07.06.2021 Views

Revista dos Pneus 63

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

GESTÃO Mudança de paradigma

EFEMÉRIDE 150 anos Continental

A revista n.º 1

dos profissionais

revistadospneus.com

63

Junho 2021

ANO IX | 5 euros

Periodicidade: Trimestral

Entrevista Wilson Luis

Responsável Goodyear Consumer Portugal

Pneus para pesados

MERCADO EM

CRESCIMENTO!


Editorial

DIRETOR

João Vieira

joao.vieira@apcomunicacao.com

DIRETOR COMERCIAL

Mário Carmo

mario.carmo@apcomunicacao.com

GESTOR DE CLIENTES

Paulo Franco

paulo.franco@apcomunicacao.com

WEBMASTER

António Valente

antonio.valente@apcomunicacao.com

ARTE

Hélio Falcão

Momentos

de verdade

JOÃO VIEIRA, Diretor

SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

E CONTABILIDADE

financeiro@apcomunicacao.com

PERIODICIDADE

Trimestral

Assinaturas

assinaturas@apcomunicacao.com

© Copyright

Nos termos legais em vigor, é totalmente

interdita a utilização ou a reprodução desta

publicação, no seu todo ou em parte, sem a

autorização prévia e por escrito da Revista dos

Pneus

IMPRESSÃO

Lisgráfica - Impressão e Artes Gráficas, S.A.

Estrada Consiglieri Pedroso, 90

2730 - 053 Barcarena

Tel.: 214 345 400

TIRAGEM

5.000 exemplares

N.º de Registo na ERC: 124.782

Depósito Legal n.º: 201.608/03

Tiragem: 5.000 exemplares

EDIÇÃO

AP COMUNICAÇÃO

Proprietário/Editor

JOÃO VIEIRA - PUBLICAÇÕES UNIPESSOAL,

LDA.

Contribuinte

510447953

SEDE

BELA VISTA OFFICE

ESTRADA DE PAÇO DE ARCOS, 66

2735 - 336 CACÉM

TEL. +351 219 288 052

GPS 38º45’51.12”N - 9º18’22.61”W

PRINCIPAL ACIONISTA JOÃO VIEIRA (100%)

TEL. +351 219 288 052

Email GERAL@APCOMUNICACAO.COM

CONSULTE O ESTATUTO EDITORIAL NO SITE:

WWW.REVISTA DOS PNEUS.COM

Vender serviços é talvez a venda

mais difícil de realizar de

todas. Comprar um produto

constitui a aquisição de algo

que pode tocar ou sentir,

mas comprar um serviço é algo inteiramente

diferente. Quando o proprietário de um

veículo compra um serviço, essa pessoa está

na verdade a comprar uma promessa, que

será concretizada futuramente. Tal requer

confiança e uma grande dose de esperança.

A capacidade da oficina concretizar esse

serviço baseia-se em muitos fatores, dos

quais a competência técnica não é o menos

importante. Todavia, a oficina não pode

demonstrar essa competência técnica até

lhe ser dada a oportunidade de o fazer. O

proprietário do veículo não consegue ver

a competência técnica, não lhe consegue

tocar, nem senti-la.

O serviço tem início quando um cliente vê e

responde a um anúncio, pesquisa na internet,

ouve um amigo ou um familiar falar sobre a

sua oficina, telefona, ou simplesmente vai à

oficina. Por este motivo, os “momentos de

verdade” têm de ser criados. São momentos

nos quais um cliente tem a oportunidade de

entrar em contacto com qualquer elemento

da sua equipa e em que formará uma opinião

sobre a sua oficina. Estas opiniões surgem

antes, durante e depois de concluída a intervenção

no veículo. Em última instância, vão

definir o seu sucesso pessoal e empresarial.

A consistência na execução do serviço é

o catalisador para que a sua oficina seja

reconhecida como uma das melhores. Se

fizer um excelente trabalho na primeira

intervenção e um trabalho não tão bom

na segunda, é provável que não volte a

ver o cliente. Quantas mais pessoas tiver

a trabalhar para si e quantos mais serviços

e produtos tiver, maior é o desafio para

atingir esta consistência. Mas todo este

serviço consistente de elevada qualidade

só é sustentável se os seus níveis de

produtividade e de eficiência lhe permitirem

lucros. A produtividade resulta da capacidade

dos seus técnicos e pessoal de receção em

executarem processos e procedimentos sem

falhas.

Se tem o objetivo de se tornar uma grande

empresa, uma oficina local respeitada na

comunidade, respeitada pelos respetivos

clientes e pelo pessoal, então aceite desde

já que tem de pensar sobre a empresa como

nunca pensou antes. Tem de a ver no futuro,

não no presente.

O melhor exercício que pode fazer é colocar-se

no lugar dos seus clientes. Saia da

empresa, dê uma volta pelo exterior das

instalações e observe a fachada com a sua

imagem de marca. Está limpa, resplandecente

e é chamativa? Passe pela receção. É

convidativa para os seus clientes? Está limpa

e é acolhedora? Os seus clientes podem esperar

numa área limpa, luminosa e confortável,

com bebidas, enquanto o veículo está a ser

reparado?

Percorra a oficina. É monótona, suja, veem-se

coisas por todo o lado? As caixas de ferramentas

dos técnicos estão limpas e organizadas?

Ficaria satisfeito, se convidasse um cliente

para entrar na oficina, a fim de lhe mostrar o

veículo, ou ficaria demasiado envergonhado?

Se não sabe para onde se dirige, qualquer

caminho serve! Basta lembrar-se que, se fizer

sempre o que sempre fez, terá sempre o que

sempre teve. ♦

www.revistadospneus.com | 03


Produto estrela

Prevensys 4

Mais responsável

e sustentável

Com uma forte experiência de 20 anos na conceção de pneus de marca própria,

a Norauto lançou o novo Prevensys 4, um pneu 100% europeu, com uma melhor

performance, maior longevidade e durabilidade, mais conforto e uma melhor

eficiência no consumo de combustível

Há mais de 20 anos que a Norauto

se coloca ao serviço dos automobilistas

e desta forma procura

responder às necessidades dos

consumidores oferecendo novos produtos e

serviços que otimizem o dia a dia. Exemplo

da sua capacidade de inovação é a proposta

de produtos de elevada qualidade a um

preço justo. Assim é o pneu Prevensys, que

desde o seu lançamento conta com milhões

de unidades vendidas a nível internacional,

nas insígnias do Grupo Mobivia (Norauto e

Midas). A meta do projeto Prevensys 4 foi

proporcionar uma maior longevidade para

obter uma maior durabilidade e aumentar

a performance em travagem em piso molhado

sem comprometer a eficiência de

combustível do pneu. Assim, selecionar

Prevensys 4 é sinónimo de mais aderência

(- 3m de distância de travagem | etiqueta A);

durabilidade (+ 2.000 Km de longevidade

vs antecessor); conforto (banda de rodagem

exclusiva Prevensys); poupança (-5%

consumo combustível); e sustentabilidade

(incorporação de 5% de material reciclado).

Foram investidos mais de 2 anos de pesquisa

com vista a superar o desempenho do pneu

Prevensys 3. Graças à sua nova composição,

o Prevensys 4 tem classificação A para

travagem em piso molhado em 100% das

suas referências. Com lamelas na lateral

do pneu, foram criados espaços adicionais

para escoar a água e reduzir o risco de

aquaplanagem, assim o Prevensys 4 tem uma

maior aderência ao piso molhado e permite

a redução de travagem em 3 metros. Este

resultado supera a média das grandes marcas,

garantindo aos automobilistas uma maior

aderência e conforto. A Norauto vai ainda

mais longe, ao aumentar a durabilidade do

Prevensys 4 em +2.000 km (vs Prevensys 3),

para atingir os 42.000 km de longevidade

estimada e além disso, a fim de responder a

necessidades para jantes de maiores dimens

ões, está disponível em 66 medidas, variando

de 13 a 18 polegadas. Foram adicionadas à

gama 19 novas dimensões em comparação

com sua geração anterior, por forma a dar

resposta à evolução dos requisitos do parque

circulante.

INOVAÇÃO AO SERVIÇO DA PERFORMANCE

Para ir ao encontro das expectativas dos consumidores

e em linha com a política de RSE na

qual a Norauto assume um forte compromisso

para uma mobilidade segura e sustentável

acessível a todos, o Prevensys 4 é um pneu

100% fabricado na Europa. A nova composição

otimiza sua aderência em estrada, melhorando

significativamente a transferência de energia

entre o pneu e o piso e reduzindo o seu consumo

em 5%, em relação ao seu antecessor.

Fruto dos 20 anos de experiência na conceção

de pneus de marca própria, o Prevensys 4, é

a 7ª geração de pneus Norauto, tendo uma

longevidade superior a 19% em comparação

à geração anterior, o Prevensys 3.

O Prevensys 4 responde a um caderno de encargos

muito exigente elaborado pela Norauto

para responder às necessidades dos seus clientes.

Assim figuram as inovações técnicas inéditas,

ao serviço da facilidade e da segurança:

lTrês indicadores que facilitam a verificação do

nivel de desgaste da borracha do pneu, com

duplo indicador de desgaste (desgaste legal

de 1,6mm e desgaste máximo recomendado

de 3mm) e um indicador de alinhamento, para

identificar todos os defeitos no alinhamento.

l Sulcos exclusivos que, pela sua profundidade

e a posição das 4 ranhuras centrais, permitem

o alargamento instantâneo da zona de contato

em caso de travagem, proporcionando uma

melhor tração e concebido para favorecer a

evacuação de água, aumentando as performances

de travagem em piso molhado.

l Um revestimento que, pela sua composição

única, diminui a resistência em circulação

e permite uma redução do consumo de

combustível.

l Um perfil inovador e design assimétrico

da banda de rolamento que reduz o ruído,

melhora a aderência em curva e otimiza o

comportamento a alta velocidade. A largura

otimizada assegura também uma melhor

performance na condução a alta velocidade.

l Uma estrutura interna do pneu que permite

melhorar a estabilidade da viatura, em linha

reta e em curvas, para um comportamento

em estrada ultra estável.

l Um design dos ombros modificado que

otimiza a zona de contato e maximiza a

manobralidade a alta velocidade. ♦

04 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Equipamento Mercado do mês

HPA FAIP C 880 iNEXT

rápido

e confiável

Comercializado pela Gonçalteam, o HPA FAIP C 880 iNEXT é um alinhador 3D rápido

e confiável com sistema de leitura de duas câmaras. Desenvolvido no sistema

operacional Windows, o software é fácil de usar para um alinhamento rápido e

completo com indicações gráficas e medições com uma aproximação de 0,01°

Desenvolvido com design e know-

-how HPA-FAIP, com componentes

de qualidade internacional,

de acordo com as normas CE, é

montado na República Popular da China

para o mercado mundial. Destaque para

os alvos leves de alta resolução com nível

de bolha, removíveis do suporte e compatíveis

com todos os suportes no catálogo.

Possui filtro infravermelho dianteiro, para

alta proteção contra os reflexos solares.

O sistema de medição 3D com desempenho

superior, dispõe de novas câmaras

HI-Q de 5Mp de última geração em

alta resolução para visão artificial e ótica

monolítica otimizada com baixa distorção

(RAVG < 0,50% em NIR) com nano

revestimento antirreflexo e filtro LPF integrado

para eliminar os reflexos da luz

solar. Cada medição é elaborada de modo

diferencial por 2 imagens consecutivas, a

fim de eliminar os problemas de medida

em condições críticas de iluminação solar

ou na presença de reflexos luminosos. A

pedido pode vir equipado com câmara de

assistência ao direcionamento para posicionamento

fácil e correto do veículo na

plataforma de elevação ou na oficina sem

a ajuda de um assistente ou de espelhos

CARACTERÍSTICA FUNCIONAIS

O alinhador de direções HPA FAIP C 880

iNEXT está equipado com um novo elevador

integrado com parafuso sem fim e

dispositivo motorizado (CM - Camera Movement)

para o posicionamento conveniente

das câmaras na faixa de operação. Permite

trabalhar desde o nível do solo até 2 m de

altura (a pedido). Tem mecanismo de segurança

integrado e função de rastreamento

automático do nível da plataforma, assim

como Programa de instalação profissional,

completo com todas as funções necessárias

para os especialistas em alinhamento:

l Sistema operacional Windows 10 IoT

multilíngua;

l Leituras imediatas: interface gráfica HPA-

-FAIP fácil de usar com sistema de ícones

para acesso rápido em tempo real a todos

os valores de ajuste; teclas de seleção rápida

e assistentes; informações completas sobre

os dados de ajuste de cada eixo resumidos

em uma página de resumo.

l Ajuda on-line, “tutor” passo a passo com

o suporte de imagens.

l Ampla Base de Dados internacional de

fabricantes de automóveis, baseada numa

divisão geográfica prática por continente

com especificações relacionadas a mais de

40.000 carros de várias marcas. Constantemente

atualizada, está disponível um serviço

Internet para obter em tempo real os

dados de automóveis novos.

l Base de dados dos clientes para inserir os

dados de novos veículos e Base de dados

de fichas de trabalho, para salvar e recuperar

todos os dados de clientes/veículos

presentes.

l Dados completos de medição do chassi

em tempo real.

l Compensação descentralizada disponível

nos modos “Jump” e “Push”, exibidos com

imagens ao vivo e indicadores LED.

l Software e BD protegidos pelo sistema

hardlock.

O tamanho pequeno e a tecnologia das

câmaras adaptam-se às instalações em

locais pequenos e a instalações com plataformas

de 4 colunas. A instalação com

coluna é compatível com vala, plataformas

em tesoura, 4 colunas e paralelogramo.

Para as plataformas de 4 colunas, a distância

mínima interna das colunas solicitada

para operar nos veículos de série é de 2.950

mm. Para as plataformas em paralelogramo,

a distância centro pratos/câmara deve ser

medida a uma altura de 1 m. ♦

06 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Reportagem

Destaque

Mercado em

crescimento

O mercado de pneus para pesados encontra-se com

uma procura superior à oferta devido a faltas de produto,

principalmente pelo aumento de preços das matérias

primas, o aumento dos fretes marítimos e a pandemia

Covid-19. As empresas que estejam preparadas para

estas contingências e faltas de material, serão as que

podem liderar o mercado

mercado de pneus para veículos pesados

está cada vez mais segmentado. A principal

razão para isso acontecer deve-se à diversidade

da indústria transportadora rodoviária,

por um lado, mas também porque o

mercado desses pneus oferece um grande

potencial comercial para as marcas de pneus,

que lhe dedicam um cuidado especial

As modalidades de transporte rodoviário

são inúmeras, começando pelos camiões,

que podem ser de longo curso, transporte

regional e distribuição. Em qualquer dos casos,

o camião pode ter que circular em auto

estradas, estradas comuns pavimentadas,

cidades e até locais sem pavimentação. Os

bens transportados podem ser mercadorias

embaladas, a granel, combustíveis, veículos,

estruturas, inertes, misturas asfálticas, etc..

Os camiões que operam na construção, no

transporte de inertes e materiais de construção

têm que possuir aptidões para todo-

-o-terreno e grande poder direcional e de

tração. No caso de transporte de passageiros,

este pode ser urbano, interurbano ou

misto e as vias de circulação são também

variáveis, desde as auto estradas, às vias de

pavimentação rudimentar. Para todos estes

tipos de serviços há exigências específicas

que implicam soluções técnicas diferentes

na produção de pneus.

Neste trabalho sobre pneus para pesados,

vamos falar em particular dos pneus utilizados

nas frotas de transportes de mercadorias

de longo curso, que devido às cargas e forças

dinâmicas excecionais que têm que suportar,

bem como às longas quilometragens que

lhes são solicitadas, exigem a utilização de

componentes específicos e avançadas tecnologias

de construção.

SEGMENTO PREMIUM EM ALTA

O mercado de pneus para pesados em Portugal

vinha a recuperar de uma forma mais

ou menos sustentada desde a crise de 2011

até 2019, com uma tendência de “empobrecimento”

do seu mix de segmentos, embora

se mantenha ainda uma percentagem relativamente

elevada de vendas no segmento

premium. Com uma queda no número de

unidades vendidas em 2018 (dados Europool

indicam 10% de decréscimo vs 2017),

e com uma retoma em 2019, ainda assim o

08 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados


Reportagem

Destaque

FILIPE BANDEIRA

DIRETOR GERAL AB TYRES

Neste momento atípico que estamos a atravessar de

grande instabilidade a vários níveis, a tendência será

de que as marcas do segmento Quality e Budget

ganhem algum “terreno” em termos de quota de

mercado face às marcas premium

Os stocks existentes na cadeia

de distribuição são equilibrados,

embora nos últimos meses a escassez

generalizada de produtos

neste mercado coloque um desafio

adicional a este equilíbrio

CARLOS OLIVEIRA

CVT DIRETOR MARKETING E VENDAS

CONTINENTAL

Todas as cadeias logísticas e de produção

foram severamente afetadas e têm agora de ser

retomadas, com o desafio adicional de todos os

mercados estarem a recuperar de uma forma

surpreendente

mercado de pneus para pesados ficou abaixo

dos volumes de 2017.

2020 foi um ano verdadeiramente desafiante

para toda a indústria e para todos os operadores

do mercado, trazendo sérias limitações

a todos os níveis (capacidades produtivas,

canais de distribuição e transporte, etc). A

indústria do pneu foi duramente atingida

pela crise sanitária e o mercado sofreu uma

grande retração. Este cenário pandémico

traduziu-se numa quebra de aproximadamente

12% nos valores do mercado Etrma,

mas estima-se uma quebra superior se incluirmos

as importações vindas nomeadamente

do continente Asiático. Em termos

qualitativos, o segmento que menos sofreu

foi o Premium, que desceu cerca de 7%.

Assim sendo, o segmento Premium que

representava 63,8% do mercado em 2020,

aumentou o seu peso relativo para 68%.

Esta evolução denota que o preço inicial

de compra é um fator cada vez menos importante

na decisão de compra. Por último

salienta-se o crescimento de mais de 4%

do mercado de pneus pesados no primeiro

quadrimestre de 2021.

É indiscutível que nos encontramos num

mundo globalizado onde os atos ou situações

em qualquer parte do mundo podem

afetar significativamente as operações diárias

do mercado. Como exemplo, a situação

desencadeada pelo bloqueio do cargueiro

de mercadorias no canal de Suez que afetou

o comércio marítimo mundial de forma

nunca antes vista.

VENDAS SELL IN E SELL OUT

Os fabricantes nem sempre conseguem

chegar diretamente ao consumidor final.

Por isso, é preciso que o sell in seja bem

trabalhado (venda do fabricante ao distribuidor/retalhista),

para que o sell out resulte

bem (venda ao cliente final).

Pela análise do mercado nas duas componentes

de sell in e sell out, a Continental

conclui que as suas marcas possuem um excelente

equilíbrio entre os dois pratos desta

balança, não existindo assimetrias significativas

entre estas duas dimensões. Quanto

ao mix de produtos, este continua bastante

estável face ao mix histórico da marca, embora

com alguma tendência para aumento

da procura por marcas quality e budget. Todavia,

este crescimento da procura nestes

segmentos é muito explicada pela evolução

drástica em termos de qualidade que estas

sofreram nas recentes evoluções registadas

em todas as segundas marcas.

O mercado português é um mercado prioritariamente

premium, onde a aposta da

Michelin através deste segmento de pneus

para pesados é cada vez mais numa oferta

de produtos de alto valor acrescentado,

tornando-se líder tanto em volume como

em valor. A Michelin sabe o que o cliente

RUI CHORADO

ADMINISTRADOR DA DISPNAL

A atual situação que Portugal e o mundo atravessam

devido à Covid-19 “ajudaram” positivamente o

mercado dos pesados a expandir-se. Algumas

marcas Premium aproveitaram muito esse facto para

marcarem pontos pela diferença

JORGE PREGO

DIRETOR DE SERVIÇOS E SOLUÇÕES DE FROTA

MICHELIN

O mercado português é um mercado

prioritariamente premium, onde a aposta da

Michelin através deste segmento nos faz apostar

cada vez mais numa oferta de produtos de alto valor

acrescentado

10 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Reportagem

Destaque

ALDO MACHADO

COUNTRY MANAGER PORTUGAL DA NEX

Apesar das quebras económicas motivadas pela

pandemia, este sector não se sentiu tão prejudicado.

Ainda assim, a escassez de produto e a inflação

provocada pelos altos custos de fretes provenientes

da Ásia poderão prejudicar a recuperação do

mercado de pneus pesados

A globalização oferece soluções

e incidências “Just on Time”. A chave

diferenciadora e condicionante de 2021

será a planificação e programação

LUÍS ANICETO

ADMINISTRADOR DA S. JOSÉ PNEUS

Uma das preocupações da S. José Pneus é dar

acompanhamento técnico/comercial aos seus clientes,

estando a nossa equipa comercial em condições de

poder dar o suporte que os nossos clientes necessitam

para incrementarem as suas vendas

JOSÉ SARAIVA

DIRETOR COMERCIAL DA RODRIGUES TIRES

As medidas de proteção aos pneus europeus

implementadas há alguns anos começam agora a

dar frutos. Mas como se continuou a transportar

muitos bens de primeira necessidade, o impacto

não foi assim tão importante

considera e analisa quando compra os seus

pneus a cada fabricante e é aqui, nesta análise,

que está ciente de que faz a diferença

entre os outros fabricantes.

A Yokohama conta com uma política comercial

que se baseia fundamentalmente em

clientes históricos e nas relações comerciais

a longo prazo, com uma profunda interação

entre fabricante – oficina profissional do setor

de veículos pesados. Esta diferenciação

permite ao profissional do setor obter benefícios

diretos e indiretos, já que a nível económico

a marca Yokohama é uma excelente

garantia no que se refere ao benefício e de

maneira indireta, a fidelização e satisfação

do consumidor final devido ao alto nível de

produto. A filosofia da marca está focalizada

na qualidade (a nível técnico, económico,

ecológico e comercial) em lugar do volume.

No ano passado, a Bridgestone teve uma

quebra de vendas de pneus pesados quer

em volume, quer em valor. A queda em volume

acompanhou a queda do mercado,

pelo que a sua quota manteve-se relativamente

idêntica à de 2019. Desenvolveu

ações promocionais de sell out que são um

bom suporte de vendas junto dos nossos

Agentes. Relativamente ao valor das vendas,

não houve alterações significativas no valor

unitário face ao ano anterior.

Fruto das excelentes parcerias que tem com

os seus fornecedores, tanto na Semperit

como na Goodride, a S. José Pneus tem logrado

estar num bom nível de vendas, sendo

um garante do abastecimento ao mercado,

em todas as gamas.

A Rodrigues Tyres tem tido um bom feedback

dos clientes, pois além do preço sell in

ser muito competitivo também gera uma

boa margem na venda, sobretudo porque

se tratam de pneus europeus.

No caso da Tiresur, sell in e sell out vão de

mãos dadas, e como as vendas têm aumentado,

também o sell in tem aumentado,

de forma proporcional, pois uma das

preocupações da empresa é precisamente

a continuidade das marcas que vende. O

referido aumento das vendas não foi feito à

custa meramente de preço, que no caso das

marcas que comercializa de origem asiática,

sofreu um forte incremento em 2018, com a

aplicação das taxas anti-dumping aplicadas

pela UE aos pneus para camiões e autocarros

provenientes da China.

Pelo sistemático crescimento obtido, ano

após ano, a AB Tyres faz um balanço bastante

positivo das vendas. No entanto tem notado

alguma irregularidade em termos do sell out,

contrastando com frequência, meses muito

positivos com meses com uma performance

inferior. A empresa julga que esta questão

está diretamente relacionada com o sell in,

ou seja, a irregularidade de disponibilidade e

oferta deste tipo de produto no mercado. u

ARMANDO LIMA

DIRETOR GERAL TIRESUR

O fator que mais tem influenciado o mercado

dos pneus pesados tem que ver com a redução

na disponibilidade de produto, resultado das

limitações que a pandemia originou globalmente

ao nível da capacidade de produção dos vários

fabricantes

VÍCTOR MANUEL CAÑIZARES

VICE-PRESIDENTE VENDAS E MARKETING

YOKOHAMA IBERIA

A chave diferenciadora e condicionante de 2021

será a planificação e programação. Os profissionais

que estejam preparados para contingências e faltas

de material, serão os que podem liderar o mercado

12 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados

As novidades das marcas de pneus para pesados

É um mercado bastante dinâmico, com uma prevalência importante de pneus premium nos grandes frotistas e onde os

restantes segmentos marcam maior presença nas médias e pequenas frotas.

BRIDGESTONE

A Bridgestone comercializa pneus para

veículos pesados das marcas Bridgestone,

Firestone e Dayton. A mais recente novidade a

nível de produto são os pneus Bridgestone

Duravis, aptos para utilização regional e de

longo curso. Está disponível em direção

(RS002), tração (RD002) e reboque (RT002),

cobrindo mais de 90% das necessidades do

mercado. Entre as suas principais

características destacamos a maior

quilometragem e menor custo por quilómetro.

Tem a melhor aderência na sua classe em piso

molhado, sendo o primeiro pneu de aplicação

regional a obter a classificação “A” na etiqueta

(medida 315/80R22.5). Com um tempo de vida

útil que apresenta uma melhoria de 45% em

relação ao antecessor e um custo por

quilómetro reduzido em 15%, os pneus

Bridgestone Duravis foram projetados para

ajudar as frotas a baixar os seus custos

operacionais. Também oferece maior eficiência

no consumo de combustível, com uma

combinação B-C-B em direção, tração e

reboque. Disponível em 15 medidas, este pneu

simplifica a linha de produtos da Bridgestone

num segmento versátil, ao substituir todos os

produtos atualmente existentes. Desenvolvidos

e produzidos na Europa, os pneus Duravis são

uma combinação de um piso e composto

inovadores, além de contarem com um novo

processo de fabrico.

CONTINENTAL

No mercado português, a Continental

comercializa como marca premium a

Continental, e no segmento quality a Uniroyal e

a Semperit, sendo que no segmento budget

oferece a marca Barum. No segmento de pneu

recauchutado, comercializa a marca ContiRe

(solução de recauchutagem integral a quente),

bem como a solução de recauchutagem a frio

na marca ContiTread. A linha de produtos da

chamada terceira geração da marca Continental

chegou a um nível de maturidade muito positivo,

com a afinação da mesma à medida das

necessidades específicas dos principais

mercados. Neste sentido, foi lançado

recentemente a nova evolução dos pneus

destinados ao eixo direcional, denominados

agora de Conti Hybrid HS3+, com significativas

www.revistadospneus.com | 13


Reportagem Destaque

Pneus para pesados

melhorias ao nível da quilometragem produzida

e sobretudo uma grande melhoria no domínio da

uniformização dos padrões de desgaste. No que

concerne à oferta relativa aos pneus destinados

à posição de reboque, foi também lançado uma

nova especificação Conti Hybrid HT3 SR, que

vem responder às necessidades de utilização

mais severa em ambientes de funcionamento

mais quentes e com rotas mais sinuosas

(maioritariamente no sul da Europa), muito

características do nosso país. Deste modo, a

Continental oferece uma resposta para as

utilizações bastante severas que produziam

naturais desgastes prematuros nos flancos e

reduções significativas nas quilometragens

produzidas. Estas novidades reforçam a grande

polivalência e robustez dos seus produtos,

potenciando ainda mais a rentabilidade de

utilização dos mesmos pelas frotas profissionais

de transporte de mercadorias e passageiros.

MICHELIN

A oferta de pneus do Grupo Michelin distinguese

pelas suas performances concebidas para

durar. A eficiência e as performances, tal como a

aderência, são mantidos durante toda a vida do

pneu. A outra característica é a alta fiabilidade

da carcaça, que assegura que o pneu pode ser

reescultutado e recauchutado. Finalmente,

podemos destacar o equilíbrio entre o

desempenho que permite combinar a eficiência

do combustível com uma ótima resistência ao

rolamento e um elevado rendimento

quilométrico. A Michelin tem o compromisso

permanente de fabricar os pneus mais

avançados que melhor respondam às exigências

dos segmentos dinâmicos e de referência do

setor. Com base nisto, dispõe de uma vasta

gama de produtos que se adaptam muito bem

às diferentes necessidades do mercado. No

segmento Premium tem a marca Michelin, em

Quality a BFGoodrich e em Budget a Tigar, Riken

e Orium, todos elas com uma grande oferta

dimensional. A Michelin caracteriza-se pela sua

capacidade de inovação e renovação constante,

e este ano os novos produtos estão presentes

em todos os segmentos, com a extensão da

gama X Multi Energy para a série 80 para

médias e longas distâncias, uma nova oferta

para pneus de construção X WORKS com 385/65

R 22,5 que pode transportar 10 toneladas de

carga por eixo. Uma solução específica para

autocarros elétricos estará brevemente

disponível com Michelin X Incity EV e, no

decurso do ano, a renovação completa da gama

de Inverno com o X Multi Grip.

YOKOHAMA

A Yokohama Ibéria comercializa exclusivamente

a marca premium japonesa Yokohama para

veículos comerciais e pesados. Na gama de

Longa Distância, foi recentemente lançado o

modelo 707L, um pneu de tração para longas

distâncias, o qual obteve resultados excecionais

em rodagens controladas e em frotas

representativas, conseguindo resultados

praticamente idênticos ao rendimento

quilométrico e de consumo de combustível em

comparação à marca “referência” do setor TBS.

No que se refere ao resto da gama de camião

foi praticamente toda atualizada e está em

pleno desenvolvimento da nova gama “Super-

Single” nas series 55 e 65 com o objetivo de

responder aos requisitos das frotas mais

exigentes. De referir também a atualização de

todas as referências aplicáveis a Regional, dos

eixos direcionais, com o novo 124R, que conta

com a marca 3PMSF cada vez mais requisitado

nas frotas que realizam transporte internacional

na Europa. Por último, mas não menos

importante lançou o pneu 385/65R22,5 no

índice de carga 164 para os novos requisitos e

desafios solicitados pelos profissionais de

reboques. A estratégia da Yokohama consiste

em trabalhar diretamente com os fabricantes de

camiões e com os transportadores, para abordar

a evolução das suas necessidades comerciais e

apoiar os seus esforços na criação de um

transporte sustentável. Os pneus de baixa

resistência ao rolamento são uma área de

enfoque decisiva para a empresa, e têm um

impacto direto na redução dos níveis de

emissões de camiões e autocarros, assim como

no custo total de propriedade (TCO) da frota.

Uma verdadeira vantagem para todos são os

esforços desenvolvidos na criação de um pneu

que cumpra com todos os requisitos na vertente

operacional e que esteja em linha com os

regulamentos atuais e com os que entrarão

vigor esta década e no futuro. O objetivo é

disponibilizar pneus para veículos pesados com

a mais baixa resistência ao rolamento, sem

sacrificar a quilometragem e outras áreas chave

para a performance dos mesmos.

NEX

A NEX comercializa várias marcas, iniciando a

sua oferta nas marcas premium Michelin e

Continental, na gama quality a marca Kumho e a

Riken e no segmento budget as marcas

Blacklion, Dynamo, Eracle e Bison. A marca

Kumho, com fabrico na Coreia do Sul, é

comercializada em exclusivo pela NEX na gama

de pneus para camião e autocarro. A novidade

desta marca é a gama X, moderna e polivalente

que se adapta na perfeição ao mercado

português. Este pneu assegura maior

quilometragem, um desenho otimizado e um

composto especial na banda de rolamento. A

Kumho é um fabricante de pneus que utiliza

borracha natural com vista a um fornecimento

de pneus com qualidade e com respeito pela

14 | Revista dos Pneus | Junho 2021


CompetusAT2_Pneurama_A4_ilan.pdf 1 26.05.2021 09:35

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

www.revistadospneus.com | 15


Reportagem Destaque

sustentabilidade e responsabilidade ambiental

dos seus fornecedores. Também os processo de

produção foram alterados de modo a evitar a

utilização de óleos aromáticos nos seus

compostos evitando assim o respetivo impacto

para o meio ambiente. Além do mais, a

reesculturação e recauchutabilidade permitida

pela gama Kumho permite a maximização da

vida útil do pneu, o que para além da poupança

financeira representa um maior aproveitamento

do pneu ampliando o seu ciclo de vida. A marca

tem vindo a crescer de forma sustentada no

mercado português, tendo atualmente uma

presença importante ao nível de pneus de

camião no seu segmento no nosso país.

Reconhecidamente, é uma marca cuja

rentabilidade/durabilidade, poupança de

combustível/eficiência energética e preço

competitivo tem vindo a destacar-se no seu

segmento tornando-a numa excelente opção

para todo o tipo de utilização.

S JOSÉ PNEUS

Para veículos pesados, a S. José Pneus

comercializa as marcas Goodride, Semperit e

Continental. e ainda pneus Recauchutagem S.

José, que são recauchutados a frio com

carcaça. Em termos de novidades destaque para

a nova gama de pneus Premium da Goodride

com os pisos MultiNavi S1, MultiDrive D1 e

MultiAp T1 para os eixos direcional, de tração e

de reboque respetivamente. A Goodride lança

assim uma gama completa de novos pneus com

níveis surpreendentes de performance,

segurança e resistência. Projetada com um

conceito híbrido, a nova gama, distribuída pela

S. José Logística de Pneus, anuncia excelentes

performances de condução, tanto em longo

curso como em percursos regionais. Ao nível da

eficiência, apresenta um consumo excelente de

combustível com quilometragem máxima e

notável aderência em qualquer piso. Aqui fica

uma pequena descrição dos modelos e

características dos três novos pneus pesados da

Goodride:

• MultiNavi S1 – destinado ao eixo direcional,

destaca-se pelos quatro sulcos retos do piso,

que permitem uma excelente drenagem da

água, baixo ruído, aderência superior em

estradas molhadas e com neve, bem como

quilometragem elevada. Boa recauchutabilidade

da carcaça.

• MultiDrive D1 – para aplicação no eixo de

tração, garante uma maior quilometragem

devido à profundidade do piso, proporcionando

uma maior vida útil do pneu. O padrão da banda

de rodagem e os blocos robustos do piso

asseguram boa tração, tanto em superfícies

secas como molhadas ou cobertas de neve. O

design, com enfoque no ombro do pneu, que

aposta num composto de borracha para baixo

aquecimento, permite minimizar o desgaste

causado pelos esforços de rolamento. Boa

recauchutabilidade da carcaça.

• MultiAp T1 – para aplicação em galeras, com

um piso de quatro sulcos, proporciona excelente

expulsão de pedras, prevenindo, assim, cortes

na ranhura do pneu. O design do ombro, largo e

sólido, garante longa quilometragem e o

composto especial do piso proporciona baixo

consumo de combustível bem como menor

resistência ao rolamento. Boa

recauchutabilidade da carcaça.

Na Semperit destaca-se a gama Runner, ideal

para percursos de curta e longa distância e para

todo o tipo de estradas. Esta nova gama da

Semperit apresenta o Runner F2, Runner D2 e

Runner T2 para os eixos direcional, de tração e

de reboque respetivamente e incorpora já os

elevados níveis de tecnologia do seu fabricante,

a Continental. Confiança e fiabilidade são os

adjetivos que melhor caracterizam estes pneus.

RODRIGUES TYRES

A Starmaxx, distribuída em Portugal pela

Rodrigues Tyres, caracteriza-se pela gama

dimensional e pelas opções de utilização

disponibilizadas. Toda a gama é relativamente

moderna no nosso mercado e inclui pisos para

todos as utilizações e posições. Os métodos de

produção são dos mais evoluídos e respeitando

obviamente todas as últimas exigências

ambientais. O feedback dos clientes à marca

tem sido muito positivo e o preço sell in muito

competitivo, gera uma boa margem na venda,

sobretudo porque se tratam de pneus europeus.

A nossa empresa implementou e obteve

certificação do sistema de gestão da qualidade

de acordo com ISO 9001 e do sistema de gestão

ambiental de acordo com ISO 14001. A primeira

certificação do sistema de gestão da qualidade

foi emitida em 1998. A certificação do sistema

de gestão ambiental foi emitida em 2004. O

sistema de gestão certificado inclui toda a

produção e sofre constantes melhorias de

acordo com a atualização da norma ISO. A

abordagem exclusiva à qualidade e a missão de

liderança permitem que a Stramaxx cresça

constantemente e consolide a sua posição em

mercados internacionais com qualidade e

produção orientada para os clientes.

TIRESUR

A Tiresur fez uma aposta mais forte no

segmento dos pesados desde 2017, e nessa

altura duplicou as referências disponíveis na sua

marca bandeira, a Ovation, passou a ser a

representante para Portugal das marcas

Uniroyal (do grupo Continental), e Kelly (do

grupo Goodyear) e reforçou ainda mais essa

aposta com a integração da marca Triangle no

início de 2019. Esta aposta refletiu-se num

crescimento de mais de 70% de unidades

vendidas desde o início de 2017 até final do

2020. A Tiresur representa de forma exclusiva

em Portugal as marcas Ovation e Triangle, há

cerca de 9 e 2 anos respetivamente, ambas de

origem asiática, e desde há 5 anos a marca

Uniroyal. Para além destas marcas, comercializa

também as marcas premium do mercado. Desta

forma tem uma oferta global, que lhe permite

responder a todas as necessidades do mercado.

Os principais fabricantes de pneus têm vindo a

introduzir várias inovações tecnológicas nos

16 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados

pneus para pesados nos últimos anos. Desde

uma nova conceção de carcaças, mais leves, a

compostos que permitem baixar a resistência ao

rolamento (fundamental para ir de encontro às

exigências dos fabricantes de camiões), até à

introdução de RFID nos pneus, que permitem

uma monitorização constante dos vários níveis

de desempenho do pneu. Todas estas inovações

visam aumentar a vida útil dos pneus para

camiões, e baixar o custo de operação das

frotas. A Tiresur está atenta a estes

desenvolvimentos, e tem este tipo de produtos

disponível para os seus parceiros. As

preocupações ambientais e a segurança são

questões fundamentais e nas marcas

representadas pela Tiresur, a evolução tem sido

notória. Todas as marcas referidas em cima

podem ser re-esculturadas e recauchutadas;

estes processos são muito importantes para

reduzir o impacto ambiental. No ano passado, a

Uniroyal introduziu a homologação 3PMSF em

toda a gama, e este ano, a marca Triangle está a

fazer o mesmo. Esta homologação é reflexo das

preocupações relativas à segurança e prestação

dos seus produtos.

AB TYRES

A AB Tyres comercializa várias marcas de

pneus para veículos pesados. No segmento

Quality tem Falken e Fulda, enquanto no

segmento Budget tem a Golden Crown e

Torque. Na Falken destacam-se os pneus

385/65 R 22,5, em diversos pisos, com índice

de carga e velocidade 164K (High Load) e

também o novo piso de tração BI856, ambos

apresentam excelentes desempenhos nas suas

diversas aplicações. Este modelo de carcaça

de “última geração” reduz o calor produzido

pelo próprio pneu, fazendo com que este

melhore significativamente a sua

quilometragem. Realce também para o

alargamento da gama de produtos,

principalmente em jante 17,5 e 19,5 (Light-

Truck). De referir que praticamente toda a

gama Falken já ostenta a sigla 3PMSF, o que

permite a sua utilização em condições mais

exigentes de Inverno. Na Fulda destacam-se os

pneus 385/65 R 22,5 Regiotonn3 HL, para

reboque, com índice de carga e velocidade

164K (High Load), apresentando um excelente

desempenho e um elevado rendimento

quilométrico. Tal como na marca anterior,

salientamos também que praticamente toda a

gama Fulda Truck já ostenta a sigla 3PMSF.

Todos os pneus Falken e Fulda são

recauchutáveis e ressulcáveis. Relativamente à

Golden Crown regista-se o alargamento da

gama e reforço de stock, assim como na

Torque que também reforçou o stock,

principalmente nas medidas de maior rotação.

PNEURAMA

A Pneurama comercializa a marca Cordiant em

exclusividade para o mercado Português. Os

pneus de camião Cordiant Professional têm

aderência e eficiência em consumo de

combustíveis ao nível das melhores marcas do

mundo. Fabricados na Rússia, equipam muitas

empresas de transportes incluindo a rede de

autocarros de Moscovo. O centro de I&D da

Cordiant é um complexo de excelência e os

seus engenheiros têm enorme reputação nas

agências de investigação e centros de testes.

Os pneus Cordiant são testados nas melhores

agências da Europa: IDIADA (Espanha), TEST

WORLD (Finlândia), ARTIC FALLS (Suécia) e

DEKRA (Alemanha). No fabrico de pneus para

pesados, a marca tem como prioridade a

eficiência energética e longevidade do pneu,

trazendo assim impactos positivos ambientais

e económicos. Destacamos na gama o modelo

Cordiant Professional FL-2 que define novos

padrões modernos de banda de rodagem de

pneus de longa distância. Os pneus da direção

têm um nível avançado de eficiência de

combustível - classe C segundo as regras de

rotulagem ecológica da UE (Diretiva UE

1222/2009), o que significa alta eficiência

económica durante o uso desses pneus. Um

reforço especial na parte inferior das ranhuras

do ombro aumenta a área de contato na zona

do ombro, protegendo o pneu de desgaste

irregular quando a banda de rodagem está

30% ou mais desgastada. A tecnologia Stone-

Shield fornece um alto nível de segurança no

transporte de carga por meio do uso de uma

geometria 3D exclusiva de ranhuras da banda

de rodagem - pedras grandes e pedaços de

sujidade não são capturados, enquanto

pequenas pedras são ejetadas das ranhuras da

banda de rodagem para garantir uma operação

confiável.

DISPNAL

As marcas principais que a Dispnal

comercializa no segmento dos Pesados são: a

Petlas, Trazano, Linglong e Anteo. Para

completar o leque tem as marcas premium

como Michelin, Pirelli e Bridgestone. A mais

recente novidade é a Marca Trazano, fabricada

na Tailândia pelo grupo ZC Rubber’s, com

características como composto melhorado de

borracha que promete menor desgaste de piso,

menos consumo de combustível, melhor

aderência e estabilidade e não menos

importante maior rendimento quilométrico.

Relativamente à Petlas é um dos maiores e

mais antigos fabricantes de pneus da Turquia,

e possui a tecnologia de design e a capacidade

de fabrico com base no know-how e

experiência acumulados por mais de 40 anos.

A política da Petlas visa garantir uma condução

segura, além da sustentabilidade. A Linglong é

uma marca que faz parte do Top 5 dos maiores

fabricantes chineses de pneus e possui uma

fábrica na Europa. Em Portugal é representada

e distribuída há mais de 20 anos pela Dispnal,

que comercializa toda a gama de pneus

pesados da marca. Está em constante evolução

e dispõe de uma oferta bastante forte a nível

de produtos e novas medidas.

www.revistadospneus.com | 17


Reportagem Destaque

Pneus para pesados

Fatores que condicionam o mercado de pneus para pesados

l Escassez de produto devido às dificuldades de stock das marcas Premium/Quality, pois

as suas fábricas não estão a produzir o suficiente para as necessidades do mercado.

l Inflação provocada pelos altos custos de fretes provenientes da Ásia poderão

prejudicar a recuperação do mercado de pneus pesados.

l Condicionamentos impostos pela “pandemia” no que toca à circulação rodoviária

nacional e internacional, afetam negativamente todo este mercado, em especial os

transportes.

l Instabilidade a nível económico não permite que a recuperação do mercado possa ser

feita dentro da brevidade que todos desejam e necessitam.

l Tendência de subida dos preços dos pneus, aliada a uma fraca disponibilidade de

produção face à procura crescente de uma retoma mais do que anunciada.

l As medidas de proteção aos pneus europeus implementadas há alguns anos começam

agora a dar frutos, mas como se continuou a transportar muitos bens de primeira

necessidade, o impacto não foi assim tão importante.

l Redução do serviço, que tem sido impactada pelas severas restrições à mobilidade,

originou um abrandamento do consumo privado e têm um impacto muito forte na atividade

económica em geral

18 | Revista dos Pneus | Junho 2021


evistapneus_nankang_05-2021.pdf 1 18/05/2021 09:26:43

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

PURA PERFORMANCE

no seco e no molhado

www.dispnal.pt

+351 255 617 480

@ callcenter@dispnal.pt

www.dispnal.es

+34 910 603 478 / 672 329 314


Reportagem Destaque

Ambiente e segurança

As preocupações ambientais e a segurança sempre foram uma prioridade das principais marcas de pneus presentes no

mercado. A norma VECTO veio trazer desafios acrescidos ao setor e produz já hoje impacto no desenvolvimento e na oferta

que as marcas disponibilizam ao mercado no segmento do equipamento original

A

norma VECTO é uma ferramenta de

simulação digital desenvolvida pela UE para

garantir que as metas de redução de

emissões de CO 2 sejam cumpridas. Com a VECTO,

os fabricantes de veículos podem simular as

emissões de CO 2 e o consumo de combustível em

veículos com diferentes configurações. Como

resultado, o novo regulamento da União Europeia

sobre a etiquetagem de pneus entrou em vigor a 1

de Maio, a fim de oferecer aos consumidores uma

maior transparência.

As questões ambientais são por isso encaradas

como grandes desafios por todos os fabricantes, o

que os obriga a utilizar a mais avançada tecnologia

no fabrico, com o grande objetivo de serem cada

vez mais ecológicos. A resistência ao rolamento é

um dos principais fatores com impacto nos

consumos de combustível – que podem

representar até 30% dos custos totais.

Em termos de dimensões e capacidade de carga

dos veículos, deve ser alcançado um consenso a

nível europeu para harmonizar as massas e

dimensões dos veículos. Mega-camiões de 25,25 m

já circulam nas estradas principais europeias e

recentemente iniciaram-se os ensaios de duoreboques

com um comprimento de 32 m. Quanto

aos veículos elétricos estão cada vez mais presentes

nas frotas de autocarros urbanos e o seu aumento

será exponencial nos próximos anos, no entanto,

para camiões com mais de 3500 kg, a questão da

autonomia continua a ser um travão importante para

o desenvolvimento de soluções. Para médias e

longas distâncias, os principais fabricantes de

veículos estão a desenvolver soluções baseadas no

hidrogénio com baterias de combustível.

A Bridgestone tem uma grande preocupação quer

com a segurança quer com o ambiente. Tem vindo

a desenvolver pneus com melhores valores de

etiquetas, que reduzem a resistência ao rolamento

e o consumo de combustível. As carcaças dos seus

pneus são concebidas de modo a terem várias

vidas e não apenas a vida enquanto pneu novo, o

que é também uma forma de poupar recursos

naturais. Realce para a gama ECOPIA, para longo

curso, com baixa resistência ao rolamento, o que

permite economizar combustível e reduzir as

emissões de CO 2.

As preocupações ambientais e a segurança

sustentam e influenciam sobremaneira todo o

investimento da Continental em R&D. Para este

fabricante, o fator ambiental é hoje um dos

fatores condicionantes do mercado em termos de

legislação e diretivas europeias em vigor. A marca

tem já uma gama específica para o segmento OE,

a gama EcoRegional, que se encontra adaptada

às elevadas exigências ao nível de emissões de

CO 2 e que será a gama utilizada num futuro muito

próximo pelas principais marcas fabricantes de

camiões na Europa. Paralelamente, a segurança

dos utilizadores dos seus produtos e soluções

continua e continuará sempre a nortear todos os

esforços de desenvolvimento da Continental,

sendo um valor inquestionável em tudo o que faz.

A Michelin lançou um enorme desafio: integrar

materiais 100% sustentáveis no fabrico dos seus

pneus até 2050. (28% em 2018). Para que todos

os componentes dos pneus sejam sustentáveis.

Isto será possível graças a uma maturidade

tecnológica muito avançada no campo dos

materiais de alta tecnologia e a uma

multiplicidade de programas ambiciosos e

altamente inovadores. Além disso, implementou

princípios de conceção ecológica para reduzir o

impacto ambiental do pneu em todas as fases do

seu ciclo de vida, desde a obtenção de matériasprimas,

passando pela produção, utilização e até

à fase de reciclagem.

A Yokohama adapta a sua tecnologia de última

geração, denominada BluEarth, focada na

engenharia de produto para obter pneus que

respeitam o meio ambiente, o homem e a

sociedade. A marca entende que os pneus devem

proporcionar prazer e segurança na condução,

bem como devem ter um menor impacto

ambiental. Adicionalmente aplica o conceito

Zenvironment, permitindo que avanços

tecnológicos nos pneus possam reduzir o impacto

no meio ambiente de diferentes formas. A nova

linha de pneus de camião e autocarro

Zenvironment (“Z” para meio ambiente) incorpora

progressos, prolongando a vida útil do pneu

através da utilização de compostos avançados na

banda de rodagem

Para a S. José Pneus, como empresa

recauchutadora que é, as preocupações

ambientais são um tema muito importante, tanto

mais que agora produz pneus ainda “mais

verdes”, já que a sua unidade de recauchutagem

é alimentada com energia elétrica produzida por

painéis fotovoltaicos, portanto por energias

renováveis. Outro fator relevante prende-se com o

facto de todos os pneus das marcas que

comercializa possuírem uma elevada

recauchutabilidade da carcaça, o que contribui

para a redução dos consumos de recursos

naturais (petróleo e seus derivados, borracha

natural, etc.), apresentando-se assim como um

processo que garante a extensão do ciclo de vida

do pneu.

A norma VECTO veio trazer desafios acrescidos ao setor

e produz já hoje impacto no desenvolvimento e na oferta

que as marcas disponibilizam ao mercado

20 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados

Apoio aos clientes

Uma das preocupações das marcas de pneus para pesados é dar acompanhamento técnico/comercial aos seus clientes,

e a generalidade, possui equipas especializadas, exclusivamente dedicadas a dar assistência aos grandes frotistas

A

Bridgestone define prioridades consoante a

complexidade dos contratos e audita tanto as

montagens de pneus novos e recauchutados

como também o nível de serviço efetuado pelos

seus agentes na prestação destes contratos. Quer

dizer que os agentes são auditados e só desta

forma pode servir bem as frotas. De salientar

também que acompanha em Portugal os veículos

de outros países e que trabalhem no nosso país e

dá apoio através das suas plataformas digitais

Toolbox, Fleetbridge e sistemas de monotorização

com o Webfleet. A Bridgestone e os agentes estão

sempre prontos e disponíveis para colaborar com

as transportadoras

A Continental possui um departamento específico

para acompanhamento personalizado de frotas

denominado Fleet Solutions. Esta equipa

multidisciplinar possui diferentes valências técnicocomerciais

e está estruturada desde um nível de

acompanhamento e gestão de frotas internacionais

até ao nível mais local de cada unidade de negócio.

Pretende estar o mais próximo possível dos

utilizadores finais dos seus produtos, por forma a

poder aconselhar, adaptar e melhorar ainda mais a

sua oferta de soluções de frota. Uma pedra basilar

deste acompanhamento reside na utilização da rede

de parceiros Conti360, que desempenham um papel

fundamental na operacionalização de todo este

acompanhamento e na implementação nos planos

de gestão integrada de frotas.

A estratégia do Grupo Michelin baseia-se nos 3 P’s:

Pessoas, Planeta e Profit (Lucros), colocando sempre

os clientes no centro das suas decisões e ações,

trabalhando para impulsionar novas oportunidades

de negócio. A marca possui a mais extensa e bem

treinada rede de profissionais em questões técnicas

da Península Ibérica.

Para as soluções de gestão integrada de pneus das

frotas existe uma equipa de especialistas em gestão

de frotas dedicada a assegurar a mobilidade da frota

e a aconselhar sobre possíveis evoluções dos pneus,

bem como a definir soluções para quaisquer

necessidades que surjam durante a vida da frota.

Para soluções padrão de gestão de pneus através de

distribuidores, existe uma equipa de Acount

Managers especializados em frotas que monitorizam

o produto e o desempenho, bem como um

Departamento Técnico central especializado em

produtos industriais.

A Yokohama oferece suporte técnico-comercial às

frotas, realizando controlos de monitorização e

comprovações periódicas de todo o material

rolante, verificando possíveis incidências dos

pneus e assessorando as frotas desde o início até

ao fim de vida útil do pneu, considerando o

reesculturado e recauchutado, naquelas frotas que

exijam estes recursos e otimização.

A Yokohama realiza verificações de produto e

informa diretamente a central no Japão dos

requisitos e exigências dos consumidores. Os

engenheiros que trabalham na central em Tóquio

conhecem bem as particularidades e exigências do

transporte em Portugal, pois recebem online toda a

informação necessária, em tempo real.

No seguimento da estratégia implementada, a AB

TYRES valoriza o correto aconselhamento técnico,

garantindo uma grande proximidade no “terreno”

ao cliente. Para este efeito tem duas pessoas na

equipa comercial especializadas na área dos pneus

para pesados.

Além disso, pode disponibilizar, em caso de

necessidade, o serviço de “Inspeção de Frota”.

Paralelamente, assegura também a continuidade

das marcas que representa, garantindo de forma

rápida resposta a eventuais questões técnicas que,

entretanto, possam surgir.

A Tiresur coloca a equipa e os serviços à disposição

dos seus clientes e parceiros, para em conjunto,

poder propor a solução mais adequada ao usuário

final. Testes e seguimentos de performance de

produto, assim como acompanhamentos técnicos,

permitem-lhe ter melhor conhecimento do produto, e

argumentos concretos na altura de apresentar

propostas. A Tiresur tenta estar no mercado como

assessora dos seus parceiros. Ou seja, não quere

apenas disponibilizar os produtos que tem e que são

amplamente reconhecidos no mercado, mas também

apoiar os seus parceiros na altura da decisão da

melhor proposta a efetuar ao cliente final.

As marcas querem estar o mais próximo possível

dos utilizadores finais dos seus produtos, por forma

a poderem aconselhar, adaptar e melhorar ainda mais

a sua oferta de soluções de frota

www.revistadospneus.com | 21


Reportagem Destaque

Critérios de escolha de pneus pesados para frotas

Qualquer operador moderno procura basicamente duas características nas suas escolhas: rentabilidade operacional e

“peace of mind” na sua utilização. A correta seleção do produto determina a sua rentabilidade e segurança de desempenho

O

custo total da utilização de um pneu

depende, entre outras coisas, do seu preço

de compra, da sua duração e da sua

resistência ao rolamento, sem nunca esquecer a

segurança, razão pela qual os pneus são

concebidos com enfoque na redução do consumo

de combustível e energia, limitando as emissões

de CO2, o que, em última análise, significa

benefícios económicos individuais, bem como

benefícios para o ambiente. Hoje em dia as frotas

tentam ter o mínimo de problemas originados

pelos pneus (imobilizações e custos

relacionados), mas o fundamental é a redução do

custo de operação da sua frota. Não nos

podemos esquecer que os pneus, que

representam cerca de 5% do custo operacional

da frota, podem ter grande influência em outros

custos muito mais significativos, como é o caso

do combustível, que pode chegar a representar

cerca de 50% desses custos.

Por isso, a aquisição de pneus para as frotas tem

de obedecer a alguns critérios e ter em

consideração que a escolha deverá recair no

produto que consiga proporcionar a melhor

relação de custo por quilómetro, poupança de

combustível e segurança. É importante que todos

os pneus sejam recauchutáveis e ressulcáveis, o

que lhe permitirá fazer o uso ideal do conceito

“quatro vidas do pneu”, novo, ressulcado,

recauchutado e ressulcado de novo, de modo a

otimizar o custo por quilómetro. Nem todas as

frotas procuram o mesmo, o mercado é diverso.

Em primeiro lugar é de salientar que, cada vez

menos, o preço inicial de compra é um fator

decisivo.

Dum modo geral as frotas procuram pneus com o

menor custo por quilómetro possível, tendo em

consideração a primeira vida e as possibilidades

de recauchutar que proporcionam. No entanto,

um número cada vez mais significativo de frotas

analisa não apenas o pneu em si, mas também a

possível poupança de combustível que os pneus

podem trazer. Neste caso, vemos que apesar do

custo inicial maior e duma menor quilometragem,

o saldo final quando se tem em consideração a

poupança de combustível é positivo. Numa frase,

estes pneus têm um preço de aquisição mais

elevado, fazem menos quilómetros, mas a

poupança de combustível que proporcionam mais

que compensa esses custos acrescidos.

CARACTERÍSTICAS OBRIGATÓRIAS

Características como qualidade/preço são fulcrais

na altura de escolher. Mas todo um conjunto de

fatores como composto de borracha melhorado,

menor consumo de combustível, melhor

aderência e estabilidade e alta quilometragem

são em dúvida tudo o que os frotistas

necessitam. Em primeiro lugar, os pneus para

veículos pesados têm de ser seguros e fiáveis. Os

camiões circulam nas estradas e autoestradas

juntamente com milhares de outros veículos e

um acidente com um camião pode ter

consequências sérias. Fiáveis porque a carga tem

de ser entregue a tempo. Qualquer tempo de

paragem devido a um problema com pneus põe

22 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados

borracha específicos, para obter durabilidade e

rendimento quilométrico.

2 - Segurança: desenvolvimento de compostos e

desenhos da banda de rodagem, com o objetivo

de oferecer excelente manobrabilidade e

aderência superior.

3 - Respeito pelo meio ambiente: obter poupança

de combustível e limitar as emissões de CO2 na

atmosfera, graças à baixa resistência ao

rolamento.

REESCULTURAR E RECAUCHUTAR

Estas duas ferramentas permitem prolongar o

ciclo de vida de um pneu com custos

substancialmente inferiores à sua substituição

por um novo. Daí as marcas desenvolverem os

seus produtos com tecnologias potenciadoras da

sua reescultura e posterior recauchutagem. Para

isto o desenho e robustez da carcaça é um fator

crítico de sucesso.

O reesculturado proporciona mais do que um

benefício para o utilizador e para o ambiente:

l Em estradas molhadas, os pneus

reesculturados oferecem melhor aderência

transversal e aproximadamente 10% melhor

tração do que pneus com desgaste semelhante

que não tenham sido recauchutados.

l O reesculturado prolonga a vida útil dos pneus

quando estes têm menor resistência ao

rolamento e, portanto, consomem menos

combustível e reduzem as emissões de CO 2.

l Aumenta o potencial quilométrico do pneu em

até 25%, tanto em pneus novos como

recauchutados do Grupo Michelin.

l Ao reduzir o consumo de combustível e

prolongar a vida útil, o reesculturado é bom para

o ambiente.

As frotas exigem o pneu reesculturado como uma

solução “obrigatória” já que é fundamental para

conseguir quilometragem adicional depois da

primeira vida.

A recauchutabilidade dos pneus para pesados

tem um impacto direto na rentabilidade do

modelo económico que as marcas propõem aos

utilizadores dos seus produtos. Para este fim, a

carcaça dos pneus de camião deve ser

concebida, desenvolvida e fabricada para que

possa ser recauchutada, otimizando assim o

custo por quilómetro dos pneus em utilização.

A recauchutagem também permite contribuir

para um modelo de utilização de pneus muito

mais responsável do ponto de vista social. A

recauchutagem reduz o número de pneus novos

necessários, reduzindo assim o consumo de

recursos naturais e a energia necessária para os

fabricar, contribuindo assim para um maior

respeito pelo meio-ambiente. Um pneu

recauchutado pode ser 30 a 60% mais

económico que um pneu novo, garantindo a

mesma segurança, a extensão do ciclo de vida do

pneu e ainda a redução dos recursos naturais do

planeta.

Como referido, estas 2 características

(reesculturar e recauchutar) devem ser

fundamentais na decisão de compra, pois

permitem tirar o máximo rendimento possível da

estrutura do pneu, melhorando o rácio custo/

performance do mesmo.

em risco essa entrega atempada. Em segundo

lugar, um pneu tem de ter um baixo custo

operacional. Para isso tem de ter uma carcaça

robusta, que possibilite ser recauchutado.

No que se refere ao respeito pelo meio ambiente,

temos a vertente da recauchutagem, que

possibilita que se utilizem menos recursos

naturais para rolar os mesmos quilómetros e, não

menos importante, temos uma nova geração de

pneus que permitem às frotas economizar

combustível e reduzir as emissões de CO2. No

final do dia, o produto ideal terá um custo mínimo

no seu ciclo total de utilização, onde não nos

podemos nunca esquecer do papel fundamental

que as soluções de recauchutagem

desempenham nesse ciclo. Adicionalmente,

todas as soluções digitais de monitorização da

performance dos pneus em tempo real permitem

reduzir ainda mais esse custo total de utilização,

potenciando igualmente poupanças significativas

ao nível dos consumos de combustível via, por

exemplo, a otimização das pressões de

insuflação.

As características essenciais de um pneu para

veículos pesados são:

1 - Rentabilidade: longa vida do pneu, mediante o

desenvolvimento da carcaça e compostos de

Cada vez mais o consumidor procura

aliar a relação qualidade/preço

bem como a segurança e o alto

rendimento quilométrico. Otimizar o

tempo e as despesas são fundamentais

www.revistadospneus.com | 23


Reportagem Destaque

Gestão de pneus de frota

Insourcing ou Outsourcing, qual a melhor solução?

Existem diversas opiniões relativamente à melhor maneira de fazer a gestão dos pneus de uma frota de camiões:

Insourcing, que é a estratégia da empresa manter todos os serviços internamente, sem a contratação de fornecedores

para terceirizar serviços; ou outsourcing, que se baseia na contratação de uma entidade exterior para realizar atividades

que a empresa não tem conhecimento ou infraestrutura para executar, mas cujos serviços são necessários e essenciais

ao seu funcionamento

Para a Bridgestone, as duas

alternativas são válidas. No

entanto, se a frota optar por fazer

a sua própria gestão de pneus, estará

a desviar recursos e a sua atenção do

foco principal do seu negócio, os seus

clientes. O ideal será cada empresa

fazer aquilo que melhor sabe e deixar

a gestão dos pneus para os

profissionais. A Bridgestone e os seus

Parceiros – os seus Agentes – estarão

sempre prontos e disponíveis para

colaborar com as transportadoras,

tudo fazendo para minimizar os

custos com pneus e os tempos de

paragem.

A Continental considera que, com a

crescente digitalização do negócio e

dos produtos que comercializa, a

gestão autónoma dos pneus de uma

frota será cada vez mais limitadora

de todo o seu potencial de

rentabilidade e eficiência. O produto

pneu incorpora cada vez mais

tecnologias de comunicação e

tendencialmente será ainda mais

“inteligente” no futuro. A questão

fulcral é que ele comunicará apenas

com as infraestruturas instaladas

pelos seus fabricantes, que estão

naturalmente disponíveis junto da

sua rede de parceiros de negócio, os

quais podem potenciar e maximizar

a sua rentabilização. A ligação das

frotas com os parceiros de serviço

de cada marca será sem dúvida uma

tendência futura, deixando para trás

a utilização do pneu como uma

“commodity” negociável de forma

independente.

A Michelin, relativamente à

externalização da gestão de pneus

de frota, considera que todas as

soluções são válidas, desde que a

empresa possa dedicar os recursos

necessários para uma gestão

correta, em termos de pessoal,

atualização técnica e sistemas de

informação conectados. Em qualquer

caso, é altamente recomendado e

necessário contar com o apoio e

aconselhamento de profissionais de

pneus, tanto do fabricante como de

distribuidores especializados em

produtos industriais.

Para a Yokohama, ambas as

soluções são possíveis, embora

reconheça vantagens no outsourcing

e dá o exemplo dos fabricantes de

pneus que fazem acordos diretos

com as frotas, para o fornecimento

de pneus, utilizando as redes

próprias e oferecendo um serviço

global de manutenção e substituição,

transformando custos variáveis em

custos fixos, no caso dos contratos

ao quilómetro.

A AB Tyres considera que, em termos

económicos a melhor solução para as

transportadoras é fazerem diretamente

a gestão interna dos seus pneus. No

entanto, para maximizar esta mais

valia é fundamental ter recursos

humanos adequados, apoio técnico por

parte do fornecedor e uma

“ferramenta” complementar em

termos de software.

A Tiresur acredita que a gestão de

pneus pesados pode ser feita pela

própria frota. Só que para o fazer, é

necessário que haja alguém na frota

com conhecimento/formação técnica,

que possa conceber um plano de

gestão dos pneus. Essa é a grande

dificuldade que as frotas têm. Daí que

muitas das frotas de referência no

panorama nacional prefiram passar

essa “responsabilidade” aos

profissionais de pneus. Neste sentido,

também todos os fabricantes

oferecem soluções de gestão de

pneus que colocam à disposição das

frotas de pesados.

Para S. José Pneus, a gestão de

pneus pesados em outsourcing foi a

solução que algumas transportadoras

encontraram para poder garantir

custos fixos na gestão da frota. No

entanto, uma gestão cuidada da parte

de cada transportador, com a

necessária assessoria técnica por

parte do agente/fornecedor, continua

a ser a solução mais económica para

a gestão das frotas, nomeadamente

das pequenas e médias.

Um dos principais motivos que leva uma organização

a adotar pelo outsourcing é a redução de custos

e o seu controle, que são uma prioridade para a maioria

das organizações

24 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Pneus para pesados

Soluções integradas de gestão de pneus pesados para frotas

Diversos fabricantes premium já

disponibilizam soluções

integradas de gestão de pneus

pesados para frotas. Existem várias

ferramentas que podem funcionar de

uma forma integrada ou de forma

autónoma, consoante o nível de

integração dos dados obtidos

A Bridgestone tem uma grande

preocupação em acompanhar as frotas

nacionais, tanto no seu pedido de

venda de contratos quilométricos, quer

na venda direta de pneus com

prestação de serviços. Em qualquer

dos casos necessita do suporte dos

seus agentes para a prestação de

serviço nas oficinas e no serviço 24h.

A Bridgestone investiu em

plataformas digitais como o

FleetBridge e o Toolbox e também

entrou na área da telemática com a

aquisição da TomTom Telematics que

agora se chama Webfleet. Dispõe de

um Departamento Técnico composto

por 4 elementos. É um serviço de

apoio técnico às frotas, com inspeções

de frota, aconselhamento técnico e de

produto, formação e resolução de

eventuais problemas técnicos.

As soluções de frota da Continental

estão agora completamente integradas

no conceito Conti 360º Fleet Solutions,

no qual se concentra toda a oferta ao

nível de sistemas de gestão proativa

dos pneus das frotas suas clientes,

potenciados pela integração de todas

as soluções de telemática e cuja

informação produzida está agora 100%

integrada num único sistema. Consegue

assim já conectar em tempo real o

veículo com o centro operacional

Conti360º e, consequentemente, com

toda a rede de parceiros de serviço

associados a este projeto. A Continental

tem sido pioneira neste domínio. Como

plataforma base de gestão integrada

tem o sistema CESAR, que está agora

na sua mais recente versão, adaptada a

toda a realidade online das

multiplataformas móveis e capaz de

reconhecimento de QR code, integração

com Google Maps, etc. Tem depois

vários sistemas como o Conticonnect,

onde se integram os dados em tempo

real das leituras de temperatura e

pressão de insuflação de cada pneu

monitorizado pelo sistema

ContiPressureCheck. Outra ferramenta

muito importante é a utilizada para a

inspeção de frota FleetCheckTool.

O grupo Michelin sempre foi pioneiro

no apoio às frotas de veículos pesados

e desenvolveu nos últimos 20 anos

ofertas integradas de gestão de pneus,

todas elas geridas diretamente por

profissionais Michelin e adaptadas a

cada nível de delegação:

l EFFITIRES. A solução PPU

(Pagamento Por Utilização) para frotas

médias e grandes que preferem

delegar a gestão de pneus ao mais

alto nível. A Michelin trata de tudo,

enquanto a frota se concentra nos

seus negócios.

l Produto e Serviço. Integração com

um único interlocutor para todas as

necessidades de gestão de pneus,

ligado à necessidade de autorização

da frota. Toda a informação da frota

num único Sistema de Gestão de

Pneus: Tyrecheck.

l Tirecare. Solução para frotas com

oficina integrada e pessoal próprio.

Controlo de stocks, relatórios de

atividade, vida útil dos pneus,

necessidades presentes e futuras.

Incorpora soluções digitalizadas para a

verificação da profundidade e pressão

dos pneus.

Estas 3 ofertas modulares são

adaptadas às necessidades de cada

frota, e sempre com uma gestão em

tempo real que lhe permite tomar as

decisões certas. Incorporam as redes

mais profissionais de Prestadores de

Serviços certificados Michelin e um

serviço de assistência rodoviária líder

na Europa e na Península Ibérica,

OK24 e Oncall24.

A Yokohama conta com uma extensa

rede de profissionais que oferecem

suporte técnico-comercial, assistência

a nível europeu e serviço “Breakdown”

no caso de incidências na estrada.

Oferece soluções de formação

presencial e em formato digital, graças

às novas tecnologias e devido

principalmente à pandemia. Está a

desenvolver novas ferramentas de

comunicação e formação no formato

“webinar” de forma a satisfazer o

cliente e o consumidor com a máxima

transparência, informação e

otimização de recursos. Está a

desenvolver na sua sede em Tóquio

várias soluções tecnológicas de

controle por TPMS, pneus com

sensores RFID, seguimento e controle

por internet, contando com a

colaboração direta dos grandes

fabricantes de veículos para o

desenvolvimento da sua gama de

produto e tecnologia.

Com as soluções integradas de gestão de

pneus o gestor de frotas pode ter uma

fotografia real do estado do parque de

pneus, retirando daí valiosos planos

de intervenção corretiva e preventiva

www.revistadospneus.com | 25


Reportagem Destaque

Pneus para pesados

Telemática digital

Controlo total da frota

A telemática digital associada aos pneus pesados tem evoluído muito e trazido vantagens competitivas

para os operadores de frotas, assim como a conectividade entre veículos e infraestruturas, que é já uma realidade

e será ainda mais num futuro próximo

O

controle “online” dos pneus, permitindo saber

as pressões, temperaturas e nalguns casos, a

vida remanescente dos pneus mediante a

verificação dos sulcos da banda de rodagem,

converteu-se num aliado das frotas que otimizam

ao máximo o rendimento dos pneus, graças a uma

manutenção preventiva e corretiva imediatas, que

permitem alargar a vida útil dos pneus,

minimizando as incidências em estrada.

Através da telemática digital, os dados recolhidos

sobre a pressão e a temperatura dos pneus são

enviados em tempo real para uma nuvem usando

uma unidade telemática central. Além disso, o

sistema transmite a localização do veículo por GPS

e regista o horário de funcionamento dos pneus.

Deste modo o gestor de frota tem a sua missão

facilitada, com uma visão geral mais rápida e

confortável das condições dos veículos,

independentemente da sua localização.

Estas tecnologias, como por exemplo o sistema

TPMS e os sistemas de geolocalização têm sido

decisivas para o processo de manutenção

preventiva e otimização dos equipamentos de

desgaste, como é o caso dos pneus. Em

consequência, esta monotorização mais cuidada

também irá permitir uma redução substancial dos

custos operacionais das frotas.

Graças ao desenvolvimento das soluções de

telemática digital associadas à utilização dos

pneus é possível antecipar e corrigir todas as

deficiências que possam levar a uma situação de

imobilização forçada da viatura. Tudo isto com

redução efetiva e comprovada nos custos de

operação das frotas, nomeadamente ao nível da

redução de consumos de combustível, aumento

das performances quilométricas e redução dos

tempos de imobilização para manutenção dos

veículos. Com as soluções digitais já

implementadas e integradas nos sistemas atuais é

possível monitorizar em tempo real a pressão e

temperatura de funcionamento dos pneus de uma

viatura. Muito em breve, com a integração dos

sistemas de monitorização, também será possível

saber, em tempo real, a profundidade do piso de

cada pneu.

De referir ainda que já existem sistemas capazes

de repor a pressão dos pneus em andamento,

embora no mercado europeu não tenham grande

expressão. São utilizados maioritariamente em

zonas geográficas mais remotas e com total

ausência de parceiros de assistência na estrada.

Estes sistemas são ainda tecnicamente complexos

e com algumas desvantagens económicas ao nível

da sua instalação e impacto no consumo de

combustível da viatura, pelo que dificilmente se

conseguem implementar em mercados mais

evoluídos como o Europeu.

Dados de mobilidade são a chave do negócio

A interpretação dos dados de mobilidade e a sua

transformação ajuda os frotistas a serem capazes

de tomar decisões consensuais, a serem mais

eficientes nas suas operações, a reduzirem custos

e a controlarem as emissões de CO2. Permite

ainda fornecer aos gestores de frotas os dados

necessários para criar planos de transição para

frotas verdes, planos de redução de CO2,

otimização de rotas e recursos, melhorando, em

última análise, a capacidade operacional dos seus

negócios.

Os microchips RFID instalados nos pneus permitem

a sua localização e serviços associados, facilitando

o registo do desempenho quilométrico ao longo da

vida útil da carcaça, a rastreabilidade das

operações de manutenção e recauchutado, bem

como a identificação rápida e fácil do pneu. Acima

de tudo, permitem associar um pneu ao veículo

que o monta, e fazer o respetivo tracking. Também

permitem a otimização de stocks, uma vez que

facilita o inventário para a gestão de armazéns.

Este é mais um passo, em que as frotas

economizam tempo e aumentam a produtividade

graças à rastreabilidade digital e direta dos pneus,

o que contribui para a gestão eficiente da

manutenção da frota.

A telemática digital associada ao pneu, também

permite que se faça uma manutenção preditiva em

vez de reativa, ou seja, permite antecipar e corrigir

situações de pressões erradas, que levariam a uma

menor performance do pneu, e no limite, a

situações de rebentamentos.

A telemática digital tem sido uma ajuda importante

para as frotas no sentido de aumentarem

consideravelmente a performance dos pneus

26 | Revista dos Pneus | Junho 2021


YOKOHAMA IBERIA, S.A.

www.yokohamaiberia.com


Entrevista Mercado

A relação estreita com

o cliente é primordial

neste negócio

Filipe Bandeira, administrador da AB Tyres, sabe bem do que fala. À frente de

uma das maiores empresas do setor da distribuição de pneus em Portugal, tem

acumulado resultados positivos, mesmo em tempos de pandemia, e contou à

Revista dos Pneus os segredos de uma empresa cujo sucesso é alicerçado na

relação de confiança e proximidade estabelecida com os clientes

Mesmo em tempos estranhos

de pandemia, há que desbravar

caminho e continuar

a trabalhar neste que é um

dos mercados mais competitivos do aftermarket.

Filipe Bandeira, explicou-nos

como têm sido os últimos meses da AB

Tyres e a sua visão sobre como serão os

próximos anos nesta área. Apesar da pandemia,

a AB Tyres registou um crescimento

de dois dígitos em 2020, que se manteve

em 2021. Neste primeiro trimestre, onde o

crescimento se tem mantido sustentado, e o

resultado não poderia ser mais satisfatório:

“Comparando o primeiro trimestre de 2020

com 2021, obtivemos um crescimento de

60% em volume de vendas e um aumento

do número de clientes a comprar em 50%.

São resultados fantásticos, principalmente

porque no primeiro trimestre de 2020 o

impacto económico, causado pela pandemia,

apenas se fez sentir no mês de março.”

Com as oficinas, as lojas e casas de pneus

sempre abertas, mesmo durante os confinamentos,

o setor do aftermarket, apesar de todos

os problemas causados pela pandemia,

tem conseguido superar positivamente este

período extremamente difícil. Durante este

período a AB Tyres, assente nos seus valores

de proximidade e serviço de excelência,

posicionou-se como um verdadeiro parceiro

dos seus clientes. “No confinamento de 2020

tivemos uma equipa dedicada a dar apoio

aos nossos clientes e parceiros, com objetivo

de os ajudar a perceber essencialmente

como podiam obter as linhas de crédito lançadas

pelo Governo. Montámos uma equipa

interna e estivemos sempre próximos dos

clientes, fosse por telefone, e-mail, presencial

ou através de reuniões on-line. Acreditamos

que é esta a forma correta de estar no mercado.

Lado a lado com os clientes, em todos

os momentos, em especial nos menos bons.”

Olhando para a dimensão e faturação da AB

Tyres, a proveniência é, não só mas também,

de um portefólio de 22 marcas de pneus

que comercializam, com pesos diferentes

no mercado: Falken, Davanti, Sumitomo,

Torque, Infinity e Debica (ambas recentes

na AB Tyres e com grande espaço no

mercado), Mabor, Aptany, Uniroyal, Fulda,

Golden Crown e as marcas premium no seu

todo integram o vasto portefólio da empresa.

“Nos últimos meses, com aumento

do custo do transporte em cerca de 600%,

os pneus oriundos da Ásia viram o seu preço

aumentar, o que tem um reflexo direto no

preço. Para dar resposta a este aumento exponencial

e nos mantermos competitivos

foram fundamentais os níveis de stocks que

temos constantemente das nossas marcas

exclusivas e ainda a incorporação da marca

Debica, produzida em exclusiva na Europa.”

Em termos de exportação, a AB Tyres tem

também consolidado a sua posição no mercado

internacional, tendo mesmo crescido

no 1º trimestre, face ao período homólogo,

cerca de 25%. “O mercado internacional é

extremamente competitivo e maioritariamente

focado na comercialização de mar-

cas premium, o que torna o negócio ainda

mais difícil. Atualmente, estamos focados

essencialmente em três mercados: Africa,

Ásia e Médio Oriente. Em todos os mercados

trabalhamos com distribuidores locais, além

de termos uma equipa comercial dedicada

em exclusivo a esta área de negócio. No

caso do Médio Oriente temos ainda uma

sede no Dubai dedicada especialmente ao

negócio de trading”, refere Filipe Bandeira.

Olhando especificamente para o segmento

dos pesados, que tem um peso significativo

no mix de vendas da AB Tyres, Filipe Bandeira

é perentório “o facto de estarmos inserido

no Grupo Alves Bandeira, onde temos um

total de maios de 15.000 clientes empresa

ativos, permite-nos criar sinergias e cross-

-selling entre os vários negócios. Nesse

sentido, temos conseguido aumentar, ano

após ano, o número de clientes com frotas

de pesados” Questionado sobre se estariam

a pensar ter mais marcas de ligeiro e

pesados no seu portfólio, Filipe Bandeira

reforça” para já não andamos à procura de

mais marcas, mas estamos sempre atentos

a oportunidades, que pode inclusive passar

por outros segmentos que atualmente não

estão no nosso portfólio.”

O CLIENTE COMO FIGURA CENTRAL

E A ESTRATÉGIA DE DIFERENCIAÇÃO

DA AB TYRES

Sendo um dos maiores «players» no mercado

dos pneus, a AB Tyres tem obrigatoriamente

de ser diferente dos outros distribuidores.

28 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Filipe Bandeira, administrador da AB Tyres

O que distingue a AB Tyres e contribui

claramente para a posição que

tem no mercado é a relação de

proximidade e confiança que

construiu com os seus parceiros ao

longo destes anos


Reportagem Entrevista

O maior desafio para a AB Tyres neste momento passa

por implementar todos os projetos que estão em

desenvolvimento e dar continuidade aos níveis de

crescimento dos últimos anos

A questão que se coloca é «onde?». Num

negócio onde o mercado é maduro e está

formatado para funcionar de uma determinada

forma, o grande objetivo da empresa

é apoiar o seu cliente, ou parceiro, como

lhe chama Filipe Bandeira, ajudando-o a

crescer de uma forma sustentada a longo

prazo. Filipe Bandeira abre-nos um pouco

da estratégia da AB Tyres e quais são fatores

estratégicos que a diferenciam da concorrência:

“todos sabemos que a política de

preços, a garantia de stocks e a qualidade

do serviço de logística são fatores fundamentais

no processo de compra de compra

de todo e qualquer cliente. No entanto,

para o administrador da AB Tyres,”esses três

fatores já não são suficientes, pelo menos

para nós, que estamos mais focados em criar

valor real para o cliente no longo-prazo e

que, além disso, procuramos estabelecer

relações de confiança e duradouras com os

nossos parceiros. Conseguir este objetivo só

é possível como estratégia orientada para

o cliente, como a que nos orgulhamos de

ter desde o inicio deste negócio. A maior

prova disso é o nosso investimento nas nossas

equipas e pessoas. Temos certamente

a equipa mais profissional e dedicada no

mercado, quer seja comercial, telemarketing,

suporte ou marketing. Aliado a isso,

investimos não só num novo programa de

fidelização que fosse capaz de abranger

todos os clientes, independentemente do

seu tamanho e volume de negócio; mas também

em formação e informação, seja on-line

ou presencial, junto dos nossos parceiros.”

Conforme referido por Filipe Bandeira um

dos pontos essenciais para conseguir vender

mais e melhor é o nível de stocks de

pneus. “Há quatro anos tínhamos em stock

entre 60 a 70 mil pneus. Atualmente, como

resultado do crescimento que tivemos, temos

mais de 100 mil pneus em stock. É um

número revelador da rotação que temos

e da quantidade de pneus que vendemos

mensalmente. Vamos continuar a investir

nesta área e aumentar a nossa capacidade

de armazenamento, não só em Lisboa ou

na Mealhada, onde temos dois armazéns,

mas também em novos armazéns em outras

zonas geográficas.”

Clube AB Tyres – Um Clube para todos

A

pós um ano de aposta no Clube AB

Tyres, a Alves Bandeira Tyres já premiou

mais de 50 clientes com uma viagem,

para duas pessoas, a Cuba, Malta e

Açores. No início de março de 2020, poucos dias

antes do início da pandemia, a Alves Bandeira Tyres

lançava o seu novo programa de fidelização Clube

AB Tyres. Com uma dinâmica única e inovadora, o

Clube AB Tyres foi criado com o objetivo de premiar

diariamente os clientes mais fidelizados com

campanhas, descontos, merchandising, viagens e

muito mais.

Apesar do efeito pandémico, e depois do

relançamento do programa em maio desse mesmo

ano, o Clube AB Tyres revelou-se uma ferramenta

de fidelização estratégica para a distribuidora com

sede na Mealhada.

Sob o lema “Um Clube para todos”, o Clube AB

Tyres veio abrir a possibilidade a qualquer cliente,

independentemente da sua dimensão e volume de

negócios, de aceder a um conjunto de vantagens e,

no final do ano, ganhar uma viagem para duas

pessoas.

Passado pouco mais de um ano desde o seu

lançamento, e apesar de vários meses de

confinamento, o Clube AB Tyres premiou mais de

50 clientes com uma viagem, para duas pessoas, a

Cuba, Malta e Açores.

“O Clube AB Tyres foi importante para

conseguirmos crescer cerca de 50% em número de

clientes e para fidelizar e potenciar as vendas dos

parceiros atuais”, afirma Filipe Bandeira. u

BATERIAS E LUBRIFICANTES DE MARCA

PRÓPRIA E, BREVEMENTE, O NEGÓCIO

DE PEÇAS

Um cliente que compre atualmente na AB

Tyres tem também acesso a um conjunto

alargado de produtos complementares ao

negócio dos pneus. “Além dos acessórios,

comercializamos também baterias e lubrificantes

de marca própria. Tanto as baterias

“AB Power” como os lubrificantes “AB Lubs”

são produzidos em exclusivo na Europa e

garantem uma excelente relação preço-qualidade.

Ainda em 2021, lançaremos também

o negócio de peças, complementando assim

a nossa proposta de valor.”

NOVOS PROJETOS PARA O FUTURO

Como empresa líder e evoluída que é a AB

Tyres está sempre a inovar e a criar novos

produtos e serviços que ajudem a potenciar

30 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Filipe Bandeira

o negócio do seu cliente. “Atualmente temos

5 novos projetos em curso, todos eles

na área digital.

Em primeiro lugar, estamos a desenvolver

um projeto inovador aliado à oferta AB Tyres

(pneus, lubrificantes, baterias, acessórios e

peças), que irá ajudar o cliente a gerir o seu negócio

de uma forma mais eficiente e rentável.

Em segundo, e no segmento de pesados,

estamos a estudar um sistema de gestão

de frotas que ajudará os nossos parceiros a

antecipar qualquer necessidade relacionada

com a gestão das suas viaturas, como seja a

troca de uma bateria, ver a pressão ou trocar

os pneus. Para garantir um serviço de excelência

vamos ter parceiros distribuídos em

todo o território nacional.

O terceiro projeto está a ser realizado com

Alves Bandeira e será lançado no inicio do 2º

semestre. Inserido no programa de fidelização

Pontos AB da Alves Bandeira, os seus clientes

fidelizados vão poder comprar pneus on-line

a preços competitivos e realizar a sua montagem

em exclusivo nos nossos parceiros. Com

este projeto pretendemos angariar novos

clientes para os nossos parceiros, sendo que,

além da montagem e outros serviços que o

cliente deseje, o nosso parceiro ganha ainda

uma parte da margem da venda do pneu. Isto

é único e diferenciador no mercado.

O quarto projeto envolve todas as empresas

do Grupo Alves Bandeira e consiste em criar

um ecossistema de gestão e encomendas

integrado, onde todos os clientes empresa

e seus colaboradores poderão adquirir

pneus, lubrificantes, baterias, peças entre

PROGRAMA AB PARTNER/Falken

Uma parceria de sucesso

A

AB Tyres é, desde 2014, distribuidor

exclusivo da Falken em Portugal. É a

marca principal e pode mesmo dizerse

que é a sua “marca bandeira”. Foi

com a Falken que a AB Tyres criou a sua rede de

parceiros AB Partner | Falken, atualmente com

mais de 170 parceiros distribuídos de norte a sul

de Portugal.

A AB Tyres trabalha toda a gama Falken,

inclusive segmentos de pesados. Atualmente, a

Falken representa 25% a 30% das vendas da AB

Tyres. Para fazer face às necessidades dos seus

parceiros, a AB Tyres garante um stock

constante de mais de 40.000 pneus, dando

assim resposta a toda e qualquer necessidade.

O Programa AB Partner oferece aos parceiros

Falken um conjunto de vantagem exclusivas,

como sejam níveis de preços especiais, rappeis

anuais, proteção geográfica, formações e

eventos de relacionamento, ofertas e campanhas

exclusivas, apoio na comunicação da marca,

entre outros.

Além disso, a AB Tyres tem vindo a reforçar o

seu investimento na comunicação da marca,

com o objetivo de potenciar a sua notoriedade

nacional, como explica Filipe Bandeira:

“Atualmente temos uma estratégia de

comunicação 360º da marca Falken, que vai

desde o offline ao online. Do lado do offline

temos a marca atualmente presente em mais de

50 outdoors, distribuídos de norte a sul do país,

além de investirmos em comunicação na

imprensa, patrocínios e apoios nacionais e

locais.

Na área digital, desenvolvemos um site Falken

para Portugal, investimos em publicidade digital,

tanto nas redes sociais como rede google e

ainda criamos um plano de conteúdos mensal

para os nossos parceiros divulgarem a marca

nas suas redes sociais.

Por fim, e transversal a todos estes formatos de

comunicação, é de destacar a parceria que

estabelecemos com o Filipe Albuquerque para

ser o Embaixador da marca em Portugal.” u

outros produtos, dos mais diversos setores

de atividade, a preços exclusivos e especiais.

Neste caso, também pretendemos angariar

novos clientes empresa e individuais para os

nossos parceiros.

O quinto e último projeto esperamos que

esteja terminado até ao fim do ano e consiste

em renovar o nosso portal de encomendas,

tanto ao nível de imagem, como de novas funcionalidades

de gestão e compra de pneus.”

PERSPETIVAS DE CRESCIMENTO

“Para 2021, traçámos um objetivo de crescimento

superior a 15%. No primeiro quadrimestre

conseguimos ter um crescimento

maior do que tínhamos estimado o que nos

deixa muito otimistas e nos tem incentivado

inclusive a acelerar e investir nos novos projetos

em curso e, consequentemente, a antecipar

os seus lançamentos no mercado. A

médio e longo prazo pretendemos ainda, a

nível nacional, dobrar a nossa rede de parceiros

AB Partner, seja da marca Falken, Davanti

ou mesmo de outra marca, bem como entrar

em outros segmentos de pneus. A nível internacional

o nosso objetivo passa por abrir

novos mercados e aumentar as vendas de

produtos complementares, como sejam as

baterias AB Power, lubrificantes AB Lubs e as

peças”, conclui Filipe Bandeira. u

www.revistadospneus.com | 31


Entrevista Mercado

queremos aliar

os lucros

financeiros à

responsabilidade

social

32 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Lin Hsueh-Pu, presidente da Nankang Rubber Tire

A tónica no desenvolvimento sustentável está bem patente na visão que

o presidente da Nankang, Lin Hsueh-Pu, tem para o futuro da marca. À Revista

dos Pneus, o responsável apontou para uma realidade – cada vez mais próxima -

que incluirá pneus 100% reciclados, feitos com 80% de materiais sustentáveis

Fundada inicialmente como

Nankang Nature Rubber Department

em 1940, estabeleceu-se 19

anos depois com a atual designação

de Nankang Rubber Tire Corporation

Ltd. Tem duas fábricas, uma localizada em

Hsin-Fung, Taiwan, com cerca de 800 funcionários,

e outra em Zhangjiagang, na China,

que emprega cerca de mil pessoas. A sede é

em Taipei, onde trabalham 50 colaboradores.

A Nankang destacou-se logo em 1974

como o primeiro fabricante de pneus em

Taiwan a desenvolver com sucesso pneus

radiais, sendo distinguida em 2011 pelo Ministério

dos Negócios Estrangeiros como

uma das 100 marcas TOP de Taiwan. Hoje

fabrica pneus para veículos ligeiros, SUV,

4x4, furgões e pesados, nas versões de verão,

inverno e all-season, tendo registado a

produção e venda de 7,6 milhões de pneus

só em 2020.

No que toca a pneus de ligeiros, a gama da

Nankang cobre com dimensões de 135-335

mm, alturas de 25 aos 80 mm e jantes de

10 a 26’’. Já nos SUV, 4x4 e comerciais, as

medidas vão dos 130 aos 345 mm, alturas

dos 40 aos 80 mm e as jantes de 12 a 26’’.

Em entrevista à Revista dos Pneus, Lin Hsueh-

-Pu, explica que “a procura dos clientes tem

vindo a alterar-se ao longo dos anos e nós

continuamos a tentar encontrar novas formas

de melhorar a fórmula dos pneus all-season,

que evitam custos e a inconveniência

das trocas anuais”. Para tal, o presidente indica

a importância do desporto automóvel

como ferramenta de testes: “colocamos os

componentes e a tecnologia mais avançada

nos pneus de corridas. Acreditamos que

estas nos ajudam a estabelecer uma boa

imagem de marca, ao mesmo tempo que nos

permite testar uma variedade de compostos

e estruturas nas condições mais severas e

o feedback, conhecimento e experiências

conseguidos são utilizados no desenvolvimento

dos pneus para ligeiros. É um ciclo

positivo que nos faz andar para a frente”.

As novidades não tardam em chegar e ainda

este ano serão lançados novos produtos para

os segmentos de inverno, nomeadamente

“o novo SV-4, adequado para a condução

em neve e gelo, que irá substituir paulatinamente

o antigo SV-3. Temos também o

ICE-2 para substituir o ICE-1 e o pneu com

pregos SW-9 que vem para o lugar do SW-

8, ambos para conduzir em condições de

inverno extremo”, revela.

De acordo com Lin Hsueh-Pu, por agora,

o produto mais próximo que a Nankang

tem para carros elétricos é o NEV-1. Tem

espumas no interior dos pneus e reduz em

grande parte o ruído dentro do veículo, para

acompanhar o tradicional silêncio dos veículos

elétricos. A marca está a desenvolver

uma série de novos pneus especialmente

desenhados para estes automóveis, porque

acredita no potencial de crescimento deste

segmento “especialmente num futuro próximo.

Estes produtos apresentarão melhorias

em todos os sentidos, quer seja a aderência

em piso molhado, coeficiente de resistência

ao rolamento, nível de ruído, maior quilometragem,

etc. Planeamos lançá-los dentro

de um ano”, adianta.

Questionado sobre o impacto da pandemia,

Chiang conta que em fevereiro de

2020, “muitos funcionários da fábrica de

Zhangjiagang ficaram de quarentena depois

de voltarem ao trabalho após o ano

novo chinês, o que impactou 40% da capacidade

de produção da Nankang, mas graças

à nossa rápida reação, em apenas um mês

tudo voltou a estar sob controlo e a fábrica

voltou à produção normal”. Entretanto, os

procedimentos standard foram otimizados

para o caso de uma situação semelhante

voltar a acontecer no futuro.

FUTURO SUSTENTÁVEL

É uma das bandeiras maiores da empresa.

Crescer de forma sustentável e amiga do

ambiente, usando mais de 80% de materiais

Em Portugal a Nankang é representada pela Dispnal,

numa parceria muito elogiada pela marca de Taiwan

e com perspetivas de crescimento para este ano

www.revistadospneus.com | 33


Reportagem Entrevista

Lin Hsueh-Pu

sustentáveis, numa taxa de 100% de pneus

reciclados, e continuar a melhorar a qualidade

dos produtos em termos de performance,

segurança e proteção ambiental. O presidente

é muito claro: “A Nankang quer unir os lucros

financeiros à responsabilidade social”.

A marca tem o Departamento de I&D a

trabalhar em conjunto com o de Pesquisa

de Materiais para desenvolver novos

compostos, de forma a conseguir uma

melhor performance e qualidade dos

pneus. “Cooperamos constantemente

com os maiores fabricantes de Taiwan e no

estrangeiro para testar a possibilidade do

chegar ao desenvolvimento sustentável, isto

é: os pneus reciclados são transformados em

carbono preto, que é inserido na produção

dos pneus sem afetar a performance. Ao

mesmo tempo, o enchimento de sílica

usado na fábrica é em parte feito de materiais

sustentáveis e amigos do ambiente como

casca de arroz. Também é colocado na

produção com a premissa de não afetar a

performance dos pneus”, explica. Além das

matérias-primas e dos novos compostos, a

Nankang apostou ainda na co mpra de novos

equipamentos e sistemas para melhorar a

eficiência da produção dos pneus e o sistema

de armazenagem.

O presidente da Nankang considera que

“as vendas online são uma tendência, no

entanto, continuaremos a trabalhar com

retalhistas e distribuidores e permitir que

Dispnal: Um parceiro A++

No mercado português há 23 anos através

da Dispnal, a marca de Taiwan avalia o

distribuidor sem hesitar com nota máxima:

“A++!!! É um parceiro profissional, fiável e de

confiança. Foram sempre transparentes e

organizados connosco. Dirigem-se de forma

rápida e correta ao mercado, introduzindo os

pneus Nankang de maneira eficiente”. Para o

presidente da Nankang, a Dispnal tem “raízes

profundas no mercado português e ninguém o

conhece melhor do que eles”. Se a marca hoje

é bastante reconhecida em Portugal é graças à

Dispnal. “Entrámos no mercado português

muito cedo e as pessoas conhecem há algum

tempo a nossa performance e qualidade. Além

disso, os pneus Nankang estão distribuídos de

norte a sul do país, cobrindo as cidades

principais Lisboa e Porto, mas também muitas

outras. A Dispnal está a fornecer 100 pontos

testes finlandês Test World, entre outros, para

darem a conhecer como é que a performance

dos pneus é testada e verificada. Além disso, os

vendedores visitam o mercado de forma regular.

Deixam a informação mais recente sobre novos

produtos, tendências do mercado e recolhem o

feedback do mercado para o desenvolvimento

futuro.

O responsável máximo da marca Taiwanesa

entende que, em Portugal como em qualquer

mercado, “a qualidade é sempre o fator que

mais afeta o mercado, tanto para o bom como

para o mau. Os pneus são componentes de

segurança e todos sabemos que «as coisas

mais importantes da sua vida» estão no seu

carro, seja a sua família, os seus amigos, ou

você próprio. Ninguém vai arriscar a sua vida

com pneus perigosos. E, claro, o preço pode

ser mais sensível no mercado, contudo,

A Nankang quer crescer de forma sustentável e amiga

do ambiente, usando mais de 80% de materiais sustentáveis,

numa taxa de 100% de pneus reciclados

os nossos clientes desenvolvam os seus próprios

canais de vendas e mercados”. Para

2021, Lin Hsueh-Pu espera que a situação

da Covid-19 melhore no segundo semestre,

para que o volume de vendas continue a aumentar.

“Acredito que 2021 vai ser um bom

ano para a marca. Comparando o primeiro

trimestre de 2021 com o período homólogo

de 2020, registamos um crescimento

de +30% nos pneus all season”, remata. u

numa base diária”, assegura Lin Hsueh-Pu.

Atualmente, a Nankang tem a decorrer “todos

os tipos de ações de marketing em Portugal.

Apoiamos uma escola de drift, temos anúncios

nos estádios de futebol, somos patrocinadores

do troféu “C1 Learn & Drive” e muitas mais.

Além disso, fornecemos panfletos, bandeiras e

o material de publicidade para as lojas de

pneus. Planeamos continuar a estar em todas

essas frentes e queremos patrocinar mais

eventos de corridas/desportivos ou até

anúncios de TV e rádios, bem como outdoors

juntos das autoestradas e aeroportos”.

A Nankang prima pelo contacto próximo e

sólido com o mercado português, enviando

regularmente técnicos para visitar as lojas de

pneus. Estes dão formação de segurança dos

pneus e apresentam as vantagens dos produtos

da marca. Também atualizam os regulamentos

(como os rótulos da UE). Apresentam relatórios

de centros de testes conhecidos, como IDIADA,

o centro de testes francês UTAC e o centro de

acredito que o preço só conta quando se

atinge uma determinada qualidade e quando

isso não compromete ninguém”.

Neste momento, afirma, “o nosso plano é

alargar a gama em termos de dimensões

disponíveis e volume de vendas. A longo prazo

queremos tornar-nos uma das marcas

premium em Portugal. A Inteligência Artificial

faz com que os carros já não sejam só um

meio de transporte, mas sim parte da vida. Da

mesma maneira, acreditamos que os pneus

vão evoluir com os carros e tornarem-se cada

vez mais conectados com a vida das pessoas”.

Ainda que admita que 2021 é um ano

complicado, pois a Covid-19 ainda está a

afetar o mercado, Lin Hsueh-Pu desvenda

objetivos ambiciosos, com um crescimento

esperado de 20%. “Com novos produtos como

o AS-2+ atualizados para NA-1, e com os

pneus elétricos a ser anunciados em junho,

temos expectativas elevadas para este ano,

em conjunto com a Dispnal”. u

34 | Revista dos Pneus | Junho/Julho 2021


O MAIOR DISTRIBUIDOR DE PNEUS MULTIMARCAS EM ESPANHA

4.000 m 2

de armazéns

ENTREGA

24

H.

MAIS

80

DE

MARCAS

Distribuiçao

em 15 países

1 milhao

de pneus

em stock

TEMOS DE

TUDOOOO

PEÇA O QUE NECESSITE SOMENTE QUANDO NECESSITA

TODAS AS MARCAS EM UM ÚNICO DISTRIBUIDOR

O MELHOR PREÇO DESDE A PRIMEIRA UNIDADE

SEM OBJETIVOS, SEM COMPROMISSOS

PREÇOS TRANSPARENTES

NÓS ARMAZENAMOS POR SI

A maior oferta de pneus

em stock do mercado está em

Top Recambios. Mais de 100.000 m 2

própios, à sua disposição.

NECESSITA? TEMOS.

E MUITO MAIS…

DISTRIBUIDOR PROFISSIONAL

DE PNEUS MULTIMARCA.

Tel.: 96 379 04 03

toprecambios.com

www.revistadospneus.com | 35


Entrevista Mercado

A Nexen tem o

equilíbrio adequado

entre tecnologia,

qualidade e preço

Fundada em 1942, na Coreia do Sul, a Nexen Tire é hoje

uma das principais empresas da indústria dos pneus a nível global.

Está presente em 150 países e emprega mais de 4 mil pessoas,

fornecendo equipamento original a vários fabricantes automóveis.

Em Portugal é distribuída exclusivamente pela RS Contreras,

com quem têm uma relação de pedra e cal

36 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Raúl Jiménez, Diretor geral Nexen Tire Ibérica

epois de mudar o nome da empresa em

2000 de Woosung Tire para Nexen Tire

para renovar a imagem, a empresa tem

vindo a alcançar feitos notáveis e tem

registado um crescimento de vendas até

se tornar um dos principais fabricantes

internacionais na indústria de pneus.

Tem atualmente quatro fábricas: duas na

Coreia (Yangsan e Changnyeong), uma

em Qingdao, na China e outra em Zatec,

República Checa, que começou a funcionar

em 2019. Conta com uma rede global de

I&D nos EUA, China, Alemanha e Coreia,

desenvolvendo produtos com qualidade

diferenciada, desempenho excecional e

respondend rapidamente às necessidades

do mercado. Produz pneus de automóveis

de passageiros, SUV e camiões ligeiros

com tecnologia avançada e fornece pneus

originais a fabricantes de automóveis em

vários países do mundo.

A Nexen Tire é um dos fabricantes de pneus

que mais cresce, sendo o primeiro a ganhar

os 4 maiores prémios de design do mundo,

em 2014. Possui uma das fábricas mais modernas

do mundo, em Zatec (República

Checa), com todos os processos de produção

automatizados e os mais elevados padrões

de qualidade. Esta fábrica abriu no final de

agosto de 2019, sob o lema “A Nova Onda

para o Futuro”, marcando uma nova era para

a Nexen. Aqui começaram a ser produzidos

pneus de automóveis de passageiros, muito

focados nos veículos mais produzidos para a

Europa: Nfera Sport, Nfera Sport SUV e Nfera

Primus. Também são fabricados os modelos

NBuel HD+, NBlue 4S (pneus de 4 estações)

e Roadian CT8 (pneus para comerciais).

Com base no know-how adquirido e nas

tecnologias desenvolvidas ao longo de

quase 80 anos de atividade no setor dos

pneus, juntamente com a competitividade

de fabricação de plantas de produção nacionais

e internacionais, a Nexen Tire é hoje

uma organização global, presente em mais

de 130 países em todo o mundo.

A Revista dos Pneus foi saber mais sobre

esta empresa global com o diretor-geral da

Nexen Tire Ibérica, Raúl Jiménez.

Que valor acrescentado trouxe a nova

fábrica ao posicionamento da marca

no mercado europeu e o que mudou

no modelo de distribuição?

A nova fábrica na República Checa é certamente

um grande passo em frente para a

Nexen e uma grande aposta no mercado

europeu. Não só é uma das fábricas mais

modernas do mundo, como também temos

um centro de I&D na Europa, o que faz com

que os pneus se desenvolvam e produzam

especificamente para este mercado. A Nexen

também reforçou a sua posição na Europa

como marca, apostando na melhoria da relação

e dos serviços, aproximando-nos dos

nossos clientes. É uma grande mudança em

termos logísticos, deslocalizando os nossos

processos produtivos e encurtando a resposta

que podemos dar. Por exemplo, foi

uma grande ajuda nas crises recentes, como

a pandemia do COVID ou o bloqueio dos navios

no Canal do Suez. As instalações estão

no coração da Europa e num raio de 400 km,

tomando como centro a fábrica, encontramos

muitas fábricas de veículos, o que torna esta

situação ideal para o fornecimento de pneus

para equipamentos originais. Ter processos

de produção totalmente automatizados faz

com que os nossos pneus tenham padrões

de qualidade muito elevados e, como resultado,

estão ao mais alto nível, algo que os

principais fabricantes de veículos valorizam

e comprovamo-lo nos recentes anúncios de

equipamentos originais.

Que marcas de pneus fabrica

e vende atualmente?

A Nexen comercializa várias marcas, sendo a

principal a Nexen Tire. Tem também outras

marcas como a Roadstone. Produzem-se

ainda outras marcas privadas para clientes.

Em 2019, um ano normal, a Nexen teve

um volume de negócios de quase 1,6 mil

milhões de euros. Os segmentos que mais

crescem, em geral, são os de alto desempenho.

Os pneus de SUV são, atualmente,

os mais vendidos, pelo que para este tipo

de pneus vamos assistir a um crescimento

nos próximos anos. O mesmo acontece no

segmento de quatro estações, embora em

Portugal este tenha um impacto menor.

Dos pneus produzidos atualmente,

que percentagem se destina a

primeiro equipamento e ao mercado

pós-venda?

O número de pneus produzidos para cada

mercado pode variar de acordo com as necessidades

de cada momento, mas cerca de

15% destina-se a equipamentos originais.

Quais são os principais mercados

de exportação?

As grandes áreas comerciais da Nexen são

o mercado local (República da Coreia), mercado

asiático com a China como principal

A Nexen possui processos de produção

totalmente automatizados, o que faz

com que os seus pneus tenham padrões

de qualidade muito elevados e, como

resultado, estão ao mais alto nível

mercado, Médio Oriente, mercado americano

com os Estados Unidos como principal

mercado e Europa.

Como é que o Covid-19 condicionou

a atividade da Nexen Tire?

A pandemia afetou-nos a todos, tanto a

nível pessoal como profissional, e tivemos

de nos adaptar à situação em constante

mudança, sem uma visão clara do que

poderia acontecer a curto e médio prazo,

devido à evolução da situação sanitária e,

portanto, da atividade das empresas. Na

Nexen, primeiro adaptámos as medidas

de proteção necessárias e arranjámos os

meios para podermos trabalhar nas circuns-

www.revistadospneus.com | 37


Entrevista Mercado

Com a nova fábrica na República Checa, a Nexen reforçou a

sua posição na Europa como marca, apostando na melhoria

da relação e dos serviços, aproximando-se mais dos clientes

tâncias atuais, tanto internamente como

com os nossos clientes. As medidas foram

implementadas, ao início, junto dos nossos

clientes e trabalhamos com todos eles de

perto para podermos responder às suas

diferentes necessidades.

Quais são os grandes desenvolvimentos

que estão a acontecer na produção

de pneus Nexen?

Na Nexen temos os processos de produção

mais avançados e tecnologia de ponta em

todo o mundo, com todos os processos

automatizados. Isto é sempre feito de

um ponto de vista de eficiência, respeito

e proteção ambiental. Os nossos centros

de I&D estão sempre a inovar e a proporcionar

alterações, tanto nos processos de

produção como nos materiais utilizados

para a produção. As nossas fábricas, como

por exemplo a que foi recentemente inaugurada

na República Checa, têm todos os

certificados e aprovações das exigentes

autoridades europeias a este respeito,

sendo as mais exigentes a nível mundial.

A Nexen é patrocinador de várias

competições automóveis e equipas

de futebol. Qual tem sido o retorno

deste investimento?

Relação com RS Contreras mais forte do que nunca

A

Nexen Tire entrou no mercado

português em 2000 e é

distribuída de forma exclusiva

pela RS Contreras, parceiro com o

qual tem uma relação “mais forte do

que nunca”. À Revista dos Pneus,

Raúl Jiménez explica que na

situação atual, “ter fornecedores e

clientes fiáveis e sólidos e fazer uma

boa gestão de stock é fundamental

para se sobrepor às dificuldades e

continuar a crescer, para aumentar a

nossa quota de mercado”. Com a

gama de pneus a crescer,

nomeadamente os que são «made in

Europe», e os recentes modelos que

terão Nexen Tire como equipamento

original (VW Golf 8, SEAT León, Audi

A3), a marca fica “mais reconhecida

por profissionais e utilizadores finais

e a procura aumenta em todos os

canais de vendas. Reforçámos o

stock e as entregas à RS Contreras,

e todas as gamas de pneus têm uma

vasta gama de medidas”, afirma. As

campanhas de dinamização das

marcas são feitas em conjunto com

a RS Contreras, estando “neste

momento muito focadas na oficina”.

Outra das preocupações do diretorgeral

ibérico é garantir a melhor

disponibilidade de stock, a par do

melhor serviço de entrega: “Hoje em

dia, as oficinas não têm grandes

stocks e é o fabricante - distribuidor

que trabalha nesta área”, diz. Além

disso, a Nexen Tire apoia “as

oficinas e parceiros em tudo o que

eles precisem, organizando

formações e fornecendo soluções

para trabalhar com a marca da

melhor forma e obter o

posicionamento certo. A Nexen pode,

de facto ser a melhor escolha para o

utilizador final, porque tem o

equilíbrio adequado entre tecnologia,

qualidade de marca líder e um preço

muito competitivo, com uma

garantia de seis anos”.

Sobre os efeitos da pandemia de

Covid-19 em Portugal, Raúl Jiménez

admite que “a economia portuguesa

tem sido severamente afetada, ainda

mais por ser um país muito turístico.

A previsão que temos para Portugal

é uma rápida recuperação logo que

a crise sanitária o permita, o que

significa que temos grandes

expectativas apesar de ser um

mercado pequeno. Quanto ao parque

automóvel português e à sua idade

média, leva-nos a pensar numa

renovação gradual seguindo as

políticas atuais, o que também

conduzirá a uma melhoria do grupo

de produtos. E, claro, a Nexen estará

pronta, com uma aposta na

recuperação e em produtos

adequados às exigências de oficinas

e utilizadores”, vaticina.

38 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Raúl Jiménez

O retorno deste tipo de patrocínios não

é fácil de quantificar, e pode haver vários

parâmetros para o fazer, mas certamente

aumenta o reconhecimento e valor da nossa

marca e produto, onde tais acontecimentos,

como o futebol ou outros tipos de competições

e eventos desportivos ocorrem.

Este tipo de patrocínio é valorizado como

uma forma de comunicar valores de marca.

Qual é a importância das vendas

online? Acredita no crescimento

deste tipo de vendas no futuro?

As vendas online estão a crescer em todo o

mundo, sobretudo com as restrições sofridas

pela pandemia. Quanto aos pneus, tem a

particularidade de necessitar da intervenção

de um profissional/oficina, para poder fazer

o serviço de montagem. Por esta razão, as

vendas online continuam a ser inferiores a

3%. No entanto, crescem as consultas prévias

online e a pré-venda nas páginas das

oficinas. Essa tendência vai manter-se e vai

mudar a forma como nos relacionamos com

o cliente, mas a intervenção do profissional

da oficina continua a ser essencial.

Qual é a visão de Nexen Tire

para o pneu do futuro?

A Nexen Tire é uma empresa com potencial

para mudar o crescimento, evolução e futuro

do mundo. O pneu é e será uma parte

essencial da mobilidade. O meio ambiente,

a poluição e a eficiência energética serão

fundamentais para o desenvolvimento de

produtos num futuro imediato. A Nexen

anunciou recentemente o lançamento da

Next Century Ventures, onde se expandirá

para um espaço de mobilidade novo e futurista,

com empresas focadas na inovação

líder da quarta revolução industrial. Os investimentos

incidirão em tecnologias de

mobilidade fundamentais, como sensores

N’FERA Sport equipa de origem

novo Porsche Panamera

A

Nexen anunciou o mais

recente acordo com a

Porsche para equipar de

origem o novo Porsche

Panamera de segunda geração

com os pneus N’FERA Sport nos

tamanhos 265/45 R19 105Y XL

e 295/40 R19 108Y XL. O

N’FERA Sport da Nexen Tire é

um pneu desportivo que

oferece excelente desempenho

de drenagem através de

ranhuras largas 3 + 1 e

apresenta padrões assimétricos

adequados para condução em

alta velocidade. Além disso

também possui ranhuras 3D na

lateral para melhorar muito a

estabilidade e o desempenho

de manuseio da direção em

alta velocidade por meio da

otimização do design do

padrão e também usa novos

compostos que maximizam

a aderência e a força de

automóveis e inteligência artificial (IA), veículos

elétricos e tecnologias de condução

autónoma.

Que apoio está a dar a Nexen Tire

aos clientes, em termos de formação

técnica, estratégias de marketing

e gestão de negócios?

A Nexen Tire está sempre a trabalhar muito

travagem. “Estamos muito

entusiasmados em continuar

nossa parceria de fornecimento

OE com o fabricante de carros

de luxo por excelência

Porsche”, disse Travis Kang,

CEO e vice-presidente da Nexen

Tire. “A Nexen Tire tem uma

visão de crescer como uma

empresa global de pneus,

manifestada pela nossa

excelência em design e

tecnologia, e na atenção que

temos com nossos clientes e

comunidades locais em que

operamos”, referiu este

responsável. Para alavancar o

fornecimento de pneus OE para

a Porsche, a Nexen Tire planeia

realizar uma série de

campanhas de marketing a

nível global para fortalecer a

sua imagem de marca

premium. Enquanto isso, o

N’FERA Sport foi reconhecido

pelo seu excelente desempenho

pelas principais revistas

europeias de automóveis, como

a ACE Lenkrad, AUTOBILD,

ADAC Motorwelt (Alemanha),

TCS (Suíça) e Auto Touring da

ÖAMTC (Áustria) nos seus

testes de desempenho,

recebendo fortes avaliações e

recomendações. O N’FERA

Sport também recebeu o

prémio principal na

categoria de design de

produto no Red Dot Design

Awards 2020.

próxima dos seus clientes, tentando dar

uma resposta rápida às suas necessidades

em todos os aspetos, tanto técnicos, como

vendas, marketing, gestão, etc.. Os nossos

distribuidores são os representantes da

marca em cada mercado e nós fornecemos-

-lhes: apoio técnico, todas as informações

dos pneus; formação: tanto da gama, como

comercial, de diferentes aspetos que têm

a ver com os pneus; reclamações técnicas,

tudo o que o cliente pode precisar e que

sejamos capazes de contribuir, assim como

campanhas promocionais de material e marketing

focadas na necessidade do cliente e

gerando movimento nos pontos de venda.

Quais são as perspetivas de volume

de negócios para 2021?

Os dados mais recentes sugerem que 2021

está a ser um ano muito positivo para o

mercado europeu em relação aos pneus,

com crescimento em todos os segmentos.

Para a Nexen também está na mesma linha.

Embora este crescimento seja desigual em

cada país, dependendo das circunstâncias

particulares, bem como das restrições e

evolução da pandemia. Na Nexen estamos

a planear que 2021 regresse e ultrapasse

os volumes de 2019. u

www.revistadospneus.com | 39


Entrevista Mercado

O mercado

português tem uma

grande capacidade

de se regenerar

A Goodyear celebrou recentemente o 70.º aniversário da produção do primeiro

pneu na Europa e a Revista dos Pneus aproveitou este marco importante

da vida da empresa para entrevistar Wilson Luis, o responsável da marca

em Portugal, que explicou a estratégia da empresa no que toca à evolução

e sustentabilidade, e comentou ainda a forma como o mercado português

foi capaz de se reinventar e adaptar à nova realidade que a pandemia trouxe

A

Goodyear é um dos fabricantes

de pneus mais reconhecido do

mundo devido à alta qualidade

dos seus produtos. Líder na inovação,

aposta na investigação, desenvolvimento

e tecnologias de ponta. Desde a sua

criação que mantém o compromisso em

garantir as necessidades dos clientes, oferecendo

o máximo de segurança e prestações.

A história rica no desporto automóvel, além

de montra imprescindível para a Goodyear,

tem funcionado também com laboratório

de testes para desenvolver e melhorar os

compostos e o fabrico de pneus. Atualmente,

a Goodyear é uma das maiores empresas de

pneus do mundo com 2 centros de inovação,

48 fábricas, presença em 22 países e mais

de 64 mil colaboradores em todo o mundo.

Como é que a marca evoluiu no mercado

europeu nestas últimas sete décadas?

Foi um marco importante celebrar os 70 anos

da produção do primeiro pneu da Goodyear

na Europa na nossa fábrica do Luxemburgo.

Claro que evoluímos em paralelo com a

própria indústria automóvel e fizemo-lo

mantendo-nos como uma das empresas

de referência da nossa indústria, sempre

movidos pela inovação. Desde aquele 31

de janeiro de 1951, quando o primeiro pneumático

Goodyear saiu da linha de produção

no Luxemburgo, até hoje, dali saíram mais

de 125 milhões de pneus e incorporaram-

-se outras fábricas importantes na Polónia,

Alemanha ou França, entre outros países.

Quais são os principais avanços

tecnológicos a acontecer na produção

dos pneus da Goodyear,

concretamente no que toca a novas

matérias primas e compostos?

Na Goodyear estamos a centrar os nossos

40 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Wilson Luis, Responsável Goodyear Consumer em Portugal

esforços num modelo de produção baseado

na sustentabilidade e na inovação.

Por isso, nos últimos anos começámos a

apostar em eliminar matérias-primas que

não respeitem o meio-ambiente, como os

óleos derivados do petróleo, e introduzir

outras mais sustentáveis, como os óleos de

soja ou a sílica da casca de arroz, que estão

a dar muito bons resultados. No entanto,

acreditamos que não se trata apenas de

encontrar novas matérias-primas, também

devemos procurar inovar na forma como são

tratadas para tornar o processo muito mais

sustentável: tentando reduzir o consumo de

energia, reduzindo as emissões de gases de

efeito de estufa e encontrando formas de

aprovisionamento sustentável das nossas

matérias-primas (como com o óleo de soja

ou com a borracha).

E a nível tecnológico, que soluções

de monitorização da pressão e do

desgaste dos pneus desenvolveram

para tornar mais eficientes as

operações das grandes frotas?

Neste sentido a Goodyear tem uma proposta

tecnológica muito completa que se

adapta perfeitamente às necessidades de

todo o tipo de frotas: o pacote de soluções

de mobilidade Goodyear Total Mobility.

Um produto que combina os nossos

pneus para camião, soluções inteligentes

de monitorização de pneus e rede de serviços.

Entre algumas das nossas propostas

mais inovadoras, encontramos o Drive –

Over – Reader (DOR) ou as Proactive Solutions.

O DOR é um leitor que se coloca

na entrada da empresa ou da oficina e que

pode avaliar o estado dos pneus em segundos,

bastando apenas passar por cima.

Os gestores recebem de forma digital a

informação do estado dos pneus e, deste

www.revistadospneus.com | 41


Entrevista Mercado

Trabalhamos numa indústria muito estável.

Os carros, camiões, autocarros, motos, etc. continuam

e continuarão a precisar de pneus para se deslocarem

hoje, amanhã e no futuro

modo, automatiza-se a tarefa de revisão,

conseguindo poupanças importantes em

tempo e custos. Por outro lado, o Proactive

Solutions é um programa de soluções

preditivas que monitoriza em tempo real o

estado dos pneus (pressão, temperatura…)

e que pode prever de forma muito fiável

avarias com eles relacionados. Desde modo,

consegue-se manter os pneus na pressão

correta, o que se traduz em poupanças de

combustível, menos paragens inesperadas

e uma melhoria na segurança na estrada

para todos. Estas soluções, combinadas com

as opções de serviço, como a TruckForce,

Serviline 24h ou FleetOnlineSolutions (FOS)

facilitam a tarefa dos gestores de frota e

tornam a nossa oferta tecnológica para

frotas uma das mais completas.

Recentemente, os pneus Goodyear

EfficientGrip Performance 2 e Eagle D1

Asymmetric 5 ganharam testes

comparativos com outras marcas de

pneus. Que importância têm estas

vitórias para a imagem da marca?

As nossas equipas de desenvolvimento

trabalham muito para criar pneus cada

vez melhores, é um processo que exige

muito tempo e esforço. Este tipo de vitórias

é um reconhecimento desse esforço, é

a confirmação de que continuamos a fazer

um bom trabalho. Nós também fazemos

os nossos próprios testes, seja em pista,

estrada ou competição… Asseguramo-nos

de que oferecemos o melhor produto, mas

um reconhecimento externo em provas

comparativas com os restantes produtos

de condições semelhantes é muito valioso.

Claro que isso também gera visibilidade e

há condutores que levam estes comparativos

muito a sério e optam pelos pneus

vencedores.

A Goodyear tem uma história muito

rica no automobilismo. Que retorno

tem obtido deste grande investimento

de tantos anos?

Para nós o desporto automóvel é um

laboratório de testes para melhorar os

nossos pneus de estrada. Durante muitos

anos fomos uma das principais marcas de

pneus em Fórmula 1 e ainda hoje continuamos

a ser o fabricante com mais provas

ganhas nessa competição, apesar de

a termos abandonado já há muito tempo.

Agora os nossos esforços no automobilismo

centram-se no Campeonato do Mundo de

Resistência WEC, nas European Le Mans

Series e na Taça do Mundo WTCR, assim

como o novo campeonato Pure ETCR que

se disputa com carros elétricos. Sem dúvida,

são desportos muito ligados ao negócio,

que além de serem montras que geram

visibilidade para a nossa marca em todo o

mundo, também nos permitem aprender

e continuar a melhorar os compostos e o

fabrico dos nossos pneus.

A Goodyear continua a utilizar as

corridas automóveis para desenvolver

novos produtos?

As corridas são o melhor cenário para testar

os nossos pneus, por isso, as equipas de

desenvolvimento de pneus de estrada e de

pista trabalham sempre em proximidade. A

experiência e a aprendizagem ganhas em

cada competição são aplicadas no desenvolvimento

de pneus de estrada.

Como carateriza a vossa tecnologia de

produção de pneus?

O mais simples é dar um exemplo. O nosso

modelo de pneu de mais altas prestações

em UUHP, o Goodyear Eagle F1 SuperSport

RS tem um composto que também é usado

no WEC. Adapta-se às necessidades dos

carros de competição, mas também dos

automóveis hiperdesportivos de estrada.

Quantos pneus produziu a Goodyear

no último ano e qual é o volume de

vendas alcançado?

Na Europa, Médio Oriente e África

vendemos, em 2020 44,5 milhões de pneus

face a 55,1 milhões de 2019. Uma quebra

que, logicamente, se deve ao efeito da

pandemia.

Iremos presenciar o lançamento de

novos produtos em 2021? Em que

segmentos?

No início de 2021 lançámos dois novos produtos

para SUV e comerciais, dois dos segmentos

com maior crescimento nos últimos

anos. O EfficientGrip 2 SUV que,foi eleito pela

revista Autobild Allrad como o melhor pneu

para SUV 2021, e o EfficientGrip Cargo 2.

O constante aumento dos preços das

matérias primas afetou a rentabilidade

da Goodyear?

A rentabilidade não, mas a verdade é que nos

obrigou a adaptar os nossos preços a esse

novo posicionamento das matérias-primas.

42 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Wilson Luis

Como é que a pandemia de Covid-19

condicionou a atividade da Goodyear?

O que mudou na empresa?

A Covid-19 mudou a vida das pessoas no

mundo inteiro e, obviamente, também na

forma como trabalhamos na Goodyear. Por

sorte, estávamos bem preparados para

o que vinha, pois aprendemos rápido na

China, onde a nossa fábrica de Pulandian

foi premiada pela gestão feita no início da

pandemia e isso permitiu que as nossas

outras fábricas na Europa maximizassem

o tempo de atividade e apenas houvesse

cortes de fornecimento. Devíamos continuar

a dar resposta às necessidades dos

nossos clientes e assim fizemos, apoiando-

-os durante um dos períodos mais complicados

que vivemos nos últimos anos.

Além disso, nos escritórios em Portugal

e Espanha aplicámos o teletrabalho, uma

vez que estávamos preparados para tal.

Como é que estão a apoiar os vossos

clientes neste momento difícil do

mercado?

Estando muito próximo deles, ouvindo as

suas necessidades e tratando de lhes dar

resposta. Seguimos de perto a evolução

do mercado e adaptamo-nos, ao mesmo

tempo lhe oferecemos valor e uma carteira

de produtos líder em todas as categorias.

Qual é a importância das vendas

online? Acredita no crescimento deste

tipo de vendas no futuro?

Sem dúvida que o online será um canal de

vendas que complementará os canais tradicionais

e que, com a passagem do tempo,

“Estamos muito satisfeitos com o desempenho

da Goodyear em Portugal”

Para Wilson Luis,

Responsável Goodyear

Consumer em Portugal, o

mercado português sofreu um

grande impacto da pandemia, o

que fez com que todos os

atores tivessem de se

“reinventar e adaptar, para

mitigar riscos e encontrar novas

formas de fazer negócio”.

Contudo, Wilson Luís aponta ao

mercado luso resiliência e “uma

grande capacidade de se

regenerar”.

Para a Goodyear, as vendas em

Portugal são estratégicas a

nível europeu, pelo que,

garante, será um país onde

continuarão a investir e a

desenvolver negócio, em

parceria com os clientes, de

forma a cuidar também os

utilizadores do produto. “Os

últimos anos levam-nos a estar

num grande momento

enquanto companhia e marca,

pelo que, estamos muito

satisfeitos com o desempenho

da Goodyear em Portugal”,

sublinha.

Wilson Luis nota um

“crescente número de atores

em evolução, à procura de

capacidades e conhecimentos

que lhes permitem colocar

como prioridade a

rentabilidade e a

sustentabilidade do negócio no

futuro”. No entanto, reconhece

que num passado mais

recente, a pandemia diminuiu

o número de quilómetros

percorridos no parque

automóvel português,

“inibindo, por isso, uma normal

procura do pneu” e levantando

“sérios desafios de gestão de

curto e médio prazo para as

empresas”.

Ao longo de todo o ano, a

Goodyear aposta na formação

técnica, campanhas de

marketing e gestão

empresarial, enquanto áreas

de apoio e desenvolvimento de

negócio que fazem parte da

proposta de valor que tem para

os clientes “existindo um

investimento contínuo, no

sentido de proporcionarmos

ferramentas adaptadas às

necessidades geradas pelo

nosso mercado e um

consumidor cada vez mais

exigente”.

Sobre a visão da empresa a

médio e longo prazo para a

venda de pneus em Portugal, o

responsável afirma que “o

setor da mobilidade continua

em claro desenvolvimento e

com uma amplitude nunca

antes vivida. O pneu, como

parte integrante e fundamental

deste setor, está e continuará a

evoluir tecnologicamente para

oferecer desempenho e

segurança a um parque

automóvel cada vez mais

diverso”, pelo que “a minha

visão de futuro incorpora um

comércio de pneus mais

especializado com foco na

qualidade de serviço e na

experiência do consumidor”.

Quanto a objetivos, Wilson Luís

especifica que a Goodyear

pretende “continuar a aplicar e

a desenvolver a estratégia que

colocamos em marcha há dois

anos, com uma grande

transformação do nosso

modelo de negócio, visando

criar valor para a nossa marca,

apoiar o negócio dos nossos

clientes e proporcionar ao

consumidor final uma ótima

experiência com os pneus

Goodyear”.

A história rica no desporto automóvel, além de montra

imprescindível para a Goodyear, tem funcionado também

como laboratório de testes para desenvolver e melhorar

os compostos e o fabrico de pneus

irá ganhar peso, como está a acontecer em

muitas outras indústrias. Ainda assim, o

papel do especialista da oficina será sempre

crucial, pela natureza dos nossos produtos

e porque o condutor que precisa trocar de

pneus também precisa de um especialista

que o apoie.

Na sua opinião, o que acontecerá ao

setor dos pneus depois da Covid-19?

Trabalhamos numa indústria muito estável.

Os carros, camiões, autocarros, motos,

etc. continuam e continuarão a precisar de

pneus para se deslocarem hoje, amanhã e

no futuro. Claro que nada será igual depois

da Covid-19, mas não esperamos grandes

alterações estratégicas no setor.

Qual é a visão da Goodyear para o

pneu do futuro?

Pneus cada vez mais eficientes, com maior

quilometragem, menos consumo e maior resistência

ao rolamento para alargar a sua vida

útil e continuar a contribuir para a mobilidade

sustentável. E, de resto, pneus destinados a

carros elétricos, porque são a mobilidade do

futuro, e projetos inovadores como as nossas

associações como a TNO ou Voyomotive, de

pneus inteligentes, que também melhoram

a mobilidade em termos de segurança. u

www.revistadospneus.com | 43


Efeméride Mercado

Dos amortecedores

de cascos

à alta tecnologia

No próximo dia 8 de outubro, assinalam-se 150 anos da fundação, em Hanôver,

de uma sociedade anónima, cuja principal atividade era a produção de produtos

de borracha, tecidos revestidos a borracha e pneus para carruagens e bicicletas,

a Continental Caoutchouc und Gutta-Percha Compagnie

Um século e meio depois, o Grupo

Continental está presente em 58

países e mercados, incluindo Portugal,

emprega mais de 235 mil

pessoas e desenvolve tecnologias e serviços

pioneiros para a mobilidade sustentável e

conectada de pessoas e dos seus bens.

“Um percurso notável, moldado por grandes

êxitos e por muitos desafios que nos

transformaram numa empresa líder a nível

mundial“, refere Pedro Teixeira, diretor geral

da Continental Pneus em Portugal. A mobilidade,

as pessoas, o transporte de bens e

mercadorias e a partilha constante de ideias

são os elementos-chave da identidade e do

património cultural da Continental que,

ao longo destes 150 anos, soube de forma

única encontrar soluções inovadoras para

as enormes transformações estruturais que

o mundo foi enfrentando.

Pioneira no desenvolvimento de soluções

e tecnologias inteligentes que contribuem

para a segurança ativa e passiva de pessoas

e bens, a Continental integra o restrito grupo

de players mundiais que almejam alcançar

uma mobilidade sem acidentes. Para Pedro

Teixeira “é um enorme orgulho e ao

mesmo tempo um enorme desafio fazer

parte deste Grupo que é uma referência

mundial e que diariamente trabalha para

desenvolver soluções que têm impacto no

nosso quotidiano e que tem contribuído de

forma decisiva para o desenvolvimento da

mobilidade mundial”, afirma. A história da

Continental ficará para sempre associada

à revolução que estamos assistir na mobilidade

de pessoas e bens. Diariamente mil

milhões de condutores confiam as suas vidas

à Continental. As tecnologias pioneiras da

Continental equipam três em cada quatro

veículos que circulam no mundo.

A longa história da Continental é também

um capítulo significativo na história industrial

internacional. Capas de chuva, garrafas

térmicas, pneus de bicicleta e de carro, foram

os principais produtos do portfólio da

Continental em 1871, após a fundação da

empresa em Hanover. Antes do avanço da

industrialização, os cavalos e as carruagens

estavam entre os meios de transporte mais

importantes do século XIX. A Continental

44 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Continental celebra 150 anos

produziu assim os chamados “amortecedores

de cascos” - borracha especial concebida

para evitar que os cavalos escorregassem

em superfícies geladas. Quando Carl Benz

registou a sua patente para o primeiro automóvel

com um motor de combustão interna

em 1886, a história tomou o seu rumo: O

primeiro pneu pneumático com câmara foi

desenvolvido em França, em 1889.

máquinas e veículos de transporte especiais,

e a necessidade de soluções personalizadas

de pneus aumentou. A introdução da palete

Euro, normalizada em 1961, levou a um

renovado boom no setor. Cinco anos depois,

a Continental introduziu o primeiro pneu

chamado ContiSuperElastic (CSE), que ainda

hoje caracteriza o portefólio de produtos.

1955 acabou por ser um ano particularmente

importante no período pós-guerra para os

pneus de especialidade da Continental.

No mundo ocidental, a indústria agrícola

estava a experienciar um grande boom: só

na Alemanha foram registados nesse ano

quase 100.000 tratores, mais do que nunca.

A Continental apresentou o AS Farmer no

mesmo ano. O seu novo desenho da banda

de rodagem tinha um âmbito mais alargado,

o que se refletiu sobretudo em propriedades

de autolimpeza bastante melhoradas.

A tração em todos os tipos de solo foi assim

aumentada em 20 por cento.

O aeroporto de Nuremberga foi também

inaugurado em 1955, sendo o primeiro verdadeiro

aeroporto internacional na Alemanha

após o fim da Segunda Guerra Mundial.

A Continental também reconheceu aqui uma

A área de negócios de pneus da

Continental tem 24 locais de produção

e desenvolvimento em todo o mundo. É

um dos principais fabricantes de pneus

com mais de 56.000 empregados e 10,2 mil

milhões de euros em vendas em 2020

INOVAÇÕES PARA AGRICULTURA E INDÚSTRIA

A Continental tinha identificado a agricultura

como um mercado importante desde o início.

Mais tarde, nações industriais como a Alemanha

eram, na altura, principalmente agrícolas.

Em 1917, Henry Ford construiu o primeiro

trator nos EUA que é comparável aos modelos

atuais. Dez anos mais tarde, os tratores agrícolas

deste tipo já se tinham tornado cada

vez mais populares na Europa. Os tratores

tinham um grande desafio: tinham de ser

seguros para conduzir tanto no campo como

na estrada. Na altura, isso não era possível

com os pneus convencionais. A Continental

reagiu e, em 1928, introduziu o T2 Tractor

Tire - o primeiro pneu agrícola pneumático

da Europa. Enquanto anteriormente era necessário

alternar entre pneus de ferro e pneus

elásticos ao passar do campo para a estrada,

os modelos de pneus mais recentes podiam

ser utilizados em todas as superfícies.

Os pneus que satisfaziam requisitos especiais

eram também cada vez mais necessários

para o transporte de cargas cada vez

mais pesadas. Nos pavilhões e armazéns

de produção, nos portos marítimos em

crescimento e na mudança de carga individual

para o transporte de contentores, as

exigências sobre o material – e, portanto,

sobre os pneus - aumentaram. Os modelos

de pneus anteriores já não eram suficientes

muitas vezes. Em 1920, dois anos após o fim

da Primeira Guerra Mundial, foi lançado o

primeiro pneu elástico de borracha sólida.

PNEUS ESPECIAIS

PARA AEROPORTOS E PORTOS

O manuseamento de materiais tornou-se uma

área de negócios particularmente importante

para a Continental após o fim da Segunda

Guerra Mundial, pois havia cada vez mais

área de negócios significativa: Atualmente,

a empresa sediada em Hanover é a única a

oferecer um portefólio completo de pneus

para a indústria aeroportuária.

A indústria portuária tornou-se também

um segmento empresarial de importância

semelhante para os Continental Commercial

Specialty Tires. Aqui, o portefólio cresceu

de acordo com a crescente importância do

transporte de mercadorias, matérias-primas

e cargas transportadas por via marítima.

Atualmente, a Continental oferece um portefólio

de produtos abrangente com soluções

especiais para cada máquina de carga

e descarga concebível nos principais portos

de contentores do mundo. O modelo ContainerMaster+,

que também é utilizado nos

portos para carregadores e transportadores

de contentores, entre outras coisas, acabou

por se revelar um verdadeiro “all-rounder”.

INTERNACIONALIZAÇÃO

NO SEGMENTO DOS PNEUS AGRÍCOLAS

Graças a desenvolvimentos progressivos,

www.revistadospneus.com | 45


Entrevista Mercado

150 anos da Continental

Um percurso notável, moldado por grandes êxitos e por

muitos desafios transformaram a Continental numa

empresa líder a nível mundial, onde a alta tecnologia assume

cada vez mais protagonismo

os pneus agrícolas tornaram-se cada vez

mais populares. Nos anos 90, a Continental

expandiu a sua presença nos mercados

estrangeiros, especialmente na Europa e

América do Norte, e tornou-se fornecedor

de equipamento original para um grande

número de fabricantes de veículos agrícolas

em todo o mundo. Em 2004, o segmento dos

pneus agrícolas foi vendido - como resultado

de uma concentração do negócio global.

Como resultado, a licença para produzir e

comercializar pneus agrícolas sob a marca

Continental foi transferida para a CGS/

Mitas. O desenvolvimento e a venda de

produtos e soluções da divisão Continental’s

Automotive continuam inalterados - e a

procura de pneus agrícolas Continental

por parte dos clientes está a aumentar. A

Continental experienciou também um maior

crescimento no setor da manipulação de

materiais nos anos 90. Em 1991, o pneu

de 1,5 milhões de CSE rolou da linha de

produção nas instalações de Korbach, e

no ano 2000, tinham sido produzidos 3,5

milhões de pneus CSE. O portefólio do CSE

foi anteriormente alargado em 1994/95 para

incluir o CSE Robust SC 15.

PORTEFÓLIO RENOVADO

PARA UMA VASTA GAMA DE INDÚSTRIAS

Em 2016, a Continental readquire os seus

direitos de marca antes do previsto e regressa

ao mercado dos pneus agrícolas em 2017

com os pneus radiais premium Tractor70 e

Tractor85. No mesmo ano, a empresa abriu

a sua nova fábrica de pneus agrícolas em

Lousado, Portugal. Desde então, o portefólio

atualizado incluiu também o pneu radial

premium TractorMaster, um modelo robusto

e de baixo desgaste apto tanto para o campo

como para a estrada graças ao seu elevado

nível de conforto.

Uma área particularmente exigente e importante

de aplicação de pneus para a Continental

é o segmento de mineração e construção.

A empresa tem vindo a enfrentar este desafio

há muitos anos. No final dos anos 90, a

Continental entrou no mercado com o seu

primeiro pneu radial Earthmoving EM3 OTR

e tem vindo a expandir continuamente a sua

gama de produtos desde então. Os pneus nos

locais de construção e nas minas devem ter

sempre um ótimo desempenho em condições

húmidas, calor abrasador, frio gelado

e na areia ou terra, mas também na lama e

no cascalho afiado. Um pneu tão especial

Pedro Teixeira, diretor geral

da Continental Pneus em

Portugal, destaca o percurso

notável da Continental,

moldado por grandes êxitos

e por muitos desafios que

a transformaram numa

empresa líder a nível mundial

do portfólio de movimentação de terras da

Continental pode ter até 2,20 metros de diâmetro

e pesar até uma tonelada.

EQUIPADA PARA O FUTURO

COM SOLUÇÕES DIGITAIS

Estas condições extremas exigem elevada

durabilidade e desempenho dos pneus

especiais e continuarão a ser mais exigentes

no futuro. Para manter um olhar constante

sobre o estado dos seus pneus, a Continental

confia cada vez mais na monitorização

digital dos pneus: Para complementar o

ContiPressureCheck e o ContiConnect

Yard, a empresa desenvolveu ContiConnect

Live. Com a ajuda desta unidade, os dados

recolhidos sobre a pressão e temperatura

dos pneus são enviados em tempo real para

a nuvem através de uma unidade central de

telemática. Além disso, o ContiConnect Live

utiliza GPS para transmitir a localização do

veículo e regista as horas de utilização dos

pneus. Os gestores de frotas têm assim uma

visão geral mais rápida e conveniente sobre

o estado dos veículos, independentemente

da sua localização. Ao avaliar a informação,

a frota beneficia de tempos de paragem

reduzidos, custos de manutenção mais

baixos e de um maior tempo de operação.

Desde os primeiros pneus elásticos de borracha

sólida em 1920 ao produtor de pneus

especiais para gruas portuárias, máquinas

agrícolas, uma grande variedade de equipamentos

de construção e máquinas de

perfuração de túneis - os pneus especiais

da Continental desempenharam um papel

fundamental na escrita de importantes capítulos

da história industrial internacional

ao longo dos últimos 100 anos.

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

A Continental desenvolve tecnologias e

serviços inovadores para uma mobilidade

sustentável e interligada das pessoas e dos

seus bens. Fundada em 1871, a empresa de

tecnologia oferece soluções seguras, eficientes,

inteligentes e económicas para veículos,

máquinas, tráfego e transporte. A Continental

gerou vendas de 37,7 mil milhões de euros

em 2020 e emprega atualmente mais de

235.000 pessoas em 58 países e mercados.

A área de negócios de pneus tem 24

locais de produção e desenvolvimento

em todo o mundo. A Continental é um

dos principais fabricantes de pneus com

mais de 56.000 empregados e 10,2 mil

milhões de euros em vendas em 2020. Está

entre os líderes tecnológicos na produção

de pneus e oferece uma vasta gama de

produtos para automóveis de passageiros,

veículos comerciais e especiais, bem

como veículos de duas rodas. Através do

investimento contínuo em investigação

e desenvolvimento, a Continental dá um

contributo importante para uma mobilidade

segura, rentável e eficiente do ponto de vista

ecológico. O portefólio da área de negócios

de pneus inclui serviços para o comércio de

pneus bem como sistemas de gestão digital

de pneus. u

46 | Revista dos Pneus | Junho 2021


www.rscontreras.pt

www.revistadospneus.com | 47


Mercado

Soluções modulares

para todo o tipo

de viaturas

Este ano, a aposta da Altaroda tem passado pela diversificação de produtos

face ao existente no mercado, principalmente no que diz respeito aos veículos

de assistência móvel, tendo já projetado e equipado cerca de 30 unidades móveis

para dar assistência a veículos ligeiros e pesados

Para transformar os veículos, a

Altaroda recorre a fornecedores

de renome internacional e com

grande notoriedade no mercado,

nomeadamente o fabricante francês GUER-

NET, como marca preferencial. Com o seu

auxílio, criou o Departamento Técnico dedicado

a estudos oficinais e mobilidade. Os

veículos de assistência móvel equipados

pela Altaroda caracterizam-se pelo nível

de acabamento das montagens e da capacidade

que a empresa tem em adaptar

os diferentes espaços às necessidades dos

clientes e à vertente prática de quem os

utiliza. Tem assim versões modulares para

todo o tipo de viaturas e serviços, adaptadas

aos diferentes fins e, principalmente,

às especificidades de negócio dos clientes.

Para além do nível de acabamento e detalhe,

a Altaroda dispõe de um leque de

soluções muito abrangentes, que vão desde

a assistência do veículo ligeiro aos equipamentos

de engenharia civil, passando por

soluções adaptadas a viaturas elétricas. Este

tipo de soluções destinam-se a empresas e

empresários que vejam na proximidade e

rapidez de assistência uma forma de diferenciação

e de ganhar quota de mercado.

48 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Altaroda

Nesta altura em que a pandemia ainda

obriga o distanciamento social, revela-se

como uma alternativa válida às restrições

de deslocação dos clientes.

Atualmente, a Altaroda consegue montagens

que permitem serem realizados todos

os serviços que uma empresa de pneus tradicional

oferece aos seus clientes, inclusive

o alinhamento de direções, com o mesmo

nível de qualidade, mas tudo isto em versão

móvel. A configuração é sempre adaptada

às necessidades do cliente e características

da viatura escolhida por este. O objetivo

da Altaroda para este ano é de montar 12

viaturas de assistência móvel.

CRESCIMENTO SUSTENTADO

A Altaroda tem vindo a crescer 2 dígitos

nestes últimos 3 anos e financeiramente

é uma empresa muito sólida e robusta, e

é assim que o mercado a reconhece. “Somos

abordados regularmente por marcas

que pretendem trabalhar com a Altaroda

e reconhecem em nós potencial para representar

os seus produtos, muitos deles

Para Vítor Rocha, os principais desafios

passam pela procura de soluções inovadoras

e por encontrar novos parceiros de negócio

atividades que desenvolve. A equipa técnica

foi reforçada já com este intuito.

Com uma vasta linha de serviços, entre os quais consultoria

técnica, formação e acompanhamento pós-venda, a Altaroda

tem as valências necessárias para acrescentar valor em

todas as áreas de negócio dos clientes

em regime de exclusividade”, afirma Vítor

Rocha, que acrescenta “Conseguimos assim

um portfólio de marcas e produtos bastante

abrangente e adaptado ao nosso mercado,

dentro dos padrões de qualidade que habituamos

os nossos clientes e que estão

de acordo com a imagem que queremos

passar e ser reconhecidos. Na ausência de

feiras, onde sempre estivemos com grande

dinamismo, iremos apostar num roadtrip

temático e workshops temáticos presenciais

e online.”

A nível do apoio aos clientes, nomeadamente

na área da formação, Vítor Rocha

revela que 2021 é o ano de arranque da

Academia de Formação, um sonho antigo

que será brevemente concretizado, e que vai

estar ao nível do que a empresa já habituou

o mercado relativamente a todas as demais

RUMO AO FUTURO

Prestes a iniciar a construção de novas instalações,

a Altaroda é hoje um dos principais

players na área dos equipamentos

oficinais, ferramentas e consumíveis. A

empresa liderada por Vítor Rocha é, neste

momento, representante exclusiva para

Portugal de grandes e prestigiadas marcas

a nível mundial, tais como a Mondolfo

Ferro, TECH, Astra, Gaither’s, entre outras.

Sediada em Paredes, teve um volume de

negócios em 2020 perto dos 2 milhões de

euros, o que representou um crescimento

de 10% face ao ano anterior. Conta com

uma equipa de 20 pessoas, deste staff interno,

comerciais e equipa técnica, o que

lhe permite uma cobertura comercial e de

pós-venda muito eficaz, tanto em Portugal

continental como nas ilhas.

O portfólio de produtos é cada vez mais

abrangente, conseguindo cobrir todas as

necessidades das oficinas, desde os especialistas

em pneus, às empresas mais exigentes

na área da colisão. Possui uma carteira de

clientes muito fidelizada e trabalha com as

principais redes de pneus, oficinas em geral

e com a área da recauchutagem, onde é líder

de mercado em termos de consumíveis.

As marcas de eleição, que permitiram que

a Altaroda tivesse a dimensão e sucesso

atual, foram a TECH ao nível dos consumíveis

para pneus e a Mondolfo Ferro em

termos de todo o universo que está ligado

aos equipamentos de pneus e alinhamento.

A assistência pós-venda é um dos pontos

que mais diferencia a empresa da concorrência

e é um dos fatores mais valorizados

pelos clientes. “Temos uma equipa técnica

multidisciplinar e altamente especializada,

que nos permite uma resposta rápida e eficaz”,

refere Vítor Rocha. u

Altaroda

Gerente Vítor Rocha | Morada Rua da Adega, 6 - 4580-032 Paredes | Telefone 255 783 600

Email geral@altaroda.pt | Site www.altaroda.pt

www.revistadospneus.com | 49


Mercado

Nortirepower

VALORIZAR

OS PORMENORES

A Nortirepower, localizada em Muro, Trofa, celebra este ano o 10º

aniversario e reforça a sua aposta na Falken. Manuel Rodrigues, fundador

da empresa, é fã incondicional da marca e recomenda-a a todos os

clientes que procuram o melhor compromisso preço/qualidade

Fundada em 4 janeiro de 2011, a

Nortirepower cedo ganhou fama

e prestígio, pois Manuel Rodrigues

já contava com uma larga experiência

no ramo e sendo uma pessoa da terra,

entre conhecidos e amigos, foi fácil conseguir

encontrar muitos clientes. A empresa foi

crescendo e há cerca de três anos ampliou as

instalações para criar um espaço dedicado

exclusivamente à mecânica.

Embora o novo espaço seja gerido por outra

pessoa, os serviços complementam-se e

quando um cliente vai à oficina de mecânica

para resolver um problema e necessita de

pneus para a viatura, pode montá-los no

mesmo local, e vice versa. “São duas empresas

diferente que trabalham nas mesmas instalações.

O conceito tem funcionado muito

bem e os clientes mostram-se satisfeitos

por poderem fazer o serviço de mecânica

e pneus no mesmo espaço”, refere Manuel

Rodrigues.

A oficina dispõe de dois elevadores, máquina

de alinhar direções 3 D, máquinas de montar

e equilibrar, para além de todo o equipamento

necessário a um serviço completo

de pneus. Manuel Rodrigues conta com a

colaboração de Eduardo Santos para todo

o serviço de montagem de pneus, mas brevemente

tenciona contratar mais um funcionário.

“Estou a pensar admitir um novo

colaborador, mais jovem, com experiência

em eletrónica e informática, para dar uma

ajuda na assistência aos carros mais recentes,

que já vêm equipados com válvulas TPMS e

sensores. Temos muitos clientes com carros

de gama alta e quero estar preparado para

solucionar todos os problemas relacionados

com os pneus dessas viaturas, incluindo os

veículos elétricos e híbridos. Por outro lado,

pessoas jovens trazem novas ideias que podem

ser uma mais valia para a empresa”, diz

Manuel Rodrigues.

CLIENTES MAIS EXIGENTES

Um dos problemas mais sentidos pela

Nortirepower, tem a ver com a questão do

preço. “Todos os dias recebo a visita de 6

a 8 clientes a pedir preços para pneus das

suas viaturas e apenas 2 ou 3 voltam para

montar, porque há muita casa de pneus na

50 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Publireportagem

PNEUS FALKEN

REPRESENTAM

90% DAS VENDAS

NORTIREPOWER

Gerente Manuel Rodrigues

Morada Rua José Moura Coutinho,

1720; 4745-330 Muro – Trofa

Telefone 964 253 101

Email rodrigues-manuel@hotmail.com

Nortirepower os Pneus Falken são a marca principal

e representam 90% das vendas da empresa. Os outros

10% são um mix de marcas premium e budget,

estes para os clientes que procuram um preço mais

baixo. “Aconselhamos sempre a marca Falken que tem

sem dúvida o melhor compromisso qualidade/preço do

mercado. O cliente, pela confiança que tem em nós

e na marca, opta (quase) sempre pela Falken.” refere

Manuel Rodrigues.

A Nortirepower comercializa a marca Falken desde

2015. Manuel Rodrigues já conhecia a marca antes de

fundar a empresa e sempre gostou dos pneus, pela sua

qualidade, tipo de piso, desempenho e por se tratar

de uma marca japonesa. “Sempre apreciei muito os

produtos japoneses, designadamente os carros, pois

considero que têm muita qualidade de fabrico e fiabilidade.

Com os pneus acontece o mesmo e tenho muita

confiança na marca Falken. Os pneus têm uma excelente

aderência, que é a característica mais importante

que um pneu deve ter. De nada vale o pneu ter uma

grande durabilidade e fazer muitos quilómetros se não

tiver uma boa aderência”, enalteceu.

Relativamente à parceria com a AB Tyres, Manuel Rodrigues

está muito satisfeito, pois a empresa tem sempre

cumprido com o prometido. “A rapidez de entrega e a

disponibilidade de produto são dois fatores que destaco

na AB Tyres. Tenho sempre pneus para trabalhar,

o que permite satisfazer de imediato as necessidades

dos clientes, independente do tipo de viatura que conduzem.”

Os clientes são os primeiros a dizer bem da Falken

e quando voltam para substituir os pneus pedem da

mesma marca. Na zona da Trofa, a Nortirepower é o

único retalhista autorizado da Falken, pelo que muitos

clientes vão à empresa montar pneus desta marca depois

de pesquisarem na internet a oficina mais próxima.

Os objetivos para este ano com a Falken é superar as

vendas dos anos anteriores, sendo que no primeiro

quadrimestre deste ano as vendas já registaram um

aumento significativo. Manuel Rodrigues está por isso

confiante no futuro da parceria com a AB Tyres e acredita

que a marca Falken ainda tem um grande potencial

de crescimento.

meiros quinze dias de março do ano passado,

quando aconteceu o primeiro confinamento

e toda a gente ficou em casa. Nesses dias o

serviço foi praticamente nulo e houve uma

quebra significativa da faturação. O restante

ano 2020 foi bom e o início de 2021 está a

ser também bom a nível de vendas, o que

perspetiva um ano positivo para o negócio”.

A nível de clientes, a maioria são particulares,

mas também trabalha com empresas,

a quem faz condições especiais no caso de

possuírem grandes frotas. Só não trabalha

com gestoras de frotas e rent-a-cars, pois a

margem é tão pequena e as exigências tão

grandes, que não justifica. Mesmo assim, no

último ano vendeu cerca de 4.000 pneus

para veículos de passageiros, comerciais

zona e a maioria opta pelo preço mais baixo.

Mas nós preferimos diferenciar pelo serviço.

Todos os clientes que vêm montar pneus

nas suas viaturas recebem sempre o carro

lavado e aspirado. São pormenores que os

clientes valorizam e que ajuda a fidelizá-los

à nossa oficina”, afirma Manuel Rodrigues.

Para divulgar a oficina e os serviços que

presta, Manuel Rodrigues não faz publicidade

nem promove campanhas. Prefere

apostar no serviço de qualidade e muito

personalizado e no passa palavra dos clientes,

pois sabe que quem o procura valoriza

o bom atendimento e o serviço cuidado.

Relativamente ao impacto da pandemia

na atividade da oficina, Manuel Rodrigues

afirma que “apenas fomos afetados nos priligeiros

e veículos todo o terreno.

Pneus de camião não vende, pois necessitava

ter mais espaço. “a comercialização de

pneus para veículos pesados só seria possível

se tivesse outras instalações, pois não

considero viável estar a montar pneus em

viaturas ligeiras e em pesados no mesmo

espaço. Não faz sentido misturar veículos de

gama alta com camiões, que muitas vezes

estão chegam à oficina com terra e lama nos

pneus e sujam todo o piso”, refere Manuel

Rodrigues.

Em relação às medidas de pneus mais vendidas,

este responsável confirma que a maioria

são para jantes de 17 e 18 polegadas, montando

também alguns pneus para jantes 20

e 21, principalmente em veículos 4x4 u

www.revistadospneus.com | 51


Notícias

Empresas

Prémios Excelência

Goodyear TruckForce em ação

A

Goodyear lançou os Prémios Excelência no Serviço Goodyear TruckForce,

para reconhecer o desempenho e o serviço exemplares dos parceiros

de rede no sector dos veículos industriais A TruckForce é uma rede pan-

-europeia de fornecedores de serviços especializada na gestão completa do ciclo

de vida de pneus para camiões, incluindo manutenção preventiva, substituição,

reesculturação, recauchutagem e assistência na estrada. Com mais de 2000 pontos

de assistência para frotas em toda a Europa, a Goodyear decidiu dar destaque

aos heróis anónimos que fazem com que o transporte e a logística continuem a

avançar. Ao lançar o programa Prémio Excelência no Serviço Goodyear TruckForce,

a empresa pretende não só destacar o serviço de exceção dos seus parceiros

de rede, mas também recompensar os que adotam uma abordagem com uma

visão de futuro em temas como sustentabilidade, formação e inovação.

Bridgestone eleita ‘Fabricante do Ano’

A Bridgestone foi nomeada “Fabricante do Ano” de pneus

de verão em 2021 pela reconhecida publicação alemã

AutoBild, depois dos seus pneus terem sido reconhecidos

pela sua dinâmica de direção e desempenhos mais equilibrados

na ronda de testes de pneus de verão deste ano.

O recém-lançado pneu de alta performance da Bridgestone,

o Bridgestone Potenza Sport, foi eleito o vencedor do

teste de pneus desportivos 2021 da AutoBild sportscar.

O pneu recebeu as melhores classificações em estradas

secas, incluindo a distância de travagem mais curta e um

segundo lugar na manuseabilidade em seco, e foi eleito o

melhor em estradas molhadas considerado como tendo

a distância de travagem mais curta, melhor manuseabilidade,

melhor no círculo molhado e forte desempenho

em aquaplanagem. O Bridgestone Potenza Sport também

recebeu uma classificação de topo no conforto de

condução pela reconhecida publicação, tendo sido declarado

“muito bom” e marcando um forte segundo lugar, no

teste anual de automóveis desportivos.

Inspeções automáticas Michelin QuickScan estão ON

A Michelin e a ProovStation uniram forças para oferecer uma solução técnica

que permita efetuar inspeções automáticas do estado dos pneus. A Tecnologia

Michelin QuickScan é a única solução no mercado, inicialmente concebida

para pneus de camião, adapta-se, agora, às necessidades dos automóveis de

turismo. A tecnologia de inspeção de veículos desenvolvida pela ProovStation,

referência europeia em sistemas de inspeção automatizada, vê-se agora reforçada

pela experiência da Michelin, líder em mobilidade, graças à sua solução

QuickScan. Esta tecnologia pode utilizada para verificar o desgaste dos pneus

de forma automática e instantânea, com uma precisão milimétrica. Até há

não muito tempo, a inspeção de um veículo demorava cerca de 30 minutos,

dos quais 10% eram dedicados a verificar o estado dos pneus. Agora, graças

à combinação das soluções da ProovStation e da Michelin, estas verificações

são reduzidas para menos de um minuto para todo o veículo, incluindo apenas

uns segundos para os pneus. Ao mesmo tempo, são reduzidos os custes das

referidas verificações, e aumenta a respetiva fiabilidade.

Michelin estabelece parceria com CTT

Os CTT e a Michelin assinaram um acordo de colaboração

para a gestão da manutenção dos pneus da sua frota

de pesados e ligeiros de mercadorias de frota própria,

numa iniciativa que visa contribuir para um transporte

mais sustentável .As ambições das duas empresas em

matéria de Sustentabilidade e Segurança contribuíram

fortemente para a concretização deste acordo, uma vez

que ambas têm vindo a desenvolver projetos específicos

nestas áreas e a implementar medidas concretas que

visam a redução de emissões de CO2 em vários planos,

mas sobretudo em busca de um Transporte Sustentável.

Este acordo visa a implementação de uma gestão profissional

de serviços de gestão e manutenção dos pneus

desta frota dos CTT, que garantirão uma maior duração

dos mesmos e que resultarão num menor consumo tanto

de pneus, como de combustível, reforçando ainda a

segurança das pessoas e das cargas.

52 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Revista dos Pneus lança novo site

A4_Carf_V2_Logo_Dta-1.pdf 1 28/05/2021 17:36

A

Revista dos Pneus lançou um novo site, mais moderno, de melhor

leitura e focado no essencial da comunicação do setor dos

pneumáticos

Pretendemos com esta renovação, seguir o caminho da restruturação

digital que começamos no início de 2021 com a nova imagem das e-

-news digitais, site corporativo e sites dos eventos AP como o Melhor

Mecatrónico, Challenge Oficinas, Gala TOP 100 , Plateau TV e VISU Aftermarket.

Com um visual mais apelativo e de fácil navegação, conta agora com

seções renovadas para os profissionais do comércio, distribuição e retalho

de pneus. O lançamento do novo site da Revista dos Pneus (www.

revistadospneus.com) surge também como consequência da crescente

procura de informação na internet relacionada com este setor.

As características do portal vão permitir que operadores, empresas, especialistas

e técnicos tenham acesso de forma ordenada e clara, aos

temas que hoje dominam a atualidade do setor, promovendo o seu

desenvolvimento.

Sendo um canal online, com edição de notícias diárias, o setor tem à

sua disposição um instrumento que visa promover o setor dos pneus e

confere junto do público alvo uma visibilidade acrescida.

PUB

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

CARF - DISTRIBUIÇÃO DE MERCADORIAS, LDA

Avenida Severino Falcão, 16-A

2885-378 Prior Velho

Serviço de atendimento ao cliente

21 980 96 40 | Fax: 21 980 96 49

Apoio electrónico

geral@carf.pt

www.revistadospneus.com | 53


Notícias

Empresas

Pneus Nokian já rodam

em Santa Cruz de la Zarza

A Nokian Tyres deu início ao conjunto de testes no seu novo

centro em Santa Cruz de la Zarza, na província de Toledo.

As 10 pistas que compõem o centro de testes são usadas

para testar pneus em condições extremas. A pista oval de

7 quilómetros com curvas inclinadas, na qual os pneus são

testados a velocidades de até 300 km/h ou mais, é a parte

mais impressionante do Centro de Testes de Pneus de

Nokian, em Espanha. “Todos os nossos centros de teste são

um reflexo claro do compromisso da Nokian Tyres com a

inovação. Expandir as atividades de teste é fundamental

e é um grande passo para nós. As pistas polivalentes e os

modernos equipamentos do centro de testes, permitem-

-nos testar pneus em piso seco e molhado para que chuvas

torrenciais ou calor intenso não desencadeiem potenciais

situações de risco. Este centro de testes em Espanha, combinado

com o nosso centro de testes de inverno em Ivalo (Finlândia),

permite-nos ter a capacidade de analisar todas as

condições meteorológicas possíveis ”, explica Olli Seppälä,

chefe de I&D da Nokian Tyres.

BKT aposta em novo website

com visualização 3D

O

novo website da BKT permite visualizar mais de 300 produtos das

gamas de pneus BKT em 3D, com exploração interativa das soluções

e do website. Esta nova função, que pode set vista em www.

bkt-tires.com, possibilita a visualização dos pneus de várias perspetivas e até

ao mais pequeno pormenor, auxiliando assim na seleção do produto mais

adequado para as necessidades dos utilizadores. Mas há mais: a experiência

é ainda melhorada por pequenos vídeos da BKT que acompanham a apresentação

em 3D dos produtos. Os vídeos estão disponíveis com um clique

no rato, e os especialistas da BKT falam sobre as principais características e

funções do produto selecionado. Por exemplo, ao clicar no vídeo, é possível

ver o pneu na fase de teste e obter mais informações sobre a sua tecnologia

e funcionalidades chave. E esta nova experiência da BKT centra-se nos protagonistas

habituais: os utilizadores finais, as suas necessidades e os seus requisitos.

Trata-se de mais um passo para a empresa, que trabalha continuamente

para criar uma experiência online ainda mais fácil de utilizar com vista a oferecer

conteúdo cada vez mais interativo aos seus clientes e utilizadores finais.

Publireportagem

MINUTO VERDE VALORPNEU

ONDE VÃO PARAR OS PNEUS USADOS? A VALORPNEU DIZ-LHE!

A

o longo do ano 2020 passaram no

Sistema Integrado de Gestão de

Pneus Usados (SGPU) um total de

82.646 toneladas de pneus, das quais 74.515

toneladas foram encaminhadas para valorização

e 8.131 toneladas de pneus foram processados

a nível da prevenção, através do serviço

de recauchutagem de pneus de clientes dos

recauchutadores, bem como de pneus recauchutados

a nível nacional de pneus com origem

fora do país. De acordo com os dados da

Valorpneu, entidade gestora do SGPU em Portugal,

no que diz respeito à reciclagem dos

pneus usados, uma das principais operações

de valorização, verificou-se que 44.581 toneladas

tiveram encaminhamento para instalações

de recicladores com destino a várias aplicações

finais.

O processo de reciclagem realizado em Portugal

apresenta como produtos finais o pó e o

granulado de borracha, o aço e o têxtil. O aço

é vendido a empresas que processam metais

(reciclagem) e o têxtil é passível de valorização

energética. Quanto ao granulado de borracha,

as aplicações são muitas e bastante variadas,

desde pavimentos diversos, utilização nas indústrias

de isolamentos e da borracha e nas

misturas betuminosas com borracha. Mas não

ficamos por aqui. Atualmente, a aplicação da

borracha reciclada dos pneus em fim de vida

tem assumido um especial destaque nos relvados

sintéticos. Tanto que os campos de relva

sintética com enchimento de borracha, proveniente

dos pneus, são totalmente aceites pelas

principais organizações de futebol FIFA e UEFA

e oficialmente permitidos para usar em todos

os níveis, incluindo a Liga dos Campeões e o

Campeonato do Mundo. Segundo a Valorpneu,

em 2020, das 29.460 toneladas de pó e

granulado de borracha produzidas pelos recicladores

nacionais, 34% foi utilizado na produção

de relvados sintéticos.

54 | Revista dos Pneus | Junho 2021


… e desenvolve nova tecnologia com IA

A Yokohama desenvolveu um sistema patenteado que utiliza IA (Inteligência Artificial) para

prever as propriedades físicas dos compostos de borracha. Este sistema já é utilizado para

projetar compostos de borracha para os pneus Yokohama. A marca espera que a capacidade

do sistema para realizar uma grande quantidade de experiências virtuais lhe permita acelerar

o desenvolvimento de compostos, reduzir os custos de desenvolvimento e criar produtos de

maior rendimento e performance. O sistema auxiliará também os engenheiros menos experientes

no processo de criação de novos compostos. O sistema foi desenvolvido seguindo o

novo conceito de utilização de IA da Yokohama, HAICoLab, lançado em outubro de 2020. O

sistema utiliza IA para prever as propriedades físicas de um composto de borracha com base

nos parâmetros do seu desenho projetados por um engenheiro. Além disso, o sistema inclui

uma função que disponibiliza as propriedades físicas previstas e uma outra que procura uma

composição com a capacidade de prever as propriedades físicas mais próximas das ideais. O

novo sistema permite a colaboração entre humanos e IA, que conduzirá à aquisição de novos

conhecimentos.

Yokohama constrói unidade de frio em Hokkaido…

A Yokohama construiu uma nova unidade de frio nas instalações interiores de testagem em superfícies

de gelo do seu Centro de Testes de Pneus de Hokkaido. Com cerca de 100 metros de comprimento,

esta unidade de frio é uma das maiores do género no Japão. Permite regular a temperatura

da superfície do gelo entre os -10ºC e os 0ºC a uma temperatura ambiente de 5ºC. A recente

instalação está preparada para receber testes de pneus sem pitons em condições de neve e sob

temperaturas definidas com precisão dentro desse intervalo. Além disso, esta garante também à

Yokohama uma nova capacidade de realização de testes em gelo para simulação das condições

de início de inverno. Deste modo, alarga-se o período de tempo em que a Yokohama consegue

realizar testes de travões no gelo e é ampliado o calendário de I&D. Assim, a empresa aumenta

substancialmente a sua capacidade de testagem de pneus para a neve com e sem pitons e de

pneus concebidos para todas as estações do ano.

PUB


Notícias

Empresas

PERSONALIDADES

Denis Piccolo, da BKT,

nomeado presidente da E.T.R.T.O.

Denis Piccolo, gestor de produtos da BKT, foi designado presidente do subcomité para

a agricultura da E.T.R.T.O. (European Tyre and Rim Technical Organisation), organização

que agrupa fabricantes de pneus, jantes e válvulas para veículos de todos os

tipos. Pretende harmonizar os tamanhos e as dimensões dos pneus, de forma a

evitar ambiguidades. A organização desempenha a função chave de estabelecer

tamanhos técnicos e características de pressão e carga comuns, bem como

um só conjunto de diretrizes operacionais para ajudar os utilizadores finais a escolher

o produto certo. Denis Piccolo representa a BKT na E.T.R.T.O. há muito tempo,

e esta nomeação reconhece o seu compromisso constante com temas relacionados

com o desenvolvimento de pneus agrícolas e respetivos regulamentos e segurança.

Domenico Gatti nomeado novo diretor

sudoeste Europa Apollo Vredestein

A Apollo Vredestein nomeou Domenico Gatti como novo diretor para o sudoeste da

Europa e consolidou as suas operações de apoio ao cliente em toda a região. Domenico

Gatti traz uma vasta experiência na área de gestão de operações comerciais

no setor d pneu. Junta-se à Apollo Vredestei vindo do FinTyre Group, onde

ocupou vários cargos de administração sénior, recentemente como diretor de

operações da divisão de vendas de pneus a retalho do Grupo. Antes de se juntar

ao FinTyre, trabalhou na Prometeon, no Brasil, enquanto diretor comercial e,

antes, esteve 18 anos na Pirelli, liderando operações comerciais em vários mercados

em crescimento cruciais na América do Sul e na Europa.

Juan Tomás Conde

é o novo Country Manager Espanha Tiresur

A Tiresur dá um impulso à sua dimensão internacional, reestruturando a organização e

incorporando Juan Tomás Conde como novo Country Manager Espanha. O crescimento

da vertente internacional da Tiresur e a sua aposta pela criação de negócio

além fronteiras, requer uma mudança organizativa dentro do novo modelo

de negócio da companhia. Juan Tomás é um grande profissional que conta

com uma elevada experiência de mais de 20 anos no mundo dos pneus. Desenvolveu

a sua carreira como Chefe de Vendas na empresa SASAM durante 14

anos, tendo-se incorporado em 2015 como Chefe de Vendas para o canal Pneus,

da empresa VEMARE.

Nico Rosberg

é o novo embaixador da Continental

O Campeão Mundial de Fórmula 1 de 2016 e empresário na área da sustentabilidade

Nico Rosberg assinou como novo embaixador da marca internacional de fabrico

de pneus Continental. Nico Rosberg alcançou um enorme sucesso nos desportos

motorizados, personifica o desempenho da condução no limite e demonstra

um compromisso multifacetado com a proteção ambiental. Entretanto, a

Continental, como líder no desenvolvimento e fabrico de pneus premium - é

um porta-estandarte para a máxima segurança e desempenho de topo em todas

as situações de condução.

Tomohiko Masuta

é o novo CEO da Falken Tire Europe

Tomohiko Masuta foi nomeado o novo Diretor Executivo da Falken Tire Europe GmbH e

Sumitomo Rubber Europe GmbH. Masuta ingressou na Sumitomo Rubber Industries

em 1985, no departamento de Desenvolvimento de Produto, onde ganhou experiência.

Na década de 1990, mudou-se para a área de Equipamento Original

(OE) da empresa antes de se mudar para a Dunlop para apoiar o desenvolvimento

da marca em países europeus. Em 2015, ele foi nomeado Diretor Executivo

da divisão de pneus OE da Sumitomo Rubber Industries (SRI). Na sua nova

função, Masuta supervisionará as empresas do grupo SRI na região EMEA e a atividade

da Falken na Europa, além de impulsionar o crescimento de clientes OE na região.

Triangle Tire implementa

processo de fabrico inteligente

A Triangle Tire Co., Ltd, fundada em 1976, é

conhecida como uma das pioneiras em emissões

de baixo carbono e sustentabilidade na

indústria de pneus chinesa, com foco em inovação,

pesquisa e desenvolvimento, design e

tecnologias de ponta. A Triangle tem uma das

fábricas de pneus mais avançadas do mundo,

localizada em Weihai, (Shandong), onde são

produzidos 10 milhões de pneus por ano, com

uma força de trabalho de apenas 300 pessoas,

em contraste com as fábricas de tecnologia

mais antigas, onde a força de trabalho para

fazer esse volume de pneus seria na casa dos

milhares. Este desempenho fica a dever-se aos

grandes investimentos feitos pela empresa,

para liderar a implantação de tecnologia no

fabrico de pneus e com isso contribuir para a

qualidade do produto pela qual a marca Triangle

é conhecida. O Manufacturing Execution

System (MES) determina tudo o que a Triangle

faz no fabrico, rege a movimentação de matérias-primas,

a conversão em componentes e

a construção de pneus até a inspeção final. A

partir do momento em que as matérias-primas

chegam à fábrica, elas são quase exclusivamente

manuseadas e gerenciadas por robôs e

pelo MES (sistema de computador) que determina

o local de armazenamento e os parâmetros

de armazenamento.

Super Seven by Toyo Tires

inicia temporada

Com muitos rostos novos, o apoio de um novo

parceiro e a certeza de que será novamente

aberto um novo capítulo na sua história de

sucesso, a Super Seven by Toyo Tires iniciou a

temporada, nos dias 7 e 8 de maio, com novo

recorde de inscritos no Algarve. “Não podia

estar mais entusiasmado com a fantástica

adesão dos nossos pilotos e equipas ao Super

Seven by Toyo Tires, sobretudo considerando

o clima de instabilidade económica que se

vive no pós- pandemia. A lista de participantes

anunciada para a primeira prova do ano

comprova que os argumentos de diversão, fiabilidade,

emoção e camaradagem que acompanham

o Troféu se encontram mais fortes

do que nunca. Algo que, naturalmente, enche

de orgulho todos os que colaboram com este

projeto na CRM Motorsport”, afirma Tiago Raposo

Magalhães.

56 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Marangoni distinguida

Melhor Empresa de Recauchutagem

No Recircle Awards, a Marangoni foi eleita a vencedora na categoria

Melhor Empresa de Recauchutagem de Pneus. Este prémio

foi muito disputado entre os concorrentes, incluindo algumas das

mais importantes empresas do setor de recauchutagem em todo

o mundo. “É uma grande honra e privilégio a nossa empresa estar

entre as melhores recauchutadoras do mundo. Para nós, isso significa

que todos os nossos clientes e parceiros de reforma na Europa,

América, África e Índia também são vencedores, pois trazem a tecnologia

de ponta que a Marangoni continua a desenvolver para os

seus respetivos mercados para apoiar uma indústria de transporte

em constante evolução.” Estas foram as palavras proferidas por Giuseppe

Marangoni, vice-presidente da Marangoni, após conquistar

o prémio internacional dedicado à sustentabilidade.

Novas classificações

para pneus Off-Road Dunlop

Dois dos altamente duráveis pneus off-road para motos da

Dunlop foram atualizados com novas designações, estabelecidas

para proporcionarem substanciais benefícios tanto

aos motociclistas de lazer como aos entusiastas do enduro. O Dunlop

D952, um pneu concebido para uso em todo-o-terreno recreativo, recebeu

a certificação ECE R75. Tal significa que pode ser utilizado de

forma legal em estrada, assim como em pistas off-road, poupando

aos motociclistas os custos e os recursos associados ao transporte

de equipamento especializado. A nova categorização foi garantida

para quatro das seis medidas na gama D952 e está disponível desde

abril de 2021. A excecional durabilidade do D908 RR, derivada das

raízes de competição d e rally-raid, proporciona uma performance

imbatível nas mais duras superfícies de circulação, como areia, rocas

e terrenos duros.

PUB

AGRITERRA

CAPACIDADE DE CARGA HERÓICA

E SUPER ESTABILIDADE EM

VELOCIDADE MAIS ALTA

Soluções de hoje para o mundo de amanhã: a Mitas trabalha duro todos os dias para oferecer

aos agricultores uma ampla gama de pneus que os ajudam a acompanhar o ritmo do mundo

dinâmico. Qualidade e fiabilidade são a força motriz da marca. Mitas: pneus resistentes

fabricados na Europa desde 1932.

mitas-tyres.com

www.revistadospneus.com | 57


Notícias

Empresas

Hankook aumenta vendas no 1º trimestre do ano

O fabricante de pneus Hankook anunciou os seus resultados financeiros

para o primeiro trimestre de 2021. Os negócios globais mostram sinais

de uma recuperação estável, com vendas a atingir 1,61 trilhão de KRW

(1.203 milhões de euros) com um lucro operacional de KRW 186 bilhões

(€ 138 milhões ), um aumento de 12,6% e 75,5% ano-a-ano As vendas de

pneus superdimensionados (18 polegadas e acima) representam 38%

de todos os pneus vendidos, aumentando quatro pontos percentuais

em relação ao ano anterior, indicando um crescimento qualitativo contínuo.

Além disso, a Hankook continua a expandir as suas parcerias com

fabricantes de automóveis premium, enquanto consolida a sua liderança

na indústria de pneus para veículos elétricos. À medida que o mercado

global recupera do impacto da pandemia, o volume de negócios

da Hankook também tem vindo a recuperar continuamente desde o

segundo semestre de 2020. A empresa está a ver as suas vendas a estabilizarem

em vários mercados importantes, incluindo Europa, América

do Norte e China, especialmente no segmento de pneus de 18 polegadas

ou maiores.

Michelin e Carbios

juntas por um pneu 100% sustentável

A Carbios, entidade francesa pioneira no desenvolvimento

de soluções industriais dedicadas à reutilização de polímeros

plásticos e materiais têxteis, e a Michelin, líder em mobilidade

sustentável, completam uma nova etapa no sentido de alcançar

o pneu 100% sustentável, ao aplicar o processo de reciclagem

enzimática desenvolvido pela Carbios para obter fibras

técnicas de PET utilizadas no fabrico de pneus. O processo de

reciclagem enzimática recupera resíduos plásticos ou têxteis,

como garrafas, tabuleiros, vestuário de poliéster, etc., para

convertê-los em PET. Baseia-se numa enzima capaz de despolimerizar

de modo específico o PET contido nestes resíduos. Esta

inovação permite a reciclagem infinita de todos os tipos de resíduos

de PET, assim como a produção elaboração de produtos

PET 100% reciclados e 100% recicláveis, com a mesma qualidade

como se fossem produzidos com PET virgem. A médio prazo,

existe um potencial de cerca de 3.000 milhões de garrafas

de plástico que poderiam ser recicladas anualmente em fibras

técnicas para fabricar pneus Michelin.

BKT oferece bicicletas a diversas ONG

A fabricante indiana de pneus off-highway doou até agora 475 “bicicletas

BKT” a diversas ONG, associações e clubes desportivos europeus. O

Grupo sempre promoveu a mobilidade sustentável, graças à utilização

dos pneus certos para cada aplicação e operação, e queria apoiar alguns

dos organismos europeus aos quais a sua marca está associada

através de donativos de bicicletas com a sua marca. Na qualidade da

patrocinador, a BKT doou 100 bicicletas a clubes de futebol na Serie BKT,

o campeonato italiano: uma oferta destinada a realçar o papel da marca

na criação de um torneio cada vez mais ecológico e contemporâneo. Foram

atribuídas bicicletas a clubes na Ligue 2 BKT, em França, para apoiar

as ONG auxiliadas pelas equipas. Este é o caso, por exemplo, da associação

francesa Vélocità, que promove a deslocação de bicicleta.

S. José Pneus premeia alunos carenciados

No ano em que a S. José Pneus comemora o 55º aniversário, a

empresa de distribuição de pneus quis assinalar esta data tão

importante com uma ação também de enorme relevância e

com um objetivo maior: a Bolsa de Mérito S. José Pneus, que

visa premiar alunos carenciados que queiram prosseguir os

seus estudos para o Ensino Superior. Assim, a Bolsa de Mérito S.

José Pneus irá premiar os três melhores alunos, de acordo com

os critérios estabelecidos, com bolsas no valor total de 2.250€.

A S. José Pneus pretende, com esta bolsa de mérito, apoiar jovens

beneficiários do escalão A ou B, que frequentem o Agrupamento

de Escolas Lima-de-Faria de Cantanhede, residam no

concelho de Cantanhede e que ingressem no Ensino Superior.

Na certeza de que o caminho para a evolução do país passa

pela maior qualificação dos seus jovens, a S. José Pneus procura

dar oportunidades para que todos possam chegar mais

além, fruto do seu trabalho e dedicação. A Bolsa de Mérito S.

José Pneus conta com o apoio da Direção do Agrupamento de

Escolas Lima-de-Faria e da Câmara Municipal de Cantanhede.

58 | Revista dos Pneus | Junho 2021


ACAP lança campanha de sensibilização

A ACAP lançou a campanha de sensibilização “ESCOLHA O

LADO CERTO DO PNEU”. A campanha tem como objetivo sensibilizar

o automobilista para os riscos inerentes à utilização

de pneus usados, não controlados, de origem desconhecida.

Ao comprar pneus usados, não controlados, o automobilista

pode incorrer em riscos de segurança, pela perda das qualidades

originais e danos não visíveis do pneu, risco de ilegalidade,

se o pneu não tiver a profundidade mínima de lei,

risco de gastos imprevistos e até riscos ambientais, caso as

suas condições de segurança, não tenham sido devidamente

testadas. Atendendo ao atual período de desconfinamento,

com regresso às rotinas habituais, e consequentemente, com

o fluxo de tráfego a aumentar, esta Campanha vem chamar a

atenção para os perigos em que os automobilistas e as suas

famílias podem incorrer na compra de pneus nas condições

acima referidas, designadamente, perigo de rebentamento,

perda de aderência, resultante da profundidade reduzida (e

ilegal se inferior a 1.6mm), aumento da distância de travagem

e aquaplaning.

AB Tyres

expande portfólio com Debica

A AB Tyres volta a alargar a sua oferta ao mercado, agora com a integração

da marca Debica no seu portfólio de produtos. Fabricada na Europa e com

mais de 80 anos de história, os pneus da marca Debica distinguem-se da

concorrência pela sua reconhecida qualidade, alta performance e preço

competitivo. A soma destes três fatores, aliados ao elevado conforto e

economia de combustível, fazem dos pneus Debica a principal escolha

de milhões de condutores em todo o mundo. Segundo Filipe Bandeira,

Administrador da Alves Bandeira Tyres, “é com enorme satisfação e entusiasmo

que anunciamos a chegada da marca Debica à nossa oferta em

Portugal. O facto de ser uma marca fabricada na Europa, com reconhecida

qualidade, vem dar resposta a um público que procura produtos de

elevada qualidade e performance europeia.” A Debica vem juntar-se ao

portfólio de produtos da Alves Bandeira Tyres, onde se destaca a representação

estratégica das marcas Falken, Davanti, Infinity, Aptany, Runway,

Sumitomo, Torque e Uniroyal.

PUB

Por vezes, a vida surpreende-nos com

uma curva repentina na estrada. Os nossos

pneus de verão de alta qualidade

Nokian Powerproof e Nokian Powerproof SUV

são especialistas em equilíbrio e segurança,

respondendo sem esforço a qualquer curva

inesperada ou mudança de faixa a alta

velocidade. Então faz-te ao caminho, espera-te

uma viagem magnífica.

É UMA VIAGEM MAGNÍFICA

NOKIANTYRES.COM / NOKIANTYRES.ES

www.revistadospneus.com | 59


Notícias

Produto

Goodyear Eagle F1 Asymmetric 5 vence teste de verão

O

Goodyear Eagle F1 Asymmetric 5 foi proclamado vencedor do teste

de pneus de verão de ultraelevada performance (UHP) de 2021

da Tyre Reviews. O teste avaliou 14 pneus na medida mais vendida

225/40 R18, utilizando um Volkswagen Golf GTI como automóvel de prova.

Jon Benson, um dos pilotos de teste, concluiu: “O Goodyear Eagle F1 Asymmetric

5 é um pneu que praticamente não tem debilidades. Tem uma excelente

aderência em piso seco e molhado, um comportamento desportivo, uma

excelente resistência ao aquaplaning e uma baixa resistência ao rolamento.

O Goodyear oferece um feeling bastante desportivo, possui um equilíbrio estável,

e uma boa travagem e um bom desempenho em curva. O Asymmetric 5

é um pneu muito bem equilibrado, que proporciona uma boa aderência e um

comportamento previsível em todas as direções”. O Eagle F1 Asymmetric 5 da

Goodyear é um pneu de ultraelevada performance, concebido para automóveis

desportivos e de altas prestações de todas as dimensões.

Firestone lança pneu MULTI BLOCK T

A Firestone lança a sua primeira linha de pneus radiais fora de estrada

para pneus E/L no mercado europeu, o MULTI BLOCK T. O Firestone

MULTI BLOCK T é o resultado de anos passados a identificar e entender

as necessidades do cliente e o equilíbrio necessário entre escavadoras

e camiões basculantes articulados. A carcaça e desenho do piso

do Firestone MULTI BLOCK T suprime a vibração e oferece uma ampla

faixa operacional; a parede lateral e a banda de rodagem do pneu são

projetadas com uma excelente resistência a cortes para ajudar a evitar

danos inesperados e tempo de inatividade subsequente. As suas

barras de ligação limitam a flexão e o movimento por mais tempo,

mesmo o desgaste, enquanto o desenho do piso não-direcional do

MULTI BLOCK T garante uma tendência de desgaste boa e uniforme;

o desenho do ombro aberto do pneu contribui para o seu desempenho

de tração. Juntos, estes desenvolvimentos em design e engenharia

resultaram num pneu de baixo custo que oferece uma operação

contínua com menos tempo de inatividade e maior durabilidade,

com uma experiência de propriedade sem problemas.

Michelin X Incity EV Z para autocarros

O Michelin X Incity EV Z carateriza-se por ser a gama de pneus

que combina segurança, durabilidade e respeito pelo meio ambiente,

oferecendo uma maior capacidade de carga. Disponível

na medida 275/70 R 22.5 foi especialmente concebido para equipar

veículos elétricos e, graças às suas excecionais prestações

adapta-se, também, aos veículos convencionais, com motores

de combustão interna Atualmente, circulam na Europa cerca

de 5.000 autocarros elétricos, e a previsão é de que este número

seja multiplicado por dez em somente cinco anos. Com esta

nova gama, a Michelin apoia a transição para soluções de mobilidade

elétrica mais limpas, eficientes e com maior autonomia. Um

argumento decisivo para contribuir para o alcançar de cidades

mais sustentáveis. Para adaptar-se ao incremento de peso registado

pelos autocarros elétricos, devido às baterias, sem reduzir o

número de passageiros transportados, o pneu Michelin X Incity

EV Z conta com uma superior capacidade de carga, que alcança

até 8 toneladas (1) por eixo em montagem simples.

60 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Novo Pneu de Altas prestações

Tiresur já disponível

A GT Radial acaba de lançar o novo pneu Tiresur de altas prestações.

O FE2 está a ser muito bem valorizado, porque se trata de

um pneu de rendimento equiparável ao nível premium, desenvolvido

para condutores exigentes e com melhorias muito consideráveis

relativamente ao seu antecessor, o modelo Champiro

FE1, destacando-se especialmente pelas curtas distâncias de travagem

e pela sua supremacia na aderência em pisos molhados,

onde conta com classificação A em termos de etiqueta europeia.

Como principais caraterísticas deste novo pneu destacamos o

inovador composto da banda de rodagem, para distâncias de

travagem extremamente curtas; etiqueta em molhado A; resistência

ao rolamento melhorada para reduzir as emissões e poupar

combustível; 4 sulcos largos para um escoamento excecional

da água e melhoria do perfil do pneu com uma distribuição

ótima da pressão. O novo modelo da GT Radial está disponível

numa ampla gama de medidas, que se irão ampliando progressivamente.

Nokian Powerproof e Wetproof

preferidos para tempo quente

Os pneus de verão mais recentes e tecnologicamente avançados da

empresa são os Nokian Wetproof, o Nokian Wetproof SUV, o Nokian

Powerproof e o Nokian Powerproof SUV, que foram desenvolvidos

para se adaptar a condições climáticas cada vez mais extremas, onde

grandes variações de temperatura podem alterar rapidamente as

condições de direção. O pneu Nokian Wetproof oferece desempenho

consistente em dias de chuva e maior conforto e conveniência em

estradas em más condições. Graças ao conceito Dual Safety especialmente

desenvolvido e ao composto de borracha de nova geração, o

pneu de verão Nokian Wetproof garante um nível de conforto e segurança

máximos, bem como estabilidade e aderência de primeira

classe em piso molhado. Os condutores podem conduzir facilmente

no verão, com mudanças repentinas de temperatura, chuva forte ou

tempestades. O pneu também mantém as suas propriedades em superfícies

secas, mesmo em estradas que adquirem altas temperaturas

do sol. A versão SUV do Nokian Wetproof SUV é um produto premium

de alto desempenho com tecnologia patenteada Aramid Sidewall.

Tornou-se uma opção muito popular para os proprietários deste tipo

de carro que foi classificado como ótimo no teste da revista alemã

Auto Bild Allrad (março de 2021).

Alliance 768 Value Plus

para sistema de rega pivô

A

Alliance (uma parte da Yokohama Off-Highway Tires)

apresenta um novo pneu para sistemas de rega por pivô:

o Alliance 768 Value Plus. O mais recente pneu apresenta-

-se como algo completamente novo que foi projetado para fornecer

aderência e tração eficazes para cargas constantes por sendo

caminhos circulares em condições húmidas ou mesmo lamacentas.

O amplo espaçamento das alças garante que as características

de limpeza são mantidas em todos os momentos, enquanto os

ombros arredondados fornecem propulsão constante e proteja a

colheita contra danos ao mesmo tempo. Bem conhecido em regiões

quentes e áridas, os sistemas de irrigação de pivô têm que

funcionar de forma confiável sob as condições mais adversas, ou

seja, altas temperaturas e radiação solar altamente intensiva. Ao

mesmo tempo também possui um alto desempenho em solos irrigados

que tendem a criar um ambiente de trabalho húmido ou

até mesmo enlameado. O Alliance 768 Value Plus apresenta um

composto especial de ozono que elimina o envelhecimento prematuro

e as rachaduras do piso.

www.revistadospneus.com | 61


Notícias

Produto

Marangoni apresenta Pneus Integral

Cold Truck

Inovação combinada com o melhor da tecnologia

RINGTREAD é assim que surge a recauchutagem integral

Matrix. A Marangoni combinou a tecnologia e

inovação no mercado italiano, aprimorando o sistema

de recauchutagem integral a frio para camiões. A qualidade,

entendida tanto como performance quanto

como aspeto final do pneu recauchutado, sempre foi o

principal objetivo da Marangoni no desenvolvimento

de novos produtos e soluções. Confiabilidade, durabilidade

e desempenho são pré-requisitos para um pneu

recauchutado premium. Para atender a este requisito,

a Marangoni combinou a tecnologia e inovação no

mercado italiano, aprimorando o sistema de recauchutagem

integral a frio. Esta solução garante um resultado

ótimo em todos os aspetos, para que mesmo

do ponto de vista estético o pneu recauchutado não

tenha nada a invejar de um pneu novo. No caso de um

pneu recauchutado a frio, é feito também um revestimento

nas laterais com uma mistura exclusiva, tornando

o produto mais resistente a choques.

Hankook equipa Porsche 718 Boxster e Cayman

O fabricante de pneus premium Hankook equipará o Porsche 718 Boxster e

Cayman com os seus pneus UHP na primavera de 202. Os pneus que irão serão

usados são os Ventus S1 evo 3, feitos sob medida nos tamanhos 235/40

ZR19 (92Y) N-0 para o eixo dianteiro e 265/40 ZR19 (98Y) N-0 para o eixo traseiro.

Isto é em adição aos modelos Porsche Cayenne e Taycan que a Hankook

já equipa com pneus Premium Ventus S1 evo 3 nas especificações SUV e EV,

respetivamente. O Ventus S1 evo 3 está equipado com um núcleo de salto de

alta resistência que, em combinação com a parede lateral reforçada, garante

grande estabilidade na condução, estabilidade em linha reta e precisão de

direção, bem como um manuseio desportivo e dinâmico. Para melhorar ainda

mais a estabilidade de direção e a precisão da direção, uma carcaça de rayon

particularmente leve é usada, junto com um material composto de aramida

especial na área da correia.

Goodyear desenvolve pneus 3* para

escavadoras

A Goodyear lançou uma nova gama avançada de produtos

com a marcação 3* para escavadoras. À medida

que a maquinaria tem progredido, tornando-se mais

pesada, e com maiores aptidões e capacidades, os

pneus tiveram que desenvolver-se na mesma proporção,

para garantir operações eficientes. Tal levou a uma

nova atualização da marcação 3* numa gama de pneus

Goodyear para escavadoras.

18 das 30 medidas

da gama para escavadoras

RT-4D/5D, RL-4K/5K

e RL-3S/5S da Goodyear

serão incluídas neste

importante programa de

atualização. Pneus com

a marcação 3* dispõem

de uma carcaça radial

mais robusta, com uma

maior secção de talão e arames das lonas mais fortes.

Por seu turno, tal leva a um aumento de até 18% da

capacidade de carga por comparação com as versões

com marcação 2*, garantindo uma melhoria potencial

do custo por hora. O novo design tem como objetivo

reduzir o tempo de inatividade nas condições mais extremas,

bem como satisfazer as exigências da mineração

subterrânea.

Falken AZENIS FK510

entre os favoritos dos peritos

A

Falken Tire obteve ainda mais reconhecimento pelo excelente desempenho

de seu pneu AZENIS FK510 em testes independentes de pneus de

verão conduzidos pelas revistas automóvel Ace Lenkrad e Sport Auto,

nos quais foi classificado como ‘Altamente Recomendado’ e ‘Muito Bom’, respetivamente.

Especificamente, no teste Ace Lenkrad, nove pneus na dimensão 225 /

45R17 foram testados. Com 152 pontos em todas as modalidades de teste, o AZE-

NIS FK510 ficou apenas cinco pontos atrás do vencedor da prova, o que garantiu

o excelente resultado obtido. O Falken AZENIS FK510 destacou-se especialmente

nos testes de ‘Segurança no molhado’, categoria que venceu com 68 pontos. No

teste de ‘Dry Safety’, o pneu marcou 51 pontos, apenas dois atrás do vencedor

da categoria, enquanto em ‘Environment and Economy’, apenas três pontos separaram

Falken do pneu com a melhor pontuação. O Falken AZENIS FK510 nas

dimensões 225 / 45R17 apresenta-se como um pneu de verão para automóveis

compactos de passageiros, um dos segmentos mais populares no mercado automóvel

atual.

62 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Bridgestone BATTLAX HYPERSPORT equipam Suzuki Hayabusa

A

Bridgestone anuncia que os seus pneus BATTLAX HYPERSPORT Hayabusa é a terceira geração de um modelo que sofreu uma mudança

S22 foram escolhidos como equipamento de origem para a Suzuki

Hayabusa 2022, lançada em fevereiro. Usando as tecnolo-

herdado da primeira geração, o seu design exclusivo evoluiu ainda mais,

radical pela primeira vez em 13 anos. Sob o conceito «Ultimate Sport»

gias mais avançadas, os pneus BATTLAX HYPERSPORT S22 da Bridgestone

são projetados para oferecer a melhor aderência e manuseabilidade, seamento melhorado. Este conjunto de equipamento de origem é parte

proporcionando um desempenho aerodinâmico excecional e um manu-

tanto no molhado como no seco, com uma estrutura de cinta otimizada de uma parceria de longo prazo na qual a Bridgestone tem fornecido

e um novo composto. O resultado é uma condução mais suave e estável.

Estes recursos aprimoram o rendimento da Suzuki Hayabusa. A nova de

pneus premium para a Suzuki Motor Corporation para uma ampla gama

motos.

PUB

www.revistadospneus.com | 63


Notícias

Produto

e.PRIMACY são a nova aposta

sustentável da Michelin

Desde 1 de março de 2021, os condutores de automóveis

citadinos e SUV compactos podem equipar

os seus veículos com motores térmicos, híbridos

ou elétricos com os novos Michelin e.PRIMACY.

Esta nova geração de pneus é caracterizada por

oferecer uma convincente combinação entre alta

performance, eficiência e mobilidade sustentável.

Desenvolvido com base na análise do ciclo de vida,

o Michelin e.PRIMACY oferece aos condutores um

elevado nível de performance ao mesmo tempo

que reduz o seu impacto ambiental. Conta com

etiquetagem A em termos de eficiência energética,

e B em aderência sobre piso molhado. Dado

que menos de 1% dos pneus combinam, de forma

simultânea, uma etiquetagem A em resistência

ao rolamento, e A ou B em aderência, tal torna o

Michelin e.PRIMACY num dos melhores pneus do

mercado. A baixa resistência ao rolamento oferece

múltiplos benefícios aos utilizadores em função

do tipo de veículo. Para condutores de veículos

com motor térmico, pode reduzir o consumo de

combustível em até 0,21 l/100 km, o que representa

uma poupança de 80 euros durante a vida

útil do pneu. No caso dos veículos elétricos pode

aumentar a autonomia em até 7%.

Bridgestone desenvolve pneu sustentável para autocarro

A Bridgestone lança o seu novo pneu-referência no segmento de autocarros urbanos,

o Bridgestone U-AP 002. Sucessor do U-AP 001, este pneu foi projetado

para reduzir o consumo de combustível e as emissões de escape em áreas urbanas

congestionadas, graças à diminuição da resistência ao rolamento. Além disso, ao

aumentar a vida útil do pneu através de uma durabilidade aprimorada, o resultado

é um pneu que permite um custo total de propriedade reduzido. O Bridgestone

U-AP 002 vem com etiqueta B em resistência ao rolamento, para reduzir o consumo

de combustível e as emissões de escape. O novo pneu-referência também oferece

uma vida útil 9% mais longa para garantir uma excelente quilometragem. A

proteção da parede lateral espessa do pneu e a carcaça forte permitem uma alta

robustez e múltiplas vidas úteis do pneu graças à recauchutagem. A combinação

destes recursos resulta num pneu de longa duração que reduz o custo total de propriedade

por quilómetro. O Bridgestone U-AP 002 vem com um aumento de 200 kg

na capacidade de carga – um requisito fundamental para os autocarros elétricos – e

é adequado para eixos de direção de oito toneladas.

Dunlop aumenta gama ScootSmart com 8 novas medidas

Um leque ainda mais alargado de populares scooters, oriundas de fabricantes

como a Yamaha, a Honda e a Piaggio, pode, agora, ser equipado com o versátil pneu

ScootSmart da Dunlop, disponível em oito novas medidas. Os motociclistas podem

usufruir das avançadas tecnologias do ScootSmart, incluindo um desenho da banda

de rolamento orientado para a performance, derivado da gama de pneus para

motos RoadSmart da Dunlop, vencedora de múltiplos testes. Tal ajuda a garantir

um comportamento neutro, um índice de velocidade de até 210 km/h e uma elevada

aderências em qualquer cenário de condução. Em cada uma das suas medidas,

o ScootSmart conta com um composto com alto conteúdo de sílica, para melhorar

a quilometragem, e com uma performance excelente tanto em condições de

piso molhado como seco. A Dunlop prevê prosseguir com o alargamento da gama

ScootSmart, com a adição de cinco novas medidas no terceiro trimestre de 2021.

Nova gama Michelin AGRIBIB ROW CROP IF

A

Michelin

apresenta a sua nova gama

de pneus agrícolas AGRIBIB ROW

CROP IF (Improved Flexion), especialmente

concebidos para máquinas pulverizadoras

automotoras e revocadas, e para tratores

de baixa e média potência (de 70 a 180

cv) utilizados em cultivos lineares. Os pneus

Michelin AGRIBIB ROW CROP IF oferecem

três grandes vantagens: Maior capacidade de

carga, graças à tecnologia Michelin UltraFlex

(marcação IF); Melhor tração, graças a 14%

mais de tacos em contacto com o solo e um

uma superior altura da escultura R1W. Menor

compactação do solo, devido a 20% mais de

superfície de contacto, o que permite uma

melhor distribuição da carga. Todos os pneus

da gama contam com a tecnologia Michelin

UltraFlex, que garante uma maior superfície

de contacto, para proteger os solos da compactação,

ao mesmo tempo que melhora a

tração. Os flancos reforçados permitem que

estes pneus ofereçam uma grande duração

mesmo quando a operar com baixas pressões.

Os benefícios para os agricultores traduzem-

-se em pneus que protegem o solo e, portanto,

melhoram a performance e a produtividade.

64 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Goodyear equipa novos

Audi E-TRON GT Quattro e RS

A

Audi volta a contar com a Goodyear para equipar um

dos seus veículos elétricos de referência. Desde 2019

que os SUV da gama e-tron já montavam pneus Goodyear

como equipamento de origem. Agora, o gran turismo de

nova geração da Audi, o Audi e-tron GT, estará equipado com

pneus Goodyear Eagle F1 Asymmetric 5 de 21 polegadas. O Audi

e-tron GT é um automóvel elétrico que combina desportividade,

conforto e sustentabilidade. Com os seus dois motores elétricos,

nos eixos dianteiro e traseiro, a versão mais desportiva, o

RS e-tron GT, anuncia 475 kW (646 CV) e cumpre os 0-100 km/h

em 3,3 segundos. Em combinação com a tração integral elétrica

quattro, entrega todo o binário disponível de forma instantânea

às quatro rodas. A potência e a performance instantânea do Audi

e-tron GT necessitam de um pneu como o Goodyear Eagle F1

Asymmetric 5, para permitir que os condutores desfrutem ao

máximo da experiência de condução.

PUB

www.revistadospneus.com | 65


Notícias

Produto

Goodyear equipa novo Toyota Aygo

A

Toyota apresentou o seu novo protótipo, o Aygo X prologue, equipado com

pneus Goodyear que contam com paredes laterais esculpidas sob medida a

laser. O pequeno crossover representa a visão da Toyota para o futuro do segmento

A, e é a mais recente de uma série de colaborações entre Toyota e Goodyear em

inovadores projetos conceptuais, que remontam a 2003. Hans Vrijsen, Diretor Geral

de OE da Goodyear EME, afirma: “A Goodyear orgulha-se de ser parceira dos pioneiros

que estão a dar forma ao futuro da mobilidade. Temos colaborado com a Toyota ao

longo de 18 anos nos seus protótipos, e estamos muito satisfeitos por podermos oferecer

mais um pneu feito sob medida para apoiar a sua visão do futuro do segmento

A”. Os crossover são um segmento em crescimento no mercado automóvel europeu.

Modelos que procuram reunir o melhor de dois mundos, proporcionando a agilidade

e a versatilidade dos automóveis pequenos, mas oferecendo o espaço, o conforto e a

resistência dos SUV.

Michelin Pilot Sport EV para desportivos elétricos

A Michelin apresentou o novo Michelin Pilot Sport EV, o primeiro pneu da marca desenvolvido

para satisfazer as exigências específicas dos utilizadores de veículos desportivos

de propulsão elétrica. Um pneu fruto da experiência adquirida pela Michelin na Fórmula

E, caraterizado pelo seu baixo nível de

ruído de rolamento, para proporcionar

um maior conforto de marcha, e pelo

seu desenvolvimento eco-responsável,

que oferece um equilíbrio neutro de

emissões de CO2 no momento da compra.

O novo Michelin Pilot Sport EV distingue-se

pelo acrónimo “EV” (Electric

Vehicle) e caracteriza-se por uma performance

que permite desfrutar com

total segurança de todo o potencial do

veículo elétrico. O novo pneu permite

uma estabilidade e precisão de condução,

inclusivamente a alta velocidade,

com 15% mais de rigidez em curva, e

uma ótima aderência em piso seco e

molhado, independentemente do nível

de desgaste do pneu. Revela também uma excelente resistência ao desgaste, tendo em

conta a repartição de massas imposta pelas baterias, e em resposta ao elevado binário

transmitido às rodas, e à capacidade de aceleração que carateriza este tipo de veículos,

graças à sua estrutura MaxTouch ConstructionTM.

Gama Mutant da Dunlop

não para de crescer

A Dunlop ampliou a sua gama Mutant com a

introdução de duas novas medidas traseiras,

permitindo a mais de 140 modelos utilizar o

primeiro pneu crossover para moto, e o seu leque

de tecnologias inteligentes. O Mutant está

agora disponível nas medidas 150/60Z R17

e 160/60Z R17. Ambas abrangem um amplo

leque de motos, que cobrem os segmentos

naked, roadster e crossover. Estas motos, entre

as quais se incluem modelos mais desportivos

e máquinas de nível de entrada, podem,

agora, ser equipadas com o inovador padrão

crossover da Dunlop aplicado no Mutant, que

proporciona uma excecional aderência sobre

piso molhado e segurança em todas as condições

de condução, ao longo de todo o ano.

A medida traseira mais estreita, 150/60Z R17,

pode equipar um impressionante conjunto

de mais de 60 modelos de motos, incluindo a

KTM RC390 e a Kawasaki Z400.

Continental aumenta portfólio

com novo General TE95

A Continental está a expandir o seu portfólio

General Tire para a indústria de terraplenagem

com o pneu General TE95. O pneu

impressiona pela alta tração, principalmente

para trabalhos de compactação de solos em

aplicações rodoviárias e de construção. Tal

como toda a linha de produtos, é equipado

com a tecnologia V.ply. Com esta expansão, o

portfólio de pneus da General Tire chega a um

total de 18 especificações de pneus para a indústria

de terraplenagem. Os primeiros pneus

de terraplenagem da General Tire foram lançados

no início de 2020 - o portfólio agora

inclui um total de 14 tamanhos, que são usados

em carregadeiras de rodas e tratores, bem

como em camiões basculantes e raspadores.

O contorno otimizado do pneu General TE95

garante uma distribuição de pressão uniforme

em veículos de construção, como compactadores

de tambor único. Isso mantém o solo do

canteiro de obras liso durante a compactação.

66 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Vipal Borrachas testa banda pré-moldada

DV-UM3B

A Vipal Borrachas mete à prova a banda pré-moldada DV-UM3B.

Num recente teste comparativo, o desenho da Vipal confirmou

sua excelência sobre produto semelhante da concorrência. Valendo-se

de condições similares de utilização e rodagem para

ambos os produtos, a DV-UM3B mostrou-se 65% superior à banda

de rodagem da outra marca. Para garantir a veracidade dos resultados,

foram usados dois camiões (6x2) do modelo Mercedes

Benz Atego, que rolou com pneus montados nos eixos de tração

pela radial urbana de Londrina (PR) para o serviço de coleta de

resíduos. A banda de rodagem DV-UM3B obteve uma projeção

média de 14.329 quilómetros contra 8.705 da concorrente, o que

representa 65% a mais de performance. A tecnologia utilizada

pela Vipal Borrachas para o desenvolvimento de seus produtos

e o cuidado que em facultar ao transportador a aplicação ideal

para cada necessidade, foram essenciais para que obtivesse um

resultado tão expressivo com o seu novo produto em relação a

um similar da concorrente.

Gama de Pneus BKT EARTHMAX volta a crescer

A gama da BKT está a aumentar. A última novidade é o EARTHMAX SR

412, destinado à utilização em camiões basculantes articulados, pás

carregadoras e bulldozers. As principais qualidades distintivas deste

pneu são a excelente estabilidade e a resistência a danos. A lona de

carcaça robusta e as lonas de cima em aço integral (All Steel) permitem

ao EARTHMAX SR 412 transportar cargas pesadas e evitar rasgos

e furos. O piso apresenta um design único com profundidade E-4 para

tração excecional e elevada resistência térmica. Por seu lado, o design

quadrado garante forte aderência ao solo, garantindo maior controlo

e manobrabilidade para o veículo. O EARTHMAX SR 412 está disponível

nos tamanhos 29.5 R 25 e 750/65 R 25. O novo produto junta-se

à família EARTHMAX, a gama de pneus radiais todo-o-terreno (OTR)

concebida para a utilização nas condições mais extremas e adversas.

Especialmente desenhados para camiões basculantes, pás carregadoras,

bulldozers e motoniveladoras, os pneus nesta gama oferecem ajuda

preciosa nas operações mais difíceis. Garantem melhor distribuição

da carga no solo, bem como o conforto, a segurança e a estabilidade

dos utilizadores finais.

Pneus de verão Pirelli com destaque na imprensa Alemã

Os dois pneus de verão de referência da Pirelli para turismo, P Zero

e Cinturato P7, subiram ao pódio nos testes de pneus de verão

de duas importantes publicações alemãs, Auto Zeitung e Gute

Fahrt. O modelo de alto desempenho liderou confortavelmente os testes

específicos em piso molhado e na categoria de aderência subjetiva,

segundo a opinião dos avaliadores da Auto Zeitung, que lhe outorgaram

a classificação mais alta: “Altamente recomendado”. Já a publicação Gute

Fahrt avaliou o novo Cinturato P7 como “muito bom” (nota máxima), sublinhando

a ausência de fragilidades em todas as áreas avaliadas. O P Zero

da Pirelli concluiu o teste com a avaliação “Altamente Recomendado” e alcançou

o terceiro lugar geral. Nos resultados parciais, a principal referência

de alto desempenho da marca italiana impôs-se facilmente no capítulo da

aderência subjetiva, e em três categorias objetivas intimamente ligadas

à segurança (manobrabilidade, condução em piso molhado e slalom). O

Cinturato P7 alcançou a segunda posição no teste e alcançou a melhor

nota possível: “Muito bom”. Em particular, o pneu dominou os testes de

manobrabilidade em piso seco e molhado, bem como o teste de travagem

em piso seco.

www.revistadospneus.com | 67


Notícias

Produto

Kleber anuncia nova gama de pneus agrícolas

A

Kleber apresenta a sua nova gama Kleber TOPKER IF, um pneu sões para o eixo dianteiro e seis para o eixo traseiro, a nova gama Kleber

agrícola para tratores de elevada potência, que se destaca pela TOPKER IF oferece – com a mesma pressão de enchimento – até 20%

sua excelente relação qualidade/preço e pelas vantagens da mais de capacidade de carga, ou pode suportar a mesma carga que

arquitetura IF (Improved Flexion). A nova gama de pneus (Improved um pneu standard equivalente com uma pressão de enchimento 20%

Flexion) foi especialmente concebida para uma utilização polivalente inferior, graças à sua arquitetura IF. O que permite aos agricultores utilizarem

utensílios mais pesados e beneficiarem de uma menor pressão

em tratores de elevada potência, com mais de 200 CV. Oferece aos agricultores

uma excelente relação qualidade/preço e todas as vantagens sobre o solo, bem como de uma maior capacidade de tração e de um

do padrão IF1 quanto à sua arquitetura. Disponível em cinco dimen-

superior conforto de condução.

Bridgestone Potenza Sport

vence teste de pneus desportivos

O novo pneu desportivo de referência da Bridgestone, o Potenza Sport,

foi eleito pela Auto Bild Sportscar como vencedor do teste de pneus

desportivos de 2021. A pontuação do Bridgestone Potenza Sport permitiu

ficar à frente de pneus de oito outros fabricantes, num teste feito

num Ford Mustang 5.0 na medida 265/35 ZR 20, recebeu a melhor

pontuação geral em piso molhado e as melhores avaliações em estradas

secas, para ser classificado como “exemplar” pela revista alemã. O pneu

de alta performance da Bridgestone, o Potenza Sport, provou ter a distância

de travagem mais curta em piso seco entre a concorrência e foi

considerado um dos dois melhores no teste em piso seco. No molhado,

o Bridgestone Potenza Sport voltou a ter a distância de travagem mais

curta e foi premiado com o melhor desempenho em piso molhado e

melhor desempenho em pista circular. O pneu desportivo de referência

também foi premiado pelo excelente desempenho em aquaplanagem

para contribuir para o que a AutoBild descreve como “uma referência

completamente nova” para a manuseabilidade em piso molhado.

Dunlop aposta na tecnologia

do novo SP346+

A Dunlop apresentou o pneu para eixo direcional SP346+,

destinado a frotas e transportadores que exigem um amplo

leque de prestações em todas as aplicações em estrada. O

Dunlop SP346+ conta com um conjunto de tecnologias concebidas

para alcançar uma elevada quilometragem, uma

robusta durabilidade e uma melhorada eficiência de combustível,

ou um baixo consumo energético para veículos eletrificados.

Oferece uma excelente aderência no inverno, tornando-o,

verdadeiramente, num pneu para todas as estações

e todos os propósitos. Para muitas frotas, a melhor forma de

maximizar a eficiência é escolher pneus específicos para longo

curso, para transporte regional ou para percursos urbanos.

Mas, para os camiões que têm uma utilização variada, em que

se combinam entregas urbanas de curta distância e condução

em autoestrada, é necessário um pneu multitarefas. É aí que o

Dunlop SP346+ oferece uma solução. A Dunlop trabalhou na

otimização do desenho da banda de rolamento para garantir

uma distribuição uniforme da pressão de contacto e solidez

dos ombros. O que aumenta a resistência aos danos e ao desgaste,

oferecendo uma eleva quilometragem e uma longa

vida útil em condições severas.

68 | Revista dos Pneus | Junho 2021


ASSOCIAÇÃO

NACIONAL

DO RAMO

AUTOMÓVEL

ASSOCIAÇÃO

NACIONAL

DO RAMO

AUTOMÓVEL

novidades

novidades

profi sional

profi sional

após-venda

serviços

após-venda serviços

ASSOCIAÇÃO

NACIONAL

DO RAMO

AUTOMÓVEL

ASSOCIAÇÃO

NACIONAL

DO RAMO

AUTOMÓVEL

.com

.com

Ibérica

Radio

Vigo

Ibérica

Radio

Vigo


Mercado Gestão

Mudança de

paradigma

A mudança de paradigma já começou. Há uma mudança fundamental

na forma como desenvolvemos a nossa atividade no setor dos pneus,

e vai ser necessário gastar dinheiro para sobreviver e prosperar. Tem muito tempo

para se preparar, mas apenas se começar já

70 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Preparar a empresa para o futuro

s próximos anos vão ser um enorme desafio

para as empresas, à medida que assistimos

à chegada de muitas mudanças a este setor.

Será uma época incrível para fazer parte da

evolução, e será emocionante ver quem responde

ao desafio e aceita a responsabilidade

de liderar as empresas.

Para começar, o fluxo de caixa tem de ser

uma prioridade para todos os proprietários.

Se o seu lucro líquido se mantiver estagnado

e as suas despesas forem demasiado

elevadas, a falência da empresa é inevitável.

Por isso é tão importante preparar o fluxo

de caixa agora. Aumente as tabelas de mão

de obra, as suas margens nas peças e gira a

folha de pagamentos em conformidade. Seja

um líder confiante de que está a preparar a

sua empresa para o futuro.

O fluxo de caixa não se trata de lucros líquidos,

embora os lucros líquidos se enquadrem

no fluxo de caixa. O fluxo de caixa é

o que acontece ao seu dinheiro uma vez

que a empresa produza lucro líquido (o

dinheiro extra que resta após as vendas

menos o custo das mercadorias vendidas

e despesas). Todo o lucro líquido é direcionado

para uma conta de fluxo de caixa, a

partir da qual a empresa paga impostos,

lança contas a receber, compra o próximo

carregamento de pneus, paga os principais

empréstimos e investe nas instalações (novo

equipamento) e nos funcionários (aumentos

salariais e formação).

Sem lucro líquido uma empresa pode existir

durante vários anos. Sem fluxo de caixa, a

sua empresa entra em falência e o governo

encerra-a, as suas dívidas são pagas ao governo

e depois aos seus credores. Fim do jogo.

São muitos os proprietários de pequenas

empresas que frequentemente se perguntam,

“Eu tive lucro líquido no mês passado,

porque é que a minha conta bancária não

tem dinheiro?” O fluxo de caixa é o principal

motivo. Uma demonstração de resultados

que apresente lucro líquido, não indica a

situação de tesouraria da empresa.

Uma demonstração de resultados indica

apenas o volume do lucro realizado durante

a atividade regular da empresa num

momento específico, o que no nosso caso

é a venda de pneus e o fornecimento de

serviços automóveis. As demonstrações de

resultados não incluem o movimento de

dinheiro em torno da empresa.

Para além de evitar a falência, ter um fluxo

de caixa positivo é importante por várias

razões. Um banco, caso pretenda contrair

um empréstimo, quererá analisar o seu fluxo

de caixa. Se o seu fluxo de caixa for demasiado

limitado, o banco não irá conceder o

empréstimo para a nova máquina de alinhamento.

Ou para qualquer outra coisa. O

banco pretende verificar um fluxo de caixa

sólido, porque isso constituirá prova de que

consegue cumprir os seus pagamentos. Não

há fluxo de caixa? Não há dinheiro. Ou seja,

não há empréstimo.

Um exemplo simples de fluxos de caixa que

indicam dificuldades seria algo deste género:

Uma empresa começa com 25 000 euros

em dinheiro e faz 50 000 euros em lucro

líquido no final do ano. Para a empresa isto

representa 75 000 euros em dinheiro. Após

o pagamento de impostos, novo inventário,

empréstimo principal, e outros itens, restam

à empresa, por exemplo, 10 000 euros em

dinheiro disponível. Digamos que a empresa

tem o mesmo volume de negócios no ano

seguinte. Mas uma vez que restam apenas

10 mil euros para começar, o final equivale a

50 mil euros em lucro líquido mais os 10 mil

euros em dinheiro. No ano anterior tínhamos

75 mil euros em dinheiro. Agora temos 60

mil. No ano seguinte, se a atividade permanecer

inalterada, o fluxo de caixa disponível

diminuirá para 45 mil euros. Se algo não

mudar, esta empresa irá falir e as portas vão

fechar-se definitivamente.

POR QUE MOTIVO É IMPORTANTE CONTRATAR

O QUE NÃO CONSEGUE ENSINAR

O comércio de pneus e dos serviços automóveis

são atividades muito dinâmicas

e competitivas. Estamos a assistir a uma

consolidação de proporções gigantescas

e a tecnologia está a avançar a um ritmo

vertiginoso. O conceito de oficina “familiar”

é algo raro hoje em dia, e ser uma oficina

independente significa ser um líder em tecnologia.

No passado, o senso comum dizia

que os grandes protagonistas tinham o

dinheiro necessário para estarem na vanguarda.

Presentemente, é mais plausível que

uma oficina independente ou uma pequena

rede seja mais flexível e aceite a mudança

mais rapidamente do que os protagonistas

de maior dimensão.

As oficinas independentes conseguem agora

rentabilizar a agilidade como uma vantagem

importante, mas para isso devem ter em

atenção diversos fatores: sala de receção

limpa e moderna, instalações bem iluminadas,

funcionários cordiais com uniformes

aprumados, tecnologia ao alcance de todos

os funcionários, que devem sempre tentar

melhorar a experiência do cliente.

Este é o preço a pagar para fazer parte do

negócio de manutenção e reparação automóvel,

onde se incluem os serviços de pneus.

Não é fácil identificar a transição, mas ao

focar-se na guerra de preços e no modelo

de corte de despesas ao máximo, a empresa

perde a sua vantagem competitiva. Os bons

funcionários partem e os maus funcionários

vão ficando... eternamente. Todos começam

a trabalhar em piloto automático.

NAVEGAR NA INDÚSTRIA DOS PNEUS

Aprenda a tornar o seu negócio eficiente,

bem-sucedido e, acima de tudo, rentável.

Fale com quem sabe de gestão e marketing

para o ajudar a identificar as suas oportunidades

e a maximizar o seu potencial para

ser mais bem sucedido a nível profissional

e pessoal. O objetivo não é dar formação

aos colaboradores sobre como vender mais

pneus, mas ensiná-los a melhorarem os seus

conhecimentos e serem mais profissionais.

Para fazer crescer a sua empresa, tem de

aprender a confiar nos seus funcionários.

Como proprietários, a maioria começou no

negócio aprendendo os truques do ofício

com o pai, o avô, ou com uma empresa de

maior dimensão do comércio de pneus. Em

seguida compraram o negócio à família ou

estabeleceram-se por conta própria. Geralmente

trata-se de uma oficina pequena, e nos

primeiros meses o proprietário desempenha

as funções de empresário, patrão, empregado

de limpeza, mecânico em part-time, responsável

de RH, e qualquer outra função que seja

necessário desempenhar. Após alguns anos

sem receber salário, a empresa começa a fazer

algum dinheiro. E então começa a crescer.

Contrata alguns técnicos, alguns vendedores

e algum pessoal para o escritório. O problema

é que o proprietário geralmente continua

a envolver-se em todo o trabalho em vez

de o gerir. Isto representa um problema. O

proprietário torna-se a solução efetiva para

todos os problemas na oficina. E assim que

a oficina atinge uma faturação de cerca de

meio milhão de euros, isto traduz-se numa

pressão imensa, e o proprietário sente que

tem de estar em todo o lado, a toda a hora.

É um cenário impossível. Não pode tirar um

www.revistadospneus.com | 71


Reportagem Gestão

Presentemente, é mais plausível que uma oficina

independente ou uma pequena rede seja mais flexível e

aceite a mudança mais rapidamente do que os protagonistas

de maior dimensão

dia de folga, não pode ir de férias, não pode

descansar. O que está então a faltar? Para não

nos alongarmos demasiado, podemos resumir

o problema em duas questões essenciais:

Confiança e Planeamento.

CONFIANÇA

A única forma de um proprietário confiar que

os seus funcionários façam um bom trabalho

é permitir que façam o trabalho na sua presença

e ser verdadeiramente um supervisor.

Delegar a empresa a outros funcionários e

fazer um acompanhamento regular para

assegurar que o trabalho não só está a ser

realizado, como está a ser realizado mantendo

o alinhamento com os valores da empresa.

Isto exige tempo. Uma vez que a confiança

seja estabelecida, psicologicamente, o proprietário

consegue afastar-se um pouco para

começar a concentrar-se em algo que merece

toda a sua atenção: o futuro, não o presente.

Sem confiança, o proprietário continuará a

estar na loja 365 dias por ano. Uma receita

para o desastre.

PLANEAMENTO

Como é que um proprietário aprende a confiar?

Seguindo o planeamento de forma quase

militante. “Antigamente” o proprietário desenvolvia

o seu planeamento sobre como gerir

a loja, frequentemente por tentativa e erro e

seguindo o que fazia sentido na sua cabeça.

Mas o que era intuitivo para o proprietário

poderia não ser óbvio para os funcionários.

Um planeamento é um sistema de ações

organizadas para atingir um determinado

objetivo. Em suma, as diretrizes a seguir na

oficina desde a reavaliação de preços à liquidação.

O que é fundamental é que sejam

cumpridas, aconteça o que acontecer.

Isto cria um problema psicológico para

alguns proprietários. Eles conseguem encontrar

atalhos que funcionam, pois conhecem

informações sobre clientes e sobre

automóveis que os seus funcionários não

conhecem. O proprietário julga que está a

poupar tempo. E está, mas no curto prazo.

Atalhos, ou desvios, do planeamento podem

ser apelativos por pouparem tempo, mas a

longo prazo criam correções muito demoradas

para os funcionários em geral. E se os

funcionários constatarem que o proprietário

toma atalhos, é muito provável que decidam

tomar atalhos também. Geralmente,

os funcionários quando tomam atalhos não

compreendem a lógica que levou o proprietário

a tomá-los.

Portanto, qual é o seu planeamento?

Os funcionários conseguem de forma ponderada

enumerar quais são os passos necessários

para concretizar uma venda, desde a

reavaliação de preços à finalização da compra?

Caso não tenha um planeamento, deve

reservar algum tempo para uma reunião

(poderão ser necessárias algumas reuniões

para concluir a tarefa) e peça à equipa para

desenvolver os passos necessários. O seu

contributo deve limitar-se a áreas cruciais.

Deixe que definam os elementos básicos

sem intervenção da sua parte. A probabilidade

de a equipa adotar e cumprir o planeamento

será muito maior se o mesmo

tiver sido criado por eles.

Em seguida, a sua função será de apoio e redirecionamento.

Geralmente os funcionários

repetem comportamentos se forem elogiados

pelos mesmos, pelo que, agradecer-lhes

por cumprirem o planeamento e por não

ignorarem etapas quando há complicações

é fundamental para que comecem a confiar

no processo.

O redirecionamento acontece quando observa

um desvio no planeamento e tem de

intervir, não para corrigir o funcionário, mas

para questionar o motivo que levou esse

funcionário a mudar as regras. Encoraje o

funcionário a pensar no que o levou a tomar

aquela decisão. Deste modo, o funcionário

poderá receber o seu feedback através da

sua explicação relativamente à importância

de respeitar o processo, e por vezes, o

funcionário poderá referir um motivo válido

que deverá ser avaliado pela equipa para

determinar se se trata de uma melhoria,

justificando uma alteração ao processo.

PANORAMA ATUAL E FUTURO

Estamos a entrar numa era ímpar na indústria

de pneus e dos serviços pós-venda

72 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Preparar a empresa para o futuro

automóvel. Vamos descrever o panorama

atual e o do futuro. O primeiro fator de impacto

a afetar-nos é a consolidação, o nível

de distribuição e as principais cadeias. Na

sua essência, a consolidação prende-se com

a melhoria dos lucros brutos, tanto para fabricantes

de pneus como para distribuidores.

Vários outros aspetos são relevantes,

como eficiência e processos mais rápidos

(eventualmente ou desejavelmente), mas

a principal motivação para consolidar é

melhorar os lucros brutos.

O que isto significa para os revendedores de

pneus independentes é uma forte redução

na margem de pneus e peças, uma vez que

ambas as áreas estão a atravessar um período

de consolidação. Para os revendedores, as

margens têm de ser protegidas agora e aumentadas

para níveis aceitáveis. Os revendedores

que operam com margens em peças

e pneus entre cinco e dez pontos abaixo do

valor em que deviam operar vão atravessar

uma crise de liquidez tão grave que lhes será

difícil realizar as suas compras seguintes.

O segundo fator a atingir os revendedores,

caso ainda não tenha acontecido, é uma batalha

salarial. Se há algo que não é necessário

explicar a qualquer proprietário de oficina

é a quantidade reduzida de técnicos e funcionários

talentosos que começam a trabalhar

na oficina pela primeira vez dispostos

a aguentarem as dificuldades associadas à

aprendizagem e ao ambiente geral da oficina

para ultrapassarem os primeiros dois anos,

período em que as rotações ocorrem em

maior número.

Resumindo, a indústria apresenta uma elevada

rotação de pessoal no nível inicial, e

não existem funcionários competentes em

número suficiente para satisfazer a procura.

Esta realidade, devido às forças naturais de

mercado, cria uma batalha salarial. O salário

dos técnicos vai aumentar consideravelmente

porque as oficinas vão ter de captar

o talento disponível na economia local. A

realidade é que na última década foi transmitido

a quase todos os jovens entre os 12

e os 19 anos que a universidade era a única

opção, o que significa que houve poucas

pessoas a optar pelos ofícios. Uma batalha

salarial, para além da consolidação, representa

uma pressão adicional para a oficina.

O terceiro fator com impacto na indústria é

a tecnologia. Sistemas de aviso de faixa de

rodagem telemetria, sistemas anticolisão

e uma miríade de outras tecnologias vão

inflacionar rapidamente os alinhamentos

de direção dos tradicionais 40 euros para

valores superiores, em alguns casos para

valores bem acima dos 100 euros. Isto vai

exigir uma atualização profunda na tecnologia,

e representa mais um embate no

fluxo de caixa. Atualizações tecnológicas

básicas serão necessárias em breve, designadamente

a aquisição de equipamentos

ADAS. Os proprietários de pequenas oficinas

que não se encontrem em posição de

investir fortemente nos principais recursos

da empresa, nos seus funcionários e no

equipamento, vão ser radicalmente ultrapassados

e qualquer tipo de recuperação

será praticamente impossível.

Trata-se de uma oportunidade para profissionalizar

o setor. É uma chamada de atenção

importantíssima para as empresas que estão

preparadas para evoluir, para que possam

atingir níveis inéditos de competitividade. A

mudança é sempre difícil, mas a mudança é

agora constante. Devíamos procurar a forma

mais rentável de nos adaptarmos pois não

é aceitável resistir à mudança.

É difícil manter o foco

Não é fácil assegurar que a experiência do

seu cliente é excelente. É difícil garantir que

contrata os melhores funcionários de acordo

com os recursos da sua empresa. Mas nada

disso significa que deva descurar o que é

importante. O que realmente o distingue da

concorrência são as pessoas que trabalham

na sua oficina. E curiosamente, o importante

não é o volume de conhecimentos sobre

pneus e automóveis que possuem. Estes conhecimentos

podem ser ensinados e aprendidos.

O importante é aquilo que não pode

ser ensinado. Os funcionários preocupam-

-se? Ouvem? Agem como se quisessem fazer

tudo corretamente? Quando foi a última vez

que um cliente se queixou sobre o facto de

um colaborador não saber o suficiente? Qual

a última vez que um cliente se queixou sobre

a forma como foi tratado? São questões que

o proprietário deve colocar para conhecer

melhor os seus funcionários.

COMO ENCONTRAR OU CONTRATAR

A PESSOA CERTA?

Esta é uma questão complicada, para a qual

não há respostas fáceis. No entanto, ao entrevistar

um candidato, pergunta apenas

sobre o tempo de experiência que tem no

setor ou pergunta também sobre a última

vez que lidou com um cliente insatisfeito,

ou sobre a última vez que teve um desentendimento

com um colega? Pode aprender

imenso sobre a atitude de um funcionário

apenas com estas duas perguntas. E pode

fazer várias outras perguntas. Basta pensar

em alguns dos problemas comuns relacionados

com a oficina, as situações inerentes

à rotina diária. Pergunte a potenciais funcionários

sobre o que fizeram no passado, mas

não se limite a perguntar “o que faria” uma

vez que perguntas hipotéticas recebem respostas

hipotéticas. Pergunte apenas sobre

o que fizeram ultimamente. Mesmo que o

emprego não tenha sido no setor automóvel

pode focar-se no atendimento a clientes,

na relação com colegas, na opinião sobre

o antigo patrão, que bónus tinham... a lista

é quase infindável.

Lembre-se, contratamos o que não conseguimos

ensinar: atitude, determinação, pontualidade

no trabalho. Após a contratação,

ensinar como um pneu é feito, ou o que

é uma descrição do serviço, ou como um

alternador funciona — essa é a parte fácil.

Contratar alguém que proporcione ao cliente

a melhor experiência irá proporcionar-lhe

www.revistadospneus.com | 73


Reportagem Gestão

Preparar a empresa para o futuro

Os proprietários que não se encontrem em posição de

investir fortemente nos principais recursos da empresa, nos

seus funcionários e no equipamento, vão ser radicalmente

ultrapassados e qualquer tipo de recuperação será

praticamente impossível

margem de manobra para cobrar um preço

justo o suficiente para que possa reinvestir

no negócio. Um técnico novo pode ser muito

dispendioso mas se tiver empatia com os

clientes vale cada cêntimo.

Em caso de dúvida relativamente à sua

empresa, comece por analisar a experiência

de cliente. O aspeto exterior, a sala de

exposição, a primeira conversa com um

funcionário. A imagem que os funcionários

transmitem aos clientes, a forma como os

funcionários conduzem os veículos. Cada

uma destas situações é um potencial ponto

de pressão para o cliente, proporcionando-

-lhe uma desculpa para questionar se o

preço será demasiado elevado ou se será

altura de escolher outro local. No mundo

atual, o preço base para serviços automóveis

e relacionados com pneus é elevado.

GERIR FUNCIONÁRIOS PODE SER

UMA PARTE COMPLICADA DO NEGÓCIO

Um escorpião pede a um sapo que o ajude

a atravessar um rio. O sapo hesita, com receio

de ser picado, mas o escorpião argumenta

que se o fizesse, ambos morreriam

afogados. Tendo isto em consideração, o

sapo concorda, mas a meio da travessia o

escorpião pica efetivamente o sapo, condenando

ambos. Quando o sapo pergunta

ao escorpião porquê, o escorpião responde

“estava na minha natureza fazê-lo.” Esta perspetiva

retratada pela fábula, de que não é

possível mudar certas naturezas ainda é

comum na generalidade das pessoas. A

mensagem é que o escorpião é fundamentalmente

violento e não vai mudar. Está na

sua natureza. É o seu comportamento. No

que toca a funcionários, o seu comportamento

é construído ao longo do tempo, é

um processo subconsciente e repetido que

dá origem a uma rotina. Com o passar do

tempo, torna-se extraordinariamente difícil

eliminar essa rotina e começar de novo.

Não é impossível, mas é altamente improvável.

Por vezes, poderá ocorrer um período

de “lua de mel” no qual é encontrado um

breve intervalo de paz, mas eventualmente

na maioria das circunstâncias sem fatores

motivacionais relevantes, o escorpião volta a

picar. Este é um mau funcionário? Bem, esta

é a pergunta errada. Envolve preconceito e

não nos ajuda a encontrar a melhor solução

para o funcionário e para a empresa. Temos

de nos afastar e observar o panorama geral.

Quando entrevista num novo funcionário

para entrar na empresa e coloca perguntas

apenas relacionadas com a montagem e

reparação de pneus, para conhecer as suas

competências técnicas, erra ao não explorar

os hábitos, os comportamentos e a atitude

do funcionário nos locais de trabalho anteriores.

O novo funcionário revela competências

adequadas para fazer o trabalho e é

contratado, portanto tem valor (não queremos

despedir a pessoa), mas a sua atitude e

sistema de convicções sobre o trabalho não

estão alinhados com os da empresa (queremos

despedir a pessoa). Diariamente, à

medida que tentamos melhorar a empresa,

deparamos com os maus comportamentos

do funcionário, e isso está a deixá-lo

desesperado. A empresa está agora numa

posição muito difícil. Não é fácil encontrar

talento, e se for despedido o funcionário vai

deixar um vazio, e ficará trabalho por fazer

o que resultará em perdas financeiras. Se o

funcionário ficar acabará por infetar bons

funcionários com maus hábitos e convicções,

levando outros bons funcionários à

demissão para procurarem melhores ambientes

de trabalho. Os bons funcionários

vão sempre demitir-se e procurar melhor,

os maus ficam sempre, receando a perda

de salário. Obviamente isto resulta também

em perdas financeiras, mas no futuro, pelo

que a empresa vai adiando o problema para

mais tarde para não lidar com ele agora.

Que ações devem ser tomadas se acreditarmos

que vale a pena investir o tempo, o

esforço e a energia necessários para salvar o

mau funcionário? Geralmente, a equação de

valor conclui que se tratou de uma má contratação

e que a separação é a melhor decisão

financeira tanto para o funcionário como para

o empregador. O empregador deve procurar

melhorar o processo de entrevista, que deve

ser baseada na análise do comportamento

e o funcionário deve refletir sobre como os

seus hábitos e atitudes o estão a prejudicar

financeiramente. Na maioria dos casos, sempre

que um proprietário finalmente ganhou

coragem para expulsar um mau funcionário,

diz, “Já o devia ter feito há muito tempo.” E

todos os funcionários concordam. u

74 | Revista dos Pneus | Junho 2021


PREPARE

O SEU PLANO DE COMUNICAÇÃO

para 2021

consulte o nosso site em

www.apcomunicacao.com

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!