01.11.2020 Views

34ª Edição_Revista ATRAÇÃO

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

R E V I S T A

Ciências:

Magnética e Espírita

34ª Edição - Outubro 2020

Imensurável

valor doOzônio

First

International Spiritist

Medical Congress

Síndrome do

Túnel do

Carpo

Não existe futuro

Sem moços

Filhos da

Eternidade

Lúpus eritematoso

sistêmico (LES)

e EMOÇÕES

Atração_outubro de 2020 1


O escritor e Acadêmico Domingos Pascoal

rende homenagem àquele que, através da contação de

histórias, consegue transformar as suas ideias e

pensamentos em obras que são verdadeiras artes, cheias

de belezas e encantamentos incontestáveis.

Domingos

Pascoal

André Comanche

é um contador de

histórias que

escreve enquanto

desenha e desenha

enquanto escreve.

outubro 2020

A vontade de contar histórias se traduzindo em forma de livros.

André tem nas veias aquilo que se pensa de um artista - AMOR E VOCAÇÃO para as artes.

2 Atração_outubro de 2020


André Comanche(@do.conto.ao.traco) é um contador

de histórias que sofre de incontinência gráfica e verbal: escreve

enquanto desenha e desenha enquanto escreve. Ao

mesmo tempo em que estudava mais a sério suas paixões

de infância, o desenho e as narrativas, acabou formandose

em História por acidente. Em 2016 lançou sua primeira

série de quadrinhos, intitulada 'Tino, um caçador de si mesmo'.

Em 2017, criou a iniciativa ‘Leitores Fantásticos’, que

promove eventos, palestras e oficinas na área da literatura.

Em 2018, foi finalista no 1° Prêmio ABERST de Literatura,

na categoria ‘Melhor conto policial’. Em 2019, lançou seu

primeiro livro, 'O dia em que minha vó me apresentou a

morte', encontrando excelente receptividade de público e

crítica. André é fundador do projeto social ‘Lê Gibi’, que incentiva

a leitura em escolas públicas através da distribuição

gratuita de quadrinhos. O projeto existe desde 2013. Em

2020, lançou seu segundo livro, o infantil 'Tem um monstro

na minha orelha'. Ainda em 2020, foi ganhador do prêmio

ALA(Academia de Letras de Aracaju) de Reconhecimento

Cultural, na categoria Literatura.

Obras de sucesso

A arte e o artista em perfeita simbiose. Diria que se trata de uma cumplicidade

inesgotável e envolvente, onde a criação se transforma em potencial vinculo

de ligação entre público e o insasiável contador de histórias.

Atração_outubro de 2020 3


Caroline Costa Carlos

Psicóloga, pós-graduada em Psicologia Hospitalar,

evangelizadora de crianças de 06 aos 08 anos e

atualmente cuidadora de Idosos. Natural de Aracaju/Se.

Sou psicóloga há quase 13 anos, sou espírita e

evangelizadora também há 13 anos. Sou voluntária

há 13 anos na arrumação das cestas básicas para as

mães matriculadas na evangelização.

É preciso educar as crianças, dizendo não de

forma clara e simples. É na infância que se forma a

personalidade, dando limites e disciplina, não colocando

o terror, e sim mostrando que tudo tem uma

consequência.

Tudo que fazemos com Amor dá certo.

Acompanho há muito tempo as edições da Revista

Atração. O papel da Revista é proporcionar aos

seus leitores informações, conhecimento e com isso

atrair, cada dia mais, bons leitores, por uma escrita

leve, clara e de muita reflexão.

Aproveitando o SUCESSO dessa Revista SENSA-

CIONAL, convido todos a ouvirem a Rádio ILUMINA.

Minha entrevista na Rádio ILUMINA ficou totalmente

demais! Vale a pena conferir!

parabenizar os idealizadores desse projeto, desejando

vida longa para essa revista.

Emilly Barreto

Técnica em agropecuária, poeta cordelista e

declamadora, acadêmica em letras português pela UFS

e, agora é a mais nova integrante da rádio via podcast

ILUMINA-SE. É natural de Glória, alto sertão sergipano.

Em tempos de informações imprecisas,

rasas e efêmeras, a Revista Atração se

diferencia e destaca por trazer um conteúdo

verdadeiro e necessário. Reúne textos

esclarecedores e inspiradores, carregados

de uma energia linda, que transparece a

cada palavra. Além de trazer uma excelente

abordagem cultural, revelando e oportunizando

a jovens escritores mostrarem suas

produções, também apresenta variadas

expressões artísticas e literárias e encanta

qualquer leitor apaixonado por cultura e

conhecimento.

Lúcia Maria Oliveira Medeiros

Administradora, funcionária pública estadual,

componente da coordenadoria de

mediunidade da FEES

A leitura é um hábito que deve ser cultivado

desde cedo, pois colabora orientando como devemos

descobrir caminhos para melhorar a vida, facilitar

a incorporação de novas palavras no nosso

vocabulário, implicando na melhoria da escrita,

além de se constituir num grande exercício para

o cérebro.

A Revista Atração tem sido mais uma opção

para aqueles que buscam, na leitura, um universo

de conhecimentos. Nela, encontramos entrevistas,

reportagens com temas do cotidiano, que

despertam o interesse de todos e, principalmente,

artigos que nos levam à compreensão do Espiritismo.

Afinal, como bem disse o Espírito Emmanuel:

“Conhecer é patrocinar a libertação de nós

mesmos, colocando-nos a caminho de novos

horizontes na vida. Corre-nos, pois, o dever de

estudar sempre, escolhendo o melhor para que as

nossas ideias e exemplos reflitam as ideias e os

exemplos dos Paladinos da Luz”.

REVISTA

Revista Atração, ano 03 nº 34

O magnetismo de Deus em nossas vidas

34ª Edição - Outubro de 2020

Aracaju - Sergipe - Brasil

É um veículo destinado a promover e fortalecer o Movimento Espírita,

assim como levar a ciência Magnética ao conhecimento da humanidade

em prol da saúde física e espiritual no cenário mundial. Visa também

consolidar o intercâmbio doutrinário em favor da humanidade, resultante

da união das duas ciências.

COLABORAM NESTA EDIÇÃO:

Antônio Francisco (Saracura), Domingos Pascoal, Jacob Melo, Célia Mônica,

Rita Freire, Euza Missano, Telma M S Machado, Silvan Aragão, Lourdinha

Lisboa, Graziela Nunes, Jorge Manuel Ramos, Jacob Melo, Lídia Melo, Carlos

Alexandre, Daniel Lírio, Paiva Neto, Prof. Halley F. Oliveira, Mery Seba

A Atração passou a ter publicação mensal, por conta dos inúmeros

pedidos, motivos pelos quais, a direção, resolveu atender seus leitores.

Diretora Responsável IVONETE SANTOS CONCEIÇÃO

Editor ISAIAS MARINHO CONCEIÇÃO

Revisor(a) GRAZIELA NUNES

Diagramação BERGSON MARINHO

Fotografias: LOURDINHA LISBOA

Atendimento ao Leitor: CÉLIA MÔNICA pedagoga e poetisa

Fones: (79) 99650.4887 oi

Publicidade / Contato

atracao.magnetismo.emrevista@gmail.com

www.revistaatracao.com.br

Nossa Caminhada

Frases que

Iluminam

"Educação nunca foi

despesa. Sempre foi

investimento com

retorno garantido."

Arthur Lewis

4 Atração_outubro de 2020

DÉCIMA QUARTA EDIÇÃO

Aqui abordamos:

TAUTO PASSE

Até que ponto essa técnica é

confiável!

além de mencionar o assunto

A clínica do transtorno de

ansiedade generalizada


Na assepsia dos ambientes físicos-espirituais

IMENSURÁVEL VALOR DO OZÔNIO

É imprescindível aderir, e nos conscientizarmos da importância da assepsia dos ambientes, principalmente

aqueles que tratam da saúde. Assim é no plano extrafísico e deve ser no plano físico, sempre.

É de conhecimento geral que, antes, durante e depois dos tratamentos físicos nos hospitais, há cuidados

especiais peculiares a todos que estão envolvidos nesse processo, sejam médicos, cirurgiões, enfermeiros,

anestesistas, instrumentadores, além de todo ambiente.

Observe que tudo é limpo, esterilizado, além do uso de roupas confeccionadas com papel especial, as

quais são desprezadas após uma intervenção cirúrgica. Por que será que não observamos esses cuidados durante

os tratamentos físicos- espirituais?

O que observamos, aparentemente, é só a limpeza do ambiente onde se processam os trabalhos espirituais,

e isso é natural. É “diferente” dos ambientes hospitalares, mas nós temos essa resposta referente às

ações de assepsia do ambiente através da espiritualidade, quando da utilização de elementos da natureza, e

um deles nos chama a atenção – o OZÔNIO.

Esse gás, existente na natureza, ao nosso redor, é de suma importância durante os tratamentos, assim

como nos processos cirúrgicos e no combate a enfermidades. Esse elemento, ozônio, tornou-se muito conhecido

e propalado de maneira intensa nas últimas décadas do século XX e início do século XXI. Sua presença é

muito importante no orbe terreno, servindo de protetor e mantenedor do equilíbrio da vida no planeta.

O ozônio foi descoberto em 1840, por Christian Schönbein, pela observação do odor característico quando

o oxigênio era submetido a uma descarga elétrica. E em 1935, essa substância foi testada em cirurgias pelo

cirurgião Erwin Payr. Hoje nós temos conhecimento de todos os benefícios que esse gás pode proporcionar.

Só para se ter uma ideia, 99% do universo de bactérias, vírus e fungos são sensíveis ao ozônio. André Luiz,

espírito, já nos falava sobre o valor desse gás e da sua utilização. Vide “Nos Domínios da Mediunidade”, psicografia

de Chico Xavier.

Vejamos o que nos diz Dr. Paulo César Fructuoso sobre a importância da esterilização do ambiente antes

da realização dos trabalhos:

É de observar que o ozônio parece ocupar papel de destaque nos mecanismos de esterilização ambiental

durante os procedimentos cirúrgicos mediúnicos e, pelo que tudo indica, é extraído do próprio ar ambiente.

Além das descargas elétricas sobre o oxigênio do ar atmosférico, a incidência de radiações ultravioleta

sobre esse mesmo elemento também pode induzir a formação do ozônio. Consideremos ainda que os raios

ultravioletas já são por si sós, altamente eficazes na eliminação de microrganismos, o que aumenta a probabilidade

de sua utilização na purificação do ambiente onde os fenômenos ocorrem.

FRUCTUOSO, P. C. XXXXXX. Nº. ed. Local: Editora, Ano, p. 67. Completar referência .

A nossa CAPA.

Tem como objetivo mostrar

o valor e importância dos

tratamentos magnéticos para a

humanidade. Mais ainda, busca

mostrar que o estudo sério e a

prática consistente, pode nos

levar a resultados inimagináveis.

Além disso, a imagem no

remete aos ambientes hospitalares,

que de imediato nos traz

a preocupação com relação a

assepsia, seja hospitalar, residencial,

institucional e/ou casas espíritas

e suas dependências.

Conclusão: a assepsia no ORBE não é diferente. As tempestades com raios são também formas criadas

pelo PAI visando à limpeza do “hospital da humanidade” chamado TERRA.

Atendimento Magnético

Fraternidade Espírita Chico Xavier

Atendimento: Sábado às 16 horas

Rua N. S. de Nazareth, 1007, Bairro Cidade Nova, Iguaba Grade/RJ

E-mail: fernandocafigueiredo@gmail.com

Contato: Fernando Figueiredo

Contato: (22) 9 8826-7996

Isaias Marinho

no RIO DE JANEIRO

Atração_outubro de 2020 5


Por Isaias Marinho

Síndrome do

Túnel do Carpo

Entendendo Traduzindo

resultados Jesus e

Kardec

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

Magnetizador Espírita. Facilitador do ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

Existem tratamentos magnéticos que nos parecem difíceis

e supostamente insolúveis, principalmente quando nos defrontamos

com inúmeras barreiras. Uma delas é difícil de controlar,

que é a frequência – muitos pacientes acabam falhando ao não

manter a assiduidade que tanto desejamos, pois quando achamos

que os resultados estão chegando de maneira favorável, de

imediato surgem aquelas recaídas, trazendo certo desestímulo.

Contudo, como magnetizadores impulsionados por essa Ciência

maravilhosa a – MAGNÉTICA e, conscientes das responsabilidades

assumidas perante o Cristo, buscamos “levantar e jogar a

poeira por cima”. É nesta hora que nos revitalizamos. Foi assim

que aconteceu com nossa paciente (assistida) Yunna Albuquerque.

Essa jovem senhora nos procurou no ano de ......................,

para tratamento de um problema existente em suas mãos, fruto

dos inúmeros movimentos repetitivos, já que a mesma exerce a

profissão de cabeleireira. Alegava não ter mais firmeza nas mãos,

impossibilitando-a de fazer uso dos instrumentos em seu salão,

além de existir queimação e sensações de choques. A dor, em

alguns momentos, se estendia para o antebraço, braço e ombro.

Não podemos esquecer que os sintomas, às vezes, são

confundidos com “problemas de circulação”, coluna ou até mesmo

derrames.

Víamos o sofrimento, a angústia dela, que dependia e depende

dessa atividade para manter-se. Yunna fez uma bateria

de exames médicos e o resultado obtido foi o de L.E.R. – Lesão

por Esforço Repetitivo, fruto do uso contínuo e excessivo dos

músculos flexores dos dedos (tendões), o que pode originar secundariamente

a compressão do nervo meridiano no punho 1 .

Começamos uma série de atendimentos visando à dissipação

das dores, que ora durava muito tempo, ora pouco tempo.

Mesmo assim, continuávamos buscando soluções. Durante um

atendimento, recebi uma orientação espiritual para que fizéssemos

uso da FRICÇÃO FLUTUANTE nos dois braços, partindo

dos ombros em direção às extremidades dos dedos das mãos.

Dando sequência ao tratamento, agregamos a fricção, técnica

da IMPOSIÇÃO PERFURANTE no nervo mediano próximo ao pulso.

Em seguida, passamos também a fazer uso dessa ação junto

ao ligamento do carpo, pois era onde havia a compressão do

nervo mediano. Para complementar esse tratamento, em alguns

momentos, aplicávamos o SOPRO QUENTE sobre os tendões flexores

dos dedos, que passam juntamente com o nervo na região

do punho. Agindo assim, buscávamos eliminar a presença de inflamação

crônica inespecífica existentes nesses tendões flexores.

Tem algo que não podemos descartar: existem, várias

doenças ou situações que predispõem o aparecimento da Síndrome

do Túnel do Carpo, como por exemplo, problemas da

tireoide, amiloidose, diabetes, fraturas recentes ou antigas na

região do punho, algumas formas de reumatismo e gravidez 2 .

Em pouco tempo, o resultado foi chegando, apesar da frequência

irregular da paciente. Isso foi nos animando. Mas no

meio do processo, surgiu a dúvida: Será que ela ficou curada?

Será que houve uma amenização do sofrimento? A gente se perguntava.

Confesso que não busquei saber. A dúvida permanecia,

até que em abril de 2019, justamente um ano depois, eis que

Yunna entra em contato comigo pedindo atendimento magnético.

— Como está nossa paciente, e a que devemos o seu retorno?

— perguntei. — Será o mesmo problema?

— Nãooooo! Fiquei boa do problema e por isso eu não

vim mais. - respondeu Yunna. — Estou querendo tratar de um

nódulo na mama esquerda. -— continuou.

Conclusão: Ela de fato ficou boa da L.E.R., o que nos deu

alegria e satisfação duplicada ao sabermos que fizemos a coisa

certa e que, por conta do resultado nas suas mãos, ela voltava

para tratamento de outro problema.

Ficou evidente que quando o trabalho é realizado com

vontade e dedicação, os resultados chegam.

E chegooouuuu! Com certezaaaa!

O nome, Yunna Albuquerque, é fictício visando preservar a identidade da verdadeira personagem.

6 Atração_outubro de 2020


Com o tema

“Espiritualidade em todas as fases da pandemia”,

o 1º Congresso Virtual da

International Spiritist Medical Association

Ocorrerá nos dias 21 e 22 de novembro.

Contará com a participação de

Elaine Drysdale,

Rupert Sheldrake,

Vicente Pessoa,

AndresaThomazoni,

Fabio Villarraga,

Decio Indoli Jr. e

Marco Aurelio.

Terá legenda

dos vídeos em

português,

espanhol, inglês,

francês, alemão e

italiano

Inscrição pode ser feita no site do Congresso:

https://sma-international.org/congress2020/

Atração_outubro de 2020 7


Por Jacob Melo

De vez

em quando

O valor do

ESTUDO

aprofundado

Natal

R. G. NORTE

BRASIL

Estudioso e praticante do Espiritismo e do Magnetismo há mais de 50 anos. Autor de vários livros sobre o tema, é um dos

fundadores do EMME, bem como da Casa que dirige: o Lar Espírita Alvorada Nova, de Parnamirim (RN). Reside em Natal (RN).

É formado em Engenharia Civil e pós-graduado em Psicanálise.

Noticiários da imprensa leiga comumente se transformam em fontes

de propagação de tragédias, crises e crimes de toda ordem. Contudo, de

vez em quando, pegamos, ainda que perdidas em meio às páginas menos

vistosas, notícias relevantes, as quais enaltecem valores morais e posturas

de dignidade.

Na imprensa espírita, tem sido comum artigos um tanto quanto batidos,

como se não houvesse temas que pedem aprofundamentos ou mesmo

posicionamentos que convidem à reflexão. Porém, de vez em quando,

aparecem coisas que deveriam ser colocadas como opiniões pessoais e não

como “o Espiritismo diz”, “o Espiritismo afirma”, “o Espiritismo esclarece”...

Isso é muito ruim, pois as opiniões, quando ditas e claramente assumidas

como pessoais, podem dar espaço para dúvidas, pedidos de esclarecimentos

ou até mesmo debates e réplicas, mas se “surgem” como

“palavras oficiais”, uma larga maioria simplesmente aceita ou ignora. Por

parte de quem aceita, forma-se critério de certo em cima do que pode ser

falso; e da parte dos que ignoram, resta a contribuição para a desinformação

ou o avanço da ignorância sobre o que foi dito.

Minhas opiniões sobre o Magnetismo são sempre muito claras.

Quando minhas, exponho-as dizendo o que penso e o que já deduzi na

prática e na vivência das experiências; quando de outrem, consubstancio

com textos largos o suficiente, sempre dentro do contexto nos quais foram

escritos/ditos/inseridos – posto que negar esse contexto é usurpar ou deturpar

palavras alheias.

Pelo menos em termos dessa Ciência, esse não tem sido o comportamento

de muitos escritores, sejam de artigos e/ou livros, bem como de

vários palestrantes e/ou expositores.

E agora parece ter virado modismo se desconfigurar a obra de Allan

Kardec, sobretudo, empregando sofismas grosseiros, mas suficientemente

bem entrançados para deixar os incautos confusos e desconfiados com a

verdadeira posição espírita.

Vamos aos exemplos que demonstram isso de forma cabal.

Primeiro se sugeriu, em importante congresso de pesquisadores espíritas,

suprimir a palavra “magnetismo” da obra de Kardec. Motivo? Por

essa palavra “pertencer” à Física. Grave erro, especialmente porque dito por

um espírita que se apresenta como professor de Física. Com muito mais razão

do que o argumento apresentado, o termo Magnetismo é muito mais

cabível ao Espiritismo do que à Física, na qual o uso da palavra só surgiu

8 Atração_outubro de 2020

depois de “O Livro dos Espíritos”.

Depois se traduziu todas as obras de Mesmer, pai do Magnetismo,

dispondo-as em um único volume e recheando de opiniões e considerações

nem sempre justificáveis. Com justa razão, alegou o autor que não se fazia

compreensível que os espíritas não conhecessem esses originais. Porém ele

inseriu, forçando o contexto dessas traduções, a expressão que diz ser o

passe espírita apenas a imposição de mãos, o que, convenhamos, anularia

completamente a necessidade de se ter aquelas obras. Havemos de concordar:

é muita impropriedade.

Agora se traz à baila o argumento de “não ser doutrinário” os atos

magnéticos, para isso se usando procedimentos espirituais como se tais fossem

os de humanos encarnados. Visível mudança do contexto das citações

a fim de reforçar uma opinião pessoal ali encalacrada como sendo do Codificador.

E como se não bastasse, agora se afirma que Kardec mudou de opinião,

pois, garante o autor da ideia, não existe fluido vital. Só que essa

expressão foi cunhada primeiro pelos Espíritos, portanto caberia a eles expressar

seu arrependimento por uso indevido de algo que não existia – e Eles

não o fizeram, posto que não mudaram de ideia.

A que se destina tudo isso? Seria para melhorar a humanidade? Com

isso o Espiritismo ficaria melhor qualificado? Onde o Magnetismo pesaria

negativamente no bojo de tão sólida Doutrina, se o próprio Allan Kardec foi

seu maior defensor? Fortaleceria a boa Doutrina consoladora diminuindolhe

seus predicados? Por que, então, estão querendo roubar-lhe a melhor

ferramenta de servir, aliviar e curar? Eles não se explicam nem se justificam,

mas deixam em seu rastro uma verdadeira guerra de anulação do verdadeiro

bem, inoculando essa sanha destruidora dentro da qual a humanidade sai

perdendo.

Fico pensando: se Jesus vivesse hoje, seria condenado da mesma forma,

já que Ele seria louco se quisesse curar e ajudar às pessoas necessitadas

de saúde e de qualidade de vida. Lembrando que Ele foi o maior de todos

os magnetizadores da humanidade.

Pois é... De vez em quando precisamos dar esse tipo de alerta. E essa

é minha opinião, porém acredito que todas as pessoas de bom senso refletirão

sobre isso e decerto descobrirão que algo de ruim está havendo e sendo

elaborado, certamente com fins nada espíritas. E isso precisa ser esclarecido

urgente e amplamente, a fim de que seus tentáculos não destruam ainda

mais o que de muito bom temos na base espírita.


Ivânia

Moreira

https://mansaodocaminho.com.br/vidasvazias/

Muitas vezes, em diversas situações, deparamo-nos com

pessoas que se tornam grata satisfação. São almas generosas,

cheias de vontade e responsabilidade que entram em nossas vidas

de maneira positiva e agregadora de valores.

O grupo de magnetizadores do “Irmã Scheilla” recebeu

esse presente e vê, nessa irmã, alguém que pode contar a

qualquer momento e em qualquer situação. Trata-se de Ivânia,

um instrumento da espiritualidade a serviço de Deus, em benefício

de todos que ali aportam.

Essa magnetizadora, sobrinha da inesquecível ZIZI, fundadora

do Lar de igual nome (LAR DE ZIZI), vem administrando

esse LAR visando a sua manutenção, que arduamente se mantém.

Ela é formada em Administração, pós-graduada em Finanças

Corporativas. É Educadora Popular de Saúde. Há pouco

tempo resolveu se especializar na prática do Reiki, fazendo os

níveis I e II magnified. Em outra oportunidade, chegou a praticar

o Reiki solidário.

Sua caminhada como magnetizadora teve início no Grupo

de Estudos Espírita “Irmã Scheilla”, Aracaju/SE, onde exerce essa

prática desde 2013.

O magnetismo é, para ela, um potencial instrumento que a

impulsiona à prática da solidariedade, atendendo aos necessitados

do corpo e da alma que ali aportam. É no Núcleo de Atendimento

Magnético "Vovô Pedro" que os resultados animadores

servem de injeção de ânimo para ela continuar trabalhando

nessa seara do Cristo. É algo muito especial e imprescindível

para Ivânia.

Atração_outubro de 2020 9


Por Olynthes Corrêa

Pai Nosso

Reflexão sobre a

oração dominical

Ribeirão Preto

São Paulo

BRASIL

Graduado em Ciência da Computação, Administração de Empresas e Ciências Econômicas

Atua no Movimento Espírita de Ribeirão Preto-SP

É inquestionável a riqueza e a profundidade

do ensinamento moral contido na prece “Pai Nosso”.

Mas será que nossas atitudes são coerentes

com a prática da ética testemunhada por Jesus?

Observando as frases pronunciadas e as atitudes

antagônicas que me chamam a atenção,

quando dizemos:

“Pai nosso que estais nos Céus, santificado

seja o vosso nome.” Expressamos o desejo de santificá-Lo,

em nós, por meio dos nossos sentimentos,

pensamentos e atitudes. Porém, será inútil

dizê-la se não agimos como filhos de Deus, não

praticando o amor e o perdão, valorizando os

bens da terra mais que os do céu e sendo cristãos

apenas por medo, superstição ou comodismo.

“Venha a nós o vosso Reino e seja feita a vossa

vontade, assim na Terra como no Céu.” Afirmamos

o desejo e o propósito de conquistá-lo com

nosso progresso moral. Mas será inútil afirmar, se

somos seduzidos pelas futilidades terrenas e queremos

que todos nossos desejos se realizem. Porque

Deus está sempre presente e estamos submetidos

às Leis Divinas.

“O pão nosso, de cada dia, dai-nos hoje.” Pedimos

o necessário para hoje. Mas, se acumulamos

riquezas, indiferentes aos que passam fome,

não adianta pedir, porque não devemos amealhar

fortuna material, sabendo que o necessário, segundo

o nosso programa reencarnatório, sempre

nos será dado.

pelos nossos erros e prometemos perdoar o próximo,

cientes de que todas as nossas dívidas serão

resgatadas nas vidas sucessivas, e dependem de

nossa conduta e não do perdão de Deus. Então,

não adianta pedir, se não nos importamos em ferir,

injustiçar, oprimir e magoar os que atravessam o

nosso caminho, pois já sabemos que, no processo

evolutivo, erramos por ignorância das Leis Eternas

e, por isso, devemos perdoar os nossos devedores.

As vidas sucessivas nos permitem o aprendizado

para amar o próximo como a nós mesmos.

“Não nos deixeis cair em tentação, mas livrainos

do mal.” Rogamos pela nossa miséria espiritual,

contudo se, por minha vontade, procuramos

os prazeres materiais, e tudo quanto é proibido

nos seduz, será inútil rogar e afirmar “Que assim

seja!”. Se continuamos nos omitindo e nada fazemos

para modificar-nos. Já aprendemos que,

enquanto não conquistarmos as virtudes morais

cristãs, estaremos sujeitos às tentações. Deus nos

ajuda na libertação do mal, o qual existe em nós.

Cabe-nos o esforço da reforma moral.

Entendo que a prece “Pai Nosso” deve ser

pronunciada de forma tranquila, possibilitando a

reflexão sobre a coerência entre as nossas atitudes

com as palavras divinas. Renovando a nossa

conduta diária à luz do Evangelho redentor e com

ajuda da prece, poderemos legitimar os nossos

testemunhos como verdadeiros diante do Nosso

Pai Criador.

“Perdoai as nossas dívidas, assim como nós

perdoamos os nossos devedores.” Pedimos perdão

10 Atração_outubro de 2020


Um filme se passa na mente com as constantes Atividades Trabalhadas

#ufrn #imd #processoseletivo2020

#desenvolvedorweb #professorsubstituto

#institutometrópoledigital

A determinação sempre foi a pauta da vida do incansável Fernando Lucas Oliveira

Farias. Uma alma predestinada ao sucesso, mas que, para conseguir tudo isso, esse jovem

gestor de TI (Tecnologia da Informação) direcionou sua vida dentro de metas que pudessem

fomentar resultados profícuos favorecendo a todos e a tudo. Obstinado, ele não se

deixa abater por quaisquer barreiras que supostamente possam impedi-lo de alcançar

seu objetivo. Podemos afirmar que ele vive a todo vapor, dentro da área que escolheu, a

tecnológica, que na atualidade virtual é exercida por aqueles que acreditam no potencial

humano.

Por conta da sua competência e experiência comanda a DTI - Diretoria de Tecnologia

da Informação, como diretor, mostrando que esse setor não é e nunca poderia ser apenas

um instrumento somente para atender à instituição em pequenas soluções, mas demonstrando

que é muito mais do que muitos pensam. A seu ver, a Tecnologia na Educação permite

criar um ambiente inovador e favorável à adoção de metodologias ativas que tornam

a experiência em sala de aula cada vez mais atrativa, lúdica e enriquecedora para o aluno,

uma vez que os docentes trabalham intensamente as competências, habilidades e atitudes

desejadas, transcendendo as barreiras da sala de aula, formando cidadãos críticos e

transformadores da sociedade, bem como profissionais competitivos e diferenciados para

o mercado de trabalho. O seu despertar em fazer o Mestrado Profissional em Inovação em

Tecnologias Educacionais da UFRN foi impulsionado por conta da sua proposta moderna

e seu alinhamento com as atividades já desenvolvidas no âmbito institucional, o que permitiria

o desenvolvimento de objetos de aprendizagem pautados na inovação, bem como

na qualificação para pleitear o ingresso na carreira do magistério superior como docente.

O incansável e capacitado professor Fernando Lucas foi aprovado e convocado pela Universidade

do Rio Grande do Norte. A sua aprovação no processo seletivo simplificado para

professor substituto na área de Desenvolvimento Web do Instituto Metrópole Digital da

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN é o coroamento de tantas lutas, nas

quais esteve em noites, feriados e finais de semana enfronhado nos estudos e na prática

daquilo que era, é e sempre será seu foco – a T I.

Hoje, ele agradece a todos: “Muito obrigado a todos pela torcida e por

acreditarem que esse resultado seria possível!”

Atração_outubro de 2020 11


Por Merhy Seba

A Lei do

Trabalho, lei de

transformação

Nova Fase,

Nova Terra

Ribeirão

Preto

SP - BRASIL

Professor de Marketing e Propaganda e Publicitário – Vice-Presidente do Centro Espírita

Meimei, Editor do jornal Roteiro Espírita - Ribeirão Preto-SP

Ao reencarnar, o espírito traz em sua bagagem a verdadeira

propriedade, tal como nos fala Blaise Pascal em “O Evangelho Segundo

o Espiritismo”, ou seja: a Inteligência, o Conhecimento e as

Qualidades Morais 1 .

Ao chegarmos, não somos uma folha de papel em branco.

Trazemos um livro de nosso passado, cujas páginas revemos, na

medida de nossa necessidade, em momentos menos esperados.

A bagagem individual nos direciona nessa nova imersão na

carne, por meio das tendências naturais, e nos aponta caminhos

diante dos desafios da expiação e/ou das provas, com as quais a

priori concordamos, na Espiritualidade, antes de reencarnarmos.

Isso quer dizer que trazemos inúmeras lembranças do passado

que afloram como balizas para a nova existência terrena em

nossas escolhas, em função dos objetivos centrais da reencarnação:

expiar os erros do pretérito e contribuir para o progresso da sociedade.

Assim, a escolha do trabalho material e/ou espiritual que

venhamos a assumir e desenvolver guarda íntima relação com as

oportunidades que a Providência Divina propiciou para o nosso êxito.

Daí a importância dos pais ficarem atentos à educação moral

de seus filhos, para neutralizar ou abrandar as tendências agressivas

e egoísticas que eles trazem do passado, substituindo-as por

hábitos pacíficos, éticos e direcionados ao bem comum.

É certo que o livre-arbítrio pode alterar o roteiro, porém são

vários os caminhos de Deus que conduzem à evolução. O que não

for possível realizar nessa encarnação, sê-lo-á nas futuras. A Providência

divina é sábia.

Os Espíritos nos ensinam que O trabalho é uma lei da Natureza,

sendo uma necessidade. [...] é uma expiação e, ao mesmo

tempo, um meio de aperfeiçoar a inteligência. [...] sem o trabalho,

o homem permaneceria na infância intelectual 2 .

Na medida em que o homem trabalha com fim útil, e o fruto

dessa atitude lhe proporciona sustento material e autorrealização,

ele também colabora com o progresso da sociedade, correspondendo

aos objetivos centrais da lei da Reencarnação – é quando

a criatura encontra o sentido de viver. O trabalho, desde que seja

útil e ético, remunerado e/ou voluntário, enobrece a criatura e lhe

restitui a dignidade.

Agradecer a Deus pelo trabalho, por acreditar que é um

agente ativo do bem na construção de um mundo melhor, é uma

das principais dimensões da vida do ser humano.

Pesquisas relacionadas à temática do trabalho apontam que

a maior parte das pessoas que se aposenta prefere continuar trabalhando,

ou seja, desejam fazer alguma coisa para ocupar o seu

tempo livre com atividades que lhe proporcionem alegria de viver.

E alternativas nunca faltaram. Querem manter o verdadeiro sentido

da vida. É a dimensão espiritual do ser sobrepondo aos valores

físicos e materiais.

Para que haja uma vida dotada de sentido, é necessário que a

criatura encontre realização no trabalho, tanto físico como mental;

que ela o possa fazer com prazer e no limite de suas forças.

Se a ociosidade gera a pobreza física e moral, o trabalho gera

o progresso em suas possíveis dimensões: individual, organizacional,

social e espiritual.

“Tudo trabalha na Natureza”, disseram os Espíritos, “Inclusive

no reino animal.” O trabalho dos homens conduz ao progresso e

tem duplo objetivo: a conservação do corpo e o desenvolvimento

do pensamento, enquanto o dos animais se limita à conservação,

mas, mesmo assim, são agentes que colaboram com os desígnios

do Criador 3 .

O poder de transformação interior do trabalho é a profilaxia

mais recomendável para evitar as enfermidades da alma.

Pense nisso. Pense agora.

1 KARDEC, Allan. KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 58 ed. São Paulo: Lake,

2002, p. 217-232.

2 ______. O Livro dos Espíritos. 62 ed. São Paulo: Lake, 2001, p. 237-239.

3

______. O Livro dos Espíritos. 62 ed. São Paulo: Lake, 2001, p. 237-239.

12 Atração_outubro de 2020


SOBRE A CONFERÊNCIA

A Conferência Estadual Espírita, realizada anualmente pela Federação Espírita do Paraná,

é um dos maiores eventos espíritas do mundo. Foi criada pelo Movimento Espírita

Paranaense para celebrar a união de suas regiões federativas, mas principalmente como

forma de divulgação da Doutrina Espírita ao maior número de participantes possível.

A última edição contou com mais de 40.000 participantes, incluindo caravanas

de 117 cidades brasileiras e participantes vindos da Inglaterra, Paraguai e Uruguai.

Venha conhecer mais sobre o Espiritismo e compartilhar essa experiência única de amor e fraternidade. Participe!

PALESTRANTES

Divaldo Franco Alberto Almeida Sandra Borba Sandra Della Pola Jorge Godinho B Nery

Atração_outubro de 2020 13


Por Halley Ferraro Oliveira

Lúpus

eritematoso

sistêmico (LES)

e emoções

Corpo físico

e espiritual

INTERLIGAÇÃO

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

*Doutorando em Ciências da Saúde *Mestre Ciências da Saúde *Professor Adjunto da UFS *Professor Adjunto da UNIT

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma

doença autoimune. Nessa doença, o sistema

imunológico do corpo ataca erroneamente

o tecido saudável. Pode afetar a pele, as articulações,

os rins, o cérebro e outros órgãos.

A causa do LES não é claramente conhecida.

Pode estar associado aos seguintes fatores:

genético, ambiental, hormonal e alguns medicamentos.

É mais comum em mulheres do

que em homens por volta dos 10 para 1. Pode

ocorrer em qualquer idade, no entanto, aparece

com mais frequência em mulheres jovens

entre 15 e 44 anos. A evolução não é uniforme

e são comuns os períodos de exacerbação e

remissão, algumas vezes com desencadeantes

como: exposição solar, alterações hormonais,

estresse físico e emocional. É uma doença

crônica, incurável e imprevisível, tendo grande

influência na vida dos pacientes, podendo afetar

as emoções e a satisfação com a vida, bem

como a qualidade de vida e prejuízo nas atividades

diárias, além de desencadear ansiedade

e depressão e melancolia 1 . Para a Medicina

Chinesa, toda a doença advém de um desequilíbrio

entre o Yin e o Yang no organismo.

O Lúpus é causado por uma deficiência de Qi

(energia em fluxo), principalmente do Yin do

Rim e pode ser acrescido de um excesso de

calor (Yang) que causa uma intensificação da

patologia. Neste caso, o fator interno une-se

ao externo lesando órgãos e vísceras mais profundos

e provocando uma estagnação na pele

e nos músculos 2 . O tratamento visa a melhorar

a qualidade de vida, a garantir uma sobrevida

maior, a prevenir lesões orgânicas e inclui,

além dos remédios (anti-inflamatórios, protetor

solar, corticoide tópico para pele e hidroxicloroquina),

tratamento psicoterápico, participação

em grupos de apoio social (religiosos)

e acupuntura (para equilibrar o Qi), os quais

parecem estar ajudando muito o tratamento e

melhoria dos sintomas.

1 SANTOS, Lucia Maria de Oliveira; VILAR, Maria José; MAIA, Eulália Maria Chaves. Mulheres

com lúpus eritematoso sistêmico, sintomas depressivos e apoio social. Psic., Saúde &

Doenças, Lisboa, v. 18, n. 1, p. 39-54, abr. 2017. Disponível em:< http://www.scielo.mec.

pt/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1645-00862017000100004&lng=pt&nrm=iso>.

Acesso em: 13 out. 2020.

2 RIBEIRO, C. Lúpus e Medicina chinesa. Acupunturistas.net, [201-]. Disponível em:http://

acupunturista.net/content/article/525/lupus-e-medicina-chinesa/>. Acesso em; 13 out. 2020.

14 Atração_outubro de 2020


Tudo na vida

Tem uma escolha

Tudo na vida

Tem uma opção

Temos o livre arbítrio

Temos o sim e o não.

Conflito

Temos o certo e o errado

Temos o bem e o mal

Temos alegria e a tristeza

A esperança e o desespero

Um conflito interno

Que se não atentar

Nos domina por inteiro.

Temos o amar e o odiar

Temos duas escolhas

Se queremos perdoar

Ou viver amargurado

Jogando a culpa no outro

Impedindo de nos encontrar.

Podemos escolher tudo

A qualquer hora

E em qualquer lugar

Podemos escolher

Quem queremos ser

Bom ou mau

Com sucesso ou com fracasso

Só depende de nós.

Batalhas constantes

São travadas no nosso eu

Se temos forças

Para escolher o negativo

Por que não podemos

Escolher o positivo?

A simplicidade, humildade

Generosidade e a bondade

Tornam tudo mais bonito

Vivemos tempos difíceis

Mas a fé e o amor

Resolvem todos os conflitos.

Célia Mônica A. da Silva

Mestra em Ciências da Educação, escritora

e professora de língua portuguesa.

Membro e presidente da Academia

Japoatãnense de Letras e Artes

Atração_outubro de 2020 15


Por Paiva Neto

Reflexão de Boa Vontade

Não existe futuro

sem moços

Sintonia

com o PAI

Rio de

Janeiro

RJ - BRASIL

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor. paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com

Na Legião da Boa Vontade (LBV), não alimentamos

clima para conflito de gerações.

Pelo contrário: aliamos ao patrimônio da experiência

dos mais velhos a energia dadivosa

dos mais moços. E o povo ganha com isso.

Estamos constantemente recordando

aos jovens que, um dia, também terão cabelos

brancos. Da mesma forma fraternalmente

falamos aos idosos, lembrando-lhes de que já

foram moços... É muito importante não esquecermos

disso...

Os jovens amanhã envelhecerão também...

Se quiserem manter o mesmo espírito

de esperança, a mesma feição juvenil, apesar

das naturais rugas do tempo e dos sempre belos

cabelos brancos, pratiquem o Bem. Não

há outro caminho. É o Espírito que fortalece o

nosso ânimo, que nos concede a beleza eterna

da simpatia. Não há melhor cosmético do que

a consciência tranquila.

Pode parecer um paradoxo. Todavia, o

país que desampara os seus idosos não crê

no futuro da sua mocidade. Que é a nação,

além de seus componentes? Havendo futuro,

os moços envelhecerão. Viverão mais. Irão

aposentar-se... Uma convicção arraigada do

gozo imediato das coisas é a demonstração

da descrença no amanhã. E os que podem

pensam: “Vamos viver agora, antes que tudo

acabe! E os que conseguirem resistir tanto que

se danem...” Não há exagero algum aqui. É o

que se vê. Tem-se a impressão de que muitos

daqueles que desfrutam do vigor da juventude

ignoram a possibilidade de até mesmo alcançar

a decrepitude. Mas poderão chegar lá...

Não existe futuro sem moços. Também não o

há sem velhos. Jovem é aquele que mantém

o ideal no Bem.

16

Atração_outubro de 2020


Negro

Negro que resiste

Negro que luta

Negro que persiste

Negro que tem conduta.

Os negros eram obrigados

A trabalhar sem vontade

Pois o trabalho feito por eles

Não era determinado por idade.

Negro que apanhava

Sem conhecimento e sem noção

Do que na sua frente passava

Por sofrimento e agressão.

Mas um dia ele se revoltou

E aos seus direitos acatou:

Chega de apanhar!

Meus direitos vou recuperar!

E na guerra o negro entrou

Mas já sabia aonde ia acabar:

Num futuro cheio de preconceito

E ele ia ter que lutar.

Bruno Vinícius Santos Pinheiro_Escritor

O jovem tem 12 anos, estuda na Escola Municipal Ivani da Glória

Freire, em Amparo de São Francisco SE, é membro do Projeto

Viajando na Leitura, em Amparo de São Francisco, é

Neoacadêmico da Academia de Letras Estudantil de Japoatã-ALEJ.

17

Atração_agosto de 2020 17


Por Antônio Saracura

Parte 2

O negociante

Frutos de

uma VIDA

Itabaiana

SERGIPE

BRASIL

Romancista, Contista, Cronista e Poeta, Formado em Administração pela Universidade Federal de SE

Membro da Academia Itanbaianense de Letras e da Academia Sergipana de Letras

ARMARINHO TEM-TEM

Tem alegria empacotada

Do livro - Os Curadores de Cobra e de Gente

Fefi tentou o comércio

(Fez uma nova experiência)

Primeiro montou um bar

No que mostrou

competência

Mas foi com um armarinho

Que encontrou o caminho

De sua sobrevivência.

Xxx

Mesmo morando no sítio

Num remoto povoado

O armarinho Tem-Tem

Com seu “apelo” trovado

Permanece renitente

Tão vivo à minha frente

Que nem parece passado.

Jamais eu vou esquecer

A propaganda rimada

Dizendo que o Tem-Tem tinha

Alegria empacotada

E não havia outro canto

Onde se achasse tanto

Brinquedo pra meninada.

Eram macacos de mola

Que pulavam para o céu

Soldados marchando duros

Na direção do quartel

Carrinhos de rolimã...

Bonecas pra minha irmã...

Uma torre de babel.

E para a dona de casa,

Que era mais quem se servia:

Utensílios de costura

E outros de igual valia...

Um mundo de miudeza

De cama, cozinha e mesa

Para usar no dia a dia.

Fefi atendia bem

Seguro na explicação

Sempre um sorriso nos lábios

E afeto no coração.

Mesmo gastando o dinheiro

O freguês ia-se faceiro

Depois do aperto de mão.

E, nas festas de Natal,

Papai Noel gorduchão

Desfilava pelas ruas

Em cima de um caminhão

Fefi jogava os presentes

E os pequeninos contentes

Davam gritos de emoção.

Isaias Marinho

18

Atração_outubro de 2020


Tudo tem uma razão de ser e de acontecer, seja hoje ou

amanhã, mas tudo tem um motivo especial e

preponderante na efetivação de um propósito,

para uns e/ou para outros.

E foi na quarta ANTOLOGIA que tudo de bom aconteceu

no mundo literário de Japoatã/SE. Motivados em apresentar

seus trabalhos e vê-los publicados, três jovens de

Japoatã resolveram entrar para esse mundo da literatura.

Seria a realização de um sonho. E foi, de fato, pois se

concretizou de tal forma que os impulsionou a seguirem

firmes no propósito de se tornarem escritores, na verdadeira

acepção da palavra. Esses jovens podem ser chamados de

BASE para a criação da ALEJ – Academia de Letras

Estudantil de Japoatã –, e é verdade. Eles foram

o início de tudo, e do que ficará para a

história acadêmica desse município.

Ora, molas propulsoras e incentivadoras deles poderão

dizer: “Valeu a pena motivá-los, pois as letras estão e

sempre estiveram no sangue desses pequenos notáveis.”

As professoras Rita Freire, Ana Cledja e Célia Mônica deram

esse impulso, que hoje já conta com as presenças de outras

joias, na área da coordenação, somando-se a esse ideal.

São elas, Adriana Oliveira, Cris Medrade, Ladja Lima e

Silvanete Silva.

E o resultado se encontra a olhos vistos:

são os ESTUDANTES que fazem a ALEJ!

Anne Victória Silva Souza

A Jovem Escritora Anne Victória, estuda na Escola Munic.

ProfªEliete de Melo Guimarães, é membro da Academia de

Letras Estudantil de Japoatã – ALEJ, ocupando a cadeira nº 3

Júlia Santos Gonçalves

A Jovem Escritora Júlia Gonçalves, estuda na Escola Municipal Profª

Eliete de Melo Guimarães, é membro da Academia de Letras

Estudantil de Japoatã – ALEJ, ocupando a cadeira de nº 12

Vítor José Santos Correia

O Jovem Escritor Vítor Correia, estuda no Centro de Excelência

Dom Luciano José Cabral Duarte, é membro da Academia de Letras

Estudantil de Japoatã – ALEJ, ocupando a cadeira de nº 19.

Homenagem dos que fazem a REVISTA ATRAÇÃO aos jovens pioneiros

Atração_outubro de 2020

19


Por Dra. Telma Mª S Machado

Imperfeitos,

mas úteis

Convite à

Reflexão

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

Delegada da ABRAME (Associação brasileira dos Magistrados Espíritas) em Sergipe, Graduada em Ciências Biológicas e em

Direito, Pós-Graduada em Direito Processual Público, Juiza Federal da Seção Judiciária de Sergipe, Mestre em Filosofia,

“Imperfeitos, mas úteis” é o título do capítulo 28 do livro Rumo

certo, de Emmanuel, psicografia de Chico Xavier.

Inúmeras reflexões Emmanuel nos traz com o seu verbo sempre

rico e recheado Professor

de sabedoria.

Na seara espírita, assim como em outras, há os aprendizes que

se utilizam do argumento da imperfeição para sequer iniciar ou para

evadir-se do Gonçalo

trabalho, ora porque a pretensão de não vir a sofrer crítica

é mais forte do que o compromisso com as tarefas, ora porque deseja

ficar apenas Ferreira em nível de teoria, Melo portanto esquivar-se da oportunidade

de servir, não obstante o próprio Mestre tenha nos exortado às tarefas

redentoras ao proclamar que “O Filho do Homem não veio para ser

servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos”

(Mateus 20:28).

A par disso, as assertivas de Emmanuel são um estatuto de advertência

aos que se recusam e aos que desertam do trabalho, sem o

qual não há evolução:

“Busca e acharás” — prometeu nosso Divino Mestre.

Insistamos no esforço e com apoio no esforço alcançaremos a bênção

da realização.

Em todos os lugares somos defrontados por irmãos que se afirmam

inúteis ou demasiado inferiores, e que, por isso, se declaram inabilitados

a servir.

Se ainda perguntas pela ação que te compete na seara do bem,

toma lugar na caravana do serviço, consagrando alma e tempo ao concurso

que lhe possamos prestar, e, sustentando o devido respeito aos missionários

de cúpula no levantamento do Mundo Melhor, abracemos com

alegria os nossos deveres nos alicerces.

Depois dessas ponderações que nos encorajam a não adiar as atividades

relacionadas à construção do Reino de Deus aqui e agora, Emmanuel

passa a indicar os requisitos para que finalmente passemos a

ser cristão com Cristo, ou seja, o cristão que não somente se emociona

com as lições de Jesus, e sim, que as vivencia.

A construção do bem comum é obra de todos.

Todos necessitamos trabalhar no sentido de aprender e construir,

auxiliando os companheiros esclarecidos para que se tornem cada vez mais

fiéis à execução dos compromissos nobilitantes que abraçam: os valorosos

para não descerem ao desânimo; os retos para que não se transviem; os

fracos para que se robusteçam; os tristes para que se consolem; os caídos

para que se reergam; os desequilibrados para que se recomponham; os

grandes devedores, para que descubram a trilha da solução aos problemas

em que se oneram.

Todos nós, espíritos em evolução no Planeta, somos ainda

imperfeitos, mas úteis.

É certo que não nos é lícito alardear virtudes que não temos e nem

fantasiar talentos que nos achamos ainda muito longe de conquistar, mas

todos somos chamados a contribuir no bem geral, porquanto, assim como

o minério bruto se separa da ganga, ao calor de alta tensão, de modo a

converter-se em coluna da civilização e nervo de progresso, também nossa

alma, depurada na forja acesa do serviço ao próximo, transforma-se, a

pouco e pouco, em veículo de amor e canal de sublimação.

Em todos os campos da vida, se esperássemos estar prontos para

iniciar as atividades, nada seria feito, porque estamos em constante

aprendizado. Portanto, uma vez obtido o saber que já nos habilite a

iniciar a caminhada, devemos sair a semear, porque sempre temos

oportunidade.

Sobre aproveitar e criar oportunidades, narram os historiadores

que uma ocasião em que o imperador Alexandre Magno (356-323 a.C.)

estava para conquistar mais um dos tantos reinos que conquistou, um

dos seus generais lhe disse que todos estavam a postos e que assim que

surgisse a oportunidade eles tomariam o território, ao que respondeu

o conquistador: “Alexandre não espera oportunidade, Alexandre faz a

oportunidade”.

Em nosso caso, Deus descortina inúmeras oportunidades, a exemplo

da que tiveram o sacerdote, o levita e o samaritano em relação

ao homem caído na estrada, na parábola narrada por Jesus. Todos

eles poderiam ter aproveitado o ensejo para evoluir através das ações

enobrecedoras, mas os dois primeiros passaram ao largo, não vislumbraram

a oportunidade de crescimento espiritual. No entanto, o samaritano,

por eles tido como herege, não perdeu a chance de subir

mais um degrau da ascensão, anotando-se que ele estava de viagem

nessa estrada de “descida de Jerusalém a Jericó”, portanto não descia,

conforme narra o Evangelho em relação ao homem caído, ao sacerdote

e ao levita, o que denota, analisada a parábola do ponto de vista

metafórico, maior elevação do patamar evolutivo do samaritano; ele

não estava ali por conta da queda do seu padrão vibracional, mas sim

porque aqueles que se elevam espiritualmente continuamente viajam

para outras esferas para ajudar a erguer os que ficaram na “baixada”.

Esse é o movimento a ser empreendido: elevar-se sem esquecer

dos que se atrasam na jornada e retornar em ajuda sem esquecer os

ensinamentos do cimo.

20

Atração_outubro de 2020


Vânia

Bandeira

Maria Vania Bandeira de Matos

Casada, nasceu em Fortaleza-CE.

De registro maranhense, criou-se no Pará, às

margens do Rio Tapajós em Itaituba. Bacharel

em Serviço Social, com textos em diversas

Antologias e Revista Litera

Livre Online. Mãe de Luana e Malu Bandeira.

Mil oitocentos e quatro

Mês de outubro, dia três,

Em Lyon a luz se fez

Com todo o seu esplendor

Veio Hippolyte Léon

Denizard Rivail:

Allan Kardec! E serviu

Ao Vero Consolador!

Um Gênio com "G" maiúsculo

Foi pedagogo francês

Que no seu pensar nos fez

Gestar o infinito amor

Pesquisou, questionou,

Viveu com tanto heroísmo

Que nos trouxe o Espiritismo

O Vero Consolador!

Não foi um dos Bonapartes

Não foi rei, nem general,

Da sua obra magistral

Não quis sequer ser o autor

E se codinomeou

Com um nome seu do passado

É de Deus o filho amado

Pois trouxe o Consolador!

Trouxe a Doutrina da Luz

Que ampara, ajuda e consola

Toda dor que ao mundo assola

Mostrou das Leis todo o leque

Na humildade este gigante

Foi bom senso e foi amor

Foi da Terra um Benfeitor

Nascimento de

Hipolyte Léon Denizard Rivail

ATÔNITA! Diante uma cena de violência contra a mulher, logo ali, no ponto de

ônibus próximo... O ônibus parou, subiu um cidadão jovem, forte e cheio de autonomia:

“Desça! Eu mandei descer! Desce, senão eu te mato!” Passageiros apavorados,

mas em total silêncio. O indivíduo, ameaçando-a de morte, puxava pelo braço

Parabéns, ALLAN KARDEC

aquela mulher, dando-lhe tapas e murros na cabeça e no rosto. Ela, com voz trêmula:

“Calma, calma, fala direito comigo!” Desceu do ônibus, cobrindo o rosto, a chorar em

silêncio, segurando a mãozinha da criança que a acompanhava, ainda a levar tapas e

puxões de cabelo, quase a cair no meio da rua de paralelepípedos.

Eu segui meu caminho naquele ônibus, coração apertado, apenas pensando:

Como agir?

Atração_outubro de 2020 21


Por Euza Missano

Filhos da

Eternidade

Vivências

e Escolhas

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

Palestrante Espírita, Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa do Evangelho (NEPE) - Bittencourt Sampaio

Há ainda um grande mistério nas mentes desatentas,

especialmente sobre qual caminho devemos seguir diante

dos impedimentos impostos pelas circunstâncias experenciadas.

Ainda trazemos atavismos claros que insistem em desabrochar

em momentos de graves transtornos, perturbando a

decisão consciencial na tomada de direção necessária.

O pensamento constitui, certamente, o quadro transportado

por nós, por meio de nossas emoções, em cérebro

ainda em conflito com as razões de um sentimento que insiste

em nos trazer à verdade libertadora. Quando Jesus ensina

a Hanã, sacerdote, sogro de Caifás, que para o processo

de conversão humana são necessários apenas dois elementos:

o mármore do sentimento e o cinzel da boa vontade

sincera, relembra que podemos movimentar o nosso mundo

interior, transformando a face das circunstâncias externas

que nos são apresentadas como desafios.

Estamos vivenciando íntimo movimento transformador

em atraso, por isso, eventos externos nos conclamam

ao realinhamento eficaz, apontando novos caminhos e perspectivas

diferenciadas, e a nossa obediência importa em

seguirmos a marcha, sem atavismos e sem dogmas flamejantes,

mas apenas procurando educar a simplicidade do

olho e compreender que a grandiosidade do amor de Deus

faz, de tempos em tempos, soar os clarins da mudança, fazendo-nos

convites repetidos.

Lembremos, entretanto, que o Reino de Deus “não

será concretizado na Terra, através de atitudes extremistas”,

como nos ensina Emmanuel, in “Vinha de Luz”, Lição 176,

porque Jesus respeita o nosso caminhar, tanto que, com seu

amor, perguntava a cada candidato ao discipulado se desejava

mesmo ser curado, sendo necessário o consentimento

do coração para a verdadeira transformação interior. Nada

se perde, tudo se renova no trabalho de garimpo íntimo,

basta seguirmos o exemplo dos “faiscadores”, selecionando

as pepitas na exposição à luz.

Quando lembramos das advertências do nosso Guia

e Modelo, sentimos que estamos recebendo o tesouro para

decifrarmos os enigmas da cripta misteriosa do coração, mas

sem culpa, descobrimos que Ele nos quer em direção vertical

tal qual nós somos, despidos de verniz que esconde as

marcas dos escombros. Ele nos espera de forma integral, em

personalidade e sobretudo em individualidade, tanto que,

em “Jesus no Lar”, obra de Neio Lúcio, pela psicografia de

Chico Xavier, na lição número 3, quando Sara, esposa de

Benjamim, pergunta sobre amor e perdão com sinceridade

e devoção, aduzindo que a sua pequenez não conseguia alcançar,

Jesus explica e afaga os cabelos daquela mulher.

Uma atitude importante e repleta de significado: a

uma porque ela era uma Mulher e, à época, a atitude corajosa

do Mestre nos ensina o respeito profundo pelo espírito em

ação, sem qualquer ingerência de gênero; a duas porque,

ao afagar os cabelos de Sara, Jesus, em reconhecimento ao

saber de que Deus, em seu amor, de quantos fios de cabelo

existem na nossa cabeça, simbolicamente, no afago fraterno,

exemplifica-nos que compreende as razões das dúvidas de

Sara e as intenções reais de mudança, acolhendo-a em suas

imperfeições, pois vislumbra a eternidade do anjo presente.

Somente um coração purificado e totalmente limpo

de sujidades compreenderá a grandiosidade das explicações

de Jesus e o respeito que possui por cada uma das criaturas

sob sua governança; todos somos ovelhas de um grande rebanho,

em breve conheceremos a voz do Pastor. E a intimidade

com os seus passos na lide existencial nos conduzirá a

um único propósito: libertarmos as consciências e escalarmos

a montanha da pureza de coração, pois essa é a fórmula

apresentada por Jesus para vermos a Deus, conhecendo o

Amor, como filhos da eternidade que somos.

No final, não haverá perdimento, todas as ovelhas estarão

com o Pastor e, como no Salmo 23, fazendo parte de

um só rebanho, Ele nos conduzirá em “verdes pastos”, guiando-nos

pelas veredas novas da justiça, sempre por amor a

Seu nome.

“Não temerei mal algum porque Tu estás comigo.”

22 Atração_outubro de 2020


Atração_outubro de 2020 23


Por Silvan Aragão

Encarnar é Morrer

e Desencarnar

é Viver

Palavras do

Mestre

JESUS

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

Formado em Administração. Funcionário aposentado do Banco Brasil. Maricultor.

Membro do Núcleo de Estudo e Pesquisa do Evangelho (NEPE) - Bittencourt Sampaio

Referindo-se ao filósofo judeu Fílon, contemporâneo

de Jesus, Ismael Armond, no capítulo IV de

O Cristianismo Primitivo, escreveu:

Considerava ele a vida espiritual como sendo

a verdadeira vida; referia-se à existência de duas formas

de morte: a morte do corpo e a morte da alma.

A morte da alma ocorreria quando ela é aprisionada

no corpo, ou melhor, vivendo no corpo como em um

túmulo. Seria para nós a encarnação. Por sua vez,

a morte do corpo ocorreria com a ressurreição da

alma; ressurreição ou renascimento espiritual e não

físico, não da carne como esperada e interpretada

pelos próprios judeus e posteriormente pelos cristãos

ortodoxos, os Católicos1.

Tal pensamento de Fílon guarda perfeita harmonia

com o conhecimento espírita, pois sabemos

o quanto o corpo físico é limitante para a alma (Espírito

encarnado), ao ponto de ser comparado com a

gaiola para o passarinho.

Conforme consta do Capítulo 2 do livro de

Gênesis da Bíblia de Jerusalém , (8) “Iahweh Deus

plantou um jardim em Éden...”; (9) “...e a árvore da

vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento

do bem e do mal.”; (16, 17) “E Iahwed Deus deu ao

homem este mandamento: ‘Podes comer de todas as

árvores do jardim. Mas da árvore do conhecimento

do bem e do mal não comerás, porque no dia em

que dela comeres terás que morrer’.”

Na simbologia bíblica, comer do fruto daquela

árvore significa querer ser Deus. Mas Adão e Eva o

comeram e foram condenados ao sofrimento (3: 16-

19): “Multiplicarei as dores de tuas gravidezes... Com

o suor de teu rosto comerás teu pão até que retornes

ao solo, pois dele foste tirado. Pois tu és pó e ao pó

tornarás.” O molde do corpo de Adão foi feito de

terra.

Na resposta que os Espíritos deram a Kardec à

questão 132 de O Livro dos Espíritos, a encarnação

dos Espíritos é imposta (portanto é uma sentença)

por Deus para que eles cheguem à perfeição, através

das vicissitudes da existência corporal. Informação,

inclusive, corroborada pela resposta da questão 167

da mesma obra.

O ser humano, terreno rejeitou o projeto de

Deus, feito para a felicidade dele com o Pai ao centro,

um projeto de vida (sem encarnação, como vivem os

Espíritos Puros), e colocou no lugar um programa em

que ele, o homem, estava no centro, no comando

e, por isso, foi condenado a morrer, à encarnação,

para se depurar até retornar a Deus na condição de

Espírito Puro, dispensado das reencarnações, ou seja,

das mortes, conforme o pensamento de Fílon. Para

redimi-lo, Deus lhe enviou um novo molde, ou melhor,

um modelo de homem espiritual, não mais terreno:

Jesus. E esse Guia o orienta a arrepender-se (do

projeto da serpente), porque o Reino de Deus (não

mais o reinado dos humanos – o mundo de provas e

expiações) está próximo (o mundo ditoso).

Simples assim. Porém, profundo.

1 ARMOND, I. O Cristianismo Primitivo.1. ed. São Paulo: Aliança, 2004, p. 37.

24 Atração_outubro de 2020


Atração_outubro de 2020 25


Por Said Pontes de Albuquerque

La Falo

de la Baroj

TRADUÇÃO desse texto, VIDE página 27 (seguinte), dentro da faixa VERDE.

Falando

em

Esperanto

B. Horizonte

MINAS GERAIS

BRASIL

Servidor aposentado da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais.

Antes de trabalhar nessa instituição, era Professor licenciado em Física. É associado à União Espirita Mineira,

que conheceu em 1975, quando iniciou os primeiros estudos de Esperanto.

Zamenhof estis profunda konanto de lingvoj, inter ili

la greka kaj latina. Tio tamen ne estis lia cefa stimulo por

krei Esperanton. Al li estis tre grava la sento de universaleco

kaj la inklino transpasi la barojn kiuj limigas la homojn

kaj al ili malfaciligas la komprenon pri aparteneco al unu

sola homa familio.

Lau Edmond Privat, en la verko "La Vivo de Zamenhof",

kiam la Majstro eniris sur la scenejo de la unua

Kongreso de Esperanto (1905), en la franca urbo Bulonjosur-Maro,

"cio jam flugis au svingigis, manoj, capoj, tukoj,

en duonhora aklamado..." Ce lia ekparolo, cesis bruado,

ciuj residigis, kaj tra silento sonis liaj vortoj:

"... ni ciuj staras sur fundamento neutrala, ni ciuj estas

plene egalrajtaj; ni ciuj sentas nin kiel membroj de unu

nacio, kiel membroj de unu familio; kaj la unuan fojon en

la homa historio ni, membroj de la plej malsamaj popoloj

staras unu apud la alia ne kiel fremduloj, ne kiel konkurantoj,

sed kiel fratoj, kiuj, ne altrudante unu al alia sian lingvon,

komprenas sin reciproke..."

Li finis sian paroladon per prego, laste dirante:

(...)

Ni inter popoloj la murojn detruos,

Kaj ili ekkrakos, kaj ili ekbruos

Kaj falos por ciam, kaj amo kaj vero

Ekregos sur tero."

Tian sintenon li tenis la tutan vivon.

Nuntempe, kvankam postrestas generala nekonateco

pri la rolo de la internacia helplinvo, la homan

interligitecon jam faciligas la teknologio, la komercaj kaj

financaj sistemoj, la komunik-rimedoj kaj, super cio, la

reganta Interneto. Starigis tre gravaj mondaj institucioj

kiel Unuigintaj Nacioj kaj la organizajo Kuracistoj sen Limoj.

Tamen, la homoj ne samnivele guas egalecon,

liberecon kaj fratecon. Al multaj malfacilas vivtenado kaj

garantio de la rajtoj je nutrado, logado, laborado kaj

monrimedoj. Ankorau vastas antaujugoj kaj diskriminacioj

pro malsameco de raso, sekso, religio kaj politika ideologio.

Novan komprenon ni do devas havi pri la vortoj Zamenhofaj

el la poemo "La Espero":

(...)

Sed dissaltos la obstinaj baroj,

Per la sankta amo disbatitaj.

La Homaro ankorau ne uzas neutralan internacian

lingvon. Urgas efektiva plurdimensia agado por protekti

la surteran vivon.

La esperantistoj principe jam ekpasis sur la gusta

vojo. Tion konfirmis la sukcesa Monda Esperanto-Kongreso

(virtuala), realigita en augusto, al kiu aligis cirkau

1.900 esperantistoj, kiuj povis partopreni centojn da vidbabilejoj.

Al ili UEA1 ellaboris la Gvidilo al la 17 celoj por

Dauripova Evoluigo de Unuigintaj Nacioj, lau la Agendo

2030 (aprobita de UN en Parizo, 2015). Tiu esearo profunde

ekzamenas la celojn kaj koncernajn defiojn, kaj

proponas agadojn cele al pli bona mondo.

Cu ni estas preparitaj sekvi tian vojon jam de

longe antauviditan de Zamenhof?

1 Universala Esperanto-Asocio, grava organizajo de la Esperanta movado, starigita en Roterdamo,

Nederlando.

Vide tradução na PÁGINA 27 (no quadro verde) A QUEDA DAS BARREIRAS

26 Atração_outubro de 2020


A Queda

das Barreiras

Zamenhof era profundo conhecedor de línguas,

entre elas o Grego e o Latim. Isso, porém, não foi o

principal estímulo para a criação do Esperanto. Para ele

era muito importante o sentimento de universalidade e

a inclinação para ultrapassar as barreiras que limitam os

homens e dificultam para eles a compreensão de pertencimento

a uma mesma família humana.

Segundo Edmond Privat, na obra "A Vida

de Zamenhof", quando o Mestre entrou no cenário do

primeiro Congresso de Esperanto (1905), na cidade

francesa Bolonha do Mar, "tudo voava ou balançava no

ar: mãos, boinas, lenços, em aclamação prolongada..."

Ao iniciar sua fala, cessou o barulho. Todos tornaram a

sentar-se. Em silêncio foram ouvidas suas palavras:

"... achamo-nos todos sobre a base da neutralidade,

e todos temos direitos completamente iguais;

todos nos sentimos cidadãos de uma só nação, como

membros de uma só família; e, pela primeira vez na

história da humanidade, nós, componentes dos mais

diversos povos, estamos um ao lado do outro, não

como estrangeiros, nem como concorrentes, mas como

irmãos, que, sem imporem uns aos outros sua língua,

compreendem-se reciprocamente, ..."

Ele terminou sua fala com uma prece, dizendo

ao final.

(...)

Por entre os povos as barreiras destruiremos,

E elas rugirão, e elas farão barulho

E cairão para sempre, e o amor e a verdade

Começarão a reinar sobre a terra."

Essa postura Zamenhof manteve em toda a

sua vida.

Atualmente, embora predomine um

desconhecimento geral da língua auxiliar internacional,

as interrelações humanas estão facilitada pela tecnologia,

pelos sistemas comerciais e financeiros, pelos meios

de comunição e, sobretudo, pelo domínio da Internet.

Foram criadas instituições mundiais muito importantes

como as Nações Unidas e a organização Médicos sem

Fronteiras.

Contudo, os homens não são beneficiados

em mesmo nível pela igualdade, pela liberdade e pela

fraternidade. Grande parte deles encontram dificuldades

para a subsistência, para a garantia dos direitos

à alimentação, à moradia, ao trabalho e aos recursos

financeiros. Ainda continuam a existir os preconceitos e

discriminações por causa da desigualdade de raça, sexo,

religião e ideologia política.

Nova compreensão, portanto, devemos ter

sobre as palavras de Zamenhof oriundas do poema "A

Esperança":

(...)

Mas se romperão as persistentes barreiras,

Pelo santo amor derrubadas.

A humanidade ainda não usa uma língua

neutra internacional. É urgente um esforço efetivo e integrado

para a proteção da vida terrestre.

Os esperantistas em princípio já iniciaram a

jornada no caminho correto. Uma confirmação disso foi

o exitoso Congresso Mundial de Esperanto (virtual), realizado

em agosto, que teve a adesão de cerca de 1.900

esperantistas, os quais puderam participar de centenas

de vídeo-conferências (lives). Para eles, a UEA (Associação

Universal de Esperanto) elaborou o Guia para as

17 metas do Desenvolvimento Sustentável das Nações

Unidas, de acordo com a Agenda 2030 (aprovada pela

ONU em Paris, 2015). Esse conjunto de ensaios aborda

profundamente as metas e os desafios correspondentes,

e propõe ações para um mundo melhor.

Será que estamos preparados para seguir

esse caminho já há muito tempo antevisto por Zamenhof?

Said Pontes de Albuquerque

ESTIMADOS ESPERANTISTAS

Estão convidados a participarem do

congresso virtual 2020, que ocorrerá no

sábado 21 e domingo 22 de novembro de 2020.

O formulário de inscrição está em:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfwj1GU8pW7bx9jQlzELNwqcoE3

1BcACROAThW2PhGP9aU5rQ/viewform?vc=0&c=0&w=1&flr=0

Na página online

https://sites.google.com/site/esperantoargentinaorg/ encontrará todas as

informações de que necessita para participar neste evento.

Também em

http://esperantoargentino.weebly.com/

encontrará toda a informação da Liga Argentina de Esperanto,

atualizada até 2020.

Aguardamos vocês!

Atração_outubro de 2020 27


Por Domingos Pascoal

Sentido

para a VIDA

O antiexemplo

Aracaju

SERGIPE

BRASIL

Formado em Filosofia e Ciências Jurídicas e pós-graduado em Gestão de Pessoas, Advogado, Jornalista e ocupante

da cadeira nº 17 da Academia Sergipana de Letras. Membro da Associação Cearense de Escritores - ACE

Encontrava-me na fila de caixa de um banco

para efetuar um pagamento.

Logo depois de mim, havia um garotinho

de mais ou menos dez anos. Eu era o segundo

a ser atendido e ele, naturalmente, o terceiro.

Olhei para o lado e deparei-me com uma garrafa

de café sobre uma pequena geladeira. Dei

três passos à direita para pegar um cafezinho.

Quando voltei, percebi que o jovem me havia

tomado a vaga. Fiquei tranquilo, imaginando,

é criança, e crianças são assim mesmo. Ofereci-lhe

café, recebi em troca uma cara feia,

como quem diz: “quem te deu a liberdade de

se dirigir a mim?”.

No mesmo instante, aquela criaturinha se

dirige à sua mãe, que a tudo acompanhava

confortavelmente sentada numa cadeira, logo

atrás e, quase gritando, disse: “vem logo, só

falta um”. Disse e, desafiadoramente, encarou-me

novamente.

Entendi. - “Vem logo?!” - Deu para mensurar

quão saudável e respeitoso é o tratamento

entre eles. Ficou fácil entender porque a mulher

não fez nada para ajudar aquela criança.

Ela, salvo melhor juízo, deveria ter interferido

avisando que a vez era minha e que aquilo que

o garoto estava fazendo não era certo. Que e-

xistem direitos a ser respeitados, que tivesse

um pouco de calma, afinal, não faltava muito,

eles seriam os próximos a ser atendidos. Mas

não. Ela corroborou aquela falta de respeito

e de educação do seu filho. Com isso deixou

claro que ele estava certo, pois não só aprovou,

mas ainda o incentivou.

Tive um pouco de saudade do tempo da

minha infância quando tratávamos a todos

com respeito, sobretudo, os pais, os professores

e os mais velhos, enfim. Hoje está tudo

diferente. Tomar o lugar, usurpar, enganar,

desrespeitar, levar vantagem, ser esperto, passar

por cima dos direitos alheios, parece ser

uma virtude. Ah, que saudade!

Mas, em vez de ficar zangado com a deselegante

atitude daquela criança, tive pena.

Compadeci-me dela e das pessoas que têm

a infelicidade de conviver com ela, pois senti

que, a sua família, pelo menos a sua mãe,

ali presente, não lhe fornecia parâmetros

para uma boa convivência, presente e, muito

menos, futura.

A nossa existência é implacável. O tempo

passa, a roda da vida gira, a criança de

hoje será o homem de amanhã. No presente,

é possível tolerar que um menino lhe tome,

acintosamente, com o aval da mãe, a sua vaga

numa fila de banco. Amanhã, quando homem

feito, dependendo do que vier a fazer, se

sentirá sempre à vontade para invadir o direito

do outro. Mas, aí, as situações são outras

também. As “filas” têm outras representações

e dimensões, envolvem pessoas, valores e situações

diferentes e nem sempre haverá gente e

instituições dispostas a aceitar, pacificamente,

tais invasões. A lei que rege a vida adulta não

é a mesma. Aqui ainda há a complacência,

lá impera a lei, a repreensão, a punição. O

mundo do adulto é implacável com tais comportamentos.

Ele sempre cobra. E cobra caro.

Certamente haverá alguém que não vai tolerar

tais pilhagens e reagirá, usando, logicamente,

as armas convenientes. E o pior é que lá nem

sempre haverá a mamãe por perto.

28 Atração_outubro de 2020


Atração_outubro de 2020 29


RitaFreire

Locutora

CrisMedrade

Repórter

EmillyBarreto

Momento de Luz em

Conexão com Deus

30 Atração_outubro de 2020

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!