20.07.2021 Views

Revista Analytica Edição113 - Julho 2021

Revista Analytica Edição113 - Julho 2021

Revista Analytica Edição113 - Julho 2021

SHOW MORE
SHOW LESS

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

Deixe-nos ajudá-lo a

Escolher o EPI mais adequado

Use o QR code ao lado para saber mais sobre o AnsellGUARDIAN ® , sua mão amiga

para melhorar a segurança, aumentar a produtividade e reduzir custos.

É só apontar a câmera do seu celular para o QR ou usar um aplicativo para escaneálo.

Você também pode usar o link: rebrand.ly/guardian-lss

Ansell, ® e são marcas registradas da Ansell Limited ou de uma de suas afiliadas. © 2021 Todos os direitos reservados.


Revista

Ano 19 - Edição 113 - Julho 2021

EDITORIAL

Prezado leitor,

Apesar da queda considerável nas estatísticas durante as últimas semanas, o número de óbitos por dia em nosso país segue alto e

por vezes superando o que é registrado em continentes inteiros.

Especialistas em saúde pública seguem defendendo estratégias essenciais para controlar a pandemia e para que os números não

voltem a subir.

A vacinação de todos os brasileiros, ao que tudo indica, ajudará a evitar os casos mais graves e reforçar as medidas como o

distanciamento físico, o uso de máscaras ao sair de casa, os cuidados com a circulação de ar pelos ambientes e a higiene das mãos.

Então vamos manter nossa esperança seguindo com as medidas de segurança que nos permitirá não apenas lidar com o atual

cenário da pandemia, mas também nos deixaria mais preparados para o que pode vir pela frente, especialmente a partir da

chegada ou da descoberta de novas variantes.

Nesta edição trazemos uma revisão de literatura sobre O QUE É MICOPLASMA? E outro sobre A IMPORTÂNCIA DO BACILLUS

SUBTILIS NATTO NA PRODUÇÃO DE UMA ENZIMA ESPECIAL COM PROPRIEDADES MEDICINAIS: A NATTOQUINASE.

Além do vasto conteúdo abordado por nossos colunistas e as novidades anunciadas por nossos clientes.

Nós da Revista Analytica desejamos vacina para todos e um mundo melhor quando tudo isso passar.

Tenham uma excelente leitura!

Luciene Almeida

Editora Chefe

*Com informações de BBC News Brasil

Fale com a gente

Comercial | Para Assinaturas | Renovação | Para Anunciar:

Daniela Faria | 11 98357-9843 | assinatura@revistaanalytica.com.br

Tel.: 11 3900-2390 | Dúvidas, críticas e ou sugestões, entre em

contato, teremos prazer em atendê-lo.

Para novidades na área de instrumentação analítica, controle

de qualidade e pesquisa, acessem nossas redes sociais:

/RevistaAnalytica

/revista-analytica

/revistaanalytica

Esta publicação é dirigida a laboratórios analíticos e de controle de qualidade dos setores:

FARMACÊUTICO | ALIMENTÍCIO | QUÍMICO | MINERAÇÃO | AMBIENTAL | COSMÉTICO | PETROQUÍMICO | TINTAS

Os artigos assinados sâo de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente a opinião da Editora.

EXPEDIENTE

Realização: Newslab Editora

Conselho Editorial: Sylvain Kernbaum | revista@revistaanalytica.com.br

Jornalista Responsável: Luciene Almeida | editoria@revistaanalytica.com.br

Publicidade e Redação: Daniela Faria | 11 98357-9843 | assinatura@revistaanalytica.com.br

Coordenação de Arte: FC DESIGN - contato@fcdesign.com.br

Impressão: Gráfica Hawaii | Periodicidade: Bimestral


Revista

Ano 19 - Edição 113 - Julho 2021

ÍNDICE

01

06

Editorial

Publique na Analytica

Artigo 1

07

A IMPORTÂNCIA DO BACILLUS SUBTILIS NATTO

NA PRODUÇÃO DE UMA ENZIMA ESPECIAL

COM PROPRIEDADES MEDICINAIS: A

NATTOQUINASE

Autores: Renata Bazante Rodrigues,

Maria Eduarda da Costa Silva & João Pedro de Farias Martins

2

Revista Analytica | Julho 2021

Artigo 2

14

O QUE É MICOPLASMA?

Autores: Sartorius do Brasil

18

22

23

25

29

33

Espectrometria de Massa

Logística Laboratorial

Tecnologias Químicas

Metrologia

Microbiologia

Em Foco


Placa de Petri 140 x 15 mm

Solução ideal para a análise antimicrobiana.

Características

Fabricadas em poliestireno de alta

transparência.

Superfície plana.

Tampas com marcas de ventilação que

permitem a circulação de ar e impedem

a condensação.

Não Autoclavável.

Estéril por radiação ionizante.

Confira outros

formatos disponíveis

Produto não passível de registro na ANVISA.


Revista

Ano 19 - Edição 113 - Julho 2021

ÍNDICE REMISSIVO DE ANUNCIANTES

ordem alfabética

Anunciante pág. Anunciante pág.

ARENA TECNICA 09

ANSELL

2ª CAPA

BCQ

4ª CAPA

ER ANALITICA 05

GREINER 39

KASVI 03

NOVA ANALITICA 41

PRIME CARGO

3ª CAPA

VEOLIA 37

Esta publicação é dirigida a laboratórios analíticos e de controle de qualidade dos setores:

FARMACÊUTICO | ALIMENTÍCIO | QUÍMICO | MINERAÇÃO | AMBIENTAL | COSMÉTICO | PETROQUÍMICO | TINTAS

Os artigos assinados sâo de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente a opinião da Editora.

4

Revista Analytica | Julho 2021

Conselho Editorial

Carla Utecher, Pesquisadora Científica e chefe da seção de controle Microbiológico do serviço de controle de Qualidade do I.Butantan - Chefia Gonçalvez Mothé, Prof ª Titular da Escola de Química da Escola de

Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro - Elisabeth de Oliveira, Profª. Titular IQ-USP - Fernando Mauro Lanças, Profª. Titular da Universidade de São Paulo e Fundador do Grupo de Cromatografia (CROMA)

do Instituto de Química de São Carlos - Helena Godoy, FEA / Unicamp - Marcos E berlin, Profª de Química da Unicamp, Vice-Presidente das Sociedade Brasileira de Espectrometria de Massas e Sociedade Internacional

de Especteometria de Massas - Margarete Okazaki, Pesquisadora Cientifica do Centro de Ciências e Qualidade de Alimentos do Ital - Margareth Marques, U.S Pharmacopeia - Maria Aparecida Carvalho de

Medeiros, Profª. Depto. de Saneamento Ambiental-CESET/UNICAMP - Maria Tavares, Profª do Instituto de Química da Universidade de São Paulo - Shirley Abrantes Pesquisadora titular em Saúde Pública do INCQS

da Fundação Oswaldo Cruz - Ubaldinho Dantas, Diretor Presidente de OSCIP Biotema, Ciência e Tecnologia, e Secretário Executivo da Associação Brasileira de Agribusiness.

Colaboraram nesta Edição:

Luciana e Sá Alves, Marcos Roberto Ruiz, Oscar Vega Bustillos, Bruna Mascaro e Claudio Kiyoshi Hirai.


Revista

Ano 19 - Edição 113 - Julho 2021

PUBLIQUE NA ANALYTICA

Normas de publicação para artigos e informes assinados

A Revista Analytica, em busca constante de novidades em divulgação científica, disponibiliza abaixo as normas para publicação de artigos, aos

autores interessados. Caso precise de informações adicionais, entre em contato com a redação.

Informações aos Autores

Bimestralmente, a revista Analytica

publica editoriais, artigos originais, revisões,

casos educacionais, resumos de teses etc.

Os editores levarão em consideração para

publicação toda e qualquer contribuição

que possua correlação com as análises

industriais, instrumentação e o controle de

qualidade.

Todas as contribuições serão revisadas e

analisadas pelos revisores.

Os autores deverão informar todo e

qualquer conflito de interesse existente, em

particular aqueles de natureza financeira

relativo a companhias interessadas ou

envolvidas em produtos ou processos que

estejam relacionados com a contribuição e o

manuscrito apresentado.

Acompanhando o artigo deve vir o termo

de compromisso assinado por todos os

autores, atestando a originalidade do artigo,

bem como a participação de todos os

envolvidos.

Os manuscritos deverão ser escritos em

português, mas com Abstract detalhado

em inglês. O Resumo e o Abstract deverão

conter as palavras-chave e keywords,

respectivamente.

As fotos e ilustrações devem

preferencialmente ser enviadas na forma

original, para uma perfeita reprodução.

Se o autor preferir mandá-las por e-mail,

pedimos que a resolução do escaneamento

seja de 300 dpi’s, com extensão em TIF ou

JPG.

Os manuscritos deverão estar digitados e

enviados por e-mail, ordenados em título,

nome e sobrenomes completos dos autores e

nome da instituição onde o estudo foi realizado.

Além disso, o nome do autor correspondente,

com endereço completo fone/fax e e-mail

também deverão constar. Seguidos por

resumo, palavras-chave, abstract, keywords,

texto (Ex: Introdução, Materiais e Métodos,

Parte Experimental, Resultados e Discussão,

Conclusão) agradecimentos, referências

bibliográficas, tabelas e legendas.

As referências deverão constar no texto

com o sobrenome do devido autor, seguido

pelo ano da publicação, segundo norma

ABNT 10520.

As identificações completas de cada

referência citadas no texto devem vir

listadas no fim, com o sobrenome do

autor em primeiro lugar seguido pela sigla

do prenome. Ex.: sobrenome, siglas dos

prenomes. Título: subtítulo do artigo. Título

do livro/periódico, volume, fascículo, página

inicial e ano.

Evite utilizar abstracts como referências.

Referências de contribuições ainda não

publicadas deverão ser mencionadas como

“no prelo” ou “in press”.

Observação: É importante frisar que a Analytica não informa a previsão sobre quando o artigo será publicado. Isso se deve ao fato que, tendo em

vista a revista também possuir um perfil comercial – além do técnico cientifico -, a decisão sobre a publicação dos artigos pesa nesse sentido. Além

disso, por questões estratégicas, a revista é bimestral, o que incorre a possibilidade de menos artigos serem publicados – levando em conta uma

média de três artigos por edição. Por esse motivo, não exigimos artigos inéditos – dando a liberdade para os autores disponibilizarem seu material

em outras publicações.

6

Revista Analytica | Julho 2021

ENVIE SEU TRABALHO

Os trabalhos deverão ser enviados ao endereço:

A/C: Luciene Almeida – Redação

Av. Nove de Julho, 3.229 - Cj. 1110 - 01407-000 - São Paulo-SP

Ou por e-mail: editoria@revistaanalytica.com.br

Para outras informações acesse: www.revistaanalytica.com.br/publique/


Artigo 1

A IMPORTÂNCIA DO BACILLUS SUBTILIS NATTO

NA PRODUÇÃO DE UMA ENZIMA ESPECIAL COM

PROPRIEDADES MEDICINAIS: A NATTOQUINASE

THE IMPORTANCE OF BACILLUS SUBTILIS NATTO IN THE PRODUCTION OF A SPECIAL ENZYME WITH MEDICAL PROPERTIES: THE NATTOKINASE.

Autores: Renata Bazante Rodrigues 1 , Maria Eduarda da Costa Silva 2 & João Pedro de Farias Martins³

1- Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo,

pesquisadora colaboradora e voluntária pelo Instituto de Pesquisas

Energéticas e Nucleares (IPEN/CNEN). São Paulo- Brasil.

2- Cursando Ciências Biomédicas pela Centro Universitário das

Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e bolsista PIBIC de

Iniciação Científica pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e

Nucleares (IPEN/CNEN). São Paulo, Brasil.

3- Cursando Ciências Biomédicas pela Universidade Paulista

(UNIP). Santana de Parnaíba.

Resumo

A nattoquinase é uma enzima que tem ações fibrinolítica e trombolítica que traz uma

ampla aplicabilidade para o tratamento de patologias clínicas humanas. Trata-se de

uma protease alcalina extraída do microorganismo não patogênico Bacillus subtilis

natto. Recentes pesquisas demonstraram que o gênero Bacillus, em especial, a espécie

e sua variação B. subtillis var. natto, possui propriedades prebiótica e probiótica, devido

sua atividade fermentativa de grãos, tais como, soja, feijão, grão de bico, entre outros,

permitindo naturalmente gerar resistência aos fitopatógenos comuns na agricultura. Dessa

maneira, os alimentos que fermentam tornam-se fontes importantes que ativam o sistema

imunológico no homem, previne o desenvolvimento de determinadas doenças e oferece

condições ao organismo de reagir àquelas doenças que estão se manifestando. Dessa

maneira, o consumo de alimentos fermentandos através do B. subtillis natto, poderá fazer

parte das necessidades nutricionais, isto é, ricos em nutrientes. Essa espécie em especial,

possibilita que aminoácidos e vitaminas de grãos estejam mais disponíveis, ou seja,

alientos de “alta densidade nutricional” e que estão diretamente associados ao binômio

saúde-doença, prevalecendo a saúde e o bem-estar das pessoas que as consomem

(conhecidos como alimentos biofermentados); indicados para todas as idades, porém,

ainda é pouco divulgado e, nota-se seu consumo, principalmente, adquiridos através dos

hábitos alimentares, como por exemplo, pelos japoneses. A longivitude de muitos povos

pode estar atrelada ao escolher alimentos saúdaveis que permitem o envelhecimento com

saúde. Assim, envelhecer é uma escolha e exige esforços em todas as esferas e diretrizes:

sociais, culturais, econômicas e políticas. A soja Natto, nome escolhido devido à prática do

cultivo pelos povos orientais, é obtida apenas da fermentação do Bacillus subtilis natto. Ao

fermentar o grão, o bacilo, como resposta da quebra de aminoácidos, produz a chamada

enzima nattoquinase ou nattokinase, que possui propriedades fibrinolíticas, isto significa

que possuem mecanismos fibrinolíticos. Em suma, a nattoquinase quebra as fibrinas

e evita a formação de trombos (coágulos) nos vasos sanguíneos (é um trombolítico

natural). Diante a leitura de artigos científicos direcionados ao assunto, o objetivo desse

trabalho é relatar sobre a propriedade meritória do B. subtillis natto de produzir a enzima

nattoquinase, um atenuante natural indispensável para o controle e cura de determinadas

enfermidades sanguíneas.

Palavras chave: nattoquinase, ação fibrinolítica, trombolítica, Bacillus subtilis natto

Abstract

Nattokinase is an enzyme that has fibrinolytic and thrombolytic action and great applicability

for the treatment of human clinical pathologies. It´s an alkaline protease extracted from the

non-pathogenic microorganism Bacillus subtilis. Recently, research has shown that the genus

Bacillus, in special the variation B. subtilis natto, is a highly good for people health prebiotic and

probiotic properties products, due to its fermentative activity of grains, such as soybeans, beans,

chickpeas and others, that his naturally resistance to phytopathogens common in agriculture

is very important for life of the vegetables. So, they have very high nutritional values, such

as the “Nattô” soy, the name traditional food from Japan. Nattô is a food that prepared with

this bacterium specie. When fermenting the soybean, the bacillus produces an enzyme called

nattokinase (in response to the breakdown of amino acids, which has fibrinolytic properties,

this means that they have fibrinolytic mechanisms). The fibrinolytic properties to prevent the

trhrombosis disease, its accus in blood vessels. It´s observed that the foods by natural fermented

are important sources that activate the immune system of man, prevent the development of

certain diseases, and offer good conditions when there is manifest themselves. The objective

of this article is to bring some literary references and to present the produce importance of the

enzyme Nattokinase by B. subtilis natto and knowledge of your consumption as part of the

nutritional needs. The “high nutritional density” foods that are directly associated with the

health-disease binomial, with the health and well-being of the people who consume them

prevailing. The known as biofermented foods for wide age range, however, there are few

publications and, its consumption is noticed, mainly acquired through the alimentary habits by

the Japanese. The live long time of many people can be linked when choosing healthy foods that

allow healthy aging. Thus, aging is a choice and requires efforts in all spheres and guidelines:

social, cultural, economic, and political. Natto soy, a name chosen due to the cultivation practice

by the eastern peoples, is obtained only from the fermentation of Bacillus subtilis natto. When is

fermenting the grain in response to the breakdown of amino acids and produces the nattokinase

enzyme too, that is properties mechanical action fibrinolytic. In the context, the natokinase

breaks down fibrins and prevents the formation of thrombi (clots) in blood vessels (it is a natural

thrombolytic agent). The science directed to the subject helped to look at meritorious property of

B. subtilis natto to produce the enzyme nattokinase, a natural attenuator indispensable for the

control and cure of certain blood diseases.

Keywords: nattokinase, fibrinolytic, thrombolytic, Bacillus subtilis natto

Revista Analytica | Julho 2021

7


Artigo 1

Introdução

considerados “microrganismos do

Por que é importante a

bem”, ou seja, benéficos à saúde

coagulação e a descoagulação

Valor nutricional

do homem e a homeostase dos

sanguínea?

É importante informar ao

seres vivos na biocenose (SILVA &

Uma das etapas da coagulação

consumidor sobre a composição

RODRIGUES, 2020).

do sangue é a formação de

do alimento e a quantidade

um coágulo. Ela se dá por uma

de nutrientes que o alimento

Os alimentos que contêm uma grande

sequência de eventos químicos

fornece, além de indicar quanto

quantidade de nutrientes em relação ao

nos quais a fibrina desempenha

isso representa da Ingestão Diária

seu aporte de energia se denominam

importante papel. A coagulação do

Recomendada – IDH (FAO/OMS,

alimentos “ricos em nutrientes” ou “de

sangue desempenha importante

2001; NAP, 2006). Para fortalecer

alta densidade de nutrientes”. São

função hemostática quando o

o sistema imunológico, prevenindo

os alimentos mais recomendáveis,

sangue extravasa dos vasos, mas

o desenvolvimento de algumas

pois, ajudam a suprir as necessidades

também pode ocorrer no interior

doenças e ajudar o corpo a reagir

nutricionais humanas, entretanto,

dos vasos sanguíneos, podendo

àquelas que estão se manifestando.

o envelhecimento é inevitável, mas

obstrui-los ou formar êmbolos. Em

Dessa maneira, é importante

envelhecer com saúde e bem-estar

ambos os casos, o coágulo precisa

comer mais alimentos ricos em

é, sem dúvida, uma escolha; embora

ser removido depois de cumprir sua

vitaminas e minerais, diminuir o

o conhecimento também se faça

função ou para evitar complicações

consumo de fontes de gordura,

necessário, assim como as ações

no sistema circulatório.

açúcar e alimentos industrializados,

socioeconômicas e políticas, incluindo

contendo corantes e conservantes

na educação alimentar o consumo de

O ponto comum entre as duas vias é a

químicos e, preferindo os alimentos

alimentos fermentados naturalmente

conversão do fibrinogênio em fibrina

orgânicos (sem agrotóxicos)

como o Nattô, e a prática de exercícios

sob ação da trombina. Dessa maneira,

e os extraídos de processos

físicos com “check-up” em dia. Assim,

quando não ocorre a descoagulação,

fermentativos produzidos por

será possível envelhecer e manter o

ou seja, desfazer os coágulos para o

8

Revista Analytica | Julho 2021

determinados fungos e bactérias

corpo e mente saudáveis.

sangue fluir pelo corpo; esses trombos


I.PROMOTE da Arena Técnica

Buscador B2B integrador

de produtos e serviços por

normas e regulamentos

INTELIGÊNCIA DIGITAL ENTRE A OFERTA E A

PROCURA QUALIFICADA DE PRODUTOS

E SERVIÇOS NORMATIZADOS

Simplifica muito o trabalho de quem projeta

Para os engenheiros e técnicos de projeto, I.PROMOTE facilita ao extremo os processos de indicar

especificações técnicas. Basta buscar as empresas, produtos e serviços ou ainda apontar as

normas/regulamentos. Tudo à mão, tudo fácil.

Gera leads e oportunidades para quem vende

Para as áreas de marketing e vendas de fornecedores de produtos e serviços normatizados,

I.PROMOTE é um importante canal de acesso ao mercado, inclusive internacional, por integrar mais

de um milhão de diferentes normas e regulamentos.

Resolve a vida de quem compra

Para os compradores I.PROMOTE respresenta enorme

agilidade e segurança absoluta de precisão nas compras

técnicas.

CADASTRO GRATUITO DE

EMPRESAS FORNECEDORAS

ASSINATURA ANUAL PARA PROMOVER

PRODUTOS E SERVIÇOS TÉCNICOS

CONHEÇA!

+55 11 3862 1033

info@arenatecnica.com

www.arenatecnica.com


Artigo 1

(totalmente fibroso e formado pela

extraída do alimento tradicional

Novamente a atividade fibrinolítica

proteína fibrina) podem obstruir a

japonês "natto" (soja fermentada).

da nattoquinase também foi testada,

circulação do sangue no organismo,

Atualmente, a nattoquinase está

agora em rato, no qual o trombo

acarretando a morte do indivíduo. A

sendo amplamente utilizada como

foi formado na artéria carótida

formação de trombos no interior das

medicamento de venda livre para

com ácido acético, danificando as

veias profundas, em geral nas pernas,

promover a saúde e reduzir o risco

células endoteliais da parede do

pode causar uma doença grave

de trombose devido à sua atividade

vaso sanguíneo. Nesse estudo, a

chamada Trombose Venosa Profunda

fibrinolítica (CHANG, et al., 2007).

uroquinase produzida pelo rim do

(TVP). Um trombolítico natural existe,

animal restaurou o fluxo sanguíneo

mas sua ação deve ser muito bem

A atividade fibrinolítica da

em 45% ao longo de 60 minutos. As

entendida, pois há diversos erros na

nattoquinase foi testada em cães,

doses testadas foram de 0,02, 0,04

literatura. O nome “trombolítico” não

utilizando um modelo experimental

e 0,12 McMol/kg e sua atividade foi

é seu efeito imediato como muitos

de trombose, realizando a infusão de

comparada às enzimas plasmina e

acreditam, sua ação é secundária (ou

fibrinogênio bovino e trombina nos

elastase, importantes no processo

mensageira), pois um trombolítico

animais. Observou-se o angiograma

fibrinolítico. A Nattoquinase

ativa o plasminogênio que sintetizará

do grupo experimental, onde quatro

também foi introduzida e causou

a plasmina. A plasmina possui a

cápsulas de nattoquinase, contendo

recuperação do fluxo sanguíneo

capacidade de degradar a fibrina,

250 mg, foram administradas por

(18, 42 e 62%) após 60 minutos.

o maior componente proteico do

via oral. Os exames foram obtidos

Quando a atividade molecular da

trombo.

antes da indução de trombo e

nattoquinase e plasmina foram

após 2,5 a 24 horas. No grupo de

comparadas, a nattoquinase foi 4

Discussão

controle, não havia sinal de quebra

vezes mais eficiente que a plasmina.

Como supracitado, a nattoquinase

(lise) 18 horas após a indução da

(Apud SUMI et al.,1990).

é uma enzima que tem ação

trombose. Por outro lado, os cães

fibrinolítica e “trombolítica” que

tratados com nattoquinase tiveram

Como mencionado acima, a

traz uma grande aplicabilidade para

restauração completa da circulação

nattoquinase previne a formação

10

Revista Analytica | Julho 2021

o tratamento de patologias clínicas.

Trata-se de uma protease alcalina

sanguínea em 5 horas (Apud SUMI

et al., 1990).

de trombose e atualmente é usada

como medicamento promotor da


saúde e prevenção de doenças

Quando a dose de nattoquinase

1000 mg/kg-dia, respectivamente.

circulatórias. Porém, no estudo

foi reduzida para um terço, o nível

O experimento feito com voluntários

relado por Chang e colaboradores

residual de fibrinogênio foi de

consumindo 10 mg/kg-dia por

(2007) uma paciente com amilóide

53%. Isto é uma quantidade maior

28 dias não apresentou sinais de

cerebral hereditária para prevenir

de fibrinogênio residual comparado

toxicidade (LAMPE et al., 2016).

um AVC, ingeriu aspirina e também

com o tratamento da plasmina

nattoquinase (400 mg por dia),

que foi de 33%. Esses resultados

Estudo feito por Wu e colaboradores

durante 7 dias consecutivos

sugerem que a nattoquinase pode

em 2020, utilizaram camundongos

e, como resultado houve o

ser mais segura que a plasmina

com edema auricular induzidos

surgimento de microangiopatia e

em um nível de dose apropriado

por Xylene (substância química

hemorragia cerebral intracerebral

(FUJITA, et al,1995)

bioacumulativa). Foram aplicadas

na paciente. Este estudo sugeriu

doses de nattoquinase, resultando

que a nattoquinase pode aumentar

A enzima nattoquinase extraída

a prevenção da doença nos

o risco de hemorragia intracerebral

do Bacillus subtilis var.natto, foi

camundongos e a minimização

em determinados casos (CHANG, et

avaliada quanto a sua toxicidade,

ou eficácia aos danos renais

al., 2007).

para isso, foram feitos vários

induzidos por LPS (lipolissacarídeo,

estudos compatíveis com as Boas

uma endotoxina) bloqueando a

Fujita e colaboradores verificaram

Práticas de Laboratório (BPL) em

inflamação e o estresse oxidativo.

a viabilidade de usar nattoquinase

ratos e seres humanos voluntários

A nattoquinase possui uma grande

terapeuticamente para fibrinólise.

com aprovação do Comitê de

capacidade

antinflamatória,

O processo dependeria da

Ética através do TCLE (Termo de

inibindo a atividade dos receptores

capacidade de digerir fibrina sem

Consentimento Livre Esclarecido).

TLR4 e NOX2 (presente nos

destruir o fibrinogênio. Valores para

A nattoquinase não apresentou

macrófagos RAW264.7) provocada

fibrinogênio plasmático residual

características mutagênicas ou

pela LPS, no entanto, supre a

após administração de uma dose

clastogênicas “in vitro” e não foram

translocação da NF-kB para o

de 0,12 McMol/kg de plasmina,

observados efeitos colaterais nos

núcleo, prevenindo a expressão de

elastase e nattoquinase foram de

33, 42 e 29%, respectivamente.

dias 28 e 90 do experimento com

ratos ministrando 167 mg/kg-dia e

mediadores pró-inflamatórios nos

macrófagos (WU et al., 2020).

Revista Analytica | Julho 2021

11


Artigo 1

Em 2020, Eslamifar e colaboradores

Esses fatores, consequentemente

doenças circulatórias. Porém, é

iniciariam uma pesquisa sobre a

induzem a expressão anormal de

necessária uma avaliação prévia do

proteína S de superfície do vírus

TF e o aumento desse vírus no

caso do paciente para orientá-lo

SARS-CoV-2, que causa a doença

corpo humano. Essa importante

acerca do uso dessa enzima, pois,

COVID-19 (um coronavírus).

pesquisa sobre o coronavírus que

a superdosagem pode gerar efeitos

Essa proteína “S”se liga ao seu

provoca esse desarranjo, como

colaterais, principalmente em

receptor, uma transmembrana

a

expressão e liberação de TF

hemofílicos, pois, a nattoquinase

alvo, denominado como enzima

em células supracitadas, podem

poderia pronunciar o distúrbio

conversora de angiotensina 2

desempenhar um papel crítico no

de coagulação associado a essa

(ACE2) que está presente em

desenvolvimento da coagulopatia.

patologia.

várias células, tais como, linfócitos,

Porém, não há até o momento,

células alveolares, monócitos,

estudos sobre dietas com a

Conclusão

macrófagos e plaquetas. Dessa

nattoquinase aos pacientes com

Conclui-se que notórios são os

forma, para que ocorra a ativação

COVID-19.

benefícios das propriedades

da coagulação, observando que

terapêuticas medicinais da

esta é realizada sob a forma de

A nattoquinase possui uma grande

nattoquinase em seres humanos.

um sistema em cascata e, iniciada

importância para a Saúde Humana.

Permite restaurar o fluxo sanguíneo

por hemostasia atrelada pelo

É uma enzima que como já citado,

de uma artéria ou veia, diminuindo

fator tecidual (TF – factor tissue).

produz efeitos “trombolíticos”

os riscos de morte ou lesões

Como um “machudado! tecidual

e fibrinolíticos. Esses efeitos

incuráveis, ocasionadas por uma

que precisa ser fechado, o fator TF

são extremamente importantes

enfermidade do sistema circulatório,

desempenha a ativação do sistema

para amenizar e tratar diversas

especificamente

relacionadas

de coagulação durante a infecção

patologias associadas aos sistemas:

à distúrbios de dissociação de

viral. Diversas infecções virais são

cardiovascular e pulmonar, além de

coagulação, como a formação de

causadas por inumeros fatores de

reduzir os efeitos graves de doenças

trombose, acidente vascular cerebral

coagulopatia, tais como as citocinas

como embolia pulmonar, trombose

(AVC), aterosclerose, hipertensão e

inflamatórias e a inativação de

e até pode até realizar a regulação da

embolia pulmonar e, recentemente,

TLRs que são receptores teciduais

pressão arterial. Ela pode prevenir

questiona-se sobre a ação sistêmica

12

Revista Analytica | Julho 2021

que reconhecem e defendem as

infecções, ou seja, não atuam

sobre esses específicos vírus.

tromboses profundas, aterosclerose

e varizes. Pode também agir como

um poderoso anticoagulante em

do vírus SARS-CoV-2, que está

causando a doença COVID-19, pois

há pesquisas e relatos que relacionam


que o vírus pode influenciar na

formação de pequenos coágulos

e trombose, evoluindo a doença

em pacientes em estado grave.

Dessa maneira, se faz necessária

a introdução de quantidade de

doses de nattoquinase na dieta,

como forma de terapia medicinal

em pacientes que apresentam as

patologias associadas relatadas

acima, além do acompanhamento

por especialistas e o incentivo aos

novos estudos sobre os efeitos

benéficos do B. subtillis natto,

no desenvolvimento de novos

medicamentos para o COVID-19,

em outros animais, vegetais e na

saúde humana e no meio ambiente.

Portanto, a nattoquinase pode ser

uma grande aliada como alimento

preventivo e funcional produzido

por uma “bactéria do bem” (o bacilo

Nattô) e mantenedora de um ciclo

de vida saudável.

Referências bibliográficas

CHANG, Y. Y.; LIU, J. S.; LAI, S. L., WU, H. S.; LAN, M.

Y. Cerebellar hemorrhage provoked by combined use

of nattokinase and aspirin in a patient with cerebral

microbleeds. Internal Medicine, 47(5), p.467-469. 2008.

Disponível em: < https://www.jstage.jst.go.jp/article/

internalmedicine/47/5/47_5_467/_pdf/-char/en>

ESLAMIFAR, Z.; BEHZADIFARD, M.; SOLEIMANI, M.;

BEHZADIFARD, S. Coagulation abnormalities in SARS-

CoV-2 infection: overexpression tissue factor. A review.

Thrombosis Journal 18:38 p.1-4. 2020. Disponível em:


FAO/WHO. Food and Agriculture Organization of the United

Nations and Word Health Organization. Human Vitamin

and Mineral Requirements. In: Food and Nutrition Division.

Bangkok, Thailand. 302p. 2002. Disponível em:

FUJITA, M., HONG, K., ITO, Y., FUJII, R., KARIYA, K.;

NISHIMURO, S. Efeito trombolítico da nattoquinase em um

modelo de trombose induzida quimicamente em ratos.

Biological and Pharmaceutical Bulletin, 18 (10), p.1387-

1391, 1995.

NAP – The National Academies Press. Dietary reference

intakes: the essential guide to nutrient requirements.

Editors: Jennifer J. Otten, Jennifer Pitzi Hellwig & Linda D.

Meyers. p. 1344. 2006. ISBN 978-0-309-10091-5. DOI

10.17226/11537

SILVA, M. E. C. & RODRIGUES, R.B. Bacillus subtilis uma

bactéria universal para o bem da biocenose? Palestra

proferida em áudio no III Encontro Nacional de Pós-Graduação

em doenças Tropicais e Infecciosas. Apoio: FMUSP, UNIFESP,

Fiocruz, UFG, Cevap, UFMS, UEA e FMP. 2020. Disponível em:


SUMI, H.; HAMADA, H.; NAKANISHI, K.; HIRATANI, H.

Enhancement of the fibrinolytic activity in plasma by oral

administration of nattokinases. Acta haematologica, 84(3),

p.139-143,1990.

LAMPE, B.J.; ENGLISH, J.C. Toxicological assessment of

nattokinase derived from Bacillus subtilis var. natto. Food

and Chemical Toxicology, v. 88, p. 87-99, 2016.

WU, H.; WANG, Y.; ZHANG, Y.; XU F.; CHEN, J.; DUAN, L.;

ZHANG. T.; WANG. J.; ZHANG. F. Breaking the vicious loop

between inflammation, oxidative stress and coagulation,

a novel anti-thrombus insight of nattokinase by inhibiting

LPS-induced inflammation and oxidative stress. Redox

biology, v.32. 2020. Disponível em:

Complemento Normativo - Artigo 1

Referente ao artigo 1

Disponibilizado por Analytica em parceria com Arena Técnica

A IMPORTÂNCIA DO BACILLUS SUBTILIS NATTO NA PRODUÇÃO DE UMA ENZIMA ESPECIAL COM

PROPRIEDADES MEDICINAIS: A NATTOQUINASE

ISO 18153

In vitro diagnostic medical devices — Measurement of quantities

in biological samples — Metrological

traceability of values for catalytic concentration of enzymes

assigned calibrators and control materials

Norma publicada em: 08/2003. / Status: Vigente.

Classificação 1: Sistemas de teste de diagnóstico in vitro

Classificação 2: Norma recomendada.

Artigo: A importância do Bacillus Subtilis natto na produção de uma enzima

especial com propriedades medicinais: a nattoquinase.

Entidade: ISO.

País de procedência/Região: Suiça.

https://www.iso.org/standard/31718.html

Revista Analytica | Julho 2021

13


Artigo 2

O QUE É MICOPLASMA?*

Por: Sartorius do Brasil

*Texto original publicado no Blog Science Snippets da Sartorius.

Disponível em Inglês na página: https://www.sartorius.com/

en/knowledge/science-snippets/what-is-mycoplasma-693938

Imagem Ilustrativa

Os micoplasmas são os menores

Eles são capazes de escapar das

Isso resultou nas espécies

organismos

autorreplicantes

defesas celulares do hospedeiro

micoplasma como sendo uma

atualmente conhecidos pela

para sobreviver dentro das células.

fonte difundida de contaminação

ciência. Comuns na natureza,

• Seu pequeno tamanho significa

de cultura de células, e os

eles são um grupo de bactérias

que não podem ser observados à

micoplasmas são um grande

simples caracterizadas pela falta

microscopia óptica e são capazes de

problema para a indústria

de uma parede celular e de um

passar por filtros antibacterianos;

biofarmacêutica.

pequeno genoma. Muitas espécies

• Muitos antibióticos comuns usados

de Micoplasma são encontradas

para proteger contra contaminantes

Efeitos da contaminação por

no trato respiratório de animais,

bacterianos durante a cultura de

micoplasma

onde foram associadas a doenças

células são ineficazes devido à falta

Devido à sua incapacidade

- por exemplo, a Mycoplasma

de parede celular na bactéria;

de produzir várias moléculas

pneumoniae é uma das principais

• Nem a presença da bactéria

essenciais para a vida, as espécies

causas de infecções respiratórias

contaminante ou as alterações

de micoplasma devem viver

em humanos. Assim como as

morfológicas consequentes da

como parasitas dentro das células

infecções clínicas, os micoplasmas

célula podem ser facilmente

hospedeiras para se replicar. As

são contaminantes frequentes das

identificadas visualmente usando

bactérias são capazes de invadir

culturas de células de mamíferos

microscópios de luz, tornando a

células de mamíferos para obter

14

Revista Analytica | Julho 2021

por uma infinidade de razões.

contaminação difícil de detectar.

acesso a precursores biossintéticos


e outros nutrientes. Este processo

padrão ouro atual. No entanto, várias

de teste (micoplasmastase)

pode alterar drasticamente o

autoridades, incluindo a Agência

e isso envolve aumentar o

metabolismo da célula hospedeira.

Europeia de Medicamentos (EMA)

material de teste com níveis

Além disso, células contaminadas

e a Administração de Alimentos e

baixos de micoplasmas, como M.

podem apresentar alterações

Medicamentos dos Estados Unidos

pneumoniae ou Mycoplasma orale,

cromossômicas induzidas e

(FDA), também permitem métodos

e demonstrar recuperação.

variação na expressão gênica.

baseados em tecnologias baseadas

Essas mudanças podem reduzir

em ácido nucléico (baseados em

Método ágar e caldo

drasticamente o rendimento e

NAT), como PCR, após validação

O método de cultura direta permite a

comprometer a segurança dos

apropriada do ensaio.

detecção de uma grande variedade

produtos biofarmacêuticos.

de espécies de Micoplasma. O

A Sartorius oferece uma variedade

material de teste é usado para

Testagem para micoplasmas

de testes para a detecção de

inocular diretamente ágar e

Os regulamentos de segurança

micoplasmas e pode fornecer

caldo projetado especificamente

exigem a demonstração da ausência

orientação aos clientes sobre qual

para apoiar o crescimento de

de níveis detectáveis de micoplasmas

teste é mais adequado para seu

micoplasmas. As placas de ágar

no produto por meio de testes

material de teste.

são incubadas durante 14 dias. As

obrigatórios. Terceirizar esse teste

culturas de caldo são cultivadas

pode garantir que ele seja executado

A qualificação de ensaios de

durante 21 dias, com subculturas

de acordo com as especificações

detecção de micoplasma validados

tomadas para inocular mais placas

estabelecidas pelos padrões

deve ser realizada na presença de

de ágar. Essas placas são então

regulatórios. Muitas das diretrizes

material de teste antes do teste.

observadas

microscopicamente

descrevem o uso do método de

Isso é para detectar qualquer

quanto à presença de colônias de

ágar e caldo e o teste de cultura de

inibição do crescimento de

Micoplasma. Controles positivos

células indicadoras in vitro como o

micoplasma causada pelo material

de duas espécies de micoplasma

Revista Analytica | Julho 2021

15


Artigo 2

também são inoculados durante

ensaio, espécies não cultiváveis

e indiretos tradicionais de detecção

o teste. A espécie exata usada

que dependem de células de

de micoplasma. O benefício desses

depende do tipo de amostra que

mamíferos para o crescimento

métodos é o tempo de teste rápido,

está sendo testada.

podem ser detectadas.

permitindo uma tomada de decisão

mais veloz e uma quarentena mais

Cultura de células indicadoras

A combinação das abordagens direta

rápida do material contaminado

in vitro

e indireta permite a identificação

durante a fabricação de biofármacos.

Para o método de cultura de células

de uma ampla gama de espécies

Para que os ensaios sejam

indicadoras indiretas, células Vero

de micoplasma. O benefício desses

validados, eles devem primeiro ser

ou outra linha celular apropriada

métodos combinados é que,

comparáveis ou melhores do que

são inoculadas com o material de

devido à presença de um período

os testes tradicionais e fornecer

teste e incubadas por três dias.

de incubação, os micoplasmas

ampla detecção de espécies de

As células são posteriormente

podem se replicar, aumentando

micoplasma.

fixadas e coradas com corante de

a sensibilidade do ensaio. No

fluorescência que pode se ligar ao

entanto, este período de incubação

A Sartorius fornece um ensaio de

DNA, como a coloração Hoechst

também prolonga o período de

PCR em tempo real totalmente

ou

4'6-diamidino-2-fenilindol

teste, atrasando o tempo em que

validado e qualificado para a

(DAPI). As células podem então

qualquer contaminação pode ser

detecção de micoplasmas, que está

ser observadas sob microscopia de

confirmada.

em conformidade com a seção 2.6.7

fluorescência. Os contaminantes

da Farmacopeia Europeia. Para este

do Micoplasma são identificados

PCR rápido para micoplasma

ensaio, o ácido nucleico é extraído

por seu agrupamento extranuclear

Várias autoridades, incluindo a EMA

de quaisquer células de micoplasma

característico ou padrões de

e a FDA, aceitam testes alternativos

presentes na amostra, tanto de

coloração filamentosos dentro

baseados em NAT como um

organismos livres quanto de células

16

Revista Analytica | Julho 2021

das células. Através deste

substituto para os métodos diretos

hospedeiras. Após a extração e


purificação, o DNA é submetido a

PCR em tempo real para identificar e

quantificar baixos níveis de sequências

alvo específicas para Micoplasma. O

material de teste enriquecido com

Controle Positivo Discriminatório de

Micoplasma também é executado no

ensaio Sartorius Stedim BioOutsource.

É usado para identificar qualquer

inibição causada pela amostra na

detecção de micoplasma.

Conclusão

O teste de micoplasmas é

essencial para garantir a

segurança e a eficiência da

fabricação de biofármacos e

a detecção e quarentena de

material contaminado para evitar

a disseminação do organismo

dentro das instalações de

produção. Podemos fornecer

testes usando o método direto e

indireto e um PCR em tempo real

totalmente validado para teste

rápido de material de teste. Os

testes seguem as especificações

estabelecidas por vários órgãos

reguladores, incluindo a EMA e a

FDA, fornecendo a documentação

necessária para o lançamento de

biofármacos no mercado.

Complemento Normativo - Artigo 2

Referente ao artigo 2

Disponibilizado por Analytica em parceria com Arena Técnica

O que é Micoplasma?

ISO/TS 16782

Clinical laboratory testing — Criteria for acceptable lots of

dehydrated Mueller-Hinton agar and broth for antimicrobial

susceptibility testing

Norma publicada em: 10/2016. / Status: Vigente.

Classificação 1: Avaliação biológica de dispositivos médicos

Classificação 2: Norma recomendada.

Artigo: O que é Micoplasma?

Entidade: ISO.

País de procedência/Região: Suiça.

https://www.iso.org/standard/72141.html

DIN EN ISO 20776-1

Susceptibility testing of infectious agents and evaluation of

performance of antimicrobial susceptibility test devices - Part

1: Broth micro-dilution reference method for testing the in

vitro activity of antimicrobial agents against rapidly growing

aerobic bacteria involved in infectious diseases

Norma publicada em: 12/2020. / Status: Vigente.

Classificação 1: Norma recomendada.

Artigo: O que é Micoplasma?

Entidade: DIN.

País de procedência/Região: Alemanha.

https://www.beuth.de/en/standard/din-en-iso-20776-1/327027052

ISO 16256

Clinical laboratory testing and in vitro diagnostic test systems -

Reference method for testing the in vitro activity of antimicrobial

agents against yeast fungi involved in infectious diseases

Norma publicada em: 12/2012. / Status: Vigente.

Classificação 1: Sistemas de teste de diagnóstico in vitro

Classificação 2: Norma recomendada.

Artigo: O que é Micoplasma?

Entidade: ISO.

País de procedência/Região: Suiça.

https://www.iso.org/standard/56027.html

DIN EN ISO 20776-2

Clinical laboratory testing and in vitro diagnostic test systems

- Susceptibility testing of infectious agents and evaluation

of performance of antimicrobial susceptibility test - Part 2:

Evaluation of performance of antimicrobial susceptibility test

devices against reference broth micro-dilution

Norma em desenvolvimento em: 05/2021. / Status: Vigente.

Classificação 1: Norma recomendada.

Artigo: O que é Micoplasma?

Entidade: DIN.

País de procedência/Região: Alemanha.

https://www.beuth.de/en/draft-standard/din-en-iso-20776-2/337580388

Revista Analytica | Julho 2021

17


Espectrometria de Massa

O DEFEITO DE MASSA

NA ESPECTROMETRIA DE MASSAS

Por Oscar Vega Bustillos*

Em aritmética, a soma é definida

(massa do nêutron), mais duas

Quem descobriu esta esplendida

como o resultado que se obtém

vezes o número 0,000548 (massa

dedução atómica foi nada menos

quando é adicionado dois ou mais

do elétron), o resultado da soma

que Albert Einstein em 1905 em

números. Porém, na espectrometria

será 4,032978 u. Diferente da massa

seu esplendido trabalho sobre a

de massas a soma não funciona

analisada pelo espectrômetro

relatividade [1].

assim. A soma de todas as massas das

de massas, sendo a diferença

partículas fundamentais (próton,

de 0,030375 u. Esta diferença é

A energia de ligação é o

nêutron e elétron) separadamente,

chamada na física de defeito de

equivalente de energia do defeito

não corresponde á massa do átomo

massas nuclear. A natureza utiliza

de massa de acordo com a teoria

formado (Figura 1). Por exemplo,

esta diferença de massa para unir

de equivalência de energia de

a massa do átomo do Hélio,

os núcleons na formação do átomo

massa de Einstein. A energia de

analisada por um espectrômetro

de Hélio. Este defeito de massa

ligação nuclear é a fonte de energia

de massas de alta resolução é

é denominado na física nuclear

do sol e de usinas nucleares.

igual a 4,002603 u. (unidades

como energia de ligação, isto é,

A equação da Física Moderna

de massa atômica). Adicionando

a natureza utiliza um pedaço de

E=mc2 encontrada na “Teoria da

as massas de dois prótons, dois

massa dos núcleons para convertê-

Relatividade”, foi desenvolvida

nêutrons e dois elétrons, podemos

la em energia de união ou ligação

pelo físico alemão Albert Einstein.

formar um átomo de Hélio (42He).

do núcleo coeso e sem repulsão

Esta equação determina a relação

Adicionando duas vezes o número

ou separação. Este fenômeno

da transformação da massa de um

18

Revista Analytica | Julho 2021

1,007276 (massa do próton), mais

duas vezes o número 1,008665

é explorado poeticamente por

muitos admiradores da natureza.

objeto em energia e vice-versa,

onde "E" representa a energia, "m"


Espectrometria de Massa

a massa e "c" a velocidade da luz,

considerada a única constante do

Universo. Sabendo que a velocidade

da luz é de aproximadamente

300.000 km/s, a Teoria da

Relatividade pressupõe que, caso

uma massa conseguisse superar a

Fonte: http://vegascience.blogspot.com

Figura 1: A soma de todas as massas das partículas

fundamentais, (dois prótons, dois nêutrons e dois elétrons)

separadamente, é de 4,032978 u. Mas, não corresponde

á massa do átomo de Hélio formado (4₂He) de 4,002603

u. Esta diferença é denominada “defeito de massa” e

corresponde á energia de ligação no núcleo atômico

definida pela equação E = m c2.

Fonte: J. Am. Soc. Mass Spectrom. (2017) 28:1836-1843

Figura 3: Defeito de massa Kendrick versus massa nominal

Kendrick para cerca de 1000 picos de íons de massa ímpar

de um ESI/FT-ICR espectro de massas de uma amostra de

petróleo bruto.

velocidade da luz, ela ultrapassaria

a barreira da quarta dimensão

tempo-espaço. A Figura 2 apresenta

a energia de ligação dos núcleons

em função da massa dos isótopos

Fonte: J. Am. Soc. Mass Spectrom. (2017) 28:1836-1843

Figura 2: Energia de ligação dos núcleons em função da

massa dos isótopos mais abundantes. O máximo é da massa

56 correspondente ao átomo de Ferro.

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/

pii/S2468170917301169

Figura 4: Análise da fenetilamina via GC-TOFMS. Os dados

de massas foram usados para desenvolver filtros do defeito de

massa Kendrick com base no íon molecular e perdas neutras

observadas em 2C-fenetilaminas.

mais abundantes. Iniciando com o

Hidrogênio e passando para átomos

mais pesados, observamos que

O conceito de defeito de massa

Defeito de massa na química,

a energia de ligação por núcleon

aumenta e atinge um máximo

em torno de 56, o número de

massa do Ferro. Além do Ferro, a

nuclear e a energia de ligação

surgem no início do século 20,

logo após que os pesos atômicos

definida como a diferença entre a

massa monoisotópica e a massa

nominal, medido por meio de um

espectro de massa de uma amostra

energia de ligação por núcleon

foram determinados com precisão

complexa, tornou-se um critério

diminui gradualmente. Portanto,

os núcleons de massa média são os

mais estáveis. Assim, o Ferro tem a

maior energia de ligação sendo o

núcleo mais estável.

por métodos químicos. Os desvios

das massas atômicas dos números

inteiros foram investigados por

espectrometria de massas.

útil para classificar e identificar os

compostos de interesse entre muitos

picos de íons não relacionados. Isto

foi utilizado pela primeira vez para

visualizar e identificar diferentes

Revista Analytica | Julho 2021

19


Espectrometria de Massa

classes de compostos em amostras

de petróleo e, posteriormente,

aplicações encontradas em estudos

de metabolismo e farmacocinética

de drogas com a identificação de

compostos endógenos em amostras

biológicas complexas [2].

Os defeitos de massa nuclear e

química são ambos causados pela

força nuclear forte. No entanto,

apesar de sua origem comum

e relacionamento próximo, são

conceitos diferentes. O defeito

de massa na física nuclear é um

parâmetro absoluto, enquanto o

defeito de massa na química é um

valor relativo. Defeito de massa

nuclear e energia de ligação são

propriedades intrínsecas com

valores fixos para um certo átomo.

Por outro lado, o defeito da massa

química não é um defeito de valor

e depende da escala de massa.

Defeito de massa nuclear reflete

uma propriedade física, enquanto

o defeito da massa química é uma

convenção em que o carbono tem

defeito de massa igual a zero.

Considerando as diferenças entre

os defeitos de massa nuclear e

defeitos de massa química, propõese

para se referir a este último como

excesso de massa. Isso eliminará a

confusão em torno do uso do termo

defeito de massa, especialmente

entre diferentes disciplinas e irá

harmonizar as terminologias

utilizadas em física nuclear e

espectrometria de massa.

Referindo-se ao defeito de massa

nuclear e química simplesmente

como defeito em massa pode

causar alguma confusão semântica,

especialmente quando discutido

entre um público mais amplo de

diferentes disciplinas. Por exemplo,

o defeito da massa nuclear para

o carbono-12 (12C) é 0,1 u. que

quando convertida em energia é

igual à energia de ligação do núcleo

(prótons e nêutrons no núcleo) de

7,7 Mega-elétrons Volts (MeV) para

um átomo de carbono. Por outro

lado, 12C com a massa atômica

de 12,0000 u. (selecionado como

um valor inteiro, por convenção,

para definir a escala de unidade

de massa atômica) tem um defeito

de massa química de zero quando

tratada pela análise espectral de

massa e isso pode ser incorreto se

for interpretado como o equivalente

à energia de ligação zero para o

carbono.

Enquanto defeito de massa nuclear

reflete uma propriedade física, o

20

Revista Analytica | Julho 2021


Espectrometria de Massa

defeito de massa química não é e

se baseai em uma convenção de

que o carbono tem um defeito de

massa de zero. Propõe-se que se

refira ao defeito de massa química

como excesso de massa, a fim de

eliminar a confusão em torno do

uso do termo defeito de massa.

Por que as massas atômicas não

são números inteiros? A missão de

responder a esta pergunta e avaliar

a divergência nas massas atômicas

de números inteiros levaram ao

conceito nuclear de defeito de massa

e energia de ligação. Mais tarde,

na química, o defeito de massa

desempenhou um papel importante

na análise espectral de massas.

A massa de Kendrick é usada

para auxiliar na identificação de

moléculas de estrutura química

semelhante a partir de picos em

espectros de massa. O método

de determinação da massa foi

sugerido em 1963 pelo químico

Edward Kendrick. A massa de

Kendrick é obtida multiplicando

a massa medida por um fator

numérico (Figura 3). Para sistemas

de hidrocarbonetos, é utilizada

uma conversão simples entre

a massa exata de uma unidade

de metileno (CH2) para a massa

nominal de CH2. Todos os valores

m/z são multiplicados pela razão

14,0000/14,01565, simplificando

ainda mais a exibição e fazendo

padrões de pico retilíneos

aparentes para compostos do

mesmo tipo, mas com diferentes

comprimentos de cadeia no

mesmo eixo vertical [3]. A Figura 4

apresenta análise da fenetilamina,

conhecida como "hormônio da

paixão", via GC-TOFMS. Os dados

de massas foram usados para

desenvolver filtros do defeito

de massa Kendrick com base no

íon molecular e perdas neutras

observadas em 2C-fenetilaminas.

Referências bibliográficas

1 W. Isaacson. “Einstein”. Ed. Companhia Das

Letras. 2008.

2 S. Pourshahian. “Mass defect from nuclear

physic to mass spectral analysis”. J. Am. Soc.

Mass Spectrom. 28: 1836. 2017.

3 L. Sleno. “The use of mass defect in modern

mass spectrometry”. J. Mass Spectrom. 47,

226. 2012.

Oscar Vega Bustillos

Pesquisador do Centro de Química e Meio Ambiente CQMA do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN/CNEN-SP

Tel.: 55 11 2810 5656 - E-mail: ovega@ipen.br - Site: www.vegascience.blogspot.com.br

Revista Analytica | Julho 2021

21


Logística Laboratorial

CERTIFICADO DE BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO

E DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

PRIME STORAGE RECEBE CERTIFICADO

DE BOAS PRÁTICAS DA ANVISA

(11) 4280-9110

www.primestorage.com.br

22

Revista Analytica | Julho 2021

A Prime Storage, é uma empresa de armazenamento

de carga, fundada em 06

de janeiro de 2011, especializada em armazenar

produtos para a área da saúde,

contamos hoje com estrutura adequada

e disponível para a pronta utilização, uma

equipe de profissionais capacitados, que

nos permite o pronto atendimento das

necessidades de nossos clientes, se compromete

a garantir as boas práticas da

ANVISA em todos os processos de armazenagem

e distribuição.

A Prime Storage, procura melhorar

continuamente o serviço prestado de

armazenagem de produtos para saúde,

tal como os seus processos e métodos

de controle com o objetivo de corresponder

e antecipar-se às exigências de

qualidade dos seus clientes, os requisitos

estatutários e regulamentares.

Recentemente a Prime Storage obteve

junto a ANVISA a certificação de Boas

práticas de Armazenagem e Distribuição

de produtos para a saúde.

A CBPDA – Certificado de Boas Práticas

de Armazenamento e Distribuição

é um conjunto de procedimentos

obrigatórios criados para garantir

padrões de qualidade, integridade e

segurança dos produtos nos processos

de armazenagem, transporte e

comercialização.

O conceito de boas práticas tem

como pilar o treinamento e capacitação

das equipes, rastreabilidade

de produtos e processos, medição e

monitoramento, além de auditorias e

autoinspeções.

É fundamental cumprir as boas práticas

da ANVISA não somente por estar

cumprindo com a legislação vigente

más também para garantir a qualidade

dos produtos para consumo.

O grande desafio das Boas Práticas é a

manutenção e controle de seus requisitos

devido aos inúmeros processos envolvidos

no armazenamento ou na distribuição dos

produtos, contando com diversas variáveis

envolvidas nos procedimentos.

Implementar corretamente as Boas

Práticas de Armazenagem e manter

o nível de qualidade dos serviços é

um desafio diário.

Tâmisa Barbosa de Lima

Farmacêutica/Coordenadora de Qualidade


ÁGUAS PARA LABORATÓRIO E INDÚSTRIA

Tecnologias Químicas

Responsáveis pelo Projeto: Gerciano Teixeira da Cruz, Maria José Ulian, Rui Peruzzo, Sergio Ricardo Pinto dos Santos.

Orientadores: Marcos Roberto Ruiz e Paulo Roberto da Silva Ribeiro.

Podemos tomar água pura?

Quanto aos laboratórios, a

A destilada é obtida pelo

Quimicamente a resposta é não,

pois, a água pura é isenta de todos

os cátions e ânions, popularmente

os minerais, nesta condição a água,

caso for ingerida com frequência,

vai provocar uma desmineralização

através do processo osmótico

ocasionando uma série de doenças.

A água que deve ser ingerida por

todos, chama-se potável e possui

características que constam na

Portaria n° 2.914 do Ministério da

Saúde.

água tem grande importância e

utilização, como no preparo de

soluções, de padrões, lavagem

de vidrarias, tampões, meio de

cultura, enfim são inúmeras as

aplicações. Devido a sua aplicação

específica para cada processo

no laboratório, fatores analíticos

devem ser monitorados. As águas

mais presentes nos laboratórios

são a destilada, deionizada e a

ultrapurificada.

aquecimento até a ebulição e na

sequência a condensação, essa

operação remove grande parte dos

contaminantes, em especial cloretos

e carbonatos, para isso utiliza-se os

destiladores, entretanto, nessa água

alguns íons continuam presentes.

A água deionizada muito utilizada

nas análises de absorção atômica, ICP,

cromatografia líquida, é produzida no

deionizadores que possuem colunas

(resinas de troca iônica) carregadas

Revista Analytica | Julho 2021

23


Tecnologias Químicas

com cargas elétricas que atraem os

íons presentes na água, essa água

possui condutividade elétrica menor

que a destilada, o que é importante

para as análises nos equipamentos

citados. A ultrapurificada é

produzida nos ultrapurificadores que

são um conjunto de equipamentos

com funções individualizadas, como

deionizador, ultrafiltração, osmose

reversa, luz ultravioleta, entre

outros que variam de acordo com o

fabricante, nessa água são removidos

compostos orgânicos, inorgânicos,

material dissolvido e particulado.

São muitas pesquisas para redução

de consumo de água em várias

atividades, principalmente a

industrial que é a segunda que

mais consome água, um exemplo

são as usinas de etanol e açúcar,

para produzir um litro de etanol

são consumidos 25 litros de água,

que em geral são reaproveitadas

no processo. Entretanto, 3 litros são

denominados de flegmaça que não

é reutilizada.

Em 2020 um grupo de alunos*

desenvolveu uma sequencia de

operações para transformar a

flegmaça em água deionizada. Essa

água já tratada pode ser utilizada

para gerar o vapor nas caldeiras, e

assim entra no ciclo para a produção

de açúcar e etanol novamente,

reduzindo custos para a usina e

contribuindo com o meio ambiente.

Também de forma alternativa, essa

água pode ser distribuída como

água deionizada para laboratórios

de escolas, universidades e centros

de pesquisas, que já adquirem esse

produto muitas vezes por falta de

deionizadores.

Para a produção da água deionizada,

a flegmaça foi conduzida ao

laboratório, onde foram realizadas

as análises físico-químicas, pH,

condutividade, temperatura, cor,

teor alcoólico, dureza e sílica,

estes parâmetros são importantes

para caracterização da amostra.

Na sequência a flegmaça foi

encaminhada para uma operação

de filtração com carvão ativado

para remoção de odores e alguns

contaminantes.

E após a filtração, a água foi

conduzida para um deionizador com

resinas de troca iônica para obtenção

da água deionizada, importante

registrar que a flegmaça não saturou

a resina, que após a deionização

foi testada sua eficiência, em um

processo industrial será necessário

um deionizador compatível com o

volume de produção.

Também é interessante implantar

um sistema de destilação para

remoção de grande quantidade

de íons e contaminantes e na

sequencia a deionização da

flegmaça, garantindo assim, maior

vida útil da resina. No caso das

usinas é possível utilizar para a

operação de destilação, a energia

gerada pela combustão do bagaço,

neste caso o ciclo produtivo fica

bem evidenciado.

24

Revista Analytica | Julho 2021


Metrologia

CONTRIBUIÇÕES DA TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA PARA

A AGENDA 2030 DA ONU: OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO

SUSTENTÁVEL FOME ZERO E AGRICULTURA SUSTENTÁVEL

(ODS 2), IGUALDADE DE GÊNERO (ODS 5) E ÁGUA POTÁVEL E

SANEAMENTO BÁSICO (ODS 6)

Por Luciana e Sá Alves.

Introdução

Este artigo é o quarto artigo de um

série que vai tratar do potencial

de integração entre as funções de

Tecnologia Industrial Básica (TIB)

e o atendimento aos Objetivos

de Desenvolvimento Sustentável

(ODS), a partir das discussões

presentes nas publicações “O papel

da Metrologia no Contexto dos

Objetivos de Desenvolvimento

Sustentável” [1] e “Reiniciando a

Infraestrutura da Qualidade para um

Futuro Sustentável” [2]. O primeiro

artigo, intitulado “Tecnologia

Industrial Básica e os Objetivos

de Desenvolvimento Sustentável”,

apresentou a definição de TIB e sua

importância para o setor produtivo,

a Agenda 2030 da ONU, os ODS e as

publicações de referência. A partir do

segundo artigo, o título de todos os

artigos seguiu um modelo de manter

o mesmo texto e modificar somente

o subtítulo, adequando aos nomes

dos ODS que serão discutidos e

relacionados à TIB. O segundo artigo

tratou dos ODS 1 - Erradicação da

Pobreza e 3 - Saúde e Bem-Estar. O

terceiro artigo discutiu a relação de

TIB com os ODS 7 - Energia Limpa

e Acessível, 9 - Indústria, Inovação

e Infraestrutura e 13 – Mudanças

Climáticas. A relação desses cinco

ODS e a TIB foi estabelecida na

publicação “O papel da Metrologia

no Contexto dos Objetivos de

Desenvolvimento Sustentável” [1],

produzida em conjunto pela UNIDO,

pelo BIPM e pela OIML. Este quarto

artigo inicia a apresentação das

relações entre ODS e TIB abordadas

no documento “Reiniciando a

Infraestrutura da Qualidade para um

Futuro Sustentável” , publicado em

dezembro de 2019 pela UNIDO [2]

. Este documento discute de 12 dos

17 ODS existentes na Agenda 2030

(ODS 1,2,3,5,6,7,8,9,12,13,14,15),

mas os artigos apresentarão

somente aqueles ODS que não foram

discutidos no primeiro documento de

referência [1]. Neste quarto artigo,

os ODS abordados serão ODS 2 –

Fome Zero e Agricultura Sustentável,

ODS 5 – Igualdade de Gênero e ODS

6 – Água Potável e Saneamento.

Os objetivos da série de artigos são

apresentar as relações discutidas nos

documentos de referência, agregar

explicações sobre os termos utilizados

e, também, sobre a infraestrutura da

qualidade no Brasil.

Revista Analytica | Julho 2021

25


Metrologia

26

Revista Analytica | Julho 2021

Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 2 – Fome Zero e

Agricultura Sustentável

As oito metas do ODS 2 foram

estabelecidas com o propósito

de acabar com a fome, alcançar

segurança alimentar e melhoria da

nutrição e promover a agricultura

sustentável. Alguns resultados

esperados são [3]:

• O fim da fome e da desnutrição;

• A garantia de sistemas sustentáveis

de produção de alimentos;

• A implementação de práticas

agrícolas resilientes que aumentam

a produtividade e a produção,

ajudando a manter ecossistemas

e a fortalecer a capacidade para

adaptação às mudanças climáticas;

• A duplicação da produtividade

agrícola e dos rendimentos dos

pequenos produtores de alimentos;

• A correção e a prevenção de

restrições comerciais e distorções na

agricultura mundial.

Estes dois últimos resultados

esperados com o atendimento ao

ODS 2 têm relações estreitas com

algumas funções de TIB.

Para dobrar os rendimentos dos

pequenos produtores, o controle

metrológico legal de balanças e dos

produtos pré-medidos assegura as

trocas comerciais justas e corretas,

tanto no pagamento dos produtores

como na venda dos produtos

processados.

Um dos mecanismos para evitar

as restrições comerciais é o

estabelecimento de Acordos

de Reconhecimento Mútuo

que permitem a utilização

dos resultados de ensaios e

calibrações e de certificados para

sistemas de gestão e produtos.

A competência da entidade que

fornece os resultados ou emite

os certificados é reconhecida de

forma independente por meio

do processo de Acreditação,

gerenciado, no Brasil, pela

Coordenação Geral de

Acreditação (Cgcre) que faz parte

da estrutura organizacional do

Instituto Nacional de Metrologia,

Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

A Cgcre mantém sete acordos de

reconhecimento (International

Laboratory Accreditation

Cooperation – ILAC; Interamerican

Accreditation Cooperation –

IAAC; International Accreditation

Forum – IAF; American Aerospace

Quality Group – AAQG; Program

for the Endorsement of Forest

Certification Schemes – PEFC;

The Global Partnership for Good

Agricultural Practice – Globalgap;

Environmental Protection Agency

– EPA) [4] e os resultados obtidos

em laboratórios que compõem as

Redes Brasileiras Calibração (RBC)

[5] e de Laboratórios de Ensaio

(RBLE) [6], dentro dos escopos

dos acordos acima listados,

eliminam a necessidade de reensaio

de materiais e de produtos

nos países importadores.

Para atestar a concentração de

determinadas substâncias em

produtos de origem agrícola, é

necessário ter os padrões para estas

concentrações, ou seja, materiais

que tem a concentração conhecida.

Esses materiais são chamados de

Materiais de Referência Certificados

(MRC), considerados os padrões

metrológicos em análises químicas.

Alguns MRC relacionados à produção

agrícola são: 8741 Suco de Laranja,

8828 Compostos da Cachaça;

8848 Etanol em água; 8507

Carbamato de Etila (Cachaça); 8829

Clorofenicol em leite em pó (origem

em medicamentos veterinários

administrados ao rebanho); 8363

HPA Hidrocarbonetos Aromáticos

Policíclicos (poluentes orgânicos

persistentes no ambiente com

origem em pesticidas). [7]


Metrologia

A Normalização, uma outra função

de TIB, é relacionada à alimentação

por meio do comitê técnico 34

da International Organization for

Standardization (ISO TC-34). O

comitê é formado por 16 subcomitês

e nove grupos de trabalho, e discute

temas como frutas, vegetais e

produtos derivados; gorduras e

óleos animais e vegetais; cacau;

café; responsabilidade social e

sustentabilidade. 903 padrões ISO

já foram publicados e 101 padrões

estão em desenvolvimento. [8] A

Associação Brasileira de Normas

Técnicas (ABNT) tem uma comissão

espelho do grupo de trabalho ISO/

TC 34/WG 16 Animal welfare que se

chama ABNT/CEE-228 - Comissão

de Estudo Especial de Bem-Estar

Animal. [9]

Em relação à Infraestrutura

da Qualidade, o documento

de referência [2] menciona a

necessidade de considerar as

diferenças de gênero em relação

aos padrões e à padronização. O

documento traz dois exemplos:

• Os testes de colisão com manequins

que reproduzem a anatomia de

homens e desconsideram a anatomia

de mulheres e de mulheres grávidas.

Esses testes vão determinar a altura

de instalação do cinto de segurança

nos carros;

• Padrões para configurações de

ar-condicionado em escritórios são

baseados na taxa metabólica de

repouso de um homem de 40 anos,

superestimando, em média de 20 a

30%, a taxa metabólica de mulheres.

pessoas são obrigadas a beber

água contaminada, resultando

em uma criança morrendo a cada

minuto de cada hora de cada dia;

4,5 bilhões de pessoas carecem de

saneamento; cerca de 2,5 bilhões

de pessoas, 36% da população

mundial, vive em regiões com

escassez de água, onde mais de

20% do PIB global é produzido; a

falta de água potável, saneamento

e serviços de higiene são

importantes fatores de risco para

doenças infecciosas. O documento

faz duas projeções muito graves

para o futuro, que:

• Em 2050, mais da metade da

população do mundo e cerca de

metade da produção global de grãos

estará em risco devido a estresse

hídrico; e

Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 5 – Igualdade de

Gênero

Por meio de nove metas, o ODS 5

pretende que o mundo alcance a

igualdade de gênero e empodere

todas as mulheres e meninas, criando

uma sociedade mais equitativa e

produtiva. [10] Nessa perspectiva,

este ODS tem uma forte interação

com o ODS 1- Redução da pobreza

e o ODS 8 – Trabalho decente e

crescimento econômico.

Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 6 – Água Potável e

Saneamento

Assegurar a disponibilidade e

a gestão sustentável da água e

saneamento para todas e todos por

meio do atendimento a seis metas é

a descrição deste ODS. [11]

O documento de referência [2]

descreve o contexto mundial

relativo à água com dados de

que mais de dois bilhões de

• A escassez intensa de água pode

deslocar 700 milhões de pessoas até

2030.

A análise da água em laboratórios

acreditados e a disponibilização de

materiais de referência certificados

para contaminantes, como os HPA

mencionado na discussão sobre

o ODS 2, são contribuições que

a infraestrutura da qualidade

pode oferecer para monitorar a

qualidade da água.

Revista Analytica | Julho 2021

27


Metrologia

No Brasil, os hidrômetros, medidores

de água, são instrumentos sujeitos

a procedimentos de metrologia

legal. As Portarias Inmetro

246/2000, 012/2011 e 436/2011

são aplicadas a hidrômetros para

água fria, de vazão nominal até

quinze metros cúbicos por hora.

[12] A Avaliação da Conformidade

atua na Certificação compulsória

de equipamentos para consumo de

água (Portaria Inmetro n.º 344 de

22/07/2014) e há um Regulamento

Técnico para reservatório de água

potável (Portaria Inmetro n.º 224

de 27/07/2009) [13] A ABNT, em

uma notícia sobre o Dia Mundial da

Água, listou um comitê brasileiro

e quatro comissões de estudo que

estão envolvidos no tema. São eles:

ABNT/CB 038 – Gestão Ambiental;

ABNT/CEE 065 – Recursos

Hídricos; ABNT/CEE 106 – Análises

Ecotoxicológicos; ABNT/CEE 166 –

Serviços de Abastecimento de Água

e de Esgotamento Sanitário; ABNT/

CEE 177 – Saneamento Básico. [14]

Conclusão

Este artigo apresentou os três

primeiros ODS que são discutidos

no documento “Reiniciando a

Infraestrutura da Qualidade para

um Futuro Sustentável” [2] – ODS

2,5 e 6. Há outros quatro ODS que

o documento discute e que ainda

não foram apresentados em outros

artigos desta série. Quatro funções

de Tecnologia Industrial Básica

contribuem para os temas dos ODS

2,5 e 6 – Metrologia , Avaliação da

Conformidade, Regulamentação

Técnica e Normalização. As

instituições que compõem a

Infraestrutura da Qualidade do Brasil

e que atuam nestes temas são o

Inmetro, a Cgcre e a ABNT.

Bibliografia

[1] UNIDO. BIPM. OIML. The Role of Metrology in the

Context of the 2030 Susteinable Development Goals.

Disponível em

[2] UNIDO. Rebooting Quality Infrastructure for a Sustainable

Future. Disponível em

[3] NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 2. Disponível em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/2

[4] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E

TECNOLOGIA (INMETRO).

Assuntos. Acreditação Sobre a área. Disponível em

[5] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E

TECNOLOGIA (INMETRO). Rede Brasileira de Calibração – RBC.

Disponível em

[6] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E

TECNOLOGIA (INMETRO). Laboratórios de Ensaio Acreditados

(Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio – RBLE). Disponível em


[7] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E

TECNOLOGIA (INMETRO).

Serviço de Certificação de Material de Referência. Disponível em

[8] INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION

(ISO). Techinical Committees ISO/TC 34 Food products. Disponível

em

[9] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT).

ABNT/CEE-228 - Comissão de Estudo Especial de Bem-Estar

Animal. Disponível em

[10] NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 5. Disponível em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/5

[11] NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Objetivo de Desenvolvimento

Sustentável 6. Disponível em https://brasil.un.org/pt-br/sdgs/6

[12] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE

E TECNOLOGIA (INMETRO). Apreciação Técnica de Modelo.

Disponível em

[13] INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE

E TECNOLOGIA (INMETRO). Regulamentos Técnicos e

Programas de Avaliação da Conformidade Compulsórios.

Disponível em

[14] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS

TÉCNICAS (ABNT). Dia Mundial da Água - Objetivo

de Desenvolvimento Sustentável 6 - Água potável e

Saneamento. Disponível em

28

Revista Analytica | Julho 2021

Luciana e Sá Alves

Analista executivo em Metrologia e Qualidade (Inmetro), Bióloga e professora de Ciências e Biologia.

Mestre em Educação (Puc-Rio) e doutora em Biotecnologia (Inmetro/UFRJ)


Microbiologia

CONDIÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DO TESTE

DE ESTERILIDADE DE UM MEDICAMENTO INJETÁVEL

Por Claudio Kiyoshi Hirai

O teste de esterilidade é o teste

As Boas Práticas de Fabricação e

não abrange condições que

realizado para detectar microrganismos

Controle normatizam também as

permitam o crescimento de vírus;

contaminantes em produtos de uso

condições de realização do teste

entretanto, quando da ausência de

injetável ou estéril como os colírios,

de esterilidade destes produtos.

bactérias e fungos, extrapola-se o

algumas formulações de cremes,

Obrigatoriamente o teste de

resultado negativo também a estes

pomadas ou loções, sendo que o

esterilidade deve ser realizado sob

organismos.

objetivo deste artigo é enfatizar a

as mesmas condições da área de

importância da realização do teste de

produção.

O primeiro método oficializado do teste

esterilidade em instalações apropriadas

de esterilidade foi na Inglaterra, em

e desenhadas para este objetivo.

O teste é um ensaio destrutivo, não

1932, e apresentado na farmacopeia,

é possível testar todas as unidades

neste mesmo ano. Este exigia a

De acordo com as farmacopeias e

fabricadas, as farmacopeias indicam

execução do teste em produtos sob

outros compêndios, a condição de

um critério amostral permitindo

a forma líquida, mediante utilização

esterilidade de um produto somente

que o resultado de uma amostra

de caldo peptonado com incubação

deve ser considerada com base no fato

representativa, submetida ao teste

a 37°C, durante 5 dias, visando à

que o mesmo tenha sido produzido

de esterilidade garanta a esterilidade

detecção de bactérias aeróbicas.

em ambiente que minimizem a

absoluta de um produto.

possibilidade da contaminação

Em 1936 a USP adotou a mesma

microbiana, em salas limpas, com ar

Outro fator a considerar é que o teste

metodologia, a qual foi sofrendo

filtrado com filtros de alta eficiência

busca proporcionar condições ideais

inovações posteriores, de modo a

com porosidade que permitam a

ao desenvolvimento de bactérias,

aumentar a segurança dos resultados

retenção dos microrganismos.

bolores e leveduras. A metodologia

obtidos nesse teste.

Revista Analytica | Julho 2021

29


Microbiologia

30

Revista Analytica | Julho 2021

Na edição seguinte, o teste foi

modificado para permitir o

desenvolvimento de microrganismos

aeróbicos e anaeróbicos, bem como

microaerófilos.

Na USP XIII, a preocupação se

estendeu para detecção de fungos,

utilizando-se meio de cultura

contendo mel, com incubação de 22

a 25°C, durante 15 dias.

Uma inovação marcante

ocorreu no fim da década

de 60, com a introdução do

método de inoculação indireta

da amostra.


Em Foco

Farmacopéia dos Estados Unidos da América USP 43 capítulo Suggested Intial Contamination

Recovery Rates in Aseptic Environments.

Atualmente o método de inoculação

bem como manipulações assépticas,

classificados de acordo com a versão

pode ser direta ou indireta, e visa a

levando-se em consideração o aspecto

vigente da norma ISO 14644-1.

recuperação de bactérias aeróbicas,

probabilístico da esterilização e o risco

microaerófilas e anaeróbicas, além

da contaminação.

Segundo a ABNT ISO 14644-1

de fungos, com incubação por um

salas limpas são ambientes em

período de 14 dias.

Para a realização do teste de

que a concentração de partículas

esterilidade é importante que as

em suspensão no ar é controlada e

Como pode ser observado pela evolução

pessoas sejam adequadamente

classificada, e a qual é projetada e

da metodologia, a preocupação

treinadas e qualificadas.

utilizada de maneira a controlar a

inerente à melhoria do teste de

introdução, geração e retenção de

esterilidade visa verificar com mais

A INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 35

partículas dentro da sala.

segurança a qualidade do processo

(ANVISA, 2019), informa no Art. 9°

esterilizante, empregado durante a

que salas limpas e os equipamentos

Vale ressaltar que o termo “sala limpa”

fabricação de medicamentos estéreis,

que fornecem ar limpo devem ser

utilizado pela ABNT ISO é equivalente

Revista Analytica | Julho 2021

31


Em Foco

ao termo “área limpa” utilizado pela

resolução RDC 301/2019, bem como

pela INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 35

da ANVISA.

Ainda na norma ABNT ISO 14644-

1, é definido que a instalação

de salas limpas inclui todas as

estruturas, sistemas de tratamento

de ar, serviços e utilidades. Essas

definições em conjunto com o Art.

4° da INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 35

(ANVISA, 2019), que informa que as

áreas limpas devem ser mantidas em

um apropriado padrão de limpeza

e receber ar que tenha passado por

filtros de eficiência apropriada.

As áreas limpas são classificadas

como grau A, B, C ou D e a diferença

entre elas está totalmente relacionada

com a concentração de partículas

de ar, sendo assim, INSTRUÇÃO

NORMATIVA N° 35 (ANVISA, 2019),

recomenda que estes graus estejam

relacionados ao tipo de exposição do

produto, sendo:

• Grau A: indicado para operações

de alto risco, como por exemplo, as

áreas determinadas para o envase de

medicamentos injetáveis e os testes

de esterilidade.

• Grau B: ambientes que circundam as

áreas Grau A, isto é, que antecedem

as preparações e envase assépticos e

a realização dos testes de esterilidade.

• Grau C e D: ambientes que

são utilizados para as etapas

menos críticas de fabricação de

medicamentos injetáveis.

Especificações

Microbiológicas

conforme a União Européia anexo 1

(tabela A) e Guia FDA 2004 (tabela B)

Referências bibliográficas:

• BRASIL. Agência Nacional de Vigilância

Sanitária. RDC Nº 301, de 21 de agosto

de 2019, Dispõe sobre diretrizes gerais

de boas práticas de fabricação de

medicamentos. ANVISA.

• ASSOCIAÇÃO DE NORMAS TÉCNICAS.

NBR ISSO 14644-1: Salas limpas e

ambientes controlados associados: Parte

1: Classificação da limpeza do ar por

concentração de partículas, Rio de Janeiro.

2ºEd.,2019.

• BRASIL. Agência Nacional de Vigilância

Sanitária. Instrução Normativa nº35, de 21

de Agosto de 2019, Dispõe sobre as Boas

Práticas de Fabricação complementares a

medicamentos estéreis. ANVISA.

• ANVISA. Agência Nacional de Vigilância

Sanitária. Farmacopeia Brasileira, 6º ed.,

Brasília, 2019, p.685.

• Farmacopéia dos Estados Unidos da

América, USP 43 capítulo .

• European Committee for Standardization

(CEN): EN 1822-5:2009, High efficiency air

filters (EPA, HEPA and ULPA), 2009.

32

Revista Analytica | Julho 2021

Claudio Kiyoshi Hirai

Farmacêutico bioquímico, diretor científico da BCQ consultoria e qualidade, membro da American Society of Microbiology e membro

do CTT de microbiologia da Farmacopeia Brasileira.

Telefone: 11 5539 6719 - E-mail: técnica@bcq.com.br


Em Foco

WEB AULA DISPONÍVEL: MICROBIOLOGIA NA INDÚSTRIA

FARMACÊUTICA: PROTOCOLOS DA QUALIDADE QUE

IMPACTAM NO PROCESSO PRODUTIVO DE MEDICAMENTOS

A Resolução - RDC Nº 301, de 21/08/2019

dispõe sobre as Diretrizes Gerais de Boas Práticas

de Fabricação de Medicamentos do Esquema de

Cooperação em Inspeção Farmacêutica, PIC/S,

estabelecendo os requisitos mínimos a serem

seguidos na fabricação de medicamentos. O

Capítulo VII é dedicado ao Controle de Qualidade

e traz as principais diretrizes referentes às boas

práticas na fabricação.

A contaminação microbiana de um medicamento

pode acarretar alterações em suas propriedades

físicas e químicas e ainda caracteriza risco de

toxi-infecção para o usuário. Assim, produtos

farmacêuticos de uso oral e tópico que não têm

como requerimento serem estéreis devem estar

sujeitos ao controle de contaminação microbiana.

Nesse sentido, a realização do controle e

implantação das normas de boas práticas de

fabricação (BPF) na indústria farmacêutica

é de suma importância para garantir a segurança,

eficácia e credibilidade dos medicamentos junto ao

mercado consumidor.

Você é nosso convidado para saber mais sobre esse

tema em nossa web aula gratuita disponível em

nossa universidade corporativa, a UniKasvi.

Tema: Microbiologia na Indústria Farmacêutica:

protocolos da qualidade que impactam no

processo produtivo de medicamentos

Palestrantes convidados:

Bruno Brunetti: Biólogo e Microbiologista

especialista em Gestão da Qualidade. Diretor

Técnico da Diagnóstica Consultoria e Gestão.

Influencer em Microbiologia.

Fernanda Oliveira: Farmacêutica-bioquímica

e Microbiologista. Especializada em Atenção

Farmacêutica, com +20 anos de experiência em

responsabilidade Farmacêutica.

Acessar UniKasvi:

QR Code (https://kubolms.com.br/unikasvi/)

Kasvi

0800 726 0508

kasvi@kasvi.com.br

Revista Analytica | Julho 2021

33


Em Foco

LUVAS PARA SALA LIMPA E SEUS PADRÕES DE QUALIDADE

Para ajudar na escolha da luva correta a ser

utilizada em uma sala limpa, os fabricantes

especificam a classe de limpeza para a qual a luva

é adequada (como definidos na norma EN ISO

14644) por exemplo, ISO Classe 4, 5 ou 6. Além

disso, usam as normas de proteção de luvas EN 420

para definir as dimensões, a EN 374 3, 4, 5 para

o número de furos permitidos e a norma de luvas

médicas EN 4556 para definir a resistência da luva

como base para garantia de qualidade e controle

de qualidade em suas fábricas. Luvas escolhidas

para proteger o usuário de produtos químicos

perigosos são classificadas como Equipamento de

Proteção Individual (EPI) e são regulamentadas

ao abrigo da Diretiva Europeia de EPIs e por suas

normas associadas.

As normas uniformizadas que abrangem as

luvas utilizadas para proteção contra produtos

químicos são a EN 420 e a EN 374. Obviamente,

tais luvas devem, ao mesmo tempo, cumprir

com as exigências das salas limpas. As luvas de

proteção (EPI) formam uma barreira física entre

o usuário e os produtos químicos que estão

manuseando, e permanecerão eficazes até que

a barreira seja quebrada. A barreira pode ser

quebrada através de um dos dois mecanismos:

Permeação ou Penetração.

A permeação é o processo pelo qual um produto

químico se move através de um material de luva

protetora em um nível molecular, enquanto

a penetração é o movimento de um produto

químico e/ou microrganismo através de materiais

porosos, costuras, furos ou outras imperfeições em

um material de luva protetora em um nível não

molecular.

As luvas BioClean foram testadas sob a norma

EN 374-3 para avaliar o quão eficazes são

contra produtos químicos especificados. Para

estar em conformidade em relação à oferta

de proteção contra produtos químicos, a luva

sob teste deve ser classificada como Nível 2

ou mais alto em termos da proteção oferecida

contra, pelo menos, três produtos químicos.

Os níveis de desempenho são definidos pelo

tempo levado para que os produtos químicos

de teste permeassem a amostra de teste (veja

a Tabela 1).

Todas as luvas de sala limpa da linha da BioClean

atendem ao nível de proteção exigido no Nível 2 e

são apropriadas para o uso nos setores farmacêutico,

ciências da vida e microeletrônica, cumprindo com as

exigências da norma EN 420 para luvas de proteção

e EN 374-1, 2 e 3:2003. Disponível em látex e nitrilo,

estéril e não estéril, a linha oferece proteção extra ao

manter o rigoroso protocolo de proteção do produto.

As especificações técnicas do produto, relatórios de

testes, certificados de análise e qualidade e amostras

para as luvas para salas limpas da BioClean estão

disponíveis mediante solicitação.

TABELA 1:

NÍVEIS DE DESEMPENHO DE PERMEAÇÃO

Tempo de ruptura medido (considera-se que a ruptura

pelo produto químico de teste ocorreu quando a taxa

de permeação atingiu 1,0μg/cm2/min)

Nível 1 Mínimo de 10 minutos

Nível 2 Mínimo de 30 minutos

Nível 3 Mínimo de 60 minutos

Nível 4 Mínimo de 120 minutos

Nível 5 Mínimo de 240 minutos

Nível 6 Mínimo de 480 minutos

Saiba mais em: rebrand.ly/bioclean

A NOVA ANALÍTICA ESTÁ INICIANDO NO BRASIL A

REPRESENTAÇÃO DA OI ANALYTICAL

A Nova Analítica está iniciando no Brasil a

representação da OI Analytical, empresa norteamericana

presente no mercado há mais de cinco

décadas e líder na fabricação de instrumentos

analíticos automatizados para análises de

parâmetros críticos tais como Amônia, Nitrato,

Nitrito, Fósforo, Nitrogênio Kjeldhal, Cianeto,

e vários outros em amostras de água potável,

esgotos e efluentes.

Analisador FIA/SFA FS3700

34

Revista Analytica | Julho 2021

Uma referência no mercado na área de parâmetros

ambientais, o analisador FS 3700 é um

instrumento modular que pode ser configurado

para correr métodos por FIA (Análise por Injeção

em Fluxo), SFA (Análise em Fluxo Segmentado) e

iSFA (Injeção em Fluxo Segmentado), tudo em um

mesmo instrumento. Cartuchos químicos podem

ser configurados e trocados, bem como várias

opções de detectores de acordo com a aplicação

analitica. Além disso, o analisador consome

baixíssimos volumes de amostras e reagentes,

reduzindo custos com insumos, descarte de

resíduos e melhorando a segurança do laboratório.

Todos os métodos são validados pela OI Analytical

e referenciados à normas e padrões internacionais

como EPA, Standard Methods, ISO, ASTM, etc.

Para acesso às aplicações visite nosso site

www.analiticaweb.com.br

(11) 2162 8080

revista@novanalitica.com.br


Em Foco

COMO É REALIZADA A MANUTENÇÃO PREVENTIVA DE

ESPECTROFOTÔMETROS NA ER ANALÍTICA?

Todo Espectrofotômetro possui um

monocromador, que é composto por

lâmpadas, espelhos, grades de difração ou

prismas e filtros ópticos, dito isso, realizase

a limpeza de todo este conjunto, fazendo

com que chegue na amostra a melhor e maior

quantidade de luz possível. Dessa forma

fica claro que o uso do equipamento sem a

manutenção, pode danificar um desses itens

e fazer com que o espectrofotômetro leia

erroneamente ou pare de funcionar.

Dito isso, a manutenção do espectrofotômetro

na ER Analítica contempla:

• Limpeza interna e externa;

• Teste de desempenho;

• Verificação do conjunto óptico (espelhos,

detectores, conjunto de filtros, lentes, grade

de difração e lâmpada);

• Inspeção visual dos circuitos elétricos;

• Ajuste de leitura.

É importante enfatizar que a manutenção do

Espectrofotômetro custa menos que 1,5%

do valor total de um equipamento novo, ou

seja, fazer a manutenção periodicamente

aumentará a vida útil do instrumento e

evitará paradas inesperadas que possam

gerar manutenções corretivas (que

consequentemente são mais caras).

Garanta a confiabilidade dos seus processos!

Agende sua manutenção conosco!

Saiba mais:

Tel.: (11) 4606-7200

WhatsApp: (11) 97149-5668

www.eranalitica.com.br

vendas@eranalitica.com.br

Revista Analytica | Julho 2021

35


Em Foco

ANÁLISE FORENSE TOXICOLÓGICA DE CANABINOIDES

NO SANGUE

Os pesquisadores validaram um novo

a espectrometria de massa (GC-MS) têm

laboratório ELGA PURELAB® Chorus ANR para

protocolo para medir os níveis de traços de

sido tradicionalmente empregados para

minimizar o risco de introdução de contaminantes

canabinóides no soro e o usam para analisar

a determinação de níveis de traços de

que podem afetar seus resultados.

amostras de pessoas acusadas de dirigir sob a

canabinóides em amostras biológicas. Entre a

influência de drogas.

variedade de fontes de ionização atualmente

Análise Forense confiável

disponíveis, a ionização química de pressão

Embora vários métodos empregando a fonte

De acordo com a Organização Mundial de

atmosférica recentemente comercializada

APGC tenham sido aplicados em análises de

Saúde, cerca de 147 milhões de pessoas,

para cromatografia gasosa (APGC) pode

alimentos ou ambientais, esta é sua primeira

2,5% da população mundial consomem

oferecer uma alternativa nova e atraente -

aplicação em toxicologia forense.

cannabis. Devido ao seu amplo uso, a análise

particularmente para medir compostos que

de canabinóides em amostras biológicas

são difíceis de analisar usando outras fontes.

Os resultados demonstram que o APGC-MS/MS

- principalmente de sangue - é de grande

pode quantificar satisfatoriamente o THC e outros

importância para os laboratórios forenses.

Em um novo estudo, publicado no Journal of

canabinóides em uma matriz biológica extremamente

Chromatography A, os pesquisadores avaliam

complexa (soro humano) na qual os analitos alvo

Entre as centenas de canabinóides da cannabis,

o uso de APGC acoplado à espectrometria de

estão presentes apenas em níveis de traços.

o tetrahidrocanabinol (THC), que é o principal

massa triplo quadrupolo (APGC-MS / MS)

composto psicoativo da cannabis, e seus

para a determinação quantitativa simultânea

O protocolo oferece uma alternativa válida,

metabólitos THC – OH e THCA, estão entre os mais

de canabinóides no soro humano.1

de alto desempenho e inovadora para a

frequentemente monitorados como marcadores

produção de dados forenses confiáveis

de consumo de drogas. O canabidiol (CBD) e o

Os pesquisadores desenvolveram e validaram

usando cromatografia gasosa, permitindo a

produto de degradação menor canabinol (CBN)

uma nova metodologia de acordo com as

determinação quantitativa de canabinóides

também são frequentemente medidos para

diretrizes internacionais, demonstrando que

no soro mesmo nos limites legais de THC mais

auxiliar na interpretação forense dos resultados.

a técnica poderia separar THC, THC – OH,

baixos propostos para motoristas.

Mais recentemente, o cannabigerol (CBG) foi

THCA, CBD, CBDA e CBG em menos de dez

detectado na urina e também é um marcador

minutos. Seus limites de quantificação (LOQ)

Por que escolher o ELGA LabWater?

proposto para o consumo de cannabis.

foram 0,2 ng / ml para THC, 0,4 ng / ml para

No ELGA LabWater, nossos engenheiros,

THC – OH, CBD e CBG, 1,6 ng / ml para THCA

químicos e cientistas especializados estão

Mas a análise toxicológica das baixas concentrações

e 3 ng / ml para CBDA. Eles então aplicaram

na vanguarda da inovação tecnológica. Eles

desses canabinóides em amostras biológicas

com sucesso o método para a análise de

continuam a introduzir recursos revolucionários

complexas apresenta desafios consideráveis para

amostras reais de soro coletadas de 15

para o mercado de água de laboratório.

os cientistas forenses.

pessoas que haviam sido acusadas de dirigir

sob a influência de drogas.

Uma fonte alternativa de íons para

cromatografia gasosa

Para essas análises altamente sensíveis, os

36

Revista Analytica | Julho 2021

Uma variedade de métodos analíticos

baseados em cromatografia gasosa acoplada

pesquisadores usaram água ultrapura gerada a

partir de um sistema de purificação de água do


Em Foco

PRODUÇÃO BRASILEIRA COM TECNOLOGIA ALEMÃ

DE PRIMEIRA QUALIDADE, SEGURA, EFICIENTE E COMPLETA. A PLACA DE PETRI DA GREINER BIO-ONE É A ESCOLHA CERTA

PARA A QUALIDADE DOS SEUS RESULTADOS.

Americana, junho 2021 – Usadas em

laboratórios microbiológicos para o crescimento de

microrganismos como bactérias e fungos, as placas

de Petri possuem diferentes formatos e tamanhos

de acordo com sua aplicação. Entretanto, o tamanho

não é a única característica importante que deve

ser considerada durante a escolha da placa de Petri.

Fatores como a qualidade do material, resistência

e design adequado também podem interferir na

qualidade dos resultados.

A qualidade da matéria-prima impacta tanto na

transparência ótica quanto na resistência ao calor por

isso, as placas de Petri produzidas pela Greiner Bio-

One são de poliestireno de alta qualidade e possuem

excelente transparência ótica para análises, além de

serem resistentes à temperatura do ágar durante o

emplacamento.

38

Revista Analytica | Julho 2021

O cultivo de microrganismos aeróbios em placas de

Petri requer atenção quanto ao design da placa. Neste

caso, a tampa deve permitir que ocorra a troca gasosa

eficiente e segura na placa. Além de proporcionar uma

pequena elevação da tampa, o design das placas de

Petri Greiner Bio-One permite que várias placas sejam

empilhadas com segurança e sem perder a eficiência

da troca gasosa. Para rotinas de trabalho de maior

demanda, o uso de equipamentos automatizados para

preenchimento de meios é uma solução para otimizar

a disponibilidade de grandes quantidades de placas.

O design das placas de Petri fabricadas pela Greiner

Bio-One é compatível com os principais equipamentos

automatizados disponíveis no mercado.

O método de esterilização também pode trazer

impactos na qualidade da placa de Petri. A técnica de

esterilização deve ser realizada conforme os padrões

estabelecidos por órgãos reguladores, para assegurar a

esterilidade e reduzir os riscos de contaminação, sem

impactar nos resultados. A Greiner Bio-One oferece

placas de Petri esterilizadas por radiação ionizante

(E-Beam), que é um processo livre de resíduos e

no qual o produto fica exposto por menos tempo,

evitando rompimentos e efeitos de envelhecimento do

poliestireno. Dessa forma, as placas de Petri da Greiner

oferecem alto grau de segurança e eficiência para

pesquisas médicas e farmacêuticas, principalmente em

relação as placas esterilizadas por outras metodologias

(ex: óxido de etileno (ETO), altamente tóxico e agressivo

ao ambiente externo).

Conhecer os fatores que interferem na qualidade

das placas de Petri é importante na hora de escolher

o produto mais seguro para as suas aplicações

de microbiologia. A unidade da Greiner Bio-One

instalada em Americana-SP produz placas de

Petri com tecnologia e know-how consagrados

mundialmente, preparadas para oferecer produtos

com a segurança e qualidade que suas atividades

microbiológicas necessitam.

Essa é a Greiner Bio-One, priorizando a qualidade

das placas de Petri para que seus experimentos

tenham os melhores resultados!

Greiner Bio-One Internacional

A Greiner Bio-One é especializada no

desenvolvimento, produção e distribuição de

produtos plásticos de alta qualidade para laboratórios.

A empresa é parceira tecnológica de hospitais,

laboratórios, universidades, institutos de pesquisa

e indústrias diagnósticas, farmacêuticas e de

biotecnologia. É composta por quatro divisões de

negócios – Pré-Analítica, BioScience, Diagnóstica e

OEM. Em 2014, a Greiner Bio-One International GmbH

gerou um volume de negócios de 388 milliões de

euros, possui 1.800 funcionários, em 23 subsidiárias

e inúmeros distribuidores parceiros em mais de 100

países. A Greiner Bio-One faz parte da Greiner Holding,

localizada em Kremsmünster (Áustria).

Greiner Bio-One Divisão BioScience

A divisão BioScience da Greiner Bio-One está entre

os principais fornecedores de produtos especializados

para o cultivo e análise de culturas de células e

tecidos. Baseando-se em décadas de experiência com

armazenamento de amostras criogênicas, a Greiner

Bio-One também oferece soluções para sistemas

de armazenamento automatizado em biobancos.

Além disso, continua a utilizar sua experiência no

desenvolvimento e produção de microplacas para

high-throughput screening, permitindo assim a

seleção da droga de forma rápida e eficiente, tanto

para aplicações industriais quanto para pesquisa

científica. Todo o desenvolvimento, fabricação e

operações de vendas são controladas a partir da sede

alemã da divisão BioScience em Frickenhausen.

Para mais informações:

Departamento de Marketing

T: +55 19 3468 9600

E-Mail: info@br.gbo.com


QUALIDADE DOS

SEUS RESULTADOS

EM MICROBIOLOGIA

PLACAS DE PETRI

PRODUÇÃO BRASILEIRA

COM TECNOLOGIA ALEMÃ

De alta segurança e eficiência para pesquisas, as placas são esterilizadas

por radiação ionizante (E-beam) que tem o processo livre de resíduos e com menos

tempo de exposição, o que evita desgaste e efeitos de envelhecimento do poliestireno.

www.gbo.com

Greiner Bio-One Brasil / Avenida Affonso Pansan, 1967 / CEP 13473-620 | Americana, SP

Tel +55 (19) 3468-9600 / Fax +55 (19) 3468-3601 / E-mail info@br.gbo.com


Em Foco

SOLUÇÕES OI ANALYTICAL PARA ANÁLISES DE

CONTAMINANTES AMBIENTAIS

Vários fatores tornam o monitoramento de

Os analisadores de TOC da OI Analytical

uso. Isso fornece flexibilidade para adaptar a

poluentes ambientais uma tarefa analítica

utilizam as técnicas de oxidação por

metodologia para os processos de pesquisa ou

desafiadora. As amostras de estações de

combustão a 680°C e/ou persulfato aquecido

controle de qualidade. A opção de módulos de

tratamento de água, lagos, rios, ambientes

e detecção por Infravermelho não-dispersivo

pré-tratamento das amostras como destilação,

marinhos e efluentes possuem características

(NDIR). Atendem aos métodos Standard

digestão, diálise podem ser acoplados em linha

físico-químicas diferentes, podendo também

5310B e C, ASTM D7573-09, ISO 8245, EN

para máxima automação.

variar em consequência da sazonalidade e períodos

1484, USEPA 415.1; 9060A; USP .

de estiagem ou chuvosos. Portanto, conhecer

Oferecem soluções para a análise de TOC

Anúncio:

sua amostra e caracterizá-la é muito importante

em sólidos com o modelo 1030S, e também

Conheça as soluções para análises ambientais

para a tomada de decisões precisas e rápidas,

permite a análise simultânea de Nitrogênio

da OI Analytical:

principalmente nas estações de tratamento.

Total com o uso do detector eletroquímico de

Analisadores de Carbono Orgânico Total e o

nitrogênio.

Analisador em fluxo contínuo (FIA/SFA)

A OI Analytical, uma empresa norte-americana do

grupo Xylem Inc., traz as soluções mais modernas

Analisadores em fluxo contínuo FIA/

e inovadoras para o mercado ambiental.

SFA automatizados para análises de

contaminantes inorgânicos:

Analisador de Carbono Orgânico Total

Os analisadores químicos automatizados FS

(TOC) para controle de qualidade da

3700TM são instrumentos flexíveis e modulares

água e dos processos:

que utilizam as técnicas de injeção em fluxo

O monitoramento da concentração de TOC é

contínuo (FIA) e análise em fluxo segmentado

uma análise rápida e simples que permite uma

(SFA) em análises de parâmetros críticos como

visão instantânea do desempenho durante

amônia, cianeto, cloreto, nitrato, nitrito, fenóis,

as etapas de tratamento da água, sendo

fósforo, sílica, sulfato e TKN. Todos os métodos

uma ferramenta importante para tomada

são validados e referenciados às normas EPA,

de decisão. No tratamento de efluentes a

Standard Methods, ISO e ASTM. O instrumento

medida de TOC pode ser correlacionada à

suporta até 2 detectores simultaneamente,

DQO (Demanda Química de Oxigênio) e DBO

sendo fotométrico, amperométrico, seletivo

40

Revista Analytica | Julho 2021

(Demanda Bioquímica de Oxigênio).

de íons e detectores de terceiros prontos para

Analisadores automatizados FIA/SFA/iSFA/SFIA


Análise de Contaminantes

Análise de Contaminantes

Ambientais

Ambientais

Porque reduzir os contaminantes ambientais

Porque reduzir exige os monitoramento contaminantes ambientais

e controle.

A OI exige Analytical monitoramento possui as tecnologias

e controle.

mais avançadas para auxiliá-lo A OI Analytical nessa tarefa. possui Consulte-nos!

as tecnologias

mais avançadas para auxiliá-lo nessa tarefa. Consulte-nos!

CONHEÇA AS SOLUÇÕES PARA ANÁLISES AMBIENTAIS DA OI ANALYTICAL

CONHEÇA AS SOLUÇÕES PARA ANÁLISES AMBIENTAIS DA OI ANALYTICAL

Analisador automatizado FS 3700

Analisador

(FIA/SFA/iSFA/SFIA)

automatizado FS 3700

(FIA/SFA/iSFA/SFIA)

Analisadores de TOC

Analisadores

Aurora 1030

de TOC

Aurora 1030


DESDE 2000

Conceito de qualidade em Microbiologia

Novas e modernas instalações

Equipe capacitada e comprometida

Acreditações: REBLAS / CGCRE-INMETRO /ABNT NBR ISO/IEC 17025:2017

comercial@bcq.com.br - www.bcq.com.br - TEL.: 55 11 5083-5444

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!