JORNAL FOLHA SERTANEJA - EDIÇÃO JUNHO ANO XVII

folha.sertaneja

JORNAL FOLHA SERTANEJA - EDIÇÃO JUNHO ANO XVII

Aponte seu celular para o QR Code

O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO

Criado em 18/02/2004 • Fundador: Antônio Galdino

Paulo Afonso-BA • Edição Junho • 30 de Junho de 2021

Ano XVII • Número 201

"Até aqui nos ajudou o Senhor"

(I Sm 7:12)

Bairro Tancredo Neves,

antigo Mulungu, completa 51 anos

Parabéns ao hoje Bairro

Tancredo Neves pela

sua rica história, neste

aniversário de 50 anos,

impossibilitado de ser

comemorado como merecido

por conta da necessidade

de isolamento

social imposto pelos males

do coronavírus-19.

Passado esse tempo

ruim, que tudo passa

sobre a terra, certamente,

dias melhores virão!

A homenagem de

quem chegou a estas

terras sertanejas em 20

de Novembro de 1954,

do nosso site, do jornal

Folha Sertaneja, a cada

um dos seus moradores,

grandes contribuidores

para o progresso

do município de Paulo

Afonso-Bahia.

Página 3

O pauloafonsino José Fernandes Neto

ganha a eleição para Diretor

de Benefícios da Fachesf

Depois de três dias de votação,

totalmente online

realizada nos dias 16, 17

e 18 de junho, foi encerrado

às 19 horas do dia

18/06, o processo de votação

para Diretor de Benefícios

da Fachesf, uma

eleição para um para um

mandato tampão de cerca

de 11 meses.

A eleição para esse

cargo da Fundação

Chesf de Assistência

e Securidade Social –

Fachesf – motivou a

participação de quatro

candidatos, dentre

eles o pauloafonsino,

José Fernandes Neto.

Página 4

Academia de Letras de Paulo Afonso

– ALPA - empossa novos membros

Aprovados pelos membros

da ALPA desde 29

de fevereiro de 2020,

foram empossados na

tarde da sexta-feira,

25 de junho, como

imortais, por força de

expressão literária, os

novos membros da

Academia de Letras de

Paulo Afonso, o Advogado

Isac de Oliveira,

o Professor Doutor Jacques

Fernandes e a

Professora Mestra e Piscóloga

Lúcia Teixeira.

Cada um destes novos

membros da ALPA tem

trabalhos de reconhecido

valor científico,

cultural e literário já desenvolvidos,

textos literários

em prosa ou poesia

e livros já publicados

e certamente contribuirão

para o crescimento

da Academia de Letras

de Paulo Afonso, com

trabalhos para a preservação

da história, da

memória e da cultura literária

de Paulo Afonso

e na permanente luta

em defesa do rio São

Francisco, bandeiras da

ALPA desde a sua fundação

em 20 de novembro

de 2005, como afirmaram

em suas falas,

após empossados.

Página 5

Vereador Jean

demonstra

preocupação

com o meio

ambiente

Página 4

Vereadora

Evinha busca

parcerias com

secretarias

estaduais

Página 6

Paulo Afonso

e o BTN

estão de luto.

Faleceu D. Rita

Fagundes,

aos 95 anos

Página 9


A2

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

EDITORIAL

As muitas perdas pela

pandemia

Há mais de um ano e ainda

em crescente evolução e desdobramentos,

o coronavírus vem

mudando os hábitos e costumes

em todo o mundo, interferindo

drasticamente na economia das

nações e, principalmente, e tristemente,

dizimando aos milhares,

milhões, as vidas dos seres

humanos.

As hipóteses para o surgimento

desse vírus são muitas, assim

como os seus desmentidos, atendendo

aos interesses de um ou

outro lado da questão.

O fato é que esta pandemia,

que asseguram os estudiosos, se

repete sempre há cada cem anos,

tem feito muitos estragos em

todo o mundo.

As escolas continuam fechadas

e o rendimento escolar, especialmente

no Brasil despreparado

para outras alternativas fora

das aulas presenciais despenca a

olhos vistos. Se o ensino, especialmente

o ensino público, já

não era bom, em muitos lugares

ficou ainda pior.

E, enquanto as escolas estão

vazias, os hospitais estão lotados e

a economia dos municípios fica a

perigo constante.

Em muitos lugares, parece até

que nas prefeituras só existe a Secretaria

Municipal de Saúde. As

outras tornaram-se invisíveis.

A cada semana sai um decreto

proibindo o funcionamento de

estabelecimentos comerciais e até

de igrejas com o interesse de diminuir

a frequência de pessoas a

esses lugares e com isso se tenha

mais isolamento social e menos

possibilidade de contaminação

pelo vírus.

Se isso tem se mostrado de

resultado duvidoso por um lado,

por outro lado, vem causando a

demissão de empregados e o fechamento

de muitas pequenas

empresas que não conseguem pagar

suas contas mensais de salários,

encargos sociais e impostos,

inclusive os impostos municipais.

A pior de todas as perdas é a

de gente, pessoas amadas que, de

repente, nos deixam e ainda impedidos

de dizer adeus porque os

caixões são fechados e os velórios

estão proibidos.

Isso dói ainda mais que outras

tantas perdas.

Nas redes sociais um comentário

triste de um amigo serviu de

reflexão para tantos... Na morte

de mais uma pessoa de sua relação

de amizade ele dizia: “Antes

dessa pandemia, a gente recebia

a notícia da morte de uma pessoa

amiga a cada 3 anos ou mais.

Hoje, todos os dias choramos a

morte de alguém da nossa relação,

gente saudável, pessoas do bem,

tão queridas. E o mais triste de

tudo isso é que nem podemos nos

despedir deles com quem convivemos

a vida toda...”

Quase um ano e meio já passou

desde que os primeiros sintomas

dessa doença invadiram o

mundo. As vacinas vão aos poucos

cumprindo a sua missão de

trazer de volta a esperança, mas

ainda são muito poucas para tantos

habitantes da terra, mais de 7

bilhões.

São muitas as perdas que a

pandemia do Covid-19 está trazendo

para a humanidade.

Mas a pandemia também trouxe

outras coisas. Através dela,

muitas pessoas deixaram cair a

máscara de hipocrisia que escondia

suas falcatruas, sua desonestidade,

seu desamor ao próximo. E,

aos poucos vão sendo descobertas

roubalheiras embutidas em ações

aparentemente normais e até encobertas

por atitudes “humanitárias”

de muitos.

Fecham-se empresas, pais de

famílias ficam desempregados e,

enquanto profissionais respeitados

da área médica chegam

a exaustão, sobrecarregados de

serviço de apoio aos que realmente

precisam ser salvos, há

quem se aproveite desse clima

para enriquecer ilicitamente,

esquecidos talvez, ou embriagados

pela ganância dos muitos

ganhos, ou ignorando os ensinamentos

seguidos pelos cristãos

que asseguram que “não há nada

oculto que não venha a ser revelado,

e nada escondido que não

venha a ser conhecido e trazido

à luz.(Lucas 8:17).

Os que fazem o bem, como os

médicos, enfermeiros e todos os

profissionais da linha de frente de

combate a esse vírus, continuarão

a fazer isso, mesmo sem buscar o

reconhecimento daqueles que são

beneficiados por eles. E a vacina, a

esperança de todos, já chega para

os quarentões.

Nesses tempos de pandemia,

ao longo dos séculos – e se assegura

que se tem uma pandemia

como esta a cada cem anos

– nesses tempos, dizem os cientistas

e historiadores que sempre

aumenta consideravelmente o

sentimento de fé, de renovação

de esperança, crescem os grupos

de oração, criam-se movimentos

messiânicos em todo o mundo

e que, dizem esses estudiosos,

também passado o período

de pandemia é histórico que as

sociedades se apresentem com

mais liberdade, muitas vezes

em excesso, como se desejassem

compensar o tempo perdido na

pandemia.

Sobre situações que aparecem

nos jornais, nas redes sociais dos

últimos tempos, em um livro escrito

bem antes da pandemia, em

2007, chamado Dias Melhores

Virão, o escritor Max Lucado fala

de como curar a dor e reconquistar

a esperança quando nada parece

dar certo e chama a atenção

para o livro de Salmos e em especial

para o Capítulo 11, escrito

pelo Rei Davi que diz, nos versículos

3 e 4:

“O que pode fazer a pessoa

honesta quando as leis e os bons

costumes são desprezados? O Senhor

Deus está no seu santo templo;

o seu trono está no céu. Ele

vê todas as pessoas e sabe o que

elas fazem”.

(Bíblia Sagrada, na linguagem

de hoje)

PUBLICAÇÃO – USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL

IARA ROCHA DOS SANTOS,

Advogada, inscrita na OAB/BA n° 63.927, na forma da lei,

Faz saber a tantos quantos este publicação virem ou dele conhecimento

tiverem, que foi protocolado na Serventia de Registro de Imóveis

desta cidade, em 26/06/2021 o requerimento pelo qual CLAUDIONOR URIAS

BARROS, brasileiro, capaz, médico, natural de Delmiro Gouveia/AL, nascido aos

13/08/2014, filho de Manoel Urias Barros e Maria de Lourdes Barros, portador da

Cédula de Identidade nº 1.128.237 SDS/PE, inscrito no CPF nº 127.006.654-49,

solteiro, conforme Certidão de Nascimento lavrada no Registro Civil das Pessoas

Naturais da Comarca de Delmiro Gouveia/AL, sob matrícula nº 003491 01 55

1953 1 00013 133 0001091 80 de 28/03/2014, e declara não conviver em união

estável, residente e domiciliado na Rua Ceará, nº 56, Bairro Oliveira Lopes, CEP:

48.607-310, Paulo Afonso/BA, endereço eletrônico não informado, solicita o reconhecimento

do direito de propriedade através da Usucapião extrajudicial, nos

termos do art. 216-A, da Lei n. 6.015/1973, autuado sob Protocolo nº 59696

em 26/03/2021, do imóvel rural denominado “Fazenda Águia Dourada” com

53.858,26m² (Cinquenta e Três Mil Oitocentos e Cinquenta e Oito Metros e Vinte

e Seis Centímetros Quadrados) localizado na Bacia da PA IV, CEP: 48.609-999,

nesta cidade, com registro em meu nome desde 01/07/2000 no Instituo Nacional

de Colonização e Reforma Agrária – INCRA sob o nº 317.047.023.418-4, conforme

Certificado de Cadastro de Imóvel Rural – CCIR nº 27229356194 emitido em

14/11/2019. Tudo conforme mapa e memorial descritivo elaborados pela Engenheira

Civil e anotação de Responsabilidade Técnica TARSILA ALVES BRAGA

inscrita no CAU-BA nº 2537400. Assim sendo, ficam intimados terceiros eventualmente

interessados e titulares de direitos reais e de outros direitos em relação ao

pedido, apresentando impugnação escrita perante a Oficiala de Registro de Imóveis,

com as razões de sua discordância em 15 (quinze) dias corridos a contar da

publicação deste, ciente de que, caso não contestado presumir-se-ão aceitos como

verdadeiros os fatos alegados pelo Requerente, sendo reconhecida a usucapião

extrajudicial, com o competente registro conforme determina a Lei. Paulo Afonso/

BA, 18 de junho de 2021.

O Nordeste do São João

Vamos falar do São João do

Nordeste, festa monumental, onde

a ingenuidade prevalece. Mesmo

regada a licor, após doses pródigas

de licor, ingênua. A ingenuidade

do sertanejo do Nordeste nunca foi

sinônimo de pecado. Muito menos

atraso, para não dizermos burrice.

Ao contrário, quem tem sobrevivido

aos rigores [duros] do fenômeno

da seca é pródigo e inteligente. Não

é malicioso. Pele ressecada e dorso

arqueado, de poucas palavras e desconfiado,

mas não malicioso. Ele é

sobretudo um forte, já sabemos.

O São João está às portas. Já não

é mais uma festa religiosa. O leitor

pode discordar, mas é fato: o São

João é o sertanejo despojado do

peso e do pejo do abandono e do

descaso. Exaltamos a sua sobrevivência.

Poderíamos estar a ressaltar

o seu desenvolvimento. Da Bahia

para cima, temos tudo que nos poderia

fazer um grande país. Como

não queremos pregar a secessão,

vamos voltar para a festa.

Nela, as quadrilhas e o xaxado.

O milho e a fogueira E as comidas

excedem! Xaxado, baião, milho e

canjica, talvez munguzá. E a tradição

presente do cangaço que vai

semanticamente se tornando sinônimo

de reação e despertamento

O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO

Rua da Concórdia, 555-B - Gal. Dutra - Chesf

Tel/fax: (75) 3282.0046 - CEP: 48607-240

Paulo Afonso - Bahia

E-mail: professor.gal@gmail.com

Os textos assinados não representam

necessariamente a opinião do jornal,

sendo da responsabilidade dos seus autores.

EXPEDIENTE

Diretor

Antônio Galdino

Secretário de Redação

Ricardo da Costa

Diagramação

Admilson Gomes

Francisco Nery Júnior

Membro efetivo da ALPA

Cadeira 18

social ou educacional. É uma boa

discussão que deixamos congelada

na cabeça dos leitores. Lampião,

“se era bom ou mau, mas ninguém

até hoje afirmou”.

Ritmo, danças, músicas e arrasta-pés.

Numa delas, numa das

músicas, perceba o leitor a beleza

da fração do poema com que encerramos

nossa breve crônica: “Se eu

soubesse que chorando empato a

sua viagem, meus olhos eram dois

rios que não lhe davam passagem”.

Nada mais a acrescentar.

Francisco Nery Júnior

P.S. Por causa da Covid, estamos

impedidos de comemorar o

São João com aglomeração. No

próximo ano, se Deus assim o

permitir, dançaremos com as nossas

famílias e nos empanturraremos

com as comidas tradicionais

da festa e, com moderação, curtiremos

as músicas. Capricho e prazer

redobrados, a nossa vingança

contra o vírus.

Fotos

Antônio Galdino

Colaboradores desta edição

Francisco Nery Jr e Jardel Menezes

Impressão

GrafMarques


Recordo-me que participei de um

evento muito marcante e até inusitado

que antecedeu o nascimento do Bairro

Mulungu, hoje Tancredo Neves, por

força de uma Lei Municipal do Prefeito

José Ivaldo de Brito Ferreira.

Não me recordo a data exata

mas certamente aconteceu no final

de 1969 ou bem no início de 1970

quando eu era correspondente do

Jornal da Bahia, de Salvador e recebi

um convite do Prefeito Edson

Teixeira para ir, como representante

da imprensa escrita, a uma

reunião que seria realizada na residência

do então diretor técnico da

Chesf, Dr. Amaury Menezes que

morava na Ilha do Urubu.

Para se chegar até à sua residência,

na época, só era possível

pelo bondinho que passava sobre

as quedas do Croatá e ia até a Ilha

do Urubu. As pontes de acesso a

Ilha do Urubu ainda estavam sendo

construídas. Nesse tempo, e durante

dezenas de anos ainda, as cachoeiras

estavam em plena carga.

Ao chegar ao local do bondinho

para nele embarcar para essa reunião

histórica e sobre a qual nada

se sabia, foi que fomos informados

que participaríamos de um jantar

especial, a convite do Diretor

Técnico da Chesf, o Engenheiro

Amaury Meneses e, desse jantar,

estariam participando o prefeito

municipal de Paulo Afonso, o presidente

e todos os vereadores da

Câmara Municipal de Paulo Afonso.

Ao todo, embarcamos bondinho,

cerca de 14 a 15 pessoas,

dentro da capacidade normal do

equipamento, conforme nos informaram.

Ligaram o bondinho e ele começou

a se movimentar com destino

à Ilha do Urubu. De repente, no

meio do caminho, muitas conversas

animadas, um estalo seco e um

solavanco assustou a todos. Depois

de uns balanços, o bondinho

parou. À distância se via, entre as

brunas, o nevoeiro formado pelo

impacto das águas das cachoeiras

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

A 3

Bairro Tancredo Neves,

antigo Mulungu, completa 51 anos

O Mulungu nasceu por causa do Canal da Usina Paulo Afonso-4

O sofrido começo

A mudança dessas primeiras

famílias começou de forma muito

agressiva, com as suas casas sendo

derrubadas por tratores da Chesf

até que o então Padre Manoel Alcides

Modesto Coelho tomou à

frente, comunicou a situação ao

então Padre Mário Zanetta e ao Padre

Lourenço Tori, inclusive justificando

com isso a sua ausência na

missa da Catedral, naquela noite.

Por uma dessas providências

de Deus, o Dr. Apolônio Sales,

que era o presidente da Chesf e

católico praticante assistia a essa

missa e foi informado pelo Padre

Mário Zanetta dessa arbitrariedade

e determinou a imediata

suspensão desse trabalho dos homens

e tratores da Chesf, como

narra o historiador João de Sousa

Lima em seu livro Paulo Afonso

e a Vila Poty – a História não

contada (págs. 53 a 60).

De Abel Barbosa, de saudosa

memória, ouvi muitas histórias

do Bairro Mulungu. Uma delas,

foi a luta para a criação do Colégio

Estadual do Mulungu (CEM).

Hoje, esse colégio tem o nome de

Quitéria Maria de Jesus (nome

da mãe do Chefe Abel), por iniciativa

do Professor João César

Lopes Mascarenhas, primeiro

diretor do CEM, mesmo contra

a vontade de Abel Barbosa,

conforme narro no livro ABEL

BARBOSA – O inventor de Paulo

Afonso, de Antônio Galdino

da Silva, págs.219 a 222).

O Bairro Mulungu dos anos de

1970 ao Bairro Tancredo Neves de

hoje, tem muitas histórias para contar.

De Abel Barbosa e do Antônio

Galdino de Souza, o Bala do Palmeiras,

um lutador pelo esporte no bairro,

também como forma de ajudar os

adolescentes a não se perderem.

Mulungu da minha tia por afinidade

Josefa Olívio, filha de D.

Maria Pinto, parteira experiente

da minha Zabelê, que foi a parteira

quando eu nasci e foi assim com

milhares de mulheres naqueles

idos dos anos de 1940.

Mulungu do vereador Antônio

Calado, eleito em 1982 e de

todos pioneiros e de saudosa memória.

Dos vereadores de hoje

desses muitos bairros BTN e seus

vizinhos, Bairro dos Rodoviários,

Santa Inêz, Benone, PA-4 e tantos

outros que refletem o enorme

crescimento do embrião chamado

Bairro do Mulungu e hoje, juntos,

formam uma comunidade gigantesca

e importante.

nas pedras, uma movimentação de

pessoas, agitadas. E nós, no bondinho,

sem nenhuma comunicação.

Ainda não existia o telefone celular.

Entre os passageiros do bondinho,

via-se claramente um esforço

grande para se evitar o pânico.

Cerca de 8 horas da noite e presos

em um teleférico em cima das

muitas águas das quedas do Croatá

estavam o prefeito, todos os vereadores

e o único representante da

imprensa escrita da cidade, sem

nenhuma comunicação com o continente

em volta.

Depois de cerca de uma hora

nesse clima, com vereadores já falando

coisas como “vamos morrer

ao lado do Prefeito” e outras asneiras,

um novo solavanco e sentimos

que bondinho começava a se mexer

e a seguir para o lado da Ilha

do Urubu...

Mulungu dessas mulheres pioneiras

e sempre guerreiras como

D. Rita Fagundes, mãe do Padre

Luiz Tibúrcio. Essa mulher pioneira

completou 95 anos no dia 3 de

maio e continua intensa na defesa

dos valores da família, e se derramando

em amores por esse bairro

agora cinquentenário.

Professor Antônio Galdino da Silva

Era o resultado positivo do

grande esforço da equipe coordenada

pelo Sr. Nicolson Chaves.

Uffa... Conseguiu chegar bem

perto do lugar totalmente seguro

para o desembarque. Só depois

soubemos que o cabo que puxa o

bondinho havia se rompido. Que

alívio, a chegada à Ilha do Urubu,

onde o diretor Dr. Amaury e alguns

assessores estavam ansiosos,

nos esperando...

O motivo dessa reunião que,

por pouco não terminou em tragédia,

era justamente para que o

diretor da Chesf apresentasse ao

prefeito, aos vereadores e à imprensa,

o projeto de construção do

Canal da Usina PA-4, que levou

ao deslocamento de famílias que

moravam no local por onde ele

passaria para o local onde seria o

Bairro Mulungu.

Mulungu de D. Noêmia, que

continua com suas ações sociais

que viveram e conhecem as primeiras

histórias desse grande

bairro, maior que muitas cidades

de região, e ainda hoje estão em

evidência fazendo o bem, ajudando

os mais humildes do Bairro.

De muitos outros pioneiros e seus

descendentes e dos novos, vereadores,

empresários, trabalhadores

que transformaram o Mulungu

numa importante comunidade do

município de Paulo Afonso com o

poder de mudar a história de uma

eleição municipal.

São tantas histórias, de luta de

sofrimento, de busca de melhorias

das condições de vida de dezenas

de milhares de moradores que, certamente,

ganharão páginas e páginas

de livros.

Parabéns ao hoje Bairro Tancredo

Neves pela sua rica história,

neste aniversário de 50 anos,

impossibilitado de ser comemorado

como merecido por conta

da necessidade de isolamento

social imposto pelos males do

coronavírus-19.

Passado esse tempo ruim, que

tudo passa sobre a terra, certamente,

dias melhores virão!

A homenagem de quem chegou

a estas terras sertanejas em 20 de

Novembro de 1954, do nosso site,

do jornal Folha Sertaneja, a cada

um dos seus moradores, grandes

contribuidores para o progresso do

município de Paulo Afonso-Bahia.

Av. Landulfo Alves, 276 | Centro | Paulo Afonso-BA

Tel.: (75) 3281.3030 | E-mail: ferrageiropa@ferrageiro.com.br

Casa O Ferrageiro nasceu em

Santana do Ipanema/AL

em 1922 e desde os anos

de 1970 sua filial

de Paulo Afonso ajuda

este município a crescer.


A4

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

O pauloafonsino José Fernandes Neto ganha

a eleição para Diretor de Benefícios da Fachesf

Depois de três dias de

votação, totalmente online

realizada nos dias 16, 17 e

18 de junho, foi encerrado

às 19 horas do dia 18/06,

o processo de votação para

Diretor de Benefícios da Fachesf,

uma eleição para um

para um mandato tampão de

cerca de 11 meses.

A eleição para esse cargo

da Fundação Chesf de Assistência

e Securidade Social –

Fachesf – motivou a participação

de quatro candidatos,

dentre eles o pauloafonsino,

José Fernandes Neto.

Logo depois do último dia

de votação, começou a ser

divulgado o resultado pelas

redes sociais, dando conta

da vitória do Advogado José

Fernandes Neto, de Paulo

Afonso, que conseguiu os

votos de 958 associados da

Fachesf. O resultado foi o

seguinte:

José Fernandes – 958 votos

Armando – 717 votos

Hebert – 702 votos

Farias – 58 votos.

Muito querido dos pauloafonsinos

onde tem prestado

grandes serviços à comunidade

local e regional, quando

atuando na Maçonaria,

no Lions Clube de Paulo

Afonso onde chegou a ser

Governador do Distrito LA-

2, que representa todo o Estado

da Bahia e também na

Chesf onde teve uma brilhante

carreira, indo de Auxiliar

de Portaria a chefe da

Divisão Regional Jurídica

de Paulo Afonso e na própria

Fachesf e na Aposchesf

de Paulo Afonso, “José Fernandes

Neto colhe os frutos

das sementes que distribuiu

ao longo das estradas por

onde passou”, diz um amigo

pauloafonsino.

É certo que, nos primeiros

momentos da sua decisão de

concorrer a este cargo, José

Fernandes se mostrou um

tanto apreensivo pois sabia

da dificuldade de muitos associados

de Paulo Afonso,

especialmente os aposentados

mais antigos da Chesf

que não têm facilidade de

uso dessas ferramentas da

internet mas, ainda assim,

saiu em campo divulgado

o seu desejo de concorrer a

este importante cargo da Fachesf.

E os seus muitos amigos

se juntaram nesse apoio

que lhe rendeu quase 1.000

votos.

Desde a noite da sexta-

-feira, 18/06, logo após o

fechamento da votação,

choveram mensagens de

aplausos e votos de esperança

no trabalho que Dr. José

Fernandes Neto vai desenvolver

como Diretor de Benefícios

da Fachesf.

Por certo ele será uma

grande referência para a

Fachesf e ali vai apoiar

as ações de apoio a Paulo

Afonso, onde a Chesf se instalou

em 1948 para construir

as suas usinas hidrelétricas

e, com isso, mudar a história

da vida do Nordeste. “Assim

como fez, quando esteve em

Hamburgo, na Alemanha,

apresentando a bandeira de

Paulo Afonso, esse pauloafonsino

honrará a sua terra

onde estiver”, assegurou um

chesfiano também do Lions

Clube de Paulo Afonso.

Antão Siqueira, um dos

seus entusiasmados apoiadores,

disse: “Raimundo

Jorge exerceu este cargo

com muita competência, por

motivos particulares deixou

o cargo, agora nossa esperança

está em José Fernandes,

que com seu esforço

honrará os votos recebidos e

fará um bom trabalho, pensamento

meu, capacidade e

tranquilidade são adjetivos

que o acompanham desde o

início da sua carreira profissional,

não esperemos que

ele faça milagres, mas seja

sempre atencioso e busque

soluções para os associados

da Fachesf”.

Jackson Pires de Oliveira,

que foi durante muitos anos

o chefe da Divisão Regional

Financeira de Paulo Afonso

e tem importante participação

de trabalhos na sociedade

pauloafonsino, tendo

sido Diretor do Hospital

Municipal de Paulo Afonso

e Secretário de Finanças

da Prefeitura, também parabenizou

o novo diretor

de Benefícios da Fachesf:

“Ao companheiro de longas

datas, Jose Fernandes, queremos

parabenizá-lo pela

merecida vitória, bem como

de todos que direta ou indiretamente

contribuíam para

tal feito. São acontecimentos

como este que nos faz

continuar acreditando que a

união faz a força”.

Maria Emília, saiu em

campo na defesa da eleição

de José Fernandes e ao saber

do resultado lhe mandou

uma mensagem cheia de

animação: “Parabéns José

Fernandes! Parabéns a todos

os que votaram no 11. Parabéns

a Aposchesf!”

Francisco Souza, conhecido

ainda como Chico do

Concreto, que foi chefe do

Departamento de Obras e

Construção - DOP, em Paulo

Afonso e deixou marcas

muitos fortes de sua passagem

por este município

onde moram muitos familiares,

também se empenhou, a

partir de João Pessoa, onde

mora, desde o começo da

campanha de José Fernandes,

envolvendo familiares

e amigos e agora também

manda o seu abraço de alegria

pela vitória do amigo

José Fernandes: “Parabéns

Dr. José Fernandes. Estamos

muito felizes com a sua

vitória.”

Uma de suas amigas de

Paulo Afonso, companheira

do Lions Clube há muitos

anos, Adeilda Xavier também

aplaude: “Grande José: toda a

sua vida dedicada ao trabalho.

A determinação em fazer bem

feito. O sentimento e o carinho

do povo, dos chesfianos,

dos amigos. O amor e a atenção

voltados para a família.

Tudo isso é e foi reconhecido

nessa tarefa para a qual foi

eleito. Parabéns meu amigo

Fernandes pela vitória”.

Leônidas Marinho, de longa

vida de dedicação Chesf, à

Fachesf e a Aposchesf exultou

com a vitória do amigo e

colaborador José Fernandes

e destacou o apoio da Aposchesf

para esta vitória:

“O apoio da Aposchesf foi

fundamental nessa vitória.

Que Deus ilumine a sua gestão.

Grande honra para Paulo

Afonso. Diretor de Benefícios

do maior Fundo de Pensão do

Norte/Nordeste e o vigésimo

do Brasil. Dia 10/04/2022 a

Fachesf completa 50 anos e

ele ainda é o Diretor”.

Parabéns, Dr. José Fernandes

Neto. Os aplausos de

todos nós, seus amigos, de

todos os lugares!

Ao lado da esposa Edênia,

José Fernandes agradeceu

a ligação do site www.

folhasertaneja.com.br e disse

que o seu "coração sertanejo

é só GRATIDÃO, por

todo esse carinho de todos".

Vereador Jean Roubert se posiciona

sobre a preservação do meio ambiente

e do rio São Francisco, em especial

Neste mês de junho, quando

os olhares se voltam mais

acentuadamente para as questões

ambientais e, de forma especial

para a defesa do rio São

Francisco, o Vereador Jean

Roubert Felix Netto apresentou

no plenário da Câmara e

pelas redes sociais sua posição

de permanente apoio às ações

em defesa do Meio Ambiente

e deste rio da unidade nacional,

o São Francisco, sem o

qual não haveria a Chesf, nem

o município de Paulo Afonso.

“O Dia Mundial do Meio

Ambiente foi criado em 1972

e tem por objetivo conscientizar

a respeito da importância

de preservar os recursos naturais.

O Dia Mundial do Meio

Ambiente é comemorado em

05 de junho e tem por finalidade

criar uma postura crítica

e ativa em relação aos problemas

ambientais existentes no

planeta.”, disse o vereador.

No livro Rio São Francisco

em Prosa e Versos, publicado

pela Academia de Letras de

Paulo Afonso, da qual Jean

Roubert faz parte e ocupa a

cadeira Nº 25 que tem como

patrono o alagoano Graciliano

Ramos, ele publicou um texto

que foi também um pronunciamento

seu em defesa da

revitalização do Rio São Francisco

apresentada na tribuna

da Câmara Municipal de Paulo

Afonso pelo vereador Jean

Roubert Félix Netto, na Sessão

Ordinária do dia 16 de Outubro

de 2017.

A irracionalidade humana e a destruição do Rio São Francisco

Irmãos brasileiros, meus

conterrâneos sertanejos:

Não há mais tempo a perder.

Não se permite mais o discurso

falacioso sem a força de

execução. O que está em jogo

não se restringe a promessa

eleitoreira, mas, a vida do Rio

São Francisco e, com ele, a sobrevivência

humana de muitos.

O que se observa são apenas

pronunciamentos políticos

verbalizados, quando, no mundo

concreto não existem atos

reais voltados à defesa do Rio

da Integração Nacional, como

no caso da ausência de recursos

financeiros suficientes destinados

à sua revitalização.

O Rio São Francisco está

morrendo, sim, de fato, o Velho

Chico está sendo levado à

sepultura e, com ele a derrocada

de um país, e, principalmente,

a vida de muitas vidas.

Vamos todos à morte junto

com o Rio São Francisco.

Atentar contra uma riqueza

de tamanha grandeza e de recursos

naturais incalculáveis,

que integra o Brasil percorrendo

os estados de Minas

Gerais, Bahia, Pernambuco,

Sergipe e Alagoas, sendo responsável

pelo desenvolvimento

socioeconômico país a fora,

cuidando por transportar, especialmente,

cimento, sal, açúcar,

arroz, soja, madeira e gipsita,

incluindo o transporte de

pessoas, sobretudo de turistas,

é um ato inimaginável.

Como entender, então,

tamanha irracionalidade advinda

de seres humanos, que

deveriam, no mínimo, pensar,

antes de dar azo à sua própria

destruição.

O capitalismo voraz e o

consumismo exacerbado têm

arrebatado a racionalidade humana,

de modo que sua insanidade

vem contribuindo para

a destruição não só do São

Francisco, mas, sobretudo, a

sobrevivência do ser humano.

Agora, a situação se agrava,

quando os homens, após destruírem

suas matas ciliares, seus

peixes e poluírem suas águas,

resolveram alterar seu curso

natural. A esta ideia estúpida se

deu o nome de transposição.

A transposição que, na

verdade é uma transfusão

de suas águas, alterando seu

curso natural, deixando o rio

anêmico, o destrói, sangrando

cano a cano, estrada à fora

até chegar no seu destino final,

sem força, brilho e luz.

Será que não vamos evoluir

antes que seja “cortada a

última árvore, poluído o último

rio, pescado o último peixe,

para assim, entendermos

que o homem não pode comer

dinheiro”, como diz esse

pensamento indígena?

Ativista, assim, na luta pela

preservação do meio ambiente

temos que nos engajar na

política pública pela revitalização

do Rio São Francisco,

pois, sem rio não há desenvolvimento,

não existe vida.

Neste sentido, assumo a

defesa, principalmente, por

ser um parlamentar vocacionado

à defesa do meio ambiente

e, com ele, o Rio que

integra o País, por reconhecer

a sua importância e seu valor

incomensurável.

O velho Chico é patrimônio

nacional! É de todos nós!

É dever do Estado defendê-lo

e protegê-lo! Vamos

todos juntos à luta, antes que

seja tarde demais e a vida humana

não mais exista.

Salvemos o Rio São Francisco;

Cuidemos do Velho

Chico e protejamos a vida!

Vereador

Jean Roubert Félix Netto

Plenário da Câmara

Municipal de Paulo Afonso


Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

A 5

Academia de Letras de Paulo Afonso – ALPA - empossa novos

membros em solenidade transmitida online em clima de emoção

Aprovados pelos membros

da ALPA desde 29 de

fevereiro de 2020, foram

empossados na tarde da

sexta-feira, 25 de junho,

como imortais, por força de

expressão literária, os novos

membros da Academia de

Letras de Paulo Afonso, o

Advogado Isac de Oliveira,

o Professor Doutor Jacques

Fernandes e a Professora

Mestra e Piscóloga Lúcia

Teixeira.

A demora das posses desses

acadêmicos na ALPA se deve,

principalmente, aos problemas

da pandemia do Coronavírus,

pois era desejo da ALPA que se

pudesse fazer um evento como

os anteriores, aberto ao público,

o que foi impossível, pelas razões

conhecidas de todos.

Cada um destes novos

membros da ALPA tem trabalhos

de reconhecido valor

científico, cultural e literário

já desenvolvidos, textos literários

em prosa ou poesia e livros

já publicados e certamente

contribuirão para o crescimento

da Academia de Letras de

Paulo Afonso, com trabalhos

para a preservação da história,

da memória e da cultura literária

de Paulo Afonso e na permanente

luta em defesa do rio

São Francisco, bandeiras da

ALPA desde a sua fundação

em 20 de novembro de 2005,

como afirmaram em suas falas,

após empossados.

Isac de Oliveira tem uma

vida de intenso trabalho na

área da advocacia em Paulo

Afonso onde atua há muitos

anos. Ele nasceu em Altinho/PE,

terra de Apolônio

Sales, o criador da Chesf,

mora em Paulo Afonso há

29 anos e assegura o desejo

de contribuir para o crescimento

da ALPA e de lutar

pelo maior reconhecimento

e valorização da cultura literária

neste município.

Isac de Oliveira assume a

cadeira Nº 38 que tem como

patrono o escritor maranhense

Aluísio Azevedo (1857-

1913), cujo romance "O Mulato"

iniciou o Movimento

Naturalista no Brasil, tendo

sido também caricaturista,

cronista, jornalista e diplomata

e membro fundador da

Academia Brasileira de Letras,

patrono da cadeira nº. 4.

O novo acadêmico recebeu

de Maciel Teixeira, diretor

2º secretário da ALPA,

o Diploma, a estola e os livros

publicados pela ALPA

e o apresentou à sociedade

em rápido discurso em nome

desta Academia de Letras de

Paulo Afonso.

Isac de Oliveira também

foi cumprimentado pela vice-presidente

da ALPA, Gorette

Moreira, que indicou o

seu nome para a ALPA, tendo

sido aprovado por unanimidade

pelos membros presentes

à reunião do dia 29 de

fevereiro de 2020.

Em sua mensagem, visivelmente

emocionado, Isac

de Oliveira disse da “alegria

de fazer parte deste seleto

grupo de intelectuais, escritores,

poetas, historiadores

que só querem o bem da

nossa Paulo Afonso e desenvolver

ações de valorização

da nossa cultura literária que

é muito rica. Chego à ALPA

para somar com todos os

seus membros nessa luta em

defesa da literatura, da história

e da memória de Paulo

Afonso, que dela me fez Cidadão,

o que também muito

me honrou. Tenho esses dois

marcos importantes na minha

vida, duas grandes emoções:

ser aceito, por iniciativa

da Câmara Municipal de

Paulo Afonso como Cidadão

de Paulo Afonso e agora,

ser acolhido pela Academia

de Letras de Paulo Afonso

como mais um dos seus

membros. Muito obrigado

pelo carinho de todos.”

O Professor Jacques Fernandes,

que agora concluiu

o seu Doutorado, embora

ainda muito jovem, é pauloafonsino,

que se orgulha

de ser filho de “cassaco” da

Chesf e tem uma brilhante

história de vida e de superação.

Em seu emocionado

discurso, que comoveu a

todos, falou de sua trajetória

de “menino que, aos 9 anos

pegava frete na feira e o Professor

Gilberto Oliveira me

acolheu com bolsa de estudos

no Colégio Sete de Setembro,

o que me permitiu

uma vida intensa de aprendizado

que me fez chegar à

Universidade, ser professor

e coordenador de cursos na

FASETE, hoje UNIRIOS

e vir a concluir um Doutorado

em Educação, o que

nunca pensei que isso viesse

a acontecer”. Disse o novo

imortal da ALPA.

Ao narrar a sua história de

menino que aos 9 anos pegava

frete na feira para ajudar

à família, Jacques Fernandes

emocionou a todos e, de forma

ainda mais especial ao seu

colega professor, empresário e

também imortal da ALPA, Maciel

Teixeira, que começou a

sua vida também assim, pegando

frete na feira de Paulo Afonso,

como narra em seu livro “O

Matuto Empreendedor”.

Jacques Fernandes recebeu

o Diploma, a estola e os

livros da ALPA das mãos do

Professor Luiz José, 2º tesoureiro

da ALPA e seu colega

durante muitos anos na

FASETE.

Jacques Fernandes Santos

vai ocupar na ALPA a

cadeira Nº 39 que tem como

patrono o poeta maranhense

Ferreira Gullar que é o

pseudônimo de José Ribamar

Ferreira, que foi um escritor,

poeta, crítico de arte,

biógrafo, tradutor, memorialista

e ensaísta brasileiro

e um dos fundadores do neoconcretismo.

A Professora Mestra, Lúcia

Teixeira, Psicóloga com

grandes trabalhos prestados

à Universidade e à educação

de jovens em escolas de Paulo

Afonso tem os seus primeiros

tempos de vida em Paulo

Afonso associados ao nascimento

do teatro de rua, tendo

dirigido durante mais de 15

anos o Grupo Curicaca, que

inspirou o surgimento de outros

grupos e de muitos artistas

populares. Tem também importantes

estudos sobre as barragens

do rio São Francisco.

Para ela “fazer parte desta

Academia de Letras de Paulo

Afonso, de que também já

faz parte o meu irmão Gilmar

Teixeira, um dos seus

fundadores, é uma grande

honra e grande alegria para

mim, uma amante das artes.

Tenho trabalhos acadêmicos

que mostram a minha preocupação

e cuidado com esta

região, com o nosso rio São

Francisco e quero, nesta Academia

de Letras, somar com

todos estes nossos queridos

amigos, alguns deles meus

ex-alunos, nessa caminhada

para a permanente valorização

da arte literária, da história

e da memória dessa nossa

tão rica região caatingueira.

Esse momento traz, pela sua

seriedade, esta carga imensa

de emoção que envolve a todos

nós. Muito obrigado por

me aceitarem nesse grupo

para que eu possa caminhar

com vocês nesse propósito”.

A nova imortal da ALPA

recebeu o seu Diploma, estola

e livros da ALPA das

mãos da diretora tesoureira

desta Academia, Socorro

Araújo, a poetisa e escritora

Marajana Araújo, que foi

aluna de Lúcia Teixeira na

UNEB.

Maria Lúcia Teixeira

Santos ocupa a cadeira Nº

16 da ALPA, que tem como

patrono o poeta baiano Gregório

de Matos Guerra e,

substitui, nesta cadeira, o

poeta Fernando Lucas Pessoa

Mota, que faleceu em

Julho de 2020.

A Academia de Letras

de Paulo Afonso viveu um

lindo dia neste 25 de junho

quando, num clima de agradecimento,

reconhecimento

de valores, comprometimento

com a causa do apoio

à arte literária, poesia, música

e muita emoção recebeu

no seu quadro estes novos

imortais Isac de Oliveira,

Jacques Fernandes e Lúcia

Teixeira.

Todos que se fizeram presentes

puderam dizer da sua

alegria. O professor Fernando

disse da importância da

ALPA. Jovelina Ramalho,

secretária geral da ALPA,

cantou em homenagem aos

novos acadêmicos e em especial

a Lúcia Teixeira e fez

um belo discurso em suas

homenagens.

O poeta Jotalunas Rodrigues

enterneceu a todos com

sua criação poética sobre

esse momento em que vivemos,

ao declamar o poema

Caixa Preta da Alma e nos

levou a levantar a bandeira

de um grande projeto cultural

que ele criou, “A Mala

do Poeta”, que pretendemos

buscar apoios para retomá-

-lo tão logo nos permita a

pandemia. Este, o poema de

Jotalunas.

CAIXA PRETA DA ALMA

Jotalunas

Passada esta agonia

E tudo chegar ao fim

Vou juntar os pedaços de mim

Que sobrar no dito dia

E nesta reconstrução

De tudo que foi juntado

Espero que tenha sobrado

Principalmente o coração

Caixa preta da alma

Que se agita e se acalma

Na alegria e na dor,

Que fique fora a maldade

Venha sobrando a bondade

E o peito transbordando de

amor!

A vice-presidente da

ALPA, Gorette Moreira e

também Luiz José, Socorro

Araújo e o presidente Antônio

Galdino lembraram e fizeram

uma homenagem sentida

ao jovem Edson, colega

atuante nos áureos tempos

do Modernismo e responsável

pelo som das bandas

como a de Helinho Remígio

e que, vítima do Covid, nos

deixou esta semana.

Coube ao colega Edson

Mendes, membro correspondente

da ALPA que

mora no Recife e tem raízes

profundas no Povoado

Juá, onde nasceu sua mãe,

dizer, de forma brilhante,

“o motivo de estarmos

juntos nesta Academia de

Letras de Paulo Afonso, o

que nos faz imortais, por

força de expressão literária.

Nós não somos imortais.

Imortais são as ações que

deixamos na nossa caminhada,

os nossos escritos, o

nosso comprometimento, o

respeito ao outro, as nossas

obras. Estamos juntos, pelo

companheirismo, pela alegria

de encontrar no outro

esse parceiro de caminhada.

A Academia é plural. Ela

só existe pela união, pela

contribuição de todos, pelo

olhar de todos na mesma

direção, mesmo tendo, cada

um, a liberdade de ser o que

quiser ser. Indivíduos, sozinhos,

não somos a ALPA. A

ALPA é isso que se vê aqui.

Emoção, sentimento, compartilhamento,

acolhida do

outro. É por isso que cada

um de nós está aqui. Que

estes nossos três novos amigos

se acheguem, se juntem

a nós com esse propósito.

De caminharmos juntos,

de sermos, de verdade, a

ALPA.”

A reunião foi conduzida

pelo presidente da

Academia de Letras de

Paulo Afonso, Professor e

escritor/historiador Antônio

Galdino da Silva que

agradeceu, em nome da diretoria

da ALPA, “a todos

que doaram um pouquinho

do seu tempo para esse encontro

tão bom” e a Nilton

Alcântara, conhecido

como Negrito, responsável

pelo apoio técnico para a

apresentação desta LIVE,

coordenada por ele, pelo

site www.seliganamusica.

com, e pela manutenção

do site da ALPA www.

letrassertanejas,org.

Assista a posse dos novos

membros da ALPA acessando

o link do YouTube:

https://www.youtube.com/

watch?v=DYmfFgEfIQs


A6

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

Em Salvador, vereadora Evinha encontra o deputado

Jacó e visita secretarias estaduais para firmar parcerias

A vereadora Evinha

Oliveira (Solidariedade),

fez, na última terça-feira

(08), a sua primeira viagem

a Salvador com o objetivo

de conhecer quais

as políticas públicas que

estão sendo implementadas

na capital, voltadas

para às mulheres, empreendedorismo

e esportes.

Ao lado de Luiz Neto, presidente

do Diretório Municipal

do Solidariedade, os políticos

encontraram o deputado

estadual Jacó, anfitrião deles

em várias reuniões.

Evinha levou as pautas

que julga mais importantes

nesse momento, a primeira

delas foi a saúde do município

e a situação do Hospital

Nair Alves de Souza.

O deputado Jacó foi muito

solícito e se colocou à

disposição para ajudar Paulo

Afonso; de imediato, ligou

para o Secretário da Saúde

da Bahia, Fábio Vilas Boas,

para marcar uma reunião e

discutir melhor o assunto da

Saúde pauloafonsina.

Se não houver contratempos,

a reunião entre Fábio e

Evinha, acontecerá na próxima

semana.

Política para

as mulheres

Na SPM - Secretaria de

Políticas para Mulheres,

para conhecer as políticas

públicas voltadas para mulheres

e criar vínculos, porque

de acordo com Evinha,

serão conversas mantidas ao

longo do mandato em que

ela pretende desenvolver em

Paulo Afonso políticas semelhantes.

A secretária Julieta Palmeira

informou que já existem

algumas ações, inclusive

um projeto semelhante

ao #compredelas, divulgado

nas redes sociais, que é uma

forma de empreendimento

feminino, na tentativa de

ajudar essas pequenas empreendedoras

a vender mais.

Evinha passou à secretária

Julieta, a situação das

mulheres do povoado Rio

do Sal, que estão com o tear

desativado. “A secretária

garantiu que virá a Paulo

Afonso na busca de resolver

esse problema.”

Empreendedorismo

Evinha também visitou a

SECTI - Secretaria de Ciência,

Tecnologia e Inovação,

que tem como objetivo o desenvolvimento

dos recursos

humanos buscando promover

espaços de participação

e interação entre a sociedade,

e estimulando a produção de

conhecimento, a inovação e

o empreendedorismo. Esta

visão permite o desenvolvimento

socioeconômico sustentável

e à equidade social.

Nesta Secretaria, Evinha

foi recebida pela Chefe de

gabinete, Mara Souza e o

Coordenador de relações institucionais,

Sócrates Santana,

que falou sobre os diversos

projetos e programas, um

deles é o Espaço Colaborar

que, inclusive, está sendo

construído em Paulo Afonso.

O Espaço é fruto de

emendas do Deputado Jacó

e busca induzir o desenvolvimento

da cultura da

Inovação e Empreendedorismo;

será frequentado por

empresas e profissionais independentes

que valorizam

inovação, criatividade, troca

de experiências e criação

de suas redes de contatos,

conhecidos mundialmente

como Coworkings; normalmente

são locais que reúnem

a estrutura necessária para

que cidadãos e empresas se

juntem e desenvolvam seus

negócios.

Esporte

Em seguida, a vereadora

foi até a Sudesb - Superintendência

dos Desportos do

Estado da Bahia que tem

como objetivo executar

obras de interesse social e

esportivo; promover a realização

de competições; fornecer

equipamentos esportivos

através de programas ou

emendas promovendo assim

políticas públicas.

A parlamentar conversou

com o Diretor Vicente José

de Lima Neto, levando solicitações

dos povoados e

bairros do município, acerca

do esporte e lazer para ser

aplicado no pós-pandemia.

(Assessoria da Vereadora)

O melhor local para

construir sua casa!

Lotes a partir de 360 m²

SUCESSO

DE VENDAS

ATENDIMENTO

75 99710-1763

www.rivieraresidencemarina.com.br


Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

A 7

Prefeito Luiz de Deus visita área rural com secretário

Josias Gomes e viabiliza parceria com o Estado para projetos

O prefeito Luiz de Deus

recebeu o secretário de Desenvolvimento

Rural, Josias

Gomes, nesta quinta-feira

(17), para a realização de

projetos na zona rural do

município. A visita técnica

contou com a presença do

secretário de Agricultura e

Aquicultura, Jandirson Torres,

secretário de Articulação

Governamental, Dernival

Oliveira, equipe de

servidores e agricultores.

A primeira parada foi no

povoado Caiçara I, onde

será estudado a implantação

de um projeto de cultivo de

banana. Em seguida, a comitiva

se deslocou para a

Caiçara II, onde a parceria

entre os governos municipal

e estadual renderá a implantação

de um abatedouro de

galinha de capoeira, com

o registro na Adab, para os

produtores terem condições

de comercialização.

A visita foi encerrada no

Xingozinho, onde ouviram

as necessidades dos piscicultores,

que tem como

parceria o programa Bahia

Pesca, do Governo do Estado.

A previsão é de aporte de

cerca de R$ 2 milhões para o

Famílias iniciam assinaturas de contratos

dos residenciais Manoel Josefino Teixeira I e II

que contemplam 600 unidades

A Prefeitura de Paulo

Afonso, por meio da Secretaria

de Desenvolvimento

Social (Sedes), Ministério

das Cidades e Caixa Econômica,

iniciaram nesta terça-

-feira (15), a assinatura dos

contratos das 600 moradias

dos residenciais Manoel JosefinoTeixeira

I e II.

A solenidade iniciou às

8h, no CEMPA, e contou

com a presença da equipe

da Sedes, representantes da

Caixa Econômica, da Embasa

e beneficiários do residencial.

Todas as medidas

foram tomadas para a segurança

dos servidores e beneficiários.

A assinatura dos contratos

acontece de forma escalonada

iniciando hoje (15), até o

dia 18 de junho, das 8h às

16h, na quadra do CEMPA.

No ato da assinatura, os usuários

precisam apresentar o

documento de RG, CPF e o

Termo de Vistoria.

Segundo a secretária da

Sedes, Cíntia Rosena, essa

semana será destinada apenas

para a assinatura contratual,

a entrega da chave

acontecerá posteriormente.

“Estamos felizes com mais

essa realização, que vai beneficiar

moradores de diversos

bairros do município. A

Sedes está presente dando

todo o apoio e suporte para

as famílias e em breve divulgaremos

o dia para a entrega

das chaves”, explicou.

A assistente social do

Programa Verde e Amarelo,

Rivaneide Ribeiro, destaca

a logística para assinatura

dos contratos. “É com muita

alegria que recebemosos

beneficiários na quadra do

Cempa para assinatura dos

contratos. Estamos atendendo

de forma escalonada,

respeitando todos os

protocolos de prevenção ao

coronavírus, conforme recomendação

da Organização

Mundial da Saúde (OMS)”.

Ainda segundo a assistente

social, é necessário que as

famílias fiquem atentas pois

a Sedes entrará em contato

para informar o dia e horário

da assinatura, evitando

assim a aglomeração.

A beneficiária Ana Patrícia,

contemplada com a

unidade residencial do Josefino

Teixeira I, falou do

sentimento ter em suas mãos

o contrato da sua nova moradia.

“É um presente! Hoje estou

realizando um sonho de

mais de 30 anos, tudo graças

a Deus e a Prefeitura por me

proporcionar tamanha felicidade

em ter um lar”, disse.

Seguindo com investimento

em habitação no município,

a gestão prepara a

entrega do Residencial Francisco

Chagas, com 200 unidades

habitacionais. Já em

processo de finalização, o residencial

proporcionará mais

dignidade e um ambiente seguro

para as famílias.

Além de proporcionar à

população um lugar adequado

para morar, a Prefeitura

também investe em infraestrutura

e urbanização dos locais

onde as unidades estão

situadas.

Ascom/PMPA

beneficiamento do pescado.

Para Josias, o município

é um grande parceiro do

Governo do Estado. “Paulo

Afonso está de parabéns

pelo trabalho que vem desenvolvendo

com a agricultura

familiar. Enquanto parceiro,

vamos impulsionar os

projetos da região e já estamos

fazendo o investimento

que já passa dos três milhões

com o Programa Bahia Produtiva”,

disse.

Durante a visita, o prefeito

Luiz de Deus falou dos

investimentos que a gestão

municipal vem conduzindo

para a ampliação dos projetos

associado a investimentos

na infraestrutura da zona

rural, além das parcerias que

serão implementadas. “Essa

visita foi muito positiva, o

município tem ótimos criadores

e agricultores e os

investimentos em parceria

com o Governo do Estado

é de extrema importância,

porque vai alavancar ainda

mais a produção. Esses

projetos beneficiam a agricultura

familiar e a geração

de emprego e renda para o

homem do campo”, frisa o

prefeito Luiz de Deus.

Segundo o secretário Jandirson,

a gestão vem discutindo

esses projetos há mais de ano.

“Não adiantar colocar uma cultura

em prática sem antes ter

um planejamento e uma análise

técnica. Procuramos saber se o

produtor possui a aptidão para

trabalhar com aquela cultura e

foi assim com o leite, vai ser

bom com a banana e a galinha

caipira”, enfatiza.

“Essa visita é início de

uma mudança na vida do

homem do campo. Com

o apoio da Prefeitura e do

Governo do Estado, nós da

Caiçara I e II teremos mais

oportunidades em alavancar

os negócios “, falou emocionada

a secretária da Associação

de Galinha Caipira,

Vilma Pereira.

Ascom/PMPA

Segunda fase do concurso público

será realizada em 11 de julho

A Consulpam, empresa

responsável pela realização

do concurso pública da Prefeitura

de Paulo Afonso, divulga

nesta quarta-feira (30),

a data da prova da segunda

fase, que será realizada em

11 de julho.

No aditivo 003/2021, publica

ainda a decisão quem

poderá realizar esta etapa do

certame, bem como o cronograma

atualizado das próximas

fases.

Devido a pandemia, Paulo Afonso não será

cidade-anfitriã do Rally dos Sertões este ano

Em virtude das recomendações

do Decreto Municipal

6.012, de medidas de

ajustes de despesas no munícipio,

Paulo Afonso não será

a cidade-anfitriã do Rally

dos Sertões. A edição programada

para ser realizada

no mês de agosto, foi cancelada

devido a atual situação

pandêmica que o município

vem atravessando.

Em reunião, o secretário

de Turismo, Indústria e Comércio,

Nino Rangel, com o

prefeito Luiz de Deus e secretários,

chegaram a decisão de

optar pela não realização do

Rally, já que no decreto municipal

impede qualquer tipo de

investimento e outros aspectos

nesse período de enfrentamento

ao coronavírus.

“Entramos em contato

com a organização da edição

e explicamos todos os empecilhos

pelo cancelamento

e nos colocamos à disposição

para sediar a próxima

edição, caso haja possibilidade”.

Ainda segundo Nino,

a pasta vai continuar trabalhando

para que no próximo

ano o município tenha outros

O texto sobre a decisão reforça:

“Art. 1º. RATIFICA-SE

o item 5, do CAPÍTULO VII

– DA PROVA DISSERTATI-

VA com a seguinte redação:

Somente realizarão as provas

dissertativas os candidatos

aprovados nas Provas objetivas,

classificados até 5 (cinco)

vezes o número de vagas da

ampla concorrência estabelecidos

no Anexo I, respeitados

os candidatos empatados na

última nota, ficando os demais

candidatos reprovados e

eliminados do concurso para

todos os efeitos”.

Quanto ao cronograma, ficou

estabelecido da seguinte forma:

Data da prova dissertativa

e entrega de títulos - 11 de

julho de 2021 (Obs.: A entrega

de títulos ocorrerá no dia

e turno da prova discursiva

do candidato)

Horário da prova - a ser divulgado.

Resultado da prova discursiva

e prova de títulos - 30

de agosto de 2021

Solicitação do espelho da

prova discursiva - 31 de

agosto de 2021

Recurso contra a prova de

títulos e prova discursiva -

01 e 02 de setembro de 2021

Resultado pós recursos da

prova discursiva e da prova

de títulos - 13 de setembro

de 2021

Resultado Final - 16 de setembro

de 2021

No artigo 3º do aditivo, o

documento ressalta que permanecem

inalteradas as demais

disposições constantes

no Edital nº 001/2020.

Ascom/PMPA

eventos dessa magnitude,

além dos Rally dos Sertões,

e assim projetar o nome para

todo o país.

Ascom/PMPA


A8

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

Em visita a Paulo Afonso, Ministro do Turismo

reforça potencial do município

Integrando a comitiva do

Governo Federal que realizou

a entrega das unidades habitacionais

do Residencial Josefino

Teixeira I e II, o ministro

de Turismo, Gilson Machado,

falou do carinho que tem pela

cidade e reforçou o comprometimento

da pasta com o

turismo de Paulo Afonso.

Durante a visita, ele esteve

reunido com o secretário

de Turismo, Indústria e

Comércio, Nino Rangel, e

a assessora especial, Clícia

Nascimento, para apresentar

o Plano de Desenvolvimento

Turístico do município.

“Conversei com o secretário

de Turismo e recebi o

projeto de reestruturação do

turismo local. Paulo Afonso

tem muito potencial para o

turismo náutico e hidroelétrico.

Vou entrar em contato

com o presidente da Azul

para conversamos sobre o

retorno dos voos à cidade”,

reforçou o ministro. Segundo

ele, é crucial a reativação

da malha aérea regional para

o progresso turístico da cidade

e região. Outro ponto

sinalizado foi a reativação do

Bondinho e a criação da região

turística dos Caynons e

Lago do São Francisco.

No Plano de Desenvolvimento

Turístico, Nuno reforça

a importância de firmar

uma parceria estratégica da

Prefeitura com o Ministério

do Turismo, Embratur e

Chesf. “A Setic tem trabalhado

no fortalecimento das

parcerias público e privada,

visando ampliação dos investimentos

para o desenvolvimento

da infraestrutura local

e, consequentemente, alavancar

a geração de emprego

e renda no nosso município”,

frisa Nino.

Entre as ações apresentadas

ao ministro Gilson

Machado estão a retomada

dos voos para o Aeroporto

de Paulo Afonso, a criação

da região turística Canyons

e Lagos do São Francisco,

reabertura do Complexo Hidrelétrico

de Paulo Afonso,

implementação de novos

atrativos turísticos nas dependências

do Complexo Hidrelétrico,

como a Ilha dos Dinossauros

que tem projeto já

elaborado e orçado pela Setic,

reativação do bondinho

e aquário da Ilha do Urubu,

o andamento do processo

de privatização do Grande

Hotel de Paulo Afonso e a

regulamentação do Turismo

de Aventura nas áreas do

Complexo Hidrelétrico.

Ascom/PMPA

Seduc celebra um mês de aulas radiofônicas com resultados positivos

Com mais uma ferramenta

para o aprendizado dos

alunos da rede municipal

de ensino, a Secretaria de

Educação (Seduc) celebra

um mês das aulas radiofônicas.

Com intuito de avaliar

o andamento, a equipes

de profissionais estiveram

reunidos para analisar o desenvolvimento

do projeto,

que tem como slogan “Educação

de longe, mas ao pé

do ouvido”.

Os programas vão ao

ar de segunda à sexta, às

14h, na Rádio Bahia Nordeste

destinado aos alunos

da educação infantil,

1º ao 9ª ano fundamental

incluindo a Educação

Para Jovens e Adultos

(EJA). Cada fase escolar

tem um dia de conteúdo

na programação.

O projeto é pioneiro no

município e foi implantado

para atender aos estudantes

que apresentavam dificuldades

no acesso à internet

para acompanhar as aulas

remotas, que estão sendo realizadas

desde 2020 devido

a pandemia.

De acordo com a secretária

de Educação, Elza

Brito, o esforço dos professores

tem sido um grande

diferencial para o sucesso

das aulas por rádio.

“Hoje avaliamos o projeto

das aulas radiofônicas que

tem sido um desafio para

a Educação. Durante o encontro

analisamos os pontos

positivos, negativos e

as sugestões de melhorias,

mas no geral a análise é

exitosa”, disse.

Ainda segundo Elza, o balanço

é positivo, inclusive o

projeto vem alcançando um

público maior, com a adesão

da comunidade. Os profissionais

da Seduc, juntamente

com os profissionais das

unidades escolares, vêm se

desafiando a cada dia para

garantir um conteúdo didático,

de fácil compreensão

durante a programação.

Para o professor e integrante

da produção das

aulas radiofônicas, Marcos

Brito, a experiência

com estúdio agregou na

produção e construção do

programa. “Essa experiência

enquanto professor,

ministrando aula do rádio

é desafiadora, mas acredito

que com dedicação e em

equipe estamos conseguindo

desenvolver um projeto

bem bacana”, frisa.

Ascom/PMPA


Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

A 9

Da redação do Jornal

Folha Sertaneja:

Nesses últimos tempos,

quase todos os dias somos

impactados com a morte de

uma pessoa conhecida, amiga,

gente tão querida. O Covid,

o infarto fulminante e outras

doenças têm nos deixado cada

vez mais pobres da riqueza

da presença de gente a quem

amamos ou conhecemos a

elas, aos seus familiares.

Nessa edição do jornal

Folha Sertaneja fazemos referência

como uma homenagem

a algumas dessas pessoas

que, em vida, deixaram

marcas de sua caminhada

em nossas vidas, tão perto

estiveram.

Mas, ao homenagear estas

pessoas queremos estender

o nosso abraço aos familiares

e amigos de todos os que

perderam um ser amado.

Sintam-se todos, igualmente

abraçados e dignos

das nossas orações. Temos

absoluta certeza que “O Senhor

está perto dos que têm

o coração quebrantado e

salva os de espírito abatido!”

(Salmo 38:17)

Morre o jovem

Késsio Matos

Registramos, com muito

pesar, o falecimento do jovem

Késsio Matos, filho de

Mirian e J. Matos, diretor

da Rádio Bahia Nordeste de

Paulo Afonso.

Nas redes sociais a informação

era que ele, vítima

do Covid-19, chegou

a ser transferido para

Salvador mas não resistiu

e faleceu ainda durante a

viagem.

São muitas a mensagens

de condolências e de pesar

Faleceu, no Recife, o Professor

José Lucídio Arcoverde, professor

de Educação Física do COLEPA

dos seus amigos, como Ricardo

Pereira que diz:

“Com extrema tristeza,

informo que Kessio acabou

de falecer, durante a transferência

dele para salvador.

Infelizmente não aguentou.

Que Deus o receba na sua

eterna bondade e conforte

a família e amigos. Sentirei

falta de seu humor e de suas

mensagens aqui no grupo”.

Também na Rádio Bahia

Nordeste, dirigida por José

de Matos Brito, J. Matos,

seu pai, recebeu muitas

mensagens de pesar pelo

falecimento desse jovem da

nossa Paulo Afonso.

Igualmente muito sentidos

com essa perda apresento

esse meu sentimento de

tristeza e os votos de conforto

espiritual para Mirian,

J. Matos, filhos e outros familiares

nesse momento de

perda e de grande dor.

Que o Espírito Santo conforte

a cada um para que possam

continuar a caminhada.

As redes sociais têm

sido as portadoras de

muitas notícias tristes

nos últimos temos. Foi

por elas que os pauloafonsinos

receberam a

notícia do falecimento

do querido ex-professor

de Educação Física do

COLEPA, José Lucídio

Arcoverde.

Mais uma vez, recebemos

o impacto da notícia

da perda de mais um professor,

um colega do CO-

LEPA, um profissional

sempre exemplar em todo

o tempo, amigos dos alunos

e dos colegas professores,

de dedicação exclusiva

às atividades do Colégio

Paulo Afonso.

Mais uma vez nos vestimos

de cinzas, envolvidos

em tristeza e dor. E nos associamos

ao sentimento de

dor e perda dos seus familiares,

de outros colegas de

tantos anos de convivência

no nosso querido Colégio

Paulo Afonso, dos seus

milhares de alunos que durante

muitos anos fizeram

a disciplina de Educação

Física com este professor

amado.

O município de Paulo Afonso está de luto.

Morreu VITORINHA!

Na madrugada do dia 1º

de Maio, o coração boníssimo

de uma senhora que se

doou toda a vida em benefício

dos mais humildes parou

de bater. Deus chamou para

o seu lar eterno a querida

Quitéria Andrade da Silva

que todos conheciam e amavam

como VITORINHA.

O exemplo de doação

ao próximo de toda a vida

dessa mulher foi herdado

no seio da família. Tenho

informações que, há muitos

anos, uma família de muitas

crianças veio morar em Paulo

Afonso, na Rua São Francisco,

em um casebre que

não tinham nem banheiro.

Um pouco adiante, na mesma

rua, moravam, em uma

boa casa, o casal D.Linda e

seu Alicípio, pais de Vitorinha.

E esse casal abriu a sua

casa, cedeu o seu banheiro

para que essa família, suas

crianças tomassem banho

todos os dias...

Vitorinha foi tocada por

Deus para fazer o bem. Transformou

os seus próprios sofrimentos

em disposição para

servir e foi, durante décadas,

a mãe, a cuidadora, a lutadora

por melhores condições de

vida de todos os que viviam

Na Casa de Repouso dos Vicentinos.

Ela nunca mediu distância

nem esforço para oferecer

o melhor para estes

velhinhos e doentes, muitos

abandonados pelas próprias

famílias, que tinham e têm

a Casa de Repouso dos Vicentinos

como a sua casa, o

lar que não mais possuem

e, para ajudar a minorar os

sofrimentos de cada um destes

internos ali, Vitorinha incomodava

autoridades que

sempre eram sensíveis aos

seus pedidos.

Os idosos da Casa de Repouso

dos Vicentinos choram

muito pela partida dessa

grande amiga, uma mãe

para todos.

Choramos todos nós, pela

perda dessa alma boa e generosa

cujo maior prazer era

minorar a dor e o sofrimento

do outro, era ver o outro feliz.

A providência divina fez

com que Quitéria Andrada,

a nossa querida Vitorinha,

nascesse no dia 8 de março,

no Dia Internacional da

Mulher. Nasceu no dia em

que se homenageia todas as

mulheres e morreu no dia

dedicado aos trabalhadores,

1º de Maio.

É certo que Deus proverá

outras pessoas para continuarem

cuidando dos idosos e doentes

da Casa de Repouso dos

Vicentinos mas a presença de

Vitorinha naqueles corredores

e em todas as dependências

sempre vai estar, nos eventos,

nas visitas, na memória dos

que por aí passaram e dos ali

ainda vivem e trabalham...

Hoje, não é necessário

que as bandeiras sejam hasteadas

como sinal de luto.

Toda a cidade, todo o município

de Paulo Afonso, todas

as pessoas de bem estão

de luto com a partida dessa

mulher maravilhosa, acolhida

nos braços do Pai Celestial...

Morre D. Antônia Leite Brito, aos 99 anos.

Era a sua hora de voltar à casa do Pai

D. Antônia Leite

Brito era viúva

desde 1990 do

mestre carpinteiro

Elizeu Leite de

Brito que trabalhou

muitos anos

na carpintaria da

Chesf e depois

na carpintaria do

Colégio Sete de

Setembro onde se

tornou muito amigo

do Professor

Gilberto Oliveira.

Ontem, diz o

seu neto Jardel,

ela se sentiu mal

e foi levada ao

HNAS onde ficou

internada. Hoje,

3 de maio, no final

da manhã, ela fechou

os olhos e foi ao encontro

do Pai Celestial. Morreu

de morte natural, aos 99

anos. O seu corpo só foi

liberado no final da tarde

e foi levado pelos familiares

para a sua casa, na Rua

São Jorge, onde está sendo

velado.

Amanhã, 4 de maio, às

7:30, o Padre Edinaldo estará

na casa fazendo as exéquias

e às 8 horas manhã o

corpo levado para ser sepultado

no cemitério Padre

Lourenço Tori, em Paulo

Afonso.

Um sobrinho de D. Antônia,

Josessandro Lopes,

poeta que mora em Sertânia,

ao saber da morte da tia

amada, escreveu:

A Tia Antônia Leite

Vá na Luz e vá na paz

Com noventa e nove anos

Desejei um pouco mais

Pra senhora e pra os seus

Tudo é no tempo de Deus,

Igual ninguém fez nem faz

Acabei de ser informado

agora pelo meu primo O Poeta

e Artista Luiz Wilson,

que a Tia Antônia Leite de

Brito partiu agora há pouco

para o Plano espiritual. Ela é

Irmã mais velha de meu pai

(José Lopes de Andrade).

Nascida no Sítio Riacho

Verde, Sertania/PE, há muitos

anos é radicada em Paulo

Afonso BA. Mãe do meu

primo e Poeta Duval Brito,

ela faria cem anos em Julho.

Agradecemos a Deus por

ter sido tão generoso com

ela e com a família, por ter

concedido tanto

tempo de vida

para ela, e pra nós

desfrutando de sua

sabedoria, bondade

e equilíbrio.

Que o Espírito

Santo conforte

neste instante

de dor a Duval

Brito, Ana Leite

de Vasconcelos,

Bernadete Leite,

José Leite(Dedé),

demais irmãos,

Rodrigo Leite e

demais Netos,

transmitindo meu

abraço solidário e

votos de que nossa

querida Matriarca

das Famílias Lopes

de Andrade e Leite de Siqueira,

seja acolhida pelos anjos

do pai, numa das muitas moradas

da casa do Senhor.

Jardel Menezes, um dos

seus netos escreveu nas redes

sociais:

D. Antônia, 99 anos de amor

– Minha Vozinha, descansou.

Hoje, 03 de maio de 2021,

D. Antônia Leite de Brito,

minha vozinha, descansou.

Iria completar no próximo

25 de julho, 100 anos, um

século de vida.

É sim um dia de tristeza

por tudo que ela representa

pra mim e pra nossa família.

É uma geração que se encerra:

foi a última dos meus

avós a falecer. Com ela se vai

a compreensão de um amor

que não vê defeitos nos netos.

Por Jardel Menezes

Lembro que no ano de

1983, quando nasceu Paulo

Marcel, meu irmão caçula,

fiquei dois dias sob seus cuidados.

Dormi, tomei café,

me arrumou pra ir à escola,

almocei e jantei. Com aquela

atenção e carinho que

toda vó sempre teve. A casa

dela sempre foi nosso ponto

de encontro nos natais e

viradas de ano, onde a gente

reunia toda a família. São

memórias que não vamos

esquecer.

Por outro lado, é um dia

alegre: minha avô recebe a

recompensa dos justos, de

quem cuidou do lar, criou

filhos, netos e bisnetos e

teve a alegria de ver o nascimento

de trinetos. A senhora

merece o céu, merece

reencontrar meu avô Eliseu,

merece estar junto da

Glória de Deus. Católica de

missa diária quando tinha

saúde pra ir à Catedral de

Nossa Senhora de Fátima,

vou guardar sua memória e

seus ensinamentos. Queira

eu ter a sorte de poder realizar

pelo menos metade de

tudo que fizeste, com humildade

e simplicidade.

Vai em paz, minha avó.

Que no mês dedicado a Maria,

Mãe da Igreja, lembremos

de sua devoção, como

legionária que era e peçamos

a ela sua intercessão.

Um beijo, sempre te amarei.

Antônia Leite de Brito

* 25.07.1921

+ 03.05.2021


A10

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

Paulo Afonso e o BTN estão do luto.

Faleceu D. Rita Fagundes, aos 95 anos

D. Rita Fagundes foi uma

das primeiras moradoras

do Bairro Tancredo Neves

quando ele ainda estava começando

e se chamada Bairro

Mulungu. Teve uma vida

inteira de dedicação às causas

da Igreja Católica e aos

mais necessitados daquele

Bairro em seus momentos

de maior carência. Era conhecida

como a matriarca

do Bairro Tancredo Neves.

Ela nasceu no dia 03 de

maio de 1926, em Ribeira do

Caldeirão, uma espécie de

sitio localizado no município

de Brejo da Madre de Deus,

no agreste pernambucano, a

segunda das seis filhas dos

agricultores João Fagundes

do Lago e Maria Francisca

dos Prazeres, uma família

tradicionalmente católica.

No ano de 1970, alguns

de seus filhos começaram a

vir para nossa querida Paulo

Afonso, em busca de trabalho.

Como os irmãos eram

muito ligados, não demorou

muito para que Dona Rita e

o restante da família se estabelecessem

no local, no final

de 1971, vindo residir no

Riacho do Brito, lugar onde

foi construída a barragem

da Usina PA-4 e, devido a

construção da usina, várias

famílias que moravam no

local precisaram se deslocar

de lá, fundando assim o

bairro Mulungu, atual Bairro

Tancredo Neves.

Por seu trabalho e dedicação

ao BTN foi agraciada

em 1987 pelo Prefeito José

Ivaldo e com a aprovação da

unanimidade dos vereadores

de Paulo Afonso com o Diploma

de Amiga da Cidade

de Paulo Afonso.

Mais recentemente recebeu

mais duas homenagens

da Câmara Municipal de

Paulo Afonso, por iniciativa

do então vereador José

Carlos Coelho, conhecido

com Zé Carlos do BTN.

Em 2016, ao completar 90

anos, recebeu um Moção de

Aplausos por iniciativa desse

vereador e em 10 de maio

de 2018, poucos dias depois

do seu aniversário de 92

anos de idade, recebeu solenemente

da Câmara Municipal

de Paulo Afonso o título

de Cidadã de Paulo Afonso,

honraria também proposta

pelo então vereador Zé Carlos

do BTN.

Lembro de sua presença

forte, marcante quando do

sepultamento do seu amigo,

o ex-prefeito Abel Barbosa

e Silva. Ao lado do caixão

do Chefe Abel, na capelinha

do cemitério Padre

Lourenço Tori, proferiu um

discurso forte, vigoroso que

levou os que estavam ali às

lágrimas.

Na edição Nº 193 do jornal

Folha Sertaneja em homenagem

aos 50 anos do

Bairro Tancredo Neves, dedicamos

uma página para

homenagear esta senhora,

patrimônio de Paulo Afonso

e do BTN. Para isso, contamos

com o apoia da historiadora

Elaine Ventura que

buscou informações e elaborou

um belo texto sobre

esta mulher pioneira e de

presença muito marcante na

história do Bairro Tancredo

Neves.

Mãe do Padre Luiz Tibúrcio

e de uma grande prole de

mais de 150 pessoas entre filhos,

netos, bisnetos e outros

familiares.

Como anunciou o site

www.tribunamulungu.com.

br há pouco, “ela morreu de

morte natural, aos 95 anos

de idade. Há um bom tempo

vinha sofrendo de problemas

gerais de saúde.

E Don Rita Fagundes,

cumprindo a missão que o

Pai Celestial lhe deu retorna

à Casa do Pai.

Em sua homenagem,

pela história riquíssima de

humildade e de doação aos

mais necessitados, o site

www.folhasertaneja.com.

br reapresenta a sua história

de vida, no texto de Elaine

Ventura e nos juntamos à

dor dos que sofrem com a

sua partida.

“A morte foi por causas

naturais, não relacionadas a

Covid-19 e devido a Pandemia,

o corpo vai ser velado

na sua residência. O horário

do sepultamento ainda não

foi informado.

(www.tribunamulungu.com;br)

Morreu no Recife o Engenheiro Mizael Gusmão,

fundador do Coral Chesf Paulo Afonso

Faleceu no Recife nesta

quinta-feira, 27 de maio, o

Engenheiro Mecânico da

Chesf Mizael Gusmão que

trabalhou muitos anos na

Gerência Regional de Paulo

Afonso, onde fundou o Coral

Chesf de Paulo Afonso.

Há muitos anos morava

no Recife e nos últimos

tempos vinha se cuidando

de um CA no estômago que

se agravou e o levou a óbito

neste 27 de maio.

O Coral Chesf de Paulo

Afonso foi criado e iniciou

suas atividades no dia 03

de Março de 1994, reunindo

coralistas do quadro de

funcionários da empresa hidrelétrica

em Paulo Afonso

e alguns dos já aposentados

pela empresa, selecionados

pelo Maestro Mizael Gusmão

e com o total incentivo

do então diretor Administrativo

da Chesf, Manoel

Maia e da Administradora

Regional da Chesf em Paulo

Afonso, Diana Suassuna

que não mediram esforços

para esta criação e a sustentação

desse conjunto coral.

Para a sua direção não havia

melhor nome do que o

Engenheiro Mecânico Mizael

Carvalho Gusmão formado

pelo Centro de Tecnologia

da Universidade Federal

de Pernambuco - UFPE, e

Bacharel em Música Sacra,

com especialização em Regência

Coral pelo Seminário

Teológico Batista do Norte

do Brasil, do Recife/PE.

onde estudou com Ralph

Manoel, Lurdes Nogueira e

Fred Span..

Participou do 2o, 3o e 5o

Curso Internacional de Regência

Coral com os professores:

André Thomas, Paul

Oackley e outros, promovidos

pela Oficina Coral do

Rio de Janeiro;

Participou de vários painéis

de Regência promovidos

pela FUNARTE, e do

II WOKSHOP FOR CHO-

RUS CONDUCTORS no

BAPTIST SEMINARY OF

NASHVILLE – TENESSE

/ USA.

Corais como NOSSA

MÚSICA, Coral Canto Livre

e Coral DIÁSPORA DO

BRASIL foram regidos por

ele.

Acreditando que o incentivo

ao desenvolvimento

cultural é um processo sócio-educativo

que propicia

a formação de novos hábitos

e influencia na melhoria da

qualidade de vida, o Coral

Chesf Paulo Afonso divulga

cultura, promovendo entretenimento

ao chesfiano,

reverenciando o Rio São

Francisco”.

A importância da existência

do canto coral na Chesf

levou a Diretoria Administrativa

da empresa a aprovar

o projeto do maestro Mizael

Gusmão e criar o Coral Integração

da Chesf, formado

pelos corais Chesf de Paulo

Afonso, Recife, Salvador e

o Coral Luz de Teresina.

A maioria desses Corais

esteve em Paulo Afonso

participando da I Encontro

de Coros, evento que marcou

um dos aniversários do

Memorial Chesf de Paulo

Afonso, evento promovido

pela Administração Regional

de Paulo Afonso e

coordenado pelo Professor

Antônio Galdino, então coordenador

deste Memorial

Chesf. Além destes corais

da Chesf também participaram

do evento outros corais

da cidade de Paulo Afonso.

Ainda no Memorial Chesf

ele regeu o Coral Chesf de

Paulo Afonso no Encontro

de Corais de Paulo Afonso.

Sob sua regência, o Coral

Chesf de Paulo Afonso esteve

se apresentando em várias

cidades e capitais nordestinas

como em Maceió.

Após a transferência de

Mizael Gusmão para o Recife

e, depois de ficar desativado

por uns anos, o Coral

Chesf de Paulo Afonso passou

a ser regido por Sandro

Rogério.

Mizael Gusmão era um

eficiente engenheiro da

Chesf mas a sua sensibilidade

com a música coral fez

dele uma referência nessa

belíssima arte que marcou

profundamente a sua passagem

por Paulo Afonso.


Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

A 11

“Ai que saudades que eu sinto, das noites de São João”

Antônio Galdino da Silva

As redes sociais, os grupos

de Whatsapp, desde o começo

da semana, se mostram

coloridos, nas vibrantes imagens

dos festejos juninos. Em

cada uma delas, o derramar de

saudades dessa autêntica festa

popular nordestina, tanto na

imensidão de cores, como nas

músicas e nas comidas típicas

da época.

De fato, de novo chega o

mês de junho e mais uma vez

as ruas de Paulo Afonso e de

todas as cidades nordestinas,

que viviam sempre em grande

burburinho nesses dias de

festas juninas vivem os dias

de uma cidade esvaziada pelos

decretos municipais e estaduais

que impedem as pessoas

do exercício do ir e vir

livremente.

O texto publicado nesses

dias, neste site, pelo professor

Francisco Nery, nos fala da

singeleza e da pureza do povo

nordestino ao festejar os santos

do mês de junho – Santo

Antônio, casamenteiro, São

João, do carneirinho e São

Pedro, porteiro do céu.

É a doce imaginação do

sertanejo que festeja, no

mês de junho, com fundamento

na tradição católica

de louvação aos seus santos,

a colheita que foi farta

porque, na sua crença, foi

grande a chuva no dia 19

de março, dia de São José, o

pai de Jesus...

E, nos vem à memória o

baião criado por Zé Dantas

e Luiz Gonzaga chamado

“Noites brasileiras” e gravado

pelo Rei do Baião em 27 de

abril de 1954, no lado A de

um disco de 78 rotações. No

lado B estava gravada a polca

“Lascano o cano”. A música

“Noites brasileiras” foi

lançada em julho de 1954 e

relançada oito anos depois,

em 1962, no LP São João na

Roça da RCA Victor.

Escrita há 67 anos, a música

parece ter sido feita há

pouco para nos dizer da saudade

dos festejos juninos engolidos

pela pandemia...

Ela nos remete à essência

do puro São João sertanejo,

de raiz, e descreve, verso

a verso, o cenário das noites

sertanejas de São João...

“Ai que saudades que eu sinto

Das noites de São João

Das noites tão brasileiras nas

fogueiras

Sob o luar do sertão

Meninos brincando de roda

Velhos soltando balão

Moços em volta à fogueira

Brincando com o coração

Eita, São João dos meus sonhos

Eita, saudoso sertão, ai ai...”

É uma boa lembrança que

também nos leva a refletir

que o São João puro, de raíz,

autêntico, dos sertões nordestinos,

vem, a cada ano perdendo

essa pureza que é a sua

maior grandeza.

Em muitas músicas ditas

juninas, os seus compositores

e intérpretes têm dado a elas

uma conotação maldosa, de

duplo sentido, distorcendo a

sua originalidade.

Isso também tem se visto

muito no que se refere às quadrilhas

juninas que perderam,

em muitos casos, a sua originalidade

e tanto as músicas

como as roupas dos participantes

destoam e muito de

suas origens.

Hoje, quadrilhas juninas

têm sido classificadas nos

primeiros lugares de muitos

concursos apresentando coreografias

que, embora bem

ensaiadas e executadas, embora

estas chamativas roupas

estilizadas dos participantes

da quadrilha sejam totalmente

estranhas às suas origens

puras, da roupa simples, mas

roupa de festa, do povo igualmente

simples do sertão.

Embora respeitando os

contrários, vejo essa caracterização

abusada e desrespeitosa

às tradições juninas e me

reservo ao direto de pensar

assim.

A meu ver, como sertanejo,

a singeleza da festa, tanto na

maioria das suas músicas, especialmente

quando se trata

de intérpretes que ganharam

fama nacional, quando na

realização do próprio evento,

se transformou em grandes

investimentos de mídia e de

prefeituras.

Insisto em lembrar que

em Paulo Afonso, nos idos

tempos do Prefeito Abel

Barbosa, que apoiava esse

evento autêntico e em um

município que tem o dia 24

de Junho como feriado municipal,

em respeito às tradições

sertanejas, naqueles

distantes anos de 1979 até

1985, as festas juninas eram

realizadas em várias ruas da

cidade e em cada uma havia

um grande empenho na ornamentação,

na apresentação

da melhor quadrilha junina.

Era assim nas ruas Santo

Antônio, Castro Alves, Barão

do Rio Branco e muitas

outras, e mais pra frente apareceu

a grande festa da Rua

D, e o alto nível das boas as

quadrilhas juninas dessas ruas

motivou que se tivesse a ousadia

– na época eu atuava

como Diretor de Comunicação,

Turismo e Cultura – de

fazer uma seleção dos melhores

pares de cada quadrilha e

montar uma quadrilha junina

top e fomos para Salvador,

concorrer em um concurso

realizado por uma emissora

de televisão da capital.

Viagem sofrida, hospedagem

meio improvisada e

comendo os grandes sanduíches

do Baitacão, os participantes

da quadrilha junina

de Paulo Afonso entraram na

quadra para concorrer com

feras, quadrilhas famosas da

Bahia, vencedoras de vários

anos. Uma delas, tida como

a favorita, e foi mesmo para

a final do concurso, era patrocinada

por um deputado

baiano e chegou ao ginásio

em dois ônibus enormes, com

ar condicionado. A roupa

dos componentes desta quadrilha,

estilizada e de muitos

panos arregalava os olhos da

numerosa plateia das arquibancadas

do ginásio onde se

realizava o concurso.

Na nossa simplicidade,

mas com o autêntico ritmo

sertanejo nos pés e mãos de

cada membro, selecionado a

dedo pelos dirigentes de cada

quadrilha enfrentamos a fera

na disputa do troféu. E, no final

da competição a quadrilha

junina de Paulo Afonso estava

empatada com a famosa de

Salvador, em primeiro lugar.

Como ninguém esperava

que um grupinho vindo da

desconhecida Paulo Afonso,

pra eles, lugar perdido lá pelo

norte do Estado, fosse fazer

sombra à maior, mais rica e

mais respeitada quadrilha junina

da Bahia, só havia um

troféu de primeiro lugar.

A essa altura, a autenticidade

da quadrilha junina de

Paulo Afonso já havia conquistado

a plateia e a grande

maioria aplaudia de pé.

Disse então aos organizadores,

que não sabiam a

quem entregar o único troféu

de campeão: - É justo que a

quadrilha junina de Paulo

Afonso, que viajou quase 500

quilômetros para participar

desse concurso leve o troféu.

A quadrilha de Salvador, por

ser daqui mesmo recebe o seu

troféu depois. Recebemos

o apoio da plateia que com

aplausos e gritos de campeão

e trouxemos o troféu para

Paulo Afonso.

Gilvan, que trabalha na

Secretaria de Cultura e seu

irmão, Joãozinho eram dois

dos responsáveis por quadrilhas

juninas e estavam lá, e

podem contar mais sobre esse

feito histórico...

“Ai que saudades que eu

sinto”... dizia um no grupo de

Whatsapp lembrando desse

São João de antigamente...

Mas, também vêm à memória

e certamente todos

lembram das grandes festas

da Avenida Apolônio Sales,

na Ilha de Paulo Afonso, e

do Campo do Flamengo no

BTN e também do Parque

de Exposições onde milhares

de pessoas, 30, 50, até mais

de 60 mil pessoas se aglomeravam

para assistir aos shows

de grandes nomes da música

brasileira, muitos deles, é certo,

que nada tinha a ver com

São João mas eram e são nomes

respeitados no cenário

musical brasileiro e a Prefeitura,

a grande patrocinadora

desses eventos encontrava

nesse período a oportunidade

de oferecer esses show para a

população de Paulo Afonso e

para milhares de pessoas que

chegavam quase na hora do

show principal em centenas

de Vans de todas as cidades

mais próximas...

Milhares, todas as noites,

para cantar com Padre Fábio

de Melo, Jorge de Altinho,

Leonardo e muitos, muitos,

muitos outros ao longo dos

anos todos, numa agitação

efervescente que a pandemia

acabou...

E, nesse rebuscar dos

Sãos Joãos de outros tempos,

mais antigos e mais recentes,

vem a minha mente

o doce encontro com grupo

de meninas que, acompanhados

dos pais, também

músicos, cantavam o autêntico

forró e até se inspiravam

muito em Dominguinhos.

Ainda guardo o DVD dessas

meninas paraibanas que

nem eu. Era o Clã Brasil de

que fazia parte a paraibana

Lucyane Alves que depois

explodiu como Lucy Alves,

a grande intérprete nacional,

que venceu o “The Voice Brasil”

cantando Aconchego, de

Dominguinhos e tornou-se

atriz vivendo a personagem

Luzia da novela O Velho

Chico e segue espalhando

o seu canto e o seu encanto

pelo Brasil a fora.

Deixo uma sugestão aos

organizadores de eventos da

Prefeitura. Quando passar

esse furacão chamado Covid,

programem a vinda novamente

do grande poeta Flávio

Leandro e de Lucy Alves

para alegrarem os sertanejos

de todos os lugares, até das

terras do sul/sudeste que moram

em Paulo Afonso e atrair,

de novo, pra cá também os

milhares de moradores destas

terras vizinhas, igualmente

sertanejas... E que venham

Jorge de Altinho, Zezinho

da Ema, e Maciel Melo, e

Santana... Sem esquecer de

destacar os grandes músicos,

sanfoneiros da terrinha. A

lista é grande...Dá pra fazer

uma festa de São João o ano

inteiro...

Lembranças da Vila do

Forró, dos últimos anos, mais

moderninha e da figura de

Mama Vitória, sempre associada

à essa festa, pela sua

alegria intensa...

Nesse baú de memórias,

quando percebemos estávamos

na quadra do COLEPA

e nos seus arredores, vendo

a animação dos famosos São

Joãos do COLEPA quando

os inconfundíveis acordes da

sanfona ou do teclado de Toinho

dos Dissonantes, outra

grande dessa arte, rasgava o

ar, atraindo a todos para dançar

na quadra...

Não posso deixar de me

referir a um grande sanfoneiro,

um dos maiores de Paulo

Afonso que tinha o acordeon

associado ao seu nome: Enoch

do Acordeon que animava

até recentemente a Vila do

Forró de Paulo Afonso e faleceu

em 24 de maio de 2019,

faltando um mês para o dia

de São João.

Em tempos de festas juninas

– e a lembrança devia ser

permanente, todos os dias –

não se pode esquecer de outro

grande músico, que anda muito

doente há um bom tempo,

considerado um dos maiores

ou o maior sanfoneiro dessa

região, que tocou muitas vezes

com Luiz Gonzaga, inclusive

no show beneficente para a

Maçonaria que o Rei do Baião

fez em Paulo Afonso, no então

Estádio Ruberleno, hoje Álvaro

de Carvalho e que tive o

privilégio de apresentar, como

narra o escritor João de Souza

Lima no seu livro 100 anos do

Rei do Baião e a sua passagem

por Paulo Afonso.

Falo do grande músico

Elias Nogueira, do conjunto

Os Satélites, que tocou muitos

anos no Coliseu Show

que eu apresentava com Nilson

Brandão e Rubem Marques

no antigo Cine Coliseu.

Elias Nogueira tem uma

história e uma contribuição à

música sertaneja e, de forma

bem especial como representante

de Paulo Afonso, e nunca

foi devidamente reconhecido.

E Deca do Acordeon outro

defensor dessa música autêntica

nordestina. Lembro de

Deca tocando magistralmente

quando fiz o lançamento

do meu livro De Forquilha

Paulo Afonso – Histórias e

Memórias Sertanejas, na pérgula

da piscina do CPA numa

noite em que ali estavam quase

trezentas pessoas, inclusive

vários ex-prefeitos como

Abel Barbosa, Paulo de Deus,

Luiz de Deus e o prefeito da

época, Anilton Bastos.

Talvez, nesses dias “modernosos”

em que vivemos,

alguns até tenham estranhado

o que é que um sanfoneiro,

Deca do Acordeon, estava fazendo

no lançamento de um

livro...

O nosso abraço a Jorge

Brandão que virou o xodó do

pessoal da terceira idade em

eventos memoráveis...

Citei apenas alguns músicos

e sanfoneiros de Paulo

Afonso. Mas estendo a

minha homenagem a todos

os tocadores, quase sempre

anônimos, tocadores de bandinhas

de forró Pé-de-Serra,

esquecidos todo o tempo e

lembrados, de vem em quando

por uma escola, um evento

social...

Hoje, como uma forma

de se combater esse vírus a

ordem é que todos permaneçam

em casa e as ruas das

cidades, especialmente coloridas

e cheia de calor humano

nesse tempo, estão sem nenhuma

decoração que lembre

esse período de festas nos

Nordeste que acabou contagiando

outros estados.

A poderosa Campina

Grande, na Paraíba, com o

declarado maior São João do

Brasil, não vai, mais uma vez

se digladiar, com Caruaru,

em Pernambuco que se gaba

de ter o maior São Joao do

Mundo...

Por aqui, por estas terras

sertanejas, mesmo sem ostentar

títulos de grandeza,

fica o vazio dos encontros

animados dos amigos, de

se provar as comidas típicas

da época e resta cantar,

assobiar, lamentar com os

versos grandiosos do médico

Dr. José Dantas, de Carnaíba,

terra de Lisette e de

Lindinalva Cabral, versos

escritos em 1954 e cantados

em todos os rincões deste

Nordeste pelo imortal Luiz

Gonzaga. Parece que este

baião foi escrito hoje...

“Ai que saudades que eu sinto

Das noites de São João

Das noites tão brasileiras nas

fogueiras

Sob o luar do sertão...


A12

Paulo Afonso - BA • Edição de Junho • 30 de Junho de 2021 • Ano XVII • Número 201

Em Breve: CONCESSIONARIA

VOLKSWAGEM EM PAULO AFONSO

Faltam poucos dias para a inauguração da nova

concessionária Volkswagen na cidade de Paulo

Afonso. O grupo Empresarial JCF se prepara para

abrir mais uma concessionária na cidade de Paulo

Afonso, passando a ser a terceira do referido grupo

em funcionamento na terra da energia(ao lado da

Fiat e da Renault). Assim, o grupo JCF passara a gerir

as bandeiras.

A nova Volkswagen levara o nome de VIA FRAN-

ÇA e esta sendo instalada ao lado da Cachoeira

Veículos(FIAT). O grupo aposta na credibilidade das

marcas que representa, valendo-se da grande expertise

e da vasta clientela que adquiriu ao longo

dos mais de 50 anos de existência.

Paulo Afonso só tem a agradecer a confiança e credibilidade

que o grupo JCF deposita na cidade. O

jornal Folha Sertaneja deseja uma feliz inauguração

e sucesso de vendas e de negócios e que novas empresas

sejam abertas, trazendo desenvolvimento,

emprego e renda para a nossa querida cidade luz.

GARANTA SEU LUGAR

NO DESTINO MAIS

CHARMOSO DE

PRONTO PARA

CONSTRUIR

LOTES A PARTIR DE 420 m²

ÚLTIMAS

UNIDADES

CENTRAL DE VENDAS

(82) 98143-1256

www.canionsresidence.com.br

canionsresidence

Piranhas - AL

Investimentos

More magazines by this user
Similar magazines