Views
5 years ago

RHnews • novembro 2006 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ

RHnews • novembro 2006 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ

capa Programa de

capa Programa de aprendizagem “Consórcio Social da Juventude” da Ação Comunitária RHnews do novembro Brasil/RJ 2006 – Jovens atuando como assistentes de cabeleireiros Ronaldo Breve

Jovens no Instituto Caminhos para a Vida, projeto de Responsbilidade Social da Concessionária Ponte Rio-Niterói A Lei 10.097/2000, regulamentada em 2005, obriga os estabelecimentos de médio e grande porte a contratar jovens entre 14 e 24 anos. Não veja essa questão como um problema para sua empresa ou uma obrigação. Trata-se de uma oportunidade única para qualificar o mercado de trabalho e levar os bons resultados para jovens carentes, famílias inteiras e até para a economia. Entendendo a Lei A Lei 10.097/2000, regulamentada pelo Decreto 5.598/2005, obriga os estabelecimentos de médio e grande porte a contratar jovens entre 14 e 24 anos. Esse aprendiz deve alternar o tempo em uma instituição formadora com um período de trabalho na empresa. Os Serviços Nacionais de Aprendizagem (SENAI, SENAC, SENAR, SENAT E SESCOOP) são os responsáveis pela capacitação dos jovens, mas escolas técnicas de educação e algumas entidades sem fins lucrativos registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente também atuam como formadoras. O objetivo é a qualificação sócio-profissional e a inserção de aprendizes no mercado formal de trabalho. A jornada não pode exceder seis horas diárias e o contrato tem a duração de dois anos. Para os que já completaram o ensino fundamental, o período pode chegar a oito horas diárias. A remuneração é feita com base no salário mínimo/hora, além dos benefícios concedidos aos demais empregados. O percentual de aprendizes em relação à força de trabalho está relacionado ao número das posições que demandam formação profissional, sendo que as empresas estão limitadas a um número equivalente a 5% (mínimo) e a 15% (máximo) de trabalhadores existentes. As Delegacias Regionais do Trabalho são as responsáveis por fiscalizar o cumprimento desta Lei. O papel da DRT/RJ José Roberto Moniz de Aragão, coordenador do Núcleo de Políticas Sociais da DRT/RJ (Delegacia Regional do Trabalho do Rio de Janeiro) esclarece que, em função das mudanças promovidas pelo decreto de 2005, ao longo do primeiro semestre RHnews novembro 2006 Alexandre Vieira

RHnews • maio / junho 2006 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ
RHnews • agosto 2006 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ
RHnews • setembro 2006 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ
RHnews • fevereiro 2007 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ
RHnews • outubro2006 • Parceira da ABRH-RJ A RHnews tem o ...
RHnews • janeiro 2007 • Revista da Associação ... - ABRH-RJ
RHnews • setembro 2006 • Revista da Associação Brasileira de ...
Gestões inovadoras - ABRH-RJ
Parentesco nas Empresas - ABRH-RJ
Liderança, Motivação e Competências - ABRH-RJ
Trilha da Excelência - ABRH-RJ
Edição Petróleo e Gás - ABRH-RJ
entrevista Fátima Holanda - ABRH-RJ
Revista dependências - Novembro 2007