02.08.2021 Views

Revista Live Marketing Edição 39 - 2021

Caro Leitor A luz no final do túnel começa a aparecer. Nesta edição trazemos duas matérias significativas. Uma mostra como as empresas já se preparam para a retomada dos eventos presenciais e outra fala sobre a Expo Retomada. Ao analisar esses dois textos fica evidente que a volta ao antigo normal dificilmente acontecerá. E, ao mesmo tempo, que não há mais espaço para a inércia. Ninguém, e aqui falamos de agências, fornecedores e anunciantes, aguenta mais o atual estágio de quebradeira. As empresas trabalham no sentido de, seguindo todos os protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias, voltar a investir, no primeiro momento, na realização de eventos híbridos com uma frequência maior, até que seja possível se pensar em eventos totalmente presenciais novamente. Essa forma de pensar está calcada no fato de que os executivos acreditam que o público que frequenta os eventos estará mais atento e preocupado com esses cuidados e ao mesmo tempo, isso fará parte das estratégias, para que as empresas possam manter suas imagens institucionais intactas. Essa boa notícia é importante para o mundo do Live Marketing e mais especificamente, quem organiza e vive em função dos eventos. Esses profissionais sentiram na pele o drama provocado pela pandemia. Segundo a União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios (Ubrafe), o Brasil movimentava, antes da pandemia de covid-19, mais de 2 mil eventos em 52 áreas da economia. A estimativa é que a indústria movimentava cerca de R$ 1 trilhão. O Ministério do Turismo calcula que o setor foi o segundo mais afetado pela pandemia (atrás apenas do setor de entretenimento). Segundo dados apresentados pela pasta, o volume de viagens a negócios chegou a despencar mais de 90% no segundo trimestre de 2020, no início da crise. Desse modo, o fato das empresas estarem atentas a esse movimento é altamente positivo. Assim como a visão do secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do Ministério do Turismo, William França, que acredita que esse processo de retomada se estenderá, pelo menos, pelos próximos dois anos, e que, mesmo depois disso, os eventos devem se preparar para uma nova realidade, onde se explore as possibilidades de mais eventos ao ar livre, ou em localidades alternativas como praias e parques. Boa leitura

Caro Leitor
A luz no final do túnel começa a aparecer. Nesta edição trazemos duas matérias significativas. Uma mostra como as empresas já se preparam para a retomada dos eventos presenciais e outra fala sobre a Expo Retomada. Ao analisar esses dois textos fica evidente que a volta ao antigo normal dificilmente acontecerá. E, ao mesmo tempo, que não há mais espaço para a inércia. Ninguém, e aqui falamos de agências, fornecedores e anunciantes, aguenta mais o atual estágio de quebradeira. As empresas trabalham no sentido de, seguindo todos os protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias, voltar a investir, no primeiro momento, na realização de eventos híbridos com uma frequência maior, até que seja possível se pensar em eventos totalmente presenciais novamente.
Essa forma de pensar está calcada no fato de que os executivos acreditam que o público que frequenta os eventos estará mais atento e preocupado com esses cuidados e ao mesmo tempo, isso fará parte das estratégias, para que as empresas possam manter suas imagens institucionais intactas.
Essa boa notícia é importante para o mundo do Live Marketing e mais especificamente, quem organiza e vive em função dos eventos. Esses profissionais sentiram na pele o drama provocado pela pandemia. Segundo a União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios (Ubrafe), o Brasil movimentava, antes da pandemia de covid-19, mais de 2 mil eventos em 52 áreas da economia. A estimativa é que a indústria movimentava cerca de R$ 1 trilhão. O Ministério do Turismo calcula que o setor foi o segundo mais afetado pela pandemia (atrás apenas do setor de entretenimento). Segundo dados apresentados pela pasta, o volume de viagens a negócios chegou a despencar mais de 90% no segundo trimestre de 2020, no início da crise.
Desse modo, o fato das empresas estarem atentas a esse movimento é altamente positivo. Assim como a visão do secretário nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo do Ministério do Turismo, William França, que acredita que esse processo de retomada se estenderá, pelo menos, pelos próximos dois anos, e que, mesmo depois disso, os eventos devem se preparar para uma nova realidade, onde se explore as possibilidades de mais eventos ao ar livre, ou em localidades alternativas como praias e parques.

Boa leitura



SHOW MORE
SHOW LESS
  • No tags were found...

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

E D I Ç Ã O D I G I T A L<br />

ano 9 | nº <strong>39</strong> | <strong>2021</strong><br />

EMPRESAS SE PREPARAM PARA A VOLTA DOS<br />

EVENTOS PRESENCIAIS<br />

REFORMA TRIBUTÁRIA<br />

TRAZ MUDANÇAS ESPERADAS<br />

TRADE MARKETING APROXIMA<br />

MARCAS E CONSUMIDORES<br />

REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 1


2 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 3


QUER<br />

Sortear prêmios<br />

TEM DIFICULDADES<br />

MAS<br />

A BUROCRACIA?<br />

COM<br />

CADA VEZ MAIS CONECTADA<br />

SUMÁRIO<br />

06<br />

07<br />

08<br />

12<br />

16<br />

EDITORIAL<br />

REFORMA TRIBUTÁRIA<br />

PROMOEVENTOS REALIZA CONGRESSO MÉDICO<br />

HYPE ASSINA EVENTO DE LANÇAMENTO RENAULT CAPTUR<br />

EMPRESAS PREPARAM<br />

RETOMADA DE EVENTOS<br />

PRESENCIAIS<br />

A Silvestre Assessoria tem a<br />

solução<br />

Cuidamos do processo de autorização para marcas<br />

e agências legalizarem suas promoções, em todos<br />

os formatos permitidos por lei:<br />

CONCURSO, SORTEIO, VALE-BRINDE, COMPROU-<br />

GANHOU e ASSEMELHADOS<br />

26<br />

28<br />

32<br />

34<br />

40<br />

42<br />

O QUE O BRASILEIRO DESEJA PARA SUA CASA NOS PRÓXIMOS 10 ANOS<br />

BATUX DESENVOLVE PROJETO CASA BRASTEMP<br />

ATUAL MOMENTO DA VRP<br />

TRADE MARKETING APROXIMA CONSUMIDORES E MARCAS<br />

LIVE NEWS<br />

EXPO RETOMADA<br />

Estamos a disposição<br />

Nosso diferencial é oferecer ao cliente<br />

um trabalho personalizado, com suporte<br />

de especialista, por um preço acessível<br />

silvestre.tv<br />

THIAGO SILVESTRE<br />

+55 11 9 8381 7890<br />

thiago@silvestre.tv<br />

4 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 5


*Maria Danielle Rezende de Toledo, advogada<br />

especialista da área tributária contenciosa e<br />

aduaneira e sócia do escritório Lira Advogados.<br />

*Luiz Henrique Renattini, advogado<br />

especialista da área tributária contenciosa do<br />

escritório Lira Advogados.<br />

CARO LEITOR<br />

Aluz no final do túnel começa a aparecer. Nesta edição trazemos duas matérias<br />

significativas. Uma mostra como as empresas já se preparam para a retomada<br />

dos eventos presenciais e outra fala sobre a Expo Retomada. Ao analisar esses<br />

dois textos fica evidente que a volta ao antigo normal dificilmente acontecerá. E, ao<br />

mesmo tempo, que não há mais espaço para a inércia. Ninguém, e aqui falamos de agências,<br />

fornecedores e anunciantes, aguenta mais o atual estágio de quebradeira. As empresas<br />

trabalham no sentido de, seguindo todos os protocolos exigidos pelas autoridades sanitárias,<br />

voltar a investir, no primeiro momento, na realização de eventos híbridos com uma frequência<br />

maior, até que seja possível se pensar em eventos totalmente presenciais novamente.<br />

Essa forma de pensar está calcada no fato de que os executivos acreditam que o<br />

público que frequenta os eventos estará mais atento e preocupado com esses cuidados e ao<br />

mesmo tempo, isso fará parte das estratégias, para que as empresas possam manter suas<br />

imagens institucionais intactas.<br />

Essa boa notícia é importante para o mundo do <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong> e mais especificamente,<br />

quem organiza e vive em função dos eventos. Esses profissionais sentiram na pele o drama<br />

EXPEDIENTE<br />

A <strong>Revista</strong> <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong> é um veículo de comunicação de propriedade da Growth Comunicações.<br />

Conselho Editorial: Kito Mansano, Mauro Camargo, Rodrigo Caetano e Sergio Sanches<br />

Editor Executivo: Sergio Sanches (MTB 16.338)<br />

Editora: Nathália da Silva Sanches<br />

Redação: Ana Maria Santos e Robson Castro<br />

Diagramação: Rodrigo Caetano<br />

Sugestões de pauta podem ser enviadas para: sergio@revistalivemarketing.com.br<br />

Departamento comercial: Mauro Camargo<br />

Fone: (11) 99978.9998 - (11) 2626.0567<br />

Email: mauro@revistalivemarketing.com.br<br />

Núcleo comercial: comercial@revistalivemarketing.com.br<br />

As matérias e artigos assinados não representam necessariamente a opinião da <strong>Revista</strong>.<br />

Fica proibida a reprodução das matérias sem a expressa autorização dos editores e sem a citação da fonte.<br />

provocado pela pandemia. Segundo a União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios<br />

(Ubrafe), o Brasil movimentava, antes da pandemia de covid-19, mais de 2 mil eventos em<br />

52 áreas da economia. A estimativa é que a indústria movimentava cerca de R$ 1 trilhão. O<br />

Ministério do Turismo calcula que o setor foi o segundo mais afetado pela pandemia (atrás<br />

apenas do setor de entretenimento). Segundo dados apresentados pela pasta, o volume de<br />

viagens a negócios chegou a despencar mais de 90% no segundo trimestre de 2020, no<br />

início da crise.<br />

Desse modo, o fato das empresas estarem atentas a esse movimento é<br />

altamente positivo. Assim como a visão do secretário nacional de Desenvolvimento e<br />

Competitividade do Turismo do Ministério do Turismo, William França, que acredita que<br />

esse processo de retomada se estenderá, pelo menos, pelos próximos dois anos, e que,<br />

mesmo depois disso, os eventos devem se preparar para uma nova realidade, onde se<br />

explore as possibilidades de mais eventos ao ar livre, ou em localidades alternativas como<br />

praias e parques.<br />

BOA LEITURA<br />

Sergio Sanches, Editor Executivo.<br />

O IMPACTO DA REFORMA TRIBUTÁRIA:<br />

GRANDE EXPECTATIVA, FRUSTRAÇÃO<br />

MAIOR AINDA<br />

POR MARIA DANIELLE TOLEDO E LUIZ HENRIQUE RENATTINI<br />

O GOVERNO FEDERAL APRESENTOU<br />

recentemente a segunda etapa da reforma tributária, que trata<br />

do Imposto sobre a Renda das Pessoas Físicas e Jurídicas. A<br />

primeira, entregue ao Congresso no ano passado, cuidou de<br />

propor a criação de uma Contribuição sobre Bens e Serviços –<br />

CBS –, em substituição aos atuais PIS e COFINS.<br />

Nesta nova etapa, a alteração substancial<br />

na tributação das pessoas jurídicas acabou gerando<br />

insatisfação de diversos setores, o que levou à corrida de<br />

seus representantes às bancadas do Congresso Nacional<br />

para emendas em favor dos mais variados interesses, na<br />

tentativa de ajustar ou reduzir determinados pontos que<br />

implicam maior tributação.<br />

Iniciando-se a análise pela tributação das pessoas<br />

físicas, observa-se que embora tenha sido proposta a correção<br />

da faixa de isenção do imposto, dos atuais R$ 1.903,98<br />

para R$ 2.500,00, essa correção acabou frustrando os<br />

contribuintes, pela tímida atualização da tabela progressiva.<br />

Isso porque essa atualização não acompanhou a inflação<br />

acumulada no período, o que levaria à fixação de faixa<br />

superior a R$ 4.022,89.<br />

Outro ponto relativo às pessoas físicas foi a restrição<br />

do desconto simplificado a contribuintes que ganham até R$<br />

40.000,00 por ano.<br />

Ponto mais conflituoso do projeto está na tributação<br />

na fonte dos lucros e dividendos distribuídos aos sócios de<br />

pessoas jurídicas, situação que hoje não é tributada.<br />

A proposta do Governo Federal prevê a tributação<br />

dos lucros e dividendos mediante alíquota de 20% na fonte,<br />

ressalvados os casos de micro e pequenas empresas com<br />

distribuição mensal de até R$ 20 mil.<br />

O principal impacto da medida recai sobre<br />

profissionais liberais organizados sobre estrutura de<br />

sociedades uniprofissionais, gerando desestímulo à<br />

organização dessas sociedades, além de criar distorção em<br />

relação à tributação de sócios de pequenas e microempresas.<br />

Ainda sobre a figura do sócio, há a instituição da<br />

incidência de imposto de renda no aumento de capital das<br />

pessoas jurídicas por meio de incorporação de lucros ou<br />

reservas, quando houver conversão ou restituição do capital<br />

ao sócio no período de 5 anos antes ou após a incorporação.<br />

Quanto aos demais pontos da reforma, destacamos:<br />

- Redução progressiva das alíquotas de IRPJ (15%), de<br />

12,5% em 2022 para 10% em 2023, mantido o adicional (10%)<br />

para rendimentos acima de R$ 20 mil por mês;<br />

- A gratificação de sócios e dirigentes por meio de<br />

ações não garantirá o direto à dedução dos valores como<br />

despesas operacionais. O pagamento a empregados com ações<br />

permanece dedutível;<br />

- Fim dos juros sobre capital próprio;<br />

- Venda de participação societária passa a se sujeitar<br />

a regras de ganho de capital;<br />

- Instituição de normas antielisiva (em prol da<br />

arrecadação) para a alienação de ativos de empresas mediante<br />

a criação de estruturas intermediárias;<br />

- Fim do regime anual de apuração, que dará espaço<br />

à apuração trimestral, com a possibilidade de compensação<br />

integral dos prejuízos apurados em um trimestre dentro<br />

dos três trimestres subsequentes (ponto bastante positivo<br />

do projeto, especialmente após convalidação pelo Poder<br />

Judiciário como legítima a trava dos 30%);<br />

- Unificação das alíquotas incidentes sobre<br />

investimentos financeiros em 15%, com apuração trimestral<br />

e possibilidade de compensação de prejuízos entre quaisquer<br />

espécies de investimento;<br />

- Fim das alíquotas regressivas em investimentos de<br />

renda fixa e unificação das alíquotas de fundos abertos e<br />

fechado, ambas unificadas em 15%;<br />

- Fundos de investimento imobiliário passam a ser<br />

tributados sobre a distribuição de rendimentos a uma alíquota<br />

de 15%, juntamente com a amortização e a alienação de cotas;<br />

É inegável que o projeto passará por ajustes, seja na<br />

Câmara ou no Senado, para que possa caminhar, ainda que<br />

de forma tímida, para uma modificação no cenário tributário<br />

do país. É de se ressaltar que o nosso sistema tributário é<br />

tido como um dos mais complexos do mundo, ocasionando<br />

prejuízos à competitividade e ao desenvolvimento econômico,<br />

tendo esse primeiro passo rumo a reformas sido importante<br />

para alterá-lo.<br />

Precisa-se, agora, que o Congresso Nacional, sensível<br />

à pluralidade de situações abrangidas pela reforma, faça os<br />

devidos ajustes, de modo a não gerar, na prática, o aumento<br />

da carga tributária, com distorções nos mecanismos de<br />

investimentos no país.<br />

6 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 7


STREAMING<br />

Dentre os 550 palestrantes, o evento contou com a presença ilustre do Dr. Dráuzio Varella.<br />

Toda estrrutura foi montada antecipadamente para que houvesse um dia de ensaio técnico e testes.<br />

NÚMEROS QUE IMPRESSIONAM<br />

300<br />

550 PALESTRANTES<br />

NACIONAIS E<br />

INTERNACIONAIS<br />

800 AULAS,<br />

SENDO MAIS DE 300<br />

SINULTÂNEAS<br />

120 TRADUTORES<br />

PARA COBRIR<br />

TODAS AS SALAS<br />

100 MÁQUINAS<br />

DE ALTA PERFORMANCE<br />

FULL TIME<br />

3500 INSCRITOS<br />

ATIVOS DURANTE<br />

TODO CONGRESSO<br />

300 HORAS<br />

DE CONTEÚDO ONLINE<br />

EM APENAS 3 DIAS<br />

PROMOEVENTOS REALIZA O MAIOR CONGRESSO<br />

MÉDICO DE ONCOLOGIA ONLINE DA AMÉRICA LATINA<br />

Foto: Lu Aith<br />

32<br />

LINKS VIMEO<br />

32 SUPORTES<br />

PARA O ZOOM<br />

16<br />

VMIXS<br />

1 GB<br />

INTERNET COM<br />

3 REDUNDÂNCIAS<br />

27 SALAS VIRTUAIS<br />

SIMULTÂNEAS<br />

2 STUDIOS DE<br />

ÚLTIMA GERAÇÃO<br />

Somente uma megaestrutura com 125 profissionais trabalhando presencialmente, todos testados para Covid-19 e seguindo os protocolos de segurança, seria capaz de entregar um evento desse porte.<br />

A PROMOEVENTOS MARKETING PROMOCIONAL,<br />

empresa com mais de 25 anos no mercado live marketing, realizou<br />

a 5ª edição do Next Frontiers To Cure Cancer <strong>2021</strong>, entre os dias 24<br />

a 26 de junho. O congresso internacional, do A.C. Camargo Cancer<br />

Center, aconteceu totalmente em formato digital pela primeira vez.<br />

O evento abordou os principais avanços em pesquisa<br />

e inovação em diagnóstico e tratamento do câncer, e foi<br />

transmitido dos Studios Apple On E-Stadium em São Paulo.<br />

“Esse evento foi um desafio e contou com uma grande<br />

estrutura. Tenho certeza de que essa edição será um divisor<br />

de águas para os eventos on-line no Brasil. Sabemos que<br />

juntos estamos prontos para novas possibilidades”, afirma Ana<br />

Helena, CEO da PromoEventos.<br />

Ao todo, foram 300 horas de conteúdo on-line, cerca de<br />

3.500 pessoas impactadas, 630 links para palestras, 184 links para<br />

moderadores e outros 120 para tradutores, cerca de 550 palestrantes,<br />

800 aulas, 16 salas de palestras com mais de 16 cópias com tradução<br />

sendo transmitidas, 16 simpósios de patrocinadores, 16 outros<br />

eventos dentro desse encontro e 1 estande de patrocinador com<br />

conteúdos durante toda a programação. Toda essa parte de execução<br />

O Next Frontiers To Cure<br />

Cancer <strong>2021</strong> trouxe o que há<br />

de mais novo no diagnóstico<br />

e tratamento do câncer.<br />

técnica ficou a cargo da Apple Produções que foi a primeira empresa<br />

no início da pandemia a lançar o streaming como alternativa aos<br />

eventos presenciais e que já realizou mais de 300 eventos online em<br />

apenas um ano. A plataforma hot site e os estandes virtuais foram<br />

desenvolvidos exclusivamente para o evento pela Hello+.<br />

“Essa edição foi um desafio, pois nunca tínhamos<br />

realizado um evento da área médica desse tamanho em formato<br />

digital. Superamos as nossas expectativas, já que esperávamos<br />

um público de até 2.000 pessoas e, no fim, totalizamos mais de<br />

3.500. Terminamos esse encontro com o sentimento de dever<br />

cumprido”, comenta José Humberto Fregnani, Superintendente<br />

de Ensino da A.C. Camargo.<br />

PROTOCOLOS DE PREVENÇÃO AO CORONAVÍRUS<br />

Para garantir um ambiente seguro aos participantes,<br />

os Studios On E-Stadium disponibilizam cabine de desinfecção,<br />

sanitização nos studios, paramentação de equipe com EPIs,<br />

enfermaria, ambulância, medição de temperatura na entrada, álcool<br />

gel em pontos de interação e limpeza extra em itens de toque, entre<br />

outras ações que se tornaram padrão para os Studios Apple.<br />

Foto: Alexandre Pontes<br />

82 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO MAIO <strong>2021</strong> <strong>2021</strong> REVISTA LIVE LIVE MARKETING - AGOSTO - MAIO <strong>2021</strong> 93


10 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 11


AGÊNCIAS<br />

CEO da Hype, Alessandro<br />

Ortali e o COO da Hype,<br />

Marcello Soares<br />

O MERCADO DE LIVE MARKETING<br />

PLANEJA A VOLTAR ÀS ATIVIDADES<br />

PRESENCIAIS NO PÓS-PANDEMIA<br />

Equipe Hype<br />

de Líderes Localiza, um projeto personalizado em todos os<br />

aproximadamente, 2.100 pessoas durante a transmissão<br />

identificamos com o propósito e os valores sustentáveis de<br />

detalhes, criado e desenvolvido em um tempo considerado<br />

online. “Foi uma grande operação realizada com domínio<br />

ambas. Ser um parceiro estratégico desses clientes, só nos<br />

recorde para o mercado. Transmitido para mais de 1.400<br />

absoluto, gerida para entregar – e entregou – 1.000%<br />

enaltece”, disse Soares.<br />

AS VACINAS ESTÃO SENDO APLICADAS, OS<br />

bloqueios estão sendo suspensos e uma camada de otimismo<br />

entra em cena. Profissionais de marketing retomam o controle<br />

do que está por vir, especialmente quando a interação com o<br />

público presencial ressurge.<br />

Mas as pessoas mudaram, então as marcas não<br />

devem simplesmente voltar aos velhos hábitos. Não devemos<br />

esquecer tudo o que aprendemos e adotamos.<br />

O público presencial tornou-se cativo ao digital. O<br />

bom é que ninguém ficou de fora. Claro, não é a mesma<br />

coisa que estar interagindo presencialmente, mas, no futuro,<br />

as marcas poderão captar mais olhares quando tornarem<br />

Lançamento Captur<br />

as experiências disponíveis para todos. Não será mais para<br />

um grupo seletivo, com certeza será para todos. Nós nos<br />

adaptamos, prosperamos e aprendemos. Evoluímos com essa<br />

experiência. A transformação do modelo de negócio posicionou<br />

a Hype como uma das principais referências em eventos e<br />

experiências digitais.<br />

A pandemia fez a Hype trabalhar de modo híbrido.<br />

“O grande desafio foi manter as pessoas engajadas durante<br />

tanto tempo com raros encontros presenciais. No começo foi<br />

difícil criar uma conexão emocional por meio de reuniões e<br />

apresentações de maneira remota. Nesse cenário, foi preciso<br />

exercitar a empatia para encontrar o equilíbrio entre estar<br />

próximo, mas sem invadir a privacidade das pessoas. Logo<br />

percebemos que a vida trabalhando de qualquer lugar é um<br />

caminho sem volta. Colocamos todos no mesmo patamar de<br />

engajamento, de trabalho e migramos toda nossa expertise<br />

para o digital. Foi preciso adaptação para lidar com cenários<br />

completamente distintos: as mudanças dentro de casa com<br />

a receita da agência sendo drasticamente afetada no início<br />

da pandemia, até a sinalização de recuperação no final ano<br />

passado e a grande retomada da demanda este ano. No<br />

passado, problemas infinitamente menores do que esses que<br />

vivemos nos incomodavam. Tudo ficou pequeno depois desse<br />

enorme desafio. A maior lição foi a capacidade de nos adaptar.<br />

O ano será lembrado pela aceleração da transformação<br />

digital”, diz o CEO da Hype, disse Alessandro Ortali.<br />

UM MOMENTO PARA CONSOLIDAR A<br />

MATURIDADE DIGITAL<br />

Em julho, a Hype realizou um evento marcante: o<br />

lançamento online do Novo Renault Captur para rede de<br />

concessionárias, colaboradores, jornalistas, clientes e público<br />

em geral. Experiente em aceitar e transformar desafios em<br />

entregas com excelência, a Hype acredita ter consolidado sua<br />

maturidade em eventos online com o lançamento.<br />

“Em quase um ano e meio de pandemia, entre erros<br />

e acertos, temos um saldo de muito aprendizado e evolução.<br />

Trouxemos para este lançamento a melhor utilização da<br />

tecnologia já realizada em eventos online”, comemora Ortali.<br />

No último trimestre, a agência realizou o Encontro<br />

pessoas em toda a América Latina, o evento atingiu patamares<br />

de satisfação de público inesperados: foram 94 pontos de<br />

NPS em contraponto aos 83 alcançados no evento anterior da<br />

companhia, realizado presencialmente. Dados como este tem<br />

norteado a Hype em relação ao poder do novo formato quando<br />

realizado a partir de know how e visão estratégica.<br />

O lançamento do Captur foi planejado com toda a<br />

equipe trabalhando em home office desde o princípio do<br />

projeto. “Somente com grandes profissionais é possível<br />

projetar um evento desse porte a distância, uma equipe<br />

realmente disposta a fazer com que tudo aconteça com<br />

perfeição”, afirma o COO da Hype Marcello Soares.<br />

Para ele, o car reveal foi o ápice do evento,<br />

desenvolvido - assim como todos os outros momentos<br />

- a partir de um mix tecnológico, que envolve vídeo com<br />

anamorfismo, luz e som com trilha original, entre outros<br />

recursos. “O anamorfismo foca algo que não existe, e<br />

transmite imagens únicas à audiência criando uma experiência<br />

singular. A criatividade na arquitetura milimétrica de todos os<br />

pontos, desde o posicionamento das câmeras até a sincronia<br />

entre luz e som, traz a sinergia perfeita, que encanta e<br />

conquista”, completa Soares.<br />

O evento contou com alguns dias de gravações<br />

e muitos ensaios para a entrega de seis transmissões<br />

diferentes, algumas delas simultâneas. Além do lançamento<br />

ser acompanhado por cerca de 1.800 pessoas entre imprensa,<br />

colaboradores e rede Renault; a divulgação via YouTube<br />

já alcançou mais de 15.000 visualizações, com pico de,<br />

em qualidade técnica, proporcionando a quem assistiu<br />

não somente a comunicação de um novo produto, mas<br />

entretenimento real!”, revela Soares.<br />

NOVAS CONTAS MOVIMENTAM O<br />

PLANEJAMENTO DA HYPE<br />

Com a expertise acumulada no período, a Hype já colhe<br />

os frutos. A agência será responsável pelo atendimento das<br />

contas de Omega Energia e Volkswagen Caminhões.<br />

Para o COO da Hype, a chegada dos novos clientes<br />

ressalta o que ele chama de ‘força criativa’ da agência como<br />

um diferencial de negócios. “É um privilégio para a Hype<br />

poder trabalhar com dois clientes em plena ascensão. Nos<br />

Já o CEO, Alessandro Ortali, destaca o bom momento<br />

do digital na agência. “Somos uma agência comprometida<br />

com resultados, focada em planejamento criativo, estratégico<br />

e conteúdo. Estamos prontos para criar as melhores<br />

experiências dessa nova era digital. As contas de Renault,<br />

TIM Mkt e Patrocínio, Volkswagen Pós-Vendas, Volkswagen<br />

Caminhões e Omega Energia nos trouxeram insights para nos<br />

tornarmos uma agência mais fluída e exatamente do tamanho<br />

que cada cliente precisa – montando, à quatro mãos, um<br />

squad alinhado à cada demanda, entregando a possibilidade<br />

de ser mais ágil e acionável, sem perder a consistência da<br />

comunicação”, finaliza.<br />

Convençao Localiza<br />

12 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 13


14 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 15


CAPA<br />

EVENTOS<br />

PRESENCIAIS:<br />

APÓS A TEMPESTADE,<br />

ENFIM PREVISÃO<br />

DE DIAS DE SOL<br />

HÁ QUASE DOIS ANOS, O BRASIL VIU UMA DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES ECONÔMICAS<br />

serem travadas devido à pandemia. Os eventos, que vinham em uma forte onda de aquecimento, com dezenas de milhares de<br />

ações ocorrendo, foram seriamente prejudicados pelo bloqueio e fechamento das atividades.<br />

As estimativas apontam que três milhões de pessoas perderam seus empregos e o setor amargou um prejuízo de R$<br />

270 bilhões, isso, entre março e dezembro de 2020. No mesmo período, cerca de 350 mil eventos deixaram de ser realizados.<br />

Contudo, há uma luz no fim do túnel, afinal, o ritmo de vacinação no Brasil está avançando e as atividades econômicas estão<br />

sendo restabelecidas em diversas capitais.<br />

16 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 17


CEO e fundador da Chilli<br />

Beans, Caito Maia<br />

“Acreditamos muito e estamos nos planejamos para a volta de eventos presenciais,<br />

mas desde que com total segurança para todos os envolvidos e para a comunidade.<br />

O ser humano tem uma necessidade básica de interação, e as conexões interpessoais<br />

são uma fortaleza tanto do nosso modelo de negócio quanto da comunicação da<br />

nossa marca.” (Caito Maia)<br />

Ele destaca que as marcas tendem a adotar uma<br />

régua hibrida de eventos, que considera um novo mix de<br />

investimentos entre presencial e a distância. “Acreditamos que<br />

este modelo nos possibilita ter uma escala bem interessante<br />

e, portanto, não prevemos redução nos investimentos totais.<br />

O que imaginamos é que deve haver uma reorganização das<br />

competências dos parceiros de eventos. Aqueles parceiros<br />

que só tiverem um tipo de solução podem ou perder receita ou<br />

correr o risco de ter alguém que ofereça preços competitivos ou<br />

experiências mais completas, a partir de um olhar para o todo.”<br />

EXPERIMENTAÇÃO<br />

Outro ponto forte que está sob a ótica das marcas<br />

é a questão de experimentação. O diretor executivo de<br />

marketing da BRF, Marcelo Suárez, diz que o público foi<br />

seriamente afetado por não ter à disposição esse tipo de<br />

ação de marketing no ponto de venda. “Como uma empresa de<br />

alimentos, uma das nossas ferramentas em live marketing é a<br />

experimentação dos nossos produtos e a exploração sensorial.<br />

E, mesmo tendo essas ferramentas sendo executadas<br />

no meio digital de maneira mais pontual, o evento físico<br />

ainda é o meio que nos traz isso de forma latente. Nosso<br />

Com isso, fica evidente que<br />

o começo da pandemia seguem efetivas,<br />

as marcas se preparam para retornar<br />

sempre tendo em vista a segurança dos<br />

com toda a força, com lançamentos<br />

colaboradores, funcionários e parceiros,<br />

de produtos, geração de experiências,<br />

assim como treinamos e apoiamos nossa<br />

eventos, ativações, ações de ponto de<br />

venda ou live marketing.E, por falar<br />

em eventos, já há uma movimentação<br />

e preparação das marcas para colocar<br />

o bloco na rua.<br />

O retorno dos eventos presenciais<br />

é uma realidade para o mercado. CEO e<br />

fundador da Chilli Beans, Caito Maia, diz<br />

que a área de eventos é um braço forte<br />

no marketing da empresa. “Acreditamos<br />

muito e estamos nos planejamos para a<br />

volta de eventos presenciais, mas desde<br />

que com total segurança para todos os<br />

envolvidos e para a comunidade. O ser<br />

humano tem uma necessidade básica de<br />

interação, e as conexões interpessoais<br />

são uma fortaleza tanto do nosso modelo<br />

de negócio quanto da comunicação da<br />

nossa marca.”<br />

Ele pontua que os eventos híbridos vieram para ficar.<br />

“Durante esse período de desafios, aprendemos a lidar com<br />

novas dinâmicas sociais, outras ferramentas e novos modelos<br />

de execução de ações foram descobertos. O formato online<br />

tem pontos positivos, como a possibilidade de falar com mais<br />

gente, por isso faz sentido aplicar alguns desses aprendizados<br />

em futuros eventos presenciais.”<br />

A opinião é compartilhada pelo head de Comunicação<br />

Corporativa do BMW Group Brasil, João Veloso Jr. que já faz<br />

pessoas como base para crescer. Todas as nossas ações são<br />

pensadas na saúde e segurança dos colaboradores, da nossa<br />

rede de concessionários e dos nossos clientes, que estão em<br />

primeiro lugar.”<br />

Veloso acrescenta que os investimentos em eventos<br />

serão mantidos. “Mantemos todos os lançamentos no país, mas<br />

as novas tecnologias precisam ser treinadas para que a rede de<br />

concessionários possa apoiar os clientes. Não podemos parar<br />

e estes treinamentos são estratégicos para assegurar que as<br />

novas tecnologias cheguem ao nosso mercado. Para manter<br />

rede para igual proteger os clientes.”<br />

EXPERIÊNCIA<br />

Além de pensar na ativação de<br />

produtos e serviços, para assegurar a<br />

saúde de colaboradores e do público,<br />

as marcas se dedicam a retomar as<br />

experiências, que tanto agradam aos<br />

consumidores. A gerente de marketing<br />

da Cepêra, Ana Carolina Penteado,<br />

comenta que nada substitui a experiência<br />

dos eventos físicos e o networking que<br />

acontece entre os participantes. Ela<br />

diz que há uma tendência natural aos<br />

eventos híbridos. “Estamos esperançosos<br />

na volta dos eventos, em um curto<br />

espaço de tempo, ainda que os mesmos<br />

aconteçam em formatos diferenciados,<br />

sejam eles remotos a híbridos, de<br />

híbridos a presenciais. A Cepêra continuará investindo e estará<br />

presente em eventos relevantes em nosso segmento, como os<br />

Bárbaros, a Oktoberfest, entre outros.”<br />

E se as marcas estão ansiosas por voltar aos eventos<br />

presenciais, o público também aguarda que o mundo volte ao<br />

mais normal possível antes do período de pandemia. O diretor<br />

de digital e marketing do Banco BMG, Alexandre Winandy,<br />

afirma que essa retomada acontecerá, porém, com inovações.<br />

“Acreditamos que terá sim uma volta de eventos presenciais,<br />

porém com adaptações. Todos sentimos falta de estarmos<br />

“Como uma empresa<br />

de alimentos, uma das<br />

nossas ferramentas<br />

em live marketing é a<br />

experimentação dos<br />

nossos produtos e a<br />

exploração sensorial.<br />

E, mesmo tendo essas<br />

ferramentas sendo<br />

executadas no meio<br />

digital de maneira mais<br />

pontual, o evento físico<br />

ainda é o meio que<br />

nos traz isso de forma<br />

latente.” (Marcelo Suárez)<br />

planos audaciosos para a retomada. “Este ano, entre BMW,<br />

a estratégia, nosso time de treinamento passou a trabalhar<br />

juntos, porém, quebraram-se alguns tabus, como reuniões<br />

MINI e BMW Motorrad, teremos mais de 20 lançamentos no<br />

com realidade aumentada e pode treinar todos os participantes<br />

que antes só aconteciam presencialmente, hoje acontecem a<br />

Brasil. A liderança nos segmentos de veículos premium e de<br />

sem necessidade de viagens, expandindo os produtos de forma<br />

distância, lives ganharam mais peso e relevância, a frequência<br />

motocicletas nacional foi conquistada com a tecnologia dos<br />

nossos produtos, agilidade de processos, foco no cliente e nas<br />

digital e permitindo o aprendizado como se fosse presencial.<br />

Reforçamos que todas as medidas preventivas adotadas desde<br />

dos encontros mudou e houve ganhos de escala. De maneira<br />

geral, analisamos que o mercado está sendo repensado.”<br />

Diretor executivo de marketing da BRF,<br />

Marcelo Suárez<br />

18 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 19


aprendizado é que várias ferramentas<br />

que suportam o evento vieram para o<br />

digital, tais como divulgação, seleção<br />

de convidados, pesquisa de satisfação<br />

e reconhecimento de marca e, assim,<br />

normalmente permanecerão por sua alta<br />

relação investimento x esforço x tempo.<br />

Portanto, entendemos que, daqui em<br />

diante, a maioria das nossas ativações<br />

se dará de uma maneira híbrida, vendo<br />

essa complementaridade entre os<br />

dois universos, físico e digital, com a<br />

beleza de se implementar projetos com<br />

eficiência, acompanhada de linearidade<br />

nos dois universos.”<br />

Suárez acrescenta que aposta no<br />

retorno dos eventos com a participação<br />

do público, mas faz ressalvas.<br />

“Acreditamos na volta dos eventos<br />

presenciais, mas dada a evolução da<br />

pandemia, é preciso ter muita cautela.<br />

A segurança é uma de nossas premissas<br />

básicas para todas as nossas ações e públicos, desde os nossos<br />

parceiros, até o público final, e, por isso, ainda consideramos<br />

importante continuar com eventos online e aguardar que essa<br />

crise sanitária realmente permita um maior convívio social<br />

e garantam que as pessoas sejam vacinadas e se sintam<br />

confortáveis para atender a compromissos pessoais.”<br />

181.1_MD<strong>Live</strong>Play_<strong>Revista</strong><strong>Live</strong><strong>Marketing</strong>_Anuncio_11x11_21Jun10_AF.indd 1 10/06/21 16:50<br />

Quando questionado sobre o marketing online,<br />

Suárez enfatiza: “a tecnologia do ambiente digital, que já<br />

era fortemente estabelecida antes da pandemia, foi ainda<br />

mais potencializada nesses últimos tempos, e alguns de seus<br />

benefícios certamente permanecerão.”<br />

INOVAÇÕES<br />

“Os cenários podem mudar rapidamente e tudo precisa ser refeito de forma a continuar<br />

com as entregas, sem abrir mão da segurança, saúde, experiência e qualidade.<br />

Trabalhar com eventos é gerenciar imprevistos. Por mais que se programe, tudo nem<br />

sempre sairá conforme pensado e ensaiado. Hoje, isso acelerou ainda mais e as<br />

mudanças são parte mais que constantes nas entregas e execuções.” (João Veloso Jr.)<br />

A relação das marcas com as agências e fornecedores<br />

também passou por uma revolução. Com o foco no digital,<br />

sem esquecer das experiências ao vivo presenciais, a<br />

experimentação e ativação, ponto de venda e interatividade<br />

de contato, as marcas estão cada vez mais preparadas para<br />

atender aos consumidores.<br />

Quem explica essa convergência é Maia. “Fomos a<br />

primeira empresa a fazer uma convenção anual digital e<br />

aberta ao público. Para apresentar de maneira online a nossa<br />

Superdose <strong>Live</strong>, evento anual que costuma ser a bordo de um<br />

navio, tivemos inúmeros desafios. Mas no fim, conseguimos<br />

um bom saldo ao comunicar tanto para a rede quanto para o<br />

público final todos os nossos lançamentos e estratégias de uma<br />

maneira inovadora. Com esse primeiro aprendizado, estamos<br />

cada vez mais descobrindo ferramentas digitais que podem<br />

amplificar a nossa comunicação.”<br />

E essas soluções também estavam no Banco BMG,<br />

conforme explica Winandy. “Nos nossos serviços, sempre<br />

buscamos o mais tecnológico e inovador<br />

do mercado, para isso, contamos com<br />

parceiros que nos trazem soluções<br />

mais transformadoras para garantir a<br />

segurança e novos formatos para os<br />

eventos. Muitos parceiros se adaptaram<br />

aos novos modelos, e com isso, pudemos<br />

dar andamento aos nossos eventos online<br />

ou aos presenciais com todos os cuidados<br />

necessários. Precisamos ter por perto<br />

pessoas que se preocupem com o novo<br />

normal, e temos certeza de que nossos<br />

parceiros fazem a parte deles em relação<br />

a todos os critérios para realização dos<br />

eventos.”<br />

E a tendência do fornecimento<br />

de soluções digitais e presenciais,<br />

inovação e criatividade também serão<br />

permanentes na relação entre agências<br />

e marcas. Suárez acrescenta que<br />

trabalham com parceiros que atuam hoje<br />

no mercado tanto com eventos digitais<br />

quanto físicos. “Principalmente os que estão se aprofundando<br />

nas tecnologias digitais e que, ao mesmo tempo, aproveitam<br />

esse período para entender as novas tendências de eventos<br />

físicos para os próximos anos.”<br />

E para temperar essa discussão, Ana Carolina ressalta<br />

que o digital tem se consolidado. “Para a Cepêra, a agência<br />

que foca suas atividades em performance e no universo digital<br />

leva vantagem, pois identificamos que conseguimos atingir o<br />

consumidor rapidamente, visto que ele está inserido neste<br />

universo. Estamos diante de um consumidor mais conectado<br />

e que busca sempre inovações, e que espera ser impactado<br />

por canais digitais.”<br />

Concluindo a temática da relação entre agências,<br />

fornecedores e marcas, Veloso Jr. explica que o mais<br />

importante hoje é a rápida capacidade de adaptação. “Os<br />

Head de Comunicação Corporativa do BMW Group Brasil, João Veloso Jr.<br />

“Estamos esperançosos na<br />

volta dos eventos, em um<br />

curto espaço de tempo, ainda<br />

que os mesmos aconteçam<br />

em formatos diferenciados,<br />

sejam eles remotos a híbridos,<br />

de híbridos a presenciais. A<br />

Cepêra continuará investindo<br />

e estará presente em<br />

eventos relevantes em nosso<br />

segmento, como os Bárbaros,<br />

a Oktoberfest, entre outros.”<br />

(Ana Carolina Penteado)<br />

cenários podem mudar rapidamente e tudo precisa ser refeito<br />

de forma a continuar com as entregas, sem abrir mão da<br />

segurança, saúde, experiência e qualidade. Trabalhar com<br />

eventos é gerenciar imprevistos. Por mais que se programe,<br />

tudo nem sempre sairá conforme pensado e ensaiado. Hoje,<br />

isso acelerou ainda mais e as mudanças são parte mais que<br />

constantes nas entregas e execuções”.<br />

RETOMADA<br />

Já há um movimento no mercado de feiras que aponta<br />

a força total na retomada dos eventos. Mesmo ainda havendo<br />

dúvidas sobre o calendário <strong>2021</strong>, todos os setores da economia<br />

já apostam em eventos online para o último trimestre deste<br />

ano, pautando uma agenda forte para 2022 com eventos<br />

presenciais.<br />

Gerente da Expolux, evento do setor de iluminação e<br />

um dos mais importantes do país, Ivan Romão, diz que devem<br />

voltar ao formato presencial em agosto de 2022 no Expo Center<br />

Norte e faz diversos apontamentos sobre o tema. “É tempo<br />

de cortar mais lenha para colocar na fogueira da locomotiva<br />

do setor de eventos.”<br />

Ele destaca que acredita plenamente na retomada dos<br />

eventos. “A Expolux tem o selo da Reed Exhibitions, uma das<br />

maiores organizadoras de eventos do mundo e responsável<br />

pelas principais feiras de negócios de diferentes setores. No<br />

caso da Expolux, assim como grande parte do portfólio da Reed,<br />

Gerente de marketing da Cepêra,<br />

Ana Carolina Penteado<br />

20 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 21


Diretor de digital e marketing do Banco BMG,<br />

Alexandre Winandy<br />

“Acreditamos que terá sim uma volta de eventos presenciais, porém com adaptações. Todos<br />

sentimos falta de estarmos juntos, porém, quebraram-se alguns tabus, como reuniões que<br />

antes só aconteciam presencialmente, hoje acontecem a distância, lives ganharam mais<br />

peso e relevância, a frequência dos encontros mudou e houve ganhos de escala. De maneira<br />

geral, analisamos que o mercado está sendo repensado.” (Alexandre Winandy)<br />

ser apenas online, depende de vários fatores: orçamento,<br />

teremos o monitoramento de todos os participantes durante 7,<br />

fase do setor. “Até hoje, a tecnologia não era um parceiro<br />

tema e principalmente a relevância do assunto, se for uma<br />

14 e 21 dias da participação no evento. Depois disso, teremos<br />

fundamental do setor de eventos, era vista como uma<br />

divulgação de um conteúdo que pode ser feito através de<br />

dados científicos que poderão ser utilizados pelo Governo do<br />

ameaça, um substituto aos eventos presenciais e na verdade,<br />

existe uma valorização grande da jornada<br />

de experiência. É ver o design, conferir<br />

a textura, entender o funcionamento,<br />

aprender sobre como usar o que está<br />

exposto dentro de uma estratégia<br />

de mercado, descobrir centenas de<br />

fornecedores ao alcance pelo pavilhão.”<br />

Um detalhe importante destacado<br />

da organização, é um trabalho de<br />

inteligência com grande planejamento<br />

estratégico e que faz com que os eventos<br />

do portfólio estejam em constante<br />

evolução.”<br />

Mesmo com adiamento de vários<br />

eventos e feiras, já está sendo ensaiadas<br />

algumas atividades em busca de avaliar a<br />

uma apresentação de power point não existe porque fazer<br />

um encontro presencial para isso. Se existirem chances de<br />

ampliar os relacionamentos entre as pessoas presentes, então<br />

o formato escolhido deverá ser essencialmente presencial. Eu<br />

acredito que os eventos presenciais não vão terminar hoje e<br />

nunca, somos seres gregários”.<br />

P.O dá uma visão geral de como serão os eventos-teste.<br />

“A realização desse modelo é a primeira fase desta retomada e<br />

Estado de São Paulo para induzir as prefeituras dos diversos<br />

municípios a começarem a liberar a emissão de alvarás de<br />

funcionamento para eventos com foco em negócios. Esse é<br />

o nosso maior objetivo. Uma abertura gradual, um retorno às<br />

atividades sem quebrar nenhum protocolo ou regra.”<br />

Na questão de parcerias com agências e fornecedores,<br />

ele ressalta a principal mudança será nas competências<br />

que as agências e fornecedores precisam ter nesta nova<br />

não é nada disso. Ficou comprovada que a tecnologia é<br />

a principal aliada hoje e no futuro. Aquelas agências e<br />

fornecedores que conseguirem dominar estes aspectos<br />

tecnológicos com certeza terão um grande diferencial ao seu<br />

favor. A pior coisa a se fazer agora é negar esta tendência<br />

de aliança com a tecnologia. E eu diria que isso foi acelerado<br />

pela pandemia, mas não aconteceu por causa da pandemia.<br />

Já era uma tendência antes dela.”<br />

por Romão é a questão de avaliações<br />

situação do mercado, por meio de testes.<br />

e análises para manter o segmento<br />

Quem explica isso é o managing director<br />

atualizado. “Como empresa global focada<br />

da <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong> Consultoria e um dos<br />

na organização de eventos e líder de<br />

idealizadores da Expo-Retomada, Paulo<br />

mercado com décadas de atuação, a<br />

Octávio Pereira de Almeida (P.O)<br />

Reed Exhibitions sempre esteve atenta<br />

Ele diz acreditar que os eventos<br />

às mudanças. São realizados estudos<br />

híbridos vieram para ficar. “Será um<br />

constantes que vão do perfil dos<br />

grande desperdício os organizadores<br />

exibidores e visitantes às necessidades<br />

de eventos se limitarem a atender a<br />

específicas de cada país, cada região,<br />

audiência presencial. A audiência virtual<br />

cada tipo de negócio para decidir<br />

só amplia a visibilidade e relevância<br />

ações e formatos. É algo muito além<br />

do evento. A definição de quando<br />

Gerente da Expolux Ivan Romão<br />

Managing director da <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong> Consultoria e um<br />

dos idealizadores da Expo-Retomada, Paulo Octávio<br />

Pereira de Almeida (P.O)<br />

22 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 23


24 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 25


PESQUISA<br />

ESTUDO INÉDITO APONTA O QUE<br />

O BRASILEIRO DESEJA PARA SUA<br />

CASA NOS PRÓXIMOS 10 ANOS<br />

EM RAZÃO DA PANDEMIA O TRABALHO HOME<br />

office ganhou força e mais do que isso, se consolidou. Essa é<br />

uma tendência que não deve se alterar no curto prazo. Desse<br />

modo, pesquisa realizada pela Hibou, empresa especializada<br />

em pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, mostra<br />

como será a residência do brasileiro em 2026 e em 2031? Quais<br />

serão as prioridades? O que é apontado como principal desejo<br />

em relação à tecnologia, conforto, layout e facilidades dentro dos<br />

lares brasileiros? Essas perguntas são respondidas com dados<br />

da pesquisa Casa do Futuro, realizada em julho/<strong>2021</strong>, com 2.<strong>39</strong>8<br />

pessoas de todo país.<br />

Os dados inéditos do estudo revelam que a segurança,<br />

por exemplo, é um quesito importante para os próximos cinco<br />

anos para 74,5% dos respondentes. Para 2031, o critério<br />

também é apontado por 81,3%. Ainda para os próximos dez<br />

anos, 89,2% desejam que as residências tenham fios mais<br />

protegidos e menos aparentes enquanto conectam aparelhos<br />

diversos e 65,5% pretendem ter um escritório ou espaço<br />

próprio para home-office.<br />

Para a sócia da Hibou, Ligia Mello, a pesquisa aponta<br />

mudanças de comportamento e consumo bem interessantes<br />

com o passar dos anos, e, vale ressaltar que a simplicidade,<br />

o conforto e a segurança do lar estão em alta entre os<br />

brasileiros. “A casa do futuro reúne a comodidade de uma casa<br />

“A casa do futuro reúne<br />

a comodidade de uma<br />

casa aconchegante<br />

e sustentável com as<br />

tendências tecnológicas<br />

que, em breve, farão<br />

parte da maioria dos lares<br />

do Brasil, como o painel<br />

solar e a automação<br />

residencial.”<br />

aconchegante e sustentável com as tendências tecnológicas<br />

que, em breve, farão parte da maioria dos lares do Brasil,<br />

como o painel solar e a automação residencial.”<br />

LARES BRASILEIROS<br />

56,3% dos respondentes declararam morar em<br />

residências próprias e 23%, em casas alugadas. 18,1% e<br />

2,6% vivem na residência dos pais ou imóveis emprestados,<br />

respectivamente. A longevidade da moradia é alta. 47,3%<br />

residem no mesmo endereço há mais de 10 anos; 16,9%, entre<br />

1 e 3 anos; 14,8%, entre 5 e 10 anos; 10,6% menos de 1 ano e<br />

10,4%, entre 3 e 5 anos.<br />

Quando questionados sobre a intenção de compra,<br />

embora 42,4% tenham afirmado não terem planos de adquirir<br />

um imóvel, 9,3% pretendem fazer este investimento nos<br />

próximos 12 meses. 27,6% desejam comprar um imóvel nos<br />

próximos 5 anos; 20,8% têm interesse na aquisição a partir<br />

desse período.<br />

Casa do futuro garante comodidade<br />

Créditos Jonathan Borba, Unsplash<br />

Sobre a intenção de consumo do brasileiro,<br />

condicionado ao movimento econômico e ao barateamento<br />

das tecnologias conforme curva de adoção e produção<br />

foram comparados os períodos de <strong>2021</strong>, 2026 e 2031. As<br />

porcentagens são cumulativas e alteradas com o passar dos<br />

anos. Com a possibilidade de optar por mais de uma resposta,<br />

os participantes informaram variação de comportamento<br />

para o período atual e para daqui a 5 e a 10 anos. Os temas<br />

abordados foram tecnologia, conforto, layout e facilities.<br />

TECNOLOGIA<br />

No quesito tecnologia, nos três períodos, a pesquisa<br />

da Hibou contou com respostas sobre rede elétrica ser mais<br />

eficiente para comportar maior demanda de aparelhos, além<br />

de maior segurança em relação a pisos antiderrapantes e a<br />

comodidade da automação residencial e dos assistentes de voz.<br />

Para daqui a dez anos, a segurança, para além da estética na<br />

decoração, foi escolha da maioria. 89,2% demonstrou desejo de<br />

poder conectar os aparelhos eletroeletrônicos sem que a fiação<br />

elétrica fique à mostra e 75,1% indicou pisos com antiderrapante<br />

para garantir maior segurança e conforto familiar.<br />

CONFORTO<br />

Em relação ao conforto do lar, os desejos são<br />

direcionados ao uso efetivo da casa e aprendizados provindos<br />

da pandemia, período em que notou-se a importância de ter<br />

mais espaço para as crianças brincarem e mais organização<br />

dos itens em armários. Além destes fatores, as facilidades<br />

para a limpeza e maior comodidade para receber os amigos<br />

estão entre as principais respostas dos entrevistados.<br />

“Ficar em casa no período<br />

de pandemia fez o brasileiro<br />

ter descobertas importantes<br />

como o cuidado com a<br />

propagação do som - tanto<br />

o seu, quanto o do vizinho<br />

- ou as variações térmicas<br />

que eram desconhecidas<br />

antes do período de<br />

isolamento.”<br />

LAYOUT<br />

A maioria dos brasileiros prefere que haja maior<br />

circulação de ar seja atualmente, daqui a cinco ou dez anos.<br />

Na sequência, a escolha foi por ter um espaço de convivência<br />

para a família. Além disso, a luz natural, o espaço fixo para<br />

escritório e o local para guardar itens pouco utilizados<br />

também foram citados. O comportamento de higienização de<br />

sacolas, bolsas e sapatos foi mantido mesmo para os próximos<br />

anos, com o desejo de se ter uma área para higienização dos<br />

itens na entrada da residência.<br />

FACILITIES<br />

Sobre facilities, entre os primeiros lugares está ter mais<br />

segurança com o uso de diversos equipamentos, seguido por<br />

paredes que sujem menos ou sejam mais fáceis de limpar, além<br />

de melhor conforto térmico e isolamento acústico. As facilidades<br />

relacionadas à sustentabilidade como reuso de água e energia<br />

solar, foram citadas entre aquelas que poderão ser adquiridas<br />

nos próximos anos. “Ficar em casa no período de pandemia fez<br />

o brasileiro ter descobertas importantes como o cuidado com<br />

a propagação do som - tanto o seu, quanto o do vizinho - ou as<br />

variações térmicas que eram desconhecidas antes do período de<br />

isolamento”, completa Lígia.<br />

26 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 27


AGÊNCIA<br />

BATUX LANÇA PROMOÇÃO<br />

PARA BRASTEMP COM<br />

FORMATO INÉDITO<br />

“Tínhamos um desafio<br />

grande de criar uma<br />

promoção para alavancar<br />

toda linha de cozinhas<br />

Brastemp, e a Batux<br />

nos trouxe esta idéia<br />

incrível superando nossas<br />

expectativas.”<br />

Daniel Coimbra, gerente<br />

nacional de trade<br />

Whirlpool.<br />

“Tínhamos um desafio grande de criar uma promoção<br />

para alavancar toda linha de cozinhas Brastemp, e a Batux nos<br />

trouxe esta idéia incrível superando nossas expectativas.<br />

O projeto ganhou corpo e visibilidade interna para área<br />

de Trade Mkt. Vamos colher os frutos agora. Estamos super<br />

animados e empolgados com o resultado”, afirma o gerente<br />

nacional de trade Whirlpool, Daniel Coimbra.<br />

Para visitar a CASA BRASTEMP, basta acessar: www.<br />

promocoesbrastemp.com.br<br />

A BATUX<br />

Criada em 2008, com o nome de Batuque, a Batux<br />

agregou à sua marca o conceito User Experience (UX)<br />

aplicado, para garantir a melhor experiência entre marcas e<br />

consumidores. A agência é especializada em <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong><br />

e tem como missão agregar valor às marcas com inovação,<br />

criatividade e inteligência de dados. Posicionada entre as<br />

principais agências do mercado em seu segmento, atende<br />

grandes empresas como: Whirlpool, Disney, Nestlé, Danone,<br />

Banco Pan, BRF, L’Óreal e Coca-Cola.<br />

COM O OBJETIVO DE INSPIRAR E AUMENTAR O<br />

desejo pela linha de produtos para cozinhas da Brastemp, a<br />

Batux criou um ecossistema promocional inovador, que une<br />

duas matérias do live marketing: eventos virtuais e promoção.<br />

Pela primeira vez no Brasil, uma marca une estes dois<br />

universos num novo modelo de interação com o shopper.<br />

A CASA BRASTEMP, nome da mostra virtual, é um convite<br />

inédito aos consumidores para conhecerem os produtos e se<br />

inspirarem com projetos de cozinhas contemporâneos, por meio<br />

de um tour virtual realista e interativo.<br />

Além disso, enquanto o visitante estiver navegando<br />

pela mostra e interagindo com os produtos, ainda vai<br />

encontrar algumas ofertas especiais para gerar conversão. No<br />

De acordo com a CEO da<br />

agência, Chris Bradley, a<br />

estratégia promocional<br />

visa despertar o desejo,<br />

não só criando valor,<br />

mas também gerando<br />

inspiração.<br />

total, os consumidores que adquirirem os produtos Brastemp<br />

poderão receber até R$ 1.000 de cash back.<br />

De acordo com a CEO da agência, Chris Bradley, a<br />

estratégia promocional visa despertar o desejo, não só criando<br />

valor, mas também gerando inspiração. “Por isso, a decisão de<br />

unir dois formatos para gerar uma única experiência imersiva:<br />

mundo virtual mais promoção. É uma proposta inédita que une um<br />

conceito inovador para gerar awareness com conversão”, explica.<br />

A mostra é composta por 8 cozinhas criadas por<br />

Arquitetos, para os mais diversos perfis de shopper’s. E, além<br />

do visitante poder degustar e interagir com os produtos, o<br />

espaço ainda possui uma área com dicas de arquitetura e<br />

decoração e uma miniexposição de arte, criada exclusivamente<br />

pelo Artista Plástico Lobo, referência da Pop Art no Brasil.<br />

“A CASA BRASTEMP é a materialização da nossa<br />

filosofia de shopper experience, uma fusão de evento virtual<br />

com promoção, capaz de criar um mar de possibilidades para<br />

o mercado promocional. Esse tipo de experiência aumenta o<br />

tempo de contato entre marcas e consumidores, facilita a<br />

transmissão da mensagem e, principalmente, a captação de<br />

dados valiosos para o desenho de novas estratégias inovadoras”,<br />

pontua o head de planejamento e criação da Batux, Felipe Ricci.<br />

Este novo formato é uma idéia proprietária da Batux,<br />

registrada internacionalmente. Nossos parceiros The Public<br />

House e Núcleo Tecnologia contribuíram para colocarem de pé<br />

nosso projeto.<br />

28 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 29


30 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 31


BRANDED CONTENT<br />

Projeto Pernambucanas<br />

A VRP SE CONSOLIDA NO MERCADO<br />

COMO FABRICANTE, VENDEDORA E<br />

LOCADORA DE UNIDADES MÓVEIS<br />

“Nosso Time de campo<br />

recebe treinamento anual de<br />

primeiros socorros, brigada<br />

de incêndio e técnicas de<br />

atendimento ao cliente,<br />

com certificação. Também<br />

nos responsabilizados pela<br />

impressão digital de alta<br />

resolução e do envelopamento<br />

interno e externo das<br />

unidades móveis.”<br />

clientes. “O mudo está diferente e percebemos que as marcas<br />

nos procuram com o propósito de encontrar soluções capazes<br />

de oferecer credibilidade, fidelidade e crescimento.”<br />

CASES DE SUCESSO<br />

Visão Playstation<br />

Carreta Playstation<br />

Carreta Santander<br />

Durante todo o seu período de atuação a VRP assinou<br />

cases importantes. Assim é possível citar, por exemplo, o<br />

A VRP UNIDADE MÓVEL ATUA NO SEGMENTO<br />

de eventos comerciais e institucionais e especializou-se na<br />

fabricação, produção de cenário, venda e locação de unidades<br />

móveis. Além de fabricar carretas e Unidades Móveis especiais,<br />

desenvolve e produz cenografia, elaborando projeto 3D técnico,<br />

para diversos segmentos como: eventos promocionais e de venda,<br />

treinamento, cinema e palco.<br />

Para o diretor da empresa, Vladimir Paradas, essa<br />

especialização é fruto de um trabalho que vem sendo<br />

moldado ininterruptamente. “A partir do momento em que<br />

fomos entendendo as necessidades do mercado, pudemos<br />

oferecer uma qualidade marcante e assim, somos capazes<br />

de desenvolver projetos, por meio dos nossos setores de<br />

marcenaria e metalurgia que são operados por uma equipe<br />

técnica altamente capacitada.”<br />

Desse modo, a VRP é capaz de realizar o planejamento,<br />

a coordenação e a operação de seus jobs com criatividade<br />

pois contam com equipes especializadas de retaguarda<br />

(produtores e controllers) e de campo (motorista e assistente<br />

técnico de montagem e desmontagem). “Por isso somos<br />

diferenciados. Nossa equipe é composta por profissionais que<br />

acompanham o evento na montagem, durante as ativações e<br />

na desmontagem”, assegura Paradas.<br />

Pronta para contribuir em todas as etapas do projeto,<br />

a VRP se responsabiliza, quando necessário, pela emissão<br />

da ART construtiva, elétrica e de prevenção e combate a<br />

incêndio. “Nosso Time de campo recebe treinamento anual<br />

de primeiros socorros, brigada de incêndio e técnicas de<br />

atendimento ao cliente, com certificação. Também nos<br />

responsabilizados pela impressão digital de alta resolução e<br />

do envelopamento interno e externo das unidades móveis.”<br />

ATENDIMENTO FULL TIME<br />

Nesse trabalho de fabricar unidades móveis especiais<br />

sob medida, a VRP comemora o sucesso de sua operação e<br />

Paradas garante que isso é fruto do acompanhamento full time<br />

“A partir do momento em<br />

que fomos entendendo as<br />

necessidades do mercado,<br />

pudemos oferecer uma<br />

qualidade marcante e<br />

assim, somos capazes de<br />

desenvolver projetos, por<br />

meio dos nossos setores<br />

de marcenaria e metalurgia<br />

que são operados por uma<br />

equipe técnica altamente<br />

capacitada.”<br />

da equipe de campo da empresa. “Nossa equipe é totalmente<br />

focada no sucesso do evento e na garantia de retorno do<br />

cliente, já que em todas as áreas em que atuamos tecnologia e<br />

inovação estão sempre presentes.”<br />

É assim que há 14 anos a VRP se dedica a fabricar,<br />

comercializar, vender, locar Unidades Móveis especiais e<br />

customizadas para treinamentos, ações promocionais, loja<br />

móvel, entre diversas outras aplicações.<br />

Ainda segundo Paradas, toda essa maneira de atuar<br />

tem como propósito fazer com que seus projetos ofereçam<br />

uma experiência totalmente diferenciada para os seus<br />

Loja interna Pernambucanas<br />

projeto de desenvolvimento e fabricação de novas agências<br />

móveis do Banco Santander, com serviços, operação logística,<br />

guarda, zeladoria e manutenção de unidades móveis.<br />

Para as Pernambucanas, a VRP criou um projeto de<br />

customização da loja conceito que percorre diversas cidades<br />

brasileiras durante as inaugurações de lojas.<br />

Quando o assunto é show room, dois exemplos se<br />

destacam. Um é do Laboratório Aché, onde foi desenvolvida<br />

uma unidade da linha de tratamento capilar em um ambiente<br />

especialmente desenvolvido dentro de uma unidade<br />

móvel. O outro é a Continental Pneus. Durante 3 anos foi<br />

operacionalizado uma loja itinerante para lançamentos e<br />

treinamento de distribuidores em várias cidades brasileiras.<br />

Há 5 anos, a VRP atende a John Deere e realiza os<br />

eventos de campo onde são produzidos modelos customizados<br />

de unidades móveis. Nesse cliente o trabalho é desenvolvido de<br />

ponta a ponta, onde a equipe da VRP operacionaliza a logística,<br />

montagem e desmontagens das unidades de negócios.<br />

No caso da Caixa Seguradora e da Ultragaz, foram<br />

desenvolvidos cinemas itinerantes que leva de maneira<br />

inovadora a sétima arte à inúmeros municípios brasileiros que<br />

não contam com salas de cinema. Para Paradas, esses dois<br />

projetos são “grandes cases de inclusão social e cultura e a<br />

VRP se sente orgulhosa por conseguir dar vida a essas ideias”.<br />

Por fim, é possível ressaltar o case da Playstation,<br />

onde por dois anos seguidos criaram degustação da linha de<br />

consoles e jogos da marca em um ambiente especialmente<br />

desenvolvido dentro de uma unidade móvel.<br />

Carreta Santander aberta<br />

Público TRA Tour<br />

Panorâmica TRA Tour<br />

32 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 33


TRADE MARKETING<br />

EM BUSCA DOS<br />

CONSUMIDORES,<br />

O TRADE MARKETING<br />

SEGUE COM SEU SHOW<br />

COM O BRASIL E O MUNDO ENCARANDO UMA<br />

das fases mais difíceis de sua história, o impacto na vida da<br />

sociedade aconteceu em diversos segmentos, inclusive no<br />

consumo. Com o medo inicial da pandemia até a fase mais<br />

recente, que contempla a liberação das vacinas para boa parte<br />

dos cidadãos das nações, empresas e agências têm investido na<br />

criatividade para se manter em evidência no principal ponto de<br />

contato com os consumidores, esteja ele onde estiver.<br />

O Trade <strong>Marketing</strong> se preocupa em realizar ações e<br />

ativações, organizar produtos nos pontos de vendas e tirar<br />

o consumidor do piloto automático, para gerar a satisfação<br />

do ato de adquirir produtos. Sabe-se que, entre os altos e<br />

baixos das restrições impostas pelos governos durante a<br />

pandemia, o trade fez sua parte, dando show para aquecer<br />

as atividades econômicas.<br />

Head de marketing do grupo Work On, Juliano<br />

Buozzo ressalta que a pandemia mudou os hábitos de<br />

consumo e acelerou a transformação digital para todos<br />

da cadeia. “Indústria, trade, varejo tiveram que adaptar e<br />

reestruturar suas operações, para atender a esse consumidor<br />

‘omnichannel’. Plataformas online, marketing places, redes<br />

sociais, fortaleceram a comunicação com a marca e exigiu do<br />

trade novas formas de abordar e interagir, a fim de direcionar<br />

o shopper para canais que lhe proporcionem maior conforto,<br />

segurança e agilidade no momento da compra.”<br />

Para Buozzo, certamente, o boom da experiência<br />

digital proporcionou uma grande interação do trade com<br />

a indústria. “Isso fez evidenciar um consumidor com mais<br />

conhecimento sobre a marca e que passa menos tempo em<br />

loja, o que gera uma preocupação grande do trade com o<br />

abastecimento do varejo, para que o produto se faça presente<br />

na decisão de compra.”<br />

A pandemia colocou também um novo fator, a busca<br />

pelo mercado digital, ou ponto de venda digital, onde as pessoas<br />

pudessem comprar seus produtos de uso diário em algum<br />

ambiente que lhe oferecesse segurança na compra, entrega<br />

organizada e embalagens higienizadas. O ato de se deslocar de<br />

casa até o PDV foi afetado, algo inédito há décadas.<br />

34 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 35


INTEGRAÇÃO<br />

Diretor comercial da Pop Trade, Fabrício Massa<br />

explica que a integração e cooperação entre o trade, marcas<br />

e o varejo é um grande desafio e existem oportunidades a<br />

serem conquistadas. “O efeito da pandemia contribuiu para<br />

a soma de esforços para um melhor alinhamento da atuação<br />

das marcas no varejo. Novas soluções foram testadas e<br />

implantadas, o que gerou valor para o varejo e melhor retorno<br />

para as marcas, além de oferecer melhores experiências de<br />

compra para o consumidor ou shopper”.<br />

Massa diz que, nas operações de trade, foram adotadas<br />

ações práticas para o momento. “O protocolo de segurança<br />

do colaborador, guia de melhores práticas, que permite<br />

atravessar o momento de maneira humanizada e transmite<br />

segurança, confiança e tranquilidade através de uma rotina<br />

comportamental de execução segura. Revisão e digitalização<br />

de processos e tecnologias suportam<br />

a comunicação e a gestão. Esses são<br />

exemplos de atitudes que impactam o<br />

trabalho nos pontos de vendas.”<br />

E, por falar em PDV, Massa<br />

detalha alguns fatos que são essenciais<br />

para uma boa operação de trade. “A<br />

comunicação deve ser assertiva e os<br />

materiais de pontos de vendas devem<br />

ser implementados de forma correta,<br />

conforme o planejamento e os guias<br />

de execução das marcas e varejo. O<br />

portfólio de produtos adequado deve<br />

estar disponível, acessível, visível e em<br />

quantidade compatível com a demanda,<br />

principalmente neste momento de<br />

pandemia, onde ocorreu mudança no<br />

hábito de compra.”<br />

Ele exemplifica com um case<br />

adotado pela agência. “Um exemplo de<br />

nova solução, lançada pela Pop Trade, é<br />

o Melhoria Contínua da Execução (MCE),<br />

que transforma a execução da marca<br />

no varejo, garante a padronização na maioria das lojas, audita<br />

os indicadores da loja perfeita, educa e capacita de forma<br />

contínua as equipes de campo ou loja, o que gera melhor<br />

experiência de compra.”<br />

A inovação e o uso de tecnologias de inteligência<br />

foram colocadas à prova quando o assunto é trade marketing,<br />

afinal, o mundo tradicional, antes da pandemia, deixou<br />

de existir de uma forma rápida, o que exigiu da indústria,<br />

empresas, marcas e agências especializadas, uma guinada<br />

para atender ao que o público exige.<br />

INTELIGÊNCIA<br />

O diretor da Allis Comunicação, André Romero,<br />

comenta que as marcas passaram a entender melhor o<br />

uso do business inteligence (BI) e isso se tornou ainda<br />

mais importante na pandemia por causa das demandas de<br />

“Grande parte dos consumidores migraram para as<br />

compras online e isso faz com que os times da indústria e<br />

agências direcionassem a energia para continuar a garantir<br />

a execução dos serviços, mesmo com as dificuldades<br />

apresentadas pelos cenários de pandemia e lockdown.”<br />

(Stenio Souza)<br />

abastecimento e da mudança de comportamento do shopper<br />

no PDV. “O investimento em inovação também foi importante.<br />

E intensificamos os esforços em uma das nossas inovações, o<br />

Allis on Demand, aplicativo para contratação de promotor sob<br />

demanda, e isso fez ainda mais sentido na pandemia, porque<br />

ajudou as marcas a ter uma atuação maior no varejo com<br />

atenção de um promotor dedicado, mas com atendimento por<br />

demanda, que contribui com os custos da operação e otimiza o<br />

investimento das marcas.”<br />

Quando perguntado se isso gerou pontos positivos,<br />

ele é enfático: “sim, houve essa integração maior”. Romero<br />

acrescenta que, “a Allis já estava em um movimento de ser<br />

uma agência que não entregasse somente a terceirização de<br />

mão de obra. Desde 2019 direcionamos nossos esforços para<br />

a inteligência de negócio. Estruturamos um departamento<br />

de BI e aprofundamos os conhecimentos dos profissionais,<br />

inclusive com novas pessoas do mercado, para que eles<br />

pudessem ajudar os clientes a entender os desafios não só<br />

sobre a execução, mas em relação também ao entendimento<br />

das coletas de informações das marcas no ponto de venda.<br />

Soubemos digerir essas informações para que pudessem<br />

se transformar em insights estratégicos. Esse foi um dos<br />

grandes pontos que trouxemos para as marcas que atuam<br />

conosco, além também da criação da Allis Comunicação, a<br />

primeira agência de comunicação dentro de uma estrutura de<br />

trade marketing para ajudar o comportamento das marcas no<br />

PDV com conhecimento de comportamento de shopper e da<br />

dinâmica do varejo”.<br />

CEO da Smollan iTrade, Stenio<br />

Souza comenta que um dos movimentos<br />

mais afetados durante a pandemia foi a<br />

de experimentação de produtos no PDV,<br />

afinal, por segurança sanitária, a prática<br />

foi quase que extinta, num primeiro<br />

momento. “Com o início da pandemia,<br />

as ativações no PDV caíram, como por<br />

exemplo, a degustação de produtos, mas<br />

por outro lado, o trabalho dos promotores<br />

no varejo continuou firme. As marcas<br />

buscaram cada vez mais otimizar os<br />

recursos, fazendo com que os serviços<br />

de auditoria ganhassem destaque, já<br />

que essa atividade promove uma análise<br />

detalhada que, ao final, leva a práticas<br />

mais eficientes das atividades de campo.”<br />

Souza acrescenta que as verbas de<br />

trade marketing ganharam mais visibilidade<br />

por parte dos diretores de vendas e<br />

de trade. “Áreas como route to Market<br />

começaram a buscar maior eficiência na execução das atividades<br />

realizadas dentro de cada loja, o que aprimora o trabalho de<br />

merchandising e permite a conquista de pontos extras”.<br />

Ele complementa e explica um fato que se tornou<br />

comum durante a pandemia e que, inclusive, tem gerado novos<br />

negócios e empresas para atender à demanda. “Grande parte<br />

dos consumidores migraram para as compras online e isso<br />

faz com que os times da indústria e agências direcionassem<br />

a energia para continuar a garantir a execução dos serviços,<br />

mesmo com as dificuldades apresentadas pelos cenários de<br />

pandemia e lockdown.”<br />

Como detalhado pelo executivo, o ato de não ir ao<br />

ponto de venda fez explodir novos serviços de delivery, compra<br />

de produtos por terceiros, até mesmo mercados 100% digitais,<br />

que fazem toda a operação de abastecimento pré-definido.<br />

CEO da Smollan iTrade, Stenio Souza<br />

CONSUMIDORES<br />

Se por um lado a pandemia exigiu que o ponto de<br />

venda se tornasse cada vez mais digital, por outro lado, há<br />

quem veja uma enorme parcela da população, que não tem<br />

tanto acesso à tecnologia, ainda opte pela compra presencial.<br />

Isso ocorre pela tradição do brasileiro em querer ver e<br />

escolher no momento o que vai comprar, além de fatores<br />

econômicos e de faixa etária do público.<br />

Para atender a essa demanda, as agências de trade<br />

marketing se debruçaram sobre o problema para resolver essa<br />

equação. O foco é atender a todos, inclusive, mostrando a<br />

evolução do ato da compra para essa parcela da população<br />

que é mais tradicionalista.<br />

Souza diz que a jornada do consumidor não termina<br />

quando ele sai do supermercado. “As marcas sabem que todo<br />

ponto de contato é uma oportunidade de conversão de vendas.<br />

Dentro das estratégias de atendimento aos canais físicos, seja<br />

“Indústria, trade, varejo<br />

tiveram que adaptar e<br />

reestruturar suas operações,<br />

para atender a esse consumidor<br />

omnichannel.” (Juliano Buozzo)<br />

de forma direta ou por meio de distribuidores, os varejos estão<br />

bem atendidos – pode ser Hiper, Super, C&C ou até mesmo<br />

as lojas locais, porém o e-commerce é um universo novo para<br />

muitas marcas.”<br />

Ele ressalta que as agências e marcas tiveram que<br />

buscar soluções inovadoras para continuar proporcionando<br />

as melhores experiências para o shopper. “As marcas estão<br />

receptivas a novas ideias e começaram a focar a verba de<br />

comunicação em serviços digitais. Com o aumento desse<br />

investimento no digital, o atendimento ficou cada vez mais<br />

humanizado e interativo. O antigo chatbot, por exemplo, deu<br />

espaço para chats ao vivo com promotores virtuais.”<br />

Souza apresenta um case: “Uma grande empresa<br />

de tecnologia, que é cliente da Smollan iTrade, por exemplo,<br />

em abril de 2020 se viu obrigada a migrar todos os<br />

seus promotores de vendas do ambiente físico para um<br />

atendimento remoto. Porém, exigiu uma revisão total do<br />

modelo que passou para um planejamento 100% digital em<br />

relação ao modelo de atendimento e a jornada de compra,<br />

contudo, na transição do físico para o digital levamos em<br />

consideração manter uma experiência de compra digital<br />

totalmente humanizada. Depois de 6 meses, a adaptação foi<br />

um sucesso e hoje essa grande empresa não pretende, em um<br />

cenário pós pandemia, voltar com os promotores para as lojas<br />

físicas, tendo em vista que agora seu novo modelo de negócio<br />

será voltado para e-services”.<br />

Head de marketing do grupo Work On, Juliano Buozzo<br />

36 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 37


“O efeito da pandemia contribuiu para a soma de esforços<br />

para um melhor alinhamento da atuação das marcas no<br />

varejo. Novas soluções foram testadas e implantadas, o que<br />

gerou valor para o varejo e melhor retorno para as marcas,<br />

além de oferecer melhores experiências de compra para o<br />

consumidor ou shopper”. (Fabrício Massa)<br />

Ele acrescenta que essa movimentação acontece em<br />

outros segmentos. “Na indústria de cosméticos é um exemplo,<br />

que está criando seu próprio canal e ambiente virtual. Durante<br />

a pandemia, os consumidores começaram a realizar as suas<br />

compras online, e provavelmente essa prática irá se estender<br />

mesmo quando tudo voltar ao normal. A existência conjunta<br />

entre físico e digital nunca mais será<br />

uma jornada diferenciada, mas sim, uma<br />

solução única dentro do comportamento<br />

do consumidor.”<br />

Inovar e colocar o consumidor,<br />

de todos os segmentos da sociedade,<br />

em um novo patamar é essencial para o<br />

momento, mantendo o offline aquecido e<br />

dando um fôlego no digital. “As marcas<br />

estão receptivas e solicitam inovações,<br />

projetos que desafiem o consumidor na<br />

escolha, proativamente. O mercado está<br />

em mutação e precisamos aumentar o<br />

nível de inovação no PDV. O investimento<br />

no offline é importante para manter<br />

o canal ativo diante de um online<br />

em crescimento. Além de apresentar<br />

soluções que compreendem a integração<br />

para os ambientes físico e digital e<br />

adoção de tecnologias para melhorar a<br />

eficiência operacional e a experiência do<br />

promotor e do shopper”, destaca Massa.<br />

ENGAJAMENTO<br />

Uma das dúvidas que permeiam o mercado de trade<br />

marketing é com relação aos colaboradores das agências,<br />

afinal, a pandemia mudou as rotinas e por diversos momentos,<br />

o ponto de venda físico teve que se remodelar, sem esquecer<br />

da necessidade de olhar para o digital. Isso exigiu um<br />

malabarismo de todo o segmento, visando, claro, atender aos<br />

desejos dos consumidores.<br />

Buozzo comenta que um grande desafio ultrapassado<br />

durante a pandemia foi o de como treinar as grandes equipes,<br />

sem a possibilidade de reuniões presenciais, mantendo os<br />

indicadores de performance. “A adaptação teve que ser rápida,<br />

transformando a gestão de equipes de trade marketing. As<br />

Operações, que tinham suas maiores estruturas concentradas<br />

nas capitais puderam disseminar seus pontos focais, com o<br />

trabalho home office e meetings online. Obteve-se uma maior<br />

capilaridade e qualidade no atendimento, através das salas<br />

virtuais, webinars, store checks virtuais, as distâncias foram<br />

encurtadas e os treinamentos se tornaram mais frequentes,<br />

com um maior acompanhamento e uma padronização do<br />

trabalho em grandes operações de trade.”<br />

Ele diz que investiram firme nas tecnologias de<br />

aprendizado. “Gravações e o desenvolvimento de vídeo aulas,<br />

tornaram os processos de treinamento mais eficientes,<br />

sendo compartilhados nas redes sociais, podendo ser vistos e<br />

absorvidos rapidamente por toda equipe. Na Work On, investimos<br />

fortemente em nossa área de treinamentos e desenvolvimento<br />

de conteúdos, com materiais interativos, gamificados em<br />

uma linguagem simples e com a comprovação de absorção de<br />

conteúdo, por meio de nossa plataforma ON Academy.”<br />

Nesse aspecto, Massa ressalta que a segurança do<br />

funcionário vem sempre em primeiro lugar. “Na Pop Trade<br />

desenvolvemos protocolo de segurança do colaborador, guia<br />

de melhores práticas, treinamentos, tudo como forma de<br />

enfrentar o momento de maneira humanizada e transmitindo<br />

segurança, confiança e tranquilidade através de uma rotina<br />

comportamental de execução segura.”<br />

Ele diz que foi essencial capacitar e desenvolver<br />

colaboradores desde o primeiro dia de seu trabalho na<br />

empresa e durante toda sua jornada profissional na<br />

empresa, suprindo as necessidades<br />

da operação e execução nos PDV’s,<br />

atuando de forma estratégica e<br />

alinhada aos objetivos das marcas.<br />

Massa aponta que o<br />

desenvolvimento humano é essencial,<br />

mudança de cultura e capacidade<br />

de múltiplas formas de distribuição<br />

e aplicação de treinamentos e<br />

capacitação. Dentre as ações realizadas<br />

pela agência, contemplam os formatos<br />

de treinamentos digitais, eventos<br />

online, estúdios online, aplicações<br />

mobile, formatos integrados offline/<br />

online. “O público alvo evoluiu e se<br />

adaptou, provando maior eficácia dos<br />

treinamentos digitais, proporcionando<br />

avanços, maior capilaridade e<br />

frequência, com otimização de<br />

investimento”, conclui Massa.<br />

PROMOTOR<br />

Evolução, essa é a palavra chave<br />

mais assertiva ao tentar entender e<br />

compreender esse novo momento do consumo. A pandemia<br />

colocou o mundo em um novo ambiente e as relações humanas<br />

mudaram, para o bem ou para o mal. De certo modo, no<br />

“O investimento em inovação também foi importante. E<br />

intensificamos os esforços em uma das nossas inovações<br />

e isso fez ainda mais sentido na pandemia, porque ajudou<br />

as marcas a ter uma atuação maior no varejo com atenção<br />

de um promotor dedicado, mas com atendimento por<br />

demanda, que contribui com os custos da operação e<br />

otimiza o investimento das marcas.” (André Romero)<br />

Diretor comercial da Pop Trade, Fabrício Massa<br />

quesito consumo, a sociedade pode ver que há diversos novos<br />

segmentos empresariais que oferecem serviços diferenciados,<br />

mudando o tradicional hábito de ir ao ponto de venda.<br />

Os promotores e os PDV’s ficaram cada vez mais em<br />

evidência com essa nova realidade, exigindo investimentos<br />

para amplificar o poder dessas pessoas e ambientes<br />

de consumo. Romero explica que para atender bem aos<br />

consumidores durante a pandemia, foi essencial fazer um<br />

upgrade geral nas rotinas, com investimento no ser humano.<br />

“A parte de treinamento foi importante, porque o promotor<br />

precisou adquirir uma visão mais estratégica e completa<br />

da atuação dele no negócio. Ele estava acostumado a repor<br />

gôndolas e coletar algumas informações, e isso passou a ser<br />

o básico de sua atuação. O promotor se tornou um ponto de<br />

estratégia para as agências e indústrias, que precisavam<br />

entender o novo momento de compra.”<br />

Romero acrescenta que os promotores precisavam<br />

entender esses novos hábitos e executar a marca no PDV<br />

compreendendo as mudanças, trabalhando de forma mais<br />

efetiva o cross merchandising, mudanças de áreas de<br />

exposição da loja, entendendo a jornada no shopper no<br />

estabelecimento, precisou trazer soluções que atendessem<br />

essa nova demanda do comportamento do cliente no PDV,<br />

de maneira mais ágil, além disso, precisou saber equilibrar<br />

produtos de necessidade básica, com categorias de<br />

impulso. “Foi necessário treinamento, não só de execução,<br />

mas também do comportamento e cuidados com relação<br />

à saúde. Desenvolvemos uma área bem estruturada de<br />

treinamentos para o varejo dentro da Allis, pois observamos<br />

que quando desenvolvíamos esse promotor, de forma técnica e<br />

comportamental, para que fosse mais estratégico, começamos<br />

a ver que as execuções passaram a fluir melhor e isso<br />

contribuiu para aumentar o desempenho das marcas no PDV”,<br />

destaca Romero.<br />

Souza complementa e diz que, quando o assunto são<br />

os impactos da pandemia, o time de campo está entre um dos<br />

mais impactados. No caso da Smollan iTrade, a maior parte<br />

dos clientes são do segmento de bens de consumo, e como os<br />

supermercados não fecharam as portas, as equipes continuam<br />

trabalhando. “Foi necessário implementar equipamentos<br />

de proteção que cumprissem as normas estabelecidas<br />

por cada município, esses equipamentos foram adquiridos<br />

regionalmente, para garantir o acesso rápido aos itens de<br />

acordo com cada localidade. Também houve uma preocupação<br />

no treinamento e capacitação dos promotores, para que eles<br />

tivessem acesso a informações que garantisse a segurança<br />

deles e do consumidor. Além disso, semanalmente a liderança<br />

se reunia para identificar possíveis situações adversas e<br />

como se preparar para encará-las, e todos os colaboradores<br />

eram informados quinzenalmente sobre todas as medidas que<br />

estavam sendo tomadas em campo.”<br />

Diretor da Allis Comunicação, André Romero<br />

38 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> <strong>39</strong>


NOVA CONTA<br />

LIVE NEWS!<br />

A DRUID, especialista em Business to Gamer, acaba<br />

de anunciar Submarino como seu mais novo cliente. A<br />

empresa pioneira no segmento de comércio eletrônico<br />

no Brasil confia à agência sua frente de comunicação<br />

voltada ao mercado de games e e-sports e marca sua<br />

AQUISIÇÃO<br />

A V3A adquiriu a 213 Sports, que já desenvolveu<br />

projetos como o CamelBak Mountain Race, Ceará Kite Pro,<br />

entre outros, além de representar comercialmente a WSL no<br />

Brasil. Neste novo cenário os sócios da 213 Sports – Pedro<br />

Dau, Yuri Binder, Marcelo Montenegro e Bernardo Montenegro<br />

– passam a ser sócios da V3A na vertical de esportes,<br />

integrando o núcleo de projetos Ventures. Com Pedro e Yuri à<br />

frente da gestão executiva, a liderança do setor fica a cargo<br />

do CEO Victor Vocos. Focada em marketing esportivo, a 213<br />

Sports já realizou mais de 50 projetos para marcas globais e<br />

locais, impactando mais de 20 milhões de pessoas no Brasil<br />

e no mundo. A essência da 213 Sports permanecerá nos<br />

projetos, que vê o esporte como engajamento, entretenimento<br />

e, principalmente, uma válvula de escape para as marcas que<br />

buscam atenção do consumidor final. (Foto 1)<br />

PORTA DA FRENTE<br />

A Reckitt Hygiene Comercial, parte do Grupo Reckitt<br />

acaba de colocar no ar a maior promoção omnichannel<br />

da empresa: “Pela Porta da Frente”, que vai premiar<br />

consumidores com uma casa por mês e diversos prêmios<br />

por hora. Serão sorteadas quatro casas, no valor de R$ 250<br />

mil (cada), além de um total de R$ 1 milhão em prêmios,<br />

sendo até R$ 500 por hora na primeira fase e até R$ 1 mil<br />

por hora na segunda fase. A campanha fica no ar até 8 de<br />

novembro. Para participar, o consumidor precisa realizar<br />

estreia neste universo como novo patrocinador da LOUD<br />

– organização de influenciadores digitais e esportes<br />

eletrônicos, que também faz parte do portfólio da DRUID.<br />

Vivendo em um momento de ascensão tanto do mercado<br />

de games quanto do de entretenimento de maneira geral,<br />

a LOUD e Submarino buscam desmistificar o entendimento<br />

atual sobre as necessidades de consumo da geração do<br />

milênio, a Geração Z. Como parte desse movimento, as<br />

marcas se juntaram para lançar a campanha #SUBDALOUD<br />

e anunciarem a sua união, que é muito mais do que um<br />

simples patrocínio. (Foto 5)<br />

uma compra de R$ 25,00 em produtos de higiene da Reckitt<br />

Comercial e cadastrar a nota fiscal no site da promoção. A<br />

PRÊMIOS<br />

A ELMA CHIPS® lançou a promoção “ELMA<br />

CHIPS® me faz um PIX” que oferecer aos seus<br />

iniciativa que abrange um total de 21 marcas, nos varejos<br />

físicos e online, será estrelada pelas atrizes Cacau Protásio<br />

e Samantha Schmütz e os atores Fabio Porchat e Marcus<br />

Majella. (Foto 4)<br />

consumidores a chance de ganhar prêmios de até R$1<br />

milhão. Para isso, é preciso seguir uma estratégia<br />

financeira infalível: comprar, cadastrar e concorrer.<br />

A iniciativa é válida em todo o país e os códigos<br />

promocionais estão disponíveis a partir deste mês.<br />

Para participar, os consumidores devem buscar o<br />

código nas embalagens dos produtos ELMA CHIPS®, e<br />

seguir as instruções localizadas nas tiras promocionais<br />

anexas ao produto. Com o cadastro concluído e o<br />

código inscrito, o público concorrerá aos sorteios<br />

da ação: prêmios instantâneos de R$100 por hora,<br />

prêmios semanais de R$100 mil e um prêmio final de<br />

GERAÇÕES FUTURAS<br />

Comprometida em ajudar 10 milhões de jovens<br />

em todo o mundo a terem acesso a oportunidades<br />

econômicas até 2030, a Nestlé, no ano em que<br />

completa 100 anos no Brasil, anuncia a criação do<br />

projeto “Geração Que Faz Bem”. Desenvolvido para<br />

jovens líderes brasileiros que possuam iniciativas com<br />

impacto social, o projeto, em parceria com a KidsRights<br />

e a Yunus Corporate, selecionará oito ações sociais<br />

para ganharem visibilidade nas embalagens de alguns<br />

dos produtos Nestlé. Com a visibilidade dessas ações<br />

nos pontos de venda, a Nestlé pretende impactar cada<br />

vez mais os consumidores sobre projetos que fazem a<br />

diferença na vida das pessoas. (Foto 6)<br />

PROMOÇÃO<br />

Ao completar 32 anos de trajetória, a Rede de<br />

Supermercado Pague Menos lançou a promocional com<br />

a temática “Aniversário em Casa” que vai até 15 de<br />

agosto. O conceito principal é que ao longo desse período<br />

da pandemia, todo mundo “comemorou” ao menos um<br />

aniversário em casa e que ainda é importante reforçar<br />

os cuidados e evitar aglomerações. Nas compras a<br />

partir de R$ 80,00, aqueles que estão cadastrados no<br />

Clube Leve Mais ganham um cupom para concorrer ao<br />

sorteio, e a cada R$ 80,00 pagos por meio do cartão<br />

de crédito Leve Mais, o consumidor poderá dobrar as<br />

suas chances, pois terá direito a receber dois cupons.<br />

Diariamente, em todas as lojas, serão distribuídos<br />

milhares de prêmios instantâneos. Serão R$ 300 mil em<br />

vales-compras no valor de R$ 100,00 cada, creditado<br />

em cartão para uso exclusivo na rede. No final da<br />

campanha, no dia 19 de agosto, haverá um sorteio<br />

para clientes de todos os supermercados da rede, cujo<br />

prêmio será uma casa no valor de R$ 400 mil. (Foto 2)<br />

R$ 1 milhão. O pagamento dos prêmios da modalidade<br />

vale-brinde será realizado via PicPay, parceira da<br />

marca nesta iniciativa, e as embalagens de RUFFLES®<br />

oferecem o dobro de chances nos sorteios. A iniciativa<br />

vale até 12/09/<strong>2021</strong> em todo Brasil. Os prêmios da<br />

modalidade Vale-brinde serão entregues como créditos<br />

em carteira digital, e os da modalidade Sorteio em<br />

certificado de ouro. (Foto 3)<br />

CO-BRANDING<br />

A Arcor, em ação de co-branding com o Guaraná<br />

Antarctica, amplia o seu portfólio de guloseimas e lança<br />

no mercado nacional o Poosh! Guaraná Antarctica. A<br />

novidade, disponível nas versões chicle, bala e pirulito,<br />

conta com a expertise da Arcor no mundo das guloseimas<br />

e o autêntico sabor do refrigerante brasileiro. Em um<br />

contexto de comemoração do seu centenário, é a primeira<br />

vez que o Guaraná Antarctica licencia a marca para a<br />

categoria de guloseimas, fornecendo seu aroma original.<br />

Por outro lado, a Arcor também celebra 40 anos no<br />

Brasil e 70 anos no mundo. A campanha de lançamento<br />

apresenta como conceito o “shippar” – expressão muito<br />

usada para representar a torcida de um fã pela união ou<br />

amizade de duas pessoas, e até mesmo coisas que se<br />

combinam. (Foto 7)<br />

40 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 41


EVENTOS<br />

Área de painel<br />

EXPO RETOMADA REAFIRMA<br />

PROTOCOLOS PARA RETORNO<br />

SEGURO DOS EVENTOS DE NEGÓCIOS<br />

Em suas ações,<br />

conte com<br />

as soluções<br />

da TLV!<br />

TEMOS AS SOLUÇÕES ADEQUADAS,<br />

PARA UM RETORNO SEGURO!<br />

UM MARCO DE CONFIANÇA PARA A INDÚSTRIA<br />

de Eventos depois do advento da pandemia. Assim foi considerada<br />

a EXPO RETOMADA, que novamente mostrou, na edição de <strong>2021</strong>, a<br />

OLÁ<br />

BEM VINDO<br />

Eu sou a TAIS!<br />

E conte com a TAIS,<br />

nossa inteligência<br />

artificial, que poderá<br />

ajudar nas ações que<br />

sua empresa realiza.<br />

possibilidade da realização de eventos de negócios com a segurança<br />

necessária em tempos de covid. Chancelada pelo Governo do<br />

Estado de São Paulo e o primeiro dos 30 eventos-teste agendados<br />

pelo estado – o único no segmento B2B de Feiras de Negócios e<br />

Congressos, a EXPO RETOMADA recebeu 1.264 visitantes únicos,<br />

não simultâneos, e 240 profissionais envolvidos na montagem,<br />

além de 50 expositores no Santos Convention Center, em Santos,<br />

todos testados antecipadamente para a covid 19.<br />

Uso obrigatório de máscaras, planta baixa do evento<br />

desenhada para respeitar o distanciamento, tecnologia para<br />

• Envios em grande quantidade<br />

via WhatsApp;<br />

aferição de temperatura a distância, acesso por QR Code,<br />

catracas eletrônicas automáticas e dispensers de álcool gel<br />

espalhados por todo o evento fizeram parte dos protocolos<br />

adotados. Outro detalhe foi a definição da capacidade<br />

reduzida, ou seja, o número total de participantes se manteve<br />

bem abaixo da capacidade máxima permitida do Santos<br />

Convention Center, que é de 4 mil pessoas simultaneamente.<br />

Os cuidados e protocolos foram aplicados da montagem à<br />

desmontagem do evento. Houve também acompanhamento<br />

e fiscalização pela Secretaria de Saúde Estadual, Municipal,<br />

Vigilância Sanitária, entre outros órgãos, durante toda a EXPO.<br />

O diretor da <strong>Live</strong> <strong>Marketing</strong> Consultoria e um dos<br />

idealizadores da EXPO RETOMADA, Paulo Octávio Pereira de<br />

Almeida, o P.O. assegura que será necessário um período de<br />

flexibilização com consciência ainda por muito tempo. “A EXPO<br />

RETOMADA só aconteceu por meio de entidades que estão<br />

comprometidas sobre a prática e correta aplicação desses<br />

protocolos há tanto tempo quanto a pandemia nos atingiu e<br />

alguns profissionais foram se tornando especialistas nessa<br />

área. Os caminhos nos levam à possibilidade de realizar<br />

Estande dos expositores<br />

“Os caminhos nos<br />

levam à possibilidade<br />

de realizar eventos que<br />

são mais seguros que ir<br />

a um supermercado, a<br />

um shopping center ou<br />

a uma loja de material<br />

de construção.”<br />

eventos que são mais seguros que ir a um supermercado, a um<br />

shopping center ou a uma loja de material de construção.”<br />

ACOMPANHAMENTO<br />

O evento ainda contou com um programa de<br />

acompanhamento detalhado de todos os participantes por duas<br />

semanas, com o objetivo de gerar um relatório com informações<br />

técnicas para municiar o Governo do Estado e atestar a<br />

possibilidade de retomada segura dos eventos de negócios,<br />

desde que cumpram todos os protocolos praticados durante<br />

o evento. De maneira proativa, os organizadores contataram<br />

as 1.264 pessoas e, por meio de autodeclaração, monitorar<br />

o estado de saúde relacionado à pandemia, além de testar<br />

novamente cerca de um terço dos participantes. Todos estes<br />

dados estão sendo enviados à Secretaria Estadual de Saúde e<br />

ao Comitê de Saúde de São Paulo, aos cuidados da Secretária<br />

do Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, do Presidente<br />

do Comitê de Contingência da Covid 19 do Estado de São Paulo,<br />

João Gabardo, e do Secretário de Turismo, Vinícius Lummertz,<br />

que participaram da EXPO RETOMADA.<br />

• Processos automatizados<br />

e com inteligência artificial;<br />

• Confirmação de presença,<br />

atualização de dados,<br />

comunicações e muito mais!<br />

Conte<br />

com a<br />

gente!<br />

comercial@tlv.ag<br />

11 5632-5999<br />

Rua Quararibéia, 243<br />

Santo Amaro<br />

São Paulo - SP<br />

MANUSEIO • ARMAZENAMENTO • ENTREGAS • CALLCENTER • URA • RSVP • CREDENCIAMENTO<br />

42 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong> 43


44 REVISTA LIVE MARKETING - AGOSTO <strong>2021</strong>

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!