LIÇÃO 06 ADULTOS

dhyeggo.oliveira

As cortinas do tabernáculo, muito têm a nos

dizer sobre a obra redentora na cruz, e a

oportunidade que adquirimos por ela, para

adentrarmos com confiança até a presença do

Eterno, com fins de adoração.


1. A coberta exterior.

Era caracterizada pela rusticidade e não prezava pela beleza estética.

Feita de peles de animais marinhos, com estrutura em madeira de

acácia revestida de ouro (Ex 26.18-30).

Sem dúvidas, todas essas características apontam para a humanidade

de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (Jo 1.14; Is 53.2). Também

exigirão do adorador humildade, pois o próprio Deus não se

apresenta ao pecador de forma arrogante, inatingível, ou sofisticada.

O tabernáculo está de fato, representando a nossa própria natureza.


2. As cortinas internas.

Uma camada de peles tingidas de vermelho (vs 14), outra de peles de

cabras brancas (vs 26.7-13), e uma cortina interna de linho branco

bordada com figuras de querubins (26.1-6). O vermelho aponta para

o sacrifício, o branco a pureza de nosso redentor, e os querubins

representam o testemunho celestial da eternidade do evangelho.


1. A simbologia descritiva das cortinas do Tabernáculo.

Os detalhes e elementos do tabernáculo bem como a precisão e

disposição destes, apontam profeticamente para verdades espirituais

muito elevadas em relação a Jesus Cristo. Portanto a análise destes

detalhes, deve se dar pelo prisma profético e pedagógico. Ou seja, eles

representam mais que sua realidade física pode indicar.


2. O significado de separação.

"Quem dentre vós me convence de pecado?" (Jo 8.46). A cerca em

volta do tabernáculo, feita de linho branco torcido, além de criar

iMessage entre o povo é o tabernáculo, fala da separação entre o santo

e o profano. Essa separação porém, não i pede que o pecador adentre a

presença de Deus, mas que reconheça seu estado.


3. O significado de santidade.

Santidade, além de separação, fala de peso (kadosh). Logo, o peso, ou o

valor que damos a presença de Deus. Em si santidade divina é pesada

como se viu no templo quando a santidade de Deus pesou sobre os

sacerdotes. Em nosso caso, a santificação demonstra o valor que o

crente da a essa realidade.

A santidade na pós modernidade, enfrenta o conceito desse tempo, o

seu discurso e sua estética na sociedade atual. A santidade do crente,

contrapõem-se as características desse tempo, seja nos aspectos

morais e éticos, indo do discurso e adentrando aos usos e costumes.


1. O significado especial das cores.

Cada uma das cores da cortina frontal do tabernáculo, trás em si um

significado ou aspecto da obra redentora do Senhor Jesus.

2. A cor azul celeste (Êx 27.16).

Remete ao céu e a divindade de Jesus Cristo. Lembremo-nos, que

embora para nós a divindade de Cristo seja um tema pacífico, na história

houveram e ainda há, controvérsias sobre o tema. A crítica sobre essa

verdade remonta ao gnosticismo que negava a possibilidade da divindade

relacionar-se com a matéria caída; e ainda, um problema gerado, seria a

inutilidade da morte de Cristo na cruz se ele fosse apenas um homem.


3. A cor púrpura (Êx 27.16).

Era um tecido roxo, obtida através de moluscos marinhos. Aponta para a

realeza de Cristo, e seu reino eterno (Sl 110; Is 9.6; Lc 1.32).

4. A cor escarlate (carmesim) (Êx 27.16).

Aponta diretamente para o sangue de Jesus, e seu vitupério na cruz. "E

estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se

chama é a palavra de Deus" (Ap 19.13).

5. A cor branca do linho torcido.

Além da santidade de Cristo, essa cor aponta também para sua

humanidade e sofrimento. Fala também que por sua morte, Cristo se

torna a nossa justiça (I Pd 1.18,19; Ap 1.5).


Além de representar a presença de Deus

entre os homens, o tabernáculo em seus

detalhes convida o homem a adentrar com

confiança à presença de Deus, para além de

reconciliar, adorar a Deus em Espírito e em

verdade.

More magazines by this user
Similar magazines