ESPECIAL MÚSICOS GUINEENSES - Musica da Guine-Bissau

gumbe.com

ESPECIAL MÚSICOS GUINEENSES - Musica da Guine-Bissau

ECO da Voz di Paz

VdP: Fale-nos de si, da sua relação

com a música e do que representa

na sua vida.

Chamo-me Ademir Lopes, conhecido

por Mimito.

Sou músico, compositor e instrumentista;

canto, toco piano, sintetizador

e guitarra.

Sou produtor e técnico de estúdio

de áudio.

A minha relação com a música

define-se em duas palavras:

paixão e fidelidade.

Quero dizer com isto que a música

é a minha fonte de inspiração

na vida, em toda a sua dimensão;

acompanha-me sempre e é com

ela que vivo o meu dia-a-dia, de

forma intensa e apaixonada.

Sendo o sexto filho de uma

prole de dez, a minha carreira

começou com uma infância musical,

na qual fui membro de uma

“banda familiar de garagem”.

Boletim Informativo

MIMITO

Aprendi, ainda na infância, a

apreciar músicas de vários estilos,

como a africana, latinoamericana

e brasileira em particular

pois, os meus pais eram

grandes amantes da música, chegando

até a importar discos que

não havia no mercado português.

A morna de Cabo-Verde e o fado,

são também dois estilos que ficaram

vincados na minha memória.

Fui, desde cedo, influenciado

pelo irmão César Augusto, então

vocalista do conhecido conjunto

musical “Juventude 71”, da Guiné-Bissau.

Mais tarde, já na adolescência (a

partir dos meus 15 anos sensivelmente)

entrei em contacto com

a música anglo-americana e o

reggae. Pela mão da minha irmã

Adénis, passei a ouvir música

Rock (Beatles, Pink Floyd, Rolling

Stones, Barclay James Harvest,

The Doors, Dire Straits, Sting….),

A Guiné quer Paz, a solução está em MIM

Página 43

música Pop, Disco Sound (Bee

Gees, Donna Summer, ABBA, Kate

Bush…), Soul, e na esfera reggae,

Bob Marley, Peter Tosh e Jimmy

Cliff.

O Jazz e o Blues aparecem finalmente

no meu horizonte musical

e tornam-se complementos fundamentais

na minha caminhada

e na minha incessante busca de

aprendizagem e saber.

Não posso deixar de referir o

músico e cantor Aerton Lopes,

o mais novo dos meus irmãos,

como um grande companheiro e

conselheiro nas minhas andanças,

desde a primeira hora.

Em termos de experiência acompanhei,

como instrumentista

vários cantores guineenses, como

o Manecas Costa, a Eneida Marta,

o Justino Delgado, o Rui Sangara

e também de outras nacionalidades;

actualmente integro a

banda “Tabanca Djaz”.

Similar magazines