Revista Newslab Edição 163

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 163 - Dezembro/Janeiro 2021

R$ 25,00


evista

Editorial

Ano 28 - Edição 163 - Dez/Jan 2021

Prezado leitor,

Espero que suas forças e esperanças estejam renovadas para este novo ano.

Um ano que promete a solução para algumas problemáticas de saúde que continuamos enfrentando.

Com grande satisfação, informo a vocês que já somos mais de meio milhão de leitores digitais e que ultrapassamos a

marca de um milhão de acessos ao nosso site no ano de 2020. Certamente atingiremos a marca de um milhão de contas

alcançadas nas redes sociais em breve.

Com muito ainda para ser explorado e publicado sobre o novo coronavírus e toda sua passagem avassaladora pelo

mundo, nesta edição vocês encontrarão um artigo sobre o que podemos encontrar nos pacientes infectados pelo Sars-

CoV-2 em seu quadro de diagnóstico laboratorial.

Abordaremos também sobre o perfil epidemiológico de crianças e adolescentes acometidos pela leucemia em Recife e

a soroprevalência da hepatite B em crianças.

Contamos ainda com o excelente conteúdo dos nossos colunistas trazendo o que há de melhor e mais atualizado no

vasto mundo da medicina diagnóstica.

Confiantes nos resultados sobre a vacinação no mundo, seguimos preparando o que há de melhor para mantê-los

informados através da nossa multiplataforma digital de comunicação integrada.

Não deixe de visitar nosso site e de nos seguir nas redes sociais, mantenha-se atualizado!

Com votos de um excelente ano para todos, desejo-lhes uma ótima leitura!

Luciene Almeida

Para novidades na área de diagnóstico e pesquisa,

acessem nossas redes sociais:

/revistanewslab

/revistanewslab

Ano 28 - Edição 163 - Dez/Jan

Newslab Editora Eireli - Revista NewsLab

Av. Nove de Julho, 3.229 - Cj. 1110 - 01407-000 - São Paulo - SP

Tel.: (11) 3900-2390 - www.newslab.com.br - revista@newslab.com.br

CNPJ.: 35.678.385/0001-25 - Insc. Est.: 128.209.420.119 - ISSN 0104 - 8384

/revistanewslab

@revista_newslab

EXPEDIENTE

Realização: NEWSLAB EDITORA EIRELI

Conselho Editorial: Sylvain Kernbaum | revista@revistaanalytica.com.br

Jornalista Responsável: Luciene Almeida | redacao@newslab.com.br

Assinaturas: Daniela Faria (11) 98357-9843 | assinatura@newslab.com.br

Comercial: João Domingues (11) 98357-9852 | comercial@newslab.com.br

Produção de conteúdo: FC Design | contato@fcdesign.com.br

Impressão: Gráfica Mundo | Periodiciade: Bimestral

0 2


NOVIDADE NA LABORLINE

Linha de centrífugas personalizadas e

exclusivas para área veterinária e dental!

As melhores centrífugas estão aqui! Temos outras soluções

para seu laboratório também! Fale com a gente!

100%

BRASILEIRAS

CENTRÍFUGAS E EQUIPAMENTOS

A centrífuga OMEGA, agora também para área dental e veterinária, assim,

você terá em seu consultório uma linha dedicada e personalizada!

Capacidade para até 20 tubos de 13x75, 13x100 e 16x100, e ainda mais,

opções de 16 tubos de 15ml (urina) e 4 tubos de 50ml.

laborline.com.br

(11) 3699-0960 vendas@laborline.com.br


evista

Ano 28 - Edição 163 - Dez/Jan 2021

Normas de Publicação

para artigos e informes de mercado

A Revista Newslab, em busca constante de novidades em divulgação científica, disponibiliza abaixo as normas para

publicação de artigos, aos autores interessados. Caso precise de informações adicionais, entre em contato com a redação.

Informações aos Autores

A Revista Newslab, em busca constante de novidades

em divulgação científica, disponibiliza abaixo as normas

para publicação de artigos, aos autores interessados. Caso

precise de informações adicionais, entre em contato com

a redação.

Informações aos autores

Bimestralmente, a Revista NewsLab publica editoriais, artigos

originais, revisões, casos educacionais, resumos de teses

etc. Os editores levarão em consideração para publicação toda e

qualquer contribuição que possua correlação com as análises

clínicas, a patologia clínica e a hematologia.

Todas as contribuições serão revisadas e analisadas pelos

revisores. Os autores deverão informar todo e qualquer

conflito de interesse existente, em particular aqueles de

natureza financeira relativo a companhias interessadas ou

envolvidas em produtos ou processos que estejam relacionados

com a contribuição e o manuscrito apresentado.

Acompanhando o artigo deve vir o termo de compromisso

assinado por todos os autores, atestando a originalidade do

artigo, bem como a participação de todos os envolvidos.

Os manuscritos deverão ser escritos em português, mas com

Abstract detalhado em inglês. O Resumo e o Abstract deverão

conter as palavras-chave e keywords, respectivamente.

As fotos e ilustrações devem preferencialmente ser enviadas

na forma original, para uma perfeita reprodução.

Se o autor preferir mandá-las por e-mail, pedimos que a

resolução do escaneamento seja de 300 dpi’s, com extensão

em TIF ou JPG.

Os manuscritos deverão estar digitados e enviados por

e-mail, ordenados em título, nome e sobrenomes completos

dos autores e nome da instituição onde o estudo

foi realizado. Além disso, o nome do autor correspondente,

com endereço completo fone/fax e e-mail também deverão

constar. Seguidos por resumo, palavras-chave, abstract,

keywords, texto (Ex: Introdução, Materiais e Métodos, Parte

Experimental, Resultados e Discussão, Conclusão) agradecimentos,

referências bibliográficas, tabelas e legendas.

As referências deverão constar no texto com o sobrenome

do devido autor, seguido pelo ano da publicação,

segundo norma ABNT 10520.

As identificações completas de cada referência citadas

no texto devem vir listadas no fim, com o sobrenome do

autor em primeiro lugar seguido pela sigla do prenome.

Ex.: sobrenome, siglas dos prenomes. Título: subtítulo do

artigo. Título do livro/periódico, volume, fascículo, página

inicial e ano.

Evite utilizar abstracts como referências. Referências de

contribuições ainda não publicadas deverão ser mencionadas

como “no prelo” ou “in press”.

Os trabalhos deverão ser enviados ao endereço:

Revista NewsLab

A/C: Luciene Almeida – redação

Av. Nove de Julho, 3.229 - Cj. 1110

CEP 01407-000 - São Paulo-SP

Pelo e-mail: redacao@newslab.com.br

Ou em http://www.newslab.com.br/publique/

Contato

A sua opinião é muito importante para nós. Por isso, criamos

vários canais de comunicação para você, nosso leitor.

REDAÇÃO: Av. Nove de Julho, 3.229 - Cj. 1110 - 01407-000 - São Paulo-SP

TELEFONE: (11) 3900-2390

EMAIL: redacao@newslab.com.br.

Acesse nosso site: www.newslab.com.br

Para novidades na área de diagnóstico e pesquisa, acessem nossas redes sociais:

/revistanewslab

/revistanewslab

/revistanewslab

@revista_newslab

Esta publicação é dirigida aos laboratórios, hemocentros e universidades de todo o país. Os artigos e informes

assinados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Newslab Editora Eireli.

Filiado à:

0 4


evista

Índice remissivo de anunciantes

ordem alfabética

Ano 28 - Edição 163 - Dez/Jan 2021

ANUNCIANTE PÁG. ANUNCIANTE PÁG.

CELLAVISION 27

CEPHEID 29

BIOADVANCE 67

CREMER DIAGNOSTICA 05

DB DIAGNÓSTICOS

4ª CAPA

DIAGNO 139

DIAGFAST 12-13

EBRAM 11

EQUIP DIAGNÓSTICA 15 | 91

EQUIPNET 21

ERBA MANNHEIM 77

EUROIMMUN 115

FIRSTLAB 71

GREINER 09 | 105

GRIFOLS 101

GT GROUP BIOSUL 17

HERMES PARDINI 06-07

HORIBA 2ª CAPA | 137

ILLUMINA CAPA | 19

J.R. EHLKE 34-35

KOLPLAST 39

LABOR LINE 03

LABTEST 85

LUMIQUICK 135

LUMIRADX 73

MEDLEVENSOHN 111

MGI AMERICA 45

MOBIUS LIFE SCIENCE 95

NEWPROV 81

NIHON KHODEN DISTR. 41 | 56-57

PNCQ 141

PRIME CARGO

3ª CAPA

QIAGEN 119

RENYLAB 125

SARSTEDT 113

SNIBE 31

TBS - BINDING SITE 47

VEOLIA 127

VIDA BIOTECNOLOGIA 97

WAMA 79

Conselho Editorial

Prof. Humberto Façanha da Costa filho - Engenheiro, Mestre em Administração e Especialista em Análise de Sistemas | Dr. Dan Waitzberg - Associado do Departamento de Gastroenterologia da Fmusp. Diretor Ganep Nutrição

humana | Prof. Angela Waitzberg - Professora doutora livre docente do departamento de patologia da UNIFESP | Prof. José de Souza Andrade Filho - Patologista no hospital Felício Rocho BH, membro da academia Mineira

de Medicina e Professor de Patologia da Faculdade de Ciências Médicas do Minas Gerais | Fábia Regina Severiano Bezerra - Biomédica. Especialista em Gestão de Contratos pela Universidade Corporativa da Universidade de São

Paulo. Auditora em Sistemas de Gestão da Qualidade: ISO 9001:15 e NBR ISO 14001:15, Organização Nacional de Acreditação (ONA). Auditora Interna da Divisão de Laboratórios do Hospital das Clínicas da Faculdade Medicina da

Universidade de São Paulo | Luiz Euribel Prestes Carneiro – Farmacêutico-Bioquímico, Depto. de Imunologia e de Pós-Graduação da Universidade do Oeste Paulista, Mestre e Doutor em Imunologia pela USP/SP | Dr. Amadeo

Saéz-Alquézar - Farmacêutico-Bioquímico | Prof. Dr. Antenor Henrique Pedrazzi – Prof. Titular e Vice-Diretor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto - USP | Prof. Dr. José Carlos Barbério – Professor Emérito da

USP | Dr. Silvano Wendel – Banco de Sangue do Hospital Sírio-Libanês | Dr. Paulo C. Cardoso De Almeida – Doutor em Patologia pela Faculdade de Medicina Da USP | Dr. Zan Mustacchi – Prof. Adjunto de Genética da Faculdade

Objetivo/UNIP | Dr. José Pascoal Simonetti – Biomédico, Pesquisador Titular do Depto de Virologia do Instituto Oswaldo Cruz - Fiocruz - RJ | Dr. Sérgio Cimerman – Médico-Assistente do Instituto de Infectologia Emílio Ribas e

Responsável Técnico pelo Laboratório Cimerman de Análises Clínicas.

Colaboraram nesta Edição:

Humberto Façanha, Fábia Bezerra, Suzimara Tertuliano, José de Souza Andrade Filho, Lisiane Cervieri Mezzomo, Jorge Luiz Silva Araújo Filho, Gleiciere Maia Silva, Regina Paula Soares Diego,

Alexandre Freire Rocha Gomes, Laila de Menezes Cardoso Vieira, Maria Soares, Caio Santos de Souza, Giovana Santos Caleiro, Camila Malta Romano, Diego Lasier Mendes, Eloir Dutra Lourenco,

Brunno Câmara e Luciana Chavasco.

0 8


making a difference

PRODUÇÃO BRASILEIRA

COM TECNOLOGIA ALEMÃ

PLACA DE PETRI

Greiner Bio-One

MAIS LEVE. MENOS RESÍDUOS.

Visando boas práticas de sustentabilidade, a Greiner Bio-One

produz a Placa de Petri mais leve do mercado nacional.

www.gbo.com

Greiner Bio-One Brasil / Avenida Affonso Pansan, 1967 / CEP 13473-620 | Americana, SP

Tel +55 (19) 3468-9600 / Fax +55 (19) 3468-3601 / E-mail info@br.gbo.com


ÍNDICE

revista

Ano 28 - Edição 163 - Dez/Jan 2021

MATÉRIA DE CAPA

52

Illumina expande suas operações na

América Latina abrindo novo “Centro de

Soluções Illumina - Illumina Solutions

Center” em São Paulo, Brasil

16

ARTIGO CIENTÍFICO I

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO COVID-19

24

ARTIGO CIENTÍFICO II

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CRIANÇAS E

ADOLESCENTES ACOMETIDOS POR LEUCEMIAS

NA REGIÃO METROLITANA DO RECIFE-PE

Autores: Mauren Isfer Anghebem; Geraldo Picheth;

Fabiane Gomes de Moraes Rego.

Autoras: Andreia Paula Lopes de Almeida; Janilce

Carvalho Negreiros; Kelen Cristina da Silva.

02

14

58

62

70

75

76

82

88

94

96

99

102

144

- Editorial

- Agenda

- Minuto Laboratório

- Diagnóstico por Imagem

- Medicina Genômica

- Logística Laboratorial

- Arboviroses

- Hematologia

- Análises Clínicas

- Citologia

- Biossegurança

- Laboratório em Destaque

- Informe de Mercado

- Pathocordel

36

ARTIGO CIENTÍFICO III

SOROPREVALÊNCIA DE HEPATITE B EM

CRIANÇAS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

44

GESTÃO LABORATORIAL

LABORATÓRIOS CLÍNICOS:

REENGENHARIA OU MORTE!

90

LADY NEWS

UMA GERAÇÃO SEM CÂNCER

DE COLO DE ÚTERO, É POSSÍVEL?

Autores: Bruno de Souza Mayer, Carolina

Mallmann Wallauer de Mattos.

Autor: Humberto Façanha.

Autora: Luciana Chavasco.


Aprovado

pela ANVISA

QUALIDADE GARANTIDA

O teste rápido para Covid 19 da Ebram detecta simultaneamente

os anticorpos IgG/IgM, além de oferecer

facilidade e rapidez na execução do teste, sem necessidade

de equipamentos. O kit foi testado e aprovado pela INCQS

- Instituto Nacional de Controle em Qualidade obtendo

valores de sensibilidade e especificidade maiores que os

descrito em nossa instrução de uso.

SENSIBILIDADE

ESPECIFICIDADE

TEMPO DO TESTE

IgM

85%

IgG

>99,9%

IgM

96%

IgG

98%

10

minutos

JANELA IMUNOLÓGICA

7

DIAS

após suspeita

do contágio

3

DIAS

após início dos

primeiros sintomas

20

µL

sangue

total

AMOSTRAS

10

µL

soro ou

plasma

ARMAZENAMENTO

2-30

o

C

APRESENTAÇÃO

10

TESTES

Registro Ministério da Saúde: 10159820239

Consulte nossa equipe de vendas

(11) 2291-2811 | vendas@ebram.com

www.ebram.com


AGENDA

Em função da pandemia do Covid-19, e

acompanhando os desdobramentos da crise,

decretos e posicionamentos dos governos, os

eventos presenciais agendados para o período

Dezembro e Janeiro estão cancelados.

Comprometidos em não propagar informações equivocadas,

não haverá seção Agenda na Revista Newslab Ed 163 e

recomendamos que os interessados em participar de eventos

on-line consultem nosso site durante esse período para se

informar sobre apresentações digitais como webinars e outras

alternativas que estão sendo oferecidas pelas empresas.

Mantenha-se informado em nosso site e em nossas redes sociais.

Agradecemos a compreensão de todos,

Equipe Newslab.

/revistanewslab

/revistanewslab

/revistanewslab

@revista_newslab

0 14

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


LANÇAMENTO

ANALISADOR

ELETROLÍTICO

Componentes e

tecnologias de

ponta escolhidas e

acompanhadas

no processo de

produção para a

melhor performance

e relação custo

e benefício para

você, cliente Equip.

ESTOQUE E LOGÍSTICA

ASSESSORIA CIENTÍFICA

ASSISTÊNCIA TÉCNICA

TODAS AS QUALIDADES EQUIP QUE VOCÊ JÁ CONHECE

COM AINDA MAIS GARANTIA NOS PRODUTOS

DAS MARCAS PROPRIETÁRIAS

Acesse nossa

linha de

produtos:

equipdiagnostica.com.br/global/nossas-marcas/

#equipdiagnostica

equipdiagnostica.com.br


ARTIGO CIENTÍFICO I

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

DO COVID-19

* Imagem ilustrativa

Autor:

Luiz Arthur Calheiros Leite.

Especialista e mestre em Hematologia, Universidade Federal de São

Paulo, UNIFESP e Doutor em Bioquímica e Fisiologia, Universidade

Federal de Pernambuco, UFPE. Docente da pós-graduação lato sensu em

Hematologia do Centro Universitário Cesmac, Maceió, Alagoas.

Resumo

A COVID-19 é uma doença infecciosa viral altamente

transmissível. O vírus leva a alterações no hemograma

como leucocitose, neutrofilia, linfopenia e plaquetopenia

nos pacientes mais graves, anormalidades nos testes bioquímicos

como aumento da lactato desidrogenase (LDH)

e proteína C reativa (PCR), nos testes de função hepática e

troponina, associados a injúria direta do SARS-Cov-2 aos

órgãos, ou a sepse viral. Há uma nítida coagulopatia de

consumo com tromboses venosas e embolia pulmonar, e

os pacientes exibem fases precoces da doença e elevação

dos níveis de Dímero-D, que se elevam com a progressão

da doença para formas mais graves. A conhecimento sobre

os biomarcadores da COVID-19 são essenciais para o

diagnóstico e prognóstico da doença. Contudo, os testes

rápidos e sorológicos devem ser interpretados com cautela,

devido a grande variação de resultados entre marcas e,

pouca correlação com os achados clínicos.

Palavras-Chave: COVID, biomarcadores, testes imunológicos.

Abstract

COVID-19 is a highly transmissible viral infectious disease.

The virus leads to changes in the blood count such

as leukocytosis, neutrophilia, lymphopenia and thrombocytopenia

in the most severe patients, abnormalities in

biochemical tests such as increased lactate dehydrogenase

(LDH) and C-reactive protein (CRP). The liver function

tests and troponin are associated with direct SARS-Cov-2

injury to organs, or viral sepsis. There is a clear consumption

coagulopathy with venous thrombosis and pulmonary

embolism, and patients exhibit early stages of the

disease and elevation of D-Dimer levels, which increase

with the progression of the disease to more severe forms.

Knowledge about COVID-19 biomarkers is essential for

the diagnosis and prognosis of the disease. However, rapid

and serological tests should be interpreted with caution,

due to the wide variation in results between brands

and little correlation with the clinic findings.

Keywords: COVID, biomarkers, immunological tests.

0 16

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Autor: Luiz Arthur Calheiros Leite.

ARTIGO CIENTÍFICO I

Introdução

Detectado pela primeira vez na

cidade de Wuhan, província de Hubei

na China em dezembro de 2019, uma

nova doença do Coronavírus 2019

(COVID-19), é uma síndrome clínica

causada pelo agente etiológico

SARS-Cov-2, que foi descoberta

após o surgimento de quatro casos

de febre e pneumonia inexplicável,

através do isolamento genético

do vírus. 1,2 O vírus se espalhou

rapidamente por todo o mundo,

levando a colapso dos sistemas de

saúde e significante mortalidade.

O SARS-Cov-2 é um vírus de RNA,

membro da família Coronaviridae

da ordem Nidovirales, que causa

manifestações clínicas em um

amplo espectro, geralmente

resulta em febre, tosse e dispneia.

Os pacientes com comorbidades

evoluem com pneumonia intersticial

e desenvolvimento rápido de

insuficiência respiratória aguda, choque

séptico, coagulação intravascular

disseminada (CIVD), disfunção

hepática e renal, sendo altamente letal

neste estágio da doença. 3,4

celular mediada por células T CD4,

ativando plasmócitos que geram

uma disfunção imune e uma

tempestade de citocinas, que leva a

dano tecidual. 2,3,5

O período de incubação do COVID-19

ocorre no intervalo de 2 a 14 dias. 6

Em pacientes imunossuprimidos, o

aparecimento dos sintomas pode

passar desse intervalo, chegando até

em 20 dias o período de incubação.

Nestes pacientes, as manifestações

clínicas podem ser atípicas e sem

sintomas respiratórios. 7 A gravidade

da doença varia de assintomático,

leve, moderado, grave e crítico. Em

casos graves, os pacientes podem

desenvolver a SARS, a partir do 8

a 12 dias após o aparecimento dos

sintomas. 8

O diagnóstico laboratorial do

COVID-19 é baseado principalmente

na detecção de anticorpos IgM e

IgG contra o Coronavírus através

de teste rápido; e a confirmação da

infecção é realizada por meio das

técnicas de RT-PCR em tempo real e

sequenciamento parcial ou total do

genoma viral. 9-11

Em virtude da possibilidade de

evolução para as formas graves

da doença, é crucial o diagnóstico

laboratorial precoce dos pacientes

infectados e com isto, o início

da intervenção medicamentosa

em tempo hábil para promover a

recuperação destes pacientes.

Achados Laboratoriais

Predominantes na Covid-19

Para a realização do diagnóstico,

além da avaliação das manifestações

clínicas observadas na abordagem

do exame físico e na anamnese do

paciente suspeito, exames devem

ser realizados a fim de descartar

outras doenças respiratórias ou

virais. Nos exames laboratoriais,

nota-se no hemograma uma

Tabela 1 - Achados Laboratoriais Predominantes na Covid-19.

Ao ser infectado, as partículas

virais entram nos pneumócitos via

receptores da enzima de conversão

da angiotensina II (ACE2), sendo

reconhecidas pelos macrófagos

alveolares e células dendríticas, e

desenvolvem uma resposta imune

0 18

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Autor: Luiz Arthur Calheiros Leite.

ARTIGO CIENTÍFICO I

leucocitose e neutrofilia associada

ao processo inflamatório ou coinfecções

bacterianas, linfopenia por

defeito na resposta imune e infecção

do vírus com possível destruição de

linfócitos T, trombocitopenia por

coagulopatia de consumo associado

a elevados níveis de dímero D. 12

Com a progressão da doença

há elevação gradual dos níveis

de lactato desidrogenase (LDH),

proteína C reativa e ferritina devido

a tempestade de citocinas, aumento

das transaminases com diminuição

da albumina por dano hepático.

Nota-se também elevação nos níveis

séricos da creatinofosfoquinase

(CK), CKMB e troponina, resultantes

de lesões no músculo cardíaco.

Outro exame que pode se alterar

em pacientes com COVID-19 é a

velocidade de eritrosedimentação

(VHS), se constituindo como um

exame inespecífico que se altera em

processos inflamatórios. Contudo,

a triagem diagnóstica inicial de

COVID-19 vem sendo feita com o

hemograma e PCR. 13-15

Umas das principais complicações

vistas em pacientes com COVID-19

graves é a insuficiência renal com

elevação dos níveis de creatinina e

uréia, além de instalação de uma

anemia associada a diminuição

da produção de eritropoietina

pelos rins. Estes marcadores

também podem sofrer alterações

significativas com a evolução para

sepse viral e falência de múltiplos

órgãos. Nos casos que evoluem para

sepse, há elevação do Dímero D e

prolongado tempo de protrombina

por formação de microtrombos.

Anormalidades morfológicas foram

visualizadas em pacientes com

COVID-19 como promielócitos e

mielócitos displásicos, “pseudopelger-like”

por defeito da

mielopoese, e presença de linfócitos

reativos circulantes. 12,16-18

A frequência das anormalidades

laboratoriais foram linfopenia

(35-75% dos casos), aumento

dos valores de PCR (75-93% dos

casos), LDH (27-92% dos casos),

VHS (até 85% dos casos) e Dímero

D (36-43% dos casos), bem como

baixas concentrações de albumina

sérica (50-98% dos casos) e

hemoglobina (41-50%). Muitas

anormalidades laboratoriais foram

preditivas de resultados adversos

e pior prognóstico. Foi constatado

que os níveis de PCR e Dímero-D

elevam-se com a progressão da

doença para forma mais grave, e

quando se comparou os níveis de

Dímero-D entre os pacientes graves

que sobreviveram com os que foram

a óbito por COVID-19, verificouse

que os pacientes que morreram

tinham níveis de Dímero 3 vezes

mais alto que os pacientes graves

que sobreviveram. Além disso, os

níveis de Dímero anormais tem sido

um marcador para início da terapia

anticoagulante com heparina de

baixo peso molecular. Portanto, a

determinação do Dímero-D pode

estar associada à evolução clínica

para casos graves que cursam com

complicações trombóticas e com

coagulopatia disseminada comuns

em pacientes com formas graves de

COVID-19. 14,15

Outro exame que exibe sinais

indicativos de infecção por COVID-19

é a tomografia computadorizada

(TC) do tórax, que em cortes axiais

demonstra opacidades em vidro

fosco multifocais bilaterais, em

mais de dois lobos pulmonares e

com predominância nos inferiores,

que intensificam de acordo com

o aumento do grau da doença.

Contudo, a TC não deve ser realizada

para diagnóstico, mas sim para

acompanhamento dos estágios da

doença. 14,19 Exames invasivos, como

a broncoscopia ou biopsia pulmonar,

devem ser utilizados em última

escolha e após discussão acerca da

sua necessidade, devido as medidas

de controle da infecção viral de alta

disseminação.

Achados Laboratoriais

Confirmatórios para Covid-19

Para confirmação da doença

devem ser realizados testes rápidos

0 20

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


com amostras de sangue ou soro

por método imunocromatográfico,

que detectam anticorpos IgM

positivo e IgG negativo, indicando

uma resposta imune recente da

infecção de 7 dias ou menos,

do início dos sintomas, com

benefícios por sua praticidade e

rapidez em detectar o resultado

em poucos minutos. Os testes

rápidos imunocromatográficos tem

claras limitações, pois possuem

sensibilidade média de 65%,

levando a falsos negativos ou

mesmo falta de reatividade para o

anticorpo anti-IgG, gerando uma

grande dificuldade de se estabelecer

que teve contato com o vírus e quais

pacientes estão imunes. 20

Neste contexto, os testes sorológicos

e por quimioluminescência

apresentam maior sensibilidade,

90 a 96%, e especificidade entre

95 a 98%. Os anticorpos IgM e

IgA tem se mostrado úteis para

detecção da doença na fase aguda,

e o anticorpo IgG quando presente

indica imunização contra o SARS-

Cov-2. O anticorpo IgA reagente

tem se mostrado útil também

para detecção do vírus no início

da infeçcão, pois está presente

em mucosas, como nasofaringe

e orofaringe, portas de entrada

do vírus no corpo humano. Com o

aumento da sensibilidade dos testes

sorológicos, existe uma tendência

de surgimento do IgM e IgA nas

fases sintomáticas iniciais da

doença e soroconversão entre 7 a 20

dias 5 . Já o anticorpo IgG eleva-se a

partir do 15° dia. Contudo, os falsos

negativos continuam ocorrendo nos

testes imunológicos que ainda não

possuem confiabilidade de 100% e

necessitam de melhor validação e

sensibilidade.

ARTIGO CIENTÍFICO I

EquipNet é um marketplace para a comercialização

de equipamentos industriais usados.

Trabalhamos proativamente auxiliando nossos clientes na venda ou

compra de seus equipamentos desativados/usados, buscando a

maximização da recuperação financeira desses ativos. Quer vender ou

comprar equipamentos de Laboratório? Entre em contato com a EquipNet.

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

Telefone: +55 (11) 4935-5332

email: vendas@equipnet.com

Visite nosso site: www.equipnet.com/LabsGo 0 21


Autor: Luiz Arthur Calheiros Leite.

ARTIGO CIENTÍFICO I

A confirmação da infecção deve

ser realizada de através de biologia

molecular com RT-PCR em tempo

real e sequenciamento parcial ou

total do genoma viral, através da

coleta de material com swab na

nasofaringe, para detecção do vírus

e da carga viral. 13

A sequência genômica do SARS-

CoV-2 foi liberada imediatamente

nos bancos de dados públicos após

o início do surto em Wuhan (China)

(Wuhan-Hu-1, número de acesso

ao GenBank MN908947) 21 . Esta

sequência foi usada para desenhar

primers e sondas específicas, fazendo

da RT-PCR um método sensível e

específico para SARS-CoV-2.

Alguns países têm compartilhado

suas sequências específicas de primers

e seus protocolos nos bancos de

dados públicos, obtendo a aprovação

de comercialização pela OMS de

Kits de diagnóstico, entretanto, estes

diferentes kits podem apresentar

diferentes desempenhos conforme a

região genômica alvo (helicase, espiga,

nucleocapsídeo) e com isto, apresentar

reações cruzadas com outros SARS-COV

e outros vírus relacionados a SARS. 22-24

Marcadores Laboratoriais de

Gravidade da Doença

A resposta imunológica ao

COVID apresenta particularidades

e este entendimento é crucial

para compreensão da evolução da

doença. Conforme bem estabelecido

na literatura, infecções virais

induzem principalmente a produção

de Interferons do tipo I/III, mas

também TNF-α, IL-1, IL-6 e IL-18,

que juntos potencializam o sistema

imunológico 25 .

Em relação ao COVID-19, o que

tem se percebido na literatura é que

a exacerbação da resposta imune

é potencialmente patológica. A

hiperinflamação da tempestade

de citocinas pode facilitar a

replicação viral, e também danifica

a barreira microvascular dos

alvéolos pulmonares, causando

edema e lesionando o parênquima

pulmonar, e isso se manifesta com

o agravamento inesperado dos

sintomas, como a dispnéia, notado

na mudança do estado moderado ao

grave, consequentemente o aumento

das citocinas torna-se um marcador

da gravidade da doença. 5,26

O COVID-19 induz uma resposta

pró-inflamatória com liberação

exarcebada de citocinas, como a

IL-6 que desempenha um papel

central, por ser mediadora da

inflamação pulmonar e febre.

Além disso, a IL-6 é um forte

indutor da proteína C reativa,

também observada nos exames

laboratoriais dos infectados por

covid-19. 5,27

Em um estudo realizado com

171 pacientes, observou-se que os

níveis de IL-6 aumentavam com

agravamento da doença, e eram

maiores nos pacientes que evoluíram

a óbito. Portanto, os níveis elevados

dessa interleucina são responsáveis

por complicações letais de covid-19,

visto que estão correlacionados com

a morte, sendo um fator de risco

para a mortalidade. A tempestade

de citocinas e o status de inflamação

pode resultar nas pneumopatias,

que evoluem para SARS, quadro

séptico e falência múltipla dos

órgãos. 28

A IL-6, bem como outras citocinas

produzidas em altos níveis na

resposta a infecção viral em

pacientes graves, torna-se um

marcador prognóstico da gravidade

das complicações pulmonares por

COVID-19, visto que desregula as

respostas inflamatórias. 29 Diversos

estudos, em que avaliou o uso de

bloqueadores de IL-6 em Covid-19,

afirmam que esse tratamento, com

imunossupressor, é eficaz e traz

benefícios aos pacientes graves e

que estão em assistência na unidade

de terapia intensiva (UTI), uma

vez que os achados laboratoriais

normalizam e as lesões pulmonares

observadas em TC regridem de

maneira significativa, melhorando

a função respiratória e reduzindo a

oxigenoterapia.

0 22

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Todos os pacientes com COVID-19

graves devem ser rastreados

quanto à hiperinflamação através

de exames laboratoriais, para

identificar quem poderia apresentar

melhora com a imunossupressão.

O uso de glicocorticóides no

tratamento da tempestade de

citocinas, pode atrasar a eliminação

do vírus e causar complicações,

portanto novas terapias devem ser

utilizadas. As opções terapêuticas

incluem esteróides, imunoglobulina

intravenosa, bloqueio seletivo de

citocinas e inibição de Janus kinase

2 (JAK-2) 27 .

Entretanto, vale ressaltar que

a imunossupressão prejudica

a indução da resposta antiviral

e também pode estimular o

desenvolvimento de infecções

bacterianas secundárias e complicar

ainda mais o prognóstico da doença.

Portanto, imunossupressores devem

estar associados a terapia antiviral

eficaz, para evitar uma infecção

não controlada e agravar a doença.

Os possíveis benefícios devem ser

avaliados cuidadosamente contra o

potencial de comprometimento da

imunidade antimicrobiana. 30,31

Considerações Finais

A COVID-19 é uma doença

infecciosa induzida por um vírus que

causa um desequilíbrio do sistema

imunológico e uma tempestade de

citocinas inflamatórias. Os exames

complementares associados,

tomografia computadorizada

formam uma combinação primordial

para a suspeita diagnóstica e

monitoramento da doença. Os

testes imunológicos ainda requerem

maior validação para aumento

da sensibilidade e o diagnóstico

confirmatório deve ser realizado

sempre que possível por biologia

molecular.

Referências

1. Xu Y, Liu H, Hu K, Wang M. Clinical management of

lung cancer patients during the outbreak of 2019 novel

coronavirus disease (COVID-19). Chinese Journal of Lung

Cancer. 2020;23(3): 136-41.

2. Prompetchara E, Ketloy C, Palaga T. Immune responses

in COVID-19 and potential vaccines: Lessons learned from

SARS and MERS epidemic. Asian Pac J Allergy Immunol.

2020;38:1-9.

3. Memish ZA, Perlman S, Van Kerkhove MD, Zumla A. Middle

East respiratory syndrome. The Lancet. 2020;395:1063-77.

4. Raoult D, Zumla A, Locatelli F, Ippolito G, Kroemer

G. Coronavirus infections: Epidemiological, clinical and

immunological features and hypotheses. Cell Stress.

2020;4(4):66.

5. Lin L, Lu L, Cao W, Li T. Hypothesis for potential

pathogenesis of SARS-CoV-2 infection-a review of immune

changes in patients with viral pneumonia. Emerg Microb

Infect. 2020;9(1):727-32.

6. Sahu KK, Mishra AK, Lal A. COVID-2019: update on

epidemiology, disease spread and management. Monaldi

Archives for Chest Disease. 2020;90(1):197-205.

7. Romanelli A, Mascolo S. Immunosuppression drugrelated

and clinical manifestation of Coronavirus disease

2019: a therapeutical hypothesis. American Journal of

Transplantation. 2020.

8. Tenda ED, Asaf MM. Diagnosing COVID-19: Did We Miss

Anything? Acta Med Indones. 2020;52(1):1-4.

9. Yi Y, Lagniton PNP, Ye S, Li E, Xu RH. COVID-19: what has

been learned and to be learned about the novel coronavirus

disease. International Journal of Biological Sciences.

2020;16(10):1753-66.

10. Rothan HA, Byrareddy SN. The epidemiology and

pathogenesis of coronavirus disease (COVID-19) outbreak.

Journal of autoimmunity. 2020;109:102433.

11. Sun K, Chen J, Viboud C. Early epidemiological analysis

of the coronavirus disease 2019 outbreak based on

crowdsourced data: a population-level observational study.

The Lancet Digital Health. 2020;2(4):201-208.

12. Lippi G, Plebani M. Laboratory abnormalities in

patients with COVID-2019 infection. Clinical Chemistry and

Laboratory Medicine. 2020.

13. Jin Y, Yang H, Ji W, Wu W, Chen S, Zhang W, et al. Virology,

epidemiology, pathogenesis, and control of COVID-19.

Viruses. 2020;12(4):372.

14. Siordia JAJ. Epidemiology and Clinical Features of

COVID-19: A Review of Current Literature. Journal of Clinical

Virology. 2020;127:104357.

15. Vetter P, Vu DL, L'Huillier AG, Schibler M, Kaiser L,

Jacquerioz F. Características clínicas do covid-19. BMJ.

2020;369:1470.

16. Frater JL, Zini G, D’Onofrio G, Rogers HJ. COVID-19 and

the clinical hematology laboratory. International Journal of

Laboratory Hematology. 2020.

17. Zini G, Bellesi S, Ramundo F, D’Onofrio G. Morphological

anomalies of circulating blood cells in COVID-19. American

Journal of Hematology. 2020.

18. Ye Q, Wang B, Mao J. Cytokine Storm in COVID-19 and

Treatment. Journal of Infection. 2020.

19. Lima CMAO. Informações sobre o novo coronavírus

(COVID-19). Radiol Bras. 2020;53(2):v-vi.

20. WHO. Situation report – 102. Coronavirus disease 2019

(COVID-19). 01 May 2020.

21. Zhu N, Zhang D, Wang W, Li X, Yang B, Song J, et al. 2020.

A Novel Coronavirus from patients with pneumonia in China.

N. Engl. J. Med. 2019; 382:727-733.

22. Chan JF, Yip CC, To KK, et al. Improved Molecular Diagnosis

of COVID-19 by the Novel, Highly Sensitive and Specific

COVID-19-RdRp/Hel Real-Time Reverse Transcription-PCR

Assay Validated In Vitro and with Clinical Specimens. J Clin

Microbiol. 2020;58(5):e00310-20.

23. Ortiz-Prado E, Simbaña-Rivera K, Gómez-Barreno L, et

al. Clinical, molecular, and epidemiological characterization

of the SARS-CoV-2 virus and the Coronavirus Disease 2019

(COVID-19), a comprehensive literature review. Diagn

Microbiol Infect Dis. 2020;98(1):115094.

24. WHO Coronavirus disease (COVID-19) technical guidance:

Laboratory testing for 2019-nCoV in humans. 01 Jule 2020.

25. Channappanavar R, Fehr AR, Zheng J, Wohlford-Lenane C,

Abrahante JE, Mack M, Sompallae R, McCray PBJr, Meyerholz

DK, Perlman S. IFN-I response timing relative to virus

replication determines MERS coronavirus infection outcomes.

J. Clin. Invest. 2019;130:3625-3639.

26. Sarzi-Puttini P, Giorgi V, Sirotti S, Marotto D, Ardizzone S,

Rizzardini G. COVID-19, cytokines and immunosuppression:

what can we learn from severe acute respiratory syndrome?

Clinical and experimental rheumatology. 2020;38(2):337-342.

27. Mehta P, McAuley DF, Brown M, Sanchez E, Tattersall

RS, Manson JJ. COVID-19: consider cytokine storm

syndromes and immunosuppression. The Lancet.

2020;395(10229):1033-1034.

28. Li X, Geng M, Peng Y, Meng L, Lu S. Molecular immune

pathogenesis and diagnosis of COVID-19. Journal of

Pharmaceutical Analysis. 2020;10(2):102-108.

29. Russell B, Moss C, George G, Santaolalla A, Cope

A, Papa S, Van Hemelrijck M. Associations between

immune-suppressive and stimulating drugs and novel

COVID-19: a systematic review of current evidence.

Ecancermedicalscience. 2020;14:1022.

30. Ritchie AI, Singanayagam A. Immunosuppression for

hyperinflammation in COVID-19: a double-edged sword?

The Lancet. 2020;395(10230):1111.

31. Fishman JA, Grossi PA. Novel Coronavirus-19 (COVID-19) in the

Immunocompromised Transplant Recipient: #Flatteningthecurve.

American Journal of Transplantation. 2020.

ARTIGO CIENTÍFICO I

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 23


ARTIGO CIENTÍFICO II

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ACOMETIDOS POR LEUCEMIAS NA

REGIÃO METROLITANA DO RECIFE-PE

Autora:

Kassia Vanessa Farias e Silva Smith.

Resumo

O câncer é uma doença onde uma célula anormal se

prolifera e atinge qualquer órgão do corpo, mas o câncer

infanto-juvenil é diferente e raro, pois ocorre por fatores genéticos

e hereditários, é mais invasivo e ocorre mais acelerado,

em comparação com o do adulto, é o que mais causa

mortes nesta faixa populacional tanto no Brasil como no

exterior. O objetivo deste projeto foi traçar o perfil epidemiológico

de crianças e adolescentes acometidos por leucemias

residentes na região metropolitana do Recife-PE. A

pesquisa foi quantitativa e descritiva, por meio de levantamento

de dados secundários disponíveis nos sites do instituto

nacional do câncer (INCA) e no DATASUS do Ministério

da Saúde. Foi verificado que a leucemia linfoide foi a mais

incidente em ambos os sexos, com pico de incidência entre

1 a 4 anos de idade. As leucemias foram mais frequentes no

sexo masculino com maior mortalidade, entre os anos de

2010 a 2014 de acordo com dados do INCA. E a cidade do

Recife apresentou a maior notificação de óbitos entre 2012

e 2017, segundo o DATASUS. Após a realização do estudo

podemos concluir que, no período de tempo avaliado e na

população infanto-juvenil residente na região metropolita

do Recife, as leucemias linfoides foram mais incidentes na

primeira infância, no sexo masculino e na cidade do Recife.

Palavras-Chave: Câncer infanto-juvenil. Leucemias. Perfil

epidemiológico.

Abstract

Cancer is a disease where an abnormal cell proliferates and

affects any organ in the body, but childhood and juvenile

cancer is different and rare, as it occurs due to genetic and

hereditary factors, is more invasive and occurs more rapidly,

compared to that of the adult, is the one that causes more

deaths in this population range both in Brazil and abroad.

The objective of this project was to trace the epidemiological

profile of children and adolescents affected by leukemias

living in the metropolitan region of Recife-PE. The research

was quantitative and descriptive, through the collection of

secondary data available on the websites of the National

Cancer Institute (INCA) and on the DATASUS of the Ministry

of Health. It was found that lymphoid leukemia was the most

incident in both sexes, with a peak incidence between 1 to 4

years of age. Leukemias were more frequent in males with

higher mortality, between the years 2010 to 2014 according

to data from INCA. And the city of Recife had the highest

notification of deaths between 2012 and 2017, according to

DATASUS. After conducting the study, we can conclude that,

in the evaluated period of time and in the juvenile population

residing in the metropolitan region of Recife, lymphoid leukemias

were more prevalent in early childhood, in males and in

the city of Recife.

Keywords: Childhood and juvenile cancer. Leukemias. Epidemiological

profile.

0 24

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Autora: Kassia Vanessa Farias e Silva Smith

Introdução

O câncer é uma doença pouco comum

na população infanto-juvenil

afeta as células do sistema sanguíneo

e os tecidos de sustentação.

Por serem predominantemente de

tumor no sistema nervoso central,

linfoma, neuroblastomas,

tumor de Wilms, osteossarcoma

ARTIGO CIENTÍFICO II

e não possui causas bem conheci-

natureza embrionária, tumores na

e sarcoma de Ewing (INCA,2020;

das. Porém, sabe-se que grande

criança e no adolescente são cons-

INCA,2020; SILVA,2010).

parte da sua incidência, está rela-

tituídos de células indiferenciadas,

cionada a fatores genéticos e he-

o que, geralmente, proporciona

O termo leucemia origina-se da

reditários e não a fatores ambien-

melhor resposta aos tratamentos

palavra grega (leukos-branco; ai-

tais, como acontece no adulto. Por

atuais (INCA, 2020).

ma-sangue) correspondendo a um

essa razão, existe certa dificuldade

conjunto de neoplasias malignas

para definir o que determinou sua

As neoplasias malignas são as

(câncer) que atinge o sangue, com

ocorrência e como poderia ter sido

principais causas de mortes nos

origem na medula óssea (SOU-

evitado nessa faixa etária. O mes-

países desenvolvidos e a segun-

ZA,2013).

mo problema se estende à concre-

da causa de morte nos países em

tização do diagnóstico, já que os

desenvolvimento

(JEMAL,2011).

As leucemias podem ser classi-

sinais e sintomas são inespecíficos

No Brasil, o câncer é a primeira

ficadas em linfoide e mieloide e

e diferentes. Tais constatações re-

causa de morte por doenças en-

estas ainda se subdividem nas for-

velam o porquê dessa patologia

tre crianças acima de cinco anos

mas agudas e crônicas. A leucemia

ter se tornado um problema de

e adolescentes (BRASIL,2011),

linfoide aguda (LLA) e mieloide

saúde pública, não somente em

ocupando a segunda posição (7%)

aguda (LMA) são progressivas e

países em desenvolvimento como

de óbitos entre crianças e adoles-

agressivas, pois são caracterizadas

também em países desenvolvidos

centes em todas as faixas etárias

por rápida proliferação de células

(INCA,2020; BAUER;2015).

(BRASIL,2014). Segundo dados do

imaturas denominada blastos. Já

Datasus, a neoplasia é a primeira

a leucemia linfoide crônica (LLC) e

As neoplasias malignas corres-

causa de morte por doença, per-

mieloide crônica (LMC), são aque-

pondem a um grupo de várias do-

dendo somente para causas ex-

las caracterizadas por proliferação

enças que têm em comum a pro-

ternas (acidentes, como engasga-

de células bem diferenciadas e a

liferação descontrolada de células

mento) (BRASIL, 2014).

progressão é lenta, porém seguida

anormais e que pode ocorrer em

de fase acelerada e pode transfor-

qualquer local do organismo. O

Os tipos mais comuns de cân-

ma-se, em leucemia aguda (MES-

câncer infanto-juvenil geralmente

cer na infância são as leucemias,

QUITA, 2009).

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 25


Autora: Kassia Vanessa Farias e Silva Smith

ARTIGO CIENTÍFICO II

Levando isso em consideração,

segundo Curado (2011) o aprimoramento

de técnicas diagnósticas

e quimioterápicos cada vez

mais eficazes, se reflete no melhor

prognóstico da doença e melhores

resultados em relação a cura.

A prevenção de qualquer tipo de

câncer, necessita de dados epidemiológicos

que incluem frequência,

distribuição, fatores de risco e

eventos clínicos. A análise de variações

demográficas na prevalência

de neoplasias pediátricas torna-se

importante para estabelecer

programas de promoção e prevenção

levando em consideração as

necessidades do grupo e do local

(DINIZ,2005; MONTEIRO,2008).

O presente estudo apresenta

relevância devido à escassez de

trabalhos que demonstrem a incidência,

perfil epidemiológico e

distribuição dos casos de leucemias

no grande Recife. Os dados

estão disponíveis em sistemas de

informação de vigilância epidemiológica

ligados ao ministério

da saúde, INCA e DATASUS. Porém,

devido a importância dessa

Figura 1. Distribuição das leucemias na população infanto-juvenil, residente na Região Metropolitana

do Recife-PE, de acordo com as faixas etárias no período de 2010 a 2014 (fonte: INCA).

Figura 2. Distribuição das leucemias na população infanto-juvenil, residente na Região Metropolitana

do Recife-PE, de acordo com o sexo no período de 2010 a 2014 (fonte: INCA).

doença se faz necessário ressaltar

o perfil epidemiológico para

alertar a população e comunidade

científica.

Objetivo

Esse trabalho teve como objetivo

traçar o perfil epidemiológico de

crianças e adolescentes acometidos

por leucemias na região metropolitana

do Recife-PE

Metodologia

Foi realizado um levantamento

de informações nos bancos de dados

do INCA (pelo sistema RCBP

(Registro de Câncer de Base Populacional)

e DATASUS (Tabnet),

0 26

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Este é o próximo

grande acontecimento

em hematologia.

Apresentamos o CellaVision ® DC-1

Um novo analisador CellaVision que processa uma lâmina por vez, permitindo laboratórios

de pequeno porte implementarem as melhores práticas em morfologia digital para contagens

diferenciais em sangue periférico. Mesmo compacto, apresenta o mesmo conjunto de vantagens

na implementação operacional e clínica dos nossos analisadores maiores.

Saiba mais em www.cellavision.com/its-here

O CellaVision DC-1 não se encontra disponível em todos os mercados

MM-128-08 2019-03-18


Autora: Kassia Vanessa Farias e Silva Smith

ARTIGO CIENTÍFICO II

em relação ao perfil epidemiológico

das leucemias em crianças e

adolescentes entre 2010 até 2014

(INCA) e 2012 até 2017 (DATA-

SUS), sendo que no sistema do

INCA foram vistos os números de

casos, e apenas os dados do período

citado estava disponível. Já

no sistema DATASUS, foram vistos

os números de óbitos, e somente

os dados do período acima citado,

foi o que estava disponível.

Também foi realizado um levantamento

bibliográfico utilizando

38 artigos, sendo critérios para

seleção destes, o período de 2005

até 2019, levando em consideração

os mais atuais, e as palavras-chaves

para filtrar foram:

leucemias, perfil epidemiológico,

câncer infanto-juvenil. A escolha

da RMR-Pe, foi devido ao escasso

número de trabalhos sobre a temática

aqui exposta.

Após a coleta dos dados foram

analisados a cidade de

residência, o tipo de leucemia

sexo e a faixa etária. Em seguida

dos dados foram tabulados

Figura 3. Mortalidade das leucemias, linfoide e mieloide, na população infanto-juvenil, residente na

região metropolitana do Recife-PE no período de 2012 a 2017. (fonte: DATASUS).

Figura 4. Mortalidade por leucemias de acordo com os municípios da região metropolitana do Recife-PE no

período de 2012 a 2017 (fonte: DATASUS).

pelo programa Microsoft Office

Excel (2019).

Nesse estudo foi considerada

população infanto-juvenil de 0

até 19 anos. O Art. 2º do Estatuto

da criança do adolescente (ECA,

1990), considera-se criança a pessoa

até doze anos de idade incompletos

e a Organização Mundial de

Saúde (OMS) define adolescência

como sendo o período da vida que

começa aos 10 anos e termina aos

19 anos completos.

0 28

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Autora: Kassia Vanessa Farias e Silva Smith

ARTIGO CIENTÍFICO II

Resultados e Discursão

Os resultados da consulta dos

que totalizaram 30. Segundo Hintz

et al (2019) e Ferreira (2010) as

mais concentrou casos totalizando

30 e Igarassu foi o que concentrou

sistemas de informação são apre-

leucemias em crianças e jovens

o menor números com apenas 1

sentados abaixo expressos em grá-

são mais incidentes no sexo mas-

caso. Os dados apresentados na

ficos (fig. 1, 2, 3 e 4).

culino. Essa predominância se jus-

fig.4, refere-se ao número de óbi-

tifica de acordo com REIS (2015)

tos, e os dados expostos na fig.1

De acordo com o INCA (Instituto

em um estudo recente do tipo

e 2 são referentes aos números de

Nacional do Câncer), ocorreram

caso- controle, onde foram rea-

casos (ocorrência) das leucemias,

80 casos de leucemias na Região

lizadas algumas associações es-

e os números são diferentes de-

Metropolitana do Recife-PE entre

pecíficas relacionadas ao gênero,

vido a fonte notificadora consul-

2010 e 2014, as leucemias linfoi-

e foram observadas uma relação

tadas serem diferentes. O gráfico

des e mieloides prevaleceram na

à susceptibilidade genética para

acima tem como fonte o DATASUS

faixa de 0 a 4 anos. Pereira (2010)

CYP3A4*1B e CYP3A5*1, além

e foi num período de 2012 a 2017,

afirma que a LLA é a neoplasia he-

de variantes genéticas do gene

já o 1 e 2 tem como fonte o INCA e

matológica mais frequente popu-

SULT1, genes esses que são cru-

o período analisado 2010 a 2014.

lação infanto-juvenil.

ciais no processo do metabolismo

do estrogênio (LOPES et al., 2015;

A Cidade do Recife, de acordo

Segundo CAZARIN, (2007) em

PACIFICI, 2005; THANGAVEL; BOO-

com os dados do IBGE (2020) tem

Pernambuco, em um estudo reali-

PATHI; SHAPIRO, 2011).

uma população de 1.537.704 ha-

zado por meio de levantamento de

bitantes, e com uma densidade

prontuários no período de 1989 a

A leucemia linfoide apresentou

demográfica de 7.039,64 hab/

1999, foi visto que indivíduos na

mortalidade mais elevada. Scheu-

km2, justificando o fato de Re-

faixa etária de 0 a 10 foram mais

rer et al. (2011) e Araújo (2014)

cife concentrar o maior número

acometidos pela Leucemia Lin-

afirmam que a LLA é a principal

de casos de acordo com os dados

foblástica Aguda (LLA).

responsável por óbitos na infância

levantados neste período. Ainda,

e adolescência.

de acordo com o DATASUS a no-

O sexo masculino concentra o

tificação se dá pelo município de

maior número de casos, 50 no

De acordo com a figura 4, neste

notificação, levando em conta que

período analisado, em detrimen-

período foi totalizado 67 casos de

boa parte dos pacientes se deslo-

to do número de casos femininos

óbitos, sendo que Recife foi o que

cam de lugares distantes para pro-

0 30

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


ARTIGO CIENTÍFICO II

curar atendimento e tratamento,

e se não obtiver sucesso o óbito,

todo mundo, pois a incidência dessas

doenças não varia substancialmente

cluir que na população infanto-

-juvenil residente na Região Me-

o que mostra a figura 4, acredita-

em relação ao tempo e ao espaço.

tropolitana do Recife, foi visto que

mos que a maior mortalidade na

além disso, os dados de mortalidade

as leucemias linfoides foram mais

cidade do Recife seja também em

são considerados indicadores mais

incidentes na primeira infância,

decorrência de que nessa estejam

sensíveis da acessibilidade e efeti-

devido a vários fatores genéticos

concentrados os principais centros

vidade do cuidado médico (LA VEC-

e hereditários, mesmo o câncer

de tratamento oncológico e muito

CHIA,1998; CURADO,2011).

não sendo tão comum nesta faixa

pacientes migram para esses devi-

etária. O sexo masculino é o mais

do à falta de estrutura hospitalar

Segundo INCA (2014) e De Ca-

acometido pelas leucemias, de

de onde originalmente residem.

margo (2010) as atividades vol-

acordo com vários autores, mas

tadas para o enfrentamento do

não se tem um motivo para essa

GRABOIS ET AL (2011) mostra-

câncer consistem basicamente em

prevalência, e existe inúmeros es-

ram que crianças com leucemia

aspectos educacionais, preven-

tudos para justificar essa condição.

linfocítica aguda (LLA) que mo-

tivos e de apoio à formulação de

Em relação a mortalidade, o pior

ram em regionais de saúde com

uma legislação específica para o

prognóstico é por leucemia linfoi-

condições de saúde desfavoráveis

combate aos fatores de risco rela-

de e na faixa entre 10 e 19 anos.

tiveram pior acesso aos centros

cionados à doença. Nesse sentido,

E de acordo com os dados dispo-

especializados, sugerindo que elas

os estudos epidemiológicos são

níveis no DATASUS, A Cidade Do

chegam a esses locais com doença

uma ferramenta importante para

Recife apresentou o maior núme-

em fase muito avançada ou não

avaliar a qualidade dos serviços,

ros de óbitos em relação a outras

conseguem chegar, ocasionando,

bem como para criar novas estra-

cidades da RMR- PE, mas pode ser

como substrato, o subdiagnóstico

tégias em programas de controle

um quantitativo maior ou menor.

e o sub-registro.

de câncer na saúde pública.

Portanto, é necessário realizar esses

perfis para poder melhorar as

No geral, a mortalidade por do-

Considerações Finais

ações do poder público na questão

enças malignas da infância e, em

Após a realização das análises

de assistência, diagnóstico, tra-

particular a leucemia infantil, tem

dos bancos de informações do

tamento e promoção a saúde dos

sido utilizada como um indicador

INCA e DATASUS, utilizando dois

pacientes nessa população, já que

de qualidade do cuidado médico em

períodos diferentes, pode-se con-

é incomum e de difícil detecção.

0 32

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Referências

• BARBOSA, S. F DA C; COSTA, C. A DE; FERREIRA, L .DE.

S.C; ALMEIDA, DA.D DE.S; AZEVEDO,T.C.DE.B; LEMOS,J.A.R

DE; SOUZA, M.S. DE; Aspectos epidemiológicos de casos

de leucemia e linfomas em jovens e adultos atendidos em

hospital de referência para câncer em Belém, Estado do Pará,

Amazônia, Brasil. Rev.Pan.Amaz,Saúde 2015; 6 (1):43-50..

• LIMA,M.C DE; SILVA,D.B DA; FREUND, A.P.F; DACOREGIO,

J.S; COSTA, T.E.J.B; COSTA, I; FARACO, D; SILVA, M.L.; Leucemia

mieloide aguda: análise do perfil epidemiológico e taxa de

sobrevida. Sociedade Brasileira de Pediatria. (Rio.J).2016;92:

282-9. Jornal Pediatria.;

• ARAÚJO, S.S. Perfil epidemiológico de crianças e adolescentes

portadores de neoplasias acompanhados no hospital

de câncer de Mato Grosso. Programa de Pós- Graduação em

saúde coletiva da UFMT.2014. Cuiabá-MT. 104f.

• QUIXABEIRA, V.B.L; SADDI, V.A. A importância da imunofenotipagem

e da citogenética no diagnóstico das leucemias:

uma revisão da literatura. RBAC, vol.40(3):199-2002,2008.

• HAMERSCHLAK, N. Leucemia: fatores prognósticos e genética.

J. Pediatria (Rio.J).2008; 84 (4 Suppl):552-557.

• SOUZA, M. DOS.S. Estudo epidemiológico dos casos de

leucemia linfoide aguda nas crianças e adolescentes tratados

no centro de tratamento oncohematológico infantil- CETOHI

do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul. Programa de

Pós-Graduação em saúde e desenvolvimento na região

centro-oeste da universidade federal de Mato Grosso do Sul.

Campo Grande-2013.

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto nacional do

câncer José de Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2012:

Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2011ª.

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional do

Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2014: incidência

de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA;2014b. 124p.

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Informática

do SUS. [acesso em 1set 2014c]. Disponível em: http://tabnet.

datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?cnv/ob10of.def.

• PUI, C.H; RELLING, M.V; DOWNING, J.R. Acute lymphoblastic

leukemia. N.Eng. J. Med 2004;350: 1535-1548.

• PEREIRA, W.V. Aspectos epidemiológicos, biotipologia

e evolução do tratamento da leucemia linfocitica aguda na

infância e adolescência no Rio Grande do Sul. Faculdade de

medicina da universidade de São Paulo. São Paulo,2010.

• MAIA, C. S; LIRA, P.R.DE. B; SOUZA, J.A.DE; ALMEIDA, M.;

JUNIOR, D; MACIEL, G.E.DE. S; Relação De Variáveis Epidemiológicas

Com O Número De Óbitos Na Leucemia Infantil, Paraíba,

Brasil. Ges. Revista Saúde e Ciencia online,2015; 4 (2): 28-38.

• HADAS. T.C; GAETE, A.E.G; PIONOVSKI, M.A.D; Câncer

pediátrico: perfil epidemiológico dos pacientes atendidos

no serviço de oncologia pediátrica do hospital de clínicas da

UFPR. Rev.med.UFPR 1(4):141-149. Out/dez 2014.

• DE CAMARGO B.ET AL. Câncer incidence among children

and adolescentes in Brasil: first report of 14 population-based

câncer registries. Int. J. Cancer.2010; 126 (3): 715-720.

• SILVA, D.B, PIRES, M.M.S, NASSAR, S.M. Câncer Pediátrico:

análise de um registro hospitalar. J.Pediat.2002. Set/Out;

78 (5): 409-14.

• CAZARIN, G; AUGUSTO, L.G DA S; MELO, R.A.M. Doenças

hematológicas e situações de risco ambiental: a importância

do registro para a vigilância epidemiológica. Revista Bras.

Epidemiol.2007; 10(3): 380-90;

• BAUER, D.F.V; FERRARI, R.A.P; REIS, T.B DOS; TACLA, M.T.

G.M. Crianças com câncer: caracterização das internações em

um hospital escola público. Semina: ciências biológicas e da

saúde, Londrina, V.36, n.1, supl, p.9-16, agos.2015;

• SANCHES, F.L.F.Z; NITSCH, T.M; VILELA, M.M.S; SGARBIERI,

V.C. Comparison Of Biochemical And Immunological Profile

Of Pediatric Patients With Acute Myeloid Leukemia In Relation

To Healthy Individuals. J.Pediatr (Rio.J).2015;91(5): 478-484;

• HINTZ, L.G; JUNIOR, C.G DE.C; LUKRAFKA, J.L. Perfil Clínico-

Epidemiológico De Crianças E Adolescentes Em Tratamento

Oncológico. Revista Ciência e saúde,2019; 12(1): e

31421;

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional de

câncer José Alencar Gomes da Silva. Tipos de Câncer, câncer

infanto-juvenil. Rio de janeiro. 2019.

• HARRISON. C.J. Acute Lymphoblastic Leukemia. Clin.Lab.

Med. 2011; 31 (6):31-47.

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto Nacional de

Câncer (INCA). Câncer Na Criança E No Adolescente No Brasil:

Dados Dos Registros De Base Populacional E De Mortalidade.

Rio de Janeiro: Ministério da saúde;2008;

• BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Instituto nacional de câncer

(INCA). Consenso Nacional De Nutrição Oncológica. Rio de

Janeiro: INCA,2011;

• SILVA, F.F; ZANDONADE, E; ZOUAIN, G.P. Analysis Of Childhood

Leukemia Mortality Trends In Brazil, From 1980 To

2010. J. pediatric (J. Rio).2014;90: 587-92;

• MESQUITA, D.R. Diagnóstico Citogenético E Molecular Das

Alterações Genéticas Recorrentes Em Leucemias Da Infância,

No Distrito Federal. Brasília (DF):Universidade de Brasília;

2009;

• CURADO, T; PONTES, M.E; GUERRA, Y.M.C; CANCELA, M.C.

Leukemia Mortality Trends Among Children, Adolescentes,

And Young Adults In Latin America. Ver.Panam Salud Publica.2011;

29 (2):96-102.

• DINIZ, A.B; REGIS, C.A; BRITO, N.P; CONCEIÇAO, L.S; MO-

REIRA, L.M.A. Perfil Epidemiológico Do Câncer Infantil Em População

Atendida Por Uma Unidade De Oncologia Pediátrica

Em Salvador-Bahia. Rev.Cienc.Med.Biol.2005; 4 (2):131-9;

• MONTEIRO, C.F.S; VALOSO, L.U.P; SOUSA, P.C.B; MORAIS,

S.C.R.V. A Vivencia Familiar Diante Do Adoecimento E Tratamento

De Crianças E Adolescentes Com Leucemias Linfoides

Aguda. Cogitare enferm. 2008; 13 (4):484-9.

• MARQUES, E. A. L V. Aplicação De Marcadores Imunofenotípico

Por Citometria De Fluxo Na Detecção De Doença

Residual Mínima E Determinação Do Prognóstico Em Crianças

Com Leucemia Linfoide Aguda B. 2017. (Doutorado em Biociências

e Biotecnologia em Saúde Instituto Aggeu Magalhães,

Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2017.

• RIBEIRO, R.C ET AL. Global Pediatric Oncology: Lessons

From Partnerships Between High-Income Countries And

Low- To Mid-Income Countries. J. Clin. Oncol., New York,

v.34, n.1, p. 53-61, 2016;

• PIZZO, P.A.; POPLACK, D.G. Principles And Practice

Of Pediatric Oncology. 6th ed., Philadelphia: Lippincott

Williams&Wilkins, 2011;

• PEDROSA, F.; LINS, M. M. Leucemia Linfóide Aguda: Uma

Doença Curável. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, v.2,

n.1, p. 63-68, 2002;

• MURPHY, M.F. ET AL. Childhood And Adult Cancers:

Contrasts And Commonalities. Maturitas, Limerick, v. 76,

p.95–98, 2013;

• SILVA, D.S.; MATTOS, I.E.; TEIXEIRA, L.R. Tendência de

Mortalidade por Leucemias e Linfomas em Menores de vinte

anos, Brasil. Rev. Bras. Cancerol., Rio de Janeiro, v.59, n.2,

p.165-173, 2013;

• LINS, M.M. Incidence And Survival Of Childhood Leukemia

In Recife, Brazil: A Population-Based Analysis. Pediatra.

Blood Câncer, Hoboken, 2016;

• FERREIRA, J. M DE O. Incidência, Mortalidade E Sobrevida

De Leucemia E Linfoma No Município De Fortaleza, Ceará.

Juliana Moreira de Oliveira Ferreira. Rio de Janeiro: s.n., 2010;

• HOFFBRAND, A.V. Fundamentos em Hematologia. 6 Ed.

Porto Alegre: Artmed,2013;

• HTTPS://CIDADES.IBGE.GOV.BR/BRASIL/PE/RECIFE/PANORAMA;

• REIS. R DE S. Incidência E Fatores Associado Ao Risco De

Desenvolver Leucemia Aguda Em Crianças Na Primeira Infância.

Doutorado em oncologia pelo Instituto Nacional do

Câncer (INCA). Rio de Janeiro, 2015.

• LA VECCHIA C, LEVI F, LUCCHINI F, LAGIOU P, TRICHOPOU-

LOS D, NEGRI E. Trends Childhood Cancer Mortality As Indicators

Of The Quality Of Medical Care In The Developed World.

Cancer. 1998; 83(10): 2223-7.

• GRABOIS MF, OLIVEIRA EXG, CARVALHO MS. Childhood

Câncer And Pediatric Oncologic Care In Brazil: Acess And

Equity. Cad. saúde pública 2011; 27(9): 1711-20.

ARTIGO CIENTÍFICO II

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 33


J.R. EHLKE & Cia LTDA

Desde 1971 atendendo

com dedicação e

competência.

As melhores soluções, custos e

tecnologias em diagnósticos

na área da saúde.

Bioquímica | Centrífugas | Coagulação | Fluxo Laminar | Gasometria | Hematologia | Hemoglobina Glicada |

CAL8000

ANALISADOR HEMATOLÓGICO

• Esteira de bancada para análise

celular hematológica, composta

de dois analisadores BC-6800 e

uma automação em distensão e

coloração de lâminas (SC-120).

• Capacidade de processamento de

até 250 amostras/hora (CBC+Diff).

• Equipamentos podem trabalhar

em conjunto ou isolados

dependendo da rotina.

• As esteiras de carregamento

dos analisadores são bidirecionais

(patente Mindray).

• O software labXpert é o padrão

para o CAL 8000 e gerencia todo

o sistema com a possibilidade de auto validação e análise de amostras com base em regras predefinidas, além de possuir

uma interface mais intuitiva para validação manual.

• Amostras STAT podem ser carregadas em modo aberto para diminuir o tempo de execução do teste ou em racks com

prioridade

• Seguindo 3 etapas de “load and go”, os usuários do SC-120 podem obter lâminas finalizadas que estão prontas para a

revisão microscópica.

• Utilizando adaptador com patente própria, vários tipos de tubos são permitidos.

• Amostras de sangue total ou fluidos biológicos.

Av. João Gualberto, 1661 | Juvevê - Curitiba/PR | CEP: 80.030-001

Tel: (41) 3352.2144 | jrehlke@jrehlke.com.br


Estados Atendidos

RORAIMA

AMAPÁ

AMAZONAS

PARÁ

MARANHÃO

CEARÁ

RIO GRANDE

DO NORTE

PARAÍBA

PIAUÍ

PERNAMBUCO

ACRE

RONDÔNIA

TOCANTINS

BAHIA

ALAGOAS

SERGIPE

MATO GROSSO

DISTRITO

FEDERAL

GOIÁS

MATO GROSSO

DO SUL

SÃO

PAULO

MINAS

GERAIS

RIO DE

JANEIRO

ESPÍRITO

SANTO

PARANÁ

RIO GRANDE

DO SUL

SANTA

CATARINA

Imunologia | Íons Seletivos | Lavadora e Leitora de Microplacas | Pipetas | Pré-Analítico | Reagentes | Urinálise

BS800M

ANALISADOR DE BIOQUÍMICA

. 1200 testes/hora com ISE, expansível até 4800 testes/hora.

. Módulo de administração de amostra e Sistema de rastreamento frontal

. Capacidade de expansão em diferentes módulos

. Cubetas permanentes com estação de lavagem automática de 8 fases

. Volume mínimo de reação a 100 µl

BS 240 PRO

ANALISADOR DE BIOQUÍMICA

Grande capacidade de 50 ( extensível até 100) posições para reagentes

e 50 (extensível até 100) posições para amostra.

• 240 testes fotométricos por hora constante, até 400 testes/ hora

com ISE (K, Na, Cl) - opcional

• 24 horas de refrigeração para carrossel de reagente

• Cuvetas reutilizáveis com estação de lavagem automática

• Mixer independente

• Detecção de: coágulo, proteção contra colisão (vertical e horizontal),

nível de líquido, monitoração de inventário e pré-aquecimento do reagente.

• Leitor de código de barras interno

• Pré e pós-diluição para amostra

• interface LIS bidirecional

Volume mínimo de reação com 100µL de reagente.

www.jrehlke.com.br


ARTIGO CIENTÍFICO III

SOROPREVALÊNCIA DE HEPATITE B

EM CRIANÇAS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores: Aline Borges Cardoso 1 , Brenda Bulsara Costa Evangelista 2 , Ranieri Flávio Viana de Sousa 3 , Elaine Ferreira do Nascimento 4 ,

Camilla Soares Sobreira 5 , Lívia Mello Villar 6 .

Resumo

Introdução: A infecção pelo HBV é a décima principal causa de

morte em todo o mundo, sendo a maioria das infecções mais

frequentes em crianças das áreas endêmicas. As chances de adquirir

a forma crônica são variáveis conforme a faixa etária. OB-

JETIVO: discutir, com base na literatura, sobre a prevalência de

Hepatite B em crianças no mundo. METODOLOGIA: A presente

pesquisa trata-se de uma revisão integrativa, realizada durante

os meses de novembro e dezembro de 2018 na base de dados

Pubmed, através dos descritores: "Prevalence", "Hepatitis B",

"child". Foram utilizados os filtros: artigos publicados nos anos

2014 a 2019, disponíveis, de forma gratuita, nos idiomas inglês

e português e em crianças de até 18 anos. Em seguida, aplicados

os critérios de inclusão e exclusão. Os trabalhos selecionados foram

averiguados conforme as informações contidas nos resumos

e na leitura íntegra de cada um. RESULTADOS: Foi selecionado

um total de 15 artigos. Estes foram inseridos em uma tabela (Tabela

1) a fim de compará-los. As principais informações foram

anexadas no quadro como: Titulo do da pesquisa, autor, ano,

periódico, objetivo e resultados em relação a presença do marcador

pesquisado. DISCUSSÃO: Muitos dos estudos sobre Hepatite

B ainda concentram-se em grupos específicos e por isso, não

existindo um inquérito global preciso, embora as pesquisas realizadas

nos últimos anos divida o mundo em diferentes faixas

de prevalências. A idade em que é adquirida é um dos principais

fatores que influencia nas variações da infecção. O HBV ainda é o

maior causador de morte por câncer hepático, assim, existe a necessidade

de mais estudos para a detecção do vírus. CONCLUSÃO:

Este estudo descreve a epidemiologia e variação de prevalências

de infecção por HBV em algumas regiões do mundo. Esse tipo

de pesquisa é imprescindível para estimar a situação atual de

hepatite B, e para avaliar o impacto das políticas de imunização.

Palavras-Chave: Crianças, Hepatite B, Soroprevalência, Epidemiologia.

Abstract

Introduction: HBV infection is the tenth leading cause of

death worldwide, and most infections are more common

in children in endemic areas. The chances of acquiring

the chronic form vary according to age group. OBJECTI-

VE: To discuss, based on the literature, the prevalence of

hepatitis B in children worldwide. METHODOLOGY: This

research is an integrative review, conducted in November

and December 2018 in the Pubmed database, using the

keywords: "Prevalence", "Hepatitis B", "Child". We use the

filters: articles published from 2014 to 2019, available

for free in the English and Portuguese languages and in

children under 18 years. It then applied the inclusion and

exclusion criteria. The selected works were verified according

to the information contained in the abstracts and the

complete reading of each one. RESULTS: We selected 15

articles. These were entered into a table (Table 1) to compare

them. The main information was attached in the table

as: Research title, author, year, journal, objective and

results regarding the presence of the researched marker.

DISCUSSION: Many of the hepatitis B studies still focus on

specific groups, so there is no precise global research, although

research in recent years has divided the world into

different prevalence ranges. The age at which it is acquired

is one of the main factors that influence the variations of

the infection. HBV is still the leading cause of death from

liver cancer, so more studies are needed to detect the virus.

CONCLUSION: This study describes the epidemiology and

prevalence of HBV infection in some regions of the world.

This type of research is essential for estimating the current

status of hepatitis B and assessing the impact of immunization

policies.

Keywords: Child, Hepatitis B, Seroepidemiologic Studies,Epidemiology.

0 36

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Autores: Aline Borges Cardoso 1 , Brenda Bulsara Costa Evangelista 2 , Ranieri Flávio Viana de Sousa 3 , Elaine Ferreira do Nascimento 4 ,

Camilla Soares Sobreira 5 , Lívia Mello Villar 6 .

Introdução

São reconhecidos cinco vírus

causadores de Hepatites. Hepatite

A, B, C, D, E. Devido à diversidade

etiológica das hepatites virais,

sua transmissão ocorre de diferentes

maneiras, sendo que

sua prevalência e incidência

variam de acordo com alguns

fatores importantes: Região geográfica,

variáveis socioeconômicas,

do próprio agente etiológico

e de sua relação com o

hospedeiro (VIANA, et al 2017).

O HBV pertence família Hepadnaviridae,

gênero Orthohepadnavirus.

Apresenta genoma de

DNA, parcialmente de fita dupla

(ICTV, 1984) e é mais infeccioso

que o HIV (SHAO, et al 2018).

Para seu diagnóstico sorológico,

amostras de soro são submetidas

a testes imunoenzimáticos para

detecção de antígenos e anticorpos,

onde o HBsAg indica infecção

presente, o anti-HBc infecção

prévia, HBeAg infecção aguda e

anti-HBs imunidade (VILLAR, et

al 2015). As principais vias de

transmissão são: a via sexual, A infecção pelo HBV é a décima

parenteral, via vertical (de mãe principal causa de morte em todo o

para filho), responsável por mais mundo (WANG, et al 2018). A maioria

das infecções ocorre nas crianças

de um terço das infecções crônicas

(PAUL, et al 2018).

em áreas endêmicas (SHEDAIN, et al

Fluxograma 1: Esquema da metodologia aplicada.

ARTIGO CIENTÍFICO III

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 37


Autores: Aline Borges Cardoso 1 , Brenda Bulsara Costa Evangelista 2 , Ranieri Flávio Viana de Sousa 3 , Elaine Ferreira do Nascimento 4 ,

Camilla Soares Sobreira 5 , Lívia Mello Villar 6 .

ARTIGO CIENTÍFICO III

2017). As chances de adquirir a forma

crônica são variáveis conforme

a faixa etária. Por exemplo, na fase

adulta a probabilidade é cerca de

5%, todavia, em bebês chega a 30%.

Com isso, para a prevenção e controle,

a Organização Mundial de Saúde

recomenda desde 1992, a imunização

infantil (PAUL, et al 2018). Uma

dose deve ser administrada dentro de

24 horas após o nascimento e doses

posteriores aos dois e dez meses de

idade (PATEL, et al 2016). Através da

implementação generalizada da vacina

nos últimos anos, a prevalência

da infecção crônica reduziu entre os

grupos de faixas etárias mais jovens.

Estes dados podem ser observados

nas regiões da América do Norte e

Europa Ocidental. Por outro lado, em

muitos países a infecção permanece

endêmica, principalmente nos subsaarianos,

atingindo prevalências de

até 8% entre crianças e jovens de 0 a

19 anos (GOUNDER, et al 2016). Essas

detecções são importantes, pois

trazem a possibilidade de monitorar

a eficiência do programa de vacinação

contra o vírus em curto prazo

(IKOBAH, et al 2016).

Gráfico 1: Positividade do HBV nos países em estudo.

Em face do exposto, este estudo A pesquisa bibliográfica foi realizada

durante os meses de no-

objetiva discutir, com base na literatura,

sobre a prevalência de vembro e dezembro de 2018 na

Hepatite B em crianças no mundo. base de dados Pubmed, através

dos descritores: "Prevalence", "Hepatitis

B", "child" com o emprego

Metodologia

conjunto do operador booleano

A presente pesquisa trata-se de

“and” entre cada descritor, a fim

uma revisão integrativa com a temática:

“Prevalência de Hepatite

de, obter uma maior quantidade

de publicações acerca do tema. Ao

B em crianças no mundo”. Conceitua-se

como um tipo de pes-

realizar a busca com os descritores

foram identificados um total de

quisa que possui uma abordagem

5166 artigos e em seguida, utilizados

os seguintes filtros: artigos

metodológica ampla, pois analisa

a literatura disponível de forma

publicados nos anos 2014 a 2019,

abrangente e discute sobre metodologias

e resultados de outros

disponíveis, de forma gratuita, nos

idiomas inglês e português e em

trabalhos científicos sob a ótica de

crianças de até 18 anos.

diversos autores. Assim, seu principal

foco é o entendimento e a

compreensão de uma determinada Como critérios de inclusão foram

temática baseando-se em estudos adotados os artigos que abordavam

publicados anteriormente.

como assunto principal: Prevalência

0 38

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Fabricação nacional!

ESTÉRIL

PRONTO PARA USO

KIT

COLETA SALIVA

Funil

Como funciona?

1° Encaixe o funil na boca do tubo;

2° Deposite saliva no funil 5 vezes;

3° Retire e descarte o funil;

4° Feche o tubo.

Ideal para teste de COVID-19

Tubo seco

ou com

solução

Conheça também

Swabs Kolplast

Haste fina e flexível

Haste regular

Detalhe do

Ponto de Quebra

Saiba mais

+55 11 4961.0900

vendas@kolplast.com.br

www.kolplast.com.br


Autores: Aline Borges Cardoso 1 , Brenda Bulsara Costa Evangelista 2 , Ranieri Flávio Viana de Sousa 3 , Elaine Ferreira do Nascimento

4 , Camilla Soares Sobreira 5 , Lívia Mello Villar 6 .

ARTIGO CIENTÍFICO III

de Hepatite B, risco de infecção e os

marcadores sorológicos HbsAg, HBe-

Ag e Anti-Hbc. Os critérios de exclu-

quanto a infecção por Hepatite

B em crianças. Este trabalho

demonstra grande variação da

2017) e Polinésia Francesa(0%)(

PATEL, et al 2016). Esses achados

apontam para o sucesso que os

são aplicados foram: artigos que tra-

presença do HBV ao redor do

programas vacinais têm alcança-

tam apenas sobre cobertura vacinal,

mundo. Os resultados foram ava-

do ao redor do mundo, através do

efetividade de vacina contra Hepati-

liados conforme a presença dos

cumprimento rigoroso que estas

te B, trabalhos que abordassem di-

marcadores HBsAg, anti-HBc e

nações têm seguido do esquema

ferentes infecções e co-infecções. Os

HBeAg. A prevalência do mar-

vacinal. É importante enfatizar,

trabalhos selecionados foram ave-

cador HbsAg pode classificar-se

que para uma soroproteção eficaz,

riguados conforme as informações

em: baixa ( 8%) (SANT’ANNA, 2016). A

de prevalências; e a pontualidade

realizada a extração dos principais

maioria dos países concentra-se

na imunização dos recém-nasci-

dados que continham informações

nos menores índices de preva-

dos, uma vez que a proteção dos

relevantes para análise referente à

lência, aproximando-se cada vez

bebês o mais cedo possível, causa

temática do estudo.

mais de uma das metas do Obje-

impacto significativo no ciclo de

tivo de desenvolvimento susten-

transmissão do vírus (PAUL, et al

Resultados

tável, que consiste em combater

2018). A prevalência encontrada

Após a metodologia aplicada

as hepatites até o ano de 2030,

no Brasil (0,02%) (CIACCIA, et al

(fluxograma 1), foi seleciona-

reduzindo a mortalidade infantil

2014), pode indicar outro fator

do um total de 15 artigos. Estes

em 12-25 por 1.000 nascidos vi-

determinante nesse baixo índi-

foram inseridos em uma tabela

vos (Agenda 2030). Dentre estas

ce, a faixa etária. Grande parte

(Tabela 1) a fim de compará-los.

regiões pode-se destacar a China

dos estudos realizados neste país

As principais informações foram

(0,2%-1,16%) (SHISHEN, et al

mostra que a maioria dos casos

anexadas no quadro.

2018, ), Egito(0,04%) (SALAMA,

positivos foram entre as idades

et al 2017), Bangladesh(0,05%)

de 20-40 anos (ANASTACIO, et al

Discussão

(PAUL, et al 2018), Coreia do

2008). A Nigéria chama atenção

Este foi o primeiro estudo a

Sul (0,09%) (LEE, et al 2017),

quanto ao resultado encontrado

reunir dados de diversos países

Polinésia (0,9%)(PEZZOLI, et al

de 1,2% (IKOBAH, et al 2016),

0 40

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


.nihonkohden.com

TECNOLOGIA JAPONESA

PRESENTE EM MAIS DE 120 PAÍSES


ARTIGO CIENTÍFICO III

pois tem divergido da maioria dos

trabalhos realizados neste local,

que geralmente enquadram-se

possam ter alguma influência na

positividade encontrada (NUNES,

et al 2004). Contudo, localizar

anos divida o mundo em diferentes

faixas de prevalências. A idade

em que é adquirida é um dos

dentro das faixas de intermediá-

precisamente as causas da trans-

principais fatores que influencia

rio a altos índices. Por exemplo,

missão em países subdesenvolvi-

nas variações da infecção. O HBV

em 2003 CHUKWUKA et al encon-

dos é um desafio, pois a infecção

ainda é o maior causador de mor-

traram uma prevalência de 7,6%

não está relacionada apenas aos

te por câncer hepático, assim,

de HbsAg em crianças de 5 a 12

comportamentos de risco (uso

existe a necessidade de mais es-

anos de idade. Posteriormente,

de drogas, múltiplos parceiros,

tudos para a detecção do vírus,

em 2009, UGWUJA et al no su-

homossexuais masculinos, hemo-

principalmente, em crianças e

deste da Nigéria estimaram uma

dialisados), como observado nos

jovens, uma vez que, as chances

positividade de 4,1% na faixa

países desenvolvidos. Assim, di-

de avanço para a cronicidade são

etária adolescente. Estes achados

versos fatores podem influenciar

maiores (MATOS, 2007).

podem estar indicando sucesso

na cadeia de transmissão do HBV,

no controle do HBV ou podem es-

por exemplo, os portadores crôni-

Conclusão

tar relacionados a diferentes ta-

cos infectantes, a multiplicidade

Este estudo descreve a epide-

manhos amostrais ou a distintos

de formas de exposição ao vírus,

miologia e variação de preva-

métodos de triagem para análi-

infectados assintomáticos (ASSIS,

lências de infecção por HBV em

se laboratorial entre os estudos

et al 2004), dificuldades de aces-

algumas regiões do mundo. Esse

(IKOBAH, et al 2016).

so a saúde, falta de informação,

tipo de pesquisa é imprescindí-

recursos limitados, incompletude

vel para estimar a situação atual

A África lidera em termos de pre-

vacinal e os desafios logísticos

de hepatite B, e para avaliar o

valência (gráfico 1).Os achados

colocados pela alta taxa de nas-

impacto das políticas de imuni-

encontrados neste trabalho asse-

cimentos domiciliares (PAUL, et

zação. Ainda existem locais que

melha-se a maioria dos estudos

al 2018). A maioria dos estudos

precisam de atenção e estratégias

feitos nessas regiões, devido sua

sobre Hepatite B ainda concen-

de controle da infecção, mas com

característica endêmica. É discu-

tram-se em grupos específicos e

aplicação de medidas eficazes

tível se fatores culturais, sociais,

por isso, ainda não existe um in-

de soroproteção e educação em

econômicos, genéticos, popula-

quérito global preciso, embora as

saúde pública, o controle do HBV

cionais, geográficos ou históricos

pesquisas realizadas nos últimos

será eficazmente alcançado.

0 42

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Referências

AGENDA 2030. Os 17 objetivos do desenvolvimento sustentável. Disponível

em: http://www.agenda2030.com.br/ods/3.Acesso em: 13/08/2019

ANASTACIO, J. Prevalência do vírus da hepatite B em indivíduos da

região centro-ocidental do Paraná, Brasil. Rev. Saúde e Biol., v.3, n..2,

p.10-15, Jul-Dez, 2008

ASSIS, S.B. et al. Prevalence of hepatitis B viral markers in children 3

to 9 years old in a town in the Brazilian Amazon. Revista Panamericana

de Salud Publica, 2004

CHUKWUKA, J.O; EZECHUKWU, C.C, EGBUONU, I. Cultural influences

on hepatitis B surface antigen seropositivity in primary school children

in Nnewi. Nig J Paediatric, 2003

CIACCIA, M.C. et al. Aspectos epidemiológicos, sorológicos e moleculares

das hepatites B e C em crianças e adolescentes de escolas municipais

de creches e escolas da cidade de Santos; Revista Brasileira de

Epidemiologia, 2014.

DE MATOS, M.A. Estudo da infecção pelo vírus da Hepatite B(HBV) em

caminhoneiros de rota longa do Brasil: Soroepidemiologia e genótipos.

Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal de Goiás, 2007.

IKOBAH, J. et al. Prevalence of hepatitis B virus infection in Nigerian

children prior to introduction of the vaccine in the national vaccination

program. Pan African Medical Journal, 2016

JARAMILLO, C.M. et al. Characterization of hepatitis B virus in Amerindian

children and mothers of the state of Amazonas, Colombia. Plos One, 2017

KOMADA, K. et al. Seroprevalence of chronic hepatitis B, determined from

dried blood stains, among children and their mothers in the Lao People's

Democratic Republic in the center of the country: a multi-stage stratified

cluster sampling survey; International Journal Infectious Diseases, 2015

KÖSE, Ş. et al. Hepatitis A, B, C and HIV seroprevalence among outpatient

Syrian refugee children; InfezMed, 2017.

LEE, K.H. et al. Changes in hepatitis B virus antibody titers over time

among children: a single center study from 2012 to 2015 in a South

Korean city. BMC Pediatric, 2017

MARTINS, M.M.F. et al. Hepatitis B in the City Of Salvador, Bahia, Brazil:

Epidemiological Pattern and Association of Sociodemographic Variables.

Revista Brasileira de Ciência da saúde, V 20; n° 3;pg189-196, 2016.

NUNES, H.M. Prevalence of hepatitis B and D serological markers in

the Parakanã, Apyterewa Indian Reservation, Pará State, Brazil. Cadernos

de Saúde Pública, 2004.

PATEL, M.K. et al. Hepatitis B Vaccination Coverage and Hepatitis B

Surface Antigen Prevalence Among Children in French Polynesia; The

American Journal of Tropical Medicine Hygiene, 2016.

PAUL, R.C. et al. Seroprevalence of Hepatitis B Surface Antigen

among Pre-Vaccine Era and Vaccine Children in Bangladesh. The American

Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 2018.

PEZZOLI, L. et al. Low Level of Hepatitis B Virus Infection in Children

20 Years After the Start of the Child Vaccination Program in Wallis and

Futuna. The American Journal of Tropical Medicine Hygiene, 2017.

RASHID, A. et al. Seroprevalence of hepatitis B surface antigen (HBsAg)

in Bo, Sierra Leone, 2012–2013; BMC Research Notes, 2018.

SALAMA, I.et al. Immunogenicity of compulsory and booster doses

of hepatitis B vaccine among children in Cairo, Egypt. Journal Egyptian

Public Health Association, 2017

SANT'ANNA, Carla de Castro. Prevalência da Hepatite B oculta nos

pacientes atendidos no Núcleo de Medicina Tropical da Universidade

Federal do Pará, Amazônia Brasileira. 2016. 103 f. Dissertação (Mestrado)

– Universidade Federal do Pará, Núcleo de Medicina Tropical,

Belém, 2016. Programa de Pós-Graduação em Doenças Tropicais.

SHEDAIN, P.R. et al. Prevalence and risk factors of hepatitis B infection

among mothers and children with hepatitis B infected mother in Dolpa,

Nepal. BMC Infectious diseases, 2017

SHISHEN, W. et al. Epidemiological study of hepatitis B and hepatitis

C infections in northeastern China and the beneficial effect of hepatitis

B vaccination strategy: cross-sectional study; BMC Public Health, 2018

UGWUJA E, UGWU N. Seroprevalence of Hepatitis B Surface Antigen

and Liver Function Tests among Adolescents in Abakaliki, south Eastern

Nigeria. The Internet J Tropical Med. 2009

VIANA ,D.R, VELOSO, N.M, NETO, O.C, PAPACOSTA, N.G, Nunes

GM, Guedes VR (2017) Hepatite B e C: diagnóstico e tratamento.

Revista de Patologia do Tocantins,4(3):73-79

ZHONG, Y.W. et al. Hepatitis B virus basal nucleus promoters / mutant

precursors and association with liver cirrhosis in children with chronic

hepatitis B virus infection. Clinical Microbiology and, 2016.

ZHU, Q. Et al. Epidemiological serosurvey of hepatitis B virus among

children aged 1–14 years in Guangdong Province, China; International

Journal of Infectious Diseases, 2018.

TABELAS E LEGENDAS

Tabela 1- Caracterização dos artigos organizados por título, autores, ano de publicação, país, periódico, objetivo e principais resultados.

ARTIGO CIENTÍFICO III

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 43


GESTÃO LABORATORIAL

LABORATÓRIOS CLÍNICOS:

REENGENHARIA OU MORTE!

35 QUESTÕES FUNDAMENTAIS

PARA O GESTOR LABORATORIAL

Se o gestor do laboratório não souber

responder estas questões, ele poderá

até estar lucrando bem, entretanto,

ainda assim, não controlará de forma

adequada a empresa!

1. A lucratividade do seu laboratório

é maior ou menor do que a do

concorrente?

2. Qual o nível de competitividade

do laboratório comparado com a

concorrência?

3. E o risco de insolvência é maior

ou menor do que a concorrência?

4. Os clientes do laboratório pagam

mais ou menos pelos os exames

do que na concorrência?

5. Qual o valor dos exames na concorrência?

6. A política de precificação dos exames

está correta? Não está conduzindo

à falência do laboratório? Ou

quem sabe, à perda de mercado?

7. Não será a hora de vender o laboratório?

E, neste caso, quanto

vale o negócio? Quais as alternativas

para continuar a operação?

8. O laboratório produz mais barato

do que a concorrência? O quanto

mais barato?

9. Qual o valor de quem produz

mais barato? É possível produzir

por este valor?

10. É melhor produzir ou terceirizar

mais?

11. Quantos dias por mês produzem

os lucros do laboratório?

12. O volume de exames produzidos

é adequado à capacidade instalada

para recepcionar, coletar,

produzir, entregar e faturar?

13. O laboratório tem mais ou menos

empregados que a concorrência?

14. Eles ganham mais ou menos

que na concorrência?

15. O laboratório paga mais ou menos

aluguel que a concorrência?

16. Gasta mais com água, energia

elétrica e comunicações do que a

concorrência? E, qual o valor gasto

a mais ou a menos?

17. Gasta mais com marketing, material

de uso comum e serviços de

terceiros do que a concorrência? E,

quanto gasta a mais ou a menos?

18. Gasta mais com investimentos

e capital de giro do que a concorrência?

E, quanto gasta a mais ou

a menos?

19. Gasta a mais com reagentes,

controles e calibradores do que a

concorrência? E, quanto gasta a

mais ou a menos?

0 44

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


GESTÃO LABORATORIAL

20. Gasta a mais com descartáveis,

manutenção de equipamentos

e material de escritório do que

a concorrência? E, quanto gasta a

mais ou a menos?

21. Gasta a mais com laboratórios

de apoio do que a concorrência? E,

quanto gasta a mais ou a menos?

22. Paga mais impostos do que

a concorrência? E, quanto paga a

mais ou a menos?

23. Em que processos devem ser

alocados os recursos físicos, financeiros

e humanos para atingir

metas desejadas?

24. Quais serão as margens de lucro

e as rentabilidades do negócio para

os mais diversos cenários de vendas?

25. Qual o ponto de equilíbrio do

laboratório?

26. Em caso de expansão do laboratório

ou ainda, da abertura de um

novo negócio, que lucro esperar?

27. Qual a forma e momento de

mudar a operação do negócio?

28. Quais as causas dos problemas

econômicos do laboratório?

29. Que ações corretivas e preventivas

devem ser tomadas?

30. Qual a repercussão no lucro do

laboratório?

31. Os custos fixos são controlados

de forma eficiente?

32. Os insumos para a produção

dos exames são gerenciados de

forma eficiente?

33. São mensurados e comparados

com a concorrência os índices de

eficiência gerenciais?

34. Qual a posição do laboratório

no Ranking Nacional da Competência

Gerencial?

35. O planejamento estratégico

do laboratório é estabelecido com

base nos resultados da concorrência,

assegurando desta forma que

a organização seja competitiva e

com baixo risco de insolvência?

Tenho tratado exaustivamente do

tema que envolve a sobrevivências

dos laboratórios clínicos. Em última

instância, desde que abandonei a

engenharia elétrica e adentrei no

maravilhoso universo das análises

clínicas, obtendo o honroso título de

“Falso positivo”, pois graças aos recursos

do mimetismo aparentava ser

um farmacêutico bioquímico, contudo,

incapaz de responder a mais

elementar questão desta espetacular

profissão científica! Entretanto,

graças ao afetuoso acolhimento das

pessoas que militam nesta área,

prosperei na missão de ajudar desenvolver

a gestão econômica e

financeira dos laboratórios. Escrevi

cinco livros sobre o tema e cunhei a

expressa “Primeira disrupção” para

descrever a transformação ocorrida

no mercado a partir da virada do

milênio e de “Segunda disrupção”

para a que já estamos vivendo. A

primeira gerou um problema gigantesco

sintetizado por: redução

significativa da competitividade

empresarial acompanhada pelo aumento

no risco de insolvência dos

laboratórios. As duas causas fundamentais

disto são o excesso de capacidade

produtiva instalada frente

à demanda de exames e a socialização

da medicina, dentre um conjunto

de outras causas, que levaram, de

uma forma geral, a uma queda brutal

na precificação dos exames. Já a

segunda disrupção, ora em curso,

traz em sua origem ao menos dois

aspectos determinantes: 1) Reações

pontuais para solucionar o grave

problema gerado pela primeira disrupção.

2) Ações para absorver de

forma dinâmica os rápidos e inúmeros

avanços tecnológicos. Ouso dizer

que o resultado disto será uma nova

forma de fazer os exames laboratoriais,

absolutamente distinta do que

ocorria no final do século passado!

Qual a principal consequência disto?

Somente sobreviverão as organizações

que tiverem capacidade de

se adaptar rapidamente às novas

exigências! Como serão os laboratórios

destes novos tempos? De uma

0 46

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


GESTÃO LABORATORIAL

coisa eu sei: serão muito diferentes

dos atuais. Radicalmente distintos,

seja nos aspectos técnicos, seja no

modelo de gestão. Em suma, empresas

construídas e operando sob

um novo paradigma! Tenho debatido

este assunto em diversos grupos

profissionais e existe um consenso

da dimensão das ameaças que pairam

sobre os laboratórios clínicos

onde já estaríamos no início de uma

fase de extinção da categoria, estimulada

por pressões com cenários e

variadas origens:

• Do governo (MS; ANVISA – CP 911 e 912);

• Concorrências de novos entrantes

no mercado, farmácias, clínicas populares

e correlatos;

• Massificação dos Testes Laboratoriais

Portáteis (TLP), também conhecidos

como “Testes rápidos”;

• Novos modelos de negócios (por

exemplo, o Hilab, a telemedicina etc.);

• Crescente avanços tecnológicos

em dispositivos, equipamentos e

serviços de monitoramento residencial.

Foco em telemetria, dispositivos,

artefatos, sensores e outros

equipamentos acoplados aos smartphones

e voltados a personalização

dos serviços de cuidado pessoal;

• Interpolaridade crescente entre os

smartphones e as tecnologias vestíveis,

indústria 4.0 (fábricas inteligentes), internet

das coisas, sistemas ciber-físicos,

computação em nuvem, big data;

• As relações entre os diversos atores

do “cluster da saúde” serão realizadas

de forma cada vez mais remotas;

• A crescente conscientização da saúde

pessoal deverá modificar o perfil

de sociedade, com novas exigências e

orientações dogmáticas em saúde;

• As soluções tecnológicas irão exigir

grande capacidade para lidar com

enorme volume de dados aliada à velocidade

de processamento, na área

da saúde. Isto deverá proporcionar

transformar rapidamente registros

clínicos em informação para a tomada

de decisão em favor dos pacientes;

• Os laboratórios clínicos deverão sair

da sede física para chegar junto aos

pacientes, médicos, fornecedores e

pagadores dos serviços (convênios...),

através da conectividade eletrônica;

• Deverá haver necessidade crescente

de reduzir o prazo de entrega dos

exames (menor tempo de resposta);

• Necessidade crescente do diagnóstico

precoce de doenças;

• Deverá haver crescimento de subespecializações

dentro das especialidades

clínicas;

• Novos “entrantes” na área de auxílio

ao diagnóstico médico: equipamentos

que utilizam pequenos volumes

de amostra (uma gota...) para realizar

centenas de exames; laboratórios

portáteis, exames remotos e junto

aos pacientes;

• União entre os serviços de diagnósticos

por imagem com os laboratórios

clínicos, junções, fusões, aquisições

buscando soluções ecologicamente

corretas;

• Deverá haver demanda crescente

para testes preventivos e de fatores

de risco, particularmente nas áreas

de oncologia, endocrinologia e ginecologia.

Idem para testes de toxicologia/abuso

de drogas;

• Pressão maior sobre os laboratórios

hospitalares para recolher,

interpretar e fornecer informações

para os médicos e outros profissionais

de saúde com a finalidade de

monitorar a condição do paciente e

de sua saúde em geral, visando reduzir

o tempo de estadia;

• É esperado um aumento no número

de laboratórios clínicos, em particular

0 48

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


no setor independente, continuando

a influenciar a indústria e colocando

pressão nos laboratórios, num esforço

para reduzir os custos;

• Deverá haver uma contínua pressão

descendente de preços; no entanto, o

mercado vai ser compensado por um

aumento no volume;

• Deverá ocorrer uma verticalização violenta

do mercado das análises clínicas;

• Incremento das fusões e aquisições

gerando novos grandes conglomerados,

ameaçando ainda mais os pequenos

e médios laboratórios.

Nos grupos profissionais debatemos

a situação do mercado das análises

clínicas, onde claramente se identificam

graves ameaças à sobrevivência

dos pequenos e médios laboratórios,

mas, também surgem ideias para

soluções. Fundamentalmente convergem

para a busca da união entre

empresas, contudo, há divergência se

a união deve ser somente entre laboratórios

ou também entre laboratório

e clínicas médicas. Tudo visando

racionalizar a produção em regiões

eliminando a multiplicidade de equipamentos

com as mesmas funções

e otimizar a logística de suprimentos,

gerando ganho de escala com

processos de compras conjuntas. O

grande desafio é vencer o egoísmo,

a ganância, onde deveria prevalecer

a ética, a decência de procedimentos.

Perceber que os concorrentes não

são inimigos que devem ser destruídos,

mas que podem ser parceiros

na solução da miríade de desafios do

mercado. A busca deve ser frenética

por ações que reduzam custos e aumentem

receitas para incrementar a

produtividade, gerando competitividade

e reduzindo o risco de insolvência.

E, nestes cenários uma exigência

se faz necessária e imprescindível

em qualquer situação ou solução

adotada: GESTÃO PROFISSIONAL! Ou

agimos agora, ou choramos depois.

Ah, e não tem para quem reclamar!

“Ai dos vencidos – Breno, General

Gaulês”, ou seja, perdedor não tem

direito, só obrigação. Estamos fazendo

a nossa parte, buscando deixar

um legado ao universo das análises

clínicas do País, por isto, voltamos

ao título deste artigo: LABORATÓ-

RIOS CLÍNICOS: REENGENHARIA OU

MORTE! Nós temos uma solução! A

Unidos Consultoria e Treinamento

fornece suporte total em gestão

econômica para laboratórios, com

preços acessíveis aos de pequeno e

médio porte. Recomendamos que

busquem informações sobre o nosso

trabalho junto aos clientes, pois

são eles, em última análise, que

tem autoridade para isto.

Visitem o site: www.unidosconsultoria.com.br

Nossos produtos

proporcionam decisões mais assertivas

na importante área econômica,

que definem não só a sobrevivência,

mas os lucros no presente

e no futuro. Não há alternativa honesta

possível a não ser gestão baseada

em evidências científicas. É o

que oferecemos aos nossos clientes:

gestão profissional para um futuro

perene! Entretanto, a decisão é dos

gestores laboratoriais, são eles que

podem fazer a diferença entre a

postura das lamentações ou serem

proativos, fazendo acontecer. Este

é o fator chave: mudar o papel de

vítimas do destino (postura de lamentações)

para o de construção

do caminho para o sucesso (fazer

acontecer). Gestor laboratorial, você

lembra das 35 questões que deveriam

ser respondidas no início do

artigo? Pois bem, mostro a seguir

uma solução, mediante o uso de

importante ferramenta de TI para

a gestão econômica dos laboratórios

clínicos, o SISTEMA DE BEN-

CHMARKING – APOIO À DECISÃO

– RANKING NACIONAL DA COMPE-

TÊNCIA GERENCIAL, integrante do

PROGELAB – Programa Nacional

para Profissionalização da Gestão

Laboratorial, por nós desenvolvido,

com inovações disruptivas sobre o

tema. Gerenciar um laboratório é

GESTÃO LABORATORIAL

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 49


GESTÃO LABORATORIAL

controlar seus processos e, só pode

ser gerenciado aquilo que é medido

e comparado! Quem não sabe calcular

a sua competitividade e avaliar

o seu risco de insolvência se comparando

com seus concorrentes, por

exemplo, como no RANKING NACIO-

NAL DA COMPETÊNCIA GERENCIAL,

não sabe se localizar no “Mapa da

concorrência mundial”. E quem não

sabe onde anda, está PERDIDO!

Simples assim. A importância deste

ranking fica, então, evidente. É

uma ferramenta fundamental para

o auxílio às decisões dos gestores

laboratoriais, sendo única no Brasil,

com este formato e alcance. Com a

posição do laboratório marcada no

RANKING NACIONAL DA COMPETÊN-

CIA GERENCIAL, os gestores podem

identificar os problemas existentes,

ou seja, elaborar um diagnóstico,

analisar as causas e propor soluções

(ações corretivas e preventivas). Isto

de fato, é controlar os processos

econômicos do laboratório. Como

participar do RANKING NACIONAL

DA COMPETÊNCIA GERENCIAL? A

Unidos Consultoria e Treinamento

disponibiliza um produto (ferramenta

de TI implantada via web)

focado na gerência de processos

econômicos dos laboratórios clínicos.

Trata-se do Sistema de Benchmarking

– Apoio à Decisão, que

contempla o RANKING NACIONAL

DA COMPETÊNCIA GERENCIAL. Todo

o laboratório que implantar o Sistema

de Benchmarking – Apoio

à Decisão, automaticamente irá

participar do Ranking Nacional da

Competência Gerencial, desfrutando

desta magnifica ferramenta de

gestão econômica, inédita no Brasil

e no mundo. Atualmente os laboratórios

estão enfrentando uma redução

significativa da competitividade

empresarial acompanhada pelo aumento

no risco de insolvência. Não

há mais espaço para amadorismo

nos negócios na área das análises

clínicas. O futuro destas organizações

dependerá disto: gestão científica

baseada em dados, fatos e

algoritmos matemáticos no apoio às

decisões. Neste contexto, o Sistema

de Benchmarking – Apoio à Decisão,

que contempla o RANKING NACIO-

NAL DA COMPETÊNCIA GERENCIAL,

torna-se uma ferramenta decisiva

para alavancar os lucros, a produtividade

dos laboratórios, buscando

assegurar um futuro perene, pois é

dotada de uma concepção complexa

em termos de desenvolvimento,

contudo, extremamente amigável

para os usuários, pois evidencia claramente

e de forma automática os

problemas da organização, viabiliza

a análise das causas, conduzindo

naturalmente às ações corretivas

e preventivas (soluções dos problemas).

Trata-se de um programa

ímpar no mercado das análises clínicas

que requer poucos dados de

entrada, implantado à distância e

que fornece um conjunto de importantes

informações para o auxilia às

decisões dos gestores laboratoriais.

Consideramos este produto como

sendo um sistema de gestão profissional,

sintetizado na sua essência,

não sendo mais possível produzir

tanta informação importante, de

forma fácil e rapidamente acessível

aos gestores laboratoriais, com tão

poucos dados de entrada. Nunca o

apoio às decisões foi tão simples,

completo, científico e acessível:

identificação de problemas (diagnóstico)

e análise de causas, proporcionando

a visualização das ações

corretivas e preventivas. Você gestor

laboratorial, deve aproveitar esta

oportunidade única de se comparar

com os seus concorrentes, participar

do aprendizado coletivo oriundo do

processo de benchmarking competitivo,

contudo, de cooperação.

O RANKING NACIONAL DA COMPE-

TÊNCIA GERENCIAL, proporciona o

aprendizado coletivo, onde o saber,

o conhecimento de todos, permeia

de forma sinérgica no grupo de

participantes, beneficiando de forma

anônima cada laboratório, sem

prejudicar nenhum, socializando a

gestão econômica científica para

0 50

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


os que dela mais necessitam. E, o

fantástico desta solução inteligente

e justa, é que os aspectos inerentes

ao sistema do livre mercado, ou

seja, da concorrência, continuam

existindo, porém, os concorrentes

deixam de ser “inimigos” e passam

a ser parte da solução! Convidamos

a todos os gestores laboratoriais a

participarem deste certame, uma

disputa onde TODOS GANHAM, ainda

que fique classificado em último

lugar do ranking, pois o sistema de

tecnologia da informação, por nós

desenvolvido, viabiliza a melhoria

contínua dos processos econômicos

dos laboratórios, por consequência,

dos LUCROS e da COMPETITIVIDADE,

reduzindo os RISCOS. Asseguramos

que quem participa do RANKING

NACIONAL DA COMPETÊNCIA GE-

RENCIAL, melhora significativamente

os resultados econômicos. Isto só

não ocorrerá somente se, mesmo

tendo acesso as fantásticas informações

do sistema que identifica de

forma científica, problemas (diag-

nóstico), analisa causas prováveis e

evidencia possíveis soluções (ações

corretivas e preventivas), os gestores

laboratoriais não tomarem as

devidas providências. Esta magnífica

ferramenta de TI faz a parte que

lhe toca, entretanto, não pode agir

no lugar dos gestores. Cabe a estes

a responsabilidade e o dever de agir,

a ferramenta é sistema de apoio às

decisões, estas dependem do livre

arbítrio dos gestores laboratoriais.

Lembrem-se do título deste artigo,

LABORATÓRIOS CLÍNICOS: REENGE-

NHARIA OU MORTE! Vamos fazer um

esforço, nos capacitar, trabalhar, trabalhar,

trabalhar..., pois sendo leão

ou gazela, temos que correr para sobreviver!

“A vida é luta renhida, que

aos fracos abate, e aos fortes, só faz

exaltar.” (Canção do Tamoio – Gonçalves

Dias). Todos, simplesmente,

todos temos que lutar, não há escolha

para o sucesso honesto! Esperando

termos contribuído para os negócios

na área das análises clínicas, nos

despedimos até a próxima edição da

revista NewsLab.

Boa sorte e sucesso!

Fonte: Autor

Humberto Façanha

51-99841-5153

humberto@unidosconsultoria.com.br

www.unidosconsultoria.com.br

GESTÃO LABORATORIAL

Desafios econômicos durante e pós pandemia?

Humberto Façanha

TEMOS A SOLUÇÃO AO ALCANCE DOS LABORATÓRIOS:

Sistema de gestão profissional para

identificar problemas, causas e soluções

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

(51)9.9841.5153

humberto@unidosconsultoria.com.br

GESTÃO PROFISSIONAL ACESSÍVEL

PARA PEQUENOS E MÉDIOS LABORATÓRIOS!

*Humberto Façanha da Costa Filho

Professor e engenheiro, atualmente é articulista e consultor financeiro

da SBAC, professor do Centro de Ensino e Pesquisa em Análises Clínicas

(CEPAC) da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) e professor

do Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo (IESA),

curso de Pós-Graduação em Análises Clínicas.

www.unidosconsultoria.com.br

0 51


MATÉRIA DE CAPA

Illumina expande suas operações na

América Latina, abrindo novo “Centro de

Soluções Illumina - Illumina Solutions Center” em

São Paulo, Brasil

O Illumina Solutions Center no Brasil tem como

objetivo impulsionar a eficiência e agilidade de

nossas atividades e expandir nossas possibilidades

para atender clientes internos e externos. Este é o

nosso primeiro Solution Center na América Latina

e ocuparemos um espaço de aproximadamente

1000 metros quadrados, com arquitetura moderna

e infraestrutura completa, localizado na prestigiada

Avenida Paulista. O espaço contará com laboratórios

para treinamentos e demonstrações, área para

reuniões e escritórios.

0 52

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Através do Illumina Solutions Center

disponibilizaremos todo o suporte comercial,

treinamentos para clientes e para colaboradores.

MATÉRIA DE CAPA

Suporte Comercial

• Através da colaboração pré-vendas na realização de demonstrações

com apresentação do fluxo de trabalho, de avaliação de serviços e

validação de ensaios e testes.

• Através da realização de workshops aberto a clientes e eventos

de marketing.

• Oferecimento de cursos de introdução ao sequenciamento de

nova geração (do Inglês - NGS) para sequenciadores Illumina.

Treinamentos para clientes

• Oferecimento de treinamentos teórico/prático em instrumentos

e workflows.

• Colaboração em novas aplicações com uso de nossos produtos.

• Oferecimento de workshops de aplicações

Treinamento de Colaboradores

• Treinamento prático para o time Brasil e Distribuidores da América Latina.

• Expansão de ferramentas de treinamento digital.

• Desenvolvimento de currículo e módulos práticos de especialização.

• Espaço de escritório e laboratórios para promover maior acesso

aos instrumentos Illumina e projetos colaborativos.

Porque acreditamos que será um grande benefício para a

Illumina e nossos clientes na América Latina:

Este novo Centro da Illumina estará localizado no coração da América do

Sul, em São Paulo, com fácil acesso a aeroportos, interligando todo o país

e América Latina.

A disponibilidade de laboratórios e salas de reunião permitirá uma maior

interação pre e pós vendas para melhor assessorar nossos clientes e parceiros.

Um centro de treinamentos completo em São Paulo permitirá flexibilidade

no agendamento de atividades técnico-cientificas além de um maior

acesso aos instrumentos e ferramentas disponibilizados pela Illumina.

O Illumina Solutions Center

em São Paulo está previsto para

ser inaugurado no segundo

semestre de 2021.

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021 0 53


MATÉRIA DE CAPA

“A Illumina é uma organização global,

mas reconhecemos a importância de

nos envolvermos em nível regional com

nossos clientes. É por isso que criamos este

novo Centros de Soluções Illumina perto

de você: venha em breve nos encontrar e

conhecer nossas novas operações em São

Paulo!

O Illumina Solutions Center é um espaço

dedicado aos nossos clientes, e conta com

uma equipe de especialistas técnicos,

fornecendo soluções e programas completos

para mostrar os recursos da tecnologia

Illumina. Este é o lugar onde vamos oferecer

treinamentos em qualquer um de nossos

fluxos de trabalho em um laboratório

totalmente equipado, usando os mais novos

instrumentos, métodos de preparação de

biblioteca e soluções de análises.

Nós o projetamos para fornecer a melhor

experiência Illumina aos nossos visitantes

e, portanto, agora estamos mais perto do

que nunca da comunidade científica latino

americana.

Nos inspiramos nas maneiras pelas

quais a genômica pode estimular a

atividade econômica regional e incentivar

diversas linhas pesquisas. Acreditamos

que o Illumina Solutions Center no Brasil

reforçará a importância da colaboração

entre o ambiente acadêmico, clínico e

corporativo, aumentando o acesso às

tecnologias genômicas, assim como a

capacitação de profissionais, com enorme

potencial de melhorar os resultados de

saúde para os pacientes”.

Patricia Landsmann

Regional Sales Director, Latin America

“Esse será o primeiro centro de

treinamentos Illumina da América Latina

e quinto do mundo. Com ele, pretendemos

ampliar cada vez mais o acesso às nossas

tecnologias e testes inovadores de

alta qualidade oferecendo aos nossos

clientes a oportunidade de interação com

sequenciadores de DNA/RNA de última

geração além da nossa plataforma de

Array e automação.

O mercado de genômica no Brasil tem

se destacado e nós sabemos que ainda

estamos só no começo. O investimento

que estamos realizando para construir

esse centro mostra o quanto a Illumina

acredita no potencial dos nossos clientes

e parceiros no Brasil. Já há alguns anos

que estamos idealizando esse projeto

e entendemos que agora é o momento

certo para dar esse passo importante no

fortalecimento da genômica no Brasil.”

Vagner Simões

Senior Manager

“Ter um Centro de Treinamento Illumina

(Illumina Solutions Center) na cidade de

São Paulo é muito importante para nossos

clientes. Serão oferecidos cursos nas mais

diversas aplicações, possibilitando aos

clientes um aprendizado mais profundo

de suas áreas de interesse e também

a possibilidade de expandir os seus

conhecimentos para outras áreas.

Nossos especialistas ministrarão aulas

práticas e teóricas, enriquecendo também

a troca de experiências entre os próprios

clientes durante os cursos. Sabemos que

o sequenciamento de nova geração (do

Inglês NGS) é relativamente recente no

Brasil e essa troca entre os clientes é muito

importante.

Poderemos receber clientes do Brasil

inteiro e da América Latina, para conhecer

as diferentes plataformas da Illumina,

assim como os diferentes protocolos e

tipos de preparo de biblioteca.

Estar em um laboratório equipado com

diferentes equipamentos também ajudará

em tomadas de decisões para futuras

aquisições.

Além dos cursos e treinamentos,

poderemos customizar demonstrações

para que os clientes conheçam

determinados protocolos e possam

escolher a melhor de nossas soluções.

0 54

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


“Com a base instalada de sequenciadores

Illumina em constante crescimento e um

número maior de aplicações disponíveis

no mercado, a demanda por treinamentos

seja na utilização dos equipamentos,

preparação de amostras ou até mesmo

treinamento por parte de engenheiros

tem aumentado consideravelmente.

A possibilidade de realizar esses

treinamentos em um único lugar poderá

propiciar uma agenda de treinamentos

flexível principalmente para os clientes,

que no geral tem uma rotina pesada

de trabalho e precisam se programar

antecipadamente.”

Marcel Akio

Staff Field Service Engineer

MATÉRIA DE CAPA

Desde 2011, nossos clientes confiam na

Illumina Brasil e nossa base instalada tem

crescido consideravelmente ano a ano.

É um prazer poder oferecer o centro de

treinamento aos nossos clientes como uma

forma de reconhecimento à fidelidade

deles e também uma forma de enriquecer

a nossa relação com eles através de um

aprofundamento do aprendizado da

tecnologia Illumina.”

“Um centro de treinamento sempre

foi a principal solicitação dos clientes,

pois um local que possua infra-estrutura

adequada, com os todos os equipamentos

necessários para o preparo das amostras

e onde seja possível ter treinamentos

personalizados facilita muito para que

eles tenham atividades teórico-práticas

em condições ideais e, com isso, sentiremse

mais confiantes quando estiverem em

seus próprios laboratórios.”

Gustavo Gasparin

Senior Field Applications Scientist

“Acreditamos que ter um centro para

atender nossos clientes facilita muito

no sentido de otimizar as atividades de

campo, visto que um único especialista

pode dar treinamento/suporte para

pessoas de distintas localidades ao

mesmo tempo, algo que não é possível

com atendimentos em campo.

Além disso, o Illumina Solutions Center

também funcionará como um centro de

treinamento para nossos distribuidores

na América do Sul, certificando e

qualificando seus engenheiros e

especialistas, resultando assim em um

serviço de qualidade prestado também

pelos nossos parceiros.”

Luiz Caetano

Senior Manager, Service and Support

Ana Paula Aidar de Oliveira

Inside Sales Manager

Descubra mais sobre a Illumina em www.illumina.com

Entre em contato com a Illumina Brasil: Tel: (+55) 11 3500 3900

E-mail: illuminabrasil@illumina.com

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021 0 55


PESSOAS QUE TRABALHAM INCANSAVELMENTE

PARA FAZER A DIFERENÇA TODOS OS DIAS

Nosso time de Distribuidores Exclusivos

ENZIPHARMA

www.aclabor.com.br

GO

www.blisterlab.com.br

SP Interior

www.enzipharma.com.br

RJ

www.diagfarma.com.br

PB | PE | RN

www.centerlabsp.com.br

MG | ES

www.excellab.com.br

Tel.:11 4105-5354 / 11 2082-1402

SP

Capital, Vale do Paraíba,

Jundiaí / Região e Litoral Norte

www.labinga.com.br

MS* | PR

NIHON KOHDEN CORPORATION

1-31-4 Nishiochiai, Shinjuku-ku, Tokyo 161-8560 - Japan

Phone + 81 (3) 5996-8036 | Fax +81 (3) 5996-8100


www.farmac.com.br

SE | AL

www.centerlabsp.com.br

SP

Pantone Cool Gray 10 CVC

Pantone 368 CVC

C: 0 M: 0 Y: 0 K: 72

C: 65 M: 0 Y: 100 K: 0

R: 119 G: 119 B: 114

R: 91 G: 191 B: 33

ABC, Capital, Litoral Sul,

Campinas e Região

www.sillab.com.br

SC | PR*

www.medtest.com.br

BA

www.bsdiagnostica.com.br

DF | TO

comercial@easysolucoesdiagnosticas.com.br

MS | MT

www.cetepa.com.br

PA

* Para demais

Regiões contate:

fabio.jesus@nkbr.com.br

NIHON KOHDEN DO BRASIL LTDA

Rua Diadema, 89. 1º Andar, conjuntos 11 a 17 - São Caetano do Sul - SP

Tel.: +55 11 3044-1700 | Fax +55 11 3044-0463


MINUTO LABORATÓRIO

COLETA PERFEITA X HEMÓLISE

Por Fábia Bezerra,

Suzimara Tertuliano.

Às vezes, nos deparamos com

coletas aparentemente perfeitas e

mesmo assim, o setor técnico solicita

nova coleta. E por que isso

acontece?

A palavra hemólise deriva do grego

hemo (sangue) e lyse (ruptura),

referindo-se à destruição das hemácias

pelo rompimento da membrana

plasmática resultando na

liberação de diversos componentes

intracelulares, principalmente a hemoglobina.

Representa o maior número de não

conformidades e desafio relacionado

a fase pré-analítica e há uma

grande importância em distinguir a

hemólise in vivo e hemólise in vitro

para a segurança do paciente.

Hemólise in vivo - decorrente de

doenças sanguíneas (congênitas ou

adquiridas), intra ou extravascular,

independem da técnica de punção.

Por isso, sempre muito importante

que no momento do cadastro/coleta,

o cliente ou seu responsável relate

as condições clinicas do paciente

como por exemplo: Anemia hemolítica,

infecção, reações tranfusionais,

entre outras. São situações que, se

não temos o conhecimento prévio,

geramos novas coletas e não- conformidade

para a Coleta. Sabendo

previamente destes casos, o setor

técnico poderá planejar uma estratégia

de coleta a fim de não prejudicar

a análise do exame e nem pedir

nova amostra desnecessariamente.

Já a Hemólise in vitro ocorre durante

a fase pré-analítica, podendo

provocar sérios erros nos resultados

laboratoriais sendo uma das principais

causas de não conformidade e

recoleta e é justamente onde podemos

atuar com excelência de forma

preventiva.

A ruptura celular por manipulação,

acondicionamento ou transporte inadequados

da amostra pode resultar

não apenas na ruptura dos glóbulos

vermelhos, mas também dos leucócitos

e trombóticos. Trata-se da

primeira causa da rejeição de uma

amostra, como demonstrado no es-

0 58

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Boas práticas para prevenir a

hemólise:

1. Coleta realizada por profissional

com conhecimento, habilitado, devidamente

treinado.

MINUTO LABORATÓRIO

tudo Chemistry Specimen Acceptance

Q-Probes do College of American Pathologists

(CAP). A hemólise pode ser

reconhecida no laboratório por uma

inspeção visual da amostra de plasma

ou soro, que pode apresentar a cor rosada

a vermelha viva e poderá afetar

os resultados dos exames laboratoriais.

Alguns dos exames que podem

ser comprometidos pela hemólise são:

potássio, sódio, cálcio, magnésio, bilirrubina,

haptoglobina, proteína total,

aldolase, amilase, LD, AST, ALT, fósforo,

fosfatase alcalina, fosfatase ácida,

GGT, folato, ferro e troponina.

2. Escolha do calibre da agulha

adequada às condições clínicas do

paciente: a agulha de grosso calibre

por exemplo, permite a entrada do

sangue com rapidez e força contra a

parede do tubo e esta atenção deve

ser a mesma quanto ao uso de agulhas

finas, que força a passagem do

fluxo de sangue na abertura estreita

do lúmen da agulha;

3. Aguardar a evaporação do álcool

antes de perfurar a pele;

4. Aplicar o torniquete com a finalidade

de evidenciar a rede venosa

e não interromper a circulação por

um curto período recomenda-se

não mais que 1 minuto e ser aplicado

7,5 cm acima do local da punção;

5. Evitar realizar a coleta acima e

abaixo de infusão de fluidos ou de

um dispositivo de acesso vascular

pois possível contaminação da

amostra com fluidos, hemólise;

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 59


MINUTO LABORATÓRIO

6. Recomenda não coletar em regiões

com hematoma ou equimose;

11. Recomenda-se a permanência

dos tubos sem na posição vertical

após a coleta.

16. Armazenar corretamente a

amostra de acordo com o Manual

de Coleta do Laboratório.

7. Realizar a punção com o bisel

da agulha voltado para cima em

ângulo de 30 graus, inserir o primeiro

tubo a vácuo; quando o sangue

começar a fluir dentro do tubo,

desgarrotear; e realizar a troca dos

tubos sucessivamente, seguindo a

ordem de coleta;

8. Realizar o preenchimento do

tubo até que o volume máximo

indicado seja atingido (proporção

ideal entre sangue e aditivo);

12. Após a coleta de sangue e a

homogeneização dos tubos, se há

necessidade da obtenção de soro, é

recomendado aguardar a retração

de coágulo, pois se a formação do

coágulo ainda estiver incompleta

pode ocasionar à ruptura celular

(hemólise) e/ou formação de fibrina.

Seguir a recomendação do fabricante

referente ao tempo de espera

da retração do coágulo após a

coleta para realizar a centrifugação

realizando a padronização;

17. Usar insumos de qualidade e de acordo

com as normas técnicas vigentes. A

recomendação do CLSI é pela utilização

do sistema fechado, composto por um

dispositivo que permite a aspiração do

sangue diretamente da veia através do

vácuo e/ou aspiração, utilizando agulha

ou escalpe de duas pontas que se conectam

diretamente ao tubo de análise para

onde o sangue é drenado;

18. Evitar a coleta de sangue com

seringa, há estudo que comprovam

9. Tubos com volume de sangue

insuficiente ou em excesso alteram

a proporção correta de sangue/

aditivo, levando à hemólise e a resultados

incorretos;

10. Realizar a homogeneizar suave-

13. Monitorar a velocidade de centrifugação;

14. Não usar o freio da centrífuga

com o intuito de interromper a centrifugação

dos tubos. Essa brusca

interrupção pode provocar hemólise;

que a taxa de hemólise é superior

utilizando este produto, caso não

seja possível realizar alguns cuidados

para diminuir o risco de hemólise:

- Puxe o sangue delicadamente para

dentro da seringa, e transfira ime-

mente (inversão) dos tubos contento

anticoagulante e o com aditivos

imediatamente entre as trocas dos

tubos conforme as instruções do

fabricante do tubo, para evitar microcoágulo

e hemólise;

15. Quando o analito a ser dosado

necessitar da conservação refrigerada,

recomenda –se que as amostras

não devam estar em contato

direto com o gelo, pelo risco de

congelamento e de hemólise.

diatamente ao tubo com o cuidado

para que o sangue deslize pela

parede do tubo com auxílio de um

dispositivo para transferência. Não

aplicar pressão negativa na seringa

com o sangue já dentro da mesma;

0 60

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


- Evitar a transferência ativa causando

hemólise devido a força

utilizada para o esvaziamento do

portadas por meios convencionais

versus as amostras transportadas

por tubos pneumáticos;

hemólise fora do controle dos profissionais

que realizam a coleta de

amostras biológicas, as recomen-

MINUTO LABORATÓRIO

sangue dentro da seringa;

dações acima auxiliam a reduzir

20. Não realizar transporte inade-

a incidência de amostras hemoli-

- Certificar que a agulha esteja adap-

quado de amostra que sofre com

sadas, proporcionando resultados

tada a seringa

a exposição à luz, temperaturas,

seguros e precisos, que reflitam as

tempo, carga mecânica, armaze-

condições clinicas do paciente.

-Evitar aspirar o sangue muito rápido

para dentro da seringa e transferir

o sangue para o tubo sem desco-

namento de sangue total durante

vários dias a temperatura ambiente.

Procure seguir sempre as legis-

Bibliografia:

1 Recomendações da Sociedade Brasileira de

Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/

ML) : boas práticas em laboratório clínico 2020

nectar a agulha da seringa.

19. Métodos de transporte: Os sistemas

de transporte pneumático

ou outras condições de transporte

que produzam turbulência e trauma

das hemácias dentro dos tubos

também são causas de hemólise.

Estudos demonstram que foram

encontrados menos percentuais

de hemólise nas amostras trans-

lações vigentes.

A importância de treinamento,

conhecimento e conscientização

do desempenho em todo o processo,

bem como a capacitação

do profissional, são fatores que

minimizam o número de amostras

hemolisadas recebidas na área

técnica do laboratório. Embora

ocasionalmente ocorram fontes de

2 Recomendações da sociedade brasileira de

patologia clínica/medicina laboratorial (SBPC/

ML) : fatores pré-analíticos e interferentes em

ensaios laboratoriais / Adagmar Andriolo ... [et

al.] ; organização Nairo Massakazu Sumita ... [et

al.] - 1. ed. - Barueri [SP] :Manole, 2018

3 Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/

Medicina Laboratorial (47.: 2013: São Paulo) Recomendações

da Sociedade Brasileira de Patologia

Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML):

coleta e preparo da amostra biológica. – Barueri,

SP: Manole: Minha Editora, 2014.

4 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção

à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e

Temática. Manual de hemofilia / Ministério da Saúde,

Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de

Atenção Especializada e Temática. - 2. ed., 1. reimpr.

- Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 80 p.: il.

Fábia Bezerra

Suzimara Tertuliano

Biomédica, com mais de 20 anos na área Laboratorial.

Consultora e Auditora na Empresa Suzimara & Sarahyba Consultoria.

Email: contato@suzimaraesarahyba.com.br

Enfermeira, CEO da SUZIMARA & SARAHYBA CONSULTORIA LABORATORIAL

www.linkedin.com/company/suzimara-sarahyba/

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 61


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

RELEVÂNCIA DO RADIOFÁRMACO

18F-FLUORDESOXIGLICOSE NO

EXAME DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA POR EMISSÃO DE

PÓSITRON PARA O DIAGNÓSTICO PRECOCE DE CÂNCER DE PULMÃO

Laila de Menezes Cardoso Vieira 1 , Alexandre Freire Rocha Gomes 2 , Regina Paula Soares Diego³

Resumo

Introdução: O câncer de pulmão é uma das patologias

mais comuns no mundo e uma das principais

causas de morte. A maioria das pessoas são diagnosticadas

de forma tardia e isso prejudica o prognostico

do paciente. Ao longo, dos anos novos métodos para

auxiliar no diagnóstico de neoplasia pulmonar estão

sendo utilizados, como por exemplo o PET-CT com o

radiofármaco fluordesoxiglicose. Objetivo: O trabalho

tem como objetivo investigar a relevância do PET-CT

com 18F-FDG para o diagnóstico de câncer de pulmão.

Método: Revisão bibliográfica de pesquisas publicadas

entre 2016-2019. Resultado: De acordo com o material

pesquisado, foi possível constatar a importância do

PET-CT com o 18F-FDG no diagnóstico de câncer de

pulmão. Conclusão: O exame de PET-CT é um método

importante, a utilização do 18F-FDG vem contribuindo

muito no diagnóstico de neoplasias, sendo útil para o

tratamento e estadiamento e verificação de resposta-

-tratamento de pacientes.

Palavras-chave: Câncer de pulmão. Fluordesoxiglicose

(18F-FDG). PET-CT.

Abstract

Introduction: Lung cancer is one of the most

common pathologies in the world and a major

cause of death. Most people are diagnosed late

and this affects the patient's prognosis. Over the

years, new methods to assist in the diagnosis

of lung cancer are being used, such as PET-CT

with the radiopharmaceutical fluordesoxyglucose.

Objective: The work aims to investigate the

relevance of PET-CT with 18F-FDG for the diagnosis

of lung cancer. Method: Bibliographic review

of research published between 2016-2019.

Result: According to the researched material, it

was possible to verify the importance of PET-CT

with 18F-FDG in the diagnosis of lung cancer.

Conclusion: The PET-CT exam is an important

method, the use of 18F-FDG has contributed a

lot in the diagnosis of neoplasms, being useful

for the treatment and staging and verification of

response-treatment of patients.

Keywords: Lung cancer. Fluordesoxyglucose (18F-

FDG). PET-CT.

Introdução

Nos últimos anos, o câncer de pulmão

tornou-se uma das mais comuns neoplasias

no mundo e é uma das principais

causas de morte, atingindo principalmente

fumantes. Estudos mostram

que o desenvolvimento de neoplasias

pulmonares é decorrente principalmente

dos hábitos de vida, principalmente

o consumo de cigarros tradicionais e

eletrônicos, além de outras drogas,

podem contribuir diretamente para o

surgimento do câncer pulmonar (INCA,

2019).

0 62

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Diante do crescente número de casos

de câncer na população mundial, equipamentos

de diagnóstico por imagem

e técnicas de medicina nuclear estão

sendo muito utilizadas para auxiliar no

diagnóstico. A Tomografia por Emissão

de Pósitrons (PET) é uma técnica

bastante empregada para o diagnóstico

de patologias, especialmente de

neoplasias. O exame integra o PET e

a Tomografia Computadorizada (TC),

que juntos reproduzem imagem de alta

qualidade proporcionando diagnóstico

precoce (LAPA; LIMA, 2009).

Para a realização do exame de PE-

T-CT é utilizado um radiofármaco, o

Fluordesoxiglicose (18F-FDG), sendo o

mesmo muito relevante no emprego

do procedimento devido a meia-vida

ser considerada longa e apresentar uma

função biológica bem estabelecida com

relação ao metabolismo glicolítico. Isto

permite que o fármaco, análogo da

glicose, quando injetado no paciente,

concentra-se em locais de intensa

atividade celular, permitindo detecção

e mapeamento do Flúor 18 nos locais

com aumento de metabolismo glicolítico,

permitindo que o aparelho produza

imagens de alta qualidade, evidenciando

regiões anatômicas comprometidas,

estadiamento tumoral e presença de

metástases, possibilitando desta forma

diagnóstico precoce de neoplasias pulmonares,

proporcionando tratamento

Figura 1 - Evolução da patologia. Fonte: INCA, 2019.

adequado, preservando o paciente de

submissão à procedimentos desnecessários,

contribuindo para o bem-estar

do mesmo e possibilitando melhor respostar-tratamento

(FELIX et al., 2014).

O desenvolvimento do câncer no

aparelho respiratório está relacionado

a fatores determinantes como aspectos

externos que interferem na homeostasia

celular, apresentando-se como

condição fundamental para o decurso

fisiológico como um todo desde as células,

tecidos e sistemas orgânicos. A

constituição morfológica depende de

caracteres que compreendem precisão

e especificidade para a funcionalidade

normativa. O processo de desequilíbrio

celular compromete o controle de todas

as funções orgânicas culminando na

falha de mecanismos essenciais à vida

(ARAUJO, 2018; INCA, 2019). O alto índice

de câncer de pulmão chama atenção

para os mecanismos nativos de desregulação

atuantes desde o crescimento,

proliferação e inibição. As ações disruptivas

evoluem segundo o esquema de

evolução da patologia a seguir, ilustrado

através da figura 1.

As ações são promovidas por fatores

carcinogênicos desencadeados por estímulos

(químicos, físicos e biológicos)

ou mutações espontâneas que apresentam

efeitos multiplicativos atuantes

na predisposição do indivíduo,

tendo relevância fatores como tempo

e dose de exposição. Os agentes químicos

que destacam-se são: o tabaco,

presente em cigarros e charutos, cigarros

eletrônicos e da poluição ambiental

(PAUMGARTTEN et al., 2017;

RODRIGUES et al., 2018).

Os prejuízos ocasionados pelo tabaco

são decorrentes de múltiplos compostos

que são liberados em fases distintas.

Na primeira fase, gasosa, há liberação

de CO², Cetonas, Acroleína, Acetaldeído,

Amônia, entre outras. Na segunda fase,

particulada, são liberados Alcatrão e Nicotina.

Os compostos formados contribuem

de forma ativa e através de forma

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 63


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

passiva (involuntária ou ocupacional).

A bioacumulação promovida atua sob

ação quimiotática sobre o pulmão,

provocando sintomas como reações

alérgicas, irritação da pele e mucosas,

hemoptise, dispinéia, paralisia diafragmática,

problemas cardíacos e enfisema

pulmonar (EUROFARMA, 2018; INCA,

2018; PAUMGARTTEN et al., 2017).

Os cigarros eletrônicos também contribuem

para o desencadeamento de

problemas pulmonares e a temperatura

do cigarro é capaz de induzir efeitos químicos

e mudanças físicas, produzindo

substâncias tóxicas. Devido a elevada

temperatura, os solventes de glicerina e

o propilenoglicol decompõem-se, formando

compostos carbonílicos de baixo

peso molecular como formaldeído,

acetaldeído, acroleína e acetona. Estas

substâncias são encontradas em pequenas

quantidades, quando comparadas ao

cigarro tradicional, mas influenciam da

mesma forma no desenvolvimento de

patologias, pois são citotóxicas, irritantes,

causadoras de dermatite, enfisema

pulmonar e câncer (INCA, 2016). A oncogênese

ocorre devido ao processo de

amplificação e mutações sobre a ação do

sistema imunológico e renovação celular

na homeostase orgânica. Dependendo

do grau, o processo proliferativo pode ser

reversível, desde que o estímulo causador

seja removido (FERNANDEZ; JANETE;

ZAMBONI, 2002; SIRIO LIBANES, 2019).

Figura 2 - Classificação com base no padrão de distribuição e grau da doença. Fonte: Adaptado do INCA, 2018.

No Brasil a incidência de câncer de

pulmão é de 31.270 casos anualmente,

onde o número de homens acometidos

corresponde a 18.740 e mulheres

12.530 (INCA, 2019). A distribuição

deste tipo de câncer não se apresenta

de forma uniforme, onde o grau de acometimento

é variável, de acordo com

consideração fatores genéticos (Idade,

sexo, raça), fatores externos e ocupacionais

(exposição, tempo e dose), determinando

a persistência dos fatores

aditivos, com base no padrão de localização

histológica e grau de desenvolvimento

(GIANNINI, 2018; INCA, 2018), de

acordo com o esquema a seguir, representado

na figura 2:

A tecnologia do exame de PET-CT com

o radiofármaco 18F-Fluordesoxiglicose

está em constante desenvolvimento e

vem sendo muito utilizada na área do

diagnóstico por imagem. A Tomografia

Computadorizada por Emissão de

Pósitrons (PET-CT) é uma metodologia

que vem revolucionando a área de radiodiagnóstico

oferecendo imagens de

alta resolução, possibilitando resultados

mais assertivos (MOREIRA et al., 2016;

ROBILOTTA, 2006).

A técnica de PET-CT é um procedimento

relativamente novo, que está proporcionando

no diagnóstico de doenças, especialmente

neoplasias. O equipamento

consiste em um sistema híbrido que integra

o PET com fármacos marcados com

radionuclídeos emissores de pósitrons,

que é responsável por evidenciar o metabolismo

célular e a Tomografia Computadorizada

(CT), responsável por demonstrar

a anatomia das regiões estudadas. A

junção das técnicas em um único exame

permite a aquisição de imagens in vivo,

de alta qualidade, possibilitando melhor

diagnóstico (FELIX et al., 2014).

O radiofármaco mais utilizado na PE-

T-CT para o diagnóstico do câncer é o

Fluordesoxiglicose (18F-FDG), que é um

análogo da glicose e possui meia vida

longa, de aproximadamente 110 minutos,

se comparado a outros radiofármacos

e é consumido mais efetivamente por

0 64

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


células em intensa atividade, mostrando

através do exame a ação metabólica,

bioquímica e funcional da célula (GON-

ÇALVES et al., 2019). O procedimento de

aquisição de imagens irá desenvolver um

mapa de distribuição de radiofármaco no

organismo. O FDG-F18 é captado pelas

células e fosforilado pela ação da hexoquinase

em 18F-desoxiglicose-6-fosfato.

Ao contrário da glicose-6-fosfato, a

18F-desoxiglicose-6-fosfato fica retida

na célula. A condição de não prosseguir

no caminho metabólico e a meia-vida

do flúor18 fazem do FDG-F18 excelente

radiofármaco para aquisição de imagens

do metabolismo glicolítico. A técnica tem

base na detecção de dois fótons emitidos

em direções opostas, depois da aniquilação

(colisão entre partícula e anti-partícula

resultando na transmutação destas

partículas em dois fótons de radiação

gama) de um pósitron (β+) e um elétron

do meio (Figura 3). Os fótons são

identificados por detectores conectados

em coincidência no mesmo eixo (Figura

4). O radionuclídeo F18 é produzido em

cíclotron, tem meia-vida de 110 minutos

e decai por emissão de β+, que são

elétrons expulsos do núcleo, carregados

positivamente, que percorrem curtas

distâncias até colidirem com elétrons

do meio, sofrendo aniquilação (matéria

e antimatéria), gerando fótons de 511

KeV em trajetórias opostas, sob ângulo

de 180°, segundo a fórmula E = m c2

(THRALL, 2015).

Figura 3 - Aniquilação Pósitron-Elétron.

Fonte: THRAZLL et al., 2015.

Figura 4 - Anel detector para PET.

Fonte: THRALL et al., 2015.

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 65


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Todas as células necessitam de energia

para desempenhar suas funções.

As células cancerosas se destacam no

exame devido a sua atividade metabólica

intensa, pois isso permite que o radiofármaco,

análogo, de glicose, sejam

direcionados a estas células, uma vez

que as mesmas necessitam da energia

da glicose para executar a atividade celular.

Isto permite que o exame detecte

locais com maior atividade celular, pois

o 18F-FDG acumula-se nestas regiões

(GROHEUX et al., 2016; HOCHHEGGER,

et al., 2015).

A realização do estadiamento da doença

contribui para eficácia terapêutica

e estabelece os riscos de progressão/

desenvolvimento de metástase, permitindo

a escolha de melhores tratamentos.

A importância dos métodos de

imagem é cada vez mais evidente, principalmente

na avaliação dos critérios de

reversão parcial ou sistêmica da patologia

(A.C CAMARGO, 2018, FERNANDEZ;

JATENE; ZAMBONI, 2002).

A conduta preconizada corresponde

o tratamento cirúrgico, seguido ou

não de quimioterapia e/ou radioterapia.

Para aqueles com doença localizada

no pulmão e nos linfonodos, o

tratamento é feito com radioterapia e

quimioterapia ao mesmo tempo. Em

pacientes que apresentam metástases

a distância, o tratamento é abordagem

quimioterapia ou, em casos selecionados,

com medicação baseada em terapia-alvo.

Portanto, o tratamento do

câncer de pulmão depende do tipo

histológico e do estágio da doença,

podendo ser tratado com cirurgia,

quimioterapia ou radioterapia e/ou

modalidades combinadas (A.C CA-

MARGO, 2018; SÍRIO LIBANES, 2019).

Metodologia

O referido estudo compreende uma

revisão bibliográfica através de pesquisa

com o propósito de explicar a

relevância do radiofármaco 18F-Fluordesoxiglicose

e o exame de Tomografia

Computadorizada por Emissão de

Pósitron além de mostrar os benefícios

do procedimento no diagnóstico de

câncer de pulmão a partir dos avanços

tecnológicos. A pesquisa foi realizada

nos bancos de dados: Pubmed Central

(Elsevier), Periódicos Scielo - Scientific

Electronic Library Online (Biblioteca

Científica Eletrônica online), Sociedade

Brasileira de oncologia Clínica,

INCA – Instituto Nacional de Câncer

José Alencar Gomes da Silva (INCA),

artigos na base de dados do Google e

monografias nos idiomas Português,

Ingles e Espanhol. Para a escolha do

material, utilizamos palavras chaves

como estratégia de busca: Câncer de

pulmão. Fluordesoxiglicose (18F-FDG).

PET-CT, utilizando fontes atualizadas

entre 2016 e 2019.

Resultado e Discussão

Atualmente o exame de PET-CT vem

sendo muito utilizado no diagnóstico

e estadiamento de câncer de pulmão,

pois é uma doença que vem crescendo

a cada ano, levantando um alerta

para o crescente número de óbitos. O

procedimento permite exibir o nódulo

pulmonar solitário (NPS), fazendo uma

análise morfológica (contorno, tamanho

e densidade) e funcional, indicando

a presença e mensurando a atividade

metabólica glicolítica (MOREIRA

et al., 2016). O método permite ainda

identificar o câncer de pulmão não pequenas

células (CPNPC) e metástases,

através de análise morfofuncional que

contribui para o estadiamento oncológico

de pacientes com neoplasias pulmonares.

O Nódulo Pulmonar Solitário

pode ser caracterizado por opacidade

radiológica, aspecto arredondado,

com dimensões até 3 cm de diâmetro,

limitado por parênquima pulmonar.

Para a abordagem do NPS através de

PET-CT, faz-se necessário o uso de

protocolo especifico, pré-determinado

de acordo com o diagrama a seguir

(figura 5). (HOCHHEGGER et al., 2015).

O Câncer de Pulmão Não Pequenas

Células e metástases representa a

maioria dos casos de câncer de pulmão,

infelizmente na maioria das

vezes a doença é diagnosticada em

estágio avançado, dificultando o tra-

0 66

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Solução Completa para:

DIAGNÓSTICOS COVID-19

Teste Rápido + Controle Externo + PCR

JANELA IDEAL DE TESTES

Detecção Improvável

PCR - Provável positivo

Teste Rápido Ag

Resultados rápidos, adequado para testagem POC

Diagnóstico precoce dos componentes virais

Alta especificidade garante o rápido isolamento dos

indivíduos testados como positivo

Detecção Ag

Detecção Ab

RT-PCR

Alta sensibilidade e Alta especificidade

Confirma a presença da infecção

Exposição ao

SARS-Cov-2

Início dos sintomas

Aumento da probabilidade de detecção

Teste Rápido IgG/Igm

Adequado para testagem POC

Detecta resposta imune e provavél indicação de

imunidade

Fornece informação de infecção anterior

Ajuda a verificar se a pessoa pode sair da quarentena

e/ou voltar ao trabalho

Semana -2

Semana -1

Semana 1 Semana 2 Semana 3 Semana 4 Semana 5 Semana 6

SWAB

Isolamento do vírus nas vias respiratórias

Lavagem broncoalveolar/expectoração PCR

Linha PCR

Anticporpo IgM

Anticporpo IgG

CTK EM AÇÃO

Outros Testes Respiratórios

Teste Rápido Influenza A+B

Teste Rápido Strep A

Teste Rápido RSV Ag

Influenza A+B/ RSV Real-Time PCR

Testes Rápidos COVID-19

Ajudando comunidades com diagnósticos rápidos e precisos para o COVID-19

TESTE RÁPIDO COVID-19 Ag

TESTE RÁPIDO COVID-19 IgG/IgM

Soro, Plasma e Sangue Total

Detecta todas as variantes

e mutações do COVID-19

Ajuda no diagnóstico precoce dos componentes

virais

Resultados de 10 a 15 minutos

Detecta a resposta imune e fornece indicação de provável

imunidade

Resultados de 10 a 15 minutos

92.3% de Sensibilidade, 100% de Especificidade 97.1% de Sensibilidade, 97.8% de Especificidade

Amostra Nasofaríngea

Amostra de Soro, Plasma ou Sangue Total

Conveniente para configurações de Point-of-Care e recursos limitados

BIO ADVANCE

www.bioadvancediag.com.br

Rua: Anísio de Abreu, 236 São Paulo, SP - Brasil

Tel.: 55 11 3445-5418

Email: contato@bioadvancediag.com.br

INOVAÇÃO

QUALIDADE

SIMPLICIDADE


DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

tamento. O exame de PET-CT com o

F18 identifica alterações metabólicas

de forma precoce, contribuindo para

o estadiamento de pacientes, evidenciando

metástase proporcionando

melhores tratamentos e evitando intervenções

cirúrgicas desnecessárias.

A técnica PET-CT FDG-F18 identifica

o tumor de forma mais precisa, como

descrito na imagem a seguir (Figura

6). Na primeira imagem, onde o

paciente foi submetido a uma TC do

tórax, evidencia-se uma grande massa

(A), porém na segunda imagem, a

lesão foi melhor delimitada e caracterizada

metabolicamente a traves do

emprego da técnica de – PET/CT (B).

(HOCHHEGGER et al., 2015).

Figura 5 - Procedimento do NPS com FDG – PET/CT.

Fonte: Adaptado GROHEUX et al., 2016.

As imagens produzidas pelo PET-CT

são de altíssima qualidade e desempenham

um papel primordial no diagnóstico

de neoplasias. O resultado das

imagens obtidas neste exame permite

diagnostico e estadiamento de forma

mais assertiva, permitindo a adoção de

terapias mais direcionadas e impedindo

que o paciente seja submetido a procedimentos

desnecessários. Radiofármaco

utilizado apresenta boa aceitação pois

não causa efeitos colaterais. Pacientes

diabéticos também podem fazer o exame

e receber o análogo de glicose, mediante

preparo específico para o procedimento.

Normalmente estes pacientes

chegam mais cedo ao centro de diagnóstico

por imagem para realização de

testes dos níveis glicêmicos sanguíneos.

Caso os mesmos apresentem índices

elevados de glicemia, pode-se administrar

insulina de rápida absorção para

que os níveis de glicose se normalizem.

De modo geral, é necessário que todos

os pacientes realizem jejum de 6 horas e

suspendam atividades físicas por 24 horas

que antecedem o exame. É necessário

que o paciente informe caso esteja

gestante, faça uso de medicamentos ou

esteja amamentando.

O método do PET-CT é um exame

considerado de alto custo e ainda não

está disponibilizado de forma ampla

nas clínicas e hospitais do Brasil (MO-

REIRA et al., 2016).

Considerações Finais

O radiotraçador mais utilizado no procedimento

de PET/CT é o FDG-F18, contribuindo

com informações relevantes

sobre as condições biológicas do tumor

(metabolismo glicólico) auxiliando no

diagnóstico precoce da doença, além

de possibilitar um bom planejamento

terapêutico e acompanhamento da

resposta tratamento, proporcionando

melhores condições de vida para os pacientes.

O exame, apesar de utilizar um

análogo de glicose, não impede que pacientes

diabéticos sejam submetidos ao

procedimento. Trata-se de um método

sem efeitos colaterais e vem se mostrando

muito viável no diagnóstico de

neoplasias, com grande relevância para

câncer de pulmão.

0 68

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Figura 6 - Procedimento do NPS com FDG – PET/CT.

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Fonte: Fonte: Adaptado HOCHHEGGER et al., 2015.

Referências

A.C CAMARGO, Tipos de câncer – Pulmão, 2018. Disponível

em: https://www.accamargo.org.br/tipos-de-cancer/pulmao.

Acesso em: 15 Fev 2020.

ARAUJO, L. H et al., Lung cancer in Brazil. J. bras. pneumol., São Paulo,

v. 44,n. 1,p. 55-64, 2018 .Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180637132018000100055&lng=en&nrm=iso.

Acesso em: 14 Jan 2020.

BALDOTTO, C et al., Pequenas células. Sociedade Brasileira de

Oncologia Clínica,2017.https://www.sboc.org.br/images/diretrizes/diretrizes_pdfs/Pulmao_pequenas_celulas_vf_2017.

pdf. Acesso em: 14 Jan 2020.

EUROFARMA, Enfisema Pulmonar, 2018. Disponível em: https://www.eurofarma.com.br/artigo/enfisema-pulmonar/.

Acesso em: 14 Jan 2020.

FELIX, Renata Christian Martins et al., Tomografia computadori-zada

por emissão de pósitrons nas doenças cardiovasculares

inflamatórias. Arq Bras Cardiol: imagem cardiovasc, v. 27, n.

4, p. 249-59, 2014. Disponível em: http://hospitalprocardiaco.

com.br/wp-content/uploads/2016/07/Tomografia-Computadorizada-por-Emissao-de-Positrons-nas-Doencas-Cardiovasculares-Inflamatorias.pdf.

Acesso em: 13 Dez 2019.

FERNANDEZ, A., JATENE, F. B., & ZAMBONI, M. 2002. Diagnóstico

e estadiamento do câncer de pulmão. Jornal de Pneumologia,

2002 28(4), 219-228. Disponível em: http://www.scielo.br/

pdf/jpneu/v28n4/12966.pdf. Acesso em: 15 Fev 2020.

GIANNINI, D. Mulheres têm duas vezes mais chance de ter câncer

de pulmão, 2018. Disponível em: https://noticias.r7.com/

saude/mulheres-tem-duas-vezes-mais-chance-de-ter-cancer-de-pulmao-27112018.

Acesso em: 10 Jan 2020.

GONÇALVES, D et al., PET-CT. Centro Universitário das Américas,

São Paulo, 2019.

GROHEUX, D et al., FDG PET-CT for solitary pulmonary nodule

and lung cancer:Literature review. Diagnostic and Interventional

Imaging (2016), Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.

diii.2016.06.020. Acesso em: 01 Mar 2020.

HOCHHEGGER, B et al., PET/TC em câncer de pulmão: indicações

e achados. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 41, n. 3, p. 264-

274, 2015. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S180637132015000300264&script=sci_arttext&tlng=pt.

Acesso em: 14 Jan 2020.

INCA. Câncer de pulmão, 2019b. Disponível em: https://www.inca.

gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao. Acesso em: 30 Dez 2019.

INCA. Tabagismo passivo, 2018. Disponível em: https://www.inca.

gov.br/tabagismo/tabagismo-passivo. Acesso em: 12 Jan 2020.

INCA. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do

câncer / Instituto

Nacional de Câncer. Ed 5, Rio de Janeiro: Inca, 2019. 128 p. : il Disponível

em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//

media/document//livro-abc-5-edicao.pdf. Acesso em: 27 jan 2020.

INCA. Estatísticas de câncer, 2019a. Disponível em: https://www.

inca.gov.br/numeros-de-cancer. Acesso em: 08 Jan 2020.

INCA. O que é câncer?, 2019c. Disponível em: https://www.

inca.gov.br/o-que-e-cancer. Acesso em: 11 Jan 2020.

LAPA, P; LIMA, J.P PET/CT no Cancro do Pulmão. 2009.

Disponível em: http://rihuc.huc.min-saude.pt/bitstream/10400.4/981/1/PET%20CT.pdf.

Acesso em: 27 jan 2020.

MOREIRA, M et al., PET/TC em câncer de pulmão: indicações,

achados e perspectivas futuras. Pulmão RJ, v. 25, n. 2,

p. 35-46, 2016. Disponível em: https://scholar.google.com.

br/scholar?hl=ptBR&as_sdt=0%2C5&q=MOREIRA%-

2C+Mayra%3B+HESPANHOL%2C+Roberta%3B+LEITE%-

2C+Jose.+PET%2FTC+em+c%C3%A2ncer+de+pulm%-

C3%A3o%3A+indica%C3%A7%C3%B5es%2C+achados+e+perspectivas+futuras.+Pulm%C3%A3o+RJ%2C+v.+25%2C+n.+2%2C+p.+3546%2C+2016.&btnG=#d=gs_

qabs&u=%23p%3D3ePlG23DdKoJ. Acesso em: 10 Jan 2020.

PAUMGARTTEN, F.J.R; GOMES-CARNEIRO, M.R; OLIVEIRA, A.C.A.X.

O impacto dos aditivos do tabaco na toxicidade da fumaça do cigarro:

uma avaliação crítica dos estudos patrocinados pela indústria

do fumo. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00132415, 2017. Disponível

em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33s3/1678-4464-csp-

-33-s3-e00132415.pdf. Acesso em: 14 Jan 2020.

ROBILOTTA, C.C. A tomografia por emissão de pósitrons: uma

nova modalidade na medicina nuclear brasileira. Rev Panam

Salud Publica, 2006; 20(2/3); 134 – 42). Acesso em: 14 Jan 2020.

RODRIGUES, W. P et al., Câncer de pulmão e suas consequências

na qualidade de vida, Revista Saúde em Foco – Edição nº 10,

2018. Disponível em: http://portal.unisepe.com.br/unifia/wpcontent/uploads/sites/10001/2018/06/011_CÂNCER_DE_

PULMÃO_E_SUAS.pdf. Acesso em: Acesso em: 12 Fev 2020.

SÍRIO LIBANES. Câncer de Pulmão – Centro de oncologia, 2019. Disponível

em:https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:kUG9HY8oMRAJ:https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/centro-oncologia/cancer-de-pulmao/Paginas/

diagnostico.aspx+&cd=5&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=opera.

Acesso em: 15 Fev 2020.

THRALL, J.H et al.,.Medicina nuclear; tradução Silvia Mariangela

Spada. - 4. ed. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2015.

Legendas

LEGENDA 1 – Não Apresent

LEGENDA 2 – Não Apresenta

LEGENDA 3 – Na aniquilação de pósitron, a massa do pósitron

e do elétron é convertida em energia e são liberados dois fótons

com 0,511 MeV de energia, emitidos em ângulo de 180°.

LEGENDA 4 – Após a emissão, os pósitrons penetram muito

pouco nos tecidos antes do evento de aniquilação. Resultam

dois fótons de 511 KeV que são emitidos separados por 180°.

LEGENDA 5 – Não Apresenta

LEGENDA 6 – Não Apresenta

Autores:

Laila de Menezes Cardoso Vieira 1 , Alexandre Freire Rocha Gomes 2 , Regina Paula Soares Diego³.

1

Graduanda do Curso de Bacharelado em Biomedicina no Centro Universitário do Rio São Francisco (UNIRIOS);

2

Bacharel em Biomedicina em Biomedicina pelo Centro Universitário do Rio São Francisco (UNIRIOS);

3

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Ceará.

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 69


MEDICINA GENÔMICA

HERDABILIDADE PERDIDA:

UM MISTÉRIO SEM SOLUÇÃO?

Por: Maria Soares

No momento em que o genoma

humano começou a se tornar o foco

dos pesquisadores no estudo de

características fenotípicas, foi observado

que variações associadas

a determinados fenótipos apenas

explicavam uma pequena parte de

sua herdabilidade. Essa questão

iniciou a busca pela compreensão

do que seria chamado de “herdabilidade

perdida”.

A genética quantitativa pode ser

utilizada para melhoramentos

genéticos e estudos de medicina

preventiva especialmente para características

complexas. As variações

estudadas envolvem fenótipo,

genes e até o ambiente estudado.

Propriedades estatísticas vão auxiliar

na associação entre marcadores

genéticos e fenótipos.

A herdabilidade é um coeficiente

estatístico que estima a proporção

da variância genética em relação a

fenotípica. Ou seja, ela vai indicar

quanto do fenótipo vai variar devido

a um componente genético. A importância

dela reside especialmente

na sua capacidade de predição. A

herdabilidade pode indicar quanto

a alteração de determinados genes

vai conseguir afetar a variabilidade

de um fenótipo, podendo ser uma

característica simples ou passível

de causar doenças.

Estudos comparativos muitas vezes

permitem identificar que uma característica

tem origem genética,

no entanto, não necessariamente é

possível caracterizar de onde vem

diretamente o fenótipo estudado.

Estudos de associação genômica

ampla vem buscando respostas

para encontrar a herdabilidade considerada

perdida especialmente no

que diz respeito a doenças.

O que é a herdabilidade perdida?

A herdabilidade perdida começou

a ser questionada no final dos anos

2000 quando os estudos focados

em genomas humanos começaram

a ser aprofundados.

Pesquisadores começaram a procurar,

especialmente utilizando comparações

entre irmãos ou familiares,

respostas genéticas para doenças e

fenótipos. No entanto, diferente do

que se esperava, a variabilidade nos

marcadores genéticos mais comuns

respondia pouco ou quase nada do

que se observava fenotipicamente.

Embora muitas variantes tenham

sido descritas e associadas a doenças

após o Projeto Genoma Humano,

muitas vezes essas associações não

se reproduziam em estudos futuros

e explicavam apenas parcialmente

a manifestação da característica estudada.

Essa surpresa gerou no meio

acadêmico o que seria chamado de “

O mistério da herdabilidade perdida”.

Estudos de associação

genômica ampla

Os estudos de associação genômica

ampla ( Genome-wide association

study / GWAS ) são abordagens que

escaneiam genomas de diversos indivíduos

para procurar marcadores

0 70

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Sua rotina laboratorial mais preparada

para o combate a Covid -19

Soluções para Laboratórios

de Análises Clínicas

Microplaca de microtitulação

Produto não passível de registro na ANVISA.

Máscara escudo facial

Produto não passível de registro na ANVISA.

Micropipetas

Produto não passível de registro na ANVISA.

Swab Rayon

Produto com registro na ANVISA sob n° 81628880037.

Confira nosso portfólio completo e faça seu pedido

www.firstlab.ind.br

/firstlab.ind

/firstlab.ind

/firstlab

COVID-19

0800 710 0888


MEDICINA GENÔMICA

genéticos que possam ser utilizados

para prever a presença de uma

doença ou para justificar uma ca-

entanto, as mais relevantes são as

que se referem a doenças. Estudos

de GWAS em gêmeos já estimaram

mento dela, no entanto, os alelos de

risco explicam apenas uma pequena

parte da herdabilidade. A asma

racterística fenotípica.

90% da herdabilidade para o autis-

é uma doença complexa pois sua

mo e 80% para a esquizofrenia. Da

susceptibilidade é uma combinação

Nesses estudos, o genoma de indiví-

mesma forma, estuda-se também

de fatores genéticos e ambientais.

duos que possuam ou não uma de-

para obesidade, diabetes, tendên-

Essa doença crônica é um exemplo

terminada característica é analisado

cia a vícios e problemas cardíacos.

de procura por herdabilidade perdi-

através de SNPs (single nucleotide

da que, com auxílio de bioinformá-

polymorphism). Após uma análise

Apesar de existirem marcadores ge-

tica, vem encontrando solução.

estatística aprofundada das dife-

néticos associados à altura, obser-

renças entre os genomas, caso haja

vou-se que apenas 5% da variação

Quais explicações já foram

uma divergência consistente entre os

pode ser explicada por eles. O pes-

atribuídas para a perda de her-

indivíduos, é possível associar quais

quisador Peter Visscher estimava

dabilidade?

marcadores estão relacionados a

que, diferente do que se imaginava,

Existem diversas hipóteses forma-

essa característica estudada.

não eram os genes mais comuns

das através de análises de GWAS

que definiam a altura e sim peque-

que procuram explicar a herdabi-

GWAS na busca pela herdabili-

nas variantes supostamente de pe-

lidade perdida. As mais relevantes

dade perdida

queno impacto. Em estudos popu-

atualmente são:

Com o passar dos anos os bancos

lacionais recentes foi determinado

de dados de GWAS se tornaram

que, apesar de marcadores genéti-

• A hipótese mais comum refere-se

cada vez mais robustos com mais

cos comuns serem parte conside-

a baixa resolução de técnicas impe-

de 15.000 SNPs únicos associados

rável dos componentes genéticos

dindo a descrição de variantes que

a fenótipos ou doenças relevantes.

deste fenótipo, metade é composta

possam estar envolvidas na mani-

No entanto, os marcadores de SNPs

por pequenas e, muitas vezes, raras

festação de fenótipos, dessa forma, a

de variantes conhecidas apenas

variantes genéticas.

herdabilidade é vista como perdida.

conseguem explicar uma pequena

parte da herdabilidade observada

Recentemente um estudo da Nature

• Descrições incorretas ou incom-

em estudos populacionais.

Communications descreveu através

pletas de variantes causando uma

de GWAS novos locus associados a

falsa sensação de perda de herda-

Características fenotípicas simples

asma. Estudos anteriores já confir-

bilidade que na verdade apenas

como a altura são foco na procu-

mavam que existe grande contri-

reflete a necessidade de investi-

ra da herdabilidade perdida, no

buição genética para o desenvolvi-

mentos em técnicas mais evoluídas

0 72

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


adáblios

DIAGNÓSTICOS RÁPIDOS COM

ESPECIFICIDADE

LUMIRATEK - TESTES RÁPIDOS

Qualidade • Especificidade • Praticidade

A utilização dos testes rápidos permite maior rapidez e acessibilidade ao diagnóstico de diversas

doenças através de metodologia simples e confiável, reduzindo o tempo de liberação de resultados,

auxiliando os pacientes e profissionais da saúde quanto a necessidade de uma conduta terapêutica.

Doenças Tropicais

• Malária P.f/Pan

• Dengue NS1

• Dengue IgG/IgM

• Dengue Ab e Ag - DUO

• Dengue NS1 + Dengue IgG/IgM +

Zika IgG/IgM

• Dengue NS1 + Dengue IgG/IgM +

Zika IgG/IgM + Chikungunya

Perfil Cardíaco

• Troponina I

• Painel Cardíaco (Mio/CK-MB/Tropo I)

Doenças Gastrointestinais

• FOB

• H. Pylori

• Rotavírus

• Rotavírus / Adenovírus

Doenças Respiratórias

• Influenza A + B

• Strep A

Doenças Infecciosas

• Rubéola IgM

• Toxoplasmose IgG/IgM

• HIV

• HCV

• Sífilis

• HBsAg

• Sífilis/HIV

• HCV/HIV/Sífilis

• HAV

• Tuberculose

Saúde da Mulher

• HCG

• LH

• ToRCH IgM

Oncologia

• PSA

• AFP

• CEA

Os produtos anunciados estão registrados ou em fase final de registro na ANVISA

Discovering. Inspiring. Transforming.

Tel.: 55 11 5185-8181– faleconosco@lumiradx.com


MEDICINA GENÔMICA

de análise de genoma humano.

Para determinadas características é

possível que a estimativa genética

• Possível que existam diferentes

padrões para diferentes características,

por exemplo, quando há

genoma humano. Análises genéticas

estatísticas possuem viés e requerem

estudos aprofundados, questão que

tenha sido superestimada dando

maior complexidade provavelmen-

atualmente é mais simples de resol-

a entender que a maior influência

te a herdabilidade é reflexo de um

ver devido a tecnologia.

na variabilidade fosse em determi-

conjunto de efeitos aditivos con-

nados genes procurados, gerando

juntos, já para características mais

No quesito herdabilidade perdida

uma falsa perda de herdabilidade.

simples a herdabilidade ausente

ainda não há uma resolução defi-

pode se justificar em efeitos gené-

nitiva, no entanto, a descoberta de

• Erros estatísticos ou falha na pro-

ticos não-aditivos.

variantes genéticas vem permitindo

porção de características ou doen-

que o mistério seja transformado

ças observadas em estudos popu-

• Efeitos genéticos são consequência

em conhecimento, levando a com-

lacionais, prejudicando o resultado

não de marcadores comuns ou indi-

preensão de doenças e auxiliando

final da análise.

cados por estudos de GWAS, na ver-

na medicina de prevenção.

• O fator ambiental como maior fonte

de variabilidade no fenótipo. A herdabilidade

pode ser alterada como

um resultado da variação ambiental

(relação gene-ambiente) e não necessariamente

por ação genética.

dade vem por mutações ou variantes

raras de baixa frequência populacional

que requerem métodos de identificação

específicos. Essa hipótese

justificaria o porquê de os pesquisadores

demorarem para encontrar a

herdabilidade perdida.

Referências:

1. López-Cortegano, E & Caballero, A Inferring

the nature of missing heritability in human

traits. (2018) Genetics. DOI: 10.1534/genetics.119.302077

2. Han, Y., Jia, Q., Jahani, P.S. et al. Genome-wide

analysis highlights contribution of immune

system pathways to the genetic architecture of

asthma. (2020) Nat Commun 11, 1776. https://

doi.org/10.1038/s41467-020-15649-3.

• Muitos estudos são realizados

com foco em poucos SNPs específicos.

No entanto, há a hipótese

de que o efeito conjunto de genes

seja responsável por características

complexas.

Considerações finais

Muitos mistérios envolvendo a área

da genética encontram soluções

com o avanço das tecnologias de sequenciamento

e os diversos estudos

desenvolvidos para compreender o

3. Zuk,O et al. The mistery of missing heritability:

Genetic interactions create phantom heritability.

(2012) Prec Nat Acad Scie 109(4):1193-1198.

DOI: 10.1073/pnas.1119675109.

4. Slatkin, M. Epigenetic Inheritance and the Missing

Heritability Problem. (2009) Genetics. 182

(3): 845–850. doi:10.1534/genetics.109.102798

Maria Soares

Analista de Laboratório NGS/Genomas Raros – PROADI no Hospital Israelita Albert Einstein

Fonte: VARSTATION

0 74

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


ARMAZENAGEM EM CÂMARA FRIA

LOGÍSTICA LABORATORIAL

A câmara fria é uma ferramenta projetada

para otimizar o armazenamento de produtos

por meio de sua refrigeração. Com a

baixa temperatura, ela assegura a eficiência

e qualidade dos processos de armazenagem

de produtos.

É uma área de armazenagem especial

para produtos, materiais ou insumos que

necessitam de uma conservação maior,

seja para preservar a qualidade e suas características.

Quando comparado ao freezer e congelador,

a câmara fria tem a expressiva

vantagem de permitir o armazenamento

eficiente e na temperatura adequada de

grandes volumes de produtos.

Outra vantagem de se utilizar esse equipamento

é a precisão do controle de

temperatura. Via de regra, as oscilações

de sistemas manuais e a falta de controle

adequado da temperatura podem preju-

dicar o armazenamento e durabilidade

dos produtos, o que não ocorre em uma

câmara fria.

Buscando inovação e uma solução integrada,

a Prime Storage, empresa do Grupo

Prime Cargo, possui a armazenagem refrigerada

de produtos para a área da saúde,

com uma câmara fria de 1800 m³, 50 posições

paletes e 1100 posições prateleiras

para armazenagem de produtos refrigerados

de 2ºC a 8°C, localizada na Matriz em

Barueri, São Paulo.

Contando com uma antecâmara climatizada,

com sistema de monitoramento

online de temperatura, alarme sonoro e

luminoso de abertura de porta, permitem

um controle mais eficiente da temperatura

24 horas por dia, 7 dias por semana.

Os produtos termolábeis são recepcionados

na antecâmara onde é realizada a

conferência dos produtos e a verificação

de temperatura, posteriormente os produtos

são encaminhados para a área de

armazenagem dentro da câmara fria a disposição

até que seja solicitada a separação

por parte do cliente.

A nossa câmara fria possui uma área para

recebimento, armazenagem, expedição e

não conformidade.

Nossa estrutura está qualificada e os relatórios

de qualificação são disponibilizados

aos nossos clientes. Estamos prontos para

lhe atender!

Em breve nova estrutura de armazenagem

em câmara fria na nossa filial Duque de

Caxias, Rio de Janeiro.

Entre em contato para saber mais:

E-mail: comercial@primecargo.com.br

Tel.: 0800 591 4110

Tel.: 11 4280-9110 | 11 97335-4472

Acesse: www.grupoprimecargo.com.br

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 75


ARBOVIROSES

DENGUE: IMPORTÂNCIA DA

NOTIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

À DOENÇA DURANTE A PANDEMIA DA SARS-COV-2

Por: Caio Santos de Souza, Giovana Santos Caleiro, Camila Malta Romano

Afiliação: CSS e GSC Universidade de São Paulo, Instituto de Medicina Tropical, Faculdade de Medicina, São Paulo, SP, BR

CMR: Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina, São Paulo, SP, BR

O surgimento de diversos casos de

pneumonia na China, no final de

2019, causados por um agente até

então desconhecido, despertou o

estado de atenção ao redor do mundo,

sendo que em janeiro de 2020,

o agente etiológico foi identificado

como um novo coronavírus (Sars-

-Cov-2). Em março de 2020, a Organização

Mundial da Saúde (OMS)

declarou a situação causada por esse

novo vírus como uma pandemia,

pois este já havia sido detectado em

mais de 100 países (LUDWIG, ZAR-

BOCK., 2020; SAAVEDRA-VELASCO

ET AL., 2020), e a doença recebeu o

nome de covid-19.

A situação de pandemia é particularmente

complicada em países em

desenvolvimento, devido à situação

socioeconômica e ao potencial sinergismo

com outras situações de saúde

pública que possam comprometer os

sistemas de saúde (SAAVEDRA-VE-

LASCO ET AL., 2020).

A dengue é a arbovirose de maior

relevância em nível global, deixando

de ser uma doença de casos

esporádicos em muitos países, para

um problema de saúde pública que

atinge diversos países ao redor do

mundo (GUZMAN, HARRIS., 2015).

O vírus causador da dengue (DENV),

pertencente à família Flaviviridae

e gênero Flavivírus, é antigenicamente

classificado em 4 sorotipos

e, dentro desses sorotipos, ainda são

classificados em genótipos e clados.

A infecção por qualquer um desses

sorotipos pode ser assintomática ou

ainda, se apresentar como uma doença

com sintomas semelhantes à

uma gripe, classificada como febre

da dengue sem sinais de alerta; febre

da dengue com sinais de alerta

e por fim, dengue grave, de acordo

com a OMS.

O DENV é endêmico em mais de

120 países, principalmente nas faixas

tropicais e subtropicais (POLLETT

ET AL., 2019). O cenário nacional da

febre da dengue costuma atingir seu

ápice no mês de abril, período onde

o pico de casos é documentado devido

às condições favoráveis para a

proliferação de seu principal vetor, o

Aedes aegypti (STOLERMAN, MAIA,

KUTZ., 2019).

O Sars-Cov-2 teve sua circulação

documentada no país pela primeira

vez em fevereiro de 2020 na

cidade de São Paulo, sendo que

no mês seguinte, foi decretado o

estado de quarentena em todo o

Estado (Governo do Estado de São

Paulo., 2020; Organização Pan-Americana

de Saúde., 2020). Devido

ao histórico de casos de dengue

no país, bem como a circulação do

Sars-Cov-2, surgiu a preocupação

natural de que essas epidemias

possam estar se sobrepondo e, até

mesmo, impactando o diagnóstico

de infecções por DENV (DI WU ET

AL., 2020).

0 76

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


ERBALISA COVID – O TESTE SOROLÓGICO UTILIZADO POR

MAIS DE 1 MILHÃO DE PESSOAS NO MUNDO!

Garantia de qualidade Erba Mannheim, com sensibilidade e especificidade acima de 90%.

INVISTA EM SOROLOGIA!

O método ELISA tem sido destaque dentre os testes

sorológicos por se tratar de uma metodologia

estabelecida, confiável e amplamente utilizada no

diagnóstico de diversas doenças, se tornando um

importante aliado no manejo da pandemia, com custo

benefício superior a testagem rápida.

EFICIÊNCIA E CONFIABILIDADE

PARA OS TESTES COVID-19

Produtividade superior e interpretação confiável dos

resultados! Leve ao seu laboratório o que há de mais

moderno em reação sorológica!

ERBALISA COVID-19 IGG

DESENVOLVIDO PARA FACILITAR

A ROTINA LABORATORIAL:

• Reagentes pronto para o uso e adaptável

para automação

• Calibrador e Controles inclusos

• Tiras destacáveis, sem perdas

• Poços de separação

• Reagentes intercambiáveis

• Tempo total de incubação de 50 minutos com

todas as fases em temperatura ambiente

• Com marcação CE e resultado satisfatório da

análise pós mercado pelo INCQS

ERBALISA COVID-19 IGM

Registro ANVISA - MS 81826160050 Registro ANVISA - MS 81826160051

98%

Sensibilidade diagnóstica de 98,3%.

Especificidade diagnóstica de 98,1%.

100%

Sensibilidade diagnóstica de 100%.

Especificidade diagnóstica de 90%.

PRINCÍPIO: Imunoensaio enzimático indireto

(ELISA), utilizando a proteína S recombinante

(Spike) com subunidade de antígeno.

PRINCÍPIO: ELISA indireto usando subunidade

Spike (S) recombinante e antígenos

nucleocapsídeos (N)

MUDE COM A ERBA

Para saber todas as informações sobre os Kits ErbaLisa e também ter acesso às cartilhas de

operacionalização e interpretação de resultados, aponte a câmera do seu celular para o QRCode

@erba_brasil erba-brasil erba-brasil


ARBOVIROSES

Segundo o boletim epidemiológico

em arbovírus da semana

39\2019 (referente até 23 de se-

cípios de São José do Rio Preto, com

6298 casos, Bauru, com 700 casos e

Araraquara com 213 casos (Ministé-

ves e compatíveis com a covid-19

o atendimento presencial era recomendado

(Câmara Municipal de

tembro de 2019), haviam sido con-

rio da Saúde., 2020). Esses números

São Paulo, 2020).

firmados 16413 casos de dengue no

demonstram certa diminuição no

município de São Paulo. Enquanto

número de casos, porém ainda são

De fato, esta conduta pode ter

que o mesmo período em 2020, fo-

valores significativos, principalmen-

mascarado a notificação de casos de

ram confirmados 1905 casos. Estes

te se comparados aos anos anterio-

dengue durante a quarentena. Se-

números mostram uma diminuição

res, como 2017 e 2018.

gundo Mascarenhas ET AL (2020),

significativa em relação ao ano pas-

após a semana epidemiológica 10,

sado, porém é maior do que a soma

Deve ser ressaltado que a vigi-

os casos de dengue caíram, o que

dos casos confirmados em 2017 e

lância em arbovírus foi suspensa

pode sugerir uma possível subnoti-

2018 (866 e 586 respectivamente)

de março até julho de 2020, pois

ficação, visto que exatamente nesse

(Prefeitura de São Paulo., 2020).

os recursos e mão de obra foram

período, é esperado o aumento no

Quando comparado apenas o perío-

direcionados ao diagnóstico do Sar-

número de casos (MASCARENHAS ET

do de pico (abril de 2019 e abril de

s-Cov-2 (COSEMS\SP). Esta medida

AL., 2020).

2020), os números de casos confir-

pode ter comprometido a notifica-

mados caíram de 4965 para 1429.

ção do número total de casos, visto

De acordo com o informe no

que a desinformação em relação à

combate ao coronavírus da câmara

De acordo ainda com o Departa-

vigilância pode gerar sub-notifica-

municipal de São Paulo, até junho,

mento de Informática do Sistema

ções. Outro ponto a ser destacado é

pacientes apresentando dores no

Único de Saúde (DATASUS) e o Bo-

que a situação pandêmica do novo

corpo, febre, dor de cabeça e ou-

letim Epidemiológico do Ministério

coronavírus, bem como certas me-

tros sintomas mais leves, não de-

da Saúde, o Estado de São Paulo

didas de segurança sugeridas pelos

veriam procurar serviços de saúde

contabilizou 265 óbitos a partir de,

órgãos de saúde, podem ter contri-

por questões de segurança (evitar a

aproximadamente, 444 mil casos

buído para a diminuição da noti-

contaminação pelo novo coronaví-

confirmados de dengue, em 2019.

ficação de casos de outras viroses.

rus, e também para não sobrecarre-

Ao comparar esses valores com os

Por exemplo, fez parte das reco-

gar o sistema de saúde). Como a fe-

números disponíveis até setembro

mendações iniciais que, em caso de

bre da dengue sem sinais de alerta

de 2020, o Estado de São Paulo já

sintomas leves ou inespecíficos, dar

pode ter apresentação branda, essa

havia confirmado 206.223 casos e

preferência ao teleatendimento e,

orientação pode ter mitigado possí-

117 óbitos, sendo destaque os muni-

somente em casos de sintomas gra-

veis casos de dengue.

0 78

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


ARBOVIROSES

Conclusão: Apesar de até o momento,

os números de casos de febre

da dengue em 2020 serem menores

do que em 2019, podemos ver um

aumento significativo quando comparado

a outros anos. Deve ser considerado

que nem o governo estadual, nem

o DATASUS possuem valores totais de

casos e óbitos referentes a 2020, para

que possa ser feita uma avaliação completa.

A pandemia do novo coronavírus

pode ter contribuído de forma indireta

para essa diminuição observada de

notificações. Os números significativos

em municípios como Rio Preto demonstram

a importância da vigilância

constante, bem como a continuidade

nos esforços em combate ao vetor.

Agradecimentos. Os autores são

financiados pelo Conselho Nacional

de Desenvolvimento Científico e

Tecnológico CNPq #402794/2020-

6 e pela Fundação de Amparo a

Pesquisa do Estado de São Paulo

#2019/03859-9.

Referências

Ludwig S, Zarbock A. Coronaviruses and SARS-CoV-2: A

Brief Overview. Anesth Analg. 2020 Jul;131(1):93-96.

Saavedra-Velasco M, Chiara-Chilet C, Pichardo-Rodriguez

R, Grandez-Urbina A, Inga-Berrospi F. Coinfección entre

dengue y COVID-19: Necesidad de abordaje en zonas

endémicas [Coinfection between dengue and covid-19:

need for approach in endemic zones.]. Rev Fac Cien Med

Univ Nac Cordoba. 2020 Mar 31;77(1):52-54.

Guzman MG, Harris E. Dengue. Lancet. 2015 Jan

31;385(9966):453-65.

Pollett S, Melendrez MC, Maljkovic Berry I, et al. Understanding

dengue virus evolution to support epidemic

surveillance and counter-measure development. Infect

Genet Evol. 2018;62:279-295.

Stolerman LM, Maia PD, Kutz JN. Forecasting dengue fever

in Brazil: An assessment of climate conditions. PLoS

One. 2019;14(8):e0220106. Published 2019 Aug 8.

Organização Pan-Americana de Saúde. Brasil confirma primeiro

caso de infecção pelo novo coronavírus. Obtido em: https://www.

paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=arti-

cle&id=6113:brasil-confirma-primeiro-caso-de-infeccao-pelo-

-novo-coronavirus&Itemid=812. Acesso em 09-10-2020.

Governo do Estado de São Paulo. SP contra o novo coronavírus:

tudo sobre a quarentena. Obtido em: https://

www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus/quarentena/.

Acesso em 09-10-2020.

Wu D, Lu J, Liu Q, Ma X, He W. To alert coinfection of CO-

VID-19 and dengue virus in developing countries in the

dengue-endemic area [published online ahead of print,

2020 May 4]. Infect Control Hosp Epidemiol. 2020;1.

doi:10.1017/ice.2020.187

Ministério da Saúde. Boletins epidemiológicos. Obtido

em: https://antigo.saude.gov.br/boletins-epidemiologicos.

Acesso em 09-10-2020.

Conselho de Secretários Municipais de Saúde. Interrupção

temporária de coleta e envio de amostras para o monitoramento

viral das arboviroses no Estado de São Paulo.

Obtido em: http://www.cosemssp.org.br/noticias/interrupcao-temporaria-de-coleta-e-envio

-de-amostras-

-para-o-monitoramento-viral-das-arboviroses-no-estado-de-sao-paulo/.

Acesso em 09-10-2020;

Câmara Municipal de São Paulo. Informação no combate

ao coronavírus. Obtido em: http://www.saopaulo.sp.leg.

br/coronavirus/o-que-fazer-ao-apresentar-sintomas/.

Acesso em 09-10-2020

MASCARENHAS, Márcio Dênis Medeiros et al. Ocorrência

simultânea de COVID-19 e dengue: o que os dados revelam?.

Cad. Saúde Pública [online]. 2020, vol.36, n.6

Autores

Caio Santos de Souza Giovana Santos Caleiro Camila Malta Romano

Biomédico graduado e habilitado em análises clínicas pelo Centro

Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. Especialista

em hematologia tropical pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de

Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) e atualmente

aluno de mestrado pela Faculdade de Medicina da Universidade de

São Paulo, pelo laboratório de virologia do Instituto de Medicina

Tropical da Universidade de São Paulo (IMTUSP).

Bióloga graduada pela Universidade de Franca (UNIFRAN).

Especialista em ciência ambiental pela UNIFRAN. Mestre pelo IMTUSP

na área de virologia e atualmente é aluna de doutorado pela FMUSP

na área de virologia.

Bióloga pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mestre em

parasitologia e doutora em ciências pelo departamento de microbiologia

da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é pesquisadora científica

no nível XI no Laboratório de Investigação Médica 52 (LIM) do HCFMUSP,

tendo ampla experiência com técnicas de biologia molecular, análise

de genomas de vírus e filogenia viral. Possui mais de 70 publicações em

sua área de atuação, e atualmente desenvolve projetos relacionados a

arbovírus, coronavírus e retrovírus endógenos.

0 80

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


newprov.com.br

LANÇAMENTO

VTM – MEIO DE TRANSPORTE VIRAL

Transporte, manutenção e armazenamento

de amostras clínicas contendo vírus para

CROMONEW 60 X análises 15 MM laboratoriais. – REDUZA SEUS

A NEWPROV POSSUI UMA LINHA COMPLETA DE

CUSTOS SEM AFETAR SUA QUALIDADE.

PLACAS PRONTAS PARA USO.

Produto desenvolvido conforme orientações do CDC (Centers of Disease

-



As melhores matérias primas, processos automatizados


e uma equipe técnica à disposição.

CIAL


O

Contate

MELHOR

nossos

RESULTADO

canais

SÓ SERÁ

de

OBTIDO

vendas

ATRAVÉS

e suporte

DA AMOSTRA

e solicite

ADEQUA-


DA nosso – (Patrick catálogo R Murray) de placas de meios cromogênicos

e tradicionais.

ltaneamente coliformes totais e Escherichia

ltados em até 24 horas.


ia.

SEGURANÇA PARA SUA AMOSTRA:



Nosso compromisso é de oferecer a melhor qualidade a



um preço justo.

Newprov – De Microbiologistas para Microbiologistas

Newprov De Microbiologistas para Microbiologistas



NEW

PRODUTOS PARA LABORATÓRIO


HEMATOLOGIA

ANEMIA FALCIFORME:

UM RELATO DE CASO

Por: Diego Lasier Mendes, Eloir Dutra Lourenco.

Resumo

A Anemia Falciforme (AF) é uma doença hemolítica autossômica

recessiva, que se faz presente nos indivíduos homozigóticos

para Hemoglobina S. A HbS tem como objetivo fazer

a poli•merização dos eritrócitos em condições de hipóxia,

fazendo com que esses assumam o formato de foice. Essa interação

dificulta que a circulação adequada dessas hemácias

ocorra na corrente sanguínea, causando comprometimento

no transporte de oxigênio celular e tecidual, além de contribuir

para o processo de vaso-oclusão, que acarreta processos

inflamatórios e infecciosos. O relato trata-se de uma paciente,

que se encontra em um estado mais avançado da doença,

mostrando desta forma, os resultados do processo de alongamento

das hemácias. O diagnóstico para a Anemia Falciforme

deve ser realizado antecipadamente pela triagem neonatal,

que consiste no método de rastreamento na população de 0 a

28 dias de vida, pela análise do gene Beta e posterior análise

clínica, com alguns testes como: Hemograma, Teste de Falcização,

Dosagem de Hemoglobina Fetal e Hemoglobina A2,

Teste de Solubilidade, Imunoensaio, e Focalização Isoelétrica.

As formas de tratamento mais efetivos atualmente para tratamento

da Anemia Falciforme são o transplante de células

tronco hematopoiéticas (TCTH), como escolha curativa, quando

for possível e o uso da hidroxiuréia (HU).

Palavras-Chave: Anemia Falciforme; diagnóstico de anemia

falciforme; tratamento de anemia falciforme; hemoglobinopatia.

Abstract

Sickle Cell Anemia (AF) is an autosomal recessive hemolytic

disease, which is present in individuals homozygous

for Hemoglobin S. HbS aims to polymerize erythrocytes

in hypoxic conditions, making them assume

the sickle shape. This interaction makes it difficult for the

proper circulation of these red cells to occur in the bloodstream,

causing impairment in the transport of cellular

and tissue oxygen, in addition to contributing to the process

of vasocclusion, which leads to inflammatory and

infectious processes. The report is about a patient, who

is in a more advanced stage of the disease, thus showing

the results of the red blood cell elongation process. The

diagnosis for Sickle Cell Anemia must be made in advance

by neonatal screening, which consists of the screening

method in the population from 0 to 28 days of life, by

analyzing the Beta gene and later clinical analysis, with

some tests such as: CBC, Sickling Test , Measurement of

Fetal Hemoglobin and Hemoglobin A2, Solubility Test,

Immunoassay, and Isoelectric Focusing. The most effective

forms of treatment today for the treatment of sickle

cell anemia are hematopoietic stem cell transplantation

(HSCT), as a curative choice, when possible and the use

of hydroxyurea (HU).

Keywords: Sickle Cell Anemia; diagnosis of sickle cell anemia;

treatment of sickle cell anemia; hemoglobinopathy.

0 82

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Introdução

A Anemia Falciforme (AF) é uma doença

hemolítica autossômica recessiva, que se

faz presente nos indivíduos homozigóticos

para Hemoglobina S (HbS). É originada

devido a uma mutação que ocorre na posição

6 da extremidade N – terminal do

cromossomo 11, onde ocorre a substituição

de um ácido glutâmico pela valina. A HbS

tem como objetivo fazer a poli•merização

dos eritrócitos em condições de hipóxia, fazendo

com que esses assumam o formato

de foice. Essa interação dificulta que a circulação

adequada dessas hemácias ocorra

na corrente sanguínea, como resultado a

comprometimento no transporte de oxigênio

celular e tecidual, além de contribuir

para o processo de vaso-oclusão devido a

aderência dessas células no endotélio vascular,

ocasionando processos inflamatórios

e infecciosos. (ALMEIDA et al, 2017).

Podem ocorrer ainda, algumas formas

heterozigóticas, representadas pelas

associações de HbS com outras variantes

de hemoglobinas, tais como: HbC,

HbD, HbE; as interações com a talassemia

e a persistência hereditária da hemoglobina

fetal. (ALMEIDA et al, 2017;

FERREIRA et al, 2018).

A falcização pode ser revertida pelo aumento

da pressão parcial de O2, contudo,

sucessivas falcizações alteram a estrutura

da membrana da hemácia, favorecendo

a formação da célula, irreversivelmente,

falcizada. (FERREIRA et al, 2018).

O diagnóstico para a Anemia Falciforme

deve ser realizado antecipadamente

pela triagem neonatal, que consiste no

método de rastreamento na população

de 0 a 28 dias de vida, pela análise do

gene Beta e posterior análise clínica, e

também em testes de triagem, utilizados

para realizar um pré-diagnóstico

desta doença, os exames usados para o

diagnóstico são: Triagem Neonatal, Hemograma,

Teste de Falcização, Dosagem

de Hemoglobina Fetal e Hemoglobina

A2, Teste de Solubilidade, Imunoensaio,

e Focalização Isoelétrica. (Sarat CN et al,

2019; JUNIOR et al, 2015). Sendo assim,

o objetivo do presente trabalho é relatar

um caso de uma paciente com Anemia

Falciforme, descrevendo os sinais fisiopatológicos

e determinando o perfil hematológico

nesta paciente.

Tabela 1: Resultados dos hemogramas

Relato de Caso

Paciente do sexo feminino, 45 anos de

idade, negra, originária de Viamão - RS,

relata que foi diagnosticada com Anemia

Falciforme a partir dos 9 meses de

idade, pois já havia tido pneumonia e

estava com meningite.

A paciente conta que, nos últimos anos

as crises de dores características da

AF, ocorrem a cada 6 meses, e eventualmente

crises no pulmão, mas que

atualmente está mais controlado. Seu

irmão mais novo também era portador

da Anemia Falciforme, mas faleceu aos

5 meses de idade em um episódio de

sequestro esplênico.

Paciente relata que sente dores nos

ossos diariamente. É aposentada por

invalidez desde 2002, e em casa possui

ajuda, pois não pode realizar as tarefas

domésticas.

Na tabela 1, apresenta-se os últimos

hemogramas realizados pela paciente

com as respectivas datas.

HEMATOLOGIA

Os portadores de anemia falciforme não

apresentam sintomas nos primeiros seis

meses de vida, por terem a presença de

hemoglobina fetal (HbF), isso em concentrações

superiores às encontradas nos

adultos, que é de 1% - 2%. Ocorre após

esse período, a síntese das cadeias gama,

formadoras da HbF, que é substituída pelas

cadeias beta ocorrendo a estabilização

na produção de globinas. Como resultado

disto, a HbS passa a ser produzida em

quantidade maior, e o indivíduo perde a

proteção da HbF. (LEAL et al, 2017)

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 83


HEMATOLOGIA

No dia 19/04/2020 a hemoglobina

estava em 5,8 g/dL, então

foi realizada transfusão sanguínea,

e posteriormente no dia

22/04/2020 foi realizado outro

hemograma, já neste a paciente

se encontra com hemoglobina de

8,2 g/dL,demonstrando melhora

no quadro. A paciente realizou

apenas uma transfusão sanguínea

durante este ano de 2020.

Na imagem abaixo do Hemograma

da paciente, é possível perceber

a presença de drepanócitos

(1) (células em formato de foice),

células em alvo (2), policromatofilia

(3), macrocitose (4).

A paciente realizou também uma

eletroforese de hemoglobina no dia

15/10/2020, demonstrando a presença

de hemoglobina S em 87,1%;

hemoglobina F 9,1% e hemoglobina

A2 de 3,8%, conforme imagem 2.

Em função das diversas transfusões

sanguíneas, necessárias devido a

Anemia Falciforme, descobriu que

possuía hepatite C em 1999, realizando

o tratamento com Ribavirina,

mas não eliminou o vírus, então

segue fazendo o monitoramento

através de exames laboratoriais. Em

consequência das transfusões sanguíneas,

apresentou a alguns anos

atrás, sobrecarga de ferro no sangue

e fez tratamento com Desferal e segue

acompanhando os níveis férricos.

Tem crises de depressão há 10

anos, fazendo uso de Cloridrato de

Sertralina para este fim.

Para a anemia falciforme, realiza

tratamento com Hidroxiureia, dois

comprimidos de 500mg cada, uma

vez por dia, e faz uso de ácido fólico.

Discussão

A doença falciforme no Brasil, quando

descrita em termos médicos, ge-

Imagem 1: Lâmina da paciente.

néticos, sociais ou antropológicos,

possui grande ligação com a introdução

de negros africanos em nosso

país. (NAOUM, 2020). É mais constante

onde a parcela de afrodescendentes

é de maior tamanho, na região

Nordeste e Estados de São Paulo,

Rio de Janeiro e Minas Gerais. Nestas

regiões, foi registrado um novo caso

de doença falciforme a cada 1000

nascimentos e um novo caso de portadores

do traço falciforme a cada 27

nascimentos. Estimam-se que 2500

crianças que nascem anualmente,

possuem a doença falciforme no

Brasil. (LERVOLINO, 2020).

0 84

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


HEMATOLOGIA

A herança da anemia falciforme

acontece por meio de um gene autossômico

recessivo presente em

ambos os pais, no geral, carregam

um único gene afetado (heterozigoto),

e são portadores assintomáticos,

transmitindo assim o gene defeituoso

ao filho, que, portanto, é homozigoto

(Hb SS). (LERVOLINO, 2020).

Imagem 2: Eletroforese de hemoglobina da paciente:

Fonte: Laudo da paciente

Detectar precocemente a anemia

falciforme permite o aconselhamento

genético e evita custos para

o sistema de saúde. É de extrema

importância o aconselhamento genético

na doença falciforme pois tem

como prioridade a assistência familiar

as pessoas acometidas por essa

mutação, auxiliando na prevenção,

na qual depende do conhecimento

dos casais que tem a possibilidade

de gerar filhos com a Doença Falciforme.

(LEAL et al, 2017).

O indivíduo com Anemia Falciforme

apresenta sintomas variados e que

baseiam-se na idade do paciente.

A febre é um sinal comum, acontecendo

em 80% dos casos, seguida

por tosse, taquipneia, dor torácica e

dispneia. Os sintomas mais presentes

em crianças são febre e tosse, e

nos adultos dor torácica, dispneia

e hemólise. (SOUZA et al, 2016). A

paciente relatou que possui alguns

destes sintomas como, a dor torácica,

dispneia e dores nos ossos.

As manifestações clínicas na Anemia

Falciforme estão ligadas a dois mecanismos

fisiopatológicos: hemólise

e vaso-oclusão. A hemólise reduz a

biodisponibilidade do óxido nítrico

(ON), que altera a homeostase das

funções vasculares, desencadeando

diversas manifestações clínicas,

como: inflamação vascular, aumento

de radicais livres, acidente vascular

cerebral, hipertensão pulmonar e

doença hepática; (SANTIAGO et al,

2020; SANTOS NETO, 2020).

Para a maior parte dos pacientes, as

complicações vaso oclusivas são muito

piores do que a anemia em si, que

geralmente é mais tolerada. Visto que,

as crises vaso-oclusivas são altamente

dolorosas. Outras variações de importância

clínica são a síndrome torácica

aguda, úlceras de perna, as infecções

bacterianas, os acidentes vascular-cerebrais

e as complicações cardíacas,

que, ligadamente com as crises dolorosas,

levam a internações em hospitais,

morbidade e morte. (FIGUEIREDO

et al, 2014).

Um diagnóstico mais precoce da doença,

preferencialmente no período neonatal,

através do teste do pezinho que

é assegurado pelo Programa Nacional

de Triagem Neonatal (PNTN), facilitara

a instituição de um plano de cuidado

condizente e prevenção de complicações

oriundas da doença certificando

desta forma uma maior expectativa e

qualidade de vida para estes pacientes.

(OLIVEIRA et al, 2013).

As formas de tratamento mais efetivos

atualmente para tratamento da

Anemia Falciforme são o transplan-

0 86

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


te de células tronco hematopoiéticas

(TCTH), como escolha curativa,

quando for possível e o uso da hidroxiuréia

(HU), que atua reduzindo

a ocorrência e intensidade das crises

de dores em 68% a 84% dos casos

estudados, reduz o tempo de internação,

o número de hospitalização,

a frequência de síndrome torácica

médicos, fazendo uso de medicação

diariamente e frequentemente faz exames

laboratoriais, para acompanhamento

da patologia. Porem as dores

constantes, complicam a qualidade de

vida da paciente, afetando também seu

emocional, pois estas dores regulares

causam estresse excessivo, e depressão.

Sendo assim, é destacada a necessi-

LERVOLINO, Luciana Garcia et al. Prevalence of sickle

cell disease and sickle cell trait in national neonatal

screening studies. Rev. Bras. Hematol. Hemoter.,

São Paulo, v. 33, n. 1, p. 49-54, Feb. 2011. Disponivel

em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-

84842011000100015&lng=en&nrm=iso.

Acesso em: 2 novembro 2020.

SANTOS NETO, Abilio Torres dos et al . Effects of

oxidative stress on liver, brain and spinal cord of

rats using L-NAME and treated with hydroxyurea.

A model of sickle cell complication. Acta Cir. Bras.,

São Paulo, v. 35, n. 3, e202000301, 2020. Disponivel

em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-

86502020000300200&lng=en&nrm=iso.

Acesso em: 14 outubro 2020.

HEMATOLOGIA

aguda, e redução de taxa de mortalidade.

(FERRAZ et al, 2012).

Conclusão

As hemoglobinopatias estão entre as

doenças monogênicas mais habitualmente

descobertas na população.

A complicação de seus processos

fisiopatológicos, a severidade da doença,

e suas muitas manifestações

clínicas relacionadas fazem das doenças

falciformes um desafio para a

ciência. (FIGUEIREDO et al, 2014).

A paciente analisada se encontra em

um estado mais avançado da doença,

mostrando desta forma, os resultados

do processo de alongamento das

hemácias. Permanece sob cuidados

dade de uma assistência psicológica

constante tanto para a paciente, como

a seus familiares próximos.

Além do mais, nota-se que ainda há

muito o que se pesquisar, e descobrir

sobre a doença focado nos tratamentos

pois se refere a uma anomalia

genética, até o momento, incurável.

Referências

ALMEIDA, Renata Araújo de et al. Anemia Falciforme e abordagem

laboratorial: uma breve revisão de literatura. 2017.

FERREIRA, Reginaldo et al. Recentes avanços no tratamento

da anemia falciforme. 2018.

CARLA, Vaneska Fernandes Leal et al. Aspectos

clínicos e moleculares da anemia falciforme: uma

revisão de literatura. 2017.

NAOUM, Paulo Cesar. Sickle cell disease: from the

beginning until it was recognized as a public health

disease. Rev. Bras. Hematol. Hemoter., São Paulo, v.

33, n. 1, p. 7- 9, Feb. 2011. Disonivel em:


ANÁLISES CLÍNICAS

DOSAGEM

DE PEPTÍDEO C

Por: Brunno Câmara.

O peptídeo Conector (peptídeo-C)

é um polipeptídeo curto, composto

por 31 aminoácidos. Ele conecta a

cadeia A à cadeia B na molécula de

pró-insulina. Para entendermos a

importância do peptídeo-C, precisamos

relembrar como a molécula

de insulina é produzida.

Produção da insulina

Em mamíferos, a insulina é sintetizada

nas células beta, localizadas

nas ilhotas pancreáticas.

Ela é constituída por duas cadeias

de polipeptídeos - cadeia A e cadeia

B - ligadas por pontes de dissulfeto.

Porém, a insulina é primeiramente

sintetizada como pré-pró-insulina.

No retículo endoplasmático rugoso,

um pequeno resíduo peptídico de

sinalização é clivado e a pró-insulina

é formada.

Três pontes dissulfeto são formadas

e mudam a conformação da

pró-insulina (estrutura terciária),

mas as cadeias A e B continuam conectadas

pelo peptídeo-C.

Após ser transportada para o

complexo de Golgi, a pró-insulina é

clivada por enzimas que liberam o

peptídeo-C, e as duas cadeias ficam

ligadas por pontes dissulfeto.

Tem-se, então, a molécula madura

de insulina, empacotada em

grânulos maduros, esperando pelos

estímulos metabólicos para serem

exocitadas na circulação.

Importância da dosagem de

peptídeo-C

É um método útil de verificação

da função das células beta pancreáticas.

Para essa avaliação, a dosagem

do peptídeo-C é preferível à dosagem

de insulina já que a taxa

de degradação do peptídeo-C

é mais lenta (meia vida: 20-30

min) que a da insulina (meia

vida: 3-5 min).

Outra vantagem é que a metabolização

hepática do peptídeo-C é

muito baixa. Já metade das moléculas

de insulina secretadas é metabolizada

na primeira passagem

pelo fígado.

Além disso, o peptídeo-C é depurado

na circulação periférica

numa taxa constante, enquanto

que a insulina tem uma depuração

variável.

0 88

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Informações laboratoriais

Peptídeo-C sérico

A dosagem sérica de peptídeo-C tem

o inconveniente de requerer análise

imediata, já que esse analito pode ser

facilmente degradado por enzimas.

Sendo assim, os tubos de coleta

para soro devem ser transportados

ao laboratório em gelo, e a amostra

imediatamente centrifugada, separada

e analisada ou congelada. Porém,

se for coletada em tubo com EDTA, a

amostra é estável por até 24 horas em

temperatura ambiente.

Em relação ao estado do paciente, a

amostra pode ser coletada de forma

aleatória, em jejum ou após estímulo.

• Coleta aleatória: qualquer hora

durante o dia, independente da alimentação;

• Coleta em jejum: de 8 a 10 horas;

• Coleta após estímulo: administração

de sustacal, glucagon, glicose,

tolbutamida, sulfonilureia etc.

Dentre essas opções, a dosagem

sérica de peptídeo-C após estímulo

com glucagon ou sustacal (suplemento

alimentar), é mais sensível e

específica do que as outras formas.

Em indivíduos saudáveis, a concentração

plasmática de peptídeo-C, em jejum,

varia de 0,81 a 3,85 ng/mL (ou 0,3

a 0,6 nmol/L) - quimioluminescência.

Peptídeo-C urinário

A maioria das moléculas de peptídeo-

-C são metabolizadas nos rins, sendo

que 5 a 10% são excretados na urina,

sem sofrer modificações.Desse modo,

o peptídeo-C pode ser dosado na urina

(incluindo a de 24 horas). Se a amostra

for coletada em ácido bórico, o peptídeo-C

urinário fica estável por até três

dias em temperatura ambiente. Porém,

em pacientes com doença renal crônica,

a sua dosagem pode ser imprecisa.

Aplicações e Interpretação

A dosagem de peptídeo-C pode

ser feita para o diagnóstico, prognóstico

e resposta ao tratamento de

diabetes mellitus (DM), além de ser

útil no diagnóstico diferencial de

hipoglicemia.

De modo geral, níveis elevados

de peptídeo-C indicam aumento

da produção endógena de insulina,

enquanto que níveis baixos refletem

a baixa produção do hormônio.

Sua concentração está elevada em

pacientes com DM tipo II, insulinomas

e na insuficiência renal. Sua

concentração está diminuída em

pacientes com DM tipo I e na administração

de insulina exógena.

Referências

Leighton, Emma et al. “A Practical Review of C-Peptide Testing

in Diabetes.” Diabetes therapy : research, treatment and education

of diabetes and related disorders vol. 8,3 (2017): 475-487.

doi:10.1007/s13300-017-0265-4

Yosten, Gina L C et al. “Physiological effects and therapeutic potential

of proinsulin C-peptide.” American journal of physiology. Endocrinology

and metabolism vol. 307,11 (2014): E955-68. doi:10.1152/

ajpendo.00130.2014

ANÁLISES CLÍNICAS

Autor: Brunno Câmara - Biomédico, CRBM-GO 5596, habilitado em patologia clínica e hematologia. Docente do Ensino Superior. Especialista

em Hematologia e Hemoterapia pelo programa de Residência Multiprofissional do Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Mestre em Biologia da

Relação Parasito-Hospedeiro (área de concentração: virologia). Coordenador e docente do curso de pós-graduação em Hematologia e Hemoterapia

da AGD Cursos. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão. Criador e integrante do podcast Biomedcast. Contato: @biomedicinapadrao

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 89


LADY NEWS

UMA GERAÇÃO SEM CÂNCER

DE COLO DE ÚTERO, É POSSÍVEL?

O pronunciamento recente da

Organização Mundial da Saúde

(OMS) fez com que 2020 fosse um

ano marcante para a história do

câncer de colo de útero, também

conhecido como câncer cervical.

Trata-se de uma estratégia global,

ambiciosa e inclusiva, que visa

acelerar a erradicação deste câncer

até 2030, através da implantação de

ferramentas existentes, porém ainda

de acesso restrito à população. O

anúncio foi recebido com entusiasmo

por diversas lideranças de saúde

ao redor do mundo, visto que o

câncer cervical, mesmo sendo uma

doença evitável e tratável, quando

precocemente diagnosticado,

ainda é responsável por estatísticas

alarmantes, que tendem a aumentar

diante da não adoção de medidas

eficazes ao seu combate. Estatísticas

mundiais apontam 570.000 novos

casos em 2018, com 311.000

mortes, sendo a maioria dos casos

de mulheres de países com baixa a

média renda, expondo deficiências

nos programas de rastreamento

citológico, seguimento e tratamento

precoce, o que reflete a desigualdade

global. No Brasil, segundo o Instituto

Nacional do Câncer (INCA), foram

estimados 16.590 novos casos e

6.526 mortes em 2019.

Neste sentido é que as ferramentas

para erradicação deste câncer

se tornam referências para a

atenção básica de saúde pública,

fundamentando-se na implantação

coletiva de 3 três pilares: prevenção

primária, prevenção secundária e

tratamento precoce associado à

assistência com cuidados paliativos

às portadoras de tumores invasivos.

A prevenção primária tem como

meta a cobertura vacinal de 90%

das meninas de até 15 anos de idade

contra o Papilomavírus Humano

(HPV) - infecção sexualmente

transmissível (IST) mais comum

em todo o mundo, atingindo

11,7% da população mundial.

Atualmente, o papel do HPV no

processo de carcinogênese de

tumores anogenitais, especialmente

no câncer cervical, já está bem

fundamentado. Além disso, a história

natural da infecção aponta que

comportamentos sexuais como início

precoce da vida sexual e múltiplos

parceiros são potenciais fatores de

risco para o desenvolvimento da

infecção (INCA, 2020). Ao longo

das últimas décadas, evidências

científicas sustentam a presença

do genoma do HPV em outros

cânceres como, ânus, vulva, vagina,

pênis e orofaringe, com a incidência

global destes tumores aumentando

consideravelmente.

A estratégia de vacinar meninas

e adolescentes que ainda não

iniciaram uma vida sexual tem

sido eficaz, uma vez que a vacina

é capaz de induzir a produção

0 90

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


de anticorpos em quantidade

dez a cem vezes mais altas em

segunda dose (D2). Para os meninos

de 12 e 13 anos, a cobertura vacinal

O rastreamento citológico,

através do exame de Papanicolaou,

LADY NEWS

relação à infecção naturalmente

com a primeira dose (D1) foi de

definido como o segundo pilar, é a

adquirida. Infelizmente o cenário

43,8% (Ministério da Saúde, 2018).

principal ferramenta de prevenção

de cobertura vacinal contra o HPV

Tais estatísticas se repetem ao redor

secundária da doença. Permite

no Brasil encontra-se abaixo das

do mundo e em 2020, menos de

a detecção precoce de lesões

metas preconizadas pela OMS,

25% dos países de baixa renda

na cérvice uterina e contribui

principalmente no que diz respeito a

introduziram a vacina contra o

decisivamente no decréscimo

segunda dose. Em 2017, a cobertura

HPV nos calendários nacionais de

da incidência e mortalidade do

vacinal acumulada da vacina HPV,

imunização. E, espera-se uma piora

câncer cervical. Embora tenha

em meninas entre nove a 14 anos de

nestas taxas devido aos impactos da

suas limitações, como baixa

idade, foi de 82,6% para a primeira

pandemia do novo coronavírus na

sensibilidade e reprodutividade.

dose (D1) e de 52,8% para a

distribuição e acesso às vacinas.

A descoberta da associação entre

a sua

agora tem marcas

proprietárias

TODAS AS QUALIDADES EQUIP QUE VOCÊ JÁ CONHECE

COM AINDA MAIS GARANTIA NAS NOSSAS LINHAS

ESTOQUE E LOGÍSTICA

ASSESSORIA CIENTÍFICA

ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Acesse nossa

linha de

produtos:

equipdiagnostica.com.br/global/nossas-marcas/

#equipdiagnostica

equipdiagnostica.com.br


LADY NEWS

este tipo de câncer e o HPV levou a

avanços tecnológicos importantes,

incluindo o desenvolvimento de

assim como a busca por novos

destes biomarcadores, os quais

representam importantes táticas

social, capaz de quebrar

paradigmas e combater fake news

na realidade da saúde pública.

testes moleculares, possíveis de

para o sucesso dos programas

Enfim, as ferramentas para eliminar

serem realizados nas amostras

de rastreamento. Os marcadores

o câncer cervical estão identificadas

obtidas por citologia em meio

biológicos são úteis no manejo

e possíveis de serem empregadas.

líquido, para realização do co-teste

clínico, auxiliando nos processos

Com a implantação de tecnologias

(citologia oncótica associada a

de diagnóstico, estadiamento,

como sistemas robustos de

pesquisa do DNA- HPV), conferindo

avaliação de resposta terapêutica,

monitoramento, alinhado ao apoio

maior eficácia na detecção destas

detecção de recidivas e prognóstico.

dos governos, instituições de saúde

lesões, além da possibilidade de

E, estão sendo continuamente

e da população, teremos a chance

realização de exames laboratoriais

descobertos e já empregados na

de combater esta doença e deixar

complementares.

prática diária, como é o caso das

um legado para as crianças do

proteínas p16, p53, Ki-67.

nosso presente: uma geração livre

Sabendo que o câncer cervical

do câncer de colo de útero.

representa um grave problema

de saúde pública no Brasil e no

mundo, o qual compromete a

vida de mulheres jovens em idade

reprodutiva, volta-se para adoção

de estratégias complementares

para melhorar os desfechos.

É o que se vislumbra com a

pesquisa de biomarcadores por

técnicas de imunocitoquímica,

Para o cumprimento de tais metas

será necessário um engajamento

coletivo e multidisciplinar, a

fim de pulverizar informações

relevantes em diferentes canais

de comunicação, pautadas em

evidências científicas e com foco

na prevenção, para aproximar a

população das instituições de

saúde e provocar o empoderamento

Referências

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Tipos de Câncer:

Colo do Útero. Rio de Janeiro: INCA; 2020. Disponível em:

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-docolo-do-utero.

WHO. Draft: global strategy towards eliminating

cervical cancer as a public health problem. Dec 16,

2019.https://www.who.int/docs/default-source/

cervical-cancer/cervical-cancer-elimination-strategy.

pdf?sfvrsn=8a083c4e_0 (accessed Dec 19, 2019).

Ministério da Saúde. Informe técnico da ampliação

da oferta das vacinas papilomavírus humano 6, 11,

16 e 18 (recombinante) – vacina HPV quadrivalente

e meningocócica C (conjugada). Brasília. 2018.

Luciana Chavasco

Farmacêutica-Bioquímica, especialista em Citologia Clínica pelo Instituto Adolfo Lutz,

Especialista em Hematologia Clínica, Mestre e Doutoranda em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal da Alfenas,

Responsável Técnica nos Laboratórios Chavasco, Membro da Ofac Business e colaboradora do Grupo Ofac University.

0 92

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


PATOLOGIA MOLECULAR

CITOLOGIA

Prof. Dra. Lisiane Cervieri Mezzomo

A patologia e a citopatologia

diagnóstica tradicional vem sendo

revolucionadas nos últimos

anos, a partir da introdução de

tecnologias, que aliadas a análise

morfológica, fornecem perfis

moleculares personalizados. Nesse

contexto, podemos definir o

conceito de patologia molecular

como o estudo e diagnóstico de

doenças por meio de exames moleculares

em amostras de células,

tecidos ou fluidos corporais.

No centro desta disciplina ainda

em evolução, está a aplicação de

técnicas desenvolvidas em áreas

como a bioquímica, biologia celular,

biologia molecular, proteômica

e genética, utilizadas para

a avaliação dos processos pato-

lógicos. A combinação dessas

técnicas morfológicas e moleculares

possibilita a integração das

dimensões morfológicas, clínicas

e moleculares de uma doença, levando

a um diagnóstico mais preciso

e em consequência, a terapia

personalizada.

Já é de conhecimento científico

que as alterações genômicas

desempenham um papel importante

na iniciação e na progressão

do câncer. O conhecimento

dessas alterações auxiliou significativamente

na compreensão

da patogênese tumoral. Esse

conhecimento têm sido cada vez

mais incorporado à prática da patologia

e revolucionou o diagnóstico

e o tratamento do câncer. As

aplicações comuns incluem auxilio

ao diagnóstico patológico ou

citológico, prognóstico e resposta

terapêutica e ainda a identificação

da elegibilidade do paciente

para terapias alvo.

O diagnóstico patológico/citológico

baseia-se na análise morfológica

de amostras de células

ou tecido e, ocasionalmente, o

padrão de expressão de um número

limitado de biomarcadores.

Envolve a análise visual direta do

tecido ou célula para gerar dados

que podem ser usados para informar

sobre o manejo do paciente.

O principal teste realizado em

amostras de biópsia é a coloração

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 93


CITOLOGIA

hematoxilina e eosina, enquan-

imunohistoquímicos e imunoci-

possam ser examinados em vários

to que nas amostras citológicas

toquímicos, e mais recentemente,

níveis diferentes. Com a utilização

utiliza-se a coloração de Papa-

os testes moleculares para ácidos

de todo o exoma e do sequencia-

nicolaou. Esses procedimentos

nucleicos. Com o advento dos

mento do genoma, as mutações

simples são seguidos por uma in-

testes moleculares, estão dispo-

subjacentes responsáveis por do-

terpretação detalhada das carac-

níveis vários tipos avaliações que

enças genéticas e cânceres estão

terísticas morfológicas do tecido

podem ser realizadas em amos-

sendo descobertas em um ritmo

ou célula para gerar informações

tras tradicionalmente utilizadas

incrível, e esse conhecimento

diagnósticas e prognósticas da

para análise morfológica.

está sendo usado para guiar o fu-

doença. Essas metodologias, no

turo do diagnóstico molecular.

entretanto, não fornecem de-

Tecnologias como o sequencia-

talhes sobre os processos indi-

mento de última geração, permi-

A análise morfológica ainda de-

viduais que estão contribuindo

tem que o DNA e o RNA presentes

sempenha um papel relevante

para a mudança patológica, e por

nas amostras teciduais possam

neste cenário, e a incorporação dos

isso vários testes adjuvantes fo-

ser avaliados com grande de-

testes moleculares bem como a in-

ram desenvolvidos ao longo dos

talhamento, juntamente com a

terpretação dos dados dentro do

anos para identificar os processos

análise morfológica do tecido ou

contexto da questão clínica sem

específicos que ocorrem nessas

célula. Essa técnica possibilita

dúvida será foco das pesquisas e

amostras, como os marcadores

que o genoma e o transcriptoma

do diagnóstico nos próximos anos.

Prof. Dra. Lisiane Cervieri Mezzomo

Possui graduação em Farmácia com ênfase em Análises Clínicas e especialização Lato Sensu em Citologia Clínica . Fez Mestrado em Patologia Geral

e Experimental e Doutorado em Patologia - Biomarcadores pelo Programa de Pós Graduação em Patologia da Universidade Federal de Ciências

da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), na área de marcadores moleculares e imunohistoquímicos para o câncer. Atualmente atua como professor

do curso de Especialização em Citopatologia Diagnóstica da Universidade Feevale, e como Pesquisador Pós-Doutor em projetos da Universidade

Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É Assessora da Controllab na área de Citologia/Citopatologia e Medicina Laboratorial.

0 94

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


TECNOLOGIA EM

DIAGNÓSTICO MOLECULAR

GARANTA A DEMANDA

DE KIT DE EXTRAÇÃO

DE MATERIAL GENÉTICO

PARA SEU LABORATÓRIO

KIT DE EXTRAÇÃO

DNA/RNA

PRODUÇÃO

NACIONAL

Não passível de

regulamentação na Anvisa

ESTOQUE E ENTREGA IMEDIATA


BIOSSEGURANÇA

BIOSSEGURANÇA NA PREVENÇÃO

DA CONTAMINAÇÃO HOSPITALAR POR CANDIDA AURIS

Por: Gleiciere Maia Silva, Jorge Luiz Silva Araújo-Filho.

O surgimento da levedura patogênica

Candida auris, uma levedura

emergente do gênero Candida, têm

gerado grande preocupação por ser

um patógeno multirresistente e é

considerada uma grave ameaça à

saúde global. Esse agente foi descrito

pela primeira vez em 2009, isolado

do conduto auditivo de um paciente

proveniente do Japão e se espalhou

nos cincos continentes, tendo o primeiro

caso no Brasil confirmado em

9 de dezembro de 2020.

A ANVISA (Agência Nacional de

Vigilância Sanitária) notificou um

alerta aos laboratórios para dar

mais atenção às cepas suspeitas de

C. auris e reforçar a vigilância dos

profissionais da área de saúde.

Assim como outras espécies do

gênero, o espectro clínico associado

à C. auris, varia desde colonização

a infecção. Contudo, o que merece

atenção e cuidado é a enorme resistência

às drogas comumente utilizadas

no tratamento de infecções

invasivas causadas pelo gênero

Candida. São elas: os azólicos (por

exemplo, fluconazol, voriconazol,

posaconazol e isavuconazol), os

polienos (ex, anfotericina B) e as

equinocandinas (anidulafungina,

caspofungina e micafungina). Nunca

visto em nenhuma outra espécie

do gênero.

A C. auris pode causar desde infecções

na pele até infecções na corrente

sanguínea. Os pacientes mais

vulneráveis são os que estão no

ambiente hospitalar, com comorbidades

e que realizam tratamentos

prolongados com antimicrobianos.

Essas infecções são geralmente graves,

com taxa de mortalidade que

varia de 30% a 60%.

A C. auris sobrevive em ambientes

hospitalares, sendo a

higienização fundamental como

medida de controle e prevenção.

Embora o modo de transmissão

ainda não seja definido, devem

ser adotadas medidas cruciais de

prevenção, tais como:

•Lavagem das mãos por parte dos

profissionais de saúde e dos pacientes

a fim de evitar disseminação;

0 96

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


BIOSSEGURANÇA

•Limpeza diária e completa de colchões,

pias e objetos que os pacien-

da auris são importantes para evitar

surtos, bem como uma melhor es-

to e produtos, reduz as Infecções

Relacionadas à Assistência à Saúde

tes tenham entrado em contato;

trutura diagnóstica, em termos de

- IRAS (CDC, 2018) e os acidentes

identificação da levedura e testes

ocupacionais (MTE, 2017), além de

• Isolamento dos pacientes com

de sensibilidade antifúngicas, são

um papel relevante na preservação

suspeita de infecções por C. auris

importantes para controle de pos-

do meio ambiente (ANVISA, 2020).

em quartos privados;

síveis infecções.

Mudar o panorama atual relativo

Pesquisas recentes sugerem que

Assim, nessa situação em todas

à biossegurança e qualidade nos

peróxido de hidrogênio não esporo-

envolvendo contaminação por

diversos ambientes não é apenas

cida e desinfetante a base de cloro,

microrganismos, os cuidados de

um desafio do governo, mas da

possuem uma boa resposta contra

biossegurança, que são funcionais

sociedade de uma forma geral, exi-

C. auris. Entretanto, produtos com

e dinâmicos são de fundamental

gindo o envolvimento dos gestores

quaternário de amônio amplamen-

importância nos laboratórios e de-

e trabalhadores. Assim Capacitação

te usados no ambiente hospitalar

mais ambientes de atenção à saúde,

periódica nessa área é essencial, e

tem baixa efetividade, de acordo

também nos de estética e beleza,

além de promover um amparo legal

com o alerta emitido pela ANVISA.

na manipulação de alimentos, e até

(NR’s, RDC’s, ANVISA), possibilita

em nossa própria casa. Esses cuida-

transformações positivas nos pos-

Diante do exposto, medidas de

dos envolve medidas de prevenção

tos e processos de trabalho e capi-

biossegurança na prevenção da

e minimização dos riscos, eleva a

taliza a imagem dos profissionais e

contaminação hospitalar por Candi-

qualidade dos serviços, atendimen-

das instituições.

Gleiciere Maia Silva

(@profa.gleicieremaia)

Biomédica, Especialista em Micologia, Mestre em Biologia

de Fungos e Doutoranda em Medicina Tropical.

Contato: gleicieremaia@gmail.com

Jorge Luiz Silva Araújo-Filho

(@dr.biossegurança)

Biólogo, mestre em patologia, doutor em biotecnologia; palestrante

e consultor em biossegurança.

Contato: jorgearaujofilho@gmail.com

Tel.: (81) 9.9796-5514

0 98

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


CONHEÇA O SETOR DE IMUNO-HEMATOLOGIA

DO DIAGNÓSTICOS DO BRASIL

LABORATÓRIO EM DESTAQUE

O Diagnósticos do Brasil é um laboratório

100% apoio, com atuação em

todo território nacional, a empresa

possui três unidades de análises

clínicas, nas cidades de São José

dos Pinhais – PR, Recife – PE e Sorocaba

– SP, além de três unidades

especializadas, dedicadas à exames

específicos de cada área, como o DB

Molecular, DB Patologia e DB Toxicológico

e mais de 40 unidades de

atendimento espalhadas em todo

país. possuindo assim, um leque

grande e diversificado de exames.

Para atender a demanda com qualidade

e mais precisão, dentro de cada

unidade o laboratório conta com

setores específicos, que trabalham

com diferentes técnicas e metodologias,

utilizando equipamentos de

última geração. Nos últimos meses,

um dos destaques do laboratório foi

o setor de imuno-hematologia. A

área se dedica ao estudo dos antígenos

presentes nas hemácias, dos

anticorpos a eles correspondentes e

de seu significado clínico. Com equipamentos

de ponta, o setor entrega

resultados com mais qualidade e em

tempo hábil.

Recentemente, a equipe conseguiu

reduzir o tempo de liberação dos

exames da imuno-hematologia em

48%, obtendo uma melhora no TAT

desses exames paralelamente ao

crescimento da demanda. Resultados

obtidos por investimentos em

novos maquinários que, além de

possuir mais agilidade na análise,

garantem também melhor qualidade

e confiabilidade dos resultados

liberados para o cliente.

“Um dos exemplos são as plataformas

da Grifols, nosso fornecedor da

imuno-hematologia, com a agilidade

que as máquinas nos proporcionam

conseguimos garantir um

exame preciso em tempo recorde

para nossos clientes, fortalecendo a

relação do DB com os parceiros,” diz

Alexandre Tanck, coordenador da

Assessoria Científica do Diagnósticos

do Brasil. “Esses equipamentos

realizam exames fundamentais para

o diagnóstico e tratamento de doenças,”

finaliza o coordenador.

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 99


LABORATÓRIO EM DESTAQUE

Os equipamentos de alta tecnologia

realizam os testes abaixo com

método de Gel-Teste de forma

totalmente automatizada, com o

registro e arquivamento das imagens

permitindo conferência rápida

e de forma visual da prova e

contra prova de cada exame liberado

a partir da imagem e código

de barras de cada paciente.

Exame de tipagem sanguínea:

Capaz de identificar qual

o grupo sanguíneo do paciente,

informação importante para casos

de doações e transfusões de

sangue, gestação, entre outros

procedimentos médicos.

Coombs Indireto: É o teste que

permite a identificação de anticorpos

anti eritrocitários no soro do paciente,

e é importante na avaliação

de gestantes com o fator Rh (-), nas

Foto: Alexandre Tanck - Coordenador da Assessoria Científica do DB.

fases pré e pós transfusionais, especialmente

em pacientes que já passaram

por transfusões, onde pode

ter ocorrido sensibilidade para Rh e

outros sistemas.

Coombs Direto: É uma ferramenta importante

no diagnóstico da anemia hemolítica,

que permite detectar hemácias

revestidas in vivo por imunoglobulinas

e/ou frações do complemento.

São causas de Coombs Direto

positivo: Anemia hemolítica

auto-imune; anemia hemolítica

induzida por drogas; anemia hemolítica

perinatal (DHRN); reação

transfusional hemolítica; proteínas

adsorvidas não específicas.

Os testes acima podem ser solicitados

através dos seguintes códigos:

TIPA: GRUPO SANGUINEO E FATOR RH

CUIND: COOMBS INDIRETOS

CUDIR: COOMBS DIRETOS

O DB trabalha continuamente a procura

de novas tecnologias, buscando sempre

as melhores soluções para os clientes.

0 100

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORMES DE MERCADO

Esta Seção é um espaço publicitário dedicado para a divulgação e ou explanação

dos produtos e lançamentos do setor.

Área exclusiva para colaboradores anunciantes.

Mais informações: comercial@newslab.com.br

CELLAVISION: CONHEÇA OS BENEFÍCIOS DA INTELIGÊNCIA

ARTIFICIAL NA CONTAGEM DIFERENCIAL DE LEUCÓCITOS

A utilização da inteligência artificial

na medicina diagnóstica

parece ser um caminho sem volta.

A cada dia nos deparamos com

novos equipamentos no mercado

utilizando a inteligência artificial

a favor de um diagnóstico mais robusto.

Muitas são as vantagens de

sua aplicação, entre elas, o ganho

de consistência, produtividade, redução

de resultados falsos negativos,

entre outras.

Os equipamentos CellaVision

contam com uma rede neural artificial

proprietária capaz de identificar

células de sangue periférico

e pré classificá-las com taxa de

acerto muitíssimo elevada, colocando

o laboratorista em um

excelente ponto de partida para

a análise. É como se já saíssemos

oitenta metros à frente em uma

corrida de cem metros rasos.

Em um estudo publicado por

Briggs e colaboradores no International

Journal of Hematology,

os autores compararam os resultados

da contagem diferencial de

leucócitos realizada manualmente

versus a pré classificação automatizada

pelo equipamento CellaVision.

O resultado fornecido pela

automação obteve concordância

de 89,2% (tabela). Isso significa

que o laboratorista iniciaria sua

análise já com 89,2% das células

classificadas corretamente, precisando

apenas revisar aquilo que a

automação lhe forneceu.

Observando as três classes celulares

predominantes (neutrófilos,

linfócitos e monócitos), mais de

97,3% das células foram corretamente

classificadas pelo sistema

CellaVision. Como estas células

0 102

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


epresentam de 90% a 95% das

células de um esfregaço típico

de uma rotina, a pré classificação

pelo CellaVision realmente acelera

o processo de revisão das lâminas,

permitindo ao profissional despender

mais tempo proporcional

para o estudo de células imaturas

e células anormais. Desta forma, o

CellaVision contribui muito para o

aumento da produtividade laboratorial

e redução do tempo de entrega

do exame.

Ainda com relação ao aumento

da produtividade laboratorial,

um estudo publicado no Journal

of Clinical Pathology demonstrou

que equipamentos CellaVision reduzem

significativamente o tempo

de revisão por lâmina. Ceelie e

colaboradores avaliaram o tempo

de revisão de duzentas lâminas

realizadas por nove profissionais,

primeiro utilizando a microscopia

manual e em um segundo momento,

a automação CellaVision.

O resultado encontrado foi uma

redução de 50% no tempo de

revisão dos esfregaços. O tempo

economizado poderia ser aplicado

em outras atividades dentro

do laboratório, permitindo o uso

racional dos recursos humanos,

conclui o autor.

Outra vantagem da automação

da contagem diferencial de leucócitos

é o elevado nível de padronização

dos processos, o que conduz

ao ganho de consistência das análises.

A variação interlaboratorial

na classificação celular é sempre

uma grande preocupação dos gestores

de laboratórios. Ao se adotar

a automação com o CellaVision a

variação interlaboratorial é reduzida

drasticamente uma vez que os

laboratoristas avaliarão o mesmo

conjunto de células de um determinado

esfregaço.

INFORME DE MERCADO

Referências:

Int J Lab Hematol. 2009 Feb;31(1):48-60.

doi: 10.1111/j.1751-553X.2007.01002.x.

Epub 2007 Dec 20.

Journal of Clinical Pathology.

2007 Jan;60(1):72-9

Saiba mais em www.cellavision.com

Contato: Wagner Miyaura - Market

Support Manager, South America

wagner.miyaura@cellavision.com

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 103


INFORME DE MERCADO

EXPERTISE EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

Greiner Bio-One investe em insumos

de qualidade que impulsionam a

área de saúde no Brasil e no Mundo

Mundialmente reconhecida por

sua expertise em produtos plásticos

especialmente desenvolvidos

para aplicação na área da saúde,

a austríaca Greiner Bio-One, está

presente há quase duas décadas no

mercado brasileiro e é referência

de qualidade em seus processos

de fabricação, oferecendo soluções

completas para atender diversas

necessidades do segmento.

Na área Pré-analítica, entre as

muitas inovações para o mercado,

a Greiner Bio-One foi a primeira

empresa a desenvolver um sistema

de coleta de sangue a vácuo

em plástico PET. Ao buscar por

uma solução mais segura, prática

e eficiente, a Greiner Bio-One Brasil

seguiu a herança de pioneirismo

de sua matriz na Áustria e foi

responsável pelo desenvolvimento

do primeiro tubo âmbar para sorologia

com gel, que bloqueia a

passagem de luz para o seu interior

durante a coleta, transporte,

armazenamento e processamento

de material biológico fotossensível,

o que impede a degradação

acelerada de alguns analitos que

podem influenciar nos resultados

das análises. A linha também conta

com diversas outras soluções

que englobam todo o processo de

coleta e transporte de diversos tipos

de amostras biológicas.

A divisão de BioScience oferece

soluções para laboratórios de análises

clínicas, ciências médicas,

indústrias farmacêuticas e que

têm sido essenciais na atuação

em pesquisas científicas durante

a pandemia de COVID-19. Um

portfólio completo de produtos de

alta qualidade, livres de detecção

de DNase, RNase, DNA humano e

não-pirogênicos.

Além da variedade e padrões que

asseguram a qualidade dos seus

produtos, a empresa, presente

hoje em mais de 100 países, também

conta com uma equipe de

especialistas para dar suporte técnico

aos seus clientes em instituições

de serviços e pesquisa para a

saúde de todo o Brasil.

Soluções completas para os segmentos

de análise e patologia

clínica, farmacêutico, médico-

-hospitalar, biotecnológico e de

diagnóstico in vitro, que trazem

qualidade e tecnologia para a saúde

brasileira, padrões que colocam

os clientes da Greiner Bio-One

sempre um passo à frente.

Para saber mais, acesse: www.gbo.com.br,

ou entre em contato: info@br.gbo.com.

0 104

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


making a difference

EXPERTISE EM

CIÊNCIAS DA SAÚDE

GREINER BIO-ONE

Brasil

Coleta de amostras, com qualidade e tranquilidade para os pacientes, e segurança para os

profissionais da saúde. Soluções para análises clínicas, indústria farmacêutica, desenvolvimento

de pesquisas e biotecnologia.

A Greiner Bio-One está presente com produtos e serviços que atuam em diversos segmentos de

ciências da saúde no Brasil e no mundo, com as divisões de Pré-Analítica e BioScience.

www.gbo.com

Greiner Bio-One Brasil / Avenida Affonso Pansan, 1967 / CEP 13473-620 | Americana, SP

Tel +55 (19) 3468-9600 / Fax +55 (19) 3468-3601 / E-mail info@br.gbo.com


INFORME DE MERCADO

Soluções de Lavagem e Limpeza para

Analisadores Bioquímicos

A linha de Soluções Consumíveis Ebram

é o resultado apresentado pelo setor de

pesquisa e desenvolvimento de novos

produtos que nos possibilita oferecer

produtos de qualidade diferenciada.

Com excelente desempenho e menor

custo, a Linha de Soluções foi

criteriosamente desenvolvida para

atender especificamente a maioria

dos equipamentos de bioquímica

existente no mercado.

Soluções de Limpeza, Soluções de

Lavagem e Condicionadora de Células,

Soluções Acidas, Alcalinas,

Detergente, Desproteinizante e Enzimática,

cuja função é proporcionar a

lavagem, limpeza e a descontaminação

necessária garantindo resultados

precisos, além de aumentar a durabilidade

dos equipamentos.

Da linha de Soluções Consumíveis

Ebram destacamos as soluções

Ebrawash, uma solução de lavagem

de última geração, unindo a eficiên-

cia da ação enzimática específica na

remoção das sujidades à presença

de condicionadores que promovem

maior proteção das cuvetas de reação

no processo de lavagem.

A elevada concentração das enzimas

em conjunto com seus ativadores

foi desenhada segundo os

processos de lavagem específicos de

cada analisador bioquímico, propiciando

uma ação rápida e eficiente

no curto período de tempo disponível

no processo de lavagem.

As soluções de lavagem são produzidas

no Brasil, possuem Ph neutro,

100% biodegradável, não apresentam

componentes corrosivos e são

livres de fosfatos.

O ph neutro e a ausência de componentes

agressivos permite que as soluções

Ebrawash tenha sua utilização

estendida aos analisadores íons seletivos

(sistema I.S.E) de maneira que promove

uma desproteinização completa

do sistema de canalículos destes sistemas,

removendo completamente o

biofilme normalmente presente nestes

instrumento devido à alta incidência de

amostragem.

A Ebram tem disponíveis para o

mercado as Soluções Consumíveis para

os equipamentos: ADVIA, BECKMAN

CX/LX, COBAS MIRAS, HITACHI

911/912, HITACHI 917/MODULAR,

MINDRAY/BS, QUIMISAT-450,

QUIMIFAST-130, OLYMPUS, DIRUI,

DIMENSION, LABMAX 240, ENVOY/

BT3000

Se o seu laboratório tem um dos equipamentos

citados acima consulte nossas

soluções.

(11) 2291-2811

www.ebram.com

vendas@ebram.com

0 106

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


CELLTAC-G – SEGURANÇA, QUALIDADE E TECNOLOGIAS

EXCLUSIVAS PARA SEU LABORATÓRIO

INFORME DE MERCADO

Walk Away System - O sistema

“Walk Away System” de acesso

randômico e totalmente automatizado

atinge até 90 testes

por hora, apenas inserindo racks

no carregador.

DynaScatter Laser - A tecnologia

ótica ”DynaScatter Laser”

analisa e diferencia as células

WBC em seu estado “quase-nativo”

com muita precisão. O inovador

sistema de detecção de

espalhamento de laser com 3 ângulos

provê uma melhor detecção

de WBC realizando uma medição

precisa de luz dispersada. Obtendo

a informação do tamanho

do WBC de um sensor chamado

“FSS”, as informações de estrutura

e complexidade das partículas

do núcleo são coletadas por um

sensor chamado “FLS” e a informação

da granularidade interna e

da lobularidade são obtidas através

de um sensor chamado “SDS”.

Essa informação gráfica 3D é calculada

então por um algoritmo

exclusivo da Nihon Kohden.

DynaHelix Flow - A tecnologia

chamada “DynaHelix Flow”

alinha perfeitamente as células

WBC, RBC e PLT para uma contagem

por impedância com alta

precisão usando um fluxo hidrodinâmico

focado antes de passar

pela abertura de contagem.

Somado a isso, o “DynaHelix

Flow” previne totalmente que a

mesma célula seja contada duas

vezes (retorno) usando o exclusivo

“DynaHelix Flow stream”.

Esse avançado sistema recém

desenvolvido, melhora expressivamente

a precisão e confiabilidade

das contagens.

Smart ColoRac Match - O

sistema “Smart ColoRac Match”

ajuda a localizar rapidamente

amostras clinicamente alteradas

e tubos cujo código de barras

não pôde ser lido usando uma

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 107


INFORME DE MERCADO

exclusiva codificação através de

racks coloridos que são associados

ao programa gerenciador

de dados do Celltac G. Isso

aumenta muito a eficiência do

laboratório sem investimento

extra, sem aumento de espaço

e sem a necessidade de treinamento

extra para o operador. O

sistema “Smart ColoRac Match”

definitivamente maximiza a produtividade

do seu laboratório

proporcionando resultados mais

rápidos e precisos.

Seamless information transfer

- O sistema de troca de dados

baseado no protocolo HL7 permite

transferência de informação

bidirecional sem interrupção.

Reagent Management - O

sistema de gerenciamento de

reagentes do Celltac G torna

muito fácil a manipulação destes.

Contribuindo assim para

resultados com o mais alto padrão

de qualidade.

Novos parâmetros – Os novos

parâmetros Índice de Mentzer

e RDW-I adicionam valiosas

informações clínicas para que

se possa diferenciar os traços

de possibilidade de uma Beta-talassemia

de uma possível

anemia ferropriva nos casos de

anemia microcítica. E com os novos

parâmetros Band%, Band# e

Seg%, Seg# sua análise diferencial

será muito mais precisa e

confiável, já que o equipamento

separa a contagem de neutrófilos

em Segmentados % e # e

Bastonetes % e #. E os parâmetros

P-LCR e P-LCC reportam plaquetas

gigantes, plaquetas agregadas

ou células fragmentadas.

Estes novos parâmetros ajudam

a acelerar o diagnóstico através

de resultados precisos.

Opte pela melhor

tecnologia para o seu

laboratório!

Opte por Equipamentos

Hematológicos Celltac

da Nihon Kohden!

NIHON KOHDEN

Rua Diadema, 89 1° andar CJ. 11 a 17 - Bairro Mauá

São Caetano do Sul - SP - CEP 09580-670, Brasil

Contato: +55 11 3044-1700 - FAX: + 55 11 3044-0463

E-mail: fabio.jesus@nkbr.com.br

Siga nossas redes sociais e fique ligado em todas

as novidades para 2021!

0 108

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


PREPARE O SEU LABORATÓRIO PARA OS DESAFIOS DE

2021 COM OS SISTEMAS DEDICADOS ERBA!

INFORME DE MERCADO

Nada é mais importante para um

laboratório que a confiabilidade de seus

resultados. E para garantir o cumprimento

dos padrões de qualidade necessários

para a segurança da população atendida,

a tecnologia vem ganhando cada vez

mais espaço nas rotinas por meio da

automação laboratorial.

A Erba Mannheim oferece o que existe

de mais atual em automação, tornando

acessíveis as melhores soluções de sistema

dedicado do mercado. Os equipamentos

ERBA são desenvolvidos e validados

para um funcionamento perfeito com os

reagentes ERBA, permitindo alcançar um

excelente desempenho analítico e garantir

maior assertividade dos laudos.

Por meio de componentes instrumentais,

metodológicos e reagentes totalmente

integrados, o sistema dedicado

demonstra maior precisão frente aos

abertos, impactando profundamente na

organização e operação dos laboratórios.

Como o laboratório é reembolsado pelos

testes que produz, poder mensurar e

dimensionar com facilidade os custos por

teste realizado, um importante fator de

competitividade.

Dessa forma, a previsibilidade que

o sistema dedicado proporciona

(quantidade de testes por frasco) facilita a

gestão do estoque, a gestão do capital de

giro e o fluxo entro os recebimentos e os

custos dos testes pelo laboratório.

A evolução laboratorial já começou!

Faça parte você também.

Entre em contato com a equipe ERBA Brasil

agora mesmo e conheça nossas soluções:

Tel.: (31) 99837-8405

brazilsales@erbamannheim.com

www.erbabrasil.com.br

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 109


INFORME DE MERCADO

MEDLEVENSOHN LANÇA TESTE RÁPIDO QUE IDENTIFICA

ANTÍGENO DA COVID-19

Empresa responde à necessidade

de ampliar testagem no momento

em que taxa de transmissão volta

a crescer no País.

A MedLevensohn, distribuidora de

produtos de saúde e bem-estar há 18

anos no mercado, lança o MedTeste Coronavírus

AG (antígeno), que identifica

se a pessoa está infectada no momento

do teste. A empresa já havia sido

pioneira na disponibilização do teste

rápido que diagnostica a presença de

anticorpos. “Com o novo produto, nos

tornarmos a companhia mais completa

do Brasil para a testagem no combate à

pandemia”, salienta José Marcos Szuster,

CEO da MedLevensohn.

Apresentando resultado em até 10

minutos, o MedTeste Coronavírus AG

detecta o antígeno (micro-organismo

causador da Covid-19), por meio de

amostras de secreção nasofaríngea.

Esse teste rápido, que só pode ser aplicado

por profissional de saúde habilitado

em farmácias, laboratórios, clínicas

e hospitais, identifica se o paciente está

com infecção aguda. Deve ser realizado

entre o segundo e o sétimo dia após

o início dos sintomas. Apresenta sensibilidade

de 95% e especificidade de

99,2%, fatores importantes para o monitoramento

e tratamento do paciente

e controle da transmissão.

“O MedTeste Coronavírus AG é o que

mais se aproxima da eficácia de um teste

de PCR, com a vantagem de propor-

cionar resultado em 10 minutos, ante o

mínimo de 48 horas do outro”, explica

José Marcos Szuster, acrescentando:

“Também é muito mais barato, fator

que favorece sua aquisição e aplicação

em instituições de saúde. Tivemos percentual

abaixo de 1% de intercorrências

com os testes de anticorpos. Nossa

expectativa é de que esse resultado se

repita com o antígeno. A MedLevensohn

é extremamente criteriosa para

aprovar a entrada de qualquer produto

em seu portfólio”.

O produto já foi aprovado pela Comunidade

Europeia (CE) e a Food

and Drug Administration (FDA) dos

Estados Unidos. A pré-venda desses

testes começa em dezembro.

As condições para comercialização

serão anunciadas em breve. “Prosseguimos

como a melhor alternativa

do mercado para os testes de anticorpos.

Temos estoques preparados

para atender a demanda do mercado

enquanto durar a pandemia”, conclui

o CEO da Medlevensohn.

Entendendo a diferença entre

os tipos de testes

Há dois grupos de testes diagnósticos

de infecção para o novo

coronavírus. O primeiro é constituído

pelos que identificam a presença

do vírus no organismo, ou

seja, o PCR e os testes rápidos que

detectam antígenos virais, como o

novo produto da MedLevensohn;

no segundo grupo, estão os testes

sorológicos (ELISA e ECLIA) e os

rápidos IgG / IgM, que indicam a

existência ou ausência de anticorpos.

Estes últimos já haviam sido

colocados no mercado pela empresa

no início da pandemia.

Para maiores informações, entre em

contato através do

e-mail faleconosco@lumiradx.com

ou (11) 5185- 8181.

0 110

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORME DE MERCADO

O 2020 DA SARSTEDT

O ano de 2020 já está marcado na

história mundial como um período

repleto de acontecimentos intensos,

complexos, e de grandes transformações

em todas as esferas, sejam elas políticas,

sociais ou econômicas.

A SARSTEDT vivenciou toda essa

cronologia de maneira profunda, e

com o comprometimento de sempre,

buscamos evoluir junto dos desafios

aparentes, intensificando a qualidade

do nosso trabalho, visando uma entrega

ainda mais otimizada e estratégica

das nossas demandas por todo o país,

corroborando então nacionalmente com

o trabalho dos profissionais de saúde.

Sendo assim, esta mensagem é

escrita como forma de agradecimento,

direcionando-a especialmente a estes

profissionais, que têm dedicado suas

vidas ao combate de uma pandemia

sem precedente recente. Aos que estão

na linha de frente, e em toda a grande

logística que um momento como este

pede, o nosso muito obrigado!

É um prazer, e uma honra fazermos

parte desta trajetória digna, exaustiva,

mas que é feita de uma entrega sem

limites, e que de forma honrosa tem

salvado tantas vidas.

Neste cenário atípico, todo nosso time

de profissionais se dedicou ainda mais

em atender e entender nossos clientes

e parceiros, com assistência ímpar,

levando em conta suas necessidades,

urgências e peculiaridades, cada um

com sua devida importância. Todos

acolhidos com um mesmo nível de

excelência que prezamos em cada

etapa do nosso trabalho.

Dos profissionais da produção,

que segue em ritmo acelerado, aos

atendimentos e assessorias presenciais,

munidos de total segurança e protocolos

de saúde obrigatórios, e também os que

seguem a jornada de trabalho direto de

suas casas, adaptando rotinas e costumes,

declaramos aqui toda nossa gratidão!

Essa entrega total diante do

inesperado e novo, é um diferencial

e uma característica que desejamos

manter em nossa história e caminhada.

Caminhada esta, que só é feita com a

contribuição de cada um de vocês!

Tendo a tecnologia como grande aliada,

e por meio da nossa linha de automação

laboratorial, compartilhamos os serviços

e toda a inovação mais precisa do

mercado, visando otimizar processos

e estarmos ainda mais presentes em

espaços que prezam pela excelência em

todas as etapas e processos.

Neste ano também, o crescimento

de presença com nossos produtos

relacionados ao diagnóstico do

COVID19, e a consistência do

Sistema S-Monovette®, mostraram

a sedimentação e a importância de

um trabalho realizado da forma mais

ilibada possível.

É com esta presença contínua,

consistente e cada vez mais

reconhecida, que desejamos adentrar

o novo ano, e que com ele, não só

venham as boas notícias, o crescimento

da tecnologia em favor da saúde, mas

também, prosperidade e sabedoria

para darmos novos passos.

Com esses sinceros votos, desejamos

seguir como parceiros globais da

Medicina e da Ciência, nos próximos

365 dias de 2021, e sempre!

Jörg Dreisewerd

Diretor Geral

Fale Conosco

Assessoria Científica

Email: suporte.br@sarstedt.com

Assessoria Comercial

Email: vendas.br@sarstedt.com

Tel: (11) 4152-2233

0 112

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Eficácia e praticidade,

da coleta ao resultado

NOVO

Apoio no Diagnóstico COVID19

Desde a coleta até o transporte seguro das amostras,

temos tubos estéreis com solução salina em diferentes volumes.

Durante a fase analítica

Pipetas, ponteiras de baixa retenção, adesivos e placas PCR.

Nas fases sensíveis e críticas

Além das seringas de gasometria, oferecemos

possibilidades de coleta capilar e POCT.

Acesse aqui para cotações


INFORME DE MERCADO

PERKINELMER E EUROIMMUN OFERECEM SOLUÇÕES

COMPLETAS PARA O DIAGNÓSTICO DA COVID-19

Em meio à pandemia do COVID-19, o

diagnóstico correto e preciso é fundamental

para conter a transmissão do

vírus e possibilitar o tratamento adequado

ao paciente. A PerkinElmer e a

EUROIMMUN oferecem soluções completas

para a detecção direta do vírus

por meio do método PCR em tempo

real; e indireta, por meio da detecção

de anticorpos.

Os métodos adequados para o diagnóstico

de infecções por SARS-CoV-2

são: detecção direta do vírus pela Reação

em Cadeia da Polimerase (PCR) e

a indireta por detecção de anticorpos

contra a infecção por SARS-CoV-2 no

sangue. A determinação desses anticorpos

permite a confirmação da

infecção em pacientes com sintomas

típicos e em casos suspeitos sem

sintomas, podendo também medir

a eficiência da futura vacina contra a

COVID-19.

Os kits ELISA EUROIMMUM para

detecção de anticorpos anti-SARS-

-CoV-2 são direcionados para a região

de vírus conhecida como S1, principal

sítio (ponto) de ligação de anticorpos,

onde está presente o ponto RBD, que

liga o vírus à célula na região ACE2. Os

kits Anti-SARS-CoV-2 IgA e Anti-SAR-

S-CoV-2 IgG oferecem detecção semi

quantitativa, e o kit Anti-SARS-CoV2

IgG QuantiVac, detecção quantitativa

de anticorpos IgG, apresentando alta

correlação com o teste de detecção

de anticorpos neutralizantes, aqueles

que realmente irão impedir a replicação

viral no indivíduo. Portanto,

a realização do teste QuantiVac pós

vacinação permite avaliar se o indivíduo

está produzindo anticorpos que o

protegerão em casos de exposição ao

vírus SARS-CoV-2.

Ainda para sorologia IgG anti-SAR-

S-CoV-2, a PerkinElmer oferece como

diferencial a detecção deste anticorpo

com o Instrumento GSP, a partir de

amostras de sangue seco coletadas

em papel filtro, referência no processamento

deste tipo de amostra.

Para a detecção de SARS-COV-2 RT

qPCR em Diagnóstico in Vitro, o kit da

PerkinElmer fornece resultados confiáveis

e de alta qualidade para a detecção

clínica de Covid-19 a partir de amostras

de swab orofaringe, nasofaringe e

saliva humanos.

A PerkinElmer oferece também soluções

automatizadas para extração de

RNA e preparo de amostras tanto no

âmbito pré-analítico como nas reações

de downstream.

O JANUS® G3 Workstation oferece

os benefícios da automação laboratorial

possibilitando ao usuário a realização

de diferentes protocolos com

segurança, precisão, rastreabilidade e

redução significativa de hands-on no

preparo de reações.

O chemagic 360®-D é a solução de

alta demanda que realiza a extração

automatizada de RNA de 96 amostras,

de diferentes origens em 30 minutos (a

partir da amostra lisada).

EUROIMMUN, empresa do

Grupo PerkinElmer

EUROIMMUN Brasil

www.euroimmun.com.br

contato@euroimmun.com.br

(11) 2305-9770

0 114

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


PerkinElmer

&Garantia de qualidade e segurança

na detecção de SARS-COV-2

Oferecemos soluções completas para

o diagnóstico preciso de COVID-19,

com metodologias eficientes, rápidas

e padronizadas para a detecção direta

do vírus, por meio de PCR em tempo

real, e indireta, pela detecção de

anticorpos. A determinação dos

anticorpos permite a confirmação da

infecção por SARS-COV-2 em

pacientes com sintomas típicos e em

casos suspeitos sem sintomas,

podendo também medir a eficiência

da futura vacina contra o COVID-19.


INFORME DE MERCADO

DIAGNÓSTICOS DO BRASIL: O MELHOR ATENDIMENTO NO

MAIOR LABORATÓRIO

Laboratório de análises clínicas

bate recorde de exames e garante

excelência no atendimento ao cliente.

Em outubro desse ano, o laboratório

Diagnósticos do Brasil alcança mais

uma recorde. Com 10 milhões de

exames realizados em um único mês

o DB demonstra toda a sua capacidade

de expansão, mesmo em um cenário

desafiador. Junto com o crescimento

na produção, uma das preocupações do

laboratório era em manter a qualidade

no atendimento ao cliente, uma das

premissas fundamentais para o DB.

grandes dificuldades para todos, o DB

atinge ótimas médias de pesquisa de

satisfação, com 93,8% de aprovação

dos clientes, atingindo a nota

máxima de 94,7% no mês de abril.

Em relação ao NPS citado acima, a

média do ano de 2020, até outubro foi de

81,5 pontos, chegando a 83,5 pontos no

último mês, nota considerada nível

de excelência para os parâmetros

da NPS. “Esses números foram

alcançados com a empresa crescendo,

e em um atendimento feito totalmente

de forma remota, principalmente via

telefone e e-mail, pois sabemos que

presencialmente o calor humano num

atendimento padronizado consegue

níveis de satisfação bem maiores do que

no atendimento remoto, ainda mais em

questões tão delicadas como as em que

oferecemos suporte, a área da saúde.

Buscamos encantar e surpreender clientes

que nos testam diariamente. Assim

comemoramos o número alcançado

entendendo que isso serve de motivação

na busca pela melhoria contínua,”

complementa o gerente.

Para isso o laboratório conta com o

índice de pesquisa NPS (Net Promoter

Score), mais conhecido como pesquisa

de satisfação do cliente. A pesquisa

demostrou uma pontuação alta em

um acumulado de mais de 230 mil

atendimentos por mês. “Conseguimos

manter a equipe consciente que cada

atendimento é único, respeitando

as peculiaridades e necessidades

dos mesmos, e sempre seguindo

protocolos que organizam o sistema

e deixam nosso atendimento pautado

em processos, com uma equipe

organizada, motivada e seguindo

diretrizes claras”, diz Deivis Paludo,

gerente de relacionamento do DB.

O laboratório, hoje, é referência do

modelo de bom atendimento e foca

em manter a transparência e agilidade,

sempre de olho nas oportunidades de

melhorias. Mesmo em um ano com

0 116

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Para que o DB consiga manter ótimos

níveis de atendimento, a gestão dos

números é fundamental. Para isso o

laboratório realiza a rastreabilidade

total das informações, caso necessário.

Assim é possível checar quem foi

o atendente que prestou o serviço,

o motivo de contato, a duração

da ligação, a resolução ou não do

atendimento, qual especialidade ou

unidade produtiva, e principalmente

se seguiu os protocolos necessários

de forma humanizada e com o

discernimento necessário em cada

contato com o cliente.

“Também entendemos que os

bons números do atendimento

não são resultados de um setor

isolado, mas sim de uma empresa

inteira ajustada, que consegue, por

meses manter o índice de recoleta

baixa, com 0,49%, mesmo com um

crescimento superior a 10%, numa

atuação integral na área de apoio

laboratorial, onde o pré-analítico nos

desafia diariamente na busca pela

liberação de resultados pautados na

qualidade,” explica Deivis.

O DB ainda exalta a importância

do setor da qualidade, desde o

início, uma atuação primorosa,

responsável pelo alcance desses

números. É o setor da qualidade

que cumpre o papel de mostrar

o caminho a ser seguido e como

permanecer no percurso correto,

aplicando as verificações necessárias

diariamente, via controles de

auditoria internas e externas em

todos os setores e unidades do DB,

de forma corporativa, garantindo

a segurança de cada resultado

liberado.

Paralelamente a busca constante

por inovação em automação nas

áreas técnicas, o DB garante a

programação produtiva necessária,

para que, além dos prazos

acordados com os clientes serem

mantidos, os índices de antecipação

de resultados sejam superiores a

90%, mesmo batendo recordes

diários e mensais de processamento

de exames. Isso tudo, resultou na

diminuição de prazo de liberação

via sistema em mais de 100 exames

entre o final do mês de outubro e

início de novembro desse ano.

“Com isso mostramos que o

atendimento no DB é o melhor

porque está estruturado de

forma corporativa. O bom

exemplo e disponibilidade da

direção, o entendimento de todas

as gerências, coordenadores,

supervisores e toda a equipe

da importância de cada

cliente, faz toda a diferença.

Na nossa atividade de suporte

diário aos nossos laboratórios

parceiros, trabalhamos com total

responsabilidade e cuidado, pois

sabemos que desde um exame de

rotina até um de alta complexidade,

deve ser transportado e processado

de forma ágil, com alta tecnologia

acessível via DB a todo o território

nacional, chegando a resultados

fidedignos que podem salvar

vidas. O verdadeiro conceito das

palavras ‘Apoio Laboratorial’,

visa a transparência e o padrão

de atendimento, de forma que o

cliente nos veja como parceiros

na extensão de sua área técnica,”

finaliza Deivis.

INFORME DE MERCADO

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 117


INFORME DE MERCADO

CAPTURA HÍBRIDA PODE SER A GRANDE ALIADA NA

ERRADICAÇÃO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

Teste molecular identifica

presença do HPV, principal

causador da doença, e contribui

para o diagnóstico precoce

do quarto tipo de câncer mais

comum entre as mulheres.

O câncer de colo do útero é

o quarto tipo mais comum da

doença entre as mulheres, em

todo o mundo. Anualmente, são

diagnosticados aproximadamente

570 mil novos casos, levando a 311

mil mortes. No Brasil, estima-se que

haja mais de 16 mil novos casos e 8

mil mortes, somente este ano. Por

ser considerado um tipo de câncer

previsível, a OMS (Organização

Mundial da Saúde) lançou final de

2020 uma campanha global inédita,

com a participação de 194 países,

para a erradicação da doença.

Entre as medidas previstas pela

estratégia global estão a vacinação

contra o HPV (principal agente

causador desse tipo de câncer),

o rastreamento com exames

preventivos e a disponibilização de

tratamento para todas as mulheres.

A campanha de vacinação, já

prevista por meio de ações em

todo o país, alcança meninas entre

9 e 14 anos e meninos de 11 a 14

anos, o que pode estar contribuindo

para a redução de casos de

contaminação por HPV, mas ainda

não é completamente eficiente, já

que o poder de prevenção da vacina

é focado apenas nas variações mais

comuns do vírus.

Além da vacina, outra medida

importante para conter a incidência

desse tipo de câncer é a realização

dos exames preventivos, que devem

ser feitos regularmente pelas

mulheres. Embora o Papanicolau –

ou citologia oncótica – seja o mais

pedido pelos médicos no Brasil,

sua eficácia da detecção precoce

tem sido questionada quando

comparada à de outros métodos

de testagem molecular, como a

Captura Híbrida.

O Papanicolau detecta alterações

das células do colo do útero, porém,

é necessário que a lesão já esteja

estabelecida para ser identificada,

ou seja, o teste pode ser falho ao

diagnosticar as formas iniciais da

lesão, assim como as lesões com

rápida progressão, podendo gerar

resultados falsos negativos. Por outro

lado, a Captura Híbrida é um teste

mais sensível, pois detecta o material

genético (DNA) do vírus HPV e, por

isso, não é necessário que a lesão já

esteja estabelecida para ser detectado.

0 118

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


De acordo com o médico

ginecologista livre-docente da

UNIFESP (Universidade Federal

mais utilizados pelos médicos para

rastreio genético do HPV. Até hoje,

mais de 100 milhões de mulheres já

tratamento. A partir de um resultado

negativo, a recomendação de novo

rastreio é a partir de cinco anos.

INFORME DE MERCADO

de São Paulo), Dr. Sérgio Mancini

foram testadas globalmente. Além

Nicolau, o Papanicolau possui

disso, temos estudos clínicos que,

Sobre a QIAGEN

um limite e deixa de identificar

ao serem somados, já testaram mais

A QIAGEN é uma multinacional

aproximadamente 50% dos casos

de 1 milhão de mulheres em todo o

alemã, especialista em tecnologia para

de câncer em estágio inicial. “O

mundo. Dessa forma, temos uma

diagnósticos moleculares. Com mais

teste molecular é muito mais eficaz

vasta literatura científica apontando

de 5.200 colaboradores distribuídos

e apresenta um custo efetivo que

os benefícios da Captura Híbrida.

em 25 países, a empresa oferece um

deve ser considerado. Estudos

Vale ressaltar que esse é um teste

portfólio de mais de 500 produtos

demonstraram que mais de 80% das

robusto, possui diversos controles

entre kits consumíveis, instrumentos

mulheres já apresentavam o HPV,

e calibradores, o que garante um

e bioinformática, que atendem às

após cinco anos de início da vida

resultado confiável”, aponta Paulo

diversas necessidades globais, desde

sexual. É uma infecção transitória

Gropp, vice-presidente da QIAGEN

pesquisas acadêmicas a aplicações de

em 90% dos casos, porém, naquelas

na América Latina – multinacional

saúde de rotina.

que persistem, é grande a chance

alemã especialista em tecnologia

de desenvolver o câncer de colo do

para diagnóstico molecular.

Para mais informações,

útero. A realização da Captura Híbrida

acesse: www.qiagen.com

em mulheres acima dos 25 anos

Considerado o teste referência para

ou entre em contato através do

pode trazer inúmeros benefícios para

rastreio do câncer de colo do útero,

e-mail vendas.brasil@qiagen.com

a população e para o país”, declara o

a detecção precoce pela Captura

especialista.

Híbrida evita um tratamento mais

agressivo, exigido para os casos

O índice de sucesso da Captura

de câncer e que afeta a questão

Híbrida pode ser comprovado

psicológica da mulher e de toda a

mundialmente. Ele permite

família, afastamento do trabalho e

identificar 18 tipos do HPV,

relacionamento social. Além disso,

divididos entre os 5 de baixo risco

possibilita uma redução de custos

e os 13 de alto risco oncológico. “A

na rede de saúde, uma vez que a

testagem molecular existe há mais

de vinte anos e está entre os testes

eficiência da prevenção diminui os

casos de câncer e a necessidade de

QIAGEN Brasil

vendas.brasil@qiagen.com

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 119


INFORME DE MERCADO

VIDA BIOTECNOLOGIA SEMPRE A FRENTE! TESTE

RÁPIDO COVID-19 ANTÍGENO

A Vida Biotecnologia que neste

ano completa 10 anos no mercado

de reagentes laboratoriais vem

se destacando pela competência

e pioneirismo de seus gestores.

sede. E como a competência e

pioneirismo tem sido marca registrada

desta empresa, acompanhamos

agora o lançamento do

Teste Rápido Covid-19 Antígeno.

O teste é ideal para pessoas assintomáticas

ou sintomáticas. Sua

amostragem é de Swab nasofaringe

com resultados entre 10 a

15 minutos.

No início de 2020 em plena recessão

divulgamos aqui seus planos

consolidados de expansão,

incluindo sua nova e moderna

Um teste inovador que consiste

na detecção do vírus logo na fase

inicial da infecção (detecção próxima

ao terceiro dia).

Para maiores informações entre em

contato diretamente com a Central de

Vendas da Vida Biotecnologia no

Tel.: (31) 3466-3351.

0 120

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


NOVO CURATIVO PÓS COLETA FIRSTLAB: MAIS CONFORTO E

MENOS IRRITABILIDADE NA PELE

INFORME DE MERCADO

Nossa expertise é desenvolver e fabricar

produtos e equipamentos para

Laboratórios de Análises Clínicas, promovendo

segurança, inovação e tecnologia

nas rotinas laboratoriais sempre

pensando na sustentabilidade e atuando

com responsabilidade.

Somos sinônimo de seu primeiro

parceiro quando se fala em soluções

integradas para Laboratórios. Trazemos

ao mercado o novo modelo de curativo

pós coleta, permitindo que sua prática

laboratorial fique mais segura, proporcionando

mais conforto ao paciente.

Os novos curativos pós coleta são indicados

para estancar pequenos sangramentos

em casos de coletas e punções

venosas ou injeções. São fabricados em

polietileno siliconado, fita microporosa

e não tecido e o tipo de cola é Hot

melt. Principal benefício: mais conforto

e menos irritabilidade na pele. O grau

de adesividade de uma cola (TAC) dos

curativos encontrados no mercado são

muito altos justamente por usarem

colas frias. Além de dificultar a remoção

da pele, podem causar irritação na

pele e, dependendo da sensibilidade,

pode causar ferimentos além de deixar

resíduos. Por não terem látex em sua

composição, possuem boa ventilação,

facilidade de uso, formato anatômico e

são mais confortáveis.

Outro diferencial é a composição do

tampão (almofadinha). É TNT, tecido e

não tecido. É mais absorvente e proporciona

melhor suavidade e flexibilidade,

pois se moldam nas dobras da pele.

Prepare-se para ter em seu dia a dia,

uma nova concepção de produtos laboratoriais

e soluções integradas.

* Registro ANVISA: 10426950002

Saiba mais sobre os produtos Firstlab ::

www.firstlab.ind.br

atendimento@firstlab.ind.br

0800 710 0888

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 121


INFORME DE MERCADO

NA LABOR LINE, VOCÊ CONTA COM CENTRÍFUGAS DE

LABORATÓRIO DE ALTA QUALIDADE!

Centrífugas para laboratório de

alta qualidade!

100%

BRASILEIRAS

84

tubos

*

102

tubos

*

Centrífuga

ELEKTRA

tubos 13x75 e 13x100

* *

Centrífuga

ELEKTRA

PERFORMANCE

tubos 13x75 e 13x100

Os Laboratórios estão com suas

rotinas intensas, e nada melhor que

estar por dentro do que tem de melhor

em equipamentos da atualidade! Se o

seu laboratório está com alta demanda,

nossas centrífugas Elektra e Elektra

Performance é o ideal para o seu

laboratório, com capacidade para 84

e 102 tubos respectivamente, essas

centrífugas atendem a demandas de

média a grandes rotinas de coletas.

Conheça algumas de suas

características:

Possui rotor em liga de aço especial,

com sistema horizontal de 6 porta-

tubos, motor de alta durabilidade e

sem escovas. Acionada por inversor

de frequência (Inverter) de última

geração, conta com controle digital de

tempo e velocidade com 24 memórias,

possui indicador digital de força

centrífuga em “g” e RPM, regulável de

1 em 1 RPM. Dispõe de gabinete em

aço com pintura eletrostática e sistema

de amortecimento na tampa onde

conta também com trava que impede

a abertura em funcionamento, bem

como função unbalance.

Além de poder contar com uma

centrífuga e empresa 100% brasileira,

essas centrífugas possuem certificado

de calibração incluso e sem custo

adicional. Na Labor Line você conta com

ótimas condições para pagamento,

pague em até 10x sem juros!

Fale com a gente!

Labor Line

(11) 3699-0960

www.laborline.com.br

vendas@laborline.com.br

0 122

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


NUM MOMENTO DE TANTOS DESAFIOS ECONÔMICOS

E SEM REAJUSTE NA TABELA DE SERVIÇOS, COMO

OTIMIZAR SEUS GANHOS COM ECONOMIA NA ROTINA?

A J.R.Ehlke apresenta o equipamento mais econômico da categoria – BS-240

INFORME DE MERCADO

Buscando otimizar as pequenas rotinas,

foi lançado o equipamento de

bioquímica com o menor consumo

de reagentes do mercado, chegando a

uma economia de 50% do volume de

reagentes. O BS-240 tem dimensões e

custo reduzidos, feito para laboratórios

de diagnóstico com orçamentos enxutos

e que procuram automatizar ao

máximo a rotina de bioquímica. Com o

conceito de tecnologia de amostragem

inteligente, o teste de hemoglobina

glicada tem a sua etapa de preparação

de hemólise totalmente automatizada

no equipamento. Com o leitor

de código de barras interno permite o

trabalho com reagentes de bioquímica

dedicados além de propiciar agilidade

na interface do sistema ao LIS do laboratório.

O sistema de ensaio da Mindray

passou o CAP por 6 anos consecutivos.

O BS-240 tem velocidade de processamento

de até 200 testes por hora

(podendo chegar a 400 testes/hora

com ISE - opcional). Possui um inovador

sistema de carregamento flexível

de reagentes e amostras com a possibilidade

de até 80 posições de amostras e

até 80 posições de reagentes (40 fixas

+ 40 móveis). O sistema de refrigeração

assegura maior integridade dos reagentes

diminuindo os eventos de calibração

decorrente da degradação do

reagente. O sistema de limpeza da sonda

em cascata, e o sistema de lavagem

automático melhorado das cubetas

garante menor arraste e baixo consumo

de água. Para maiores informações,

nos contate e solicite informações.

Para maiores informações, favor

consultar-nos.

J.R.Ehlke & CIA LTDA

www.jrehlke.com.br

Fone: +55 (41) 3352-2144

jrehlke@jrehlke.com.br

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 123


INFORME DE MERCADO

MEIOS DE CULTURA CROMOGÊNICOS

Os meios cromogênicos permitem

uma rápida identificação presuntiva de

diversos microrganismos, além de diminuir

a necessidade da realização de

provas bioquímicas nos processos de

identificação dos mesmos.

Os meios de cultura cromogênicos

apresentam em sua formulação a adição

de substratos, que podem apresentar

diversas cores após serem clivados

pela ação de enzimas bacterianas ou

fúngicas. As cores apresentadas têm relação

direta com a presença e ausência

de certas enzimas no microrganismo

estudado. As diferentes cores apresentadas

são um ponto importante na

identificação e isolamento de culturas

mistas, sendo de fácil visualização a

olho nu.

Um diferencial importante nos meios

cromogênicos é a adição de agentes

seletivos para a inibição do crescimento

de microrganismos indesejados. Com a

suplementação foi possível o desenvolvimento

de meios seletivos e diferenciais

auxiliando na detecção presuntiva

rápida de vários microrganismos patogênicos,

sendo importante no processo

de controle, prevenção e disseminação

de infecções.

Atualmente os meios de cultura

mais comumente empregados

nos laboratórios de análises clinicas

são:

Agar Cromogênico Urocultura:

Meio não seletivo e diferencial, destinado

ao plantio primário, com possibilidade

de identificação e quantificação

de microrganismos. É possível realizar

a identificação dos microrganismos

como: Escherichia coli; grupo KES (Klebsiella,

Enterobacter e Serratia); Grupo

PPM (Proteus, Providencia e Morganella),

Pseudomonas aeruginosa e

isolamento de outros Bacilos Gram Negativos,

além de Cocos Gram Positivo

(Staphylococcus, Streptococcus etc.) e

leveduras.

Agar Cromogênico VRE: Meio seletivo

e diferencial para isolamento de

Enterococcus spp. Resistente à Vancomicina;

Agar Cromogênico MRSA: Meio

seletivo e diferencial para isolamento

de Staphylococcus aureus resistentes a

Meticilina/Oxacilina;

Agar Cromogênico KPC: Meio seletivo

para isolamento de Enterobactérias

resistentes aos Carbapenens;

Agar Cromogênico ESBL: Meio

seletivo para isolamento de bactérias

produtoras de ß-Lactamases de espectro

ampliado (ESBL).

Agar Cromogênico Candida: Meio

seletivo e diferencial para isolamento e

diferenciação de Candida ssp.

Agar Cromogênico Strepto B:

Meio diferencial para isolamento e diferenciação

de Streptococcus Grupo B

(Streptococcus agalactiae).

Vantagens:

• Resultados rápidos, em apenas 24

horas é possível fazer a interpretação

visual dos resultados;

• Maior seletividade;

• Alta especificidade;

• Fácil detecção de culturas mistas;

• Protocolo simples de fácil execução;

• Possibilidade de quantificação de

Unidades Formadoras de Colônias

(UFC) nas amostras analisadas.

Para mais informações,

Entre em contato conosco!

Whatsapp : +55 32 98419-8588

Tel.: +55 32 3331-4489

Tel.: +55 32 3333-0379

E-mail: sac@renylab.ind.br

www.renylab.ind.br

0 124

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORME DE MERCADO

MICROFLOW LC-MS / MS ESTÁ PREPARADO PARA

TRANSFORMAR O CAMPO DA PROTEÔMICA?

OS PESQUISADORES ESTABELECERAM UM NOVO MÉTODO QUE TEM VANTAGENS MARCANTES

PARA A ANÁLISE QUANTITATIVA DE PROTEÍNAS EM GRANDE ESCALA E ALTO RENDIMENTO,

SEM A NECESSIDADE DE EQUIPAMENTO ESPECIALIZADO.

A espectrometria de massa em

tandem de cromatografia líquida

(LC-MS / MS) é amplamente utilizada

por pesquisadores para separar,

identificar e quantificar substâncias

- como proteínas - em amostras biológicas

complexas. Existem três tipos

principais - nanofluxo, microfluxo e

fluxo padrão - cada um dos quais se

diferencia pela escolha do tamanho

da coluna e da taxa de fluxo.

Nanoflow oferece o máximo em

sensibilidade e geralmente é o

método de escolha para proteômica.

Mas suas desvantagens, que

incluem complexidade e lentidão,

podem limitar a abrangência, a

robustez e o rendimento dessas

análises, especialmente quando os

pesquisadores estão lidando com

amostras altamente complexas com

concentrações de proteínas variadas

- como tecidos ou fluidos corporais

coletados em estudos clínicos.

O microfluxo é frequentemente

considerado um meio-termo -

pois é mais rápido e fácil de realizar

do que o nanofluxo, mas oferece

maior sensibilidade do que

o fluxo padrão. Mas, apesar de

existir desde a década de 1970, a

abordagem não foi amplamente

adotada por laboratórios analíticos.

Mas os avanços recentes em

tecnologias e análises de dados

agora estão abrindo novas oportunidades

para seu renascimento.

Um novo método simples

Em um novo estudo, publicado

na Nature Communications, uma

equipe de pesquisadores começou

a avaliar os méritos de realizar

microfluxo online LC-MS /

MS para análise de proteoma de

descoberta quantitativa.1

Os pesquisadores prepararam

mais de 2.000 amostras para análise

- de linhas de células humanas,

tecidos e fluidos corporais.

Eles então realizaram LC-MS / MS

a uma taxa de fluxo de 50 µl / minuto

usando equipamento padrão

de cromatografia líquida de alto

desempenho (HPLC) e uma coluna

comercial analítica de cromatografia

de fase reversa (150 mm

de diâmetro interno) - acoplada

online a uma linha sensível e rápida

espectrômetro de massa.

Durante esses experimentos, a

equipe usou água ultrapura gerada

a partir de um sistema de purificação

de água de laboratório ELGA

PURELAB® para minimizar o risco

de adição de contaminantes que

podem afetar seus resultados.

Desempenho impressionante

Usando a análise de proteoma

profunda, os pesquisadores identificaram

mais de 9.000 proteínas

0 126

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORME DE MERCADO

e mais de 120.000 peptídeos em

16 horas. Multiplexando as amostras

usando marcadores de massa

em tandem, eles alcançaram

aumentos adicionais na taxa de

transferência para 11 proteomas.

A equipe também demonstrou que

o sistema pode identificar> 30.000

fosfopeptídeos em 12 horas e analisar

experimentos de interação proteína-proteína

ou proteína-droga

em 20 minutos por amostra. Eles

também mostraram que poderiam

usar a mesma coluna para analisar>

7.500 amostras sem qualquer

perda aparente de desempenho.

Uma nova era em proteômica?

Esses resultados mostram que a

maioria das limitações do nanofluxo

pode ser superada usando

microfluxo LC-MS / MS com uma

perda muito moderada de sensibilidade

prática. A abordagem

oferece melhorias marcantes na

robustez, rendimento e reprodutibilidade

da quantificação e é

adequada para uma ampla gama

de aplicações proteômicas.

Este sistema pode ser revolucionário

para o campo da proteômica

- devido à facilidade de sua

implementação técnica, a ampla

gama de aplicações viáveis e os

dados de altíssima qualidade que

o tornam adequado para a análise

de amostras clínicas.

Por que escolher o ELGA

LabWater?

Os engenheiros, químicos e

cientistas especializados da

ELGA estão na vanguarda da inovação

tecnológica. Continuamos

a introduzir recursos revolucionários

para o mercado de água

de laboratório.

Sobre a Veolia

O grupo Veolia é a referência

mundial em gestão otimizada

dos recursos. Presente nos cinco

continentes com mais de 171000

colaboradores, o Grupo concebe

e implementa soluções para a

gestão da água, dos resíduos e

da energia, que fomentam o desenvolvimento

sustentável das cidades

e das indústrias. Com suas

três atividades complementares,

Veolia contribui ao desenvolvimento

do acesso aos recursos, à

preservação e renovação dos recursos

disponíveis.

Em 2018, o grupo Veolia trouxe

água potável para 95 milhões de

habitantes e saneamento para 63

milhões, produziu cerca de 56 milhões

de megawatt/hora e valorizou

49 milhões de toneladas de

resíduos. Veolia Environnement

(Paris Euronext : VIE) realizou em

2018 um faturamento consolidado

de 25,91 bilhões de euros.

www.veolia.com

Veolia Water Technologies Brasil - Media Relations

Rafaela Rodrigues

Tel. +55 11 3888-8782

rafaela.rodrigues@veolia.com

0 128

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


Rapidez e Agilidade para Extração de RNA de SARS-CoV-2

com o novo equipamento NE-32 da MGI

INFORME DE MERCADO

Na MGI Tech Co., Ltd (MGI) temos

sempre a melhor solução para o

workflow de detecção do Novo Coronavirus

(SARS-CoV-2). Seguindo

a tendência da MGI sempre estar

a frente com seus produtos inovadores,

lançamos o MGISP-NE32,

nossa mais recente plataforma

automatizada para extração de

RNA na detecção de SARS-CoV-2.

O MGISP-NE32 utiliza o método de

hastes magnéticas para extração

de ácidos nucléicos, contando com

a flexibilidade para extração 16 ou

32 amostras em um workflow de 9

minutos totais. Essa característica

é alcançada devido seu sistema de

ajuste a diferentes módulos de extração

e otimização de reagentes.

A eficiência da extração também

é outro ponto essencial, onde internamente

o termo-bloco garante

a manutenção adequada de temperatura

durante todos os passos

no workflow de extração. Além

de contar com essas duas características

muito importantes de

flexibilidade e eficiência, o MGIS-

P-NE32 conta com um sistema de

segurança para descontaminação

através de lâmpada UV. Adicionalmente,

placas e ponteiras são

compartimentalizadas de maneira

individualizada, evitando assim

contaminação cruzada e contato

do usuário com a amostra biológica.

Estudos comparativos demonstraram

excelente reprodutibilidade

comparando nossa plataforma

com outros equipamentos automatizados

de extração, sem qualquer

variação quando comparados

os valores de Ct durante a detecção

por PCR em tempo real.

Fernando Colbari Amaral

Regional Sales Manager - Latin America

Email: famaral@mgiamericas.com

Site: en.mgitech.cn

Fone: +55 16 991782868

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 129


INFORME DE MERCADO

VANTAGENS DA TECNOLOGIA DYNAHELIX FLOW

O que é DynaHelix Flow?

(Número da patente (JP): 6208487)

A contagem de células por impedância

foi inicialmente descrita por

Wallace Coulter em 1956. Esse método

depende dos glóbulos vermelhos que

são pobres condutores de eletricidade,

enquanto, o diluente (solução eletrolítica)

é um bom condutor; essa diferença

forma a estrutura desse sistema de

contagem. Dois eletrodos mergulhados

separadamente por uma abertura de

contagem que permite que cada partícula

passe pelo orifício gerando pulsos

de acordo com o volume e quantidade

celular. Esses pulsos são amplificados e

contabilizados em um volume de sangue,

gerando os demais parâmetros a

partir de histogramas e cálculos. Por

esse método são contados eritrócitos e

as plaquetas, mas em diferente diluição

após hemólise das hemácias conta-se a

global dos leucócitos.

Ao realizar a análise de uma amostra

no equipamento por impedância, podem

ocorrer interferências da própria

metodologia, como:

• A célula não passa no centro da abertura

de contagem

• Depois de passar pela abertura de

contagem, algumas células podem retornar

ao orifício (micro abertura) devido

ao fluxo natural do líquido.

• Várias células podem passar pela abertura

de contagem ao mesmo tempo.

Pensando na melhoria da leitura por

impedância, a Nihon Kohden desen-

volveu a tecnologia DynaHelix Flow

que elimina todas as interferências

com as tecnologias exclusivas integradas

"Sheath Flow" e "Swirl Flow" no

equipamento Celltac G (MEK-9100).

Essa tecnologia alinha perfeitamente

as células (WBC, RBC e PLT), com alta

precisão na contagem usando o Sheath

Flow que produz um fluxo hidráulico

estável para direcionar as células para

a abertura de contagem fazendo com

que as células se alinhem em uma fileira

e passem uma a uma.

Além disso, o DynaHelix Flow evita

totalmente o risco de recontagem das

células, melhorando muito a precisão

da contagem através do Swirl Flow que

é realizado por uma peça única na câmara

de medição fazendo com que as

células não retornem à região da abertura

de contagem.

Na prática laboratorial, percebe-se maior

precisão dos resultados de RBC e dos parâmetros

VCM, RDW-CV e RDW-SD.

Quanto a contagem de plaquetas, o

Celltac G (MEK-9100) traz bons resultados

de repetição e reprodução, principalmente

para amostras com valores

baixos. Alta precisão de dados com

confiabilidade são necessários para tomada

de decisão clínica, principalmente

para amostras valores de plaquetas

abaixo do esperado.

Opte pela melhor tecnologia

para o seu laboratório!

Opte por Equipamentos

Hematológicos Celltac da

Nihon Kohden!

NIHON KOHDEN

Rua Diadema, 89 1° andar CJ. 11 a 17 - Bairro Mauá

São Caetano do Sul - SP - CEP 09580-670, Brasil

Contato: +55 11 3044-1700 - FAX: + 55 11 3044-0463

E-mail: fabio.jesus@nkbr.com.br

Siga nossas redes sociais e fique ligado em todas

as novidades para 2021!

0 130

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


DIAGNÓSTICA CREMER LANÇA E-COMMERCE “ONE STOP SHOP”

PARA SIMPLIFICAR ATENDIMENTO A LABORATÓRIOS

INFORME DE MERCADO

A Diagnóstica Cremer, unidade de negócio

focada em laboratórios e centros

diagnósticos do Grupo Mafra, acaba de

lançar seu e-commerce.

A loja virtual está alocada no site

da própria empresa, no endereço

www.diagnosticacremer.com.br, e

disponibiliza para compra rápida e

segura todo o portfólio de materiais

de coleta, EPIs, acessórios, testes e

medicamentos.

A plataforma nasceu em linha com o

propósito do Grupo Mafra de simplificar

o mercado da saúde e fortalece a

missão da Diagnóstica Cremer em oferecer

proposta de valor aos mais de 12

mil laboratórios brasileiros.

“A loja virtual gera velocidade e autonomia

no processo de compra, que dá 100%

de controle ao cliente. O meio digital reduz

o tempo que o cliente leva para fazer os

pedidos, já que não é necessário preencher

uma ficha de solicitação e todo processo

ocorre na própria página, bastando

a identificação eletrônica do laboratório.

O pagamento ainda pode ser parcelado

e pago por cartão ou outros meios, sem

a necessidade de emissão manual de

boletos” – explica Thiago Liska, diretor da

unidade diagnóstica do Grupo Mafra.

A empresa identificou que o comportamento

de demanda de grandes

volumes, porém com um fluxo mais

rápido de consumo de determinados

materiais, acabava gerando ineficiência

de estoque dos clientes – com risco de

perda de alguns materiais ou de falta

deles. Com a compra pelo e-commerce,

o laboratório ou centro diagnóstico

pode recorrer a compras específicas, de

acordo com a sua necessidade.

Além disso, as entregas são realizadas

em todo o território brasileiro pela Health

Log, que também é uma empresa

do Grupo Mafra, e por distribuidoras

parceiras a depender da região.

Telefone: 0800 729 3090

WhatsApp: (47) 99264-1667

www.diagnosticacremer.com.br

@diagnosticacremer

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 131


INFORME DE MERCADO

DIAGNÓSTICO PRECOCE PARA DENGUE

A dengue é uma doença sazonal

e é transmitida pelo mosquito Aedes

aegypti. Está presente em todas

as áreas tropicais e subtropicais do

mundo.

Em meio à pandemia do novo

coronavírus, o número de casos de

dengue segue crescendo no Brasil.

De 2018 para 2019, o país já havia

registrado um aumento de 488%

de ocorrências e, em 2020, foram

notificados mais de 823 mil casos

prováveis em todo o território brasileiro,

com taxa de incidência de 392

casos a cada 100 mil habitantes.

Com a chegada do verão, o aumento

da temperatura e maior

volume de chuva, a proliferação do

mosquito Aedes aegypti é favorecida,

ocasionando o aumento da incidência

de surtos epidemiológicos

da doença. A maneira mais eficiente

para enfrentar a enfermidade é evitar

água parada, impedido a proliferação

de criadouros de mosquitos,

em épocas de maior incidência de

casos, recomenda-se o uso de repelentes

e telas nas janelas.

A identificação precoce dos casos

de dengue é de vital importância

para rápida tomada de decisões e

implementação de medidas efetivas,

visando principalmente o controle

da doença.

A LumiraDx, possui em seu portfólio

testes rápidos para o diagnóstico da

dengue. Os testes rápidos imunocromatográficos

Lumiratek Dengue IgG/

IgM, Lumiratek Dengue NS1 e Lumiratek

Dengue DUO - Anticorpo e Antígeno,

utilizam a combinação de partículas

revestidas com anticorpos IgM/ IgG

e/ou antígeno NS1 para o auxílio no

diagnóstico de dengue em amostras de

sangue total, soro ou plasma humano,

sendo realizado em 10 minutos.

Para maiores informações, entre em

contato através do

e-mail faleconosco@lumiradx.com

ou (11) 5185- 8181.

0 132

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


O KIT SALIVA KOLPLAST, TAMBÉM PODE SER UTILIZADO PARA

A COLETA DE MATERIAL PARA DIAGNÓSTICO DO COVID-19.

INFORME DE MERCADO

Procedimentos menos invasivos, mais

rápidos e práticos, que oferecem maior

acessibilidade, simbolizam cada vez

mais a medicina moderna.

Inserido exatamente dentro desses

critérios, o KIT SALIVA KOLPLAST oferece

ao mercado de análises clínicas

a opção ideal para coleta e processamento

biomolecular de material para

diagnóstico do COVID 19.

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

O emprego da saliva como matriz

para pesquisa de patógenos e testes

diagnósticos, não é exatamente uma

novidade, mas o conforto e praticidade

oferecidos pelo novo produto Kolplast

vão muito além do convencional.

O Kit é composto de um tubo rígido contendo

a quantidade correta de meio preservante

e um pequeno, delicado e prático

funil que permite ao paciente depositar a

saliva com segurança e sem perdas.

Permite a auto coleta dispensando assim

o auxiliar de laboratório qualificado,

com evidentes vantagens econômicas

para a Instituição. Afasta do paciente os

temores de agulhas e swabs. Está feita a

união do útil com o agradável!

Para mais informações!

Central de Relacionamento Grupo Kolplast

vendas@kolplast.com.br

11 4961 0900

0 133


INFORME DE MERCADO

RESULTADOS ATUALIZADOS DE NOVA AVALIAÇÃO DA

TRANSMISSÃO DA MALÁRIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Prevalência de malária urbana atinge 8,5% no principal foco de transmissão da Amazônia brasileira

Histórico: As taxas de transmissão da malária

no Brasil são hoje maiores no Vale do alto rio

Juruá, próximo à fronteira com o Peru (Fig. 1). Com


INFORME DE MERCADO

HORIBA Medical Brasil inova e disponibiliza ferramenta para

avaliação da identificação de células sanguíneas – QSP

• Não há necessidade de material adicional

(baseado em PC).

• Usuários ilimitados

• Cada gerente de laboratório estabelece

o protocolo de controle e escolhe as

lâminas a serem analisadas pela equipe

responsável pelo exame das lâminas.

• Semanalmente, um caso pode ser

examinado.

• O programa QSP emite relatórios personalizados

para garantir uma rastreabilidade

perfeita.

O software QSP é uma ferramenta para

imagens de alta definição, didática e

muito intuitiva. Ele oferece ao pessoal

do laboratório o exame das lâminas

sanguíneas, que são digitalizadas e

avaliadas previamente. Permite ao laboratório

avaliar a capacidade dos potenciais

examinadores

O QSP é mais do que um atlas citológico…

Usa casos clínicos reais fornecidos

por médicos aprovados.

Com casos normais e patológicos.

Vantagens

Treinamento contínuo dos analistas de

laboratório

• 6 slides digitais por mês.

• O laboratório pode definir sua própria

classificação de células.

• Avaliação de WBC, RBC e PLT classificação

e / ou morfologias.

• Identificação incorreta de células.

• Relatórios com desempenho individual

pontuação.

• Fácil de usar

É elaborado um relatório individual da

classificação que mostra

• Um índice da sensibilidade média das

células corretamente classificadas em

relação à referência.

• Uma classificação imediata de TP, TN,

FP, FN e os cálculos associados da relação

sensibilidade e precisão

• Imagens de células que não combinam

com a classificação de referência.

• As observações do leitor e do gerente.

• As ações corretivas associadas.

Benefícios

• Padronização da leitura manual das

lâminas ao microscópio.

• Aumentando a confiabilidade dos resultados

finais.

• Ajudar novos técnicos a melhorar seu

nível e se tornarem confiantes.

• Ajudando Técnicos experientes a

manter seu nível.

HORIBA Medical Brasil

(11) 2923-5400

marketing.br@horiba.com

0 136

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


HORIBA

Medical

Entender o poder que uma linha

tem de transformar o mundo.

E transformar tecnologia e

inovação em resultados reais .

...

Novos Yumizens de

hemostasia automatizados.


Yum1zen

G800


Yum1zen

G1550

► Curvas pré-calibradas

► Três métodos de medição

► Armazenamento interno de dados

► Fácil manutenção

y

Escolhas

completas

que dão

significado

à vida

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORME DE MERCADO

COMO INTERPRETAR A CONTAGEM DE RETICULÓCITOS

EM CÃES E GATOS

Por: Rossana Priscilla de Souza Figueira, Mariana Oliveira Silva, Fabiola de Oliveira Paes Leme - Laboratório de Patologia Clínica HV-EV-UFMG

Os reticulócitos são células eritróides imaturas

que contêm retículos com cadeias de

RNA, mitocôndrias, ribossomos, centríolos

e restos do complexo de Golgi e, apesar

da diminuição da quantidade de organelas

citoplasmáticas, os reticulócitos podem ser

mais metabolicamente ativos do que os

eritrócitos maduros e, sintetizar até 20% da

concentração final de hemoglobina (COW-

GILL et al., 2003). A presença das organelas

citoplasmáticas, especialmente os resquícios

de RNA podem ser identificados através

de colorações especiais da classe dos supravitais,

como o novo azul de metileno (NAM)

ou o azul cresil brilhante (ACB) (STOCKHAM

e SCOTT, 2008).

Na Medicina Veterinária observamos dois

tipos de reticulócitos: o agregado e o pontilhado

(FELDMAN & SINK, 2006). O reticulócito

agregado é uma célula eritróide

mais imatura, maior e com coleções grosseiramente

agrupadas de retículo (COWGILL

et al., 2003). Na maior parte das espécies

domésticas este é o único tipo de reticulócito

encontrado. Os gatos, no entanto,

apresentam mais de um tipo de reticulócito

(THRALL, et al, 2012), além do agregado,

semelhante a outras espécies, possui também

o pontilhado (figura 1). O reticulócito

pontilhado é menor, mais maduro e quando

corado apresenta dois a seis pequenos

grânulos de retículos esparsos (VALLE et

al., 2019; COWGILL et al., 2003). É a fase

seguinte da maturação do reticulócito agregado

(STOCKHAM e SCOTT, 2008).

Figura 1: Reticulócitos pontilhados e agregado

em amostras de um gato doméstico

com volume globular de 21%. Azul cresil

brilhante, objetiva óptica de imersão (100x).

A contagem de reticulócitos é considerada

o padrão ouro na avaliação da resposta medular

do animal à anemia (BARGER, 2003),

utilizada para classificar as anemias em regenerativa

(reticulocitose) e não regenerativa

(reticulocitopenia ou contagens basais

em anemias intensas). Além de auxiliar na

classificação da anemia, a contagem de reticulócitos

também é utilizada para avaliar a

integridade da medula óssea e para monitorar

o efeito da terapia instituída (COWGILL

et al., 2003). A reticulocitose – aumento do

número de reticulócitos circulantes – ocorre

em animais anêmicos, com medula óssea

funcional e responsiva, como nos casos de

perda de sangue, hemólise ou em pacientes

que estejam respondendo a terapia. Entretanto,

animais anêmicos, com distúrbios

medulares, apresentam eritropoiese deprimida

ou diminuição da concentração ou atividade

de eritropoietina (EPO) e, dessa forma,

observa-se contagem de reticulócitos

normal ou diminuída (PEREIRA et al., 2008).

Para executar a técnica corretamente o sangue

não pode estar hemolisado, deve-se

coletar a amostra em EDTA e a contagem

ser feita em até 6h (COWGILL et al., 2003).

Volumes iguais de sangue devem ser adicionados

ao NAM, misturados e mantidos

a temperatura ambiente por, pelo menos

15 minutos (STOCKHAM e SCOTT, 2008), ou

submetidos a 37º por 20 minutos (DACIE et

al., 2011).

Registra-se número de reticulócitos observados

a cada 1.000 eritrócitos maduros. Para

0 138 Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


gatos, alguns laboratórios contam apenas

reticulócitos agregados, enquanto outros

contam agregados e pontilhados e registram

ambos (STOCKHAM e SCOTT, 2008).

O número de reticulócitos observados a

cada 1.000 eritrócitos resulta na contagem

percentual (RP). Alguns autores acreditam

que a porcentagem de reticulócitos corrigida

(PRC) seja mais adequada para a interpretação

da resposta medular (STOCKHAM

e SCOTT, 2008). A PRC é obtida através da

multiplicação da PR pela razão entre o volume

globular (VG) do paciente e do VG

médio da espécie (45% para cães e 37%

para gatos) (D’AVILA, 2011). O intervalo de

referência, indicativo de regeneração, para a

PR e para a PRC deve ser o mesmo: superior

à 1% para cães e 0,4% para gatos.

A concentração de reticulócitos (CR), também

chamada de contagem absoluta de

reticulócitos é expressa pelo número de

reticulócitos por µL de sangue, obtido pela

porcentagem de reticulócitos multiplicada

pelo número de eritrócitos do paciente e, é

considerada por muitos autores, como parâmetro

preferido para a interpretação (COW-

GILL et al., 2003). Valores acima de 60.000

reticulócitos agregados/μL de sangue em

cães e acima de 15.000 reticulócitos agregados/μL

de sangue em gatos e 200.000

reticulócitos pontilhados/μL de sangue em

gatos indicam uma reticulocitose.

Por fim, o índice de produção de reticulócitos

(IPR) possui um cálculo que envolve

a estimativa do tempo de efeito da eritropoietina

sobre a medula óssea, até a liberação

de reticulócitos, bem como o tempo

de maturação dos reticulócitos, que está

correlacionada com a gravidade da anemia

(D’AVILA, 2011).

Referências

BARGER, A. M., The Complete Blood Cell Count: A Powerful

Diagnostic Tool. Vet Clin Small Anim, v. 33, p. 1207

- 1222, 2003.

COWGILL, E. S.; NEEL, J. A.; GRINDEM C. B., Clinical Application

of Reticulocyte Counts in Dogs and Cats. Vet Clin Small

Anim, v. 33, p. 1223 - 1244, 2003.

D´AVILA, A. E. R. Parâmetros hematológicos e classificações

de anemia em uma população de cães atendidos no LACVET

- UFRGS. 2011. Monografia (Residência Médica em Patologia

Clínica Veterinária) - Faculdade de Veterinária, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

DACIE, J. V. et al. Pratical Hematology. 11. ed. [S. l.]: Elsevier,

2011. 650 p. ISBN 9780702034084.

FELDMAN, B.F. & SINK, C.A. Eritrócitos. In: Urinálise e Hematologia.

São Paulo: Roca, 2006. p.75 – 96.

PEREIRA, P.M.; SEKI, M.C.; PALMA, P.V.B., Contagem de Reticulócitos

de Cães Saudáveis ou Anêmicos pela Citometria de

Fluxo, Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v. 59, n. 1, p. 66-70, 2008.

STOCKHAM, S. L.; SCOTT, M. A. Fundamentals of veterinary

clinical pathology. 2. ed. Ames, Iowa: Blackwell Publishing,

908p, 2008.

THRALL, M A.; BAKER D.C.; CAMPBELL T.W.; et al. Veterinary

Hematology and Clinical Chemistry. 2 ed, Wiley-Blackwell,

762p, 2012.

VALLE, S.F. et al. Correlações entre as contagens de reticulócitos

manual e automática em amostras de felinos

anêmicos. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., [s. l.], v. 71, n. 2,

p. 577-583, 2019.

INFORME DE MERCADO

@diagnobrasil | diagno.ind.br

HEMOGRAMAS CONFIÁVEIS EPRECISOS

PARAASAÚDE DO SEU REBANHO

USO EXCLUSIVO

VETERINÁRIO

ATÉ 100 HEMOGRAMAS

POR HORA!

O Icounter VET é o analisador hematológico exclusivo para uso

veterinário que é até 3 vezes mais rápido que seus concorrentes,

sendo capaz de realizar cada análise em pouco mais de 30 segundos.

É fabricado no Brasil e utiliza reagentes 100% nacionais, com

reposição super rápida e com preços que não sofrem com variações

cambiais. Sua assistência técnica, altamente qualificada, traz

suporte especializado, com o menor tempo de resposta para

solucionar suas dúvidas. Com tantas vantagens é impossível não

ficar curioso!

A Diagno traz para você uma oportunidade imperdível para adquirir

seu Icounter VET com parcelamento facilitado e um super desconto

para pagamento à vista!

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

ECONÔMICO: BAIXO CUSTO

DE MANUTENÇÃO

+55 (31) 3489.5133

+55 (31) 3489.5100

0 139


INFORME DE MERCADO

AMOSTRAS PARA CONTROLE DE QUALIDADE EXTERNO E

INTERNO DO PNCQ PARA BIOLOGIA MOLECULAR

Além de serem obrigatórios pela

RDC 302:2005 da ANVISA, o Controle

Externo e o Controle Interno da

Qualidade são fundamentais para a

verificação da exatidão e da precisão

dos exames laboratoriais, realizados

no setor de Biologia Molecular.

O PNCQ oferece os seguintes Programas

Avançados PRO-EX, qualitativos

e/ou quantitativos: Chlamydia

trachomatis, Chikungunya,

COVID-19 (SARS-CoV2), HBV, HCV

(temos também genotipagem), HIV,

HPV, Mycobacterium tuberculosis

(GeneXpert System) e Zika vírus.

E temos as seguintes amostras-

-controle no PRO-IN nos níveis

Detectado e Não Detectado: Clamídia,

COVID-19 (SARS-CoV2),

HIV, HCV, HSV, HPV, HBV, MTB, e

ZIKA, além de amostras-controle

para Nucleic Acid Test (NAT) para

HBV, HCV e HIV.

Para contratar os Programas Avançados

do PRO-EX ou adquirir amostras

para controle interno do PRO-IN.

Entre em contato com o PNCQ:

pncq@pncq.org.br ou

Tel.: 21 2569-6867

0 140

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


INFORME DE MERCADO

PAPEL DO EXAME FREELITE®

NO DIAGNÓSTICO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

O produto Freelite® já muito conhecido,

utilizado e com importância

clínica já demonstrada em mais

de 3.000 publicações científicas, é

o único kit comercial recomendado

pelas Diretrizes Internacionais

e Brasileiras para a dosagem de

Cadeias Leves Livres (CLLs) Kappa

(κ) e Lambda (λ) em soro. Mais especificamente,

os anticorpos policlonais

do teste, reagem apenas

com as formas livres das cadeias

leves proporcionando uma medição

quantitativa de κ e λ livres no soro,

cujo resultado pode ser utilizado

para diagnóstico, monitoramento e

prognóstico de pacientes com Mieloma

Múltiplo e outras Gamopatias

Monoclonais.

Recentemente, a detecção e quantificação

de cadeias leves livres

no líquor tem sido extensivamente

estudada e a importância clínica do

0 142

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


exame tem sido demonstrada também

no diagnóstico de doenças do

Sistema Nervoso Central, como

na Esclerose Múltipla (EM).

INFORME DE MERCADO

Com isso, a Binding Site desenvolveu

o exame Freelite® Mx

específico para amostras de

líquor, que pode auxiliar para o

entendimento de algumas questões

inerentes relacionadas a outros métodos

já utilizados e contribuir para

o diagnóstico preciso.

Sempre pensando em manter

a educação científica alinhada à

tecnologia disponível, a Binding

Site em parceria com alguns neurologistas,

disponibiliza um dos

artigos escritos pelos mesmos,

após revisão da literatura, que

fala sobre a utilização do Freelite®

Mx em pacientes com Esclerose

Múltipla e qual o benefício

da realização do exame.

https://esclerosemultipla.com.

br/2020/07/05/um-novo-teste-

-promissor-no-diagnostico-da-esclerose-multipla

Atualmente o Freelite® Mx está

sendo utilizado na rotina do

Laboratório Neurolife no Rio

de Janeiro e em validação em diversos

outros hospitais/laboratórios

para melhor atender às necessidades

dos clínicos e pacientes.

Para informações mais específicas

sobre o Freelite® Mx ou sobre os

outros exames que a Binding Site

oferece contate a equipe pelo info@

bindingsite.com.br

info@bindingsite.com.br

www.bindingsite.com.br

www.freelite.com.br

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 143


INFORME DE MERCADO

REAÇÃO CRUZADA ENTRE DENGUE E COVID PODE ESTAR

GERANDO SUBNOTIFICAÇÕES

O período de chuvas que acontece

geralmente de novembro a março no

Brasil sempre traz a preocupação com

o aumento de casos de Dengue, Zika e

Chikungunya.

Neste momento com a pandemia

da COVID-19, as Unidades de Saúde

fechadas ou com atendimento

restrito podem gerar subnotificação

de casos, segundo o próprio

boletim epidemiológico do Ministério

da Saúde.

Estudos mostram que os vírus

da Dengue e do novo coronavírus

possuem similaridade antigênica.

Testes sorológicos apresentaram

resultado falso positivo para Dengue

em pacientes que na verdade

estavam com o SARS-CoV-2 e falso

positivo para a COVID-19 em pacientes

com Dengue.

Para a confirmação desses resultados

os pesquisadores utilizaram a técnica

da RT-PCR tanto para a COVID-19

quanto para as arboviroses Dengue,

Zika e Chikungunya.

Diagnóstico molecular para arboviroses

A Mobius Life Science, empresa brasileira

de tecnologia em diagnóstico

molecular, tem em seu portfólio teste

de qPCR que identifica os vírus causadores

da Dengue, Zika e Chikungunya

com uma única amostra.

O teste molecular apresenta rapidez

e alta sensibilidade para identificação

destes vírus que apresentam sintomas

semelhantes à COVID-19. Apenas o método

molecular permite o diagnóstico

preciso, a notificação correta dos casos

e o tratamento adequado aos pacientes.

Com os laboratórios públicos sobrecarregados

para atender a demanda de testes

moleculares para Covid, há possibilidade

de laboratórios particulares de menor

porte atenderem a esta demanda.

https://www.unasus.gov.br/especial/

covid19/markdown/229

Mobiuslife.com.br

0800 710 1850

0 144

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021


PATOCORDEL

PATHOCORDEL: CADÊ A ENZIMA?

O caso do menino Márcio

É mesmo tesaurismose

E desta só pode ser

Uma rara glicogenose

A criança já nasceu

Pra neste mundo sofrer

O defeito é enzimático

Nada se pode fazer

O citoplasma em agáé

É límpido e negativo

Mas corado em pê-a-esse

É lilás e positivo

Pra outras doenças há

Remédios com fartura

Mas pra falta de fosfatase

Não existe mesmo cura

Só pode ser glicogênio

Em quantidade anormal

O que vem nos explicar

Este fígado colossal

Só Deus que tudo pode

Sanaria este mal

Levando às células carentes

Num sopro a enzima vital

José de Souza Andrade-Filho*

* Patologista no Hospital Felício Rocho-BH; membro da

Academia Mineira de Medicina e Professor de Patologia da

Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais.

* (A propósito de um caso de querubismo que foi confundido e

tratado como tumor de células gigantes em criança de 6 anos.)

Revista NewsLab | Dez/Jan 2021

0 145


Enquanto você ouvia uma música,

nossos motoristas percorreram

quase 1.970 km para

buscar suas

amostras.

07 MINUTOS

DE MÚSICA

MAIS

DE

40

UNIDADES

DE APOIO

EM TODO

O PAÍS

MAIS DE

26.000

M 2 DE ÁREA

PRODUTIVA

MAIS DE

11.000

TESTES POR

HORA

MAIS DE

500

ROTAS PARA

COLETAR AMOSTRAS

EM TODO O BRASIL

Soluções completas para o seu laboratório

DIAGNOSTICOSDOBRASIL.COM.BR

More magazines by this user
Similar magazines