Um Rio

mundoleituraeditora

Este é um livro digital gratuito criado por Artitude Produções
Texto: Sílvia Albertini
Ilustrações: Chiara Buccheri

silvia albertini

chiara buccheri

um rio


πάντα ῥεῖ,

“tudo flui”

hErÁclito



Era uma vez um rio.

Ele passava os dias correndo,

sem parar.

Parecia

sempre o mesmo,mas,

olhando bem, ele se transformava

e se renovava continuamente.

No verão, era mais seco.

No outono, começava a encher.

No inverno, estava coberto de gelo.

Na primavera, a neve derretia e o leito do

rio se enchia novamente.



O rio Azul, esse era seu nome, atravessava

a cidade de Wuhan, em um país distante

chamado China.

Durante uma fria semana do inverno, alguns

habitantes de Wuhan, sentindo-se mal,

foram ao hospital. Todos eles tinham uma

gripe estranha.



Intrigados, médicos e cientistas começaram

a estudar a situação e a recolher dados.

Descobriram que se tratava de uma nova

doença misteriosa.

O que era?



Um vírus pequeno, mas tão pequeno que

conseguia se infiltrar nas menores partes

de nossos pequenos pulmões.

O nome dele era Coronavirus,

um tipo minúsculo, sim, mas muito ágil e

forte. Com um único espirro, ele conseguia

saltar quase dois metros e grudar nas

nossas mãozinhas.



E assim, pulando de espirro em espirro, ele se

multiplicou.

Coronavírus partiu para uma longa jornada

e viajou para países distantes.



No Brasil, ele rapidamente virou uma

estrela.

Todos os adultos só falavam dele. Na rua, no

rádio, na TV, na internet e nos jornais.

Até fecharam as escolas.



É um pouco estranho

ficar em casa e não

ver amigos. Mas é

muito importante:

porque basta um

pouco de tosse, um

espirro, um abraço

ou um aperto de mão

para ficar doente.



Os cientistas dizem que Coronavirus

pula ainda melhor em lugares cheios e

fechados.

E ele gosta de todo mundo, não importa qual

escola você frequenta, onde você mora e

quantos anos você tem.



Para evitar que Coronavírus se divirta

pulando para cá e para lá, cientistas e

médicos passam dias e noites estudando

como pará-lo. A gente não precisa ter medo

dele, mas precisamos ter cuidado.

Nossa missão é fazer algo para parar

Coronavírus. Bastam pequenos gestos para

evitar que ele se espalhe. Isso se chama

prevenção



1 Lave as mãos frequentemente

com água e sabão por pelo menos

20 segundos. Para ter certeza,

você pode cantar sua música

favorita ou

“Parabéns para você!”.

4 Não toque nos olhos,

na boca e não coloque

os dedos no nariz -

mas você já não fazia

isso antes, certo? O vírus

usa essas “portas”

para entrar no nosso corpo.

5 Jogue fora os lenços

usados ​imediatamente!

2 Não cuspa! Quando espirrar

ou tossir, cubra a boca com um lenço

de papel ou com o braço e depois...

lave as mãos novamente!

3 Evite lugares cheios de pessoas.

6 Se você tiver febre, dor de garganta

e se sentir gripado, fique em casa e peça

para alguém ligar para o médico ou

o posto de saúde.

Mas se você precisar sair,

use uma máscara!



Vamos ficar muito tempo sem encontrar

nossos amigos?

talvez possa passar algum tempo, mas

os cientistas de todos os países estão

trabalhando dia e noite para derrotar

Coronavirus!



O mais importante é saber

que tudo isso vai passar.

Logo poderemos voltar a

abraçar os avós e brincar

com os amigos.

Tudo será como antes...

quem sabe um pouco diferente...

talvez até mais bonito.

Assim como o rio Azul,

que continua fluindo.

Sempre igual e sempre diferente.



Texto | Silvia Albertini

Ilustração | Chiara Buccheri

Um projeto de Artitude Produções

www.artitude.com.br



More magazines by this user
Similar magazines