15.10.2022 Views

Laurentino - o presente do passado

Comemoração aos 60 anos de Emancipação Política Administrativa de Laurentino

Comemoração aos 60 anos de Emancipação Política Administrativa de Laurentino

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.









Prefácio 10

60 Anos de Emancipação Política 12

O presente do passado 14

O carvão da Serra Tomio 18

A Família Nasato 22

A redução da produção de mandioca e fumo em corda 24

O município produtor de mudas 28

Produtores de mudas de Laurentino 30

O resultado das entrevistas 154

O retorno das aves 158

A or-símbolo de Laurentino 166

Referências Bibliográcas 168


Prefácio


Laurentino o presente do passado, dos autores Robson Carlos

Avi, Juarez Inácio de Oliveira e Miguel Angelo Biz, nos remete a uma

viagem no tempo, onde nosso companheiro recíproco são as aves, o

passado e ao mesmo tempo o presente.

Das paisagens mais belas ao início da colonização, a obra trans-

porta-nos de meados de 1914 aos dias contemporâneos, demonstrando

ricas imagens, histórias familiares, o processo de colonização e a

semeadura de uma das riquezas do município: a produção de mudas.

Outro cenário da obra, auente em informações, são as entrevistas

que a compõem, cento e vinte e três produtores que relatam seu

cotidiano e a arte de plantar e orir.

Além de ser um livro belíssimo, ainda nos traz informações valiosas

baseando-se em uma pesquisa empírica com temas sobre a atividade

do produtor, o motivo que o fez trocar de ramo, bem como, o

grupo de plantas produzidas, entre outros.

Pode-se também contar com um espaço dedicado às aves, onde

o fotógrafo Miguel Angelo Biz, descortina a natureza das aves dessa

fauna exuberante.

Externo minha gratidão, por me permitir fazer parte dessa tão

importante obra Laurentinense, que cará na memória e no coração

de todos nós!

Nélida Giane Lazzari

Secretária de Educação

11


60 Anos de

Emancipação Política


Essa obra foi pensada com muito carinho pela passagem dos 60

anos de emancipação política-administrativa de Laurentino. Buscontemporaneidade

na produção de mudas.

cou-se elucidar as belas paisagens, a formação do município e sua

Trouxe também dados históricos e enriquecedores da atividade

agrícola, com o plantio de mudas, tornando o município “mais verde

e arborizado”. O livro é um deleite para nossos olhos, uma miscigenação

de cores, paisagens, culturas e histórias que nos marcam profundamente.

Me sinto honrado pelo convite e pela oportunidade de parabenizar

os autores: Robson Carlos Avi, Juarez Inácio de Oliveira e Miguel

Angelo Biz, pela enorme dedicação a este trabalho que abrilhantou

ainda mais as datas alusivas aos 60 anos do nosso município.

Viva nossos produtores! Viva o meio ambiente! Viva o município

produtor de mudas.

Marcelo Tadeo Rocha

Prefeito Municipal

60 anos

1962 - 2022

Laurentino

13



O município de Laurentino, com mais de 120 produtores de mudas,

se destaca entre os que mais produz no Estado de Santa

Catarina. A produção e a comercialização de mudas, faz da cidade

um local verde e arborizado, um presente que Pedro Nasato

deixou para os laurentinenses.


Cachoeira Nasato, Ribeirão Laurentino, Laurentino (SC)

Foto: Robson Carlos Avi


t

L a u

r en no

17


O carvão da Serra Tomio


t

L a u

r en no

Em 2015 na localidade de Serra Tomio em Laurentino, a família

Souza divulgou ao público a existência de uma caverna em

seu terreno. O local aparentemente abandonado foi motivo

de interesse do biólogo Robson Carlos Avi.

As amostras de rochas coletadas nas paredes e no interior da

escavação, mostraram que se tratava de uma mina de carvão

mineral de superfície.

Ao atualizar pesquisas bibliográcas sobre o assunto, observou-se

que a Expedição White, liderada pelo geólogo Israel Charles White,

realizou coletas de carvão em terras catarinenses.

Em 1904 o geólogo

americano Israel Charles

White foi contratado pelo

governo brasileiro para

realizar pesquisas

de carvão em

1

Santa Catarina

Washington

Santa

Catarina

São Bento

do Sul

Tubarão

Lauro

Müller

Segundo o Serviço Geológico

do Brasil, de 1904 a 1906, a

Comissão de Estudos das

Minas de Carvão de

Pedra do Brasil realizou

expedições pelo

2

território catarinense

1

2

Serviço Geológico do Brasil (CPRM)

Coluna White, Serra do Rio do Rastro, SC (Seção Geológica Clássica do Continente

Gongduana no Brasil) CPRM Serviço Geológico do Brasil.

19


Em 2020, o engenheiro Juarez Inácio de Oliveira e o biólogo

Robson Carlos Avi, criaram uma história ctícia em relação

ao desaparecimento do fundador do município João Venceslau

Pereira e a caverna da Serra Tomio, de propriedade da família

Souza.

O lme de animação de 13 minutos produzido pelos autores,

relaciona a data das escavações em 1906 e a chegada do

fundador em 1908.

Laurentino 1908 - O lme, conta a história do fundador da

cidade, que se instala nas margens do rio Itajaí do Oeste, e

é perseguido pelos índios. Ao se aproximar dos acampamentos

das tribos, João percebeu que os caciques queimavam durante

os rituais religiosos várias pedras pretas.

Após ter a casa incendiada pelos índios e perder a sua esposa

queimada, João passou a seguir as tribos e encontrou a caverna

de onde eles extraiam o carvão. Ao explorar a caverna,

foi surpreendido por um cachorro. O latido do animal atraiu

a curiosidade dos caçadores que passavam pela região. Sem

saber para onde estavam atirando, o caçador se aproximou

do local na porta da caverna e disparou um tiro certeiro no

peito de João. Seguindo o caminho, os caçadores partiram, e

deixaram o local ao som das goteiras que caiam sobre o corpo

do fundador do município de Laurentino.

O fato de não existirem registros sobre o paradeiro de João V.

Pereira, possibilita imaginar acontecimentos diferentes sobre

a tragédia ocorrida na Serra Tomio.

Cena do lme Laurentino 1908 (caçadores na entrada da caverna)

3

3

Laurentino 1908 - O lme (2020)

(https://www.youtube.com/watch?v=8cnwciKcivM).



A Família Nasato



A redução da produção de

mandioca e fumo em corda



Os Números da Poluição da Mandioca em Laurentino

mandioca Poluição

500 t/mês 125.000 habitantes

6.000 t/ano

Durante 30 anos a cidade de

Laurentino conviveu com uma

poluição equivalente ao

lançamento de esgoto

sanitário de uma

população de 125.000

habitantes

Atualmente a cidade não possui nenhuma empresa

extrativa de mandioca (fecularia ou farinheira) e sua

produção anual é de 300 ton, uma redução de 95%.

t/ano

6.000

300

Produção

de Mandioca

7

1948-1978 2022

As plantações de fumo em corda ganharam o lugar da mandioca

por dois motivos:

o primeiro pelo preço do produto e o segundo

pelo tempo de colheita. As vantagens sobre a mandioca

levaram o produto a se tornar o preferido entre os laurentinenses.

Em 1978, no nal do ciclo da mandioca, Laurentino deixou de

ser recordista de produção de mandioca por hectare e pas-

sou a ser conhecida, como a capital brasileira do fumo em corda.

A projeção do município de Laurentino no sul do país, teve a

participação dos comerciantes, em especial da Indústria e

Comércio Oliveira Ltda, com o lançamento do fumo em corda

8

embalado e picado em embalagem de 40g no ano de 1970 .

7

8

Secretaria de Agricultura - Prefeitura Municipal de Laurentino.

No o do bigode - o desenvolvimento da cidade de Laurentino (2015).



O município produtor de mudas


































































Jaumir Antônio de Souza



































































A presença de aves nas vegetações que cobrem as cidades é um

bom indicativo de qualidade de vida. Algumas espécies são encontradas

em ambientes preservados, enquanto outras, vivem em

áreas urbanas.

Em Laurentino as aves estão sendo observadas e estudadas desde

2007, quando o biólogo Ricardo Pamplona Campos publicou a

primeira lista de registros ornitológicos na localidade de Alto

Laurentino, na área rural do município.

Após esse período o fotógrafo ambientalista Miguel Angelo Biz

deu início a um longo trabalho de observação de aves no munigráco

da ave peixe-frito-verdadeiro (Dromococcyx phasianel-

cípio. Nesses 15 anos foram identicadas espécies que encontram-se

ameaçadas de extinção e o primeiro registro foto-

lusves), para o estado de Santa Catarina.

peixe-frito-verdadeiro

Dromococcyx phasianellusves

Foto: Miguel Angelo Biz

15

1ºregistro fotográco para

Santa Catarina (07/10/2018)

15

Aves de Laurentino (https://avesdelaurentino.blogspot.com).

159





Colaptes campestris





primavera

Bougainvillea spectabilis

A Lei Municipal 908/2005 ‘‘Adota a Bougainvillea spectabilis

como or-símbolo de Laurentino e dá outras providências.’’

21

Nome: Guilherme* ‘‘Pique’’

Título: Ramo de primavera

Técnica: Spray, acrílica e

marcadores sobre

papel

Dimensões: 21cm x 30cm

Data: 2022

* Guilherme Carlini Piazera no meio artístico é conhecido por Pique. Grateiro, artista plástico e arte-educador,

natural de Laurentino (SC), tem envolvimento com arte desde criança, mas foi em 2013 que teve o primeiro contato

com o grafti e arte urbana. Se interessou pelo estilo de letras do grafti nova iorquino e pela cultura hip-hop,

passando a usar essa expressão artística como ferramenta de socialização, educação e percepção da identidade

no mundo. Além de graftis espalhados por diversas cidades dos estados de SC, PR, SP, DF, RN, AM e RR, participa

de projetos culturais com ligação na arte urbana, como ocinas de arte-educação em escolas e centros sociais e

culturais e apresenta suas obras em exposições coletivas e individuais em galerias e museus. Já expôs nas cidades de

Laurentino, Rio do Sul, Florianópolis e Curitiba. Atualmente mora em Curitiba (PR) e cursa Licenciatura em Artes Visuais

na Escola de Musica e Belas Artes do Paraná.

21

Leis Municipais (www.laurentino.sc.gov.br)



Edição dos Autores, 2016. 106p.

.

. Acesso em 11 abr. 2022.

Acesso em 15 abr. 2022.

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!