RCIA - ED. 167 - JUNHO 19

tvcomercioeindustria

1|


|2


3|


ÍNDICE

EDIÇÃO N°167 - JUNHO/2019

CAPA

Contemporanea Planejados

SAÚDE

Hospital São Francisco

SINCOMERCIO

Conversa de Balcão

DESTINO

O drama dos idosos

Adalberto

Coelho,

gerente de

Operações

Hospitalares

08 8 09

16

22

Empresa apresenta profissionais

que criam ambientes projetados

de forma realista e funcional

Um mês após a inauguração

voltamos ao hospital para

acompanhar seu atendimento

Deliza recebe Washington

Coutinho para falar dos direitos

do consumidor e fornecedor

Presidente José Alberto Santarelli,

indignado com a falta de

sensatez do Governo

Artigo

05| Sônia Maria Marques diz que a

função legislativa exige mais

cuidado nas relações públicas

Política

18| Lá vai Toninho, o vendedor de

mel, segundo vereador mais

votado nas eleições passadas

Falecimento

26| Salão Elite perde Décio

Vieira, o segundo dos três amigos

inseparáveis da barbearia

Canasol

48| Entidade levou seus associados

à Estação Conhecimento da

Syngenta, em Itápolis

Nascente é usada para descarte de lixo

Edna Martins assume

O vereador Paulo Landim (PT) esteve

na nascente do Córrego do Tanquinho,

no bairro Selmi Dei, com um morador

da região, verificando que uma reserva

ambiental teve o alambrado quebrado

e fizeram um estacionamento privado.

O espaço, bem como toda extensão

do córrego, tem sido usado para

descarte irregular de lixo, favorecendo

o criadouro do mosquito transmissor

da dengue. O mato alto e a falta de

manutenção da área também facilitam

crimes e acidentes, pois atrapalham

a visão do motorista. Claudinaldo

Lugar virou depósito de lixo

Ferreira, residente do bairro,

ressaltou a importância da limpeza

do local. O preocupante é a falta

de cidadania das pessoas que não

colaboram de forma alguma.

A ex-vereadora e candidata à prefeita

pelo PSDB nas últimas eleições, Edna

Martins, que também foi presidente

do partido em Araraquara e nomeada

em maio, coordenadora regional do

Desenvolvimento pelo Governador

João Doria. A coordenadoria substitui

o antigo Erplan (Escritório Regional do

Planejamento), por onde passaram como

diretores os araraquarenses José Alberto

Gonçalves (Gaeta) e Sérgio José Pelícolla.

Sob a coordenação de Edna Martins,

estarão 26 municípios centralizando as

atividades do Governo nesta região.

|4


DA REDAÇÃO

AGRONEGÓCIO

Sindicato Rural na Agrishow

VELHOS TEMPOS

Aventuras em duas rodas

por: Sônia Maria Marques

Função legislativa exige mais cuidado

no trato das relações públicas

Por mais bem intencionado que esteja o vereador, é verdade

que as derrapadas em busca de votos ocorrem até mesmo

de modo cômico. O Portal RCIARARAQUARA.COM atestou

o lado hilariante das propostas feitas por eles (vereadores)

ao longo desta legislatura, criando desde o Dia da Parteira

Tradicional até o Dia do Imperador, sem contar o Dia do

Churrasqueiro ou o Dia do Quilo, proposta que morreu na

metade do caminho. Tais datas comemorativas surgem em

nosso calendário em meio ao colorido do mês Laranja ou do

mês Rosa ou de eventos que muitos jamais ouviram falar.

37

Nicolau de Souza Freitas e

Marcelo Xavier Benedette na visita

feita à Agrishow em Ribeirão

Saudades

26| Juraci Brandão de Paula conta a

história do Grupo Pedaços de

Choro, glória da cidade

Parceria com o Amazonas

A Drª Maria Zaghete

Bertochi, docente

da Química da

UNESP, Campus de

Araraquara, diretora

de Pesquisa do Centro

de Desenvolvimento de

Materiais Funcionais,

um dos Centros de

Pesquisa, Inovação e

Difusão apoiados pela

FAPESP, esteve em visita

à Universidade Federal

do Amazonas (UFAM), a

convite da Drª Içamira

Costa Nogueira, docente

do Centro de Ciências

Exatas, Departamento de

Física da UFAM, com a

finalidade de discutir a

colaboração em pesquisa

54

Benedito Salvador Carlos traz a

emoção e as aventura dos jovens

nos anos 70

Sociedade

64| Maribel apresenta os fatos que

pontuaram a vida da nossa High

Societ em maio

na área de materiais

nanométricos. Zaghete

é docente credenciada

no Programa de Pósgraduação

em Ciência e

Tecnologia de Materiais,

da Universidade Estadual

Paulista (Unesp) e é

orientadora no Programa

DINTER (Doutorado

Interinstitucional) entre

a UFAM e o POSMAT

– Unesp. A visita teve

várias finalidades

como estabelecer as

atividades do projeto

de tese do doutorando

Mitsuo Lopes Takeno

que serão desenvolvidas

em colaboração com a

UNESP- CDMF – UFAM.

Lá no passado tivemos vereador que apresentou como

proposta a criação “do fósforo com duas cabeças”,

entendendo que é um desperdício usar apenas um lado

do palito, mas nos tempos que ora vivemos, a falta de

criatividade nos conduz a compreender que criar o “dia

de tal coisa” não há outro sentido se não de se caçar

votos, criando-se um jeito populesco da aproximação

dos churrasqueiros que os servem nas festas. Não que

o churrasqueiro não tenha predicados para receber a

homenagem, mas já que terá o seu dia de compaixão, quem

é que vai serví-lo no dia da festa? Teria que ser o autor da

brilhante ideia.

Câmara Municipal é algo mais sério. A função do

vereador exige mais conhecimento e necessariamente

o compartilhamento das suas ações com detalhes e

responsabilidade, mas já que a leitura popular é de

gostarmos de pão e circo - que venham mais datas.

Portal RCIARARAQUARA.COM

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Editor: Suze Timpani

Design: Bete Campos e Érica Menezes

PARA ANUNCIAR: (16) 3336 4433

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Gráfica Bolsoni - (16) 3303 5900

A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio

é distribuida gratuitamente em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Atendimento: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

Zaghete

durante

palestra no

Amazonas

5|


Ciesp celebra parceria com

Sementes Esperança e Imeve

Empresas tornaram-se associadas à entidade recentemente e

planejam novos passos mercadológicos

Empresas associadas ao Centro das Indústrias

do Estado de São Paulo (Ciesp) têm à disposição

um conjunto de serviços e assessorias nas áreas

jurídico-consultiva, técnica, econômica, tecnológico-industrial,

de comércio exterior, infraestrutura,

responsabilidade social, meio ambiente e de crédito,

além do apoio em pesquisas, feiras, simpósios,

rodadas de negócios, cursos, convênios e eventos.

Com todas essas opções, cada vez mais empresários

da região se associam à entidade para se fortalecer

no mercado. Esses são os casos das indústrias

Sementes Esperança e Imeve Nutrição Animal. Conheça

mais sobre os novos parceiros Ciesp abaixo.

Sementes Esperança

Fundada em 1986 pelos irmãos Sidney, João e

Sérgio Bedore, em parceria com família Penariol, a

Sementes Esperança nasceu focada na comercialização

de produtos à base de amendoim. No ano seguinte,

com a chegada do sócio Fernando Borges, a

empresa consolidou-se na cidade de Jaboticabal-SP

e começou a ganhar mercado.

Na década seguinte, a indústria seguiu avançando

e passou a exportar óleo de amendoim bruto

para a Itália. Também criou um braço para a fabricação

de doces, a Mandubim. Posteriormente, com

a produção das sementes com multiplicação de variedades,

a Sementes Esperança tornou-se um dos

maiores produtores nacionais em seu segmento e,

agora, associada ao Ciesp, pretende entrar em novos

territórios internacionais.

Certificada pelo selo Boas Práticas de Fabricação

(BPF) e pelo ISO 9001, a empresa está dentro

das normas técnicas da área e é referência no beneficiamento

e tratamento de sementes de amendoim,

produção de óleo vegetal, amendoim em grão

classificado, óleo bruto de girassol, farelo de amendoim

ou girassol, pasta de amendoim e outros derivados

de amendoim.

Para mais informações sobre a indústria, acesse o

site: www.sementesesperanca.com.br.

Imeve Nutrição Animal

A Imeve Saúde e Biotecnologia em Nutrição Animal

foi fundada em janeiro de 1980 e possui parque fabril

de 5.000 m², no Distrito Industrial de Jaboticabal-SP.

Com localização privilegiada, vizinha da Faculdade de

Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp, a empresa

está posicionada também ao lado de interligações com

os grandes centros fornecedores de matéria-prima.

Recentemente associada ao Ciesp, a indústria

possui laboratórios projetados em ambientes limpos,

com equipamentos modernos para executar atividades

farmacotécnicas essenciais aos setores de produção,

análise e controle da qualidade dos produtos finais. A

Imeve tem ainda como grande diferencial a excelência

em pesquisa e desenvolvimento com resultados para o

mercado veterinário nacional.

O produto de maior destaque da marca é o exclusivo

DBR Probiótico, que possui em sua formulação

bactérias de rúmen. Além disso, o DBR Sacch é o único

probiótico do mercado a conter em sua formulação

bactérias intestinais, ruminais e leveduras vivas.

Saiba mais sobre a Imeve acessando o site

www.imeve.com.br.

AGENDA CIESP

JUNHO E JULHO 2019

Fique por dentro das atividades do Ciesp Araraquara

acessando as plataformas digitais da

entidade, listadas abaixo.

16 3322 1339

16 3322 7823

|6 CIESP.com.br/araraquara

facebook.com/CIESPararaquara

instagram.com/CIESPararaquara

linkedin.com/company/CIESP-araraquara

ARARAQUARA


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Contabilistas deram uma lição nos desavisados que

levam o Brasil a ficar velho antes de ficar rico

Assistimos em maio no Cear, um evento que deveria ter sido acompanhado por uma grande parte da

comunidade, principalmente pela classe política local que distante da realidade, parece tapar os olhos

para a drástica situação que passamos e a miserabilidade que aumenta, motivada pelos desajustes

sociais e o desmanche do sistema governamental causado pelas mazelas e atos de corrupção que nos

levaram ao caos. No evento falou-se de leis, normas, regras e de tantos outros valores importantes

para o fortalecimento da cidadania.

Público formado por 400 pessoas

acompanhou em maio na cidade o

Encontro Regional dos Contabilistas,

que embora destinado a uma

categoria, poderia ter sido olhado

com mais atenção por aqueles

que possuem uma interação mais

direta com o público. Ali estavam

concentrados os contabilistas de

uma grande parte do interior de

São Paulo, regidos pelo interesse

de acompanhar as transformações

que vêm acontecendo na economia

e no setor, em função de uma nova

política que o governo pratica.

Quem é da área, num momento

como esse, sabe que a economia

é um processo determinado pela

demanda, quer dizer, ter que

responder às questões colocadas

pela sociedade já que a sociedade

vive em constante transformação

e o trabalho de um contabilista

emparelhado com a economia,

nunca se esgota. Basicamente

era isso que o Sescon SP, dirigido

em Araraquara por Wladimir

Carlos Bersanetti Rodrigues

estava mostrando a esta plateia.

Ficamos orgulhosos em acompanhar aquele cenário bem longe de eventos

partidários, entendendo o quanto é fundamental que o contabilista tenha um

profundo entendimento da sociedade e uma visão abrangente do contexto

em que os acontecimentos se dão.

A qualidade de instituições como Sincoar, Aescar, Jucesp e Sescon, nas

quais os contabilistas estão envolvidos, é da mais alta importância para a

economia local, detendo o conhecimento sobre cada uma das empresas

voltadas para o comércio, a indústria, agronegócio e serviços. Isso significa

que os contabilistas têm de forma reservada ou sigilosa o raio-x de cada

uma delas, sempre com a disposição de orientar ou resolver as situações

adversas que às vezes, principalmente agora, lhes são apresentadas.

Acompanhando o encontro dos contabilistas, sentimos em meio à plateia

que estamos vivendo um período demograficamente favorável, em que a

população idosa é pouco representativa e que infelizmente o país tem à

frente uma crise fiscal e um sistema previdenciário deficitário. Trocando

em miúdos, estamos perdendo a oportunidade de alavancar o crescimento

econômico, levando em nossos pequenos conhecimentos o temor que o país

fique velho antes de ficar rico.

Só lamentamos que deste acontecimento - prefeito, vice-prefeito e

vereadores - não compareceram e deixaram de aprender ou conhecer

os efetivos problemas da Nação. Uma política pobre calcada no

assistencialismo - tipo Bolsa Família Municipal - é o que proporciona a eles

os votos, pois a ignorância fica submersa numa classe miserável e sobre ela

os políticos tripudiam todos os dias. Este é um dos aspectos que nos leva a

entender o despreparo do pobre cada vez mais pobre e dos espertalhões

abocanhando fatias de dinheiro sujo por este Brasil, quase que sem forças

para reagir. Os contabilistas deram uma lição nos desavisados.

7|


REPORTAGEM DE CAPA

Ambientes projetados de forma realista e funcional

Contemporanea Planejados

Embora a beleza e o requinte sejam marcantes em cada

peça, o investimento em peças projetadas pela

Contemporanea é bem acessível; logo sua casa terá valores

agregados que lhe darão conforto e requinte.

A Contemporanea Planejados é

uma empresa do segmento moveleiro

e está no mercado há mais de oito

anos atendendo Araraquara e toda

a região. “Neste espaço de tempo, a

loja sempre prezou pela qualidade,

desde o atendimento inicial até a finalização

da montagem dos nossos

produtos que pautam pela qualidade

e requinte”, comenta o gerente Alan

Salheb.

Instalada na Avenida Luís Alberto,

643 – Vila Velosa, o showroom sempre

foi um diferencial da empresa,

pois apresenta as últimas tendências

mundiais no setor moveleiro, envolvendo

acessórios, componentes, vidros,

espelhos, amortecedores e as

diversas tonalidades de madeira do

mercado. “Aqui na Contemporanea

Planejados fazemos tudo com muito

carinho para realizar seu sonho, pois

A arquiteta Ligia Barros (10 anos

de experiência) e a designer

Sara Barros (5 anos neste ramo

de atividade), fazem parte da

equipe Contemporanea

|8


Raquel Rossi, Shayra Lobo, Lígia Barros,

Sara Barros e Samira Serra

A designer Raquel Rossi (8 anos de experiência) e o gerente Alan Salheb (13 anos de

experiência na Área Comercial)

sabemos que os móveis adquiridos

são a concretização de um ciclo da

vida de nossos clientes”, ressalta

Alan.

O ATENDIMENTO

A loja conta com um showroom

com mais de 200m² apresentando

diversos ambientes onde os clientes

A Contemporanea

está entre os

moveleiros de maior

destaque no interior

de São Paulo e isso se

deve aos profissionais

que formam sua

equipe, projetos, a

diversificação das

madeiras utilizadas e

preços acessíveis que

vão contemplar sua

casa com qualidade.

Samira Serra (13 anos no segmento) e o

conferente Deivson Lobato (10 anos de

experiência)

podem circular e conhecer melhor a

concretização de seu sonho.

“O método de criação de projetos

é o PROMOB, programa especial que

permite que os projetistas, designers

e arquitetos projetem sua casa, escritório

ou qualquer ambiente de maneira

única, onde o cliente visualiza o

espaço projetado de maneira realista

e funcional. Trabalhamos cada detalhe

de seu projeto com máxima eficiência,

atenção e muita dedicação”,

explica o gerente.

Sempre visando máxima qualidade

e satisfação, a Contemporanea

Planejados conta também com um

programa de melhoria continua junto

aos nossos montadores que é o SIM

(Sistema Integrado de Montagem),

onde a conferência da montagem é

acompanhada por um auditor de processos

até o check list de entrega da

obra finalizada.

Fica o convite da Equipe Contemporanea:

“Venha tomar um cafezinho

conosco, conhecer nosso showroom,

realizar seu sonho e se surpreender

com nossos projetos e produtos.

Equipe Contemporanea

A designer e estudante de

arquitetura Shayra Lobo (5

anos de experiência) com

o projetista Hugo Lima (13

anos de experiência)

(16) 3324 5914

(16) 98844 9071

Av. Luís Alberto, 643 - Vila Velosa

@Contemporaneaplanejados

contato@contemporaneaplanejados.com.br

9|


|10


O NOVO HOSPITAL

São Francisco contempla tecnologia

conservando traços da Beneficência

Com investimento de R$ 60 milhões, o Hospital São

Francisco conta com maternidade humanizada, Medicina

Diagnóstica de última geração, Centro Cirúrgico, UTI entre

outros serviços. Fato importante é a preservação de grande

parte da arquitetura do prédio construído nos anos 20.

A São Francisco Saúde, que faz

parte do São Francisco, um dos maiores

grupos do segmento no país, finalizou

a reestruturação do Hospital São

Francisco de Araraquara. Todas as

áreas já estão abertas para atender

aos mais de 73 mil beneficiários da

região. Foram investidos mais de R$

60 milhões em recuperação e modernização

da estrutura com base nas

leis de proteção a edifícios tombados,

além de aquisição de equipamentos

de última geração e implantação de

uma maternidade.

Em meio ainda à euforia da inauguração

- um mês depois -, o grupo

voltou a agitar o noticiário econômico

nacional anunciando que o Grupo São

Francisco aceitara uma proposta e,

com isso suas empresas passariam

a fazer parte da Hapvida, que se tornará

com esta aquisição, a maior operadora

de saúde do Brasil com quase

6 milhões de beneficiários nos planos

de saúde e dental.

É verdade contudo

que a marca do Grupo

São Francisco, resgatando

a tradição do

hospital e revitalizando

sua estrutura, fica

registrada na história

da cidade.

Novo centro cirúrgico do

Hospital São Francisco

Antiga Beneficência Portuguesa, hoje Hospital São Francisco

Por sinal, a declaração de Lício

Cintra, CEO do Grupo São Francisco,

ratifica o entendimento de que a reabertura

do hospital simboliza a importância

de Araraquara para a região.

“Isso se reflete no grande aporte de

investimentos realizados, o que nos

permitiu tornar a cidade referência,

com uma estrutura completa para

atendimentos de alta complexidade e

que permitirá gerar mais empregos e

fomentar a economia local”, informa

o executivo.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE

11|


MATERNIDADE

O hospital também já nasce com

uma maternidade focada em parto

humanizado. As gestantes poderão

utilizar equipamentos para estimular

o trabalho de parto em um ambiente

acolhedor e seguro. Serão cinco leitos

e duas salas de pré-parto e uma sala

para cuidados com o recém-nascido.

Como sequência do parto, a mãe será

incentivada a amamentar logo após o

nascimento do bebê, antes mesmo do

primeiro banho ou pesagem.

Setor destinado

aos serviços de

tomografia

A MODERNIDADE COM TECNOLOGIA DE PONTA

Do total investido no novo hospital,

cerca de R$ 6.5 milhões foram

direcionados à área de Medicina

Diagnóstica, para a compra de equipamentos

com a mais moderna tecnologia

como ressonância magnética,

tomografia computadorizada, mamografia,

raios-x, ultrassonografias com

Doppler e densitometria óssea. Além

de equipamentos de suporte à vida

para a Unidade de Terapia Intensiva

(UTI) e uma sala exclusiva para realização

do Ecocardiograma adultos e

gestantes (exame fetal).

O Centro Cirúrgico tem seis salas

cirúrgicas e capacidade mensal de

realizar até 533 procedimentos em

diversas especialidades de alta complexidade,

como cirurgia geral, vascular,

gastrocirurgia, ortopedia entre

outras. Um dos diferenciais é a realização

dos exames de endoscopia e

colonoscopia no Centro Cirúrgico com

todo apoio, inclusive, de recuperação

pós-anestésica especializada.

A Unidade de Terapia Intensiva

(UTI) tem dez leitos, todos com estrutura

para realização de hemodiálise.

A Unidade de Cuidados Especiais

também conta com dez leitos dedicados

à internação de pacientes com

doenças crônicas e idosos. Há ainda

mais 50 leitos de internação, com leitos

específicos de isolamento.

A história da

antiga Beneficência

Portuguesa,

preservada pelo

São Francisco, é

marcada pelas fotos

dos presidentes

no Salão Nobre,

gesto de respeito

do grupo que

aqui chegou

com o propósito

de oferecer à

população regional,

atendimento

humanizado

através de

profissionais e

aparelhos dos mais

sofisticados

Adalberto Coelho Neto, gerente de

Operações Hospitalares

A reforma do hospital preservou a

fachada histórica, salão nobre, capela

e área de atendimento que tiveram

suas estruturas restauradas. Mais do

que oferecer assistência de qualidade,

a São Francisco Saúde reconhece

a importância de valorizar a cultura

local. “Por isso, desenvolvemos todo

o projeto das demais áreas de maneira

a harmonizar com a estrutura

histórica”, afirma José Miranda da

Cruz Neto, diretor superintendente de

Operações do Grupo São Francisco.

AGRADECIMENTO

Em nossa visita ao São Francisco,

a reportagem foi acompanhada pelo

gerente de Operações Hospitalares,

Adalberto Coelho Neto, a quem agradecemos

pela presteza e cordialidade,

o que expressa este sentimento

de carinho com a cidade e o fortalecimento

do vínculo com a comunidade.

|12


13|


|14


15|


CONVERSA DE BALCÃO

Direitos e deveres do consumidor e

fornecedor, uma via de mão dupla

Washington Coutinho, pós graduado na área de Direito do Consumidor desde 1995,

participou em maio do programa Conversa de Balcão no Sincomercio, dando verdadeira

aula sobre a relação entre o comerciante e o consumidor.

seja positiva. “Para o comerciante a

venda pode ser uma qualquer, para

o cliente não, se ele se frustra vai

descarregar no Procon ou na Justiça”.

DÚVIDAS FREQUENTES

Excelente o público que prestigiou a tradicional Conversa de Balcão no Sincomercio

Em mais uma “Conversa de Balcão”,

promovida pelo Sindicato do

Comércio Varejista (Sincomercio), o

advogado Washington Coutinho Pereira

promoveu em maio (13), verdadeira

aula sobre direitos e deveres,

tanto dos consumidores quanto dos

empresários. O evento ocorreu no auditório

do Sincomercio.

Washington, que responde pela direção

do Instituto de Educação para

o Consumo (IDECON-ARA), sendo

especialista em código do consumidor,

tem em seu currículo oito anos

na administração do Codecon e também

como docente do Senac por 12

Para o comerciante a venda pode

ser uma qualquer, para o cliente

não, se ele se frustra vai

descarregar no Procon

ou na Justiça

anos. Ele mesmo confessa que se utiliza

agora dos 25 anos de atuação na

área de Direito do Consumidor, dando

orientação, promovendo cursos e palestras,

tanto virtuais como presenciais,

de forma prática e objetiva.

O EVENTO

Os empresários ouviram atentos o

palestrante explicar que cidadania é

via de mão dupla com direitos e deveres,

onde a relação tem que ser boa

para ambos os lados: consumidor e

comércio.

“Se o consumidor tem sempre razão,

o comerciante não pode também

sofrer agruras de um cliente

exaltado”, comentou. Para ele,

hoje 70% dos consumidores estão

insatisfeitos e que para fidelizar o

cliente, é necessário que a compra

Tem fatos, explicou o ex-diretor do

Codecon, em que o cliente acredita

ser obrigação do lojista servir, na verdade

não é bem assim, como no caso

da troca: a maioria dos consumidores

acredita que é obrigação da loja

fazer a troca, quando na realidade é

prerrogativa do comerciante decidir

e se o faz é para agradar ao cliente.

“Neste caso é bom deixar claro que

não é obrigação e sim gentileza da

loja”, disse o advogado.

Sobre o arrependimento de compras

efetuadas, o código do consumidor

orienta que se o cliente comprou

em loja física, onde pode conferir a

mercadoria, pegar e olhar, o comerciante

não tem obrigação da devolução

do dinheiro. O arrependimento

pode ocorrer em sete dias, com devolução

do valor pago apenas em lojas

virtuais. “Qualquer coisa que se

faça fora dos direitos do consumidor,

cabe ao empresário avisar ao cliente

que é uma vantagem que a loja lhe

oferece”.

Outro exemplo foi dado é o da

questão de pagamentos, caso o comerciante

não queira aceitar cartão

ou cheque. Mas em se falando das

diferentes formas de pagamento que

podem ser efetuadas, elas devem ser

informadas ao cliente previamente.

“Se você entende os princípios fica

fácil entender a lei”, explica Washing-

|16


O relacionamento entre o comércio e o consumo tem que ser bom para ambas as partes, assim tudo vai caminhar melhor

ton Coutinho.

Sobre os ataques que muitos comerciantes

sofrem nas redes sociais,

ficou claro que denegrir a imagem de

uma empresa pode gerar dano moral

e pedido de indenização, “O diálogo

entre cliente e comércio é sempre a

melhor a saída”. É comum ocorrer

este tipo de crítica, mas fica o alerta

ao consumidor sobre o risco e o

perigo.

A RELAÇÃO DE CONSUMO

Na palestra muitos comerciantes

tiraram suas dúvidas sobre leis que

calçam comerciantes e consumidores;

histórias, muitas delas engraçadas

também foram contadas como

forma de mostrar que conhecimento

sempre será o melhor caminho.

Para o advogado a palestra vem

ao encontro do conhecimento na área

do direito do consumidor tanto para

fornecedores como consumidores. “O

Código de Defesa do Consumidor veio

para equilibrar a relação de consumo,

pois no passado o que acontecia, era

o poder econômico dos fornecedores

contra uma legislação que não regulamentava

praticamente nada.

A partir de 1990 com o surgimento

do código, o consumidor passou a

ter as ferramentas necessárias para

enfrentar esse poder. Ainda hoje existem

detalhes que precisam ser acertados,

como os abusos cometidos em

certas situações, onde o consumidor

acha que tem alguns direitos e que na

realidade não tem. Mas de maneira

geral, melhorou muito o relacionamento

entre as partes, com mais

equilíbrio. Nossa principal função é

informar”- finalizou.

O SINCOMERCIO

O presidente Antônio Deliza Neto

diz que passar esse conhecimento é

muito importante, pois muitas vezes

acabam acontecendo rusgas entre

clientes e fornecedores e isso não

é bom para ninguém. “É importante

que o empresário tenha consciência

de suas obrigações para que possa

fazer essa relação cada vez mais saudável.

O consumidor fica satisfeito, o

lojista contente e cria essa fidelização

para que não haja mal-estar na relação

de consumo. O código de defesa

do consumidor está sendo aplicado

há mais de 25 anos, está na maturidade,

mas há de se analisar que essa

relação é um exercício de cidadania,

que é via dupla e que existem direitos

e deveres. Por isso a importância de

troca de informações, para melhorar

a relação e minimizar possíveis

problemas na relação de consumo,

ressaltou o presidente.

O palestrante

Washington

Coutinho com

o presidente do

Sincomercio,

Toninho Deliza

SERVIÇO

Sindicato do Comércio Varejista de

Araraquara (Sincomercio)

Avenida São Paulo, 660 • Centro

Contato: (16) 3334 7070

sincomercio@sincomercioararaquara.com.br

www.sincomercioararaquara.com.br

17|


POLÍTICA

Lá vai na política, Toninho

o vendedor de mel

Toninho do Mel traz no seu palavreado caboclo um jeito

simples e moderado que lhe valeu ser o segundo vereador

mais votado nas últimas eleições. Aqui narra sua história

aparentemente sofrida que o fez chegar somente ao terceiro

ano escolar. Mas a escola da vida o fez defender os anseios

dos mais humildes.

Antônio Thomaz Fernandes, 47

anos, é nascido em Santa Fé do Sul,

o final da antiga Araraquarense. Ele,

quinto de 12 irmãos, mudou-se com

a família para Araraquara tendo apenas

2 anos e com 9 já vendia pastel

para ajudar no sustento da família.

Por conta do trabalho na infância, a

frequência nos bancos escolares foi

somente até a terceira série do Ensino

Fundamental e logo sua adolescência

se deu nas lavouras de laranja

e cana-de-açúcar. “Trabalhar cedo

não foi uma escolha e sim necessidade

para ajudar a família”, recorda

Toninho. Com a maioridade pôde tirar

Habilitação o que lhe proporcionou

almejar um trabalho menos penoso

como motorista na BVM Materiais de

Construção e posteriormente Supermercado

Vital.

Ele criou fama na política

homenageando os trabalhadores

menos lembrados na sociedade,

como o Dia do Churrasqueiro.

No final dos anos 90 virou vendedor

de mel nas ruas de Araraquara

e por ser comunicativo, ganhou o incentivo

das pessoas para ser político.

Em 2006, filiou-se ao PT e passou a

acompanhar de perto o trabalho do

Executivo e do Legislativo e por se

destacar no partido, tornou-se assessor

parlamentar dos deputados

estaduais Edinho Silva e Márcia Lia,

atualmente no segundo mandato,

ambos do PT.

Como Toninho do Mel, ele disputou

as eleições municipais de 2012.

Foi candidato a vereador (988 votos),

tornando-se 2º suplente. Em 2016

candidatou-se novamente sendo eleito

como o segundo mais votado em

Araraquara com 1.894 votos.

Hoje, Toninho do Mel tem um

mandato popular, percorrendo os

bairros da cidade e mantendo uma

regularidade de visitas no Terminal

Central de Integração (TCI), uma vez

por semana, chegando ao local logo

às 5h da manhã, por entender que

os trabalhadores não conseguem levar

demandas no horário de funcionamento

da Câmara. Por conta das

visitas assíduas ao Terminal, indicou

ao executivo a reforma dos banheiros,

vendo o estado dos sanitários. Sua indicação

foi atendida pelo Executivo e

os banheiros do Terminal ganharam

reforma e ampliação,

tendo a obra um custo de

R$ 166.208,47. O vereador

sempre visita também o restaurante

popular Bom Prato,

mantendo contatos, além das

creches, postos de saúde e escolas

municipais.

Toninho do Mel se destaca por

homenagear os trabalhadores menos

lembrados na sociedade: criou

o Dia do Vendedor Ambulante, o Dia

da Cuidadora e do Cuidador de Idosos

e o Dia da Enfermeira Obstetra e

Obstetriz, lembrando ao homenagear

essas categorias, fazer um reparo histórico,

dando luz e voz ao trabalho dos

profissionais.

BAIRRO DE ORIGEM

Toninho do Mel que veio do Parque

São Paulo, bairro onde mora há

mais de 30 anos, pensa que precisa

atuar na cidade como um todo, por

isso busca sempre parcerias com outros

poderes para conseguir emendas

parlamentares para o município,

tendo este vínculo com os deputados

Nilton Tatto (Federal) e Márcia Lia

(Estadual), ambos do PT. Entre os

recursos obtidos, um está na Saúde

- R$ 1 milhão para o Programa Saúde

Cidadã, que vem realizando Cirurgias

Eletivas e reduzindo a fila de 1,5 mil

tratamentos e operações. Preocupado

com a zeladoria e a manutenção

da cidade, o vereador conseguiu articular

emenda de R$ 460 mil para

obras de recapeamentos de ruas de

Araraquara, além R$ 1 milhão para

pavimentação, sendo parte desses

recursos empregada em ruas da Chácara

Flora.

PRESTANDO CONTAS

Toninho do Mel,

sempre de bem

com a vida

Toninho do Mel já fez mais de

640 indicações ao Executivo, desde

melhorias no trânsito, como lombadas,

placas e sinalizações nas ruas

da cidade, manutenção de praças e

canteiros, limpeza e capinas de terrenos,

como manutenção de prédios

públicos: Postos de Saúde, CER e Escolas

Municipais. Ele faz parte de pelo

menos duas comissões na Câmara

Municipal.

|18


19|


Mario Frigero Junior, o Juca,

novo presidente do Clube 22 de

Agosto, iniciando o projeto de

revitalização do Mais Querido

O MAIS QUERIDO

Clube 22 de Agosto, das cinzas ele

está voltando, com união e ousadia

Considerado o clube “mais querido da cidade” por mais de

60 anos, e tendo em uma grande parte da sua vida como

presidente, Vicente Michetti, apresentando forma, beleza e

riqueza patrimonial, o 22 de Agosto após viver período de

declínio, agora mostra que é possível se revitalizar e retomar

seu espaço na sociedade local.

O novo presidente, Mario Frigero

Junior, conhecido como Juca, assumiu

no dia 1º de maio e, segundo ele,

isso significa que a diretoria tem muito

trabalho pela frente, para assim fazer

do Clube 22 de Agosto a segunda

casa de seus associados.

O novo quadro diretivo é composto

por 19 membros que segundo o dirigente,

são pessoas que realmente

querem o bem do clube e vêm realizando

um trabalho árduo. Dentro

das possibilidades financeiras que o

clube dispõe para a primeira etapa do

projeto, a piscina suspensa, pioneira

no interior paulista, será reestruturada,

pois este trabalho de

manutenção não foi feito

nos últimos 15 anos.

Juca diz que as mudanças

que pretende implementar

para o “Mais

Piscina Suspensa no

piso superior e no

inferior a lanchonete

e o restaurante

Querido”, serão feitas com “os pés no

chão”, sem passos maiores que as

pernas, ou seja, com muito equilíbrio.

Para junho o clube já está com

sua agenda cheia, começando pelo

Baile do Dia dos Namorados, no dia

12 – emendando com a festa junina

que começará no dia 13 indo até o

dia 15, comenta o presidente de forma

entusiasmada.

Uma das prerrogativas da nova di-

|20


etoria é dar visibilidade aos músicos

araraquarenses nos bailes e festas

que o clube pretende realizar, pois

acredita que a cidade é um cenário

musical muito importante e na verdade,

comenta Juca, falta espaço para

que eles se apresentem. E já para a

festa junina selecionou as melhores

atrações entre os sertanejos para

animar o evento que outrora foi um

dos acontecimentos mais badalados

da cidade.

Outro anúncio feito por Mário

Frigero Junior está relacionado aos

inesquecíveis Bailes “Azul e Branco”

e “Hawai”, que retornarão à agenda

com força total neste ano, seguindo

os padrões dos anos dourados do 22,

inclusive com a obrigatoriedade das

roupas típicas, assim como foi em seu

início, para que a festa seja completa

na beira da piscina.

ATENDIMENTO

O clube oferece também uma

grande estrutura em academia, tendo

sua lanchonete lançado um apreciado

café da manhã para quem pratica

esportes e de lá sai para o trabalho.

“Estamos de forma planejada, buscando

uma interação com o quadro

associativo que nesta retomada é a

principal ferramenta que dispomos

para o fortalecimento do Mais Querido”.

Do lado de fora as redes sociais

com antigos associados articulam

diversos eventos para conjuntamente

apoiar o trabalho da diretoria: “A

todos que têm se manifestado e nos

apoiado, o nosso muito obrigado, pois

da mesma forma que o clube era profundamente

unido no passado, desejamos

que esse entusiasmado volte”,

comenta Juca.

Uma das mais importantes lideranças

do 22 nos anos 80/90, Adilson

Custódio, hoje mostra-se otimista

e empenhado neste processo de

reorganização do clube: “O Fafau,

com sua experiência tem contribuído

muito com este movimento; e é verdade

que todos que chegarem serão

bem-vindos, pois o clube é de todos”.

Adilson Custódio (Fafau) e Mario Frigero

Junior, pessoas importantes no 22 de

Agosto

A administração terá horário de

funcionamento estendido, das 8h às

20h, facilitando para quem tem o dia

cheio, assim, podendo o associado

acertar mensalidades, comprar convites

entre outros, no mesmo horário

do happy hour que é também sucesso

entre os associados.

21|


Idosos cadeirantes no Lar São

Francisco são cerca de 65 e

muitos sem condições de pagar

alguma mensalidade

José Alberto Santarelli, presidente do Lar São Francisco, aborrecido com a

falta de sensibilidade dos órgãos governamentais e o distanciamento da

classe política que poderia se mobilizar para evitar a perda do benefício

LAR SÃO FRANCISCO

Asilo pede ajuda da população para

não perder sua isenção fiscal

Dois anos depois de completar 100 anos, o antigo Asilo de Mendicidade,

hoje Lar São Francisco de Assis, vive um drama e pede neste momento ajuda

da população para através das redes sociais, pressionar as autoridades,

principalmente políticas para não perder sua certificação de entidade filantrópica.

Desde a segunda quinzena de

maio, o Lar São Francisco de Assis

publicamente pede ajuda dos araraquarenses

para não perder sua certificação

de entidade beneficente de

assistência social (CEBAS).

A instituição atende cerca de 150

idosos, sendo eles em três níveis –

normais, com doenças degenerativas

e cadeirantes. Só de idosos cadeirantes

o Asilo tem hoje 65 pessoas. Cada

idoso custa em média R$ 1.800 mensalmente.

Entidades que participam deste

convênio podem desfrutar de isenção

do pagamento das contribuições sociais

incidentes sobre a remuneração

paga ou creditada aos seus empregados

e trabalhadores avulsos, como

também receber transferências de

recursos governamentais a título de

subvenções sociais. O CEBAS é um

dos documentos exigidos pela Receita

Federal para que as entidades

privadas gozem da isenção da cota

patronal das contribuições.

José Alberto Santarelli, presidente

do Lar, explicou à nossa revista que o

CEBAS é muito importante, pois oferece

isenção de impostos federais para

as entidades que prestam serviços

filantrópicos. “Nós sempre tivemos,

renovamos a cada dois anos, preenchemos

os questionários e enviamos

ao Ministério – Secretaria Especial do

Desenvolvimento Social. No final de

2018, após enviarmos a documentação,

eles indeferiram nosso pedido,

alegando que temos alguns apartamentos

para idosos e cobramos”.

Ainda segundo Santarelli, essa cobrança

é feita para suprir um pouco

as contas de idosos que nada pagam.

Outro apontamento feito pela Secretaria,

foi o fato do Lar São Francisco

de Assis manter em suas dependências

um rapaz com deficiência mental

que ainda não tem 60 anos e que segundo

o estatuto e a legislação, não

pode.

Sobre este caso o presidente ressalta

que a mãe desse rapaz, uma

idosa que morou no Asilo antes mesmo

da atual diretoria assumir, faleceu

e o rapaz por ter problemas mentais,

foi amparado e cuidado pelas irmãs.

Explica ainda que todos no lar gostam

muito dele, sendo que ele não tem

para onde ir.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE

|22


23|


“Somos honestos e colocamos

tudo certinho em nosso recurso, mesmo

assim não aceitaram, corremos

atrás de políticos para ajudar, inclusive

o ex-prefeito Marcelo Barbieri que

trabalhava ao lado do ex-presidente

Michel Temer, mas foi em vão, nos

disse que a legislação não permitia”.

Neste momento a entidade entrou

com recurso de suspensão na justiça,

tendo que arcar com custos de um

escritório de advocacia em Brasília

na tentativa de reverter este indeferimento

da Secretaria de Desenvolvimento

Social: “Estamos gastando

um dinheiro que pode nos fazer falta

para a alimentação dos idosos, visto

que se a entidade perder o CEBAS,

terá que pagar em torno de R$ 50 mil

reais de impostos por mês”. E preocupado,

o próprio presidente do Lar São

Francisco pergunta: “Onde vamos arrumar

todo esse dinheiro mensalmente

para pagar impostos federais? Nós

não temos condições e não estamos

fazendo nada de errado”.

Santarelli pediu durante um mês

nas redes sociais, o apoio da sociedade

no sentido de sensibilizar Brasília

através da manifestação civil sobre

indeferimento do CEBAS de entidades

privadas, emitindo sua opinião sobre

a atuação do Asilo e se concordavam

ou não com a perda da condição de

instituição de benemerência. Agora

espera o resultado desta mobilização.

Nos últimos anos,

diz Santarelli, o

Lar São Francisco

se mobilizou

e conseguiu

com auxílio

da população

construir e equipar

com máquinas

modernas a

sua lavanderia.

São gestos que

possibilitam dar

dignidade aos

idosos

|24


25|


A MORTE DE DÉCIO VIEIRA

Eram três amigos

inseparáveis

Foi sepultado em maio (25), Décio

Vieira, um dos sócios do Salão Elite, a

mais famosa barbearia da região.

Ela foi criada em 1960.

Décio (meio) sócio de Gim por 55 anos e de Norberto, 60 anos,

modelo societário que raramente se vê nos tempos atuais

Em agosto de 2013, Gim, Décio e

Norberto, comemoravam 55 anos de

parceria em uma das raras barbearias

que restam. Nenhuma porém, é

mais famosa do que essa que conseguiu

sobreviver ao modismo, pela

persistência dos três profissionais. O

Salão Elite, mais conhecido como a

Barbearia do Gim, sempre foi reduto

de competência profissional. Foi

inaugurado em 1956 por João Mascia

Filho, o Gim, e Décio Vieira. Quatro

anos mais tarde passou a fazer parte

da sociedade, Norberto Zanucci.

A parceria deu tão certo que

trabalharam juntos até o dia 19 de

setembro de 2013, quando Gim

morreu diante dos amigos, fazendo

o que mais gostava, barba e cabelo,

profissão que abraçou nos anos 40.

Restaram então os dois amigos que

seguiram com o negócio em frente.

Adoentado por algum tempo, Décio

Vieira passou por internação hospitalar,

mas não venceu o enfisema

pulmonar. Ele viveu grande parte dos

seus 84 anos para a família – esposa

Marlene e as filhas Nazaré e Cristina.

Ao longo do caminho vieram três netos

e uma bisneta.

Do seu currículo faz parte uma história

de quase 8 anos trabalhando no

Salão Municipal e de onde saiu em

1956 para comprar o Salão Elite de

Antonio Nigro. Gim, que também trabalhava

no Municipal, foi com Décio

e por quatro anos foram pagando Antonio

Nigro que ao sair, praticamente

colocou Norberto em seu lugar em

1960. Norberto e Décio trabalharam

juntos por 59 anos. Seu sepultamento

deu-se no Cemitério São Bento.

|26


27|


ARTIGO

Ubiratan Reis

Declaração de Direitos de Liberdade Econômica

No dia 30 de abril de 2019, a Medida Provisória nº 881 (MP

881/2019) instituiu a Declaração de Direitos de Liberdade

Econômica que estabelece as garantias de livre mercado,

a análise de impacto regulatório e das outras providências

inerente à atividade econômica em todo território brasileiro.

A MP nº 881/2019 estabelece normas que visam a proteção

à livre iniciativa e ao livre exercício da atividade econômica,

inclusive delineando como diretriz (norma) geral ao direito

econômico. O viés econômico da MP nº 881 transmite

a imagem, reiterada a brado ecoante, de que o Governo

Federal optou em privilegiar, de forma bem acentuada é

verdade, a iniciativa privada em detrimento da ingerência

estatal na economia.

A presunção de liberdade no exercício de atividades

econômicas, a presunção de boa-fé do particular e a

intervenção subsidiária, mínima e excepcional do Estado

sobre o exercício de atividades econômicas são ali alçados

a princípios de direito, inclusive como nortes da Medida

Provisória. Não se pode confundir, todavia, a restrição da

atuação do Estado com sua ausência.

O objetivo da MP nº 881/2019 foi de enfatizar a livre

iniciativa, um dos fundamentos da República e princípio

da Ordem Econômica Constitucional (art. 1º, IV e art. 170,

IV, da CF/88). Nota-se, por oportuno, a cautela de excluir

desta liberdade irrestrita as hipóteses que envolverem a

segurança nacional, segurança pública, segurança sanitária

ou saúde pública.

O artigo 3º elenca vários direitos inerentes a toda pessoa,

natural ou jurídica, essenciais para o desenvolvimento

e o crescimento econômico, a começar pelo direito de

desenvolver, para sustento próprio ou de sua família,

atividade econômica de baixo risco, para qual valha

exclusivamente de propriedade privada própria ou de

terceiros consensuais, sem a necessidade de atos públicos

de liberação da atividade econômica.

Frisa-se, novamente, que isto não significa o irrestrito e total

afastamento do poder de polícia do Estado. Entende-se que

o objetivo da norma é o de assegurar que todos possam

desenvolver uma atividade econômica, sem os entraves

burocráticos, auferindo uma renda mínima, para sustento

próprio e da família, com vida digna.

A MP nº 881/2019 estabelece, também, o tratamento

isonômico de órgão e de entidades da administração pública

quanto ao exercício de atos de liberação da atividade

econômica, hipótese em que o ato de liberação está

vinculado aos mesmos critérios de interpretação adotados

em decisões administrativas análogas.

É dever da administração pública, direta e indireta,

quando no exercício de regulamentação de norma pública

pertencente à legislação, o estrito cumprimento à previsão

explícita em lei, evitando o abuso do poder regulatório de

maneira a afrontar à livre iniciativa e à livre concorrência.

A realização de análise de impacto regulatório, com os

possíveis efeitos do ato normativo sobre a economia deverá

ser condição necessária para eventuais propostas de edição

e de alteração de normas de interesse geral de agentes

econômicos ou de usuários dos serviços prestados, editadas

por órgão ou entidade da administração pública federal,

incluídas as autarquias e as fundações públicas.

A MP nº 881/2019 inseriu dentro do ordenamento jurídico

a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica, ou seja,

introduziu uma série de princípios e regras jurídicas que

visam privilegiar a liberdade individual, exercício pleno da

livre iniciativa, coma intervenção subsidiária, mínima e

excepcional do Estado.

Ubiratan Reis é advogado tributarista/econômico

e escreve para a Revista Comércio, Indústria e

Agronegócio (ubreis@gmail.com)

|28


SEGURO IDEAL

Já pensou em ter um seguro sob medida para você, baseado em

seu dia a dia e necessidades? E o melhor, ter o atendimento

esperado em caso de sinistro? Faça um seguro ideal.

Seguro Automóvel

Seguro Residencial

Seguro Empresarial

OPERAMOS COM + DE

30 SEGURADORAS

Seguro Frota

Seguro Saúde

Seguro Vida e Previdência

Consórcio

REALIZANDO E

PROTEGENDO

SEUS SONHOS

29|


FATOS & FOTOS

DA REDAÇÃO

CDMF Pesquisa apresenta

o professor Elson Longo

Episódio da série “CDMF pesquisa”

apresenta Elson Longo da Silva,

Professor Emérito do Departamento de

Química da Universidade Federal de São

Carlos (DQ – UFSCar) e Diretor Geral do

Centro de Desenvolvimento de Materiais

Funcionais (CDMF). No vídeo, Elson

fala sobre as pesquisas desenvolvidas

no Centro e, mais especificamente,

sobre suas investigações na área de

semicondutores e materiais bactericidas.

O CDMF, dirigido pelo professor da

UFSCar Elson Longo da Silva, é um dos

Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão

(Cepids) apoiados pela Fundação

de Amparo à Pesquisa do Estado de

São Paulo (Fapesp), e recebe também

investimento do Conselho Nacional de

Desenvolvimento Científico e Tecnológico

(CNPq), a partir do Instituto Nacional de

Ciência e Tecnologia dos Materiais em

Nanotecnologia (INCTMN).

Professor Emérito do Departamento de

Química da UFSCar fala sobre suas

pesquisas e sobre o CDMF

O Departamento de Química (DQ),

um dos mais antigos da Universidade

Federal de São Carlos (UFSCar http://

www2.ufscar.br), foi criado com a

implantação do curso de Química,

habilitação em Licenciatura em 1971.

Ele é uma das unidades vinculadas

ao Centro de Ciências Exatas e de

Tecnologia.

Seu corpo docente conta com 52

doutores, é altamente qualificado e

sua produção científica é reconhecida

nacional e internacionalmente.

SUBINDO DESCENDO Tapas e beijos

Louvável a briga

do Damiano Neto

com a reconstrução

da Facira. O que

não falta nele é

entusiasmo e a

distência a gente

torce para que dê

tudo certo pois a

feira representa as

riquezas da nossa

terra para uma

exposição em suas

vitrines. Não deixar

a feira morrer é

importante, porém, é

preciso inová-la para

que os pessimistas

entendam a

importância dela.

Cidadão reclamando

da postura policial,

após o furto em sua

propriedade. Ao

ver um comando

da Polícia Militar

nas proximidades

para lá se dirigiu

querendo falar do

roubo. Ao iniciar

a conversa foi

interrompido pelo

policial que pediu

seus documentos

e do veículo, rg...

e assim por diante.

Só pôde falar depois

do “praça” dizer que

a documentação

estava em ordem.

Política como dizia o Mestre

é - dormir de um jeito e

acordar de outro. Não é de

hoje que a gente observa

algumas rusgas entre o

vereador Edio Lopes e o

seu partido, o PT. Nada

que não se conserte de

uma hora pra outra, pois

perder o vereador seria uma

catástrofe para o partido

de uma hora pra outra. Até

existe partido interessado

em convidar Edio para

mudar de bandeira e

conversa neste sentido já

teria ocorrido. Isso mostra

que o Edio tem seu valor

reconhecido por outras

ideologias.

|30

Criado na cidade o Janeiro Branco

“Janeiro Branco”, iniciativa do vereador Rafael

de Angeli, pretende mobilizar a sociedade

em favor da saúde mental, mudando a

compreensão cercada de tabus e promovendo

mais possibilidades de saúde mental a todos

os indivíduos e à sociedade como um todo. Durante o mês de janeiro,

serão realizadas ações educativas para difundir o conceito ampliado de

Saúde Mental no município de Araraquara. Parabéns ao vereador.


FRASE

Rafael de Angeli

“Inúmeros buracos, bem como a falta

de revestimento asfáltico, acompanham

o percurso de quem precisa utilizar a

via. Além de passagem para caminhões

que chegam até o Ceasa e a um

pequeno terminal de logística, a falta de

manutenção na avenida também é um

entrave para os moradores da região”.

Frase do vereador Rafael de Angeli, após

ser chamado por moradores do Jardim

Iguatemi. Na oportunidade, o vereador

verificou as condições da Avenida

Engenheiro Camilo Dinucci, no ponto que

dá acesso à Rodovia Washington Luís e

chegou à conclusão que a rua tem mais

buraco que asfalto.

Família Friollo

Nívia, filha de Silvio Friollo

Em solenidade na Prefeitura, foi

sancionada lei de autoria do vereador

José Carlos Porsani homenageando a

Família Friollo: Silvio, Junior e Silvana.

Eles passaram a ser nomes de ruas no

Jardim Ipanema. Nívea Friollo, filha

de um dos homenageados, contou

um pouco da história da família e se

mostrou satisfeita com a lembrança.

Semana Acadêmica

Programação da Semana Acadêmica

de Administração Pública que ocorrerá

em setembro começa a ser discutida.

Thainara Faria, presidenta da Escola

do Legislativo, se reuniu com a

presidenta do Centro Acadêmico

de Administração Pública, Júlia

Giansante, para discutir detalhes

da programação. Evento reunirá

professores e profissionais da

área para levantar caminhos não

convencionais para seguir carreira

na administração pública.

31|


ACREDITAR SEMPRE

Do sonho da tevê comunitária aos

10 anos da TV Circulando

Com uma trajetória de sucesso com os telespectadores de

Araraquara, a TV Circulando faz aniversário e traz novidades

na programação

O sonho era uma tevê comunitária

que falasse para os telespectadores

de Araraquara. Assim nasceu

a TV Circulando em maio de 2009

e agora completa 10 anos. Neste

tempo, programas de sucesso, que

com identidade local atingiram mais

de 25 mil residências, o equivalente

a 100 mil pessoas. Ela nasceu da

vontade do jornalista e publicitário

Valmir Moreira e seu irmão, Orivaldo

Moreira. Juntos, eles correram atrás

de viabilizar o funcionamento da

tevê comunitária.

Valmir, conhecido como Valmirão,

explica que eles escolheram investir

na produção de entretenimento, deixando

o jornalismo para grandes

emissoras. “Fazendo entretenimento

e esporte nos aproximamos mais do

telespectador e da nossa audiência”,

diz o jornalista.

Nestes 10 anos foram muitos

os programas locais produzidos em

Araraquara e muitos também foram

os prêmios de reconhecimento

nacionais e internacionais.

Valmirão fala com orgulho dos

projetos de sucesso que fez na TV

Circulando. Entre os destaques

estão as transmissões dos jogos da

Ferroviária, que durante um tempo,

foram ao vivo pela internet junto

com um bate-papo online exclusivo

para os telespectadores. “Este projeto

nos fez sermos reconhecidos

Os irmãos Orivaldo e Valmir Moreira

e homenageados pelo Ministério

dos Esportes. Batemos o recorde

de audiência quando a Ferroviária

subiu para série A1, neste dia foram

180 mil pessoas assistindo nossa

transmissão ao vivo, que fizemos

direto da cidade de Guaratinguetá”.

Para festejar os 10 anos, a TV

Circulando coloca no ar filmes,

desenhos e séries, além de outros

programas de sucesso. “Este ano voltaremos

com o Barraco Circulando,

Arroz Feijão e Cia, Falando de Saúde

e com a Oração da Ave Maria, além

de manter as transmissões esportivas

dos campeonatos internos de

futebol do Araraquarense e Náutico

e o TVC em Revista”, conta Valmirão.

|32


33|


O turismo foi responsável pela

injeção de US$ 163 bilhões no

Brasil em 2017, o equivalente

a 7,9% do Produto Interno

Bruto (PIB) Brasileiro no ano. O

valor absoluto é 7% maior que

o obtido em 2016, US$ 152,2

bilhões. Os dados fazem parte

do estudo econômico elaborado

pela Oxford Economic para

Conselho Mundial de Viagens

e Turismo (WTTC), principal

consultoria independente do

setor no mundo.

DIA DO TURISTA

Festa do Sertão. É pra lá

que estamos partindo.

Como o araraquarense adora uma festa junina e neste mês

se comemora o Dia do Turista, a sugestão é afivelar

as malas e seguir em direção ao Nordeste

Quem não gosta de viajar,

conhecer novas cidades, desbravar

caminhos desconhecidos, conhecer

culturas diferentes, provar uma culinária

deliciosamente surpreendente,

encontrar paisagens deslumbrantes

e é claro, se divertir com novos

amigos. Então é hora de viajar e ser

turista.

No Brasil o Dia do Turista é comemorado

em 13 de junho, sendo

destinado a homenagear pessoas

que gostam de viajar, conhecer

diferentes lugares, seja no turismo

interno ou ao redor do mundo.

Turistas são fundamentais para

ajudar a movimentar a economia de

regiões turísticas, por este motivo, é

importante que as cidades invistam

em infraestrutura adequada para

receber esses viajantes.

O turista deve ser responsável

e deixar uma boa impressão por

países e cidades onde passa, diz

Erica Garutti, diretora da Business

Class, agência de viagens em nossa

cidade. Portanto é sempre bom lembrar

algumas dicas básicas como:

respeitar as regras de vestimenta e

horários locais, viajar para lugares

menos óbvios e, se possível, fora da

alta temporada, prestigiar o comércio

e produção local comprando e

comendo produtos da região, tirar

fotos mas aproveitar o momento,

aprender algumas frases de cortesia

do idioma local.

Importante ressaltar que devemos

da mesma forma, tratar os

turistas com respeito e ajudá-los

sempre que possível, afinal eles também

movimentam uma boa parte da

economia de sua cidade.

A Business Class em

Araraquara aguardando você

que gosta de viajar para lhe

propor os melhores pacotes

de viagens

Reconhecida por clientes e fornecedores

como uma das melhores

agências no segmento de viagens

de lazer de Araraquara, a Business

Class hoje vem prestando completa

assessoria neste concorrido

mercado. Erica Garutti, diretora da

agência, diz que a empresa tem

como missão, trabalhar para que

o cliente desfrute da satisfação de

viajar com toda segurança. “Nos

apoiamos em parcerias sólidas

com as principais redes de serviços

turísticos, proporcionando os melhores

preços de passagens aéreas,

hotéis, aluguel de carros, ingressos,

seguro-viagem, pacotes de viagens

e cruzeiros, sem contar as ótimas e

flexíveis opções de pagamentos em

até 10x sem juros”. Portanto cabe a

você, apenas aproveitar a viagem.

|34


35|


|36


INFORMATIVO

AGRO

N E G Ó C I O S

USINA SÃO MARTINHO

Edição: Junho/2019

Aberta a temporada de prevenção e

combate aos incêndios no campo

Aulas teóricas e práticas mostram as técnicas e os procedimentos que são utilizados para

minimizar um dos problemas mais complexos na vida do produtor rural: as queimadas.

Ao explicar para os trabalhadores

da Usina São Martinho em maio,

que uma das funções do Senar SP e

do Sindicato Rural é a prevenção e

o combate a incêndio no campo, o

engenheiro agrônomo João Henrique

de Souza Freitas também lembrou o

grande interesse das empresas em

se estruturar e capacitar seus profissionais.

“Ainda tem ocorrido grande

incidência de incêndios e matas em

propriedades rurais, ocasionando

enormes danos à vida, ao meio ambiente

e ao patrimônio”, argumentou

João Henrique que também é coordenador

regional do Senar SP.

A presença do instrutor Henri Lopes,

serviu para mostrar que existem

diversas técnicas e procedimentos

para prevenir e combater incêndio no

campo, os quais são padronizados a

fim de serem utilizados em qualquer

situação. Assim, durante dois dias, o

Antes da simulação do incêndio, os trabalhadores acompanham as instruções

instrutor mostrou as técnicas usadas

na construção de aceiros, controle de

ervas daninhas, armazenamento, organização

e manutenção correta de

materiais combustíveis e de equipamentos

para extinção do fogo, como

enxadas, facões, foices, abafadores,

O instrutor Henri,

o coordenador do

Senar João Henrique

e os participantes do

curso, durante aula

teórica

tratores, bomba-costal e agentes extintores,

como terra e areia.

Para os trabalhadores participantes

do curso, além da empresa

facilitar o acesso ao conhecimento,

é importante que, aprendendo, a capacitação

certamente abrirá espaço

para o crescimento profissional de

cada um. Para isso, a explicação é de

que há outros ensinamentos interessantes

como os procedimentos a serem

adotados em casos de acidentes,

citando exemplos de quedas, queimaduras,

intoxicações por fumaça e ataques

de animais peçonhentos.

Em linhas gerais, disse João Henrique,

esta é uma época apropriada

para ocorrência de incêndios no campo,

motivados principalmente pela estiagem

que se aproxima.

37|


SISTEMA DE AQUAPONIA

A água usada na criação dos peixes é a mesma

que alimenta as verduras sem agrotóxicos

Instrutoras do Senar e proprietárias da Aquanature Sistema

de Aquaponia instalada em Araraquara, Jussara Sutani e

Nathalia Cruz desenvolvem uma cartilha específica sobre a

produção simultânea de verduras e peixes, para cursos que

serão dados no Estado de São Paulo.

Jussara Sutani e Nathalia Cruz, da Aquanature, criam cartilha de Aquaponia para o Senar

Diversas questões ambientais e

sociais que envolvem a água do país

geram preocupações que exigem

mudanças nos padrões da agricultura

atual e na utilização dos recursos

naturais. “Torna-se imprescindível,

portanto, desenvolver propostas

alternativas sempre com um olhar

para a sustentabilidade”, diz Jussara

Sutani, diretora da Aquanature, empresa

especializada na implantação

de sistemas de aquaponia. Jussara é

mestranda em Meio Ambiente.

Para ela, este sistema é inovador

com grande crescimento no futuro,

pois existem inúmeras vantagens

produtivas e ambientais, tais como

a recirculação da água, produção

sem uso de solo e com baixo custo,

produção contínua de nutrientes que

são transformados em produtos absorvíveis

para as plantas, uso zero de

fertilizantes e agrotóxicos, ciclos de

plantas mais rápidos que os cultivos

convencionais, produtos “ecológicos”

Estufa: Show Room Sistemas

Aquapônicos: Produção em

Bancadas Horizontal e Vertical

A Aquanature – Instalação em Sistemas de

Aquaponia, está localizada no Parque das

Laranjeiras, em Araraquara

|38


e com valor agregado, a produção utiliza

apenas 10% da água, que pode

se tornar uma alternativa de produção

sustentável no Brasil, em lugares

que existe escassez de água e solos

não férteis, entre muitas outras vantagens.

Na verdade, a aquaponia é um

sistema de recirculação de água em

um processo que integra piscicultura

e horticultura, que tem por princípio

a produção de alimentos saudáveis,

como peixes (valiosa fonte nutricional)

e hortaliças, com uma visão de

respeito ao meio ambiente e atendendo

a um mercado consumidor cada

vez mais consciente e exigente.

Após o esquadrejamento do espaço para montagem do sistema,

abrem-se os buracos para instalação dos pés da bancada

VANTAGENS E BENEFÍCIOS

No Brasil há uma grande ascensão

dessa técnica, e isso se justifica

pelas inúmeras vantagens produtivas

e ambientais, assegura a também

instrutora do Senar, Nathalia Cruz,

que chega a enumerar:

• Produção de peixes e olerícolas

sem geração de efluentes poluentes

a serem descartados no solo;

• Economia de 90% de água, pois se

trata de um sistema de recirculação,

sendo assim, a única água que repõe

no sistema é a quantidade absorvida

pela planta e pela atmosfera;

• Associa-se aos benefícios do cultivo

hidropônico: precocidade, padronização

de produto, ergonomia no

trabalho, maior qualidade sanitária,

redução de defensivos, menor custo

de produção, utilização de áreas impróprias

para cultivo em solo;

• Possibilidade de alimento no meio

urbano, próximo do consumidor final;

• O sistema de produção é muito

mais natural, pois não utiliza agrotóxicos,

pesticidas e herbicidas;

• Maior frescor dos alimentos.

• Diversificação da produção e geração

contínua de renda trabalhando

com dois mercados: peixes e plantas;

• Forma de produção divertida e educativa.

Distribuindo o tanque de criação de

peixes e filtros (decantador e biofiltro)

Momento em que Jussara

e Nathália conferem a

distância dos perfis

Instalando a flauta de

irrigação (entrada de

água)

Enchendo os tanques e

logo após colocando as

plantas do sistema

39|


Instrutoras mostram a produção do sistema de aquaponia

A palavra “aquaponia” vem da

combinação entre “aquicultura”

(produção de organismos aquáticos)

e “hidroponia” (produção de plantas

sem uso de solo). Podemos dizer

que há um consórcio entre animais

aquáticos que liberam amônia (peixes,

camarões, rãs, entre outros) e

a produção de vegetais (ervas, verduras,

flores, frutas, brotos, grãos e

forrageiras).

O funcionamento do sistema de

aquaponia consiste no fornecimento

de ração aos peixes, que é a entrada

de insumo mais importante no sistema

Neste tipo de sistema, há uma

oferta frequente de nutrientes, pois

as chamadas bactérias benéficas

nitrificantes dos gêneros nitrosomonas

e nitrobacter fazem a conversão

da amônia (NH3) liberada pelos

animais aquáticos em nitrito (NO2-)

e posteriormente em nitrato (NO3-),

transformando essas substâncias

que são tóxicas para os peixes em

nutrientes consumidas pelas plantas,

que por sua vez desempenham

papel importante na filtragem da

água, garantindo sua condição adequada

para o desenvolvimento normal

dos peixes.

HISTÓRIA DA AQUANATURE

A empresa Aquanature – Instalação

em Sistema de Aquaponia LTDA

está instalada em Araraquara, e é

especializada em Sistemas de Aquaponia.

Iniciou-se a partir de uma reportagem

de televisão, onde se falava

sobre uma técnica que integrava

hortaliças e peixes chamada de

Aquaponia, já muito conhecida e cultivada

internacionalmente.

Vimos grandes oportunidades em

trabalhar com esse sistema oferecendo

várias vantagens e benefícios,

pois é uma técnica inovadora, sustentável

e com mercado promissor

para peixes e hortaliças orgânicas.

No Brasil ninguém falava sobre

Aquaponia, não se estudava ou pesquisava

e haviam poucos sistemas

ainda caseiros. Surgindo várias barreiras

a se enfrentar, então com muitos

estudos e pesquisas iniciamos a

nossa produção em um sistema comercial

nos tornando pioneiras em

modelo de Aquaponia Comercial.

Aquanature foi fundada em 15

de agosto de 2016 e hoje é uma empresa

pioneira estruturada para instalações

e cursos sobre Sistema de

Aquaponia, oferecendo todo suporte

em materiais para montagem da técnica,

consultorias online e um showroom

do sistema para visita com

consultoria técnica, explica Nathalia.

O coordenador regional do Senar,

João Henrique de Souza Freitas,

argumenta que a escolha de Araraquara

para sediar a elaboração da

cartilha demonstra a estrutura que

possuímos e a qualidade dos profissionais

escolhidos. “Isso fortalece o

Sindicato Rural bem como o trabalho

que o Senar realiza em nossa

região”, destacou.

Colocando os peixes

do sistema com o

reaproveitamento

da água para um

trabalho simultâneo

com a produção de

hortalicas. Uma técnica

inovadora

SERVIÇOS

Aquanature

Instalação em Sistema de Aquaponia

Endereço Rua José Maria Paixão, 748

Parque das Laranjeiras / Araraquara

Contatos: (16) 996194222

www.aquanatureaquaponia.com.br

E-mail aquanature2016@hotmail.com

Produção pronta para a colheita

e o fechamento da cartilha

elaborada pela Aquanature

e que agora servirá para a

realização do curso organizado

pelo Senar em todo o Estado

|40


Marcelo Roberto dos Santos, líder dos

feirantes, Damiano Neto, vice-prefeito

e João Henrique de Souza Freitas,

coordenador regional do Senar

Frutas saudáveis mostradas pela feirante à consumidora

EM ARARAQUARA

Feira do Produtor Rural acontece

também no Jardim Santa Clara

Sindicato Rural, Senar, Fundação Itesp e Prefeitura Municipal

definem mais um bairro para que produtores rurais possam

ampliar suas vendas com a Feira do Produtor Rural.

Com apoio da Prefeitura de Araraquara,

por meio da Secretaria Municipal

do Trabalho e Desenvolvimento

Econômico, foi lançada em maio (6),

na Praça Álvaro Taniguchi, em Araraquara,

a Feira do Produtor Rural no

bairro Santa Clara.

Projeto do Senar (Serviço Nacional

de Aprendizagem Rural) e Sindicato

Rural de Araraquara, em parceria

também com Itesp (Instituto de Terras

do Estado de São Paulo), a Feira

do Produtor vem sendo realizada semanalmente

no Santa Clara, todas

as segundas-feiras, das 16h às 20h.

Vale destacar que a feira de Araraquara

será um novo canal de escoamento

da produção agrícola dos

agricultores familiares e de assentamentos

rurais do município.

Todos os feirantes passaram por

curso de formação, ministrado pelo

Senar, em parceria com o Sindicato

Rural e, como diferencial, a feira

apresenta uma proposta de sustentabilidade.

Durante o curso do Senar,

os produtores confeccionaram com

bambu os seus próprios estandes de

comercialização.

Para o diretor do Sindicato Rural e

coordenador regional do Senar, João

Henrique de Souza Freitas, este é um

trabalho com característica social que

visa além da capacitação, proporcionar

a oportunidade do pequeno produtor

desenvolver sua propriedade e

gerar recursos com a colaboração da

própria família. “Esta tem sido a nossa

missão. Formamos um grupo de

produtores, disponibilizamos gratuitamente

o aprendizado, o material, uniforme

e até mesmo o estande, para

que possam ter um encaminhamento

completo para o agronegócio”, assegura

o coordenador.

Silvani Silva, coordenadora

da Agricultura em visita à

feira

Vale destacar que as Feiras do

Produtor têm se consolidado como

uma importante estratégia de comercialização

a estes pequenos produtores,

garantindo renda e proporcionando

um comércio justo, ao eliminar a

figura dos intermediários e permitindo

que os lucros sejam do produtor.

Também permitem a comercialização

de produtos da própria localidade,

incentivam a produção de

alimentos saudáveis e favorecem a

permanência das famílias no campo.

Para o consumidor, a feira é uma

oportunidade de adquirir produtos

de qualidade, com o menor preço e

manter o contato direto com quem

produziu.

INTEGRAÇÃO

De acordo com o vice-prefeito e

secretário municipal do Trabalho e do

Desenvolvimento Econômico, Damiano

Neto, as feiras dos produtores são

consideradas de suma importância

para o município. “Elas contribuem

para o desenvolvimento rural sustentável

em um contexto amplo, fortalecendo

um dos elementos finais do

ciclo de trabalho com os pequenos

produtores”, enfatiza Damiano.

Para a coordenadora municipal

de Agricultura, Silvani Silva, a feira

do produtor possibilita que também

a população da periferia de Araraquara

crie o hábito de consumir produtos

saudáveis, com qualidade e preços

justos.

41|


EM ARARAQUARA

Senar anuncia em Araraquara diagnóstico

que avaliará situação dos produtores rurais

A nossa cidade, que

pela atuação do seu

Sindicato Rural tem grande

representatividade junto

à Faesp/Senar, sediou em

maio o encontro de 18

presidentes de sindicatos

rurais do interior

A convite do sistema Federação da

Agricultura e Pecuária do Estado de

São Paulo e do Serviço Nacional de

Aprendizagem Rural – Senar, os presidentes

de Sindicatos Rurais de pelo

menos 18 municípios no interior, participaram

em maio de uma reunião

realizada no auditório do Sindicato

Rural de Araraquara para apresentação

da nova sistemática do Programa

Anual de Trabalho - PAT - para 2019.

O tema do encontro pautado pelo

Senar SP - Diagnóstico Social, Econômico,

Técnico, Ambiental e Administrativo,

visa coletar informações sobre

a atividade rural em município considerado

base. Foram selecionados

estes itens para que o órgão tenha

dados que possibilitem a formatação

de um planejamento a ser colocado

em ação a partir do ano que vem.

Mário Biral, superintendente do Senar promovendo a abertura do encontro juntamente com

o presidente do Sindicato Rural de Araraquara, Nicolau de Souza Freitas

O palestrante Carlos Nivan Maia, Carlos Alberto de Freitas (gerente do Sebrae Ribeirão

Preto), Luiz Andia Filho (gerente Sebrae Araraquara), Elias Peres (Sindicato Rural de Ribeirão

Preto), Nicolau de Souza Freitas (presidente do Sindicato Rural de Araraquara), João

Henrique de Souza Freitas (coordenador regional do Senar), Mário Biral (superintendente do

Senar SP) e Marcelo Xavier Benedette (Sindicato Rural)

APRESENTAÇÃO

Em Araraquara o evento foi aberto

pelo superintendente do Senar SP,

Mário Biral que agradecendo a presença

de presidentes e coordenadores

dos sindicatos, abriu espaço

para que cada um fizesse sua apresentação,

bem como do sindicato representado.

Como anfitrião, Nicolau

de Souza Freitas, presidente do Sindicato

Rural de Araraquara, destacou

estar orgulhoso em sediar o encontro.

Em seguida, além de enaltecer a

missão do Senar e da Faesp, o presidente

lembrou que era um momento

único receber 18 coirmãos do nosso

Estado, fato que demonstra ser Araraquara

uma cidade privilegiada por

acolher tantas lideranças.

No protocolo foram registradas as

presenças de Araraquara, Mirassol,

Tabapuã, Monte Azul Paulista, Borborema,

Itápolis, Ibitinga, Taquaritinga,

Guariba, Ribeirão Preto, Sertãozinho,

Batatais, Orlândia, Bocaina, Jaú, Dois

Córregos, Torrinha e Santa Rosa do

Viterbo, que possuem sindicatos considerados

base.

Cada sindicato a partir de agora,

terá a responsabilidade de coletar

informações na Casa da Agricultura,

Prefeitura Municipal, Secretaria da

Educação, Secretaria da Promoção

|42


Carlos Nivan Maia, consultor e palestrante

Social, IBGE, Censo Agropecuário

2017, Lupa, SAA, Cooperativas, Associações,

Secretaria do Meio Ambiente

e até mesmo pela internet.

Em toda sua área de abrangência, o

Sindicato Rural de Araraquara deverá

desenvolver um plano de trabalho, explicou

Carlos Nivan Maia, consultor/

auditor, conferencista e palestrante

com atuação marcante no âmbito das

Entidades do Sistema “S” e onde tem

ministrado conferências, palestras

e cursos, em especial os Sistemas

Fiesp-Sesi-Senai/SP; Findes-Sesi-Senai;

Faesp-Senar-Sindicatos Rurais e

Sebrae SP.

COMO SERÁ

A primeira etapa de implantação

desde programa a partir de março do

próximo ano, disse Nivan Maia, visa

organizar todos os trabalhos ao longo

de um ano. Para isso, as primeiras

ações estarão centradas em reuniões

com os funcionários de cada sindicato

para formatação do plano.

Segundo ele, o sindicato terá que

fazer sua apresentação jurídica em

um relatório, pontuando dados do

município e adentrando na atividade

agro com dados climáticos, vias de

acesso, estradas principais e vicinais,

além de aquíferos, definindo as áreas

agrícola e pecuária regional.

A descrição de cada propriedade

deverá obedecer a

estrutura agrária, apontando

as faixas etárias de tamanho

das mesmas. É importante

lembrar que a SAA, através da

CATI, está na iminência de publicar

um novo LUPA, que seria

o ideal para a obtenção destes

dados, destacou o palestrante.

Muitas inferências podem ser tiradas

dos dados contidos nesta

etapa, principalmente o quantitativo

de atendimento de agricultores

pelos cursos e ações

do Senar. A Casa da Agricultura

é um referencial muito positivo

nesta fase, comentou ele.

“Trata-se de um aprofundamento

dos dados da produção agrícola

e pecuária, listando as principais e

secundárias, portanto, a menção das

áreas por cultura e por exploração pecuária”,

completou.

Para João Henrique de Souza Freitas,

coordenador regional do Senar,

de suma importância é a descrição

do nível tecnológico de cada cultura, o

que vai precisar de um relato técnico

prestado por profissionais das áreas

respectivas.

Evidentemente, comenta o coordenador,

que o nível tecnológico

diferencia-se conforme a propriedade

considerada, não possibilitando

descrever uma única tecnologia. Esse

aspecto irá refletir nos conteúdos dos

cursos do Senar SP, à medida que as

tecnologias sejam diferenciadas, conforme

o público considerado.

Durante o encontro no auditório

do sindicato, falou-se que a questão

ambiental é tópico importante dentro

do diagnóstico, mesmo porque o

Código Florestal impôs o CAR (Cadastro

Ambiental Rural) e os produtores

tiveram que limitar parcela da área

da propriedade para atender os determinantes

do código. Trata-se de uma

questão de qualidade de vida à obediência

às regras, daí sua imposição.

Para o palestrante Nivan Maia, a

descrição do passivo ambiental e os

serviços de recuperação através da

administração dos órgãos de controle,

é um trabalho que o Senar SP pode

vir apoiar com curso de capacitação

e treinamento dos produtores e trabalhadores

rurais. Assim, a questão

da saúde e da educação constitui

providências a serem levadas em

consideração no plano de trabalho

da organização que representamos.

Outro item a ser diagnosticado é

o número de ações na área da Saúde

por meio do Programa Promovendo

a Saúde no Campo, que aumentou

significativamente. “Temos que ter

portanto uma radiografia desta questão

naquelas pessoas localizadas no

território espacial do Sindicato Rural.

O contato com a Secretária da Saúde

evidenciando as condições sanitárias

e as providências necessárias, devem

ter um caráter muito evidenciado”, finalizou

Nivan.

Nicolau de Souza Freitas João Henrique de Souza Freitas Mário Biral

43|


CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

Valor agregado é o rumo

para se ter produtividade

O início de uma nova safra da cana-de-açúcar mostra a

importância das tecnologias direcionadas à produção mais

aprimorada, utilizando-se fertilizantes e orientações técnicas

como regra para uma boa colheita. A alta produtividade foi

tema de palestra no Sindicato Rural de Araraquara.

Tecnologias

no manejo

das soqueiras

Associados atentos à palestra no Sindicato Rural

A palestrante Monique

Betiol com Isabela

Ferreira, assistente

tecnica comercial ATC,

da Timac Agro

Marcelo Xavier Benedette, diretor do

Sindicato Rural, abre a palestra ao lado da

engenheira agrônoma Monique Betiol

Em maio, por quase duas horas,

os associados do Sindicato Rural estiveram

reunidos para acompanhar no

auditório da entidade, a palestra dada

pela engenheira agrônoma Monique

Biagi Betiol, supervidora regional de

vendas da Timac Agro. O encontro foi

promovido pela Coplacana em parceria

com o Sindicato Rural.

O tema “Tecnologias no manejo

de soqueiras de cana-de-açúcar para

altas produtividades” mostrou a série

de transformações que a produção

canavieira vem tendo; os esclarecimentos

acontecem no momento em

que se inicia mais um período de safra,

assegurou a palestrante.

O sindicato, disse Marcelo Xavier

Benedette, coordenador do evento,

procurou manter parceria com a Timac

Agro, uma empresa que apresenta

quase seis décadas de história,

sendo 20 anos incluindo o Brasil. A

Timac Agro vem contribuindo para a

nutrição de solos e plantas, com o objetivo

de aumentar as produtividades

agrícolas com sustentabilidade, nos

mais de 100 países nos quais suas

tecnologias são comercializadas.

Como agregar produção ao trabalho

realizado focou diretamente as soqueiras

da cana-de-açúcar, que são

as raízes que sobram dentro e fora

da terra, após seu corte, cerca de um

palmo acima do solo. As soqueiras,

quando bem cuidadas, vão crescer

em vários períodos do ano.

Monique salientou que aquele

era um momento importante para

apresentar as novas técnicas e os

produtos disponibilizados pela Timac

através da sua representante em Araraquara,

a Coplacana. A assistência

técnica com qualidade, disse ela, hoje

é uma das propostas da fabricante.

“Não apenas a venda é importante,

mas também essa assistência. Para

isso hoje temos uma ATC (Assistência

Técnica Comercial) focada na região

de Araraquara com vários clientes

para vender e também levar a assistência

técnica com o propósito de

mostrar ao produtor o quanto o nosso

produto agrega na produção final.

Para ela, de acordo com o que o

produtor fala, este é um cenário complicado.

“Entendemos que o que está

na mão do produtor é a produção porque

a ATR (Açúcar Total Recuperável),

a gente não controla, o clima muito

menos e com isso, o produtor tem que

aumentar a produção e ter o custo de

investimento.

A Timac, pertencente ao Grupo

Roullier, conglomerado francês com

atuação em diversos mercados, vem

então com a proposta de valor agregado,

tanto em produção quanto em

qualidade final do produto.

|44


SEGUINDO A LEGISLAÇÃO

Uso correto

para aplicar

agrotóxicos

O instrutor Cláudio Barbosa

reúne trabalhadores e

produtores rurais para

orientá-los na aplicação

dos produtos.

O treinamento abordou o

manuseio do agrotóxico

até o consumidor final

enfatizando a alimentação

saudável, estando

fundamentado em normas

regulamentadoras, prevendo

os cuidados com segurança,

intoxicação, contaminação,

equipamentos.

A Fazenda Jangada Brava, uma

das mais antigas da região, sediou

durante três dias de maio o programa

organizado pelo Senar, em parceria

com o Sindicato Rural, sobre Agrotóxicos

- Aplicação com Pulverizador de

Barras Tratorizado.

O instrutor Cláudio Barbosa disse

na abertura do curso que o objetivo,

seguindo a legislação, era capacitar o

trabalhador a aplicar defensivos agrícolas

utilizando o pulverizador tratorizado

e promover com isso o uso correto

e seguro dos produtos, respeitando

o homem e o ambiente, para se ter a

melhoria da produtividade e a qualidade

da produção agrícola. “Temos

que zelar pela segurança e saúde no

trabalho rural, envolvendo a NR31”,

comentou o instrutor.

Para o coordenador regional do

Senar, o engenheiro agrônomo João

Henrique de Souza Freitas, os produtores

e os trabalhadores rurais devem

ter conforto e segurança na execução

de suas atividades diárias. Ressaltou

ainda que a busca pela capacitação

do servidor está dentro das propostas

do modelo de gestão de pessoas que

o Senar e o sindicato seguem. “O objetivo

é levar sempre informações ao

servidor para que ele possa melhorar

sua qualidade de vida. Nesta questão

da aplicação de agrotóxicos, é de

nosso interesse que ele (o servidor)

esteja seguro e tenha consciência da

legislação” destacou o coordenador.

Cláudio Barbosa no encerramento

disse que o curso foi muito bom e o

nível de apresentação foi compatível

com a atividade do trabalhador. “É

um curso prático e que o trabalhador

deve aplicá-lo no dia-a-dia, elevando

seu conhecimento técnico. Na verdade,

é uma ferramenta que auxilia

diariamente”

CURSOS - JUNHO 2019

• AGROTÓXICOS - USO CORRETO E

SEGURO - NR 31.8

03 a 05/06 - Terral

• ARTESANATO COM FOLHAS -

DECORATIVOS - TÉCNICAS

03 a 06/06 - Assentamento Monte Alegre

• PROLEITE - ALIMENTAÇÃO (MÓDULO VIII)

03, 04, 09 e 10/06 - Fazenda Baguassu

• JOVEM AGRICULTOR DO FUTURO -

MÓDULO III

03 a 28/06 - Araraquara

• JOVEM AGRICULTOR DO FUTURO -

MÓDULO III

03 a 28/06 - Motuca

• LIDERANÇA DE EQUIPES - TÉCNICAS

Dia 04/06 - Canasol

• REPASSE PARA INST. DE OPERAÇÃO DE

MOTONIVELADORA

04 a 06/06 - Sindicato Rural

FEIRA DO PRODUTOR RURAL - PRODUTOS

RURAIS PARA COMERCIALIZAÇÃO

(MÓDULO III)

05 a 06/06 - Araraquara

• SEGURANÇA EM MÁQUINA E

IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS - NR 31.12

06 a 08/06 - São Martinho

• OPERAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS

COM ARADO DE DISCOS

07 a 08/06 - Santa Lúcia

• MINHOCULTURA - PRODUÇÃO DE HÚMUS

10 a 12/06 - Assentamento Monte Alegre

• OPERAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS (C/

SEMEADORA DE PRECISÃO)

10 a 13/06 - Santa Lúcia

• SESSÃO DE FOTOS DA CAR. DE SEG. NO

TRAB. EM ALTURA - NR 35

11 a 13/06 - Citrosuco/Matão

• PROLEITE - CANA-DE-AÇÚCAR – COL. E

UT. NA ALIM. (MÓDULO IX)

14 a 16/06 - Fazenda Baguassu

• OLERICULTURA ORGÂNICA - PLANTIO

(MÓDULO IV)

17 e 24/06 - Sítio Bom Jesus

• FEIRA DO P. R. – CONS. DO ESTANDE DE

BAMBU (MÓDULO IV)

19 e 20/06 - Araraquara

• PROCESSAMENTO ARTESANAL DE

PRODUTOS DE HIGIENE E LIMPEZA -

TÉCNICAS

25 e 26/06 - Assentamento Bela Vista

• PROCESSAMENTO ARTESANAL DE CARNE

DE AVES - TÉCNICAS

26 a 28/06 - Canasol

Participantes do curso na Fazenda Jangada Brava

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

João Henrique de Souza Freitas

45|


APLICAÇÃO DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

Sindicato Rural e Senar

levam a NR 31.8 à Terral

O curso ministrado tem o objetivo de informar e

disponibilizar um meio para conscientizar empresas e

empregados sobre a responsabilidade social, ambiental

e econômica, conseguindo através da união, amenizar os

impactos ao meio ambiente como os acidentes de trabalho.

Realizou-se entre os dias 13 a

15 de maio, o curso Agrotóxicos: Uso

Correto e Seguro - Norma Regulamentadora

(NR 31.8), por meio de

parceria realizada entre o Sindicato

Rural de Araraquara, Serviço Nacional

de Aprendizagem Rural – Senar e a

empresa Terral Agricultura e Pecuária

S.A., localizada em Matão.

De acordo com o engenheiro

agrônomo João Henrique de Souza

Freitas, o curso teve como objetivo

capacitar a mão de obra da empresa,

tendo como público alvo em sua

maioria, aplicadores de defensivos

agrícolas.

A Terral que atua no segmento da

citricultura, por muitas vezes ao longo

do ano realiza aplicações em seus

pomares (inseticidas, herbicidas, fungicidas),

daí a importância na capacitação

dos funcionários envolvidos

nessas atividades.

O objetivo do curso, diz o coordenador

do Senar, foi capacitar o

trabalhador exposto diretamente

ao agrotóxico que, de acordo com a

Norma Regulamentadora 31 em seu

item 31.8, define que trabalhador

em exposição direta é “todo o trabalhador

que manipula agrotóxicos,

adjuvantes e produtos afins em todas

as etapas de armazenamento, transporte,

preparo, aplicação, descarte e

descontaminação de equipamentos

e vestimentas”.

O curso foi ministrado pelo instrutor

do Senar, Guilherme Aparecido

Gomes de Moraes, que além de Engenheiro

Agrônomo e de Segurança

do Trabalho, é mestre e doutorando

na área de Segurança com Máquinas

Agrícolas.

A capacitação, afirma o instrutor,

consistiu em difundir informações importantes

durante a manipulação dos

agrotóxicos, como o uso correto do

EPI (Equipamento de Proteção Individual),

procedimentos na aquisição,

transporte e armazenamento, procedimentos

para devolução de embalagens

vazias, cuidados no preparo

de calda e na aplicação, formas de

exposição e contaminação, primeiros

O instrutor Guilherme Aparecido

Gomes de Moraes, na Terral

socorros, entre outros.

Além de possibilitar que o trabalhador

desenvolva suas atividades no

campo de maneira segura e saudável,

o curso vem atender a uma determinação

do Ministério do Trabalho, o

qual esclarece que todo trabalhador

exposto diretamente ao agrotóxico,

deverá estar capacitado e certificado

para exercer determinada função, explica

Guilherme.

É verdade que o Senar SP disponibiliza

várias capacitações relativas

ao tema agrotóxicos (aplicação com

pulverizador de barras, costal manual,

turbopulverizador, etc). Também

dispõe um curso de segurança

na manipulação de agrotóxicos, exclusivo

para o trabalhador em regime

de economia familiar e também outro

curso obrigatório pelo Ministério do

Trabalho para todos os operadores de

máquinas e implementos agrícolas -

Segurança em Máquinas e Implementos

Agrícolas - Norma Regulamentadora

(NR31.12).

O uso correto dos equipamentos de

segurança é uma garantia de bom

desempenho do profissional

O trabalhador com o

equipamento ao lado

dos demais colegas,

participantes do curso

realizado na Terral

|46


47|


NOTÍCIAS

CANAS

L

EDIÇÃO JUNHO | 2019

FUTURO COM QUALIDADE

Canasol leva produtores à Estação

Conhecimento da Syngenta em Itápolis

Proximidade com o produtor

é o que a Syngenta busca,

oferecendo soluções

eficientes, contato direto

e tecnologia de ponta,

integrando, num só local,

o apoio necessário para o

sucesso dele no cultivo.

Nos dias 17 e 18 de maio, associados

da Canasol visitaram a Estação

Conhecimento, para um evento

organizado pela Syngenta, em Itápolis.

O projeto tem o objetivo de reunir

profissionais do setor sucroenergético

que assim têm a oportunidade de

discutirem e conferirem na prática,

soluções para produzir mais e melhor

por muito mais tempo.

Na verdade, os participantes podem

conferir na Estação Conhecimento,

práticas com técnicas inovadoras

de manejo que, quando bem aplicadas,

auxiliam no aumento de produtividade

dos canaviais.

O APOIO DA CANASOL

Segundo o engenheiro agrônomo

Lautinê Antonelli (Tone), que acompanhou

os associados da Canasol neste

encontro em Itápolis juntamente com

o técnico agrícola Elias Olivi, uma das

novidades debatidas neste ano foi o

Plene Emerard, sementes de cana

da Syngenta formando canaviais pilotos

em algumas unidades com a

primeira colheita. Este grupo reuniu

associados de Nova Europa e Gavião

Peixoto. Já o técnico agrícola Rafael

Tubos de ensaio com as

principais pragas da canade-açúcar.

À direita, o

plantio da MPB - Mudas Pré

Brotadas

Fornecedores

de Araraquara

levados pela

Canasol para

uma convivência

com a Estação

Conhecimento

A Syngenta possui uma fábrica de MPB em

Itápolis, adotando técnicas avançadas com o

intuito de formar canaviais livres de pragas,

buscando ter produção qualificada

Prada, acompanhou os fornecedores

de Araraquara e Ribeirão Bonito.

A Syngenta possui em Itápolis

uma fábrica de MBP - Mudas Pré Brotadas,

uma moderna técnica capaz

de produzir canaviais bem formados.

Ao lado, a indústria faz demonstrações

com os produtos que fabrica,

bem como orienta o uso das técnicas

e as vantagens com suas aplicações.

Paralelamente ao plantio de ervas daninhas,

há outro espaço destinado

ao controle das pragas e análise das

doenças causadas por elas.

|48


PECUÁRIA DE CORTE

Hora de

maximizar

os ganhos

Visando oferecer alternativas

para diversificação agrícola

aos associados, a Canasol

realizou em maio (23) em

seu auditório uma palestra

sobre Pecuária de Corte.

Para o presidente da Canasol,

Luís Henrique Scabello de Oliveira, a

pecuária de corte sempre foi uma importante

atividade para o agronegócio

brasileiro, ajudando de forma decisiva

no fortalecimento e desenvolvimento

da economia. Mas na verdade,

ela está além da porteira e agrega

vários elos dentro da sua cadeia de

produção. Ele mesmo cita que nesta

esteira produtiva estão a indústria de

insumos, a produção de bovinos, o

processamento, a distribuição, até

chegar ao consumidor final. “Reconheço

que todos os setores precisam

trocar informações entre si para que

possam acompanhar o desenvolvimento”,

diz o presidente da entidade.

E foi com este objetivo que a Canasol

promoveu a palestra sobre Pecuária

de Corte, tendo em uma primeira

apresentação o zootecnista Eduardo

Erlo que falou sobre os processos da

fábrica de rações Coplacana e, logo

após, o engenheiro agrônomo Ari J.

F. Lacôrte destacou a importância da

suplementação a pasto e as estratégias

que podem ser adotadas para

maximizar os ganhos.

O evento contou com a presença

de mais de 80 associados e familiares.

Para fechar a noite, todos

saborearam deliciosa carne de panela

com mandioca, a famosa “vaca

atolada”. Os participantes do encontro

enalteceram o papel da diretoria,

diversificando conhecimentos e fortalecendo

essa proximidade com o

quadro associativo.

É importante destacar o desejo do produtor em

acompanhar as transformações que ocorrem no

mundo agro

CANASOL PRESENTE

Visitando a Agrishow em Ribeirão

Cerca de 125 fornecedores de

cana de Araraquara, Boa Esperança

do Sul e Nova Europa, foram levados

até Ribeirão Preto para participar da

Agrishow em maio.

A promoção só tornou-se possível

graças a parceria da Canasol, Sebrae,

Sindicato Rural, Coplacana e Coopercitrus.

Marcílio Correa dos Anjos, gerente da

Coplacana; Eduardo Erlo, Zootecnista

e Ari J. F. Lacorte

No dia da visita os nossos fornecedores

tiveram contato com o principal

evento tecnológico e de negócios do

agronegócio na América Latina e mais

importante vitrine de tendências para

o segmento. A ida dos produtores tem

ocorrido praticamente todos os anos,

dando a eles a oportunidade de um

contato com as inovações do setor.

Fornecedores

de cana de

Araraquara

e região

conhecendo

as novidades

apresentadas

pela Agrishow

neste ano

REPRESENTATIVIDADE

Luís Henrique cumpre agenda em Brasília

O presidente Luís Henrique no dia

29 de maio, representou a Canasol

em Brasília, participando pela Feplana

de reunião no Ministério da Agricultura

onde seguem as negociações sobre

a cobrança dos royalties da cana.

“Defendemos os pontos que afetam os

fornecedores de cana, especialmente

os menores, disse o presidente. Ele

participou no dia seguinte da posse do

deputado federal Arnaldo Jardim que

será o coordenador da Frente Parlamentar

Mista em defesa do setor sucroenergético.

Luís Henrique participando pela Feplana de

reunião no Ministério da Agricultura

49|


CONSCIENTIZAÇÃO

Reciclagem, o caminho

para a regeneração do

meio ambiente

Conscientizar as pessoas sobre a importância de coletar,

separar e destinar os materiais recicláveis, como embalagens

plásticas, cartões, peças eletrônicas, etc.

A reciclagem é um processo que

consiste na transformação de materiais

usados em produtos novos, que

poderão ser reinseridos na cadeia

de consumo sem a necessidade de

extrair mais recursos naturais.

Compramos, usamos e descartamos

continuamente. Precisamos ter

responsabilidade sobre os produtos

que adquirimos e principalmente sobre

o destino que damos a eles, para

que retornem a esse nosso ciclo infinito

de consumo.

Garrafas de plástico são moídas,

voltando a ser grãos como a matéria-prima

original do plástico. Papéis

são triturados e misturados com

água até se parecerem com pasta

de celulose. Metais e vidros são

derretidos, ficando prontos para fundição.

A revalorização pode ser feita

de muitas formas, de acordo com o

material e a finalidade que se quer

dar a ele.

São processos industriais, que

precisam de muitas toneladas de

matéria-prima para viabilizar economicamente

máquinas, equipamentos

e profissionais.

Com os materiais prontos, é possível

fabricar um novo produto, fechando

o ciclo da reciclagem.

Como indivíduos, precisamos nos

envolver na etapa que nos compete,

que é a separação dos nossos resíduos

para a coleta seletiva, procedimento

fundamental para a obtenção

de um produto reciclado tão bom

quanto o original. E por fim, todos

nos beneficiamos e o meio ambiente

pode respirar aliviado.

|50


51|


O anfitrião

Wladimir Carlos

Bersanetti Rodrigues

acompanha o

presidente Reynaldo

Lima Jr, do Sescon-

SP e o presidente

da Fenacon, Sergio

Approbato Junior

EVENTO EM ARARAQUARA

Encontro Regional

dos Contabilistas

Interior se mobilizou em

maio para participar de

uma das mais importantes

reuniões da classe contábil.

Pelo menos 400 profissionais do

setor contábil da região centro-oeste

paulista se reuniram no Centro Internacional

de Convenções de Araraquara,

participando do XII Encontro

Regional Sescon-SP.

Trata-se de um dos mais importantes

eventos do Sindicato das Empresas

de Serviços Contábeis e das Empresas

de Assessoramento, Perícias,

Informações e Pesquisas no Estado

de São Paulo, comentou Wladimir

José Dini Filho

(diretor Sescon

SP), Wladimir

Carlos

Bersanetti

Rodrigues

e Adalmo

Coutinho

(diretor

administrativo

Sescon SP)

Carlos Bersanetti Rodrigues, diretor

regional da entidade em Araraquara.

A realização do encontro regional em

Araraquara demonstra a representatividade

do setor e orgulho para a

classe contábil, completou.

Além do palestrante Renato Grinberg,

participaram nos painéis a

consultora Giovana Carer; Jonathan

Fomiga, auditor-fiscal da Secretaria

da Receita Federal; Paulo Vaz (mestre

em Ciências Contábeis e Atuariais).

Deputado Estadual

Itamar Borges,

Wladimir Carlos

Bersanetti Rodrigues,

Carlos Alberto

(diretor regional

Sescon SP), Carlos

Alberto Baptistão

(vice-presidente

Sescon SP) e

Benedicto David

Filho (vice-presidente

Sescon SP)

José Donizete Valentina, vice-presidente

de Administração e Finanças do CRC;

Marcia Ruiz Alcazar (presidente CRC SP) e

Wladimir Carlos Bersanetti Rodrigues

No evento a Jucesp esteve representada

pelo seu diretor regional, Orlando

Bonifácio Martins; a AESCAR,

pelo seu presidente Daniel Pecin e o

Sincoar, pelo vice-presidente Ronaldo

Paganini de Oliveira.

|52


53|


Penha (José da

Penha Moreira)

VELHOS TEMPOS, BELOS DIAS

Naquele dia ‘Joinha’

não foi para Interlagos

Texto: Benedito

Salvador Carlos,

o Benê, com a

colaboração de

Deives Meciano

Está é matéria sobre uma

“história” que sempre nos

divertimos pela maneira

que aconteceu. Verdadeira

“trairagem” do bem que só

amigos podiam cometer.

Benê

Tudo era muito difícil, tudo era

desafiador. Poucos recursos, pouca

logística e pouco conforto. Sobrava

coragem e talento. Penha (José

da Penha Moreira) e Neto (Olympio

Bernardes Ferreira Neto), pilotos

consagrados recebiam patrocínio de

Joaquim Caratti, da Pistões Rocatti

e ainda ajuda de custo da Escuderia

OS PREOCUPADOS. Celso (Baiano

Faito) Martinez, Pinho (José Manoel

do Amaral Sampaio) e eu, algumas

verbas pontuais. Assim íamos tocando,

“correndo” literalmente atrás de

nossos sonhos. Nego (Adolpho Tedeschi

Neto) e Dinho Dall’Acqua faziam

o que podiam para melhorar nossas

condições e dessa forma nossas participações

iam acontecendo.

A felicidade de chegar na cidade

de São Paulo, em Interlagos, sentir o

frio que o período de inverno anunciava,

era única. Você ali no mesmo

lugar, na mesma pista, pisando no

mesmo asfalto, ocupando os mesmos

boxes, sentindo a brisa e a atmosfera

do local, um cenário maravilhoso

locupletado de placas e painéis publicitários,

o mesmo local que Fittipaldi,

Stewart, Cevert, Lauda, Tucano, Ceccoto,

Casarini, Jacaré, Tognocchi, Eduardo

Luzia, Zezo Ponticelli, Sidney Scigliano,

dividiam conosco, ainda que

em momentos diferentes, o mesmo

palco, o mesmo ar e o mesmo cheiro

da gasolina azul misturada com o

óleo Castrol R, sensação que até hoje

me provoca calafrios.

O desespero financeiro era tanto,

que certa oportunidade, alguém arrumou

para nós um patrocínio pontual

que alegava só poder revelar no autódromo,

e, na necessidade concordamos

na hora. Pinho foi o primeiro

a receber seu montante e de posse

do dinheiro buscou em um posto de

combustível próximo, a gasolina e os

lubrificantes que poderiam melhorar

o desempenho de sua Yamaha FS1.

Tudo muito bonito, mais o que ele não

contava era que, pelo compromisso

assumido, tínhamos de plotar nas

motocicletas a marca “PEIXARIA ES-

TRELA DALVA”, mico que, acabrunhados,

pagamos sem reclamar.

Nossa amizade e carinho um pelo

outro era o que contava. Para esta

corrida, naquele dia, nós tínhamos

um problema: A verdade era que para

ajudar no rateio da viagem, fora “vendido”

um lugar a mais que a perua

Kombi que nos levaria para Interlagos

comportava. “Amigos convidados que

|54


viajavam junto e rateavam as despesas”.

Assim tínhamos um dilema: Se

devolvêssemos o dinheiro recebido

para um dos acompanhantes desistir,

seria necessário um novo rateio e isso

também não era possível, pois, jovens

que éramos, só tínhamos “o dia e a

noite”, no dizer de Valdemir Rastelli,

a gente trabalhava no almoço para

garantir a janta.

A noite de sábado já havia entrado,

cada um de nós já cumprido com

o seu ritual de pré-viagem, de depois

de um longo dia de ajustes nas motocicletas,

um bom banho, a arrumação

de uma pequena tralha para os

modestos pertences que levávamos,

tais como: capacete, luvas, botas,

uma blusa seguindo o conselho sábio

de mãe para o frio da cidade de São

Paulo, um macacão surrado quase

sempre esfolado nos joelhos por um

piloto mais velho, que já possuía um

mais novo, pente, escova de dente e

desodorante, e em fim só faltava à

chegada de um piloto retardatário e

partir. Acontece que o piloto faltante

não era qualquer um, era naquele

momento da história a maior “estrela

da companhia”, e a ele, sempre,

até hoje, nossas reverências, de

modo que não andávamos nem para

frente nem para trás. Contra nós o

tempo, quanto mais demorava a solução,

mais conflito ia ter, afinal o frete

da perua já estava pago e o dinheiro

novo não existia. Eu e Pinho sempre

quietos, de lado, pilotos novos que

éramos, sem grana e sem patrocínio,

ir já era uma vitória e nessa condição

só de não atrapalhar, já estávamos

ajudando.

Tomando a dianteira da situação

que periclitava, Celso (Baiano Faito)

Martinez, pediu um tempo, saindo

Moto 19 Vanderlei Cavalari e Pinho (José Manoel do Amaral Sampaio)

apressado de carro, para em seguida

poucos minutos depois voltar

com uma solução: Podemos ir, ele

vai mais tarde de motocicleta e muito

bem acompanhado. – Vamos, vamos,

vamos e assim seguimos. Esta

passagem ficou marcante em nossa

memória pela maneira matreira que

Faito a resolveu. Havia entre nós, algumas

garotas que respeitosamente,

de vez em quando, acompanhavam o

grupo e que próprio da idade, misturávamos

um sentimento de amizade

e paquera. Dentre elas, uma especial,

muito bonita, dona de uma Honda

50 cc cinco marchas, branca e azul

que pilotava com doçura, estudante

de engenharia, morena, estatura

media, cabelos semi-encaracolados,

cativante, com um rosto de menina

e corpo de mulher, anseio da maioria,

que carinhosamente a chamávamos

de “Joinha”, motivo mais que

suficiente para o convencimento de

nosso amigo retardatário. – “Ela quer

ir e pediu para você buscá-la às 3h

da madrugada, e sem barulho, dar

umas pequenas batidas na janela de

Neto (Olympio

Bernardes

Ferreira Neto)

seu quarto, que ficava no corredor da

casa, ressalvando: - “Não passe lá antes

para não sujar”.

Combinado isso o nobre amigo

liberou sua vaga e pacientemente

esperou o horário pseudo marcado.

Na viagem, Neto sempre preocupado,

insistia com a pergunta: - “Como é

que você o convenceu?” e Faito com o

olhar distante fixos no horizonte, respondia:

- “Deixa quieto, toca.. toca..”.

O sol foi amanhecendo e depois

de um breve cafezinho no Posto Lago

Azul, já na via Anhanguera, a Kombi

que transitava serenamente sem esforço

nenhum de seu poderoso motor,

quando ao nosso lado, do nada

surgiu uma Suzuki 500 cc, com seu

piloto enfurecido sinalizando com os

braços, pedindo para pararmos, e,

Faito que estrategicamente viajava

no banco dianteiro, ordenava: -“Para

não, segue, seeeegueeee”. Quando

chegamos em Interlagos a discussão

cresceu: FDP, - Ela disse que não havia

combinado nada com ninguém

e além de não me acompanhar, de

sobra ainda levei um “corre” do seu

pai. – “Isso não vai ficar assim, vocês

me pagam” (nunca pagamos) rsrs.

Sempre quando juntos, lembramos

dessa e de muitas outras histórias

que vivemos de forma tão intensa,

dá saudade, um frescor na alma

e a sensação de que tudo valeu muito

a pena.

Velhos Tempos, Belos Dias

Embarque das

motocicletas

de corrida

55|


APOIO:

Por Sérgio Sanchez

Oscar

Emmanuel

Peterson

O gigante do jazz

Estes músicos são de uma grandiosidade

técnica com uma mistura

de sensibilidade refinada, que fica

até difícil expor uma opinião e falar

sobre eles. O contexto difícil, mas

extremamente criativo na década de

40, 50, onde Oscar Peterson desenvolve

toda sua musicalidade convivendo

com nomes estrelares principalmente

na área do jazz.

Começou a estudar trompete e

piano com seu pai aos cinco anos

de idade. Após uma tuberculose

dedicou-se ao piano. A partir deste

período, desenvolveu uma técnica

extraordinária no piano criando uma

originalidade incomparável que marcou

toda sua obra.

PARCEIROS GRANDIOSOS

Em 1952 fundou um novo trio

com o baixista Ray Brown e o guitarrista

Barney Kessel e posteriormente

novos grupos que surpreendiam

os maiores críticos da época com

outros grandes do jazz como: O maravilhoso

guitarrista Joe Pass, Roy

Eldridge o inovador do trompete e o

incomparável Buddy Rich.

A TURMINHA DE PETERSON

Fica muito difícil destacar algum

destes nomes devido à grandiosidade

de todos eles. A partir da metade

dos anos 50 fez inúmeras apresentações

e concertos com grandes nomes

do jazz tais como: Ella Fitzgerald,

Billie Holiday, Carmen McRae,

Louis Armstrong, Lester Young,

Count Basie, Charlie Parker, Quincy

Jones, Stan Getz, Coleman Hawkins,

Dizzy Gillespie, Roy Eldridge, Clark

Terry, Freddie Hubbard e com o Modern

Jazz Quartet.

MAIS DE 200 ÁLBUNS

Elogiado por toda critica do jazz,

era tido como genial em toda a sua

obra. Muitos prêmios. Oscar Peterson

recebeu sete Grammy entre

1974 e 1991 e entrou para o Canadian

Music Hall of Fame em 1978.

O pianista canadense, uma das

grandes lendas do instrumento no

jazz, morreu em 23 de dezembro

de 2007, de insuficiência renal. Ele

tinha 82 anos. Encontra-se sepultado

em Saint Peter’s Anglican Church

Cemetery, Mississauga, Ontário no

Canadá.

NOTA DE AGRADECIMENTOS

“Agradecemos a Câmara Municipal de Araraquara,

na pessoa do Sr. Elias Chediek,

no requerimento nº 0486/19 o reconhecimento

da matéria de 13/03/19 sob o

título: DIDINHO HADDAD MÚSICA NO CO-

RAÇÃO”

|56


57|


SEU NOME ESTÁ NA RUA

SAMUEL BRASIL BUENO - IN MEMORIAM

JOÃO ULTRAMARI

De fotógrafo e jogador de futebol, defendeu as cores

da ADA, e sócio fundador e torcedor ferrenho da AFE

Nasceu em Bocaina no dia 20 de

julho de 1913, filho de Victório Ultramari

e de dona Annela Zeni. Era

o quarto filho do casal, tendo por irmãos:

Albina, Ignês, Alice, Nair e José.

João fez seus primeiros estudos

em sua terra natal e ainda, muito

jovem, aos 13 anos, começou a trabalhar

como impressor na tipografia

da Companhia Estrada de Ferro do

Dourado, atividade esta exercida por

três anos.

Aos dezesseis anos de idade, ao

mudar-se para a cidade de Bariri,

João teve a oportunidade de trabalhar

no Foto Anelo, empresa esta de

propriedade de seu tio Nelo.

Com profissão já definida, anos

após, retornou a Bocaina, onde estabeleceu-se

com o seu próprio foto.

João Ultramari voltou para Bariri,

mas desta vez para casar-se com

com a senhorita Conceição Firbedo,

natural de Guaxupé-MG e filha de

João Firbedo Souto e de Maria Cardoso

Souto, espanhóis de origem.

O enlace ocorreu no dia 29 de dezembro

de 1939 e deste matrimônio

nasceram quatro filhos: João Carlos,

fotógrafo, já aposentado, casado com

Jenoefa Barbieri Ultramari (falecida);

Maria do Carmo, técnica em contabilidade,

casada com Dr. Calil Buainain;

João Luiz, advogado e ex-suplente de

vereador e secretário Municipal dos

Transportes, casado com Maria Therezinha

Pereira Ultramari, técnica em

contabilidade e Márcia, professora,

solteira.

Sua descedência completa-se

com onze netos: José Henrique, Calil,

Vânia, Cristiane, Ricardo, Patrícia,

Daniela, Fábio, Andréia, Paula e Marina

e três bisnetos: Beatriz, Yasmin

e Gabriel.

João Ultramari e

esposa Conceição

no dia do

casamento, em

29 de dezembro

de 1939

João Ultramari

João Ultramari e a esposa Conceição

chegaram em Araraquara no

início da década de quarenta e arrendaram

o foto Cantarelli e pouco

mais tarde, assumiram a direção do

Foto Tucci, quando por um pequeno

período de tempo, o Sr. Carmine Tucci

havia mudado-se para a cidade de

Santos.

Tempos depois, João estabeleceuse

definitivamente como fotógrafo no

centro da cidade, mais precisamente

na Av. São Paulo e sua esposa, como

fotógrafa também, na Avenida Sete

de Setembro, no bairro do Carmo. E,

nestes endereços, permaneceram

até suas aposentadorias.

O seu filho João Luiz Ultramari

iniciou aprendizado da profissão aos

oito anos de idade, mas ao ver suas

Os amigos:

Orlando Canosa,

Abdo Honain,

Pedro Stucchi, João

Ultramari, Amin

Honain, Francisco

Sicca (Chico do

Bráulio), Alberto

Sotrate e o garoto

Benedito Honain

|58


mãos amarelarem com os produtos

químicos usados na época, não se entusiasmou

em seguir carreira do pai.

O filho José Carlos deu continuidade

à profissão do pai, chegando à sua

aposentadoria.

A carreira de fotógrafos da família

Ultramari foi encerrada com o falecimento

de seu neto mais velho, José

Henrique, em acidente automobilísitco,

no ano de 1996.

João Ultramari, além de fotógrafo,

foi um bom jogador de futebol. Defendeu

as cores da Associação Atlética

Barirense, Bocaina Futebol Clube,

Associação Desportiva Araraquara

(ADA) e do Clube Sete de Setembro

de Araraquara. Foi sócio fundador e

torcedor ferrenho da Associação Ferroviária

de Esportes (AFE).

De condição humilde, pequeno

comerciante, educou seus filhos e

desempenhou com garra e competência

a profissão de fotógrafo. João

Ultramari faleceu poucos dias antes

de completar 81 anos, em 2 de julho

de 1994, estando sepultadp no Cemitério

São Bento.

SEU NOME ESTÁ NA RUA

Seu nome está na rua através

de Lei Municipal nº 5.243,

de 12 de agosto de 1999, que

denomina João Ultramari, o

Dispositivo Viário localizado na

confluência da Avenida José

Barbieri Neto, com acesso ao

bairro Jardim Maria Luiza.

Familiares (da esq.

para dir. em pé):

José (irmão) Jenoefa,

José Carlos, Nair

(irmã), W. Caruso

(cunhado), Conceição,

Valdyr (amigo), Maria

Therezinha e João

Luiz. (Sentados):

Fátima (amiga),

Murilo (sobrinho),

José Henrique (no

colo da Márcia), Maria

do Carmo e Calil

Buainain

59|


Série

Bandas e

Grupos Musicais

da Cidade

Primeira formação: Laudelino, Itamar, Carlinhos, Flávio, Peru e Tinho

Pedaços de Choro. Eles

permanecem no tempo

De 1980 até hoje, um grupo

de músicos chorões resgata

o que há de melhor na

música popular brasileira.

Na verdade eles persistem

em desafiar a transformação

musical de todos os tempos.

Marcamos um bate papo com

o professor Flávio Módulo e o Carlinhos

Bersanetti, idealizadores do

grupo Pedaços de Choro, na sala da

Pró-Reitoria de Graduação da Uniara,

onde Flávio, é o Pró-Reitor. Dia inesquecível,

pois contaram que bem

antes da fundação do grupo em 1980,

eles juntamente com outros amigos

como o Itamar, já se reuniam para

tocar somente pela paixão de tocar.

Certo dia o Baixinho (Laudelino), levou

o Peru (Waldir Correa da Silveira) na

casa do Flávio para uma dessas reuniões.

O Peru tocou algumas músicas

no cavaquinho, o Flávio cantou outras

com o Baixinho no violão de 7 cordas.

Veio a ideia de completarem o grupo,

mas sem compromisso sério.

Em 1980 o grupo foi convidado

para tocar na antiga TV Morada do

Sol, mas por ser dia de semana,

alguns músicos como o Flávio não

puderam ir. O Baixinho, o Peru e

outros foram. Quando o apresentador

Manoel Cristino perguntou se o grupo

era aquele, Peru respondeu que era

apenas um pedaço. Perguntado

então pelo nome do grupo, o Peru

não teve dúvidas: Pedaços de Choro.

Estava criado aquele que se tornou

o mais tradicional grupo de choro da

cidade formado por Flávio Módulo,

violão/voz; Carlos Bersanetti Neto,

percussão/voz; Belarmino Cardoso,

conhecido por Laudelino (Baixinho),

violão de 7 cordas; Waldir Correa da

Silveira (Peru), cavaquinho e Itamar

Argondizo Nogueira, pandeiro. Com a

morte do Baixinho, o Peru foi para o

violão 7 cordas; Marcos Antônio Alves

de Lima (Marquinhos), Cavaquinho;

Benedito José Arruda (Tinho), bandolim

e violão de 7 cordas.

Com o passar do tempo ocorreram

mudanças e a participação temporária

de outros amigos como o Aníbal

Ângelo Romano, Jeferson de Paiva

Lima (Fon), Ricardinho Lupatelli,

Walmir de Araújo e o Geraldo Hilário

da Silva (Gê Negão). Os próprios filhos

Texto

Juraci Brandão

de Paula

de Flávio Módolo - Luiz Fernando e

Flávio Júnior - se integraram ao grupo.

O Pedaços de Choro foi contratado

pelo Conselho Municipal de Turismo

(COMTUR) e FUNDART, por vários

anos, tocando em praças, bares, clubes

ou nas“Serestas Itaú”, “Serestas

A Caminho do Sol”, “Serestas na

Escola”, e até em boates. Era muito

frequente o grupo se apresentar em

restaurantes como o Degraus, Bar

do Freitas (do amigo Moacir), Velho

Armazém e no final tocar de mesa

em mesa. Esteve em várias cidades

da região: São Carlos, Ribeirão

Preto e na capital paulista. No seu

variado repertório, que chegava a

130 músicas, além dos choros mais

conhecidos de compositores como

Jacó do Bandolim, Pixinguinha e

Ernesto Nazaré, incluía sambas como

“Na baixa do sapateiro” (Ary Barroso),

“Lá vem a baiana” (Dorival Caimmy).

Sambas de exaltação como “Canta

Brasil” (Alcir Pires Vermelho e David

Flávio

Módolo

um dos

fundadores

do grupo

|60

Uma das históricas formações

do grupo: Peru, Itamar,

Carlinhos, Marquinhos, Tinho e

Flávio Módolo, também na foto

à direita


Nasser) e sambas de compositores

como Paulinho da Viola e Adoniran

Barbosa. Incluía ainda intérpretes

como Nelson Gonçalves, Francisco

Alves e boleros do Trio Irakitan e Trio

Los Panchos.

Durante sua carreira, o grupo

se apresentou ao lado de artistas e

músicos famosos, como Regional do

Evandro, o flautista Carlos Poyares,

maestro Benedito Costa, Rosita

Gonzales, Carlos José, Francisco

Egydio, Roberto Luna, Roberto Silva,

Ataulfo Alves Júnior e Jamelão.

Toda a direção dos ensaios era de

responsabilidade do Peru, que era um

excelente músico e exigente quanto

às harmonias e afinação. Em todas

as andanças do grupo, as idas e vindas

eram cheias de muita alegria e

risadas.

AS HISTÓRIAS

Tocando durante quase 40 anos,

Flávio e Carlinhos relembram fatos

que ficaram na lembrança. Certa vez

foram tocar na Biblioteca Municipal

que estava lotada. Então resolveram

entrar pelo meio do público atravessando

todo o salão, em direção ao

palco, cantando “Estão voltando as

flores” de Paulo Soledade. A medida

que iam passando, o público ia se

levantado e aplaudindo entusiasticamente.

Foi de arrepiar.

Um dia receberam a visita da

Dona Zezé que tinha visto o grupo

em Nova Europa e queria contratá-lo

para tocar na sua casa em Ribeirão

Preto. Era uma belíssima festa a caráter,

onde as pessoas exibiam trajes

e penteados característicos dos

anos 40. O local era uma mansão

maravilhosa e o show era da cantora

convidada, Rosemary, interpretando

Flávio Módolo

e Carlinhos

Bersanetti,

nos recebendo

para a

entrevista

músicas da Chiquinha Gonzaga com o

acompanhamento do grupo Pedaços

de Choro. Ficou uma beleza.

Era um sábado à tarde, dia 16 de

novembro de 1985, e antes de tocar

no casamento do Benedito Salvador

Carlos (Benê) na Igreja da Matriz, o

grupo fez uma rodinha na praça e

começou a ensaiar, dando uma passadinha

nas músicas. O jornalista

Ivan Roberto, sem que os músicos

percebessem, presenciou o ensaio

e fez registro na sua crônica diária

“Carta Aberta” publicada no Jornal O

Diário da Araraquarense, edição do

dia 23 de janeiro de 1986 – quinta

feira. Foi uma surpresa para o grupo,

que até hoje guarda o texto.

Mas o Benê conta que sempre

achou que seu casamento poderia ser

diferente, como realmente foi, com a

apresentação do grupo. Disse que

logo após o enlace, o Flávio acompanhado

pelo Pedaços de Choro, cantou

a música Paz do Meu Amor, de Luiz

Vieira. Terminada a música fez-se um

absoluto silêncio, o que gerou breve

suspense, até que o Padre Oswaldo

Baldan que acabara de celebrar a

cerimônia, quebrou o silêncio com

um aplauso de início pausado, mas

logo intensificado e seguido calorosamente

pelos presentes que lotavam

a igreja Matriz de São Bento. Silvia, a

noiva, garante que foi uma linda inovação.

Imaginem um grupo de choro,

na época, tocando dentro da igreja.

Em 2001, foram tocar em Santa

Rita do Passa Quatro, na Semana do

Francisco Egydio, Carlinhos e

Jamelão em show na seresta

Zequinha de Abreu. O grupo chegou

na hora do almoço e recebeu a indicação

da rua que deveria subir para

chegar no restaurante. Era a rua principal

e horário de muito movimento.

Os músicos resolveram subir a rua

a pé e tocando. As pessoas saiam

das lojas para ver e aplaudir o grupo

passar. A tarde foram visitar e tocar

num hospital. Recordam que entre as

músicas apresentadas, atendendo ao

pedido do administrador do hospital,

o Flávio cantou Tardes de Lindóia. E

à noite foram tocar na praça onde

ficava a estação do trem. Com a praça

cheia, o Flávio pegou o microfone e foi

cantar entre as pessoas que passaram

a cantar juntos com ele.

Em 1981 o Itamar, pandeirista

do grupo, e alguns amigos resolveram

empresariar e contrataram uma

dupla em início de carreira, até então

pouco conhecida do grande público,

Chitãozinho e Chororó, para um

show no SESI em Catanduva. Para a

abertura do evento, o Itamar levou o

Pedaços de Choro que deveria tocar

por uma hora, até a entrada dos

artistas principais. Na hora marcada

o espetáculo começou sem a presença

do público. O grupo tocou por

uma hora e nada do público aparecer.

Continuaram tocando por mais meia

hora e como não aparecia ninguém

o Itamar resolveu encerrar a apresentação;

os músicos foram sentar

na plateia esperando a dupla que

hoje goza de tão merecido sucesso

internacional. Vejam só, o show não

aconteceu por falta de público.

61|


Flávio Módolo Júnior

passou a fazer parte

do grupo figurando

ao lado de Gê Negão,

Carlinhos, Flávio, Tinho,

Marquinhos e Peru

O grupo foi convidado para se

apresentar no SESC Araraquara,

para o pessoal da terceira idade.

Faltando três dias para o evento, o

Flávio foi até o SESC acertar detalhes

como iluminação, posição no

palco, aparelhagem e microfones,

quando foi informado que o show

deveria ser uma homenagem ao

humorista, ator, cantor e compositor,

o grande Adoniran Barbosa. Ficou

apavorado por que isso não havia

sido combinado. Então passou duas

noites estruturando e escrevendo

um roteiro e finalmente produziu o

espetáculo. Flávio contava as histórias

que envolviam as músicas e a

carreira do Adoniran e interpretava

junto com o grupo as suas composições.

Itamar, Gê Negão e

Carlinhos durante

uma apresentação

em nossa cidade

O anfiteatro do SESC estava

lotado com o pessoal da terceira

idade, mas ficou ainda mais cheio

com a chegada de uma grande quantidade

de jovens com cerca de 16 ou

17 anos, que haviam terminado suas

atividades esportivas. Flávio conta

que, com uma certa preocupação,

comentou com os músicos: “Estamos

aqui tocando para os velhos e chegam

esses jovens . . . não sei como

vai ser”. Mas para surpresa geral do

grupo, os jovens gostaram tanto que,

no final do espetáculo vieram perguntar

onde iam tocar novamente

e dias depois quando foram tocar

no Celeiro Choperia, lá estavam os

jovens aplaudindo. Aprenderam

então que o jovem precisa ter a

oportunidade de ouvir a música para

poder dizer gosto ou não gosto.

Outra curiosidade: Flávio lembra

que na década de 80 havia um

programa na Rádio Difusora de São

Paulo, de nome “Rua da Saudade

1.040” (1.040 era o prefixo da emissora)

onde o seu apresentador, o

famoso radialista José de Pádua

Reis costumava dizer: “Tem música

que é música e tem música que não

é música” ou seja, tem músicas criadas

há muito tempo que em razão

da beleza das suas melodias e harmonias,

como Tico Tico no Fubá,

Aquarela do Brasil e tantas outras,

apesar do tempo que se passou todo

mundo conhece.

Francisco Egydio,

Carlos José, Flávio

Módolo, Carlinhos

Bersanetti, Roberto

Luna e Ataulfo Alves

Júnior, antes de serem

chamados para um

show na 8ª Seresta a

Caminho do Sol

|62


63|


VIP

VIDA SOCIAL por Maribel Santos

É preciso renovar a esperança!

Olá, querido leitor! Os dias não correm, eles voam. Iniciamos junho e dias atrás estávamos

em janeiro, não é mesmo? Perdemos a noção do tempo e com ele tantas outras

coisas estão se perdendo ao longo do caminho. E para mim a pior das perdas, é perder-se

de si. Estamos distantes do que deveríamos ser como pessoas, como indivíduos, como

seres racionais, como cristãos. Cada vez mais egoístas, nos fechamos como conchas e nos

doamos cada vez menos. Impera o egocentrismo, a vaidade, a arrogância, a intolerância

e o desamor. O universo virtual rouba vidas, as pessoas estão cada vez mais dependentes

das redes sociais e por consequência, doentes, e ainda não se deram conta. Vale mais

uma “selfie” do que a companhia

e a conversa. Mas, como sou uma

eterna otimista e acredito nas relações

humanas, continuo apreciando

a boa prosa, olhos nos olhos,

ótima companhia de pessoas queridas

e a elegância em ser discreta.

Namastê!

Tatiana Fernandes e

Edinei Viruel Sarbo

Super MULHER

EMPREENDEDORA

Maria Aparecida de Paula é uma

mulher de negócios. Conhecida como

Paula, a empreendedora é formada em

gestão financeira de empresas, mas atua

como consultora de produtos de beleza

Natura e também como consultora de

produtos eróticos e sensuais da empresa

“A Sós”. Quebrando tabus, Paula faz

reuniões para o público feminino

apresentando seus produtos e abordando

a sensualidade com o objetivo de melhorar

a vida das pessoas e seus relacionamentos.

Consultoria: 16 99153.1205

Valoroza-Sexy

paula.naturavaloroza

@mpaula_valoroza

Fotos: Marcela Campos

Nesely

Caride

Mascia e

Antonio

Marcos

Mascia

Silvia e

Fábio Lorena

|64


A Crocs Araraquara comemorou 3 anos de

sucesso em nossa cidade no dia 25 de maio e

recebeu amigos e clientes para festejar a data.

Equipe Crocs Araraquara

65|


Maribel Santos

VIPS

EM DESTAQUE

Fábio de Carvalho e seu pai

Sebastião Antonio Aparecido

de Carvalho inauguram no

próximo dia 28 de junho, a

nova Casa de Carnes Carvalho,

fundada em 16 de novembro

de 1984. E para coroar os

trinta e cinco anos de fundação,

oferecem ao público além do

excelente atendimento, produtos

de qualidade, um espaço amplo e

equipado com o que há de melhor

e mais moderno no mercado.

Parabéns, família Carvalho!

Roberta

Ferrari,

Magda

Lopes e

Janaína

Catto

Carolina Hoffmann e Henrique Hoffmann

Alan Salheb é o novo

gerente comercial

da Contemporanea

Planejados, e é também

um talentoso chef de

cozinha. Alan preparou

delícias que foram servidas

com muito capricho no

1º Brunch de Negócios da

loja, que recebeu no dia

25 de maio o grupo Super

Mulheres Empreendedoras

de Araraquara.

Aline Carrascosa e Márcia Maria Costantini Borges

|66


67|


VITRINE

VITRINE

MÃOS À OBRA

DA REDAÇÃO

JOÃO CARLOS

Encontro marcou autorização

para o início das obras do

Residencial Volpi

Empresário Paulo

de Queiroz, que

assina Monobloco,

conceituada rede

de autocenter,

filha Jamily e

esposa Rita

comemorando em

maio aniversário

do caçula Paulinho

Imobiliárias e

corretores parceiros

do Volpi

Meeting Volpi,

“Liberado

para construir”

em uma das

regiões mais

nobres de

Araraquara

Equipe que trabalhou na comercialização dos

lotes existentes no Residencial Volpi

ANIVERSÁRIOS

Junho|2019

A diretoria do SINCOMERCIO cumprimenta todos os aniversariantes

DATA

NOME

EMPRESA

DATA

NOME

EMPRESA

01/06

02/06

04/06

04/06

05/06

05/06

06/06

06/06

06/06

06/07

07/06

09/06

10/06

10/06

11/06

11/06

11/06

12/06

13/06

14/06

Suelen Regina Enzeacomo

Luzia Nucci Garitta

Ademir Barbosa dos Santos

João Luiz Ribeiro Santos

Luis Augusto Delfini

Tarso Esteves Rodrigues

Henrique Luis Carrascossi

Irineu Ramos Júnior

Mayara Cristina Jacon

Marilucia Furlan Teixeira

Carlos Donizetti Siqueira

Jaqueline Cristina Branco

Antonio Bruno Montoro

Giacomo Dalla Vecchia

Carlos do Nascimento

Paulo André Alves Pinto

Ronaldo Hercílio Mattos

Rafael Antonio de Jesus

Antonia Carvalho Pilon

Alfredo Haddad Neto

Girassol Modas

Remo Garitta

Maquifísica

Imob. São Paulo

Esc. Contar de Contabilidade

Megabat Baterias

Chefor

Multi Catálogos

AJ Citrus

Furlan & Furlan

Empresarial Serviços Contábeis

Jacke Shoes Calçados e Bolsas

Rádio Morada do Sol

Lojas Cem

Nascimento Soluções Emp.

Vilacopos

R M Telecomunicações

Poe no Pé Calçados

Jopasa

HDZ Imóveis

15/06

16/06

16/06

18/06

19/06

19/06

19/06

20/06

21/06

21/06

24/06

25/06

25/06

26/06

27/06

27/06

27/06

28/06

29/06

30/06

Carlos Massayuki Miyai

Cláudia Guzzi Biagioni

Wanderley Godoy Oliveira

Luis Fávero de Souza

Denise Gonçalves Roseghini

Neusa Santana

Roberto Donizeti Braguini

João Gossain

Laércio Grili Grande

Silvia Mahfuz

Clélia Andrade Santos

Jolindo B. A. Freitas

Reginaldo Fernando Jorgin

Luciana Cristina Caetano

Dorival Rodrigues Júnior

Fausto Itamar Zana

Paulo Pacchiega

Sonia Cristina da Silva

Leonardo Ferraz de Almeida

Antonio Donizete dos Santos

Big Real

Esc. Gaspar de Contabilidade

Esc. WGO de Contabilidade

Grafite Papelaria

Sucos Naturais da Rua 04

Quatro Estações

Blocos Belfort

Mercearia Avenida

Comércio e Repres. Grili Grande

J Mahfuz

Clélia

Folha da Cidade

Agaeli Distr. Peças

Lojas Certeza

Turística Sonhomeu

JPC Assessoria Empresarial

Escritório Real de Contabilidade

Casa Deliza

Shoemix Calçados

Zetti Auto Peças

|68


FACULDADES LOGATTI

Alunos realizaram a 6ª Feira de Negócios em maio

A história das Faculdades

Logatti, instituição de ensino,

criada a partir da crescente

necessidade de técnicos e

engenheiros capacitados, se

confunde com a da tecnologia

em Araraquara. Hoje é uma

das organizações de ensino

mais respeitadas do interior.

IBIS STILES

Grupo acaba de inaugurar em

Araraquara a sua segunda unidade

hoteleira, na Avenida Padre José de

Anchieta, 1561, Vila Guaianazes

A feira reuniu

vários grupos

de trabalhos

e cujos

produtos

ficaram

expostos

durante o

evento

NO CELEIRO

Na verdade a escola foi fundada

em 1946 e seu objetivo inicial

era formar mão-de-obra para

atender os cafeicultores da nossa

região.

Wilton Costa, gerente de Contas da rede e

Livia Braganholo, gerente da unidade local

Integrantes da rede Ibis que se fortalece no

setor hoteleiro em nossa cidade

Os proprietários Ricardo e Renata Mariano

Luiz Andia Filho,

gerente regional do Sebrae

O Celeiro sempre foi

importante point da cidade,

pela qualidade dos seus pratos

e o atendimento atencioso.

Solange Tanache, Marcia

Regina, Adriana Barboza,

Maricleia Martini, Marli

Barboza e Lilian Salvati são

clientes assíduas do Celeiro

Baptista

Masiero

Neto

Engenheiro Ivo Moroni, que comanda

a Pavisolo, em evento realizado na

cidade

69|


Luís Carlos

BEDRAN

Sociólogo e cronista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

Perigosas e temidas

Vocês que apreciaram muito as reportagens

e as fotos desta bela revista

e que, ao final, começaram a suportar

este escriba nesta última página, não

deixam de ter excelente nível cultural

e, além disso, são pessoas ligadas a

tudo o que acontece no mundo pela

internet.

Não é bajulação, mas a pura realidade.

Pois não se concebe que não

tenham opinião formada sobre quase

tudo o que se passa atualmente em

nosso país, principalmente nas áreas

da economia e da política.

Não há mínima pretensão deste

cronista em tentar modificar qualquer

modo de pensar. Aliás, até já teve,

uma tarefa inútil. Hoje, segue Saramago:

“Aprendi a não tentar convencer

ninguém. O trabalho de convencer é

uma falta de respeito, é uma tentativa

de colonização do outro”. No entanto,

também ousa modestamente dar sua

opinião, porque não consegue entender

um governo que disse que irá diminuir

o investimento de recursos nos

estudos das Ciências Humanas.

Dentre elas, sem esquecer outras,

como a Antropologia ou as Ciências

Sociais, que são importantíssimas para

pesquisar temas que abrangem o crescimento

populacional, a pobreza ou a

violência, pode-se afirmar que a mais

importante de todas, fundamental

mesmo, é o estudo da Filosofia.

Porque ela é a base de tudo, desde

nossas convicções sobre o que é

possível e imaginável, até prosaicamente

sobre nossos comportamentos

na vida em sociedade. E isso vem

de longe, de há pelo menos uns 2500

anos, das ideias dos filósofos da Grécia

antiga que influenciaram toda a civilização

ocidental.

E não somente nossa visão de

mundo, como também as religiões

cristã e judaica. Nos tempos atuais

grandes dúvidas surgem constantemente

sobre posições éticas de experimentos

científicos, entre tantas

outras, que devem ser estudadas e

bem avaliadas para que a humanidade

possa viver sem sobressaltos.

E atrás de toda e qualquer opinião

ou posição tomada por alguém, previamente

há um fundamento filosófico.

Qualquer que seja, política ou até

mesmo religiosa. Daí a razão pela qual

o conhecimento intelectual, o debate

sobre tantos assuntos e divergências

de ideias podem nos levar a um entendimento

comum, bom para as pessoas

e para o País.

Querer tolher tais estudos nas

universidades, reduzir recursos para

o desenvolvimento de ideias, restringir

a esperança da juventude ávida

em querer entender o que se passa

no País e no mundo, não deixa de ser

uma posição tomada a priori, absolutamente

discutível, ou seja, filosófica.

São disciplinas consideradas “perigosas”:

a Sociologia porque consegue

ver o que está escondido, avaliar

a aparência e ir a fundo no conteúdo; a

Filosofia, então, porque consegue decidir

racionalmente uma questão, e,

através de um debate dialético, expor

pontos de vista que podem melhorar

a humanidade.

Claro que nenhum filósofo, por

mais esdruxulas que sejam suas ideias,

quer destruir o mundo. Pode até achar,

como o existencialista Camus - que foi

partisan contra a ocupação nazista na

França - que só há um problema filosófico

verdadeiramente sério: o suicídio.

Talvez muito mais perigosa que

a filosofia seja a religião, também da

área das humanas, o que já se provou

historicamente. Mais ainda a política,

considerada a luta pelo poder, que

também tem levado a humanidade

ao desespero, à miséria, ao caos. E por

detrás dessa luta, há um fundamento

filosófico que também abrange a

psicologia: tentar conhecer as razões

pelas quais o homem é o lobo do próprio

homem.

Embora sob a alegação de contingenciamento

de verbas do MEC, o

governo revela um temor infundado.

Sob outra forma, está a fazer o mesmo

que os governos do PT tentaram

fazer, mutatis mutandis, ao proporem

a regulamentação da mídia, imprensa,

meios de comunicação, redes sociais

e não conseguiram graças à reação da

sociedade.

Governos autoritários não têm interesse

em alfabetizar o povo, querem

deixá-lo na ignorância para evitar contestações

e censuram a imprensa para

não serem criticados. Nas democracias

deve haver ampla liberdade de manifestação

de pensamento para que

possamos conhecer o que acontece

no País e, sobretudo permitir que o

conhecimento adquirido nas universidades

da área das humanas não haja

restrições.

Não há por que ter medo da Filosofia.

Mesmo porque na terra de Macunaíma,

sob os trópicos, nas redes ou

debaixo dos lençóis, não se consegue

ter tanto tempo para refletir sobre a

vida. Em toda a nossa história, contam-se

nos dedos o número de filósofos,

ao contrário dos existentes nos

frios países europeus.

E se acaso encontrado

uma sumidade

nessa área, certamente

receberá o Prêmio

Nobel da Paz e nosso

país ficará famoso

como exemplo para

todos os outros...

|70


71|


cadernos

personalizados

FOLDERS &

CATALOGOS

|72

More magazines by this user
Similar magazines