*Abril/2020 Referência Florestal 217

jotacomunicacao

COVID-19 Entidades do setor florestal realizam mobilizações em todo o país para reverter impactos econômicos

FOREST CLEARING

EFFICIENCYE

FORESTRY MULCHERS GRIND DOWN

STUMPS AND REDUCE WASTE AS

PREPARATION FOR

MECHANIZED REPLANTING

EFICIÊNCIA NA LIMPEZA

TRITURADORES FLORESTAIS REBAIXAM

TOCOS E REDUZEM RESÍDUOS COMO

PREPARAÇÃO PARA O REPLANTIO MECANIZADO


Siga-nos no Facebook Dinagro Soluções Agrícolas www.dinagro.com.br


PIXXIS

Há 51 anos a Dinagro é a maior produtora de isca formicida

do Brasil. Hoje, com o investimento na maior planta de

produção de sulfluramida, o ingrediente ativo de seus

produtos, a Dinagro é a empresa líder no mercado.

Posição conquistada com investimento em tecnologia

e inovação na fabricação de seus produtos.

Via Doutor Jeremias de Paula Martins, 1555

Ribeirão Preto - SP. CEP: 14097-140

Tel. (16) 3629 1110 - sac@dinagro.com.br


www.emexbrasil.com.br

+55 (19) 3935.1970 / (19) 3935.2031

emex@emexbrasil.com.br


OPERAÇÃO SEGURA,

RÁPIDA E

EFICAZ

Catracas TU

A ExTe inventou o

conceito de carga

segura há 124 anos.

Há 35 anos, o

TU tensionador ilimitado

de CARGA da ExTe,

garante a segurança de

sua carga, nas rodovias

e off-road.

Conceito comprovado!


0800-007-2690

grupoaiz.com.br

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS / PR

Rua Joroslau Sochaki, 389

Guatupê - CEP 83055-400

SOLUÇÕES FLORESTAIS

ESCAVADEIRA ANFÍBIA

DRAGA ANFÍBIA

MANIPULADOR SOBRE PÓRTICO

MATERIAL HANDLERS PMH 20/36/74

TIMBERLIFT 966L /950L

AUTO CARREGÁVEL


MANIPULADORES • DESCOMISSIONAMENTO

• CUSTOMIZAÇÃO • MÁQUINAS PESADAS

• IMPLEMENTOS • PEÇAS • RENTAL

TRITREM FLORESTAL

IMPLEMENTOS

RODOVIÁRIOS

BITRENZÃO CAVAQUEIRA

Acesse

nosso folder

pelo QR code

Abril 2020

ASSOALHO INCLINÁVEL

SEMIRREBOQUE RODOTREM BASCULANTE

BAÚ LONADO (SIDER)

RODOTREM GRANELEIRO 4 EIXOS


SUMÁRIO

34

PÓS-COLHEITA

EFICAZ A CURTO

E LONGO PRAZO

ABRIL 2020

10 Editorial

12 Cartas

14 Bastidores

16 Coluna Ivan Tomaselli

18 Notas

28 Frases

30 Entrevista

34 Principal

40 Economia

44 Espécie

48 Produção

52 Sustentabilidade

58 Tecnologia

62 Internacional

66 Pesquisa

72 Agenda

74 Espaço Aberto

44

52

ANUNCIANTES DA EDIÇÃO

11 Agroceres

13 BKT

21 Carrocerias Bachiega

73 D’Antonio Equipamentos

28 Denis Cimaf

76 Denis Cimaf

02 Dinagro

04 Emex

29 Engeforest

75 Envimat

27 Fex Ferro e Aço

06 Grupo AIZ

09 Komatsu Forest

15 Liebherr Brasil

61 Lion Equipamentos

17 Log Max

65 Mill Indústrias

71 Mill Indústrias

33 Pacajá

57 Potenza

43 Prêmio REFERÊNCIA 2020

47 Rotor Equipamentos

23 Sergomel

25 Vantec

08 www.referenciaflorestal.com.br


®

EDITORIAL

Novos desafios

para 2020

A Covid-19 pegou o mundo de surpresa e se tornou o maior

desafio para 2020. Mas os momentos críticos também se revelam

ótimas oportunidades de amadurecimento e inovação. O setor

florestal brasileiro não recuou e se apresenta, como demonstram

várias entidades, disposto a seguir em frente. Trazemos um panorama

disso, assim como a reação dos governos internacionais.

Complementamos o tema com um artigo que traz uma ferramenta

eficaz para os momentos de adversidade. A edição apresenta, ainda,

como o setor é fundamental para gerar emprego e renda em um país

que as florestas compõem suas características naturais. E, por isso

mesmo, preservar as florestas também é essencial para as futuras gerações.

Uma alternativa sustentável são as Rppns (Reserva Particular

do Patrimônio Natural), tema de outra reportagem desta publicação.

Vamos com força e na expectativa de dias melhores, que com certeza

virão. Ótima leitura!

NEW CHALLENGES FOR 2020

Covid-19 took the world by surprise and became the biggest

challenge for 2020. But these critical moments have also proven to

be great opportunities for maturity and innovation. The Brazilian

Forest Sector has not retreated and has presented itself as willing to

move forward, as several entities have demonstrated. We provide an

overview of this, as well as the reaction of international governments.

We complement the theme with an article that suggests a useful tool

for times of adversity. This issue also presents how the Sector is fundamental

in generating employment and income in a country where

forests make up its natural characteristics. And for that reason,

preserving forests is also essential for future generations. A sustainable

alternative is the Private Natural Heritage Reserve (Rppns),

the subject of another story in this publication. Let’s keep going and

hoping for better days. Pleasant reading!

DENIS CIMAF

Confiabilidade e Produtividade com

Melhores Lucros em Trabalhos Intensivos.

Foto: DAH-125D e John Deere 160D LC

Fone: 19 3802.2742

comercial@deniscimaf.com

2

Entrevista com

Saulo Karvart,

da Apef

1

DENISCIMAF.COM

Capa da edição apresenta a

tecnologia Denis Cimaf

Covid 19: Madeira é essencial

A Revista da Indústria Florestal / The Magazine for the Forest Product

www.referenciaflorestal.com.br

Ano XXII • N°217 • Abril 2020

COVID-19 Entidades do setor florestal realizam mobilizações em todo o país para reverter impactos econômicos

FOREST CLEARING

EFFICIENCYE

FORESTRY MULCHERS GRIND DOWN

STUMPS AND REDUCE WASTE AS

PREPARATION FOR

MECHANIZED REPLANTING

EFICIÊNCIA NA LIMPEZA

TRITURADORES FLORESTAIS REBAIXAM

TOCOS E REDUZEM RESÍDUOS COMO

PREPARAÇÃO PARA O REPLANTIO MECANIZADO

3

EXPEDIENTE

ANO XXII - EDIÇÃO 217 - ABRIL 2020

Diretor Comercial / Commercial Director

Fábio Alexandre Machado

fabiomachado@revistareferencia.com.br

Diretor Executivo / Executive Director

Pedro Bartoski Jr

bartoski@revistareferencia.com.br

Redação / Writing

Lídia Ferreira

jornalismo@revistareferencia.com.br

Colunista

Ivan Tomaselli

Depto. de Criação / Graphic Design

Fabiana Tokarski - Supervisão

Fabiano Mendes

Crislaine Briatori Ferreira

Gabriel Santos Ferreira

criacao@revistareferencia.com.br

Tradução / Translation

John Wood Moore

Cartunista / Cartunist

Francis Ortolan

Depto. Comercial / Sales Departament

Gerson Penkal, Jéssika Ferreira,

Tainá Carolina Brandão

comercial@revistareferencia.com.br

fone: +55 (41) 3333-1023

Representante Comercial

Dash7 Comunicação - Joseane Cristina

Knop

Depto. de Assinaturas / Subscription

assinatura@revistareferencia.com.br

0800 600 2038

ASSINATURAS

0800 600 2038

Periodicidade Advertising

GARANTIDA GARANTEED

Veículo filiado a:

A Revista REFERÊNCIA - é uma publicação mensal e independente,

dirigida aos produtores e consumidores de bens e serviços em madeira,

instituições de pesquisa, estudantes universitários, orgãos governamentais,

ONG’s, entidades de classe e demais públicos, direta e/ou indiretamente

ligados ao segmento de base florestal. A Revista REFERÊNCIA do Setor

Industrial Madeireiro não se responsabiliza por conceitos emitidos em

matérias, artigos ou colunas assinadas, por entender serem estes materiais

de responsabilidade de seus autores. A utilização, reprodução, apropriação,

armazenamento de banco de dados, sob qualquer forma ou meio, dos

textos, fotos e outras criações intelectuais da Revista REFERÊNCIA são

terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos

direitos autorais, exceto para fins didáticos.

Revista REFERÊNCIA is a monthly and independent publication

directed at the producers and consumers of the good and services of the

lumberz industry, research institutions, university students, governmental

agencies, NGO’s, class and other entities directly and/or indirectly linked

to the forest based segment. Revista REFERÊNCIA does not hold itself

responsible for the concepts contained in the material, articles or columns

signed by others. These are the exclusive responsibility of the authors,

themselves. The use, reproduction, appropriation and databank storage

under any form or means of the texts, photographs and other intellectual

property in each publication of Revista REFERÊNCIA is expressly prohibited

without the written authorization of the holders of the authorial rights.

10 www.referenciaflorestal.com.br


DESEMPENHO

É FUNDAMENTAL

PARA GARANTIR

BONS RESULTADOS

Tecnologia e Qualidade de produtos aliados ao

melhor atendimento e suporte técnico em campo.

A mais completa e eficaz linha de iscas formicidas do Mercado.

São mais de 50 Anos de experiência e liderança no controle de formigas cortadeiras.

Soluções Personalizadas na medida de sua necessidade em campo.

FOCO TOTAL NO SEU MELHOR RESULTADO.


Agende uma demonstração

DENISCIMAF.com

CARTAS

A segurança que o seu desafio

será cumprido e produtivo.

Para quem quer colocar a cabeça no travesseiro e dormir bem.

A alta tecnologia, produtividade, confiabilidade e baixa manutenção,

fazendo o seu investimento render muito mais!

Ligue para 19 3802.2742 e agende uma Demonstração!

A Revista da Indústria Florestal / The Magazine for the Forest Product

TECNOLOGIA Drones são a tendência para operações de silvicultura, colheita e medição de volume de madeira

EFICAZ E INOVADOR

TRITURADORES SEM NECESSIDADE DE AFIAÇÃO

É UMA TECNOLOGIA BRASILEIRA QUE

FACILITA A LIMPEZA DE ÁREAS FLORESTAIS

Capa da Edição 216 da

Revista REFERÊNCIA FLORESTAL,

mês de março de 2020

www.referenciaflorestal.com.br

19 3802.2742

Ano XXII • N°216 • Março 2020

EFFECTIVE AND

INNOVATIVE

MULCHERS WITHOUT THE NEED FOR SHARPENING,

USING A BRAZILIAN TECHNOLOGY THAT FACILITATES

THE CLEANING OF FOREST AREAS

PERSPECTIVAS

Por Damasceno Rodrigues, silvicultor - Cuiabá (MT)

Começar o ano com um bom panorama das perspectivas do

setor direciona nossas ações. Parabéns pela última edição.

CONTEÚDO

Por Mariana Raggen, universitária - Porto Alegre (RS)

Conheci a Revista via redes sociais e agora estou lendo a

versão digital, gostei muito por ser um conteúdo de qualidade

para quem é estudante. Já fico sabendo sobre o mercado

ENTREVISTAS

Por Juscelino Albuquerque, empresário - Monte Claro (MG)

O que mais gosto da Revista são as entrevistas onde podemos aprofundar um

tema com pessoas que são destaque no setor e entendem do que estão falando.

Foto: divulgação Foto: divulgacão

SELFIE

ENVIE SUA FOTO COM A REFERÊNCIA FLORESTAL OU

LENDO A REVISTA PARA A NOVA SEÇÃO SELFIE

Mário Sérgio,

aposentado

de Curitiba (PR)

Patrícia de Soares,

dona de casa de

Curitiba (PR)

CURTA NOSSA PÁGINA

12 www.referenciaflorestal.com.br

Revista Referência Florestal

@referenciaflorestal

E-mails, críticas e sugestões podem ser

enviados também para redação

revistareferencia@revistareferencia.com.br

Mande sua opinião sobre a Revista REFERÊNCIA FLORESTAL

ou a respeito de reportagem produzida pelo veículo.


A LONG WAY

TOGETHER

Aplicações florestais com

autocarregadoras

Excelente tração em condições de serviço

pesado

Talão e ombro do pneu robustos para uma

resistência elevada às perfurações

Chetan Ghodture

Balkrishna Industries Ltd, India

Email: chetang@bkt-tires.com

Mobile: +917021000031


BASTIDORES

Charge

Charge: Francis Ortolan

Revista

NÓS, DA EQUIPE DA REFERÊNCIA FLORESTAL, SUSPENDEMOS AS VIAGENS E A PRODUÇÃO

DE MATÉRIAS REALIZADAS PRESENCIALMENTE FORA DA NOSSA SEDE PARA SEGUIR AS

RECOMENDAÇÕES OFICIAIS DE COMBATE AO COVID-19. POR ISSO, NOSSOS BASTIDORES DESTA

EDIÇÃO RESGATAM MOMENTOS DE REPORTAGENS REALIZADAS ANTES DA PANDEMIA

Nosso fotógrafo Fabiano Mendes em

ação na empresa CBI Madeira, em

Capelinha (MG)

Foto: Cesar Paranhos

Equipe de reportagem no aeroporto Canarana,

em Mato Grosso, (sim, apenas essa área e a pista

compõem o aeroporto), rumo à Água Boa (MT) para

reportagem na Companhia do Vale do Araguaia

Foto: REFERÊNCIA

14 www.referenciaflorestal.com.br


Viva o Progresso.

Manipuladores de materiais Liebherr

Máxima eficiência através de tecnologias orientadas para o futuro

Concebidos para o máximo de produtividade

Componentes de alta qualidade manufaturados pela própria Liebherr

Posto de trabalho ergonômico e organizado para constante alto desempenho

www.liebherr.com.br

info.lbr@liebherr.com

www.facebook.com/LiebherrConstruction


COLUNA

O IMPACTO DA PANDEMIA

NO COMÉRCIO MUNDIAL DE

PRODUTOS FLORESTAIS

O Covid 19, inicialmente detectado na China,

gera consequências no comércio mundial de

produtos florestais

Ivan Tomaselli

Diretor-presidente da Stcp

Engenharia de Projetos Ltda

Contato: itomaselli@stcp.com.br

Foto: divulgação

O setor

florestal será

afetado pela

redução da

demanda

doméstica

e das

exportações

de produtos

florestais

N

as últimas semanas as notícias

e análises tem se concentrado

no avanço e no impacto da

nova pandemia. O Covid 19, inicialmente

detectado na China,

chegou à Europa e se alastrou pelo restante do

planeta, colocando em risco a saúde da população

de todos os países. Quase dois milhões de

pessoas já foram infectadas, e o número deverá

crescer ainda mais, mesmo com isolamento e

outras medidas adotadas. Além do problema

de saúde pública é projetado um forte impacto

na economia mundial, e a maioria dos países

entrará em recessão.

Com base na experiência de outros países,

que já estavam sendo afetados pela pandemia,

o governo nacional e dos estados adotaram, a

partir de meados de março, diversas medidas

para mitigar o impacto na saúde dos brasileiros.

São medidas de isolamento, prevenção,

organização da estrutura de saúde e outras para

enfrentar o problema. Além disto o governo

nacional tem adotado medidas para mitigar o

impacto na economia.

Independente das medidas adotadas pelo

governo nacional o impacto econômico será

sentido por todos, afetando pessoas, empresas

e governos. A desaceleração da economia será

brusca e não existem previsões claras da intensidade

e amplitude da crise.

O setor florestal será afetado pela redução

da demanda doméstica e das exportações de

produtos florestais. Alguns segmentos poderão

ser menos impactados, como o de celulose e

papel, mas o consumo global de produtos de

madeira sólida certamente terá um grande

declínio ao longo dos meses remanescentes de

2020, e que poderá continuar ao longo de 2021.

Embora o Brasil exporte compensados fenólicos

para mais de 90 países, cinco importadores

altamente afetados pela pandemia (EUA - Estados

Unidos da América -, Reino Unido, Bélgica,

México e Alemanha), representam quase 80%.

Os EUA são responsáveis pela importação de

quase 70% do nosso compensado tropical e

mais de 30% do pinus serrado.

As exportações de produtos florestais de

valor agregado são ainda mais concentradas. Os

cinco maiores importadores de pisos engenheirados

representam 96% do total, 90% no caso

de portas e 87% no caso de pisos acabados de

madeira maciça. Somente os EUA são o destino

de 78% de nossas portas de madeira, 73% dos

pisos engenheirados e 60% dos pisos acabados

de madeira maciça.

Como já mencionado, o impacto da crise

deverá ser menor para o segmento de celulose

e papel (a demanda de “tissue paper” deverá

continuar forte). Deverão ser menos afetadas as

exportações de toras, de coníferas e folhosas,

uma vez que mais de 90% destes produtos são

vendidos no mercado asiático, cuja recuperação

econômica será mais rápida.

O quadro atual indica que em 2020 as exportações

brasileiras de produtos de madeira

sólida, muito provavelmente serão reduzidas

entre 30 e 40% (em relação a 2019). Além disto

deverá ocorrer uma queda na demanda doméstica

e dos preços, especialmente no mercado

internacional. Isto terá um forte impacto no

setor florestal e a indústria nacional deverá se

ajustar para uma nova realidade. Um retorno à

normalidade é esperado somente para o segundo

semestre do próximo ano.

16 www.referenciaflorestal.com.br


Dispomos de cabeçotes novos

e peças de reposição.

Equipe de assistência técnica

para pronto atendimento

Acreditando no mercado brasileiro, a

Log Max amplia suas coberturas

com filiais no Paraná, Rio Grande do Sul

e breve em Santa Catarina

AGORA OPERANDO

1OO % NO BRASIL

www.logmax.com

Rua Alto Paraná, 226 - Pinhais - PR Serviço: (41) 2102-2881

vendas@logmax.com.br

Cabeçote: (41) 2102-2811

logmaxbr

Peças: (41) 2102-2881

(41) 9 8856.4302

(41) 9 9232.7625

(41) 9 9219.3741


NOTAS

Acesso grátis para

a REFERÊNCIA FLORESTAL

A REFERÊNCIA FLORESTAL está com uma promoção

especial para quem ainda não é assinante

ou mesmo para aqueles assinantes que desejam

compartilhar as informações da publicação com a

sua equipe. A Revista lançou a campanha “GANHE 60

DIAS GRÁTIS na versão digital”. Basta acessar o site

www.referenciaflorestal.com.br/digital, preencher

o formulário e esperar a liberação da sua senha.

Não é sorteio. Entrou e cadastrou já ganha o acesso

durante dois meses a todo o conteúdo da Revista.

Com 20 anos de mercado, a REFERÊNCIA FLORESTAL

é uma publicação jornalística mensal, de circulação

nacional, destinada exclusivamente aos usuários de

produtos florestais para as mais diversas áreas. São

conteúdos especializados sobre novas tecnologias,

produtos e serviços relacionados ao setor.

Imagem: divulgação

Foto: Marcos Mancinni

Curso secagem de

madeira

Uma dos principais desafios para indústria da

madeira continua ser a melhora nos processos de

secagem e para aprimorar as técnicas a Marrari em

parceria com a CPM Suporte e Battistella realizaram,

durante o mês de março, o Curso de Secagem

de Madeira. Com foco na questão operacional, o

treinamento foi realizado durante quatro dias em

Rio Negrinho (SC). Com a proposta de enfatizar

a experiência, informações práticas e exemplos

cotidianos e suas resoluções, o treinamento apresentou

instruções detalhadas de todas as etapas

do processo. Aproximadamente 35 profissionais,

de empresas de várias partes do país participaram

do treinamento que, primeira vez, foi sediado

na Battistella. O conteúdo do Curso Secagem de Madeiras contou com a especificação de todos os itens de controle dos

secadores de madeira, modelos de secadores, influências no processo, possíveis falhas e testes para detecção aplicáveis.

Conduzido pelo instrutor Juan da Costa Paoli, que também é diretor da CPM Suporte, o treinamento não se restringe a

usuários de um sistema ou modelo específico, podendo ser aproveitado por todos trabalhadores do setor de secagem de

madeiras, pois os sistemas de automação e controle de secagem de madeiras são similares em diversos aspectos. A programação

com novas turmas pode ser encontrada no site da Marrari.

18 www.referenciaflorestal.com.br


Klabin adquire unidades da

International Paper ano Brasil

Foto: divulgação

A Klabin, maior produtora e exportadora

de papéis para embalagens do Brasil, anuncia a

aquisição dos negócios de embalagens de papelão

ondulado e papéis para embalagens da International

Paper no Brasil. Com investimento de R$ 330

milhões, a transação está alinhada à estratégia da

Klabin de integração e ampliação da flexibilidade

operacional e de produtos, expandindo o atendimento

aos mercados e clientes. Hoje, as unidades

de papéis para embalagens da International Paper

somam capacidade de produção anual de 310 mil

toneladas, já as operações de papelão ondulado

têm capacidade de 305 mil toneladas por ano,

com 6,6% de market share no mercado doméstico.

A aquisição faz com que a Klabin passe a ter

capacidade instalada de mais de 1 milhão de

toneladas de embalagens de papelão ondulado

por ano, com participação de mercado de 23,9%

e robustece a sua consolidada posição de líder no

segmento de papelão ondulado no Brasil. A empresa

também amplia a sua posição de destaque

de maior recicladora de papéis para embalagens

e maior fabricante de papéis reciclados do Brasil,

utilizados na produção do miolo do papelão ondulado,

em uma cadeia totalmente integrada, o que

reforça a sua responsabilidade em atuar ativamente

na economia circular e gestão de resíduos

sólidos no Brasil.

Com os ativos obtidos, localizados em São

Paulo, Goiás e Amazonas, a Klabin contará com

fábricas de embalagens de papelão ondulado nas

cinco regiões do Brasil, e destaca a chegada com

unidade industrial ao centro-oeste, reforçando

o atendimento ao setor de proteína animal, importante

para a economia brasileira e com ampla

vantagem competitiva no mundo. “Estamos sempre

atentos às oportunidades de negócios de integração

e, após um longo período de negociações, estou bastante satisfeito em anunciar essa operação, que reforça a crença

no mercado brasileiro e confirma a nossa visão estratégica de longo prazo”, declara o diretor-geral da Companhia, Cristiano

Teixeira.

A conclusão da transação ocorrerá somente após a aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A Klabin, com sólida posição de caixa e com o melhor perfil de dívida da sua história (com cerca de oito anos de prazo médio),

usará recursos próprios para o pagamento e o impacto na alavancagem financeira será imaterial.

Com foco em eficiência operacional, cuidado com as pessoas e o meio ambiente, a Klabin tem desenvolvido cada vez

mais produtos a partir de fontes renováveis. As soluções em papel e embalagens de papelão ondulado são feitas a partir de

fibras recicladas e florestas plantadas e certificadas, provenientes de fontes sustentáveis, renováveis e recicláveis. As embalagens

da Klabin são certificadas por órgãos internacionais e garantem segurança e qualidade aos produtos de seus clientes.

Abril 2020

19


NOTAS

Reunião em prol do pinus

Foto: REFERÊNCIA

O Ipef (Instituto de Pesquisas e Estudos

Florestais), por meio de seu Pppib (Programa

Cooperativo sobre Pesquisa do Pinus no

Brasil), liderou um encontro entre a Apre

(Associação Paranaense de Empresas de

Base Florestal), a ACR (Associação Catarinense

de Empresas Florestais) e a Ageflor

(Associação Gaúcha de Empresas Florestais)

realizado em Curitiba (PR), na sede da Apre.

O objetivo principal foi buscar o alinhamento

entre as entidades, visando a otimização

de ações no campo da pesquisa sobre plantações

de pinus, considerando as que se

encontram em curso, bem como novas propostas

de interesse comum. Dessa forma,

cada instituição apresentou seus projetos

de pesquisa em andamento e sua visão das

atuais demandas do setor de pinus em cada

região. Dentre diversos temas apontados,

destacaram-se necessidades de pesquisas

nas áreas de nutrição florestal e no manejo

integrado de pragas e doenças. Após a reunião,

as associações e o Ipef estão firmando convênios e analisando as possibilidades de trabalhos em conjunto. Estiveram

presentes na reunião pelas associações, o engenheiro Ailson Loper (Apre), engenheiro Mauro Murara (ACR), engenheiro

Jorge Heineck (Ageflor) e engenheiro Daniel Chies (Ageflor e Madem S.A.). Participaram também o professor Mauro Valdir

Schumacher (Pppib e Ufsm), a engenheira Isabel Deliberali e o professor José Otávio Brito (Ipef).

Novo transmissor de consistência

Um novo transmissor de consistência

por micro-ondas, completamente

reprojetado, para fabricantes de

celulose e papel, chegou ao mercado.

O Valmet MCA oferece nova eletrônica

digital e medição de detecção de

varredura direta, que confere maior

sensibilidade de medição de desempenho

e precisão que os modelos

analógicos concorrentes. O novo sensor

de lâmina dupla e o sensor de fluxo permitem aos fabricantes de papel e celulose instalá-lo em tubos com diâmetros maiores.

Os sensores de fluxo são totalmente intercambiáveis com as instalações anteriores. Com uma aplicação mais ampla, o novo

sensor de lâmina dupla também pode ser usado para medir a celulose não depurada. A atualizada sonda montada em grampo

do sensor é adequada para um ambiente de muito maior condutividade da produção de celulose química. “Esta nova tecnologia

de medição é um avanço em termos de desempenho e usabilidade”, diz o gerente de produtos e da linha de negócios de

Automação da Valmet, Marko Heikkinen.

Foto: divulgação

20 www.referenciaflorestal.com.br


(19) 3496-1555

carroceriasbachiega

qualidade

ACIMA DE TuDo!

Somos hoje a mais experiente

montadora de piso móvel da marca

HYVA ® , desenvolvendo produtos cada

vez mais adequados às necessidades dos

clientes, mantendo sempre a qualidade e

resistência dos nossos produtos

reconhecidos nacionalmente.

PISO MÓVEL

www.carroceriasbachiega.com.br


NOTAS

Estudo de qualidade da madeira

No início de 2020, o Pcmf (Programa Cooperativo de Melhoramento Florestal) do Ipef (Instituto de Pesquisas e Estudos

Florestais) iniciou a coleta de materiais para estudo da qualidade da madeira e demanda nutricional, de espécies com potencial

comercial. As espécies Eucalyptus amplifolia, Eucalyptus major, Eucalyptus longirostrata, Eucalyptus urophylla (controle),

Corymbia citriodora, Corymbia variegata, Corymbia henryi e Corymbia torelliana foram selecionadas no projeto “Zoneamento

de Espécies Potenciais” que avalia espécies e procedências de eucalipto em diferentes regiões.

Para seleção foram avaliadas mais de 20 espécies, em oito experimentos em diferentes condições climáticas brasileiras.

Foram selecionados locais contrastantes e com bom crescimento, sendo o primeiro experimento selecionado em Borebi (SP)

da empresa Bracell e pelo menos mais um será em Minas Gerais. A coleta foi realizada em Borebi seis anos após o plantio, e

a previsão é realizar a coleta do segundo experimento em Minas Gerais, até o final de 2020.

As características que estão sendo estudadas são, principalmente, referentes a produção de carvão, celulose e painéis.

Serão geradas informações sobre anatomia, composição química, curva de deslignificação, densidade, poder calorifico,

rendimento, etc. Além da demanda nutricional e biomassa na idade de corte. O trabalho conta com a parceria de pesquisadores

da Ufla (Universidade Federal de Lavras), Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) e Esalq/USP (Escola Superior de

Agricultura “Luiz de Queiroz”), além da participação efetiva da empresa Bracell na coleta do material.

O diferencial do trabalho será conhecer a qualidade da madeira e demanda nutricional de espécies diferentes das

tradicionais, na idade de corte e em condições brasileiras de solo e clima. Este trabalho irá auxiliar no direcionamento dos

programas de melhoramento, seja das instituições parceiras ou do Instituto.

REDE EXPERIMENTAL

No final de 2018, o Pcmf do Ipef iniciou a distribuição de sementes da geração avançada de Eucalyptus urophylla, para

a implantação de experimentos em diversas condições edafoclimáticas do Brasil. No ano de 2019 foram implantados 11 experimentos,

em seis estados. No primeiro semestre de 2020 estão programadas as implantações de, pelo menos, mais nove

experimentos, totalizando 20 ensaios na rede experimental, alocados em oito diferentes estados brasileiros.

Os experimentos fazem parte da Rede Experimental, que irá dar continuidade ao melhoramento da principal espécie

da silvicultura brasileira. Esse trabalho está sendo realizado de forma cooperativa, similarmente ao realizado na geração

anterior, que contou com o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), descrito na publicação

“Selecting for stable

and productive families

of Eucalyptus urophylla

S.T. Blake across a country

wide range of climates in

Brazil”, publicado no Canadian

Journal of Forest

Research.

Com a composição

da rede experimental,

será possível a realização

do estudo da interação

genótipos por ambientes,

para verificar a necessidade

da estratificação

ambiental na seleção dos

materiais. Assim, será

possível a seleção direcionada

de clones e famílias

para o avanço da geração,

além da obtenção de

pólen para os programas

de melhoramento em diferentes

regiões do país.

Foto: Fabiano Mendes

22 www.referenciaflorestal.com.br


2000

Primeiro equipamento

licenciado pelo CTC

Centro de Tecnologia

Canavieira.

2004

Aços de alta

resistência

2010

Basculante e

pranchas.

2018

Porta Container e

Rodocaçamba.

2019

Lançamento

do Consórcio

Sergomel

1975

Fundação por:

Osvaldo Ilceu Gomes

1990

Reformas e adequações

de carrocerias

2014

Lançamento da linha

de produtos no segmento Florestal

Av. Marginal José Osvaldo Marques, 1620

Sertãozinho - SP | CEP: 14173-010

CNPJ: 45.271.020/0001-35 | +55 16 3513-2600

www.sergomel.com.br


NOTAS

Queda de 89% no faturamento

dos pequenos negócios

Foto: divulgação

Os primeiros dias de restrição à circulação de pessoas

e isolamento social, em decorrência do Coronavírus, já

atingem o equilíbrio financeiro das empresas e ameaça a

sobrevivência de milhões de pequenos negócios no país.

Segundo pesquisa feita pelo Sebrae, 89% das micro e

pequenas empresas brasileiras já observam uma queda

no seu faturamento. E 36% dos empreendedores afirmam

que precisarão fechar o negócio permanentemente, em 1

mês, caso as restrições adotadas até agora permaneçam

por mais tempo. A pesquisa, feita entre os dias 20 e 23 de

março, junto a um universo de 9.105 donos de pequenos

negócios, revelou que, na média, a redução no faturamento

das empresas foi de 69%. Os empresários ouvidos

pelo Sebrae ressaltam que, mesmo adotando uma estratégia

de venda online, o faturamento anual do negócio

sofreria uma queda de 74%, caso as políticas de isolamento

social sejam mantidas por um período de dois meses. Com a expressiva queda nas vendas, 54% dos empreendedores já

preveem que precisarão solicitar empréstimos para manter o negócio em funcionamento sem gerar demissões. E, avaliando

as perspectivas da economia brasileira, 33% dos empresários entrevistados acreditam que o país deve levar um ano ou mais

para voltar ao normal. As medidas de restrição ao deslocamento de pessoas já fizeram com que 42% dos empresários tomassem

a decisão de fechar temporariamente o negócio e levou 26% a reduzir a jornada de trabalho da empresa.

Abimci mantém agenda remota

As agendas técnicas e setoriais

da Abimci (Associação Brasileira da

Indústria de Madeira Processada

Mecanicamente) foram adaptadas

para que aconteçam de forma

remota e os trabalhos tenham continuidade

durante esse período de

pandemia da Covid-19. A estratégia

visa respeitar as orientações dos órgãos

de saúde pública. As atividades

do Comitê Brasileiro da Madeira da

Abnt (Associação Brasileira de Normas

Técnicas), CB-31, que a Abimci

é a entidade gestora nacional, terão

continuidade de suas agendas através das suas CE (Comissões de Estudos). Em breve serão encaminhados os convites das

CE´s que estão em andamento para a participação em reuniões de forma remota, através da plataforma Zoom, ferramenta

oficial para realização das reuniões técnicas da Abnt. A entidade reforça o convite para que todas as empresas associadas

participem das reuniões e contribuam para o avanço das normas técnicas e a consequente padronização dos produtos de

madeira.

Imagem: reprodução

24 www.referenciaflorestal.com.br


NOTAS

Mudanças na operação

Foto: REFERÊNCIA

Uma das maiores produtoras mundiais de celulose solúvel

e celulose especial, a Bracell anunciou alterações na

sua operação na unidade de São Paulo, onde produz papel

kraft. A empresa iniciou a utilização da ferramenta Inflor Forest,

que já é utilizada na unidade da Bahia. Iniciado em outubro

passado, o projeto entrou em operação na primeira

semana de janeiro, com a implementação dos módulos Cadastro,

GIS (Sistema de Informações Geográficas) e Silvicultura.

A implementação do sistema proporciona uma base

de dados integrada que facilita o acesso às informações

sobre dados relativos à produção florestal, favorecendo as

análises gerenciais e orientando as decisões. A ferramenta,

que coloca a informação na palma da mão, também reduz

eventuais erros e permite o registro offline de atividades no

campo. “Conseguimos encurtar o tempo desse trabalho e

minimizar o esforço das equipes dedicadas a ele”, destaca o

diretor da expansão florestal, Mauro Quirino.

ALTA

INFORMAÇÕES PRECISAS

A iniciativa da Abimci (Associação Brasileira da Indústria

de Madeira Processada Mecanicamente) em criar

a página “Covid-19: Legislações, Medidas Econômicas

e Orientações” com informações de decretos, portarias

e circulares publicados pelo governo federal e pelos governos

de Estados, relacionadas ao novo coronavírus,

Covid-19. Sempre atualizada, a ação facilita a consulta

pelas empresas do setor. O endereço abimci.com.br/

publicacoes/covid-19/

ABRIL 2020

PROBLEMAS TÉCNICOS

O Sisflora 2.0 (Sistema de Comercialização e Transporte

de Produtos Florestais) do Mato Grosso está desatualizado

e com problemas técnicos. Desde 2016, o Cipem

(Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de

Madeira do Estado de Matogrosso), solicita correções

da Sema (equipe Secretaria de Estado de Meio

Ambiente). Entre os problemas estão dificuldade para

inserir as informações para gerar uma Guia Florestal

e o banco de dados das espécies que tem dados que

divergem entre Estado e federação. A pauta foi levantada,

mais uma vez, no mês passado, em assembleia

com entidades do setor mato-grossense.

BAIXA

26 www.referenciaflorestal.com.br


FRASES

Foto: divulgação

As pequenas empresas representam

99% de todos os empreendimentos

do país e geram mais da metade

dos empregos formais. A situação

provocada pela pandemia exige

de todos os agentes públicos

o compromisso pela busca de

soluções concretas e rápidas para os

problemas que essas empresas estão

enfrentando no dia a dia da crise

Carlos Melles, presidente do Sebrae

sobre o cenário atual

“O intuito é dialogar com

as autoridades, demonstrar

solidariedade neste momento e

garantir que não falte produto de

necessidade básica ao consumidor

final. A indústria está em contato

constante com o varejo para

entender e atender à demanda. E,

claro, as empresas estão colocando

em planos de ação para cuidar da

saúde de colaboradores e familiares

Paulo Hartung, presidente da Ibá, em carta enviada aos

governadores e ministros do governo federal

“O setor é fonte de mais de

5 mil produtos, alguns deles

fundamentais para o dia a dia de

todos, inclusive para proteger

os profissionais de saúde (...)

O setor de base florestal é

essencial e não pode parar, a fim

de que seus produtos não faltem

à população”

Luiz Ramires Jr., Presidente da Csfp (Câmara

Setorial de Florestas Plantadas), em carta

enviada ao governo federal

Marca de

Trabalho

Intensivo.


ENTREVISTA

Tecnologia

DE PONTA

State-of-the-art

technology

D

edicado ao ensino, pesquisa e também à

atuação no setor florestal, o atual presidente

da Apef faz um panorama da área no

Brasil, apresentando perspectivas para o

crescimento das empresas, bem como, dos profissionais.

Foto: divulgação

ENTREVISTA

Saulo

Karvart

D

edicated to teaching, research and, also to

working in the Forestry Sector, the current

President of the State of Paraná Association

of Forest Engineers (Apef) presents an

overview of the area in Brazil outlining the prospects for

growth for companies and professionals.

ATIVIDADE/ ACTIVITY:

Presidente da Apef (Associação Paranaense dos Engenheiros

Florestais) e professor da UTP (Universidade Tuiuti do

Paraná) e UniBrasil

President of the State of Paraná Association of Forest Engineers

(Apef), and Professor at the Tuiuti University Paraná

(UTP) and UniBrasil

FORMAÇÃO/ ACTIVITY:

Doutorando em Economia e Política Florestal pela Ufpr,

engenheiro florestal e advogado

B.Sc. in Forest Engineering and Law, Ph.D. in Forest Economics

and Policy, Federal University of Paraná, (Ufpr)

30 www.referenciaflorestal.com.br


As pesquisas precisam de

um incentivo crescente para

atender às demandas de um

setor em crescimento

>> Nos últimos anos, foi desenvolvido pelo governo federal o

Pndfp (Plano Nacional de Desenvolvimento de Florestas Plantadas),

com o objetivo de aumentar em 2 milhões de hectares a

área de cultivos comerciais. Como isso impacta o setor florestal

no país?

Com a atividade florestal ocupando aproximadamente 1% do

território nacional, o Brasil lidera o ranking mundial de produtividade

florestal, possuindo 7,83 milhões de hectares plantados e

sendo responsável por cerca de 6,9% do PIB Industrial nacional.

O Pndfp incentiva que a atividade florestal de ponta, desenvolvida

em nosso país, possa avançar e conquistar lugares de ainda

mais destaque no cenário nacional e internacional, já que o setor

é responsável por aproximadamente 10% da exportação relacionada

ao agronegócio brasileiro.

>> Como a sustentabilidade pode ser fortalecida a partir deste

Plano Nacional?

Em sua grande maioria, o setor florestal brasileiro está atendendo

todas as diretrizes legais ambientalmente impostas, inclusive

passando por processos de certificação internacional, obrigando

o setor a se enquadrar entre os que mais protegem áreas naturais,

representando em torno de 6 milhões de hectares destinados

à conservação. O crescimento do setor deve estar atrelado

também à capacidade de utilização da oferta de florestas no

mercado, sendo que o Pndfp prevê incentivo ao beneficiamento

desta madeira, promovendo a utilização do potencial produtivo

de bens e serviços econômicos das florestas plantadas, como

parte integrante da política de desenvolvimento. Verifica-se que

o setor já está atento para este crescimento, realizando investimentos

de médio e longo prazo para utilizar o potencial florestal

das regiões de forma cada vez mais eficiente.

>> Na sua visão, ainda falta incentivo governamental para a

área de pesquisas florestais?

O Brasil desenvolve tecnologia de ponta no setor florestal, sendo

que as universidades e a Embrapa desempenham um papel fundamental

no crescimento do setor de pesquisas. Entretanto, verifica-se

que as pesquisas precisam de um incentivo crescente para

atender às demandas de um setor em crescimento. Algumas

necessidades, como a pesquisa que prevê o controle dos danos

realizados pelos macacos-prego nos plantios de pinus é apenas

uma das inúmeras pesquisas que precisam de mais incentivos

Over the last few years, the National Plan for the Development

of Planted Forests (Pndfp) has been elaborated by the

Federal government, with the aim of increasing

The Country leads the world ranking in forest productivity,

with the forest activity occupying approximately 1% of

Brazilian territory, having 7.83 million hectares planted, and

accounting for about 6.9% of GDP the area of commercial

crops by 2 million hectares. How does this impact the Forestry

Sector in Brazil?. The Pndfp provides incentives so that the

cutting-edge forest activity developed in our Country can advance

and conquer even more prominence in the national and

international scenario, since the Sector is responsible for approximately

10% of exports related to Brazilian agribusiness.

How is sustainability strengthened from this National Plan?

The vast majority of the Brazilian Forestry Sector meets all

environmentally imposed legal guidelines, as well as those

included in the international certification processes, leading

the Sector to be among those that most protect natural areas,

representing around 6 million hectares destined for conservation.

The growth of the Sector is also linked to the capacity to

use the timber supply in the market, and as an integral part

of development policy, the Pndfp provides incentives to the

processing of this timber, promoting the use of the productive

potential of the economic goods and services from planted

forests. It can be seen that the Sector is attentive to this

growth, making medium and long-term investments to use

the forest potential of all regions in an increasingly efficient

way.

In your view, is there still a lack of government incentives for

research in the forest area?

Brazil has developed a state-of-the-art technology in the Forestry

Sector, and universities and Embrapa have played a vital

role in the growth of the research sector. However, research is

needed to provide more incentives to meet the demands of a

growing sector. Some needs, such as research that provides

for the control of the damage done by capuchin monkeys in

pine plantations, is just one of numerous studies that need

more incentives to achieve results that can adapt to the environmental

issues and reduce the economic damage caused to

planted forests.

Over the last few decades, Forestry has surpassed Extractivism

in the participation of primary forest production in Brazil.

In your opinion, what are the reasons for this movement?

Currently, in Brazil, planted trees account for about 91% of all

timber produced for industrial purposes in the Country, and

the remaining 9% comes from legally managed natural forests.

The use of native species ends up being very expensive,

since one does not have control of the forest, as in a planted

forest. Tree alignment, planting of homogeneous species,

and at the same time, among other characteristics, which

allow for a predictable production and planting management

operations, lead to Forestry being much more commercially

attractive, not to mention that the increased environmental

bureaucracy created to prevent illegal deforestation ends

Abril 2020

31


32 www.referenciaflorestal.com.br


PRINCIPAL

PÓS-COLHEITA

EFICAZ A CURTO

E LONGO PRAZO

Fotos: divulgação

Trituradores hidráulicos

de alto rendimento são a

solução sustentável para

manter os ciclos florestais

Effective short and long-term

post-harvest operations

High-performance hydraulic mulchers

are the sustainable solution for

maintaining forest cycles

34 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 35


PRINCIPAL

Após-colheita é um desafio constante no setor florestal

e, entre as inúmeras variáveis na operação,

está também acompanhar o acelerado processo de

modernização de desbastes e manter o solo fortalecido

para vários replantios. A curto e longo prazo

a mecanização é apontada pelos silvicultores como alternativa

mais eficaz e sustentável, inclusive sendo considerada como um

mercado de atuação em crescimento.

A própria metodologia de colheita usada nas florestas brasileiras

tem exigido novas soluções dos silvicultores. Nos métodos

mais comuns no mundo, que são “corte no comprimento” CTL

(cut-to-length) e o “árvore completa” FT (full-tree) realizados,

em geral, com uma combinação de um harvester e um forwarder

no mesmo local, os resíduos deixados podem chegar até 15 cm

(centímetros) de tocos, além de uma quantidade e variedade de

detritos no solo. Por isso, trituradores florestais conseguem um

resultado mais preciso em menos tempo, por serem maquinários

projetados para suprimir o material residual e rebaixar tocos,

gerando mais segurança à operação e aos operadores.

A solução mais eficiente e econômica são cabeçotes especializados

acoplados a escavadeiras e veículos florestais hidráulicos

para realizar a limpeza da área. A opção pode reduzir pela metade

o tempo de limpeza da área, o número de pessoas usadas na

operação e os acidentes durante e após a operação, conforme as

especificações geológicas do local. “A tecnologia do cabeçote é de

alta produtividade e qualidade no rebaixamento de toco, porém

temos que ter sempre em mente o local de trabalho (solo com

pedras, por exemplo) e espessura dos tocos, além da inclinação

que também influenciam na produtividade”, orienta Geraldo

Morcatti, da Emterr (Empresa Mineira de Terraplenagem Ltda).

P

ost-harvest operation is a constant challenge in the

Forestry Sector and, among the numerous variables

in the activity, it also follows along the modernization

of accelerated thinning process and maintains

the soil fortified for several replantings. In the short

and long-term, mechanization is pointed out by foresters as

a more effective and sustainable alternative, including being

considered as a growing market.

The very harvesting methodology used in Brazilian forests

has required new solutions from foresters. In the most common

methods in the world, “cut-to-length” and “full-tree”, in general,

with a combination of a harvester and a forwarder in the same

place, the residues left and stumps up to a height of 15 cm, in

addition to a quantity and varieties of debris that end up mixing

material that may be harmful to the soil. Therefore, forest

mulchers are used to achieve a more adequate result in less

time, because it is a piece of equipment designed to suppress

the residual material and grind down stumps, generating more

safety to the operation and operators.

The most efficient and economical solution uses specialized

heads coupled to excavators and hydraulic mulchers to perform

area cleaning. This option halves the area cleaning time, and

reduces the number of people employed in the operation and

accidents during and after the operation, according to the geological

specifications of the site. “The head technology provides

high productivity and quality in the stump grinding, but we must

A solução mais eficiente e

econômica são cabeçotes

especializados acoplados

a escavadeiras e veículos

florestais hidráulicos para

realizar a limpeza da área

36 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 37


38 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 39


ECONOMIA

Florestas brasileiras

GERAM R$ 73 BILHÕES EM RENDA

Fotos: divulgação

40 www.referenciaflorestal.com.br


Cerca de 60% do território nacional

é coberto por mata, o que equivale a

500 milhões de hectares

Abril 2020

41


ECONOMIA

E

m todo o mundo, a data de 21 de março

marcou o Dia Internacional das Florestas,

criada para conscientizar a população sobre a

importância das florestas para a manutenção

da vida em todo o planeta. Para o Brasil a

comemoração é importante por dois motivos: abrigar a

segunda maior área de florestas do mundo e pela geração

econômica do setor.

Além dos números grandiosos, as florestas brasileiras

são importantes em diversos aspectos como ambientais,

culturais, sociais e econômicos. Temos hoje cerca de 60%

do território nacional, ou seja, 500 milhões de hectares

cobertos por floresta. Desse total, 255 milhões de hectares

são destinados a unidades de conservação públicas

municipais, estaduais e federais.

Ao longo das últimas décadas a economia florestal

se consolidou como um relevante segmento econômico

internacional e fundamental para o desenvolvimento sustentável.

No Brasil, o desenvolvimento econômico baseado

em florestas contribui com R$73 bilhões em geração

de renda e com cerca de 3,4 milhões de empregos diretos

e indiretos.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Um dos pilares do SFB (Serviço Florestal Brasileiro) é

o desenvolvimento sustentável, a conservação da floresta

nativa, a recuperação produtiva de áreas desmatadas e o

incentivo a florestas plantadas.

Para o diretor-geral do SFB, Valdir Colatto, “o Brasil

tem instrumentos para intensificar a agenda de conservação

das florestas com o viés do desenvolvimento

sustentável. O potencial é grande nesse sentido como a

produção de fibras, de energias renováveis, de celulose,

manejo sustentável das florestas nativas para a produção

madeireira e não madeireira e, assim, fortalecendo uma

economia de base renovável e sustentável.”

Colatto ressalta ainda que “o Brasil pretende aumentar

a área de florestas plantadas, que hoje ocupam 1,2%

do território nacional, para 12 milhões de hectares até

2030, uma vez que vêm ocupando maior espaço e importância

na economia brasileira.” Os atuais 10 milhões de

hectares de florestas plantadas são responsáveis por 90%

da madeira usada no país e exportada, além de representar

a terceira commodities de exportação do país.

O diretor de Pesquisa e Informações Florestais do SFB,

Joberto de Freitas, acredita que “é sempre importante

comemorar o Dia Internacional das Florestas informando

a sociedade sobre os avanços e desafios relacionados às

suas florestas.”

“O país tem avançado nos últimos anos em construir

instituições fortes, políticas de conservação e uso das

florestas, assim como de combate ao desmatamento e à

exploração ilegal de madeira. Os desafios à frente são relacionados

à inclusão crescente das florestas na economia

do país e de promoção do manejo florestal sustentável,

seja de florestas naturais ou plantadas, na propriedade

rural privada. A economia florestal deve chegar ao nível

local, por uma ação coordenada de políticas públicas que

conciliem a produção florestal com as florestas em pé”,

finalizou Joberto.

HISTÓRIA

Em 1971, a FAO (Organização das Nações

Unidas para a alimentação e Agricultura)

estipulou o dia 21 de março como o Dia

Internacional das Florestas para conscientizar

a população sobre a importância das florestas

para a manutenção da vida em todo o

planeta. A data marca o início da primavera no

hemisfério norte.

42 www.referenciaflorestal.com.br


Patrocinadores:

SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS

www

revistareferencia.com.br

/referenciamadeira

comercial@revistareferencia.com.br


ESPÉCIE

44 www.referenciaflorestal.com.br


SERINGUEIRA

A FONTE DA

BORRACHA NATURAL

Fotos: divulgação

Conforme o manejo

utilizado, a planta

poderá produzir

economicamente

de 20 a 30 anos

Aseringueira, pertencente ao gênero Hevea, da

família Euphorbiaceae, que possui a Hevea

brasiliensis, como a espécie mais importante

do gênero. Hevea brasiliensis é uma planta de

ciclo perene, de origem tropical, cultivada e

utilizada de modo extrativo, com a finalidade de produção

de borracha natural. A partir da saída de seu habitat passou

a ser cultivada em grandes monocultivos, principalmente

nos países asiáticos.

No Brasil, seu cultivo obteve grande sucesso nas regiões

sudeste, centro-oeste, na Bahia e mais recentemente no

oeste do Paraná. Ela também recebe os nomes populares

de seringa, seringa-verdadeira, cau-chu, árvore-da-borracha,

seringueira-preta (AC), seringueira-branca, seringueira-

-rosada, seringueira-legítima

ASPECTOS ECOLÓGICOS

A seringueira é uma planta semidecídua, heliófita ou

esciófita, característica da Floresta Amazônica nas margens

de rios e lugares inundáveis da mata de terra firme. Ocorre

preferencialmente em solos argilosos e férteis da beira

de rios e várzeas. Trata-se de uma planta rústica, perene,

adaptável a grande parte do território nacional, sendo uma

espécie arbórea de rápido crescimento.

MORFOLOGIA

É uma árvore de hábito ereto, podendo atingir 30 m

(metros) de altura total sob condições favoráveis, iniciando

aos 4 anos a produção de sementes, e aos 6-7 anos (quando

propagada por enxertia) a produção de látex (borracha).

Abril 2020

45


ESPÉCIE

A árvore pode atingir 30 m

de altura total sob condições

favoráveis, iniciando aos 4

anos a produção de sementes,

e aos 6-7 anos a produção de

látex (borracha)

Seu tronco varia entre 30-60 cm (centímetros) de diâmetro.

A casca é o principal componente do tronco da Hevea brasiliensis,

responsável pela produção de látex, transporte

e armazenamento de assimilados produzidos na folha.

Além dos vasos laticíferos, acham-se na casca, próximo ao

câmbio, os tubos crivados, as células parenquimatosas e os

raios medulares. Dados da literatura sugerem a existência

de uma relação positiva entre o diâmetro dos tubos crivados

e a produção de látex, clones de seringueira com elevada

produção de borracha apresentaram tubos crivados com

diâmetro acima de 40 cm.

O desenvolvimento das raízes da seringueira está diretamente

relacionado às condições físicas ideais do solo,

como boa aeração, drenagem e retenção de umidade adequada,

permitindo maior exploração do sistema radicular

da planta por volume de solo.

CLIMA

A Hevia brasiliensis é uma cultura originária de região

de clima tropical e úmido, abrangendo áreas com temperatura

média de 25oC (Graus Celsius) e pluviosidade média

de 2000 mm. Para produção, o regime pluviométrico anual

favorável varia entre 1300 a 3.000 mm (milímetros), com

chuvas distribuídas uniformemente durante todo o ano.

Deve-se evitar o plantio em locais com temperatura média

anual abaixo de 20oC e umidade excessiva por proporcionarem

condições ideais à incidência de doenças que limitam

a cultura.

ASPECTOS SILVICULTURAIS

A época de plantio mais favorável é no início da estação

das águas, utilizando mudas de raiz nua para evitar formação

de bolsões de ar. O ideal é plantar 500 árvores por hectare

em espaçamento de 7 a 8 m, entre as linhas de plantio

e 2,5 a 3,0 m entre as plantas na linha. Plantar em nível

mantendo o solo vegetado no período das chuvas para controle

das erosões. As covas devem possuir as dimensões de

0,4 x 0,4 x 0,5 m com uso da cavadeira ou em sulcos.

A seringueira é uma planta perene, que dependendo

do manejo utilizado poderá produzir economicamente por

20 a 30 anos necessitando de um correto programa de

adubação em todas as fases de seu desenvolvimento a fim

de evitar desequilíbrios nutricionais com sérios prejuízos na

produção de látex. Segundo Guha (1969), para a definição

do manejo adequado dos seringais, torna-se imprescindível

o conhecimento dos solos, especificamente para cada clone

implantado e para cada classe de solo.

CRESCIMENTO E PRODUÇÃO

Quando a exploração do látex não é mais viável, as

árvores apresentam uma circunferência de 100 - 110 cm (a

125 cm acima do solo), sendo aptas para corte aproximadamente

200 árvores/ha (hectares), com uma produção de 1

m³ (metros cúbico) de madeira/árvore.

A produtividade normal de látex varia com o clone e

46 www.referenciaflorestal.com.br


Pioneira em

mÁquinas e peças

Florestais seminovas

www.rotorequipamentos.com.br

Fone: 41-3628-1583 | Cel: 41- 98414-6053 e 41-98417-9271

WhatsApp: 41- 98414-6053 e 41-98417-9271

vendas@rotorequipamentos.com.br


PRODUÇÃO

Mobilização para

reverter impactos

gerados pelo

COVID-19

Fotos: divulgação

48 www.referenciaflorestal.com.br


Entidades buscam alternativas

economicamente sustentáveis para

reduzir prejuízos ao setor florestal

O

s impactos gerados pela pandemia do

Covid-19 (Coronavírus) são inegáveis

a curto, médio e longo prazo, em diferentes

setores. Cientes das prioridades

e recomendações oficiais dos órgãos

de saúde, entidades representativas do setor florestal

iniciaram uma série de mobilizações em todo o país

para combater as consequências econômicas e manter

as atividades do setor.

Com atuação em mais de 1000 municípios e fábricas

e áreas florestais espalhadas em quase todos

os Estados brasileiros, o setor é fonte de mais de 5

mil produtos, alguns deles fundamentais para o dia a

dia de todos, inclusive para proteger os profissionais

de saúde, informa Paulo Hartung, presidente executivo

da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores), em um

comunicado oficial. De acordo com ele, em hospitais

a celulose e a celulose solúvel são matérias-primas

de máscaras cirúrgicas, vestimentas, colchões, entre

outros. Além disso, papéis de imprimir e escrever são

importantes para receituários, formulários, bem como

em equipamentos médicos que usam aço, o setor está

presente com o carvão vegetal. “Seguimos trabalhando

para não faltar produtos de cuidados pessoais nas

casas dos brasileiros, como papel higiênico, fraldas infantis

e geriátricas, lenços umedecidos, papel toalha,

detergente, entre outros”, declarou.

Abril 2020

49


50 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 51


SUSTENTABILIDADE

NÚMERO DE RPPNS’S

DOBRA EM QUASE

15 ANOS

52 www.referenciaflorestal.com.br


Rppns’s (Reserva Particular do Patrimônio

Natural) é uma alternativa sustentável para

as florestas brasileiras

Por Lídia Ferreira

Fotos: REFERÊNCIA

Abril 2020

53


SUSTENTABILIDADE

Após 14 anos do Decreto nº 5.746, que regulamentou

os procedimentos de criação, gestão

e manejo das Rppn’s (Reservas Particulares do

Patrimônio Natural), o Brasil teve um aumento

estimado em quase 120% o número de áreas

protegidas através da iniciativa dos proprietários particulares,

uma estratégia considerada, por vários países, sustentável

pela geração de renda aliada a garantia dos recursos naturais

a futuras gerações.

Integrante do Snuc (Sistema Nacional de Unidade de

Conservação), mecanismo instituído por meio da Lei nº 9.995,

de julho de 2000, as Rppn’s tem sido motivo de interesse

progressivo no Brasil tanto por proprietários de florestas

particulares, quanto por ambientalistas e especialistas. Em

2006, o País possuía 714 reservas, o que corresponde a 530

mil hectares de área de florestas particulares instituídas como

Rppn. Até março de 2020, o total é de 1.567 reservas que,

juntas, conservam 890.459,34 hectares de áreas naturais em

todos os biomas brasileiros, conforme dados da Confederação

Nacional de Rppns.

Os estados com mais reservas são Minas Gerais, Paraná e

Rio de Janeiro, mas não há dados detalhados de cada região.

De acordo o IcmBio (Instituto Chico Mendes de Conservação

da Biodiversidade), órgão federal que apresenta as diretrizes

para criação desta modalidade, a Rppn pode ser criada por

pessoas físicas ou jurídicas, proprietárias de imóveis rurais

ou urbanos com potencial para a conservação da natureza.

Entre os critérios iniciais estão possuir uma área, de qualquer

tamanho, que abrigue espécies de fauna e flora raras e ameaçadas

de extinção ou locais com importância significativa para

o ecossistema da região onde está localizada. Além disso,

é essencial o compromisso dos proprietários em manter a

preservação e o uso sustentável dos recursos naturais. “Não

houve grandes dificuldades para a criação, o processo é longo

e burocrático, mas criar uma Rppn é uma decisão acessível e

recompensadora. Foram necessárias poucas adequações. A

Rppn Itáytyba foi criada em uma área extensa e muito preservada.

Uma das atividades mais onerosas foi cercar mais de

10 milhões de metros quadrados (1.090 hectares) de reserva,

entre florestas, savanas, rochas e corpos d’água”, ressalta o

sócio-diretor do hotel Itáytyba Ecoturismo, Carlos Eduardo

Arnt Ramos, localizada no Paraná.

Como Rppn, uma área pode ser utilizada para a realização

de atividades de pesquisas científicas e visitação com

objetivos turísticos, recreativos e educacionais, conforme

previsto no seu plano de manejo, sendo possível gerar renda

econômica. O proprietário da Rppn conta com uma série de

benefícios, como isenção do ITR (Imposto sobre a Propriedade

Territorial Rural); prioridade na análise dos projetos pelo

Fnma (Fundo Nacional do Meio Ambiente); preferência na

análise de pedidos de concessão de crédito agrícola junto

às instituições oficiais de crédito; além de possibilidades de

54 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 55


TECNOLOGIA

56 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 57


TECNOLOGIA

MONITORAMENTO

o ano inteiro

58 www.referenciaflorestal.com.br


Planos de Manejo Florestal nas áreas sob

concessão florestal serão monitorados

através de imagens de radar

Fotos: divulgação

Abril 2020

59


TECNOLOGIA

I

magens de radar serão utilizadas para detecção,

mapeamento e monitoramento de extração seletiva

de madeira nos Planos de Manejo Florestal

nas áreas sob concessão florestal. A iniciativa, bem

como a metodologia a ser desenvolvida, faz parte

de um ACT (Acordo de Cooperação Técnica) assinado entre

o SFB ( Serviço Florestal Brasileiro) e o Censipam (Centro

Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia)

no último mês de março.

O ACT foi assinado por meio do SEI (Sistema Eletrônico

de Informações), terá validade de 5 anos e ainda prevê a

capacitação e transferência de conhecimento através de

treinamentos e missões conjuntas de campo entre os técnicos

das duas instituições envolvidas.

O uso de tecnologias pelo Serviço Florestal Brasileiro

tem sido diferencial para fazer a gestão dos recursos florestais

brasileiros. No entanto, as tecnologias de acesso

franqueado não têm permitido o monitoramento contínuo

da atividade de exploração seletiva de madeira por causa

da escassez de recursos humanos e de infraestrutura adequada

para realizar o processamento de imagens via satélite

em grandes áreas. Essas imagens, usadas atualmente

pelo Serviço Florestal Brasileiro, possuem resolução espacial

média a baixa, variando entre 5m e 30m (metros).

A utilização de imagens óticas para a detecção de exploração

seletiva fica bastante comprometida por causa

da intensa cobertura de nuvens na região amazônica. Em

2018, não foi possível fazer nenhuma imagem da Flona

de Caxiuanã sem cobertura de nuvens, o que impediu a

entidade de avaliar remotamente a exploração seletiva de

madeira nesta área.

Para o gerente de Monitoramento da Diretoria de

Concessão Florestal e Monitoramento do Serviço Florestal

Brasileiro, José Humberto Chaves, “o sucesso no uso desta

tecnologia vai permitir o monitoramento da extração

seletiva da madeira em qualquer época do ano e região

da Amazônia, criando condições de automação de alertas

e trazendo economia no processo de monitoramento de

campo.”

PARCERIA

Esse ACT não prevê transferência de recursos ou obrigações

financeiras entre as instituições envolvidas. Ao Ser-

O acordo terá validade de 5 anos

e prevê a capacitação técnica

nas entidades envolvidas

60 www.referenciaflorestal.com.br


INTERNACIONAL

62 www.referenciaflorestal.com.br


MADEIRA

É PRODUTO ESSENCIAL

Fotos: divulgação

A Argentina, EUA (Estados Unidos da

América), Itália, Canadá, Chile declararam a

indústria de madeira, papel e celulose como

fundamental na luta contra o Coronavírus

O

Departamento de Segurança Interna dos

Estados Unidos declarou os produtos da

indústria da madeira como uma “força de

trabalho essencial”, apoiando a distribuição

de produtos florestais, incluindo papel e

outros produtos derivados da madeira, como a celulose.

A Itália, que concedeu um prazo de 72h (horas) para

todas as empresas consideradas “não essenciais” fecharem

suas fábricas e a indústria de papel pode permanecer

aberta. Em Ontário (Canadá), eles garantem a continuidade

global de produtos florestais, como celulose, papel e

madeira (a biomassa também é citada).

No Chile, serão concedidas condutas seguras, buscando

garantir serviços essenciais, o fornecimento e a distri-

Abril 2020

63


INTERNACIONAL

buição de bens e serviços básicos, como empresas agroalimentares,

produtores florestais e agrícolas e produtores

de papel e celulose, papelão e produtos derivados.

Na Argentina, o Ministério do Trabalho, Emprego e

Seguridade Social da Argentina emitiu uma resolução para

garantir que o afluxo de pessoas no transporte público diminua,

assim a indústria de alimentos, sua cadeia produtiva

e produtos de higiene pessoal e de limpeza continuarão

a operar listado como essencial. Produtos tão variados

quanto os fabricados a partir de celulose, bem como todos

os lenços de papel para higiene e cuidados pessoais, como

papel higiênico, lenços descartáveis, toalhas absorventes,

toalhas femininas e fraldas. Além disso, papel e papelão

- que também contam com celulose como matéria-prima

- são usados para fazer caixas de remédios ou recipientes

básicos de alimentos, uma vez que a biomassa é uma fonte

de energia.

MEDIDAS CONTRA A CRISE

O efeito do novo coronavírus sobre a economia mundial

já levou, ao menos, 45 países a agir para tentar conter

os impactos sobre o emprego e a renda da população.

Levantamento feito pelo Findes/Ideies mostra que o Reino

Unido, por exemplo, está adiando o próximo trimestre de

pagamentos de IVA, o que equivale a injetar £ 30 bilhões

na economia.

O Chile, suspendeu pagamentos mensais do imposto

de renda corporativo pelos próximos três meses, o adiamento

do pagamento do IVA pelos próximos 3 meses para

todas as empresas com vendas inferiores a 350 mil UF e a

antecipação da devolução de imposto de renda para PME

(Pequenas e Médias Empresas).

A preocupação nesses países, além da preservação da

saúde da população com medidas de isolamento social, é

que a redução da atividade econômica pode resultar em

demissões em massa de trabalhadores, com queda na

O efeito do novo coronavírus

sobre a economia mundial já

levou, ao menos, 45 países

a agir para tentar conter os

impactos sobre o emprego e

a renda da população

64 www.referenciaflorestal.com.br


PESQUISA

MANEJO DA DENSIDADE

DE PLANTAS DURANTE

A PRODUÇÃO DE

MUDAS EM

VIVEIRO

Fotos: REFERÊNCIA

Experimento foi

conduzido por meio

da produção de

mudas seminais

de um híbrido de

Eucalyptus urophylla

x Eucalyptus grandis

66 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 67


PESQUISA

JÚLIO CÉZAR TANNURE FARIA

ENGENHEIRO FLORESTAL, MSC., DOUTORANDO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

EM ENGENHARIA FLORESTAL, UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

DALILA ARAÚJO LOPES

ENGENHEIRA FLORESTAL, MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E

FLORESTAIS, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, INSTITUTO DE FLORESTAS

GUSTAVO BASTOS LYRA

METEOROLOGISTA, DR., PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E FLORESTAIS,

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, INSTITUTO DE FLORESTAS

HYRANDIR CABRAL DE MELO

ENGENHEIRO AGRÔNOMO, DR., PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA,

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

LUCAS AMARAL DE MELO

ENGENHEIRO FLORESTAL, DR., PROFESSOR DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS,

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

RESUMO

O

objetivo do estudo foi otimizar a densidade

de plantas em canteiro durante a

produção de mudas em tubetes. Para isso,

o experimento foi conduzido por meio da

produção de mudas seminais de um híbrido

de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis, composto

por sete tratamentos e quatro repetições de 70 plantas

por parcela. Cada tratamento consistiu na redução da densidade

de mudas no canteiro pela metade em diferentes

momentos durante o processo de produção. As mudas

foram produzidas em tubetes de polipropileno com 55 cm³

(centímetros cúbicos) de capacidade volumétrica. As reduções

de densidade foram realizadas aos 30, 45, 60, 75, 90,

105 ou 120 dias após a semeadura. A fim de ter subsídios

para otimizar o manejo da densidade de plantas durante

a produção de mudas, foram conduzidas determinações

do índice de área foliar aos 100 dias após a semeadura e,

foram realizadas avaliações das características altura da

parte aérea, diâmetro do coleto, relação altura/diâmetro,

massa seca da parte aérea, massa seca do sistema radicular,

massa seca total, relação massa seca aérea/radicular

e índice de Dickson de 20 plantas por parcela, ao fim do

ciclo de produção, aos 120 dias. Com base nos resultados,

verifica-se que a redução da densidade realizada em diferentes

momentos altera as características de crescimento

das mudas, e que, considerando um ciclo de produção de

120 dias, recomenda-se a redução da densidade pela metade

entre os 60 e 75 dias após a semeadura, uma vez que

para todas as características avaliadas, este foi o intervalo

de tempo que propiciou melhores características às mudas

produzidas.

INTRODUÇÃO

A partir dos anos 2000, o crescimento da demanda

por produtos florestais direcionou a área de silvicultura a

desenvolver e aperfeiçoar técnicas que ampliem sua produtividade

econômica/ambiental (Xavier; Silva, 2010). No

Brasil, a maior parte dos produtos de origem silvicultural é

oriunda dos povoamentos florestais do gênero Eucalyptus.

A grande escala de produção do Eucalyptus sp. na composição

de povoamentos florestais no país ocorre devido

ao crescimento das demandas nos setores industriais do

segmento de papel e celulose, associado as suas características

desejáveis de produção, como rápido crescimento,

boa adaptabilidade às condições edafoclimáticas, que proporcionam

ciclos de corte curtos quando comparado com

68 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 69


70 www.referenciaflorestal.com.br


Abril 2020 71


AGENDA

AGENDA2020/2121

JUNHO

2020

Imagem: reprodução

GALIFOREST ABANCA

25 a 27

Boqueixón (Espanha)

http://www.galiforest.com/

SETEMBRO

2020

JUNHO

2020

GALIFOREST ABANCA

Monográfico Florestal Internacional para el Sur de Europa

Galiforest é um salão especializado no setor florestal que

tem como objetivo servir de cenário para o intercâmbio

de conhecimentos entre profissionais e potenciar a inovação

e oportunidades de negócio entre as empresas do

setor. Novidades e tendências em exploração florestal e

aproveitamento da biomassa são os destaques.

Feicon Batimat

15 a 18

São Paulo (SP)

https://www.feicon.com.br/

Florestas Online 2020

19 a 23

(MT)

www.florestasonline.com.br

OUTUBRO

2020

NOVEMBRO

2020

TALENTO FLORESTAL

Maior evento de programas de estágio do setor florestal

brasileiro chega à sua segunda edição com o objetivo

de integrar os melhores estudantes com as principais

empresas do setor. Os alunos dos principais cursos de

Engenharia Florestal mais bem ranqueados pelo MEC

são selecionados para conhecer o trabalho desenvolvido

por renomadas empresas de base florestal.

Imagem: reprodução

72 www.referenciaflorestal.com.br


Disco de corte para Feller

AGENDA2020/2021

• Discos de corte com encaixe para

utilização de até 18 ferramentas

• Diâmetro externo e encaixe central

de acordo com o padrão da máquina

NOVEMBRO

2020

Detalhe de encaixe para

ferramentas de 4 lados

Talento Florestal

17 a e 19

Curitiba (PR)

https://www.talentoflorestal.com.br

• Discos de corte para Feller

conforme modelo ou amostra

• Discos especiais

• Pistões hidráulicos

(fabricação e reforma)

• Usinagem de médio e grande porte

MAIO

2021

Av. Marginal Francisco D’Antonio, 337

Água Vermelha - Sertãozinho - SP

Fone: (16) 3942-6855 Fax: (16) 3942-6650

dantonio@dantonio.com.br - www.dantonio.com.br

D’Antonio Equipamentos

Mecânicos e Industriais Ltda

My Wood Home

19 a 21

Piracicaba (SP)

http://mywoodhome.com.br/

SETEMBRO

2021

Simpos 2021

23 a 25

Curitiba (PR)

https://simpos2020.galoa.com.br/

Abril 2020

73


ESPAÇO ABERTO

Foto: divulgação

Accountability:

A COMPETÊNCIA

PARA CRISE

Por Sérgio Ferreira,

Consultor de gestão, palestrante, mentor de

executivos e conselheiro formado pelo Ibgc. Foi

executivo da Cargill, Michelin, Case New Holland,

Nissan e Chrysler

Foto: divulgação

Por que será que em momentos

de crise algumas empresas,

muitas vezes da mesma indústria,

conseguem obter sucesso,

enquanto a maioria padece?

74 www.referenciaflorestal.com.br

N

ão é segredo ou novidade que estamos vivendo um

momento de crise, por isso essa não será a pauta deste

artigo. Não vou falar sobre a crise, mas sim sobre

a forma como nós, gestores, reagimos, seja ela uma

crise macroeconômica, como a que estamos enfrentando

ou até mesmo uma crise na sua empresa ou departamento.

Por que será que em momentos de crise algumas empresas,

muitas vezes da mesma indústria, conseguem obter sucesso, enquanto

a maioria padece?

O grande diferencial destas empresas, entre outros fatores, é a

presença de uma liderança accountable. Como Stephen Covey diz,

nós não somos resultado das circunstâncias, mas sim resultado das

nossas decisões. São em momentos de crise, como os que estamos

vivendo, que conseguimos diferenciar com facilidade os gestores

que são ou não accountable com base nas suas decisões e nas ações

da sua equipe.

Accountability é uma virtude do ser humano, uma palavra que,

infelizmente, não tem tradução direta para o português, mas significa

pegar para si a responsabilidade e gerar respostas com resultados.

Portanto, um gestor accountable é aquele que em um momento de

crise não deposita as responsabilidades pelos seus resultados nas

condições externas (ou pior ainda, na sua equipe!), é aquele que

decide inovar, fazer diferente, ousar e mesmo na crise alcançar e

superar suas metas.

O gestor, para superar uma crise, independente do seu tamanho

e impacto, precisa desenvolver a sua Accountability Pessoal e disseminar

essa virtude entre os membros da sua equipe. Um gestor e

uma equipe accountable são capazes de superar todos os tipos de

crise, pois sua postura é sempre a de buscar caminhos para gerar resultados

e não desculpas para se esquivar da responsabilidade.

Pode até parecer óbvio quando dito em um texto que devemos

assumir a responsabilidade e buscar maneiras de gerar resultados,

no lugar de apontar culpados e gerar desculpas. Porém, na prática

isso não acontece, afinal, o que mais ouvimos nos corredores das

empresas são desculpas e pessoas transferindo a culpa dos resultados

ruins para o momento de crise.

O primeiro passo para virar o jogo e iniciar o processo de desenvolvimento

de uma Cultura de Accountability é eliminar o hábito de

dar e aceitar desculpas. Os gestores precisam ser exemplo de conduta,

não dar e não aceitar desculpas da sua equipe.

Eliminar o hábito de dar desculpas não é uma missão simples

ou fácil, porém, é necessária. Imagine sua equipe investindo a mesma

energia que gasta para desenvolver desculpas ou para buscar

culpados para gerar soluções? Frases como: “Eu não sabia”, “Não é

a minha função”, “Já estava assim quando cheguei” não devem ser

toleradas, e sim substituídas por análises, como: “O que eu poderia

fazer?”, “Como posso mudar ou melhorar isso?”, “Como posso ajudar?”,

entre outras.

A transformação deve começar pelo gestor e ser disseminada

para sua equipe. Estamos em um momento mais do que oportuno

para rever a nossa postura frente a crise e buscar na adversidade

maneiras de nos superarmos e atingirmos resultados excepcionais.

E você, de qual lado está: dos que culpam a crise ou dos que

buscam alternativas para conquistar resultados?


www.envimat.com.br


®

DENIS CIMAF

Confiabilidade e Produtividade com

Melhores Lucros em Trabalhos Intensivos.

Foto: DAH-125D e John Deere 160D LC

Fone: 19 3802.2742

comercial@deniscimaf.com

DENISCIMAF.COM

More magazines by this user
Similar magazines