Revista Newslab Edição 164

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 164 - Março 2021

AUTOMAÇÃO EM

ANÁLISES CLÍNICAS

necessário para o manejo de um

sistema de automação e a manutenção

que o equipamento necessita,

normalmente planejado e

cuidadoso - o que nem sempre é

possível. Qualquer que seja o grau

de automação de uma empresa, é

sempre preciso também que seja

mantido um laboratório que opere

manualmente, nunca somente

de forma equipada-automatizada,

principalmente porque os métodos

manuais são os com mais baixo

custo e ágeis de realizar um pequeno

número de distintos exames

urgentes que possam surgir fora de

horários comuns.

Considerações Finais

O processo de automação em

análises clínicas promoveu um

grande avanço no diagnóstico e

na prevenção de doenças, gerando

uma otimização na eficiência

dos laboratórios e buscando gerar

segurança para os pacientes. Com

isso, houve a expansão da gestão

de qualidade, pois diante de toda

modernização se faz necessário

profissional capacitado para transmissão

desses avanços no setor da

saúde - que vise não apenas vantagens

para o mercado da empresa,

mas também para atender às necessidades

da sociedade.

A efetivação da automação laboratorial

é muito forte para os próximos

anos, uma vez que visa atingir a diferentes

tipos de empresas, com o emprego

de novas ferramentas e modelos

diversos onde for mais necessário.

O sucesso de qualquer procedimento

como esse está na busca em alinhar

a estratégia da empresa ao bom funcionamento

e à realidade profissional

dos operadores e funcionários. Bem

como atingir aos maiores benefícios

do procedimento de automação, que

são a qualidade e objetividade dos

exames, atingindo totalmente às necessidades

dos pacientes.

Referências

ANDRIOLO, A. Breve história da automação em laboratórios

clínicos. Recomendação da Sociedade Brasileira

de Patologia Clínica. Medicina Laboratorial SBPC/ML.

Automação Laboratorial: histórico, seleção, implantação

e gestão. São Paulo: Manole, 2018, P.1-30.

ARMBRUSTER, D. et al. Clinical chemistry laboratory

automation in the 21st Century – amat victoria curam

(victory loves careful preparation). Clin Biochem Rev.

2014;35(3):143-53. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.

nih.gov/pmc/articles/PMC4204236/pdf/cbr-35-143.pdf

BURKE, D. Laboratory medicine in the 21st century. Am

J Clin Pathol, v. 114, n. 6, p. 841-6, 2000.

CAMPANA, G.A, et al. Tendências em medicina laboratorial.

Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial.

v.47, n.4, p.399-408. Ago, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=393541961003

CARVALHO, J. P. P. Os laboratórios de saúde pública nos programas

de saúde. Departamento de Prática de Saúde Pública

da Faculdade de Saúde Pública da USP. São Paulo, 1976.

FELDER, R. Automation: survival tools for the hospital

laboratory. Second International Bayer Diagnostics.

Laboratory Testing Symposium, 1998.

LABEAU, K. M. et al. Clinical laboratory tests menu

changes in the pacific northwest: 1994 to 1996. Clin

Chem, v. 44, n. 4, p. 833-8, 1998.

LIPPI, G. PLEBANI, M. The add value of laboratory

diagnostics: the many reasons why decision-makers

should actually care. J Lab Precis Med 2017;2(100):1-4.

DOI: http://dx.doi.org/10.21037/jlpm.2017.12.07l

PLEBANI, M. Clinical laboratory: bigger is not always

better. Diagnosis. 2018;5(2):41-46.DOI: https://doi.

org/10.1515/dx-2018-0019.

SPEAR, S. J. Fixing healthcare from the inside, today.

Harvard Business Review, 2005.

STREITBERG, G. et al. Automation in clinical biochemistry:

core, peripheral, STAT, and specialist laboratories

in Australia. J Lab Autom. 2012;17(5): 387-94.

YOUNG, D. Laboratory automation: smart strategies and

practical applications. Clin Chem, v. 46, n. 5, p. 740-5, 2000.

VIEIRA, K. et al. A utilidade dos indicadores da qualidade

no gerenciamento de laboratórios clínicos. J Bras Patol

Med Lab. 2011;47(3):201-10. Disponível em: https://

www.redalyc.org/articulo.oa?id=393541960002

VILCHES, A. M. et al. Los laboratórios de salud. In: SO-

NIS, A. Medicina sanitaria y administración de salud.

Buenos Aires: El Ateneo, 1971.

Autores:

Francisco Eduardo Ferreira Alves 1 , Cícero Lasaro Gomes Moreira 2 .

¹Biomédico pela Faculdade Santa Maria; Mestre em Ciência e Tecnologia em Saúde pela UEPB;

Especialista em Hematologia clínica pela UNILEÃO.

²Biomédico pela Faculdade Santa Maria; Especialista em Hematologia Clínica pela UNILEÃO.

0 66

Revista NewsLab | Março 2021

More magazines by this user
Similar magazines