08.11.2019 Views

RCIA - ED. 91 - FEVEREIRO 2013

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Publicação Mensal

Fevereiro/2013 • Ano 8 • N° 91


ponto de vista

DE OLHO NA COPA: É PRECISO CONTER

A POLUIÇÃO VISUAL EM ARARAQUARA

IVAN ROBERTO

PERONI*

Da noite para o dia, os postes de iluminação pública em várias regiões da cidade

foram emporcalhados pela colagem de cartazes anunciando circos e feirões. Ao

mesmo tempo, há casos de candidatos que ainda não se deram ao luxo de retirar placas

da campanha eleitoral finalizada em outubro, desrespeitando normas e contribuindo

com a poluição visual já provocada por outras situações.

O drama de Araraquara é o mesmo vivenciado pela maioria das grandes ou cidades

de médio porte. Há um excesso de elementos relacionados à comunicação visual,

como placas e cartazes distribuídos nas áreas urbanas, especialmente em centros

comerciais.

Mas não é só. Observa-se também a poluição visual em algumas atuações humanas

sem estar ligadas necessariamente à publicidade como o grafite, fios de eletricidade

e telefônicos, os edíficios com falta de manutenção, o lixo exposto não orgânico

e outros resíduos urbanos.

No caso da Avenida 36 por exemplo, os postes emporcalhados e o exagero de

placas publicitárias preocupam, pois promovem um desconforto visual; o excesso

faz com que as cidades modernas fiquem mais saturadas, desvalorizando-as e tornando-as

apenas num espaço de promoção do fetiche e das trocas comerciais capitalistas.

O problema não é a existência da propaganda, mas o seu descontrole.

Por muito tempo, a publicidade integrou a paisagem das cidades, mas hoje percebe-se

um exagero que funciona como um fator de degradação. A poluição visual

acontece quando, com tantas referências acumuladas, as pessoas não têm mais noção

de espaço, prejudicando sua percepção e atrapalhando a circulação dos cidadãos.

Certos municípios, quando tentam revitalizar regiões degradadas pela violência

e pelos diversos tipos de poluição, baixam normas contra a agressividade visual, determinando

que as lojas e outros geradores desse tipo de poluição mudem suas fachadas

a fim de tornar a cidade mais harmônica e esteticamente agradável ao habitante

e visitante.

As cidades - e Araraquara é um exemplo bem aos nossos olhos - apresentam um

grande número de cartazes publicitários, os quais, juntamente com a concentração

de edifícios e a carência de áreas verdes, constituem uma área de extrema poluição

visual que degrada o meio ambiente.

Uma das maiores preocupações sobre a poluição visual em vias públicas de intenso

tráfego, é que ela também pode colaborar para acidentes automobilísticos.

Em alguns casos esse total descontrole põe em risco a vida das pessoas já que muitas

faixas e propagandas são colocadas em cruzamentos de avenidas, confundindo

com as suas cores vermelhas, a sinalização de trânsito.

No ano passado, até que a Câmara Municipal se empenhou em criar regras visando

conter o avanço do emporcalhamento da cidade e olhando a Avenida 36 neste

momento, percebe-se que as tentativas passaram pelos vãos dos dedos e a convivência

com a colagem de cartazes em postes e o volume de placas publicitárias instaladas,

caminham por ruas e avenidas que deverão ser olhadas por culturas diferenciadas

se a Copa do Mundo chegar até nós. Até lá muita coisa pode mudar.

redação

SÔNIA MARIA

MARQUES

A NOSSA REDE HOTELEIRA

Com um Centro Internacional de Eventos

que podemos considerar como cartão de

visita da cidade, as redes hoteleiras

começam a olhar com mais carinho para

aplicação de investimentos no município.

A chegada da Rede Othon em Araraquara

mostra isso, focando seu trabalho na área

corporativa. A expansão do segmento

hoteleiro acompanha a mesma lógica de

desenvolvimento de outros setores-chave

da economia local. Os hotéis também

dependem de demanda em escala para

crescer, por meio de um planejamento de

longo prazo e de parceiros com fôlego para

bancar investimentos bastante elevados,

especialmente em torno das grandes

bandeiras, que escolheram Araraquara como

mercado principal para seu crescimento.

Mas, sobretudo, dependemos de um

horizonte sustentável em torno da demanda,

que não pode estar restrita à sazonalidade.

Neste momento tudo parece caminhar bem:

a cidade cresce e com ela os mais diversos

setores expandem suas atividades. Ao

mesmo tempo, porém, esses

empreendimentos precisam definir

estratégias que lhes garantam a

sustentabilidade do negócio ao longo do

tempo, o que não é tão simples se

observarmos que o setor também enfrenta

obstáculos estruturais que retém um pouco

o ritmo de crescimento.

EDIÇÃO N° 91 - FEVEREIRO/2013

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Redação: Rosane D’Andrea

Depto. Comercial: Gian Roberto, Silmara Zanardi,

Heloisa do Nascimento e Osias Moraes

Design: Mário Francisco, Carolina Bacardi e

Fernando Oprime

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Grafinew - (16) 3322-6131

A Revista Comércio & Indústria é distribuida gratuitamente

em Araraquara e região

INFORMAÇÕES ACIA: (16) 3322 3633

COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Fone/Fax: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br


eportagem de capa

A ARAQUIMICA na Via Expressa, 656

ARAQUIMICA

SUA CASA AGRADECE, SUA EMPRESA PRECISA

Uma empresa voltada para

a qualidade dos produtos

que comercializa, mostra

seu crescimento e assegura

que valeu a pena a série

de investimentos realizados

ao longo de 8 anos de

atividades em Araraquara.

Com espírito empreendedor, os fundadores

Cesar Augusto Martins, Silvana Gomes

Martins e Rosa Chiconato Gomes

acreditaram na ideia de montar uma loja

para comercializar produtos de limpeza.

Foi assim que em fevereiro de 2005, inauguraram

a Araquimica Produtos de Limpeza

e Descartáveis.

No início, a loja era localizada na Rua

Gonçalves Dias, 31, em um imóvel de cerca

de 300 m², e comercializava apenas produtos

de limpeza. Depois vieram os descartáveis

e uma série de outros produtos,

de acordo com as exigências de mercado.

Em pouco tempo, a empresa precisou de

um espaço maior para melhor atender seus

clientes e mudou-se em 2007, para o endereço

atual. Hoje ocupa uma área de aproximadamente

1.200m².

Desde então, a companhia se consolidou

na comercialização de produtos de

qualidade com preços competitivos aliados

a um atendimento sério e personalizado.

É uma das mais conceituadas no segmento

de limpeza em geral.

A Araquimica conta com uma linha

completa de produtos de limpeza, utilidades

domésticas em geral, tratamento de

piscinas, limpeza de carros, polimento,

cristalização, descartáveis, linha completa

para tratamento de piso, matéria-prima e

essências específicas para o desenvolvimento

de produtos de limpeza, tanto para

empresas até a dona de casa. “Atendemos

Os serviços são realizados com o padrão

de segurança exigido pelas normas que

controlam o setor


Uma empresa tipicamente familiar à

frente da ARAQUIMICA: Cesar Augusto

Martins, Silvana Gomes Martins e Rosa

Chiconato Gomes

desde a dona de casa até a pessoa jurídica”,

conta Cesar Martins.

DINO - O GRANDE

DIFERENCIAL

Há um ano a empresa assumiu um novo

desafio e apresentou ao mercado consumidor

sua própria marca. O nome escolhido

foi Dino, representado por um simpático

mascote que estampa os rótulos

das embalagens. Foi um grande passo e o

lançamento conduziu a empresa à posição

de indústria por fabricar uma linha

com os seguintes produtos: Desinfetantes,

amaciante, detergente, alvejante sem

cloro, água sanitária, limpadores perfumados,

sabão líquido e multiuso. Os pro-

dutos são acondicionados em embalagens

de 5, 20 e 50 litros.

A Araquimica amplia de maneira constante

sua linha de produtos, todos desenvolvidos

com os padrões de qualidade e

competitividade exigidos pelo mercado,

que norteiam suas ações há 8 anos.

INOVAÇÃO: LABORATÓRIO

COM TODA CERTIFICAÇÃO

Para desenvolver a linha Dino, a Araquimica

montou seu laboratório com uma

infraestrutura perfeita. “Seguimos todas as

exigências da ANVISA, Vigilância Sanitária,

CETESB, CRQ - Conselho Regional de

Química e conseguimos todas as licenças e

registros necessários, o que garante o rígido

controle de qualidade”, relembra Cesar.

Além disso, o laboratório conta com um químico

responsável e um técnico que trabalha

diariamente na empresa.

A Araquimica Produtos de Limpeza e

Descartáveis está consolidada no mercado

de Araraquara e região. A empresa atende

clientes em São Paulo, São Carlos, Jaú,

Bauru, Pederneiras, Boa Esperança do

Sul, Santa Lúcia, Américo Brasiliense,

Rincão, Matão e Nova Europa. Para tanto,

conta com uma equipe de 16 profissionais

especializados.

A Araquimica Produtos de Limpeza e

Descartáveis está localizada na Av. Via

Expressa, 656, na Vila Suconasa.

Para mais informações é só ligar para

(16) 3333-9026 e (16) 3322-3823.

Visão

parcial do

showroom

Laboratório

para análise e

desenvolvimento

de novos produtos

a serem usados

na limpeza


palavra do presidente

PRECISAMOS CONVERSAR MAIS COM OS EMPRESÁRIOS

RENATO HADDAD

Prezados amigos empresários

É com muita alegria que volto a ocupar

este espaço.

Tudo tem passado muito depressa, tantos

são os encargos com os quais nos ocupamos,

realizando, muitas vezes, o trabalho

de 2 ou até mesmo 3 pessoas dentro de

nossas empresas.

Pois bem, foi-se o Natal, o Reveillon.

Foi-se janeiro. Independentemente dos números

anunciados por quem detém os bancos

de dados em nosso país, ficaram alguns

setores com saldo positivo; outros,

porém, não foram tão bem assim.

Trabalhar pelo desenvolvimento das

empresas de nossa cidade é um dever da

nossa entidade. Mas, para que isso ocorra

de uma maneira adequada,

precisamos estreitar nossos

relacionamentos,

acima de tudo, conhecer

a verdadeira realidade...

Como já disse, vamos

buscar, imediatamente,

parceria com as

universidades de Administração

e Economia

de nossa cidade e,

com isso, trazer mais serviço e, principalmente,

informação confiável.

Temos que fazer algo e rapidamente. O

Brics, segundo jornais, foi por água abaixo.

Dizem que sobrou só o c, de China. Aí

outras economias, incluídas a nossa, já não

estão tão atraentes assim. Os cruzeiros marítimos,

em 2012, ficaram 17% menores

em relação a 2011; a inadimplência das empresas

(atrasos entre 15 e 90 dias) fechou

2012 em 7.9%. Agora, faça as contas: com

o pibinho do ano passado em 1% e inflação

em 5.84% será que podemos realmente

acreditar na consultoria quando afirmam

ser possível crescer 3.5% este ano? A

inflação, infelizmente está garantida =

5.5%

Precisamos conversar mais com os empresários,

principalmente os das lojas físicas.

Estou, juntamente com nossos diretores,

à disposição. Queremos conversar por

setores, manter uma troca de informações.

Fale conosco pelo telefone ou pelo email

aciaararaquara@sunrise.com.br para que

possamos, juntos, encontrar melhores caminhos

para as empresas araraquarenses

em 2013.

Um abraço,

Renato Haddad

Obs.: O Núcleo de Confecções do Projeto

Empreender está chegando. Já é um

bom começo para as empresas do ramo.

Renato Haddad, presidente da Associação Comercial e

Industrial de Araraquara


evitalização

LOJISTAS DO CARMO

COMEMORAM VERBA

Comércio da Avenida Sete

festeja aprovação do novo

visual do corredor e as

melhorias já provocam

abertura de licitação para

início das obras.

O desgaste econômico da Avenida Sete

de Setembro começou com a duplicação

da Washington Luis nos anos 60 e a falta

de apoio da classe política para proteger

um comércio tão tradicional

O presidente da Associação Comercial

e Industrial de Araraquara, Renato Haddad,

recebeu na primeira quinzena de janeiro

a boa notícia: o departamento técnico

da Caixa Econômica Federal aprovou o

projeto de revitalização do Centro

Gastronômico de Araraquara

no trecho da Avenida Sete de

Setembro entre as ruas Humaitá

e João Gurgel. O aporte de

R$ 800 mil é oriundo do Ministério

do Turismo.

Em fevereiro do ano passado,

Renato Haddad chegou a comentar

que o objetivo da ACIA

era de favorecer os lojistas e fazer

ressurgir um dos mais importantes

corredores comerciais

da cidade.

O prefeito Marcelo Barbieri

recebeu com otimismo a notícia que

marca o início do novo mandato com uma

obra que fomentará a economia do setor

gastronômico e o turismo em um ponto tradicional

da cidade.

“A Caixa Econômica é uma instituição

séria que tem sido uma parceira fundamental

para o desenvolvimento da economia

de Araraquara, aprovando obras importantes

como núcleos habitacionais, recuperação

do Gigantão e fomentando o roteiro

gastronômico e comercial da Sete de

Setembro”, afirma o prefeito.

Segundo o presidente da ACIA, o próximo

passo é a Prefeitura abrir o processo

licitatório para definir a empresa responsável

pela revitalização. Se a licitação correr

bem, sem nenhum entrave recursal, a

obra poderá ser iniciada em aproximadamente

60 dias.

O projeto aprovado pela Caixa contempla

melhorias no piso, alargamento

das calçadas, instalação de bancos, floreiras

e adequações para acessibilidade,

estando sob responsabilidade da arquiteta

Marcela Raimundo. Diz ela que as calçadas

terão piso intertravado ecológico e os

pontos de ônibus serão modernos. A melhoria

no trânsito está sob a coordenação

do engenheiro Coca Ferraz, que prevê a

instalação de novas torres semafóricas

com temporizadores.

Em 2012 durante reunião do Orçamento

e Participação para Todos, Renato Haddad

conseguiu incluir no programa uma outra

verba de R$ 110 mil no pacote de melhorias,

beneficiando os lojistas dessa importante

e tradicional avenida.

A futura Avenida Sete de

Setembro de acordo com

o novo projeto. Para

Renato Haddad, é uma

via histórica e de grande

potencial econômico

PLANTA BAIXA


confraternização

ACIA ENCERRA 2012

COM SALDO POSITIVO

A atual diretoria revitalizou

a ACIA e em reunião festiva

avaliou o trabalho feito no

ano passado.

Com extensa folha de benefícios oferecidos

aos seus quase mil associados, a

ACIA atingiu nos últimos anos elevado

grau de admiração e respeito junto à classe

empresarial. O presidente Renato Haddad

e sua diretoria, responsáveis pela implantação

de inúmeros serviços, entendem que

a associação cumpre com êxito seu papel

de não apenas defender os ideais empreendedores,

mas acima de tudo, proporcionar

aos empresários a oportunidade de convivência

mais ampla com as constantes mudanças

provocadas pela globalização: “Micro

e pequenos empresários necessitam de

informações e orientações rápidas para se

ajustarem à realidade empresarial e é em

cima disso que estamos trabalhando”, assegura

Renato Haddad.

Para ele, é indispensável a união da diretoria

e o apoio das empresas associadas,

que só nestes últimos 3 anos passaram a

contar com a implantação da SERASA na

ACIA, instalação de um Posto de Atendimento

para Certificação Digital, criação

da Universidade ACIA para realização de

cursos, palestras, workshops visando proporcionar

orientação e capacitação aos empresários

e seus colaboradores, Clube de

Benefícios, disponibilidade de consultores

para avaliação da saúde administrativa

da empresa, consultas jurídicas aos empreendedores

(AdvocACIA), Banco de Talentos

para facilitar a contratação de profissionais,

Programa Empreender e outros

serviços.

Os diretores Luis Alberto Ferreira, Antônio Junquetti, Dagmar Bizzinotto Ribeiro,

Teresa Smirne, Adélcio Carlos Magrini, Edes Dalmo de Oliveira, Carlos Renato

Segura, Roberto Abud, Geraldo Luis Tampellini, Marcelo de Mattos Frigo, Damiano

Barbiero Neto, Ademar Ramos da Silva, Renato Haddad e José Janone Júnior

Luis Alberto Ferreira, proprietário da

Carpet Lar com seus filhos Lucas e

Leandro e a esposa Luciene durante

o evento organizado pela ACIA

Alexandre Luis Borsari, a esposa Leiris e

os filhos Guilherme e Gabriela; Marlene e

Henrique Borsari; Márcia e Antônio Luis

Borsari


São ações deste porte que

mostram a força de uma

entidade e que caminha

para comemorar 79 anos

em junho. A ACIA carrega

um passado de glórias e uma elevada

parcela de contribuição na construção

da cidade. A classe empresarial é a

vida de um município, pois gera

empregos e divisas; a união é o

caminho para que o fortalecimento

incentive os empreendedores a

preservarem os ideais que vêm

dos nossos antepassados.

A anfitriã Catarina Oliveira, Gláucia

Santiago (EPTV São Carlos) e os seus

pais Cristina e Fábio Santiago, ele

presidente da Beneficência Portuguesa

O anfitrião Edes Dalmo de Oliveira com

sua filha Alessandra e o genro Carlos

Capaldo. À direita, José Janone Júnior

e a noiva Graziela Sponhardi

Roberto Abud, a filha Isabela e a esposa

Luzia; à direita, Carlinhos Segura, a

esposa Marina e o médico Luis Fernando

Viviane (genro de Catarina e Edes)


A loja localizada na

Avenida Feijó, esquina

com a Via Expressa

Gente

da

Noss a Te rra

Homenagem do

gente da nossa terra

ARTE E SONHO, PARA DEIXAR AS

CRIANÇAS SEMPRE NA MODA

O SINCOMÉRCIO presta

nesta edição uma singela

homenagem à ARTE E

SONHO, loja especializada

em confecções, com foco

exclusivo na linha infantil,

sendo um orgulho para o

nosso comércio.

Um dos assuntos mais apaixonantes para

as mamães é de como será a decoração

para o quarto de seu bebê, escolher os lençóis

do berço, as toalhas de banho, as roupinhas

e os acessórios com todo carinho. A

empresária Márcia Maria Perez, proprietária

da Arte e Sonho, conhece bem esse

universo.

Tudo começou em Lins, cidade onde

Márcia morava com a família. A mãe Maria

Ana Vendruscolo Perez, uma bordadeira

de mão cheia, e a irmã Sandra trabalhavam

juntas na confecção de enxovais

para bebês e noivas. “Resolvemos montar

uma loja, que começou na garagem da casa

da minha irmã. Vendíamos um pouco de

tudo: os bordados, armarinhos, roupas”,

lembra. Mais tarde decidiram focar apenas

em roupas de bebês e assim, há 18 anos,

nascia a Arte e Sonho, em Lins, que transformou-se

rapidamente em grande sucesso

dentro do comércio.

Os lançamentos e as tendências da moda infantil

como lindos conjuntos, vestidos e camisas

passam constantemente pela ARTE E SONHO


Quando conheceu Marcelo de Mattos

Fogolin, seu esposo, Márcia não imaginou

as voltas que a vida daria. Começaram a

namorar e casaram-se no dia 13 de abril de

2002. Por conta de seu trabalho, Marcelo

optou por se transferir para Araraquara e

tempos depois o casal fixou residência na

cidade.

“A loja era minha vida. Eu adorava o

que fazia”, afirma. Formada em Matemática

ela continuou lecionando, mas o comércio

falou mais forte em seu coração.

Começou a procurar um ponto para abrir a

Arte e Sonho aqui, dando preferência logicamente

à região central. Encontrou no endereço

atual o imóvel perfeito. Com local

privilegiado, grande visibilidade e depois

de passar por uma grande reforma, a Arte e

Sonho foi inaugurada, em novembro de

2003, preparando-se para comemorar portanto,

10 anos de atividades, sempre marcados

pelo sucesso.

Márcia conta que é uma continuidade e

a realização de um sonho, apesar de estar

em uma cidade maior e que ela não conhecia.

Na época, não existia uma loja especializada

em artigos para bebês. Começou

com a linha de enxoval para bebês, de fabricação

própria, roupas e moda infantojuvenil.

Aos poucos e de acordo com a necessidade,

foi agregando mais produtos.

Atualmente é possível encontrar uma

enorme variedade, tanto na linha bebê

quanto na infanto-juvenil. Márcia afirma

que procura seguir as tendências da moda

investindo nas melhores grifes. Entre elas,

as marcas de roupas 1+1, Two In, Ferrovie,

Fruto da Imaginação, Animê, Noruega,

Baby Classic, Banana Danger, Nuk e

de calçados, Pampili, Bibi e Toke.

Também é possível encontrar carrinhos,

cadeirinhas para carro, peças de de-

Márcia Maria

Perez e

sua loja

coração e tudo o que a cliente pensar, quando

se trata de bebês e crianças.

A loja participa da Mostra Atacadão da

Construção, em Américo, com o quarto de

bebê. “A decoração foi feita por nós, desde

a roupa de cama do berço e da cama da babá,

até as almofadas, quadros e demais ambientação”,

explica.

Márcia conta com as colaboradoras

Luiza do Carmo Lourenço Zelante e

Eliane Milhomen Dias do Amaral, especializadas

no melhor atendimento às

clientes. Para este ano, a empresária

tem novidades. “Vamos ampliar a loja e

começar a trabalhar com uma linha de

móveis”, finaliza.

Agradecemos a homenagem que o SINCOMÉRCIO nos faz, abrindo espaço

para que possamos divulgar parte da nossa história (Márcia Maria Perez)

Sempre preocupada

com o conforto das

crianças, a ARTE E

SONHO representa

marcas conceituadas

na produção de

calçados infantis,

primando também

pela preservação do

nome da loja.

E se o mundo fosse

cor de rosa? É só

você sonhar que

a Arte e Sonho

realiza...

ATENDIMENTO ARTE E SONHO

AVENIDA FEIJÓ, 84 ESQUINA COM VIA EXPRESSA

FONE: (16) 3331 5700


EM 2012 O VALOR DA CESTA BÁSICA NA

CIDADE CRESCEU QUASE 8% EM 2012

Não poderia ser diferente:

o valor médio da cesta básica

em dezembro acaba atingindo

maior patamar e aumentando

R$ 30,35 no fechamento de

2012.

Jaime

Vasconcellos

O valor médio da cesta basica araraquarense

cresceu 7,83% em 2012. A pesquisa

de dezembro mostrou, ao mesmo

tempo, que o valor médio da cesta atingiu

seu maior patamar desde sua retomada em

dezembro de 2011 e fechou em R$ 417,70.

Tal cifra é 3,55% maior que o observado

na quarta semana de novembro, quando o

valor médio dos 10 supermercados pesquisados

chegou a R$ 403,40. Em relação

à pesquisa de dezembro de 2011, quando o

valor total médio da cesta era de

R$ 387,35, a diferença em valores monetários

chega a R$ 30,35.

Segundo o economista Jaime

Vasconcellos, que é coordenador

do Núcleo de Economia

do Sincomécio e pesquisador

do Núcleo de Conjuntura

e Estudos Econômicos

da UNESP local, na comparação

dezembro/novembro, por

grupos, observa-se que a Alimentação

e Limpeza Doméstica

cresceram, respectivamente,

4,48% e 2,18%. Por

outro lado, o grupo de Higiene

Pessoal sofreu queda de

0,29% na comparação dezembro/novembro.

Ele lembra que a Alimentação

representou 75,10% do

valor total médio da cesta básica,

em dezembro. Dentre os 31 produtos

Na pesquisa coordenada por Jaime

Vasconcellos, dentre os 31 produtos

pesquisados, 17 apresentaram alta nos

preços e os restantes 14 uma queda

O arroz e o feijão ficaram mais caros na mesa

do consumidor araraquarense em 2012

Variação do

frango inteiro

foi de 14,29%

pesquisados, 17 apresentaram alta nos preços

e os restantes 14, uma queda. Em valores

percentuais, as mercadorias que obtiveram

maior variação positiva foram: batata

(+70,77%), cebola (+29,46%) e o frango

inteiro (14,29%). Antagonicamente, o

biscoito de Maisena (10,71%), a carne de

segunda (9,38%), o alho (5,46%) e a linguiça

(5,24%) tiveram as maiores quedas

percentuais nos valores médios pesquisados.

Em valores monetários, a batata sofreu

o maior aumento (+R$ 4,14) e a carne

de segunda, a maior queda (R$ 3,77).


Renato Haddad,

presidente da ACIA

empreender

NÚCLEO ESPECIAL PARA

O COMÉRCIO VAREJISTA

O Programa Empreender

da ACIA entra no quarto

segmento, envolve 35

empresas e cerca de

50 empreendedores.

A ACIA retoma no dia 19 de fevereiro,

terça-feira, às 19h30, o Programa Empreender

em Araraquara. Com empresários

de um mesmo segmento, buscam-se

alternativas para o fortalecimento da classe

em que atuam. Desta feita, o encontro

será com empreendedores do varejo.

Segundo Renato Haddad, presidente

da ACIA, este é um programa que visa

fortalecer as MPEs através de ações que

contribuirão para o desenvolvimento socioeconômico,

principalmente na geração

de empregos.

“A cada dia vivenciamos um mercado

mais competitivo, dinâmico e globalizado,

e muitas empresas de pequeno, médio

e até grande porte, correm o risco de fecharem

suas portas por não se adequarem às

novas exigências do mercado. Cada vez

mais a necessidade de renovação e a procura

por soluções eficazes são realidades

O objetivo da ACIA

é formar um núcleo

destinado aos lojistas

diárias para o empreendedor”,

comenta o

presidente da ACIA.

O empreendedor que

adere ao Empreender, obtém

resultados significativos,

como o crescimento

dos negócios, desenvolvimento

dos trabalhos

de capacitação e geração

de vendas, agilidade

na administração e benefícios

junto a fornecedores,

como descontos e

concessões. Neste ano o

Empreender traz uma

proposta inovadora, pois estimula os empresários

a se auto-organizarem e a definirem

as suas demandas.

O funcionamento de um Núcleo Setorial

é realizado identificando-se os problemas

e as necessidades dos participantes;

troca de informações, priorização de

ações, decisão sobre atividades de treinamento

e consultoria, negociação com fornecedores

e clientes sobre bens e serviços;

busca de soluções em conjunto, marca única;

logística de distribuição conjunta, missões

técnicas e comerciais, além de participação

coletiva em feiras.

A palestra do dia 19 no auditório da

ACIA deve focar também a importância

das mídias sociais nas pequenas empresas

do comércio varejista. Para o presidente

da ACIA, Renato Haddad, as mídias

sociais devem ser vistas como uma

moderna ferramenta de marketing, garantindo

o sucesso de vendas das empresas.

São ações que na opinião do dirigente,

contribuem para que a empresa

dentro do seu ramo de atuação, se organize

e ganhe força no mercado.

No ano passado a ACIA formou 3 núcleos:

Reparadores Automotivos, Beleza e

Estética e Marcenaria, todos em plena atividade

e vivendo uma nova realidade organizacional.

Dos Reparadores Automotivos fazem

parte as oficinas mecânicas, autocenters e

outras empresas agregadas ao segmento;

Beleza e Estética é um núcleo que reúne

profissionais, esteticistas e cabeleireiros;

as Marcenarias, segundo Felipe Boldrin,

formam um dos setores mais fortes com

cerca de 10 empresas participantes no movimento.

Além do comércio varejista, núcleo

que começa a ser implantado a partir

de agora, outros setores já se manifestaram

para participar do Empreender.

ATRI FIAT


desenvolvimento

SIM, SOMOS A

BOLA DA VEZ

Um balanço dos últimos 4

anos diz que a nossa cidade

recebeu quase 5 bilhões em

investimentos, o que gerou

cerca de 15 mil novos

empregos.

Por que as grandes empresas decidiram

olhar para Araraquara de 2008 para

cá? Os economistas falam que essa proximidade

é resultado da política aplicada

para atrair empreendedores, tendo como

cartão de apresentação o programa de incentivo

e apoio criado pelo poder público.

Outros itens contribuem para sensibilizar

os investidores: localização geográfica

da cidade, mão-de-obra especializada,

qualidade de vida, rede de educação,

saúde e infraestrutura do município.

O grande destaque é a instalação da

Subestação 2 da Araraquara Transmissora

de Energia S/A, no valor de R$ 3 bilhões.

A Subestação vai transformar o

município em um dos maiores pólos geradores

de energia do país.

Em 2012 também ocorreu o anúncio

de 2 grandes empresas, a JBF e a Random,

que irão investir R$ 1 bilhão e R$

500 milhões, respectivamente. Outra importante

empresa que veio para Araraquara

foi a exportadora Big Dutchman

Brasil, que investiu R$ 30 milhões.

Já o ramo atacadista e varejista foi responsável

pelo investimento de R$ 80 milhões

da Rede Atacadão, do Grupo Carrefour,

Tonin Supermercados e Rede Savegnago.

A rede Walmart que aguarda

aprovação de projeto, planeja investir

mais US$ 30 milhões.

José

Roberto

Cardoso

Segundo o secretário de Desenvolvimento

Econômico, José Roberto Cardoso,

o investimento no período foi superior

ao das grandes empresas. “É claro que a cidade

recebeu mais investimentos de menor

porte, que acabam gerando mais emprego

no cômputo geral”, afirma.

Para se ter uma ideia do poder de geração

de emprego dos investimentos menores,

os grandes investimentos são responsáveis

pela criação de mais de 4 mil

empregos diretos desde 2009, enquanto

que o total de vagas criadas foi 14.487,

de acordo com o Caged, do Ministério do

Trabalho e Emprego.

O setor de serviços, responsável por

63% do PIB local, também foi o que

criou mais empregos desde 2009. Foram

6.578 novos postos. O comércio

vem logo a seguir com 3.352 novas vagas,

seguido pela indústria que registrou

saldo positivo de 2.638 empregos

formais, mesmo após perder 1.316 vagas

em 2010. Já a construção civil criou

1.474 empregos.

Em 2012, as exportações em Araraquara

bateram recorde histórico, com mais

de US$ 1,1 bilhão exportados, de acordo

com dados da Secretaria de Comércio Exterior.

Nos últimos 4 anos, o número de empresas

exportadoras do município aumentou

21%, passando de 32 para 39.

O começo da Big Dutchman nos

Estados Unidos em 1950

A empresa chegando em nossa cidade 60

anos depois, com uma grande estrutura


Seu certificado digital com

rapidez e segurança

certificação

PARCERIA PARA APRIMORAR AINDA

MAIS A CERTIFICAÇÃO DIGITAL

As empresas terão nos

próximos dias, melhores

oportunidades sobre a

certificação digital, através

do serviço disponibilizado

pela Associação Comercial.

De acordo com diretor Antônio Junquetti,

da ACIA, a Boa Vista Serviços, administradora

do Serviço Central de Proteção

ao Crédito (SCPC), fechou acordo

com a Valid Certificadora para a distribuição

de certificados digitais e produtos para

autenticação eletrônica de transações e documentos.

“A Valid irá disponibilizar a

tecnologia à Boa Vista, que se apoiará na

capilaridade do sistema de distribuição nacional

para comercializar certificados, efetuar

a validação presencial obrigatória, entregar

os certificados digitais e atender os

clientes”, disse Junquetti, sobre a nova forma

de trabalho.

Estima-se em 4,1 milhões o número de

empresas obrigadas a usar certificados digitais

para se comunicar com o fisco. “O acordo

é apenas operacional e não prevê negociações

societárias”. As vantagens serão mútuas”,

falou ao apontar que a rede nacional

da Boa Vista garante acesso ao mercado, enquanto

a Valid oferece tecnologia de ponta,

com qualidade de serviço diferenciado.

Esse trabalho em conjunto propicia aos nossos

associados e empresas não associadas,

um trabalho de excelência”.

O objetivo deste novo serviço é o de

ampliar a atuação na área e oferecer novas

soluções e serviços ao mercado. “A união

de esforços da Boa Vista Serviços, administradora

do SCPC, com a empresa Valid

Certificadora, para a distribuição de certificados

digitais ICP-Brasil (Infraestrutura

de Chaves Públicas Brasileira) e

serviços para autenticação eletrônica de

transações e documentos, será benéfica a

todos os empresários”, comentou.

O foco deste trabalho é atrair as empresas

que têm obrigação legal de manter relacionamento

com a autoridade fiscal por

meio eletrônico, e que, para tanto, precisam

emitir os certificados digitais ICP-

Brasil. “A certificação digital é ferramenta

imprescindível para garantir a inviolabilidade

da comunicação e a autenticidade

dos interlocutores”, completou o diretor.

A Boa Vista é hoje o principal birô de

informações comerciais administrado por

brasileiros em atuação no País


hotelaria

REDE OTHON INAUGURA HOTEL COM

FOCO NO PÚBLICO CORPORATIVO

A chegada de um grande

número de empresas leva

a rede hoteleira a investir

pesado no município, com

o objetivo de aproveitar o

aumento da demanda e

dos eventos internacionais.

A Rede de Hotéis Othon está inaugurando

uma nova unidade em Araraquara

voltada para o público corporativo. O

mais novo empreendimento, o Araraquara

Othon Suítes, é o quinto hotel da Rede no

Estado de São Paulo, onde já possui unidades

na capital, em São José dos Campos,

Pirassununga e Limeira.

Diretor Superintendente de Hotéis Othon, Fernando

Chabert e o diretor Comercial, Tomás Ramos

“Estamos empenhados em viabilizar a

ampliação da rede hoteleira em Araraquara.

O investimento da Rede Othon vai

favorecer a vinda de uma grande seleção

para a copa de 2014”, afirma o prefeito

Marcelo Barbieri.

O novo hotel da Rede Othon contará

com 61 apartamentos e vai oferecer toda

infraestrutura necessária para atender as

demandas do setor, como salões para

Eventos, Business Center, Lounge Bar e

restaurante, além de serviços como Fitness

Center, estacionamento privativo, internet

wireless, circuito interno de TV, entre

outros.

Os quartos contarão, ainda, com detector

de fumaça, camas box, TV LCD 32

polegadas, cofre, frigobar e outros serviços.

O cálculo elaborado pela rede Othon para

seu empreendimento em Araraquara é de

que haja ocupação média anual de 70%.

A unidade, que funcionará em um prédio

que passa por reformas, está localizada

na via de acesso Heitor de Souza Pinheiro.

A decisão da rede abrir uma unidade

em Araraquara vem da necessidade

de aproveitar as

oportunidades surgidas a

partir do aumento da demanda

no Brasil, resultado

direto dos grandes eventos

internacionais que o país sediará

nos próximos anos.

Para atender ao crescimento

no número de turistas e

dos clientes corporativos, a rede

está aumentando a oferta

de apartamentos em paralelo

à realização de reformas das

principais unidades. Durante

o ano de 2012, a Rede de Hotéis Othon decidiu

vir para o interior do Estado de São

Paulo. “Temos certeza que a nossa contribuição

será importante no processo de desenvolvimento

da cidade, atendendo a

crescente demanda com a qualidade que

caracteriza a nossa rede”, diz Nestor Garcia

Machado, gerente de Operações da

Plantravel, administradora de condomínios

da Rede Othon.


frederico de marco

CIENTISTA FOI INDICADO PARA O

PRÊMIO NOBEL DE FÍSICA EM 1960

Atualmente, as empresas e os centros de pesquisas em nosso

país investem para aperfeiçoar a invenção do araraquarense

Frederico de Marco, feita em 1940, sobre a Fazenda Salto

Grande e que lhe valeu a indicação para o Prêmio Nobel de

Física, 20 anos depois.

Em maio de 2012, 2 aeronaves com tecnologia

de indução de chuvas provocaram

as primeiras precipitações pluviométricas

geradas artificialmente na região

da Chapada Diamantina. Os aviões da empresa

ModClima, contratada pelo governo

do estado, induziram 4 chuvas nos povoados

de Guariba, Alagoas e Santa Quitéria,

próximos ao município de Itaberaba e onde

estão plantados cerca de 4 mil hectares

de abacaxi.

Considerada não poluente, a indução

consiste em semear água nas nuvens com

potencial para chuva e acelerar o processo

natural. O procedimento é baseado na pulverização

controlada de gotas através de

aeronaves equipadas com tanques de 300

litros de água potável. O avião Aztec bimotor

chegou no domingo ao município

de Posse, em Goiás, e no mesmo dia provocou

as primeiras precipitações. Os resultados

animaram os agricultores e a notícia

já se espalhou.

Mas a invenção das chuvas artificiais

vem do médico e cientista araraquarense

Frederico de Marco. Sua façanha foi ter

subido em um avião num dia ensolarado

do ano de 1940 e ter feito chover, após jogar

sais, preparados por ele próprio, por

cima das nuvens. A experiência se deu sobre

a Fazenda Salto Grande.

Vinte e um anos depois (1951) a Câmara

Municipal de Araraquara decidiu

auxiliar Frederico de Marco nas pesquisas

com uma verba de Cr$ 20.000,00.

AS AVENTURAS DE FREDERICO DE

MARCO ESTÃO NAS PÁGINAS SEGUINTES


documento

Em 1955, Ernesto Lia

retratou em tela Frederico

de Marco que vivia o

auge da sua carreira.

A tela está num depósito

do Museu Voluntários

da Pátria desde 2008.

Lamentável.

Aproveitando o feriado da semana, vim a

Araraquara para rever parentes e amigos.

Dentre as visitas que fiz uma foi das mais

agradáveis. Estive no “atelier” do pintor

Ernesto Lia passando com mais algumas

pessoas, momentos agradáveis na

apreciação dos seus trabalhos. Eis que

linda surpresa estava para mim reservada

quando em dado momento, o anfitrião surge

na sala tendo nas mãos o “portrait” do

inesquecível cientista Frederico de Marco.

É que sabedor da minha qualidade de

biógrafo do maior gênio científico da

América do Sul, quis Ernesto Lia dar-me

a alegria de rever aquele “portrait” e para

o qual o bom Frederico posara várias vezes.

João Evangelista Ferraz

Jornalista

O MISTERIOSO HOMEM QUE SUBIA AOS

CÉUS DA CIDADE PARA FAZER CHOVER

Há 53 anos um homem sério,

sisudo, de cabeleira esparsa,

tez acentuada e vestido de

preto, chamado de cientista

por inventar a chuva artificial,

foi indicado para o Prêmio

Nobel de Física. Porém,

faleceu 5 meses antes do seu

nome entrar na disputa.

Naquele domingo, 14 de fevereiro de

1954, Frederico di Carlo de Marco como

de hábito, acerta a gravata, veste o paletó

preto, deposita o jaleco branco num dos

braços e diz para a esposa Herondina: “Hoje

vou fazer chover” e sai quase que apressadamente

do seu casarão alugado pela Família

Lupo na Rua Gonçalves Dias, quase

esquina da Avenida Espanha. Frederico

havia combinado alguns dias antes com os

amigos Edmundo Lupo, Leopoldo Grazziato

e Benedito Brasileiro de Souza, que

voltariam a entrar nas nuvens para provocar

uma chuva artificial sobre Araraquara,

concluindo as pesquisas iniciadas em

1940 sobre a Fazenda Salto Grande. Todo

esse projeto era realizado no porão da sua

casa onde montou um complexo de aparelhos

médicos e científicos para também

atender seus clientes.

De Marco era considerado um excêntrico

por muitos devido à aparência, incomum

para a época, e ao fato de fazer pesquisas

científicas que fugiam do entendimento

das pessoas. Boatos diziam que ele

possuia poderes hipnóticos.

Emérito neurocirurgião, clínico geral,

professor universitário, poliglota e escritor,

Frederico de Marco era diplomado em

Medicina e Ciências Aplicadas pela Universidade

de Roma. Seu estágio (hoje residência

médica), aconteceu em Buenos Aires

(1917), onde teve a oportunidade de fazer

sua primeira experiência trabalhando

com ar líquido fornecido pela fábrica

“L’Oxygena”.

Em 1928, Frederico de Marco apresentou

suas teses para exame de habilitação

à Faculdade de Medicina da Universidade

Federal do Paraná (provavelmente

um exame de convalidação de seus estudos

realizados na Itália) e 2 anos mais tarde,

foi nomeado para reger interinamente

a cadeira de Anatomia e Fisiologia Patológica

daquela faculdade em Curitiba.

Por volta de 1935, Frederico decidiu

atuar definitivamente em Araraquara, tornando-se

rapidamente um dos mais brilhantes

neurocirurgiões do Estado, chegando

a ser diretor clínico da Beneficência

Portuguesa; paralelamente realizava suas


experiências, uma delas de provocar chuvas

artificiais, chegando até mesmo a patentear

algumas invenções que ainda são

utilizadas em vários países, como uma solução

de iodeto de prata para semear as nuvens

de chuva e aumentar a precipitação

através de um foguete que é lançado do solo

às nuvens, até hoje utilizado na Universidade

de São Carlos em experiências, por

exemplo. Mas agora outra tecnologia,

também brasileira e também reconhecida

no mundo, está provando que o cientista estava

no caminho certo, e que ele foi um

dos protagonistas desta grande conquista.

Em novembro de 1957, Frederico de

Marco teve seu trabalho médico reconhecido

ao ser convidado a dirigir o Departamento

Clínico do então recém criado Hospital

Nossa Senhora de Fátima, de São

Caetano do Sul.

De Marco sempre falava aos amigos de

São Caetano dos seus planos para que aquele

hospital pudesse prestar bons serviços médicos

à população, mas não pode realizar

muito do que planejara - faleceria cerca de 3

anos depois, em uma fria madrugada de 24

de junho de 1960, aos 75 anos de idade, sendo

sepultado em São Paulo.

FREDERICO DE MARCO PATENTEOU SUAS CHUVAS ARTIFICIAIS

Em 1954, Frederico de Marco contratou os serviços da empresa Mercúrio Marcas e Patentes

para registrar seu invento baseado em foguetes para a produção de chuvas atmosféricas.

A cópia da patente foi obtida pela Revista Comércio & Indústria.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE


frederico de marco

O RECONHECIMENTO AO

MÉDICO E CIENTISTA

Foram precisos muitos anos

para que a sociedade local

tivesse certeza de que

Frederico de Marco não

era nenhum louco.

Frederico di Carlo de Marco, era araraquarense,

nascido em 25 de abril de 1885;

faleceu em 23 de junho de 1960, em São

Caetano do Sul. Foi médico, professor, e

cientista. Ficou conhecido internacionalmente

como o inventor dos métodos que

possibilitaram a primeira chuva artificial

do mundo em 1940. Fluente em várias

línguas, manteve contato profissional com

importantes cientistas de várias nacionalidades,

um deles Auguste Antoine Piccard.

Pela qualidade de suas pesquisas, foi indicado

para o Prêmio Nobel de Física de

1960, condecoração criada pela Fundação

Nobel, de grande relevância desde sua criação,

obedecendo a vontade do químico

Alfred Nobel, expressa em seu testamento.

É um prêmio atribuído anualmente, em

outubro, pelos membros da Academia

Real das Ciências da Suécia, aos pesquisadores

que se tenham destacado na produção

de conhecimentos inovadores no domínio

da física. A medalha e o diploma da fundação

são oficialmente entregues pelo rei

da Suécia, a 10 de dezembro, dia do aniversário

do criador do prêmio. Desde

Frederico de Marco, então com 37 anos de

idade, foi retratado em pintura por Alfredo

Andersen, durante uma passagem de quase

5 anos por Curitiba. Alguns anos antes,

Andersen pintou o retrato daquela que se

tornou a esposa do cientista, Herondina

Machado Marques

2001, o valor do prêmio é de 10 milhões

de coroas suecas (pouco mais de 1 milhão

de euros). O nome de Frederico de Marco

ficou apenas na indicação, pois ele faleceu

6 meses antes.

De Marco introduziu várias inovações

cirúrgicas no país e atuou como médico na

Beneficiência Portuguesa. Residiu na

Argentina, Itália e Suiça e, viveu durante

anos e desenvolveu a maior parte de suas

pesquisas em Araraquara. Do final da década

de 1920 ao começo da de 1930, De Marco

morou em Curitiba, tendo atuado por

cerca de 2 anos como professor na Universidade

Federal do Paraná nas faculdades

de Medicina e Engenharia.

Em 7 de maio de 1952, a Câmara Municipal

de Araraquara aprovou o Projeto de

Lei 38/52, autorizando o prefeito Antônio

Tavares Pereira Lima a mandar erigir no

Campo de Aviação local, um marco de granito

com placa de bronze, onde estava inscrito

o reconhecimento e prioridade das primeiras

experiências de chuva artificial realizadas

por Frederico de Marco.

Auguste Antoine Piccard (Basileia,

28/01/1884 - Lausana, 24/03/1962). Físico,

inventor e explorador suíço. Inventou o

batiscafo, espécie de submarino utilizado

para pesquisas a grandes profundidades.

TEXTO DA PLACA


Perpetua, este marco, como

testemunho do povo araraquarense

às primeiras experiências de chuva

artificial realizadas em 1940 pelo

professor doutor Frederico de Marco

que, com avião pilotado por Edmundo

Lupo, juntamente com Leopoldo

Grazziato e Benedito Brasileiro de

Souza, entraram nas nuvens provocando

chuva. A fim de firmar a prioridade à

posteridade, o município de Araraquara

colocou no lugar do acontecimento

este símbolo histórico .


A vice-presidente da ACIA, Teresa Smirne

varejo

BRASIL SÓ ANDA

APÓS O CARNAVAL

Vendas mesmo, no setor

varejista, devem tomar prumo

a partir de março, mantendo

a regra. No momento o que

se tem, é a expectativa de

um bom ano.

A vice-presidente Maria Teresa Smirne,

da ACIA, admite que após o Carnaval,

o volume de vendas no comércio em geral

deve começar a ser melhor por causa das

férias de final e começo do ano e principalmente

pelas folias do Carnaval. “As pessoas

emendam as férias e as viagens acontecem

inevitavelmente”, diz a diretora.

“Sem a presença do consumidor não tem

como acontecer a venda”, falou com experiência

de muitos anos no comércio varejista.

“Mas o otimismo existe”, acrescentou

ao falar da aceleração das vendas em fevereiro

e março deste ano, que de acordo

com o Índice Antecedente de Vendas

(IAV), estudo realizado mensalmente pelo

Instituto para Desenvolvimento do Varejo

(IDV), será positivo.

O IAV aponta para um aumento real de

6,1% em fevereiro e 6,2% em março, comparando

as vendas com igual período de

2012, após constatar um ritmo menor em

dezembro e em janeiro (alta de 2,2% e de

4%, respectivamente). Portanto, a folia no

comércio tem início após o carnaval deste

ano, na segunda semana de fevereiro. A

pesquisa indica que a partir do mês que

vem, o setor de Bens Não-Duráveis deve

registrar a maior alta, com 11,2%. Para

março, a estimativa é continuar com taxas

de 2 dígitos, registrando 10,1% de crescimento.

“O ditado popular é sábio: o ano só

começa depois do Carnaval”, brincou em

tom de seriedade.

O desempenho dessa categoria tem o

maior peso nas medições do Instituto Brasileiro

de Geografia e Estatística (IBGE) e

contribui entre 40% e 50% no índice da

Pesquisa Mensal do Comércio. Já o segmento

de Bens Semi-Duráveis, que vinha

apresentando um desempenho mais comedido

em relação aos Não-Duráveis, tende

a melhorar e retomar o crescimento a partir

de janeiro. A projeção é de expansão entre

4,1% e 8%, de dezembro de 2012 a março

de 2013. “Não tenho dúvidas que em

2013 haverá um desempenho econômico

melhor em relação ao ano passado, fator

que deve estimular a atividade varejista

em todo o País”, opinou Teresa Smirne.

Por outro lado, o porcentual de famílias

com dívidas recuou para 60,2% em janeiro

de 2013, ante 60,7% em dezembro

de 2012, aponta a Pesquisa de Endividamento

e Inadimplência do Consumidor,

divulgada pela Confederação Nacional

do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Houve alta na comparação com janeiro

de 2012, quando os endividados representaram

58,8% das famílias. Já o percentual

de famílias inadimplentes alcançou

21,2% em janeiro de 2013, ante 19,9%

em janeiro do ano passado.


araraquara

INADIMPLÊNCIA DESACELEROU EM 2012

Os números indicam que houve uma queda de 12% na inclusão

de consumidores nos registros do Sistema Central de Proteção

ao Crédito em Araraquara, um fato inédito em relação a muitos

municípios brasileiros.

A inadimplência, medida pelo

número de inclusões de débitos

no sistema do SCPC (Sistema

Central de Proteção ao Crédito),

encerrou 2012 com queda

de mais de 12% em Araraquara.

Para o presidente do SINCO-

MÉRCIO, Antônio Deliza Neto,

esse detalhe deve ser tratado como

um importante indicador positivo

para a nossa cidade.

O balanço dos números da

inadimplência só foi possível

após o fechamento dos dados de

dezembro, nos quais se observou

uma queda portentosa tanto

do número de inclusões e exclusões

de débitos do SCPC, em relação

a dezembro de 2011. No caso,

a queda de inclusões foi de

47,5% e das exclusões, isto é, dívidas presentes

no sistema e que, por serem quitadas,

foram exclusas do mesmo, fora ainda

maior, 64,5%. Estas últimas, em análise

anual, foram ao encontro da tendência das

inclusões, com queda de 11,3% em relação

a 2011.

Os números de Araraquara, comenta

O cenário mostrado pelo Sincomércio é um

contraste bem diferente daquele vivenciado

em todo o país, onde a inadimplência cresceu

15% em 2012, na comparação com o que

aconteceu em 2011

Deliza Neto, seguem o cenário visto na Região

Central do Estado de São Paulo, onde

o município está inserido, no qual também

houve queda de inadimplência em 2012,

de 11,08%. Já no Estado de São Paulo houve

aumento tanto nas inclusões e nas exclusões

de débitos no SCPC, respectivamente,

13,38% e 15,43%.

MOVIMENTO DE REGISTROS DE DÉBITOS NO SCPC

Fonte: FACESP/Boa Vista - Elaboração: Núcleo de Economia do Sincomércio Araraquara


ANÁLISE

Os números da inadimplência em

Araraquara em 2012, foram antagônicos

ao cenário nacional, no qual houve

aumento de 4,5% nas inclusões de débitos

no SCPC. Mesmo com diminuição

de 12% em 2012, a tendência do nosso

município seguiu fielmente o observado

no Brasil no semestre do ano. No caso,

com grande crescimento de débitos

inclusos no SCPC.

Houve, porém, reversão mais rápida

deste cenário no âmbito local no segundo

semestre, fechando o ano com

o índice negativo.

Já os índices brasileiros demonstraram

arrefecimento do crescimento do

número de débitos atrasados, todavia,

não o bastante para reverter o cenário,

como em Araraquara.

No quesito das exclusões, o aumento

anormal no último bimestre de 2011

(base fortíssima de comparação), foi

responsável pela queda percentual registrada

em 2012, deste quesito.

Observa-se que, em 8 dos 12 meses

deste ano, foram registrados maiores

números de débitos quitados que no

mesmo período do ano anterior. De janeiro

a outubro, houve um aumento de

10,9%, na comparação de 2012 e

2011.

Mesmo com índices menores nos últimos

2 meses de 2012, a tendência

predominante do ultimo ano demonstra

maior preocupação por parte do

consumidor, em relação aos seus débitos

atrasados.

Jaime Vasconcellos

Economista e Coordenador do Núcleo

de Economia do SINCOMÉRCIO

A devolução de cheques por falta de fundos pode ser considerada como único

componente da inadimplência do consumidor a apresentar declínio no ano de 2012.

Na análise dos economistas da

Serasa, a melhora do quadro em

relação aos 2 últimos meses é

consequência de uma situação mais

favorável no mercado para renegociar

débitos e obter crédito com juros mais

reduzidos. Eles destacam que para ter

acesso a esses serviços, o consumidor

tem evitado dar cheques sem fundo.


histórias que a vida conta

OS DESAFIOS DE LUIZ ROBERTO

NOS SEUS 18 ANOS DE BOSTON

Se de fato a cidade se tornar subsede da Copa do Mundo

recebendo uma seleção, o taxista Luiz Roberto Pereira

dos Santos será muito útil. Morar e trabalhar por vários anos

em Nova Iorque e Boston são lições que servem de estímulo

para que ele e a esposa Ivone, sejam apontados como

ousados e vencedores.

Luiz Roberto na

Quinta Avenida,

rua extremamente

movimentada de

Manhattan, que vai

desde a Midtown

até ao Central Park

Em 1986, após trabalhar por 10 anos

como motorista da Viação Cometa, Luiz

Roberto Pereira dos Santos ficou sabendo

que indo para os Estados Unidos, poderia

ganhar dinheiro. “Conversei com o amigo

Júlio Malara que me orientou; decidi tirar

o passaporte e me mandei para as terras do

Tio Sam”, lembra Luiz Roberto com certo

saudosismo.

Ao chegar em Nova Iorque sem saber

ao menos “pedir água em inglês”, ele foi

morar em um apartamento com outros 15

brasileiros, todos de Minas Gerais. “Na hora

deu vontade de voltar, mas seria difícil

retornar e começar a trabalhar novamente

na mesma empresa”, conta.

Ele começou a enfrentar serviços

árduos como cortar grama, lavar pratos e até

mesmo entregar jornais, até que num certo

dia, conversando com alguns imigrantes

também brasileiros, decidiu ir para Boston,

onde passou a trabalhar em uma distribuidora

de frutas e verduras; à noite, para aumentar

a renda, limpava escritórios.

Em dezembro de 1989, Luiz Roberto

voltou ao Brasil, porém para ele, tudo já parecia

ser diferente: “Permaneci no Brasil

por 6 meses e retornei para o Estados Unidos.

Era junho de 1990. Comecei a trabalhar

na entrega de jornais e em uma fábrica

de artefatos de plásticos chamada Gregstron

Corporation, em Woburn (MA), onde

fiquei até o final de 1994, retornando ao

Brasil”, lembra.

Em Araraquara, Luiz Roberto conseguiu

emprego como motorista da Textil

Haddad trabalhando até agosto de 1996,

quando conheceu Ivone Zaminhani, que

viria a ser sua esposa.

“Aqui parecia que tudo dava errado;

Luiz Roberto

trabalhou

10 anos na

Cometa


Com esse Coffee Truck,

Luiz começou a ser dono

do seu próprio negócio

O casal em seu

apartamento em Revere

Maria e Ivone na Lavanderia Cintas,

onde ela trabalhou por 9 anos

não pensei duas vezes - tomei a decisão de

tirar novo passaporte, obtive o visto de turista

e voltei aos Estados Unidos, indo trabalhar

em uma lavanderia industrial de

Boston. As máquinas de lavar e secar eram

gigantescas, mas era obrigado a trabalhar

duro para não deixar o maquinário parar”,

comenta.

Depois de 6 meses Ivone também deixou

Araraquara para permanecer ao lado

de Luiz Roberto, oficializando o casamento

e indo morar em um apartamento na cidade

de Revere, subúrbio de Boston. Eles

passaram a trabalhar juntos na mesma lavanderia.

Ousado em suas iniciativas, Luiz Roberto

foi trabalhar na construção civil como

comprador de materiais de construção,

e ao conhecer um americano que vendia

lanches com um pequeno caminhão chamado

“Catering Truck”, soube que o truck

estava à venda decidindo comprá-lo por

13 mil dólares: “Foi difícil obter a licença

para trabalhar com alimento, porém Deus

me ajudou a conseguir.

Ele comenta que o pior estava por vir:

numa manhã de 2003 ao sair para mais um

dia de trabalho, o truck estava todo queimado

por incêndio criminoso. “Foi uma

decepção muito grande, mas com a ajuda

de Deus, o proprietário de onde comprávamos

os lanches, me vendeu um de seus

trucks pelo preço de 27 mil dólares. Eu não

tinha seguro do truck, por isso o prejuízo

foi grande”, confessa emocionado.

Três anos depois, Ivone deixou de trabalhar

na lavanderia e voltou ao Brasil,

Luiz Roberto contudo, permaneceu em

Boston por mais um ano e veio embora

convicto de que cumprira uma missão:

“Não voltamos ricos, conseguimos ter

aqui na cidade uma boa casa para morar e a

alegria de ter lutado para conseguí-la”.

Atualmente Luiz Roberto tem um ponto

de táxi na praça do Carmo, trabalhando

para si próprio. “A minha esposa Ivone trabalha

em um dos mercados do Patrezão, e

assim vamos ganhando nosso pão de cada

dia”, conclui.

Nos fins de

semana os

passeios

Os operários atendidos por Luiz Roberto

Uma das obras em que vendia refeições


CONSTRUÇÃO

projeto

UMA NOVA RUA DOIS

PODE ESTAR SURGINDO

Carros de passeio e coletivos se misturam em um boulevard desorganizado

Contestado pela maioria

dos lojistas já em 2004,

o Boulevard da 9 de Julho

criado pelo então prefeito

Edinho Silva, não agradou

e deve ser riscado do centro

da cidade para oferecer

benefícios à comunidade

em seu todo.

O coordenador da Mobilidade Urbana,

Coca Ferraz que também é vice-prefeito,

já anunciou que alguns estudos estão sendo

feitos para a nova revitalização da Rua

9 de Julho, no trecho entre Avenida Portugal

e José Bonifácio, onde o ex-prefeito

Edinho Silva construiu e batizou a obra de

Boulevard da Dois.

De acordo com Coca Ferraz, o novo projeto

já foi recomendado pelo prefeito Marcelo

Barbieri, em função dos inúmeros problemas

que o “boulevard” sempre ocasionou.

Também em 2004, o Sindicato do Comércio

Varejista e a Associação Comercial

e Industrial de Araraquara se mobilizaram

visando sensibilizar o prefeito Edinho Silva

para implantar uma obra que não causasse

impactos negativos ao comércio e aos usuários

do transporte coletivo, nem prejudicasse

a circulação dos consumidores.

Uma reunião no SINCOMÉRCIO

com os lojistas da “dois” e a colocação de

faixas em alguns estabelecimentos comerciais

foram medidas interpretadas como sinal

de protesto mas também não convenceram

o Poder Público a mudar de opinião

sobre o projeto.

Na época também, o prefeito Edinho

Silva teria encomendado uma pesquisa de

opinião pública para saber que caminho tomar.

Para terem acesso a ela, a ACIA e o

SINCOMÉRCIO tiveram que protocolar

documento solicitando cópia da pesquisa

para avaliações pois sentiam que o projeto

fora modificado e sua implantação se aplicara

de forma autoritária, daí a revolta,

principalmente dos lojistas.

SEGUE


consultas

Coca Ferraz,

Coordenador

da Mobilidade

Urbana

NOVO PROJETO DA RUA DOIS SERÁ

DISCUTIDO COM A COMUNIDADE

Prefeito Marcelo Barbieri quer

adequar a Rua 9 de Julho à

realidade que a cidade vive

no momento. Seu objetivo é

trabalhar com questões

técnicas para retirar a região

central do caos em que foi

colocada, gerando críticas.

Como coordenador da Mobilidade

Urbana que envolve adequações do sistema

viário, sistema de trânsito (sinalização,

áreas de estacionamento, mãos de direção),

transporte coletivo (táxi e mototaxi),

o também vice-prefeito Coca Ferraz

tem agora nova missão: reacertar o Boulevard

da 9 de Julho, construído em 2004 pelo

prefeito Edinho Silva.

Coca diz que hoje, o objetivo do prefeito

Marcelo Barbieri é transformar Araraquara

em Cidade Modelo em termos de

mobilidade. A nova ação de Coca Ferraz

surge a partir dos resultados positivos que

conseguiu na reformulação dos balões das

Roseiras e da Avenida 7 de Setembro, onde

o trânsito principalmente nos horários

de pico, sempre foi caótico.

“Estamos fazendo um estudo sobre os

pontos críticos do trânsito em Araraquara

e a Rua 9 de Julho, no trecho do Boulevard,

é um deles, com o congestionamento

de carros, ônibus, em horários de pico prejudicando

as vias transversais”, diz o coordenador.

Ele assegura que tendo os estudos

técnicos, se reunirá com o prefeito para

discutirem as alternativas do novo Boulevard,

juntamente com a ACIA,

SINCOMÉRCIO e a comunidade, buscando-se

as soluções mais adequadas. Coca

Ferraz porém, é taxativo: “O boulevard

não pode continuar como está, pois

sua situação é caótica”.

Quando questionado sobre sugestões, o

coordenador argumenta que vão desde a

transformação do Boulevard em um calçadão,

observando-se contudo se elas (sugestões)

são técnicas, sociais ou econômicamente

viáveis, até a retirada dos coletivos

ou dos carros. Para Coca Ferraz são várias

as alternativas, e todas estão sendo avaliadas

tecnicamente para num primeiro momento,

submetê-las à apreciação do prefeito

e depois discutí-las com a sociedade.

“A 9 de Julho experimentou um processo

de remodelação e devemos considerar

que as intenções eram boas, porém, a

prática mostrou que há problemas; não

adianta olhar no retrovisor, o que passou,

passou. Vamos a partir de agora buscar tecnicamente

a melhor solução e certamente

o prefeito Marcelo Barbieri terá coragem

em fazer o melhor para a sociedade”, justifica

o cordenador da Mobilidade Urbana.


lembranças

O FUTURO A

DEUS PERTENCE

Lojistas que ainda resistem

aos impactos causados pelo

Boulevard a partir de 2004

revelam que as mudanças

serão importantes para o

restabelecimento da nossa

economia na região central.

No começo o Boulevard era um mar-de-rosas; com o

tempo vieram os problemas

Ainda é cedo para se falar sobre o futuro

do comércio na região central; o sofrimento

dos lojistas foi tão grande que o

pouco que se faça agora será bem vindo.

Pelo menos é a opinião de alguns empresários

que na época decidiram permanecer

no principal corredor comercial da cidade.

Outros baixaram as portas ou buscaram

alento em corredores emergentes.

Em 2005, o então presidente da ACIA,

Valter Merlos, foi procurado por comerciantes

do Boulevard , que reclamavam da

iniciativa do Poder Público em descumprir

o que fora acordado - transporte

coletivo nas ruas Carvalho Filho/ Padre

Curiosamente o projeto vencedor

para construção do nosso boulevard

é de uma empresa de São Carlos,

tendo custado aos cofres públicos

6 mil reais. Seus responsáveis Bráulio

Romeiro e Rafael Mantovani Espoez,

do Escritório Aproara.

Duarte e circulação de carros particulares

na Rua 2.

Cerca de 8 anos depois da implantação

do projeto, Coca Ferraz, um dos nomes

mais conceituados em Engenharia

de Trânsito, ratifica que a situação

na Rua 9 de Julho é

caótica: “Para que se tenha

uma ideia, o ônibus de transporte

coletivo quando sai do

Terminal de Integração até a

Praça de Santa Cruz - subindo

a Avenida São Paulo e depois

a 9 de Julho - demora 25

minutos no horário de pico.

Não é possível uma coisa dessas,

é uma situação surrealista.

Alguma coisa está errada e

temos que consertar”, diz.

Ele mesmo se pergunta sobre

as alternativas. E responde:

“Pode ser colocado um calçadão,

tirar o ônibus ou o carro;

todas as situações têm vantagens

e desvantagens, no entanto

você deve ter uma visão

geral, não apenas na 9 de Julho, mas sentir

qual a implicação de uma ação na 9 de Julho

nas vias paralelas e perpendiculares”.

Para o coordenador, as melhorias no

trânsito com uma sinalização mais moderna

e colorida, semáforos tendo indicação

de tempo, melhoram a Segurança, a fluidez,

melhoram a autoestima; a pessoa passa

a gostar ainda mais da cidade, o visitante

diz que a cidade é maravilhosa, a empresa

que está em dúvida em se instalar aqui

ou em outro lugar, certamente vai escolher

a nossa terra. Tudo muda. É preciso coragem

para fazer; e o prefeito já demonstrou

isso, completa Coca.

Mudar a cara da Rua 9 de Julho

não é nenhum fato novo. O prefeito

Waldemar de Santi, na década de 80,

começou a transformação pela Praça

de Santa Cruz, fechando a Avenida

Osório (entre 2 e 3) levando o Ponto

de Táxi para a José Bonifácio, criando

boxes para ambulantes e mudando

a arborização


conforto

PARA UMA CIDADE

MUITO QUENTE

Projetos arquitetônicos e

decorativos mostram que

para uma cidade como a

nossa, é possível se buscar

soluções e tornar o ambiente

menos quente.

Para amenizar o desconforto dentro

de casa provocado pelas temperaturas escaldantes,

há muito mais a fazer do que

simplesmente ligar ventiladores e aparelhos

de ar-condicionado, que, embora eficientes,

consomem muita energia. Intervenções

e produtos são capazes de deixar

os ambientes mais arejados e agradáveis,

seja ainda no projeto ou quando já está habitada.

Se for construir, é importante planejar

uma ocupação estratégica no terreno, tomando

cuidado em posicionar janelas e fachadas

de acordo com a insolação e as correntes

de ar. Por essa razão é que a Revista

Comércio & Indústria recomenda a contratação

de bons arquitetos.

É preciso estudar a direção do vento no

lugar onde a casa será erguida e criar aberturas

que induzam a ventilação natural

constante.

Os profissionais ainda indicam que a

correta orientação dos cômodos e aberturas

em relação ao sol ajudam a amenizar a

temperatura dos ambientes, em especial,

durante a tarde e à noite. No caso das edificações

na região sul, a dica é voltar janelas

de dormitórios e salas para a face norte, onde

há maior incidência solar no inverno e

de sombra no verão.

Para favorecer a ventilação cruzada,

instale portas e janelas sempre em lados

opostos. É importante lembrar que, em regiões

de clima quente durante grande parte

do ano, vale a pena pensar em estratégias

adicionais como aumentar a distância

piso-teto (criando pé-direito duplo,

por exemplo), utilizar janelas amplas e

projetar telhados que ajudem a controlar

o calor.

A cobertura, por estar exposta diretamente

à radiação solar, é a maior responsável

pelo aquecimento de uma construção.

Para controlar esse efeito, são boas opções

as telhas cerâmicas ou os telhados com isolamentos

térmicos como os que empregam

mantas que “filtram” o calor dos raios

solares. A loja Washington Rosa saberá indicar

esses tipos de telhas para amenizar o

seu sofrimento no verão.


luminosidade

A IMPORTÂNCIA

DA LUZ NATURAL

Na hora de construir ou

reformar é interessante

você enfrentar desafios

com projetos arrojados

e tornar a sua casa

amiga da claridade.

O sol passou um bom tempo na berlinda

por conta de seus efeitos na pele.

Dentro de uma casa, no entanto, nunca

houve dúvida: quanto mais luz natural,

melhor. Cientes disso, os arquitetos sempre

buscam soluções para trazer o sol para

dentro e iluminar o ambiente.

Na prática, qualquer local pode ser

adaptado para se beneficiar com a claridade

natural. Os profissionais admitem que nos

projetos, é possível priorizar os grandes

vãos de janelas e os espaços integrados, que

conferem amplitude e luminosidade à residência.

Se planejadas ainda na fase de construção,

fachadas inteiras podem ser envidraçadas,

formando os chamados panos de

vidros, que não só trazem luz como também

deixam o ambiente sofisticado.

Para quem já está com a casa pronta e

não quer investir em grandes reformas, há

excelentes alternativas para ganhar espaços

mais claros, sem precisar recorrer à luz

artificial. A primeira saída é focar em janelas,

pisos e paredes. Vidros fumês escurecem

o ambiente, assim como pisos e paredes

muito escuras. Ou seja, trocar a tinta

da parede por uma mais clara, instalar pisos

de mesmo tom e adotar vidros cristalinos

ajudam bastante.

Ótimas pedidas, os espelhos refletem luz,

espalhando-a pelo cômodo e podem ser usados

em paredes e móveis. Uma decoração

mais clean ajuda a iluminar os ambientes.

Muita mobília e objetos decorativos reduzem

e escurecem os espaços. Tapetes escuros podem

ser trocados por outros mais claros enquanto

as cortinas pesadas podem ser substituídas

por tecidos leves e translúcidos.


saudade

O PARAÍSO FUTEBOL CLUBE ACABA

DE CONTRATAR UM CAMPEÃO

A partida de Luizinho

Gonçalves nos faz entrar

praticamente na máquina do

tempo. Homenageá-lo através

de algumas palavras passa a

ser um dever, pois há de se

reconhecer nele uma série

de qualidades.

Luizinho e seus companheiros no

campeonato do Clube

Companheirismo, bondade, a dedicação

familiar, a paixão pelo esporte.

Contudo, há outro aspecto que nos conduz

à missão de lembrar de Luizinho

Gonçalves: sua vida empreendedora,

como proprietário de um bar - o Bar do

Luzinho Gonçalves. É desta forma, diz

Roberto Salame, que os antigos colegas

lembram do craque Luizinho.

Renato Haddad, presidente da ACIA

e ex-presidente do Clube Araraquarense,

diz que falar da luta de Luizinho pela

vida, pode ser um exemplo a ser seguido

por muitos. No informativo mensal do

Araraquarense, a caminhada de Luizinho

pelo esporte é focada com carinho.

“É o reconhecimento ao que ele fez,

aos ensinamentos que nos proporcionou e

acima de tudo, os exemplos de sinceridade

que só mesmo as pessoas com esse perfil

podem proporcionar”, diz Renato.

“Corria o ano de 1976. No Clube Araraquarense,

Campeonato Noturno de Futebol

de Grama. Eu tinha apenas 15 anos

e, para completar os times,

a diretoria daquela época

permitia que menores jogassem

no gol. É incrível

como algumas coisas não

mudam. Até hoje, nos campeonatos

internos, têm-se

que permitir a inscrição

dos mais jovens no gol, pois,

como naqueles tempos,

não existe quantidade suficiente

de goleiros”, lembra

o então presi-dente do Clube.

Jogar com os “mais velhos”

sempre foi uma prática

no Clube Araraquarense.

Porém, nem sempre para os mais

novos se torna praze-roso, em razão da diferença

de qualidade técnica.

Renato fala que jogar naquele campeonato

de 1976, foi maravilhoso pois tinha

um jogador que fazia não a diferença, mas

todas as diferenças. Até então, mesmo sendo

apaixonado por futebol e assistindo a

muitos jogos, não havia visto um que matasse

a bola no peito do pé, como vi naquele

dia, na primeira rodada. Já se passaram quase

40 anos e ele continuava jogando.

Luizinho tinha classe, uma elegância

somente vista em poucos atletas. Quando

caía, a bola era refém dele. Sem falar dos

passes, da qualidade técnica, de tudo.

Obviamente, com o passar dos anos, envelheceu,

mas a categoria, dom que Deus lhe

deu, foi mantida até o final.

Mais diferença: era um gentleman, tanto

dentro como fora dos campos. Tratava a

todos sempre com respeito, carinho e alegria.

Foi, segundo histórias ouvidas todo o

tempo, um dos maiores jogadores de futebol

de nossa cidade.”

Luizinho e Waldemar Paschoalino Júnior

em homenagem que lhe foi prestada


homenagem

A capa da primeira Leia Tour

publicada em dezembro de 1998;

numa época em que os serviços

gráficos ainda passavam por

transformações, a revista mostrava

sua cara como importante fonte

de informação para os leitores e

clientes. Hoje a Leia Tour ainda

mantém uma fidelidade editorial

focando eventos sociais, serviços

de bares, restaurantes e hotéis,

atingindo um público selecionado

e demonstrando sua

responsabilidade jornalística

através de publicações mensais.

LEIA TOUR

15 ANOS DEPOIS

Poucas são as publicações,

principalmente revistas que

conseguem superar a marca

dos 5 anos de atividades.

A Leia Tour, num pequeno

formato, mostra o

cumprimento de um ideal.

“Parece que foi ontem; na verdade 15

anos já se passaram. Na esteira do tempo,

fatos e fotos marcam a trajetória de um

veículo, cujo respeito brota pela sua singeleza

editorial. Seu perfil se molda aos

interesses de um público selecionado regido

pelo direito à opinião e à informação”.

O comentário é do jornalista Ivan

Roberto Peroni, diretor da Revista Comércio

& Indústria, ao ressaltar o trabalho

da Leia Tour e da Família Martins, à

frente da publicação.

Para ele, a prática jornalística da

LEIA Tour não é de expor grandezas individualizadas,

nem tão pouco caminhar pela

arrogância ou prepotência, valendo-se

do seu direito de liberdade. Assegura porém,

que a revista tendo uma linguagem

simples, atinge com humildade os pontos

básicos da informação, evidenciando o interesse

público, salientando propósitos

empresariais e políticos, ou agindo como

poderosa força a resgatar os valores da

nossa terra.

Esse conceito, lembra Ivan Roberto,

parece muito mais familiar, pautado pela

criação e a cultura provenientes de um berço

- cujos componentes - são admirados

pela ousadia e a prática do bem. E diz que

com orgulho, faz parte da história da Leia

Tour, pelos artigos sobre o Aniversário de

21 anos da Ca-suco (junho de 1999) e o

fim do Bar do Pernambuco (Um bar chamado

saudade/março de 2001). “Confesso

que foi mínima essa participação, porém,

o mais importante é ser sempre solidário

com os amigos e colegas que gravitam ao

nosso redor, capazes de nos ensinar todos

os dias, lições diferentes e mostrar um

mundo de amizade e companheirismo”. E

completa: “A Leia Tour quer nos parecer

uma pequena cartilha de onde saem os

exemplos e as lições

de vida que contribuem

no engrandecimento

de uma imprensa

séria e res-

Sérgio Martins,

diretor da Leia Tour

e presidente da

ACEA, com seu

vice, o jornalista

Kiko Salvador, em

visita ao presidente

da Câmara, João

Farias


comunicação

OS DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO

EM TEMPOS DE MUDANÇA

Com cerca de 20 agências

de publicidade, Araraquara

vive a exemplo de outros

setores, uma transformação

também na área de

Comunicação, alcançando

resultados favoráveis pelo

nível dos seus profissionais.

Considerada como o coração das organizações,

com capilaridade para todos

os setores e interligações junto aos diversos

públicos, a área da Comunicação se

destaca como a que mais sofreu mudanças,

diante de tantas transformações na sociedade.

Os meios de comunicação se transformaram

radicalmente e com eles a sociedade

passou a mudar a postura em relação

às empresas, seus produtos e serviços. No

mundo globalizado, a tecnologia potencializou

o valor da informação e hoje, a comunicação

passa necessariamente pelas

novas tecnologias, que proporcionam relação

inovadora entre a organização e seus

públicos de interesse. Os processos de

aprendizagem e de adaptação dependem

muito de como a organização planeja sua

comunicação.

Para o professor e coordenador de Propaganda

e Marketing da Unip, Carlos Aiello,

planejar a comunicação exige interação,

unificação de mensagem, instruções,

boa vontade e envolvimento dos colaboradores,

daí a necessidade de uma comunicação

integrada, que passa a ser cada vez

mais estudada e adotada pelas organizações,

nas áreas administrativa, interna, institucional

e mercadológica. Vivemos o

aperfeiçoamento das tecnologias de informação,

associado à imposição global por

melhoria constante, cuja temática modernista

evoluiu para o conceito da responsabilidade

social e transformou rapidamente

no tripé da sustentabilidade.

“A organização deve pensar o planejamento

da comunicação como um todo, cuja

visão tem que focar a percepção do cliente e

da sociedade. Sabemos que a marca de uma

empresa é o maior bem intangível de uma

organização e por isso deve ser cuidadosamente

pensada e estrategicamente colocada

no mercado”, relata Aiello.

A revolução cultural provocada na sociedade,

coloca em xeque a reputação das

pessoas, governos e empresas, cuja imagem

percebida pelos diversos públicos pode

não corresponder à imagem desejada.

O gerenciamento da informação é peça

chave no sucesso empresarial e a área da

comunicação institucional passou a ganhar

importância, dado os resultados numa

nova sociedade midiática.

O diálogo constante com a mídia e a visão

integrada da comunicação abre um leque

de possibilidades aos negócios, considerando

o tamanho da competitividade

nos dias de hoje. Outro aspecto importante

da comunicação que deve ser levado em

consideração é a identificação e o conhecimento

dos públicos com os quais as empresas

se comunicam: distribuidores e consumidores

de seus produtos ou serviços,

Carlos Aiello,

professor e

coordenador

de Propaganda

e Marketing

funcionários, fornecedores, concorrentes,

investidores do mercado de capitais, acionistas,

órgãos governamentais, organizações

não governamentais, comunidades,

além da própria mídia – formada por inúmeros

meios de comunicação.

Neste universo, todos têm interesse e

estão atentos quanto a tudo que é relacionado

às empresas, cenário em que a comunicação

adquire uma dimensão estratégica,

influindo na qualidade do processo produtivo,

dos serviços, das relações entre

funcionários e da empresa com seu público

externo - formado por consumidores diversos,

governo e sociedade.


ATUALIDADE

A comunicação em uma empresa hoje

é tão importante quanto seu departamento

administrativo. Em uma época tão complexa,

em que as informações estão em segundos

em qualquer lugar do mundo, cuidar

da imagem e garantir uma exposição

de respeito é primordial para qualquer empresa,

seja ela pequena, média ou grande.

Com o avanço tecnológico, pouco se tem o

controle sobre as informações e garantir

que ela chegue de forma correta a todos os

stakholders é mais que uma necessidade, é

uma obrigação. E as empresas entenderam

isso.

Tanto que de acordo com a Aberje -

Associação Brasileira de Comunicação

Empresarial - a área de Comunicação Corporativa

cresceu 300% nos últimos 10

anos. O setor assumiu o papel não só de decifrar

ameaças, como também de identificar

boas oportunidades de expor a imagem

das empresas de forma positiva. Logo, as

mais variadas inovações nesta área, têm

apresentando um grande desafio de definir

o que é comunicação hoje, ao ponto de distanciarmos

cada vez mais do seu significado

e origem, que tem na raiz o difícil conceito

de tornar comum (do latim communicatione).

Dentro da gestão da comunicação integrada,

a comunicação mercadológica

(propaganda, promoção de vendas, venda

pessoal, merchandising, eventos, marketing

direto) é parte integrante do processo

de marketing e tem capitalizado o maior

montante de recursos e investimentos, dado

a relação direta com o consumo, consequentemente,

com o lucro.

Assim, qualquer empresa que apresente

sinais de irregularidade ou desarmonia,

em relação ao que é esperado pelo

mercado, tende a ser penalizada com a perda

de sua lucratividade.

A IMPORTÂNCIA

DE UMA AGÊNCIA

DE PROPAGANDA

Atualmente é muito comum

se falar em construção

de marca, agregar valor

aos produtos, não vender

apenas preço, criar relacionamento

com os clientes

etc. Mas nem as empresas

que utilizam desses argumentos

os colocam em execução

de uma forma eficaz.

O que os empresários

necessitam ter em mente,

diz Leonardo Cezare, da

Agência Inpacto, é que a

propaganda além de ser a

alma do negócio, é a mola

propulsora. A propaganda

é um elemento muito importante

para o desenvolvimento

do seu produto, da

sua estrutura física e da sua

equipe de vendas.

Uma agência de propaganda

eficiente e profissional tem em

sua essência a criatividade para agregar

inúmeras vantagens para quem a

contrata e, dentro dessas vantagens,

desempenhar o papel mais importante

de uma agência: trabalhar em conjunto

com o cliente no planejamento da

construção da marca de uma forma institucional

e promocional.

Para Danilo Luiz de Oliveira Morelli,

também da Inpacto, a orientação profissional

nunca é demais e isso faz com que

se não corra o risco de investir onde não

há retorno ou investir mal a verba no meio

publicitário, que oferece muitas oportunidades

e opções de escolha.

Danilo Luiz de Oliveira Morelli e Leonardo Cezare,

da Inpacto Propaganda

Eles asseguram que muitas micro e

pequenas empresas estão fazendo

uso de agências para a programação

anual de suas ações de comunicação,

permitindo que o empresário disponha

mais tempo para empenhar-se no

andamento dos negócios, no dia a dia

empresarial, o relacionamento do funcionário

com o cliente, o gerenciamento

de estoque, as falhas de atendimento,

os cuidados para efetuar

uma compra saudável e a escolha certa

dos fornecedores, fatores de importância

para a empresa. Ambos são incisivos:

com planejamento estratégico

feito por profissionais, as chances de

sucesso serão maiores.


comunicação ESPECIAL

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FAVORECE AS

AÇÕES QUE AS AGÊNCIAS LEVAM ÀS EMPRESAS

Empresas bem estruturadas hoje são favorecidas pela

velocidade das informações e a forma agilizada com que

os mercados e os consumidores se comunicam

De acordo com o professor

Carlos Aiello, que

atua na área de Propaganda

e Marketing, as respostas

do público para a atuação

das organizações, sejam

elas boas ou más, são

praticamente simultâneas,

graças a novas tecnologias

de informação disponíveis

no mercado. “Essa comunicação

mercadológica

abrange toda a forma de

comunicação capaz de

atingir um objetivo de marketing,

elaborada a partir

da visão do consumidor”,

diz ele.

Um dos principais instrumentos

é a propaganda,

que tem com função principal

informar benefícios,

características e atributos dos produtos e

serviços, sugerindo diretamente a ação de

compra por parte de quem consome. Sustentam

as vendas dos produtos e trabalham

na manutenção da imagem favorável em

evidência. Daí, as inúmeras estratégias da

propaganda são utilizadas por

empresas de todos os portes e segmentos,

principalmente por agências

que concentram profissionais

especializados.

Para Aiello, o surgimento de

novas tecnologias e mídias exigem

que a gestão da comunicação

seja encarada de forma profissional.

“Para vender, é preciso

pensar na estratégia mais certeira

e divulgar o produto de forma eficiente,

tarefa que cabe aos marketeiros e publicitários,

responsáveis por assessorar clientes

e planejar a comunicação com o mercado”.

Na disputa por um consumo consciente

em meio à competitividade acirrada

dos mercados, a sobrevivência passa pela

criatividade e diferenciais estratégicos que

possibilitam agregar valor. Potencializar

resultados e inovar passam a ser o discurso

Marcelo Cruz, da WSI Digital Marketing para o

interior de São Paulo, esteve no programa Universo

Mais, de Edi Frediane, na TV ARA, falando sobre

Marketing Digital

Estamos na era

da internet, do

webmarketing, do

e-commerce, do

mobile marketing,

da necessidade de

ser uma gestão da

comunicação em

rede

das agências de publicidade, em que a

ação foca no cliente, a partir do entendimento

de que este está cada vez mais exigente,

informado, seletivo e que busca

conveniência, qualidade e preço -

mediante ao menor esforço, menor risco e

menor tempo. Entender como

pensa e se comporta o público

alvo de um determinado produto

ou serviço é tarefa desafiadora

para os profissionais,

que lançam mão da interatividade

proporcionada pelas novas

plataformas de comunicação.

“Estamos na era da internet,

do webmarketing,

do e-commerce, do mobile

marketing, enfim, da necessidade de se ter

uma gestão da comunicação em rede e muitas

empresas ainda não se capacitaram para

esta nova realidade: um número reduzido

delas tem sabido aproveitar as novas

oportunidades e estão fadadas ao insucesso,

se rapidamente não se colocarem a campo

para enfrentar os desafios que vem por

aí”, comenta Marcelo Cruz da WSI Digital


comunicação ESPECIAL

INOVAÇÃO EM UM

CONTEXTO ÚNICO

Com 30 funcionários, entre

jornalistas, publicitários e

designers, a ComTexto tem

2 escritórios: Ribeirão Preto

e Araraquara, além de

sucursais em Sorocaba

e Piracicaba.

Fernanda Franco, diretora da Com

Texto em nossa cidade, diz que a nova linguagem

e os formatos de divulgação, além

dos benefícios da velocidade, proporcionam

à mídia digital, considerável

aumento na participação do orçamento publicitário,

se consolidando como uma nova

plataforma de comunicação ampliada

no mercado, o que exige dos profissionais

constante atualização. Para ela, o avanço

tecnológico promove inúmeras mudanças,

além do próprio conhecimento acerca

dos negócios dos clientes.

A ComTexto, que é uma agência de

comunicação integrada, é um exemplo

disso e traz soluções para seus clientes,

seja qual for a necessidade em comunicação

corporativa. Em quase 18 anos de

existência, a agência procurou crescer

dentro de parâmetros não só de quantidade

de serviços prestados, mas principalmente

de qualidade.

“Hoje é uma agência de comunicação

integrada com capilaridade inédita por todo

interior paulista e expertise no relacionamento

com a mídia nacional, prestando

serviços em assessoria de imprensa, comunicação

interna e publicidade, realizando

publicações e operando na gestão de crises

de imagem, além de realizar em curto espaço

de tempo, o treinamento para executivos

lidarem com a imprensa (media training)”,

diz Fernanda Franco.

Adaptar à realidade do cliente é tarefa

desafiadora para um mercado no interior,

em que as verbas para campanhas são menores,

exigindo dos profissionais versatilidade

da agência que representa o cliente.

Também os veículos de comunicação exigem

mais qualidade nos trabalhos pelo

compromisso envolvido nos resultados e

justificativa dos altos investimentos realizados

na modernização de seus processos

de produção. O interior tem cada vez mais

demonstrado sua capacidade de revelar

excelentes resultados através de profissionais

e agências que competem em pé de

igualdade àqueles locados nos grandes

centros. Enfim, a comunicação é complexa

e seu planejamento envolve a qualidade

de vida pessoal e profissional das pessoas.

Na empresa, a competência em lidar

com a comunicação mostrará o sucesso na

definição, socialização e concretização das

metas junto ao público interno. Além disso,

possibilita a criação e manutenção da imagem

institucional que será veiculada para os

consumidores, colaboradores e governo.

Profissionais da ComTexto no eixo Araraquara e Ribeirão Preto


Seu nome está na rua

MARIALICE LIA TEDDE

SUA PREOCUPAÇÃO ERA ESTAR NO

ENSINO E FORMAÇÃO DA MOCIDADE

Entre as qualidades que

marcavam a personalidade

de Marialice, destacam-se

os sentimentos religiosos,

a sua Fé. Tornou-se uma

vencedora nas ações a que

se propôs realizar sempre

com muito respeito.

Marialice

Lia Tedde

De tradicional família araraquarense,

Marialice Lia Tedde nasceu em 23 de setembro

de 1926, filha de Alzira Batelli e Domingos

Antônio Lia. Era a primogênita entre

os quatro filhos do casal: Lyz Maria, Raphael

Luiz e Maria Cecília. Ela iniciou seus

estudos no Colégio Progresso, indo posteriormente

cursar a faculdade em São Paulo,

formando-se em Letras pela Faculdade de

Letras “Sedes Sapiens”, com habilitação

em latim, francês e português.

Após concluir a faculdade, Marialice

retornou a Araraquara, vindo a lecionar no

Colégio São Bento. Além da fé, Marialice

tinha sólida e preciosa formação educacional,

cultural, moral, ética e cívica. Tão

grandes e tão sólidos valores morais e intelectuais,

que se transformaram em impressionante

simplicidade, modéstia e atitudes,

as mais despretensiosas e exemplares.

Porém, com equilíbrio, bom senso e

profundo amor, como professora, procurou

sempre, incansavelmente transmitir e

formar tais qualidades em seus alunos.

Amava lecionar e sentia-se muito bem em

sua sala de aula e tinha o dom de transmitir

seus conhecimentos a outros. “Marialice

tinha e teve sempre presente a verdade de

que abaixo da prece, a mais santa utilização

da palavra e da voz humana está no ensino

e na formação da mocidade”, lembra

Miguel Tedde Neto, seu esposo e um dos

mais brilhantes advogados da região.

Por sinal, a história de amor de Marialice

e Tedde Neto, com quem viria a se casar,

teve uma origem pitoresca. Solteiro,

Tedde Neto residia na vizinha cidade de

Rincão e estudava no EEBA em Araraquara.

Ele embarcava no trem em Rincão às

6h e retornava às 18h. Quando chegava em

Araraquara, por volta das 6h40, trazia consigo

o seu artigo para O Imparcial, onde filava

o café da manhã com pão e manteiga.

Posteriormente, com 18 anos, passou a integrar

o elenco de artistas de rádio teatro

na Cultura, onde também era locutor comercial.

Numa das noites em que estava

trabalhando na rádio, admirou uma fotografia

de Marialice no jornal; uma referência

a ela despertou-lhe a atenção. Logo depois,

coincidentemente, perdia o emprego

no Colégio São Bento. A jovem professora

recém-formada Marialice foi apresentada

a Tedde Neto pelo professor Walter Medeiros

Mauro, o qual já lhe havia prevenido

que não poderia mantê-lo na escola,

pois não tinha título de professor. Dr. Walter

lhe reiterou: “Tedde, estou certo de que

você compreende. A professora (Mariali-


Texto:

Samuel Brasil Bueno

ce) tem título para lecionar e, nessas condições,

embora estejamos contentes com

você, não vamos poder mantê-lo lecionando

português. Ela é professora de latim,

português e francês”.

Segundo consta, o jovem Tedde Neto

encantou-se ainda mais com a bonita professora,

pois Marialice, sem dizer uma só

palavra, demonstrou preocupação com a

situação do rapaz. Em seguida, Tedde Neto

perdeu o emprego, mas conquistou uma

maravilhosa esposa.

Marialice e Miguel Tedde Neto casaram-se

no civil em 4 de setembro de 1952

e, três dias após, o religioso na Capela do

Colégio Progresso. Do casamento nasceram

os filhos Miguel Lia Tedde (médico,

que reside em São Paulo), casado com Vera

Schneider; Pedro Augusto Lia Tedde

(engenheiro), casado com Marisa Haddad

Neto; Maria Isabel Lia Tedde Filpi (falecida),

que foi casada com o Dr. João Vita Filpi;

Maria Teresa Lia Tedde Nigro (artista

plástica), casada com Arcângelo Nigro

Neto; e Maria Elisa Tedde Cavalheiro (desenhista

industrial, residente em Assunção,

no Paraguai), casada com Heitor de

Vargas Cavalheiro Neto. Seus descendentes

somam ainda mais 10 netos.

O casal Marialice e Tedde e a permanente

vontade de viver pela força do amor

Entre as qualidades que marcavam a

personalidade de Marialice, destacam-se

seus sentimentos religiosos, a sua fé. Fé

que sempre a fortaleceu e a amparou, e que

jamais permitiu que ela fraquejasse, em

duros e desgastantes episódios que enfrentou

em sua vida. Marialice Lia Tedde faleceu

em 5 de novembro de 1995, em Araraquara.

Foi singular esposa, mãe e cidadã,

advogada e professora. Por suas excelsas

qualidades e por justa homenagem, seu

nome está na rua.

Seu nome está na rua por decreto municipal

do prefeito Waldemar De Santi,

no Centro de Educação e Recreação

(CER), localizado no Jardim Cruzeiro do

Sul, que passou a denominar-se Marialice

Lia Tedde.

Miguel Tedde Neto,

sempre cercado pelo

carinho dos familiares,

uma das mais fortes

características de

Marialice


sindicatoruralararaquara.com.br

sind_rural@uol.com.br

ARARAQUARA

Informações:

Av. Feijó, 87

3336 7547

O presidente Nicolau de

Souza Freitas e a diretoria

do Sindicato Rural de

Araraquara, em parceria

com o SENAR local, têm

primado em manter bem

informado os nossos

produtores rurais através

deste informativo mensal.

O trabalho enobrece o perfil

administrativo de ambas as

entidades e possibilita aos

associados, acompanhar de

forma clara e objetiva, as

mudanças que ocorrem no

setor que contribui

positivamente para o avanço

da economia do nosso país.

Com relação aos eucaliptos,

houve um crescimento de

quase 28% no plantio nos

últimos anos em Araraquara

MADEIRA BRASILEIRA ATRAI ESTRANGEIROS

TEXTO: JAMIL CHADE

Investir em madeira brasileira pode

render mais que uma aplicação em ouro e

ser mais interessante que os papéis do Tesouro

americano. O anúncio parece exagerado.

Mas é a mensagem que dezenas de

fundos de investimento estão lançando em

países ricos, em busca de pessoas interessadas

em aplicar seu dinheiro. Com o setor

imobiliário implodido nos países ricos e

dúvidas em relação a aplicações tradicionais,

empresas apresentam segmentos alternativos,

caso da madeira brasileira, como

opção.

Uma dessas empresas é a Greenwood,

que criou o que chama de “Projeto Acácia”.

A companhia estrangeira comprou 5

áreas em um total de 2,3 mil hectares para

plantar de forma sustentável as árvores.

Uma dessas áreas fica no Estado da Bahia.

O interessado aplica seu dinheiro, compra

simbolicamente áreas nessas terras da

empresa e será a venda dessa madeira para

o mercado doméstico brasileiro e eventual

exportação, que garantirá o retorno do investimento.

Os dividendos, segundo a empresa,

começarão a aparecer dentro de 3

anos. Por meio hectare adquirido, o investidor

paga 6,2 mil euros. Os pacotes podem

chegar a 505 mil euros.

“O fato é que esse é o melhor momento

para que as pessoas se envolvam nesse investimento,

já que ele está fora da zona do

euro, em crise”, escreveu ao Estado, Liam

Fleming, um dos administradores do projeto.

“O Brasil é um mercado em expansão

e que só pode ficar melhor com a Copa do

Mundo e os Jogos Olímpicos”, indicou.

“Nesse momento, muitos investidores estão

saindo da Europa e indo ao Brasil na

preparação desses eventos e o Governo está

gastando bilhões em infraestrutura”, disse

Fleming. “Adoramos a notícia, já que

significa que a demanda por madeira vai

aumentar”, completou.

Outro fator que impulsiona esses fundos

é a decisão do Governo construir casas

populares, que também exigiriam o fornecimento

de madeira.

De fato, segundo a Wood Resource

Quarterly, empresa que mantém um monitoramento

dos preços de madeira pelo

mundo, o custo do produto no Brasil bateu

um recorde em 2011, diante da demanda

aquecida. De acordo com o levantamento,


SINDICATO RURAL

Persianas produzidas com madeira

oriunda de reflorestamento, secas

em estufas e tratadas contra insetos

o recorde não se refere apenas aos preços

no Brasil nos últimos anos, mas também

em comparação com regiões como Europa,

Austrália, Chile e Rússia. A demanda

externa também ajudou a elevar os preços,

algo positivo para os investidores. Em

2011, as exportações cresceram 6%, principalmente

para China, México, Marrocos

e Arábia Saudita.

A indefinição sobre o Código Florestal

no Brasil e obstáculos legais chegaram a

causar uma fuga de investimentos no setor,

com cálculos que apontam que até

US$ 6 bilhões teriam deixado de ser investidos

no País nos últimos anos.

Assim, diante das perspectivas, empresas

da Suécia, EUA e vários outros

países prometem a seus clientes no exterior

um retorno de 5% a 14% para quem investir

em eucalipto, acácia ou outras madeiras

no Brasil, sempre com a promessa

de que a gestão do produto será feita com

base nas leis ambientais locais.

ATRATIVOS

Em Londres, a Global Forestry Investments

atrai seus clientes apontando

simplesmente que, entre os anos 1987 e

2006, a madeira rendeu mais às aplicações

que a bolsa de Nova York, o mercado imobiliário

inglês ou emissões do Tesouro

americano.

Já a Big Lands Brazil, com escritórios

no País e no exterior, aponta que já tem 83

propriedades pelo Brasil, onde investe em

madeira em mais de 1,6 milhão de hectares.

Uma de suas funções em 2011 foi a de

dar consultoria para um fundo de investidores

interessados em madeira e com base

em Guernsey - paraíso fiscal situado no

Canal da Mancha.

Não é apenas a extensão do território

brasileiro que é vendida aos investidores

como algo atrativo. A consultoria australiana

New Forest aponta para as inovações

genéticas e de manejo florestal no Brasil,

permitindo taxas de crescimento das árvores

acima da média. “O Brasil tem desenvolvido

regimes de manejo que permitem

que espécies de eucalipto possam crescer

a taxas de quase 50 metros cúbicos por

hectare por ano”, indicou.

EM ARARAQUARA

A presença de um pesticida proibido

nos sucos de laranja abre espaço para o

crescimento do cultivo de outros produtos.

Um dos beneficiados é o eucalipto.

Segundo levantamento do Instituto de

Economia Agrícola (IEA), a plantação de

A madeira rendeu mais que as

aplicações da Bolsa de Nova

Iorque nos últimos anos,

incentivando os empresários

a aplicar em nosso país

eucalipto cresceu 28,8% na região de

Araraquara em 4 anos.

Em 2007, havia 21,7 mil hectares

plantados, número que aumentou para

27,9 mil no fim de 2010. O número é referente

à área de 16 cidades integrantes do

Escritório de Desenvolvimento Rural da

Cidade.

De acordo com o engenheiro agrônomo

Eraldo Antônio Nuncio, diretor do

Escritório de Desenvolvimento Rural de

Araraquara, o interesse pelo cultivo de

eucalipto é motivado justamente por dificuldades

encontradas nos pomares de laranja

- com doenças como a greening - ou

crises no setor sucroalcooleiro, registradas

nos últimos anos.

“Não há limitação de área de terra para

a plantação do eucalipto, o que facilita

o cultivo na região”, afirma.

CURSOS

FEVEREIRO/2013

APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

COM PULVERIZADOR COSTAL

MANUAL

De 18/02/2013 até 20/02/2013

TURISMO RURAL - SENSIBILIZAÇÃO

De 25/02/2013 até 25/02/2013

De 26/02/2013 até 26/02/2013

REALIZAÇÕES:

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

Mário Roberto Porto


SAÚDE | especial

DIETA PROMETE ELIMINAR ATÉ 50% DO EXCESSO

DE PESO EM UM MÊS SEM ATIVIDADE FÍSICA

A dieta não restringe a quantidade de alimentos, mas proíbe

alguns itens e limita o consumo de carboidratos no almoço e

no jantar para três vezes por semana

A dieta criada por um endocrinologista

de São Paulo promete eliminar de 30% a

50% do excesso de peso em apenas um

mês, sem que seja necessário fazer exercícios.

O cardápio é baseado no consumo de

proteínas e no controle de carboidratos.

Algumas bebidas alcoólicas são permitidas,

como o vinho. E o tamanho do prato,

assim como a frequência das refeições, é

flexível. Apesar da aparente liberdade,

não é possível comer tudo o que se tem

vontade. “O conceito é comer a hora que

quiser, o volume que quiser, mas não o que

quiser”, alerta o endocrinologista Cyro Guimarães

Junior. Requeijão, queijos amarelos,

creme de leite, biscoito, uva, abacate,

banana, caqui, manga, mandioca, batata,

milho, refrigerantes (inclusive diet), cerveja,

chope, carnes à milanesa e à doré devem

ser riscados do cardápio. Também estão

proibidos alimentos conservados em tetra

pak, vidros ou plásticos, por causa do excesso

de sódio e outros elementos.

SEGUE

Para não

estragar a

dieta saiba

a caloria

das pizzas

MUSSARELA: 258 cal.


GRUPO

DA MELHOR

IDADE

FEVEREIRO

Dia 08/fevereiro

(sexta-feira) -das 21h à 1h

BAILE NOITE

DA ALEGRIA

Local:

Clube Araraquarense

Traje: Passeio Normal

Animação:

BANDA TALISMÃ

de Campinas

(Banda especial para dança de casais)

O GRUPO DA MELHOR IDADE

INFORMA:

Estão abertas as inscrições

para novos associados no

Melusa Clube, às quartas-feiras,

das 20h às 21h30

As reservas de convites para

os bailes e eventos são feitas

no Melusa Clube, às quartas-feiras,

das 20h às 21h30

Informações 3336-1953

Baile de qualidade só na Melhor Idade

cuidados

NA DIETA, CUIDADO

COM A SUA BOCA

Na dieta preparada pelo

endocrinologista Cyro

Guimarães Júnior, os

sucos embalados não

devem ser consumidos.

Devido à inclusão de adoçantes e amido

de milho, que instigam o aumento de peso

e aumenta a chance de desenvolver diabetes

e hipertensão, é preciso que as pessoas

fiquem atentas aos chamados sucos

embalados, comenta Cyro Guimarães Júnior,

dentro da dieta que ele tem propagado

através dos mais importantes meios de

divulgação no Estado de São Paulo.

Mesmo com tantas proibições, a dieta

permite o consumo de alguns carboidratos

à vontade, como os que estão presentes

no leite e derivados, e também nas frutas.

Já massas e grãos são liberados aos

poucos. “A pessoa pode comer uma massa

na semana, na quantidade que achar

melhor. Já os grãos, como arroz, feijão,

ervilha, soja e outros, só podem ser consumidos

3 vezes na semana”, diz o médico.

Se uma pessoa comer uma feijoada,

por exemplo, terá consumido os créditos

de grãos na semana.

Corpo assim,

o desejo de

toda mulher

Sucos de fruta sem açúcar podem ser

consumidos à vontade, bem como chás em

pó ou sachês e água de coco. “Quem quiser

também pode fazer uma vitamina de

leite batido com frutas, sem problemas,

pois tudo isso é liberado”, ressalta Júnior.

Com relação às bebidas alcóolicas,

cervejas e bebidas licorosas estão vetadas.

Já os vinhos e as bebidas destiladas

estão liberados. “É preciso manter alguns

prazeres para que o paciente consiga

seguir a dieta”, afirma Júnior. Ele enfatiza

que o uso social da bebida, limitase

a até 2 doses de destilado por dia ou 2

taças de vinho. Para seguir a dieta, é preciso

evitar a praticidade.

As frutas, como a melancia, cada vez mais

ganham espaço para a retirada do excesso

de líquido do corpo



Receber este prêmio foi uma

grande conquista para toda a

cidade e devemos muito disso

a vocês, que estão no dia a dia

das escolas trabalhando com

afinco para dar ao aluno a

melhor refeição. O prefeito

reconhece este trabalho e em

nome dele agradeço muito a

cada uma de vocês, pela

dedicação e carinho com que

atendem os nossos estudantes.

Orlando Mengatti Filho

Secretário de Educação


alimentação

MERENDEIRAS

DE VALOR

O prêmio conquistado por

elas não vem do futebol,

basquete e nem volei. Veio

da maneira responsável com

que preparam as refeições

consumidas pelas crianças

na Merenda Escolar.

Ao todo são 330 merendeiros lotados

nas unidades escolares municipais e estaduais

de Araraquara. Estes profis-sionais

praticam quase que diariamente um ritual:

preparar a alimentação para 38.094 alunos.

Utilizam carne bovina, frango e peixe,

bem como os alimentos da agricultura

familiar local e suco natural de frutas. São

mais de 190 toneladas de alimentos todos

os meses.

Por esta dedicação é que a merenda oferecida

pelas escolas públicas de Araraquara

foi considerada a de melhor qualidade

de toda a região Sudeste, segundo

pesquisa da Organização Ação Fome Zero

feita em janeiro. No Estado de São Paulo,

3 cidades foram mencionadas e o prefeito

Marcelo Barbieri recebeu o prêmio

de Gestor Eficiente da Merenda Escolar. A

conquista levou as merendeiras a se capacitarem

ainda mais através do curso “Boas

Práticas de Higiene e Manipulação de Alimentos”

finalizado no dia primeiro de fevereiro.

De acordo com a gerente de Alimentação

Escolar, Márcia Cristina Guimarães, o

objetivo foi promover a reciclagem dos

profissionais quanto às normas de higiene

pessoal, de manipulação e do ambiente,

além de todas as orientações sobre o cardápio

e abastecimento para o ano letivo de

2013.

“Outros itens foram discutidos ao longo

da formação, como a forma correta de

receber e guardar os alimentos, a manipulação

apropriada para cada tipo de produto,

o procedimento para o abastecimento,

datas para pedidos, enfim, orientações gerais

que vão facilitar a logística da equipe

técnica”, afirma a gerente.

A equipe da Secretaria Municipal da

Educação é formada por 7 técnicos em Nutrição,

2 nutricionistas supervisores e a gerente

Márcia (Nutrição) e Jansem Camargo

Mercaldi (Abastecimento).

O papel da merendeira sempre

deve ser destacado não apenas

como reconhecimento ao seu

trabalho, mas pela valorização

a sua profissão


medicina

BENEFICÊNCIA PORTUGUESA IMPLANTA O SEU

INSTITUTO DE NEUROCIÊNCIAS

Sendo um dos primeiros hospitais da região a possuir o seu próprio Instituto de Neurociências,

a Beneficência Portuguesa de Araraquara avança na implantação de arrojados projetos,

visando disponibilizar serviços que a colocam entre os mais avançados centros médicos do país.

Dr. José Reynaldo Walther de Almeida,

coordenador do instituto que já reúne

na Beneficência uma série de atividades

que serão oferecidas aos pacientes

como Neurologia Geral, Neuropediatria,

Neurocirurgia, tratamento das doenças

da coluna vertebral e da dor

A Beneficência Portuguesa iniciou na

segunda quinzena de janeiro os serviços

do seu Instituto de Neurociências, um dos

primeiros da região, sob a coordenação do

neurologista e neurocirurgião Dr. José

Reynaldo Walther de Almeida. Depois de

23 anos atuando na Fundação Pio XII Hospital

do Câncer de Barretos, um dos mais

conceituados do país, o médico foi convidado

para assumir o novo instituto.

De acordo com o Dr. José Reynaldo, a

Neurociência reúne uma série de atividades

que serão oferecidas aos pacientes como

Neurologia Geral, Neuropediatria,

Neurocirurgia, tratamento das doenças da

coluna vertebral e da dor.

A dor, em alguns casos, é de ordem

neurológica. Os procedimentos desenvolvidos

no instituto são específicos para dor

de cabeça, problemas de memória, dores

na coluna, distúrbio de comportamento.

“Nem sempre o distúrbio de comportamento

é um problema psiquiátrico. Existem

casos que podem ser diagnosticados,

como por exemplo, um tumor no cérebro”,

esclarece o profissional.

Os aparelhos para diagnóstico são Eletromiografia

que avalia a função dos músculos

e nervos periféricos usado em situações

que existam dúvidas quanto à origem

da dor, doenças da coluna e musculares.

Os pacientes também poderão contar com

Os tratamentos e os procedimentos

relacionados à coluna vertebral passam

a ser acompanhados pelo que há de

mais moderno na medicina mundial


ELETROMIOGRAFIA

POTENCIAIS EVOCADOS

A realização do eletromiografia

Eletroencefalograma Convencional e Tomografia

Eletromagnética de Baixa Resolução,

um sistema extremamente moderno.

“Estamos providenciando os Potenciais

Evocados que são exames especializados

no cérebro, onde o médico pode ver

alguns tipos de funções do cérebro”, diz.

Os Potenciais Evocados são um conjunto

de testes neurofisiológicos do sistema nervoso

que avalia funcionalmente os feixes/vias

nervosas do Sistema Nervoso

Central e Periférico.

A equipe de médicos ainda está em formação

e atualmente as consultas e atendimentos

são realizados pelo Dr. José Reynaldo

Walther de Almeida. “Estamos em negociação

e o número de médicos que serão contratados

dependerá do crescimento do instituto”,

explica o neurocirurgião.

A equipe de suporte está completa e conta

com enfermeira, secretária, técnica em

neurofisiologia e técnica de enfermagem. O

Instituto de Neurociência da Beneficência

Portuguesa atende aos pacientes conveniados

do São Francisco Saúde e de outras operadoras

de planos de saúde, além de particulares

e podem ser feitos a partir de encaminhamento

médico ou consulta previamente

agendada no próprio instituto.

A Eletromiografia (EMG) é uma

técnica que permite realizar o processamento

dos sinais elétricos gerados

pela despolarização das células

musculares, possibilitando a

análise muscular durante o movimento.

Trata-se de uma das mais

avançadas técnicas nesta especialidade,

apresentando resultados plenamente

seguros. Esse recurso tem possibilitado

diversos estudos entre os profissionais

na prática clínica e pesquisas

que envolvem a análise muscular. A utilização

da EMG em estudos científicos,

caminha para a confiabilidade e a validade

do uso desse instrumento na prática

clínica. Para que possamos entender

o funcionamento dessa técnica, a coleta

e análise dos dados eletromiográficos, é

importante destacar a seleção dos eletrodos

e a impedância da pele; a amplificação

diferencial e rejeição do modo

comum; o processamento do sinal eletromiográfico;

e, a quantificação do sinal

e normalização.

DR. JOSÉ REYNALDO WALTHER DE ALMEIDA

Neurocirurgião do serviço de neurocirurgia

da Fundação Pio XII - Hospital de

Câncer de Barretos de 1989 até 2011. Tem

experiência na área de Neurocirurgia, neu-

Resposta elétrica evocada no

sistema nervoso central por estimulação

dos receptores

sensoriais,

ou de algum

ponto na

via sensorial

condutora do

receptor até o

córtex. O estímulo

evocado

pode ser auditivo (potenciais evocados

auditivos), somatosensorial

(potenciais somato-sensoriais

evocados), ou visual (potenciais

evocados visuais), embora outras

modalidades tenham sido descritas.

Potenciais relacionados com

eventos às vezes são usados como

sinônimos de potenciais evocados,

sendo frequentemente associados

com a execução de uma tarefa

motora, cognitiva ou psicofisiológica,

bem como com a resposta

a um estímulo.

rologia, tratamento da dor, doenças da coluna,

processamento de imagens funcionais

do cérebro, bioinformática e bioestatística.

É formado pela Faculdade de Medicina

de Catanduva, onde se especializou em

neurologia e neurocirurgia. Treinamento

em neurocirurgia no Albert Einstein School

Of Medicine (USA) e no Montreal Institute

Of Neurology de Montreal, Canadá. Mestre

em Medicina pela Escola Paulista de Medicina.

Autor de inúmeros trabalhos publicados

em revistas nacionais e internacionais.

Autor de capítulo de livro sobre tumores

do sistema nervoso.

A implantação do Instituto de Neurociências na Unidade Hospitalar Abelardo Maria de Andrade é uma das grandes conquistas

da Beneficência Portuguesa de Araraquara, graças ao esforço do presidente Fábio Donato Gomes Santiago e sua diretoria


gastronomia

TREM DE MILHO CHEGA COM A

BARRIGA DE PORTO A PURURUCA

Feito à base de milho

verde com recheios

(mussarela, carne seca,

linguiça calabresa ou

frango), Théo Bratfisch

leva o Trem de Milho, um

prato típico da cidade, a

mostrar a força da nossa

O prato típico Trem de Milho - um dos

destaques do Festival Delícias do Milho,

em Bueno de Andrada - representou Araraquara

entre os dez pratos concorrentes

do Festival Gastronômico Sabor de São

Paulo, em São Carlos. Foi um dos cinco selecionados

ao lado de outro prato araraquarense:

Barriga de Porco à Pururuca, do

arquiteto araraquarense João Paulo Lemos.

Ambos vão para a final na capital.

Para a coordenadora de Turismo e

Eventos, Eneida Miranda de Toledo, a iniciativa

do Governo do Estado vem ao encontro

do trabalho que está sendo feito para

implantação do turismo rural em Araraquara,

pois a gastronomia rural é um de

seus pilares mais fortes.Na etapa realizada

em São Carlos, participaram da degustação

250 pessoas.

O Trem de Milho, feito à base de milho

verde com recheios (mussarela, carne seca,

linguiça calabresa ou frango), convenceu

os jurados, com a apresentação do publicitário

Théo Bratfisch.

A Barriga de Porco à Pururuca, do arquiteto

araraquarense João Paulo Papandré

Lemos, traz um resgate histórico unido

à proposta da arquitetura na gastronomia.

Nela há a desconstrução de um prato, para

a sua reconstrução numa nova linguagem.

Assim, a panceta - que é na maioria das vezes

servida como tira-gosto, em porções

onde é cortada de forma pequena - tornase

o prato principal.

As nutricionistas do Centro “Paula Souza”,

Paula Fernanda Fermino e Patrícia Meciano

Barreto com Théo Bratfisch

João Paulo Papandré Lemos, arquiteto

araraquarense que também comanda

um programa de gastronomia na TV


José Branco Perez, Valcir José

Bologniese, Roberto Boalin e

Ricardo Silva Andrade,

empenhados na campanha das

Camas Hospitalares

A cama hospitalar

adquirida pelo

Rotary Oeste

solidariedade

ROTARY OESTE FAZ

A LIÇÃO DE CASA

Fundado em 1969, o nosso

Rotary Oeste cumpre seus

objetivos e adquire mais 4

camas hospitalares para

atender a comunidade.

Agora já são 70 camas hospitalares a

disposição das pessoas necessitadas. As

últimas 4 que foram adquiridas em janeiro

ressaltam o trabalho do presidente do Rotary

Clube de Araraquara Oeste, Roberto

Boalin e sua diretoria.

Considerado um serviço especial, o

Banco de Camas Especiais empresta as

unidades de forma gratuita e temporária,

garantindo o acesso de pessoas que mais

precisam. As camas, diz Boalin, são adquiridas

através de eventos realizados ou

de doações de empresas e parceiras do projeto

que tem sido fundamental para que essa

ação social se mantenha no mesmo patamar

de sucesso.

Neste ano, justifica Boalin, de acordo

com o lema da nossa Assembleia Internacional,

os rotarianos em todo o mundo desenvolvem

a campanha Viver Rotary e

Transformem Vidas. O presidente do Rotary

Internacional, Ron Burton, já formulou

este pedido na assembleia em que estava

presente o Governador do Distrito

4540, Antônio José Sader e do qual Araraquara

faz parte.

Em 1969 para comemorar seus 20

anos de vida, o Rotary Club Araraquara decidiu

por fundar um novo clube, tendo em

vista o desenvolvimento da cidade. Waldo

Barbieri e outros companheiros do clube

criaram o Rotary Oeste, sendo eleito primeiro

presidente o advogado Sérgio Cavalcante

de Figueiredo, já falecido.

Uma das importantes ações do Rotary

Oeste foi a construção do Monumento

aos Pracinhas, uma homenagem

da cidade aos ex-combatentes da II

Guerra Mundial.

Casal Governador 2013-2014 do Distrito

4.540, Ana Cláudia e Antônio José Sader

na Assembleia Internacional do Rotary


]

]

vida

empresarial

]

Cássia e Rubens Squariz Júnior

com os filhos Matheus e Gabriel

]

]

Isabela Parelli Haddad e Carlos

Eduardo Arruda Flaitt

]

]

Gabrielle, Márcio Alexandre

Arone com Pedro Felipe

no colo, Simone Onofre,

Camila e Ana Maria, em

noite especial na passagem

de ano, torcendo para que

2013 seja de plena alegria.

Maria Inês e José Carlos Baracat

] Severino Silva e Maria Alice

]

]


]

Ricardo Valentim Lopes é diretor da

Companhia de Negócios, conceituada

empresa de consultoria em Araraquara,

prestando serviços em segmentos

profissionais bem diferenciados.

Sucesso.

]

Oswaldo Perez Costa, Luiza, Marlei,

Tatiana, Esther Perez Cavani, Mariana

e Rodrigo Carvalho

]

Wellington Carlos Rossi, Renato Haddad e os

adorados irmãos Frederico (Fred) e Virgílio

de Abranches Quintão Neto

Na passagem de ano,

Rubinho Squariz decidiu

reunir toda sua família

para curtir momentos de

alegria no Araraquarense

TRABALHO

O engenheiro Marcos

Moreira vem realizando

um importante serviço pela

Eletronorte em nossa cidade.

É gente que merece boas

vindas pois colabora no

progresso de Araraquara.

Família Benassi: Mauro,

Genayr, Helena, Lis Maria

e Paulo Dimas Cézar

xxxxxxxxxxxx

xxxxxxxxx

xxxxxxxxxx

xxxxxxxxxxx

]

Fernando Alonso,

diretor comercial

da TVARA preparando

a grande cobertura

que a emissora fará

neste carnaval.

Walter Logatti

Filho, Valéria,

Bruna e Flávia

]

Aldo Barbugli, Bernadete, Beatriz e Mariana

]


]

]

]

]

]

Nanci, Joel Moroni, Patrícia,

Fabrício, Nilvo Luiz da Costa

e Dinah em animada noite no

Clube Araraquarense

]

SÃO FRANCISCO SAÚDE

Nilton Celestino Ferreira,

gerente regional do São

Francisco Saúde, acelerando

o ritmo de trabalho para que

o plano de saúde de um dos

mais conceituados hospitais

do Brasil possa ampliar seus

serviços na cidade.

O professor Antônio Jorge Moreira e

sua esposa Vânia Eulália

]

Jacilena de Souza Nogueira com

a jornalista Dorothy Thereza de

Queiroz Cardozo

]

]

Marilena Tannure Felix e

Joaquim Dias Maciera Filho,

na base do dois prá lá,

dois prá cá

]

Giovanna, Reinaldo Marchetto, Patrícia e Daniel

]

22 DE AGOSTO

Um dos mais famosos clubes

sociais do interior, impecável

pela sua história e tradição,

ainda não tem comprador para

sua antiga sede na Av. Portugal.

Valor está estimado em cerca

de 6 milhões de reais.

Diego Tavian ao lado da

Família Kurmann: Magdala,

Ildemar Luiz e Juliana

]


]

]

Paschoal Traete Júnior e Terezinha,

curtindo a chegada de um novo

ano ao lado de amigos e familiares

O Imparcial

Jornal O Imparcial comemorou

75 anos, sendo um marco na

história do jornalismo na cidade

e região. Louvável o trabalho feito

por José A. C. Silva, que dá

continuidade aos ideais e à luta

dos seus pais Cecília e Paulo Silva,

mantendo acesa a chama de um

trabalho ético e responsável.

ERA DIA DE FESTA

Fernanda, Maria Clara e Wanderlei

Nonato (Fogueira), em clima de

reveillon no Clube

]

Edson Luiz Carrascossi, Cibele, Ana

Paula e Luis Eduardo Carrascossi

]

Hélio Segnini, Jefinho

Haddad, Wellington

Carlos Rossi, Maria

Cândida, Maria Cristina,

Isabela e Carlos Eduardo


A diretoria da ACIA cumprimenta os aniversariantes de fevereiro

DATA NOME EMPRESA DATA NOME EMPRESA

01/02

01/02

01/02

01/02

02/02

02/02

02/02

02/02

02/02

02/02

02/02

02/02

03/02

03/02

04/02

04/02

05/02

05/02

05/02

06/02

07/02

07/02

08/02

09/02

09/02

10/02

10/02

10/02

10/02

10/02

11/02

11/02

12/02

12/02

12/02

12/02

12/02

12/02

13/02

14/02

14/02

14/02

14/02

14/02

Adriana C. V. Bertolucci

Edson Vicente da Costa

Marcelo de Paula Alves

Gilberto Ap. Durante

Mauricio Cândido Lopes

Marcos Miguel Pierri

Juliano Karam Mascaro

Walter Silva Fraga

Osmar Manfre

Adão P. Trindade

Cristiane F. Machado

João A. Vicente

Walter Logatti Filho

Silvina M. N. de Mello

Firmino F. de Freitas

Sênia Mori

Valdecir Claudinei Bachi

Margarete S. Barbieri

Antônio Parelli Filho

Francisco Augusto Merlos

Antônia de Rizzo da Matta

Valter Merlos

Carlos Nei Viola

Maria Aparecida Veiga

Ademir Ramos da Silva

Emerson Fabiano Leite

Ericsson Felipe B. da Silva

Ali Omar Rajad

Fabrício Papini Fornazari

José Eduardo Carvalho

Nanci Sinabuco Dakuzaku

Francisco C. Carrascossa

Reinaldo Dias de Lima

Leonardo Pavoni Filho

Carlos Alberto Pizzicara

Rosa Marli Galiano Damito

Edesio Silveira Rios

Ana Maria R. Bortolozzo

Álvaro José Magdalena

Fábio Donato G. Santiago

Antônio Messias de Lima

Osvaldo Gomes da Silva

Evandro Lucas Yashuda

Milton Velloso

Depósito de Pedras São José

Joalheria Jóias Nova

All Equip

Fábrica da Imagem

Pallas

Seek Informática

Buffet Karam

Rádio Brasil FM

Konsult

Walmar Funilaria e Pintura

Nubafo Churrasqueiras

SR Ferragens

Logatti

Farmapet

Ótica Thiago

Sênia Modas

Acoval

Papelaria Alameda

Auto Eletro Carlão

Treliara

Ótica Araraquara

Provac

Carneval

New Look - Clínica de Beleza

Alumínio Fort Lar

Mercafrios

Microlins - Formação Profissional

Mil e Uma Opções

Papini Multimedia Arts

Tribuna Impressa

Sorveteria Biju

Mecânica Auto Peças Carrascossa

Montreal

Copav Indústria de Móveis

Rodocap

Mercearia Peixaria Brasília

Alinhamento Araraquara

Panificadora Bortolozzo

Magdalena Imóveis

Beneficência Portuguesa

Extintores Avanço

Depósito Astro Armarinhos

Farmácia Bandeirantes

Gráfica Sol

15/02

15/02

15/02

15/02

15/02

17/02

17/02

17/02

17/02

17/02

17/02

18/02

18/02

18/02

18/02

19/02

19/02

20/02

21/02

21/02

21/02

21/02

21/02

21/02

22/02

22/02

22/02

22/02

23/02

24/02

24/02

24/02

25/02

25/02

25/02

26/02

27/02

27/02

27/02

27/02

28/02

28/02

28/02

28/02

Márcio Antônio Brambilla

Dirceu José Rigolin

Débora Capi Rodrigues

Aparecida S. Freitas

Vanderlei de Paula

Maria Ap. L. Assumpção

José Roberto Rodriguez

Grasiela Caetano

Mara R. A. Laroca

Mauricio B. Alves

Leda Maria Zenatti

Ilda Scotton Sylvestre

Fernando A. Giansante

Maria J. C. Rodrigues

Cristina D. Monteacultti

Salma M. C. Bermudez

Orivaldo P. Basegio

Rui Athanázio F. Lopes

Manoel de C. Sofner

Marlene da Costa Tucci

Marcos Cesar de Matos

José Anésio Pavão

Alberto Sadalla Filho

Haroldo Franzin

Osvaldo Leme da Silva

José Roberto Sedenho

Mauro S. Shinzato

Liliana Aufiero

Sebastião A. Mortari

Carlos A. Tampellini

Laércio Piva

Sérgio Roni Junior

Luis Amadeu Sadalla

Sérgio A. da Rocha

Leila Regina Garitta

Fernandes Guzzi Netto

Theophilo Perche

Adelcio Carlos Magrini

Otávio Polinário

Silvio da Silva Junior

Maria Helena Rodrigues

Luiz Eduardo Joioso

Vanessa S. Juliani

Ivan Roberto Fucci

Br Assessoria Contábil

Drogaria Nossa Senhora das Graças

Sagrado Coração de Jesus

Jornal Folha da Cidade

Tita Eletrocomerciais

Panificadora Jóia

Morada do Sol Corretora de Seguros

Valmag

Panificadora Jóia

Serralheria Botelho

Casa de Carnes Edinho

Scott´s Moda Jovem

Agropecuária Affonso Giansante

Souza Rodrigues e Lisboa Advogados

Montseg Seguros

Varejão São José

Porto Alegre

Auto Posto Caravan / Posto Vz Filho

Maq Soffner

Foto Tucci

Mercadinho Pathmatos

Master Café

Comfort Hotel

New Standard Software

Leme Comercial

Transterra de Araraquara

Plasitiban

Lupo

Supermercado Mortari

Gemarge

Gráfica Alvorada

Francine Relógios e Presentes

Comfort Hotel

RS Equipamentos

Remo Garitta

Escritório Gaspar

Uniodonto de Araraquara

Aquarela Tintas

Casa Lotérica Integração

Potier Noivas

Buffet Afrodite

Marmoraria Art Tec

Naju Modas

Panificadora Pão da Terra

Estamos colaborando

na construção de uma

grande cidade


Vitrine

Heloisa Nascimento, da Revista Comércio

& Indústria com o deputado Roberto

Massafera na posse de Marcelo Barbieri

A empresária Silvone Holanda Santos

investiu na criação do belo Restaurante

Oriental Mandarim na região central

(Rua Padre Duarte ao lado do Banco

do Brasil) e contou com os serviços

profissionais do brilhante arquiteto

Washington Rosa

GRATIDÃO

O Presidente da ACIA, Renato

Haddad, foi convidado a ser

um dos examinadores do

TCC (Trabalho de Conclusão

de Curso) da UNIP (Curso de

Administração de Empresas).

Ele confessa ter passado por

momentos de grande emoção

e orgulho: “É o Brasil do futuro”,

disse ele agradecido aos alunos

pelo convite.

Nem bem começou o ano e a Akabamentos & Cia dá um show de qualidade e bons preços.

As novidades dos grandes centros rapidamente chegam na Akabamentos mostrando

que é uma loja preocupada com seu bom gosto.

EMPÓRIO DO CERRADO

Rogério Visconti Vieira e a esposa

Karina estão comemorando o

sucesso da inauguração do

Empório do Cerrado, uma loja

voltada para decoração, sendo

idealizada com o propósito de

tornar os ambientes mais

agradáveis na arte brasileira.

Parabéns pelo bom gosto e

vocês merecem realmente

todo sucesso do mundo.


A Todeschini em Araraquara

organizou badalado coquetel

em seu elegante e belíssimo

espaço, onde profissionais,

clientes e amigos foram

cumprimentar Marcela

Fabiana e Cledson Barros

pela inauguração da loja

Marcela, Cledson Barros, Washington Rosa

e Edina Guedes em noite de comemoração

pelo novo espaço

Daniel Munhoz, Ronaldo Cândido e

Fernando César Malfará

Alessandra Lima, Ângela Barbieri Munhoz

e Liliana Landucci

Flávia e Oscar Munhoz

Marco Milioti e Gláucia

Fernando César Malfará e Simone de Lucca

O casal Isabel e Paulo Moura Leite com

os anfitriões Cledson Barros e Fabiana

Júnior Eredia, Paulo Salgado e Érida

enaltecendo o trabalho da Todeschini


crônica

LUÍS CARLOS

BEDRAN*

FÉRIAS DE JANEIRO

Com muita tristeza acabaram-se as tão supostamente merecidas férias de janeiro.

Porque depois elas vão se tornando tão monótonas, e a tal ponto, que, ansiosamente,

aguarda-se o retorno ao trabalho, o qual, segundo as palavras bíblicas, é a redenção do

homem. Pois somente o trabalho redime o homem, aquilo que o torna mais feliz.

A felicidade vem mesmo é da produção, do suor e não do consumo, pois este é muito

entediante. É deveras desagradável degustar caviar todo santo dia, champanhe francês,

vinhos finíssimos e frequentar os mais sofisticados restaurantes... Não é bom para

a saúde mental e muito menos ainda para a física.

Bom mesmo é a rotina do trabalho. Pegar no pesado, acatar as ordens mais esdrúxulas,

mas sempre sábias do chefe; fazer exercício (que academia, que nada!) até ao

cair da tarde e depois (o dever acima de tudo!) levar mais um pouco de serviço para casa,

pois a mulher e as crianças ficarão extremamente felizes com isso. Chegar lá na casa

extenuado, mas tomar uma 51 e, por fim, sonhar beatificamente com os anjos. E no

fim de semana, um churrasquinho com muita cerveja assistindo o Corinthians e depois

o programa do Faustão ou o do Sílvio Santos. Férias para quê?

Para ficar cansado, gastar no litoral, apreciar toda aquela multidão entediada, espalhada

seminua na areia, torrar-se sob o forte sol de verão a provocar um cancerzinho de

pele? Besteira! Para enfrentar pacientemente as filas dos carros, pagar os caros pedágios,

enriquecendo nababescamente os donos das concessionárias? Besteira! Para deixar

de ler os jornais diários que só trazem notícias gratificantes sobre a situação mundial

e nacional? Besteira!

Para deixar de ver TV e as notícias sobre as artimanhas dos políticos no Congresso,

que parece sempre estar em recesso? Certamente que não. Bom mesmo é permanecer

na cidade para que se possa pagar com tranquilidade o IPVA, o IPTU, os carnês habituais

das dívidas, comprar o barato material escolar das crianças e esperar ansiosamente

a volta ao honrado e gratificante trabalho.

Mas ainda há gente que insiste em gozar as férias no Guarujá, em Bertioga, Santos,

Praia Grande, Ubatuba, Itanhaém, no litoral de norte a sul. Ou eles são do contra ou então

estão no fim da vida, na terceira idade, esses os excluídos socialmente do trabalho.

Este, sem dúvida, é a satisfação pessoal de todo ser humano, pois ele é o único ser da

espécie animal que labuta para poder descansar depois. Por isso é inteligente. Os idosos

marginalizados são colocados na inatividade, não servem mais para nada: somente

para consumir desbragadamente. Um desperdício, um crime, um pecado!

Os inativos deveriam mesmo é trabalhar até a morte. Tal como o casamento: até

que a morte os separe. Porque em nossa sociedade capitalista só vai direto para o céu -

e sem intermediações - quem é trabalhador, pois nela somente assim ele é verdadeiramente

considerado. A legislação trabalhista deveria ser revogada urgentemente para

se poder eliminar as férias, que, dizem, serviriam para recompor o cidadão a enfrentar

novamente o batente. Uma odiosa falácia!

Por que deixá-lo na doce ilusão do ócio, se, depois de aposentado, geralmente pelo

INSS, ele prefere trabalhar novamente? Aliás, nem deveria existir a famigerada aposentadoria,

que a grande maioria, supostamente, entende ser excelente. Os senhores

ministros dos tribunais superiores não torcem para que a compulsória exceda os 75

anos? É porque eles sabem das coisas: são sabidos, inteligentes. Eles, absolutamente,

não querem as mordomias do cargo, nem carros oficiais, nem as honrosas benesses;

querem mesmo é relatar os mais difíceis acórdãos, porque afirmam que em nosso país

a faixa etária ampliou-se, justamente devido ao trabalho gratificante.

Os obreiros deveriam tentar sempre seguir seus exemplos, pois parece que é na velhice

que a mente desenvolve-se com mais vigor, apesar de o físico nem sempre conseguir

acompanhar esse desenvolvimento intelectual. Devemos ser tão atuantes como o

foram Niemeyer, Miguel Reale, Churchill, De Gaulle, Bertrand Russel, Bernard

Shaw. Que a exceção seja a regra!

Esperemos que ainda um dia possamos morrer trabalhando. Porque aí é a suprema

glória. Nada das tais merecidas férias...

*Luís Carlos Bedran

Sociólogo, jornalista e articulista da Revista Comércio & Indústria

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!