Revista Newslab Edição 164

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 164 - Março 2021

ARTIGO CIENTÍFICO II

Foi possível observar que a maioria

das mães/responsáveis valorizam um

atendimento humanizado, onde o pro-

a preocupação de seu responsável. Por

isso, atitudes são tomadas para que a

experiência se torne algo mais leve e

É notável que para existir um bom

trabalho e para que o objetivo seja concluído

com êxito e sem gerar traumas

fissional tem empatia e paciência com

confortável.

à criança, o preparo começa em casa,

a criança, e que ainda sim, realize o tra-

com a conscientização da criança e

balho com rapidez.

Para que essas atitudes possam ter

acaba apenas na saída do laboratório,

tomadas, é necessário o entendimento

com o exame concluído e ambas as

Em relação ao local da coleta, as

das preocupações da mãe/responsá-

partes satisfeitas.

mães/responsáveis se preocupam e

valorizam com as distrações oferecidas

pelo laboratório, como brinquedos e jogos.

Ainda se mostrou uma preocupação

com objetos pequenos que possam

ser colocados na boca das crianças.

De casa, as mães/responsáveis geralmente

fazem sua parte conversando

com a criança sobre a importância da

realização do exame e o quanto é comum

crianças de tal idade realizarem.

No caso da necessidade de uma segunda

coleta, ficou claro a preocupação de

algumas mães e a uma dúvida sobre a

real necessidade de uma repunção, mas

orientam seus filhos de forma tranquila,

para não passar uma impressão de

algo mais “grave” do que é.

Conclusão

O atendimento pediátrico em laboratório

é um assunto delicado por envolver

duas partes, a dor da criança e

vel e empatia, para entender como a

criança se sentiria mais segura em uma

situação em que é necessária ir até um

laboratório.

Na literatura já existente é possível

observar os diversos estudos feitos em

cima deste assunto e a importância de

existir um atendimento humanizado.

As necessidades encontradas são baseadas

em experiências positivas, com

atitudes que gostariam que se repetissem,

e negativas, com atitudes que

devem mudar, que mães ou responsáveis

já passaram ao levar a criança para

realizar alguma coleta em laboratório.

Dentre as necessidades mais encontradas

pela pesquisa, está a agilidade e

o conhecimento transparecido do profissional

que realizará a coleta, além do

bom preparo do laboratório para atender

a área pediátrica, com espaços diferenciados

e instrumentos para distração.

Referências

Caroline de Cássia Ramos de Souza & Silvana Nezir

da Silva. Acolhimento humanizado em saúde. p.

84-88. Edição 156. Out/Nov 2019. Revista Newslab

Ministério da Saúde (BR). Secretaria-Executiva.

Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização.

HumanizaSUS. Brasília; 2004.

Linder-Pelz S 1982. Toward a Theory of Patient

Satisfaction. Social Science and Medicine 16:577-

582.

Sitzia J & Wood N 1997. Patient satisfaction: A

review of issues and concepts. Social Science and

Medicine 45 (12):1829-1843.

Braz J Nurs. 2004. Acesso em 08 junho,2020. Disponível

em; http://www.uff.br/

MACEDO GABARRA, Leticia; CREPALDI, Maria

Aparecida. A comunicação médico - paciente

pediátrico - família na perspectiva da criança. Psicologia

Argumento, [S.l.], v. 29, n. 65, nov. 2017.

ISSN 1980-5942. Acesso em: 03 jun. 2020.

CARVALHO, Alysson Massote; BEGNIS, Juliana

Giosa. Brincar em unidades de atendimento pediátrico:

aplicações e perspectivas. Psicol. estud.,

Maringá, v. 11, n. 1, p. 109-117, Apr. 2006 . Access

on 03 June 2020.

FAQUINELLO, Paula; HIGARASHI, Ieda Harumi;

MARCON, Sonia Silva. O atendimento humanizado

em unidade pediátrica: percepção do acompanhante

da criança hospitalizada. Texto contexto

- enferm., Florianópolis , v. 16, n. 4, p. 609-616,

Dec. 2007 . Access on 03 June 2020.

0 30

Revista NewsLab | Março 2021

More magazines by this user
Similar magazines