Revista dos Pneus 64

apcomunicacao
  • No tags were found...

GESTÃO Como tirar proveito da mudança

APRESENTAÇÃO Bridgestone Potenza Sport

A revista n.º 1

dos profissionais

revistadospneus.com

64

Setembro 2021

ANO IX | 5 euros

Periodicidade: Trimestral

Entrevista Oguz Ay

Diretor de Marketing da Petlas

Pneus agrícolas

Tudo pela

sustentabilidade!


www.yokohamaiberia.com


Editorial

DIRETOR

João Vieira

joao.vieira@apcomunicacao.com

DIRETOR COMERCIAL

Mário Carmo

mario.carmo@apcomunicacao.com

GESTOR DE CLIENTES

Paulo Franco

paulo.franco@apcomunicacao.com

WEBMASTER

António Valente

antonio.valente@apcomunicacao.com

ARTE

Hélio Falcão

Confiança

em tempos de

coronavírus

JOÃO VIEIRA, Diretor

SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

E CONTABILIDADE

financeiro@apcomunicacao.com

PERIODICIDADE

Trimestral

Assinaturas

assinaturas@apcomunicacao.com

© Copyright

Nos termos legais em vigor, é totalmente

interdita a utilização ou a reprodução desta

publicação, no seu todo ou em parte, sem a

autorização prévia e por escrito da Revista dos

Pneus

IMPRESSÃO

Lisgráfica - Impressão e Artes Gráficas, S.A.

Estrada Consiglieri Pedroso, 90

2730 - 053 Barcarena

Tel.: 214 345 400

TIRAGEM

5.000 exemplares

N.º de Registo na ERC: 124.782

Depósito Legal n.º: 201.608/03

Tiragem: 5.000 exemplares

EDIÇÃO

AP COMUNICAÇÃO

Proprietário/Editor

JOÃO VIEIRA - PUBLICAÇÕES UNIPESSOAL,

LDA.

Contribuinte

510447953

SEDE

BELA VISTA OFFICE

ESTRADA DE PAÇO DE ARCOS, 66

2735 - 336 CACÉM

TEL. +351 219 288 052

GPS 38º45’51.12”N - 9º18’22.61”W

PRINCIPAL ACIONISTA JOÃO VIEIRA (100%)

TEL. +351 219 288 052

Email GERAL@APCOMUNICACAO.COM

CONSULTE O ESTATUTO EDITORIAL NO SITE:

WWW.REVISTA DOS PNEUS.COM

Para além dos protocolos de

segurança ou de desinfeção,

aspetos como a afinidade ou a

credibilidade são fundamentais

quando se trata de criar

confiança nos clientes. Fidelizar os clientes

é sempre um objetivo de qualquer oficina,

mas ainda mais em tempos de coronavírus,

época em que a quota de mercado diminui e

existe menos trabalho para repartir entre as

empresas do setor. Com a menor utilização

do automóvel, diminuem as idas à oficina

e, consequentemente, a faturação. Assim,

torna-se fundamental que os clientes tenham

confiança nos profissionais do estabelecimento

em todos os âmbitos, e não só na

segurança ou nos protocolos de desinfeção,

imprescindíveis hoje em dia. Somente graças

a essa confiança, apenas garantida por

algumas oficinas recomendáveis, é que se

podem obter excelentes resultados e responder

a 100% às exigências e necessidades

dos clientes.

Muita da atividade das oficinas tem precisamente

por base a confiança e o facto dos

clientes confiarem no serviço que prestam

e na competência dos seus profissionais. É

na confiança que reside a base da atividade

empresarial. Por isso é tão importante gerar

confiança nos clientes das oficinas em tempos

de coronavírus.

Como em qualquer outro negócio, o primeiro

contacto com os clientes pode fazer

a diferença entre perder uma operação ou

conquistar um consumidor para toda a vida.

Assim, o profissional da oficina deve oferecer

uma boa imagem e apresentação, com o

objetivo de favorecer essa afinidade pessoal

com os clientes. Causar empatia, conseguir

entender a situação dos clientes e revelar

sensibilidade são fatores importantes, tal

como mostrar segurança em nós próprios,

encontrar pontos em comum e falar de forma

vigorosa e enérgica. Tudo isto em conjunto

favorecerá uma relação de maior confiança

entre os clientes e a oficina e os profissionais

da mesma.

O profissional de oficina deve entender e

compreender o que o cliente necessita e,

naturalmente, solucionar os problemas do

mesmo. Para isso, deve demonstrar tanto o

seu conhecimento técnico como a sua experiência.

De nada serve dizer de imediato

que a avaria será reparada no próprio dia,

se depois se demoram três. Ser transparente

neste sentido, assim como na elaboração de

orçamentos, faturas, documentos e garantias

aumenta a credibilidade da empresa. Uma

credibilidade que, além do mais, poderá ser

transmitida de boca em boca e aumentar a

carteira de clientes a curto e médio prazo.

O profissional não pode prometer algo que

não consegue cumprir. Numa reparação podem

entrar muitos fatores em jogo. Desde a

dificuldade da operação, até nos depararmos

com um estado inesperado e pior do que julgávamos

em relação às peças, passando pelo

prazo de entrega das peças de substituição,

etc. No fundo, trata-se de ser coerente com

as palavras e os atos no dia a dia.

Por fim, o profissional da oficina deve estar

empenhado no sucesso junto do cliente, mas

também em construir uma relação a longo

prazo baseada no facto de os consumidores ficarem

satisfeitos com o atendimento recebido

e com os resultados. Só assim se pode criar

confiança e fidelizar a clientela, um aspeto

fundamental em tempos de pandemia. ♦

www.revistadospneus.com | 03


Produto Mercadoestrela

Goodyear Sightline

Primeira solução

de pneus inteligentes

A Goodyear apresentou a primeira solução de pneus inteligentes

SightLine, que permitirá uma mobilidade fluida, segura e fiável para todos

os veículos, começando pelos comerciais ligeiros

Ao longo deste ano, a Goodyear

SightLine também estará

disponível para os clientes de

equipamento de origem da

Goodyear e para novos fornecedores de

frotas e de mobilidade. Inicialmente disponível

na América do Norte e na Europa, a

Goodyear SightLine utiliza sensores com algoritmos

baseados em cloud para comunicar

com os operadores de frotas em tempo real.

A tecnologia de manutenção preditiva patenteada

pela Goodyear pode ajudar a

abordar muitos dos desafios que enfrentam

atualmente os condutores e os gestores

de frotas. Entre estes encontram-se a

predição de avarias, a redução do tempo de

inatividade e a supervisão da pressão e do

desgaste dos pneus, para uma mobilidade

mais segura e eficiente. Tal como os relógios

inteligentes controlam questões vitais, como

o ritmo cardíaco e os níveis de oxigénio, a

solução inteligente Goodyear SightLine para

pneus controla a saúde do pneu.

A Goodyear SightLine elimina o mistério

da compreensão dos pneus, e proporciona

uma visão proactiva da mobilidade, para

comunicar quando os pneus necessitam

de manutenção ou de ser substituídos. A

Goodyear acumulou milhares de milhões

de quilómetros com as soluções de pneus

disponibilizadas pela Goodyear SightLine,

através de programas piloto, e, com o seu

lançamento, estabelece as bases para um

futuro de pneus conectados em que estes

são inteligentes. A empresa estabeleceu

como objetivo incluir a inteligência dos

pneus em todos os novos produtos a partir

de 2027.

No futuro, a tecnologia Goodyear SightLine

proporcionará informação não só

sobre o pneu, mas também sobre as condições

da estrada, o que permitirá uma mobilidade

conectada e autónoma. Os testes

iniciais demonstraram que a integração da

tecnologia Goodyear SightLine no sistema

de controlo de um veículo pode contribuir

para uma redução de 30% da distância de

travagem. ♦

No futuro, a tecnologia Goodyear SightLine proporcionará

informação não só sobre o pneu, mas também sobre

as condições da estrada, o que permitirá uma mobilidade

conectada e autónoma

04 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Equipamento Mercado do mês

RAVAGLIOLI RAVTD3200 HPR

Seguro

e eficaz!

O modelo RAVTD3200

HPR, faz parte da segunda

geração de máquinas de

alinhar direções 3D da

Ravaglioli e é comercializado

em Portugal pela PCC,

distribuidor oficial da

marca em Portugal, que

garante a venda, montagem

e assistência técnica de

qualquer equipamento

Ravaglioli

O

equipamento pode ser utilizado

em diferentes tipos de

elevadores graças à sua compensação

automática de desnível

do elevador. O seu sistema de

vanguarda, permite a transmissão de dados

sem fios através de Bluetooth.

Os sistemas de medição são colocados diretamente

nas plataformas do elevador,

dessa forma, não é necessária a utilização

de uma torre de controlo, este sistema

permite reduzir significativamente o tamanho

da máquina de alinhar direções

Ravaglioli RAVTD3200 HPR, tornando-se

o equipamento ideal para as oficinas com

espaço limitado.

Os sistemas de medição RAV TD3200 HPR,

são compactos e extremamente leves e

permitem ao utilizador, realizar alinhamentos

de forma rápida, segura e eficaz.

Para uma medição precisa, os sistemas

de medição são equipados com câmaras

de 5MP de resolução, o sistema de compensação

de nível da plataforma, permite

total estabilidade mesmo em superfícies

irregulares. Cada sistema de medição dispõe

de um display LCD, para a leitura em

tempo real das informações.

Os alvos 3D instalados nas pinças de fixação

são extremamente leves, não precisam

de manutenção, uma vez, que não

possuem elementos eletrónicos. Todos

os ângulos do veículo são medidos apenas

em alguns segundos sem qualquer

intervenção do operador. O Software

para a gestão do equipamento, permite

a conexão através de Wireless e USB, o

programa é extremamente intuitivo graças

aos gráficos de alta resolução.

O programa de gestão de alinhamentos

inclui uma base de dados completa de

veículos, o utilizador poderá criar uma base

de dados de clientes, gerindo cada cliente

de forma singular e personalizada. ♦

Características

RAVTD3200HPR

• Versão 3D com câmaras fixas;

• Sistema automático de compensação

do desnível do elevador;

• Sistema de transmissão de

dados “Sem fios”;

• Consola

• Computador

• Monitor 27”

• Teclado

• Kit 2 baterias

• Garras de 3 pontos

• 1 Par de pratos rotativos

mecânicos com acessórios.

• Preparado para ADAS

Os alvos 3D instalados nas pinças de fixação são

extremamente leves e não precisam de manutenção,

uma vez que não possuem elementos eletrónicos

06 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


C

LAS_Pneurama Greenways_A4_ilan.pdf 1 24.08.2021 15:02

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K


Destaque Mercado

Vendas vão

continuar

a crescer

O mercado mundial de pneus agrícolas é cíclico. No entanto, a população mundial

continua e continuará a aumentar pelo que será necessário aumentar a produção

agrícola. A agricultura profissional vai aumentar e a procura de pneus mais

eficientes acompanhará esta tendência


Pneus Agrícolas

Na opinião dos responsáveis

das marcas de pneus agrícolas

contactados para este trabalho,

o mercado de pneus agrícolas

continuará a crescer nos próximos anos,

acompanhando o crescimento da agricultura.

Estamos constantemente a assistir

a um aumento do consumo de produtos

alimentares que está umbilicalmente ligado

ao sector agrícola. Sobretudo porque

ainda não somos autossustentáveis no que

à produção alimentar diz respeito, terá de

haver uma aposta crescente na exploração

agropecuária o que se traduzirá, desde logo,

num aumento da utilização deste tipo de

produto. A título de exemplo, a implementação

de grandes projetos nacionais como o

caso da barragem do Alqueva, veio permitir

também o alargamento das áreas agrícolas

exploradas, o que contribui positivamente

para o referido aumento.

MUDANÇA RÁPIDA E CONSTANTE

O setor agrícola muda de forma rápida e

constante. O aumento da produtividade e a

melhoria da eficiência são dois fatores importantes

subjacentes às tendências atuais. No

que diz respeito à mecanização agrícola, esta

orientação traduz-se no desenvolvimento

de máquinas cada vez mais potentes e pesadas,

concebidas para transportar grandes

cargas. Se, por um lado, a utilização destas

máquinas torna o trabalho mais produtivo e

rápido, por outro, o seu maior peso resulta em

grandes danos para o terreno e as culturas,

ao compactarem o solo agrícola. Estimativas

recentes indicam que, nos últimos 10 anos,

mais de 20% das culturas se perderam devido

a este problema. Assim, é fundamental limitar

a compactação do solo de modo a maximizar

o rendimento por hectare e conservar a

integridade e especificidades do solo.

PRODUTOS DURÁVEIS,

FIÁVEIS E RESISTENTES

O objetivo das explorações agrícolas em

geral é ter produtos duráveis, fiáveis e resistentes

que consigam dominar qualquer

dificuldade. O agricultor está muito atento

ao retorno do investimento, porque um

Tipos de pneus

agrícolas

Um bom pneu para o campo é

aquele capaz de resistir às altas

cargas de trabalho, além de se

adaptar aos diferentes tipos de

terreno. Existem dois tipos

principais de pneus agrícolas,

um para cada necessidade:

PNEU AGRÍCOLA DIAGONAL

Plantações em terreno com muita terra

compactada, pedras e até desníveis. Nesse tipo

de cenário, o pneu agrícola diagonal é uma boa

opção. A sua estrutura apresenta lonas

sobrepostas na carcaça. São lonas cobertas por

fibras têxteis, normalmente o nylon, que

atravessam o pneu e dão um aspeto diagonal –

motivo do nome. Uma das vantagens dessa

estrutura é que ela mantém a temperatura do

pneu mais baixa, já que as lonas não sofrem

fricção entre si, o que impacta ainda na

durabilidade e resistência do produto. O pneu

agrícola diagonal também tem um bom

rendimento em matéria de consumo de

combustível, com uma direção firme e aderente.

A boa resistência aos impactos faz dele uma

ótima escolha para terrenos acidentados. Pneus

diagonais têm como características a alta

resistência a impactos e elasticidade.

PNEU AGRÍCOLA RADIAL

Um segundo modelo dentro dos principais

tipos de pneus agrícolas é o radial. O seu nome

vem da estrutura do produto, que tem lonas

distribuídas seguindo a direção do raio da

circunferência. Este tipo de pneu é produzido

com lonas de poliéster e/ou nylon, o que dá mais

estabilidade e diminui a deformação na carcaça

ao longo do uso. As lonas são dispostas no

sentido radial da circunferência do pneu, dando

mais resistência à banda de rodagem e

contribuindo para a redução da temperatura,

pois não sobreaquece a borracha. Nos pneus

radiais para uso rural, existem cintas para que a

área de rodagem seja mais rígida. Assim, ao

conduzir o trator, o motorista sente maior

estabilidade. No uso, os pneus agrícolas radiais

por serem menos resistentes ao impacto, não se

dão bem em terrenos muito acidentados.

A produção de pneus agrícolas tem

evoluído imenso, quer do ponto de vista

da tecnologia, quer dos materiais a

utilizar, em linha com o que são as atuais

necessidades dos agricultores

www.revistadospneus.com | 09


Reportagem Destaque

O agricultor está muito atento ao retorno do investimento,

porque um pneu faz realmente a diferença em termos de

operacionalidade e desempenho de uma exploração agrícola

Tecnologia VF

(Very High Flexion)

VF, ou “Very High Flexion” (flexão muito

elevada), é um padrão introduzido pela

organização europeia European Tyre and

Rim Technical Organisation (ETRTO) e a

associação Tire and Rim Association

(TRA), sendo uma evolução da tecnologia

IF (Improved Flexion, flexão melhorada).

Um pneu com tecnologia VF é concebido

para transportar 40% mais carga do que

os pneus padrão à mesma pressão. Por

outras palavras, transporta a mesma

carga a pressão mais baixa do que um

produto padrão. É esta característica que

torna a tecnologia VF um trunfo contra a

compactação do solo. Esta dita

compactação depende da pressão do

pneu sobre o campo, a qual é

influenciada não só pela carga como

também pela marca do pneu no solo.

Não é por acaso que a pressão é igual à

carga dividida pela área da marca do

pneu no solo. Existem duas formas de

reduzir a pressão sobre o solo: reduzir a

carga, o que poderá ser irrealista, ou

aumentar a marca do pneu no chão, a

opção vencedora. É esta a solução

subjacente à tecnologia VF, o que

permite reduzir a pressão ao aumentar a

marca do pneu no solo e reduzir a

compactação, com a carga aplicada

sempre constante.

Um exemplo prático? Uma carga de

6.500 kg sobre um pneu padrão 710/70

R 42 exigiria uma pressão de 2,4 bares,

enquanto o mesmo peso sobre um pneu

com tecnologia VF das mesmas

características exige apenas 1,2 bares.

Finalmente, alguns dados sobre jantes:

deverá ter-se em conta que os pneus

com tecnologia VF precisam de jantes

mais largas do que as soluções padrão.

Tal não é o caso dos pneus VF com

marcação de jante estreita (“NRO”,

Narrow Rim Option), que permite a

utilização de jantes padrão.

pneu faz realmente a diferença em termos

de operacionalidade e desempenho de uma

exploração agrícola. É o pneu que “traduz”

a potência da maquinaria no terreno, para

aumentar as suas qualidades, e dar tração.

Já não é um componente isolado, mas antes

parte do sistema de máquinas.

Trata-se sobretudo de uma questão de durabilidade:

a substituição de um pneu devido

a danos ou outros problemas não só requer

um novo investimento, como cada tempo

de inatividade também tem um forte impacto

na produtividade. Em qualquer caso,

para além das necessidades dos utilizadores

em termos de produtividade, existem

outros grandes temas, como a segurança

e o conforto.

Obviamente que uma exploração agrícola

tem os seus próprios objetivos de negócio,

mas isso não significa que as outras necessidades

sejam de natureza acessória. Os pneus

devem, por isso, ser altamente tecnológicos,

garantir uma redução do consumo de combustível

e proporcionar uma elevada tração

e estabilidade, bem como uma resistência

extraordinária aos cortes, à abrasão e ao

desgaste mesmo nas condições de funcionamento

mais difíceis, com consequente

aumento da durabilidade.

CAMINHO DA SUSTENTABILIDADE

Os construtores de tratores agrícolas estão a

apostar num processo de mudança irreversível,

em que o caminho da sustentabilidade

é a única solução para um futuro em que

sobreviva tanto o planeta como os seus habitantes.

A um ritmo ditado pelas alterações

climáticas, assistimos à introdução de uma

nova geração de veículos: autónomos, elétricos,

alimentados por fontes de energia

alternativas, solares ou hidrogénio. Neste

contexto, para responder às solicitações

dos melhores construtores, os fabricantes

de pneus estão a adaptar-se, no que à investigação

se refere, para acompanhar esta

evolução, já que o pneu é um dos componentes

chave para o maior rendimento de

um veículo, em termos globais e de sustentabilidade

ambiental e económica. No que

diz respeito aos pneus agrícolas, as maiores

mudanças acontecem ao nível da tecnologia

de construção da carcaça e dos materiais

que compõem o pneu.

A evolução que temos assistido ao longo dos

últimos anos tem-se manifestado essencialmente

pela crescente aposta dos fabricantes

na conceção de uma gama cada vez mais

vasta de pneus radiais de agricultura que se

traduz desde logo numa maior capacidade

de contacto do pneu com o solo comparativamente

com os pneus diagonais (também

conhecidos como convencionais). Apostas

em tecnologias com menos impacto no natural

desenvolvimento dos solos como os

pneus de flutuação ou pneus com tenologia

de autolimpeza são exemplos práticos

daquilo que a mais recente tecnologia nos

consegue oferecer nesta área. . u

10 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Pneus Agrícolas

As novidades das marcas de pneus agrícolas

OS FABRICANTES DE PNEUS AGRÍCOLAS CONCEBEM MODELOS QUE RESPONDEM CADA VEZ MAIS

ÀS SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS DOS CLIENTES. TUDO PARA QUE O PNEU POSSA TER UM LONGO

CICLO DE VIDA, TORNANDO-SE SUSTENTÁVEL, OU SEJA, QUE NÃO TENHA DE SER SUBSTITUÍDO

ANTES DO TEMPO, EVITANDO ASSIM O TEMPO DE INATIVIDADE DA MÁQUINA E O DESPERDÍCIO

BRIDGESTONE / FIRESTONE

A oferta deste fabricante para o segmento

agrícola é constituída pelas marcas Bridgestone

e Firestone. Os pneus Bridgestone

premium estão disponíveis para tratores e

máquinas industriais. A Firestone dispõe de

gamas para flutuação, silvicultura, eixo livre

e tração. Todos os pneus Bridgestone são

construídos com a reconhecida e robusta

tecnologia de carcaça da Bridgestone para

assegurar uma excelente durabilidade e resistência

a danos. Os pneus agrícolas Bridgestone

são fabricados com um composto

resistente ao desgaste que contém óleos

vegetais, substituindo alguns óleos à base

de petróleo. Esta nova geração de composto

de banda de rodagem proporciona ainda

melhor desgaste e resistência aos danos.

Além disso, todos os pneus agrícolas Bridgestone

apresentam a patente de desenho

de malhas involutas que proporciona múltiplos

benefícios, sobretudo em situações

mais complicadas.

O Firestone Performer Extra com a tecnologia

Dual-Angle Lug garante uma grande

tração, enquanto a opção de carga extra

permite uma capacidade de carga maior

BRIDGESTONE

do que muitos produtos concorrentes. O

pneu tem uma banda de rodagem auto-

-limpeza para excelente tração e maior eficiência

de combustível, enquanto a carcaça

flexível do pneu reduz a compactação do

solo e melhora o conforto e a condução na

estrada. O Firestone Performer Extra permite

uma vida útil do pneu 20% mais longa, o

que permite aos agricultores reduzirem a

pegada ambiental e diminuírem os custos

operacionais a longo prazo.

A nível de novidades, o VX TRACTOR da

Bridgestone é a mais recente adição bem

sucedida da marca ao mercado de alto desempenho

e destaca-se pela sua superior

robustez e capacidade de carga, design e os

benefícios que traz em comparação com os

seus concorrentes: um design e construção

incríveis que o tornam perfeito para uma

utilização extensiva na estrada e proporciona

um excelente desempenho, conforto e maior

tração no campo.

www.revistadospneus.com | 11


Reportagem Destaque

Também foi lançado recentemente o

Firestone Performer EXTRA para tratores de

pequena e média potência em medidas de

série 85 e 70. Esta nova versão do Performer

incorpora um composto mais resistente ao

desgaste para aumentar o desempenho

da gama anterior em 20% e melhorar a

durabilidade do pneu, uma das qualidades

mais exigidas atualmente. O lançamento foi

acompanhado por uma garantia ambiciosa

que pode ser ativada através da rede de

parceiros Bridgestone na agricultura e visa

proporcionar segurança e paz de espírito

ao agricultor com cobertura de danos e um

compromisso de custo horário mais baixo

do que qualquer outro pneu. Esta confiança

provém de uma nova construção de pneus

com uma composição de material mais

resistente ao desgaste, que proporciona uma

melhoria de 20% no desempenho horário

em relação à geração anterior. O Firestone

Perfomer EXTRA continuará a manter as

medidas mais populares da gama, aqueles

com especificação XL, que continuarão a

fornecer classificações de carga superiores

às normais.

A Bridgestone melhorou as tecnologias

de flexão, concebidas para trabalhar com

pressões de inflação reduzidas numa

gama de carga e velocidade mais ampla,

permitindo que o trabalho seja feito em

menos tempo. O aumento da área de

contacto com o solo destes pneus, devido

à redução da pressão de enchimento,

promove tanto a tração como a redução da

compactação do solo fértil para uma maior

produtividade e sustentabilidade do solo,

bem como a poupança de dinheiro através

da redução do consumo de combustível.

A Bridgestone também deu mais um

passo na sua estratégia nos últimos anos,

continuando a sua transformação de

fabricante de pneus para fornecedor líder de

soluções de mobilidade, e isto é algo que se

estende a todos os segmentos em que está

presentes. No caso da agricultura, tem uma

série de inovações de produtos e soluções

digitais para apoiar o sector agrícola na era

pós-Covid.

O compromisso da Bridgestone com a

sociedade e, neste caso, com os agricultores,

agora mais do que nunca anda de mãos

dadas com um compromisso com os

mais altos níveis de qualidade e inovação

tecnológica. O investimento contínuo em

investigação e desenvolvimento nos centros

técnicos da Bridgestone, associado a um

aumento do número de ensaios e testes de

campo conduzidos pela Bridgestone em

todo o mundo, resultou na produção de

uma gama de pneus agrícolas de qualidade

superior.

CONTINENTAL

CONTINENTAL

PETLAS

Em Portugal, na fábrica do Lousado, a Continental

fabrica pneus de construção radial, de

jante igual ou superior a 24”, nas séries 85, 70

e 65 para tratores e ceifeira, concretamente o

Tractor 70, o Tractor 85, e mais recentemente

o CombineMaster e o TractorMaster. Graças

ao inovador talão e à tecnologia nylon, os

novos pneus agrícolas são caracterizados

por robustez extrema e durabilidade, ao

mesmo tempo que asseguram baixa compactação

do solo, elevada tração e conforto

de condução. O TractorMaster é um modelo

robusto e de baixo desgaste apto tanto para

o campo como para a estrada graças ao seu

elevado nível de conforto. Equipados com

a tecnologia N.flex os pneus Continental

são únicos. O segredo da durabilidade de

um pneu de trator que conduz em asfalto,

terra ou pedra, é a flexibilidade e a durabilidade

da carcaça. Para dar resposta a esta

necessidade, a Continental desenvolveu uma

inovadora tecnologia – N.felx, que torna os

pneus mais robustos e uniformes. Aguentam

as condições mais difíceis, suportando mais

agressões do que nunca. Em caminhos empedrados

e campos, rolam enfrentando os

obstáculos – absorvem qualquer impacto,

distribuindo-o por uma área maior.

O material da carcaça é suficientemente

flexível para absorver o impacto e depois

regressar à sua forma original sem deformação

permanente. Esta característica garante

robustez a longo prazo e pneus mais uniformes

para um rolamento confortável. A

enorme redução dos pontos planos significa

o fim das viagens turbulentas de manhã.

Desde o primeiro momento, os pneus para

tratores são sujeitos a teste de força e durabilidade.

São aplicadas forças enormes no

talão quando é esticado sobre a jante e, em

seguida, o talão tem de voltar de imediato

à sua forma original. Toda a engenharia de

precisão e tecnologia de última geração do

mundo só dão frutos se este momento for

um sucesso. É aqui que um pneu se transforma

numa peça de equipamento para trabalho

pesado na agricultura que irá ajudar

o agricultor durante muitos anos. A nova

tecnologia N.felx garante que nada fica ao

acaso durante este momento importante.

O talão é agora feito de um só fio de aço, e

o rebordo de borracha dura para contacto

com a jante cobre todo o talão, para uma

montagem mais fácil e uma durabilidade

maior. Com a sua robustez sem paralelo e

a sua capacidade para manter a forma original,

todos os pneus Continental rolam tão

suavemente na estrada como saíram da linha

de produção.

No caso concreto da Continental a designação

“Engineered for Efficiency” assinala o

compromisso da Continental em melhorar

o desempenho do veículo e a qualidade do

seu trabalho, ao mesmo tempo que reduz

os recursos necessários. De forma a alcançar

este objetivo, a Continental investiu de

forma intensiva na nova unidade de produção

em Lousado. Foi feita uma aposta em

tecnologias de produção de última geração,

tais como circuitos integrados de aplicação

específica (ASIC) ou máquinas de aplicação

de pisos inovadoras, de forma a garantir processos

de produção eficientes, precisos e

sem erros. A sustentabilidade abrange também

os processos produtivos, com o objetivo

final de desenvolver produtos duradouros,

ou seja, pneus não só resistentes, mas que

também respeitem o solo. A Continental faz

um acompanhamento muito próximo dos

clientes, aliás como faz a todos os clientes

das diferentes áreas. No setor agrícola até

pela especificidade dos produtos e pelo tipo

de utilização a que estão sujeitos tem um

acompanhamento por parte da sua equipa

técnica e comercial muito próximo.

DISPNAL

Atualmente, a Dispnal dispõe de uma vasta

gama de produtos associados ao sector agrícola,

com representação nas marcas Petlas

12 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Pneus Agrícolas

e Galaxy, bom como a comercialização das

marcas Michelin, Taurus, Kleber, Continental

e Trelleborg. A oferta de produto neste

segmento é muito diversificada. Tem pneus

para praticamente todo o tipo de máquinas

e acessórios agrícolas os quais são distribuídos

pelas diferentes marcas. A aposta

de gama disponível, vai desde os produtos

associados ao segmento budget, com uma

rentabilidade que já começa a ser algo reconhecida,

até ao produto premium, para os

clientes que procuram um produto com uma

notoriedade e rentabilidade em patamares

mais elevados.

Entre as mais recentes novidades neste segmento,

além do constante desenvolvimento

de novas medidas, cada vez mais adequadas

aos diferentes tipos de máquinas agrícolas,

a Dispnal destaca a construção com recurso

à fibra de aramide (vulgarmente conhecido

como Kevlar), que se traduz numa maior

durabilidade do pneu, maior capacidade

de carga sem comprometer o desempenho

e com uma pegada ambiental cada

vez mais reduzida. Dentro das marcas que

comercializa, destaca-se a Petlas que já faz

um uso bastante expressivo deste tipo de

tecnologia.

A Dispnal desenvolve o seu trabalho junto

dos clientes apoiado em alguns princípios

fundamentais, sem os quais considera que

não é possível prestar o melhor serviço e

apoio, enquanto players de mercado com

o peso que atualmente é reconhecido

aos distribuidores. Por essa via, procura a

proximidade com os seus clientes, desde

a apresentação do produto, do apoio técnico

quando necessário através da sua força de

vendas no terreno e do serviço pós-venda

prestado pelo departamento técnico

quando surgem deficiências de utilização

ou anomalias na normal utilização dos produtos

que coloca no mercado.

FEDIMA

A Fedima comercializa a marca Cafema

em recauchutagem integral, para

motocultivadores da jante 10” à jante 20”.

Nesta marca utiliza carcaças comerciais e

de turismo, sendo mais resistentes que a

maioria dos pneus originais, que dão maior

rentabilidade na utilização. Recentemente

foi lançada lançada nova gama de moldes

FM110 para as medidas: 280/70R16 –

280/70R18 - 750R16 e 825R16.

A Fedima produz para os postos de assistência

em Portugal e Espanha, que dão o

apoio normal ao seu cliente. Na opinião de

Carlos Marques, administrador da Fedima,

a agricultura é um setor em grande desenvolvimento

e o mercado de pneus agrícolas

CAFEMA

está a crescer. No seu caso, a questão é o

preço e nesta gama não houve nem está

previsto qualquer processo anti-dumping.

Os pneus chegam da Ásia com preços muito

competitivos, embora atualmente o custo

exagerado dos transportes, talvez venha a

beneficiar a recauchutagem. Para este responsável,

o cliente procura essencialmente

preço e é o agente que vende o produto que

mais lhe interessa. Quanto ao respeito pelo

meio ambiente, considera que os utilizadores

deveriam exigir pneus recauchutados

quando existem no mercado meios para

a sua recauchutabilidade, pois um pneu

agrícola recauchutado é tão eficiente ou

mais que um pneu novo. “O ser humano

só fala em necessidade de proteger o ambiente

quando sucedem catástrofes como

recentemente na Alemanha e Bélgica. Na

semana a seguir tudo é esquecido”, conclui.

LASSA

A marca da Pneurama para os pneus agrícolas

é a Lassa Tyre. Os pneus agrícolas da

marca Lassa são caracterizados por serem

duráveis e de longa vida útil. O fabrico do

pneu é feito com reforço de cordas de nylon

para uma maior resistência. O piso é construído

com um composto duro para garantir

longevidade ao pneu, absorção aos choques,

resistência a danos de pedras e aos furos. Os

pneus agrícolas da marca Lassa são todos

diagonais, que são sempre mais resistentes.

Estes pneus agrícolas são fabricados com os

mesmos critérios de toda a gama dos pneus

Lassa. O fabricante Brisa beneficia da qualidade

de matérias-primas e qualidade de

fabrico do maior grupo fabricante de pneus

do mundo. Estes pneus agrícolas como todos

os pneus Lassa são caracterizados pela

longevidade da utilização.

A mais recente novidade é o modelo Lassa

TR-70, um pneu de tração desenhado para

operar em condições severas. Tem um design

avançado com blocos do piso flexíveis para

providenciar conforto na condução. Tem

um piso aberto no centro com anglo duplo,

blocos auto limpeza e ombros grandes para

melhorar a tração e reduzir derrapagem em

todo o tipo de pisos. Tem por último uma

nova construção que providencia firmeza

na ligação entre o pneu e a jante. O pneu

Lassa TR-68 é o modelo de direção. Pneu de

4 linhas para multiusos agrícolas. Este pneu

tem um piso com linhas no centro e cruzada

nos ombros para performance satisfatória

em ambos campo e estrada.

É pratica do fabricante Brisa usar sempre os

melhores sistemas de fabrico e melhores

matérias-primas. No segmento de pneus

Agrícolas só produzem pneus diagonais que

LASSA

são sempre mais resistentes. A Pneurama

tem sempre um enorme foco na relação

com os seus clientes, que são as lojas de

pneus, pois não trabalha com o utilizador

final, o agricultor.

MICHELIN

A Michelin é líder no setor agrícola. Os especialistas

do Grupo Michelin têm vindo a

ajudar todos os profissionais agrícolas há

mais de um século. Dedica toda a experiência,

competências e inovação ao respeito e

proteção do solo, ajudando-os a otimizar

os seus custos operacionais, em particular

através da economia de combustível, e a

melhorar o rendimento das suas culturas,

reduzindo simultaneamente a compressão

e compactação do solo. No segmento Pre-

www.revistadospneus.com | 13


Destaque

Pneus Agrícolas

permutações, reparações, etc.) para otimizar

o desempenho da maquinaria agrícola.

mium tem as marcas Michelin e Kleber e

no segmento Quality a Taurus, complementando

com soluções de tele-enchimento ou

esteiras graças à incorporação de marcas

como PTG e CAMSO respetivamente.

A Michelin caracteriza-se pela sua capacidade

de inovação e renovação constante.

Na Michelin, cada pneu tem as suas próprias

especificidades, dependendo da utilização

para a qual foi concebido. No caso dos pneus

agrícolas, o equilíbrio é alcançado através

do desenvolvimento de produtos com uma

longa vida útil, mantendo simultaneamente

um elevado nível de tração no campo e um

bom desempenho na estrada, graças à constante

evolução dos materiais de alta tecnologia

que utiliza. A visão do grupo Michelin

é oferecer o melhor caminho a seguir, para

que amanhã tudo seja sustentável e possa

fabricar pneus a partir de matérias-primas

100% sustentáveis, fornecendo soluções

que ajudem a melhorar o meio ambiente.

A Michelin colocou a si própria um desafio

“Todos sustentáveis até 2050”.

Michelin TRAILXBIB é o último pneu lançado

pela marca, especificamente concebido

para utilização em reboques e máquinas

rebocadas (alfaias). Apresenta todas as tecnologias

mais recentes, tais como Michelin

UltraflexR Technology, que permite trabalhar

a muito baixa pressão no campo e Air

Systems ReadyR (compatível com sistemas

de tele-enchimento) que permite ajustar

a pressão no campo/estrada para otimizar

o desempenho do pneu/veículo/solo de

acordo com a utilização.

A estratégia do Grupo Michelin baseia-se

na sustentabilidade, melhorando a durabilidade,

reduzindo o consumo de combustível

e respeitando o solo, em suma, contribuindo

para a redução da pegada de CO2, com o

objetivo de alcançar o desafio de todos os

pneus serem 100% sustentáveis até 2050.

Tendo em conta as necessidades do agricultor

em termos de tração, segurança, resistência

e versatilidade (utilização no campo

e na estrada), desenvolvemos pneus com

compostos que melhoram estes desempenhos

graças à sua flexibilidade, robustez,

escultura, etc.

Graças ao duplo papel desempenhado

pelo pessoal da Michelin no campo

agrícola, com uma vertente comercial mas

também técnica, visita regularmente os

utilizadores para obter feedback sobre o

desempenho dos seus pneus, mas também

para os informar das últimas inovações,

aconselhá-los sobre as melhores soluções

e condições de utilização (pressões,

NOKIAN

MICHELIN

NOKIAN

Os pneus agrícolas Nokian Tyres fazem parte

do segmento premium, sendo pioneiros no

lançamento de produtos exclusivos, que vão

ao encontro das necessidades dos usuários

finais. Os pneus agrícolas Nokian são desenvolvidos

com a mais alta tecnologia. A

rentabilidade e a sustentabilidade são uma

preocupação constante do departamento

de I+D, que tem como objetivo permitir ao

usuário final encontrar sempre um baixo

custo/hora/benefício na utilização dos seus

pneus.

A Nokian lançou no mercado há sensivelmente

um ano e meio um pneu que está a

revolucionar o conceito de pneu agrícola,

é o Nokian Ground King. Este pneu foi desenvolvido

especificamente para o utilizador

que tem um trator para trabalhar no campo,

mas que tem a necessidade de o utilizar em

estrada. É um pneu polivalente. Graças à sua

tecnologia Hybrilug, abre uma nova dimensão

em pneus agrícolas, conseguindo o que

até aqui parecia impossível, um pneu que

funciona em todos os tipos de terreno, com

uma comodidade, eficiência e rendimento

em estrada, até agora desconhecido.

O departamento de I+D está constantemente

à procura dos melhores materiais e

das melhores técnicas de produção, para

se conseguir superar ano após ano, sem

nunca descurar o fator sustentabilidade.

A marca trabalha sobretudo apoiada nos

14 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Solução Global

E-mail: geral@cometil.pt

Tel.: 219 379 550

Visite o nosso website em www.cometil.pt

Estamos presentes nas redes sociais:

www.revistadospneus.com | 15


Destaque

seus distribuidores. No entanto está sempre

disponíveis para prestar diretamente todo o

apoio necessário aos usuários finais.

S. JOSÉ PNEUS

A BKT é a marca exclusiva da S. José Pneus

no mercado de pneus agro-industriais. A BKT

fornece pneus Premium a preços Quality e é

reconhecida pelos profissionais como uma

marca muito fiável sendo uma das primeiras

marcas escolhidas por um agricultor mais

exigente quando pensa mudar os pneus

do seu trator, mesmo no mais potente. Os

pneus BKT apresentam desempenho e conforto

excecionais em qualquer situação. A

BKT distingue-se por duas características

muito específicas: a amplitude das gamas

de produtos que cobrem qualquer necessidade

específica na área Off-Highway e a

proposta de valor, ou seja, o valor que os

clientes atribuem aos produtos BKT. Os utilizadores

finais reconhecem os pneus BKT

como os produtos do mercado que oferecem

o maior equilíbrio entre qualidade e

investimento. E este fator é decisivo, uma

vez que hoje os pneus são um dos artigos

de custo mais importantes dentro de uma

exploração agrícola.

Mas não só: os utilizadores sabem perfeitamente

que a BKT tem uma vasta gama

de pneus para qualquer tipo de máquina,

aplicação e medição. A gama de pneus agrícolas

é a mais ampla da marca BKT, porque

é uma área de atividade histórica. Para além

da bem sucedida linha de radiais AGRIMAX,

lançada em 2004 e destinada a todos os

tipos de tratores, os produtos BKT abrangem

todas as aplicações e máquinas agrícolas:

desde ceifeiras a pulverizadores, passando

por camiões e empilhadores telescópicos

para agricultura. Todas as máquinas de uma

exploração agrícola devem ser eficientes,

também graças ao pneu que transmite a

sua potência ao solo.

O AGRIMAX V-FLECTO, com tecnologia VF

BKT

(Very High Flexion) é a mais recente novidade

da BKT em pneus para tratores agrícolas

de grande potência. Foi desenhado

para melhorar o desempenho dos tratores

de elevada potência e pode suportar mais

40% de carga do que um pneu standard

da mesma dimensão, sem alterar a largura

da jante. Ao mesmo tempo permite manter

a baixa pressão tanto a lavrar como em

estrada, o que é muito importante para as

empresas de serviços e grandes produtores,

em que um trator necessita de fazer a

ligação entre as várias propriedades, sem

alterar pressão. A sua grande mais-valia é

a maior capacidade de carga e a reduzida

compactação dos solos, com os consequentes

benefícios em termos de produtividade

dos solos e otimização do trabalho agrícola,

a par da sua grande durabilidade.

A BKT desenvolve soluções para a agricultura

moderna, de modo a satisfazer as

necessidades dos operadores e a manter

a saúde do solo, também graças à tecnologia

VF (Very High Flexion), para reduzir

a compactação dos solos. Também nesse

sentido, encontra-se a trabalhar no desenvolvimento

de compostos essenciais para

obter o melhor desempenho possível do

denominado “pneu do futuro”, isto é, nanomateriais

ou nanocompostos que ofereçam

funções avançadas como a estabilidade

térmica ou mecânica. Além disso, o centro

de investigação e desenvolvimento da BKT

está a realizar estudos de nanotecnologia

e experiências com fibras naturais como a

nanoargila e a nanocelulose.

No que diz respeito aos materiais, a BKT está

ainda a testar o grafeno, um material que

proporciona maior resistência ao desgaste

e furos, maior resistência à tração, melhor

resistência ao rolamento e uma duração

excecional. O grafeno oferece uma força

extraordinária e excelente flexibilidade.

Basta pensar que este material é 200 vezes

mais resistente e 6 vezes mais flexível do

que o aço.

Uma das preocupações da S. José Pneus é

dar acompanhamento técnico/comercial aos

seus clientes, estando a equipa comercial

em condições de poder dar o suporte que os

seus clientes necessitam para incrementar

as vendas e valorizar o negócio. O objetivo

é estar mais próximo do cliente, para lhe

permitir dar mais apoio ao seu cliente/consumidor,

e poder oferecer um melhor serviço

no antes e no pós-venda e para uma mais

rápida reposição de stocks.

TIRESUR

A Tiresur comercializa as marcas MRL (fabricada

na Índia) e GTK (fabricada na Turquia).

Ambas as marcas dão garantias de qualidade

e de boa performance, desde os serviços

mais simples, às aplicações mais exigentes,

com máquinas mais potentes. Em relação

à marca GTK, já tinha uma gama muito

completa, que foi depois complementada

com uma ou outra medida adicional. Já em

relação à marca MRL, que apenas se virou

para o mercado mundial há relativamente

poucos anos (fabricava os pneus Goodyear

para a Ásia, e os seus próprios pneus para

o seu mercado), tinha um portfólio muito

limitado, composto essencialmente por

pneus convencionais. Esta situação tem

vindo a ser completamente alterada nos

últimos 2 / 3 anos, e hoje a MRL tem uma

gama completa de pneus radiais, com pneus

de série 65 (muito mais técnicos), e para

todos os serviços. No caso das marcas representadas

pela Tiresur, a principal evolução

passou exatamente pelo alargamento da

gama disponível com construção radial.

Neste momento, o acompanhamento que

faz dos produtos são apenas no âmbito da

performance. Em cada pneu que vende,

quer ter a certeza de conseguir recolher o

feedback dos utilizadores finais, principalmente

em pneus de maior dimensão, pois

são utilizados em serviços mais técnicos e

por utilizadores mais profissionalizados.

TRELLEBORG

GTK

Atualmente dispõe das quatro marcas. A

Trelleborg, marca Premium, está presente

como equipamento original em modelos de

várias marcas, e é aquela que oferece os melhores

níveis de desempenho no mercado,

no que à tração, compactação do solo e vida

útil diz respeito. A Mitas, a marca Quality,

também é opção de alguns fabricantes para

equipamento original, e é sinónimo da melhor

relação qualidade/preço do mercado.

Por fim, as marcas Maximo e Cultor são as

que oferecem os preços mais competitivos

sem prescindir da qualidade característica

16 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Pneus Agrícolas

de um grande fabricante. Há alguns meses,

foi apresentado o Pneutrac, que combina

os benefícios de um pneu agrícola radial

com os benefícios da utilização de correntes.

Conseguiu-se, assim, oferecer um desempenho

imbatível em encostas íngremes e

terrenos lamacentos, o que permite eliminar

o tempo de inatividade nas condições mais

exigentes. A área de contacto extralarga do

PneuTrac proporciona níveis de flutuação

e de tração superiores e uma estabilidade

lateral excecional, sem comprometer a eficiência

de combustível e o conforto durante

a condução.

A inovação faz parte do DNA da Trelleborg e

é a chave que permite continuar a oferecer

produtos de vanguarda, com melhores níveis

de desempenho e que respeitem o meio

ambiente. Dos laboratórios de pesquisa e

TRELLEBORG

desenvolvimento da Trelleborg surgiu o TM

Blue, um pneu que inclui um conjunto de

inovações técnicas, patentes, procedimentos

e soluções que ajudam a reduzir a utilização

de recursos naturais. Trata-se de uma solução

que permite respeitar a estrutura do terreno

e reduzir o consumo de combustível e de

emissões de CO2, o que, por seu turno, contribui

para a preservação do meio ambiente.

A equipa da Trelleborg conta com formação

técnica e comercial para poder dar apoio

aos utilizadores, em qualquer momento.

Desde a escolha do pneu adequado para

uma determinada função de utilização,

trabalho a realizar, ou trator específico, até

ao seguimento das pressões adequadas ou

possíveis dúvidas técnicas que possam surgir

no momento de fazer transformações. Os

utilizadores de pneus da Trelleborg recebem

conselhos da equipa não apenas no

momento da compra, mas durante toda a

vida útil do produto.

YOKOHAMA

A Yokohama consolidou os seus vários negócios

fora de estrada numa única entidade

denominada Yokohama Off-Highway Tires

(YOHT). Isso inclui os negócios de pneus

off-the-road (OTR) da Yokohama em todo

o mundo e o Alliance Tire Group (ATG) com

suas marcas de pneus Alliance, Galaxy e Primex,

que a Yokohama comprou há quatro

anos. A YOHT lançou uma nova identidade

corporativa e um novo logotipo corporativo,

que se baseia no legado de mais de 100 anos

de Yokohama, ao mesmo tempo que reforça

o seu posicionamento no segmento off-road.

Como resultado, a marca comercial atual da

ATG deixou de existir a partir de 1º de janeiro

de 2021 globalmente. A consolidação dos

negócios OTR será fortemente apoiada pela

nova identidade da YOHT globalmente. Isso

resultará numa integração mais próxima do

valor da marca e expertise tecnológica da

Yokohama com os pontos fortes das empresas

agrupadas sob a ATG; A saber: forte rede

de vendas, linha diversificada de produtos e

competitividade de custo superior. A YOHT

tem o suporte da rede global de produção de

pneus fora de estrada do Grupo Yokohama

com oito fábricas em quatro países e três

instalações de P&D no Japão, Índia e EUA.

Uma das mais recentes inovações é o pneu

agrícola radial Agristar II. A história do

Alliance Agristar II, lançado recentemente,

começou a escrever-se após a Agritechnica

2017. Inspirados nesta importante feira agrícola,

os engenheiros do Alliance Tire Group

(ATG) passaram quase 24 meses a desenvolver

um pneu de trator para satisfazer todas

as exigências modernas do setor agrícola.

Durante a primeira fase do desenvolvimento,

ALLIANCE

foi realizada uma pesquisa minuciosa em

várias regiões geográficas para identificar

os principais requisitos dos agricultores e

revendedores de pneus. Esta pesquisa resultou

na definição dos principais resultados. A

saber: Melhor relação preço/equipamento;

Tração massiva durante toda a vida útil do

pneu; Excelente durabilidade; Desempenho

de topo também em operações em estrada;

Superiores propriedades de travagem; e Excelentes

características de auto-limpeza.

Numa segunda fase, conceitos 3D deste

pneu foram mostrados a grupos de agricultores

e revendedores para obter feedback

sobre o projeto e a construção naqueles que

seriam os pressupostos do novo Agristar II.

Seguindo as sugestões dos agricultores, foram

feitas algumas modificações, incluindo

nos ombros, que passaram a ser mais largos,

um nariz de talão especial e contornos

da parede do talão, além de um número

otimizado de talões. Parte do “segredo” do

Agristar II deve-se às suas características

particulares de construção. Antes de mais,

a tecnologia Stratified Layer Technology

(SLT), desenvolvida, exclusivamente, pelos

engenheiros do Alliance Tire Group (ATG)

e que permite aumentar a capacidade de

carga dos pneus, bem como o seu desempenho

e durabilidade. Os pneus agrícolas

da YOHT vêm com uma garantia de 7 anos

e a gama de pneus agrícolas com cintas de

aço vem com uma garantia de 10 anos para

defeitos de fabrico. Os clientes dispõem de

uma extensa rede de oficinas onde podem

ser atendidos. u

www.revistadospneus.com | 17


Destaque

Análise do mercado – A opinião dos responsáveis

NOS ÚLTIMOS ANOS O SETOR AGRÍCOLA TEM VINDO A REGISTAR UM CRESCIMENTO SUSTENTADO,

QUE SE MANTEVE AO LONGO DESTA PANDEMIA E QUE SE IRÁ MANTER. AS PERSPETIVAS DE MERCADO

CONTINUAM POR ISSO A SER EXTREMAMENTE INTERESSANTES PARA ESTE TIPO DE PNEUS

Existem neste momento diferentes

condicionantes com diferentes expressões

que estão a ter impacto naquilo que é a

evolução do mercado de pneus agrícolas em

Portugal. É um mercado que está sob fortes

tensões. No mercado agrícola, esta tensão é

marcada por diferentes aspetos: por um lado, o

aumento dos preços das matérias-primas, a

escassez de borracha natural e sintética, e o

aumento dos custos dos transportes (mais de

100%); por outro lado, existem fortes tensões a

nível da distribuição em resultado da queda

das importações asiáticas, particularmente da

Índia, o que provoca uma transferência das

vendas do não pool para o pool. Todos estes

fatores têm um impacto no mercado. Isto será

algo que influenciará, por certo, o mercado de

pneus em Portugal no curto e médio prazo. Por

outro lado, temos vindo a observar que existe

uma crescente aposta no sector agrícola com a

exploração de novas áreas e culturas o que

contribuirá, desta feita, para um aumento de

utilização desde tipo de produto e

consequentemente um aumento no número de

unidades vendidas.

Segundo dados da Associação Europeia de

Fabricantes de Pneus e Borracha (ETRMA), a

agricultura foi o único segmento que se

manteve em 2020, fechando o ano com

vendas de 1,155 milhões de euros, um valor

muito semelhante ao registado no ano

anterior. As vendas de pneus agrícolas de

substituição permaneceram estáveis no ano

passado. Com a recuperação de 14%

mostrada nos últimos três meses, este

segmento fechou 2020 com um volume de

vendas de 1.155 milhões de euros, contra

1.184 milhões de euros em 2019.

JOSÉ PALOMARES, Gestor de Produtos

Agrícolas da Bridgestone / Firestone, afirma

que “a pressão das marcas de baixo custo é

um facto estabelecido. Contudo, cada produto

tem a sua própria identidade e uma proposta

de valor clara para se aproximar do seu cliente

alvo. A pressão sobre os custos de manutenção

e despesas operacionais é relativamente

constante e, além disso, já existem atualmente

propostas e ferramentas digitais que fornecem

soluções aos empresários agrícolas para

aumentar o controlo e mesmo reduzir os

custos operacionais da sua atividade, tais

como a proposta telemática do Bridgestone

Webfleet Solutions”. Para este responsável, os

principais fatores de risco no sector agrícola

continuam a ser os relacionados com o clima e

as incertezas e flutuações de preços,

juntamente com o impacto das decisões sobre

a ajuda ao sector.

MARCO SILVA, responsável de pneus agrícolas

Continental, refere que o regresso da marca ao

negócio dos pneus agrícolas revelou-se uma

aposta ganha. “Agricultores, construtores,

agentes, bem como fabricantes de

equipamento de origem – os nossos clientes

estão muito satisfeitos com a qualidade dos

nossos produtos. Temos hoje uma oferta global

em todos os segmentos que vem consolidar a

nossa imagem de parceiro preferencial entre

os nossos clientes”. Marco Silva acrescenta

que “A pandemia teve um impacto brutal em

todos os setores de atividade e como tal está

também a afetar e a condicionar o mercado

dos pneus agrícolas. Este foi um dos setores

que se manteve sempre em funcionamento,

mesmo nos períodos mais difíceis de gestão da

pandemia, o que nos permitiu manter uma

atividade estável em termos de vendas e de

oportunidades de negócio alcançando níveis

semelhantes a 2019. E as perspetivas para

2021 mantêm-se semelhantes”.

RUI CHORADO, administrador da Dispnal,

afirma que “o mercado de pneus agrícolas tem

evoluído sobretudo com a aposta dos

fabricantes, cada vez mais notória, em

máquinas mais potentes e que utilizam jantes

e pneus maiores, o que constitui desde logo

um desafio para os fabricantes de pneus, que,

por sua vez, também têm vindo a desenvolver

o seu trabalho em torno destas novas

necessidades. Assim sendo, o mercado tem

registado uma procura crescente, mas

diversificada por pneus mais evoluídos e com

possibilidade de utilizações diversas”. Para

este responsável, existem neste momento

diferentes condicionantes com diferentes

expressões que estão a ter impacto naquilo

que é a evolução do mercado em Portugal,

designadamente o aumento declarado dos

custos de produção associado ao aumento do

preço das matérias primas e ainda, os custos

crescentes com logística, decorrente do

aumento do preço dos transportes, quer

marítimo, quer rodoviário. Por outro lado,

temos vindo a observar que existe uma

crescente aposta no sector agrícola com a

exploração de novas áreas e culturas o que

contribuirá, desta feita, para um aumento de

utilização desde tipo de produto e

consequentemente um aumento no número de

unidades vendidas.

SÉRGIO BATALHA, gestor de produtos

industriais Michelin em Portugal, refere que “A

indústria de pneus foi duramente atingida pela

crise sanitária, onde o mercado sofreu uma

quebra significativa. No entanto, embora o

pneu agrícola não tenha sido afetado pela falta

de mobilidade, o Grupo Michelin foi forçado a

tomar medidas rigorosas e imediatas, tais

como a cessação da atividade industrial, dando

sempre prioridade à saúde e segurança dos

18 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Pneus Agrícolas

seus empregados, o que levou a uma queda de

12% no mercado, em comparação com um

aumento de 35% em 2019. Contudo, este ano

2021, encontramo-nos com um mercado em

Portugal que está a crescer mais de 13% em

termos acumulativos, um mercado mais

dinâmico do que o mercado espanhol, o que

nos leva a acreditar que teremos um cenário

ligeiramente acima de 2019”. Apesar das

fortes tensões sentidas neste mercado,

derivado do aumento dos preços das matériasprimas,

a escassez de borracha natural e

sintética e o aumento dos custos dos

transportes, a abordagem da Michelin é

colocar sempre o cliente no centro das suas

prioridades e ser capaz de satisfazer as suas

necessidades. Para este fim, a equipa Michelin

está a trabalhar para reduzir esta tensão na

oferta, o que levou a um aumento das vendas

em comparação com a concorrência superior

às suas previsões e mesmo superior ao

mercado. Esta situação é acompanhada por um

ganho de quota de mercado para 2019 e 2020.

“Também positivamente, podemos dizer que a

procura do mercado está a ser superior às

nossas expectativas, uma vez que estamos

perante um PIB em Portugal, onde após a

queda da atividade económica em Portugal,

onde o PIB caiu cerca de 7,6%, as previsões

económicas apontam para uma recuperação

do PIB de aproximadamente 4% em 2021 e

cerca de 3% para 2022, o que tem um forte

impacto na economia portuguesa. Estas

expectativas económicas estão a ser

transmitidas ao mercado com uma forte

procura por parte do mercado de pneus

agrícolas causando o já mencionado aumento

de 13% em comparação com 2020”, refere

Sérgio Batalha.

JOÃO OLIVEIRA, Area Manager Iberia, UK, IE e

MEA da Nokian, considera que o mercado de

pneus agrícolas está um pouco estranho. “Os

dados do Europool (que não contemplam talvez

as marcas mais importantes no que toca a

volume, nomeadamente a BKT e a Alliance)

indicam um crescimento de 10,9% (acumulado

até junho) comparado com 2020, que mesmo em

pandemia, não foi um mau período.

Curiosamente, a informação obtida dos clientes é

que se estão a vender menos pneus que no ano

passado. Existe também a perceção de um

aumento na procura pelas marcas mais baratas

existentes no mercado. A ser verdade é um

péssimo sinal”. João Oliveira acrescenta: “Posso

afirmar que, as medidas de controlo da

pandemia, afetaram e estão a afetar seriamente

todos os setores empresariais do país.

Seguramente que a incerteza instalada, retrai os

empresários na hora de efetuarem investimentos.

Por outro lado, a subida constante do preço das

matérias primas e dos fretes marítimos, que

obrigou a sucessivas subidas dos preços dos

pneus, associado a uma falta de disponibilidade

por parte dos fabricantes, são também

responsáveis por um condicionamento negativo

ao desenvolvimento do próprio mercado. Espero

que o PRR, chegue definitivamente à economia e

ajude a alavancar um setor extremamente

importante para o nosso país. Com um setor

agrícola forte, devidamente apoiado, beneficiarão

todos os atores que dele dependem, mercado de

pneus incluído”.

LUÍS ANICETO, administrador da S. José

Pneus, diz que “O mercado de pneus agrícolas

em Portugal é um mercado maduro onde

operam atores com larga experiência neste

ramo e onde se verifica uma tendência de

especialização das casas de pneus dedicadas

ao Agro. Na nossa perspetiva este mercado

tem evoluído favoravelmente e acompanhado o

crescimento de vendas de tratores em

Portugal. Hoje em dia assiste-se a uma

melhoria da qualidade do parque de tratores

em Portugal e é natural que os utilizadores

procurem cada vez mais qualidade, fiabilidade

e as melhores prestações quando chega a hora

de trocar os pneus do seu trator. O facto de as

explorações agrícolas serem hoje mais

profissionalizadas leva a que a relação custo/

hora seja um fator a ter em conta na escolha

dos pneus, fatores positivos para o mercado de

pneus agrícolas BKT.

Por outro lado, destacamos o facto de ainda

existirem alguns operadores menos

especializados o que, por vezes, origina uma

desvalorização do produto e a procura apenas

por preços mais baixos sem ter em linha de

conta a relação qualidade-preço.”

VITOR MAGANO, diretor de vendas Tiresur,

refere: “O mercado de pneus agrícolas tinha

sido de alguma forma abandonado por alguns

fabricantes há cerca de 8/10 anos, que não

reconheciam neste segmento de mercado a

rentabilidade desejada. No entanto, desde há

cerca de 3 anos que se notou um reavivar do

interesse neste segmento, provocado por um

aumento da capacidade agrícola, que levou ao

regresso desses fabricantes à produção de

pneus agrícolas, e com o surgimento no nosso

mercado de um vasto leque de marcas. Hoje,

pensamos que todos os fabricantes, assim como

os principais distribuidores de pneus, estão

convencidos da importância deste segmento de

pneus no seu negócio.” Relativamente aos

fatores que estão a condicionar o mercado de

pneus agrícolas em Portugal, Vítor Magano

refere, pelo lado positivo “a maior dedicação a

este sector económico; desde há alguns anos

que a agricultura ganhou novo impulso e nova

força, e podemos começar a ver mais campos,

melhor aproveitados. Este facto veio colocar

mais máquinas agrícolas no ativo, e logo, mais

pneus a rodar. Por outro lado, a conjuntura de

pandemia que vivemos, tem afetado este sector,

essencialmente pela falta de pneus com que o

mercado se vem debatendo desde o início do

ano, e que se tem agravado nos últimos meses;

a nossa marca MRL, fabricada na Índia, sofreu

bastante no que diz respeito à disponibilidade

de produto, pois não nos podemos esquecer que

a Índia foi dos países mais afetados pela

Covid-19 em todo o mundo.”

RAMON MARTINEZ PORTILLO, diretor geral

Trelleborg Wheels Systems España, considera

que “O mercado tem demonstrado um bom

comportamento. Contudo, a pandemia tem

condicionado a sua evolução e, sem ela, os

resultados seriam muito positivos. A evolução

da agricultura e da climatologia têm favorecido

o desenvolvimento do mercado de pneus

agrícolas em Portugal. Em contrapartida, a

pandemia tem condicionado as políticas que

estão a ser aplicadas”.

PEDRO BLANCO, Country Manager Iberia of

Yokohama Off Highway Tires (YOHT), refere que

o mercado nacional de pneus agrícolas “É um

mercado pequeno, mas requer uma grande

variedade de pneus para uma vasta gama de

utilizações, tais como tratores de vinha,

tratores pesados, máquinas florestais e

grandes reboques de transporte agrícola. A

Alliance tem uma gama muito vasta de pneus

para satisfazer todas estas necessidades do

mercado. A dimensão do mercado condiciona o

dimensionamento dos stocks e esta é a chave

para tornar rentável a distribuição de pneus

agrícolas em Portugal.” u

O aumento dos preços das matérias-primas, a escassez

de borracha natural e sintética, e o aumento dos custos

dos transportes estão a condicionar a venda de pneus

agrícolas a nível global

www.revistadospneus.com | 19


Destaque

Critérios para aquisição de pneus agrícolas

OS CRITÉRIOS MAIS IMPORTANTES NA ESCOLHA DE UM PNEU SÃO A RELAÇÃO CUSTO DO PNEU POR

HORA DE TRABALHO, A CAPACIDADE DE TRAÇÃO DO PNEU (QUANTO MAIS TRAÇÃO MAIS POTÊNCIA O

TRATOR TRANSMITE AO SOLO, REDUZINDO O TEMPO DE CADA OPERAÇÃO), A SUPERFÍCIE DE CONTACTO

DO PNEU COM O SOLO, QUE QUANTO MAIOR FOR MELHOR DISTRIBUI O PESO DO TRATOR NO SOLO

PROVOCANDO UMA MENOR COMPACTAÇÃO DO SOLO E AINDA A FIABILIDADE DA MARCA

O

agricultor moderno procura pneus

agrícolas com excelente desempenho,

fiabilidade e maior produtividade. Seja

qual for a tarefa, os pneus têm de garantir os

custos de operação, compactação do solo

reduzida e maior capacidade de carga, com

desempenho e conforto excecionais O sector

agrícola está a tornar-se cada vez mais

profissional, qualquer investimento é ponderado

em termos de rentabilidade e isto deve ser

justificado e demonstrado. Assim, qualquer

solução que traga eficiência (redução de custos

ou aumento de receitas) será muito bem aceite.

Inicialmente, a chave era o consumo, que era

sem dúvida um dos principais custos de

manutenção das máquinas e muito fácil de

medir. Subsequentemente, o sector tornou-se

cada vez mais consciente e especializado na

importância de respeitar o solo e a sua estrutura

como a capacidade de desenvolver culturas, o

que constituía uma importante fonte de

rendimento melhorado. Em ambos os casos, o

pneu é um elemento chave na transmissão de

potência, tração e respeito pelo solo. Hoje em

dia, a chave é ser capaz de manter um alto

desempenho em qualquer situação,

versatilidade, uma vez que os tratores devem

executar diferentes tarefas ao longo do ciclo de

cultivo. Portanto, pneus de alto desempenho e

úteis, que permitem monitorizar, controlar e

maximizar o desempenho a todo o momento.

Um pneu agrícola deve ser durável e ter uma

excelente relação entre qualidade e

investimento económico. Deve tornar o

trabalho eficiente, otimizá-lo e transmitir a

potência do trator em tração. A necessidade de

equipar-se com produtos sustentáveis está

também a tornar-se cada vez mais vasta, o

que, por um lado, são pneus de longa duração

que evitam, por isso, ter de ser substituídos

demasiado cedo, e por outro, são pneus com

excelentes capacidades de trabalho, o que

permite ao agricultor fazer um trabalho mais

eficiente sem perder tempo, mas sobretudo

combustível. Os pneus equipados com a

tecnologia VF - Very High Flexion também são

sustentáveis, permitindo que grandes cargas

sejam transportadas a baixas pressões. Estas

tecnologias, graças a uma grande pegada no

solo, reduzem o fenómeno da compactação do

solo, preservando ao mesmo tempo as

culturas.

COMBINAÇÃO DE CRITÉRIOS

Os agricultores procuram caraterísticas de

robustez e durabilidade, ao mesmo tempo que

assegurem baixa compactação do solo,

elevada tração e conforto de condução. Os

pneus precisam de ser cada vez mais

delicados com o terreno, para prevenir a sua

compactação, e conservar a saúde do terreno.

O produto certo é a combinação equilibrada de

muitos critérios: durabilidade, fiabilidade,

qualidade, eficiência, sustentabilidade,

flexibilidade, segurança e conforto. Nenhum

deles é menos importante. O cliente como o

conhecemos hoje, procura essencialmente um

pneu agrícola que tenha o maior número de

horas de utilização possível. Isso é um dos

aspetos mais privilegiados pelos clientes. O

preço nunca poderá deixar de ser um dos

fatores que também mais condiciona a decisão

O produto certo é a combinação equilibrada de muitos

critérios: durabilidade, fiabilidade, qualidade, eficiência,

sustentabilidade, flexibilidade, segurança e conforto.

Nenhum deles é menos importante

20 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Pneus Agrícolas

No momento de escolher um pneu, é importante

que se recorra à assessoria por parte das oficinas ou

do técnico da marca, uma vez que estes poderão ajudar

a encontrar o pneu mais adequado, em função do trator

e do tipo de utilização que se pretende

de comprar e destacamos ainda a qualidade de

construção do produto associada, como já

referimos, à durabilidade. Um pneu que não

trará problemas técnicos ao cliente, será, por

certo, um pneu mais procurado e vendido. Para

o trabalho no campo, os agricultores optam por

máquinas cada vez mais potentes e mais bem

equipadas, que suportam cargas de trabalho

particularmente pesadas. A indústria dos pneus

está a adaptar-se em termos de investigação,

pois o pneu é um dos componentes essenciais

do desempenho de um trator agrícola, na

vertente global de sustentabilidade ambiental e

económica.

REGRAS E DIRETIVAS

Atualmente, aos fabricantes de pneus que

pretenderem explorar o mercado europeu,

mais concretamente nos países da União

Europeia, é exigido que cumpram com um

vasto número de regras e diretivas, sem as

quais os pneus não são aceites nestes

mercados. Por esta razão, qualquer fabricante

de pneus possui, desde logo, informação

técnica adequada ao tipo de produto que

comercializa, com ofertas de garantia e

qualidade dos mesmos. Sobretudo os pneus

agrícolas deverão ter a melhor relação possível

de durabilidade/número de horas de utilização,

adequação ao tipo de máquina no qual são

montados e tipo de influência que produzem no

solo onde trabalham. Tal como temos vindo a

salientar, os critérios mais importantes para a

aquisição de pneus agrícolas são sobretudo a

relação das medidas de pneus disponíveis com

a mecânica da máquina no qual serão

aplicados com a adaptação ao tipo de trabalho

que se pretende efetuar. Em função destas

condicionantes, os clientes acabam por

procurar os produtos que mais lhes darão

garantias de rendimento e fiabilidade. No

momento de escolher um pneu, é importante

que se recorra à assessoria por parte das

oficinas ou do técnico da marca, uma vez que

estes poderão ajudar a encontrar o pneu mais

adequado, em função do trator e do tipo de

utilização que se pretende.

CARACTERÍSTICAS MAIS VALORIZADAS NOS

PNEUS AGRÍCOLAS

• Um bom pneu agrícola deve proporcionar ao

seu utilizador uma performance ajustada às

suas necessidades

• Baixo custo/hora operacional

• Resistente a danos acidentais

• Proteger o terreno diminuindo a sua

compactação

• Eficiente no consumo de combustível

• Produzido por uma empresa que respeite o

meio ambiente

• Melhor relação preço/qualidade

• Capacidade de tração, manobrabilidade e

capacidade de carga que se adaptem ao

serviço que vão desempenhar

- Maior largura possível para assegurar uma

boa tração u

PUB

www.revistadospneus.com | 21


Destaque

Pneus Agrícolas

A tecnologia dos pneus agrícolas

A TECNOLOGIA ASSOCIADA À UTILIZAÇÃO DE PNEUS AGRÍCOLAS IRÁ CONHECER UMA ESTREITA

LIGAÇÃO COM AS EVOLUÇÕES QUE SE IRÃO REGISTAR NA CONCEÇÃO DOS TRATORES AGRÍCOLAS,

ISTO É, À MEDIDA QUE FOREM LANÇADOS TRATORES COM MAIORES E MELHORES REQUISITOS,

TAMBÉM OS PNEUS TERÃO DE SE ADAPTAR E ADEQUAR A ESTE TIPO DE MÁQUINAS

A

transformação tecnológica está a levar a

uma proliferação de empresas de serviços

e agricultores altamente profissionais que

estão a cobrir mais empregos e terras para

melhorar a sua rentabilidade, diferenciando a

sua oferta. A forma como evoluir o sector

agrícola irá influenciar as necessidades de

adaptação ou reinvenção dos produtos

agrícolas, o que é algo que será comum, não só

aos pneus, mas a todo o tipo de instrumentos

associados ao sector.

Entre outras variáveis, a telemática digital

fornece informações precisas sobre tempos de

trabalho, consumo de combustível,

desempenho do motor e até estilo de

condução, entre outros dados relevantes,

proporcionando valor acrescentado aos

profissionais preocupados com a poupança de

custos e procurando aumentar a eficiência da

sua maquinaria e produtividade das colheitas.

As vantagens são o controlo permanente do

desempenho do pneu por parte do condutor,

corrigir anomalias identificadas no momento

(perda pressão / temperatura), a gestão da

rentabilidade do pneu no sentido de obter uma

performance custo/hora otimizada e respetiva

segurança na operacionalidade da máquina.

Atualmente os parâmetros mais evidentes que

são analisados são essencialmente as

pressões dos pneus. Mas outros aspetos como

a temperatura e a capacidade elástica dos

pneus podem também vir a ser analisados num

futuro próximo. Farão certamente parte das

ferramentas de análise ao vivo que o utilizador

necessitará e poderá dispor, para uma maior

adequação ao trabalho.

Em termos de soluções digitais, a

BRIDGESTONE desenvolveu uma série de

propostas inovadoras de conectividade do

profissional com a sua maquinaria e exploração

agrícola para enfrentar o desafio colocado pelo

crescimento das áreas urbanas, as alterações

climáticas, o aumento da população mundial e a

necessidade de aumentar a produtividade das

culturas, preservando simultaneamente a

qualidade da terra como um recurso escasso

que se está a adaptar a fortes mudanças nos

hábitos de consumo. Entre estas soluções

encontra-se o WEBFLEET by Webfleet Solutions,

líder europeu em sistemas e serviços de gestão

de frotas para veículos ligados, que proporciona

total visibilidade do que está a acontecer na

exploração agrícola e oferece geolocalização e

monitorização de máquinas em tempo real, a

qualquer hora e todos os dias da semana,

permitindo um controlo exaustivo da atividade

no terreno para garantir eficiência e controlo de

custos.

A CONTINENTAL continua a expandir o seu

negócio no sector agrícola e está a reforçar as

suas atividades no que respeita à

automatização, utilização de tecnologia digital

e sustentabilidade neste sector. A empresa

tecnológica está a oferecer aos seus clientes

soluções à medida para maior eficiência. Os

conceitos de manutenção preditiva estão a

tornar-se cada vez mais importantes para os

clientes em todo o mundo. Aumentam a

eficiência, reduzem o tempo de inatividade,

melhoram a fiabilidade operacional e,

consequentemente, reduzem os custos.

Enquanto isso, a Continental pode usar os

dados adquiridos para serviços adicionais. Esta

é a forma de assegurar colheitas estáveis para

a população mundial, sem prejudicar o

ambiente. A Continental promove a

monitorização preventiva de máquinas como

parte deste processo, porque qualquer

paragem inesperada é uma quebra de

produtividade. Esta monitorização determina

sempre as condições de componentes vitais no

equipamento e veículos agrícolas. “Para nós, o

22 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


egresso ao negócio agrícola é um passo

importante na trajetória de crescimento da

Divisão de Pneus. Como um fornecedor de

serviços completos, estamos a enviar um sinal

claro ao sector agrícola e a expandir

propositadamente o nosso portfólio de

produtos para este ramo”, observou Marco

Silva, responsável de pneus agrícolas

Continental.

A MICHELIN já lançou tecnologias que lhe

permitiram trabalhar com uma pressão muito

baixa graças à sua excecional capacidade de

flexão da carcaça, a Tecnologia Michelin

Ultraflex, que no terreno nos permitiu melhorar

a tração e reduzir o consumo de combustível,

respeitando ao mesmo tempo o solo graças a

uma menor compactação. A Michelin está a

trabalhar arduamente para implementar

sistemas TPMS nos seus pneus, dada a

particularidade da maquinaria agrícola e a

importância de transportar sempre a pressão

correta. A Michelin está consciente de que a

monitorização da pressão não é suficiente, uma

vez que devemos ser capazes de a adaptar de

acordo com as condições de utilização. É por

isso que o grupo vai mais longe, oferecendo

sistemas de inflação à distância de marca PTG,

que permitem trabalhar sempre com a pressão

certa, independentemente da superfície de

trabalho ou da alfaia utilizada, reduzindo as

marcas de CO2 graças a: Aumento da tração;

Diminuição do consumo de combustível;

Aumento da durabilidade e Redução da

compactação do solo. A Michelin está a utilizar a

telemática digital através do enchimento

remoto, e a equipa de engenharia está a

trabalhar para que no futuro o pneu agrícola

conectado seja uma realidade.

Para a TRELLEBORG, as ferramentas digitais

devem ajudar os agricultores a aumentar a

produtividade dos seus cultivos e a alcançar

um incremento da vida útil dos seus pneus. A

empresa desenvolveu o TLC Plus, um avançado

sistema de controlo baseado em sensores, que

medem a pressão dos pneus. A pressão correta

conduz a uma redução de 20% nos custos

variáveis ​na agricultura, ao mesmo tempo que

melhora a proteção dos cultivos e a segurança

das operações. Os principais benefícios são a

redução do consumo de combustível e o

aumento da força de tração e da produtividade

dos cultivos. Os parâmetros monitorizados

atualmente são a pressão dos pneus e também

a temperatura no interior de algumas rodas

industriais. Estes são dois aspetos

fundamentais para conseguirmos um aumento

de produtividade, quando se trabalha com os

parâmetros adequados.

A NOKIAN desenvolveu um sistema para

utilização em pneus Agrícolas e industriais, o

INTUITU, que é muito mais que um simples

TPMS. Neste momento funciona como um

sensor de pressão e temperatura, mas está a

ser desenvolvido para que num futuro muito

próximo, possa fornecer muito mais

informação ao usuário final, como desgaste e

mesmo a localização da máquina. Esta

tecnologia será extremamente importante para

a eficiência dos pneus, principalmente nos que

equipam máquinas de alta potência e

desempenho. O sistema INTUITU será mais um

instrumento de telemática digital, do que

propriamente um TPMS. Estes sistemas

servem sobretudo para alertar o utilizador da

máquina de situações que possam provocar

paralisações prolongadas, danos estruturais e/

ou mesmo acidentes. Atualmente o sistema só

permite a medição da pressão e da

temperatura. Está preparado para enviar

alertas ao condutor da máquina, mas também

ao gestor do equipamento.

A DISPNAL considera que o sistema de

monitorização da pressão dos pneus pode e

deve ser utilizado nos pneus agrícolas. As

vantagens serão desde logo o aumento

significativo da durabilidade dos pneus e uma

maior adequação ao tipo de trabalho para o

qual a máquina será utilizada, considerando

que diferentes tipos de trabalhos agrícolas têm

padrões distintos naquilo que é exigido aos

pneus. “Começam já a ser vistas tecnologias

de monitorização em tempo real a serem

utilizadas nos pneus agrícolas. É algo que

certamente irá conseguir uma expressão em

maior escala à medida que for sendo

desenvolvida, mas temos já conhecimento de

que existem pneus com chips implementados

que permitem a monitorização ao segundo da

pressão dos pneus. Isto fará toda a diferença

para o utilizador pois permitirá que possa

adequar a pressão dos pneus ao trabalho que

irá efetuar, bem como aumentar a durabilidade

dos pneus. Inclusive existem já máquinas com

compressores instalados que permitem reduzir

a pressão dos pneus para efetuarem trabalhos

agrícolas e aumento de pressão para

circulação em estrada, o que permite de uma

forma muito evidente, que se retire destes, o

maior rendimento possível”, refere Rui

Chorado, administrador da Dispnal.

A S. JOSÉ PNEUS considera que o diálogo

entre os pneus e as máquinas será um

elemento fundamental. Um exemplo da

adaptação na nova geração de veículos de

trabalho são os sensores montados no pneu.

Estes informam o veículo, por exemplo, do

consumo do piso, informação importante para

as máquinas do setor mineiro que estão

sujeitas a cargas muito pesadas em termos de

consumo ou da compactação do solo na

agricultura, para variar a pressão dos pneus e

assim limitar o possível desgaste. Os chips

permitem telematicamente fazer o

acompanhamento da evolução do desgaste dos

pneus, aquecimento e esforços acrescidos a

que estão submetidos e a digitalização dos

dados. Eventualmente, por acréscimo, permite

ao fabricante determinar o tracking e a

localização de pneu, em trabalho e em

armazém. Automatização, digitalização de

dados, energias alternativas, materiais

inovadores: tudo ajuda a criar um possível

futuro que respeita o planeta e as pessoas.

A YOKOHAMA OFF HIGHWAY TIRES (YOHT)

tem em curso testes para incorporar

sensores em pneus para medir dezenas de

parâmetros, alguns relacionados com pneus

e a sua otimização, mas muitos outros

parâmetros destinados a melhorar o

rendimento das colheitas. É difícil saber hoje

como a tecnologia irá evoluir nas máquinas e

o que será exigido dos pneus, mas a Alliance

está a investigar e a desenvolver novos

materiais e tecnologias a incorporar nos

seus pneus no futuro. u

A tecnologia estará mais presente na agricultura

e o pneu cada vez mais será um produto tecnológico.

Seremos capazes de monitorizar pressões, o desgaste

dos pneus e muitos outros parâmetros

www.revistadospneus.com | 23


Reportagem Destaque

O futuro dos pneus agrícolas

O PNEU AGRÍCOLA DO FUTURO SERÁ SUSTENTÁVEL, RESISTENTE, COM PROPRIEDADES AVANÇADAS,

CADA VEZ MAIS PRODUTIVAS, E CADA VEZ MAIS TECNOLÓGICAS, BEM COMO EM PERFEITA SIMBIOSE E

COMUNICAÇÃO COM A MÁQUINA QUE O EQUIPA

O

setor passou de uma produção

massivamente convencional para soluções

radiais que se revelaram revolucionárias

na agricultura. A tecnologia convencional dos

pneus alcançou um elevado nível de fiabilidade

e desempenho. No entanto, os pneus

convencionais não foram e não conseguem

competir com o desempenho dos pneus radiais

em termos de conforto, desgaste e impacto

reduzido no terreno. A segunda grande

revolução ocorreu com a introdução de baixas

pressões, bem como materiais especiais e

processos produtivos. Estes pneus são produtos

completamente diferentes dos anteriores. Em

apenas vinte anos tudo mudou e certamente o

design dos pneus agrícolas não vai ficar por

aqui. As máquinas são cada vez mais potentes e

pesadas, mas ao mesmo tempo, precisam de

ser cada vez mais delicadas com o terreno, para

prevenir a sua compactação, e conservar a

saúde dos solos. Tudo isto representa um

desafio para o design do pneu do futuro.

MAIS POLIVALENTES

Os pneus agrícolas vão evoluir sobretudo para

se tornarem o mais polivalentes possível. Cada

vez mais as máquinas fazem uma multiplicidade

de trabalhos, todos eles com características

diferentes. Um trator tanto pode estar a lavrar

um terreno pela manhã, como de tarde pode

fazer um trabalho de transporte por estrada.

Dois outros aspetos de muita relevância são a

máxima eficiência no seu desempenho - os

pneus cada vez mais têm de estar preparados

para trabalhos intensivos realizados por

máquinas que cada vez têm mais potência - e a

proteção dos solos, com a utilização de pneus

com tecnologia de alta flexibilidade (VF)

desenvolvidos para suportar as mesmas cargas,

mas com pressão de ar reduzida.

Os pneus agrícolas continuarão a evoluir no

sentido em que têm vindo a evoluir

ultimamente, dando cada vez mais importância

ao meio ambiente; hoje temos pneus que

podem circular com menos de 1 bar de

pressão, para poderem alargar a sua pegada,

diminuindo a pressão que exercem nos solos,

e consequentemente, a compactação dos

mesmos e a destruição das culturas. Estes

pneus exigem uma tecnologia muito

desenvolvida, para poderem fletir as suas

paredes laterais sem se danificarem.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

As tendências dos pneus agrícolas estão de

acordo com as tendências atuais, que são

todas sobre o desenvolvimento sustentável, ou

seja, para não comprometer os recursos e as

possibilidades das gerações futuras.

Assistimos a tendências importantes que estão

a motivar a agricultura para uma grande

mudança, como a procura de eficiência de

produção, o impacto climático zero, o

desenvolvimento tecnológico dos meios. Os

grandes fabricantes de maquinaria agrícola

estão, de facto, a incluir a sustentabilidade em

todos os processos produtivos, como deveria

ser. À nossa frente há uma nova geração de

veículos: a condução autónoma, elétrica,

alimentada por fontes de energia alternativas.

Aqueles que produzirem tratores no futuro, em

conformidade com os princípios indicados pela

sustentabilidade, terão necessariamente de ter

em conta todos os componentes, incluindo os

pneus, que devem contribuir para a prossecução

do mesmo objetivo virtuoso, ou seja, não

prejudicar o ambiente e o homem que aí vive. É

por isso que a indústria dos pneus está a

adaptar-se a um ritmo muito acelerado para o

novo cenário, em termos de investigação.

A sustentabilidade abrange também os

processos produtivos dos fabricantes com o

objetivo final de desenvolver produtos

duradouros, ou seja, pneus não só resistentes,

mas que também respeitem o solo. Um aspeto

sustentável importante relacionado com os

produtos é o seu desempenho: de facto, um

pneu que dure mais tempo não precisa de ser

substituído com frequência e isso tem um

efeito positivo na eficiência e no ambiente.

Vários fabricantes estão já a substituir

gradualmente o uso de borracha natural por

dente-de-leão, uma planta que produz uma

substância semelhante à borracha natural, mas

ao contrário da árvore de borracha, requer um

território e clima menos específicos, pois

cresce em todo o lado.

Além disso, investiga-se também a possibilidade

de introduzir fibras vegetais nos materiais de

composição, como a nanocelulose e as

nanoargilas. Utilizando estes materiais

consegue-se melhorar as propriedades dos

componentes. Está igualmente em fase de teste

a utilização de celulose natural, muito

abundante na natureza, bem como de grafeno e

de nanosílica, ambos com capacidade para

melhorar de forma significativa os desempenhos

dos pneus. Estão igualmente a ser

desenvolvidas novas misturas de alta resistência

cut&chip, ou seja, resistentes a cortes e

abrasão, além de misturas ultrarresistentes ao

calor, com capacidade para suportar grandes

cargas e, ao mesmo tempo, manter um ótimo

TKPH, ou seja, a razão média entre o peso

transportado pela máquina e os km/h.

Para não danificar um terreno que precisa de

dar o maior rendimento possível, respeitando os

parâmetros da sustentabilidade, são necessários

pneus que se ajustem aos terrenos e aos

trabalhos efetuados pelas máquinas e que

contribuam para reduzir a compactação do solo.

FUTURO COM MUDANÇAS

Haverá certamente mudanças. Fruto do

desenvolvimento e da implementação de novas

tecnologias, à semelhança do que se regista em

outros segmentos do mercado de pneus, os

pneus agrícolas também conhecerão novos

tipos de produto que permitirão responder às

novas necessidades que possam surgir por

parte dos utilizadores das máquinas e dos tipos

de trabalho para os quais serão utilizados. Em

alguns casos, a utilização da roda no sentido

tradicional, tal e qual como a conhecemos

desde sempre poderá sofrer uma

transformação, isto é, temos já assistido, por

parte dos fabricantes de máquinas, à conceção

e utilização, por exemplo, de lagartas de

borracha em alguns tipos de máquinas

agrícolas. Isto permite desde logo um maior

contacto com a superfície do solo, traduzindo-se

num impacto significativamente menor, porque

a força imprimida neste será substancialmente

mais distribuída pela superfície de contacto. u

24 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


PETLAS_REVISTADOSPNEUS PT741.pdf 1 30/07/2021 10:05:39

www.dispnal.pt

+351 255 617 480

@ callcenter@dispnal.pt

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

PT741

petlas.com


Entrevista Mercado

A nossa gama está em

crescimento constante

O diretor de vendas não tem dúvidas sobre o caminho que o mercado irá tomar

e garante que a Prinx Chengshan está disposta a fazer parte da nova geração

de fabricantes de pneus. Fundada há 45 anos, a empresa chinesa chegou

recentemente a Portugal através da COIP (Companhia Internacional de Pneus),

que desde julho está a distribuir a Chengshan, a sua marca original

26 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Adrian Costache, Diretor de Vendas da Prinx Chengshan Tire Europe

Fundada em 1976, com mais de

4.500 colaboradores, subsidiárias

na Europa, América do Norte

e Ásia, operações comerciais em

mais de 130 países, os pneus da Prinx Chengshan

caracterizam-se pelos elevados padrões

de qualidade, garantia vitalícia (nas

gamas de turismo, comerciais e SUV-4x4),

preço competitivo e um serviço pós-venda

da máxima rapidez e fiabilidade. A Revista

dos Pneus chegou à fala com Adrian Costache,

Diretor de Vendas da Prinx Chengshan

Tire Europe GmbH, que nos dá a conhecer

o perfil e objetivos desta moderna empresa

a nível global e também no mercado português.

Que marcos destaca na história da marca?

Este ano, celebramos 45 anos de existência,

o que faz de nós um dos poucos fabricantes

maduros sediados na China. Estamos em

mais de 130 países e territórios a nível global

e fabricamos os nossos pneus nas duas

fábricas existentes na China e na Tailândia.

Neste momento, estamos a expandir a nossa

capacidade de produção na China com uma

terceira fábrica, que incluirá, pela primeira

vez, uma linha de produção de pneus OTR

Quanto aos marcos, o primeiro e mais importante

para a nossa reputação foi a produção

dos primeiros pneus radiais produzidos na

China continental em 1990.

Durante o tempo em que estivemos com

a Cooper Tires, passámos por um desenvolvimento

frutífero e tecnológico graças

à joint venture que durou até 2014. Em 2015,

juntamente com o investidor estratégico

Sinotruck, o Chengshan Group adquiriu as

ações da Cooper Tire. Em 2016, nasce a subsidiária

Europeia (com sede na Alemanha),

Prinx Chengshan Europe.

Nos últimos três anos, fomos o único fabricante

chinês de pneus cotado na bolsa de

Hong Kong (Hong Kong Stock Exchange),

com resultados surpreendentes. Recentemente,

abrimos uma nova sede internacional,

localizada no centro de negócios

de Shanghai Gubei SOHO.

Que tipo de pneus são atualmente produzidos

pela Prinx Chengshan?

As atuais unidades de produção fabricam

uma gama completa de pneus de turismo,

comerciais, SUV-4x4 e pneus pesados, com

especial atenção nas tendências e requisitos

europeus, que é o mercado mais sofisticado

mundialmente. Cerca de 25% da capacidade

de produção é para equipamento original, o

que nos torna um dos maiores fornecedores da

China. Com a nova fábrica na Tailândia, somos

capazes de produzir para a Europa os pneus

mais modernos e sofisticados.

Que marcas de pneus fabricam e como

caracteriza os produtos em termos de

qualidade de produção, desempenho e

rentabilidade?

Neste momento possuímos e produzimos

três marcas: a Chengshan, a Fortune e Austone.

A Chengshan é a marca original que

fabricamos desde 1976, sendo que os nossos

primeiros pneus foram os pesados. Todos

os produtos são desenvolvidos e continuamente

aperfeiçoados, alcançando um desempenho

excecional, semelhante às marcas

europeias. Naturalmente, o nosso objetivo

não é fazer concorrência direta aos fabricantes

existentes no velho continente, mas

oferecer um produto de alto desempenho

da China moderna altamente tecnológica

a um nível de preços muito competitivo.

Como é constituída a gama de pneus para

veículos ligeiros e SUV 4x4?

Hoje temos uma gama abrangente com

todas as categorias de pneus, incluindo

produtos de verão/all season e inverno.

No que diz respeito aos consumidores europeus,

selecionamos apenas os produtos

adequados às condições climatéricas e rodoviárias

em todo o espaço europeu com

compostos adequados, desenhos de pisos,

especificações técnicas e, mais importante,

requisitos da etiquetas EPREL. A nossa gama

está em crescimento constante, seguindo

as mais sofisticadas tendências de mercado

e requisitos de dimensões, com a ajuda do

nosso experiente e galardoado departamento

de I&D.

Lançaram recentemente o SPORTCAT

CSC-802. Como caracteriza este pneu em

termos de rentabilidade para as oficinas

e desempenho para os utilizadores?

O recém-lançado Sportcat CSC-802 é um

conceito totalmente novo, um pneu híbrido

de alto desempenho. Migraremos todos os

produtos standard e os mais antigos de altas

performances para este produto, que

proporciona o desempenho desejado sem

quaisquer compromissos.

Com um novo desenho de piso, este é um

produto complexo por dentro e por fora: a

parede lateral foi completamente redesenhada

para uma aparência premium e os

compostos que usamos são tudo menos

padrão: SSBR (Borracha Sintética Estireno-

-Butadieno) é uma das características essenciais,

proporcionando alto desempenho

numa superfície molhada, a velocidades

normais ou mais elevadas.

O produto adequa-se a veículos dos segmentos

C (compactos) e D (familiares), para

famílias que procuram maior segurança e

conforto.

E para veículos pesados, como é constituída

a vossa gama?

A gama deste ano cobre mais de 80% das

necessidades do mercado, e está a evoluir

com a adição de mais dimensões durante os

próximos dois anos. A gama inclui produtos

que seguem as mais recentes tendências

europeias, como a aplicação híbrida, mista,

de longo curso e inverno. Não só cobrimos

toda a gama de 17,5” a 22,5”, como também

temos as medidas, aplicações e especificações

corretas.

A gama de produtos fabricada na nossa principal

fábrica da Tailândia foi desenvolvida

tendo em conta os requisitos europeus: os

designs mais modernos (pisos em forma de

V para utilizações regionais em eixos direcionais),

certificação 3PMSF, compostos de

camada dupla, e capacidade de recauchutagem

para o ciclo de vida completo, e muitas

outras características para fazer a diferença.

Planeiam lançar novos produtos em

2021? Em que segmentos?

Não só em 2021, mas todos os anos lançamos

novos produtos nas gamas de turismo,

comerciais, SUV-4x4 e nas gamas para

veículos pesados. Ainda no ano passado,

tivemos quase 100 artigos desenvolvidos.

Agora estamos a desenvolver pneus com

novas dimensões modernas, especialmente

no segmento UHP, com especial enfoque

nos pneus all-season e SUV.

A Prinx Chengshan, é hoje, um dos maiores fornecedores

de Equipamento de Origem (OEM) da indústria automóvel

local, com mais de 192 programas ativos em mais

de 30 fabricantes de automóveis

www.revistadospneus.com | 27


Entrevista

O foco permanente na inovação, a abordagem

incondicional à qualidade e a missão de liderança,

permitem que a Prinx Chengshan apresente rácios

de crescimento sólidos e constantes

Os veículos elétricos têm pneus maiores

e mais avançados tecnologicamente. A

Prinx Chengshan já tem pneus para estes

veículos?

Os pneus para VE já estão presentes nos mercados

globais e a nossa empresa já possui o

produto e a tecnologia, pois estamos sempre

interessados em fazer parte do futuro. Claro

que isto não é tão simples como pode parecer.

Não basta ter a tecnologia, também

requer muitos testes e ajustes antes de lançar

uma gama completa.

Qual será o posicionamento da Prinx

Chengshan neste segmento de pneus

para veículos elétricos?

Para nós, o futuro da indústria dos pneus

é elétrico, e é uma questão de tempo para

vermos cada vez mais veículos elétricos a

circular nas estradas. No quarto trimestre

de 2020, quase um em cada seis veículos de

passageiros matriculados na União Europeia

era um veículo elétrico recarregável (16,5%).

Estamos a preparar-nos e dispostos a fazer

parte da nova geração.

Quantos pneus foram produzidos pela

empresa em 2020 e qual é o volume de

negócios alcançado?

A Prinx Chengshan é uma empresa cotada

em bolsa, e os números apresentados também

são públicos. Com 15,1 milhões de unidades

produzidas em 2020 e 959 milhões de

dólares em volume de negócios, fomos das

poucas empresas de pneus a nível mundial

a obter resultados positivos, com um aumento

no volume de negócios de +12,4%

em relação a 2019 e rentabilidade positiva.

Portugal: Um país com grande potencial!

Em julho, a Prinx Chengshan assinou um

acordo com a COIP (Companhia

Internacional de Pneus) para a distribuição

oficial da marca Chengshan em Portugal. À Revista

dos Pneus, Adrian Costache esclarece que

“sentimos uma enorme satisfação por termos

conseguido levar a bom porto este acordo com a

COIP, sem dúvida um especialista em pneus à

escala global. Juntos, vamos lutar pela liderança

do mercado, combinando a qualidade superior dos

nossos produtos que asseguram os melhores

rendimentos do mercado, com a capacidade

técnica e comercial da COIP. Será uma parceria de

sucesso garantido, que contará

sempre com a preciosa cooperação dos clientes

portugueses da COIP” e adianta desde logo que os

objetivos são alargados, querendo “introduzir

adequadamente a marca no mercado português e

construir a mesma reputação que desfrutamos

noutras áreas e na nossa terra natal, a China”.

Apesar de ainda estar a iniciar a cooperação com a

COIP, têm já um plano “promissor e ambicioso”,

para garantir o “sucesso em 2022 e nos anos

seguintes”. Entre as ações de marketing previstas

– dependendo das restrições da pandemia – a Prinx

Chengshan tem planeada “uma participação

significativa em eventos de pneus, reuniões com os

parceiros, sessões de testes de testes na Europa e

outros eventos especializados”, revela o diretor de

vendas. No que toca a iniciativas para a rede

comercial, Adrian Costache acrescenta ainda que

tanto ele próprio como os especialistas seniores de

produto estão “prontos para ministrar seminários

profissionais, destacando todos os benefícios,

características e conhecimento técnico sobre os

nossos produtos e as necessidades do mercado”.

Portugal é, para o responsável, um país “cada vez

mais aberto à importação de marcas como a

Chengshan”, e está seguro de que poderão

“agradar aos condutores portugueses com

produtos orientados para o mercado europeu”.

Motivo mais do que suficientes para Costache

observar no nosso país “um grande potencial,

perante um público conhecedor, que estou certo

que gostará de utilizar os nossos pneus”. Sobre as

vendas, o diretor mostra-se cauteloso, ressalvando

que para 2021 “propusemo-nos a construir uma

imagem clara de marca, reputação e começar –

em conjunto com a COIP - a reunir uma «fatia» do

mercado. Estou certo de que 2021 será a base

forte sobre a qual podemos desenvolver um

grande negócio a partir do ano seguinte”, conclui.

Por sua vez, Luis Martins, General Market Manager

da COIP, afirma que “A Prinx Chengshan é um dos

mais inovadores e competitivos fabricantes da

atualidade, que nos dá todas as garantias

relativamente à qualidade irrepreensível dos

produtos, competitividade comercial e, não menos

importante, a qualidade e rapidez do serviço

pós-venda”, acrescentando que “com os pneus de

Turismo, SUV-4x4, Vans e Pesados CHENGSHAN,

passámos a disponibilizar ao mercado, produtos

de qualidade superior, que comparamos com as

mais prestigiadas marcas a nível mundial, e ainda,

através dos nossos parceiros distribuidores,

passaremos a oferecer o melhor serviço do

mercado.” Sublinhando ainda “vai ser uma

parceria tripla entre fabricante, distribuidores e o

utilizador final.” u

28 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Adrian Costache

CHENGSHAN SPORTCAT CSC-802

Segurança e conforto sem compromissos

O

novo

SPORTCAT CSC-802,

especialmente concebido para os

entusiastas da segurança, proporciona

os mais elevados níveis de conforto e prazer de

condução a ritmos exigentes. O rigoroso

controlo das trajetórias, os elevados níveis de

aderência em curva, quer em pisos molhados,

quer em pisos secos, conjuntamente com os

insuperáveis níveis de conforto em rolamento,

fazem do SPORTCAT CSC-802, um pneu que

lida com intransigência com os mais elevados

padrões da indústria. O desenho do piso

ultramoderno, aliado ao composto do piso, com

as revolucionárias sílicas “nano-class”,

assegura economias de combustível sem rival e

elevadas quilometragens de pura performance.

Disponível em 31 medidas, com diâmetros de

jante entre as 14 e as 17 polegadas, larguras

da secção entre os 165 e os 225 mm, séries 50

a 70 e códigos de velocidade de H (210 Km/h) a

V (240 Km/h). Em termos técnicos, para além

do composto do piso com sílicas “nano-class”,

destacamos ainda, o novo desenho das

lamelas, que contribuem para o upgrade da

rigidez do pneu e incrementam o nível de

conforto em condução. Não menos importante,

a nova variação do “pitch” dos diferentes

conjuntos de tacos e blocos, que em muito

contribui para o reduzido nível de ruído,

conjuntamente com os ombros fechados, no

sentido de reduzir as ressonâncias e

incrementar o conforto de condução. O

SPORTCAT CSC-802, é um pneu com qualidade

premium e preço de compra budget, garantindo

a máxima rentabilidade aos retalhistas e a

melhor qualidade ao cliente final. u

Quais são os segmentos que mais têm

vindo a crescer?

Graças ao nosso escritório europeu, procuramos

acompanhar as tendências do mercado.

Vemos um crescimento significativo

no segmento all-season, se falarmos de sazonalidade,

enquanto no que diz respeito

às dimensões, os pneus de SUV são os que

apresentam uma evolução mais rápida, assim

como o segmento UHP.

Em que é que a pandemia Covid-19 afetou

a atividade da Prinx Chengshan?

Em 2020, tudo foi tratado desde o início

da pandemia da forma mais profissional.

A nossa fábrica na China esteve fechada

durante apenas dez dias, estando entre as

primeiras a reabrir a atividade, uma vez

que a maioria dos funcionários vivem

na mesma cidade, como se fosse uma

grande família. A parte difícil foi o confinamento

na Europa, que nos fez armazenar

um número significativo de pneus

devido aos cancelamentos ou pedidos de

adiamento das entregas até novo aviso.

Em geral, mantivemo-nos firmes ao lado

dos nossos parceiros, oferecendo sempre

uma mão amiga e uma solução para um

recomeço imediato quando a Europa regressou

aos negócios. Para já, a situação

mais dramática causada pela pandemia

é a subida dos preços do transporte, que

está a provocar uma mudança dinâmica

e brutal nos preços de venda e revenda.

Estou certo de que teremos melhores dias

em 2022; ainda assim, é um ano desafiante

para, em última análise, passar estes aumentos

para os consumidores.

Quais são os grandes desenvolvimentos

na produção de pneus Chengshan,

nomeadamente em termos de novas

matérias-primas e compostos?

Estamos a trabalhar desde o início com

matérias-primas de categoria A, sem poupar

na qualidade. O SSBR é um composto

moderno que estamos a usar agora como

padrão de qualidade nos nossos produtos,

proporcionando o melhor desempenho a

todos os condutores exigentes. Com piso

produzido com um composto de duas

camadas, tecnologia de quatro cintas, tecnologia

zero graus, tecnologia de proteção

da carcaça (contra a oxidação da carcaça

e polímeros nano-sílicas, podemos ter um

grande produto. A IoT e todo um sistema

de TI monitorizam continuamente as nossas

linhas de produção para otimizações contínuas,

prevenindo a existência de produtos

com “não conformidades” ou erros de lote.

Sendo um dos maiores fornecedores chineses

de equipamento original, não podemos

ter quaisquer quebras de qualidade e temos

de oferecer uma qualidade consistente.

Qual é a sua opinião sobre a venda on-

-line de pneus? Acredita no crescimento

desta modalidade de vendas no futuro?

O setor on-line é um segmento em crescimento

e vai obter mais quota de mercado. Por

outro lado, precisamos de ver que estes são

produtos que precisam de ser equilibrados e

alinhados, e alguns países da Europa são mais

conservadores, uma vez que o comprador

tem uma relação mais próxima com a loja

onde equilibra todos os anos os pneus. A

nova geração pode pensar de forma diferente,

mas, em última análise, uma oficina cobrará

um preço mais elevado por um produto comprado

noutra loja. Estou certo de que veremos

especialistas em pneus e oficinas a tratar de

pneus durante muitos anos.

Qual é a visão da Prinx Chengshan para

o pneu do futuro? Parece-lhe que será

muito diferente dos pneus atuais?

Com certeza, as restrições ambientais impõem

uma direção clara: pneus verdes. A

tendência é clara e os pneus para veículos

elétricos terão o papel mais significativo nesta

área. As tecnologias emergentes já estarão

dominadas e veremos diferentes aspetos na

escolha de um pneu. Menos profundidade

de piso para a mesma ou maior quilometragem,

resistência de rolamento muito baixa

para uma maior autonomia do carro elétrico,

substituindo finalmente os materiais típicos

dos pneus por novos, mais inovadores, não

poluentes e reutilizáveis. Os limitadores automáticos

de velocidade de fábrica nos carros

novos já são uma realidade, o que significa

que vamos ver cada vez menos procura nos

pneus UHP e nos pneus com pisos largos. O

que hoje é uma tendência, pode nos próximos

anos inverter-se.

Quais são as perspetivas do volume de

negócios para 2021?

Para nós, os resultados do primeiro semestre

apontam para um ligeiro aumento em relação

a 2020, mas é um pouco cedo para falar

sobre as perspetivas anuais, uma vez que

a atual escassez de transportes e a subida

dos preços vão determinar a globalidade

do negócio dos pneus. u

www.revistadospneus.com | 29


Entrevista Mercado

Os pneus Petlas

são desenhados

para condições

difíceis e desafiantes

Há 16 anos no mercado português, a Petlas é representada pela Dispnal,

que tem alcançado vendas graduais e um crescimento estável a cada ano,

afirma Oguz Ay, que considera que o aumento das vendas nos últimos quatro

anos mostra que a Dispnal é o parceiro e o investimento certo

30 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Oguz Ay, Diretor de Marketing da Petlas

Fundada em 1976, na Turquia, a

Petlas forneceu durante duas

décadas os veículos militares das

forças armadas nacionais, sendo

privatizada em 1997. Foi comprada em 2005

pelo AKO Group, que até à data já fez um

investimento de mil milhões de dólares. A

Revista dos Pneus esteve à conversa com

Oguz Ay, o Diretor de Marketing da marca,

que conta como a pandemia está a passar

ao lado desta empresa, que até aumentou

consideravelmente o volume de vendas.

Começo por lhe pedir que nos apresente

a Petlas, quantas fábricas

e funcionários tem atualmente e

em que países está presente.

A Petlas foi estabelecida na sequência dos

esforços da Turquia para criar a sua própria

indústria de defesa e foi privatizada em 1997.

Na fábrica em Kirsehir, construída num espaço

de dois milhões de metros quadrados,

trabalham mais de 2.900 funcionários com

o objetivo de cumprir a nossa meta de ser a

escolha da próxima geração, tornando-nos

uma marca global, com especial ênfase na

segurança, consciência ambiental e uma boa

relação custo-benefício. Estamos representados

em mais de 115 países e produzimos

pneus para carros de passageiros, SUV/4x4,

camiões ligeiros, pesados e autocarros, para

máquinas agrícolas e industriais (OTR), assim

como pneus para veículos militares e aviões.

Como é composta a gama de pneus da

Petlas e que segmento tem crescido mais?

Os segmentos que têm crescido mais são o

«all season» e o de camiões e autocarros. Os

pneus «all-season» são uma solução prática

que providencia uma maior habilidade para

lidar com as diversas condições climatéricas

ao longo do ano. Além disso, estes pneus

melhorados combinam uma condução

mais suave, boa manobrabilidade e, mais

importante, uma melhor aderência em piso

molhado, com uma performance relativa

na neve. Estes pneus evoluíram de acordo

com as estradas e as necessidades. Os canais

mais largos na escultura da superfície de

rodagem asseguram uma melhor expulsão

da água, ao mesmo tempo que oferecem

mais aderência e tração. Em estrada molhada,

o aquaplaning aparece devido aos

desenhos dos pneus de verão, com menos

sulcos, tendo os designers que adicionar

mais rasgos para extrair a água da superfície

de contacto.

Os pneus Petlas são desenhados para condições

difíceis e desafiantes, desde trabalhos

de construção, túneis, minas, pedreiras e

outros em superfícies irregulares. Fornecem

durabilidade, melhor tração, resistência a

cortes e furos, estabilidade e possibilidade

de reesculturação. Além disso, a gama da Petlas

para OTR, máquinas agrícolas e camiões

tem uma construção robusta para oferecer

uma melhor capacidade de manobrabilidade.

São adequados para niveladoras, camiões

de carga e basculantes articulados.

E como é constituída a gama de pneus

para veículos comerciais ligeiros?

Os «Light Truck Tires» são feitos para camiões

ligeiros, veículos de transporte e furgões que

circulem tanto dentro como fora de estrada,

com cargas pesadas. Uma vantagem destes

pneus é a confiança que transmitem, graças

à forte aderência à estrada, não importa em

que estação do ano estivermos. Contando

com a certificação da UE de 3PMSF, estes

pneus fornecem segurança melhorada,

conforto e conveniência durante todo o ano.

Planeiam lançar novos produtos

em 2021? Em que segmentos?

Estamos a planear lançar novas dimensões

no segmento de camiões e autocarros, «all

season» nos pneus para veículos de passageiros

e pneus de inverno. Relativamente

aos pneus para veículos elétricos ainda não

dispomos deste tipo de pneus, mas consideramos

que este segmento tem muito

potencial de crescimento e brevemente iremos

iniciar a sua produção na nova fábrica.

De que forma a pandemia de Covid-19

condicionou a atividade da empresa?

A nossa prioridade é, como sempre, que

nenhum funcionário enfrente qualquer

impacto direto ou indireto neste processo.

O que é mais necessário neste período é

assegurar a sustentabilidade saudável da

vida e da produção. Tendo isto em conta, a

Petlas implementou gradualmente todas as

medidas desde o princípio. Seguindo instantaneamente

todos desenvolvimentos, continuaremos

a aplicar novas ações essenciais

à situação. Foi por isso que a pandemia de

Covid-19 não alterou nem afetou nada nem

na produção, nem nas vendas.

Qual é a vossa visão para o pneu

do futuro?

O futuro da mobilidade será determinado

pelos veículos autónomos e partilhados. Os

nossos produtos circulam nas estradas de

www.revistadospneus.com | 31


Entrevista

Oguz Ay

A Petlas está presente em mais de 115 países e produz pneus

para carros de passageiros, SUV/4x4, camiões, máquinas

agrícolas e industriais, assim como pneus para veículos

militares e aviões. Em 2020 produziu 14 milhões de pneus

todos os continentes e regiões do mundo,

desde a América do Norte à Oceânia, passando

por África e Médio Oriente até ao

Norte da Escandinávia. Para ter um papel

importante em mercados e condições climatéricas

tão diversos, um fabricante de

pneus tem de estar preparado para abranger

uma vasta gama de necessidades. Não

esperamos muitas alterações no futuro. Na

Petlas, continuamos a trabalhar em pneus

que abranjam diferentes segmentos.

Quais são as perspetivas de

volume de negócio para 2021?

Como referi, implementámos o mais alto

nível de medidas desde o princípio. É prioritário

gerir a força de trabalho nas vendas,

exportações e processos de fornecimento.

Tendo em conta que as gigantes globais

mudaram uma parte significativa da sua

produção para a China, especialmente

durante o processo pandémico, a Petlas

pôde continuar a trabalhar sem interrupções

graças à produção e infraestrutura

tecnológica 100% doméstica. Fazendo os

investimentos certos, aumentando a capacidade

neste processo e com investimentos

de marca que aceleram a transformação

deste aumento em valor, o momento de

crescimento da Petlas sai fortalecido. Apesar

da crise global, a Petlas demonstra uma

performance de exportação de sucesso na

primeira metade de 2021 e aumentou as

exportações em 25%. u

“A Dispnal é o parceiro certo”

Presente no mercado português há 16 anos, a Petlas é representada

pela Dispnal “que tem alcançado vendas graduais e um

crescimento estável a cada ano”, afirma Oguz Ay, que considera

que o aumento das vendas nos últimos quatro anos mostra que a “Dispnal

é o parceiro e o investimento certo. Orgulhamo-nos de apoiar os nossos

distribuidores nos seus esforços infindáveis para promover a nossa marca

nos seus países”. O diretor de marketing explica que “o facto de termos

uma vasta gama de linhas de produtos aumenta as possibilidades de

satisfazer mais clientes e melhorar a produtividade, por isso, a Petlas é já

bem conhecida e competitiva no mercado português. Nos últimos anos,

apesar de termos tido um crescimento notável, não pudemos fazer

qualquer atividade de marketing devido à Covid-19. No entanto, graças ao

facto de podermos fornecer diferentes grupos de pneus, poderemos estar

entre os principais intervenientes do mercado em poucos anos”.

Oguz Ay sublinha a importância de trabalhar a notoriedade da marca entre os

atuais e os potenciais clientes, pelo que a estratégia passa por “tornar a

marca mais visível entre o público, seja com carros decorados para

sobressair na multidão e fazer uma grande primeira impressão, ou com

diferentes tipos de marketing outdoor ou anúncios na televisão ou na rádio”.

Sobre os fatores que condicionam de forma positiva ou negativa o

mercado nacional, o responsável da Petlas aponta o domínio dos

distribuidores espanhóis, “pois quase todos têm um armazém, uma

equipa de vendas e um escritório em Portugal, o que cria desafios e

conflitos às marcas estrangeiras”. Por outro lado, o facto de o mercado

não ser muito grande, permite que “o fácil acesso a todas as partes do

mesmo com um distribuidor capaz”.

Oguz Ay prevê a continuação da queda das marcas chinesas e de leste

no mercado português, com a consequente substituição por produtos

europeus. Para este ano, admite que a Petlas ainda “não teve muito

tempo para desenvolver projetos novos, uma vez que não sabemos como

é que o processo da pandemia irá desenvolver-se. Estamos a planear

fazer novos projetos de marketing para o próximo ano. Apesar disso, o

nosso volume de vendas aumentou a um ritmo maior, comparando com o

ano anterior. Claro que uma das razões foi a preferência por marcas

europeias devido à crise global nos transportes”, finaliza. u

32 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Opinião

Pedro Teixeira, diretor geral Continental Pneus Portugal

Parabéns Continental!

A Continental assinala em 2021 o seu 150º aniversário. Um marco na história

de uma empresa global, transversal e um motor fulcral do desenvolvimento

industrial. Hoje, o grupo posiciona-se como um dos principais fornecedores

da indústria automóvel e uma das mais relevantes empresas tecnológicas

que mantém, literalmente, o “mundo em movimento”

Um século e meio de história a

impulsionar a evolução do

mundo, a apoiar a

transformação da indústria e a

lançar tendências na mobilidade mundial,

sem nunca colocar em causa o seu motor

e ADN: a Segurança.

O percurso da Continental está

intimamente ligado à mobilidade.

150 anos separam o primeiro fabrico

de pneus maciços para carruagens

e bicicletas, do desenvolvimento de

soluções para a condução autónoma.

Curiosamente no ano em que se

assinalam 150 anos da criação em

Hanover de uma sociedade por quotas, a

“Continental - Caoutchouc- und gutapercha

Compagnie”, estamos também a

comemorar 75 anos sob a inauguração

da Mabor e da apresentação do primeiro

pneu produzido em Lousado.

Neste gigante que é hoje a Continental,

Portugal e os portugueses têm também

a sua “quota-parte de responsabilidade”.

O Grupo tem instaladas, atualmente,

no mercado nacional sete empresas – a

Continental Mabor, a Continental Indústria

Têxtil do Ave, a Continental Lemmerz,

a Continental Teves, a Continental

Advanced Antenna, a Continental

Engineering Services e a Continental

Pneus Portugal, contando no total

com cerca de 3.500 colaboradores.

Mas esta confiança em Portugal não se

esgota na instalação de empresas. Não é

por mero acaso que quando a Continental

retoma a produção de pneus agrícolas,

um segmento particularmente exigente

em termos produtivos e logísticos, elege a

Continental Mabor, um exemplo no setor

industrial de eficiência e rentabilidade,

como a unidade de produção

responsável por recolocar a Continental

no mapa do segmento agrícola.

Nós, na Continental Pneus Portugal temos

vindo a fazer o nosso papel! Assumimonos

como empresa líder e de referência no

mercado nacional. A única com estrutura

completa local, o que nos permite pensar e

decidir com base na realidade do mercado

português. Na área de pneus ligeiros, vans

e 4x4 continuamos fortes na liderança

do segmento. Temos reforçado a nossa

oferta de CST - os pneus especiais para

uma vasta gama de aplicações industriais,

agrícolas e de mobilidade – e temos

vindo a consolidar a área de pneus para

camião e autocarro, que tem assinalado

um crescimento sustentado não só pela

qualidade da vasta gama de produtos

que disponibilizamos, mas também pelo

desenvolvimento de ferramentas que

colocam o digital ao serviço dos pneus e

das frotas, recolhendo e sistematizando

uma panóplia de dados e de informações

extramente relevantes para a operação.

Um dos projetos que mais nos tem

desafiado ao longo dos últimos anos é

a nossa rede de agentes ContiService.

Uma rede com um cunho muito próprio

e que nos permite estar mais próximos

dos nossos clientes. Temos hoje uma rede

que assegura a cobertura do território

nacional na prestação de um serviço de

excelência e de qualidade, assumindo um

papel preponderante de embaixadores

da Continental no nosso mercado.

Nos próximos 150 anos

continuaremos a mudar a história

do mundo desenvolvendo e

proporcionando tecnologias

inteligentes que proporcionem

uma mobilidade mais alargada,

mais confortável, mais sustentável e

fundamentalmente mais segura! ♦

No ano em que se assinalam

150 anos Continental estamos

também a comemorar 75 anos

Da inauguração da Mabor e da

apresentação do primeiro pneu

produzido em Lousado

www.revistadospneus.com | 33


Mercado Empresa


J. Leite Pneus

“Tivemos um

«boom» incrível

na pandemia”

Fundada em 2010 por José Leite, a J. Leite Pneus é uma oficina de pneus localizada

em Vila Nova de Cerveira, com três lojas, que, contrariamente à tendência global

de mercado, evoluiu de forma muito positiva durante a pandemia. A RP falou com

Gonçalo Pinto, enteado do fundador que, graças à formação em informática e novas

tecnologias, tem desenvolvido um trabalho determinante na dinamização da empresa

Em tempos de pandemia, foi precisamente

Gonçalo Pinto quem

«arregaçou as mangas» e tratou

de potenciar toda a área digital da

J. Leite Pneus, garantindo a evolução contínua

da empresa, mesmo em condições

mais difíceis para trabalhar, como tem sido

o último ano. De pequena loja, em 2010, a J.

Leite Pneus foi ‐se implantando no mercado

e, atualmente, tem o seu espaço principal

na zona industrial em Vila Nova de Cerveira.

Ali dispõem de máquinas de montar, equilibrar

e de alinhamento de direção (3D),

para além da venda e montagem de jantes,

vendas online e revenda, ao passo que na

segunda loja, também em Cerveira, é possível

montar e equilibrar pneus, enquanto

que na terceira, em Seixas/Caminha, além

sublinhando a dificuldade que é “receber

um novo funcionário num dia em que se

monte mais de 100 pneus, pois fica muito

complicado poder explicar ‐lhe as coisas

com calma”.

Ainda que só façam mecânica rápida, tentam

“estar sempre atualizados nas novas

tecnologias e também nas notícias do setor,

a acompanhar o progresso das marcas”, e

participando em formações genéricas sobre

o setor, promovidas pela rede de oficinas

Center’s Auto, da qual são membros.

A associação a esta rede, na opinião do

responsável, tem sido uma mais valia, pois

trouxe “confiança e é um grupo que valoriza

a união dos seus membros como família”.

A exclusividade das vendas de GT Radial

na zona é também uma vantagem, assim

fazemos, pois não existe o chamado «carro

escondido»”.

SERVIÇO FEITO NA HORA

Focada essencialmente no cliente particular,

a J. Leite Pneus tem preferência pelo “serviço

feito na hora, até porque gostamos

do pagamento no ato, e muitas empresas

tendem a adiar pagamentos”. Além disso,

disponibilizam a marca de detalhe automóvel

AutoFinesse, como complemento,

sendo “um ponto extra na diversidade de

produtos que temos em stock, dado que não

fazemos mecânica nem entramos no ramo

das peças, é algo que se liga bastante ao

nosso ramo”, explica. O cliente, no entanto,

continua a dar mais importância ao preço do

que à qualidade, diz o nosso entrevistado,

Em período de pandemia, graças às novas tecnologias, a

J. Leite Pneus conseguiu não só manter as vendas como

aumentar as mesmas

da montagem, equilibragem e alinhamentos,

ainda fazem lavagens (manual, interior,

exterior e de motor), muito apreciadas pelos

proprietários de viaturas antigas. No total

são dez funcionários, nos três espaços, e

Gonçalo Pinto começa por nos dar conta

da falta de formação profissional neste ramo,

como todo o apoio fornecido em termos

formativos e técnicos.

Gonçalo Pinto considera que aquilo que distingue

a J. Leite Pneus da concorrência é “a

preocupação pós ‐venda”, bem como o facto

de mostrarem nas redes sociais o trabalho,

“em direto algumas vezes, para verem o que

que confirma que “temos clientes que por

dez cêntimos fazem 5 km para vir meter

pneus”. A vender pneus para ligeiros e também

para pesados, a J. Leite Pneus tem um

stock médio que vai dos 6 aos 8 mil pneus,

não sendo possível apurar ao certo quantos

comercializa por ano, uma vez que, para tal,

www.revistadospneus.com | 35


Empresa

A vertente digital tem permitido à J. Leite Pneus realizar

vendas de jantes e pneus para África, Dubai, Europa ou

Brasil e tem trazido visibilidade à empresa, possibilitando

crescer em muitos aspetos

é preciso contabilizar a venda física, a online

e ainda a revenda, que pode variar muito,

sempre que aconteça uma compra pontual

avultada de pneus.

o nosso trabalho e essa é a nossa preocupação.

Se a concorrência é maior, melhor, para

verem a nossa qualidade”. Dentro de portas,

promovem um ambiente familiar, para “gerir

tudo melhor e isso só traz vantagens!”, e para

o futuro querem “sempre inovar e expandir.

Não queremos parar no tempo, queremos

evoluir e expandir”.

“QUEREMOS EVOLUIR”

A pandemia obrigou a empresa a tomar todas

as medidas necessárias para receberem

os carros dos clientes em segurança, como

sinalização, indicações em todas as lojas,

todo o material obrigatório, o cumprimento

do distanciamento social, a utilização de

máscara ou até a disponibilização de desinfetante

para o cliente. Dada a forte aposta

realizada na vertente digital, a J. Leite Pneus

conseguiu, durante os últimos meses, um

“boom incrível” online, numa altura em que

“o ramo está muito atrasado” nesta área. O

engenheiro informático considera mesmo

que “o online não é o futuro, mas sim o presente”

e denota estar “feliz por ver que o

setor automóvel se está a tornar cada vez

mais interessante do ponto de vista tecnológico”.

Considera que “parar é morrer”

e relembra que em informática uma das

grandes máximas é “que nunca podemos

ficar para trás, todos os dias a tecnologia

evolui, a informática não dorme, e o mesmo

conceito pode ser aplicado no setor automóvel,

temos de estar sempre a par do que

se passa aqui e lá fora”.

A concorrência não assusta, nem sequer inquieta

Gonçalo Pinto, que garante “fazemos

“Graças às novas tecnologias conseguimos

manter e aumentar as vendas”

M

uito por conta da sua formação em

engenharia informática, o papel de

Gonçalo Pinto, de 28 anos, na J. Leite

Pneus tem passado pela dinamização de todo o

segmento online. Com a paragem forçada pela

pandemia, a empresa foi capaz de dar a volta

por cima, segundo o responsável, “graças às

tecnologias”, pois “conseguimos manter e

aumentar as vendas”. Gonçalo Pinto explica que

a pandemia “ajudou a provar o potencial do

digital a muitas pessoas que ainda não

acreditavam nele. Duvido que quem tenha o

online a funcionar minimamente tenha passado

por dificuldades maiores, ou se, pelo contrário,

até teve receitas nunca antes vistas”. À Revista

dos Pneus, o engenheiro informático confessa

mesmo que aquilo que o enche de vontade de

fazer mais e melhor é “receber o feedback de

clientes de outras zonas do país ou da Europa,

que não conhecem a nossa a loja, mas que

confiam em nós e nos enviam fotos dos carros

com as nossas jantes e a agradecer imenso”.

Dependendo do orçamento de cada empresa,

entende que o ideal é ter uma equipa dedicada

às novas tecnologias e não apenas uma

pessoa, pois na ausência dela o trabalho irá

inevitavelmente acumular ‐se. “É dispendioso,

sim, mas os lucros estão lá, portanto, é

importante investir numa equipa que tenha uma

pessoa para tratar da parte da publicidade, outro

para vendas online e um terceiro para tratar da

base de dados”, afirma. Embora seja grande

defensor desta «revolução», continua a acreditar

que a loja física tenderá a manter ‐se para “a

montagem final”, até porque, na generalidade,

os clientes do online ainda “gostam muito de vir

cá para ver as jantes ao vivo, escolher, debater

e trocar ideias” e acabam por comprar com o

serviço de montagem incluído quando são da

zona. Na calha, entre as várias ideias de Gonçalo

Pinto está um projeto que já começou a delinear:

“a interação digital com o cliente, ou seja, ele

estar em casa e poder fazer uma «visita» virtual

à nossa loja, com ou sem a nossa presença”.

36 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


J. Leite Pneus

DIGITAL AJUDA A CRESCER

A vertente digital tem permitido realizar

vendas de jantes e pneus para África, Dubai,

Europa, ou Brasil, por exemplo, e tem

trazido visibilidade à empresa, possibilitando

“crescer em muitos aspetos”. No entanto,

para Gonçalo Pinto, toda a parte física não

pode ser esquecida, porque “neste ramo

vai demorar muito tempo até que as máquinas

ocupem o lugar da mão ‐de ‐obra. É

certo que elas já existem, mas o custo não

as torna rentáveis para nenhuma loja em

Portugal”, afirma.

Sobre o potencial de crescimento do mercado

de reparação e manutenção automóvel

da zona onde a J. Leite se encontra, Gonçalo

Pinto não tem dúvidas em referir que “nos

últimos anos tem ocorrido uma aposta forte

na área, com várias empresas a investirem

na zona (Gestamp, ZF, TRW, Lear, etc.). Já

existem construções a ser feitas para outras

a entrar e polos industriais a serem aumentados

e construídos. Nesta pequena aldeia já

vai ser feito o terceiro polo industrial, sendo

que parte das empresas são ligadas ao sector

automóvel”.

No que toca à estratégia delineada para

os próximos anos, o gerente pretende

“manter a transparência com o cliente

seja no físico ou digital, inovar, crescer e

expandir. Daqui a cinco anos espero não

só um crescimento nacional, mas sobretudo

um reconhecimento internacional” e adianta

que isso não significa “abrir lojas lá fora”. u

“Hoje somos uma casa de pneus,

daqui a 50 anos seremos outra coisa”

A

redução das margens em Portugal e

na Europa é uma das principais

ameaças ao negócio das casas de

pneus. Gonçalo Pinto considera que a solução

para a sobrevivência passa pela adaptação e

diversificação de serviços. “Se os pneus

«acabarem», digamos, temos de nos adaptar à

nova realidade do momento. Até convém fazê ‐lo

antes e não em cima do acontecimento.

É muito importante sabermo‐ nos adaptar e se

hoje somos uma casa de pneus, daqui a 50 anos

seremos outra coisa, não tenho dúvidas!”,

exclama.

Perante um parque automóvel antigo e um poder

de compra que “poderia ser mais elevado”,

Gonçalo Pinto nota um atraso de Portugal

face a outros países e regista a compra de

muitos pneus usados, criticando as “taxas e

impostos que não só dificultam a nossa vida,

como a do cliente”. Este responsável acredita

que irão surgir novos modelos de negócio no

comércio de pneus, como o cliente deslocar‐

‐se apenas à loja para efetuar o serviço de

montagem de pneus, ou mesmo fazer a

seleção do produto numa máquina na loja

e aguardar para receber o seu pedido.

Questionado sobre a sua visão para o futuro,

o responsável assume que “a guerra não é

com a concorrência, mas sim com o mercado

negro”, pelo que destaca a importância de

conseguir “uma união para combater os que o

fazem, prejudicando ‐nos a nós e aos restantes

que tentam fazer as coisas bem”, a par de

“um combate a nível de impostos/taxas, que

permitisse preços justos para os clientes e

margens justas para nós”, antes que saiam

prejudicadas não só as lojas, como também

os fornecedores. “A minha visão passa por

criar uniões. É por isso que não gosto de me

preocupar com a concorrência, porque hoje

posso ter um cliente que quer uma jante que

demora duas semanas a encomendar e, se a loja

da concorrência tiver, envia ‐me e amanhã tenho

aqui em stock para vender. A guerra já me basta

com quem faz «a negro», visto que indiretamente

(e diretamente) nos afetam a todos”, advoga.

J. Leite Pneus

Gerentes José Leite e Rute Augusto | Morada Zona Industrial Campos, Polo 2 | 4920-247 Vila Nova de Cerveira

Telefone 927168619 | Email info@jleitepneus.com | Site www.jleitepneus.com

www.revistadospneus.com | 37


Apresentação Mercado

Novo padrão

de rendimento

desportivo!

A Bridgestone apresentou no Circuito de Jarama, em Madrid, o seu novo pneu UHP

de alta performance, o Potenza Sport. A Revista dos Pneus esteve presente

e comprovou “in loco” o excelente desempenho deste pneu, que estabelece

um novo padrão de rendimento desportivo de alto nível. Com o Potenza Sport,

a Bridgestone revolucionou o cenário dos pneus desportivos


Bridgestone Potenza Sport

A

Bridgestone tem um forte legado

de experiência em pneus

de alta-performance, graças à

sua tradição em corridas de Fórmula

1 e às parcerias de longo prazo com

fabricantes de carros de alta performance.

No início deste ano lançou o Potenza Sport,

conseguindo criar um pneu que responde

às expetativas dos condutores em relação

a pneus de alta performance, ao mesmo

tempo que garante a superação dos desafios

diários que enfrentam. O Potenza é

um nome de peso, numa gama com uma

história vasta e uma tradição histórica suportada

por alguns dos automóveis mais

rápidos desenvolvidos até hoje. Trata-se de

um pneu reconhecido e apreciado, tanto

pelos fabricantes automóveis como pelos

condutores mais exigentes que pretendem

tirar o máximo partido do seu veículo.

Dando continuidade à história de sucesso

da gama Potenza, a Bridgestone lançou este

ano o Potenza Sport, que logo ascendeu ao

topo da sua classe pela sua elevada performance.

Atingiu os melhores resultados nos

testes de desempenho em curva e de manobrabilidade

em piso molhado realizados pela

TÜV SÜD e foi nomeado vencedor no teste

de pneus desportivos ‘Auto Bild Sportscars

2021’. O Bridgestone Potenza Sport superou

os pneus de outros oito fabricantes nos testes,

obtendo a melhor pontuação geral em

piso molhado e as melhores notas em piso

seco, obtendo uma classificação “exemplar”.

O Bridgestone Potenza Sport está agora

disponível em 96 medidas, de 17’’ a 22’’, cobrindo

uma vasta gama de automóveis de

passageiros e SUV na estrada, desde berlinas

e SUV premium a veículos de luxo e prestígio.

720 MILHÕES DE EUROS DE INVESTIMENTO

O Potenza Sport é um pneu que reúne as tecnologias

mais inovadoras da Bridgestone, e o

resultado do investimento global da empresa

de 720 milhões de euros anuais, colocando-

-a na vanguarda do setor neste campo. Para

alcançar o desempenho de vanguarda do

Potenza Sport, foram aplicadas várias tecnologias

novas e inovadoras ao padrão do

piso, ao composto e na construção. No que

diz respeito ao desenho do piso, foram aplicadas

várias tecnologias de ponta, tais como

as lamelas 3D inovadoras, para aumentar a

rigidez ao cisalhamento, com benefícios na

travagem e resistência à abrasão.

Quanto ao composto, graças a uma fórmula

otimizada combinada com uma tecnologia

de mistura inovadora, melhora o desempenho

tanto em condições secas como

molhadas. Foi também utilizado um novo

reforço de coroa híbrida para maximizar o

desempenho de estabilidade a alta velocidade

do pneu e foi aplicado um pacote

de carcaça desportiva para aumentar o

desempenho de estabilidade e a resposta

da direção, otimizando ao mesmo tempo a

resistência ao rolamento.

O resultado é um pneu de elevado desempenho

capaz de maximizar a tração, manobrabilidade,

controlo e desempenho geral do

veículo. Representa, sem dúvida, um novo padrão

no desempenho desportivo de alta competição,

já que oferece o melhor rendimento

na sua classe em piso seco, apoiado por um

pacote premium para piso molhado. Além

disso, as excelentes capacidades do pneu em

piso molhado e seco são acompanhadas de

níveis de quilometragem mais elevados do

que o seu antecessor, o Potenza S001.

PESQUISA DE MERCADO

Antes de iniciar o desenvolvimento do

novo Pneu Potenza Sport, a Bridgestone

realizou uma pesquisa de mercado abrangente,

tendo entrevistado mais de 3.800

consumidores finais em toda a Europa,

para saber o que eles pediam exatamente

de um pneu desportivo. Para além da aderência,

estabilidade, segurança em todas

Provas de estrada

P

ara avaliar as anunciadas

características deste pneu de alta

perfomance, a Bridgestone preparou

uma série de provas no circuito de Jarama, em

Madrid, onde um grupo de convidados teve

oportunidade e testar em pista as capacidades

do Potenza Sport. Os testes ao novo pneu

incluíram diversas provas:

SINTA A EMOÇÃO

A primeira prova foi um slalom a 110 Km/h

entre cones, numa reta de 180 metros.

Seguiu-se uma travagem a alta velocidade e

manobra de mudança de faixa de rodagem,

num espaço de 118 metros, com desvio

rápido de obstáculos. O Potenza Sport superou

com nota máxima esta primeira prova

SINTA A ESTABILIDADE

A segunda prova teve por objetivo demonstrar

a estabilidade dos Potenza Sport quer em reta,

quer em curva e também em aceleração e

travagem. Segurando o volante com as duas

mãos e em plena aceleração, superamos o

teste de estabilidade em reta, seguindo-se

as condições e muitos outros pedidos, os

condutores explicaram que a capacidade

de um pneu transmitir informação é importante

para o condutor compreender

e prever as suas reações. Outro aspeto

valorizado de um pneu desportivo é que

as suas reações em situações limite são

progressivas, ou seja, que perde aderência

de uma forma suave e linear, não abrupta,

a fim de oferecer um comportamento mais

controlável e seguro.

Ambos os aspetos só podem ser alcançados

após milhares de horas de desenvolvimento

e testes reais de centenas de protótipos em

que os peritos da marca avaliam o “feeling”

e as sensações que os pneus transmitem.

Este trabalho de desenvolvimento é complementado

pela tecnologia de desenvolvimento

virtual de pneus da Bridgestone,

que poupa tempo, é amiga do ambiente e

permite à Bridgestone prever com precisão

o desempenho dos pneus nas fases iniciais

de desenvolvimento.

O cliente-tipo do Potenza Sport acaba por

ser um leque alargado, pois estamos a falar

de clientes de uma ampla gama de carros

ligeiros e SUVs de estrada, desde carros premium

a carros de luxo e de prestígio, em

marcas como BMW, Mercedes, Audi, Pors-

uma descida com 150 metros, com cones de

marcação onde tivemos de realizar um slalom

e travagem a elevada velocidade. Para testar os

reais desafios na condução, circulámos na pista

de Jarama em contexto de auto-estrada, onde

se circula a alta velocidade, e testamos também

travagem tardia antes de fazer uma curva.

SINTA A ADERÊNCIA

Nesta prova o objetivo foi testar o

comportamento do Potenza Sport em piso

molhado. O circuito foi feito à medida para

testar em pavimento molhado, o desempenho

do Potenza Sport quanto à aceleração,

travagem e estabilidade em curva. Durante

este prova tivemos de manter o controlo do

veículo em todos os momentos, mantendo

sempre a estabilidade, principalmente em

curva. Foi necessária uma atenção redobrada

para manter a estabilidade do veículo ao

entrar e sair das curvas a alta velocidade,

com os Potenza Sport a desempenharem

bem a sua vocação de pneus desportivos,

mas sempre com margem de segurança, o

que oferece muita confiança ao condutor.

www.revistadospneus.com | 39


Reportagem Apresentação

O Bridgestone Potenza Sport é o resultado da combinação do

espírito pioneiro da Bridgestone e da sua experiência em pneus

de alto desempenho com uma extensa pesquisa de mercado

che, Jaguar, Mini, Tesla, entre outros. Além

disso existe ainda o cliente mais exclusivo,

como os proprietários do Maserati MC20 e

do Lamborghini Huracán STO, em que para

estes modelos foram lançados os Potenza

Sport desenvolvidos sob medida.

A questão do piso molhado foi uma das

principais preocupações ao longo do desenvolvimento

do Potenza Sport. Face ao seu

antecessor que já tinha credenciais bastante

sólidas, o Potenza S001, o Potenza Sport deu

um salto qualitativo quando falamos em

travagem em piso molhado, melhorou os

níveis de desgaste, conseguindo ainda uma

evolução em setores tão importantes como

curvar em piso molhado/hidroplanagem,

desempenho e travagem no seco. Com todos

estes atributos que tornam o Potenza

Sport num pneu-referência, garantiu-se a

classificação A do Rótulo UE para o Índice

de Aderência no Molhado.

Opiniões dos responsáveis

“É um produto que o profissional de pneus vai sentir-se

muito confiante ao recomendar ao utilizador”

J

osé Enrique González,

Vice-Presidente da

Bridgestone na Região

Sudoeste da Europa explicou a

importância do momento que a

empresa vive e a relevância de

produtos como o Potenza Sport:

“O Potenza Sport da Bridgestone

é o resultado da combinação da

experiência com a inovação para

poder satisfazer as necessidades

dos consumidores. É um pneu que

leva o desempenho desportivo a um

nível superior, permitindo manter o

controlo e extrair o máximo

desempenho dos veículos que os

utilizam. Marca certamente um

“antes e depois” na sua gama e

demonstra do que a tecnologia da

Bridgestone é capaz”.

Relativamente aos objetivos

para o mercado português, José

Enrique González refere que

“Para a Bridgestone, Portugal é

um mercado estratégico, onde

temos já uma boa implantação.

Com este novo pneu, procuramos

conquistar o segmento de mercado

de clientes que procuram um

desempenho puramente desportivo,

com emoção, mas em segurança.

Temos a experiência de muitos

anos na Fórmula 1 que nos

permitiu desenvolver um pneu com

características únicas, capaz de

transmitir as verdadeiras emoções

de uma condução desportiva”.

Os distribuidores e retalhistas,

por sua vez, passam a dispor de

um produto revolucionário, capaz

de marcar a diferença, conforme

afirma este responsável: “Sabemos

que em Portugal há um mercado

de condutores desportivos à

procura deste tipo de pneu,

capaz de lhe transmitir emoções,

e a partir de agora já o podem

adquirir. Os retalhistas podem

agora oferecer aos clientes que

procuram performance desportiva

um produto de ponta que lhes vai

permitir encontrar as emoções

que procuram na condução até ao

limite máximo, tanto em aderência

e estabilidade, como em precisão.

É um produto que o profissional de

pneus vai sentir-se muito confiante

ao recomendar ao utilizador”.

Por sua vez, Elias Comellas,

Manager Operations da Região

Norte (Portugal e Espanha) da

Bridgestone, enaltece as principais

características do novo Potenza

Sport: “é um pneu que se destaca

pelo seu comportamento desportivo,

tem as melhores prestações de

José Enrique González

Elias Comellas

manobrabilidade e controlo tanto

em curva como em reta a altas

velocidades, tem a melhor travagem

em seco do seu segmento entre

todas as marcas premium e uma

grande aderência em curva com

piso molhado, que lhe garante

a etiqueta nível A em todas as

categorias. Trata-se sem dúvida

de um pneu capaz de satisfazer

os condutores mais exigentes

no que diz respeito a sensações

de condução desportiva, e que

gostam de sentir as prestações

que podem retirar dos seus

veículos em condução desportiva,

principalmente em estradas

com muitas curvas. O objetivo e

conseguirmos ter o controlo do

veículo através do controlo que o

pneu transmite, aproveitando ao

máximo todo o potencial do carro”.

40 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Bridgestone Potenza Sport

RECONHECIMENTO UNÂNIME

O Potenza Sport recebeu o reconhecimento

de organizações independentes

e dos meios de comunicação social relevantes

da indústria. Foi testado pela TÜV

SÜD, um dos mais prestigiados institutos

independentes de testes automóveis da

Europa, conseguindo o melhor desempenho

de travagem a seco (distância de

travagem mais curta em superfícies secas)

e estabilidade em curva e em linha reta

(mantendo a estabilidade do veículo tanto

em linha reta como em curva) contra os

seus concorrentes do segmento premium.

Além disso, o Bridgestone Potenza Sport

oferece um desempenho sensacional em

piso molhado, ganhando um rótulo A da

UE em toda a gama para aderência em piso

molhado, e alcançando resultados de topo

em testes de desempenho adicionais de

manobrabilidade em piso molhado e em

curva realizados pela TÜV SÜD.

O Potenza Sport foi também o vencedor

do teste de pneus desportivos Auto Bild

2021. Recebeu as melhores pontuações

em estrada seca, entre outros fatores, pela

distância de travagem mais curta, estando

nas duas primeiras posições; pela sua manobrabilidade

a seco e foi nomeado o melhor

em estradas molhadas, considerando

que oferece a distância de travagem mais

curta, a melhor manobrabilidade, a melhor

manobrabilidade em pista circular molhada

e grande desempenho em condições de

aquaplanagem. Além disso, o Bridgestone

Potenza Sport recebeu a classificação mais

alta da revista em termos de conforto de

condução.

O Potenza Sport foi ainda classificado como

“muito bom”, no teste anual Sport Auto2.

Recebeu a melhor pontuação geral em estradas

secas pela distância mais curta de

travagem, melhor manobrabilidade, excelentes

capacidades de mudança de faixa e

resposta precisa ao volante. O pneu de alta

performance também alcançou as melhores

classificações em piso molhado, obtendo

a maior pontuação para a distância de travagem,

excelente manobrabilidade e um

enorme nível de aderência em piso molhado.

POTENZA SPORT, UMA GAMA ICÓNICA

A gama de pneus Potenza Sport é um dos

pneus mais icónicos da Bridgestone desde

os anos 70. Em 1979, a empresa introduziu

o seu pneu de alta performance: o Potenza

RE47. Quando o Potenza foi introduzido, a

maioria dos pneus radiais com cintas de aço

eram apenas para veículos de competição.

O Potenza RE47 foi um dos primeiros pneus

a adaptar a estrutura e o desempenho de

um pneu de competição para estradas nor-

Principais características

Bridgestone Potenza Sport

ADERÊNCIA LATERAL

EM PISO MOLHADO E SECO

O Bridgestone Potenza Sport tem um alto

índice de aderência lateral tanto em condições

secas como molhadas, onde obteve a melhor

classificação em estabilidade em curva

seca (teste TÜV SÜD); e manobrabilidade e

desempenho em piso molhado numa pista

circular (teste Auto Bild Sportscars 2021). O

condutor sente que o carro tem mais aderência

na curva, pode gerar mais aceleração lateral

e ganhar velocidade segura nas curvas.

ADERÊNCIA LONGITUDINAL

EM CONDIÇÕES SECAS E HÚMIDAS

A aderência longitudinal é a aderência que

ocorre durante a linha reta, aceleração e

travagem. O Bridgestone Potenza Sport

provou em testes ser um grande executante

em condições de aquaplanagem e o líder do

segmento em travagem, onde demonstrou

a distância de travagem mais curta tanto

em condições secas como molhadas. Como

resultado, a Auto Bild sportscars descreveu-o

como “uma nova referência” na manobrabilidade

em piso molhado. O Bridgestone Potenza

Sport também foi concebido para poder

transmitir para a estrada, com elevada eficácia,

potências como as do Maserati MC20 ou

Lamborghini Huracán STO, que utilizam o

Potenza Sport como equipamento de origem.

ELEVADA ESTABILIDADE E CONTROLO

A QUALQUER VELOCIDADE

Os pneus desportivos são concebidos para

funcionar com precisão e segurança a

velocidades muito elevadas (o Bridgestone

Potenza Sport pode ter um código de velocidade

Y até 300 km/h). A Bridgestone utilizou neste

pneu um novo endurecedor de coroa híbrido

e uma carcaça desportiva para maximizar

a estabilidade a alta velocidade. Os perfis

baixos do pneu também ajudam nesta área.

mais. Tal é a excelência da gama Potenza,

que quando a Bridgestone entrou na F1, os

pneus Potenza foram a escolha preferida dos

pilotos no final dos anos 90, uma competição

em que obteve numerosas vitórias. Desde

o início, o objetivo da Bridgestone era criar

um pneu que os condutores pudessem desfrutar

de toda a emoção e desempenho de

um pneu de corrida. Anos mais tarde, esse

continua a ser o seu principal objetivo com

cada geração do Potenza. u

RESPOSTA DA DIREÇÃO

Um pneu desportivo deve oferecer uma

resposta de direção precisa e direta. O condutor

deve sentir que o pneu vai exatamente

para onde quer que vá e que marcou com a

direção. Por outro lado, a resposta do pneu ao

movimento do volante deve ser tão verdadeira

e direta quanto possível, com o mínimo de

flexões da carcaça e desvios de aderência

que provoquem um atraso entre o comando

do condutor e a viragem efetiva do carro. As

tecnologias de reforço utilizadas no flanco e

coroa do Potenza Sport conferem-lhe maior

resistência à flexão; e o desenho da carcaça,

com um contorno desportivo e ombros menos

arredondados, melhora o controlo da direção,

bem como aumenta a área de contacto e

maximiza o desempenho de estabilidade.

AMPLA GAMA DE TEMPERATURAS

DE FUNCIONAMENTO

Um pneu de competição pode suportar

temperaturas muito elevadas durante a

utilização intensiva em pista, mas não é capaz

de proporcionar aderência a temperaturas

médias e baixas. A Bridgestone alcançou

uma gama muito ampla de temperaturas

ótimas de funcionamento com o novo

Potenza Sport. Como resultado, oferece

segurança, durabilidade e aderência numa

manhã fria de Inverno ou numa tarde

quente de Verão. O novo composto de

borracha é fundamental a este respeito.

DURABILIDADE

Um dos grandes segredos do novo Bridgestone

Potenza Sport é a sua capacidade de combinar

excelentes prestações em todos os terrenos,

com uma maior resistência ao desgaste.

Conseguiu melhorar substancialmente

todos os indicadores do seu antecessor, o

Potenza S001, e também alcançar uma maior

quilometragem e uma vida útil mais longa.

www.revistadospneus.com | 41


Mercado

Pneus Moreira

ATITUDE EMPRESARIAL

Carlos Moreira fundou a Pneus Moreira há vinte e seis anos em Arcos de

Valdevez e desde o início criou uma imagem imbatível na prestação de serviços

e disponibilidade de produto. A marca Falken, que comercializa há cerca de dois

anos, veio reforçar a oferta e contribuir para o sucesso da empresa

A

Pneus Moreira iniciou a atividade

em 25 de novembro de 1995 numas

pequenas instalações em Arcos

de Valdevez, que depressa se

revelaram limitadas para o volume de trabalho.

Passados poucos anos, Carlos Moreira adquiriu

uma nova loja que foi evoluindo para as atuais

instalações que agora ocupa na mesma cidade.

“Ao longo da vida da empresa, fomos sempre

crescendo e atualmente possuo duas lojas onde

trabalham doze pessoas. Somos uma equipa

muito unida e tenho quatro funcionários que

estão comigo há mais de vinte anos. Faço reuniões

periódicas com todos para analisar a situação

da empresa, definir métodos e trabalho

e estratégias para o futuro. Analisamos o que

está bem e o que está mal no atendimento

ao cliente. Estas reuniões são fundamentais

para o sucesso da empresa. Não podemos estar

sempre a fazer o mesmo tipo de serviço. Temos

de evoluir e acompanhar as tendências do mercado.

A concorrência é cada vez mais forte e nós

temos de estar na linha da frente. Tento criar o

melhor ambiente de trabalho possível, para as

pessoas se sentirem motivadas e o resultado

não podia ser melhor, pois todos os anos temos

crescido e dado provas de merecer a confiança

dos clientes”, diz Carlos Moreira.

A nível de equipamentos este responsável faz

questão de ter sempre máquinas novas e atualizadas.

“Quando os equipamentos começam

a ficar desgastados e com folgas não hesito

em substituí-los por máquinas novas. Ainda

recentemente adquiri um novo equipamento

para montagem exclusiva de pneus Runflat. É

uma máquina que não dá lucro porque não

aparecem pneus Runflat para montar todos os

dias, mas quando recebemos viaturas para este

tipo de pneus, estamos preparados e consigo

dar resposta às necessidades do cliente”, refere.

VALORIZAR A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

A Pneus Moreira é reconhecida pela qualidade

dos serviços prestados e pela disponibilidade

de produto. “Possuo três armazéns onde faço

stock de pneus para conseguir ter o máximo de

oferta sempre disponível. O cliente é servido na

hora e após a montagem dos pneus lavamos

as jantes de entregamos o carro lavado. É um

serviço que o cliente aprecia e que contribui

para a valorização do nosso trabalho”, afirma

Carlos Moreira.

Para além da montagem de pneus, a oficina

presta também serviços de mecânica, que é

também uma imagem de marca da empresa,

pois desde o início que Carlos Moreira aposta

nesta área. “Sempre tive uma visão do negócio

mais à frente e desde o primeiro dia que faço

serviços de mecânica. É um complemento cada

vez mais importante ao serviço de pneus, que

representa atualmente mais de 40% da fatura-

42 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Publireportagem

FALKEN FAZ CRESCER

AS VENDAS

PNEUS MOREIRA

Gerente Carlos Moreira

Morada Carreira – S. Paio – 4970-612

Arcos de Valdevez

Telefone 258 523 198

Telemóvel 967 643 088

Há dois anos que a Pneus Moreira comercializa a Falken,

uma marca que não é desconhecida para Carlos Moreira,

pois chegou a montar estes pneus ainda antes de abrir

a sua empresa. Atualmente a venda de pneus Falken

já representam mais de 30% da faturação total, com

tendência para continuar a crescer, pois Carlos Moreira

acredita no potencial da marca: “Conheço o produto há

mais de trinta anos e está cada vez melhor. São pneus

muito seguros que transmitem confiança ao condutor.

Têm qualidade premium mas com um preço ligeiramente

mais baixo do que as tradicionais marcas premium”.

Na opinião de Carlos Moreira, a AB Tyres está a fazer

um excelente trabalho de promoção e divulgação da

marca Falken, quer junto da rede de parceiros, quer

do consumidor final. “O acordo que celebrei com a AB

Tyres para a comercialização da marca Falken nesta

zona, tem sido muito benéfico para a empresa, pois as

vendas estão a crescer e os clientes ficam satisfeitos

com a marca e voltam a montar Falken quando têm de

substituir os pneus dos seus veículos”, refere.

A terminar, Carlos Moreira reforça a necessidade dos

empresários do comércio de pneus terem mais formação

sobre a evolução tecnológica dos pneus: “Considero

muito importante estar atualizado sobre a composição

e tecnologia dos novos pneus. São componentes cada

vez mais complexos e tecnológicos que carecem de

conhecimentos para que o profissional da casa de pneus

consiga explicar ao cliente as caraterísticas técnicas e

o desempenho de cada pneu.”

Existe um entendimento perfeito entre a Pneus Moreira

e a AB Tyres, o que contribui para o bom desempenho

comercial da Falken, que este ano vai voltar a bater

recordes de vendas, segundo as previsões de Carlos

Moreira.

ção anual da empresa e acredito que no futuro

irá representar ainda mais. Quem estiver só

dedicado aos pneus tem os dias contados”,

realça o responsável.

Carlos Moreira começou a trabalhar nos pneus

com 12 anos de idade por necessidade, e todo

o caminho percorrido até hoje tem sido uma

escola de aprendizagem e ensinamentos. “Um

empresário tem que saber de onde veio, para

onde quer ir, e qual o rumo que quer dar à sua

empresa. Tem que se dedicar 100% à causa,

porque chegar ao topo não é muito difícil, mas

o problema é manter-se lá em cima. É necessário

estar sempre a atualizar-se, em contacto

com os clientes e investir na renovação dos

equipamentos, porque os carros não param

de evoluir”, acrescenta.

“Vamos ao Pneus Moreira que tem sempre o

pneu que precisamos” tem sido o lema desta

casa que ganhou fama pela disponibilidade

de produto, proximidade e contacto com o

cliente, profissionalismo, honestidade, respeito,

educação e simpatia, tudo valores que Carlos

Moreira cultiva e fazem com que a oficina seja

uma referência a nível local e também nacional,

pois vende pneus para todo o país.

NOVAS TECNOLOGIAS

Carlos Moreira acompanha a transformação

do mercado e está atento às novas tecnologias,

designadamente às redes sociais, tendo

já criado um grupo onde divulga as novidades

e concretiza vendas, quer de pneus para veículos

ligeiros, quer para pesados. Hoje vende

para todo o país através destas ferramentas e

o objetivo é evoluir nesta área com o apoio de

profissionais especializados.

Apesar da boa evolução do negócio, Carlos

Moreira lamenta as baixas margens de comercialização:

“Todos podíamos ganhar mais

dinheiro se as margens fossem maiores. Tem

de se fazer uma análise profunda do mercado

de pneus em Portugal para saber qual o caminho

a seguir. Não se justifica ganhar apenas

5 euros num pneu, porque a oficina tem de

desmontar o pneu velho, montar e equilibrar

o pneu novo, meter válvulas e pagar ao funcionário.

São muitas despesas para um lucro

tão reduzido. Considero que 15 euros de lucro

por pneu seria o justo”, frisou.

Relativamente ao volume de negócio em 2020, a

Pneus Moreira não sentiu os efeitos negativos da

pandemia, pois conseguiu crescer na faturação.

Durante os períodos de confinamento a oficina

manteve-se aberta e reforçou o atendimento

ao cliente, com um serviço ainda mais personalizado.

Para este ano 2021 as perspetivas são

igualmente positivas, até porque o primeiro

semestre já ultrapassou as vendas de igual

período do ano anterior. u

www.revistadospneus.com | 43


Mercado

Um serviço

verdadeiramente

inovador!

Com o lançamento do novo website exclusivamente dedicado a pneus recauchutados,

a Recauchutagem S. José fornece aos clientes informação atualizada sobre toda

a gama. O destaque vai para o separador “Produtos” com a gama de pisos premium,

que permite uma pesquisa por filtros, rápida, intuitiva, com fotografias, dimensões

e descrição dos produtos

Fundada em 1966, a Recauchutagem

S. José atua na reconstrução de

pneus com a tecnologia de recauchutagem

a frio, tanto com a aplicação

de piso em anel como com a aplicação

de piso em banda, tendo a capacidade de

assegurar a reconstrução de qualquer tipo

de pneu de camião. Ao longo dos últimos

50 anos a evolução tem sido constante quer

no recrutamento de mão-de-obra técnica

especializada quer na aquisição de nova

maquinaria. Ao mesmo tempo, aumentou

a oferta do portfólio com diversas marcas

de borracha premium. O lançamento do

novo website www.recauchutagemsjose.

pt, exclusivo para pneus recauchutados,

foi criado com o objetivo de fornecer aos

clientes informação atualizada e à distância

de um clique. Trata-se de um serviço ver-

dadeiramente inovador no mercado, que

permite conhecer de forma rápida e fácil

toda a gama de pneus recauchutados atualmente

produzidos pela empresa. No novo

website, o cliente também consegue saber

mais sobre a recauchutagem, o processo de

produção ou a política de qualidade.

VANTAGENS DA RECAUCHUTAGEM A FRIO

A gestão da qualidade é fundamental para

manter a competitividade bem como a satisfação

dos clientes. Por isso, a Recauchutagem

S. José cumpre todos os requisitos previstos

nas Regras de Boas Práticas Comuns da APE-

TRO – Associação Portuguesa de Empresas

Petrolíferas. Os requisitos mais importantes

são o Sistema de Gestão da Qualidade, segundo

a norma NP EN ISO 9001:2015, a homologação

dos pneus pela norma ECE/ONU

nº 109 e o ensaio por shearografia. Promove

a melhoria contínua de processos e serviços,

com o objetivo de servir cada vez melhor

os seus clientes, correspondendo às suas

exigências e superando as suas expectativas.

O processo de recauchutagem a frio utilizado

pela Recauchutagem S. José resulta

numa menor deterioração da carcaça. Consiste

na aplicação de uma banda de piso

pré-vulcanizado, que consoante a marca de

borracha, tem diferentes prestações, mas

sempre com maior durabilidade comparado

com pneus recauchutados a quente.

Com uma capacidade de produção de 4.000

pneus recauchutados por ano, a Recauchutagem

S. José utiliza matéria-prima maioritariamente

do Brasil, Itália, Áustria e Portugal, e

trabalha apenas com as melhores marcas de

borracha: Vipal, Marangoni, Kraiburg e EIB.

44 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Racauchutagem S. José

Sujeitos a rigorosos testes de qualidade,

os pneus recauchutados a frio produzidos

pela Recauchutagem S. José são seguros e

uma opção a ter em conta quando o cliente

procura pneus de direção, tração, reboque

ou construção. Com o compromisso de assegurar

o melhor serviço, a Recauchutagem S.

José garante um acabamento de qualidade

com entregas num curto espaço de tempo.

VENDA ATRAVÉS DE DOIS CANAIS

Os pneus recauchutados produzidos pela

Recauchutagem S. José são seguros, dado

que apenas são utilizadas carcaças sujeitas a

rigorosos testes de qualidade e que estejam

em condições de ser recauchutadas. Os pneus

estão homologados segundo a norma ECE nº

109. A principal vantagem destes pneus são

os seus preços mais económicos e, claro, as

vantagens para o meio ambiente.

Relativamente à comercialização dos pneus

recauchutados, Luís Almeida, Responsável

da Recauchutagem S. José esclarece que a

empresa vende através de dois canais: “Por

um lado, vende pneus com carcaça para a distribuição,

através do portal de vendas, além

disso, faz a recolha de pneus para recauchutar

nos agentes e transportadores, com entrega

nominal do mesmo pneu já recauchutado”.

A Recauchutagem S. José procede igualmente

à reparação de pneus danificados,

conforme explica Luís Almeida: “Para consertar

um pneu a nossa equipa de especialistas

aproveita a estrutura que esteja

em boas condições e incorpora um novo

material, que funciona como um reforço,

tendo sempre em conta a qualidade do

produto utilizado para garantir o melhor

resultado. A nossa equipa, altamente qualificada,

procura manter as características

técnicas do pneu original, conseguindo

uma excelente relação custo-benefício

para o cliente”.

BOAS PERSPETIVAS DE NEGÓCIO

Em relação futuro do mercado de pneus recauchutados

em Portugal, Luís Almeida está

otimista: “O mercado dos pneus recauchutados

é um mercado já bastante maduro e bem

implantado no nosso país e com potencial

de crescimento. De referir também que as

questões ambientais são cada vez mais uma

preocupação efetiva e, nesse sentido, por

comparação à produção de um pneu novo,

os pneus recauchutados são mais económicos

e amigos do ambiente. A sustentabilidade

apresenta-se como um tema fulcral do desenvolvimento

e pretendemos contribuir de forma

ativa para um futuro melhor para as gerações

vindouras. Procuramos, assim, encetar uma

viagem rumo a um processo de mudança irreversível

onde a sustentabilidade é a única

chave para um futuro em que o planeta e os

seus habitantes poderão sobreviver. Nesse

sentido, a Recauchutagem S. José instalou painéis

fotovoltaicos, produzindo assim pneus

recauchutados com energia verde, reduzindo

em grande medida a nossa pegada ecológica.”

Tendo em conta o trabalho efetuado pela

área comercial, o lançamento do site e o

aumento da presença online através do Facebook,

bem como a qualidade do produto,

Luís Almeida perspetiva um bom ano para

2021 com crescimento na venda de pneus

recauchutados. u

Os melhores fornecedores de pisos

VIPAL

Nascida em 1973, em Nova Prata,

Brasil, a Vipal Borrachas é um

dos mais importantes fabricantes

mundiais de produtos para

recauchutagem de pneus e possui

uma linha completa de produtos

para esse segmento, unindo

qualidade, tecnologia e inovação.

Pioneira no Brasil na fabricação

de produtos para recauchutagem

de pneus a frio, todos os serviços

oferecidos proporcionam o

aumento da vida útil do pneu.

MARANGONI

Marangoni Retreading Systems

é a divisão do Grupo Marangoni

centrada no desenvolvimento e

distribuição global de sistemas,

materiais e tecnologias para a

recauchutagem a frio de pneus

comerciais. A Marangoni oferece

aos seus parceiros um sistema

integrado de produtos e serviços

que fornece todas as ferramentas

e know-how necessários para

assegurar não só um processo

de recauchutagem eficiente e,

portanto, produtos de muito alta

qualidade, mas também serviço

e apoio para otimizar a atividade

comercial. A tecnologia inovadora

oferecida pela Marangoni

responde perfeitamente a todas

as exigências do mercado,

graças à gama RINGTREAD, às

linhas de bandas de rodagem

pré-curadas e à oferta de

maquinaria para recauchutagem

de todos os tipos de pneus.

KRAIBURG

A longa história da empresa

Kraiburg tem permitido adquirir

uma vasta experiência e know-how

no processamento de borracha

para recauchutagem. A Kraiburg

processa borracha de qualidade,

com materiais de topo e tecnologia

de ponta com os quais fabricam

produtos inovadores. Procedem

regularmente a inspeções e testes

que impõem padrões cada vez

mais elevados, mas também

procuram aconselhamento

regular de especialistas.

EIB

A EIB iniciou a sua atividade em

1989, dotada da mais avançada

tecnologia e dirigida por

empresários com largos anos de

experiência e os mais profundos

conhecimentos da indústria de

recauchutagem. Usam matériaprima

de primeira qualidade

e operam com equipamentos

do mais modernos existentes

no mercado, no sentido não

só de aumentar a capacidade

de produção, mas também a

produtividade, podendo assim

enfrentar com otimismo os

desafios que se apresentam no

futuro. Dispõem de um laboratório,

equipado com os mais recentes

equipamentos de inspeção

e ensaio e preparado para

assegurar o necessário controlo

de todo o processo, assim como

melhorar os produtos existentes e

desenvolver novos produtos que

se entenda serem necessidades

dos clientes. Assim, no sentido de

oferecer aos seus clientes uma

maior confiança nos produtos

e nas técnicas de produção,

têm os Sistemas de Gestão

da Qualidade e do Ambiente

certificados e a Certificação do

Produto “Piso pré-vulcanizado”.

www.revistadospneus.com | 45


Notícias Mercado

Empresas

BKT

distinguida pela Caterpillar

A

BKT foi aprovada para a certificação Caterpillar SQEP (processo ção SQEP Platinum volta a confirmar a colaboração bem-sucedida entre a

de excelência de qualidade dos fornecedores) e passou do nível Caterpillar e a BKT, criando alicerces para sinergias e parcerias ainda mais

Gold ao nível Platinum para 2021. Este importante reconhecimento

destina-se aos fornecedores que se destacam por alcançarem os mais presidente da BKT, “não só confirmámos a elevada qualidade dos nossos

fortes no futuro. “Temos orgulho neste resultado”, afirmou Arvind Poddar,

elevados níveis de qualidade e controlo dos processos ao longo do ano. processos como alcançámos o nível mais elevado possível. Este prestigioso

reconhecimento da Caterpillar prova isso mesmo, mas não ficamos por

A BKT distinguiu-se pelo seu compromisso absoluto e inabalável em termos

de liderança, qualidade, serviço e assistência ao cliente. Além de recompensar

os esforços da multinacional indiana relativamente à logística desempenho para os nossos fornecedores. O caminho da BKT está marca-

aqui. Vamos tentar melhorar continuamente os nossos padrões e o nosso

assim como os seus produtos inovadores e de alta qualidade, a certificado

por evolução e desenvolvimento constantes”.

Rodrigues & Filhos comemora

66 anos de atividade

O Grupo Rodrigues & Filhos marcou a passagem do 66º aniversário da sua fundação

no dia 10 de junho com a inauguração de mais um armazém que passará a ser a

principal plataforma logística do projeto Rodrigues Tyres e cujo crescimento cada

vez mais consolidado no mercado exigia. Localizado a norte de Braga mais concretamente

na zona industrial de Prado, irá aumentar a capacidade de armazenagem

do conhecido grupo bracarense que dedica a sua atividade principal à distribuição

de pneus e combustíveis e, que distribui entre as principais marcas premium, a europeia

STARMAXX e a ARIVO para todo o continente e ilhas.

“Com esta nova plataforma aumentamos significativamente a nossa capacidade

de resposta ao mercado” comentou Fernando Rodrigues, CEO do Grupo. “Além disso

vamos passar a reunir num mesmo local uma série de recursos que estavam dispersos

por diferentes localizações o que também vai permitir aumentar muito a

nossa eficiência e consequentemente o nível de satisfação dos nossos clientes, mas

sobretudo continuar o legado que o meu Pai, Joaquim de Barros Rodrigues iniciou

na década de 50”., concluiu Fernando Rodrigues.

Tech reconhece dedicação

e dinamismo da Altaroda

No seu 14º aniversário, a Altaroda, representante exclusivo dos produtos Tech, realizou

um conjunto de atividades com objetivo de promover esta prestigiada marca no mercado

português. Este empenho e dinamismo foi prontamente reconhecido por este fabricante

americano, tendo inclusive feito referência nas redes sociais e no seu site institucional,

louvando a dedicação deste distribuidor e enaltecendo a sua capacidade de interatividade

para com o mercado. Fundada em 1939, a Tech é pioneira no processo de vulcanização a

frio, tendo revolucionado a indústria de pneus. Nos dias de hoje a Tech disponibiliza uma

gama completa de consumíveis para tudo o que está relacionado com o serviço de pneus,

disponibilizando inclusive o programa de TPMS mais abrangente da Europa. Vítor Rocha,

CEO da Altaroda, comentou: “Foi importante para nós celebrar o nosso 14º aniversário e

reinvestir no nosso compromisso com a Tech de quem somos um parceiro orgulhoso. Gostaria

também de agradecer a todos na Tech e à minha equipa na Altaroda pelo seu trabalho

contínuo e apoio”.

46 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Continental oferece 3 anos de licença

utilização serviço TPMS

Sempre na vanguarda da tecnologia, a Continental está a alargar a licença de atualização dos seus dispositivos

de serviço para sistemas de monitorização de pressão de pneus (TPMS) de um para três anos.

A oferta expirará no final deste ano. A empresa irá fornecer às oficinas atualizações mensais da base

de dados dos dispositivos de serviço TPMS Pro e TPMS Go, assegurando que os dispositivos de teste e

programação dos sensores TPMS estejam sempre atualizados. As oficinas que utilizam estes dispositivos

para verificar, programar ou reiniciar os sensores TPMS terão sempre a informação mais recente para os

seus serviços de pneus - e esta é uma vantagem decisiva, porque novos protocolos para sensores TPMS

entram no mercado com cada novo modelo de veículo. “Vemo-nos como um parceiro das oficinas, e

queremos apoiá-las com os nossos produtos, o que lhes permitirá permanecerem competitivas e aptas

para o futuro. Hoje em dia, apenas boas ferramentas não são suficientes, também são necessários dados

atualizados para poder manter e reparar os veículos mais recentes”, explica Dominik Wrede, Chefe de

Gestão de Produtos para Diagnósticos & Serviços na Continental.

Hankook regista lucro

de 138 milhões de euros

A Hankook registou um crescimento constante nas vendas globalmente,

alcançando € 1.336 milhões e lucro operacional de € 138

milhões no segundo trimestre de 2021. Em particular, as vendas de

pneus de equipamento original e pneus de substituição aumentaram

em comparação com o mesmo período do ano passado. Além disso,

as vendas globais de pneus de 18 polegadas e maiores representaram

38% das vendas totais de pneus de automóveis de passageiros

e camiões leves, um aumento de 5,4 pontos percentuais com relação

ao ano anterior. A Hankook Tire está a demonstrar um crescimento

contínuo das vendas em vários mercados importantes, incluindo a

Europa, América do Norte e China, desde o segundo semestre do ano

passado. Em particular, este trimestre viu uma recuperação na procura

do mercado na Europa e nos Estados Unidos. A Hankook volta

a reforçar a sua liderança como marca Premium no fornecimento de

veículos elétricos e carros de alto desempenho. A marca anunciou

recentemente que equipará o primeiro SUV totalmente elétrico da

Volkswagen, o VW ID.4, e o primeiro carro desportivo totalmente elétrico

da Audi, o Audi e-Tron GT, com o pneu Ventus S1 evo3 ev

Falken utiliza supercomputador para desenvolver pneus

A empresa mãe da Falken, Sumitomo Rubber Industries, Ltd. (SRI), tornou-se uma das primeiras empresas

do sector a ter acesso ao computador mais poderoso do mundo, o novo supercomputador exascale

Fugaku. A SRI está a utilizar este computador de alto desempenho para expandir as suas capacidades

de simulação de material com partículas mais pequenas, proporcionando um impulso para o desenvolvimento

de pneus de longa duração necessários para a mobilidade futura. A SRI e os criadores de pneus

Falken tinham anteriormente utilizado o supercomputador K do Japão para implementar o seu processo

de desenho 4D NANO, o que levou a uma mudança radical no desempenho da sua gama de pneus, resultando

em maiores aprovações e homologações de equipamento original. O poderoso supercomputador

Fugaku, que tem até 100 vezes o desempenho do seu predecessor e é capaz de aproximadamente

442.000 triliões de cálculos por segundo, trará novos avanços. Permitirá o progresso químico necessário

para a próxima geração de “pneus inteligentes” eficientes e duráveis, desenvolvidos em resposta às novas

exigências que os veículos conectados, autónomos e eletrificados necessitam para contribuir para a

sociedade da mobilidade do futuro.

Pequenas Empresas continuam

sem utilizar “The Connected Truck”

O Software de Transporte Rodoviário da Continental “The Connected

Truck” continua a crescer, ainda assim, a marca verificou, através do

seu mais recente estudo, que um terço das empresas pesquisadas,

numa grande maioria, pequenas empresas, ainda não está a utilizar

todas as soluções que o software disponibiliza. A satisfação do setor

dos transportes com o software de gestão de condutores, veículos

e operações logísticas está a crescer, no entanto, mais de um terço

das empresas pesquisadas não está a utilizar essas mesmas soluções.

Essa é uma das principais conclusões do estudo “The Connected

Truck”, que foi realizado pela segunda vez desde 2016 pelo instituto

de pesquisa social em nome da empresa de tecnologia Continental.

A percentagem de não utilizadores - a maioria deles pequenas empresas

- é praticamente a mesma da pesquisa anterior. Refletindo os

desenvolvimentos atuais neste setor, também foi demonstrado que,

quando se trata de equipamentos, os fornecedores de logística estão

principalmente interessados em funções de assistência ao condutor

e tecnologias de economia de combustível.

www.revistadospneus.com | 47


Notícias

Empresas

Michelin acelera desenvolvimento

da mobilidade sustentável

A Michelin transforma a ambição em ação na cimeira mundial da mobilidade sustentável

Movin´On 2021, com a apresentação de dias inovações que abordam alguns dos principais

desafios que afetam o futuro da mobilidade. Concebidas para contribuir para um

transporte mais eficiente e preservar os recursos, as mais recentes soluções da Michelin

representam os esforços realizados pela Movin´On e pelo seu ecossistema para fomentar

uma mobilidade mais respeitadora do ambiente e do planeta. O projeto Wing Sail Mobility

(WISAMO) é um sistema de velas automatizado, telescópico e inflável, que pode ser instalado

tanto em navios mercantes como em embarcações de recreio. Este sistema é fruto

da colaboração entre o departamento de Investigação e Desenvolvimento da Michelin e

dois inventores suíços que partilham a visão “Tudo Sustentável” do Grupo. A vela inflável

aproveita o vento, fonte de propulsão gratuita, universal e inesgotável. O seu revolucionário

design permite reduzir o consumo de combustível de um barco e, assim, contribuir de

forma positiva para o meio ambiente, ao reduzir as emissões de CO2.

Calendário Pirelli 2022

já está “On The Road”

On The Road” será o título do Calendário Pirelli de 2022,

fotografado por Bryan Adams, e contará com alguns dos

maiores talentos do mundo da música, que serão fotografados

em Los Angeles e Capri. O calendário vai reunir uma grande

variedade de artistas, de várias nacionalidades, géneros musicais,

idades e histórias profissionais “Na estrada é onde tenho estado há

45 anos, porque a vida de um músico é feita de estradas, viagens,

esperas em hotéis, horas em palco”, explicou o artista canadiano,

que rodou a 48ª edição do The Cal em dois dias de trabalho intenso

em Los Angeles, em junho, onde se reuniram grande parte

dos participantes, seguidos de mais um dia de trabalho em Capri,

no final de julho. Cher, Grimes, Jennifer Hudson, Normani, Rita Ora,

Bohan Phoenix, Iggy Pop, St. Vincent e Kali Uchis foram fotografados

em Los Angeles, nas ruas da cidade, no Palace Theatre e no

hotel Chateau Marmont, enquanto que as fotos de Capri Saweetie

foram captadas no Hotel La Scalinatella. A apresentação de “On The

Road” acontecerá, tal como é habitual no outono, em novembro, e

marcará o regresso do Calendário Pirelli, que foi suspenso, no ano

passado, devido à pandemia de Covid-19.

Publireportagem

MINUTO VERDE VALORPNEU

VALORPNEU ASSEGURA CONTROLO DE OPERADORES E PRODUTORES

A

pesar de todas as regras de segurança impostas

pela pandemia da Covid-19, a Valorpneu mantém-se

empenhada em assegurar que comerciantes

e operadores estão a cumprir as medidas exigidas

para prestar e melhorar cada vez mais a qualidade de serviço

prestada aos seus clientes. Em conjunto com a consultora

Bureau Veritas foram definidos critérios para a realização

destas auditorias, tendo ficado definido estas incidirem, ao

longo do período de vigência da licença (3 anos), em 4% do

universo de comerciantes por distrito e pelo menos uma auditoria

externa por operador (exceto recicladores com auditorias

anuais). Durante os meses de abril, maio e junho de 2021

foram realizadas 66 auditorias a Comerciantes. As principais

constatações assentaram na incorreta discriminação nas faturas

do Ecovalor pago a favor da Entidade Gestora e em Medidas

de Autoproteção não submetidas ou não aprovadas.

Relativamente aos operadores, foram realizadas aos Centros

de Receção 9 auditorias, entre abril e maio, às quais se vão

juntar mais 7 entre setembro e outubro; 3 auditorias a Valorizadores

Energéticos em julho; 3 auditorias a Recicladores

realizadas em fevereiro (inclui confirmação das vendas de

produto final – pó e granulado de borracha) e 11 auditorias

realizadas a Recauchutadores em julho. Também os Produtores

estão a ser auditados pela entidade gestora. Com vista a

assegurar que todos os requisitos que fazem parte do contrato

de adesão estão a ser cumpridos, a Valorpneu esteve a

trabalhar em conjunto com a EY Portugal na definição dos

critérios que resultaram na abrangência de 340 produtores.

Posteriormente foi enviado um questionário e foram selecionados

40 produtores para as visitas presenciais. Estas auditorias

presenciais vão decorrer até dia 30 de setembro de 2021.

48 | Revista dos Pneus | Junho 2021


O MAIOR DISTRIBUIDOR DE PNEUS MULTIMARCAS EM ESPANHA

4.000 m 2

de escritórios

ENTREGA

24

H.

MAIS

80

DE

MARCAS

Distribuiçao

em 15 países

1 milhao

de pneus

em stock

TEMOS DE

TUDOOOO

PEÇA O QUE NECESSITE SOMENTE QUANDO NECESSITA

TODAS AS MARCAS EM UM ÚNICO DISTRIBUIDOR

O MELHOR PREÇO DESDE A PRIMEIRA UNIDADE

SEM OBJETIVOS, SEM COMPROMISSOS

PREÇOS TRANSPARENTES

NÓS ARMAZENAMOS POR SI

A maior oferta de pneus

em stock do mercado está em

Top Recambios. Mais de 135.000 m 2

própios, à sua disposição.

NECESSITA? TEMOS.

E MUITO MAIS…

DISTRIBUIDOR PROFISSIONAL

DE PNEUS MULTIMARCA.

Tel.: 96 379 04 03

toprecambios.com


Notícias

Empresas

Safame Comercial SL e KENDA Tire Europe

parceiras de negócio

A KENDA Tire Europe anunciou que efetuou uma parceria comercial com a especialista em pneus e jantes, Safame

Comercial SL, para ampliar a sua participação e alcance no mercado de automóveis de passageiros em toda a Península

Ibérica Com efeito imediato, o portfólio de pneus completo e em constante evolução da KENDA estará

disponível para compra por meio da extensa e estabelecida rede de distribuição da Safame com mais de

7.000 pontos de venda em Espanha e Portugal. A Safame Comercial SL faz parte do Grupo Mesas. Com

um armazém central em Albacete (Espanha) e outro em Portugal, oferece entrega de pneus 24 horas

por dia, abastecendo lojas e grupos de pneus. “Num mercado competitivo, faz sentido para todos

nós usarmos os nossos pontos fortes. Estamos muito satisfeitos por ter formado uma combinação de

negócios que combina conhecimento e experiência do mercado local. Combinar a fabricação e os serviços

técnicos da KENDA Tire com a melhor distribuição da Safame Comercial SL proporcionará uma mudança radical na

distribuição, serviço e suporte de marketing para os nossos clientes existentes e, ao mesmo tempo, fará crescer

a marca e participação de mercado nesta região”, afirma Javier Urrutia, Diretor Geral da Safame Comercial SL.

António Félix da Costa nomeado embaixador Goodyear

A Goodyear anunciou que o piloto de topo de LMP2, António Félix da Costa, foi nomeado Embaixador de Marca.

António Félix da Costa compete pela Jota Sport no WEC e entrou para a equipa britânica em 2019. No ano passado,

fez parte da formação que terminou em segundo lugar nas 24 Horas de Le Mans, no regresso da Goodyear à

clássica francesa da resistência. O piloto português é, também, o campeão em título da Fórmula E da FIA,

e possui uma vasta experiência em monolugares, carros de turismo e corridas de resistência.. No início

da temporada de 2021, a Goodyear foi designada como o fornecedor oficial de pneus para a classe

LMP2, no seguimento do regresso da marca ao WEC na época anterior. A nova parceria fará com que

António Félix da Costa se torne num Embaixador de Marca oficial da Goodyear, permitindo aos adeptos

dos desportos motorizados estarem mais envolvidos e terem acesso a mais conteúdos a partir dos canais

do piloto e da marca. Existirá, também, um conjunto de conteúdos exclusivos criados em conjunto com o bem

conhecido piloto. Os adeptos poderão seguir as atividades no canal do Instagram @GoodyearEurope, bem como

na conta da Goodyear no Facebook.

Hankook e Instituto Ciência

e Tecnologia da Coreia criam

“STAR”

A Hankook e o Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia

da Coreia acabam de expandir a sua colaboração para criar

o projeto “STAR”, uma plataforma de dados aberta. Ambos

estão a contribuir totalmente com os seus recursos digitais

para estabelecer a parceria como um modelo exemplar de

colaboração universidade-empresa em que todos ganham.

Além disso, as subsidiárias da Hankook estão programadas

para realizar programas-piloto, que usarão a plataforma

de troca de dados assim que estiver concluída. A KAIST é a

principal universidade de ciências e tecnologias da Coreia do

Sul. O projeto ‘STAR’ foi lançado com o objetivo de criar uma

plataforma de dados aberta inovadora, em linha com a mudança

para uma sociedade centrada em dados. A Hankook &

Company e a KAIST concordam com a necessidade de criar

um novo conceito de colheita, análise e troca de dados. No

âmbito desta colaboração, a Hankook apoiará a KAIST na

preparação de um ambiente de teste virtual e um ambiente

de teste real-virtual Symbiosis, bem como na construção de

uma plataforma convergente para a troca de dados na nuvem

que irá promover a KAIST College of Engineering.

KENDA celebra acordo com reifen.com

Como parte de sua estratégia de desenvolvimento de negócios para 2021, a KENDA Tyres Europe celebrou um

acordo de distribuição com a empresa especializada em pneus e jantes reifen.com GmbH, para distribuir o seu

portfólio completo de pneus para automóveis de passageiros na Alemanha e na Áustria. Com o acordo em

vigor desde 1 de julho de 2021, os clientes podem agora comprar o portfólio completo e em constante

evolução de pneus para automóveis de passageiros da KENDA em 37 lojas de clientes da reifen.com

em toda a região, bem como na sua loja online. Com mais de 500 funcionários no seu próprio centro

de serviço, a reifen.com GmbH é um especialista multicanal líder na Alemanha, que oferece uma

ampla variedade de pneus e jantes. Com um total de 3.750 parceiros de montagem, a reifen.com GmbH

também marca presença em França, Áustria, Itália, Suíça e Dinamarca. O negócio começou há mais de 30

anos e hoje oferece uma gama de produtos que inclui: pneus para automóveis, motos, veículos todo-o-terreno e

de transporte e bicicletas, bem como jantes, jantes completas e acessórios.

Hankook apoia “Volkswagen ID.4: Grande Roadshow”

A Hankook está mais uma vez a colaborar com o Challenge4 e a Volkswagen. Para o ‘Great Roadshow Through the

U.S.’, o piloto recordista, Rainer Zietlow está a caminho num VW ID.4 totalmente elétrico pelos Estados Unidos.

Durante a viagem do ID.3 até à Alemanha no ano passado, os pneus de inverno i * cept evo 3 de 18 polegadas da

Hankook superaram com sucesso os desafios da Europa Central no outono e inverno. Para a viagem de costa a costa

dos EUA, o VW ID.4 está equipado com pneus Hankook Kinergy AS

EV medindo 235 / 55R19 para a frente e 255 / 50R19 para a traseira.

O Challenge4 irá conduzir o novo carro elétrico da Volkswagen por

uma jornada ‘totalmente elétrica’ de 36.000 milhas através dos 48

estados contíguos dos EUA de julho a outubro. A excursão vai parar

em mais de 600 concessionárias Hankook e Volkswagen diferentes

ao longo do caminho. Além disso, também haverá uma paragem na

fábrica da Hankook em Clarksville, Tennessee. O Challenge4 terminará

nas instalações do Grupo Volkswagen na Virgínia a 18 de outubro.

Protótipos de pneus Continental

para E-Trucks em teste

A Continental está atualmente a realizar test drives no Contidrom

com um camião elétrico do especialista para veículos

comerciais elétricos Futuricum, que está a ser utilizado pela

DPD, na Suíça, no tráfego regional desde março deste ano.

As atuais séries de testes têm como objetivo aumentar ainda

mais a eficiência, o foco está no alargamento da gama

através da redução da resistência ao rolamento. As unidades

elétricas não só estão a tornar-se cada vez mais atrativas na

área da mobilidade individual, como também estão a experimentar

um desenvolvimento dinâmico da procura nos

transportes públicos locais e no transporte de mercadorias.

Em conjunto com os principais fabricantes de veículos e empresas

tecnológicas, a Continental está a trabalhar em soluções

de pneus com estes requisitos. O fabricante de pneus

premium está atualmente a realizar test drives no Contidrom

com um camião elétrico do especialista para veículos

comerciais elétricos Futuricum, que está a ser utilizado pela

DPD, na Suíça, no tráfego regional desde março deste ano.

50 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Falken alerta para manipulação

de códigos de barras

AFALKEN TYRE EUROPE emitiu comunicado a esclarecer os

clientes, parceiros e fãs da marca em Portugal sobre a sua

política de garantia, qualidade e comercialização. Os pneus

FALKEN são desenvolvidos e fabricados em conformidade com

os mais altos padrões de qualidade. Como prova de confiança, a

FALKEN oferece uma garantia de 5 anos, adicional ao que é exigido

pela EU, a contar da data de montagem do produto no veículo do

utilizador final. Em Portugal, esta garantia apenas é oferecida em

produtos que sejam comercializados pela Alves Bandeira Tyres.

Perda de garantia nos pneus reparados ou manipulados

A FALKEN TYRE EUROPE informa ainda que não assume qualquer

responsabilidade por operações realizadas por terceiros, nem fornece

qualquer garantia em pneus reparados ou que tenham manipulação

em Códigos de Barras ou em outros números ou letras

de identificação de pneus. (por exemplo, códigos DOT). Alerta-se

ainda que qualquer manipulação ou alteração aos pneus Falken

podem ter um impacto negativo na qualidade, segurança e performance

e não devem ser comercializados junto do consumidor

final.

A FALKEN TYRE EUROPE agradece a compreensão de todos e reforça

que o lançamento deste comunicado tem como objetivo

esclarecer os seus clientes e fãs e garantir o correto desempenho

e segurança dos pneus FALKEN. Nesse sentido, e por razões de segurança, a marca japonesa solicita ainda que no caso do cliente verificar alguma

irregularidade nos seus pneus, informe o Serviço Técnico e Garantia de Qualidade da marca.

Para quaisquer questões ou preocupações, contacte a equipa de serviço técnica através do e-mail tech.service@falkentyre.com

PUB

www.revistadospneus.com | 51


Notícias

Empresas

Valorpneu com novo

Centro de Receção em Bragança

A Valorpneu acabou de reforçar a sua rede de centros de receção

com a abertura da Metalomecânica Rolgranjo, Lda., em Macedo de

Cavaleiros, sendo este o único centro de receção de pneus usados

no distrito de Bragança. A Metalomecânica Rolgranjo é uma empresa

vocacionada para a reciclagem e gestão global de resíduos.

Tem como missão recolher, reciclar, valorizar e reutilizar resíduos,

procurando responder as necessidades ambientais das empresas e

particulares. Assim, ajuda a garantir a sustentabilidade e a preservação

do meio ambiente, desenvolvendo ambientes de negócios,

nacionais e internacionais, que garantam a satisfação dos seus

clientes, fornecedores e colaboradores. A partir de agora também

o distrito de Bragança dispõe de um local seguro e acreditado para

depositar os seus pneus e dar-lhe o destino adequado, seja através

da preparação para reutilização, reciclagem ou valorização energética,

por forma a contribuir para a economia circular. Atualmente, a

rede de recolha da Valorpneu é constituída por 44 Centros de Receção

no Continente, oito Centros de Receção na R. A. dos Açores e um

Centro de Receção na R. A. da Madeira.

Inscrições para Feira de Colónia

2022 já estão abertas

2022 será a primeira oportunidade para a indústria global se reunir numa plataforma

internacional de comunicação e negócios desde a introdução de restrições

devido à pandemia do coronavírus. Com a adição do TTC @home, o

conteúdo da Feira vai concentrar-se em questões que ganharam um novo ímpeto no

contexto da rutura mundial para a vida e para os negócios - como a transformação

digital e recursos humanos. Um outro tópico importante será, naturalmente, as alterações

cada vez maiores por uma maior sustentabilidade. Em estreita colaboração

com a Associação Alemã de Retalhistas de Pneus, a equipa da feira de Colónia está a

dedicar todas as suas energias para garantir um reinício bem-sucedido e desenvolver

ainda mais o conceito e o conteúdo da feira, que ocupa uma posição de destaque

no calendário internacional do setor como um forte impulso para o setor de pneus

e jantes. “Para a Feira de Colónia 2022, estamos a trabalhar com base em condições

que voltaram ao normal no período pós-coronavírus. A organização implementará

uma estrutura de medidas, como corredores suficientemente largos, um conceito de

higiene e uma abordagem focada em três princípios: vacinação, recuperação e teste.

Em muitas conversas, tivemos a confirmação de que o setor anseia por esteve evento”

afirma Ingo Riedeberger, Diretor da Feira de Colónia 2022.

Eurobor lança campanha para

pôr fim ao preconceito oficinal

A Eurobor - Representação de Borrachas Lda., um retalhista localizado

em Alverca do Ribatejo, acaba de lançar uma campanha

que pretende contrariar alguns preconceitos que ainda existem

em relação às oficinas. A Eurobor é um negócio local de gestão

familiar que, há mais de 35 anos, se dedica à venda e reparação de

pneus e outros serviços para automóveis. Atendendo aos escassos

recursos para investimento em publicidade, os proprietários Carlos

Silva e Alice Farinha, apelaram à criatividade do seu filho Carlos

Farinha para os ajudar a transmitir, de forma autêntica e simples,

aqueles que consideram ser os valores fundamentais do seu negócio

(e também da sua família). Ao longo dos próximos meses

serão difundidas através das plataformas digitais várias mensagens

com vista a combater as ideias erradas e alguns receios que

os consumidores atuais poderão ter acerca deste tipo de oficinas.

Preocupações como “Não percebo nada de pneus”, “Não posso perder

um dia inteiro só para mudar uns pneus” ou “As oficinas são só

para homens” são alguns dos receios que a Eurobor irá procurar

atenuar através desta campanha, demonstrando que estes são

lugares cada vez mais confortáveis e com uma forte orientação

para o cliente.

Euromaster proporciona formação

de veículos Híbridos e Elétricos

A Euromaster terminou mais uma formação para técnicos de manutenção de veículos Híbridos e Elétricos,

que abordou as diferentes tecnologias destes veículos. A principal chave de êxito da rede Euromaster é

contar com profissionais altamente qualificados que recebem uma completa formação e uma contínua supervisão,

tanto em pneus como em mecânica, e também garantindo um serviço profissional, em todos os

veículos que passam pelas suas mãos. Atualmente já existe um considerável número de veículos elétricos

e híbridos a circular no nosso País, especialmente nos meios urbanos sendo já uma realidade em Portugal

e em todo o mundo. A formação foi dada pelo centro de Ensino “Sabersemlimites - Formação Profissional,

Lda. “ e foi lecionada pelo Eng.º. Denis Mendo. Esta formação teve a duração de 12h contando com oito

teóricas e quatro práticas. A formação de Híbridos e elétricos Inicial abordou as diferentes tecnologias

de VH/VE, o funcionamento dos diversos sistemas, questões de segurança e na parte prática foi possível

medir a voltagem da bateria de alta tensão, identificar os vários módulos, fazer diagnóstico à bateria de

alta tensão e ao sistema híbrido e desligar a ficha de alta tensão.


ABTyres_março.pdf 1 18/05/2021 17:33

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

www.revistadospneus.com | 53


Notícias

Empresas

E-CUBE continua a crescer pelo mundo

Desde 2018, o revolucionário E-CUBE, uma unidade móvel de serviço de pneus inovadora

e leve de 48 volts totalmente exclusiva, foi lançada pelo TechnoMarketing Group

(TMG), com sede na Holanda, no mercado de montagem móvel de pneus cada vez

mais em expansão em todo o mundo Como parte da ambição contínua e determinada

da TMG de dar a todas as equipas de montagem móvel de pneus o melhor em máquinas

de substituição de pneus instaladas a bordo de seus veículos de manutenção,

o E-CUBE adicionou muitos outros recursos inovadores, designadamente um sistema

exclusivo que desliza para dentro e para fora de sua estrutura e alterna rapidamente

em operação do modo semiautomático para o modo totalmente automático (conforme

necessário ) para garantir adaptabilidade a qualquer requisito de montagem de

pneus. O E-CUBE também pode equilibrar qualquer pneu de 10 a 24 polegadas com

um diâmetro máximo de roda de 40 polegadas.

Hankook apresenta novo centro de testes

no Grupo Applus + IDIADA

O fabricante de pneus premium Hankook lançou um novo centro de testes nas instalações

do Grupo Applus + IDIADA. A presença da empresa no local, localizado a cerca de

60 km a sudoeste de Barcelona, pode orgulhar-se de uma colaboração de sucesso de 15

anos com a operadora. Entre outras coisas, a pista de pilotagem molhada foi desenvolvida

tendo em mente as recomendações da Hankook. Hoje, essas áreas também servem

os fabricantes de automóveis premium europeus como pistas de desenvolvimento para

os seus próprios testes mais exigentes. Para realizar testes de pneus com ainda mais

eficiência no futuro, o novo centro de testes da Hankook foi equipado com a mais moderna,

automatizada e totalmente sem papel logística de testes, desde o registo dos

resultados até ao processamento de armazenamento e transporte. Além disso, a equipa

de teste de 20 pessoas, da unidade de teste espanhola de Hankook, também tem escritórios

modernos, recreação e salas sociais. “Com a expansão das nossas capacidades

de teste em Espanha, estamos alcançando o próximo nível com o nosso parceiro local

Applus + IDIADA”, disse Klaus Krause, Diretor do Centro Europeu de Pesquisa e Desenvolvimento

em Hannover.

Vipal comemora 15 anos de atuação

no Leste Europeu

Vipal Borrachas comemora um importante marco em 2021: os 15 anos de atuação no

Leste Europeu. Presente com um Centro de Distribuição na Eslovénia, desde 2006, a

Vipal, que mantém também uma filial na Europa, conta com aproximadamente 50

clientes locais, para os quais comercializa bandas de rodagem de suas marcas próprias,

bem como produtos diversos para a reforma e reparos de pneus, a República

Checa, Eslováquia, Polônia, nos Balcãs e países bálticos. A recauchutagem de pneus é

considerada importante para o segmento de transportes em toda a Europa. A prática

apresenta vantagens para a gestão das empresas do setor, como a redução no consumo

de combustível, o menor impacto ecológico e a alta qualidade dos processos,

aspetos que favorecem a Economia Circular. Nestes 15 anos, a Vipal Borrachas manteve

permanente diálogo com o mercado, contando em seu portfólio com produtos

e soluções que respondem a essas importantes demandas económicas e ecológicas.

Entre os produtos da marca de maior destaque entre os países do Leste Europeu estão

as bandas VT110, VT220, VL140 e VRT3. A primeira delas, a VT110, é apontada nos

mercados da República Checa e da Eslováquia, principalmente, como bastante adequada

para a recauchutagem de pneus.

Sapatos de hoje em dia

já foram pneus em fim de vida

Empreendedores e grandes empresas criam calçado português feito com materiais derivados

da reciclagem de pneus em fim de vida. Programa de inovação NextLap, dedicado

à economia circular, dá origem a soluções criadas em conjunto por empreendedores

portugueses e grandes empresas a partir da reutilização dos componentes de pneus

em fim de vida. No âmbito do programa NextLap, gerido pela consultora de inovação

colaborativa Beta-i e promovido pela entidade gestora portuguesa Valorpneu e a recicladora

multinacional de origem dinamarquesa Genan, nove empresas associadas à cadeia

de valor do setor e cinco empreendedores portugueses começaram a desenvolver

em conjunto seis projetos focados em dar uma segunda vida a materiais derivados da

reciclagem de pneus em fim de vida e promover um mercado mais circular. A gigante

francesa do desporto Decathlon, ao lado dos parceiros de inovação Rubberlink e Tintex

são responsáveis por dois destes projetos-piloto, que consistem em protótipos de

calçado fabricado com materiais de pneus descartados. De destacar que, anualmente,

em Portugal são geradas em média 80 mil toneladas de pneus em fim de vida, sendo

encaminhadas para reciclagem cerca de 60% e para produção energética os restantes

40 por cento.

54 | Revista dos Pneus | Junho 2021


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

www.revistadospneus.com | 55


WATTRUN

Notícias

Empresas

ALTA PERFORMANCE

PARA TODOS OS TIPOS DE VEÍCULOS

Goodyear

é parceiro fundador do PURE ETCR

Após um intenso período de preparação, o primeiro campeonato multimarca

de turismos totalmente elétricos do mundo estreou-se em Vallelunga,

Itália. Enquanto fornecedor exclusivo de pneus, e parceiro fundador do PURE

ETCR, a Goodyear tem estado na vanguarda do desenvolvimento deste novo, e extremamente

inovador, campeonato do automobilismo. A Goodyear juntou-se ao PURE

ETCR, enquanto parceiro fundador, quando o campeonato foi anunciado no início

de 2020. Desde então, o fabricante de pneus trabalhou diretamente com o promotor

Eurosport Events e com as equipas para preparar-se para a temporada inaugural

deste ano. O seu formato inovador, com «batalhas» breves, em lugar das corridas tradicionais,

despertou o interesse dos adeptos de todo o mundo. As cifras que fazem as

manchetes relativas ao PURE ETCR falam por si. Os turismos 100% elétricos de tração

traseira não só são revolucionários pelo seu sistema de propulsão, como também são

os mais potentes turismos de corrida a competir na atualidade. Cada qual produz 500

kW (670 cv) a partir de um sistema de propulsão elétrico comum, depois instalado na

carroçaria específica de cada fabricante.

KC53

COMERCIAIS

HP91

SUV

PS 71

TURISMO

VS31

ELÉTRICO

Kumho Tire denuncia

remoção da etiqueta RFID

Entre as prioridades da Kumho Tire está a implantação de um

controle de qualidade de fabricação e segurança, bem como

a rastreabilidade da comercialização dos seus pneus. Para isso,

a Kumho incorpora uma etiqueta RFID na camada interna do

pneu, perfeitamente integrada na lona interna durante o processo

de vulcanização, o que permite o controle da produção e

gestão da qualidade, além de eficiência logística e atendimento

ao cliente. “A Kumho Tire detectou no mercado a presença de

ofertas de pneus Kumho cujo rótulo foi abusivamente retirado.

Esse manuseamento inadequado do nosso produto altera significativamente

os valores de segurança do pneu, perdendo a

garantia oferecida pelo fabricante, uma vez que a retirada da

referida etiqueta causa danos irreparáveis no pneu e representa

um potencial perigo para a segurança rodoviária ”, afirma YJ Cha ,

CEO da Kumho Tire Espanha e Portugal. Essa manipulação afeta a

imagem e a reputação da marca, pois deteriora o produto, porém

o efeito na segurança rodoviária de todos (motoristas, passageiros

e pedestres) é ainda mais grave, sendo muitas vezes causa de

acidentes que podem originar ferimentos graves e mortes pela

deterioração da segurança do veículo.

BKT presente no TotY pelo segundo ano consecutivo

Como já vai sendo habitual, a BKT junta-se ao prémio “Trator do Ano” (TotY), pelo segundo ano consecutivo.

Este ano, o evento TotY irá galardoar os vencedores pessoalmente, bem como exibir os modelos na exposição

EIMA, a realizar em Bolonha de 19 a 23 de outubro. “É muito importante estarmos aqui porque é aqui

que as grandes questões agrícolas são debatidas: da sustentabilidade ao transporte autónomo à gestão dos

dados, passando pela sua análise com vista a otimizar e aumentar a eficiência das operações”, afirma Lucia

Salmaso, CEO da BKT Europa. “Todas estas são questões em que a BKT também está a centrar os seus recursos

e investigação. Além disso, os tratores são fundamentais na agricultura e os pneus são fundamentais para

os tratores. O único ponto de contacto com a terra, o objeto que transforma a potência do trator em tração.

O TotY é o local certo para nós”. O Trator do Ano (TotY) é um prémio internacional criado em 1998, que reúne

anualmente as principais publicações mundiais da indústria de mecanização agrícola, agregando um júri de

26 especialistas de 25 países que, através de análises, debates e testes em campo, entregam o prémio ao

melhor trator europeu.

Continental-ITA recebe pessoas

com necessidades especiais

A Continental - Indústria Têxtil do Ave, recebeu quatro pessoas,

proporcionando-lhes um estágio de doze meses em contexto

industrial, com postos de trabalho adaptados às características

de cada uma delas. A empresa definiu como um dos seus tópicos

estratégicos, a aposta na sustentabilidade e na responsabilidade

social. Esta aposta, aliada à vontade de contribuir de forma positiva

para a comunidade onde se encontra inserida, contemplou

um programa de inclusão social direcionado para as pessoas

com diferentes tipos de necessidades especiais. Este programa

foi possível graças à cooperação entre a Continental-ITA, a ACIP

(Centro de Capacitação e Formação de Vila Nova de Famalicão)

e o IEFP (Instituto de Emprego e Formação profissional), entidades

responsáveis pela supervisão e acompanhamento. Durante o

período de estágio, estas pessoas integraram-se no dia-a-dia e

assumiram, por completo, as funções que lhes foram propostas.

Desta interação diária, a Empresa e as Pessoas, em conjunto, tiraram

ensinamentos valiosos para o seu futuro. Os ensinamentos

colhidos por todos, e o facto de duas destas pessoas serem hoje

membros efetivos da “família C-ITA”, permite afirmar que esta

iniciativa terminou com um balanço positivo e benéfico para

ambas as partes, sendo, simultaneamente, inspirador para integrações

futuras.

56 | Revista dos Pneus | Junho 2021


Yokohama aumenta preços

pneus Off-Highway

O custo das matérias-primas e as taxas de frete continuam a aumentar

a um ritmo espetacular nos mercados globais de produtos básicos. Algumas

das matérias-primas têm apresentado aumentos alarmantes, de

até 30%, e podem ser preocupantes, necessitando de ações adicionais

nos próximos meses. Embora a Yokohama Off-Highway Tires Europe

(YOHT) tenha absorvido e continuará a absorver a maior parte desses

custos adicionais, é inevitável que parte do aumento seja repassado

ao mercado. Esses aumentos de preços serão bastante moderados, em

torno de 5%, e se aplicarão a produtos de todas as fábricas e em todo o

portfólio da YOHT.

“Os clientes receberam as novas listas de preços no início de junho de

2021; o aumento de preço entrará em vigor a partir de 1º de julho de

2021 ”, explica Koen van Gemert, CFO europeu da Yokohama Off-Highway

Tires. O primeiro aumento de preço foi implementado em 1º de

janeiro de 2021, enquanto o segundo entrou em vigor em 1º de abril de

2021. Este terceiro aumento será aplicado novamente a todo o portfólio

das marcas Yokohama Off-Highway Tires Europe (Alliance e Galaxy).

Continental fornece pneus para mais

de 40% VE produzidos na Europa

A

Continental

está a expandir a sua quota de mercado no segmento dos

pneus para veículos totalmente elétricos. O fabricante de pneus premium

já recebeu aprovações de equipamento de pneus para mais de 40 por cento

dos modelos de carros de passageiros e SUVs totalmente elétricos produzidos

na Europa e mais de 50 por cento nas Américas. Este facto sublinha a estratégia e

a qualidade dos produtos da empresa no segmento da eletromobilidade: “Os modelos

totalmente elétricos estão agora disponíveis em quase todos os segmentos

de automóveis, desde scooters com cabine, automóveis pequenos e médios a SUVs

e carros desportivos de alta performance. São necessários pneus com configurações

personalizadas para cada tipo de veículo”, afirma Andreas Schlenke, criador

de pneus da Continental. “Isto significa que não há apenas um pneu para todos

os veículos elétricos. De facto, já estamos a trabalhar há mais de uma década no

desenvolvimento do nosso portefólio, de modo a que estes satisfaçam os requisitos

de todos os veículos elétricos e, ao mesmo tempo, sejam também capazes de

reduzir de forma sustentável as emissões dos veículos de combustão”, acrescenta.

Michelin e SANMARTÍ aliadas

no transporte seguro e sustentável

A Michelin e os Transportes SANMARTÍ renovam por quatro anos o seu

acordo de parceria. A Empresa espanhola continua a apostar na Michelin

para a gestão integral dos pneus dos veículos que compõem a sua

frota A Transportes SANMARTÍ, empresa espanhola com mais de 40

anos, especializada no transporte de mercadorias em atmosfera inerte

e de produtos químicos perigosos, baseada nos sectores petroquímico,

químico e cerâmico, continua a apostar na Michelin para manter o seu

compromisso com a qualidade do serviço, a segurança e a sustentabilidade,

renovando por mais quatro anos o acordo de colaboração que

ambas as empresas iniciaram em 2017. O Grupo Michelin, que agendou

o desafio “Tudo Sustentável” para 2050, mantém um compromisso com

a sustentabilidade, o qual avançará por parte da Transportes SANMARTÍ

através de diferentes caminhos, graças ao acordo de colaboração materializado

através do contrato em que a Michelin continuará a efetuar a

manutenção periódica e preventivo da frota da SANMARTÍ, composta

por mais de 200 veículos, além da gestão integral dos pneus da frota.

Conheça os fatores que diminuem a vida útil do pneu

Um mesmo modelo de pneu pode estar comprometido antes dos 30.000 km ou chegar em boa forma

aos 50.000 km. O segredo? O cuidado na escolha, no uso e a adoção de procedimentos de manutenção

preventiva extremamente simples. O passo mais importante em direção a uma longa vida

do pneu passa por conhecer um pouco mais sobre os fatores que reduzem a quilometragem deste

produto. São eles:

1. Pressão incorreta

sabe aquela falta de tempo para verificar periodicamente a pressão correta dos pneus? Este comportamento

tem impacto direto na vida útil do pneu que, ao rodar abaixo da pressão recomendada

pelo fabricante, vê a sua vida útil extremamente comprometida, contribuindo não só para o desgaste

prematuro da banda de rodagem como também da estrutura. Se precisa de um argumento adicional

para calibrar regulamente os pneus do seu carro, lembre-se que a pressão irregular aumenta significativamente

o consumo de combustível.

2. Alinhamento incorreto

se larga por um instante o volante do veículo e a direção parece ganhar vida própria, desviando o

veículo da sua linha reta, é sinal de que a geometria pode estar com alguma irregularidade. Corrigir

o alinhamento significa equilibrar todas as forças que atuam no veículo, tais como gravidade e força

centrífuga, entre outras. O desequilíbrio gera um desgaste adicional no pneu, encurtando a sua vida

útil, além de comprometer a segurança.

3. Conjunto Pneu/Roda

desequilibrado: aqui o sintoma pode ser uma trepidação no volante conforme o carro atinge velocidades

maiores. Esse desequilíbrio é normalmente executado junto com o alinhamento, assegurando

uma maior quilometragem, uma direção segura e travagens eficientes.

4. Jante danificada ou empenada

neste quesito, toda a atenção é pouca. Se acha que somente a estética do veículo fica comprometida

com uma jante danificada após passar por um buraco ou um forte choque contra algum obstáculo,

melhor pensar duas vezes: uma jante danificada representa um sério risco para a segurança do condutor,

passageiros e peões. Há um alto risco de perda repentina de toda a pressão do pneu, que pode

comprometer totalmente a direção e causar um acidente.

www.revistadospneus.com | 57


Notícias Mercado

Produto

Pneus Slick Pirelli P Zero equipam Stradale EXP

Os pneus Slick Pirelli P Zero foram escolhidos pela Dallara para

equipar o exclusivo Stradale EXP, uma versão do Stradale de estrada

projetado para uma utilização em circuito, com 500 cv, 720Nm

de binário e apenas 890 kg de peso. Os engenheiros da Pirelli estiveram à

altura do desafio que foi desenvolver estes pneus, capazes de suportar cargas

impressionantes. Os pneus P Zero desenvolvidos especialmente para o

Stradale EXP permitiram que a Dallara atingisse o seu objetivo: completar

uma volta ao circuito de Mugello em menos de um minuto e 46 segundos.

A meta foi superada com o Stradale EXP e os seus pneus Pirelli a registarem

uma volta de 1m45.837s. O Dallara Stradale EXP é uma evolução do

Stradale que tem como objetivo oferecer a todos uma experiência amadora

em circuito, permitindo uma participação nos track days, sem que os

utilizadores se tenham de preocupar com as restrições de homologação

dos carros de estrada. O carro surgiu em ação pela primeira vez no Pirelli P

Zero Experience, em Mugello, um dos eventos mais exclusivos dedicados

àqueles que querem levar os seus carros para o circuito e testar os modelos

alta performance dos fabricantes para os quais a Pirelli produz sob

medida pneus.

Yokohama ADVAN dB V552

chega ao mercado Português

A Yokohama anunciou o lançamento para o mercado português do seu mais recente pneu ADVAN dB

V552, para veículos elétricos. O ADVAN dB V552 está disponível num total de

16 tamanhos, que vão das 20 às 15 polegadas. A empresa planeia

ainda expandir, de forma gradual, a gama de tamanhos de

pneus disponíveis, que variam de país para país. O AD-

VAN dB V552 é um pneu de conforto premium cujo

desenvolvimento parte do conceito de “pneu

silencioso que transforma o ambiente do interior

do automóvel elétrico”. A Yokohama,

que procura oferecer um pneu com um rendimento

silencioso que gere um ambiente

surpreendentemente silencioso no veículo

e que proporcione uma experiência mais

agradável aos seus condutores, conseguiu

reduzir o ruído dos pneus. O silêncio melhorado

do ADVAN dB V552 é resultado de

um design pensado ao pormenor, que inclui

a revisão de todos os elementos do desenho,

como o da banda de rodagem, da forma da lateral,

da estrutura interna, do tipo e tamanho das

peças, bem como da configuração do contacto com a

superfície, pensado desde o zero, sem preconceitos.

OZ aposta em jantes

Evoluzione WRC

A

jantes Superturismo Evoluzione WRC são a escolha

perfeita para viaturas com um design mais

agressivo, como é o exemplo do VW Golf, Ford

Focus, Audi A3 ou o Toyota GR Yaris. Com um design que

representa toda a tradição da OZ, este modelo fará as

delícias a todos os entusiastas de rali que nunca dizem

não ao pó, como também à lama. A jante em monobloco

está apenas disponível na cor branca, incluindo um

tampão central com um anel em vermelho anodizado

que confere um ar mais desportivo às viaturas.

58 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


www.dispnal.es

+34 910 603 478 / 672 329 314

@ dispnaliberia@dispnal.es

toyo_revistadospneus_comfort07.pdf 1 30/07/2021 10:22:20

PAV.2

VISITE-NOS

stand D13

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

A HIGHER LEVEL OF SAFETY

AND PERFORMANCE

www.dispnal.pt

+351 255 617 480

@ callcenter@dispnal.pt


Notícias Mercado

Produto

Hankook equipa BMW X3 M e X4 M

com novos Ventus S1 evo Z

A Hankook vai equipar o BMW X3 M e X4 M com os seus pneus de alto desempenho:

os Hankook Ventus S1 evo Z. A Hankook Ventus S1 evo Z está presente em ambos os

modelos BMW, com pneus 255/40 ZR21 102Y no eixo dianteiro e 265/40 ZR21 105Y

no eixo traseiro. Ultra-Ultra-High-Performance é o nome da categoria de pneus introduzida

pela Hankook este ano com o lançamento no mercado dos Ventus S1 evo

Z, que são projetados para carros desportivos de alto desempenho. Pela primeira

vez, os veículos BMW M, especificamente os modelos X3 M e X4 M, apresentarão

este novo design do fabricante de pneus. As características do Hankook Ventus S1

evo Z sublinham o DNA dos modelos M, que se manifesta em níveis notavelmente

elevados de dinâmica, agilidade e precisão. Ambos os modelos podem acelerar de 0

a 100 km / h em apenas 3,8 segundos, com potência máxima de 510 cavalos e torque

de 650 Nm nos modelos de competição. Além dos testes usuais de lançamento

da indústria, os pneus mistos usados nesses modelos, nos tamanhos 255/40 ZR21

102Y no eixo dianteiro e 265/40 ZR21 105Y no eixo traseiro, também foram testados

na lendária pista de Nordschleife de Nürburgring. Isso garante que a construção do

pneu seja robusta e capaz de atender aos requisitos dos modelos M em todos os

momentos.

Maxam lança

pneu de alta tração OTR MS303

A

Maxam

introduziu no mercado o pneu de alta tração MS303

na sua gama abrangente de produtos OTR. Disponível em dois

tamanhos, o 33,25R29, e o novíssimo 37,25R35, o MS303 proporciona

a fiabilidade, tração e desempenho que a indústria exige. Especialmente

concebido para prosperar em múltiplas condições, o MA-

XAM MS303 é construído para exceder as expectativas, proporcionar

uma aderência superior e valor para o cliente. O MS303 incorpora um

composto de borracha resistente ao desgaste e ao corte que elimina

a ameaça de tempo de paragem. Proporcionando tração superior em

condições suaves, húmidas e rochosas, o MS303 é uma solução de valor

acrescentado. Compreendendo as necessidades do cliente, MAXAM

concebeu o MS303 com um desenho de esferas de alta resistência que

minimiza a indexação das rodas com elevado torque. Oferecendo uma

resistência superior ao corte, o MS303 foi concebido com um ombro e

uma parede lateral reforçados para enfrentar tanto condições suaves

como rochosas. Além disso, o MS303 possui um desenho de banda de

rodagem de auto limpeza para assegurar a máxima aderência em condições

de humidade e a máxima produtividade.

Soulima tem nova marca de pneus APLUS

A Soulima incorporou à sua gama completa de produtos e serviços, a marca de

pneus APLUS. Seguindo o seu compromisso de serviço e atenção, oferece aos seus

clientes uma alternativa de pneus com uma excelente relação qualidade/preço

adaptada às necessidades da atual frota automóvel. O pneu APLUS tem todos os

certificados de qualidade mais comuns tais como GCC; DOT; SONCAP; ECE; CCC; REA-

CH; INMETRO; SO; BIS, bem como todos os pneus APLUS têm o novo rótulo europeu.

Por outro lado, o catálogo de produtos APLUS cobre as principais necessidades dos

clientes em pneus e abrange os seguintes segmentos: Pneu de Verão para automóveis

de passageiros e carrinhas; Pneu de Verão para 4X4; Pneu de Verão para SUV;

Todas as estações para automóvel de passageiros e SUV. A Soulima vem assim acrescentar

mais valor à sua oferta de produtos, oferecendo uma ampla gama de pneus

para responder às necessidades dos seus clientes e dar mais um passo em frente no

portfólio de marcas.

Yokohama reduz peso mangueira A/C

A Yokohama conseguiu desenvolver um material que reduz significativamente o peso

das mangueiras de ar condicionado dos automóveis. A empresa está em plena aceleração

do desenvolvimento do produto comercial e aponta a um lançamento completo no

mercado em 2024. A nova mangueira ultraleve é produzida com uma liga de polímero de

resina e borracha desenvolvida com as tecnologias patenteadas da Yokohama. Esta nova

liga combina a flexibilidade e a resistência ao calor da borracha com as valiosas propriedades

de barreira contra os gases da resina, e o seu uso permitiu à Yokohama reduzir o

peso das mangueiras em 50%. Além disso, as mangueiras fabricadas com esta liga não

necessitam de ser submetidas a um processo de vulcanização, que utiliza uma elevada

quantidade de calor. Assim, as novas mangueiras contribuirão para o esforço de alcançar

a neutralidade carbónica. A Yokohama planeia desenvolver e promover tubagens integralmente

em resina para alcançar uma redução significativa do peso das combinações

utilizadas neste tipo de produtos.

60 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Bridgestone desenvolve

Potenza Race para Lamborghini Huracán STO

A

Bridgestone foi selecionada como fornecedor exclusivo de pneus de Fórmula 1 e veículos de alta performance, o pneu Potenza Race semipara

o novo Lamborghini Huracán STO, o superdesportivo de luxo -slick foi feito à medida pela primeira vez para o Lamborghini Huracán STO.

do fabricante italiano. Além dos pneus Bridgestone Potenza Sport Como tal, o piso do pneu tem listas com as cores do tricolor italiano – um

desenvolvidos em exclusivo, o Lamborghini Huracán STO pode agora também

ser equipado com pneus Bridgestone Potenza Race semi-slicks feitos dos em Itália – e apresenta as marcas distintivas da Lamborghini. O pneu

detalhe para o facto de tanto o pneu como o veículo terem sido concebi-

à medida. Os pneus Bridgestone Potenza Race desenvolvidos à medida, Bridgestone Potenza Race feito à medida promete uma excelente aderência

em seco, graças a um composto de piso otimizado; um desenho de

foram concebidos para melhorar as incríveis capacidades do Lamborghini

Huracán STO e deixar os condutores experienciarem o elevado desempenho

deste carro. Com base na longa herança da Bridgestone em corridas bilidade em condições

piso e perfil de pneu desportivo, o que aumenta a aderência e a manobra-

secas.

PUB

Por vezes, a vida surpreende-nos com

uma curva repentina na estrada. Os nossos

pneus de verão de alta qualidade

Nokian Powerproof e Nokian Powerproof SUV

são especialistas em equilíbrio e segurança,

respondendo sem esforço a qualquer curva

inesperada ou mudança de faixa a alta

velocidade. Então faz-te ao caminho, espera-te

uma viagem magnífica.

É UMA VIAGEM MAGNÍFICA

NOKIANTYRES.COM / NOKIANTYRES.ES

www.revistadospneus.com | 61


Reportagem Notícias

Produto

Nexen equipa de origem primeiro VE puro da Kia

A Nexen Tire anunciou que a empresa foi selecionada para fornecer equipamento original

para o primeiro carro eléctrico da Kia, o EV6. Nexen ROADIAN GTX EV e N’FERA Sport

EVs serão os pneus instalados no EV6, o primeiro modelo de veículo eléctrico da Kia que

é baseado na Plataforma Modular Global Elétrica do Grupo Hyundai Motor (E-GMP). O

EV6 tem um forte desempenho de mais de 475 km com uma única carga. Ao utilizar o

modo Estado de Carga (SOC), o automóvel pode carregar de 10% a 80% em 18 minutos

para uma carga ultra-rápida. O ROADIAN GTX EV, montado no tamanho 235/55R19

101H, é um pneu premium para todas as estações que cumpre todos os requisitos de um

veículo elétrico em termos de segurança, durabilidade, e baixo ruído. O N’FERA Sport EV,

montado no tamanho 235/55R19 105V XL, melhora a estabilidade a alta velocidade e o

desempenho de manuseamento ao mesmo tempo que proporciona a máxima aderência

e potência de travagem tanto em superfícies molhadas como secas. Os dois pneus de

veículos elétricos foram concebidos e adaptados para proporcionar maior resistência à

abrasão, bem como minimizar o ruído de estrada dos pneus, empregando um sistema de

redução de ruído de cerca de 5dB, em comparação com os produtos existentes.

Dunlop desenvolve pneu

GT503 para Harley-Davidson

Sportster S

A

nova Harley-Davidson Sportster S é um dos lançamentos

mais esperados de 2021 no setor das duas rodas. É um dos

mais potentes modelos da gama da Harley-Davidson, e a

Dunlop foi encarregue de desenvolver um novo pneu tecnologicamente

avançado especificamente concebido para as suas exigências

O Dunlop GT503 apresenta uma nova construção e um novo

composto para proporcionar aos motociclistas uma excelente

performance, enquanto que a aparência agressiva do desenho da

banda de rolamento combina com o visual dinâmico da Sportster

S. O novo GT503 oferece aos seus utilizadores inúmeras caraterísticas

avançadas. A construção radial conta com a tecnología de

cinta de aço sem juntas JLB (Steel Jointless Belt), que garante um

comportamento mais responsivo e consistente, ao mesmo tempo

proporcionando uma condução confortável. No GT503, o desenho

da banda de rolamento foi desenvolvido para maximizar a superfície

de contato e proporcionar aos utilizadores da Sportster S um

elevado nível de aderência em seco, ao passo que os largos sulcos

da banda de rolamento aumentam a confiança na condução sobre

superfícies molhadas.

Continental equipa BMW M4 com SportContact 6

A BMW está a contar com os pneus SportContact 6 da Continental como equipamento de

origem para o novo M4. O SportContact 6 foi desenvolvido a pensar em veículos desportivos

e no seu manuseamento, precisão e estabilidade de condução a altas velocidades.

Além disso, foi classificado o melhor na rotulagem de pneus da UE na categoria de aderência

molhada, o que significa que tem uma excelente performance na travagem em

estradas molhadas. A Continental recebeu aprovações globais para as dimensões 275/40

ZR18 (103Y) XL e 285/35 ZR19 (103Y) XL. “Como único ponto de contacto entre o veículo

e a estrada, os pneus desempenham um papel essencial para proporcionar uma experiência

de condução ideal”, afirma Holger Lange, chefe do desenvolvimento de pneus

para equipamento de origem da Continental. “Os nossos engenheiros desenvolvem

pneus OE que combinam com o respetivo modelo de veículo e, assim, suportam o desempenho

do carro perfeitamente. Para capturar os requisitos específicos, a Continental

trabalha em estreita colaboração com os fabricantes de veículos no desenvolvimento de

pneus”, acrescentou.

Triangle para camiões

regista crescimento contínuo

Desde que se iniciou em janeiro 2019, a distribuição exclusiva da marca Triangle

para camiões, por parte da Tiresur em Espanha e Portugal, a marca tem vindo a colecionar

êxitos e progride em crescimento contínuo. Durante este período, a Triangle

TBR tem sido valorizada pelas oficinas e profissionais do setor, como uma marca

segura, com uma grande relação qualidade-preço e um amplo portfolio. Por este

motivo, a Tiresur continuará a ampliar durante 2021 os modelos e medidas disponíveis

na marca. É por estas razões, que a Tiresur continua a confiar nesta marca

valiosa e tem vindo a ampliar o mix disponível durante o ultimo ano, incorporando

novos modelos e medidas, para poder assim oferecer uma gama mais completa.

Uma das últimas incorporações, é o modelo TR663, um pneu apto para todas as posições,

cujas principais caraterísticas são uma excelente tração e manobrabilidade,

conta com uma camada adicional de borracha para permitir uma maior superfície

de contacto e quilometragem extra.

62 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Falken equipa Audi A3 TFSI

com ZIEX ZE310A ECORUN AO

Baixa resistência ao rolamento, melhor tração possível

em todas as superfícies e a capacidade de suportar cargas

mais elevadas são os requisitos especiais impostos

aos pneus para veículos elétricos e híbridos. Os pneus Falken

podem atender a esses requisitos: desde abril de 2021, que a

Falken Tire Europe fornece o modelo ZIEX ZE310A ECORUN AO

na dimensão 205 / 55R16 94V XL para Ingolstadt, onde é produzido

o bem-sucedido Audi UDI A3 TFSI. Já desde 2019, o pneu

de verão Falken convenceu não só os condutores em busca de

desempenho, mas também algumas organizações de teste independentes,

como o Österreichischer Automobil und Touring

Club na Áustria e o Touring Club na Suíça. O Falken ZIEX ZE310

foi classificado como ‘bom’ no grande teste de verão do AUTO-

BILD ALLRAD, no qual os editores ficaram particularmente impressionados

com seu potencial de desempenho, manuseio em

piso molhado e curta distância ao parar. Os resultados positivos

do teste não são acidentais, pois o Falken ZIEX ZE310 foi desenvolvido

com as tecnologias mais recentes. Assim, este pneu

de verão incorpora a tecnologia «Adaptive Constant Pressure»

(ACP), que garante uma distribuição uniforme da pressão no

piso. O perfil ACP, aumenta a estabilidade direcional, gera desgaste

uniforme e, portanto, reduz a resistência ao rolamento.

Pirelli equipa Hyundai Kona N

com novo P Zero

A Pirelli desenvolveu um novo pneu P Zero, que combina desempenho, controlo e

conforto para oferecer uma condução verdadeiramente agradável, especificamente

para o novo Hyundai Kona N (KAUAI). O mais recente modelo N é o primeiro SUV

produzido pelo departamento desportivo “N” da Hyundai. Os engenheiros da Pirelli

desenvolveram novos pneus P Zero (235/40R19 96 Y) para o KONA N, de modo a dar

resposta às exigências dos engenheiros da Hyundai, melhorando o desempenho em

pista, a segurança e o prazer de condução na estrada. Essas melhorias foram alcançadas

através de testes realizados em conjunto pela Hyundai e pela Pirelli, em Nurburgring

e no circuito de Namyang, na Coreia, ao longo de um ano. Para a gama N,

a Pirelli desenvolveu uma linha de pneus P Zero feitos à medida, com baixos níveis

de ruído, para maximizar o conforto, e para extrair o máximo desempenho de cada

exemplar. O pneu P Zero nasceu como um produto Ultra High Performance (UHP),

que une a experiência da Pirelli no automobilismo com parcerias com os principais

fabricantes de automóveis de todo o mundo.

Fórmula 1 adota pneus Pirelli de 18 polegadas

Uma das mudanças mais relevantes da Fórmula 1 para o ano de 2022 serão os novos

pneus Pirelli de 18 polegadas. Trata-se, assim, de um acréscimo de 12,7 centímetros

em relação ao diâmetro a que nos acostumámos desde os anos 1960 até ao presente,

com pneus compactos, muito largos e com paredes laterais “barrigudas” que mantiveram

a Fórmula 1 na pista durante mais de meio século. Chegou o momento de adotar

uma abordagem mais moderna. Com um maior enfoque na estética e na proximidade

tecnológica com os carros de estrada, o novo pneu P Zero F1 tem a mesma largura de

banda de rodagem (305 milímetros na frente e 405 milímetros atrás), mas apresenta um

diâmetro ligeiramente maior (cresce de 660 milímetros para 720 milímetros). A mudança

mais significativa a redução da parede lateral, que agora se assemelha à dos pneus

Pirelli de baixo perfil, que durante vários anos têm sido a escolha preferida dos carros de

alta performance líderes em todo o mundo. Este novo perfil mudará o comportamento

dos monolugares de Fórmula 1 na pista, tornando-os mais precisos nas mudanças de

direção. Nos testes realizados até agora, tanto em piso seco como em piso molhado, o

feedback dos pilotos foi positivo e os novos pneus vão contribuir para corridas ainda mais

competitivas, com carros menos sensíveis à turbulência aerodinâmica enquanto seguem

uns atrás dos outros.

www.revistadospneus.com | 63


Notícias Mercado

Produto

Michelin apresenta

novos pneus para bicicletas montanha

A Michelin apresenta a sua nova gama de pneus para bicicleta de montanha Michelin Wild Enduro

Racing Line, concebida para os ciclistas que procuram o máximo em termos de prestações, e para

os que pretendem equipar as suas bicicletas com os mesmos pneus utilizados pelos ciclistas profissionais,

como Sam Hill, Adrien Dailly e Martin Maes. Disponíveis na medida 29x2.40, com versões

específicas para as rodas dianteira e traseira, os novos pneus Michelin Wild Enduro Racing Line são

adequados tanto para bicicletas de competição como para os ciclistas aficionados que conduzem de

forma agressiva nos seus percursos de enduro. O objetivo desta nova gama é oferecer os mais altos

níveis de aderência em condições difíceis, e uma elevada resistência aos danos quando se conduz nos

limites. Tal é possível graças ao composto MAGI-X DH, à tecnologia 4X-Ply, ao reforço de baixa pressão

e à proteção antifuros de alta densidade, integrados no desenho da carcaça.

Pneus camião Chengshan

chegam a Portugal

A COIP anunciou que vai distribuir a nova gama de pneus de camião

Chengshan em Portugal. Inteiramente fabricada na nova fábrica do grupo

na Tailândia, a nova gama beneficia dos últimos avanços tecnológicos

das fábricas “Intelligent manufacturing” de última geração. A gama de

produto, com uma organização simples e intuitiva, abarca as gamas de

pneus para utilização em trajetos de autoestrada/longo curso, regionais/

híbridos, de inverno e on/off - misto. De destacar que, por forma a responder

às atuais exigências dos mercados da Europa Central, todos os pneus

Chengshan possuem marcação M+S e o “Símbolo Alpino” (3PMSF), que

identifica os pneus de Inverno de acordo com os regulamentos da UNECE

(válido na UE e em vários outros países) e os regulamentos de pneus dos

EUA e Canadá. Luís Martins, General Market Manager da COIP, explica

que “a marca Chengshan insere-se no segmento económico das marcas

produzidas pelos fabricantes de marcas com maior notoriedade”, acrescentando

que “o seu foco obsessivo na qualidade, assegura que a Chengshan

é garantia dos melhores rendimentos quilométricos do segmento”,

sublinhando ainda “a completa gama de produto abarca todos os tipos

de utilizações.”

Goodyear equipa novo Lotus Emira

com Eagle F1 SuperSport

A

Lotus lançou o Emira, o último de uma longa série de impressionantes

modelos com motor central do célebre fabricante britânico de automóveis

desportivos. A Lotus escolheu o Goodyear Eagle F1 SuperSport

como pneu de equipamento de origem para o novo modelo. O Emira foi desenvolvido

para oferecer a precisão caraterística e o feedback sem filtros que

os condutores de Lotus exigem. Está construído sobre um novo e ligeiro chassis

em alumínio, tecnologia em que a Lotus foi pioneira e continua a ser parte

intrínseca do ADN dos automóveis desportivos da empresa. A Lotus escolheu

trabalhar com a Goodyear para desenvolver um pneu que cumpra com requisitos

muito específicos, para apoiar o lendário foco da marca na condução, no

comportamento e na agilidade. O Eagle F1 SuperSport é o mais recente pneu

UUHP (ultra ultraelevadas prestações) da Goodyear. Possui uma construção

única, com uma cobertura Powerline que lhe permite manter a sua forma e

maximizar a sua superfície contacto. Tal é o que lhe confere a estabilidade a alta

velocidade que é essencial para este tipo de automóvel desportivo.

64 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


BKT aposta em pneu multifacetado

de campo e estrada

Campo e estrada, tão diferentes e tão próximos. Os agricultores sabem que têm de alternar

o trabalho no campo com o transporte na estrada. A BKT, uma observadora cuidadosa do

mercado e das tendências, apresenta uma inovação, o MULTIMAX MP 569. Este novo pneu é

um passo positivo para a identificação das melhores soluções para os agricultores modernos.

O novo produto faz parte da linha MULTIMAX, a qual inclui pneus ideais para as atividades

agroindustriais e desenhados para a utilização a alta velocidade com cargas pesadas. O MUL-

TIMAX MP 569 da BKT é ideal para diversas aplicações com camiões agrícolas, os veículos

de utilização mista utilizados quando também é necessário o transporte na estrada. Estes

veículos transportam relva, terra e areia ou recolhem os restos de milho juntamente com o

aparelho específico. Graças à lona de carcaça integralmente em aço (All Steel), o MULTIMAX

MP 569 destaca-se pela velocidade elevada e pela durabilidade. O design do piso otimizado

proporciona melhor tração no campo assim como excelentes propriedades de autolimpeza,

além de conforto na estrada e boa estabilidade.

Pirelli lança novo pneu com marcação HL

A Pirelli apresenta o seu primeiro pneu com alto índice de carga: um novo tipo

de pneu essencialmente dedicado aos carros elétricos ou híbridos e SUVs. O

novo pneu apresenta a marcação HL (High Load) no flanco e é capaz de suportar

mais peso do que um pneu padrão (+20%) e do que um pneu XL de carga

extra do mesmo tamanho (+ 6-9%). O Lucid Air será o primeiro carro a calçar os

novos pneus Pirelli HL. O Pirelli P ZERO para este modelo estará disponível nos

seguintes tamanhos: HL 245/35R21 99 Y XL, no eixo dianteiro, e HL 265/35R21

103 Y XL, no eixo traseiro. Trata-se de um P ZERO projetado especificamente

para o novo sedan elétrico de luxo, que começará a ser comercializado nos Estados

Unidos da América, ainda este ano. Os pneus P ZERO para o Lucid Air

foram desenvolvidos em conjunto com o fabricante de automóveis, de acordo

com a estratégia “Perfect Fit” da Pirelli, de modo a responder às exigências de

desempenho colocadas pela marca. A marcação “LM1” identificará estes pneus

produzidos especificamente para o Lucid Air.

PUB

www.revistadospneus.com | 65


Gestão


Como tirar proveito da mudança?

Vantagem

competitiva!

Para darem resposta às necessidades dos clientes e para

trabalharem de uma forma responsável, as empresas têm

de mudar o que é suposto mudar. Adotar e potenciar

a mudança ajuda as empresas a manter a vantagem

competitiva. Se tal não acontecer, acabarão por gastar

muito tempo e dinheiro em mudanças ineficazes

ão nos referimos a mudar apenas por uma

questão de mudança, mas sim a uma mudança

planeada, estruturada e progressiva

que permite que as organizações cresçam,

evoluam, sobrevivam e prosperem em qualquer

tipo de mercado. Atualmente, as empresas

estão a sentir mais mudanças do que

em qualquer outro momento da história, e

o ritmo da mudança está a acelerar. Existem

três tipos de empresas que implementam a

mudança: O primeiro são aquelas empresas

que ficam para trás. Apercebem-se subitamente

que a concorrência está ao mesmo

nível ou até que as ultrapassou e lutam por

fazer mudanças na organização de modo a

voltarem à liderança. Infelizmente, para essas

organizações, nessa altura, por norma já é

demasiado tarde. Em geral, são empresas

que são surpreendidas pela mudança, o que

significa que estavam completamente focadas

no modo como sempre fizeram negócio,

permitindo que novas ideias inovadoras as

apanhassem desprevenidas e sem capacidade

de competir.

O segundo tipo de organização muda apenas

o suficiente para manter o status quo.

Estas são as empresas que estão bem. O

negócio corre muito bem. Elas argumentam

para si próprias: “Porque é que temos de mudar?

A mudança incomoda os funcionários

e os clientes.” No limite, mudam apenas o

suficiente para manter o estado atual. Eventualmente,

podem vir a deparar-se com a

situação das primeiras organizações referidas,

sendo igualadas ou ultrapassadas pelos

concorrentes.

O terceiro tipo de organização é aquele que

adota e potencia a mudança, criando uma

Os clientes estão mais exigentes

e menos tolerantes quanto a erros do

que nunca. Querem que os funcionários

sejam cordiais, conhecedores

e pró-ativos na compreensão das suas

necessidades

www.revistadospneus.com | 67


Gestão

Atualmente, as empresas estão a sentir mais mudanças

do que em qualquer outro momento da história, e o ritmo

da mudança está a acelerar

cultura de mudança, através da qual os líderes

são estimulados ou se prevê que sejam

agentes de mudança. Estão continuamente

a avaliar a sua estrutura organizacional e a

procurar formas de realizar uma mudança

organizacional benéfica. Estas organizações

utilizam a mudança como um estímulo para

prosseguir em frente e para melhorar os respetivos

resultados comerciais. Se o ritmo de

mudança no interior de uma organização for

inferior ao ritmo de mudança no exterior, o

fim estará à vista.

Até mesmo as organizações poderosas não

possuem habitualmente uma capacidade

inata para efetuar a mudança. Parece ser

algo que se aprende a longo prazo, e é um

processo difícil para a maioria. Invariavelmente,

quando sugerimos às oficinas que se

tornem mais eficazes na mudança, a reação

é defensiva. A verdade é que a maioria das

oficinas não é boa a efetuar a mudança e

falta-lhes especialmente capacidade para

comunicar a mudança aos funcionários de

uma forma positiva.

Conhecer e encarar este facto é o primeiro

passo para utilizar a mudança proativamente

em proveito da organização. De modo a planear

proativamente a mudança, o proprietário

da oficina deve colocar a si próprio e

aos seus funcionários as seguintes questões:

• Quais são os primeiros sinais de aviso de

que a mudança é inevitável?

• Que sistemas, estruturas e processos pode

implementar para manter a vantagem competitiva

em relação à concorrência?

• Se fosse concorrente de si próprio, como

poderia alcançar ou ultrapassar a sua empresa?

• Quais as solicitações dos clientes que parecem

mais extravagantes e impossíveis?

Se considerasse dar resposta a essas solicitações,

o que teria de mudar?

De modo a antecipar e a potenciar a mudança

em proveito da organização, tem de

estar a par das forças externas que impelem a

mudança. Existem três categorias principais

de forças externas que impelem a mudança:

a tecnologia da informação, a demografia

e os clientes.

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

A rede de computadores ligados por todo o

mundo tornou-se um dos principais fatores

de mudança da conjuntura. O mundo está

a ficar mais pequeno, criando não só novas

oportunidades de negócio entusiasmantes,

mas criando também uma dura competição.

As organizações podem agora ser globais,

disponibilizando serviços e informações aos

clientes de uma forma mais rápida e eficaz

do que nunca. Os fornecedores estão ligados

através de tecnologia, criando sistemas

eficientes para encomendar, entregar e comunicar,

e processos como as encomendas

“just-in-time”. Mas o que significa isto para a

sua empresa? De modo a manter a vantagem

competitiva, a sua empresa tem de intensificar

a capacidade de aprender, de modo

a acompanhar a rápida mudança impelida

pela tecnologia. Ao mesmo tempo, tem de

gerir as decisões que ocorrem ao seu redor,

escolhendo e implementando a tecnologia

que mais beneficia a sua organização.

68 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Como tirar proveito da mudança?

CRM – A melhor gestão da relação com os clientes

A

gestão da relação com os

clientes, habitualmente

designada como CRM, é

uma forma de gerir eficazmente a

mudança orientada para o cliente. O

CRM envolve a integração de toda a

informação dos clientes e a

disponibilização da mesma a todos

os funcionários que lidem com os

clientes.

Ao ponderar a mudança da sua

organização, o mais importante a

ter em conta é que a mudança tem

de ocorrer pelos motivos certos

e da forma mais eficaz possível.

Um plano de mudança, baseado

em dados e informações reais

de clientes e funcionários, tem

de considerar a necessidade das

novas tecnologias e a demografia

em constante evolução no local de

trabalho e na carteira de clientes.

Tal como qualquer organização que

está a tentar lidar com mudanças que

surgem a toda a velocidade a partir

de forças externas e internas tem

conhecimento, competir e crescer

num contexto em que a mudança

é constante parece ser uma tarefa

avassaladora. Para ajudar a gerir

e a tirar proveito da mudança, da

perspetiva de um líder, eis aqui três

táticas para a gestão da mudança.

TÁTICA 1:

APRENDA A ANTECIPAR A

NECESSIDADE DE MUDANÇA

Se uma organização aguarda até

que as circunstâncias a forcem a

fazer mudanças, aí será demasiado

tarde. Antecipar a mudança implica

procurar continuamente as forças

internas e externas que impelem a

mudança. Quando os fatores que

impelem a mudança são identificados

é mais fácil antecipar a mudança.

as pessoas na organização têm de

receber a comunicação. Os líderes

têm de ser responsáveis por garantir

que a comunicação flui em todas

as direções, especialmente para os

funcionários de primeira linha. Os

funcionários têm de entender porque

é que a mudança está a acontecer.

De modo a conseguirem adesão, os

líderes têm de dizer abertamente

e honestamente aos funcionários

a(s) razão(ões) para a mudança.

Um dos erros mais comuns que os

líderes cometem é assumir que os

funcionários não se interessam ou

que não irão entender os fatores

que impelem à mudança. Isto são

desculpas para evitar uma tarefa

difícil. Raramente os funcionários

aceitam o antigo estilo ditatorial

em que se dizia “Façam-no

porque sou eu quem manda” ou

“Confiem em mim quanto a isto”.

Goste ou não, os funcionários

querem saber: “O que é que

implica para mim?” Não se trata

de uma compensação financeira.

A vantagem para o funcionário

pode ser um melhor ambiente

de trabalho, mais envolvimento,

mais oportunidades, ou pode ser

algo tão simples como o facto

de toda a gente manter os seus

empregos. De igual modo, as

estatísticas revelam que a maioria

dos funcionários pretende uma

comunicação cara a cara com

o seu ou sua líder. Não querem

ficar a saber das mudanças por

terceiros. A falha ao comunicar até

mesmo a mais pequena mudança

abertamente e com antecedência

mina a confiança e gera medo.

TÁTICA 3: LIDE COM AS

EMOÇÕES DA MUDANÇA

À medida que os líderes se

preparam para fazer mudanças na

organização, os mesmos têm de

reconhecer que a mudança é algo

emocional e planear como lidar

com as emoções dos funcionários,

clientes e fornecedores. O plano

deve incluir não só os métodos de

lidar com as emoções da mudança,

mas também estratégias para

comunicar os novos processos e

políticas para se conseguir fazer

o que é necessário. Os líderes

devem perguntar a si próprios:

“Como irão os funcionários, os

clientes e os fornecedores reagir

quando souberem das novidades

relativas à mudança?” As reações

emocionais naturais à mudança

são a raiva, o medo e a frustração.

Os líderes que reagem com

impaciência ou raiva às emoções

da mudança validam a crença dos

funcionários de que a mudança é

negativa. O resultado pode ser uma

força de trabalho infeliz e menos

produtiva, elevada rotatividade

de funcionários competentes e

conhecedores, e possivelmente,

até mesmo queixas formais aos

recursos humanos ou sindicatos.

Assim, o que significa tudo isto para

si enquanto líder? Significa que a

sua função é antecipar a mudança

e descobrir aquilo que parece da

perspetiva da empresa. Tem de

identificar as forças internas e

externas que impelem a mudança

na sua organização e, tendo

em consideração essas forças,

determinar como implementar a

mudança eficazmente, potenciando

uma mudança para o sucesso.

Também significa que é sua

função ajudar os funcionários a

aceitar a mudança e a apoiá-lo na

implementação da mudança que

fará com que a organização siga

em frente. Certifique-se de que

parte do seu plano de mudança

inclui um processo de comunicação

abrangente e de que o mesmo

aborda os aspetos emocionais da

mudança. Nem sempre é agradável,

mas é a realidade e é algo a que os

líderes de excelência não se furtam.

TÁTICA 2:

COMUNIQUE A MUDANÇA A

TODOS OS FUNCIONÁRIOS

COM ANTECEDÊNCIA

E ABERTAMENTE

Um dos passos mais importantes

num processo de mudança bemsucedido

é a comunicação. Todas

www.revistadospneus.com | 69


Gestão

De modo a manter a vantagem competitiva, a empresa tem

de intensificar a capacidade de aprender, de modo

a acompanhar a rápida mudança impelida pela tecnologia

DEMOGRAFIA

A demografia é uma área das ciências sociais

que estuda a dinâmica populacional

humana. O seu objeto de estudo engloba

as dimensões, estatísticas, estrutura e distribuição

das diversas populações humanas.

Estas não são estáticas, variando devido à

natalidade, mortalidade, migrações e envelhecimento.

A análise demográfica centra-

-se também nas características de toda

uma sociedade ou um grupo específico,

definido por critérios como a educação, a

nacionalidade, religião e grupo étnico. As

diferenças demográficas nos comportamentos

dos clientes e dos funcionários são o

estímulo para as organizações aprenderem

a dar resposta a um espetro alargado de

necessidades e desejos de ambos os grupos.

Geralmente, os funcionários são mais educados

e em resultado disso esperam mais

envolvimento e mais trabalho interessante.

Acresce a esta complicação que a força de

trabalho hoje em dia é mais diversificada,

criando oportunidades e desafios ímpares.

As regras para motivar os funcionários mudaram,

e as diferenças culturais têm de ser

tomadas em consideração. Curiosamente,

os mesmos desafios demográficos que se

aplicam aos funcionários também se aplicam

aos clientes. Devido à demografia diversificada

dos clientes no mercado, é cada

vez mais difícil descobrir como dar resposta

ao espetro alargado de necessidades e desejos

dos clientes. As empresas podem dar

por elas a tentar ser de tudo para toda a

gente, o que é uma tarefa impossível. As

organizações podem ter que considerar

mudanças que as ajudem a identificar e a

satisfazer as necessidades dos seus principais

clientes.

CLIENTES

Os clientes estão mais exigentes e menos

tolerantes quanto a erros do que nunca.

Querem um serviço excecional. Querem

que os funcionários sejam cordiais, conhecedores

e pró-ativos na compreensão das

suas necessidades. Os clientes esperam ser

envolvidos nas decisões que os afetam. Querem

ser questionados acerca dos processos

que têm impacto sobre eles e sobre as suas

vidas. Querem ter uma maior participação

e controlo. Estas exigências fazem deles

uma força impulsionadora da mudança na

indústria. Sem clientes, não há negócio. As

oficinas perguntam frequentemente: “Como

posso saber o que mudar?” A resposta não é

simples. Existem muitos fatores a considerar,

mas no que diz respeito aos clientes, a melhor

forma de saber o que mudar é simplesmente

perguntar-lhes, e perguntar-lhes frequentemente.

“O que pensa do nosso trabalho? Estamos

a dar resposta às suas necessidades? Se

não estamos, onde podemos melhorar?” u

70 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Como tirar proveito da mudança?

Como aumentar a satisfação dos clientes?

H

á apenas alguns anos, as

oficinas mantinham o

negócio à maneira antiga,

através da divulgação boca a boca.

Atualmente, a internet está repleta

de serviços de diretórios, avaliações

de clientes e sites de avaliação. Em

resultado disso, as oficinas que

usam tecnologia e que têm

orçamentos para marketing e SEO,

estão na linha da frente para serem

as grandes vencedoras.

Apresentamos a seguir algumas

dicas, muitas delas gratuitas, para

aumentar a satisfação dos clientes

no seu negócio de reparação de

automóveis.

CUMPRIMENTE O CLIENTE

Esta pode parecer óbvia, mas é

um excelente começo. Já reparou

como no preciso momento em

que entra na maioria das lojas de

retalho agradáveis, um assistente

de vendas o cumprimenta? Isso não

é uma coincidência. De acordo com

o site Retail Doc, 80% dos clientes

não voltarão a um estabelecimento

se sentirem indiferença por parte

do pessoal. Agora, transpomos isto

para uma oficina de reparação. Toda

a gente sabe que as reparações

podem ser uma maçada, e também

podem ser caras. Coloque-se no

lugar dos seus clientes. Quando

chegam ao seu estabelecimento,

prontos para desembolsar centenas

de euros, alguém diz: “Olá, sou

o João. Estou só a terminar este

trabalho, e atendo-o já a seguir”?

Ou o seu cliente fica sozinho

numa sala de espera, a pensar

quanto tempo demorará até ser

atendido, enquanto toda a gente

está ocupada na oficina? É claro

que o último caso pode acontecer,

mas um cumprimento rápido

e um sorriso, mesmo que não

possa ser útil de imediato, podem

resultar num cliente fidelizado.

PARTILHE O CONHECIMENTO

Provavelmente, a interpretação

que a maioria dos condutores

faz da “manutenção do veículo”

não implica muito mais do que

abastecer combustível e mudar

o óleo. Quando as coisas correm

mal, é seguro presumir que a

maioria dos seus clientes não está

consciente do que isso significa.

E se dedicasse dois minutos por

cliente a explicar o trabalho que fez.

Porque é que um filtro do ar tem de

ser mudado, e com que frequência?

Porque é que não é seguro conduzir

com pneus que tenham danos

nos flancos? O que acontece se

uma correia de distribuição for

negligenciada? Melhor ainda se

despender mais alguns minutos e

levar o seu cliente até à oficina para

lhe mostrar os itens desgastados

que substituiu, ou os itens que

irão exigir atenção no futuro.

ADIRA AO FACEBOOK

Infelizmente ainda são poucas

as oficinas de reparação de

automóveis que estão no Facebook,

mas existem muitos motivos

fortes pelos quais devem aderir.

A probabilidade é de a sua

empresa já existir no Facebook,

talvez até com os seus clientes ou

concorrentes a comentar acerca da

mesma. Se não tiver o seu perfil,

ninguém estará lá para falar acerca

de quem é, do que faz melhor, e

para interagir com os clientes.

Caso gostem de si, irão passar a

palavra. O utilizador de Facebook

mediano tem 130 amigos. Se

fizer um excelente trabalho, a

aprovação boca a boca chega

muito mais longe atualmente.

SOLICITE AVALIAÇÕES

DE CLIENTES ONLINE

Deixe que os seus clientes saibam

que valoriza o feedback deles,

acompanhe a evolução, e talvez

eles recompensem a sua empresa

com uma excelente avaliação,

ou sejam mais compreensivos

com uma pequena falha.

SOLICITE QUE FAÇAM

RECOMENDAÇÕES

Tal como solicitar aos seus clientes

que façam avaliações online da sua

empresa revela que tem interesse,

pedir que façam recomendações

também. Se o cliente tem confiança

e gosta do trabalho prestado pela

sua oficina, por certo não terá

problemas em recomendá-la aos

seus amigos, de forma a ajudar

no seu esforço de crescimento.

ESCUTE E APRENDA

NOVAS COISAS

Reserve algum tempo todas as

manhãs para ler avaliações,

pois é muito provável que,

frequentemente, haja ali informação

valiosa, e uma oportunidade para

melhorar. Se despender tempo

a perceber como é que o seu

negócio é encarado, pode ter a

oportunidade de ajudar a melhorar

a experiência dos seus clientes.

EXPLIQUE O QUE SE

PASSARÁ NO FUTURO

Antes do cliente sair da oficina

tenha sempre um minuto para

lhe explicar o que se passará

futuramente com o seu automóvel

- nos próximos 5.000 quilómetros,

teríamos de substituir um par

de pneus; por volta dos 100.000

quilómetros, iríamos precisar de

uma nova correia de distribuição, e

por aí fora. Isso ajuda por algumas

razões. Os clientes vão sentir-se

melhor informados acerca do

que os seus veículos necessitam,

e isso também os irá ajudar a

prever despesas. O custo de uma

reparação pode atingir fortemente

um indivíduo, ou pior, uma família.

Deixe que os clientes saibam

aquilo que será relevante, de

modo a que não sejam forçados

a escolher entre a reparação do

automóvel e as prendas de Natal.

FALE A LINGUAGEM

DOS CLIENTES

Com que frequência telefona para

um cliente, para confirmar que o

respetivo veículo está pronto, e vai

direto para o voice mail? Quando

deixa mensagens de voice mail,

os seus clientes ouvem-nas?

Será seguramente melhor trocar

mensagens escritas com os seus

clientes. Escreva para lhes colocar

uma questão, envie uma foto

para confirmar a sua suspeita de

peças desgastadas, ou partilhe até

mesmo um vídeo para demonstrar

o problema que conseguiu replicar.

Se os seus clientes querem

falar numa linguagem online ou

móvel, e se quiser experimentar, a

probabilidade é de que vai descobrir

que é muito mais fácil do que

aquilo que poderá ter receado.

www.revistadospneus.com | 71


Gestão

Prontos a utilizar

Embora os pneus sejam muito duráveis e resistentes a grande parte dos elementos

que encontram, é importante que sejam armazenados nas condições corretas.

Isto serve para assegurar que quando são instalados num veículo, se encontram

nas melhores condições possíveis

A

indústria de pneus é uma das

mais sofisticadas no mundo,

desde os fabricantes que desenvolvem

pneus tecnologicamente

avançados para veículos comerciais

e de passageiros, até às redes de vendedores

de pneus especializados que fornecem

os pneus às oficinas. Cada pneu que sai da

fábrica é verificado quanto à sua qualidade

de acordo com regulamentos muito estritos

e é então transportado sob condições

ideais para os locais onde irá ser instalado.

Assim que os pneus saem da fábrica, os

fabricantes já não têm qualquer controlo

sobre as condiçõesnas quais são armazenados.

Existem algumas diretrizes muito

simples, emitidas pela indústria de pneus

para ajudar os vendedoresa manter o seu

valioso stock pronto a utilizar.

Os pneus devem ser armazenados em condições

que não representem esforço, livres

de tensão, compressão ou outras forças propícias

a provocar distorções permanentes.

Uma forma eficaz de o fazer é através do

empilhamento vertical dos pneus, lado a

lado em estantes. Uma alternativa simples

consiste em empilhar os pneus uns sobre

os outros, mas não demasiado alto. Isto

poderá dificultar a obtenção de pneus na

parte inferior da pilha e poderá aumentar

o número de vezes que um pneu é manuseado

durante o seu armazenamento.

Este procedimento não é prejudicial para

72 | Revista dos Pneus | Setembro 2021


Armazenamento de pneus

o pneu, mas é inconveniente e demorado

para a pessoa que tenha de estar constantemente

a mover as pilhas.

Os pneus empilhados desta forma não

deverão ser colocados diretamente sobre

o solo, mas sim sobre uma palete ou algo

que isole o pneu da temperatura e potencial

humidade do solo. As condições físicas do

espaço no qual os pneus são armazenados

são importantes, mas não são complicadas.

O espaço deverá estar à “temperatura ambiente”,

nem demasiado quente nem fria.

O espaço deverá ser ventilado e os pneus

não deverão estar expostos à luz solar direta.

Os pneus não deverão partilhar o seu

espaço de armazenamento com químicos,

produtos de limpeza ou óleo.

Cada vendedor possui o seu próprio sistema

para inventariar pneus, decidindo sobre a

melhor forma de armazenar o seu stock,

quer seja através de uma disposição por

fabricante ou, por exemplo, por tamanho.

Ao lidar com o armazenamento, existem

alguns procedimentos simples que poderá

implementar para manter o stock que necessita

no local que necessita. Em primeiro

lugar, por motivos de boa organização, assegure-se

de que armazena a sua entrega

de pneus imediatamente após a chegada.

PRIMEIRO A ENTRAR, PRIMEIRO A SAIR

De maneira a aumentar a eficiência das suas

instalações de armazenamento, os vendedores

devem implementar um sistema de

rotação de stock do tipo “primeiro a entrar,

primeiro a sair”. O armazenamento de pneus

pode ser feito de acordo com o fabricante e

com as dimensões e ainda de acordo com

a classificação de velocidade. É muito fácil

para um novo colaborador misturar as classificações

de velocidade. Todos os instaladores

de pneus estão formados e verificam

os pneus previamente à instalação, mas o

armazenamento desta forma poderá evitar

que alguém tenha de regressar à pilha de

pneus e trocar o pneu pelo correto.

É importante formar o pessoal para manusear

os pneus da forma correta, pois poderão

ser pesados e difíceis de manusear se o

procedimento não for o correto. É sensato

empilhar os pneus de maiores dimensões,

assim como os run flat, mais abaixo, já que

estes são os mais pesados.

As regras de armazenamento de pneus

aplicam-se a novos pneus, assim como

aos que são armazenados enquanto não

são necessários, por exemplo, em países

onde é necessário mudar de pneus de verão

para pneus de inverno. Os vendedores de

pneus devem informar os seus clientes

sobre como armazenar os seus jogos de

pneus sobresselentes. Caso as jantes e os

pneus sejam armazenados como uma unidade

completa, com a jante e o pneu juntos,

os pneus deverão permanecer cheios

e idealmente com as jantes e os pneus

empilhados em cima uns dos outros. Caso

os pneus estejam já instalados nas jantes,

é também possível pendurar os pneus e

jantes na parede, desde que o gancho a

partir do qual os pendura não provoque

qualquer dano quer ao pneu quer à jante.

O local de armazenamento dos pneus é

importante, e de acordo com especialistas,

a temperatura correta de armazenamento é

o fator mais importante. Pode-se prolongar

a vida útil dos pneus protegendo-os contra

humidade, produtos químicos e radiação

UV. O espaço ideal de armazenamento de

pneus é um local fresco, abaixo de 15ºC,

onde os pneus permanecem secos. Espaços

escuros protegidos da luz solar são preferíveis,

já que a radiação ultravioleta reduzirá

a durabilidade do pneu. u

O armazenamento adequado

pode retardar o envelhecimento dos pneus.

Temperatura - A temperatura

do armazém deve ser inferior

a +25 ºC. As propriedades

da borracha podem mudar,

afetando a vida útil final

do pneu, se a temperatura

estiver acima de 25 ºC

ou abaixo de 0 ºC. O

armazenamento frio não tem

nenhum efeito adverso nos

produtos de borracha.

Humidade - Condições

extremamente húmidas devem

ser evitadas. A humidade no ar

no espaço de armazenamento

não deve ser tão alta que

ocorra condensação nos pneus.

Os pneus não devem ser

armazenados em condições

onde fiquem expostos à chuva,

respingos, etc.

Luz - Os pneus devem ser

protegidos da luz,

principalmente do sol direto

e da luz artificial intensa

com alto teor de ultravioleta.

Deformação - Se possível, os

pneus devem ser armazenados

livremente na sua forma

natural para que não sejam

submetidos a esforços,

pressões ou torções.

Deformações pesadas durante

o armazenamento de longo

prazo podem quebrar os pneus

quando pressurizados.

Solventes, óleos, gorduras,

calor - Os pneus devem ser

protegidos especialmente

do contato com solventes,

óleos, graxas ou calor, mesmo

que brevemente. Os pneus

também devem ser protegidos

de poderosos emissores de luz

e respingos de solda elétrica.

Manuseio dos pneus -

Ao manusear pneus num

armazém, não os deixe cair

de uma altura superior

a 1,5 m. Os pneus podem

ser danificados se caírem

na área do talão. Pneus com

o talão danificado não devem

ser montados.

www.revistadospneus.com | 73


Serviço

Índice Treadwear

Escolha segura e acertada!

Trocar os pneus de um veículo exige uma boa pesquisa por parte do consumidor.

Uma das formas de fazer uma escolha segura e acertada é considerar o índice

Treadwear (desgaste do piso). Para entender a função deste índice e como ele pode

ajudar numa troca de pneus, é preciso conhecer o método de medida

O

Treadwear é um índice de desgaste

da banda de rolamento

de um pneu. Trata-se de uma

medida de previsão de desgaste

elaborado pelos fabricantes, para que o consumidor

tenha mais informações na hora de

comprar o pneu. Noutras palavras, significa

que o Treadwear pode indicar quão rápido

o pneu se vai desgastar, tendo como base

algumas condições de uso básicas, como a

velocidade, a qualidade da estrada e o clima.

Essa métrica é definida por meio de testes

realizados em condições controladas. O cálculo

acontece por uma comparação da taxa

de desgaste da borracha dentro de determinadas

situações e velocidade.

A etiqueta “Treadwear” encontra-se esculpida

no flanco do pneu e trata-se de uma informação

que é obrigatória e que deve constar de

todos os pneus vendidos na União Europeia.

A etiqueta Treadwear faz parte do Padrão

de Uniformidade de Classificação de Pneus

(UTQG), um conjunto de testes de homologação

estabelecido pelo organismo norte-

-americano NHTSA, e pretende servir como

indicador de comparação entre diferentes

pneus para ajudar na decisão de compra.

Após o cálculo e a definição do índice Treadwear,

o número que resulta dessa avaliação

é gravado na lateral do pneu. Por isso, na

altura de comprar o pneu, deve-se conferir

a lateral do modelo escolhido para encontrar

o índice Treadwear.

COMO USAR O ÍNDICE TREADWEAR

NA COMPRA DO PNEU?

Para usar o índice Treadwear na altura de

comprar o pneu, deve ter em mente que os

números variam de 60 a 620, sendo que 100

é a média básica ou o valor de referência. Ou

seja, se um pneu tiver um Treadwear de 60,

o seu desgaste vai ser mais rápido do que a

média (que é 100). Agora, se o Treadwear for

500, o desgaste vai ser bem mais lento. De

forma geral, quanto mais elevado for o índice

Treadwear, maior será a quilometragem que

o pneu irá suportar e, consequentemente,

maior será sua durabilidade. Deve-se utilizar

o valor 100 como referência para analisar o

pneu que se deseja comprar. Se o Treadwear

for de 80, significa que seu desgaste será 20%

mais rápido do que pneus com média 100.

Por outro lado, se o pneu tiver Treadwear

de 400, ele vai durar 4 vezes mais do que

um modelo na média de 100. Mas atenção,

o Treadwear não é garantia de durabilidade.

O Treadwear é um índice que resulta de testes

em condições específicas. Isto significa que os

fabricantes testam a durabilidade do produto

levando em conta a qualidade das estradas,

o clima médio no país, a rotatividade dos

consumidores, entre outros fatores.

Além disso, é preciso que o condutor tome

algumas precauções para que os pneus tenham

uma vida útil maior. Para obter máxima

quilometragem de um pneu, é essencial que o

mesmo esteja com a calibragem exata (a pressão

ideal consta no manual do proprietário),

que o carro esteja alinhado e com o conjunto

pneu/roda balanceados. Também o modo

de condução, temperatura ambiente, tipo

de pavimento e outros fatores contribuem

para aumentar ou diminuir a durabilidade

de um pneu.

COMO SE CALCULA O ÍNDICE TREADWEAR

Para determinar o índice Treadwear de diversos

novos modelo de pneus a homologar, é

montado um jogo de cada um numa unidade

diferente do mesmo modelo. O pneu

de referência é sempre o mesmo e tem um

grau de desgaste elevado (índice 100) que é

o desgaste máximo aceite para poder homologar

o pneu para utilização em vias públicas.

Depois de cerca de 12.000 Km por estradas

dos Estados Unidos, mede-se o desgaste do

pneu de referência e compara-se com o desgaste

do pneu a homologar. Assim, um pneu

com Treadwear 200 durará, teoricamente, o

dobro de um com Treadwear 100, enquanto

que um de índice 400 supõe um durabilidade

quatro vezes maior.

Um pneu de índice 100 é, para efeitos de

desgaste, um pneu de competição em circuito.

Um índice de entre 200 e 280 é habitual

em pneus desportivos de estrada, mas com

pouca profundidade de desenho do piso.

Um índice de 350 é uma boa referência como

pneu de duração média. Assim, qualquer

pneu cujo Treadwear seja superior, será um

pneu com maior durabilidade.

TREADWEAR INDICATOR

Além do índice numérico, que dá uma previsão

de durabilidade do pneu, existem ainda

o Treadwear Indicator (TWI), que pode ser

útil para saber se está na altura de fazer a

troca dos pneus do seu veículo. O Treadwear

Indicator é um relevo presente entre os sulcos

do pneu. Quando esses relevos entram no

nível do resto da banda de rodagem, significa

que é o momento para comprar pneus

novos. Isso porque, esse nível de desgaste

do Treadwear Indicator mostra que o pneu

perdeu boa parte de sua banda de rodagem

durante o uso. E um pneu com pouca banda

tem uma menor aderência em estradas, especialmente

aquelas mais escorregadias, o

que faz com que o condutor esteja exposto

ao risco de sofrer uma aquaplanagem.

DICAS ÚTEIS SOBRE O ÍNDICE TREADWEAR

Se for proprietário de um automóvel utilitário,

tenha em mente que um número alto de

Treadwear é o mais indicado, já que o seu

estilo de condução possivelmente inclui

estradas sem tantos obstáculos e um uso

padrão por dia. Agora, se tiver um carro

desportivo, o índice Treadwear pode ser

menor, uma vez que mais importante que

a durabilidade é a aderência e a possibilidade

de suportar altas velocidades. O Treadwear

é um índice que deve ser comparado com

pneus de um mesmo fabricante. u

74 | Revista dos Pneus | Setembro 2021

More magazines by this user
Similar magazines