#02 Revista Visagismo Novembro 2020

FabioRitter

A Revista Digital VISAGISMO é a primeira revista especializada em visagismo do mercado e visa contribuir com cientificidade no crescimento do Visagismo nacional e internacional.

A revista será editada online, terá periodicidade bimestral, usará como língua de trabalho o português, desenvolvendo uma perspectiva cosmopolita e interdisciplinar.

Outra novidade importante é que a publicação está num site responsivo. Isso quer dizer que ela pode ser visualizada não apenas em computadores, mas também em tablets e celulares.

O fundador e proprietário Prof. Me. pela PUC-SP Fábio Ritter é apoiado pelos órgãos editoriais reguladores.

A Edição nº 2 de novembro trás como capa a relação do visagismo e as harmonizações orofaciais.
Colaboração
Adriana Wild e Luciana Brandão

VISAGISMO

WWW.FABIORITTER.COM

Revista Digital

Bimestral

Visagismo

na sétima

arte

mercado de trabalho

Cores

e a ciência

Harmoni

Edição 2

Novembro 2020

zação

ou padronização orofacial?


Índice

Nota do Editor, pág. 3

Conheça nossa segunda edição

Harmonização ou Padronização Facial? pág. 4

Matéria da capa

Visagismo Acadêmico na Sétima Arte, pág.6

Mercado de trabalho

Cores e a Ciência, pág. 8

Artigo do mês

Transição Capilar, pág. 10

No salão

Filme Sobre a Vida de Vidal Sassoon, pág. 11

Cultura

Eventos, pág. 12

Próximos eventos

Referências, pág. 13

Referêncial bibliográfico

0 2 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Nota do Editor

"Visagismo sem cientificidade não é visagismo

acadêmico" .

A segunda edição da revista digital

Visagismo expõe a massificação da

harmonização orofacial sob a perspectiva do

visagismo acadêmico.

Em nossa segunda edição o artigo dissertará

sobre as cores e a ciência.

Uma boa leitura,

Fabio Ritter

Colaboradoras de Novembro

Adriana Wild é graduada em Farmácia, especialista em

Cosmetologia pela Universidade Federal de Minas Gerais, pós

graduada em visagismo pela Universidade Estácio. Proprietária da

BarberShop754 em Nova Lima, Minas Gerais.

@dricawild

@barbershop754

Luciana Brandão é graduada em Visagismo e Terapia Capilar pela

Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo. Atua no salão

Clinicas dos Cachos na cidade de São Paulo.

@clinicadoscachos

@eulubrandao.curly

0 3 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Harmonização ou

Padronização Orofacial

P o r A d r i a n a W i l d e F a b i o R i t t e r

A percepção do que é belo ao longo da

história, sempre foi compreendida como

uma questão subjetiva e individual, com

sua representação influenciada por

valores culturais e necessidade da

aceitação social.

Atualmente, a harmonização orofacial

realizada pelos dentistas vem crescendo

exponencialmente. Diversas técnicas

contemplam essa lista de procedimentos,

entre elas a aplicação de toxina botulínica;

preenchimentos faciais; lifting facial e etc.

principal material utilizado atualmente é o

ácido hialurônico.

Naturalmente, o ácido hialurônico é um

componente intercelular endógeno de

nossos tecidos. Sinteticamente, é usado

na reabilitação e medicina estética.

Na técnica de

preenchimento facial, o

0 4 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Nesse cenário, muitos profissionais têm

realizado procedimentos com o objetivo

de harmonizar lábios, narizes e faces

como um todo, o que precisa ser

analisado à luz do visagismo acadêmico, o

qual tem por objetivo personalizar

imagens e não padronizá-las como

podemos notar diariamente em

publicações relacionadas a perspectiva

orofacial.

Confirmamos o que foi mencionado acima

desfrutando de imagens compartilhadas

pelos profissionais e pacientes em suas

mídias após as intervenções.

Várias complicações foram notificadas nos

últimos meses incluindo a formação de

marcas, necrose e principalmente a

"desarmonização" facial, levando esses

pacientes a retirada dos produtos em

casos extremos.

A função do visagismo acadêmico é

indagar a estes profissionais se ao realizar

as técnicas de harmonização orofacial eles

reconhecem e utilizam os conceitos

teóricos e métodos do visagismo

acadêmico, que através de mensurações e

proporções matemáticas da face

personalizam rostos e imagens.

0 5 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Visagismo Acadêmico na

Sétima Arte

P o r F a b i o R i t t e r

Assistindo a um filme ou a uma série,

aprendemos a ver o mundo de outra

forma, na tela a história é contada não

apenas por meio de palavras, mas

também por imagens, sons e outros

recursos que às vezes nem são percebidos

conscientemente pelo espectador, mas

que estão ali, colaborando para despertar

interpretações e emoções.

Sentados diante de uma aventura, um

romance ou uma comédia, exercitamos

mais os sentidos do que imaginamos.

Na telinha, o verbal combina-se com o

visual e, nessa perspectiva, muitos

elementos podem servir de suporte para a

produção da narrativa, como as cores,

linhas e texturas utilizadas no

personagem, no cabelo, na maquiagem e

no próprio cenário.

Descobrir esses elementos e analisá-los

faz com que o público aprenda a ler

imagens. Ver um filme ou uma série é

uma experiência estética, é encontrar e

interpretar os elementos e as mensagens

inseridas contidas na produção.

0 6 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


O visagismo acadêmico que tem como

objetivo o estudo e a criação de imagens

personalizadas auxilia qualitativamente a

elaboração e a leitura destes símbolos.

mesmo quais as linhas e cartelas de cores

do vestuário, cabelo e maquiagem de uma

princesa para que o público a interprete

como tal.

Como existem filmes e filmes, o

profissional visagista acadêmico pode

integrar a equipe promovendo a

construção imagética total dos

personagens envolvidos na trama,

definindo como será o projeto imagético

de um herói, de um vilão ou até

Agora que você reconhece mais uma área

de atuação do profissional visagista

acadêmico conheça a atriz Tatiana

Gabriele Maslany da premiada série

Orphan Black da Netflix, onde interpreta

diferentes personagens.

0 7 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


As Cores e a Ciência

P o r F a b i o R i t t e r

Cor é percepção. Nossos olhos veem algo

(o sol, por exemplo), e os dados enviados

de nossos olhos para o cérebro nos dizem

que é uma determinada cor (amarelo). Os

objetos refletem a luz em diferentes

combinações de comprimentos de onda.

Nosso cérebro capta essas combinações e

comprimentos das ondas e as traduzem

no fenômeno que chamamos de cor, um

item importantíssimo na imagem pessoal.

Por que a cor é tão complicada?

A cor não é inerente aos objetos - nossos

olhos só percebem a cor na luz refletida.

Este fato revela algumas das principais

complicações de cor e luz, uma vez que a

luz irá variar dependendo na superfície

que o reflete. E nossa percepção física e

interpretação da luz varia de pessoa para

pessoa. Em suma, a percepção da luz e da

cor é subjetiva, não absoluta.

0 8 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Interpretando a cor

Como interpretamos e entendemos a cor

envolve o olho e o cérebro humano, que

traduz a luz em percepção de cores e

mensagens.

Conheça alguns fatos sobre as cores e a

ciência:

Como as pessoas têm diferentes

porcentagens de vermelho, verdes e

azuis nos cones, elas podem perceber

a cor ligeiramente diferente.

A retina é constituída por três tipos de

camadas: os neurônios bipolares, os

neurônios ganglionares e as células

fotossensíveis.

A retina também apresenta uma grande

quantidade de melanina, um pigmento

escuro cuja função é impedir a reflexão da

luz no globo ocular, através da absorção

dos raios luminosos que atravessam. A

imagem microscópica abaixo pertence a

Universidade de Stanford e amplia a

retina humana em 400x.

Diferenças culturais e preferências

pessoais afetam a percepção das

cores.

A percepção da luz muda com o

envelhecimento da estrutura

morfológica da visão.

A retina

É o revestimento mais interno do olho,

composta por milhares de células

sensíveis à luz, possui uma parte interna

de tecido nervoso e uma externa

pigmentada. Detém um papel

fundamental na formação de imagens,

que serão projetas e depois enviadas para

o cérebro, através de impulsos elétricos.

0 9 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


Transição Capilar

P o r L u c i a n a B r a n d ã o

Todos os dias nos deparamos com

homens e mulheres aderindo suas raízes

naturais capilares, por meio da transição

capilar (técnica que corta a parte do

cabelo quimicamente processado aos

poucos) ou pelo big chop (técnica que

corta toda a química do cabelo).

Na maioria das vezes, durante esse

processo o fato de manter ou não o

cabelo quimicamente tratado não significa

que o indivíduo não admire seu cabelo,

muitas vezes ele é motivado e inspirado

pelo contexto sociocultural, o que é

confirmado pelos profissionais

naturalistas e consultores de imagem para

o público em questão, o que era

absolutamente raro alguns anos atrás.

Historicamente os cabelos crespos e

cacheados foram tratados como um

estigma social.

Assumir a naturalidade capilar quebrando

o tabu do cabelo cacheado e crespo

certamente não é passageira e sim

evolutiva.

O visagismo acadêmico se alicerça dentro

do contexto da harmonização

personalizada e específica atuando lado a

lado dos profissionais com formação

acadêmica no processo de transição

capilar.

1 0 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


O Filme de

Vidal Sassoon

O filme retrata a história de Vidal Sassoon

que foi mais do que apenas um

cabeleireiro. Ele foi uma estrela, um

artista que "mudou o mundo com uma

tesoura".

Sassoon nasceu em Londres, em 1928, e

começou sua carreira como assistente,

aos 14 anos. Foi pioneiro na década de

1960 aos popularizar os penteados

geométricos inspirados na escola de

Bauhaus.

O filme termina quando Vidal recebeu o

maior premio da honraria profissional das

mãos da Rainha Elizabeth.

1 1 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


AGENDA

EVENTOS

Curso Online Visagismo

Método RAV por Fabio Ritter

Curso online ao vivo ministrado por Fabio

Ritter

Instituto Claudia Piantini

www.claudiapiantini.com.br

Confira os cursos oferecidos por Claudia

Piantini e sua equipe.

Vestibular Universidade Anhembi Morumbi

Estética e Cosmética Com Ênfase em

Visagismo e Terapia Capilar (Tecnólogo)

Estética e Cosmética Com Ênfase em

Maquiagem Profissional (Tecnólogo)

Estética

E-mail

revistavisagismo@gmail.com

Site

www.fabioritter.com

1 2 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


REFERENCIAL

NOVEMBRO

Bibliografia

Referencial teórico do texto da página 4 e 5 - Iliev, G. (2016). Personalized digital smile design for predictable

aesthetic results. Balkan Journal of Dental Medicine, 20(3),172-177.

Referencial teórico do texto da página 6 e 7 - www.carreirabeauty.com/visagismo-na-setima-arte.

Referencial teórico do artigo científico da página 8 e 9 - National Eye Institute (NEI), Facts About Color

Blindness.

Referencial teórico do texto da página 10

sociais.

- MARTINS, José de Souza; O imaginário e o poético nas ciências

Referencial teórico do texto da página 11 - https://www.nytimes.com/movies/11vidal

1 3 | V I S A G I S M O • N O V E M B R O 2 0 2 0


PRÓXIMA EDIÇÃO

JANEIRO

Agradecimento

Caro leitor, tenho você em conta e alta

estima. Sei que as possibilidades da

rede são imensas, e tê-lo como leitor,

como leitora é muito especial. Sei que

do outro lado, à frente do monitor, não

há um robô, uma máquina, mas sim um

ser humano. Agradeço por me

privilegiar caros leitores, anônimo ou

não, amigo virtual ou real, colegas e exalunos

e claro meus familiares, sem

vocês não haveria porque idealizar este

projeto, nem porque dedicar boa parte

da minha vida a pesquisa e a leitura.

Tenho sorte em tê-los comigo!

Até a próxima edição.

Fabio Ritter

More magazines by this user
Similar magazines