RCIA - ED. 130 - MAIO 2016

tvcomercioeindustria

1


2


3


4


5


ÍNDICE

EDIÇÃO N°130 - MAIO / 2016

CAPA

SuperMED COC

POSSE

Janone Júnior assume a ACIA

NEGÓCIO

A expansão do Sicoob

ESPECIAL

Meu adorado café

10 12 20 28

Jovens de várias partes do País buscam

o ensino diferenciado e exclusivo do

SuperMed COC para a conquista em

Medicina, bem como outros cursos

concorridos na atualidade.

Inovar é um dos termos que José

Janone Júnior tem utilizado para

formatação do seu programa de

governo dentro da ACIA, para os

próximos três anos.

Presidente Antonio Gaban inaugura

com sua diretoria, uma agência do

Sicoob em Dobrada. É Araraquara

fortalecida pelo cooperativismo

financeiro, diz ele.

Em pleno centro da cidade surgiram

dois pés de café, plantados em

meio ao jardim da Matriz, agora

transformados em ponto de

curiosidade por quem passa por lá.

Editorial

09 | Jornalista Ivan Roberto Peroni

diz no editorial que o comércio antigo

de Araraquara faz a opção e vai para os

corredores emergentes nos bairros

Na hora do adeus

16 | Olinda Othon Montanari,

primeira mulher vereadora de

Araraquara em 1956, faleceu em abril,

deixando seu nome na política local.

Mercado

24 | A Moura Informática participa

da Agrishow em Ribeirão Preto e leva

para lá um software específico para os

produtores rurais. Um sucesso.

Responsabilidade Social

25 | Casa Cairbar mostra ao

Ministério da Saúde que é possível a

desospitalização com o emprego de

oficinas terapêuticas.

Restaurante Popular continua fechado

Hora de aprender

Com investimento de R$ 530 mil, oriundo

do Ministério de Desenvolvimento Social

e Combate à Fome, sendo R$ 230 mil de

contrapartida do Município, que cedeu a

área, licitou a obra e fiscaliza a execução

dos serviços, entra em fase final a reforma

do Restaurante Popular, na Rua Nove de

Julho, no Jardim Dom Pedro I. A reforma

teve início no final de agosto do ano passado

e a previsão é que ela esteja concluída no

começo de junho. O restaurante atende boa

parte do Santa Angelina.

Previsão é do restaurante funcionar em junho

José Carlos Porsani, presidente da Sabsa,

comemora a instalação de nova turma de

alfabetização para adultos e jovens em uma

sala na sede da entidade no Santa Angelina.

6


DA REDAÇÃO

por: Sônia Maria Marques

ECOAGRICULTURA

Marcelo Sambiase

OFTALMOLOGIA

Hélio Primiano Júnior

A chegada do “14”

ao Shopping Lupo

36

Num certo dia Marcelo Sambiase

acordou diferente e sem pestanejar

disse: “É pra Mantiqueira que eu vou”

e lá construiu um paraíso no pé da

serra. O cenário é uma beleza.

Pesquisa

30 | Sincomercio aponta que grande parte

do comércio central foi nos últimos anos

para os bairros. Só na Vila Xavier hoje

são 437 estabelecimentos.

Investimentos na Saúde Bucal

Por meio do Programa Nacional

de Saúde Bucal, Araraquara

obteve recursos para a

adequação de 14 unidades

de saúde e o recebimento de

equipes odontológicas. Com esse

objetivo, também se priorizou

a construção de consultórios

odontológicos em todos os novos

postos inaugurados. O assunto

em questão foi debatido na

abertura do Encontro Paulista de

Administradores e Técnicos do

Serviço Público Odontológico,

62

Um dos mais brilhantes profissionais

da nossa oftalmologia, Hélio

Primiano Júnior, é homenageado no

Dia da Oftalmologia, comemorado

em 7 de maio.

Motociclismo

54 | Eduardo Luzia é homegeado

em artigo especial para a RCI,

escrito por Benedito Salvador

Carlos, o “Benê”.

13ª edição. O evento ocorreu

na Faculdade de Odontologia

da Unesp de Araraquara.

Na ocasião também foram

apresentados alguns dados,

entre eles, a evolução no número

de atendimentos realizados pela

rede municipal de Saúde Bucal.

Em 2009 foram feitos 106.143

procedimentos odontológicos.

Já em 2015 ocorreram 189.974

procedimentos. Ainda de acordo

com o município, em 2015

foram investidos mais de R$ 190

milhões no setor de

Saúde, sendo que

pouco mais de R$

4 milhões à Saúde

Bucal.

O Supermercado 14 sai praticamente do seu ponto original

que é a periferia da cidade e passa a atuar no coração

da cidade. Mais que a estratégia da sua direção - Família Lapena

- a quem a comunidade deve cumprimentar pela brilhante

iniciativa, está a ansiedade do público consumidor em ter no

comércio antigo um estabelecimento que ofereça qualidade e

bons preços, ainda que a inflação esteja nas alturas. Além da

ousadia do “14”, que sempre acreditou no potencial econômico

e a fidelidade da sua clientela, investindo pesado em tempos de

crise, está o nosso bairrismo e a necessidade de se dar apoio

às iniciativas daqueles que a vida toda contribuíram com o progresso

de Araraquara. Para quem trabalha, na verdade, não há

período de vacas magras. O sucesso do 14 é resultado de muita

luta, seriedade, transparência, na maioria das vezes um comprometimento

com a própria comunidade. Quem chegou por

aqui trazendo na bagagem novo formato comercial, como por

exemplo os “atacadões”, ainda há uma busca para fidelizar certo

público. O 14 não. Conseguiu com sua característica popular

se posicionar sem grandes alardes e propostas, mantendo-se

fiel as suas origens e passar elevada dose de credibilidade que

vai além da conta. Que seja ele bem-vindo ao Shopping Lupo

para atendimento à região central, casas e apartamentos, mas

também de olho no público itinerante que desembarca diariamente

nos terminais. Neste momento há o comércio que sai do

centro e vai para os bairros; o 14 se mantém nos bairros e se

instala no centro. Parabéns.

* INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Redação: Rafael Zocco

Diretor Comercial: Humberto Perez

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Marcos Assumpção, Heloísa Nascimento

Design: Carolina Bacardi, Bete Campos,

Mário Francisco Pedrolongo

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente

em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

Dimas Ramalho, do

Tribunal de Contas

do Estado de São

Paulo, Wilson Chediek,

da Epatespo local e

o prefeito Marcelo

Barbieri

7


8


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Comércio antigo faz opção e vai para

os corredores emergentes nos bairros

Há cerca de 10 anos a nossa revista dizia que grande parte do varejo central estava deixando o comércio

antigo, afivelando as malas e indo para os corredores comerciais; alguns foram rotulados por nós como

sendo emergentes dentro de uma economia que vivia processo de transformação. Na época, um dos motivos

da debandada era a implantação do tal projeto “Bulevar da Dois” que o ex-prefeito Edinho Silva lançou,

anunciando tempos de modernidade para um comércio conservador. Contrariados, alguns comerciantes

chegaram a colocar na fachada das lojas - faixas pretas - como a anunciar luto para o centro antigo.

Bem, a troca de prefeitos - Edinho

por Marcelo Barbieri - até que chegou a

ser interpretada como esperança para a

preservação de um comércio ativo na região

central. Era iminente o fechamento

de lojas provocado pelo afastamento do

consumidor que se deparou com várias

situações negativas causadas pelo “bulevar”:

uma delas, a falta de estacionamento,

pois os carros já não passavam pela

Nove de Julho, quanto mais estacionar. O

projeto curiosamente, deu poderes para

que a concessionária abrisse mais vagas

de estacionamento em uma região já plenamente

congestionada, empurrando a

clientela longe do lugar em que pretendia

parar. É verdade, que num país que culturalmente

o cidadão adora facilidades,

o Shopping Jaraguá aproveitou o espaço

que lhe era oferecido para indicar um

bom comércio com estacionamento gratuito.

Num certo dia, querendo evitar um

caos ainda maior para o centro comercial

antigo, o coordenador da Mobilidade

Urbana, Coca Ferraz, procurou revitalizar

a Nove de Julho, até então estrangulada

pela criação do “bulevar”: seu projeto passou a permitir a volta da circulação

dos carros de passeio com a retirada das baias de estacionamento que serviam

para complicar ainda mais o trânsito pelo principal corredor comercial

da cidade. Coca Ferraz recebeu elogios pelas medidas, pois de fato, entende

do assunto. Só que a esta altura, num espaço de dois ou três anos, dezenas de

lojas do centro debandaram para os bairros emergentes em busca de novos

clientes. E foi neste período que famosas redes tomaram o centro, atraindo o

consumidor - grande parte que usa o transporte coletivo - com suas promoções

fantásticas, principalmente no setor de eletrodomésticos e eletrônicos.

No momento de redefinição de conceitos, o pequeno e o médio lojistas

sofrem novo baque pouco tempo depois: a crise econômica. Se nem da primeira

cacetada (bulevar) os comerciantes tinham despertado, agora era hora

de se pensar em uma Unidade de Terapia Intensiva. “Baixamos as portas ou

vamos para aqueles corredores comerciais comentados 10 anos atrás”.

Foi então inevitável a saída de algumas lojas tradicionais ou encerramento

das suas atividades num espaço de 10 anos. É fato que o pequeno

comércio não dispõe de recursos para pagamento de aluguéis que fogem da

realidade (as grandes redes sim); nos corredores ou bairros que se expandem,

o comércio se torna familiar e um bom atendimento fideliza a clientela

e aos poucos, Araraquara vai criando novos formatos em sua grade consumidora:

shopping, centro e bairros. Na sua proporcionalidade para tudo

tem público: centro recebe 30% dos consumidores, shopping 5% e os bairros

emergentes cerca de 65%. Devemos entender que a descentralização mostra

o surgimento de uma cidade moderna, geograficamente equilibrada, e proximidade

entre as pessoas nos bairros; já no centro antigo, o distanciamento.

Nos shoppings também. Tanto é que a Arezzo (loja de shopping), em Ribeirão

Preto, está trocando o shopping pela Presidente Vargas.

9


Sala de aula

Rua Gonçalves Dias, 651 | 16 3336.6819 | www.cocararaquara.com.br

REPORTAGEM DE CAPA

SuperMed COC:

um preparo de excelência

Com carga horária integral,

SuperMed COC prepara

o estudante para qualquer

vestibular.

Trazendo na bagagem o compromisso

de formar vencedores, slogan já enraizado

na filosofia de trabalho da instituição,

o SuperMed COC Araraquara

tem desde 2013, ano de implantação

do projeto, carimbado sua marca de excelência

enquanto curso preparatório

voltado para estudantes que buscam

garantir a tão sonhada vaga em Medicina,

ou ainda em outros cursos também

concorridos das principais universidades

do país, como: USP, Unicamp, UNI-

FESP, UNESP, entre outras.

Para Paulo Rettondini, coordenador

pedagógico, a preparação para quem

quer passar em medicina possibilita

que este estudante tenha um preparo

completo. “Essas aulas a mais de química,

de física, de biologia e de matemática

são muito importantes para

quem quer prestar outros cursos - por

isso recebemos alunos de outras cidades

que também querem prestar, como

por exemplo, direito na São Francisco e

relações internacionais - fato que mostra

a força que o curso tem “, completa

o coordenador.

Com grupos de estudos orientados

e supervisionados pelos professores

experientes e atualizados, além de

uma carga horária em período integral

com 43 horas semanais, os alunos do

SuperMed COC passam por uma maratona

de muito trabalho e entrega -

Equipamentos

multimídia

10

rotina diária para que a intensa carga

de exigência dos vestibulares não seja

impactante.

À frente deste trabalho está uma

verdadeira seleção de professores vindos

dos principais cursos preparatórios

de Ribeirão Preto, São Carlos e região.

Entre jovens e mais velhos, em sala de

aula todos carregam na bagagem anos

e anos de experiência.


Sala de estudos

Cabines para orientação com profissionais especializados e atendimento individual com

professores

MATERIAL DIDÁTICO

Outro diferencial do SuperMed é o

material didático de alta complexidade

apresentado numa coleção que conta

com 54 livros de teoria e exercícios. Os

alunos também têm à disposição cadernos

de atividades, livros, apostilas

de exercícios preparadas especialmente

para as atividades de aprofundamento,

além de um extenso material digital

no Portal COC Educação, considerado

um dos maiores portais educacionais,

disponibilizando aos alunos materiais

como resoluções comentadas dos exercícios

de tarefa e enciclopédias digitais.

Além dos materiais do próprio sistema

COC, os alunos também se utilizam

de listas de exercícios de revisão dos

assuntos mais importantes, conforme a

necessidade, preparadas pelos próprios

professores para auxiliar na fixação.

O curso oferece ainda aos estudantes,

aulas de aprofundamento nas

disciplinas que têm mais peso nos

vestibulares mais concorridos do país.

Destaque para o Laboratório de Redação

- espaço voltado para discussões e

debates em torno dos principais temas

da atualidade que podem ser pedidos

nos principais vestibulares.

ESPAÇO FÍSICO

Falar do espaço físico oferecido pelo

SuperMed COC, é falar de um ambiente

equipado com o que há de mais moderno

em tecnologia no mercado.

O uso do sistema multimídia vem

proporcionar aos alunos aulas dinâmicas

e interativas por meio do uso de

recursos tecnológicos como: lousas digitais,

som de alta qualidade, projetor

multimídia, além de equipamento 3D,

que conta com um acervo com variados

assuntos para projeção durante a aula

conforme programação.

Para os trabalhos extra sala de aula,

os estudante contam com duas salas

de estudos confortáveis com capacidade

total para 100 pessoas. O mesmo

ambiente oferece aos alunos computadores

para pesquisa, além de algumas

cabines (boxes) para que estes possam

estudar individualmente, ou ainda receber

explicações dos 3 professores

disponíveis diariamente.

SIMULADOS

Quinzenalmente são aplicados simulados

dos principais vestibulares

de medicina do país, além dos mais

concorridos e do ENEM, totalizando

aproximadamente 16 provas até o final

do ano. Após a aplicação, uma análise

individual do aluno é feita, bem como

uma análise da sua evolução ao longo

do ano. Assim o candidato pode direcionar

seus estudos para conseguir os

melhores resultados.

SEGURO-APROVAÇÃO

O cumprimento de algumas condições

do COC, como frequência igual ou

superior a 95% nas aulas, garante ao

aluno o seguro-aprovação, para que no

ano seguinte, caso ele não garanta sua

vaga em alguma universidade, receba

bolsa 60% para cursar novamente o

SuperMed COC.

11

Estudos

em grupo

Sala de estudos com computadores para

pesquisa


GESTÃO ATÉ 2019

José Janone Júnior é empossado

como novo presidente da ACIA

Ao assumir a presidência

da Associação Comercial

e Industrial de Araraquara

no dia 25 de abril, o novo

presidente, José Janone Júnior,

enaltece o trabalho de Renato

Haddad, que cumpriu seis

anos à frente da instituição.

Ele destacou como ponto

principal os investimentos

no patrimônio.

Em cerimônia considerada apenas

protocolar - em função da reforma e ampliação

da sede - o empresário José Janone

Júnior assumiu a presidência da

ACIA, dizendo que aceitou assumir o cargo

desde que houvesse união em torno

dos propósitos da entidade, ressaltando

o companheirismo como um dos pontos

principais. “Temos que buscar o fortalecimento

da instituição através de novas

ideias, sugestões, diálogo, convergindo

sempre para a defesa da classe empreendedora”,

destacou Janone Júnior.

O novo presidente elogiou Renato

Haddad que para ele “firmou sua administração

na valorização do patrimônio”.

Houve uma preocupação de Renato em

realizar o sonho que pertenceu a vários

presidentes: dotar a sede de elevador

para atendimento aos três andares.

Além deste melhoramento, o projeto da

Saudação de Janone Júnior já como presidente da ACIA, ao lado de Renato Haddad e dos

diretores Antônio Junquetti e Jefferson Thadeu Barroso. Seu mandato vai até abril de 2019.

arquiteta Dagmar Bizzinotto

contemplou a reforma dos

Auditórios Vicente Michetti e

Benevenuto Colombo, criou

meios para o acesso dos portadores

de deficiências físicas

ao prédio, bem como banheiros

especiais para seu uso.

Renato na opinião de Janone,

deixa um legado na história da

ACIA que em junho completará

82 anos de fundação.

O ex-presidente fez questão

de agradecer aos funcionários

pelo empenho e dedicação

durante sua gestão: “A contribuição de

cada um foi significativa e se não hou-

Os diretores João Willian Brandão, Dagmar Abadia

Bizzinotto Ribeiro, Ana Rosa Malara Capparelli, Pollyana

Azevedo Alves e Najla José Rached Torres

vesse o espírito de equipe não teríamos

atingido os nossos objetivos”, concluiu

Renato.

Diretores Giuseppe Morvillo Júnior, Jair Martineli, Valter

Romão, Marcelo de Mattos Frigo, José Natal de Moura e

Luís Fernando Jaciani Petroni

Os diretores Milton Luiz

Gebin Cardoso e José Luiz

Alves Pinto

12

Janone e Renato com os funcionários Luiz

Romio, Willian Nardini, Fátima Bergamin, Maria

de Fátima Oliveira e Marcos Assumpção


13


A HISTÓRIA

Janone Júnior,

o 24° presidente

GALERIA DE EX-PRESIDENTES

Desde 1934 quando foi

fundada, a ACIA teve 23

empresários ocupando sua

presidência. Recém aclamado

presidente, José Janone Júnior,

é o vigésimo quarto dirigente a

ocupar o cargo.

Benevenuto Colombo

1934 - 1936

Indio B. Borba

1936 - 1940

Gentil Martins

1940 - 1941

Rômulo Lupo

1941 - 1942

A eleição por aclamação do empresário

José Janone Júnior em 15 de abril,

lhe garantiu o direito de ser presidente

nos próximos três anos e ter o nome

inserido na história da Associação Comercial

e Industrial de Araraquara, que

caminha para completar em junho, 82

anos de atividades.

Ao substituir Renato Haddad que a

partir de agora entra para a Galeria de

Ex-Presidentes, Janone Júnior assume

importante papel dentro da história da

ACIA, motivado pelo currículo que o torna

empresário bem sucedido e disposto

a proceder avanços de gestão que coincidem

com os tempos atuais.

Na lembrança, curiosamente, dois

ex-presidentes foram os que mais se

mantiveram na direção da associação:

André Lia, no período de 1950/1958 e

Vicente Michetti, também por 8 anos:

de 1970 a 1978. Renato Haddad, ficou

por dois mandatos: 6 anos.

Ele também priorizou o patrimônio

da ACIA, repetindo façanhas como de

Orlando Da Valle, eleito em 1942, que

adquiriu a sede social; com a evolução

e o crescimento da cidade, em 1962 a

sede social passou por sua primeira reforma.

A diretoria eleita com Clodoaldo

Medina na presidência, realizou modificações

na estrutura interna, tornando-a

acessível para reuniões.

O tempo passou; a associação foi

ficando cercada de prédios de grande

porte. Com isso, nasceu o sonho de

uma sede mais moderna com alguns

andares. A realização desse sonho chegou

com o presidente Jovenil Rodrigues

de Souza que trabalhou pela compra do

terreno localizado entre a entidade e a

antiga sede do Banco Bradesco, imóvel

Orlando da Valle

1942 - 1948

Roberto José Fabiano

1960 - 1962

Apparecido Dahab

1978 - 1980

Pedro A. Lia Tedde

1992 - 1998

Valter Merlos

2004 - 2010

Mário Barbugli

1948 - 1950

Clodoaldo Medina

1962 - 1966

Péricles Medina

1980 - 1984

Jorge Lorenzeti Neto

1998 - 2001

José Carlos P. Cardozo

julho/novembro 2008

André Lia

1950 - 1958

Jovenil R. de Souza

1966 - 1970

Joel Roberto Aranha

1984 - 1989

Sônia M. C. Borges

2001 - 2004

Renato T. Haddad

2010 - 2016

Francisco P. M. da Silva

1958 - 1960

Vicente Michetti

1970 - 1978

Ivo Dall’Acqua Júnior

1989 - 1992

Samuel Brasil Bueno

janeiro/junho 2003

José Janone Júnior,

na galeria em 2019

14


Renato Haddad e

Ademar Ramos, logo

após José Janone

Júnior ser aclamado

presidente da ACIA,

no dia 15 de abril

pertencente à família Karan. O negócio foi

firmado quando Cecílio Karan vendeu a

propriedade para a associação. Era o primeiro

passo para a construção do chamado

Palácio do Comércio e Indústria.

Sucedendo Jovenil Rodrigues de

Souza, o empresário Vicente Michetti

assumiu a presidência em 31 de janeiro

de 1970 e, em sua gestão, o prédio

ganhou novo projeto arquitetônico, com

o segundo e o terceiro andares, além

dos auditórios.

Da mesma forma, Renato Haddad

optou na valorização patrimonial e investiu

na reforma do prédio, revitalização

dos espaços e a colocação de

elevador com ampla acessibilidade nos

andares superiores. A fachada da sede

também ganha novo visual a partir de

maio, podendo ocorrer a finalização da

obra ainda no primeiro semestre.

Janone recebe um novo diretor na ACIA:

Jefferson Thadeu Barroso (Alarm System)

Jair Martineli presidiu a assembleia que aclamou

Janone como presidente; Renato Haddad, Janone

e o presidente do Sincomercio, Toninho Deliza,

que prestigiou o evento

José Natal de Moura assume o Departamento

Social da ACIA; Luís Fernando Jaciani Petroni

fica com a primeira vice presidência

15


NOSSAS VEREADORAS

POLÍTICA

Na história de

Araraquara já foram

eleitas: Deodata do

Amaral, Olinda Othon

Montanari, Vera Botta,

Helenita Turci, Márcia

Lia, Edna Martins,

Juliana Damus,

Gabriela Palombo

e Geani Trevisoli

O adeus da primeira vereadora

na história da cidade: 1956

Por suas convicções políticas,

Olinda Othon Montanari teve

sua candidatura impugnada

em três vezes. Na época, o

prefeito era Rômulo Lupo e o

presidente da Câmara, Pedro

Marão, que virou deputado.

Faleceu no dia 26 de abril, em Araraquara,

aos 93 anos de idade, a professora

Olinda Othon Montanari, a primeira

mulher vereadora de Araraquara.

Seu sepultamento foi realizado no mesmo

dia no Cemitério São Bento.

Natural de Pitangueiras (SP), em 16

de julho de 1922 em Araraquara, foi

eleita suplente de vereadora pelo PTN

(Partido Trabalhista Nacional) para a 3ª

Legislatura em 1956-1960.

Araraquara nunca teve uma prefeita,

mas Olinda foi a primeira mulher a

Olinda,

em 2002

Foto: Revista Crônica

representar o povo no exercício da vereança

no município entre as poucas

eleitas para o cargo até os dias atuais.

Ela ingressou na vida política com a

organização da Associação Feminina,

movimento baseado na Federação das

Mulheres do Estado de São Paulo, cujo

objetivo era combater a carestia e fazer

vigilância sobre o preço dos produtos,

além de reivindicar melhorias para os

bairros da cidade. Olinda se destacou

nesse movimento e registrada no

PTN, enfrentou recorrentes tentativas

de impugnação de sua candidatura à

vereadora por ser considerada comunista.

Teve seu nome registrado no Departamento

de Ordem Política e Social

(Dops), órgão do governo que tinha o

objetivo de controlar e reprimir movimentos

políticos e sociais contrários ao

regime militar.

Mais tarde participou da fundação

do PMDB (Partido do Movimento Democrático

Brasileiro) em Araraquara

e engajou-se no movimento pelas “Diretas

Já”. Também participou da fundação

do PPS (Partido Popular Socialista)

no município e, posteriormente,

filiou-se ao PC do B (Partido Comunista

do Brasil).

16

Pedro Marão deu posse

a Olinda em 1956, após

decisão da Justiça, por

causa do envolvimento

em movimentos sociais


17


FATOS & FOTOS

SINGELA HOMENAGEM A BENEDICTO PRIMANI

A Prefeitura de Araraquara está concluindo

a Área de Esportes e Lazer Benedicto

Primani, na confluência da Avenida Antonio

Ângelo Zendron com a Rua

João Teles dos Santos, ao

lado do Centro de Educação

e Recreação Padre Mário

Cavaretti Filho, no Altos de

Pinheiros, na zona leste de

Araraquara. Em abril foram

vistoriados os serviços de

pintura na quadra coberta

e no playground, além de

revisão nas passarelas de piso

intertravado. Antes o local era

Benedicto Primani

usado para descarte irregular de entulho

e se transformou num espaço público

que beneficia os moradores do bairro. O

investimento contou com recursos

próprios e também do Ministério

do Esporte e contemplou tanque

de areia com mureta; passarelas;

playground, pista de caminhada,

rampas para acessibilidade e

quadra coberta com iluminação.

Benedicto Primani foi um dos

grandes esportistas de Araraquara

tendo fundado o IV Centenário,

clube amador, juntamente com

Silvio Prado, na Vila Xavier.

QUE “PONTE” CHEGAMOS

Produtores sem a

ponte que caiu

Estradas em péssimas condições, pontes

caídas e algumas prestes a desabar, desolação

e desespero dos agricultores familiares do

Assentamento Monte Alegre. Este é o quadro

de abandono que está sendo vivenciado pelos

pequenos produtores rurais que ameaçam

deixar seus lotes, pois não têm como receber

insumos e nem como escoar a produção,

uma vez que os motoristas de caminhão não

conseguem entrar no assentamento. A situação

de abandono foi discutida na Câmara pelo

vereador Edio Lopes, em abril.

SUBINDO

Câmara Municipal de

Araraquara aprovou

ajuda financeira para

três entidades que

trabalham com idosos

no município. O Lar

e Internato Otoniel de

Camargo receberá o

repasse no valor de

R$ 12 mil; o Lar São

Francisco de Assis e

a Vila Vicentina Obra

Unida à Sociedade

São Vicente de

Paulo receberão R$

15.717,50 cada.

O recurso será

repassado através do

Fundo Municipal do

Idoso. Parabéns, pois

são instituições que

merecem respeito.

DESCENDO

Com o aumento

do número de

queimadas em

Araraquara, atingindo

cerca de 280%,

observa-se que a falta

de cidadania está

cada vez mais indo

para o ralo. Lixos nos

terrenos e o despejo

de entulhos formam

um indesejável

ritual que oferece

consequências

desagradáveis

à população. A

impunidade é um

convite para os

que provocam

queimadas, às vezes

ordenadas pelos

próprios proprietários.

AOS PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON

Estima-se que pelo menos 300 pessoas

em Araraquara tenham a doença de

Parkinson. Em abril, uma ação realizada

pela Associação Parkinson Araraquara

(Aspark), no Parque Infantil, marcou o Dia

Mundial de Conscientização da Doença de

Parkinson. Segundo seu presidente, Paulo

Roberto Simões, a ideia da mobilização

foi dar visibilidade ao grupo e orientar

a população sobre a doença. Ao longo

do dia, foram distribuídos panfletos e

fornecidas orientações aos frequentadores

do espaço público. O grupo, disse Paulo

Simões, tem se reunido desde 2014 e

desenvolve um trabalho fundamental de

suporte e apoio. A associação realiza

encontros quinzenalmente as quintasfeiras,

às 16 horas, na Rua Professor

Dorival Alves, nº 97, na Vila Xavier, em

frente à Udefa. Mais informações sobre

o trabalho da Aspark podem ser obtidas

pelo telefone (16) 99757-5008. A Doença

de Parkinson é uma condição crônica,

sem causa conhecida, progressiva e

degenerativa do sistema neurológico, que

afeta os movimentos e a coordenação.

Conforme avança, incapacita o indivíduo,

fazendo com que atividades simples do dia

a dia, como tomar banho, comer e vestirse,

tornem-se impossíveis. Apesar de ainda

não ter cura, hoje os pacientes têm à sua

disposição um amplo arsenal terapêutico

capaz de retardar o avanço da doença e

prolongar a qualidade de vida.

18


FRASE

“Politicamente

derramaram o sangue

de uma justa”.

Edinho Silva

ministro da Secretaria de

Comunicação Social da

Presidência

Edinho Silva

Comentário feito por ele em seu blog logo

após a decisão dos deputados federais no

domingo, 17 de abril, dando continuidade ao

processo de impeachment da presidente Dilma

Rousseff, no Congresso Nacional. Edinho

cumpre com dignidade e respeito seu papel de

ministro perante à presidente Dilma e ao seu

partido, o PT. Isso é plenamente lógico. Não

poderia ser diferente.

Nota da Redação: E o sangue dos 10

milhões de desempregados, dos donos de 100

mil lojas fechadas em 2015, dos milhares de

mortos nos corredores dos hospitais?

LIBERDADE, LIBERDADE

Criminalização dos movimentos sociais é

o tema que Osvaldo Martins dos Santos,

credenciado pelo CSP-Conlutas – Central

Sindical e Popular, levou para a tribuna

popular da Câmara Municipal, em abril.

Segundo ele, o movimento social exerce um

papel fundamental frente o sistema capitalista

presente no Brasil em defender o trabalhador.

Disse que ainda existe divisão de classe: A dos

que dominam e a dos que são oprimidos.

“Cabe a nós determinar e colocar uma

direção nesse embate, pois no Brasil a

história foi feita de luta e de sangue”,

disse, lembrando o massacre de índios e a

escravidão no país. Para Santos, essa situação

persiste ainda hoje e o cenário para o futuro

não “nos deixa muitas ilusões”. Destacou

que a grande mídia manipula a população,

o congelamento de salários dos servidores

públicos, a lei antiterror que ataca os

movimentos populares...

Osvaldo Martins

dos Santos

19


EXPANSÃO

Dobrada comemora em noite de festa

a inauguração da agência do Sicoob

O Sicoob Araraquara que já dispõe de uma agência em Matão, acaba de se instalar

no município de Dobrada, abrindo seu leque de produtos e serviços idênticos aos oferecidos

pelos bancos convencionais. Na atualidade, é a única instituição financeira presente na vida

da comunidade, sendo histórica sua chegada ao município.

Fotos: João Carlos

Elpidio Júnior (gerente Sicoob Dobrada), Antônio Carlos de Mattos Santos (presidente da Câmara), Tinho Bellintani (ex-prefeito), Mário Thuyosi

Hokama (Conselho de Administração Sicoob), Manoel Messias da Silva (presidente do Sicoob Central Cecresp), Antonio Tomazetti Gaban

(presidente Sicoob Araraquara), José Antonio Fragali (presidente do Conselho de Administração do Sicoob Araraquara), Walter Francisco

Orloski (diretor administrativo Sicoob Araraquara) e Ademar Ramos da Silva (Conselho de Administração Sicoob Araraquara)

Abril marcou o início das atividades

do Sicoob 4434 em Dobrada, município

com pouco mais de 8 mil habitantes,

que não dispunha até então de nenhuma

agência bancária. Deste Sicoob

4434, criado há 33 anos por Araraquara,

já faziam parte a agência mantida

no município de Matão e o posto de

atendimento no interior da Iesa. Integra-se

agora Dobrada que contribui no

fortalecimento da rede e do cooperativismo,

segundo o presidente da Diretoria

Executiva, Antonio Tomazetti Gaban.

Segundo ele, “uma instituição financeira

convencional, como os bancos,

se faz com dinheiro. O capital fala mais

20

alto. E o resultado todos conhecem.

Quem pode mais chora menos”, ressaltou

Gaban para destacar a importância

do cooperativismo que agora une a pequena

comunidade.

Esse cooperativismo que estamos

trazendo para Dobrada, argumentou o

presidente do Sicoob, é feito por pes-


soas. E completou: “Pessoas como os

diretores que acreditam que podem fazer

a diferença. Pessoas como funcionários

bem preparados, remunerados

adequadamente, felizes por gostarem

do que faz. E finalmente, pessoas como

os cooperados que acreditam na ideia

de que a união faz a força”.

Com um breve relato sobre o crescimento

do Sicoob na região, o presidente

do Conselho de Administração,

José Antonio Fragalli, destacou o comprometimento

da instituição com as

raízes regionais. “Apesar do atual cenário

econômico, o cooperativismo financeiro

está ampliando sua participação

no mercado e na manutenção de uma

relação mais justa e benéfica para os

associados e suas comunidades”.

Em nome da Central de Cooperativas

de Crédito do Estado de São Paulo (Cecresp),

o seu presidente, Manoel Messias

da Silva, ressaltou que o modelo

de negócio das cooperativas financeiras

tem se destacado no Brasil, apresentando

crescimento mesmo em momentos

de crise, com menor nível de inadimplência,

taxas e tarifas mais atrativas,

melhor remuneração ao investidor, participação

nos resultados e no fortalecimento

da governança das cooperativas,

entre outros diferenciais”.

Sicoob na região central de Dobrada

O ponto alto da cerimônia foi a abertura

das dez primeiras contas, trabalho

idealizado pela prefeita Tania Mara

Parise Bellintani, representada pelo exprefeito

Tinho Bellintani, que percorreu

indústrias e o comércio em geral para

conscientizar a população sobre a importância

do município voltar a ter uma

instituição financeira após a saída do

Santander.

A agência Sicoob num belo prédio

de 240m² na região central da cidade,

dispõe de estrutura moderna e confortável

para atendimento ao público,

além de utilizar recursos tecnológicos

de última geração, garantindo qualquer

tipo de operação financeira.

AS INSTALAÇÕES SÃO AMPLAS

E MODERNAS E EQUIPAMENTOS

COM AVANÇO TECNOLÓGICO

Acesso à agência do Sicoob em Dobrada

Tal como em Araraquara e Matão, o Sicoob Dobrada oferece aos associados

serviços de conta corrente, crédito, investimento, cartões, previdência, consórcio,

seguros, cobrança bancária, adquirência de meios eletrônicos de pagamento,

dentre outras soluções financeiras. Ou seja, o Sistema dispõe de um amplo e

moderno portfólio de produtos e serviços de natureza bancária.

Público presente na

inauguração da agência

Visão noturna do prédio

Walter Orloski, Tinho Bellintani

e Antônio Gaban

21


NEGÓCIOS

Para a história do Sicoob em Dobrada,

as primeiras 10 contas abertas em abril

Em ato simbólico, logo após a cerimônia

de inauguração do Sicoob 4434

em Dobrada, no dia 18 de abril, o presidente

da diretoria executiva da cooperativa,

Antonio Tomazetti Gaban, procedeu

a abertura das 10 primeiras contas

- pessoas físicas e jurídicas - apresentadas

pelo ex-prefeito Tinho Bellintani, representando

no evento a prefeita Tania

Mara Parise Bellintani.

A conta de número 01 é da própria

Prefeitura que passa a realizar toda sua

movimentação financeira, o que abre a

possibilidade dos funcionários públicos

municipais também se envolverem no

cooperativismo. A chegada da agência

em Dobrada representa a expansão do

Sicoob Araraquara, que já mantém uma

unidade 4434 em Matão e se vê agora

ainda mais fortalecido graças à visão

empresarial dos seus dirigentes, atentos

ao crescimento do associativismo.

Mario Gazzola e Pedro Cassiano, Presidente

e Vice respectivamente do Clube da Banda

(Corporação Musical Giácomo Puccini)

Nelson Francisquini JR - Elite Confecções

Romildo Oliveira - Supermercado Campestre

Luiz Carlos Telles - Panificadora Paraná

José Antonio Ramos, proprietário da Ramos

Calçados

Venicio Ramos - Sindicato dos Servidores

Públicos Municipais

Luiz Bácaro e a filha Lucimara Bácaro

Gazzola - Posto Nossa Senhora Aparecida

Paulo Avelino da Rocha - Panificadora

Paulinho

Alessandra Machado - Compre Fácil

Supermercado

22

Maria Aparecida dos Santos Silva - Fazenda

Barreto


Pesquisa: Roberto Dolfini

Aldemar de Freitas Lemos guarda com

carinho o início da longa caminhada

com o pai Itieberé Correia Lemos,

que em 1941 se estabeleceu em

Araraquara montando um armazém

de secos e molhados e uma granja.

Na verdade, Itieberé veio de Dourado,

casou-se em Araraquara com Olinda

e depois foi para Ibitinga, onde nasceu

Aldemar. “Quando eu tinha 4 anos de

idade meu pai voltou a se estabelecer

em Araraquara como comerciante, na

Rua Américo Brasiliense, em 1941”,

conta. Naquela época o caminho,

também conhecido como “estrada

boiadeira” era muito usado para se

ir até Américo. Já com o comércio

de secos e molhados atendendo os

funcionários da Estrada de Ferro

Araraquara (EFA), Itieberé montou

a Granja Santa Eliza logo acima da

represa, para vender ovos. A granja

logo foi ampliando sua produção

e Aldemar passou a trabalhar com

o pai, buscando um espaço maior.

Nasceu o Depósito de Ovos Lemos;

na mesma Rua Américo Brasiliense,

301 onde permanece até hoje. Tempos

depois, Itieberé vendeu a granja, vindo

também a falecer. Aldemar assumiu os

negócios da família passando a contar

com a participação de seus filhos

Olinda e Aldemar, ainda hoje com o Depósito

de Ovos Lemos na Rua Américo Brasiliense

Alexandre e Douglas (o terceiro filho

é João Paulo), que entregavam ovos

com o motorista Rubens, em uma

perúa Kombi em armazéns, padarias,

confeitarias, fábricas de doces e

os supermercados que estavam

começando em Araraquara, por Rr$

3,30 a dúzia (1970). Quando jovem,

ele adorava o futebol, sendo goleiro

do Estrela e do Americano por longo

período. Parabéns Aldemar e Olinda,

por tão belo trabalho.

23


EXPOSIÇÃO

AgroMoura, a solução inteligente

para o homem do campo

Sistema de administração de

fazendas e plantações se torna

“braço direito” do produtor

rural; gerente informatizado

traz economia em tempos não

tão bons.

O homem acorda pela manhã, toma

seu café fresco enquanto pensa em todas

as suas obrigações diárias a fazer. A

vida do produtor rural, o homem do campo,

já não é a mesma há anos. Grandes

conquistas trazem grandes responsabilidades

e ele não consegue mais manter

todas as informações de sua plantação

na memória.

Os produtores são empresários rurais

e não estão apenas cuidando de

suas terras. Agora, eles gerenciam grandes

empreendimentos que rendem bilhões

de reais pelo país e, pensando nisso,

a ‘agricultura de precisão’ se tornou

necessária para a realização de tarefas.

Desta forma, a JN Moura Informática

leva aos seus clientes ‘do campo’, as

novidades do software AgroMoura. De

acordo com a avaliação do gerente de

tecnologia agrícola da empresa, Edmundo

Reis, o ‘empresário rural’ não consegue

mais guardar tudo na cabeça. “São

muitas obrigações a serem feitas e eles

não conseguem mais colocar todas as

suas contas apenas na ponta da caneta.

É preciso organizar e economizar neste

segmento” observa Reis.

“O sistema funciona como um ‘gerente

informatizado’. Você tem toda a

José Natal Moura no estande da

JN Moura na Agrishow 2016

sua empresa na tela do computador e

ele te ajuda a tomar as decisões mais

acertadas para obter os melhores resultados,

como por exemplo, qual maquinário

deve ser utilizado em determinada

operação”, explica.

O AgroMoura cruza dados como tipos

de solo, condições climáticas, cultu-

24


MOURA LEVOU SUA TECNOLOGIA PARA A AGRISHOW EM RIBEIRÃO

Equipe reunida para apresentar as soluções inteligentes da Moura Informática ao produtor

rural: Naiara Ayumi (Gerente da filial Ribeirão Preto), Edmundo Reis (Gerente de Tecnologia

Agrícola), Claudia Adati (Gerente de Projetos - Matriz) e o diretor José Natal de Moura

ras cultivadas e maquinários existentes

para que o empresário consiga gerir

sua safra com eficiência e economia.

Segundo o diretor da empresa, José

Natal de Moura, “participar de feiras

como a Agrishow e facilitar as rotinas

do produtor rural são de extrema importância

para conseguir levar tecnologia

para além das máquinas do campo. É

necessário ter consciência de que a

tecnologia não está apenas nos inúmeros

botões de uma colheitadeira, mas

também está na tela do computador,

calculando cada gasto e poupando

cada centavo”, explica.

Segundo o MAPA – Ministério da

Agricultura, Pecuária e Abastecimento

– mesmo com a leve queda na produção

pecuária e lavoura – cerca de 0,1%

– o valor bruto da produção no campo

deve ultrapassar os R$ 512 bilhões de

reais em 216, ante os R$ 513,1 bi do

ano anterior. Em 2014, este número foi

de R$ 508 bi.

Com estes resultados, o software

AgroMoura foi desenvolvido pensando

em todas as necessidades do produtor,

entendendo suas complexidades e

carências. “Temos em nossas mãos a

responsabilidade de levar a eles toda a

tecnologia necessária para lucrar com

suas plantações. Este é um setor pouco

explorado neste quesito”, observa Felipe

Moura, diretor comercial da Moura

Informática.

De acordo com ele, são inúmeros

os benefícios deste recente serviço.

“Conseguimos definir os cronogramas

de adubação ou pulverização, além de

escolher os melhores equipamentos

para os serviços. Atualmente, não há

um software que facilite e gerencie a

vida do empresário rural e economize

suas finanças desta forma” e acrescenta

“cada centavo poupado para o produtor

é de extrema importância e por

conta disso que atendemos todas as

suas necessidades”, finaliza.

A Moura Informática participa de

inúmeras feiras de agronegócios, incluindo

a Agrishow, uma das maiores

feiras do setor do mundo, em Ribeirão

Preto. O próximo evento será o Bahia

Farm Show, em Luiz Magalhães, entre

24 a 28 de maio.

Em abril, a Moura foi presença confirmada

na Tecnshow Comigo, em Rio

Verge/GO, maior evento do agronegócio

do Centro-Oeste e também na Farm

Show, em Primavera do Leste/MT.

Conheça o site dedicado ao homem

do campo e não perca mais nenhuma

atualização! Acesse www.agromoura.

com.br e informatize sua fazenda.

25


RESPONSABILIDADE SOCIAL

Projeto da Casa Cairbar

deve virar modelo nacional

A conduta terapêutica em relação ao

paciente que prescrevia o asilamento,

sofreu alterações ao longo do tempo e a

Casa Cairbar saiu na frente com programa

inovador. A desospitalização surge como

elemento da assistência psiquiátrica, em

resposta a uma convergência de fatores

sociais e econômicos que contribuem para

preparar o terreno e desencadear um

processo de construção de uma nova política

de saúde mental.

A desospitalização psiquiátrica

adotada pela Casa Cairbar

em Araraquara, baseada

na capacitação profissional

do paciente, pode se tornar

em projeto para a Saúde

brasileira, reintegrando o

doente ao convívio social.

A vinda do coordenador nacional de

Saúde Mental do Ministério da Saúde,

Vallencius Wurch Duarte Filho, à Casa

Cairbar em abril, teve forte motivo para

ele: conhecer o projeto adotado pela instituição

que revitaliza seu conceito e cria

uma rede que ajuda o paciente a exercer

funções dentro do ambiente, contribuindo

na melhora do intelecto da pessoa.

“O resultado tem sido surpreendente,

tanto que empresas como Mac Lub,

Big Dutchman e Lupo, se instalaram na

Casa, aprimorando até mesmo a sua

mão-de-obra e ajudando na melhoria

dos pacientes que passam por reabilitação”,

diz o presidente da entidade,

Doutor

Vallencius

Wurch Duarte

Filho

26


Osvalte Nogueira. Segundo ele, a intenção

é aprimorar a implantação do programa

que chegou ao conhecimento

da Coordenadoria Nacional de Saúde

Mental.

Dentre os assuntos discutidos com

o doutor Valencius Wurch Duarte Filho,

está a proposta da construção de

um Centro de Formação Profissional e

Cidadania com diversos serviços em

um Núcleo Gerador (Oficinas Terapêuticas),

que cuidaria da parte da criação,

oficina de livre expressão, reciclagem

e produção, e de um Núcleo Inclusor

Uma das oficinas terapêuticas na Casa

(Empreendimentos

Solidários), este voltado

à cooperativa de

trabalho, prestação de

serviços, levando o paciente

a um emprego

formal, onde teria carteira

registrada, levando

uma vida normal.

“O programa, na

sua totalidade, foi elaborado

com visão holística

e abrange um universo que vai

muito além do paciente”, detalha Nelson

Fernandes Júnior, diretor financeiro

do Cairbar. “É um processo educativo,

existencial e espiritual que atua na busca

do sentido da vida e, consequentemente,

na busca do sentido das nossas

relações e histórias construídas, desconstruídas

e reconstruídas”.

Com isso, o espaço ajuda na construção

de uma ordem global na qual

sejam mais igualitárias baseadas na

solidariedade. “É promover também

a paz e o respeito aos direitos e deveres.

Estamos possibilitando um tipo de

Deputada Márcia Lia, Vallencius Duarte Filho, Juliana Maluf

(Coordenadoria da Saúde Mental), Nelson Fernandes Júnior,

Denise Freire (consultora da Casa) e Osvalte Nogueira no encontro

prevenção, intervenção e promoção da

reabilitação através da saúde física,

mental e espiritual”, explica Nelson Fernandes

Júnior.

O programa prevê a permanência

do paciente na Casa Cairbar durante

o dia, para ser medicado e trabalhar;

à tardinha vai para sua casa tendo o

convivio familiar, continuando com a

medicação; no dia seguinte retoma as

atividades, trabalhando com carteira

assinada nas oficinas criadas pelas empresas,

que assim cumprirão a obrigatoriedade

de preencherem vagas para

os portadores de deficiências físicas.

Fonejá - Gramado

®

27


MEU CAFEZAL EM FLOR

Os pés de café que produzem

na Praça da Matriz

Sobrevivendo ao tempo

e descaso, suportando a

poluição, dois pés de café com

mais de 10 anos produzem e

se tornam símbolo da natureza

em pleno centro da cidade.

A natureza sempre dá um jeitinho

de surpreender a todos. Na praça da

Igreja Matriz, no centro de Araraquara,

há dois pés de café plantados no jardim,

o que tem atraído a atenção dos

curiosos. Poucos perceberam a presença

deles, afinal, o pé de café não surgiu

da noite para o dia.

“Muita gente para e fica observando,

se aquilo é mesmo café ou algum

tipo de fruta. Quando descobrem que é

mesmo café, pegam uma sementinha e

chupam na hora”, conta a proprietária

da banca de revistas, Marinete Janasi.

Pelo fato da banca ficar em frente a

um dos pés, Marinete fica observando

alguns curiosos que chegam perto para

pegar café. “Outro dia um casal de idosos

parou em frente ao pé e tirou foto.

Alguns chegam até colher um pouco de

café. Fico olhando para que ninguém

tente quebrar seus galhos”.

O que ajudou o “cafezal” a se tornar

Ao fundo aparece a Drimaq, na Avenida São Paulo

“mais vermelho” foi a grande quantidade

de chuva que caiu na cidade no final

do ano passado. Há que se louvar também

o espírito voluntário do jardineiro,

que além de cuidar da praça, aprimora

seu olhar em cima dos dois pés no

Marinete, dona da banca e Noêmia que

trabalha em frente à praça, acompanham

a sobrevivência dos dois pés de café

Em pleno centro uma sobrevivência de quase

30 anos, segundo os entendidos

meio do jardim. “Um olho no peixe e

outro na frigideira”, diz.

Muitos nem sabiam que existia uma

“plantação” de café ali. Porém, uma

outra “guardiã do café” não ficou tão

espantada.

Porteira de um prédio em frente

à igreja há mais de 10 anos, Noêmia

Inoue conta que os pés de café já estavam

ali até mesmo antes dela começar

a trabalhar naquela região da cidade.

“Lembro deles menores, agora estão

viçosos”.

Porém, ela ficou surpresa com o surgimento

de tanto café. “É muito bonito

vê-los com flores e depois carregados

de frutos. No início deste ano ficou muito

carregado e realmente despertou até

a minha atenção”.

SIMPATIA

Além do pé de café ter se tornado

atração, Noêmia revelou uma simpatia

com os grãos do café verdes. Segundo

ela, a utilização deles (grãos) ajudou a

controlar o diabetes de um amigo. “Não

tenho diabetes, porém uma pessoa

me passou esta simpatia e parece que

tem dado um certo resultado. Mesmo

assim, é sempre bom ter acompanhamento

de um bom médico”.

A simpatia é a seguinte: pegue um

frasco pequeno de álcool e jogue 30

grãos verdes de café. Espere cerca de

15 dias. A coloração do líquido ficará

verde também. A partir do décimo sexto

dia, pegue um conta gotas e pingue

uma ou duas vezes por dia o líquido

embaixo da língua.

28


29


Nove de Julho ainda é

o corredor que lidera o

nosso comércio

Pesquisa realizada diz que com

quase 300 estabelecimentos

comerciais, a Rua Nove de

Julho, representa hoje pouco

mais de 6% de empresas

implantadas em Araraquara.

Segundo o consultor Jaime

Vasconcellos, do Sincomercio,

Alameda Paulista e Maurício

Galli, se tornaram corredores

emergentes dentro no

comércio local.

Em sua 3ª edição, o núcleo de economia

do Sincomercio Araraquara, através

de uma análise no sistema cadastral

da entidade, registrou a localização

dos mais de 4.200 estabelecimentos

comerciais na cidade de Araraquara

neste último mês de março.

Com aumento de 21% no registro de

estabelecimentos comparado à pesquisa

de 2015 (foram incluídos 730 estabelecimentos),

há uma verossimilhança

ainda mais forte. “O objetivo sempre

foi acompanhar a geolocalização do

varejo local, tanto no âmbito dos bairros,

quanto na quantificação dos corredores

comerciais, pelas principais ruas

e avenidas de Araraquara”, argumenta

o consultor da entidade, Jaime Vasconcellos.

Ele diz, que dessa forma, é possível

analisar a concentração comercial

do município e elencar a participação

do varejo de Araraquara por corredores

comerciais e bairros.

A pesquisa aponta que ainda é expressiva

a participação da região central

da cidade no comércio varejista,

responsável 28,7% dos 4.206 estabelecimentos

comerciais. Entretanto,

houve uma diminuição na participação

do centro de 2015 para 2016, uma vez

que anteriormente havia uma participação

de 31% do total de estabelecimentos.

Esse número não representa

fechamento de lojas, mas sim que a

participação regiões periféricas da cidade

aumentou, ressaltando assim a

realidade de descentralização do comercio

varejista de Araraquara.

Nas regiões periféricas localizam-se

outros 2.999 estabelecimentos, dentre

os quais, Vila Xavier aparece em segundo

lugar com 437 estabelecimentos,

seguido pela região do Carmo com 135

estabelecimentos e Jd. Imperador e Vila

Sedenho, com 101 estabelecimentos.

Por corredores comerciais, os dois

primeiros destaques continuam na

região central, com a tradicional Rua

Nove de Julho e a Rua São Bento. Porém

do terceiro ao sétimo lugar aparecem

corredores periféricos, como a

Alameda Paulista e Rua Maurício Galli,

ambas com quase 3% da participação

total.

PARTICIPAÇÃO DOS BAIRROS POR NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS

Quitandinha

O consultor Jaime Vasconcellos

Fonte: Sincomercio Araraquara

30


PARTICIPAÇÃO DOS CORREDORES COMERCIAIS POR

NÚMERO DE ESTABELECIMENTOS

Fonte: Sincomercio Araraquara

Estabelecimentos comerciais buscam Alameda Paulista e outros corredores periféricos

ANÁLISE

Araraquara apresenta uma descentralização

no seu comércio varejista.

E percebe-se que a região central

está perdendo participação para as

regiões periféricas em ritmo contínuo.

A centro da cidade sofre com esgotamento

do espaço. A região se tornou

mais cara em termos de compra/aluguel

de imóveis, o IPTU é altíssimo, há

um trânsito estrangulado e forte concorrência.

Outra importante constatação

é que o comércio acompanha o seu

consumidor. Quanto mais a população

cresce, mais bairros vão sendo

criados, mais condomínios construídos,

isto é, polos populacionais são

formados, demandando acompanhamento

dos setores econômicos, principalmente

os mais próximos ao consumidor

final.

Nota-se que a atividade comercial

de Araraquara está se descentralizando,

tornando o fluxo comercial

mais distribuído. Tal característica vai

ao encontro da cidade moderna que

sempre buscamos, aquelas que diminuem

os movimentos da população

no seu dia a dia, que cresce de forma

geográfica equilibrada e que proporciona

ao consumidor proximidade

cada vez maior. O comércio de bairro

tem esse poder de estreitar relação

com o cliente. São normalmente estabelecimentos

menores, de morados

locais, onde a fidelização, algo tão

buscado pelas empresas, quase ocorre

de forma natural.

O comércio de Araraquara evolui

de acordo com a cidade, gera empregos,

renda, tributos e mais uma

vez continua suas transformações,

mesmo que seja em um ambiente de

negócios burocratizado, engessado,

com tributação perniciosa e pouco

dinâmica. A despeito de tantas dificuldades

em criar e empreender, vamos

nos moldando e crescendo. Viva o

comércio de Araraquara, viva o Centro

de Araraquara, Viva os bairros de

nossa cidade!

Jaime Vasconcellos

31


SILAS, ADEUS

Partiu quem alegrava

as nossas tardes de

domingo na Fonte

A Ferroviária perdeu um

dos seus mais importantes

torcedores: Silas Savassi que

mostrava como gandula, a

alegria de uma eterna criança.

Ele faleceu aos 54 anos, tendo

no olhar a inspiração de quem

sempre estava começando no

futebol.

Há 35 anos, chegava em Araraquara a

família Savassi, “seo” Arnaldo e dona Therezinha,

vindos de Taquaritinga. Com eles

veio já moço Silas, adorador do futebol.

Poderia ser estranho o comportamento

para um rapaz com 20 anos de idade. Isso

era o de menos. O importante era que ele

conseguia transmitir para os jogadores e o

público da Fonte, um show.

O pequeno Silas acompanhava o Clube

Atlético Taquaritinga e entrava com os

jogadores no Estádio Municipal Adail Nunes

da Silva. Já em Araraquara, quando

descobriu a Ferroviária graças ao eterno

amigo e fotógrafo, Tetê Viviani, continuou

a fazer a mesma coisa: entrar em campo

e ser gandula nos jogos da AFE.

Seu pai, que não é muito fã de futebol,

levava Silas até a Fonte Luminosa ou ele

mesmo se aventurava com sua mobilete

pela Via Expressa, que na época terminava

justamente ao lado do estádio. Mesmo

sendo sócio do clube, fazia questão

de pagar o ingresso e entrava em campo

com os jogadores para, em seguida, ser

gândula.

Silas não precisava se fantasiar para

alegrar os presentes durante o intervalo

da partida. Ele criava a fantasia. Bastava

pegar apenas uma bola murcha que

sempre carregava consigo, para colocar

na marca da cal e chutar ao gol para que

todos fossem ao delírio absoluto, mesmo

quando o jogo não valia o preço do

ingresso. Este era o grande

orgulho para aquele jovem

rapaz que queria oferecer

alegria para as pessoas

com suas pequenas palhaçadas.

Encerrava dando

uma volta olímpica no gramado,

acenando para os

torcedores.

É de se invejar as fotos

tiradas por ele, sempre ao

lado dos grandes ídolos

do futebol, como Sócrates,

Marcão, Douglas Onça,

Maurílio, Serginho Fladinha

(Palmeiras), Leão e Paschoal da

Rocha, que não era jogador, mas sempre

frequentou a Ferroviária ao lado de

Silas.

Contam que não fazia apenas o papel

carismático dentro de campo. Fora dele,

ia sempre às missas da Igreja do Carmo e

deixava tudo arrumado para que o padre

pudesse iniciar a cerimônia, e isso ele

sempre fez por vontade própria. No período

natalino, tinha o prazer de se fantasiar

de Papai Noel para alegrar as crianças,

sempre querendo vê-las felizes.

Arnaldo, depois da partida do filho,

ainda sente falta da eterna criança que

tinha em casa lhe fazendo companhia:

“Sei que agora ele está em um lugar

melhor. Era uma pessoa que transmitia

Brincando no

intervalo do jogo

32

Sorrindo e com a bandeira

enrolada no corpo,

características de um

senhor-criança

felicidade e alegria para todos. As coisas

mais importantes na vida dele eram Ferroviária

e Palmeiras. Nunca me deu trabalho

e sempre deixava a casa arrumada

sem que eu pedisse alguma coisa para

ele”, conta o pai.

Na década de 90, Silas parou de ir

à Ferroviária. Brigou com alguém, coisa

que Arnaldo nunca descobriu, pois Silas

hesitava em falar sobre o assunto. Mas,

com certeza, ele acompanhou o drama

do que foi ficar 19 anos longe da elite

paulista e conseguiu sentir o sabor do

que é voltar para o lugar onde a Ferroviária

jamais deveria ter saído.

Com o artilheiro

Marcão

Ao lado de Sócrates,

do Corinthians


33


34


AGRO

N E G Ó C I O S

INFORMATIVO

edição maio | 2016

FEIRA EM RIBEIRÃO

Só mesmo o setor agro para

manter a economia brasileira

Produtores rurais da nossa

cidade que sempre viram na

Agrishow em Ribeirão Preto

um grande centro de negócios

e novidades, desembarcaram

em Ribeirão Preto no final de

abril e ficaram surpresos com

as tendências do agronegócio.

Considerada uma das três principais

feiras de tecnologia agrícola do mundo

e a maior e mais importante na América

Latina, a Agrishow continua sendo a

vitrine das mais avançadas tendências

e inovações tecnológicas para o agronegócio.

Realizado no final de abril com

apoio da Faesp – Federação da Agricultura

e Pecuária do Estado de São Paulo,

o evento foi novamente um grande sucesso

nos seus 440 mil m² de área.

Cerca de 160 mil visitantes passaram

pela feira este ano, um público altamente

qualificado, formado, em sua

maioria, por produtores rurais. Muitos

de Araraquara sempre vão para acompanhar

a evolução do setor, segundo o

presidente do Sindicato Rural, Nicolau

de Souza Freitas.

Em 2016, mais de 800 marcas estiveram

em exposição, mostrando as

novidades em termos de máquinas, implementos

agrícolas, sistemas de irrigação,

acessórios, peças, entre

outros produtos necessários ao

aumento da produtividade do

cultivo dos produtores rurais,

necessários à redução dos custos

e aumento da rentabilidade

do agronegócio brasileiro.

Além da contribuição para

adoção de inovações e novas

tecnologias e para o aprimoramento

de técnicas de manejo do campo, a

Agrishow também tem desempenhado

uma função importante para o desenvolvimento

do setor, ao propiciar um ambiente

favorável para negócios e, principalmente,

ao estimular a divulgação de

ações e reivindicações que impulsionem

a evolução do agronegócio no país.

Na abertura da feira, o governador

do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin,

destacou a força do setor agropecuário

paulista, que, para ele, é o que

tem segurado os índices da economia

brasileira. Já o presidente da Agrishow,

Fábio de Souza Meirelles, destacou que

em 2015, os negócios gerados pela Feira

somaram nada menos do que R$ 1,9

bilhão. Por essa importância e comprometimento

do setor, o Fábio Meirelles

acredita que “precisamos confiar o destino

da nossa pátria aos homens de trabalho

que desenvolvem nossa agropecuária.

Aqui temos homens conscientes

do momento que vivemos. O homem do

campo tem cumprido sua responsabilidade

de alimentar a população”, argumentou.

Novidades com a mais alta tecnologia foram

apresentadas durante o evento

35

Fábio Meirelles, presidente da Faesp discursa na

abertura da Agrishow

MAIO / 2016

CURSOS

• TURISMO RURAL - GESTÃO DE

EMPREENDIMENTOS (MÓDULO III)

07/05/2016 até 31/05/2016

20/05/2016 até 30/05/2016

• CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO - SEBRAE

09/05/2016 até 10/05/2016

• COMO VENDER PARA O GOVERNO -

SEBRAE

02/05/2016 até 03/05/2016

• EQUIDEOCULTURA - CASQUEAMENTO

E FERRAGEAMENTO

16/05/2016 até 20/05/2016

• OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE

MOTOSSERRA

10/05/2016 até 12/05/2016

• OLERICULTURA ORGÂNICA -

PRODUÇÃO DE MUDAS (MÓDULO III)

10/05/2016 até 17/05/2016

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS COM

PULVERIZADOR COSTAL MANUAL

02/05/2016 até 04/05/2016

• BANANA - INSTALAÇÃO DA LAVOURA

06/05/2016 até 07/05/2016

• BANANA - MANEJO E TRATO CULTURAIS

19/05/2016 até 21/05/2016

REALIZAÇÕES:

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

Mário Roberto Porto


A casa projetada por Marcelo Sambiase em seu sítio na Mantiqueira é de bambú e telhado

ecológico feito com grama que serve de isolante térmico

Cenário comum para quem vive em paz com

a natureza na Mantiqueira

MARCELO SAMBIASE

Um Reino Encantado no pé

da Serra da Mantiqueira

O araraquarense Marcelo

Sambiase, instrutor do Senar-

SP, além de buscar qualidade

de vida e se dedicar ao sítio de

25 hectares que possui no pé

da Serra da Mantiqueira, hoje

ministra cursos que capacitam

produtores rurais interessados

na agricultura orgânica. Sua

propriedade no município

de Bocaina de Minas, com

nascentes e cachoeiras, é um

verdadeiro paraíso.

Marcelo Sambiase é feliz não por

estar todos os meses no seu Reino

Encantado, na Serra da Mantiqueira,

a sete horas de viagem de Araraquara.

Ele se orgulha em trabalhar na propagação

da agricultura orgânica, dando

cursos pelo Senar e capacitando produtores

rurais em nossa região e no sul

de Minas Gerais. Para ele, a agricultura

orgânica é parte integrante da agricultura

biodinâmica, modelo agrícola de

produção, que nasceu em 1924, com

Rudolf Steiner.

Assim como na Agricultura Orgânica,

a Agricultura Biodinâmica não utiliza

adubos químicos, venenos, herbicidas,

sementes transgênicas, antibióticos

ou hormônios. A diferença,

é que, além disto, ela

busca a individualidade agrícola,

procurando a integração

e harmonia entre as várias atividades

de uma propriedade

como horta, pomar, campo de

cereais, criação animal e florestas

nativas.

Ecologia presente no telhado

feito com varas de bambús

36

Marcelo

Sambiase

O COMEÇO DE TUDO

A convivência de Marcelo com a agricultura

orgânica está comemorando 30

anos; ela começou em uma propriedade

familiar numa área privilegiada de

Araraquara. Na época ele entendia que

trabalhar com horta seria viável, indo

estudar agronomia na Universidade

Federal de Lavras. Algum tempo depois

decidiu cursar Ciências Biológicas na

Uniara, interessado em compreender

as ciências materiais e espirituais, conseguindo

construir seu conhecimento

com observação, estudo e prática.

Durante o período em que se man-


teve como produtor de hortaliças, Marcelo

enfrentou vários desafios, o principal

deles, a preparação do solo, o que o

levou a se aconselhar com o agrônomo

Fernando Tanuri. Dele, Marcelo queria

saber como eram os procedimentos de

plantio antes do surgimento das tecnologias

atuais, e ele soube que como

fungicida, usava-se a calda bordalesa,

que o mato era manejado para fornecer

matéria orgânica e que praticamente

não era usado adubo químico.

A partir daí, Marcelo foi analisar a

história do uso de defensivos e viu que

era muito recente, tinha cerca de 50

anos, pouco tempo se comparado aos

quase 3 mil anos em que se pratica a

agricultura. Assim, começou a trabalhar

a matéria orgânica, colocando esterco

no lugar do adubo e a reduzir defensivos

optando por caldas fitoterápicas.

Originalmente, salienta Marcelo,

os produtores que adotavam os sistemas

alternativos de produção o faziam

por convicção pessoal, e movidos pela

preocupação com o meio ambiente e

com a saúde. Por isso, os sistemas de

produção eram estabelecidos com base

num conjunto de procedimentos que envolvem

a planta, o solo e as condições

climáticas, tendo como objetivo a produção

de um alimento sadio, com características

e sabor originais.

O desenvolvimento de um mercado

de produtos orgânicos, comercializados

a preços superiores aos convencionais,

levou à necessidade de certificação

e definição legal de normas mínimas

para que um produto possa ser comercializado

como orgânico. A existência

desse sobrepreço ou prêmio na comercialização

dos produtos certificados

vem atraindo muitos empreendedores

que visam apenas ao lucro imediato,

sem muitas preocupações ambientais.

Assim, surge uma nova interpretação

do conceito de agricultura orgânica,

para o qual basta atender às normas

mínimas de legislação para ter direito

ao selo de qualidade, o que equivale a

uma simples substituição dos insumos

convencionais por insumos orgânicos

ou biológicos, mantendo a mesma lógica

produtiva dos sistemas convencionais.

Para esses produtos, o termo

“orgânico” tem origem na expressão

“insumos orgânicos”.

O surgimento desses cursos em Araraquara,

mantidos pelo Senar e o Sindicato

Rural a partir de 2002, se deu

por conta da necessária capacitação

dos pequenos produtores rurais que ao

serem certificados pelo Ministério da

Agricultura, podem colocar seus produtos

orgânicos no mercado. “Nestes 14

anos o Senar formou 150 turmas por

ano, com a média de 15/20 produtores

por turma, totalizando cerca de 30 mil

agricultores. Entre eles estão apenas

dois araraquarenses: Marcelo Oyafuso

e Márcio Watanabe, já certificados para

comercialização de orgânicos. Diz Watanabe

orgulhoso: “Existem muitos que

se dizem produtores de orgânicos, mas

poucos têm a certificação”.

NA MANTIQUEIRA

Para a Universidade Federal de Lavras

e o CNPq (Conselho Nacional de

Desenvolvimento Científico e Tecnológico),

Marcelo elaborou projeto sobre

agroecologia e a agricultura biodinâmica

com visão holística dos elementos

que compõem a agricultura: recursos

naturais, fontes energéticas, estações,

climas, solos, vegetação, animais e in-

fluência humana. O projeto vem sendo

aplicado pelo Núcleo de Estudo em

Agroecologia, na Serra da Mantiqueira,

servindo as propriedades como piloto

para a produção de orgânicos.

Desde 2004, quando chegou à Serra

da Mantiqueira, Marcelo se instalou

como agricultor e vem atuando com

grande sucesso como instrutor de produção

orgânica e biodinâmica naquela

região de Bocaina de Minas.

O PLANTIO ORGÂNICO

DE MARCELO

O feijão Serra Azul

Azeitona para o azeite que vem produzindo

Para uma região

inexplorada da

Mantiqueira

começam chegar

novos moradores:

famílias que buscam

qualidade de vida e

interesse de entrar

para a produção

e o mercado

dos orgânicos,

preservando o futuro

de novas gerações

37

As ameixas sem uso de agrotóxicos


OLERICULTURA ORGÂNICA

Obrigado ao homem do campo

pela semeadura do chão

Dando continuidade ao curso Olericultura Orgânica, durante o mês de abril ocorreram as

aulas referentes ao Módulo II, Compostagem, no Assentamento Monte Alegre VI. O programa

organizado pelo Senar, Sindicato Rural de Araraquara e ITESP, objetiva capacitar pequenos

produtores rurais na produção de olerícolas em sistema orgânico, visando a obtenção de

produtos saudáveis, competitivos no mercado e de menor agressão ao meio ambiente.

Nos dias 5 e 12 de abril os produtores

se reuniram para aprender sobre

esta técnica que é um dos princípios do

processo de produção orgânica, visto

que os compostos orgânicos oriundos

da compostagem, auxiliam no fornecimento

de nutrientes essenciais para o

desenvolvimento das plantas. A aula

prática ocorreu no Assentamento Monte

Alegre VI. Esta atividade é mais uma

ação resultado da parceria entre Sindicato

Rural de Araraquara, Senar e Fundação

Itesp.

A técnica consiste em utilizar os

resíduos vegetais e animais para produção

de adubo orgânico acessível a

qualquer produtor. Desta forma, é feita

uma pilha com os materiais (folhas,

esterco, compostos minerais, dentre

outros materiais), em seguida a mesma

recebe água para que se crie um ambiente

úmido propício à decomposição

e formação do composto orgânico.

Depois de pronta, a compostagem

pode ser usada como adubo, fornecendo

nutrientes às plantas e gerando

equilíbrio para o solo.

O instrutor Marcelo Sambiase e

os servidores da Fundação Itesp que

acompanharam a atividade, mostram

que esta é uma técnica ecologicamente

correta de aproveitamento das palhas e

restos de cultura, além de configurar-se

numa alternativa propícia à diminuição

de insumos químicos na produção, o

que além de ser uma das bases do processo

orgânico, também diminui custos

de produção.

QUALIDADE TOTAL

Na abertura do curso no Assentamento

Monte Alegre, o coordenador do

Senar Araraquara, Mário Porto, disse

que a grande missão dos organizadores

e produtores, é a colocação no mercado

de verduras ou legumes que não

contenham o uso de agróxicos durante

o período de plantio até a colheita. Vamos

ter com isso uma alimentação de

qualidade, arrematou.

A proposta do Sindicato Rural de

Araraquara, lembra seu presidente Nicolau

de Souza Freitas, é apoiar essa

iniciativa, capacitando os produtores

para isso.

Para o dirigente, o produto

orgânico apresenta

hoje importante demanda

de mercado, pois além

da qualidade do alimento,

agrega geração de renda ao

público beneficiário. Outro

Esterco também é utilizado

na pilha de compostagem

38

fator importante do curso é despertar

nos produtores a consciência ambiental,

o que garante o sucesso da produção

agroecológica.

ANDAMENTO DO CURSO

O curso de Olericultura Orgânica foi

iniciado em março ensinando na prática

todas as etapas para o produtor adequar

uma área de produção ao sistema orgânico.

Desta forma, o programa é dividido

em 9 módulos que são constituídos de

2 encontros mensais. Na oportunidade,

os participantes aprendem todas as etapas

para a produção orgânica: preparo

do solo; compostagem, produção de mudas;

plantio; manejo e tratos culturais;

controle de pragas e doenças; colheita

e beneficiamento; custos de produção

e comercialização. Desta forma, é um

programa de capacitação completo que

compreende toda a cadeia produtiva

para a produção orgânica.

Ao iniciar em abril o segundo módulo

do curso, Maria Clara Piaí da Silva, do

Itesp, voltou a dizer que “esta atividade

é de suma importância na atualidade.

Um dos componentes de nossa missão

institucional é implementar políticas públicas

de desenvolvimento sustentável,

desta forma, a produção orgânica e agroecológica

sempre será estimulada por

nossa equipe técnica”, afirmou.

VALORES NUTRICIONAIS

De acordo com a nutricionista Maria

José de Biazzi Bombini, o alimento orgânico

carrega uma série de vantagens

nutricionais e durabilidade maior que ou-


Instrutor Marcelo Sambiase orientando

a formação da pilha de compostos

Parte dos materiais utilizados na pilha de compostagem

Nos últimos anos, a procura por

alimentos orgânicos tem sido maior

que a capacidade de produção,

o que eleva o preço desse tipo

de alimento. A tendência é que

os preços caiam com o aumento

de agricultores investindo neste

tipo de produção.

tros. Por exemplo, uma alface orgânica,

por ser livre de agrotóxicos e não precisar

passar por cloragem, dura uma semana

a mais do que as convencionais. “Como

há uma higiene maior, livre de agrotóxico,

não há necessidade de tanta eficiência

na higienização, o que traz segurança ao

consumidor. Saber que não tem nenhum

defensivo agrícola, nem metais pesados,

que futuramente podem trazer malefícios,

é muito confortante. Produto com

qualidade é o que o consumidor na verdade

espera encontrar”, comenta.

Alunos acompanhando o processo de formação do composto orgânico

Realização de aula teórica no assentamento

É necessário umedecer a pilha para ter

condições de se formar o composto

39


DESCOBRINDO ARARAQUARA

Na poeira da estrada,

lá vem João Violante,

o cantador do sertão

Reconhecidamente há enorme ligação

entre o homem do campo e a música

sertaneja. A particularidade que se

estende entre os dois está no objetivo

do Sindicato Rural de Araraquara

em preservar os traços e os costumes

dos caboclos ainda mergulhados no

cheiro da terra que nos dá o prazer

pela vida. João Violante, cantor e

compositor, faz parte deste contexto.

Ele nem bem calçou as botas e

apertou o cinturão prateado e faz rolar

uma história que vem lá do passado

com gosto tipicamente familiar. A voz

grave, embalada pela rouquidão parece

trazer a lembrança do imortal Tião Carreiro.

É mais ou menos assim que João

Leonardo Evangelista Violante, hoje

transformado em um dos astros importantes

do sertanejo universitário como

João Violante, mostra ser, sempre mergulhado

na simplicidade - característica

que foi buscar nos dedos de prosa com

o “vô Carlos”: “Quando criança ainda,

meu avô sempre estava rodeado por

seresteiros; tomei gosto pela música e

embarquei nesta estrada”, diz ele.

Com o passar do tempo, João Violante

nas suas saídas com os pais, os

tios e os primos para rodas de viola

ou serenatas pelas casas de parentes

e amigos, foi entendendo a influência

da música em sua vida e o sentimento

sertanejo na alma cabloca que até hoje

o prende à natureza e aos animais,

narrando a vivência do artista neste

contexto, residindo no campo, o que o

inspirou a compor a música “Recanto

do Lago”, em parceria com sua irmã e

também compositora Ana Flávia.

Este cenário, lembra Violante, pesou

na sua adolescência pois quando

chegou a hora do vestibular, não teve

dúvidas: seguiria a carreira de agrônomo,

que o deixaria mais perto de tudo

o que aprecia. Formado na Engenharia

Agronômica da USP (Escola Superior de

Agronomia Luiz de Queiroz - ESALQ - em

Rosângela e Carlos Violante na formatura do

filho na Escola Superior de Agronomia Luiz de

Queiroz, em Piracicaba, em 2015

Piracicaba), desenvolve estudos aliados

à psicultura para aproveitamento

dos nutrientes orgânicos em culturas

vegetais; atualmente ele dá um jeito de

conciliar as situações na doce inspiração

das suas composições, que o impulsiona

ao sonho criado nos seus 25

anos de idade, de continuar na estrada

como músico e cantor sertanejo.

40


No começo do ano, João Violante fez o lançamento do seu novo

CD “Bom dia pra vocês”, em formato digital, disponibilizado no

iTunes, Google Play, Spotify, entre outros, realizando em 4 de

maio, apresentação e noite de autógrafos para o lançamento do

CD na Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi de Campinas.

Foi neste cenário onde vive, que João

Violante compôs Recanto do Lago em

parceria com a irmã Ana Flávia

Em 2013, em reportagem da RCI, o

artista João Violante revelou suas vertentes

do sertanejo: um misto de raiz

com o sertanejo universitário. Mas, na

música em seu todo, pontuam a alegria,

a descontração, a intensidade da

vida universitária, desde os tempos em

que cantava com os amigos na tradicional

República Potiguara, em Piracicaba,

inspirando o seu lado sertanejo universitário.

É por isso que consegue agradar

a jovens e adultos de todas as idades.

Para João Violante, um coração dividido

no dia em que o Palmeiras perdeu para a

Ferroviária por 2 a 1, em São Paulo, pelo

Campeonato Paulista

Toca violão e viola profissionalmente, e

sua afinada voz está aliada à simplicidade

e ao jeito menino, despojado que

encanta plateias, como aconteceu nos

shows que fez no Clube Araraquarense

e no Clube Náutico, tempos atrás, e nas

recentes apresentações no Villa Country

em São Paulo, na TV Aparecida e

na Festa do Figo em Valinhos, sempre

acompanhado da talentosa percussionista

e apoiadora Juliana Evangelista.

Com “Poeira das Gerais”, música

que obteve classificação para a 11ª

edição 2013 do festival “Viola de Todos

os Cantos”, realizado pela EPTV, filiada

da Rede Globo, João Violante tornou-se

conhecido nacionalmente. A música

concorreu com mais de 1.100 composições,

que vieram de 22 estados de

todo o Brasil, foi finalista e premiada

com o Troféu “Voto Popular” como a

composição mais votada do festival.

Seus laços de amizade com Araraquara

ainda hoje se mantêm fortes,

embora a grande série de apresentações

o tenha dividido entre a cidade e

os palcos por todo o País. Seus pais Rosângela

e Carlos Alberto, desembargador

do Tribunal de Justiça de São Paulo,

residem em Araraquara.

41

Juliana Evangelista,

parte da família e

da banda de João

Violante

Ana Flávia é irmã e parceira nas composições

de João Violante


NOTÍCIAS

CANAS

L

EDIÇÃO MAIO - 2016 | EDITOR: JAIRO FALVO

BENEFÍCIO

A saúde em

primeiro lugar

Parceria firmada com a

empresa MasterMed em abril

disponibiliza diversos serviços

aos associados da Canasol.

Presidente Luís Henrique Scabello de Oliveira e a vice Tatiana Caiano Teixeira Campos Leite

com o diretor técnico da MasterMed, o médico Raphael Cardoso Jorge e o gerente da empresa,

Carlos Henrique Petroni

Nunca se sabe o momento que precisaremos

de um atendimento de saúde,

de uma orientação correta sobre situações

adversas no dia a dia ou de um

socorro rápido. Iniciativas como essas

podem salvar vidas. Pensando nisso, a

Canasol firmou em abril parceria com a

MasterMed, empresa privada que presta

diversos serviços médicos, inclusive de

urgência e emergência.

“Este é um importante investimento

que estamos fazendo aos associados,

pois a saúde está em primeiro lugar”,

ressalta o presidente Luís Henrique Scabello

de Oliveira. O contrato do convênio

foi assinado na sede da Canasol com o

diretor técnico da MasterMed, o médico

Dr. Raphael Cardoso Jorge, que ressalta

os benefícios que os associados passarão

a ter. “A missão de nossa empresa é

salvar vidas, prestar um atendimento humanizado,

evitando danos que poderiam

ajudar no prognóstico do cliente/usuário”,

declara.

Com o convênio, todos os associados

e seus familiares que moram em cidades

da área de abrangência da Canasol terão

à disposição, 24 horas por dia, os serviços

de orientação médica pelo telefone

0800 945 0550. A ligação é gratuita de

qualquer telefone, seja celular, público

ou fixo. Um médico qualificado prestará

informações sobre enfermidades, especialidades

médicas melhor indicadas,

orientação sobre tratamentos e procedimentos

médicos adequados, inclusive

casos de doenças crônicas e condutas

de primeiros-socorros, além de esclarecimentos

sobre dúvidas relacionadas com

situações do cotidiano de caráter preventivo.

“Temos médicos de plantão todos

os dias, inclusive feriados, que seguem

protocolos médicos para atendimentos

de ponta”, explica o gerente da empresa,

Carlos Henrique Petroni.

Os usuários poderão, ainda, caso

haja indicação médica, utilizar o serviço

de transporte ou remoção municipal e

intermunicipal, com a utilização de ambulâncias,

inclusive UTI Móvel, para qualquer

localidade situada num raio de até

300 km de distância de Araraquara, para

fins da realização de exames, consultas,

procedimentos médicos, cirúrgicos, internações,

altas médicas e/ou hospitalares.

A MasterMed também realizará o

atendimento pré-hospitalar de urgência

SERVIÇOS AOS ASSOCIADOS

Atendimento pré-hospitalar de urgência e emergência

(cidades de Araraquara e Américo)

• Remoção de pacientes das unidades de atendimento

nas demais cidades até o hospital credenciado ao

plano de saúde

• Serviço de transporte ou remoção de pacientes em

um raio de 300 km

• Esclarecimento sobre qual especialidade médica

procurar

• Orientação médica via telefone 24h por dia

(0800 945 0550)

• Orientação medicamentosa

• Call Center ilimitado para orientação médica

• Controle de pânico em situações de casos graves

e emergência nas cidades de Araraquara

e Américo Brasiliense. Para as cidades

de Boa Esperança do Sul, Descalvado,

Dourado, Gavião Peixoto, Ibaté, Ibitinga,

Itápolis, Matão, Motuca, Nova Europa,

Ribeirão Bonito, Rincão, Santa Lúcia,

São Carlos, Tabatinga e Trabiju, em caso

de indicação médica, a MasterMed fará

a remoção do paciente da unidade de

atendimento daquela localidade até a

unidade hospitalar credenciada ao plano

de saúde do paciente.

Outro item presente no convênio é o

serviço de área protegida. A partir dele,

qualquer pessoa, inclusive quem não

possui plano de saúde, que esteja nas

dependências da Canasol e que necessite

de socorro médico, será atendida pela

equipe da MasterMed.

Para o transporte intermunicipal ou

domiciliar de pacientes, a MasterMed

disponibiliza ambulâncias específicas

para cada caso.

42


A INOVAÇÃO

Investindo na

tecnologia

A Canasol adquire um

quadriciclo e também

equipamentos para melhorar

a aplicação de herbicidas.

A Canasol, avançando cada vez mais

em seus projetos, vem investindo em

tecnologias para auxiliar os associados

nas atividades no campo. Em março, foi

adquirido um veículo quadriciclo, equipado

para desenvolver diferentes ações

voltadas à agricultura de precisão como

coleta de amostragem de solo com o uso

de GPS, confecção de mapas de propriedades,

liberação de cotésias, controles

de pragas, entre outras.

“É uma grande inovação que estamos

disponibilizando aos associados”,

exalta o diretor Álvaro Coelho Pazelli,

coordenador do Departamento Técnico

da Canasol. Com o veículo, de acordo

com ele, os fornecedores terão um custo

menor na realizaçao dos serviços.

“Algumas empresas da cidade fazem a

coleta de solo e nós iremos disponibilizar

este tipo de trabalho por um preço

menor”, destaca.

Com o objetivo de aprimorar os trabalhos

no Departamento Técnico, foi

adquirido também o aparelho pHmetro,

utilizado para medir o PH da água, e

também o anemômetro, que mensura

a velocidade do vento. Foi comprado

também kits para aferição da pressão

final da barra do pulverizador. “Esses

equipamentos irão contribuir para uma

aplicação adequada de herbicidas”, explica

Pazelli.

O técnico Guilherme durante testes com o veículo

Outra ação importante efetivada

pela Canasol em março foi a compra de

dois veículos da marca Uno Way, 1.4,

Zero km, para utilização nos serviços

técnicos. “A renovação da frota foi decidida

em Assembleia feita em 2015,

com a autorização da venda de veículos

antigos, que apresentavam problemas

mecânicos”, explica o diretor Jorge Luiz

Piquera Lozano, coordenador do departamento

de patrimônio da Associação.

43


Fotos: João Carlos

A FORÇA DOS CANAVIAIS

A representatividade canavieira regional

e a força da Credicentro: Dorival Bergamo

(Conselho de Administração/Credicentro),

Mario Elcio Danieli (Diretor Operacional/

Credicentro), Luís Henrique Scabello de

Oliveira (presidente da Canasol), Jaime

Alberto de Vasconcelos (presidente da

Credicentro), Tatiana Caiano Teixeira Campos

Leite (vice-presidente da Canasol), Herbert

Müller Junior (Diretor Administrativo/

Credicentro) e Nicolau de Souza Freitas

(presidente do Sindicato Rural)

Em assembleia a Credicentro mostra

o crescimento da sua cooperativa

Fundada em 20 de maio de

1982, a Credicento sempre

marcou sua trajetória pela

expansão permanente das suas

atividades como cooperativa

de crédito dos fornecedores

de cana e demais produtores

rurais. Ao completar 34 anos,

a entidade se sente totalmente

aliada aos seus associados.

“Embora o País viva um momento

de instabilidade econômica e política,

a nossa cooperativa busca cumprir todos

os objetivos com dignidade e respeito

aos seus associados”. Foi desta

forma que o presidente Jaime Alberto

de Vasconcelos justificou o crescimento

da Credicentro, uma cooperativa de

crédito que congrega fornecedores de

cana e produtores rurais, durante sua

Assembleia Geral ordinária realizada

em abril.

Na oportunidade, a diretoria executiva

efetuou a prestação de contas

referente ao exercício de 2015, através

do gerente administrativo Rodrigo Donizeti

de Almeida. Em seguida, o auditor

Roberto Araújo de Souza apresentou

o parecer dos Auditores e Olavo Cavalcanti

Pereira de Córdis leu o parecer do

Conselho Fiscal.

Para a Credicentro, o Brasil apresenta

na atualidade uma crise institucional

cercada pela insegurança e falta

de confiança nos homens que nos dirigem.

“Mas aqui, a Credicentro tendo

pessoas voltadas para o bem-estar de

uma classe, com responsabilidade e

ética, respeito aos seres humanos, de-

Os associados Luís Henrique Scabello de

Oliveira e Nicolau de Souza Freitas dirigiram

a votação da prestação de contas

Fornecedores de cana

e demais produtores

rurais acompanham as

explicações do gerente

administrativo, Rodrigo

Donizeti de Almeida, sobre

a prestação de contas

de 2015, aprovada por

unanimidade

Auditor Roberto Araújo de Souza

44


monstra com clareza seus objetivos e

se torna um exemplo, um modelo, que

causa orgulho a nós todos”, argumentou

o presidente Jaime Alberto de Vasconcelos.

SOBRAS APURADAS

Na assembleia um dos itens importantes

foi a proposta para destinação

do valor das sobras, no valor de

R$ 760.423,61, assim redigida: R$

300.000,00 para distribuição em espécie,

com crédito nas contas correntes

dos associados já neste mês de

maio, proporcionalmente a suas operações

durante o exercício de 2015;

destinação de R$ 100.000,00 para o

Fundo de Aumento de Capital; pagamento

aos funcionários da cooperativa

do 14° Salário como Participação nos

Lucros e Resultados, e R$ 347.883,61

para o Fundo de Reservas. A destinação

das sobras apuradas foi aprovada

Beneficência Portuguesa, um dos mais

importantes projetos do arquiteto

por unanimidade, dentro da realidade

apontada de um aumento de 53,88%

na movimentação financeira de 2015,

em relação a 2014.

RECONHECIMENTO

O diretor Operacional Mario Elcio

Danieli em sua mensagem disse “que

agradecia a Deus por ter lhes dado saúde

durante o ano, aos cooperados por

terem apoiado e colaborado para com

a Cooperativa; ao Conselho de Administração

e Conselho Fiscal por terem

participado das reuniões mensalmente;

aos nossos funcionários com dedicação,

astúcia e determinação e com

a cooperação de todos, conseguimos

esse resultado de superávit”, ressaltou.

Mais adiante, disse Mario Danieli,

“espero que a distribuição das sobras

venha agradar a todos, pois foram feitas

com prudência pelos analistas e

Conselho de Administração, e o restante

dos lucros serão incorporados nas

reservas para fortalecimento da cooperativa

para que possamos oferecer

mais recursos para os cooperados”.

Já o diretor Administrativo, Herbert

Müller Júnior, manifestou seu agradecimento

pelo apoio recebido, e disse que

é dever de toda diretoria continuar tra-

balhando com afinco, sempre em prol

do cooperado, prestando assistência

financeira aos associados, mas sempre

sob as diretrizes de nosso Estatuto,

instruções e normas do Conselho

Monetário Nacional, Banco Central do

Brasil e demais legislações que forem

aplicáveis.

E concluiu: “Contamos com seu

apoio, prezados associados, para fazer

com que a Credicentro atinja seus objetivos.

O crescimento de nossa Cooperativa

depende de sua participação ativa,

porque somente juntos poderemos

conquistar nosso espaço no mercado

financeiro”.

Advogado da Credicentro, João Helvécio

Concion Garcia na assembleia

45

Presidente Jaime Alberto de Vasconcelos

Diretor Operacional Mario Elcio Danieli

Diretor Administrativo Herbert Müller Júnior

Olavo Cavalcanti Pereira de Córdis, do

Conselho Fiscal, fez a leitura do parecer fiscal

aprovando as contas de 2015 da Credicentro


ESQUADRIAS EM ALUMÍNIO

PARA UM AMBIENTE MAIS

SOFISTICADO E ACONCHEGANTE

TECNICAMENTE, O ALUMÍNIO É DE EXTREMA VERSATILIDADE,

ADEQUANDO-SE AOS MAIS VARIADOS TIPOS DE PROJETOS

E DIFERENTES DIMENSÕES DE VÃOS.

As esquadrias de alumínio permitem

ser fabricadas em todas as tipologias

como por exemplo: abrir para

dentro ou para fora, abrir e tombar,

com persiana de alumínio integrada,

correr, entre outras. Além da sua durabilidade,

se torna o produto ideal para

receber vidros comuns, vidros temperados,

vidros duplos insulados, vidros

laminados, em diversas espessuras.

Confira alguns motivos para você

usar esquadrias de alumínio:

Longevidade

As esquadrias de alumínio possuem

grande longevidade devido à

resistência à corrosão, um atributo do

alumínio que se complementa aos tratamentos

de superfície, como anodização

ou pintura e eletroestática.

Durabilidade

A durabilidade das esquadrias de

alumínio é fator determinante para

sua recomendação em prédios e residências,

uma vez que a manutenção

das edificações é cada vez mais normatizada

e os outros produtos concorrentes

não têm como ponto forte, a

vida útil do material.

Variedade

A variedade de apresentação das

esquadrias de alumínio permite ao arquiteto

explorar de forma criativa, sua

combinação com outros elementos das

edificações, destacando-se por sua estética,

harmonia de tons e volumes,

produzindo um ambiente aconchegante

e agradável ao convívio interno.

Menor Consumo de Energia

A economia no consumo de energia

pode ser enfatizada nos projetos

com melhorias de isolamento térmico,

utilizando detalhes que combinam perfis

de alumínio com perfis de poliamida

originando a ruptura térmica, bem

como vidros duplos com câmara de ar

seco para melhor controle térmico.

Isolamento Acústico

Há sistemas no mercado que podem

acomodar vidros com até 40mm

de espessura. A norma brasileira

ABNT NBR 10821 estabelece os níveis

máximos de ruído admissíveis para os

46

diversos tipos de ambientes, os quais

são contemplados pelas linhas de esquadrias

de alumínio.

Isolamento térmico

A indústria brasileira de esquadrias

de alumínio está apta a oferecer soluções

para qualquer nível de solicitação,

inclusive com o recurso de perfis

com “thermal break”.

Atributos que valorizam os imóveis

Por sua imbatível durabilidade,

baixo custo de manutenção, desempenho,

funcionalidade e estética, as

esquadrias de alumínio valorizam os

imóveis onde são empregadas, em

confronto com outros materiais menos

nobres e eficientes.

Design e Aparência

Os produtores de alumínio disponibilizam

para o mercado linhas, modelos

e sistemas, os quais permitem que


a indústria de esquadrias de alumínio

no Brasil, ofereça uma ampla gama de

opções para personalização dos projetos.

Há perfis e acessórios que contemplam

várias alternativas em termos de

estética, mantendo a funcionalidade.

Comportamento estrutural

O comportamento estrutural adequado

pode ser garantido por análises

e ensaios executados antes da especificação

definitiva das esquadrias. A

norma brasileira ABNT NBR 10821 estabelece

as condições para as análises

e ensaios.

Fonte: http://portaldoaluminio.com.br/noticia/

vantagens-da-utilizacao-de-esquadrias-dealuminio

47


MARCENARIA

MDP

MDF

ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE MDF E MDP

ENTENDA DETALHADAMENTE AS DIFERENÇAS ENTRE ESSES DOIS

COMPOSTOS USADOS EM MARCENARIA.

Se você já ouviu os termos MDP e

MDF, provavelmente se deparou com

a dúvida sobre suas especificações.

Esses compostos com características

similares têm particularidades e usos

pertinentes, por isso é importante entender

as diferenças entre eles para

não errar na escolha. A designer de

interiores Daniele Capo dá algumas

dicas.

MDF

O MDF é fabricado a partir da madeira

em fibra. Ao fundirem-se com a

resina, as fibras se prensam e formam

a placa de madeira. A placa de MDF

é homogênea e menos flexível. Por

ser menos porosa, é mais utilizada na

fabricação de peças curvas e móveis

com cantos arredondados, por exemplo.

Como a superfície da placa de

MDF é lisa, aceita bem a pintura. Sua

maleabilidade permite que seja cortada

em qualquer sentido. Além disso,

tem uma estrutura reforçada, resistente

à retirada de parafusos e eventuais

modificações. O preço dessa placa é

um pouco maior se comparado ao da

placa MDP, em média, R$ 179,40.

MDP

O MDP é feito a partir das lascas

de madeira que também se fundem

com a resina e formam uma placa

com mais espaçamentos e menos homogênea.

Seu material é um pouco

mais leve, portanto melhor para a

fabricação de peças grandes e retas

como painéis e portas. Quanto

ao revestimento, as placas em MDP

recebem bem os laminados de alta

pressão, pinturas ou impressões, já

que sua superfície é mais porosa. A

maior vantagem desse material é a

resistência ao peso: dificilmente arqueia,

por isso, funciona bem para

formar estantes. No mercado, o valor

do MDP é mais acessível, em média,

R$ 116,20. Em relação à vida útil dos

dois compostos, Daniele não aponta

grandes diferenças. No entanto,

ressalta: ‘’como ambos não resistem

bem à umidade, não são indicados

para ambientes externos sujeitos a intempéries”.

Com relação à limpeza,

também não há muitas divergências.

Basta um pano úmido para deixá-los

bonitos novamente.

48


PROTEÇÃO

TELA MOSQUITEIRA MAIS UM

ALIADO CONTRA A DENGUE

A TELA MOSQUITEIRA É UM

PRODUTO COM EXCELENTE

ACABAMENTO, GRANDE

PRATICIDADE E BAIXO CUSTO

A tela permite a entrada da luz e

a passagem de ar. Em uso normal,

a tela pode durar muitos anos e em

caso de danos, a malha poderá ser

substituída facilmente. Pode ser instalada

em qualquer tipo de janela ou

porta.

Além dos benefícios de instalação

e com a saúde, essa tela poderá ajudar

a manter sua casa mais limpa se

tornando uma barreira contra a poeira.

Sua casa poderá ficar mais limpa,

arejada e livre de impurezas que

fazem mal à saúde. Além de poeira,

a tela funcionará como um filtro, im-

pedindo que folhas e outros objetos

caiam dentro de sua casa.

Da mesma forma que a tela impedirá

que seus animais de estimação

fujam, também protegerá sua família

de ataques de animais maiores, insetos

e roedores.

Animais como morcegos, escorpiões,

aranhas, pulgas e carrapatos,

que são tão comuns invadirem nosso

lar, deixarão de oferecer tantos riscos,

pois a tela diminui a entrada desses

insetos em casa. Assim, sua preocupação

com doenças oriundas de

mordidas e picadas desses animais

será menor. Além desses, ainda tem

o mosquito aedes aegypti, que não

conseguirá ultrapassar a tela mosquiteira

te deixando imune à Dengue,

Chikungunya e Zica.

49


LANÇAMENTO

Cidade ganha a

Decor House Group

Uma novidade na construção

civil em Araraquara foi

lançada: a união de empresas,

cada uma na sua área para

contribuir com o trabalho de

engenheiros e arquitetos.

Um grupo de empresas de Araraquara

com atuação na área da construção

civil acaba de criar uma associação

destinada a prestar serviços à arquitetura,

design de interiores, decoração,

paisagismo e engenharia. Segundo Alexandre

Dias, da Akabamentos & Cia, a

Decor House Group tem como objetivo,

unir empresas associadas para que o

mercado de Araraquara se torne referência

em qualidade de atendimento

ao setor, disponibilizando os melhores

produtos e serviços.

“O que estamos criando é uma espécie

de polo de empresas conceituadas

no mercado local, cada qual no seu

segmento específico, destinada a dar

atendimento imediato para quem atua

na arquitetura, design de interiores,

decoração, paisagismo e engenharia”,

justifica Alexandre.

O lançamento da Decor House

Group aconteceu durante coquetel realizado

na Akabamentos & Cia no final

de abril. Na oportunidade, arquitetos

e demais profissionais conheceram a

forma de atuação da associação, que

na verdade, garantirá aos projetos a

serem executados, total assistência e

produtos de alta qualidade por preços

mais acessíveis, justamente pelo fato

da Decor trabalhar em rede.

No lançamento da Decor House Group as primeiras 12 empresas

participantes foram apresentadas aos profissionais de arquitetura, design de

interiores, decoração, paisagismo e engenharia.

O casal Adriana e Alexandre Dias, com o

filho Vitor (Akabamentos & Cia)

Silmara Zanardi (RCI); Selma e Jéferson

Barroso (Alarm System)

Renata Barbugli, Nelson Barbanti, Caius

Marcellus e Simone De Luca

Taís e Vagner Dias; Isabela e Vaine Dias

(Akabamentos & Cia)

Família Morvilo (Hidromor): Neto, Giuseppe,

Ana Maria, Júnior e Gaetano

Eder, Iara Munaretti, Juliana e Carlos

Menezes (Acqua Piscinas) e Luciano Biasi

As primeiras empresas inscritas na Decor

House foram apresentadas no telão

Cláudia, Maria do Rosário e Adriana

Bertolucci (Depósito de Pedras São José);

Lídio Henrique Rodrigues (Lidio Vidros) e

Raimundo da Silva (Diamond)

50

Neto, da Art-Tec Marmoraria (no centro),

ladeado por Cauê Bergamin, Antônio da

Silva, Rodrigo Pereira e Paulo Abdalla

(RS Tintas)


CONSTRUÇÃO

GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

O FUTURO DA CONSTRUÇÃO CIVIL APONTA PARA O USO CADA VEZ

MAIOR DO GESSO, SEJA EM REVESTIMENTOS, REBAIXAMENTOS OU

DIVISÓRIAS, O QUE DEVERÁ FAZER COM QUE AUMENTE A PROCURA

POR PROFISSIONAIS QUALIFICADOS.

Fonte: http://construfacilrj.com.br/gesso-na-construcao-civil/

Assim como o cimento, o gesso tem

propriedades aglomerantes, isto é,

após misturado com água, endurece

depois de um certo tempo, adquirindo

características ligantes (de “cola”) e

resistência. O uso do gesso na construção

civil é conveniente por causa de

propriedades que o fazem ser bastante

utilizado na construção, a saber:

Tem facilidade de moldagem, o

que o faz um material excelente para

fabricação de ornamentos utilizados

como acabamentos e efeitos decorativos,

como molduras e sancas;

Boa aparência: o gesso depois de

endurecido apresenta superfície lisa

e branca, dando ótimo acabamento,

tanto em revestimentos de argamassa

como em painéis ou adornos.

Os revestimentos em gesso eliminam

a necessidade de massa corrida na

pintura, que precisa ser aplicada nos

revestimentos com argamassa convencional;

Boas propriedades térmicas e acústicas,

sendo um excelente isolante contra

propagação de fogo.

Boa aderência à alvenaria e concreto,

podendo ser utilizado como

revestimento de paredes de alvenaria

sem necessidade de aplicação de chapisco

que é necessário para as argamassas

convencionais.

Produtividade elevada: a aplicação

dos revestimentos em gesso é mais rápida

e fácil do que a das argamassas

convencionais e seu tempo de cura é

menor, fazendo com que se possa iniciar

a pintura mais cedo.

CURIOSIDADE

VOCÊ SABIA QUE O USO DO GESSO

FOI TORNADO OBRIGATÓRIO NAS

CONSTRUÇÕES DA FRANÇA, PELO REI LUIS

XIV (CONHECIDO COMO REI SOL) EM 1667,

POR CAUSA DO INCÊNDIO QUE DESTRUIU

LONDRES NO ANO ANTERIOR? A PARTIR DO

DECRETO PROMULGADO PELO REI FRANCÊS,

AS ESTRUTURAS DAS CASAS, QUE NA ÉPOCA

ERAM NORMALMENTE FEITAS EM MADEIRA,

PASSARAM A SER REVESTIDAS COM GESSO

PARA PROTEGÊ-LAS DO FOGO. COM ISSO,

O USO DO GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

AUMENTOU AINDA MAIS.

51


A sede do Canibais em Araraquara

fica na Rua Victor Lacorte, 1962

LIBERDADE SOBRE RODAS

Canibais dois anos após a

fundação do Moto Clube

Pablo Andrei, um dos

idealizadores do Canibais

Moto Clube na cidade, festeja

com seus companheiros o

segundo ano de vida de sua

Sede, entidade que surgiu

na cidade à quase 10 anos

atrás para congregar os

apaixonados por motos

Passando pelas ruas de Araraquara,

o ronco sempre chama atenção, independente

da marca e o estilo aerodinâmico

de uma moto. Claro que a imaginação

floresce e se vê em uma Harley Davidson

com a música de ‘Born To Be Wild’, da

banda americana Steppenwolf servindo

como sua trilha sonora no asfalto.

Porém, muitas pessoas

acham que motociclistas, aqueles

que frequentam um moto clube

são uma gangue, que passam

uma imagem de “arruaceiros,

desordeiros ou bandidos”, como

mostram em filmes antigos dando

esse conceito a partir dos anos 50. Porém,

o próprio cinema inverte este papel

associado ao motociclista, oferecendo a

sensação de liberdade e amor pelo veículo

de duas rodas.

“Existem mitos criados através dos

anos envolvendo membros de moto

clubes, nos quais foram empregando

adjetivos como badboys, foras da lei,

entre outros. “Mas na realidade, somos

pessoas da sociedade comum e como

qualquer grupo da sociedade atual,

existe multidisciplinaridade, pluralidade

racial e social”, esclarece Pablo Andrei,

um dos idealizadores do Canibais

Moto Clube de Araraquara, que acaba

de completar dois anos de fundação.

Formado em São José dos Campos

no ano de 1995, o Moto Clube Canibais

tem o objetivo de reunir amigos para

saírem com suas motos nos fins de semana

como lazer e conhecer lugares

novos. E não estranhem o nome Canibais,

pois para eles, tem como significado

“comer pneu no asfalto”.

“A proposta é a união de pessoas

apaixonadas por duas rodas, juntamente

com o ideal social aplicado na

ajuda em causas sociais e humanitárias.

Hoje, temos policiais, advogados,

engenheiros, bancários, empresários,

metalúrgicos, todos pertencentes ao

moto clube, que acabam se somando

ao nosso grande grupo”.

Para fazer parte de um moto clube

é imprescindível seguir as regras e normas

do grupo que você irá se associar.

E, claro, possuir a motocicleta. Muitos

optam por encontrar vários outros grupos

espalhados pelo Brasil afora indo

ao seu encontro.

“Muitos amigos já cruzaram a América

Latina por exemplo. É comum esse

intercâmbio entre moto clubes e em

razão disso, passamos a conhecer muitos

outros motociclistas em vários estados

que acabam intercambiando experiências,

viagem, etc”, declara Andrei.

É normal a pessoa se sentir insegura,

mas nada melhor do que tirar as

próprias conclusões para que não crie

um pré-conceito sobre o assunto. “Ter

um espírito livre, estar entre amigos,

com o vento batendo no rosto, além da

confraternização e a sensação de liberdade:

isso integra os nossos estilos de

vida, com certeza”, finaliza.

Integrantes do Canibais viajam pelo

Brasil participando de eventos

52


ROUPAS SUJAS, MULHERADA,

BRIGAS DE RUA. ESQUEÇA

TODOS OS CLICHÊS QUE

O CINEMA AMERICANO

ENSINOU SOBRE

O MOTOCICLISMO.

ON ROAD

A razão de existir um moto clube em nossa cidade

O principal objetivo de um moto

clube é realizar viagens de moto para

conhecer novos lugares, apreciar a

paisagem e fazer amigos. Muitas vezes,

o passeio em si é mais importante que o

destino. Um grupo de motocicletas que

está na estrada é chamado de “trem”,

e os condutores devem obedecer a uma

série de regras para garantir a segurança

de todos. O “trem” comporta-se como se

fosse um único veículo e é uma maneira

extremamente segura de viajar.

Muitos moto clubes organizam

encontros e confraternizações com o

objetivo de reunir pessoas de todo o país

interessadas em trocar experiências e

fazer amizades, que costumam durar

pelo resto da vida. São eventos muito

agradáveis, animados, com boa música

e excelentes oportunidades de conhecer

pessoas incríveis com uma bagagem

fantástica de experiências de vida.

Para manter o ambiente saudável,

a tradição e os laços profundos de

companheirismo, a única maneira

de entrar em um moto clube é sendo

apresentado por um integrante. O

candidato (chamado de “prospecto”

ou simplesmente PP), passa por um

período de avaliação, devendo servir ao

clube e respeitar sua hierarquia e suas

regras, e apenas com a aprovação dos

integrantes antigos, é autorizado a usar

o brasão do clube.

Além de identificar o motociclista

trazendo nome, cidade, tipo sanguíneo

e outras informações importantes, o

colete com o brasão de um moto clube

é usado como um distintivo de honra,

que foi conquistado por mérito próprio e

deve ser respeitado e honrado por quem

o veste.

53


HOMENAGEM A EDUARDO LUZIA

Fundação do Moto Clube de Araraquara, nos anos 70, com Eduardo Luzia no grupo (círculo)

Eram jovens sonhadores com

suas motocicletas especiais

Em artigo especial para a RCI,

Benedito Salvador Carlos, o

“Bene”, traz de volta a emoção

das pistas e das competições

e homenageia Eduardo

Luzia, um dos nomes mais

importantes do motociclismo

brasileiro.

54

P

ara mim o berço do motociclismo

de competição em Araraquara foi

uma modesta oficina na Avenida

Presidente Vargas, esquina com a Tenente

Joaquim Nunes Cabral (Quinze),

no Bairro do Carmo, num prédio assobradado

e composto de portas comerciais

isoladas onde funciona ao lado,

até hoje, o Ferro Velho da família de

Francisco Merlos. Lá, Adolpho Tedeschi,

o ‘’Nego’’ do Moto Dumbo, acelerou

com talento, conhecimento de mecânica

e empreendedorismo o sonho da

velocidade de uma geração inteira de

jovens. Lá ouvi o primeiro tilintar verdadeiro

de um motor de corrida, prazer

indescritível para minha alma.

Algumas pessoas passam a vida fazendo

a mesma coisa... o que as diferenciam

é que todo dia, para elas, é um

novo dia e nova será sua dedicação,

novos serão seus conhecimentos, suas

alegrias e suas emoções.

A maioria se contenta com o que

possui, a mesmice de sempre, com o

trabalho entristecido que amarga os

anos em busca de aposentadoria, com

capital que acumula nunca condizente

com o que julga merecer ou até acomodada

com aquele tampouco de tudo.

Outras pessoas não. Da mesma

maneira nunca conformadas e nunca

satisfeitas com um resultado estatístico

dos seus anseios, se tornam diferenciadas

e, por conseqüência, as melhores.

São determinadas, incansáveis,

corajosas, aquelas que quando o dia

termina interiorizam a sensação de que

não fizeram tudo que podiam e, certamente,

acordam e começam tudo de

novo, como se o novo sol fosse único

e, pela última vez, nele se agarram em

nome das suas emoções.

A DIFERENÇA

Conheci várias pessoas assim,

umas famosas outras não. Isso não

importa. O que importa é que existe

uma força que as move em direção aos

seus sonhos e isso não se apaga. Isso

o tempo, com toda sua sabedoria, não

transforma, apenas converge para seus

objetivos.

Foi ali também, numa daquelas portas,

que eu vi pela primeira vez Eduardo

Luzia, um expoente de tudo que mais

me encantava na vida: Corrida de Moto-


cicletas. Luzia foi pioneiro de uma era,

foi um daqueles que com determinação

buscou concretizar seu amor pelo

esporte a motor e em sua carenagem

alavancou o nome de Araraquara para

o cenário nacional. Mais que isso, passou

a vida inteira fazendo a mesma coisa,

a que mais gosta, sem titubear, sem

pestanejar e nem renunciar seu amor

ao motociclismo, vivendo dele e pra ele,

e, foi fazendo isso cada dia melhor.

O piloto Luzia em prova realizada na Alameda Paulista em 1969

CONHECIMENTO

Acho que entendo o Luzia e quem

já participou de uma corrida de motocicleta

sabe perfeitamente do que estou

falando. O que é sentir no rosto o

vento mais rápido que o ar que se respira,

de como é prazerosa a sensação

de liberdade que só a velocidade pode

dar, como é emocionante o desafio da

próxima curva, e também como é maravilhosa

a sensação de vencer segundo

a segundo o novo perigo que se aproxima.

Você e a motocicleta, duas partes

fundidas no mesmo corpo e controladas

por um único coração. O fim da reta

chegando e, em fração de segundos, a

velocidade vencendo as placas de 200,

100 e 50 metros respectivamente e

você, sem respirar, sem pensar em absolutamente

mais nada, num momento

único que lhe não permite lembrar do

segundo anterior e nem do próximo, do

que será seu amanhã, e, olhar fixo no

ponto de frenagem, primeiro levando

a mão direita flexionando levemente o

freio dianteiro para, em seguida, num

movimento único e orquestrado, realizar

simultaneamente todos os demais

comandos, movimentando o pé direito

em direção ao freio traseiro, o esquerdo

no câmbio reduzindo firmemente e com

suavidade, um olho no conta giro controlando

o motor, outro na curva que vai

crescendo na sua frente. Deitado, seu

dorso inicia o pêndulo e seu pescoço

desenhando o novo centro de gravidade

necessário para que o conjunto não

caia... Tudo isso entre dez ou quinze segundos

e, novamente, tome acelerador

no limite e nova curva e, novamente, outra

sucessão de orgasmos de emoção.

A PRIMEIRA

A primeira vez que conversei com o

Luzia foi em Interlagos, autódromo em

São Paulo, muitos anos depois daquela

manhã que eu, todo sem jeito, disfarçando,

estacionei minha bicicleta vermelha

de marca Caloi Fiorentina 1964

na porta da sorveteria Spumell, ao lado

do prédio da oficina e maravilhado,

acompanhei a regulagem de sua Ducati.

Naquele instante, eu o mais jovem

piloto do Moto Clube de Araraquara, e

ele, um campeão, sempre com Araraquara

no peito, já representando uma

tradicional equipe de São Paulo.

Sem qualquer maior apresentação

interagimos, e, na mesma hora caminhamos

por um período

da nossa vida nos mes-

Luzia pilotando a Honda

750 cc nas 24 horas do

Brasil em Interlagos em

1975

mos anseios.

Naquela temporada

ele corria na categoria

força livre com uma HON-

DA 750, equipada com

kits Yushimura 840cc e

andava que dava medo.

Tinha uma tocada possessiva,

muito técnica,

deliciosa, fazia de seu

motor uma orquestra afi-

nada, virava derrapando, usava e abusava

do seu talento e assim escreveu

uma história de vencedor no seleto

time dos melhores pilotos deste País,

brilhando no Centauro, nos Campeonatos

Paulista e Brasileiro ganhando corridas,

campeonatos e copas, e, sempre

com exagerada modéstia, como se praticasse

um ato absolutamente comum,

simples e normal ao alcance de todos

os mortais.

ALGO MAIS

Eduardo Luzia, além de extraordinário

piloto é profundo conhecedor de

Mecânica, um Manager, com estágios

e cursos no Japão, na França e nos

EUA. Tem também, outras inegáveis

qualidades de bonachão, generoso e

companheiro a ponto de, numa corrida

realizada em Curitiba no final dos anos

60, ao ver um dos competidores com o

qual disputava posição, se estatelar no

chão; sem pestanejar, interrompeu sua

prova e foi ao seu socorro, por solidariedade

e assim pôs fim a um grande

resultado, mas de outra forma, ganhou

o respeito dos demais competidores.

PAPO BOM

Até hoje, sempre que possível, falamos

de coisas novas, coisas velhas

mas sempre do mesmo assunto, das

mesmas emoções e de uma saudade

de momentos e pessoas, presentes

ou que já passaram, mais ao mesmo

tempo estão tão latentes, que nossos

olhos, não raras vezes, se lubrificam de

algumas lágrimas caprichosas ainda

presentes no mais profundo cantinho

de nossa alma.

55


SEU NOME ESTÁ NA RUA

TEXTO: SAMUEL BRASIL BUENO

GUSTAVO DE MORAES JÚNIOR

O farmacêutico da primeira Farmácia

Noturna instalada em Araraquara

Nos anos 50 surgia em

Araraquara a primeira

farmácia noturna, em frente

à Matriz, na rua São Bento.

Lá estava Gustavo de Moraes

Júnior em meio ao movimento

de um grupo de farmacêuticos

da cidade.

Filho de Gustavo Augusto de Moraes

e Maria Lacerda Sampaio Moraes,

nasceu em Taquaritinga aos 22 de julho

de 1894, vivendo parte da infância em

sua terra natal com seus quatro irmãos:

Pedro, Maura, Lázaro (Lazinho) e Laura.

Aos sete anos, com o falecimento da

mãe, seu pai o encaminhou para um colégio

interno em Itu, o conhecido Colégio

São Luiz. Nessa escola, Gustavo cursou

o primário, o curso médio e o colegial,

mudando-se mais tarde para a cidade

mineira de Juiz de Fora, onde fez a faculdade.

Graduou-se farmacêutico pela

Faculdade Grambery no ano de 1915.

Concluindo seus estudos, Gustavo

voltou à terra natal e foi o farmacêutico

pioneiro a estabelecer-se em Fernando

Prestes.

Já formado e estabelecido,

Gustavo casou-se na

cidade de Itápolis em 1919

com a senhorita Victória Cherubina

Ferraro, filha do italiano

João Carlos Ferraro e da

espanhola Francisca Castilho

Ferraro. Logo após o matrimônio,

Gustavo muda seu

estabelecimento farmacêutico

para a cidade de Santa

Adélia, local onde nasce sua

primeira filha, Isméia. Em seguida

transfere seu estabelecimento

para a localidade de

Itajobi, onde permaneceu até 1929. Ali

nasceram seus dois outros filhos: Célio

e Icléia.

Isméia casou-se com Ruy Nepumuceno;

Célio casou-se com Maria Conceição

Braga de Moraes e Icléia casou-se

com Melheen Yaride Neto. Seus filhos

lhe proporcionaram 14 netos, 27 bisnetos

e 5 trinetos.

Em 1930, com o desenvolvimento

promissor da região da Alta Paulista, junto

com a família, Gustavo desembarcou

com seu conhecimento e experiência

na cidade de Marília,

trabalhando depois nas cidades

de Oriente e Quintana.

Gustavo sempre gostou

de política e nessas suas andanças,

chegou a ser prefeito

de duas cidades: Fernando

Prestes e Quintana. Cativou

Gustavo com o filho Célio e a

nora Maria Conceição operando

a registradora da Farmácia

Noturna, em 1956

56

Gustavo e a esposa Cherubina

de maneira ímpar, as pessoas que puderam

com ele conviver, em todas as

cidades por onde passou.

No início dos anos 50, um grupo

de empresários do ramo e farmacêuticos

de Araraquara resolveu montar a

Farmácia Noturna, com objetivo de dar

retaguarda a todos os proprietários de

farmácia no atendimento aos clientes

em geral, principalmente nas aplicações

de injeções com hora marcada no período

noturno. Essa farmácia foi montada

na Rua São Bento, em frente à Praça da

Matriz. Assim surgia a primeira farmácia

noturna de Araraquara. Esse movimento

foi liderado pelo farmacêutico Zézito.

Em 1956, o filho Célio de Moraes,

cirurgião-dentista radicado na cidade,

resolveu trazer seu pai Gustavo para

trabalhar nessa farmácia, assumindo as

cotas dos antigos proprietários. Gustavo

permaneceu nesse estabelecimento farmacêutico

até o ano de 1962, quando,

após quase 50 anos de atividade, encerra

sua vida profissional.


Gustavo, avô dedicado e carinhoso,

sempre sorrindo e brincando com os

netos, contando pequenas histórias

para que eles também pudessem se

divertir

A Rua Gustavo de Moraes Júnior na

atualidade

Gustavo ficou por algum tempo em

Araraquara, seguindo depois com a esposa

para São Paulo, indo morar com

a filha Isméia. Foi zeloso pai e marido

exemplar. Faleceu em 6 de junho de

1987, aos 83 anos; sua esposa, Cherubina,

faleceu em 22 de janeiro de 1993,

aos 94 anos na capital, estando sepultados

no Cemitério do Araxá.

Seu nome está na rua, através do

Decreto n° 5654, de 10 de outubro de

1987, que denomina Rua Gustavo de

Moraes Junior a antiga Rua Japi, localizada

no Jardim Tamoio, em nossa cidade.

Gustavo também empresta seu nome ao

Posto de Saúde do Parque São Paulo.

Os três Moraes: as filhas Icléia e Isméia e o

filho Célio

Gustavo de Moraes Júnior pelo que representou para a nossa coletividade, recebeu uma

outra homenagem do município; pelos seus laços com a saúde pública, tem hoje seu nome

na Unidade Básica de Saúde no Parque Residencial São Paulo

57


ESCOLA DE FUTEBOL

Benfica com professor Marinho Rã

se transforma em fábrica de craques

Por enquanto são 40 garotos

de 6 a 13 anos que buscam

aprender ou se capacitar

para se tornarem jogadores

de futebol. Para ensinar essas

crianças, o Benfica contratou

Marinho Rã, atleta de ponta

da Ferroviária que também

brilhou na Portuguesa. Marinho

foi campeão mundial na

categoria Sub-20 em 83 no

México.

Na saída de mais uma aula da Escolinha

de Futebol do Benfica, o pai

orgulhoso fala para o filho que acaba

de tirar a chuteira: “O seu professor

(Marinho Rã) ele era bom de bola. Sabe

com quem ele jogou?”. O filho silencia

e o pai emenda com a resposta: “Ele

jogou com o Tite, hoje técnico do Corinthians,

na Portuguesa. “Ele jogou com o

Dunga, o Bebeto e o Geovani, meia do

Vasco. Ele era craque de bola. Foi o artilheiro

do Mundial Sub-20 com 6 gols e

o craque do campeonato”.

Professor melhor que esse não

poderia ter, não é mesmo pai? indaga

o garoto, imaginando como seria bom

ser igual ou melhor que Marinho Rã,

apelido que ganhou de Olivério Bazzani

Filho, um dos maiores ídolos da história

da Ferroviária. “Eu tinha acabado

de ser promovido ao profissional e o

Bazzani, que era o treinador, passou a

me chamar assim para não me confundirem

com o Marinho (lateral-direito,

que na mesma época teve incorporado

o Paranaense ao seu nome)”, relembra

o professor da escolinha do Benfica.

Na carreira, a rapidez e agilidade

fizeram com que Mário Francisco dos

Santos, o Marinho Rã, tivesse o dom

de envergar a camisa de grandes clubes

do futebol brasileiro. Afinal, um dos

“filhos” de Zé Lemão no Colorado começou

no time em 1977, aos 13 anos,

através de um amigo. “O Fia (irmão do

Edson Paixão) me chamou para jogar

no campo da Atlética. Fomos até lá e o

Zé Lemão me viu jogando. Após o jogo

ele falou - “você vai jogar amanhã pelo

meu time”. No dia seguinte, comecei no

banco. Quando entrei, segui as ordens

58

Marinho Rã com uma das turmas da Escolinha de Futebol do Benfica

que ele me passou, fiz o meu papel e

nunca mais sai do time”.

De origem humilde, Marinho Rã tinha

outros objetivos na vida. Não queria

fazer do futebol seu ganha pão. Nos

fins de semana trabalhava de engraxate

e andava pelas ruas da cidade atrás

da clientela. “Havia deixado bem claro

para ele [Zé Alemão] que a minha família

era pobre. Precisava do dinheiro do

engraxate para ajudar em casa”.

Marinho e a bola foram se aproximando

cada vez mais, porém o garoto

não fugia dos compromissos com a família.

Uma de suas principais características

era a velocidade. Em jogo contra

o Olímpico, a equipe do Colorado

venceu por 5x1, com Marinho marcando

quatro gols. Ao completar 14 anos,

saiu do Colorado para jogar no Benfica

pelo Campeonato Amador da LAF (Liga

Amadora de Futebol). Ao mesmo tempo,

quis fazer um teste para entrar na

equipe juvenil da Ferroviária, que tinha

Bazani tomando conta da garotada.

“Como eu não tinha a idade mínima

para ingressar no time (15 anos), fiz o

teste e o Bazani pediu para fazer parte


da equipe. Por causa da idade, fiquei

jogando no Benfica até completar 15

anos para depois jogar na Ferroviária”.

No Benfica, o ex-jogador recorda da

final que disputou no amador de 1969

contra o Santana. “Naquele ano fomos

campeões com um time muito jovem. A

gente era um time sub-15, praticamente.

Já o Santana tinha jogadores de 17

e 18 anos, até mais velhos. Mas conseguimos

vencer a final pelo placar de 2

a 0 e eu marquei os gols da vitória e do

título”, destaca.

Em 1980, Marinho Rã não chegou

a fazer um jogo oficial pela Ferroviária.

Fundamentos do futebol no Benfica

Seleção de 83,

Campeã Mundial

Sub-20 no México:

Adalberto, Hugo,

Heitor, Jorginho,

Guto, Dunga,

Brigatti e Boni;

Demétrio, Bebeto,

Mauricinho,

Geovani, Gilmar

Popoca, Paulinho,

Marinho Rã e

Aloísio

Participou de alguns amistosos do time

principal. Com apenas 16 anos, foi um

dos jogadores mais jovens da história

afeana, dando grande lucro para a Ferroviária

na sua venda à Portuguesa por

Cr$ 30 milhões, na maior transação do

time afeano na época. O valor foi suficiente

para cobrir a folha de pagamento

do elenco no 2º semestre de 1982.

Na Portuguesa, ele jogou com Tite, atual

treinador do Corinthians, Heriberto e Ramires.

Além disso, participou da Seleção

Paulista durante o Campeonato de Seleções

Estaduais e foi campeão Mundial

com a seleção Sub-20 de 1983, no

México.

Hoje, com 50 anos, Marinho Rã não

abandonou o futebol totalmente. Como

professor, exerce trabalho voluntário no

Benfica com 40 garotos que iniciam a

carreira futebolística. O mestre passa

sua experiência às crianças. “Mostro os

fundamentos do futebol, como toque

de bola e cabeceio; até participam de

um coletivo em seguida. Passo pra eles

o que aprendi no passado, mas apresento

coisas novas também, tudo para

o aprendizado deles, afinal constantemente

entramos em um processo de

renovação em nossos conhecimentos.”

59


COLUNA

ESPORTE É AVENTURA

A importância da

equipe multidisciplinar

Carlinhos Tavares

Absolute Fit | 16 3114.8664

Quando falamos em equipe multidisciplinar

para um praticante de atividades

físicas, isso não se refere apenas ao atleta

profissional, pois atletas amadores também

precisam deste acompanhamento.

Nesta edição vou falar da importância

da equipe multidisciplinar para um trabalho

de excelência. Todas as pessoas envolvidas

em um programa sério de exercícios

deveriam contar com uma equipe multidisciplinar

para otimizar os resultados do programa

de exercícios, assim como aumentar

a qualidade e segurança do trabalho realizado.

Mas quais profissionais fazem parte da

equipe multidisciplinar?

- Educador Físico / Personal Trainer

- Médico do esporte

- Fisioterapeuta

- Nutricionista

- Família

Você deve estar questionando o porquê

de família. Simples: o apoio da esposa,

mãe, pai e filhos é essencial para o desempenho

de uma pessoa que está envolvida

em um programa de exercícios. Sem o

apoio destas pessoas tudo fica mais difícil e

complicado. Muitas vezes o praticante deixa

de participar de exercícios por falta de

apoio da família, já que o exercício exige algumas

horinhas semanais de treinamento,

o que em algumas vezes priva o indivíduo

do convívio familiar, em função do pouco

tempo que temos hoje em dia devido a trabalho

e carreiras.

Vamos enumerar algumas das funções

de cada profissional:

Educador Físico / Personal Trainer - responsável

por elaborar programas de treinamento

e evolução dos treinos;

Médico do esporte - realiza avaliações

periódicas para acompanhar sua saúde na

prática esportiva, podendo realizar intervenções

precoces em lesões relacionadas

aos esportes.

Fisioterapeuta - trabalha a prevenção

de danos decorrentes das atividades esportivas

e reabilita o praticante de atividades

físicas em caso de lesão;

Nutricionista - responsável por definir a

alimentação mais adequada para a praticante

de atividade física;

Família - responsável por prover apoio

moral.

Porém, neste trabalho 60 em equipe multiprofissional

há a necessidade de uma interrelação

entre os diferentes profissionais,

os quais devem ver o aluno como um todo,

numa atitude humanizada. Faz-se necessário

também que os profissionais envolvidos

transmitam seus conhecimentos e percepções

sobre o aluno aos demais membros

da equipe, a fim de que estes possam ter

uma visão integral do mesmo. Este foco integral

visa a otimização das conquistas dos

objetivos e resultados dos alunos.

É primordial que a equipe multiprofissional

concentre esforços na aptidão física do

aluno, enquanto este faz parte de um programa

de atividades físicas. O relacionamento

deste com a equipe que irá atendê-lo

precisa ser desenvolvido dentro de uma compreensão

de que os profissionais que atuam

estão comprometidos entre si com um objetivo

comum: seu êxito. De forma contrária,

o desconhecimento dos limites de atuação

de cada profissional poderá gerar no aluno

uma incerteza muito grande sobre o progresso

de sua condição física e fisiológica.

Por tudo isso, a Clínica Absolute Fit possui

uma equipe Multidisciplinar Completa para

melhor atendê-lo.

Recentemente formamos uma parceria

com o Dr. Guido Tsuha, Médico do Esporte,

que atuará junto aos atletas da Clínica Absolute

Fit e Assessoria Esportiva AbsoluteTitan.

Em nossa equipe, temos ainda o Nutricionista

do Esporte Alexandre Laverde, o Fisioterapeuta

João Vitor Vitorino, responsável

pela equipe e departamento de Pilates e Reabilitação

Desportiva e eu, como Treinador e

Preparador Físico, junto com minha equipe

de mais 9 Personal Trainers treinados para

melhor atendê-los.

Esta segurança no trabalho e atendimento

você encontra na Clínica Absolute Fit, pois

trabalhamos intensamente para que você

possa vivenciar a melhor experiência de treinamento

físico, saúde e qualidade de vida.

Para saber mais, como dicas de treino,

etc., curta nossa página no Facebook (www.

facebook.com/absolutefit). Neste canal, você

leitor poderá interagir, compartilhar fotos e

fazer perguntas.


CEC FUNDECITRUS

Informação é o melhor remédio

na prevenção à verminose

O vereador e farmacêutico

Jéferson Yashuda acompanhou

no final de abril, a abertura

da Semana de Prevenção à

Verminose que ele criou em

28 de janeiro de 2014.

“Atitudes simples, como lavar bem

as mãos antes das refeições, lavar as

frutas, cozinhar bem os alimentos, beber

água filtrada ou fervida e andar calçado,

por exemplo, podem afastar os

perigos causados pela verminose”. As

orientações foram dadas pela farmacêutica

Danila Blanco, do Laboratório

de Parasitologia Básica da Faculdade

de Ciências Farmacêuticas da Unesp,

durante a terceira edição da Semana

de Prevenção à Verminose de Araraquara,

no Centro de Educação Complementar

Fundecitrus, no Melhado, com

palestra e demonstrações aos alunos.

“Todo ano estamos fazendo essa

palestra e a recepção é sempre muito

boa, pois a resposta de conhecimento

deles é importante. E como essas verminoses

acometem mais crianças, ten-

No microscópio as crianças viram bem de

pertinho a fêmea do mosquito Aedes Aegypti,

e em vidros, uma tênia, popularmente

conhecida como solitária;

Danila Blanco, da Unesp e o vereador

Jéferson Yashuda

do consciência dos riscos, elas conseguem

se prevenir”, disse Danila.

Atuante na área de farmácia, o vereador

Yashuda ressaltou que quanto

mais conhecimentos as crianças tiverem,

pode-se propagar ainda mais a

prevenção. “Com a multiplicação de

informações básicas de higiene todos

saem ganhando, nós que propusemos

o trabalho, o pessoal da educação, a

Unesp, as crianças, seus familiares e a

cidade de uma forma geral.”

61


PRESTE ATENÇÃO

SEU CORPO

ESTÁ FALANDO!

A doença tem

um sentido: é um

Programa Biológico

de sobrevivência.

Parece uma

contradição, não

é verdade? Como

pode uma doença

dar indícios

de sobrevivência;

se está “contra

meu corpo, minha

vida”? Com certeza, isso chocaria

a muitos. Mas o objetivo principal desse

pequeno “esclarecimento” é fazer o leitor

entender como o corpo está falando

pela doença ou sintoma. Isso é a “língua

do corpo”; trabalho que venho desenvolvendo

ao longo de 23 anos como Terapeuta

Corporal e professor de Terapias

Alternativas.

Continuando, esse programa biológico

tem o intuito de resolver os conflitos

que nos afetam diariamente. Falo de

Conflitos Biológicos; que se manifestam

pela insatisfação de uma ou mais das

cinco necessidades biológicas: Nutrição,

Reprodução, Defesa, Auto-Valorização

e Comunicação.

O fundador da Nova Medicina Germânica,

o médico alemão Dr. Hamer,

esclarece que as “insatisfações e uma

ou mais necessidades biológicas” são

transferidas para o comportamento humano

(o corpo falando), gerando o conflito

biológico, que consequentemente

gera a doença ou sintoma.

Um exemplo:

Sintoma: Hipertensão arterial (pressão

alta).

Conflito: conflito de desvalorização

com respeito à família. Tem o conflito,

mas não enfrenta.

Assim sendo, a doença de forma

alguma é um erro. Claro que não estou

querendo dizer que é bom ficar doente.

O que é bom mesmo, é resolver esses

conflitos biológicos. Viva com qualidade

de vida, liberte de seus conflitos e seja

feliz.

OFTALMOLOGIA

Sem eles nossa visão

não seria a mesma

As pessoas que procuravam

o oftalmologista para trocar

os óculos, hoje o procuram

para se livrar deles. Com

os avanços em técnicas e

equipamentos, percebe-se

uma mudança importante

no papel do oftalmologista

e na qualidade do resultado

oferecido ao paciente.

Fazer consultas médicas rotineiras

para saber se está tudo bem com o seu

corpo é uma necessidade, mesmo para

aqueles que enfrentam o obstáculo da

árdua rotina diária.

Doutor e professor

Hélio Primiano Júnior

“NADA É MAIS IMPORTANTE

QUE OS NOSSOS OLHOS”.

O embaçamento visual e as dores de

cabeças caracterizam as principais queixas

dos pacientes no consultório oftalmológico.

Em grande parte desses pacientes, a

avaliação oftalmológica termina com a correção

de erros refrativos (miopia, hipermetropia,

astigmatismo ou presbiopia), com a

receita de lentes corretivas, seja através do

uso de óculos ou lentes de contato. Entretanto,

o alerta fica para o diagnóstico precoce

das outras patologias que possuem

sintomas semelhantes e que evoluem com

perda progressiva da visão, como quadros

de retinopatias e glaucomas.

Por isso, no dia 7 de maio, Dia do Oftalmologista,

lembramos não apenas da celebração

festiva desta especialidade médica,

Paulo Machado

Técnico Neuro-Reflexa e Acupuntura

62

Mapeamento da

nossa retina


do amparo e dedicação deste profissional,

mas também considera-se uma data pontual

para a reflexão de como estão nossas

avaliações oftalmológicas preventivas. Um

dos profissionais da área, o médico oftalmologista

Hélio Paulo Primiano Júnior, destaca

o avanço tecnológico como fato decisivo no

auxílio diagnóstico e terapêutico das patologias

oculares. Outro destaque, encontra-se

nos estudos relacionados a terapias genéticas

que provavelmente despontarão, em

um futuro próximo, com novos tratamentos

para doenças hereditárias.

Como médico, Primiano enfatiza que a

boa formação médica oftalmológica foi fator

decisivo no sucesso profissional. Com uma

rotina árdua semanal, divide atualmente

suas atividades semanais entre compromissos

particulares em Araraquara e atividades

no Hospital das Clínicas da Faculdade de

Medicina da Universidade de São Paulo, em

São Paulo (HCFMUSP-SP).

Pós graduado em oftalmologia, fez residência

médica no próprio HCFMUSP. Desde

2004, esse araraquarense atua como

médico contratado desta instituição, coordenando

atividades clínicas e cirúrgicas e

ministrando aulas. Recentemente, foi premiado

no Congresso da Sociedade Brasileira

de Retina e Vítreo, realizado em Santos

entre os dias 21 e 23 de abril de 2016.

O prêmio foi ofertado devido à descrição

áudio-visual de técnica cirúrgica inovadora

para patologia tumoral retiniana.

Contudo, o médico natural e residente

em Araraquara, divide suas atividades na

Morada do Sol, entre compromissos profissionais

em seu consultório particular, com

atividades de lazer com a família e amigos.

Amante do futebol, já foi jogador de categorias

de base da nossa Ferroviária.

O oftalmologista conclui que todo esse

sacrifício vale a pena. A satisfação de se

graduar e participar tecnicamente da equipe

de docentes na maior e mais conceituada

universidade do país, aliada à busca de uma

vida familiar em Araraquara, o penaliza muitas

vezes pelo desgaste físico, mas o gratifica

pela satisfação de permitir uma melhor

qualidade de vida para a sua família, com

um ritmo cotidiano interiorano.

Desta forma, nossa cidade o homenageia,

agradecendo e reconhecendo o empenho

desse profissional, o qual engrandece

a nossa malha de médicos da cidade e

nos proporciona uma medicina oftalmológica

atualizada.

Parabéns Oftalmologista pelo seu

dia.

63


SAÚDE ANIMAL

Saiba como funciona a

hemodiálise para cães e gatos

O tratamento é destinado a animais com injúria renal aguda,

doença renal crônica e/ou crônica “agudizada”. Conheça

sobre hemodiálise para cães.

As médicas veterinárias Dinara Altemari

(Clínica Veterinária Amigo Bicho)

e Darlene Altemari (Clínica Veterinária

Vet Renal) são pioneiras no tratamento

de cães e gatos por diálise em Araraquara.

Como a insuficiência renal é uma

das principais causas de morte de cães

e gatos, surgiu o interesse em procurar

alternativas para os animais acometidos

por esse distúrbio.

Com a hemodiálise e diálise peritoneal,

aumentamos a taxa de sobrevivência

desses animais, que antes desses

tratamentos, fatalmente entrariam

em óbito.

O objetivo do tratamento é retirar

as substâncias que deveriam ser eliminadas

pela urina (uréia e creatinina)

quando os rins deixam de cumprir esse

papel, ganhando tempo para tratar a

causa do insulto renal.

A clínica Veterinária Amigo Bicho

tem laboratório próprio e ultrassonografia

trazendo rapidez nos resultados.

Outro diferencial é a cirurgia para

tratamento de tumores em locais em

que a cirurgia convencional não pode

ser utilizada como pálpebra, cavidade

oral, nasal e perianal. O mecanismo

básico é a destruição das células tumorais

por congelamento. A taxa de sucesso

é de quase 100%. Pode ser usada

ainda para retirar verrugas e tumores

de pele causados pela exposição solar.

É o tratamento mais eficaz para carcinoma

espinocelular nasal de gatos com

nariz sem pigmentação (branquinhos

ou rosados).

Estamos em constante processo de

atualização para melhor atender nossos

clientes.

64

Equipamento de hemodiálise usado em

cães e gatos da clínica Vet Renal

CLÍNICA VETERINÁRIA

AMIGO BICHO

Rua Mato Grosso 1956,

Vila Xavier telefone 16-33391312

Horário de funcionamento

das 9h às 18h30


ESTÉTICA DENTAL

Para um sorriso perfeito

A odontologia estética tem como objetivo

fundamental transformar o sorriso, levando

harmonia para o rosto e sobressaindo a

beleza natural de cada um.

A odontologia estética através de

suas inúmeras técnicas, tem como objetivo

melhorar a aparência do sorriso trazendo

assim mais harmonia para o rosto,

ressaltando a beleza natural de cada um.

Um sorriso bonito eleva a autoestima e

torna as pessoas mais confiantes e mais

sociáveis.

Hoje, vamos falar de três técnicas

muito usadas que têm apresentado excelentes

resultados: as lentes de contato

e facetas em porcelana, o clareamento

dental e as restaurações estéticas em resina

composta.

Atualmente, as lentes de contato e facetas

em porcelana são muito procuradas

por famosos que estão recorrendo a esta

técnica, tornando-a mais conhecida e desejada

por aqueles que sonham com um

sorriso perfeito. A técnica consiste na colocação

de peças de porcelana na superfície

dental com mínimo desgaste ou até

mesmo sem desgaste algum para corrigir

forma, cor e posicionamento dos dentes.

Elas são coladas no dente usando a técnica

de cimentação adesiva com cimentos

resinosos que têm alto poder de adesão.

O clareamento dental é também uma

técnica muito procurada e que usualmente

é utilizada antes da confecção de facetas

e restaurações estéticas em resina ou

para quem já tem os dentes com forma e

posição satisfatórias, mas coloração escura

ou manchas de corante de alimentos,

cigarros e medicamentos.

Existem duas maneiras de clarear

os dentes: clareamento caseiro ou de

consultório. No clareamento caseiro; o

paciente leva para casa moldeiras onde

será colocado o gel clareador. De acordo

com a avaliação do profissional responsável,

será indicado o produto a ser usado

e o tempo de uso das moldeiras com gel,

que pode ser usada durante a noite ou

algumas horas durante o dia por um determinado

período que normalmente é de

7 a 21 dias, variando conforme avaliação

individual de cada caso.

Existe também a possibilidade de se

fazer o procedimento no consultório com

ou sem o uso do laser de baixa potência,

onde são realizadas aplicações de gel

clareador com proteção gengival em 3

sessões de aproximadamente uma hora

e meia. Caberá ao profissional avaliar e

juntamente com o paciente, escolher a

técnica mais adequada para cada caso.

Sobre as restaurações de resina composta,

podemos afirmar que temos no

mercado uma grande variedade de materiais

que evoluíram muito tanto no que

diz respeito à resistência, quanto à qualidade

de polimento: translucidez e brilho,

que tornam essas restaurações praticamente

imperceptíveis e com alto padrão

de qualidade estética. Tais restaurações

são usadas para alterar forma, corrigir imperfeições

e posicionamento e restaurar

os dentes cariados.

Podemos usar as resinas para fazer

facetas, as chamadas facetas diretas em

resina, feitas diretamente sobre os dentes

sem necessidade de cimentação, fechar

pequenos espaços entre os dentes,

os diastemas, aumentar o tamanho e corrigir

fraturas.

Temos hoje à disposição, inúmeras

técnicas para um sorriso bonito, porém é

preciso procurar um profissional que avalie

e ofereça ao paciente, a solução mais

adequada com excelente qualidade.

65


VIDA SOCIAL por Maribel Santos

Marcela Nascimento e

Felipe Devicsi

VIP Especial Dia das Mães

Olá, meus queridos leitores!

Este mês, faço uma singela

homenagem ao Dia das Mães,

comemorado no dia 8 de maio.

Deixo o meu respeito, carinho,

e um beijinho parabenizando

todas as mamães pela data,

sintam-se abraçadas e

acarinhadas!

“Os braços de uma mãe são

feitos de ternura e os filhos

dormem profundamente neles”.

{Victor Hugo}

Euzania

Andrade

e Giovana

Andrade

Daniela Alves

de Araújo e

Lídia Victória

Alves de Araújo

Andrea Cristina Bersanetti e Fernando

Bersanetti

Paula Olenscki e Eloisa Olenscki

Lúcia Helena

Guerra Assalve e

Catarina Guerra

Alexandre Nakashima e Rute Nakashima

Carmen Gentil Fernandes e Wilson Fernandes

66


João Vitor Baságlia e Andreia Gatti

Baságlia

Lara Maia e Cláudia Monteiro Maia

Eleonora Ducerisier e Nix Montenegro

Victor Veiga de Oliveira e Cidinha Veiga

Leila Santos e Isabela Santos Corrêa

Ivana Generoso e Larissa Valila

67


Terceira Pessoa

O escritor Fernando A. Fernandes

lançou seu livro “Terceira Pessoa”,

no dia 23 de abril, na loja Guapo

e recebeu amigos e familiares

O casal Rivera, Luciana

e Alejandro

Rosangela Fernandes com seu esposo, o escritor

Fernando A. Fernandes na noite de autógrafos

Dyone Felipe Correia, Luiza

Lacerda e Larissa Lacerda

68


Melhor Idade

Baile comemorativo aos catorze

anos do Grupo da Melhor Idade

de Araraquara, no Melusa Clube.

Maria de Lourdes Ianelli e o seu

esposo Alzemiro Ianelli, presidente

do Grupo da Melhor Idade de

Araraquara, comemorando

os catorze anos do grupo

Sonia Mathias, Marisa

Caetano e Maria Isabel

Caetano

O casal Pavoni, Leonardo e Sônia

José Antônio Franciscatto e Helô Iost,

prestigiando o baile de aniversário do

Grupo da Melhor Idade de Araraquara

O casal Custódio Dionizia e Toninho

bailando em noite de festa

Rosa Mazzeu também prestigiou

o baile no Melusa Clube

69


Viver Empresas

Fotos: João Carlos

A CONFRATERNIZAÇÃO DA CREDICENTRO

Cooperativa que tem à frente Jaime Alberto de Vasconcelos, Herbert Müller Júnior e Mario Elcio Danieli, organizou

logo após sua Assembleia Geral Ordinária em abril, um concorrido almoço com a participação dos seus diretores,

fornecedores de cana e demais produtores rurais, além naturalmente, dos seus colaboradores.

Jaime Alberto de Vasconcelos entrega

brinde ao associado Mário Celso Gouvea

Herbert Müller Júnior contempla o sócio

da Credicentro, Marivaldo Danieli

Olavo Cavalcanti Pereira de Córdis faz

entrega a Carina Maria de Souza Freitas

Egidio Antonio Mestieri recebe

o brinde do diretor Mario

Elcio Danieli

Herbert Müller Júnior,

Jaime Alberto de

Vasconcelos, sua esposa

Elisa, o filho João Paulo,

Letícia com Luis Henrique

Vasconcelos, Mario Elcio

Danieli e Maria de Lourdes

Müller (esposa de Müller)

Associados da Credicentro: Domingos

Narciso Bau e a esposa Cecília

Juliana Falasco, Rodrigo Donizeti de Almeida,

João Helvécio Concion Garcia, Izabel Cristina

Domingues e Milena Cristina Mascarini

70


O jornalista Ivan Roberto Peroni (RCI), Eduardo Pinotti com o pai

Rui Pinotti e o amigo Vitor

Dia especial para os diretores Orlando Bonifácio Martins e

Laerte Veloza, do Escritório Visão de Contabilidade, reunindo

todos os seus colaboradores para uma foto histórica

Mariana Aufieri, 16 anos, do Grupo

Oficina de Atores, em breve estará nos

palcos como a personagem Ariel, da

peça “O Conto da Pequena Sereia”

Familia Souza Freitas: Letícia, Fábio, João Henrique, Pedro, Hilário, Neto,

Carmem, Fernanda, Maria Clara, Iracema e Nicolau

Chegada de Edelcio Margonar para iniciar tratamento odontológico

com o filho Rogério, foi motivo de comemoração na clínica, em abril

Diretores da Canasol, Tatiana Caiano Teixeira Campos

Leite e Luís Henrique Scabello de Oliveira, anunciam ao

presidente Jaime Alberto de Vasconcelos, que na parceria

com a MasterMed, a Credicentro entra como área protegida

para receber benefícios da operadora de saúde

71


ANIVERSÁRIOS

MAIO|2016

A diretoria da ACIA cumprimenta todos os aniversariantes

DATA

NOME

EMPRESA

DATA

NOME

EMPRESA

01/05

01/05

01/05

01/05

01/05

01/05

02/05

02/05

02/05

02/05

02/05

03/05

03/05

04/05

04/05

05/05

05/05

06/05

06/05

06/05

06/05

07/05

07/05

08/05

09/05

10/05

10/05

10/05

10/05

10/05

12/05

12/05

12/05

12/05

12/05

13/05

13/05

14/05

14/05

14/05

14/05

14/05

14/05

15/05

Feiz Mattar

Luis Carlos Lupi

Lígia Maria Costa Celante

Lineu Carlos de Assis

Juliano F. de Freitas

José Carlos Ap. Motta

Emília Cândido Benite

Edinho Marcelo Zenatti

Sebastião Sérgio Cosmo

Arcângelo Nigro Neto

Francisco Humberto Nigro

Osvaldo Maurício

Vânia Cristina Garcia

Carlos Eduardo Melato

Anapaula A. Peralta Pena

Andréia de Prince

Mara Regina A. Serretti

Carmine Brasil Tucci Neto

Admilson Roberto Barbieri

Mônica D. M. da Silva Costa

Amarildo Tavares

Gerson Luís Monteacutti

Lívia Pinto Rajab

Maria Izabel F. Oliveira

Alexandre Luiz Borsari

Antônio Carlos Jeremias

Carlos Alberto F. Silveira

Antônio Gonçalves Filho

Douglas Luis de Souza

João Barbosa

Maria do Carmo D. Belotti

Francisco Alfredo Cefaly

Maria L. das Neves

Mário Roberto Mendonça

Eunice G. S. Pinto Paschoal

Rita de Cássia P. de Souza

Mitsue Suto Yamada

Priscila Bianchini

José Carlos Pinto

Jorge Anysio Haddad

Nicola Loprieno

Francisco José Formariz

Vitor César de Moura Junior

Izabel de Fátima Siqueira

Feiz Mattar Imóveis

Paulista Automóveis

Lilah Modas

W&L Publicidade

Ótica Thiago

Supermercado Estrela

Auto Posto Primavera

Casa de Carnes Edinho

Escandinavia Veículos

Nigro

Nigro

Rep. de Ferro e Aço São Joaquim

DKV Fashion

Kaeseg Corretora de Seguros

Vestylle

Princar

Cad

Foto Tucci

A. Roberto Barbieri

Rádio Elétrica Geral

Bacana Auto Center

Montseg Seguros

Rajab Engenharia

Mercadinho e Com. de Gás Gouveia

Borsari Imóveis

Imobiliária Jeremias Borsari

Carimbos Araraquara

Depósito de Gás

Primeira Opção Materiais Elétricos

Iesacred

Loja e Oficina Mercúrio

Gráfica Cefaly

Bar e Mercearia da Lourdes

Mendonça Radiocomunicação

Palácio das Borrachas

Grafite Papelaria Bazar e Copiadora

Bentoya

Brinco

Calhas Bandeirantes

Duraleve

Compitália Informática

Pérola Contábil

Minas Queijos

Hidrara Conexões

15/05

16/05

17/05

17/05

17/05

17/05

18/05

18/05

19/05

19/05

20/05

21/05

21/05

22/05

22/05

23/05

23/05

23/05

23/05

23/05

23/05

24/05

24/05

24/05

24/05

25/05

25/05

25/05

25/05

25/05

26/05

26/05

26/05

27/05

28/05

28/05

28/05

28/05

29/05

29/05

29/05

29/05

29/05

30/05

Douglas Fernando Corrêa

Paulo César Ambrósio

Mariana Gonçalves Basso

José Carlos P. Cardozo

Jorge Affonso

Fábio César Tamião

Edes Dalmo de Oliveira

Edna C. A. P. de Oliveira

Daniel José de Barros

Maria Joseli Silva Poiana

César R. de Souza Teixeira

José Aluízio G. Paschoal

Samuel Brasil Bueno

Sandra Regina Muniz

Rômulo G. Rodrigues

Luis Antônio Schiavon

Cleia C. F. Brondino

Antônio Luiz Borsari

Alzira Bernardo Micelli

Nelson Brito de Lucca

Gerson Barboni Ramello

Sandra Regina A. Vicente

Edson Gomes Assunção

Helena Maria Fedato Sávio

Mauro Rodrigues

Juliana Cristina da Silva

Marta Vilas Boas Macchioni

Rosângela F. Caires Motta

Olga Rodrigues Chade

José Sérgio Neves

David Gomes T. Martinez

Marilea A. F. da Silva Pereira

Manoel P. de Barros Cruz

Mário Ito

Marcelo Cyrino da Silva

Davi Carmello

André Gavranic Zaniolo

Miesuesuto Yamada

João Luis Roveri

Ivanilde das Gr. V. Celestino

Jair Pereira

Mário Carlo

Mauricio O. Molina Júnior

Márcia Telles Begotti

Apollo

Casa de Carnes Paulinho

Basso Imóveis

Sinhores / Ca-Suco

GRA / Chevrolet

Techs Provider

A Boa Compra

Expert Informática

Liceu Monteiro Lobato

3TI Software

GVT Telecomunicações

Palácio das Borrachas

Ceproesc

Sandra Muniz Produções

Sorte Sportiva

Reihtuag Auto Elétro

Eletrônica Celibron

Borsari Imóveis

Funerária Micelli

Digicópias

CQI

SR Ferragens

Edinho Automóveis

Sávio Madeiras

J. Rodrigues & Cia

Flat Sun House

Preço Único

Supermercado Estrela

Caldeirão

Neves Assistência Técnica

Posto Morselli Martinez

Lea Assessoria em Turismo e Lazer

Honda

Relojoaria Cruzeiro

Ápia Automóveis

Davi

Nostr’italia Ind. Com. de Alimentos

Bentoya

Fonteri

Papa Léguas Conveniências

Pienegonda

Macktub

Tio Chico Condimentos

Hotel Fazenda Salto Grande

Estamos colaborando na construção de uma grande cidade

72


VITRINE

Fotos: João Carlos

Ilustres convidados para a inauguração da agência Sicoob em Dobrada, posam em foto especial de João Carlos para nossa Vitrine

Manoel Messias da Silva, presidente do

Sicoob Central Cecresp e esposa Miriam

com o casal Cristina e Walter Francisco

Orloski (diretor administrativo do Sicoob

Araraquara)

Marcos Assumpção comemorando

aniversário com a esposa Adriana

Renata Orloski

Evandro Yashuda (Farmácia Bandeirantes),

Antonio Gaban (presidente do Sicoob

Araraquara), vereador Jéferson Yashuda e

Eduardo Antonialli Dell’Acqua (Coplast)

73


Luís Carlos

BEDRAN

Sociólogo e articulista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

Viver honestamente

Todo mundo procura ser feliz. Felicidade

é bem-estar e neste está incluído

o convívio harmônico entre as pessoas,

a paz, o prazer, tudo o que o ser humano

entende ser agradável. Poderia a

felicidade ser permanente? Difícil, senão

impossível, pois segundo alguns filósofos,

a sobrevivência do homem implica

numa guerra contínua e por isso ele está

sempre em guerra. Não é por acaso que

os antigos diziam que o homem é o lobo

do homem, “homo hominislupus”. E nos

breves intervalos das tréguas, nesses

breves momentos, é que se pode encontrar

a felicidade. Razão pela qual ela é

valorizada, por ser rara.

Muitos filósofos otimistas buscaram e

ainda buscam, com suas teorias, tentar

minimizar o peso por viver, fazendo com

que ele seja o mais leve possível para o

ser humano carregar. Os pessimistas dizem

que isso não tem jeito, porque viver

é sofrer. Aqueles são mais interessantes.

Elaboraram as mais diversas doutrinas,

inventaram um mundo melhor, como

Thomas More, na Utopia, Tommaso

Campanella, na Cidade do Sol, Platão,

na República, Marx, com o comunismo

e tantos outros, ocidentais ou orientais.

Por mais que as teorias sejam tão

atraentes, não se chegou ainda à conclusão

alguma no mundo moderno em

que vivemos. Aliás, ao contrário do que

se pensa, está cada vez mais difícil viver.

E isso por culpa do próprio homem, que

entende que ser feliz é procurar usufruir,

o máximo possível, os bens materiais

que levam ao seu conforto, ao seu

bem-estar, à sua paz interior, no menor

espaço de tempo que consegue. E essa

procura não tem fim, nem limites. É infinita

e ilimitada. Por culpa dos detalhes.

Entretanto, por mais que tente e embora

seja essa uma justa pretensão, não está

conseguindo a contento. Ao contrário,

está levando-o a uma frustração generalizada.

(Esta não é e nem pretende ser

uma crônica de autoajuda em busca da

felicidade).

Como, por exemplo, ser honesto.

Os legisladores romanos já diziam que

a vida poderia ser resumida em três tomadas

de posição ética: “viver honestamente,

não lesar a outrem e dar a cada

um o que é seu”: “honeste vivere, alterum

num laedere e suum cuique tribuere”. Se

todos seguissem esses preceitos básicos,

não haveria mais tanta infelicidade.

Ao contrário, levaríamos vantagem, de

acordo com a “Lei de Gerson”, aquela

que atualmente todos a seguem. Pois

é muito mais vantajoso, por paradoxal

que possa parecer, ser honesto.

Se todos fossem honestos, como

diria o Conselheiro Acácio, obviamente

não haveria tanta roubalheira. E em não

havendo mais tanta roubalheira, tanta

falsidade, tantos crimes, tanta malandragem,

todos seríamos mais felizes.

Tão simples, mas tão complexo.

E a vida seria bem melhor. O comerciante

teria um lucro honesto e justo;

o empregado não seria explorado

pelo patrão; o cidadão não precisaria

sonegar impostos, pois estes não seriam

mais tão escorchantes; o governo não

precisaria ameaçar com pena de prisão

o bom cidadão; o político não precisaria

mentir para conseguir votos, pois o

eleitor acreditaria que ele faria boas leis

para sermos bem governados.

O ladrão não precisaria furtar,

porque não haveria necessidade, havendo

justiça social; o pobre poderia

viver com dignidade, almejando sempre

um mundo melhor; o rico não precisaria

ser tão rico, pois dividiria parte de seu

patrimônio aos menos favorecidos.

O cidadão não necessitaria aprisionar-se

dentro de sua casa, pois não

haveria mais ladrões e, em não havendo

mais ladrões, nem assassinos,

as penitenciárias seriam destruídas. Ele

não precisaria mais colocar no seguro

74

A tal Lei de

Gérson teve

origem em

propaganda feita

pelo jogador

Gérson para

os cigarros Vila

Rica em 1976.

No anúncio ele

fala sobre as

vantagens do cigarro:“É gostoso, suave e

não irrita a garganta”. Na sequência diz:

“Por que pagar mais caro se o Vila me

dá tudo aquilo que eu quero de um bom

cigarro?”. Depois de falar, Gérson dá um

sorrisinho malandro e solta a última e

infeliz frase da propaganda: “Gosto de

levar vantagem em tudo, certo?”. Desta

forma, sintetizou de uma vez só o jeitinho

brasileiro de fazer o errado parecer

certo.

seu carro, nem sua casa, nem as seguradoras

teriam porque explorá-lo. Aliás,

estas existiriam apenas para garantir um

futuro à família do segurado no caso de

sua morte.

O mundo seria feliz se todos fossem

honestos. Se, como se diz, devemos levar

vantagem em tudo, por que então

não poderíamos também levar vantagem

em ser honestos? Acreditaríamos

então nos políticos, não existiram delações

premiadas, elegeríamos um presidente,

senadores, deputados, prefeitos

e vereadores, todos eles direcionados

para trabalhar num claro objetivo: proporcionar

o bem-estar de todos, com

justiça e equidade.

Algumas profissões, como a dos advogados,

diminuiriam drasticamente.

Tornar-se-iam conselheiros. Em compensação,

o turismo aumentaria pela

ampliação do lazer, todos poderiam

viajar pelo nosso país ou por outras plagas

— sem medo de ser felizes — sem

preocupações e sem transtornos.

Se somente pelo fato de viver já é

difícil, então cabe a nós mesmos tornar

nossa vida mais fácil. É tudo tão somente

uma questão de opção. Porque

viver honestamente, de acordo com a

própria etimologia da palavra, é viver

com honra. E se todos nós pudéssemos

conseguir viver com honra, a vida seria

bem melhor.

Utopia? Certamente, mas pelo menos

deveríamos tentar.


Novo complexo da São Francisco

Saúde oferece proteção 24 horas

aos beneficiários de Araraquara.

Responsável técnico: Dr. José Carlos Lucheti Barcelos CRM nº 81.223

ANS - Nº 30209-1

O Pronto-Atendimento construído pela São Francisco Saúde já

está à disposição dos beneficiários do plano e vem reforçar a rede

própria local, que já conta com uma clínica para consultas eletivas

em mais de 20 especialidades médicas. Em amplas instalações,

de quase 1.000m 2 de área e modernos equipamentos, o Pronto-

Atendimento oferece estrutura e equipe médica à disposição

24 horas por dia, inclusive finais de semana e feriados. O novo

prédio conta com salas de recepção, emergência, curativos,

procedimentos, imobilização gessada, observação masculina,

feminina e infantil, medicação, inalação, Raio-X, laboratório,

infraestrutura de suporte e consultórios médicos.

saúde

Unidade de Pronto-Atendimento de Araraquara:

Rua 9 de Julho, nº 5 - Centro (Via Expressa)

75

0800 777 90 70

saofrancisco.com.br


76

More magazines by this user
Similar magazines