RCIA - ED. 140 - MARÇO 2017

tvcomercioeindustria

1


2


3


ÍNDICE

EDIÇÃO N°140 - MARÇO / 2017

CAPA

35 anos de credibilidade

ECONOMIA

O Fórum está cada vez mais forte

HOMENAGEM

O adeus ao Mestre

AMÉRICO

52 anos de emancipação

088

10

25

34

Colégio Objetivo preza pela

qualidade em seus métodos de

ensino; o índice de aprovação em

vestibulares reforça sua tradição.

O Fórum de Desenvolvimento

Econômico em fevereiro recebeu

para uma sabatina, o presidente da

Câmara, Jéferson Yashuda.

Araraquara diz adeus a Elcio

Marcantonio, referência nacional

em Cirurgia, Implantologia e

Traumatologia Buco-Maxilo-Facial.

Américo no dia 21 de março

faz aniversário. Nesta edição, o

prefeito Dirceu Pano, diz o que

pretende fazer em seu mandato.

Da Redação

05 | Sônia Maria Marques mostra

situação caótica de pelo menos duas

entidades filantrópicas na cidade.

Editorial

07 | Jornalista Ivan Roberto Peroni

entende que a Câmara exagerou em

justificar trabalho do vereador.

Sincomercio

32 | Ao lado de representantes de todo

Estado, o sindicato participou de

debates sobre a Reforma Trabalhista.

Sindicato Rural

49|O Sindicato Rural no dia 10 de

março buscará voltar ao Comitê da

Bacia Hidrográfica do Tietê - Jacaré.

‘Arbitragem de natação’ é tema de curso

A graduação de Educação Física da

Universidade de Araraquara – Uniara

promove, em parceria com a Federação

Aquática Paulista – FAP, o “Curso de

Arbitragem de Natação”. A parte teórica

da atividade será ministrada pelo árbitro

da Federação Internacional de Natação,

Daniel Schneider, no dia 18 de março, das

8h às 12h e das 14h às 18h, na unidade I

da universidade (rua Carlos Gomes, 1338,

no Centro). A parte prática será realizada

no dia 8 de abril, durante a Seletiva do

Troféu Kim Mollo, em Mococa. O valor do

investimento é de R$50 para estudantes da

graduação, e de R$100 para os demais

interessados. Mais detalhes sobre o curso

Atividade será ministrada no dia 18 de março

estão disponíveis no link https://goo.gl/

Nt6yNg ou pelo e-mail arbitragem@

aquaticapaulista.org.br. Mais informações

pelo telefone 0800 55 65 88.

Concurso na cidade escolherá a logo do

aniversário de 200 anos de Araraquara e

a foto que irá no selo comemorativo. Prazo

até o dia 22 de março. A RCIA já está

homenageando Araraquara com seu selo

produzido por Bete Campos.

4


DA REDAÇÃO

por: Sônia Maria Marques

GOLPE MILITAR

Araraquarenses desaparecidos

41

Os araraquarenses Roberto Arantes

de Almeida e Luíza Garlippe foram

perseguidos e mortos durante o

regime militar no Brasil.

Canasol

58| Secretário da Agricultura ganha

mapas mostrando como era o uso

do solo no Estado em 1886.

Auxílio ao trabalhador rural

A Prefeitura entregou aos

produtores do Assentamento Monte

Alegre as máquinas do programa

Patrulha Agrícola, que estava

interrompido havia três anos.

Quase 500 famílias vivem no local.

Pelo Patrulha Agrícola, os

equipamentos (tratores, grades

aradoras, grades niveladoras

e caminhão basculante, entre

outros), são disponibilizados aos

pequenos produtores, por um

valor de R$ 70,15 por hora — a

prioridade é para aqueles que

SEU NOME ESTÁ NA RUA

Mário Setúbal in memorian

66

Samuel Brasil Bueno lembra com carinho do

trabalho de Mário Setúbal, um dos grandes

batalhadores para o fortalecimento do Lions

Clube Araraquara Centro.

Vida Social

69| Maribel Santos destaca em sua coluna

a trajetória do presidente do Clube

Araraquarense, Sidney Ferrarezi Júnior.

não têm condições de possuir as

máquinas. O objetivo é elevar a

produção de alimentos e, assim,

melhorar a renda familiar dos

assentados. O Patrulha Agrícola

estava parado por falta de mãode-obra,

mas a Prefeitura, por

meio da Coordenadoria Executiva

de Agricultura e da Secretaria

de Trabalho e Desenvolvimento

Econômico, fez a manutenção

dos tratores e dos equipamentos

agrícolas e enviou uma pessoa

qualificada para operá-los.

Meimei e o risco de fechar

as portas em Araraquara

A crise econômica vivida pelo País nos últimos três anos de

forma mais agressiva, parece que chegou às instituições

de caridade que vivem de donativos, algumas delas, de

colaboradores financeiros, para sustentação das suas

ações sociais. A desorganização política motivada pela

corrupção atingiu infelizmente, entidades que cuidam de

crianças, idosos e outros setores que sempre dependeram

- em grande parte - da boa vontade da comunidade.

Não bastassem os apuros da Casa Cairbar, modelo no

atendimento psiquiátrico, construído a partir dos anos 60

à custa de jornais velhos e garrafas, agora é anunciada

a situação da Creche Memei, que corre o risco de fechar;

a diretoria da Sociedade Beneficente Obreiros do Bem,

que mantém a escola por mais de 50 anos, recorreu ao

prefeito Edinho para pedir apoio, como única forma de

continuar o trabalho da escola que atende 32 crianças

entre 4 e 5 anos de idade. Tanto Nelsinho Fernandes

(agora Osvalte Nogueira), da Casa Cairbar, quanto Raul

Leiva, da Obreiros do Bem, são abnegados servidores da

caridade, vivendo com seus diretores o amargo momento

de acompanhar os desvios praticados por essa política

que aí está. A história da Lava Jato é contada até hoje sob

a perda da noção de tanta roubalheira, falando-se dos

desvios em bilhões de reais, com grande simplicidade,

enquanto instituições de caridade capengam buscando

míseros trocados para a sustentação do auxílio ao

próximo. Ainda bem que o prefeito se propôs a ajudar,

pois do contrário, iremos ver ir por água abaixo, o

sagrado trabalho da Creche Meimei.

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Editor: Matheus Vieira (MTB 67.923/SP)

Diretor Comercial: Humberto Perez

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Heloísa Nascimento, Anderson Rovina

Design: Carolina Bacardi, Bete Campos

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio

é distribuida gratuitamente em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

5


6


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Câmara Municipal exagera em vídeo para

dizer que vereador poderia ganhar mais

Na primeira semana de fevereiro, a Câmara Municipal de Araraquara iniciou a veiculação de um

filme institucional nas redes sociais para mostrar o papel de um vereador dentro da comunidade.

Foi uma forma de também querer justificar o salário recebido pelo que os vereadores fazem e

combater campanhas depreciativas que desvalorizam a função legislativa, quando esta deixa de

exercer seu principal objeto que é o dever de fiscalizar a administração pública, cuidar da aplicação

dos recursos, a observância do orçamento. Também fiscaliza o prefeito através do pedido de

informações. Aliás, isso é o que menos tem se visto nas duas últimas décadas.

Por melhor que tenha sido a intenção

da Câmara Municipal, recém eleita e empossada,

neste caso, entendemos que este

não era bem o momento de se editar e

lançar em rede social tal vídeo. A situação

política do País, desgastada e desacreditada,

está longe da criação de uma imagem

positiva que o nosso Legislativo tentou

passar. Tanto lá quanto aqui, as ações se

misturam e a qualidade ou estado de indiferença,

desinteresse, desprendimento, por

parte da população sobre a classe política,

se eleva diariamente. Cada vez mais, povo

e político estão distanciados.

O filme textualmente diz que “o vereador,

é vereador 24 horas por dia e tem

como regra deixar a porta do seu gabinete

sempre aberta, por ser ele o representante

legítimo do povo”. A nós, o documento

deixa claro que essa exposição tem outra

faceta, a de justificar o salário que o vereador

recebe. Podemos dizer que houve e há

ingenuidade ao se perguntar - “você sabia

que o vereador poderia ter um subsidio de

até 50% do recebido dos deputados estaduais?”

A resposta vem em seguida: “Em

Araraquara esse valor não chega a 32%” e só é menor em respeito ao povo”.

O filme rodado no facebook assegura que o nosso vereador recebe apenas

R$ 6.200,00 por mês, pois há retenção do Imposto de Renda e INSS. Além

disso o vereador não tem férias remuneradas, fundo de garantia, diárias,

aposentadoria e nem 13° salário. Não dispõe de plano de saúde, vale refeição,

nem auxílios.

É coerente que a Câmara faça sua defesa pois parece que algo está a incomodá-la

e há necessidade de se justificar perante a opinião pública sobre

a realidade salarial do vereador em um País com 13 milhões de desempregados;

o que ela não pode e nem deve fazer no momento em que o país está

aprofundado em crise ética, é mergulhar em explicações que transformam

o vereador em um pobre coitado, que se arrebenta trabalhando 24 horas

por um mísero salário de R$ 6.200,00. A propósito, em setembro passado,

com reajuste de 22,2%, o prefeito passou a ganhar R$ 19,5 mil, enquanto o

salário dos vereadores, subiu de R$ 6,5 mil para R$ 8 mil. Em sã consciência,

qual trabalhador teve um aumento de 22,2%? Haveria respeito ao povo

se o aumento salarial seguisse os parâmetros do aumento concedido aos

professores - reajuste de 11,36%; aposentados aumento de 7,5%; servidores

municipais reajuste de 10%.

Sem nunca ter sido vereador, o filósofo prussiano Immanuel Kant, disse

um dia: “Tudo que não puder contar como fez, não faça... Se há razões para

não contar; há para não o fazer”. Kant faleceu em 12 de fevereiro de 1804,

portanto, 13 anos antes de Araraquara ser fundada e embora o texto seja

atual, ninguém pode dizer que ele tenha escrito pensando no que viria 213

anos depois. Caso algum vereador não esteja satisfeito com o que faz e ganha,

pode renunciar e voltar ao que fazia antes.

7


REPORTAGEM DE CAPA

Material apostilado que

garante o sucesso dos

alunos nos vestibulares

Índice de aprovações mostram a força

e a tradição do Objetivo nos vestibulares

Harmonia entre material

pedagógico, corpo docente

experiente, ambiente acolhedor

e orientação pedagógica

efetiva é mantida pela

instituição que, há mais de 35

anos, preza pela qualidade

na missão de incentivar o

aprendizado e educar.

O alto índice de aprovações do Objetivo

nos vestibulares dos últimos anos,

tem reafirmado ainda mais, a força e a

tradição da instituição em preparar os

estudantes para assegurar a tão sonhada

vaga nas principais universidades

do país.

Mais do que palavras, os números

mostram isso, segundo Roseli do Carmo

Freitas da Silva, coordenadora pedagógica

do Curso e Colégio Objetivo.

“Já ultrapassamos a marca de 200

aprovações nos vestibulares 2017, índice

que comprova a tradição de nossa

instituição que, há mais de 35 anos,

trilha um caminho de trabalho inquestionável,

baseado na harmonia de fatores

entre material pedagógico atualizado,

corpo docente especializado e

experiente, ambiente acolhedor, e uma

orientação pedagógica efetiva

e analítica”, completa.

O Objetivo Araraquara vai

além da simples transmissão

de conhecimento das

áreas do saber, ao colocar

em prática uma metodologia

que amplia o foco de ação

de seus profissionais, dando

mais atenção também à formação

de seus alunos en-

Roseli do Carmo Freitas da Silva,

coordenadora pedagógica do

Curso e Colégio Objetivo

8

quanto agentes capazes de modificar

positivamente o mundo em que estão

inseridos.

PROFISSIONAIS EXPERIENTES

Uma bagagem de experiência não

basta. Dentro dessa filosofia, os pro-


A sala de aula

O INDIVÍDUO E SUAS

PARTICULARIDADES

Com um atendimento individualizado,

o trabalho de orientação desenvolfissionais

do Curso e Colégio Objetivo

seguem em constante processo de formação

e atualização, levando para sala

de aula conteúdos atualizados e contextualizados

- uma forma de preparar

o estudante para a realidade a ser enfrentada

durante a prova que lhe dará o

acesso ao mundo universitário.

MATERIAL DIDÁTICO

Ano a ano os materiais do Sistema

Objetivo passam por um processo de

atualização – diferencial para que os

cadernos de atividades e livros da Coleção

Objetivo se destaquem como um

dos principais do país.

O material favorece a interdisciplinaridade,

proporcionando ao aluno o

contato diário com questões que serão

apresentadas nos vestibulares mais

concorridos.

AMBIENTE

Além de salas com equipamentos

multimídia, proporcionando ao aluno

aulas dinâmicas, através da exibição

de vídeos explicativos, slides, entre

outros formatos, a aula expositiva vem

reforçar o processo de ensino-aprendizagem.

Para completar o processo, a instituição

de ensino também oferece uma

sala para atendimento individualizado

feito pelos professores, e uma moderna

sala de estudos com capacidade para

até 70 pessoas, equipada com mesas e

cadeiras confortáveis, 5 computadores

para pesquisa e auxílio ao estudante e

14 baias para estudo individual.

Ambiente estimulante e atraente

que tem sido muito bem aproveitado

pelos vestibulandos para momentos de

concentração e aprofundamento nos

conteúdos disciplinares.

A confortável sala

de estudos do

Objetivo onde os

alunos aproveitam

a proximidade para

troca de informações

e orientações

9

vido no Objetivo elabora em conjunto

com cada estudante, um plano de estudos

diário para que se atinja o objetivo

da aprendizagem efetiva, baseado em

informações como dificuldade nas diferentes

áreas do conhecimento, carreira

escolhida e prova específica.

Além de atividades desenvolvidas

dentro da orientação pedagógica, existe

um trabalho de orientação vocacional

que se estende até as opções de

atuação no mercado de trabalho.

Quando necessário, o aluno recebe

um atendimento psicológico para

trabalhar melhor com o nervosismo, o

stress e a ansiedade nas vésperas do

vestibular.

Somados a esse atendimento, os

estudantes recebem individualmente

seus simulados corrigidos, com uma

análise das deficiências apresentadas,

a fim de definir um novo plano, sendo

orientado sobre quais áreas do conhecimento

devem focar seus estudos com

mais intensidade e a orientação sobre

qual professor deve procurar, garantindo

dessa forma a retomada do erro e o

aprendizado efetivo.

SERVIÇO

Curso e Colégio Objetivo

Avenida Portugal, 448

Tel.: (16) 3332-1888

www.objetivoararaquara.com.br


Lideranças das entidades de classe e membros do Fórum se reuniram desta feita, com os vereadores na sede do Sincomercio

SINCOMERCIO, SINDICATO RURAL, CIESP E CANASOL

O avanço e o poder do Fórum

de Desenvolvimento Econômico

Ciesp, Canasol, Sincomercio

e Sindicato Rural, entidades

representativas da indústria,

comércio e agronegócio

constituem hoje, o grupo mais

poderoso para discutir políticas

públicas e sociais visando o

desenvolvimento econômico e

a qualidade de vida da nossa

cidade. O terceiro encontro do

bloco econômico foi com os

nossos vereadores.

Em uma iniciativa inédita em Araraquara,

sindicatos e associações se uniram

para formar um grupo econômico

que tem como objetivo promover o desenvolvimento

do município. O Sindicato

do Comércio Varejista de Araraquara

(Sincomercio), o Centro das Indústrias

do Estado de São Paulo (Ciesp), o Sindicato

Rural e a Associação dos Fornecedores

de Cana de Araraquara (Cana-

sol) definiram a criação de um fórum

permanente de debates para propor

ações de fortalecimento da economia

local e reivindicar maior participação

nas decisões dos poderes Executivo e

Legislativo.

No dia 20 de fevereiro, foi realizado

o terceiro encontro do grupo formado

no ano passado por iniciativa do presidente

do Sincomercio, Antonio Deliza

Neto. A união das entidades foi organizada

pelo jornalista Ivan Roberto

Peroni, diretor da revista Comércio, Indústria

e Agronegócio, uma importante

publicação voltada para a economia da

cidade.

Esta terceira reunião aconteceu na

sede do Sincomercio e teve como objetivo

promover o entrosamento das entidades

de classe com o poder Legislativo.

Estiveram presentes o presidente

da Câmara Municipal, Jeferson Yashuda

(PSDB), os vereadores Elias Chediek

(PMDB) e José Carlos Porsani (PSDB).

Em janeiro, o encontro focou o diálogo

10

Antonio Deliza, presidente do Sincomercio,

desta feita recepcionou os integrantes do

Fórum de Desenvolvimento Econômico


com o Executivo e teve a participação

do vice-prefeito e secretário do Trabalho

e do Desenvolvimento Econômico,

Damiano Barbiero Neto.

Segundo o presidente do Sincomercio,

as entidades decidiram juntar forças

para promover o desenvolvimento

da cidade e buscar mais diálogo com

os poderes locais. “Esse movimento é

apartidário e visa criar uma agenda positiva

de debates. O país está clamando

por mudanças e nós queremos contribuir

diretamente com isso. Temos sugestões

e estamos aqui para colaborar

com a cidade”, afirmou Deliza.

PROJETOS DE LEI

Um dos pontos principais do encontro

foi cobrar a participação das

entidades de classe nas discussões de

projetos de lei pertinentes ao comércio,

indústria e agronegócio.

O presidente da Canasol, Luiz Henrique

Scabello de Oliveira, falou das propostas

que são levadas à votação sem

um diálogo prévio com entidades do setor.

Ele citou o exemplo da lei municipal

que obriga postos a informar qual combustível

é economicamente mais vantajoso

ao consumidor. A lei, no entanto,

não considera a importância do etanol

para a economia local, principalmente

gerando empregos e divisas, e os benefícios

para o meio ambiente.

As feiras ilegais e a regularização do

comércio ambulante voltaram à pauta

e o grupo econômico vai fortalecer a

cobrança por maior fiscalização junto à

Prefeitura Municipal, pois as medidas

adotadas pelo Poder Público ainda não

foram totalmente eficazes.

Luis Henrique Scabello de Oliveira, presidente

da Canasol, saiu em defesa da classe e

criticou projetos sem discussões técnicas

11


Renato Segnini, vice-presidente do Sindicato

Rural, participou do encontro representando

Nicolau de Souza Freitas

ECONOMIA RURAL

A importância do setor rural foi

bastante discutida no encontro e as

entidades sugeriram a elaboração de

um Plano Diretor Rural, a fim de criar

uma política permanente de incentivo

à produção do campo, que passa pela

necessidade de programas constantes

de manutenção das estradas rurais. A

coordenadora de Agricultura da Prefeitura,

Silvani Silva, que representou

o Executivo, elogiou a proposta. “Fico

muito feliz em ver o meio rural sendo

debatido. Este também é o objetivo do

governo”, disse a coordenadora.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Outro tema levantado foi a necessidade

de promover a reforma tributária

nacional. O bloco econômico defende a

municipalização dos tributos para que

as prefeituras tenham acesso a uma

parcela maior dos impostos. As instituições

que integram o fórum de debates

têm uma participação importante no

desenvolvimento econômico regional

e vão contribuir para engrossar o movimento

nacional em defesa de uma melhor

distribuição dos impostos.

INCENTIVO À INDÚSTRIA

O diretor e a gerente regional do

Ciesp, respectivamente, Ademir Ramos

e Michele Pelaes, ressaltaram a importância

do fórum para auxiliar as ações

da Prefeitura e da Câmara Municipal e

defenderam políticas de fomento à indústria.

“O que interessa para a cidade

é trazer mais empresas. Esse tema

também deve fazer parte das discussões

do Plano Diretor. O fórum irá funcionar

como uma ferramenta de auxílio,

não no sentido de criticar um governo

ou outro, mas de ajudar Araraquara.

Também estamos à disposição para

ouvir o que a Prefeitura e a Câmara Municipal

esperam das entidades classistas”,

explicou Ramos.

EVENTO EM SETEMBRO

O publicitário Bruno Naddeo falou

sobre o Núcleo de Jovens Empreendedores

do Ciesp, coordenado por ele,

Ademir Ramos da Silva, diretor regional

do Ciesp e diretor da Fort Lar

que há dois anos vem atuando no desenvolvimento

de lideranças jovens locais.

Ele anunciou que Araraquara irá

sediar um grande evento nessa área

em setembro e pediu o envolvimento

do poder público. Naddeo é diretor operacional

da agência ComTexto.

O presidente da Câmara Municipal,

Jeferson Yashuda, destacou que o Legislativo

já vem atuando de forma colaborativa

com a Prefeitura, que, por sua

vez, tem se mostrado solícita às sugestões

apresentadas pelos vereadores.

Nessa linha, ele descreveu como positiva

a iniciativa de formação do bloco

econômico para contribuir com os debates.

O vice-presidente do Sindicato Rural,

Ricardo Magnani, destacou que o

trabalho em conjunto das entidades da

cidade é um importante instrumento de

ação, que ganha mais força devido ao

seu ineditismo.

Iran Carlos

Ribeiro, do

Núcleo Jurídico

do Sincomercio

Laércio Grili

Grande, diretor

do Sincomercio

Michele Pelaes,

gerente regional

do Ciesp

12


Vereador José Carlos

Porsani no encontro

O próximo encontro ficou agendado

para 24 de março, sexta-feira e deverá

acontecer na sede da Canasol. Além da

participação da Prefeitura e da Câmara

Municipal, as entidades do bloco econômico

vão convidar um representante

da Secretaria Estadual da Fazenda

para falar sobre a distribuição dos tributos.

Presença do

vereador Elias

Chediek

OUTRAS QUESTÕES

Logo após considerar que os vereadores

não podem criar leis que onerem

o município e o comércio, o presidente

do Sincomercio, Antonio Deliza, reivindicou

que conselhos ou as próprias

comissões da Câmara tenham a participação

de membros dos segmentos

envolvidos, discutindo e evitando a

inconstitucionalidade dos projetos. O

próprio advogado do Sincomercio, Iran

Carlos Ribeiro, comentou que os projetos

se tornam do conhecimento público

no dia da sessão ou após.

Em meio às conversações, o diretor

regional do Ciesp, Ademir Ramos da

Silva, lembrou que um fato deve ser

comemorado neste começo de ano: o

saldo de contratações da indústria paulista

em janeiro foi positivo pela primeira

vez desde abril de 2015. No primeiro

mês deste ano, o número de empregados

do setor cresceu 6.500 em relação

a dezembro.

Apesar do saldo positivo em números

absolutos, o dado de janeiro representa

uma queda percentual de 0,24%

em relação a dezembro no cálculo dessazonalizado.

Já na comparação com

o mesmo mês de 2016, o recuo foi de

5,73%, ou 132 mil trabalhadores. Mesmo

assim, a avaliação das entidades é

positiva sobre janeiro, sendo a primeira

alta nominal em 20 meses.

13


EMPRESARIADO

Café no ponto com sabor

de queixas e negócios

Lideranças do comércio,

indústria e agronegócio

encontram-se com Edinho

Silva na Prefeitura para afinar

ligações entre empresários e

o poder público.

Líderes do Fórum de Desenvolvimento

Econômico de Araraquara formado

por Sincomercio, Ciesp, Sindicato Rural

e Canasol, além de outras entidades

e empresários convidados, marcaram

presença na sala de reuniões do sexto

andar do Paço Municipal em fevereiro

para um café da manhã com o prefeito

Edinho Silva. A intenção do Executivo

é estreitar relações com o comércio, a

indústria, o agronegócio, o ramo imobiliário

e hoteleiro, entre outros setores

produtivos.

Para o diretor regional do Centro

das Indústrias do Estado de São Paulo

(Ciesp), Ademir Ramos da Silva, a atividade

é muito importante, pois une diferentes

entidades, abrindo espaço para que

as mesmas apresentem suas demandas.

“Este é um primeiro passo para a

busca de soluções que, sabemos, não

são imediatas. A dificuldade que a Prefeitura

passa, o País também passa.

Precisamos tentar resolver isso a médio

prazo, para não onerar ainda mais

nosso setor”, afirmou.

Antonio Deliza Neto, presidente do

Sincomercio, classificou o café com os

empresários como “um primeiro passo,

mas um grande avanço”. “É uma iniciativa

excelente. Ele está cumprindo com

uma promessa de campanha que me

fez pessoalmente. Essa sinergia é fundamental,

ainda mais em uma situação

econômica dessas. São muitos segmentos

(empresariais) e eles têm vários

pedidos distintos”, explica Deliza.

Representando o agronegócio, Luís

Henrique Scabello de Oliveira (presidente

da Canasol e diretor do Sindicato Rural),

fez questão de reforçar a importância dos

empreendimentos rurais para nossa Região.

“Quero lembrar que, normalmente,

as reuniões focam muito na área urbana,

enquanto que o nosso setor rural muito

produz e emprega”, conta.

Já o presidente do Sindicato Rural,

Nicolau de Souza Freitas, após o encontro,

defendeu o poder da classe empreendedora,

destacando a necessidade

de se discutir mais profundamente as

políticas públicas e sociais. Todos têm

problemas, e, não somos diferentes. As

estradas vicinais que cortam sítios e fazendas

estão intransitáveis.

BALANÇO

Segundo Edinho, a ideia é que esse

encontro se repita mais vezes e também

sejam feitas reuniões por ramo de

atividade, articulando as diversas cadeias

produtivas. “Quero contar com as

entidades empresariais para que Araraquara

tenha um projeto de crescimento

e desenvolvimento que seja sustentável”,

afirmou Edinho.

O Prefeito também aproveitou o

encontro para apresentar a situação

financeira da Prefeitura, que ele classifica

como “grave”: estimativa de R$

85 milhões de restos a pagar, R$ 35

milhões relativos à extinta CTA (Companhia

Tróleibus Araraquara), além de

dívidas de INSS que estão na Justiça e

podem ser cobradas futuramente. Ele

disse que uma forma da Prefeitura levantar

recursos, é rediscutir a dívida

ativa com inadimplentes de impostos e

acelerar cobranças judiciais.

14


DIDÁTICO

CAM promove curso de capacitação

para conciliadores e mediadores

Atividade será promovida pela

empresa Renegociar e ocorre

em sete sábados a partir do

dia 11 de março.

A Câmara de Mediação e Arbitragem

de Araraquara (CAM) promove, no mês

de março, de acordo com os termos da

Resolução do CNJ 125/2010, o Curso

de Capacitação, Treinamento e Aperfeiçoamento

de Conciliadores e Mediadores.

Esta resolução regulamenta e

organiza os serviços de mediação, conciliação

e outros métodos consensuais

de solução de conflitos no País.

A atividade será ministrada pela

empresa Renegociare na sede da CAM

(Rua dos Libanezes, nº 1925, Vila Nossa

Senhora do Carmo) em sete sábados

seguidos, sempre das 8h15 às 17h45,

com início previsto para 11 de março e

término em 15 de abril. No total serão

56 horas teóricas. Ao todo, 25 vagas

estão disponíveis para os interessados.

PARTICIPAÇÃO

O público alvo é formado por profissionais

graduados e acadêmicos, que

poderão atuar em Câmaras privadas

ou no Judiciário, bem como para os

demais interessados em trabalhar na

área. Vale destacar que, para aqueles

que querem atuar como conciliadores

e mediadores judiciais, haverá necessidade

de 60 horas de estágio prático.

Para mais informações sobre as inscrições

os interessados podem falar no

telefone (16) 3357-5090 ou pelo e-mail:

contato@camarbitragem.com.br, com as

Cláudia Mestriner

Suzete Costa Santos

advogadas e empresárias Suzete Costa

Santos e Cláudia Renata Mestriner, responsáveis

pela CAM. A Renegociare é

uma empresa de prestação de serviços

em negociação que objetiva a solução

de seus problemas por meio de um

corpo de negociadores e mediadores

especializados e capacitados pelo conselho

nacional de justiça.

15


Maria Calegari (coordenadora pedagógica do Liceu),

Doriane Ferreira (coordenadora pedagógica do Positivo)

e os diretores do Liceu, Eliane e Daniel de Barros

ENCONTRO DE PAIS E PROFESSORES

Liceu, escola voltada

para um novo tempo

Qualificando cada vez mais

seus métodos de ensino e

fortalecendo o relacionamento

com pais e alunos, o Liceu

Monteiro Lobato apresenta em

palestra com o Positivo, ações

que pontuam este avanço.

O 1º Encontro de Pais e Professores

do Liceu Monteiro Lobato de 2017, que

deu início ao novo ano letivo, contou

neste ano com a participação especial

de representante do Sistema Positivo

de Ensino de Curitiba-PR. O evento fez

parte das comemorações do seu vigésimo

primeiro ano de fundação.

Esteve presente em nossa cidade

para participar desta importante ação,

a Professora Doriane Ferreira, coorde-

nadora pedagógica do Positivo na região

sudeste do Brasil.

Com mais de 12 milhões de alunos

em todo o Brasil e no exterior, o Positivo

é hoje o maior grupo educacional do

país. Em Araraquara é representado,

há mais de 20 anos, pela escola Liceu

Monteiro Lobato.

Dirigindo-se ao grande público do

encontro, formado basicamente por

professores e pais de alunos, Doriane

Ferreira mostrou porque o Positivo é

hoje o grupo educacional de maior destaque

de norte a sul do Brasil.

O Livro Didático Positivo, de linha

interacionista, coloca o aluno no centro

do processo educativo, movendo

a escola para uma inovadora realidade

educacional, voltada para um novo

tempo. “É preciso que se dê um acompanhamento

à modernidade educacional;

os processos de transformação

da sociedade são extraordinariamente

rápidos e essa nessecidade de interação

entre escola, professores, alunos e

pais de alunos, tem um grande reflexo

no ensinamento praticado”, disse Maria

Calegari, coordenadora pedagógica

da escola.

O Liceu Monteiro Lobato, uma das

mais tradicionais instituições de ensino

de Araraquara, sempre utilizou avançados

recursos educacionais, resultantes

da parceria com o Sistema Positivo de

Ensino.

“Mesmo com a crise batendo aos

nossos pés, nossa escola obteve grande

incremento de alunos neste ano,

principalmente na Educação Infantil e

no Ensino Fundamental, motivados pelos

recentes investimentos realizados e

dos mais de 20 anos de credibilidade

junto à comunidade araraquarense”,

comenta a diretora Eliane Barros.

O encontro foi abrilhantado pelo

Conjunto Instrumental Feminino da

Uniara, com lindas páginas musicais do

cancioneiro nacional e internacional.

O grande público

presente ao

encontro de pais

de alunos

e professores

O Conjunto

Instrumental

Feminino

da Uniara

abrilhantou o

acontecimento

16


17


Maria Aparecida e

Ademir, com os filhos

Fabrício, Flávia e

Vinicius, no showroon

da empresa

FORT-LAR COMPLETA 30 ANOS

Raízes de uma história moldada

pelo trabalho e a qualidade

Posicionada entre as empresas

mais conceituadas do País

na fabricação de utensílios

para cozinha, a Fort-Lar

Alumínio acompanha a alta

tecnologia fabril e investe na

produção dos seus 400 itens,

solidificando a marca que

nasceu num pequeno barracão

de 15m².

Em fevereiro passado, quando a

Fort-Lar comemorou 30 anos de fundação,

o empresário Ademir Ramos da Silva

buscou dividir com a esposa Maria

Aparecida e os filhos Fabrício, Vinicius e

Flávia, o êxito de uma caminhada que,

atravessando o tempo, mostra que a

união familiar em torno de um negócio,

desde que gerido com eficiência, apresenta

ótimos resultados.

O TEMPO SE ENCARREGOU DE MOSTRAR O NOTÁVEL PODER DE REALIZAÇÃO DO SER HUMANO

Na verdade, abrir o próprio negócio,

gerir com eficiência e transformá-lo em

um empreendimento bem sucedido já

é uma tarefa que exige do empresário

um perfil de liderança bastante apurado.

E, reconhecidamente, Ademir tem

méritos quanto a isso, ao envolver a

segunda geração no processo administrativo

e produtivo, o que ele considera

fundamental nas ações da empresa.

O modesto barracão onde Ademir iniciou as

atividades da Fort-Lar em Araraquara

As primeiras máquinas da fábrica: torno,

rebitadeira e politriz

18

A necessidade de um espaço fabril maior

para atender a demanda


A primeira laminadora adquirida pela Fort-

Lar quando a produção exigia expansão

HISTÓRIA DE UM TRABALHO

“Nascemos na Alameda Paulista,

2817, em uma área de 15m²; a Fort-Lar

tinha 3 funcionários e a transformação

mensal de pouco mais de 200 kg de

alumínio em utensílios para cozinha”,

diz Ademir.

Em 1990, a fábrica já contava com

10 funcionários, numa área instalada

de 400m² e a transformação de 2 toneladas

de alumínio por mês. Lembro,

conta o empresário, que estávamos

prosperando, eram apenas quatro anos

após a criação da Fort-Lar.

Mas o melhor estava por vir: em

1995, dada a necessidade de expansão,

a empresa passou a ocupar uma

área de 1750m², tendo em seu quadro

cerca de 40 postos de trabalho direto

e uma transformação de 240 toneladas

de alumínio por ano. Trinta anos

depois, o que começou com apenas 6

itens em sua linha de produção, chega

hoje a 400 produtos diferentes, voltados

as mais diversas aplicações.

Em seu site oficial, a Fort-Lar expli-

Atual prédio da Fort-Lar na Avenida Major Antônio Mariano Borba, 789, no Jardim Portugal

ca que para dar conta dessa ampliação

em sua produção, com redução de custos,

melhoria de qualidade e manter-se

no mercado competitivo, foi necessário

a criação de uma nova unidade industrial

que permitisse sua independência

quanto a aquisição de chapas laminadas;

montando para isso em 2002, sua

própria fundição e laminação; a Laminação

Araraquara Ltda., e não parou

por aí: em 2007 se instalou em nova

planta industrial de 6 mil m², de área

construída, numa área total de 14 mil

m² o que permitirá ampliações significativas

para o futuro.

AGRADECIMENTO

Em meio às comemorações dos 30

anos da Fort-Lar, a Família Ademir Ramos

da Silva enaltece a participação

daqueles que contribuíram na construção

desta história, principalmente seus

colaboradores, sem os quais diz o empresário,

nada teria sido feito.

A família sempre unida, até mesmo em feiras

que têm a presença da Fort-Lar, divulgando o

campo industrial araraquarense

Os caminhões iniciando a frota

de veículos da Fort-Lar

Em 1995 a fábrica ampliava suas instalações na

Alameda Paulista ocupando uma área de 1800m²

19

Ademir mostrava com orgulho nos anos 90,

a qualidade de um dos produtos da Fort-Lar


LANÇAMENTO

Moura apresenta o RFID

para várias possibilidades

O RFID (Identificação por Radiofrequência) é uma tecnologia

usada desde a segunda guerra mundial para localizar e

identificar aeronaves amigas.

O controle com o RFID é muito rápido

e facilita a liberação dos produtos

Desde então, em todo o mundo, a

identificação por radiofrequência tem

sido usada de formas diversas para agilizar

a rotina de empresas e pessoas.

Um bom exemplo é a rede de pedágios

automáticos “Sem Parar”. Uma etiqueta

RFID instalada no para-brisa do veículo

permite a abertura da cancela e o

valor daquela praça de pedágio é automaticamente

creditado em sua conta.

Outra grande história de sucesso é

uma loja de peças e acessórios para

motos, localizada em Jundiaí, a Zelão

Racing. De acordo com a empresa, semanas

eram necessárias para dar baixa

nos produtos que eram encaminhados

para eventos por todo o país. Hoje

é utilizado o RFID na loja de forma muito

rápida e dinâmica. Podem ser contados

mil capacetes em dez minutos,

por exemplo. A agilidade para contar

os produtos e enviá-los para os eventos

cresceu muito e todo processo de semanas

pode ser feito no dia anterior ao

acontecimento.

Segundo o diretor executivo da Moura

Informática, José Natal de Moura, a

tecnologia pode ser utilizada em diferentes

segmentos. “Temos o caso da

loja de peças e acessórios em Jundiaí,

outra fábrica de tapetes em São Carlos,

uma grande fábrica de jeans em Minas

Gerais, além do caso de sucesso

com a têxtil Lupo e também outro

grande projeto com uma fabricante

de eletrodomésticos na região

de Araraquara”.

No conglomerado de parques

em Orlando, na Flórida (EUA), o

RFID é usado nas pulseiras personalizadas

que permitem a entrada

dos colaboradores ou visitantes em

diversos locais, além de ser a ‘chave’

que libera refrigerantes nas máquinas

espalhadas pelos parques. “Em Orlando

a tecnologia é usada para quase

tudo. Os funcionários do Parque da Disney,

por exemplo, utilizam pulseira que

libera sua entrada em espaços permitidos

apenas para pessoas autorizadas”,

explica Tales Boalim, Gerente de Tecnologia

RFID da Moura Informática que

participou da Conferência RFID Journal

Live, na Flórida.

Em visita a Campus Party Brasil

neste ano, Evgeny Chereshnev, o vicepresidente

de marketing da Kaspersky

Lab, empresa de segurança digital

mundialmente conhecida, mostrou um

pouco sobre a tecnologia NFC (campo

de comunicação por aproximação, na

tradução), que permite abrir uma porta

de alta segurança por meio de um chip

do tamanho de um grão de arroz implantado

na mão. Além disso, essa tecnologia

permite o pagamento de suas

compras dispensando o uso do cartão

de crédito, por exemplo.

O RFID e o NFC são tecnologias que

avançam cada vez mais à medida que

peças e equipamentos ficam acessíveis

ao público em geral.

20


SÉRIE ESPECIAL

Em tempos de crise, um

colecionador de dinheiro

Quem quiser acompanhar

os estudos de Sérgio Mendes,

seu blog sobre o assunto é

https://colecaosfm.wordpress.com/

O colecionismo é um hobby

muito popular. Coleciona-se de

tudo: latas de cerveja, tampas

de garrafa, selos, e colecionar

moedas é a forma divertida

do professor Sérgio Mendes

também passar o tempo.

Põe a mão no bolso. Deve haver

ali alguns trocados, uns vinténs.

As moedas, objetos que representam

valor de troca, com o tempo

viraram não um veículo, mas objetos

de arte. Há até mesmo uma

ciência a estudá-las, a numismática.

Em Araraquara, um dos adeptos

deste universo é o professor Sérgio

Mendes, de 35 anos. Com diversos livros

sobre o assunto em sua prateleira,

tem hoje uma coleção de cerca de 4 mil

itens, paixão que vem dos seis anos de

idade. “Um primo da minha mãe me

deu uma moeda antiga e eu achei o objeto

interessante”, lembra.

Entre suas peças, destaca moedas

brasileiras emitidas entre 1979 e 1986.

“São moedas de aço, comuns, mas têm

uma proposta estética diferente do que

era feito até então, que tinha um estilo

clássico e sisudo;

essa série de

cinco trouxe uma

Parte da sua coleção

de moedas

plasticidade e uma modernidade

estética inéditas nas

moedas brasileiras”, diz.

Em conversa com a reportagem,

Mendes revelou

que há uma ideia errônea

de que uma coleção de

moeda tem de ser algo financeiramente

valioso. Podemos ter

em nossas coleções alguns itens preciosos;

de fato, há moedas cujos preços

podem chegar a milhares de reais,

mas nem sempre é assim.

“A coleção prazerosa inclui também

as moedas menores e mais triviais,

como por exemplo, todas as moedas

de real emitidas desde 1994 até 2016,

que somam mais de 130 peças. O colecionador

pode ainda definir temáticas:

navios, flores, determinado país, continente

ou época”, conta.

E para sustentar o acervo e avançar

os limites de conhecimento, o colecionismo

de moedas ganhou um impulso

da internet. “Nas redes sociais é possível

achar grupos de entusiastas do assunto

para trocas, por exemplo, em que

é possível travar contato com gente do

mundo todo”, contextualiza.

PECULIARIDADE

Para finalizar, o professor Sérgio

Mendes ressalta que nem todo colecionador

de moedas é numismata; nem

todo numismata é necessariamente

colecionador. “O fato de não ser um

especialista na área não impede de

colecionar, se bem que o conhecimento

de algumas ciências auxiliares é importante,

como a história, a geografia, a

economia e até mesmo a metalurgia, já

que grande parte das moedas é feita de

metal”, encerra.

21


FATOS & FOTOS

INVESTINDO EM PROGRAMAS SOCIAIS

A Prefeitura de Araraquara recebeu do

Governo do Estado, por meio da Secretaria

Estadual de Desenvolvimento Social,

cerca de R$ 1,6 milhão para o Fundo

Municipal de Assistência Social (FMAS) e

para o programa Viva Leite. O evento que

formalizou as parcerias com 26 cidades

ocorreu na primeira quinzena de fevereiro,

no Centro Internacional de Convenção

e contou com a presença do secretário

estadual da pasta, Floriano Pesaro. Ao

todo, o Estado repassou R$ 7,4 milhões

para esses municípios. Para este ano, foram

destinados a Araraquara R$ 1.382.031,89

para o FMAS (que serão aplicados nas

entidades sociais e rede municipal) e R$

209.640,60 ao Viva Leite, que beneficia

368 famílias na cidade e distribui 94

mil litros de leite enriquecido com ferro

e vitaminas A e D. “Trata-se de uma

parceria fundamental para fortalecimento

de programas e políticas públicas que

promovam a inclusão social”, afirma o

prefeito Edinho que agradeceu a escolha

Edinho orgulhoso com a parceria ao lado de

Pesaro durante o evento

de Araraquara para o evento regional.

Para Floriano Pesaro, o Viva Leite é “o

maior programa de segurança alimentar

do Brasil” e acompanha as crianças “na

principal fase de desenvolvimento, que é

a primeira infância”.

EMPREENDEDORISMO

A Academia PME reuniu 60

empreendedores no dia 9 de fevereiro

durante a quarta edição do PME Talks,

encontro mensal realizado em Araraquara,

com o objetivo de discutir as melhores

práticas empreendedoras. O tema do

evento foi “Fidelização de clientes para

vender mais” e contou com a participação

dos convidados Antonio Deliza Neto,

sócio-diretor da Pipocopos/Casa Deliza

e presidente do Sincomercio; Tamires

Brizolari, gerente de marketing do Atacadão

da Construção e Luciano Vernaglia, da

CEO da Sysvision no Brasil. Vale lembrar

que a Academia PME (www.academiapme.

com.br) é uma plataforma de ensino que

conecta empreendedores para geração de

conhecimento e transformação de negócios.

SUBINDO

A Feirinha dos

Animais, realizada

mensamente no

Parque Infantil, é um

ponto positivo para a

cidade. Com os canis

locais em estado

de superlotação,

a Prefeitura de

Araraquara, por

meio da Gerência

de Zoonoses da

Secretaria Municipal

da Saúde, busca a

adoção responsável

de aproximadamente

230 cães e 300 gatos

durante as feiras.

Vida longa!

DESCENDO

CPFL continua

promovendo serviço

de péssima qualidade

em Araraquara e

reclamação é o que

não falta. Até o prefeito

está contrariado com

a falta de atenção,

chegando ao extremo

de não colocar um

aparelho de raio X em

funcionamento na UPA

do Selmi Dei. Quando

é ligado o aparelho, a

energia cai e afeta o

bairro. Outros bairros

da cidade sofrem o

mesmo problema.

Vamos melhorar...

BARBIERI: “ARARAQUARA, AQUI ME TENS DE REGRESSO”

Marcelo Barbieri, ex-deputado

federal e ex-prefeito de

Araraquara, assumiu no dia

14 de fevereiro no Palácio dos

Bandeirantes em São Paulo, a

vice-presidência da Associação

Paulista de Municípios (APM).

A cerimônia teve a presença

do governador Geraldo

Alckmin. A eleição aconteceu

em dezembro de 2016 para

o mandato 2017-2020. Na

vice-presidência, Marcelo

desempenhará um papel de

22

Marcelo, certamente

candidato a deputado nas

eleições de 2018

defesa e de fortalecimento

dos municípios paulistas.

Segundo ele, sua atuação

será pautada pela busca por

uma melhor distribuição de

renda aos municípios, com

foco na saúde, que mais

onera as prefeituras. Para a

presidência da APM, tomou

posse o ex-vereador e ex-viceprefeito

de Campinas, Carlos

Cruz, que já presidiu a União

dos Vereadores de São Paulo

(Uvesp).


FRASE

“Ela se esquece

que o Estado é

laico, mas o povo

não. O nosso povo

é religioso. Seja

católico, evangélico,

umbandista, tantos Padre Allan Murilo Ulprist

outros, cremos em

Deus e em Sua Palavra. Estado laico não é

Estado sem Deus. A leitura da Bíblia em nada

interfere na laicidade do Estado. Falta um

pouco de pensamento crítico.”

Trecho da postagem do Padre Allan Murilo

Ulprist em seu facebook sobre a polêmica

levantada pela vereadora Thainara Faria (PT)

envolvendo a obrigatoriedade da leitura da

Bíblia em sessões da Câmara em Araraquara.

BOLA ROLANDO

O time de futsal da Uniara/Fundesport voltou

aos treinos em fevereiro no Gigantão. A equipe

comandada pelo técnico Renê Benacci manteve

a base de jogadores de 2016, contratando

apenas três reforços. Neste ano, o time vai

disputar a primeira divisão da Liga Paulista

(Campeonato Paulista).

O ARARAQUARENSE PIRICA

‘Já brinquei de ter banda, me aventuro

por alguns instrumentos. Já fiz trilha

sonora para espetáculos de ballet

e curtas. Ano passado fiz uma arte

para o encarte da banda Liniker e os

Caramelows. Agora, fiz um desenho

para Os Capial’, diz Pirica

Araraquara é um caldeirão artístico. Temos

aqui um grande exemplo de interação entre

diferentes linguagens, afinal, o renomado

quadrinista Luciano Salles, o Pirica,

responsável por diversas HQs e publicações

na Folha de São Paulo, desenhou a capa

do terceiro disco (‘Emboscada Caipira de

Plasma’) do duo Os Capial, de grindcore

(vertente extrema do rock). O resultado, você

confere acima. Parabéns!

Durante muitos anos, o mercado

conhecia apenas duas formas de pagamento:

Através de dinheiro vivo ou então

através do velho talão de cheques.

Muitos anos se passaram sem novidades,

até que o cheque, fragilizado pelos

altos índices de emissões de cheques

sem fundos, praticamente caiu no descrédito.

Com a evolução da tecnologia, chegou

o momento da supremacia das

maquininhas de cartões. E infelizmente,

diz o diretor administrativo do SI-

COOB Araraquara, Walter Francisco Orloski,

o mercado acabou refém de duas

grandes e únicas operadoras. Aluguéis

das máquinas elevados, tarifas sobre

as vendas abusivas, capturou uma parcela

importante dos lucros dos empresários.

Mesmo assim, alguns grupos

de empreendedores unidos (como os

postos de gasolinas), até que conseguiram

negociar tarifas um pouco mais

diferenciadas. Com o tempo, a situação

começou a ficar um pouquinho mais

justa quando apareceram as primeiras

operadoras concorrentes.

23

TECNOLOGIA

Parceria com a ACIA

leva o Sicoob a estar ainda mais

próximo da classe empreendedora

O SICOOB em Araraquara dá mais um importante passo

para consolidar seu posicionamento na indústria de meios

eletrônicos de pagamentos, disponibilizando a SIPAG,

uma maquininha sem taxa de adesão e com a menor

mensalidade do mercado.

Menos de um ano e meio após

seu lançamento, a maquininha

do sistema SICOOB já está

presente em mais de 10 mil lojas,

restaurantes, supermercados e outros

estabelecimentos por todo o país.

A NOVIDADE

No entanto, a mudança de fato

mais expressiva aconteceu com o

surgimento da máquina SIPAG. Com

custos de longe muito mais atraentes,

tecnologia superior, tarifas mais

justas, com tudo de bom que uma

operadora poderosa pode oferecer, a

SIPAG chegou para transformar a

realidade do mercado de pagamentos.

Orloski hoje, apresenta a SIPAG

como a máquina do SICOOB que é o

maior sistema cooperativo do país. E

o SICOOB como todos já sabem, não

tem a finalidade de lucro.

Informações sobre a SIPAG e negociações

na sede do SICOOB Araraquara,

na Avenida Barroso, 350 ou

através do telefone (16) 3331.2170.


Se você tem histórias

para contar sobre o

comércio da cidade, entre

em contato com nossa

redação: 3336.4433.

Pesquisa: Roberto Dolfini

Naquele 22 de março de 1962, uma

quinta-feira de tempo encoberto,

quem descesse pela Rua Gonçalves

Dias logo veria o relógio do Lupo

anunciando uma hora da tarde. Era

aquele, o momento em que alguns

jovenzinhos - com pouco menos

de 14 anos - entravam para lavar

as garrafas usadas na produção

da Indústria de Bebidas Da Valle,

uma das mais famosas da região.

Orlando Da Valle ficava na porta

a olhar um a um destes meninos,

entre eles, o Lelé do Açougue e o

Joãozinho, ponta direita do Bangu

do Lalo.

Poucos sabem no entanto, que a

Bebidas Da Valle teve a participação

societária de Henrique João Baptista

Crisci, em 1944. Ele - fabricante de

Rótulo do F.Q.F. fabricado pela Primor

nos anos 70, hoje é vendido na Internet

por R$ 2,00 para colecionadores

Logomarca da indústria com o litro de FQF em destaque

Orlando Da Valle em 1948

essências - fornecia os aromas para

as bebidas que a indústria começou

a fabricar.

A Fábrica de Essências Crisci desde

o dia primeiro de janeiro de 1944,

ganhou o mercado e tornou-se uma

das empresas mais conceituadas

no setor em todo o Estado de São

Paulo. Seu fundador ao constituir

a fábrica, decidiu denominá-la -

Henrique B. Crisci e 20 anos depois

(64), ela se transformou em Essências

Crisci, nome perpetuado no campo

industrial. A atividade inicial da

empresa era produzir aromas para

balas, doces e refrigerantes, além de

extratos para bebidas.

Henrique João Crisci foi sócio de Orlando

Da Valle, porém decidiu deixar a

sociedade para se dedicar a sua fábrica

de essências, considerada uma das mais

conceituadas do País

A constituição de uma sociedade

com Orlando Da Valle foi portanto

em razão dos conhecimentos de

Crisci no fornecimento do extrato,

nascendo entre os vários produtos o

F.Q.F., fabricado na Rua Gonçalves

Dias, 747, entre as avenidas José

Bonifácio e Feijó. Na lista das

bebidas colocadas no mercado

estavam o Creme de Cacau, Fernete,

Xaropes, Vinagre sabor branco e

o FQF, carro-chefe promocional da

empresa. Logo depois do almoço,

os caminhões da transportadora iam

parando pela Rua 1 para apanhar

as cargas montadas na parte da

manhã.

Orlando era um industrial de peso

na cidade, fora presidente da

Associação Comercial e Industrial de

Araraquara no período de 1942 a

1948, cumprindo dois mandatos em

plena Segunda Grande Guerra.

Alguns anos depois a sociedade

se separou: Crisci ficou com sua

fábrica de essências (hoje com o filho

Marcos Crisci) e Da Valle continuou

com as bebidas, porém, após um

incêndio a empresa praticamente

fechou as portas, vendendo a marca

F.Q.F. para a Primor em Jaú, uma

fábrica de bebidas que teve em 2011

sérios problemas de ordem tributária.

24


ELCIO MARCANTONIO

O País perdeu uma das suas

referências na odontologia

Dizer que o Elcio era o

oposto da foto ao lado, ledo

engano. O sorriso sempre

estava desenhado no rosto

que nasceu franzino lá pelos

sertões da araraquarense no

começo dos anos 30.

Cheio de sonhos, criança de

só quatro anos, sentiu passar

nas voltas da roda do trem,

imagens que o mergulhariam

na cidade que o viu crescer e

se tornar cidadão do mundo.

Ficara para trás naquele

1934 de uma revolução mal

contada, a bela Rio Preto.

Elcio Marcantonio,

referência nacional em

Cirurgia, Implantologia e

Traumatologia Buco-

Maxilo-Facial

Araraquara, jovem, bonita e

caprichosa, fazia desembarcar

aqui o filho do ferroviário

“seo” José e da dona Ana,

que primeiro queria ser doutor

das leis, mas acabou indo

trabalhar em banco.

Um dia, Elcio não deu conta

da coragem de um grande

valente, da meiguice pura que

saltava aos olhos e do talento

que as mãos lhe oferecera

como a reger a orquestra dos

tempos de menino e passou

dos limites.

A odontologia o encantou;

o branco do jaleco era uma

combinação do bom com o

bem e nela tornou-se o agora

senhor respeitado e admirado.

Fez amigos e se transformou

sem assim o desejar, pois a

humildade não o levava a isso,

simplesmente em doutor. Elcio

na verdade fez o que a escola

lhe mandou fazer. O coração

25

lhe ditou regras vida afora

e agora que o perdemos,

sabemos o quanto ele era

importante. Não apenas a

família o perdeu. O Brasil

perdeu Elcio Marcantonio.


ELCIO MARCANTONIO

Vida simples, mas

cheia de glórias

Dia 7 de fevereiro. Araraquara lamenta

o falecimento de Elcio Marcantonio

e a odontologia nacional perde

um dos seus mais brilhantes especialistas

em cirurgia, traumatologia facial

e implantodontia. Ao longo de uma carreira

de quase 55 anos dentro da odontologia,

“Elcinho” como era chamado

desde os tempos do Estrela, clube de

futebol amador que ele ajudou fundar,

também foi um dos seus principais jogadores

atuando de meia esquerda.

A vida contudo lhe dera outros caminhos

ao se formar na Faculdade de

Odontologia em Araraquara no final dos

anos 50. Trabalhando como dentista

da escola em Guaraci, perto de Barretos,

conheceu o professor

Welson Alves Ferreira,

que também era de

Araraquara. Ficaram amigos e juntos

amadureceram a ideia de terem um negócio

próprio. O primeiro passo partiu

de Welson que se mudou para Araraquara,

em 1963 e, ao chegar, montou

uma boutique de roupas, na Avenida

Cristóvão Colombo, 1122. Tempos depois,

Welson e Elcio decidiram criar um

depósito de reciclagem de papel, que

seria o terceiro na cidade. O depósito

foi alugado do amigo Elcio, que pretendia

montar no local uma fundição. Elcio

e a esposa passaram a frequentar a

boutique do casal Welson e Anita. “Na

época, nós dois queríamos subir na

vida e tivemos a ideia de criar uma fábrica

de cuecas”, contou Elcio, um dia.

Juntos concluíram que precisavam

de um projeto, um estudo mais detalhado

sobre o assunto e embarcaram para

São Paulo, com a finalidade de conhecer

uma fábrica de cuecas e fazer uma

espécie de estágio. Ao voltarem para a

cidade, mesmo sem ter ainda um local

definido, adquiriram o maquinário necessário

para começar a produção.

A ousadia e o pioneirismo dos sócios

Welson e Marcantonio, daí o nome

26


da fábrica (Wel: Welson + Mar: Marcantonio),

deram origem à Welmar, registrada

como a primeira fábrica de cuecas

de Araraquara, em 8 de janeiro de

1964, na Rua 9 de Julho perto da avenida

Mauá. No ano seguinte, a fábrica

mudou-se para a Rua Gonçalves Dias e,

em 1967, Avenida Bandeirantes, 389.

“Foi a fase de maior evolução da fábrica

e o começo das filiais. A fábrica produzia

também pijamas e camisas.

A primeira loja para a venda dos produtos

foi criada em 1967, na Av. 7 de

Setembro entre as ruas 7 e 8. “A segunda,

em outubro de 1968, na Rua 9 de

Julho, 915. Nesse ano, Elcio Marcantonio

saiu da sociedade porque passou a

exercer apenas a profissão de professor

universitário da Faculdade de Odontologia

da Unesp de Araraquara.

O ESTRELA

Setembro de 1952. Dia 30. Uma

terça-feira, pouco mais das 19h30.

Ainda jovem, Elcio envolvido pela simplicidade da gente que o cercava: Jaime, Nelson

Mariottini, Binho, Perci, Tagliacozzi, Chinin e Codeco; Valtinho, Geto, Galizé - Elcinho -

e Edinho, time do Estrela

Nem bem começara a primavera e o

céu estava florido de estrelas. Uma

delas acaba sendo escolhida para

simbolizar o time de futebol que estaria

nascendo, sob o olhar caprichoso

de Elcio Marcantonio e um grupo de

jovens senhores do Jardim Primavera,

na casa de n° 348, da Avenida Mauá,

sem nome, mas por ironia do destino,

ficou Estrela. Há quem diga que o Clube

Atlético Estrela Vermelha, seria uma

réplica do Estrela Vermelha de Belgrado,

um dos clubes mais populares da

República da Sérvia, fundado em março

de 1945. A partir de 19 de março

de 1956, passou a ser Estrela Futebol

Clube e por força da simplicidade dos

seus diretores e jogadores, tornou- se

por inteiro no time do Jardim Primavera

(onde hoje é o Gigantão).

27


Participação constante em palestras e congressos

CARREIRA ACADÊMICA

Sua trajetória acadêmica começou

em 1954, quando ingressou na Faculdade

de Odontologia de Araraquara,

se formando em 1956. Neste período

trabalhava de noite no Banco Comércio

Indústria de Araraquara, para sustentar

os estudos e guardar dinheiro para

futuro investimento na profissão de cirurgião-dentista.

Em 1957, já formado,

montou consultório em Itirapina, onde

permaneceu por dois anos. Em 1959,

assumiu o cargo de dentista no Serviço

Dentário Escolar em nossa

cidade, o que motivou também

a transferência do seu

consultório para cá.

Realizou estágio de

1960 a 1962 na disciplina

de Cirurgia na Faculdade de

Odontologia de Araraquara,

sob orientação do Prof. Nelson

Gullo, que foi quem o

convidou a se tornar professor

auxiliar. Após relutar para aceitar o

convite feito, pois se encontrava bem financeiramente

no Serviço Dentário Escolar

e consultório particular, resolveu

ser professor – e no dia 1º de março de

1962 foi contratado em regime parcial,

permanecendo assim até 1971, desligando-se

do Serviço Dentário Escolar e

da clínica particular, para assumir em

regime integral na faculdade.

Obteve o título de doutor sob orientação

do Prof. Rui dos Santos Pinto, da

Faculdade de Odontologia de Araçatuba,

em 1976, ano em que a Faculdade

de Farmácia e Odontologia de Araraquara

foi encampada pela Universidade

Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

– UNESP. Seu trabalho de doutorado

tinha uma linha de pesquisa inédita,

baseada em reimplantes em ratos. Na

sequência, montou, junto com o Prof.

Gullo, o pioneiro serviço bucomaxilofacial

na Santa de Araraquara. Em 1980

o serviço tornou-se oficial dentre os tratamentos

oferecidos pelo hospital.

Também em 1980, defendeu sua

tese de livre-docência na mesma área

de reimplantes, porém agora em saguis.

Esse trabalho foi desenvolvido

na Faculdade de Odontologia de Araraquara.

Em 1982, tornou-se Professor

Titular. Foi um período profícuo na sua

carreira, através do reconhecimento

nacional e internacional do seu trabalho,

muito também pelo pontapé inicial

dado na área de cirurgia ortognática.

Acabou se aposentando na Faculdade

de Odontologia de Araraquaraem

1989, porém não conseguiu ficar

longe do ensino e, nesse mesmo ano,

voltou à carreira docente na Faculda-

28


de de Odontologia de Ribeirão Preto, a

UNAERP, onde permaneceu até 2000.

Entretanto, logo após se aposentar na

UNESP (1989), novamente montou

seu consultório particular onde vinha

atendendo até tempos atrás. Mostrando

fôlego invejável, em 1994 fundou

com outros profissionais de Araraquara,

o Centro de Pesquisa e Tratamento

de Deformidades Bucomaxilofaciais

(CEDEFACE), uma entidade que presta

serviços de cunho social com excelente

qualidade, onde emprestava seus conhecimentos

quase diariamente.

Era pessoa humilde, que na área da

cirurgia se tornou referência nacional e

internacional e nem por isso deixou de

ser simples. Profissional de fácil acesso,

apesar de agenda repleta de compromissos,

e que mantinha ainda, aos

82 anos de idade, o gosto pela profissão.

Exemplo de vida pessoal, de profissional

clínico e docente, que sempre

transmitiu sabedoria que poucos têm.

Um dos seus orgulhos era a família.

São três filhos dentistas e professores

– Elcio Marcantonio Júnior, Cláudio

Marcantonio e Eloísa Marcantonio

Boeck – e, ainda, uma nora dentista e

professora, Rosimery Adriana Chiérici

Marcantonio. Ainda trabalham na área

odontológica o seu genro Rodolfo Jorge

Boeck Neto e as netas Ana Carolina Monachine

Marcantonio e Camila Chiérici

Marcantonio.

Elcio possuia um enorme orgulho

dessas pessoas que o cercavam, pois

os elogios a eles eram constantes,

sempre demonstrando carinho, segurança

e respeito.

Na foto, Elcio Marcantonio

com os filhos Cláudio,

Eloísa e Elcio Júnior, no

mesmo ambiente de

trabalho, o que dá a

eles, merecidamente a

responsabilidade pela

continuidade de uma

jornada que dignifica

a odontologia em

Araraquara

Elcio com as netas Carolina e Camila

(também profissionais da Odontologia)

e o filho Elcio Júnior

29


O Cedeface foi criado em 1994 por Roberto Dela Coleta e Elcio Marcantonio

QUALIDADE DE VIDA AOS PACIENTES CARENTES

Fundado em 7 de janeiro de 1994

em Araraquara, o Centro de Pesquisas

e Tratamento das Deformidades Buco-

Faciais (Cedeface) nasceu de um antigo

sonho de dois renomados profissionais

da área odontológica, Dr. Roberto

Dela Coleta e Dr. Elcio Marcantonio.

À época, o objetivo era “proporcionar

qualidade de vida e autoestima a

centenas de pacientes carentes com

limitações funcionais e estéticas envolvendo

a face”. Antes da concretização

desse sonho, o projeto desenrolou-se

nas clínicas privadas de ambos os

doutores. Com o aumento significativo

da demanda, fez-se necessário adquirir

um espaço físico específico para os

atendimentos clínicos.

Nesses 23 anos de existência, o

Cedeface esteve instalado nos Hospitais

São Paulo e Beneficência Portuguesa,

até adquirir sua sede própria em

2008, localizada na Rua Leonilda Santarelli

Braga, 118, Jardim São Jorge. A

instituição tem caráter filantrópico, sem

fins lucrativos, de utilidade pública nas

esferas Municipal, Estadual e Federal.

Com uma equipe multidisciplinar,

agrega mais de 100 profissionais que

atendem voluntariamente os pacientes

que procuram por atendimento no Cedeface.

Entre as atividades exercidas no

local estão: Assistência Social, Psicologia,

Fonoaudiologia, Otorrinolaringologia,

Plástica, Dermatologia, Genética,

Nutricionista e Odontologia com as especialidades

de Ortodontia e Cirurgia

Buco-Maxilo-Facial.

Com recursos limitados, a instituição

é mantida através de doações e

eventos realizados durante o ano, além

de cursos de formação profissional

constantemente ofertados pela instituição

nas áreas de Ortodontia, Oclusão,

Planejamento em Cirurgia Ortognática

e Toxina Botulínica e Preenchimento

Facial.

30


31


32


33


ESPECIAL

Parabéns, Cidade Doçura!

Américo Brasiliense comemora

em março, 52 anos de existência

Dirceu Pano (PSDB) quer presentear seus conterrâneos com um município mais limpo e recheado

de oportunidades em diversos setores; operação de recapeamento de ruas já está em vigor.

Eleito com 75 % da preferência popular, Pano afirma ter conseguido, em seus primeiros 45 dias de governo, R$ 550 mil para investimentos

Vizinha importante de Araraquara,

Américo Brasiliense comemora, neste

21 de março, 52 anos de existência.

Atualmente com cerca de 40 mil habitantes,

a “Cidade Doçura”, assim como

outros distritos do País todo, vive um

momento de transição por meio de outro

pensamento político.

E o novo representante da população,

Dirceu Pano (PSDB), prefeito eleito

com 75% das intenções de voto, garante

muito empenho para fazer o município

prosperar durante sua gestão. Ao

menos esta foi sua promessa em entrevista

exclusiva à Revista Comércio, Indústria

e Agronegócio em seu gabinete.

Nesses primeiros 45 dias, as primeiras

ações da Prefeitura focaram-se

no urbanismo. “Estamos fazendo uma

operação de tapa-buracos por aqui.

Queremos passar por cerca de 60 ruas.

Também intensificamos a limpeza e a

poda de árvores, Alguns locais estavam

em péssimas condições”, revela.

Um trabalho intenso no Distrito

Industrial é outra pauta emergencial.

“Eu pretendo trazer empresas para

Américo. Temos pouquíssimas no município.

Em paralelo, nunca deixaremos

de lado o fomento à cultura, lazer, esporte

e saúde”, pontua.

Inclusive, estes dois setores ganharam

um incentivo público após uma

passagem de Dirceu Pano a Brasília.

“Fiz doze visitas, passando por cinco

ministérios e sete gabinetes. Levei,

em ofícios, cerca de 2 milhões. E posso

adiantar que já estamos colhendo

frutos, pois consegui, mediante a um

deputado, R$ 250 mil para o esporte e

34

300 mil para a saúde. O saldo foi extremamente

positivo”, avalia.

Feliz por representar seu povo,

Dirceu Pano (PSDB) fez questão de finalizar

sua entrevista revelando que

sonha com uma Américo Brasiliense

cheia de alegria, com empregos, infraestrutura

de primeira e muita qualidade

de vida para sua população.

“Peguei a cidade num bom momento.

Não estamos nadando de braçadas,

mas estamos com todos os pagamentos

em dia. A ex-prefeita Cleide Berti

(PTB) foi muito responsável. Cabe a nós

ampliar os projetos e fazer com que o

ameriliense fique extremamente feliz

ao dizer que nasceu em Américo Brasiliense.

Vou trabalhar muito para isso,

podem ter certeza e busco contar com

o apoio de todos”, conclui.


35


NOVOS HORIZONTES

Rogério Dias toma posse e anuncia novos

planos para Associação Comercial de Américo

O novo presidente entende

que a ACIAB deve encontrar

caminhos de fortalecimento

do comércio através de

campanhas de conscientização

junto ao público consumidor.

Gino Torrezan (Facesp), Nelson Baptista de

Lima, Rogério Dias e o Prefeito Dirceu Pano

Com um jantar solene em sua sede,

localizada na Avenida José Zilioli, 346,

na Vila Cerqueira, a Associação Comercial

e Industrial de Américo Brasiliense

(ACIAB) apresentou sua nova diretoria

para 2017 e 2018. O empresário Rogério

Dias foi empossado presidente para

este período. “Nosso primeiro projeto

será uma campanha para conscientizar

os moradores de Américo a consumirem

no comércio local”, pontua.

Para sua gestão, Dias julga como

essencial o apoio da Facesp e do Sebrae,

importantes entidades ligadas

ao segmento. Seu antecessor, Nelson

Baptista de Lima, deixa a cadeira da

presidência, mas continua fazendo parte

da diretoria. “Assumo o compromisso

de fortalecer ainda mais a associação

e apoiar o empresariado da cidade”,

assegura.

“Queremos caminhar juntos e fazer

com que a população consuma aqui.

Vamos buscar a implantação de um

sistema de monitoramento para que

tenha segurança, estacionamento, enfim.

O que couber à Prefeitura, vamos

fazer”, arremata o prefeito Dirceu Pano.

Assim, fora Rogério Dias, a nova diretoria

da ACIAB tem: José Brito Luppi,

1º Vice-Presidente; Tamires Crescênzio

Brizolari, 2ª Vice-Presidente; Rosana

Dario Marques, 1ª Secretária; Silvano

Roberto de Souza, 2º Secretário; Nelson

Baptista de Lima, 1º Financeiro;

Valdir Marques, 2º Financeiro; Eunice

Carvalho de Oliveira e Eraldo José Correia,

Diretores Sociais; Joselaine do Espírito

Santo, Luís Carlos da Silva, André

Luís Ferreira, Daniel Nogueira Pavan e

Ismael da Silva, Conselheiros; Maximiano

Guidi Neto e José Geraldo Benassi,

Suplentes.

Foto: Jonas Bezerra

36


Antonio Roberto Borducci vai dirigir a SABSA

nos próximos dois anos; o apoio de Porsani

será fundamental para sequência do trabalho

realizado pela entidade

SABSA

Borducci é o

novo presidente

Assembleia da SABSA em

fevereiro foi marcada pela

posse da nova diretoria e

homenagens aos melhores

alunos das escolas do bairro

e colaboradores da entidade.

Agradável presença do

Coronel Humberto Gouvea

Figueiredo, comandante

do Policiamento do Interior

em Ribeirão Preto que veio

prestigiar o pai Antonio

de Aquino Figueiredo,

presidente do Conselho

Deliberativo da SABSA

A Assembleia Geral e Festiva da

SABSA homenageou em fevereiro os

melhores alunos das escolas públicas

instaladas no bairro e também prestou

homenagens especiais a personagens

que contribuem para a qualidade de

vida do bairro, ou ainda, são destaques

na sociedade; e, finalmente deu posse

à Diretoria Executiva e Conselho Fiscal,

para o biênio (2017-2018).

Foram homenageados como Melhores

Alunos de 2016: Centro de

Educação e Recreação “Cyro Guedes

Ramos”, Geanluca Blanco Leva de Oliveira

e Stephany Vitória Duarte Pinheiro

(Escola Municipal “José Roberto Pádua

Camargo”); Lucas Eduardo dos Santos

Junior (Escola Estadual “João Batista de

Oliveira”); João Pedro Mendes de Souza

(SABSA) e João Henrique Capella Leonardo

e Luana Yukari Yamada Tamura.

Entre os colaboradores foram homenageados:

Cabo Tiago Sabatini Quiles

(Polícia Ambiental); Capitão Alan

Esteves Fernandes Gouvea (Polícia Militar);

Tenente Fábio Henrique Camargo

(Polícia Rodoviária); Sargento Fernando

Henrique Marques, do Corpo de Bombeiros;

Guarda Civil Municipal, Rodrygo

Augusto de Campos; Betânia Lupo Nascimento

Cardozo, da Ótica Lupo; Marcos

Mariano Masoneti, auditor fiscal da

Prefeitura; Odair Cardoso, radialista e

Paulo Sérgio Campos Leite, advogado.

37


ARTE CONTEMPORÂNEA

Bela, astuta e esperta, a raposa

aparece nos muros da cidade

Artista de rua araraquarense

(‘quase anônimo’) pinta esses

bichinhos pelas paredes da

cidade a fim de externar a

ambivalência da consciência

humana. O animal da família

Canidae está em pelo menos

cinco pontos estratégicos de

Araraquara.

Em suas obras, MateusOf

faz uso da técnica de arte no

estêncil, um tipo de grafite

Quem observa com calma cada

canto do centro de Araraquara, com

certeza vai se lembrar de ter visto, alguma

vez, a figura de uma raposa pintada

em muros aleatórios. Este que vos

escreve confessa ter topado com o

simpático bichinho em três ocasiões,

sendo a última vez num cantinho de

uma das paredes que circundam aquela

Igreja Evangélica localizada no galpão

do antigo supermercado Sé, em

plena Rua Nove de Julho.

E outros cinco desenhos também

estão espalhados por aí. Uso um tom

de dúvida pois a arte de rua é feita sem

autorização prévia. Assim, algumas

pessoas optam por apagar o animalzinho

de sua propriedade.

Quem nos garante é o responsável

por tudo isso, um artista plástico da

cidade que aqui chamaremos de MateusOf.

Na verdade, o mesmo se auto

denomina desta maneira.

Seu nome de pia (como diria João

Cabral de Melo Neto), o primeiro, ao

menos, fica fácil de deduzir. O sobrenome

será mantigo em sigilo. Ele prefere

assim.

O que podemos dizer é que o rapaz

tem 35 anos e não é formado em artes

plásticas. Todo o seu conhecimento

vem da vivência com amigos, tutoriais

na internet, além do velho e conhecido

mecanismo da “tentativa e erro”.

Pois bem, em entrevista à Revista

Comércio, Indústria e Agronegócio, o

“arteiro” confessa ter pintado raposas

também na Rua 5 (Voluntários da Pátria),

na Rua 16 (Castro Alves) e na Via

Expressa. Para tal, MateusOf utiliza a

técnica de arte no estêncil, uma forma

de grafite mais rápida e simples. “Um

amigo, em São Paulo, me apresentou

a arte do estêncil e de existencialistas

como o inglês Banksy, o francês Blek

le Rat e o brasileiro Alex Vallauri. Este

Esta foi a última raposa flagrada pela

reportagem da Revista RCIA; ela está pintada

em uma parede na Rua Nove de Julho,

cruzamento com a Avenida Barroso

38


esolveu colocar suas ideias na rua e

formou o “Poestencil”, onde pinta imagens

e poesias. Gostei muito da ideia e

comecei a participar do projeto. Voltei

pra Araraquara e resolvi desenvolver

meus próprios desenhos. Mas a parceria

com o Poestencil continua”, conta.

CONCEITO

Araraquarense inspira-se em

nomes como o inglês Banksy e

o brasileiro Alex Vallauri

Fã de caminhadas pelas ruas da cidade,

MateusOF revela que não há um

manual a ser seguido na hora de escolher

o espaço no qual vai desenhar.

Ele apenas observa, pensa e depois

coloca a mão na massa, sempre em horários

alternativos.

Mas por que uma raposa? Para o

artista, o animal é bonito e solitário, resumindo

a ambivalência da consciência

humana: bela, astuta e esperta, mas

também traiçoeira. “A figura dela desperta,

nas pessoas, admiração (por ela ser

bela) ou desprezo (por ela ser símbolo

de traição e também por matar animais

domesticados). É como o grafite no

muro, despertando admiração ou desprezo”,

analisa.

Sem limites artísticos,

o araraquarense quer

continuar seu projeto, porém

pretende avançar e fazer outros

trabalhos. “Já estou preparando outros

rabiscos. Recentemente, fiz o ‘Vidas

Secas’ (desenhado por um amigo ilustrador),

que foi pintado no pontilhão

da Barroso, mas ele já foi apagado. Enquanto

houver possibilidade de colocar

a minha arte na rua para que todo mundo

tenha acesso, eu colocarei”, finaliza

o artista MateusOf.

Icônico e anônimo, o inglês Banksy

tem uma grande variedade de obras

de arte poderosas e polêmicas.

Seus primeiros desenhos foram

feitos em Londres. Hoje, eles estão

espalhados pelo mundo todo. Seus

temas preferidos são política, filosofia,

socialismo, terrorismo, sexualidade e

outros derivados. Este rebelde jogando

um ramalhete de flores é, talvez, seu

trabalho mais famoso

39


HORÁRIO DE VERÃO

Economia de energia alimentaria

Araraquara por 26 dias, diz CPFL

Valor de 48.286 MWh equivale

a redução de 0,40 % de todo o

consumo de energia no Estado

de São Paulo, de acordo com

relatório da CPFL no final de

fevereiro.

Redução de uma hora no

relógio abasteceria 20.119

casas com consumo médio

de 200 kWh

Com o fim do Horário de Verão, os

relógios dos araraquarenses funcionam

em seu ritmo normal desde o dia

19 de fevereiro. Segundo o balanço

enviado pela Companhia Paulista de

Força e Luz (CPFL Paulista) à Revista

Comércio, Indústria e Agronegócio, durante

os 126 dias de duração do período,

estimou-se uma redução da ordem

de 0,40% no consumo de energia elétrica.

A edição 2016/2017 teve início em

16 de outubro do ano passado. Esse

levantamento engloba 234 cidades no

interior de São Paulo que são atendidas

pela companhia. Essa economia alcançou

48.286 MWh, volume suficiente

para atender Araraquara durante 26

dias, Américo Brasiliense em 287 dias

e Matão 46.

Com o mesmo volume de energia

elétrica, seria possível abastecer

20.119 clientes residenciais com consumo

médio de 200 kWh durante um

ano. Há expectativa de que a demanda

de energia no horário de pico apresente

redução de 3,20%.

Thiago Guth, diretor de Distribuição

de Energia do Grupo CPFL, disse à nossa

revista, que os objetivos do programa

são melhorar o aproveitamento da luz

natural e reduzir o consumo de energia

elétrica, diminuindo a demanda no horário

de pico, das 18 às 21 horas.

40


DOCUMENTO

Golpe Militar de 1964

O corpo do araraquarense Roberto Arantes foi

achado e estava enterrado como indigente e o

da araraquarense Luíza Augusta Garlippe (Tuca),

jamais foi encontrado

Tempo de silêncio,

sangue e censura

Registrado na história como “os anos de

chumbo”, a ditadura militar no Brasil foi

marcada pela cassação de direitos civis,

censura à imprensa, repressão violenta das

manifestações populares, assassinatos e

torturas. Com marco zero datado para o dia

31 de março de 1964, o período se estendeu

até março de 1985. De maneira sintetizada,

o embrião de tudo resume-se ao afastamento

do então presidente da república, João

Goulart. Inicialmente, o regime militar foi

instituído com um caráter provisório, tendo o

objetivo de conter o avanço do comunismo

e da corrupção. O que parecia apenas uma

medida emergencial, transformou-se num

governo de mais de duas décadas, marcadas

pela sucessão de militares no poder, sendo o

Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco

o primeiro deles. Assim, em todo o Brasil, com

essa quebra da democracia, teve início uma

perseguição àqueles que eram opositores ao

vigente módulo de governo. O Departamento

41

de Ordem Política e Social (DOPS) foi o

principal órgão responsável pela contenção

dos manifestantes. Entre os opositores,

destaque para o Movimento Revolucionário 8

de Outubro (MR8), a mais famosa organização

política que não só combatia a ditadura, bem

como sonhava com a criação de uma pátria

socialista.

Não há um saldo exato de civis mortos ou

desaparecidos, porém, em 2014, a Comissão

Nacional da Verdade (CNV) entregou um

levantamento a então presidente Dilma

Rousseff (PT), apontando 434 óbitos. Desses,

210 corpos nunca foram encontrados.

Durante todo esse período, alguns importantes

revolucionários marcaram seus nomes na

história, como o carioca Carlos La Marca

(morto em 1971) ou mesmo a estilista mineira

Zuzu Angel, que faleceu cinco anos depois,

além de dois araraquarenses: Roberto Arantes

de Almeida e Luíza Augusta Garlippe, a Tuca.


53 ANOS DEPOIS

Dois de nossos filhos foram

mortos durante o regime

Em Araraquara, duas figuras

ganham relevância: José

Roberto Arantes de Almeida

e Luíza Augusta Garlippe. O

primeiro foi morto em 4 de

novembro de 1971, aos 28

anos. Já ela, conhecida como

Tuca, desapareceu em 1973

durante a Guerrilha

do Araguaia.

José Roberto Arantes de Almeida, que

durante seus anos de militância adotou

os nomes de Luiz e Deo, é filho de Mário

Arantes de Almeida e Aída Martoni de Almeida.

Ele nasceu em 7 de fevereiro de

1943, em Pirajui, que dista cerca de 160

quilometros de Araraquara.

Ainda menino se mudou com sua família

para a nossa cidade, onde seu pai

assumiu o cargo de professor de Botânica

da Faculdade de Farmácia e Odontologia.

Entre diversas atividades, o menino

foi escoteiro, tocou piano, praticou

natação e pólo aquático.

Em 1961 foi aprovado no vestibular

Instituto Tecnológico da Aeronáutica

(ITA), mas por conta de sua posição

política foi desligado do curso e transferido

para a Base Aérea do Guarujá.

Uma vez livre, retomou os estudos na

Faculdade de Filosofia de Araraquara.

Cinco anos depois foi eleito presidente

do Centro Acadêmico da Filosofia e em

1967 tornou-se vice-presidente da UNE

- União Nacional dos Estudantes.

Ainda nesse ano, foi preso durante

a repressão ao 30º Congresso da entidade,

em Ibiúna (SP). Porém, Zé Arantes,

como era conhecido, conseguiu fugir

de dentro do DOPS. Esteve em Cuba,

onde realizou treinamento de guerrilha

como militante da ALN.

Lá, junto com outros companheiros,

resolveu criar o Movimento de Libertação

Popular (Molipo). Em 1971, foi

preso, novamente, desta vez ao lado do

amigo Aylton Adalberto Mortati.

Os dois foram os primeiros militantes

mortos de um grupo de 28 exilados

que participaram de treinamento

de guerrilha em Cuba e retornaram

clandestinamente ao Brasil como integrantes

do Molipo.

“A morte de Arantes foi divulgada

apenas cinco dias depois. A família só

foi informada quando ele já estava enterrado

como indigente no Cemitério

Dom Bosco, em Perus, com o nome

falso de José Carlos Pires de Andrade”,

informa texto da Agência Brasil.

Na requisição da necropsia, encontra-se:

“por volta das 17 horas, manteve

tiroteio com membros dos órgãos de

segurança, sendo na oportunidade ferido

e em consequência veio a falecer”.

O corpo, entretanto, só chegou ao IML

24 horas depois do suposto tiroteio.

Zé Arantes esteve em Cuba, onde fez treinamentos de guerrilha e acabou sendo preso

42


Mário Arantes de Almeida,

pai de José Roberto,

estudou engenharia

em Liége, Bélgica, não

terminando os estudos

por causa da 1ª Guerra.

Voltando ao Brasil, se

formou em Direito pelo

Largo São Francisco.

Casou-se com Aída e foi

prefeito e vereador em

Araraquara nos anos 30,

e presidente da OAB.

Resgatado pela família, seu corpo

foi exumado e levado para sepultamento,

sob um manto de silêncio, com seu

nome verdadeiro, em Araraquara. Sua

namorada Lola, a jovem Aurora Maria

Nascimento Furtado, foi assassinada

sob torturas em novembro de 1972, no

Rio de Janeiro.

Entre seus inúmeros amigos e companheiros

de militância estava Frei

Beto, o dominicano que foi conselheiro

espiritual do Presidente Luís Inácio Lula

da Silva, Lula (PT) e assessor especial

do Programa Fome Zero.

Homenageando-o em 1978, os estudantes

da Faculdade de Ciências e

Letras da Unesp Araraquara deram seu

nome a uma de suas entidades: Diretório

Acadêmico José Arantes - José Roberto

Arantes de Almeida

Em 24 de novembro de 1983, através

do Decreto Municipal nº 4.944 do

prefeito municipal Clodoaldo Medina,

atendendo uma solicitação de autoria

do então vereador Domingos Carnesecca

Neto (PT), Araraquara denominou

Avenida José Arantes, uma via pública

do bairro Cidade Jardim.

TUCA

Militante do Partido Comunista do

Brasil (PC do B). Luíza Augusta Garlippe,

a Tuca, desapareceu em 1974 na

Guerrilha do Araguaia quando tinha 33

anos. Ela nasceu em Araraquara em 16

de outubro de 1941, filha de Armando

Garlippe e Durvalina Santomo Garlippe.

Estudou em Araraquara (primário,

ginasial e científico) e, posteriormente,

mudou-se para a cidade de São Paulo,

onde cursou Enfermagem na USP, formando-se

em 1964. Formada, passou

a trabalhar no Hospital das Clínicas,

chegando à chefia do Departamento de

Doenças Tropicais, trabalho que a levou

a estados como Amapá e Acre.

Em paralelo a isso, participava da

Associação dos Funcionários do Hospital

das Clínicas, distribuindo panfletos e

organizando seus colegas de trabalho.

Foi viver na região do Rio Gameleira,

no Araguaia, onde desenvolveu intenso

trabalho na área da saúde, destacando-se

como parteira.

Pertenceu ao Destacamento B da

guerrilha. Foi vista viva pela última vez

por seus companheiros no dia 25 de

dezembro de 1973, num acampamento

próximo à Serra das Andorinhas,

após um intenso tiroteio.

Há desencontros de informações

quanto à data de sua morte. O relatório

do Ministério do Exército registra o

desaparecimento de Luíza desde maio

de 1974. Já a Marinha do Brasil declara

seu óbito em junho de 1974, enquanto

o Ministério Público apresenta a infor-

Tuca, na juventude, estudante ainda, em

Araraquara

43

Tuca (ao meio) com sua mãe, Durvalina Garlippe, à direita; sua tia,

Corina, está à esquerda

mação de que ela morreu em 16 de julho

de 1974.

Segundo sua irmã, Maraí Garlippe,

em Araraquara, a última vez que os familiares

a viram foi no início dos anos

70, após a morte do pai Armando Garlippe.

“Posteriormente, fomos perdendo

contato. Não sabíamos onde ela estava.

Às vezes, chegavam informações desencontradas

sobre o seu paradeiro. Só

muito tempo depois fomos saber sobre

o Araguaia. Naquela época, a comunicação

era difícil. As forças da repressão

nos vigiavam”, conta.

Em 17 de janeiro de 2004, em reunião

realizada na Câmara Municipal, foi

constituída a Comissão de Direitos Humanos

Luíza Augusta Garlippe, em sua

homenagem. Tuca também estampa

seu nome em uma rua da Vila Independência.

FICHA DE TUCA NA

COMISSÃO DA VERDADE

Outra informação sobre Tuca: Presa em 24 de

junho de 1974 na região do Rio Sororó, perto

de Marabá, teria sido levada para a base

da Casa Azul, em Marabá; passou ainda

um tempo na base de Bacaba. Foi morta em

julho de 1974.


CIÊNCIA

‘O neuromarketing transforma sua

visão dos negócios’, dizem especialistas

A neurociência ajuda

empresas e agências de

publicidade a desenvolver

e comercializar produtos,

visando torná-los mais

eficientes, bem como suas

mensagens publicitárias.

Você sabe o que é neurociência? E

o que é neuromarketing? Para que servem?

O que eles podem fazer pelo seu

negócio?

Os sócios da Neuroplan, empresa

de consultoria em neuromarketing, Ana

Nunciato e Carlo Endrigo, respondem

para você.

A neurociência, segundo Ana Nunciato,

investiga o sistema nervoso. Ela

nos revela como o cérebro produz o

nosso comportamento, o porquê nos

emocionamos e como tomamos nossas

decisões. Já o neuromarketing, que é a

associação da neurociência com o marketing,

investiga o cérebro do consumidor

de maneira implícita para entender

o seu comportamento na hora da compra.

Ele também é capaz de medir as

reações emocionais a marcas, publicidades,

produtos, embalagens, websites,

na mente das pessoas.

O neuromarketing com pouco mais

de quinze anos tornou-se uma ferramenta

de pesquisa imprescindível

para o desenvolvimento e sucesso de

produtos, além de ações publicitárias.

Agregar as tecnologias neurocientíficas

aos meios tradicionais de pesquisas

tem proporcionado às empresas

dados precisos para compreenderem

melhor os desejos e necessidades dos

consumidores, fazendo com que elas

se destaquem num mercado extremamente

competitivo e cheio de ideias

conflitantes.

As metodologias tradicionais de

O Neuromarketing está ganhando um grande destaque no mercado e, com certeza, ajudará

você a entender o que seu consumidor realmente pensa sobre sua marca ou produto

pesquisas, de acordo com Carlo Endrigo,

nos submetem a um questionário

onde ao respondê-lo racionalizamos

nossas respostas quando pensamos

para expressar os nossos sentimentos.

“E isso ocorre por uma série de fatores,

desde o ambiente até o que estamos

pensando naquele momento. Só que,

na maior parte das vezes, nem sempre

aquilo que respondemos é exatamente

o que estamos sentindo. Por isso, esses

métodos, quando usados para registrar

fatos relatados por seus participantes,

funcionam razoavelmente bem”.

Mas quando o seu objetivo é sondar

como os consumidores sentem-se

realmente em relação a algo, ou com

a finalidade de recordar um fato, elas

não funcionam. “Já o neuromarketing

através da eletroencefalografia nos permite

captar a atividade espontânea das

ondas cerebrais frente a um estímulo,

que pode ser visual, olfativo, auditivo,

gustativo ou tátil, sem perguntas, com

apenas 10% do número de participantes

das pesquisas tradicionais. Todo

44


nosso comportamento é originado no

cérebro, dessa forma nós avaliamos

três regiões”, completa Ana Nunciato.

O neocórtex, área ligada à razão. O

sistema reptílico, relacionado aos instintos.

E o sistema límbico, responsável

pelas emoções. Assim, embasados por

resultados cientificamente confiáveis,

podemos construir estratégias bem

mais assertivas para o negócio do cliente.

Mas por que é tão fundamental entender

esse processo?

MAIS DETALHES

Quando decidimos comprar algo,

seja um carro, uma casa, uma roupa,

apenas 5% desse processo de decisão

é consciente. O neuromarketing nos

possibilita afirmar que os outros 95%

são inconscientes. Todos nós compramos

no modo piloto automático, quase

sempre, sem perceber. Após uma compra

o nosso Sistema de Recompensa

induz a liberação de neurotransmissores

específicos que promovem em nós

sensações de prazer e bem-estar, que

atuam como forma de recompensa

pela ação realizada.

A ativação desse sistema reforça

a procura por ações agradáveis e prazerosas,

estimulando a repetição do

comportamento ou busca pelo estímulo

que gerou a ativação do circuito e a

consequente resposta de bem-estar.

Outro dado importante é que produtos

e campanhas publicitárias com altos

níveis de engajamento emocional com

as pessoas possuem uma capacidade

maior de gerar vendas e recall, diz Carlo

Endrigo.

Sobre os planos da Neuroplan os sócios

reafirmam a intenção de formalizar

projetos com empresas, agências de

propaganda, institutos de pesquisas,

associações e sindicatos comerciais

e veículos de comunicação. “O nosso

conhecimento sobre neuromarketing já

está à disposição do mercado. Somos

uma consultoria e não uma agência de

propaganda. Respeitamos os profissionais

de marketing e publicidade e

queremos ajudá-los na missão de promover

o desenvolvimento dos clientes,

oferecendo resultados precisos sobre

o comportamento de consumo, através

da neurociência”, concluem Ana e

Endrigo.

Carlo Endrigo e Ana Nunciato, da Neuroplan, utilizam metodologias neurocientíficas para

atingir o inconsciente do consumidor

45


NOVIDADE

Alta tecnologia a favor do setor

do transporte invade a cidade

SEST SENAT Araraquara

inaugura nova fase na

capacitação de profissionais

da área com a implantação

do Simulador de Direção

Híbrida; primeira turma já

está formada.

Com foco na redução de acidentes

por meio de uma qualificação de ponta,

a unidade local do SEST SENAT é

uma das 60 em todo o País a oferecer

aos profissionais do ramo o Simulador

de Direção Híbrida para ônibus, caminhões,

carretas e vans.

No equipamento de origem espanhola,

o aluno será exposto a diversas

condições típicas de estradas e vias

urbanas, como obstáculos diversos,

neblina, chuva forte, problemas nos

veículos, manobras arriscadas, subidas

e descidas íngremes, asfalto ruim, entre

outros.

Todas as ações são

controladas por um instrutor

que fica em uma

sala ao lado, na qual

ele também monitora

todas as ações feitas

para então montar um

relatório de todo o percurso.

Assim, uma nota

é sintetizada, aprovando

ou reprovando o motorista.

“O curso oferta a

possibilidade de um

treinamento completo

voltado ao desenvolvimento

de competências

e habilidades necessárias

à condução

correta e segura de

veículos”, informa Adriano Parreira, técnico

de formação profissional e um dos

três monitores disponíveis no local para

guiar o equipamento.

O executivo de vendas da Revista Comércio, Indústria e

Agronegócio, Anderson Rovina, foi convidado a fazer uma aula

teste com um percurso simples em uma van. Ele enfrentou

chuva, trânsito e ainda lidou com o aparecimento de um

cavalo em plena estrada

Acompanhada em

tempo real, toda a aula

é transmitida para os

outros alunos na sala

ao lado

Para Clésio Andrade, presidente dos

Conselhos Nacionais do SEST SENAT,

utilizar simuladores na capacitação de

profissionais possibilita a criação de

situações inéditas para o motorista,

proporcionando inúmeras vivências

que não seriam possíveis em um treinamento

real. “Quando o motorista dirige

de forma adequada, há economia

de combustível, redução dos gastos

com manutenção e custos operacionais.

Diante disso, estamos convictos

que estratégias pedagógicas só trazem

ganhos ao trânsito brasileiro. Este é o

nosso objetivo e nele acreditamos”,

completa Andrade.

46


MÃO NA MASSA

(OU NA DIREÇÃO)

Segundo Maria Gertrudes Albiero,

diretora do SEST SENAT local, uma

turma de capacitação já está formada

para março, porém a data ainda não

foi definida para o começo das aulas. A

princípio, o curso é gratuito para todos

os profissionais de empresas de transporte

com carteiras C, D e E.

Cinco opções estão disponíveis:

“Aperfeiçoamento de Motoristas para

Condução Antecipatoria (Segura e Econômica),

“Aperfeiçoamento de Motoristas

para a Condução em Situações de

Risco”, “Aperfeiçoamento de Motoristas

para o Uso de Tecnologias Embarcadas

no Veículo”, “Aperfeiçoamento

de Motoristas para o Transporte de

Passageiros (módulo de ônibus) e Cargas

Especiais (módulo de caminhão) e,

por fim, Aperfeiçoamento de Motoristas

para Manobra de Veículo”. “Para o futuro,

estuda-se a abertura geral para o

público, assim como a continuidade ou

A diretora do SEST SENAT Araraquara, Maria Gertrudes Albiero, convida os profissionais e

empresas do setor a conferir de perto toda essa tecnologia

não das inscrições gratuitas. Cada turma

é formada por 15 pessoas em uma

carga horária de 28 horas. Quem tiver

qualquer dúvida, pode nos procurar

diretamente no SEST SENAT, que fica

na Av. Antenor Elias, 1450, IV Distrito

Industrial. Telefone: (16) 3336-2090”,

finaliza Maria Gertrudes.

47


ANIMAIS PEÇONHENTOS

Araraquara e outras 17 cidades

contam com o auxílio do Centrap

Área rural agrega boa parte dos atendimentos feitos pelo Centro, localizado junto à UPA da Vila

Na ativa desde 1982, o Centro de

Tratamento Regional de Acidente por

Animais Peçonhentos (Centrap) realiza

cerca de 25 atendimentos mensais a moradores

de Araraquara e outras 17 cidades

de toda a Região.

Instalado ao lado da Unidade de Pronto

Atendimento (UPA) da Vila Xavier, os

três profissionais do espaço trabalham

juntamente com um corpo médico para

dar suporte às vítimas de picadas de animais

peçonhentos, como aranhas, serpentes,

escorpiões, entre outros.

“O Centro de Controle de Vetores de

Araraquara faz o balanço e nós damos

o suporte humano, colocando a mão na

massa. Somos chamados pela UPA da

cidade para montar relatórios, separar

soros, enfim, montar um relatório sobre

o acidente para então entregar para o

médico”, conta Israel Aparecido Joaquim,

técnico em enfermagem graduado

em ciências biológicas e que trabalha

no local.

Ao fazer um balanço dos casos,

Joaquim afirma que o período que requer

mais atenção é o Verão. E quem mora na

zona rural, deve aumentar ainda mais

sua preocupação, pois a maioria dos

atendimentos é oriunda da área rural,

principalmente em relação às serpentes.

O técnico em enfermagem Israel Aparecido Joaquim é um dos responsáveis pelo suporte no

Centro de Tratamento Regional de Acidente por Animais Peçonhentos

“Já na área urbana, o maior perigo,

hoje, é o escorpião. Por isso, sempre

peço para que todos, ao serem picados,

mantenham a calma e procurem auxílio

o mais rápido possível. No ano passado,

cerca de 340 pessoas passaram por

nossas mãos”, completa Israel Joaquim.

A UPA da Vila Xavier e consequentemente

o Centro de Tratamento Regional

de Acidente por Animais Peçonhentos

(Centrap), ficam na Rua José do Patrocínio

nº 660. O espaço não fica aberto

com periodicidade, funcionando apenas

quando necessário. Quem quiser acompanhar

melhor o trabalho, há uma página

no facebook: /centrap.centrap/.

48


AGRO

N E G Ó C I O S

INFORMATIVO

Bacia Hidrográfica do Tietê - Jacaré

edição março | 2017

Encontro em março define volta

do Sindicato Rural ao Comitê

No dia 10 de março no auditório da Fatec em Jaú, acontecerá a eleição da Plenária, Diretoria e

Câmaras Técnicas do Comitê da Bacia Hidrográfica do Tietê-Jacaré para o biênio 2017-2019.

Fábio Meirelles, presidente da Faesp/Senar SP, fazendo sua saudação aos presidentes dos sindicatos rurais da região

Representantes de 17 sindicatos

rurais ligados à Bacia Hidrográfica do

Tietê-Jacaré participaram em fevereiro

de reunião preliminar no Sindicato Rural

de Jaú.

De acordo com o presidente do Sindicato

Rural de Araraquara, Nicolau de

Souza Freitas, o encontro deu ênfase

ao fortalecimento e união dos sindicatos

que compõem esta base.

A reunião, realizada das 9h às 13h,

contou com a presença do presidente

da Federação da Agricultura do Estado

de São Paulo (Faesp), Fábio Meirelles,

que teve a entronização do seu retrato

na sede do Sindicato Rural de Jaú,

49

além da realização de duas palestras:

recursos hídricos e energia elétrica e

dispositivos legais.

Agora as atenções se voltam para

o dia 10 de março quando ocorrerá a

eleição da Plenária e Diretoria para os

próximos dois anos.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE


ENCONTRO DE PAIS E PROFESSORES

A Bacia Hidrográfica em que o

Sindicato Rural busca participar

Toda bacia hidrográfica é

composta por uma plenária

com 12 representantes da

sociedade civil organizada, 12

representantes do estado e 12

representantes dos municípios.

A Bacia do Tietê-Jacaré envolve

cerca de um milhão e meio de

habitantes.

A figura representa o conceito

de bacia hidrográfica com

os principais componentes

importantes para a pesquisa

e o gerenciamento

50

Características principais da bacia

hidrográfica do Tietê/Jacaré com

seus 34 municípios

Fazer parte de forma técnica e discutir

as questões relacionadas à Bacia

Hidrográfica do Tietê - Jacaré, é o que

pretende a diretoria do Sindicato Rural

de Araraquara a partir de março, quando

será definida a formação do Comitê

que administra o programa.

Em fevereiro, no Sindicato Rural de

Jaú, já ocorreu uma reunião preliminar

para organização e nivelamento da atuação

dos sindicatos rurais e seus representantes

junto aos comitês de bacias

hidrográficas que têm o poder de discutir

assuntos relacionados ao Meio

Ambiente, Recursos Hídricos e Energia.

Mas, afinal o que é uma Bacia Hidrográfica?

É a unidade biogeofisiográfica

que drena para rio, lago, represa

ou oceano. O conceito de bacia hidrográfica

como unidade de pesquisa, gerenciamento

e aplicação das informações

básicas, é resultado de longa

evolução iniciada praticamente com a

implementação do conceito de carga

por Vollenweider (1968)

e consolidado com os estudos

de Likens (1984,

1992) demonstrando os

experimentos e o trabalho

de longa duração no Hubbard-Brook,

uma pequena

bacia hidrográfica situada

nos Estados Unidos. Esse

conceito está bem estabelecido

e consolidado,

representando um grande

processo de descentralização

da gestão baseada em pesquisa

e inovação aplicada a cada bacia

hidrográfica. Nesse contexto, escalas

espaciais e temporais

são fundamentais para

considerar a bacia.

ACESSO AO

COMITÊ

Tendo em vista o

aumento considerável

de questões relacionadas

ao Meio

Ambiente, envolvendo

ainda recursos hídricos

e a energia, a

diretoria do Sindicato

Rural entende que a

participação da entidade

na discussão

destes assuntos é de

suma importância.

Ruy Pacheco,

presidente do

Sindicato Rural

de Jaú


Presidente Fábio Meirelles, da Faesp / Senar SP na abertura do

encontro realizado no Sindicato Rural de Jaú em fevereiro

Momento da entronização

do retrato de Fábio

Meirelles na sede do

Sindicato Rural de

Jaú pelos presidentes

Nicolau de Souza Freitas

(Sindicato Rural de

Araraquara) e Edison

José Ustulin (Barra Bonita)

A FORMAÇÃO DO COMITÊ

O presidente Nicolau de Souza Freitas

entende que o poder de representatividade

do Sindicato Rural atualmente

é significativa e que a instituição pode

contribuir decisivamente neste processo

de gestão por ter o controle de uma

significativa parcela de pessoas em seu

segmento, que é o agronegócio.

A bacia é composta de uma plenária

e se dá com a participação de 12 representantes

da sociedade civil organizada,

12 representantes do estado e 12

representantes dos municípios. Além

disso, sua diretoria é formada por um

Presidente, um Vice-Presidente, uma

Secretaria Executiva e uma Secretaria

Executiva Adjunta, que atendem as demandas

da Bacia Hidrográfica nos 34

municípios de abrangência.

O CBH-TJ conta ainda com cinco

Câmaras Técnicas que dão suporte à

Diretoria e à Plenária. Atualmente, está

em fase final de implantação a Cobrança

pelos Usos de Recursos Hídricos da

Bacia.

HOMENAGEM A FÁBIO

MEIRELLES

Ainda no Sindicato Rural de Jaú, por

ocasião do encontro de presidentes e

representantes de sindicatos rurais da

região, integrantes da Bacia Hidrográfica

do Tietê-Jacaré, foi prestada uma homenagem

ao presidente da Federação

da Agricultura do Estado de São Paulo

(FAESP) e Senar SP, Fábio Meirelles.

A entronização do seu retrato na

sede do Sindicato Rural de Jaú é uma

demonstração de reconhecimento ao

trabalho exercido por Fábio Meirelles

dentro da federação e em defesa aos

interesses do agronegócio no País, com

a soma de mais de 60 anos de engajamento

nas causas ligadas à agricultu-

ra. Advogado e ex-deputado federal, o

paulista de Cajuru preserva a tradição

de cuidar da terra e da Federação da

Agricultura e Pecuária do Estado de

São Paulo (FAESP) desde 1975, impulsionando

os agronegócios e a pecuária

de São José do Rio Preto.

Foi o 1º vice-presidente e presidente

da Confederação da Agricultura e Pecuária

do Brasil, presidente da Federação

da Agricultura do Estado de São Paulo

(Faesp), do Serviço Nacional de Aprendizagem

Rural (Senar-SP), Conselho

Deliberativo do Serviço de Apoio as Micro

e Pequenas Empresas de São Paulo

(Sebrae-SP), entre outras instituições.

51

Advogada Fernanda

Bueno e João

Henrique de Freitas,

diretor do Sindicato

Rural de Araraquara

com o presidente

da Faesp / Senar

SP, no encontro dos

sindicatos rurais e

seus representantes

na Bacia Hidrográfica

Tietê - Jacaré em Jaú

Este mesmo grupo de sindicatos rurais terá a

responsabilidade de eleger no próximo dia 10

de março a Plenária do CBH Tietê-Jacaré, bem

como sua diretoria e as câmaras técnicas. A

eleição será em Jaú (Auditório Carlos Alberto

Pavanelli, Bloco III).


A Mutum Agro Pet fica na Rua Henrique Lupo, 1661 - Vila José Bonifácio,

com telefone (16) 3335-2300

É NOSSO ASSOCIADO

Mutum, onde o mundo

agro pet acontece

Com o objetivo de

homenagear e valorizar o

trabalho empreendedor dos

seus associados, o Sindicato

Rural de Araraquara inicia

uma série de reportagens

para mostrar a atuação

de cada um e a força do

agronegócio.

De uma simples compra de um

xampu para seu cãozinho até uma

grande encomenda de rações para os

cavalos ou porcos de seu sítio ou fazenda.

Esses são alguns dos extremos

que podem tentar ilustrar a imensidão

de serviços que a Mutum Agro Pet oferece

aos seus clientes de Araraquara e

Região.

Instalada num grande espaço na

Avenida Henrique Lupo e com estacionamento

próprio e coberto, a loja

funciona de segunda a sexta-feira, das

8 às 19h. Aos sábados, suas portas

abrem das 8 às 17h. Aos domingos,

das 8 às 12h.

“Além da nossa variedade de produtos,

a Mutum tem como grande diferencial

o atendimento personalizado. Hoje,

possuímos muitos clientes na cidade,

principalmente dos condomínios próximos

e também de cidades vizinhas,

As rações das mais afamadas marcas são

comercializadas pela loja dos irmãos Bedran

52

Nas prateleiras, enorme variedade de produtos


como Matão e Motuca. Também realizamos

entregas em domicílio”, conta o

zootecnista Jorge Bedran, proprietário

do local ao lado do irmão, o bacharel

em direito, Michel Bedran.

Acreditando no bom momento que

o agronegócio vive hoje em todo o País,

ambos são profissionais do ramo há

três anos. “Nossa loja era de um antigo

dono e ficava em outro endereço. Quando

ele resolveu passar o ponto, eu me

interessei e repaginei toda a estrutura,

transformando em um empreendimento

de multissetores. Migrei de cliente a

proprietário”, revela Jorge Bedran.

NAS GÔNDOLAS

Em passeio pelas dependências

da Mutum Agro Pet, a reportagem da

Revista Comércio, Indústria e Agrone-

Roupas e acessórios da linha country uma das especialidades da loja

Mudas ocupam amplo espaço na parte externa da Mutum

gócio pôde comprovar todo o seu enorme

acervo, como explicaram os irmãos

Bedran. Fora a comercialização de rações,

acessórios e suplementos para

53

Michel e Jorge Bedran

apostando no desenvolvimento

do agronegócio em nossa

cidade

diversos animais, de estimação a corte,

a loja tem uma vasta carta de vacinas e

uma farmácia veterinária.

Ainda há espaço para materiais de

piscina e jardinagem, limpeza doméstica,

ferramentas, mudas orgânicas e

frutíferas e também roupas, sapatos e

chapéus da linha country. “Convidamos

todos para passar com a família aqui

na Mutum. Com certeza você vai achar

o que precisa”, finaliza Jorge Bedran.

Ao apresentar o trabalho da Mutum,

o Sindicato Rural de Araraquara

- da qual a loja é associada - mostra o

crescimento do mundo agro, comenta

o presidente Nicolau de Souza Freitas.

“O envolvimento dos nossos associados

com o empreendedorismo rural é

importante para a economia da cidade

e ficamos felizes porque vemos o entusiasmo

e o orgulho de quem investe,

contribuindo decisivamente para a geração

de rendas e empregos”, completa

o dirigente.


LANÇAMENTO DO PLANO EM SÃO PAULO

Temer diz que Agro+ dará maior

sustentabilidade à agricultura

Com apoio da Faesp, Michel Temer, Geraldo Alkmin e Fábio Meirelles lançaram plano em busca

de maior ganho e eficiência do setor. O Sindicato Rural de Araraquara esteve representado pelo

seu presidente Nicolau de Souza Freitas, membro da Câmara Setorial da Citricultura em Brasília.

Autoridades no início da solenidade em São Paulo

O apoio do setor rural paulista ao

Plano Agro+ reuniu na segunda quinzena

de fevereiro, cerca de 700 pessoas

em São Paulo, quando o presidente da

República, Michel Temer; o ministro da

Agricultura Blario Maggi; Geraldo Alckmin

(governador de São Paulo) e Fábio

de Salles Meirelles (presidente da

Faesp e Senar), lançaram o Plano

Agro+. O programa busca a modernização

do agronegócio para reduzir o custo

das atividades do setor e combater a

ineficiência gerada pela burocracia. Entre

os convidados estavam os representantes

do Sindicato Rural de Araraquara,

Nicolau de Souza Freitas, o diretor

João Henrique de Freitas e a advogada

Fernanda Bueno.

54

A expectativa do governo com a

regionalização do programa é ter um

ganho de eficiência estimado em R$ 1

bilhão, valor que representa 0,2% do

faturamento anual do setor, calculado

em aproximadamente 500 bilhões.

Em 2016, as exportações do agronegócio

paulista somaram US$ 17,9

bilhões, com acréscimo de 12,8% em

relação a 2015, informou a Secretaria

de Agricultura e Abastecimento do

estado de São Paulo. Os setores com

maior destaque foram o complexo sucroalcooleiro,

carnes, sucos, produtos

florestais e complexo soja.

Antes de São Paulo, apenas Rio

Grande do Sul lançou o Plano Agro+

estadual. Rondônia está com o lançamento

programado para março e

Distrito Federal para maio, durante a

feira AgroBrasília. Os estados de Mato

Grosso, Pernambuco, Rio Grande do

Norte, Bahia, Rio de Janeiro e Goiás já

demonstraram interesse ou estão com

seus planos avançados.

O Ministério da Agricultura, Pecuária

e Abastecimento (Mapa) disponibiliza

aos estados as informações necessárias

à implantação do Agro+ e uma

lista de passos para a estruturação dos

modelos locais.

A DESBUROCRATIZAÇÃO

Fábio Meirelles disse que o Plano

Agro+ representa uma oportunidade


Michel Temer e Fábio Meirelles se cumprimentam logo

após o lançamento do Programa Agro+ na capital paulista,

constituindo-se num dos mais importantes acontecimentos

econômicos nos três primeiros meses de 2017

para uma profunda desburocratização

dos processos relativos ao Agronegócio,

podendo impulsionar sobremaneira

os fluxos de produção e comércio.

“Ele não é um fim, mas um meio para

os nossos objetivos maiores”, observou.

Ele é um exemplo do esforço do setor

privado para elevar a produtividade

e a eficiência, a partir da idealização do

sistema Faesp-Senar e Sebrae SP.

O objetivo é levar tecnologia ao

campo e viabilizar novas estruturas de

comercialização com menos intermediação

e mais agregação de valor, diretamente

do “campo ao consumidor”.

Fábio Meirelles observou que são

necessárias: desburocratização, simplificação

e redução do crédito rural; fortalecimento

da política de gestão dos

riscos agropecuários (climático e de

mercado), vez que esta é a palavra de

ordem política agrícola do século 21, e

redução da violência no campo.

REDUÇÃO DE CUSTO

O governador Geraldo Alckmin falou

das medidas que visam desburocratizar

o agronegócio e estimular as exportações

do setor. O objetivo é reduzir o

custo e as ineficiências das atividades

do agronegócio.

Alckmin destacou em seu discurso a

expectativa do “mundo inteiro” de que

o Brasil consiga garantir o fornecimento

de alimentos com sustentabilidade e

ressaltou que a agricultura brasileira é

a mais competitiva do mundo. Ele disse

ainda que políticas de juros baixos e

de moeda sobrevalorizada reduziram a

possibilidade de competitividade.

São Paulo, lembrou Alckmin, é o segundo

Estado a implementar o Agro+,

depois do Rio Grande do Sul. Para ele,

o que prevalece é o esforço de todos

para que o Brasil possa continuar sendo

forte dentro da economia.

PLANO AGRO+

Com medidas de curto, médio e

longo prazos, o Agro + tem dois eixos:

Modernização e Desburocratização e o

Marco Regulatório do Plano de Defesa

Agropecuária. O foco é a redução da

burocracia, que hoje interfere na execução

dos serviços.

Para tanto, o Mapa acelerou a

implementação do Manual do Boas

Práticas Regulatórias de Defesa Agropecuária

e priorizou as demandas de

automação desta área. Isso está sendo

feito por meio de portarias e instruções

normativas para reorganizar e fortalecer

a tramitação de normas.

O ministério também vai estabelecer

cooperação com a Confederação

da Agricultura e Pecuária do Brasil para

desenvolver ferramentas capazes de

agilizar a troca de informações entre

as autoridades sanitárias e os países

importadores do agronegócio brasileiro

55

Nicolau de

Souza Freitas e

João Henrique

de Freitas,

representando o

Sindicato Rural

de Araraquara

no encontro em

São Paulo

EM ARARAQUARA

O presidente do Sindicato Rural, Nicolau

de Souza Freitas, em Araraquara,

disse aos companheiros de diretoria

existir, hoje, o reconhecimento de que

o agronegócio atingiu elevado ponto de

desenvolvimento: “O País está se unindo

pela estabilização econômica, a partir

da integração de seus elos de consolidação

das suas cadeias produtivas”.

Para ele, os esforços devem estar concentrados

de fato na união de todos.


PEQUENOS PRODUTORES

Curso sobre tomate orgânico na Fazenda Monte Alegre

Sindicato Rural e Senar iniciam cursos

de tomate orgânico e turismo rural

Ministrando cursos de

capacitação para pequenos e

grandes produtores rurais, o

Sindicato Rural de Araraquara

e o Senar SP estabelecem

parceria para importante ação

na Fazenda Monte Alegre. O

Programa Tomate Orgânico

solicitado no ano passado

será desenvolvido

No dia 13 de fevereiro foi realizada

a sensibilização para mostrar a importância

da adesão ao programa de capacitação

ao cultivo do tomate orgânico,

atraindo produtores assentados interessados

no tema. Após a apresentação

de todas as etapas de produção e

análise do contexto da região, foi definido

um grupo de 15 produtores que

acompanharão o programa, aprendendo

as etapas teóricas e implementando

na prática o cultivo orgânico.

A demanda surge para dar continuidade

aos trabalhos realizados com

o público do Programa Olericultura Orgânica

no ano de 2016, incentivando

a capacitação contínua dos interessados

na área e mantendo a presença do

instrutor Marcelo Sambiase, que além

de ministrar as aulas, ainda favorece o

trabalho, visto que acompanha os pro-

Instrutor Marcelo Sambiase na abertura do

curso no Rancho Ramos em Araraquara

Sensibilização do

Tomate Orgânico

teve formado

grupo de 15

participantes,

sendo recebidos

pelo Coordenador

Mário Porto e o

Instrutor Marcelo

Sambiase na

área onde serão

realizadas as aulas

práticas

56


dutores interessados, sanando dúvidas

e dificuldades.

Segundo o Coordenador do Senar

em Araraquara, Mário Porto, esta é

uma iniciativa importante tanto para o

estímulo da produção no setor, quanto

para a oferta de alimentos saudáveis.

Porto explicou que o instrutor Marcelo

Sambiase, também de Araraquara,

conduzirá as atividades, possuindo vasto

domínio sobre o assunto. Ele já esteve

com o grupo em 2016 realizando o

Programa Olericultura Orgânica.

“Para nós do Itesp, esta atividade é

de suma importância. Um dos componentes

de nossa missão institucional é

implementar políticas públicas de desenvolvimento

sustentável e desta forma,

a produção orgânica e agroecológica

sempre será estimulada por nossa

equipe técnica. Além disso, o produto

orgânico é uma importante demanda

de mercado na atualidade, o que agrega

geração de renda ao nosso público

beneficiário”, comentou Maria Clara

Piaí da Silva, do Itesp.

O instrutor Marcelo Sambiase além

de dominar as técnicas de produção orgânica,

ainda desperta nos produtores

a consciência ambiental o que garante

o sucesso da produção agroecológica.

PROGRAMA TURISMO RURAL

Ainda no mês de fevereiro, no dia 17,

foi realizada a Sensibilização do Progra-

O Turismo Rural

organizado em

Araraquara cada vez

ganha mais força,

pois destina-se aos

pequenos produtores

rurais que podem criar

estrutura capaz de

atender visitantes em

suas propriedades,

ganhando rendas

extras através da

empregabilidade

familiar. Este trabalho

tem como instrutora

Ângela Nigro, do Senar

e Sindicato Rural

ma Turismo Rural, também organizado

pelo Sindicato Rural e o Senar SP. A sensibilização

ocorreu no Rancho Ramos,

localizado no Assentamento Monte Alegre

III, resultado concreto do sucesso

do projeto, visto que a família participou

da primeira turma do Programa e desde

então vem se dedicando à atividade.

A instrutora do Senar, Ângela Barbieri

Nigro realizou a atividade explicando

todas as etapas do Programa, salientando

os benefícios que podem surgir

no contexto de mais um ano de trabalho,

que tanto pode contribuir para a

comunidade.

O programa que tem a duração de

10 meses, vem sendo realizado todos

os anos, sempre com a presença de

beneficiários dos Assentamentos da

região e tem como objetivo capacitar o

homem do campo e promover o desenvolvimento

turístico local.

Desde 2011, mais de 120 pessoas

já receberam certificado a partir da iniciativa,

incluindo moradores dos Assentamentos

de Bueno de Andrada, Monte

Alegre e Bela Vista do Chibarro.

O Programa Turismo Rural é totalmente

gratuito, conta com material didático

e alimentação para o participante.

Após a sensibilização, as atenções se

voltam para o início das aulas previstas

para este mês de março, prolongando-se

até o final do ano, fazendo surgir novos

espaços para o fortalecimento desta

prática, gerando empregos e renda.

57

Rancho Ramos após participar dos cursos de

Turismo Rural realizados nos últimos anos,

ganhou espaço e certificação para trabalhar

com o Turismo Rural

MARÇO / 2017

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM PULVERIZADOR DE BARRAS

13/03/2017 até 15/03/2017

21/03/2017 até 23/03/2017

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM TURBO PULVERIZADOR

29/03/2017 até 31/03/2017

• DOMA RACIONAL

13/03/2017 até 17/03/2017

• PROCESSAMENTO ARTESANAL

DE FRUTAS - TÉCNICAS

29/03/2017 até 31/03/2017

• TOMATE ORGÂNICO - PREPARO

DO SOLO (MÓDULO I)

13/03/2017 até 20/03/2017

• TURISMO RURAL - OPORTUNIDADES

DE EMPREENDIMENTOS (MÓDULO I)

03/03/2017 até 24/03/2017

• FEIRA DO PRODUTOR RURAL -

INTEGRAÇÃO

14/03/2017 até 14/03/2017

• FEIRA DO PRODUTOR RURAL -

SENSIBILIZAÇÃO

28/03/2017 até 28/03/2017

REALIZAÇÕES:

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

Mário Roberto Porto

CURSOS


NOTÍCIAS

CANAS L

EDIÇÃO

MARÇO | 2017

Diretores recepcionam o Secretário Arnaldo Jardim durante visita na Canasol e entregam a ele os

mapas sobre ocupação do solo

PEQUENOS PRODUTORES

Canasol entrega mapas sobre ocupação

do solo para Secretário da Agricultura

Mapas produzidos em 1886

e 1910 mostrando como era

a ocupação do solo paulista

devem servir de documento

para que os produtores

regularizem suas terras junto

aos órgãos competentes.

A Diretoria da Canasol aproveitou a

presença do secretário da Agricultura

e Abastecimento do Estado, Arnaldo

Jardim, na sede da entidade no dia

30 de janeiro para fazer a entrega de

um conjunto de registros históricos de

ocupação do solo paulista, datados de

1886 e 1910, que poderão auxiliar os

pequenos produtores no processo de

regularização das áreas de proteção

ambiental (APPs), pelo Programa de

Regularização Ambiental (PRA).

Os mapas em formato de cópia reduzida

e arquivo digitalizado foram entregues

ao secretário da Agricultura, no

intervalo da reunião da Coordenadoria

de Defesa Agropecuária (CDA) realizada

no Auditório da Canasol cedido para

o evento. O deputado estadual Roberto

Massafera, integrante da Comissão

de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Sustentável da Assembleia Legislativa

do Estado de São Paulo, acompanhou

a entrega do documento ao lado do

coordenador de Defesa Agropecuária

da Secretaria (CDA), Fernando Gomes

Buchala e do diretor do Escritório de

Desenvolvimento Rural (EDR), Nestor

Jamami.

Nicolau de Souza Freitas (diretor da Canasol

e presidente do Sindicato Rural), o secretário

da Agricultura, Arnaldo Jardim e o deputado

estadual Roberto Massafera

58

“Esses mapas irão contribuir muito

com o trabalho da Secretaria porque,

de acordo com o Novo Código Florestal,

é possível obter alguns benefícios da lei

na ocupação do solo em determinadas

épocas. Se nos locais onde ficam essas

propriedades já havia cultura e não

mais florestas em datas especificadas

pela legislação, o proprietário ficaria

dispensado de constituir a reserva legal”,

explicou o presidente da Canasol,

Luís Henrique Scabello de Oliveira.


LUÍS HENRIQUE REIVINDICA

PRESENÇA DE AGRICULTORES

EM COMISSÃO

Acompanhado do presidente do Sindicato

Rural de Araraquara, Nicolau de

Souza Freitas, também diretor da Canasol,

Luís Henrique cobrou do secretário

Arnaldo Jardim atenção especial ao Decreto

n° 8972, que instituiu, no dia 23

de janeiro, a Política Nacional de Recuperação

da Vegetação Nativa (Proveg).

A legislação tem como objetivo articular

a recuperação de florestas e

demais formas de vegetação nativa e

impulsionar a regularização ambiental

de doze milhões de hectares das propriedades

rurais brasileiras até 31 de

dezembro de 2030.

“A representação dos agricultores

não está presente neste importante documento.

Se são os produtores que irão

recuperar as suas áreas, nada mais justo

que os representantes da categoria

estejam contemplados nessa comissão

que será formada”, ressaltou Scabello.

Para o secretário Arnaldo Jardim, os

mapas entregues pelos representantes

da Canasol trazem um retrato histórico

muito interessante da ocupação do

Estado de São Paulo. O Secretário destacou

ainda que levará a questão da

A implantação de novo plano de

saúde em novembro era uma reivindicação

antiga dos associados da Canasol

e dos seus familiares, pois o antigo

plano não permitia a entrada de mais

pessoas e muitos ficavam desguarnecidos

de atendimento médico e hospitalar

satisfatório. O novo plano em parceria

com a Unimed veio ao encontro

dos anseios dos fornecedores de cana

e a adesão nesses primeiros meses do

ano correspondeu à expectativa. Até o

momento, mais de duzentas pessoas já

participação dos agricultores

na comissão do Proveg

para a próxima reunião do

Conselho Nacional dos Secretários

de Estado de Agricultura

(Conseagri).

A Secretaria de Agricultura

será responsável pela

homologação do projeto em propriedades

de até quatro módulos fiscais, de

forma mais ágil, fornecendo apoio técnico

para a execução dos projetos e das

atividades para recompor a vegetação

das áreas, bem como o levantamento

dos dados e indicadores necessários

ao monitoramento das etapas. As áreas

acima de quatro módulos fiscais ficarão

sob a responsabilidade da Pasta do

Meio Ambiente. Atualmente, o PRA está

suspenso por liminar devido à manifestação

do Ministério.

SECRETÁRIO ENALTECE

TRABALHO DA CANASOL

E DESTACA PARCERIA

Durante sua estada em Araraquara,

o secretário estadual de Agricultura e

Abastecimento, Arnaldo Jardim, agradeceu

o apoio da Canasol às atividades

desenvolvidas pela sua pasta e agradeceu

a cessão do auditório da associa-

Adesão ao novo plano de

saúde da Canasol surpreende

aderiram ao novo plano e a procura por

informações tem sido intensa, o que

deverá aumentar ainda mais a participação

dos produtores e fornecedores

de cana no grupo. O plano é destinado

somente aos associados da Canasol e

seus dependentes diretos: pais, mães,

filhos, filhas, sogros e sogras. Mais informações

na Canasol ou diretamente

na Unimed. Os valores são convidativos

e os preços inferiores aos cobrados no

balcão da operadora, destaca o presidente

da Canasol, Luís Henrique.

Luiz Lindquist, Rodrigo Marine, Renato

Chediek, Luís Henrique e Tatiana

Campos Leite no encontro realizado

na Canasol

59

Jardim agradece cessão do auditório para reunião

ção para realização da reunião da Coordenadoria

de Defesa Agropecuária.

Jardim destacou ainda o apoio da

Canasol nas tratativas referentes à

biodiversidade e na divulgação das

chamadas mudas pré-brotadas – MPB,

visando o controle de pragas e incentivando

o uso de novos cultivares para

alcançar a tão sonhada produtividade

de três dígitos, ou seja, de 100 toneladas

por hectare de cana-de-açúcar. A

Canasol é uma grande parceira da Secretaria

nesse quesito.

Na reunião com os diretores dos 40

escritórios regionais de defesa agropecuária,

tratamos de assuntos como a

reabilitação do solo e o respeito à legislação

e ao meio ambiente, prevenção

de combate a febre aftosa bovina, febre

suína e gripe aviária, visando manter o

status do Estado de São Paulo de região

livre dessas doenças, destacou o

secretário que mantém importante relacionamento

com a Canasol.

A associada Maria José de Camargo Pontieri

foi uma das pessoas que aderiram ao novo

Plano de Saúde da Canasol e se diz satisfeita

com o atendimento recebido. Assim que fez

sua adesão, precisou ser internada e tudo

transcorreu de forma rápida. A usuária destaca

o atendimento médico e atenção dispensada

durante o período de internação no Hospital

São Paulo. Foi tudo bem e estou muito feliz com

o nosso Plano Canasol/Unimed, ressalta.


Qualquer que for o tipo de

ferragem a ser obtido para a

utilização numa construção, é

preciso buscar uma empresa

que disponibiliza produtos para

construção de confiança

CONSTRUÇÃO

Ferragens e sua importância

As ferragens para construção são materiais indispensáveis

para a projeção de diversas estruturas de uma obra.

Essas ferragens para construção

são alinhadas de forma a criar uma

espécie de “esqueleto” chamado

armadura para as paredes de uma

edificação, que será posteriormente

envolvido com uma camada de

cimento. Para a formação desses

“esqueletos” há diversos tipos

de ferragens para construção à

disposição, cada uma com suas

especificações e formas.

utilizado para soldagem, enquanto o

nervurado é mais fácil para aplicar

ajustes no momento de formação das

armaduras, graças as suas nervuras

que se encaixam com boa facilidade.

Um dos tipos de ferragens para

construção que surge como uma

opção aos vergalhões é a tela soldada

nervurada, uma estrutura bastante

econômica e que apresenta uma boa

adesão ao concreto e ao aço. Outro

tipo de tela entre as ferragens para

construção é a treliça, que serve mais

especificamente para a formação de

lajes e proporciona maior dureza a

essas estruturas.

Também pode se adquirir colunas de

ferro para a formação de estruturas

que sustentarão paredes, tetos e

lajes. Para unir algumas ferragens

na construção pode-se utilizar da

soldagem ou buscar amarrá-las

com algum tipo de arame, que

permite mais agilidade e praticidade,

garantindo assim a formação de uma

estrutura bem segura.

OS VÁRIOS TIPOS DE FERRAGENS

PARA CONSTRUÇÃO

Entre as várias ferragens para

construção existe o vergalhão. O

vergalhão é uma barra de aço, o que

garante sua boa rigidez e é de fácil

utilização, podendo vir em formato

liso ou com nervuras, chamado de

vergalhão nervurado. O vergalhão liso

60


PRÊMIOS PARA VOCÊ

Atacadão da Construção lança

programa especial de netpoints

Comprar na loja agora dá

direito a diversos produtos

e viagens; não perca tempo

e faça seu cadastro gratuito

pelo site (netpoints.com.br)

ou diretamente no local.

Referência no ramo de vendas em

todo o Brasil, o Atacadão da Construção

larga na frente e oferece para seus clientes

um programa de netpoints especial,

no qual o consumidor ganha pontos e

rapidamente os troca por prêmios, entre

produtos diversos e viagens. Assim,

para aproveitar todos os benefícios e

se tornar um associado, basta ter uma

conta ativa dentro do programa, ganhar

pontos e então fazer o escambo, pelo

menos, a cada 12 meses.

Para cadastro, são duas opções: diretamente

no Atacadão da Construção

ou pelo site (https://www.netpoints.

com.br). As trocas podem ser feitas tanto

na loja física, quanto on-line.

Vale dizer que, além dos pontos

com suas compras, você também pode

ganhar netpoints dos seus amigos por

meio da transferência de pontos. Afinal,

um amigo sempre ajuda o outro.

Com 23 anos de vida, o Atacadão da

Construção tem duas lojas em Américo.

Nelas, está disponível show room completo,

do básico ao acabamento (com

pisos, revestimentos, porcelanatos, hidráulica,

elétrica, tintas, louças e metais,

entre outros), sempre com preços

e condições que garantem o melhor negócio

para você. As compras também

podem ser feitas pelo site www.atacadaodaconstrução.com.br.

Atacadão da Construção em Américo Brasiliense

No Atacadão da Construção,

uma equipe de funcionários

está capacitada para atender

as necessidades de seus

clientes

ATENDIMENTO:

Rua Gentil Prudente

Corrêa, 630

Jd. Planalto, Américo

Brasiliense

Fone: (16) 3393-9500

61


EXPOSIÇÃO

Segredos

do Egito

Mostra está em cartaz no

Shopping Jaraguá com mais

de 400 peças e vale a pena

você conhecer.

A fascinante história dos tempos

dos faraós está em destaque no Shopping

Jaraguá com o Museu Itinerante

Egípcio. A visitação acompanha o horário

de funcionamento do local.

Localizado próximo à loja Passarela,

o espaço traz a história de mais de três

milênios da civilização contada sob mais

de 400 peças representadas em réplicas

esculpidas e pinturas em papiro.

A mística e enriquecedora cultura

dos egípcios traz consigo a grandeza

Visitação acompanha o horário de funcionamento do Shopping

arquitetônica, os mistérios das pirâmides,

ruínas, túmulos e faraós.

O curador da mostra, Essam Elbattal,

nasceu no Egito e formou-se artista

plástico pela Universidade do Cairo.

Também é formado em Economia pela

Universidade de Zakzek e realizou diversos

cursos de museologia no Brasil.

Ingressos no valor de R$20,00 – estudantes

e maiores de 60 anos pagam

meia entrada. A exposição é direcionada

a todas as idades, constituindo-se

em importante evento para um retorno

à história geral.

62


NOVO ESPAÇO

O primeiro ‘comfort

food’ de Araraquara

O Empório Santa Natura aposta em uma

alimentação intimista e regada a peculiares

sabores e sensações.

Sabe aquele cheirinho especial

vindo da cozinha que invade os outros

cômodos da casa e acabam ficando

pra sempre em nossa memória, causando

sensações de aconchego e paz?

Pois bem, este é um dos conceitos da

comfort food (comida confortável), tendência

gastronômica cada vez mais comum

em restaurantes de todo o Brasil.

Em Araraquara, o Empório Santa

Natura aposta nesta tendência, apresentando

uma forma diferenciada de

alimentação, que acaba esquecida nos

percalços do dia a dia. “Trata-se de algo

maior que simplesmente comer e continuar

com a rotina diária”, resumem

os proprietários José Carlos e Rafaela

Prado Servello.

Localizado ao lado do Parque Infantil,

o local disponibiliza um cardápio

ítalo-caipira (com receitas salgadas e

doces) a fim de despertar prazeres de

tempos que passaram e deixaram sau-

Os proprietários José

Carlos e Rafaela Servello:

orgulhosos em oferecer

algo diferenciado que

promete agradar os mais

exigentes paladares

dade. “Apresentamos um novo conceito

em alimentação saudável com preparo

profissional. Todos os pratos desfilam

uma excelência única e são feitos com

produtos diferenciados”, conta José

Carlos Servello.

E no tempero de cada prato, muito

carinho e dedicação, tudo isso com um

excelente atendimento regado a sons,

cores e fragrâncias. “Quando estes valores

voltam à tona, pode-se sentir algo

revigorante e engrandecedor, propiciando

momentos de paz, serenidade e

equilíbrio, tornando a alimentação algo

completo e que realmente faz sentido

para a vida das pessoas. Permita-se”,

finaliza Rafaela Prado Servello.

A casa oferece

pratos doces e

salgados com um

tempero único

Ambiente acolhedor, uma volta no tempo,

cheio de nostalgia

Serviço

EMPÓRIO SANTA NATURA

Avenida São Geraldo, 601, Centro

Telefones: (16) 3010.2080 / 98201.7020

63


Johny Cecotto, duas vezes campeão

do mundo de motocicleta e parceiro de

Ayrton Senna na F1

Evaldo Salerno nas 500 milhas de 1972, no Autódromo Internacional de Interlagos em São Paulo

Cecotto, venezuelano naturalizado alemão

SÉRIE ESSES JOVENS LOUCOS E SUAS MOTOCICLETAS

Valdemar Zago, um ícone

do Moto Clube Araraquara

Em momento de grande

inspiração, o escritor Benedito

Salvador Carlos, o Benê,

mergulha no passado e traz

de volta em sua crônica, a

emoção que sentia nas pistas

de Interlagos.

Não sei de onde vem, mais chega

em mim como uma áurea. Meu corpo,

meio que levitando, sente a presença

de um sopro que me empurra pra frente,

me faz ajeitar na cadeira e me coloca

em transe, sinto como se a curva

estivesse chegando e movimentos imaginários

me fazem acelerar e brecar.

Sinto uma emoção indescritível, tenho

a sensação de que meus joelhos, meus

cotovelos e minhas costas desafiam o

asfalto, para em seguida, altaneiro continuar

uma corrida sem vencedores e

vencidos.

Nessa prova, lá na frente, todos os

pilotos são meus ídolos maiores, Evaldo

Salerno, Olympio Bernardes Ferreira

Neto, Celso (Baiano Faito), Johnny Cecotto,

Carlos (Jacaré) Pavan, Denisio

Casarini, Eduardo Luzia, José da Penha

Moreira, Valentino Rossi, Alexandre

Barros, Antonio Bernardo Neto, Pinho

(José Manoel Sampaio), Valter (Tucano)

Barchi, Manolo (Emanoel Toledo Lima),

Ramon Macaia, Giacomo Agostini, Phil

Read, Negão (Luiz Antonio Candido),

Kent Anderson, Paolo Tognochi, Carlinhos

Aguiar, Zé Faito, Paulo (Paulé)

Salvalagio, Zé Duvilio (José Roberto

Tedeschi)... fazem a tomada da curva,

fazem a dois como se fosse única e

caminham, retão à frente, 800m até a

entrada da 3, quando o coração pulsa

muito forte, rumo à curva que cresce

Valdemar Zago, pela sua

audácia, nos traz grandes

lembranças dos tempos do

motociclismo romântico.

Décadas depois, em 15

de agosto de 2009, Zago

foi homenageado na

reinauguração do Kartódromo

de Jaú. Além da festa, uma

justa homenagem aos

corredores entre os anos

1950 a 1980.

64

Acidente com um dos meus ídolos no motociclismo:

Denísio Casarini, disputando as 200 Milhas de

Interlagos em 1973. Casarini levou o tombo ao tentar

ultrapassar Tucano e chega em 2º lugar para o espanto

de Eloy Gogliano, pronto para dar a bandeirada.

se agigantando na minha frente. Passo

adiante, todos como um bloco só, em

direção à ferradura se ajeitam e um a

um vão completando o trecho em direção

à subida do lago, ganhando a reta


oposta como uma orquestra

absolutamente

organizada de sons, de

pêndulos e magias.

Isto tudo, este sonho,

começou bem

lá atrás, por volta de

1971, em torno de uma

igreja na cidade de Jaú,

sem saber da importância

que o evento traria

para minha vida; fui

recebido e aconchegado

nas instalações de

Valdemar Zago e Carlos

Murari que o tempo os

transformou em campioníssimos

na modalidade

de lambretas.

Carlos tive pouca convivência, mais

admiração eterna. Zago despensa comentários,

campeão brasileiro de provas

com lambretas, alcançou seu ápice

como preparador de motores. Desenvolveu

um foguete: a lambreta de número

88 era um verdadeiro foguete, fez

história e tem até hoje o respeito de

toda nossa comunidade.

Como preparador também ajudou

muito ao Moto Clube Araraquara. Com

Penha e Adolfo Tedeschi, juntos, faziam

coisas inimagináveis, progressos técnicos

que desafiavam as equipes de

fábrica, dotada de engenheiros e orçamento

sem fim. No kart, foi ainda mais,

foi ele quem cuidou do equipamento

de Antonio Pizzonia, o “jungle boy”, que

mais tarde chegou à F1. Impossível não

associar seu talento de preparador ao

talento do espetacular Newton “Boca”

Gonçalves, outro multicampeão, igualmente

talentoso, um grande nome da

nossa velocidade.

Berto Zabra (Humberto da Funerária),

Peixeiro (Luizinho Ventrilo), Manolo

“Bucho” Segura, Nei (José Carlos Elias),

também foram grandes expoentes deste

movimento, cada um com sua história,

seus resultados, suas emoções,

mas todos também com inegável talento,

que se transformaram em ídolos

num tempo cheio de emoções.

Giácomo Agostini, quinze vezes campeão

mundial em que, 8 campeonatos, são na

categoria máxima do motociclismo

Anselmo Caparica Carlos, da Sport TV, recebendo

camisa autografada de Valentino Rossi, para o

tio Benê

65


SEU NOME ESTÁ NA RUA

TEXTO: SAMUEL BRASIL BUENO

MÁRIO FERREIRA SETÚBAL

O Senhor que serviu ao Lions

Centro e as causas sociais

No jeito sisudo, de andar

bamboleante, cabelo

escovinha, Mário Setúbal

abrigava em seu íntimo uma

alma nobre, grande, generosa

e deixou por onde andou,

enormes saudades. Foi em

Araraquara a mais importante

bandeira do Lions Clube

Centro.

Dos muitos que o conheceram, poucos

sabem quem realmente foi Mário

Setúbal – era assim que o conheciam.

Ele nasceu em Avaré (SP) em 22 de dezembro

de 1921, filho do casal Oscar

Setúbal e Florinda Ferreira Setúbal, tendo

cinco irmãos: Lila, Oscar Filho, Lourdes,

Honorata e Thereza.

Quando começou seus estudos no

Grupo Escolar “Custódio Rapozo” em

Jacarezinho (PR), sua professora sabendo

da dificuldade com que a família

lutava, o levava para casa e lhe dava o

almoço.

Mário aprendeu desde então que

Julho de 1989, o casal sendo

entrevistado em Manaus

Em 22 de novembro de 1947, Mário e Maria, quando se casaram, nascendo a predileção pela

letra “M” colocada nos nomes dos filhos

ninguém é tão pobre que não tenha

nada para dar. Em pagamento, arrumava

cozinha.

Terminado então o chamado grupo

escolar, passou a frequentar o Ginásio

“Rui Barbosa” daquela

cidade. Ao sair da escola,

trabalhava como engraxate

e entregador de pães. Também

foi ofice-boy na Fazenda

Santa Lina, na cidade

de Guatá. Depois passou

a aprender o ofício de sapateiro.

Mesmo trabalhando,

jamais deixou de estudar.

Foi na Escola de Comércio

Comendador Fernando

66

Taddei que ele alcançou o diploma de

bacharel em Ciências Contábeis. Nesse

tempo, trabalhando como Serventuário

de Justiça, Auxiliar, Escrevente Juramentado,

Oficial Maior e Oficial Interino.

Em Jacarezinho, Mário conheceu

e veio a contrair núpcias com Maria

Rodrigues Setúbal, em 9 de outubro

de 1947. Desse matrimônio nasceram

os filhos Marilda, Mário Filho, Márcia,

Marisa e Maristela. Notem a predileção

que tinham pela letra “M” do casal Mário

e Maria.

Na sua vida de peregrino foi trabalhar

na cidade de Jundiaí do Sul

também no Paraná, onde exerceu as

funções de contador e secretário da

Prefeitura Municipal. Preparou-se para


Em Miami, no encontro de clubes Lions em 28

de junho de 1973

Mário e Maria Setubal ladeados pelas filhas em uma costumeira festa de aniversário nos anos

60, em sua residência na Avenida Espanha

o concurso do Ministério da Fazenda,

tendo sido aprovado, exercendo a partir

de então as atividades de Agente Fiscal

de Imposto de Renda, Agente Fiscal

de Tributos Federais, Chefe da Secção

de Fiscalização, alcançando o posto de

Delegado de Imposto de Renda na cidade

de Londrina (PR).

Seus amigos mais chegados, que

tinham a honra de privar de sua amizade,

conheciam sua vasta biblioteca,

pois sua ânsia de saber não tinha limites.

Esse fato é uma verdade, pois

durante o período em que exercia as

funções de funcionário público federal,

estudou e concluiu o curso de bacharel

em Direito em Curitiba (PR).

Foi em janeiro de 1957 que Araraquara

receberia esta família. Transferido

para cá, exerceu os cargos de Fiscal

Federal, Encarregado de Fiscalização e

Tributação e eventual substituto do Delegado

do Imposto de Renda. Em 1973

aposentou-se. Não para a vida profissional,

pois continuaria trabalhando

como Contador, Auditor, Advogado e

também como Corretor de Imóveis.

Só de trabalho teria vivido Mário?

Se assim fosse, nada de gratificante teria

havido para a cidade e para a sociedade

araraquarense. Mário foi membro

ativo do Lions Clube Araraquara – Centro,

foi sócio fundador do Lions Clube

Araraquara – Santa Cruz, Araraquara

Fonte Luminosa e de Matão, Américo

Brasiliense, Ibitinga e Borborema. Também

nesse clube de serviço foi vicegovernador

do distrito. Foi membro da

Loja Maçônica Caridade Universal III –

grau 33.

Fez parte também das diretorias do

Asilo de Mendicidade, Conselho Deliberativo

da Ferroviária, fundador do Clube

dos 50, conselheiro do Clube Náutico e

Clube Araraquarense, sócio fundador e

diretor do Conselho Fiscal da Cooperativa

de Consumo de Araraquara, membro

do Conselho Jurídico do SOS, entre

outras entidades.

Não resta dúvida que foi uma pessoa

que deixou extensa folha de serviços

prestados para a cidade, fato reconhecido

em 26 de agosto de 1981,

quando recebeu o Título de Cidadão

Araraquarense que foi conferido pelo

Decreto 154 no Município.

Não foi só trabalho para a sociedade,

também serviu seu semelhante. Um

fato marcante nunca trazido a público é

que Mário e Maria tinham por costume

levar uma criança pobre para passar o

dia em sua casa, todo final de semana.

Num determinado dia, uma menina foi

passar um domingo com a família Setúbal,

gostou e pediu para ficar. Mário

e Maria a aceitaram de braços abertos.

Mário empenhou-se por ela e, um dia,

ela foi estudar nos Estados Unidos,

num intercâmbio de jovens, nessa época

apadrinhada pelo Rotary Clube Araraquara

Oeste.

Como se vê, foi uma pessoa que

jamais pensou somente em si, jamais

trabalhou somente para sua Entidade,

jamais privou de amizade de grupo

restrito de pessoas. No jeito sisudo,

de andar bamboleante, cabelo escovinha,

abrigava em seu íntimo uma alma

nobre, grande, generosa e deixou por

onde andou, saudades, o que ocorreu

no dia 5 de outubro de 1989, num acidente

de automóvel na estrada que liga

Araraquara a Ribeirão Preto, por onde

percorrera por muitos anos.

É pelo que foi, que hoje seu nome

está na rua. Por determinação da Lei nº

3.667, promulgada pelo Prefeito Waldemar

De Santi, em 6 de dezembro de

1989, passou a ser denominada Avenida

Dr. Mário Ferreira Setúbal, a via pública

da sede do Município, conhecida

por “Rua 1”, no loteamento Jardim Zavanella,

nesta cidade.

Foto na casa do tio

Dedé, em Jacarezinho,

em 1989: Marcela,

Daniela, Tuca,

Valentina e Mariana

Av. Mário Ferreira Setúbal,

no Jardim Zavanella

67


COLUNA

ESPORTE É AVENTURA

Programa de

Treinamento

Absolute

Small Groups

Seguindo as novas tendências de

mercado, a Absolute Fit mais uma

vez inova, trazendo para Araraquara

novo conceito de aulas personalizadas

que seguem toda a estruturação

e qualidade já utilizadas por nossos

sistemas exclusivos de treinamento

e nossos profissionais capacitados

para melhor atender nossos clientes.

Esse novo formato de treinamento

vem para atender as pessoas que

não abrem mão da alta qualidade e

resultados garantidos, mas que têm,

entretanto, a preferência de uma integração

social que apenas as aulas

em grupo podem oferecer! Sendo essas

aulas mais dinâmicas e divertidas,

o aluno pode esperar um ambiente

alegre e descontraído sem abrir mão

da alta qualidade no atendimento e

nos seus objetivos individuais.

O programa de treinamento “Absolute

Small Groups” foi desenvolvido

em cima dos exercícios do treinamento

funcional e do Cross Training,

associados ao treinamento de musculação

e aparelhos aeróbicos, nascendo

assim um programa dinâmico

no qual o aluno irá desfrutar dos benefícios

dos quatro treinamentos em

um único programa.

Carlinhos Tavares

Absolute Fit | 16 3114.8664

O aluno que optar por este programa

de treinamento poderá contar com

a melhoria das capacidades de força,

agilidade, velocidade, resistência e condicionamento

físico geral.

Além de ser um programa completo

desenvolvido para melhoria da saúde

individual, o programa também é indicado

para alunos que buscam uma

base muscular de apoio para outras

modalidades como corrida de rua,

triathlon, tênis, futebol entre outros esportes.

Com turmas nos períodos da manhã,

tarde e noite, o aluno poderá encontrar

o melhor horário dentro de sua

rotina.

Consulte nossos preços promocionais

de lançamento e venha fazer uma

aula experimental sem compromisso.

Para saber mais, como dicas de

treino, etc., curta nossa página no

Facebook (www.facebook.com/absolutefit).

Neste canal, você leitor poderá

interagir, compartilhar fotos e fazer

perguntas.

68


Personalidade VIP com Sidney Ferrarezi Junior

VIP

VIDA SOCIAL por Maribel Santos

A vida é feita de desafios e em

sua maioria chegam de surpresa. E

com o engenheiro civil Sidney Ferrarezi

Junior não foi diferente, quando

recebeu o convite da diretoria

do Clube Araraquarense, para ser

candidato à presidência do biênio

2013/2015. Magal confessou sua

surpresa ao ser indicado. Na época

era conselheiro e jamais pensou

em assumir tal cargo. Nascido em

Itápolis, seu coração e alma são

araraquarenses, frequentador assíduo

do clube aceitou o desafiador

convite. Honrado, envaidecido e um

pouco preocupado, Sidney estava

consciente do tamanho de sua responsabilidade

e os desafios que estavam

por vir. O apoio da família é

fundamental, sem ele eu não poderia

me comprometer e me dedicar

com tranquilidade, comenta Magal.

Casado há mais de trinta anos, contou

com o apoio incondicional de

sua esposa Regina e do filho Daniel,

seus parceiros de vida.

Unidos pelo amor e motivados

pela luta diária, compartilhando

as dificuldades e as vitórias, Sidney

seguiu em frente para poder realizar

o seu trabalho. “Aceitei o desafio,

pois pensei na possibilidade de

poder realizar uma boa gestão ao

lado de pessoas que confiaram e

confiam em mim, pelos laços afetivos

que estreitei durante anos de

convivência como associado e frequentador

do clube”. Sua chapa em

2013 era a única que disputava as

eleições e eleita tomou posse. “O

maior objetivo era trazer a família

toda de volta para desfrutar do lazer

do Araraquarense. Fizemos um

levantamento de todas as atividades,

da quantidade de participantes

e praticantes, condições para suas

práticas, e estabelecemos um conjunto

de medidas e ações para incrementar

os esportes e atividades

sociais, racionalizar e tornar mais

eficaz a administração e atrair cada

vez mais nossos sócios. Chegar ao

clube e ver toda família reunida, as

crianças brincando com segurança,

é uma alegria indescritível”, diz Magal.

Em 2015 ocorreu uma nova eleição

e diferente da outra, eram duas

chapas disputando a presidência.

Sidney e sua diretoria foram reeleitos,

mas ele viu e vê com bons olhos

a iniciativa de outras pessoas manifestarem

interesse em cuidar, administrar

e proporcionar lazer para

todos os associados. “Não é tarefa

fácil, o cargo além de responsabilidade,

exige disponibilidade e

muita dedicação, além do relacionamento

estreito entre os membros

da diretoria. Foram quatro anos de

muito trabalho. Procuramos realizar

eventos que agradassem a todos os

associados e pudemos trazer shows

com artistas renomados como: Titãs,

Daniel, Skank, Cesar Menotti

e Fabiano, Chrystian e Ralf, Dudu

Nobre, Paralamas do Sucesso, Arlindo

Cruz, Cesar e Paulinho, Jota

Quest, Moacyr Franco, entre outros.

A família voltou a frequentar o clube,

o carnaval ganhou brilho com o

bloco Apesar de Você, as apresentações

ocorrem mais cedo para que

todos possam aproveitar juntos e

priorizamos o conforto e a segurança

de todos”. Magal fala com brilho

nos olhos e comenta que os estudos

para resgatar o acervo histórico estão

prontos e que se sente realizado

em poder ter tido a oportunidade

de ocupar o cargo como presidente.

“Meu sentimento é de dever cumprido.

Agradeço o apoio da minha família,

dos associados e de todos da

diretoria que me apoiaram durante

os meus dois mandatos. Ninguém faz

nada sozinho, somos uma equipe que

trabalhou unida visando proporcionar

o melhor. Sou e serei eternamente

grato pela confiança que depositaram

em mim e nada é mais gratificante”,

finaliza Magal.

Sidney Ferrarezi Junior

69


Lançamento

Ocorreu no dia 16 de fevereiro,

na Biblioteca Municipal Mário de

Andrade, o lançamento do livro digital

da escritora araraquarense, Darcy

Dantas, intitulado “Poeme-se!”.

Sempre elegante, Dorinha Medina prestigiou

a escritora

A autora Darcy

Dantas com o escritor

de São Carlos,

Antonio Fais

Valéria Cristina Bonifácio

Perez e Célia Regina

Longobardo também

marcaram presença no

lançamento

As empresárias Ivana Generoso e Tamires

Brizolari, em evento no SEBRAE

Isabela Abud e Luisa Micali Furlani no show de Xande de Pilares

Victor Veiga de Oliveira, Cidinha Veiga e Larissa Valila no lançamento do

Grupo Sensestima

70


VIPS

EM DESTAQUE

Maria Silvia Maurício Rigolin e

Débora Monteiro de Lima

Virgílio de Abranches Quintão

Neto e Glória Quintão

Renan Braga

71


VITRINE

As empresárias Simone (Espaço Café), Gaby Pavão, Susana e Ana Paula Volpe,

proprietárias da Letiti

Chiquito Pedrolongo ligando pra falar

que ao lado da esposa Cris, a música

mais tocada em casa no carnaval que

passou foi “ô coisinha tão bonitinha do

pai” para alegria também dos avós da

Sofia, Olga-Mário Sérgio Pedrolongo

Clayton Martins, superintendente do

Shopping Jaraguá, recém chegado à cidade,

tem empregado seus conhecimentos ao

lado da assessora de imprensa Andressa

Fernandes

Giovanna Orloski comemora sua

formatura no curso Gestão de Políticas

Públicas pela UNICAMP, no câmpus

de Limeira. Na foto da família, da

esquerda para direita: os irmãos Renata,

Guilherme, Giovanna no centro, com os

pais Cristina e Walter. Ela continuará em

Limeira em 2017 por mais um ano, pois

reingressou no curso de Administração de

Empresas na própria UNICAMP.

Cândido Casalle, o Candoca, fez

aniversário em fevereiro. Agora são 95

anos deste mestre do Jiu Jitsu

SEJAM BEM-VINDOS

Na recepção e acolhimento dos calouros

da FOAR - UNESP 2017, a presença do

doutor Silvio que acompanhou a neta

Mariana

Empresários Liliana Aufiero (Lupo) e

Arcângelo Nigro Neto (Nigro Alumínio)

72

Elaine Maria Sgavioli Massucato,

diretora da FOAR - UNESP, com

o vice-diretor Edson Alves de

Campos e doutor Silvio (formado

em 1957), na recepção aos

calouros deste ano


Julinho, Doutor em

Ciências pela USP

Júlio César Rente Ferreira e Lila Formigoni

BRILHANTISMO DE

UMA LINDA CARREIRA

Júlio César Rente Ferreira Filho

comemora com a pediatra Maria

Christina Formigoni, sua esposa, mais

um passo importante em sua carreira.

Farmacêutico graduado e mestre pela

Unesp de Araraquara, tornou-se doutor

pelo Instituto de Medicina Tropical da

USP em São Paulo, no começo do ano.

“Meu mestrado foi em parasitologia

e doutorado em Ciências. Nas duas

titulações desenvolvi pesquisas sobre

Doença de Chagas. Agora estou

participando de uma pesquisa no

Hospital das Clínicas, Incor e ICESP sobre

transmissão de Zica Virus, Dengue e

Chicungunha por transfusão sanguinea”,

diz ele. Julinho, como é carinhosamente

chamado, é filho de Lúcia Bressan e Júlio

César Rente Ferreira. Parabéns Julinho

pela grande conquista; certamente seus

pais estão radiantes e vivem momentos

de intensa felicidade com sua dedicação

e a forma responsável com que tem

encarado os desafios. Realiza, sabemos,

parte dos seus sonhos e se transforma em

um grande profissional.

ANIVERSÁRIOS

MARÇO|2017

A diretoria do SINCOMERCIO cumprimenta todos os aniversariantes

DATA

NOME

EMPRESA

DATA

NOME

EMPRESA

01/03

06/03

10/03

11/03

12/03

13/03

15/03

16/03

17/03

17/03

17/03

18/03

20/03

21/03

23/03

Mônica Abed Zaher

André Alcazan Parizi

Beatriz L. Marques da Silva

Roberta H. Biasotti de Moura

Marco Antônio Dall´Acqua

Tereza Ap. Y. Uhiara Zingarelli

Beatriz Perico

Sandra Elizabeth Barea

Denise Ap. Simões Mathias

José Luiz Alves Pinto

Paulo Henrique Senhorini

José Devanil Carrascossi

Eloísa Maria Fragali

Jeferson Pires Colombo

Vera Bernadete Peron Aranha

Colégio Objetivo/Objetivo Júnior

Alcatec

Rádio Elétrica Geral

Minas Queijos

Irmãos Dall’Acqua

Carmo Confecções

Papel Arte

Cavian Kids

HL 1089

Vilacopos

Paulifer

Chefor

Genial Perfumaria

JF Calçados

Só Criança

25/03

25/03

26/03

26/03

26/03

26/03

26/03

26/03

27/03

31/03

31/03

Marivalda Rinaldi Alvarenga

Mauricio Zanella A. Braga

Adilson Ferreira dos Santos

Elaine Cristina Mariani

Francisco Rossi Filho

Luis Eduardo Carrascossi

Marcos Vinícius S. Venezian

Walter Domingos de Prince

Ana Carolina A. O. Zenatti

José Araújo Sobrinho

Olien Moreno

Intershop

Química Santa Rita

Óticas Fabrilen

Consultório Drª. Elaine Mariani

Francine Jóias

Chefor

Footlook

Princar

Carol Affonso

Ótica Global

Frio & Cia

73


Luís Carlos

Vocês já perceberam quantas pessoas,

até mesmo as jurídicas, no País

e em todo mundo, nesses últimos tempos,

têm feito tantos pedidos públicos

e privados de perdão sobre tudo aquilo

que entenderam que não era certo

ou até mesmo criminoso? Seria isso

considerado como uma atitude politicamente

correta?

Pois é só abrir os jornais ou entrar

na internet para constatar que a indagação

não deixa de ser pertinente,

porque volta e meia o noti-ciário informa

sobre isso. Mais ainda: tais atos

têm sido tão comuns e tão corriqueiros,

usam e abusam tanto do valor moral

do perdão, esse mecanismo tão importante

para evitar ódios, rancores,

antagonismos ou solucionar conflitos

que poderiam acarretar dissabores

ao convívio humano, essa excepcional

vantagem que conseguimos consolidar

através dos séculos, que sequer nos

preocupamos nem atinamos em entrar

em detalhes para procurar conhecer

motivos pelos quais isso tem acontecido.

Virou rotina, tornou-se banal.

É o que pretendemos fazer aqui

e agora em breves palavras: tentar

saber a razão disso tudo. Tentar esclarecer,

na medida do possível - o

que demandaria vastos estudos e interpretações

que não cabem aqui -,

pois não podemos pacificamente nos

conformar com isso, tão generalizado

está: a aparentar ou mesmo a perceber

realmente quanta hipocrisia existe

na prática abusiva do perdão, principalmente

no que se refere a tradicionais

instituições (mas não excluídas

as próprias pessoas no cotidiano da

vida).

Embora todos nós já saibamos o

que seja perdão, é preciso ainda tentar

melhor explicá-lo para que possamos

chegar à conclusão de que a banalização

de seu uso nos leva inevitavelmente

a pensar quão raros são os

BEDRAN

Sociólogo e articulista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

Banalização do perdão

74

pedidos verdadeiros ou se realmente

são tão eficazes como se presume.

O perdão foi uma das grandes

ideias, inicialmente de índole religiosa,

criadas por Jesus Cristo para, na

época, desafiar os romanos em Israel.

Contudo foi - e continua sendo

até hoje - uma maneira tão brilhante e

eficaz, com vantajosos efeitos práticos,

que se espalhou para toda a humanidade,

a ponto de ser praticado também

por instituições como o Estado

ou a Igreja, entre outras, e até mesmo

por quem não é cristão, muito menos

religioso. Os gregos sequer o conheciam;

os romanos também, mas para

evitar danos maiores, estes poupavam

os vencidos ou aplicavam o direito de

comutar a pena de morte. Apenas isso.

Perdoar significa desculpar, tirar

a culpa de alguém que praticou um

ato reprovável, para ser eliminado

completamente, tanto do pensamento

daquele que perdoou, quanto do perdoado,

independentemente de ele ser

aceito ou não, ou de ser verdadeiro ou

falso.

Passa-se uma borracha definitiva

naquilo que aconteceu; é passado. Se

alguém não for perdoado, então de

alguma forma deve ser punido, pois,

como diz a filósofa Hannah Arendt, in

“A condição humana”, “é significativo

que os homens não possam perdoar

aquilo que não podem punir, nem

punir o que é imperdoável”. Não se

trata aqui de fazer digressões sobre

o assunto nas áreas do direito (como

quando abrange os conceitos de anistia

e prescrição), nem nas de religião,

da psicologia comportamental, ou da

política, mas sim, sobretudo, em seu

aspecto filosófico, muito embora sejam

profundamente interligadas.

Num esbarro rápido e ocasional na

rua entre pessoas, por exemplo, pedese

perdão pelo transtorno, mesmo

que não se seja perdoado, mas provou-se

ser um ato de civilidade, uma

condição fundamental para que se

possa viver em paz na sociedade, sem

grandes pesos de consciência. Mas o

ato de perdoar tanto pode ser autêntico

como falso, assim como aquele que

presumivelmente o aceita tanto pode

ser verdadeiro ou não.

O que importa mesmo é menos

aceitar o perdão, quanto o ato de

perdoar, e isso somente ocorre entre

pessoas. É por isso que o filósofo

Jacques Derrida afirma que o perdão

não pertence à esfera política nem à

jurídica, pois quando entidades pedem

perdão, este já está descaracterizado,

pois incompatível o punir e o perdoar,

cf. esclarece na Revista Cult, 2010, a

filósofa Cláudia Perrone-Moisés em

artigo sob o título “A justiça e o perdão

em Jacques Derrida”.

O que as pessoas jurídicas têm feito,

tanto quanto os políticos e importantes

cidadãos brasileiros flagrados

em ‘malfeitos’ nos últimos tempos, é

pedirem perdão publicamente para

que os fatos que praticaram sejam

esquecidos para sempre. Pedir é fácil,

pode ser sincero ou não. Difícil mesmo

é aceitá-lo pelos eleitores ou por

aquelas pessoas que acreditavam em

suas entidades, tais como a Igreja com

relação aos padres pedófilos ou à Inquisição;

com a escravidão em nosso

país ou então sobre o genocídio praticado

contra os judeus na Alemanha de

Hitler.

Mas o pior de tudo é o seu uso e

abuso, banalizado por pessoas e instituições,

como se, depois disso, tudo

poderá esquecido “ad aeternum”.

Embora seja um eficaz instrumento

para a manutenção da paz social e

indivi-dual e que visa ao esquecimento

de um tenebroso passado, onde

tudo será ‘zerado’, e onde a vida recomeçará

novamente sem remorsos

nem arrependimentos, na verdade,

antes de tudo, devemos racionalmente

evitar acontecer os fatos que

nos causam prejuízos e não depois

ficar a tentar remediá-los com esse

excelente instrumento de convívio social

inventado por Cristo há mais de

2000 anos.


Ciesp traz Programa de Eficiência

Energética para o interior

Em parceria com o Senai, entidade promove evento sobre os benefícios

de um planejamento estruturado para o uso da energia elétrica

Discutida em seminários e palestras, a eficiência

energética passou a ser um tema indispensável

na pauta das indústrias. Com o objetivo de unir os

benefícios econômicos ao uso consciente dos recursos,

o Ciesp (Centro das Indústrias do Estado

de São Paulo) de Araraquara, em parceria com o

Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial),

oferece o Programa de Eficiência Energética

Ciesp – Senai. A ação, que teve uma edição piloto

na cidade de São Paulo, chega ao interior no dia

11 de maio, promovida pela regional Araraquara

e sediada no SESI (Serviço Social da Indústria).

Durante um workshop, conduzido por especialistas

do Senai, o conceito e a prática de eficiência

energética serão detalhados e as particularidades

das faturas de energia elétrica e os potenciais

de economia nos sistemas das empresas

serão apresentados e discutidos com os participantes.

Posteriormente, as empresas participantes

serão visitadas pelos especialistas do

Senai para que eles possam apresentar o resultado

da análise das últimas faturas de energia. A

participação individual nas próximas etapas do

Programa será avaliada.

“Quando se fala em eficiência energética, logo

pensamos em atitudes simples, como apagar a

luz ao sair de um cômodo, mas é muito mais

complexo que isso. O conceito tem por base

três fatores: o primeiro voltado para a análise da

eficiência do dispositivo que consome a energia;

o segundo para o melhor uso do recurso;

e, finalmente, o terceiro, que é a preocupação

com o custo da energia”, explica o gerente do

Departamento de Tecnologia do Ciesp, Romeu

Grandinetti, um dos coordenadores do projeto.

As inscrições para o Programa de Eficiência Energética

Ciesp – Senai podem ser feitas diretamente

na sede do Ciesp, pelo telefone (16) 3322-1339,

ou através do e-mail eventos@ciespara.com.br.

A taxa de adesão é de R$ 150 para associados e

R$ 250 para empresas não associadas.

Serviço

Workshop do Programa de Eficiência

Energética Ciesp – Senai

Data: 11 de maio de 2017

Inscrições: na sede do Ciesp,

pelo telefone ou e-mail

Valor: R$ 150 para associados e

R$ 250 para não associados

Endereço: Av. Prof. Augusto César, 1090,

Centro - Telefone: (16) 3322-1339

E-mail: eventos@ciespara.com.br

A emissão de Certificado

Digital mais barata do

estado de São Paulo.

75

16 3322 1339 I 16 3322 7823

www.ciesp.com.br/araraquara


76

More magazines by this user
Similar magazines