12.02.2021 Views

TRANSPORTE.LOG_97

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

Informativo do SISTEMA FETRANSPORTES e SEST SENAT-ES

Edição nº 97 • Janeiro/Fevereiro 2021

É hora de arrumar a casa!

Com a LGPD em vigor, o momento é de se adequar! Neste

início de ano, Fetransportes reúne três dos principais

profissionais que atuam no tema e realiza o curso online

É inegável que temos experimentado,

nos últimos anos, um relevante avanço

em tudo o que diz respeito à tecnologia.

Mas ele trouxe de carona outra conquista

– tão importante quanto os assuntos

tecnológicos! O avanço no direito à privacidade.

Neste cenário, a LGPD (Lei Geral

de Proteção de Dados) nasceu, cresceu,

apareceu e se tornou um dos assuntos

mais comentados do mercado. E não é pra

menos, afinal cultura de privacidade não é

algo que o Brasil esteja tão acostumado.

Diante de um tema tão atual, a saída é

a informação! Assim nasceu o curso online

Privacidade e Proteção de Dados no Setor

de Transportes, realizado nos dias 26

e 28 de janeiro, e 2 e 4 de fevereiro, pela

Fetransportes em parceria com a Innlaw

Hub de Inovação Jurídica. Para estar à

frente da jornada, foram convidados Luis

Fernando Prado Chaves, advogado especializado

em Direito Digital, Privacidade

e Proteção de Dados, com certificação

internacional (CIPP/E); Camilla Schrappe,

advogada responsável pela área de

Proteção de Dados do Mercado Livre; e

Paulo Benetti, gerente jurídico da área de

Real Estate, Shipping e Supply Chain do

Mercado Livre.

Juntos, Camila e Paulo apresentaram

o case Mercado Livre e os participantes

do curso aprenderam um pouco sobre

como a empresa mais valiosa da América

Latina adequou suas operações e logística

à LGPD. E abaixo, falam um pouco mais

sobre a legislação que está mudando o dia

a dia dos negócios.

O mercado nacional pós-LGPD – “A

LGPD é um grande marco regulatório,

cujo objetivo é proteger a liberdade, a

privacidade e o livre desenvolvimento da

personalidade da pessoa natural. Neste

sentido, a adoção de regras mínimas que

regulem o tratamento de dados pessoais

vem se tornando mandatória e certamente

impactará os negócios. Mas acredito que

as empresas estejam cada vez mais conscientes

deste cenário, tomando as devidas

providências para se adequar às regras”,

acredita Camila.

Medidas de adaptação – Segundo a

advogada, de maneira geral, os programas

de adequação passam pelas seguintes

etapas: (1) Mapeamento; (2) Classificação;

(3) Adequação de Políticas e Contratos;

(4) Treinamentos; e (5) Adequação da

Operação. Também de acordo com ela, a

estruturação interna para atender às necessidades

do programa de adequação

vai depender do modelo de negócios em

questão e das possibilidades de cada organização.

“Sabe-se, porém, que esse tipo de

programa requer um time multidisciplinar,

incluindo principalmente o jurídico, a área

de segurança da informação e o time de

tecnologia”, alerta.

Adaptação das micro e pequenas

empresas – “A LGPD prevê que a ANPD, o

órgão responsável por zelar, implementar e

fiscalizar o cumprimento da lei, deverá editar

normas, orientações e procedimentos simplificados

e diferenciados, inclusive quanto

aos prazos, para permitir sua adequação,

mas sem excepcionar a sua aplicação. O

mais recomendado é que tomem as medidas

necessárias para já implementar um

programa, adotando medidas de segurança

adequadas e revendo seus fluxos de dados

pessoais, dentro de suas respectivas

possibilidades e traçando prioridades de

acordo com o risco do negócio”.

Cuidados específicos no setor

Embora a LGPD não trate, especificamente

sobre os setores de produção separadamente,

Paulo Benetti destaca alguns

pontos que não podem sair do radar dos

transportadores na hora de iniciar o processo

de adequação.

As dificuldades de adequação para o setor

podem ser maiores? Por que?

PAULO BENETTI – O maior desafio será

garantir, de fato, uso mínimo de dados

pessoais necessários sem descumprir a

legislação em vigor, em especial aquelas

operações que exigem a inserção de

determinadas informações para a entrega

de produtos. Por exemplo, Danfes,

etiquetas dos serviços postais, Conhecimentos

de Transporte eletrônico (CTe)

para o transporte, dentre outros. Na

grande maioria dos casos, essas dificuldades

podem ser superadas com o

auxílio da tecnologia e treinamentos, mas

para isso dependemos de ajustes legislativos

e a simplificação dos normativos

fiscais no que se refere aos documentos

obrigatórios para o transporte logístico.

É necessário tomar algum cuidado específico?

Além de tomar todas as medidas técnicas

e administrativas para garantir a segurança

e a proteção de dados pessoais de

seus clientes na prestação de serviços

de transporte, o setor terá que se atentar

para eventuais vulnerabilidades e uso não

autorizado de dados pessoais, ainda que

a sua disponibilização seja realizada em

virtude de lei. Hoje em dia, já existe uma

mobilização conjunta dos players do setor

logístico requerendo a simplificação e

flexibilização das obrigações legais que

podem vir a gerar uma exposição não

autorizada de dados pessoais, como

por exemplo a discussão em torno dos

dados que, de fato, devem constar na

DANFE. Porém, esse tipo de adequação

toma tempo e depende da compatibilização

de diversos normativos.

Continua na página 2.


FETRANSPORTES

PALAVRA DO PRESIDENTE

LGPD, tema para a

vida toda!

Alguém ousaria dizer que a LGPD não é

assunto pujante no mercado? Do início do ano

passado pra cá, perguntas como O que devo

fazer no dia a dia da minha operação?; O que

faço com dados dos colaboradores?; Em quais

situações posso compartilhar informações?;

Posso usar identificação facial dos usuários?,

dentre outras, não apenas garantiram lugar

em pautas de reuniões das empresas como

até em rodas de conversas entre amigos! E

essa corrida pela informação tem razão de

ser, afinal ela entrou em vigor em setembro

diante de um mercado bem pouco adequado.

Ao longo de 2020, acompanhamos a movimentação

dos setores de produção e nós

também nos mexemos. Em outubro realizamos

uma palestra – que teria acontecido em abril,

mas foi adiada em função da pandemia – e

voltamos ao assunto em janeiro com o curso

Privacidade e Proteção de Dados no Setor de

Transportes, que reuniu todos os tipos de profissionais

de nosso setor, todos investindo no

conhecimento que o momento exige.

Sim, que o momento exige, pois o cenário

que temos é o seguinte: de um lado, uma lei

extensa e complexa que tem a transparência

como regra número um. Do outro, um mundo

em adequação e a necessidade das empresas

entenderem que não basta se adequar, será

preciso manter vivos os processos criados;

multas que podem chegar a R$ 50 milhões por

violação; um sistema judiciário ainda pouco

preparado para a chuva de processos que tendem

a surgir. Ou seja, estamos diante de um

assunto que merece nossa atenção, imersão,

mudança de comportamento.

Estamos municiando o setor

com aquilo que é essencial

para o momento, informação

e conhecimento. Mas as

dúvidas não acabam aqui.

Este foi só o primeiro passo

e precisamos continuar a caminhada,

afinal a LGPD

não é um tema para

ser tratado hoje ou

amanhã, é um tema

para a vida inteira!

Jerson Antonio Picoli

Presidente Fetransportes

Cada empresa, uma realidade

Foram quatro dias de aula e oito horas

de informação sobre os conceitos,

peculiaridades e desafios da LGPD. Os

três primeiros dias e a primeira parte do

quarto ficaram sob responsabilidade do

advogado especializado em Direito Digital,

Privacidade e Proteção de Dados Luis

Fernando Prado Chaves.

Responsável por nivelar a informação

dos participantes, ele abordou os principais

conceitos e princípios da lei; identificou as

bases legais para tratamento de dados;

falou sobre os direitos dos titulares de

dados e seus dilemas práticos; explicou

as melhores práticas para nomeação do

DPO (Data Protection Officer), o responsável

pelo tratamento de dados nas empresas;

falou sobre responsabilidade civil

das empresas que tratam dados pessoais,

sanções por descumprimento e desafios

da judicialização da LGPD. No último dia,

testou o conhecimento da turma com um

jogo virtual. E deixou um recado.

“Os dados são a arma mais relevante

que temos na era da informação e eles

vazam. Importante ter em mente que a

LGPD não garante que este vazamento

pare, mas gera responsabilidade e punição.

Por isso a transparência é regra quase

absoluta na coleta de dados pessoais, é

preciso ter acesso à informação

de maneira clara”.

Prado também chamou a

atenção para o fato de estarmos

tratando de uma Lei Geral de Proteção

de Dados, sem particularidades

para qualquer setor, e que,

portanto cada empresa deverá

avaliar sua realidade e colocar em

prática o seu melhor processo. E

por falar em processo...

“Tão importante quanto se

adequar à lei será manter vivos

A turma teve a chance de nivelar suas

informações, com Luis Fernando Prado

Chaves.

Dado pessoal vai muito além

de nome e CPF, é qualquer

informação que leve à

individualização de alguém. Ou

seja, a LGPD não protege o dado,

mas a pessoa

Luis Fernando Prado Chaves

os processos definidos para que possamos

tratar os dados de forma mais transparente

e menos invasiva. Os dados pertencem à

pessoa, a empresa os usa emprestado.

Então, se vamos coletá-los, temos que

dar segurança ao nosso colaborador, ao

nosso cliente ou consumidor”.

O que pode acontecer a uma empresa caso ela descumpra a LGPD?

A LGPD, em seu artigo 52, elenca as sanções administrativas aplicáveis em caso de descumprimento

pelos agentes de tratamento de dados, incluindo, mas sem se limitar a possibilidade de aplicação de

multas de até 2% do faturamento da empresa, limitada, no total, a R$ 50 milhões por infração. Mas a

ANPD ainda não regulamentou como será o processo de aplicação das penalidades. A autoridade informou

que pretende adotar uma postura mais educativa do que punitiva nesses primeiros anos.

PUBLICAÇÃO MENSAL DO SISTEMA FETRANSPORTES E SEST SENAT-ES Rua Constante Sodré, 265 - Santa Lúcia - Vitória - ES - CEP 29055-420

SUPERINTENDENTE FETRANSPORTES: Edinaldo Loureiro Ferraz Tel: (27) 2125-7642 EDITORA: Anna Carolina Passos Tel: (27) 2125-7618 imprensa@

fetransportes.org.br / imprensa@transcares.com.br PRODUÇÃO EDITORIAL: Anna Carolina Passos - Gestão e Assessoria em Comunicação TEXTOS:

Anna Carolina Passos • Leonardo Sales • Imprensa@gvbus.org.br • W Comunicação FOTOGRAFIAS: Divulgação e Sest Senat PROJETO GRÁFICO E

EDITORAÇÃO: Bios Tel.: (27) 3222-0645 IMPRESSÃO: Gráfica e Editora GSA

2 | TRANSPORTE.LOG | JANEIRO/FEVEREIRO 2021


SEGURANÇA DE TRÂNSITO

“Velho normal” do trânsito:

2021 começa com aumento de

acidentes nas rodovias federais do ES

Depois do início da pandemia da Covid-19,

uma das expressões que mais se

usou foi sobre o novo normal do trânsito.

Como ele seria? Entramos em 2021 e as

expectativas para uma melhora no trânsito

apontam para o “velho normal”. Entre o final

de dezembro e o início de janeiro, como é

verão e período de férias, muita gente viaja

com a família, principalmente nas praias

capixabas. Para mostrar o resultado desse

aumento no tráfego das rodovias federais

que cortam o Espírito Santo e seus impactos,

vamos analisar o balanço

da Operação Ano Novo da Polícia

Rodoviária Federal (PRF).

A operação, que começou dia

30 de dezembro de 2020 e encerrou

em 3 de janeiro de 2021, registrou 44

acidentes em nosso Estado, sendo

13 graves e dois fatais. Ao todo, 67

pessoas ficaram feridas.

Já no mesmo período envolvendo

o Rèveillon anterior, de 28 de

dezembro de 2019 a 1º de janeiro

de 2020, a PRF contabilizou 33

acidentes, sendo 12 graves, com

44 pessoas feridas e nenhum óbito.

“Neste comparativo, notamos

que entramos em 2021 com crescimento

em todos os pontos ava-

liados. Foram 11 acidentes a mais, um

acidente grave a mais, 23 vítimas a mais

e, infelizmente, duas mortes, algo que não

havia acontecido na virada anterior”, lamenta

o consultor de trânsito da Fetransportes

e do Movitran, André Cerqueira.

Os acidentes de maior gravidade na

dobradinha 2020/2021 ocorreram em pista

simples, com colisões frontais.

Durante os cinco dias de patrulhamento,

a PRF abordou 1.067 veículos, apreendeu

109 deles e gerou 1.430 autos de infração.

De 30 de dezembro de 2020 a 3 de janeiro de 2021, durante a Operação Ano Novo,

a PRF registrou 44 acidentes no Espírito Santo – 13 graves e dois fatais. Um detalhe

que chama a atenção é que na operação passada não houve óbitos

Das 1.365 pessoas abordadas, 137 foram

flagradas sem o cinto de segurança. Além

desta infração, a Polícia Rodoviária Federal

também flagrou 385 veículos realizando

ultrapassagens proibidas.

“Apesar da PRF reforçar o policiamento

nas rodovias capixabas, se o motorista não

respeitar as leis de trânsito, os acidentes

dificilmente irão diminuir. Além do motorista

precisar ter mais paciência ao volante

e redobrar a atenção na hora de fazer

uma ultrapassagem, é importante chamar

a atenção dos passageiros sobre

a necessidade de utilizar o cinto

de segurança, principalmente dos

que viajam no banco traseiro. Não

custa lembrar que álcool e direção

são totalmente incompatíveis. A

preocupação não pode ser só com

a multa, mas sim com a segurança.

Para que possamos ter um trânsito

seguro, todos precisam fazer a sua

parte”, ressaltou Cerqueira.

A PRF segue com a Operação

Rodovida em todo o Brasil até o

dia 21 de fevereiro, promovendo

diversas ações educativas e de fiscalização

do trânsito, sendo realizadas

de forma integrada com órgãos

federais, estaduais e municipais.

SETPES

Na alta temporada, turismo retorna com novas práticas

Segundo a Associação Brasileira das Operadoras

de Turismo (Braztoa), a alta temporada de

2020/2021 não chegará a 50% do mesmo período

do ano anterior. Mas, ainda que o momento exija um

novo comportamento social, é possível aproveitar o

tempo livre para viajar.

O secretário-geral do Setpes, Jaime de Angeli,

explica que as viagens curtas são uma boa pedida

para quem quer sair da rotina e cair na estrada, principalmente

se os destinos forem mais próximos de

suas casas. “Esse tipo de viagem é uma tendência

que viemos observando. Para o capixaba, são ainda

mais positivas, já que temos o privilégio de poder

desfrutar de locais de montanhas ou praias com

trajetos de poucas horas”, pontua.

E o que não falta é opção para chegar até os

pontos turísticos do Estado. De Angeli frisa que as

empresas parceiras do Setpes possuem linhas para

todos os destinos de praias e montanhas do Espírito

Santo. “São empresas que trabalham com o sistema

de locação de veículos ou de transporte rodoviário

intermunicipal. Todas operando com os mais rígidos

padrões de higienização e segurança para reduzir,

ao máximo, o risco de contágio da Covid-19 entre

os passageiros e os colaboradores”.

Para os turistas de outros estados, o ônibus também

é uma opção. Segundo o levantamento mais

recente da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), o

ônibus é o segundo meio de deslocamento mais usado

pelos turistas para chegar ao Espírito Santo. Ele é o

responsável por 18,7% das viagens realizadas e fica

atrás apenas dos trajetos feitos em veículos próprios.

Apesar disso, o dirigente alerta: embora a volta

do turismo seja benéfica e necessária, ela exige de

turistas e funcionários do setor a adoção de novas

práticas. “É preciso que haja uma nova forma de

desfrutar do turismo, que deve ser responsável, social

e ambientalmente falando. A máxima precisa ser

a biossegurança de quem visita e de quem mora nos

locais”, finaliza.

É verão! Viagens curtas são uma

boa pedida para quem quer

sair da rotina e as empresas

parceiras do Setpes possuem

linhas rodoviárias para todos os

destinos de praias e montanhas

do Espírito Santo

JANEIRO/FEVEREIRO 2021 | TRANSPORTE.LOG | 3


GVBUS

Menos dinheiro a bordo,

mais saúde e segurança

A ampliação do uso de bilhetes eletrônicos no transporte público

foi uma das soluções adotadas no combate à pandemia. Comum

em várias cidades brasileiras, a prática passou a ser vista não só

como alternativa, mas como prioridade

Muito tem sido falado sobre a redução

do uso de dinheiro em espécie na economia

como forma de prevenção da disseminação

do coronavírus. Afinal, cédulas e moedas

circulam constantemente e podem ser um

instrumento de fácil transmissão do vírus.

A redução tem sido amplamente adotada e

os resultados se refletem em números: segundo

dados da Associação Brasileira das

Empresas de Cartões de Crédito e Serviços

(Abecs) houve um aumento de compras não

presenciais com cartões, incluindo crédito,

Com a nova demanda do serviço de bilhetagem eletrônica, o número de

pontos de vendas do bilhete aumentou de 100 para 134, incluindo as lojas do

GVBus fora e dentro dos terminais de ônibus, máquinas de autoatendimento na

Rodoviária de Vitória e nos shoppings da Grande Vitória, além de parceiros

Bilhetagem no Brasil

débito e pré-pagos, totalizando R$ 126,2 bilhões

no terceiro trimestre deste ano, o que

representa uma alta de 49,3% em relação

ao mesmo período do ano passado. Já os

pagamentos por aproximação cresceram

622,5%, movimentando R$ 14,4 bilhões

no terceiro trimestre de 2020.

O crescente uso de bilhetes eletrônicos

como forma de pagamento também

é percebido no universo dos serviços de

transporte público coletivo urbano. Com

a pandemia, esse assunto, que antes era

tratado mais como uma oportunidade de

redução de assaltos aos coletivos, passou a

ser visto também como uma

questão de saúde pública,

o que resultou em novos

serviços e num aumento

das campanhas focadas

na maior utilização dos

bilhetes eletrônicos.

Uso do cartão

Na Grande Vitória (ES),

antes do lançamento do

Cartão GV (Bilhete Único

Metropolitano), em 2019,

52% dos passageiros faziam

uso da bilhetagem

eletrônica. Após o lançamento

do bilhete único,

esse número subiu

para 67%. No entanto,

com a chegada da

pandemia e com um

decreto estadual obrigando

o uso do cartão, a

utilização desse método de

Levantamento de novembro/2020 da NTU aponta que em um universo de 105

sistemas de transportes pesquisados, 93 possuem sistema de bilhetagem eletrônica,

representando um percentual de 89,4% do total. Desses sistemas, seis retiraram

totalmente o dinheiro do ônibus, 21 retiraram parcialmente e 57 mantiveram o recebimento

em dinheiro normalmente.

Matéria publicada originalmente na revista NTUrbano Edição 47.

pagamento atingiu 100% dos usuários do

serviço. De acordo com informações do

Sindicato das Empresas de Transporte

Metropolitano da Grande Vitória (GVBus),

durante a pandemia o número de pontos de

vendas do bilhete de transporte aumentou

de 100 para 134, o que inclui as lojas do

GVBus fora e dentro dos terminais, máquinas

de autoatendimento na Rodoviária de

Vitória e nos shoppings da Grande Vitória,

além de parceiros (farmácias, lanchonetes

e mercearias). O sindicato também realiza

a recarga on-line do Cartão GV por meio do

site www.cartaogv.com.br e dos aplicativos

RecargaPay, Kim+ e Banestes.

Tendências de mercado

Para Marco Tonussi, Diretor de Marketing

e Mercado da Tacom, existe uma expectativa

do mercado por soluções novas e

que possam fidelizar o cliente. “O objetivo é

buscar aumentar a demanda pelo transporte

público novamente, reconquistando uma

parte do público que acabou migrando para

aplicativos de transporte, principalmente

neste cenário pandêmico onde a retração

do segmento de transporte público foi extremamente

acentuada”, explica.

No entanto, segundo Tonussi, as atenções

estão todas voltadas para soluções

que estejam alinhadas com essa nova realidade

gerada pelos impactos da Covid-19 e

que proporcionem ao usuário de transporte

uma experiência melhor do que ele estava

acostumado, em todos os aspectos.

“Uma forte tendência atual é a grande

ênfase em ecossistemas tecnológicos que

proporcionem uma convergência de soluções

de transporte em benefício do usuário

destes sistemas, sendo a metodologia

MaaS (Mobility as a Service ou Mobilidade

como Serviço) a principal representante

desta tendência”, pontua Marco Tonussi.

Seguindo a tendência mundial de modernização

com novas tecnologias, os

usuários do transporte coletivo de Sorocaba

(SP) ganharam recentemente mais

uma forma de pagamento no transporte

coletivo, a Carteira Digital, uma ferramenta

para utilização nos ônibus acessada por

celular e que proporciona uma experiência

de pagamento 100% digital. Para fazer uma

viagem de ônibus, o passageiro faz download

do aplicativo Cittamobi, cadastra-se,

adquire créditos e passa na catraca usando

apenas seu celular.

Segundo Paulo Fraga, CEO da Cittamobi,

essa é uma solução inovadora que

digitaliza a relação do passageiro com o

transporte público. “A modernização é uma

tendência global em diversos setores e no

transporte não é diferente. Sabemos que

toda novidade tem um período de adaptação,

mas temos a certeza que essa é uma

solução que veio para ficar”, afirma Fraga.

4 | TRANSPORTE.LOG | JANEIRO/FEVEREIRO 2021


TRANSCARES

PDL,

agora vai!

Após ter de ser interrompido

ano passado, em função

da pandemia, Programa

de Desenvolvimento de

Lideranças é relançado com

duas turmas

Patrícia Marilac, a profissional que está à frente do programa, já deu o spoiler: “Durante o curso, os alunos poderão

vivenciar metodologias ativas de aprendizagem e gamificação contemplando uma absorção lúdica e profunda das

práticas mais inovadoras e humanizadas de liderança nos dias atuais”

Considerado a grande aposta de 2020 no

Transcares, o PDL – Programa de Desenvolvimento

de Líderes do Transporte foi mais uma

das grandes vítimas da pandemia do coronavírus.

O treinamento, realizado em parceria com

a Marilac - Desenvolvimento Organizacional,

iniciou na quinta-feira, 20 de fevereiro, com

o módulo O Planejamento Estratégico nas

Transformações do Mundo Atual. Porém,

menos de 30 dias depois, o Estado parou com

as medidas necessárias para conter o avanço

do vírus e o curso também foi interrompido.

Houve até um movimento para reiniciá-lo no

modo virtual, mas os alunos preferiam adiá-lo

e mantê-lo no formato presencial.

Reiniciado em 4 de fevereiro deste ano,

o PDL vai se estender até o mês de abril

e foi relançado com duas turmas. Porém,

como no ano passado os alunos da primeira

tiveram apenas o primeiro módulo,

para otimizar o tempo o segundo grupo

foi incorporado ao anterior e terá uma aula

especial – do módulo O Planejamento Estratégico

nas Transformações do Mundo

Atual, no último mês de curso.

Com foco em liderança e estratégias,

ele foi pensado, a princípio, para

as lideranças do segmento do transporte

rodoviário de cargas e logística. Mas sua

amplitude abre portas para profissionais

de atividades correlatas. Quem está à

frente da capacitação é Patrícia Marilac,

que além de diretora-executiva da empresa

parceira do Transcares e psicóloga, é

mastercoach em Inteligência Emocional,

Especialista em Análise Comportamental

e Practitioner em Programação Neurolinguística.

“O objetivo do programa é fazer as

pessoas aprenderem a desaprender, aprenderem

a reaprender e gerenciar seus times.

Afinal, um líder de excelência ensina, delega,

monitora, aprende, se transforma

e transforma a vida das pessoas ao seu

redor”, argumenta.

Cuidados especiais para garantir a

segurança e a saúde

O PDL vai ser presencial, porém cercado de cuidados especiais. Além de uma

cartilha com orientações de higiene e contendo uma máscara de proteção, as aulas

acontecerão no auditório do sindicato, espaço que acolhe 62 pessoas e que terá

apenas 46% de sua capacidade total utilizada – serão 29 alunos –, dispensers de

álcool em gel serão disponibilizados nos ambientes e cada aluno receberá um frasco

individual, e a cada dia de aula todos terão sua temperatura aferida. Os participantes

assinarão, ainda, um Termo de Saúde. “Como os próprios alunos pediram o curso

presencial, estamos fazendo tudo o que é possível para oferecer um ambiente seguro

e saudável, tanto para eles como para a nossa equipe”, argumenta a Analista

de Recursos Humanos, Drielly Reis.

Cartão Benefício, é novidade que fala!

O ano de 2021 nem bem engrenou e já

tem benefício exclusivo movimentando o

segmento do transporte rodoviário de cargas

e logística. A Convenção Coletiva de Trabalho

(CCT 2020/2021), fechada em setembro

do ano passado, disponibilizou a todos os

profissionais do TRC o Cartão Benefício, por

meio do qual é possível realizar compras,

obter descontos especiais e benefícios adicionais

em estabelecimentos comerciais e

prestadores de serviços credenciados pela

operadora – no caso a ComproCard.

Com o cartão, o trabalhador pode fazer

suas compras durante o mês e o valor

total será descontado no seu salário – o

limite de utilização corresponde a 15% do

salário nominal.

“A Convenção Coletiva determina que a

empresa ofereça o Cartão Benefício a todos

os seus empregados. Mas o colaborador vai

usá-lo somente se quiser. Ao recebê-lo, o

profissional pode utilizá-lo (para isso, basta

liberar a senha) ou não utilizá-lo (é só não

liberar a senha e o cartão será invalidado)”,

Cronograma das aulas

04/02: Turmas 1 e 2

25/02: Turmas 1 e 2

04/03: Turmas 1 e 2

18/03: Turmas 1 e 2

08/04: Turmas 1 e 2

* Na segunda quinzena de abril, serão

realizados mais dois encontros. Um

apenas para a Turma 1, que fará seu

Módulo Extra. E outro somente para a

Turma 2 fazer o 1º Módulo.

explica o assessor jurídico do Transcares

Marcos Alexandre Alves Dias.

Outra vantagem é o fato de que para

facilitar a utilização do cartão e ter uma rede

cada vez maior de serviços à disposição,

o usuário pode solicitar à ComproCard o

credenciamento de estabelecimentos do

seu interesse.

Leia mais sobre o Cartão Benefício e

todas as vantagens que ele proporciona

ao trabalhador do segmento no site do

Transcares (www.transcares.com.br).

JANEIRO/FEVEREIRO 2021 | TRANSPORTE.LOG | 5


SEST SENAT

Calor + alimentação + hidratação

+ exercícios = saúde em alta

Confira as dicas das

nutricionistas Milena

Lucena Girardi e

Iêzide Klein Fraga, e

curta apenas o

melhor do verão

Opte pela alimentação o mais

natural possível;

Cuidado com os temperos das

saladas! Evite maionese caseira

e molhos prontos. Prefira vinagre,

limão e consuma azeite com

moderação!

Prefira carnes magras, pois são

mais fáceis de serem digeridas;

Prefira alimentos cozidos, assados

e grelhados, e evite as frituras.

Elas não combinam com o verão!

Quer sobremesa? Prefira as sugestões

refrescantes, como frutas,

picolé de frutas, sorvete caseiro e

salada de frutas.

Fique atento ao consumo de bebidas

alcoólicas, elas são calóricas

e possuem efeito diurético, o que

compromete a hidratação.

Para muita gente, sol, calor, alimentação

leve e muita água é uma combinação

mais que perfeita! A estação

mais quente do ano está levando

os capixabas às praias e piscinas.

Porém, como o verão 2021 chegou

acompanhado de uma pandemia,

os cuidados

com a hidratação,

com o que se come e

com a imunidade precisam

ser ainda maiores.

E para nos ajudar a enfrentar

as altas temperaturas com saúde

e qualidade de vida escalamos

a dupla Milena

Dicas para uma alimentação saudável durante o verão

6 | TRANSPORTE.LOG | JANEIRO/FEVEREIRO 2021

Lêzide Klein

Fraga: Cuidado

com temperos

de saladas!

Lucena Girardi e Iêzide Klein Fraga,

respectivamente as nutricionistas do

Sest Senat da Serra e de Cariacica.

“No verão, sentimos menos fome

do que no inverno porque as altas temperaturas

inibem o apetite, mas nada é

motivo para descuidar da saúde. Outra

mudança fisiológica é que nosso corpo

gasta menos energia durante a estação,

então a quantidade calórica ingerida

também deve ser reduzida. A melhor

saída é investir em alimentos de fácil

digestão, como frutas, verduras, legumes,

carnes magras e alimentos com

baixo teor de gordura”, dá a dica Iêzide,

lembrando, ainda, da hidratação.

Dias mais quentes aumentam a

nossa temperatura corporal e a transpiração,

e isso gera perda de líquidos

e minerais. É preciso, portanto, repor

o líquido perdido. Nestes casos, além

da água – cuja média de quantidade

ingerida deve variar entre 2 e 3,5 litros

por dia –, é possível apostar em chá

gelado, água de coco e sucos naturais

(sem açúcar!).

E para finalizar o ciclo de cuidados

com o corpo e com a mente no

verão devemos lembrar da atividade

física. “Devemos manter o ritmo e, se

possível, em ambientes frescos. Outra

dica é tentar evitar os períodos de

pico solar, entre 10 e 15 horas, para

afastar os riscos de desidratação ou

insolação”, destaca Milena.

Uma alimentação saudável e

refrescante para dias quentes

é baseada em alimentos ricos

em água. Para isso, contamos

com maior consumo de

folhagens e frutas, além de

alguns legumes. Uma ótima

dica são saladas combinadas

com temperos naturais, como

hortelã, manjericão e alecrim,

que são refrescantes e dão

mais sabor aos alimentos.

Milena Lucena Girardi


A nutricionista do

Sest Senat da

Serra, Milena

Lucena

Girardi,

lembra

que o

ciclo de

cuidados

não fica

completo sem

a atividade física

Mão na massa!

Sorbet de Manga

Ingredientes:

2 mangas maduras

Caldo de ½ limão

Modo de preparo:

Descasque e corte as mangas em

pedaços médios. Transfira para uma

assadeira e leve ao congelador – evite

amontoar os pedaços, assim eles

ficam soltos depois de congelados.

Deixe por pelo menos 4 horas até

congelar (se preferir, congele na noite

anterior ao preparo).

Retire a manga do congelador e

deixe em temperatura ambiente por

10 minutos antes de bater – assim

você não quebra o processador e o

sorvete atinge o ponto mais rápido.

Coloque os pedaços de manga congelados

no processador, junte o caldo

de limão e comece a bater no modo

pulsar para triturar os pedaços da

fruta. Continue batendo em velocidade

alta até ficar bem cremoso com a

consistência de sorvete, por cerca de

10 minutos – na metade do tempo,

pare de bater e misture os pedaços

com uma espátula para bater por

igual. O processo é demorado, mas

acredite, quanto mais tempo bater

mais cremoso fica. Sirva a seguir.

Vale chama e equipe da Serra fala

sobre saúde mental a motoristas

Saúde mental, um dos temas mais

falados ao longo de 2020, foi também

o escolhido para protagonizar, ao lado

das perspectivas para 2021, a ação

de fechamento do ano realizado por

profissionais do Sest Senat da Serra

para os motoristas da Unimar e da

Viação Satélite que atuam na Vale. A

programação aconteceu em 28 e 29

de dezembro, na própria mineradora.

Para falar sobre o tema central, a

“escalada” foi a psicóloga Mariana de

Almeida Carmo, que abordou várias

vertentes do assunto. Neste sentido,

importante lembrar o quanto as consequências

da Covid-19 impactaram a

A psicóloga do Sest Senat, Mariana do Carmo, abordou várias vertentes do assunto

Apesar da pandemia e dos protocolos

de distanciamento social seguros para

evitar a contaminação pela Covid-19,

janeiro é época de férias. E férias inclui,

em via de regra, viagens, descanso e

programas diferenciados. Mas é preciso

inserir no kit básico do verão o cuidado

com a higiene bucal, principalmente quem

usa aparelhos ortodônticos.

“Os cuidados com o aparelho durante

as férias devem ser redobrados,

principalmente se estamos falando de

crianças, pois essa época costuma ser

marcada pelo alto consumo de guloseimas

e sobrecarga de açúcares, e a

falta de rotina também faz com que os

pequenos se esqueçam da escovação”,

saúde mental das pessoas. Uma pesquisa

do Ministério da Saúde revelou um alto grau

de ansiedade entre os entrevistados (86,5%),

além da presença de transtorno de estresse

pós-traumático (45,5%) e depressão (16%).

A Técnica de Promoção Social da unidade,

Lívia de Moraes Miranda, saiu da

ação satisfeita com os resultados e com

os “frutos colhidos”. “Já estamos demandados

para outras ações na Vale, tanto na

área de Promoção Social quanto na parte

de Capacitação Profissional”, comemora

ela, fazendo questão de lembrar que

embora a ação tenha sido presencial, ela

seguiu todos os protocolos de segurança

e distanciamento.

Férias também é época de cuidar

dos aparelhos ortodônticos

comenta a ortodontista do Sest Senat

de São Mateus Larissa Luna Malverdi

Malovini.

Dar continuidade às consultas, destaca,

também é imprescindível. Mas caso

o paciente precise se ausentar neste

período pode aproveitar as superdicas

da especialista:

“Em primeiro lugar, é mais do que

necessário manter a boa higienização.

E além disso, é preciso evitar alimentos

duros e pegajosos; não quebrar as peças

do aparelho; usar acessórios conforme

recomendado pelo profissional; colocar

cerinha no caso de estar com alguma

lesão; e usar protetor bucal específico na

prática de esportes”, enumerou.

JANEIRO/FEVEREIRO 2021 | TRANSPORTE.LOG | 7


SEST SENAT

São muitas opções de capacitação!

Unidades da Serra, Colatina e Cachoeiro de Itapemirim iniciam o ano com várias turmas

abertas. Para o trabalhador do transporte, treinamentos são “0800”

Opções de capacitação profissional?

Sim, temos! Muitas! De norte a sul do Estado.

E com aquele detalhe que faz toda a

diferença: para os trabalhadores do setor,

os cursos oferecidos pelo Sest Senat são

absolutamente gratuitos. A agenda teve

início em janeiro – os cursos são sempre

divulgados no site da Fetransportes (www.

fetransportes.org.br) – e a pegada diversificada

será mantida ao longo de 2021. Mas

quem quiser aproveitar o início do ano para

investir em conhecimento e qualificação

deve conferir algumas das opções listadas

abaixo, das unidades da Serra, Colatina

(Região Noroeste do Estado) e Cachoeiro

de Itapemirim (Região Sul). Em função da

pandemia, somente os cursos especializados

são presenciais. As demais opções

são on-line (webaula).

Dos treinamentos ofertados, apenas os Especializados são presenciais. Todos os demais estão sendo realizados no

formato online

Na Serra

Para quem precisa fazer cursos de

Atualização, a unidade da Serra oferece

as seguintes opções ao longo de

fevereiro: Atualização de Passageiros

e Atualização de MOPP, ambos dia

20; Outra turma de Atualização de

MOPP dia 22 e Atualização de Passageiros

dia 25. No dia 18, tem Curso

de Aproveitamento para Transporte

Escolar e nos dias 22 e 23 Aproveitamento

– MOPP para Indivisível (duas

turmas distintas).

Além destes, tem turma de Direção

Defensiva no dia 18.

Em Colatina

Cursos de Atualização, Aproveitamento

e os obrigatórios para os motoristas

profissionais também estão no portfólio

do Sest Senat Arthur Picoli. Contudo, a

unidade do diretor Gilmar Oliveira está com

outras opções interessantes neste início

de ano. No dia 24, haverá treinamento

sobre Noções de Marketing no Transporte

de Passageiro e no dia 25 a opção será

Noções de Gestão de Materiais. Dia 18

terá curso de Power Point; dia 24, Monitor

no Transporte Escolar e Instagram e

Marketing na Prática; e fechando o mês,

Gestão de Pessoas, no dia 26 de fevereiro.

Em Cachoeiro

Neste início de ano, a maior

demanda da unidade Camilo Cola

tem sido para os cursos de Atualização,

Especialização e Aproveitamento.

Dentre as opções

oferecidas estão Aproveitamento

de MOPP para Indivisível (dia 17)

e Aproveitamento de Coletivo para

Escolar (dia 22); Atualização de

Transporte Escolar (dia 17); Atualização

de MOPP (dia 22) e Atualização

de Transporte Escolar (dia

25); e Especializado de Transporte

Escolar (22 de fevereiro).

Para realizar pré-matrícula, acesse portaldocliente.sestsenat.org.br, clique em cursos, escolha a unidade e localize o curso desejado.

A programação pode sofrer alteração e mais informações podem ser obtidas nas próprias unidades, por telefone ou via redes sociais.

Em Cachoeiro, turma de aprendizes cresce e vira duas

A Coordenadora de Desenvolvimento

Profissional do Sest Senat de Cachoeiro

de Itapemirim, Wania Campos, está numa

alegria que só! E o motivo chama-se jovens

aprendizes. Em dezembro, a unidade Camilo

Cola abriu uma nova turma do programa

para início em 11 de janeiro. E não é que a

procura foi tão grande que ao invés de uma,

foram abertas duas? Ao todo, 41 moças e

rapazes se inscreveram. E como ainda não

é possível manter turmas cheias deste jeito,

elas foram divididos – uma com 17 alunos

e outra com 24, para que sejam atendidos

os protocolos de distanciamento. O uso de

máscaras é obrigatório e a unidade está

oferecendo álcool em gel para manter mãos

sempre higienizadas.

Outro diferencial é que as aulas voltaram a

ser presenciais. “Mas durante a aula inaugural

deixamos todos cientes de que se houver

aumento de casos e nossa cidade entrar

no risco alto, voltaremos às aulas online.

Este ano não iremos interrompê-las, como

fizemos ano passado e tenho certeza que

contaremos com a compreensão de todos

os alunos e de suas famílias”, acredita Wania.

Além da coordenadora, os instrutores

também estão com o sorriso preso de orelha

a orelha, com a turma cheia e o retorno do

modelo presencial. “Estavam todos sentindo

muita falta da presença dos jovens.

As aulas iniciaram no maior astral e os alunos

também estavam numa ansiedade só.

Temos certeza que essa turma terá muito

sucesso em sua trajetória aqui conosco e

nas empresas”, aposta ela.

8 | TRANSPORTE.LOG | JANEIRO/FEVEREIRO 2021

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!