Revista Santíssima - Edição 30

webpan
  • No tags were found...

Revista Santíssima - Edição 30
Uma publicação Igreja Santíssima Virgem - Pascom e Padre Renatinho
São Bernardo do Campo - SP
Diocese de Santo André


HORÁRIOS DE MISSAS

MISSAS DOMINICAIS:

Sábado:

18h30 - Missa pelas famílias

Domingo:

07h - Missa

08h30 - Missa pelas crianças

09h - Missa celebrada na Capela do

Cemitério da Vila Euclides

10h30 - Missa pelos jovens (transmitida ao

vivo pela Santíssima TV - Youtube)

17h - Missa com interpretação de Libras

(no 1º domingo em Ação de Graças pelos

Adoradores)

18h30 - Missa pelas famílias

SEGUNDA A SEXTA-FEIRA:

12h - Missa pelos trabalhadores (30

minutos)

19h30 - Missa diária (na 1ª sexta-feira do

mês, missa dedicada ao Sagrado Coração

de Jesus)

TODA QUARTA-FEIRA:

19h30 - Missa pelas vocações (na última

quarta-feira do mês, pela saúde)

TODA QUINTA-FEIRA:

19h30 - Missa por cura e libertação

(transmitida ao vivo pela Santíssima TV

- Youtube)

1º e 4º SÁBADO:

8h - Missa pelas famílias assistidas pela

Pastoral da Caridade (Franciscanos)

TODO DIA 8 DE CADA MÊS (EM DIAS

DE SEMANA):

08h30, 12h e 19h30 - Missa em louvor à

Nossa Senhora

FUNCIONAMENTO DA IGREJA

Adoração ao Santíssimo Sacramento

Todos os dias: das 06h à 00h

Secretaria:

Av. Índico, 583, Jardim do Mar - SBC/SP

Fone: (11) 4330-4289

e-mails: ssvirgem@gmail.com /

santissima@diocesesa.org.br

Atendimento:

Segunda a Sexta

08h às 12h e das 14h às 18h

Sábado

08h30 às 11h e das 14h às 17h

Redes Sociais: Facebook, Instagram e

Youtube: paroquiasantissimavirgem

Twitter: ssmavirgem

EXPEDIENTE: Publicação Mensal da Paróquia Santíssima Virgem – DIREÇÃO: Padre Renato Souto. COORDENAÇÃO:

Udemia L. S. Carvalho. JORNALISTA RESPONSÁVEL: José Neves S. Filho (MTB 54.336). CONSELHO EDITORIAL:

Núcleo Revista - Pascom Santíssima. EDIÇÃO: Tom Lima. REVISÃO: Marta Guimarães e Sandra Picolo. PROJETO GRÁ-

FICO: DMS Editora Comunicação Integrada. DIAGRAMAÇÃO: Rodrigo Caserta e Lisley Oliveira. FOTOS: Pascom Santíssima.

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: Sônia Maria Catalani. TIRAGEM: 5.000 exemplares.

2

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


ORIENTAÇÕES PARA FUTURA

REABERTURA DA IGREJA

Tivemos a oportunidade de aprender a discernir o que é essencial em nossas vidas

Por Tom Lima - Secretário pastoral

Muito em breve a nossa paróquia estará de portas e

braços abertos para receber os seus paroquianos nas

missas presenciais. Neste artigo, queremos levar ao

conhecimento de todos as normas que serão levadas

em consideração para a reabertura. A reabertura, neste primeiro

momento, não é uma volta à normalidade anterior à pandemia.

Então, se você estava acostumado a participar de várias missas durante

a semana, não faça isso, por enquanto. Participe de uma missa

só, por semana e deixe espaço para as outras pessoas também

participarem, até a paróquia avaliar melhor como vai ocorrendo o

processo de volta às missas presenciais. Atenção, somente a Igreja

Cristo Rei (o templo da Av. Índico) estará aberta, por seu espaço

amplo e pela estrutura das transmissões on-line.

Como veremos a seguir, no quadro de horários, teremos 16

missas presenciais por semana e ainda mais duas, só online na

segunda-feira. Então haverá muitos horários para que todos que

queiram, possam participar das missas presenciais, sem gerar

aglomerações.

Além disso todas as missas continuarão sendo transmitidas

pelo nosso canal no Youtube: Santíssima TV, então, todos podem

e devem continuar participando diariamente, mas, de forma online.

O mais importante, nesse momento, é continuar a escutar a

Palavra de Deus, e assim, alimentar a nossa fé.

Normas para participar das missas presenciais

Antes de mais nada, o uso de máscaras é obrigatório para

todos. Haverá também um controle de temperatura das pessoas,

sem contato pessoal. Haverá também locais com equipamentos

de proteção e de higienização para o povo, com dispensadores de

álcool em gel. Recomenda-se que todos tragam seu próprio álcool

em gel, para que possa se higienizar quando julgar necessário.

As missas terão um rito simplificado, sem procissões e

com os comentários indispensáveis, para que sua duração

fique em torno de 45 minutos. Também não haverá folhetos

litúrgicos. Para a comunhão, não haverá a fila da comunhão.

O povo permanecerá nos seus lugares e os ministros levarão a

comunhão, que será entregue nas mãos apenas. Recomenda-se

que as pessoas higienizem as mãos com seu próprio álcool em

gel, momentos antes de receber a hóstia santa. Neste tempo, o

acesso ao presbitério (onde está o altar) será isolado, sem acesso

aos fiéis, somente a quem serve (liturgia, ministros e padres).

Também não haverá benção de objetos e imagens, tampouco as

bênçãos com aspersão de água benta.

Ao final de cada missa, a igreja deverá permanecer vazia

para limpeza e higienização de todo o ambiente, isto será feito

por uma equipe de funcionários e voluntários. Durante este

tempo, somente esta equipe permanecerá executando a limpeza

do ambiente. Embora todas as portas permanecerão abertas

para circulação do ar, nem todas terão acesso de pessoas. Será

organizado e perfeitamente identificado algumas portas de

Entrada e outras portas de Saída. O objetivo é não ter circulação

de pessoas dentro da igreja, durante as missas. Na entrada

e na saída, terá um fluxo de mão única, e as pessoas poderão,

calmamente, entrar ou sair, mantendo as distancias de segurança

entre elas.

Todo o ambiente interno da igreja será rearranjado. Os bancos

ocuparão o máximo possível de espaço, para atender o máximo

possível de pessoas, dentro das normas de distanciamento,

previstas pela Diocese. Também estarão sinalizados os lugares

que podem ser ocupados pelo povo. A única exceção são as

famílias que vierem juntas, estas poderão ficar juntas no mesmo

banco, devendo informar ao pessoal da Acolhida, na entrada. Se

houver crianças no ambiente, os pais serão orientados a garantir

que o seu filho permaneça no seu lugar. Devem trazer suas

garrafas de água e evitar, ao máximo, o uso dos banheiros da

paróquia.

Não haverá a coleta tradicional (com as sacolinhas) das

ofertas. Serão instalados “cofres” nas saídas, para que os

paroquianos possam colocar suas ofertas ou seu Dízimo, sem

que haja contato com os envelopes e os valores oferecidos.

Estes valores serão recolhidos posteriormente pelo pessoal da

Pastoral do Dízimo, observando-se todas as normas de higiene

e segurança.

A Pastoral da Acolhida cumprirá papel fundamental neste

tempo. As equipes serão reforçadas por pessoas de outras

pastorais, pois precisará atuar também durante toda a semana.

Eles vão orientar as pessoas até os seus lugares para que ocorra o

distanciamento necessário, respeitando as normas de segurança.

Pedimos a todos que respeitem e recebam com carinho as

orientações da Pastoral da Acolhida. Lembremo-nos que são

voluntários, pessoas que estão ali para servir e cumprindo as

determinações do Conselho Paroquial e do Pároco.

Estes cuidados valem também para a marcação de intenções.

Não haverá filas para marcar. As pessoas devem manter a

marcação on-line, como estamos fazendo nestes dias. Somente

serão lidas no altar, pelos padres, as intenções até o sétimo dia,

1 mês e 1 ano de falecimento, além dos aniversários. As demais

intenções devem ser colocadas nos comentários da transmissão

ou trazidas escritas em papel, desde suas casas e colocadas no

local indicado na igreja. Momentos antes do início das missas,

essas intenções serão levadas ao altar. Todas as intenções; as

lidas no altar, as colocadas nos comentários da transmissão ou as

levadas escritas serão dirigidas a Deus durante as missas.

O atendimento da Secretaria Paroquial continuará somente

pelo telefone e WhatsApp 11 98981-5638. Caso seja necessário

atendimento presencial, este poderá ser feito, desde que haja um

agendamento com a secretaria, para não haver várias pessoas

esperando atendimento.

Como paróquia, cuja maior característica é ser acolhedora,

devemos ter em mente que as pessoas voltarão mais sensíveis,

muitas machucadas pelas tragédias da pandemia, outras com

muita vontade de participar presencialmente de novo. Todos

nós, pastorais, agentes e paroquianos, tivemos a oportunidade de

aprender a discernir melhor o que é essencial e o que é supérfluo

em nossas vidas. Portanto, temos que ser cautelosos na maneira

de acolher e ser acolhido. Deixar de lado o “eu” e pensar na

comunidade, que, aos poucos, volta a se reunir, e num futuro

próximo, estaremos na normalidade de nossas atividades, com a

graça de Deus.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima 3


PASTORAL

PASTORAL DA SOBRIEDADE

GRUPO RAZÃO DE VIVER

Ação concreta no auxílio dos dependentes químicos e seus familiares

Por Rebeca Lima - Jornalista

Aentrevista foi realizada com a Neli Maria Celegato

Cortello e José Cortello Filho, casal coordenador

da pastoral que nos conta sua história. O casal

veio de São Paulo para São Bernardo do Campo

em março de 1976 para o Jardim Hollywood. Passaram a

frequentar as missas da Comunidade Imaculada Conceição,

que na época ainda estava em construção e era administrada

pelo Frei Sebastião Benito Quaglio. Assim acabaram conhecendo

a Paróquia Santíssima Virgem onde o frei era pároco.

Em outubro de 1992, Cortello foi instituído Ministro

Extraordinário da Comunhão e nesta mesma época um

novo responsável assumiu a Capela Imaculada Conceição.

“O Frei Sebastião nos convidou para exercer o ministério

na paróquia para onde fomos em 1996. Em 2000, a Neli

também foi instituída ministra”, nos conta Cortello.

Quando chegaram à paróquia, por recomendação do

Frei, que queria que houvesse casais acompanhando os

jovens da comunidade, eles se aproximaram da CJC -

Comunidade de Jovens com Cristo, por causa das filhas

e da orientação do Frei. “Participávamos dos terços

nas casas dos jovens, junto com os pais e demais

familiares. Éramos uma espécie de conselheiros e

pais adotivos”, diz Cortello.

Cortello conta que, em uma dessas reuniões, um

jovem procurou Neli e relatou que estava fazendo

uso de droga e precisava de ajuda. “A mãe de Neli

havia falecido em decorrência de um acidente de

carro, cujo motorista estava alcoolizado. Juntando

a necessidade desse jovem e a dor decorrente da

perda da mãe, Neli tomou a inciativa de, junto com

um grupo de pessoas, bancar a internação do jovem

em uma comunidade terapêutica, buscando a sua

recuperação.”

Foi a partir desse evento que o desejo - de realizar

uma ação mais concreta em auxílio daqueles que

estivessem acometidos pela doença da dependência

química - se solidificou. Cortello e Neli reuniram

alguns voluntários, também interessados no assunto

e, após 6 meses de preparação, em outubro de

1997, com as bênçãos do Frei Sebastião, abriu-se

as portas de um grupo de apoio, batizado de “Razão

de Viver”. “Estamos em atividade ininterrupta há 23 anos.

O padre Renato tem apoiado, de uma forma significativa

e gratificante, nos incentivando a não esmorecer nesse

trabalho. Hoje, a equipe é composta de seis voluntários”,

informa Cortello. Se você conhece alguém nesta situação,

dependente ou familiar, converse e se puder, traga-o ao

grupo que atende todas as sextas-feiras, a partir das 19h. É

só vir, procurá-los e participar.

Ambos, Neli e Cortello, nos contam que a paróquia é,

com certeza, a extensão de sua casa. “Além de nos propiciar

a oportunidade de ajudar o próximo, nos permitiu conhecer

um grande de número de pessoas, alguns mais próximos

pela afinidade dos ministérios, outros não tão próximos no

dia a dia, mas, que estão guardados em nossos corações.

Não saberíamos viver sem a Paróquia Santíssima Virgem.”

Você também pode ter a sua história contada aqui, na

celebração dos 60 anos de fundação de nossa paróquia,

nosso Jubileu de Diamante, que será comemorado em 8 de

dezembro deste ano.

FLORES & DECORAÇÕES

Casamentos e Festas

Bouquets e Decorações

Floricultura

Vasos, Flores Frescas e Arranjos

4123-6948 / 4122-1042 - Rua Pacífico, 90 - Jd. do Mar - SBC

4122-1408 / 4125-4141 - Pç. da Saudade s/n Box- 4 - Jd. do Mar - SBC

n-okumura@uol.com.br • www.okumuraflores.com.br

4

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


IGREJA NO MUNDO

REINVENTANDO A CULTURA, MAS E

A QUERMESSE?

E cadê as Festas Juninas?

Por Marcelo Artioli - Administrador

T

ão

esperado

por todos, o

mês de junho

chegou!

E cadê as Festas Juninas?

Em tempos

de distanciamento

social, enquanto estamos

passando por

várias mudanças

significativas, temos

mais esse desafio

de criatividade para

inovar. Assim como

em quase todas as

áreas da sociedade,

estamos descobrindo

novidades e, em

muitos casos, novidades

boas. Vejamos

abaixo alguns

exemplos atuais: a)

Nossas missas sendo

transmitidas pela Internet,

pelo canal YouTube Santíssima TV e redes sociais.

Quantas pessoas conseguiram ouvir a palavra através destes

canais e quão boa foi esta alternativa. b) Artistas promovendo

“lives”, uma forma de não parar e de proporcionar

diversão ao público; c) Várias TVs pagas liberando

o acesso a filmes e séries, com o intuito de proporcionar

entretenimento; d) Profissionais de todas as áreas ministrando

cursos, gratuitos ou não, transmitindo conhecimento;

dentre outros.

Tudo o que foi dito acima não foi uma invenção do

momento, todos estes canais já existiam, mas de outras

formas, com outros intuitos e tiveram que ser reinventados

neste momento, com uma melhora significativa, com

uma aceitação jamais vista, e isto é muito bom. Para nós,

como Igreja viva, não deixamos também nossas festividades

passarem em branco. Além das comemorações festivas,

a celebração de nossos Santos está sendo lembrada

nas transmissões das nossas missas. No último ano, nos

finais de semana de Festa Junina, fizemos várias “lives”

pela rede social, quando nem imaginávamos o quanto elas

seriam praticadas neste ano de 2020 nos mais variados

segmentos.

Agora buscamos formas de reinventar nossa Festa Junina,

nossa quermesse, nosso tão esperado encontro anual.

Hora de comer o tão delicioso churrasco com vinagrete,

saborear os doces, jogar bingo entre tantas outras barracas,

mas como? Quem sabe, em breve, já teremos novidades

sobre como reinventar e como fazer nossa tão querida

Quermesse. Se não houver jeito, teremos que realizá-la

fora do tempo, sem festa não ficaremos! Por enquanto, vamos

agradecer ao Senhor por tudo, pedir a Ele sua misericórdia

infinita e que em Seu tempo ele nos liberte de tudo

isso e que logo possamos estar todos juntos novamente.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima 5


TOTUS TUUS MARIE

O DOGMA DA VIRGINDADE

PERPÉTUA DE MARIA

A Virgem concebeu, a Virgem ficou grávida, a Virgem deu à luz, a Virgem é virgem perpétua

Por Tom Lima - Cristão leigo, mariano

C

omo vimos nas edições anteriores, a Igreja reconhece

quatro dogmas (verdades de fé sobre as

quais não se discute): 1º Maria, Mãe de Deus; 2º

Virgindade Perpétua de Maria; 3º A Imaculada

Conceição de Maria e; 4º Maria elevada por Deus ao céu

em corpo e alma (Assunção). Nunca é demais dizer que

os dogmas são marianos, mas trazem em sua essência a fé

em Jesus Cristo. Os dogmas são fundamentais para nossa

Igreja, pois definem, em última instância, em que acreditamos,

pelo entendimento da Igreja, guiada pelo Espírito

Santo. Já nos aprofundamos no 1º dogma de Maria, Mãe

de Deus, também chamado de Maternidade Divina, na edição

de maio.

Agora vamos conhecer um pouco mais do 2º dogma da

Virgindade Perpétua de Maria, também chamado de Maria

Sempre Virgem. Como vimos, a Maternidade Divina foi

proclamada em 431 com o Concílio de Éfeso, a Imaculada

Conceição em 1854 com a Bula de Pio IX, Ineffabilis

Deus, e a Assunção com a Encíclica de Pio XII, Munificentissimus

Deus em 1950. Quanto à proclamação do 2º

dogma da Virgindade Perpétua de Maria havia divergências.

Já no segundo Concílio de Constantinopla (553), já

se chamava Nossa Senhora pelo epíteto de “Mãe de Deus e

sempre virgem”, mas coube ao Papa São Martinho I esclarecer

totalmente a questão no Concílio de Latrão de 649,

onde proclamou que Maria é Sempre Virgem.

Virgem é, literalmente, a integridade física dos órgãos

reprodutivos. É verdade da fé católica que Nossa Senhora

ficou perfeitamente sempre virgem, antes do parto, no

parto e depois do parto. Nas antigas liturgias é frequente o

título de Maria Sempre Virgem. A Sagrada Escritura chega

a ser enfática: “Eis que uma virgem conceberá e dará à

luz um filho que seria chamado “Emanuel” que significa

“Deus conosco” (Is 7:14). O texto é certamente messiânico

e, portanto, a Virgem é Maria, tanto que no Evangelho

cita-se exatamente esta profecia (Mt 1, 18-23) e se conta

com exatas palavras o nascimento virginal de Jesus, por

obra do Espírito Santo. A Igreja vê a virgindade de Maria

depois do parto: “Este pórtico ficará fechado. Ninguém o

abrirá, ninguém aí passará, porque o Senhor, Deus de Israel,

aí passou; ele permanecerá fechado” (Ez 44,2). Nos escritos

bíblicos, a Igreja afirma que Maria foi virgem antes

(Lc 1,34-37), durante (Mt 1,20-23) e depois do nascimento

de Jesus (Is 66,7).

Toda a Tradição da Igreja é concorde em defender a

virgindade perpétua de Maria. Santo Agostinho afirma: “A

Virgem concebeu, a Virgem ficou grávida, a Virgem deu à

luz, a Virgem é virgem perpétua”. A razão teológica deste

dogma é clara e tão simples. A razão está na divindade do

Verbo, Jesus Cristo, nascido do seio virginal de Maria, sem

conhecer qualquer corrupção humana.

https://salveroma.com/2020/03/15/o-concilio-que-definiu-o-dogma-da-perpetua-

-virgindade-de-maria/

Homilias dos padres na Paróquia Santíssima Virgem

6

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


TEMPO DE

NAMORO

Nos sorrisos ou nos olhares que se cruzam

Por Ducarmo Paes - Escritora

Ei, psiu... Estou aqui... Olha para mim... Nos chamamentos

silenciosos ou barulhentos, nos sorrisos ou

nos olhares, ou outras situações adversas, olhares

se cruzam marcando a presença de duas pessoas

que passarão a caminhar juntas. Jovens, menos jovens ou

mais maduros, homens e mulheres sentem a necessidade

de amenizar a solidão e consolidar uma união. Esses encontros,

conversas ou passeios, permitem que os interessados

se conheçam e comecem a tecer um grande quebra-

-cabeça, onde as peças de valores, gostos e preferências

vão se encaixando.

Um namoro agraciado pelo Espírito de Deus, leva as

escolhas que favorecem uma vida de retidão e felicidade

conjugal. Nesse caminhar de namoro e noivado, de sonhos

e promessas é que se consolida o alicerce para a formação

de uma nova família, uma família cristã. O namoro não

termina no casamento, pois os casais enamorados produzem

o combustível que aquece e conserva o relacionamento:

o amor. O amor é um presente valioso que recebemos

de Deus e que nos dá o equilíbrio para um relacionamento

duradouro e que contemple o aniversário de várias bodas.

Ao olhar para o início da estrada, lá onde começou

a caminhada, relembramos do psiu que nos fez escolher

quem nos acompanharia na colocação das peças, para

compor o grande quadro de nossa vida. E quando encontramos

a peça que finaliza o quadro de nosso quebra-cabeça,

é hora de emoldurá-lo e colocar em lugar visível, onde

todos possam ver, pois o amor não vive às escondidas, ele

tem brilho próprio e ilumina quem dele experimenta.

Psiu... olha sua pecinha aí... Obrigada meu Deus!

O LAZER E A

PRESERVAÇÃO DA

SAÚDE FÍSICA E

MENTAL

Caminhar, ler, música, encontro familiar, bater

papo...

Por Kátia Aviles - Analista Pleno

HOJE EM DIA LEVAMOS UMA VIDA tão corrida

com tantos afazeres diários, que acabamos não nos

dando conta, nem percebemos que estamos muitas vezes

cansados ou sobrecarregados, e que nossa mente pede um

descanso. É neste momento que vemos a importância de

ter algum momento de lazer para descansar corpo e mente.

O lazer está ligado diretamente ao bem-estar, à autoestima

e á saúde, contribuindo para uma melhor qualidade de

vida.

Podemos citar algumas formas de lazer que trazem

benefícios para a saúde física e mental: Caminhar, ler

um bom livro, escutar uma música que o deixe feliz, uma

reunião com a família num bom almoço de domingo ou

mesmo um bate papo com os amigos. Todas estas simples

atividades nos afetam de forma positiva. Quando citamos

bem-estar, estamos falando de bem-estar físico, mental,

social e espiritual, por isso é importante dedicar atividades

a cada um desses aspectos, para viver bem.

E, por fim, tem a nossa fé. Não podemos dizer que

também é uma forma lazer, mas é uma atividade intensa e

complexa, que pode nos levar ao verdadeiro bem-estar: O

sentido de vida, a Paz. Ao nos alimentarmos da Palavra de

Deus, participar da Santa Missa, trabalhar nas pastorais,

participar nos grupos de oração, tudo isso nos traz conforto

e bem-estar de estar fazendo o que Deus espera de nós:

amar como Ele nos amou.

A própria Palavra de Deus pode nos ajudar a entender

a importância do descanso: “Tendo Deus terminado no

sétimo dia a obra que tinha feito,

descansou do seu trabalho”

(Gen 2,2). Será que Deus estava

cansado? É provável que não.

Mas Deus quis nos mostrar que

o descanso é essencial para o ser

humano. O lazer e o descanso

devem fazer parte de nossas

rotinas e ser desfrutado da

melhor forma possível, ainda que

na simplicidade, para que todos

possam viver bem e ter uma vida

digna.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

7


O CORPO DE CRISTO

SUSTENTA A IGREJA

A Igreja é um Corpo Vivo, que caminha e age na história

Por Tom Lima - Cristão Leigo

8

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


O Concílio Vaticano II indica a natureza da Igreja: Ela

é o Corpo de Cristo. Jesus Cristo, o Filho de Deus, viveu

entre nós por um tempo e, quando subiu ao céu, não nos

deixou órfãos. Com o dom do Espírito Santo, nossa união

com Ele tornou-se ainda mais intensa. O Concílio afirma

que Jesus “comunicando o seu Espírito, constitui misticamente,

como seu corpo, os seus irmãos, chamados de todos

os povos” (Lumen Gentium, 7). Jesus teve um corpo físico,

mas não é isso que a Bíblia fala quando diz que a Igreja é

o Corpo de Cristo (1Cor 12:21; Ef 1:22,23; Col 1:24). O

que se tem em vista não é o corpo físico de Jesus, mas o

caráter indivisível e de plena união dos redimidos no Cristo

Senhor. Sob esse aspecto, o corpo humano com seus membros

é um paralelo descritivo apropriado da Igreja. Então, a

expressão “Corpo de Cristo” indica que a Igreja existe em

Cristo e pertence a Ele. Assim como a cabeça comanda o

corpo, Jesus o faz com sua Igreja que deve funcionar em

perfeita harmonia (1Cor 12:14-20).

Isto pode ser visto sob vários aspectos.

Primeiro aspecto: A imagem de corpo

Esta imagem nos ajuda a entender a ligação Igreja-Cristo.

Antes de tudo, o corpo é uma realidade viva. A Igreja não é

uma associação assistencial, cultural, econômica ou política,

mas é um corpo vivo, que caminha e age na história. E

este corpo tem uma cabeça, que é Jesus, que o guia, nutre e

sustenta. Não se pode separar a cabeça do restante do corpo.

Assim é na Igreja: devemos permanecer ligados a Jesus.

Cristo é a seiva vital que nos sustenta. Devemos permitir

que Jesus opere em nós, que a Sua Palavra nos guie, que

a Sua presença Eucarística nos alimente, nos anime, que o

Seu amor dê força ao nosso “amar o próximo”.

unido a Jesus e ao resto do corpo da Igreja. Todos os membros

são importantes. Assim como cada parte do corpo tem

uma função importante, cada cristão tem uma missão na

obra da Igreja (Rm 12, 4-5). Todos recebemos dons e talentos

de Deus que devem ser postos a serviço dos irmãos.

Somos chamados a ser membros vivos, ligados uns aos

outros, por uma única força, o Amor que o Espírito Santo

derrama nos nossos corações (Rm 5, 5).

Quinto Aspecto: Jesus, presente no Corpo Eucarístico

Aqui temos o pão e o vinho da Ceia do Senhor transformados

no próprio Corpo e Sangue do Cristo. Toda a Igreja

se reúne em torno da Eucaristia, deste o seu início, logo

após o retorno de Jesus ao Pai na Ascensão. Todos fomos

batizados na Trindade Santa, mas, ao receber a Eucaristia,

renovamos este batismo cotidianamente. A fé na Eucaristia

é mostrada nas escrituras. Deus celebrou a páscoa com os

judeus, mas como o povo afastou-se do Senhor, Ele decidiu

firmar uma nova e eterna aliança. Por isso, revestiu-se

da natureza humana, plasmada no seio de Maria e fez uma

aliança que ele jamais quebraria, tornando-a eterna. Desta

vez, ele ofereceu o seu próprio corpo e sangue em nosso

sacrifício. Para nós, manter essa aliança é comungar com

ele, tomando a hóstia sagrada durante toda a nossa vida.

Desde então, o Sacramento da Eucaristia sustenta a Igreja

no mundo. O Corpo Eucarístico não é um símbolo, é Jesus

vivo que se faz presença real, em todas as missas, tornando-

-se nosso alimento e fortaleza. Jesus tornou-se um de nós

e, com a natureza humana, fez uma nova aliança com Deus

que ele jamais quebraria, tornando-a eterno sustentáculo da

sua Igreja e do seu povo.

Segundo Aspecto: O corpo físico de Cristo

A afirmação de que Jesus Cristo veio em carne é uma doutrina

fundamental da Fé Cristã. Além disso, a bíblia não

deixa dúvida de que o corpo de Cristo era exatamente igual

a qualquer outro corpo humano, exceto no pecado. João escreve

que o Verbo se fez carne e habitou entre nós (Jo 1:14).

São Paulo nos ensina que a realidade do corpo humano de

Cristo é algo essencial para a salvação (Hb 2:14), que só foi

possível justamente porque o corpo de Cristo era de carne,

ossos e sangue (Hb 10:20) e Ele se entregou por nós.

Terceiro aspecto: A Unidade do Corpo Espiritual de

Cristo

São Paulo afirma que, como os membros do corpo humano,

embora diferentes e numerosos formam um só corpo,

assim todos fomos batizados mediante um só Espírito em

um só corpo (1Cor 12, 12-13). Na Igreja, portanto, há uma

variedade, uma diversidade de tarefas e de funções; não há

a plena uniformidade, mas a riqueza dos dons que distribui

o Espírito Santo. Há, porém, comunhão e unidade. Todos

agem para formar um único corpo, vivamente ligado a

Cristo. A unidade é superior aos conflitos. A unidade é uma

graça que devemos pedir para nos libertar das divisões, nas

comunidades, nas famílias e nos relacionamentos. A unidade

vem de Jesus Cristo.

Quarto Aspecto: Os membros do corpo de Cristo

Cada pessoa batizada é um membro do Corpo de Cristo,

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

9


Conclusão

Eucaristia: O discípulo em busca do “mais”

O tesouro descoberto por acaso e a pérola preciosa encontrada

após uma longa busca indicam uma postura imprescindível

para quem se faz discípulo do Reino: capacidade

de abrir mão do que lhe parecia ser valioso - a riqueza

acumulada - para ficar apenas com o que é fundamental

e verdadeiramente necessário. Surge, então, uma questão

implacável: vale a pena? A disposição para obter o “mais”

choca-se muitas vezes com o que é “menos”. Neste sentido,

o discípulo necessita de muita audácia para que o apego

ao “menos” não o impeça de adquirir o que é “mais”. É

a audácia do agricultor que encontrou o tesouro e do comerciante

em busca de uma pérola preciosa. Eles venderam

tudo quanto possuíam, e que haviam conseguido à custa de

longos e penosos anos de trabalho e esforço, para adquirir

apenas um bem.

O primeiro comprou o campo onde se escondia o tesouro.

O segundo comprou uma única pérola. Sabiam,

porém, que aquele não era um campo qualquer, nem uma

pérola como tantas outras. Ao dar-se conta do valor incomensurável

do bem a ser adquirido e da chance que tinham

diante de si, não hesitaram em se decidir. A “aquisição” do

Reino exige do discípulo abrir mão de tantas coisas tidas

como valiosas, mas que são um bem menor, se comparadas

com ele. Afinal, o Reino é o próprio Deus desejoso de

fazer-se senhor de cada pessoa e da história humana. Para

nós, cristãos católicos, receber a Eucaristia, anos após ano,

traduz-se como o mais belo tesouro de nossas vidas, pois,

tornar-se templo do Espírito Santo nos levará ao encontro

das moradas que Deus tem preparado para cada um de nós:

a nossa Salvação eterna. Não há tesouro maior, nem neste,

nem em nenhum outro mundo.

A Eucaristia é o verdadeiro alimento, que nos sacia e

nos dá a Paz de Deus. Nós sabemos perfeitamente do que

se trata o Sacramento da Eucaristia. Trata-se de dar sentido

a sermos Igreja como “Corpo de Cristo”. Receber o Corpo

Eucarístico do Senhor tem como efeito gerar uma verdadeira

comunhão de vida entre Jesus e o discípulo. Assim como

comer e beber tornam o alimento e a bebida parte do organismo

humano ao serem assimilados, o mesmo acontece,

quando se participa da Eucaristia. Por meio dela, o discípulo

entra na mais profunda comunhão com Jesus Ressuscitado,

tornando-se uma só unidade com ele. Somente quem

participa da comunidade cristã experimenta esta comunhão

com o Senhor. O Corpo e Sangue do Cristo vem para ser

alimento da nossa vida e da nossa história. A Eucaristia nos

torna parte do Senhor. Não é Jesus que vem fazer parte de

nós, nós é que passamos a fazer parte do Corpo de Cristo

e da sua Igreja. Deus mandou seu próprio Filho para nos

alimentar e salvar. Jesus é o pão vivo que desceu do céu,

vindo do Pai, pela infinita bondade e amor do Pai que ama

“desesperadamente” seus filhos e filhas, a ponto de enviar,

para morrer por nós, seu filho unigênito.

Por isso, podemos afirmar com tanta convicção que,

no Sacramento Eucarístico, vivemos e formamos o Corpo

Místico de Jesus Cristo, somos a sua Igreja viva, que pulsa

no amor, na misericórdia e na esperança neste mundo conturbado

em que vivemos. Como Igreja que é a representante

de Jesus na terra e cumpre suas ordens, também nós,

como seus membros seguimos como discípulos, o Cristo

Senhor. Eis o mistério da nossa Fé.

http://www.educris.com/v2/artigos/4342-papa-francisco-a-igreja-e-o-corpo-de-cristo

https://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/catequese-do-papa-igreja-

-corpo-de-cristo-19062013/

Homilias proferidas na Paróquia Santíssima Virgem, especialmente pelo Frei Sebastião e

padre Renato Souto

10


14 DE JUNHO: DIA MUNDIAL

DO DOADOR DE SANGUE

Uma doação salva até quatro vidas

Por Elisabete Carvalho - Assistente Administrativa

O

dia 14 de junho é dedicado mundialmente ao doador

de sangue e aproveitaremos para intensificar

ainda mais a necessidade da doação. Nossa entrevista

foi com a Nelci Couto Vanderley, responsável

pela captação de doadores na COLSAN Regional de São

Bernardo, uma associação beneficente de coleta de sangue

que atende mais de 100 hospitais com seus hemocomponentes,

assim, além de disponibilizar plaquetas para as

crianças do GRAAC, portadoras de câncer, serve também

os hospitais do ABCD, do Litoral, do Vale do Ribeira e a

Grande São Paulo, sempre mantendo uma parceria com o

SUS.

No Grande ABC são quatro postos de coleta, porém,

devido a Pandemia, o atendimento foi concentrado no Hemocentro

COLSAN, Rua Pedro Jacobucci, 440, em São

Bernardo do Campo, no Hospital Mario Covas em Santo

André e no Hemocentro de São Caetano do Sul, Rua Peri,

361, no antigo Pronto Socorro. Para a captação de doadores

são realizadas campanhas de conscientização junto aos

Institutos de Ensino, Escolas Técnicas de Aprendizagem

como o SENAI e Instituições Religiosas (nossa paróquia

é uma delas, através da Pastoral da Saúde, fazemos duas

grandes ações por ano). Nelci diz que o objetivo quantitativo

nem sempre é atingido, porém, os esforços são válidos,

lembrando que durante os períodos de festas e feriados prolongados

a demanda por sangue é muito maior, daí a necessidade

de estar em constante campanha, porque sempre se

tem vítimas de acidentes, cirurgias de grande porte, assim

como transplantes de órgãos.

Com essa pandemia a necessidade de doação aumentou

e os doadores diminuíram consideravelmente. Uma doação

salva até quatro vidas, pois seus elementos: hemácias,

plaquetas, plasma e outros, são distribuídos a quem deles

precisar. Uma vez doador, sempre doador, porque acaba se

conscientizando de que este

ato simples para o doador, é

muito importante para quem

vai receber a sua doação.

Para ser doador é necessário:

documento com foto; estar

bem de saúde, ter no mínimo

16 anos e neste caso,

estar acompanhado dos pais

ou responsável legal; a faixa

etária é de 16 a 69 anos, desde

que já tenha doado ao menos

uma vez até os 60 anos;

pesar no mínimo 50 quilos;

não estar em jejum, porém,

evitar alimentos gordurosos

nas 3 horas antes da doação.

Você pode ajudar sendo um

doador ou divulgando essa

realidade que atravessamos!

AJUDE-NOS A

EVANGELIZAR

Entre em contato pelo telefone

(1 1) 4330-4289 ou pelo e-mail

santissima@diocesesa.org.br,

para obter informações e

torne-se um colaborador. Nós,

da Revista Santíssima,

recomendamos os produtos e

serviços de nossos colaboradores.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

11


DIA DO PAPA: FRANCISCO,

TRAJETÓRIA APOSTÓLICA

Deus não te ama pelo que você é. Ele te ama, e

isso basta!

Por Sandra Regina Pícolo – Doutora em Ciências da Comunicação

(USP) e Mestre em Literatura e Crítica Literária (PUC).

Em 29 de junho,

e no Brasil, no

domingo mais

próximo desta

data, neste ano em 28 de

junho, comemora-se o

dia do Papa, quando são

celebrados os dois santos

Pedro e Paulo. São Pedro

foi primeiro papa da

história, escolhido pelo

próprio Jesus: “Tu és

Pedro e sobre esta pedra

edificarei a minha Igreja”

(Mt 16,18). O Papa é o

líder da Igreja Católica

Apostólica Romana. O

termo “papa“, palavra de origem grega, significa “pai”. Atualmente, o

Papa Francisco é o nome do 266º papa e o chefe do Estado do Vaticano

desde 13 de março de 2013, sucedendo o papa Bento XVI, que abdicou

do posto em fevereiro do mesmo ano. O argentino e jesuíta Jorge Mario

Bergoglio (nascido em 17/12/1936) é o primeiro papa latino. Homem

de vida simples, sempre afirmou: “O meu povo é pobre e eu sou um

deles”. Aos seus sacerdotes sempre recomendou misericórdia, coragem

apostólica e portas abertas a todos. Mais velho de cinco irmãos, filho de

imigrantes italianos, aos 20 anos, sofreu uma grave infecção respiratória

e teve um de seus pulmões extraído. Formou-se e trabalhou como

técnico químico. Apaixonado por futebol é torcedor do San Lorenzo.

Aos 21 anos, escolheu o caminho do sacerdócio, entrando no seminário

diocesano e depois na Companhia de Jesus. Em 13 de dezembro de

1969 foi ordenado padre. Em 1973 tornou-se provincial dos jesuítas da

Argentina, por seis anos. Foi reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia

de San Miguel e pároco em San Miguel. Em 1986 concluiu a tese de

doutorado, na Alemanha. Em 20 de maio de 1992, o Papa João Paulo II

o nomeou bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires. Em 21 de

fevereiro de 2001, o Papa João Paulo II o tornou cardeal.

Trajetória sacerdotal de Bergoglio

Ao tornar-se padre jesuíta, Bergoglio obedeceu aos votos de pobreza,

obediência, castidade e de obediência ao papa. A sua trajetória

sacerdotal, inicialmente, coincidiu com um dos períodos mais obscuros

da Argentina: a ditadura militar. Como bispo auxiliar, Bergoglio transformou-se

no grande propagador do culto a Nossa Senhora Desatadora

dos Nós, na Argentina. Mais tarde, começou sua missão no Vicariato de

Flores, uma região pobre de Buenos Aires. Passou a incentivar os padres

a viver entre os mais pobres. Ficou conhecido por seu estilo de vida

simples e por usar o transporte coletivo, abrindo mão de regalias. Em

2001 participou do Sínodo dos Bispos. Tornou-se popular na América

Latina, mas nunca perdeu a simplicidade.

Em 2013, após a renúncia do papa Bento XVI (Joseph Ratzinger), o

qual representava a ala mais conservadora da Igreja, Francisco o substituiu,

representando um desejo de mudança no catolicismo. Ao reiterar o

caráter misericordioso da Igreja, o papa afirma que “Deus não ama você

porque pensa certo e se comporta bem. Ele te ama, e isso basta!”. Entre

os principais documentos que o Papa jesuíta escreveu estão Laudato si

(Louvado sejas), Evangelii gaudium (A alegria do Evangelho) e Amoris

laetitia (A alegria do amor), além de tantos atos importantíssimos durante

estes sete anos de pontificado. Fica aqui a nossa gratidão ao papa

dos pobres, nosso intercessor junto a Deus.

A QUARENTENA E O

PROTAGONISMO DA

COMUNICAÇÃO

DIGITAL

Em breve nos encontraremos, e então

conversaremos pessoalmente

Por José Neves - Jornalista e Pesquisador

NO COTIDIANO DA VIDA, lutamos por dias

melhores e procuramos vencer obstáculos, desafios

constantes e, nestes tempos, o COVID-19 - que assolou

o mundo.

A história acumula conquistas e méritos em

busca pelo querer sempre melhorar. Com a chegada

das tecnologias, o ser humano ficou a mercê da

inteligência artificial, tornando-se adepto cada vez

mais desta praticidade. A tecnologia desenvolveuse

rapidamente e tornou-se processo auxiliador nas

tarefas do cotidiano, que de certa maneira trouxe para a

sociedade o conforto da praticidade dos smartphones e

aplicativos, em especial as redes sociais para as nossas

vidas. Em função do isolamento social e favorecidos

pelos recursos digitais, o carinho e a afetividade pelo

próximo foram transferidos para uma simples chamada

de vídeo ou para as “lives”, diretamente do conforto

dos lares. Ser amigo e acolhedor, neste momento de

reclusão, passaram a ser aplicáveis por meio das novas

tecnologias, pois as palavras afetuosas se tornam fáceis

de serem ditas e se multiplicam rapidamente nas redes

sociais, protagonistas da quarentena. Presencialmente,

deixamos de realizar gestos de afetividade e acolhimento

ao nosso semelhante, mas sabemos que será uma coisa

passageira. O evangelista São João diz: “Vocês ficarão

angustiados, mas a angústia de vocês se transformará

em alegria” (Jo 16,20). Sim, porque logo estaremos

todos juntos!

O gesto mais afável, que podemos praticar neste

momento para amenizar essa angústia, vem do coração

e a alquimia do amor trará, independente de qualquer

ocasião, acalento a quem receber. Assim já expressava

São João: “Tenho muitas coisas para lhe escrever,

mas não quero fazê-lo com tinta e pena. Espera-se

em breve ir para encontrar você, e então conversamos

pessoalmente” (Jo 1-3, 13-14). Diante desta passagem,

priorizemos a conexão com Nosso Senhor Jesus para

que possamos ser multiplicadores do vosso amor e não

deixar que a conectividade e a praticidade das coisas

nos distanciem do irmão e d’Ele. Louvado Seja Nosso

Senhor Jesus Cristo!

12

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


A FREQUÊNCIA DE

DEUS

Deus está dentro de mim, e não fora

Por Alex Souza - Professor e Personal Trainer Especialista em Longevidade; Bacharel e Licenciado em Educação Física; Pós-graduação em

Fisiologia do Exercício no Envelhecimento; Membro da Sociedade Brasileira de Personal Trainers; Mentor do Grupo Exercício e Fé e Mentor da

Liga da Longevidade.

Em uma bela manhã, estava eu em minhas reflexões e

pensamentos, como de costume assim que acordo. Tenho

esse hábito de silenciar como primeira tarefa. Mas

nesse dia, algo estava diferente e chegou a minha mente a seguinte

pergunta: onde está Deus? O coração começou a bater

mais forte e a respiração ficou mais agitada. Ao redor dessa

indagação primeira e após voltar ao estado de tranquilidade,

comecei a criar hipóteses a respeito. Se eu não vejo Deus e

nem consigo tocá-lo por meio dos sentidos humanos, onde

será que Ele está? O mundo cheio de misérias e Ele nem

aí? O quadro de doenças crescendo, assim como as tragédias

aumentando, e Ele simplesmente fecha os olhos?

De repente uma lâmpada se acende em minha cabeça:

onde está o teu tesouro, aí estará o teu coração (1) . E outra:

não vós preocupeis com o dia de amanhã (1) . Mais uma: no

final tudo volta para mim (2) . E mais uma: o propósito de

tudo é fazer a energia se movimentar livremente (3) . E por

último: sempre darei um passo adiante (4) . Desta forma, as

lâmpadas foram acendendo a luz da minha alma. A lâmpada

de que Deus está dentro de mim, e não fora; a lâmpada

da beleza interna e não externa apenas; a lâmpada da

harmonia; a lâmpada da paz; a lâmpada da espiritualidade;

a lâmpada da saúde; a lâmpada da bondade; a lâmpada do

amor. Essa é a sua frequência.

Estar e sintonizar a frequência de Deus é prestar

atenção a esses detalhes. É olhar a escuridão como apenas

a ausência de luz. É lembrar que Ele está sempre por perto.

É não terceirizar a falta de competência em resolver algo

a Ele. Ao encontrar uma dúvida como a minha, evite ter

medo e procure a frequência de Deus que está dentro de

você. Olhe para o céu e saiba que você é o maior projeto

Dele.

Referências

1. Bíblia, A. T. Mateus. In BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamentos.

Tradução CNBB. Décima edição. São Paulo, 2002.

2. Walsch, N. D. Conversando com Deus, livro II: novo diálogo sobre os maiores

problemas que afligem a humanidade. Ediouro, 2000.

3. Tanaka, G. 11 dias de despertar - uma jornada para a libertação do medo. Idea, 2015.

4. Mandino, O. O maior vendedor do mundo. Record, 2008.

AJUDE-NOS A

EVANGELIZAR

Entre em contato pelo telefone (1 1) 4330-4289 ou pelo e-mail

santissima@diocesesa.org.br, para obter informações e

torne-se um colaborador. Nós, da Revista Santíssima,

recomendamos os produtos e serviços de nossos colaboradores.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima

13


CAMINHOS SAGRADOS

PEREGRINAÇÃO EM TEMPO DE

ISOLAMENTO SOCIAL

Aprendendo a peregrinar com o coração

Por Marta Guimarães - Agente de Viagens

Inesperadamente, esse vírus imprevisível, invisível, silencioso,

capaz de contagiar tudo e todos, colocou o mundo

inteiro em perigo. Sentimos o chão fugir debaixo dos pés.

Tudo parou! As nossas agendas e programações caíram por

terra. Logo foram precisos planos de isolamento, de paralisação,

de contingência e de emergência em face deste flagelo

global. Nós ficamos em casa!

Igrejas e lugares sagrados fechados por segurança e

respeito à vida. As viagens e peregrinações canceladas ou

adiadas sem data prevista. Os caminhos sagrados mudam de

rumo e passam a ser realizados por meio das mídias sociais,

para evitar todo tipo de aglomerações.

O dia 13 de maio, uma data forte, por conta da celebração

da Festa de Nossa Senhora de Fátima, sofre uma grande

solidão. A expressão dessa devoção e de tantas outras neste

tempo de pandemia, ganha uma nova forma. Em Portugal,

o bispo de Leiria-Fátima, cardeal Antonio Marto, afirmou:

“Talvez estejamos aprendendo como é uma peregrinação em

estado puro, o peregrinar com o coração, a peregrinação interior

no percurso mais íntimo da nossa vida, com a companhia

espiritual da mãe celeste, que leva cada um a encontrar-se

com Deus santo e misericordioso”. Em tempos de confinamento,

a pandemia é uma oportunidade e um chamamento à

conversão espiritual com maior profundidade. Pensar numa

nova e melhor vida na nossa casa comum, em paz com as

criaturas, com os outros, com a família e com Deus, uma

vida mais rica de sentido.

Depois da pandemia voltaremos, sim, voltaremos! Mas

o ritmo será outro, mais lento e mais atento. Voltaremos aos

lugares sagrados para agradecer o dom da vida, lamentar as

perdas e sendo portadores da esperança que nasce da fé e

se fundamenta na memória de Cristo. Ele está conosco, não

estamos sozinhos na história, no nosso caminho e na batalha

cotidiana da nossa vida.

14

Paróquia Nossa Senhora de Fátima


Paróquia Nossa Senhora de Fátima

15


More magazines by this user
Similar magazines