RCIA - ED. 172 - NOVEMBRO 19

tvcomercioeindustria

1|


|2


3|


ÍNDICE

EDIÇÃO N°172 - NOVEMBRO/2019

CAPA

Escritório Benê

HOMENAGEM

36 anos do Sicoob

BEM-VINDO

A chegada do RP Jeep

VIAGEM

De volta à terra natal

88 10

21

25

O contabilista Benedito Salvador

Carlos, o Benê do escritório, e os

seus 123 colaboradores

Em 2019, a cooperativa cresceu

70% em ativos comparados ao

mesmo período de 2018

O gerente Gabriel Nunes Vercezi

fala da dinâmica do grupo para

dominar o mercado de SUV’s

Tadashi Shimosaka, o pai da

Emilia, volta ao Japão para rever

seus antigos estagiários no Brasil

Ciesp

06|Entidade anúncia números

estáveis em setembro e saldo

positivo de vagas no ano

Kopenhagen

14|Uma das marcas de chocolates

mais conhecidas e deliciosas do

país está de volta ao Jaraguá

Sincomercio

22|Sincomercio se antecipa à Black

Friday e promove campanha

inovadora no setor de veículos

Recording Academy

32|O produtor musical Murilo

Romano ganha cadeira no que é

o “Oscar da Música”. Parabéns.

LGBTQ + sujeira pelo Parque Infantil

Bom atendimento

Parada LGBTQ+ no Parque Infantil

deu o que falar em outubro, pois a

estrutura foi montada sem a limpeza.

Embora houvessem latões de lixo

pelo Parque, a sujeira foi espalhada

por todos os lados. Henrique Rossetti,

presidente da Associação Amigos do

Parque, diz que é necessário que a

prefeitura coloque no orçamento dos

eventos que acontecem na cidade,

limpeza imediata do local. “Que

fique bem claro que não somos

contra o evento, porém a limpeza

é fundamental; acaba o evento, as

pessoas continuam a usufruir do

Parque e não é necessário que as

crianças encontrem camisinhas

jogadas pelo local” – ressaltou

Henrique.

A Unidade de Saúde da Família (USF)

“Dr. Nicolino Lia”, no Jardim Ieda, vem

atendendo através das suas equipes

cerca de 2,4 mil famílias, totalizando

mais de 5,2 mil pessoas, todos os meses.

As informações são da responsável pela

unidade, a enfermeira Daniela. Segundo

ela, são duas equipes multiprofissionais,

compostas por médico generalista,

enfermeiro, técnico de enfermagem,

agentes comunitários de saúde, cirurgião

dentista e auxiliar de saúde, todos

responsáveis pela vigilância integral à

saúde da população atendida.

|4


DA REDAÇÃO

HISTÓRIA

José Gomes de Araújo

TRABALHO

O poder do Sindicato Rural

por: Sônia Maria Marques

Amizade e política não se combinam:

alguém vai querer levar vantagem.

A morte do advogado Augusto da Silva Filho no final de

outubro nos leva a uma série de reflexões sobre amizade e

política, fatores que ligavam o ex-prefeito Valdemar De Santi

a uma série de amigos em nossa cidade.

Augusto, como era conhecido, foi um dos grandes

companheiros de De Santi; chegou a exercer importante

cargo na diretoria da antiga Companhia Troleibus

Araraquara e politicamente, defendia as prerrogativas do

grupo que administrou a cidade por longos anos.

39

A saga do pernambucano que

aqui chegou e criou a ADCON

Contabilidade, 30 anos atrás

Canasol

52|Associação dos Fornecedores de

Cana busca fortalecimento da

classe em cidades da região

São Frederico de Marco

Os Emirados Árabes

Unidos têm clima desértico

e, todos os anos, recebem

uma média de apenas

100 milímetros de chuva.

Na penúltima semana

de outubro, contudo, o

país foi “abençoado”

por chuvas provocadas por

uma moderna tecnologia

chamada semeadura

de nuvens. A técnica

consiste no lançamento de

substâncias aglutinadoras

por aviões que ajudam a

formar gotas de chuva. A

substância mais comum

é o cloreto de sódio, mas

é possível usar ainda

o iodeto de prata e o

43

Nicolau de Souza Freitas com

apoio do Senar, fecha o ano com

recorde de cursos de capacitação

Grandes Bandas

58|Juraci Brandão de Paula conta a

história do Brazilians Boys e

Musisom talento dos anos 60

gelo seco (gás carbônico

congelado). A técnica foi

patenteada por Frederico

de Marco em 1940 em

Araraquara, onde foi

possível ver a mostra no

ano passado exposta na

Câmara Municipal.

Segundo o governo do

reino, em dois dias, graças

à tecnologia, as represas

do país coletaram 6,7

milhões de metros cúbicos

de água.

Em Dubai, ruas ficaram

parcialmente alagadas e

um dos maiores shoppings

teve que ser esvaziado

depois de um corte de

energia.

As sextas-feiras sua presença estava garantida ao lado do

prefeito no chamado “Almoço com as Estrelas” que reunia

os amigos mais próximos do ex-prefeito no Restaurante

do Cidinho, na Vila Xavier. Do encontro participavam

regularmente mais de 10 pessoas onde era expressamente

proibido se falar de política. Assim, Carlos Alberto Manço,

Feiz Mattar, Augusto da Silva Filho, Reginaldo Galli e tantos

outros que chegaram, como o publicitário Lineu Carlos

de Assis, foram mantendo posição firme na relação dos

convidados, sabendo contudo que política e amizade

não deveriam se misturar naquele lugar. Foi assim que o

companheirismo se manteve entre eles.

Atualmente a política vem acabando com amizades,

permitindo que os interesses suprapartidários assumam

posição de vanguarda em detrimento de benefícios

individuais e coletivos, às vezes até mesmo familiares. Tudo

pela prática do se levar vantagem em tudo. Pois é...

Portal RCIARARAQUARA.COM

Diretor Editorial: Ivan Roberto Peroni

Supervisora Editorial: Sônia Marques

Editor: Suze Timpani

Design: Bete Campos e Érica Menezes

PARA ANUNCIAR: (16) 3336 4433

Tiragem: 5 mil exemplares

Impressão: Gráfica Silkgraf - (16) 3337 8093

A Revista Comércio, Indústria e Agronegócio

é distribuida gratuitamente em Araraquara e região

* COORDENAÇÃO, EDITORAÇÃO, REDAÇÃO E PUBLICIDADE

Atendimento: (16) 3336 4433

Rua Tupi, 245 - Centro

Araraquara/SP - CEP: 14801-307

marzo@marzo.com.br

Quem

diria que a

teoria do

cientista fosse

promover

temporal em

Dubai, 70

anos depois

5|


|6


EDITORIAL

por: Ivan Roberto Peroni

Vereadores de hoje aprendendo as lições passadas

pela Cartilha Caminho Suave de ontem

Em suas sessões, a Câmara Municipal de Araraquara tem deixado de realizar o Pequeno Expediente,

espaço destinado por oito minutos para que o vereador se manifeste, elogiando ou criticando a quem

quer que seja, seguindo a rota do bom senso e os princípios de toda legislação. Imaginando então

que o Poder Legislativo seja a força mais representativa da comunidade que vivemos, pois nela está

presente a maioria das correntes de pensamento da população, os vereadores deveriam se sentir

orgulhosos em representar os diferentes segmentos da sociedade.

A história conta que, bem

intencionados, os eleitores delegam aos

vereadores e à Câmara Municipal o

poder, mas também o dever de cuidar

das leis, desde a sua elaboração até o

cumprimento de cada uma delas.

Levando-se em conta que qualquer

Câmara de Vereadores destina-se a

congregar representantes da vontade

popular, cuja atuação acontece

através de um grupo de pessoas as

quais o eleitor emitiu um cheque em

branco, vamos imaginar que nela

está encarnado o poder legislativo

municipal. Sendo assim, cada vereador

cria automaticamente pela sua postura

de cidadão dotado de bons princípios,

o conceito de autonomia porque integra

a noção de governo próprio; e a tal

característica política da autonomia, é

assegurada pela Constituição Federal,

salientando que governo próprio

significa governo organizado, segundo

a vontade dos governados, isto é,

governo cuja formação independe

da interferência de fatores estranhos

e externos à comunidade a que se

destina.

Mas, não é bem assim que a Câmara

Municipal de Araraquara tem funcionado na sua plenitude. Parte dela,

pois até na vida parlamentar há exceções, ainda não entendeu que

existe um Regimento Interno, considerado até mesmo pelo mais leigo dos

cidadãos que ele é o instrumento delineador das atribuições dos órgãos

do Poder Legislativo. Nele estão contempladas as funções legislativas,

fiscalizadoras e administrativas da Câmara Municipal.

Seguir o regimento que seria o “Caminho Suave”, cartilha escrita pela

educadora Branca Alves de Lima em nossa infância, seria um ato

normativo de exclusiva competência da Câmara, não podendo sofrer

qualquer interferência, quer seja do Estado, quer seja do próprio Prefeito.

Seu cumprimento é condição primordial para o bom andamento dos

trabalhos da Casa, principalmente quando se cumpre a legalidade, que é

a espinha dorsal da instituição.

Porém, se olharmos pelo prisma do que consideramos imoral – onde

vereador abandona a sessão para não dar quórum ao Pequeno

Expediente que é parte do regimento, logo imaginamos que as páginas do

nosso “Caminho Suave” estão sendo arrancadas, agredindo os princípios

da cultura política, da ética e da responsabilidade perante o eleitor. Na

Cartilha Caminho Suave, na qual aprendi, não se pregava o caminho fácil

do aluno ir embora da classe, abandonando a aula pois a reação haveria

de chegar pelo puxão de orelha da professora, a voz grave do diretor ou

cinta no lombo por conta do pai honesto a nos esperar em casa.

E foi numa dessas que a professora certo dia disse para a classe ouvir:

“Vocês terão que ser cidadãos decentes, cumprir com dignidade as

tarefas que nós lhes passamos, respeitar a quem lhes oferece confiança,

pois do contrário, vocês no futuro, não serão médicos e nem doutores,

matemáticos ou biólogos, professores ou cientistas. Vocês serão políticos e

não farão justiça ao salário que lhes é ofertado”.

7|


REPORTAGEM DE CAPA

Benê, um

escritório de

contabilidade

diferente

Um Escritório de Contabilidade diferente. Sem

a soberba de se pensar ou de se sentir melhor,

apenas diferente.

O Escritório Benê de Contabilidade

é pioneiro no Estado de São Paulo

ao instituir para seus funcionários

(hoje 123), um refeitório sem cobrar

qualquer contra partida financeira, há

mais de 30 anos, quando em dissídio

coletivo nunca se havia pensado instituir

o Vale Refeição. Era um projeto

abusado para a época, conciliando

trabalho, boa alimentação e oportunidades

para o estudo de seus colaboradores,

se mostrando revolucionário.

Adotando um horário de funcionamento

diferente, iniciando-se às 7h20

e indo direto até às 17h, a empresa

veio facilitar para seus clientes a possibilidade

de um atendimento melhor,

dando assim mais opções de solução

de seus problemas e para sua equipe,

findando o expediente antes do rush,

ganhar mais tempo e conforto para

seus estudos, de quebra, oferecendo

ainda para aqueles residentes nas

cidades vizinhas, a oportunidade do

banho em seus vestiários e a “santa”

São pelo menos

123 colaboradores

que desfrutam

da expansão

continuada de

uma empresa

consolidada e

conceituada em

toda a região

janta. Este projeto melhorou também

a qualidade de vida das funcionárias

que se casavam, pois desta maneira,

ganhavam tempo mais longo para

vivenciarem a companhia de seus filhos.

O foco em seus funcionários sempre

foi de bem-estar, estudo e oportunidades,

de maneira a prestigiar cada

vez mais a formação acadêmica dos

colaboradores, inclusive em Pós Graduação

e MBA. Visando se antecipar

aos tempos modernos que se avizinham,

mantém em seu quadro, contabilistas,

profissionais com formação

Trabalho árduo

de longos

anos, com a

participação de

profissionais

qualificados nos

mais diferentes

segmentos da

contabilidade

em Direito, Economia, Administração

de Empresas, Engenharia, Psicologia,

Recursos Humanos e Logística, sem

no entanto abandonar sua “missão”

que é de formar cidadãos e jovens

para o concorrido mercado de trabalho.

ESTRUTURA

Ocupando uma área construída

de aproximados 1.100,00 metros

quadrados com cinco pavimentos,

encontra-se em fase de conclusão de

uma segunda obra de igual tamanho,

para ampliação de seu atendimento,

buscando com novo portfólio, com

isso, satisfazer a demanda de seus

clientes em outras áreas.

Desde muito tempo, concomitante

com a área contábil, a prestação

de serviços relativos à elaboração

de Declaração de Imposto de Renda

Pessoa Física, Escrituração Rural,

ITR, Ibama, CAR, Ato Declaratório

|8


Ambientes que expressam conforto aos colaboradores e clientes

Ambiental (ADA) e CCIR/Incra, ANTT,

Vigilancia Sanitária, Anvisa, Projeto

de Vistoria do Corpo de Bombeiros,

Cetesb, Cadastramento em Órgãos

Ambientais (DAAE) e de classe, tais

como, Cremesp, CRO/SP, OAB/SP e

Corcesp, legalização de profissionais

autonômos e liberais, serviços previdenciários

relativos à aposentadoria e

ainda regularização de obras perante

a Prefeitura Municipal, o INSS e no

Cartório de Registro de Imóveis.

Outros nichos de negócios recebem

a mesma importância, tais

como: Atendimento e Assessoria para

o Empregador Doméstico desde o

advento da constituição federal em

1988 e ainda ao MEI (Microempreendedor

Individual) importante segmento

propulsor da economia nacional.

Esteio de retaguarda para bom

funcionamento de todo este complexo,

é a presença de Douglas Eugeni,

Ocimar Leão, Rodrigo Thomaz, Gustavo

Souza, Deives Meciano e Luiz Renato

Silva, colaboradores e parceiros

que estão na casa há mais de vinte

e cinco anos.

Por outro lado, o fato de se mostrar

receptivo em ofertar a oportunidade

do primeiro emprego para

jovens talentos, oriundos de cidades

vizinhas, fez nascer também a extensão

de prestação de seus serviços

em Américo Brasiliense, Santa Lúcia,

Rincão, Motuca, Guatapará, Taquaral,

Mombuca, Ribeirão Preto, São Carlos,

Ribeirão Bonito, Guarapiranga, Boa

Esperança do Sul, Trabiju, Gavião Peixoto,

Nova Europa, Tabatinga, Ibitinga,

Taquaritinga, Borborema e Matão.

Em anexo ao Escritório, outro prédio

que serve de instalação da Gráfica

Benê, empresa coligada que se coloca

com o objetivo de levar para seus

Alia-se à estrutura arquitetônica, o sentimento de

responsabilidade e comprometimento com o cliente

clientes, impressão e “arte” dentro

de orçamentos enxutos e realistas.

Empresa de vanguarda, praticando

o empoderamento, emprega 64

mulheres de todas as idades e cor,

adolescentes e portadores de necessidades

especiais, sem qualquer

preconceito e discriminação.

O Grupo tem como lema a frase

“MAIS, MELHOR POR MENOS” que

significa Mais Trabalho, Melhor Qualidade

e Menos Preço.

SERVIÇOS

Escritório Benê de Contabilidade

Doméstica/FGTS - Trabalhista -

Condomínio - Liberal - Fiscal Cetesb

Rural - Ibama - ITR - I.R. Pessoa Física

Av. XV de Novembro, 435 - Centro

FONE: (016) 3301.1996

escritóriobene@gmail.com

Unidade gráfica para atendimento às empresas

Uniformidade, uma

das prerrogativas na

distribuição dos espaços

9|


|10


Antonio

Tomazetti

Gaban,

diretor

presidente

ANIVERSÁRIO

Sicoob 4434, na Barroso

SICOOB DA BARROSO COMPLETA 36 ANOS

Marcas da sua expansão

Só neste ano, a cooperativa

cresceu 70% em ativos em

comparação ao mesmo

período do ano passado.

O Sicoob 4434 tem muito o que

comemorar. A cooperativa completa

36 anos em 2019 com uma trajetória

repleta de conquistas, vitórias, crescimento,

credibilidade e, principalmente,

sólida confiança dos seus mais de

8 mil associados atualmente.

A instituição nasceu dentro da

antiga Equipamentos Villares (depois

Iesa), em 21/11/1983. “Ela cresceu

em uma época de profundas mudanças

no Brasil. Como exemplo, enfrentamos

os períodos de alta inflação,

em que os índices chegaram a 40%

e, nesse cenário, fomos os primeiros

a adotar correção monetária nas operações.

Dessa forma, garantimos não

só a sobrevivência do negócio, como

crescemos em meio a uma profunda

crise econômica”, relembra o diretor

administrativo do Sicoob 4434,

Walter Francisco Orloski, que está na

cooperativa desde a sua fundação.

Walter

Orloski,

diretor

operacional

“De lá para cá, ainda passamos

por diversas mudanças na economia

e na política brasileira e, mesmo assim,

continuamos firmes e em constante

evolução”, completa Orloski.

Outro momento marcante ocorreu

em 2007, quando a então 4434 incorporou

a cooperativa Comcred, voltada

aos comerciantes de vestuário de Araraquara

e região. E, simultaneamente,

passou a fazer parte do Sicoob, o

maior sistema financeiro cooperativo

do Brasil. Com a união dos conselhos

e das diretorias, a cooperativa deixou

de ser um modelo de capital e de empréstimos

para ser uma cooperativa

financeira, disponibilizando todos os

produtos bancários.

Alguns anos depois, o Sicoob

4434 tornou-se de livre admissão,

permitindo assim que todos os cidadãos

e empresas pudessem usufruir

dos benefícios do cooperativismo financeiro.

Desse modo, foi a primeira

cooperativa de Araraquara a abrir as

portas para todos.

Em 2019, o Sicoob 4434 aceitou

um novo desafio. Em julho desse ano,

fez a incorporação do Sicoob Coopara,

também com sede em Araraquara.“A

união das cooperativas Coopara e

4434 segue as orientações do Banco

Central para o fortalecimento do

sistema do cooperativismo de crédito

em todo o país. Assim, além de fortalecermos

a economia em toda nossa

região, deixamos de atender apenas

a área de Araraquara para atuarmos

em todo o estado. Com isso, nos tornamos

mais fortes e competitivos no

mercado”, explica o presidente do Sicoob

4434, Antônio Tomazetti Gaban.

Hoje, o Sicoob 4434 conta com

cinco agências, sendo duas em Araraquara,

uma em Matão, uma em

Dobrada e uma em São Paulo.

FORTE EXPANSÃO

Apenas neste ano, o Sicoob 4434

cresceu 70% em ativos em comparação

ao mesmo período do ano passado.

E o futuro é ainda mais promissor.

“Nesses 36 anos de história, provamos

ser possível unir desenvolvimento

econômico e social, produtividade

e sustentabilidade e o individual e o

coletivo. E isso devido à confiança

de quem acredita no poder da cooperação:

o nosso associado. Por isso,

podemos afirmar que a nossa história

está apenas começando”, conclui

Gaban.

SICOOB

O Sicoob é o maior sistema financeiro

cooperativo do país com mais de

4,4 milhões de cooperados e 2,9 mil

pontos de atendimento, distribuídos

em todo Brasil. É composto por cooperativas

financeiras que oferecem

serviços de conta corrente, crédito,

investimento, cartões, previdência,

consórcio, seguros, cobrança bancária,

adquirência de meios eletrônicos

de pagamento, dentre outros.

Nas cooperativas financeiras, os

clientes são os donos e os resultados

financeiros são divididos entre os

cooperados.

11|


|12


CHOCOLATE E CAFÉ

A belíssima loja da Kopenhagen no Shopping Jaraguá

A famosa Kopenhagen está de

volta ao Shopping Jaraguá

Uma das marcas de

chocolates mais conhecidas

e deliciosas do país agora no

piso superior

Para brindar os clientes com a

qualidade e o sabor de seus produtos,

foi inaugurada no dia 16 de outubro,

localizada no piso superior do Shopping

Jaraguá, a Kopenhagen, que

apresenta os grandes clássicos da

marca centenária, como Nha Benta

e Língua de Gato, além de um espaço

aconchegante para a pausa do café.

O local é perfeito para uma conversa

descontraída com amigos ou

pequenas reuniões de negócios, saboreando

os variados tipos de café

com a qualidade de grãos selecionados.

A novidade da Kopenhagen é o

lançamento Soul Good - bombons

lajotinha, uma opção para presentes,

além dos irresistíveis tabletes

mais leite C, Cacau com nibs e os

bombons. Neste ambiente agradável,

os clientes podem encontrar os

produtos mais vendidos, entre eles

os Bombons Gourmet, Bala Leite e a

linha Lingato.

A Kopenhagen é uma empresa

brasileira alimentícia, conhecida pela

fabricação e comercialização de chocolates,

também confeitos, oferecendo

mais de 300 itens, além de uma

linha institucional que personaliza

produtos, cestas comemorativas, linhas

Páscoa e Natal, entre outros.

A família Perdonatti demonstra

muita alegria em representar a marca

de uma grandiosa história iniciada na

década de 1920, no Brasil, pelo casal

de letões, David e Anna Kopenhagen,

que abriu a primeira loja na cidade de

São Paulo em 1928.

Família Perdonatti, proprietária da

Kopenhagen no Jaraguá: casal Lucimara-

Pedro Luiz Perdonatti e a filha Izabella

13|


O jornalista e o diploma recebido

Lideranças políticas presentes ao evento no auditório da Unip em outubro

HONRA AO MÉRITO

Noite de festa para o jornalista

Ivan Roberto Peroni na Unip

Evento foi marcado pela

emoção num anfiteatro

lotado, sendo este o

reconhecimento da cidade

ao trabalho do jornalista em

atividade há 53 anos.

Na presença de amigos e familiares,

o jornalista Ivan Roberto Dameto

Peroni recebeu em outubro (14),

o Diploma de Honra ao Mérito, da

Mesa Diretora da Câmara Municipal,

por indicação do vereador Jéferson

Yashuda (PSDB). A solenidade aconteceu

no auditório da Universidade

Paulista (Unip), durante a 19ª Jornada

de Propaganda e Marketing.

“Por toda sua trajetória e atuação

na área de comunicação social, entre

outros, pelo lançamento de seu livro

sobre os produtores rurais da cidade

e a implantação de uma rádio comunitária

na cidade, a Brasil FM, além

da DBC (Dameto, Betting e Cordeiro)

em Ibaté, ele contribui para o desenvolvimento

do município, fazendo jus

a esse diploma”, frisou Yashuda.

Para o presidente da Câmara Municipal,

vereador Tenente Santana

(MDB), a homenagem foi merecida.

“Ivan é um jornalista dinâmico, um

ícone da imprensa araraquarense há

mais de 50 anos. Sempre com muita

garra, ele também é empreendedor,

pois fundou rádios e outros canais de

Ivan Roberto com

familiares e amigos,

aguardando o

momento de se dirigir

à mesa diretiva

dos trabalhos para

receber o diploma

Os filhos Giovani, Endrigo, Giordana,

Enzo, Lara, a sobrinha Luísa, esposa

Viviane e o homenageado

comunicação, agência de publicidade

(Marzo Comunicação) e recentemente

o Portal RCIARARAQUARA.”

O vice-prefeito Damiano Neto

(Progressista) destacou o lado solidário

do homenageado. “Já atuei em

diversas entidades sociais e sempre

vi o Ivan muito envolvido e abrindo

portas para o nosso trabalho. Agradeço

a tudo que ele já fez pela nossa

cidade e o parabenizo.”

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE

|14


15|


De acordo com o coordenador do

curso de Propaganda e Marketing da

Unip, Carlos Henrique Aiello, a solenidade

contribuiu para a Jornada. “Ele

é um colega de profissão que coloca

na prática tudo que ensinamos na

universidade. Por isso, para nós é

uma honra tê-lo como homenageado,

abrindo as comemorações dos 20

anos do curso.”

O AGRADECIMENTO

Para Ivan Roberto Peroni, a quantidade

de pessoas que esteve presente

mostra o respeito pela imprensa

de forma geral. “O trabalho dos jornalistas,

radialistas, e daqueles ligados

a outros veículos de comunicação

precisa ser respeitado, porque é um

serviço incansável, com o objetivo

principal de propagar o nome da cidade,

da terra em que nascemos, da

terra em que vivemos.”

LIDERANÇAS

Também participaram do evento

o 1º secretário da Mesa Diretora,

vereador Lucas Grecco (PSB), e os

vereadores Elias Chediek (MDB), Elton

Negrini (PSDB), José Carlos Porsani

(PSDB) e Paulo Landim (PT); o

presidente da Associação Comercial

e Industrial de Araraquara (Acia), José

Janone Júnior; o presidente do Sincomercio,

Antonio Deliza; o presidente

da Canasol, Luís Henrique Scabello

de Oliveira; o presidente do Sindicato

Rural, Nicolau de Souza Freitas, representado

pelos seus diretores João

O homenageado ao lado

do irmão João Aparecido

Peroni, do sobrinho

Marcos Vinicius (esposa

Denise de Mattos e a

filha Luísa)

Henrique de Souza Freitas e

Marcelo Xavier Benedette; o

diretor-presidente do Hospital

Cairbar Schutel, Osvalte

Nogueira; o diretor regional

do SESI, Danilo Lanfredi; o diretor do

Sicoob, Walter Orloski; os diretores

dos jornais Jolindo de Freitas (Folha

da Cidade), Geraldo Polezze (Jornal

de Araraquara), José A. C. Silva (O

Imparcial) e da Leia Tour, Serginho

Martins; o diretor regional do CIESP,

Ademir Ramos; diretores e membros

de entidades representativas

de Araraquara, além de parceiros e

colaboradores da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio.

Dois momentos importantes na festiva noite do

jornalista: à esquerda, com o casal Lurdes e Alzemiro

Ianelli, seu professor de mecânica na antiga Escola

Industrial; acima, uma surpresa: seu primeiro patrão,

Juca Manoel, dos Irmãos Manoel, onde Ivan Roberto

trabalhou por três meses como torneiro mecânico,

trocando o emprego pelo rádio

O publicitário Humberto

Perez, colaborador da RCIA

cumprimenta o jornalista

|16

O jornalista Ivan Roberto Peroni com a irmã Olga Sueli e o

cunhado Mário Sérgio Pedrolongo

Colaboradoras da Revista Comércio, Indústria e Agronegócio,

Portal RCIARARAQUARA e da Marzo: Bete Campos, Sônia Maria

Marques, Suze Timpani e Silmara Musardi


17|


ACADEMIA DE CIÊNCIAS

VANDERLAN BOLZANI

Sua grande conquista

Professora da Química

Unesp Araraquara assume

presidência da Academia de

Ciências do Estado de São

Paulo.

A Academia de Ciências do Estado

de São Paulo (Aciesp) acaba de

renovar sua diretoria e prevê ações

articuladas com o poder público com

o objetivo de subsidiar a elaboração

de políticas, introduzir jovens pesquisadores

aos seus quadros e captar

recursos de parceiros públicos e privados

para a realização de atividades

diversas, entre elas um congresso

anual em que serão discutidos temas

de grande impacto na sociedade.

Entre os membros empossados

em setembro, para o biênio de 2019-

2021, está a nova presidente, Vanderlan

Bolzani, professora do Instituto

de Química da Universidade Estadual

Paulista (IQ-Unesp), em Araraquara,

membro do Conselho Superior da

FAPESP e da coordenação do Programa

BIOTA-FAPESP, além de vicepresidente

da Sociedade Brasileira

para o Progresso da Ciência.

A vice-presidência

foi ocupada por

Paulo Artaxo, professor

do Instituto

de Física da Universidade

de São

Paulo (IF-USP) e

Para Vanderlan, a

academia pretende

se aproximar de

empresas e do

poder público, atrair

jovens para seus

quadros e auxiliar

na criação de

políticas públicas.

Adriano Andricopulo, Vanderlan Bolzani e Paulo Artaxo formam a nova diretoria

membro da coordenação do Programa

FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças

Climáticas Globais.

O novo diretor executivo é Adriano

Defini Andricopulo, professor do Instituto

de Física de São Carlos (IFSC) da

USP, membro do Instituto Nacional de

Ciência e Tecnologia em Biodiversidade

e Produtos Naturais (INCT-BioNat)

e coordenador de transferência de

tecnologia do Centro de Pesquisa e

Inovação em Biodiversidade e Farmácos

(CIBFar, um Centro de Pesquisa,

Inovação e Difusão da FAPESP).

COMO SERÁ

“São Paulo mostra quase 50% da

ciência produzida no Brasil, tem três

universidades estaduais – sempre

entre as primeiras colocadas em diversos

rankings –, universidades federais,

institutos de pesquisa, além

de instituições particulares bem avaliadas.

Fortalecer a Aciesp, de certa

forma, é referendar o que se faz no

estado em termos de ciência, tecnologia

e inovação”, disse Bolzani.

Por isso, segundo a pesquisadora,

a Aciesp pretende ter uma atuação

mais próxima dos tomadores de decisão,

articulando-se para opinar sobre

temas importantes para a sociedade,

além de dar subsídios nas políticas

públicas do Estado.

“Um dos papéis das academias de

ciências é auxiliar na articulação entre

o que se produz de ciência e as políticas

públicas. Nem sempre o cientista

percebe o potencial da aplicação

do que ele faz na vida das pessoas. O

trabalho da Academia também é auxiliar

o pesquisador nesse trabalho”,

disse Artaxo.

|18


19|


|20


Gabriel Nunes

Vercezi, gerente

comercial da RP JEEP

em Araraquara,

agradecido pela

receptividade que a

concessionária vem

encontrando em nossa

cidade

NOVIDADE

AVENTURA, LIBERDADE, AUTENTICIDADE E PAIXÃO

A RP JEEP aposta em um

atendimento diferenciado

para dominar o mercado de

SUV’s da região.

A RP JEEP chegou encantando Araraquara

e neste início de atividades

tem marcado sua presença no mercado

de veículos de ponta trazendo

consigo aventura, liberdade, autenticidade

e paixão por toda linha Jeep.

Essas quatro palavras, conta Gabriel

Nunes Vercezi, gerente de vendas da

concessionária, movem a vida de boa

parte dos brasileiros e sustentam seu

espírito jovem de viver.

Ao longo de quase oito décadas,

a Jeep compartilha com o mundo a

inspiração para um novo estilo de

vida que vai além do asfalto, e agora

Araraquara e região têm o privilégio

de fazer parte desta história.

Em outubro, Gabriel destacou o

conceito do Grupo Toniello que detém

mais de 25 concessionárias de

veículos em todo o país, representando

marcas conceituadas como Audi,

Volvo, Nissan, Honda, Toyota, Harley

Davidson, Fiat, Hyundai, Renault, Lexus,

Ford, dentre outras.

A vinda da concessionária Jeep,

segundo ele, se deu por conta de uma

pesquisa de mercado e informações

da própria RP JEEP em Ribeirão Preto:

“Fizemos um estudo e notamos

que recebíamos uma quantidade

significativa de visitas de clientes de

Araraquara, São Carlos, Taquaritinga,

Matão e demais cidades da região. A

escolha por Araraquara foi também

pela sua posição geográfica, pois fica

no centro destas cidades”, explica.

Gabriel Vercezi chega a lembrar

que “já tivemos a onda das peruas,

das minivans, das picapes pequenas

e agora é a vez dos utilitários esportivos

chamados SUV”.

Hoje a Jeep se destaca pela sua

linha de SUV’s, sendo considerados

os donos do pedaço, os modelos Renegade

e Compass dão à marca a liderança

no segmento SUV com cerca

de 22% do mercado.

Jeep Compass

RPJeep agora em Araraquara

Atende toda faixa de consumidor

- pessoa física, pessoa jurídica e o

produtor rural, além do atendimento

exclusivo para PCD (pessoas com deficiência),

disponibilizando financiamento

próprio através do banco da

montadora.

Quando questionado sobre o que

atrai os consumidores para esse tipo

de veículo, o gerente explica: “É a

sensação de conforto e segurança ao

dirigir – por serem carros mais altos

em relação aos demais e permitirem

melhor visão do exterior –, o espaço

amplo para os ocupantes e o portamalas

com boa capacidade de carga.

Nas versões com tração nas quatro

rodas, a vantagem é poder rodar em

qualquer tipo de terreno.

Jeep Renegade

Profissionais

que atuam

nos diversos

setores de

atendimento

da RP JEEP em

Araraquara

ATENDIMENTO

RP JEEP ARARAQUARA

Av. Rodrigo Fernando Grillo, 597

Jardim das Flores em frente ao Shopping

Jaraguá

Tel. (16) 2108-7999

whatsapp: (16) 99202-5080

www.rpjeep.com.br

21|


UNIÃO DOS GIGANTES

VENDA DE VEÍCULOS COM APOIO DE ÓRGÃO FINANCIADOR

Campanha inédita para beneficiar

associados de entidades parceiras

Sindicatos e associações de classe com o apoio da Atri Fiat e RP Jeep, se unem para oferecer

aos seus associados, veículos 0Km, seguindo uma política de descontos exclusivos e de

financiamento junto ao Sicoob da Barroso. A promoção acontecerá dias antes da Black Friday.

Antonio Deliza

Neto, presidente do

Sincomercio

No período de 18 a 23 de novembro,

o Sincomercio se antecipa

à Black Friday e lança em Araraquara,

campanha inédita que

visa beneficiar seus associados e

também de outros parceiros como

o SinHoRes (Sindicato de Hotéis,

Bares, Restaurantes e Similares),

Sindicato Rural, Sindicato da Indústria

da Panificação e Confeitaria

de Araraquara e Região, Sindicato

dos Contabilistas (Sincoar),

ACIA, Associação Comercial de

Américo Brasiliense, Ciesp e Associação

das Empresas Contábeis

de Araraquara (Aescar).

Para Antonio Deliza Neto, presidente

do Sincomercio e organiza-

dor do movimento - a união do grupo

fortalece o que ele considera

primordial: favorecer o empresário

interessado na aquisição de veículos

para sua empresa, disponibilizando

condições excepcionais de

pagamento através de um agente

financiador, neste caso o Sicoob

4434.

|22


COMO SERÁ

Deliza explica que trata-se de

uma campanha de vantagens,

aplicando-se a política de descontos

exclusivos para representados

e associados das entidades

parceiras na aquisição de veículos

0km: “Esta é uma forma de se interagir

com sindicatos e associações,

além de se ter uma proximidade

maior entre as entidades

com os associados. Alternativas

de compra e venda promovem o

fortalecimento de todos”, comenta

o dirigente.

Alguns critérios criados durante

o planejamento da campanha

devem ser observados como a

obrigatoriedade da pessoa jurídica

ser cooperada/associada do

Sicoob da Avenida Barroso. Além

disso, a liberação do crédito estará

sujeita à análise, diz o regulamento

criado pelos organizadores.

Outro ponto importante, constante

do acordo, é que para efetuar

a compra com desconto, serão

necessários a apresentação

da declaração emitida pela entidade

e o documento comprobatório

de propriedade da empresa

Jeep Compass, uma das atrações da RP Jeep na promoção

(cópia do contrato social e documentos

pessoais). Outras informações

estarão na divulgação do

acordo celebrado entre os partici-

pantes da campanha direcionada

a CNPJ e produtor rural. Não será

oferecido desconto para CPF em

geral, segundo o regulamento.

DE OLHO NO NATAL

Deliza também diz que a união

dos gigantes - que são os parceiros,

por já estar na segunda

quinzena de novembro e em ritmo

de festa natalina - deve servir

de estímulo para que os demais

segmentos do varejo criem alternativas

positivas com o objetivo

de atrair o público consumidor. É

inegável a nossa expectativa para

uma promoção que certamente

trará resultados compensadores,

finaliza.

Fiat Toro, na lista de veículos da ATRI para comercialização nesta campanha

Serviço:

Sindicato do Comércio Varejista de

Araraquara (Sincomercio)

Avenida São Paulo, 660 – Centro

Contato: (16) 3334-7070

n.economia@sincomercioararaquara.com.br

www.sincomercioararaquara.com.br

23|


|24


HISTÓRIAS QUE A VIDA CONTA

De volta

ao meu

paraíso

Sempre determinado, Tadashi

Shimosaka investiu em seus

próprios sonhos, tornando-os

realidade a partir do instante

que viu perder no tempo sua

terra natal. A luta no Brasil

é motivo de exemplo para

todos nós, diz a filha Emilia

Kassumi, muito orgulhosa.

Ao deixar sua terra natal, Iwaki,

Estado de Fukushima no Japão,

em 14 de dezembro de 1955,

saindo pelo Porto de Kobe, Tadashi

Shimosaka um jovem com

18 anos, na companhia do seu

pai Togorô, sua mãe Yoshie e seus

quatro irmãos Tsukasa, Tsuyoshi,

Migaku e Manabo e seu primo

Seiji, tinham a certeza de buscar

prosperidade no Brasil.

O Japão vivia um período difícil

de pós guerra, mas a obstinação

pelos grandes sonhos conduziu

Tadashi Shimosaka em meio a uma plantação de chá em Kagoshima

Tadashi a aplicar seu primeiro investimento

na mudança de vida,

para muitos, o primeiro passo de

um ato de coragem para viver

um mundo novo, sem saber se o

Brasil naquele momento era uma

escolha de êxito.

Formado em técnico agrícola

no Japão e compreendendo que

no seu país havia pouca terra para

se trabalhar, Tadashi queria mais,

assim sua vinda para cá seria sozinho.

Como sua mãe tinha vivido

muito tempo distante do marido,

militar e devido a segunda guerra

mundial não se permitia a ter mais

uma divisão na família, então unidos

vieram todos para o Brasil, totalizando

oito membros da família.

Ao chegar ao Brasil pelo Porto

de Santos, em 5 de fevereiro de

1956, Tadashi e seus familiares

tinham como destino

uma fazenda em Jales,

final da Estrada de Ferro

Araraquarense. Seria uma

espécie de adaptação ao

processo de aprendizado

da cultura brasileira e do

trabalho na lavoura.

Relação de amizade e negócios

que ultrapassaram fronteiras

(Brasil e Japão); Tadashi

Shimosaka e Tadashi Sekine

Em pouco tempo a família arrendou

um terreno de aproximadamente

noventa hectares, começando

a plantar café, amendoim

e algodão. Havia também criação

de aves e suínos para abate, dividindo

as atividades entre todas as

famílias, obtendo daquele espaço

de chão a fonte de sobrevivência.

Obstinados pela busca dos objetivos,

surgiu uma grande oportunidade

através do projeto da

Expansão do Cerrado, que destinava

recursos do capital japonês,

direcionado para as famílias japonesas

habitarem nos locais em

fase inicial de desenvolvimento.

Tadashi escolheu ir para a cidade

de Carmo do Paranaíba, localizada

no interior do Triângulo Mineiro.

Carismático e com vontade de

fazer dar certo seu projeto nesta

nova etapa da vida, ele encontrou

amigos brasileiros que foram fundamentais

no seu caminho, fazendo

questão de não esquecer

daqueles que de alguma forma

proporcionam algum tipo de ajuda,

principalmente aqueles que

ensinaram a entender a língua

portuguesa.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE

25|


Visitando a cafeteria Daikokuya na cidade de Chino no

estado de Nagano com Handa-San

Sua esposa Vitoria Shimosaka

foi fundamental para que o crescimento

da família ocorresse de

forma sustentável, e hoje o casal

recebe o carinho e a considerável

gratidão dos filhos; Flávio Massaro,

Emilia Kassumi e Osmar Yuitie.

A HISTÓRIA

Shimosaka Tadashi passou a

receber os estagiários do Japão,

um deles foi Handa Takiyuki que

há 42 anos esteve como estagiário

na fazenda de café e se encantou

pelo trabalho e a cultura cafeeira

brasileira. Após alguns anos, outro

estagiário, Sekine Tadashi, visitou

o Brasil e após passar um período

na fazenda, recebeu de presente

20 Kg de café em grãos e a orientação

para procurar Handa-San.

Há 32 anos juntos fundaram a

Cafeteria Brown Chip em Tóquio,

e outra há 28 anos, filial em Iwaki

(Fukushima) na cidade natal de

Tadashi.

Com 82 anos, ele se orgulha

em ter sido também o incentivador

para que o empreendimento da

filha Emilia Kassumi e de Cláudio

Matsuda obtivessem êxito profissional

objetivando sua

permanência no Brasil.

Esta decisão de incentivar

a sua filha surgiu

quando a jovem Emilia

formada em Nutrição e

já atuando na área, conheceu

Cláudio, engajado

na profissão de engenheiro.

Eles tinham a

intenção de investirem

em um negócio próprio.

Na época com um

capital restrito para

iniciar um empreendimento, eles

decidem ir para o Japão. Durante

uma conversa de pai para filha,

surgiu o aconselhamento que

transformaria sua vida. Emilia ouviu

dois questionamentos: “Filha

eu vim do Japão como imigrante e

você irá retornar para o meu país

como imigrante para trabalhar?

Não existe outra possibilidade

para que vocês fiquem e empreendam

no Brasil?”, ressaltou com

orgulho. “Essa foi a terra que eu

escolhi para morar e não gostaria

que deixassem o Brasil”.

A oportunidade de montar uma

perfumaria se fez presente em

1994, iniciando com outro nome

durante o período de quatro anos.

Emilia e Claudio começaram a

prosperar e fizeram a aquisição da

Perfumaria Cristal, na Rua Nove

de Julho. Era um espaço modesto

com 3m de entrada e 14m de

profundidade onde permaneceram

ali por mais três anos. Emilia

relembra que fora uma fase difícil,

pois naquele momento era o

período que antecedeu a virada

do cruzeiro real para a moeda do

real, de uma inflação com alta de

juros, pois os produtos mudavam

seus preços mais de uma vez ao

dia, demonstrando as oscilações

e instabilidades do mercado financeiro.

Emilia e Cláudio tinham o foco

da disciplina de crescimento dos

indicadores anualmente e foram

batendo suas metas com sucesso,

adquirindo o imóvel onde atualmente

está instalada a conceituada

empresa de cosméticos, a

Perfumaria Emy, que completará

25 anos de existência no comércio

de Araraquara, em 2019.

Fazendo parte da comemoração,

Emilia em companhia dos

seus pais no mês de outubro, foram

ao Japão para visitar os parentes

e amigos em uma viagem

com um roteiro especial, que foi

reviver os passos dados pelos pais

onde tudo começou.

Além de observar as novidades

da cultura japonesa, visitaram lojas

de café em vários locais no

Japão, oportunidade de se reunir

Encontro com a Família

Handa e donos de

cafeterias em Tóquio

|26


Orgulho de saber que Sekine

Tadashi (dono Brown Chip

em Fukushima), foi um dos

responsáveis pela reconstrução

da cidade após o Tsunami em

2011

com os proprietários das cafeterias,

unidos pelo amor ao café,

mirante Mount Fugi, plantação

de arroz, Daikokuria Café, Tókio,

DouKyu Kai (encontro de amigos

de escola do seu pai dos 7 aos

14 anos).

Sua mãe visitou a irmã Shinohara,

fábrica de doces La

Collina. Emilia visitou seu irmão

Flávio Massaro e a esposa, Centro

de Imigração Kobe, Templo

Nishi Honganji, Castelo de Nagoya,

brasileiros que residem

em Nagoya Daniela Sanches e

Yumi Macedo, Templo Krishima,

plantação de chá, lugares onde

viveu como estagiária em 1990,

Matcha casa de chá verde e no

hotel em Fukushima vivenciaram

o alerta da chegada de um Taifu

(furacão). Na cidade natal de seu

pai, visitaram o museu do Tsunami

que guarda memórias do passado

onde a cidade foi devastada.

Visitou também na sua área de

atuação uma rede de Salão de

Beleza Mori Beauty.

Tadashi Shimosaka e Emilia visitando a

Cafeteria Brown Chip

O grande momento aconteceu

entre seu pai e os estagiários que

foram acolhidos por ele no Brasil,

hoje proprietários da Brown Chip

Café. Foi uma viagem emocionante

e diferente das anteriores vividas

pela família, diz Emilia.

27|


Cida, 59 anos de idade, trabalhando

como servente de pedreiro

HISTÓRIAS QUE A VIDA CONTA

Servente de pedreiro Cida pega

firme no batente. Ela é um show!

Casada com um pedreiro,

Cida não quer saber de ficar

em casa e ajuda o marido

em todas as obras.

Quem passa pela Avenida Presidente

Vargas, no bairro do Quitandinha

e percebe uma pequena e franzina

mulher em uma construção civil,

não sabe a força que a baixinha tem.

Na maioria das vezes, param para fotografar

e se interessam pela história

da servente de pedreiro Maria Aparecida

Pardim, 59 anos, que tem trabalhado

na construção de um barracão.

Sorridente e animada, mesmo

debaixo de sol forte,

conta que há 10

anos optou pela profissão,

gosta do que

faz. Casada com o

pedreiro Luiz Antonio

Mangini, acompanha

o marido em todas

Luiz Carlos Ramos de

Oliveira, empreiteiro

da construção

as obras para as quais ele é contratado.

Luiz Antonio se diz orgulhoso pela

esposa que tem e afirma que onde vai

trabalhar, a Cida se apresenta como

sua assistente.

Ela conta que devido à baixa escolaridade,

onde só cursou o primeiro

ano do ensino fundamental, fica difícil

arrumar um bom emprego. “Às vezes

até penso em voltar a estudar, mas

chego tão cansada que acabo desistindo”,

mas não se abate.

Maria acha engraçado que muita

gente que passa pela obra tira foto

dela, parabeniza pelo seu trabalho e

ela fica contente com isso, “sinal que

estou fazendo um bom trabalho”- diz

animada.

Afirma ainda que servente de pedreiro

não é um serviço só para homens:

“Homem que pensa que leva

onda comigo perde, eu levo” – diz ela

brincando com os colegas de obra.

Luiz Carlos Ramos de Oliveira,

empreiteiro da construção, diz que

sempre que contrata Luiz Antonio,

Maria Aparecida vem ajudá-lo, pois

ela é trabalhadora e não gosta de

ficar em casa - “ela carrega areia, tijolo,

bloco e também faz o trabalho

de assistente, pois sempre que pegamos

construção de casa por exemplo,

as pessoas gostam muito do serviço

dela. Tem gente que até oferece churrasco

para nós, pois querem a Dona

Cida presente” – diz ele feliz pelo trabalho

realizado pela mulher.

Dona Cida é exemplo de gente

guerreira, que não se abate diante

das dificuldades, que luta diariamente

de forma honesta, provando a cada

dia que o sexo frágil também carrega

blocos para construção de uma vida

melhor.

|28


29|


Benção das Mães

RELIGIÃO

Redentoristas

comemoram

100 anos

Centenário que marca as

atividades da Congregação

dos Padres Redentoristas na

cidade começa a ser vivido

para culminar com grande

festa religiosa em 2020.

Com o tema Igreja de Santa Cruz

rumo ao centenário e o lema “Junto

dele é copiosa redenção”, os padres

Redentoristas e a comunidade de leigos

da Santa Cruz, prepararam uma

programação especial visando comemorar

os cem anos da Congregação

do Santíssimo Redentor de Araraquara,

que será celebrado no dia 21 de

setembro de 2020. Até o centenário,

todo dia 21 de cada mês, haverá uma

motivação diferente.

No mês de outubro, o tema celebrado

foi “São Geraldo e as famílias”,

sendo escolhido por ser Santo

Redentorista, padroeiro oficial da Congregação

do Santíssimo Redentor e

também padroeiro das gestantes.

No dia 21 de outubro várias atividades

foram programadas pelos

padres Redentoristas e leigos. Aconteceu

a Missa com adoração ao Santíssimo

Sacramento com os leigos Redentoristas

e Comunidade Gerados

pela Imaculada, novena e via sacra de

São Geraldo. Para encerrar a programação,

foi celebrada missa solene.

Na procissão de entrada, as famílias

foram representadas por Fernanda,

Fábio e Giullia, que levaram até o

altar uma imagem de São Geraldo,

relembrando a motivação da celebração:

“São Geraldo e as famílias”.

A solenidade foi presidida pelo

Padre Anchieta Tavares, missionário

redentorista, reitor em Araraquara

de 1990 a 1996. Padre Anchieta

lembrou da santidade, humildade e

serviço de São Geraldo e também a

chegada dos Redentoristas em Araraquara.

Ao final fez um repente em

comemoração à história dos Redentoristas.

“Quanto tempo já passado,

um século já completado, história

confirmou o calendário dos anos sem

segredos e sem enganos nos relata

os grandes planos que Deus Pai aqui

plantou”, o trecho do repente.

No final, as mães presentes receberam

uma benção especial.

Para o dia 21 de novembro, o

tema será: “Jesus Cristo nossa Luz”,

recordando a missão evangelizadora

de Jesus Cristo Luz do Mundo.

|30


31|


PRATA DA CASA

Músico da cidade é membro

da Recording Academy

Com talento acima da média, o produtor musical Murilo

Romano tem hoje cadeira votante no que é considerado o

“Oscar da Música”.

Murilo Romano

Dizem que “o fruto nunca cai

longe do pé”, e assim acontece com

Murilo Romano de 37 anos, que aos

14 anos já tocava profissionalmente.

Filho do músico Aníbal Romano e Zilda

Malta Romano, recebeu em casa,

aos 7 anos, as primeiras referências

musicais, ensinadas pelo pai. Quando

percebeu que seu caminho seria

mesmo a música, iniciou os estudos

com o professor Francisco Brasilino,

e depois partiu para a guitarra com

Aylton Bonini, em Araraquara, depois

no conservatório Souza Lima em São

Paulo, onde Bonini leciona até hoje.

Com veia musical internacional,

pois o pai lhe apresentara The Beatles,

aos 13 anos já tocava e cantava

Beatles com facilidade invejável. Em

certo momento começou a trabalhar

com Paulo Russi, que segundo Murilo,

foi importante para seu interesse nas

questões de produção musical.

Romano conta que eles têm um

grupo de música instrumental há 15

anos, mas que nunca conseguiam

gravar seu próprio trabalho, pois sempre

estavam envolvidos na produção

de outros artistas.

Em dado momento, Murilo, Paulo

Murilo e

Moogie Canazio

Russi e Fábio Russi, optaram por parar

tudo e trabalhar na gravação de

seu disco, que foi lançado em 2012,

“Mr. Zelion – Miracle”. Segundo Romano,

esse trabalho foi determinante,

pois enquanto estudava o que

seria feito, teve a ideia de convidar

algumas pessoas com as quais já

havia trabalhado fora do Brasil para

participar. Um deles, o cubano radicado

nos USA, Jorge Casas, diretor

musical da Gloria Estefan. Isto animou

o araraquarense que passou a

falar com alguns outros amigos e, resumindo,

o CD conta com 24 músicos

de renome internacional, entre eles

Tommy Barbarella, tecladista do Prince,

o trompetista Randy Brecker que

é uma lenda do Jazz, Stuart Hamm

um dos maiores baixistas na história,

Scott Henderson, a lenda da guitarra,

que também foi base de estudo

de Murilo.Também participou do CD

o baixista do Kenny G, Vail Johnson,

Karl Perazzo, que é percussionista e

diretor musical de Carlos Santana, e

o baixista Tom Kennedy.

A partir desse disco, Murilo diz

que começou a entender mais sobre

produção musical, ter uma visão mais

ampla, afinal, havia sido sua primeira

produção internacional.

Murilo lançou seu primeiro trabalho

solo em 2014, um disco instrumental

focado na guitarra, com os irmãos

Andria e Ivan Busic, integrantes

da banda Dr. Sin, uma das maiores

bandas brasileiras de hard rock. O

segundo disco solo, apresentando

apenas voz e violão, foi lançado em

2015 (“Os dois lados da História”).Ele

pretende lançar em janeiro de 2020,

nos Estados Unidos, seu novo trabalho

solo, contanto mais uma vez com

grandes instrumentistas. O músico

tem também uma grande ligação com

a Jovem Guarda, pois tocou e produziu

o último disco de Waldirene – A

garota papo firme.

TRABALHO

Em 2017 produziu o CD/DVD da

cantora Patrícia Romania, com seus

parceiros de Nashville, no estado do

Tennessee, nos EUA. Murilo conta

com uma equipe em Nashville, formada

por alguns dos músicos, produtores

e engenheiros mais importantes

da história da música country,

que gravaram e gravam com artistas

como Willie Nelson, Blake Shelton,

até a canadense Shania Twain.

Voltando na linha do tempo, em

2013 o produtor foi convidado por um

amigo para ser membro da Academia

Latina de Gravação, que é responsável

pelo Latin Grammy Awards, criada

em 2000 para premiar as melhores

produções da indústria fonográfica

latino-americana. Em 2014 foi convidado

a ser membro do Grammy, com

base em Los Angeles, onde é votante.

Em outubro de 2019 participou de

um evento no Rio de Janeiro, promovido

pelo Grammy Latino, juntamente

com Moogie Canazio, que é um dos

maiores produtores e engenheiros de

áudio do Brasil. Canazio já trabalhou

com importantes artistas nacionais.

Segundo Murilo, dentro da Academia

Latina, Moogie é muito importante

e influente, e teve a ideia de fazer

um encontro do Círculo de Produtores

e Engenheiros (CPI), formado por um

grupo de profissionais trabalhando

com gravação de música no mercado

latino.

Parabéns pelo trabalho, Murilo.

|32


33|


ARTIGO

Law and Economics

Ubiratan Reis

A busca do pleno emprego

O artigo 1º da Constituição Federal estabelece que

a República Federativa do Brasil tem como fundamento

os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, bem

como, bem mais adiante, no artigo 170, preconiza que a

ordem econômica é fundada na valorização do trabalho

humano e na livre iniciativa, tendo por fim assegurar a

todos existência digna, conforme os ditames da justiça

social, observados, entre outros, o princípio da busca do

pleno emprego.

Segundo dados do IBGE, embora com leve queda,

há no Brasil cerca de 12,6 milhões de desempregados

e, no Portal da RCIA, mediante enquete online, 41% dos

participantes opinaram que a cidade de Araraquara

precisa gerar empregos. Antes de responder a pergunta

de como gerar emprego, uma outra questão, ao meu

ver, não tem recebida a atenção devida, qual seja, se

pudéssemos escolher entre vários, qual seria o maior

obstáculo para se investir em uma empresa e gerar

empregos?

É muito recorrente a alegação de que os empresários

são, em sua maioria, integralmente responsáveis

pelo risco do negócio. A lógica adotada é a seguinte:

se o empresário aufere lucro com a atividade por ele

desenvolvida, deverá suportar todos os ônus decorrentes

de sua atuação.

Ocorre que, a realidade é bem diferente. Em sua

grande maioria, o micro e pequeno empresários são

pessoas em busca de uma simples oportunidade para

dar uma melhor qualidade de vida a seus familiares

e sequer têm a pretensão de ficarem milionários. O

desejo destes desbravadores é o de pagar as despesas

do negócio, salários de funcionários e auferir o suficiente

para arcar com as despesas particulares (compra

um imóvel, um carro, escola para os filhos, etc).

Atribuir aos micro e pequenos empresários a mesma

responsabilidade de empresas de médio e grande porte

é covardia de uma ideologia que visa manipular pessoas

e ecoar uma verdade fabricada, para atender interesses

específicos de determinados grupos de interesses.

Os empregos imediatos são criados pelos micro e

pequenos empresários que, invariavelmente, não detêm

todas as informações necessárias para manter o negócio,

o que leva o encerramento das atividades, após dois

anos de suas respectivas aberturas, em média de uma

a cada quatro criadas.

O empreendedor não tem as informações inerentes

a atividade que pretende desenvolver, tais como: custos

de produção; tributação; encargos trabalhistas; análise

de mercado; publicidade e propaganda; público alvo

etc. Não são raras as vezes que somente depois da

segunda ou terceira tentativa que o micro e pequeno

empresário consegue ter uma estabilidade, levando em

sua máxima, o antigo e paradoxalmente sempre atual

conselho de pai: “se não aprender no amor, aprenderá

na dor”.

O que se argumenta aqui, é que atualmente o

cenário não apresenta condições ao micro e pequeno

empresário de saber “o risco negócio”. Não se tem

parâmetros seguros de aferir se, mesmo recolhendo

pontualmente os impostos, amanhã não será autuado

por uma mudança de entendimento ou mesmo pela

nefasta guerra fiscal entre os Entes federativos.

Não se tem a certeza se, mesmo atendendo a todas

as especificações vigentes à época de sua instalação,

o advento de novas regras, inviabilizará o negócio, seja

pela impossibilidade de adequação (estrutural), seja

pela inviabilidade financeira de investimento (custos).

Se não está fácil arrumar um bom emprego, a

mesma premissa é aplicável aos micro e pequenos

empresários que não conseguem oferecer emprego,

quiçá um bom emprego. Não porque não querem, mas

porque não conseguem.

O tratamento que se adota a micro e à pequena

empresa deve ser bem mais favorável do que o tratamento

que se adota às empresas de médio e grande

porte, inclusive nas relações do trabalho e aqui, cabe a

ponderação que a leis trabalhistas e o Poder Judiciário

deveriam tratar de maneira diferentes empregadores

que se encontram em situação diferentes.

Aplicar uma sentença trabalhista ao micro e ao

pequeno empresário, que às vezes luta incansavelmente

para sobreviver, na mesma proporção e na

mesma intensidade que se aplica a uma empresa

de grande porte, inviabiliza, não só a geração de

novos empregos, mas como também a busca do pleno

emprego, oferecendo aos empregadores e empregados,

uma melhor condição de desenvolvimento e valorização

do trabalho humano.

Para alcançar a busca do pleno de emprego, tal

como previsto na Constituição de 1988, o grande obstáculo

a ser superado é delimitar ao micro e pequeno

empresário o risco do negócio que pretende desenvolver,

para ciente de suas responsabilidades (sociais,

fiscais e trabalhistas), incentivá-los a gerar mais e

melhores empregos.

Ubiratan Reis é advogado tributarista/econômico e escreve para a

Revista Comércio, Indústria e Agronegócio (ubreis@gmail.com)

|34


35|


FATOS & FOTOS

DA REDAÇÃO

Segurança. Mas, sem

segurança no Pinheirinho.

Raramente na história da cidade,

empresas prestadoras de serviços

afivelaram as malas e foram embora,

tornando público o “calote” e o

desrespeito com os trabalhadores.

Araraquara passa a fazer parte da

lista de municípios inadimplentes e

com situação financeira extremamente

delicada, colocando em xeque o

equilíbrio e o gerenciamento dos

recursos públicos. Tudo começou

quando o prefeito Edinho visitou o

Pinheirinho e fez uma live ressaltando

as melhorias que ele realizara no local,

citando inclusive a contratação de

empresa para segurança. “Melhoramos

também a segurança dos usuários, uma

empresa que está responsável por todo

serviço de salva-vidas, além de outra

empresa para reforçar a segurança no

local 24 horas por dia”, disse ele.

Ele não imaginava que isso causaria

tanta revolta aos empregados da Kelson

& Kelson Vigilância, sediada em Santo

André: eles acabavam de perder o

emprego naquela semana, por conta

da Prefeitura estar inadimplente por

seis meses consecutivos com a empresa

contratada.

O acesso dos seguranças da Kelson

ao comentário de Edinho foi imediato.

Jorge Mota escreveu para o prefeito:

“Fala que a prefeitura tá quebrada e

não tem dinheiro pra ficar pagando

serviços de terceiros. Fomos obrigados

a ficar em casa desde o dia 25 por falta

de pagamento, e agora nos dê uma

resposta: qual vai ser o futuro desses

pais e mães?”.

SUBINDO DESCENDO Confusão

Novas 202 famílias

passaram a receber

o Bolsa Família

dado pela prefeitura.

Agora atende 342

pessoas carentes

que recebem um

benefício que varia

entre R$ 110,60

e R$ 663,60.

O programa

possibilita a

compra de

alimentos, a

qualificação

profissional e a

geração de renda

para pessoas

em situação de

vulnerabilidade

extrema.

O vereador Zé Luiz

adotou um jeito

perigoso de fazer

política: promover

a cortesia com

chapéu alheio, quer

dizer, usar o bem

público em busca

de voto. Do começo

do ano até agora

foram mais de 100

pedidos para o setor

de transporte da

prefeitura. Embora

absolvido pelo

Conselho de Ética,

sua cassação poderá

chegar através do

Ministério Público

que vai apurar a

generosidade do

vereador.

O apelo dos transportadores de carga

Edinho no

Pinheirinho

Comentários e vídeos nas

redes sociais, mostraram

em outubro que a represa

do Pinheirinho estaria

contaminada e exalando

mau cheiro. Em nota a

prefeitura disse que o Daae

informou que foi realizado

no mês de junho, por meio

da gerência, Tratamento

de Água e Esgotos, o

monitoramento da água da

represa do Pinheirinho. A

coleta das amostras para

análise foi feita, portanto

há meses e que só a água

usada para consumo

humano deve seguir

plano de amostragem

para análise e controle

da qualidade da água. É

brincar com a saúde.

|36

Executivo reuniu empresários do setor

de transportes para ouvir qual seria a

principal reivindicação da categoria.

Advinhem: recapes e tapa-buracos.

Café do prefeito pelo que disseram,

depois desceu meio atravessado. Nem

precisava ter feito o café...


FRASE

“Atualmente, a

exigência é a

divisão em lotes

de 500 metros

quadrados,

o que é

totalmente Sálua Kairuz

inviável para o

mercado de hoje. Por isso, a ideia é

que os lotes tenham, como tamanho

mínimo, 250 metros quadrados, a fim

de propiciar novos investimentos.”

Comentário da secretária municipal

de Desenvolvimento Urbano, Sálua

Kairuz, que pretende duplicar a

estrada que liga a cidade a Bueno de

Andrada a partir da represa.

A conta da duplicação ficaria

para os investidores havendo

porém manifestação contrária

dos participantes em audiência

pública realizada em outubro. Eles

lembraram que a instalação de

novos empreendimentos pode gerar

impactos ambientais negativos.

Revitalização da praça

Gerson da Farmácia visitando o CER

A Prefeitura deve dar uma maquiada

na Praça do Carmo por conta

do interesse do Grupo Mulheres

Empreendedoras organizar feiras de

economia criativa e solidária, nos

moldes das realizadas em outros locais,

além de atividades culturais. Edinho

visitou a praça junto com o grupo

e anunciou que vai criar um comitê

com várias secretarias para fazer o

planejamento dessas atividades.

Comemorações

Araraquara tem mais duas datas

para colocar no seu calendário de

comemorações: o Dia Municipal do

Vigilante (20 de junho) e o Dia do

Artista (24 de agosto). Ambas são de

autoria do vereador Toninho do Mel.

37|


www.horasol.com | contato@horasol.com

PEQUENAS

EMPRESAS

50ANOS

DE TRADIÇÃO

SERVIR BEM

EM!

COMPLEXOS

INDUSTRIAIS

CLÍNICAS E

HOSPITAIS

INSTITUIÇÕES

DE ENSINO

LÍDER NA REGIÃO NO

MERCADO DE PRODUTOS

PARA CONTROLE DE ACESSO

E REGISTRO DE PONTO.

COMPLEXOS

COMERCIAIS

CONCESSIONÁRIA

A tem se mantido em constante progresso, atenta às necessidades do seu público e

caminhando sempre junto com a tecnologia, inovações do mercado e necessidades dos

clientes. Hoje a disponibiliza tecnologia de ponta, oferece uma infinidade de

produtos e soluções definitivas para o controle de acesso e ponto da sua empresa. Através de

sistemas personalizados como o HS ENTERPRISE, DMP ACCESS II, SERVCOM NET tudo fica muito

mais fácil e organizado, economizando tempo e dinheiro. Também oferecemos bolsas plásticas,

roller clip e crachás personalizados desenvolvidos pela própria HORA SOL.

|38

AV. JORGE HADDAD, 552 | VL. XAVIER | ARARAQUARA - SP | TELEFONE: (16) 3322-5933


Araujo com a esposa Socorro

e os filhos Fabiana e Gustavo,

empresa tipicamente familiar

HOMENAGEM

ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE ADCON

História de conhecimento e trabalho

Uma das mais conceituadas

empresas contábeis da

região está completando

30 anos de atividades.

Em março de 1966 saiu da cidade

de Passira, no Estado de Pernambuco,

José Gomes de Araújo, 20 anos de

idade, com dinheiro emprestado para

tentar uma vida melhor em São Paulo.

Com muito trabalho, dedicação e

esforço formou-se em Administração

de Empresas, Ciências Contábeis e,

posteriormente, já em Araraquara fez

o curso de Direito.

Em 1971, o destino também promoveu

seu reencontro com o amor de

sua adolescência, Maria do Socorro

Araújo que na época passava férias

O casal Araújo e Socorro

na capital paulista na casa de parentes,

iniciando assim o namoro. Em

1975, casaram-se e fixaram residência

em São Paulo; Socorro que cursava

Direito na Universidade Federal

de Pernambuco, concluiu os estudos

na Faculdade de Direito de Osasco.

Desde então as portas foram se

abrindo para o casal.

Araújo trabalhou na Shell (Brasil)

por nove anos e a esposa iniciou sua

carreira como advogada na capital.

Em 1983 a multinacional FMC do

Brasil, empresa em que Araújo trabalhava

na época como auditor interno,

transferiu para a divisão em Araraquara

alguns de seus funcionários

surgindo a oportunidade de vir para

o interior com a esposa e seus três

filhos: Fabiana, Daniela e Gustavo.

Em 1987 quando deixou a empresa,

Araújo e a esposa resolveram criar

raízes em Araraquara pois a cidade os

acolhera e, além de estar em franco

crescimento e desenvolvimento econômico,

foi a cidade escolhida pelo

casal para a criação dos três filhos.

Novamente Araújo recomeçou e

juntamente com sua esposa Socorro,

em 1990 resolveram criar o Escritório

de Contabilidade ADCON. Enfrentaram

juntos as dificuldades e os desafios,

pois não tinham clientes na área

contábil e nem na jurídica. Mas como

Adcon em sede própria na Av. Bandeirantes, 766

nada é impossível para quem veio do

interior de Pernambuco determinado

a vencer, com muita perseverança e

trabalho, o sucesso chegou para a

família que até hoje trabalha unida.

Sua filha Fabiana que é advogada e

contabilista e Gustavo também advogado

seguem a carreira dos pais.

Daniela que é socióloga e bacharel

em direito, escolheu os EUA para trabalhar

e constituir sua família.

A Adcon Assessoria Contábil está

completando 30 anos e a família relembra

essa trajetória juntamente

com seus clientes e colaboradores,

provando que competência e trabalho

aliados ao tratamento diferenciado

aos clientes solidificam os negócios.

Hoje a empresa está em amplo

prédio próprio e conta com consultoria

contábil e jurídica, departamento

pessoal, fiscal, planejamento tributário,

legalização de empresas, imposto

de renda pessoa física e jurídica.

Nossa singela homenagem ao

doutor José Carlos de Araújo pelo seu

notável trabalho junto à comunidade.

SERVIÇOS

Escritório de Contabilidade Adcon

Avenida Bandeirantes, 766 - Centro

(16) 3336.0658 | (16) 3336.0824

(16) 99634 5178

adconsp.araujo@gmail.com

39|


POLÍTICA

Chediek, vereador com

experiência e competência

Nesta série de reportagens sobre o trabalho que cada

vereador vem realizando, apresentamos Elias Chediek que já

cumpre o seu quinto mandato.

Elias

Chediek

A experiência acumulada ao longo

dos anos, como engenheiro civil e de

segurança, ter exercido a chefia de várias

áreas na ferrovia (FEPASA), tendo

aposentado como consultor técnico,

ter assumido por um período a presidência

da Companhia Tróleibus Araraquara

(CTA) na década de 90, ter concluído

o curso de pós-graduação em

Gestão Pública e Gerência de Cidades

pela Unesp, credenciou o vereador,

aos olhos de quem o conhecia, a se

candidatar a um cargo eletivo.

Chediek diz que até 1999 nunca

imaginou estar na política, só o fazendo

depois da insistência de pessoas

que o conheciam na comunidade católica,

sabendo dos valores, não só

técnicos, mas também cristãos, que

sempre norteou em sua vida. Ele

afirma que externamente seu sim foi

para o partido político MDB, porém

internamente foi para Cristo, com o

compromisso de servir o próximo.

Diante disso e ao longo de seus

cinco mandatos, tem procurado exercer

sua atividade em prol de todos,

indistintamente, conclamando seus

pares a discutirem os projetos de lei,

sem olhar o partido político, e sim os

interesses maiores da cidade.

Chediek tem lutado para

que tenhamos um Plano de

Ocupação para o leito da

ferrovia que corta a cidade ao

meio. Esse estudo envolve a

Câmara Municipal, Prefeitura,

Universidades, profissionais de

diversas áreas e a população.

Lutou muito para alterar a lei

que reajustou a Planta Genérica de

Valores e o IPTU, pois as mudanças

efetuadas pela prefeitura foram

aquém do necessário, razão pela qual

o vereador votou contra a lei e entrou

com uma representação no Ministério

Público, tendo este acatado parcialmente

a denúncia, o que resultou em

uma ação de inconstitucionalidade

junto ao Tribunal de Justiça, tendo

este acatado a pretensão e suspendido

os efeitos do art. 18 da lei 882/17.

Com isso, 42% dos imóveis tiveram

redução no valor do IPTU.

Votou contra e denunciou ao Ministério

Público o projeto de lei que

permitia à prefeitura lotear áreas institucionais

e áreas de lazer/verdes.

Tem apresentado trabalhos qualificados

que exigem conhecimento

técnico, interpretação da legislação,

administração de conflitos, ouvir mais

do que falar, ser objetivo e claro nas

propostas. Assim, após 18 meses de

discussão com todos os envolvidos,

apresentou ao prefeito, no início de

2017, proposta de modernização da

lei que trata dos ambulantes e foodtrucks,

e aguarda até agora o envio

da mesma pela prefeitura.

Também votou contrário

à venda da área do Estrela

para o DAAE, denunciando

a manobra do governo para

subtrair dos cofres da autarquia

R$ 7 milhões para socorrer

a prefeitura. Com isso a cidade

perdeu 2 minicampos, 2 quadras de

vôlei de areia, 2 piscinas de biribol,

canchas de malha e bocha, piscina

recreativa, quadra poliesportiva, um

enorme salão social para eventos e

que atendia principalmente os idosos,

dentre outras coisas.

Sempre apoiou projetos de interesse

da cidade, relacionados à saúde,

educação, segurança, cultura,

esporte, dentre outros, inclusive o

chamado “Projeto Simplificado “que

facilitará aos profissionais de engenharia

e arquitetura, a execução dos

projetos e à prefeitura, a análise e

agilização na aprovação.

Desde seu primeiro mandato tem

lutado para que tenhamos um Plano

de Ocupação para o leito da ferrovia

que corta a cidade ao meio. Esse

estudo envolve a Câmara Municipal,

Prefeitura, Universidades, profissionais

de diversas áreas e a população.

O objetivo é a implantação de um

grande parque linear, constituído de

muita arborização, sistema de retenção

de águas pluviais, ciclovia, nova

via rápida, pista de caminhada, academia

ao ar livre, novo centro cívico,

preservação da memória ferroviária e

utilização da via principal da ferrovia

para o transporte público por meio

de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT),

integrado com o sistema de ônibus.

O parlamentar sempre atuou para

manter o título de Araraquara como

uma das cidades mais arborizadas

do país, com a apresentação e implantação

de projetos que envolvem

estudos para o aumento e manutenção

da arborização da cidade.

|40


41|


|42


INFORMATIVO

AGRO

N E G Ó C I O S

Edição: Novembro/2019

REPRESENTAÇÃO

Sindicato Rural: por seu trabalho

se torna o mais ativo do interior

Entidade fecha o ano com mais de 120 cursos de capacitação

realizados e torna-se instituição modelo a serviço do social.

Com a criação de três Feiras do

Produtor Rural em Araraquara e Américo

Brasiliense e estimando a capacitação

de pelo menos 50 pequenos

produtores rurais, o Sindicato Rural

de Araraquara se torna um importante

veículo do Senar para cumprir

alguns objetivos: o principal deles é

manter o homem no campo e garantir

sua permanência num mercado de

trabalho aberto.

De fato, fechado em sua propriedade,

o pequeno produtor não encontrava

amparo para transformar sua

luta diária num cenário de ganho, si-

tuação incômoda para quem sempre

viveu tocado pela coragem.

Com o apoio da FAESP e do Senar,

o Sindicato decidiu investir no ser humano,

capacitando-o para produzir e

gerar através da sua terra, riquezas

destinadas à sobrevivência da sua família.

O sindicato, através de parceiros

como o Sebrae, também destinou

ao homem do campo ensinamento

para ser ele, gestor do seu próprio

negócio.

Na verdade, o Senar e o Sindicato

acreditaram no poder de realização

do trabalhador rural e hoje animados

Público consumidor gratificado pela

entrega de produtos com qualidade

com a experiência e gratos pela oportunidade

de comercializar de forma

direta seus produtos, os lavradores

selam um elo de amizade com os consumidores

e têm boas perspectivas

e sonham até com a ampliação do

negócio.

Nicolau de Souza Freitas, presidente

do Sindicato Rural e João Henrique,

coordenador regional do Senar

43|


Wagner, Ingrid e Rosemary de olhos voltados para o futuro como produtores rurais na Feira do Cecap

EM SE PLANTANDO DÁ

Cecap já tem uma feira exclusiva,

feita por nossos produtores rurais

Qual consumidor que não

quer ter à sua mesa verduras,

legumes e frutas fresquinhas

por preços mais acessíveis?

Isso é o que a Feira do

Produtor Rural já está

oferecendo aos moradores

do Cecap, um dos nossos

mais populosos bairros. A

formação deste novo grupo

de feirantes aconteceu de

forma gratuita graças a um

trabalho conjunto.

Maria de Lourdes,

a filha Roberta e o

genro Paulo, formam

uma família típica da

agricultura familiar,

trabalhando juntos

e vivendo uma nova

etapa em suas vidas

de produção rural.

O que se observa é

a felicidade de cada

um estampada no

sorriso.

|44


O Programa Feira do Produtor Rural

capacita produtores rurais durante

oito meses, seguindo todas as normas

e diretrizes estabelecidas pelo

Senar e Sindicato Rural.

Neste período, conta João Henrique

de Souza Freitas, coordenador

regional do Senar SP, os produtores

adquirem habilidades e competências

relacionadas a boas práticas na

manipulação de alimentos, técnicas

de vendas e comercialização, planejamento

e escalonamento da produção,

marketing, construção dos próprios

estandes de forma sustentável com a

utilização de bambu, dentre diversos

outros conteúdos atitudinais que consolidam

o projeto de comercialização.

Para Maria Clara Piai da Silva,

da Fundação Itesp, este projeto é

resultado da parceria entre produtores

rurais, Senar, Sindicato Rural de

Araraquara, Fundação Itesp, Sebrae e

Prefeituras de Araraquara e Américo

Brasiliense.

A instrutora do Senar, Ângela

Nigro, lembra que o programa já

capacitou cerca de 50 produtores

dos assentamentos Monte Alegre,

Silvânia, Bueno de Andrada e Bela

Vista, criando condições a eles de

comercializarem alimentos saudáveis

e com preços justos para a

população das cidades envolvidas.

Após o fim das capacitações, o projeto

segue acompanhado pelas Comissões

Gestoras que possuem membros

de cada uma das instituições

citadas, inclusive representantes dos

produtores rurais.

Luciane Frigieri

(Sebrae), Mauro

Cavichiolli (Itesp),

Silvani Silva

(Coordenadoria de

Agricultura), Nicolau

de Souza Freitas

(Sindicato Rural), Luis

Andia Filho (Sebrae)

e João Henrique de

Souza Freitas (Senar)

ORGANIZADORES

A Comissão Gestora que acompanha

a implantação do programa

foi formada no início do curso com

a seguinte composição: Sindicato

Rural (João Henrique de Souza Freitas),

Fundação Itesp (Mauro Cavichiolli

e Maria Clara Piai da Silva);

Vigilância Sanitária (Silvia de Souza

Freitas Adalberto), Sebrae (Luciane

Ângela Nigro, Damiano

Neto, Nicolau de Souza

Freitas, João Henrique,

Mauro Cavichiolli e Maria

Clara Piai da Silva

Frigieri); Alunos (Vera Lúcia dos Santos

Pereira e Cíntia Texeira Marques) e

Secretaria da Agricultura (Silvani Silva).

FEIRANTES

Fazem parte deste grupo de feirantes

no Cecap: Agnaldo Paulino da

Costa, Cilene Merlos Caetano, Cintia

Teixeira da Silva Marques, Delcio Barbatto,

Edilson Martins Corrêa, Fábio

Barbosa dos Reis, Ingrid Santana Andrade,

João Paulo Bento dos Santos,

José Antônio de Moraes Elias, Lúcia

Augusta da Silva, Margarete Aparecida

Gevezier Costa, Maria de Lourdes

Mazetti, Roberta Carla Mazetti Ferreira,

Rosemary Clemente Vicente,

Vanessa Gevezier de Oliveira e Vera

Lúcia dos Santos Pereira.

Zé Elias juntamente com sua

família, realiza excelente

trabalho graças a sua

experiência no campo, agora

com acompanhamento de

técnicos e instrutores

45|


FAZENDA ENTRE RIOS

O curso realizado na Fazenda Entre Rios é o mesmo que o Senar disponibiliza para

produtores e trabalhadores rurais na base de atuação do Sindicato Rural

CAPACITAÇÃO

Operação e manutenção de

tratores na Fazenda Entre Rios

Produtores e trabalhadores

rurais necessitam cada vez

mais do aperfeiaçomento

profissional por conta

do avanço tecnológico,

permanência ou acesso ao

mercado de trabalho.

No campo, as máquinas dão aquela

ajuda. Contar com trator na hora

do plantio e na colheita facilita em

muito a vida do produtor rural, principalmente

se levarmos em conta que

os tempos são outros. O curso de manutenção

e operação de trator agrícola

organizado pelo Sindicato Rural de

Araraquara em parceria com o Senar

SP, segundo o engenheiro agrônomo

João Henrique de Souza Freitas, gera

conhecimento e oportunidade no

mercado de trabalho para os alunos

matriculados na capacitação. Alguns,

já empregados, tomam parte para

aprimorararem seus conhecimentos

tendo em vista alterações na legislação.

“O nosso objetivo é qualificar os

trabalhadores rurais e pessoas em

busca de novas oportunidades no

mercado de trabalho. A ideia é proporcionar

conhecimento técnico aos

profissionais, desde peças, projeções,

demonstrações de manutenção e

operação”, comenta João Henrique.

Já o instrutor Rafael Câmara Dias

assegura que os alunos demonstraram

grande interesse em aprender,

recebendo informações sobre troca

de óleo, filtro do motor, substituição

do filtro de diesel, manutenção no sistema

de arrefecimento e transmissão,

tipos de pneus, ajustes de bitolas e

calibragem de pneus.

O instrutor explicou ainda que os

alunos aprendem sobre os sistemas

mecânicos do trator, as inovações

como sistema de dirigibilidade automatizada,

GPS, cabines climatizadas,

controle de riscos nas manutenções

e operações, acoplamento de implementos

e regulagens. São 40 horas

de capacitação, com entrega de certificado,

divididos em aulas teóricas

e práticas.

O presidente Nicolau de Souza

Freitas, do Sindicato Rural, entende

que a parceria tem uma característica

social pois capacita os alunos quanto

à manutenção e operação de tratores

agrícolas, auxiliando-os na segurança

do trabalho, prevenção de acidentes

e preservação ambiental. Também

permite que eles conheçam os implementos,

acoplamentos e regulagens

dos mesmos, aumentando a vida útil

das máquinas e diminuindo o custo

das tarefas realizadas, completa o

presidente.

Na verdade, a agropecuária é o

único setor que tem chances de emprego

para os trabalhadores rurais.

Com esse treinamento, os alunos

poderão disputar vagas de empregos

para manutenção e operação

de máquinas agrícolas. Logo após a

conclusão da qualificação, os alunos

poderão trabalhar em propriedades

rurais e em usina sucroenergético.

No caso da Fazenda Entre Rios

que pertence à Citrosuco e está localizada

em Boa Esperança do Sul,

os alunos demonstraram que desejam

obter mais conhecimento para

pilotar um trator moderno e aprender

mais sobre manutenção, motor e implementos.

Os participantes entendem

que a capacitação oferece novos

conhecimentos e a chance para que

cada um possa buscar nova oportunidade

no mercado de trabalho.

O curso de

manutenção e

operação de

trator agrícola

é oferecido

gratuitamente

pelo Senar

(Serviço

Nacional de

Aprendizagem

Rural) em

parceria com o

Sindicato Rural

|46


47|


Engenheira Agrônoma

Sonia Yamamoto

Ao dividir as responsabilidades

por toda a cadeia de

distribuição e comercialização

dos “vegetais frescos

destinados à alimentação

humana”, a normativa

conjunta tem o intuito de

monitorar e controlar os

resíduos de agrotóxicos no

país. E para tal, separa quais

culturas devem começar a

se adequar primeiro e quais

entram logo em seguida,

sendo definidos, desta forma,

três grupos de culturas.

REPRESENTAÇÃO

A Nova Lei de Rastreabilidade de

Vegetais e a qualidade da produção

Objetivo está em monitorar

e realizar o controle de

eventuais resíduos de

agrotóxicos nos produtos. Na

fase inicial de implementação

está o grupo de citros, maçã,

uva, batata, alface, repolho,

tomate e pepino.

Um novo sistema de rastreabilidade

foi criado para auxiliar o monitoramento

e o controle de resíduos

de agrotóxicos na cadeia produtiva

de vegetais frescos destinados à alimentação

humana. Assim, o Serviço

Nacional de Aprendizagem Rural

(SENAR), Sindicato Rural e Prefeitura

de Araraquara começam a capacitar

os produtores da região, através de

cursos.

O trabalho é considerado de extrema

importância pois permitirá o

consumo de verduras e legumes plenamente

saudáveis. A engenheira

agrônoma Sônia Yamamoto está à

frente do movimento que aconteceu

na primeira quinzena de setembro, no

Sindicato Rural de Araraquara.

Segundo o coordenador regional

do Senar, João Henrique de Souza

Freitas, este já é o segundo curso. O

primeiro, foi ministrado no Assentamento

Bela Vista, onde os produtores

aprenderam como se adequar à nova

lei, evitando multas desnecessárias.

A pulverização é a maior dificuldade

que vamos enfrentar na implementação

do sistema, diz João

Henrique, onde três situações são

as mais comuns na investigação das

causas e origens de irregularidades

com agrotóxicos e contaminantes em

produtos vegetais: 1) alimentos com

resíduos acima do limite permitido; 2)

uso de produtos proibidos no País; 3)

defensivos permitidos para uma cultura

específica sendo utilizados em

outra similar – afirma o coordenador.

A norma estabelece a obrigatoriedade

de que todas as frutas e hortaliças

deverão fornecer informações

padronizadas capazes de identificar

o produtor ou responsável no próprio

Engenheira agrônoma Érica Tomé,

diretora da CATI, participando

desta ação governamental

|48


Encontro realizado

no Sindicato Rural de

Araraquara

até o entreposto, a responsabilidade

será do Ministério da Agricultura por

meio do PNCRC – Vegetal (Programa

Nacional de Controle de Resíduos e

Contaminantes em Produtos de Origem

Vegetal).

Do entreposto ao consumidor, a

fiscalização será feita pelos Serviços

de Vigilância Sanitária Estadual e Municipal

no âmbito do PARA (Programa

de Análise de Resíduos de Agrotóxicos

em Alimentos), segundo o Ministério

da Agricultura.

produto ou nos envoltórios, caixas,

sacarias e outras embalagens. O produtor

deve informar o endereço completo,

nome, variedade ou cultivar,

quantidade, lote, data de produção,

fornecedor e identificação (CPF, CNPJ

ou Inscrição Estadual).

A identificação pode ser realizada

por meio de etiquetas impressas com

caracteres alfanuméricos, código de

barras, QR Code, ou qualquer outro

sistema como o Caderno de Campo

que permita identificar os produtos

vegetais frescos de forma única e

inequívoca.

Na primeira fase de implementação,

que foi iniciada em 8 de agosto,

a rastreabilidade está aplicada ao

grupo de citros, maçã, uva, batata,

alface, repolho, tomate e pepino.

As atividades de fiscalização do

novo sistema são complementares

entre o Ministério da Agricultura e

a Vigilância Sanitária. Do produtor

Silvani Silva,

coordenadora

da Agrocultura

em Araraquara

acompanhando

a apresentação

das normas que

formam o processo

de rastreabilidade,

inicialmente ao grupo

de citros, maçã,

uva, batata, alface,

repolho, tomate e

pepino

Coordenador regional

do Senar, João

Henrique de Souza

Freitas, comentando

que foi publicada em

fevereiro de 2018

uma nova legislação

sobre rastreabilidade

de vegetais, a INC-02

– Instrução Normativa

Conjunta (do Ministério

da Agricultura, Pecuária

e Abastecimento com a

Anvisa)

SERIEDADE

Em linhas gerais, a pressão da

fiscalização no mercado realmente

chega ao campo, porque existe o

mínimo de rastreabilidade ao longo

da cadeia: através das notas fiscais,

sabe-se quem comprou de quem o

tal produto, e chegam até o produtor.

A INC-02 foi publicada para organizar

toda a cadeia, responsabilizando

cada ente, e determinando que cada

um deles mantenha informações

específicas sobre o alimento desde

sua produção no campo. Trata-se portanto

de um bem a ser oferecido ao

consumidor e uma segurança ao produtor

rural que não verá seu produto

confundido no mercado.

49|


NEGÓCIOS

Programa Integra Agro será

lançado em Araraquara

Visando a geração de

negócios para produtores

rurais com a aproximação

de potenciais clientes, o

programa terá sua abertura

no Sindicato Rural de

Araraquara.

CARTAZ DIVULGAÇÃO

Com o objetivo de unir forças para

aprimorar o agronegócio da região de

Araraquara, o Programa Integra Agro

será apresentado durante um encontro

a ser realizado no dia 7 de novembro

no auditório do Sindicato Rural. A

ação é uma iniciativa do Sebrae-SP,

Senar-SP e Faesp, com a participação

do Sindicato Rural para capacitar os

produtores rurais que precisam ampliar

seus conhecimentos em gestão,

aumentar a produtividade e gerar negócios.

O programa começa com uma

reunião de aproximação envolvendo

produtores rurais e possíveis compradores,

como minimercados, padarias,

sorveterias, restaurantes, feirantes e

varejões. Em seguida é a vez de capacitar

os produtores por meio de

oficinas. Os participantes receberão

orientações sobre atitude no campo,

quando serão trabalhadas características

empreendedoras, metas e

sucessão familiar.

PAPEL DO SINDICATO

De acordo com o presidente Nicolau

de Souza Freitas, do Sindicato

Rural, o programa prevê a geração de

negócios para produtores rurais por

meio da gestão da melhoria de processos

de comercialização e avanços

tecnológicos, aproximando produtores

e potenciais clientes.

Os produtores que aderirem ao

programa participarão de quatro encontros

e uma Rodada de Negócios

com empresas do setor alimentício.

TEMAS

• Faça Mais Gastando Menos.

• Entenda para onde vai seu dinheiro

• Mude sua cabeça. Você é um empreendedor

• Conheça seu Cliente. Venda Melhor.

PARA O PRODUTOR

A produção é apenas uma parte

do processo, que por sua vez exige do

produtor rural conhecimentos mais

aprofundados em várias áreas. O pro-

dutor deve ampliar sua capacidade

de gerar negócios e gerir sua empresa,

com aumento de competitividade,

melhorias no processo de comercialização

e avanços tecnológicos.

SETOR ALIMENTÍCIO

Oportunidade de comprar direto

do produtor, estimular a economia local,

reduzir custos, além de conhecer

a origem do produto.

SERVIÇO:

Sindicato Rural de Araraquara

Para fazer sua inscrição clique no link

https://www.sympla.com.br/lancamentoprograma-integra-agro__695609

ou

ainda pelo telefone 3303.2421

|50


NOVAS MEDIDAS

SEGURANÇA NO MEIO RURAL

Sindicato começa o

levantamento de dados

Iniciativa do governo propõe uma visão mais ampla e

próxima do produtor rural para lhe dar segurança.

A FAESP - Federação da Agricultura

e Pecuária do Estado de São Paulo,

contando com o apoio do Sindicato

Rural de Araraquara, iniciou um

levantamento inédito para coletar

dados sobre a situação da criminalidade

no meio rural. Segundo o agrônomo

João Henrique de Souza Freitas,

coordenador regional do Senar,

explica que é a primeira pesquisa

nacional de vitimização rural no país.

O questionário já foi enviado a todos

os associados juntamente com o

link a ser acessado; ele será aberto

e o produtor deverá responder para

análises dos técnicos da FAESP/

SENAR. “Essa pesquisa será muito

importante para podermos conhecer

a realidade da criminalidade no

campo no Brasil. Temos ausência

de informações da real situação do

crime no meio rural. Por isso, esse

levantamento vai nos ajudar a entender

quais são os problemas que

os produtores sofrem no dia a dia”,

explica o coordenador do Senar.

Caso o produtor rural tenha mais

Medo, tristeza e prejuízo.

Assim tem sido a vida

de muitas pessoas que

vivem no campo. Com a

chegada do fim do ano,

os roubos de animais e

máquinas têm sido ainda

mais intensos em nossa

região. O governo quer

amenizar o sofrimento

dos produtores e começa

a traçar um sistema

de monitoramento das

propriedades, via satélite,

para diminuir a ação dos

marginais.

que uma propriedade, ele deverá

responder o questionário para cada

uma delas; as perguntas são consideradas

básicas como por exemplo,

o tamanho aproximado da propriedade

rural, se conhece as coordenadas

geográficas, se reside na propriedade,

entre outras.

Uma das questões abordadas é

sobre - qual a distância de sua proriedade

ou posse rural do centro

urbano mais próximo. A resposta

permitirá que, com base nos avanços

da tecnologia, sejam criados dispositivos

de segurança para aquele

local onde o produtor reside, como

facilitar o acesso dos agentes de segurança

à propriedade. Via satélite

estes espaços serão monitorados,

funcionando como apoio ao produtor.

Tanto é que uma das indagações

é sobre a qualidade de sinal do celular.

Segundo João Henrique, é obrigatória

a participação do produtor rural

em responder o documento, havendo

para tanto um prazo.

CURSOS

NOVEMBRO / 2019

• PROLEITE – MANEJO DE BEZERRAS

E NOVILHAS (MÓDULO XVI)

01, 02, 03 e 22, 23 e 24/11

Local: Fazenda Baguassu

• APRENDIZAGEM NA CULTURA DA

CANA-DE-AÇÚCAR – MANHÃ

– MÓDULO III

Início: dia 04

Local: Usina Santa Fé

• APRENDIZAGEM NA CULTURA DA

CANA-DE-AÇÚCAR – TARDE

– MÓDULO III

Início: dia 04

Local: Usina Santa Fé

• AGROTÓXICOS - USO CORRETO

E SEGURO - NR 31.8

04 a 06/11

Local: Raízen

• JOVEM AGRICULTOR DO FUTURO -

MÓDULO VIII

04 a 25/11

Local: Assentamento Bela Vista

• JOVEM AGRICULTOR DO FUTURO -

MÓDULO VIII

04 a 25/11

Local: Motuca

• PROGRAMA PROMOVENDO A

SAÚDE NO CAMPO - ANIMAIS

PEÇONHENTOS, ESPÉCIES,

PREVENÇÃO DE ACIDENTES E

PRIMEIROS SOCORROS

08 e 09/11

Local: Usina Santa Fé

• FEIRA DO PRODUTOR RURAL –

CONSOLIDAÇÃO DO PROGRAMA

(MÓDULO VIII)

11 e 12/11

Local: Assentamento Monte Alegre

• REPASSE PARA OS INSTRUTORES

DO PROJETO DE SEGURANÇA NO

TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO,

ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE

MATERIAIS – NR11

11 a 13/11

Local: Baldan – Matão

• SEGURANÇA EM MÁQUINAS

E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS

- NR 31.12

21 a 23/11

Local: São Martinho

• SEGURANÇA EM MÁQUINAS

E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS

- NR 31.12

25 a 27/11

Local: São Martinho

• AGROTÓXICOS - USO CORRETO

E SEGURO - NR 31.8

28 a 30/11

Local: São Martinho

Coordenador SENAR/SP Araraquara:

João Henrique de Souza Freitas

51|


NOTÍCIAS

CANAS

L

EDIÇÃO NOVEMBRO | 2019

EXPOSIÇÃO DOS SERVIÇOS QUE REALIZA

Canasol já atua em outros municípios

A atuação da Associação

dos Fornecedores de Cana

de Araraquara já não

está mais restrita ao nosso

município; agora ela abrange

produtores de cana em toda

região, demonstrando o

fortalecimento da sua marca.

Na segunda quinzena de outubro,

a Canasol realizou no Restaurante

Dotti, em Ibitinga, um encontro de

produtores e fornecedores de cana

daquela região, tendo como objetivo

central apresentar os serviços desenvolvidos

pela entidade. Trata-se

de uma forma da Canasol mostrar aos

seus já associados, a política que vem

realizando dentro do setor sucroenergético;

ao mesmo tempo, produtores

interessados em ingressar no quadro

associativo conheceram a assistência

jurídica, social, agronômica e ambiental

oferecida.

O presidente da Canasol, Luís

Henrique Scabello de Oliveira, âncora

da palestra, convidou os diretores Tatiana

Campos Leite, da área jurídica e

Guilherme Lui de Paula Bueno, para

Luís Henrique Scabello de Oliveira, presidente da Canasol, fazendo explanação sobre os

propósitos do encontro e a missão da entidade junto à classe canavieira

Presentes ao

evento os

diretores Nicolau

de Souza Freitas,

Tatiana Campos

Leite e Francisco

Malta Cardoso

uma interação com o público, cada

qual falando da sua área de atuação.

Luís Henrique explicou que a Canasol

sempre esteve na defesa dos

interesses de seus associados nos

assuntos relativos à atividade canavieira

e que esta responsabilidade

não está restrita somente a Araraquara

e região. “Atualmente a nossa associação

tem grande representatividade

em Brasília, mantendo cargo junto à

diretoria da Feplana (Federação dos

Plantadores de Cana do Brasil) e firmando

elos cada cada vez mais fortes

com a Frente Parlamentar da Agropecuária,

onde é vice-presidente da

região Sudeste, o deputado federal

Arnaldo Jardim, que mantém ótima

relação com o nosso setor regional”,

disse o presidente da Canasol.

O encontro serviu para evidenciar

aos plantadores e fornecedores de

Ibitinga, a representação que a Canasol

exerce nas esferas civil e governamental,

além de buscar uma integração

entre os fornecedores de cana da

região de Araraquara, caso de Ibitinga.

“O nosso propósito é mostrar que

a Canasol está presente na cidade de

Ibitinga com toda sua estrutura, oferecendo

atendimento jurídico e odontológico,

além de assistência técnica na

cultura canavieira e demais culturas,

difundindo informações, novas tecnologias

relativas à cultura da cana

e oferecendo condições para que o

nosso setor esteja fortalecido”, concluiu

o presidente.

|52


Entrevistado, o engenheiro

agrônomo Guilherme Lui

de Paula Bueno acentou

que na atualidade, a

agricultura é uma das

atividades consideradas

base da nossa economia.

Lembrou da existência

desta economia também

na agricultura familiar,

sendo imprescindível uma

gestão agrícola eficiente

para que os resultados

possam ser positivos.

Sua profissionalização é

irreversível, disse.

VÍDEOS INÉDITOS

Canasol participa de

gravações inéditas

Profissionais que atuam na cultura da cana estão participando

de programas que estarão disponíveis no canal Cana Tube.

O engenheiro agrônomo, Guilherme

Lui de Paula Bueno, representando

a Canasol, participou de uma

gravação na sede do PECEGE em Piracicaba

para o canal CanaTube. Idealizado

pela ORPLANA, SOLIDARIDAD e

PECEGE, trata-se do canal do produ-

tor de cana que terá vídeos inéditos,

lançados toda quinta-feira e contará

com a participação de especialistas,

produtores e associações, debatendo

sobre gestão do negócio, gestão

de riscos, sustentabilidade e produtividade

no agronegócio da cana. Os

objetivos deste canal de comunicação

são a melhora contínua e a profissionalização

do produtor, aliado ao fortalecimento

das associações.

Na gravação realizada em 21 de

outubro, o engenheiro agrônomo da

Canasol abordou vários temas de

relevância ao setor canavieiro. Para

Guilherme, uma boa gestão na atividade

agrícola deve estar ligada à

atenção das questões ambientais. A

Política Nacional dos Biocombustíveis

e o RenovaBio, também foram abordados

pelo profissional que particpou

das gravações fortalecendo a marca

Canasol.

VISITA TÉCNICA

Canasol na

Agro Pastoril

Empresa não realiza o

convencional e sim trabalha

com eliminação de curva de

nível, adubação mineral e

orgânica.

O engenheiro agrônomo Lautinê

Antonielli (Tone), da Canasol, participou

na primeira quinzena de outubro,

de uma visita técnica organizada pela

Agro Pastoril Paschoal Campanelli,

empresa agrícola referência em utilização

de tecnologia na cultura da

cana-de-açúcar, localizada nos municípios

de Severínia, Bebedouro, Olimpia

e Altair, no interior de São Paulo.

Tone com o grupo participante da visita técnica na Agro Pastoril

Tone destaca que o grupo formado

pelos irmãos Campanelli tem grande

atuação na cultura da cana e na pecuária.

Com 8.500 hectares de plantio,

a fazenda dispõe de uma área

100% mecanizada para plantar, sem

curva de nível. Todas as operações do

cultivo da cana são realizadas com

piloto automático, desde o preparo

do solo até a colheita.

53|


SEU NOME ESTÁ NA RUA

SAMUEL BRASIL BUENO - IN MEMORIAM

Sebastião Colombo

Grande empreendedor que fez do Carmo,

o bairro para montar seu próprio negócio

Sebastião fez história em Araraquara, pois foi pioneiro ao confeccionar carrinhos de lanches,

comercializando cachorro-quente pelas ruas da cidade, com a marca “Lanches Au-Au”.

Caridoso, de espírito altamente

filantrópico, Sebastião Colombo foi

por diversas vezes presidente das tradicionais

festas do Carmo e sempre

modesto, foi um baluarte nas várias

lutas e reivindicações carmenses.

Sebastião Colombo nasceu em

13 de abril de 1917, na pequena Vila

Paraíso, município de Jaboticabal. Era

filho dos imigrantes italianos João Colombo

e Úrsula Vila Colombo (Dona

Ursulina). Sebastião era o penúltimo

filho do casal de uma prole de dez

irmãos: Carlos, Franscisco, José, Luis,

Antonia, Alzira, Elizabeth, Cristovão e

Fortunato.

Juntamente com a família, veio

para Araraquara por volta de 1924,

onde cursou o primário no Grupo “Antônio

J. de Carvalho”.

Ainda bem jovem, de calças curtas

e pés no chão, levantava bem cedinho

para entregar em domicílio os pãezinhos

fabricados pela Padaria Passeto,

seu primeiro emprego.

Tempos depois montou seu própio

negócio, um pequeno empório localizado

na Avenida XV de Novembro,

bem ao lado da Praça do Carmo. Mais

tarde passou a ser o representante

para Araraquara e região da Indústria

Siam Útil S/A e dos Fermentos Royal

e Fleischmann.

No dia em que completava 24

anos, em 13 de abril de 1941, Sebastião

Colombo casou-se na Igreja

Nossa Senhora do Carmo com a senhorita

Ortência de Freitas, filha de

Manoel de Freitas (português) e de

Anita de Freitas Bagette (italiana).

Sebastião Colombo e a esposa Ortência

Desse matrimônio nasceram quatro

filhos: Milton, casado com Vera Custódio

Colombo, pais de Vanessa e

Marta; Nelson, que foi casado com

Teresa Fioranelli, pais de Nelson Junior

e Carina; Marly, mãe de Fabiano

e Fabrício e viúva de Rubens de Muzio

Guimarães; e Magaly, casada com

César Paulo de Caires, pais de Kelton

e Kelyn. Sua descendência também

completa-se com vários bisnetos.

Sendo pessoa empreendedora,

Sebastião resolveu fazer um curso

de panificação em São Paulo,

transformando posteriormente seu

estabelecimento em uma próspera

padaria, a qual denominou Padaria

Pão de Açúcar. Tornou-se um pioneiro

do ramo no bairro do Carmo. O em-

Sebastião Colombo e sua

noiva em foto de 1941

preendimento cresceu com o bairro

e Sebastião lançou na cidade uma

inovação. Confeccionou 12 carrinhos

de lanches e começou a comercializar

“cachorro-quente” pelas ruas

da cidade, os quais traziam a marca

“Lanches Au-Au”.

|54


O tempo passou, os filhos cresceram,

estudaram e começaram a

trabalhar em suas respectivas profissões.

Mais tarde, Sebastião vendeu os

carinhos de lanches para o dinâmico

Carlos Coutinho de Oliveira Filho e a

Padaria para a família Bortolozzo.

Sebastião Colombo não chegou a

alcançar a sua aposentadoria.

Nosso biografado, homem que

não temia o trabalho, impulsionou

o desenvolvimento do bairro do Carmo,

fazendo-o ainda hoje, por meio

de seus descendentes.

A lealdade que devotava aos amigos,

era uma das forças supremas de

seu caráter bem formado.

Sebastião Colombo faleceu precocemente

aos 57 anos de idade no dia

14 de março de 1974, acometido de

problemas cardiológicos e está sepultado

no Cemitério São Bento.

Seu nome está na rua através da

Lei nº 3951, de 1º de abril de 1992,

A família da esquerda para a direita:

O filho Nelson, a mãe Ortência, o filho

Milton, a filha Marly, Sebastião Colombo e

a pequena Magaly

Imagem do Google da Rua

Sebastião Colombo localizada no

Jardim Cruzeiro do Sul e à direita,

a imagem da rua naquela época

de autoria do então vereador Manoel

Marques de Jesus Júnior, que denomina

a Rua Sebastião Colombo, a Via

Pública da sede do Município, conhecida

por Rua “B”, no Loteamento Jardim

Cruzeiro do Sul.

55|


Penha, Lemãozinho e Eduardo Luzia

VELHOS TEMPOS, BELOS DIAS

Lemãozinho

Piloto que tornou-se um grande preparador

A vida nos dá este grande prazer de lembrar nomes e casos

que foram se moldando ao tempo. Benê tem essa notável

memória e ler suas crônicas nos dá o prazer de um mergulho

no passado e traz de volta a emoção das motos. (RCIA)

Lemãozinho (Theodoro Jacob Júnior)

chegou com muita descrição em

Araraquara. Oriundo da cidade de Matão,

era também muito jovem como

eu, dois ou três anos mais velho. Veio

com seus sonhos. De imediato começou

a trabalhar como auxiliar de mecânico

na Universal Moto Penha, na

Avenida 36, de José da Penha Moreira.

Seu objetivo não era só se tornar

um melhor mecânico e sim de entrar

no mundo seleto das motocicletas de

competição. Melhor lugar não haveria

de ter para escolher, Penha, super

talentoso, piloto e preparador era nacionalmente

reconhecido como “Top”.

Aos poucos, perdendo a timidez foi

se juntando à Equipe de Competição

Texto: Benedito Salvador

Carlos, o Benê, com a

colaboração no texto de

Deives Meciano e edição de

imagem de Leandro Pardine

e com o tempo, se tornara muito útil

com os seus conhecimentos que se

multiplicavam.

Com certeza foi um começo de

carreira muito difícil, vindo e voltando

todos os dias da sua cidade para

cá, conforto que só foi surgindo quando

conseguiu adquirir sua primeira

motocicleta, uma Yamaha 100cc,

vermelha, um cilindro e torque Induction,

tornando o trecho de idas

e vindas muito prazeroso. Em minha

companhia, preparando ou pilotando

fez algumas corridas, que me lembro

em Interlagos, SP, pelo Campeonato

Paulista, outras nas cidades vizinhas

de Pederneiras, Jau e Bauru e sem a

minha presença, no Autódromo Internacional

de Goiânia, GO, na companhia

de Penha, Neto, Edwilmo, Baiano

Faito e Pinho, depois foi se dedicando

inteiramente na preparação.

Já mais tarimbado, a pedido de

Eduardo Luzia, piloto Araraquarense

radicado em São Paulo, que já vivia

profissionalmente de corridas, a ele

se juntou em sua escuderia, TEAM

BANÁUREA, tornando-se então relevante

em sua nova empreitada. Trabalharam

juntos também na vitoriosa

Equipe Motoasa de Ribeirão Preto, SP,

projeto que teve como piloto principal

o campeoníssimo Edmar Ferreira,

Goiano com sucesso internacional.

Depois de quarenta e três anos,

nos encontramos em um cerimonial.

Foi como que se o tempo não tivesse

passado. Ainda que em um ambiente

não favorável rememoramos eventos,

datas, oportunidades, velhas amizades

em comum e ainda o mesmo

|56


Denisio Casarini

e Eduardo Luzia

Na foto, os pilotos Lemãozinho (93), Baiano Faito (18) e Neca Passalaqua (89)

amor pela velocidade. Lembramos

que chegamos a cultivar o sonho de

participar em dupla das 500 Milhas

de Interlagos em 1973, com uma Ducati

250cc, que infelizmente não se

realizou, tamanho nossa pouca idade

e orçamento inexistente. Lembramos

também da sua participação no desenvolvimento

da motorização, com

Baiano Faito da minha Yamaha FS1

no ano seguinte, com a qual participei

do Campeonato Paulista.

Outro dia, via internet, acompanhei

um vídeo seu dirigindo uma motocicleta

Yamaha R-5 de 350cc, que

restaurou. Para seu acompanhante

na garupa, narrava em voz alta suas

sensações. A narração emocionada

das marchas que engatava, o giro que

o motor atingia e eu de observação,

percebi naquele instante o seu velho

traquejo na direção, experiência que

o tempo só fez melhorar. Imediatamente

entrei em contato com ele, e

de maneira saudosista lhe disse que

duas observações eu tinha

que fazer: A primeira: se era

de sua vontade fazer um

amigo perder o sono, isso ele

já tinha conseguido e a segunda,

ascendendo em mim

a chama de piloto que não

se apaga, observei detalhadamente

a maneira suave,

ágil, segura e ao mesmo tempo

de forma dura, que só as

pessoas fortes lidam com situações

difíceis com força e graça, na

condução de uma motocicleta. A mão

direita, que ao mesmo tempo com

os dedos suavemente freava a roda

dianteira, com igual maestria do punho

subia o giro do motor, mantendo-

-o ao limite alto para em seguida, em

saída de curva, acelerar ganhando

torque, magia e velocidade. A finess

que com o pé esquerdo controlava o

câmbio em perfeita simbiose com as

mãos, dorso e pescoço realizando

pêndulos e manobras, que segundo

ele, no meio de tantos comentários,

só eu tinha percebido. Talvez sua fala,

seja absoluta verdade, e que eu, tenha

enxergado mais com o coração

do que com a realidade.

De comum quando comecei a

acompanhá-lo pelas redes sociais,

percebi que nele também mora ainda

um menino sonhador, curioso

como sempre foi, caprichoso, atento

às modernidades e ao mesmo tempo

recluso nos seus sentimentos, e

que ao ouvir o som estridente de uma

motocicleta, ainda tem calafrios na

espinha e que o cheiro do óleo Castrol-R

também provoca na sua alma

um doce aroma de um tempo tão presente,

que de olhos fechados nunca

termina.

Nas oportunidades que competimos,

sempre estivemos acompanhados

de Penha, Neto (Olympio Bernardes)

Celso (Baiano Faito) Martinez,

Pinho (José Manoel do Amaral Sampaio),

Diogo Faito e Dinho Dall’Acqua,

cuja amizade perpetua.

Belos Tempos, Velhos Dias.

57|


Série

Bandas e

Grupos Musicais

da Cidade

Texto

Juraci Brandão

de Paula

Baile de Carnaval no Clube 22 de Agosto em 1970 com Supermusisom: Domingos

Brandino, Hugo Ferreira Lima, Pedro Pollis, Ailton Jesus Paulino, Navarro do INPS e

Juraci Brandão de Paula. Aparece abaixo, o secretário do 22, Gilberto Grecco

THE BRAZILIANS BOYS & SUPERMUSISOM

Os anos dourados

da nossa música

Com uma liderança compartilhada entre músicos. o The

Brazilians Boys e o Supermusisom foram grupos que existiram

num período importante da MPB. Dos sete participantes dos

conjuntos. pelo menos quatro policiais-músicos.

Geraldo Antônio, bom músico,

tocava trombone de vara em orquestras

da nossa cidade nos anos 50 e

início dos anos 60. Por volta de 1963

o Geraldo pegava bailes para tocar

junto com sua bonita filha Adelaide,

dona de uma bela voz e seus filhos

Geraldinho, Bê e Glen, além de outros

músicos que convidava, como o

acordeonista Mário Carlos Morales

(Marinho) e o baterista José Carlos

Firmiano (Zé Carlos). Eu mesmo,

quando não tinha que tocar com o

“Bonini e seu Conjunto”, fiz guitarra

com eles em vários bailes, como no

Sindicato dos Ferroviários, que ficava

na antiga Rua do Tesouro, pertinho da

Igreja de Santo Antônio, na Vila Xavier.

Em 1967 eu já era músico da banda

da então Força Pública do Estado

de São Paulo, atual Polícia Militar e lá,

conhecendo o Pedrão e o Tocantins

e, em conversa com o Bê e o Glen,

decidimos montar um conjunto. O Bê

convidou o seu amigo Zé Luis para

cantar e passamos a ensaiar à noite

numa sala da Associação Atlética

Ferroviária, na Rua Dr. Antônio Picaroni,

75, antiga Colônia Paulista na

Vila Xavier, conseguida gratuitamente

pelo Bê. Assim nascia o The Brazilian

Boys, com a seguinte formação: Benedito

de Souza Antônio (Bê) – Piston;

João José Tocantins (Tocas) – Sax

Tenor e Clarineta; Juraci Brandão de

Paula (Jura) – Guitarra; Pedro Pollis

(Pedrão) – Baixo; Glen Miller Santiago

de Souza Antônio – Bateria; José Luís

Lombardi (Zé) – Cantor.

Glen Miller, o baterista, atualmente

residindo em Piracicaba, em 1967

na quermesse da Igreja Nossa

Senhora das Graças

Com o Bento dos Santos (Bento

Vaca) nos empresariando, começamos

a tocar nos clubes da cidade

e região. Aos domingos à tarde era

comum tocarmos nas brincadeiras

dançantes do Asilo São Francisco

de Assis, ainda na Av. Dom Pedro II,

sozinhos ou ao lado de outros bons

grupos como os “The Jungles”, “Os

Atômicos” e os “The Mug Boys”. Também

tocávamos gratuitamente em

eventos beneficentes como as quermesses

para arrecadar fundos para

a conclusão das obras da moderna

Paróquia Nossa Senhora das Graças,

a igreja redonda.

SUPERMUSISOM

Já no final de 1967, conversávamos

sobre a nossa mudança para um

som mais encorpado. Sonhávamos, e

com boa dose de atrevimento, idealizando

um grupo pequeno, em torno

de 7 músicos, mas com uma pegada

e instrumentação influenciada pelas

big bands americanas, harmonias dissonantes

e improvisos, a exemplo do

que já faziam vários grupos nacionais,

os tais conjuntos orquestrais.

|58


Mas precisávamos de, no mínimo,

incluir um barítono e muita persistência

nos aprendizados e ensaios, para

o necessário aprimoramento técnico

instrumental.

Eis que, logo no início do ano seguinte,

veio transferido para a Banda

de Música da atual Polícia Militar, o

sargento Hugo Ferreira Lima, excelente

sax-alto acostumado a tocar

em bandas de baile e que logo de

cara se identificou muito conosco e

passou a integrar o grupo no sonhado

barítono. Como se não bastasse,

Roberto Carlos lança o seu Long Play

Brazilians Boys em

sessão de fotos

na Academia A

(Aprendizes) do

Samba, em 1967,

para divulgação

do grupo. Pela

ordem: Pedrão,

Tocantins, Glen,

Zé Luís, Bê e Jura

“O Inimitável”, acompanhado pelo RC

7, banda que tinha o peso que desejávamos.

Foi a fase que o cantor,

influenciado pela black music norte

americana (soul e funk), afastava-se

do rock-and-roll para uma fase mais

madura com composições como “Não

há dinheiro que pague”, “Se você pensa”

e “Ciúme de você”, com arranjos

mais elaborados e muito swing, popularizando

o estilo. Foi o suficiente

para incluirmos todas essas músicas

no repertório. Os ensaios eram aos

sábados na casa dos meus pais, na

Rua Rui Barbosa, 1111 – Vila Xavier.

Diversas pessoas como os irmãos

Paulo e Odair Pilon e (vejam só...), o

molecote de 14 anos Marcos Volpe,

se reuniam em frente da casa para

assistir nossos ensaios, debruçados

na grade fronteiriça. Geralmente após

os ensaios, já seguíamos em viagem

para os bailes com os amigos que

nos ajudavam no som e nas luzes,

Aparecido Morales Calejon (Cidão) e

Aristides Braz.

Criamos alma nova. Agora, também

com o barítono, podíamos tocar

com mais propriedade, as músicas do

excepcional cantor e showman Wilson

Simonal o qual admirávamos assistindo

o seu programa “Show em Si...

monal”, na TV Record em 1966/67.

Melodias como “País tropical”, “Samarina”,

“Zazueira”, “Paraiba”, “Nem

vem que não tem”, “Vesti azul”, “Mustang

cor de sangue” e por ai vai, passaram

a fazer parte do repertório.

Viramos especialistas nesse gênero.

CONTINUA NA PÁGINA SEGUINTE

59|


Pedrão e Jura com Brazilians Boys

INAUGURAÇÃO DO

GIGANTÃO EM 1969

Ano 1969, novo álbum do Roberto

Carlos e não tivemos dificuldade

alguma para incluirmos também “As

curvas da estrada de Santos”, “As flores

do jardim da nossa casa” e outras

canções, sempre com aquele mesmo

peso. No final desse mesmo ano, o Bê

ingressou na Polícia Militar e foi para

Piracicaba. Mas antes de nos deixar,

ainda tocamos no baile de inauguração

do Ginásio de Esportes Castelo

Branco (Gigantão), com os The Jungles

em 11 de outubro de 1969. Foi

o primeiro baile naquele local.

O Bê foi substituído provisoriamente

em dois bailes pelo Demercil

de Souza Oliveira (Biroca), também

pistonista da Banda da P. M. e em definitivo,

pelo músico Ailton Jesus Paulino,

fazendo Flugelhorn e Trumpet.

Nessa altura já tínhamos uma

banda bem segura ao nosso estilo,

com repertório para bailes, tocando

seleções de boleros como “Sally’s Tomato”

e “Besame Mucho”, foxes como

“Cry Me a River”, Chá-chá-chás como

“Frenesi” e “I’ve Got You Under My

Skin” com arranjo nesse ritmo, sambas,

bossa novas, samba-canções e

tantas outras músicas como “California

Dreamin”, “Georgia on My Mind”,

“The More I See You” e “Can’t Take

My Eyes Off You”. Eram bailes com o

glamour e romantismo dos anos 60,

o chamado “anos de ouro”, onde os

casais elegantemente vestidos, dançavam

de rostos colados, à meia luz

e, no final da seleção, as moças eram

conduzidas até suas mesas pelo seu

par. O baile era considerado acontecimento

importante nas cidades e

os clubes tinham uma programação

intensa como baile de aniversário da

cidade e do clube, baile do sarong,

rainha da primavera, debutantes, réveillon,

formaturas, baile do hawaí,

baile pré-carnavalesco, carnaval e o

que mais quisesse. Tudo era motivação

para um baile, com farto trabalho

para todos os grupos. Já faz um bom

Simonal e Bê em um baile no Clube

Coronel Barbosa, em Piracicaba, 1970

tempo que as coisas não são mais

assim.

Mas em razão de contarmos com

4 músicos que também tocavam na

Banda da Polícia Militar, só podíamos

fechar contrato em cidades no entorno

máximo de 100km de Araraquara.

Pedrão (75), Jura (76) e Bê (72),

reencontrando os amigos na sala de

ensaio da Banda Opus em Piracicaba

O TEMPO PASSOU...

Ailton Jesus Paulino (73) Hugo Ferreira Lima (79) Glen Miller Souza Antônio (69) João José Tocantins (80)

|60


Na foto, Alfredo Dada ao

lado da esposa Vilma

Tínhamos que conciliar os serviços

da banda com os bailes.Tocamos

em todas essas cidades, mas era comum

tomarmos taxi para chegarmos

ao local onde a banda ou o conjunto

nos aguardavam. Assim mesmo, abusando

um pouco (e põe abuso nisso),

fomos para várias cidades com distância

de até 400km, graças a insistência

do empresário Jorge Cassiano.

Certa vez fomos tocar o Baile da

Batata em Corumbataí. O Pedrão, o

Hugo, o Tocantins e eu, estávamos de

prontidão e escapamos pela cerca de

cedrinho nos fundos do Quartel, onde

a Kombi azul e branca de 6 portas

1965 do responsável motorista José

Alfredo Dada. já nos aguardava com

os demais músicos para a viagem.

Situações abusadas como essa, levaram-nos

à decisão de interromper

nossa caminhada com o Supermusisom,

restando-nos o grande aprendizado,

boas recordações e saudades

da feliz convivência em família. Nosso

último baile foi na cidade de Flórida

Paulista no final de 1970. Finalizamos

Os dois grupos -

Brazilians Boys e

Supermusisom, no

ano de 1967 a 1970,

viajavam em uma

perúa Kombi dirigida

por José Alfredo

Dada (78)

estas lembranças prestando justa homenagem

póstuma ao grande amigo

José Luís Lombardi, com o qual compartilhamos

parte das nossas vidas,

e que nos deixou recentemente.

NOVEMBRO

A Moura apoia

o combate ao

CÂNCER DE

PROSTATA

0800 777 1990

www.jnmoura.com.br

61|


|62


Assunto MÚSICA

Por Sérgio Sanchez

APOIO

Seu ponto de encontro

(16) 3357 4049 | (16) 99280-3164

• Av. Rodrigo Fernando Grillo, 515

(Em frente à passarela do Shopping

Jaraguá). Amplo Estacionamento

O BRILHO E A LUZ DE

STEVIE WONDER

Stevie Wonder (1950), nome artístico

de Stevland Hardaway Morris, nasceu

em Saginaw, Michigan, Estados

Unidos, no dia 13 de maio de 1950.

Com 4 anos muda-se com a mãe e

os irmãos para Detroit e ainda criança

começa a cantar no coral da igreja.

A partir deste momento, sua carreira

rumo ao estrelato não para mais. Aos

11 anos assina um contrato com um

dos selos da Motown Records que viria

a ser a maior gravadora da chamada

“soul music”.

CARREIRA DE SUCESSOS

De 1963 a 1972 uma produção intensa

e extremamente criativa lançou

o single “Fingertips”, gravado ao vivo

durante a turnê “Motor Town Revue”. A

música foi lançada no disco “Recorded

Live: The 12 Year Old Genius” (1963)

e logo alcançou o primeiro lugar na

parada Pop e R&B. Em 1968, Stevie

se mudou para Los Angeles. Em 1971

a Motown não renovou seu contrato e

a partir de então lançou dois álbuns

independentes. Em 1972 retornou a

Motown e em outubro lançou “Talking

Book”, que fez sucesso com as músicas

“Superstition” e “Your Are The Sunshine

of My Life” que receberam três premiações

no Grammy Awards.

GRANDES EVENTOS

Em 2000, Stevie Wonder escreveu

duas canções para a

trilha-sonora do filme de

Spike Lee, Bamboozled:

“Misrepresented People”

e “Some Years Ago”. Em

2002 se apresentou na

abertura dos Jogos Paraolímpicos

de Inverno, em

Salt Lake City. O mundo

conhecendo seu talento

e sua musicalidade.

Com Michael Jackson

no álbum Bad

GRANDES DUETOS

Entre outros lançamentos, em 1987

fez um dueto com Michael Jackson no

álbum Bad, com “Just Good Friends”.

Em 2006, Stevie Wonder fez um dueto

com Andrea Bocelli no álbum Amore,

tocando gaita e fazendo os vocais na

faixa “Canzoni Stonate”. Dentre tantos,

Paul McCartney, Beyoncé, Madona. Na

Jamaica, durante show beneficente

para um instituto para cegos, além de

Stevie Wonder, os três membros originais

do The Wailers — Bob Marley, Peter

Tosh e Bunny Wailer — se apresentaram

juntos pela última vez.

Este é Stevie Wonder: Cantor, compositor

e ativista de causas humanitárias

e sociais. Suas melodias continuam a

encantar o mundo todo com sua luz e

sua criatividade no mundo da música.

Com Paul McCartney

Talento

na gaita

63|


VIP

VIDA SOCIAL por Maribel Santos

Como está a sua fé?

Olá, querido leitor! Iniciamos o mês de novembro com duas datas muito

significativas: Dia de Todos os Santos e Finados. Nem todas as religiões cultuam

os santos, mas não podemos negar a importância cultural deles para todos

nós independente da religião. Finados é uma data que nos remete às perdas.

Relembrar os entes queridos que não estão mais entre nós, não é uma tarefa das

mais fáceis, apesar de que, não precisamos da data para sentir saudade de alguém

que amaremos para sempre. Terminei de ler dias atrás o livro “Uma prova do

céu” de autoria do neurocirurgião americano Dr. Eben Alexander. O livro que

está em primeiro lugar na lista dos mais vendidos do New York Times, relata a

experiência do neurocirurgião e professor de Harvard, que afirma ter visitado o

céu durante os sete dias que ficou em coma por conta de uma meningite bacteriana.

Dr Eben conta tudo o que viveu no livro, e confesso que foi uma das

leituras a respeito do assunto que mais gostei. Um livro sempre é uma ótima

companhia. Desejo a todos um mês muito feliz. Namastê!

Fotos: Marcela Campos

Diogo Nogueira e Jorge Bedran

Venicio Buglio e Diva Aparecida Emilio

Davi Rubim Damazio e

Lucas Henrique da Silva

Patricia Bertuol

Ueide Fernando Fontana e

Sonia Helena Nasser

|64


Maribel Santos

VIPS

EM DESTAQUE

Edson

Carrascosa,

Ivo Eduardo

Moroni e

Andréia

Montandon

Aline Carrascosa,

Roberta Ferrari e

Tiago Mesquita

Carlos Eduardo Ferreira Santos

e Nádia Redondo

Ana Lúcia Santos

e Luiz Henrique

Martins Fernandes

Renée Dalia

e Antonieta

Magalhães

65|


Roberta Ferrari e sua equipe

Global ferro e aço 10 anos

O shopping do aço em Araraquara

Fundada em outubro de 2009,

a Global Ferro e Aço comemorou no

último dia 11 de outubro, 10 anos.

E a data foi comemorada de uma

maneira muito especial. Além de

festejar o aniversário, a empresa

inaugurou o seu novo prédio, oferecendo

um café da manhã para toda a

equipe, amigos, clientes e parceiros,

coroando o seu sucesso na cidade.

O forte da empresa sempre foi ouvir o

que os clientes queriam, o que marcou

toda a sua trajetória. Com esta percepção,

foi necessário ampliar cada

vez mais a atuação e oferecer produtos

certificados, e não apenas o aço

mas também o inox, alumínio, bronze,

latão, nylon. Neste processo, contou

com um time engajado, com muitos

clientes, fornecedores e

parceiros que ajudaram

a construir este novo negócio

- são muitas mãos,

ideias e aprendizado.

E seguindo esta tradição,

após pesquisas

de satisfação e levantamento das

necessidades dos clientes, a nova

loja conta com a aquisição de uma

nova serra fita, capaz de atender

com rapidez, eficiência e precisão

cortes seriados de barras redondas,

quadradas, metalon, tubos...

São mais de 2000 itens no portfólio,

com investimentos em gestão

e capacitação contínua, numa busca

constante por melhorias para

atender com excelência e superar

expectativas. Trata-se de uma filosofia

seguida todos os dias pelo time,

que tem paixão por atender bem e

de forma a surpreender o cliente.

A Roberta e seu time esperam você

para tomar uma café e conhecer o

novo espaço!

Global Ferro e Aço, amplo espaço

em seu novo endereço

|66


67|


VITRINE

VITRINE

DA REDAÇÃO

JOÃO CARLOS

Equipe de

profissionais da

Atri Fiat, uma das

mais importantes

concessionárias de

veículos da cidade

e região

Casal Elidia-Hermando

Frare reunindo a família

na festa do vinho

fabricado por eles

Lurdes Maria Fontanelli

ANIVERSÁRIOS

Maria de Lurdes Pereira Pinto

A RP Jeep chega com tudo em

Araraquara, colocando em evidência

uma das mais tradicionais marcas de

carros. Sua equipe de profissionais

está à disposição dos interessados em

conhecer sua diversificada linha de

veículos. A RP Jeep aguarda sua visita.

Novembro|2019

A diretoria do SINCOMERCIO cumprimenta todos os aniversariantes

DATA

NOME

EMPRESA

DATA

NOME

EMPRESA

01/11

01/11

02/11

02/11

03/11

03/11

04/11

04/11

05/11

05/11

06/11

07/11

08/11

10/11

10/11

10/11

10/11

12/11

12/11

Maria Ap. Vargas Faria

Odacir Perez Romero

José Pena

Luzia Carbone Abud

Aurazil Angelo Troli

Orlando Pasqual

Luis Roberto Sperandio

Paulo Izildo Pilon

Camilla de Souza Penha Fiel

José de Paula Trindade

Juliana S. Ferreira da Silva

Luiz Carlos Françoso

Maria Rolfsen Bravo

Carmen Aparecida Silva

Fábio Janusckiewicz

Dr. Ivo Dall´Acqua Junior

Sueli Ap. Souza dos Santos

Ione Gomes Fragnan

Manoel Floriano da Silva

Casa da Cozinha

Escritório Perez de Contabildade

Vestylle Mega Store

Accessorium

Trocar Pneus

Escritório Contábil Pasqual

Esc. Alvorada de Contabilidade

Jopasa

Helibombas

Pontual Assessoria Empresarial

Luluzinha Araraquara

Gráfica Benê

Omega Alumínio

Charanguinha

Hi Tec Eletrônica

Irmãos Dall’Acqua

Flash Doces

Auto Peças Vilavel

Charanguinha

12/11

13/11

14/11

14/11

15/11

16/11

16/11

19/11

21/11

21/11

21/11

21/11

22/11

24/11

26/11

26/11

28/11

30/11

Michelli Marry Regolão

Yole Alves Negrão Haddad

Cristina Hamada Miyai

Patrícia Ferreira Santana

Carlos Alberto Haddad

Alexandre Delbon

Rodolpho Sotrati

Maria Conceição dos Santos

Geni Ribeiro Camargo

Ingred Leite Marchesi

Nadir Maria M. Cavaleti

Renato Augusto Júnior

Ali Zaher

Sonia Raquel Murakami

Doriani Sampaio Azzolino

Luiz Fernando das Neves

Margareth Porsani Sardisco

Rodrigo Daniel Malara

Móveis Estrela

Lajes Treliçadas Duraleve

Big Real

Lanchonete Tuti Frutti

HDZ Imóveis

Detalhes Boutique

Castelinho Mat. p/ Construção

Maquifísica

Lojas Certeza

Xinelo e Cia

Auto Eletro São Domingos

A. G. R. Materiais p/ Construção

Objetivo/Objetivo Júnior/COC

Depósito Caçula

Dream Store Colchões

Comercial Leal

Giovanni Imóveis

Aramotors Comércio de Veículos

|68


Em Araraquara, Aparecido Gilberto de Carvalho, governador do Distrito

4540 ao lado da esposa Cláudia, acompanhou a entrega de gêneros

alimentícios para duas entidades filantrópicas e deu posse ao advogado

Carlos Roberto Maurício Júnior, no Rotary Santa Angelina

Marly Diniz Guerra, Ana Cláudia

Souza Lima e Margareth Sardisco,

da Casa da Amizade

Novo membro do Santa Angelina:

Carlos Roberto Mauricio Júnior

Valter Merlos, do Rotary Carmo e

ex-governador distrital

69|


Heróis

Não sei se já contei para vocês

sobre o serviço militar que deveria

ter feito, mas que não o fiz, não por

nada, mas é que quando tive de me

apresentar no Tiro de Guerra, já havia

ingressado num curso superior.

Por isso é que fui dispensado. Pela

lei. Tão simples, não?

Nem tanto, porque tive de enfrentar

o enérgico capitão, que teria

sido combatente na FEB, pois queria,

de todo jeito, que eu cumprisse

minha obrigação para com a Pátria.

Embora ele estivesse cumprindo seu

dever, não pude me conformar, porque

fiz ver a ele meu direito. Ele não

gostou nadinha de minha reação,

ficou bravo, mas titubeou indeciso.

E não teve como. Então, para me

castigar, obrigou-me a apresentarme

noutra cidade bem distante, em

lugar incerto e não sabido… (Lins).

E lá fui eu, jovem inexperiente,

ainda indignado, saindo de casa

pela primeira vez. E no quartel, sentado

num canto, encostado numa

parede, enquanto faminto devorava

um sanduiche de mortadela no

aguardo da convocação, fiquei vendo

os soldados a marchar de um

lugar para outro, a parecer que sem

sentido e sem finalidade alguma.

O que não entendi. Mas depois de

haver prestado o juramento à Pátria,

fui dispensado e recebi algum tempo

depois o certificado de reservista

de terceira categoria.

Não que eu tivesse sido um cara

indisciplinado, mas hoje penso que

talvez deveria ter cumprido o serviço

militar obrigatório, para que

minha vida pudesse ter sido ainda

mais cívica, seguindo o exemplo de

meu pai que serviu o Exército em

Luís Carlos

BEDRAN

Sociólogo e cronista da Revista Comércio,

Indústria e Agronegócio de Araraquara

Campo Grande. E sempre que se

tocava nesse assunto em casa, ele

se recordava com saudade do tempo

em que lá passou, pelo companheirismo,

pelo esprit de corps, pela

amizade que desfrutou com seus

colegas de todas as classes sociais,

pelo espírito cívico e patriótico que

possuiu e que sempre transmitiu a

seus filhos.

Durante toda minha vida tive

contato com alguns militares, tanto

os do Exército, como os da Polícia

Militar devido à minha antiga profissão.

Respeitava-os como respeito-os

até hoje, porque neles percebia um

profundo amor e dedicação à Nação,

não apenas pela participação

que a antiga Força Pública de São

Paulo teve na Revolução Constitucionalista

de 1932, como também

a que o Exército, a Marinha e a Aeronáutica

tiveram na luta contra o

nazismo e o fascismo na Segunda

Guerra Mundial, quando desembarcaram

com os aliados na Itália,

formando a Força Expedicionária

Brasileira. E isso em plena ditadura

de Getúlio Vargas, no Estado Novo.

E li muito sobre guerras e militares.

Sobre a expedição do Marechal

Rondon na pacificação dos índios,

na viagem que fez com o ex-presidente

dos EUA, Theodore Roosevelt

no interior do Mato Grosso; sobre

a Segunda Guerra, na revista Em

Guarda; as Memórias de Churchill;

de Max Hastings, no O mundo em

guerra 1939-1945; a Marcha da insensatez,

da jornalista e historiadora

Barbara W. Tuchman e, mais recentemente,

as Crônicas da Guerra na

Itália, de Rubem Braga, jornalista,

escritor, considerado o mestre da

crônica, quando correspondente da

guerra do Diário Carioca, um jornal

do Rio de Janeiro.

Onde diz que a FEB somava

25.334 homens e onde na Itália

morreram centenas de pracinhas,

milhares ficaram feridos, até voluntários,

soldados de todos os Estados

e de todas as classes sociais e níveis

de cultura, tudo em defesa da Democracia.

Heróis.

Por isso, quando hoje percebe-se

um preocupante e interesseiro movimento

político ideológico radical,

exacerbado pelas redes sociais,

que tenta se aproveitar do profundo

amor à Pátria que possuem os

militares, para que estes se desviem

de suas nobres e tradicionais funções,

de respeito à Constituição e às

instituições, é preciso que eles não

se deixem levar pelos melodiosos e

malévolos cantos de sereia e que os

homens de bem se unam em favor

do Estado Democrático de Direito.

Sempre.

Termino esta crônica com as sábias

e proféticas palavras de Rubem

Braga: “É preciso que o nazista não

volte. Porque ele pode voltar com

outro nome, na Alemanha ou fora

da Alemanha. Ele pode brotar outra

vez do chão — na Europa, ou na

Ásia, ou em nossa América”.

“O fascismo é uma praga difícil

de exterminar. É o preço que os

povos pagam pela própria desídia.

É a defesa frenética dos privilegiados.

E contra ele só há um remédio

verdadeiro: conquistar e manter a

todo custo a liberdade do homem,

e só há liberdade entre os homens

quando cada um vale pelo seu trabalho

— e não pelo seu nascimento

nem pelos seus privilégios. Ninguém

se iluda: acabar com as injustiças

nacionais e sociais, que são o caldo

de cultura do fascismo e das guerras,

será uma luta muito dura, uma

grande luta do povo”.

|70


71|


|72

More magazines by this user
Similar magazines