10.05.2022 Views

Florestal_240Web

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

ENTREVISTA

Mariana Lisbôa, primeira mulher presidente da ABAF fala sobre planos de sua gestão

UM PASSO À FRENTE

SISTEMAS DE SUPRESSÃO DE INCÊNDIO

PROTEGEM MÁQUINAS, OPERADORES E FLORESTAS

A STEP FORWARD

A FIRE PROTECTION SYSTEM

SAFEGUARDS MACHINES,

OPERATORS, AND FORESTS


do brasil

para o mundo!

dentes de corte

sabres

ponteiras substituíveis

acessórios

disco de feller

coroas de tração


a rotary-ax exporta

para o mundo todo!

nossos produtos são 100% nacional, e com qualidade

que atrai o mundo todo. a rotary-ax trabalha

diariamente para oferecer os melhores produtos de

corte florestal!

rotaryax

rotaryaxoficial


EM BUSCA DAS

MELHORES SOLUÇÕES

Fone: (41) 3628-1583 | Cel: (41) 98414-6053 e (41) 98417-9271

WhatsApp: (41) 98414-6053 e (41) 98417-9271

vendas@rotorequipamentos.com.br


www.rotorequipamentos.com.br


PAPÉIS

EMBALAGENS

MÓVEIS

SERRARIA

GRÁFICAS


Descubra um novo jeito de fazer

certificação florestal

• Informações e

dados na palma da

mão (NeoAnalytics)

• Atendimento

personalizado

• Auditorias

inteligentes e com

profissionais

experientes

Cerflor / 44-08

Entre em contato pelos dados abaixo

+55 19 3375-1060


THE THE F&W THE F&W THE F&W F&W DIFFERENCE

F&W F&W is F&W a is global a F&W global is a is global a forestry global forestry forestry consulting firm firm firm focused firm focused on

focused on on

on

helping helping its helping clients its clients its clients its maximize clients the maximize the value value the and the value and value and and enjoyment of their of their of land their of land their land forest

land forest

and forest

forest

resources resources according to their to their to their to their individual objectives, needs needs and needs and needs and desires.

and desires.

desires.

O DIFERENCIAL DA F&W

The F&W Difference

A F&W é uma empresa global de consultoria florestal focada em

ajudar seus clientes GLOBAL GLOBAL GLOBAL a maximizar GLOBAL PERSPECTIVE. LOCAL o LOCAL valor LOCAL SERVICE.

LOCAL e o SERVICE. aproveitamento SERVICE. de suas

With propriedades With an an experienced leadership leadership e recursos team team and more and florestais more than than 100 100 de advanced-degree acordo com professionals seus operating operating objetivos,

forests in forests

throughout throughout the U.S., the U.S., South the

necessidades

South U.S., America South America and America Europe, and Europe, and

e

F&W Europe,

desejos

F&W provides provides F&W clients provides

individuais.

clients a unique clients a unique a unique opportunity opportunity to ensure to ensure to ensure

With an With experienced an experienced leadership leadership team team and more and more than 100 than 100 advanced-degree professionals professionals operating operating forests

in forests

throughout the U.S., South America and Europe, F&W provides clients a unique opportunity to ensure

reliable reliable and reliable reliable standardized standardized operations standardized operations operations management operations management services management services across services across a services broad across a broad across a broad geography.

a broad geography.

geography.

US SOUTH US SOUTH US | US SOUTH | US SOUTH NORTHEAST | US NORTHEAST | | US SCOTLAND NORTHEAST | SCOTLAND | SCOTLAND & WALES

| & SCOTLAND WALES | & ENGLAND WALES | ENGLAND & WALES | | ENGLAND FRANCE | ENGLAND FRANCE | SOUTHERN FRANCE | | SOUTHERN FRANCE | SOUTHERN BRAZIL | BRAZIL SOUTHERN | URUGUAY BRAZIL | URUGUAY

BRAZIL | URUGUAY

| URUGUAY

F&W is a global forestry consulting firm focused on helping its clients

maximize the value and enjoyment of their land and forest resources

according STRATEGY to their STRATEGY DRIVEN. STRATEGY DRIVEN. individual DRIVEN. DRIVEN. EXECUTION objectives, EXECUTION EXECUTION FOCUSED. FOCUSED. needs FOCUSED. and desires.

Local Local forest forest Local Local forest management forest management teams management teams follow teams follow a common teams follow a common follow a set common of set a operating common of operating set of set operating of procedures operating procedures and procedures and reporting reporting and standards reporting standards reporting to standards to

standards to

to

ensure ensure clients ensure clients have ensure clients have a consistent clients a have consistent a have consistent view a view consistent of their of view their of view timberland their of timberland their properties. timberland properties. properties. F&W properties. F&W emphasizes F&W emphasizes F&W a culture emphasizes a culture of a “doing culture of a “doing

culture of “doing

of “doing

what what we say we what we say what we will say do” will we we where do” say will where we do” staff will where staff do” where understands staff understands staff that understands that plans plans that are only are plans that only as plans are good as only good are as as only the as good execution the as good as execution the as execution the the execution ground. the ground. the on ground.

the ground.

SILVICULTURE SILVICULTURE

SILVICULTURE EXPERTISE EXPERTISE EXPERTISE

EXPERTISE MARKET MARKET MARKET KNOWLEDGE

MARKET KNOWLEDGE

KNOWLEDGE

INTEGRATED INTEGRATED

INTEGRATED ASSET ASSET SECURITY SECURITY ASSET ASSET SECURITY

SECURITY

SILVICULTURA

CONHECIMENTO

NETWORK NETWORK NETWORK

REDE SEGURANÇA

NETWORK

SILVICULTURE

F&W F&W local local F&W local

F&W local F&W F&W

EXPERTISE

has more has F&W more than has F&W than more has than

more F&W F&W than professionals F&W professionals F&W are

professionals are are

are

F&W’s F&W’s staff is staff F&W’s trained is F&W’s staff trained is staff trained

is trained

DE MERCADO INTEGRADA DE ATIVOS

professionals professionals are

professionals are are50 years are 50 years of experience,

50 of years experience,

50 of years experience,

of experience,

recruited recruited and recruited staffed and recruited staffed and staffed

and The staffed F&W The F&W network The network F&W The network

F&W network to use to practices use practices to use and

to practices use and

practices and

and

Os experts profissionais

experts at managing experts at managing

experts at managing

at managing with A with foresters F&W foresters with tem currently foresters with currently mais

foresters currently locally, currently MARKET locally, making locally, making our locally, KNOWLEDGE

making our local

making our provides local

our provides local

provides cutting-edge INTEGRATED

provides cutting-edge

cutting-edge

procedures procedures procedures to ASSET reduce to procedures reduce to SECURITY

reduce

to reduce

locais forestland forestland da forestland F&W are

forestland are

are

and managing are

offices the best equipped to technology, analytics risk of timber theft and

de managing 50 more managing anos more than

managing offices the best equipped to technology, analytics risk of timber theft and

de than more than

more than offices offices the best the equipped best equipped to technology, to

technology, analytics

analytics risk of risk timber of timber theft and

theft and

Os profissionais de TECHNOLOGY

supported supported by supported best by in best by in best in 2 million 2 million acres 2 million acres of of acres handle of handle targeted handle targeted timberland targeted timberland timberland

insights insights and to insights to to build build financial financial build security A financial equipe security security da F&W

supported by best in

2 million acres of

handle targeted timberland

and insights to

build financial security

têm class class decision experiência

decision class tools. decision tools. tools. timberland experiência timberland globally. timberland globally. na

class decision tools.

timberland globally.

globally. management F&W management são needs.

management recrutados needs. needs. timberland needs. timberland e timberland owners. A owners.

timberland F&W owners. fornece

owners. future future for generations.

future for é treinada future generations.

generations. para

profissional em área florestal, com formados localmente, uma rede de usar práticas e

manejo florestal Engenheiros Florestais tornando nossos tecnologias de procedimentos a fim

e sua decisão que atualmente fazem escritórios locais os mais ponta, base de reduzir o risco

tem suporte gestão de mais de 2 bem equipados para para análises, de roubo/perdas de

nas melhores milhões de acres de atender às necessidades percepções e madeira e construir

ferramentas do florestas em diversos de gestão florestal tomadas de segurança financeira

www.fwforestry.net

setor.

países.

regional.

decisões. para as gerações

futuras.

F&W local

professionals are

experts at managing

forestland and are

supported by best in

class decision tools.

F&W has more than 50

years of experience,

with foresters currently

managing more than

2 million acres of

timberland globally.

F&W professionals are

recruited and staffed locally,

making our local offices

the best equipped to

handle targeted timberland

management needs.

The F&W network

provides cuttingedge

technology,

analytics and insights

to timberland

owners.

F&W’s staff is trained

to use practices and

procedures to reduce

risk of timber theft and

build financial security

for future generations.


SERVIÇOS SERVICES

• Inventário Florestal;

Forest Inventory;

• Planejamento Florestal;

Forest Planning;

• Manejo Florestal;

Forest Management;

• Due Diligences;

• GIS Analysis;

• Appraisal;

• Processamento de imagens aéreas;

UAV image processing;

• Certificação Florestal;

Forestry Certification;

• Programação Personalizada;

Custom programming;

• Operações Florestais em aplicativos:

Forest Operations on Mobile Application:

- Monitoramento de colheita;

Electronic Wood Security;

- Controle de estoque;

Harvest Status;

- Inspeções;

Field Inspections.

PERSPECTIVA GLOBAL. SERVIÇO LOCAL.

GLOBAL PERSPECTIVE. LOCAL SERVICE.

EUA | ESCÓCIA | PAÍS DE GALES | INGLATERRA | FRANÇA | BRASIL | URUGUAI

US SOUTH | US NORTHEAST | SCOTLAND & WALES | ENGLAND | FRANCE | SOUTHERN BRAZIL | URUGUAY

USA

F&W Forestry Services

www.fwforestry.com

Tel. +1 229.883.0505

P.O. Box 3610

Albany, GA 31706

BRASIL

F&W Forestry Consultoria Florestal Ltda.

www.fwforestry.com.br

Tel. +55 (51) 3574-5237

Rua Miguel Couto, 474. Menino Deus.

CEP 90850-050 . Porto Alegre/RS

fwbr@fwforestry.com

URUGUAI

F&W Forestry Services - Uruguay

Tel. +598 2600 4010

Cel. +598 99 427 191

Sanlucar 1491 of. 104 - CP 11500

Montevideo • Uruguay

alyonnet@fwforestry.com


Há mais de duas décadas

protegendo as florestas


EQUILÍBRIO

PROTEÇÃO FLORESTAL

MONITORAMENTO E

PROTEÇÃO DE FLORESTAS

Monitoramento de formigas cortadeiras

Monitoramento de pragas ocasionais

Monitoramento das plantas daninhas

Monitoramento da qualidade das operações

florestais

Monitoramento de ocorrências florestais

Combate a incêndios

Serviços multifuncionais de silvicultura e

combate a incêndios

R. Prof. Luiz Curiacos, 109 Cidade Jardim / Cond. Trio By Lindenberg, Sl. 411, Piracicaba- SP

(19) 3402-5307 / (19) 2533-3759 piracicaba@equilibrioflorestal.com.br


SUMÁRIO

64

PROTEÇÃO

CONTÍNUA

MAIO 2022

20 Editorial

22 Cartas

24 Bastidores

26 Notas

46 Coluna Cipem

48 Frases

50 Entrevista

62 Coluna

64 Principal

70 Minuto Floresta

72 Espécie

80 Economia

86 Artigo

88 Especial

96 Consultoria

100 Sustentabilidade

104 Pesquisa

110 Agenda

114 Espaço Aberto

72

96

ANUNCIANTES DA EDIÇÃO

59 ABC Agropecuária

71 AGX Florestal

57 ArborGen

21 Bayer

23 BKT

25 Carrocerias Bachiega

113 Congresso Florestal

63 Dafo Brasil

101 D’Antonio Equipamentos

116 Denis Cimaf

02 Dinagro

37 DRV Ferramentas

47 Emex Brasil

41 Engeforest

16 Equilíbrio Florestal

14 F&W Forestry

49 Feldermann

51 Felipe Diesel

109 Fischer Máquinas

99 Florestec

29 Francio Soluções Florestais

103 Guarany

107 Himev

33 J de Souza

19 Komatsu Forest

43 Lion Equipamentos

115 Log Max

04 Manos Implementos

111 Marrari

61 Mill Indústrias

45 Minusa Forest

12 Neocert

83 Planalto Picadores

93 Polim Agri

79 Prêmio REFERÊNCIA

06 Rotary-Ax

10 Rotor Equipamentos

85 Serf Consultoria

08 Sergomel

53 Shopping da Indústria

91 Soltron

27 Syngenta

35 Tecmater

31 Tigercat

95 Tirestone

75 Unibrás

55 Vantec

39 WDS Pneumática

18 www.referenciaflorestal.com.br


EDITORIAL

Caminhando

com confiança

O crescimento do setor florestal se baseia no grande trabalho

feito por seus representantes e na preparação de cada ciclo

de plantio. Se preparar para todas as surpresas que o futuro

pode oferecer é o que garante a força do setor de base florestal.

Seja em relação ao plantio, escolha de máquinas ou bem

estar dos funcionários, tudo deve estar alinhado para garantir

que tudo caminhe na direção certa. Nesta edição, o Leitor

pode conferir o sistema DAFO de supressão de incêndios que

protege máquinas, funcionários e plantios, as melhores opções

para tratores florestais, informações sobre consultoria florestal,

novo modelo de pagamentos do governo para quem preserva

nossas florestas e uma entrevista exclusiva com Mariana Lisbôa,

a nova presidente do conselho da ABAF, falando sobre sua

carreira e planos à frente da associação.

WALKING WITH CONFIDENCE

The growth of the Forest-based Sector is based on the

excellent work being carried out by its representatives and on

the preparation of each planting cycle. Preparing for all the surprises

that the future can offer is what guarantees the strength

of the Forest-based Sector. Whether in planting, choosing

machines, or employee well-being, everything must be aligned

to ensure that everything goes in the right direction. In this

issue, the reader can check out the Dafo fire suppression system

that protects machines, employees, and plantations, the best

options for forestry tractors, information on forest consulting,

the new government payment model for those who preserve

our forests, and an exclusive interview with Mariana Lisbôa, the

new chairman of the Abaf board, who talks about her career

and the plans ahead for the Association.

2

Entrevista com

Mariana Lisbôa, da ABAF

1

Na capa desta edição, o

Sistema de supressão de

Incêndio DAFO, que garante

proteção para operação

florestal

Crescimento no setor de

florestas plantadas

A Revista da Indústria Florestal / The Magazine for the Forest Product

www.referenciaflorestal.com.br

Ano XXIV • N°240 • Maio 2022

ENTREVISTA

Mariana Lisbôa, primeira mulher presidente da ABAF fala sobre planos de sua gestão

UM PASSO À FRENTE

SISTEMAS DE SUPRESSÃO DE INCÊNDIO

PROTEGEM MÁQUINAS, OPERADORES E FLORESTAS

A STEP FORWARD

A FIRE PROTECTION SYSTEM

SAFEGUARDS MACHINES,

OPERATORS, AND FORESTS

3

EXPEDIENTE

ANO XXIV - EDIÇÃO 240 - MAIO 2022

Diretor Comercial / Commercial Director

Fábio Alexandre Machado

fabiomachado@revistareferencia.com.br

Diretor Executivo / Executive Director

Pedro Bartoski Jr

bartoski@revistareferencia.com.br

Redação / Writing

Vinicius Santos

jornalismo@revistareferencia.com.br

Colunista

Cipem

Gabriel Dalla Costa Berger

Depto. de Criação / Graphic Design

Fabiana Tokarski - Supervisão

Crislaine Briatori Ferreira

Gabriela Bogoni

Larissa Purkotte

criacao@revistareferencia.com.br

Midias Sociais / Social Media

Cainan Lucas

Tradução / Translation

John Wood Moore

Depto. Comercial / Sales Departament

Gerson Penkal - Carlos Felde

comercial@revistareferencia.com.br

fone: +55 (41) 3333-1023

Representante Comercial

Dash7 Comunicação - Joseane Cristina

Knop

Depto. de Assinaturas / Subscription

Cristiane Baduy

assinatura@revistareferencia.com.br

0800 600 2038

ASSINATURAS

0800 600 2038

Periodicidade Advertising

GARANTIDA GARANTEED

Veículo filiado a:

A Revista REFERÊNCIA - é uma publicação mensal e independente,

dirigida aos produtores e consumidores de bens e serviços em madeira,

instituições de pesquisa, estudantes universitários, orgãos governamentais,

ONG’s, entidades de classe e demais públicos, direta e/ou indiretamente

ligados ao segmento de base florestal. A Revista REFERÊNCIA do Setor

Industrial Madeireiro não se responsabiliza por conceitos emitidos em

matérias, artigos ou colunas assinadas, por entender serem estes materiais

de responsabilidade de seus autores. A utilização, reprodução, apropriação,

armazenamento de banco de dados, sob qualquer forma ou meio, dos

textos, fotos e outras criações intelectuais da Revista REFERÊNCIA são

terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos

direitos autorais, exceto para fins didáticos.

Revista REFERÊNCIA is a monthly and independent publication

directed at the producers and consumers of the good and services of the

lumberz industry, research institutions, university students, governmental

agencies, NGO’s, class and other entities directly and/or indirectly linked

to the forest based segment. Revista REFERÊNCIA does not hold itself

responsible for the concepts contained in the material, articles or columns

signed by others. These are the exclusive responsibility of the authors,

themselves. The use, reproduction, appropriation and databank storage

under any form or means of the texts, photographs and other intellectual

property in each publication of Revista REFERÊNCIA is expressly prohibited

without the written authorization of the holders of the authorial rights.

20 www.referenciaflorestal.com.br


CARTAS

A Revista da Indústria Florestal / The Magazine for the Forest Product

ESPECIAL

Sistema de drones surge como grande aliado no combate a incêndios florestais

PESOS PESADOS

IMPLEMENTOS ALIAM

FORÇA E ALTO RENDIMENTO

PARA ÁREAS FLORESTAIS

Capa da Edição 239 da

Revista REFERÊNCIA FLORESTAL,

mês de abril de 2022

www.referenciaflorestal.com.br

Ano XXIV • N°239 • Abril 2022

HEAVY WEIGHTS

IMPLEMENTS COMBINE STRENGTH AN

HIGH PERFORMANCE FOR FOREST AREAS

PRINCIPAL

Por Miguel Moura, Itararé (SP)

Produto nacional e de alta qualidade é essencial para fazer a economia

crescer, gerar mais empregos e valorizar o setor florestal.

ENTREVISTA

Por José Fonseca, Boituva (SP)

A proteção do meio ambiente é chave para o setor florestal. Alinhar

as boas práticas com a maior produtividade garante um futuro

melhor para todos

Foto: divulgação

ESPECIAL

Por Fabrício Almeida, Uberlândia (MG)

A tecnologia é a maior parceira que o setor pode ter hoje em dia, seja para

aumentar a produção ou mesmo para proteger nosso maior bem: as florestas.

Foto: divulgacão

ACOMPANHE AS PUBLICAÇÕES DA REVISTA TAMBÉM EM NOSSAS REDES SOCIAIS

CURTA NOSSA PÁGINA

22 www.referenciaflorestal.com.br

Revista Referência Florestal

@referenciaflorestal

E-mails, críticas e sugestões podem ser

enviados também para redação

jornalismo@revistareferencia.com.br

Mande sua opinião sobre a Revista REFERÊNCIA FLORESTAL

ou a respeito de reportagem produzida pelo veículo.


A LONG WAY

TOGETHER

FS 216

Por mais difíceis que sejam as suas necessidades, FS 216 é o seu melhor aliado para

todas as operações com autocarregadoras e máquinas de arrasto. Este pneu silvicultura

com cintos em aramida tem um desenho robusto das barras com angulação otimizada

e mais larga, para potencializar a performance no campo da tração. FS 216 proporciona

uma resistência excelente aos cortes e aos rasgos, bem como a máxima proteção contra

possíveis danos em qualquer momento.

FS 216 é a resposta da BKT a todas as exigências, mesmo nas condições operacionais

mais críticas.

Chetan Ghodture

Balkrishna Industries Ltd, India

Email: chetang@bkt-tires.com

Mobile: +917021000031


BASTIDORES

Revista

Foto: Emanoel Caldeira

REPORTAGEM DE CAPA

Nossa equipe durante a produção da matéria

de capa desta edição na área de operação da

Remasa, em Bituruna (PR). Da direita para

esquerda: Vinicius Santos (REFERÊNCIA), Jairo

Reckziegel (Remasa), Joel Filho (Testato), Lucas

Pedro (Remasa) e Felipe Silveira (Remasa)

REPORTAGEM DE CAPA

Ainda falando das visitas na Fimma Brasil, realizada

em Bento Gonçalves (RS), registramos a presença

dos amigos Guilherme Nörnberg e Gabriel

Marques, da Serf Consultoria Florestal Madeireira,

com o diretor comercial da Revista REFERÊNCIA,

Fábio Machado.

Foto: REFERÊNCIA

ALTA

MAIO 2022

INDÚSTRIA CONFIANTE

O ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial)

por setor, da CNI (Confederação Nacional da

Indústria), subiu em 19 dos 29 setores da indústria,

em abril na comparação com março de 2022. O ICEI

permanece acima de 50 pontos, mesmo nos dez setores

em que o indicador foi menor do que no mês

anterior. O índice varia de 0 a 100 pontos e valores

acima de 50 indicam confiança e abaixo disso falta

de confiança. Foram entrevistadas 2.229 empresas,

sendo 887 de pequeno porte, 830 de médio porte

e 512 de grande porte entre 1° e 11 de abril. Esses

números indicam a forte retomada da indústria

brasileira após a pandemia, apresentando um viés

expressivo de crescimento.

FRETE MAIS CARO

O preço médio do litro do diesel comum comercializado nos postos

de combustível do Brasil registrou alta de 4,05% no fechamento

de abril, se comparado ao mês anterior, e fechou o período

a R$ 6,870. O tipo S-10 teve acréscimo de 3,75% e subiu de R$

6,740 para R$ R$ 6,993, é o que aponta o mais recente Índice de

Preços Ticket Log, levantado a partir de dados coletados em 21

mil postos de combustíveis do Brasil. O Estado que apresentou

a maior alta foi o Amapá: 10% em relação ao mês anterior. O

o diesel S-10 passou de R$ 7,088 para R$ 7,797, colocando o

Amapá como o Estado de maior preço médio no país. Por outro

lado, mesmo com alta de 5%, o Rio Grande do Sul segue sendo o

Estado com os menores valores médios, R$ 6,423 para o diesel

comum e R$ 6,498 para o S-10. Esse acréscimo afeta diretamente

o valor do transporte, que precisa ser repassado para o consumidor

final, afetando toda a cadeia de transporte.

BAIXA

24 www.referenciaflorestal.com.br


Qualidade e segurança

que você precisa

Somos hoje a mais experiente montadora de piso

móvel da marca HYVA ® , desenvolvendo produtos

cada vez mais adequados às necessidades dos

clientes, mantendo sempre a qualidade e resistência

dos nossos produtos reconhecidos nacionalmente.

carroceriasbachiega

(19) 3496-1555

www.carroceriasbachiega.com.br

EXPOSITOR

CONFIRMADO 2022:


NOTAS

Novos mercados

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da SIMA (Secretaria de Infraestrutura

e Meio Ambiente), publicou no Diário Oficial no último sábado a

consulta pública para a permissão de uso de área das Estações Experimentais

de Itapeva e Itirapina e das Florestas de Águas de Santa Barbara, Angatuba e

Piraju. O edital, que possui modelo diferenciado, prevê que o vencedor seja

o responsável pelo manejo florestal em áreas de florestas exóticas plantadas,

além de exercerem atividades associadas para gestão técnica e comercial,

com foco em produtos e subprodutos florestais, para madeira ou resina de

pinus e novos plantios comerciais de pinus e/ou eucaliptos. A permissão de

uso dos espaços será pelo prazo de 180 meses. A medida prevê uma receita

de R$ 400 milhões em 15 anos e o pagamento de R$ 13,7 milhões de outorga

para a Fundação Florestal. O processo licitatório será dividido em dois lotes,

sendo o primeiro – Subprodutos florestais nas áreas de Angatuba, Piraju,

Águas de Santa Barbara e Itirapina e o segundo – Subprodutos florestais de

resina na área de Itapeva. O permissionário deverá promover nesses espaços

ações de prevenção e combate a incêndios, manutenção das áreas verdes nas

áreas de produção, serviços de limpeza e conservação das áreas, incluindo

os gramados nos entornos das edificações e demais infraestruturas. Manutenção

das estradas e estruturas. Elaborar e implantar plano de manejo de

espécies exóticas, para prevenção, controle e/ou erradicação de espécies com

maior potencial invasor, para que não haja novas infestações. Realizar e manter

a proteção das áreas de APP de nascentes, respeitando o Código Florestal.

Foto: divulgação

Manejo que funciona

Foto: divulgação

As ações de manejo sustentável desenvolvidas pelo IFT

(Instituto Floresta Tropical ), na Reserva Extrativista Mapuá,

no arquipélago do Marajó, no Pará, são destaques na primeira

edição do Boletim do Observatório do MFCF (Manejo

Florestal Comunitário e Familiar). O informativo foi construído

a partir da parceria entre assessorias de comunicação de

organizações ligadas ao Observatório. A publicação mostra

diversas experiências bem-sucedidas a partir da implantação

do manejo florestal comunitário na Amazônia e ressalta

como o projeto Florestas Comunitárias do IFT ajudou na

conquista das primeiras vendas de açaí certificado e de madeira

legalizada da RESEX Mapuá. Desenvolvido desde 2017,

o projeto Florestas Comunitárias tem como finalidade

apoiar a implementação de modelos de manejo florestal comunitário

para uso e comercialização de madeira e açaí em

Unidades de Conservação. A iniciativa conta com o apoio

financeiro do BNDES, por meio do Fundo Amazônia.

26 www.referenciaflorestal.com.br


Chegou Fusilade.

Eucalipto saudável,

produção protegida.

Seletividade: aplicação

over the top

Flexibilidade: rápida

absorção e uso sequencial

Sustentabilidade:

formulação EW à base d’água,

reduzindo o uso de solventes

Eliminar as plantas daninhas na

fase inicial de desenvolvimento

da floresta é essencial – e a

solução precisa contar com rápida

absorção, além de não causar

injúria às mudas de eucalipto.

Fusilade é um herbicida seletivo

sistêmico que atende a essas

necessidades, protegendo a cultura

do eucalipto.

Para restrição de uso nos Estados, consulte a bula.


NOTAS

Inventário protegido

O SFB (Serviço Florestal Brasileiro), em parceria com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura),

realizou uma oficina com os profissionais de todo o Brasil com ampla experiência de campo nas florestas brasileiras.

O objetivo do encontro foi promover a melhoria do planejamento das unidades amostrais que serão contratadas pelo IFN-BR

(Inventário Florestal Nacional), o controle de qualidade de dados e a análise do uso e cobertura da terra em diferentes períodos

e escalas. As análises foram feitas mediante sensoriamento remoto utilizando a plataforma CEO (Collect Earth Online).

As oficinas aconteceram nos dias 25 a 28 de abril, em Pirenópolis (GO), e reuniram servidores do SFB, consultores da FAO, e

os especialistas nos biomas brasileiros: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pantanal. Além disso, contou com a

participação virtual de 80 profissionais de todo o Brasil. Para o coordenador-geral de Inventário e Informação Florestal do

SFB, Humberto Mesquita, a iniciativa irá gerar avanços na implementação do inventário. “As atividades desenvolvidas nesta

semana serão de extrema importância para melhorar o planejamento do IFN, em especial no Pantanal, que é o único bioma

onde ainda não iniciamos as coletas, e na Amazônia, em regiões de mais difícil acesso”, afirma Huberto. Os profissionais,

após treinados na plataforma, foram separados por biomas e receberam pontos do IFN-BR para realizar a classificação de uso

e cobertura do solo. Também foi feita a identificação de acessos e da presença de residências no entorno dos pontos amostrais,

para auxiliar a equipe do IFN-BR no planejamento das próximas coletas do inventário. Para a interpretação das imagens,

os profissionais foram assessorados pelos especialistas em cada bioma. A expectativa é que os técnicos capacitados analisem

as imagens no entorno de todas as 22 mil unidades amostrais do IFN-BR.

Foto: divulgação

28 www.referenciaflorestal.com.br


NOTAS

Grande evento

Foto: divulgação

Estão abertas as inscrições para a IX edição do Congresso

Florestal Brasileiro. O CFB é um evento de cunho técnico,

científico e político, que se propõe a fomentar o debate sobre

o uso sustentável e gestão de florestas nativas e plantadas

no país, incluindo os seus desdobramentos na indústria,

serviços, comércio, economia, ciência & tecnologia, política,

manejo, ordenamento e atuação profissional. A IX edição

do CFB irá resgatar a história desses eventos magnos e trazer

à sociedade e aos profissionais, instituições e empresas

que atuam no setor florestal, as inovações e atualizações

científicas e tecnológicas, focadas nos desafios e nas oportunidades

para a gestão, o uso sustentável, a conservação das

florestas brasileiras e o desenvolvimento social. O programa

está organizado em painéis, sessões técnicas e exposição

e apresentações de trabalhos técnicos e científicos, baseados

nas políticas, planos e instrumentos estabelecidos, em

especial, pelo Código Florestal, Lei de Gestão de Florestas

Públicas, Política Agrícola para Florestas Plantadas, Política

Nacional do Meio Ambiente, abordando soluções para os

problemas atuais, como o uso sustentável dos recursos florestais

por meio do manejo florestal e silvicultura, visando à

sustentabilidade dos produtos e serviços a serem oferecidos

à sociedade.

Decisão importante

O STF irá decidir a constitucionalidade de uma lei federal

aprovada recentemente que dá aos municípios a autoridade

para delimitar as APPs (Áreas de Preservação Permanente). O

pedido de anulação foi feito pelas lideranças de 4 partidos, PT,

PSB, PSOL e Rede Sustentabilidade. Na visão destas lideranças

está acontecendo uma “verdadeira cruzada de desmatamento

do todo o sistema de proteção ambiental do país.” Na ADI (Ação

Direta de Inconstitucionalidade) 7.146 as legendas consideram

que a Lei 14.285/2021 – ao flexibilizar a Lei Florestal de 2012,

teria invertido completamente a ordem lógica da repartição de

competências entres municípios, estados e união. Para estas lideranças,

o grande problema é que as leis orgânicas municipais

só poderiam ampliar o campo de ação de leis nacionais e não

diminuir seu rigor.” O Ministro André Mendonça foi o sorteado

para julgar essa ADI. Segundo a petição inicial, as APPs são áreas

de interesse permanente e de todos e por isso não caberia a

uma unidade da federação decidir sobre elas, mas deveria ser

uma decisão de instâncias superiores.

Foto: divulgação

30 www.referenciaflorestal.com.br


Robustos

Confiáveis

Produtivos

Conheça a nossa

linha Florestal Tigercat

Conhecido pela robustez, alto desempenho, conforto e

segurança para o operador, os equipamentos Tigercat

provam com resultados.

Referência para trabalhos florestais, a Tigercat

fornece soluções com flexibilidade e variedade

de aplicações. Obtenha melhores resultados com

economia, produtividade e força para as tarefas

mais difíceis com a garantia do pós-venda

que só a Tracbel oferece!

Feller Buncher

Skidder

Forwarder

Conheça mais

0800 200 1000

www.tracbel.com.br

grupotracbel

@grupotracbel

Grupo Tracbel

Grupo Tracbel


NOTAS

Controle da madeira nativa

O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) lançou, em seu portal, os Painéis

Analíticos da Gestão Madeireira – ferramenta de ciência de dados que permite o acesso às informações sobre os projetos

e autorizações concedidas pelos órgãos do SISNAMA (Sistema Nacional do Meio Ambiente). Além disso, o sistema permitirá

o acesso às informações do Módulo DOF acerca das transações de produtos madeireiros industrializados e comercializados

entre os estados produtores e consumidores, além dos 10% da produção nacional destinados ao comércio exterior.

O projeto é parte integrante das entregas previstas no Plano de Dados Abertos do Ibama e dos compromissos do instituto

enquanto coordenador do tema Meio Ambiente, Floresta e Dados Abertos do 5º Plano de Ação Nacional em Governo

Aberto. Ainda, atende a Lei de Proteção da Vegetação Nativa (Lei 12.651/2012), que atribuiu ao Ibama a coordenação,

fiscalização, regulamentação dos sistemas de controle, gestão madeireira e a devida publicidade dos seus dados. O plano

de implantação do novo sistema DOF Rastreabilidade prevê apresentações aos usuários e demais instituições de controle,

capacitações, integração de sistemas estaduais, tratamento de créditos florestais do sistema DOF em operação e disponibilização

de um conjunto de Painéis Analíticos Internos para auxiliar as instituições autorizativas no trabalho de auditoria e

fiscalização. De acordo com o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, o lançamento do sistema representa um passo

significativo do Instituto, pois fortalece a conformidade ambiental da cadeia produtiva madeireira: “Manter a floresta

em pé por meio da produção sustentável é uma das mais importantes políticas públicas para o combate ao desmatamento

ilegal em todos os biomas”, afirma Eduardo.

Foto: divulgação

32 www.referenciaflorestal.com.br


TIRE O MÁXIMO DA SUA MÁQUINA DE 36 TONELADAS!

NOVO RESERVATÓRIO

DE 58 LITROS.

NOVO TRAÇADOR EM

AÇO RAVUR 450.

NOVO CILINDRO LUBRIFICADOR COM

MAIS ÓLEO PARA REFRIGERAÇÃO.

NOVO CILINDRO

ESTICADOR COM

MAIOR DIÂMETRO,

RESULTANDO EM

UMA CORRENTE

SEMPRE ESTICADA.

NOVA TAMPA MAIS

RESISTENTE E COM

TRAVAMENTO SEM

PARAFUSOS.

NOVO SISTEMA DE CORTE

COM COROA DE 15 DENTES,

SABRE DE 72” COM ENCAIXE

DE SLACHER J DE SOUZA.

NOVO SABRE DE 72”

ROTARY - AX.

ÁREA DE 1,5 M²

NOVA GEOMETRIA

GARRA GJ 1500 SRT (SUPER REFORÇADA)

E MAIS

Abertura de 3,5 m

dois cilindros para abrir e fechar garra

braço estabilizador (BIELA) retangular

MELHOR ROLAMENTO DAS TORAS.

novos rolamentos com capacidade de

CARGA AUMENTADA PARA 37,5 KN

Vedações para

resíduos de corte

Sistema para

troca de corrente

MATRIZ

J de Souza Indústria Metalúrgica LTDA

BR 116 - Nº 5828, KM 247

Área Industrial

+55 49 3226 0511 I +55 49 3226 0722

Lages - Santa Catarina - Brasil

www.jdesouza.com.br

UNIDADE 01

SETE LAGOAS - MG

Av. Prefeito Alberto Moura, Nº 2051A - Vale das Palmeiras

UNIDADE 02

IMPERATRIZ - MA

Av. Moacir Campos Milhomem, Nº 12 - Colina Park

UNIDADE 03

LAGES - SC

BR 116 - S/Nº, KM 247 - Área Industrial

CENTRO DE DESENVOLVIMENTO

E TESTES

SÃO JOSÉ DO CERRITO - SC

Localidade de Bom Jesus


NOTAS

Mudança de gestão

Em ato assinado pelo Presidente da

República altera a composição do CONAMA

(Conselho Nacional do Meio Ambiente), majorando

a representatividade das entidades

ambientalistas e do setor privado de 26%

para 34%. O referido decreto aumenta ainda

o período de mandato dos representantes indicados

pelos Governos estaduais, municipais

e representantes das entidades ambientalistas

para dois anos. Cada membro representante

deverá indicar além de um titular, dois

suplentes para que possam atender às reuniões

quando não puder estar presente. Assim,

o governo espera sobrelevar o princípio

democrático e possibilitar que os processos

decisórios primem pela eficiência, densidade

e qualidade das decisões acerca das políticas

públicas na área de meio ambiente.

Foto: divulgação

Potencial de recuperação

Foto: divulgação

Pesquisadores do ITV (Instituto Tecnológico Vale), em

Belém, conseguiram identificar marcadores moleculares

capazes de quantificar genes e proteínas que favorecem

práticas de manejo e aumentam o estoque de carbono no

solo. Os resultados dessa pesquisa inédita podem ser chave

para ajudar na recuperação de florestas e potencializar a

captura de carbono da atmosfera. O estudo: Genes e proteínas

relacionados a ciclagem de nutrientes, fixação de carbono

e saúde do solo; teve início em 2016 e se divide em

três vertentes: acompanhamento da recuperação de áreas

degradadas, mapeamento dos solos naturais, e avaliação da

qualidade do solo em projetos de reflorestamento e sistemas

agroflorestais. Nesta última etapa, o levantamento está

associado à meta de recuperar mais 500 mil ha (hectares)

de florestas no Brasil até 2030. Os pesquisadores recolhem

amostras do solo e, no laboratório, conseguem mapear o

DNA e as proteínas existentes. Segundo o coordenador do

estudo, Rafael Valadares, em entrevista à Agência Brasil, já

foram feitas pesquisas em solos naturais, sistemas agroflorestais

e impactados pela mineração. O estudo teve início

na Floresta Amazônica, com análise do solo na Serra de Carajás,

área de atuação da Vale, principalmente nos campos

rupestres ferruginosos e na Floresta Nacional de Carajás.

34 www.referenciaflorestal.com.br


SILVICULTURA

COM SAÚDE GARANTIDA

NANOTECNOLOGIA

AUMENTO DA PRODUTIVIDADE

CONFORTO TÉRMICO X PRODUTIVIDADE

vendas@tecmater.com.br

Rua Uniflor, 653 - Emiliano Perneta

Pinhais PR - Brasil | CEP 83324-070

(41) 3204-3700

tecmater.com.br


NOTAS

Visão geral

O PROMAB (Programa de Monitoramento e Modelagem em Microbacias Hidrográficas) do IPEF (Instituto de Pesquisas

e Estudos Florestais) está desenvolvendo novos indicadores para acompanhar a produtividade florestal em suas áreas

monitoradas. O professor Silvio Ferraz, líder científico do PROMAB destaca o objetivo desse novo trabalho. “A ideia de

monitorarmos a produção de biomassa é antiga e sempre foi um desejo do PROMAB. Agora, entendemos que isso se torna

uma necessidade de pesquisa e de informação estratégica para as empresas filiadas”, pontua Silvio. Neste desenvolvimento,

o PROMAB prevê a instalação de parcelas de inventário nas microbacias para estudar como o crescimento e a produtividade

se relacionam com o uso da água. Os novos indicadores permitirão acompanhar a pegada hídrica, ou a quantidade

de água utilizada para a produção de madeira na escala da microbacia, além de trazer informações conjuntas sobre três

serviços ecossistêmicos essenciais para o setor: a produção de madeira, a fixação de carbono e a produção e regulação de

água. A coleta de informações junto às empresas filiadas segue alinhada com a certificação de serviços ecossistêmicos, os

ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e adaptação dos plantios às mudanças climáticas. Já os novos indicadores

passam a fazer parte do relatório anual, bem como dos infográficos e relatórios consolidados, que são entregues às empresas

filiadas ao Programa. O professor Otávio Campos, pesquisador associado será responsável pelo desenvolvimento dos

métodos de coleta, análise e modelagem de biomassa, explica que tratar os temas de produtividade, carbono e água de

forma isolada não faz sentido. “Esse passo que o PROMAB está dando certamente levará as empresas filiadas a um maior

entendimento sobre a sustentabilidade de florestas plantadas”, avalia Otávio.

Foto: divulgação

36 www.referenciaflorestal.com.br


TECNOLOGIA,

PERFORMANCE, RESITÊNCIA

E PRODUTIVIDADE

Nem as madeiras mais

duras do Brasil resistem

as facas para picadores

ENERGY.





SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS


NOTAS

App para plantio

Para contornar as restrições climáticas e potencializar a produtividade no cerrado brasileiro, o projeto Siflor

Cerrado nasce para recomendar ao produtor espécies florestais e clones para o cultivo do componente florestal em

sistemas de monocultivo e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. O lançamento da plataforma ocorreu em Piracicaba

(SP), na ESALQ/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), uma das instituições coordenadoras do projeto.

Luciana Duque Silva, docente do departamento de Ciências Florestais da ESALQ, coordenadora do projeto, explica a

importância e valor do trabalho realizado. “O Siflor Cerrado identifica espécies arbóreas segundo a aptidão da propriedade.

Isso agiliza o trabalho do produtor, que pode potencializar a produtividade na sua área”, comenta Luciana.

Para Fabiana Villa Alves, Diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Ministério da Agricultura,

Pecuária e Abastecimento, o Siflor Cerrado cumpre a missão de levar informação consolidada ao produtor. “Essa tecnologia

garante sustentabilidade econômica e ambiental ao produtor baseada em ciência. Trata-se de uma parceria

com diferentes entidades públicas e privadas que dá ao usuário a oportunidade de tomar decisões acertadas”, afirma

Fabiana. Sidney Medeiros, auditor fiscal federal agropecuário do MAPA, considera a relevância da parceria em prol do

produtor rural. “A ESALQ e seus parceiros propiciaram essa ferramenta que dará segurança aos produtores na adoção

de tecnologias voltadas às culturas florestais. É uma entrega importante e estratégica para produtores e técnicos, que

reuniu vários atores para o bem comum do produtor rural brasileiro”, completa Sidney.

Foto: divulgação

38 www.referenciaflorestal.com.br


MENOS PARADAS,

MAIS SEGURANÇA.

Desenvolvido para realizar

o ajuste automático e

contínuo da tensão nas

cintas de amarração com

o veículo em movimento.

www.wdspneumatica.com.br

wdspneumatica @wdsautomacao

+55 51 3038 8700 | +55 51 99388-4562

Ivo Afonso Dias, 445 - Fazenda São Borja

São Leopoldo/RS


NOTAS

Ações de preservação

Combater crimes ambientais, em especial o desmatamento, é uma das metas do PEAA/PA (Plano Estadual

Amazônia Agora), que entre os seus quatro eixos possui o comando e controle. A partir dele a SEMAS (Secretaria

de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade) realizou a 21ª edição da Operação Amazônia Viva, que desenvolve

ações de fiscalização ambiental de forma integrada com as Polícias Civil, Militar, Científica, além do Corpo de

Bombeiros, órgãos que compõem a Força Estadual de Combate ao Desmatamento. A última edição teve início no

dia 15 de março e foi finalizada no último dia 31. A operação foi deflagrada nos municípios de Marabá, São Félix do

Xingu, no sudeste paraense, e Altamira, sudoeste do Pará. A operação contínua, que teve início no mês de junho de

2021, já resultou na queda de desmatamento, que acumula redução equivalente ao tamanho de Belo Horizonte.

Somente na última edição, o balanço realizado pela DIFISC (Diretoria de Fiscalização) da SEMAS totalizou 2.370,448

ha (hectares) de áreas embargadas, proibindo a utilização do local embargado para qualquer atividade. A recuperação

da área degradada e a promoção da regeneração do meio ambiente afetado são objetivos da ação. Os fiscais

constataram degradação ambiental em 18 locais que haviam sido denunciados por imagens via satélites, e cinco

acampamentos ligados ao desmatamento ilegal foram destruídos. Foram apreendidos um trator esteira, uma escavadeira,

cinco motosserras, um soprador, um motorbomba, duas armas de fogo, 11 munições e 16,297 m³ (metros

cúbicos) de madeira em estaca. Agentes da força estadual também aplicaram como procedimentos administrativos

nove autos de infração, oito termos de apreensão, seis termos de depósito, três termos de embargos, três termos

de inutilização e um termo de doação. Dois procedimentos policiais, três boletins de ocorrência e três perícias

também foram realizados.

Foto: divulgação

40 www.referenciaflorestal.com.br


NOTAS

Excelência reconhecida

Conforme dados do Monitor da Fiscalização do Desmatamento,

lançado pelo MapBiomas, Mato Grosso é o Estado que mais autuou

no desmate ilegal entre os cinco que disponibilizam dados públicos

a respeito das fiscalizações. Conforme a plataforma, entre 2019 e

2021, Mato Grosso agiu em 41% da área em que foi identificado

algum alerta de desmate, considerando embargo por desmate ilegal

ou a autorização do órgão ambiental. O índice de atuação é o maior

se comparado com Minas Gerais (34,6%), São Paulo (26%), Goiás

(24,8%), e Pará (9,8%). No caso do governo federal, a área com ações

de fiscalização registrada é 13,1% do total de desmatamento detectado

desde 2019. Conforme o coordenador do MapBiomas, Tasso

Azevedo, Mato Grosso é um exemplo para o restante dos estados

tanto no enfrentamento aos crimes ambientais, como na transparência

dos dados, o Estado de Mato Grosso é o mais avançado em

termos de dados disponíveis na plataforma, e também está acelerando

muito as ações. “Se a gente fizesse uma comparação com base

na velocidade que as ações estão sendo tomadas neste momento

no Estado de Mato Grosso, a gente imagina que nós vamos chegar

no final do ano com percentual de alertas que receberam atenção,

muito maior do que o acumulado até aqui”, afirma Tasso.

Foto: divulgação

Madeira nativa rastreada

Foto: divulgação

O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos

Naturais Renováveis) lança, em seu portal, os Painéis Analíticos da Gestão

Madeireira – ferramenta de ciência de dados que permite o acesso às

informações sobre os projetos e autorizações concedidas pelos órgãos do

SINAMA (Sistema Nacional do Meio Ambiente). Ademais, o sistema permitirá

o acesso às informações do Módulo DOF acerca das transações de

produtos madeireiros industrializados e comercializados entre os Estados

produtores e consumidores, além dos 10% da produção nacional destinados

ao comércio exterior. O projeto é parte integrante das entregas previstas

no Plano de Dados Abertos do IBAMA e dos compromissos do instituto

enquanto coordenador do tema Meio Ambiente, Floresta e Dados Abertos

do 5º Plano de Ação Nacional em Governo Aberto. Ainda, atende a Lei de

Proteção da Vegetação Nativa (Lei 12.651/2012), que atribuiu ao IBAMA a

coordenação, fiscalização, regulamentação dos sistemas de controle, gestão

madeireira e a devida publicidade dos seus dados. A atualização e modernização

dos sistemas informacionais vinculados à esta cadeia produtiva foi

estabelecida como prioridade da atual gestão: iniciando com o lançamento

do Sinaflor+, em 2020, que estabeleceu a obrigatoriedade de adoção

dos mecanismos de rastreabilidade da madeira na origem, passando pelo

lançamento da Plataforma Pau Brasil neste ano que, integrada ao Siscomex,

trouxe eficiência no processo de anuência do instituto para o comércio

exterior de produtos e subprodutos da biodiversidade.

42 www.referenciaflorestal.com.br


NOTAS

Madeira mineira protegida

O Governo de Minas aperta o cerco contra o desmatamento em Minas Gerais e intensifica as fiscalizações no Estado.

Entre novembro de 2021 e fevereiro deste ano, a SEMAD (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável)

implantou o plano de ação contra o desmatamento com 2.647 fiscalizações no período. Uma área de 22 mil ha

(hectares) foi fiscalizada, gerando 1.283 infrações e totalizando R$ 25 milhões em multa. Nos próximos meses, o plano será

implementado em novos alvos de Minas Gerais. O plano de ação contra o desmatamento foi implementado pela SEMAD, em

novembro de 2021, para intensificar as operações em todo o Estado, abrangendo novos alvos. Em três meses de operações

intensificadas, foram 2.881 atividades fiscalizadas. Segundo Alexandre Leal, subsecretário de fiscalização da SEMAD, o trabalho

contra a supressão ilegal de vegetação é contínuo, mas, em 2021, fortalecemos essas ações para alcançarmos novas áreas.

“Foi um plano que deu certo e nos trouxe bons resultados. Por isso, haverá novas intensificações”, anuncia Alexandre. Alexandre

ressalta que o trabalho é conjunto e contínuo em Minas Gerais. “Com o plano, estamos chegando mais rapidamente

aos locais de desmatamento e aumentando a abrangência de atuação com o aporte de informações de diferentes fontes de

monitoramento”, ressalta o subsecretário. Gustavo Endrigo, superintendente de fiscalização da SEMAD avalia que esse trabalho

é fundamental. “O plano, além de intimidar desmatamentos e o comércio de carvão ilegais em Minas, é essencial para

incentivar a regularização de novas intervenções.” Segundo o Capitão Brito, do Batalhão de Polícia Militar de Meio Ambiente,

com o plano de combate acionado em novembro, foi intensificado o trabalho da polícia, aumentando, inclusive, o efetivo

para atendimento às demandas. “Recebemos, além do monitoramento do IEF e SEMAD, rotineiramente denúncias de pessoas

sobre desmatamento em determinada região. Além disso, fazemos operações de prevenção ao desmate”, destaca Brito.

Foto: divulgação

44 www.referenciaflorestal.com.br


COLUNA

COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE

CIPEM é apoiador do Programa

Carbono Neutro Mato Grosso

Com muito orgulho,

estamos, hoje, com 4,7

milhões de hectares

conservados por meio

do manejo florestal

sustentável, que é

uma atividade que

equilibra produção e

conservação e que irá

crescer muito mais

https://cipem.org.br

C

om o fim de promover o alinhamento estadual de Mato

Grosso com as metas globais de controle climático estipuladas

pelas Nações Unidas e a Coalizão Under2, o Programa:

Carbono Neutro Mato Grosso; teve seu lançamento anunciado

pelo Governo do Estado em outubro de 2021.

Um dos objetivos centrais do Programa é o de alcançar a descarbonização

até 2035. Para isso, Mauren Lazzaretti, secretária de Estado de

Meio Ambiente do Mato Grosso, ressaltou que serão necessárias medidas

ambientais estratégicas, dentre elas, a expansão e maior consolidação do

MFS (Manejo Florestal Sustentável).

O CIPEM (Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira

do Estado de Mato Grosso), por meio de seu presidente Rafael Mason,

assinou termo de compromisso voluntário com o programa, obtendo o

selo de apoiador, com isso, formalizando a intenção da entidade e dos

sindicatos de sua base em contribuir voluntariamente com o programa.

Os selos compromissário, apoiador, carbono 0 e financiador foram

criados com o intuito de fornecer certificação às iniciativas privadas que

buscam contribuir com o Programa e firmar compromisso com a agenda

ambiental.

Enquanto apoiador, o CIPEM desenvolverá campanhas para disseminar

as metas e resultados juntamente do Estado de Mato Grosso. Em seu

discurso, Mason parabenizou

o governo do Estado

pela iniciativa e afirmou que

o setor de base florestal

prestará pleno e total apoio

ao Programa.

O dirigente do CIPEM

ressaltou ainda que o manejo

Florestal é uma importante

atividade econômica com

pilares ambiental e social

que notoriamente contribui

com a absorção do CO2 (Gás

carbônico) atmosférico.

“Com muito orgulho,

estamos, hoje, com 4,7

milhões de ha (hectares)

conservados por meio do

manejo florestal sustentável,

que é uma atividade

que equilibra produção e

conservação e que irá crescer

muito mais”, enalteceu

Rafael.

Foto: divulgação

46 www.referenciaflorestal.com.br


FRASES

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Brasil é exemplo para o mundo

na questão ambiental. O Brasil

tem uma legislação ambiental

que nenhum país do mundo tem

e cumpre. Dois terços do nosso

território são preservados. A

Europa, pelo que eu sei, parece

que lá não se vê mata ciliar,

às vezes que eu voei, sei que

é bastante alto, a gente não vê

mata ciliar, não vê florestas. E lá

fora se fala em reflorestar o Brasil

e não o seu país

Jair Bolsonaro, Presidente da República

“O pinus não degrada mais o

solo do que qualquer outro

cultivo. Toda a cultura que se

planta, vai retirar nutrientes do

solo para crescer, se desenvolver

e produzir. Esses nutrientes

terão que ser repostos, mas isso

acontece com soja, milho, trigo,

feijão e também com espécies

florestais, como eucalipto,

bracatinga, pinus e outras”

Erich Schaitza, Chefe Geral da EMBRAPA Florestas

em entrevista para o jornal Gazeta do Povo

“O uso principal será de pinus

e eucalipto. São espécies

que têm a característica

de produção para resina

e também para celulose

e na indústria moveleira.

Essas espécies não são

características dos biomas de

São Paulo, o cerrado e a Mata

Atlântica”

Marcos Penido, secretário de Infraestrutura e

Meio Ambiente de São Paulo, ao Valor Econômico,

sobre possibilidade de exploração de espécies

exóticas em Estações Experimentais no Estado

48 www.referenciaflorestal.com.br


SOLUÇÕES PARA O MERCADO

Rua Bolessuavo Klima, 374- Içara | Santa Catarina

+55 48 3443.7591 +55 48 98419.2428 contato@feldermann.com.br

www.FELDERMANN.com.br


ENTREVISTA

Liderança

RENOVADA

Renewed leadership

Foto: divulgação

ENTREVISTA

A

ABAF (Associação Baiana das Empresas de Base

Florestal) atua há 18 anos na defesa e desenvolvimento

do setor florestal do Estado. O trabalho

da associação fortaleceu o setor madeireiro do

Estado e ajudou a estabilizar a Bahia como o

maior produtor de celulose do país. A partir de 2022, Mariana

Lisbôa assume a presidência do Conselho Diretor da ABAF durante

o biênio que vai até 2024. Mariana é a primeira mulher a

assumir o cargo e contou sua história e os planos para a associação

durante a sua gestão.

T

he State of Bahia Association of Forest-based

Companies (Abaf) has been working for 18 years in

the defense and development of the State’s Forest-based

Sector. The Association’s work strengthens

the State’s Forest-based Sector and helps stabilize the State of

Bahia as the Country’s largest pulp producer. In 2022, Mariana

Lisbôa assumed the Presidency of the Abaf Board of Directors

for the two-year period that ends in 2024. Lisbôa is the first

woman to assume the office and told her story and plans for

the Association during this period.

Check out below.

Mariana

Lisbôa

ATIVIDADE/ ACTIVITY:

Advogada e Head Global de Relações Corporativas da Suzano

S/A. Formada em Direito, com larga experiência na área

Ambiental e mais de 20 anos de atuação profissional, mais

da metade deles dedicados ao setor florestal, hoje representa

institucionalmente a Suzano na liderança de projetos envolvendo

os setores público e privado, em todos os níveis: municipal,

estadual, federal e internacional. Sob sua gestão, também está

toda a área de Licenciamento Ambiental da Suzano.

Mariana Lisbôa is a lawyer and the Global Head of Corporate

Relations at Suzano S/A. She graduated in Law and has

extensive experience in the Environmental Area with more than

20 years of professional experience, more than half of them

dedicated to the Forest-based Sector. Today businesswise, she

represents Suzano in leading projects involving the public and

private sectors at all levels: Municipal, State, Federal, and International.

Under her management, she is also responsible for the

entire environmental licensing area of Suzano.

50 www.referenciaflorestal.com.br


Recondicionamento de Bombas,

Bicos injetores e Turbos

Há mais de três décadas no mercado,

oferecemos venda e recondicionamento de

bombas e bicos injetores, e turbos de qualidade

para geradores, maquinário pesado,

unidades agrícolas, unidades marítimas,

veículos de transporte, automóveis,

SUVS, utilitários, entre outros.

Contamos com processos de

recondicionamento para todos

os modelos de turbo

alimentadores, com

estrutura própria e

suporte técnico

especializado para

melhor atende-lo.

35

anos

(41) 3376.4143 | (41)3277.1542

Rua Isaías Régis de Miranda, 171 | Vila Hauer | Curitiba (PR)


ENTREVISTA

>> Como foi seu início e histórico dentro do setor florestal?

Meu início no setor florestal e minha participação na ABAF

se confundem. Comecei em 2009, na antiga Bahia Pulp,

hoje Bracell. Inicialmente como advogada da área ambiental

e, depois, como gestora da área de Relações Externas,

quando tive a oportunidade de também integrar, como

representante da empresa, o quadro da diretoria da ABAF.

Desde então, esta associação já exercia um papel relevante

de representação do setor, além de ser um fórum importantíssimo

de integração e discussão entre as empresas

associadas, o que me deu a possibilidade de construir uma

visão profunda e global dos grandes desafios e oportunidades

que circundam o setor florestal.

>> Qual sua visão a curto e longo prazo para o setor florestal

da Bahia?

A Bahia já é um importante player no setor e tem sua

base industrial bem diversificada. Destacam-se entre os

principais produtos do setor florestal baiano, a celulose de

fibra curta, celulose solúvel/especial, papel/papelão, madeira

serrada, madeira tratada, móveis de madeira, carvão

vegetal, ferro-liga, além de biomassa/pellets e resíduos

oriundos da atividade florestal, que suprem a indústria do

agronegócio e de bioenergia no Estado. Somos o quarto

Estado em plantios de eucalipto, com 618 mil hectares de

plantações florestais (e outros 330 mil hectares de florestas

nativas destinadas à preservação ambiental). Por aqui

são plantadas 250 mil árvores por dia; matéria-prima para

fins comerciais. O setor cresce em nível mundial e temos

nos dedicado à atração de novos investimentos, notadamente

na área de serrarias, móveis e itens da construção

civil onde ainda somos importadores. A Bahia pode ter

bons projetos nas áreas que serão atendidas por ferrovias

(leste a oeste com a Bamin e o ramal de VLI que corta a

Bahia de Norte a Sul), o que disponibilizará novas áreas de

expansão do setor florestal.

>> Como a ABAF irá tratar as pautas de ESG dentro das

empresas associadas?

Nossas empresas já consideram as boas práticas de ESG há

muitos anos. Todas consideram os ODS da ONU, as práticas

de sustentabilidade, as exigências das leis nacionais e as

certificações internacionais que todas têm. As estaduais

florestais, que são 10 no país, estão trabalhando em conjunto,

no âmbito da IBÁ, nossa entidade nacional, para o

aprimoramento das recomendações de ESG. Há um grupo

de especialistas das empresas trabalhando permanentemente,

e em conjunto, nesse sentido.

>> Qual a importância das empresas florestais se associarem

à ABAF?

A ABAF, criada há 18 anos, reúne as empresas florestais,

What was your beginning and history within the Forest-based

Sector?

My first contact with the Forest-based Sector and my

participation in Abaf is confusing. In 2009, I started to

work in the former Bahia Pulp, today Bracell. Initially,

as a lawyer in the environmental area and later as the

External Relations area manager. As a representative of

the Company, I also had the opportunity to participate

on the Abaf board of directors. From its beginning, the

Association has played a relevant role in representing the

Sector, besides being a significant forum for integration

and discussion among member companies. This allowed

me to build a deep and global vision of the Forest-based

Sector’s significant challenges and opportunities.

What is your short- and long-term vision for the State

of Bahia’s Forest-based Sector?

The State of Bahia is already an important player in the

Sector and has a well-diversified industrial base. Among

the main products of the State of Bahia Forest-based Sector

are short fiber pulp, soluble/special cellulose, paper/

cardboard, lumber, treated wood, wood furniture, charcoal,

iron-alloys, as well as biomass/pellets and residues

from the forest activity, which supply the agribusiness

and bioenergy industry in the State. We are the 4th state

in eucalyptus plantations, with 618 thousand hectares of

forest plantations (and another 330 thousand hectares of

native forests for environmental preservation), and 250

thousand trees are planted per day - the raw material for

commercial purposes. The Sector is growing worldwide,

and we have been dedicated to attracting new investments,

notably in sawmill, furniture making, and housing

construction equipment, where we are still importers. In

addition, Bahia has opportunities for important projects

in the areas served by railways (east to west with the

Bamin and the extension VLI branch to the North of the

State), which are creating new areas for the expansion of

the Forest-based Sector.

How will Abaf handle ESG guidelines within member

companies?

Our companies have been considering good ESG practices

for many years. They all consider the UN Sdds, sustainability

practices, the requirements of national laws, and

the international certifications that they all have. The

forest producing States, which are 10 in the Country, are

working together, within the scope of IBÁ, our national

entity, to improve the ESG recommendations. In this

sense, a group of specialists from the companies is working

permanently and together.

What is the importance of forest-based companies

joining Abaf?

52 www.referenciaflorestal.com.br


RECUPERAÇÃO DE PEÇAS

Elétrico|Válvulas|Conexões | Hidráulico Pneumático | Ferramentas

Correias e Polias | Gaxetas e Retentores | Rolamentos e Mancais

Correntes de Transmissão

Rua das Margaridas, 26 - Sala 01 - Nossa Senhora Aparecida

Bituruna - Paraná | CEP: 84.640-000 | (42) 3553-1071 • (42) 3553-2524


ENTREVISTA

os produtores, seus fornecedores e tem, como objetivo

principal, fortalecer e ampliar as atividades florestais

no Estado, visando sempre a inclusão dos pequenos e

médios produtores e processadores de madeira – e seu

uso múltiplo. Nossas ações nos possibilitam a defesa dos

interesses da silvicultura e de nossos associados, além de

uma atuação coerente e alinhada com o desenvolvimento

sustentável. Trabalhamos com a orientação dos membros

do Conselho Diretor da ABAF, dos Grupos de Trabalho permanentes

e formados sob demanda e da cooperação que

temos com as empresas associadas e demais parceiros no

Governo (União, Estado e nos municípios), no Legislativo,

no setor empresarial, junto a instituições do setor florestal

e do agro, comunidades, fornecedores de serviços, produtos

e equipamentos, produtores rurais, ONGs, academia,

entre outros. Assim, procuramos mostrar o setor, suas

potencialidades e contribuições ao adequado crescimento

e desenvolvimento do país.

>> Em que as empresas se beneficiam nessa associação?

Quais atividades planejadas para os associados? Existem

planos?

A força da ABAF está na colaboração e interação das empresas

que, através de seus representantes na entidade,

trazem e trocam experiências em diversos assuntos. Tratamos

em conjunto temas ambientais, sociais e econômicos

que se referem às empresas, aos consumidores dos nossos

produtos, às comunidades e municípios onde atuamos. A

ABAF participa de 40 fóruns nacionais e locais, levando e

trazendo conhecimento, sugestões e projetos que interessem

a todos do nosso setor. Assim, com a expertise dos especialistas

das empresas, em cada área, podemos propor,

defender e implantar projetos e ações que possam reduzir

os entraves e proporcionar um ambiente empresarial favorável

ao crescimento sustentável da nossa base florestal.

Abaf, created 18 years ago, brings together forest-based

companies, producers, and their suppliers and has as its

primary objective strengthening and expanding forest

activities in the State, always aiming at the inclusion of

small and medium-sized timber producers and processors

– and the multiple-use of the forest. Our actions

enable us to defend the interests of forestry and our

members and carry out a coherent action aligned with

the State’s sustainable development. We work under the

guidance of the Abaf Board of Directors, the permanent

and on-demand working groups, and the cooperation

we have with the member companies and other partners

in the Government (Central, State, and Municipal), the

Legislature, the Business Sector, with institutions in the

Sorest-based and Agricultural Sectors, communities,

service providers, producers, equipment manufacturers,

rural producers, NGOs, and academia, among others.

Thus, we seek to show Society the Sector’s potential and

its contributions to the growth and development of the

Country.

How do companies benefit from this Association? What

activities are planned for members? What are the

plans?

The strength of Abaf lies in the collaboration and interaction

of companies that, through their representatives

in the entity, bring and exchange experiences in various

subjects. We deal together with environmental, social,

and economic issues that refer to companies, consumers

of our products, and the communities and municipalities

where we operate. Abaf participates in 40 national and

local forums, providing knowledge, suggestions, and

projects that interest everyone in our Sector. Thus, with

the expertise of company specialists, we can propose,

defend, and implement projects and actions that reduce

Espero que minha nomeação inspire outras

mulheres e abra espaço para que aumentemos

nossa representatividade em todas as

posições sociais

54 www.referenciaflorestal.com.br


´


ENTREVISTA

>> Quais as práticas importantes para a valorização dos

produtos florestais produzidos na Bahia?

Considerando as oportunidades de expansão das florestas

plantadas e do uso de produtos florestais em diversas

cadeias produtivas, é evidente que o setor de árvores cultivadas

possui reconhecido potencial de contribuição em

diversas frentes no nosso país. Além disso, é reconhecido o

cuidado com a natureza (seja na reciclagem, na produção

e no manejo sustentável nas áreas de cultivo, que intercalam

áreas produtivas com grandes áreas de conservação)

e com o investimento constante em pessoas, tecnologia e

ciência. São fatores fundamentais para que a indústria de

base florestal atenda aos consumidores e cuide do meio

ambiente, inclusive no combate às mudanças do clima.

Nossas empresas trabalham com regras bem definidas de

boas práticas desde o planejamento de produtos até a satisfação

dos nossos clientes. A adoção, cada vez mais, das

certificações nacionais e internacionais que comprovam as

especificações técnicas e o atendimento das questões ambientais

e sociais ajudam muito na aceitação dos nossos

produtos. O setor florestal traz exemplos de um trabalho

sério pautado nas novas utilizações da madeira plantada

para atender novos hábitos de consumo sustentável.

>> Quais as expectativas de produção e exportação do

setor neste ano?

A demanda por produtos de madeira (cerca de 5 mil produtos

que usamos no dia a dia) continua crescendo no

Brasil e no mundo em função do aumento da população,

aumento da renda e pelo desenvolvimento de produtos

com novas tecnologias nas áreas de biomateriais, nanoteconologia,

etc. Atendemos a demanda de vários segmentos

econômicos que usam madeira nos seus processos

produtivos como mineração, energia, grãos, papel, materiais

hospitalares, celulose, têxtil, embalagem, construção

civil, móveis, etc. Em relação à produção de madeira em

tora, sabe-se que o Estado da Bahia é reconhecidamente

um dos principais neste quesito, sendo responsável pela

produção de 12,1 milhões de m3 (metros cúbicos) - em

2019, relatório Bahia Florestal -, o que faz o Estado ocupar

o 7° lugar no ranking geral de produção de tora do país. A

produção de celulose, por sua vez, é outro destaque por

aqui. Em 2020, estima-se que a produção tenha sido de

3,21 milhões de toneladas de celulose branqueada (utilizada

para a fabricação de papel) e celulose solúvel/especial

(utilizada pela indústria têxtil, farmacêutica e alimentícia,

por exemplo). Este volume representa participação de 15%

da produção brasileira de celulose, refletindo assim a importância

nacional e estadual dessa indústria. Quanto ao

comércio internacional, o setor de base florestal plantada

da Bahia segue com perfil exportador, contribuindo relevantemente

para o saldo da balança comercial do Estado.

Em 2020, o setor foi responsável por exportar US$ 1,2 bi-

barriers and provide a business environment favorable to

the sustainable growth of our forest base.

What are the critical practices for increasing the value

of forest products produced in the State?

Considering the opportunities for expansion of planted

forests and the use of forest products in several production

chains, it is evident that the Planted Tree Sector

has recognized the potential for contribution on several

fronts in our Country. In addition, care for nature (whether

in recycling, production, and sustainable management

in planted areas, which intersperse productive areas with

large conservation areas) and constant investment in

people, technology, and science are recognized. These

are key factors for the forest-based industry to serve

consumers and take care of the environment, including

combating climate change. Our member companies

work with well-defined rules of good practice, from

product planning to customer satisfaction. Increasingly,

the adoption of national and international certifications

that prove the technical specifications and the consideration

of environmental and social issues help a lot in

the acceptance of our products. The Forest-based Sector

provides examples of serious work based on the new

uses for planted wood to meet new habits of sustainable

consumption.

What are the Sector’s production and export expectations

this year?

The demand for forest products (about 5 thousand

products that we use daily) continues to grow in Brazil

and worldwide due to increased population, increased

income, and the development of products with new

technologies in biomaterials, nanotechnology, etc. As

a result, we meet the demand of various economic

segments that use timber in their production processes,

such as mining, energy, grains, paper, hospital materials,

cellulose, textile, packaging, construction, furniture, etc.

Concerning the production of timber logs, it is known

that the State of Bahia is recognized as one of the leading

producers in this regard, being responsible for the

production of 12.1 million m3 (in 2019, Bahia Florestal.relatorio),

which leads to the State occupying the 7th place

in the general ranking of log production in the Country.

Pulp production, in turn, is another highlight of the State.

By 2020, production is estimated to have been 3.21

million tons of bleached pulp (used for papermaking) and

soluble/special cellulose (used by the textile, pharmaceutical,

and food industry, for example). This volume

represents a 15% share of Brazilian pulp production, thus

reflecting this Sector’s national and State importance. As

for international trade, the Planted Forest Sector in the

State of Bahia continues with an export profile, contribut-

56 www.referenciaflorestal.com.br


LÍDER NO DESENVOLVIMENTO

E PRODUÇÃO DE MUDAS PARA

A INDÚSTRIA FLORESTAL

Pinus e Eucalipto

Genética avançada

Atendimento diferenciado

Experiência em silvicultura

www.arborgen.com.br

contato@arborgen.com.br | (19) 3253-3800

R. Barão de Paranapanema,146, bloco A, salas 93 e 94

Bairro Bosque | Cidade de Campinas - SP | CEP 13026-010


ENTREVISTA

lhão. Este montante representa cerca de 15% do total das

exportações estaduais, fazendo com que o setor florestal

esteja sempre entre os três primeiros da economia estadual,

quando considerado o comércio internacional.

>> Politicamente, quais conquistas projeta por meio da

ABAF?

Mantemos um diálogo permanente com o legislativo, o

executivo e o judiciário, da mesma forma que dialogamos

com a sociedade civil e as comunidades. Assim, podemos

sempre contribuir para a construção de políticas públicas

em favor do crescimento e desenvolvimento do nosso Estado,

levando empregos de qualidade, renda para pessoas,

impostos para os municípios, principalmente nas mais

distantes regiões do Estado, pois atuamos em quatro polos

de produção: sul e extremo sul, sudoeste, oeste e litoral

norte.

>> Possui uma longa experiência na área de proteção

ambiental, e agora está à frente de uma associação que

tem como foco ampliar a produtividade florestal. O que o

mercado pode esperar da sua gestão?

Graças aos investimentos coerentes no desenvolvimento

e aplicação de novas tecnologias, às vantagens climáticas,

o Brasil e a Bahia têm produtividade recorde de madeira

no mundo. Nosso rendimento tem média de 36 m3/ha/

ano enquanto os principais países concorrentes não ultrapassam

18m3/ha/ano. O setor planta, colhe e planta

novamente, somente em áreas degradadas, portanto sem

desmatamento. Com o uso da técnica de mosaico, as empresas

de base florestal intercalam os plantios com finalidade

industrial com áreas destinadas para conservação.

O setor de florestas plantadas na Bahia tem mais de 300

mil hectares de florestas nativas preservadas e algumas

empresas já tem 1 hectare de mata nativa preservada para

cada hectare de produção. Isto auxilia na manutenção de

um solo fértil, no cuidado com a água e na preservação

da biodiversidade. Nossas florestas absorvem grandes

quantidades de carbono da atmosfera e merecem reco-

ing significantly to the State’s balance of trade. In 2020,

the Sector was responsible for exporting US$ 1.2 billion.

When considering international trade, this amount represents

about 15% of total state exports, leading to the

Forest-based Sector always being in the top three of the

State’s economy.

In the political area, what achievements do you expect

through Abaf?

We have a permanent dialogue with the Legislature, the

Executive, and the Judiciary. Just as we dialogue with civil

society and communities, thus, we can always contribute

to the construction of public policies in favor of the

growth and development of our State, creating quality

jobs, income for people, and tax revenue for municipalities,

especially in the most distant regions of the State,

because we operate in four production centers: South

and Extreme South, Southwest, West, and North Coast.

You have a long experience in environmental protection

and are now at the head of an association that focuses

on increasing forest productivity. What can the market

expect from your management?

LISBÔA: Brazil and Bahia have record wood productivity

worldwide thanks to the coherent investments in

developing and applying new technologies and climate

advantages. Our yield averages 36 m3/ha/year, while

the main competing countries do not exceed 18 m3/

ha/year. The Sector plants, replants, and plants again,

only in degraded areas without deforestation. With the

mosaic technique, forest-based companies intersperse

plantations for industrial purposes with areas intended

for conservation. The Planted Forest Sector in Bahia has

more than 300 thousand hectares of preserved native

forests. Some companies already have one hectare of

preserved native forest for each hectare of production.

This helps maintain soil fertility, care of water sources,

and preservation of biodiversity. Our forests absorb large

amounts of carbon from the atmosphere and deserve

Gostaria, na minha gestão, de aproximar o setor das

pessoas, para que cada vez mais todos tenham a

exata noção da nossa contribuição para esta e para

as próximas gerações!

58 www.referenciaflorestal.com.br


ENTREVISTA

nhecimento e compensação por isso. Vamos continuar

investindo, mantendo os princípios rígidos de produzir e

preservar, como temos feito. Esse é o caminho: crescendo

e preservando, atendendo as demandas dos nossos clientes

e contribuído com a melhoria de vida das pessoas e

nos municípios onde atuamos.

>> Sabemos que há poucas mulheres no comando das

principais entidades representativas florestais do país.

Como se sente sendo uma delas?

Esta nomeação tem um valor especial para mim, pois é

a primeira vez que uma mulher assume a presidência da

ABAF, que completou 18 anos no último mês de março. O

setor florestal vem investindo em projetos de incentivo e

em ações que contribuam para aumentar a presença de

mulheres em todos os níveis hierárquicos, fortalecendo

nosso compromisso com a justiça social e reconhecendo a

importância e os ganhos da diversidade, equidade e inclusão.

Espero que minha nomeação inspire outras mulheres

e abra espaço para que aumentemos nossa representatividade

em todas as posições sociais.

>> A exemplo da Suzano, que recentemente ampliou a

participação feminina no seu quadro em mais de 50%,

como enxerga o crescimento da presença feminina no

setor?

É dever de todos e de todas defender que, cada vez mais,

mulheres ocupem posições, especialmente de liderança,

nos mais diversos setores de produção do país. Não poderia

ser diferente no setor florestal, que é um setor pujante

e referência global em temas fundamentais para a humanidade,

como o sequestro de carbono, contribuindo de

forma substancial para minorar os impactos das mudanças

climáticas. Assim, a presença cada vez maior de mulheres

traz ganhos expressivos para as discussões e alcance de

resultados, fortalecendo, como já disse acima, o nosso

compromisso com valores inegociáveis, como a equidade,

a inclusão e a justiça social.

>> A ABAF cresceu muito em representatividade no setor

nos últimos anos. Qual será o legado de sua gestão a

frente do conselho da ABAF?

Queremos ampliar o olhar sobre a floresta. Mostrar, cada

vez mais, para a sociedade, as contribuições sociais e

ambientais trazidas pelo setor para o planeta. O nosso

papel transcende à economia no sentido estrito. O nosso

maior valor está na preservação ambiental, na melhoria da

qualidade de vida das pessoas no entorno das nossas operações,

no protagonismo no combate à emissão de gases

poluentes na atmosfera. Recuperamos áreas degradadas,

sequestramos carbono, geramos emprego. Gostaria, na

minha gestão, de aproximar o setor das pessoas, para que

cada vez mais todos tenham a exata noção da nossa contribuição

para esta e para as próximas gerações!

recognition and compensation for this. We will continue

to invest, maintaining the strict principles of producing

and preserving, as we have always done. This is the way:

growing and preserving, meeting the demands of our

customers, and contributing to the improvement of people’s

lives and the municipalities where we operate.

We know that few women are in charge of the main

representative forest-based entities in the Country. How

does it feel to be one of them?

This appointment has a unique value for me, as it is the

first time a woman has assumed the presidency of Abaf,

which turned 18 last March. The Forest-based Sector

has been investing in incentive projects and actions that

contribute to increasing the presence of women at all

hierarchical levels, strengthening our commitment to

social justice, and recognizing the importance and gains

of diversity, equity, and inclusion. I hope that my appointment

will inspire other women to open doors for us to

increase our representation in all social positions.

Like Suzano, which recently increased female participation

on its payroll by more than 50%, how do you see

the growth of the female presence in the Sector?

Increasingly, it is the duty of all, and everyone, to defend

that women occupy such positions, especially leadership,

in the most diverse productive sectors in the Country.

It could not be different in the Forest-based Sector, a

thriving sector and global reference in key issues for

humanity, such as carbon sequestration and contributing

substantially to mitigate the impacts of climate

change. Thus, the increasing presence of women brings

significant gains to the discussions and achievement of

results, strengthening, as I said above, our commitment

to non-negotiable values, such as equity, inclusion, and

social justice.

Abaf has grown a lot in recent years regarding the

number of representatives in the Sector. What will be

the legacy of your management as head of the Abaf

board?

We want to broaden our horizon as to the forest, increasing

Society’s awareness of the social and environmental

contributions provided by the Sector to the planet. Our

role transcends the economy in the strict sense. Our

most significant value is in environmental preservation,

improving the quality of life of people around our operations,

and combating the emission of polluting gases in

the atmosphere. We recover degraded areas, sequester

carbon, and generate jobs. In my management, I would

like to bring the Sector closer to people so that more and

more, everyone has the exact notion of our contribution

to this and the next generations!

60 www.referenciaflorestal.com.br


AUMENTE SUA PRODUÇÃO

COM EQUIPAMENTOS

MILL INDÚSTRIAS

LINHA COMPLETA DE SERRARIAS PARA EUCALIPTO, PINUS E TECA.

Número 1 em vendas de equipamentos do setor madeireiro no Brasil

BLOCO

SERRA FITA HORIZONTAL

PICADOR

Entre em contato conosco e faç

ócio!


COLUNA

Importância da

oficina rural e

florestal

Gabriel Dalla Costa Berger

Eng. Florestal e Seg. do Trabalho

Ms. em Manejo Florestal

gabrielberger.com.br

gabriel@gabrielberger.com.br

Foto: divulgação

A oficina é uma parte da empresa fundamental para o bom

andamento de todo o processo de trabalho florestal.

A

oficina é uma parte da empresa rural fundamental

para o bom andamento de todo o processo de trabalho,

pois é ela que é responsável pela manutenção,

reparo e conserto de máquinas e implementos

agrícolas e florestais responsáveis pela produtividade

e segurança dos seus trabalhadores.

O projeto para a construção e adequação de uma oficina rural

leva em consideração vários aspectos entre eles: quais máquinas,

implementos e equipamentos serão armazenados, estimativa de

espaço, volume, características de trabalho e atividades, ambientes

livres de circulação e estruturas para armazenamento.

Basicamente tem-se quatro objetivos para o desenvolvimento

e implementação da oficina rural que é:

- manutenção de máquinas, equipamentos e implementos;

- local do armazenamento;

- serviços gerais a serem executados e;

- pequenas construções mecânicas.

Dentro dessa implementação é importante realizar a análise

prévia do seu funcionamento e do que vai ocorrer na oficina,

prevendo o tráfego de veículos, tamanho e localização das portas,

locais de armazenamento dos insumos e ferramentas e variação

de trabalho durante o ano (sazonalidade anual).

A estrutura física da oficina é primeiro ponto a ser levado

em consideração e aqui destacamos a limpeza do local, que deve

sempre estar em ordem. O local deverá ter baixa umidade, grande

presença da luz seja natural em detrimento a artificial e um

espaço amplo para o trabalho. O piso da oficina tem que ser de

concreto, pois garante uma maior segurança e estabilidade para a

atividade. O espaço ideal para armazenagem de maquinário é de

12 m2 (metros quadrados), e para a área de manutenção o ideal

é de 20 m2. O pé direito tem que ter no mínimo 5m (metros) de

altura, as janelas têm que ser amplas para uma maior circulação

de ar e o local deve possuir uma estrutura mínima com instalação

elétrica, luz, água, gás e ar comprimido.

A mão de obra deve ser constituída de no mínimo um mecânico,

um ajudante e dois operadores (fazem a operação e manutenção).

Essa mão de obra tem que ter conhecimento de quatro

áreas essenciais para o bom funcionamento do trabalho, marcenaria,

mecânica, eletricidade predial e solda. A função do mecânico

e dos outros trabalhadores, entre outras tarefas é:

- limpeza e manutenção das máquinas,

- troca de óleos, correias;

- calibração de pneus;

- soldas e;

- chapeamento, entre outros.

62 www.referenciaflorestal.com.br

As portas da oficina tem que ser amplas, de correr, de duas

metades, sendo uma de frente para a outra, e o ideal é que sejam

de contrapesos.

Outro ponto importante na oficina é identificar e etiquetar

todos as máquinas, acessórios e ferramentas. Manter o ambiente

limpo e organizado, separar parafusos e porcas por tamanho,

manter as peças na embalagem e sempre terminar a montagem

de cada serviço. Essas ações visam um menor tempo de parada

da máquina garantindo uma maior produtividade.

Os materiais necessários para compor a oficina é composta

por uma mesa com chapa galvanizada, tornos, esmeril, painel

e armário de ferramentas, equipamento de solda, baldes para

recolhimento, furadeira de bancada, bandeja, funis, extintor de

incêndio, manuais técnicos, entre outros. Alguns outros materiais

são importantes e não podem faltar como, serra de disco, talha,

compressor de ar, tanque de imersão, pistola de pintura e jato de

areia.

Alguns instrumentos de medida também são importantes

como trena, paquímetro, compasso, micrômetro, calibradores,

relógio comparador, esquadro, níveis, tacômetro, calibrador de

pneus e torquímetro.

Algumas ferramentas de trabalho, seja no painel ou na caixa

não podem faltar: martelo, chave de boca de estrela, inglesa,

allen e de fenda, cachimbo, alicates, funil, escova de aço, engraxadeira,

talhadeira, lixas, furadeiras, esquadros, serrote, entre

outros.

A oficina rural tem grande importância dentro da empresa florestal,

pois é através dela que é garantido o pleno funcionamento

das máquina e implementos florestais. Contribui para a efetividade

do trabalho e da mesma forma garante a segurança dos trabalhadores,

pois tem-se máquinas que não apresentam problemas e

panes durante a sua operação.

Foto: divulgação


Brasil

Lider do mercado em

combate à incêndios em

equipamentos móveis

Como funciona o Forrex?

O fogo é detectado pelo cabo detector (8), que envia um sinal elétrico

através da unidade de controle (4) ao atuador (3), o qual perfura o cilindro

de nitrogênio (2). O cilindro de nitrogênio pressuriza o tanque de Forrex (1),

liberando o agente a uma pressão aproximada de 21 bar, o distribuindo

através do das mangueiras (9), tubulações (10) e bicos difusores (11). Ao

mesmo tempo em que se ativa o sistema, as sirenes de alarme visual (6) e

acústico (7) são ativadas. Estes alarmes são indicados no painel de alarme

(5) localizado na cabine do operador. Além disso o sistema também pode

contar com acionamentos manuais extras.

Sede: Nova Lima – MG

Av. Canadá, 147 - Bairro Jardim Canadá

E-mail: raphael.torres@dafobrasil.com

Telefone: +55 (31) 3241-2817


PRINCIPAL

64 www.referenciaflorestal.com.br


PROTEÇÃO

CONTÍNUA

Sistemas de supressão de incêndio são

uma solução eficiente para garantir a

segurança da operação florestal

Fotos: Emanoel Caldeira

Maio 2022

65


PRINCIPAL

O

s incêndios em máquinas florestais são mais

comuns do que se imagina. Entre maio de 2016

e maio de 2017, foram relatados 97 incêndios

em operações florestais, mais de oito por

mês. Esses incêndios podem gerar danos em

três níveis: máquina, operador e floresta. E mesmo que fique

apenas na máquina, a perda do equipamento e o tempo da

operação parada, causam prejuízos incalculáveis.

Especialistas destacam a existência de um ambiente

altamente propício ao fogo nas máquinas florestais, uma

vez que há o chamado triângulo do fogo perfeito, reunindo

combustível, altas temperaturas e oxigênio. Como as máquinas

trabalham continuamente em um ritmo acelerado e precisam

de combustível para funcionar, apenas uma faísca de um

curto-circuito ou rompimento de uma mangueira hidráulica

é necessário para que um incêndio se inicie. Para garantir a

segurança da operação florestal, os SSI (Sistemas de Supressão

de Incêndio) são a solução ideal para a prevenção de acidentes

e proteção dos ativos da empresa.

Os SSI já fazem parte do DNA de grandes empresas e OEM’s

(Original Equipment Manufacturer), que os têm como item de

fábrica em suas máquinas. É o caso da Komatsu, que, segundo

Sandro Soares, gerente de produtos, já oferece equipamentos

para o setor florestal com SSI há mais de 10 anos. “Entendemos

que é primordialmente uma questão de segurança e de

garantia para que a nossa máquina possa oferecer o melhor

desempenho para a operação”, destaca Sandro.

Continuous

protection

Fire suppression systems are an

efficient solution to ensure the safety of

forest operations

F

ires in forestry machines are more common than

you might think. For example, between May 2016

and May 2017, 97 fires were reported in forestry

operations, more than eight per month. These

fires can generate damage on three levels: the

machine, the operator, and the forest. And even if a fire is only

in the machine, the loss of equipment and the downtime can

cause incalculable damage.

Experts highlight the fire-friendly environment in forest machines

due to the perfect fire triangle: fuel, high temperatures,

and oxygen. As machines work continuously at an accelerated

pace and with the need for fuel to operate, only a spark from

a short circuit or rupture of a hydraulic hose is required for a

fire to start. Therefore, to ensure the safety of a forestry operation,

a Fire Suppression System (FSS) is the ideal solution for

accident prevention and the protection of a company’s assets.

FSS is already part of the DNA of large companies and

OEMs, which include them as a factory item on their machines.

66 www.referenciaflorestal.com.br


A empresa tem

mais de 20 anos

de experiência na

manutenção de

máquinas pesadas

e a DAFO enxergou

nesse trabalho o

que precisava em

sua representante

brasileira

Iracildo Junior, consultor corporativo florestal da Sotreq,

comenta que a empresa trabalha com a comercialização e locação

de máquinas. Diante deste quadro, o consultor identificou

que o SSI é um produto essencial para aplicação nos equipamentos

comercializados. “Com o SSI valorizamos a integridade

da marca e geramos mais segurança contra possíveis sinistros

ou danos que ela possa sofrer”, aponta. Iracildo revela, ainda,

que o trabalho mais importante é mostrar que o SSI é um

investimento e não um acréscimo de custo. “O cliente muitas

vezes não tem a informação sobre o tema e nosso trabalho é

mostrar a importância da escolha pelo SSI”, aponta Iracildo.

Para quem está no campo a importância do SSI é vista

diretamente no dia a dia, como relata Jairo Reckziegel, gerente

de colheita e manutenção da REMASA. “Tivemos um incêndio

em uma máquina há alguns meses e se não fosse o SSI o

prejuízo poderia facilmente passar de um milhão de reais. Isso

se não atingisse a floresta”, relata Jairo. Por isso, o gerente

ressalta que desde 2012 todas as máquinas adquiridas pela

REMASA contam com o sistema. “Garantimos a proteção do

nosso equipamento, do operador e da área de trabalho com

investimento relativamente baixo”, completa Jairo.

ESPECIALISTA NO ASSUNTO

Mais do que adquirir um SSI, é importante escolher o

melhor para a sua máquina e é nesse momento que a DAFO

entre em cena. A DAFO é uma empresa sueca fundada em

1919 e desde a década de 1970 passou a produzir o seu SSI

para equipamentos móveis. No ano de 2016, a DAFO escolheu

a Testato, empresa mineira, como sua distribuidora oficial no

Brasil. Raphael Torres, gerente da Testato, revela que essa

This is the case of Komatsu, which, according to Sandro Soares,

Product Manager, his Company has been offering equipment

for the Forestry Sector with FSS for more than 10 years. “We

understand that it is primarily a safety and warranty issue so

that our machines can deliver the best performance for the

operation,” says Soares

Iracildo Junior, a Forestry Corporate Consultant with Sotreq,

comments that his Company works with the marketing

and leasing of machines. Given this framework, the Corporate

Consultant states that FSS is an essential product for application

in the equipment sold. “With FSS, we value the brand’s

integrity and generate more security against possible claims

or damage that it may suffer,” he points out. Iracildo Junior

says that the most important job is to show that FSS is an

investment and not an increase in cost. “Often, the customer

does not have the information on the subject, and our job is to

show the importance of choosing FSS,” he explains.

According to Jairo Reckziegel, Harvest and Maintenance

Manager for Remasa, for those in the field, the importance of

FSS is seen directly in the day-to-day. “We had a fire in a machine

a few months ago, and, if it wasn’t for the FSS, the damage

could easily cost over a million reais, or more if it spreads to

the forest,” he says. Therefore, the Manager points out that,

since 2012, all machines acquired by Remasa have the system.

“We guarantee the protection of our equipment, operator, and

work area with a relatively low investment,” he adds.

A SPECIALIST ON THE SUBJECT

More than just purchasing an FSS, it is vital to choose the

best one for your machine, and that is when Dafo comes into

Maio 2022

67


PRINCIPAL

escolha foi baseada na qualidade de pós-venda da Testato. “A

empresa tem mais de 20 anos de experiência na manutenção

de máquinas pesadas e a DAFO enxergou nesse trabalho o

que precisava em sua representante brasileira”, orgulha-se

Raphael.

O SSI oferecido pela DAFO utiliza o Forrex, um agente

líquido para extinguir as chamas e garantir resultados. Após

alguns anos utilizando o pó químico, o Forrex foi desenvolvido

pela DAFO em 1993, para não somente apagar o princípio do

incêndio, mas como também evitar uma possível reignição

do fogo, ocorrência que acontece com grande frequência. A

ativação do sistema é automática e é feita por um cabo sensor

que detecta o calor do fogo e dispara o sistema, liberando o

Forrex sobre o fogo. Dessa maneira, a DAFO oferece um SSI

completo que inunda totalmente o equipamento, apagando de

forma imediata a chama e resfriando os componentes quentes

da máquina. O sistema automático permite o máximo de eficácia

possível, garantindo uma rápida detecção do princípio de

incêndio e a extinção total da chama em segundos. Joel Carlos

Filho, consultor de vendas da Testato, destaca a importância

desse funcionamento. “Com o sistema automático, a detecção

e extinção imediata do incêndio permitem que o fogo seja

apagado antes de danificar o equipamento.”

O trabalho da DAFO começa, em alguns casos, já no desenvolvimento

das máquinas. Sandro Soares, da Komatsu, diz que

é um trabalho realizado a quatro mãos, unindo a expertise do

fabricante de máquinas e a DAFO, que é a fornecedora oficial

da Komatsu. “Aliamos tudo que a DAFO pode nos oferecer em

relação à tecnologia e a ajustamos para estar presente nas

máquinas que produzimos”, descreve Sandro.

play. Dafo is a Swedish company founded in 1919 and, since

the 1970s, has been producing its FSS for moveable equipment.

In 2016, Dafo chose Testato, a company from the State of Minas

Gerais, as its official distributor in Brazil. Raphael Torres,

Manager of Testato, reveals that this choice was based on

Testato’s after-sales quality. “Testato has more than 20 years

of experience in the maintenance of heavy machinery, and Dafo

saw in this work what it needed in its Brazilian representative,”

says the Testado Manager.

The FSS offered by Dafo uses Forrex, a liquid agent, to extinguish

the flames and ensure results. After a few years of using

only a chemical powder, in 1993, Dafo developed Forrex, which

extinguishes any initial fire and avoids possible reignition, an

occurrence that happens very often. The system’s activation is

automatic and is done by a sensor cable that detects the heat

of the fire and initiates the system, releasing Forrex to cover

the fire. In this way, Dafo offers a complete FSS that entirely

floods the equipment, immediately extinguishing the flame

and cooling the hot components of the machine.

The automatic system provides as much effectiveness as

possible, ensuring rapid detection of the incipient fire and the

total extinction of any flame in seconds. Joel Carlos Filho, a Sales

Consultant at Testato, values the importance of this operation.

“With the automatic system, the immediate detection and

extinguishing of the fire lead to the fire being extinguished

before damaging any equipment.”

Dafo’s work begins, in some cases, even at the time of

machine development. Komatsu’s Soares says it is a 4-hand

job, uniting the machine manufacturer’s expertise and Dafo,

a Komatsu official supplier. “We combine everything that Dafo

Nossos técnicos vão

para o campo com

todos os equipamentos

necessários

para realizar os

atendimentos

Joel Carlos Filho,

consultor de

vendas da Testato

68 www.referenciaflorestal.com.br


can offer us concerning technology and adjust it to be present in

the machines we produce,” says the Komatsu Product Manager.

ATENDIMENTO

A escolha da DAFO pela qualidade de atendimento da

Testato é vista e exemplificada por seus clientes. Iracildo

Junior, da Sotreq, chega a brincar com a velocidade com que

a empresa atende aos chamados. “Quando muito, demoram

um dia para chegar aqui, as vezes no mesmo dia já estão nos

atendendo”, destaca Iracildo.

Joel Carlos Filho, aponta que um dos maiores diferenciais

da empresa é estar sempre pronta para atender as demandas

dos clientes o mais rápido possível. “Nossos técnicos vão para

o campo com todos os equipamentos necessários para realizar

os atendimentos. Sabemos da importância de termos agilidade

na assistência aos clientes, pois entendemos o quanto

uma máquina parada pode trazer enormes prejuízos as suas

operações”, acentua Joel.

Raphael Torres aponta que um dos maiores desafios no

mercado é passar aos clientes a importância de se ter, não

somente um SSI para o combate ao incêndio, mas como também

manter medidas e ações para a prevenção ao incêndio.

“Manter a manutenção preventiva das máquinas em dia e

limpá-las constantemente já é um enorme passo para se evitar

um incêndio. Aliar a prevenção e o combate ao incêndio, com

nosso produto, é o caminho perfeito para operações seguras”,

exemplifica Raphael.

Marcello Sanchez, gerente global da DAFO, destaca que

o investimento contínuo em tecnologia é um dos diferenciais

da empresa e que isso a coloca como uma dos grandes players

do setor. “Investimos constantemente em tecnologia e

isso fortalece nossas parcerias a longo prazo, que é algo que

valorizamos no nosso trabalho.”

Para Marcello, a escolha pelo produto da DAFO é uma

certeza de qualidade e garantia de segurança para o usuário.

“A tradição e qualidade da DAFO aliada ao trabalho da Testato

dá segurança para nossos clientes em todo Brasil “, assegura

Marcello.

SERVICE

The choice of Testato by Dafo was due to the quality of

service seen and disclosed by customers. In addition, Sotreq’s

Iracildo Junior toys with the speed with which Testato answers

calls. “Most times, it takes only a day for them to get here, but

sometimes they arrive on the same day; they are already here,”

says the Sotreq Consultant.

The Testato Sales Representative Carlos Filho points out

that one of his Company’s most significant differentials is

always being ready to meet customer demands as quickly as

possible. “Our technicians go into the field with all the necessary

equipment to carry out the calls. We know the importance

of having agility in customer service because we understand

how much a downed machine can cause enormous damages

to their operations,” he stresses.

Testato Manager Torres points out that one of the biggest

challenges in the market is to pass on to customers the importance

of not only having an FSS for fighting fire but also maintaining

measures and actions for fire prevention. “Performing

timely preventive maintenance on the machines and constantly

cleaning them is a huge step in preventing a fire. Combining

fire prevention and fire combat with our product is the perfect

path for safe operations,” says the Testato Manager.

Marcello Sanchez, Global Manager of Dafo, points out that

continuous investment in technology is one of his Company’s

differentials. This makes it one of the major players in the

Sector. “We constantly invest in technology, strengthening our

long-term partnerships and valuing our work.”

For Sanchez, the choice for the Dafo product is a guarantee

of quality and safety for the user. “The tradition and quality

associated with Dafo combined with Testato’s work provide

security for our customers throughout Brazil,” he adds.

Maio 2022

69


MINUTO FLORESTA

Solução

IDEAL

Foto: divulgação

Herbicidas pré-emergentes

para pinus e eucalipto

apresentam alta eficiência

em longo prazo

O

plantio florestal exige planejamento e precisão

para garantir os melhores resultados. Tudo

que possa afetar a produtividade do plantio

deve ser levada em conta. Um desses aspectos

é a competição com as plantas daninhas pelos

recursos do meio. Para proporcionar as melhores condições

para que as mudas se desenvolvam, a Bayer, em sua plataforma

Forestry Plus, possui dois herbicidas pré-emergentes dedicados

aos plantios de pinus e eucalipto: Block® e Esplanade®.

Os herbicidas pré-emergentes, ou herbicidas residuais,

são utilizados com o intuito de prevenir que as plantas daninhas,

durante ou após seu processo de germinação, emerja

sobre o solo. Esses produtos devem ser aplicados de forma a

atingirem o solo prevenindo a matocompetição nas culturas.

Dessa forma, as mudas não sofrem concorrência por nutrientes,

água, luz solar e espaços necessários para seu pleno

desenvolvimento.

O Block®, que possui o oxifluorfem como princípio ativo, é

um herbicida pré-emergente seletivo e seu uso é recomendado

para o controle de plantas daninhas como capim-carrapicho

(Cenchrus echinatus), capim-colchão (Digitaria horizontalis),

capim-pé-de-galinha (Eleusine indica), amendoim-bravo (Euphorbia

heterophylla) e caruru-rasteiro (Amaranthus deflexus).

Já o Esplanade® é um herbicida pré-emergente seletivo

para a cultura do pinus e seletivo de posicionamento para a de

eucalipto, tem como princípio ativo o indaziflam. A utilização

dele é recomendada para o controle das plantas daninhas:

capim-braquiária (Brachiaria decumbens), braquiarão (Brachiaria

brizantha), capim-colchão (Digitaria horizontalis),

caruru (Amaranthus hybridus), guanxuma (Sida rhombifolia),

capim-colonião (Panicum maximum), capim-amargoso (Digitaria

insularis) e buva (Conyza bonariensis).

Fabricio Sebok, gerente de desenvolvimento da Bayer,

explica que os produtos são desenvolvidos para atingirem resultados

expressivos e com grande eficiência. “Ambos possuem

um período de controle bastante interessante, principalmente

devido às suas características físico-químicas propiciando baixo

potencial de movimentação no solo, permanecendo assim

na região donde o banco de sementes é maior, garantindo

eficácia por longos períodos desde que tenham condições

ideais”, assegura Fabricio.

Os herbicidas pré-emergentes necessitam de certa umidade

no solo para que possam atuar. Sendo assim, segundo

Fabricio, brevemente após a aplicação dos produtos os ingredientes-ativos,

já na solução do solo, poderão iniciar sua ação,

desde que em contato com os organismos alvos. Ainda assim,

pelo caráter de herbicidas preventivos faz-se necessário a

ausência de plantas daninhas já emergidas ou se houver, que

seja feita a desseca destas plantas. Dessa forma, o silvicultor

garantirá a eficácia e residual buscados nos produtos garantindo

assim sua floresta livre da matocompetição.

Para garantir os melhores resultados na aplicação dos

herbicidas, a Bayer também oferece para seus clientes treinamentos

através do PEP (Programa de Excelência em Pulverização),

presença no campo, em todas as regiões do Brasil,

com atuação de seu time técnico e dedicado às operações

florestais, garantindo assim que as soluções no campo sejam

garantidas e acompanhadas de perto.

Enfim, os resultados práticos dos herbicidas promovem

ganhos em produtividade das florestas e também operacionais,

com isso vantagens econômicas. Sendo o Block® e

o Esplanade® herbicidas pré-emergentes de longo residual,

promovem menor número de reentradas para controle das

plantas daninhas reduzindo, portanto, os custos globais da

produção. Além destes benefícios já citados, ocorrerá ganhos

na sustentabilidade ambiental, principalmente pelo Esplanade®

com sua formulação bastante concentrada e doses baixas,

e com isso, diminui a quantidade de embalagens utilizadas, o

uso de água que seria necessária para as diversas aplicações,

combustível e emissão de CO2.

70 www.referenciaflorestal.com.br


(62) 3142-5102 (62) 98202-0143

Eucalipto com tratamento especial para

estacas, esticadores e palanques.

17 anos de garantia contra cupins, insetos e

ações do tempo.

Eucalipto imunizado, a solução com estilo para

construção civil e móveis.

CONTRATAMOS EMPREITEIROS

PARA CORTE E MANEJO DE

FLORESTAS DE EUCALIPTO

CONTRATAMOSCAMINHÕES

PARA TRANSPORTE DE EUCALIPTO

Venha fazer parte da empresa

de eucalipto tratado que

mais cresce no Brasil!


ESPÉCIE

Foto: Dado Photos/Shutterstock.com

72 www.referenciaflorestal.com.br


PAU BRASIL

A árvore que dá nome ao nosso país

produz madeira de coloração única

e de alto valor comercial

O

Pau Brasil (Paubrasilia echinata) é a

árvore símbolo do nosso país e sua

exploração foi um dos pilares da

colonização do nosso país. É uma espécie

nativa da Mata Atlântica e presente

em quase toda a costa brasileira, do Rio Grande

do Norte até o Rio de Janeiro. Sua madeira vermelha,

que servia tanto para uso na construção quanto na

extração da brasilina, corante vermelho que tinha

alto valor durante o período das grandes navegações.

Sempre foi tratada como um tesouro do novo mundo

e foi a primeira árvore a ser considerada madeira de

lei no Brasil.

A coloração avermelhada chama atenção em qualquer

aplicação que seja realizada com sua madeira.

Seu ciclo de crescimento é longo e trabalhoso, mas os

resultados obtidos podem ser muito vantajosos. Sua

madeira chega em idade de corte entre 40 e 50 anos,

o plantio produz em torno de 54 m³ (metros cúbicos)

de madeira por hectare. E nessa idade ela ainda pode

ser considerada uma árvore jovem, uma vez que o

Pau Brasil pode viver até 300 anos.

Um arco e violino feito

com pau brasil pode valer

até US$ 10 mil e esse

mercado movimenta até

US$ 30 milhões por ano

Maio 2022

73


ESPÉCIE

A árvore do Pau Brasil pode atingir mais de 20m

(metros) de altura e seu tronco alcança até 70 cm

(centímetros) de diâmetro. Sua madeira tem alta

densidade, é muito dura e resistente. Sua textura ao

toque é fina, incorruptível e uniforme. Sua casca é

grossa e apresenta espinhos em toda a extensão. Os

espinhos estão presentes também nos frutos do Pau

Brasil.

O principal uso de sua madeira é muito específico

e tem grande valor comercial: a fabricação de arcos

de violino, que segundo os grandes especialistas, consegue

produzir o melhor som durante a execução das

músicas. Um arco e violino feito com pau brasil pode

valer até US$ 10 mil e esse mercado movimenta até

US$ 30 milhões por ano.

Hoje o Pau Brasil é considerada uma espécie em

extinção, devido à grande exploração que aconteceu

durante a colonização do Brasil pelos portugueses. O

plantio de mudas, para fins comerciais e também para

reflorestamento da Mata Atlântica é incentivado e valorizado

há mais de 20 anos no país.

Foto: PhotoConceptum / Shutterstock.com

74 www.referenciaflorestal.com.br


E D I Ç Ã O

VEM AÍ!

A N O S

PATROCINADORES:

SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS

www

revistareferencia.com.br

comercial@revistareferencia.com.br


ECONOMIA

FORTE

CRESCIMENTO

Fotos: divulgação

80 www.referenciaflorestal.com.br


Balanço do Agronegócio do Estado

de Minas Gerais aponta crescimento

no setor de florestas plantadas

Maio 2022

81


ECONOMIA

N

o mês de abril foi apresentado o balanço do

Agronegócio de Minas Gerais 2021 e o setor

de silvicultura apresentou continuidade no

crescimento. Os dados do relatório fornecido

pela SEMA (Secretaria Estadual de Meio

Ambiente) para árvores plantadas são referentes ao ano de

2020, apresentando precisão em nível municipal para os

resultados, o que valoriza ainda mais o trabalho dos produtores

florestais do estado. Minas Gerais seguiu registrando

a maior área coberta com espécies florestais plantadas do

país (21,5% do total), com 2,1 milhões de ha (hectares) em

2020, representando crescimento de 1,4% em relação a

2019. O eucalipto cobre quase a totalidade da área. Entre os

10 municípios com as maiores áreas de florestas plantadas

do Brasil três estão em Minas Gerais (João Pinheiro, Buritizeiro

e Itamarandiba).

Em 2020, o Estado também seguiu apresentando o

maior valor da produção da silvicultura, alcançando R$ 6 bilhões

(32,1% do valor nacional). Cinco municípios de Minas

Gerais - João Pinheiro, Itamarandiba, Buritizeiro, Curvelo e

Turmalina, estão no ranking das 10 municipalidades com os

maiores valores da produção da silvicultura em 2020.

Minas Gerais é também o maior produtor de carvão

vegetal, respondendo por 87,5% do volume nacional. No Estado

foi registrado aumento de 3,6% de carvão vegetal, com

5,4 milhões de toneladas. O valor da produção do carvão

também registrou aumento, 44,6% (R$ 4,8 bilhões). Entre

os municípios mineiros, João Pinheiro apresentou o maior

valor da produção florestal primária em 2020, com R$ 509,5

milhões, assumindo a segunda posição no ranking nacional.

Constitui destaque nacional em relação ao carvão de eucalipto,

porém com queda de 8,5% em termos de volume em

relação ao ano anterior.

A participação de produtos florestais (celulose - US$

674,5 milhões, madeira - US$ 45 milhões, papel - US$ 15,1

milhões, borracha natural e gomas naturais - US$ 2 mil) representam

7% do valor total das exportações do agronegócio

mineiro. Em 2021, elas registraram receita de US$ 734,5

milhões, com acréscimo de 37,5%, na comparação com o

ano anterior. Os produtos (celulose, madeira) registram

queda no volume exportado, porém aumentos nas receitas,

devido à valorização do dólar. Os principais destinos são a

China, Holanda, EUA (Estados Unidos da América), Japão e

Itália (11%).

82 www.referenciaflorestal.com.br


INDISCUTIVELMENTE LÍDER EM PICADORES

A PLANALTO lidera a fabricação de Picadores Florestais no Brasil. Possui

a mais avançada Tecnologia. Os Picadores Florestais Planalto são

fabricados em diversos tamanhos e modelos. Por serem Máquinas que

trabalham em Terrenos dobrados são rebocados por Trator, Pá

carregadeira ou Escavadeiras, com isso facilita o manejo dentro da

Floresta. São equipados com Rotores de facas segmentadas ou facas

inteiras, vindo ao encontro das necessidades do Cliente.

www.planaltopicadores.com.br

Rod. BR 282 - Km 346 | Distrito de Macrozona de Expansão Urbana

Campos Novos - SC | CEP 89620-000 - Cx. Postal: 32

Tel/Fax: (49) 3541-7400 | comercial@planaltopicadores.com.br


ECONOMIA

EUCALIPTO

Minas Gerais possui a maior área de floresta plantada

de Eucalipto do Brasil, com participação de 27% na área

total brasileira. As florestas plantadas de eucalipto produziram

em 2020, 5,4 milhões de t (toneladas) de carvão, 6,3

milhões de m3 (metros cúbicos) de lenha, 7,3 milhões de m3

de madeira em tora para papel e celulose e 6,0 milhões de

m3 de madeira em tora para outras finalidades. A área de

florestas plantadas se concentra na região norte de Minas,

responsável por 26% da área total do Estado.

E relação a 2019 a área de plantio de Eucalipto cresceu

1,4%, atingindo 2.008 ha no Estado, principalmente nas regiões

norte e noroeste. Em relação a produção, o carvão vegetal

atingiu 5,4 milhões de t, enquanto a lenha teve produção

de 6,3 milhões de m3, o crescimento foi de 3,6% e 2,4%

respectivamente. A produção de madeira de eucalipto em

tora para papel e celulose foi de 7,3 milhões de m3, 17,2%

a mais do que no ano anterior, enquanto a madeira de tora

para outras finalidades cresceu 6,9%, com produção total de

6 milhões de m³.

Em contrapartida, as

vendas de produtos

florestais para o exterior

aproveitaram a alta do

dólar e atingiram a casa

de US$ 734,5 mil, 37% a

mais que em 2020

PINUS

A área plantada de pinus em Minas Gerais, em 2020, foi

de 49,1 mil ha, apresentando crescimento de 4,8% em relação

ao ano de 2019. A área colhida em 2020, registrou queda

de 22,0%, totalizando 1,3 mil ha. Entre os produtos da

Silvicultura (Pinus), a madeira em tora para papel e celulose

e para outras finalidades apresentaram incremento positivo

de 0,2% e 20,9%, respectivamente. A lenha apresentou queda

de 6,8%, registrando 64,4 mil m³.

As cidades com maior produção de pinus durante o

período avaliado foram: Nova Ponte, Grão Mogol, Prata, Camanducaia

e Sacramento. Nas duas primeiras a área plantada

total superou a casa de 6 mil ha e no caso de Nova Ponte

e Grão Mogol, atingiu quase 10 mil ha de pinus plantados.

Um destaque relevante sobre esse número do pinus está na

distribuição no Estado: a maior parte da produção está no

triângulo mineiro, mas existem áreas produtoras em praticamente

todo o Estado, com destaque para o norte e sul de

Minas Gerais.

EXPORTAÇÕES E FINANCIAMENTO

O volume embarcado em 2021 foi de 1,3 milhões de

t, 3,4% menos que no ano anterior. Em contrapartida, as

vendas de produtos florestais para o exterior aproveitaram

a alta do dólar e atingiram a casa de US$ 734,5 mil, 37% a

mais que em 2020. Em relação ao crédito rural fornecido

aos produtores, no biênio de 2020/2021, foram destinados

R$ 20,5 milhões, um aumento de 396,8% em relação à safra

anterior para custear a produção de eucalipto. Destes R$

124,9 mil foram destinados ao PRONAF (Programa Nacional

de Fortalecimento da Agricultura Familiar). Para o período

que vai de julho/2021 a fevereiro/2022, considerada a safra

2021/2022, já foram destinados R$ 14,7 milhões ao custeio

de eucaliptos do Estado. No balanço não estavam presentes

os valores relacionados ao pinus.

84 www.referenciaflorestal.com.br


Consultoria completa e

soluções inteligentes

para o segmento florestal

Projeto inicial

de viabilidade

industrial

Determinação

do layout

industrial ideal

Caracterização e

dimensionamento

de equipamentos

Acompanhamento

de implantação

industrial

Gestão de

implantação:

startup industrial

Planejamento

e controle da

produção

Criação de

programas de

melhoria contínua

Otimização do

potencial de

produção

Dedicação desde a avaliação mercadológica

e desenvolvimento de projetos até a realização

de negócios para a comercialização da

madeira no segmento da indústria florestal

www.serf.com.br

(51) 99425-1629 | contato@serf.com.br


ARTIGO

É possível ter rebrotas

de eucalipto com altas

PRODUTIVIDADES?

Vitor Augusto Cordeiro Milagres

Engenheiro Florestal | Mestre em Engenharia Florestal

Francio Soluções Florestais

Fotos: Francio Soluções Florestais

Por muito tempo os povoamentos de eucalipto

sobre manejo de rebrota foram vistos como o

patinho feio do sistema de produção florestal

nacional. Isso se deve ao descuido e falta de

conhecimento das melhores práticas silviculturais

para a condução da brotação. Afinal, é possível ter uma

talhadia tão produtiva quanto o alto fuste?

Conduzir uma floresta de talhadia apresenta algumas

vantagens em relação a reforma de plantios florestais. Destas

vantagens incluem o menor custo de manutenção e gastos

operacionais, uma vez que não há investimento em compra

de mudas, preparo de solo, aplicação de pré-emergentes,

plantio e replantio. Soma-se a isto o mercado de biomassa

que atualmente se encontra favorável para a venda de

madeira.

Como explicar então a baixa produtividade observada

de norte a sul do país? Existe um falso conceito por parte

de alguns produtores e empresas florestais de que as áreas

de talhadia não exigem os devidos cuidados silviculturais ou

ainda que os cuidados devam ser mínimos, uma vez que as

plantas já possuem um sistema radicular bem estruturado.

Todavia, para se obter altas produtividades, deve-se atentar

para as necessidades da cultura em relação a água, luz,

nutrientes, entender ainda as variações edafoclimáticas do

local, além de fornecer os subsídios necessários para seu

pleno desenvolvimento.

Os cuidados da rebrota iniciam-se no pré-corte da rotação

anterior. Nesta etapa, o controle de formiga é fundamental

para que se evite desfolhas e até mesmo a mortalidade dos

novos brotos. Uma adequada coleta de solos, recomendações

com a metodologia correta para correção e fertilização,

juntamente com a bioativação, tem apresentado resultados

excelentes para o desenvolvimento de povoamentos florestais.

Podemos obter inclusive resultados muito melhores que

86 www.referenciaflorestal.com.br


Os cuidados da rebrota

iniciam-se no pré-corte

da rotação anterior

a primeira rotação, mas é preciso entender que a talhadia ou

condução da rebrota, é uma atividade que demanda muita

técnica e atenção para que se alcance os objetivos esperados.

No processo de colheita, é fundamental que a equipe

operacional esteja consciente do impacto desta atividade

para a formação de novos brotos. O ideal é que se tenha um

alinhamento entre os setores de planejamento, silvicultura

e colheita para a definição da altura técnica do corte (8 a

12 cm), como também dos devidos cuidados no processo

de derrubada e arraste da madeira evitando ao máximo as

injúrias nos tocos.

Outra operação, muitas vezes omitida, é a limpeza dos

tocos após o corte. O sombreamento das cascas, galhos e

demais resíduos da colheita, diminuem significativamente

o porcentual de árvores brotadas e a homogeneidade da

brotação. Manter a base do toco livre de resíduos auxilia

na ativação das gemas, na geração de mais brotos e brotos

retilíneos, vigorosos, além da homogeneidade da brotação.

No processo de desbrota é ideal que se desloque a gema

por completo de modo que ocorra a eliminação definitiva dos

brotos excedentes, deixando um broto por cepa e dois nas

bordaduras. É explicita a dificuldade que muitos silvicultores

têm em manter a talhadia livre dos brotos ladrões. Uma

prática que tem auxiliado neste problema é o cobrimento

das cepas com os brotos deslocados, de modo que eles

reduzam a incidência solar sobre o toco remanescente.

A diminuição da luz, reduz significativamente as brotações

futuras e evita o matocompetição na coroa da planta

desbrotada. Além disso, os brotos retirados, viram matéria

orgânica do solo, e uma vez decompostos e mineralizados

se tornam nutrientes disponíveis para as plantas.

Além desses fatores operacionais citados, há vários

outros que influenciam na produtividade da talhadia:

desde a definição do material genético para rebrota,

tempo de armazenamento da madeira colhida em campo,

compactação do solo, como também outros fatores

tais como um efetivo controle de pragas e doenças, uma

correta adubação e monitoramento nutricional, época da

desbrota, seleção dos brotos e tantos outros.

Em outras palavras, é perfeitamente possível obter

rebrotas de eucalipto de alta performance, porém é

fundamental uma mudança de conceito por parte do

silvicultor e a adoção das melhores práticas silviculturais

para se ter uma floresta rentável, produtiva e sustentável.

Maio 2022

87


ESPECIAL

Tecnologia

COMO

PARCEIRA

Planilha ajuda produtor a planejar

plantio de árvores em sistema de

Integração Lavoura, Pecuária e Floresta

Fotos: divulgação

88 www.referenciaflorestal.com.br


Maio 2022 89


ESPECIAL

C

om o objetivo de auxiliar produtores rurais

e técnicos no planejamento de um sistema

de ILPF (Integração Lavoura, Pecuária e

Floresta), pesquisadores da EMBRAPA (Empresa

Brasileira de Pesquisa Agropecuária)

desenvolveram uma planilha eletrônica que possibilita o

cálculo rápido do percentual de ocupação de cada componente

do sistema (lavoura, pecuária e floresta) e o quantitativo

em termos de área. Já disponível para uso pelos

produtores e técnicos, a planilha foi finalizada dentro do

projeto IPF-Pampa (Integração Pecuária-Floresta na Região

da Campanha no Pampa Gaúcho), apoiado financeiramente

pela Associação Rede ILPF, uma parceria público-privada

entre a EMBRAPA e as empresas Bradesco, Cocamar, John

Deere, Soesp e Syngenta.

Outra novidade é que todas as simulações podem ser

salvas na própria planilha para comparações posteriores.

O produtor decide as culturas, forrageiras e as espécies

florestais, e a ferramenta auxilia no planejamento do sistema.

Os resultados obtidos ajudam o usuário na tomada de

decisão, com a orientação do melhor desenho do sistema

a ser implantado, de forma a otimizar a ocupação da área.

O engenheiro florestal Alan Felix Falavinha, consultor

da empresa Guaranta Engenharia e Meio Ambiente, destaca

que a planilha leva em consideração a borda entre as

árvores e as culturas agrícolas no cálculo da área, o que

diminui a área agrícola, assim como o espaço destinado à

manobra de máquinas, o que reduz o número de árvores

no sistema e no talhão. Falavinha é um dos idealizadores

da planilha. Para o pesquisador da EMBRAPA Pecuária Sul

(RS), Hélio Tonini, a ferramenta corrige os cálculos em função

desses detalhes de forma a melhorar o planejamento,

tornando-o mais próximo do que é executado no campo.

“O produtor decide se irá plantar de forma perpendicular

ou paralela ao lado maior ou menor da área, e a planilha

gera a informação corrigida de número de árvores a serem

plantadas juntamente com o espaçamento,” completa

Hélio.

Além disso, o uso da planilha permite ao produtor

ter informações exatas sobre o sistema, de uma maneira

mais rápida e confiável, evitando despesas desnecessárias,

segundo frisa o pesquisador Ciro Magalhães, da EMBRAPA

Agrossilvipastoril (MT). “Como a planilha dá o número

exato de árvores para o talhão, isso auxilia o produtor no

cálculo de insumos necessários para a implantação, como

a quantidade de corretivos, fertilizantes e mudas”, explica

Ciro.

A planilha serve para qualquer tamanho de área,

qualquer espécie florestal e também permite que sejam

feitos os cálculos modificando a orientação do plantio das

árvores no talhão. Isso permite uma boa aproximação no

caso do plantio em curvas de nível. Na planilha, o produtor

pode fazer diversas simulações para otimizar a ocupação

da área em função dos seus objetivos.

90 www.referenciaflorestal.com.br


EXCELÊNCIA EM

SISTEMAS DE

SUPRESSÃO

DE INCÊNDIO

A SOLTRON OFERECE

SOLUÇÕES COMPLETAS PARA:

MINERAÇÃO • FLORESTAL

AGRONEGÓCIO • PORTUÁRIO • NAVAL

SIDERURGIA • INDÚSTRIAS • SHOPPINGS

ENGENHARIA CIVIL • GERADOR A DIESEL

Oswaldo@soltronmg.com.br

/soltronmg | (31) 98738.8096

R. Américo Alves, 133 - Nazare,

Belo Horizonte - MG, 31990-070


ESPECIAL

COMO PREENCHER A PLANILHA

O preenchimento é simples e rápido. Para planejar um

sistema ILPF utilizando a planilha deve-se informar as dimensões

da área destinada ao plantio, o número de linhas

nos renques, o espaçamento das árvores entre as linhas, a

borda (distância deixada entre as árvores e os cultivos agrícolas

ou forrageiras para evitar a competição inicial com

as árvores) e a distância necessária para as manobras do

maquinário agrícola, que é definida pelo usuário em função

das dimensões dos seus equipamentos. “Na própria

planilha, o usuário pode visualizar imagens ilustrativas”,

destaca Hélio Tonini.

A planilha está disponível gratuitamente para os produtores

e técnicos e pode ser baixada da internet e aberta

em softwares editores como MS Excel, Libre Office ou Planilhas

Google.

O COMPONENTE FLORESTAL

A preocupação com a implantação correta do sistema

de integração Lavoura, Pecuária e Floresta deve visar, além

da rentabilidade, a otimização do uso do solo, recursos humanos,

máquinas e implementos e a conservação de água

e solo. Hélio ressalta a importância de entender o papel da

árvore nos sistemas e as suas vantagens. “A introdução do

componente florestal pode contribuir para o incremento

da renda na propriedade rural, tanto pela comercialização

do produto florestal como pelo seu uso interno, uma vez

que o produtor não necessitará adquirir esses recursos no

mercado”, pondera.

Como a planilha dá o

número exato de árvores

para o talhão, isso auxilia

o produtor no cálculo

de insumos necessários

para a implantação,

como a quantidade de

corretivos, fertilizantes e

mudas

92 www.referenciaflorestal.com.br


POLIM

AGRI

SUA RESERVA DE

ÁGUA NO CAMPO

Polim-Agri

PHI

Polímero Hidroretentor para irrigação. É uma poliacrilamida

super absorvente de água, utilizada como aditivo para

aumentar a eficiência da irrigação

Polim-Agri

PP

Polímero Hidroretentor para plantio. Retém, disponibiliza e

distribui uniformemente a água conforme a necessidade da

planta. Ganho econômico no plantio com a diminuição da

mortalidade das mudas, evitando a aquisição de novas

mudas e a mão de obra do replantio

Polim-Agri

Dust

Polim-Pote

Bio

O Polim-Agri Dust tem como ação aderir partículas de

poeira não deixando que, com o deslocamento de

caminhões e carros, se espalhe pelo ar

O Polim-Pote é um saquinho de polietileno virgem e

polietileno linear, de alta tecnologia, que é 100% Biodegradável

e 100% reciclável. É o único material certificado pela

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Polim-Agri

PHI-H2

O Polim-Agri PHI-H2 é um polímero linear que quando

entra em contato com a água se abre em vários flagelos e

faz com que as sementes e os insumos presentes na

calda grude melhor no terreno ou talude que está sendo

hidrossemeado.

Polim-Agri Agrícola

Rua Paes Leme, 666 - sala 101/104 | Londrina

43 3024-1008 | 43 99992-0292

www.polim-agri.com.br


ESPECIAL

Para o pesquisador as árvores sequestram carbono e

podem mitigar ou anular as emissões provenientes das

atividades agropecuárias. O uso da biomassa arbórea tem

efeito direto sobre o tempo de fixação do carbono. “Árvores

colhidas para móveis e construção fixam carbono por

um maior período do que a biomassa destinada à queima

ou ao setor de papel e celulose e, ao agregarem valor ao

produto florestal, aumentam a viabilidade e a lucratividade

do sistema”, afirma Hélio.

A ciência vem demostrando que a presença das árvores

influencia na disponibilidade de matéria seca e na qualidade

da forragem produzida, sendo que, nos locais mais

próximos às árvores, a produção de biomassa forrageira

diminui, porém, apresenta melhor qualidade nutricional

em função do aumento dos teores de nitrogênio na matéria

seca. A deposição das folhas, ramos, flores e frutos produzidos

pelas árvores torna-se uma importante fonte de

matéria orgânica e de nutrientes para o solo, aumentando

a ciclagem de nutrientes.

A presença das árvores proporciona, ainda, menor

variação de temperatura e umidade relativa do ar e, consequentemente,

um ambiente mais estável. As árvores

amenizam a temperatura do ar no verão e previnem a

formação de geadas no inverno, sendo benéficas para as

forrageiras e os animais.

• A planilha permite que produtor saiba quanto

da área é ocupado pela lavoura, pecuária e floresta.

• Ela orienta o melhor desenho do sistema, fornece

o número exato de árvores para o talhão e otimiza

o planejamento da ocupação.

• Leva em consideração os espaços entre as árvores

e as culturas agrícolas e o destinado à manobra

de máquinas, tornando os cálculos mais efetivos e

próximos do executado no campo.

• Auxilia o produtor a estimar os insumos necessários

para a implantação do sistema, evitando despesas

desnecessárias.

• A implantação correta do método favorece a

rentabilidade e o uso mais eficiente e sustentável de

máquinas, equipamentos e dos recursos naturais e

humanos.

• Disponível gratuitamente, a planilha é de fácil

preenchimento e foi desenvolvida com apoio da Associação

Rede ILPF.

94 www.referenciaflorestal.com.br


(15) 3532-5200 (15) 99670-7216

@tirestonepneus @tirestone_pneus

contato@tirestone.com.br www.tirestone.com.br

conquiste seu terreno

FOREST MASTER LS-2

PNEU 750/55-26.5 24 LONAS

APLICAÇÃO: HARVESTER, FORWARDER E

CARREGADORAS PESADAS FLORESTAIS

FORESTRY MARCHER LS-2

PNEU 30.5.32 26 LONAS

APLICAÇÃO: SKIDDER E FELLER BUNCHER


CONSULTORIA

Planejamento

IDEAL

96 www.referenciaflorestal.com.br


Serviços de consultoria florestal

crescem com a grande demanda de

maior produtividade no setor

Fotos: divulgação

Maio 2022

97


CONSULTORIA

O

s serviços de consultoria florestal são ideais

para que cada produtor possa alcançar o

máximo em produtividade de seus plantios.

A consultoria trata não apenas do planejamento,

mas também do acompanhamento

da cultura até o corte ou mesmo da comercialização da

madeira. Esses serviços são oferecidos por especialistas que

utilizam de todo seu conhecimento para ajudar outros produtores

a tomar as melhores decisões e guiar o produtor ao

sucesso do plantio. O investimento feito na consultoria é no

conhecimento para estar sempre um passo à frente de seus

concorrentes e também das dificuldades que podem aparecer.

Gabriel Marques, CEO da SERF, explica que florestas

são negócios de longo prazo e o planejamento na implantação

é muito importante e vai possibilitar ganhos em várias

etapas ao longo dos anos. “Pensamos a floresta para os

negócios madeireiros, desta forma podemos dedicar uma

floresta a determinado produto”, comenta Gabriel.

Gabriel aponta que o trabalho do consultor está relacionado

diretamente a antecipação e precisão nas respostas,

pois são elas que demonstram na prática o conhecimento

oferecido. “Atendemos muitos pequenos e médios empre-

sários que iniciaram no setor madeireiro na busca por uma

oportunidade de mercado e trabalhamos para que eles alcancem

seus objetivos”, descreve Gabriel sobre a atividade

que requer ajustes constantes para melhora de resultados.

As informações passadas pelos consultores são seguidas

ao pé da letra por seus clientes, por isso, há uma responsabilidade

muito grande na atividade. Da implantação

ao corte, o trabalho do consultor tem peso significante nos

resultados obtidos. Gabriel descreve como uma das principais

atividades da consultoria florestal, capacitar processos

produtivos e para isso o investimento em tecnologia é essencial.

“O processo exigiu que desenvolvêssemos parceria

com empresas de software que otimizaram e facilitaram

a aplicação da expertise que temos neste setor”, aponta

Gabriel.

O trabalho contínuo do consultor favorece seus clientes

em todas as fases, e sempre que possível, cria pontes comerciais

dentro do setor. “Já trabalhamos com um cliente

que produzia madeira serrada e outro que industrializava

essa madeira para a produção de painéis e, naquela oportunidade,

pudemos integrar essas duas pontas”, completa

Gabriel.

Pensamos a floresta

para os negócios

madeireiros, desta

forma podemos

dedicar uma floresta

a determinado

produto

98 www.referenciaflorestal.com.br


SUSTENTABILIDADE

Rentabilidade

IMEDIATA

100 www.referenciaflorestal.com.br


Governo estuda novo modelo

de pagamentos por serviços

relacionados à proteção ambiental

e recuperação de florestas

Fotos: divulgação

Disco de corte para Feller

Usinagem

• Disco de Corte para Feller

conforme modelo ou amostra,

fabricado em aço de alta

qualidade;

• Discos com encaixe para

utilização de até 20

ferramentas, conforme

diâmetro externo do disco;

Caldeiraria

• Diâmetro externo e encaixe

central de acordo com

padrão do cabeçote;

•Discos especiais;

Detalhe de encaixe para

ferramentas de 4 lados

Soldagem

Prestamos serviços de usinagem, caldeiraria e soldagem em peças e equipamentos conforme

desenho ou amostra. Fabricação e manutenção em pistões hidráulicos.

D’Antonio Equipamentos Mecânicos e Industriais Ltda

Av. Marginal Francisco D’Antonio, 337 Água Vermelha - Sertãozinho - SP

Fone: (16) 3942-6855 (16) 99794 1352 | dantonio@dantonio.com.br

www.dantonio.com.br


SUSTENTABILIDADE

U

m passo importante para transformar conservação

da floresta em atividade que gera

lucro. O ICMBio (Instituto Chico Mendes de

Conservação da Biodiversidade) e o BNDES

(Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico

e Social) firmaram acordo de cooperação técnica

para realização de estudos de viabilização de concessões

de PSA (Pagamento por Serviços Ambientais) e de créditos

de carbono em Unidades de Conservação Florestal.

Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, explicou que

o acordo abre portas para projetos de concessão que viabilizem

a conservação e a preservação. “Isso significa concessionar

para alguém que vai proteger, que vai conservar

aquela área e assim conseguir gerar créditos de carbono

de floresta nativa no escopo do programa Floresta+ Carbono

e, dessa forma, remunerar essa atividade de proteger e

conservar floresta nativa”, pontuou Joaquim.

O Programa Floresta+ Carbono prevê a geração de

créditos de carbono por meio da conservação e recuperação

da vegetação nativa, além de gerar alternativa de

renda para os brasileiros que vivem na Amazônia e outros

biomas. Para o ministro, essa é uma boa opção para concessão

dos parques nacionais e a possibilidade de uma

nova frente de concessão que pode, por exemplo, alinhar

visitação, manejo florestal e outros. “É o governo federal

trazendo soluções para o empreendedor que quer ajudar

na conservação e desenvolvimento sustentável dos parques

nacionais”, complementou Joaquim.

Marta Giannichi, secretária da Amazônia e Serviços

Ambientais do MMA, classificou o acordo como um marco

para viabilizar a geração de empregos verdes, não só na

Amazônia, como em todo o país. “Essas Unidades de Conservação

Federais, alinhadas com o seu plano de manejo,

tem um potencial gigantesco de, com uma parceria com

102 www.referenciaflorestal.com.br


o setor privado, viabilizar e entregar créditos de carbono,

via projetos de conservação e de recuperação, trazendo

emprego e renda para as comunidades que ali habitam”,

celebrou Marta.

Ao conservar as áreas de florestas, mantendo estoque

de carbono e reduzindo a emissão desta para a atmosfera,

a receita deste ativo é aplicada na área concessionada

em forma de Pagamento por Serviços Ambientais, remunerando

àqueles que prestam os serviços essenciais e

fundamentais para a conservação, restauração, monitoramento

e vigilância. Para o presidente do ICMBio, Marcos

Simanovic, o objetivo é viabilizar alternativas economicamente

viáveis e sustentáveis onde todos podem ganhar,

pois aqueles que precisarem de crédito poderão adquirir

de maneira lícita, com um processo transparente, numa

modelagem adequada e o resultado disso é revertido para

todos. “Com isso nós começamos a ter melhor estruturação

das Unidades de Conservação Federais, melhor estruturação

e aparelhamento daqueles que estão na ponta da

linha e uma remuneração para as populações tradicionais

que vivem ali e passam a proteger aquela mata”, pontuou

Marcos.

O presidente do BNDES, Gustavo Montezano, destacou

que o acordo viabilizará uma nova carteira de projetos e

concessões, que deve contar com o apoio do banco. “Essa

parceria que estamos fazendo é justamente para dar o primeiro

passo na formulação e regulação desses contratos e

formar nossa carteira de concessões e leilões que trarão o

crédito de carbono e PSA para a agenda principal da nossa

economia verde”, ressaltou Gustavo.

PROJETO EM DUAS ETAPAS

Na primeira fase o projeto prevê um estudo aprofundado

do arcabouço legal brasileiro referente a esses serviços

e a viabilidade desse modelo de concessão.

Já na segunda fase, será feita a estruturação de três

potenciais projetos de concessão para proteção e regeneração

de seis UCs (Unidades de Conservação) na Amazônia,

cobrindo área superior a 1,7 milhão de ha (hectares).

A intenção do ministério e do BNDES é utilizar essas

concessões por PSA na conservação da Amazônia e no

desenvolvimento socioeconômico das populações locais,

trazendo investimentos diretos ao território e remunerando

quem mais protege o meio ambiente.

SOLUÇÕES

INTEGRADAS

para o setor florestal

// Mochilas Flexíveis

e Bombas Costais

// Soprovarredor

Conjuntos de Combate para Pick-up

Tanques flexível e rígido (CAFS e PRO)

// Ferramentas

e Acessórios

// Conheça nossa linha completa de equipamentos,

ferramentas e acessórios para prevenção, controle e

combate a incêndios florestais.


PESQUISA

EFEITO DA IDADE

SOBRE O POLINÔMIO DO QUINTO GRAU

PARA AFILAMENTO DE PINUS TAEDA L

Fotos: divulgação

104 www.referenciaflorestal.com.br


SAULO JORGE TÉO

UNOESC (UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA)

JOÃO HENRIQUE ESTEVES

UNOESC (UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA)

Maio 2022

105


PESQUISA

RESUMO

A

forma dos troncos das árvores é um

importante parâmetro de qualidade e

necessária para calcular e estimar o volume

dos troncos das árvores, contudo

varia conforme uma série de fatores,

entre eles a idade das árvores.

O objetivo deste estudo é demonstrar o efeito da

idade sobre os parâmetros do polinômio do quinto

grau e, consequentemente, sobre a forma do tronco

de árvores de Pinus taeda L., visando a formulação de

funções de afilamento, que podem representar troncos

de diferentes formas. Os dados são provenientes

de 631 árvores, com idades variando de 4 a 31 anos,

de diversos povoamentos florestais na região meio

oeste do Estado de Santa Catarina, Brasil. Foi ajustado

e testado o polinômio do quinto grau sem qualquer

alteração, e com seus coeficientes expressos como

função linear da idade, por meio do procedimento

PROC NLIN do aplicativo computacional SAS® OnDemand

for Academics. O polinômio do quinto grau,

com os coeficientes b1 e b5 ajustados como função

linear da idade, apresentou o melhor desempenho

estatístico, realismo biológico e conformidade com o

conhecimento teórico sobre a forma dos troncos das

árvores de Pinus taeda. Dessa forma, apenas uma

equação de afilamento foi capaz de estimar diâmetros

ao longo do tronco de árvores de diferentes formas,

com precisão e exatidão.

106 www.referenciaflorestal.com.br


INTRODUÇÃO

A forma do fuste das árvores diz respeito à figura

ou contorno externo do tronco, geralmente apresentando

afilamento da base até o topo. Segundo Husch

et al. (2003), a forma do fuste é definida pelo processo

de crescimento do diâmetro e da área seccional ao

longo do tronco da árvore. Não se pode medir a forma

de uma árvore ou tora como se faz com o diâmetro

ou a altura, somente estabelecer índices, ou ajustar

funções que a representam. A captação da forma dos

troncos das árvores torna-se possível pela medição

de diâmetros a distintas alturas, e sua expressão se

dá, principalmente, por meio de quocientes de forma,

fatores de forma e funções de afilamento.

A forma é um dos

mais importantes

parâmetros externos

de qualidade do fuste,

frequentemente utilizado

como critério de

sortimento florestal

SOLUÇÕES ECOLÓGICAS

EM SUPRESSÃO VEGETAL

Rua Edgar Cubas, 173 - 89294-000 - Campo Alegre/SC - Brasil

FABRICAD O NO BRASIL

Matriz européia adaptada pa ra

contato@himev.com.br www.himev.com.br

a realidade de países tropicais. +55 (47) 3632-1001 +55 (47) 9 9613-1513 himevt


PESQUISA

A forma é um dos mais importantes parâmetros

externos de qualidade do fuste, frequentemente utilizado

como critério de sortimento florestal. Fustes com

forma inferior, tais como aqueles que apresentam

afilamento e curvatura acentuados, são usualmente

relacionados com baixo rendimento em serrarias,

propriedades mecânicas da madeira ruins e alto custo

de processamento (Tong; Zhang, 2008). As equações

de afilamento, além de expressar a forma dos troncos

das árvores, podem fornecer estimativas de diâmetros

a diferentes alturas, altura onde se encontra um

dado diâmetro, volume total e volumes comerciais de

madeira.

Todas as árvores apresentam uma forma típica

de seu fuste, a qual varia com a espécie, idade, sítio,

posição sociológica, densidade do povoamento, intervenções

silviculturais como desbaste e poda, e até

estresses mecânicos, como os causados pelo efeito

do vento sobre a árvore (Ahrens & Holbert, 1981).

Dessa forma, usualmente, o desenvolvimento de modelos

de afilamento se restringe a uma única espécie,

classe de idade, regime de manejo, qualidade de sítio

florestal, região de estudo e, até mesmo, classes de

diâmetro, classes de altura e classes de fator de forma

(Figueiredo et al., 2006; Eisfeld et al., 2008; Souza et

al., 2008; Miguel et al., 2011; Favalessa et al., 2012a;

108 www.referenciaflorestal.com.br


Não se pode medir a forma

de uma árvore ou tora como

se faz com o diâmetro ou a

altura, somente estabelecer

índices, ou ajustar funções

que a representam

Favalessa et al., 2012b; Souza et al., 2012; Kohler et

al., 2013; Lanssanova et al., 2013; Téo et al., 2013;

David et al., 2014; Figueiredo Filho et al., 2014; Figueiredo

Filho et al., 2015; Costa et al., 2016; Kohler et al.,

2016; Téo et al., 2018b; Terra et al., 2018).

Alguns autores recomendaram o ajuste de

funções de afilamento por classe de idade e forma

(Kohler et al., 2013; David et al., 2014; Figueiredo Filho

et al., 2015; Kohler et al., 2016; Terra et al., 2018),

porém este procedimento gera tantas equações quantas

forem as classes em que os dados forem estratificados.

Caso o número de equações seja muito grande,

haverá menor eficiência e produtividade no momento

de sua aplicação, visando produzir estimativas.

Esta é uma versão parcial deste artigo, para ler o

conteúdo completo, acesse: https://revistas.ufpr.br/biofix/

article/view/82184/45619

Maio 2022

109


AGENDA

AGENDA2022

JUNHO

2022

Imagem: reprodução

Elmia Wood 2022

Data: 2 a 4

Local: Jönköping (Suécia)

www.elmia.se/en/wood

JUNHO

2022

JUL

2022

INTERFORST MUNICH

A Interforst Munique vem para provar mais uma vez

que a silvicultura não está mais apenas na floresta.

Experiência em um dos mais modernos - e mais

sustentáveis - centros de exposições do mundo como

o fator econômico floresta pode ser desenvolvido com

sucesso. Nela o visitante poderá ter contato direto com

todos os representantes importantes da indústria, poderá

participar de fóruns, rodadas de discussão, shows

especiais e terá uma visão compacta do mercado ao

longo de toda a cadeia de valor: do reflorestamento à

colheita de madeira para serrarias.

WoodEX for Africa 2022

Data: 7 a 9

Local: Joanesburgo (África do Sul)

www.woodexforafrica.com

Imagem: reprodução

JUNHO

2022

AGO

2022

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE

REFLORESTAMENTO AMBIENTAL

RoseWood 4.0

Data: 14 e 15

Local: Barcelona (Espanha)

https://rosewood-network.eu/

O Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental é

um dos mais importantes Fóruns de inovação tecnológica,

atualização e intercâmbio técnico e empresarial

que integra os diversos agentes de desenvolvimento e

meio ambiente que atuam na área florestal e ambiental.

Todas os assuntos e atividades importantes ligadas ao

temário de reflorestamento ambiental, que envolvem o

público alvo, serão apresentadas e discutidas, tendo a

oportunidade do (a) participante de se qualificar, trocar

informações, conhecer novas tecnologias, experiências,

serviços e produtos.

110 www.referenciaflorestal.com.br


AGENDA2022

JUNHO

2022

JULHO

2022

AGOSTO

2022

Galiforest

Data: 30/06 a 02/07

Local: Boqueixón (Espanha)

www.galiforest.com

Interforst Munich

Data: 17 a 20

Local: Munique (Alemanha)

https://interforst.com/de/

VI Congresso Brasileiro de

Reflorestamento Ambiental

Data: 03 a 05

Local: Salvador (Bahia)

http://reflorestamentoambiental.com.br/

Maio 2022

111


Evento online

De 12 a 15 de julho 2022

Estúdio de transmissão: Auditório do IBAMA Sede - Brasília(DF)

www.congressoflorestal-cfb.com.br

REALIZAÇÃO

PATROCÍNIOS CONFIRMADOS

-ES

EMPRESAS ORGANIZADORAS


ESPAÇO ABERTO

Foto: divulgação

Qualidade é

MELHOR QUE

QUANTIDADE

Por Luiz Correia,

é Head of Sales especialista em estratégias

e performance de comunicação digital

para companhias de diversos segmentos

na Pontaltech, empresa especializada em

comunicação omnichannel.

Fidelização de clientes

deve ser o foco para o

crescimento seguro das

empresas

F

idelizar clientes é muito mais importante do que se preocupar

apenas em atrair volumes crescentes de novos consumidores.

Afinal, de nada adianta oferecer um produto

ou serviço de excepcional qualidade, sem garantir que o

consumidor busque sua marca novamente para uma futura

compra. Conquistar a fidelização dos consumidores depende obrigatoriamente

de um bom relacionamento entre as partes. Um simples

feedback positivo é capaz de bombardear positivamente a imagem da

marca no mercado, atestando a qualidade do atendimento e produto

oferecidos, atingindo outros que procuram pelas mesmas soluções.

Em uma pesquisa feita pela SmarterHQ, 90% dos consumidores estão

dispostos a oferecer seus dados de comportamento às companhias,

em troca de benefícios adicionais que melhorem sua experiência de

compra.

Os benefícios são inegáveis – assim como os prejuízos no pior cenário

de atendimento. Um cliente insatisfeito pode impactar muitos

outros negativamente, ocasionando um efeito cascata que nenhum

empresário deseja passar. É preciso resolver as dores de seu público-

-alvo, entender seus anseios e necessidades e, acima de tudo, garantir

que ele volte a procurar seus serviços futuramente. Seja por via própria

ou por indicação para terceiros.

COMO FIDELIZAR CLIENTES?

O consumidor é o melhor vendedor do seu negócio. Em um mercado

completamente digital, se torna muito fácil encontrar inúmeras

companhias dispondo dos mesmos produtos e serviços. O mercado

está repleto do mais do mesmo, o que eleva a importância e necessidade

de estratégias de fidelização para seus clientes.

Conquistar tal satisfação e recompra vai muito além do que oferecer

os famosos programas de pontuação. O leque de bonificações

deve ser muito maior e inovador, com pacotes mais atrativos que

façam sentido para o perfil e desejos de seus usuários. Tenha uma

promoção real e diferenciada, que estimule a geração de verdadeiros

discípulos de engajamento do seu negócio.

Fora as recompensas financeiras em cashback a serem utilizados

em futuras compras, os programas de evolução se mostram extremamente

vantajosos para fidelizar clientes. A cada aquisição, o consumidor

pode conquistar um novo selo de comprador, com a acumulação

de scores conforme os valores gastos.

A IMPORTÂNCIA DOS CANAIS DE COMUNICAÇÃO NA

FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES

As estratégias de fidelização dos clientes são imensamente eficazes

por si só. Mas, quando engajadas ainda mais via os mais modernos

e interativos canais de comunicação, poderão conquistar resultados

ainda melhores. Cada segmento e nicho de atuação possui sua própria

vertente e perfis de consumidores.

Reconheça suas demandas e, se adeque às suas necessidades.

Fidelizar seus clientes não exige nenhuma estratégia mirabolante ou

revolucionária. Temos que nos adequar ao mundo no qual iremos

afetar. São diversos perfis e hábitos distintos, mas que quando compreendidos

e solucionados de forma personalizada, trarão uma série

de clientes satisfeitos e fiéis ao seu negócio.

114 www.referenciaflorestal.com.br


Novo sistema de medição de

comprimento ainda mais preciso;

Novo projeto de chassis, mais

robusto, maior durabilidade;

Novos cilindros das facas de

desgalhe;

Pinos substituíveis do Link,

simplificando sua manutenção;

Novo acesso ao ponto para

lubrificação, mais segurança na

manutenção;

Nova geometria da caixa da serra,

que propicia um ciclo de corte mais

rápido com menor lasque da

madeira;

Anéis trava ajustáveis no conjunto

de medição do diâmetro, que

estendem a durabilidade dos

componentes.

Serviço: (41) 2102-2881

Cabeçote: (41) 2102-2811

Peças: (41) 2102-2881

(41) 9 8856.4302

Pinhais-PR: Rua Alto Paraná, 226 - Sala 02

(41) 9 9232.7625

Butiá-RS: Av. Perimetral Sargento Fermino Peixoto da Silva, 181

(41) 9 9219.3741 Caçador-SC: Rua Victor Meireles, 90 • NOVA SEDE

logmaxbr

logmaxbr

contato@logmax.com

www.logmaxbr.com.br

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!