ARCOVERDE_jornal

psalviano

JORNAL DE ARCOVERDE

37Anos

R$ 2,00 A VERDADE ACIMA DE TUDO

Ed. 308 | ABR 2019

42 VEZES CAMPEÃO

SPORT CONFIRMA GRANDEZA

Mesmo com a melhor campanha da primeira fase, melhor ataque, melhor defesa, com o

artilheiro do campeonato e com a vantagem de um gol no primeiro jogo, Sport sofre no

segundo, mas é campeão nos pênaltis em cima do Náutico.

P. 15

DJANIRA BRITO

FALA SOBRE

PRISÃO FEMININA

P. 03

HILFE BECKER

COMENTA SOBRE

JUVENTUDE DE HOJE

P. 14

ÁGUA DO VELHO CHICO JÁ É REALIDADE NA TERRA DO CARDEAL

P. 15

CHICO GALINDO

FAZ BELO ARTIGO

SOBRE O NU

ERALDO GALINDO

MOSTRA AS DIFERENÇAS

DA VELHICE E

JUVENTUDE

P. 02 P. 10

www.facebook.com/JornaldeArcoverde | jornaldearcoverde@bol.com.br | ( 87) 3822.4288 | (87) 9.9609.4169 | (87) 9.8806.1868


P 02

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

ABR | 2019

EDITORIAL

SEMENTES DO ÓDIO

Ninguém deve na vida abrir mão de suas ideias, posições

e nem tampouco do seu brio, altivez e amor próprio. Não se deve

transigir com o caráter e nem negociar a independência.

Mas, por outro lado, ninguém deve semear a raiva, o

rancor e o ódio. E, sejamos francos, há quem esteja fazendo

isso. Plantando regando, colhendo e espalhando o ódio. Essas

sementes do ódio só geram a violência. Há um clima tenso e

raivoso instalado, inclusive na nossa cidade. Motivo? O poder, a

política e essa ambição desmedida por algo fugaz, transitório e

ilusório.

Há pessoas espumando de raiva, exalando rancor pelos

poros, disseminando o ódio por onde passa. Nada como

recordar do verso da canção de Chico Buarque: “Filha do medo,

a raiva é mãe da covardia”. Não dá para apoiar ou ser conivente

com esse surto de raiva, rancor e ódio. Isso faz mal à

comunidade, gera a violência e leva os odientos a trilhar o

caminho da perdição.um caminho sem volta.

Vamos ser franco: é fácil apontar erros. É fácil festejar as

adversidades de desafetos. É fácil desejar o mal e semear o

CHARGE

SEMANA SANTA

ódio. Fácil, nojento e covarde. Não seria aconselhável antes de

se praticar esse vício maldito (de semear ódio e festejar

adversidades dos outros), se examinar a si próprios? Não seria

bom tentar analisar se estão com essa lisura toda, não custa

verificar se há uma pontinha de um rabo de palha aparecendo.

Nada como se tentar dar uma olhada nas próprias biografias.

Algumas pessoas antes de picharem e semearem o ódio

deveriam se auto examinar. Talvez fazendo isso fossem menos

maléficas e covardes.

É sempre bom e saudável lembrar aos excitados,

frenéticos e àqueles que estão fazendo cabriolas e saracoteios

odientos, que o poder é, repetimos, ilusório. Ele tem muito da

roda-gigante: quem está em cima desce, quem está em baixo

sobe.

No mais, a política do jeito que está sendo praticada não

é política, é politicalha. Quanto às sementes do ódio elas

costumam atingir até os seus cultivadores. Cuidado. Ódio só

gera ódio.

POSSO FICAR NU?

Francisco Galindo

“ R e g a t a

c r o s p p e d c o m

pesponto faz sucesso

em Arcoverde” é o que

m e a p a r e c e s e m

convite, mal inicio uma

vadiagem pela internet.

Estava no ambiente do

E l P a i s , a l g o

relativamente longe da

cidade e mais vizinho da

França, salto virtual que

tentei para suar mais

perto do fogo que

consumia Notre-Dame.

O algoritmo, miríade de

dados comparados, me

achou. Você que mora

em Arcoverde, que tal uma regata crospped, quando voltar pra real?

Não estamos mais sozinhos. Tem sempre algo ou

alguém que acende a sensação de que somos vistos de esguelha. Que não

somos donos de fechaduras à prova de chave falsa. É preciso inimistar-se

com o banco e sustar a compra de um javali em Manaus, porque nunca fui

tão afastado ou já vali tão pouco pra querer bicho tão porco. Nossas

senhas devassadas mostram a esterilidade e a inocência de combinar

algarismos privados. Tem você aí uma TV smart no quarto? Cuidado com

ela. Há quem garanta que elas olham de dentro pra fora, quem sabe retêm

na memória e sabe-se lá se não mostram no primeiro balcão de oficina

técnica. Contra a bisbilhotice, e dado o que se dá nas alcovas, aconselhamse

cortinado na smart e santos contra a parede.

A privacidade foi uma das maiores conquistas do

esforço civilizatório. Demorou, mas aquele tempo todo em que a gente

andava de tacape e se abrigava numa furna só, incomodou até que a gente

HÁ 28 ANOS

J.A. DE MAIO DE 1991

PEDRO JÚNIOR

LAZER- Arcoverde ganhou um aprazível local de lazer e convivência social. Os

jovens rapazes Áureo Bradley Neto, Beto Silveira e Flávio Bradley Almeida

inauguraram com muito prestígio a primeira lanchonete e pizzaria da cidade

em estilo “self-service''. O local privilegiado, ao lado da nossa Rádio Cardeal.

A Pizzaria e Lanchonete OK tem um projeto arquitetônico de muito bom

gosto da jovem arquiteta Fanny Cavalcante, discreta e com muita elegância. A

inauguração contou com as presenças de Áureo e Flávio, o casal Romualdo

Almeida e Maria do Carmo Bradley Almeida, D. Ivany Bradley, usando branco

e preto e a matriarca D. Carminha Rodrigues. Ainda encontramos os casais

Moacir e Terezinha Mariano Rocha, Antônio e Tereza Kerhle, empresários

João Batista Mendes de Oliveira, José Miguel de Araújo, Ariston Cavalcanti,

Edvan de Sá Feitosa, Dr. Waldemar Arcoverde Filho e Dra. Marilda Arcoverde.

O mundo jovem compareceu em sua totalidade. Salgados finos e muito

chopp marcou a inauguração da primeira pizzaria em estilo “self-service” e

uma área de lazer realmente agradável.

melhorou o grunhido e desejou um canto pra bater um tambor particular.

Depois de uma bordoada de giros do planeta na cintura do sol, eis que

chegamos ao Facebook e Google e seus mimetizados, em cujas mãos

sacudimos os anéis dos nossos dados entregues para a agitação de

compra e de venda. “Você que comprou o livro “Outros Jeitos de Usar a

Boca”, de Kaur Rupi, nesta semana, - eles sabem dia e hora e site de

preferência- que tal ter dentes brancos e bonitos na OdontoPrevi, com

opções sem carência e 6 X sem juros?” Ridículo da confrontação

algorítmica: O livro, poemas de sobrevivência, amor e abuso, é bronca. O

plano é broca.

A luta livre contra a privacidade já teve seu furor na

pressão feita por certa ortodoxia evangélica americana que intentou a

legalidade de uma política de invasão de casas e aprisionamento de quem

estivesse habituado em bebedeira, homossexualismo ou adultério. Sanha

moralista que se arvorou em solapar o desejo, as vontades e as escolhas

que no conjunto organizam caráter e privacidade. A intimidade e a

liberdade pessoal sempre foram alvos dos Estados totalitários, receosos

da resistência velada. Desencorajados e combatidos, estes movimentos

migraram ou alternaram a vigilância moral ou política com sua

exterioridade e visibilidade para um viés mercantil, que a socióloga

Shoshanna Zuboff entende como “capitalismo de vigilância” a prática,

cada vez mais consolidada em nosso tempo, de esparramar tentáculos de

sedução e controle das vontades e iniciativas de aquisição, com sacrifício

da privacidade, nem sempre percebido.

A gente quer também ficar sozinho. Sem rastreadores

de vontades. Sem aparelhos inteligentes que mostram sem avisar que

também armazenam. Sem vigilância de anunciantes. O risco explícito é de

que os dados a serviço da rede de controle de perfis de consumidores

possam a qualquer tempo servir a outras intenções, como bem

provavelmente ocorre nos processos eleitorais e listas de rastreamento.

Podemos ficar sem regata pespontada e sem nada da cintura pra baixo?

RETIFICANDO

Recebi o nosso querido Jornal. Ótima edição. O jovem Genivaldo Soares,

que escreveu um interessante artigo sobre o Cuscuz, cometeu dois erros

imperdoáveis: citou Augusto dos Anjos, meu poeta predileto, como

autor da poesia sobre a sertaneja Maroca e o título da poesia como

“Cidade de Puxinanã”. O autor é o nosso grande Zé da Luz, paraibano

como Augusto dos Anjos, e a poesia é “As Flôr de Puxinanã”. Augusto

dos Anjos é um clássico, jamais escreveu poesia matuta.

GENTILEZA

Caro conterrâneo Toinho Pacheco, grato por suas amáveis gentilezas e

considerações sobre o nosso simplório artigo, e que me envaideceu

sinceramente. Com sua devida vênia farei a retífica na Tribuna do Leitor no

próximo número do J.A. Obrigado pelo jovem, estou apenas com 75 anos,

médico, a quase 50 anos em São Paulo. Disponha do Imortal que ainda não

morreu. Olha que pretensão! É brincadeira! Um grande Abraço.

CARNAVAL

Acho um absurdo o nosso carnaval se limitar a um faz de conta, até o

apelido é hilário: “Carnaval das Prévias”. Não há motivo para Arcoverde

não fazer um bom carnaval. Isso é coisa de quem tem outros interesses.

Que fique claro que Arcoverde já teve bons carnavais. Acabaram com ele.

Infelizmente.

ÁGUA DE LULA

DEPUTADOS

ÁLDER JÚLIO

Antônio Pacheco Feitosa / Recife – PE

Genivaldo Soares de Melo / São Paulo - SP

José Lins de Carvalho / Arcoverde – PE

Algumas pessoas evitam reconhecer que a água do São Francisco (que está

chegando às torneiras de Arcoverde) foi uma obra de Lula. O ódio da classe

turva a visão desses ingratos. A água é de Lula. O povo sabe disso. Não

adianta mentir.

AVALIAÇÃO

Não entendo como uma cidade com tantas escolas, educandários e até

faculdade, além de tanta gente que se diz culta, não aparece com destaque

nas avaliações do MEC. Fica na “requinha”. Qual será a razão? Não é preciso

desenhar. De jeito nenhum.

Começou da parte de várias pessoas a reclamação por não termos

deputados da terra. Ora, não temos por culpa de ambição, divisão e burrice

dos políticos. E porque muita gente vota em cururus de trovoada. Simples

assim.

POLÍTICA

José Arthur Matias Freire / Arcoverde – PE

Muito justa a homenagem que o Sesc prestou ao professor Álder Júlio

instalando uma galeria de artes com o nome dele. Só estranhei que na nota

enviada ao jornal (pelo Sesc) tenham grafado duas vezes o nome dele

como Álder Júlio de Oliveira Calado, quando o nome correto é Álder Júlio

Ferreira Calado.

CÂMARA

TRIBUNA DO LEITOR

ESCREVA, DÊ SUA SUGESTÃO. CRITIQUE,

SUA OPINIÃO É MUITO IMPORTANTE.

TOINHO CHINA

Maria do Carmo Santana / Arcoverde – PE

Muito justa a homenagem de William Pôrto a Toinho China. Homenageou

alguém que ama Arcoverde e alguém que merece o nosso aplauso e

respeito. Toinho China é gente da gente.

RETROCESSO

Josefa do Couto Ferreira / Arcoverde – PE

Tem muita gente descontente com a Câmara de Vereadores. Não se ouve

um só elogio. Só crítica. O povo acha que os vereadores ganham salário de

marajá, e não produzem nada.

Maria Fernanda Cavalcanti / Arcoverde – PE

Roberto Moura / Jaboatão – PE

Que o Nordeste fez a sua parte é um fato. Mas o sul e sudeste

decepcionaram, e isso causou um retrocesso. O atual governo é o mais

reacionário e incompetente de todos os tempos. Vai tentar acabar com a

educação e a cultura. E talvez com a democracia.

Maria de Jesus Pessoa / Arcoverde – PE

Judith Lemos de Freitas / Arcoverde – PE

Algumas candidaturas já estão aparecendo. É um direito, inclusive dos

sonhadores, daqueles que pensam ser líderes porque possuem poder e

muito dinheiro.

SOUTO MAIOR

O nosso estádio Souto Maior (hoje batizado de Áureo Bradley, mas quem

viabilizou os recursos para a obra foi Estácio Souto Maior), precisa de

algumas reformas. Do jeito que está, a impressão de quem vem da capital

assistir aos jogos é a pior possível. Que se reforme o estádio com urgência.

Nada de improvisos e nem gambiarras. O futebol merece a atenção dos

poderes públicos.

FESTEJO OBSCENO

Acho errado se festejar as dificuldades vividas por adversários. É um

festejo obsceno. Mais: ninguém sabe o dia de amanhã. É um festejo

obsceno e covarde.

Marcos Farias Mendes / Arcoverde – PE

Antônio Carlos de França / Arcoverde – PE

Rose Lima / Olinda – PE


abr | 2019

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

P 03

MULHER EM DESTAQUE

Por Djanira Brito

MULHERES POR TRÁS DAS GRADES

*PERFIL DA MULHER ENCARCERADA NO

BRASIL:

1-50% Tem apenas o ensino fundamental

2- 68% são negras

3- 50% tem entre 18 e 29 anos

4- 57% São solteira

OUTROS FATORES EM COMUM:

1- A maior parte delas são mães e cumpre pena

em Regime fechado;

2- Não possuem antecedentes criminais;

3-Trabalham em pequenas atividades do

tráfico e do transporte nacional e internacional

do trafico;

4-Possuem dificuldades de acesso a emprego

formal.

O que trazemos em mais uma edição dessa coluna, infelizmente, é uma

realidade cruel enfrentada por mulheres, que por motivos diversos perdem

o convívio com a sociedade quando passam a viver uma subvida, fadadas

na maioria das vezes ao esquecimento. Refiro-me as mulheres

encarceradas nos presídios femininos do Brasil.

A vida de cada mulher é cheia de singularidades, pois as situações mais

cotidianas vividas por nós mulheres exploram ao máximo nossa

flexibilidade, nossa capacidade de sobreviver na sociedade patriarcal. Até

mesmo a natureza lhes deu encargos únicos e complexos, como a função

de gerar e abrigar um novo ser humano; apesar de tantos benefícios que a

mulher presta para com o mundo, criando seus filhos e cuidando deles,

nem sempre é respeitada a sua dignidade também não é lembrado às

particularidades pertencentes a cada mulher.

Nesse artigo de opinião foco principalmente as condições femininas nos

presídios brasileiros, enfatizando o duelo controverso entre o amplo rol de

direitos e garantias fundamentais à existência digna dessas mulheres no

ambiente carcerário que lhe são assegurados, daquilo que realmente é

observado na realidade prisional brasileira.

Do ano de 2000 a 2014 o aumento no numero de mulheres encarceradas

aumentou assustadoramente, um aumento de 500%.Hoje em torno

de37.000 mil mulheres vivem atrás das grade, e o principal motivo para

esse aumento seria o crescimento do trafico de drogas. Grande parte

dessas mulheres entra no mundo de venda de drogas ilícitas servindo do

que chamam de “leva e trás”, serviço que consiste em entregar a droga e

trazer o pagamento para o traficante, isso é feito muitas vezes para

complementação da renda da sua família, pois, essas mulheres ocupam o

papel de provedoras do lar. Elas também participam dessas atividades por

serem cúmplices dos seus companheiros, muitos deles as obriga a

entrarem nesse mundo do crime. Mas este não é um fato surpreendente, já

que no contexto machista em que vivemos, onde a mulher desde o

nascimento é ensinada o dever de ser fiel ao homem, independente das

adversidades. Já o homem, não possui essa cultura de cuidado e

fidelidade a sua mulher, e por isso não costuma ficar ao lado da mulher que

se envolve ou proporciona problemas. Então, acaba que logo que presa

mais de 90% das mulheres são abandonadas por seus parceiros.

Levando em conta o pequeno número de presídios femininos no país,

quando são presas, as mulheres são transferidas para casas de detenção

longe de seus familiares. Parentes que por pertencerem às classes baixas

não tem condição para bancar a locomoção para o lugar onde essas

mulheres estão encarceradas, assim muitas dessas mulheres não

conseguem receber a visita de seus parentes. Dessa forma, elas

mergulham em uma solidão que muitas vezes é só é diminuída quando

essas mulheres passam a ter relacionamentos homoafetivos, e também a

proteção que esse relacionamento pode proporcionar as envolvidas, já que

o ambiente do cárcere é perigoso e hostil.

A legislação brasileira, guiando-se pelo princípio da legalidade, empenhouse

em adaptar a execução da pena ao princípio da humanidade do

tratamento. Nosso ordenamento jurídico contém garantias explícitas para

a proteção da população encarcerada, assegurando um tratamento

humanizado e respeitando todos os direitos que não são atingidos pela

privação da liberdade, resguardando, desse modo, a integridade física e

moral dos presos.

Para assegurar tais direitos, a Lei de Execução Penal estabelece um rol de

assistências que devem ser garantidas aos presos, que são: a assistência

médica, jurídica, educacional, social, religiosa e material. Além disso, a

referida lei dispõe que a execução penal busca proporcionar condições

harmônicas para a integração social do condenado ou internado. A

verificação da necessidade de separação dos encarcerados por gênero fez

com que fossem incluídos, na legislação, direitos específicos das mulheres

presas e também algumas singularidades no que se refere ao período de

execução da sua pena.

A mulher no período de gravidez e amamentação encontra-se em uma

situação distinta, ocupa posição específica e deve receber condições

próprias de tratamento, como estabelecem normas internas e

internacionais.

Nossa Carta Magna, em seu art. art. 5º, inc. L, também assegura o direito

de os filhos permanecerem com as mães durante o período da

amamentação. Visando o seguimento de tal preceito, a Lei de Execução

Penal firmou no cenário jurídico a obrigatoriedade de dotar as unidades

prisionais femininas com berçários, onde as condenadas possam

amamentar seus filhos, condição reafirmada pelo Estatuto da Criança e do

Adolescente e pelas Regras Mínimas para o Tratamento do Preso no Brasil

(Ministério da Justiça, 1995), e facultou a destinação de alojamento para

gestante e parturiente, de creche com a finalidade de assistir ao menor

desamparado, cuja responsável esteja presa.

A Resolução nº 01, de 27 de março de 2000, do Conselho Nacional de

Política Criminal e Penitenciária do Ministério da Justiça, trata da revista

nos visitantes e/ou nos presos e define os procedimentos. Esta assegura o

direito à visita íntima aos presos de ambos os sexos, recolhidos aos

estabelecimentos prisionais. Assim, a visita íntima do marido, mulher,

companheiro ou companheira, deverá estar sempre condicionado ao

comportamento do preso, à segurança do presídio e às condições da

unidade prisional sem perder de vista a preservação da saúde das pessoas

envolvidas e a defesa da família.

Apesar das leis estabelecidas o tratamento carcerário em sua realidade se

distancia muito do estabelecido pelo poder judiciário. Ainda mais, no Brasil

a justiça acaba por prender, julgar e condenar mulheres sem levar em

consideração possíveis medidas alternativas. Pior: todas as pesquisas

sobre o tema, nacionais e estaduais, revelam como esse encarceramento

é seletivo, como podemos observar nos dados a seguir.

Discutir e mudar a realidade é uma

questão de direitos que não pode ser ignorada

pela sociedade brasileira, principalmente

quando o país já possui a quinta maior

população feminina encarcerada do mundo, e

ela cresce vertiginosamente. Só há um

caminho: desencarcerar. Não se trata de “fazer

menos justiça”. Na verdade, trata-se de

promover um cenário de mais justiça.

Porem, a face pior e mais degradante dentro

dos presídios é justamente a ausência dos

cuidados diário que a mulher necessita, como

os cuidados com a higiene, ( sempre falta

produtos de higiene pessoal), elas sofrem

violência por parte de agentes penitenciários,

e há a superlotação, a dificuldade de conseguir

visita íntima. Como também as grávidas

sofrem com a falta de berçários e dos demais

componentes da lei que atendem a essa

classe. Nem a grávidas são poupadas dos

espancamentos, às vezes, mesmo em sua

condição, elas são obrigadas a dormirem no

chão por falta de colchonetes.

Todo esse sofrimento é invisível. As mulheres

sofrem as injustiças de um sistema prisional

que só visa punir não reintegrar. Com isso,

acabo essa matéria concluindo que a mulher

vitima do seu marido, abandonada por este,

presa muitas vezes por ser cúmplice,

colecionam mais desvantagens ainda durante

o cárcere que não atende suas necessidades

como mulher ou mãe com dignidade. Falta e

muito o cumprimento das leis mencionadas

nesse texto anteriormente e falta também um

olhar mais humano por parte da sociedade,

*Dados do sistema de informações e estatísticas do

Sistema Penitenciário Brasileiro/ INFOPEN.

“pois o homem e a mulher são maiores que seus erros”.

Frase de um privado de liberdade.

Pula Pula do

Rian e Renan

IVEL

aluguel de

pula pula, cama elástica, piscina de bolinhas

e máquina de algodão doce

Ricardo Freire e Daniel

[87] 99927.63 | 99110.2360 | [87] 3821.0606

ricardofreire@hotmail.com


P 04

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

abr | 2019

MIOLO DE POTE

blogspotwilliamporto.zip.net | William Pôrto

HOMENAGEM

Homenageio, mais uma vez, Djalma Galindo, esse grande empreendedor cultural, uma

espécie de Quixote da nossa cultura (junto com Kleber, Arnaldo e outros), autor e diretor do

excelente e magnífico documentário (premiado), “Uma Balada para Rock Lane”. Ele está à frente de

um movimento em favor da recuperação e funcionamento do Cine Rio Branco. Confesso que essa

iniciativa me comove. Sinto não ter condições de ajudar, só de escrever e torcer. Fico triste de não

constatar receptividade a essa iniciativa por parte de autoridades, políticos e empresários da

cidade. Fico com a impressão que não ligam para a memória da terra. Isso que Djalma está fazendo

dá dimensão a Arcoverde, orgulha e dignifica a Terra do Cardeal.

EDUCAÇÃO

Como foi detectado pelo MEC, a nossa Autarquia de Ensino Superior, a AESA, ficou com

outras na “requinha”, abaixo da média. Em outras palavras: foi reprovada. É o que se deduz da

avaliação, inclusive divulgada. O IGC ficou a desejar, ou seja, a nota, a avaliação. Mas o que me deixa

perplexo é não tomar conhecimento de nenhuma providência para reverter esse quadro, um plano

para melhorar o ensino, um esclarecimento... Nada, necas de pitibiribas. Sem essa que outras

autarquias também reprovadas. Isso não justifica. O problema é que a AESA precisa melhorar o

ensino. Urgente.

JACK SPARROW

Recebi a visita de um gozador de Arcoverde. Tomamos uma e outras e ele me disse,

pasmem, que Jack Sparrow está vindo para Arcoverde e está puto da vida porque uns baús de joias e

pedras preciosas que, por engano, foram desviadas por uns piratas traidores que fugiram via Riacho

do Mel, foram vendidas na terrinha. Disse o capitão que soube disso porque o número de pessoas

que enricaram (sem explicação) na nossa terra é fora do comum. O cara é mesmo um gozador. Mas,

sejamos francos, só esse tipo de gozação explica certas fortunas. Jack vem aí. Cuidado.

ARMAS

Acho que quem defende a liberação de armas e o porte de armas é alguém conivente com

a violência. Infelizmente até o presidente tira fotos disparando fuzil-metralhadora. Vivemos um

momento que os maus exemplos se sucedem. Como o professor vai na escola combater as armas?

Não pode, é capaz de ser punido. A mim revolta ver pessoas que sempre foram pacíficas estarem,

agora, defendendo a posse de armas. Virou moda. Nesses dias abrem uma academia de tiro em

Arcoverde e em outras cidades. A campanha pelo desarmamento já era. Acho isso uma vergonha.

Ah, Brasil.

FRANCISCO

Sou alguém curioso. Não sou católico, não sou nada, me considero cristão e priu. Acho o

papa Francisco o maior líder do mundo. É para mim o maior combatente da paz e da injustiça social.

Sou fã do papa. Mas estou notando algo curioso: o que o papa prega no social, os seus

ensinamentos, posições, pronunciamento não são divulgados e nem praticados pela maioria das

autoridades católicas do Brasil. Pelo contrário: algumas preferem cortejar os ricos. Os ricos e os

direitistas. É a minha leitura. Duvido que me desmintam. Acho que estão sabotando a linha social do

papa. Juro.

NOSSO DRUMOND

Sem dúvida nosso poeta maior, nosso Drumond, é Carlos Alberto Cavalcanti. Não sou eu

quem estou dizendo mas a crítica. Em várias partes do país ele é festejado como grande poeta.

Ganhou vários prêmios. Sua obra poética é substancial e importante. Mas algo me deixa meio triste:

não vejo Arcoverde divulgar e nem aplaudir o poeta e sua obra poética. Prefere-se adular brucutus e

cururus de trovoada. Não, não é exagero, é verdade. Arcoverde só prestigia brucutu e cururu de

trovoada. Não me peçam para provar e nem desenhar. Fica meu respeito ao poeta Carlos Alberto

Cavalcanti e a sua obra poética. Ele orgulha e dignifica a Terra do Cardeal.

MINISTRO TCHUTCHUCA

Quem me conhece sabe que sou bestinha para rir. Mais ainda: sabe que rir demais faz a

asma dá as caras. Mas sempre, mesmo me policiando, sou obrigado a rir. Foi o que aconteceu

quando vi o vídeo de uma sessão da comissão de justiça da câmara com o ministro Guedes. Ele

começou a bancar o bambambã, aí o deputado Zeca Dirceu, pegou o microfone, na sua vez, e disse

que o ministro era tigrão para os ricos e potentados, mas era tchutchuca com os poderosos. Aí o

ministro, que estava bancando o gentleman, perdeu as estribeiras e babado de raiva gritou:

“Tchutchuca é a mãe! Tchutchuca é a vó!”. Só vai rindo. E usando a bombinha.

LIDERANÇA A FÓRCEPS

Acho que liderança não se compra em supermercado e nem em shopping. Nem pela

internet. Também não se fabrica. Existe liderança forçada, na base de fórceps. Infelizmente hoje

estão aparecendo lideranças do tipo gambiarra. Meros fichinhas, sem carisma, sem vocação, sem

cultura e sem preparo nenhum. Tudo bem, com poder e dinheiro se constrói uma fantasia de

liderança. Mas é uma liderança de marré-marré. Uma liderança que a história vai deletar. No futuro

alguns jamais serão lembrados. Mas tá havendo um surto de líderes. Cada um mais medíocre que o

outro. Ah, Arcoverde.

FUNDAMENTALISMO

Não, não respeito o fundamentalismo. Nenhum tipo de fundamentalismo. Não respeito e

combato. Acho o fundamentalismo uma excrescência, excremento fedorento que nem carniça. Sei

que sou meio radical. Meio não, sou todo radical no que tange ao fundamentalismo e a aos

fundamentalistas. Se há algo que me incomoda demais é o fundamentalismo. É algo que me dá asco

total. Não me venham com conversa mole. Para mim o fundamentalismo é fascismo. E os

fundamentalistas não são nem fascistas, são santinhos do pau ôco oportunistas, sabidos e covardes.

CAPACHOS

Admiro as pessoas educadas, gentis, ternas e serenas. Não sou assim. Nunca fui. Mas

admiro quem é educado. Agora, quando essa educação, essa gentileza, essa ternura e essa

serenidade é exagerada e vira adulação aos brucutis poderosos de merda, sinto asco. Sim, há

pessoas que para bajular fantasiam o chaleirismo de educação e outras gentilezas. Esses não são os

comuns puxa-sacos. São os capachos. Esses são os mais repugnantes e perigosos. E traíras. Todo

capacho é traíra, tipo escorpião. Sem essa de gentileza demais. Não é só frescura é bajulação

explícita. Um homem não bajula outro. Um homem de verdade tem caráter. Juro.

FRASE: “O canalha é sempre um cordial, um ameno, um amorável”.

(Nelson Rodrigues)

“O canalha é sempre um cordial, um ameno, um amorável”.

(Nelson Rodrigues)

COISAS DA CULTURA

O Vigarista

Eronides Lino Gallindo

Cascatinha era o seu nome de guerra, no

meio da malandragem. Vivia de “expedientes” e

pequenos golpes, aplicados nos “otários” (nós)

como ele dizia na galhofa.

E r a c o n h e c i d o d a p o l í c i a m a s

misteriosamente nunca fora autuado em flagrante

delito. Tinha alguns “amigos” entre os

representantes da lei.

Já havia aplicado alguns golpes em velhinhas

aposentadas, vendido produtos falsificados e

contrabandeados, mas ele estava cansado desses

pequenos golpes e queria fazer algo grande que lhe

desse independência econômica.

Informante de respeito, seguro, ele passou a

ideia de um negócio fabuloso. Havia um terreno

grande, no litoral, que daria uns cem lotes de bom

tamanho. A empresa imobiliária só vende o

loteamento completo e a vista. Oferecia tudo por

uma verdadeira pechincha. Ela estava

atravessando sérios problemas financeiros e

vendia tudo para se mudar. Iria para o sul onde

iniciaria em outro ramo de atividades.

“B.B. Carvalho e Filhos” era o nome da

conceituada empresa.

Cascatinha cresceu os olhos para aquele

negócio, seria a sua redenção. Pelo preço, estava

de graça, mas teria que levantar nos bancos grande

quantia. Ele não tinha trezentos mil reais para

comprar aquelas terras que a grosso modo, valiam

o dobro. Faria loteamentos e ganharia uma

fortuna. Nos seus cálculos, aquele negócio era uma

verdadeira mina de ouro. Como Cascatinha tinha o

nome “sujo” na praça, valeu-se de “laranjas” para

levantar o capital que necessitava para fechar o

negócio.

Cento e cinquenta mil reais, juntando com

as suas economias, era o que precisava. Conseguiu

em alguns bancos menos exigentes, somente a

quantia de oitenta mil reais. Dos setenta mil que

faltava ele adquiriu trinta com agiotas de sua

relação e outros quarenta mil conseguiu com um

traficante abastado. Deu bens como garantia pelo

dinheiro adquirido.

De posse do dinheiro, Cascatinha se dirigiu a

empresa B.B. Carvalho e Filhos, com escritório bem

montado no centro da cidade. Foi acompanhado

do amigo cambista Odilon. Lá chegando, foi muito

bem recebido pelo senhor Batista Carvalho que lhe

mostrou nos mapas a localização dos terrenos,

gráficos e “demonstrativos” com todos os dados.

Cascatinha ficou impressionado com a

organização. Fechou negócio na hora pois o Sr.

Batista tinha uma “lábia” fantástica. Exigiu um

recibo de garantia que lhe foi fornecido na hora,

com todos os carimbos da empresa e três

testemunhas ali presentes.

Combinaram de passar no cartório, as nove

horas da manhã do dia seguinte para efetivar a

transação.

O Sr. Batista recebeu o dinheiro, trezentos

mil reais de imediato. Colocou no cofre da

empresa, aquela pequena fortuna. Cascatinha se

despediu sorridente, contente da vida. Tinha feito

o grande negócio que tanto almejava.

A noite promoveu um “derrame” de cerveja.

Queria comemorar aquela façanha. Sentia-se

realizado. Naquela noite ele dormiu bêbado e feliz.

Na manhã seguinte, acompanhado do

amigo Odilon, foram ao Cartório indicado. As nove

horas estavam lá. O Cartório abriu e eles

esperaram. Deu dez horas e nada do Sr. Batista

aparecer. O tabelião disse não conhecer tal pessoa

nem muito menos essa empresa imobiliária.

Cascatinha chegou a chamar o tabelião de

mentiroso e desinformado. Correram para o

escritório. Fechado. Chamaram o síndico que abriu

a sala. Vazia.

- Eles se mudaram ontem a noite, mesmo.

Cascatinha estava suando frio e muito

pálido. Correram para o local do loteamento

indicado no mapa. Era um imenso mangue tomado

pelas águas do mar.

- “Tu entrou numa fria, companheiro”!...-

disse Odilon, desconsolado.

Do livro Retalhos de Vida (Contos)

Atendimento Psicológico para crianças,

adolescentes, adultos, e casais.

Avaliação Psicológica

DR. JOAQUIM LUCENA

CIRURGIÃO GERAL E ENDOSCOPIA

Com especialidade em Cirurgia

Geral e Videolaparoscopia, onde

realiza Cirurgia de Vesícula,

Apêndice, Ovário e Hérnia (à laser)

Junto com seu serviço de

Videoendoscopia, atende a todos os

convênios diariamente.

Fone: (87)3821-8100


abr | 2019

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

P 05

HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA

Por Genivaldo Soares de Melo

OS BAILES DOS

ANOS DOURADOS

Thiago Brado e Benil

animaram a décima quinta

Festa da Divina Misericórdia

Arcoverde sempre foi uma cidade

festeira, alegre, vaidosa, possuidora de

brilho próprio, com dois clubes sociais, o

aristocrático Democrático e o Esporte

Clube, que protagonizaram grandes

eventos sociais dançantes. Essas festas

dançantes marcou uma época áurea dos

inesquecíveis anos dourados. Estes dois

clubes teve a participação efetiva do

trombonista o Jonas Morais em suas

fundações, no entanto, o Esporte foi o

clube de sua devoção, onde dedicou-se de

corpo e alma as cores rubro negras.

A rivalidade destes dois clubes,

iniciou-se no futebol e depois, por sua

importância maior eram as orquestras a

O.A.R.A. Jazz fundada em 1958 pelo

trombonista Egerton Versosa do Amaral,

fez Arcoverde ficar mais conhecida como a

cidade de uma das melhores orquestras

do nordeste. Os bailes de carnaval eram

disputadíssimos, haja visto que em 1958 o

Democrático contrata a orquestra de

Recife do Inaldo Vilarinho para quatro dias

de festas momescas, em que minha

querida Jacy Moreno foi eleita a Rainha do

Carnaval com muita pompa, confetes

serpentinas e lanças perfumes.

Em 1964 a sede do Democrático foi

inaugurada com uma festa de arromba,

o r q u e s t ra d a p e l a i n t e r n a c i o n a l

Românticos Del Caribe, em que cada sócio

recebeu um mimo LP de presente.

Passados exatos dez anos, foi a vez do

Esporte inaugurar a sua portentosa sede

graças ao esforço hercúleo do saudoso

Jonas Morais. Nesta festa, abrilhantada

pela OARA o Esporte foi condecorado com

honroso convite para pertencer ao

fechado Interclubes de Pernambuco. Os

arcoverdenses ficaram jubilosos e

envaidecidos com tamanha honra, e não

era para menos.

Várias orquestras brilharam nestes

dois clubes, segundo Paulo Rubem

Feitoza, ex-diretor do Esporte e Toinho

Moreno, ex-diretor do Democrático citam

a afinada Marajora do hábil arranjador

Francisquinho Araújo, de Serra Talhada, o

destaque para a orquestra do Fernando

Moura especialista em trompete com

surdina quando tocava os boleros de

Bienvenido Granda, Os Sete Homens de

Ouro de Fernando Veras de Caruaru, a

banda do Ogiro das famosas tertúlias

domingueiras do Campinense, de Recife

vieram as orquestras do Fernando Borges,

e Inaldo Vilarinho autor do hino: Esporte

Clube de Arcoverde serei até morrer.......

Vi o Raul de Barros no Esporte com

o seu famoso trombone R.J. Vale salientar

as orquestras de fama internacional

Românticos Del Caribe e por duas vezes a

Cassino de Sevilha. Essas festas bailes

representou o romantismo dos anos

dourados que infelizmente não voltarão

jamais. Todavia o glamour de dançar sob

os auspícios de uma boa orquestra ao vivo;

ainda causa enorme frenezi de prazer.

Arcoverde viveu mais uma Festa

da Misericórdia, no Santuário da Divina

Misericórdia, no Sítio Mocó, no distrito

rural da Serra das Varas. A décima quinta

edição da festa reuniu milhares de fiéis

advindos de todas as partes do Nordeste

a procura de um momento único de

espiritualidade. A Festa da Divina

Misericórdia aconteceu de 25 à 28 de

abril.

Este ano, os fiéis dispuseram de

mais comodidade no novo espaço com

estrutura coberta - o Cenáculo da

Misericórdia - com capacidade para 11

mil pessoas sentadas. A programação

contou com atrações como os cantores

Thiago Brado e Benil. Além disso, foram

realizadas atividades como celebração

eucarística, bênção solene da imagem de

Jesus Misericordioso, pregações e a

oração do Terço da Misericórdia.

Entre as revelações de Jesus à

Santa Faustina, nos mistérios da fé

Quer

Pizza?

católica, a Festa da Misericórdia é o

ponto mais alto da Devoção à Deus. “O

encontro surgiu com o objetivo de

incentivar a busca contínua da Divina

Misericórdia e a devoção ao terço da

Misericórdia para que, assim, a revisão

de vida seja verdadeira naquele que crê”,

afirmou o padre Adílson Simões.

N o d i a 2 5 a c o n t e c e u

Evangelização das crianças e romarias

(com encontro das gerações). No dia 26

foi a vez do Encontrão para os jovens,

tarde de louvor, Santa Missa e

apresentação de Thiago Brado. O

terceiro dia da festa começou com a

Tarde Mariana, benção de Maria às

famílias, Santa Missa e apresentação do

cantor Benil. No último dia tivermos

Encontro de Fé, Terço Mariano,

Adoração do Santíssimo, Santa Missa,

Oração, Terço da Misericórdia e, por fim,

a inauguração da Rádio Agnus Dei(antiga

Rádio Cardeal).

pizzarequintearcoverde

R. Leonardo Pacheco Duque, 175, Centro, Arcoverde [subida do CEMEFA]

Liga pra gente!

3821.4221

99198.4279 | 99990.2566

NOTA DE AGRADECIMENTO

A família de Ildefonso Freire, agradece

sensibilizada a todos os amigos e parentes pelas

manifestações de solidariedade cristã

demonstradas por ocasião do funeral do seu

querido e saudoso Ildefonso.

Obrigada a todos!

Ozélia (esposa), filhos, genros, cunhados, netos

e bisnetos

S

FONSECA

ANDANDO COM VOCÊ NA MODA

F. (87)3821.0437

Av. Antônio Japiassu, 502, Arcoverde-PE

DR. ITAGIBE

CHAVES

CLÍNICA

PSIQUIÁTRICA

Av. Cel Antônio Japiassu, 406

Centro - Arcoverde-PE

Fone: (87)3821.0175 | 3821-0884


P 06

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

PONTOS DE VISTA

Participe! Viu?

A CRISE NA VENEZUELA

abr | 2019

AÉCIO FLÁVIO ANDRADA

"O desemprego chegará a 44,3% em 2019 e atingirá quase

metade da força de trabalho da Venezuela em 2020, informou o FMI

em sua publicação World Economic Outlook, publicada nesta

semana. O desemprego na Bósnia e Herzegovina foi de 50% em 1996,

imediatamente após a guerra interna de três anos e meio, segundo a

organização."

A gazeta do povo 12/04/2019

O nosso desemprego é alto, de 12,4%. Dá para imaginar algo

como 44,3% ou 50%? E salário mínimo de R$20,00 por mês? Pois é a

situação da Venezuela, onde a inflação é tão alta que a moeda não

existe mais. Não vale nada. É papel pintado.

Quem vive em Boa Vista, Roraima, e acompanha de perto o

que ocorre lá, só tem motivos de preocupação.

O país é grande, tem mais de novecentos mil quilômetros

quadrados de superfície e mais de trinta milhões de habitantes. Mas a

ditadura de esquerda bolivariana conseguiu destruir um país que era

exemplo na América do Sul.

De Boa Vista e Manaus saíam excursões de milhares de

pessoas para fazer turismo e compras. Praias belíssimas no Caribe. A

maravilhosa Isla Margarita, que é distante do litoral e precisa de uma

balsa (ferry-boat) para fazer a travessia, era zona de livre comércio.

Enchia de turistas.

Era uma economia próspera, baseada no petróleo abundante,

mas que se tornou uma tragédia. Os governos encheram a PDVSA –

Pedevesa, como chamam a Petróleo de Venezuela S. A. – com pessoas

do seu time, que ao longo de anos conseguiram a façanha de reduzir a

produção pela metade. De três milhões de barris por dia, hoje eles

produzem apenas um milhão e duzentos mil, menos da metade do

nível anterior.

Como comparação, o Brasil hoje produz dois milhões e meio

de barris por dia, com petróleo caro, no fundo do mar, enquanto a

Venezuela tem reservas em terra superiores às da Arábia Saudita.

O país está na miséria e no desemprego por decisão do

governo Maduro, incompetente, corrupto e dominado pelos

cubanos, que são a polícia secreta e a segurança do presidente, com

informantes em todos os lugares, inclusive os tais médicos cubanos,

que vão de casa em casa visitar doentes e fazem relatórios

circunstanciados de cada família da região em que atuam.

Espionagem qualificada.

A milícias de Maduro, armadas e violentas, matam sem

piedade.

Como há falta de tudo por lá – comida, remédios, água, luz... –

já são mais de quatro milhões de pessoas que fugiram. Só em Roraima

já temos mais de sessenta mil venezuelanos, que chegam e não

encontram emprego, porque o estado é pequeno e pobre e não pode

abrigar tanta gente.

Muitos são abrigados pelo Exército e muitos vão embora por

seus próprios meios, para Manaus, daí para o Sudeste e o Centro-

Oeste. E mesmo com a fronteira fechada, por ordem de Maduro,

muitos seguem trilhas abertas numa região de savana e continuam a

chegar às centenas todos os dias. Com isso, a quantidade deles aqui

só aumenta, com mulheres nas esquinas, com crianças no colo,

pedindo esmolas ou trabalho e homens se oferecendo para limpar

quintais ou conseguir qualquer tipo de serviço.

o problema.

Mas como? Ele não renuncia e seu aparelho repressivo –

polícia secreta de Cuba, a Guarda Nacional Bolivariana, com mais de

dois mil generais que lucram com tudo, e as milícias, que eles chamam

de "colectivos", garantem uma repressão brutal e a imprensa mundial

silencia, afinal é uma ditadura de esquerda, amiga de Cuba.

Se por lá houvesse um exército patriótico e que destituísse o

bandido, seria bom para a Venezuela. O general que fizesse isso seria

aclamado.

Acontece que mesmo os generais estão muito cautelosos

hoje.

É que a alegria inicial seria substituída pela versão da

esquerda, de que houve um golpe contra um governo legitimamente

eleito pelo voto popular, governo que lutava contra o imperialismo e

tentava fazer reformas em benefício do povo, mas que a burguesia

local e seu aliado, o imperialismo, conseguiram sabotar o país, causar

o desabastecimento e inviabilizar o governo popular. A história seria

escrita à maneira da esquerda, que sabe falsificar os fatos com muita

competência.

A imprensa mundial concordaria com essa versão, passaria a

atacar o "ditador de plantão", a ONU faria campanha contra o novo

governo e Maduro seria transformado em vítima inocente de forças

poderosas.

Qualquer semelhança com o Brasil em 1964 não é mera

coincidência.

Palmas no portão ou cigarras de interfone com pessoas ainda Enquanto isso, a Venezuela afunda e o povo sofre o diabo.

falando espanhol pedindo serviço ou comida. Triste.

E a solução, ou esperança de solução? Não há.

Qual a solução?

Maduro tem que sair, é unanimidade entre todos que estudam

O BEM-ESTAR E A JUSTIÇA SOCIAL

Gláucio Manoel de Lima Barbosa

Atribui-se ao falecido Presidente da

França Charles de Gaulle esta famosa frase: “o

Brasil não é um país sério”.

Ela vem a calhar em momentos

recorrentes de nossa história – hoje, em

especial, nos casos da Operação Lava Jato e nos

escândalos da Petrobras.

A frase ganhou particular relevo por

ter sido formulada pela respeitada figura

política francesa do século XX, uma das

reservas morais da antiga democracia

europeia. A história dita que, embora se

suponha que o falecido general tenha dito isso

sem muita contestação, Charles de Gaulle em

momento algum falou que O BRASIL não era

um país sério. O que se tem notícia é que o

diplomata brasileiro Carlos Alves de Souza

Filho, embaixador do Brasil na França entre

1956 e 1964, genro do Presidente Artur

Bernardes, foi o inventor da frase. Na época, ele

considerava o governo brasileiro inábil.

É certo que em 1962 havia um

contencioso entre o Brasil e a França conhecido

como Guerra da Lagosta – conflito parecido

com a famosa Batalha de Itararé, na qual não se

disparou qualquer tiro nem se derramou uma

única gota de sangue. A pendenga girava em

torno da captura de lagostas por parte de

embarcações de pesca francesas, em águas

territoriais brasileiras, mais precisamente no

litoral de Pernambuco. Com o alerta de

pescadores brasileiros, a notícia chegou até o

Palácio do Planalto. O Presidente João Goulart,

após ouvir o Conselho de Segurança Nacional,

mandou para a região um contingente de

esquadra nacional, com apoio da Força Aérea

Brasileira. Mesmo a “guerra” não sendo tão

séria assim.

Sabe-se que Charles de Gaulle

convocou o embaixador brasileiro para uma

conversa no Palácio do Eliseu, sede do governo

francês. Diz-se que o episódio serviu para a

imprensa lançar um daqueles debates que

embalam a França. Afinal, a lagosta anda ou

nada? No debate diplomático, a tese francesa,

naturalmente, sustentava que a lagosta

nadava. Sem contato com o leito oceânico,

poderia ser considerada um peixe...

O certo é que a nossa história é cheia

de equívocos.

E o equívoco maior em nossa história

não foi a “discussão da lagosta” ou a frase

atribuída a Charles de Gaulle, mas o fato da

população brasileira ter acreditado, no

decorrer dos últimos 30 anos, em governantes

irresponsáveis e usurpadores do dinheiro

público – para não falar a ofensiva palavra

correta – que nos levaram a chegar bem perto

do fundo do poço.

A s s i s t i m o s g o v e r n a d o r e s ,

senadores, deputados federais, ex-ministros

de Estado, secretários de Estado, presidentes

de assembleias legislativas, empresários,

funcionários públicos e da iniciativa privada e

ex-presidentes da República serem presos por

lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Muitos deles enviavam dinheiro para o exterior

em comum acordo com grandes empresas.

Alguns dos presos, protegidos pelo

manto dos partidos políticos, deveriam ter seus

registros cassados se o Direito Eleitoral fosse

célere e justo para com o cidadão. Este paga

seus impostos e quer ver nosso país com suas

instituições funcionando e atendendo-o – o

cidadão é o patrão que elege os governantes

para ter segurança, educação, saúde e uma

aposentadoria digna para se manter durante a

velhice.

“Pra não dizer que não falei das

flores”, em 20 de fevereiro de 2019, o governo

recém-empossado entregou aos presidentes

da Câmara dos Deputados e do Senado Federal

sua Proposta de Emenda Constitucional (PEC)

n. 6/2019, relativa à reforma previdenciária,

tanto do Regime Geral da Previdência Social

(RGPS) quanto dos chamados Regimes Próprios

de Previdência Social (RPPS) aplicáveis aos

servidores públicos dos entes federados.

O discurso e a convicção do Governo

Federal apontam que essa proposta será capaz

de contribuir para a recuperação dos cofres

públicos e que sua não aprovação

comprometerá as aposentadorias em vigor,

bem como as futuras aposentadorias, e

aumentará o rombo nas contas públicas. Como

se isso tivesse sido provocado pelo pequeno

contribuinte da previdência social e não por um

amontoado de lixo decorrente das práticas do

poder público e da parte do empresariado

nacional que se engajou em corrupção,

lavagem de dinheiro e superfaturamento de

obras públicas (a exemplo dos estádios de

futebol). Além de sanguessugas como os

chamados fundo partidário e financiamento

eleitoral, os vultosos salários nos poderes

Executivo, Legislativo e Judiciário e as

generosas aposentadorias de parlamentares

com pouco tempo de mandato chocam o

cidadão dia após dia.

A PEC n. 06/2019 entregue ao

Congresso Nacional ensejará inúmeros

debates e espera-se que estes tragam

considerações de que a dita reforma da

previdência não se veja tentada a onerar ainda

mais os trabalhadores e a classe média com

prestações para a previdência privada. Que ela

não procure atentar contra o Estado social, a

busca por maior igualdade entre os brasileiros

envolvidos, visando a empobrecer os mais

pobres e enriquecer os mais ricos.

Isso pode ser um bom negócio?

Para os interessados, com certeza!

Mas espero que não seja só de seu ponto de

vista financeiro.

É preciso afastar o neoliberalismo

que afronta nossa Constituição Federal de 1988

(CF 1988) com a pretensão de destruir a

previdência pública e os demais direitos

Depressão: como posso pedir ajuda?

sociais. Sabe-se que o liberalismo teve seu

momento de glória, mas foi superado desde a

primeira metade do século XX. Retroceder para

caminhar na catástrofe do período entre

guerras não é uma opção sábia e isso é

inconstitucional.

Liberdade não pode existir sem

igualdade. Os direitos sociais constituem um

importante fator para o desenvolvimento de

uma sociedade comprometida com a

erradicação da pobreza e a diminuição das

desigualdades (CF 1988, art. 3º).

A sociedade espera que o Congresso

Nacional – a Câmara dos Deputados e o Senado

Federal – procure debater e ajustar a PEC n.

6/2019 à realidade nacional e que traga

contribuição ao emendá-la para evitar perdas

arrecadatórias e, ao mesmo tempo, que

procure acomodar os interesses sociais do

cidadão à erradicação da pobreza e à

diminuição das desigualdades. Tudo sem abrir

mão do comando do art. 193 da CF 1988: “a

ordem social tem como base o primado do

trabalho, e como objetivo o bem-estar e a

justiça sociais”.

Precisamos apagar de vez o estigma

de que “o Brasil não é um país sério”.

*Advogado em Recife.

Goretti Limma / gorettilimma@hotmail.com

“Não é só você. Cada um está arrastando a

própria cruz.”

As notícias sobre o avanço da depressão

no mundo são cada vez mais assustadoras. O que

está acontecendo com a humanidade? Pessoas de

todas as classes sociais, em qualquer idade e

contextos os mais variados estão enfrentando essa

enfermidade que chega silenciosamente, num dia

qualquer, com ou sem explicação, destruindo

sonhos, projetos e ameaçando a vida dos que a

experimentam.

Ela pode chegar de várias maneiras,

lentamente ou de forma brusca. Quando vem

devagar, ela começa tirando o prazer pelas coisas

que gostamos de fazer, trazendo um desencanto

por tudo e todos e por nós mesmos, uma tristeza

ao pensar na vida, uma desesperança, um

desgosto. Também nos dá aquele excesso de sono

ou aquela insônia brava, aquele apetite exagerado

ou inapetência, um desleixo com a aparência, e

nada parece resolver.

Quando já não dançamos mais ao som da

música que amávamos, quando aquele sorvete

preferido perde o gosto, quando a companhia de

certas pessoas que nos fazia bem já nos causa um

vazio, quando acordar parece ser a coisa mais

difícil do dia, quando as lágrimas vêm “do nada” e

não associadas a algo específico, quando o peito e

o corpo doem, quando andar parece algo pesado,

quando parece que estamos arrastando um

guindaste e tudo perdeu a graça, é hora de pedir

ajuda.

Sim, claro, que a doença pode ser um

impeditivo para pedir ajuda. Mas o que vejo são

pessoas com forças para ir ás redes sociais, postar a

última foto ou vídeo ou texto, para, em seguida,

tirarem a própria vida. E me questiono: porque não

usou esses últimos sinais de vida para gritar ou

escrever ou gravar: eu estou morrendo, eu estou

com depressão, por favor, me ajudem! Isso evitaria

muitas tragédias, sobretudo, o efeito manada. Sim,

porque após alguém cometer suicídio, outros

t a m b é m c o m e t e m , s e s o l i d a r i z a n d o ,

inconscientemente, com aquele que cometeu tal

ato. Ou aproveitando a “coragem” do outro e

repetindo tal ato.

Minha campanha aqui é justamente para

que, quem esteja nesta situação de dor e

sofrimento, por favor, por um pingo de amor à vida

e a humanidade, e aos familiares, e aos amigos, e a

sociedade, e ao mundo, PEÇAM AJUDA. Não há

como adivinhar o sofrimento de todo mundo,

porque TODO MUNDO sofre de alguma dor. Não é

só você. Cada um está arrastando a própria cruz.

Eu, como psicóloga, já estive em contato

com alguns desses sentimentos que anunciavam

um princípio de depressão. Ninguém está imune.

Sempre consegui me ajudar a tempo. Técnicas

como a EFT, que canso de postar aqui o efeito desta

maravilhosa ferramenta, ajudam bastante. O

Hooponopono como filosofia de vida, como

postura de assumir a responsabilidade por si,

também é de grande poder. As psicoterapias de

qualquer abordagem ajudam bastante. O suporte

da Psiquiatria nos casos mais graves é importante.

O floral de Bach ou de Saint Germain ajudam

eficientemente, conheço pessoas que saíram da

depressão com o uso de floral. As Constelações

familiares Sistêmicas também são poderosas no

ressignificar a vida e retomar o caminho. A oração,

acompanhada de um bom tratamento, o Reiki, as

massagens corporais, o exercício físico, as

caminhadas, o convívio com pessoas queridas, o

abraço, a Barra de Access, o Thetahealing, a

cromoterapia, a aromaterapia, o uso de mandalas,

os mantras, a meditação mindfulness, a hipnose

clínica, tudo isso e muito mais pode te ajudar. Uma

hora, uma dessas técnicas ou a associação de

várias delas, pode te curar. Busca uma, faz tua

parte, não soma com os desenganados e

desesperançosos. Vem ajudar a levantar os irmãos

caídos, seja mais um na fila dos curadores. Ajudese,

ajude!

Estou à disposição! Meu trabalho é de

cura! Conte comigo. Acesse os conhecimentos na

internet, tem muita coisa boa que serve como

manancial de força e de luz. O livro Limite Zero, de

Joe Vitale é um desses. Um curso em Milagres,

também é um livro cheio de Luz. A EFT

www.efterapia.com, e tantos outros sites e vídeos

do You Tube. Vá a luta, e as portas se abrem. Deus é

o Deus da Vida e da Vida em Abundância, beba

nessa Fonte.

Goretti Lima (psicóloga clínica,

C o n s t e l a d o r a , Te r a p e u t a e m E F T e

H i p n o t e r a p e u t a . E n t r e e m c o n t a t o

gorettilimma@hotmail.com).


ABR | 2019

07

Bustos e estátuas em Arcoverde

Como já vimos, ele foi o nosso primeiro prefeito eleito (ver

Em Arcoverde há várias ruas e praças com o nome de bit.ly/2I21NmB e goo.gl/5ws8pV ; Família Japiassu bit.ly/2K4Yo8A;

goo.gl/X6TAJB = Qual foi o berço de Arcoverde ) e a primeira avenida

cidadãos que se destacaram em sua história. Há também

de Arcoverde (depois de várias renomeações) também ganhou seu

homenagens feitas através de bustos e estátuas.

nome. E é nela, em frente ao conhecido DNOCS ( goo.gl/V1Ydra )

E qual a diferença entre os monumentos busto e onde foi colocado o busto do coronel Japiassu.

estátua?

Cel. Augusto Cavalcanti

Rua Zeferino Galvão».

Busto é a representação da figura humana através da

cabeça, pescoço e a parte superior do tronco.

Estátua é a representação de uma pessoa homenageada

de corpo inteiro em diferentes situações.

Após esta introdução pergunta-se: Quais pessoas

receberam bustos e estátuas em nosso município? O

que elas fizeram para esse mérito? Onde estes

monumentos estão exibidos?

A mais antiga homenagem está na praça Barão do Rio

Branco. Todas, ao que se sabe, esculpidas, a partir de

fotos, pelo arcoverdense, que hoje reside em Brasília, Cel. Augusto Cavalcanti – Busto. Abril 2019 – Jornal de Arcoverde

Jota Mildes.

Jota Mildes - 2019

Foi em 1963 que o sr. Jota Mildes se

iniciou no ramo da escultura[...].

Antônio Franklin Cordeiro - Prefeito

de Arcoverde (1963-1969), o

contratou para fazer um busto do

Barão do Rio Branco (este que aí

está na praça) a fim de substituir o

busto anterior (não sei de quem a

autoria) que fora roubado dias

antes. [...] Depois o contratou para fazer os bustos do Coronel

Antônio Japiassu e Zeferino Galvão, a estátua (tamanho natural) do

Foto em: bit.ly/2WRfHLD - Busto do Barão: Abril 2019 – Jornal de Arcoverde

Documento, pouco divulgado, goo.gl/mMt9AN e bit.ly/2I1Qyun ,

mostra que foi em 19 de março de 1912 que o segundo topônimo de

Arcoverde passou a ser Barão do Rio Branco substituindo Olho

d'Água dos Bredos, pouco tempo antes da inauguração da estação

ferroviária, em 13 de maio. E nossa cidade (a partir de 1928) teve a

denominação de Rio Branco até o último dia de 1943, quando

ganhou o topônimo atual. O Barão do Rio Branco (José Maria da

Silva Paranhos Júnior), bit.ly/2CXYQj2 , faleceu no dia 10 de

fevereiro de 1912.

A nossa primeira praça, Barão do Rio Branco, foi inaugurada pelo

prefeito Oliveira Pessoa, em 1944, provavelmente já com o busto do

barão.

10-06-1944 - Diario do Estado, bit.ly/1IyKuCt, 3ª col.: «De

Arcoverde: Tenho dever comunicar vossência inaugurei praça Barão

do Rio Branco primeiro jardim público feito cidade dispendeu

prefeitura Cr$ 34.302,30. Atenciosas saudações Oliveira Pessoa,

prefeito.»

Devido a ato de vandalismo, o busto do barão, em 1963, precisou

ser refeito e se encontra no mesmo pedestal. Em maio de 2012 no

street view bit.ly/2I3PiXR . Monumento e praça do Barão do Rio

Branco (recente reforma 2013) goo.gl/UhMRB6 .

Cel. Antônio Japiassu.

Cel. Antônio Japiassu

Busto do cel. Abril 2019 – Jornal de Arcoverde

Nesta coluna ( bit.ly/2U1zV3A ) apresentamos: Augusto Cavalcanti

(de Albuquerque) nasceu em 1882 e chegou a Arcoverde (então Vila

Rio Branco) em 1916 e, nos 6 anos em que aqui intensamente viveu,

demonstrou a sua capacidade empreendedora e visão de futuro,

realizando obras que mudaram o rumo da região. Empresário e

agropecuarista, ele revolucionou e impulsionou a vila construindo o

cinema Rio Branco e implantando a luz elétrica no final de 1919.

Bem relacionado com a imprensa, seu nome começou a aparecer

nos jornais em 1917, quando passa a participar de exposições

agropecuárias em Recife mostrando os produtos da sua fazenda Boa

Vista, da “Estação Rio Branco” (como também era chamada a vila

Rio Branco). Em 1918 ele manda construir a bela residência que no

ano seguinte acolherá seu pai, o ministro do Supremo Tribunal

Federal André Cavalcanti. O seu novo casamento, realizado no final

de 1919, como também as inaugurações do cinema e luz elétrica,

são o ponto alto das atividades do coronel. Em 1921, aos 39 anos,

ele morre envenenado por parente da sua bela mulher. Para aqueles

que se interessam pelo tema, sugerimos a leitura de outros artigos

dr. Severiano Freire Filho, o busto de Arcelino Britto e outros bustos.

Jota Mildes trabalhou na Rádio Bandeirante de Arcoverde,

inaugurada, em 11 de setembro de 1964, bit.ly/2UhrdTX e

goo.gl/PxO4X5

Em 1967 se mudou para Petrolina, indo em 2003 para Brasília, onde

reside atualmente. Já realizou cerca de 200 esculturas, desta coluna: goo.gl/irNlDe,

goo.gl/4S0Wz8 , bit.ly/2OUeuk7 e

esparramadas especialmente pelo nordeste [...]. Um pouco da sua bit.ly/2Ulklon ) .

obra pode ser observada no vídeo goo.gl/emkXeL

Seu busto está na rua que também lhe presta homenagem e foi

Barão do Rio Branco

esculpido por Jota Mildes. Street view: bit.ly/2UigQPH

Dr. Freire Filho

Dr. Severiano José Freire Filho. Estátua. Abril 2019 – Jornal de Arcoverde

Arcoverde História Político-Administrativa. Brasília, 1995.

Sebastião Calado Bastos. Pág. 121.

«[…]O Dr. Freire Filho tinha como pais Severiano José Freire,

comerciante, e dona Eulina Otnilia Freire. Formou-se pela

Faculdade de Medicina da Bahia em 1910, aos vinte e quatro anos.

Iniciando sua carreira de médico, especializou-se em oftalmologia.

Tinha o Dr. Freire, porém, espírito cigano. Resolveu percorrer todo o

sertão do Rio Grande do Norte até atingir Pernambuco [...]. Era

sobrinho do cel. Delmiro José Freire (ex-prefeito) e primo de um

outro ex-prefeito, Severiano de Brito Freire.

Antes de 1930 a área de Campo da Sementeira foi de sua

propriedade [...]. Faleceu em Arcoverde no dia 1o . de abril de 1958.

Homem altamente espiritualizado, seus últimos anos foram

dedicados aos pobres. Foi um dos fundadores do Rotary Clube de

Arcoverde, em 1948 […].»

F o t o d e “ I l u s t r a ç ã o

Brasileira” edição 43, 1924,

em bit.ly/2Kh4p1R .

Zeferino Galvão

Seu busto foi esculpido por Jota

Mildes. Paradeiro desconhecido.

Nesta coluna, na matéria “ A Great

W e s t e r n ” ( g o o . g l / q X l T J R

Outubro.2010), já foi mostrado que

Luís Wilson nos conta no seu livro

“Município de Arcoverde (Rio Branco)

[1982]” : «Algum tempo antes dos

trilhos da Estrada de Ferro Central de

Pernambuco, no princípio do século,

chegarem à Sanharó, pretendeu a

Great Western desviá-los para o

estado da Paraíba, via Pão de Açúcar. Zeferino [Zeferino Cândido

Galvão Filho, proprietário do jornal] levantou-se como um gigante

da tribuna da GAZETA DE PESQUEIRA e, entre outras coisas, esteve

no Rio de Janeiro com Rosa e Silva e outros políticos de influência.

Antes de sua vitória, recebera uma proposta da Great Western:

seria feito um ramal da Estrada, de Sanharó à Pesqueira. Recusou-a

e continuou em sua luta até o fim. Quando Zeferino morreu, 18 anos

depois, o povo de Rio Branco, sempre agradecido aos seus

benfeitores, enviou um requerimento ao Conselho Municipal de

Pesqueira, solicitando que seu nome passasse a designar uma de

nossas ruas... A ´Rua da Linha` passou a ser, então, em Rio Branco, a

Bem posteriormente, pelo que informa o sr. Jota Mildes, ele

esculpiu um busto do Zeferino Galvão que foi colocado na antiga rua

da Linha, que se tornou a conhecidíssima avenida Zeferino Galvão

(Street view - goo.gl/6rzaf4)

. Em 2005 ( bit.ly/2UfccNs ) a LEI Nº

2.066-2005 - Desmembra a parte superior da Av. ZEFERINO

GALVÃO, a parte inferior passa a denominar-se Rua SEVERIANO DE

BRITTO FREIRE, do Supermercado Bonanza, até a esquina da antiga

Estação Ferroviária).

Zeferino Cândido Galvão Filho nasceu em 9 de maio de 1864 em São

Bento do Una, cuja família mudou-se para Pesqueira. Faleceu em

Recife a 1 de fevereiro de 1924. bit.ly/2KbmEpn

Cel. Arcelino Brito

Arcelino de Brito. Recorte

do livro A Laje da Raposa.

Memórias. 1978. Vitorino

Freire. Pág. 14. Busto em frente à Igreja Católica,

na povoação de Ipojuca. Foto J. Randolfo Britto.

18-08-1936 - Correio da Manhã - bit.ly/2IncTCj 3ª col. « Rio Branco

empossa a nova Câmara e o prefeito eleitos. […]. Foto: prefeito

Gumercindo Cavalcanti… […] Prestado o juramento do estilo pelo

vereador mais idoso, sr. Arcelino de Brito Cavalcanti, os demais se

compromissaram segundo a lei. […]». Em Ipojuca: sua história, sua

gente. Luiz Carlos de Britto Cavalcanti, 2010. Pág. 40: «Coronel

Arcelino de Britto (2-3-1872 – 15-7-1946) - [...]Homem

empreendedor e de ampla visão, tornou-se um dos maiores

proprietários de terras da região. Em suas fazendas, criava muito

gado, e chegou a montar, no povoado, uma usina de

beneficiamento de caroá planta muito abundante na região, em

sociedade com o seu filho Theopompo. Foi, em decorrência dessa

usina que a Ipojuca ganhou luz elétrica, mas o seu uso era restrito à

fábrica e às casas do coronel e de seu filho Antônio. O coronel

Arcelino tinha um temperamento muito forte, herdado dos seus

ancestrais ingleses, imprimindo em todos um grande respeito e. em

muitos, um sentimento de medo. [...] O coronel Arcelino faleceu em

julho de 1946.» Ele também foi homenageado em Arcoverde com a

rua Arcelino de Britto (bairro Boa Vista): bit.ly/2IiFZ5M. Mais: vídeo

bit.ly/2VqMBCL ; Streetview : bit.ly/2WXRKTc . Desta coluna:

goo.gl/AENvtP.

Dr. Carlos Rios

À direita foto da inauguração do busto Dr. Carlos Rios. Crédito Zira

Cordeiro. Hoje, também, o busto tem paradeiro desconhecido.

Carlos Rios: nasceu em 8 de setembro de 1900 e faleceu em 19 de

março de 1955. Casou em 1920 com Alba Rios. Filhos: 1-Ayron

Carlos Rios (de boné), 2-Dinosauro Carlos da Silva Rios, 3-Hilton

Carlos da Silva Rios, 4-Hiran Carlos da Silva Rios, 5-Jessey d´Alba Rios

e 6-Glicie d´Alba Rios. (Foto a partir de Domínio Público, pág. 27:

bit.ly/1VS2q0r). [...]

O dr. Carlos Rios, pela influência do seu filho Airon Rios, foi

homenageado por Arcoverde com nome de educandário, busto e

também nome de rua: bit.ly/2uRXzW7 . Não conseguimos, nesta

ocasião, estabelecer o paradeiro desse munumento.

Matéria completa em: bit.ly/2Xa39zh e bit.ly/2VIX5xn .


P 08

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

abr | 2019

Eu sou apenas um rapaz...

Maria do Socorro Pereira de Assis /socorropassis@gmail.com

... Latino americano. A frase da

canção de Belchior, lugar tão comum,

hoje, no cancioneiro da MPB, bem

poderia servir ao início de descrição de

um jovem de 26 anos, natural de

Pedra-PE, chamado Rafael Teixeira de

Souza. Não. O rapaz não carrega o

espírito da desesperança e do

fatalismo, como, talvez, o compositor

cearense trazia. Nos dois, uma

similitude: a morte como forma e

fundo de uma arte pulsante, mas

também a vida e suas circunstâncias

tão humanas.

Meu aluno no curso de Letras

do CESA, em Arcoverde, com menos

de 18 anos, Rafael já dizia a que viera:

um leitor voraz da literatura clássica

universal, submetia-se, encantado e

respeitoso, aos meus postulados

estéticos e didáticos, entanto, quando

julgava necessário, intervinha e fazia

pontuações às aulas que a mim

espantavam e alegravam, e aos seus

colegas, desafiavam.

Orador de turma por ocasião de

sua formatura, Rafael empreendeu

um discurso lógico e problematizador

das circunstâncias da vida brasileira,

que impressionou a todos os presentes.

Naquele dia, vaticinei-lhe o destino, o que

pareceu uma ironia: menino, tu vais longe.

E ele segue a profecia, para a alegria

nossa e para a riqueza dos estudos literários da

Universidade Federal de Brasília, onde Rafa

cursou, com honras, seu mestrado, e hoje cursa

o doutorado, pesquisando o traço histórico e a

complexidade estética de algumas narrativas

históricas.

Não estranhei quando soube, por minha

amiga, a escritora Letícia Wierzchovski – claro

que não foi à toa, pois o talento e a coragem se

impõem sobre o acaso – que Rafael era finalista

do Concurso SESC de Literatura edição 2018,

através de um belíssimo livro de contos que, se

depender de leitores feito eu, em breve será

publicado, para que todos saibam da força

humana e do talento desse rapaz latino

americano – sim, sem dinheiro no bolso... Ele

faz malabarismos, junto aos familiares, para

sobreviver na capital do País.

Lendo seus contos, de cara tomo “A

origem” e “A lei da Física” como objeto de

análise e alumbramento. Em primeiro lugar

porque o narrador tem uma sintaxe própria,

marcada por ritmo ao estilo saramagueano,

cuja posição das palavras age para ressignificálas,

e cuja pontuação obedece a regras

estabelecidas por uma voz interior e não por

uma convenção gramatical.

Um narrador tímido, mas impetuoso e

inconformado, impõe seu estilo de prosa sem

dever nada a ninguém. Aqui e acolá, Rafael

dialoga com a pena de Machado de Assis ou

com a ironia de Drummond e, talvez, com o

humor e elegância de Carlos Alberto de Assis

Cavalcanti, poeta também pedrense.

O tema universal da morte adquire certa

Laboratório 24 horas

Cirurgia Plástica

Cirurgia Geral, Clínica Médica

Neurologia, Endoscopia

Psicologia, Oncologia

Proctologia, Ortopedia

Mastologia

87 3821.8100

Av. José Bonifácio, 1121

São Cristóvão, Arcoverde-PE

leveza nos contos do rapaz. Ele toma as

trivialidades ou as tragédias, que podem ser

acontecimentos como um suicídio e as

transforma em questões tensas e densas,

obrigando o leitor a se reposicionar diante de

tais fatos. Uma escritura que mais parece um

exercício delicado de técnica linguística (porém

carregado de sentidos) é o pretexto que Rafael

utiliza para prender os leitores. Sua excelente

prosa não se encerra como exercício de

linguagem ou como catarse apenas. Em quase

todos os contos, há um narrador obrigando o

leitor a confrontar-se consigo e com o mundo,

tal qual ocorre em “A origem”, quando o

farmacêutico, cansado de procurar as causas do

cheiro fétido que afastava seus clientes, não

tem outro caminho senão o de reconhecer que

o mau odor estava nele mesmo; não era um

problema fora de si. Isto é uma pequena

lembrança ao desavisado leitor: todos

putrificaremos um dia. Quase lembrei do

escritor de “A causa secreta” ou de “A

cartomante”...

Rafael mora em Brasília há alguns anos,

mas sua cidade natal vive entranhada em sua

prosa, em sua fala, assim como o Rio vive na

prosa de Machado ou Itabira vive nos versos da

poesia de Drummond. Isto é prova inconteste

de que o sujeito artista não se apaga nos traços

que constituem a sua obra, ainda que tal

escritura seja motivada por razões exteriores ao

seu universo privado.

Confesso: como eu, Rafael respira

Machado, influência justa e inegável. Também

evoca com muito vigor a poesia elegante do

conterrâneo Carlos Alberto, com sua poesia de

seres risíveis, fétidos, morrentes, fenecentes.

Mas que viveram, acima de tudo.

COISAS DA JUSTIÇA

Em conversa recente com uma amiga

que fora desembargadora do TRT/SP e que

escrevera um livro acerca de “Danos Morais”,

ela resumia a nossa conversa afirmando que o

dano moral, no Brasil, está vulgarizado,

porque as pessoas pedem muitas coisas

hilárias e inconsistentes. O saudoso Edmir

Domingues dizia sempre que um dia iria

escrever todos os casos inusitados decididos

na Justiça. Ele próprio narrava os que tinha

enfrentado no fórum.

Só que numa pesquisa no site, através

do Google, encontramos na Revista

Superinteressante uma seleção de situações

ocorridas na prática, e dela extrai os abaixo,

todos bizarros e inusitados, que ocorreram no

Brasil e no Exterior.

Com efeito, adotando o estilo

“Madame Veruska”, selecionei os casos abaixo

para que os amantes do direito deem gostosas

risadas e também, como eu fiz, aprendam!

Em 2008, Wanderson Rodrigues de

Freitas, de 22 anos, invadiu uma padaria em

Belo Horizonte, portando um pedaço de

madeira para simular que era uma arma

embaixo da camiseta. Rendeu a funcionária do

caixa, pegou os R$ 45 que encontrou e estaria

de saída quando o dono do estabelecimento

apareceu na porta. Era o décimo assalto em 7

anos de existência da padaria – o mais recente

tinha acontecido apenas 4 dias antes. O

comerciante se irritou e partiu para cima de

Freitas. Os dois rolaram pela escada que dá

acesso ao estabelecimento. Na rua, o ladrão

apanhou de outras pessoas que passavam, até

a polícia ser chamada e prendê-lo em

flagrante. Ele foi preso e, de dentro da cadeia,

entrou com um processo por danos morais

contra o dono da padaria. Para o advogado “Os

envolvidos estouraram o nariz do meu

cliente”. “Em vez de bater, o dono da padaria

poderia ter imobilizado Wanderson. Ele

assaltou, mas não precisava apanhar.”

A ação não foi aceita pelo juiz, Jayme

Silvestre Corrêa Camargo. “A pretensão do

indivíduo, criminoso confesso, apresenta-se

como um indubitável deboche”, ele afirmou

em sua decisão. Ora, a principal exigência para

pedir indenização por dano moral é o que o

seu ato seja lícito, o que não foi o caso.

Essas questões hilárias não ficam

restritas ao Brasil. Também em países do

chamado primeiro mundo, tem gente que leva

à Justiça e as vezes se dá muito bem.

Uma canadense Linda Hunt,

52, foi embora bêbada de uma festa da

empresa em que trabalhava. Bateu o carro e

processou o patrão porque permitiu que ela

saísse dirigindo em estado de embriaguez.

Ganhou US$ 300 mil. A Justiça brasileira é mais

cuidadosa, porque o processo só seria aceito

se o chefe tivesse coagido a funcionária a

beber, ou tivesse cedido o próprio carro ou o

da empresa à funcionária.

Trina Thompson, 27 anos, recémformada

em Tecnologia da Informação pela

Monroe College, em Nova York, processou a

faculdade em US$ 70 mil. O argumento: 7

meses depois de formada, ela não tinha

conseguido emprego. E a culpa seria da

faculdade, que não teria prestado o apoio

prometido. Em nota, a instituição respondeu:

“Oferecemos apoio à carreira dos nossos

alunos. Este caso não merece mais

considerações”.

Ora, aqui no Brasil é o que mais

IVO DE LIMA BARBOZA

SITUAÇÕES BIZARRAS

LEVADAS À JUSTIÇA

acontece. Milhares de jovens saem da

faculdade, as vezes até mesmo das públicas, e

passam anos sem conseguir emprego.

Até os bebedores de cerveja

ingressaram contra o fabricante por conta de

propaganda enganosa, mostrando mulheres

belíssimas. O cidadão americano Richard

Harris não gostava muito de cerveja. Mas,

depois de assistir a um comercial na TV,

resolveu experimentar. Só que a bebida não

cumpriu a promessa feita na propaganda:

nenhuma mulher linda e vestida com poucas

roupas se interessou por ele. Harris disse que

o caso lhe causou estresse, e moveu um

processo contra a cervejaria Anheuser-Busch.

Pediu uma indenização de US$ 10 mil. Não

ganhou.

Em 1995, o americano Robert Brock

resolveu processar a si mesmo e pedir uma

indenização de US$ 5 milhões, alegando que

violou suas crenças religiosas quando

cometeu os crimes que o levaram à prisão

(agredir pessoas num bar e dirigir

embriagado). Como estava preso, Robert

esperava que o Estado tivesse que pagar a

indenização a ele. “É possível dever para si

mesmo”, explica Fornassiari. “Se você deve

para seu pai e ele morre, você passa a ser

credor de você mesmo. Mas a dívida é

automaticamente anulada. Não se pode

processar a si mesmo”. A Justiça americana

não aceitou o processo.

Em 2009, a americana Lauren

Rosenberg buscou no Google Maps o melhor

caminho para fazer a pé. Foi atropelada e

agora processa a empresa em US$ 100 mil,

pois o site não informou que a rua não tinha

calçada. O Google diz que a informação estava

disponível – mas Lauren alega que, no

Blackberry dela, ficou ilegível. “No Brasil, há

processos movidos por motoristas induzidos

pelo GPS a entrar em favelas”, conta

Fornassiari.

Este caso é tão clássico que deu

origem ao Prêmio Stella – que celebra as

decisões judiciais mais bizarras do ano. Em

1992, Stella Liebeck, de 79 anos, processou o

McDonald's porque se queimou ao abrir um

copinho de McCafé. Ganhou US$ 2,8 milhões,

pois seus advogados provaram que a

lanchonete servia o café pelando, a 70° C –

temperatura considerada alta demais para o

consumo do produto.

Um prestador de serviços do Amapá

ganhou na Justiça o direito a ser indenizado

em R$ 5 mil. É que ele realizava “serviços de

umbanda” para uma rede de frigoríficos, mas

tomou um calote. A proprietária da empresa

alegou que o trabalho não surtiu efeito, e por

isso não foi pago. Para a Vara do Trabalho de

Macapá, a limpeza espiritual dos ambientes

foi feita com regularidade e merecia o

pagamento combinado.

É certo que em direito tudo se discute

até mesmo o improvável. A própria Justiça, às

vezes, dar azo a que essas ações sejam

protocoladas, diante das muitas decisões

inconsistentes e contraditórias, até mesmo

dos nossos tribunais superiores.

Damos o crédito dessa matéria à

Revista Superinteressante.

*Advogado em Recife.


abr | 2019

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

P 09

15% DE

DESCONTO

NA COTA

ÚNICA

COM A SUA PARTICIPAÇÃO CONSTRUÍMOS

UMA CIDADE CADA DIA MELHOR


P 10

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

coisas da política

EDILSON XAVIER*

JUSTIÇA ELEITORAL

JULGANDO CAIXA DOIS?

UM OLHAR SOBRE A VIDA

Eraldo Galindo

SOBRE JUVENTUDE E VELHICE

A recente decisão do Supremo em atribuir á Justiça Eleitoral a incumbência de julgar crimes correlatos a

caixa dois, cria novas dificuldades para o combate à corrupção. Não paira dúvida que a Justiça Eleitoral não possui

estrutura delimitada. A primeira instância opera com o empréstimo de juízes das mais variadas ares. Na segunda

instância são selecionados, além de cinco magistrados, outros dois advogados para compor os tribunais regionais.

Todos trabalham em um esquema de rodízio de dois anos. O mesmo cenário aplica-se ao Ministério Público

Eleitoral, cuja finalidade será formular denúncias com base em investigações que a Policia Federal conduzirá Na

primeira instância, os promotores eleitorais nada mais são do que membros do Ministério Público Estadual,

também de diferentes setores.

Podem atuar no órgão tanto um promotor especializado em matéria criminal quanto um que trabalha em

varas da família. Está na transitoriedade da Justiça Eleitoral uma das criticas feitas pela força-tarefa da Lava-Jato á

decisão do STF e assim há casos de alta complexidade para promotores que não estão familiarizados com

apurações de tamanha envergadura. Os magistrados não só ficaram sobrecarregados com as matérias que chegam

aos seus gabinetes de origem como precisariam dividir atenções entre a organização de pleitos eleitorais e as

nuanças de uma investigação que trata de lavagem de dinheiro ou corrupção. Por fim, os juízes de caráter

transitório também não teriam a estabilidade necessária para acompanhar as coletas de provas de longo prazo. É o

Supremo julgando contra a realidade dos fatos.

A PRISÃO ARBITRÁRIA DE TEMER

A prisão de Temer, não padece de dúvida, que se foi arbitrária. Lula foi a carceragem de Curitiba depois de

ter sido indiciado, denunciado e condenado em duas instâncias. Temer foi encarcerado sem ter sido ouvido.

Contudo, num monumental abuso de autoridade o Juiz Marcelo Bretas mandou prendê-lo preventivamente, o que

constitui intencional equivoco logo reparado no Tribunal Regional, quando restaurou a ordem jurídica

absurdamente afrontada como visto à exaustão. A decisão judicial tem 40 páginas, só que concerne a justificar a

prisão preventiva, não escreveu uma só linha. O Brasil teve dois ex-presidentes presos. Um porque foi condenado.

O outro não foi ouvido, indiciado, denunciado ou sentenciado. Atitude que não se adequa ao Estado de Direito

Democrático, pois viceja clara e acintosamente o desejo de humilhar e desmoralizar o ex-presidente. Constitui

bastante estranheza a decisão judicial, logo revogada.

TESTE

COMO FICARIAM AS COISAS SE: Adélio Bispo, autor da facada contra Jair Bolsonaro, fosse vizinho de

Fernando Hadad no condomínio da Barra. Se um delegado informasse que a filha de Adélio namorasse um filho de

Fernando Hadad. Se Adélio tivesse chegado ao local junto com um cidadão filiado ao PT. Se a policia encontrasse

117 fuzis pertencentes a Adélio na casa de um amigo dele.

OLHAR PARA AS ESCOLAS

O massacre da Escola Raul Brasil, na cidade de Suzano que já caiu no esquecimento de todos, foi

inegavelmente um ato de barbárie, um ato de covardia como há muito não se via no País. Oito pessoas, entre

alunos a funcionários, perderam as vidas na onda de maldades dos dois criminosos – que também se mataram. O

episódio levantou o tema da (in) segurança nas unidades de ensino, principalmente as da rede pública, que via de

regra, não dispõem dos recursos das escolas privadas para investimento em segurança, seja estrutural ou

patrimonial. É pertinente a indagação: como pode um Estado como Pão Paulo, mais rico da América Latina, não

dispor de meios de segurança nas escolas? O problema é conhecido de gestores de pais de alunos e professores.

Bandidos de toda ordem se aproveitam da abertura do espaço escolar e entram na hora que querem, sem que o

Poder Executivo que tudo arrecada, não dê a mínima importância à segurança nas escolas, sendo o Estado,

responsável direto pela chacina, e terá que responder ação de indenização por haver contribuído diretamente

pelas mortes ocorridas.

DEPUTADOS QUEREM MANDAR NO ORÇAMENTO.

Vejam só o que querem os deputados estaduais de Pernambuco: aprovar Emenda à Constituição do Estado

para que possam legislar sobre despesas, o que é vedado pela Lei Maior. Pois o deputado Alberto Feitosa, genro do

ex-deputado Inocêncio Oliveira, quer esse direito a fim de que as verbas públicas possam ser alteradas ao seu

alvedrio. Imaginem só esses deputados pernambucanos mexerem no orçamento estadual, se sequer sabem o que

legislar, pois só sabem fazer homenagem, e passam a vida a conceder títulos de cidadão a toda e a qualquer pessoa

que não faz nada pelo Estado. Já imaginaram como as finanças oriundas dos impostos que nós pagamos, iriam

ficar? Eles não têm qualquer responsabilidade em lidar com os recursos estaduais, que devem ficar a cargo do

Poder Executivo.

GOVERNO MUNICIPAL

A mesmice está atacando o governo de Arcoverde, pois já se passaram quase sete anos de administração

municipal e não se conhece uma obra importante, que tenha sido construída nessa gestão. É imprescindível que o

governo municipal reconheça que Arcoverde é uma cidade de porte médio e que não se pode contentar apenas

com pequenas obras de calçamento e construção de praças, pois isso é quase nada para uma gestão com quase

sete nos de governo, em um Município com população acima de 70 mil habitantes, que conta com excelente

arrecadação de ISS, IPTU, ICMS e FPM, além de convênios com a União e Estado. A prefeitura sequer se dispõe a

concertar o acesso do esporte clube á BR 232, cujo descaso já dura mais de três anos, sem que a prefeitura faça um

novo asfalto, não obstante possua uma usina de asfalto praticada sem atuação nas ruas da cidade. Aquele é um dos

mais importantes acessos pra quem sai de Arcoverde. Vai completar oito anos de descaso. Não padece de dúvida,

que se trata de uma gestão apática. É nisso que resulta reeleição, cujo segundo mandato dá azo á gestão anêmica e

sem obras.

ABUSO COM DINHEIRO PÚBLICO

É frequente o abuso cometido pelas gestões municipais, quando criam slogans fantasiosos, dizendo que é

governo disso e governo da daquilo, e ainda não satisfeitos, utilizam ainda as cores de campanha, nos carros

oficiais e nos prédios públicos e nos papeis municipais. Essas gestões se dão ainda ao desplante de utilizar fotos dos

governantes expostos em cada órgão público, num festival de culto à personalidade, em vaidade sem limites. O

grave em tudo isso é quando se encerra a gestão, os slogans e as fotos são enviados ao lixo, num desperdício

ilimitado. Está na hora da Assembléia Legislativa dar um basta nisso, aprovando uma Emenda à Constituição

proibindo essa prática em todo o estado.

*Foi presidente da Câmara Municipal e da OAB de Arcoverde

NUM VILAREJO REMOTO, JOVEM E VELHO

CONVERSAM SOBRE O SENTIDO DA VIDA. Um diálogo

marcado por contrastes de ideias e sentimentos sobre

o mundo e o significado das coisas. Para o jovem, a vida

se desenha multicolorida, cheia de promessas e

oportunidades; para o velho, o tempo se encolhe, a

estrada da vida se revela sinuosa, imprecisa,

crepuscular. O jovem é o sol da manhã que desponta,

afrontando a escuridão da noite vencida; o velho é o

entardecer que se avulta no horizonte, prenunciando a

noite inevitável.

O jovem cantarola, rodopia, louva

sua mocidade plena de energias e impulsos

indomáveis, céleres, contagiantes. Nele repousa a

confiança em todas as coisas, a firmeza dos ideais tidos

como propósitos definitivos, a clareza dos sonhos, as

certezas da existência. Na sua idade há um evidente

símbolo de força e poder, que gera sentimentos

próximos à soberba e vaidade (pecados juvenis

compreensíveis e desculpáveis). Para ele, o mundo é

um caminho longo e reto, quase interminável, onde o

passar dos dias trará sorte, realizações, iluminações.

Sua consciência funciona a partir de uma ideia-chave:

tudo evolui, se aperfeiçoa. O tempo da juventude

favorece o sentimento de otimismo a respeito do

processo da vida. Tudo reluz. A vida parece imortal. No

jovem, tudo é pulsação, busca, curiosidade, flama,

sentimento de potência inesgotável.

O velho reclama das dores físicas

que o tempo, feroz e implacável, lhe impõe.

Desconfiado de tudo que o cerca, curte medos e

angústias pela finitude que percebe ser a marca de

tudo que existe no mundo. Seus desejos se prendem a

miudezas do cotidiano: alívio das tensões, equilíbrio

emocional, certo grau de conforto material, sono mais

tranquilo. Seus sonhos se apequenam à medida em

que os dias que lhe restam parecem cada vez mais

curtos, não obstante a monotonia e o cansaço das

horas. Sensação de força e de poder não passa de

recordações de um passado longínquo – vivências de

um tempo que se traduzia como aurora, raiz e começo

das coisas. O velho abandonou as certezas da

juventude; os ideais já não incendeiam seu coração. O

tempo se torna breve; viver com brandura os

momentos de cada dia impõe-se como meta da

existência que se arrasta vagarosamente. No velho, há

apenas restos de uma vitalidade quase esgotada.

Corta-lhe as pulsações humanas básicas a navalha das

horas. Sua consciência funciona a partir de uma ideiachave:

tudo é fugaz, as coisas se desfazem, voltam ao

pó original. No lugar dos sons contagiantes da

mocidade, resta o silêncio, a solidão das noites, o

crepúsculo dos dias.

Num encontro fortuito e sem

propósito maior, ambos conversam sobre a vida e o

significado das coisas. Dois pontos de vista extremos,

calcados nas idades contrastantes. O jovem fala de

seus planos e sonhos, atropelando as palavras. Os

verbos são consistentes como a rocha, os adjetivos,

grandiloquentes. Na fome de viver tudo o que a vida

parece ofertar, ele salta de um objetivo para outro

como quem troca de camisa. Quer abraçar o mundo,

coisa que exige velocidade, energia, capacidade

criativa, atitude pragmática e uma gigantesca dose de

ambição. Um lema se impõe, não deixando qualquer

margem à dúvida: “Querer é poder”. No jovem, sonhar

é voar, escalar montanhas, dominar exércitos,

conquistar castelos, atingir o cume do Everest.

O velho, compenetrado do passar

das horas, despojado da urgência do viver, fala de seus

limites físicos, de dores emocionais, de medos

existenciais, das restrições da mente na dura tarefa de

compreensão das coisas da vida. Como não pode

abraçar o mundo, quer selecionar cuidadosamente as

experiências que ainda são passíveis de vivenciar. Em

face da diminuição da sua energia física, anda

l e nta m e nte, o bserva cada coisa e m s u a

particularidade. A conquista de cada dia que nasce lhe

parece uma vitória sobre o tempo da existência.

Querer já não é, necessariamente, poder. O querer é,

por vezes, apenas devaneio de uma mente que insiste

em não aceitar a derrota (inexorável) dos sonhos. Já

não pode escalar o Everest; resta-lhe o batente da casa.

O romantismo deu lugar a uma visão realista das

coisas: a fugacidade é a marca essencial da vida

humana na terra.

Ao fim da tarde, velho e jovem se

despedem. Entre eles há uma grande distância de

estilos de vida: um tem pressa em conquistar o mundo;

o outro se sente um grão pequenino frente à

imensidão cósmica. Um corre em busca das cores e

sons da vida; o outro busca a serenidade das horas e a

proximidade do silêncio. Um é paixão ardente; o outro,

contemplação das coisas que ora existem, ora se

desfazem.

No velho há resquícios de uma

juventude feita de sonhos; no jovem, sem que ele se dê

conta, germina a velhice, sutil, futura, mas

inescapável.

Na verdade, o que somos? Uma

vida que faça sentido seria a soma dos sonhos da

juventude com a sábia ponderação da velhice?

Encerremos esta crônica dando voz ao poeta

romano Ovídio. No poema “Metamorfoses”, ele

compara as fases da vida humana com as estações do

ano. A primavera é a infância: nessa fase “tudo

floresce, o fértil campo resplandece com o colorido das

flores, mas ainda falta vigor às folhas”. A juventude é o

verão, “quadra mais forte e vigorosa que é a robusta

mocidade, fecunda e ardente”. A maturidade, “o meio

termo entre o jovem e o velho”, assemelha-se ao

outono. Por fim, o inverno: “o velho trôpego, cujos

cabelos caíram como as folhas das árvores ou

embranqueceram como a neve dos caminhos”.

Dr.Tércio

Escritório de Advocacia

Causas

Cíveis, Criminais e Trabalhistas

arcoverde

ACADEMIA

F I T N E S S

87

R. Alcides Cursino, 95 - 1º andar

Sala 02, Centro, Arcoverde-PE

Av. Osvaldo Cruz, S/N - BR 232 KM 260 - Sucupira - 56500-000

87 3822.1000

(87) 9.9101.3304 | 9.9162.3763

Av. Antônio Japiassu, 91, Centro, Arcoverde [em frente a Estação da Cultura)


abr | 2019

o reverso da medalha

Manoel Modesto E-mail: manoel.modesto@hotmail.com

É no outro lado da moeda que você descobre a realidade

dos fatos, pois verso e reverso, são duas faces de uma

mesma moeda.

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

O QUE SE QUER É LULA LIVRE! – É o que sempre disse, sem ódio, nem medo, mas com a convicção da certeza de que,

por mais que haja confirmação, mesmo que amenizada, de uma instância para outra, a Justiça brasileira só vem a

demonstrar que não passa de um instrumento a serviço de uma maquinação bem azeitada, fruto de uma

conspiração que envolve os mandantes ocasionais, numa determinada circunstância histórica, em que se dispôs a

ser um mero fantoche à serviço desses poderosos ocasionais, esta é a verdade. A decisão do STJ, em diminuir a

dosimetria da pena e não reconhecendo da inocência de Lula, só vem a comprovar esse ideal de Justiça que tão cedo

não se verá no Brasil, por ser apenas um arremedo de um poder que deveria ser ético, moral e cumpridor das leias,

sem servir de instrumentos a interesses mesquinhos e obscuros. Na realidade isso só viria a mudar de verdade se

acaso viesse a se ter uma mudança radical na estrutura do poder que venha a ceifar de vez parte desses atuais

mandantes da Casa Grande, não importando os meios a serem utilizados.

FALAR EM JUSTIÇA SÉRIA!? - Ora, fazendo as devidas comparações, se a Justiça fosse séria mesma, como querem

fazer crer com essa mascarada condenação de Lula, mesmo com essa descaracterização da diminuição da

dosimetria da pena pelo STJ, em milhares de casos similares e que é de conhecimento de toda a população, era para

se prender em torno de mais de dez mil políticos, entre prefeitos, ex-prefeitos, deputados, senadores e seus

asseclas e partícipes de quadrilhas, nessa mesma situação de aquisição de bens através de simulações, porque o

que não falta é político com bens de sua propriedade em nome de terceiras pessoas, que funcionam como testasde-ferro

ou de laranjas e nada acontece. Até mesmo simples ex-servidores de determinados políticos tem

apartamentos, carrões, chácaras e tudo fica no esquecimento. A questão de Lula, foi inédita, é “sui generis” e só

teve um intento, prejudicá-lo politicamente para essa corja chegar ao poder e promover o desmonte do país e

colocar as suas riquezas à disposição dos gringos americanos, esta é a verdade nua crua, doa em quem doer e os

psicopatas fanáticos por esse lunático que está como primeiro mandatário do país. Agora uma coisa ainda está atrás

de minha orelha: por exemplo, se realmente o apartamento e o sítio fossem de Lula, na condição de ex-presidente,

ele não poderia ter bens tão simples não, hein? - Quero respostas!

TEM ALOPRADO APLAUDINDO A REFORMA DA PREVIDÊNCIA – É triste mas é verdade. Na realidade, parece que a

gente está vivendo num país de uma grande parte de pessoas alopradas, anestesiadas ou alheias a tudo o que vem

se passando no mundo real das coisas. Ora, quando foi sugerida a reforma trabalhista para a informalidade, a

questão era a geração de empregos. As mudanças foram implementadas, a informalidade chegou para

contentamento da classe empresarial, porém os tão esperados empregos até hoje não chegaram. Muito pelo

contrário, quando se falam em 13 milhões de desempregados, que fazem questão de culpar o PT, na verdade, essa

realidade para um país de 210 milhões de habitantes, pode contar aí com mais de 30 milhões de pessoas

desempregadas. Acreditar que a reforma da previdência como querem irá gerar emprego, é outra enganação para

inglês ver, porque na verdade vão promover o demonste da instituição, introduzir um sistema de capitalização para

os bancos privados, terceirizar a mão de obra através de empresas contratadas a peso de ouro e pagando um salário

mínimo para quem for fazer o mesmo serviço de um servidor concursado e precarizar ainda mais o serviço social e

da seguridade de quem da previdência precisa. Em síntese, quem vai se lascar mesmo com essas pretensas

mudanças vai ser sempre o mais lascado, como a reforma trabalhista, não vai resolver porra nenhuma! - A gente tem

ciência que reformas são necessárias em todos os setores públicos, agora só quem promover as que penalizam as

classes sociais mais carentes e necessitadas e isso a história tem demonstrado, ou será que estou enganado?

A REFORMA QUE CONCORDARIA – Pois bem, a Constituição Federal vilmente prostituída em seu curto tempo de

existência, aduz em seu art. 5, “que todos são iguais perante a lei”, então se partindo desse princípio, vamos à

promover a reforma da previdência próxima do ideal. Primeiro, na questão de tempo de contribuição e de trabalho,

em nada deveria ser modificado, porque já se trabalha demais para viver um restante de tempo que a vida pode lhe

ofertar com enfermidades, idas e vindas à médicos e hospitais da pior qualidade, aquisição de medicamentos e se

vivendo na miséria, então melhoria da pensão dessas pessoas na terceira idade,que não tem como viver com uma

merreca de um salário mínimo; segundo ponto, nivelar pela proa o teto máximo de aposentadoria para o limite

máximo da previdência social, para políticos, magistrados, ministros, as três forças armadas, sem nenhum privilégio

e, em terceiros lugar, cobrar os caloteiros da previdência, que são inclusive os que mais querem a reforma, para não

pagarem o que devem, tornando a Justiça Federal tão célere quanto foi par condenar Lula e cobrar o devedores da

previdência, que com toda certeza, com apenas esses três itens resolveria em parte o problema da previdência e por

último, torná-la mais eficiente, fazer com que seus servidores tratem o povo com mais civilidade e os seus médicos

periciadores, façam algum curso de aperfeiçoamento e de educação para não cuidar do povo sem sequer olhar no

olho um do outro ou sequer dar a mão ou um bom dia. Acredito que não seria o ideal, mas por aí seria um bom

começo. O que querem fazer nesse governo fascista, é um desmonte completa à serviço dos poderosos ocasionais e

do capitalismo selvagem que tem ódio de cheiro de pobre, principalmente se for daquele que apanha na bunda

limpa e gosta da dor deixada pelos vergalhões do chicote!

CANDIDATÁVEIS DE ARCOVERDE – Existe a ventilação de muitos nomes como pretensos candidatos à sucessão de

Madalena Brito. Alguns são ex's e que podem ter feito um bom trabalho num primeiro momento ou até mesmo

deixado algo a desejar noutro, porém em política nada existe de exatidão, porque é uma ciência social distorcida da

realidade, porque se fosse uma ciência social na interpretação fidedigna da teoria, existiria a ética, o respeito, a

moral e respeitabilidade ao povo, o que não existe no mundo real das coisas e disso ninguém pode negar de forma

alguma. Zeca Cavalcanti, já está fazendo as suas andanças, mas dá para se acreditar que, pela sua passagem negativa

como deputado federal e tendo desempenhado um segundo mandato de prefeito meio duvidoso, a renovação não

seria uma boa pedida, tampouco a sua volta mais uma vez; a atual prefeita Madalena Brito, fez um primeiro governo

razoável, porém nesse segundo, a não ser o cartão postal do centro de Arcoverde, a periferia, para quem der umas

voltas, pede socorro, então a Terra do Cardeal pede mesmo é renovação. Existem nomes como a vereadora Cybelle

Brito, já se tendo ventilado o de Julu como Vice, além do próprio vice de Madalena que é um empresário de sucesso

desde a época do saudoso Sr. José Miguel, seu pai; o de João do Skate, que deve ter o mesmo respeito do que os

demais pretensos candidatáveis, além o do deputado ex-estadual Eduíno Brito, que tem demonstrado uma boa

atuação na região. Outros nomes poderão aparecer, mas pelo visto, o que não se deve é colocar no Executivo da

Terra do Cardeal, quem já foi, porque a tendência é justamente nada fazer, porque vai ser algo repetitivo e quem

decepcionou o povo arcoverdense na Câmara dos Deputados, não dá para acreditar que venha a ser mais uma vez

um bom chefe da edilidade arcoverdense. Na verdade ainda há de se considerar Rosa Barros, como uma das

melhores gestoras de todos esses que vieram depois dela, inclusive de sua própria cria, Zeca Cavalcanti. Rosa foi

inovadora no desenvolvimento de Arcoverde e disso ninguém pode negar. Quanto a deputados federais, ninguém

ainda chegou a se nivelar aos chinelos de Carlos e Airion Rios, grandes deputados que enobreceram Arcoverde e o

Brasil, esta é a verdade!

NOTÍCIA DÚBIA DE BUÍQUE – Ora, de notícia oriunda de Buíque, se deu conta de que o ex-prefeito tinha sido

absolvido pela justiça. Na verdade foi absolvido sim, porém de processos de origem da campanha eleitoral, não de

desaprovação de suas contas do TCE-PE, que continuam sacramentadas e cassadas pela Câmara Municipal de

Vereadores de Buíque e pelo que a legislação dita, esse órgão é o único que pode em nome do povo, tornar

inelegível algum político, a não ser, com essa criativa jurisprudência e inconstitucional condenação em processo em

segunda instância, o que não é o caso do ex-prefeito de Buíque. A notícia de que se está elegível não encontra

respaldo legal, esta é a verdade, só à título de esclarecimentos.

P 11

Mestres sanfoneiros serão os grandes

Foto: Israel Leão

homenageados do São João 2019

C o m m u i t a j u s t i ç a e

reconhecimento pelas suas trajetórias

musicais, o São João 2019 de Arcoverde

vai homenagear os sanfoneiros da

cidade e de toda uma microrregião. A

festividade, que este ano vai de 21 e 29

de junho, terá como tema 'Os Mestres

da Sanfona na Capital do São João'.

" Va m o s r e v e r e n c i a r m e s t r e s

sanfoneiros como Zezinho da Sanfona,

Pé de Gréia, Zé Coco, Giovane do

Acordeom, Cícero do Acordeom e

tantos outros, todos que embora não

sejam nativos de Arcoverde, fazem suas

vidas aqui”, ressaltou o secretário

municipal de Turismo, Albérico

Pacheco.

Até o final de maio a grade

completa de atrações deverá ser

anunciada, mas o Comitê Gestor da

festa já adiantou alguns nomes. Estão

pré-agendados, Leonardo (dia 22/06, às

01h), Gabriel Diniz (dia 26/06, às 0h),

Xand Avião (dia 27/06, às 0h) e Alceu

Valença (dia 28/06, às 23h). Segundo os

organizadores, durante o período

Arcoverde Recebe mais de 70 mil

pessoas por dia, circulando em todos os

polos de animação da cidade, entre

turistas, excursionistas, visitante e

nativos, com uma estimativa de

aproximadamente 600 mil pessoas em

todo o período da festa.

“Nós queremos fazer neste ano,

mais uma vez, um São João diferente e

para todos, porque quem vem em

Arcoverde e participa de um dos seus

ciclos juninos, nunca fica apenas no

primeiro. Portanto uma programação

SÃO JOÃO

em Arcoverde

bastante multicultural, mantendo a

marca de qualidade alcançada pelo

evento nos últimos anos”, afirmou a

prefeita Madalena.

O ciclo estará constituído em 10

polos de animação, sendo oito com

atrações artísticas e culturais: Polo

Multicultural (na Praça da Bandeira),

Polo Raízes do Coco (Alto do Cruzeiro),

Polo das Artes (no Largo do Cecora),

Polo Pé de Serra (Praça Winston

Siqueira), Polo da Poesia (no bairro do

São Cristóvão), Estação da Cultura (na

antiga estação ferroviária), Polo Rubens

Pastos (antigo Polo do Rock, na

escadaria ao lado do Cecora), e o Polo

Vila de Rio Branco (na Praça Winston

Siqueira). A festividade também

contará com o Polo da Gastronomia, ao

lado da Praça do Senadinho, e o Polo de

Diversão, com parque para crianças e

jogos lúdicos.

Entre os destaques que

permeiam a festa está a Caminhada do

Forró, promovida pelo Coletivo Cultural

de Arcoverde – Cocar, que pelo 9º ano

consecutivo integra a programação e

pretende atrair um público com cerca

de 20 mil participantes. Já a realização

do 3º Festival Quadrilhas Juninas

Capital do São João contará este ano

com oito quadrilhas participantes na

sua etapa final. A grande novidade

deste ano está a inclusão do 1º Festival

de Sanfoneiros - Mestres da Sanfona,

marcado para o dia 26 de junho, das 20h

às 2h da manhã.

A melhor impressão

é aqui!

87

3821.0047

zypgrafica@gmail.com

Designer & ilustrador

Praça Barão do Rio Branco, 201, Centro, Arcoverde-PE


P 12

as quentes do enaldo

ENALDO CÂNDIDO | enaldocandido@gol.com.br

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

O CAOLHO

abr | 2019

Manoel Modesto

TIRO O CHAPÉU

Por conta do meu amigo e conterrâneo Gilberto Barbosa ser religioso, o filho de Dona

Sebastiana, tira o chapéu pra ele, sem medo de estar cometendo um grave pecado capital, pois,

Gil da lotação, é outro raparigueiro de Itaíba, que veio para Arcoverde, para infernar a vida de

muitas mulheres. Mesmo com tudo isso, o Gato do Sertão, que é um Beato de carteirinha, tira o

chapéu pra Gilberto de Paizinha, que é outra grande figura humana que nasceu nas terras do

Pau Ferro. Gil da lotação é um grande motorista, pois, enfrenta as estradas de Arcoverde até

Recife (vai e vem todos os dias), e vem dando conta do recado até hoje. E vai continuar! Claro!!!

Gilberto Barbosa tem outra grande e bonita qualidade, é torcedor do Sport Club Recife, o novo

campeão de Pernambuco. Esse menino, tinha que ter nascido em Itaíba mesmo. Pois, lá só tem

torcedor do Leão da Ilha, o clube 42 vezes campeão. Gilberto Barbosa, Enaldo Cândido e Valter

Goes, são três santinhos que nasceram no Pau Ferro de Itaíba, que vem dando certo em toda

essa região, pois, esses três meninos sabem respeitar e são respeitados em todas as Bodegas

que entram de Arcoverde até Águas Belas, passando por Itaíba, aquela beleza de cidade. Está

quase completando 38 anos que As Quentes não mentem.

ESTÁTUAS E BUSTOS

SEM IDENTIFICAÇÃO

Na coluna Histórias da Região, o nosso grande colunista e filho de Arcoverde, Pedro

Salviano, mostra e fala sobre as nossas estátuas e bustos que lembram e fazem parte da

história da Terra do Cardeal. Mas, verificamos que em quase todas, falta sua

identificação, e na única que foi encontrada com placa, mau dá pra ler o que nela

contém. Isso não pode acontecer, pois é um crime para com a memória da nossa

cidade. É preciso urgentemente recolocar as placar onde estão faltando. Se estão

sendo roubadas por serem de bronze, pois acredito que pode ser o que vem

acontecendo, por parte de vândalos ou usuários de drogas para venderem ou trocarem

por entorpecentes, tem que haver uma outra alternativa de material e inibição para

que isso não aconteça mais. Do jeito que está é que não pode ficar.

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Porque a Secretaria de Obras não faz logo uma galeria de respeito na Rua Frederico Barbosa

Magalhães, Pois, fazendo gambiarra, não vai nunca resolver o problema daquela Rua, que fica

no São Miguel? Você sabia que o advogado Edilson Xavier é o novo assessor político do grupo

do médico Rodrigo Roa? Será que essa briga política entre o advogado Luciano Pacheco e a

vereadora Célia Galindo, vai render votos para ambos nas eleições de 2020? Porque a prefeita

Madalena Britto não começa logo a fazer a nova arborização da Praça da Bandeira e melhorias

da sua estrutura física? Você sabia que não está nada certo no possível acordo político entre a

vereadora Cybele e o ex-prefeito Julião Guerra? Será que o ex-deputado estadual Eduíno Brito

vai disputar as eleições para prefeito em 2020? Porque o PSB de Arcoverde, não lança seu

candidato a prefeito, durante os festejos juninos de 2019? Você sabia que mesmo calado feito

mineiro, o vice-prefeito Welligton Araújo, anda fazendo contatos políticos com o povo e as

lideranças políticas da Terra do Cardeal? Será que vamos ter uma candidatura nova na disputa

para prefeito da Capital do Sertão em 2020, ou vamos repetir os mesmos nomes das eleições

anteriores? Você sabia que a ex-prefeita Rosa Barros poderá ser a vice-prefeita na chapa de

Welligton Araújo?

A POLÍTICA SEMPRE TEVE DOIS PESOS E DUAS

MEDIDAS, E ISSO VEM DE LONGE, PENSAR NUM

BRASIL DE FUTURO, QUE FUTURO?

Não venham me dizer que tudo na política é produto do hoje, que vem do ontem. À

bem da verdade, a política, seja em qualquer parte do mundo que esteja colocada em

prática democrática, ela sempre foi e assim será para séculos sem fim amém. Até

imagino que talvez em regras rígidas a ser implantada, talvez haja mais disciplina.

Existem países, em que a questão política evoluiu no termo ético da palavra, enquanto

que, numa grande maioria, isso não veio a acontecer, a exemplo do Brasil. Aqui, a

política que vem de “polis”, cidade, cuidar da cidade e cuidar bem, vem do grego, mas

aqui em nosso país, ganhou sinônimo de ladroagem, roubalheira e de se obter indevida

vantagem. Pior é que quem se elege, na maioria das ocasiões, é eleito com uma

pregação e, ao assumir o mandato, quando menos se espera, está praticando tudo ao

contrário do que pregara, esta é a verdade real, no mundo real da política nefasta,

desvirtuada dos seus verdadeiros primados. O exemplo está estampado na cara desse

que se dizia que tudo seria diferente e terminou por enganar a todos os que nele

votaram.

Eu particularmente até quase cheguei a me decepcionar de vez com a política.

Vivo nela, mas não busco agir como a grande maioria age. Claro que se tem que ter jogo

de cintura, mas o pensar e agir de cada um, é que delimita o seu campo demarcatório

entre o que é certo e errado. Cada qual que faça a sua parte da melhor forma possível,

porque sempre busquei e busco fazer a minha. Não estou nem aí para o que os outros

venham a fazer, mas se a coisa for escura mesma, aí sim, pode até ser o momento que

venha a dar o meu grito de repúdio, mas do jeito que as coisas estão tomando um rumo

ainda mais distorcido, a gente não tem que agir de acordo com o toque da música.

A conspiração que fizeram no Brasil focando apenas Lula é uma grande

vergonha nacional, porque o que vem acontecendo só visaram mesmo foi prejudicá-lo

vil e covardemente para alijá-lo da política e colocar esses desavergonhados que estão

no poder no momento. Acaso este nosso país fosse sério, era para estar na cadeia mais

de dez mil políticos e não apenas fazer de o líder maior deste país, Luiz Inácio Lula da

Silva, que é aclamado mundialmente e que está refém de uma justiça venal e tacanha,

que está à serviços dos senhores ocasionais do momento. É vergonhoso tudo isso que

estamos presenciando e pior, é que ainda tem idiota, hipócrita que vem apoiando toda

essa sorte de falta de puder, de ética e de vergonha na cara.

A gente vê lá no grosso da política, o que vem acontecendo, e é de cair o queixo,

baixar os olhos, deixar cair a cabeça e sair de fininho, porque não dá para suportar tanto

descaramento e sacanagem que estão fazendo deste nosso país. Estão estuprando, ou

reestrupando o Brasil, como já o fizeram por diversas vezes e ninguém está nem aí. Até

mesmo os palhaços “coxinhas”, os paneleiros, que até pouco tempo passado saíam às

ruas, batiam panelas, agora estão todos caladinhos, como se nada estivesse

acontecendo. Todos colocaram o rabo para baixo, como cachorro vira-latas que corre

no primeiro bater de pés e estão todos escondidos, calados e, pelo visto, tudo para eles

está às mil maravilhas, enquanto o nosso país está afundando cada vez mais na

podridão dessa politicalha tacanha e safada. Essa gente, não merecia sequer ter

nascido, quiçá viver, porque é inservível!

Enquanto tudo parece se encontrar nessa mansidão, sem nenhuma reação

prática, vão leiloando nossas riquezas, dando de graça benesses para países

estrangeiros sem nenhuma contrapartida e os exemplos anteriores vão ficando para

trás, não serviram de exemplos e vamos ficando economicamente mais pobres. Até a

China, país que tem mais de 150 mil empresas estatais é uma das economias que mais

crescem no mundo, enquanto aqui, com esse tresloucado e psicopata presidente, até a

Amazônica querem privatizar, como já entregaram a Base Militar de Alcântara para os

gringos americanos, para fazer uso de alvo para atacar nossos países vizinhos e isso é

inadmissível e afunda a nossa soberania nacional.

Minha decepção com a política é tanta, que se jovem fosse, o rumo que

tomaria seria partir com quem quisesse, para uma guerra civil. Fui candidato na última

eleição, somente pregando uma filosofia diferente, de conformidade com o que

sempre preguei por toda a minha vida, mas minha decepção foi grande. Grande, não! –

Já esperava por isso! – Mas pelo menos, esperava ter tido um pouco a mais de votos,

pela força da palavra que sei que tenho o dom. Na verdade, cada qual sabe de sua força

interior e eu, tenho o dom da palavra, principalmente no quesito de formador de

opinião pública, porém como político, candidato, reconheço, definhei, quer dizer, eu

não!, o bando de idiotas que só vota mesmo com o voto vendido, comprado pelos

vendilhões do templo, que os temos à rodo e vão continuar mandando nessa política

medíocre e tacanha em que vivemos, foi quem perdeu uma pessoa que talvez fosse

uma voz viva na defesa dos interesses do povo.

Até quando essa sorte de coisas vai continuar, ninguém sabe. Procuro

direcionar as gerações que estão me sucedendo noutra linha ou na mesma lição de

vida que tenho buscado deixar. Agora, a bola da vez, quando desta me for para outra,

com certeza vai estar com eles, mas digo com toda certeza, se estiver mesmo no andar

de cima, vou observar bem, que tudo vai continuar do mesmo jeito, porque nada vai

mudar, a não ser, para pior, porque a juventude se deixa embevecer pelo canto da

sereia de quem está no poder de mando. Sempre foi assim e assim sempre será. Brasil

de futuro? – Que futuro? - Como essa horda de malfeitores que está no momento no

poder, pior ainda, camaradas!

*Advogado, Escritor, Poeta e Jornalista.


ABR | 2019

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

Social

P 13

CONFIRA OS PRINCIPAIS CLICK’S

DE ARCOVERDE E REGIÃO

PARABÉNS: O Mestre Cícero

Gomes completa 10 anos do

seu Samba de Coco Trupé de

Arcoverde. A comemoração

será no dia 04 de Maio, na sede

do Coco Trupé, no bairro São

Miguel.

PRÊMIO: A Vereadora Cleriane Medeiros,

Genicleide Andrade (Keda), Drª. Rosane,

recebendo o Prêmio Mulher Destaque,

promovido pelo colunista Adilson Mendes.

PROFISSIONAL: A Empresária Renata Almeida

dando um show de criatividade nos bolos temáticos.

EMPREENDEDOR: O Contador Rafael Veras

comemoro u 3 a n o s d a S e r tã o A s s e s s o r i a e

Contabilidade.

SERRA TALHADA: Este colunista

ao lado da Secretária Municipal de

Saúde, Márcia Conrado, que vem

realizando um grande trabalho na

sua cidade.

CATÓLICOS: Edilson Xavier, Enaldo Cândido e Eraldo Galindo, são os três ‘’beatos’’ do Jornal de Arcoverde.

PARABÉNS: O garoto Welsey, com seu pai Luiz e sua mãe Vanessa e

seu irmão Wallace comemorando seu belo niver.

MAMÃE: Josy Freire comemorando com seu amado filho Juan Martín

1 ano de vida, ao lado de seus pais, os avós Nalvinha e Joseilton Freire.

NOVIDADES: Os Proprietários da Academia Estação Fitness, Valdeci e

Maria, ao lado da Enfermeira Eliane e da Nutricionista Dra Eva no

Lançamento do Projeto Saúde

R A P I D I N H A S

CONCURSO: Dia 15 de junho será realizado Rei e

Rainha do São João da Juventude, com dezenas de

alunos e alunas de Arcoverde.

CAMINHADA: Dia 23 de junho a Drilha do Sertão

promete fazer a festa com muito forró no super mega

paredão nas principais avenidas da nossa amada

Arcoverde.

TUDO LINDO: A noite de homenagens às mulheres

de Arcoverde e região com o prêmio mulher

destaque, o evento teve a assinatura do colunista

Adilson Mendes. Parabéns!

10 ANOS: Segundo semestre o Prêmio Empresas e

Empreendedores do Sertão e Agreste, os melhores

dos ano. Mega estrutura, jantar e música ao vivo e

muito mais. Aguardem.

COMEMORAÇÃO: No dia 21 de Abril, foram

comemorados 3 anos de abertura da empresa

Sertão Assessoria e Contabilidade. Na ocasião, o

jovem empreendedor Rafael Veras, junto a seus

colaboradores ofereceu uma tarde de lazer para

amigos, clientes e familiares.

LANÇAMENTO: A Enfermeira Eliane Sampaio,

especialista em estética avançada e cosmetologia e

a Nutricionista Dra. Eva Sampaio, especialista em

nutrição clínica e esportiva, agora atendendo

também na academia Estação Fitness. Lançamento

do projeto Saúde na medida, que conta com

serviços de estética, nutrição e acompanhamento

físico, "sua saúde é nossa prioridade". Parabéns

aos proprietários Valdeci e Maria.


P 14

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

abr | 2019

DIVAGANDO

William Pôrto

Hilfe Becker

V O L A R E

Estou cansadaço de divagar sobre

política e sobre o Baú do Passado. Chega o

momento que a ficha cai de verdade, ou você

nota que está se repetindo e, mais, que

ninguém está dando a mínima para o que

você escreve, para o seu samba de uma nota

só.

No tocante à política, vou ficar só com

as arengas do “Miolo de Pote”. Quanto ao

passado, sejamos francos, Arcoverde de hoje

está se lixando para a sua história e memória

municipal (salvo, reconheço, meus dúzia de

honrosas exceções). Pelo contrário: as

pessoas vibram quando se derruba um

prédio antigo ou uma casa histórica, e

detestam falar sobre o passado. Urram de

prazer quando a “picareta do progresso”

deleta o que resta da nossa memória. Há um

capacho que chega a zonar dizendo:

“Antigamente só era merecimento no Bar de

Noé”.

Assim, vou dar um tempo nas minhas

divagações políticas e sobre o passado.

Concordo que ninguém vai nem notar, afinal

há assuntos mais atuais, quentes e de acordo

com a moda e o vício maldito do chaleirismo.

Resolvi, portanto, tentar outro tipo de

baba de quiabo (conversa mole no

Tocantins), garapa (a popular água com

açúcar), algo que não ofende a ninguém.

Conversa mole e garapa só faz bem à mente e

ao “relógio”.

Vamos, vamos sair dos entretantos e

entrar nos finalmentes, como diria o guru

Odorico Paraguaçu. Portanto pensemos,

apenas pensemos: que seria do ser humano

sem as suas divagações, sem as suas

fantasias, sem a sua imaginação? Seria

apenas um robô, um autômato, um títere ou

uma marionete.

Concordo que não podemos viver no

reino da fantasia, mas, convenhamos, uma

pitadinha de fantasia não arranca tampo de

ninguém. Que mal há em fantasiar, ou seja,

de vez em quando dá uma “viajadinha” no

tapete das ilusões e da fantasia? Fantasia

não é pecado (pecado é ser santinho do pau

ôco). Vou citar algo que afirmou Camus

(escritor argelino, Nobel de literatura): “Um

homem sem memória é um homem sem

passado. Mas um homem que não sabe

fantasiar é um homem sem futuro”. Com

certeza não é preciso desenhar: a fantasia é

fundamental a vida é o tempero, a pimenta,

sal da vida.

Não riam deste “véio” porque se

fizerem isso estarão rindo de si próprios. Na

verdade, todo ser humano pega uma

caroninha no tapete da imaginação, certo?

Absolutamente certo. Tudo bem, tudo bem,

há as exceções, os completamente frios e

infensos as emoções da imaginação, alguns

chatos de galocha, outras metidos a

santarrões e outros apenas mentirosos.

Longe de mim estar incitando à

f a n t a s i a e x a g e r a d a , m a s a p e n a s

aconselhando realizar uma turnêzinha

sazonal pelo reino do faz de conta. Não, não

me venham com essa babaquice que sonhar,

imaginar e divagar é coisa permitida aos

moços. Ora, isso é preconceito abissal. Por

que cargas d'água os mais adentrados nos

anos não podem participar desses voos da

fantasia? Podemos e devemos. Só não deve

virar costume, senão o sujeito caduca total.

Faço um parêntese para citar um

trecho de uma crônica de Dom Hélder (O

Dom do Amor) sobre o envelhecimento, fase

que não devemos entregar os pontos.

Escreveu Dom Hélder: - “Se sentirem que os

anos passam e a mocidade se vai, peçam a

Deus, para si e para os que se tornam menos

jovens, a graça de envelhecer como os

vinhos envelhecem - tornando-se melhores

– e, sobretudo, a graça de, envelhecendo,

não azedar, não virar vinagre...”. Temos que

voar um pouco.

Não custa lembrar, ainda, que todas as

grandes obras da literatura (romances,

contos poesias peças teatrais...) Foram

baseadas em voos da imaginação. Vejam,

por exemplo, “Dom Quixote”, “Cem anos de

solidão”, “O vermelho e o Negro”, “Dom

Casmurro”, “O Sol também se levanta”,

“Gabriela Cravo e Canela”... A matéria-prima

foi, sem dúvida, a Senhora Fantasia ou a Lady

Imaginação.

Sempre que estou meio bambo, mole,

jururu, dou uma viajada. E a primeira coisa

que faço é botar no som a música “Volare”,

de Domenico Modugno, cantada por ele

próprio. Depois dos primeiros versos ele

canta: Volare oh, oh/ Cantare oh oh/ Nel blu

dipinto de blu/ Felice de stare lassù/ e

volavo, volavo felice più in alto del sole/ ed

ancora più su/ mentre il mondo pian piano

spariva lontando laggiù/ uma musica dolce

suonava soltanto per me...”

Nem é preciso saber italiano, basta

volare no tapete da imaginação: “Volare oh

oh, cantare oh oh, e tome fantasia que

ninguém é de ferro. Inté

JUVENTUDE DE HOJE

Juventude. O que falar dos jovens de hoje? A juventude de hoje está cada vez mais precoce. E

isso acontece devido a liberdade que os jovens possuem ao invés de rédeas curtas. Começa

cedo, ganha o que quer, faz o que quer, a hora que quer. Os pais na intenção de fazer o melhor,

fazem com que essa maneira de os criar os torne refém de seus próprios filhos. Vejam que,

hoje em dia, cresce amplamente a marginalização de jovens principalmente na classe média.

Grande parte deles são dependentes químicos, roubam de sua própria família, vivem a

sexualidade precoce e inconsequente. E isso se faz muitas vezes por falta de estrutura

familiar.

Apesar de muitas mudanças, há coisas na vida do jovem de hoje em dia que são como sempre

foram e sempre serão. É na juventude que desbravamos o mundo, descobrimos quem somos

e aprendemos com as experiências da vida, e vivemos aquilo que quando formos mais velhos

vai ser a fonte da nossa sabedoria. Cada nova geração será desqualificada pela anterior como

aquela que é pior, joga o mundo para baixo e tem muito poucas cabeças pensantes. Mas a

juventude atual, nascida pela primeira na história com um smartphone nas mãos e a Internet

na cabeça. É tão radicalmente impossível entende-la! Há duas gerações o termo “hype”

significava “furor”.

É claro que o furor sempre existiu, mas nunca esteve nem perto da velocidade da explosão de

notícias do hype moderno. Alguns exemplos: uma boa publicidade, nos dias atuais, é uma foto

publicada com êxito na internet (é só lembrar do vestido azul que é branco... ou é azul). As

notícias mais atualizadas são as publicações do Twitter. O bombardeio de criatividade está

nos vídeos do YouTube. Os produtores e projetos multimilionários já não são garantia de

sucesso. Conforme o site Huffington Post, muitos empregadores já sabem que uma grande

porcentagem dos adolescentes deve ingressar no mercado de trabalho com diplomas obtidos

online ou diretamente sem terem terminado a escola.

Tudo porque estes jovens sabem exatamente o que querem e não vão passar cinco anos indo

à universidade para poder receber o desejado diploma que pouco ou nada vai ter com a sua

verdadeira especialidade. Não vão escutar argumentos como: “Querido, um intelectual não

deveria andar por aí sem um diploma”. Com isso, em um futuro não muito distante, o modelo

de ensino deve mudar substancialmente com muita ênfase no chamado Ensino À Distância

(EAD) no lugar do presencial e foco em cursos especializados rápidos, grande parte dos

jovens de hoje em dia são praticamente robôs do sistema, que já vem com controle remoto

adicionado. É bastante preocupante essa omissão, mas devemos tentar entender os motivos

pelos quais a manipulação é vigente. Os meios de comunicação se expandem, mas as ideias,

as boas, ideias se restringem.

Tudo parece ser movido pelo imediato, pelo comodismo e pela alienação. Temos o controle.

Mas ele é “remoto”. Remoto pelo fato de que estamos cada vez mais afastados uns dos outros

de uma forma e de outra amontoados em ideias que não conseguimos, por motivo de

ostracismo, pôr em prática. Algumas coisas que os jovens curtem atualmente serão bregas no

futuro: filtros do Snapchat, adorar certo Youtuber teen, cabelos coloridos, selfies em geral,

tênis prateados, coque samurai (geralmente os garotos), mustache, tatuagens que são

famosas hoje em dia, marombas. Achou legais todas essas modinhas atuais que no futuro vão

ser extremamente bregas? Palavras de um jovem da cidade: que a cidade cresça e que tenha

m a i s a t r a ç õ e s , l u g a r e s p a r a i r , e x . : o c i n e m a e s t á p a r a d o ! !

Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a Tua palavra.

Salmos 119:9 Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que venham os dias

difíceis e se aproximem os anos em que você dirá: “Não tenho satisfação neles”; Eclesiastes

12:1 Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude!

Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas

essas coisas Deus o trará julgamento. Eclesiastes 11:9 Ser jovem não é apenas no papel e sim

no espírito. Até a próxima edição. Abraços. Xoxo.

REDE DE FARMÁCIAS

Sua saúde está aqui

LIGUE

e peça já o seu medicamento

3821.1682 3821.0597


DIAGRAMAÇÃO:

abr | 2019

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

P 15

DUDA EVARISTO | dudatokmoleke@bol.com.br

EXPEDIENTE

JORNAL DE ARCOVERDE

FUNDADO EM 31 DE JULHO DE 1981

CNPJ: 09.402.974/0001-76

Presidente de Honra - Dr. Airon Rios

Diretor e Editor - Enaldo Cândido

Diretor de Redação - William Pôrto

SPORT CAMPEÃO

UM JORNAL A SERVIÇO DA TERRA DO CARDEAL

Mailson brilha e garante o 42° título de campeão pernambucano ao Sport

Leão da Ilha teve a melhor campanha da primeira fase,

teve o artilheiro do campeonato, Hernane Brocador, com 09 gols,

teve o melhor ataque e melhor defesa, por isso disputou o primeiro

jogo nos Aflitos, onde bateu o Náutico por 1X0 e tinha a vantagem

de jogar a partida decisiva em casa, com o apoio da sua torcida e

podendo até empatar pra ser campeão. O Sport começou o jogo

ampliando a vantagem conquistada no primeiro jogo e fez 1X0 mas

sofreu a virada no tempo regulamentar e o jogo terminou Sport 1X2

Náutico, resultado que levaria a decisão para os pênaltis. O jogo foi

cheio de emoção, teve expulsão dos dois lados logo no início da

partida, teve virada e decisão nos pênaltis. Nas penalidades, foi aí

que brilhou a estrela do goleiro Mailson que pegou duas cobranças

e o Sport pôde comemorar o 42° título de Campeão Pernambuco

em casa. Um grande destaque, ainda, foi o goleiro Magrão, que

mesmo do banco de reservas, se tornou o maior campeão da

história do clube com dez títulos no currículo. Definitivamente, a

tarde do domingo 21 de abril de 2019 vai ficar na memória de todos

que gostam de futebol.

Água do São Francisco e de outros sistemas dão

boa perspectiva econômica para Arcoverde

A recente visita do governador chegar a diversas cidades e mudar a

Paulo Câmara à Arcoverde certamente realidade das pessoas. Paulo Câmara

abriu boas perspectivas para o município. destacou que a efetivação das Adutoras

Horas antes, o governador esteve na do Moxotó e do Agreste representa o

Estação Elevatória EE1 da Compesa(no início de um antigo sonho para a

Distrito Rio da Barra/Sertânia)para a população. “Não temos dúvidas que a

inauguração da Adutora do Moxotó e p a r c e r i a c o m o M i n i s t é r i o d o

também da 1ª etapa da Adutora do Desenvolvimento Regional é uma

Agreste. Já em Arcoverde, em entrevista a parceria que vai honrar as tradições

uma emissora local, a prefeita Madalena brasileiras e fazer do federalismo uma

Brito ressaltou que governo do Estado realidade, para que todos os estados

investiu R$ 85 milhões na Adutora do tenham parcerias em obras e possam

Moxotó e Arcoverde está de parabéns, trabalhar em unidade”, disse Câmara.

porque se antes já viveu momentos de A entrega da Adutora do Moxotó

crise de abastecimento; hoje temos um e da 1ª etapa da Adutora do Agreste

grande presente para a população, agrega como principal característica a

avaliou a gestora.

melhoria na distribuição da água para

Nas palavras do presidente da abastecer cerca de 400 mil pessoas, entre

Compesa, Roberto Tavares, o governador os municípios de Arcoverde, Pedra,

tomou a decisão de replanejar todo o Venturosa, Pesqueira, Alagoinha,

sistema da Adutora do Moxotó, para que Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São

a água do Rio São Francisco pudesse Caetano e São Bento do Una.

VISLUMBRANDO O FUTURO

A chegada das águas do Rio São Francisco - sem falar

nos Sistemas Moxotó e do Agreste(cujo trecho da Canela da

Ema/em Ipojuca está bem avançado) - a boa parte dos bairros

de Arcoverde além de afastar o fantasma do

desabastecimento, abre uma perspectiva de um cenário de

desenvolvimento para o município.

Várias lojas e empreendimentos dos mais diversos

segmentos já se instalaram na cidade e outros já sinalizaram

possível instalação. Fábricas de jeans, de doces, de jóias e

outras se organizam para fazer parte do novo Distrito

Industrial.

A finalização do acesso ao Distrito Industrial se

concretizará dentro de alguns dias - sendo iniciado o serviço

de asfalto. "Distrito Industrial é estratégico para o avanço

econômico de Arcoverde”, destacou a prefeita Madalena

Britto. De acordo com o vice-prefeito, Wellington Araújo, já há

empresas interessadas em se instalar no Distrito Industrial;

três empresas já protocolaram a documentação e estão sob

análise de viabilidade”, afirmou o vice-prefeito.

As empresas interessadas em se instalar no Distrito

Industrial devem procurar a Secretaria de Desenvolvimento

Econômico de Arcoverde ou diretamente a AD Diper, no

Recife, para encaminhar a documentação necessária. Elas

devem apresentar uma Carta de Intenção e a documentação

será analisada para que seja aferida a viabilidade do

empreendimento.

EX LEGE

ADVOCACIA

Dr. Manoel Modesto

Direito Civil, Penal, Trabalhista,

Tributário, Administrativo, Público,

Consultoria e Assessoria Jurídica

Tecnologia e Responsabilidade

a serviço da sua visão.

Dr. Gildo Nery

CREMEPE 10602

manoel.modesto@hotmail.com

(87) 9.9928-4782

R. Major Marques, 43 | 1º And. S.L. 03 - Centro Buíque - PE

87 3821.1341

Av. José Magalhães de França, 147 - B, Arcoverde-PE

Rua Sávio Napoleão Arcoverde, 107, Centro, Arcoverde-PE 87 3821.0949


P 16

JORNAL de ARCOVERDE

- A VERDADE ACIMA DE TUDO -

abr | 2019

foto saudade

1962, SHOW NO ARMAZÉM RIO BRANCO

VALE A PENA LER DE NOVO

EDIÇÃO DE 1998

Reconheço que uma das grandes falhas dos meus

“escritos” se deve ao fato de não recorrer a qualquer tipo de

pesquisa. Escrevo “de vez”, na hora, que nem caldo de cana,

confiando apenas no “veneno da memória”, a qual, diga-se de

passagem, nunca foi ouro dezoito, e com o tempo, tal e qual

motor de carro velho, vai “rateando”.

Daí as inúmeras gafes que cometo. Não raro

recebo broncas devido a essas mancadas, mas não me

emendo. Sabem por quê? Simplesmente porque se começar a

pesquisar e planejar, desaparece a emoção das lembranças –

ela só acontece, creiam, da forma que escrevo,

desorganizadamente, sem técnica nenhuma.

Por exemplo, resolvi falar sobre o Cine Rio

Branco. A primeira coisa que deveria fazer seria procurar saber

quem o fundou. Porém, vou relatar só o que sei, as minhas

recordações, o que vivi, certo? Parece que o primeiro dono foi

“Seu Mendes”, não sei. Para mim ele será sempre “O CINEMA

DE PEDROSA”. Foi como o conheci ainda menino. Ninguém

dizia Cine Rio Branco, mas sim, “O Cinema de Pedrosa”.

cidade. Nos tempos de Pedrosa, o locutor era ele mesmo. A

sua voz não era boa, mas era inconfundível. O danado era que

ele, além de ler toda a sinopse do filme, como os assistia antes,

contava, não raro, até o final pelo microfone. Era de lascar. Ele

colocava muitos discos, a maioria musicados, músicas

americanas, mas aqui e acolá saíam uns chorinhos, os

preferidos eram “Delicado” e “Brasileirinho”. Dois cantores

tinham também reserva de mercado na programação: Dalva

de Oliveira (“Ave-Maria no Morro” e “Segredo”) e Dick Farney

(“Somos dois” e “Marina”).

Dr. Pedrosa era dentista e morava com a

esposa, Dona Melinha, ali na Avenida Antônio Japiassu quase

de frente do cinema. Aprece que ainda os vejo na janela da

casa deles assuntando a maçaranduba do tempo. Pedrosa era

uma extraordinária figura humana, um tipo diferente do

padrão cafona dos novos-ricos de hoje. Ele marcou época em

Arcoverde. Apesar de admirado por muita gente não era um

homem de sociedade, limitava-se às suas atividades

profissionais, principalmente à administração do cinema.

Assim como o Bandeirante, antes dos filmes,

exibia o cinejornal “Canal 100”, de Carlinhos Niemeier, no Rio

Branco era o “Atualidades Francesas”. Era um jornal muito

bom, só que o narrador tinha uma voz meio fanhosa que fazia

a gente rir e tentar imitar. Porém, o prato de resistência do

Cinema era mesmo os filmes, a maioria filmes italianos e

franceses. Foi naquele cinema que descobrimos as grandes

divas europeias da sétima arte: Gina Lolobrigida, Sophia

Loren, Anna Magnanni, Jeanne Moreau, Silvana Magano,

Magali Noel, Eleonora Rossi Drago, Mônica Vitti, Michele

Morgan, Rosana Schiafinno, Rosana Podestá, Milene

Demougeot, Milena Mercouri e Cia. Ltda. E, claro, a explosão

de Brigite Bardot. Uma dupla fazia os mais velhos chorar

durante os filmes. Amadeo Nazari e Yvonne Sanson. Eram os

famosos dramalhões italianos da Art Filmes. Assisti ali a

grandes filmes: “Ladrões de Bicicletas”, “Arroz Amargo”, “A

Rosa Tatuada”, “A doce Vida”, “Os Amantes” (o clássico francês

que causou indignação aos carolas e santinhos do pau ôco),

“Pobres porém formosas” (o filme que lançou Gina Lolobrigida

e Sophia Loren), e, óbvio, os filmes com Brigite: “E Deus criou a

mulher”, “A Verdade”, “Desfolhando a Margarida”, etc. hoje

existem muitas artistas bonitas que pintam o sete na tela, mas

não possuem nem a beleza e nem a sensualidade das artistas

do passado. Hoje é tudo artificial, programado, comercial,

forçado, não há a vida de antes.

Quando escrevi sobre “O Gigante da Praça da

Bandeira” citei um grande filme: “CINEMA PARADISO”. Ocorre

que, apesar de fazer sentido, o cinema que parecia mesmo

com o do filme era, sem dúvida, o Rio Branco. Era igualzinho,

inclusive, no tocante à antiga programação. Mas o que mais os

aproximava era aquele clima e folclore dos cinemas do

interior, o comportamento pitoresco e humano dos habitués.

Como eram parecidos! Já vi “Cinema Paradiso” mais de dez

vezes (tenho uma cópia). E como todas as vezes que assisto, ali

mais ou menos na metade, os meus olhos marejam. Isso

ocorre sempre naquela cena que mostra um filme com Silvana

Magano dançando um baião (ou um ritmo parecido). É

quando recordo do Cinema de Pedrosa onde vi aquele filme.

Recordo, imaginem, até dos cacoetes e dos lugares onde se

sentavam os habitués mais costumasses, inclusive lembro até

daqueles que assistiam às reprises para ficar contando em voz

alta o que ocorreria nas cenas seguintes. Uns chatos, mas que,

hoje, lembro com saudade. E os que preferiam assistir ao filme

do “balcão” (uma espécie de poleiro no primeiro andar)?

Havia sim, as cuspidelas escondidas em quem estava debaixo,

como no citado filme. E os agarramentos, aquela sacanagem

gostosa escondida dos casais no “balcão”? naquele tempo era

escondido, tinha graça, havia medo, suspense. Hoje é livre,

perdeu a graça. Mas a grande diferença entre o nosso cinema e

o do filme era que não havia no “Rio Branco” nenhum padrecensor

cortando as cenas mais “pesadas”. Graças a Deus. Como todo cinema que se preza, no Rio

Em cima do cinema existiam dois altofalantes,

tipo “cornetas”, afixados numa “torrinha”, um deles

virado para a Boa Vista e o outro dirigido para o “Cuscuz” (não

gosto do termo “Cidade Alta”. É meio abaianado). Essa

difusora começava a funcionar logo após o “Serviço de Alto-

Falantes Bandeirante” encerrar sua programação da manhã.

Essas duas “cornetas”, pasmem, alcançavam quase toda a

branco também havia a tradicional anarquia dos moleques.

Quem tentava reprimir a “zona” era o famoso soldado

Estevão. Lembram-se dele? Era o xerife do pedaço. A

molecada costumava botá-lo no “boba”: começavam a

acender cigarros e a assoviar de um lado e quando ele se

dirigia àquele local, no mesmo instante, do lado oposto

sucedia o mesmo, ele ficava indo e voltando, no quadrado,

Arcoverde sempre foi forte no comércio. Na década de 60 era mesmo o grande

centro comercial do sertão. As suas grandes lojas faziam até shows para comemorar

datas, sempre com artistas populares. Esta foto retrata um show na frente do Armazém

(ou era loja) Rio Branco que era gerenciado por Prestes. Estão na foto da esquerda para

a direita: Alonso do Pandeiro, a dupla “Irmãos Cantores”, Socorrinho Tenório e os

locutores do show, Dadá de Cravo e Nadinho. Eram concorridos esses shows, vejam que

há muitas pessoas ao redor do palco improvisado (palanque). A foto é de 1962. Logo

depois começaria a campanha de Arraes. É interessante como uma foto pode revirar a

nossa memória. Ah, saudade, que saudade do passado! Era um tempo mais ameno e

muito mais feliz. Podem perguntar aos mais velhos, rsssss

BAÚ DE ARCOVERDE - O cinema de Pedrosa

William Pôrto

mas quando flagrava alguém botava pra fora. Nas épocas

juninas era comum a explosão de traques. As pessoas estavam

assistindo compenetradas aos filmes e, de repente, estourava

uma “bombinha”. Era aquele susto. As luzes se acendiam e

procurava-se em vão os culpados.

Quando Dr. Pedrosa, já cansado de guerra,

vendeu o cinema a Nilson, o Rio Branco permaneceu o

mesmo. Não perdeu nada das suas tradições. Nilson até que

fez umas melhoras. Mas ele lhe deu mais do que

melhoramentos d e cal e cimento o u mesmo d e

equipamentos. Sim, porque colocou dois funcionários

extraordinários: Seu Sebastião e Seu Florismundo, os quais se

alternavam nas bilheterias. Eram duas figuras extraordinárias,

apreciam saídos das páginas de um romance histórico. Deram

uma grande contribuição de humanismo ao cinema. Eram, os

dois, a calma e a tranquilidade em pessoa. Quem deu uma

mãozinha como locutor da difusora foi Giovanni. Era bom

locutor, do tipo noticiarista da BBC, sem enfeite. Lembro-me

de um episódio antológico dessa época. Foi na campanha Lott

X Janio (1959). Giovanni (ou não sei se Justo ou Dadá) leu uma

crônica, escrita por Mestre Boanerges, defendendo Lott e

sentando o pau no “homem da vassoura”. Dr. Airon ouviu e

não gostou. Então se dirigiu ao cinema e reclamou do

conteúdo da matéria, aí houve uma discussão, um bate-boca.

Só que como o microfone estava aberto, o povo ouviu todo o

“entrevero”. Um barato. Nilson, por sua vez, era uma figura. Eu

gostava de observá-lo quando preocupado com a molecada.

Ele até que tentava pôr fim a bagunça, mas de repente, no

meio do caminho, parava e ficava pensando, com aquele seu

jeito característico, fitando um ponto imaginário e com o

pescoço inclinado, então desistia e entregava o caso a

“Estevão do Bigodão”. Um filósofo, Nilson, uma figura!

A decadência do Rio Branco se deveu aos

novos tempos, notadamente à escalada da tevê e ao advento

do videocassete. A máquina-de-fazer-doido, em todo o país,

desestruturou os cinemas. Esquecem que o cinema não era só

o filme em si, mas todo um ritual de cultura e civilidade.

Felizmente, diferente do triste fim do

Bandeirante, o último proprietário do “rio Branco”, Henrique

Arcoverde, entrou em acordo com a prefeitura e com

organismos federais o nosso cinema foi preservado. Está,

inclusive, sendo restaurado.

Espero assistir à reinauguração. Vou chegar

mais cedo nesse dia para ficar matando o tempo na praça

Barão do Rio Branco, como sempre fazia no passado. Vou sem

dúvida ver no vídeo da memória, o desfile dos habitués do

cinema de antigamente, ouvir a zoada da molecada, curtir um

tempo que se foi, mas que permanece na minha mente e no

meu coração. E chorar um pouco. Isso faz parte da vida. Faço

uma sugestão: como primeiro, passem “Cinema Paradiso”.

Será uma homenagem ao cinema. É um pouco da nossa

história. Viva “O Cinema de Pedrosa”.

Lentes e Armações

87 3821.1954

praça do livramento, 25, centro, arcoverde

87 3821.3421

rua marcílio dias , 151, são geraldo, arcoverde

ronaldolentesearmacoes@hotmail.com

More magazines by this user
Similar magazines