27.02.2020 Views

EMPREENDA REVISTA - Ed. 33 - RICA MELLO - Fev/2020

Revista de Negócios focada no público empreendedor

Revista de Negócios focada no público empreendedor

SHOW MORE
SHOW LESS

Do you know the secret to free website traffic?

Use this trick to increase the number of new potential customers.

04


07 05


06

SUMÁRIO

10

PRIMEIRA PARADA

18

LIDERE A SI MESMO

E GERE IMPACTO

NAS PESSOAS

36

II EDIÇÃO DO

PRÊMIO PEGA A VISÃO DE

EMPREENDEDORISMO

POPULAR

42

CRIATÉGIA, CULTURA DE

RESULTADO ORIENTADO

AO APRENDIZADO

E PROPÓSITO

44

O MUNDO ESTÁ CANSADO

DE “BOAS IDEIAS”!

50

CRESCIMENTO DAS STARTUPS:

VEJA O QUE MUDOU NOS

ÚLTIMOS CINCO ANOS!

28

EMPREENDEDOR SERIAL, CRIADOR DO MÉTODO GESTÃO

EXPONENCIAL COMPARTILHA SEU TEMPERO PARA O SUCESSO.


07

Chegou o mês do carnaval!

Em um país onde muitos consideram que o ano se inicia após o carnaval,

Feliz 2020!

Sinto em dizer que já se passaram no mínimo 50 dias, se você ainda não

teve nenhum indício de resultado em suas ações, corra e comece a rever

alguns dados, no próximo mês já teremos que ter no mínimo uma boa previsão

de fechamento de trimestre.

O tempo implacável com nosso negócio, é ainda mais duro quando percebemos

que somos os únicos responsáveis por não estar dando a devida

atenção a ele (tempo). Um grande sábio já dizia, tolo é quem não sabe que

ao matar o tempo, está matando a si mesmo. Portanto, amigos leitores, se

você quiser ter um resultado exponencial, comece a agir.

EDITORIAL

EXPEDIENTE

EMPREENDA REVISTA

ANO IV | EDIÇÃO 33 | Fevereiro 2020

www.empreendarevista.com.br

contato@empreendarevista.com.br

DIRETORA RESPONSÁVEL

Elaine Julião

elaine@empreendarevista.com.br

DEPARTAMENTO COMERCIAL

comercial@empreendarevista.com.br

PRODUÇÃO DE CONTEÚDO

E DESENVOLVIMENTO

Grupo Empreenda - Rua Cedral, 91 - Mauá

CNPJ: 10.378.146/0001-29

DEPTO. MARKETING

marketing@empreendarevista.com.br

REDAÇÃO

redacao@empreendarevista.com.br

PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO

Carlos Celice | Designer Gráfico

ILUSTRADOR

Bigas | www.estudiobigas.com.br

FOTO CAPA

Foto Arquivo Pessoal

ASSINATURA

www.empreendarevista.com.br/assinaturas

FALE CONOSCO 11 4309-9889

E por falar em resultados exponenciais, nessa edição trazemos um jovem

empreendedor serial que ao desenvolver um método de gestão exponencial,

conseguiu aumentar a receita de sua empresa em 16x em menos de 5

anos. Ele é Rica Mello, um apaixonado pelo empreendedorismo, e viajante

profissional que através de uma ampla gestão de seus negócios consegue

ter tempo para realizar incríveis viagens.

Você vai aprender muito com ele e com todas as outras matérias que trouxemos

para você. Essa edição trazemos também um editorial para falar

sobre o dia 8 de março, dia internacional de todas nós mulheres. Aqui peço

licença aos leitores homens dessa edição, mas preciso deixar uma mensagem

para todas as empreendedoras que nos acompanham. Mulheres,

ainda estamos muito longe de conquistar tudo o que precisamos e merecemos,

mas já melhoramos muito.

Então que possamos continuar cada

vez mais firmes em nosso propósito

e junto com todos os homens, possamos

construir um mundo muito

mais digno e muito além da igualdade,

vamos buscar a equidade.

Aqui na redação, estamos a mil por

hora, está chegando o nosso primeiro

evento anual, o Empreenda

Summit ABC 2020, essa edição irá

acontecer em Mauá, SP, para 500

participantes, com um time de 16

grandes nomes no palco que contribuirão

com conteúdo e dicas incríveis.

Estamos juntos, vamos fazer 2020

o melhor ano de nossos negócios.

Boa leitura!

#empreenda #BoraAcontecer

Nos acompanhe pelas redes sociais

A EMPREENDA REVISTA é uma publicação mensal.

A revista não se responsabiliza por conceitos e

opiniões emitidas em colunas assinadas e materiais

divulgados em anúncios publicitários.

@empreendarevista

/empreendarevista

@empreendarev

/empreenda-revista


08

COLUNA DO LEITOR

EDIÇÃO DE JANEIRO DA EMPREENDA

É SUCESSO NAS REDES SOCIAIS


10

PRIMEIRA PARADA

Chegamos à cidade de Toronto, Canadá, primeira parada

da Volta ao Mundo da Inovação. E já tivemos sorte

em pegar uma temperatura amena: entre 2 graus negativos

e zero. Sim, a expectativa era de pelo menos 10

graus negativos.

Já seguimos viagem para os EUA, passando pela capital

Washington D.C. e por New York. Conhecemos pessoas

fantásticas nestes dias e visitamos empresas e ambientes

muito inspiradores, aqui trago os destaques desse

início de jornada a vocês, leitores da Empreenda Revista.

SOLUÇÕES INOVADORAS

VENDING MACHINE DE PIZZAS

Descobrimos a Pizza Forno, uma pizzaria feita em um

mini container. A compra é feita de forma digital e automatizada

e o pedido fica pronto em 3 minutos. Encontramos

essa pizzaria em uma região central de Toronto

e nos chamou bastante a atenção.

2. As pizzas são feitas de forma artesanal pela empresa

em cozinha própria (feita por humanos). A estrutura

interna do container é automatizada, há uma equipe

que repõe o estoque que é armazenado em um

refrigerador dentro do minicontainer. Ao receber a

confirmação de pagamento via sistema, um braço

robótico retira a pizza escolhida da seção refrigerada,

transporta para um forno, patenteado, onde é

assada. A pizza é colocada em uma caixa e entregue

ao consumidor em no máximo 3 minutos.

A experiência de compra é, realmente, muito bem pensada

o que faz valer a auto intitulação da empresa “pizzaruption”.

Atualmente, são fornecidos 6 sabores, incluindo

duas opções vegetarianas.

NOVO CONCEITO DE ACADEMIAS SMART

Meu amigo Lucas Buarim, executivo brasileiro que há

anos mora em New York, mostrou-nos uma nova tendência

“gringa” que são as academias domésticas realmente

smart. É extraordinário! são diversas as soluções

de equipamentos inteligentes que estão sendo disponibilizados

por lá. Vou trazer para vocês, alguns que mais

gostei:

TONAL – ACADEMIA COM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Tive a oportunidade de testar o Tonal na casa de meu

amigo, Lucas, e fiquei surpreso com o que pude ver.

Tonal é uma máquina multiuso de musculação que usa

resistência eletromagnética para criar peso digital de

até 90 quilos. O sistema monitora a qualidade de cada

repetição e consegue medir o progresso em tempo real.

Como funciona?

O mini container é dividido em duas partes:

1. A cabine externa conta com uma tela touch screem

de 32 polegadas, onde o cliente escolhe o sabor, define

como quer a pizza, assada ou congelada para

fazer em casa e efetua o pagamento.

O equipamento utiliza

um sistema IA

– Inteligência artificial

- que aprende

com o seu corpo e

adapta as orientações

em tempo real,

para que você veja

os resultados mais

rapidamente.


11

Ao selecionar seus objetivos, o seu personal trainer virtual

vai te orientar sobre o que fazer e como fazer.

medindo 1,3 x 0,5 metros. Ela pode ser fixada na parede

ou apoiada em um suporte no chão.

Quanto custa?

- Máquina, instalação e acessórios: US$ 3,750.00.

- Assinatura mensal, com programas de treinamento de

força sob demanda, incluindo aulas de ioga: US$ 49.00

Para estimular a prática e não deixar que o equipamento

vire “cabide de roupas” (você sabe do que estou falando),

a empresa tem um sistema de cashback, se você

e sua família fizerem 12 exercícios em 30 dias eles devolvem

US$ 250.00 do seu investimento.

Eles entendem que o primeiro mês é essencial para que

você mude seus hábitos e coloque a prática em sua rotina.

Ah, mas e aquela ajudinha para fazer supino e agachamento?

A máquina pode entrar no modo “observador”

para ajudar nos exercícios mais pesados. Mas, pelo que

parece, ainda não tem o “mala” que fica puxando assunto

nos intervalos das séries.

PELOTON – SPINNING AO VIVO DA SUA CASA

A Peloton, pioneira neste setor de academias smart descentralizadas,

permite que você faça um exercício cárdio

dentro da sua própria casa ou escritório. Imagine fazer

uma aula de spinning, encaixando dentro da sua rotina

diária, sem necessariamente ter de fazer um agendamento

prévio.

Como funciona?

Você escolhe entre os mais de 20 tipos de treino (braço,

abdômen, box, dança, yoga, entre outros) que duram de

15 a 60 minutos. Ao se posicionar em frente ao espelho,

você acompanha o treinador em mais de 10 mil aulas

gravadas. Assistindo aos movimentos do treinador que

aparece em imagem recortada apenas com seu corpo,

você também consegue ver no espelho refletido como

está indo sua performance.

O equipamento custa US$ 1,490.00 à vista ou em 36 parcelas

de US$ 42,00. O plano mensal para ter acesso às

aulas ao vivo e pré-gravadas é de US$ 39,00. Para quem

busca treinos individualizados, há também a possibilidade

de contratar um personal trainer online. O custo é de

US$ 40,00 por treino.

Você adquire uma bicicleta com uma tela frontal e pode

optar por participar de mais de 90 aulas ao vivo por semana

ou escolher alguns treinos gravados no sistema

que se adequam aos seus objetivos.

Para ter acesso ao plano mensal de US$ 39.00 por mês,

você precisa adquirir a bicicleta por US$2,245.00 ou em

39 parcelas de US$ 58,00.

Nossa volta ao mundo só está começando,

então se prepare porque na próxima edição

trarei destaques exclusivos para você. Acompanhe

nossa jornada pelo instagram @innovationwconection

e fique por dentro do que

há de mais inovador no mundo. #PraCima

MIRROR – A ACADEMIA NO ESPELHO

Com o Mirror, você também tem à disposição professores

que vão te auxiliar com mais de 20 tipos de exercícios,

mas em um formato diferente. O próprio nome

já mostra um pouco sobre o formato: mirror, que em

inglês significa espelho. O equipamento é bastante portátil

e ocupa pouco espaço: é uma tela de 40 polegadas,


12

EMPREENDEDORES

PELO MUNDO

AMIGOS BRASILEIROS, CONSTRÕEM

AUTORIDADE INTERNACIONAL

VENDENDO PASTEL NA REGIÃO

DE VANCOUVER, CANADÁ

A Whatafood – Brazilian Steet Food teve início em

2018, quando os jovens, Levi Dahora, Onofre de Oliveira

e Clodimar Feijão, decidiram apostar na ideia

de abrir uma barraca especializada em pasteis de feira

e pães de queijo para participar de uma grande feira

que acontece entre os meses de maio a setembro

na cidade Richmond, vizinha a Vancouver no Canadá.


19

Os objetivos eram simples: testar a receptividade do público

Canadense ao pastel de feira e pão de queijo, ao

mesmo que começariam a construir uma marca forte

associada a produtos brasileiros de alta qualidade.

A ideia que parecia simples acabou apresentando vários

desafios, começando pela produção dos pasteis, a difícil

questão era como eles poderiam produzir uma boa

quantidade de pasteis com alta qualidade e baixo custo,

sem ter os equipamentos adequados, uma vez que existem

várias barreiras para a importacao de equipamentos

do Brasil.

EMPREENDEDORES

PELO MUNDO

Os três amigos, que trabalhavam durante o dia em seus

empregos formais, após o expediente resolveram começar

seu pequeno negócio, a primeira noite de produção

contabilizou uma jornada de quase 12 horas, exaustos

e com uma produção que se mostrou muito mais difícil

do que eles pensavam, os amigos entenderam que para

manter a qualidade, padronização e os custos sob controle,

teriam que ter um outro plano, porque daquela

maneira seu objetivo seria praticamente impossível de

ser alcançado.

Claro que, são brasileiros e não desistem NUNCA, mesmo

com um cenário desafiador à sua frente, os jovens

brasileiros colocaram em prática a tão invejada e famosa

criatividade brasileira que aliada a uma pitada de perseverança,

resolve grandes desafios. Levi, Onofre e Clodimar,

inventaram e construíram todas as ferramentas

necessárias para viabilizar a produção.

“Acabamos nos reinventando, e também,

desenvolvendo habilidades que até então

todos nós desconhecíamos.”, conta Levi.

Após o primeiro desafio concluído com muito sucesso,

chegou a hora de resolver seu segundo desafio, como

eles poderiam transformar a marca conhecida, respeitada

e associada ao melhor pastel de feira e pão de queijo

em na feira de Richmond?

Para garantir que todas as fotos tiradas dos produtos

que eles vendessem tivessem sua marca estampada.

Os amigos investiram em embalagens feitas sob encomenda

e que traziam o logo de seu negócio estampado.

Desenvolver embalagens próprias custou muitas vezes

mais do que o uso de embalagens simples, porém era

um investimento necessário para que todos os clientes

que adquirissem seus produtos e tirassem fotos para

postar em suas redes sociais, automaticamente fizessem

a divulgação gratuita em seus canais pessoais. Esse

investimento, com certeza, valeu muito a pena.

Após o sucesso inicial na feira oriental conhecida como

Richmond Night Market, diversos convites começaram

a aparecer para que os amigos participassem de outros

eventos. Ainda em 2017, eles participaram de mais 3

grandes feiras que, também, foram um sucesso, apesar

dos desafios logísticos. Como todo desafio, vem cheio

de muitos aprendizados, em 2019, a meta era aprender

com as lições dos anos anteriores e aumentar a presença

da marca na região. Para tanto, Levi, Onofre e Clodimar,

traçaram uma estratégia audaciosa, queriam estar

presentes em 20 feiras durante os meses do verão.

Essa estratégia, fez com que eles se tornassem conhecidos

na crescente comunidade brasileira na região de

Vancouver. Surpresa maior para os jovens empreendedores

foi a grande aceitação de seus produtos entre o

público nativo Canadense.

Mesmo operando apenas 5 meses por ano, entre os meses

de maio a setembro, eles conseguem reunir muitas

pessoas em todos os eventos de que participam, sua

estrutura móvel já não é mais suficiente para atender a

demanda que não para de crescer.

Agora em 2020, eles se preparam para inaugurar a primeira

loja para vender seus produtos, a pastelaria está

em construção e com uma previsão de inauguração

para março desse ano.

Claro que como empreendedores visionários, os jovens

estão abrindo a loja com o intuito de transformar a pastelaria

em futuras franquias. Esse desejo é baseado em

dois pontos chave: (1) operação simples sem necessidade

de mão de obra qualificada e (2) capaz de operar em

pequenos pontos de venda, uma vez que os gastos com

aluguel são uma parte importante dos custos.

“O nosso sonho é que a Whatafood –

Brazilian Street Food se torne a maior

rede fast-food genuinamente brasileira

fora do país, oferecendo produtos e atendimento

de alta qualidade, tornando-se

um ponto de encontro e motivo de orgulho

para os brasileiros que vivem no exterior.”

Finaliza Levi.


14

GESTÃO E NEGÓCIOS


15

GESTÃO E NEGÓCIOS


16

MARKETING

DICAS DE AÇÕES DE MARKETING PARA

ALAVANCAR AS VENDAS EM 2020.

Vamos aproveitar esse início de ano quero compartilhar

algumas dicas de ações de Marketing, criatividade e inovação,

para que vocês leitores possam alavancar as vendas

e colher bons frutos.

Vamos lá, vocês já sabem ou já possuem um plano de

marketing bem estruturado?

O plano é quem vai te dizer quem é o seu público alvo,

como você chegará até eles e o que vai precisar fazer

para que comecem a comprar ou para que continuem

comprando. Basicamente é o que você precisa se estiver

pensando em criar ou crescer o seu negócio. Será a descrição

do seu mercado, objetivos e os melhores meios

para que você consiga usar o marketing para atender

aos desejos de seus consumidores. Será o seu mapa

para que possa consultar sempre que houver necessidade

ou que queira implementar uma nova ação.

Existem vários tipos de ações de marketing, entre eles:

• AÇÕES PROMOCIONAIS

• MARKETING DE GUERRILHA

• MARKETING DE VENDAS

• MARKETING DIGITAL

Uma das ações de Marketing mais utilizadas pelas empresas

são as ações promocionais. Ações que visam

promover a marca de forma global, tanto as ideias, produtos

e serviços quanto o próprio nome da empresa.

Aproveite as ações promocionais para trabalhar ações

conjuntas que disponham valor, benefícios e interatividade

aos seus clientes, para promover a sua marca e

serviços. As ações de Marketing de Guerrilha demandam,

normalmente, baixo investimento e, dentro do

Marketing Digital, costumam viralizar rapidamente nas

mídias, assim como o Marketing Promocional. O que os

diferencia é que o Marketing de Guerrilha costuma ser

mais insultuoso, a ideia é que as ações sejam impactantes

e atinjam o público sem que eles percebam que se

trata de uma ação de Marketing. As ações costumam ser

menos prudente e muito mais provocativas do que nos

outros tipos.

O marketing de Vendas é um área do Marketing que não

tem como objetivo apenas comunicar-se com parceiros

e clientes, ele tem como foco principal vender, que seja

produto ou serviço. A estratégia é muito delicada engloba

desde a embalagem do produto até a localização da

loja tudo escolhido para maximizar a venda.

Não se esqueça que as mídias digitais estão do nosso

lado, tudo o que você faria no offline pode ser adequado

para o ambiente online, porém, lembre-se de conhecer

as características desse meio para que a adaptação seja

assertiva. Possibilitam segmentar facilmente o público-

-alvo, possuem valor relativamente baixo para realização

de ações simples, oferecem ferramentas que possibilitam

o relacionamento com o público, entre outros

benefícios.

É importante que este planejamento contenha:

• Os objetivos gerais e específicos da ação.

• A justificativa para a realização da campanha/ação

promocional.

• O público que será atingido pela ação.

• O que se quer passar ao público, qual será o tema

da campanha.

• A mecânica da ação a forma em que ela funcionará.

• Os recursos humanos e financeiros que serão necessários

para a realização da campanha.

• Maneira em que será divulgada

Agora muito planejamento e ação!

@tatyaneluncah

@grupoprojeto

Tatyane Luncah

Fundadora e CEO da

Agência Grupo Projeto.


17

GESTÃO E NEGÓCIOS


18

GESTÃO E NEGÓCIOS

LIDERE A SI MESMO E GERE IMPACTO

NAS PESSOAS

As competências intrapessoais, ligadas ao autoconhecimento

e as habilidades ligadas ao relacionamento humano,

formam o que eu chamo de forças da liderança.

Ser líder de si mesmo representa o desejo de permanecer

em movimento com equilíbrio entre o mental, o

físico e o emocional, com contínua experiência no desenvolvimento

da comunicação para gerar impacto nas

outras pessoas.

Segundo Albert Merabiam, em seu livro Silent Messages:

• 55% do impacto da nossa comunicação é não verbal,

representada por nossa postura, gestos, contato visual.

Você já ouviu a expressão sobre a primeira impressão

é a que fica, pois então sabe sobre o que estou

falando aqui.

• 38% do impacto está no “como” nos expressamos =

o tom de voz, o volume e timbre da nossa voz, assim

como o estilo da nossa linguagem falada ou escrita

(caixa alta ou baixa), por isso que quando construímos

um estudo de branding pessoal ou da nossa marca,

este termo chamado tom de voz passa ser considerado.

• Apenas 7% do impacto da nossa comunicação é as palavras

propriamente ditas. Não é o que dizemos, mas

como dizemos que faz toda a diferença.

Ser assertivo é saber expor sua própria opinião percebendo

os bastidores da situação, considerando a visão

macro (dar um zoom out) e defender seus próprios argumentos

com intenção positiva, utilizando formas de

expressão que representam ideias, valores, conhecimentos

e experiências de vida. As pessoas são diferentes,

o que faz com que suas expressões no mundo também

sejam feitas de formas distintas, sem julgamento,

nem certas e nem erradas, mas diferentes e começa por

reconhecermos isso para fazermos nossa parte. Alguns

exemplos de onde podemos aplicar constantemente a

comunicação positiva no nosso dia a dia:

– Relacionamento amoroso;

– Negociação com clientes;

Educação dos filhos e convívio familiar com pessoas

de diferentes gerações;

– Formação, treinamento e desenvolvimento de

equipe.

Na antiguidade grega, o comportamento humano era

comparado aos 4 elementos da natureza: água, terra,

fogo e ar. Hipócrates, considerado o pai da medicina

ocidental, falou sobre o equilíbrio dos os quatro fluídos

corporais essenciais, como sangue, bile negra, bile amarela

e fleuma, sendo estes a base de percepção do temperamental

conceito de colérico, sanguíneo, fleumático

e melancólico.

A comunicação assertiva é uma competência de liderança

– do campo da inteligência emocional – que pode

ser considerada como um ponto forte por estar entre

os dois extremos que é ser impositivo (agressão) ou ser

omisso (submissão) no próprio posicionamento. Mais

uma vez a busca pelo equilíbrio sem deixar de ser autêntico

irá fazer você crescer e aparecer por conta da

sua comunicação ativa.

William Marston construiu o modelo DISC -sigla que representa

dominância, influência, estabilidade e conformidade.

A maioria dos critérios normalmente utilizados

para recrutamento, seleção, gestão de liderança e gerenciamento

de performance são feitos com base neste

método.

Tente identicar o seu perfil comportamental pela breve

descrição que trouxe aqui, mas saiba que você pode ( e

deveria) buscar testes mais aprofundados com profissionais

especializados, pois estes além de aplicar o assesment

devem saber dar o melhor feedback possível e

construir um PDI – plano de desenvolvimento pessoal,

baseado em seus objetivos.


19

1 - COMUNICADORES

Perfil DISC I – Influência

São motivados pelo reconhecimento,

gostam de estar entre pessoas, pois

são festivos, animados e descontraídos,

gostam de viajar e sair, isso os

tornam mais sociáveis. Tendem a serem

líderes natos. Costumam se comprometer com mais

coisas do que realmente podem cumprir.

Dicas para o desenvolvimento:

• Escute, pergunte. Pare e reflita. Considere

• Desenvolva habilidades de gerência do tempo

• Controle os impulso

• Torne-se mais reflexivo

• Evite ficar perto de pessoas negativas, frias ou pessimistas

• Evite trabalhar sozinho

2 - EXECUTORES

Perfil DISC D - Dominância

São motivados pelos resultados, sendo

dinâmicos, competitivos e ousados.

São movidos pela ação e são muito comerciais.

Possuem grande senso de urgência

e agem com confiança e eficiência.

Como líderes geralmente precisam trabalhar a empatia.

Dicas para o desenvolvimento:

• Pare para analisar melhor as informações, assim suas

ações terão mais embasamento

• Em um trabalho em equipe, busque esclarecer seu raciocínio

antes de simplesmente comunicar sua decisão

• Ouça outras opiniões, respeite ideias de outros

• Desenvolva paciência e cooperação

• Evite ser rude ao ponto de ofender as pessoas

4 - ANALÍTICOS

Perfil DISC C – Conformidade

São detalhistas que buscam ser especialistas

naquilo que se propõem a

fazer. Dedicam-se a saber muito sobre

o assunto que irão assumir, são questionadores

por natureza. Gostam de se

sentir seguros e por isso evitam riscos ou

imprevistos. Preferem ficar sozinhos, não demonstram

empatia nos relacionamentos e por isso, podem ser mal

interpretados.

Dicas para o desenvolvimento:

• Busque se tornar mais aberto às formas de pensar das

pessoas

• Tente ser mais flexível com você mesmo – errar pode

ser melhor do que procrastinar pela busca da perfeição

• Não exagere nas críticas e autocríticas (principalmente)

• Dê um novo significado aos imprevistos (aprendizagem

diferente de punição)

• Evite se isolar demais.

Como podemos saber se estamos comunicando certo?

Pelo resultado!

O resultado da sua comunicação está na resposta que

você recebe.

Independentemente de seu perfil comportamental,

seus objetivos devem estar claros para cada projeto que

executa. Por mais que valorize a independência, reconheça

os benefícios da colaboração.

GESTÃO E NEGÓCIOS

3 - PLANEJADORES

Perfil DISC S - Estabilidade

São sociais e trabalham muito bem em

equipe. Motivado pela associação, ou

seja, gostam de receber apoio e apesar

de na maioria das vezes falarem pouco,

são muito observadores e excelentes

aconselhadores, quando comprometidos entregam o

resultado no seu tempo, mesmo parecendo ser mais

lentos. Têm uma forma de seguir a vida com mais calma,

paciência e consistência.

Dicas para o desenvolvimento:

• Torne-se mais flexível com suas rotinas e se disponha

a negociar a mudança

• Desenvolva suas habilidades de assertividade, o óbvio

precisa ser dito

• Saiba que as pessoas não sabem o que você está sentindo

ou pensando. Aprenda a se comunicar melhor

• Evite receber as críticas a seu trabalho como algo pessoal

• Evite ser rigoroso em excesso com você mesmo

CHAI CARIONI atua como

Palestrante, Trainer Institucional

e mentora de negócios, apoiando

empreendedores para inovação

e melhoraria de gestão, com

visão estratégica para o empreendedor

desenvolver o Mindset

de Ceo com equilíbrio sem ser

um equilibrista.

Instagram: @chaicarioni_ e

site: www.chaicarioni.com.br


20

GESTÃO E NEGÓCIOS

CAMAROTES CORPORATIVOS JÁ SÃO CONSIDERADOS COMO EFICIENTE

MODELO DE NEGÓCIO PARA ATRAÇÃO DE NOVAS OPORTUNIDADES

Clube Seleto de Negócios reunirá no camarote +Brasil,

na Sapacuí (RJ), empresários e lideranças para aproveitarem

a folia e gerarem networking e negócios. Considerada

a maior festa popular do Brasil, o Carnaval entrou

na rota de oportunidades únicas para os interessados

em gerar negócios. E, de olho nas oportunidades geradas

pela festa, os camarotes espalhados pelas cidades

estão se tornando um modelo de negócio cada vez mais

sólido para atração de foliões que querem unir o útil ao

agradável: diversão e negócios! Empresários que apostam

em eventos variados para estreitarem novos relacionamentos

já miram neste espaço como importante

canal para troca de figurinhas, enquanto aproveitam a

folia.

Com os desfiles transmitidos para mais de 100 países,

em 2019, o espetáculo movimentou cerca de R$ 3,78 bilhões

e atraiu 1,62 milhões de turistas só para o estado

do Rio de Janeiro. De olho neste mercado, o empresário

Tadeu Lockermann, fundador do Clube PROTAGONIS-

TAS DO BRASIL - um clube de negócios de alto valor

agregado – decidiu apostar nos camarotes corporativos

para agregar ainda mais valor ao Business, emparceirando

com o francês Alexis Deulx, proprietário do camarote

+Brasil.

“Os camarotes corporativos já são considerados como

eficiente modelo de negócio para atração de relacionamento

e de oportunidades. Por isso decidimos apostar

alto neste espaço para que nossos membros e patrocinadores

aliem o útil ao agradável”. Comenta Tadeu.

Além de contar com localização privilegiada, alta gastronomia

e muitos mimos e requintes dentro do camarote

+Brasil, os convidados terão a oportunidade de se

relacionar com mais de 1.000 empresários, executivos,

CEOs, lideranças governamentais e personalidades que

passarão pelo local, durante os dias do evento. Dentre

a lista de personalidades confirmados para o Camarote

+Brasil espaço longe Protagonistas do Brasil, Camila

Farani é o nome confirmado. Empresária e investidora

anjo brasileira, Camila Farani é considerada a maior investidora

deste segmento no Brasil. Atualmente, a empresária

é um dos “tubarões” do programa Shark Tank

Brasil.

O que será o espaço Protagonistas by Camila

Farani com o camarote +Brasil?

Além de muitos convidados fazendo networking, haverá

bares ativados com bartenders profissionais e experiências

pelos coquetéis diversos, gastronomia com Maîtres

Cuisiniers de France e LE CORDON BLEU com coquetel

voltante; Gastronomia japonesa, sobremesas, café da

manhã continental, shows, sorteios de joias e galeria de

arte.

Sobre o Clube Os Protagonistas Do Brasil

Fundado pelo empresário Tadeu Lockermann, O Clube

PROTAGONISTAS DO BRASIL é um clube de negócios de

alto valor agregado, com proposta de entrega totalmente

diferenciada e muito bem definida. Diante de uma

metodologia própria, inovadora e já validada por importantes

players, o clube se mostra eficiente na hora de

fomentar novas possibilidades e oportunidades entre

seus membros filiados.

Um pouco mais sobre o Clube

Os Protagonistas do Brasil é um seleto Clube Business

multissetorial, privado, sem bandeira política, protagonizado

por influenciadores e formadores de opinião da

sociedade brasileira. Congrega destacadas lideranças

empresariais e empreendedoras, assim como profissionais

liberais de sucesso. Enquanto membros filiados,

compartilham dos mesmos pilares alicerçados em ganhos

recíprocos. Mas a prioridade, acima de tudo, está

nos laços de amizade com aproximação de interesses

comuns, a fim de gerar bons negócios entre si e deixar

legados sustentáveis para o Brasil.


21

GESTÃO E NEGÓCIOS


22

GESTÃO E NEGÓCIOS

de Março

DIA INTERNACIONAL

DA MULHER

Oficializado pela ONU – Organização das Nações Unidas,

em 1975, o dia internacional da mulher é lembrado

mundialmente por toda a luta que as mulheres travam

diariamente pela igualdade de gênero.

No Brasil, ainda há muitos problemas a serem resolvidos,

os números de violência contra mulher, feminicídio

e a própria diferença salarial ainda assustam. Grandes

movimentos, aproveitam a data para irem as ruas para

protestar e reivindicar por seus direitos.

Apesar de muitos anos de protestos e reinvindicações,

a evolução sobre esse assunto é muito pequena. O

único dado para comemorar é que o Empoderamento

Feminino vem tornando possível que mulheres, hoje,

não deixem mais seus problemas entre quatro paredes.

Atualmente, elas gritam ao mundo clamando por seus

direitos e vão à luta para conquistá-los.

As mulheres ganharam força, estão em busca de melhores

espaços no mercado de trabalho, e inclusive estão

prontas para empreender. Os números mostram que o

crescimento de mulheres que empreendem aumenta

significativamente ano após ano. As Mulheres Empreendedoras

são muito mais dedicadas aos estudados,

quando comparadas aos homens que empreendem, a

última pesquisa feita pela RME - Rede Mulher Empreendedora,

em setembro de 2019, mostrou que 37,5%

delas concluíram uma pós-graduação, contra 15% dos

homens.

O que, ainda, é preciso resolver, em algumas mulheres

são habilidades de autoconfiança, liderança, gestão e capacidade

de lidar com o dinheiro, apesar de serem mais

escolarizadas, elas, ainda, não se sentem tão confiantes

em relação ao planejamento e gestão de seus negócios.

Um fato apontado por inúmeras pesquisas do setor, é

que as mulheres empreendem com propósito, pensam

mais na comunidade, investem mais para melhorar o lugar

aonde estão. Ao ter sucesso, todo seu entorno melhora.

Em uma sociedade onde as mulheres, ainda, ganham

30% a menos que os homens, ocupando a mesma

função, sendo 6,4% dos cargos de alto escalão em empresas

destinados a elas o empreendedorismo feminino

vem como uma opção de igualdade, pois permite que as

mulheres criem seus nichos e suas oportunidades. Além

de uma vida com mais autonomia para cuidar dos filhos

e da família.

Um caso muito inspirador de mulheres que empreendem

é o da empreendedora Andreia Konz, que passou

por inúmeros desafios, mas foi no trabalho que ela encontrou

forças para superar duas grandes perdas em

sua vida pessoal: a da filha de quatro anos em um acidente

com uma motocicleta infantil, e a do marido, que

oito meses após a morte da filha, cometeu suicídio.

Com uma trajetória de repleta de resiliência e determinação,

a especialista em inteligência emocional para

alta performance em vendas, e CEO do Grupo Águias de


23

Vendas, especializado em aceleração mercadológica de

empresas, mentorias estratégicas, gestão de resultados

e inteligência emocional, investiu toda a energia em sua

indústria do setor de beleza. Depois de uma grande reestruturação,

a AK cresceu 7% em 2015 e chegou a um

faturamento de R$ 25 milhões.

“Fornecedores achavam que a empresa fecharia

porque o ‘homem do negócio’ havia morrido. Mas

a empresa era minha, era minha história de trabalho”,

relembra Andreia

Natural de Santa

Maria (RS), ela começou

a trabalhar aos

13 anos de idade

entregando panfletos

nos semáforos

da cidade de Porto

Alegre, capital gaúcha.

Fez estágio em

banco e, depois,

em uma empresa

metalúrgica, onde

aprendeu finanças e

marketing. Estudava

Engenharia Química

e sonhava em trabalhar

com cosméticos,

mas logo trocou

o curso para Administração

de Empresas.

Em 2000, em

uma de suas primeiras entrevistas de emprego, teve a

oportunidade de atuar em uma indústria de acessórios

e móveis para salão de beleza.

“Em pouco tempo, avancei de assistente

de vendas para diretora e comprei

uma parte da empresa. Nesse

período, negociei com mais

de 10 mil clientes, dentre eles

grandes multinacionais atacadistas

e varejistas de cosméticos,

perfumarias e farmácias em todo

país”, conta.

Foi no auge de sua carreira no comando

da nova empresa que Andreia

precisou enfrentar as grandes perdas

de sua vida. E foi principalmente na

memória da filha que encontrou

motivação para seguir e construir

uma carreira de sucesso.

Os números são a

prova: ao longo de 26

anos, a empresária

geriu mais de 800 colaboradores,

treinou

mais de 100 equipes

comerciais, reestruturou áreas e abriu mercados nos

EUA e América Latina e já vendeu mais de R$ 400 milhões

em produtos.

NOVOS VOOS

No final de 2018, Andreia decidiu vender a AK para um

grupo gaúcho do setor de plástico e iniciar uma nova

fase em sua carreira: a criação de uma Consultoria de

Inteligência Comercial. Para o novo desafio, a empresária

passou por um longo processo de preparação. “Fiz

82 cursos em cinco anos. Uni o conhecimento teórico

à minha vivência de

quase 20 anos em

indústria, em contato

direto com a

estrutura de grandes

processos”, explica.

O Grupo Águias de

Vendas iniciou as

atividades em março

de 2019 e surgiu

com o conceito de

consultoria personalizada.

“Os cursos que existem

hoje no mercado

são muito amplos.

Muitas vezes,

o empreendedor

participa de uma mentoria da área de vendas e depois

não consegue aplicar em seu negócio. Minha experiência

me ajuda a entender as dores e necessidades dos

empresários e a usar uma linguagem mais fácil, fazendo

com que enxerguem a aplicação do conceito a suas

reais necessidades”, detalha Andreia Konz.

Atualmente, a empreendedora atua ao lado de Marlon

Karlinsk, que possui formação e vasta experiência na

área financeira, e Andreia

Bolfe, profissional graduada

em comércio internacional

e com experiência em formação

de equipes comerciais,

gestão de vendas e

análise mercadológica.

A empresa conta, ainda,

com parcerias com especialistas

em determinados

segmentos, acionados de

acordo com a necessidade

de cada mentoria. Prestes a

completar um ano de mercado,

a empresa já prestou

consultorias a 11 companhias

e fechou 2019 com

faturamento de R$ 600 mil.

Nesse ano, prevê um faturamento

de R$ 1,8 milhões.

GESTÃO E NEGÓCIOS


24

GROWTH HACKING

GROWTH

HACKING

“E CONCEITOS DE DATA DRIVEN

MOBILIZARAM TODAS AS

MUDANÇAS QUE DECIDI FAZER”

Maycon Tuneli

20 meses após o desligamento

de suas atividades e operações

na INSANE, Maycon

Tuneli explica o que motivou a

sua decisão de deixar a posição

de CEO e vender suas participações

em uma das maiores

agências do ABC.

Agora, à frente de um novo

negócio, ele lidera o desafio

de inserir uma “filosofia”

recém-chegada no Brasil que,

segundo ele, deve ganhar protagonismo

não apenas em

marketing e vendas, mas em

vários outros departamentos: Growth Hacking.

Mencionado por Sean Ellis (criador do termo) pela primeira

vez em meados de 2010, o curioso nome Growth

Hacking começou a ganhar maior atenção após o lançamento

do livro Hacking Growth, escrito pelo mesmo.

Embora estejamos ouvindo esse nome com mais frequência

nos últimos meses, as técnicas desse conceito

é premissa em startups digitais, empresas SaaS, negócios

de assinatura ou marketplaces - que já nascem

com a projeção de crescimento em escala. Mas, com a

sua popularidade aumentando globalmente, o assunto

começou a gerar interesse de vários outros mercados,

especialmente após o Fórum Econômico Mundial 2020

apontar a posição de Growth Hacker como uma grande

tendência dos próximos anos. Em entrevista, Maycon

explicou porque decidiu abrir mão de uma empresa

consolidada para focar suas energias em um negócio

de Growth Hacking. Ele também nos ajudou a entender

um pouco mais sobre os conceitos básicos por trás do

Growth, deixando claro que sua aplicação é mais simples

e óbvia do que se imagina.

“A informação começa a ficar distorcida quando as pessoas

leem até a página um e já começam a se apropriar

dos termos. No Brasil, os especialistas nascem do dia

pra noite e isso é um perigo. A superficialidade banaliza

o entendimento, a importância e o real significado das

coisas. Romantizar o tema, vai contra a natureza do

Growth, porque boa parte do que fazemos e extremamente

simples e óbvio - que é analisar dados, testar novas

hipóteses e identificar as válvulas de crescimento.

O problema é que a cultura da maioria das empresas é

baseada em “achismos” ou vaidades. E nesse ambiente,

o Growth não consegue gerar frutos”.

Maycon trouxe uma analogia para explicar a forma com

que as empresas “tradicionais” constroem suas ações e

destinam seus investimentos. ”No inicio de um negócio

é razoável usar o feeling para tomar as primeiras decisões.

Embora seja recomendável fazer benchmarking,

usar referências, modelos, indicadores ou trabalhar

com pesquisas estruturadas, seria improvável acreditar

que o mercado aceitaria pagar uma assinatura mensal

para assistir filmes ou séries todos os dias, por exemplo.

Mas não é inteligente virar as costas para os dados e

as informações que são geradas diariamente em nossos

negócios.

O Netflix pode até ter surgido acreditando que era possível

mudar o nosso comportamento de consumo de vídeo.

Mas ele validou essa ideia rápidamente com os dados

obtidos nos primeiros MVPs. Essa habilidade, sem

dúvida, é o que torna o Netflix tão poderoso e tão sexy

para o consumidor. “Nós dificultamos as coisas quando

deixamos de olhar a fotografia do negócio (em números),

os inputs normalmente estão dentro de casa, mas

a maioria das empresas preferem usar o “We Wanna”

(queremos) no lugar do “We Must” (deveríamos)”.

O exemplo trazido pelo Maycon mostra uma empresa

que nasceu com um produto desenhado para atender

mulheres, jovens, solteiras, mas que os dados mostram

maior afinidade e o triplo de conversão com mães, adultas,

casadas. “Nesse caso temos dois caminhos latentes

prováveis: ou revermos o ICP e ajustamos a comunicação

para esse público que converte mais pelo mesmo

esforço, ou corrigimos e ressignificamos o produto para

o público desejável. Aqui, a decisão baseada nos dados

e que geraria um crescimento mais acelerado seria a

primeira, a decisão baseada na teimosia, que geraria

mais atrativo e letargia nos resultados, seria a segunda”.

P: Você teve uma saída discreta da INSANE, houve algum

motivo especial?

R: É verdade. Ainda é comum receber telefonemas ou perguntas

sobre como a INSANE está (risos). Não houve nenhum

motivo especial. A minha saída da INSANE foi muito


25

branda e tranquila. Conversamos e alinhamos tudo como

sempre fizemos. O que ocorreu, é que o meu momento e

objetivos se distanciaram dos demais sócios e isso me levou

a decisão de sair. Eu estava focado em fazer um novo negócio

acontecer e, ao mesmo tempo, preocupado em manter

saudável a imagem de uma empresa e uma marca que ajudei

a consolidar. Eu não via razões para fazer barulho em

respeito a INSANE e também ao meu momento.

P: Esses objetivos têm alguma relação com o seu novo

negócio?

R: Totalmente. A minha atuação na INSANE começou a ficar

comprometida por conta das demandas de mentorias que

aumentaram consideravelmente em 2017. Paralelo a isso,

eu já estava investindo na NEOHACK e tateando a aderência

de Growth Hacking no Brasil, que se consolidou com o

ganho de uma conta significativa no Q1 de 2018.

P: Quando Growth Hacking apareceu na sua vida?

R: Eu já tinha tido o contato superficial em algumas leituras,

mas há cerca de 3 anos eu participei de um evento,

onde tive a oportunidade de conhecer o Sean Ellis e subir

alguns níveis do sobre as técnicas de GH. Depois disso, fui

me aprofundando e entendendo a sua aplicação prática e

a sua relevância no ecossistema de um negócio…

Costumo dizer que compreender Growth Hacking foi uma

grande libertação (risos). Querendo ou não, eu já falava

muito de experimentação e sobre o quanto isso deveria ser

uma “lei” dentro do nosso mundo. Encontrei no Growth a

possibilidade de trazer resultados reais e mensuráveis para

as empresas, sendo mais relevante e mais RG (Revenue Generator).

P: Você diz que a NEOHACK é um Growth Lab, o que isso

quer dizer?

R: A NEOHACK trabalha com a filosofia de Growth Hacking

somado a inteligência de Marketing - que é onde eu construí

toda minha bagagem estratégica. De maneira resumida,

nosso trabalho consiste em aplicar “hacks” nas operações

de sales, marketing & product, testando todas as hipóteses

que visam qualquer ganho ou crescimento nos resultados

- criados e implementados a partir de uma visão de marketing,

em sua essência primária. A ideia do laboratório é

porque tudo que validamos hoje, passa, obrigatoriamente,

por experimentos e por um robusto processo de medição.

O resultado dos testes direcionam praticamente todas as

decisões que tomamos.

P: Que impactos o Growth Hacking traz para Marketing

e Comunicação?

R: Os impactos são enormes. Senti e continuo sentindo isso

no dia a dia. Mas vale lembrar que essas mudanças não

vão acontecer se, antes, não houver uma mudança na cultura

da empresa ou na cultura dos departamentos envolvidos.

Growth é ciência! Ele requer que o negócio “atualize

seu software” para funcionar de verdade. Digo isso, porque

grande parte das empresas ainda são dirigidas por vaidades

ou pelo que eu chamo de “egofeeling”. E isso não da

“match” com Growth Hacking. A nossa lei é: nenhuma ideia

é boa ou ruim, até ser testada e validada. Isso por si só já

muda tudo.

MAS SE EU FOSSE DESTACAR IMPACTOS

MAIS PRÁTICOS, EU DIRIA QUE SÃO 3:

O primeiro é o que chamamos de TDWM

(TALK DATA WITH ME).

É muito instintivo e intuitivo que um publicitário,

marketeiro ou profissional de comunicação, use o

seu repertório e suas experiências pessoais na hora

de entregar um projeto ou uma ideia. A parte mais

significativa de todo impacto, talvez seja conseguir

abrir mão disso (ainda que momentaneamente ou

temporariamente). Em Growth, o protagonista não é

a sua reputação ou a capacidade criativa, mas a sua

habilidade de analisar os dados com perícia e inteligência,

construindo hipóteses e colocando experimentos

em curso, para identificar a NSM (North Star

Metric). Nas operações de Growth, o output só tem

relevância se for endossado por algum dado.

O segundo é O RESULTADO SEMPRE

VENCE O CONCEITO.

Em Growth não perdemos tempo com defesa de

conceito criativo, nosso logística consiste em errar

rápido e aprender rápido. Nossa energia está na

perseguição dos KPIs e na identificação do que traz

resultado e o que fazer esses resultados crescerem e

escalarem. A ideia aqui é a seguinte: você não precisa

ser perfeito, você só precisa ser melhor do que o que

já existe.

E por fim: TESTE TUDO QUE PUDER.

Recentemente, em uma de nossas operações, colocamos

pra rodar um teste do mesmo vídeo com 3

variações de chamada. O mesmo roteiro, entregue

com chamadas diferentes. Tudo ocorreu na mesma

vigência, para a mesma segmentação de público, no

mesmo meio, mesma verba. Ou seja, um ambiente

idêntico para as três versões. Na primeira coleta, já

pudemos identificamos um resultado quase 700%

maior em uma das versões. Um exemplo simples

para ilustrar que as vezes o sucesso está no ajuste e

não na reinvenção.

GROWTH HACKING


26

GROWTH HACKING

P: Que estrutura é necessária para começar a trabalhar

com GH em um negócio?

R: Depois que você entende a ideia, o método e as técnicas

de trabalho de um Growth Hacker, você percebe que

70% das atividades são relativamente simples e até óbvias.

Então o desafio não esta em entender, mas em identificar

o que é necessário para que esse trabalho seja eficiente e

traga resultados no seu ambiente, nos departamentos ou

nos desafios em que ele está sendo aplicado.

Eu vejo muita afinidade nas áreas de marketing, vendas e

produto que é onde eu me sinto mais confortável e a vontade

para desenvolver o meu trabalho. Em relação a estrutura,

isso vai variar de acordo com o tamanho do desafio,

a complexidade do modelo do negócio e o volume de testes

que será posto em prática. Mas, em linhas gerais, é preciso

ter ao menos um profissional de Growth liderando a operação,

um squad trabalhando na identificação dos hacks e

na implementação dos experimentos, um hub ou uma plataforma

para consolidar e transformar todos os resultados

em dados, e um analista de para converter dados em informações

estratégicas ou inputs ricos para os programas de

crescimento.

P: Essa é a sua estrutura atualmente?

R: Sim. Eu tenho uma equipe estratégica & tática híbrida

e dentro de cada cliente (in loco) eu tenho um squad tático

& operacional trabalhando diariamente em cima das

operações que cuidamos. Além disso, temos um grupo de

ferramentas e plataformas que apoiam a nossa operação

(do começo ao fim). Esse alicerce de tecnologia é importante

para tornar o nosso dia mais prático, inteligente e fluído.

P: Que tipo de ferramentais vocês utilizam nas operações?

R: Atualmente, 45% dos nossos custos são provenientes de

alguma tecnologia que utilizamos. Temos desde ferramentas

que criam conteúdo sozinhas, até Plataformas de Big

Data que fornecem dados ou consolidam os resultados de

tudo que estamos fazendo. Usamos dashboards para enxergar

todos os experimentos em tempo real e temos mecanismos

que automatizam as operações que estão rodando.

Nossa Máquina de Crescimento mais robusta é capaz de

enxergar o resultado de cada uma das ações que estamos

testando, validar o ICP, indicar e “setar” a cadência mais

adequada, automatizar as ações de MQL, identificar a levantada

de mão provável, encaminhar o lead em prioridade

à equipe de inside sales, recomendar o script que o

SDR deve utilizar na call, analisar os dados de SQL mais

relevantes, sugerir a melhor proposta para aquele lead,

encaminhar a nutrição ou retro-nutrição mais adequada,

verificar o resultado da negociação junto ao closer, identificar

a conversão e trazer inputs inteligentes para recalibrar

ou melhorar a performance do funil. Acompanhar toda a

jornada, nos permite intervir com hacks em pontos estratégicos

da operação, do awareness até a retenção, cross e

up selling.

P: Você acredita que Growth Hacking pode demover a

atividade de Marketing?

R: Não. Continuo acreditando que Marketing é um dos pilares

mais importantes de qualquer companhia e continuo

trabalhando usando suas inúmeras técnicas. Marketing é

a inteligência que faz um negócio ganhar sentido para o

mercado, por isso ele é fundamental… Costumo dizer que o

diferencial pode até nascer no produto ou serviço, mas em

pouco tempo ele pode ser copiado (ano a ano vemos isso

acontecendo, cada vez com mais velocidade). Nesse contexto,

Marketing tem a responsabilidade de potencializar o diferencial,

o valor e a relevância no significado de cada ação

e movimento da marca e do negócio - é isso que vai continuar

mantendo as empresas vivas e ativas no mercado. No

entanto, acredito que um departamento de marketing que

trabalha sob o guarda-chuva de Growth tende a construir

uma relação mais concreta e direta com resultados, se tornando

um departamento muito mais eficiente, contributivo

e, o melhor, mensurável.

Durante a conversa, Maycon também contou sobre as

grandes diferenças entre liderar um negócio com sócios

e liderar um negócio sozinho. Segundo ele, existem ganhos

e perdas, mas a maior vantagem que ele identificou

até agora foi na agilidade das tomadas de decisões,

especialmente as que exigem aporte ou investimentos.

“Eu sempre gostei de dividir, então o que mais senti

falta foi isso. Mesmo assim, todas as questões que eu

entendo que valem a pena serem compartilhadas, procuro

trazer para o time. Isso tem valor pra mim e eu

sei que para eles também. Por outro lado, decisões que

requeriam um grande alinhamento, tanto de momento,

quanto de mentalidade, hoje são tomadas com muito

mais velocidade, obviamente. Quando se tem uma sociedade

grande, como eu tinha no passado, assuntos

como aporte e investimentos, tendem a serem letárgicos

e quase nunca agrada todos os envolvidos”.

Ao ser questionado sobre o reflexo de toda essa mudança,

ele foi bem direto, mas explicou que não se ilude

com o resultado do curto prazo. Para ele, fazer bons números

no curto prazo é fácil, difícil é conseguir manter a

consistência e o crescimento ano após ano.

“A NEOHACK fez 18 meses de vida em novembro de

2019. É um negócio promissor, porém recém-nascido.

O resultado líquido que tivemos ano passado, foi 6x

maior que o resultado bruto consolidado do meu antigo

negócio, em 3 anos. Os números são reflexos de

uma nova atuação, de uma nova mentalidade e de uma

proposta de valor diferente. Cerca de 80% de nossa

atuação tem um impacto direto nos resultados e no

crescimento do cliente. Hoje, a vantagem de conseguir

medir isso, é que o cliente consegue ter clareza do valor

e da efetividade da nossa relação e contribuição no seu

ecossistema”.

A NEOHACK deu as caras para o mercado, ainda de maneira

muito modesta, somente no meio de 2019. A explicação

disso é simples, a empresa já está atendendo

na sua capacidade máxima com todo o foco e energias

voltados para os clientes, e exclusivamente para eles.

A ideia de aparecer quase 1 ano e meio depois do seu

nascimento, se deu por conta do investimento em uma

nova unidade de negócios que está sendo desenvolvida,

mas que o CEO não quis revelar e nem dar detalhes.


27

EDUCAÇÃO

APOIO A STARTUPS ACELERA

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DO SICREDI

Programa Inovar Juntos já reuniu 390 startups com

o objetivo de levar soluções aos colaboradores e aos

mais de 4 milhões de associados da instituição financeira

cooperativa.

Com isso, foi possível impulsionar a geração de renda

em diversas regiões do país e incrementar ainda mais

os resultados financeiros dos participantes. Atualmente,

o Sicredi Conecta é aplicado em 20 cooperativas, conta

com aproximadamente 6,1 mil usuários e mais de 2

mil anúncios de venda de produtos. Para 2020, o Sicredi

vai escalar outras duas soluções que surgiram na última

edição do programa: uma ferramenta cooperativa

ligada à educação financeira e uma plataforma para os

gerentes de conta recomendarem investimentos mais

aderentes às necessidades dos associados. Segundo

Dagoberto Trento, gerente de Estratégia & Inovação do

Centro Administrativo Sicredi, o programa Inovar Juntos

também tem o objetivo de fomentar inovação no cooperativismo

de crédito.

“Trata-se de um programa com potencial de conferir

escala a evoluções significativas do setor, além de ser

uma oportunidade para desenvolvimento de novos produtos,

soluções e métodos que podem impactar de forma

positiva os negócios do Sicredi”, afirma.

Foto: Divulgação - Um dos espaços utilizados na sede do Sicredi, em

Porto Alegre (RS), para interação com startups

Uma das iniciativas da jornada de transformação digital

do Sicredi é sua aproximação com o ecossistema de

startups. Lançado em julho de 2018, o programa Inovar

Juntos, iniciativa que propõe a empreendedores uma série

de desafios relacionados aos processos internos e ao

negócio da instituição, já recebeu mais de 400 inscrições

e reuniu 390 startups de várias regiões do país. Entre os

resultados imediatos da iniciativa, que envolveu aportes

que atualmente somam cerca de R$ 1 milhão, estão

ganhos de dinamicidade nas atividades do dia a dia dos

colaboradores do Sicredi, com processos mais ágeis, e

o relacionamento da instituição com seus mais de 4 milhões

de associados em todo o Brasil passou a ser ainda

mais próximo. O Inovar Juntos é desenvolvido em parceria

com a consultoria Inoscience e já contribuiu para

a implementação de projetos como o Sicredi Conecta,

uma plataforma criada com apoio da startup Hallo - selecionada

na primeira edição do programa - com o objetivo

de oferecer aos associados uma maneira moderna

de interação e realização de negócios entre eles.

A próxima edição do programa Inovar Juntos será realiza

ainda no primeiro semestre de 2020 e os empreendedores

podem acompanhar as informações pelo site

www.sicredi.com.br/inovarjuntos. O programa é

gratuito e startups do Brasil inteiro podem participar

desde que possuam um MVP (Produto Mínimo Viável)

validado e que tenham aderência aos desafios propostos

pelo Sicredi.

Durante o Inovar Juntos, os empreendedores passam

por etapas online e presencial. Após a inscrição online,

o Sicredi seleciona os projetos com maior aderência ao

seu negócio para apresentações presenciais em um Pitch

Day. As startups que seguem para a próxima fase

passam por um período de imersão para colocarem o

projeto piloto em prática. Os empreendedores que mais

se destacarem têm a chance de se tornarem parceiros

ou fornecedores do Sicredi. O programa é mais uma

das iniciativas de inovação da empresa, que conta com

outras como o AgTech Garage, hub de inovação de soluções

para o agronegócio sediado em Piracicaba - SP.

A organização também trabalha na estruturação de um

Lab de inovação, que buscará aliar a inovação a novas

oportunidades de negócio.

SOBRE O SICREDI

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida

com o crescimento dos seus associados e

com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo

de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais

de 4 milhões de associados, os quais exercem papel de

donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está

em 22 estados* e no Distrito Federal, com mais de 1.800

agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros

(www.sicredi.com.br).


28

MATÉRIA DE CAPA

NUNCA ACHO

QUE CHEGUEI

NO MEU LIMITE,

SEMPRE TENHO

CERTEZA DE

QUE POSSO

FAZER MAIS.



29

MATÉRIA DE CAPA

EMPREENDEDOR SERIAL, CRIADOR DO MÉTODO GESTÃO

EXPONENCIAL COMPARTILHA SEU TEMPERO PARA O SUCESSO.

Ricardo Mello, empreendedor serial e viajante profissional

inspira empreendedores e empresários pelo

Brasil. Líder de 8 empresas, Rica Mello, como é conhecido,

começou a empreender em 2012, através da

criação de sua primeira indústria, a Bellocopo Descartáveis.

Ricardo nasceu Santo André em uma família de

classe média. Seus pais, um casal de pequenos empresários,

investiram fortemente em sua educação. Aos

18 anos ele ingressou na Economia da USP, de onde

saiu para iniciar a carreira como consultor na Bain &

Company. Ao longo de sua carreira, Ricardo trabalhou

em diversos países. Foi então que ele começou a se

dedicar ao seu maior hobby. Viajar pelo mundo. Em

2006, Ricardo se mudou para Chicago - EUA, para cursar

seu MBA na prestigiada Kellogg School of Management.

Ao voltar para o Brasil, ele ingressou na Mckinsey

a mais famosa consultoria estratégica do mundo.

Poucos anos depois, surgiu a oportunidade de empreender,

e ele não hesitou.

“DEDIQUEI UMA DÉCADA AUXILIANDO

GRANDES EMPRESAS COMO

CONSULTOR ESTRATÉGICO, ANTES

DE CRIAR MEUS PRÓPRIOS NEGÓCIOS.

ADORO ENSINAR EMPREENDEDORES

E EMPRESÁRIOS A NAVEGAR NO

DESAFIANTE MERCADO BRASILEIRO.”

Desde a criação de seu primeiro empreendimento, a

Bellocopo Descartáveis, Rica Mello não para. Seus negócios

e seus carimbos no passaporte crescem de maneira

exponencial. Ele multiplicou o faturamento por

16 em 5 anos, batendo os R$100 milhões e já visitou

136 países, um feito que gera curiosidade em suas redes

sociais, que contam com 1 milhão de seguidores

Rica Mello utilizou uma estratégia aprendida na consultoria

para multiplicar seus negócios. Primeiro, ele

focou na expansão do negócio principal. Em seguida,

ele explorou adjacências mais próximas. Por último,

ele transformou centros de custo em negócios que geram

receita.

Usando estas estratégias, Ricardo criou 8 negócios.

Tudo começou com a Bellocopo, a sua indústria de

descartáveis. Logo vieram a Distribuidora Bellocopo e

suas filiais, para atender clientes de menor porte, e

a Importadora Bellocopo, destinada a compra de produtos

e matérias primas importadas. Outra empresa

do seu portfolio é a BelloFestas, que desenvolve e comercializa

artigos de festas. Preocupado com a sustentabilidade

e o meio ambiente, Rica Mello lidera o

Instituto Bello é reciclar, que contribui para o consumo

e educação sustentável, e que fomenta negócios

que valorizam os resíduos plásticos da sua cadeia produtiva.

Em outra vertente, Rica Mello criou a Purple

Strawberry, uma agência de marketing digital focada

inicialmente em promover os meus blogs de gastronomia,

e de viagens, e que hoje atende clientes externos,

e o Exponential Club, o seu braço educacional, que

oferece uma imersão completa para empreendedores

e empresários que desejam aprender os truques e segredos

por trás do crescimento exponencial.

Ricardo também lidera uma desenvolvedora

de software, a

Bello Code, criada a partir

da necessidade de suas

empresas desenvolverem

softwares personalizados

com baixo custo. Rica

Mello ainda prepara o

lançamento de um varejo

físico e online revolucionário,

segundo ele.

E NÃO É QUE AINDA

SOBRA TEMPO PARA

RICARDO ATUAR

COMO INVESTIDOR

ANJO EM 2

EMPREAS?


30

MATÉRIA DE CAPA

EXPLORANDO OPORTUNIDADES

Ricardo tem muita habilidade para encontrar oportunidades.

Uma de suas estratégias para mercados competitivos

é encontrar Mares Azuis em Oceanos Vermelhos.

Um exemplo disso ocorreu na Bellocopo, seu negócio

principal. Ele fidelizou grandes varejistas, sempre assediados

pela concorrência, produzindo marcas próprias,

prática rara em seu mercado. Ricardo é especialista em

Explorar a Vantagem de Chegar Depois. Ele diz que entrar

em um mercado já desbravado pode ser mais barato

e mais certeiro do que criar mercado do zero. Para

ele, o que conta é a execução:

“Empresas costumam se acomodar e piorar o serviço

prestado a clientes antigos, gerando insatisfação

no cliente e grande oportunidade pra quem

chega depois. Tem que aproveitar!.”

Outra oportunidade que Ricardo foca é a de Explorar

Adjacências Óbvias do seu Mercado, seja através de novos

produtos vendidos a clientes antigos, seja através

da venda de produtos antigos para novos clientes. No

primeiro caso, se o cliente já compra de você, ele costuma

estar disposto a experimentar algo novo seu. No

segundo caso, vender um produto antigo é tarefa fácil,

pois sabemos de cor os argumentos vencedores para

fechar a venda.

conquistá-lo, com as suas próprias pernas. Foi o começo

de uma aventura para a vida. Ele queria ver o mundo.

Atualmente, Rica é um viajante profissional, já visitou

136 países e tem como meta, “zerar” o mundo até 2025.

Para isso, ele adotou um modelo

de gestão baseado

em muita autonomia.

“Aprendi

a gerir

empresas

de qualquer

lugar do

mundo para

curtir minha

outra paixão.

Viajar!”

Rica Mello adora desafios. Ao perceber que faltava boas

opções para o desenvolvimento de sistemas de gestão

para suas empresas, ele recrutou um time de desenvolvedores.

Eles criaram sistemas baratos e eficientes.

Rapidamente, clientes e fornecedores perguntaram

sobre o seu fornecedor. Este foi o pontapé para que

ele criasse a Bello Code e iniciasse a venda de sistemas,

transformando um centro de custos em um

centro gerador de receita.

“Adoro transformar centros de custo em geradores

de receita. Proporciona controle do processo

e vantagem competitiva. Vejo empresas

líderes globais fazendo isso o tempo todo”

GRANDES PAIXÕES DESDE CRIANÇA

Ricardo tem duas grandes paixões na vida: empreender

e viajar. Ele tem um espírito aventureiro

que se manifestou cedo. Desde criança ele já sabia

que queria ter seu próprio negócio e já sentia uma

grande necessidade de explorar o mundo a sua

volta. A trajetória empreendedora do Ricardo começou

aos 8 anos: ele fundou seu primeiro negócio,

um “banco”. Ele pedia dinheiro aos pais e tios

e emprestava a amigos cobrando juros.

O “Banco Mirim” durou pouco tempo, o suficiente

para financiar sua primeira viagem, tida por ele como

internacional, dado a sua idade: tomar um ônibus de

Santo André até Piraporinha. Assim que chegou, ele

sentiu que por maior que fosse o mundo, ele podia


31

Família

ACEITANDO E VALORIZANDO ERROS

Um dos segredos que Rica Mello compartilha com seus

seguidores nas redes sociais é que, para poder viajar o

mundo enquanto seus negócios crescem exponencialmente,

foi necessário criar uma cultura empresarial

muito focada na autonomia e na descentralização. Em

seus empreendimentos, erros são tratados de forma

construtiva para gerar aprendizado e formar colaboradores

capazes de tomar boas decisões.

Com isso, ele criou equipes de alta performance, capazes

de garantir que as suas empresas funcionem quando

ele se ausenta. Isso permite que Rica Mello tenha

uma vida pessoal intensa. Além de viajar bastante - ele

é o 3º brasileiro que mais viajou no mundo - ele prioriza

aproveitar a vida ao lado da família e dos amigos. Afinal,

de que adianta ter dinheiro, se pessoas são a maior

riqueza que temos?

VIVENDO O SEU PROPÓSITO:

AJUDAR EMPREENDEDORES

Desde o início de sua trajetória, Rica Mello percebeu

que gostava de ajudar as pessoas. Foi movido por este

propósito de ajudar a desenvolver o potencial do empresariado

brasileiro que ele criou o método de GES-

TÃO EXPONENCIAL e fundou o EXPONENTIAL CLUB.

O método, focado na transformação de pequenas e médias

empresas, ajuda empresários e empreendedores a

obterem crescimento exponencial do seu negócio. Para

Ricardo, crescer de maneira exponencial pode ser definido

como dobrar um negócio a cada 18 meses.

A experiência que ele teve ao longo de 10 anos de carreira

como consultor estratégico e o aprendizado prático

que obteve no dia a dia de suas empresas foi um

fator crucial para que Ricardo conseguisse desenvolver

o Exponential Club.

“Apesar da minha experiência prática e teórica,

faltava achar o segredo por trás do sucesso nos

negócios. Meu método de Gestão Exponencial é a

resposta que eu tanto busquei.”

Durante sua experiência como mentor e palestrante

para milhares de pessoas pelo Brasil, Rica Mello percebeu

que faltava algo. Ele notou que empreendedores

não tem conhecimento prático de gestão, e nem tempo

e muito menos paciência para voltar à sala de aula. Conteúdos

teóricos funcionam muito bem no papel, mas na

hora de colocar em prática é que surgem os grandes

obstáculos. Ricardo percebeu a necessidade de criar

uma imersão para ensinar o empreendedor o passo a

passo para obter resultados rápidos e consistentes.

MATÉRIA DE CAPA

Viagem - America Norte - EUA Chicago

Africa - Mauritania

America do Sul - Chile

Aplicando o seu método Rica Mello fez suas empresas

cresceram 16x em apenas 5 anos, chegando a um faturamento

superior aos 100 milhões de reais ao ano.São

números extraordinários se consideramos o cenário

que o Brasil viveu nestes

anos. Se continuar

nesse ritmo, Ricardo

alcançará o faturamento

de R$1 bilhão

nos próximos 5 anos.

Oceania - Nova Zelândia

Europa - Bielo Russia

Asia - Myanmar

Rica Mello palestrando


32

MATÉRIA DE CAPA

O MÉTODO DE GESTÃO EXPONENCIAL:

UMA JORNADA DE 20 ANOS

Desde a época da faculdade, Ricardo era aficionado

por gestão e negócios. Ele buscou o segredo por trás

do sucesso nos negócios por 20 anos. Ao se formar em

economia, ele decidiu ingressar na carreira de consultor

estratégico. Foram 10 anos trabalhando 16 horas por

dia, auxiliando CEOs de grandes empresas a multiplicarem

seus negócios.

Mas ele se sentia explorado pelo sistema e sem tempo

para curtir os amigos, famílias e viagens, as suas maiores

paixões. Ele sentia estar trabalhando para dar dinheiro

aos outros. Foi então que ele decidiu empreender para

multiplicar o seu próprio dinheiro.Ele tinha certeza de

que teria sucesso, afinal, tinha estudado nas melhores

universidades do mundo, tinha auxiliado dezenas de

empresas e contava com um networking poderoso.

O problema é que negócios não são óbvios e então o

Ricardo falhou. Foi frustrante! Seu negócio andava de

lado enquanto seus concorrentes, menos preparados

que ele, cresciam. Ele sabia que existia uma saída, mas

não estava fácil. Bateu o desânimo e ele quase desistiu.

Renunciar aos seus sonhos não estava nos planos,

então Rica Mello teve que se reinventar. Entrou em grupos

de mentorias e networking e participou de muitos

eventos ligados a gestão. Nesse período ele viajou por

50 países e se aproximou de empreendedores de todos

os segmentos e portes de empresas. Ele queria descobrir

o segredo para o seu negócio decolar.

Não foi o suficiente. Faltava entender mais sobre inovação.

Rica Mello ficou imerso na China e no Vale do Silício.

Foi então que ele voltou ao Brasil, com novo mindset

e novas estratégias. Rica compara sua experiência

com a de um chef com estrelas Michelin. Ainda que seja

possível comprar seu livro de receitas e usar os mesmos

ingredientes que o chef usa, é improvável que se consiga

reproduzir os pratos no mesmo nível do chef

Michelin.

“O Chef conhece truques, atalhos

e segredos que nós desconhecemos.

E no mundo dos negócios não

é diferente. Ele sabe como

corrigir as rotas no meio

do caminho”.

Profissional - Time Vendas Bellocopo

Essas dicas não estão nos livros de receita nem em tutoriais

do Youtube. Da mesma maneira, existem segredos

no mundo empresarial que você não encontra nos

livros. Na cozinha, condições de temperatura e pressão

mudam. São anos de experiência, erros e acertos, provas

e mais provas de sabor. É a paixão por detalhes e o

conhecimento profundo sobre cada ingrediente e material

utilizado que permitem ao chef corrigir a rota ao

longo do preparo e garantir que cada um de seus pratos

fique delicioso. Negócios são assim. O cenário muda

quando surgem novas tecnologias ou na entrada de um

novo concorrente, por exemplo.

E não é que o Ricardo encontrou a fórmula para finalmente

acertar o seu “tempero”?

“Eu até crescia, mas num ritmo de 10% ao ano. Naquela

velocidade, eu levaria 25 anos para alcançar

os 100 milhões de faturamento e ter liquidez para

usufruir do crescimento. Mas, ao aplicar meu método,

cresci 16x em 5 anos. Isso é o que chamo de

crescimento exponencial.”

Sem o método gestão exponencial, ele provavelmente

teria ficado pelo caminho e teria virado estatística, assim

como 9 em cada 10 negócios que fecham antes de

completar seus 10 anos. Mas somente o conhecimento

não gera a transformação. É uma questão de colocar

os ingredientes na hora certa, da maneira correta,

de antecipar e corrigir desvios em movimento,

e de finalizar com a pitada perfeita.

É preciso aprender a fazer isso com quem

entende, para depois fazer sozinho, em

sua empresa.


33

FUTURO

Ricardo criou recentemente o Instituto

Bello é Reciclar. A expectativa

agora é aumentar o ritmo de

coleta e reciclagem de resíduos

plásticos, primeiramente em São

Paulo, e depois em todo o Brasil,

com o auxílio e em parceria com

start-ups, ONGs, Associações e o

setor público que trabalham na

cadeia da reciclagem e com economia

circular.

MATÉRIA DE CAPA

Um dos próximos passos de Rica

Mello, em paralelo a imersão e

aos eventos do Exponential Club,

é lançar um livro sobre o tema

que ele mais ensina em suas palestras

“Como crescer um negócio

de maneira exponencial”.

Este é mais um passo na construção

do seu legado.

Ricardo aumentará o ritmo de

palestras pelo Brasil, a partir do

lançamento do seu livro, que segundo

ele, está no forno.

Ele tem compromisso

marcado

nos próximos

meses

em alguns

eventos de

grande porte,

incluindo o Segredos

da Audiência e o Empreenda

Summit. Caso queira saber

mais, é só acessar as suas redes

sociais.

Sobre a Imersão do Exponential

Club, Rica Mello fará o MVP agora

no mês de março, e por este

motivo, as condições são muito

especiais. Se o teste for validado,

segundo ele, a ideia é realizar edições

bimestrais. Para concorrer a

uma vaga é necessário preencher

um formulário de aplicação no

site www.exponentialclubbrasil.

com.br. As turmas são limitadas.

“EU NÃO POSSO PROMETER

QUE VOCÊ VAI FATURAR

R$100 MILHÕES AO ANO.

ISSO PODE ATÉ ACONTE-

CER. PROMETO QUE SUA

EMPRESA VAI CRESCER

MUITO MAIS RÁPIDO SE

VOCÊ APLICAR O MEU MÉ-

TODO. DÁ PARA FATURAR

10, 20 VEZES EM POUCOS

ANOS, ASSIM COMO EU

E ALGUNS COLEGAS

JÁ FIZEMOS.”


19

MATÉRIA DE CAPA


36

PRÊMIO

II EDIÇÃO DO

PRÊMIO PEGA A VISÃO

DE EMPREENDEDORISMO POPULAR

Iniciativa visa reconhecer empreendedores populares

por todo o Brasil

Rick Chesther, idealizador do Prêmio Pega a Visão, palestrante

e escritor, têm como uma de suas missões,

valorizar as pessoas que assim como ele não se fazem

de vítimas perante os desafios diários de empreender.

O Prêmio Pega a Visão de Empreendedorismo Popular

está em sua segunda edição e mais uma vez impactou

o Brasil com essa ação promovida

pelo Instituto Pega a Visão, com

o apoio do Instituto Geração de

Valor, Aprovec Proteção Veicular,

Onearby e Atacadão do Bebê Goiânia.

“Quero valorizar essa gente, premiar e aplaudir

de pé. Trabalharei dia-a-dia para trazer mais

ações que destaquem o pequeno empreendedor,

pois este é o meu povo e eu tenho muito orgulho

de ter saído do meio deles para ganhar o mundo

em nome de todos eles” – Rick Chesther

Milhares de pessoas se inscreveram pelas redes sociais,

foram 4 etapas para definir quem seria o empreendedor(a)

campeã(ão). A votação aconteceu pelo canal You-

Tube do idealizador do prêmio, Rick Chesther, na internet.

Esta é uma iniciativa sem fins lucrativos, a ideia é incentivar

os empreendedores populares a se organizarem

cada vez mais e acreditarem em seu potencial, para que

juntos possam mudar a realidade do Brasil, Rick incentiva

essas pessoas a serem parte da mudança e não esperar

que alguém faça por elas.

FINALISTAS DA 2ª. EDIÇÃO.

1º Lugar: FERNANDA

Empada da Fê (RJ)

2º Lugar: SUZENY

Sobremix (AP)

3º Lugar: KETLENNY

Congeladinho Geladinho Gourmet (PR)

4º Lugar: EMERSON

Hamburgueria da Brasa (BA)

5º Lugar: ROBERTA

Confraria da Gula (MG)


37

“O EMPREENDEDOR POPULAR

É O CARA QUE FAZ GERAR A

ENGRENAGEM DELE DE ONDE

ESTIVER, ELE DESCONHECE O

SEU TAMANHO E ONDE PODE

CHEGAR, MAS ELE RESOLVE OS

PROBLEMAS EMERGENCIAIS

PARA NÃO DEIXAR AS COISAS

PIORAREM AINDA MAIS. AL-

GUNS DESCOBREM QUE PO-

DEM CRESCER, DESCOBREM

QUE PODEM CHEGAR EM PA-

TAMARES DIFERENCIADOS.

ALGUÉM PRECISAVA FALAR

PARA ESSA GENTE, ALGUÉM

PRECISAVA CONDECORAR

ESSA GENTE, E NINGUÉM ME-

LHOR DE QUE ALGUÉM QUE

SAIU DO MEIO DESSA GENTE,

FAZER ISSO ACONTECER.OS

FINALISTAS NUNCA TINHAM

VIAJADO DE AVIÃO, ALGUMAS

PESSOAS NUNCA TINHAM SA-

ÍDO DE SUAS CIDADES, O PRÊ-

MIO PROPORCIONOU A TODOS

UMA FELICIDADE IMENSA. FOI

MUITO BOM VER AQUELAS

PESSOAS COMEMORANDO

POR ESTRAR EMPREENDEN-

DO NESSE BRASIL”.

RICK CHESTHER

PRÊMIO


38

EVENTO

AULAS E PAINÉIS

PRENDERAM A ATENÇÃO

DOS QUASE 4 MIL

PARTICIPANTES DA

QUARTA EDIÇÃO DO PHW.

Em janeiro, Flávio Augusto esteve no comando de mais

uma edição do Power House, que mais uma vez foi um

grande sucesso. Com uma plateia de aproximadamente

4 mil pessoas no Unimed Hall, em São Paulo, o evento

contou com muito conteúdo, os participantes dessa

edição receberam diversos insights e puderam se inspirar

com as informações passadas por todos os convidados,

além claro do próprio anfitrião, Flavio Augusto.

Pessoas de diversas partes do Brasil e do mundo que

possuem um desejo ardente de fazer acontecer, puderam

ouvir histórias de superação, histórias de empreendedores

que são protagonistas de suas vidas e

que transformaram ideias em grandes negócios, além

de aprender com duas aulas sensacionais ministradas

por Flavio Augusto.

Uma das novidades desta edição foi a transmissão

ao vivo do evento, que contou com nada mais nada

menos que Rick Chesther no comando dos bastidores,

pessoas que adquiriram o formato live, puderam

acompanhar muito além do palco. Flávio Augusto

abriu o evento e recebeu no palco, que aliás era um

show à parte, os seus convidados mais que especiais:

Edu Lira e Rick Chesther. Após um breve bate-papo,

Flávio iniciou a sua aula – tão aguardada por muitos,

sobre Equity e liquidez. A plateia nem piscou, assunto

complexo, mas passado de forma simples e objetiva

pelo professor, Flávio Augusto. No final de cada aula,

começava um painel comandado pelo co-fundador

do meuSucesso.com, Sandro Magaldi, que recebia

convidados para juntos, debaterem o que havia sido

ensinado em cada aula. Para conversar sobre Equity,

Magaldi recebeu Anderson Cavalcanti, Julio de Angeli

e Eric Varga.

Na sequência, quem subiu ao palco, foi a mega empresária,

Renata Vichi, que falou sobre planejamento

estratégico e visão. Com uma aula bem didática, ela

levou como exemplo a trajetória das empresas que

estão sob o seu comando no Grupo CRM, com Kopenhagen,

Chocolates Brasil Cacau, Lindit e Kop Koffee.

Para Renata Vichi, o varejo é apaixonante! Magaldi,

Anderson Cavalcanti, Rony Meisler e Gustavo Caetano

comentaram ao longo de vinte minutos, sobre o tema

abordado anteriormente. Ícaro de Carvalho falou sobre

o que é marketing digital e como entrar para esse

mundo, além disso, o influenciador digital aproveitou

para lançar seu primeiro livro, pela Buzz Editora. No

painel após a aula, Adriana Sant’Anna e Pedro Superti

puderam debater a grande relevância da era digital.

Omnichannel foi o assunto de Carlos Wizard, aula muito

apreciada pelos participantes do PHW. Estar onde o

cliente está e a integração dos canais de venda foram

tópicos do empresário. O painel seguinte contou com

a presença de José Roberto Marques e Pedro de Abreu.

Para encerrar o evento, Flávio Augusto, deu uma última

e tão esperada aula, dessa vez Flávio falou sobre

IPO. Ao fim do evento, o que se pode perceber no rosto

dos participantes era uma expressão de entusiasmo.

O intuito do PWH é inspirar pessoas, muni-las de

informação, mostrar o caminho para que busquem,

dali por diante, mais meios de aprender sobre o que

tiveram uma amostra.

“(...) EU CARREGAVA VÁRIOS RÓTULOS, DE MULHER, DE FILHA, DE

JOVEM ETC. EU SEMPRE PAUTEI MUITO EM MINHAS REALIZAÇÕES

EM CIMA DO QUE EU CONSEGUIA TRAZER DE FATO PARA A ORGANI-

ZAÇÃO, ENTÃO NÃO ERA A RENATA, E SIM A PESSOA QUE ESTAVA

TRAZENDO UMA EMPRESA QUE FATURAVA 38 MILHÕES COM UMA

MARCA, PARA UM GRUPO EMPRESARIAL COM QUATRO MARCAS E

QUE FATURA 1,5 BILHÕES DE REAIS. SE EU NÃO FOR A MELHOR

PESSOA PARA A COMPANHIA, EU SOU A PRIMEIRA A PEDIR PARA

SAIR”. RENATA VICHI

“NORMALMENTE, AS MARCAS, AS PESSOAS QUE SÃO DIFERENTES,

SÃO AS QUE SÃO DE VERDADE, O QUE REALMENTE TE DESTACA É O

QUE VERDADEIRAMENTE VOCÊ É.” – RONY MEISLER

“TENHA UM ENDOSSO, FOQUE EM UM PINO DE CADA VEZ, PARA

CADA MERCADO VOCÊ TEM UM PLAYER QUE ENDOSSA SEU PRODUTO

OU SERVIÇO. DEPOIS DE CONQUISTAR O ENDOSSO, INVISTA EM

CRIAR SUA REPUTAÇÃO, VOCÊ PRECISA TER UM SELO DIZENDO QUE

VOCÊ É BOM, INOVADOR ETC.” GUSTAVO CAETANO

“EU VIM PARA FALAR PARA AS PESSOAS QUE ELA NÃO PRECISA SER

UMA COPIA DE NINGUÉM, ELA NÃO PRECISA SER AQUELA VERSÃO

GENÉRICA DAQUELA COISA QUE ESTÁ FAZENDO SUCESSO NO MO-

MENTO, HOJE TEMOS UMA GERAÇÃO DE PESSOAS QUE ACHAM QUE

FELICIDADE É TER UMA VIDA COM COISAS QUE SÃO MARAVILHOSAS,

E NÃO É, DOR E PROVAÇÃO FAZEM PARTE DA VIDA, É ISSO QUE NOS

FAZEM UMA PESSOA MELHOR. ABRACE A DOR E APRENDA COM O

QUE ELA QUER TE DIZER.” – PEDRO SUPERTI

“VAMOS FALAR SOBRE A ÓTICA DE QUEM PRODUZ PARA TANTA

GENTE, SE VOCÊ NÃO É DE VERDADE, VOCÊ VAI SUMIR, A MANEIRA

ARTIFICIAL DE SE COMUNICAR CANSA, ISSO NÃO É UM QUEBRA

GANHO, A GENTE QUER PRODUZIR CONTEÚDO PRO RESTO DA VIDA,

SE VOCÊ FOR VERDADEIRO, VOCÊ VAI OLHAR PARA TRÁS E VER QUE

TEM PESSOAS QUE TE SEGUEM A VINTE, TRINTA ANOS.” – ÍCARDO

DE CARVALHO

“QUANDO EU PEGO MEU CELULAR PARA GRAVAR, EU PEÇO PARA

DEUS ME USAR, EU COMPARTILHO DA DOR DE MUITAS MULHERES,

EU NÃO FAÇO INTENCIONAL, EU FALO SOBRE O QUE EU ESTOU

VIVENDO NO MOMENTO E AO COMPARTILHAR SOBRE MINHA HIS-

TÓRIA, ESSAS MULHERES SE CONECTAM COMIGO, TALVEZ PELO MEU

MODO INTUITIVO DE SER.” – ADRIANA SANTANA


39

EVENTO


40

EVENTO

EVENTO DE MARKETING E

DIFERENCIAÇÃO REÚNE MAIS DE 8 MIL

EMPRESÁRIOS NA CAPITAL PAULISTA

Pedro Superti, autoridade em marketing de diferenciação,

comandou a 4ª edição do Fator X Live 2020;

evento que aconteceu em janeiro na capital paulista

Pensar como uma grande empresa mesmo sem ser

uma empresa grande. É isso o que os mais de 8 mil

empreendedores que participaram do Fator X Live

2020 descobriram durante os três dias do evento, que

aconteceu de 17 a 19 de janeiro, em São Paulo.

O Fator X Live é o maior evento de diferenciação de

negócios do mundo. Na sua quarta edição, a conferência

com o tema Descobrindo Sua Grandeza contau

com mais de 30 horas de palestras.

Empreendedores e empresários do Brasil todo e de

vários países do mundo aprenderam técnicas para

descobrir qual é o fator X de suas empresas, aquela

característica que faz uma marca ser única e desejada

e que o empresário pode explorar como um fator importante

para o crescimento de seu negócio em cada

etapa que ela se encontra.

Desenvolvido por Pedro Superti, principal referência

do marketing de diferenciação do Brasil, o curso Fator

X é um avançado método de diferenciação e posicionamento

de empresas que tem o intuito de tornar a

concorrência irrelevante ao colocar à venda não apenas

um produto ou serviço, mas uma visão de mundo.

FOTO Gabriel Ravazzi

Ao aplicar a própria essência no negócio e usá-la como

diferencial, o empreendedor passa a criar um movimento

que atrai muito mais que clientes: atrai pessoas

que compram daquela marca pelo que ela é, não

apenas pelo que ela vende. A metodologia deu tão certo

que deu origem ao Fator X Live, conferência anual

de marketing de diferenciação.

O Fator X Live 2020 ensinou como aplicar, etapa por

etapa, essa e outras técnicas de posicionamento e

diferenciação para fazer a empresa crescer, independentemente

de seu tamanho atual. Foram três dias de

imersão em contato com diversas referências de mercado

do Brasil e do mundo que compartilharam estratégias,

técnicas e ferramentas capazes de fazer uma

empresa se tornar referência e líder de seu segmento.

Pedro Superti e outros palestrantes falaram sobre as

diferenças entre uma empresa grande de uma grande

empresa. Os assuntos abordados envolvem as áreas

fundamentais do empreendedorismo, como marketing,

liderança, encantamento de clientes e visão.

Como um dos grandes diferenciais do Fator X Live é

proporcionar aos participantes inúmeras surpresas ao

longo do evento, assim como nas edições anteriores

a lista de palestrantes desta edição também não foi

divulgada. “Mesmo sem saber quem estará lá no palco,

quem participa do Fator X Live sabe que vai ter contato

FOTO Adilson Machado


41

EVENTO

FOTO Marcos Kano

com os profissionais mais bem sucedidos do mercado”,

afirma Superti.

Durante os três dias, o público teve contato com o próprio

fundador do evento: ele esteve no palco durante

80% do tempo, compartilhando ainda mais histórias e

técnicas que farão qualquer negócio decolar.

FOTO Adilson Machado

FOTO Gabriel Ravazzi

FOTO Adilson Machado

SOBRE PEDRO SUPERTI

Pedro Superti é especialista em Marketing de

Diferenciação e criador do Fator X, melhor e

mais avançado método de diferenciação do Brasil.

Fundador e CEO da Para o Alto e Avante, em

quase 20 anos de experiência já ajudou mais de

dez mil clientes a dominarem o mercado usando

técnicas de diferenciação e posicionamento

que geraram mais de R$700 milhões em acréscimo

de vendas diretas. Desenvolveu diversos

cursos e palestras que são sucessos de bilheteria,

como Fator X Live, Magic, Imersão Magic

nos Estados Unidos, Clientes Infinitos, Mentoria

Freedom e Hey Heey Heeey Experience. Ao ensinar

os clientes a venderem não apenas um produto

ou serviço, mas sim um propósito, Superti

ensina como tornar a concorrência irrelevante.

Ele acredita que através do empreendedorismo

é possível mudar a vida das pessoas e fazer do

mundo um lugar melhor.

Site:

https://pedrosuperti.com.br/

Facebook:

https://www.facebook.com/pedrosupertioficial/

Instagram:

https://www.instagram.com/pedrosuperti/

YouTube:

https://www.youtube.com/channel/UCFsWuKSvaK3I-

G1fcoxpVLCw

LinkedIn:

https://www.linkedin.com/in/pedrosuperti/?original-

Subdomain=br

FOTO Michel Martins


42

DESIGN E INOVAÇÃO

CRIATÉGIA, CULTURA DE

RESULTADO ORIENTADO

AO APRENDIZADO E

PROPÓSITO

A cultura de uma empresa é seu conjunto de crenças

e valores, ou seja, descreve a lógica do jeito como as

pessoas fazem as coisas acontecerem na empresa, e desenham

seu modelo de negócio para identificar, criar,

entregar e capturar valor, como orientação aos resultados

esperados em seu contexto econômico, social e

cultural em que atua, e na maioria das vezes planejam

e montam estratégias convencionais e tradicionais que

não combinam mais com o que é requerido nesse novo

contexto e muitas vezes não identificam a cultura que

move sua empresa.

Quase sempre percebo organizações e líderes de todos

os setores da economia pressionados e com desafio importante

de sobreviver e de alcançar o resultado esperado.

É fato que a essência desse desafio para que as organizações

continuem sendo relevantes, percebidas e

gerando valor, situa-se na estratégia de se adaptar a

esse cenário em transformação, que é derivado do forte

avanço tecnológico - que é o principal vetor da transformação,

mas por outro lado na essência das mudanças

estão as pessoas.

O processo de modelar um negócio por meio da cultura

de resultados que são orientados pelo aprendizado

e propósito no desenvolvimento de um produto, serviço

ou marca, fornece aos empreendedores, gestores e

colaboradores uma compreensão única e clara da sua

lógica de atuação, proporcionando aos colaboradores

abraçar novas possibilidades.

Refletir sobre o nosso negócio existente, desafiar a nossa

lógica dominante de fazer as coisas certas para fazer

melhores e com mais relevância, questionar nossas teorias,

conceitos e crenças, esquecer das respostas que

temos para perguntas que ninguém mais faz, confrontar

nossa resistência a mudança e utilizar o medo como

força aos novos desafios faz parte desse processo de

aprendizagem por propósito e causa.

Esse processo é importante para que as empresas e organizações

se mantenham atualizadas, principalmente

em época de grandes e rápidas mudanças.

É só enxergar o número de negócios que apareceram

nos últimos 10 anos, principalmente após a transformação

digital e que estão revolucionando modelos de

negócios antigos e estabelecidos. Mesmo que o seu negócio

não esteja ameaçado por esses novos modelos de

negócios, será que sua empresa está preparada para a

nova era?

Novas ferramentas de gestão e projetos são utilizadas

para descrever modelos de negócios mais compatíveis

com essas mudanças, sendo modernizadas para tornar

o processo mais simples, objetivo e agradável. Um bom

exemplo é o Design Thinking de serviços, entre outros,

que permite experimentar e encontrar soluções criativas,

desejáveis, possíveis, viáveis e inovadoras, centradas

no usuário e focadas nas reais necessidades do

mercado.

Vivenciando todas essas mudanças, que dificultam as

estratégias e tomadas de decisões no desenvolvimento

de produtos e serviços ou na inteligência e posicionamento

de mercado, decidi ressignificar minha empresa

e com a colaboração do meu sócio e amigo Felipe Garcia,

fizemos a seguinte pergunta:

“Qual é a intenção do nosso negócio?”, e a diferenciação

começou quando entendemos o porquê da

nossa existência.

Entendemos que a nossa evolução e diferenciação não

era uma questão de disponibilidade financeira, era sim

uma questão de disponibilidade emocional e espiritual.

Nossa intenção é “ser mais do que uma empresa

que executa projetos, é trabalhar a cultura

de resultados orientados ao aprendizado e

ao propósito”.

.

Nosso papel é a liderança por crenças e valores, ajudando

a materializar os princípios que nós acreditamos e

isso significa atuar com os conceitos de empreender

com propósito, colocar valores e causas antes do lucro

e engajar o time de colaboradores ao projeto por uma

causa.


43

NOSSO PROCESSO:

DESIGN E INOVAÇÃO

Criatégia é uma empresa com pessoas criativas, provocativas,

inconformadas e as vezes desobedientes,

quebrando o status quo e resistência de empresas nos

mais diversos segmentos, que conecta a realidade da

sua marca com o propósito de futuro, com o objetivo

de fazer o seu negócio alavancar, performar e alcançar

resultados significativos, sempre colocando as pessoas

no centro do desafio.

O QUE FAZEMOS:

INOVAÇÃO: Por meio da abordagem do design

estratégico, ministramos palestras, cur-

sos e mentorias. Ativamos o que é relevante

e percebido pelas pessoas na interação e

relacionamento com sua marca, produto e

serviço na construção de um propósito que

encante. Tudo isso para termos uma marca

promotora de experiências, que toque a alma!

Reavaliar nossas crenças e metodologias utilizadas, a

fim de nos tornarmos capazes e mais confiantes na arte

de resolver problemas complexos que são resultados

das rápidas transformações do mundo em que vivemos.

Abordar com intensidade o que é fundamental e indispensável

para que a INOVAÇÃO aconteça de fato, quais

os novos caminhos para as organizações, gestores e empreendedores

perceberem logo a mudança em curso e

trocarem seu pensamento linear (incremental) pelo exponencial.

DESIGN: divididos em design de produto,

embalagem e gráfico, trabalhamos com

os mais diversos segmentos da indústria

e serviços. Entendemos que na nova economia,

as pessoas querem mais acesso e

experiência do que as coisas proporcionam.

Saber que a opinião das pessoas é tão valiosa quanto as

campanhas publicitárias e que todo o projeto deve ser

centrado no usuário, e principalmente entender o que

eles querem, precisam e desejam.

Analisar as especificidades técnicas e as demandas de

mercado ao mesmo tempo em que investigamos o universo

do usuário. Desta forma, o processo de criação é

colaborativo e participativo. Nosso pensamento de trabalho

extremamente diferenciado gera descobertas e

oportunidades e captura valores a partir da relevância

dos significados. O resultado são soluções integradas

viáveis, possíveis e desejáveis.

BRANDING: Através da arquitetura de

marca, logotipo, discurso e identidade sual engajamos todos os envolvidos com

vi-

o propósito de tornar você e sua empresa,

uma entidade de alto valor. Acreditamos e

temos a convicção que seu público precisa

perceber em você o que sua empresa significa e representa

pra ele e o valor que entrega ao mercado.

Por meio de importantes etapas no processo de posicionamento

estratégico, conectamos realidade e futuro

através de hipoteses, construções de cenários e experimentações.

Nesse processo como um todo, engajamos

todos os envolvidos com o propósito de tornar você e

sua empresa, entidades de alto valor. Acreditamos e temos

a convicção que seu público precisa perceber em

você o que sua empresa significa e representa pra ele e

o valor entregue ao mercado.

Marcos Batista

Inovação | Design |

Empreendedorismo | Startup

Instagram e Linkedin:

studiomarcosbatista

www.criategia.com.br


44

INOVAÇÃO

O MUNDO ESTÁ CANSADO DE

“BOAS IDEIAS”!


45

QUANTAS VEZES VOCÊ JÁ ESCUTOU – OU CONTOU –

QUE ALGUÉM TEVE UMA “ÓTIMA IDEIA”?

Muitas vezes, provavelmente. De fato, se existe algo

que nós, brasileiros, temos de sobra é a criatividade.

Só que nem sempre ela é sinônimo de inovação e suficiente

para ser estruturada em um modelo de negócio

competitivo, rentável e duradouro.

Como uma startup. Por isso não precisamos apenas

de “boas ideias”. Mas ideias que resolvam algum problema

ligado aos desejos da maioria das pessoas, que

seja percebido como falta, dificuldade ou aspiração, e

que, de certa forma, preocupe as grandes empresas.

Os dados não mentem: cerca de 74% das startups brasileiras

fecham após cinco anos de existência. Aproximadamente

18% delas não completam nem dois anos.

Esse número, resultado de um estudo realizado pela

aceleradora Startup Farm, em 2017, revela a dificuldade

de um negócio prosperar se ele não for inovador de

verdade. Aliás, importante frisar que essas empresas

não fecharam as portas devido a falta de aporte ou investimento,

mas por desalinhamento entre a proposta

de valor e o interesse do mercado.

se, de fato, existe um problema a ser resolvido e cuja

solução se transforme num negócio.

Algumas perguntas são importantes nesse processo

para saber se a sua ideia é digna de transformá-la em

um modelo de negócio competitivo, rentável e duradouro:

1. VOCÊ ENXERGA UM PROBLEMA E TEM UMA IDEIA

DE SOLUÇÃO INOVADORA PARA ELE?

2. TRATA-SE DE UM NEGÓCIO DIFÍCIL DE SER CO-

PIADO? QUANTO MAIS PERSONALIZADO, MELHOR;

3. A IDEIA REALMENTE SERÁ PERCEBIDA COMO

ALGO DE VALOR PELO MERCADO OU VAI DURAR

APENAS ENQUANTO NOVIDADE?

4. TEM UM BOM POTENCIAL DE CRESCIMENTO E

DE ALTA RENTABILIDADE? ISSO SIGNIFICA QUE SEU

NEGÓCIO PODE CRESCER E SER REPLICADO, SEM

DEPENDER DE PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

OU DO AUMENTO NO NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS

PROPORCIONAL AO SEU CRESCIMENTO;

INOVAÇÃO

Para uma startup superar esses primeiros anos é

preciso ir muito além de simplesmente ter uma “boa

ideia”. O empreendedor deve ter a cabeça aberta e

pesquisar inovações, conceitos, tendências em todos

os cantos do mundo, em diversos segmentos de mercado,

e não ficar preso ao que já está estabelecido.

Precisa, ainda, ter a capacidade de executar seu plano

com poucos recursos, sejam eles de capital financeiro

ou humano. É aqui que diferenciamos quem está nessa

para valer ou não.

Apesar de todos os desafios inerentes ao que seja empreender,

as empresas brasileiras – assim como nos

demais países - estão passando por um grande processo

de transformação digital. A adoção das novas

tecnologias e a busca incessante pela criação de experiências

customizadas para o cliente, este cada vez

mais bem informado e conectado, gera um ecossistema

propício para o desenvolvimento de muitas oportunidades

de negócio.

Aliás, o Brasil, ao contrário do que muitos imaginam,

é muito bem posicionado no cenário empreendedor

de maneira geral, sendo visível o crescimento de uma

cultura inovadora. Recentemente, o TechCrunch, um

dos principais sites focados em notícias de tecnologia,

publicou um artigo mostrando que o nosso país tem

o maior ecossistema de startups da América Latina,

mesmo com um cenário de recessão econômica.

Ou seja, isso mostra que nós temos muito mais do que

apenas “boas ideias”.

Claro que é muito difícil prever o sucesso de uma startup,

mas o primeiro passo é fazer o chamado Customer’s

Discovery (descoberta de cliente), que consiste

em realizar uma pesquisa no mercado para identificar

5. ESTÁ EM UM MERCADO POTENCIAL SIGNIFICA-

TIVO PARA QUE O NEGÓCIO ATINJA UM PATAMAR

DE DEZENAS OU CENTENAS DE MILHÕES DE REAIS?

Responder sim para a maioria das perguntas é um

bom caminho, ainda que não seja garantia de sucesso.

E lembre-se de que a motivação para empreender

nada tem a ver com dinheiro ou vontade de ser dono

de algo. Para Steve Blank, um dos principais gurus da

cena empreendedora mundial, as startups bem-sucedidas

só alcançam sucesso quando acham seu Product/Market

Fit.

Isso significa encontrar o ‘ENCAIXE PERFEITO’ entre o

produto e a solução proposta em um nicho de mercado

promissor.

Não é fácil, mas também

não é impossível.

E aí? Você tem mesmo uma

“BOA IDEIA” para investir?

VITOR MAGNANI

Executivo de Public Policy & Public

Affairs da Loggi, diretor da

Confederação Nacional de Serviços

(CNS), presidente da Associação

Brasileira Online to Offline (ABO2O)

e professor da Fundação Instituto

de Administração (FIA).


46

STARTUP

COMO AS STARTUPS PODEM

COOPERAR COM SEU NEGÓCIO

Entra ano e sai ano, e, desde que estou no ecossistema

do empreendedorismo que a seguinte dúvida ecoa na

cabeça de diversos empreendedores: posso transformar

meu negócio em Startup? E se eu buscar por bases

tecnológicas? Se eu não me tornar uma Startup,

meu negócio pode morrer?

As respostas não são as mesmas para todas as perguntas,

mas talvez faça sentido dizer que nem sempre um

negócio é, pode ou deve ser uma Startup para crescer de

maneira exponencial.

Se você acompanha a revista ou até mesmo meu trabalho,

já deve saber que a definição da mesma consiste

em uma empresa onde suas características essenciais

se baseiam em 3 pilares, que consiste em um negócio

imprevisível, que opera em ambiente de extrema incerteza

(vulnerabilidade alta), com base na tecnologia e

seja repetível e escalável. Após anos de estudo e mentoria

para milhares de negócios, tenho convicção quando

digo que, o que é necessário para manter um negócio

vivo, é se adequar às novas exigências do mercado, inclusive

no que diz respeito a experiência que podemos

proporcionar a nossos usuários e, considerando as pesquisas

atuais, grande parte de tais experiencias ocorre

de maneira Online, o que nos direciona ainda mais para

caminhar rumo a inovação e a uma transformação digital

efetiva.

casos surgem no que chamamos de “Day One”, que é

o momento em que compreendemos determinada dor

e iniciamos a construção da autoridade, tal autoridade

acaba por conectar ideias, necessidade e dentre outros

fatores que atraem o usuário e não é diferente em empresas

tradicionais em que devemos sempre ter alguém

que conheça o que a empresa oferece.

Quando falamos em Pesquisa, devemos nos atentar

na verificação da viabilidade de tal ideia, questionando

sempre qual a real necessidade da criação, se existe a

dor, se existem usuários com tal necessidade e de que

modo o mercado aceitará tal iniciativa. Não existe outro

jeito, faz-se extremamente necessária uma pesquisa

que viabilize a ideia, ou até uma pesquisa que deve

ser feita no entorno em que a empresa será implantada,

para assim compreender se existe possibilidade de

sobrevivência e crescimento. No processo de validação

podemos compreender o grau de inovação. Um exemplo

para as empresas tradicionais é saber se no entorno

existem outras empresas que atendam o nicho que

a mesma atenderá, sendo que é comum as pessoas

abrirem negócios semelhantes e próximos, o que

pode prejudicar o negócio em questão, uma vez

que a oferta se torna maior. Claro que devemos

analisar outros fatores, tal como o atendimento,

não excluindo a importância de validar

sempre.

De acordo com minha metodologia o caminho que

uma startup deve fazer até entrar em processo de escala,

passa pelos seguintes passos: Insight, Pesquisa,

Validação, MVP, Produto no Mercado, Tração e Escala.

Em todas as partes do processo podemos fazer um

contraponto, analisando de que modo tais momentos

podem ser utilizados para o desenvolvimento de outras

empresas, sendo elas PME´s ou outros modelos de negócios.

Todo negócio surge em um Insight no contexto

das startups. Os insights são as ideias, que em muitos

O trajeto entre o MVP e o Produto no Mercado

é extremamente relevante, importantíssimo

para servir de exemplo para empresas tradicionais

que queiram tornar-se Scale-Ups, uma

vez que a fase de testes é importantíssima para

que o produto seja validado e inserido no mercado

da maneira correta, mesmo tendo liberdade

para que o erro ocorra durante o trajeto e seja corrigido,

sendo esse um ponto que tornou-se comum com

o surgimento das startups que trazem um mover dife-


47

renciado no modo de fazer negócios. Quando a Startup

alcança um patamar em que os riscos diminuem, a mesma

entra em um momento de tração que vai ganhando

forças para entrar em uma escala de crescimento que

pode ser exponencial ou até mesmo, um crescimento

linear que lhe dê apenas estabilidade, do mesmo modo

que uma empresa alcança patamares altos e confortáveis

a medida que vai crescendo e ganhando espaço no

mercado, em muitos casos após realizar adequações

para atender o usuário.

sucesso deve de fato ser uma unicórnio - startup com

o valuation de 1 Bilhão de dólares - dando espaço as

startups zebras que talvez não alcancem tal patamar,

mas se mantém devido ao fato de curar dores reais e

trazer resultados significativos. Mesmo seguindo o caminho

percorrido por uma startup quando falamos em

como elas podem cooperar para o desenvolvimento de

empresas tradicionais e com outras características, sabemos

que diversos fatores comuns também são relevantes.

STARTUP

Uma metodologia que caminha ao encontro dos processos

que acredito serem importantes para que negócios

sejam consolidados, tal processo consiste em: Construir,

Medir e Aprender. Tal processo é cíclico e constante,

e devemos considerar que uma solução que atende

o mercado hoje, pode facilmente não o atender amanhã,

sendo constantemente necessário que adaptações

sejam feitas para que assim, seu negócio não corra o risco

de desaparecer. O método Lean Startup, nada mais

é do que um constante MVP, em que se trabalha uma

sequência em que a construção e a desconstrução são

constantes, para que em tal processo o MVP seja lapidado

e construído da melhor maneira, compreendendo

o que pode ou não dar certo na finalização do produto

ou serviço.

O que precisamos compreender é que, desde que as

startups entraram em evidência, o medo do erro foi

deixado de lado, aceitar que as pessoas erram é efetivação

da valorização constante do capital humano, em

que a empatia é vista como uma das principais formas

de otimizar as relação de trabalho, o que chamamos de

“RAPPORT”, quando nos conectamos

de fato com as outras pessoas, gerando

relações que fazem

com que o ambiente de

trabalho se torne

familiar e por

consequência,

a

produtividade

aumente

de maneira

significativa.

Embora tenham

surgido inúmeras teorias que

tem contribuído de maneira significativa

com os demais modelos de negócios,

um fato que se destaca é a possibilidade de errar

e poder refazer o caminho, sem que compreenda tal

ação enquanto fracasso, errar se tornou uma maneira

de revalidar o planejamento criado para determinado

produto ou serviço, que estará fadado ao fracasso caso

não seja capaz de solucionar uma dor.

Atualmente existem teorias que deixam de lado a necessidade

ou ambição latente de que uma startup de

Os olhares se voltaram em especial aos processos que

envolvem seres humanos, compreendendo que os mesmos

são a mola que movem as iniciativas empresariais

para que as mesmas funcionem e entrem em processo

de crescimento, em que o tempo de trabalho tem sido

considerado, tais como iniciativas como o home office

em algumas empresas e a valorização de profissionais

que sejam versáteis e multitarefas. Outro fator que as

mesmas trouxeram e deve ser utilizado em outros modelos

de negócios é a delimitação de um nicho, tornando

mais fácil identificar o cliente ideal a ser atendido, em

que o marketing, que ganhou uma nova maneira de ser

construído, saiba de que jeito poderá atender o usuário

de maneira personalizada, em que sejam resolvidas necessidades

reais.

Em todo o contexto, vemos que a transformação digital

foi parceira do modelo startup, uma vez que a maneira

de fazer negócios mudou e assim, vem sendo necessário

que ocorra uma adaptação para que as empresas

sobrevivam e cresçam, para que desse modo tenhamos

inovação e as mesmas acompanhem

as mudanças, pois sabemos que em tal

processo nossos usuários não compram

mais apenas um produto e sim, toda a

experiencia que o mesmo pode oferecer.

Fazer negócios, em um contexto em que

tudo pode mudar rápido demais, não é uma tarefa

fácil e deve ser feito da maneira correta e com cuidado

para que seu negócio tenha vida longa e se adeque a

um novo formato, sabendo que aquele que não inovar

se tornará seu próprio fator de ruina. Seja qual for o seu

negócio, tenha consigo a necessidade diária de inovar

e fazer de maneira diferente para que ele possa sobreviver

por muitos e muitos anos, curando as dores da

maneira certa e adequando-se sempre que necessário.

NÃO ESTACIONE EM VELHAS

CRENÇAS, AS STARTUPS LIDERAM

UMA GRANDE REVOLUÇÃO NO

MUNDO DOS NEGÓCIOS.

FERNANDO SEABRA,

especialista em negócios, inovação

e startups; é Líder do GRI - Grupo de

Relacionamento com Investidores

do DEMPI e Acelera FIESP. Mentor no

Programa Reality Show de Startups

da TV brasileira.


48

STARTUP

QUE COMECE O MATRIARCADO:

MULHERES SE DESTACAM NO

ECOSSISTEMA DE STARTUPS

“QUE COMECE O MATRIARCADO”. A frase dita pela

personagem Nairobi, na série La casa de Papel, ficou

famosa como símbolo do protagonismo feminino.

Esta mesma frase poderia também ser aplicada ao

novo momento do universo das startups. Sim, nós

estamos ocupando cada vez mais espaços que antes

eram majoritariamente masculinos.

Este novo cenário ficou ainda mais evidente no último

“Startup Awards”, maior prêmio de empreendedorismo,

inovação e startups do Brasil, onde vi mais

mulheres subirem ao palco.

Outra iniciativa reconhecida foi

a Programaria que venceu na

“categoria impacto social”. A

startup oferece capacitação em

programação para as mulheres

de todo o país. Fundada pela

jornalista Iana Chan, a empresa

tem como principal objetivo quebrar

o estigma de que mulheres não

sabem ou não se interessam por tecnologia. Mas algo

que realmente me pegou de surpresa foi compartilhar

este mesmo palco com estas mulheres maravilhosas.

A Dany Junco, fundadora da B2Mamy - uma aceleradora

que conecta mães ao ecossistema de inovação,

venceu na categoria “herói/heroína do ano”. Nos últimos

três anos, a empresa acelerou 170 ne-

gócios tocados por mães-empreendedoras

que, juntas,

faturaram R$ 2 milhões.

Além disso, a B2Mamy

inaugurou no final do

ano passado o primeiro

espaço exclusivo às

mães-empreendedoras

no Brasil num galpão de

400 m² na Zona Oeste de

São Paulo.


49

Eu venci na “categoria profissional de

imprensa” depois de sete anos atuan-

do no ecossistema de inovação. Era

a minha segunda vez consecutiva

entre os finalistas e novamente a

única mulher na etapa final. Fiquei

muito emocionada por ver tantas

mulheres ganhando reconhecimento

em um mercado tão competitivo e

muitas vezes machista - sabemos que

o preconceito não parte somente dos homens,

mas também das próprias mulheres.

O sexismo ainda é um tema difícil no Brasil, sobretudo

no ambiente tecnológico. No entanto, há pouco tempo

conheci empreendedoras que estão apostando

todas as suas fichas na inteligência artificial no combate

à violência contra a mulher. No Brasil 1,6 milhão

de mulheres são espancadas ou sofrem tentativa de

estrangulamento anualmente. Os dados são de um

levantamento do Datafolha encomendado pela ONG

Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

A pernambucana Simony Cesar

que ficou este ano na lista

Forbes Under 30, dos jovens

mais promissores do Brasil

- desenvolveu o NINA Mobile,

tecnologia que nasceu

para mapear e denunciar os

casos de assédio que acontecem

no transporte público.

Já Gabryella Corrêa, idealizou o

aplicativo Lady Driver, depois de ter

sofrido assédio de um motorista que ela chamou pelo

aplicativo. No ano passado a empresa arrecadou R$

2,5 milhões, que estão sendo usados para investimentos

em tecnologia, ações promocionais e expansão

para outras regiões.

Em operação desde março de 2017, o

Lady Driver se diferencia dos concorrentes

por aceitar apenas motoristas

e clientes mulheres. almente, possui uma base de 45

Atu-

mil motoristas cadastradas, mais

de 1 milhão de downloads e faturamento

de R$ 10 milhões em

2018. A Lady Driver foi eleita pelo

jornal Financial Times o maior app

de transporte feminino do mundo.

geraram 78 centavos, enquanto as fundadas por homens

renderam menos da metade disso (31 centavos).

Em termos globais, o ano passado tivemos o melhor

período da história para fundadoras pelo mundo. Em

2018, havia 15 unicórnios (empresas com valuation de

1 bilhão) com ao menos uma cofundadora à frente do

negócio. Já no último ano, foram 21 startups lideradas

por mulheres que atingiram o status de unicórnio. As

informações são da base de dados americana Crunchbase.

“A minha previsão para

2020 são mais mulheres

ganhando destaque

no mercado”

O principal desafio é superar os estereótipos sobre a

capacidade e o papel das mulheres em diferentes esferas

da sociedade. Não teremos qualquer avanço enquanto

esperarmos que as mulheres deixem o trabalho

ao ter filhos - se fizerem isso por obrigação e não

por escolha. Ou se aceitarmos que elas optem por um

emprego ruim e mal remunerado para conciliar a vida

profissional com os cuidados da casa. Há muito que

avançar por parte das empresas, das leis e da própria

sociedade como um todo, mas seguiremos lutando.

STARTUP

Apesar de estarmos conquistando lugares que antes

não existiam para nós, ainda hoje somente 30% de todos

os negócios privados do mundo são operados ou

têm como idealizador uma mulher e menos de 10%

das empresas lideradas por mulheres recebe investimento

externo. Por outro lado, um estudo recente da

The Boston Consulting Group (BCG), revela que apesar

de menos investimentos, faturamos mais em nossos

negócios. Segundo a pesquisa, para cada dólar de financiamento,

as startups com mulheres fundadoras

Beatriz Bevilaqua

Email: beatriz@imprensa.biz


50

STARTUP

CRESCIMENTO DAS STARTUPS:

VEJA O QUE MUDOU NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS!

De 2015 até 2019, o número de startups no país mais

que triplicou, passando de 4.151 para 12.727 (um salto

de 207%). Acompanhe aqui quais foram os fatores favoráveis

para esse cenário de crescimento das startups.

Os últimos anos foram decisivos para consolidar o ecossistema

brasileiro de startups como conhecemos hoje.

Parece que foi ontem que as primeiras startups despontavam

com suas soluções disruptivas (despertando

curiosidade e desconfiança ao mesmo tempo) e que instituições

como a Abstartups surgiam para fomentar um

ecossistema ainda embrionário, mas isso foi lá em 2011.

Nove anos depois, o mercado se abriu para as startups e

temos hoje um cenário bem mais promissor. Tanto que

é quase impossível imaginar nossa vida sem startups –

elas mudaram a maneira como nos locomovemos pela

cidade, procuramos acomodações para viagens, alugamos

apartamento, pagamos nossas contas e muito

mais!

Por isso, nesse artigo vou relembrar um pouco da trajetória

de evolução do ecossistema nos últimos cinco

anos aqui no Brasil e os motivos que favoreceram essa

mudança de cenário.

A EVOLUÇÃO DAS STARTUPS EM NÚMEROS

Em 2015, o número de startups mapeadas no Brasil era

de 4.451. Esse número continuou crescendo gradualmente

nos anos consecutivos, mas teve o seu grande

boom em 2018, quando atingimos a marca de 10.000

startups. Atualmente, já estamos com 12.800 startups

mapeadas em nossa base (Startupbase) e a média de

crescimento é de 26,75% por ano. Mas afinal, o que

aconteceu no mundo das startups nesses anos? A resposta

é: muita coisa! Não só o número de startups foi

crescendo, como diversas iniciativas e instituições foram

se desenvolvendo para dar apoio e construir esse ecossistema,

afinal, empreendedor não faz nada sozinho.

Fonte: Startupbase

A verdade é que o ambiente em torno das comunidades

evoluiu muito! Por isso, quando falamos de conexões

entre startups, vivemos nesses últimos anos uma fase

de muitas oportunidades. Foram inúmeros coworkings,

hubs de inovação, parques tecnológicos e uma agenda

com diversos eventos envolvidos para dar suporte e oferecer

o ambiente ideal para o desenvolvimento de novas

startups e o amadurecimento de modelos de negócios

já existentes. Coisa que não existia alguns anos atrás.

A EVOLUÇÃO DE HUBS E PARCEIROS

DE FOMENTO

Para começar, lá em 2015, surgiu uma nova iniciativa

aqui em São Paulo que prometia “transformar o ecossistema

de startups”. Idealizada pelo Itaú Unibanco em

parceria com a Redpoint e.ventures, nascia o CUBO.

Com o intuito de ser um local para reunir startups, investidores

e mentores, o CUBO nasceu com o propósito

de ser mais do que um coworking, e é hoje reconhecido

como o maior hub de inovação da América Latina.

Desde 2016, temos o Google em São Paulo com seu 6º

Campus e o primeiro na América Latina. O espaço voltado

para profissionais criativos e empreendedores, conta

com espaço de coworking aberto, eventos e programas

de capacitação para residentes e não residentes e conexão

com os outros campus da rede.


51

Isso sem falar os inúmeros outros players que cresceram

com o intuito de fomentar uma comunidade empreendedora

– desde a Plug que desde 2012 surgiu

como a pioneira em coworking, a Gama Academy que

nasceu em 2016 para formação de talentos nas principais

áreas de uma startup.

Além disso, eventos formadores como o Startup Weekend

revelou (e continua revelando até hoje) cases de

sucesso como o Easy Taxi. programas de desenvolvimento

governamentais (Seed, Desenvolve SP, Pitch Gov)

nasceram e novas corporações como Oito, Oxigênio e a

WeWork que chegou ao Brasil em 2018.

E O QUE FOI O BOOM DE 2018?

Após um período conturbado na economia brasileira,

o ano de 2018 começou com grandes surpresas e um

aquecimento do setor autônomo e claro, empreendedor.

Os frutos de todos esses anos de trabalho de fomento

e incentivo ao mercado de startups, começou a

ser visto e o mercado, decolou.

Não só consolidou, como também veio com novidades:

o Bradesco, outro gigante no mercado nacional inaugurou

seu próprio hub de inovação – o InovaBra. A maturidade

das startups brasileiras atingiu níveis de tração

e scale-up e vimos nascer o primeiro unicórnio verde e

amarelo: a 99, trazendo com ela, uma sequência de seres

mitológicos para o nosso ecossistema.

Além disso, os parques tecnológicos que tradicionalmente

atuam conectando três atores: governo, academia

e mercado também conquistaram um papel importante

como instrumento de formação empreendedora.

O Tecnopuc em Porto Alegre/RS, Porto Digital em Recife/

PE e o Tecnosinos em São Leopoldo/RS, por exemplo,

estão hoje entre os principais parques tecnológicos do

Brasil. Juntos reúnem mais de 200 empresas e são responsáveis

pela geração de mais de 10 mil empregos.

A FORÇA DO EMPREENDEDOR E O

FORTALECIMENTO DAS COMUNIDADES

Segundo um estudo da Expert Market, o Brasil está em

5° lugar numa lista de 15 países no que se refere à determinação

do empresário em empreender. Determinação

é palavra chave, mas como eu disse lá em cima, empreendedor

não faz nada sozinho. Ainda que o começo

possa ser solitário, fazer parte de uma comunidade é

um facilitador desse processo.

Comunidade de Startups

Quando falamos em comunidade de startups, você entende

o que isso significa? Não se trata apenas de um

conglomerado de startups em uma mesma região. Além

disso, isso significa também uma rede apoio que consegue

engajar, gerar oportunidades e potencializar o

desenvolvimento desses negócios. Entre os fatores fundamentais

para o sucesso de uma comunidade, estão:

Governo

Programas de investimento, benefícios regulatórios,

parcerias com startups (como o Pitch.Gov), institutos de

pesquisa, advocacy.

Acesso à capital

Investidores Anjo, Microcrédito, venture capital.

Cultura

Cases de sucesso, líderes, reciclagem de líderes, visibilidade

na mídia, eventos, networking.

Suporte

Serviços especializados (jurídico, contábil, imprensa),

Coworkings, Incubadoras, Aceleradoras, Parques Tecnológicos,

Instituições não governamentais.

Talento

Universidades ligadas ao empreendedorismo, centros

de tecnologia, empreendedores em série, fluidez (capacidade

de atrair talentos).

Mercado

Early Adopters, canais de distribuição, multinacionais,

referenciação.

DESCENTRALIZAÇÃO DAS CAPITAIS

Se antes, víamos esses fatores movimentando principalmente

os grandes centros urbanos como São Paulo,

Minas Gerais e Rio Grande do Sul, destes últimos anos

para cá algo importante aconteceu – cada vez mais regiões

fora do eixo das capitais foram mapeadas, ganhando

visibilidade e relevância. Tudo bem que esses estados

ainda concentram hoje, o maior número de startups

no Brasil. Porém, hoje, já são mais de 30 cidades, 61

comunidades e mais de 7.500 startups de comunidades

emergentes mapeadas em todo o Brasil.

56c

FATURAMENTO E STARTUPS UNICÓRNIO

O ano de 2018 trouxe um holofote para o mundo das

startups brasileiras – fruto da conquista dos primeiros

unicórnios. Essas startups, com alto grau de maturidade

(scale-up) abrem suas ações para o mercado (IPO)

atraindo fundos de investimento e conquistando o tão

sonhado investimento. E quando atingem a marca de

US$1 milhão de dólares em valuation, se tornam mitos,

tal qual um unicórnio. Assim como a lenda do animal

mitológico, apesar de fazerem muito sucesso e atraírem

os holofotes, é importante lembrar que elas são raras

por um motivo – não são fáceis de alcançar e não representam

a realidade principal do mercado. Hoje, o Brasil

tem uma posição relevante a nível internacional (está no

top 10 países em número de startups) com 11 startups

unicórnios e algumas promessas com grande potencial

de crescimento. Com isso, tem atraído para a América

Latina, olhares de fundos de investimento e grandes

corporações internacionais.

Faturamento

Segundo dados da Associação de Investimento de Capital

Privado na América Latina (LAVCA, em inglês), o investimento

de venture capital em startups latino-americanas

totalizou US$ 2,6 bilhões, divididos em 2019. Para

comparação, em todo o ano de 2018, foram arrecadados,

US$ 2 bilhões.

STARTUP


52

STARTUP

Para o ecossistema, reunimos

e divulgamos informação

através do Startupbase

(mais relevante base de

dados do ecossistema) e os

estudos e mapeamentos de

comunidades; Promoção

por meio de visibilidade

na imprensa, eventos itinerantes

como o Startup.

On; conexão com o governo

(Pitch Gov) e tudo isso,

com o apoio de grandes

empresas no nosso programa

de mantenedores. E é

claro, não posso deixar de

citar aqui o CASE– a Conferência

Anual de Startups

e Empreendedorismo – o

maior evento para startups

da América Latina e o único

que reúne comunidades de

todas as regiões do Brasil. A

caminho de sua 7º edição, o

evento nasceu junto com o

ecossistema. E a cada ano

acompanha a evolução em

termos de maturidade, tendências

e inovação.

Ainda de acordo com dados da LAVCA, Colômbia, Brasil

e México representam 91,9% dos dólares investidos na

região durante o primeiro semestre e 84,9% dos negócios

fechados entre investidores e fundadores.Porém,

a distribuição desses investimentos ainda é um desafio

no setor. Por exemplo, segundo os mapeamentos

de comunidades que realizamos no ano passado, 82%

das startups declararam não ter recebido investimento

e apenas 1% declararam ter recebido um aporte Série

A. Quando avaliamos os dados de faturamento, os números

não são melhores: aproximadamente 50% das

startups mapeadas em todo Brasil não faturam e apenas

3,4% faturam entre R$ 500K e R$ 1MM. Ou seja, temos

dinheiro entrando, mas não circulando em todos

os âmbitos do ecossistema. E esse é um dos desafios

que temos para os próximos anos, ao pensar em um

crescimento sustentável do ecossistema.

ABSTARTUPS COMO PARTE DESSA EVOLUÇÃO

Com a missão de fomentar o ecossistema empreendedor

no Brasil, a Abstartups faz parte dessa história de

evolução. Formada em 2011 por um grupo de empreendedores,

a associação tem atuado nesses últimos anos

em várias frentes de fomento. Olhando para o empreendedor,

desenvolvemos projetos para educação (blog),

conteúdo para startups, acesso produtos e benefícios

por meio dos nossos planos de associação, conexão

com mercado e investidores (mentorias, Pitch Corporate).

Como serão os próximos

cinco anos? Começamos o

ano de 2020 com o pé direito.

Nova unicórnio, novos investimentos e uma expectativa

muito positiva para o que está por vir? Algumas das

expectativas para o futuro são:

• Avanço da agenda do Marco Legal das Startups no

Congresso Nacional, que contribuirá positivamente

com o empreendedor, startups, ecossistema e todo o

ambiente regulatório do mercado.

• Descentralização e regionalização do conteúdo, oportunidade,

capital, acesso à mercado, a fim de desenvolver

melhor o país e ecossistemas de inovação em

comunidades iniciantes.

• Avanço do amadurecimento e densidade do ecossistema,

com o fortalecimento de players de formato e participação

cada vez maior e mais assertiva das grandes

corporações e mercado em geral.

E você, como enxerga o futuro do ecossistema? Faça

suas apostas e não deixe de acompanhar os insights do

Startupbase que compartilhamos toda semana em nossas

redes!

ANA FLÁVIA CARRILO

Apaixonada por escrita, comunicadora

por nascença e formada em jornalismo

pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Acredita no acesso à informação

como forma de transformação social.

Atualmente, faz parte da equipe de

comunicação da Associação Brasileira

de Startups, ajudando a desenvolver o

ecossistema empreendedor brasileiro.


53

LIDERANÇA

CONHEÇA-TE

A TI MESMO

“Aquele que conhece os outros é sábio. le que conhece a si mesmo é iluminado. Aquele

Aqueque

vence os outros é forte. Aquele que vence a si

mesmo é poderoso.” Lao Tse

“Conheça-te a ti mesmo...”. Essa inscrição encontrada

na antiga Grécia era o princípio das crenças de Sócrates,

e nos reforça que o autoconhecimento é a base necessária

para gerar mudanças positivas em nossas vidas.

Podemos buscar respostas em diversas fontes, mas o

que precisamos verdadeiramente está dentro de nós.

Tenho notado que durante a formação profissional as

pessoas se focam em suas áreas de especialidade somente,

buscando conteúdo técnico e científico nas faculdades,

MBAs e diversos treinamentos.

Mas estou cada vez mais convencida de que se desejamos

construir famílias mais felizes, empresas ou escolas

mais saudáveis, e comunidades mais solidárias, temos

que compreender outros valores além do que é técnico,

a exemplo da liderança. Precisamos cada vez mais formar

líderes, e não apenas seguidores.

“Quanto mais baixa a capacidade de liderança de uma

pessoa, mais baixo o limite em seu potencial. Quanto

maior a capacidade de liderar, maior o limite em seu

potencial.” Jonh Maxwell

Liderança tem efeito multiplicador. Quando equipes

talentosas não vencem, observe sua liderança e você

encontrará algumas respostas para o insucesso. Avalie

agora a sua capacidade de liderança. Se necessário peça

um feedback sincero e direto, e com base nas respostas

reveja aspectos como sua habilidade para lidar com

pessoas, qualidade dos relacionamentos, capacidade

de planejamento e pensamento estratégico. O quanto

você está disposto a crescer em liderança? Liderança é

a habilidade de inspirar as pessoas a agir. Significa conquistá-las

por inteiro: espírito, coração, mente, braços,

pernas... E aí está a diferença entre poder e autoridade.

Quando você tem poder, as pessoas fazem a sua vontade

mesmo que não desejam. Quando você tem autoridade,

as pessoas voluntariamente fazem a sua vontade,

por causa da sua influência pessoal. Isso é que faz

um grande líder. Entretanto, é preciso saber liderar a si

mesmo. Conseguir estabelecer as suas próprias metas,

rumo aos seus propósitos de vida. Cada pessoa tem sua

maneira de ser, tem seu tempo de perceber e fazer as

coisas, por isso é necessário saber encontrar as alternativas

importantes para a melhoria do seu desempenho,

seja qual for a atividade ou situação a ser desenvolvida.

“Preciso fazer algo resolve mais do que algo precisa ser

feito”, Henry Kissinger.

Assuma as rédeas da sua vida. Seja você o provocador

de mudanças. Saiba fazer as perguntas certas, assuma

suas responsabilidades, seja o guia de sua vida, e assim

poderá também se tornar um líder para outras pessoas.

Você precisa identificar por que as pessoas o respeitam.

O que você é ou o que você está? Elas respeitam a sua

pessoa como ser humano ou a respeitam devido ao título

ou cargo que você possui?

É fácil alguém se dizer líder quando exerce o poder

pela força da hierarquia. Você só aprende a praticar a

liderança verdadeira quando consegue isolar essas variáveis

e exercer influência pelo carisma, pela empatia,

pelo exemplo, pelo comprometimento e pelo engajamento

pessoal. Você se torna uma pessoa mais nobre

quando, ao invés de reclamar à secretária que deixou o

telefone tocar por se ausentar da sala, atende você mesmo

o telefone, anota o recado e passa para ela depois.

“Eu não preciso gostar de você, mas, como seu líder,

tenho de amá-lo. Tenho de querer que você seja o melhor

que você pode ser e ajudá-lo a fazer isso. Tenho de

ouvi-lo, respeitá-lo, reconhecê-lo, inspirá-lo a agir... O

conceito de amor, aqui, significa o que você faz, não o

que você sente. Você pode agir com amor, mesmo que

tenha vontade de estrangular seu colega de trabalho”.

James C. Hunter. O líder não é aquele que consegue resultados

através das pessoas, mas sim com as pessoas.

Tal conceito vai além das características dos líderes incomuns,

intocáveis e ícones que fazem parte da história

da humanidade e preencheram os séculos como figuras

fortes. Nessa nova perspectiva, vemos que o verdadeiro

líder é um homem de atitude, coerente entre o verbo e

a ação e, com a sua percepção, experiência e sensibilidade,

sabe conduzir tão bem a sinfonia que emana de

uma equipe híbrida, como se fosse um grande maestro

que rege uma grande orquestra afinada, conseguindo

fazer brotar de cada pessoa o entusiasmo necessário

para diferenciar tudo que se propõe a fazer

neste universo instável, dinâmico e evolutivo.

Dra. Erika Stancolovic

Doutora em Psicanálise

e Mestre em Educação.


54

CASE DE SUCESSO

DUDU OLIVEIRA, CRIOU UM NEGÓCIO

LUCRATIVO AO ADOÇAR A VIDA

DAS PESSOAS

Felipe Eduardo Oliveira, mais conhecido como Dudu

Oliveira, têm 27 anos, começou a empreender aos

13 anos de idade, sempre na área de confeitaria.

Formado em gastronomia em seu Estado Natal,

Maceió, Dudu veio trabalhar em São Paulo aos 21

anos, sozinho, ele começou a trabalhar em

um hotel. Após um ano de trabalho, foi demitido

e mudou-se para a cidade de Mauá,

sem condições de atuar em sua área,

Dudu foi trabalhar em um Call Center.

Sempre muito comunicativo e com uma

ampla visão para negócios, ele percebeu

que havia muitas pessoas em seu local de trabalho,

ele então se imaginou vendendo doces

para todas aquelas pessoas, fez um conta simples,

se vendesse 1 brigadeiro gourmet para algumas

das 40 pessoas que trabalhavam em sua

área já teria uma renda complementar, porém

Dudu também se imaginou vendendo para todas

as 2.000 mil pessoas que ali trabalhavam.

O jovem empreendedor não hesitou, investiu R$ 150,00

reais para comprar todos os ingredientes necessários

para produzir os doces gourmet e levar ao trabalho.

Em uma hora do seu primeiro dia de “empreendedor”

dentro da empresa que prestava serviço, Dudu vendeu

todos os 100 doces gourmet que havia levado. Em apenas

um mês de venda, ele superou seu salário como

atendente no Call Center em 7 vezes. Seu rendimento

com os doces gourmet ultrapassou o montante de 5

mil reais em um único mês. Era o começo de sua jornada

empreendedora em

São Paulo. Para cumprir sua

promessa que somente voltaria

a trabalhar em cozinha

se fosse em sua própria, o

empreendedor juntou dinheiro

e abriu o próprio ateliê.

Dudu tem como parceiro

Jhonata Salvioni, seu sócio,

responsável por toda parte

administrativa e que junto

com Dudu atua na estratégia

do negócio.

O Ateliê aberto pelos dois sócios, em pouco tempo ficou

pequeno, então eles precisaram mudar o Ateliê Dudu

Oliveira de apenas 23m 2 para um espaço maior com

150m 2 No dia 08 de fevereiro, os sócios inauguram a tão

sonhada Escola de Confeitaria DUDU OLIVEIRA. O

empreendimento, é a primeira escola especializada em

confeitaria do município de Mauá.

Centenas de pessoas foram na inauguração da escola

e dezenas delas fizeram suas matrículas, segundo o

empreendedor, somente no primeiro dia, foram contabilizadas

60 matrículas em seus cursos, sendo que algumas

turmas tiveram suas vagas esgotadas em questão

de horas. Dudu tem planos para abrir as próximas

unidades da Escola de Confeitaria em outros Estados do

Brasil. Atualmente o empreendedor está se preparando

para lançar o Método Dudu Oliveira, uma metodologia

que irá profissionalizar vários professores de confeitaria


55

pelo Brasil e pelo Mundo. Sem dúvida, Dudu Oliveira é

um dos maiores profissionais da área, o empreendedor

acumula em suas redes sociais milhares de seguidores.

Ele é chamado a todo momento para participar de editorias

de revistas e TVs, muitos deles não atendidos pelo

empreendedor por falta de tempo. Recentemente Dudu

formou-se em sua segunda faculdade, no curso de Nutrição,

pela Faculdade Fama na cidade de Mauá.

CASE DE SUCESSO

Com o lema “Onde tem Dudu Oliveira

tem Felicidade”, o empreendedor

vem arrastando multidões em todos os

projetos encabeçados por ele. O maior

deles, é a Cake Fast Mauá, projeto idealizado

por Dudu para dar visibilidade aos

profissionais do setor de confeitaria. Em

sua 5ª. edição, a Cake Fast Mauá, acumula

recorde de público em cada edição

produzida pelo empreendedor. A última

edição do evento realizada em 2019, contou

com a visita de aproximadamente 5

mil pessoas.

O evento que em edições anteriores

era feito em um único dia, precisou se

transformar em um evento de dois dias, para atender

à crescente demanda de participantes e de muitas marcas

que querem participar expondo seus produtos. A

próxima edição do evento, irá acontecer nos dias 2 e 3

de maio desse ano, no saguão da Faculdade Fama, faculdade

que sempre apoiou seus projetos e pela qual

o empreendedor tem muito carinho. De acordo com

o Wise Guy Reports, o mercado global de confeitarias

e doces foi avaliado em mais de 1,9 bilhão de dólares

em 2018 e tem previsão para chegar a 2,5 bilhões até

o final de 2025. Com essa projeção de expansão do

mercado, o empreendedor sabe que há

muitas possibilidades para o crescimento

de seu negócio, ele inclusive é um grande

estudioso e apesar de já ter ensinado

mais de 3 mil alunos, Dudu garante que

sempre está em busca de novidades do

setor para entregar a seus alunos o que

há de mais moderno no segmento, garantindo

assim que sua Escola de Confeitaria tenha uma

excelente procura de pessoas querendo se matricular

em seus cursos. Além de ser um excelente profissional,

Dudu também é um grande influenciador, atualmente

muitas marcas patrocinam o empreendedor que tem

uma enorme visibilidade e muita autoridade no que diz

respeito a confeitaria. Ter Dudu Oliveira utilizando algum

de seus produtos, garante a essas marcas muitas

vendas, além de uma ótima exposição.

@duduoliveira |

Escola Dudu Oliveira


56

DIREITO

CONGRESSO INTERNACIONAL

DE PROTEÇÃO DE DADOS

O 2º Congresso Internacional de Proteção de Dados,

foi realizado em São Paulo, e grandes especialistas da

área discutiram sobre os rumos do uso de dados e sobre

as principais ações que as organizações precisam

tomar sobre gestão, coleta e uso de dados pessoais.

Muitos palestrantes passaram pelo palco, como Samara

Schuch que abordou sobre a importância do Relatório

de Impacto à Proteção de Dados Pessoais, também conhecido

por Data Protection Impact Assessment – DPIA ,

mais uma das obrigações contempladas na Lei Geral de

Proteção de Dados, que é o documento do controlador,

que contém a descrição dos processos de tratamento

de dados pessoais que podem gerar riscos às liberdades

civis e aos direitos fundamentais, bem como medidas,

salvaguardas e mecanismos de mitigação de risco e

quais correções que precisam ser realizadas.

O especialista Rony Vainzof abordou em seu painel “Falta

um ano para a eficácia plena da lei?”, com enfoque no

projeto de lei, que estende o período de eficácia para

o ano de 2022. Domingo Montanaro comentou sobre o

que evitar e quais os riscos da implementação, primeiramente

incita todos que a empresa deve estar preparada,

não colocar todos os esforços apenas com foco na prevenção,

mas deve desenvolver um plano para a reação.

O palestrante internacional J. Trevor Hughes, President

and CEO of the International Association of Privacy Professionals

(IAPP), abrangeu a LGPD, tecnologia, privacidade,

futuro das legislações e o papel da instituição na

construção do profissional de privacidade brasileiro. Na

oportunidade foi indagado sobre quais as perspectivas

da vigência da LGPD, momento que todos os países do

mundo precisam se adequar à lei, o Brasil como qualquer

país do mundo está nessa fase, não importa se a

legislação vai ser postergada ou não, entretanto o Brasil

precisa investir na legislação para pertencer ao mundo

globalizado. Outra grande questão foi sobre como enxergar

a tecnologia e privacidade do futuro, não apenas

essas disponíveis, mas as novas legislações que ainda

estão por vir? Assegura que a tecnologia e privacidade

estão conectadas, ambas mudarão ao longo da história.

Já sobre o papel da IAPP, assegura ser a maior organização

de privacidade do mundo, como uma entidade não

lucrativa que tem muitas fontes de pesquisa, certificação

e mais de 52 mil profissionais trabalhando de forma

voluntária.

O palestrante Renato Opice Blum, realizou um comparativo

sobre o desenvolvimento da Inteligência Artificial

utilizando computação quântica que está há poucos

anos de se tornar realidade, porém já representa uma

quebra de paradigma, compreendido na capacidade

das máquinas “raciocinarem”. A implementação da Inteligência

Artificial na área jurídica, por sua vez, irá nos

auxiliar ainda mais na tratativas processuais, por meio

de análise de dados, facilitando a busca pelo tipo de

processo, matéria especifica, qual juiz ou turma recursal

poderá analisar o caso, qual tipo de foro e como foram

julgados processos semelhantes. Através do aprendizado

supervisionado, a Inteligência Artificial auxiliará o

jurista sobre o tempo de análise judicial, e fornecerá a

jurisprudências necessárias para que seu caso tenha

maior probabilidade de procedência. Miriam Wimmer

trouxe para o palco, a prática da Inteligência Artificial

nos órgãos públicos, nos sistemas, com atendentes digitais,

site, chatbot, ela vislumbra, ainda, o aumento da

competitividade, produtividade em diferentes áreas da

economia, o grande desafio do governo federal é identificar

as áreas que a Inteligência Artificial pode ter um impacto

mais positivo e investir esforços em desenvolver

sistemas. Já há robôs para analisar irregularidades em

licitações e contratos, Victor no STF, Alice no TCU, além

de alavancar os resultados e mitigar os riscos, acredita

que deve haver uma qualificação profissional na educação

dos servidores, para desenvolver a estratégia em

suas tarefas.

O palestrante Fabrício da Mota Alves, indicado para o

cargo de Conselheiro Titular do Conselho Nacional de

Proteção de Dados, abordou sobre a importância e o

pioneirismo da lei no setor público, alegando que o setor

público por determinações constitucionais, é a instituição

que mais cria, processa e tem a custódia dos dados

pessoais. Já Camila Jimene, defendeu vivermos na

sociedade da informação, em que as regras são necessárias

e a educação digital deve estar disponível. Acredita

que o papel do advogado do futuro é enxergar as

novas nuances dentro do velho direito, como forma de

oportunidade na visão multidisciplinar, citou casos de

como a tecnologia irá impactar as relações de trabalho,

e a importância da tributação nas plataformas online e

globais, dentre outros. O congresso foi direcionado à

profissionais das mais diversas áreas de atuação, como

advogados, profissionais de compliance, DPO`s, CFO’s,

CEO’s, CIO’s, CTO’s, controllers, auditores, consultores,

funcionários públicos, integrantes de RH, suprimentos,

marketing, controles internos. Atraiu a importância da

conformidade das empresas através da lei, independentemente

do porte e segmento, com a

nova demanda de governança em proteção de

dados e o risco de multas altíssimas.

GABRIELA BARRETO

CEO Barreto Advocacia e Consultoria

Lawyer | Compliance | Startup | Blockchain

Lei Geral de Proteção de Dados


57

DICA EMPREENDA


58

STARTUP


59

STARTUP

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!