

que reuniram 7.500 convidados,

dias 27,28 e 29 de novembro, a

C.Vale mobilizou 120 funcionários.

22 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 23


DESEMPENHO

C.Vale deve faturar mais

de R$ 8 bilhões em 2018

CRESCIMENTO SE DARÁ

APESAR DE PROBLEMAS COM

EXPORTAÇÕES E FRETES

faturamento da C.Vale deve ficar

em torno de R$ 8,2 bilhões

O

em 2018. Esse número representa

um crescimento de aproximadamente

20% sobre os R$ 6,8 bilhões

de 2017. “A ampliação da área de

ação deu certo”, disse o presidente

da cooperativa, Alfredo Lang, às

400 pessoas que participaram, no

dia 11 de dezembro, da confraternização

de lideranças, na Asfuca

de Palotina.

No seu balanço de final de ano,

ele antecipou que a C.Vale vai

apresentar sobras na assembleia

de fevereiro de 2019, mas o valor

será inferior ao esperado. Segundo

ele, 2018 foi um ano conturbado

em função de problemas como a

tabela de fretes rodoviários criada

após a greve dos caminhoneiros em

maio. As limitações às exportações

de carne de frango para a Europa

Lang: C.Vale está cumprindo missão de melhorar condições de vida dos associados

e China também atrapalharam os

resultados, prosseguiu o dirigente.

Lang lembrou o lançamento do

plano de investimentos para os próximos

30 anos, realizado no final de

novembro, e pediu que os associados

continuem apostando na diversificação

de atividades. “O processo

de agroindustrialização é viável e

permite que os filhos permaneçam

na propriedade”, justificou.

Ele acredita que o crescimento

previsto no novo plano de modernização

se dará antes do final das

três décadas. Para Lang, a responsabilidade

das lideranças “é conduzir

a cooperativa para um lugar

seguro e promissor”.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - Estiveram

na sede da C.Vale, no dia 11 de dezembro, para

visita de negócios, o superintendente nacional de

agronegócio da CEF, Ricardo Araújo, o gerente

de clientes e negócios da superintendência regional

oeste do PR, Marcelo Camargo, o vice-

-presidente de produtos de varejo, Fábio Lenza,

os gerentes regionais Mauro Misturini e Ezio

Lena, a consultora Andressa Vieira e o gerente

geral da agência Palotina, Laércio Carniel. Eles

foram recebidos pelo presidente da C.Vale, Alfredo

Lang, pelo vice Ademar Pedron, diretor-

-secretário Walter Andrei Dal’Boit e pelo gerente

do Departamento Financeiro, Robson Wolfe.

24 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 25


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Circo Ático animou

estudantes nos três dias do

encerramento do programa

COOPERJOVEM

É ALEGRIA NO AR

20 a EDIÇÃO DO PROGRAMA

ENVOLVEU MAIS

DE 1.600 ESTUDANTES

tempo instável e, por vezes,

O com chuva forte não foi suficiente

para conter a empolgação

dos 1.680 alunos que participaram

do encerramento do Cooperjovem.

Ao contrário, a energia dos estudantes

pareceu ainda maior pelo

fato de ficarem concentrados no

salão principal da Asfuca, onde

estavam os brinquedos da festa

de encerramento da 20ª edição

do programa desenvolvido pela

C.Vale, Basf e Serviço Nacional de

Aprendizagem do Cooperativismo

(Sescoop/PR).

Depois de passarem a maior

parte do ano letivo recebendo

orientações de 82 professores sobre

os fundamentos e benefícios

do cooperativismo, os estudantes

aproveitaram os três dias de brincadeiras

e atrações preparadas pelos

organizadores. Além das recreações

coordenadas por acadêmicos

da Unipar, os alunos vibraram

RAIO X DO

COOPERJOVEM 2018

Alunos 1.680

Escolas 55

Turmas 103

Professores 82

com o show de contorcionismos e

malabarismos do Circo Ático, de

Toledo (PR). Eles conheceram os

vencedores do concurso de desenhos

sobre o tema “C.Vale, 55 anos

construindo o futuro”.

O Cooperjovem envolveu estudantes

de 103 turmas de 55 escolas

de Alto Piquiri, Assis Chateaubriand,

Brasilândia do Sul, Francisco

Alves, Maripá, Nova Santa Rosa,

Palotina e Terra Roxa.

O vice-presidente da C.Vale,

Ademar Pedron, e o diretor-secretário

Walter Dal’Boit participaram

da abertura e agradeceram o empenho

dos professores e das secretarias

municipais de Educação na

execução do Cooperjovem.

ALUNOS PREMIADOS

• Quatro estudantes ganharam

bicicletas por vencerem o concurso

de desenhos. Lara Rocha, da Escola

Dionísio Pedrini, de Francisco Alves,

Pedro Johan, da Escola Arnaldo Busato,

de Nova Santa Rosa, Mayane

Coghi, de Assis Chateaubriand, e

Brendha de Souza, da Escola Celina

de Araújo, de Palotina.

26 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Alunos e professores

ganhadores da região que envolve

Alto Piquiri, Brasilândia

do Sul e Francisco Alves

Premiados entre as escolas

de Maripá, Nova Santa Rosa e

Terra Roxa

Ganhadores entre as escolas

de Assis Chateaubriand

Grupo de professores e alunos

que venceu entre escolas de

Palotina

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 27


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Premiação aos

participantes do

Cooperjovem

A C.Vale distribuiu prêmios aos

participantes do Cooperjovem. Os

quatro alunos que produziram os

melhores desenhos receberam uma

bicicleta de 21 marchas cada.

A premiação a alunos e professores

incluiu malas personalizadas,

bolsas térmicas, kits escolares, estojos,

canecas, jogos didáticos, camisetas

e frango desossado. As escolas

dos alunos vencedores receberam

vale-compras.

DESTAQUES NOS DESENHOS

Aluno Escola Professora

Heloisa dos Santos

Lara da Silva

Iasmim Galvão

Jabyane Medina

Maria Calgaro

Lívia Baessa

Nair dos Santos

(Brasilândia do Sul)

Mirante do Piquiri

(Alto Piquiri)

Leopoldo Kuroli

(Maripá)

Rainha dos Apóstolos

(Terra Roxa)

Paulo Pimentel

(Assis Chateaubriand)

José Paschoal de Paula

(Assis Chateaubriand)

Ana Maria da Silva

Roseli Guelsi

Rosali Andrioli

Ângela Biscliari

Roselaine Rodrigues

Tatiany Bernardes

Pedro Viana

Luiz Moacir Percicoti

(Palotina)

Liliane Mosconi

Miguel Nava Escola Atlas/Ceeduc Vera Araújo Kons

28 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 29


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Grupo de jovens

começou a trabalhar na

cooperativa em outubro

C.Vale contrata 105

novos jovens aprendizes

ELES VÃO ATUAR NA

COOPERATIVA PELO

PERÍODO DE 21 MESES

Cento e cinco novos jovens

aprendizes começaram a trabalhar

em outubro na C.Vale. Eles vão

atuar em áreas administrativas da

sede da cooperativa e do complexo

agroindustrial.

Acompanhados dos pais, os

jovens foram recebidos, dia 16 de

outubro, na Asfuca de Palotina,

pelo vice-presidente da cooperativa

Ademar Pedron, que deu

orientações. “Sejam responsáveis,

transparentes, honestos com vocês

mesmos e com a empresa. Vocês

terão a oportunidade de crescer

dentro da cooperativa”, recomendou.

Mércio Paludo, presidente da

União de Ensino Superior do Paraná

(Uespar), entidade responsável

pela formação teórica do grupo,

sugeriu aos jovens que “deem o

Ademar Pedron, vice-presidente

da C.Vale, deu as boas-vindas

aos jovens

máximo, sonhem, e um dia

vocês serão grandes como

a C.Vale”.

Os jovens aprendizes

vão trabalhar durante o

período de contraturno escolar

e frequentarão aulas

aos sábados na Uespar em

Palotina. Eles terão carga de 20

horas semanais, remuneração pelo

salário mínimo-hora, vale alimentação

e plano odontológico.

O programa Jovem Aprendiz é

oferecido pela C.Vale em parceria

com o Sescoop/PR.

30 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Grupo conclui curso

de liderança jovem

TURMA PASSOU POR SEIS

MÓDULOS DE FORMAÇÃO

DURANTE 2018

Um grupo de 17 filhos de associados

da C.Vale concluiu, no

dia 19 de novembro, o programa de

formação de liderança jovem. Durante

sete meses, eles participaram

de seis módulos em que receberam

orientações sobre a C.Vale, projeto

de vida, comunicação e oratória,

gestão da propriedade, liderança e

educação cooperativista. A iniciativa

reuniu jovens com idade entre

16 e 30 anos de Palotina, Maripá,

Terra Roxa, Assis Chateaubriand

e Guaíra.

O consultor Elizeu Hoffmann

disse, durante palestra de encerramento

do curso, na Asfuca de

Palotina, que os pais devem repassar

responsabilidade aos filhos

para que eles amadureçam como

sucessores.

Segundo ele, isso ajuda a fazer

com que os jovens tenham mais

prazer em permanecer na propriedade.

Hoffmann acrescentou

que eventuais conflitos devem ser

solucionados por meio do diálogo.

“Há uma crise comportamental na

sociedade. A primeira coisa que a

gente precisa fazer é sentar e resolver

esses conflitos.”

O programa é promovido pela

C.Vale em parceria com o Serviço

Elizeu Hoffmann: solução de

conflitos deve passar pelo diálogo

Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

(Sescoop/PR). Desde

a primeira edição do evento, em

2010, mais de 200 pessoas passaram

pela qualificação.

A formatura do

grupo aconteceu no

final de novembro

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 31


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Prêmio aos

professores

C.VALE HOMENAGEIA

AUTORES DE PROJETOS

EDUCACIONAIS COOPERATIVOS

Professores do ensino fundamental

de escolas públicas e particulares

dos municípios de Assis Chateaubriand,

Brasilândia do Sul, Nova Santa Rosa e

Terra Roxa, no Paraná, que trabalharam

o programa Cooperjovem ao longo de

2018, participaram do encontro de encerramento

do PEC (Projeto Educacional

Cooperativo).

Ao todo, foram expostos 14 trabalhos,

desenvolvidos através da parceria

entre a C.Vale, Sescoop, professores,

alunos, pais e secretarias de educação,

e revelados os três melhores projetos.

Foram premiadas as professoras

Rafaela Cristina Donadel, da Escola

Rural Municipal Maria Carolina Engel,

de Terra Roxa, que desenvolveu o projeto

Valorização Cultural e Mudanças

de Hábitos. Também foi homenageada

Kamilla Regina da Silva Santana, do

Colégio Integração de Assis Chateaubriand,

com o projeto Cooperação e

Cidadania no Trânsito, Bom Para Todos.

Cledia Janete Vinciguerra Diniz,

da Escola Municipal Getúlio Vargas,

de Nova Santa Rosa, foi premiada pelo

projeto Doação de Sangue: Salvar Vidas

Um Ato De Amor.

Escola Rural Municipal Maria Carolina Engel, de Terra Roxa

Colégio Integração, de Assis Chateaubriand

SENSO DE COOPERAÇÃO

• O vice-presidente Ademar Pedron

recepcionou os professores no evento.

Para ele o programa ajuda a desenvolver

o senso de cooperação nas crianças. “Todos

os professores estão de parabéns.

São trabalhos belíssimos, que devem

servir de exemplo. A gente precisa

manter vivo o espírito do cooperativismo.

Essas crianças serão os futuros

dirigentes, associados e funcionários da

C.Vale”, pontuou Pedron.

Escola Municipal Getúlio Vargas, de Nova Santa Rosa

32 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Papai Noel

chegou

NATAL SOLIDÁRIO DA C.VALE

E CORTEVA BENEFICIA

MAIS DE 1.400 CRIANÇAS

Crianças de seis centros municipais

de educação infantil

(CMEIs) de Palotina foram beneficiadas

por uma iniciativa da C.Vale

e Corteva. As duas empresas promoveram

a décima segunda edição

do Natal Solidário, iniciativa que

combinou uma tarde de lazer, lanches

e a visita do Papai Noel.

No CMEI Girassol, cada criança

recebeu um presente do “bom

velhinho”, no dia 3 de dezembro.

Neste ano, o programa beneficiou

1.460 crianças.

EVENTO CONTAGIANTE

A gerente de RH da C.Vale, Sandra

Cantu, participou da cerimônia.

Ela parabenizou os profissionais

da educação pela atenção e cuidado

com as crianças. “A alegria das

crianças ao verem o papai Noel é

contagiante. É muito emocionante

participar de um evento tão bonito

quanto este”, destacou.

Vinicius Livi, gerente do Departamento

de Insumos completou dizendo

que “cuidar e proporcionar

o bem-estar às crianças é investir

no futuro”. Raphael Volpatto, representante

de vendas da Corteva,

agradeceu à C.Vale pela preocupação

com as crianças e observou que

a empresa “tem compromisso com

as questões sociais”.

Também acompanharam o ato

o vice-prefeito de Palotina Idenir

Brum, funcionários da Secretaria

Municipal de Educação e funcionários

da cooperativa.

Profissionais da C.Vale e Corteva, durante evento no CMEI Girassol

Papai Noel

distribuiu presentes

às crianças

34 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 35


DIA DE CAMPO 2019

Inovação, manejo

e rentabilidade

EVENTO ACONTECERÁ DE 15 A 17 DE

JANEIRO, NO CAMPO EXPERIMENTAL

DA C.VALE EM PALOTINA

Novas tecnologias para altas produtividades

e manejo de solo, pragas e ervas daninhas

estão entre os principais temas da edição

de 2019 do Dia de Campo de Verão da C.Vale.

Para orientar o produtor sobre técnicas que

permitam melhorar as condições estruturais do

solo e o desenvolvimento das plantas, a C.Vale

convidou o pesquisador José Eloir Denardin,

da Embrapa Trigo de Passo Fundo (RS), para

participar do evento, programado para 15,16 e

17 de janeiro de 2019, em Palotina (PR).

“Precisamos evitar a compactação e melhorar

a conservação do solo para evitar perdas de

fertilizantes e corretivos, e estruturá-lo melhor

através da rotação de culturas”, explica o engenheiro

agrônomo Enoir Pellizzaro, coordenador

do Dia de Campo.

O Campo Experimental oferecerá outras

atrações aos produtores. Durante os três dias,

a partir das 8 horas da manhã, empresas de sementes,

fertilizantes e agroquímicos vão expor

produtos e serviços em seus stands.

Especialistas e técnicos convidados pelas

empresas farão palestras aos produtores rurais.

Os últimos avanços tecnológicos das culturas

de verão serão apresentados por universidades

e instituições de pesquisa.

36 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Ponte entre empresas

e os produtores rurais

• Os produtores também poderão conferir

novidades de fabricantes de máquinas e

implementos agrícolas. Empresas do setor

vão mostrar seus produtos em apresentações

estáticas e dinâmicas.

• Criadores de suínos, frangos e peixes também

receberão orientações sobre manejo das

atividades. Os visitantes poderão acompanhar

a 18ª Mostra da Bezerra e da Novilha Leiteira,

torneio leiteiro e palestras técnicas.

• As integrantes dos núcleos femininos

participarão do evento com exposição e comercialização

de produtos.

• Para o presidente da C.Vale, Alfredo Lang,

o Dia de Campo permite que os produtores se

atualizem para aproveitar melhor as oportunidades

do agronegócio. “O Dia de Campo da C.Vale

promove uma ponte entre as empresas e os

produtores rurais a fim de garantir avanços ao

agronegócio”, pontuou o Lang.

Última edição do evento atraiu

mais de 15 mil pessoas ao Campo

Experimental em Palotina

O que o visitante vai

encontrar no Dia de Campo

Empresas 128

Instituições de pesquisa 2

Instituições de ensino 1

Variedades de soja 36

Híbridos de milho 63

Variedades de mandioca 20

Ervas medicinais 8

Espécies forrageiras 28

Programas nutricionais 36

Parcelas demonstrativas

de defensivos

97

Parc. demonstrativas C.Vale 46

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 37


INDICADORES DE DESEMPENHO

INTEGRADOS MAIS EFICIENTES

OUTUBRO E NOVEMBRO DE 2018

Aviários convencionais

PRODUTOR MUNICÍPIO IEP

1 Sadi Schirmer Nova Santa Rosa 461

1 Norberto Reiss Nova Santa Rosa 461

2 Carlos Gris Palotina 460

3 Carlos Gris Palotina 457

4 José dos Santos Assis Chateaubriand 454

5 Clélio Argenton Assis Chateaubriand 452

6 Ari Martini Palotina 451

7 Juliana Branco Cafezal do Sul 448

7 Valdeci Sanchez Assis Chateaubriand 448

8 Leodir Casarotto Palotina 447

9 José Zamiam Terra Roxa 446

10 Antônio Zorzan Júnior Assis Chateaubriand 444

11 Jovenilo de Carli Palotina 442

11 Mário Molinari Francisco Alves 442

11 Marcos Gall Nova Santa Rosa 442

12 Orlando de Gouveia Iporã 441

12 Ari Martini Palotina 441

13 Bortolo Trovo Iporã 440

13 Neudi Pandolpho Palotina 440

13 Marcos Gall Nova Santa Rosa 440

14 Maria Hirata Iporã 439

15 Vilamir Tussi Francisco Alves 437

Aviários climatizados

1 Luiz de Freitas Assis Chateaubriand 485

2 Ronaldo Ioris Palotina 465

3 Ronaldo Ioris Palotina 464

4 Ronaldo Vendrame Palotina 460

5 Sebastião Dal’Boit Assis Chateaubriand 458

5 Fernando Marques Terra Roxa 458

6 Ivanilda Barbosa Assis Chateaubriand 457

6 Terezinha Marion Terra Roxa 457

6 Bernardo Pastore Maripá 457

6 José dos Santos Assis Chateaubriand 457

7 Ivanir Locatelli Palotina 456

7 Sebastião Dal’Boit Assis Chateaubriand 456

8 Euzébio Ferreira Assis Chateaubriand 455

9 Elisandro Puziski Palotina 453

9 José dos Santos Assis Chateaubriand 453

9 Ivanir Locatelli Palotina 453

9 Bernardo Pastore Maripá 453

10 Giuvana Mocellin Assis Chateaubriand 452

10 Vinicio de Castro Assis Chateaubriand 452

10 Osvaldo Favaro Assis Chateaubriand 452

11 Adão Assis Assis Chateaubriand 451

11 José Carlos Pires Assis Chateaubriand 451

11 Ronaldo Vendrame Palotina 451

12 Ivete Henz Palotina 450

12 Ronaldo Vendrame Palotina 450

13 Ricardo Müller Maripá 448

14 Antônio da Silva Tupassi 447

14 Osvaldo Favaro Assis Chateaubriand 447

14 Paulo Michelon Assis Chateaubriand 447

14 João Orlando Assis Chateaubriand 447

14 Carlos Mattiuzzi Palotina 447

14 Ivanir Locatelli Palotina 447

14 José Tondo Palotina 447

15 Paulo Michelon Assis Chateaubriand 446

15 Airton Moreira Terra Roxa 446

MAIORES PRODUTORES DE LEITE

em litros

OUTUBRO DE 2018

PRODUTOR PRODUÇÃO LOCAL

1 Valdemar Pedrini 59.139 Francisco Alves

2 Silvone de Souza 53.401 Terra Roxa

3 Ronaldo de Souza 50.776 Francisco Alves

4 Granja Sol Nascente 50.498 Palotina

5 Granja Qualytá 46.510 Palotina

6 Elias Grubert 42.395 Maripá

7 Granja Sem Limite 41.827 Terra Roxa

8 João Pereira 39.952 Francisco Alves

9 Ricardo Feuser 36.651 Palotina

10 Eugênio Rossato 33.234 Terra Roxa

NOVEMBRO DE 2018

PRODUTOR PRODUÇÃO LOCAL

1 Valdemar Pedrini 57.418 Francisco Alves

2 Silvone de Souza 53.616 Terra Roxa

3 Granja Sol Nascente 53.048 Palotina

4 Granja Qualytá 48.343 Palotina

5 Ronaldo de Souza 43.944 Francisco Alves

6 Granja Sem Limite 43.165 Terra Roxa

7 Elias Grubert 42.797 Maripá

8 João Pereira 35.935 Francisco Alves

9 Ricardo Feuser 33.925 Palotina

10 Eugênio Rossato 32.093 Terra Roxa

MAIORES MÉDIAS DE LEITE

em litros

OUTUBRO DE 2018

PRODUTOR MÉDIA LOCAL

1 Silvone de Souza 35,60 Terra Roxa

2 Granja Sol Nascente 33,67 Palotina

3 Granja Qualytá 32,06 Palotina

4 Elias Grubert 31,40 Maripá

5 Luis Carlos Vanelli 29,23 Francisco Alves

6 Osnir Schulz 27,83 Maripá

7 Alírio José Vanelli 26,69 Francisco Alves

8 Irineu Campagnolo 25,21 Maripá

9 Sitio Amizade 23,70 Palotina

10 Família Correa 23,46 Terra Roxa

NOVEMBRO DE 2018

PRODUTOR MÉDIA LOCAL

1 Silvone de Souza 35,74 Terra Roxa

2 Anderson Dalastra 33,36 Palotina

3 Granja Qualytá 31,23 Palotina

4 Elias Grubert 30,35 Maripá

5 Osnir Schulz 29,93 Maripá

6 Luis Carlos Vanelli 28,96 Francisco Alves

7 Irineu Campagnolo 26,15 Maripá

8 Alírio José Vanelli 26,10 Francisco Alves

9 Sítio Amizade 23,46 Palotina

10 Granja Sem Limite 22,14 Terra Roxa

38 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


INDICADORES DE DESEMPENHO

MELHORES RESULTADOS NA PISCICULTURA

Outubro 2018 Novembro 2018

CONVERSÃO ALIMENTAR

PRODUTOR MUNICÍPIO CONVERSÃO

ALIMENTAR

1º Edemar Burin Palotina 1,221

2º Isoldi Zizman Nova Santa Rosa 1,348

3º Nicolau Volkweiss Nova Santa Rosa 1,398

CONVERSÃO ALIMENTAR

PRODUTOR MUNICÍPIO CONVERSÃO

ALIMENTAR

1º Jean Bottini Assis Chateaubriand 1,248

2º Ademir Silva Assis Chateaubriand 1,268

3º Clemar Preussler Assis Chateaubriand 1,366

GPD (GANHO DE PESO DIÁRIO – gramas)

PRODUTOR MUNICÍPIO GPD

1º Christihan Wutzke Terra Roxa 3,38

2º Isoldi Zizman Nova Santa Rosa 3,05

3º Paulo de Souza Assis Chateaubriand 2,98

GPD (GANHO DE PESO DIÁRIO – gramas)

PRODUTOR MUNICÍPIO GPD

1º Everaldo de Oliveira Assis Chateaubriand 3,15

2º Edemar Burin Palotina 3,10

3º Clemar Preussler Assis Chateaubriand 2,90

RENDIMENTO DE FILÉ

PRODUTOR MUNICÍPIO RENDIMENTO

1º Nicolau Volkweiss Nova Santa Rosa 39,06%

2º Isoldi Zizman Nova Santa Rosa 38,76%

2º Alaor Amboni Francisco Alves 38,76%

3º Christihan Wutke Terra Roxa 38,62%

RENDIMENTO DE FILÉ

PRODUTOR MUNICÍPIO RENDIMENTO

1º Clemar Preussler Assis Chateaubriand 38,25%

1º Everaldo de Oliveira Assis Chateaubriand 38,25%

2º Reinaldo de Souza Assis Chateaubriand 38,15%

3º Jean Bottini Assis Chateaubriand 38,10%

MELHORES TERMINADORES

DE SUÍNOS - C.VALE/FRIMESA

Conversão Alimentar Ajustada

(74,5 kg de carcaça) em OUTUBRO de 2018

PRODUTOR UNIDADE CONVERSÃO

MELHORES TERMINADORES

DE SUÍNOS - C.VALE/FRIMESA

Conversão Alimentar Ajustada

(74,5 kg de carcaça) em NOVEMBRO de 2018

PRODUTOR UNIDADE CONVERSÃO

1º OSMAR DAUHS** SANTA RITA 2,480

2º SIMONE D. FRITZ* MARIPÁ 2,513

3º ADOLAR GIESE* MARIPÁ 2,523

4º MARINO GABRIEL* SANTA FÉ 2,545

5º IVETE D. KOLLING* SANTA FÉ 2,550

*Leitões UPL ** Leitões Campo

1º ANTONINHO VIECELI* PALOTINA 2,539

2º GILMAR GATSK** SANTA RITA 2,602

3º ELOI ELERT* MARIPA 2,631

4º HARDI HASPER* SANTA RITA 2,637

5º SAMUEL M. SCHULZ** PÉROLA 2,661

*Leitões UPL **Leitões Campo

MÁQUINAS – A Associação Brasileira da Indústria

de Máquinas e Equipamentos quer que o governo federal

amplie em R$ 3 bilhões o valor disponível para

o Moderfrota, programa de financiamento para aquisição

de máquinas agrícolas. A entidade justifica que

os recursos devem se esgotar em março. Quarenta e

seis por cento dos R$ 9 bilhões disponibilizados pelo

atual Plano Safra já foram tomados em empréstimos

para a compra de máquinas.

FRETE – Entidades empresariais querem que o novo

governo revogue a lei que criou a tabela de fretes rodoviários.

As associações que representam segmentos

do setor produtivo estão pessimistas quanto a uma

resposta do Supremo Tribunal Federal às ações que

questionam a constitucionalidade da lei. Uma das propostas

dos empresários é a redução dos tributos sobre

o óleo diesel, mas a ideia enfrentaria resistência dos

governadores porque implicaria em perda de receita.

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 39


OLHARES DO CAMPO

A seção Olhares do Campo traz, nesta edição, imagens captadas por associados

da C.Vale do município de Jóia (RS), região noroeste do Rio Grande do Sul. As fotografias

mostram a visão dos produtores em suas atividades agropecuárias.

Nair Fachin

Recanto

da Produção

Na Granja União,

localizada em Rincão

Comprido, município de

Augusto Pestana (RS),

o associado da C.Vale,

Paulo Antonio Gubert,

confere de perto o desenvolvimento

da lavoura

de trigo, nas coxilhas

da região noroeste

do estado.

União de

resultados

Os associados da C.Vale,

Ademir e Alessandro de

Souza, após conversa de

alinhamento técnico com

o engenheiro agrônomo

da cooperativa Patric

Martini. Pai e filho

são responsáveis pela

condução da propriedade

de 400 hectares, localizada

no município de Jóia.

Guilherme Mena Barreto

Pausa na

colheita

O administrador Jaderson

Augusto Sost durante uma pausa na

colheita de inverno na propriedade

de 400 hectares da família Fontana,

formado por um grupo de cinco

associados que operam com a C.Vale

desde o início das atividades da

cooperativa no Rio Grande do Sul.

40 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


DÉCADAS DE COOPERATIVISMO

ASSOCIADOS ATIVOS QUE COMPLETAM 25, 30, 35, 40 E

45 ANOS DE ADMISSÃO EM NOVEMBRO E DEZEMBRO/2018

ASSOCIADO ADMISSÃO LOCAL ASSOCIADO ADMISSÃO LOCAL

25 ANOS

Aumir Kuki 09/11/1993 Palotina

Airton Della Valentina 09/11/1993 Encantado do Oeste

Nelson Calgaro 09/11/1993 Encantado do Oeste

Aparecido De Assis 09/11/1993 Assis Chateaubriand

Carlos Quagio 09/11/1993 Alto Piquiri

Nelcy Salvario 09/11/1993 Assis Chateaubriand

Nolimar Daltoé 09/11/1993 Assis Chateaubriand

Clélio Argenton 07/12/1993 Assis Chateaubriand

Valdir Pavani 07/12/1993 Assis Chateaubriand

Antônio Facco 07/12/1993 Clevelândia

Francisco Facco 07/12/1993 Abelardo Luz

Carlos Mattiuzzi 07/12/1993 Palotina

30 ANOS

Francisco Guerini 01/11/1988 Palotina

Carlos Oliveira 01/11/1988 Bela Vista

Carlos Bortoluzzi 01/11/1988 Novo Horizonte

Mauri Hunger 01/11/1988 Nova Mutum

Sérgio Mariani 01/11/1988 Palotina

Osvaldo Balzan 01/11/1988 Diamantino

Janice Novelli 01/11/1988 Nova Mutum

Tarcisio Bach 02/12/1988 Rio Brilhante

Enilson Gris 02/12/1988 Palotina

Lori Araci Schroder 02/12/1988 Amambai

Claudete Rossato 02/12/1988 Palotina

Clair Sgarbi 02/12/1988 Palotina

José Vendruscolo 02/12/1988 Palotina

Nailo Bottcher 02/12/1988 Palotina

Wilmo Benetti 02/12/1988 Palotina

Waldemar Schonwald 02/12/1988 Candeia

Írio Herchen 02/12/1988 Maripá

Eneci Geovani Rizzo 21/12/1988 Palotina

Ivair Dreon 21/12/1988 Palotina

José Luiz Soares 21/12/1988 Terra Roxa

35 ANOS

Anoldo Francisco 16/11/1983 São Francisco

Messias de Assis 16/11/1983 Assis Chateaubriand

Osmar Salvador 16/11/1983 Assis Chateaubriand

Paulo da Costa 16/11/1983 Assis Chateaubriand

Nelson Weber 16/11/1983 Santa Rita do Oeste

Amauri da Costa 30/11/1983 Assis Chateaubriand

Francisco de Alcântara 30/11/1983 Assis Chateaubriand

Sebastião da Silva 30/11/1983 Terra Nova do Piquiri

40 ANOS

Élio Inácio Holz 15/12/1978 Palotina

Valdir Vicenzi 15/12/1978 Palotina

Noimar Luiz Rosso 15/12/1978 Palotina

Enori Pellizzaro 15/12/1978 Bairro Catarinense

Jandir Bilibio 15/12/1978 Palotina

Osmir Chiapetti 15/12/1978 Palotina

Claudino Griesang 15/12/1978 Palotina

Elias Nilo Grubert 15/12/1978 Maripá

José Maria da Costa 15/12/1978 Terra Roxa

Hélio de Andrade 15/12/1978 Encantado Do Oeste

Iluminato Nascimento 15/12/1978 Encantado Do Oeste

José Franco

15/12/1978 Encantado Do Oeste

Amador da Silva 15/12/1978 Encantado Do Oeste

Bernardo Pastore 15/12/1978 Candeia

Lotário Hein 15/12/1978 Palotina

45 ANOS

Arnaldo Pradella 13/11/1973 Palotina

Bertoldo Schmidt 13/11/1973 Pérola Independente

Hilário Jordan 13/11/1973 Maripá

Manfred Wimmer 13/11/1973 Palotina

Onório Bordignon 13/11/1973 Palotina

Helmuth Poerner 27/11/1973 Maripá

Noel Gavião 27/11/1973 Palotina

FRANGO – Vinte e seis frigoríficos de aves no Rio

Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais,

Goiás e Distrito Federal foram habilitados a exportar

ao México. O país latino-americano importa 13 por

cento da carne de frango que consome e os maiores

fornecedores são Brasil, Estados Unidos e Chile.

SEGURO – O governo federal decidiu reduzir o

percentual de subsídio do seguro de 45 para 35% para

o trigo, frutas e milho safrinha a partir de 2019. A Confederação

Nacional da Agricultura e Pecuária concorda

com a medida, mas defende maior volume de recursos

para subsidiar o seguro do milho, do trigo e das frutas.

Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 41


PARANÁ

Lang (de gravata) com o grupo

de 40 representantes da C.Vale

no Encontro de Cooperativistas

Fotos: Rafael Danielewicz/Guilherme Pupo

Crescimento consistente

COOPERATIVAS DO PR

ELEVAM FATURAMENTO,

MAS ESPERAM POR

REFORMAS EM 2019

As cooperativas do Paraná conseguiram

crescer em 2018 apesar

das turbulências na economia e

dos problemas no segmento carnes.

O faturamento das 215 associadas

da Organização das Cooperativas

do Estado cresceu 18,9% na comparação

com o ano anterior e totalizou

R$ 83,5 bilhões. As exportações do

setor atingiram 3,9 bilhões de dólares,

valor 3,8% superior ao de 2017.

“Profissionalização, inovação

e modernização da gestão. Esse

é o nosso jeito de funcionar, no

passado, no presente e no futuro”,

afirmou o presidente da Ocepar,

José Roberto Ricken. Ele afirmou

que grande parte dos resultados

obtidos pelas cooperativas está

Ricken defende reformas no setor

de infraestrutura para reduzir custos

relacionada à conquista de novos

mercados, agregação de valor à

produção, otimização das estruturas

e ao processo de integração no

cooperativismo.

COMPETITIVIDADE

Ricken disse, durante o Encontro

Estadual de Cooperativistas, no

dia 6 de dezembro, em Curitiba,

que o setor espera por reformas

para melhorar a competitividade

COPERATIVAS DO

PARANÁ EM 2018

Faturamento

R$ 83,5 bilhões

Funcionários

96.666

Exportações

US$ 3,9 bilhões

Impostos

R$ 2,1 bilhões

Associados

1,8 milhão

Novos empregos

3.522

do Brasil. “Nosso desejo é que

sejam implementadas reformas

consistentes que equacionem as

deficiências estruturais existentes,

principalmente em relação à

demanda por investimentos em

infraestrutura tais como: portos,

ferrovias, rodovias, energia, dentre

outras, origem dos custos elevados

da logística que têm penalizado a

nossa competitividade”, afirmou

o presidente da Ocepar.

42 Revista C.Vale | Nov / Dez de 2018


Nov / Dez de 2018 | Revista C.Vale 43

More magazines by this user