20.12.2019 Views

EMPREENDA REVISTA Ed. 31 - CAMILA FARANI - DEZ/19

Camila Farani - A mulher de negócios da nova geração Felipe Carvalho - Volta ao Mundo em busca de inovação

Camila Farani - A mulher de negócios da nova geração
Felipe Carvalho - Volta ao Mundo em busca de inovação

SHOW MORE
SHOW LESS

Do you know the secret to free website traffic?

Use this trick to increase the number of new potential customers.

04


07 05


06

SUMÁRIO

12

EMPREENDA REVISTA

PARTICIPA DO PROGRAMA

PANICO DA JOVEM PAN

17

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

DA REDE MULHER

EMPREENDEDORA TEM

INSCRIÇÕES ABERTAS

26

EMPREENDEDORISMO FEMINI-

NO: A IMPORTÂNCIA DA

REPRESENTATIVIDADE EM

NOSSO ECOSSISTEMA

34

FELICIDADE NO TRABALHO, É

POSSÍVEL? SAIBA SE VOCÊ ESTÁ

FAZENDO A COISA CERTA

42

O FIM DAS ORGANIZAÇÕES

CONFORMADAS

E RESISTENTES AS MUDANÇAS

46

GESTOR EXPONENCIAL:

HABILIDADES PARA VENCER

EM UM MUNDO EM CONSTAN-

TE TRANSFORMAÇÃO

28


07

2020 se aproxima, você está preparado?

Estamos finalizando 2019, um ano de muitos avanços para o empreendedorismo

nacional. Medidas como a lei 13.874/2019, Lei da Liberdade Econômica, renovam

as expectativas para o ambiente de negócios. Apesar de iniciarmos o ano com uma

instabilidade política, o mercado de startups amadureceu e conquistou a confiança

dos investidores, em 2019 mais de US$ 1 bilhão foi investido e o número de startups

criadas ultrapassa 12 mil.

Com DNA empreendedor, os brasileiros estão criando negócios que ultrapassam as

barreiras nacionais, além de muitos estarem empreendendo em outros países. Diante

de tantos empreendedores brasileiros pelo mundo, temos uma boa oportunidade

de gerar mais conexões e agregar valor a todos eles.

EDITORIAL

As startups brasileiras chamam a atenção, muitas pessoas começaram a enxergar

essas empresas como fontes de receita recorrentes. O número de investidores aumentou

significativa, com um crescimento médio de 14% a.a.

EXPEDIENTE

EMPREENDA REVISTA

ANO III | EDIÇÃO 31 | Dezembro 2019

www.empreendarevista.com.br

contato@empreendarevista.com.br

DIRETORA RESPONSÁVEL

Elaine Julião

elaine@empreendarevista.com.br

DEPARTAMENTO COMERCIAL

comercial@empreendarevista.com.br

PRODUÇÃO DE CONTEÚDO

E DESENVOLVIMENTO

Grupo Empreenda - Rua Cedral, 91 - Mauá

CNPJ: 10.378.146/0001-29

DEPTO. MARKETING

marketing@empreendarevista.com.br

REDAÇÃO

redacao@empreendarevista.com.br

REVISORA LÍNGUA INGLESA

Fernanda Accorsi

PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO

Carlos Celice | Designer Gráfico

ILUSTRADOR

Bigas | www.estudiobigas.com.br

FOTO CAPA

Emi Parente

FOTO CONTRA CAPA

Marcelo Gemignani

ASSINATURA

www.empreendarevista.com.br/assinaturas

FALE CONOSCO 11 4546-7271

A EMPREENDA REVISTA é uma publicação mensal.

A revista não se responsabiliza por conceitos e

opiniões emitidas em colunas assinadas e materiais

divulgados em anúncios publicitários.

Empreendedores que investem, sim, após empreenderem e terem êxitos em seus

negócios, muitos se tornam investidores e passam a gerar transformação para um

maior número de startups.

E para fechar 2019, trouxemos em nossa capa, uma das maiores referencias em investimento

Anjo do Brasil, ela que é ganhadora de diversos prêmios e inspira milhares

de empreendedores pelo Brasil e pelo mundo. Camila Farani, empreendedora e

investidora, em quase 20 anos de atuação é responsável por criar vários negócios de

sucesso, sendo o mais recente a startup Innovaty.

Trazemos nesta edição um especial Volta ao Mundo da Inovação, o empreendedor

Felipe Carvalho é especialista em invocação e passará o ano de 2020 em busca das

melhores práticas de inovação pelo mundo. Você poderá acompanhar mensalmente

essa saga aqui na Empreenda.

Algumas tendências ganham forças para 2020 e nós empreendedores precisamos

estar atentos, principalmente em trabalhar

ainda mais nossas soft skills, elas

são cada vez mais necessárias para o

bom andamento de nossos negócios.

Lembre-se a Inovação vem com força

total no próximo ano e a humanização

alinhada a essa inovação mudará significativamente

seu patamar de negócios.

Eu tenho certeza de que 2020 será ainda

melhor que 2019, por aqui fica meus

agradecimentos por ter você aqui na

Empreenda neste nosso primeiro ano

de assinatura. Conto com sua participação

No próximo ano, para que juntos

possamos ir muito mais longe.

Até 2020!

Boas Festas!

Nos acompanhe pelas redes

sociais

@empreendarevista

/empreendarevista

@empreendarev

/empreenda-revista


08

COLUNA DO LEITOR

EDIÇÃO DE NOVEMBRO DA EMPREENDA

É SUCESSO NAS REDES SOCIAIS


10

EMPREENDEDORES

PELO MUNDO

KAZUO YAMAGUCHI CAPTURA

ESSÊNCIA EM SUAS FOTOS.

A fotografia espelha um momento, eu costumo dizer

que esses registros são textos traduzidos em imagem, a

luz utilizada, o ângulo usado, os elementos que compõe

o cenário, a natureza, tudo isso faz com que possamos

comunicar com o retrato.

Ao fotografar deixamos registrado nosso passado para

que ele seja visto no presente, cada foto faz com que

revivamos as emoções sentidas naquele momento.

Para os amantes dessa arte, fica claro que uma boa foto

acaba registrando o que muitas vezes pela correria do

tempo nos passa despercebido.

Há grandes oportunidades para quem deseja trabalhar

nesse segmento, um grande exemplo disso é meu amigo

Kazuo Yamaguchi, uma pessoa que conheci no Japão

e que virei fã. Como empreendedora, eu analiso muito

o que outros empreendedores fazem e procuro aprender

muito com todos. E com Kazuo não foi diferente, ele

com seu jeito quieto, observador, mas de uma dedicação

e entrega tão latentes que não tinha como passar

despercebido.

Para nós empreendedores, o quanto a gente se dedica a

nossa causa, o quanto a gente procura entender o que

o nosso cliente precisa, o que ele ainda não sabe que

precisa, faz toda a diferença.

E Kazuo me mostrou isso, o jeito “japonês” de servir,

essa cultura que tanto nos ensina, tem prazer em servir

ao próximo. A dedicação em cada clic, a vontade de

captar sua emoção, sua essência, as ideias que vão te

ajudar a ter um retrato para vida toda.

Mais Elaine, quem é Kazuo e o que ele tem de tão especial?

Bom vamos, lá, na verdade ele é Fabricio Yamaguchi,

natural de Suzano/SP, mais conhecido como Kazuo.

Ele apaixonou-se pela fotografia após um amigo despertar

seu interesse. Muito dedicado, Kazuo, começou a

participar de vários workshops para que pudesse aprender

a profissão, acumulando vários certificados.

Kazuo tinha uma câmera simples, sem muito recursos,

com o passar do tempo ele precisou comprar uma câmera

profissional, seu empenho e dedicação chamou

a atenção de muitas pessoas, que começaram a convida-lo

para realizar alguns trabalhos, até que ele fosse

convidado a fazer cobertura de eventos para um dos

maiores portais do Japão, o Portal Mie.

Como todo empreendedor no início de sua jornada,

Kazuo não possuía todos os equipamentos, mas isso

não o imobilizou, o jovem empreendedor foi adquirindo

aos poucos seus equipamentos, com o retorno financeiro

de suas fotos. O prazer de ver como seu trabalho iria

ficar, fez com que ele não enxergasse desafios, Kazuo

estava ali, prontamente, dia e noite, com frio, chuva, sol,

da forma que estivesse o dia, lá estava ele para desempenhar

o seu melhor.

O resultado de suas fotos é muito bem avaliado por

seus clientes. Casado com Silvana, Kazuo tem a mulher

como uma parceira de negócios, ela é responsável por

maquiar a maioria de suas clientes, além de o acompanhar

em várias sessões de fotos. O apoio da família é

essencial, uma vez, que por participar de vários eventos

ele precisa se ausentar muito de casa.


11

EMPREENDEDORES

PELO MUNDO

“O JAPÃO PODE SER

CONSIDERADO O PAÍS

DA FOTOGRAFIA, UMA

VEZ QUE MARCAS COMO

FUJIFILM, SONY, CANON,

PENTAX, OLYMPUS E

NIKON NASCERAM

NO PAÍS”.

O desejo de muitas pessoas terem fotos profissionais

cresce a medida que a sua exposição nas redes sociai.

Muitos sãos os motivos que faz com que a pessoa precise

de uma foto, seja ela profissional ou seja pessoal,

o que vale ressaltar aqui é que Kazuo procura em cada

“clic” extrair a essência de cada cliente.

A emoção em cada foto é um dos diferenciais desse empreendedor

que saiu da cidade de Suzano/SP para fazer

sua vida em outro país, e atualmente é considerado um

dos maiores profissionais em seu segmento.

Se você quiser conhecer um pouco dos trabalhos

realizados por Kazuo Yamaguchi, siga-o na rede social

@kazuo_yamaguchi_fotografia


12

EMPREENDEDORES

PELO MUNDO

EMPREENDA REVISTA PARTICIPA

DO PROGRAMA PANICO DA JOVEM PAN

A saga dos empreendedores “raiz”, conta a história de

pessoas comuns dispostas a empreender

No último dia 04 de dezembro, Elaine Julião, CEO da

Empreenda Revista, participou do programa, Pânico da

rádio Jovem Pan. O quadro empreendedor “raiz”, traz a

saga de pessoas comuns que estão dispostas a pagar o

preço e transformar sua vida e de muitas outras pessoas

através do empreendedorismo.

Elaine recebeu na sede da Empreenda Revista, em Mauá/

SP, a equipe do programa, eles puderam conhecer um

pouco sobre o início do projeto da revista que rompeu

as barreiras nacionais e atualmente possui assinantes

do Japão, Estados Unidos e Alemanha. Muitas foram as

surpresas, de Elaine ao participar do programa, a primeira

grande surpresa foi a presença do CEO da maior

rede de chocolates finos do mundo, a CACAU SHOW.

Alê Costa foi o entrevistado do dia e deu uma aula sobre

empreendedorismo, todos no estúdio estavam atentos

as dicas de como esse grande empreendedor, que começou

sua jornada em uma cozinha localizada no bairro

da Casa Verde em São Paulo, chegou ao patamar de

maior rede de chocolates finos do MUNDO. Para a CEO

da Empreenda Revista, estar ali já era incrível, o que ela

não esperava é que fosse dividir a bancada com Alê Costa.

“Fiquei emocionada em estar ao lado de uma pessoa

que tanto admiro, eu vendi catálogo com bombons da

Cacau Show quando tinha 17 anos para complementar

minha renda de estagiária, além disso, sou fã da

empresa, da cultura e de como o Alê constrói algo tão

grandioso e ao mesmo tempo tão humanizado”.

Cacau Show. Para quem conhece da trajetória da CEO

da Empreenda Revista, sabe que ela vendeu seu carro

para poder contratar um grande palestrante nacional

em 2017, Max Gehringer, o detalhe que a venda do carro

só pagou 50% do valor do palestrante, ou seja, o risco

de dar errado era imenso, porém a empreendedora não

desistiu, e como ela mesmo diz, esse evento mudou a

trajetória da Empreenda Revista, as dicas do Max fizeram

com que a revista passasse de circulação municipal

para regional, foi o primeiro passo para que a Empreenda

pudesse avançar pelo Brasil.

Após o programa, pessoas de diversas partes do mundo

entraram em contato com a redação da revista, através

de suas redes sociais, e-mails e telefone. “Fui ao programa

para poder contar um pouco dos desafios e amores

de empreender, falei tudo o que tenho vivido ao longo

desses três últimos anos e fico feliz em poder colaborar

com outras pessoas que, assim como eu, têm esse desejo

ardente de transformação, saí de lá em estado de

euforia, demorei para entender tudo o que havia acontecido

naquele estúdio”.

Até o momento milhares de pessoas

já assistiram o programa através do

YouTube no canal Pânico Jovem Pan,

você poderá ver na integra essa entrevista

através do QRCode ao lado.

Juntos na bancada, Elaine contou como começou sua

trajetória e o que ainda mais deseja fazer para levar a

Empreenda Revista para todos os cantos desse planeta,

segundo ela, onde tem brasileiro empreendendo, terá

Empreenda Revista. Um segundo momento marcante no

estúdio e que para a empreendedora foi difícil conter a

emoção, foi quando o CEO da Cacau Show, disse que seria

mais um assinante da revista e que ela já tinha dado

certo. Juntos, eles anunciaram que o Alê Costa será uma

das capas da Empreenda Revista para o ano de 2020. O

CEO da Cacau Show aproveitou a ocasião e se colocou à

disposição para ser um dos palestrantes do Empreenda

Summit ABC 2020, que acontecerá no mês de abril.

Emilio Surita, líder do programa, enfatizou o valor desse

presente, uma vez que Alê Costa têm uma agenda

intensa e suas palestras são revertidas para o Instituto


14

GESTÃO E NEGÓCIOS

JOÃO APPOLINARIO LANÇA PLATAFORMA

AIRA XR E ANUNCIA SOCIEDADE COM A

FLEX INTERATIVA

A Flex Interativa, empresa pioneira em experiências

digitais no Brasil, lança uma plataforma inovadora no

mercado: Aira XR. A Aira é a combinação entre Realidade

Aumentada, Inteligência Artificial, Amazing Content e

dados analíticos.

Tem a capacidade de fazer a sua marca conversar com

o cliente final, seja através de um produto ou tirando

dúvidas sobre serviços.

A plataforma está integrada ao IBM Watson. A primeira

empresa a utilizar a Aira XR é a Polishop através do produto

Shine Therapy.

Dessa maneira,

será possível fazer

várias perguntas

sobre o produto

e a Poliana, assistente

virtual da

Polishop projetada

em realidade aumentada,

vai tirar

as suas dúvidas

sobre o modo de

utilizar o produto,

especificações técnicas

etc.

No caso, se a Poliana

não souber

responder, a sua

pergunta fica armazenada

no painel

de controle e

poderá ser respondida

em tempo

real pelo gestor da

campanha.

“A ideia é aplicar esta tecnologia em vários produtos

da Polishop”.

“A Flex Interativa trouxe para a Polishop uma tecnologia

inovadora, que ao mesmo tempo ensina as pessoas

a utilizarem os nossos produtos como também

poderá desafogar o nosso call center”.


15

Para Fernando Godoy e Marcelo Rodino, sócios da Flex

Interativa, o objetivo desta plataforma foi humanizar a

inteligência artificial dando vida às personagens virtuais

de forma inédita e principalmente criando um painel de

controle onde qualquer pessoa sem conhecimento técnico

possa criar a campanha do seu produto ou serviço.

Segundo Godoy, não há limites

para a utilização da plataforma,

atendendo o varejo, empresas

de serviços, pesquisas de opinião

em tempo real e apoio ao

departamento de RH em relação

às dúvidas dos colaboradores

são apenas algumas das

aplicações.

Outro ponto importante é a

curadoria, onde os produtos e

temas mais consultados ficam

disponíveis para o gestor.

“As perguntas não respondidas podem ser tratadas em

tempo real. Toda esta interação entre marca e cliente

gera uma série de dados importantes para o gestor entender

as tendências dos clientes, ou seja, quais informações

ou dúvidas os clientes têm a respeito de uma

marca, produto ou serviço”, complementa Rodino.

A Flex Interativa atende clientes como Nestlé, Polishop,

Ipiranga, Henkel, Cervejaria Leuven, Velho

Barreiro e agora quer iniciar a transformação digital da

sua empresa através de tecnologias disruptivas como a

inteligência artificial e a realidade aumentada de forma

simples e objetiva.

Com DNA de inovação, a Flex Interativa atua no mercado

há 18 anos, desenvolvendo projetos inovadores que

unem criatividade e tecnologia por meio de soluções

interativas e imersivas com o uso das realidades virtual,

aumentada, mista, cinema interativo e de projeção

mapeada.

É especialista em soluções digitais

com foco em conteúdo,

estratégia e marketing e acompanhou

as principais transformações

tecnológicas para a

criação de ações customizadas,

com visão 360°, para diversos

setores.

Toda essa expertise, faz com

que a Flex colecione prêmios no

Brasil e nos EUA.

Em 2019, foi selecionada pela

APEX Brasil para a SXSW, a feira

mais importante em inovação do mundo, no Texas, EUA.

No último dia 12, o empresário João Appolinário participou

do coquetel de lançamento da nova ferramenta

Aira XR da Flex Interativa, a garota virtual Poliana, da Polishop,

o evento aconteceu em São Paulo e contou com

a presença de grandes personalidades.

O CEO da Polishop aproveitou a ocasião para anunciar

a sociedade com a Flex Interativa. Assim como o CEO

da Cel Lep, Alexandre Garcia, João Appolinário investiu

meio milhão na empresa. A empresa de tecnologia, atualmente,

possui um valuation de R$ 10 milhões.

GESTÃO E NEGÓCIOS


16

GESTÃO E NEGÓCIOS

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DA REDE

MULHER EMPREENDEDORA TEM

INSCRIÇÕES ABERTAS

RME Acelera oferece acompanhamento e mentorias gratuitas

e equity free de seis meses em São Paulo para donas

de negócios

O RME Acelera, iniciativa da Rede Mulher Empreendedora,

está com inscrições abertas para 2020. Os encontros

acontecem de março a agosto em São Paulo. O programa

existe desde 2018 e já formou duas turmas, totalizando

11 negócios acelerados, entre eles, a Wonder

Size, Flora Fiora, Minha Querida Sapatilha, Fico com a

Cria e Youth Climate Leaders (YCL).

O RME Acelera é gratuito, equity free e oferece também

divulgação de cada negócio selecionado nas plataformas

digitais da rede, metodologia própria focada

nas competências técnicas importantes para mulheres

empreendedoras e acesso à rede alumni exclusiva de

mulheres e negócios acelerados. O programa se encerrará

com um demo day que possibilitará conexões com

investidores.

REQUISITOS E FORMAÇÕES

O perfil buscado é de negócios com, no mínimo, protótipo

desenvolvido/em fase de testes no mercado, com

potencial de impacto em comparação com tecnologias

já disponíveis, que sejam lucrativos e ofereçam soluções

escaláveis, além de mulheres com conhecimento técnico

do projeto, grau de dedicação e complementaridade

da equipe.

Raquel Preto, fundadora da Preto Advogados; Maria

Rita, diretora executiva da Anjos do Brasil e fundadora

do MIA (Mulheres Investidoras Anjo); Renato Valente,

country manager no Brasil do Telefônica Open Future;

Raquel Teixeira, líder do programa EY’s Winning Women;

Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo

do Insper; Luciana Burr, advogada com mais de 20

anos de experiência em bancos de investimento; Sonia

Hess, vice-presidente do grupo Mulheres do Brasil; Junia

Nogueira de Sá, especialista em liderança feminina e

gestão de crise; e Jorge Menegassi, conselheiro e mentor

de entidades do terceiro setor estão na programação.

“O PROGRAMA CONTRIBUIU MUITO PARA A

EVOLUÇÃO DO MODELO, POIS EMPREENDER

PODE SER UMA JORNADA MUITO SOLITÁRIA,

PRINCIPALMENTE SE VOCÊ NÃO TEM TODAS AS

CARTAS DEFINIDAS, COMO É O MEU CASO. ALÉM

DISSO, UM OLHAR DE FORA, AS MENTORIAS IN-

DIVIDUAIS, GERAM QUESTÕES QUE SOZINHA EU

NÃO CONSEGUIRIA ENXERGAR.”, conta Juliana Leonel,

dona da Minha Querida Sapatilha.

OPORTUNIDADES PARA 2020

As inscrições podem ser feitas no site da Rede Mulher

Empreendedora após a leitura do edital até o dia 27 de

janeiro. No dia 13 de março a relação com as mulheres

selecionadas será divulgada.

Cassia Moraes, fundadora da Youth Climate Leadres,

conta que entrou no programa sem saber muito bem

o que seria.

“Hoje eu considero a aceleração como um grande

ganho, pois conseguimos estruturar o YCL

de forma surpreendente e a metodologia foi essencial

para que a gente pensasse em algumas

questões e fizesse mais conexões com pessoas

estratégicas.”

A formação conta com um conselho de executivos que

apoiam o empreendedorismo feminino.

O programa tem previsão de início para o dia 23 do mesmo

mês. Empresas interessadas em mentorias, diagnóstico

dos negócios e conexões com investidores do RME

Acelera, envie um e-mail para contato@rme.net.br.

SERVIÇO RME Acelera tem inscrições abertas

Inscrições pelo link:

https://rme.net.br/rmeacelera/

Comunicação RME

Ingrid Sandrini: ingrid@rme.net.br

Thalyta Martins: thalyta@rme.net.br

Telefone: 11 2619-9190.


17

GESTÃO E NEGÓCIOS


18

GESTÃO E NEGÓCIOS

ANO NOVO OU TUDO DE NOVO?

Fazer um balanço do que realizamos até aqui e o que ficou

pendente são básicos nessa época do ano em todos

os negócios, e se você tem a sensação de que todo ano

é tudo igual, talvez esteja precisando acionar um dispositivo

secreto chamado “clareza”.

O empreendedor cresce quando visualiza de forma clara

o que deseja realizar. Todos nós vivemos num processo

criativo contínuo e muitas vezes ficamos perdidos em

como colocar em ação nossos objetivos. A criatividade

é uma das habilidades mais comuns entre os empreendedores.

Para ser criativo resolutivo (praticamente uma

redundância) neste final de ano e iniciar 2020 com movimento

equilibrado, tenha claro seus próximos desafios:

1. OTIMIZAÇÃO DO TEMPO

Passamos a maior parte do nosso tempo no ambiente

de trabalho, e mesmo assim a sensação que sentimos

é que não temos tempo suficiente para resolvermos e

fazermos tudo o que queremos para o dia. Isso é paradoxal,

mas é a realidade para muitos. Aprender a gerenciar

o tempo quebrando seus velhos hábitos é comportamental:

comece parando de usar a expressão “estou

na correria”.

Isso mesmo, lanço aqui a campanha de que falar assim

está fora de moda e depõe contra sua capacidade

de tomada de decisão, afinal quem decide o estilo de

vida que quer viver? Como você deseja ser reconhecido

como líder? Um líder produtivo ou ocupado: a escolha é

sua, mas o impacto é de todos.

2. ORGANIZAÇÃO PESSOAL

Sim, chegamos ao final de mais um ano e com ele as tão

conhecidas promessas e novos planos, muito comuns

nessa época. Acontece que, se tudo isso não for colocado

em prática, nada acontecerá, além de um ciclo repetitivo

frustrante: “ano novo ou tudo de novo?”

Aprenda a organizar tudo que está lhe impedindo de

avançar:

• Pensamentos

• Coisas

• Dinheiro

• Relações

Chega de bagunça, destrave, desapegue, e considere

dois pilares básicos neste processo: mentalidade correta

e organização pessoal.

3. COMUNICAÇÃO EFICAZ

A comunicação é uma das competências mais importantes

para o ser humano, porém, quando realizada de

forma incorreta ou ineficaz, pode causar desentendimentos

e frustações. No meio empresarial, por exemplo,

problemas de comunicação são um grande mal,

pois podem ocasionar atrasos em projetos, retrabalho,

rotatividade e até prejuízo. O desafio de melhorar a sua

comunicação não termina nunca.

4. PLANEJAMENTO

Planejar envolve basicamente duas atividades: pensar

e agir. O risco de uma decisão diminui, à medida que

se faz uma boa análise daquilo que nos cerca. Assim,

o planejamento, para ser bem feito, deve fazer parte

da agenda de todos no trabalho. Procure fazer planejamentos

simples, visuais, colaborativos e claro flexíveis.

O planejamento só terá sentido se você e sua equipe implementarem

as ações determinadas. Colocar em prática

seus planos e objetivos com método e orientação

para o resultado contínuo será reconhecido como ponto

alto na empresa por todos, de sócios, colaboradores a

clientes.

5. PREPARAR A EMPRESA PARA O PRÓXIMO NÍVEL

Ter clareza de que mudar é preciso ajuda no processo

evolutivo da empresa e assim o empreendedor consegue

compreender melhor o momento atual e com isso

decidir o fazer para otimizar ações que o levará para o

próximo nível do seu negócio.

Por falar mais uma vez em mudança, essa época do ano

é muito comum todos sentirem ansiedade e uma sensação

de estarmos atrasado com o que tínhamos planejado

fazer até aqui, sem contar o clichê de ouvirmos o

tempo todo de que “esse ano voou”!

Nesse caso eu pensei em convidar você empreendedor

para um fazer um “detox” dessa sua bagunça criativa

que está mais causando ansiedade do que ação, aceita?


19

Para isso separei algumas ideias para você desacelerar

sendo produtivo como o líder que todos esperam

ter para se inspirar. Vamos nos basear em 3 pontos de

orientação.

1. PRIMEIRO PONTO DE ORIENTAÇÃO: MENTE

• Escreva, tire tudo da sua cabeça agora mesmo!

Esqueça o fato de você ser orgulhoso da boa memória

que tem ou de ser aquela pessoa que sempre teve tudo

na cabeça: aceite essa ideia como a construção de um

novo hábito que irá lhe trazer benefícios intelectuais e

emocionais. Escreva os próximos compromissos importantes

(de preferência já marque na agenda aniversários,

viagens, reuniões, cursos) do ano todo. Escreva novas

metas pessoais e profissionais.

3. TERCEIRO PONTO DE ORIENTAÇÃO: EMOCIONAL

• Diga Sim!

Sim para cuidar de você, pode ser algo simples como

um tempo para ler duas páginas de um bom livro. Sim

para as pessoas que somam e agregam valor na relação,

como nossos filhos e amigos. Sim para tarefas difíceis

que estão ocupando seu mental e deixando você nervoso

por não eliminar pendências. Diga sim para o que é

relevante, são as coisas que geram resultados em diferentes

áreas da vida.

Você entende que cuidar do emocional não significa só

fazer o que gosta, mas o que precisa ser feito. Neste

caso, incluímos aqui um detox do coração, ou seja, diga

sim ao perdão! Perdoe-se e perdoe o outro! Só assim

estará livre para a próxima fase.

GESTÃO E NEGÓCIOS

• Priorize - Pegue o que foi escrito e defina prioridade!

Coloque o que realmente você precisa parar de procrastinar

em primeiro lugar. Defina prazo, tempo para realizar,

determine o local na agenda e comprometa-se. Está

escrito e priorizado, agora é fazer acontecer!

• Detox de pensamentos negativos e comportamentos

pessimistas.

Toda vez que somos pessimistas acionamos alguns neurotransmissores

como o cortisol que elevam o estresse

e nos deixam mais ansiosos. Identificar esse pensamento

negativo é uma maneira de aprendermos a lidar

com ele, crie estratégias para evitá-los como respiração,

meditação, ouvir música, pedir ajuda, fazer terapia. Importante

é você visualizar uma nova realidade, usando

o poder da mente.

2. SEGUNDO PONTO DE ORIENTAÇÃO: FÍSICO

• Elimine o que não serve mais para você, pensando no

estilo de vida que escolheu viver.

Aqui pode ser tudo aquilo que não é mais necessário,

como roupas, objetos, tipos de alimentos (de preferência

os que sabotam sua dieta saudável) e até lembranças

negativas.

• Organize seu espaço físico, ou seus espaços:

Casa, trabalho, carro, bolsa, carteira e até os arquivos do

computador. Separe suas coisas por categorias. Deixe o

que mais usa em lugares acessíveis. Limpeza e organiza-

ção deixam tudo mais leve, inclusive o seu dia.

• Diga Não!

Diga não para a teimosia, para os padrões negativos

repetidos na sua vida, afinal aprender com o que passou

é sinal de flexibilidade e crescimento. Diga não para

pessoas que são tomadoras (de tempo, de energia, de

tudo). Diga não para preguiça, para o mau humor, para

o egoísmo e principalmente, diga não para o vitimismo.

Levante-se agora

dessa cadeira e comece

a agir independente

da época do ano,

afinal dia 1° é só mais

um dia normal, você

constrói o seu dia ideal

a partir de agora.

Você é responsável

pela vida que deseja ter,

não adianta depois

dizer que

“esse ano passou voando”.

FELIZ LÍDER NOVO!

CHAI CARIONI atua como

Palestrante, Trainer Institucional

e mentora de negócios, apoiando

empreendedores para inovação

e melhoraria de gestão, com

visão estratégica para o empreendedor

desenvolver o Mindset

de Ceo com equilíbrio sem ser

um equilibrista.

Instagram: @chaicarioni_ e

site: www.chaicarioni.com.br


20

GESTÃO E NEGÓCIOS

DISNEY+, A PROVA QUE TODOS PRECISAM INOVAR

Desde que Walt Disney era vivo, sua empresa desenvolveu

técnicas diferenciadas para distribuir seus filmes

e animações. Tais técnicas foram desenvolvidas para

maximizar rentabilidade e alcance de obras primas da

animação, que custaram milhões de Dólares para serem

produzidas. Portanto não é de se admirar que a equipe

de Walt sempre tentava tirar o máximo proveito das

produções que ele desenvolvia com tanta maestria.

Uma das primeiras técnicas utilizadas foi o “Disney

Vault” (Cofre Disney em tradução livre). Lá pela década

de 40, quando uma das únicas maneiras de se apreciar

bons filmes eram as salas de cinema,

a Disney lançava uma animação

para apreciação do público e

depois de algum tempo a retirava

das salas de cinema. Por fim, depois

de anos recolhida no “cofre”,

a empresa relançava essa mesma

animação para apreciação de uma

nova geração de espectadores.

Desta forma um mesmo filme era

lançado inúmeras vezes.

Quem, daqueles que foram crianças

na década de 90, não lembra

das fitas verdes dos filmes da Disney?

Essa foi outra estratégia da

empresa para distribuir suas produções.

Todos os seus filmes clássicos

foram lançados em fita VHS,

não como uma simples fita, mas

como um item de colecionador.

A Disney abordava a necessidade

das famílias de terem a magia Disney

dentro de casa por meio de uma, ou todas, as suas

produções neste formato. A venda destes itens foi um

sucesso absoluto tanto em solo Americano como internacionalmente.

Recentemente a Disney começou a assinar contratos

com serviços de streaming como Netflix e Amazon Prime

Video, no entanto, como já é parte da estratégia da

empresa, ela não deixaria que outros explorassem seus

produtos por muito tempo. Assim como aconteceu com

a hotelaria e com os cruzeiros, a Disney decidiu investir

em uma revolução interna. A empresa decidiu mudar

drasticamente o modo como distribui seu conteúdo,

que cresce absurdamente conforme adquire novos estúdios

como Marvel, Lucas Film e Fox. Surgia assim o

Disney+, o serviço de streaming da gigante do entretenimento.

Por meses a empresa divulgou os novos conteúdos que

seriam produzidos para esta nova plataforma. A comunidade

de fãs da Disney já estava em polvorosa. Por fim,

com um catálogo de filmes invejável, conteúdo exclusivo

para a plataforma e milhões de pessoas literalmente

famintas por esse novo serviço,

em novembro de 2019 foi lançado

o Disney+ nos EUA e mais alguns

países selecionados. O resultado?

10 milhões de assinantes em menos

de um dia, somente nos EUA.

BRUNO GONÇALVES

Especialista em metodologia

Disney @uau.business

Esse resultado estrondoso, de

mais de US$100.000.000 (100 Milhões

de Dólares) em 24 horas, nos

mostra não só o poder construído

pela Disney desde 1.923, mas também

a sua capacidade de ser tradicional

sem perder o senso urgente

de inovar. A lição clara de todas as

estratégias já desenvolvidas pela

empresa do Mickey para distribuir

seu conteúdo é a necessidade de

nos adaptarmos aos tempos que

vivemos. Vivemos em uma nova

era, a era da experiência, a era da

inovação.

A Disney não decidiu e nem definiu o tempo em que ela

se encontra, mas teve a capacidade de inovar

para ser a melhor deste tempo.

E nós? Como reagiremos a

este novo mundo?


21

GESTÃO E NEGÓCIOS


22

VENDAS

DESENVOLVE SP APRESENTA O

MAPA DA ECONOMIA PAULISTA

O estudo, inédito, mapeou as potencialidades, oportunidades

e desafios relacionados à atividade econômica do

Estado.

A Desenvolve SP - O Banco do Empreendedor, instituição

financeira do Governo de São Paulo, presenteia

empresários, gestores públicos, estudantes e a sociedade

paulista como um todo, com a divulgação de um

estudo, inédito, sobre as características econômicas de

cada uma das 16 Regiões Administrativas (RAs) do Estado.

O objetivo do mapa é possibilitar que o público

conheça ainda mais as características específicas da sua

respectiva região e, dessa forma, possa utilizá-las entre

outras aspectos para empreender de forma mais assertiva

e planejada. Encomendado à Fundação Seade, instituição

que é referência na produção de estatísticas socioeconômicas

e demográficas, o estudo identificou as

potencialidades, desafios e oportunidades das 16 RAs e,

agora, a Desenvolve SP disponibiliza essas informações

para mostrar São Paulo sob uma nova perspectiva.

Para realizar a análise dos setores estratégicos foram

considerados indicadores importantes ligados à Competitividade

Regional (geração de empregos), ao Porte das

Empresas Locais (por empregados), ao Dinamismo (faturamento

das empresas) e ao Índice Paulista de Responsabilidade

Social (IPRS). Anúncios de investimentos produtivos

divulgados na imprensa também fizeram parte

do estudo e ajudaram a apontar tendências setoriais e

regionais da economia paulista.

Como já era esperado, um dos principais pontos revelados

pelo estudo são como os avanços da tecnologia têm

impactado o setor produtivo. “Ao mapear os segmentos

da indústria mais estratégicos para o estado, passando

pelos mais tradicionais até aos mais dinâmicos, tornou-

-se evidente a importância da inovação no desenvolvimento

econômico e social das Regiões Administrativas”,

diz Nelson de Souza, presidente da Desenvolve SP.

A RELAÇÃO DIRETA ENTRE INVESTIMENTOS EM INOVAÇÃO E DE-

SENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PÔDE SER PERCEBIDA NAS

RAS DE ARAÇATUBA, BAURU, CAMPINAS, CENTRAL, MARÍLIA, RI-

BEIRÃO PRETO, SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SÃO JOSÉ DO RIO PRE-

TO, SOROCABA, E REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. SÃO

REGIÕES QUE APRESENTAM SETORES COM ALTA INTENSIDADE

NO USO DE TECNOLOGIAS LIGADAS À AGRICULTURA DE PRECI-

SÃO; NA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS, ÓPTICOS E

DE AUTOMAÇÃO; NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES E NOS

SEGMENTOS AERONÁUTICOS E DE TECNOLOGIA DA INFORMA-

ÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC).

“NÃO É À TOA QUE ESTAS REGIÕES, JÁ CONHECIDAS POR ABRI-

GAR POLOS TECNOLÓGICOS E CENTROS DE PESQUISA DE REFE-

RÊNCIA NO PAÍS, APRESENTEM TAMBÉM INDICADORES SOCIAIS

MAIS ELEVADOS, COMO MAIOR TAXA DE ESCOLARIDADE, EMPRE-

GOS E CIRCULAÇÃO DE RENDA”, PONTUA NELSON DE SOUZA.

JÁ AS RAS DE BARRETOS, FRANCA, ITAPEVA, PRESIDENTE PRU-

DENTE, REGISTRO E SANTOS - QUE INVESTEM POUCO OU QUASE

NADA EM TECNOLOGIA - APRESENTAM MENOR ÍNDICE DE DE-

SENVOLVIMENTO E POUCA DIVERSIFICAÇÃO INDUSTRIAL, BASE-

ANDO A ATIVIDADE ECONÔMICA APENAS EM COMMODITIES. HÁ

TAMBÉM FATORES DE LOCALIZAÇÃO.

“REGISTRO, POR EXEMPLO, QUE ABRIGA A MAIOR PARTE DA

MATA ATLÂNTICA BRASILEIRA, POSSUI BOA PARTE DE SEU TERRI-

TÓRIO SOB PROTEÇÃO AMBIENTAL. NESTE CASO, OBVIAMENTE,

A ECONOMIA LOCAL NÃO É BASEADA NA INDÚSTRIA, MAS SIM

NO SEU POTENCIAL LIGADO AO TURISMO ECOLÓGICO E À PRO-

DUÇÃO ORGÂNICA”, DIZ O EXECUTIVO.

Polos de Desenvolvimento

Dentro das 16 Regiões Administrativas mapeadas pelo

estudo é possível identificar os 12 “Polos de Desenvolvimento”

- programa do Governo paulista que impulsiona

a competitividade e a produtividade de setores já instalados

de forma aglomerada no território. Cada RA pode

conter um, ou mais, polos do programa.

De olho nos próximos anos

Ainda segundo Nelson de Souza, o Mapa da Economia

Paulista vai pautar a instituição financeira na definição

de estratégias para impulsionar a indústria paulista nos

próximos anos. “Por sermos o Banco do Empreendedor,

estamos sempre atentos às necessidades das micro, pequenas

e médias empresas. Nossa intenção é usar as

informações obtidas pelo estudo, como base para criar

produtos e iniciativas que incentivem cada vez mais o desenvolvimento

planejado da economia estadual”, diz.

O estudo, disponibilizado na íntegra no site http://www.

mapadaeconomiapaulista.com.br, utilizou a seguinte

metodologia:

• Para a seleção de setores: Indicadores de Localização e

Especialização por Regiões Administrativas (RAs);

• Para a avaliação de setores: Competitividade (geração

de empregos), Porte das Empresas e Dinamismo (faturamento

real);

• Análise SWOT: Demografia; IPRS; Estrutura Dinâmica e

Econômica; Capital Humano;

NOTAS TÉCNICAS

Para a realização do trabalho, foram selecionados alguns

setores considerados competitivos e dinâmicos.

• Setores competitivos: aqueles que possuem concentração

de emprego maior que a média estadual e elevado

grau de especialização para a região;

• Setores dinâmicos: aqueles que apresentaram crescimento

relevante do faturamento real entre 2010 e 2017.


23

COMO FAZER UMA GESTÃO ESTRATÉGICA

DE SUA CARTEIRA DE CLIENTES

Provavelmente você já deve ter ouvido a frase: “Custa

menos vender para quem já é cliente”, não é verdade?

Jamais deixe de olhar para sua carteira de clientes, isso

seria um grande tiro no pé! Conquistar um novo cliente

é sempre mais caro que vender para quem já é de casa!

Mesmo ciente disso, muitas empresas focam suas energias

em atrair os novos e por vezes não se preocupam

em estimular os clientes que já estão consumindo seus

produtos e serviços para que comprem mais.

Aqui gostaria de compartilha uma estratégia simples,

porém muito eficiente que tem dado certo em diversas

empresas que temos orientado.

SEPARE EM GRUPOS A SUA CARTEIRA DE CLIENTES!

Ativos: são os clientes que compram com certa frequência,

por exemplo, a cada mês. Caso você tenha um

modelo de negócio recorrente, considere também verificar

a mensalidade cobrada. Analise ainda qual tem

sido sua estratégia para manter estes clientes pagando

mensalmente?

A partir daí, pense numa forma de “blindar” seus clientes

da concorrência e mantê-los fiéis a você. Busque

alternativas que fortaleçam essa relação de consumo

e de fidelidade e que os impeça de procurar por outra

empresa.

No Funil de Vendas temos dentro de nossa estrutura de

vendas, uma área de sucesso do cliente. É composta por

profissionais que acompanham a evolução de nossos

usuários durante dois meses e após este período colhem

frequentemente feedbacks, enviam materiais de

apoio, realizam pesquisas de satisfação e claro, identificam

novas oportunidades para nossa área educacional.

Tendo certeza de seu sucesso, eles se sentem muito

mais confortáveis em comprar nossa consultoria, treinamento

aberto ou inCompany.

pode desenhar uma estratégia visando o cross selling,

ofertando um novo serviço que complemente o que ele

já adquiriu de você. O simples fato de você ligar para

verificar se está tudo bem, se o cliente está obtendo resultados

com o que comprou ou se precisa de alguma

ajuda, já são formas de manter o bom relacionamento e

preparando-o a uma nova oferta.

INATIVOS: O nome já indica o status deste cliente. É

aquele que nunca mais comprou de você. É neste momento

que muitas empresas viram as costas para uma

fonte de oportunidades e simplesmente não fazem mais

nenhuma ação para recuperar o cliente que tanto batalhou

para conseguir. Em muitos casos não há sequer

uma ligação da equipe de vendas ou marketing para

conhecer o motivo de não comprar mais. Alguns agem

assim como uma espécie de receio de ouvir “bronca”,

possivelmente isso nem exista.

Em várias situações em que orientamos nossos clientes

a ligarem para sua base de inativos e identificar por que

não estão comprando, ouviram respostas desse tipo:

“Não sei, o produto é bom sim, acho que é

porque nunca mais ninguém nos ligou

perguntando se estávamos precisando.”

Quase como mágica, de imediato, havia a recuperação

do cliente!

Perceba agora como é importante você olhar para dentro

de casa, arrumar os cômodos e fazer sua lição de

forma estratégica. Agir apenas com queixas de que não

têm prospects para trabalhar quando você tem uma

carteira invejável de clientes, incluindo aí os inativos, é

reclamar de barriga cheia. Portanto, busque estratégias

para reativar a sua base de clientes, incentive sua equipe

de vendas e de marketing para trabalharem juntas

criando campanhas específicas para este público.

VENDAS

Pré-Inativos: são clientes que estão fora do período de

frequência de compra padrão se comparada aos clientes

ativos. Por exemplo, o pré-inativo está há mais de 40

dias sem comprar. Geralmente apresentam com uma

certa sutileza indícios de que poderiam estar migrando

para um concorrente. Por isto é importante trabalhar

para mantê-los na base.

Então questione-se: O que você está fazendo para

não deixar este cliente ir embora ou deixar de usar

o seu serviço?

Após mapear este grupo de clientes em sua base, você

Podemos garantir, o CAC (custo de aquisição do

cliente) será muito menor do que conquistar um

novo cliente.

Agora que já trabalhou com todas as oportunidades

que estão dentro de casa, siga para novas ações!

www.funildevendas.com.br

THIAGO PIRINELLI

Sócio Fundador

do Funil de Vendas


24

EVENTO

6º EDIÇÃO DO CASE 2019

REUNIU MAIS DE 12 MIL PESSOAS E APRESENTOU

NOVIDADES SOBRE O ECOSSISTEMA BRASILEIRO

Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo

aconteceu entre 28 e 29 de novembro em São Paulo

Pelo sexto ano consecutivo, a Associação Brasileira de

Startups (Abstartups), entidade que representa o ecossistema

brasileiro de startups, realizou, durante os dias

29 e 30 de novembro, a Conferência Anual de Startups

e Empreendedorismo, maior evento latino-americano

voltado para startups e reuniu mais de 12 mil pessoas.

Ao todo, foram oito espaços de conteúdo com mais de

135 palestras no total que falaram sobre os mais variados

temas relacionados a startups e empreendedorismo.

Além disso, os participantes puderam participar de três

trilhas separadas por área de conhecimento: hipsters,

que reunia criativos e designers; os hackers, responsáveis

pelo desenvolvimento de soluções tecnologias; e

por fim, os hustlers, com os especialistas em marketing

e vendas.

O palco principal contou com a presença do representantes

do iFood, Stone, 99, Darwin Startups, Google for

Startups, SemRush, RD Station, Reserva, Maya Capital,

Cubo, Nubank, entre outros palestrantes, que levantaram

temas como “Como chamar atenção das aceleradoras”,

“Como construir uma startups com diversidade

e inclusão”, “Captação de recursos e Aquisição de Empresas”,

entre outros temas.

de inteligência artificial de Goiânia, adquirindo o software

capaz de coletar dados públicos. “Estamos comprando

a tecnologia da empresa para deixar nossos robôs

de pesquisa mais assertivos”, afirma o executivo.

Satisfeito com o resultado, o presidente da Abstartups,

Amure Pinho, comentou no fechamento do evento:

“Mais forte do que

nunca, o CASE conseguiu

reunir grandes

nomes do cenário de

inovação e empreendedorismo

nacional e

internacional, conectando

ideias e pessoas

com muito conteúdo

relevante e importante

para a consolidação

do ecossistema nacional.

O tamanho e a

qualidade do público,

dos expositores e palestrantes

provam que

estamos no caminho

certo”.

SOBRE

No primeiro dia, o Co-fundador do Wikipedia, Jimmy Wales,

destacou a importância de falhar para a construção

de seu negócio de sucesso e as tentativas frustradas

que teve na criação e desenvolvimento de seu primeiro

produto de sucesso, lançando também uma nova plataforma

de informações, o WikiTribune, sem propaganda

e de atuação multinacional, já livre para acesso mundo

a fora.

Representando o Comitê Corporate da Abstartups, a Accenture

lançou um playbook com alguns insights sobre

as maiores empresas têm conduzido o relacionamento

com startups. Já a startup catarinense Exact Sales, especializada

em um software que ajuda vendedores a prospectar

novos clientes, comprou a Resultys, uma startup

Fundada em 2011, a Associação Brasileira de

Startups (Abstartups) é uma entidade sem

fins lucrativos, que possui cerca de 12 mil

startups em sua base de dados e tem como

missão promover o ecossistema brasileiro

de startups nacionalmente e internacionalmente,

fornecendo informações de mercado

e ativando os agentes relevantes para aumentar

a competitividade das startups brasileiras.


25

COMPORTAMENTO

AFINAL, O QUE ELES QUEREM?

Após ministrar várias palestras e cursos, especialmente,

na área de vendas, em 16 países e cinco continentes,

percebi que não importa onde você esteja, e qual é seu

negócio, seu cliente sempre possui alguns comportamentos,

expectativas e carências parecidas. Seja um

cliente em Paris, Bangladesh, Toronto ou em Campina

Grande, todos estão comprando muito mais que produtos.

Entender que seus produtos ou serviços é só um caminho

para atender, preencher ou resolver algo que precisa

ser atendido, preenchido ou resolvido pelo cliente,

é o primeiro passo para vender mais. E descobrir o que

eles estão comprando é o caminho para vender mais,

encantar e reter seus clientes. Afinal, por que tanto esforço

para fazer eles comprarem o que você está vendendo

se você pode vender o que eles já estão comprando,

querendo ou desejando?

VEJAMOS O QUE TODOS OS CLIENTES OU PESSOAS

POSSUEM EM COMUM:

1- Problemas - Me diga como você resolve um grande

problema de um cliente e te direi quanto ganhas. Seja

pessoa física ou jurídica, os clientes perdem horas de

sono pensando nos problemas. Você precisa achar o

cliente que possui o problema certo e posicionar sua

oferta como a solução para esse problema. Mas não se

esqueça de que a venda não acaba quando cliente assina

o pedido, mas quando você resolve o problema dele.

Que problemas você está resolvendo para seus clientes?

Qual é seu cliente ideal? Onde encontrá-lo? E como ele

saberá que você existe?

2- Necessidades - As pessoas podem não ter problemas,

mas todas possuem necessidades. Algumas delas

genéricas (biológicas, segurança, sociais…), outras bem

específicas (autorealização, autoestima, pertencimento…).

Onde há uma necessidade não atendida, há uma

oportunidade de vendas e relacionamento duradouro

com cliente. E quando você foca em necessidades específicas,

a concorrência é menor. Quais necessidades

seu produto ou serviço atende? Seu produto é realmente

necessário? Seu serviço é genérico ou personalizado?

3- Desejos - Enquanto necessidades movem as pessoas,

os desejos movem o planeta. A necessidade faz uma

pessoa querer comer um prato feito. O desejo faz ela

querer uma costela e um petit gateu no Outback. A necessidade

faz uma pessoa precisar beber algum líquido.

O desejo faz ela levantar da cama de madrugada para

tomar coca-cola bem gelada. Desejos fazem o cliente

tirar mais dinheiro do bolso, pois eles vão muito além

das necessidades. Quais desejos você passará a atender

a partir de agora? Seu marketing está posicionado no

nível da necessidade ou do desejo?

4- Traumas e Anseios - Muitos clientes possuem traumas

e anseios que não só lhes tiram o sono, como uma

vida inteira. Se traumas é excesso de passado, anseios

ou ansiedades é excesso de futuro. E por viver muito

no passado, ou na expectativa de um futuro que não

chegou, o cliente deixa de viver e ser feliz agora, nesse

momento, no presente. O maior presente é trazê-lo

para o momento presente. Que seu produto ou serviço

seja esse presente maravilhoso de Natal. Como seu produto

ou serviço pode trazer de volta os clientes para o

momento presente? Como seu produto promove mais

vida e bem estar para as pessoas?

5- Expectativas - Eu sempre ouvi essa frase: “Você quer

se decepcionar? Crie muitas expectativas!”. Pois eu diria

que reside nas altas expectativas uma grande oportunidade

de não só vender mais, como criar uma experiência

inesquecível para o cliente. O maior sinal que você

se tornou uma empresa ou vendedor extraordinário é

quando você não precisa mais se esforçar tanto para

vender. Por quê? Porque tem uma fila de pessoas querendo

comprar de você. E outra com expectativas elevadas

para seu seu cliente. Você tem superado as expectativas

de seus clientes? Como criar uma experiência

extraordinária na vida de seus clientes?

#SEJAEXTRAORDINÁRIO

Marcos Sousa é conferencista internacional,

palestrante, escritor e especialista em vendas, motivação,

comportamento e Programação NeuroLinguística

(PNL). Diretor da Superação Treinamentos e

Consultoria. Graduado em Engenharia Elétrica pela

UFPb e MBA em marketing pela FGV. Trainer e Master

em PNL. Referência internacional no mercado de segurança,

tendo ministrado palestras em 12 países em

4 continentes. Considerado também uma referência

em NeuroVendas, já realizou mais de 1000 palestras e

treinou mais de 50.000 pessoas nos últimos 15 anos.

@palestrantemarcossousa www.marcossousa.com.br


26

COMPORTAMENTO

EMPREENDEDORISMO FEMININO:

A IMPORTÂNCIA DA REPRESENTATIVIDADE

EM NOSSO ECOSSISTEMA

Como falar em Inovação, Inclusão, Transformação ou

Disrupção, sem antes compreender o básico da diversidade

e da inclusão das minorias em nosso ecossistema?

Ou até mesmo, como compreender um todo sem ouvir

e respeitar visões diferentes?

Durante muito tempo, fazer negócios e tomar decisões

foram única e exclusivamente: coisas de homem, sendo

que crescemos ouvindo que deveríamos nos comportar

como homens, quando a ideia era ser forte, destemido,

decidido e outros adjetivos altamente marcantes. O

que pouco se refletia em tempos antigos e muito tem

se questionado na atualidade, o que vem cada vez mais

elucidando a importância da representatividade e atuação

feminina em nosso ecossistema é o simples fato de

todos nós, sem exceção, recebermos em nossa primeira

idade os cuidados de uma mulher, seja qual título ela

tenha em nossa construção enquanto seres humanos,

sem elas não estaríamos aqui.

Refletir sobre as ações realizadas por elas em um ecossistema

que cresce exponencialmente, a atuação das

mesmas, sua maneira peculiar de fazer negócios, além

dos coletivos formando ambientes envoltos a sororidade

e olhar covalente, no qual sabemos que, olhar na

mesma direção gera a força motriz que as faz ir além do

que podem imaginar serem capazes de realizar.

A capacidade de execução das mulheres, a profundidade

do preparo e o pleno conhecimento da dor a qual

pretendem solucionar, estão comprovados na pesquisa

do The Boston Consulting Group (BCG) de 2018, onde

diz que as startups fundadas por mulheres geraram U$

0,78 (dólar) para cada dólar investido, enquanto as fundadas

por homens menos da metade, U$ 0,31 (dólar).

Além de tudo, os desafios que enfrentam ao empreender

as deixam mais talhadas para viver e vencer as dificuldades

inerentes ao dia a dia do empreendedorismo.

Dentre todas as características que observamos, uma

tem sido em minha caminhada a mais importante,

aquela que não deixa dúvidas mesmo a olhos nus: somos

humanos, pertencentes a uma mesma raça e em

constante evolução, evolução essa que tem como objetivo

validar e valorar nosso maior tesouro: O capital

humano.

Quem melhor que uma mulher, que gera a vida para

possuir tal olhar? Um olhar que compreende um choro

sem que ao menos uma palavra seja dita?

Se sairmos de fato da caixa, buscando números que nos

tragam a discrepância na atuação entre homens e mulheres

no mercado de trabalho, veremos números como

os que foram divulgados em Agosto desse ano, no rela-


27

tório 100 Super Founders do Distrito, em que são 98%

dos founders homens para apenas 2 % mulheres, um

número alarmante, em aparecem apenas Cristina Junqueira

da Nubank e Karin Thies da Geru. Números que

fogem totalmente as premissas em que se encontra

nossa economia que de fato, devemos ao invés de chama-la

de Nova Economia, compreender que se trata da

4ª Revolução Industrial ou, Economia Digital em que o

centro de tudo deixa de ser apenas os processos e tem

como foco as pessoas, destacando de maneira massiva

a UX.

A querida Dani Junco, Founder da B2Mommy, em seu

artigo no Linkedin comenta que estamos na quarta revolução,

uma economia onde os maiores unicórnios do

país tem em seu modelo de negócio as premissas de:

comunidade, colaboração e compartilhamento, enfatizando

o quanto tais conceitos estão presentes na essência

feminina, afirmação validada quando pensamos

em nossa ancestralidade e como a raça humana se desenvolveu

no decorrer dos séculos.

E para os céticos, que não compreendem a representatividade

delas em nosso ecossistema, vamos aos dados,

uma vez que sabemos que números dificilmente

mentem:

• O número de lares brasileiros

chefiados por mulheres

passou de 23% para 40%

entre 1995 e 2015, segundo

a pesquisa Retrato das

Desigualdades de Gênero

e Raça, divulgada

em março de 2017 pelo

Ipea;

• Há 5,5 milhões de

crianças brasileiras

sem o nome do pai na

certidão de nascimento,

segundo dados do

Conselho Nacional

de Justiça (CNJ);

• Entre 2005 e 2015, o número de famílias compostas por

mães solo subiu de 10,5 milhões para 11,6 milhões, segundo

dados do IBGE divulgados em 2017;

Ainda restam dúvidas da enorme quantidade de mulheres

que são responsáveis por seus lares e movem nossa

economia dia após dia? Ou até mesmo sobre como nossos

olhares podem ser diferentes e complementares?

Certa vez, em uma banca fui surpreendido por um belo

projeto que atendia tal público, o business era organizar

a lista de “chás de bebê” e o erro era: simplesmente

não existia mulher na equipe. Minha primeira reação foi

pedir para que corrigissem tal erro e quem sabe, em algum

outro momento eu pensaria em avaliá-los.

Gênero não é e nunca deverá ser régua para se medir

competência, a capacidade de aprendizagem do ser

humano é desenvolvida e ocorre independente de tal

detalhe, aprendemos enquanto raça humana e não enquanto

homens ou mulheres, de maneira distinta.

Quando falo de Pitch ideal, os primeiros requisitos consistem

em conhecer uma dor para possuir autoridade

para curá-la, diante disso é impossível continuar insistindo

em uma velha economia com base em uma sociedade

que busca desenvolver-se em um modelo patriarcal

em que tentam calar a voz das mulheres as colocando

enquanto sexo frágil. Vale ressaltar que uma mulher

não apenas possui em seu corpo habilidades que a permitem

formar uma vida, como também gloriosa missão

de nos trazer ao mundo e ter em si, nosso som mais

belo e inicial, as batidas de nossos corações.

Sejam Luizas, Danis, Marias, Julias, Helenas, Roses,

Camilas ou qualquer outro nome que carreguem,

devemos cada vez mais ouví-las, não tentando

de modo algum interromper suas falas,

dando espaço para que suas atuações em nosso

ecossistema seja cada vez mais constantes e

sua representatividade cada vez mais presente.

Posso garantir que não há nenhuma certeza

maior em nosso universo, do que a decisão e

certeza de uma mulher que sabe exatamente o

que deseja realizar.

COMPORTAMENTO

Que juntos possamos lutar pela diversidade em nosso

ecossistema, buscando construir equipes que sejam

pautadas na verdade e na valorização do capital humano,

considerando suas particularidades e diferenças,

para que assim tenhamos sempre o desenvolvimento

pleno de nosso bem mais importante:

O CAPITAL HUMANO.

FERNANDO SEABRA,

especialista em negócios, inovação

e startups; é Líder do GRI - Grupo de

Relacionamento com Investidores

do DEMPI e Acelera FIESP. Mentor no

Programa Reality Show de Startups

da TV brasileira.


28

MATÉRIA DE CAPA


29

A MULHER DE NEGÓCIOS

DA NOVA GERAÇÃO

Camila Farani é uma das maiores empreendedoras do

Brasil, tida para muitas mulheres empreendedoras

como fonte de inspiração. De uma família de classe

média, aos 14 anos ingressou em um colégio militar,

passando em terceiro lugar.

Ela foi estudar nesse colégio não porque queria seguir

carreira militar, mas sim porque naquele momento

sua mãe não poderia pagar uma outra escola. Vinda

de uma família e mulheres fortes, Camila teve em sua

mãe um grande exemplo empreendedor, aos 16 anos

ela ingressou para trabalhar no negócio da família.

MATÉRIA DE CAPA

Muito inquieta e sempre atenta ao que estava acontecendo

no mercado, Camila conseguiu melhorar o

faturamento do negócio com suas ideias e capacidade

de executá-las. Isso fez com que fosse recompensada

pela mãe, com um percentual sobre as vendas. Essa

foi uma das primeiras grandes lições que Camila viria

a aprender, a GRATIDÃO. Ser grato, faz toda a diferença

dentro de um negócio.

Aos 20 anos, ela descobriu que tinha algo que poderia

fazer muito sentido em outros negócios e aos 26 anos

já era dona de 4 negócios. Como todo empreendedor,

Camila também errou, e aprendeu muito com seus erros.

O que nunca faltou para a empreendedora foi a busca

por melhores soluções e aprendizados. A dedicação

e foco em seus negócios, fez com que Camila fosse

convidada por um grande amigo a conhecer um movimento

de investimento anjo.

“Desde muito cedo

conduzi minha mente

a apostar no risco e

continuo apostando”


30

MATÉRIA DE CAPA

TRAGETÓRIA DE SUCESSO

Com uma trajetória rica em aprendizado, são 18 anos

criando negócios, empreendedora serial, ela enfatiza

que todo investidor precisa ser um empreendedor. Seu

mais recente negócio criado é a INNOVATY (Educação),

que tem como objetivo transformar e potencializar o

espírito empreendedor, uma empresa de palestras

que está evoluindo para inteligência artificial, um grande

celeiro de conteúdo e de base de dados de micro e

pequenos empreendedores. Outra empresa fundada

recentemente pela empreendedora é a G2Capital, uma

boutique de investimentos, onde Camila atua com mais

dois sócios. Camila se considera uma grande empreendedora

da própria vida, muito cedo, ela entendeu que

seria importante pivotar muitas vezes, para continuar

crescendo.

O INÍCIO DE UMA MISSÃO

Geraldo Neto, é empreendedor e investidor,

ele conheceu Camila quando ela tinha 21 anos

e logo percebeu que ela era muito talentosa

além de ter um grande espírito empreendedor,

segundo ele, ali tinha uma menina jovem,

muito curiosa e bastante interessada

em aprender.

Geraldo começou a convidar Camila para algumas

reuniões, ele sempre foi muito ligado

a causa empreendedora, através de associações

comerciais. Ao começar o movimento de

investimento, ele estava incomodado pelo fato

de não haver mulheres no grupo. Ao surgir uma

empreendedora que possuía um produto feminino,

eles se interessaram, mas não entendiam muito do

segmento, Geraldo não pensou duas vezes e convidou

Camila para participar da reunião, ela nem imaginava

qual era a sua real intenção. Ao fim da reunião, ele fez

o convite para que ela pudesse participar do Gávea Angels,

Camila ficou surpresa, apreensiva, mas aceitou.

Era o início de algo que daria a Camila a chance de poder

colaborar muito com outros negócios, inclusive em

capacitar os novos empreendedores tendo como base

tudo o que ela vivenciava em seu dia-a-dia. Nascia ali

uma das maiores investidoras anjo do Brasil. Ao começar

seu trabalho como membro no Gávea Angels,

Camila teve a chance de participar desse movimento

associativista ligado ao investimento anjo, ela foi se preparando

e com o tempo passou a assumir a presidência

do GA, onde realizou um trabalho incrível, aumentando

o número de membros, expandindo o GA para outros

estados do Brasil, até criar junto com duas grandes

empreendedoras, Ana Fontes (Rede Mulher Empreendedora)

e Maria Rita Spina Bueno (anjos do Brasil) o

MIA - Mulher Investidora Anjo, com o foco de capacitar

mulheres para que elas possam investir em negócios de

alto impacto liderados por outras mulheres.

2001

2005

2010

2011

2012

2013

2014

2016

2018

2019

• AOS 21 ANOS, CAMILA SE TORNA SÓCIA DE SUA MÃE,

NO NEGÓCIO DA FAMÍLIA.

CAMILA ACUMULA 4 NEGÓCIOS PRÓPRIOS

NO SEGMENTO DE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL.

• DIRETORA DO GRUPO MUNDO VERDE

• EMBAIXADORA DA REDE MULHER EMPREEN-

DEDORA

• MEMBRA DO GÁVEA ANGELS, UM DOS PRI-

MEIROS GRUPOS DE INVESTIMENTO ANJO DO

BRASIL

• CO-FUNDADORA DA LAB22, BOUTIQUE DE

STARTUPS DO RIO DE JANEIRO

• FUNDADORA DO GRUPO BOXX

• VENCEDORA DO PRÊMIO BARÃO DE MAUÁ

– JOVEM EMPRESÁRIA, PELA ASSOCIAÇÃO

COMERCIAL DO RIO DE JANEIRO

• CO-FUNDADORA DO MIA – MULHERES

INVESTIDORAS ANJO, PIONEIRO GRUPO DE

MULHERES INVESTIDORAS ANJO DO PAÍS

• UMA DAS TRÊS FINALISTAS DO PRÊMIO REVIS-

TA CLAUDIA MULHER DE NEGÓCIOS 2014

• VENCEDORA DO PRÊMIO “MELHOR INVESTI-

DOR ANJO” NO STARTUP AWARDS

• PRESIDENTE DO GÁVEA ANGELS, UM DOS

PRIMEIROS GRUPOS DE INVESTIMENTO ANJO

DO BRASIL

• SÓCIA FUNDADORA DA G2CAPITAL, BUTIQUE

DE INVESTIMENTO ANJO

• VENCEDORA DO PRÊMIO “MELHOR INVESTI-

DOR ANJO” NO STARTUP AWARDS

• EMBAIXADORA DO FACEBOOK

• EMBAIXADORA BABSON COLLEGE - MIAMI

• ELEITA PELO LINKEDIN COMO UMA DAS

INFLUENCERS BRASIL NO TOP VOICES


31

CAMILA FARANI POR CAMILA FARANI

“Ser investidora me tornou uma

empreendedora melhor. Ao ter de

analisar o negócio de outra pessoa, é

preciso saber sobre premissas, indicadores,

documentação etc.

É um novo tipo de conhecimento”

Camila Farani

MATÉRIA DE CAPA

Que Camila Farani é uma mega empreendedora e uma

das maiores investidoras desse país ninguém tem dúvida,

agora como é Camila Farani mulher? Ela abriu o jogo

para nós aqui na Empreenda, e vamos compartilhar isso

com vocês!

Camila em família...

Uma pessoa extremamente preocupada com sua família,

ela não abre mão de tê-los por perto.

Entre os amigos...

Com seus amigos, Camila é uma pessoa muito descontraída

e sempre disposta a ajudar.

Rotina...

Para Camila, rotina não é algo ruim, é algo processual,

mesmo passando grande parte do seu tempo viajando,

ela costuma manter uma rotina em acordar cedo, fazer

meditação, ter seu momento pessoal para que possa fazer

exercícios e praticar a leitura diária.

Felicidade ...

Felicidade para a Camila é estar em volta de amigos e

familiares que a deixem confortável. Ela termina suas

palestras dizendo que o sucesso é ser feliz, estar próxima

de seus valores é essencial.

Sorrir...

Camila é uma pessoa bem leve acorda superbem, ela é

apaixonada por seu cachorro, Fox, ele a faz sorrir muito.

Momento de descanso ideal...

A Camila adora ir a um SPA, é um lugar que sempre que

pode, procura ir descansar.

Lugar para frequentar...

Falando em lugares que Camila gosta de frequentar,

sem dúvida a praia é um dos seus lugares preferidos,

estar imersa e inserida no ambiente de calma que o

mar proporciona, recarrega suas energias, a empreendedora

também adora frequentar restaurantes.

Investimento na MULHER Camila Farani...

O maior investimento da Camila nela mesmo sem

sombra de dúvida foram seus estudos. Mesmo vivenciando

a prática empreendedora, Camila não abriu

mão de obter a técnica para que pudesse agregar

ainda mais valor em sua trajetória. Além disso, ela

conseguiu construir uma imagem aliada a essa autoridade

tangível tendo um olhar focado na oportunidade,

e no sonho do empreendedor, isso faz

com que ela consiga contribuir muito com todo

o ecossistema empreendedor.

SHARK TANK BRASIL

O pulsar empreendedor, a resiliência, o olhar em

primeiro lugar, Camila sempre busca entender

a dor dos novos empreendedores e investir foi a

forma que ela encontrou para poder alavancar esses

novos negócios. Empreender não é só número,

existe um trabalho que precisa ser impulsionado

até que o resultado apareça. Uma das grandes motivações

para a empreendedora é o poder da realização,

segundo Camila, esse poder vem com a

execução.

Além de ser uma das empreendedoras e investidora

anjo mais admirada do Brasil, Camila Farani

é uma grande amiga. Mesmo para os empreendedores

que passam por suas avaliações e que nem

sempre conquistam o tão sonhado investimento

no primeiro momento, ela acompanha e dá dicas,

foi o caso da Agnes CEO da CatMyPet, que participou

de uma edição do programa Shark Tank Brasil

em 2017, sem sucesso, após dois anos Agnes retorna

ao programa fortalecida, ela aplicou todas as

dicas que recebeu e conquistou o investimento de

mais de R$ 1 milhão.


32

MATÉRIA DE CAPA

“A Camila é uma pessoa incrível, inteligente e principalmente empática

com os empreendedores. Ela quer conhecer o talento e a

motivação por trás dos números e entender a verdade de cada indivíduo.

Acredito que esse talento faz dela essa máquina de fechar

bons negócios. A história dela com a CatMyPet e conosco, não é

de hoje. A conhecemos pessoalmente em 2017, na nossa primeira

participação do Shark Tank, já tínhamos muita simpatia pela

personalidade e durante a gravação do programa vimos que ela

era mesmo tudo aquilo que parecia ser na tv. O mais bacana é

que a preocupação dela, com o crescimento dos empreendedores é

genuína, após a gravação do programa, continuamos mantendo o

contato e alguns meses depois, fomos convidados para participar

de um workshop chamado STARTUP EM VC, ministrado pela Camila

que foi super importante para o nosso crescimento, e para aquele

momento que estávamos vivendo, passamos um fim de semana

inteiro juntos, fizemos um network incrível e tivemos a oportunidade

de conhecer a Farani ainda melhor. Esse ano, 2019, ela passou

também a fazer parte da CatMyPet e do nosso dia-a-dia, depois de

um retorno inédito ao programa Shark Tank, onde juntamente com

João Apollinário, ela investiu 1M de reais e toda a expertise de ambos

para fazer a CatMyPet se tornar a maior empresa de produtos

para gatos do Brasil. Hoje a Camila é muito mais que uma sócia, é

uma entusiasta da CatMyPet e de todo o potencial do nosso negócio,

e nós somos cada vez mais fãs e admiradores dela e da força

para empreendedorismo feminino que ela representa.” – Agnes,

CatMyPet

COMO CHAMAR ATENÇÃO DA MAIOR INVESTIDORA ANJO DO BRASIL?

Empreender - principalmente no Brasil - não é para

amadores. E exige uma junção de dezenas de fatores.

No processo de escalada para se tornar um empreendedor

de sucesso, chega um momento no qual é preciso

buscar dinheiro nas mãos de investidores, e é neste

ponto que muitos projetos acabam morrendo. O momento

do pitch é primordial para que o empreendedor

consiga fazer seu negócio mudar de patamar e finalmente

decolar. Com tanta concorrência no mercado,

repleto de empreendedores e nem tantos investidores,

fazer um bom pitch, ou um “pitch matador” é uma arte,

que exige criatividade, traquejo, conhecimento técnico

e bom senso.

CONFIRA AS 10 DICAS PARA UM PITCH MATADOR,

COMPARTILHADAS POR CAMILA FARANI COM OS

LEITORES DA EMPREENDA REVISTA

Muna-se de números e de métricas

Detalhe o mercado potencial, mostre que você conhece

os players concorrentes. Insira no pitch variáveis relevantes

e recentes como faturamento, base de usuários

e expectativas de crescimento. Tenha noção da métrica

conhecida como TAM - Total Addressable Market, que é

a soma das receitas de todas as empresas do mercado

onde você atua ou pretende atuar. Apresente outros resultados

financeiros relevantes.

MOSTRE UM DIFERENCIAL COMPETITIVO

Tenho certa resistência com empreendedores que chegam

com um discurso decorado, dizendo que seu produto

é único no mercado, que não enxerga concorrentes.

Eu avalio 100 pitches todos os meses e ainda não

encontrei uma vez que isso se sustentasse. Portanto,

conheça seus concorrentes, liste todos eles, diretos ou

indiretos, considere suas particularidades e destaque o

seu diferencial em relação a estes outros players. Detalhe

não somente os pontos fortes do seu negócio, mas

também suas possíveis fragilidades.

PROVE QUE VOCÊ CONSEGUIRÁ OBTER TRAÇÃO

Indique, através de números, como você fará para monetizar

seu negócio. Defina estratégias de crescimento,

mostre o volume de vendas, de usuários que você tem

hoje, qual a meta de crescimento, indique possíveis novos

modelos de receita a explorar, para onde pretende

expandir - e de que maneira. Mostre que você estudou

- e escutou - seu consumidor, que conhece a metodologia

do customer development. Convença o investidor

que você validou as hipóteses e que pretende, antes de

crescer, as transformar em fatos. Tangibilize o que está

dizendo: se houver um produto físico, leve o produto.

NÃO TENTE INVENTAR A RODA

Humildade é característica essencial de um empreendedor,

ainda mais para quem está buscando conquistar a

confiança de um investidor, e disputá-la com milhares

de outros concorrentes. O pitch é para tornar simples

algo complexo, não tente enfeitar. Construa-o baseado

em modelos objetivos, que deram certo para outros empreendedores.

No site www.camilafarani.com.br, é possível

fazer o download de um modelo de pitch em pdf.

CONHEÇA O INVESTIDOR

É importante o investidor conhecer seu empreendedor,

mas a recíproca também é verdadeira. Analise o trackrecord

das pessoas para as quais você vai apresentar seu

case, em quais áreas da economia elas investem, quais

as expertises que acumularam em sua trajetória, quais

suas teses de investimento, entre outros fatores. O


33

maior valor de um aporte é o smart money, são as portas

que ele vai te abrir, o networking que vai possibilitar,

a mentoria e propriedade intelectual que irá te propiciar,

este é o maior legado. Se for apenas o dinheiro,

existem outras formas de se buscar. Tenha um pitch exclusivo

para cada investidor que você for se apresentar.

DEFINA UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO CLARA

O empreendedor não precisa ter todas as respostas

(porque ninguém as tem), mas precisa transparecer

um discurso estratégico e executor, que faça o investidor

confiar que ele vai fazer o que for necessário para

encontrar as referidas respostas. Mostre que você tem

conhecimento do mercado, que sabe para onde quer ir

e que, inclusive, especula sobre quais investidores poderiam

ter interesse em negócios como o seu.

MATÉRIA DE CAPA

MOSTRE QUE VOCÊ IDENTIFICOU UM PROBLEMA NO MERCADO

De maneira breve, detalhe o problema que você conseguiu

identificar. Mostre ao investidor que você conseguiu

responder as 3 perguntas: “qual é o mercado?”

“quem é o público impactado?” e “quão profundo é o

problema?” Mas não somente isso: logo em seguida,

destaque como seu empreendimento tem potencial

para resolver esta dor de forma eficaz e ainda dar

retorno financeiro. Detalhe se a solução que você

oferece para essa dor é realmente relevante e

como isso se transforma em dinheiro.

ESPECIALIZE SEU SPEECH

Compartilho da corrente “Nail it Then

Scale It”, ou seja, entenda seu merca- do,

exauri tudo dele e só depois comece a mo- delar

seu negócio para escalar. O início da operação não é

momento para horizontalizar. É extremamente problemático

abrir demais o leque e tentar abraçar o mundo.

A busca por abranger todos os assuntos diferentes relacionados

ao que você empreende só conseguirá te fazer

não atingir nenhum deles. Prefira verticalizar, ou seja, ir

crescendo dentro de um mesmo segmento de negócios.

VALORIZE A HUMANIDADE EM TODOS OS ASPECTOS

Conheça sua equipe e dê valor ao capital humano,

quem são os sócios, quem está na equipe, quem são os

advisors e porque cada um deles é relevante. A Camila

investidora, quando vai avaliar algum negócio, primeiro

de tudo avalia o empreendedor: quantos anos de

experiência, qual nível de dedicação, que skills

ele traz, se tem competência como executor, se

tem competência comercial, se consegue aliar

estas capacidades técnicas com sua paixão pelo

negócio, ou se ele precisará trazer alguém de fora

para complementar a equipe com estas características

mais técnicas.

SAIBA SE APRESENTAR

Um pitch matador carece de um empreendedor apaixonado,

porém compenetrado. É preciso equilibrar as coisas.

Faça algo que te acalma logo antes de entrar para o

pitch, para se manter estável, independente de qual for

o feedback que você receber. Fale com paixão, pero no

mucho, olhe no olho, seja humilde, domine os números,

tenha o negócio na cabeça, sem incertezas, mas sem arrogância.

Não se julgue o dono da verdade. Não tente se

mostrar demasiadamente preparado porque ninguém

nunca está. Olhe nos olhos sempre de saiba ouvir

“SUA INQUIETUDE VAI

TE LEVAR A

LUGARES ONDE OS

ACOMODADOS

NUNCA ESTARÃO”


34

MATÉRIA DE CAPA

FELICIDADE NO TRABALHO, É POSSÍVEL?

SAIBA SE VOCÊ ESTÁ FAZENDO A COISA CERTA

Bom, se você pensar que uma pessoa normal passa

mais de 1/3 da sua vida no trabalho é fácil entender que

se essa pessoa for infeliz no seu trabalho, ela corre sérios

riscos de ser infeliz na vida. Isso se não estivermos

falando de um empreendedor, pois esse profissional

passa muito mais de 1/3 da vida envolvido com alguma

atividade relacionada ao seu trabalho. O empreendedor

deve ficar ainda mais atendo ao nível de felicidade que

atinge quando exerce sua atividade profissional. Primeiramente

vamos desmitificando a tal FELICIDADE, banalizada

por muitos, mas na grande maioria das vezes por

falta de uma definição correta. Ser feliz no trabalho não

quer dizer acordar radiante, trabalhar sorrindo o tempo

todo, dar bom dia a seres inanimados, achar que tudo

vai acontecer da melhor forma e passar o dia cantando

uma bela canção, não, o nome disso é: drogas! Esse é

um dos maiores erros que as pessoas cometem na definição

de felicidade, confundir felicidade com alegria! Assim

na vida como no trabalho, felicidade não é alegria.

Felicidade é um alto nível de satisfação com a vida, independente

do que acontece e alegria, por sua vez, é uma

emoção positiva muito válida que acontece em momentos

como os de recompensa, ou quando algo que você

desejou se realiza, quando alguém te faz um agrado ou

quando, por exemplo, uma boa venda é concretizada e

da vontade de fazer a “dancinha da vitória”.

Momentos de alegria são ótimos, mas ninguém será alegre

o tempo todo. O mais importante nesse momento

é entender que felicidade é muito diferente de alegria

e que uma pessoa feliz fica triste, quando perde um

ente querido, por exemplo, tanto quanto uma pessoa

infeliz fica alegre quando ganha um iphone 11 de presente,

mas isso não afeta seus níveis, alto ou baixo, de

satisfação com a vida. Considerando que nossa vida tem

algumas prioridades e o trabalho geralmente está entre

elas, tanto pela necessidade quanto pelo tempo que

passamos envolvidos nele, quase que podemos afirmar

que é fundamental que sejamos felizes no trabalho e se

você ainda não se convenceu, talvez esses números te

ajudem:

Pesquisas apontam que trabalhadores felizes são:

• 25% mais eficientes • 47% mais produtivos • 50% mais

motivados • 82% mais satisfeitos • 108% mais engajados

quando se comparados a profissionais infelizes

(fonte: Pesquisadora e coach britânica: Jessyca Pryce Jones, 2010)

Agora que ficou mais fácil entender a necessidade de sermos

felizes no trabalho, podemos te ajudar! Então fique

ligado para que você possa de uma vez por todas ser feliz

ou mais feliz na sua atividade profissional, seja ela qual

for. Trouxemos para você um dos principais motivos que

tornam as pessoas felizes ou infelizes no trabalho, que é:

CONHECER SUAS FORÇAS E VIRTUDES.

Uma pesquisa realizada por Matin Seligman, o pai da

psicologia positiva, onde ele identificou em anos de estudos

e em todas a culturas do mundo, que 24 forças

e 6 virtudes estavam presentes e todas elas ao longo

dos tempos. Assim uma certeza temos, que todos nós

temos algumas dessas forças e virtudes e descobri-las

é fundamental para nossa vida, em especial, a profissional.

Em outras palavras, forças e virtudes é aquilo que

você é realmente bom, como costumamos dizer, “nasceu

pra isso”. Importante ressaltar que todas as forças

e virtudes são boas, porém, quando colocadas no local

correto, no trabalho correto. No mercado de trabalho

esse é um dos problemas que mais acontecem e afetam

tanto o desempenho quanto a produtividade das pessoas,

bem como seus níveis de felicidade, principalmente

ao longo do tempo. Trabalhar com algo que não está

dentro de suas forças e virtudes é um erro quase que

mortal.

Esse erro ocorre por vários motivos como:

- Seleção de RH sem avaliar tal critério.

- Influência direta de outra pessoa.

- Por desejar ser o que o outro é.

- Escolha da profissão por obrigação dos pais ou mesmo

por escolha própria, mas quando se depara com o mercado

de trabalho vê que aquela profissão requer habilidade

que não são para você.

- Ou até mesmo por necessidade de trabalhar e talvez

como não encontrou outro encargo, acaba tentando se

adaptar.

Por isso conhecer suas forças e virtudes são extremamente

importantes para que você aproveite seu potencial

ao máximo, além de obter grandes resultados, eleve

sua satisfação com o que escolheu trabalhar.

Quer saber se você é feliz no trabalho? Faça o teste no

link abaixo:

http://metodosim.com.br/indice-felicidade

Quer descobrir quais são suas forças e virtudes e assim

poder focar toda a sua energia com o que realmente

vai te trazer, além de maiores resultados

e rendimentos, satisfação no

seu trabalho? Envie o e-mail para

contato@rennersilva.com.br

que enviarei para você o teste

desenvolvido por

Martin Seligman.

Consultor, Mestre em Ciência

da Educação e Professor

da PUC MINAS: Ciência da

Felicidade e Bem-Estar


19

MATÉRIA DE CAPA


36

EDUCAÇÃO

8 DICAS DE COMO CRIAR UMA

EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE

VALORES, OBJETIVOS E VISÃO ÚNICA DO

NEGÓCIO SÃO UM GRANDE DESAFIO

PARA GESTORES.

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos.

Esta é a mais importante afirmação quando se fala em

equipe de alta performance. Pode até parecer meio

óbvio dizer isso, mas o desempenho de uma equipe é

tão importante quanto o próprio. Uma equipe de alta

performance pode fazer toda a diferença no sucesso

de uma empresa. O desafio aqui é fazer com que todos

compartilhem os mesmos valores, com objetivos claros

e uma única visão do negócio. Para isso, é necessário

sinergia, que significa trabalho em conjunto. Sinergia é

quando duas ou mais causas produzem um efeito maior

que a soma dos efeitos que produziriam atuando individualmente.

No mundo corporativo, sinergia é a comunicação

coerente, em que os valores individuais (paixão,

disciplina, visão e consciência) se identificam e alinham

com os valores organizacionais, de tal modo que os valores

das diferentes equipes possam se harmonizar entre

si.

E como a gente constrói isso? Para Ivan Correa, Sócio-Diretor

da Posiciona Educação & Desenvolvimento, para

criar uma equipe de alta performance são necessários

os 8 C´s: comunicação, compartilhamento, cooperação,

confiança, comprometimento, conflito, criatividade e

consenso.

1

2

COMUNICAÇÃO - Para evitar mal-entendidos e retrabalho,

a comunicação entre todos os envolvidos precisa

estar alinhada. Existem diversas formas e ferramentas

que auxiliam nesse processo: reuniões semanais, feedbacks,

comunicados internos, status report etc.

COMPARTILHAMENTO - Equipes de alto desempenho

aprendem e aprimoram tudo o que fazem. Os integrantes

se preocupam com o desenvolvimento uns dos outros

e implementam processos compartilhados e métodos

de interação que facilitam o aprendizado e, por fim,

levam a um melhor desempenho.

COOPERAÇÃO - O espírito de equipe é fundamental

3para que a empresa atinja os resultados desejados e

garanta clientes satisfeitos. Por isso, crie e compartilhe

com os funcionários a visão estratégica do negócio,

transformando-a em realidade. Se a empresa deseja ser

vista como inovadora, coloque inovação nos seus atos.

CONFIANÇA - O verbo que define uma equipe de alta

performance é: confiar. Isso porque confiança é a base

4de qualquer grande relacionamento. Quando você acredita

que os membros de sua equipe são competentes

e confiáveis, você pode gastar menos tempo se preocupando

sobre como as coisas serão realizadas e mais

tempo realizando juntos.

COMPROMETIMENTO - O comprometimento de todos

5os membros da equipe é fundamental um com os outros,

com a organização e com seu próprio crescimento

individual. Os líderes podem promover isso garantindo

que todos entendam a importância de seu papel para a

equipe e como seus pontos fortes e habilidades específicas

contribuem para o sucesso da equipe como um todo.

CONFLITO - Um dos pontos fundamentais na Gestão

6de Pessoas é o domínio em lidar com momentos de crise

e conflitos do cotidiano. Fatores internos e externos

podem inevitavelmente desencadear uma instabilidade

dentro de uma empresa. Desta maneira, é trabalho do

líder, amenizar essas turbulências que podem ocasionar

em prejuízos, desenvolver planos criativos para equilibrar

as emoções, persuasão para motivar a equipe mesmo

em momentos de crise e principalmente elaborar

meios para aumentar resultados.

CRIATIVIDADE - O líder também deve ter uma mente

7aberta e disposta a mudanças. Isso porque, muitas vezes,

é preciso inovar e quebrar paradigmas para obter

resultados de alta performance. Ao trilhar caminhos diferentes,

a criatividade e a liberdade de expressão são

favorecidas. Sendo assim, quando o é permitido que os

colaboradores trilhem caminhos pouco usuais, eles podem

encontrar soluções diferenciadas para o negócio.

CONSENSO – Se existe comunicação e compartilhamen-

de informações, começamos a gerar os outros C´s 8to

até chegar em consenso. Conflitos, por exemplo, são

saudáveis quando promovem discussões em time e estimula

debates, o que geralmente resulta em benefícios

para o projeto e para os respectivos membros do time,

chegando a uma única ideia, a um único consenso.

“Sozinho eu vou mais rápido, junto eu vou mais

longe. Esta deve ser a premissa de uma equipe de

alta performance. É preciso adotar uma cultura

colaborativa, onde todos colaboradores mantêm

sua participação ativa dentro da empresa, em um

ambiente de cooperação e colaboração, e nada

disto será possível se não entendermos a importância

do trabalho em equipe”, finaliza Ivan Correa.


37

EDUCAÇÃO

O QUE VOCÊ SABE SOBRE

O MODELO DE STARTUP?

Quero deixar bem claro que não é sinônimo de uma empresa

pequena, ou empresa iniciante que está entrando

no mercado. Eu acredito que elas tenham surgido entre

1996 e 2001, mas não se falava tanto quanto hoje em

dia.

As startups apresentam um modelo de negócio inovador,

que se encontra em estágio de validação de maneira

escalável, ou seja, o modo em que cresce não tem

influência direta e proporcionalmente nos custos da

operação. Para ser considerada uma startup, temos alguns

critérios, precisa ser um modelo de negócio inovador,

repetível e escalável.

Antes de qualquer coisa, um modelo de negócio é diferente

de um plano de negócio, que foca em estratégias

para atingir metas por exemplo, no modelo de negócio

o foco não necessariamente é no produto, mas sim no

valor e na rentabilidade, melhor dizendo, você precisa

curar a dor do seu cliente de forma lucrativa.

Ser repetível e escalável é crescer a receita fazendo com

que as despesas permaneçam as mesmas ou cresçam

lentamente, possibilitado o aumento dos lucros e acúmulo

de riqueza. Por conter essas características, geralmente

são negócios de alto risco. Com ideias e conceitos

novos e ainda não validados, aplica-se um cenário

de incerteza.

No Brasil, esse modelo de negócio começou a ser implantado

no ano 2.000, o conceito chegou junto com

a grande expansão das empresas de internet, sendo o

Uber, umas das principais organizações a serem fundadas

no período.

A empresa de mobilidade descentralizou o serviço de

motorista particular, ninguém mais precisa ficar acenando

na rua para chamar um táxi, agora é tudo pelo clique

do celular. Solucionou essa dor dos usuários e alcançou

o sucesso, apenas cobrando uma porcentagem dos motoristas.

Não posso deixar de citar o Google, que hoje é uma gigante,

mas começou no modelo de startup. Uma grande

ideia que fez a diferença, iniciaram algo que o mercado

estava necessitado de um jeito escalável e repetitivo

sem limite territorial.

QUERO COMPARTILHAR ALGUMAS DICAS E ESTRATÉ-

GIAS PARA VOCÊ COMEÇAR A SUA STARTUP DO ZERO:

1. NÃO TENHA MEDO DE ROUBAREM A SUA IDEIA

O MEDO DE FALAR SOBRE SUA IDEIA DE NEGÓCIO É BASTANTE COMUM

ENTRE OS EMPREENDEDORES. NO ENTANTO, NO MUNDO DAS STARTUPS,

ESSA CAUTELA NÃO É LEVADA A SÉRIO. O QUE IMPORTA É A CAPACIDADE DE

EXECUÇÃO DO EMPREENDEDOR.

2. PESQUISA DE MERCADO

FAÇA UMA PESQUISA DE MERCADO ANTES DE INICIAR SEU NEGÓCIO, PARA

CONHECER O MERCADO E O SEGMENTO NO QUAL VOCÊ ESTÁ QUERENDO

ENTRAR. ANALISE SEUS CONSUMIDORES E CONCORRENTES, COM ESSES DA-

DOS COLETADOS É POSSÍVEL FOCAR NAS ESTRATÉGIAS MAIS ADEQUADAS

PARA IMPLANTAR A SUA IDEIA.

3. TENHA SÓCIOS COMPLEMENTARES

TER UM OU MAIS SÓCIOS É IMPORTANTE, O IDEAL É QUE ELES SEJAM COM-

PLEMENTARES UNS AOS OUTROS. QUANDO OS SÓCIOS TÊM FORMAÇÕES

DIFERENTES E ATÉ FORMAS DISTINTAS DE VER O MUNDO, A EMPRESA GANHA

EM COMPLEMENTO PARA AS TOMADAS DE DECISÕES.

4. GASTA APENAS O NECESSÁRIO

GASTAR O MENOS POSSÍVEL E AUMENTAR AS MARGENS É ESSENCIAL PARA

QUE SEU NEGÓCIO TENHA SUCESSO. É IMPORTANTE DIZER QUE AS STARTUPS

PODEM ESTAR INSERIDAS EM QUALQUER TIPO DE MERCADO, MAS A TENDÊN-

CIA DESSE TIPO DE EMPREENDEDORISMO É A TECNOLOGIA, UMA VEZ QUE

SE INICIA COM UM INVESTIMENTO MENOR, COMPARADO A OUTROS TIPOS

DE SEGMENTOS.

Empreender é o sonho de muita gente,

mas não existe empreendedorismo

sem comprometimento e determinação,

você precisa ter 10% de inspiração

e 90% de transpiração.

Gostou das dicas?

Continue me acompanhando nas redes sociais:

@tatyaneluncah

@grupoprojeto

Tatyane Luncah

Fundadora e CEO da

Agência Grupo Projeto.


38

EDUCAÇÃO

FEEDBACKS LEVAM AO SUCESSO

NO EMPREENDEDORISMO

“EU QUIS DIZER, VOCÊ NÃO QUIS ESCUTAR...”. É com este

trecho clássico dos Paralamas do Sucesso que início

esta pequena reflexão sobre escuta, feedback, coragem

e comprometimento. Provavelmente você sabe, mas

vale reforçar: um dos gaps de (quase) todos ambientes

corporativos é comunicação entre pessoas, com feedbacks

inadequados, em momento inoportuno ou a própria

resistência a eles. É a falta de prática que leva à (im)perfeição

desta poderosa ferramenta de desenvolvimento

chamada feedback. Pode ser colaborador, gestor, estagiário,

empresário, tanto faz. Independente do cargo,

pessoas tendem a reagir mal ao que elas desconhecem.

E, muitas vezes, elas não conhecem nem a si mesmas,

portanto, um dos pilares do desenvolvimento é autoconhecimento.

Eu diria que além de fundamental, ele é um processo

contínuo de “autoindagações”: quem eu sou? O que

eu quero realmente? Estou aberto à mudança, à crítica?

Costumo sempre dizer que todos nós somos empreendedores

individuais, sabemos nossos compromissos,

demandas, entregas, mas, por outro lado, nos perdemos

no individualismo e na prepotência de pensar que já sabemos

o suficiente. Seres humanos que falam, falam,

mas que nunca escutam. Crítica? Sugestão de melhoria?

Feedback? Nem pensar. Sem tempo, irmão! E estamos

diante do pecado mortal da maioria dos profissionais: a

falta de humildade e adaptação às mudanças.

Quanto menos somos dispostos a ouvir e aprender,

mais cedo nos tornamos inflexíveis, arcaicos, obsoletos

nos nossos espaços de trabalho. Ok que existem feedbacks

que colegas de trabalho e amigos nos dão que

podem estar carregados de emoções e outras variáveis.

Mas sermos cabeça dura e batermos sempre o pé que

estamos corretos pode bloquear nosso sucesso. Não é

vergonha nenhuma mudar de ideia ou assumir fracassos.

Converse com empreendedores de sucesso e verá

que mudaram de ideia várias vezes ao longo do percurso

até encontrar o caminho ideal.

Para nos mantermos no jogo, precisamos de aprendizado

constante. E, certamente, se você tem essa possibilidade,

você já pode se considerar privilegiado. Busque

cursos, ferramentas gratuitas disponíveis, leia muito (e

não só na internet!). Não tem desculpa para não ter autoconhecimento,

basta ter organização e disciplina para

lançar mão do que está à disposição. Em tempo, além

do aprendizado contínuo, a escuta, sim, com ela que

comecei esta retórica. E, além de refletirmos com atenção

tudo que nos dizem, precisamos também ir atrás de

feedbacks quando eles não surgem espontaneamente.

Pergunte às pessoas de sua confiança o que acham de

uma ideia ou de uma atitude sua. Pode ser que você se

surpreenda positivamente ou fique chocado com o que

escutar, mas tanto faz, o importante é ser resiliente e

reflita sobre as informações que recebeu.

Pedir feedbacks, principalmente no papel de empreendedor,

encoraje as pessoas ao seu redor a fazerem

a mesma coisa. Crie ambientes de transparência e confiança

na sua empresa. E esteja de fato disposto a evoluir

e a mudar de ideia e de atitude. Brené Brown, que

tem várias palestras no TED e até Netflix, afirma que “é

preciso coragem para ser imperfeito. Aceitar e abraçar

as nossas fraquezas e amá-las. E deixar de lado a imagem

da pessoa que devia ser, para aceitar a pessoa que

realmente sou.” A partir disso, a dica é criar uma rotina

de conversa sincera, despida de resistência e desfrute

de ambientes onde todos jogam juntos, por uma causa

maior, um propósito em comum.

Uma gama de ferramentas tem surgido para facilitar a

vida dos profissionais e apoiar no desenvolvimento de

pessoas que desejam construir juntas uma cultura forte,

de conhecimento e trocas contínuas. Empreendedores,

empresas, colaboradores, só crescem quando se reciclam

constantemente, aprendem, ensinam, trocam e

aceitam suas vulnerabilidades. Finalizo este artigo com

mais uma frase de Brené Brown que define este ambiente

que queremos, e devemos nos comprometer a criar:

“Precisamos que as pessoas sejam mais corajosas, e

precisamos criar uma cultura que permita a coragem”.

BOX DE DICAS INTRAEMPREENDEDORISMO E FEEDBACK

• ANTES DE ENCORAJAR AS PESSOAS A DISTRIBUÍREM FEEDBACKS,

ENCORAJE-AS A PEDIREM. O PRIMEIRO PASSO PARA MUDAR ESTA

CULTURA NEGATIVA É ENTENDER QUE PRECISAMOS DO OUTRO PARA

NOSSO DESENVOLVIMENTO. PEÇA FEEDBACK!

• UM FEEDBACK POR DIA NÃO FAZ MAL A NINGUÉM. TORNE ISSO

UM HÁBITO!

• ESCUTE SEM MODERAÇÃO. NOSSO PODER DE INFLUÊNCIA É DIRETA-

MENTE PROPORCIONAL À CAPACIDADE DE ESCUTA.

• QUANDO ENTRAR EM UM DIÁLOGO, PERMITA-SE QUESTIONAR AS

PRÓPRIAS CONVICÇÕES.

• EMPRESAS NÃO CONTRATAM PESSOAS APENAS PARA EXECUTAR O

TRABALHO, PRECISAM DELAS PARA MELHORAR RESULTADOS E DE-

SENVOLVER A ORGANIZAÇÃO, ENTÃO, TORNA-SE VITAL QUE AS PES-

SOAS TENHAM VOZ E SEJAM OUVIDAS.

• VALORIZE OS “SINCERICIDAS”! SIM, ELES TÊM UM PAPEL IMPOR-

TANTE NA ORGANIZAÇÃO.

• VALORIZEM TAMBÉM OS INQUIETOS E INCONFORMADOS - ESTAS

SÃO CARACTERÍSTICAS DE PESSOAS EMPREENDEDORAS.

CESAR ROSSI é CEO e co-founder

do grupo BWG – um dos principais

players do mercado nacional de

RH e Comunicação Corporativa no

segmento de tecnologia aplicada a

gestão de pessoas.


39

DIREITO


40

MARKETING DIGITAL

O QUE FAZ UM

EMPREENDEDOR

INDIVIDUAL?

SAIBA COMO COMEÇAR SEU

NEGÓCIO DENTRO DO MERCADO

DE MARKETING DIGITAL

Ser seu próprio chefe, poder fazer home office para trabalhar

de pijama, cumprir suas próprias horas de trabalho

e planejar as férias como melhor lhe agradar… talvez

esses sejam os desejos de muitas pessoas que sonham

em abrir um empreendimento próprio. Afinal se o negócio

é seu, as regras e a maneira de como executá-las

também são, certo?!

Bom, para se tornar um EI ou Empreendedor Individual,

colocar suas ideias no mundo e deixar de ser apenas

mais um funcionário entre tantos, é preciso um pouco

mais do que ver somente os lados positivos e sonhadores

dessa tão importante decisão.

Saber ponderar algumas escolhas para que sua estratégia

se destaque em meio a tantos empreendimentos é

essencial num mercado saturado de ideias e que cresce

todos os dias.

Neste artigo iremos explicar o que é ser um empreendedor

individual, suas principais características e diferenças

de outras opções de empreendimentos para

começar seu negócio aproveitando as estratégias do

Marketing Digital.

O QUE É SER UM EMPREENDEDOR

INDIVIDUAL?

De maneira simplificada e como o próprio

nome já diz, o empreendedor individual é

aquele que abre uma empresa, mas não

possui sócios, então para fins legais, ele administra todo

o patrimônio de sua empresa sozinho.

Para se tornar um EI e ter um cadastro nacional de pessoa

jurídica (CNPJ) é bem simples e ideal não somente

para quem sonha em abrir seu próprio negócio, mas

para trabalhadores autônomos que a partir de suas profissões

trabalham como freelancers, prestando serviços

para diversas empresas e clientes.

No Brasil a legislação para se tornar um empreendedor

individual não é complexa e em poucos passos um profissional

até então pessoa física pode se tornar pessoa

jurídica, sem sair de casa. Existem sites e blogs especializados

para ajudar quem busca por instruções na hora

de preencher dados e escolher a melhor opção de empreendimento.

Apesar de ser simples, na hora de começar os trâmites

para a abertura do negócio, verifique se você se enquadra

dentro das exigências necessárias, pois é preciso

que a pessoa interessada tenha no mínimo 18 anos e já

não seja sócia de outra empresa, nem possua um empreendimento

próprio, além do que ela está abrindo.

Dentro da legislação existem diversas possibilidades

para quem vai abrir um negócio próprio e pensa em ser

um Empreendedor Individual, é importante saber em

quais exigências você se encaixa para não acabar tendo

prejuízos futuros.

O primeiro passo é dimensionar o faturamento do seu

negócio, atualmente existem duas possibilidades de formatos

de empreendimentos individuais. Conheça-os a

seguir.

O QUE É SER UM MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL?

Mais conhecido como MEI, o formato

de Microempreendedor Individual

se popularizou no país

por possibilitar que profissionais

autônomos tivessem a oportunidade

de regularizar seu negócio,

ter um CNPJ, emitir notas fiscais e

ainda contribuir para a Previdência

Social. Nesse modelo de negócio,

o empreendedor pode realizar a

contratação de apenas um funcionário,

se desejar.


41

E seu faturamento anual não poderá exceder o valor

máximo de R$ 81.000,00 anualmente. A contribuição

tributária deste formato é o Simples Nacional, na qual

o empreendedor pagará mensalmente um valor fixo,

que lhe dá o direito de usufruir dos benefícios do INSS

caso precise, como auxílio-doença, auxílio maternidade

e aposentadoria.

O QUE É SER UMA MICROEM-

PRESA INDIVIDUAL?

A Microempresa, ou ME, se assemelha

ao formato do MEI no

quesito do comando, pois nela

não há sócios, mas caso o profissional

escolha este modelo

de negócio, ele precisa estar preparado para gerir um

empreendimento maior.

Este formato é aconselhável para quem já tem um planejamento

estruturado e uma equipe para auxiliá-lo,

podendo então investir uma quantidade de dinheiro

maior.

Aqui o faturamento anual poderá chegar a R$ 360.000,00

anuais e ter uma equipe de funcionários, além de poder

entre três diferentes tipos de contribuições tributárias:

Simples Nacional (o utilizado pelo MEI), Lucro Real ou

Lucro Presumido, todos eles calculados de acordo com

a receita do negócio.

POR QUE COMEÇAR A

EMPREENDER?

A cada dia surgem novas demandas

na sociedade, serviços e produtos

que até pouco tempo não existiam

são criados, dando lugar a novas possibilidades de trabalho

e até mesmo substituindo serviços já existentes.

Com a tecnologia as profissões vão ganhando novas características,

ela tem transformado a vida dos profissionais

de todas as áreas, exigindo-lhes novas habilidades

e rotinas de trabalho completamente diferentes.

Com isso é normal que a maneira com que o trabalhador

enxerga sua profissão mude, as cargas horárias

pré-estabelecidas ou o trabalho em equipe, geralmente

exigido pelas empresas, podem já não satisfazer a todos

como antigamente.

Esse contexto de mudança de hábitos na sociedade é

favorável para que surjam empreendedores individuais.

Com suas ideias disruptivas e um bom planejamento estratégico

é possível sair do tradicional e ganhar dinheiro

de maneira não convencional.

Pensando assim, é impossível imaginar uma empresa

atualmente e não a colocar na internet, seja para vender

ou oferecer seus serviços online, ou para divulgar a marca,

aproximando-a do consumidor.

Apesar de ser importante e dar credibilidade a um negócio,

estratégias como o boca a boca não são suficientes,

para empreender hoje em dia é necessário estar antenado

no universo do marketing digital.

COMO ATRELAR SEU NEGÓCIO AO

MARKETING DIGITAL?

Independente do segmento escolhido, seja

uma loja de bolos ou um profissional freelancer,

ter um portfólio online para que

seu produto/serviço seja encontrado pelo

futuro cliente é essencial.

Em tempos de sobrecarga de conteúdo nas redes sociais,

é importante conseguir chegar no consumidor

com um conteúdo bem feito e segmentado.

Seja claro, mostre ao usuário do que se trata seu negócio

e como ele impactará na vida do consumidor através

da produção de conteúdo, aqui pode-se incluir blogs, redes

sociais, e-mail marketing e afins, cada plataforma irá

disseminar um tipo de informação e irá conversar com

o cliente utilizando a linguagem mais adequada para o

momento.

Crie um site para abrigar os principais conteúdos relacionados

à marca e formas de contato com a sua empresa.

Visto que boa parte dos consumidores finais podem

partir de uma busca no Google, ter seu conteúdo bem

posicionado com as técnicas de SEO são essenciais para

tentar aparecer nas primeiras páginas da pesquisa.

COMECE AOS POUCOS,

CRIE POSTS PARAS AS

REDES SOCIAIS, ANALISE

COMO OS CONCORRENTES

ESTÃO SE SAINDO NAS

PLATAFORMAS DIGITAIS E

ESTUDE O PLANEJAMENTO

QUE MELHOR SE ENCAIXA

AO SEU NEGÓCIO, ASSIM AS

ESTRATÉGIAS DE MARKETING

DIGITAL PODERÃO ALAVANCAR

SEU EMPREENDIMENTO

RUMO AO SUCESSO.

Diego Carmona

Fundador da Leadlovers

MARKETING DIGITAL


42

DESIGN E INOVAÇÃO

O FIM DAS ORGANIZAÇÕES CONFORMADAS

E RESISTENTES AS MUDANÇAS

Em 2019, atuei em vários projetos desde a construção e

gerenciamento de marca até o desenvolvimento de novos

produtos e serviços pela minha empresa criatégia.

com.br e com palestras e treinamentos ministrados

por todo o território nacional pela minha outra empresa

palestraseconteudo.com.br, além das aulas de MBA na

beacademy e faculdades IEL e ainda as consultorias

realizadas pelo Sebrae em diversas regiões do Brasil, todas

essas ações ampliaram meu mapa mental sobre os

principais incômodos, dores, necessidades e problemas

dos empresários e gestores das mais diversas áreas e

setores que estive em contato. E toda essa informação

absorvida foram registradas em meus artigos publicados

nesse ano na Empreenda Revista, e que abordaram

temas sobre Cultura de Inovação, Design, Startups, Empreendedorismo

e Tendências com o objetivo de estabelecer

algumas diretrizes de como os novos e múltiplos

modelos de negócios da nova economia estão mudando

o mundo e abalando os modelos tradicionais, e como se

posicionar diante dessas transformações que foi um dos

principais incômodos declarados pelos empresários.

“De uma coisa tenho certeza, se você ou sua empresa

não se transformar, a transformação acontecerá

sem você.”

Nova economia é uma expressão que descreve o resultado

da transição de uma economia baseada na indústria

para uma economia baseada nos serviços e acesso,

caracterizada e impulsionada pelo avanço tecnológico e

cada vez mais focado no meio digital, que influenciam

significativamente os hábitos de consumo e consequentemente

nossa relação com as organizações e seus serviços,

que é focado na experiência e conexão continua

com usuário. Assim estamos vivenciando uma mudança

de era e de economia onde as empresas precisam gerar

mais significados ao que produzem e não apenas resultados

monetários, mas também gerar impactos: econômicos,

sociais, culturais e ambientais para poderem

manter sua existência.

O mundo já está vivenciando uma diversificação de moedas,

produtos, serviços e tipos de negócios: criativos,

sociais, escaláveis, inovadores e disruptivos. Com isso

a maneira de empreender ou intraempreender muda,

precisamos mais do que nunca estar atento ao movimento

de negócios e consumo que está cada vez mais

rápido e independente. Ao modelar um negócio com

valor e propósito não é possível considerar apenas os

recursos monetários, é preciso monetizar e gerar resultados,

a partir da conexão e fluxo dos seus recursos culturais

(seu talento, seu conhecimento, seus atributos, sua

criatividade, sua vocação), assim como dos recursos ambientais

(infraestrutura, espaços, equipamentos, ações

sustentáveis) e ainda dos recursos sociais, que são as

redes a que você pertence e está inserido, o conjunto de

stakeholders, o ecossistema, os parceiros. Tudo isso é

recurso, do tangível ao intangível. Com essas mudanças,

os negócios têm seus ciclos mais curtos e devem durar

poucos anos com sua receita e modelagem inicial, sendo

obrigado a mudar seu modelo e a forma de negócio

após esse ciclo, adaptando-se a realidade do momento.

Entender que os erros serão mais frequentes e as falhas

devem servir de aprendizado para futuros negócios e

não para a desistência. Aprenda a viver ciclos mais curtos,

quem quiser viver mais e ser bem-sucedido terá que

se reinventar.

O grande desafio para sobrevivência das empresas é a

adaptação de seu modelo ao novo cenário, entre outras

coisas, a criação de negócios e marcas que se adaptem

rapidamente às mudanças sem que ocorra a perda de

sua essência, preservando assim o seu propósito e autenticidade.

“A força da nova economia não está na sua condição

econômica, mas na criatividade e reputação”

PREPARE-SE PARA A NOVA ERA

DA NOVA ECONOMIA:

QUAL É A SUA VISÃO DE MUNDO?

Não estamos presenciando apenas uma era de mudanças

mas sim uma mudança de era, o fim de um mundo

que aprendemos e conhecemos para um outro que

muda de maneira exponencial e nos coloca a repensar

nossos modelos de negócios em relação a nossa

existência, causa e diferença que fazemos na vida das

pessoas. Acredite que somos mais adaptáveis do que

imaginamos e que sempre será possível desafiar a lógica

dominante de fazer as coisas certas para fazer coisas

melhores, desejáveis, possíveis e viáveis, de fazer algo

mais rápido onde o planejamento é mais eficiente com

as técnicas de experimentação. Ideias só são boas quando

executadas, pois nada está definitivamente pronto.

Nasceu perfeito, nasceu tarde.

O QUE O MUNDO PERDERIA SE VOCÊ OU SUA EMPRESA

DESAPARECESSE HOJE?


43

Se você não tiver com a resposta na ponta da língua, é

sinal que falta “PROPÓSITO”, condição de sobrevivência

desse século, essencial para manter a reputação, atrair,

reter e engajar colaboradores e cultivar a lealdade entre

os consumidores. Coloque propósito, amor e valor antes

do lucro, identifique a verdadeira função do dinheiro:

ajudar a chegar ao objetivo e não o único objetivo.

Já somos reconhecidos e valorizados por nossa reputação

onde qualquer indicação, recomendação, transação

e decisão serão definidas por isso. Reputação é sobre

como o mundo enxerga você.

POR QUE COLOCAR O PROPÓSITO NO CENTRO DA SUA

ESTRATÉGIA?

Quando as empresas se deparam com a desaceleração

e a corrosão de lucro num mundo em rápida comoditização,

não basta só inovar em produtos, serviços ou

modelos de negócios, mas sim uma abordagem transacional,

onde o PROPÓSITO estabelece duas funções de

crescimento importantes:

1- REDEFINE O CAMPO DE AÇÃO. Não se limita ao seu

campo de atuação, ampliar sua missão e pensa no ecossistema

inteiro com interesses interligados e relacionamentos

entre os stakeholders

2- REFORMULA A PREPOSIÇÃO DE VALOR. Responde

as tendências e gera confiança, com benefícios duradouros

focando no elemento crucial e mais importante

- a dor. Aceite a relação das pessoas com a empresa e

trabalho. Não forme apenas mão de obra de a oportunidade

de serem cérebros de obra, oportunidade para

que elas possam pensar em novos projetos e não apenas

executar tarefas repetitivas, mecânicas e com receitas

prontas.

QUAL ECONOMIA VOCÊ VIVE HOJE E COMO SE POSICIO-

NAR?

Vivemos a economia da reputação ou da confiança, que

está se expandindo para todos os modelos de negócios,

onde propósito e valor vêm antes do lucro. Reputação

é sobre como o mundo enxerga você, sua marca e empresa,

por isso transparência e autenticidade nas suas

ações determinam o que pessoas e organizações farão

por você. Comece um processo de desconstrução, mesmo

que hoje tenha sucesso nos negócios, amanhã estará

obsoleto. Olhe para o erro como uma oportunidade

de consolidar o aprendizado.

O MUNDO DOS NEGÓCIOS MUDOU! O QUE REALMENTE

FAZ SENTIDO?

Reconheça que empreender não é saber tudo, apenas

ser o condutor de um processo onde as metas são

orientadas por crença e valores. A resposta vem quando

me questiono sobre como quero ser lembrado pelas

pessoas, será que eu continuo produzindo produtos e

serviços ou atendendo uma necessidade não atendida

e solucionando um problema. O mais difícil é convencer

as pessoas sobre essa mudança, e mais difícil ainda

é um passo adiante: vender-lhes o VERBO, em vez do

SUBSTANTIVO.

“As pessoas não compram o que você faz, elas

compram o por que você faz. e o que você faz serve

apenas como prova do que você acredita.”

Simon Sinek.

Os mais atentos a essa transformação de mercado chegaram

à conclusão de que precisamos acessar o coração,

mente e alma do consumidor, entendendo que o

seu público é formado por uma massa de seres, antes

de tudo, humanos. Esse novo perfil quer ter resolvidas

suas necessidades e atendidos os seus anseios, buscando

satisfação funcional, emocional e até espiritual. Reconheça

que o consumidor está mudando e o compartilhamento

de produtos e serviços é a nova tendência.

O DESIGN THINKING UTILIZADO NAS ORGANIZAÇÕES

REALMENTE GERA VALOR AOS NEGÓCIOS?

NÃO, para pessoas que utilizam por modinha, sem

propósito, sem conhecimento profundo ou ainda pessoas

resistentes que não querem quebrar a lógica dominante

de fazer as coisas certas para fazer e projetar

coisas melhores... Não!!!. Como o elemento-chave para

que qualquer negócio possa ter valor e ser inovador é

capacidade de resolver um problema, ser relevante e

percebido com significado para o cliente, SIM, o design

thinking aproxima as pessoas das discussões e as coloca

no centro das decisões, assim as organizações passam

a de fato impactar nossas vidas. Sua abordagem é profundamente

humana, que depende da habilidade de

ser intuitivo, de estimular a criatividade, de interpretar

o que se observa e experimenta, de desenvolver ideias

que são emocionalmente significativas e relevantes para

seus clientes e usuários por meio de muitas experimentações.

Converse, fale o que pretende, pergunte, ouça,

observe, crie, teste e execute com velocidade e não com

perfeição.

Decida rápido, erre rápido e aprenda rápido.

COMO EU POSSO INSERIR CULTURA DE INOVAÇÃO COM

PROPÓSITO, AMOR E REPUTAÇÃO?

Se a empresa não tiver um propósito único e claro, ela

não será inovadora. Estratégias de como “ser o melhor”,

não oferecem um caminho para a inovação da mesma

forma que o propósito de “FAÇA O SEU MELHOR”,

mas faça com muito amor! Talvez o grande desafio para

a construção de uma reputação, não seja realizar algo

extraordinário, mas sim, algo ordinário extraordinariamente

bem!

NOSSAS EMPRESAS SERÃO CONHECIDAS PELO

TAMANHO:

• dos problemas que resolvem

• das transformações que provocam

• das experiencias que proporcionam

• das esperanças que recuperam

DESIGN E INOVAÇÃO

“Talvez o desafio não seja resolver uma coisa extraordinária,

mas sim uma coisa ordinária extraordinariamente

bem”

CONSUMO, O QUE MUDOU? E COMO NOS RELACIONAR

COM ESSE NOVO MOMENTO DO CONSUMIDOR?

Marcos Batista

Inovação | Design

Empreendedorismo | Startup

Instagram e Linkedin:

studiomarcosbatista


44

DICA EMPREENDA

PROJETO VOLUNTÁRIO

ENGAJA JOVENS

EMPREENDEDORES NA

ZONA LESTE DE SÃO PAULO

Idealizado por jovens empreendedores locais, o projeto

APRENDER PARA EMPREENDER oferece aos empreendedores

da Zona Leste de São Paulo, a chance de fazerem

network. Os jovens empreendedores reservam

suas segundas-feiras a noite para que possam se reunir

e trocar experiências, bem como aprender a lidar com

as adversidades e desafios do início da jornada empreendedora.

Nem todas as pessoas que frequentam o

projeto empreendem, algumas estão na fase de entender

mais sobre o assunto para que possam começar seu

negócio.

O projeto tem caráter social, para participar não é preciso

fazer inscrição ou pagar alguma taxa, qualquer

pessoa que queira entender um pouco mais sobre o assunto

empreender e trocar conhecer novos empreendedores,

pode ir até a Vila Ré – SP, e participar do projeto.

Vinícius Divino de Sousa, mais conhecido como Vinex, é

empreendedor e chefe de cozinha, ele lidera o projeto e

abre espaço em seu estabelecimento para que os empreendedores

possam se reunir.

“AQUI VOCÊ IRÁ SE CONECTAR COM PESSO-

AS QUE PENSAM COMO VOCÊ, PENSAM FORA

DA CAIXA, VOCÊ PODE LITERALMENTE VIRAR

A CHAVE! PARA TER UMA VIDA DIGNA NÃO

NECESSARIAMENTE TEMOS QUE SEGUIR A

ORDEM DE FAZER UMA FACULDADE E PRES-

TAR UM CONCURSO, PODEMOS SER DONOS

DE NOSSO PRÓPRIO NEGÓCIO E AGREGAR

VALOR NA NOSSA VIDA E NA VIDA DE MUITA

GENTE, AS PORTAS ESTÃO ABERTAS PARA TO-

DOS QUE DESEJAM SER ÁGUIAS”. - Vinex

O encontro do projeto

APRENDER PARA EMPREENDER acontece todas

a segunda-feira das 20h27 às 22h13 na

Rua Baltazar Brum n. 8 - Vila Ré – SP

Vinex Burger & Restô.


45

“O MUNDO (QUASE)

SECRETO DAS STARTUPS”

Guia prático para criar, do zero, uma empresa de sucesso, de Caroline Marino e Vitor Magnani

O livro aborda todos os pilares que devem ser pensados

– e trabalhados – para que a startup se firme no mercado

e cresça. Tendo como base referências internacionais

de grandes nomes da área, como Steve Blank,

Saras Sarasvathy, Marc Nager, Clint Nelsen e Franck

Nouyrigat, mostra o caminho trilhado por empreendedores

renomados que conseguiram transformar suas

ideias e sonhos em empresas competitivas e rentáveis,

como Alex Tabor, do Peixe Urbano; Thiago Alvarez, cofundador

do Guiabolso; e David Velez, fundador e CEO

do Nubank.

DICA DE LEITURA

Há também entrevistas com consultores e especialistas

em inovação e startups. Flávio Pripas, diretor do Cubo;

Cezar Taurion, sócio e head de transformação digital da

Kick Ventures; e Filipe Garcia, coordenador da aceleradora

Wow, são alguns dos nomes.

O prefácio é assinado por Ronaldo Lemos, advogado,

professor e um dos criadores do Marco Civil da internet.

SOBRE OS AUTORES

Dividido pelas etapas da construção de uma empresa,

o livro “O mundo (quase) secreto das startups”, aborda

desde a concepção da ideia, passando por aspectos jurídicos

e de planejamento, até o momento da grande

virada: disputar de igual para igual com as grandes companhias.

Isso tudo sem esconder as dúvidas e os erros

da jornada.

VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR NO QUE NUBANK,

IFOOD E BUSCAPÉ TÊM EM COMUM? as três empresas

levaram a sério o conceito de disrupção.

Elas mudaram a forma como as pessoas lidam com

serviços, tornando-os mais fáceis e acessíveis – e, de

quebra, balançaram as estruturas, até então sólidas, de

grandes corporações.

E nada melhor do que ouvir quem faz parte desse grupo

para entender como montar um negócio de sucesso.

“NOSSO MAIOR ERRO FOI TENTAR EXPANDIR PARA

OUTROS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA ANTES DE TER

CONSOLIDADO O NEGÓCIO NO BRASIL”, conta Alex

Tabor, CEO e fundador do Peixe Urbano, que hoje atua

no Brasil, Argentina, México, Chile, Colômbia e Peru.

CAROLINE MARINO - Jornalista

especializada em carreira, negócios

e RH. Trabalhou nas

principais revistas do Brasil,

como Você S/A, Cosmopolitan,

e Melhor - Gestão de Pessoas.

Tem também matérias

publicadas em Exame, Claudia,

Época Negócios e Pequenas

Empresas Grandes Negócios. Atualmente,

além de seguir com a apuração e redação

de matérias, atua como consultora editorial, auxiliando

autores na organização e edição de seus conteúdos e

obras.

VITOR MAGNANI - Fundador do

Instituto Startups, Presidente

da Associação Brasileira Online

to Offline, que reúne mais

de 70 startups e scaleups

como 99, iFood e Tembici.

Professor da FIA no Curso

de Relações Institucionais e

Governamentais para Ecossistemas

inovadores. É Head of Public

Affairs da Loggi. Estudou em Stanford University,

USP e Mackenzie.

“O MUNDO (QUASE) SECRETO DAS STARTUPS” (159

PÁGINAS) ESTÁ À VENDA NAS LIVRARIAS: CULTURA,

SARAIVA, MARTINS FONTES E TRAVESSA. A VERSÃO

DIGITAL JÁ ESTÁ DISPONÍVEL NA AMAZON.


46

STARTUP

GESTOR EXPONENCIAL:

HABILIDADES PARA VENCER EM UM MUNDO

EM CONSTANTE TRANSFORMAÇÃO

A velocidade das mudanças e o impacto que elas exercem

em nossas vidas é cada vez maior com o avanço

da tecnologia. Fomos educados para pensar que, entendendo

bem o presente, conseguiríamos planejar o futuro,

e se caminhássemos em direção ao futuro “devagar

e sempre” nós chegaríamos lá. Essa forma de pensar

e agir era útil quando o mundo se movia lentamente.

Podíamos analisar variáveis e tomar decisões após considerar

todas alternativas possíveis. Porém, o mundo

mudou, e ele não está disposto a esperar pela forma

antiga de pensar e agir.

Num mundo de incertezas e mudanças constantes,

precisamos nos tornar gestores exponenciais. Temos

de ser corajosos, ousados, disruptivos, e ter clareza de

nossa missão. Não podemos aceitar o mundo como ele

é. Segundo Lisa Solomon, da Singularity University, aonde

tive o privilégio de estudar recentemente, gestores

de sucesso devem ter a habilidade de serem Futuristas,

Inovadores, Tecnologistas e Humanitários. O domínio

destas habilidades é a essência do Gestor Exponencial,

e a sua aplicação permite a nós, gestores, imaginar,

criar, e capturar valor. Necessitamos exercitar a liderança

compartilhada, e buscar alinhamento de propósito.

Nossa visão tem que ser múltipla, e deve estar associada

a um “chamado” transformador.

O gestor exponencial precisa ter essência disruptiva e

não apenas boa formação técnica. Lidar com o mundo

VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo), com velocidade

acelerada e agilidade sustentável são desafios

enormes. O Gestor Exponencial precisa imaginar o não

óbvio, ser disruptivo, trazer ideias à vida, acelerar possibilidades

através da tecnologia, e fazer escolhas que

impactam pessoas e comunidades.

Alguns gestores atuais já são disruptivos, mas ainda

assim, precisam de suporte e desenvolvimento para influenciar

pessoas. O modelo de liderança do mercado

atual não atende as novas demandas e a maioria dos

gestores à frente de startups e empresas tradicionais,

não têm maturidade emocional e preparo para influenciar

pessoas de forma consistente.

Líderes bem-sucedidos têm utilizado lógica contrária ao

que conhecemos: se conseguirmos visualizar bem o futuro

desejado, conseguimos planejar melhor o presente.

Essa, sem dúvida, é a base do pensamento exponencial.

O motivo? Um deles é derivado da tecnologia, que

tem propiciado escalabilidade da oferta de produtos e

serviços numa capilaridade e velocidade sem precedentes,

possibilitando o que era julgado impensável: a customização

em massa. Como se isso não fosse suficiente,

os custos também decrescem em escala exponencial,

fechando esse loop virtuoso e alimentando a oferta de

produtos e serviços a preços muito mais acessíveis.

A velocidade acelerada das mudanças faz com que muitas

organizações enfrentem dois problemas. Algumas

apresentam um gap transformacional entre o passado

e o futuro, e são incapazes de se desfazer completamente

das práticas antigas, ainda que busquem estar

estrategicamente comprometidas com a transformação

necessária para encarar o novo mundo. Outras lutam

para criar um discurso significativo sobre o futuro que

engaje os funcionários e, depois, ainda enfrentam difi-


47

culdades imensas para colocar o discurso em prática.

Empresas que nascem digitais nem sempre têm Gestores

Exponenciais, e empresas tradicionais têm escassez

de pessoas com este modelo mental. Porém, o foco tem

sido muito voltado para a tecnologia, mas sabemos que

tudo acontece através e pelas mãos de pessoas. A prioridade

agora, além da inovação, é a formação destes

novos líderes.

O futuro não fica em um horizonte distante e não dá

para adiar a sua construção para se conectar com o

que o mercado está apontando como o melhor caminho.

Liderar uma transformação demanda uma série

de aprendizados. É preciso ser altamente disciplinado e

focado. As iniciativas de transformação da empresa não

podem ser desconectadas e isoladas umas das outras.

Resiliência é fundamental, pois tropeços, críticas e erros

fazem parte do jogo. Transformação leva tempo, e não é

tarefa fácil. Exige coragem para assumir riscos.

Em cenários de incerteza, com disrupções e exponencialidades

sendo as novas regras do jogo, é essencial

sair do paradigma da certeza para o da probabilidade,

que incentiva a experimentação, o teste de ideias e a

validação da concepção de novos e escaláveis modelos

de negócios. A base da experimentação está no aprendizado

e, a cada dia, Gestores Exponenciais dão novos

passo para criar o futuro, balanceando a destruição de

práticas legadas com a otimização do seu dia a dia. É

dolorido, mas é um processo que entusiasma, e que nos

faz acordar cheios de energia.

• Está confortável para explorar o desconhecido

• Toma decisões com base em dados preditivos e não

em planejamentos estratégicos obsoletos

• Adiciona ao planejamento estratégico técnicas imaginativas

do futuro, ainda que intangíveis

• INOVADOR

• Usa ideação e experimentação

como forma de inovar

• Coloca o cliente no centro das

atenções e inovações

• Usa processos centrados no humano,

como observação e questionamento

para coletar insights

• Dá autonomia às equipes, permitindo e ajustando os

erros naturais do processo de inovação

• Testa hipóteses rapidamente, e de maneira contínua,

para descobrir oportunidades escondidas

• TECNOLOGISTA

• Domina novas tecnologias que afetam

e devem afetar sua indústria e

mercados adjacentes

• Experimenta novas tecnologias

como programação e robótica fora

do sua área de conhecimento

• Cria e programa produtos e serviços

simplificados além do familiar e confortável para inovar

• Analisa e lida com implicações éticas, morais e sociais

advindas das tecnologias que ele cria

• Navega na instabilidade e na dinâmica acelerada do

mundo

STARTUP

• HUMANITÁRIO

• É o grande criador e influenciador

da cultura e do propósito do negócio

• Extrai das pessoas propósitos e

intenções maiores do que o simples

cumprir de tarefas

• Cria ambiente de trabalho inspirador que

extrai o potencial máximo dos seus colaboradores

• Usa todas habilidades existentes para melhorar a vida

das pessoas e da sociedade como um todo

• Empodera e promove oportunidades para minorias se

tornarem economicamente sustentáveis

ALGUMAS HABILIDADES DO GESTOR EXPONENCIAL:

• FUTURISTA

• Transforma surpresas em antecipação

• Imagina novas possibilidades de maneira

ousada e otimista

RICARDO MELLO é economista da USP e

MBA de Kellogg. Atuou 10 anos em estratégia

pela Bain e pela Mckinsey. Em 2012, ele

criou uma indústria de artigos de festa e

descartáveis, a Bellocopo. Ricardo é um empreendedor

serial, e de lá pra cá, criou outras

7 empresas, nos ramos de distribuição, importação,

varejo e marketing digital. Recentemente,

ele criou o CEO Mentoring Club,

sua escola de gestão e negócios. Além disso,

Ricardo é um viciado em viajar. Ele conhece

136 países e deve zerar o mundo nos próximos

4 anos.


48

CONTABILIDADE

COMO PROJETAR SEU NEGÓCIO PARA 2020?

Faz parte do mundo dos negócios ter uma visão estratégica

sobre o futuro. Claro que não temos certeza de

como será o cenário econômico daqui a três anos, mas

você precisa saber como planejar seu negócio para ter

chances de sucesso.

Visando ajudar você nessa missão importante, vamos te

dar uma dica que julgamos valiosa, fique de olho nas

TENDÊNCIAS e descubra quais podem afetar seu negócio

antes da concorrência, isso te proporcionará inúmeras

vantagens. As tendências de 2020 já começaram a dar

as caras, mas para projetar seu negócio é importante

que você saiba diferenciar “tendências” de “novidades”.

TENDÊNCIAS TÊM UTILIDADE ÓBVIA

Novidades passam mais rápido porque nem sempre são

úteis por muito tempo. Os carros híbridos surgiram em

1997, quando o preço do combustível era baixo. Na época

era uma novidade, mas evoluiu para tendência assim

que a preocupação com o meio ambiente aumentou.

TENDÊNCIAS TÊM APLICAÇÃO AMPLA

Novidades se aplicam a segmentos específicos do público,

ao passo que tendências podem alcançar mais consumidores,

além de ficarem mais acessíveis e úteis. Telefones

móveis existem desde os anos 1940, mas eram

caros e inacessíveis.

Seu uso só aumentou quando as empresas se expandiram,

e mais pessoas puderam adquirir os aparelhos.

TENDÊNCIAS SÃO SUSTENTÁVEIS

Muitas novidades poderiam se transformar em tendências,

se não houvesse dificuldades em produzi-las

em grandes quantidades, por muito tempo. O biocombustível

surgiu como a solução para nossos problemas

com abastecimento de energia, até que pesquisadores

descobriram que plantar o suficiente para sustentar o

mercado iria prejudicar o abastecimento de comida. Era

apenas uma novidade, no fim.

TENDÊNCIAS SE MISTURAM A OUTRAS TENDÊNCIAS

Várias tendências podem se transformar em uma só. As

tecnologias de vídeo 3D ressurgiram no início do século

e dominaram os cinemas. A necessidade de inserir o

usuário em experiências reais evoluiu e atualmente temos

à disposição os óculos de realidade virtual.

TENDÊNCIAS TÊM HISTÓRIA

Assim como na moda, tendências nunca são totalmente

novas. De alguma forma, elas já apareceram no passado,

mas não no mesmo formato. O que as transforma

em tendência é o contexto e as novas aplicabilidades.

Tecidos sintéticos, como o poliéster, o acrílico e o nylon

existem desde os anos 1920, mas voltaram com tudo

nos anos 1990, depois que empresas investiram em novas

versões.

Lembre-se, o sucesso do seu negócio depende da capacidade

de se preparar para as mudanças que vêm por aí.

http://tecf.com.br/blog/ https://inovacaosebraeminas.com.br/


49


CASE DE SUCESSO

05


SUMÁRIO

VOLTA AO MUNDO DA INOVAÇÃO

04 AROUND THE GLOBE FOR INNOVATION 12

PONTO DE PARTIDA SÃO PAULO - BR

DEPARTURE POINT - SÃO PAULO - BR

EDITORIAL

Vamos entender sobre Inovação!

Nesse ano de 2019, tenho certeza de que, uma das palavras

que você mais escutou, foi INOVAÇÃO.

Não é algo novo, na verdade inovamos desde que o

mundo é mundo, porém com o avanço da tecnologia,

as empresas conseguem fazer isso em menor espaço de

tempo, e essa velocidade é essencial para o crescimento

do negócio.

Muitos ouvimos sobre Inovação no Produto, Inovação

no Processo, Inovação no Modelo de Negócio e isso não

tem nada a ver com melhoria contínua. A inovação causa

impacto significativo, e esse impacto pode ser incremental,

ou radical. Já a melhoria contínua não, necessariamente,

causa uma vantagem competitiva em seu

negócio.

O mais importante, é deixar claro que vivemos em um

ambiente de constante transformações, cada vez mais

precisamos estar atentos as mudanças. É importante

que o empreendedor, tenha um negócio que explore

diariamente várias ideias, isso o tornará sustentável e o

preparará para o mundo.

A inovação possui muitos benefícios, e que fique claro,

isso não é algo exclusivo para empresas, um país inovador,

uma cidade inovadora, faz com que o nível de emprego

e renda cresça, o que é extremamente importante

para a economia girar.

E para entender o que O MUNDO está fazendo para ser

mais inovador, o empreendedor Felipe Carvalho, irá dar

a VOLTA AO MUNDO, buscando informações preciosas

sobre INOVAÇÃO nos 5 continentes.

Nós seremos a revista oficial dessa jornada, então a partir

desse mês, você poderá acompanhar os aprendizados

que Felipe terá em cada um dos países visitados,

serão 365 dias juntos respirando inovação.

Para esquentar os motores, fizemos essa edição especial,

assim você poderá conhecer um pouco mais sobre

o empreendedor Felipe Carvalho e essa missão inédita.

Será, realmente, uma jornada e você não pode ficar fora

dessa, já garanta a assinatura da sua edição para que

você não perca nenhum editorial.

Que 2020 seja um ano melhor para todos nós! Por aqui

agradeço a todos pela excelente parceria, estamos encerrando

2019 com todas as metas cumpridas, e com

o desejo ardente de inovar ainda mais no ano que se

inicia.

Boas Festas!

@empreendarevista

/empreendarevista

@empreendarev

/empreenda-revista


04

Foto Marcelo Gemignani

VOLTA AO MUNDO DA INOVAÇÃO

AROUND THE GLOBE FOR INNOVATION

Quem nunca pensou em

um dia dar a volta ao mundo?

Então imagine conhecer

o que está acontecendo

de mais inovador em

cada um dos 5 continentes!

É nesta aventura que o

empreendedor Felipe Carvalho,

36, embarca com

a família em janeiro de

2020. “Queremos inspirar

as pessoas a se reinventarem

nesse mundo em

constante mudança, começando

por nós”, conta.

“Eu acredito que a inovação

é o vetor para que isso

aconteça”, acrescenta.

Felipe tornou-se uma das

grandes referências em

inovação do Brasil, pois

consegue navegar muito

bem entre o mundo tradicional

e o inovador. Ele

afirma que seu maior desafio

é ajudar pessoas e

empresas a deixarem de

vender produtos e começarem

a resolver problemas

reais. Foi com essa

motivação que ele criou o

Have you ever thought of

travelling all around the

world? So, imagine how it

would be to get to know

all the brand new innovative

‘services and products’

among all the five continents!

This is Felipe Carvalho’s

adventure. He is a

36-year-old Brazilian entrepreneur,

boarding this

journey with his family in

January 2020. “We want to

inspire people to reinvent

themselves in this ever

changing world, starting

with ourselves”, says Felipe.

“I believe innovation is the

vector to make it happen”.

Felipe has become one of

the main references in innovation

in Brazil. He can go

through the traditional to

the innovative context very

easily. He thinks his biggest

challenge is to help people

and companies to stop selling

products and start solving

real problems. That’s

método “INOVAÇÃO NA

PRÁTICA”.

“Uma das principais falhas

que vemos ao tentar

levar a inovação para

mercados tradicionais é

não considerar a cultura

organizacional atual. Não

adianta apenas mostrar

como funciona o mindset

de inovação sem compreender

como a engrenagem

funciona: seus valores, ritos,

hábitos e costumes.”

explica. “Depois desse

entendimento, criamos

mecanismos para que a

inovação seja realmente

colocada em prática e comece

a fazer parte do seu

dia a dia. Não podemos

deixar as pessoas acharem

que o insucesso nos

negócios e na vida estão

vinculados apenas a fatores

externos. A questão

é como vamos agir nesse

novo cenário”.

Quando os conceitos aplicados

começam a se tornar

um hábito e a organi-

why he created the method

“HANDS ON INNOVATION”.

“One of the biggest mistakes

we see when trying

to take innovation to traditional

markets is not to

consider the current organizational

culture. It’s

no use to show how the

innovative mindset works

if people won’t understand

how the gear works: its values,

rites, habits and behaviors”,

he explains. “Once

we realize this, we create

tools to make innovation

part of their daily basis. We

can’t let people think that

their failure is linked only

to external factors. The

important question to be

asked is how to act in the

new scenarios”.

When the applied concepts

become a habit and the

company understands the


05

zação passa a entender

os benefícios dessa mudança,

a mágica começa a

acontecer.

APROXIMAR O MUNDO

TRADICIONAL DO

INOVADOR

Aproximar o mundo tradicional

do inovador é

um dos grandes desafios

da missão. Vemos, de um

lado, diversas pessoas e

empresas inovadoras no

mundo com uma forma

diferente de enfrentar os

problemas, de validar seus

processos e de agir frente

as adversidades. Elas

têm apresentado algumas

características fundamentais

para o sucesso nesse

mundo chamado de VUCA

– acrônimo em inglês que

significa volátil, incerto,

complexo e ambíguo. E, do

outro, pessoas e empresas

que precisam conhecer

um pouco do que tem levado

essas organizações

ao sucesso e utilizar isso

como inspiração para agir

e transformar.

Atualmente à frente da

IWC Inovação na Prática,

ele tem atuado forte no

fomento da inovação nacional,

participando como

mentor e avaliador de

startups de programas

como o Like a Boss – Sebrae

e UpLab - Senai, Brabenefits

of these changes,

it is when magic starts happening.

BRINGING THE TRADI-

TIONAL WORLD CLOSER

TO THE INNOVATIVE ONE

Bringing closer the traditional

and the innovative

perspectives is one of the

most important challenges

of this international mission.

Innovative people and companies

face their problems

in a different way, validating

processes and acting against

adversities. They have been

showing some important

features in the VUCA world

– volatile, uncertain, complex

and ambiguous. On

the other hand, traditional

people and companies

need to know what makes

this first group of people to

become successful and how

they use it as an inspiration

to act and transform.

Ele explica que outro ponto

essencial que aprendemos

com os negócios inovadores

é que não basta

saber o que vender, mas

ter claro o porquê de se

fazer o que faz. Quando

o propósito fica claro, a

conexão com os clientes e

fornecedores flui de uma

forma orgânica e o sucesso

do empreendimento

surge como consequência.

UM EMPREENDEDOR 360º

O processo de reinvenção

sempre fez parte da jornada

de Felipe Carvalho.

Another key point mentioned

by Felipe, which we

learn from innovative businesses,

is in sales. It is not

about what your product is

and what you sell. It is about

why you do what you do or

why you offer this kind of

service. Once this goal becomes

clear, the connection

with customers and suppliers

flows in an organic way

and the company experiences

success as a consequence.

A 360º ENTREPRENEUR

The reinvention process has

always been part of Felipe

Carvalho’s journey.

Currently ahead of “IWC

Hands on Innovation”, he

has been active in fostering

innovation in Brazil. He

participates as a mentor

and appraiser of startups

in programs such as Sebrae’s

“Like a Boss” (service),

Senai’s “UpLab” (industry)

“Não acho que as empresas

devam virar uma

startup. Acredito que a

aproximação desses dois

mundos é a chave para

alavancarmos os negócios”

esclarece. “Temos

empresas com uma jornada

incrível que, devido

às mudanças de cenários,

estão sendo obrigadas a

se reinventar, mas não

tem sido fácil para elas

compreenderem as mudanças.”

“I don’t think traditional

companies need to become

startups. The approach

of these two different

worlds is the key

to leverage businesses.

We see companies with an

incredible successful journey

that, with all the new

changes, need to reinvent

themselves, but it is not

easy for them to accept

these changes”.

Segundo Felipe, o valor

desses negócios está muito

mais ligado ao tamanho

da sua base de clientes

e sua credibilidade neste

mercado do que com o

produto em si. Isso facilita

o entendimento de que o

foco deve ser em entender

os clientes, sobre compreender

as pessoas e não

apenas sobre produtos.

According to Felipe, the value

in those companies is linked

to the number of customers

they have and brand credibility

in the market, and not

only to the product itself. It

makes easier to understand

that it is essential to comprehend

the clients, people

and not only the goods these

customers purchase.

Foto Marcelo Gemignani


06

zil Lab. Mas uma das suas

grandes atuações é levar a

inovação para mercados

tradicionais, por meio de

mentorias, consultorias

e workshops para executivos

de empresas, para

prefeitos, secretários municipais

e empresários de

setores diversos.

and “Brazil Lab” (government).

Nonetheless, one of

his main goal is bringing

innovation to traditional

markets through mentoring,

consulting, and workshops

for corporate executives,

mayors, city authorities and

businesspeople who acts in

different fields.

Foto Vitória Cristina

Felipe também empreende

junto com seu irmão

Miquéias e pais no ramo

da educação há 20 anos,

tendo participado da abertura

de 8 unidades do Grupo

Educacional Tableau/

ETIP nesse período.

Felipe has also worked in

the educational sector with

his brother Miqueias and his

parents for 20 years. He has

participated in the opening

of 8 Tableau Educational

Group / ETIP units during

this time.

Em 2008, liderou um processo

de rebranding de

um college em Londres

– Reino Unido, que serviu

como referência para a

abertura de mais 2 unidades

no país e 1 nos EUA.

Após o seu retorno, abriu

mais um empreendimento,

dessa vez ao lado de

sua esposa Mariana no

setor da comunicação: a

Organix Branding e Comunicação,

que completou 10

anos em 2019.

Em 2017, recebeu um convite

totalmente diferente:

trabalhar para o setor público

como Diretor de Desenvolvimento

Econômico,

Inovação e Tecnologia na

Prefeitura de Santo André

– SP. Segundo Felipe, foi

algo realmente inusitado,

mas que serviu tornou-se

uma experiência extraordinária.

“Ali o meu papel era empreender

(junto com milhares

de outros servidores

públicos) em nome de

uma população de mais de

700 mil pessoas – para ela

e ao mesmo tempo com

ela. Foi uma oportunidade

enorme de lidar com o

desprendimento.” relata

Felipe. “Muitas vezes, reclamamos

dos governos e

nem sempre conseguimos

nos colocar do outro lado.

In 2008, he was responsible

for a rebranding process of

a college in London – UK,

work in which has been used

as a reference for the opening

of 2 more units in the UK

and 1 in the USA. After going

back to Brazil, he started another

venture, but this time

alongside his wife Mariana

in the communications sector:

Organix Branding and

Communication, which celebrated

its 10th anniversary

in 2019.

In 2017, Felipe received a

very unusual invitation: he

was welcomed to work for

the public sector as a Director

of Economic Development,

Innovation and

Technology and Tourism at

Santo André City Hall - SP.

According to him, it was

something really challenging,

but it became an extraordinary

experience.

“My role was to undertake

(along with thousands of

other civil servants) on behalf

of a population of over

700,000 people - for it and

at the same time with it.

It was a huge opportunity

to deal with detachment”,

says. “We often complain

about governments and

we can’t always put ourselves

on the other side.

Nesse trabalho, tínhamos

como premissa que

a inovação poderia ser a

propulsora do desenvolvimento

econômico e social

da cidade”.

O programa de inovação

na Prefeitura passou a ser

reconhecido nacional e internacionalmente,

servindo

como case em congressos

e também para alunos

internacionais do MBA da

Universidade de Pittsburgh

- EUA.

O empresário também já

atuou como country manager

Brasil da Universal

Didactics, startup espanhola

de tecnologia educacional,

foi sócio da Poulpe

Cupom de Desconto, primeira

startup de cupons

geolocalizados do Brasil e

da Music Kolor, maior empresa

de pintura de instrumentos

musicais da América

Latina.

In this position, I had as

a premise that innovation

could be the driver of the

city’s economic and social

development”.

The City Hall Innovation Program

has become nationally

and internationally recognized

and used as a real

case for international MBA

students at the University of

Pittsburgh - USA.

The businessman has also

acted as a Brazil country

manager for Universal Didactics,

a Spanish educational

technology startup.

He was a partner of Poulpe

Discount Coupon, the first

geo-localized coupon startup

in Brazil, and he was also

a partner of Music Kolor,

Latin America’s largest musical

instrument costumization

company.


07

A SUA PRINCIPAL ESCOLA

DE INOVAÇÃO

Felipe conta que sua principal

escola de inovação foi

o sertão. Ele destaca três

pessoas que foram fundamentais

nessa jornada:

1. seu pai Manoel, que

aos 6 anos de idade veio

do sertão da Bahia sem

os pais, e que se tornou

empreendedor admirável,

com dezenas de empresas

criadas, em diversos setores

da economia.

2. sua mãe Tereza, filha de

baianos que, de professora

de escola estadual, tornou-se

professora de uma

escola particular, foi promovida

a coordenadora,

diretora e então foi convidada

a se tornar sócia.

3. sua avó Angélica, que

no povoado de Lage dos

Negros – sertão da Bahia,

via aumentar a taxa de

mortalidade infantil na

região, pois as crianças

iam trabalhar com seus

pais na roça e eram picadas

por cobras. Juntou-se

com outras amigos, e criou

uma creche para receber

essas crianças no período

de trabalho, que ajudou a

reduzir drasticamente este

problema.

INNOVATION SCHOOL

Felipe tells that his main

innovation school was the

“sertão”, the poor and dry

Brazilian countryside in the

northeast, where his family

came from:

1. His father Manoel - at 6

years of age came from the

Bahia’s “sertão” without his

parents and became an admirable

entrepreneur with

many companies in different

sectors of the economy.

2. His mother, Tereza -

started working as a public-school

teacher, became a

private school teacher, was

promoted to coordinator,

principal, and then invited

to become a partner of a

school.

3. His grandmother Angelica

- In the village of Lage dos

Negros – in Bahia’s “sertão”,

was bothered by the child

mortality rate increase in

the region. Children went to

work with their parents in

the fields and were bitten by

snakes. She teamed up with

other friends and set up a

day care center to receive

these children, what helped

to reduce the problem dramatically.


08

UMA MISSÃO EM

FAMÍLIA

Felipe não embarca sozinho.

Vai acompanhado de

sua sócia de vida e de empresa

Mariana Vidal, que

além de empreendedora

é jornalista e ajudará na

cobertura da missão.

Mas será que também dá

para embarcar nessa experiência

com uma filha

de 5 anos? Sim, a Olívia,

filha do casal, também

embarcará nessa jornada

desafiadora.

“Na minha infância e adolescência

tive a oportunidade

de viajar por todo

o Brasil e para o exterior

com minha família. Poder

proporcionar essa experiência

para minha filha é

um sonho”, conta Felipe.

“O mindset de resolver

verdadeiramente os problemas

do mundo é algo

que já vai crescer com ela.

Será uma viagem de muito

aprendizado para todos,

uma jornada para ‘fora’,

mas que as descobertas

certamente nos farão

A MISSION IN FAMILY

Felipe will not travel alone.

His wife and business

partner Mariana Vidal is

coming along. Besides being

an entrepreneur, she

is a journalist and she will

be covering and writing

about the mission.

But would it be possible

to board on this experience

with a 5-year-old

little girl? Yes! Olivia, the

couple’s daughter, will

also embark on this challenging

journey.

“In my childhood I had

the opportunity to travel

all over Brazil and abroad

with my family. Being able

to provide this experience

to my daughter is a dream

come true”, says Felipe.

“The mindset of truly solving

the world’s problems

is something that will be

in her mind as she grows

up. It will be a learning opportunity

and journey for

all of us. It will be an outer

experience, an outer journey,

but these realizations

olhar de um jeito diferente

para muitas coisas de

dentro de nós também.

Queremos que tudo isso

faça sentido a todos que

terão a oportunidade de

acompanhar e que possa

gerar transformação”.

COMO PARTICIPAR

DESSA IMERSÃO?

Durante 365 dias, serão

disponibilizados conteúdos

GRATUITOS e diários

em cada um dos países

visitados em formato de

vídeos, fotos, entrevistas

com personalidades e artigos.

“FIZEMOS UMA

VASTA PESQUISA

E ESTAMOS

REALIZANDO

AGENDAMENTOS,

REUNIÕES E

PARCERIAS EM DIVER-

SOS PAÍSES. PARTICIPA-

REMOS TAMBÉM

DE FEIRAS SETORIAIS

E CONGRESSOS

SOBRE INOVAÇÃO”.

“Temos certeza de que

não vamos embarcar sozinhos.

Queremos compartilhar

essa experiência com

o maior número de pessoas

possível. O sucesso

dessa missão será medido

pelo número de pessoas e

empresas transformadas

com essa vivência”.

will surely make us look

differently at many things

inside ourselves. We want

this trip to be meaningful

to everyone who will have

the opportunity to watch

us online. We want it to

bring transformation.”

HOW TO BE PART OF

THIS TRIP?

During 365 days, FREE

and daily content about

each one of the countries

visited in video, photo,

personal interview and

articles will be available/

released.

“WE HAVE DONE AN EX-

TENSIVE RESEARCH AND

HAVE BEEN CONDUCT-

ING APPOINTMENTS,

MEETINGS AND PART-

NERSHIPS IN MANY

COUNTRIES. WE WILL

ALSO PARTICIPATE IN

SECTORIAL FAIRS AND

INNOVATION

CONFERENCES.”

“We are sure that we will

not be traveling alone. We

want to share this experience

with as many people

as possible. How successful

this mission is, it will

be measured by the number

of people and companies

transformed along

with this experience”.


09

Para não perder nada, basta

seguir o perfil do Felipe

no Instagram:

@inovacaonapratica.

E para os assinantes da

Empreenda Revista preparamos

uma surpresa:

durante todo o ano de

2020 disponibilizaremos

transmissões e conteúdos

exclusivos dessa missão

na revista, em nosso portal

e redes sociais.

Fique ligado!

A PERGUNTA DO

MILHÃO: QUAL SERÁ

O PRÓXIMO VALE DO

SILÍCIO?

Quando falamos sobre

ecossistema de inovação

é natural pensarmos no

Vale do Silício como benchmarking.

E muitos fazem

a mesma pergunta:

qual será o próximo Vale

do Silício?

“Não são poucas as matérias

mundo afora afirmando

que está surgindo na

região o novo Vale do Silício.

E a resposta para essa

pergunta é: não haverá

um novo Vale do Silício!”

esclarece Felipe.

Just follow Felipe’s Instagram

profile:

@inovacaonapratica

and get to know it all/be

in touch/stay tuned. And

for the subscribers of Empreenda

Magazine we

have prepared a surprise:

during the year 2020 we will

keep broadcasts and exclusive

content about this mission

available in the magazine,

on our portal and

social networks. Stay tuned!

THE ONE-MILLION-DOLLAR

QUESTION: WHAT WILL

THE NEXT SILICON VALLEY

BE?

When we talk about innovation

ecosystem it is natural

to think of Silicon Valley as

benchmarking. And many

people ask the same question:

what will the next Silicon

Valley be?

“There are many stories

around the world stating

that the new Silicon Valley

is emerging somewhere.

The answer to that question

is: there won’t be a

new Silicon Valley!”, says

Felipe.

DETALHES DESSA

JORNADA

“Preparamos um roteiro

inicial com base nas pesquisas

realizadas e com

indicações de amigos e

parceiros. Da lista do Startup

Genome, maior pesquisa

sobre ecossistemas

de startups do mundo, no

qual tive a oportunidade

de participar de um jantar

oficial em São Paulo, organizado

pelo embaixador

local Franklin Ribeiro, visitaremos

os 10 primeiros

do ranking. Mas uma das

premissas dessa viagem é

ir em busca do desconhecido

e inusitado. O que

mais queremos é descobrir

locais interessantes

que não imaginávamos visitar.

Dessa forma, não se

assustem se algo do planejamento

for alterado.

Queremos ser surpreendidos!”,

relata Felipe.

Então, apertem os cintos

que vamos decolar!

DETAILS ABOUT

THIS JOURNEY

“We have prepared an

initial roadmap based on

our researches and talks

to friends and partners

abroad. We will visit the

top 10 ‘Startup Genome’

in the ranking list, the

world’s largest startup

ecosystem survey. I had

the opportunity to attend

an official dinner in Sao

Paulo, hosted by local ambassador

Franklin Ribeiro.

One of the premises of

this trip is to go in search

of the unknown and unusual.

What we want the

most is to find interesting

places where we haven’t

ever imagined of visiting.

So, don’t be scared if

something changes along

the way. We want to be

surprised!”, says Felipe.

Fasten the seat belts that

we’ll take off!

Na verdade, estão acontecendo

coisas extraordinárias

em diversos lugares

do mundo, mas cada

ecossistema nasce com

suas peculiaridades, com

objetivos e características

distintas. E essa é a

principal mensagem. Em

qualquer lugar do mundo

hoje pode surgir uma nova

comunidade de fomento à

inovação. Felipe participou

do nascimento de uma

comunidade de inovação,

o ABC Valley, situada no

ABC Paulista. É uma região

com mais de 2,8 milhões

de habitantes e um PIB de

R$112 bilhões e que precisa

se reinventar. O principal

setor econômico é o

automobilístico que já passa

por uma transição para

a indústria da mobilidade.

Actually, extraordinary

things have been happening

in different parts of the

world, but each ecosystem

grows with its own peculiarities,

with different objectives

and characteristics. And that

is the main/the most important

message. Anywhere,

in the world today, a new

community for fostering innovation

can emerge. Felipe

participated in the birth of

an innovation community,

ABC Valley, located in ABC

São Paulo. It is a region with

more than 2.8 million inhabitants

and a GDP of US $ 27

billion. The region needs to

reinvent itself. Its main economic

sector is the automobile

industry that has been

passing through changes to

the mobility industry.


10


11


12

PONTO DE PARTIDA SÃO PAULO - BR

DEPARTURE POINT - SÃO PAULO - BR

A viagem começa em 22 de janeiro, partindo de São Paulo

em direção a Toronto – Canadá. Mas já teremos um

bônus nesse processo. Como já antecipamos, durante

as 12 edições da Empreenda Revista em 2020 vamos

fazer a cobertura dessa missão e, em janeiro, começaremos

mostrando um pouco sobre o ecossistema de

inovação brasileiro.

The trip begins on January 22, departing from Sao Paulo

to Toronto - Canada. But we will have a bonus in this process.

As we have mentioned before, during the 12 editions of

Empreenda Magazine in 2020 we will cover this mission

and, in January, we will start by showing a little about the

Brazilian innovation ecosystem.

AMÉRICA DO NORTE

NORTH AMERICA

Dos 30 principais ecossistemas de inovação do mundo

na lista do Startup Genome (SG), 14 ficam na América

do Norte, sendo 12 deles nos EUA. Continua sendo uma

das principais referências globais.

O primeiro destino será Toronto – Canadá (#13 no Startup

Genome), cidade que vem crescendo muito em representatividade,

com startups e agentes econômicos

cada vez mais fortes.

Seguimos em direção aos EUA começando por Boston

(#5 no Startup Genome), ecossistema que tem à sua

disposição uma das maiores concentrações de talentos

do mundo, vindos de instituições icônicas como o MIT

e Harvard. Mais de 50 aceleradoras e incubadoras operam

em Boston e as maiores vocações são as áreas de

manufatura avançada e robótica.

A próxima parada é Nova Iorque (#2 no SG). A cidade

conta com mais de 9.000 startups, diversos unicórnios

(empresas com valor de mercado de mais de 1 bilhão de

dólares) e conta com mais de 100 aceleradoras. É uma

cidade repleta de diversidade: 23% das startups são fundadas

por mulheres.

Among all the world’s top 30 innovation ecosystems in the

Startup Genome (SG) list, 14 of them are in North America,

and 12 of them are in the US. It is still one of the leading

global references.

The first destination will be Toronto - Canada (#13 in Startup

Genome), a city that has become more and more representative.

Then, we are going towards the USA, starting with Boston

(#5 in Startup Genome), an ecosystem that has at its hands

one of the largest concentrations of talents in the world, coming

from iconic institutions like MIT and Harvard. More

than 50 accelerators and incubators operate in Boston,

most of them in areas of advanced manufacturing and robotics.

The next stop will be New York (#2 at SG). The city has over

9,000 startups, several unicorns (companies with a market

value over $ 1 billion) and over 100 accelerators. It’s a city

full of diversity: 23% of startups are founded by women.


13

Na sequência vem Whashington (#19 no SG), ponto de

conexão para a costa oeste dos EUA, onde visitaremos

Los Angeles e a região do Vale do Silício.

Los Angeles, (#6 no SG) que é mundialmente associada

ao cinema e entretenimento, tem se destacado pelo

crescimento do seu ecossistema. As maiores empresas

globais na área de gaming, estão sediadas em Los Angeles.

O outro segmento de destaque é o de ciências da

vida, abrigando entre outras a maior empresa de biotecnologia

do mundo: a Amgen.

A última visita nos EUA fica para a região do Vale do Silício

(#1 no SG), certamente o mais importante centro

mundial de inovação do mundo, casa das maiores corporações

de tecnologia, como o Google, a Apple, a Intel,

Netflix entre tantas outras. A região, que se estende em

um centro urbano que abrange San Jose, Santa Clara

e Palo Alto, ganhou esta nomenclatura nos anos 1970,

que se refere aos chips de silício utilizados pela indústria

de computadores.

After NY, we will stop in Washington (#19 at SG), a connection

point to the US West Coast, where we will visit Los Angeles

and the Silicon Valley region.

Los Angeles, (#6 in SG) is worldwide associated with film

and entertainment. It has been highlighted by the growth

of its ecosystem. The largest global gaming companies are

sited in LA. Another notable segment is life sciences, LA is

home of the world’s largest biotech company: Amgen.

The last US visit will be to the Silicon Valley region (#1 in SG),

certainly the most important innovation center in the world,

where we can find the biggest technology corporations such

as Google, Apple, Intel, Netflix and many others. The region,

which expands to an urban center reaching cities as San

Jose, Santa Clara, and Palo Alto, earned this nomenclature

in the 1970s because of the silicon chips used by the computer

industry.

OCEANIA

OCEANIA

Do Vale do Silício, partimos para a Oceania, onde conheceremos

o ecossistema de Sydney - Austrália (#23 no

SG). A cidade tem uma comunidade bastante integrada,

com hubs públicos e privados pulsantes, além de políticas

públicas de fomento.

As fintechs (finanças) e edtechs (educação) são os principais

setores de destaque. Para se ter uma ideia, a indústria

financeira da cidade representa 9% do PIB. As

universidades do país recebem mais de 10.000 estrangeiros,

o que fortalece muito o desenvolvimento de novas

soluções tecnológicas na área educacional.

After visiting the Silicon Valley, we will go to Oceania to get

to know Sydney - Australian ecosystem (#23 in SG). The city

has a very integrated community, with many public and private

hubs, as well as public development policies.

Fintechs and edtechs are the main sectors of focus. The city’s

financial industry represents 9% of GDP. The universities

receive more than 10,000 foreign students, which greatly

strengthens the development of new technological solutions

in the educational area.


14

SUL ASIÁTICO

ASIA SOUTH

A Ásia é uma região bastante curiosa e que vem passando

por um processo de transformação muito grande.

Fica bastante evidente quando se diz respeito a inovação,

pois vem aumentando ano após ano a sua representatividade.

Saindo da Austrália, a primeira conexão com a Ásia é

Tokyo – Japão. Já dissemos que inovação é sobre pessoas

e o Japão tem muito a nos inspirar sobre cultura,

sem falar nas áreas de manufatura avançada, fintechs e

outros setores da economia.

A próxima parada é Seul - Coreia do Sul, que tem investido

muito na criação de um mindset de inovação entre

as crianças e jovens, sem falar do desenvolvimento tecnológico

local.

Na sequência, chega a hora de visitar a China, aquela

que deixou de ser apenas a fábrica do mundo para

também se tornar uma grande protagonista na área de

inovação, pesquisa e desenvolvimento, sede de grandes

expoentes como a Alibaba e a Tecent. Serão 5 principais

locais de parada:

-Pequim (#3 no SG). é a capital das startups do país.

É a segunda no ranking dos unicórnios (empresas com

valor de mercado com mais 1 bilhão de dólares), ficando

apenas atrás do Vale do Silício. Duas a cada três dos

mais valiosos unicórnios do mundo estão em Pequim.

Como um importante ecossistema global, a cidade está

entre os três líderes da maioria dos setores.

-Shangai (#8 no SG), como ‘Paris oriental’, Shangai é a

maior e mais rica cidade da China, além de ser a maior

cidade industrial e comercial. Ela também se destaca

pelo número de empreendedoras femininas, estando

entre os 5 maiores ecossistemas que têm a diversidade

de gênero como destaque.

-Shenzhen, considerada a fábrica de hardwares do mundo,

abrigando empresas icônicas como a Huawei.

Asia is a very curious region that has been passing through

a huge transformation process. It is quite evident when it

comes to innovation, as its representativeness has been increasing

year after year.

After Australia, the first connection to Asia will be Tokyo - Japan.

We have already said that innovation is about people

and Japan has a lot to inspire us when it comes to culture,

besides advanced manufacturing, fintech and other sectors

of the economy.

The next stop will be Seoul - South Korea, which has invested

heavily in creating an innovation mindset among children

and young people, not to mention local technological development.

After that, it is time to visit China, that is not only the huge

world’s factory anymore: it is becoming a major player in innovation,

research and development, and home to greatest

exponents such as Alibaba and Tecent. There will be 5 main

stopping places:

- Beijing (#3 in SG). It is the Chinese capital of startups. It

is second in the unicorn rankings (companies with market

value of over $ 1 billion), just behind Silicon Valley. Two out

of three of the world’s most valuable unicorns are in Beijing.

As a major global ecosystem, the city is among the top three

leaders in most industries.

-Shangai (#8 in SG), known as the ‘eastern Paris’, it is the

largest and richest city in China, as well as the largest industrial

and commercial city. It also stands out for the number

of female entrepreneurs, being among the top 5 ecosystems

that have gender diversity as their highlights.

-Shenzhen, considered the world’s hardware equipment

factory, houses iconic companies like Huawei.


15

-Hangzhou, considerado um dos principais centros de

inovação em inteligência artificial e robótica do mundo.

-Hong Kong/ Macau, que após a recente construção da

maior ponte marítima do mundo, com 55km, tem planos

de se tornar um novo grande polo de inovação mundial.

Depois da China, vem a Tailândia, que além do grande

crescimento na área de inovação, também é um país

que proporciona experiências riquíssimas de imersão

sobre espiritualidade (não religião), essencial na vida

dos empreendedores.

Na sequência chega a vez de Singapura (#14 no SG),

considerado um dos países mais inovadores do mundo,

com destaque para as fintechs (financeiro). O Governo

de Singapura, além de criar uma regulamentação específica

para o setor, montou um laboratório de inovação

exclusivo e projetos integrados de fomento.

Na Índia, o roteiro começará por Mumbai, que é classificado

pelo Startup Genome como um dos potenciais

ecossistemas a serem visto no mundo e candidato a entrar

na lista dos 30+. Outro roteiro importante da Índia

será conhecer a cidade de Rishikesh, considerada a capital

mundial da ioga. Será um momento imersão nos

conceitos de autoconhecimento, fundamentais a todo

empreendedor.

A passagem pela Ásia será finalizada em Israel, que fica

na região do Oriente Médio. O país é considerado um

dos mais inovadores do mundo, possuindo o maior número

de startups per capta do planeta. Passou a ser designado

‘Startup Nation’ (Nação das Startups) e agora se

intitula ‘Scaleup Nation’ (scaleup: etapa em que as startups

já crescem de forma exponencial). Além disso, tem

instaladas no país mais de 300 empresas multinacionais

de alta tecnologia, como Intel, Apple e IBM. As principais

cidades israelenses são Tel Avivi (#6 no SG) e Jerusalém.

-Hangzhou, considered one of the leading centers of innovation

in artificial intelligence and robotics in the world.

-Hong Kong / Macau, that after the recent construction of

the world’s largest 55km maritime bridge, plans to become

a new major hub of world’s innovation.

After China, we will go to Thailand, in addition to the great

growth in innovation, is also a country that provides rich

experiences of immersion in spirituality (not religion), essential

for an entrepreneur life.

Singapore will be the next stop (#14 in SG), considered one

of the most innovative countries in the world, especially fintech.

The Government of Singapore, in addition to creating

sector-specific regulations, has set up a unique innovation

laboratory and integrated development projects.

In India, the roadmap will start with Bombaim, which is

ranked by Startup Genome as one of the potential ecosystems

to be seen in the world and a candidate for the 30+.

Another important stop in India will be the city of Rishikesh,

considered the world capital of yoga. It will be a moment for

immersion in the concepts of self-knowledge, fundamental

to every entrepreneur.

The passage through Asia will end in Israel, in the Middle

East region. The country is considered one of the most innovative

in the world, with the largest number of startups per

capita on the planet. It was renamed ‘Startup Nation’ and is

now called ‘Scaleup Nation’ (scaleup: stage where startups

are already growing exponentially). In addition, it has more

than 300 high-tech multinational companies installed in

the country, such as Intel, Apple and IBM. The main Israeli

cities are Tel Aviv (# 6 in SG) and Jerusalem.


16

ÁFRICA

AFRICA

A África é uma região repleta de curiosidades. Muitas

vezes, as pessoas se referem à África como ela fosse

um país e é aí que aí que deixamos de entender as individualidades.

A União Africana estabeleceu a agenda

2063, com algumas prioridades para o continente, entre

as principais o desenvolvimento da ciência, tecnologia e

inovação.

O roteiro da África começa pelo Cairo – Egito, que tem

feito um trabalho forte de transformação digital, inclusive

criando uma nova capital administrativa de forma

planejada. Depois, seguimos para a Addis Baba - Ethiópia,

sede da União Africana, que tem utilizado a inovação

para resolver os problemas locais.

Na sequência vem Lagos – Nigéria. A principal economia

africana tem um ecossistema de startup avaliado em 2

bilhões de dólares e vem crescendo muito nos últimos

anos, despertando interesses em todo o mundo.

Em seguida, vêm dois países de língua portuguesa, Angola

e Moçambique. Esses países não têm muita tradição

com a inovação, mas algumas iniciativas locais já

começam a despontar. Há grandes possibilidades de se

criar uma aproximação com o Brasil pela proximidade

da língua.

A passagem pela África é concluída em Joanesburgo -

África do Sul, que é o motor econômico do país, com

16% do PIB. O ecossistema é bastante diverso e vem se

desenvolvendo fortemente nos últimos anos, apresentando

grandes possibilidades de crescimento.

Africa is a continent full of curiosities. People often refer

to Africa as a country, and that is a fact that we don’t understand

individualities. The African Union has set the 2063

agenda, with some priorities for the continent, among which

is the development of science, technology and innovation.

The Africa roadmap begins with Cairo - Egypt, which has

done a lot of digital transformation work, including creating

a new administrative capital in a planned way. Then, they

are going to Addis Baba - Ethiopia, headquarters of the African

Union, which has been using innovation to solve local

problems.

After that, they go to Lagos - Nigeria. This city, Africa’s leading

economy, has a startup ecosystem valued at $ 2 billion

and has grown a lot in the last years, drawing attention

from all the world.

Next stops: two Portuguese-speaking countries, Angola and

Mozambique. These countries do not have much tradition

with innovation, but some local initiatives are already emerging.

There are great possibilities us to create an approach

with Brazil through the proximity of the language.

The last city in Africa will be Johannesburg - South Africa,

which is the country’s economic engine, with 16% of GDP.

The ecosystem is quite diverse and has been developing

strongly in recent years, with great growth possibilities.


17

“VEJO GRANDES

OPORTUNIDADES

PARA INOVAÇÃO NA

ÁFRICA E MUITAS

TRANSFORMAÇÕES

JÁ ESTÃO

ACONTECENDO

POR LÁ.”

“I SEE GREAT

OPPORTUNITIES FOR

INNOVATION IN AFRICA

AND MANY TRANSFOR-

MATIONS ARE ALREADY

HAPPENING OVER

THERE. ”


18

EUROPA

EUROPE

De Joanesburgo, o primeiro destino na Europa é Zurich

– Suíça, onde está sendo construído um novo hub de

inovação com três principais áreas de foco: robótica e

mobilidade; aeroespacial e manufatura avançada. Na

sequência, vem alguns países do leste europeu como

a Sérvia, passando pela Grécia, Rússia e finalizando na

Estônia.

A Estônia é um país bastante inspirador, pois conseguiu

implementar um conceito de governo eletrônico, desburocratizando

os processos públicos. Alterou a legislação,

facilitando a vida das pessoas e empresas. Este conceito

serviu e ainda serve como referência para países de

todo o mundo.

Na sequência, subindo um pouco mais para o extremo

norte do mapa, chegam os países nórdicos. Estão no roteiro

a Finlândia e Suécia (#11 no SG).

Berlim (#10 no SG). Alemanha é a próxima parada. A cidade

atrai empreendedores e talentos do mundo todo.

Pesquisa recente da Netspick apontou a capital da Alemanha

como a melhor cidade do mundo para os millenials,

baseada em fatores como negócios, ecossistema,

abertura e entretenimento. Os segmentos de fintech, inteligência

artificial, big data e analytics são os principais

destaques.

Na sequência, vêm países como a Holanda, Bélgica,

França e Reino Unido. Londres (#3 no SG) – Reino Unido,

cidade cosmopolita que tem um vibrante ecossistema

de inovação, merece destaque. Entre as iniciativas principais

está o Tech City, que ocupa uma área histórica

que foi revitalizada e hoje desenvolve um forte papel de

fomento e atração de empresas inovadoras para Londres.

Em seguida, vem Paris– França (#9 no SG). A cidade tem

162.000 profissionais do setor com uma despesa em

torno de US$ 22.5 bilhões e tem um ecossistema em pleno

crescimento. E para finalizar o roteiro europeu, tem

uma passagem pela Espanha até chegar em Portugal,

país que vem se transformando com a inovação.

Felipe participou da missão Web Summit Lisboa em

2018, junto com uma comitiva de 200 brasileiros para

conhecer as transformações pelas quais o país está passando

e que são realmente inspiradoras. Isso inclui mudanças

nas leis, fundos de fomento a startup e atração

dos melhores profissionais do mundo.

After Johannesburg, the first destination in Europe will

be Zurich - Switzerland, where a new innovation hub is

being built with three main focus areas: robotics and

mobility; aerospace and advanced manufacturing. Then,

the mission will pass by some Eastern European countries

such as Serbia, Greece, Russia and Estonia.

Estonia is a very inspiring country because it has managed

to implement a concept of e-government, reducing

bureaucracy in public processes. It changed the legislation,

making life easier for people and businesses. This

concept has served and still serves as a reference for

countries all around the world.

Then, going a little farther to the north of the map, it´s

time to visit the Nordic countries. In the script are Finland

and Sweden (#11 in SG).

Berlin (#10 at SG) - Germany will be the next stop. The

city attracts entrepreneurs and talent from around the

world. Netspick’s recent survey revealed Germany’s capital

as the best city in the world for millenials, based

in factors such as business, ecosystem, openness and

entertainment. The segments of fintech, artificial intelligence,

big data and analytics are the main highlights.

Then, the mission will be in Netherlands, Belgium, France

and the United Kingdom. London (#3 in SG) - United

Kingdom, a cosmopolitan city that has a vibrant ecosystem

of innovation, deserves attention. Key initiatives include

Tech City, which occupies a historic area that has

been revitalized and today has a strong role in fostering

and attracting innovative companies to London.

Next stop it will be Paris - France (#9 in SG). The city

has 162,000 industry professionals with an expense of

around $ 22.5 billion and has a booming ecosystem.

And to end the European script, there is a trip to Spain

and following Portugal. Portugal has been changing a lot

with innovation base.

Felipe participated into Web Summit Lisboa mission in

2018, with a group of 200 Brazilians to learn about the

transformations that the country has been going through

which are really inspiring. It includes changes in the

law, startup funding, and attracting the best professionals

in the world.


19

AMÉRICA DO SUL

SOUTH AMERICA

De Portugal o voo é direto para São Paulo. Passagem de

poucos dias para rever a família e amigos e concluir a

missão na América do Sul, visitando três países: Argentina,

Chile e Colômbia.

Vale um destaque especial para a Medellin – Colômbia,

que deixou de ser a cidade mais violenta do mundo,

sede de grandes cartéis de droga, para uma das cidades

mais inovadoras.

After Portugal the family flights straight to Sao Paulo.

They will spend a few days there to see their family and

friends and complete the mission in South America, visiting

three countries: Argentina, Chile and Colombia.

An important note about Medellin - Colombia, which it

is no longer the most violent city in the world, home to

major drug cartels, and it has become one of the most

innovative cities.

“E EM 2021, QUEM

SABE, COMEÇAMOS

UM NOVO PROJETO

DE EXPLORAÇÃO

DOS ECOSSISTEMAS

DE INOVAÇÃO

BRASILEIROS.

VAMOS JUNTOS!?”

“AND IN 2021, WHO

KNOWS… MAYBE

WE’LL START A NEW

PROJECT TO EXPLORE

BRAZILIAN INNOVA-

TION ECOSYSTEMS.

SHALL WE DO THIS

TOGETHER?”

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully !

Ooh no, something went wrong !