02.01.2023 Views

As50MelhoresCronicasdoLerebomExperimente!Vol.1

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Maluco Beleza no

velório do Zé Pinguinha

Autor: Ivens do Carmo Costa

Professora: Rosa Maria Ramos

E.E. Antonio Raposo Tavares

Osasco – SP

Mais um dia triste no bairro. Corria a notícia dando conta

que Zé Pinguinha tinha morrido e todos ficaram paralisados,

não acreditavam naquilo.

Não demorou muito e já tinham marcado o velório. Ficou

fechado o bar que ele frequentava (Copo Sujo), apelido que

‘Maluco Beleza’ tinha posto ao boteco e colocado uma

plaqueta com o local e o horário.

O bairro em peso compareceu, até fretaram um ônibus para

levar o pessoal, mas entre todas aquelas pessoas tinha um

convidado ilustre, o Maluco Beleza.

Todos muito tristes e o ‘Maluco Beleza’ em ação, chorando

por seu amigo Zé Pinguinha (apelido dado por ele), e

apelidando todo mundo. Ele ficava cochichando com o moço

do lado: “Olha lá! O ‘Maracujá de Gaveta’ está dando suco” –

falando sobre a mãe do Zé.

Bêbado, o cara ao lado, já estava ficando irritado com o

Carlos. (Você deve estar se perguntando, quem é Carlos? Eu

te respondo: é o nome do ‘Maluco Beleza’, que ninguém sabia,

mas eu sei)

Carlos viu outra senhorinha chorando e não resistiu. Já

pensou num apelido para a coitada e, não aguentando, disse

53

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!