Audacia_Março_2021

youongroup36572


Eu não

sou cEga!

consigo vEr o mundo...

... numa pErspEtiva profunda E íntima, por mEio da minha

imaginação E dE todos os outros sEntidos

mais apurados.

Takoua Ben Mohamed


05

06

08

10

12

20

22

24

26

30

32

34

A ABRIR

Melhor pai do mundo

SATÉLITE

INVENCÍVEIS

Os missionários seguem modelos

MALA DA ALICE

Falando de jornalismo

BD

Muasi Makasi

VALORES

DE SEMPRE

A magia de conversar

BÍBLIA_APP

Cofre bem guardado

PARÁBOLAS DE VIDA

Cartão de cidadão

BD

Trocar vida por vida

PALCO

DOS AUDAZES

A dança dos

génios da floresta

CIÊNCIA

Uma floresta no deserto

COZINHA COM KOFI

36

38

40

42

44

46

48

50

51

52

57

58

GESTOS DE ESPERANÇA

CAMPEÕES

Emigrante atípico

SEMENTES

DA FÉ

Como fala Deus

hoje connosco?

POVOS DO MUNDO

Os cabo-verdianos

BELEZAS DO MUNDO

Conhece e protege

a floresta

tropical pluvial

BD

Bia e Lucas

TEMPOS LIVRES

ARCA DAS PALAVRAS

DIÁRIO DE BIA

PASSATEMPOS

DESPORTISTAS AFRICANOS

SABES?

123RF

audácia

3


FICHA TÉCNICA

Olá, Audácia!

Felicitações

para ti, a

minha revista

preferida.

ELSA MARIA GREGONIO

(FUNCHAL)

Olá, Audácia!

És minha companheira

quase quarenta

anos. Continua

assim.

FÁTIMA SILVA

(LOUROSA)

Olá, Audácia!

Há muitos anos, recebia a tua

revista – que tanto adorava –,

todos os meses, por mais

de uma década. Desejo-te a

continuação de muito êxito.

EMÍLIA COSTA (ORLEÃES)

Parabéns,

Audácia!

Desejo-te a

continuação de

muito êxito! A

tua leitura é

inspiradora.

MARTA LAGARTO

(FACEBOOK)

Olá, Audácia!

Foste muito importante

na minha

adolescência

e juventude.

ADÍLIA FERREIRA

(FACEBOOK)

SEGUE-NOS:

REVISTAAUDACIA

TUÍTE DO PAPA FRANCISCO (@Pontifex_pt)

«Que São José dê aos jovens a capacidade de sonhar,

de se arriscar por grandes coisas, as coisas que

Deus sonha para nós.»

PROPRIETÁRIO:

Missionários Combonianos

do Coração de Jesus

Pessoa coletiva n.° 500139989

DIRETOR: Bernardino Frutuoso (CP 6411 A)

REDAÇÃO: Fernando Félix (CP 1902 A);

Carlos Reis (CP 2790 A)

REVISÃO: Helder Guégués

PAGINAÇÃO: Luís Ferreira

ARQUIVO: Amélia Neves

REDAÇÃO:

Calçada Eng. Miguel Pais, 9

1249-120 LISBOA

Tel.: 213 955 286

E-mail: audacia@netcabo.pt

ESTATUTO EDITORIAL DISPONÍVEL EM:

www.audacia.org

ASSINATURAS: editalemmar@netcabo.pt

URL: www.audacia.org

ADMINISTRADOR:

Jorge Brites

SEDE DO EDITOR E ADMINISTRAÇÃO:

Calçada Eng. Miguel Pais, 9

1249-120 LISBOA

TEL.: 213 955 286 FAX: 213 900 246

E-mail: editalemmar@netcabo.pt

PRODUÇÃO GRÁFICA E IMPRESSÃO:

Jorge Fernandes, Lda.

Quinta Conde Mascarenhas, L 9 – Vale Fetal

2825-259 CHARNECA DA CAPARICA

Tel.: 212 548 320/8 Fax: 212 548 329

COLABORADORES:

Abel Dias; África G. Gómez; Alice Vieira; Beatriz

Guégués; Catarina Roque; Célia Vilas Boas; Fernando

Noriega; Helder Guégués; Isabel Mesquita;

João Martins; Luís Óscar; Luís Taklim; Maria Filomena

Silva; Maria José Mendonça; Miguel Monteiro;

Margarida Brotas; Margarida Leal; Vane.

Ilustração da capa: 123RF

Tiragem do número anterior: 11 600 exemplares

PREÇOS DE ASSINATURA:

Edição em papel: 13,00 ¤

Edição digital: 8,00 ¤

Edição papel + digital: 18,00 ¤

De amigo: 20 ¤

À cobrança (papel): 14,50 ¤

Cada exemplar: 1,30 ¤

Europa: 20 ¤

Resto do mundo: 30 ¤

IBAN: PT50 0007 0059 0000 0030 0070 9

PAGAMENTO POR MULTIBANCO:

Entidade: 20105

Referência: o número de assinante

(por cima do nome na folha com

a sua direção).

Registo na ERC com o n.˚ 100669

Depósito Legal n.˚ 7935/85

ISSN: 0871-567X

4 audácia


Ir. BERNARDINO FRUTUOSO | DIRETOR

MELHOR PAI DO MUNDO

No dia 19 de março, celebramos o Dia do

Pai. É a ocasião perfeita para agradecer

o carinho, a entrega e a dedicação dos

nossos pais. Fica o convite a que demonstres

o apreço pelo teu pai, seja com palavras, seja

com algum presente especial – sobretudo se

for feito por ti.

Esta data celebra-se, em Portugal, no dia de

São José, modelo de pai e esposo de Maria, a

mãe do nosso amigo Jesus. A esse propósito,

lembro que o Papa Francisco decidiu convocar

um ano especial dedicado a São José (que

terminará no dia 20 de Dezembro). Escreveu

também uma bonita carta sobre este homem

santo, designado nos quatro Evangelhos como

«o pai de Jesus».

Foi na família de Nazaré que Jesus cresceu e

aprendeu tudo. São José era o exemplo de pai

trabalhador e amoroso que, com «coragem

criativa», cuidava e protegia Jesus e Maria.

Dia após dia, jogava, ensinava e ouvia esse

menino. E como Deus era o principal habitante

daquela casa, rezavam e liam as Sagradas

Escrituras juntos. Com orgulho e alegria, José

via Jesus crescer «em sabedoria, em estatura

e em graça, diante de Deus e dos homens»,

como narra o evangelista Lucas.

Com o coração de pai, José amou a Jesus e

foi amado por Jesus. E para que Jesus fosse

feliz, ajudou-o a realizar a sua vocação e a

cumprir sempre a vontade de Deus, o Pai

do Céu.

Para os discípulos de Jesus, São José é também

«pai de coração», e por isso o invocamos

como protetor e intercessor diante de Deus.

Pedimos que ampare os nossos pais e os

ajude a ser como ele, pais de ternura

e dedicação.

123RF

audácia

5


Fred Romero

FRANÇA

ORQUESTRA DE GRAÇA

O projeto educativo social Démos, da Cité

de la Musique – Philharmonie de Paris,

possibilita a qualquer pessoa com dom

para a música, desde crianças de 3 meses

a adultos, tocar numa orquestra. Organiza,

há dez anos, ações de formação em todos

os repertórios: música clássica, tradicional,

jazz e contemporânea. Disponibiliza 5200

instrumentos.

ACNUR

COLÔMBIA

AMPARAR OS REFUGIADOS

Defensora dos direitos das crianças

na Colômbia, Mayerlín Vergara, com

a sua equipa, enfrenta traficantes

de droga e redes de prostituição

que exploram meninos e meninas

venezuelanas refugiadas. Estes menores

chegam sós, não têm onde

dormir, onde viver nem o que comer.

Mayerlín dirige uma casa-abrigo para

os defender ou reabilitar.

ZIMBABUÉ

COMBATE PELA ADOLESCÊNCIA

Maritsa Natsiraishe tem 17 anos e pratica

taekwondo. Ela usa as artes marciais para

lutar contra o que atormenta os adolescentes

no Zimbabué. Quer que os rapazes façam

desporto e não se entreguem às drogas, e que

as meninas não se submetam ao casamento

precoce, não sejam mães adolescentes, nem

sejam vítimas de violência doméstica.

Twitter de Maritsa Natsiraishe

6 audácia


Gunther Hagleitner

eco

desafio

Célia Vilas Boas, BioRumo

NEPAL E TIBETE

MONTE EVERESTE É MAIS ALTO

O Nepal e a China passaram anos a

discordar sobre a altura da montanha

mais alta do mundo. Mediram-na novamente

e descobriram que o Monte

Evereste é mais alto 86 centímetros

do que se pensava. Radhanath Sikdar,

matemático da Índia, em meados do

século XIX, mediu-lhe 8848 metros.

A nova medição é 29 031,7 pés

(8848,86 metros).

123RF

Michael Coghlan

AUSTRÁLIA

HINO MOSTRA RESPEITO

A letra do hino da Austrália foi alterada

numa palavra, para integrar os aborígenes.

Onde dizia «Somos jovens e livres», passa a

constar «Somos um e livres». É já a segunda

modificação do texto Advance Australia

Fair, escrito por Peter Dodds McCormick,

em 1878. Para incluir as mulheres, o

«filhos da Austrália» foi alterado para

«Australianos todos».

SAÚDE E BEM-ESTAR

Decerto já ouviste a expressão «haja

saúde». Ela significa que a nossa

saúde e bem-estar são fundamentais

para uma vida plena e harmoniosa.

No entanto, sobretudo nas áreas mais

pobres e nos países em desenvolvimento,

morrem milhões de pessoas

por causa de doenças infeciosas com

elevada taxa de transmissão e serviços

de saúde precários ou inexistentes.

E é exactamente para combater

estes problemas e assegurar uma vida

saudável que surge o 3. O Objetivo de

Desenvolvimento Sustentável (ODS 3);

garantir e promover a saúde e o bem-

-estar para todos.

É importante que te vacines e que

apoies a pesquisa e o desenvolvimento

de vacinas e de medicamentos; e

apoies o acesso universal a serviços

de saúde essenciais de qualidade.

audácia

7


MATEUS BIJÓIAS | LEIGO MISSIONÁRIO

CATARINA ROQUE

Os missionários

seguem modelos

Os institutos religiosos têm nomes que

acho criativos. O instituto que publica

a Audácia chama-se Missionários

Combonianos do Coração de Jesus. Cada

palavra informa sobre o que os identifica.

São missionários, porque são enviados a outros

países a evangelizar. São combonianos,

porque o seu fundador foi Daniel Comboni

(Itália, 1831 – Sudão, 1881), que consagrou a

vida ao anúncio do Evangelho e à promoção

humana entre os povos mais pobres de uma

vasta região da África do Norte. E são do

Coração de Jesus, porque é o aspeto da vida

de Jesus Cristo que São Daniel Comboni quis

reproduzir na sua vida e que continua a ser

o ideal dos Combonianos. São Comboni escreveu:

«O Sagrado Coração de Jesus palpitou

também pelos povos negros da África Central.

Jesus Cristo, o Bom Pastor, acolherá também

a África Central no seu redil.»

MULHERES COMO JESUS, BOM PASTOR

Comecei este artigo a falar dos nomes dos

institutos religiosos porque, a propósito de

em março ocorrer o Dia da Mulher, fazia

uma pesquisa e soube das Irmãs de Nossa

Senhora da Caridade do Bom Pastor. Elas, no

seu trabalho, são mulheres que, a exemplo

de Nossa Senhora, agem com a mesma caridade

de Jesus, o Bom Pastor. Na Índia, por

exemplo, criaram o Movimento Mahila, que

dá formação profissional, educa em direitos

8 audácia


humanos, capacita em prestação de cuidados

de saúde e ajuda a gerir microcréditos a

milhares de mulheres e meninas dálitas. As

mulheres dálitas sofrem tripla discriminação:

por serem mulheres – sujeitas ao feminicídio

e privadas de ir à escola; pela sua casta – a

mais desfavorecida da Índia – e pela sua

precariedade económica.

O Movimento Mahila já incluiu socialmente

milhares de mulheres dálitas em mais de

catorze mil aldeias.

HOMENS COMO SÃO JOSÉ

Março, como sabes, é também mês de São

José e dos pais. São José é o modelo dos

homens que assumem a sua missão. Ele foi

homem de coragem. Foi «Pai de coração»

– como lhe chama o Papa Francisco, ao instituir

2021 como Ano de São José. Ele assumiu

as responsabilidades paternas para com Maria

e Jesus com determinação e criatividade.

O mundo precisa de pais missionários que,

a exemplo de São José, cuidam da sua família

e têm coragem para tomar iniciativas na

sua rua, bairro, país ou mundo, de modo a

atender quem precisa de cuidados.

LINHA VOCACIONAL

P. e Jorge Brites

Missionários Combonianos

Calç. Eng. Miguel Pais, 9

1249-120 LISBOA

jimsul@gmail.com

213 955 286

P. e Filipe Resende

Missionários Combonianos

R. Augusto Simões, 108

4470-147 MAIA

jovemissio@gmail.com

968 107 616

P. e Manuel António Machado

Missionários Combonianos

R. Pedro Álvares Cabral, 301

3504-521 VISEU

viseu@combonianos.pt

232 422 834

P. e Alberto Vieira

Missionários Combonianos

R. Fr. Bartolomeu dos

Mártires, 1695

4760-037 VN DE FAMALICÃO

bertovieira@gmail.com

252 322 436

P. e José Manuel Brites

Missionários Combonianos

R. Teófilo Braga, 53

Jardim de Cima

2005-438 SANTARÉM

santarem@combonianos.pt

243 351 331

Ir. Rosineide Nascimento

Missionárias Combonianas

Rua Cidade de Nova Lisboa, 57

180-107 LISBOA

naslimarosineide@yahoo.com.br

218 517 640

Jacinta Neves

Missionárias Seculares

Combonianas

R. de Belém, 362

4350-067 PORTO

225 026 153

animacao@secularescombonianas.org

Missionários Combonianos

R. Vasco Fernandes Homem, 143

C.P. 910

30100 BEIRA MOÇAMBIQUE

comboni@teledata.mz

23326512

audácia

9


ALICE VIEIRA JORNALISTA E ESCRITORA

CATARINA ROQUE

Falando de jornalismo

Hoje vamos falar aqui de jornalismo – até

porque é profissão que atrai muitos

jovens – apesar de todos sabermos que

os tempos estão muito maus, cada vez mais

há jornais a fechar, despedimentos, etc.

Mas falemos dos jornalistas que trabalham,

e têm de escrever nos seus jornais o que se

vai passando por aí para informarem os seus

leitores.

Há dias, o Papa Francisco, falando do Dia

Mundial das Comunicações Sociais (que se celebra

em maio), apontava com grande lucidez

o estado em que se encontra a informação

nestes tempos.

Os jornalistas enfiam-se nas redações diante

dos seus computadores e dali só saem no fim

do dia de trabalho, para regressarem a casa.

Ora, diz o papa:

«É preciso sair da presunção cómoda do já

sabido e mexer-se, é preciso ir até junto das

pessoas, ouvi-las, ver como vivem, porque ver

é o meio mais simples para se reconhecer a

realidade. É preciso uma verificação honesta

de qualquer anúncio, porque, para conhecer,

é preciso encontrar, permitir à pessoa que

tenho diante de mim que fale, deixar que

o seu testemunho chegue até mim. Temos

de lutar contra um nivelamento em jornais-

-fotocópias, uma informação construída

nas redações diante de computadores, nos

10 audácia


terminais das agências noticiosas, nas redes

sociais, sem nunca sair à rua.»

E o Papa Francisco termina: «Mexam-se!

Gastem as solas dos sapatos!»

Pois é assim que nascem as fake news, e

as notícias desatualizadas no tempo, e as

não-notícias, etc.

Ainda há poucos dias as redes sociais partilhavam

uma notícia do Cardeal Tolentino

Mendonça sobre o Chega – que era, evidentemente,

falsa notícia. E cada vez mais as

pessoas acreditam em tudo o que leem ou

veem na sua frente. Mesmo as coisas mais

absurdas. Há uns tempos, saiu no Facebook

uma fotografia do ator Harrison Ford ao lado

de um dinossauro a quem ele teria, segundo a

notícia, atingido com um tiro, e o pobre animal

caíra morto a seus pés. Vocês não imaginam

a quantidade de vozes que se ergueram ali

contra Harrison Ford, que a polícia o devia ter

logo prendido, que era uma vergonha, etc.

E não era uma pessoa nem duas, eram

dezenas e dezenas delas, a chorarem pelo

dinossauro barbaramente assassinado.

No Diário de Notícias tive um chefe que

podia ter montes de defeitos, mas que nunca

nos deixava copiar as notícias que vinham

das agências noticiosas. Líamos, em seguida

íamos verificar a veracidade e, depois, escrevíamos

pelas nossas próprias palavras.

E como não havia ainda computadores, se

queríamos notícias tínhamos de «gastar as

solas dos sapatos», como diria o papa, e ir por

aí fora. E se a notícia envolvia mais pessoas,

tínhamos de ouvir todas as partes.

Porque, também como diz o Papa Francisco,

só vendo é que temos bem a dimensão do

acontecimento, ou da verdade das palavras

das pessoas com quem falamos.

E só assim temos nas nossas mãos material

verdadeiro e diferente do que é

publicado nos outros jornais.

E só assim podemos escrever notícias

e reportagens e entrevistas

diferentes. Que consigam atrair a

atenção dos leitores. Que consigam

fazer com que os jornais não

fechem.

audácia

11


ARTE CURATIVA

mayamba está a pintar no seu

quarto enquanto vê um vídeo de chéri samba,

pintor popular.

quero estudar

belas-artes, para que

a minha pintura sirva

para ajudar, como faz

chéri samba.

muito bem.

o importante é que

sintas essa inspiração.

iremos ver a sua obra,

para que continues a

aprender.

foi adiada a inauguração

da nova exposição do

artista popular. tampouco

colaborará com a

campanha do governo para

prevenir doenças.

chéri samba perdeu

a inspiração e os seus

colaboradores dizem

que há dias que não

pega no pincel.

como?

porquê?

Sonia Fernández

Carla Fibla

12

audácia


uvumi sobrevoa a cidade.

procura animais que possam

dar-lhe alguma informação.

uvumi,

tenta averiguar

o que se passa.

o que se passa

com ele?

não é o mesmo.

não sai de casa.

está assim

há dias...

audácia

13


a serpente de mbembe dá o veneno do sono

a chéri, para que ele continue a dormir.

ah, ah, ah, ah, ah, ah!

as doenças

estender-se-ão.

quando

todos estiverem

desesperados,

apresentarei o remédio

milagroso.

sem chéri, não

poderão mentalizar a

população e disseminar-

-se-á a apatia.

com este

vírus,

controlarei o

mundo inteiro.

14 audácia


desacreditar chéri

samba foi de génio. e a minha

fiel serpente vai mantê-lo

a dormir. quem é mais esperto

do que eu?

chéri samba é um artista muito conhecido na república

democrática do congo. faz placares para consciencializar sobre

problemas sociais. explicou, por exemplo, as consequências da

guerra no país e a importância de manter a paz.

é o mais velho de dez irmãos. o seu pai era

ferreiro e a sua mãe, criadora de gado.

com 16 anos, deixou a escola

e começou a trabalhar,

pintando nas ruas de kinshasa.

fez parte do círculo de

artistas, onde também estavam

moko, bodo, samba, cheik cedu,

entre outros. em 1975, abriu

o seu estúdio.

começou a combinar desenho e textos para

que as pessoas se demorassem a ver.

em 1989, expôs no centro

pompidou de paris. também

no museu guggenheim

de bilbau, na bienal de

veneza...

em 1980, começa a assinar como

chéri samba. artista popular.

audácia

15


metade da minha

turma está doente. é um

vírus novo, que provoca

cansaço e apatia.

que descobriste,

uvumi? conta…

na minha turma

acontece o mesmo. se

chéri samba continuasse

a expor os seus placares

sobre a importância da

higiene, as pessoas teriam

mais cuidado.

é grave.

a serpente de mbembe

está a envenenar

chéri samba.

contra o cansaço

16 audácia


muasi compra na farmácia

uma embalagem do remédio

milagroso de mbembe.

já sabia. tenho

de acordar o chéri samba,

para que transmita a verdade

à população.

vou

introduzir-me no

seu sono. lembrá-

-lo-ei de quem é e do

como precisamos

dele.

audácia

17


o que é que me

aconteceu? tu,

quem és?

chéri volta a pintar sobre a importância de lavar as mãos.

está feliz. recuperou a vontade de trabalhar.

claro que

sim!

olá.

sou a doutora

muasi. descobri

que estão a vender

uma bebida que

provoca cansaço

e desmotivação.

pode ajudar-me

a difundir esta

informação?

18 audácia


vou perguntar

se posso

participar.

deve cuidar de

si: comer bem,

dormir e

vacinar-se.

cala-te!

não percebo

como é que

muasi conseguiu

despertá-lo.

maldição!

diga «não»

aos remédios

milagrosos.

devíamos ter

sido mais rápidos.

venceram-nos outra

vez, chefe!

fim

Fim

audácia

19


ABEL DIAS | PROFESSOR, DIRETOR DO SECRETARIADO DIOCESANO DA EDUCAÇÃO CRISTÃ

DA DIOCESE DE VISEU

A MAGIA DE CONVERSAR

Ouvires e saberes expressar o teu ponto de vista, numa linguagem clara e

acessível, na altura certa e no momento exato, a todos os que te rodeiam,

é a magia de saber conversar.

Já terás ouvido ou notado que, no mundo

atual, por vários motivos, falamos e conversamos

cada vez menos; que temos dificuldade

em comunicar, de forma verdadeira,

exprimindo o que pensamos e sentimos. Hoje,

temos dificuldade em ter conversas profundas

e prolongadas, em que partilhamos com

outros o que somos e sentimos.

Se também estás a perder essas experiências,

é urgente refletir. Na vida é essencial

mantermos relacionamentos, e saber conversar

é uma habilidade social que faz toda

a diferença na realização pessoal e social de

qualquer um de nós.

Poderás dizer que, atualmente, as conversas

estão a acontecer cada vez mais nos chats

das redes e plataformas digitais. É verdade

que podemos conversar no universo digital,

mas aí a comunicação é muito artificial e

superficial e não preenche a necessidade

que nós temos de relação, de comunicar com

todos os cinco sentidos.

CARA A CARA

Uma coisa que o confinamento nos está a

demonstrar é que, por muito que a tecnologia

evolua, não há nada que possa substituir uma

20 audácia


boa conversa cara a cara. Já pensaste como a

proximidade na conversa permite processar

uma quantidade infinita de informação que

o digital não permite? Lembras-te de como

alguém ficou corado quando se falava disto

ou daquilo? Como evitas – ou alguém evitou –

olhar nos olhos? Como riem imenso, como

têm um ar relaxado e tranquilo ou como estão

nervosos e ansiosos, como és amoroso, etc.?

Sobretudo, falar cara a cara evita muitos mal-

-entendidos. Com certeza, já experimentaste

mal-entendidos originados em SMS, mails,

fotografias e comentários que fazemos e

enviamos.

EMPATIA E SABER OUVIR

O segredo para uma boa conversa cara a cara

é a empatia. Carl Rogers, psicólogo americano,

diz que o maior obstáculo para uma boa

conversa é «a incapacidade do ser humano

de ouvir o outro com inteligência, habilidade

e compreensão».

A capacidade de saber ouvir é outro grande

segredo para conversar, pois qualifica e

dignifica a conversa com o interlocutor. Saber

falar é importante, mas saber ouvir também

o é. A conversa torna-se dinâmica, quando

todas as pessoas conseguem expor o seu

ponto de vista.

Regras básicas para teres uma conversa

são: olhares para a pessoa que fala em sinal

de escuta e respeito; e não interromperes

o outro quando fala, nem te ocupares com

outras coisas.

DESAFIO DO MÊS

• Neste tempo de Quaresma, procura

desenvolver alegres e interessantes

conversas com a tua família e com

as pessoas ao teu redor. Mantém as

refeições livres de dispositivos tecnológicos

que te impeçam de falar e ouvir.

Aproveita as tecnologias para falar

cara a cara com quem está distante.

• Conversa mais com Deus. Se necessário,

aprende a estar e a fazer silêncio

e a meditares na Sua Palavra. Pois a

oração é uma conversa amiga, com

sinceridade de coração, com um Pai

amoroso que sabe do que necessitamos

e tem gosto em nos ouvir e

atender.

123RF

audácia

21


MARIA MENDONÇA

FERNANDO NORIEGA

COFRE BEM GUARDADO

As riquezas de uma pessoa costumam ser depositadas no local mais seguro que ela

possua. E compreende-se. O que não se entende é por que razão se descuram tanto

outros haveres, como, por exemplo, os espirituais…

O

coração e a mente são os maiores

bens de um indivíduo. Todavia, não há

seguradora que lhes faça uma apólice

nem banco em cuja caixa-forte se possam

arrumar. E ainda bem, senão perderiam

todo o seu valor, porque o objetivo

é que rendam… cá fora!

Pegando neste tema,

Matilde mencionou

as diversas componentes

que constituem

o ser humano.

Ensina:

– Nós somos criaturas muito completas e

complexas. Temos todo um emaranhado de

constituinte biológica, “setor” psicológico,

“departamento” social e ainda um elemento

espiritual. Não admira que, de vez em

quando, se verifiquem alguns “curto-

-circuitos”… O que não é justificação

para nada, porque toda a

anomalia, em qualquer

circunstância, é para

22 audácia


Jesus, penetrando-lhes

os pensamentos,

perguntou-lhes:

«Porque pensais mal

em vossos corações?»

concertar! Isto para dizer que não são válidas

as chamadas desculpas de mau pagador para

fundamentar que: «Eu sempre fui assim!»,

ou: «Já estou velha para mudar…», ou: «Não é

defeito, é feitio»… até porque, como sabemos,

há uns feitios muito defeituosos… – graceja

a catequista. Ato contínuo, propõe a leitura

de Mt 9, 4: «Jesus, penetrando-lhes os pensamentos,

perguntou-lhes: “Porque pensais

mal em vossos corações?”.»

– Quer dizer que é no coração que começa

tudo? – questiona Joel.

– Não há dúvida que de um coração repleto

de maldade, amargura, mentira e aspereza

não virá coisa boa, mas por norma o mal

começa antes, no pensamento. Mente e coração

encontram-se em absoluta interligação

e tudo na nossa vida flui como se brotasse

de uma única fonte. As boas ou más ações

que praticamos são geradas em forma de

plano no pensamento e é quando descem

ao coração que são executadas.

– Mas o coração não é símbolo do amor e

do bem?! – surpreende-se Inês.

– Acho que o coração o que faz é espelhar

aquilo que vai dentro da pessoa, de bom ou

nem por isso... – atalha Filipe.

PENSA NISTO

Se Lhe pedirmos, Deus

guarda-nos o coração

e a mente em alta

segurança!

– Pois, senão era toda a gente muito boazinha

e sabemos que isso não é verdade!

– constata Cristina.

– Não será por acaso que diante de atitudes

mais frias e até desumanas se usa a expressão

«parece que não tem coração». O coração

é a nossa via de comunicação mais profunda

com os outros e com Deus. Se estiver poluído,

contamina tudo; se, pelo contrário, for

límpido, tem um poder incalculável de bem

– remata Matilde.

audácia

23


MIGUEL PINTO MONTEIRO e JOÃO MARTINS

CATARINA ROQUE

CARTÃO DE CIDADÃO

Cuidadosamente, serenamente, a

Ford Transit deslizava por entre

as ruas desertas de Lisboa.

A noite escura e fria descera já

sobre a cidade, e os voluntários da

Comunidade Vida e Paz davam andamento

a mais uma das noventa voltas

semanais, para levarem abrigos, palavras

de conforto e comida calorosa

a pessoas sem-abrigo.

Abandonaram o calor aconchegante

das casas onde moravam, para voluntariamente

socorrerem, de coração

escancarado, moradores de rua com

frio e vulneráveis.

Não sabiam se voltariam a encontrar

o Sr. Manuel ou o Sr. José da volta

da semana passada. Na verdade, os

voluntários de boa vontade sonham

não precisar de encontrar vivalma nas

ruas noturnas de Lisboa.

A carrinha prosseguia com os faróis

a auxiliar a atenção dos ocupantes,

sempre alerta aos mínimos pormenores

indicadores de necessidade de

socorro. Por fim, estacionou no local

combinado, e os voluntários, conversando

num tom de oração, aguardaram

a chegada dos moradores da rua.

A porta lateral da Ford deslizou,

abrindo a generosidade e estendendo

um prato de sopa fumegante.

A acompanhar o gesto, os voluntários

diziam: «Boa noite, como está?

Temos cobertores, sopa de feijão-

-vermelho acabadinha de fazer e algumas

sandes.»

Um senhor estendeu a mão, acolhendo,

com gratidão no olhar, a sopa

e os cobertores. Depois, exclamou

com evidente felicidade: «Já tenho o

cartão de cidadão!»

Era o Sr. Manuel.

Os voluntários conhecem a maior

parte das pessoas que vivem nas

ruas. Todavia, procuram conquistar

pouco a pouco a sua confiança, e,

de modo particular, a de aqueles que

encontram pela primeira vez. Eles fazem-no

ouvindo mais e perguntando

menos. E, porque o desejo é oferecer-

-lhes o abrigo que merecem, esperam

o momento certo para convidar cada

pessoa a deslocar-se ao Espaço Aberto

ao Diálogo. Ali, as técnicas da Segurança

Social e do Instituto do Emprego

e Formação Profissional, solícitas a

oferecer soluções adequadas a cada

circunstância, continuam a alimentar

a boa disposição das pessoas como

o Senhor Manuel, cidadãos portugueses,

alegres por possuírem o cartão

do cidadão, que lhes concede direitos

e deveres na sociedade.

24 audácia


audácia

25


TROCAR VIDA POR VIDA ANTÓNIO DIONÍSIO DANIELA CALDEIRA

PIATTA, NOS ALPES ITALIANOS, EM 1905.

JOSUÉ DEI CAS,

ÉS O MAIS VELHO

DOS OITO IRMÃOS…

PRECISAMOS

DOS TEUS

BRAÇOS FORTES

NOS CAMPOS.

É DOMINGO.

VOU À MISSA E

À CONFISSÃO.

NA IGREJA…

SOU O P. e PAULO,

MISSIONÁRIO

COMBONIANO. ANUNCIO

O EVANGELHO EM

CARTUM, SUDÃO.

MAS NÃO É

PRECISO SER PADRE

PARA IR COMO

MISSIONÁRIO PARA

A ÁFRICA.

VOU SER

MISSIONÁRIO!

MAIS TARDE, EM CASA…

PORQUE NOS

QUERES DEIXAR?

QUE MAL TE

FIZEMOS?

UM ANO DEPOIS, JOSUÉ DEI CAS

APRESENTA-SE NOS MISSIONÁRIOS

COMBONIANOS EM VERONA…

NÃO SE AFLIJAM.

QUANDO UM FILHO SE

ENTREGA A DEUS, ELE

TOMA O SEU LUGAR

NA FAMÍLIA.

ÉS DEMASIADO

RÚSTICO, SIMPLÓRIO.

NÃO ACHO BEM

ADMITIR-TE.

PROPONHO

QUE ELE

FIQUE

COMO

ASPIRANTE.

LOGO SE

VERÁ.

ACEITO.

26 audácia


NO ANO SEGUINTE, JOSUÉ CHEGA A ÁFRICA…

DESTINARAM-ME

À MISSÃO DE TONGA!

OBRIGADO POR ME

RECEBER!

VENS À

EXPERIÊNCIA.

É UMA MISSÃO

RECÉM-CRIADA.

EM TONGA…

VAMOS

TERRAPLANAR

800 METROS,

ENTRE A MISSÃO

E O RIO NILO, PARA

ATRAVESSARMOS

A PÉ ENXUTO

ESTE PÂNTANO.

ÓTIMA

DECISÃO!

AJUDAREMOS.

NOS DIAS SEGUINTES…

VAMOS

ABRIR UM

POÇO,

PARA

TERMOS

ÁGUA

POTÁVEL.

QUAL A NECESSIDADE

DE ABRIR UM POÇO, COM

TANTA ÁGUA NO RIO?!...

NÃO SÃO

VOCÊS QUE A

CARREGAM!...

PARA ABASTECER

A DESPENSA, VOU

ENSINÁ-LOS A CAÇAR

PATOS SELVAGENS

NO RIO.

audácia

27


APRENDERÃO

A AMASSAR BARRO

E COZER TIJOLOS,

PARA AS CASAS,

A IGREJA E AS

ESCOLAS.

O IRMÃO

JOSUÉ É

MUITO

SIMPÁTICO!

E ESTÁ SEMPRE

DISPONÍVEL. HOJE,

PODERIA VISITAR A

MINHA AVÓ, QUE ESTÁ

DOENTE?

GOSTAMOS DE

TRABALHAR CONSIGO.

APRENDEMOS VÁRIOS

OFÍCIOS.

NESSA TARDE…

FALE-ME DESSE

JESUS CRISTO,

QUE É DEUS

CONNOSCO.

A FILHA DA IDOSA DOENTE SERVE

COMIDA A JOSUÉ E À MÃE...

VENHO EM NOME DE

JESUS CRISTO, QUE SARAVA

AS DOENÇAS FÍSICAS E DO

ESPÍRITO.

ESTE PRATO

É PARA SI,

IRMÃO JOSUÉ.

OBRIGADO.

A SUA MÃE E EU

COMEREMOS DO

MESMO PRATO.

NA MISSÃO…

TODOS FALAM DE

TI COMO HOMEM BOM

E SANTO. ÉS MISSIONÁRIO

COMBONIANO DE PLENO

DIREITO.

28 audácia


QUINZE ANOS DEPOIS, JOSUÉ ESTÁ

NUMA NOVA MISSÃO ENTRE

O POVO DINCA.

NOTEI UMAS

ESTRANHAS FERIDAS

NAS TUAS MÃOS,

JOSUÉ.

GOSTARIAS DE IR

PARA KORMALAN, NO

SUL DO SUDÃO, ONDE

HÁ LEPROSARIA?

SEREI O

SERVIDOR

DOS OUTROS

DOENTES.

O MÉDICO

DIAGNOSTICOU-ME

LEPRA.

ONDE

ENCONTRA

RAZÕES PARA

ESTAR SEMPRE

ALEGRE?

PESCO, CUIDO

DA HORTA E DO GADO,

AJEITO OS CAMINHOS

E OS CANTEIROS. A

LEPROSARIA PODE

SER UM PARAÍSO

TERRESTRE.

SENHOR, EU ESTOU

LEPROSO. O IRMÃO CORNEO

É JOVEM E FORTE. TOMA

A MINHA VIDA E DEIXA

A DELE.

O IRMÃO JOSUÉ RECEBE A VISITA DE

UM COLEGA MISSIONÁRIO…

O JOVEM

IRMÃO

CORNEO

TEM FEBRE

NEGRA. ESTÁ

ÀS PORTAS

DA MORTE.

A DEUS

NÃO CUSTA

NADA FAZER

MILAGRES.

DEUS ACEITOU

A TROCA. NA HORA

EM QUE O IR. JOSUÉ

DEI CAS EXPIRAVA,

O IR. CORNEO

LEVANTAVA-SE

DA CAMA CURADO.

FIM

audácia

29


A DANÇA DOS

GÉNIOS DA FLORESTA

Baseado numa fáBula do Japão, esta pequena peça de teatro ensina

que a alegria e a generosidade atraem experiências maravilhosas.

por sua vez, a raiva e o egoísmo atraem o mal e a solidão.

Personagens: Narrador, Tse, mãe de Tse, pai de Tse, Yung, mãe de Yung,

pai de Yung, rapaz, menina e génios.

Narrador: Num lugar distante, nasceram dois

meninos no mesmo dia e à mesma hora. E,

para surpresa da aldeia, tinham a mesma

deficiência física: um nódulo na testa.

Tse (no quarto): A minha família é orgulhosa.

Acreditam que são melhores do que os

outros. Têm vergonha de mim. Vão esconder-

-me aqui.

Mãe de Tse (na sala): É horrível olhar o

nosso filho e ver aquela protuberância

tão feia.

Pai de Tse (na sala): Vou falar com outro

médico para a remover.

Mãe de Tse: Já o fizemos, e foi inútil.

Pai de Tse: Podemos cobrir-lhe a testa com

um chapéu.

Yung (a brincar no jardim): A minha família

é humilde e tranquila. Todos são afetuosos.

Mãe de Yung (no jardim): O nosso filho requer

mais amor do que qualquer outra criança.

Pai de Yung: Estamos a educá-lo com enorme

afeição. Ensinamos-lhe que vale muito e que

123RF

30 audácia


a imperfeição na testa não tem de o fazer

sentir-se envergonhado.

Narrador: Os meninos cresceram. Tse sentia-

-se infeliz e tornou-se furtivo, complexado e

triste. Yung cresceu como um menino normal

e não se escondia quando troçavam dele.

Rapaz: Ah, ah, ah, o Yung é um monstro.

Menina: Se eu tivesse uma cara como a tua,

processava os meus pais.

Yung: Riam, riam. Mas riamo-nos juntos, que

eu aprendi a brincar com o meu defeito.

Rapaz: És um bom amigo, Yung.

Menina: E tens uma alegria imperturbável.

Yung: Também sou curioso e aventureiro.

Amanhã, querem vir comigo à floresta?

Rapaz: O que vais lá fazer?

Yung: Dizem que há uns génios da floresta.

Quero vê-los.

Menina: Verdade?! Vamos!

Narrador: Yung e os amigos entraram na floresta

e, sem que se dessem conta, anoiteceu.

De repente, ouviram vozes festivas.

Rapaz: Vamos aproximar-nos cautelosamente.

Menina: Há uma fogueira...

Yung: E um grupo de seres fabulosos que

dançam ao redor do fogo.

Todos: Os génios da floresta!

Génios: Venham dançar connosco!

Narrador: Os génios ficaram tão satisfeitos

com a alegria de Yung que não queriam que

ele partisse. Então, arrancaram-lhe o nódulo

da testa.

Génio: Vamos ficar com isto para que voltes

com os teus amigos e dancem connosco.

Narrador: Yung voltou para a aldeia sem o

nódulo e todos ficaram impressionados. Ele

contou o que tinha vivido. Tse ouviu-o e

pensou que era a sua grande oportunidade.

Tse: Yung, empresta-me as tuas roupas para

que possa passar por ti. Dessa forma, os génios

também removerão esta protuberância

irritante.

Narrador: Tse foi sozinho para a floresta. Viu

os génios e aproximou-se rapidamente.

Génios: Vem dançar connosco!

Tse: Não quero dançar convosco. Só quero

livrar-me do nódulo. Tirem-mo já!

Génio: Fica com o teu nódulo!

E toma o que era de Yung. Vai, é

a hora de partires. E não te preocupes

em voltar cá.

audácia

31


MARIA FILOMENA SILVA | JORNALISTA

UMA FLORESTA

NO DESERTO

VIVIENNE HARR COMEÇOU AOS 8 ANOS A LABUTAR PELO BEM COMUM.

ESTÁ HÁ MUITO HABITUADA A PÔR ALTO AS SUAS FASQUIAS E A TRABALHAR

COM PERSISTÊNCIA PARA AS ALCANÇAR.

Plantar sete milhões de árvores nos países

desertificados da região do Sahel,

em África, nos próximos meses e anos

é uma tarefa imensa. Mas, aos 16 anos, a jovem

americana Vivienne Harr – principal rosto

desta iniciativa chamada Laudato Tree, que

congrega jovens de muitos países, incluindo

os da própria região africana tão desertificada

– não perde a boa disposição, nem o sorriso.

LUTA CONTRA TRABALHO INFANTIL

Vivienne tinha apenas 8 anos quando viu

uma fotografia que a chocou – e mudou a

sua vida e a de muitas outras crianças no

mundo. A imagem mostrava dois

miúdos como ela, do Nepal, a

carregar pedregulhos quase

tão grandes como eles numa pedreira, e sem

esperança de outra vida que não aquela.

Percebeu que tinha de fazer alguma coisa, e

não perdeu tempo.

No dia seguinte já tinha montado à porta de

casa uma banca de venda de limonada para

angariar fundos contra o trabalho infantil.

Durante um ano inteiro, fê-lo diariamente,

sem falhas, e ao 52. 0 dia, a sua persistência

chamou a atenção da imprensa, das rádios e

das televisões, o que por sua vez despertou

o interesse de muitas pessoas que, de vários

cantos do mundo, ajudaram a financiar a sua

campanha. Vivienne conseguiu angariar mais

© 123RF

32 audácia


de um milhão de dólares para diferentes

organizações internacionais de combate ao

trabalho infantil. E não parou mais. «A compaixão

não é compaixão sem ação», diz ela.

LAUDATO TREE

Inspirado na mensagem do Papa Francisco

sobre a necessidade urgente de cuidarmos do

nosso planeta, que ele expressou de forma

extraordinária na encíclica Laudato Si’, à qual

alguém já chamou «uma constituição global

para a ecologia», o projeto Laudato Tree pretende

ser um contributo para ajudar a sarar

o planeta, que tem sido tão excessivamente

explorado nos seus recursos, na última centena

e meia de anos, para benefício exclusivo

de um escasso punhado de seres humanos.

O Laudato Tree, na esteira da filosofia

humanista e regeneradora defendida pelo

Papa Francisco, é um projeto de todos e

para todos. A meta é plantar sete milhões

de árvores – o que já está em curso neste

preciso momento –, contribuindo para travar

o processo de desertificação nos países do

Sahel, criar empregos verdes, melhorar a

agricultura, combater as alterações climáticas

e criar melhores condições de vida para as

populações daqueles países, que se sucedem

ao longo de mais de oito mil quilómetros.

UMA TAREFA GIGANTESCA

Vivienne Harr é de Fairfax, cidade do Estado

da Virgínia, nos Estados Unidos,

onde frequenta o liceu de San Andreas.

Já está habituada a metas difíceis. Foi

por isso, aliás, que o criador do projeto

Laudato Tree, Don Mullan, um ativista dos

direitos humanos, lhe propôs em abril

de 2020 que se tornasse a coordenadora

do projeto para os jovens. Vivienne não

hesitou e desde então não tem parado, a

divulgar a ideia e de mobilizar os jovens

como ela.

Tu e todos podemos

ajudar?

Sim. Está lá tudo no sítio do projeto:

www.laudatotree.org.

audácia

33


ÁFRICA G. GÓMEZ

VANE

AMIWO COM FRANGO

gostaria de lhes

ensinar a preparar um prato

de que gosto muito:

o amiwo com frango.

INGREDIENTES

• 1 frango cortado em quatro bocados

• 500 g de farinha de milho

• 200 g de tomate

• 300 g de polpa de tomate

• 100 g de camarões triturados

• 25 ml de azeite

• 1 pitada de pimentão-doce

• 3 cebolas

• 2 pimentos verdes

• 3 dentes de alho

• sal

• Água

34 audácia


1

coze o frango em Água com

sal e dois dentes de alho

esmagados no almofariz.

PREPARAÇÃO

2

passados

15 minutos, retira

o frango,

escorre-o, frita-o

numa frigideira com

um fio de azeite

e reserva.

3

PURÉ (O AMIWO)

refoga duas cebolas,

um alho picado, a polpa de

tomate, os camarões e o

pimentão-doce. Junta duas

chÁvenas do caldo da cozedura

do frango e deixa ferver.

4

mistura 100 gramas

da farinha com Água

e Junta ao puré.

tapa e deixa ferver

15 minutos. em seguida,

vai acrescentando o resto

da farinha, mexendo com

uma colher de pau até

obter uma espécie de

bechamel.

5

GUARNIÇÃO

pica uma cebola e corta em

cubinhos os tomates e os pimentos.

Junta três colheres de sopa de

caldo da coação do frango.

6

serve-se o frango frito

acompanhado com bolas

do puré e rega-se com a

guarnição.

audácia

35


ANTHONY DE MELLO

FERNANDO NORIEGA

COMO SE

FABRICA UM PAI?

No ateliê do Céu, reuniram-se os mais

distintos arquitetos, os mais afamados

engenheiros e os melhores operários

celestiais. O projeto era fabricar o pai perfeito.

– Deve ser forte – sugeriu um.

– Também doce – acrescentou outro.

– Deve ter firmeza e mansidão. Tem de

saber dar bons conselhos. Deve ser justo

quando tomar decisões, alegre e compreensivo

nos momentos de ternura – comentou

um terceiro.

– Como se pode pôr tantas coisas num só

corpo? – perguntou um operário.

– É fácil – respondeu um engenheiro. – Só

precisamos de criar um homem com a força

do ferro e que tenha um coração de rebuçado.

Todos se riram da proposta. Nesse momento,

ouviu-se uma voz. Era o Mestre, o dono

do ateliê do Céu.

– Vejo que, finalmente, começaram – comentou

a sorrir. – A tarefa não é fácil, bem

sei, mas não é impossível, se puserdes nela

vontade e amor.

36 audácia


Então, tomando nas suas mãos um punhado

de terra, começou a dar-lhe forma.

– Terra? – perguntou, surpreendido, um dos

arquitetos. – Pensei que o fabricaríamos de

mármore ou pedras preciosas!

– A terra é necessária para que seja humilde

– retorquiu o Mestre. Em seguida, estendeu

a mão, colheu ouro das estrelas e juntou-o

à massa.

– Isto é para que, nas aflições, se ilumine

e se mantenha firme.

Por fim, adicionou amor e sabedoria. Então,

deu-lhe forma e soprou-lhe o seu alento.

O boneco de barro ganhou vida. Faltava-lhe,

porém, algo. No seu peito permanecia um

buraco.

– O que porá aí? – quis saber um operário.

O Mestre, abrindo o seu próprio peito, tirou

o seu coração, arrancou-lhe um pedaço e pô-

-lo no centro do buraco.

– Porque fez tal coisa? – interrogou um

anjo obreiro.

Ainda a sangrar, o Mestre respondeu:

– Isto fará que me procure nos momentos

de angústia; que seja justo e reto; que perdoe

e corrija com paciência; que esteja disposto

a sacrificar-se pelos seus e que encaminhe

os seus filhos com o seu exemplo. Porque,

quando tiver terminado a sua tarefa de pai

na terra, regressará para mim. Eu, extasiado

com o seu bom trabalho, dar-lhe-ei um lugar

aqui no Paraíso. Estender-lhe-ei a mão,

descansará no meu peito e terá Vida Eterna.

Pois Eu também sou Pai e por ele, pelo seu

bem, para lhe dar a vida, arranquei do meu

coração um pedaço de amor e o pus no seu

peito. Fi-lo para que regresse a mim, guiado

pelo sangue que derramei por ele na cruz,

para lhe dar perdão, para lhe mostrar que,

apesar da exigência e dureza de ser pai,

quando estender os seus braços e perdoar,

a recompensa é alegria, amor e vida eterna.

audácia

37


LUÍS ÓSCAR | Jornalista

EMIGRANTE ATÍPICO

Chegou à Europa muito mais cedo do

que a maioria dos adolescentes africanos

que, aos milhares, tentaram a

sorte em clubes de todas as divisões, muitos

destes sem condições para acolher jovens

desamparados e apenas motivados pela

ilusão de vingarem no futebol.

Com Didier foi diferente. Tinha apenas 5

anos quando os pais o enviaram para França,

na esperança de que o tio Michel Goba,

profissional de futebol, lhe proporcionasse

um futuro melhor, fugindo à vida difícil em

Abidjan, a maior cidade da Costa do Marfim.

A adaptação foi difícil e, três anos depois,

regressou à casa dos pais. De França levou

o gosto acrescido pelo futebol e, nos três

anos seguintes, jogou todos os dias, num

parque de estacionamento. Até os pais perderem

o emprego e mandarem-no de volta

para o tio. Conseguiram juntar-se-lhe, com

os irmãos, nos arredores de Paris, quando

Didier já tinha 15 anos e tentava compensar

as más notas na escola com boas exibições

em clubes amadores.

A carreira de Didier Drogba foi ascendente,

apesar de só se ter profissionalizado aos 21

123RF

JESÚS LÓPEZ

38 audácia


anos e de só ter dado o salto para a fama aos

24, quando se cruzou com o treinador português

José Mourinho em Marselha, num jogo

da Liga dos Campeões. O FC Porto ganhou

(3-2), mas Mourinho não tirou os olhos do

ponta de lança do Olympique. Meses depois,

contratou-o para o Chelsea, onde o melhor

marcador de sempre da Costa do Marfim (65

golos) se tornou um ídolo, do clube londrino

e de fãs de todo o mundo.

Os 100 golos obtidos, entre 2004 e 2012,

pelos blues, onde também se treinou orientado

por André Villas-Boas, foram mais do

que um número bonito. Muitos decidiram

várias conquistas coletivas (como a Liga dos

Campeões de 2012) e justificaram prémios

individuais que foi somando, a ponto de o

colocarem no pódio dos mais importantes

futebolistas africanos, ao lado do camaronês

Samuel Eto’o e do liberiano George Weah.

A Fundação

Didier Drogba foi

criada em 2007 para apoiar

jovens, no desporto ou em

qualquer outra área.

123RF

INSPIRADOR

Exímio marcador de livres, Drogba é

recordado pela forma como se agigantava

nos grandes desafios, tendo

marcado dez golos em outras tantas

finais e, com eles, ajudado a conquistar

todos esses troféus. Mas o homem que,

nos relvados, manifestava o seu catolicismo

festejando os golos de joelhos

passou a ser ainda mais respeitado pelo

contributo para a pacificação do seu

país. Em 2005, após importante vitória

da seleção, aproveitou a TV para fazer

um bem-sucedido apelo ao fim da guerra

civil, que se arrastava havia cinco anos.

Ninguém estranhou quando, em outubro,

lhe foi entregue o Prémio Presidente

da UEFA. Atento às questões sociais em

África, foi embaixador da boa vontade do

PNUD – Programa das Nações Unidas para

o Desenvolvimento e, desde que terminou

a carreira de futebolista, em 2018,

aumentou o seu envolvimento na

Fundação Didier Drogba, criada

em 2007 para apoiar jovens,

no desporto ou em qualquer

outra área. A fundação já construiu

escolas e um hospital,

em Abidjan, imediatamente

disponibilizado às autoridades

marfinenses para funcionar como

centro de deteção da covid-19.

audácia

39


JORGE FERREIRA | Jornalista

COMO FALA DEUS HOJE CONNOSCO?

O

Bruno pergunta à catequista, no Zoom:

– Na Bíblia, Deus fala às pessoas, verbalmente

ou por sonhos. Hoje, já não

fala connosco? Se fala, como é que o faz? Eu

gostava de falar com Ele.

– Sim, Deus fala – responde a catequista. – E,

tal como nós fazemos, Ele comunica usando

meios que todos podemos entender. Deus

fala connosco por meio da nossa inteligência,

isto é, inspira o nosso raciocínio, para melhor

procedermos com o que vemos, ouvimos,

sentimos, desejamos.

– Se é assim, Deus fala com toda a

gente – intervém a Helena.

– Tens razão. Vou dar-lhes um

exemplo. Nós temos a Bíblia, escrita

por pessoas ligadas ao povo

judeu, a quem Deus inspirou

para registar a sua mensagem

para todo o mundo.

Todavia, outras pessoas, de

outras culturas, também

escreveram textos que facilmente

associamos aos

bíblicos. Dou-vos um exem-

plo: a fábula-mito do cuidado, escrita por Caio

Júlio Higino, nascido na Península Ibérica,

em Valência dos Edetanos, no ano 64 a. C., e

falecido em Roma:

«Certo dia, Cuidado viu um pedaço de barro

e teve logo uma inspiração. Tomou um pouco

de barro e começou a dar-lhe forma. Enquanto

© 123RF

40 audácia


contemplava o que havia feito, apareceu Júpiter.

Cuidado pediu-lhe que soprasse espírito

nele, o que Júpiter fez de bom grado.

Cuidado quis dar um nome à criatura que

havia moldado, porém, Júpiter exigiu que lhe

fosse conferido o seu nome. Júpiter e Cuidado

discutiam, quando surgiu a Terra. Ela também

quis atribuir o seu nome à criatura, pois fora

feita de barro. Pediram, então, a Saturno que

arbitrasse. Este tomou a seguinte decisão, que

pareceu justa:

– Júpiter, deste-lhe o espírito; receberás

de volta o espírito por ocasião da morte da

criatura. Terra, deste-lhe o corpo; receberás de

volta o seu corpo quando a criatura morrer.

Cuidado, porque moldaste a criatura, ela ficará

sob os teus cuidados enquanto viver. E, acerca

do nome, decido eu: a criatura será chamada

Homem, isto é, feita de húmus, que significa

terra fértil.»

Conclui a Joana:

– O que Higino escreveu faz lembrar

o relato da criação no livro dos Génesis.

Usou termos da sua cultura

greco-romana: a Deus Pai chamou

«Júpiter», e facilmente identificamos

o Espírito Santo na figura do

«Cuidado»...

E a catequista desfecha:

– Mostrar a todos os povos

quem é o verdadeiro Deus a quem

atribuem outros nomes é a tarefa

da catequese.

APOIAR OS

SEMINARISTAS DE

IBAGUÉ (COLÔMBIA)

N

o

Seminário Maior de Maria Imaculada,

da arquidiocese de Ibagué (Tolima),

Colômbia, há neste ano letivo 48

jovens que estudam Filosofia e Teologia e se

preparam para ser sacerdotes. Para poder

permanecer no seminário e realizar a sua

vocação, contam com o apoio das famílias

e das comunidades paroquiais. No entanto,

alguns provêm de famílias de escassos

recursos e devido à difícil situação social e

económica, agravada pela pandemia, têm

muitas dificuldades em conseguir ajudas.

Assim, queremos colaborar na formação

destes jovens, ajudando-os a pagar as propinas

escolares e mensalidades.

A revista Audácia, com o Projeto 2/2021,

contando com a generosidade dos seus

leitores, quer contribuir com 5000 euros.

Se deseja participar, pode mandar a sua contribuição por

cheque bancário, vale postal, transferência bancária para

o IBAN PT50 0007 0059 0000 0030 0070 9 (neste caso

deve indicar-nos – editalemmar@netcabo.pt ou 213 955

286 – que a transferência se destina ao Dá a Mão), ou

online (https://www.combonianos.pt/doar) selecionando

a opção “projeto solidariedade Além-Mar”.

audácia

41


FERNANDO FÉLIX

DANIELA CALDEIRA

os cabo-verdianos

Cabo Verde é país insular no oceano

Atlântico, constituído por 10 ilhas e

8 ilhéus a 570 quilómetros da costa

ocidental de África. Tem 544 mil habitantes

e cerca de um milhão de emigrantes em

países da Europa – 200 mil em Portugal –,

Brasil e Estados Unidos.

CURIOSIDADES

O cabo Verde, que dá nome ao país, não

fica no arquipélago, mas a cerca de 580

quilómetros, no Senegal.

Em 1460, o navegador português Diogo

Gomes chegou ao arquipélago e começou

o povoamento, que se estendeu por 400

anos, desde a primeira ilha, Santiago, até

OS CABO-VERDIANOS

CABO-VERDE

42 audácia


à última, Sal. A Cidade Velha, em Santiago,

foi o berço da nação. Tornou-se feitoria do

comércio de escravos da África para a América.

Estes factos são a base da sociedade

cabo-verdiana: uma miscigenação de genes

e culturas europeia e africanas do Senegal,

Gâmbia, Mali e Guiné-Bissau, em que as

pessoas com tom de pele mais claro são

apreciadas, enquanto as mais escuras são

discriminadas.

Os cabo-verdianos, seja no país, seja na

diáspora, falam crioulo, que nasceu no

tempo colonial como transformação do

português como forma de todas as etnias

se entenderem.

A cultura do país faz-se com tecelagem,

cerâmica, pintura, literatura, música e

culinária. As músicas e danças tradicionais

são a coladeira, o batuque, o funaná e a

morna. Esta difundida pela cantora Cesária

Évora e é símbolo nacional. Retrata o amor

pela terra e a tristeza de ter de deixar do

país. Cabo Verde importa mais de 80 %

do que consome. Muitas famílias dependem

da ajuda de parentes que residem no

estrangeiro.

A culinária faz-se com milho, feijão,

batata-doce e mandioca. Os pratos típicos

são a cachupa – um cozido com diferentes

carnes, feijão e milho; a djagasida – papa

de farinha de milho com feijão; o xeren

– milho com leite de coco; e o kuskus –

pastel de farinha de milho.

O animado Carnaval de Mindelo recebeu

o título Brazilim, o pequeno Brasil.

As belezas do território são unificadas na

ultramaratona da Boavista, de 150 quilómetros,

que vai das praias cristalinas ao

deserto, passando pela montanha.

Nove em cada dez cabo-verdianos são

católicos. Nas práticas religiosas do batismo,

casamento, funerais, nas festas de

santos e romarias, vivem-se valores como

a solidariedade com o semelhante.

audácia

43


123RF

MARGARIDA BROTAS | BIÓLOGA

CONHECE E PROTEGE

A FLORESTA TROPICAL PLUVIAL

Este ecossistema, presente em regiões de clima quente e de muita

chuva, é o habitat de cerca de metade das espécies vegetais e animais.

As florestas tropicais pluviais existem

no norte da América Central e do Sul,

Ásia, África e na Austrália. Localizam-

-se na faixa do equador, região da Terra que

recebe luz direta, sendo por isso zonas de

temperaturas elevadas. Durante o dia, em

qualquer altura do ano, a temperatura média

é de 29 0 C. São dos ecossistemas mais

húmidos do mundo. Chove todo o ano, não

havendo estação seca. A maior floresta tropical

é a Amazónia.

44 audácia

FLORA DESTE ECOSSISTEMA

Nas florestas tropicais pluviais existe elevada

biodiversidade. Os cientistas estimam que

contenham cerca de metade das espécies

vegetais da Terra.

A sua densa cobertura vegetal forma três

camadas em altitude. A do topo é composta

por árvores gigantes que podem atingir até

75 metros de altura. Esta camada não deixa

que a maior parte da luz solar chegue ao solo.

A do meio é composta por palmeiras, trepa-


deiras, fetos e outras árvores mais pequenas.

Já a camada mais baixa está coberta de folhas

e restos de plantas.

A falta de luz solar, a humidade e as chuvas

desgastam e levam à decomposição da vegetação

no chão. Por isso, os solos neste tipo

de ecossistema são bastante pobres. Neles

costumam estar bactérias e outros pequenos

organismos.

FAUNA DESTE ECOSSISTEMA

Os cientistas também estimam que as florestas

tropicais pluviais sejam o habitat de

cerca de metade das espécies animais do

mundo, embora só cubram 6% da área do

nosso planeta. Significativo é que, apesar de

existirem muitas semelhanças no que toca

a clima e composição dos solos entre as

diversas florestas tropicais espalhadas pelo

mundo, cada uma é única quanto às espécies

que possui. Em relação a animais, podes encontrar

macacos, símios, preguiças, tucanos,

araras, jacarés, sapos e muitas espécies de

insetos de diferentes famílias.

PROTEGER ESTE ECOSSISTEMA

A exploração de minas e das madeiras;

agricultura e pastagens intensivas e não

sustentáveis; comércio de espécies exóticas;

construção desenfreada de estradas e cidades

têm vindo a prejudicar as florestas tropicais

pluviais.

A 21 de março celebra-se o Dia da Floresta e

da Árvore. Poderias sugerir, em casa e/ou na

escola, um debate sobre como ajudar a salvar

uma floresta pertencente a este ecossistema

e a sua biodiversidade. A Audácia sugere-te

alguns cuidados: não comprar móveis de

madeiras com origem em desflorestação; ser

sóbrios no consumo de produtos com soja;

defender os povos indígenas e as espécies

protegidas que nelas vivem…

audácia 45


40 horas x 4

semanas são 160

horas.

agora,

1000 euros a

dividir por 160

horas…

já sei de

quanto dinheiro

preciso.

bolas!

faltam-me

cinco euros.

mas bia conta a ideia

a lucas e…

podes

emprestar-me os

cinco euros?

claro!

aqui os

tens.

46 audácia

ÁFRICA GONZÁLEZ

FERNANDO NORIEGA


obrigada!

agora, só preciso de um

banco e deste envelope.

papá, papá!

feliz dia do

pai!

obrigado,

bia! eia! tanto

dinheiro!...

é o que

ganhas a

trabalhar duas

horas.

assim, em vez de

ires trabalhar,

podes passá-las

comigo.

ah, ah, ah!

que ideia

genial! e o

banco?

é para te

dar outro

presente…

amo-te,

pai!

fim

audácia

47


FERNANDO FÉLIX | JORNALISTA

magia do cinema

sobre o filme

Título: Lady Buckit and the Motley

Mopsters

Realizador: Adebisi Adetayo

Género: Animação

Duração: 1h20

Amostra:

https://youtu.be/l1lnckdKP4E

ATITUDES PARA INFLUENCIAR

A

Nigéria,

país gigante no coração de

África, inscreveu o seu nome na

história do cinema de animação nos

finais de 2020. Foi em Lekki, bairro dinâmico

de Lagos, a capital económica da nação,

que nasceu Lady Buckit and the Motley

Mopsters, a primeira longa-metragem de

animação feita por nigerianos.

Este feito é muito significativo. A Nigéria

conseguiu-o apesar de não ter uma indústria

dedicada à produção de cinema para o

público infantil. E o filme dá protagonismo

às crianças africanas para falarem de si à

África e à Humanidade – porque as crianças

de todo o mundo podem aprender com as

civilizações que existiram em África, e cuja

herança faz parte da personalidade e da

cultura africanas.

O filme remete para a época pré-colonial,

em que ainda não tinham chegado a África

os colonizadores brancos. Em Oloibiri,

no delta do Níger, numa comunidade de

pescadores e agricultores, conhecemos

Buckit, uma menina de 8 anos. Ela leva

uma vida feliz, mas é muito egocêntrica.

Quando é confrontada com acontecimentos

e pessoas que vão mudar o futuro da sua

terra, tem de tomar uma atitude que terá

repercussões na sua vida, na sua família

e nos seus amigos.

48 audácia


navegar no ciberespaço

www.museudamarioneta.pt

TEMA: FANTOCHES

O teatro de fantoches ou marionetas pode ser

uma experiência criativa e divertida. É fácil criar

os bonecos com materiais à mão. O espetáculo é

feito de improviso ou com textos elaborados. Para

te inspirares, podes fazer uma visita virtual ao

Museu da Marioneta. O roteiro sugere uma viagem

no tempo a tradições antigas da arte, e outra a

África, Brasil e México.

Guiss Guiss Bou Bess

som para curtir

DJ SWITCH

Erica Tandoh, de 13 anos, é DJ Switch, nome que

exprime a sua vontade de mudar o mundo. Ela

venceu o Talented Kids no seu país, Gana, em 2017

e tem acumulado prémios de melhor DJ do ano.

Ela também é poeta, dançarina, atriz, palestrante

motivacional ao redor do mundo e filantropa.

Criou e dirige a Fundação DJ Switch, que defende

educação e saúde de qualidade e a igualdade de

género. Quer ser ginecologista, para garantir as melhores

condições

às mães e aos

bebés na hora de

trazer uma nova

vida ao mundo.

Ouve aqui: https://youtu.

be/18mOhGnM_

YE

livros, um mundo a descobrir

A FLOR DO CORAÇÃO

O livro faz uma analogia entre flores e pessoas.

As flores têm múltiplas cores, formas e cheiros;

são admiradas em jardins e campos; são oferecidas

para expressar afeto, ornamentam festas; produzem

aromas; com a ajuda dos polinizadores, dão

fruto. Refletindo sobre como as flores cumprem a

sua vocação, a autora faz o paralelo

com as pessoas.

AUTOR: MARIA DE LURDES SOARES

EDITOR: PAULINAS

RUA FRANCISCO SALGADO ZENHA, 11

2685-332 PRIOR VELHO

WWW.PAULINAS.PT

GRETA THUNBERG.

UMA HISTÓRIA INCRÍVEL

Os capítulos são curtos. A linguagem é acessível

e direta. Tem dados reais e ilustrações esclarecedoras.

O assunto é o estado atual do planeta, as

consequências das alterações climáticas e o que

podem fazer cada pessoa, governos e ONG para as

parar e salvar a Terra. Greta e os cientistas dizem:

«É preciso agir, não daqui a dez anos, mas já!»

AUTOR: VALENTINA GIANNELLA

EDITOR: BOOKSMILE

RUA ALFREDO DA SILVA, 14

2610-016 AMADORA

WWW.BOOKSMILE.PT

audácia

49


HELDER GUÉGUÉS | REVISOR E TRADUTOR

MAIS OU MENOS QUANDO?

Antropoceno, conforme definido pelo

O Dicionário da Língua Portuguesa da

Porto Editora, na sua versão em linha,

até final de janeiro, era o «período mais

recente na história da Terra, em que as

atividades humanas começaram a ter um

impacto global significativo no clima do

planeta e no funcionamento dos seus

ecossistemas». Mais recente, pois – mas

quando foi isso exatamente? Foi a pergunta

que fiz a mim mesmo e – para isto ter

expressão no mundo real, para as coisas

melhorarem – fiz à própria Porto Editora.

Hão de convir que dizer que foi quando

«as atividades humanas começaram a

ter um impacto global significativo no

clima do planeta e no funcionamento dos

seus ecossistemas» é de uma amplitude

avassaladora. No caso, não era preciso

inventarmos nada: recentemente, a União

Internacional de Ciências determinou que

o início deste período geológico se situa

logo após a Segunda Guerra Mundial,

quando ocorreu uma escalada dos ataques

ao ambiente, não apenas o aquecimento

global, mas também os plásticos. Se

não encontrarmos respostas para estas

questões nos dicionários, onde vamos

encontrá-las? Entretanto, a

definição já foi corrigida.

Mais grave

Mais grave ainda era

aquele dicionário não

registar – como pode

ser? – Eemiano, o que

entretanto já corrigiu,

definindo-o assim: «GEO-

LOGIA [com maiúscula] o mais

recente período interglaciar do

Plistoceno na Europa setentrional,

que se iniciou há, aproximadamente,

130 mil anos e terminou

há, aproximadamente,

110 mil anos».

50 audácia


TUDO ESTÁ

INTERLIGADO

Estou a ler para a disciplina de Espanhol o livro Historia de una Ballena

Blanca, de Luis Sepúlveda (1949-2020). (Que também podem ler em

português, há uma tradução, História de uma Baleia Branca.) O autor,

como vimos pela leitura e pelo debate que se segue sempre, pretende, com

esta obra, mudar perspetivas e mentalidades, dando a perceber que é

necessário cuidar da Natureza em geral e do meio ambiente. O ser humano,

ganancioso, aproveita-se da Natureza como se fosse propriedade sua,

domínio seu, com o objetivo de satisfazer, numa espiral imparável, interesses

próprios, para aumentar o seu bem-estar. Contudo, há muito que se

tornou óbvio que se tem de respeitar a Natureza e agradecer pelo que lhe

retiramos, com o espírito

da encíclica Laudato

si', do Papa Francisco,

sobre o cuidado da Casa

Comum. «Tudo está

interligado», lê-se por

três vezes na encíclica.

O ser humano não está

acima nem abaixo da

restante Criação, não está

dissociado da Terra ou

da Natureza, são partes

de um todo. Assim, ao

destruir a Natureza, o

Homem destrói-se a si

mesmo.

(Beatriz Guégués)

123RF

audácia

51


IRMÃ M. a CÉU COSTA

MISSIONÁRIA FRANCISCANA

PROFISSÕES (2)

Acede a www.paroquias.org/biblia. Insere a citação indicada

ou pesquisa na tua Bíblia. Assinala a resposta correta entre as três

apresentadas.

1

Gn 11: Os homens que

chegaram a Sennar

tornaram-se…

a) … pedreiros

b) … oleiros

c) … agricultores

4

Gn 16: Qual era o trabalho

de Agar?

a) Serva

b) Cozinheira

c) Bordadeira

2

Gn 13: Qual era a profissão

de Lot, sobrinho

de Abraão?

a) Criador de ovelhas e

bois

b) Proprietário de casas

c) Fazendeiro

3

Gn 14: Qual era a ocupação

de Melquisedec?

a) Conselheiro

b) Sacerdote

c) Ministro do reino

123RF

52 audácia


5

Gn 20: Qual era o ofício

de Abimelec?

a) Rei

b) Sacerdote

c) Profeta

8

Gn 24: Qual era a profissão

do mais antigo servo

de Abraão?

a) Administrador dos bens

b) Negociante

c) Pastor

6

Gn 21: Qual era a profissão

de Ismael, filho de

Agar?

a) Atleta

b) Carpinteiro

c) Arqueiro

9

Gn 24: Qual era o

ocupação de Rebeca,

noiva de Isaac?

a) Costureira

b) Fazer recados

c) Ir à fonte buscar água

7

Gn 24: Que tarefa deu

Abraão ao seu mais antigo

servo?

a) Guardar os seus rebanhos

b) Procurar noiva para o seu

filho Isaac

c) Montar tendas para os

pastores

10

Gn 24: Qual era a profissão

do pai de Rebeca?

a) Pastor

b) Lavrador

c) Comerciante

Soluções: 1-b; 2-a; 3-b; 4-a; 5-a; 6-c;

7-b, 8-a; 9-c; 10-b.

audácia

53


Animais

Se estás com atenção na aula de Ciências,

saberás unir cada animal à classe

correspondente.

GASTRÓPODES

RÉPTEIS

INSETOS

ANFÍBIOS

AVES

MARSUPIAIS

PRIMATAS

CEFALÓPODES

Diferenças Sopa de letras

Encontra as dez diferenças entre os dois desenhos

Encontra na sopa de letras

sobre os Mandamentos as

palavras a negro. O que

Deus nos pede é:

Amar a Deus;

Não idolatrar ídolos;

Celebrar os dias santos

Não mentir;

Amar o próximo;

Não ofender o outro;

Não roubar;

Amar pai e mãe;

Não ser falsa testemunha;

Não cobiçar as coisas dos outros…

TDMGJOMENTIR

REYLMPATDIRE

AUPESRTAUDOD

RSAJLOAZLOIN

BRMPKXRNTLFE

EEADRIOÇEOTF

LARDRMCMRSCO

EARAROUBARSH

CVCOBIÇARKCO

AFALSABSHVAO

54 audácia


Centro comercial

Com os humanos confinados em casa, os animais invadiram a cidade. O que fizeram eles? Põe nos

círculos coloridos as letras de cor correspondente que encontras na página e descobrirás a frase

oculta. Encontra, também, oito rebuçados perdidos.

audácia

55


Apressado

O rapaz e os cães

Um homem vai de carro e vê um

rapaz a correr e três cães atrás dele.

Pára e diz ao garoto:

- Entra, que eu levo-te aonde

quiseres.

- É muito simpático, senhor. Ninguém

me dá boleia por causa dos meus

cães.

E nisto, o rapaz assobiou-lhes e eles

entraram também no carro.

Na consulta

Cheia de dores nas costas, uma

mulher volta ao médico. Este

faz-lhe o relatório do conjunto de

exames:

– Nervo ciático, desvio na coluna,

três hérnias...

– O que é que acha que eu tenho

feito para estar com todos esses

problemas?

– Aniversários.

Os bêbados

Cinco homens embriagados

chegam à estação dos caminhos

de ferro. Quatro deles

entram no comboio e um

fica para trás. Uma mulher

diz ao homem que ficou:

- O senhor está tão bêbado

que nem conseguiu apanhar

o comboio com os seus

colegas.

- Veja como são as coisas:

era eu quem ia viajar; eles

vieram apenas despedir-se.

Vai um rapaz com a sua mãe na rua e passa

por eles um homem apressado. Pouco depois,

o homem grita «ai» e, ato contínuo, cai

estatelado. Comenta o rapaz:

– Aquele homem é mesmo superrápido.

Ainda não tinha caído e já estava a gritar.

Soluções

Animais:

Sopa de letras:

TDMGJOMENTIR

REYLMPATDIRE

AUPESRTAUDOD

RSAJLOAZLOIN

BRMPKXRNTLFE

EEADRIOÇEOTF

LARDRMCMRSCO

EARAROUBARSH

CVCOBIÇARKCO

AFALSABSHVAO

Centro comercial

se eu sou a

mãe Terra, Tu

serás o pai sol,

cerTo?

Felicidades!

19 de março – Dia de S. José e Dia do Pai

ah, ah, ah!

És o pai mais

caloroso!

56 audácia


ÁFRICA GONZÁLEZ | JORNALISTA

EDUARDO BASTOS

Alfhonso Davies

Libéria – Futebol

Nasceu no campo de refugiados de Buduburam,

Gana, para onde os pais fugiram

da guerra civil na Libéria.

Com 5 anos, migrou com a família para o

Canadá. Jogou nos infantis das equipas de Edmonton

e, aos 15 anos, juntou-se aos juvenis

do Vancouver Shitecaps FC. Os jornalistas desportivos

chamavam-lhe Pantera de Vancouver.

Um ano depois, foi contratado pelo Whitecaps,

tornando-se o jogador mais jovem

da Major League Soccer, a principal liga dos

Estados Unidos e Canadá.

As suas qualidades técnicas – velocidade,

versatilidade, potência e domínio da bola –

foram notadas por grandes clubes europeus,

como Manchester United, Liverpool e Barcelona.

Foi contratado pelo Bayern de Munique

em 2019, com 18 anos.

Todos os técnicos lhe auguram um futuro

promissor.

Kirsty Coventry

Zimbabué – Natação

Com 9 anos, disse aos pais que participaria

nuns Jogos Olímpicos e conquistaria

um ouro. Perseverou, cumpriu o sonho

e triunfou. Hoje, é conhecida como «a menina

de ouro». Participou em cinco jogos – estreou-

-se em Sidney 2000 – e ganhou sete medalhas:

duas de ouro, três de prata e duas de bronze.

É a desportista com mais condecorações

olímpicas da África. E é a nadadora com mais

medalhas individuais da história olímpica.

Desde 2018, é membro do Comité Olímpico

Internacional, e preside à Comissão de Atletas.

Dirige a Academia Coventry para o fomento

da natação na infância e juventude, habilitando

também para salvar a própria vida e a

do próximo em situações de vulnerabilidade.

É ministra da Juventude, Desporto, Artes e

Diversões do Governo do Zimbabué.

audácia

57


TIAGO FERREIRA

QUEM É A MARIA DO «BANHO-MARIA»?

A

Maria José, de quem sou marido, é fã

de doces confecionados em banho-

-maria. O pudim de ovos que ela faz é

superdelicioso. Entre colheradas, surgiu-nos a

pergunta: «Quem é a Maria do banho-maria?»

Ela é conhecida por vários nomes: Maria,

a Judia, Maria Hebraica ou Profetiza Miriam.

Acredita-se que viveu no século III antes de

Cristo, em Alexandria, Egito. A sua existência

é provada por muitos autores posteriores, de

diferentes línguas e culturas, que se referem a

ela e citam textos seus. Um deles é o egípcio

Zósimo de Panópolis, que escreveu o primeiro

tratado prático de alquimia, no século III. Ele

designa-a como a mãe da alquimia, a primeira

alquimista do mundo

ocidental.

Entre os seus

muitos contributos

para a ciência

– foi ela a primeira a identificar o sal do

mar e o ácido clorídrico, por exemplo –, está a

invenção de equipamentos de laboratório, copiando

o processo de destilação da Natureza.

A sua técnica mais famosa é conhecida

como balneum mariae (banho-maria). Era

um aparelho de parede dupla, em que o

recipiente externo e o interno estavam separados

por um líquido, geralmente água.

Equipado com pés que podiam ser colocados

sobre o fogo, a água era aquecida e mantida

numa temperatura constante, e com isso era

possível regular melhor a substância colocada

no recipiente interno. Esta técnica continua

a ser utilizada em milhares de processos

culinários que requerem um calor uniforme,

constante e progressivo.

Maria também inventou alambiques de

três cabeças (tribikos). Com esse processo

milenar ainda hoje se produz uísque.

58 audácia

© 123RF


Ao doar 0,5% do seu IRS, sem custos acrescidos para si, estará a apoiar a missão e os projetos dos

Missionários Combonianos, em Portugal e em mais de 40 países da África, América, Ásia e Europa.


21 DE MARÇO:

DIA INTERNACIONAL DE LUTA CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade

e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir

uns para com os outros em espírito de fraternidade.

(Declaração Universal dos Direitos Humanos, no n.º 1)

More magazines by this user