RCIA - ED. 134 - SETEMBRO 2016

tvcomercioeindustria

1


2


3


4


5


ÍNDICE

EDIÇÃO N°134 - SETEMBRO / 2016

CAPA

Hora Sol

HISTÓRIA

Carvalho Antarctica

COMÉRCIO

É preciso mudar

INDÚSTRIA

Jovens Empreendedores

10 14 18 31

Com o avanço da tecnologia,

os relógios de ponto vão se

transformando em equipamentos

altamente sofisticados. A Hora Sol

acompanha essa modernidade.

Arthur Friendereich, da Seleção

Brasileira brinda em 1955 com

Antonio Rodrigues Carvalho, a

inauguração da primeira câmara

fria na cidade para gelar chope.

Com a chegada do SAT (Sistema

Autenticador e Transmissor), o

presidente Antonio Deliza Neto, do

Sincomercio, faz um alerta sobre a

troca do emissor de cupom fiscal.

O CIESP em Araraquara anuncia

o13° Congresso Estadual de

Empreendedorismo, em 22 de

setembro no CEAR, organizado pelo

Núcleo de Jovens Empreendedores.

Editorial

09 | Jornalista Ivan Roberto Peroni

comenta a liberação do policial militar

fazer um “bico por fora”.

Alerta ao Empresariado

22 | A Vilage Marcas e Patentes anuncia

a lista negra de empresas fraudadoras

do INPI em nosso País.

Eleições 2016

25 | Quatro dos seis candidatos a

prefeito falam dos seus planos para o

desenvolvimento econômico.

O Dia do Contabilista

32 | Data em homenagem ao

contabilista será comemorada no dia

22 de setembro em Araraquara.

Tal como a ACIA, 82 anos de fundação

Presidente da Acim de Marília, Libânio Victor

Nunes de Oliveira

Diretoria, funcionários e comerciantes

que fazem parte da Associação

Comercial e Industrial (ACI) de Marília

celebraram no dia 20 de agosto, 82

anos de fundação da entidade que

é considerada como uma das mais

antigas em atividade no município,

reforçando o envolvimento da

instituição no desenvolvimento da

cidade. A Associação Comercial e

Industrial de Araraquara também está

com 82 anos, sendo 30 de junho sua

data de fundação. Parabéns a ACIM

pelo seu aniversário.

Medalha de Ouro

Bela homenagem foi feita pel’O Imparcial

à professora Eulália Schiavon, que

chega aos 90 anos, após assistir quatro

olimpíadas. Professora de Educação

Física, co-responsável pela realização

do Festival Danças de Todo o Mundo e

Jogos da Primavera

Eulália

através do IEBA, nos

anos 60 e 70, Eulália

sempre foi alegre,

carismática, traços

que aparecem muito

bem no desenho de

Francisco Lopes.

6


DA REDAÇÃO

por: Sônia Maria Marques

AGRONEGÓCIO

A doce terra dos maracujás

OLIMPÍADAS

Nosso cavaleiro no Rio 2016

O peso do esporte na

economia da cidade

40

Sindicato Rural de Araraquara,

Senar-SP e Itesp capacitam pequenos

produtores rurais a plantar maracujá

e ter a fruta como uma grande fonte

de negócios.

Homenagem

44 | Edgar Esteves, da Agrometa, conta sua

história e ascensão profissional dentro do

agronegócio na cidade

O brilho dos nossos alunos

O vídeo “Mapeamento de

focos e/ou criadouros do Aedes

aegypti”, idealizado e produzido

pelos estudantes Rafael Silva

Pena e Vinicius Santos Monteiro,

do Curso Técnico em Informática

integrado ao Ensino Médio do

Campus Araraquara, obteve a

3ª posição na fase estadual do

concurso “Pesquisar e Conhecer

para Combater o Aedes

Aegypti”. O concurso, realizado

pela Secretaria de Educação

Continuada, Alfabetização,

Diversidade e Inclusão do

Ministério da Educação (MEC),

tem como objetivo originar ações

Alunos e professor comemoram a

colocação do vídeo no concurso

51

Stephan, filho de Álvaro Barcha,

o Nonô, sobrinho de Awad e José

Salim Barcha, disputou o hipismo nas

Olimpíadas de 2016, no

Rio de Janeiro.

Seu nome está na rua

56 | O historiador Samuel Brasil

Bueno conta a história do menino

Ruy Júlio, um valoroso policial.

que promovam, por meio de

vídeos feitos pelos estudantes,

o combate ao mosquito Aedes

aegypti e suas consequências,

principalmente o zika vírus.

Cada escola pôde inscrever

apenas um vídeo em cada

categoria e nível de ensino, o

qual poderia ter, no máximo,

90 segundos de duração, com

imagens captadas por meio de

aparelhos celulares ou câmeras

fotográficas domésticas. Os dois

finalistas em cada categoria/

nível por unidade da federação

concorrerão na etapa nacional.

O professor Leandro de Godoi

Pinton, que ministra

aulas de Geografia no

campus, foi o orientador

do vídeo. Para ele, a

3ª colocação estadual

no concurso deve ser

muito comemorada,

considerando o grande

empenho dos nossos

alunos e o número de

vídeos participantes

inscritos.

Com problemas de ordem financeira, o time de vôlei feminino

de Araraquara sucumbiu e é mais um baque na economia

esportiva da cidade, o que levou a treinadora Sandra

Mara Leão a comentar o assunto em nota na rede social. Ela

diz ter orgulho do trabalho realizado durante 13 anos e se

mostrou aborrecida por pessoas mal intencionadas que tentam

tirar proveito desta triste situação. Infelizmente poucos são

os que enxergam a economia do esporte e o papel deste setor

no conjunto da economia para despertar o interesse de muita

gente. Em qualquer cidade, os custos com a saúde poderiam

ser muito mais baixos se a prática desportiva da população

adulta fosse mais elevada, sem contar os efeitos benéficos

para o equilíbrio psicológico das pessoas.

Outra virtude da prática esportiva está na diminuição do

comportamento marginal dos jovens, resultando em reduções

nas despesas com a segurança, porque, entre outros, se reduz

o tráfico de droga. Resumindo, o investimento público no

esporte é largamente rentabilizado através da redução das

despesas na saúde e na segurança.

O investimento público aqui mencionado compreende não

só o realizado pelos governos, mas também o que é feito pelas

autarquias em infraestruturas que permitam a prática desportiva

aos cidadãos e o investimento nas associações e clubes que

praticam esporte para competição.

O fim do vôlei entra na contramão da história e nos leva a

entender que um outro aspecto pesa e se perde naquilo que foi

plantado com carinho: o lazer de uma parcela da população.

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Diretor Comercial: Humberto Perez

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Heloísa Nascimento

Design: Carolina Bacardi, Bete Campos

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio

é distribuida gratuitamente em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

7


8


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Dos tempos proibidos chegamos à realidade

Ao longo da história da segurança pública em nossa cidade, falar que - policial estava fazendo bico no antigo

Supermercados Gonçalves Sé ou mais recentemente em porta de joalherias - era um Deus nos acuda. Não

podia é verdade, mas era feito. Os empresários não apenas buscavam segurança ao seu patrimônio, como

também militares e policiais civis viam no final do mês uma renda extra para complementação do baixo

salário que recebiam. Não foram poucos os profissionais penalizados por desafiarem as regras e muitos até

abandonaram a carreira por entender que era bem mais compensador trabalhar em segurança externa.

Está sendo implantada a adoção de

novas medidas no combate à criminalidade

em Araraquara: a atividade delegada.

Só que é um bico diferente, vindo

através de um convênio assinado entre

a Prefeitura de Araraquara e a Polícia

Militar. É bom lembrar que a atividade

delegada criada em 2009, durante a

gestão de Gilberto Kassab à frente da

Prefeitura de São Paulo, dobrou o efetivo

policial nas ruas da cidade, com mais de

4.200 homens atuando - em suas horas

de folga - sob a coordenação da prefeitura

paulistana, em convênio com o

Governo do Estado.

Aqui em Araraquara, os policiais já

estão fiscalizando o comércio ambulante

para alívio do comerciante estabelecido,

carros que ficam abandonados nas vias

públicas, além de outras ações que competem

ao município. E como vai funcionar:

a Prefeitura dá a eles algumas tarefas ou

competências e paga pelas horas trabalhadas.

O Estado tem que entrar com as viaturas

e os equipamentos que eles precisam

para o desempenho da função.

Até que o negócio é bom para as duas partes e olha que já faz um bom

tempo que não se vê uma iniciativa assim, pois via de regra, um dos lados

sempre procura levar vantagem. Antigamente tirar o policial das suas reais

funções e colocá-los para cumprimento de outras, contrariavam o regimento;

e, as normas que regem a hierarquia militar são claras ao dizer em seu

artigo 6° que “a disciplina policial-militar é a rigorosa observância e o acatamento

integral das leis, regulamentos, normas e disposições, traduzindose

pelo perfeito cumprimento do dever por parte de todos e de cada um

dos componentes do organismo policial-militar”. E curioso que dentro deste

artigo, o item 3 do parágrafo primeiro explica que “a dedicação integral ao

serviço é uma manifestação essencial ao serviço”.

Porém, tudo agora segue diferente, são novos tempos, outros hábitos,

as necessidades econômicas e a exigência de uma polícia mais presente

na vida comunitária. Daí uma atividade delegada com um verdadeiro kit

de deveres em que o poder público acuado se vê obrigado a estender as

obrigações em nome do Governo do Estado de São Paulo.

É verdade que “rareou” a presença de policiais civis e militares fazendo

bico pra garantir renda extra e na esteira do tempo, certo dia um

Coronel-Corregedor da PM (Eurivan Lima), disse que “fazer bico não é

uma atividade ilegal, mas a forma como a atividade paralela deve ser

questionada se for comprovada incompatibilidade com a atividade policial

do dia a dia”. E disse mais: “As atividades paralelas que podem ser

consideradas ilegais são aquelas em que o policial militar se utiliza de

bens da Fazenda Pública, como viaturas, armamento, equipamentos e

fardamento, para apoiar suas atividades. Deve ser analisado também, se

a atividade causa prejuízo para o dia a dia da profissão militar”.

9


REPORTAGEM DE CAPA

Hora Sol

A história dos relógios de ponto de

qualidade através dos tempos

Sempre que o empresário Sérgio

Hermínio Fausto olha para a

parede e observa o primeiro

relógio de ponto vendido por ele

em 1969, sente a evolução da

tecnologia e o aprimoramento

dos equipamentos que sua

empresa continua a representar

por quase 50 anos. Ele tornou

a Hora Sol numa das mais

conceitudas revendas DIMEP

do País.

Sérgio Hermínio

Fausto e os primeiros

relógios de ponto que

ainda fazem parte da

sua brilhante carreira

e da trajetória da

Hora Sol

Especializada em relógios de ponto

e equipamentos de acesso, a Hora Sol

é líder do segmento em Araraquara e

região sob o comando do empresário

Sérgio Hermínio Fausto. Com sistema

informatizado, oferece os melhores produtos

como representante exclusivo da

Dimep - Dimas de Melo Pimenta Sistema

de Ponto e Acesso Ltda.

A Hora Sol além de fornecer mais de

130 equipamentos de controle de ponto

em todos os órgãos públicos da cidade,

também implementou o controle de

acesso no Paço Municipal, desde 2012.

Com o controle e credenciamento dos

visitantes, é possível ter relatórios estatísticos

de setores mais visitados, colaboradores

que recebem mais visitas e

controle de tempo de permanência dos

visitantes na prefeitura.

Para solucionar essa situação, foram

usadas catracas com tecnologia

de proximidade que fazem leitura de

cartões através de rádio frequência e

cofre de retenção de crachás para saída

de funcionários, evitando o extravio

10

Empresas de pequeno e médio porte

com até 100 funcionários podem utilizar

o Mini Print da Dimep/Hora Sol


O INMETRO regulamentou os dispositivos REP. No caso

do fabricante Dimep, representado em Araraquara e

região pela Hora Sol, o equipamento que atende a

essas especificações é o modelo Print Point III.

e perda dos mesmos. Já para o acesso

de colaboradores, foram utilizadas

catracas com tecnologia de leitura biométrica

onde foram cadastrados dois

dedos de cada colaborador, colocando

a política de horário na entrada e saída

para evitar altos gastos de horas extras.

Os produtos de maior destaque da

empresa atualmente são o Mini Print e

o Print Point III. Todos dentro da Portaria

Nº 1.510, de 21 de agosto de 2009,

que disciplina o registro eletrônico de

ponto e a utilização do sistema de Registro

Eletrônico de Ponto – SREP previsto

no artigo 74, parágrafo 2º da Consolidação

das Leis do Trabalho (CLT).

Para o caso de empresas de pequeno

e médio porte com até 100

funcionários, o equipamento ideal é o

Mini Print. Trata-se de um equipamento

com leitor biométrico ou código de

barras ou proximidade que registra as

informações de início e fim de jornadas,

faltas, atraso, descanso semanal,

horas extras, controle de banco de horas

e até mesmo quando o funcionário

é desligado da empresa. Todos esses

dados são coletados através de um sistema

de software de gestão e são enviados

à central de monitoramento, na

própria Hora Sol.

O Print Point III é o novo Relógio de

Ponto Eletrônico da Dimep. Mais seguro,

prático e conectado é de fato a

solução ideal para empresas, com um

mínimo de 100 colaboradores, como

indústrias, edifícios comerciais, hospitais,

órgãos públicos, que necessitam

controlar a jornada de trabalho de maneira

precisa, rápida e inteligente.

Para maior segurança do cliente, o

Print Point III além de atender os requisitos

da Portaria 1.510/09, só aceita

arquivos homologados segundo as normas

do Instituto Nacional de Metrologia,

Qualidade e Tecnologia (Inmetro)

através da Portaria 595/13 que estabelece

uma série de novos requisitos

de segurança para os Registradores

Eletrônicos de Ponto (REP). As recentes

especificações visam promover maior

segurança aos dados sobre o registro

de ponto, protegendo as informações e

evitando fraudes.

Catracas com tecnologia de leitura biométrica podem ser

instaladas em empresas que tenham um grande fluxo

de pessoas durante todo o dia. Esses controles de acesso

utilizam a leitura de impressões digitais para a identificação

dos usuários, o que proporciona extrema segurança.

As vantagens são muitas. Todos os

documentos fiscais são assinados digitalmente,

a comunicação é criptografada,

o que impossibilita que um software

não autorizado se comunique com o

equipamento. O aparelho também possui

sistema de detecção que bloqueia

o funcionamento do equipamento em

caso de tentativa de violação.

A EMPRESA

A Hora Sol conta com uma equipe

de colaboradores treinados para melhor

atender os clientes e estão distribuídos

em: três auxiliares administrativos,

três técnicos de hardware, três

técnicos de suporte técnico, dois técnicos

para relógios de ponto convencionais

e dois vendedores externos. Toda

a equipe garante eficiência em sistema

de Gestão e Controle de Ponto, desenvolvimento

de projetos específicos para

cada tipo e tamanho de empresa com

soluções totalmente integradas, além

de oferecer treinamento, consultoria e

manutenção. A empresa disponibiliza

a seus clientes duas visitas técnicas,

todo o processo de instalação de seus

produtos e treinamento específico.

Além disso, oferece suporte com acesso

remoto das 7h30 às 17h48.

De acordo com o proprietário Sérgio

Hermínio Fausto, fica a critério do

cliente escolher qual equipamento se

adapta melhor à sua empresa, estando

disponíveis para venda ou locação.

SEGUE

11


A CONCESSIONÁRIA DIMEP

Hora Sol, marca escrita com

ética e produtos de qualidade

A responsabilidade e a

transparência nortearam a

caminhada de Sérgio Hermínio

Fausto desde os tempos em

que, ainda trabalhando como

policial militar exemplar, sentiu

a necessidade de ampliar

seus conhecimentos e sua

fonte de renda. Foi aprender

com Dimas de Melo Pimenta,

da Dimep em São Paulo,

consertar relógios de pontos,

se transformando anos depois

em revendedor exclusivo da

sua linha de produtos.

Profissionais da Hora Sol Tecnologia, concessionária DIMEP, em frente a sede da empresa na

Avenida Jorge Haddad, 552, Vila Xavier

A Hora Sol começou pequena. A ideia

surgiu em 1969, quando Sérgio Hermínio

Fausto decidiu fazer algo para aumentar

sua renda. Entrou no curso do professor

Dimas de Melo Pimenta, em São Paulo,

e em 1970 voltou para Araraquara com o

diploma na mão e uma nova profissão. A

princípio consertava relógios de pulso ou

de bolso, em sua casa. Até que um dia, o

proprietário da Fábrica de Barbantes Bandeirantes

solicitou-lhe o conserto de um re-

lógio de ponto. Apesar de não ser sua área

de atuação, encarou o desafio. Saiu-se tão

bem que descobriu uma nova perspectiva

profissional. Dias depois voltou a São Paulo

e fez um curso de especialização em relógios

de ponto, com seu antigo professor.

Tornou-se o primeiro especialista em

relógios de ponto da cidade e região. Em

1973 criou a DL Fausto que funcionou

até 31 de agosto de 1978 na Avenida Washington

Luís, 269, Vila Xavier. Em seguida

passou a funcionar na Rua Barão do Rio

Branco, 1.441 com o nome de HORA SOL,

permanecendo até 9 de julho de 2009,

nessa data mudamos para a Avenida Jorge

Haddad, 552, onde estamos localizados

próximo ao Banco Santander na Alameda

Paulista, Vila Xavier.

Ao longo de sua história, a Hora Sol e

a Dimep buscaram alternativas para solucionar

as questões de controle de ponto

e acesso de profissionais nas empresas.

Essas soluções sempre estiveram focadas

em ações tecnológicas, importantes dentro

de sua época. A mistura de passado e

presente mostra a evolução da Hora Sol

marcada pelo conceito de um fabricante

de equipamentos do mais alto padrão de

qualidade.

Área de TI

Área Técnica

Setor de Vendas

Atendimento ao Cliente

12

SERVIÇOS HORA SOL

Produtos: Sistemas biométricos, relógio

digital, controle de acesso, equipamentos

para estacionamento, crachás e leitores,

protocolador de documentos, ponto

manual, controle de assistência e

assistência técnica

Avenida Jorge Haddad, 552

Vila Xavier

Fones: (16) 3322-5933 / 3337-8585

(16) 9-9711-1597

Contatos:

adm01@horasol.com

sergio@horasol.com


13


ANTONIO RODRIGUES DE CARVALHO

Arthur Friendereich, de óculos escuros, em primeiro plano, faz um brinde a Antonio Rodrigues de Carvalho, em março de 1955, quando a

distribuidora dos produtos Antarctica inaugurou a primeira câmara fria para gelar o chope que começava a ser vendido na cidade

DE UM SIMPLES BOTECO A UM BOM BAR E, DEPOIS...

O maior distribuidor de bebidas

de Araraquara em todos os tempos

Mais de meio milhão de

garrafas de cerveja Antarctica

por mês, era o que vendia nos

anos 60 o empresário Antonio

Rodrigues de Carvalho. Em

1955, quando inaugurou

a primeira câmara fria da

região para gelar o chope,

ele se deu ao luxo de ter

entre os convidados Arthur

Friendereich, a primeira

grande estrela do futebol

brasileiro.

Nem bem deu 6 horas da manhã

e o “seu” Carvalho, como era chamado

pelos lados do Carmo, caminha em

passos curtos na direção da Padaria do

Lima, na Rua 13. Todos os dias ele fazia

daquele pedaço de chão seu ritual

e como sempre, levava pra casa - duas

bengalas e um pão sovado pontuado

por oito gomos - exatamente iguais.

Carvalho convivia com uma Araraquara

romântica, de pequenas árvores

plantadas nas beiradas das calçadas

formando um imenso corredor, e, por

onde o vento passava carregando folhas

catadas mais tarde pelos funcio-

14

nários da Prefeitura que se ajeitavam

em umas carroças esverdeadas, sempre

puxadas por burros ou mulas.

Mas, aquele sábado - 19 de março

de 1955 - para o seu Carvalho o dia era

especial: ele cuidaria dos preparativos

de inauguração no dia seguinte, da

primeira câmara fria ou frigorífica instalada

em Araraquara, apropriada para

gelar o chope da Antarctica que começaria

a ser distribuído pela sua empresa.

O português nato que aqui chegou

ao Brasil com 18 anos de idade, estava

eufórico e até já havia trocado com a

esposa Adélia, algumas palavras logo


que acordou: “É um dia que não vou

esquecer nunca, mulher”. Ele sentado

na beira, da cama lembrou dos momentos

difíceis que passara na juventude,

quando chegando de Portugal, foi trabalhar

na lavoura de café em Boa Esperança

do Sul.

Em 1930, Carvalho começou a trabalhar

na Estrada de Ferro Araraquara

e logo após a aposentadoria, decidiu

abrir aquilo que os fregueses chamavam

de “buteco” na Avenida 7 de Setembro,

vendendo bebidas, doces e salgados.

“Graças, porém, à colaboração

sempre presente do povo de Araraquara,

nos foi possível ir ampliando e melhorando

aquele estabelecimento. De

boteco como o chamavam os clientes

mais chegados, Deus nos deu a força

necessária para transformá-lo naquilo

que, depois, passou a ser denominado

de bar”, dizia Carvalho, agora que está

para inaugurar a câmara frigorífica em

companhia dos diretores da Antarctica.

SEGUE

José Salles Gadelha, gerente de Distrito da Companhia Paulista de Força e Luz, desata a fita

de inauguração da câmara frigorífica do depósito de bebidas de Antonio Rodrigues Carvalho,

em 20 de março de 1955, na Rua Expedicionários do Brasil, 1292; também participa do ato o

gerente da Companhia Antarctica Paulista, Petronio Bellini

Carvalho saindo para a entrega dos produtos Antarctica

Em frente ao frigorífico do qual Carvalho foi sócio, ele se

prepara para carregar o gelo que seria vendido aos bares,

restaurantes e residências na cidade

15


ANTONIO RODRIGUES DE CARVALHO

A grande festa

de inauguração

A partir dos anos 60 os filhos

Luis, Laércio, Lourival, Lucindo,

Laurindo e Lauro passaram

a auxiliar o pai na tarefa de

vendas e entregas na cidade

e região.

Carvalho com o filho Laurindo e um dos funcionários da empresa em 1969

20 de março de 1955. Domingo.

Três horas da tarde. Na Rua Expedicionários

do Brasil, 1292, onde hoje está

localizado o Edifício Graziela, construído

em Araraquara nos anos 80, está

Antonio Rodrigues Carvalho aguardando

os convidados para a inauguração

da câmara frigorífica que vai conservar

e refrigerar o chope Antarctica. Ao ato

iniciado meia hora depois, revestido

de simplicidade, compareceram as autoridades,

gerentes de bancos, comerciantes,

representantes da imprensa e

diretores da Companhia Antarctica Paulista,

instalada em Ribeirão Preto.

A frota de veículos em 1971 na antiga Praça Pedro de Toledo

Dentre os representantes de cervejaria,

estão o gerente Petrônio Bellini;

o subgerente Agostinho Solero; o

assistente da gerência, José Rodrigues

Pio Filho; o fabricante de chope recém

chegado da Alemanha, José Newmayer;

seu auxiliar, Frederico Muller; o chefe de

Vendas, Eugênio Van Gal. A maior atração

da festa de inauguração, na verdade,

foi Arthur Friendereich, que pela

sua fama se transformou em diretor da

Secção de Propaganda da Antarctica, o

que é hoje, Diretoria de Marketing.

Convidado por Carvalho, o chefe

do Distrito da Companhia Paulista de

Força e Luz, José Salles Gadelha, visivelmente

comovido, agradeceu a honra

que lhe foi oferecida para desatar a fita

colocada bem à frente da câmara. Ao

empresário, ele desejou prosperidade.

Carvalho, de calça e camisa de linho

branco, logo que iniciou sua saudação

disse que “não foi fácil inaugurar a câmara

frigorífica e que empreendeu muitos

esforços”. Segundo ele, a luta para a obtenção

do material necessário não foi das

mais fáceis. Em dado momento foi mais

incisivo: “Não fosse essa circunstância,

com o qual lutam hoje (1955) o comércio

e a indústria, teríamos concluído antes”.

Um dos convidados, o prefeito Antonio

Tavares Pereira Lima, que encerraria

seu mandato no final do ano,

agradeceu a Carvalho mais este melhoramento

que Araraquara recebia. Homem

simples, disse Pereira Lima, que

faz do trabalho sua precípua função

de vida, é um exemplo a ser seguido.

Alegre, folgazão, comunicativo, dá mais

alegria ao ambiente, completou.

Aos presentes, a família Carvalho

ofereceu logo após, salgados, champagne

e para completar um chope bem

gelado, como não poderia deixar de ser

para marcar a inauguração da câmara.

16


ANOS DOURADOS

No final de 1952, Adélia e Antonio

Rodrigues Carvalho, tinham oito filhos:

Loris, Luiz, Laércio, Lourival, Luci, Lucindo,

Laurindo e Lauro. Um dos filhos,

Lourival, faleceu em acidente aos 33

anos de idade; Laércio e Luís, partiram

mais recentemente. Porém, todos eles

tiveram uma convivência extremamente

feliz com a Distribuidora Antarctica

Carvalho, criada em 1945 na Rua Expedicionários

do Brasil, época em que

a cerveja tinha suas cotas de distribuição

divididas entre J. Rodrigues, Dias

Martins e os Irmãos Haddad. Todos

vendiam os produtos da Antarctica, até

que nos anos 70 ficou decidida uma

nova divisão para a venda da cerveja

em Araraquara: caberia a Tufik Haddad

a comercialização da linha férrea para

cima, ou seja a Vila Xavier: O restante

da cidade seria de Antonio Rodrigues

Carvalho que agora já contava com a

ajuda dos seus filhos.

Os negócios prosperaram tanto que

em 1978, Carvalho adquiriu o prédio da

Empresa Cruz que havia se transferido

da Rua Imaculada Conceição, para a

Rua Domingos Zanin, 264, no trevo da

Sachs. Ele deixava a Expedicionários

do Brasil, 1292 depois de 33 anos de

atividades.

Com isso, lembra hoje Lucindo

Carvalho, um dos seus

filhos, a empresa ganhou

projeção ainda maior tornando-se

um dos maiores revendedores

Antarctica do Estado, vendendo

quase 55 mil dúzias de garrafas de

cerveja por mês. A distribuidora antes

já havia adquirido uma outra área para

a construção de um prédio que abrigasse

suas atividades, optando contudo

em se instalar na antiga sede da Cruz.

A política das cervejarias em 1997

acabou colocando ponto final nos planos

de expansão da distribuidora, pois

nascia a Ambev unindo as centenárias

Cervejaria Brahma e Companhia Antarctica,

algum tempo depois, a Skol. A

distribuidora a exemplo das outras espalhadas

pelo País, fecharam as portas.

Dos filhos de Adélia e Antonio Rodrigues

Carvalho, alguns permanecem no

comércio: Lauro, possui um depósito de

secos e molhados; Laurindo trabalha

com produtos congelados e Lucindo,

materiais elétricos.

Carvalho, eufórico com a expansão da empresa

O depósito saiu da Rua Expedicionários do

Brasil e foi para a sede da Empresa Cruz que

acabou indo para a Domingos Zanin

Conserto do caminhão na oficina do

Peiró na Rua 2, em 1962

Com a compra do prédio da Empresa Cruz na Rua

12, a empresa vendeu a área do São José

Nosso pesquisador Roberto Dolfini com

Lucindo, um dos filhos de Carvalho

17


REGULAMENTAÇÃO

Sincomercio alerta

sobre a troca do Emissor

de Cupom Fiscal

O Sistema Autenticador e Transmissor (SAT) é um

hardware responsável pela geração do Cupom Fiscal

Eletrônico (CF-e), sua assinatura digital e transmissão

periódica à Secretaria da Fazenda, sem a necessidade

de o contribuinte intervir ou formatar arquivos – basta

que ele emita o documento fiscal pelo equipamento.

O Emissor de Cupom

Fiscal é um equipamento

de automação comercial

Visando alertar os empresários no

varejo com faturamento superior a R$

80 mil neste ano, o presidente do SIN-

COMERCIO, Antonio Deliza Neto, chama

a atenção para a necessidade da troca

do Emissor de Cupom Fiscal (ECF), que

Antonio Deliza

Neto, presidente

do SINCOMERCIO

Araraquara

passa a ser obrigado a utilizar o Sistema

de Autenticação e Transmissão de

Cupom Fiscal Eletrônico (SAT) a partir de

janeiro. “Quanto mais cedo o empresariado

fizer a migração menos transtorno

ele terá”, disse o dirigente do Sindicato

do Comércio Varejista ao lembrar que o

equipamento gera, autentica e envia ao

fisco o cupom fiscal de venda ao consumidor,

permitindo o acesso quase que

em tempo real do movimento

das vendas.

Essa é a sexta e penúltima

fase do calendário estabelecido

pela Secretaria da Fazenda

do Estado de São Paulo

(Sefaz) e vai atingir os microempresários

que usam atualmente

a nota fiscal em papel.

Em janeiro de 2018, entram na lista

de obrigatoriedade, estabelecimentos

comerciais ainda menores, com faturamento

acima de R$ 60 mil no ano anterior.

“Já estamos alertando o empresariado

sobre a obrigatoriedade do uso

do novo equipamento, principalmente o

comerciante que não tem familiaridade

com o ECF, que emite nota em papel e

tampouco possui um sistema informatizado

no estabelecimento”, destacou

Deliza que acredita em graves problemas

para aqueles que deixarem para

a última hora. “Não podemos esquecer

que em dezembro o foco fica com

as vendas no Natal”, alertou. “Se em

dezembro já estiverem migrados, a

empresa passou

no teste e evitará

grandes transtornos”,

acredita.

Para esses contribuintes,

o custo

total para cumprir

com a obrigatoriedade,

incluindo a

compra de impressoras, computadores

e o equipamento SAT, pode chegar a R$

3 mil, segundo os cálculos dos técnicos

governamentais. Para os lojistas que

serão obrigados a usar o equipamento

a partir de janeiro, atenção para as

regras adotadas pelo fisco que avisa: o

Para Deliza, é mais

uma obrigação com

custo elevado para o

varejista sem nenhum

tipo de contrapartida.

18


O prazo das impressoras fiscais

expirou e agora chegou o SAT.

Várias marcas estão disponíveis

no mercado bem como as

novas impressoras de cupons

comerciante que deixar para a última

hora pode trazer problemas para o próprio

negócio na hora de emitir o documento

fiscal ao consumidor final, além

de correr o risco de receber uma fiscalização.

“A Fazenda está controlando a

autorização para a impressão de novos

talões de notas fiscais e saberá quando

a empresa fará a migração”, alertou o

presidente.

Desde que a obrigatoriedade do uso

do SAT passou a valer para um grupo

de varejistas, em 1º de julho do ano

passado, alguns empresários estão se

interessando. Pelo cronograma estabelecido

pela Secretaria da Fazenda, que

leva em consideração o código de atividade

da empresa e faturamento, 30 de

junho do ano passado foi o último dia

para os contribuintes adquirirem o ECF,

caso não quisessem adotar o SAT. A opção

foi possível porque o fisco deu um

prazo de transição para os varejistas

que usavam o equipamento antigo há

menos de cinco anos, a partir da data

de lacração. Dessa forma, em junho de

2020, o SAT ocupará de vez o lugar da

antiga ferramenta.

Segundo Deliza, o prazo de validade

de todos os ECFs em uso são monitorados

periodicamente, diretamente do

portal do posto fiscal eletrônico. Com

base nesse levantamento e a proximidade

da data final para a substituição, os

contribuintes deverão se informar para

realizarem a troca. “Tanto o contribuinte

como a Sefaz sabem exatamente a data

de validade para o uso do ECF”, avisa o

dirigente, que, de acordo com a Sefaz,

mais de 68 mil estabelecimentos no Estado

de São Paulo já usam o novo sistema.

São mais de 90 mil equipamentos

instalados e ativos. Atualmente, existem

no mercado 10 fabricantes autorizados

a vender. A relação das empresas com

modelos aprovados pode ser encontrada

no site da Sefaz.

19


FATOS & FOTOS

CONTAS APROVADAS DÃO PAZ A MARCELO

Nos últimos meses Marcelo Barbieri esteve

entre o céu e o inferno por diversas vezes, tudo

por causa das contas públicas de 2012 e o

parecer favorável do Tribunal de Contas-SP

para reprová-las. Marcelo, fervoroso como

é, não abandonou as preces um só instante

e justificava o parecer desfavorável do TCE,

dizendo que os gastos foram contraídos na

construção de creches. Os gastos surgiram em

2012 e pagos no ano seguinte, porém feria o

artigo 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal.

As contas foram parar na Câmara Municipal

em agosto e para reverter a recomendação

feita pelo tribunal, o prefeito precisava de

dois terços da Câmara, ou então, os votos

de 12 vereadores. Para ele, prefeito, foi uma

barbada: venceu por 13 a 5 e o resultado o

livrou dos problemas políticos. Se a Câmara

não aprovasse as contas, Marcelo enfrentaria

problemas de ordem política: improbidade

administrativa e inegibilidade por 8 anos. O

histórico da Câmara aponta que jamais um

prefeito - com contas rejeitadas pelo Tribunal

- acabou sofrendo sanções impostas pela Lei

de Responsabilidade Fiscal. Na verdade, em

qualquer lugar deste País, nenhum prefeito

seria penalizado por conta de ter exagerado

na construção de creches ou escolas. Em

tempos de eleição, ele tem voto até da

oposição.

Marcelo Barbieri votando nas últimas eleições

PARECE QUE NÃO...

Produtores sem a

ponte que caiu

O Balanço de Vendas em Araraquara revela

que quem presenteou os pais em agosto, optou

por produtos de menor valor e comprados à

vista, como roupas, calçados e itens de uso

pessoal. Isso porque as comercializações à

vista aumentaram 11,4% na primeira quinzena

de agosto em relação a primeira quinzena de

julho. Porém, esse resultado é sazonal - pois

julho não contou com data comemorativa – e

está abaixo da média para esta época (+13%).

As vendas a prazo recuaram 3% na mesma

base de comparação, mostrando que os pais

não ganharam presentes duráveis, de maior

valor e comercializados a crédito. O que se

sentiu em agosto é que o consumidor não quer

novas dívidas e se as tivesse assumido neste

momento, teria que pagá-las provavelmente até

o ano que vem, daí entraria em pane com

o final do ano.

SUBINDO

Apesar da crise

econômica que

afeta o País e que

dificulta o repasse de

recursos financeiros

oriundos da União

e do Estado para os

municípios, a Prefeitura

de Araraquara se

antecipou e já quitou

a primeira parcela do

13º salário deste ano a

7.220 servidores

de Araraquara. O

total somou

R$ 7.295.620,82.

Não receberam a

antecipação do 13º

de 2016 os servidores

municipais contratados

no ano e os que estão

afastados.

DESCENDO

Está cada vez pior a

falta de médicos nos

postos de atendimento

e na UPA da Vila

Xavier. O secretário

da Saúde, Abelardo

Ferrarezi de Andrade,

quer levar para a Vila

o mesmo modelo

de terceirização

do quadro médico

implantado na UPA

central. Até pede

a compreensão da

Justiça do Trabalho,

que já questionou

a Prefeitura pela

contratação da OS na

UPA central. Abelardo

acha que as leis

trabalhistas devem

ser flexibilizadas.

SAUDADES DA TOCHA

O que marcou a passagem da tocha olímpica

por Araraquara foi a tietagem; todos queriam

guardar este momento histórico. E Bob Lee foi

um dos preferidos do público.

20


FRASE

“São objetos

pequenos mas de

alto valor. Hoje a

maioria dos furtos e

roubos de objetos são

os smartphones por

conta da mostragem

na caça aos

pokémons”.

Pokémon GO

lançado no Brasil

virou loucura

Comentário do Capitão Rogério Reis, da

Polícia Militar, sobre o aumento acelerado de

ocorrências que envolvem aparelhos celulares.

Os roubos na atualidade atingem 40% a mais

e dentro deste índice pelo menos 80% são de

celulares, pois as pessoas “distraidamente” ficam

caçando os bichinhos em praças e vias públicas.

LOYOLA LANÇA LIVRO

O escritor Ignácio de Loyola Brandão lançou

em agosto em Joinville, Santa Catarina, o livro

“Construindo o Futuro”, que narra a história

do Grupo Tigre e mostra o trabalho da Família

Hansen. A marca Grupo Tigre está completando

75 anos de atividades, trabalhando em tubos e

conexões sempre com forte apelo publicitário.

PRESTANDO CONTAS

Foi realizada em agosto, no plenário da Câmara

Municipal, Audiência Pública de Prestação de

Contas do Primeiro Quadrimestre de 2016 da

Secretaria Municipal de Saúde, com participação

do secretário municipal de Saúde, Dr. Abelardo

Ferrarezi de Andrade, além de técnicos e

funcionários da secretaria municipal. Norma

Tositto, coordenadora da Saúde, fez a primeira

apresentação mostrando os procedimentos nas

unidades de saúde de toda a cidade, como

atendimentos odontológicos, os registros das

UPAS, das unidades de suporte básico e suporte

avançado, ambulatório de especialidades,

saúde da mulher, NGA-3, Espaço Crescer, CRJA,

CRASMA, gerência de reabilitação, entre outros.

Para exemplificar, somente nas 10 unidades sem

o PSF foram mais de 135 mil procedimentos,

nos PSF mais de 89,4 mil, mais de 21 mil

procedimentos odontológicos e nas UPAs, Central

e da Vila Xavier, 327.478 procedimentos por

especialidade.

Norma Tositto, coordenadora da saúde,

durante a prestação de contas

TECNOLOGIA

Sicoob lança a Sipag, a

máquina dos bons negócios

O SICOOB em Araraquara

dá mais um importante

passo para consolidar seu

posicionamento na indústria

de meios eletrônicos de

pagamentos, disponibilizando

a SIPAG, uma maquininha

sem taxa de adesão e com

a menor mensalidade do

mercado.

Durante muitos anos, o mercado

conhecia apenas duas formas de pagamento:

Através de dinheiro vivo ou então

através do velho talão de cheques. Muitos

anos se passaram sem novidades,

até que o cheque, fragilizado pelos altos

índices de emissões de cheques sem

fundos, praticamente caiu no descrédito.

Com a evolução da tecnologia, chegou

o momento da supremacia das maquininhas

de cartões. E infelizmente, diz

o diretor administrativo do SICOOB Araraquara,

Walter Francisco Orloski, o mercado

acabou refém de duas grandes e únicas

operadoras. Aluguéis das máquinas

elevados, tarifas sobre as vendas abusivas,

capturou uma parcela importante

dos lucros dos empresários. Mesmo assim,

alguns grupos de empreendedores

unidos (como os postos de gasolinas),

até que conseguiram negociar tarifas um

pouco mais diferenciadas. Com o tempo,

a situação começou a ficar um pouquinho

mais justa quando apareceram as

primeiras operadoras concorrentes.

A NOVIDADE

No entanto, a mudança de fato

mais expressiva aconteceu com o sur-

21

SIPAG, a

maquininha

do SICOOB

Menos de um ano e meio após seu

lançamento, a maquininha do sistema

Sicoob já está presente em mais de 10

mil lojas, restaurantes, supermercados e

outros estabelecimentos por todo o país.

gimento da máquina SIPAG. Com custos

de longe muito mais atraentes, tecnologia

superior, tarifas mais justas, com

tudo de bom que uma operadora poderosa

pode oferecer, a SIPAG chegou para

transformar a realidade do mercado de

pagamentos. Orloski hoje, apresenta a

SIPAG como a máquina do SICOOB que

é o maior sistema cooperativo do país.

E o SICOOB como todos já sabem, não

tem a finalidade de lucro.

Informações sobre a SIPAG e negociações

na sede do SICOOB Araraquara,

na Avenida Barroso, 350 ou através do

telefone (16) 3331.2170.


ALERTA AO EMPRESARIADO

Vilage anuncia lista negra de

empresas fraudadoras do INPI

Com atuação em todo o território nacional e em alguns países, a Vilage Marcas e Patentes que

também mantém representação em Araraquara, acaba de divulgar os nomes de empresas que

vêm ocasionando prejuízos às empresas, muitas delas da nossa cidade.

Em nota a VILAGE Marcas e Patentes

divulgou no final de agosto, as empresas

que fazem parte de uma lista

Negra do INPI, consideradas fraudadoras

por emitirem boletos e se identificam

como parceiras do INPI (Instituto

Nacional de Propriedade Industrial),

com abordagens intimidatórias.

A Vilage solicita que ao receber

qualquer comunicado ou boletos bancários

das empresas abaixo, o empresário

deve desconsiderar o documento.

EMPRESAS

•Ability Consultoria em Marcas e

Patentes

•ABRAMPI – Agência Brasileira de

Marcas, Patentes e Produtos Intelectuais

•Agência Nacional de Marcas e

Patentes

•Agência Nacional de Marcas, Patentes

& Produtos – ANAMPP

•ALPI Consultoria

•ANNPI – Associação de Gestão em

Propriedade Industrial

•Anuário de Marcas e Patentes”,

•Arquivo Nacional de Marcas e

Patentes

•Assessoria Central em Marcas

•Assessoria Consulcred

•Assessoria de Comércio e Indústria de

São Paulo

•Assessoria do Comércio e Indústria

•Assessoria do INPI Federal - a

empresa não é credenciada, nem tem

parceria ou qualquer vínculo com o

INPI

•Assessoria em Marcas e Patentes –

MARCNET

•Assessoria Empresarial de São Paulo

•Assessoria Jurídica do INPI - a

empresa não é credenciada, nem tem

parceria ou qualquer vínculo com o

INPI

• Assessoria Logo

•Associação das Markas

• Associação de Gestão em

Propriedade Industrial - ANNPI

• Associação de Propriedade Industrial

Marcas e Patentes – APIMPI

• Associação em Propriedade

Industrial em Marcas e Patentes

•Associação Nacional de Propriedade

Industrial e Intelectual – ANPII

•Associação Nacional dos Inventores

– ANI

•AUTHENTICA Assessoria em Marcas

e Patentes

•Banco Nacional de Marcas

•Boletim Federal de Marcas – BMF

•Cadastro Brasileiro de Marcas e

Patentes Ltda.

•Cadastro Brasileiro de Marcas

•Cadastro Nacional Assessoria da

Propriedade Industrial

•Catálogo de Marcas e Patentes -

CMP

•Central Assessoria Empresarial em

Marcas Ltda.

•Central Marcas de São Paulo

(Propriedade Comercial de São Paulo)

•CIPE Consultoria

• Clube da Marca

•Conselho Mundial de Marcas S/C

Ltda”, (que se tornou Consulte

Global Assessoria Empresarial Ltda.

Me ou Pública Gestão em Negócios

Empresariais Ltda.)

•Consulte Global Assessoria

Empresarial Ltda. ME” (ou Conselho

Mundial de Marcas S/C Ltda ou

Pública Gestão em Negócios

Empresariais Ltda.)

•Cooperativa Nacional SP

•Coopermarcas Comércio e Serviços

Ltda. ME

•D’Meireles Marcas e Patentes

•DGM - Consultoria em Propriedade

Industrial

22

•Diretoria Marcas e Patentes - a

empresa não é credenciada, nem tem

parceria ou qualquer vínculo com o INPI

•Distrito Marcas e Patentes Ltda.

• DNA - Brasil Consultoria e Gestão de

Marcas

•DNA - Brasil Gestão de Marcas

•E. B. Almeida Patentes

•Edição Anual de Marcas e Patentes

•Edlaine dos Santos ME

•Emplaca Assessoria da Propriedade

Industrial

•Emplaca Assessoria

•Empresarial Assessoria

•Exclusiva Marcas e Patentes

•Federação Brasileira de Marcas e

Patentes – FEBRAMPA

•Federação de Marcas e Patentes –

FEMAP

•Federação Nacional das Marcas -

FENAM

•Federação Paulista em Propriedade

Industrial – FEPPI

•FENAN - Gestão e Consultoria de

Marcas

•Guia de Marcas Registradas Junto ao

INPI

•Guia de Marcas

•Impacto Tecnologia de Mídias

•Informativo Nacional de Marcas - INM

•Instituto Brasileiro de Marcas -

IBRAMAR

•Instituto das Marcas EIRELI

•Instituto das Marcas

•Instituto de Proteção Marcária Mundial

Ltda – INPROMM

•Instituto Nacional da Propriedade

Industrial e Comercial

Instituto Universal de Marcas

•IRN Informativo de Registro de Marcas

EIRELI - ME

•Intelecta Gestão de Marcas

•JLAMP Assessoria da propriedade

Industrial S/C Ltda

•Markas Registro de Marcas e Patentes


•Mercosul Marcas e Patentes

•MN Publicação Mundial

•MP BRASIL

•MPM Marcas e Patentes Ltda.

•Orleans Marcas e Patentes S/C

Ltda.

•Orleans Marcas e Patentes

•Patrimônio Nacional Marcas e

Patentes

•Potência Marcas e Patentes

•Preventiva Marcas e Patentes Ltda.

•Procuradoria MP

•Procuradoria Nacional da

Propriedade Industrial” - a empresa

não é credenciada, nem tem parceria

ou qualquer vínculo com o INPI

•Procuradoria Nacional

•Programa Nacional Registro

Simplificado

•Promapa Assessoria em

Propriedade Intelectual

•Propriedade Comercial de São

Paulo (Central Marcas)

•Pública Gestão em Negócios

Empresariais Ltda. (antes Conselho

Mundial de Marcas S/C Ltda, que se

tornou Consulte Global Assessoria

Empresarial Ltda. Me)

• Publica Online

• Publicação Brasileira de Marcas -

PBM

•Publicação Federal de Marcas e

Patentes – PFMP

•R Ramos Marcas e Patentes

•Real Brasil Publicação de Marcas e

Patentes – RBPMP

•Registro Oficial Marcas e Patentes

•Registro Valoriza Assessoria

Empresarial Ltda. ME

•Revista Anual de Marcas Ltda ME.

•S Carvalho Propriedade Industrial

•Sanchez & Carvalho

•Souza Marcas e Patentes - ME

•Talent Propriedade Intelectual

•Território Nacional Assessoria em

Marcas e Patentes – TERNAMP

•TM Banco de Dados Ltda.

•TradeMark

•União Brasileira de Marcas

Registradas – UBRAM

•UNIBRASMAR

•Única Marcas e Patentes

Silvio Rabelo, consultor da Vilage Marcas e

Patentes, uma das empresas mais conceituadas

em nosso País, com representação em

Araraquara; a ligação da Vilage com a cidade

é muito forte, pois ela sempre está presente aos

eventos comerciais e industriais, demonstrando

afetividade com a nossa gente

23


MERCADO IMOBILIÁRIO

Nova Imóveis

& Negócios

Araraquara possui um dos

maiores mercados imobiliários

da região. A chegada da Nova

Imóveis fortalece ainda mais

o setor pela forma com que

a empresa trabalha.

Em maio de 2015, nascia em Araraquara

a Nova Imóveis & Negócios. Com

objetivo de agregar valor ao mercado

imobiliário da cidade e região, a empresa

sempre teve como principal meta, o

atendimento personalizado ao cliente,

buscando uma proximidade entre as partes,

que cada vez fica mais extinta nesse

segmento.

“Na Nova Imóveis & Negócios, o

cliente pode comprar, alugar ou construir,

pois a nossa forma de conduzir o negócio

é bastante diferenciada, fazendo com

que ele se sinta à vontade, e dessa forma,

possa tomar uma decisão mais tranquila

e segura”, explica Cesar Torquato,

proprietário da imobiliária que em curto

espaço de tempo, tornou-se em uma das

mais concorridas do mercado.

Segundo o empresário, a empresa

trabalha durante toda a semana, inclusive

aos feriados, pois “a nossa empresa

se adequou aos padrões atuais do mercado

imobiliário”. E faz até mesmo uma

sugestão: “Se você está procurando uma

casa, chácara, terreno ou apartamento

para comprar, trocar ou alugar, pode nos

Cesar Torquato, proprietário da Nova Imóveis

& Negócios em Araraquara

ligar a qualquer momento do dia ou da

noite”. Para isso, assegura o empresário,

entendemos que atualmente o espaço

de tempo que as pessoas possuem para

negociar ou adquirir uma propriedade,

está cada vez mais escasso e devido

a isso, atendemos em qualquer dia e a

qualquer hora”.

A Nova Imóveis & Negócios está inscrita

sob o CRECI 135.619-F e é de propriedade

de Cesar e Marcia Torquato.

“Somos a única imobiliária localizada

na Vila Harmonia, mais precisamente na

Rua Napoleão Selmi-Dei, 1058, próxima

à Escola Pueri Domus. Nossa sede é própria

e possui o conforto necessário para

melhor atendê-lo”, completa Cesar Torquato,

do ramo de imóveis.

Na agradável conversa com a Revista

Comércio, Indústria e Agronegócio, Cesar

deixou um convite: “Venha nos fazer uma

visita e tomar uma café fresquinho. Esperamos

corresponder a sua expectativa e

orientá-lo a fazer um grande negócio”.

Para Eliana Pereira, corretora da Nova

Imóveis & Negócios, o desenvolvimento

econômico da cidade tem contribuído de

forma decisiva para o fortalecimento do

setor imobiliário: “Empresas que aqui se

instalam também trazem diretores e funcionários

e o movimento ajuda a cidade a

gerar empregos e divisas”, afirma.

ATENDIMENTO / SERVIÇOS

Nova Imóveis & Negócios

Rua Napoleão Selmi Dei, 1058

Vila Harmonia

Fone: 16 3010-9208

Eliana Pereira, corretora da Nova Imóveis &

Negócios em Araraquara

24

Venda e Locação de Imóveis

www.novaimoveisenegocios.com.br


Foi dada a largada. No dia

2 de outubro, domingo de

primavera, das 8h às 17h,

163.816 eleitores estarão

aptos a votar em Araraquara,

escolhendo 18 vereadores e

um prefeito ou uma prefeita

para administrar a nossa

cidade por 4 anos. Como

ainda não temos um total de

200 mil eleitores, será turno

único, sendo o voto obrigatório

para pessoas entre 18 e 70

anos, alfabetizadas e voto

facultativo para pessoas entre

16 e 18 anos, acima de 70

anos e analfabetos.

CANDIDATOS A PREFEITO

COLIGAÇÃO: Força da Honestidade

PDT / PMDB / DEM / PV / PEN / SD

Prefeito: Aluisio Boi

Vice: Renato Haddad

COLIGAÇÃO: O melhor para Araraquara

PP / PT / PR / PC do B

Prefeito: Edinho Silva

Vice: Damiano Barbiero Neto

COLIGAÇÃO: Nossa Morada

PSDB / PPS / PSC / PSD / PTB

Prefeita: Edna Martins

Vice: Coca Ferraz

COLIGAÇÃO: Coragem para Mudar

PSB / PRP / PPL / PMB / PHS

Prefeito: Nino Mengatti

Vice: Valdir Massucato

COLIGAÇÃO: Um novo Caminho

PRB / REDE / PRTB / PSDC / PTC / PSL / PTN

Prefeito: João Farias

Vice: José dos Reis Santos Filho

CÉLIO PELICIARI é candidato a prefeito de

Araraquara pelo PSOL (Partido Socialismo

e Liberdade)

Vice: Talissa Generoso

PARA VEREADOR

Em 2016 - são 354 candidatos a vereador, disputando 18 vagas. De

acordo com a legislação eleitoral, cada partido ou então coligação necessita

atingir um quociente eleitoral (são os votos válidos divididos pelo número

de cadeiras - 18), para eleger pelo menos um vereador. De acordo

com as previsões, talvez sejam necessários cerca de 6 mil votos para que

seja eleito - um vereador.

A matemática é simples: se o partido ou então a coligação receber 6

mil votos, elege um; se alcançar 12 mil votos, elege dois. Os dois mais

votados neste caso dentro do partido ou coligação serão eleitos.

25


Edinho destaca vocação de Araraquara

como centro logístico e de inteligência

Candidato a prefeito detalha

suas propostas para o

desenvolvimento econômico

da nossa cidade e da

importância da economia

criativa, solidária e sustentável.

O candidato a prefeito Edinho Silva,

da coligação “O Melhor Para Araraquara”,

destaca nos seus encontros com

a classe empresarial do município, a

vocação natural da cidade como polo

logístico e de inteligência no interior

de São Paulo. Para Edinho, Araraquara

tem um grande potencial inexplorado

para o desenvolvimento da economia

criativa, solidária e sustentável, daí seu

empenho em buscar o fortalecimento

do empreendedorismo.

Além de produção de pesquisa de

altíssima qualidade, Araraquara tem a

vantagem de estar localizada estrategicamente

no coração do estado mais

rico do Brasil.

“Araraquara é cortada por rodovias

que ‘aproximam’ a cidade aos principais

portos do Brasil. Além disso, é

servida por uma ferrovia que corta São

Paulo, fazendo entroncamento com os

próximos eixos ferroviários do país e a

cidade está a 100 quilômetros da hidrovia

Tietê Paraná”, explica Edinho. Essa

é uma das estratégias que o candidato

adotará em sua administração para

criar no município, um ambiente favorável

à atividade econômica.

Edinho Silva explica as linhas gerais de seus projetos para o desenvolvimento econômico na cidade

e no campo

Outra proposta é incentivar centros

de pesquisa, desenvolvimento e inovação

em setores como Tecnologia da

Informação, ferroviário, aeronáutico, de

energia e sustentabilidade. “Possuímos

instituições de ensino superior na área

de pesquisa, que podem ser um celeiro

de novos negócios e empregos. Criaremos

o Instituto Municipal de Inovação,

que fará parceria com as universidades.

Também reorganizaremos as incubadoras

de empresas, com destaque

para iniciativas startups e economia

solidária”, acrescenta.

O Programa de Governo de

Edinho prevê, ainda, incentivos

de gestão, fiscais, econômicos

e financeiros, além de parcerias

com órgãos de fomento

para facilitar acesso ao crédito

para as micro, pequenas e médias

empresas.

Edinho Silva com o seu

vice Damiano Barbiero Neto

Para divulgar a capacidade produtiva

e econômica de Araraquara, Edinho

retomará a Facira e a Fepagri, além

de estimular o turismo de negócios,

eventos, cultural, gastronômico e rural.

“Também trabalharemos para reabrir

o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão”,

destaca.

Como prefeito, Edinho dialogará,

como sempre fez, com a população e

com os representantes do comércio

para implementar ações que recuperem

e modernizem o setor. “Criaremos

ainda uma política de qualificação profissional

associada à geração de trabalho

e renda”, afirma.

Edinho fomentará a agricultura orgânica

e agroecológica e aproximará

as universidades dos produtores rurais

para produção de alimentos saudáveis

e técnicas sustentáveis de manejo.

“Também criaremos programas de incentivo

ao pequeno e médio produtor

rural e recuperaremos as estradas rurais”,

conclui.

26


Boi e Renato Haddad são taxativos:

“Araraquara não pode parar”

Aluisio Boi anunciou no final

de agosto que o seu objetivo

e do vice Renato Haddad, é

posicionar Araraquara no

patamar das principais cidades

inovadoras e criativas do

país, através de incentivos

e instrumentos de fomento

apropriados.

“Como todos sabem, vivemos uma

crise econômica e política acentuada,

como há quase 80 anos não víamos no

país. O desemprego no Brasil é o 7º maior

do mundo em ranking com 51 países.

Segundo o IBGE, a população desocupada

no Brasil chegou a 11,8 milhões de

pessoas em julho. No acumulado nos 7

primeiros meses de 2016, o país perdeu

623 mil empregos formais. Julho foi o 16º

mês seguido de fechamento de vagas

com carteira assinada”. O comentário foi

feito em um dos encontros mantidos pelo

candidato a prefeito Aluisio Boi, quando o

tema era o desenvolvimento econômico

da nossa cidade.

Segundo o candidato do PMDB, “essa

realidade enfraquece o nosso país no cenário

nacional, mas, o resultado é sentido

dentro de nossas próprias casas. Por isso,

diz Boi, temos que fortalecer medidas e

começar internamente. E, é nesse sentido,

que Araraquara sai na frente, com

a atração de grandes empresas como

a Hyundai Rotem, Big Dutchman, Brado

Logística e outras, que reforçam o nosso

esforço para impulsionar a economia.

Para Aluisio Boi, que tem como vice

Renato Haddad, ex-presidente da Associação

Comercial e Industrial de Araraquara

e secretário municipal de Desenvolvimento

Econômico, mesmo com tantas

dificuldades, o nosso município é o 44°

mais inteligente do Brasil, entre aqueles

que oferecem soluções para driblar a

Aluisio Boi tem como vice, Renato Haddad e conta com a experiência do ex-presidente da

Associação Comercial e Industrial de Araraquara e secretário de Desenvolvimento Econômico,

para fortalecer os setores da indústria, comércio e serviços

crise e continuar a ser um dos melhores

para se viver. Mas é preciso continuar a

investir e fortalecer todos os segmentos

da nossa economia, como o desenvolvimento

de produtos turísticos voltados

aos esportes, negócios, aventura, rural,

ecológico, religioso e cultural, além do

apoio ao trabalho artesanal, como forma

de incentivar a economia e a geração de

emprego para muitas famílias. Outro estímulo

importante é a criação de polos de

empreendimentos da economia criativa,

visando a geração de empregos e oportunidades

aos jovens talentos de Araraquara,

enfatiza o candidato.

Essas são apenas algumas medidas

que, junto com a política apresentada por

esse governo, fortaleceremos novamente

a nossa economia, com a geração de emprego

e renda.

Já o vice, Renato Haddad, admite que

27

outro objetivo é fortalecer o plano de desenvolvimento

empresarial do município,

por meio da reversão dos valores obtidos

com doação e permissão de uso de terrenos

no município. Com essa iniciativa, poderemos

revitalizar e realizar melhorias

de infraestrutura dos distritos e instalar

de forma organizada novos empreendimentos

empresariais.

Outro assunto debatido por Boi e Renato

Haddad, nas reuniões com a classe

empresarial, é a necessidade do município

descentralizar o serviço de formalização

e atendimento a empreendedores.

Segundo eles, é preciso realizar atendimentos

itinerantes da sala do empreendedor

nos bairros e nas concentrações

de empreendimentos informais, favorecendo

o acesso dos empreendedores à

informação, orientando, conscientizando

e capacitando os pequenos empresários.


Nino Mengatti e Massucato querem

criar o Poupatempo Municipal

Ao anunciar seu plano de

governo, Nino Mengatti

destaca a falta de emprego

e de incentivo para os

comerciantes. Ele também

fala de forma objetiva, que

os funcionários municipais

precisam estar motivados.

De acordo com Nino Mengatti, candidato

a prefeito pelo PSB, tendo como

vice Valdir Massucato, Araraquara sempre

foi uma cidade pioneira e se destaca

por suas diversas personalidades

e intelectuais. Araraquara sempre foi

uma locomotiva, que movia a indústria,

a cultura e o desenvolvimento. Mas nos

últimos anos, tomou o posto de vagão.

Para Nino, a Morada do Sol é uma

cidade tão rica, com pessoas trabalhadoras,

mas que estão abandonadas

e sem perspectiva de mudança. “Por

isso, Araraquara precisa de um agente

de transformação, precisa de pessoas

com coragem e disposição para solucionar

os problemas que a nossa população

enfrenta todos os dias”, explica.

Ao falar de desenvolvimento econômico,

Nino Mengatti é claro: “Percebendo

a estagnação da nossa cidade,

dialogando com as pessoas e com a

vontade de fazer a mudança que a cidade

precisa, lancei minha candidatura

à prefeitura de Araraquara. E como não

é possível realizar grandes transformações

sozinho, convidei Valdir Massucato

para fazer parte deste movimento

que cada dia ganha mais força”.

Segundo o candidato, “o seu principal

compromisso com a população é

a reabertura do Hospital Beneficência

Portuguesa, pois a saúde de Araraquara

está na UTI. Nossas UPAS estão

sobrecarregadas, sem infraestrutura

e deixando milhares de cidadãos sem

atendimento digno e humano”.

Valdir Massucato (vice) ao lado do candidato a prefeito Nino Mengatti, durante a convenção do

partido e apresentação do programa de governo

Uma outra proposta dele, é informatizar

todo o setor de saúde, para identificar

as necessidades da população

e conseguir oferecer um atendimento

mais eficiente e moderno.

Além da saúde, outra reclamação

frequente dos araraquarenses, lembra

o candidato, é a falta de emprego e de

incentivo para os comerciantes. É necessário

ajudar as empresas e comércios

locais e valorizar quem gera renda

e emprego no município. Os empreendedores

precisam ter oportunidades de

ampliar seus negócios, gerarem receita

para o município e mais empregos para

a cidade. E além disso, é preciso capacitar

os trabalhadores, pois fortalecendo

a economia local, é possível enfrentar

a crise econômica na qual o país se

encontra, argumenta Nino Mengatti.

Em dado momento da sua fala, Nino

chega a ser mais austero: “A prefeitura

precisa fazer a cidade funcionar. Por

isso, apresentamos propostas para valorizar

o funcionalismo público. Os servidores

precisam estar motivados para

garantir bom atendimento para a população

e ajudar a impulsionar a cidade

para novos tempos”.

Em seu plano de governo, Nino e

Valdir Massucato destacam outra proposta

que é a criação de unidades do

Poupatempo Municipal em três grandes

regiões da cidade, com servidores

de carreira que entendem os problemas

de cada setor e conseguem resolvê-los.

Ele lembra que o seu projeto para

Araraquara foi construído com a ajuda

de muitas mãos. Cidadãos, servidores,

empresários, estudiosos e especialistas

de cada segmento ajudaram a elaborar

propostas reais que conseguem

resolver os problemas da cidade.

E conclui: “A população está cansada

de promessas mirabolantes e eleitoreiras

que nunca são cumpridas. É

preciso escolher um gestor que entende

a máquina pública e conhece os caminhos

para resolver os desafios que a

cidade enfrenta. Araraquara quer uma

nova ideia, e para isso, estamos prontos”,

conclui.

28


Edna e Coca defendem ações

de apoio ao empreendedorismo

Com o apoio do governador

Geraldo Alckmin e do deputado

Roberto Massafera, Edna

e Coca garantem que vão

trabalhar visando atrair novos

investimentos para o município.

Edna Martins,

candidata a

prefeita e Coca

Ferraz, candidato

a vice-prefeito

A socióloga Edna Martins, candidata

a prefeita e o engenheiro Coca

Ferraz, candidato a vice-prefeito pela

Coligação Nossa Morada, defendem

propostas para estimular o empreendedorismo

em Araraquara. Além de atrair

novos investimentos, Edna afirma que

é preciso apoiar as empresas aqui já

instaladas, que são as grandes geradoras

de empregos, tributos e riqueza.

“Vamos criar um Conselho de Empreendedores

Municipais com vistas a aprimorar

a relação do poder público com

as empresas e empreendedores locais

e a construção de uma pauta de trabalho

que desburocratize procedimentos,

sendo criada uma agenda municipal/

regional de desenvolvimento para ampliar

mercados”, afirma Edna.

No programa de governo da coligação

Nossa Morada estão previstas

outras ações de apoio ao empreendedorismo,

como a ampliação da Incubadora

de Empresas e parcerias com os

sindicatos empresariais e de trabalhadores,

universidades, sistema S (SENAI,

SESI, SENAC e SESC), governos estadual

e federal com o intuito de qualificar e requalificar

os trabalhadores.

O deputado Roberto Massafera

com Edna Martins e Coca Ferraz

29

Com o apoio do governador Geraldo

Alckmin e do deputado Roberto

Massafera, Edna e Coca vão trabalhar

para atrair novos investimentos para o

município. Entre as prioridades estão a

implantação de um Parque Tecnológico

e o estímulo à criação de polos de empreendimentos

da economia criativa -

propaganda, artesanato, design, moda,

filme e vídeo, software, edição, jogos de

computador - no centro e nos bairros.

Coca Ferraz enfatiza a importância

de incentivar a criação e formalização

de microempresas e microempreendedores

individuais e apoiar a produção

e o comércio artesanal “como uma das

opções à geração de trabalho, emprego

e renda”.

“Devemos fazer com que Araraquara

se torne uma cidade empreendedora,

colocando a riqueza gerada a serviço

da melhoria das condições de vida

da população”, finaliza Edna.


ARTIGO

Dr. Othon diz que Saúde tem jeito: é preciso

planejamento e eficiência nos gastos

Artigo do médico Othon

Amaral Neto retrata a

situação da Saúde Pública

em Araraquara e traça

recomendações que podem

possibilitar um atendimento

mais ágil e humano para

quem necessita.

por: OTHON AMARAL NETO

As dificuldades pelas quais o país

passa são sentidas em todos os

setores da economia, é verdade, e não

seria diferente com relação à saúde.

Porém, é preciso ressaltar alguns

aspectos da gestão municipal que, se

usados com eficiência, minimizariam

os problemas da saúde pública.

Em Araraquara, a gestão em saúde é

realizada com plena autonomia pela

Secretaria de Saúde do município com recursos do Fundo

Municipal de Saúde provenientes do município, do estado

e da união em proporções definidas por lei, que não

apresentam variações anuais importantes. Desse modo,

é preciso fazer um planejamento sério e eficiente desses

gastos.

Então, vejamos: a atenção à saúde primária (que previne

complicações maiores, como infarto do coração, acidente

vascular cerebral, amputações de membros, entre

outras; e doenças extremamente prevalentes que podem

ser controladas, como diabetes, hipertensão arterial,

dislipidemia, tabagismo, etc.), atinge atualmente pelo

Programa de Saúde da Família 40% da população. O ideal,

no entanto, seria que alcançasse no mínimo 70%.

O investimento na atenção primária é eficiente, pois

diminui a necessidade de recursos para a atenção

secundária (realização de exames e consultas de

especialidades médicas), porque faz a prevenção de

doenças. Quanto a atenção terciária, que é a situação

mais sensível à população, seja no atendimento de

emergência nas UPAs, seja no atendimento e internação

hospitalar, o desequilíbrio gerado por um mal atendimento

de emergência sobrecarrega as internações hospitalares,

Othon Amaral Neto é cirurgião cardiovascular

cujo limite reembolsado é definido por contrato pela

prefeitura e pela Santa Casa. O que isso quer dizer? Quer

dizer que a Santa Casa recebe um teto de internações

geradas pelo município e está bem preparada para

cumprir esse teto. Com o funcionamento precário das

UPAs como vemos atualmente (UPAs sem médicos e UPA

central com corpo médico terceirizado, não da cidade),

ocorre sobrecarga no hospital com internações que

podiam ser evitadas e há postergação no atendimento

a pacientes necessitados. Abrir um novo um hospital

na cidade sem recursos nem corpo médico não

resolveria nada; o que urge e é necessário, é melhorar

a resolutividade das UPAs e expandir o atendimento

primário, este sim um investimento eficiente.

Por fim, vale lembrar que Araraquara já tem um desenho

populacional em saúde semelhante ao de países

desenvolvidos (com baixa natalidade, aumento da

população com mais de 60 anos em relação aos menores

de 14 anos, prevalência de doenças cardiovasculares

e câncer), o que impõe ao novo governante, dar a essa

população de idosos a mesma atenção que vem sendo

dispensada à população materno-infantil.

* é candidato a vereador pelo PSDB

30


31


BRILHANTE TRAJETÓRIA

Sescon-SP, 67 anos

de histórias de lutas

Em texto especial e exclusivo

para a RCI, Wladimir Carlos

Bersanetti Rodrigues, diretor

do SESCON-SP Regional

em Araraquara, descreve a

trajetória da entidade em

nosso Estado e o trabalho que

ela tem abraçado desde sua

instalação na cidade como

Regional.

Este início de século vem sendo marcado

por novos paradigmas, entre eles o

poder dado à informação. Em virtude disso,

o segmento contábil tem conquistado

o reconhecimento da sociedade, que percebeu

o papel efetivo da contabilidade:

um grande instrumento de gestão.

Wladimir Carlos

Bersanetti Rodrigues

à frente do Sescon-SP

Araraquara

Ao lado deste reconhecimento, vêm

inúmeros desafios à categoria, que precisa

de flexibilidade diante das constantes

mudanças tecnológicas, fiscais e legislativas,

enfrentar um dos sistemas tributários

mais complexos do mundo e uma

das inteligências fiscais mais avançadas.

Dessa forma, o SESCON-SP tem a

missão de dar suporte e auxiliar as empresas

de contabilidade a superar estes

desafios.

São 67 anos de história de lutas pela

valorização do segmento, pela desburocratização,

redução da carga tributária

e melhoria do ambiente empreendedor.

Ficamos orgulhosos com as vitórias que

conquistamos, ao lado de outras entidades:

o fim da CPMF, a criação do Microempreendedor

Individual, os avanços no Simples

Nacional, a transferência de anexo e

redução da carga tributária para as empresas

contábeis optantes pelo sistema

simplificado de tributos e muito mais. Uma

Entidade servidora, que cumpre o seu papel

em nome de seus representados.

Por tudo isso, neste 22 de setembro,

data em que se comemora o Dia do Contador,

só temos a celebrar, pois a categoria

tem sido percebida efetivamente pelo

papel de facilitadora do desenvolvimento

e tem cumprido com maestria todos os

desafios que se apresentam.

32


UNIÃO DOS CONTABILISTAS

O que tem se observado ao longo do

tempo em nossa cidade, é a união da

classe dos contabilistas, tão respeitada

e imprescindível para o País. Só mesmo

através deste companheirismo profissional,

as ações poderiam ser mais ágeis

e atingir seus objetivos, fortalecendo os

ideais de quem, por dom, por opção, seria

o servidor de uma carreira tão significativa

- o antigo guarda-livros e depois

contador. E neste mês de setembro, merecidamente

as atenções estão voltadas

para esta classe tão nobre, representada

pela AESCAR (Associação das Empresas

de Serviços Contábeis de Araraquara e

Região), SINCOAR (Sindicato dos Contabilistas

de Araraquara e Região) e o

SESCON-SP (Sindicato das Empresas de

Serviços Contábeis e das Empresas de

Assessoramento, Perícias, Informações e

Pesquisas no Estado de São Paulo). Há

que se louvar também neste processo, a

participação da JUCESP, pelos seus laços

de trabalho com a classe contábil.

Marcos Henrique Duó, presidente

da AESCAR em Araraquara

Geraldo Luís Tampellini, presidente do

SINCOAR Sindicato dos Contabilistas de

Araraquara e Região

Sede do SESCON-SP Regional Araraquara, SINCOAR e

AESCAR, entidades voltadas para a classe contábil

A JUCESP em Araraquara também é

administrada por um contabilista: Orlando

Bonifácio Martins

33


Os efeitos da confiança dos

agentes na economia

A economia brasileira atualmente encontra-se em crise. A opinião dos economistas diverge em

relação aos principais motivos que levaram o país para baixo, mas há certo consenso em dizer que

o aprofundamento desse cenário se deu em uma crise de confiança dos agentes na economia.

“A confiança é um elemento fundamental

para determinar as ações dos

agentes, em conjunto com outros fatores,

principalmente em relação às variáveis

de consumo e investimento”. O comentário

é da pesquisadora do Núcleo de

Economia do Sincomercio que trabalha

em parceria com o Núcleo de Extensão

em Conjuntura e Estudos Econômicos da

UNESP-Araraquara, Délis Magalhães.

Segundo ela, se os consumidores ou

empresários não estiverem confiantes

de que o país se enquadra em um bom

cenário econômico, dando possibilidades

de crescimento de renda e receita, eles

não irão optar por consumir ou investir,

mas sim por manterem-se cautelosos.

A confiança dos agentes também tem

uma íntima relação com as expectativas,

que são nada mais do que previsões futuras

sobre o bem-estar do cenário econômico

que conduzirão as ações do empresário

e do consumidor.

Délis lembra que “os agentes buscam

sempre a estabilidade e a menor possibilidade

de risco em suas ações, ou seja,

para sentirem-se seguros precisam dispor

de informações relevantes sobre as variáveis

econômicas e sobre o movimento das

mesmas no futuro. Confiança e expectativas

andam juntas, uma vez que se os

agentes não estão confiantes no presente,

é muito provável que suas expectativas

para o futuro não sejam agradáveis.

Conforme já havia registrado Keynes,

em estudos anteriores, argumenta

a pesquisadora, o chamado “estado de

confiança” é fundamental na formação

de expectativas para as decisões futuras.

Os empresários devem confiar em suas

180

160

140

120

100

80

60

40

20

0

INDICADORES DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS

2010/T1

2010/T3

2011/T1

2011/T3

2012/T1

2012/T3

2013/T1

Fonte: Elaboração Sincomercio com dados do IBGE e Fecomércio-SP

2013/T3

2014/T1

2014/T3

2015/T1

próprias expectativas, pois como a maioria

de investimentos se concretiza no longo

prazo, é necessário que eles permaneçam

otimistas para a confirmação de

suas vantagens.

Porém, como mensurar algo tão

subjetivo como a confiança dos agentes?

Délis responde que a melhor opção

encontrada foi o desenvolvimento dos

chamados índices de confiança, extremamente

difundidos atualmente nos

meios econômicos. Diversas entidades

realizaram, de acordo com suas próprias

metodologias, formas de mensurar e

criar um índice de confiança capaz de

captar a opinião do empresariado ou do

consumidor sobre as variáveis econômicas.

Esses índices examinam tendências

econômicas, ou seja, quando o índice de

confiança entra em declínio, indica grandes

possibilidades da atividade avaliada

também entrar em declínio. Porém, esses

índices realmente registram uma tendência

verdadeira? São realmente condizentes

com o que ocorre no ambiente

econômico?

Analisando a confiança do consumidor,

percebemos a partir do gráfico abaixo

a deterioração da confiança e consequente

deterioração das despesas em

consumo. O consumo dos agentes está

fortemente ligado à sua renda disponível

e à taxa de juros, ou seja, esses dois fatores

nos levam a importantes aspectos

econômicos: o desemprego e o acesso

ao crédito. Visto que atualmente, temos

uma taxa muito elevada de desemprego

e altas taxas de juros que dificultam o

acesso ao crédito, é evidente o movimento

de queda que se verifica no gráfico

abaixo. Apesar da confiança do consumidor

ter tido uma leve melhora no segundo

trimestre de 2016, a recuperação do consumo

é mais lenta.

2015/T3

2016/T3

10

8

6

4

2

0

-2

-4

-6

Índice de Intenção de

Consumo das Famílias (ICF)

Índice de Confiança

do Consumidor (ICC)

Despesa de Consumo

das Famílias - Variação

em volume - Taxa

Trimestral

34


A pesquisadora Délis Magalhães, na

sua entrevista à RCI afirma que, como

principais impactos desse fato, temos

uma quebra no ciclo produtivo uma vez

que o produto final não está sendo consumido

como antes. O setor de Serviços e de

Varejo são os primeiros a sofrerem com a

queda do consumo, uma vez que são setores

que atuam em contato direto com o

consumidor. Mas logo os outros setores

também sentem os problemas da baixa

demanda, iniciando um problema cíclico.

Outro índice muito

importante utilizado como

indicativo da atividade

econômica é a confiança

do empresário na

economia.

Também diz que outro índice muito

importante utilizado como indicativo da

atividade econômica é a confiança do

empresário na economia. A Federação

do Comércio de São Paulo produz o ICEC

(Índice de Confiança do Empresário do

Comércio) a partir de informações sobre

as percepções dos empresários em relação

às condições econômicas, seu setor

de atuação e sua empresa. As principais

perguntas envolvem as perspectivas de

investimento, contratação de empregados

e situação dos estoques.

Analisando o gráfico abaixo, o ICEC

Temor do empresário investir neste momento

vem mostrando uma trajetória de deterioração,

assim como o Índice de Receita

Nominal de Vendas no Varejo. Os empresários

demonstram receio em investir na

expansão do negócio, visto que as vendas

não caminham numa direção positiva.

Esse fato se deve em muito à queda de

consumo das famílias, fazendo com que

muitos empresários acabem por demitir

funcionários para manterem certa margem

de lucro e o quadro cíclico de desemprego,

queda de consumo e desaceleração

da atividade econômica acabam

sendo agravados.

Portanto, podemos concluir que os

índices de confiança, apesar de sua subjetividade,

retratam uma realidade econômica

atual. Os agentes econômicos

perderam sua confiança na economia,

reproduzindo expectativas ruins em seus

planos futuros de ações. É necessário

que as autoridades econômicas e políticas

tenham transparência em suas

ações futuras, tentando resgatar a confiança

dos agentes no ambiente econômico

e mudar suas expectativas para o

futuro.

INDICADORES DO COMÉRCIO VAREJISTA

140,0

120,0

100,0

80,0

60,0

40,0

20,0

18

16

14

12

10

8

6

4

2

Índice de Confiança

do Empresário do

Comércio (ICEC)

Índice de receita

nominal de vendas

no comércio varejista

(Percentual)

20,0

mar -11

ago-11

jan-12

jun-12

nov-12

abr-13

set-13

fev-14

jul-14

dez-14

mai-15

out-15

mar-16

0

Fonte: Elaboração Sincomercio com base em dados da Fecomércio-SP e Banco Sidra, IBGE

35

Délis Magalhães, a pesquisadora do Núcleo de

Economia do SINCOMERCIO


Química Araraquara concentra maior

número de patentes

RANKING

A liderança da

nossa Química

Das 37,7% das patentes

registradas nas unidades

da UNESP em Araraquara,

o Instituto de Química

lidera com 25,3%

O Instituto de Química é o que possui

maior número de depósitos e patentes,

contabilizando 130, entre 1980 e 2012,

segundo levantamento feito por Rondinelli

Donizetti Herculano, professor da

Faculdade de Ciências Farmacêuticas da

Unesp de Araraquara e coordenador da

pesquisa sobre patentes.

De acordo com a Assessoria de Comunicação

e Imprensa da Unesp, os

principais fatores apontados por Donizetti

foram a criação da Agência Unesp de

Inovação (AUIN); a promulgação de novas

leis, como a de estímulo à proteção

da propriedade intelectual; e a cobrança

da Coordenação de Aperfeiçoamento de

Pessoal de Nível Superior (Capes) por excelência

nos Programas de Pós-Graduação,

o que gera uma busca por aumento

dos conceitos (notas), consequentemente,

uma maior procura dos docentes por

depósitos de patentes.

De acordo com o levantamento, as

primeiras posições em concentração

de número de patentes são Araraquara

(37,7%); Botucatu (15,4%); Rio Claro

(9,2%); Guaratinguetá (7,7%); e Ilha Solteira

(6,1%). Já em unidades como Assis,

São Paulo ou Ourinhos, o depósito de patentes

é mais baixo: 1,5%; 0,7%e 0,7%,

respectivamente.

Além do perfil tecnológico, Donizetti

constatou que a produção está mais presente

em locais de grande concentração

de empresas, como Araraquara, Bauru,

Botucatu, Jaboticabal e Rio Claro.

“Araraquara e Botucatu somam mais

de 50% das patentes. A unidade de Araraquara,

sozinha, tem aproximadamente

40% de toda a universidade, isto porque

eles desenvolvem produtos que favorecem

o patenteamento”, ressaltou.

Na análise por área, as que mais

solicitam patentes são as de química

(25,3%); saúde (22,3%); instrumentação

(18,5%); pedido de sigilo (quando não

específica a área) (11,5%); e agricultura

(5,4%). Porém, existem áreas que pedem

patentes, mas têm valor baixo, a exemplo

da bioquímica (0,77%); transporte

(0,77%); vestuário (0,77%); desenho industrial

(1,54%) e alimentos (1,54%).

36


AGRO

N E G Ó C I O S

INFORMATIVO

edição setembro | 2016

Em debate no IAC a conservação do

solo na cultura da cana-de-açúcar

Diretores do Sindicato Rural de Araraquara, João Henrique de Freitas e Marcelo Benedette e o

técnico florestal da Canasol, Guilherme Bueno, acompanharam no Centro de Cana do IAC, em

Ribeirão Preto, a apresentação das recomendações técnicas sobre a conservação do solo na cultura

da cana-de-açúcar e controle da mosca dos estábulos.

O Sindicato Rural e a Canasol têm

participado ativamente dos encontros

que envolvem os interesses dos nossos

produtores rurais, demonstração clara

da sua preocupação em acompanhar

estudos e inovações que ocorrem no

setor. O comentário foi feito pelo presidente

do Sindicato Rural, Nicolau de

Souza Freitas, logo após o encontro

organizado pela Secretaria de Agricultura

em Ribeirão Preto, quando o tema

da reunião foi a conservação do solo

e o controle da mosca dos estábulos.

Ambos os assuntos são considerados

na atualidade de extrema importância

dada a necessidade de se preservar o

meio ambiente e de se combater a propagação

da doença causada pela mosca

nos animais.

CONTINUA NAS PÁGINAS SEGUINTES

João Henrique de Freitas (Sindicato Rural), Arnaldo Jardim (Secretário da Agricultura), Guilherme

Lui de Paula Bueno (técnico florestal da Canasol) e Marcelo Benedette (Sindicato Rural)

Arnaldo Jardim,

secretário da Agricultura

em Ribeirão

Cultura canavieira é uma das atividades agrícolas que mais recuperam solos degradados

37


BUSCANDO SOLUÇÕES

Secretaria faz debates

sobre a conservação do

solo e o controle da

mosca-dos-estábulos

A integração das usinas e dos

produtores rurais torna-se

de extrema importância para

o meio ambiente: as usinas

precisam se conscientizar

sobre o manejo da palha e

da vinhaça e os produtores

devem evitar condições

para a proliferação e o

desenvolvimento da mosca.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento

do Estado de São Paulo anunciou,

no dia 18 de agosto, a criação de

um grupo de trabalho composto por

técnicos de extensão rural, defesa agropecuária

e institutos de pesquisa da

Pasta que realizará estudos e projetos

para intensificar o controle da moscados-estábulos

nas propriedades rurais

paulistas. O inseto, que se alimenta do

sangue dos animais, é responsável

pela transmissão

de doenças ao rebanho e

tem se tornado mais frequente

em locais onde há

acúmulo da vinhaça da cana-de-açúcar,

causando prejuízos

na criação do gado de

corte e leite.

O novo grupo, instituído

pela Resolução SAA nº 53,

foi anunciado aos técnicos

das Coordenadorias de Assistência

Técnica Integral

(Cati) e de Defesa Agropecuária (CDA)

ligados à Pasta, bem como produtores

rurais, representantes de usinas e entidades

privadas e poder público municipal

que acompanharam a primeira reunião

técnica sobre o tema, realizada no

Centro de Cana do Instituto Agronômico

(IAC), em Ribeirão Preto. Além da CDA e

da Cati, especialistas da Agência

Paulista de Tecnologia dos Agronegócios

(Apta) e do Instituto Biológico

integram o grupo.

O grupo de trabalho terá

como objetivo dar sequência

aos primeiros estudos realizados

pela Secretaria e propor convênios,

termos de cooperação técnica

e parcerias com outros órgãos e

instituições, públicas e privadas, para

implementação das medidas previstas.

Também será responsável por desenvolver

ações de capacitação e difusão

de conhecimento e tecnologias junto a

entidades públicas, privadas e produtores

rurais na busca

A participação do

nosso sindicato em

eventos como este,

possibilita receber

informações e

orientações técnicas

que são repassadas

ao produtor rural

para aperfeiçoar seus

métodos de trabalho.

O diretor do Centro de Cana IAC

(Instituto Agronômico), Marcos Landell,

falando aos produtores rurais e

representantes das usinas brasileiras

em Ribeirão Preto

João Henrique

de soluções eficazes

para o controle da

mosca-dos-estábulos.

De acordo com o

diretor técnico do Escritório

de Desenvolvimento

Rural (EDR)

de General Salgado,

Sidney Ezídio Martins,

que apresentou uma

palestra sobre o tema,

a integração entre as

usinas e os produtores

38

rurais é fundamental para solucionar o

problema. “As usinas precisam se conscientizar

sobre o manejo da palha e da

vinhaça e os produtores devem evitar

condições para a proliferação e o desenvolvimento

da mosca”, disse.

O secretário Arnaldo Jardim ressaltou

a importância de promover o debate

e transmitir as orientações a todos os

elos da cadeia. “As palavras de ordem

são a parceria e a antecipação para

propor soluções e resolver os desafios

enfrentados pelo produtor rural. Hoje

estamos disseminando o que a Secretaria

tem feito a respeito e as recomendações

para solucionar tais questões,

afirmou, destacando que a aproximação

da pesquisa e do setor produtivo é

uma das diretrizes determinadas pelo

governador Geraldo Alckmin à Pasta.

“Atualmente o setor pecuário tem

sido penalizado com a incidência de

três agentes que afetam o rebanho, que

são o carrapato, a mosca-dos-chifres e

a mosca-dos-estábulos, que podem representar

prejuízos de cerca de R$ 7

bilhões aos produtores”, disse Arnaldo

Jardim.

CONSERVAÇÃO DO SOLO

O encontro debateu também as

práticas para promover a conservação

do solo e uso da água na cultura canavieira,

trabalho da Pasta Estadual que

originou um Boletim Técnico com recomendações

e deverá ser atualizado


MOSCA-DOS-ESTÁBULOS

O encontro reuniu centenas de pessoas

no auditório do Centro de Cana e

reforçou a disposição de todos os encom

o auxílio do segmento produtivo

paulista.

Para a pesquisadora científica do

IAC, Isabela Clereci de Maria, os primeiros

estudos realizados reforçaram

a ideia de que é importante buscar a

integração das práticas. “Assim, poderemos

atuar em três estratégias básicas,

que são o aumento da cobertura

de solo e da infiltração da água, além

do controle do escoamento. Estamos

promovendo os debates, para chegar

a uma recomendação que atenda a todas

as especificidades de cada área”,

explicou, ressaltando que as manifestações

recebidas por técnicos de todo o

Estado irão contribuir para aperfeiçoar

as informações sobre o tema.

INTEGRAÇÃO DA CADEIA

PRODUTIVA

MOSCA CASEIRA

A Stomoxys calcitrans,

comumente conhecida

como “mosca-dosestábulos”

ou “mosca da

vinhaça” é, atualmente,

responsável por causar

danos nas cadeias

produtivas da pecuária

bovina e sucroalcooleira

em alguns estados do

Brasil, dentre eles Mato

Grosso do Sul, São Paulo,

Paraná, Rio de Janeiro e

Minas Gerais

volvidos em adotar medidas sustentáveis

de produção agropecuária.

O produtor de cana-de-açúcar Álvaro

Tadeu Arantes Nogueira, de Cravinhos,

busca tomar todos os cuidados

para evitar o acúmulo da vinhaça em

seu canavial e a incidência da moscados-estábulos

mas, mesmo assim, faz

questão de participar dos debates e

saber das novidades sobre o tema. “É

muito importante estar informado, ouvir

a experiência dos colegas e técnicos

para evitar que este problema continue”,

avaliou.

Para a responsável pelo suporte

técnico de plantio da Usina São Martinho,

Mirela Garcia, o encontro é uma

oportunidade de atualização sobre as

normas que regulamentam a conservação

do solo. “Nós já seguimos a legislação

para promover a conservação do

solo e o uso da água, mas essa reunião

é bem proveitosa, por ser uma chance

de nos atualizarmos. Da mesma forma,

também buscamos nos informar sobre

o controle da mosca-dos-estábulos, já

que temos a nossa Central de Misturas,

onde é feito o composto”, explicou.

Já o técnico de desenvolvimento

agrário da Fundação Instituto de Terras

do Estado de São Paulo (Itesp), Gilberto

Garcia Nogueira, considera fundamental

discutir meios de conservação do

solo, garantindo a viabilidade da utilização

da mesma área por muitos anos.

“No Estado de São Paulo, com todas

as recentes restrições relacionadas à

queima da cana, as áreas de plantio

foram reduzidas. Por isso, é importante

incentivar o plantio baseado na sustentação,

não só na cana-de-açúcar, mas

em outras culturas”, ressaltou.

Para o titular da Coordenadoria de

Defesa Agropecuária da Secretaria,

Fernando Gomes Buchala, a reunião

sinalizou a integração entre todos os

componentes da cadeia. “Foi um encontro

extremamente produtivo para

a busca de soluções que envolvem

não só a saúde animal e vegetal, mas

possibilitam um novo conceito de saúde

ambiental”, afirmou, destacando a

grande mobilização dos Escritórios de

Desenvolvimento Rural (EDR) e de Defesa

Agropecuária (EDA), para incluir

produtores, representantes da cadeia e

poder público nos debates.

Para o responsável pela Assessoria

Técnica da Pasta, José Luiz Fontes,

o objetivo do encontro foi cumprido.

“Pudemos divulgar o tema, fazer com

que o público de interesse do assunto

participasse de forma representativa. A

discussão trata de um trabalho que ainda

está em execução pela Secretaria

e sempre será necessário

agregar coisas novas para

que o assunto seja cada vez

melhor tratado”, disse.

A próxima reunião técnica

sobre os temas está programada

para o dia 15 de

setembro em Ourinhos.

Em busca de informações os

produtores rurais lotaram

auditório do IAC em Ribeirão

Preto

39


A TRANSFORMAÇÃO DE ARARAQUARA

A doce terra

dos maracujás

Sindicato Rural, Senar-SP e Itesp capacitam pequenos produtores

rurais a plantar maracujá e ter a fruta como fonte de negócios.

Pequenos agricultores do Assentamento

Monte Alegre em Araraquara

apostam no maracujá como fonte de

renda e já se mostram felizes com o

resultado. A cultura se adaptou bem à

região e tem mercado garantido. Essa

é uma das razões que leva o Sindicato

Rural, o Senar-SP e a Fundação Itesp a

investir na capacitação destes produtores,

afirma Mário Porto, coordenador

do Senar-SP no município.

O módulo Instalação da Lavoura

ocorreu nos dias 2 e 3 de agosto, quando

o instrutor Ricardo Marinheiro proporcionou

a oportunidade de orientar

os produtores sobre vários aspectos

para profissionalizar o cultivo, estimulando

a formarem plantios focando na

produtividade e futura comercialização.

O plantio experimental foi realizado

no sítio do produtor Joamir Rodrigues

Pereira, que reside no Assentamento

O curso ensina desde a

produção das mudas até

o manejo do maracujá

Monte Alegre 6. Durante a aula prática,

o instrutor orientou o passo a passo do

plantio, produção de mudas, preparo

do solo, espaçamento, formação das

estruturas para apoio do maracujá, etc.

Já nos dias 15, 16 e 17 de agosto

ocorreu o módulo do manejo e tratos

culturais. Na ocasião os produtores visitaram

duas áreas produtoras do Assentamento,

envolvendo o grupo nas

visitas e proporcionando o aprendizado

prático do manejo,

adubação e controle de

pragas do maracujá. O

instrutor ensinou técnicas

que focaram na

produtividade, para garantir

a renda final aos produtores.

Segundo Maria Clara Piaí da Silva,

do Itesp, foi realizado o manejo nos

plantios dos produtores José Faria e

José Rodrigues da Silva, ambos produtores

dos Assentamentos de Monte

Alegre que, inicialmente, pretendem

produzir para comercializar nas feiras

de Araraquara e Matão.

Para nós do Itesp, disse ela, a metodologia

adotada pelos instrutores do

Senar é o ideal. Eles focam na orientação

profissional dos participantes

e concentram boa parte da aula na

40


prática, além disso sempre visitamos

várias áreas dos participantes interessados

para que sejam identificados

seus principais problemas e sugeridas

alternativas. Os técnicos do Itesp também

acompanham a atividade visando

contribuir com a adequação das atividades

à realidade do público, divulgando

os canais de comercialização e

trocando experiências com o instrutor

e participantes.

O instrutor Ricardo Marinheiro focou

na viabilidade desta cultura para

a agricultura familiar visto que possui

preço satisfatório, garantindo renda

aos produtores. Além disso, orientou

sobre o aproveitamento dos frutos que

não possuem o padrão de mesa, propiciando

ideias com alternativas para

a comercialização dos produtos, o que

amplia consideravelmente as perspectivas

de renda a partir do plantio.

O PASSO A PASSO PARA O PLANTIO DO MARACUJÁ

A produção do maracujá é direcionada

para o consumo in natura como também

para a indústria processadora, cujos

produtos finais são o suco e a polpa da

fruta. Mais recentemente, observa-se que

o processamento da fruta também tem sido

realizado dentro de propriedades familiares,

de forma artesanal, o que resulta em polpa

congelada da fruta, com e sem sementes.

Este produto tem sido comercializado

diretamente pelos produtores, destinado

a sorveterias, restaurantes, bares, merenda

escolar, dentre outros.

O preparo do solo

Cálculo do

espaçamento para

montagem das

estruturas e onde o

maracujá se apoiará

Plantio das

mudas

Produtor José

Farias recebendo

orientações do

Instrutor Ricardo

Marinheiro

Produtor Joamir acompanha explicações

sobre o manejo do maracujá

Participantes realizando o manejo. Aulas

práticas são parte da metodologia do Senar

41

Aplicação de adubos e esterco

para ampliar a produtividade


OLERICULTURA ORGÂNICA

Troca de informações entre os agricultores sobre as mudas que serão plantadas

Famílias se preparam para comercialização

Trabalho de capacitação dos

pequenos agricultores na

região de Araraquara com

produtos orgânicos, já mostra

resultados de bons negócios

para o desempenho familiar.

No começo era um sonho, lembra

Nicolau de Souza Freitas, presidente do

Sindicato Rural de Araraquara. Segundo

ele, havia necessidade de se apoiar

os pequenos produtores rurais, interessados

em aproveitar os espaços em

suas propriedades para implantação

de uma agricultura que lhes gerasse

rentabilidade. A parceria com a Faesp/

Senar e o Itesp foi o caminho, onde

cada uma das entidades disponibilizaria

recursos para propiciar a oportunidade

de aprendizado teórico e prático

aos produtores.

Realizado desde o começo do ano,

um dos programas é o do cultivo dos

produtos orgânicos, onde não é permitido

o uso de substâncias que coloquem

em risco a saúde humana e o meio ambiente.

“Não são utilizados fertilizantes

sintéticos solúveis, agrotóxicos e transgênicos”,

explica o presidente do Sindicato.

Para ser considerado orgânico, o

produto tem que ser produzido em um

ambiente de produção orgânica, onde

se utiliza como base do processo produtivo,

os princípios agroecológicos

que contemplam o uso responsável do

solo, da água, do ar e dos demais recursos

naturais, respeitando as relações

sociais e culturais.

Viveiro de mudas construído e semeado

pelos próprios integrantes do curso

42


O instrutor Marcelo Sambiase orienta sobre o plantio

Visita à horta de Fernanda Gouvea e seus familiares

NOVA ETAPA

Dando continuidade ao trabalho

do Programa Olericultura Orgânica no

Assentamento Monte Alegre durante

o mês de julho, ocorreu o Módulo 5,

referente aos Tratos Culturais. Desta

forma, nos dias 5 e 19 de julho os participantes

foram orientados sobre as

técnicas para a condução do plantio e

O que se vê durante todo plantio é a integração entre todos

e a troca de informações

tratos culturais de acordo com os tratos

orgânicos.

Na oportunidade, todos plantaram

as mudas que foram produzidas

por eles mesmos durante o curso. Foi

uma oportunidade para aprenderem o

espaçamento correto, além de visualizarem

os inúmeros benefícios que o

manejo ocasionou ao solo até o momento.

Assim, durante as aulas

do mês de julho, os participantes

realizaram o plantio

sob a orientação do instrutor

Marcelo Sambiase.

Além das aulas, o instrutor

visitou a horta de Fernanda

Gouvea Menezes Souza,

uma das participantes do

curso. A família da Fernanda

já cultiva a horta seguindo

as orientações orgânicas

há meses e já está partindo

para a comercialização. O instrutor

Marcelo Sambiase orientou sobre vários

aspectos verificados nesta área

cultivada no Assentamento Monte Alegre

6. Nos dias 22 e 23 de agosto, os

participantes foram orientados sobre o

controle de pragas.

“Entendemos que essa missão se

torna um trabalho de alto significado

social”, explica o presidente Nicolau de

Souza Freitas.

SETEMBRO / 2016

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM PULVERIZADOR DE BARRAS

12/09/2016 até 14/09/2016

CURSOS

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL

19/09/2016 até 21/09/2016

22/09/2016 até 24/09/2016

• APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM TURBO PULVERIZADOR

19/09/2016 até 21/09/2016

• TURISMO RURAL - MEIOS DE

ALIMENTAÇÃO (MÓDULO VII)

02/09/2016 até 16/09/2016

05/09/2016 até 19/09/2016

• OLERICULTURA ORGÂNICA -

COLHEITA E BENEFICIAMENTO

(MÓDULO VII)

06/09/2016 até 13/09/2016

REALIZAÇÕES:

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

Mário Roberto Porto

O plantio das mudas pelos participantes do curso

43


EMPREENDEDORISMO RURAL

Edgar Esteves: do cultivo

protegido ao orgânico

Com a ascensão do agronegócio e a diversificação das lavouras,

o insumo agrícola usado como fator de produção garante a

nutrição e a proteção das plantas visando boa produtividade.

A qualidade faz crescer o trabalho e a responsabilidade dos

técnicos agrícolas, agrônomos e das lojas especializadas.

Edgar Santa Rosa Esteves desembarcou

em Araraquara em 1980 como representante

da multinacional Basf Agroquímica

e se apaixonou pela cidade. Uma espécie de

amor à primeira vista, confessa o engenheiro

agrônomo. Por cerca de 40 anos vem

oferecendo, pela experiência no ramo, soluções

em proteção de cultivos com controle

biológico, utilização segura de defensivos,

inovações na fertilidade e saúde da planta.

Edgar Esteves deixou a Basf em 1989,

quando morava em São Paulo. Decidiu, pela

qualidade de vida voltar e montou em nossa

cidade, uma loja de insumos agrícolas

que caminha para completar 28 anos: “Na

época atendia apenas uma especialidade, a

citricultura, mas com o tempo fomos diversificando

e ampliando a linha de produtos

para atender diversos tipos de cultivos”, comenta

o empresário.

Para ele não foi difícil se enraizar nos

costumes de nossos produtores rurais. Essa

A loja na Rua Antonio Prado, 223

afinidade o levou a prosperar com sua loja,

a Agrometa, que hoje está entre as mais

conceituadas da região. “Estamos em área

nobre do Estado de São Paulo, que a exemplo

do País tem vocação para o cultivo, e

onde se alia a tradição com a modernidade

tecnológica visando o aprimoramento da

agricultura”, diz Edgar. Ele aponta o cultivo

protegido como alternativa viável para a diversificação

da produção agrícola em nossa

região.

Utilizada para produção de hortaliças e

plantas ornamentais, a técnica do cultivo

protegido tem se expandido no Brasil, No

cultivo protegido, quando se tem conhecimento

técnico, justifica o agrônomo, é

possível melhorar a segurança do agricultor

e valorizar ainda mais sua produção. A

produção de hortaliças, como alface, salsinha

e cebolinha e legumes como pimentão

e tomate, por exemplo, quando em cultivo

protegido, podem proporcionar bom retorno

financeiro”. Há, por outro lado, a necessidade

de se considerar as especificidades

do cultivo protegido.

Nele o manejo de solo,

da água e, da própria planta,

são diferenciados do cultivo

tradicional. São necessários

cuidados especiais para que

a ocorrência de problemas

não inviabilize a produção e

não contamine mananciais.

O engenheiro agrônomo Edgar Esteves

Além das orientações oferecidas gratuitamente

pela equipe de agrônomos da Agrometa,

comandados por Edgar, é importante

destacar a grande diversificação de insumos

oferecidos. A intenção é proporcionar

combinações que apresentem resultados

positivos, desde a preparação do solo, do

plantio, chegando à colheita, sempre com a

certeza de bons negócios e qualidade.

Formado em 1976 pela Faculdade de

Ciências Agrárias - Unesp Jaboticabal, Edgar

tem levado seus conhecimentos de

engenheiro agrônomo também aos assentamentos

rurais. Há exemplos de muitos

assentados que já aplicam técnicas de produção

orgânica. Nesse sistema de cultivo

não se utilizam agrotóxicos e fertilizantes

químicos, com o que se obtêm alimentos

saudáveis, proporcionando maior segurança

alimentar a população da cidade. Em

lugar de agrotóxicos e adubos químicos, são

usados produtos naturais contra as pragas

e fungos e bactérias contra doenças. Utilizase

também fertilizantes naturais, como torta

de mamona, farinha de osso, calcário e

estercos em geral, no lugar dos fertilizantes

químicos. A Agrometa é, enfim, a experiência

a serviço do produtor agrícola.

AGROMETA: PRODUTOS E FERRAMENTAS

44


ARTIGO

emos, nesse mágico ano de 2016, alguns eventos muito

importantes acontecendo no Brasil. Dois deles estão,

por força das circunstâncias, intimamente relacionados

com a preservação dos mananciais, do meio ambiente

como um todo. Um em nível mundial, as Olimpíadas do Rio,

e outro em nível regional, as eleições para prefeitos e vereadores.

A abertura da Olimpíada chamou a atenção para

a degradação ambiental e nós da ONG Amanari decidimos

aproveitar esse importante evento para alertar a população.

A Ong Amanari, pela gestão sustentável da água, é uma

associação sem fins lucrativos, fundada em setembro de

2005. Acumulamos algumas experiências nesses 16 anos

de atividades, o que nos permite algumas incursões na área

ambiental. Somos geólogos, psicólogos, agrônomos, biólogos,

estudantes, dentre outros profissionais, preocupados

com a situação dos mananciais nas cidades de Araraquara

e São Carlos e também em toda nossa região. Quando

fundamos a Amanari, em 2005, o Departamento de Água e

Esgoto (Daae) de Araraquara fornecia à população, de todo o

montante de água captado, cinquenta por cento proveniente

de poços profundos e cinquenta por cento proveniente de

mananciais superficiais. Hoje, com o depauperamento dos

córregos, dos mananciais em geral, quase toda a água provém

de poços.

Os mananciais de superfície, principalmente no perímetro urbano,

estão erodidos, assoreados, sem vegetação ciliar de

proteção. Estão, enfim, abandonados e isso é muito preocupante,

pois a água do aquífero Guarani é finita e, no futuro,

certamente acabará. Caso isso ocorra, é possível até buscar

água no rio Jacaré, ou no Mogi. Mas, além do custo muito elevado

para a captação e transporte dessa água, o clima muda

ano a ano e esses mananciais também podem não oferecer

água suficiente em algumas épocas do ano. Sabemos que a

preservação desses mananciais, principalmente no perímetro

urbano, é onerosa e difícil. Isso, no entanto, não pode ser

o motivo para o abandono, afinal é nossa sagrada água de

beber, sem a qual não sobrevivemos. A sociedade deve ter

consciência de que a captação em longas distancias é muito

Especial: Edgar Santa Rosa Esteves

Olimpíada, eleição e preservação

T

mais onerosa que a própria preservação dos mananciais.

Temos então esses dois eventos muito importantes acontecendo

no Brasil. Eventos que estão, por força das circunstâncias,

intimamente relacionados com a preservação dos

mananciais, do meio ambiente como um todo. O mais impactante,

até pela enorme audiência em todo o mundo, é

a olimpíada do Rio de Janeiro. A festa de abertura foi muito

mais que bonita, alertou sobre a necessidade de se cuidar

urgentemente do ambiente natural em que vivemos. Há que

se cuidar para que aquele lindo apelo em prol do meio ambiente

não caia no esquecimento. Conseguimos realizar uma

olimpíada, certamente é também possível realizar a preservação

ambiental.

É nessa linha que assume real importância o segundo importante

evento desse ano, o certame político para escolha de

prefeitos e vereadores que acontecerá agora em outubro. Na

olimpíada o Brasil deu o ponta pé inicial e, além de mostrar,

nossas cores, festas e tradições, mostrou também as mazelas

do meio ambiente em nível mundial. Alertou para cuidados

imediatos. Tivemos, inclusive, a coragem de mostrar

nossas próprias mazelas ambientais. Não há, em olimpíadas

anteriores, precedente de tamanha coragem. Isso é encarar

o problema de frente.

O Brasil foi realmente corajoso e mostrou ao mundo sua preocupação

com relação à degradação ambiental. Está mais que

na hora de nossos políticos também mostrarem sua coragem.

Apelamos para que os brasileiros, com o poder do voto, selecionem

políticos realmente compromissados com a preservação

do meio ambiente. Não é mais aceitável que o Meio

Ambiente seja tratado como indigente, sem importância.

Nós da ONG Amanari, apelamos aos políticos para que, na

questão ambiental, não haja partidarismo e sim suprapartidarismo.

Apelamos para que seja um só partido, o partido do

meio ambiente para o bem de todos nós brasileiros, todos

nós humanos. Apelamos, enfim, para que todos, população,

autoridades, políticos, encaremos o problema de frente, não

dá mais para adiar.

45


NOTÍCIAS

CANAS L

EDIÇÃO

SETEMBRO | 2016

O MEIO AMBIENTE AGRADECE

Prevenir é melhor que remediar

O clima seco desta época do

ano e o atraso no período

chuvoso previsto com a

chegada do fenômeno La

Nina, propiciam a ocorrência

de queimadas e de focos de

incêndios criminosos, tanto

no campo como na cidade.

Álvaro Coelho Pazelli e

Guilherme Lui de Paula

Bueno participaram da

reunião da ABAG em

Ribeirão Preto

A situação é tão preocupante que o

assunto foi discutido exaustivamente

durante o lançamento da campanha de

conscientização, prevenção e combate

aos incêndios, em Ribeirão Preto no último

mês de julho.

Pelo segundo ano consecutivo, a

ABAG-RP (Associação Brasileira do Agronegócio

– Ribeirão Preto), em parceria

com as usinas e produtores rurais da

região, investe na campanha buscando

uma maior conscientização da população

sobre os perigos das queimadas e

os prejuízos causados pelos incêndios

para toda a sociedade. O objetivo do

evento mais uma vez é mostrar a diferença

entre “queima controlada” e “incêndio”.

A campanha ganha força com

a adesão da ORPLANA (Organização dos

Plantadores de Cana da Região Centro-

Sul do Brasil), que congrega 33 associações

de produtores de cana, entre elas

a Canasol. A estratégia

é mais uma vez utilizar

a educação e a comunicação

para incentivar as

pessoas a tomarem atitudes

que evitem os incêndios de qualquer

natureza.

CANASOL ABRAÇA A

CAMPANHA E INVESTE

NA PREVENÇÃO

A Canasol esteve presente no lançamento

da campanha da ABAG-RP e

defende a sua expansão para outras

regiões do País. Antes mesmo desta

campanha, a Canasol já desenvolvia

entre seus associados, um movimento

próprio de conscientização contra os incêndios,

destaca o técnico florestal Guilherme

Lui de Paula Bueno. Em conjun-

to com as Usinas da região investimos

na conscientização e prevenção, uma

das primeiras medidas foi espalhar

adesivos plásticos com os telefones

das brigadas de incêndio, permitindo

ações rápidas no combate dos focos.

Os adesivos colados em locais visíveis

facilitam o acionamento das brigadas,

conclui Guilherme. Sabemos que

no futuro a colheita da cana-de-açúcar

tende a ser totalmente mecanizada,

sem queima e essa tendência já está

sendo evidenciada. Daí a importância

de campanhas como esta desenvolvida

pela ABAG e Canasol.

O meio ambiente agradece e todos

saem ganhando.

EM CASO DE INCÊNDIO, LIGUE NA USINA QUE SE ENTREGA A CANA

TELEFONES APENAS DE EMERGÊNCIAS

Araraquara - Raízen (16) 3301-4148/3301-4500

Santa Cruz (16) 3393-9043

46

A colheita

mecanizada

da cana é

uma tendência

nacional

Santa Fé (16) 3387-9900 - ramal 2085

Serra - Raízen (16)3343-9606

Tamoio - Raízen (16) 3301-3434

Tonon (Santa Cândida) (14) 3666-9025

Apoio: CANASOL

(16) 3311-9100


O MEIO AMBIENTE AGRADECE

A população mundial, a

demanda por alimento

e o sonho dos produtores

de cana

Presidente da Canasol,

Luís Henrique Scabello

de Oliveira

A população mundial em crescimento

e a necessidade cada vez maior de

alimentos para suprir a demanda por

parte da população, colocam o Brasil

em situação privilegiada segundo o

presidente da Canasol. Ao mesmo tempo

em que mostra-se otimista em relação

à questão, Luís Henrique vislumbra

um futuro de mudanças no estilo e na

forma de produção agrícola brasileira.

Durante evento recente no Auditório da

Canasol, o presidente cobrou dos produtores

presentes mais investimentos

em novos produtos e em novas tecnologias,

buscando um aumento significativo

na produção de alimentos, principal-

mente no que diz respeito

ao setor canavieiro.

“Nós produtores precisamos

estar cada vez mais

comprometidos com a produção

e em busca de novas

tecnologias, buscando a

produtividade de 100 toneladas

de cana por hectare

plantado”. Esse é o nosso

objetivo, assim como foi

para os produtores de soja, milho e algodão

atingir as atuais produtividades

recordes. Se eles chegaram lá, nós

também podemos chegar, para isto

será preciso muita persistência e luta.

O tempo de plantar cana colocando somente

adubo e calcário, já ficou para

trás, a nossa visão agora deve se voltar

para o futuro e chegarmos aos três dígitos

por tonelada. Vamos à busca deste

sonho!

Novas tecnologias

proporcionam

aumento na

produtividade

Os produtores de cana associados

da Canasol participaram no dia 11 de

agosto de uma palestra promovida pela

Fertisagro Agroscience. Na oportunidade,

o engenheiro agrônomo Marco Aurélio,

gerente da empresa, demonstrou

aos participantes que investimentos

em novas tecnologias promovem o aumento

da produção.

Indutores de resistência a pragas e

de doenças da cana podem reduzir o

uso de defensivos agrícolas, aumentando

a produtividade e reduzindo o custo

de produção, disse ele durante o importante

encontro.

Tatiana Caiano Teixeira Campos Leite (Canasol), Adolfo Basile Filho (Fertisagro), Luís Henrique

Scabello de Oliveira (Canasol) e Marco Aurélio Mota Ferreira (Fertisagro).

Em sua linha de produtos, a Fertisagro

destaca aqueles feitos à base dos

chamados ácidos: húmico, fúlvico e jasmônico,

extraídos de fontes orgânicas,

entre elas as algas marinhas.

De acordo com Marco Aurélio, esses

produtos, além de induzirem a

resistência das plantas, estimulam o

crescimento e com isso promovem uma

maior produtividade.

47


CONSCIENTIZAÇÃO

ARIAR organiza festa para comemorar o

Dia Nacional do Campo Limpo

Cerca de 1.500 crianças de

escolas da cidade e região

participaram em agosto, do

Dia Nacional do Campo

Limpo, que faz parte do

calendário nacional e da vida

de todos que trabalham por

uma agricultura sustentável

e pela conservação do meio

ambiente.

Cada elo da cadeia agrícola tem que

fazer a sua parte para destinar corretamente

as embalagens de defensivos

agrícolas usadas nas plantações e

manter limpos os campos brasileiros. A

propagação desta mensagem está na

base das ações da ARIAR - Associação

das Revendas de Insumos Agrícolas

de Araraquara e Região – e contribui

para conscientizar e engajar agricultores,

canais de distribuição, indústria

fabricante e poder público no programa

mais bem-sucedido do mundo em

destinação deste tipo de embalagem, o

Sistema Campo Limpo.

Segundo Antonio Tadeu, gerente

da Central de Recebimento de Embalagens

Vazias de Defensivos Agrícolas

em Araraquara, desde o início de seu

funcionamento, em 2002, o programa

que é de âmbito nacional, já conseguiu

atingir milhões de pessoas com sua

mensagem sustentável por meio das

mais diversas ferramentas, como cam-

Inúmeras escolas levaram seus alunos, acompanhados das professoras, para participar do Dia

do Campo Limpo em Araraquara, versão 2016

panhas em mídia impressa e digital,

realização de eventos e utilização de

redes sociais. Essas palavras, incorporadas

ao dia a dia dos envolvidos, resultam

em práticas que fazem a diferença

na cadeia agrícola, assegura.

Graças ao engajamento dos diversos

elos, de acordo com divisão de responsabilidades

estabelecidas pela legislação,

o Brasil pode se orgulhar de ser líder

mundial em destinação de embalagens

plásticas primárias de defensivos agrícolas,

encaminhando para reciclagem

ou incineração, 94% desses materiais

usados em aproximadamente 76 mi-

Antonio Tadeu, gerente da Central na

cidade; Olimpio, personagem símbolo das

campanhas e Weider Santana, coordenador

de Operações do inpEV, durante o evento

48


As crianças se divertiram

muito em mais uma edição

do Dia do Campo Limpo

lhões de hectares de terras cultivadas

do país, segundo o IBGE. O programa

acumula mais de 370 mil toneladas de

embalagens destinadas de forma ambientalmente

correta desde o início de

sua operação.

CONSCIENTIZAÇÃO

E COMEMORAÇÃO

Com iniciativas especialmente desenvolvidas

para crianças, jovens e

adultos das comunidades do entorno

das unidades de recebimento de embalagens,

uma das grandes ações educativas

promovidas pelo Sistema é o Dia

Nacional do Campo Limpo, comemorado

em 18 de agosto – data oficial no

calendário brasileiro, instituída pela Lei

Federal 11.657/08.

Em Araraquara, cerca de 1.500

crianças visitaram no dia 18 de agosto

a sede da ARIAR e a Central de Recebimento

ao lado do Lixão mantido pela

Prefeitura Municipal. Os estudantes participaram

de atividades socioeducativas

e receberam informações que aumentam

a mobilização dos envolvidos no

programa de destinação e a consciência

ambiental das futuras gerações. Elas

também receberam mudas de plantas

ornamentais e frutíferas, em dois períodos,

e tomaram lanche, além da diversão

em brinquedos.

Na verdade, comenta

Weider Santana, coordenador

regional de

Operações do Instituto

Nacional de Processamentos de Embalagens

Vazias (inpEV), e das centrais de

recebimento de São Paulo, a participação

do órgão no evento, tem como objetivo a

conscientização dos agricultores presentes

que tiram suas dúvidas por meio de

uma série de iniciativas educativas. Uma

HOMENAGEM AO PRODUTOR RURAL

Gilmar e Edgar no Dia do Campo Limpo em Araraquara

ARIAR

Distribuição de mudas de plantas frutíferas e

ornamentais através das empresas parceiras

das atrações da festa foi Olímpio, personagem

símbolo das campanhas do instituto.

Ele transmitiu mensagens do Sistema

Campo Limpo e posou para fotos com o

público participante.

A abertura oficial do evento foi

feita pelo presidente da ARIAR,

Edgar Santa Rosa Esteves; também

fez uso da palavra Antonio Tadeu,

gerente da Central de Recebimento

de Araraquara. Gilmar Argiona,

proprietário da Fazenda F. A.

e diretor do Sindicato Rural de

Araraquara, foi homenageado pela

ARIAR, pela forma correta com que

vem encaminhando as embalagens

vazias de defensivos agrícolas em

sua propriedade.

Os agricultores de Araraquara e mais cerca

de 25 municípios da região devolvem as

embalagens vazias de agrotóxicos em

postos de recebimento; o material devolvido

é trazido para a Central de Araraquara,

gerenciada pela Associação das Revendas de

Insumos Agrícolas de Araraquara e Região

(Ariar), e posteriormente encaminhado para a

destinação final, reciclagem ou incineração,

pelo inpEV – instituto que representa a

indústria fabricante de defensivos agrícolas

para a destinação das embalagens vazias de

seus produtos.

49


AGRICULTURA

De olho nos

DEFENSIVOS

AGRÍCOLAS

Fonte: http://www.agrolink.com.br/

Os defensivos agrícolas

desempenham importante

papel na agricultura, visto

que previnem perdas de

produtividade devido a

plantas espontâneas,

insetos, fungos, etc. Sem

eles, a demanda de alimentos

se tornaria rapidamente

maior do que a oferta,

em razão de perdas por

problemas fitossanitários.

Como definição, defensivos agrícolas

são produtos químicos, físicos ou biológicos

usados no controle de seres vivos

considerados nocivos ao homem, sua

criação e suas plantações. São também

conhecidos por agrotóxicos, pesticidas,

praguicidas ou produtos fitossanitários.

Dentre estes termos, o termo agrotóxico é

o termo utilizado pela legislação brasileira.

A utilização de defensivos agrícolas

na agricultura é vasta e extensiva, na

grande maioria das culturas. Em geral, o

uso de defensivos tem crescido bastante,

pois a busca de maiores produtividades

é cada vez mais importante para a

sobrevivência dos negócios. O controle

de agentes biológicos nocivos a plantas

cultivadas, pela aplicação de herbicidas,

fungicidas, acaricidas e inseticidas, é um

dos maiores desafios dos produtores

agrícolas. Se tal controle não for eficiente,

poderá haver substancial redução na

produtividade das culturas e na rentabilidade

da atividade produtiva e aumento

nos preços dos produtos agrícolas.

Entre os defensivos agrícolas são encontrados

produtos que controlam plantas

espontâneas (herbicidas), insetos (inseticidas),

fungos (fungicidas), bactérias

(bactericidas), ácaros (acaricidas) e ratos

(rodenticidas). Também são considerados

defensivos agrícolas os reguladores

de crescimento, que aceleram o amadurecimento

e floração de plantas, por

exemplo.

Há que se ponderar, contudo, que os

defensivos agrícolas são, talvez, os produtos

mais sujeitos a rígidas legislações

no mundo. Cada vez mais, os países es-

50

tabelecem requisitos técnicos, por meio

de normas técnicas, regulamentos técnicos

e avaliação da conformidade (por

exemplo, laboratórios de ensaio) não só

para produção, aplicação, exportação

e importação dessas substâncias, bem

como para as culturas em que tais substâncias

são empregadas. Esse fato se

deve, principalmente, à alta periculosidade

dos defensivos agrícolas para a saúde

das pessoas e para o meio ambiente.

De maneira geral, os requisitos técnicos

adotados para produtos agropecuários,

nos países desenvolvidos, são

bem mais altos que os prevalecentes

em países em desenvolvimento, envolvendo

custos mais elevados. Além disso,

os requisitos referentes a aspectos de

segurança e qualidade desses produtos

têm-se alterado com frequência, devido a

maior velocidade com que novas tecnologias

são desenvolvidas e adotadas, tanto

para obtenção de produtos mais adequados

ao consumo, como para o controle

da qualidade desses produtos nos vários

estágios de produção, processamento e

comercialização.

Na verdade, diz Evandro Pacheco

Lustosa da Agrotec “poucos países do

mundo possuem as leis e normas tão rígidas

e esclarecidas sobre o uso, comercialização,

transporte, fabricação e descarte

de embalagens quanto no Brasil”.

Segundo ele, os programas de embalagens

de forma segura adotada no Brasil

são referência mundial. Trata-se de uma

iniciativa do MAPA, juntamente com as

empresas fabricantes e empresas que

comercializam.


NÃO FALTOU TORCIDA

Stephan Barcha

Nosso cavaleiro

nas Olimpíadas

Filho de uma das mais tradicionais famílias de

Araraquara - Barcha - Stephan, foi uma das nossas

esperanças nas provas de hipismo nas Olimpíadas do

Rio de Janeiro em agosto. O jovem de 27 anos montou

o cavalo da criação nacional, Landpeter do Feroleto.

Stephan Barcha com Landpeter do Feroleto

Em nossa cidade a Família Barcha

era formada pelos irmãos Awad, José e

Lourdes, sempre envolvida em grandes

empreendimentos e desfrutando do respeito

da comunidade. Lourdes se casou

com Fernando e tiveram os filhos Álvaro,

Mônica e Fernanda.

Com 20 anos, Álvaro seguiu para estudar

no Rio de Janeiro, cursando Fisioterapia

e onde conheceu a médica Iraci

Santana de Freitas, com quem contraiu

núpcias, tendo o filho Stephan de Freitas

Barcha, que nasceu em 27 de outubro de

1989.

Paralelamente a atividades escolares,

no Colégio St. Patricks, Stephan

iniciou suas atividades equestres. Antes

de completar 7 anos, frequentava exposições

e eventos equestres, onde ficava encantado

com as provas de tambor, adestramento

e salto. Dizia insistentemente

que queria fazer aquilo.

Seus pais o encaminharam à escolinha

de equitação da Sociedade Hípica

Brasileira no Rio de Janeiro e como ainda

não tinha idade para frequentá-la e devido

a sua determinação em querer praticar,

o saudoso professor Hipólito Munhoz

Na sua participação

nas Olimpíadas,

Stephan Barcha, com

o cavalo Landpeter

do Feroleto, zerou

no primeiro percurso

e fez duas faltas na

outra etapa, sendo

desclassificado.

Foi uma pena, disse

ele logo após a

desclassificação.

51

e o Prof. Oswaldo se incumbiram

de iniciá-lo nas artes equestres.

Foi no final de 1997 que Stephan

teve sua primeira experiência em

uma prova competitiva e no ano

seguinte iniciava sua carreira,

supervisionado pelo cavaleiro e

treinador Ibsen Villaça. Em 2005,

com a morte de Ibsen, passou a

ser treinado e supervisionado

pelo treinador Cel. Carlos Galvão

e pelo cavaleiro Fábio Azevedo, que deram

continuidade ao Projeto e Planejamento de

treinamento e aperfeiçoamento traçado

por Ibsen Villaça.

Stephan passou a cursar regularmente

Clínicas de Aperfeiçoamento com

cavaleiros de renome nacional e internacional,

entre eles Vitor Alves Teixeira,

Bernardo Resende Alves, Pedro Paulo

Lacerda, André Américo de Miranda, Cesar

Almeida, Fabio Azevedo e pelos consagrados

irmãos Hélio e Nelson Pessoa.

Também passou a participar de cursos

de Desenhador de Percurso dados por

Hélio Pessoa e de Juiz, ministrado pela

Juíza Internacional Elaine Zandler.

Hoje é um profissional consagrado no

hipismo mundial e após 3 anos vivendo

na Europa, o cavaleiro foi chamado para

compor a equipe olímpica do Rio de Janeiro.

Mas não teve bom resultado.

A participação nas Olimpíadas por sí só foi

o reconhecimento ao trabalho que Stephan

vem realizando dentro do hipismo mundial


PESQUISA EM ARARAQUARA

Substâncias de frutas cítricas reduzem

efeitos nocivos de dietas gordurosas

Não foi encontrada, porém,

relação entre o consumo desses

produtos e emagrecimento.

Os estudos foram feitos na

Farmácia da Unesp em

nossa cidade.

Laranja, limão e lima podem proteger

o organismo de perigosos efeitos da obesidade,

como doenças do coração, do fígado

e o diabetes, sugerem pesquisadores

da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

em uma pesquisa apresentada na 252ª

Reunião Nacional da Sociedade Americana

de Química (ACS, na sigla em inglês),

realizada na Filadélfia (Estados Unidos).

O efeito protetivo foi observado em ratos

alimentados com uma dieta calórica e rica

em gordura, semelhante à adotada na

maioria dos países ocidentais.

“Nossos resultados indicam que, no

futuro, podemos usar flavononas cítricas,

uma classe de antioxidantes, para

prevenir ou retardar doenças crônicas

causadas pela obesidade em seres humanos”,

diz Paula Souza Ferreira, principal

autora da pesquisa, realizada na

Faculdade de Ciências Farmacêuticas

da Unesp de Araraquara. Flavonas são

uma subclasse dos flavonoides, componentes

encontrados em frutas, vegetais,

flores, mel, chás e vinhos.

O trabalho brasileiro corrobora outros

estudos com animais e experimentos

in vitro que encontraram associação

entre os flavonoides presentes em frutas

cítricas e a redução do risco para doenças

metabólicas. Isso acontece, acreditam

os pesquisadores, porque os componentes

reduzem o estresse oxidativo,

processo que danifica células saudáveis.

Os agentes dessa destruição são

chamados de espécies reativas de oxigênio,

que são radicais livres gerados pelas

células de gordura. Organismos obesos

sofrem mais estresse oxidativo por possuírem

mais células de gordura, que diminuem

a capacidade natural do corpo, de

combater radicais livres.

52


TECNOLOGIA

Gestão do Negócio

Cada vez mais a tecnologia tem colaborado

para administração das empresas,

não é diferente com as câmeras de

segurança, que além de fazerem um papel

fundamental para proteger o patrimônio

e as vidas dos usuários, têm uma função

importantíssima nos negócios. Elas

são utilizadas para a Gestão do Negócio,

colaborando para aumentar a produtividade

das empresas e auxiliar o empresário a

melhorar sua estratégia de negócio.

Devido à vida corrida e muitos compromissos,

os empresários se ausentam dos

seus estabelecimentos e podem visualizar

à distância, a produção e desempenho da

sua empresa.

As câmeras têm auxiliado em muitos

aspectos a gestão do negócio, mais um

exemplo é a economia devido a redução

do desperdício de produtos ou matériaprima,

fazendo com que todos os cola-

boradores trabalhem com mais atenção,

pois estarão sendo supervisionados com

mais eficácia.

Também existem câmeras que fazem

a contagem de pessoas, dando ao empresário

uma estatística do movimento

da loja, assim, ele pode desenvolver sua

estratégia baseada em números precisos

de clientes que entraram na loja e se compraram

ou não os seus produtos.

Outro recurso que é utilizado tanto

para segurança quanto para gestão é o

vídeo analítico, onde as câmeras monitoram

o deslocamento ou comportamento

de pessoas.

As imagens são todas gravadas, dando

a possibilidade de uma análise futura

por parte do gestor, isso pode gerar um

aumento significativo nas vendas.

Um ponto fundamental é a implantação

do sistema e análise do ambiente

para instalação do equipamento adequado,

por isso contrate sempre uma empresa

especializada em Segurança Eletrônica

para elaborar o melhor projeto de segurança,

aplicando as melhores tecnologias

à necessidade do cliente.

Por Jefferson Barroso

Gesto de Segurança Eletrônica

(contato@jeffersonbarroso.com.br)

Inovação e Tecnologia, a serviço da

segurança e conforto das pessoas.

53


TECNOLOGIA

Moura participa

da Feipet em

Novo Hamburgo

Ser inovador no segmento é

fundamental para atrair novos

clientes e ser um diferencial

em uma das áreas que mais

crescem no Brasil.

Um segmento que já foi pouco usufruído,

porém tem se tornado uma das

colunas de sustentação que equilibra a

economia brasileira, o setor pet cresce

de forma significativa enquanto as porcentagens

de vendas no varejo comercial

em outras áreas só despencam.

Muitos são os motivos para o crescimento

deste setor. As famílias têm se

formado mais tardiamente, os filhos são

adiados, a facilidade de cuidar de determinadas

raças e, em alguns casos, como

os próprio tutores dizem, pela alegria que

proporciona um pet.

De acordo com a Associação Brasileira

da Indústria de Produtos para Animais de

Estimação (Abinpet), resistência é o que

tem ocorrido com o segmento.

Em 2015, o faturamento foi de R$ 18

bilhões de reais neste setor, ante os R$ 15

bi em 2014, um crescimento de mais de

7% - algo próximo à inflação dos últimos

12 meses, acumulada em cerca de 10%.

Um apontamento feito pela Pesquisa

Nacional de Saúde, órgão ligado ao Ministério

da Saúde, em 2013, revelou que são

52,2 milhões de cães habitando lares brasileiros,

o que resulta em uma média de

1,8 cão por residência. A mesma pesquisa

diz que há mais cães de estimação em

casa do que crianças. Se juntar todos os

pets - gatos, cães, aves, répteis e peixes -,

o número é quase três vezes maior: 132,4

milhões de animais.

Com estes números, o Brasil ocupa o

segundo maior mercado pet do mundo,

perdendo apenas para os Estados Unidos,

mas muito à frente do terceiro colocado, a

Inglaterra.

MIMOS

Atualmente, uma grande quantidade

de ‘empreendedores pet’ estão surgindo

54


O ERP PetMoura participou

em agosto da Pet South

America 2016, em São

Paulo; “Investimos em

tecnologia e não fomos

afetados pela crise. O

setor pet está em plena

expansão” revelou Moura.

por todos os lados por conta da fraca economia

em outros setores. E os direcionamentos

são diversos.

Há pessoas que ficaram desempregadas

e decidiram abrir seu próprio negócio,

estudaram os diferentes setores e se focaram

em comidas naturais para cães, ou então

uma ‘padaria pet’, com diversas opções

que não agridem o organismo dos pequenos

como cerveja, pães, chocolates – sem

cacau – e outros inúmeros mimos.

A diferença é o quão o empreendedor

se dedica e qual inovação tecnológica levará

aos seus clientes. Além dos novos empresários,

há muitas empresas que já se

preparavam para alavancar suas vendas.

É o caso da software house Moura Informática,

que desenvolve soluções para

gestão empresarial e, entre seus serviços,

há o sistema PetMoura que pode ser utilizado

em qualquer estabelecimento dedicado

a animais: pet shops, centros de

estética, clínicas, hospitais veterinários,

hotéis e jazigos.

Para o diretor comercial da empresa,

Felipe Moura, estar preparado – tanto em

atendimento como em tecnologia – é crucial

para conseguir vencer neste setor.

“Nós investimos em inovações tecnológicas

e buscamos sempre referências

em feiras nacionais e internacionais”, e

acrescenta: “participamos da Feipet, em

Novo Hamburgo (RS), e conseguimos

bons resultados. O povo sulista tem uma

vontade grande por novas tecnologias e

queremos levar isso a eles. A Feipet é uma

feira dedicada apenas para profissionais

da área pet e lá podemos constatar que

ainda há muito espaço para crescer”.

O casal Felipe Moura (Diretor Comercial)

e Claudia Adati (Gerente de Projetos)

prestigiando a participação da PetMoura na

Pet South America 2016

Outro grande evento em que a Moura

esteve presente no final de agosto, foi a

Pet South America 2016, maior feira dedicada

aos profissionais pet da América

Latina. O PetMoura proporcionou aos visitantes

simulações reais de atendimento

ao cliente, benefícios e agilidade de seu

ERP. A feira ocorreu no Pavilhão Verde da

Expo Center Norte, em São Paulo.

55


SEU NOME ESTÁ NA RUA

TEXTO: SAMUEL BRASIL BUENO

RUY JÚLIO

Traços de glória em uma

caminhada passageira

No futebol, com a camisa

da Ferroviária, Ruy Júlio

despontou como uma das

grandes revelações vindas

pelas mãos do treinador Vail

Mota; nas ruas da cidade,

atuando como policial militar

e fiscalizando o trânsito,

ele tornou-se um amigo da

população e um brilhante

membro da corporação.

Alto, magro, feições tranquilas, seguro

e eficiente, além de justo, fazia

amizades facilmente, mesmo na sua

espinhosa profissão de policial militar.

Esse era o Ruy Júlio. Aliava a essas virtudes,

a especial de ser educado, leal,

e por isso mesmo angariou centenas

de amigos e hoje, sem desmerecer

os homens do nosso batalhão da PM,

seria o ideal na tarefa difícil da introdução

do novo código de trânsito por

força dos traços de sua personalidade

envolvente, sua proverbial paciência e

ânimo de servir.

A estreia de Ruy Júlio na Ferroviária se

deu em 1968, contra o Santos na Fonte

Luminosa; o Santos venceu por 4 a 1 e Ruy

Júlio tirou esta foto ao lado de Pelé como

verdadeiro símbolo

Nos campos de futebol, em especial

na Ferroviária, ele era o craque.

Do simples embrião de grande jogador,

dos tempos do Faveral, da troca de bola

perfeita com Índio, Rui Branco, Edélcio

Margonar, Ovídio e outros, ao timão da

AFE ao lado de Peixinho, Téia, Bazzani,

Pio, Getúlio, Fogueira, Fernando, Rossi

e demais craques da Ferroviária, Ruy

Júlio foi uma promessa que não vingou

por sua própria vontade, pois ele resolveu

seguir a carreira de Policial Militar.

Certamente guardou muitas recordações

como atleta profissional de

bola: defendeu a AFE, o América de Rio

Preto e o São José dos Campos e guardou

experiências boas e ruins. Boas

porque era craque e como tal dignificou

sua curta carreira na bola; mas porque

teve salários atrasados nos clubes e

demais decepções próprias no futebol,

e após regressar de uma excursão feita

pela Ferrinha por países da América

Central, resolveu ingressar na Polícia

Militar e deixar o futebol. Foi destacado

para vigiar e fiscalizar o trânsito da cidade,

e que, como sabemos, é um dos

mais difíceis existentes no interior do

Estado.

Saiu-se melhor do que a encomenda,

deu conta do recado, distinguiu-se

airosamente e feliz e sequer pensava

em subir de posto e galgar divisas. Ali –

possivelmente julgava – era o seu lugar,

junto aos que o respeitavam, atendiam

e ele conseguia amenizar as agruras

do serviço e obtinha a disciplina dos

Logo que deixou o

futebol profissional,

Ruy Júlio decidiu fazer

carreira na Polícia Militar;

paralelamente atuava

pelo Grêmio, orgulho da

corporação e do nosso

futebol amador

Ruy Júlio ao lado da esposa Cassilda, com

quem teve três filhos: Rogério, Luciana e

Juliana. Dois anos após o casamento, ele

entrava para a Polícia Militar

56


No time da Ferroviária em

1968 ao lado de Carlos

Alberto, Baiano, Fogueira,

Fernando, Theodoro e Rossi;

Peixinho, Téia, Bazani e Pio.

O gandula é Dorival Júnior,

atual treinador do Santos FC

motoristas por força da admiração que

provocava no serviço.

Claro que na Polícia Militar ele continuou

no futebol, esporte que conhecia

de perto e o praticava como craque

que era atuando no Grêmio da Polícia

Militar ao lado de Chiquinho, Massiteli,

Aristides, Jairzinho, Mimi, Macarrão

e outros, sendo discípulo do tenente

Edmilson Rodrigues que acumulava

funções dentro do gramado, recebendo

incentivo do tenente coronel Adalberto

José Gouveia que reconhecia em Ruy

Júlio, o astro da bola.

Posteriormente, na mudança de comando

da Polícia Militar, o futebol foi

extinto como prática no quartel e Ruy

Júlio acabou indo defender o Santana

local, por sinal, vice-campeão após sua

chegada, perdendo somente a final

para o Estrela. Ainda assim, Ruy Júlio

foi além e defendeu o time dos Preocupados,

no futebol de salão, time este

campeão do Torneio Roberto Barbieri,

que envolvia 100 concorrentes.

Ruy Júlio alimentava o sonho de

tornar-se Policial Militar Rodoviário e

chegou a fazer curso com esse objetivo,

tendo por companheiro o PM Pedro

José Laroca, com o qual ingressou na

carreira almejada, mas veio a falecer

tragicamente com seu amigo e companheiro,

em acidente automobilístico na

Rodovia Washington Luís, comovendo

a cidade que aprendera a admirá-lo e

respeitá-lo. Ruy Júlio era filho de João

Júlio Filho e de dona Josephina Maurício

Júlio. Foi casado com dona Cassilda

Mariana da Silva Júlio e seu enlace matrimonial

ocorreu a 24 de dezembro de

1971. Deixou os filhos Rogério, Luciana

e Juliana. Ingressou na carreira militar

a 5 de fevereiro de 1973 tendo sido

funcionário do Foto Cezarino e atleta

profissional de futebol. Registra-se ainda

que ele deixou os netos Mariana,

Carolina, Flávio e Felipe.

A tragédia de seu falecimento está

narrada integralmente na edição desta

folha, de 19 de agosto de 1989, nº

14.437, sábado e o repórter narrou

desta forma o infausto acontecimento:

“Acidente envolvendo 14 veículos na

tarde de ontem, por volta das 16h30,

na rodovia Washington Luís, km 160,

próximo de Cordeirópolis, fez treze vítimas

fatais, sendo que seis são de

Araraquara. Os araraquarenses mortos

foram os policiais militares Ruy Júlio

e José Pedro Laroca e a esposa deste

último, dona Cleonice e seus filhos

menores, Fabiano, José e Rodrigo, que

ocupavam o Fiat branco de propriedade

de Laroca.

As causas do acidente são atribuídas

a uma queimada à beira da rodovia que

espalhou, por largo trecho, densa cortina

de fumaça que deu origem ao violento

engavetamento. Ruy Júlio e Laroca

serviram, por largo tempo na Polícia Militar,

integrantes do 13º BPM/I e haviam

ingressado, há três meses, na Polícia

Ruy Júlio é cumprimentado por Ernani

Salvador Volpe, ao receber da Liga

Araraquarense de Futebol, um troféu como

reconhecimento à sua carreira de atleta

Rodoviária e ontem haviam ido a São

Paulo na festa de formatura, retornando

ambos já com a patente de cabo”.

Atos de amor aconteceram quando

de sua morte e registra-se com emoção

uma cartinha de seu filho Rogério,

a título de despedida do pai amado

e publicada no jornal “A Tribuna” de

Araraquara, edição de domingo, 10

de setembro de 1989, nº 24, ano I de

propriedade do jornalista Ivan Roberto

Peroni e Jesuíno Grecco.

Seu nome está na rua graças a uma

iniciativa da vereadora Deodata Leopoldina

Toledo do Amaral, autora da Lei 3641,

de 31.10.89 que denominou de Avenida

Ruy Júlio a via pública da sede do município

conhecida por Avenida 6 no loteamento

Jardim Panorama, que tem seu

início na Avenida 8 e término na Avenida

I do referido loteamento. Assinou a lei o

então prefeito Waldemar De Santi.

ONTEM

AVENIDA RUY JÚLIO

HOJE

57

Getúlio, Maritaca e Ruy Júlio

quando a Ferroviária foi

campeã do Interior em 1968


58


MUNDO ANIMAL

MÉDICO VETERINÁRIO

Seu animal precisa dele!

A posse responsável de cães,

gatos e outros animais inclui

o acompanhamento de um

médico veterinário, profissional

especializado para atender

emergências e rotinas clínicas

dos bichinhos.

Fonte: http://situado.net/a-importancia-domedico-veterinario/

Tendo tanta importância para a vida

animal quanto os médicos para a vida

humana, os veterinários têm a responsabilidade

de orientar e lucidar o cotidiano

e a rotina de cada animal, suprindo

e sublinhando adequadamente suas

necessidades individuais e particulares,

de acordo com a raça, a idade e a espécie,

por exemplo. Exames preventivos de

rotina, vacinações e atendimentos regulares

fazem parte da rotina do profissional.

O animal atendido por ele chega a

ter um prontuário de controle.

Nos casos de doença, por exemplo,

é o profissional que tem a responsabilidade

de conferir as melhores opções de

tratamento, que além de medicações,

pode incluir cirurgias sérias, na expectativa

de proporcionar a cura e o bemestar

animal. Também é o veterinário

que informa a família, dona

do animal, que não há mais

chances de cura e junto a

ela decide pelo sacrifício

Outros aspectos importantíssimos

do veterinário

são o papel que o profissional

assume quando tratamos

de saúde pública,

tanto em centros urbanos

como em zonas rurais:

pesquisas orientadas por

veterinários têm papel fundamental

no controle de

doenças tidas como “zoonoses”,

que são transmitidas

dos animais aos seres

humanos. Em países de grande atividade

pecuária como o Brasil, seus conhecimentos

são especializados para a

nutrição do animal, manejo das pastagens,

administração, higiene pessoal e

ainda a inspeção rigorosa de produtos

alimentícios de origem animal.

Observando capacidades e conhecimentos

específicos, a Organização

Mundial da Saúde, em 1946 criou a

Saúde Pública Veterinária, que definiu

novas áreas de atuação para a profissão,

sendo: o controle das zoonoses,

higiene de alimentos e os trabalhos de

laboratório, de biologia e ainda as atividades

experimentais. Assim, o médico

veterinário acaba tendo quatro áreas

de especialização: a Clínica, que atua

com atendimentos, exames e pequenas

cirurgias de animais de estimação;

a Ambiental, que estuda animais silvestres

em seu habitat natural, identificando

espécies, doenças e contribuindo

para a preservação dos animais; e a de

Controle e Tecnologia para Populações

Animais, que estuda técnicas de desenvolvimento

e trato de rebanhos.

No dia 9 de setembro é comemorado

o Dia do Veterinário. Neste dia, não

deixe de parabenizar aquele que cuida

do seu animalzinho com todo carinho,

atenção, amor e dedicação.

59

Dr. Alessandro

Galhardo, da É

O Bicho Clínica

Veterinária


COLUNA

ESPORTE É AVENTURA

ARARAQUARA E AS

OLIMPÍADAS RIO/2016

É muito bom dizer e saber que a

cidade de Araraquara foi representada

nas Olimpíadas Rio/2016 pela atacante

da equipe de futebol feminino,

Beatriz Zaneratto João, a Bia, que foi

revelada pela nossa Ferroviária.

A cidade também recebeu, no dia

18 de julho, a Tocha Olímpica, símbolo

da pureza eterna da juventude

olímpica e elo entre a origem dos Jogos

Antigos e a cidade sede de cada

edição dos Jogos, que eram disputados

na Antiguidade desde 776 A.C.,

na Grécia, na cidade de Olímpia, de

onde vem o nome da competição.

A chama também tem o significado

da paz entre as pessoas e a fraternidade,

já que na Antiguidade as guerras

eram interrompidas durante a realização

dos Jogos.

A prefeitura da cidade indicou cinco

esportistas para representá-la e as

empresas patrocinadoras, Bradesco,

Coca-Cola e Nissan indicaram os demais

33 portadores da Tocha, muitos

deles procedentes de outras cidades

paulistas e de outros Estados da Federação.

A Chama percorreu cerca

de 7,4 km, em revezamento composto

então por 38 pessoas, entre elas nosso

querido e admirável atleta e aluno Antônio

Carlos Orselli, que fez por meio

de sua participação, com que a Absolute

Fit estivesse presente também, ainda

que indiretamente, dessa grande

festa.

A tocha percorreu grande trecho da

Avenida Francisco de Salles Colturato,

desceu a Rua São Bento até a Avenida

Brasil, pela qual desceu até a Rua 9 de

Julho, subindo por ela até a Avenida

Bento de Abreu, percorrida até as proximidades

do Estádio da Fonte, onde foi

encerrado o revezamento.

Foi uma festa muito bonita e comovente,

assistida por

grande número de

araraquarenses e que,

certamente, ficará na

memória de todos.

No meu caso, que

presenciei de perto a

passagem da chama

olímpica, mesmo sem

Carlinhos Tavares

Absolute Fit | 16 3114.8664

conduzir a tocha e apenas observando

o grande Orselli, pude sentir na pele o

arrepio e um pouco da emoção deste

evento de magnitude incomparável.

A Absolute Fit apoia todos os esportes!

Viva em Movimento!

Venha fazer parte da família Absolute

Fit e garanta os melhores resultados!

Para saber mais, como dicas de

treino, etc., curta nossa página no Facebook

(www.facebook.com/absolutefit).

Neste canal, você leitor poderá interagir,

compartilhar fotos e fazer perguntas.

Siga a Absolute Fit no Instagram:

@absolutefit_araraquara

Orselli e Carlinhos

Orselli, com a

tocha 60 olímpica


SAÚDE

Unha encravada

Como resolver?

Qualquer pessoa que já

tenha lidado com uma

unha encravada sabe quão

desagradável e dolorida

ela pode se tornar. O

termo médico para ela é

Onicocriptose, e se deixada

sem tratamento, pode virar

mais do que apenas uma

chateação

Fonte: http://www.minhavida.com.br/

A unha do pé encravada, também

chamada de onicocriptose, ocorre

quando a borda da unha cresce e entra

na pele do dedo. Pode haver dor, vermelhidão

e inchaço ao redor da unha.

Uma unha encravada pode resultar

de inúmeros fatores, mas sapatos inadequados

e unhas não cortadas corretamente

são as causas mais comuns. A

pele na borda da unha do pé pode ficar

avermelhada e infectada. O dedão é geralmente

afetado, mas a unha de qualquer

outro dedo do pé pode encravar.

largos. Se você caminha com frequência

ou participa de corridas, até mesmo um

sapato um pouco mais apertado pode

causar esse problema. Algumas deformidades

do pé ou dos dedos também podem

colocar pressão extra no dedo.

Unhas que não são cortadas corretamente

também podem causar o problema.

Quando as unhas dos pés são

cortadas muito curtas ou as bordas são

arredondadas em vez de cortadas retas,

a unha pode virar e crescer para dentro

da pele.

Visão ruim ou incapacidade física

para alcançar o dedo do pé com facilidade,

assim como unhas grossas, podem

facilitar o corte inadequado das unhas.

Desprender ou separar os cantos das

unhas também pode ocasionar uma

unha encravada.

Algumas pessoas nascem com unhas

curvadas e que tendem a crescer para

baixo. Outras têm unhas muito grandes

em relação aos dedos. Friccionar o dedo

ou outras lesões também pode levar à

unha encravada.

CAUSAS

A unha encravada pode ocorrer quando

é colocada pressão extra sobre o dedo

do pé. Mais comumente, essa pressão é

causada por sapatos muito apertados ou

61


VIP

VIDA SOCIAL por Maribel Santos

A costureira Zenite

do Carmo Araújo

Prêmio Dra. Rita de Cássia

Em homenagem ao Dia Internacional

da Mulher Negra Latina Americana

e Caribenha, o Centro Municipal de

Referência Afro, realizou sua terceira

edição. Este ano, as homenageadas

receberam o prêmio Dra. Rita de

Cássia Correa Ferreira. Natural de

Marília, falecida em 6 de junho de

2016 aos cinquenta anos de idade,

era militante do movimento negro, e

advogada na cidade de Araraquara.

O evento ocorreu no Palacete Paulo

AC Silva, numa noite de festa para

as eleitas, suas famílias, e amigos.

A jornalista Valesca

Mendonça

A professora de dança Sabrina

Kelly Caetano

ꀥ 䰀 椀 挀 攀 渀 挀 椀 愀 洀 攀 渀 琀 漀 䄀 洀 戀 椀 攀 渀 琀 愀 氀 匀 䴀 䄀 ⼀ 䌀 䔀 吀 䔀 匀 䈀

ꀥ 倀 爀 漀 樀 攀 琀 漀 猀 搀 攀 䰀 愀 甀 搀 漀 猀 䄀 洀 戀 椀 攀 渀 琀 愀 椀 猀

ꀥ 倀 爀 漀 挀 攀 猀 猀 漀 搀 攀 匀 甀 瀀 爀 攀 猀 猀 漀 搀 攀 嘀 攀 最 攀 琀 愀 漀 攀

ꀥ 倀 爀 漀 樀 攀 琀 漀 搀 攀 刀 攀 挀 漀 洀 瀀 漀 猀 椀 漀 䘀 氀 漀 爀 攀 猀 琀 愀 氀

ꀥ 伀 甀 琀 漀 爀 最 愀 猀 䐀 䄀 䔀 䔀 ⠀ 倀 漀 漀 䄀 爀 琀 攀 猀 椀 愀 渀 漀 Ⰰ 䈀 愀 爀 爀 愀 最 攀 渀 猀 Ⰰ

䌀 愀 瀀 琀 愀 漀 攀 琀 挀 ⸀⸀⤀

䄀 洀 戀 椀 愀 爀 愀 䄀 爀 愀 爀 愀 焀 甀 愀 爀 愀 甀 洀 愀 攀 洀 瀀 爀 攀 猀 愀 昀 漀 爀 洀 愀 搀 愀 瀀 漀 爀 瀀 爀 漀 ǻ 猀 猀 椀 漀 渀 愀 椀 猀

琀 挀 渀 椀 挀 漀 猀 愀 氀 琀 愀 洀 攀 渀 琀 攀 焀 甀 愀 氀 椀 ǻ 挀 愀 搀 漀 猀 挀 漀 洀 瘀 椀 猀 漀 猀 椀 猀 琀 洀 椀 挀 愀 Ⰰ 攀 渀 琀 爀 攀 最 愀 搀 攀

爀 攀 猀 甀 氀 琀 愀 搀 漀 猀 挀 漀 洀 攀 砀 挀 攀 氀 渀 挀 椀 愀 瀀 愀 爀 愀 愀 氀 挀 愀 渀 愀 爀 愀 猀 愀 愀 猀 昀 愀 漀 搀 攀 猀 攀 甀 猀 挀 氀 椀 攀 渀 琀 攀 猀 ⸀

吀 爀 愀 戀 愀 氀 栀 愀 洀 漀 猀 愀 琀 攀 渀 搀 攀 渀 搀 漀 愀 氀 攀 最 椀 猀 氀 愀 漀 瀀 攀 爀 爀 渀 攀 渀 琀 攀 Ⰰ 瀀 愀 爀 愀 最 愀 爀 愀 渀 渀 爀

猀 漀 氀 甀 漀 椀 渀 琀 攀 氀 椀 最 攀 渀 琀 攀 Ⰰ 椀 渀 漀 瘀 愀 搀 漀 爀 愀 猀 攀 搀 攀 椀 洀 攀 搀 椀 愀 琀 愀 愀 瀀 氀 椀 挀 愀 漀 ⸀

ꀥ 刀 攀 氀 愀 琀 爀 椀 漀 搀 攀 䤀 洀 瀀 愀 挀 琀 漀 搀 攀 嘀 椀 稀 椀 渀 栀 愀 渀 愀

䔀 䤀 嘀 ⼀ 刀 䤀 嘀 倀 爀 攀 昀 攀 椀 琀 甀 爀 愀 䴀 甀 渀 椀 挀 椀 瀀 愀 氀

ꀥ 䰀 愀 甀 搀 漀 搀 攀 䄀 瘀 愀 氀 椀 愀 漀 搀 攀 刀 甀 搀 漀 猀

ꀥ 䰀 愀 甀 搀 漀 刀 甀 搀 漀 ⴀ 䄀 瘀 愀 氀 椀 愀 漀 搀 攀 刀 甀 搀 漀 搀 攀

䌀 漀 洀 甀 渀 椀 搀 愀 搀 攀 ጠ 䌀 攀 琀 攀 猀 戀

䘀 漀 渀 攀 ⼀ 䘀 愀 砀 㨀 㘀 ⸀アパートアパートアパート 㔀 ⸀ 㜀 㔀 簀 㤀 㠀 ㈀ 㔀 アパート⸀ 㘀 㔀

䄀 瘀 ⸀ 倀 椀 漀 䰀 漀 甀 爀 攀 渀 漀 䌀 漀 爀 爀 攀 愀 Ⰰ 㜀 㔀 簀 匀 愀 渀 琀 愀 䄀 渀 最 攀 氀 椀 渀 愀

䌀 䔀 倀 㨀 㐀 㠀 ㈀ⴀ 簀 䄀 爀 愀 爀 愀 焀 甀 愀 爀 愀 ⼀ 匀 倀

62

ꀥ 倀 氀 愀 渀 漀 搀 攀 䜀 攀 爀 攀 渀 挀 椀 愀 洀 攀 渀 琀 漀 刀 攀 猀 搀 甀 漀 猀 匀 氀 椀 搀 漀 猀 ጠ 倀 䜀 刀 匀

ꀥ 䄀 挀 攀 猀 猀 漀 爀 椀 愀 攀 䌀 漀 渀 猀 甀 氀 琀 漀 爀 椀 愀 䄀 洀 戀 椀 攀 渀 琀 愀 氀

ꀥ 䄀 挀 攀 猀 猀 漀 爀 椀 愀 攀 䄀 琀 攀 渀 搀 椀 洀 攀 渀 琀 漀 䨀 甀 爀 搀 椀 挀 漀


Dia dos Pais

A Loja Maçônica Caridade

Universal III, realizou Sessão

Magna em homenagem

aos pais.

Renata Cáceres, Roberto Abreu Mantegassi e Teresinha

Mantegassi

Rafael Buda Zendron, com

seu pai Mário Zendron

Regina Helena Micelli Mascia e Jorge Luís Bedran

Jantar da 5ª Subseção OAB

Dia 12 de agosto no Buffet

Terra Nova, ocorreu o jantar

comemorativo saudando todos

os profissionais participantes

do “XVIII Congresso de

Direito Processual Brasileiro”.

Organizaram o evento a

OAB Seção São Paulo, o

Departamento de Cultura e

Eventos e a 5ª Subseção da

OAB SP-Araraquara.

Cristiano Augusto Figueiredo e Idinea Zucchini Rosito

A procuradora geral do

Estado, Dra. Sara Correa

O presidente da OAB o Dr. João Milani Veiga, sua

esposa a Dra. Maria Angelina Donini Veiga, sua

filha Renata Veiga, o genro Marcos Pestana e o

filho Rodrigo Veiga

63


Posse

Ocorreu no dia 13 de agosto a cerimônia de posse da nova

Ilustre Preceptora, da IX Gestão Administrativa da Assembleia

Estrelas de Ísis n° 32 da Ordem Internacional do Arco-íris para

meninas. Além da posse, a noite foi enriquecida com uma linda

homenagem aos pais. Para os que estiveram prestigiando o

evento, foi uma noite especial e muito emocionante.

Marilu Dias com sua filha Ingrid

Dias, que deixou o cargo que

ocupou por seis meses como

Ilustre Preceptora

Maria Angélica Velloso é

a nova Ilustre Preceptora,

com a mamãe Valquíria

Rodrigues de Oliveira

Elas formam um arco-íris de amor

Impossível olhar esta imagem e não recordar

um dos momentos mais bonitos que presenciei

e que pude registrar. O meu amor por elas é tão

sublime que é impossível descrever. A amizade,

o respeito, o carinho, a cumplicidade e o amor

são laços que unem cada uma delas e isto é que

faz a diferença em todos os projetos aos quais

estão engajadas. E foi em uma das campanhas

que tive o imenso prazer de conhecê-las, o Fio

por um sorriso, que arrecada mechas de cabelo

para pessoas que estão fazendo quimioterapia.

E de lá para cá acompanho tudo o que elas

fazem, além de estreitar laços com algumas

delas, pelo Facebook, entre elas a querida

Maria Angélica Velloso, que gentilmente me fez

o convite para sua posse. “Angel” agradeço o

seu carinhoso convite e penso que talvez você

não saiba, o quanto foi especial para mim, estar

presente neste seu novo desafio. Que Deus a

abençoe infinitamente e conte sempre comigo.

Parabéns querida, por ser quem tu és!

64


VIPS

em destaque

TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo,

Dr. Dimas Eduardo Ramalho, após o encerramento da XIV

Semana Jurídica, no auditório da Escola de Contas da Unidade

Regional de Araraquara.

McDia Feliz

O presidente da Casa Ronald McDonald Jahu, José Antonio Barata

de Almeida Bueno e o presidente da LACCA (Liga Araraquarense

de Combate ao Câncer), Luís Nacir, no lançamento da campanha

McDia Feliz em prol da Casa Ronald McDonald Jahu. A entidade

oferece gratuitamente hospedagem, alimentação e todo o conforto

para crianças e adolescentes em tratamento de câncer e seus

acompanhantes.

Homenagem

O presidente da XXXIII Semana Maçônica de

Araraquara, Carlos Alberto Bortolli e o sociólogo Luiz

Carlos Bedran, na homenagem ao Dia do Maçom

realizada pela Câmara Municipal.

65


Viver Empresas

Fotos: João Carlos

Antonia Rizzo da

Matta, uma das

mais conceituadas

empresárias do

ramo ótico em

toda a região,

com duas lojas

em Araraquara,

participa de

evento ao lado da

amiga Esmeralda

Nascimento

Adriana Assumpção, Fátima Bergamin e Oswaldo

Amaral em conversa descontraída durante festa em

homenagem ao aniversário da ACIA

Casal Elias Chediek e Regina

Heloisa Nascimento e o empresário Geraldo

Cataneu, da AGR Materiais para Construção

Maria e Ademir Ramos (Fort Lar)

e presidente da FIESP Araraquara

Renato Alves,

orientador de artes

cênicas e Alexandre

Minghin, diretor,

ambos do SESI

Araraquara

Maria Teresa Smirne,

Ana Rosa Malara

Capparelli, Geórgia

Cristina Affonso e

Dagmar Abadia

Bizzinotto Ribeiro

Os irmãos Márcia Helena e Helder Rizzo da Matta

José Natal de Moura, presidente do

ITEC e Valmir Moreira

66

Dia de festa para Jair

Martineli e Milton Cardoso


“Meu grande amigo Kiko Lopes,

um dos maiores artistas do

desenho e da pintura; retratando

este pobre mortal, é uma

homenagem especial que me

envaidece. Coisas de amigos,

que ainda existem, graças a

Deus !!!”

Wilson Mirandinha Albino

Mirandinha, por

Kiko Lopes

Babi Meneghin com o marido Ricardo

Bonotto e a encantadora Helena

Elvis não morreu. Quem diz é

Marco Antonio Caride que em seus

shows traz a imagem do rei do

rock, num estilo agradável e que

mexe com o público. O cover está

fechando agenda para as festas de

confraternização das empresas neste

final de ano.

Mário Sérgio Speretta, brilhante advogado em

nossa cidade e que por muitos anos teve uma

participação ativa na imprensa da cidade com a

sua “Coluna Forense”, publicada n’O Diário

Lina Gouvea e a

cachorrinha Mel, paciente

da Clínica É o Bicho

67


VITRINE

Fotos: João Carlos

Multidecora em

novo espaço

Um belo coquetel marcou a

inauguração em nossa cidade

da nova loja Multidecora,

agora instalada na Avenida

Barroso, 1055.

Sérgio

Schwartzmann,

ao lado da

esposa Elenice, na

homenagem que a

Multidecora prestou

a Marcelo Pereira,

da área comercial

da Colúmbia

Elenice e Sérgio, ladeados por Marcos

Veríssimo, profissional de instalação

decorativa e Antônio Caires, do setor

comercial da Columbia

Cláudia

Biagioni, Deise

Biancardi, Elenice

Schwartzmann e

Maria Helena Bizelli,

durante o evento da

Multidecora

Marília Longo Biasiolli, da área comercial

da Multidecora, recebe uma lembrança

de Sérgio e Elenice

Ismael Biagioni e

Edelsio Biancardi,

foram cumprimentar

o casal Elenice

e Sérgio

Schwartzmann

pelo grande

empreendimento

e novo projeto da

Multidecora na

cidade

68


Ricardo Campos, a esposa Luciana e o

casal Sérgio e Elenice

O casal Cláudia

e Gilson Natal

de Mattos, Sérgio

Schwartzmann e

as irmãs Bertollini:

Marisa e Denise

Ademar Ramos da

Silva coloca conversa

em dia com o amigo

Orlando Bonifácio

Martins

Em bate-papo, Geraldo Patreze

e Valdir Antonio Massucato

Carlinhos Prada e a esposa

Gilda vão dividir os momentos

de lazer entre Araraquara e São

Paulo, onde estão por mais de 20

anos. Que alegria tê-los de volta

desfrutando do carinho dos amigos

Cleiton Martins, superintendente

do Shopping Jaraguá com Tavinho

Quintão

69


Luís Carlos

BEDRAN

Sociólogo e articulista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

A olimpíada araraquarense

O calendário previsto das eleições

municipais coincide com o da olimpíada,

que era “cada um dos intervalos de

quatro anos entre dois jogos olímpicos

pelo qual o tempo era contado na Grécia

antiga”. (Houaiss).

Pois a olimpíada araraquarense

cairá em plena primavera, quando

então, no dia 2 de outubro, após intensa

preparação físico-psicológica dos

candidatos e das candidatas, terminará

a corrida em busca do poder. Pelo Executivo,

quando um ou uma só conseguirá

levar a medalha de ouro, em

disputa aguerrida, mas entre poucos

atletas; e pelo Legislativo, quando, dentre

centenas, apenas 18 conseguirão

suas medalhas.

Quem decidirá o resultado? Nada

menos do que alguns milhares de pessoas

que avaliarão quais deles merecem

ter os louros da vitória, mas com

uma condição: a de que, proclamados

eleitos, terão de ajudar os jurados que

votaram (ou não) neles, para que a

vida de cada um possa correr tranquila

numa jovem cidade que, em 2017, fará

200 anos.

Coincidentemente foi na Grécia

antiga, na mesma época, que os jogos

olímpicos e o democrático foram

criados. Ambos eram elitistas. Somente

deles podiam participar os homens considerados

sãos; eram excluídas as mulheres

e os escravos. No entanto, a democracia

se aperfeiçoou e foi incluída

depois nas Olimpíadas que se realizam

no mundo todo, como a última, belíssima,

que se viu em nosso país.

Porém elas continuam com o mesmo

objetivo de outrora: o aperfeiçoamento

físico dos homens e das mulheres,

quando possível, ao mesmo tempo em

que se abriu um leque para a disputa

esportiva de inúmeras modalidades,

de pessoas nas mais várias categorias,

cada vez maior, numa inclusão extremamente

democrática.

Mas a disputa pelo poder é diferente:

além de exigir um bom preparo

físico dos candidatos (que têm de andar

muito...), exige-se também uma série de

outros requisitos, de ordem não material,

e sim psicológica e ética, que terão

de ser avaliados pelos jurados.

Alguns são fundamentais, como reputação

ilibada, um bom conhecimento

cultural, mormente das leis do País, experiência

administrativa e/ou legislativa,

se possível. Mas, mais do que todos,

um é o principal: ser idealista, procurar

bem governar e legislar para aqueles

que acreditaram neles.

Outros, embora não necessários,

mas importantes, são possuir uma boa

estrutura psicológica, ter popularidade,

simpatia, credibilidade.

Depois de muita pancada que a

democracia já levou desde quando inventada

na Grécia antiga, hoje está tão

aperfeiçoada que também as mulheres

já podem disputar o poder, pois não se

exigem delas mais a força física e sim a

de caráter e competência.

Desde o início da civilização elas

sempre dominaram internamente nas

casas (e ainda continuam...); pouquíssimas

nas ruas, externamente, no sentido

sociológico e antropológico. (A casa &

a rua, Roberto DaMatta, Editora Guanabara

Koogan S.A. 4ª edição, 1991).

Administram excelentemente empresas,

instituições, cidades, países (há exceções

que apenas confirmam a regra,

como já se viu no nosso e na Argentina);

são competentes legisladoras, intelectuais,

professoras. Substituem, com

certa vantagem, nalgumas profissões,

até mesmo os próprios homens, que

eram tradicionalmente reservadas a

eles, tais como o serviço militar.

Ainda remanesce um certo preconceito

com relação ao poder político

da mulher, mormente em nossa sociedade

machista, tanto na esfera pública

quanto na privada. É que os homens

supõem que a mulher, quando ascende

ao poder, transforma-se: quer se igualar

a eles, os quais, desde os primórdios

tempos usaram da força para

conquistá-lo e então se tornam muito

mais prepotentes que eles, justamente

para compensar essa suposta fraqueza

decorrente do sexo.

Ledo engano. Essa ideia hoje está

completamente ultrapassada, pois, nos

tempos modernos, com toda a tecnologia

da informação ao alcance de qualquer

um, a força física já não é mais tão

importante, nem tão necessária.

Os juízes, jurados eleitores, decidirão

por quem serão governados nos

próximos quatro anos. Teremos uma

competente prefeita ou, mais uma vez,

um homem no Executivo?

Quem serão os vencedores na

olimpíada araraquarense?

70


Responsável técnico: Dr. Woe Tong Chan CRM nº 86.953

Hospital São Francisco. Tratamento humanizado

que faz diferença no seu bem-estar.

O Hospital São Francisco é um centro médico respeitado em todo país pela qualidade dos procedimentos

de alta complexidade em diversas especialidades médicas como cardiologia, neurologia, ortopedia, cirurgia geral

e oncologia. É um hospital com mais de 70 anos dedicados à saúde, onde a alta tecnologia e as modernas

instalações se completam com o acolhimento e cuidados da equipe médica no tratamento de seus pacientes.

0800 777 90 70 Um grupo de saúde diferente

saofrancisco.com.br

porque faz diferença na sua vida.

são francisco

71


72

More magazines by this user
Similar magazines