Revista Newslab Edição 164

newslab.analytica

Revista Newslab Edição 164 - Março 2021

até encontrar um CH com tipagem

sanguínea compatível, porém, caso

este não seja devidamente fenotipado,

o risco apresentado ao paciente em

desencadear reações imunes acabará

sobrepondo o benefício da transfusão,

visto que há a possibilidade do processo

de aloimunização logo nas primeiras

transfusões. Anticorpos de importância

clínica podem ser encontrados em mais

de 30% dos pacientes politransfundidos

tornando a transfusão de apenas

um concentrado de hemácia fenótipo-incompatível

um risco eminente.

Suas complicações podem ser graves,

aumentando significativamente as comorbidades

de doenças já existentes, e

em alguns casos podendo ser fatal.

O estudo dos fenótipos eritrocitários

em grupos sanguíneos, não apenas do

sistema ABO, mas em especial dos grupos

Rh e Kell, é de suma importância,

não somente por estarem fortemente

ligados a reações transfusionais graves

ou a doença hemolítica do recém-nascido,

mas também porque a determinação

da frequência destes antígenos na

população contribui para a prevenção

de possíveis aloimunizações, além ainda

de auxiliar na seleção de concentrados

de hemácias compatíveis.

Referências

1. Castilho L. O futuro da aloimunização eritrocitária. Rev. Bras.

Hematol. Hemoter, 2008; 30 (4): 259-65.

2. Issit PD, Anstee DJ. Applied blood group serology. 4 ed. USA:

MSP, 1998: 4401.

3. Hoeltge GA, Domen RE, Rybicki LA, Schaffer PA. Multiple red cell

transfusions and alloimm: Experience with 6996 antibodies detected

in a total of 159, 262 patients from 1985 to 1993. Arch Pathol

Lab Med. 1995; 119(1): 42-5.

4. Fluit CRMG, Kunst VAJM, Drenthe-Schonk AM. Incidence of red cell antibodies

after multiple blood transfusion. Transfusion, 1990; 30(6): 532-5.

5. Cruz RDO, Mota MA, Conti FM, et al. Prevalence of erythrocyte alloimmunization

in polytransfused patients. Einstein, 9(2), 173-178; 2011.

6. Baiochi E, Camano L, Bordin JO. Evaluation of fetomaternal hemorrhage

in postpartum patients with indication for administration of

anti- D immunoglobulin. Cad. de Saúde Pub: 2005; 21(5): 1357-1365.

7. Baiochi E, Nardozza LMM. Aloimunização. Revista Brasileira de

Ginecologia e Obstetrícia. 2009; 31(6), 311-319.

8. Giblett ER. A critique of theoretical hazard of inter vs. intra-racial

transfusion. Transfusion. 1961;1(4): 233-8.

9. Girello AL, Kühn TIB. Fundamentos de imuno-hematologia eritrocitária.

São Paulo: Editora SENAC; 2002.

10. Schonewille H, Haak HL, Zijl AM. Alloimmunization after blood

transfusion in patients with hematologic and oncologic diseases.

Transfusion 1999; 39: 763-71.

11. Spanos Th, Ladis V, Peristeri J, Hatziliami A, Kattamis Ch. Red cell

alloantibodies in patients with thalassemia. Vox Sang. 1990; 58: 50-5.

12. Mural M, Viana MB. Risk factors alloimmunization by patients

with sickle cell disease. Braz. J. Med. Biol. Res 2005; 38(5): 675-82.

13. Aguiar KM, Maia CN, Teles LF, Oliveira TRGM, Ruas MO. Identificação

de anticorpos irregulares no Hemocentro Regional de Montes

Claros-MG. [Internet]. Bs. As.: 2013. Disponível em:

Acesso em Out 2019.

14. ISBT. Red cell immunogenetics and blood groups terminology

[Internet]. Netherlands. Disponível em: . Acesso em Jun. 2020.

15. Bortolotto AN, Mikalauscas MM, Murari AL, Silva JEP. Frequência

do sistema Rh e Kell nos doadores do hemocentro de Santa

Maria-RS. Rev. Saúde. Sta Maria: 2011; 37(2): 49-55.

16. Do Carmo Machado A. Frequências fenotípicas dos grupos

sanguíneos Kell, Duffy e Kidd em doadores de sangue do Hemonúcleo

de Apucarana, sul do Brasil. RBAC, 50 (1), 76-9; 2018.

17. Harmening D. Técnicas Modernas em Banco de Sangue e Transfusão.

Rio de Janeiro: Revinter, 2006.

18. Rodrigues R, Gerônimo DS, Junior SEM, Peron MLDF. Aplicabilidade

da Fenotipagem Eritrocitária em Doadores Voluntários e

Pacientes Politransfundidos. Saúde e Pesquisa, 6 (3); 2013.

19. Abiko CK. Aplicação da técnica da glicina-ácida/EDTA e avaliação

da eficácia no tratamento de hemácias com teste direto da

antiglobulina positivo (Doctoral dissertation, Universidade de São

Paulo). Ribeirão Preto, 2017.

20. Carneiro VSM, Barp M, Coelho MA. Hemoterapia e reações

transfusionais imediatas: atuação e conhecimento de uma equipe

de enfermagem. REME rev. min. Enferm; 2017: 1-8.

21. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 2016. Hemovigilância

no Brasil: relatório consolidado 2007 – 2015.

22. Pinto PCA, Braga JAP, Santos AMND. Fatores de risco para

aloimunização em pacientes com anemia falciforme. Revista da

Associação Médica Brasileira; 2011: 57(6), 668-673.

23. Oliveira LC, Cozac APC. Reações transfusionais: diagnóstico e tratamento.

Medicina (Ribeirão Preto Online); 2003: 36 (2/4), 431-438.

24. Macedo ED, Silveira VMJ, Athayde LA. Índice de reação transfusional

em pacientes submetidos a transfusão em um Hemocentro

do Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências

da Saúde; 2016: 2 (2), 54-59.

25. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 2007. Hemovigilância.

Manual técnico de hemovigilância-investigação das

reações transfusionais imediatas e tardias não infecciosas.

26. Grandi JL, Grell MC, Areco KCN, Barbosa DA. Hemovigilância:

a experiência da notificação de reações transfusionais em Hospital

Universitário. Revista da Escola de Enfermagem da USP; 2018: 52.

27. Murador P, Deffune E. Aspectos estruturais da membrana eritrocitária.

Rev. Bras. Hematol. Hemoter; 2007: 168-178.

28. Dean L. Blood Groups and Red Cell Antigens [Internet]. Bethesda;

2005. Disponível em: . Acesso em Out 2019.

29. Daniels G. Human Blood Groups. 2 ed. Oxford: Blackwell Science; 2002: 1-3.

30. Mattos LCD, Moreira HW. Genetic of the ABO blood system and its link

with the immune system. Rev. Bras. Hematol. Hemot; 2004: 26(1), 60-63.

31. Alves VM, Martins PRJ, Soares S, et al. Pesquisa de aloimunização

após transfusão de concentrados de hemácias em um estudo

prospectivo. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia;

2012: 34 (3), 206-211.

32. Martins ML, Cruz KV, Silva MCF, Vieira ZM. Uso da genotipagem

de grupos sanguíneos na elucidação de casos inconclusivos

na fenotipagem eritrocitária de pacientes atendidos na Fundação

Hemominas. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia;

2009: 31(4), 252-259.

33. Castilho L, Rios M, Bianco C, et al. DNA-based typing of blood

groups for the management of multiply-transfused sickle cell disease

patients. Transfusion; 2002: 42(2), 232-238.

34. Henry JB. Clinical Diagnosis & Management by Laboratory Methods.

22 ed. USA: Saunders, 2011.

35. Reid ME, Lomas-Francis C, Olsson ML. The Blood Group Antigen

FactsBook. 3 ed. San Diego: Elsevier, 2012: 27–51.

36. Beiguelman B. Os Sistemas Sanguíneos Eritrocitários. 3a Ed.

Ribeirão Preto: FUNPEC; 2003: 234.

37. Cakir U, Tayman C, Buyuktiryaki M. Aspectos desconhecidos da

relação entre o sistema de grupos sanguíneos ABO e morbidades prematuras.

Archivos Argentinos de Pediatria, 2020: 118 (2), 135-142.

38. Neves DR, Carvalho EM, Da Silva RA, Mendes SO, Alves SM, Medeiros

MO. Estudo genético-populacional dos sistemas de grupos

sanguíneos ABO e RH dos doadores de sangue em Rondonópolis–

MT. Biodiversidade; 2015: 14(2).

39. Levine P, Stetson RE. An unusual case of intra-group agglutination.

J Am Med Assoc; 1939: 113: 126-7.

40. Levine P, Burnham L, Katzin WM, Vogel P. The role of isoimmunization

in the pathogenesis of erythroblastosis fetalis. Am J Obstet

Gynecol; 1941: 42(6): 925- 37.

41. Brecher ME. Technical Manual.15 ed. USA: Amer Assn of Blood Banks, 2005.

42. Associação de Melhoria da Transfusão de Sangue. (1930). Boletim

da Academia de Medicina de Nova York. 1930; 6 (10), 682-687.

43. Aymard JP. Karl Landsteiner (1868-1943) et la découverte des

groups sanguins. Bibnum Sciences de la vie, 2012.

44. Fisk RT, Foord AG. Observations on the Rh agglutinogen of human

blood. Am J Clin Pathol. 1942; 12(11): 545-52.

45. Liu Y, Lv Y, Xu D, Cao J, Wang M, Xie J. The Necessity of Clinical

Rh Phenotypic Serological Detection and Homotypic Infusion in

Patients with Repeated Blood Transfusion. Medical Science Monitor;

2020: 26.

46. Nardozza, LMM, Szulman, A, Barreto, JA, Araujo Junior, E. Moron,

AF. The molecular basis of RH system and its applications in obstetrics

and transfusion medicine. Rev. Ass. Med. Bras. 2010; 56(6): 724-28.

47. Osaro E, Ladan MA, Zama I, Ahmed Y, Mairo H. Distribution of

Kell phenotype among pregnant women in Sokoto, North Western

Nigeria. Pan African Medical Journal 2015: 21(1).

48. Novaretti MC, Dorlhiac-Llacer PE, Chamone DA. Estudo de grupos

sanguíneos em doadores de sangue caucasóides e negróides na cidade

de São Paulo. Rev. Bras. Hematol. Hemoter; 2000: 22(1): 23-32.

49. Brasília. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução

RDC nº 57 de 16/12/2010. Determina o Regulamento Sanitário

para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas ao ciclo

produtivo do sangue humano e componentes e procedimentos

transfusionais [Internet]. Diário Oficial da República Federativa

do Brasil. Disponível em: . Acesso em Out 2019.

50. Ministério da Saúde. Guia para Uso de Hemocomponentes

2010, 1ª Edição.

51. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

(ANVISA) – Resolução: RDC Nº 34, de 11 de junho de 2014.

52. Portaria MS nº 158, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2016. – Regulamento

Técnico de procedimentos hemoterápicos.

53. Carson JL, Grossman BJ, Kleinman S. Red Blood Cell Transfusion:

A Clinical Practice Guideline from the AABB. Ann Intern Med;

2012: 157: 49-58.

54. Szczepiorkowski ZM; Dunbar NM. Transfusion Guidelines:

when to transfuse. Hematology; 2013: 638-643.

55. PORTARIA Nº 364, DE 6 DE MAIO DE 2014 - Protocolo de Uso de

Profilaxia Primária para Hemofilia Grave.

56. Petz LD. A physician’s guide to transfusion in autoimmune haemolytic

anaemia. BJH; 2004: 124: 712-71.

BANCOS DE SANGUE

Autoras:

Vanessa dos Santos Feliciano 1 , Allyne Cristina Grando 1

1

Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Canoas, RS, Brasil

Revista NewsLab | Março 2021

0 85

More magazines by this user
Similar magazines