REVISTA MÁRCIA TRAVESSONI - EDIÇÃO #12

revistagaleriapmt

Márcio Crisóstomo - Uma carreira pautada na paixão pela pesquisa e no rigor médico As novas fronteiras que a literatura cearense pode alcançar com Angela Gutiérrez + Cultura, Decoração, Estilo, Empreendedorismo e Gastronomia

MÁRCIO

CRISÓSTOMO

Uma carreira pautada na paixão pela

pesquisa e no rigor médico

As novas fronteiras que a literatura

cearense pode alcançar com

ANGELA GUTIÉRREZ

+ Cultura, Decoração, Estilo,

Empreendedorismo e Gastronomia

12


Voe World Business Class

Relaxe e aproveite o seu espaço particular. Com assentos totalmente

reclináveis e pratos preparados por top chefs, a nova World

Business Class fará você se sentir em casa - klm.com.br

Royal Dutch Airlines

2 MT  3


CONTEÚDO #12

Ano II | Edição #12

EXPEDIENTE

MÁRCIA TRAVESSONI GALERIA É

UMA PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL

QUE ABORDA CULTURA, COMPOR-

TAMENTO, NEGÓCIOS, MODA,

GASTRONOMIA, VIAGENS, LUXO,

GENTE E TUDO QUE

ACONTECE EM FORTALEZA.

DIRETORA-GERAL

Márcia Travessoni

EDIÇÃO

Jéssica Colaço

TEXTOS

Jéssica Colaço

Juscelino Filho

Lucas Magno

Stéphanie Sousa

Vanessa Madeira

FOTOGRAFIA

Alex Campêlo

Camila Lima

Marília Camelo

PRODUÇÃO

Lucas Magno

“uma cirurgia

bem indicada

em um

momento

errado pode

trazer um

resultado

insatisfatório”

14

GALERIA VISITA

O lar da influenciadora digital Nicole

Pinheiro em Fortaleza combina os estilos

clássico e moderno, o apreço pela arte

e o afeto dos momentos em família.

34

EMPREENDEDORISMO

Famosa pela pizza crocante,

a Vignoli investe agora em

uma remodelação do negócio,

com uma nova cara para

os restaurantes e expansão

do modelo expresso.

38

PODER

Primeira mulher a assumir a

Secretaria da Fazenda desde a

fundação do órgão, Fernanda

Pacobahyba está pronta para

vencer mais esse desafio.

58

DELÍCIAS

A paixão de Thaís Sousa

por açaí fez com que

ela transformasse o

fruto paraense em um

negócio com a cara

e o sabor do Ceará

COLABORADORES

Thaís Sousa

Marcela Pinto

Padre Moésio Pereira

COORDENAÇÃO DE MARKETING E COMERCIAL

Naiara Martins

PROJETO GRÁFICO

LaBarca.Design (Porto/Portugal)

DIAGRAMAÇÃO

Allan Victor Vieira

Chico Fábio

Hugo Martins

REVISÃO

Eliezer Araújo

IMPRESSÃO E ACABAMENTO

Gráfica Santa Marta

João Pessoa/PB

5.000 exemplares

→→WWW.MARCIATRAVESSONI.COM.BR

MARKETING E PUBLICIDADE

Marcia Travessoni Comunicação e Eventos LTDA ME

Direção: Fernando José Travessoni de Pinho

Telefone: (85) 3224.4770

E-mail: comercial@marciatravessoni.com.br

CNPJ: 20.416.683/0001-70

44

Referência internacional em

cirurgia de transplante capilar,

o Dr. Márcio Crisóstomo tem o

dom de “ler a alma” do paciente

e atestar se determinada cirurgia

é adequada naquele momento.

76

ARTE

Inquieto, criativo e, por vezes,

subversivo, Narcélio Grud usa

todos os tipos de matéria-prima

e inspirações para expressar

sua pulsante vocação artística.

88

DESIGN & DÉCOR

Comer, comprar, bater papo e

curtir são alguns dos termos

que podem ser associados

a espaços da capital que

apostam no design integrado

e priorizam a convivência.

94 114

ESPELHO

ACONTECE

Apaixonada por moda e tudo Após passar por vários lugares,

mais que envolve design, a exposição “Arte Moderna

estética e décor, a influenciadora

na Coleção Fundação

digital cearense Edson Queiroz” chegou ao

Natasha Pinheiro é a nova Espaço Cultural Unifor.

integrante do time F*Hits.

4 MT  5


Conversa

Gratidão é o sentimento maior que sinto a cada dia da vida. Não apenas pelo

privilégio em levantar diariamente e constatar que estou cercada de pessoas

maravilhosas e que me ajudaram até aqui; sou grata pelas oportunidades com as

quais me deparo, entre elas, a de contar histórias a cada edição da revista GALERIA.

Cada número concluído é uma emoção, uma surpresa, uma descoberta — de quem

mostramos aqui e até uma descoberta de nós mesmos.

É com muito orgulho que estampo a capa da 12ª edição com o Dr. Márcio

Crisóstomo, referêncua mundial em transplante capilar, que dá nome a uma das

maiores referências clínicas de medicina capilar e que, certamente, está em um

momento ímpar da carreira. Pautado pelo rigor nos procedimentos e apaixonado pela

Medicina e pela pequisa, ele é sem dúvida um exemplo para todos nós.

Esta edição traz ainda as novidades empreendidas pelos sócios da Vignoli;

os novos desafios da primeira mulher a assumir a secretaria da Fazenda, Fernanda

Pacobahyba; as metas literárias e administrativas de Angela Gutiérrez à frente da

Academia Cearense de Letras e as delícias gastronômicas do La Pasta Gialla e do

Hard Rock Café Fortaleza.

As queridas Themis Briand, Roberta Juaçaba, Fer Borges e Natasha Pinheiro

contam, nos Espelhos, parte da rotina; e Nicole Pinheiro abre as portas de seu

sofisticado lar na capital cearense. Narcélio Grud e David Valente pincelam

com arte a nossa revista, que tem ainda design, beleza, moda e o registro dos

melhores eventos da cidade.

Boa leitura, have fun!

@MARCIATRAVESSONI

6 MT  7


VIVÊNCIAS

MT

LEVE REQUINTE

O

Brasil sempre foi fonte de inspiração para o universo da

moda e dos acessórios, mas há sempre uma maneira de

surpreender com esse país tão rico. E é isso que Jussara

Regás oferece na sua nova coleção de joias intitulada

“Lux”. Com uma sofisticação absolutamente encantadora,

a inspiração da designer, que comanda a marca J. Regás, surge

da possibilidade de criar através da beleza das pedras preciosas

brasileiras. O citrino, a granada, o topázio, a ametista e o peridoto

ilustram peças que se destacam pelo luxo sutil e a delicadeza.

O resultado é, além de lindo, muito inspirador. “Uma coleção

de formas leves que se apropria do vazio como elemento de

composição”, revela Jussara. @jregasjoias

8 MT  9


HIGHLIGHTS

INAUGURAÇÃO DO BS DESIGN MARCA LANÇAMENTO DOS PRÉDIOS

COM CONCEITO A+ EM FORTALEZA

Empreendimento que já era apontado como referência em arquitetura

e inovação desde o projeto, o BS Design Corporate Towers foi inaugurado

em março, com um suntuoso evento que contou, entre outras

surpresas, com show de Toquinho e Paulo José. Entre as características

que diferenciam o edifício, chama atenção a grandiosidade do

projeto: são mais de 10 mil m² de área total, dos quais 4.200 m² são

de área bruta locável, que abrigam 690 salas comerciais distribuídas

em 21 pavimentos, tudo isso no coração da Aldeota, uma das mais

nobres e disputadas regiões da Capital. Além disso, o BS Design tem

o conceito internacional A+, atribuído pela empresa norte-americana

Cushman & Wakefield a projetos que reúnem alto nível de tecnologia,

segurança e conforto. Idealizador do projeto, o empresário Beto

Studart, presidente do grupo BSPAR, avalia que o empreendimento é

“um ícone para a cidade de Fortaleza”.

RESTAURANTE MUCURIPE GANHA NOVO CONCEITO

GASTRONÔMICO E DE ARQUITETURA

A cor da areia das dunas e a luminosidade do litoral fortalezense

foram as inspirações máximas do arquiteto Racine Mourão para

o novo projeto do restaurante Mucuripe, do Gran Marquise Hotel.

O espaço passou por uma reformulação completa e, agora, serve

café da manhã, almoço e jantar, e conta com uma carta de vinhos

que tem rótulos do próprio hotel, produzidos na vinícola gaúcha

Luiz Argenta. “Procurei fazer um ambiente que pudesse ter o frescor

necessário para o café no início do dia e a sofisticação para um

jantar à noite”, detalhou Racine. Entre os destaques, os adornos

de palhinha no teto do restaurante e os jogos americanos feitos

em renda, referências aos costumes locais e que passam uma

atmosfera de aconchego requintado. O investimento foi de mais

de R$ 1,5 milhão no projeto, e o restaurante Mangostin, também do

hotel e especializado em gastronomia oriental, será o próximo a

ser reformulado.

FOTO THIAGO MATINE FOTOS RODRIGO PATROCÍNIO

AEROPORTO DE JUAZEIRO SERÁ

GERIDO POR COMPANHIA ESPANHOLA

Equipamento importante para o transporte de passageiros e

cargas no Ceará e também para o desenvolvimento da região do

Cariri, o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, em Juazeiro do

Norte, entrou na mais recente rodada de concessões do governo

federal e será gerido, nos próximos 30 anos, pela companhia

espanhola Aena. A empresa arrematou um bloco de aeroportos

do Nordeste com seis terminais, nos quais estão inclusas, além de

Juazeiro, as unidades de cidades como Recife e Campina Grande,

por um montante de R$ 1,9 bilhão, durante o leilão que aconteceu

em março, em São Paulo. A estimativa é que o aeroporto do Cariri

receba investimentos de, pelo menos, R$ 190,5 milhões, que serão

utilizados na ampliação e manutenção do equipamento. A meta da

Aena é aumentar o tráfego de passageiros e captar novas rotas e

companhias para operar no terminal.

HBO TRAZ PEÇA DE "GAME OF THRONES"

PARA AS FALÉSIAS DE BEBERIBE

Prestes a lançar a oitava e última temporada de sua aclamada série

"Game of Thrones", o canal de TV por assinatura HBO incluiu Morro

Branco, em Beberibe, em uma ação mundial de divulgação. Entre

as falésias, fãs da produção descobriram o icônico trono de ferro,

peça chave no enredo da história, e logo saíram divulgando em

redes sociais, até que a emissora confirmou que a peça era oficial.

Centenas de pessoas se dirigiram até o local e esperaram por horas

a fio, debaixo do sol, para fazer uma foto na cadeira. Além do Ceará,

os outros seis lugares no mundo que receberam uma réplica do

trono foram Björkliden, na Suécia; Puzzlewood, na Inglaterra; Castelo

de Atienza, na Espanha; Columbia Britânica, no Canadá; e Nova York,

nos Estados Unidos.

ÁREA DA CULTURA TERÁ INVESTIMENTO MILIONÁRIO EM EQUIPAMENTOS

E POLÍTICAS CULTURAIS EM 2019

Com uma programação tão rica quanto diversificada, o eixo cultural

de Fortaleza deve receber, ao longo deste ano, R$ 56,5 milhões em

investimentos da Prefeitura. O valor contempla desde o Ciclo Carnavalesco,

realizado entre fevereiro e março; eventos como o aniversário

da cidade, festejos juninos e Réveillon; edital das artes; políticas

culturais para o audiovisual e mídias digitais; requalificação da Praça

José de Alencar; e mais aportes em equipamentos como o Teatro

São José (foto), que foi reinaugurado no ano passado e vai sediar,

em 2019, o Festival de Teatro de Fortaleza. A verba será utilizada, ainda,

na implantação do Centro de Memória Frei Tito, no Centro, e do Centro

Cultural do Canindezinho.

10 MT HIGHLIGHTS 11


MT ONLINE

A plataforma Márcia Travessoni está on-line 24h por dia, a gente não para.

Diariamente, a redação turbina site e redes sociais com matérias novas e notícias

qualificadas, cheias de conteúdo. Destaque também para o #CanalMT, com vídeos

novos toda quarta sobre lifestyle, cultura, gastronomia, arte, entrevistas e claro, os

melhores eventos da cidade.

#CanalMT

→→WWW.MARCIATRAVESSONI.COM.BR

@MARCIATRAVESSONI

/MARCIATRAVESSONI

/MTRAVESSONI​​

@MTRAVESSONI

E-COMMERCE

NO BRASIL

A Zara lançou oficialmente seu e-commerce

no Brasil com uma festa exclusiva

em São Paulo. O evento teve a apresentação

de novos produtos, proporcionando

aos convidados a experiência de compra

pelo site em primeira-mão. Entre os

convidados estrelados estavam Jonathan

Azevedo, Camila Coutinho, Paola Antonini,

Maju Trindade e a cearense Vih Rocha.

A EXPOSIÇÃO

QUE VAI MUDAR

ARTISTA VISUAL

Aos 24 anos, Nyna Nóbrega já conquistou o próprio espaço no cenário

cearense como artista visual. Estudante de Arquitetura e Urbanismo,

ela se inspira em nomes como Basquiat, Klimt e Monet, e já vendeu peças

para clientes na França e em Portugal. “Tenho uma linha de trabalho que

chamo de encomendas sensoriais, onde o cliente me conta sobre a vida,

sentimentos, as pessoas importantes para ele e o porquê de ele estar

encomendando uma obra. Com isso, crio algo que contemple e sintetize

aquele momento”.

AMIZADE EM DESTAQUE

A exposição “Estética de uma Amizade“,

em cartaz na Pinakotheke São Paulo até o

dia 25 de maio, conta a história da amizade

entre o pintor Alfredo Volpi e o escultor

Bruno Giorgi. Com curadoria do cearense

Max Perlingeiro e de Pedro Mastrobuono,

a mostra reúne 110 obras, incluindo algumas

inéditas, entre pinturas, desenhos, esculturas

e maquetes.

STAR WARS NA DISNEY

Para os amantes de Star Wars e Disney,

uma boa notícia: ainda este ano será inaugurada,

nos parques da Califórnia e Flórida,

uma área dedicada ao universo de Luke

Skywalker, Darth Vader e da princesa Leia.

O espaço, que ganhou o nome de “Star

Wars: Galaxy’s edge”, será aberto primeiro

na Disneylândia, em 31 de maio. Em agosto,

será a vez do Hollywood Studios.

SEU OLHAR SOBRE

O MODERNISMO

ARTE MODERNA NA COLEÇÃO

FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ

MULHERES EXTRAORDINÁRIAS

Com a proposta de contar a história de personalidades que são referência no

Ceará e reforçar a força da liderança feminina, nossa publisher Márcia Travessoni

iniciou o projeto “Mulheres Extraordinárias — na vida e nos negócios”.

Nomes como Águeda Muniz, Paulinha Sampaio e Joana Maciel estão entre as

entrevistadas! Vale o play no nosso canal do YouTube!

EDIÇÃO VERÃO

Nossa publisher fincou os pés na areia de uma das locações mais bonitas do Ceará:

o Beach Park, no Porto das Dunas. O resultado? Uma série de entrevistas repletas

de histórias inspiradoras e interessantes. Marina Brasil e Daniela Eloy, responsáveis

por comandar a franquia da marca Cia. Marítima em Fortaleza, contaram histórias de

bastidores da vida de empresária e falaram sobre o amor pelo mar!

22 de março a 11 de agosto de 2019

Espaço Cultural Unifor

ENTRADA GRATUITA

Curadoria: Regina Teixeira de Barros

LASAR SEGALL, Figura sentada entre flores, 1924-26, óleo sobre cartão | ALBERTO DA VEIGA GUIGNARD, Balões, 1947, óleo sobre madeira

CANDIDO PORTINARI, Menina com laço, 1939, óleo sobre tela | ISMAEL NERY, Figuras sobrepostas, c. 1922, óleo sobre cartão

Mais informações

Apoio Patrocínio Realização

12 MT MT online 13

MINISTÉRIO DA

CIDADANIA


GALERIA

VISITA

EQUILÍBRIO

DE ESTILOS

INSPIRAÇÕES CLÁSSICAS, MODERNAS E ARTÍSTICAS

GUIAM A AMBIENTAÇÃO DA CASA — OU "LUGAR

DE CALMARIA" — DA INFLUENCIADORA DIGITAL

NICOLE PINHEIRO EM FORTALEZA

POR JÉSSICA COLAÇO FOTOS MARÍLIA CAMELO

14 MT Galeria Visita 15


GALERIA

VISITA

Feed

harmônico

Desenvolvido essencialmente nas

redes sociais, o trabalho de Nicole

Pinheiro também foi levado em conta na

hora da definição do projeto de interiores

do apartamento de Fortaleza. “Em relação

a cores e background, eu precisava ter

ambientes neutros em que eu conseguisse

tirar fotos sem brigar com aquilo que eu

de fato queria mostrar”, explica Nicole,

que expõe em seu feed no Instagram

composições de look que passam

pelo monocromático até peças mais

estampadas. O apartamento que ela mora

em São Paulo, há dez anos vai, inclusive,

passar uma reforma também coordenada

pela arquiteta Ana Fiuza (a mesma que

cuidou do projeto cearense). “Vamos fazer

uma espécie de extensão dessa casa,

até para manter também a unidade visual

no meu trabalho”, completa Nicole.

Com a rotina dividida entre o trabalho em São Paulo e

a convivência com a família em Fortaleza, a influenciadora

digital Nicole Pinheiro tem, na casa da capital cearense, o que

ela chama de “lugar de calmaria”. “Quando venho pra cá é

pra curtir a casa, a nossa família, ficar todo mundo junto”,

define ela, falando sobre o apartamento em que mora há seis

meses com o marido, Netinho Bayde, o filho e dois enteados.

Na hora de escolher a casa, além de reunir toda a família,

o imóvel precisava evidenciar o estilo estético de Nicole;

abrigar a paixão por obras de arte do marido; e ter espaço para

as crianças e os amigos do casal que estão sempre reunidos.

Ao entrar na casa, são exatamente essas as sensações evocadas.

A começar pela Poltrona Mole, assinada por Sérgio Rodrigues,

peça de design que é o ponto de destaque da sala e por

onde o projeto de decoração iniciou. “Desde o projeto passado

eles tinham muita vontade de ter essa cadeira, mas não é

uma peça que dá pra colocar em qualquer canto, precisa de

um layout bacana e quando vieram pra cá, já começamos

a pensar num lugar para ela”, conta a arquiteta Ana Fiuza,

que assina o projeto da casa. Outro item do mobiliário que se

sobressai no ambiente é uma estante em madeira, de desenho

retrô e cujo toque contemporâneo fica por conta da adega

metálica agregada à ela.

Nas paredes, obras de artistas como Antonio Bandeira,

Palatnik, Tomie Ohtake, Hércules Barsotti e Arthur Piza

trazem um equilíbrio estético ao lugar, evidenciando o apreço

16 MT Galeria Visita 17


GALERIA

VISITA

do casal por arte e pintando de cores intensas alguns

dos espaços do ambiente, marcado pela mistura de

estilos. “Sempre gostei de fazer uma mistura entre o

clássico e o moderno, pro meu dia a dia, e na minha

casa também, para não ficar cansativo”, detalha Nicole.

PRONTA PARA RECEBER

Os espaços livres no imóvel foram um pedido

importante de Nicole e Netinho, que costumam

organizar caranguejadas e noites de ostras com os

amigos, e precisam garantir ainda conforto e espaço

para que as três crianças da casa possam usufruir

do lugar. “Eu prefiro receber amigos do que sair,

então fizemos todos os cantinhos do apartamento

pensando nisso, em um ambiente em que pudéssemos

ter uma interação. Tanto que a Aninha fez

a sala de estar espelhada, pra quando tiver mais

gente, é só mudar a posição do sofá pra caber mais

pessoas”, exemplifica Nicole.

A varanda segue o mesmo conceito e abriga ainda

uma peça especial para a dona da casa: uma extensa

mesa de madeira de corte, cuja base é uma peça em

mármore. “Essa mesa é muito importante porque nós

dois que fomos no madeireiro, escolhemos o tronco

e fizemos essa mistura com o mármore. Pensamos

juntos e fizemos isso, sou muito apegada a essa

mesa porque é uma história que eu e Netinho construímos

juntos”, revela. ¤

18 MT Galeria Visita 19


EM PAUTA

FOTOS DIVULGAÇÃO

GENTILEZA

URBANA

INICIATIVAS CRIADAS NO CEARÁ, AS PRAÇAS ITINERANTES TRANSFORMAM TERRENOS

PRIVADOS SEM USO EM ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA PARA A POPULAÇÃO

POR VANESSA MADEIRA

Quando comparada a outras metrópoles do País,

Fortaleza pode ser considerada uma cidade

carente de praças. A tendência de verticalização

e o consequente adensamento fazem com que os

espaços públicos voltados para o lazer sejam cada

vez mais raros na capital cearense.

Essa defasagem sempre foi motivo de inquietação para

a arquiteta Laura Rios, coidealizadora da Estar Urbano,

empresa de Fortaleza que atua na execução de projetos

inovadores com foco na ocupação urbana. Ela e a sócia

Liana Feingold pensaram, então, em uma solução criativa

para o problema: criar praças temporárias em parceria

com construtoras locais, detentoras das poucas áreas ainda

disponíveis para utilização na cidade.

A ideia, segundo Laura, é transformar terrenos privados

em desuso, à espera do início de obras, em espaços de convivência

para a comunidade ao redor. No lugar de grandes

lotes cercados por tapumes, são instalados logradouros

itinerantes com equipamentos de lazer destinados aos

moradores, como playground, quadras esportivas, parque

para pets, anfiteatros e áreas verdes. Chegado o momento

de começar a construção do empreendimento, a praça é

transferida para outro terreno e continua servindo à cidade.

“Até começar o projeto, fazer as vendas e subir o prédio,

as construtoras demoram pelo menos três anos. Enquanto

isso, o terreno vira um vazio, um local perigoso, porque as

20 MT FOTOS DIVULGAÇÃO

em pauta 21


EM PAUTA

Panorama

das praças

Praça do Bem Estrelário

Iniciativa: C. Rolim Engenharia

Inauguração: 26 de janeiro de 2019

Status: em atividade (Rua Leonardo

Mota, 710 — Meireles)

Área: 420 m²

Equipamentos: playground, jardim

sensorial, palco, espaço pet, área para

distribuição de mudas

Praça Canuto 1000

Iniciativa: Mota Machado

Inauguração: 11 de março de 2018

Status: desativada, em processo

de transferência

Área: 2.500 m²

Equipamentos: playground, bicicletário,

pet place, praça de alimentação e

eventos, bikefix e espaço com exposição

sobre os 50 anos da construtora

FOTO MARÍLIA CAMELO

pessoas têm medo. Ele deixa de ser uma casa para ser

um terreno cercado, que não serve para nada. Então

chegamos para as construtoras com a proposta de

ocupar os vazios urbanos da cidade”, afirma Laura Rios.

PARAR TRATAR DA CIDADE

O projeto, como explica a arquiteta, é uma estratégia

de “acupuntura urbana”. Assim como na acupuntura

tradicional, a técnica se propõe a tratar pontos doentes

da cidade por meio de pequenas ações. No caso das

praças itinerantes, a instalação acontece em regiões

de Fortaleza com poucas áreas livres para compensar

o grande volume de prédios.

Desde 2014, quando a primeira praça foi apresentada

ao público — em parceria com a Simpex Incorporações

—, cinco logradouros já foram inaugurados em Fortaleza

e um em Juazeiro do Norte. Destes, três foram construídos

pela C. Rolim Engenharia, uma das primeiras

empresas a abraçar a proposta. Em 2016, a construtora

implantou a Praça do Bem Melodia, no bairro Cocó.

Depois, em 2017, veio a Praça do Bem Sinfonia, também

no Cocó. Neste ano, a empresa inaugurou o terceiro

espaço, a Praça do Bem Estrelário, no Meireles.

A diretora de Comercial e Marketing da C. Rolim,

Ticiana Rolim Queiroz, destaca que uma das premissas

dos projetos é a sustentabilidade. Por isso, todo o

mobiliário das praças é criado a partir de materiais

recicláveis oriundos das sobras das obras. Na Praça

do Bem Melodia, por exemplo, foram instaladas

esculturas interativas, produzidas com canos de PVC.

Bancos e mesas utilizam carretéis e paletes. Quando o

espaço encerrou atividades, no ano passado, os equipamentos

foram realocados para a Praça do Bem

Estrelário e reaproveitados.

Em 2018, mais uma empresa decidiu investir na

ideia. Para comemorar seus 50 anos de fundação, a construtora

Mota Machado inaugurou a praça itinerante

Canuto 1000, no Meireles. O projeto uniu duas das

principais missões da empresa: promover laços de boa

convivência e levar bem-estar para os moradores da

Capital. A inauguração foi marcada por uma sessão

de cinema “silenciosa”, que simbolizou o compromisso

UMA DAS IDEALIZADORAS

das praças itinerantes,

a arquiteta Laura

Rios considera o

projeto um tipo de

"acupuntura urbana"

da construtora em desenvolver ações de gentileza urbana.

Durante a atividade, os participantes acompanharam os

filmes com fones de ouvido, de forma a não incomodar os

moradores do entorno.

RETORNO

Além dos ganhos para quem vive nas regiões beneficiadas

com as praças temporárias, as construtoras ressaltam que a

iniciativa se reflete de forma significativa na relação entre

os clientes e a empresa. “A praça itinerante faz com que

as pessoas saiam de suas casas e interajam com a cidade,

com novas possibilidades de convivência”, afirma Ticiana

Rolim, da C. Rolim Engenharia.

“Temos um excelente retorno da comunidade, a vizinhança

percebe valor nisso. É bom pra nossa marca, somos

reconhecidos por nos preocuparmos com o bem-estar.

Melhora a imagem da empresa e essa imagem melhora a

relação comercial”, acrescenta. O caráter itinerante dos

FOTOS DIVULGAÇÃO

logradouros, para Ticiana, não é uma desvantagem. Pelo

contrário. “O objetivo é fazer com que isso rode e beneficie

o maior número de bairros e pessoas possível”, defende.

A arquiteta Laura Rios também ressalta que as praças

cumprem um objetivo maior do que simplesmente oferecer

uma opção de lazer à cidade. O diferencial é fazer com que

a população questione a ausência de logradouros em Fortaleza

e cobre do poder público — que tem a competência

de criar equipamentos do tipo — a construção de novos

espaços de convivência.

“Para o bairro, ter uma praça por dois ou três anos,

no mínimo, é um tempo razoável. Quando ela sair daquele

local, eu quero que as pessoas morram de dor de cotovelo.

Se elas não morrerem, é sinal de que não faz falta pra

ninguém”, brinca Laura. “Só quem pode construir praça

é a Prefeitura. Nós estamos usando nosso trabalho para

questionar algo e, quem sabe, caminhar para uma ação mais

efetiva, conjunta”, completa. ¤

22 MT em pauta 23


EM PAUTA

Atuação

RECONHECIMENTO

SUPERIOR

Os profissionais formados em Estética e

Cosmética ficam habilitados para atuar em:

• clínicas de estética, de cirurgia plástica,

dermatológicas e de fisioterapia;

• salões de beleza;

• centros de terapias especiais e de

bem-estar e spas;

• academias de ginástica;

• hotéis e resorts;

• indústrias da área cosmética.

CLASSIFICADO COM NOTA MÁXIMA PELO MEC, O CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA

DA UNIFOR TEM AS FORMAÇÕES INTERMEDIÁRIAS E O FOCO NO EMPREENDEDORISMO

Qualidade da estrutura oferecida aos alunos,

capacitação dos professores e grade curricular

integrada ao mercado de trabalho são os principais

destaques da formação superior tecnológica

em Estética e Cosmética da Universidade de

Fortaleza (Unifor), segundo elenca a coordenadora

do curso, Bárbara Karen Matos. Na visão do Ministério da

Educação (MEC), esses quesitos não são apenas destaque,

como também referência, uma vez que a pasta classificou

o curso com a nota máxima em Conceito de Curso este

COMO DIFERENCIAIS DA GRADE CURRICULAR

FOTOS ARES SOARES

ano, atingindo a média 5. “Isso muda um pouco até a forma

como as pessoas enxergam o profissional de estética. Essa

nota é boa pra universidade, pros docentes, mas também

pro aluno, quando ele concluir o curso, vai fazer toda a

diferença”, avalia Bárbara.

A análise do MEC é feita a partir de três critérios:

organização didático-pedagógica, corpo docente e infraestrutura.

“Ficamos com a nota máxima em quase todos. Como

a Unifor tem esse reconhecimento no Norte e Nordeste,

a gente queria atingir o nível de excelência”, completa a

coordenadora. Lançado em 2014, o curso está concluindo a

quarta turma e já formou cerca de 50 profissionais. O perfil

dos alunos que buscam essa graduação, detalha Bárbara,

inclui tanto aqueles que já atuam nessa área e querem se

especializar, como estudantes que acabaram de concluir

o ensino básico e já querem iniciar no ramo estético com

conhecimento diferenciado.

O direcionamento para o mercado de trabalho,

aliás, é um fator evidente na grade curricular do curso,

que credencia o aluno em formações intermediárias ao

longo dos semestres. “Uma das nossas propostas era fazer

com que o aluno fosse inserido de maneira mais precoce

no mercado, por isso definimos três blocos. Ao fim do

primeiro bloco, ele recebe a certificação de assistência

técnica em estética corporal. No segundo, da parte facial

e capilar, e no último ano ocorre a integração de todos os

conhecimentos trabalhados ao longo dos dois primeiros

anos”, explica a coordenadora.

EMPREENDEDORISMO TRANSVERSAL

Além de adquirir os conhecimentos técnicos nas áreas

cosmética e estética, o aluno do curso tecnológico da Unifor

é estimulado a gerir negócios nesse segmento, ou mesmo

empreender. “A gente procura fazer com que esse assunto

seja transversal, temos uma disciplina chama Projeto Integrador,

e ela aparece do segundo ao último semestre. Desde o

início, o aluno é trabalhado pra que tenha essa visão, que ele

pode ter o próprio negócio”, complementa Bárbara. ¤

24 MT em pauta 25


COMPORTAMENTO

PROFESSOR DE YOGA,

Didiu afirma que

meditar é "ficar no

momento presente"

CORPO E MENTE

EM HARMONIA

A PARTIR DE TÉCNICAS DE RESPIRAÇÃO, POSTURA E MOVIMENTOS, A MEDITAÇÃO

REDUZ O ESTRESSE E PROPORCIONA CONEXÃO COM O TEMPO PRESENTE

“A

meditação mudou minha vida”. As palavras

do empresário Laerte Bezerra, 46, expressam

os benefícios sentidos por ele desde que

começou a reservar pelo menos um momento

do dia para meditar. A prática milenar,

baseada no autoconhecimento e no relaxamento,

ajudou a minimizar estresses físicos e psicológicos

que a correria e as responsabilidades do cotidiano traziam.

Laerte virou entusiasta e, hoje, lista os avanços obtidos com

a técnica: “Me traz felicidade, paz e calma”.

POR VANESSA MADEIRA FOTOS MARÍLIA CAMELO

Assim como o empresário, milhares de pessoas encontraram

na meditação uma saída para combater a ansiedade,

a falta de concentração, a dor crônica, a depressão e muitas

outras preocupações que afetam o bem-estar e a saúde.

Diante das melhorias para o corpo e para a mente, comprovadas

em estudos científicos e experiências pessoais de

quem pratica, a busca pela técnica é crescente entre jovens,

adultos, idosos e até mesmo crianças.

“Meditação é ficar no momento presente”, explica

o fisioterapeuta Edvan Alves (conhecido como Didiu),

professor de yoga e meditação em Fortaleza. “É saber o que

está acontecendo na minha mente, mas não se identificar

com esses pensamentos. É tranquilizar o coração, voltar-se

para dentro de si e penetrar na natureza da mente, tornando-se

um ser humano melhor”, completa.

Nas aulas, alunos praticam exercícios de respiração e

postura, técnicas corporais, utilizam mantras e símbolos,

ou escutam sons, de acordo com o tipo de meditação escolhida,

que pode ser considerada ativa (com movimentos)

ou passiva, segundo Didiu. Todas, no entanto, trazem

benefícios múltiplos: redução dos hormônios de estresse,

relaxamento, melhora da atenção, melhora do equilíbrio

emocional, diminuição da ansiedade, redução da vulnerabilidade

à dor e melhora do sistema imunológico.

Outra característica é que as práticas não possuem

contraindicação. “A meditação é indicada para todo mundo.

Para quem deseja levar uma vida mais equilibrada e com

sentido; para aquelas pessoas que buscam bem-estar físico

e emocional; e para aqueles que buscam autoconhecimento

e transformação interior”, afirma o professor.

MINDFULNESS

Um pouco mais recente no Brasil, a meditação Mindfulness

é uma vertente da meditação tradicional que tem

como principal meta a atenção plena. Áthila Campos,

diretor do Centro Cearense de Mindfulness, criado em

2014, explica que o Mindfulness é o estado psicológico de se

encontrar no momento presente, ou seja, evitar o fluxo de

pensamentos sobre o passado ou sobre o futuro. O objetivo,

com isso, é reduzir preocupações em relação a fatos que já

26 MT comportamento 27


COMPORTAMENTO

Onde

praticar

Espaço Clara Luz

Rua Cel. Linhares, 452 — Meireles

(85) 3224 9832/(85) 9 8957 8799

@claraluzyoga

facebook.com/espacoclaraluz/

Centro Cearense de Mindfulness

Rua Miguel Dibe, 178 — Luciano Cavalcante

(85) 9 9969 5661/(85) 9 8829 6975

@centrocearensedemindfulness

facebook.com/centrocearensedemindfulnes

Ganesha — Casa de Yoga e Meditação

Rua Aratuba, 2142 — Benfica

(85) 9 8797 1266

@ganesha_yoga_fortaleza

facebook.com/ganeshayogafortaleza/

Centro de Estudos Budistas Bodisatva

Rua José Vilar, 964 — Aldeota

(85) 9 9999 8197/(85) 9 9925 5060/

(85) 9 8881 1072

@cebbfortaleza

facebook.com/cebbfortaleza

PARA LAERTE BEZERRA,

meditar traz felicidade,

paz e calma

OS 10 MINUTOS DIÁRIOS

de meditação são

sagrados na rotina

de Rafaela Scienza

se passaram ou que ainda nem aconteceram.

“Quando estamos no presente, não temos preocupações.

Se eu não tenho preocupação, não ativo meu sistema

de alarme ou de estresse, que é o principal sistema de

resposta a qualquer evento ou fato que faça com que eu me

sinta ameaçado”, diz Áthila. “As pessoas estão estressadas

porque, fisiologicamente, estão hiperativando esse sistema.

Mindfulness é o contraponto disso”, acrescenta.

Ao contrário dos métodos de meditação mais conhecidos,

o Mindfulness não costuma utilizar técnicas de

visualização, sons ou movimento. O foco é aperfeiçoar a

habilidade de concentração e atenção. “Para ser Mindfulness,

tem que ter esse critério de se voltar para o presente,

para algum ponto de referência, estímulo ou experiência

em que você repouse sua atenção”, observa.

RESULTADOS PRÁTICOS

Há cerca de três anos, a empresária Rafaela Scienza,

31, conheceu o Mindfulness e virou adepta da prática. Após

um curso na Capital, ela e o marido passaram a meditar,

pelo menos, 10 minutos por dia. Se, para alguns, o tempo

pode parecer pouco, para Rafaela resultou em melhoras

significativas no dia a dia, como redução da ansiedade e

aumento da capacidade de solucionar problemas.

“Me ajudou a resolver problemas que eu acabava

aumentando, mas que, na verdade, poderiam ser solucionados

de forma muito prática. Nosso pensamento fica

ligado 24 horas imaginando soluções. Quando a gente para

e não pensa em nada, acaba esvaziando a mente, e isso

ajuda a focar exatamente no que tem importância”, afirma.

Rafaela relembra que a meditação se demonstrou de

grande valor quando estava na reta final da gravidez da

filha Lis, no início do ano passado. “É um período para

quase todas as mulheres de muita ansiedade, muitas

dúvidas. Era minha primeira gravidez e meditar ajudou

muito a me conectar comigo mesma e com a bebê”, conta.

PRIMEIROS PASSOS

Mesmo utilizando caminhos diferentes, tanto a meditação

tradicional quanto a Mindfulness têm em comum

os ganhos para a saúde física e mental. Iniciar uma das

práticas exige disciplina e, acima de tudo, perseverança.

“Hoje existe um grande contrassenso. As pessoas querem

ficar boas do estresse, mas não querem investir tempo

nisso. Mindfulness é um processo. Não é algo que te

traz resultado absoluto com relação ao seu problema”,

destaca Áthila Campos.

O professor Didiu Alves ressalta que, no começo,

o aconselhado é buscar a ajuda de profissionais que

possam ensinar as técnicas da forma correta. “O primeiro

passo é saber como fazer. Procurar uma escola ou um

instrutor qualificado para você aprender a meditação”,

diz. Já aqueles que possuem tempo restrito ou querem,

primeiramente, conhecer a prática, podem recorrer a livros

e até mesmo aplicativos de meditação para smartphones.

“É interessante como curiosidade. Você fica querendo

saber o que é a meditação. Mas ela precisa de aprofundamento,

daí é legal ir procurar um profissional”, diz. ¤

28 MT comportamento 29


MODA

Dani Pontes

@daniellepontes

As tops da

tem

po

Uma das primeiras modelos da geração

contemporânea a despontar nas semanas de

moda, Danielle Pontes foi descoberta ainda em

Fortaleza e, após fazer alguns trabalhos aqui,

seguiu para São Paulo, onde rapidamente caiu nas

graças do trade fashion. “Comecei fazendo desfiles

no SPFW, onde abri o desfile da Glória Coelho,

que foi um grande marco na minha carreira aqui

no Brasil”, conta. Depois disso, ela deu passos

maiores e estampou uma campanha da Armani,

desfilou em Paris para Jean-Paul Gaultier e outros

nomes como Vivienne Westwood — experiências

que, segundo Dani, tiveram grande importância

para torná-la a modelo e pessoa que é hoje.

Consciente da trajetória desbravadora que a

própria carreira traçou, a jovem se diz grata pelo

reconhecimento, especialmente devido aos

obstáculos que conseguiu vencer. “É gratificante

ter este reconhecimento, porque sei o quão difícil é

a carreira de modelo: exige muita dedicação, foco,

força de vontade e abdicar de muitas coisas para

poder alcançar seus objetivos. Fico feliz de abrir

portas e talvez servir de exemplo para que elas

também consigam chegar cada vez mais longe”,

assume. Com a rotina frequentemente dividida

entre Nova York e os points da moda na Europa,

Dani tem aproveitado, nas últimas temporadas,

mais tempo no Brasil, especificamente em São

Paulo, e revela já saber qual a assinatura quer ter

nesse universo fashion. “Eu espero ser reconhecida

pelo meu nome no mercado, mas com a mesma

essência da menina que saiu do Ceará muito nova

para tentar seguir seus sonhos”.

DESTAQUE NAS SEMANAS DE MODA

INTERNACIONAIS E EM CAMPANHAS

DE RENOMADAS GRIFES, AS MODELOS

DANI PONTES, AIRA FERREIRA,

SARAH BERGER E VALENTINA

SAMPAIO LEVAM O DNA CEARENSE

PARA O MUNDO FASHION

POR JÉSSICA COLAÇO

O

cenário da moda sempre encontrou campo

fértil no Ceará, seja do ponto de vista

industrial, com o volume de peças e tecidos

fabricados aqui; no aspecto criativo, com o

pioneirismo de diversas marcas, criadores

e eventos que enfatizam o talento local;

e também pelas modelos cearenses que ganham o

mundo estampando campanhas de imponentes grifes

e desfilando nas mais importantes semanas de moda.

Movidas por sonhos e inspirando outras pessoas a

seguirem os passos delas, essas meninas provaram —

e continuam atestando — que não existem fronteiras

quando se é guiada pela determinação. Nesta edição,

a revista Márcia Travessoni — GALERIA escolheu

quatro nomes — Dani Pontes, Aira Ferreira, Sarah

Berger e Valentina Sampaio — que contribuem para

consolidar a presença cearense no universo fashion. ¤

rada

FOTO PUPIN & DELEU

FOTO RAFAEL SALES

Aira Ferreira

@airafn_

Descoberta em um projeto para "new

faces" na Parangaba, na capital cearense, Aira

Ferreira curiosamente encontrou na moda

um espaço onde a aceitaram do jeito que

realmente ela é. “Sempre fui muito magra,

fiz realmente de tudo para ganhar corpo pelo

simples fato de as pessoas não me aceitarem

como eu era, então isso acabava afetando

minha autoestima e eu não gostava do reflexo

que tinha no espelho devido a comentários

feitos por pessoas que não se amam”, lembra

Aira, que elege como mais marcantes os

trabalhos que fez em campanhas da Dior

e Chanel. A modelo admite, contudo, que a

moda cobra, sim, certos padrões, mas é algo

que ela encara como uma exigência do

trabalho que escolheu desenvolver. “Você

pode ser uma modelo acima da média dos

‘padrões’, com uma personalidade incrível

e fazer seu caminho, sua personalidade

forte será sempre algo mais atrativo”, define.

Enxergar sempre a perspectiva positiva

da situação, aliás, é algo que Aira faz com

frequência, inclusive em experiências com

as quais ela não se identificou. “Posso não

gostar muito do trabalho em si, mas sempre

procuro algo que me faça lembrar daquilo

de um jeito bom, como o lugar, as pessoas,

a cultura, a comida”, argumenta ela. Com um

extenso currículo fashion, Aira parece de fato

ter uma visão humanizada da área em que

trabalha, e assumiu para si a máxima de que

“somos pequenos, mas podemos sempre

fazer a diferença na vida do próximo”.

30 MT moda 31


MODA

Sarah Berger

@sarahberger_

Surpresas e reviravoltas definem a

ascendente carreira de Sarah Berger. Iniciada

no mundo da moda aos 19 anos — entrada

considerada tardia, se comparada com a

maioria das modelos que estreiam ainda na

adolescência —, ela cursava Publicidade e

Propaganda quando fez alguns trabalhos

em Fortaleza e logo viu a oportunidade de ir

para São Paulo. Lá, fez história cedo: em sua

primeira participação na SPFW, em 2016, foi a

modelo que mais desfilou naquela edição,

e seguiu entre as recordistas do evento

nos anos seguintes. Mais recentemente,

quebrou outro recorde ao ser a modelo que

desfilou para o maior número de grifes na

temporada internacional de inverno, com 34

entradas na passarela, para nomes como

Gucci, Valentino, Dolce & Gabbana, Hermès e

Chanel. “Eu comecei com 19 anos e pra mim

foi a idade perfeita. Eu já era mais madura

do que se tivesse começado antes, e já tinha

vivenciado um pouco da vida acadêmica,

o que foi ótimo também, para experimentar

e ter uma noção de áreas diversas”, atesta

Sarah. “As semanas de moda sem dúvidas

são uma mudança brusca para a rotina de

qualquer modelo. No começo, era difícil

lidar com a correria intensa, mas hoje já

me sinto muito mais preparada e adoro os

desfiles. É muito bom também rever amigos e

profissionais do mercado”, pondera a modelo,

que hoje se divide entre as semanas de moda

da Europa e dos Estados Unidos.

FOTO NICOLE HEINIGER

FOTO GABRIEL DE MOURA

FOTO GABRIEL DE MOURA

Valentina Sampaio

@valentts

Diversidade é a palavra-chave do

currículo de Valentina Sampaio: desfiles,

campanhas, parcerias com marcas,

encontros com grandes atrizes e até mesmo

a participação em um longa-metragem são

alguns dos feitos da cearense. “O primeiro

grande trabalho foi uma campanha de

beleza nacional, quando fui eleita para o

time de embaixadoras da L’Oréal. Em São

Paulo, fui uma das recordistas de desfiles na

minha primeira temporada no SPFW, quando

desfilei para À La Garçonne, Helô Rocha,

Patricia Vieira, Ronaldo Fraga, Amir Slama,

Isabela Capeto e Lilly Sarti, entre outras”, lista

Valentina, que brilhou ainda nas capas da

Elle Brasil, Vogue Brasil e estampou, em 2017,

nada menos que a primeira página da Vogue

Paris. A diversidade do trabalho de Valentina

se manifesta, ainda, em outro aspecto:

modelo transgênero, ela vê também o próprio

trabalho como uma afirmação em favor do

respeito e da igualdade. “É uma luta minha

e de muitas outras pessoas. A dedicação

e o foco são mais que necessários para a

construção da carreira. Procuro sempre

aprender mais e evoluir, fazer sempre o meu

melhor em tudo”, determina. Para enfrentar

o preconceito que teima em aparecer,

ela escolhe seguir em frente, firme, com o

apoio das “pessoas incríveis” que encontra

no caminho. “O mundo como um todo é

tão diverso que não devemos nos dividir

em raças, classes, gêneros ou qualquer

característica que seja. Todos nós somos

iguais, somos humanos”, sintetiza.

FOTO NICOLE HEINIGER

32 MT moda 33


EMPREENDEDORISMO

RECEITA DE

EXPANSÃO

DONA DE UMA DAS MAIS TRADICIONAIS PIZZAS DE FORTALEZA, A VIGNOLI

SE REIVENTA E EVOLUI PARA UMA NOVA EXPERIÊNCIA GASTRONÔMICA

POR JUSCELINO FILHO FOTOS MARÍLIA CAMELO

Há 15 anos, 30 m² alicerçavam a pizza que seria

eleita por nove vezes consecutivas como a melhor

de Fortaleza no prêmio Veja Comer & Beber.

Hoje, esse mesmo espaço não abriga sequer

a cozinha de uma das unidades Expresso da

Vignoli, dona da pizza mais tradicional da capital

cearense. Sob nova administração desde 2014, o restaurante

está se reformulando para oferecer ao público uma nova

experiência gastronômica, mas sem alterar a essência do

seu produto principal. Afinal, é pela famosa pizza fininha

e crocante que a casa cresceu e hoje distribui 18 lojas em

seis estados pelo País.

Antes com apenas um forno, o negócio familiar cresceu.

Saiu de uma esquina, ganhou quarteirões, a aprovação do

público e desde então só cresce. “A gente entrou na Vignoli

em 2014. Abrimos a primeira loja da nossa gestão em 28

de abril daquele ano. No fim do primeiro ano, o Cláudio

(Vignoli, fundador) fez a proposta de que a gente fosse

franqueado e tomasse conta das lojas de Fortaleza. Em 2016,

a gente propôs a ele voltar a ser dono das lojas e a gente

passaria a ser dono da marca. Foi aí que passamos a ser sócios

da marca junto com ele. Em 2017, começamos a expansão.

Hoje a gente tem 18 lojas distribuídas em Fortaleza, João

Pessoa, São Luís, Recife, Salvador, São Paulo e Campinas”,

detalha o CEO Júlio Bezerra, de 31 anos, amante da

pizza de pepperoni ao pesto e responsável pelas estratégias

e visão da empresa.

A pizza da Vignoli tem a marca da leveza. Com uma

crocância por inteiro, da borda ao centro, é preferível

comê-la com a mão. E o melhor: sem culpa. “O Cláudio

não gostava de pizza molhada, aquela lotada de insumos

que te deixa empachado. A gente é indicado até hoje por

34 MT EMPREENDEDORISMO 35


EMPREENDEDORISMO

É pizza que você quer?

A pizza da Vignoli foi eleita nove vezes pela

Revista Veja a melhor de Fortaleza.

Somente na Capital são 178 funcionários.

Somando os outros estados,

o número sobe para 270.

Por mês, são cerca de 400 kg de farinha

de trigo para fazer todas as pizzas

pedidas no País.

Falando em pizza, são cerca de 6.700 por

mês só nas unidades no Ceará.

nutricionistas. ‘Ah, a pizza da Vignoli você pode comer’,

eles dizem”, diverte-se o sócio-diretor e responsável pelo

novo cardápio, Kalil Farah, de 31 anos, e fã de um produto

que ainda não está no menu. “Eu adoro parmegiana. Vai ser

lançada no cardápio ainda. É bem simples, mas eu adoro”,

pontua. Além deles dois, o grupo é gerido ainda por outro

sócio, Bruno Perdigão.

EMPREENDER É PRECISO

A primeira expansão da Vignoli, que até então seguia

apenas o modelo de restaurante, foi para o formato

Expresso, de estrutura menor e mais dinâmica, presente

em alguns shoppings. A necessidade de abertura para

almoço serviu para ampliar os horizontes. A ideia veio

do antigo dono, que deu nome à casa. “Ele abriu a nossa

mente para mudar a imagem só de pizzaria. Hoje em dia

tem loja Expresso que a gente vende mais massa do que

pizza. E tem lojas com uma aceitação muito grande da

salada, por exemplo. Em algumas unidades, 15% da venda

é de salada. Isso é como se fosse equivalente à venda da

pizza brotinho”, explica Júlio.

Nesse reposicionamento, a primeira loja a ser reformada

foi a da Av. Senador Virgílio Távora. As outras virão em

sequência. Por ser referência, a Vignoli precisa se adaptar

constantemente ao mercado e à concorrência. “Nós sempre

fomos referência em pizza. Mas em um grupo, bastava

alguém querer uma carne que a gente deixava de ser

opção. Foi daí que a gente viu a necessidade de voltar a

ser opção para essas pessoas”, esclarece Kalil. Massas, carnes,

frangos, até peixe. No novo cardápio, serão 57 novos itens.

As mudanças estruturais também serão visíveis. Desde

o jogo americano, passando por uma mesa acolchoada,

com música ambiente e decoração mais sofisticada,

o Vignoli se adaptará para evoluir.

CRESCER DO JEITO CERTO

O planejamento é feito para cada triênio ou quadriênio.

Mas é sempre revisto. O de 2019, inclusive, já foi aprimorado.

Sem foco na quantidade, e sim na qualidade, não é

ambição da nova gestão alcançar marcas estratosféricas

de centenas de lojas novas num curto período de tempo.

“A gente só vai abrir loja, seja própria, ou franquia,

em shoppings que deem certo, por exemplo. Se no Brasil

são 60 os melhores shoppings, a gente vai neles. Se eu

tiver que fazer uma projeção para os próximos cinco anos,

por exemplo, eu diria um montante de 60 a 80 lojas no

formato Expresso”, projeta Júlio Bezerra.

O CEO, inclusive, resgata o formato restaurante,

que após a expansão de unidades Expresso, deve voltar a

ser foco da marca. “A gente estava meio esquecido desse

formato. É uma operação mais complexa. Requer garçom,

maiores compras, um time melhor capacitado. Mas depois

da primeira reforma, a gente voltou a tomar gosto por ele.

A tendência agora é que as lojas grandes acompanhem as

Expresso. Porque a gente quer que quem esteja na loja

expresso, em um shopping, lembre do restaurante e se sinta

dentro da nossa marca”, prega Júlio.

A Vignoli não vende comida, e sim entretenimento.

Não é exagero falar em experiência gastronômica. Mas não

é pecado aprimorar. As mudanças vêm para melhor.

A crocância da pizza continuará a mesma. A espessura

também. Alguns sabores serão acrescentados e outros

pratos também farão parte do novo cardápio, mas a essência

permanecerá a mesma. “A gente tem uma premissa de não

mexer nunca no produto. Não tem economia que a gente

faça para mexer no insumo. Se for preciso a gente muda

qualquer coisa, mexe, mas nunca no produto”, diz Júlio

Bezerra. A marca hoje apelida um estilo de pizza em

Fortaleza. “A pizza em tal lugar é ‘estilo Vignoli’. É isso

que o pessoal fala. A gente ainda não conseguiu inventar

um nome para a massa fininha e crocante, mas a gente sabe

que inventou um estilo de pizza”, finaliza Júlio. ¤

As pizzas mais pedidas do cardápio

nas unidades cearenses são: calabresa,

pepperoni ao pesto e camarão.

A sobremesa preferida do público é o pétit

gateau de chocolate.

36 MT EMPREENDEDORISMO 37


PODER

Desafios

renovados

PRIMEIRA MULHER À FRENTE

DA SECRETARIA DA FAZENDA DO CEARÁ,

FERNANDA PACOBAHYBA PRETENDE

TRANSFORMAR A QUESTÃO TRIBUTÁRIA

EM ALGO COMPATÍVEL COM

AS MUDANÇAS DA SOCIEDADE

POR JUSCELINO FILHO FOTOS MARÍLIA CAMELO

Desafio é o sobrenome dela. Casada, mãe de

dois filhos, de um peixinho e um periquito,

Fernanda Macedo Pacobahyba, de 40 anos,

tem pela frente uma nova peleja. E das

grandes! Professora da Universidade de

Fortaleza (Unifor) e do Instituto Brasileiro

de Estudos Tributários (Ibet), assumiu em 2019 o

cargo de titular da Secretaria da Fazenda do Ceará

(Sefaz). Antes auditora fiscal jurídica da Receita

Estadual, Fernanda recebeu a indicação para o cargo

com honraria e prevê muito trabalho pela frente. Para

ela, aliás, a vida nunca foi diferente disso. “Sou uma

pessoa de grandes desafios, e tenho mentalizado tudo

isso como uma oportunidade para transformar um

órgão que tem 182 anos, adequando-o às necessidades

de uma sociedade de alta complexidade e que muda

em um ritmo aceleradíssimo”, inicia.

O convite trouxe mais compromisso ainda para

a vida de Fernanda. A indicação técnica ao cargo dá

tranquilidade para que a ex-orientadora da Célula de

Consultoria e Normas realize uma gestão centrada nas

38 MT PODER 39


PODER

Desbravadora

por essência

Primeira mulher a assumir a Sefaz no Ceará em

quase dois séculos, Fernada não acredita em acasos

e assume que o pioneirismo não é novidade para ela.

Fez parte da primeira turma (1996-1999) que formou

mulheres na Academia da Força Aérea (AFA),

em Pirassununga, São Paulo. Na época, a proporção

na institução era de 800 homens para 15 mulheres

em formação. Após os quatro anos de curso,

morando em regime de internato na AFA, deixou

um monumento escrito por ela, representando

justamente o ineditismo. “Já estou me acostumando

com isso, sempre escutando da vida qual será o

meu próximo desafio como pioneira. E isso casa

muito bem com quem sou: adoro desafios, ainda

mais quando eles são verdadeiramente desafiadores.

Não gosto de moleza: quanto pior, melhor. E que

venha o próximo pioneirismo”, conclui.

constituições federal e estadual, com o objetivo, segundo

ela, de consolidar a Secretaria como um órgão que se

preocupa com os valores da sociedade.

INTEGRAR PESSOAS E METAS

Embora lide com arrecadações e alíquotas, Fernanda

Pacobahyba traz como prioridades para a gestão as

pessoas. A secretária acredita que quanto mais motivação

e integração, melhores serão os resultados. Quanto

aos procedimentos burocráticos da pasta, simplificar e

automatizar a tributação estão entre as metas. “Inovação

será a tônica dos próximos anos. Diálogo é outra palavra

que estará presente nesta gestão. Em nível nacional, precisamos

aprofundar os debates sobre a reforma tributária,

apresentando propostas que sejam viáveis para um País

tão desigual”, projeta.

É também por meio do diálogo que ela pretende

reverter o cenário de trabalho informal no Ceará.

Embora o Estado tenha encerrado o ano passado com

saldo positivo de vagas com carteira assinada, é crescente a

quantidade de pessoas que migram para a informalidade e

deixam, não apenas de quitar impostos, mas de garantirem

a própria segurança trabalhista. “A sociedade precisa ser

esclarecida sobre os benefícios da tributação. É com o

dinheiro advindo dos tributos que o Estado cumpre as

metas fiscais estabelecidas para a educação, a saúde e a

segurança pública, bem como garante um nível alto de

investimentos. É importante ressaltar que a informalidade

desestimula o contribuinte que paga os seus impostos.

Assim, é medida de justiça que todos contribuam de

acordo com as suas possibilidades”, explica a secretária.

Certa das metas ousadas que traçou para os anos

seguintes, Fernanda tem ciência de que precisará buscar

preparação exaustiva e consciente. “É importante ressaltar

que, desde que assumi a Sefaz, tenho sido bastante

apoiada pelos colegas fazendários, o que expressa desejo

de que superemos os níveis já relevantes de profissionalismo”,

reconhece.

PODER COM SENTIDO

Fora do escritório, Fernanda foge de radicalismos e

verdades de prateleira. Encanta-se com a complexidade do

ser humano e o quanto de crescimento é possível quando

se gere pessoas. Viciada em livros desde pequena, relaxa

até hoje viajando por páginas e mais páginas. Lê bastante,

inclusive, sobre inovações e tecnologias. Adepta à filosofia

de que o homem colhe o que planta, não é exagero afirmar

que Fernanda já colhe alguns dos frutos de outrora.

Pautada em diálogo, transparência, desburocratização

e simplificação tributária, Fernanda Pacobahyba quer

escrever seu nome na história da Sefaz. Primeira mulher

a ocupar o cargo de secretária da Fazenda do Estado em

182 anos de existência do órgão, ela resume bem o que o

feito representa: “Reconhecimento da competência e do

engajamento feminino”.

Num cargo de extremo poder, Pacobahyba traçou

um paralelo para definir o termo. “Identificamos poder

com realização. Contudo, esse poder precisa ser exercido

com sentido. A atual era de competição, individualismo

e privatividade do conhecimento precisa dar lugar a

um ambiente de compartilhamento do conhecimento e

do poder”, explana.

E se poder está atrelado a realizações, Fernanda Pacobahyba

teve bons exemplos disso ao longo da vida. Desde

pequena ocupando quadros de honra por onde quer que

passasse, quer continuar se destacando pela liderança e

propriedade. “Se somos expressivas na força de trabalho

neste País e em todo o mundo, ainda somos poucas exercendo

posições de liderança, seja em cargos técnicos,

na condução de empresas, seja na própria política. Penso

que é uma oportunidade para desenvolver uma liderança

diferenciada: firme, sem perder a doçura”, pondera. ¤

40 MT PODER 41


42 MT PODER 43


CAPA

SENSIBILIDADE

PRECISA

REFERÊNCIA MUNDIAL EM TRANSPLANTE CAPILAR, O CIRURGIÃO PLÁSTICO

MÁRCIO CRISÓSTOMO ALIA A EXPERIÊNCIA MÉDICA À SINTONIA COM

OS PACIENTES PARA TER BONS RESULTADOS NOS PROCEDIMENTOS

POR JÉSSICA COLAÇO FOTOS MARÍLIA CAMELO

44 MT GALERIA capa 45


A

preocupação estética é uma característica

bastante evidente logo ao primeiro contato

com o cirurgião plástico Márcio Crisóstomo.

A começar pelo Instituto de Medicina

Capilar que leva o nome dele, instalado em

um prédio de decoração suntuosa e requintada

em Fortaleza, com uma elegante sala de recepção

construída em uma espécie de porão. Distribuídos

pelo espaço estão os diversos diplomas nacionais e

internacionais do médico; várias câmeras fotográficas

antigas — referência a um dos hobbies dele — cuidadosamente

dispostas junto de livros; além de diversas

obras de arte, com destaque para as peças de Sérvulo

Esmeraldo, de quem ele era amigo pessoal. Impecável

no vestir e com a fala embalada pela música clássica que

sonoriza toda a clínica, Crisóstomo é sempre preciso

no que diz. “Eu sou, antes de mais nada, um médico.

Ou seja, aquela pessoa que atende alguém com um

sofrimento e que vai buscar ajudá-lo a melhorar ou

pelo menos não piorar”, define.

Talvez mais que isso. Um dos poucos médicos no

mundo com mestrado em transplante capilar para

casos de calvície avançada, o Dr. Márcio Crisóstomo

é autor da chamada Técnica Combinada de Transplante

Capilar, na qual é possível levar um número maior de

fios de cabelo para as regiões afetadas e, assim, reverter

casos de calvície nos quais já havia sido colocado um

ponto final. “O conhecimento que estamos criando

aqui no Estado chama muita atenção em outros lugares,

fora do País principalmente”, pontua ele, que viaja

constantemente ao redor do mundo, participando de

congressos e apresentando a técnica que desenvolveu.

O rigor estético e a precisão cirúrgica, contudo,

46 MT capa 47


convivem junto de uma preocupação constante no trabalho

de Márcio — e que, certamente, define o diferencial dele:

o empenho em “ler a alma” dos pacientes e, assim, alcançar

o melhor resultado em cada procedimento médico. “A alteração

anatômica é simples, a gente olha e já sabe o que

fazer. Agora, saber se o que é pra ser feito tecnicamente é

apropriado para aquela pessoa, você vai captar durante a

consulta médica, que é o ato sagrado da relação médico-paciente”,

estabelece, acrescentando que esse entendimento

às vezes acontece nos cinco primeiros minutos de consulta,

e às vezes precisa de três ou mais visitas à clínica.

“Qualquer procedimento de cirurgia, principalmente

plástica, mexe muito com a alma da pessoa. Você tem que

captar o perfeito timing da pessoa, porque uma cirurgia

bem indicada em um momento errado pode trazer um

resultado insatisfatório”, conclui, consciente de que a

especialidade dele não é a que essencialmente salva vidas,

mas as transforma por completo.

O DISCÍPULO E O MESTRE

Parte dessa sensibilidade para entender os pacientes

foi herdada do convívio com o professor e também cirurgião

plástico Ivo Pitanguy, referência internacional em

cirurgia plástica e de quem Márcio foi discípulo, no Rio

de Janeiro. “O professor Pitanguy era, além de um profissional

completo, um ser humano diferenciado. Ele tinha

o lado humanístico muito forte e, com isso, sabia ver a

importância de cada pessoa”, diz, reproduzindo os ensinamentos

que absorveu. Outro aprendizado com o professor

foi sobre a urgência em partilhar conhecimento. “Ele sempre

enfatizou a necessidade de, quem detém o conhecimento,

ter a obrigação de repassar, porque assim você multiplica

e permite que mais pessoas sejam beneficiadas daquele

conhecimento partilhado”, lembra. Essa lição, aliás, não é

apenas exercitada diariamente por Márcio, como já ganhou

uma assinatura dele.

Há quase dez anos, o cirurgião recebe, na própria clínica,

especialistas de vários países que buscam aprender sobre

as técnicas de transplante capilar a partir do trabalho de

Márcio. Este ano, inclusive, ele fez uma expansão em seu

Instituto de modo a ampliar as salas de procedimento,

implantar uma biblioteca com auditório e áreas de

convivência para quem participa do intercâmbio para

médicos estrangeiros, ou fellowship. “Naturalmente, isso

48 MT capa 49


“Se há uma necessidade

muito grande de mostrar

algo diferente, a gente

viaja para transmitir;

se há uma necessidade

de aprender, a gente

procura receber; se essa

necessidade se amplia, a

gente amplia a estrutura

para receber melhor,

produz conteúdos, outras

formas de apresentação.”

foi se moldando dentro da minha atividade profissional,

depois eu percebi a semelhança que tinha com o professor

Pitanguy”, relaciona.

FRUTO DO TRABALHO

Se o legado do "professor Pitanguy" é claro na carreira de

Márcio Crisóstomo, o cirurgião plástico não reconhece com

o mesmo peso a atividade que ele próprio vem realizando,

desde a intensa agenda de cirurgias e acompanhamento

de intercambistas, as viagens difundindo o conhecimento,

até o aperfeiçoamento de técnicas e a constante pesquisa na

área. “Não, não, eu estou apenas fazendo o meu trabalho”,

ressalva. Trabalho esse que já foi publicado em três livros

norte-americanos, apresentado em mais de 15 países e reconhecido,

entre outras honrarias, com o prêmio de melhor

trabalho científico da Sociedade Internacional de Cirurgia

de Restauração Capilar, durante um congresso mundial de

transplantes na Malásia, em 2014.

“A minha atividade é a cirurgia e dela decorrem esses

desmembramentos. Se há uma necessidade muito grande

de mostrar algo diferente, a gente viaja para transmitir;

se há uma necessidade de aprender, a gente procura receber;

se essa necessidade se amplia, a gente amplia a estrutura

para receber melhor, produz conteúdos, outras formas

de apresentação. Mas tudo isso decorre da base, que é a

cirurgia”, pondera ele, que é membro titular e especialista

da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

As abordagens aperfeiçoadas ou desenvolvidas pelo

cirurgião são trabalhadas em dois contextos. Um deles é

o das pesquisas controladas, quando é seguido um protocolo

para validar respostas a uma pergunta, a exemplo do

que foi feito durante o mestrado de Márcio, quando ele

pesquisou os meios de conservação e alterações celulares em

cirurgias plásticas. “A outra maneira é que, com a atividade

muito intensa, você tem uma necessidade sentida que te

faz visualizar novos meios de solucionar problemas. Aí é a

criatividade cirúrgica que faz a gente criar conhecimento

novo”, explica ele, que realiza as maiores cirurgias de transplante

capilar do País, considerando o número de fios.

Márcio, é, ainda, um dos cirurgiões que está participando

da pós-graduação Surgical Leadership da Harvard

Medical School, nos Estados Unidos. O treinamento de alto

nível, ofertado pela primeira vez na universidade, é voltado

para profissionais da área, oriundos de 23 países, e que

ocupam cargos de liderança, como diretores de institutos

e chefes de serviços.

50 MT capa 51


Especialização em Cirurgia

Plástica com o médico e

professor Ivo Pitanguy, no Rio

de Janeiro. Nesse período,

assumiu também a chefia

dos Residentes e ganhou

o Prêmio Victor Spina de

Ganhou o prêmio de Melhor

Trabalho apresentado por um

pós-graduando no Congresso

Brasileiro da Sociedade

Brasileira de Cirurgia

Plástica em 2003.

Em Fortaleza, organizou um

serviço filantrópico de cirurgia

plástica, no qual atuou por seis

anos realizando procedimentos

reparadores em mamas e

lesões de pele. Atuou como

professor da Faculdade de

Medicina da Universidade

Federal do Ceará (UFC),

no departamento de Cirurgia

Plástica. Na mesma universidade,

cursou mestrado em

Transplante Capilar, resultando

em uma pesquisa inédita

publicada na Inglaterra.

Já se destacando pelo

domínio das duas técnicas

mais usadas em transplante

capilar, ele desenvolve o

próprio método de realizar o

procedimento, combinando as

vantagens das duas técnicas.

O modelo de cirurgia foi capa

da revista científica Surgical

& Cosmetic Dermatology e

publicado em outros três livros

da especialidade.

Participou da fundação do

Comitê de Pesquisa da técnica

FUE de transplante capilar,

ou Follicular Unit Extraction

(Extração da Unidade

Folicular, na sigla em inglês),

da Sociedade Internacional

de Cirurgia de Restauração

Capilar. Um dos pioneiros

nessa técnica no país,

foi o único brasileiro do comitê

durante cinco anos.

Conquistou o título de Especialista

em Transplante Capilar,

emitido pela American Board

of Hair Restoration Surgery,

nos Estados Unidos. No Brasil,

apenas ele e outro médico

possuem esse diploma.

Ganhou o prêmio de

melhor trabalho científico

da Sociedade Internacional

de Cirurgia de Restauração

Capilar durante um congresso

mundial de transplantes na

Malásia, em 2014, ao apresentar

uma técnica para melhorar

o pós-operatório de procedimentos

em mulheres.

Dados a complexidade e o

pionerismo das técnicas que

desenvolveu, junto da equipe,

foi convidado a fazer demonstrações

cirúrgicas ao vivo em

países como Inglaterra e Índia.

Sempre em busca de se

aperfeiçoar cada vez mais,

ingressou na Universidade de

Harvard, nos Estados Unidos,

para uma pós-graduação com

duração de um ano e voltada

para profissionais de alto nível

da área de cirurgia.

No momento

certo

Certa vez, ao chegar em um

restaurante acompanhado da

esposa, Dr. Márcio Crisóstomo

foi surpreendido pelo garçom,

que levou até a mesa deles uma

garrafa de champanhe enviada por

um cliente que estava sentado ali

próximo. O cirurgião agradeceu

a gentileza e, depois de jantar,

foi falar com a pessoa que o havia

presenteado. “Ele disse que tinha

se consultado comigo há um

ano, querendo fazer a cirurgia,

e eu tinha dito que não era o

momento de operar. Ele falou

que aquilo o impactou de forma

positiva, porque realmente não

era a hora, ele estava com outras

questões. Depois, mantivemos

contato e, em janeiro, fiz a cirurgia

dele, mas no momento certo”,

conta o cirurgião.

A RAIZ NA CAPITAL

O currículo extenso e a experiência única de Márcio

Criósostomo o credenciam para atender não apenas os mais

diversos tipos de pacientes, como em vários lugares — rotina

que ele já segue. Além do consultório na Capital, ele atende

regularmente em São Paulo e já fez consultas e cirurgias em

Portugal, onde tem o diploma médico revalidado. “Mas eu

sou muito família. Uma das razões para eu estar aqui em

Fortaleza, inclusive, é que minha família é daqui”, revela

ele, complementando que, nas viagens para os congressos,

sempre que possível, leva junto a esposa — a requisitada

dermatologista Manoela Crisóstomo, com quem ele divide o

espaço da clínica —, os dois filhos, o pai e a mãe. “O período

que eu tenho mais aproveitamento com eles é nas viagens.

Agora vai diminuir um pouco a possibilidade porque a

Marina está numa idade escolar e não pode faltar tanto”,

diz, citando a filha mais velha, de seis anos.

A ligação familiar, aliás, vai além do laço afetivo e

abrange o aspecto de inspiração: foi acompanhando as

pesquisas do pai na área genética que Márciou começou

a se interessar pela ciência, ainda na juventude. “Até hoje,

a maioria dos escritos importantes que faço, capítulos

de livro, meu pai revisa todos, faz sugestões da parte

técnica. A experiência técnica e de vida é muito grande”,

constata. Para os filhos, a preocupação do médico é estar

presente, ainda que seja numa simples reunião escolar.

“Todas as atividades na escolinha, eu faço o possível e

o impossível, mas tudo isso encaixado dentro de uma

agenda muito intensa”, esclarece, enquanto olha o relógio

se apressando para ir encontrar a esposa na abertura de

uma exposição de arte, e já checando com a secretária os

pacientes do dia seguinte. ¤

52 MT capa 53


54 MT capa 55


TOQUE MT

TOQUE

MT

TORTIGLIONE AO MOLHO DE LIMÃO

SICILIANO COM CRISPS DE PARMA

FOTOS MARÍLIA CAMELO

Um dos mais famosos presuntos de origem italiana, o parma é uma das estrelas dessa receita, elaborada com exclusividade pela chef

Fabiana Moretti para a Márcia Travessoni — GALERIA. A combinação do presunto com limão siciliano e um toque de queijo parmesão

ao tortiglione Adria Grano Duro resultam em uma refeição prática, mas de sabores marcantes e que pode deixar ainda mais especial

uma ocasião importante. No espaço da Kitchen Home, ela detalhou o passo a passo.

Tempo de preparo: 30 min

Rendimento: 5 a 6 porções

Ingredientes:

500 g de Tortiglione Adria Grano Duro

200 g de presunto de parma

3 limões sicilianos

1 litro de creme de leite fresco

2 cebolas brancas grandes

200 g de queijo parmesão (em pedaço)

Sal e pimenta do reino a gosto

1 colher de sopa de açúcar

Manteiga e azeite

Modo de preparo:

Cozinhe o Tortiglione Adria Grano Duro na água, com sal, seguindo o tempo

indicado na embalagem

Pré-aqueça o forno a 220º. Em seguida, leve o presunto de parma ao forno por

10 minutos, ou o tempo suficiente para ele ficar sequinho. Quando ele estiver

pronto, quebre em pedaços e reserve. Esses são os crisps.

Separe raspas do limão siciliano e reserve. Em seguida, esprema os limões e

reserve o suco.

Refogue as cebolas com manteiga e azeite. Acrescente metade do queijo

parmesão, ralando na hora, o suco de limão e metade das raspas. Acerte o sal

e a pimenta do reino e acrescente um pouco do açúcar.

Acrescente o Tortiglione Adria Grano Duro ao molho e finalize o prato cobrindo

com o restante do queijo parmesão, as raspas de limão e as lascas — ou crisps

— de presunto de parma.

Para ver o passo a passo dessa e outras receitas se inscreva em nosso #CanalMT, do YouTube!

/MTRAVESSONI

56 MT toque MT 57


DELÍCIAS

Por Thaís Sousa

Açaí à moda

cearense

FOTOS: MARÍLIA CAMELO

Meu caso de amor

com o açaí

começou de

maneira nada

convencional:

no início,

sentia somente o “sabor de terra”,

mas me habituei, passei a gostar e

hoje esse insumo está nas minhas

refeições diárias. Há pouco mais

de cinco meses, transformei essa

paixão em negócio e agora tenho

a oportunidade de levar para as

outras pessoas o que considero ser

o sabor original do açaí, segundo os

costumes cearenses.

Nosso estado é um dos maiores

consumidores da fruta paraense

e por isso digo que criamos, sim,

uma maneira própria de comer

açaí. A textura "assorvetada"

e acompanhamentos como leite

em pó, amendoim, doce de leite e

coberturas de caramelo ou menta,

disponíveis sempre de acordo com

o gosto do cliente, são algumas

características do modo como o

açaí aparece na rotina alimentar de

quem mora aqui.

Um aspecto, contudo, não

pode ser modificado: o sabor da

fruta. Por isso defendo que o que

classifica um açaí como legítimo não

é a forma como ele é degustado,

mas o sabor evidente. O açaí que eu

consumo — e que ofereço aos meus

clientes — é batido apenas com

açúcar demerara e uma pequena

dose de xarope de guaraná,

preservando a essência amazônica

na receita. Sem conservantes, emulsificantes

ou gorduras, destacando

o gosto para que ele combine com

granola, frutas, doces ou qualquer

outra forma que se queira consumir.

Junto desse açaí pode vir,

por exemplo, o creme de farinha

láctea, que traz aquele gostinho

de infância; o creme de cupuaçu,

que oscila entre o azedo e o doce;

e o creme de leite em pó que é

sucesso entre todos os paladares.

Podem vir junto, ainda, o chocolate e o

leite condensado para aqueles dias em

que uma pitada a mais de açúcar cai

bem; ou um toque de mel e castanhas

para quando o equilíbrio alimentar é

o foco. Dá também para apostar no

mix de frutas e juntar o açaí ao frescor

da manga, kiwi, abacaxi, morango e

banana. E por que não experimentar

o estilo paraense e combinar açaí

e peixe frito?

Desde que deixei de ser apenas

consumidora e me tornei praticamente

uma especialista em açaí, acompanho

de perto todas as etapas, desde a

chegada da fruta, a batida com o

açúcar, o ponto da textura, até o

momento em que ela vai na tigela de

quem compra, e acredito que posso

atestar com propriedade: o legítimo

açaí à moda cearense é aquele que

preza pela qualidade. ¤

→→THAÍS SOUSA É EMPRESÁRIA E CRIOU, JUNTO

DO SÓCIO E NOIVO OSCAR MARTINS, O EMPÓRIO

AÇAÍ GOURMET. PARA ELA, A MELHOR MANEIRA

DE TOMAR AÇAÍ É COM GRANOLA DE CACAU,

CREME DE LEITE EM PÓ, SUCRILHOS E MORANGO

— A QUALQUER HORA DO DIA.

58 MT delícias 59


DEGUSTES

Por Marcela Pinto

Brinde

afetivo

FOTOS: MARÍLIA CAMELO

Curtir a vida juntos é

uma das especialidades

da minha

família. Datas de

aniversários, fim de

semana na praia,

um jantar especial: tudo é motivo

para nos encontrarmos e celebrar o

amor que nos une. Quando surgiu

a oportunidade de administrar meu

próprio negócio, essa afinidade com

o ato de comemorar se manifestou

naturalmente, e assim surgiu o

Palato Foods e Drinks, espaço

em que os encontros e brindes

— com vinho, drinks ou cafés —

são a prioridade.

Confesso que não sou especialista

em gastronomia, mas me uni a

grandes profissionais e montamos,

juntos, um menu enxuto, mas que

agrada a todos os gostos. Além dos

drinks à base de café, das tradicionais

caipirinhas e caipiroskas

e receitas clássicas de coquetéis,

acrescentei à lista de bebidas uma

carta de vinhos elaborada somente

com os rótulos da Bueno Wines,

da vinícola de Galvão Bueno. E é aí

que aparecem novamente minhas

raízes familiares.

A amizade entre a família Bueno

e a minha já vem de longa data.

Colecionamos vários momentos

juntos e brindamos muitos desses

encontros com os vinhos e espumantes

da vinícola deles — como

o dia do casamento da minha irmã,

por exemplo. No Palato é possível

provar sete rótulos de vinho tinto,

três espumantes e um branco,

elaborados com uvas nobres e

que harmonizam com diferentes

pratos e combinam com todos os

tipos de momentos.

O espumante Desirée Brut

Rosé é o meu favorito porque foi

com ele que celebramos ocasiões

memoráveis em família, além de ser

a bebida que homenageia a esposa

de Galvão, Desirée Bueno. Alguns

dos vinhos são, ainda, assinados

pelo winemaker italiano Roberto

Cipresso, referência mundial na arte

enóloga e que tem parceria com a

vinícola Bueno.

Por isso, cada vez que um

dos meus clientes degusta uma

taça de um dos vinhos, não prova

apenas uma bebida de alto padrão

e sabor marcante, mas dá continuidade

à tradição festiva da minha

família e recebe, por tabela, o nosso

carinho. Tin tin! ¤

→→MARCELA PINTO É ESTUDANTE DE ADMI-

NISTRAÇÃO E COMANDA O PALATO FOODS E

DRINKS, QUE TEVE O MENU ASSINADO PELA

CHEF LILIANE PEREIRA E A CARTA DE BEBIDAS

DESENVOLVIDA EM PARCERIA COM O BAR-

TENDER ALEX MESQUITA.

60 MT degustes 61


GASTRONOMIA

Menu de clássicos

INAUGURADO EM MARÇO DESTE ANO, O HARD ROCK CAFÉ FORTALEZA TRAZ

A EXPERIÊNCIA DOS "DINNERS" NORTE-AMERICANOS PARA A CAPITAL CEARENSE

POR JÉSSICA COLAÇO FOTOS DIVULGAÇÃO

Hambúgueres, milk-shakes e carnes defumadas,

com um toque de cozinha mexicana, tudo

reunido em um ambiente marcado pela inspiração

no rock and roll: assim pode ser definida

a experiência gastronômica de quem visitar o

primeiro Hard Rock Café, instalado em Londres,

ou a mais nova unidade da rede de restaurantes, aberta em

março, no Shopping RioMar Fortaleza.

“Podemos dizer que o cardápio é praticamente mundial,

com pequenas diferenças de acordo com as localidades de

cada restaurante. Mas o "core menu", que é o basicão, tem em

todos os lugares”, explica Vinícius Leite, kitchen manager —

ou gerente da cozinha — da unidade de Fortaleza. Dentro

desse menu padrão estão os pratos que não podem faltar no

Hard Rock Café, como o Legendary Burger, a mais famosa

receita da casa e que leva 220 g de carne, bacon, cheddar,

anéis de cebola, alface americana e tomate.

Outra tradição da casa são as carnes defumadas, identificadas

no menu como "smokehouse". Nessa categoria,

não podem faltar as "ribs", que são as famosas costelas

62 MT gastronomia 63


GASTRONOMIA

suínas defumadas, regadas ao barbecue e servidas com

fritas, "cowboy beans" e salada coleslaw; e ainda os sanduíches

com "pulled pork", ou carne suína defumada e desfiada.

O processo de defumação, acrescenta Vinícius, é feito no

próprio restaurante.

SABOR LOCAL

Junto dos pratos que não podem faltar no menu de todas

as unidades do Hard Rock, cada restaurante acrescenta uma

assinatura local ao cardápio, dando destaque aos insumos

TOQUE

MT

e aos pratos típicos de cada região. Na unidade cearense,

um desses é o "Legendary Local", versão do mais conhecido

hambúguer da rede. “O nosso vai ter picles de maxixe, carne

de sol, maionese de coentro e outras surpresinhas”, brinca

o gerente da cozinha.

Outra receita adaptada é o "shrimp coconut", entrada à

base de camarão empanado no coco, servido também com

maionese de coentro. “A gente quis trazer os ingredientes

da moqueca e da peixada, como o coentro e o coco, além do

camarão”, detalha Vinícius. Os nachos também ganharam

Dentre os mais de 50 itens originais de

artistas internacionais que decoram o

ambiente — as chamadas "memorabílias"

—, o sócio e diretor de operações

do Hard Rock Café Fortaleza, Rodrigo

Ponte, destaca os que mais têm

chamado a atenção dos cearenses.

“O casaco do Keith Richards, a bateria

do Guns N’ Roses, as guitarras do

Bon Jovi e Shakira e o tênis azul de Ed

Sheeran”, lista ele, acrescentando que

a casa terá apresentações musicais de

quinta-feira a domingo.

América para todos

Criado em 1971, o Hard Rock Café tinha a proposta de reproduzir,

na capital inglesa, os restaurantes norte-americanos de beira de

estrada, com os clássicos sofás no lugar das cadeiras e onde eram

servidos hambúrgueres e milk-shakes. “Além disso, os fundadores

queriam um lugar que atendesse desde os proletariado até os

bancários, para reunir todas as faixas etárias, sociais e monetárias

para comer, no mesmo lugar, a típica comida americana, misturado

ao nosso tema base, que é o rock and roll e a música”, explica o

gerente da cozinha do Hard Rock Café Fortaleza, Vinícius Leite.

preparos com cara de culinária cearense: crispy de carne

do sol e cubos de queijo coalho grelhados vão junto dos

tradicionais acompanhamentos da receita mexicana.

RIGOR GASTRONÔMICO

A garantia de que os pratos degustados em qualquer

restaurante da rede Hard Rock vão ter o mesmo sabor,

não importa o lugar do mundo em que ele esteja instalado,

é consequência do rigor com que são escolhidos os ingredientes.

“Nós fazemos uma análise de todos os insumos

que a gente pode ter. Queijo, manteiga, leite, todo e cada

ingrediente. Então, temos produtos daqui mas temos

também ingredientes que vêm de fora”, esclarece Vinícius.

As batatas, por exemplo, são importadas dos Estados

Unidos, enquanto as carnes são produzidas em São Paulo,

acrescenta ele. “Cada item tem suas particularidades.

A manteiga, por exemplo, não pode ter muito soro porque

altera a qualidade do brownie. Por isso analisamos um por

um e vemos se tem condições de atender às exigências da

‘corporate’”, reforça ele.

Outro detalhe importante dos bastidores da casa é o

aspecto social, mantendo a tradição criada desde a fundação

do Café de desenvolver ações filantrópicas. “Estamos estudando

várias possibilidades, inclusive, já iniciamos esse

trabalho reservando vagas de emprego no Café para pessoas

acolhidas pelo Instituto João Carlos Paes Mendonça, braço

filatrópico do RioMar Fortaleza, onde pessoas do entorno

do Shopping participam de programas de formação voltados

a oportunidades de mercado", garante Samuel Sicchierolli,

Presidente da VCI Holding, investidora da marca Hard

Rock Hotel no Brasil e um dos proprietários do empreendimento

na Capital. ¤

64 MT gastronomia 65


GASTRONOMIA

Tradição

refletida

em

excelência

TENDO AS MASSAS ARTESANAIS

COMO DIFERENCIAL, O LA PASTA

GIALLA É REFERÊNCIA DE COZINHA

ITALIANA EM FORTALEZA

POR STÉPHANIE SOUSA FOTOS MARÍLIA CAMELO

As 19 unidades espalhadas atualmente pelo Brasil,

nos estados de São Paulo, Bahia, Ceará e Paraná,

atestam a excelência do La Pasta Gialla. A franquia

chegou à Fortaleza em 2010 por intermédio

do Grupo Social Clube, e hoje está presente no

Shopping Iguatemi e no Pátio Dom Luís, oferecendo

o melhor da cozinha italiana.

Por trás da singular experiência gastronômica proporcionada

pelo La Pasta Gialla está a trajetória de sucesso do

chef Sergio Arno, fundador da casa e grande responsável

pelo rico menu. Dotado de paixão precoce pela gastronomia,

produziu seus primeiros pratos ainda na infância, aos 12

anos, e escolheu a Itália como lar durante boa parte da vida.

Quando retornou ao Brasil, em 1987, colocou em prática

toda a expertise acumulada e passou a empreender. O resultado

hoje se reflete na grandeza e respaldo de sua franquia.

Lembrado na linha de frente quando se trata de cozinha

italiana, o restaurante tem sua principal aposta nas massas

artesanais, sempre servidas frescas e preparadas a partir de

ingredientes selecionados, compondo uma infinidade de

sabores e sensações. Com um menu padronizado, a ideia

é satisfazer paladares de diferentes regiões com o primor

garantido pela assinatura de Sergio Arno.

UM MENU PARA CADA OCASIÃO

No horário de almoço, das segundas às sextas-feiras,

o restaurante conta com um menu executivo de entrada

e prato principal a um preço fixo. Nas demais situações,

66 MT gastronomia 67


GASTRONOMIA

Sugestão da casa para uma

refeição perfeita

ENTRADA

- Bruschetta com queijo brie gratinado, presunto

cru, rúcula, raspas de limão e óleo de oliva

PRATOS PRINCIPAIS

- Risotto com abóbora, carne seca e

cebola crocante

- Tagliatelle com camarão e vodka ao

molho de alho poró

SOBREMESA

- Crepe recheado de mascarpone e amêndoas com

calda de laranja e sorvete de creme

se a preferência for por sabores mais elaborados, o que

não falta são opções. Não há chance de erro ao pedir a

berinjela recheada com ricota, mozzarella, molho pomodoro

e parmesão gratinado.

Também se destaca o medalhão de filet mignon com

cogumelos mistos, creme de gorgonzola e pistache com

tagliolini na manteiga e sálvia, tudo feito com ingredientes

completamente naturais, livres de conservantes e aditivos

químicos. Para elevar a experiência, o menu da casa ainda

oferece uma cartela de vinhos selecionados, além de

drinks alcoólicos — ou não —, e bebidas como whisky,

vodka, gin e licor.

Os sabores requintados não são o único ponto forte do

restaurante. A empresa também dedica especial atenção

à relação com os clientes, seja no atendimento direto ou

nos serviços e facilidades disponibilizados nas lojas. Este

conjunto de fatores, baseado no comprometimento com

a qualidade, é o que faz do La Pasta Gialla uma franquia

capaz de levar um pedacinho da Itália a qualquer lugar —

e agradando até ao mais exigente paladar. ¤

68 MT gastronomia 69


CULTURA

Um

novo

capítulo

À FRENTE DA ACADEMIA CEARENSE

DE LETRAS, ANGELA GUTIÉRREZ ASSUME

A DIFÍCIL MISSÃO DE FORTALECER

A LITERATURA CEARENSE E DAR

VISIBILIDADE AOS AUTORES LOCAIS

POR VANESSA MADEIRA FOTOS MARÍLIA CAMELO

Angela Gutiérrez lembra exatamente do dia em

que entrou pela primeira vez em uma grande

livraria da cidade, recém-inaugurada, que atraía

o público pela novidade, pelo café, e pela variedade

de títulos disponíveis. Entre as estantes

abarrotadas de livros, boa parte delas ocupada

por blockbusters nacionais e internacionais, procurou

obras de Rachel de Queiroz, Moreira Campos, Sânzio de

Azevedo. Estranhou não encontrar. Do atendente, ouviu

uma justificativa inesperada para a ausência: “Não trabalhamos

com autores locais”. Para a escritora, a experiência

foi prova indiscutível de que a literatura nascida no Ceará,

embora rica e cada vez mais diversa, ainda precisa superar

enormes obstáculos para chegar até os leitores.

Como autora, Angela desempenha por natureza o papel

de contribuir para a maior valorização e difusão das obras

de escritores cearenses. No entanto, desde que assumiu

a presidência da Academia Cearense de Letras (ACL),

instituição fundada há mais de um século por seu bisavô (o

intelectual Tomás Pompeu), com o objetivo de preservar,

cultivar e desenvolver a literatura, o trabalho diário se

transformou em árdua missão. Diante da atual situação do

mercado editorial, com redes de livrarias fechando lojas e

editoras de renome encerrando atividades, como fazer com

que os títulos locais ganhem reconhecimento e destaque?

Em uma análise da indústria nacional e da produção

cearense, Angela Gutiérrez se mantém otimista, mas não

70 MT Cultura 71


CULTURA

A pedido da revista Márcia Travessoni —

GALERIA, Angela Gutiérrez elencou três obras

essenciais para conhecer e compreender a

literatura cearense.

foge da realidade. “Ao longo do tempo, a literatura cearense

tem tido algum reconhecimento no resto do Brasil.

A Padaria Espiritual, por exemplo, foi um movimento

que impressionou, porque se anteciparam ao Modernismo,

usando a graça, a piada, o lado mais brincalhão do cearense.

Em outro momento, Rachel de Queiroz foi referência”,

destaca a escritora. “Mas nós nunca fomos metrópole literária,

como Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre.

Parece que estamos um pouco à margem do núcleo central

da literatura no País”, pondera.

ESCRITORES EM TEMPO INTEGRAL

Nomes como Ana Miranda (de “Boca do Inferno” e “Dias

e Dias”) e Socorro Acioli (de “A Cabeça do Santo”) são alguns

dos que, na visão de Angela, conseguiram “furar o bloqueio”

existente no mercado editorial e alcançar notoriedade no

cenário nacional e até internacional. Entretanto, para serem

lidos, a grande maioria dos autores locais precisa ultrapassar

barreiras em todos os elos da cadeia produtiva literária.

A própria dedicação exclusiva à literatura é uma

delas. “Vargas Llosa dizia que ser escritor é uma vocação

excludente. Para ser escritor, tem que ser só escritor,

tem que publicar quase anualmente. Mas é muito difícil

viver de literatura aqui no Ceará e, durante muito tempo,

no Brasil. Muitos escritores, até Machado de Assis, tinham

seu emprego. Foi já com Érico Veríssimo, Jorge Amado,

que alguns escritores brasileiros começaram a ser em tempo

integral”, destaca.

As dificuldades também passam pela busca de editoras

e, principalmente, distribuidoras de maiores dimensões,

que tenham poder de difundir as obras locais e levá-las ao

alcance dos leitores. Angela é categórica ao afirmar que todo

escritor de carreira deseja obter divulgação nacional. Porém,

mesmo os publicados por vezes batalham para chegar às

prateleiras das livrarias. “Se eu publico aqui e meus livros

ficam aqui, como vou ser conhecida fora?”, reflete. “Temos

- A primeira escolha é considerada uma

espécie de “Bíblia” do gênero. Escrito por

Sânzio de Azevedo e publicado em 1976, o livro

“Literatura Cearense”, como o próprio nome

diz, é um grande catálogo das escolas literárias

que tiveram expoentes no Ceará e dos trabalhos

feitos por autores locais. “Quando queremos

lembrar de algum autor do passado, ele tem

todas as indicações. É uma fonte de pesquisa,

um livro importantíssimo”, afirma Angela.

- A segunda obra é um dos maiores clássicos

cearenses: “Iracema”, de José de Alencar.

Angela, no entanto, ressalta a edição bilíngue

organizada por ela e por Sânzio de Azevedo,

e publicada em 2005, para comemorar os 140

anos da obra alencarina. Além do texto original,

o livro traz a versão em francês da história da

índia dos lábios de mel e estudos críticos sobre o

título. Outro destaque é a presença de ilustrações

ao longo das páginas. “É um livro muito bonito.

Tem xilogravuras, aquarelas, um desenho

em bico de pena e poemas de Virgílio Maia

sobre cada uma das estátuas de Iracema que

existem”, conta.

- Por fim, Angela destaca o livro “Poemas de

Amor a Fortaleza”, uma antologia de poesias de

Artur Eduardo Benevides, lançada em 2000.

Dentre os muitos textos que compõem a obra,

a escritora cita “Canto de amor a Fortaleza”, cujos

versos descrevem uma cidade não tão bela

quanto no passado, porém ainda encantadora.

Como admiradora da Fortaleza antiga, Angela diz

que o poema é uma homenagem à capital. “Artur

não era fortalezense, era de Pacatuba. Mas nesse

poema ele tem uma enorme sensibilidade

poética”, elogia.

72 MT Cultura 73


CULTURA

tantos escritores, poetas e contistas ótimos, mas acabam

não tendo renome nacional”, completa.

DE PORTAS ABERTAS

No dia 30 de janeiro deste ano, quando tomou posse

como presidente da ACL, Angela também tomou para si

dois principais compromissos para o fortalecimento da

literatura cearense: valorizar autores locais e abrir as portas

da Academia a diferentes segmentos da sociedade. Nesse

sentido, a ACL, afirma a escritora, tem importância fundamental.

“A academia em si é uma plêiade, uma constelação

de estrelas. Nós temos aqui pessoas com muito conhecimento,

experiência na literatura e em outras áreas. Se todas

elas participarem, podemos dar enorme contribuição à

sociedade”, ressalta.

Segundo a escritora, é preciso aumentar a presença

das obras feitas no Ceará no mercado. Visitar livrarias,

buscar editoras, convocar autores. O público existe,

pontua Angela. “A questão é como a obra desses escritores

chega ao público”, diz.

Se o leitor não tem acesso à literatura local, torna-se

dever da ACL aproximar a literatura do leitor. Meta da

gestão de Angela, a criação de uma programação sistemática,

com atividades culturais, seminários, conferências

e até saraus, é uma das estratégias para que a Academia

volte a receber públicos diversos, que poderão disseminar

o trabalho dos autores do Ceará. “Essas pessoas que virão à

Academia — alunos, professores, pesquisadores, clubes de

leitura — podem ser multiplicadores. E esse é o papel de

intelectuais, formar multiplicadores”, destaca. ¤

74 MT Cultura 75


ARTE

DESORDEM

CRIATIVA

INQUIETO DESDE A INFÂNCIA, O ARTISTA NARCÉLIO GRUD

TRANSFORMA MÚLTIPLAS FONTES DE INSPIRAÇÃO EM OBRAS

E AÇÕES QUE TOCAM O PÚBLICO DE MANEIRAS INFINITAS

POR JUSCELINO FILHO FOTOS MARÍLIA CAMELO

A

inquietude da infância certamente deu

trabalho aos pais de Narcélio Grud, cearense,

artista — na maior amplitude do termo —

e colecionador de expulsões de colégios

na época de escola. Quando a rua era o

playground e as tecnologias engatinhavam,

brincava de bolinha de gude, soltava pipas e construía

carrinhos de lata com os amigos. “Criança precoce”,

como se intitula, Grud reconhece, contudo, que a veia

artística demorou a saltar. Hoje, com 42 anos, é um dos

maiores nomes da arte urbana do País, somando obras,

prêmios e continentes viajados. Mas não vá pensando

que foi fácil chegar até lá. “Para a coisa de virar artista

e pensar isso como profissão, já foi depois de grande.

Eu tive uma juventude muito turbulenta pela minha

energia ser muito forte. Hoje com a idade a gente

consegue equilibrar mais a natureza. Eu fui expulso

de 11 colégios. Um Guinness! (risos) Minha mãe sofreu

muito comigo. O filho que dava trabalho era eu. Eu só

pensava em desordem”, lembra Narcélio.

A desordem faz parte da criatividade de Grud.

No ateliê, a segunda casa em que pensa, elabora e faz

brotar quase tudo o que imagina, a bagunça organizada

prepondera. Mas basta um tour rápido pelo local e logo

se entende o que abriga cada espaço. Dos ocupantes

caninos que te recebem à porta de entrada, à sala

de reuniões, tudo se organiza. Os stencils, baldes de

tinta, obras inacabadas... A anarquia se acomoda e

76 MT arte 77


ARTE

ESCULTURA DHAMMA, DE NARCÉLIO GRUD — FOTO: JOOÃO LUÍS

constrói a tela do artista.

Foi acompanhando os dois irmãos mais velhos que

Grud viu a porta de entrada da juventude. Aos 12 anos,

fez parte do primeiro grupo de pichadores de Fortaleza.

Era o mascote do movimento punk da época. Escrevia

histórias em quadrinhos, pincelava fanzines, pichava

muros, andava de skate. “Na época, as minhas pichações

já tinham algum desenho. Os meus primeiros personagens

foram o Bob e o Kid Catarro, que eram os primos pobres

do Bob Cuspe, personagem do Angeli (famoso chargista

brasileiro)”, explica.

O ARTISTA

Narcélio prefere ser definido apenas como “artista”,

sem o “urbano”. “Daí eu posso ser e fazer qualquer coisa”,

diz. Sem as amarras, pensa fora de qualquer caixa.

O processo criativo é relativo. Às vezes, insight, às vezes

estudo. Inspirações? Muitas. Leituras? Bastantes. Mas não

há receita de bolo. As possibilidades, afinal, são inúmeras.

As ideias vêm dos sonhos, do início da manhã, de conversas

com amigos ou simplesmente de um cabide. “Eu acordei,

olhei para o cabide e a obra surgiu da minha cabeça. É uma

obra de parede. Dentro tem várias esferas, quando você

gira, as esferas ficam rodando”, descreve, detalhando o

funcionamento de uma das obras.

Viver de arte no Brasil é difícil. Em Fortaleza, mais

ainda. Desde os tempos de iniciante, Narcélio acumula e

dribla dificuldades para chegar aonde chegou. “Em outros

estados tenho mais reconhecimento do que em casa”,

lastima-se. Artista 24 horas por dia há 20 anos, Grud

sibila um “Ih, sei lá” quando questionado sobre as maiores

conquistas da vida. O Festival Concreto, um dos maiores

de arte urbana do País, organizado por ele e que vai para

a sexta edição este ano, certamente é uma delas. Mas a

simplicidade da resposta se abriga na família, a esposa e os

três filhos que carrega como maior troféu. “A (filha) mais

velha até tentou a veia artística. Ela me ajuda em algumas

obras, mas a veia dela é mesmo a saúde pública. Enfiou a

cara nos livros e quer Medicina”, orgulha-se.

O cearense, que dividiu a infância entre os bairros

São João do Tauape e Messejana, ganhou o mundo e já

carimbou o passaporte com trabalhos expostos no México,

Chile, Argentina, Inglaterra, Alemanha, França, Portugal,

Espanha... “Já dei um rolé legal”, brinca. A publicidade

que ganha com seus trabalhos é orgânica. A exceção foi

numa quase ida ao Japão, quando convidado para uma

exposição e desconvidado logo em seguida. “Eles gostaram

do meu trabalho, mas tinha uma cláusula no contrato em

que eu tinha que ter mais de 10 mil seguidores no Instagram.

E eu só tinha cinco (mil). E eu não me inscrevi, eu fui

convidado, né! Eles pediram desculpas e tudo. Eu fiquei

chateado porque eu estava empolgado para ir. Daí um cara

me convenceu a gastar R$ 250 em 10 mil seguidores no

Instagram. Eu nem sabia que esse era o preço! Aí eu fiz

essa besteira. Fiz o depósito e os seguidores começaram a

aparecer. Mas tinha muita coisa que era fake. Ainda bem

que os 10 mil que entraram, saíram depois de três meses.

E ah, claro, eu não fui para a exposição no Japão”, graceja.

ALÉM DAS POSSIBILIDADES

Da sucata, matéria-prima do início da carreira, Grud

perpassa hoje pelo mais fino trato com o aço, a madeira,

o policarbonato, o ferro e as fibras de vidro. Polivalente,

busca sempre ressignificar. Famosa obra que habita a praia

78 MT arte 79


ARTE

PRÊMIOS

Edital das Artes –Projeto Esculturas Sonoras

Públicas – Secult/CE – 2010

Edital das Artes – Projeto Esculturas Sonoras

Públicas – Seculfor – 2010

Spa das Artes 2010 – Projeto

Ciclocor / Recife –PE

EXPOSIÇÕES

Circuito Interações Estéticas – Funarte – Belo

Horizonte – 2010

Intencidades – Mostra de Arte Urbana – 2010

Esculturas Sonoras – Centro Cultural

Dragão do Mar – 2009

AUDIOVISUAL

Sem Gravidade – 2010

Livro da Vida – 2008

Fronteira Públicas – 2008

Conhecer para cooperar.

Cooperar para desenvolver.

de Iracema, no litoral fortalezense, a Dhamma, espécie de

roda em tamanho grande em aço e ferro, fixada ao solo

por uma haste vertical, é um dos exemplos que o orgulha.

“Essa obra foi pensada para a rua. Está na Praia de Iracema

há um ano e meio e não tem um momento em que a

galera não esteja rodando aquilo. É incrível como ela se

aguenta!”, comemora.

Se tem inspirações, como o cartunista brasileiro Angeli

e o misterioso italiano Blu, Grud também inspira. Prefere

até não listar possíveis pupilos que o acompanham: "Não

cito nomes porque o bem é de quem recebe. Se eu estou

fazendo o bem, essa pessoa sabe quem é", explica. Uma das

grandes lições sobre compartilhar aprendeu aos 18 anos. "Ter

morado na rua me deu uma coisa do 'não estou só'. Na rua

foi onde eu encontrei a partilha com mais força. Do cara

ter um carioquinha e ele partir no meio e me dar. Eu morei

dois meses na rua. E isso me deu senso de partilha. Se eu

puder abrir portas, eu abro. Mas fechar, jamais", pondera.

Para Narcélio, arte é o que dá sentido. “É o que me possibilita

ver de outra forma, acessar sentimentos diferentes,

outro jeito de fazer, de olhar, de penetrar nas coisas", resume.

Qual o próximo passo do artista? Não sabe. Limites até

existem. No entanto, sejam eles de espaço, ou financeiros,

jamais irão ser reguladores. Porque aquela criança peralta de

trinta anos atrás segue viva, inquieta, ansiosa por descobrir

e criar o novo. Com a experiência de vida de um adulto,

é bem verdade, mas com as infinitas possibilidades que a

arte lhe permite e sempre permitirá. ¤

O Observatório da Indústria coleta, trata, produz e difunde

informações estratégicas para tomadas de decisões a favor da

competitividade industrial e em prol do desenvolvimento do Ceará.

Também faz parte da sua atuação fortalecer o empreendedorismo,

a inovação, a sustentabilidade e a geração de negócios.

www.sfiec.org.br

80 MT arte 81


ARTE

SONORIDADE

VERSÁTIL

A DIVERSIDADE TÉCNICA E DE ESTILOS DA MÚSICA MARCAM

O TRABALHO DE DAVID VALENTE, QUE USA O SOM PARA

PASSAR UMA MENSAGEM POSITIVA AO PÚBLICO

POR JÉSSICA COLAÇO FOTOS MARÍLIA CAMELO

A

música na rotina de David Duarte, 41, é mais

que uma forma de expressão artística ou mesmo

a ocupação profissional: é a missão de vida

dele. Seja cantando, produzindo, regravando,

mixando, fazendo shows ou ainda acompanhando

outros artistas, ele enxerga nesse dom

uma maneira de superar os próprios limites e transmitir

para as outras pessoas a alegria que move a vida. “Eu gosto

de ser capaz de fazer um show e as pessoas verem que sou

um ser humano bom, feliz por ter esse dom e essa oportunidade”,

reforça ele, que já soma quase 24 anos de carreira.

David tem algumas canções autorais, inclusive registradas

em álbum, mas o que o tornou conhecido foram

as gravações de grandes sucessos da música nacional e

internacional, especialmente na década de 1990 e início dos

anos 2000. “Em 1997 eu gravei ‘Quero seu amor’, uma letra

do Chico Pessoa, que fez muito sucesso nas rádios e até

hoje as pessoas lembram como minha primeira música”,

destaca ele, referindo-se à versão em forró de Karma

Chameleon, originalmente gravada pela banda inglesa

Culture Club em 1983.

Após os primeiros sucessos embalados pelo forró, David

decidiu se aventurar por outros estilos e regravou desde

canções internacionais, populares em trilhas sonoras de

novelas, a fados, um tipo de música característica da cultura

portuguesa. “No ano 2000 começaram a surgir convites para

82 MT arte 83


ARTE

Multiprofissional

Não bastasse a diversidade

musical e técnica que marca o

trabalho de David Valente, ele atua

ainda em outras frentes. Formado

em Filosofia, ele também ministra

palestras motivacionais, atividade

que complementa o trabalho musical

dele e serve de inspiração para

muitas pessoas. “Quando começo a

tocar, surgem logo duas perguntas

nas pessoas: como aprendi a tocar e

por que toco com os pés. É isso que

explico na minha palestra ‘Sorrir e

cantar, acreditar e vencer’, em que eu

conto e canto um pouco da minha

história”, detalha David.

viajar e apostei nessa mistura. Fazia shows personalizados

para cada região, se ia para Minas Gerais, cantava músicas

de artistas mineiros e por aí vai”, lembra.

Em paralelo aos shows e gravações, David se apaixonou

também pelo universo dos estúdios e passou a investir

nessa área, adquirindo equipamentos de alta tecnologia e

se aperfeiçoando cada vez mais em qualidade de técnica

musical. “Quando escuto uma música, sei se a voz está

alta ou baixa, consigo identificar até o tipo de microfone

em que foi gravado, pontuo o que está ruim. Hoje eu faço

mixagens de discos, crio atmosferas para as músicas, afino

vozes de artistas do Brasil inteiro”, lista.

ARTISTA PECULIAR

Toda essa versatilidade técnica de David tem uma força

ainda maior se somada a uma condição importante que

marca a vida dele: uma deficiência congênita que limita

os movimentos de mãos e braços e o fez desenvolver habilidades

com os pés, inclusive a de tocar teclado e sanfona.

Diagnosticado com artrogripose, David fazia fisioterapia

e demais tratamentos relacionados desde muito pequeno,

e foi em uma dessas sessões que começou a brincar com um

teclado de briquedo. Até os 12 anos, ele aprendeu música de

maneira autodidata, e foi somente aos 17 anos, no intervalo

das aulas do colégio, que fez sua primeira apresentação.

“Foi um sucesso, todo mundo se emocionou e aquilo tudo

foi muito bem aceito. Foi então que me descobri podendo

dominar um palco”, conta. Após essa descoberta vieram

as inúmeras aulas de canto, ensaios e desenvolvimento de

equipamentos e estruturas que se adaptassem à condição

de David, uma vez que os instrumentos musicais têm de ser

posicionados no chão para que ele os alcance com os pés.

Consciente de que sua condição física desperta atenção no

palco, o músico se empenha, contudo, para que o talento se

sobreponha a essa imagem. “Quero muito que as pessoas se

emocionem, aplaudam, mas não somente pelo meu esforço.

Quero fazer bem feito, quero que aplaudam um bom cantor,

um bom músico. Quero ser reconhecido não apenas pelo

esforço, mas pelo profissionalismo”, enfatiza.

NOVO POSICIONAMENTO

Há cerca de três anos, David sofreu um acidente doméstico,

teve de passar por cirgurgias e reabilitação, processo

que o forçou a deixar os shows em segundo plano. Essa

pausa, contudo, é encarada por ele como um momento

para refletir sobre o que conquistou até aqui e definir um

novo posicionamento no mundo da música. “Como eu

sou ainda da era do rádio, estou pensando em atualizar

algumas coisas, criar um trabalho com vídeos, fazer um

show especial que marque a carreira”, projeta ele, que já

possui conteúdo musical suficiente para lançar dois álbuns,

faltando apenas “fazer uma foto e criar a capa”. “Comecei

a evoluir e estou num momento muito bom. Esse é o meu

show, é a minha vida”, conclui. ¤

84 MT arte 85


86 MT arte 87


DESIGN & DÉCOR

REBECA PRADO,

RODRIGO GONDIM

E SANDRA PRADO

criaram A Casa Sem

Medida para ser

ponto de encontro

As várias formas

do estar

FUGINDO DO TRADICIONAL MODELO

DE EMPREENDER, ESPAÇOS MULTIFUNCIONAIS TÊM

SE MOSTRADO COMO TENDÊNCIA NO MERCADO

CEARENSE E FIDELIZADO PÚBLICO

POR STÉPHANIE SOUSA FOTOS MARÍLIA CAMELO

se faz presente em algum lugar ou

situação”. Uma rápida pesquisa no Google

mostra esta frase como uma das definições

do verbo "estar", tão comum no uso quanto

diverso de significâncias. É na essência

“Que

do “estar” que projetos como a Casa Sem

Medida, a Casa da Vila e a Rima Rica se pautam diariamente,

seguindo a tendência de uma nova forma de consumo

e empreendimento. O que eles têm em comum? Os três são

espaços multifuncionais que acumulam desde a função de

vitrine de produtos a serviços como o de bar e cozinha,

galeria de arte, ou, simplesmente, um local de encontros.

As novas alternativas a lojas e restaurantes convencionais,

por exemplo, saem na frente quando se trata de gerar

identificação e garantir um ciclo de consumo. É o caso da

Casa Sem Medida, que em abril de 2018 surgiu em Fortaleza

propondo um estilo de negócio que fosse além da mera

compra e venda de um serviço.

Idealizada em conjunto pela designer Rebeca Prado,

o esposo, e também designer, Rodrigo Gondim, e a mãe dela,

a arquiteta Sandra Prado, a Casa Sem Medida nasceu com a

proposta de ser, não apenas um espaço colaborativo, mas um

ponto de encontro para freelancers, estudantes e quaisquer

pessoas da área da indústria criativa. A Casa conta com uma

cafeteria, a Tipo CC; escritórios comerciais; a loja Atípica,

um showroom de design que inclui pôsteres, plantas, artigos

de decoração e roupas; além do Bar Clandestino, point

bastante frequentado nas noites alencarinas.

88 MT DESIGN & DéCOR 89


DESIGN & DÉCOR

A CASA DA VILA,

de Bolivar Gadelha e

André Figueirêdo, é

vitrine para marcas e

artistas locais e ainda

espaço de eventos

A RIMA RICA

é um híbrido de loja

de roupas, galeria

de arte e bar

Modernista, confortável e cheia de estilo, a Casa Sem

Medida visa não apenas a venda de serviços e produtos,

mas, também, ser referência como espaço de coworking,

reuniões de trabalho ou até mesmo, simplesmente,

de estudo. “Tudo na Casa conversa. Mesmo que você venha

só para abrir seu notebook, usar o wi-fi e estudar, você

pode querer consumir um café; se anoitece, pode bater a

vontade de ficar para conhecer e curtir o Bar. Tudo está

bem amarrado e tem uma identidade, falando uma mesma

língua”, exemplifica Rebeca.

SEMPRE ABERTOS PARA TODOS

Semelhante no funcionamento, mas com uma estética

diferente, a Casa da Vila, pensada pelos engenheiros

civis Bolivar Gadelha e André Figueirêdo, se propõe a

ser uma plataforma-vitrine de marcas e artistas locais.

Desde o segundo semestre de 2018, o espaço tem funcionado

como um rico hall de lojas, locação para eventos e

ensaios fotográficos, e até como opção de restaurante para

fazer refeições rápidas.

Apesar de diferentes entre si no que diz respeito ao

estilo dos produtos, as lojas do local acabam mantendo

uma espécie de mutualismo: quem vai à procura de uma

roupa de banho pode acabar fisgado pela vitrine da loja

vizinha, por exemplo — o que vale, também, para os

outros serviços da Casa. “A gente tenta agradar a vários

perfis. Certos eventos e produtos atraem mais algumas

pessoas do que outras, mas não delimitamos um público.

Nossas portas estão abertas para todos e para várias finalidades”,

reforça Bolivar.

A experiência é elevada pela beleza do local, assinada

pelos arquitetos Marina Frota, Lara Castelo Branco e Igor

Pessoa. A arquitetura mediterrânea e a inspiração nas ilhas

gregas, como Santorini, são, sem dúvidas, diferenciais

estéticos. Se a Grécia está impressa em detalhes, eles se

somam aos toques locais que podem ser vistos nas pinturas

dos muros e nas luminárias espalhadas pelos corredores.

ESPAÇO QUE ABRAÇA

Seguindo a corrente que tomou conta do mercado

cearense no último ano, a Rima Rica foi inaugurada em

novembro de 2018, fruto da parceria entre os publicitários

Bruno Fontenelle e Mário Nogueira e o diretor de fotografia

Henrique Nunes. Se a impressão primeira é de que

se trata de uma loja apenas, a riqueza de cada detalhe logo

salta aos olhos. Trata-se de um híbrido de loja de roupas,

galeria de arte e bar. Tudo isso coexistindo em uma área

pequena, mas que não sufoca. Muito pelo contrário, abraça.

A sensação de aconchego não é por acaso. A casa que

hoje leva o nome de Rima Rica foi, na década de 1980, o lar

do artista plástico cearense Jaime Veras e da esposa Maria

de Fátima. Atualmente, o casal reside ao lado de onde

outrora fazia morada. Esses e outros afetos estão espalhados

pela atmosfera, pelas portas, paredes e pisos preservados

da construção original. Eles ecoam nos produtos, na vibe

boêmia, nas peças artísticas expostas.

Do lado de dentro, o consumo acontece por meio da

compra de camisas, shapes personalizados de skate, prints

de artistas locais, ou mesmo só de uma “longneck” ou uma

dose de cachaça. Não faz muita diferença, pelo menos a

princípio, como ilustra Bruno. “Às vezes, a pessoa entra,

olha, não leva nada, mas fica e toma uma bebida. Dias

depois, ela volta e compra uma peça. Ou seja, isso é sinal

de que cativamos pela identificação. E é bem melhor do

que alguém vir uma vez, consumir e nunca mais voltar“.

Já da porta para fora, a Rima é literal. A programação

musical que acontece às sextas-feiras e sábados são prova

de que o negócio de Bruno, Mário e Henrique é plural.

“A gente quer que as pessoas ocupem também a nossa

calçada. Além de gerar uma proximidade com quem já é

nosso público, a ação movimenta a área”, garante Mário. ¤

90 MT DESIGN & DéCOR 91


TOQUE MT

Para viver melhor

MASTER COACH CEARENSE MARÍLIA FIUZA REÚNE, EM SEU PRIMEIRO LIVRO,

A

master coach Marília Fiuza realizou o sonho de ter o

primeiro livro de sua autoria. Lançada este ano, a obra

“Viver Melhor — Reflexões para o crescimento pessoal”

é homônima da coluna quinzenal que Marília assinou no

Diário do Nordeste e reúne textos publicados no jornal.

O livro é dividido em três categorias: Autoconhecimento,

Crescimento Profissional e Espiritualidade. Nessas três seções,

Marília conversa com o leitor e busca valorizar o autoconhecimento

ao identificar forças, vulnerabilidades, pontos cegos e formas de se

viver melhor. Além disso, há estímulos ao crescimento profissional

e reconhecimento à importância da espiritualidade. “O livro não

fragmenta a pessoa nessas três áreas, mas sim unifica as pessoas nessas

três áreas”, pontua ela.

TEXTOS QUE PROVOCAM REFLEXÕES E EXPANSÃO DE IDEIAS

POR JUSCELINO FILHO FOTOS ALEX CAMPÊLO

Em vez de viver mais, viver melhor. Desatar nós, libertar-se de

mágoas do passado, fortalecer a capacidade de gratidão. Tudo isso

é alvo da publicação de Marília Fiuza, que já está disponível nas

livrarias cearenses. “O livro é a vontade profunda e o desejo sincero

de contribuir com as pessoas para que elas possam viver melhor em

todas essas áreas”, explica a master coach.

E a estreia no universo da escrita já tem novos resultados agendados.

Marília trabalha, agora, em parceria com o Padre Eugênio Pacelli

para lançar o segundo livro ainda este ano. Intitulado “Encontros

com a Misericórdia”, a publicação vai relata parábolas de encontros

de personagens bíblicos com Jesus, atualizados para os dias de hoje.

“Fazemos com que as pessoas reflitam e se imaginem naquele encontro

como se fossem com elas mesmas”, esclarece. ¤

SERVIÇO

VIVER MELHOR — REFLEXÕES PARA O CRESCIMENTO PESSOAL

À VENDA NA LIVRARIA LEITURA (SHOPPINGS RIOMAR FORTALEZA E DEL PASEO), PÓLEN

PRESENTES (AV. ANTÔNIO SALES, 3343) E LIVRARIA RUAH (RUA DOM EXPEDIDO LOPES, 1949)

R$ 35

92 MT toque mt 93


ESPELHO

Crescimento

constante

A cearense

Natasha Pinheiro

foi recentemente

anunciada como

novo nome da

plataforma F*Hits

POR STÉPHANIE SOUSA FOTOS IGOR REIS

É

comum encontrar quem sonhe em se jogar no

mundo em busca de crescimento pessoal ou

profissional, de experiências engrandecedoras,

de desafios. Nem sempre se consegue, é bem

verdade. Mas um bom exemplo de quem fez

tudo isso é Natasha Pinheiro, 38. Ainda

muito nova, se deparou com uma Fortaleza já pequena

para ela. Os tempos de escola se dividiram entre Suíça

e Estados Unidos. Logo depois, em 2004, se graduou em

Fashion & Design, em Londres. De maneira simples,

foi direto ao ponto: pertencia ao mundo. E principalmente

através da paixão pela moda, se coloca nele.

Atualmente, Natasha tem residência em São

Paulo, escolha mais do que natural considerando a

efervescência do mercado no qual atua. Adepta do

estilo clássico, ela foi anunciada em janeiro deste ano

como um dos novos brilhantes nomes a integrar o

time do F*Hits, plataforma-networking de influenciadores

digitais. Antes de apostar na Moda como um

novo ramo profissional a seguir, chegou a caminhar

por outros trilhos artísticos. Ela desenhava jogos

americanos, guardanapos e toalhas, fazendo o que se

classifica como “home décor”. “Nos almoços e jantares,

os amigos sempre me perguntavam onde poderiam

encontrar aqueles itens de decoração de mesa. Vi nesse

interesse uma oportunidade de trabalhar com a área”,

recorda. O que começou com vendas de boca a boca

hoje ainda acompanha a cearense, em paralelo ao job

como influenciadora.

O fascínio por moda, design e tudo que envolvesse o

senso estético veio do berço. Filha de Sandra Pinheiro,

designer de joias, e irmã da também digital influencer

Nicole Pinheiro, Natasha cresceu em núcleo familiar

que respirava arte e, naturalmente, hoje bebe das

mais diversas fontes de inspiração. Tanto que ela não

se restringe a escolher apenas um ramo para seguir:

continua equilibrando, com maestria, as áreas de home

décor e os trabalhos como influenciadora. ¤

94 MT espelho 95


ESPELHO

TOQUE

MT

Outro hobby que tem bastante espaço

na vida de Roberta é a escrita, que, no ano

passado, transformou-se em mais um

mérito. Após um curso com a renomada

escritora Socorro Acioli, teve um texto de

sua autoria publicado no livro “Mirabilia”,

uma coletânea de contos de Natal.

A história se passa na véspera de Natal,

quando Papai Noel e o irmão relembram

conflitos do passado e a discussão acaba

atrasando a entrega de presentes. O conto

é uma releitura da narrativa bíblica dos

irmãos Caim e Abel e tenta mostrar um lado

“oculto” do bom velhinho, revela Roberta.

A publicação do conto foi a realização de

um sonho antigo da advogada. “Foi o meu

primeiro trabalho como escritora literária,

um momento especial de ingressar nessa

outra vertente da minha carreira”, diz.

Fazer

a diferença

Mesmo jovem, a

advogada Roberta

Juaçaba acumula

realizações na

vida pessoal e

na profissional,

resultados de muita

determinação

POR VANESSA MADEIRA FOTOS MARÍLIA CAMELO

O

que alguns chamariam de timidez, na advogada

Roberta Juaçaba significa discrição e classe.

A voz tranquila e o jeito introvertido podem

enganar os mais distraídos, mas, com apenas 30

anos, a cearense já acumula títulos acadêmicos

na área do Direito, tem uma carreira jurídica

em ascensão e é dona de uma rotina diária disciplinada,

que combina yoga, academia e alimentação saudável.

No escritório de advocacia onde atua, em Fortaleza, o estilo

clássico e formal e a seriedade com a qual trata o trabalho

revelam como Roberta deseja ser vista: “a imagem que quero

passar é de responsabilidade”.

Antes de se descobrir advogada, a cearense lembra que,

“como toda libriana”, cogitou seguir profissões diversas.

Passeou pelo Jornalismo, a Psicologia, o funcionalismo

público (muito influenciada pelos pais, servidores de

carreira) e até o Design de Moda, área que chegou a estudar

na faculdade, mas que nunca exerceu. “Não me identifiquei

com o curso e o mundo da moda, não me realizei profissionalmente.

No último semestre da faculdade, decidi estudar

para concursos e tive contato pela primeira vez com as

matérias do Direito. Acabei me apaixonando”, conta.

Na área jurídica, na qual é graduada, especialista e

mestra, Roberta trabalha para defender os direitos dos

clientes e solucionar conflitos. “O trabalho do advogado é

resolver problemas”, brinca. “Mas é onde eu consigo estudar,

colocar no papel e fazer a diferença de alguma forma na

vida de uma pessoa e de uma empresa”, completa.

Para equilibrar a dedicação à profissão, o tempo em

casa é sagrado e qualquer horário livre logo é preenchido

com leituras, orações, meditações e filmes na companhia

do marido, o artista Cadeh Juaçaba, com quem Roberta é

casada há pouco mais de dois anos. Em casa, a advogada faz

questão de exibir uma foto da cerimônia que selou a união.

“Foi um muito especial para mim, um momento marcante

na minha vida e na minha história”. ¤

96 MT espelho 97


ESPELHO

Fashion

da cabeça

aos pés

Fer Borges réune

em seu atual papel

de digital influencer

as experiências no

mundo da moda

acumuladas desde

trabalhos em lojas até

consultoria fashion

POR STÉPHANIE SOUSA FOTOS MARÍLIA CAMELO

Nascida no município de Uberaba, em Minas

Gerais, foi no Ceará que Fernanda Borges —

hoje mais conhecida pelo apelido de Fer — traçou

os principais caminhos de sua carreira. A mineira

hoje integra o poderoso time de digitais influencers

da "Terra da Luz", com quase 40 mil fiéis

seguidores no perfil do Instagram.

Se hoje ela é um case de sucesso no concorrido mundo

dos influenciadores digitais, não é em vão. A blogueira de 28

anos guarda na bagagem experiências diversas no mercado.

Apaixonada desde muito cedo pelo mundo fashion e sempre

certa da paixão que a movia, Fer se formou em Moda e não

demorou a conquistar seu espaço.

As experiências começaram em lojas de roupas,

a exemplo da extinta Anamac. “Lá a gente recebia muitas

pessoas desse ramo e até influencers como a Thássia (Naves)”,

lembra. Nesse período, quando o Instagram surgiu como

rede social, Fer já era adepta de fotografar looks no espelho

para compartilhar com os seguidores, prática que logo virou

febre entre as criadoras de conteúdo fashion.

DEMANDA ON-LINE

Mais recentemente, a influencer também dedicou-se à

área de marketing, trabalhando para a loja de roupas Say So.

Muito mais rápido do que se esperava, no entanto, a ruiva

precisou deixar o cargo, quando não mais conseguiu conciliar

a profissão “comum” com o trabalho voltado para as redes

sociais. “Eu passei a receber muitos produtos em casa para

divulgar nos stories do Instagram e a ser muito procurada

para trabalhos. Foi assim que eu percebi que ser influencer

poderia ser a minha profissão”, explica.

Hoje, a mineira se desdobra na rotina de provadores

de lojas e divulgação pelas redes, bem como shootings para

marcas e até consultorias fashion. Fã de carteirinha do

mood monocromático, ela tem preferência por peças lisas

e modernas. Quando não está no trabalho, por outro lado,

a dedicação ainda se faz presente, mas em nome do próprio

bem-estar, seja cuidando do corpo frequentando a academia,

ou aproveitando tempo ao lado dos amigos. “Eu sou muito

de farra. Nos fins de semana, amo ir ao Colosso, ir a baladas,

bloquinhos. Não dispenso esses momentos”, conclui. ¤

98 MT espelho 99


ESPELHO

Influência

com

propósito

Criadora do projeto

“Beleza para todos”,

Themis Briand eleva a

autoestima de pessoas

com deficiência

visual por meio da

automaquiagem

POR STÉPHANIE SOUSA FOTOS MARÍLIA CAMELO

Habituada a uma rotina acelerada, Themis

Briand, 33, faz questão de se entregar por

completo a cada uma das tarefas que realiza

e, para isso, já virou mestre em adaptar o cotidiano

para aproveitar os pequenos e grandes

prazeres da vida. Em alguns intervalos, Themis

atua, ainda, como o que muitos chamariam de “digital

influencer”. Apesar de colecionar seguidores que ultrapassam

o número de 30 mil só no Instagram, a cearense

não gosta muito do título e prefere ser vista como “life

encourager”. “Eu não sou adepta do termo ‘influencer’

porque não uso minhas redes para influenciar, mas para

encorajar. Encorajar as pessoas a evoluírem mentalmente,

a serem mais positivas, a cuidarem das suas famílias, a se

dedicarem a propósitos sociais”, explica.

Em 2016, a amiga Thaís Frota, portadora de uma doença

degenerativa que causa a perda da visão, pediu que Themis

a maquiasse. Os elogios pelo visual elevaram a autoestima

Estilo

construído

da jovem e despertaram nela a vontade de se embelezar

com as próprias mãos.

Maquiando-se no escuro dos olhos fechados e usando

itens simples como fita de micropore para delimitar

áreas do rosto, Themis desenvolveu técnicas para ensinar

a amiga. Assim, baseado na premissa de colocar-se no

lugar do outro, nascia o “Beleza Para Todos” — projeto

que ensina automaquiagem a pessoas que não enxergam.

“Eu gravei com a Thaís, coloquei no YouTube, e o vídeo

acabou ganhando repercussão”, relata.

Do programa de Pedro Bial ao de Fátima Bernardes,

Themis voou mais alto e deu cursos no Instituto dos Cegos,

em São Paulo, e em salões de grande porte, a convite da

Tracta. Em 2017 chegou, inclusive, a ser palestrante do

TEDx Fortaleza, conferência internacional de lema “ideias

que merecem ser compartilhadas”. No fim das contas,

de fato, Themis Briand não é digital influencer. Bem que

ela avisou. É bem mais do que isso.¤

Fã do estilo clássico moderno,

Themis é antenada, acompanha

tendências, fica de olho nas semanas

de moda ao redor do mundo,

mas prefere não seguir tudo à

risca. De modo claro, ela explana e

convence: estilo é algo construído ao

longo da vida, não puramente o ato

de usar o que dizem estar na moda.

“É um misto do que você é com o

que você consome da indústria”.

100 MT espelho 101


BELEZA E

BEM-ESTAR

PIONEIRA NO SEGMENTO DE BELEZA ATRELADO À CONSCIENTIZAÇÃO

AMBIENTAL, A CASA LINDA FLOR ALIA SUSTENTABILIDADE E CUIDADO

PESSOAL, IMPLANTANDO INICIATIVAS “VERDES” NO DIA A DIA

Beleza e sustentabilidade são dois conceitos que dificilmente

andam de mãos dadas. Salões e clínicas

do segmento costumam abusar do uso de descartáveis,

do consumo de energia e da utilização de

produtos químicos, gerando um prejuízo para o

meio ambiente bem maior do que os benefícios

para os clientes. O alto custo de ações “limpas” complicam

ainda mais o processo. No entanto, cada vez mais empresas

brasileiras começam a atentar para a necessidade de adotar

atitudes que tenham menor impacto na natureza.

Em Fortaleza, a Casa Linda Flor — espaço de beleza e spa

existente desde 2010, mas reformulado em 2014 — tem sido

referência no assunto. Com ações estratégicas, pensadas

pela empresária Surama Geleilate, o ambiente concilia

Beleza

sustentável

POR VANESSA MADEIRA FOTOS MARÍLIA CAMELO

cuidado pessoal, bem-estar e consciência ambiental. Desde

a presença marcante de plantas no projeto arquitetônico

— mais de 1.000 exemplares, segundo a proprietária —

até a implantação de placas solares, o foco é a preocupação

com a sustentabilidade, sem deixar de lado a qualidade dos

tratamentos e demais serviços oferecidos.

Em parceria com uma engenheira ambiental e uma

paisagista, Surama e as filhas (e sócias), Gabriela e Suzana

Geleilate, projetaram um salão de beleza “verde”. Nos lavatórios,

a água é filtrada e purificada para não agredir os fios

nos procedimentos capilares. A energia solar gerada a partir

das placas é utilizada para esquentar a água dos banhos.

Os produtos usados são provenientes de fornecedores

que trabalham com ingredientes naturais e não possuem

parabenos, nem derivados de petróleo. As plantas, além de

criarem uma atmosfera aconchegante, ajudam na reposição

de oxigênio dentro do espaço.

“Fortaleza é uma cidade grande, onde todo mundo

trabalha, passa o dia fora de casa. O que a gente queria para

a mulher que vem para Casa Linda Flor é que ela se sentisse

bem, fora do ambiente com que está acostumada, e que

tivesse uma experiência diferente. A sustentabilidade vem

com o cuidado e a beleza para trazer isso”, afirma Surama.

Fora da área estética, o salão também trabalha com a

separação e a reciclagem do lixo produzido, experiências

que, conforme a empresária, também são estimuladas entre

os funcionários e até as clientes. Ao mesmo tempo, copos,

canudos e outros materiais de plástico descartáveis foram

reduzidos e até abolidos.

MUDANÇA GRADUAL

Colocar todas essas ideias em prática é desafio diário,

explica Gabriela, diretora de Marketing da Casa. “No mundo

da beleza, isso é muito complicado, porque é tanta novidade,

tanta informação nova. A gente vem tentando esse

desafio. Não dá para ser tudo, mas o mínimo que seja,

se as pessoas já tiverem essa consciência, é um start que a

gente cria”, destaca.

Os custos da sustentabilidade são altos, reitera Surama.

Por isso, as ações também visam a compensar os gastos de

implantação com a economia de energia e consumo de água.

Exemplos disso são as propostas de reutilizar os drenos de

aparelhos de ar-condicionado na irrigação de plantas, e de

aproveitar a luz natural no ambiente.

A causa ambiental foi incorporada pelos frequentadores

do espaço, e a recepção positiva se reflete nos resultados da

empresa. A Casa Linda Flor, segundo Surama, é o primeiro

salão de beleza “verde” do Norte-Nordeste e está prestes a

receber um certificado concedido pela Prefeitura Municipal

a empreendimentos que executam projetos sustentáveis.

“Quando você propaga aquilo em que acredita, é válido.

Eu não esperava ter o alcance que tive. A gente quis fazer,

conseguiu, e fizemos com que as pessoas que realmente

importam entendessem”, pontua Surama. ¤

SURAMA GELEILATE

e as filhas

Gabriela e Suzana

conduzem o salão

com "iniciativas

verdes"

102 MT Beleza e bem-estar 103


VIAGEM

Por Márcia Travessoni

TESOURO

CARIBENHO

Fugir rumo ao paraíso...

quem nunca teve essa

vontade, em meio ao

caos do cotidiano?

Esse paraíso, no caso,

fica em Antígua,

a maravilhosa ilha caribenha,

que ocupa metade do país insular

Antígua e Barbuda, que com

apenas 280 km² surge como um

dos destinos mais do que perfeitos

para férias. Nela vamos encontrar

Saint John’s, a maior cidade e capital

do país, onde moram 24 mil dos

68 mil habitantes da ilha. E é em

Antígua que fica localizado um

resort excepcional, que recebe quem

chega com uma receita infalível

de 50% de hospitalidade e 49%

de tranquilidade. O 1% que falta

pertence à magia — mas essa é

culpa da própria ilha.

Considerado o melhor resort

do Caribe, Jumby Bay Island está

fixado em uma área de 120 hectares,

com praias lindas, vegetação tropical

e o mar azul que parece um aquário

natural. Quem chega, rapidamente

se deslumbra com tamanha beleza.

Vale destacar que a renomada

designer de interiores brasileira

Patricia Anastassiadis liderou o

projeto do resort: com uma mistura

104 MT viagem 105


TOQUE

MT

Antes de carimbar o passaporte, que tal organizar bem a viagem?

Aqui vão algumas dicas para deixar a tour ainda melhor.

- O clima da ilha de Antígua é tropical, relativamente seco. Durante

o ano a temperatura varia entre 26° e 32°. Os meses mais chuvosos vão

de setembro a novembro, e os mais secos, de fevereiro a março.

- A melhor época para visitar Antígua é entre dezembro e junho,

por ser o período com menor ocorrência de chuvas.

de refinada estética e tecnologia

funcional de ponta, o design equilibra

elegância casual e estilo tropical,

com tons claros e etéreos complementando

a vegetação exuberante

da ilha e ressaltando uma aura de

luxo descontraído.

ALÉM DA PRAIA

A imagem de um postal ilustrado

perfeito é o que nos lembra a visão

da areia branca imaculada, banhada

por um mar azul-turquesa a perder

de vista. Ao longo da areia, as espreguiçadeiras

apelam a momentos da

mais pura descontração. Enquanto

se descansa entre mergulhos, lê-se

um livro, contempla-se o mar ou,

simplesmente, não se faz nada.

Nem é preciso ir até o hotel para

comer ou beber, pois o bar da

praia oferece absolutamente tudo.

Instalado num bangalô tradicional,

meio caminho entre a água e o

início do resort, é o epicentro da vida

casual de Jumby Bay.

Depois de desfrutar de toda a

tranquilidade do Jumby Bay Resort

e revigorar as energias, ainda é

possível fazer uma visitinha a outro

ponto icônico: St. Barth. A viagem

pode ser feita em apenas 40 minutos.

Praias incríveis, roteiros inexplorados,

tranquilidade mais que necessária...

Um refúgio considerado o melhor do

Caribe. Não é à toa. ¤

106 MT viagem 107


LUXO

Experiências

e legados

1. VALIOSA TRANSPARÊNCIA

O verdadeiro luxo pode ser acessado de diversas maneiras,

e a memorável joalheria norte-americana Tiffany sabe

como transformar a simples compra de uma peça em uma

experiência de exclusividade. A novidade é que agora a grife

oferece informações sobre a proveniência de cada um dos

diamantes registrados individualmente, identificando a região

ou o país de origem das pedras, dando um novo significado

para a transparência do diamante e da relação marca/cliente.

1

2. ARTSY

A Lacoste apresenta sua nova colaboração com o ícone pop

do século XX, Keith Haring. A marca comemorou o legado

do célebre artista gráfico norte-americano com uma festa na

Pioneer Works, em Nova York, para celebrar o lançamento

global da coleção e a reinstalação do Mural Boys Boys (1987),

que foi originalmente pintado em uma parede do Pitt Street

Boys Club, no Lower East Side. A coleção estará disponível

no Brasil nas boutiques Lacoste e online a partir de 24 de

maio e combina de forma elegante a excentricidade de uma

estampa que ocupa toda uma peça com a sobriedade de

pictogramas emblemáticos.

3

4

2

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

3. PULSOS DECORADOS

A Chanel é reconhecida no mundo todo por unir os desejos de

moda, a alta qualidade dos seus produtos e seu design característico.

A linha de relógios não fica atrás e a cada temporada

disponibiliza modelos poderosos e suntuosos. Como é o caso

do J12, feito em cerâmica branca altamente resistente e aço,

aro e índices de diamantes com lapidação brilhante.

4. OUSADIA

Na última temporada de Primavera/Verão 2019, a Gucci

colocou na passarela uma proposta de óculos que se tornou

febre entre celebridades como Kim Kardashian, Cléo Pires e

Gilda Ambrósio. Mas nada de estética sutil, a tendência agora

são os óculos máscara, que pegam carona no sportswear da

estação e atualizam o lifestyle. Agora disponíveis nas lojas,

os modelos inserem requinte e atrevimento ao look.

108 MT Luxo 109


CONSUMO

Declaração

Fashion

TB Bag

Burberry

Mais do que apresentar as roupas que vão guiar as temporadas

seguintes da moda global, os desfiles internacionais

assumem a função de gerar desejo absoluto pelos acessórios

grifados. Tem gente que prefere observar as bolsas da estação

do que qualquer outra coisa... Listamos aqui as statement bags

que invadiram as ruas, já lotam os closets das influencers e

aquecem o imaginário fashion.

Miu Lady Madras

Miu Miu

Welcome Bag

Dolce & Gabbana

City Steamer

Louis Vuitton

Beach Ball

Chanel

Queen Margaret

Gucci

Sidonie bag

Prada

Tempête PVC

Delvaux

Multicolor

Sequin Mini Natalia

Tom Ford

Baguette

Fendi

Saddle Bag

Dior

110 MT consumo 111


CARTAS PARA O CEARÁ

Ora pois,

Ceará!

EM LISBOA HÁ UM ANO,

LARISSA COELHO, PEDRO NETO

E OS TRÊS FILHOS DESBRAVAM

O VELHO CONTINENTE PARA

REDESCOBRIR HORIZONTES

PROFISSIONAIS E FAMILIARES

FOTO BANCO DE IMAGEM

POR JUSCELINO FILHO

FOTOS ARQUIVO PESSOAL

Um novo estilo

de vida.

Com cheirinho de

casa, mas repleto

de peculiaridades

próprias, Portugal

se tornou o lar da família Coelho

há um ano. Foi no caminho inverso

ao episódio do “descobrimento

do Brasil” que Larissa e Pedro

Neto resolveram investir esforços

para redescobrir horizontes

profissionais e familiares. Com os

três filhos (Pedro, 15; Matheus, 13; e

Lucas, 9), rumaram para o velho

continente no começo de 2018 e,

na bagagem, não levaram planos

de voltar. “Sempre pensamos em

viver essa experiência com nossos

filhos! E resolvemos que essa seria

a época certa pra viver isso com

eles pela idade que eles tinham”,

explica Larissa Coelho, empresária-

-sócia da Plataforma Enfts e Duplêe

Image Consulting.

A adaptação foi favorecida pela

época do ano. Com temperaturas

amenas e semelhantes às do Brasil,

Lisboa os acolheu como família no

início do ano passado. A família que

ficou em solo cearense, entretanto,

deixou aquela saudade gostosa de

lembrar. Mas os pontos favoráveis

foram vários. “Dificultou a distância

das nossas famílias, mas facilitou

a qualidade de vida que estamos

tendo, como segurança,

educação, lazer, tudo isso é muito

positivo”, enumera a empresária,

que também é publisher do blog de

moda Enfeitiçadas.

Pedro é um dos sócios da Social

Music, empresa que promove

grandes festivais nacionais e

internacionais, como Villa Mix,

Fortal e Carnabeach Miami.

Atualmente com um pé também

na área de compras, aproveita a

experiência europeia para ampliar

conhecimento e contatos, mas sem

deixar de lado os negócios no

Brasil. “Hoje em dia a tecnologia

facilita a gestão à distância através

das videoconferências e aplicativos

de troca de mensagens. Outra

questão é que procuro dividir cada

mês, ficando parte em Portugal e

parte no Brasil”, pontua.

Argumentando que um mercado

cada vez maior de artistas brasileiros

busca a Europa como palco

para expandir o próprio trabalho,

Pedro Neto explica a opção da

escolha da mudança para o país

lusitano. “A decisão da Social

Music de iniciar as atividades

na Europa, tendo Portugal como

entrada, foi pautada num mercado

crescente dos artistas brasileiros

nesses países. Para exemplificar,

é só citarmos a primeira edição

do Villa Mix Lisboa em 2018,

onde tivemos todos os ingressos

esgotados", resgata.

ROTINA E "GAFES" LUSITANAS

Apesar de a língua ser a mesma,

alguns vocábulos podem trair o

turista recém-chegado a Portugal

por terem a grafia parecida com

o português do Brasil, mas uma

acepção totalmente diferente em

solo lusitano. “Eu e minha sócia

fizemos um curso de consultoria

Lisboa, por

Larissa e

Pedro

de imagem e a professora estava

dando uma explicação e disse ‘O

rabo daquela pessoa fica melhor

nesse tipo de calça!'. Foi bem

engraçado”, diverte-se Larissa,

ao relembrar o episódio.

Sem rotina fixa, ela se organiza

entre cursos, pesquisas, prospecções

de mercado e reuniões com

clientes, isso para além da execução

de trabalhos em campo e em casa.

A vida é corrida. Em Lisboa, Larissa

investe em um curso de consultoria

de imagem, buscando sempre

ampliar os negócios. Pedro, por sua

vez, pendula entre os continentes.

Visitar

Mosteiro dos Jerônimos

“O local tem uma arquitetura

lindíssima com uma igreja

que é uma das mais bonitas

de Lisboa!”

Aproveitar

JNcQUOI

“É uma referência para todos os

visitantes de Lisboa onde se come,

bebe, compra e vive uma experiência

super bacana com uma proposta

inovadora”

Quando o trabalho dá brecha, volta

para o aconchego do (novo) lar e

aproveita cada segundo ao lado dos

três filhos e da esposa. Até porque

com um mundo de cultura e história

à disposição, ficar trancado em casa

está fora de cogitação. “A rotina é

de trabalho durante o dia e à noite é

com a família. Nos fins de semana,

a gente procura sempre vivenciar o

máximo de experiências gastronômicas,

históricas e culturais no que

existe de melhor em Portugal e na

Europa”, detalha Pedro Coelho.

Se há mais de cinco séculos

Pedro Álvares Cabral mostrou ao

Comer

Sud

“É um tipo de bar-restaurante e é um

dos nossos lugares preferidos aqui

em Lisboa. Com um cenário maravilhoso,

de frente para o famoso Rio

Tejo! Tem ambiente agradabilíssimo e

uma comida deliciosa!”

mundo as famosas “terras em que

se plantando, tudo dá” foi no velho

continente que a família Coelho

resolveu desbravar um mundo

novo para se reinventar. Quando

a saudade de casa bate, a tecnologia

ajuda a estreitar os laços.

Mas quando a vontade de voltar

for maior do que a distância, é só

retomar o rumo além-mar. Afinal,

para quem tem saudade, o Brasil

não é só próximo de Portugal pelo

idioma. Pode ser logo ali virando a

esquina, ora pois.

112 MT CARTAS PARA O CEARÁ 113


ACONTECE

Ricardo

e Manoela Bacelar,

Aline e Igor Barroso

Thiago Braga,

Randal Pompeu,

Renata Jeressaiti

e Maurício Cals

UNIFOR INAUGURA

EXPOSIÇÃO

“ARTE MODERNA

NA COLEÇÃO

FUNDAÇÃO EDSON

QUEIROZ”

Bia e Max Perlingeiro

Elusa Laprovitera

e Paula Frota

Fotos: Kléber Gonçalves

Carol e Roberta Bezerra

e Roberto Claudio

Sob a curadoria de Regina Teixeira de Barros, o

Espaço Cultural Unifor inaugurou a mostra “Arte

Moderna na Coleção Fundação Edson Queiroz”.

Reunindo 77 obras, que realizam um passeio aguçado

pelo movimento modernista entre as décadas de 1920 e

1960, a exposição integra as celebrações dos 46 anos da

Universidade de Fortaleza. Desde 2015, as peças foram

apresentadas em outras cidades do País, como São

Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre, além de terem sido

exibidas na Europa, ao passar por Lisbos e depois Roma.

Dodora Guimarães

Leonardo Leal,

Pedro Corrêa do Lago

e Denise Mattar

Cláudio Rocha,

Chiquinho Aragão

e Antônio Almeida

114 MT ACONTECE 115


Expedito Neto

e Marília Queiroz

Cristina Praça,

Lenise Queiroz

e Ana Quezado

Randal Pompeu

e Fernando Ximenes

Igor Barroso,

Fátima Veras,

Roberto Cláudio,

Lenise Queiroz

e Edson Queiroz Neto

Mara Vieira,

Fabíola Bezerra

e Juliana Mamede

Roberto e Lúcia Galvão

116 MT ACONTECE 117


ACONTECE

Onélia e Camilo Santana

Fábio Albuquerque

e Roberto Cláudio

ORÇADO EM R$

250 MILHÕES, BS

DESIGN É A MAIS

NOVA MARAVILHA

ARQUITETÔNICA

DE FORTALEZA

Pio Rodrigues,

Ticiana Rolim

e Edson Queiroz Neto

Márcia

e Fernando Travessoni

Fotos: Eri Nunes

Toquinho

A

BSPAR Incorporações, na figura de seu presidente

Beto Studart, entregou à cidade o BS Design, em

coquetel exclusivo para convidados. Localizado

na Avenida Desembargador Moreira, número 1300, o

empreendimento de duas torres com design que lembra

as velas dos jangadeiros do Mucuripe, mais de 10 mil

metros quadrados, 690 salas comerciais, 26 elevadores,

18 lajes corporativas, heliponto vip e sky lounge,

promete marcar a arquitetura urbana de Fortaleza.

Inauguração BS Design

Fernando Monteiro,

Sílvio Frota

e Fábio Albuquerque

Renata, Cláudio

e Cláudia Vale

e Duda Studart

118 MT ACONTECE 119


Ricardo Cavalcante,

Aniceto Rocha

e Maurício Filizola

Ana Maria

e Karine Studart,

Onélia e Camilo Santana

Eudoro Santana,

Nelson Portinegro,

Humberto Ellery

e Artur Bruno

Marcus Novais,

Lázaro Medeiros

e Andréa Novais

Deda Studart

e Thiago Brainer

João Fiúza Filho,

Luciano Cavalcante

e João Fiúza

Paulo José

e Camila Benevides

Rafaela Rocha

e André Montenegro

Régis Medeiros

e Marcos Medeiros

Daniel Arruda,

Eliane Carvalho,

Sávio Dias

e Paulo Maurício

Paulo Sérgio Quezado,

Edson Ventura

e Tânia Quezado

Pedro Alfredo,

Lauro Fiúza

e Cândido Pinheiro

120 MT ACONTECE 121


ACONTECE

Felipe Asfor,

Camilo Santana,

Élcio Batista

e Samuel Sicchierolli

Dinho Ouro Preto

Guirlanda

e Nathália Ponte,

Cláudia Alexandre

e Daniela Ponte

Haim e Sophia Erel

HARD ROCK CAFE

É INAUGURADO EM

FORTALEZA COM

SHOW DE DINHO

SANTA CRUZ

Fotos: Alex Campêlo

Rodrigo

e Nathália Ponte

Uma grande festa, com direito a show de Dinho

Santa Cruz, marcou a inauguração do Hard Rock

Cafe em Fortaleza. Localizado no Shoppinh RioMar

Fortaleza, o restaurante possui uma mega estrutura, com

cardápio diversificado, incluindo drinks especiais, e uma

Memorabilia recheada de itens de celebridades, como um

vestido da cantora Britney Spears e tênis usado pelo astro

Ed Sheeran, espalhados pelo local. Samuel Sicchierolli,

presidente VCI S.A, responsável por trazer a marca

Hard Rock ao Brasil, e Rodrigo Ponte, sócio e diretor de

operações do HCR Fortaleza, recepcionaram os convidados.

Márcia Travessoni

Bruno, Rodrigo,

Daniel e Daniela Ponte

Tom Perez

e Gilberto Ghisoli

Giovanna Gripp

122 MT ACONTECE 123


Felipe e Rafela Asfor

Rodrigo e

Nathália Ponte,

Roberta,

Mariana Esmeraldo

e Samuel Sicchierolli

Pedro Dias

e Mariana Araripe

Carol Yamazaki

e Marcelo Marfrutas

Leonardo Brasil

e Ana Macêdo

Cid e Joyce Marconi

Cristine

e Ferrúccio Feitosa

Karine Pamplona

e Roberta Quaranta

Rodrigo

e Marcela Carvalho

Juliana de Fátima

e Michele Ribeiro

Rebeca e Bruno Bastos

José Leite, Paulo Ponte

e Hélio Parente

124 MT ACONTECE 125


ACONTECE

Abynada e Cristina Liro,

Lúcia Tavares, Ceres

Fiúza e Célia Diógenes

Ana Alcântara,

Simone Rizzato,

Ana Lúcia Montenegro

e Lenita Negrão

MARÍLIA FIÚZA

LANÇA OBRA

“VIVER MELHOR”

EM EVENTO

EXCLUSIVO

Nisabro Fujita

e Assis Machado

Meiriane Machado,

Silvia e Monique Gurgel

Fotos: Alex Campêlo

Márcia Travessoni

e Marília Fiúza

Aexecutive coach Marília Fiúza reuniu clientes,

amigos e a família para uma noite especial

de lançamento do seu primeiro livro, “Viver

Melhor”, na Livraria Leitura do RioMar. A obra traz um

compilado de artigos sobre vida profissional, metas, a

importância de reconhecer falhas e outras temáticas,

escritos pela coach na época em que assinava uma

coluna semanal para o Jornal Diário do Nordeste. Nossa

publisher Márcia Travessoni teve a honra de assinar o

prefácio do livro, e foi grande incentivadora de Marília

neste grande sonho, ao acreditar no potencial da

amiga em transformar vidas através das palavras.

Liliana e

Celina Fiúza

Célia Diógenes,

Cristina Marinho e

Antônio Fiúza

Marília Fiúza

126 MT ACONTECE 127


ACONTECE

Igor e Aline Barroso

Ricardo Cavalcante,

Beto Studart,

Roberto Cláudio

e Edgar Gadelha

Beto e Ana Maria Studart

Márcia Travessoni,

Patrícia Macedo e

Ana Carolina Fontenele

FESTA DA INDÚSTRIA

HOMENAGEIA

GRANDES NOMES EM

NOITE PRESTIGIADA

Fotos: Alex Campêlo

Pio e Stella Rolim

Opresidente do Sistema Fiec, Beto Studart,

comandou mais uma edição da Festa da Indústria,

que aconteceu no La Maison Buffet. A noite de

maior prestígio para a indústria cearense foi marcada

pela entrega da Medalha do Mérito Industrial, mais

importante comenda da Federação. Em 2019, foram

agraciados na ocasião: Edson Queiroz Neto, Chanceler

da Universidade de Fortaleza; Elisa Gradvohl, presidente

do Sindicato das indústrias de Frio e Pesca do Ceará;

e Élcio Batista, secretário da Casa Civil do Ceará.

Edson Queiroz Neto

e Ticiana Queiroz

Fernando Cirino e

Fernando Gurgel

Elisa Gradvohl

e Gil Bezerra

128 MT ACONTECE 129


Natália Herculano

José Sarto e

Iracema do Vale

Roberto Macêdo

e Roseane Medeiros

Artur Bruno,

Paulo André Holanda

e Marina Holanda

Camila Benevides

e Paulo José

Manoela Queiroz e

Ricardo Bacelar

Luciana Sousa

e Élcio Batista

Rafaela Rocha

e André Montenegro

Bruno e Lilian Girão

Everardo e Tatiana Telles

Tiago e Eudoro Santana

e César Ribeiro

Fernando Maia, Mauro

Filho e Louro Maia

Bruno e Priscila Leal

130 MT ACONTECE 131


ACONTECE

Galvão Bueno,

Marcela Pinto

e Desireé Bueno

Marcela

e Alexandra Pinto

MARCELA PINTO

INAUGURA PALATO,

COM CARTELA DE

VINHOS ASSINADA

POR GALVÃO

BUENO

Lucas Ximenes,

Zé Filho,

Erivaldo Arraes

e Fred Pinto

Gustavo Rocha,

Ivana Pimentel,

Marcela

e Mariana Pinto

Fotos: Alex Campêlo

Inauguração do Palato

Casual Food & Drinks

Leveza é uma palavra que define bem o Palato Casual

Food & Drinks, novo empreendimento da empresária

Marcela Pinto. Desde as luminárias aconchegantes

à decoração moderna e intimista, o espaço projetado

pelos arquiteto Racine e Anik Mourão é novidade em

Fortaleza para quem está à procura de um espaço

gastronômico cool para o happy hour ou até mesmo um

jantar romântico. O cardápio, assinado pela chef Liliane

Pereira, é uma delícia à parte. Já a cartela de vinhos do

Palato é inteiramente assinada pelo ilustre Galvão Bueno,

com garrafas produzidas na sua empresa, a Bueno Wines.

Márcia Travessoni

e Marcela Pinto

Marcela Pinto,

Chef Liliane Pereira

e Monique Forte

Zé Filho

e Rafaela Pinto

132 MT ACONTECE 133


ACONTECE

Lígia Tavares,

Raimundo Pena

e Brígida Frazão

Marina Brasil

e Dani Eloi

BASTIDORES

DA GRAVAÇÃO

DO CONVERSA

COM MÁRCIA

TRAVESSONI

EDIÇÃO VERÃO

Fotos: Alex Campêlo | Eri Nunes

Dado Montenegro

e Márcia Travessoni

Jomara Cid

e Sérgio Filho

O

Chandon Bubble Lounge do Beach Park foi o

cenário escolhido para as gravações do Conversa

com Márcia Travessoni - Edição Verão 2019, série

de vídeos veiculados no Youtube sobre lifestyle, moda,

business e empreendedorismo. De frente para o mar e

com os pés na areia, Márcia Travessoni bateu um papo

Themis Briand

bem good vibes com um grupo seleto de convidados.

Vinícius Machado

e Márcia Travessoni Estavam lá: Daniela Eloy, Marina Brasil, Themis Briand,

DJ Rômulo Bravo e Márcia Travessoni

Lara e Lia Linhares

Dado Montenegro, Jomara Cid, Lara Linhares, Vinícius

Machado, Raimundo Pena, Brígida Frazão e Lígia Tavares.

134 MT ACONTECE 135


ACONTECE

Sellene Câmara,

Mirella Freire

e Nathalia Pinheiro

Beto

e Ana Maria Studart

Águeda Muniz

e Márcia Travessoni

Tane Albuquerque,

Consuelda Azevedo

e Maria Vital

ALMOÇO

INTIMISTA MARCA

LANÇAMENTO DA

11ª EDIÇÃO DA

REVISTA MÁRCIA

TRAVESSONI

Fotos: Eri Nunes

Waldonys, Luciane

e Leonardo Moreno

A

Revista Márcia Travessoni chegou a sua

11ª edição celebrando a trajetória de vida e

superação do empresário Beto Studart, à

frente do Sistema Fiec. Para celebrar o sucesso do

terceiro ano da publicação, Márcia Travessoni recebeu

um seleto grupo de convidados para um almoço

intimista em um espaço preparado por Raí Meirelles,

da Ideemov Eventos, no restaurante Santa Grelha.

Thiago Meneses

e Raí Meirelles

Artur Bruno,

Geraldo Luciano

e Cláudio Silveira

Fernando

e Márcia Travessoni,

Everardo Telles

e Maurício Filizola

136 MT ACONTECE 137


Helena e Cláudio Silveira

e Márcia Travessoni

Enid Câmara

e Safira Moreira

Márcia Travessoni

e Luciana Lobo

Camila Benevides

Isabelle Cid

Ker Cardoso

138 MT ACONTECE 139


ACONTECE

Branca Mourão

e Rodrigo Maia

Anik, Thiago, Racine,

Branca e Analiz Mourão

ERA DISCO 70

DÁ O TOM DO

INESQUECÍVEL

ANIVERSÁRIO DE

BRANCA MOURÃO

Esdras Guimarães e

Neuma Figueiredo

Rodrigo Porto

Fotos: Alex Campêlo

Cadeh e

Roberta Juaçaba,

Anik Mourão

e Ramiro Mendes

Memorável, a festa de aniversário de Branca

Mourão se inspirou nas boates dos anos 70 para

animar uma noite de pura nostalgia. O evento

aconteceu no luxuoso Espaço LÔ 142, ornamentado por

Branca, com cerimonial do cerimonialista Mafrense

Sousa. Dj Itaquê e Joyce Malkomes comandaram a

trilha sonora retrô da festa, ambientada nas boates

Studio 54 Nova York e Dancing Days. Com look inspirado

na última coleção desfilada por Miuccia Prada e

assinado por Kallil Nepomuceno, a aniversariante

surgiu radiante para recepcionar os convidados.

Branca Mourão,

Tereza Borges

e Racine Mourão

Kelly Nobre,

Roberta Nogueira,

Etevaldo Nogueira e

Renato Nobre

Lino Villaventura,

Branca Mourão

e Inês Villaventura

Niedja Bezerra

140 MT ACONTECE 141


Sandra Mourão,

Ângelo Figueiredo e

Roberto Pamplona

Lilian Porto

e Suzane Farias

Maria Clara

e Juçara Mapurunga

Conceição

e Romeu Barbosa

Larissa Maia e

Gustavo Serpa

Ricardo e

Ana Virgínia Martins

142 MT ACONTECE 143


SERVIÇO

Serviço

Onde você e sua família encontram os

motivos que buscavam para uma vida

feliz e cheia de comodidade.

Condomínio com breve entrega.

Apartamentos de 156m² com 4 ou 3 suítes, hall privativo e 3 vagas

R. Vicente Linhares, 777 - Próx. ao Colégio Sta. Cecília

Casa Linda Flor

Rua Professor Dias da

Rocha, 1101 — Aldeota

Tel.: (85) 3261 0513/ 3025 3744

Instituto de Medicina do Cabelo/

Dr. Márcio Crisóstomo

Rua Leonardo Mota, 2429 —

Dionísio Torres

Tel.: (85) 3032 2020/ 0800 005 1020

Academia Cearense de Letras

Rua do Rosário, 1 — Centro

Tel.: (85) 3226 0326/ 9 9703 1133

Emporio Açaí Gourmet

Rua Júlio Ibiapina, 194 — Meireles

@emporioacaigourmet

Palato Casual Food & Drinks

Rua Marcos Macêdo, 1211 — Aldeota

@palatofoodedrinks

Rima Rica

Rua Carlos Vasconcelos, 692

Meireles

@rimarica

Casa da Vila

Rua Torquato Aguiar,

50, casa 6 — Meireles

@casadavila.co

A Casa Sem Medida

Rua José Vilar, 3040 —

Dionísio Torres

@casasemmedida

Vignoli

Av. Senador Virgílio

Távora, 10 — Meireles

Tel.: (85) 3267 9450

Rua Silva Jatahy, 529 — Meireles

Tel.: (85) 3267 9450

Rua Jonas Ildefonso

Carneiro, 170 — Cambeba

Tel.: (85) 3267 9450

Hard Rock Café Fortaleza

Rua Des. Lauro Nogueira,

1500, Shopping RioMar

Fortaleza — Papicu

Tel.: 85) 3182 1971

La Pasta Gialla

Av. Dom Luís, 1200, Shopping Pátio

Dom Luís, loja 125 — Meireles

Tel.: (85) 3267 3070

Av. Washington Soares, 85, Shopping

Iguatemi Fortaleza — Edson Queiroz

Tel.: (85) 3241 5541

www.colmeia.com.br | Informações: (85) 4042.1554

144 MT Serviço 145


PODEROSA

ESSÊNCIA

Por Moésio Pereira

EMPATIA: CAMINHO DE HUMANIZAÇÃO

Hoje em dia nossas sociedades vivem um fenômeno

paradoxal. Com a internet e o advento do “mundo

virtual”, as fronteiras que nos dividem diminuem;

ao mesmo tempo, vamos criando muros (reais e

simbólicos) que nos separam. O sonho de uma fraternidade

universal parece enfraquecido pela dificuldade de

construir relações verdadeiramente humanas. Parece-

-nos cada vez mais difícil saber conviver com quem

pensa diferente da gente e assume valores diferentes

dos nossos. Mas o que está em jogo, no fim das contas,

é a própria humanização da criatura humana.

A necessidade de viver em grupo, de formar comunidade/sociedade

é parte intrínseca do ser humano.

Por isso mesmo precisamos desenvolver habilidades

que possibilitem nos realizar enquanto humanos, isto

significa superar a indiferença e a apatia diante do

mundo, do outro e da natureza. Precisamente neste

contexto, uma das qualidades humanas mais necessárias

é a empatia. Mas o que é a empatia?

É lugar-comum relacionar o vocábulo grego pathos

(do qual provém a palavra portuguesa "empatia")

à doença. No entanto, se voltarmos aos filósofos clássicos,

veremos que pathos é o espanto originário que

possibilita o filosofar e a busca do que é propriamente

humano. Segundo o filósofo alemão Heidegger, precisamos

resgatar o sentido original de pathos para nos

aproximar do ideal de ser humano e de humanidade.

Destarte, a empatia entendida filosoficamente pode ser

aquela disposição que nos permite ficar espantados

diante da realidade.

Um dos grandes problemas que nossa humanidade

ferida nos mostra, por exemplo, é que fatos como a

violência, a morte de um inocente, a corrupção que

gera injustiça e desigualdade já não mais nos causam

espanto. Achamos “natural”. Quando o sofrimento do

outro e da natureza não nos dizem nada, não nos

deixam espantados, algo de nossa humanidade

já está morto.

Mas a sabedoria cristã propõe o caminho para a

restauração de nossa verdadeira humanidade e, desta

forma, da construção de uma sociedade mais fraterna

e solidária; menos indiferente e menos apática. De fato,

Jesus de Nazaré nos mostra como ser verdadeiramente

empáticos; como nos deixarmos mover pelo

espanto (pathos) que a realidade pode fazer eclodir

do mais íntimo de nós e assim incidirmos positivamente

sobre ela.

Os Evangelhos mostram que diante da multidão

faminta, Jesus sentiu compaixão e agiu para acabar

com a fome daquelas pessoas (Mt 15,32); ele se comove

diante da situação de uma viúva que perde seu filho

único (Lc 7, 11-17); ele enxerga nas pessoas muito mais

do que seus defeitos. Ele exalta a capacidade que

o outro tem de amar: “Portanto, eu digo, os muitos

pecados dela lhe foram perdoados; pois ela amou

muito” (Lc 7, 47).

→ → PADRE MOÉSIO PEREIRA É MISSIONÁRIO REDENTORISTA, MESTRE E DOUTOR EM ÉTICA

TEOLÓGICA PELA ACADEMIA AFONSIANA DE ROMA E COORDENADOR DO DEPTO. DE PÓS-

-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE CATÓLICA DE FORTALEZA.

146 MT MT Poderosa Essência 147


148 MT

More magazines by this user
Similar magazines