EBOOK_BOAS PRATICAS_

mecanografica1

E-BOOK DE

BOAS PRÁTICAS

INSPETORIA

MADRE MAZZARELLO

BELO HORIZONTE -MG


INTRODUÇÃO

Hoje, podemos transformar a sala de aula em um ambiente de

interatividade no qual a pesquisa, as descobertas e as trocas de

experiências acontecem na reciprocidade. É possível, neste

clima, desenvolver competências e habilidades em todas as

disciplinas.

É importante destacar que essa interação comunicativa

contribui eficazmente para a aprendizagem, levando os alunos a

sistematizarem conteúdos por meio de projetos inovadores que

favoreçam uma visão global de mundo e, ao mesmo tempo,

possibilita a integração do sujeito em seu ambiente concreto de

atuação.

Neste contexto de aprendizagem, podemos assegurar

projetos que favoreçam também as relações, a consolidação de

valores, como o respeito, a responsabilidade, a autonomia, a

cooperação e a solidariedade, desafios que caracterizam a

Educação Salesiana.

Algumas das propostas apresentadas neste e-book foram o

plantio das sementes de Girassóis, reflexões sobre o Papel da

Mulher na Sociedade Medieval contada por meio de animação,

Criação de Destiladores em uma experiência fantástica dos

jovens cientistas e a compreensão da produção da

cana-de-açúcar no período colonial utilizando o aplicativo Plickers

e a plataforma Kahoot. Para finalizar, o projeto Armário da

Economia e da Solidariedade reforça a mudança de atitudes e

comportamentos.

Todos esses projetos foram enriquecedores, fortalecendo os

processos pedagógicos, aliados às intervenções a partir de uma

base teórica educomunicativa e de reflexões sobre os recursos

tecnológicos como ferramentas em prol da aprendizagem nas

unidades educativas da Inspetoria Madre Mazzarello.


SUMÁRIO

ARMÁRIO DA ECONOMIA E DA SOLIDARIEDADE

Justificativa

Critérios Educomunicativos

Critérios para Elaborar o Projeto

Objetivo Geral

Objetivos Específicos

Momento Vivencial ou Experiencial da Proposta

Avaliação

Depoimentos

Fotos

CRIAÇÃO DE DESTILADORES

Justificativa

Critérios Educomunicativos

Critérios para Elaborar o Projeto

Objetivo Geral

Objetivos Específicos

Momento Vivencial ou Experiencial da Proposta

Avaliação

Depoimentos

Fotos

Referências

EXPLORANDO NOVAS TECNOLOGIAS

Justificativa

Critérios Educomunicativos

Critérios para Elaborar o Projeto

Objetivo Geral

Objetivos Específicos

06

07

08

09

10

11

12

14

15

18

20

21

22

23

24

25

26

27

28

30

31

32

33

34

35

36

37


Momento Vivencial ou Experiencial da Proposta

Avaliação

Fotos

Referências

MULHER DA IDADE MÉDIA

Justificativa

Critérios Educomunicativos

Critérios para Elaborar o Projeto

Objetivo Geral

Objetivos Específicos

Momento Vivencial ou Experiencial da Proposta

Avaliação

Depoimentos

Fotos

Referências

PLANTIO DE SEMENTES DE GIRASSOL

Justificativa

Critérios Educomunicativos

Critérios para Elaborar o Projeto

Objetivo Geral

Objetivos Específicos

Momento Vivencial ou Experiencial da Proposta

Avaliação

Depoimentos

Fotos

38

39

40

41

42

43

45

46

47

48

49

50

51

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

65


INSPETORIA

MADRE MAZZARELLO

BELO HORIZONTE -MG


Educador:

Adriana Cristina

Coordenação Pedagógica:

Elenice Moreira

Orientadora Educacional:

Ana Cristina de Almeida

ARMÁRIO DA

ECONOMIA E DA

SOLIDARIEDADE

6


JustificATIVA

O mundo precisa de seres humanos mais humanos. Nesta

perspectiva, elaboramos uma proposta na qual experiências

solidárias e voluntárias oportunizaram reflexões com bases reais e

significativas aos alunos que, inseridos em contextos sociais

diversos da nossa cidade, às vezes não percebem o quanto são

sofridos e injustos.

Nosso projeto apresentou duas abordagens sociais, ou seja, o

ato de doar algo em bom estado para arrecadação de valor em

dinheiro e, posteriormente, reverter esse montante em uma ação

solidária, ao final, de doação material.

Em meio a estas duas abordagens, algumas intervenções

corpo a corpo aconteceram e mostraram para os jovens o quanto

eles podem contribuir sendo protagonistas nesta sociedade.

Valores e doações não estavam presentes na maioria das etapas,

mas encontros, diálogos e troca de sentimentos. Reforçamos que,

para educarmos financeiramente, o caminho pode ser ampliado e

percorrido tendo perspectivas diferentes dos habituais: Investir em

tempo para o outro; atribuir o valor agregado às coisas e às

situações; nem sempre precisamos empregar dinheiro para obter

grandes conquistas e realizar sonhos.

É importante promover conhecimento embasado em

simulações e aprendizagens reais, assim, a mudança de

comportamento que desejamos será possível e fará a diferença.

7


Critérios

Participação de todos os envolvidos.

Intencionalidade educomunicativa.

Continuidade e processualidade.

Repercussão social.

Qualificação do Ecossistema Educativo.

8


Critérios PARA

ELABORAR O PROJETO





Análise e seleção de uma proposta significativa para

o trabalho com a Educação Financeira.

Realização de propostas interdisciplinares

e significativas para a instituição, envolvendo

Educomunicação, Pedagógico e Pastoral.

Visualização de oportunidade de intervenções e de

marketing na cidade e de parcerias com instituições

renomadas.

Beneficiar pessoas e instituições em situação de

vulnerabilidade social.

9


OBJETIVO GERAL

Oportunizar, aos alunos e à comunidade escolar,

experiências relacionadas a questões

financeiras, atreladas a atitudes solidárias e

voluntárias.

10


OBJETIVOS

específicos







Trabalhar os conteúdos do projeto Educação Financeira de

forma prática e real.

Oportunizar experiências de venda, exercitando conteúdos

matemáticos e operações comerciais básicas.

Oportunizar vivências em locais vulneráveis da sociedade,

oferecendo intervenções e relações positivas.

Diagnosticar espaços de vulnerabilidade social na realidade

inserida.

Investir o valor arrecadado nas vendas do armário em

benefício a uma instituição da cidade.

Envolver a comunidade escolar e a comunidade do oratório

Madre Madalena Morano nas ações promovidas

mensalmente.

11


Momento vivencial ou

experiencial da proposta

Mensalmente foi feita a arrecadação dos objetos

pré-definidos para venda no armário da economia e da

solidariedade, registrada em cronograma. Cada doador

ofertava sua mercadoria, atribuindo a ela um valor solidário.

Nas últimas QUINTAS E SEXTAS-FEIRAS de cada mês, o

armário era “aberto” e a turma era a responsável pela

venda dos produtos. A cada mês, a mesma turma, que era

responsável pelas vendas, realizava a ação de voluntariado

já prevista também em cronograma. No final do projeto, um

grande TOPA TUDO foi montado e uma AÇÃO SOCIAL

maior foi realizada a partir da análise das necessidades dos

espaços visitados.

12


13


avaliação

O Projeto Armário da Economia e da Solidariedade foi a

constatação de que a interdisciplinaridade e o viés social

das atividades escolares precisam estar presentes nos

processos educativos. Educar, a partir do tripé

EDUCOMUNICAÇÃO, PEDAGÓGICO E PASTORAL, faz a

diferença e promove o protagonismo dos educadores e dos

educandos.

Práticas bem elaboradas, além de oportunizarem

experiências inesquecíveis que ficarão registradas na

mente e na alma, geram intervenções significativas que

fazem a diferença para a sociedade. Certamente, todos os

envolvidos neste projeto tiveram fortes experiências

educativas financeiras, mas também realizaram ações que

redirecionaram olhares. A partir deste projeto, os

envolvidos, de forma individual, buscarão engajamentos

em outras ações fora do contexto escolar, contribuindo para

que o mundo seja mais justo, solidário e sustentável.

14


DepoimentOS

– Diretora Pedagógica -

Fernanda Alvarenga

“Foi muito significativa a realização deste projeto.

Envolveu e sensibilizou famílias e alunos para

situações reais de vulnerabilidade social da nossa

cidade. O desejo de conhecer e ajudar tomou conta das

turmas que, mesmo não sendo o mês reservado para

intervenção, se mostravam-se disponíveis para

contribuir e conhecer as realidades. A cidade ganhou,

mas os alunos adquiriram uma bagagem especial de

conhecimentos e de vida”

– Coord. da Ação Social -

Ana Cristina de Almeida

“Foi uma iniciativa muito positiva para as duas

obras: escola e ação social. O despertar para a

solidariedade, em vista do bem comum, foi o ápice

do projeto. Constatar a alegria das crianças da

ação social ao receberem, no final do projeto, uma

mesa de Totó para a recreação, me emocionou.

O mais importante não foi a partilha de quem tem

mais para com quem tem menos e sim o olhar

carinhoso e a troca que aconteceu entre as

crianças e os jovens.”

15


– ALUNA -

Ana Luiza Lobato - 8º Ano

“O projeto Armário da Economia e Solidariedade

foi muito legal. Junto com a professora Adriana

cada turma arrecadando uma quantia de dinheiro

a partir da venda de algum produto.

A minha turma (7°ano) ficou responsável pela

venda de comida no intervalo. Arrecadando uma

boa quantia que ajudou bastante os idosos de um

asilo que visitamos. Foi um projeto que agregou um

grande conhecimento sobre finanças, contribuição,

compaixão e gentileza. Em geral, todos nós

gostamos de realiza-lo e estamos gratos

por servir de exemplo para a realização

de outros projetos solidários.”

– Professora -

Adriana Cristina

“Grandes lições de solidariedade!

É exatamente este o resultado que obtive com o

desenvolvimento deste projeto. Estou orgulhosa por

despertar a consciência crítico-social dos alunos,

visando posicionamentos de fraternidade e

reconhecimento de que são a nova força capaz de

humanizar o mundo. Houve estreitamento de relações

entre os alunos, famílias, oratorianos e instituições, o

que reforça que juntos podemos fazer a diferença e

construir um mundo mais justo e fraterno.”

16


– COORD. Pedagógica -

Elenice Moreira

“O trabalho permitiu o contato com realidades

próximas, porém não conhecidas, de pessoas em

situações de vulnerabilidade das mais variadas

formas; o que permitiu aos alunos o

reconhecimento das necessidades do outro e o

desprendimento de tudo aquilo de que

podiam abrir mão para ajudar ao próximo.”

– Animadora de Pastoral -

Fabiana Alvarenga

“Tive a honra de acompanhar de pertinho o trabalho.

Que empenho maravilhoso! A definição do item a ser

partilhado por mês, a organização dos espaços para a

exposição, a confecção das plaquinhas de preços, a

divisão dos horários para interação nas instituições...

tudo bem alinhado e cuidado. Cada centavo arrecadado

era um ponto de luz que só foi aumentando no decorrer

do ano. Dois momentos especiais me emocionaram: o

dia de venda dos quitutes no recreio e o dia da entrega

de materiais de limpeza e higiene na Casa de Repouso

Velho Amigo. A vibração dos adolescentes no "agito

saudável de cada edição do projeto" se tornou oração e

respeito no momento da entrega dos materiais.

Foi simplesmente maravilhoso e isso dá muito

sentido à minha missão.

Feliz de ser SALESIANA BARBACENA”

17


FOTOS

18


19


Educador:

Lucas Venício Garcia

Coordenação Pedagógica:

Tatiane Alves Maciel Barbosa

Orientadora Educacional:

Fernanda Victor

Criação de

Destiladores

20


JustificATIVA

A técnica de destilação é a principal técnica utilizada no

mundo de separação dos componentes de misturas

homogêneas. Dessa forma, o trabalho instiga os estudantes

a desenvolver autonomia no intuito de solucionar problemas

relacionados à construção de aparatos laboratoriais.

Além do mais, esse projeto possibilita a cooperação, o

trabalho em grupo e a exploração de um ambiente de

aprendizagem tão rico como o Laboratório.

21


Critérios

Participação de todos os envolvidos.

Intencionalidade educomunicativa.

Continuidade e processualidade.

Repercussão social.

Qualificação do Ecossistema Educativo.

22


Critérios PARA

ELABORAR O PROJETO



Participação de todos os alunos e alunas da turma da 1ª série

em prática laboratorial, certificando-se dos conceitos

trabalhados em sala de aula.

Desenvolvimento do pensamento crítico e da relação entre

teoria e prática a partir de produtos que fazem parte do

cotidiano dos alunos.



Utilização da tecnologia para aprendizagem.

Utilização de recicláveis para criação de destiladores.



Incentivo ao reaproveitamento em experimentos e no

cotidiano.

Valorização do processo criativo, do trabalho cooperativo e

do protagonismo dos estudantes.

23


OBJETIVO GERAL

Explorar o quanto uma determinada atividade prática dá

sentido ao que foi trabalhado teoricamente na sala de aula.

24


OBJETIVOS

específicos



Construir um aparato de destilação, utilizando materiais

alternativos, que consiga produzir água destilada a partir da

Coca-Cola.

Trabalhar, de forma cooperativa, em projeto criativo e

colaborativo, da prática laboratorial.

25


Momento vivencial ou

experiencial da proposta

Os alunos da primeira série do Ensino Médio do ITV

trabalham, no primeiro trimestre do ano, os principais

métodos de separação de misturas.

Dentre esses métodos, temos a destilação. Essa

técnica consiste em separar, via aquecimento e

condensação, os principais componentes de uma dada

mistura homogênea.

Em um primeiro momento, o conteúdo teórico foi

trabalhado em sala de aula com aulas expositivas e

argumentativas. Após essas aulas iniciais, nossos alunos

participaram de uma aula experimental com o objetivo de

explorar os principais métodos de separação de misturas.

Dessa forma, eles foram divididos em grupos

cooperativos formados por 5 pessoas e orientados a

pesquisar, via Internet, como construir um destilador,

utilizando materiais alternativos.

Ao final de três semanas, cada grupo se reuniu no

Laboratório Científico e Tecnológico do ITV e colocou em

prática seu projeto.

Cada grupo teve uma alegria muito grande quando a

“primeira gotinha de água destilada pingou do

condensador” – reforça o professor e técnico do

Laboratório, Lucas Garcia.

Ao todo, desde as aulas teóricas, aula experimental e

apresentação do projeto, tivemos um mês de trabalho.

26


avaliação

O Projeto “Criação de Destiladores” despertou o

protagonismo nos educandos, dentro de uma percepção e

atitude sustentável na elaboração de uma proposta

diferenciada do grupo.

Os estudantes compreenderam a teoria estudada na

prática, envolvendo-se em todo o processo de criação e

apresentação do projeto, sob o enfoque educomunicativo,

transformando-os em sujeitos engajados em ações

concretas, capazes de criar condições propícias de

mudanças consideráveis na sociedade em que fazem

parte.

27


DepoimentOS

– PROFESSOR -

LUCAS VENÍCIO GARCIA

“A sensação é incrível ao realizar uma proposta

dessa natureza. Ver na sinergia completa entre

teoria e prática é satisfatório. Dessa forma, os

alunos conseguem ver o verdadeiro sentido de

aplicar a teoria em experimentos e, na prática,

compreender a Química.”

– AlUNA -

Rayssa Hungria - 1 ª série C

“Participar do trabalho em grupo dos Destiladores

proporcionou melhor entendimento do conteúdo e,

com isso, discutimos coletivamente a melhor forma

de criar o projeto e elaborar um trabalho a muitas

mãos. Também, através desse projeto, foi possível

compreender o funcionamento de outros

equipamentos e estudar na prática.”

28


– AlUNO -

Breno Carvalho - 1ª série B

“Realizar o projeto de Destiladores foi bastante

válido, pois, colocando em prática os conceitos

vistos em aula, percebe-se uma realidade diferente,

a qual podemos perceber a aplicação de

exemplares como este em meios reais.”

- Coord. Pedagógica -

Tatiane MACIEL

– orient. educacional -

Fernanda Victor

“Ficamos muito felizes em ver os alunos criando

projetos e fazendo experimentos semanalmente no

nosso Laboratório Científico e Tecnológico. Também

foi possível perceber o quanto eles precisam de

momentos e trabalhos de socialização para respeito

às diferenças, autonomia, distribuição de liderança e

protagonismo. Em oportunidades assim, os

estudantes já se preparam para desenvolvimento e

participação em projetos científicos e acadêmicos.

Parabenizamos o professor Lucas Garcia e os alunos

da 1ª série em 2019 nessa proposta que gerou

trabalhos muito criativos.”

29


FOTOS

30


REFERÊNCIAS

ANTUNES, M. T. Ser Protagonista - Química. São Paulo:

Edições SM, v. 1, 2013.

Frois Sérgio et al. Química 1º ano, 2 ed. Brasília: Edebê

Brasil, 2017.

LUIZ, W.P.S; SOUZA, G.M. Química Cidadã: Vol.1. 2 ed, São

Paulo: Editora AJS, 2013.

Maria Auxiliadora, Filhas. Culturas Juvenis na Ótica da

Educomunicação. Brasília, DF: EDB, 2014. p. 37.

31


Turmas do Ensino Fundamental I:

Do 4º ano

Coordenação Pedagógica:

Alda Marques

Orientadora Educacional:

Maria Tereza Linhares

EXPLORANDO NOVAS

TECNOLOGIAS

32


JustificATIVA

O professor deve ser o facilitador no processo de

ensino-aprendizagem e deve levar seu aluno a ser pensante

e proativo. Para proporcionar aulas mais interessantes, foi

desenvolvido este projeto, que apresenta alguns conteúdos

nas disciplinas de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências

Humanas e da Natureza ministradas no 4º ano do Ensino

Fundamental I.

O uso da tecnologia favorece a interação entre os alunos.

Mesmo os considerados tímidos, conseguem interagir por

meio de ferramentas tecnológicas.

Ao fazerem atividades em pares ou grupos, a tecnologia

permite que todos expressem seus conhecimentos, deem

opiniões, o que traz à tona a experiência prévia de cada um e

os motiva ainda mais, pois sentem-se parte ativa e

importante do processo de aprendizagem.

Os recursos tecnológicos utilizados no processo de

ensino pelo professor e na aprendizagem dos alunos revelam

a importância e a contribuição nas atividades em sala de

aula: alunos mais motivados, inseridos em um processo de

curiosidade, de pesquisa, de reflexão em tempo real,

desenvolvendo o senso crítico e tornando-se partícipe e

sujeito do processo.

É o trabalho e o suporte da tecnologia no espaço escolar

proporcionando um espaço de interação, o aumento do

diálogo entre professores e alunos e a ampliação do espaço

da sala de aula, já que o contato pode ser realizado também

fora do horário escolar.

33


Critérios

Participação de todos os envolvidos.

Intencionalidade educomunicativa.

Continuidade e processualidade.

Repercussão social.

Qualificação do Ecossistema Educativo.

34


Critérios PARA

ELABORAR O PROJETO

Este projeto foi elaborado para abordar os conteúdos

trabalhados na unidade 2 da coleção dos livros didáticos da

Editora Edebê. As educadoras do 4º ano do Ensino

Fundamental I selecionaram alguns conteúdos e

organizaram atividades em algumas ferramentas digitais

disponíveis. O trabalho realizado mostrou como a tecnologia

contribui positivamente no processo de aprendizagem dos

alunos.

É uma proposta que terá continuidade, pois foi uma

experiência bastante satisfatória e atrativa de abordar os

conteúdos da série.

O projeto teve uma grande repercussão na comunidade

educativa, visto que as crianças passaram a chegar à escola

com muita expectativa para as aulas e ainda motivando

alunos e professores de outras séries a desenvolverem

também atividades utilizando as ferramentas digitais.

35


OBJETIVO GERAL

Trabalhar os conteúdos propostos no material didático da

Editora Edebê de forma mais atraente, utilizando algumas

ferramentas tecnológicas apresentadas no Projeto Crescer

em Rede.

36


OBJETIVOS

específicos






Conhecer as atividades econômicas praticadas no Brasil

desde o início da colonização utilizando como ferramenta o

Plickers.

Conhecer a estrutura dos engenhos por meio do Edilim.

Classificar os substantivos comuns, próprios, primitivos e

derivados utilizando as atividades criadas no Edilim.

Trabalhar com a ideia de tempo dentro do período histórico

estudado nas aulas de ciências através do Kahoot.

Explorar virtudes e valores por meio do Google Forms.

37


Momento vivencial ou

experiencial da proposta

Após explorar as atividades propostas nos materiais

didáticos da Edebê, a educadora utilizou variadas

ferramentas para trabalhar os temas abordados na unidade

2 de cada livro.

Com o objetivo de trabalhar a produção da

cana-de-açúcar no Brasil desde a colonização, os alunos

desenvolveram atividades pelo Plickers.

Para demonstrar como o trabalho nos engenhos era

desenvolvido, a educadora organizou algumas atividades

no Edilim. Para explorar os conteúdos de maneira

interdisciplinar, foi abordado nessa aula o conteúdo sobre

substantivo.

Com o objetivo de explorar a ideia de tempo, os alunos

utilizaram o Kahoot para desenvolver as atividades. Além

de explorar a ideia de tempo dentro do trabalho nos

engenhos.

Para finalizar o trabalho sobre a produção do açúcar no

Brasil, a educadora utilizou o assunto explorado nas aulas

de Ensino Religioso para trabalhar os valores e virtudes das

pessoas do engenho. Tinha como ponto principal abordar

as atitudes dos escravos, senhores do engenho e dos

feitores. A educadora utilizou o formulário do Google.

38


avaliação

A escola é um espaço para que as crianças possam

adquirir, trocar informações e conhecimentos, dentro de

uma linguagem própria, necessária para uma comunicação

eficaz e produtora de comportamentos e atitudes positivas.

Deparamos com a necessidade de preparar os alunos para

utilizar os meios, inserindo no cotidiano escolar a utilização

de novas tecnologias, saber advindos da inter-relação

comunicação/educação. Nesse sentido, trabalhamos

conteúdos mais densos, utilizando algumas ferramentas

tecnológicas de forma atraente, estimulando e garantindo o

processo ensino-aprendizagem.

O projeto desenvolvido colaborou positivamente para

que os alunos construíssem uma aprendizagem mais

significativa acerca dos conteúdos abordados na unidade 2

dos livros didáticos da editora Edebê e ainda ajudou as

crianças a se sentirem motivadas ao utilizarem a tecnologia

na sala de aula.

39


FOTOS

40


REFERÊNCIAS

Coleção de livros didáticos da Editora Edebê.

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Novas Tecnologias na Sala de

Aula: Melhoria de Ensino ou Inovação Conservadora:

História da Tecnologia Educacional. 1999.

DAMASCENO, José Alves; BRITO, Glaucia da Silva. O uso

das TICs nas aulas de História: e estratégias para inclusão

digital de professores. 2009. Disponível em:

<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivo

s/1414-8.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2014.

MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos, BEHRENS,

Marilda. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed.

São Paulo: Papirus, 2003.

QUARTIERO, Elisa Maria. As tecnologias da informação e

comunicação e a educação. Disponível em: <http://ceiesbc.educacao.ws/pub/index.php/rbie/article/view/2294/2056

>. Acesso em: 18 ago. 2018.

41


Educadores:

Ana Flávia Santana

Carlos Felipe Nardin

Luciana Milene Santos

Coordenadora Pedagógica:

Lucimar Teodoro

Orientadora Educacional:

Cristiane Alves Maciel

MULHER DA IDADE MÉDIA

Desenvolvendo um vídeo para entender

melhor o contexto da mulher na idade média

42


JustificATIVA

Estudar o papel da mulher nos diferentes contextos

históricos é importante, pois nem sempre ela desempenhou

as mesmas funções na sociedade. Se em outras épocas ela

ficava

circunscrita às paredes de sua casa, hoje, a mulher, que

antes era do lar, foi para o mercado

de trabalho objetivando sua autonomia e seu desejo de

agente transformador.

Na Idade Média, a mulher era educada somente para

exercer o papel de dona de casa, mãe

e esposa.

Dessa forma, ela vivia em função do homem, muitas

vezes como uma espécie de

“propriedade” desse, sendo seu tratamento direcionado a

partir da compreensão do

segundo sobre o seu papel para com elas, compreensão

essa “edificada” por uma criação

machista e patriarcalista, presentes nas várias instituições

que continham dentro delas a

pouca valorização do sexo feminino na sociedade.

Reverter tal situação não é algo simples de mudar, já que

essa compreensão do papel da

mulher foi construída durante séculos e se apresenta

cimentada nas sociedades modernas.

Tais comportamentos foram repassados a muitas

43


gerações, e a mudança de perspectiva se mostra como

algo bastante recente na idade pós-moderna, na qual

estamos inseridos. Por esse motivo, é preciso olhar para

essa mulher no passado e compreender que a sua inserção

na sociedade não é fruto do acaso, mesmo tal retorno ao

ssado seja algo doloroso para as mulheres e também para

muitos seguimentos da sociedade, mas é necessário

compreender que tal processo é fruto de muitas lutas e

conquistas. Entendemos ser de fundamental importância

possibilitar aos alunos esta ponte entre passado e

presente, de forma contextualizada para que eles

compreendam os processos históricos, e, mais que isso, se

sintam sujeitos históricos conscientes do seu papel de

construção da história e da sociedade em que vivemos.

No que tange à ciência geográfica no âmbito da série

aqui escolhida para execução do projeto, se deve ao fato de

a história da mulher também se mostrar presente no

processo de formação da nação e do território brasileiro,

pois é impossível dissociar tais relações.

A disciplina caminha para além da relação da sociedade

brasileira com as mulheres, mas que avança para outras

relações, como o índio e o negro, todos esses, exemplos de

uma característica comum, o preconceito, que desde a

antiguidade, passando pela Idade Média e chegando aos

dias atuais, se apresenta como uma barreira na busca de

uma vida de conquistas e dignidade, não sendo mais

necessário perder direitos ou aceitar ofensas para

conquistar o que se deseja.

44


Critérios

Participação de todos os envolvidos.

Intencionalidade educomunicativa.

Continuidade e processualidade.

Repercussão social.

Qualificação do Ecossistema Educativo.

45


Critérios PARA

ELABORAR O PROJETO

Pensando no contexto histórico-social em relação ao

apel da mulher, foi percebida a necessidade de elaborar um

projeto que fosse capaz de aproximar os alunos de duas

realidades diferentes, ou seja, seu papel na Idade Média e o

seu papel na atualidade, buscando explorar as diferenças e

as semelhanças ainda presentes nesse processo de

conquista diárias, vivenciadas pelas mulheres. O papel da

mulher na sociedade medieval ainda está muito vinculado ao

tradicional, aquela mulher que tem por única função a

procriação. Para atingir essa conscientização por parte do

público geral, usa-se o projeto do vídeo como uma

possibilidade que ultrapasse essa perspectiva, levantando

inúmeros questionamentos do papel da mulher ainda na

Idade Média, mas ao mesmo tempo fazer um contraponto

com o papel dessa mulher na atualidade, podendo se tornar

uma ferramenta de mudança.

Sabemos que a escola exerce inúmeras funções para

além do conteúdo propriamente dito, e uma das finalidades

da escola é ajudar os alunos a se tornarem cidadãos

conscientes de que para uma sociedade se desenvolver e

crescer, se faz necessário o respeito incondicional, seja ele

de raça, gênero, credo e tantos outros; assuntos presentes

em todas as disciplinas de forma direta ou indireta, dentro do

conteúdo ou na relação professor/aluno. O ambiente escolar

46


é também local de formação para práticas de convivência

futura, não excluindo aqui a participação da família na

formação do cidadão.

Sendo assim, esse trabalho contou com a participação de

parte da equipe pedagógica que de modo interdisciplinar

(Geografia, História e Língua Portuguesa), buscou

desenvolver a atividade de uma maneira atrativa e próxima

aos alunos com o apoio do PowToon, uma ferramenta virtual

de edição de vídeos.

O projeto ganhou uma grande repercussão dentro da

comunidade educativa, pois além de abordar um assunto

importante, apresentou um novo jeito de fazer vídeos, o que

chamou a atenção dos alunos. A equipe pedagógica

envolvida pretende dar continuidade ao trabalho, pois ainda

será abordado dentro dos conteúdos da série.

OBJETIVO GERAL

O objetivo principal é conhecer o cenário da mulher na

Idade Média e confrontar com os dias atuais, analisar a

evolução do seu espaço geográfico, assim como a presença

delas na formação da identidade do povo brasileiro,

contribuindo na superação dos “obstáculos” modernos e

assim desenvolver um vídeo no PowToon, uma ferramenta

digital que auxilia os alunos na confecção de vídeos atrativos

e interativos, que trabalha a linguagem verbal e não verbal,

elementos trabalhados nas histórias em quadrinhos.

47


OBJETIVOS

específicos










Oportunizar momentos de estímulo à linguagem oral e

escrita.

Compreender o lugar que a mulher ocupava na Idade Média.

Refletir sobre a importância da mulher na construção da

cultura do povo brasileiro.

Analisar o papel da mulher na sociedade contemporânea.

Estimular a autonomia crítica de pensamento.

Introduzir e desenvolver a capacidade de levantar hipóteses

coerentes sobre os textos apresentados.

Expressar oralmente opiniões e conhecimentos.

Entender a ocupação da mulher na sociedade.

Produzir um vídeo utilizando a ferramenta digital conhecida

como PowToon a partirdos estudos realizados sobre a

mulher na Idade Média.

48


Momento vivencial ou

experiencial da proposta

Os alunos utilizaram o material didático digital (MDD)

como poio para realizar os estudos sobre a mulher na

Idade Média. A partir de uma aula expositiva, nas

disciplinas de História e Geografia. Na primeira, com foco

sobre a mulher na Idade Média, pesquisaram o seu papel

na sociedade atual e assim estabeleceram uma relação; já

na segunda disciplina, o direcionamento da aula foi para a

formação do território brasileiro desde as grandes

navegações até os dias atuais, permeando discussões

sobre a visão do homem sobre a mulher, uma vez que ao

longo da história do Brasil, pouco se faz presente nos livros

didáticos. E sua luta, durante todo esse período, foi

silenciosa e nem por isso menos importante, uma vez que

essas precisavam ser mais “fortes” do que muitos

navegadores ou soldados, pois pensar diferente e lutar por

igualdade era e ainda é algo compreendido por poucos.

Após a organização das informações, os alunos

utilizaram o PowToon (uma ferramenta virtual de edição de

vídeos) para confeccionar um vídeo interativo, pois é

entendido que a melhor maneira para um aprendizado

significativo é quando o aluno passa da característica de

receptor de informação para uma condição de protagonista,

pois é importante expor suas ideias de forma didática,

49


visando atingir o máximo de compreensão por parte das

pessoas que os “assistem”, sendo também necessária a

avaliação do professor, em razão de que o estudante

mostre, dentro de suas possibilidades, o quanto ele

absorveu das disciplinas.

avaliação

O projeto desenvolvido colaborou positivamente para

que os alunos construíssem uma relação significativa entre

o papel da mulher na Idade Média e atualmente. Além da

construção do conhecimento sobre o assunto, os alunos

desenvolveram habilidades e competências relacionadas a

pesquisas e trabalho em equipe. Produziram um vídeo em

uma ferramenta virtual que ainda não conheciam e

demonstraram domínio nessa tecnologia e

vontade em aprender mais.

50


DepoimentOS

– AlUNO -

Gustavo Vidigal - 7ºano a

“Eu aprendi muito mais sobre mulheres na

Idade Média, pois durante as pesquisas

surgiram várias dúvidas e quanto mais

dúvidas apareciam, mais conhecimento eu

adquiria. Além de aprender muito com minhas

buscas, eu achei divertido pegar minhas

informações e fazer um vídeo explicativo com

elas, é um jeito mais divertido de estudar.”

– AlUNA -

Ana Vitória Chagas - 7º ANO B

“A atividade sobre o tema O papel da mulher na

Idade Média, utilizando o aplicativo “PowToon” foi

muito diferente do convencional.

Não foi simplesmente elaborar um esquema

resumo no caderno, foi muito mais do que isso!

Com essa atividade, além de aprendermos sobre

o tema, experimentamos ferramentas novas e

extraordinárias. Foi um momento de diversão e

aprendizado.”

51


– AlUNA -

Ana Laura Barcelos – 7º ano A

“Eu adorei fazer o vídeo no PowToon, pois é

uma ferramenta interativa e ajuda bastante na

hora de aprender os conteúdos. O tema do

vídeo foi “O papel da Mulher”. Abordei sobre a

mulher na Idade Média e também nos dias

atuais. Foi bem interessante colocar músicas,

imagens e informações sobre o assunto.”

– AlUNO -

Luigi Carrijo Maciel – 7º ano A

“Para mim, desenvolver esta atividade foi

muito bom, pois trouxe a tecnologia e a

interatividade para o conteúdo estudado.

O PowToon é fácil, rápido e prático.

Ele ajuda a produzir vídeos e a fixar os

conteúdos das aulas.”

– AlUNO -

JOÃO PEDRO SALES – 7º ano C

“Foi uma ótima experiência realizar esse

trabalho, pois aprendi muito sobre o papel da

mulher na sociedade e a escolha em utilizar o

PowToon contribuiu para ficar mais

chamativo e diferente.”

52


FOTOS

53


REFERÊNCIAS

DUBY, Georges. As damas do século XII.

GOFF, Le Jacques. Homens e Mulheres na Idade Média.

MEZOMMO, Marília. História 7º ano. Brasília: Edebê Brasil,

2015.

SANTIS, DIRCE GRANDO DIAZ. Geografia 7º ano. Brasília:

Edebê, Brasil, 2015.

54


Turmas da Educação infantil:

Maternal ao Infantil III

Coordenação Pedagógica:

Rose Nunes

Orientação Pedagógica:

Muriel Resende

55


JustificATIVA

A Educação Infantil realizou, no começo do ano, um

movimento de plantio de girassol para contextualizar o nome

do material didático, “Girolhar”, e para apresentar às crianças

os personagens que fazem parte desse material: girassol,

margarida e dente-de-leão.

O plantio das sementes de girassol permitiu abordar com

as crianças as características dessa planta, os elementos

necessários para realizar o plantio e também o que seria

necessário para que a planta nasça, cresça e se desenvolva.

Durante a preparação para o plantio, rodas de conversas

foram realizadas para que se pudesse colher as hipóteses

das crianças em relação à planta, ao plantio e ao crescimento

da planta. As crianças poderão acompanhar de

perto cada etapa de desenvolvimento do girassol.

56


Critérios

Participação de todos os envolvidos.

Intencionalidade educomunicativa.

Continuidade e processualidade.

Repercussão social.

Qualificação do Ecossistema Educativo.

57


Critérios PARA

ELABORAR O PROJETO

Todas as turmas da Educação Infantil estiveram

envolvidas na atividade, do Maternal ao Infantil 3.

Para a elaboração do projeto, nos respaldamos nos

objetivos pertinentes à Educação Infantil

e também ao objetivo principal que foi contextualizar, por

meio da prática, o nome do Material Girolhar.

O trabalho pedagógico realizado com as crianças na

Educação Infantil requer um olhar especial dos profissionais,

pois as atividades propostas bem como o material Girolhar

exigem uma ressignificação da nossa prática educativa

diária. O protagonismo da criança diante das propostas

realizadas é de extrema relevância. Assim, poderemos, com

essa atividade, possibilitar às crianças construir os

conhecimentos necessários a cada faixa etária.

A atividade terá continuidade, pois consideramos que o

contato com a natureza seja de

extrema relevância no trabalho pedagógico da Educação

infantil. Dentro deste contexto,

daremos continuidade aos plantios, utilizando outros

vegetais.

58


OBJETIVO GERAL

Contextualizar o nome do material didático Girolhar,

realizando o plantio de sementes de

girassol, explorando as características e os elementos

realizados nesta atividade.

59


OBJETIVOS

específicos









Pesquisar sobre o girassol: sua importância e utilidade.

Conhecer a forma de nascimento e crescimento do girassol.

Observar o processo de crescimento do girassol.

Conhecer sobre os modos de preparo da terra para o plantio.

Realizar a tentativa de escrita da palavra girassol.

Conhecer poesias e músicas que dão referência ao girassol.

Fazer relação numeral/quantidade das letras que compõem a

palavra girassol.

Realizar a pintura com terra, elemento utilizado no plantio das

sementes.

60


Momento vivencial ou

experiencial da proposta

Para a realização desta proposta, as professoras

realizaram rodas de conversas prévias, para que fosse

apresentado às crianças o contexto da atividade. O nome do

material didático “Girolhar” nos remete ao girassol, e o livro

nos apresenta personagens que estão presentes na coleção,

dentre eles, o girassol.

Diante das conversas, foram colhidos relatos das

crianças sobre os conhecimentos prévios que elas já tinham

relacionado ao girassol e ao plantio de um vegetal. Em

seguida, realizou-se o plantio das sementes, trabalhando

quais seriam os elementos básicos para a sua realização: a

terra, a semente, a água.

As crianças tiveram a oportunidade de acompanhar o

crescimento da planta, observando todos os seus estágios e

as características apresentadas em cada momento de seu

desenvolvimento.

61


avaliação

Avaliamos que o trabalho realizado com as crianças

carrega, dentre os processos didáticos, o trabalho

relacionado aos pilares salesianos que valoriza as relações

de ética, amor e que levam à construção do conhecimento.

Com esta atividade e, dando continuidade, despertamos

nas crianças o olhar crítico sobre os elementos da natureza e

também trabalhamos a interdisciplinaridade potencializando

o conhecimento adquirido ao longo das atividades realizadas.

Diante do primeiro plantio realizado, podemos também

perceber que as crianças conseguiram fazer a relação do

conhecimento inicial (hipóteses sobre o plantio e crescimento

da planta), com o conhecimento final (conclusões depois de

acompanhar o processo de crescimento da planta.

62


DepoimentOS

– AlUNO -

RAFAEL ARAÚJO - 2 anos

“Isso é uma semente de feijão!”

– AlUNA -

RAFAELA RITA - 3 anos

“Fizemos tinta marrom com terra,

cola e água para lembrar do plantio

das sementes de girassol.”

– AlUNO -

ARTUR FERNANDES - 3 anos

“O centro é marrom. A abelha gosta.”

– AlUNA -

MARIA Simamoto - 5 anos

“O girassol é uma flor que tem

muitas pétalas amarelas!”

63


– AlUNA -

Alissa DOS SANTOS - 4 anos

“O girassol precisa de chuva para crescer.”

– AlUNA -

Ana Cecília SOUSA - 4 anos

“Precisa pôr terra e depois jogar água para

a sementinha de girassol crescer.”

– AlUNA -

Helena Rocha - 5 anos

“O sol aponta para o girassol e ele fica girando!

O sol dá proteína “d” pra gente e para as

plantas crescerem rápido.”

– AlUNO -

Davi Storti - 5 anos

“O girassol precisa do sol para

crescer mais grande e forte!”

64


FOTOS

65


INSPETORIA

MADRE MAZZARELLO

BELO HORIZONTE -MG

66

More magazines by this user