07.06.2023 Views

Jornal Cocamar Junho 2023

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

RENOVÁVEL<br />

Glicerina sustentável e mais competitiva<br />

<strong>Cocamar</strong> obtém a Certificação Internacional de Sustentabilidade e Carbono e se<br />

posiciona de forma privilegiada para fornecer o produto aos países europeus<br />

A<strong>Cocamar</strong> acaba de<br />

conquistar a Certificação<br />

Internacional<br />

de Sustentabilidade<br />

e Carbono (ISCC) para a glicerina,<br />

classificada como resíduo<br />

do processo de biodiesel. O certificado<br />

é concedido pelo Organismo<br />

de Certificação SCS<br />

Global Services. A glicerina foi<br />

certificada nas categorias Collecting<br />

point (Ponto de coleta)<br />

e Point of origin (Ponto de origem).<br />

PRÁTICAS RESPONSÁVEIS -<br />

Renomado por sua expertise<br />

em avaliação de sustentabilidade<br />

e práticas ambientais, SCS<br />

Global Services ressalta, com<br />

essa certificação, o compromisso<br />

contínuo da <strong>Cocamar</strong> em<br />

adotar práticas responsáveis e<br />

sustentáveis em sua cadeia de<br />

produção.<br />

ENERGIA RENOVÁVEL - “Ao<br />

obter certificações reconhecidas<br />

internacionalmente, a <strong>Cocamar</strong><br />

contribui para a transição<br />

global para uma economia<br />

de baixo carbono, promovendo<br />

a redução da dependência de<br />

combustíveis fósseis e impulsionando<br />

o uso de fontes de<br />

energia renovável”, avalia a gerente<br />

executiva de Governança,<br />

Fernanda Volpato.<br />

OPORTUNIDADES - Segundo<br />

ela, a <strong>Cocamar</strong> continua a<br />

avançar em sua jornada sustentável,<br />

investindo em pesquisa<br />

e desenvolvimento de<br />

tecnologias inovadoras para<br />

aprimorar ainda mais sua produção<br />

de biocombustíveis.<br />

“Com a certificação ISCC, a empresa<br />

está bem posicionada<br />

para aproveitar as crescentes<br />

oportunidades de negócios,<br />

fortalecendo parcerias e ampliando<br />

seu alcance global”,<br />

completa.<br />

ABRE PORTAS - O gerente executivo<br />

de Combustíveis, Cleverton<br />

Ruffo, explica que a glicerina<br />

é um derivado da produção de<br />

biodiesel, que tem como base o<br />

óleo de soja, grão entregue<br />

pelos cooperados. A certificação<br />

ISCC é particularmente valiosa,<br />

explica ele, pois abre portas<br />

para a <strong>Cocamar</strong> no competitivo<br />

mercado europeu, além de<br />

identificar para um outro nicho<br />

de mercado o compromisso<br />

que a cooperativa tem com a<br />

sustentabilidade. O investimento<br />

que ela vem fazendo com os<br />

cooperados visa produzir cada<br />

vez mais, cada vez melhor e<br />

preservando o planeta.<br />

PRIVILEGIADA - A União Europeia<br />

é conhecida por suas rigorosas<br />

regulamentações e metas<br />

ambiciosas em relação à redução<br />

de emissões de carbono<br />

e ao incentivo ao uso de fontes<br />

de energia renovável. Com a<br />

certificação ISCC, a <strong>Cocamar</strong><br />

está posicionada de forma privilegiada<br />

para fornecer a glicerina<br />

aos países europeus, contribuindo<br />

para o desenvolvimento<br />

do mercado de biogás e<br />

biometano.<br />

ECONOMIA VERDE - Ao conquistar<br />

a certificação ISCC para<br />

sua glicerina, a <strong>Cocamar</strong> não<br />

apenas aumenta sua vantagem<br />

competitiva, mas também<br />

desempenha um papel fundamental<br />

na construção de um<br />

futuro mais limpo e sustentável<br />

para todos. Essa conquista<br />

exemplifica o compromisso da<br />

empresa em fornecer soluções<br />

energéticas ambientalmente<br />

responsáveis e impulsiona a<br />

transição global para uma economia<br />

mais verde.<br />

2 | J o r n a l C o c a m a r


PALAVRA DO PRESIDENTE<br />

As oportunidades<br />

oferecidas para<br />

o crescimento<br />

Expansão horizontal da <strong>Cocamar</strong> contribui para<br />

que ela se mantenha sustentável e competitiva<br />

Divanir Higino, presidente da <strong>Cocamar</strong><br />

Em seu esforço para o crescimento<br />

e se manter sustentável<br />

e competitiva, a<br />

<strong>Cocamar</strong> tem avançado<br />

em um programa de expansão horizontal<br />

não apenas no Paraná, como<br />

também nos estados de São Paulo e<br />

Mato Grosso do Sul, tendo, mais recentemente,<br />

inaugurado suas primeiras<br />

unidades no Mato Grosso e<br />

Goiás.<br />

Em um país de grande extensão territorial,<br />

as oportunidades são muitas<br />

para a cooperativa em regiões<br />

onde o agronegócio avança de forma<br />

acelerada sem que os produtores<br />

sejam devidamente assistidos e<br />

apoiados em seus negócios.<br />

Eles precisam, por exemplo, de<br />

orientação técnica especializada e<br />

confiável que os ajudem a evoluir no<br />

sentido de que obtenham mais rentabilidade;<br />

insumos de qualidade<br />

para que, efetivamente, os resultados<br />

estejam dentro de suas expectativas;<br />

e segurança para depositar<br />

as suas safras.<br />

Estes são alguns dos muitos benefícios<br />

proporcionados pela <strong>Cocamar</strong><br />

nas regiões onde atua, ao promover<br />

a organização da produção e difundir<br />

uma mentalidade empresarial<br />

para que os cooperados, sob o<br />

guarda-chuva da cooperativa, tenham<br />

crescimento.<br />

Os cooperados crescem quando incorporam<br />

novos conhecimentos e<br />

tecnologias transferidas pela cooperativa<br />

para o indispensável aumento<br />

da produtividade e consequente<br />

racionalização de custos; ao<br />

utilizarem insumos diferenciados,<br />

sob o acompanhamento técnico da<br />

cooperativa, como se observou nos<br />

últimos anos, por exemplo, com a<br />

sua linha de foliares; ao participarem<br />

efetivamente, com suas famílias,<br />

do dia a dia da organização que<br />

lhes pertence a eles retorna os seus<br />

resultados.<br />

Nas novas regiões, o primeiro efeito<br />

da chegada da <strong>Cocamar</strong> é a regulação<br />

do mercado, o que faz com que a concorrência<br />

se obrigue a utilizar, como<br />

referência, os preços praticados pela<br />

cooperativa, evitando assim que os<br />

produtores sejam explorados na aquisição<br />

de insumos e na comercialização<br />

de suas safras. No dia 6 de junho, a<br />

propósito, chegamos a Campo Grande,<br />

a primeira capital a contar com<br />

uma estrutura da cooperativa.<br />

A <strong>Cocamar</strong> é o esteio do produtor,<br />

com o qual ele pode contar em todas<br />

as suas demandas. Fortaleça a<br />

sua cooperativa!<br />

Em um país de grande<br />

extensão territorial,<br />

as oportunidades são<br />

muitas para a cooperativa<br />

em regiões onde o<br />

agronegócio avança de<br />

forma acelerada sem<br />

que os produtores<br />

sejam devidamente<br />

assistidos e apoiados<br />

em seus negócios<br />

Jo r n a l C o ca m a r | 3


SAFRA <strong>2023</strong>/24<br />

Seguro restrito dificulta compra de insumos<br />

Produtores de várias regiões, dependendo, principalmente, do tipo de solo,<br />

enfrentam restrições para a contratação do seguro na aquisição de insumos<br />

As recorrentes adversidades<br />

dos últimos<br />

anos causaram grandes<br />

prejuízos à agricultura<br />

paranaense, cujos efeitos<br />

persistem mesmo com a colheita<br />

recorde de soja no período<br />

2022/23.<br />

PROBLEMAS - Em 2021, na<br />

cultura do milho de inverno,<br />

houve intensas perdas por geadas,<br />

foram duas a três ocorrências<br />

durante o ciclo da cultura. Já<br />

no ciclo de verão 2021/22, a<br />

produção de soja foi fortemente<br />

devastada pela estiagem. E,<br />

ainda em 2022, na segunda safra<br />

de milho, ocorreu a incidência<br />

da cigarrinha. O resultado é<br />

que todos esses problemas<br />

acabaram levando a uma forte<br />

retração na oferta de seguro<br />

rural por parte das companhias<br />

do setor.<br />

RESTRIÇÕES - Como consequência,<br />

produtores rurais de várias<br />

regiões do estado - dependendo,<br />

principalmente, do tipo de<br />

solo onde estão localizadas as<br />

propriedades - vêm enfrentando<br />

restrições para a contratação do<br />

seguro e isto é percebido agora,<br />

no momento em que eles iniciam<br />

negociações para aquisição<br />

dos insumos destinados à safra<br />

de verão <strong>2023</strong>/24.<br />

ANTECIPAÇÃO - A compra antecipada<br />

de insumos é necessária<br />

para o planejamento e também<br />

para que as empresas fornecedoras<br />

organizem a logística<br />

de distribuição, especialmente<br />

no que se refere a fertilizantes e<br />

outros itens. De acordo com<br />

André Barberá, gerente da Corretora<br />

<strong>Cocamar</strong>, ainda não há<br />

clareza quanto à disponibilidade<br />

de seguro para a próxima safra<br />

de verão em todas as regiões,<br />

“as restrições até o momento<br />

são muito grandes”.<br />

ESCLARECER - Conforme ele<br />

explica, a retomada deve ser<br />

morosa e a expectativa é que o<br />

Plano Safra <strong>2023</strong>/24 a ser<br />

anunciado em breve pelo governo<br />

federal, esclareça essa situação<br />

que vem preocupando o<br />

setor produtivo.<br />

RESOLUÇÃO - Barberá comenta<br />

que o governo publicou uma resolução<br />

em que aprova a distribuição<br />

do orçamento do<br />

Programa de Subvenção ao Prêmio<br />

do Seguro Rural (PSR), no<br />

total de R$ 1,063 bi-lhão.<br />

ARENITO - Ele lembra, ainda,<br />

não haver restrições para a contratação<br />

de seguro de máquinas<br />

e equipamentos agrícolas, mas<br />

neste momento em que o produtor<br />

precisa contar com seguro<br />

para fazer a compra dos insumos,<br />

acaba esbarrando na impossibilidade<br />

em algumas regiões<br />

do estado, principalmente<br />

onde o predomínio é de solos de<br />

consistência mista ou arenosa.<br />

OUTRA GARANTIA - No caso<br />

dos cooperados da <strong>Cocamar</strong> -<br />

cooperativa que está presente<br />

em mais de uma centena de<br />

municípios do Paraná e outros<br />

quatro estados (SP, MS, MT e<br />

GO) -, a recomendação do gerente<br />

é que o produtor converse<br />

primeiro com o técnico de sua<br />

unidade de atendimento para<br />

saber se a região está contemplada<br />

com seguro rural. Se não<br />

estiver, ele precisará considerar<br />

outro tipo de garantia para a<br />

substituição da apólice de seguro.<br />

4 | J o r n a l C o c a m a r


SOLO<br />

+Calcário+Produtividade<br />

<strong>Cocamar</strong> lança programa para conscientizar que um dos limitadores da produtividade<br />

é o uso em quantidade inadequada ou a falta da aplicação do corretivo<br />

A<strong>Cocamar</strong> lançou dia<br />

29/5, por meio de<br />

uma videoconferência<br />

reunindo toda a<br />

sua equipe técnica e gerências<br />

de unidades, um programa que<br />

visa conscientizar os produtores<br />

para que façam uso do calcário<br />

para a correção dos solos de<br />

suas propriedades.<br />

LIMITAÇÃO - Denominada<br />

+Calcário+Produtividade, a iniciativa<br />

quer chamar a atenção<br />

para o fato de que um dos limitadores<br />

da produtividade das lavouras<br />

é a utilização em quantidade<br />

inadequada ou a simples<br />

falta da aplicação do corretivo.<br />

DEIXAR DE GANHAR - “Quem<br />

não usa, está deixando de ganhar”,<br />

afirma o gerente técnico e<br />

doutor na área de solos Rodrigo<br />

Sakurada, lembrando que o<br />

calcário é uma unanimidade<br />

entre os profissionais de assistência<br />

técnica.<br />

IMPORTÂNCIA - “Não há um<br />

engenheiro agrônomo ou técnico<br />

que conteste a importância<br />

do calcário ou que o mesmo<br />

possa ser retirado de um planejamento<br />

de safra”, enfatiza. Ele<br />

observa que mesmo os produtores<br />

sabem da necessidade,<br />

mas se não há uma frequência<br />

da aplicação em quantidades<br />

corretas, os resultados acabam<br />

comprometidos.<br />

FERRAMENTAS - O programa<br />

tem também a finalidade de<br />

desenvolver uma comunicação<br />

sistemática para motivar os<br />

produtores, explica o gerente<br />

técnico, lembrando que a cooperativa<br />

dispõe de ferramentas<br />

para ajudá-los a agilizarem a<br />

correção.<br />

SERVIÇOS - Por exemplo, se<br />

eles alegam dificuldades para<br />

efetuar a coleta de solo destinada<br />

à análise laboratorial, a<br />

própria cooperativa presta esse<br />

serviço por meio de técnicas<br />

modernas, como o uso de quadriciclos.<br />

Da mesma forma, se<br />

justificam não possuir equipamentos<br />

para efetuar a aplicação,<br />

a <strong>Cocamar</strong> mantém parcerias<br />

para essa implementação, o que<br />

aumenta muito a velocidade da<br />

operação quando a janela de<br />

aplicação é curta.<br />

MAIS PRODUTIVIDADE - “O<br />

mais importante é que os produtores<br />

elevem o potencial produtivo<br />

de suas lavouras”, diz<br />

Sakurada, assinalando que o<br />

calcário, ao corrigir o solo, contribui<br />

para que os demais insumos<br />

sejam mais eficientes. “Se<br />

há uma adversidade e o solo<br />

está devidamente corrigido, a<br />

tendência é o produtor ter um<br />

impacto menor”, observa.<br />

PALESTRAS - Como estratégias<br />

para conscientizar os produtores,<br />

as equipes de profissionais<br />

técnicos da <strong>Cocamar</strong> estão<br />

sendo treinados, haverá uma<br />

programação de palestras nas<br />

regiões, bem como uma parceria<br />

no esforço de comunicação com<br />

as empresas fornecedoras de<br />

calcário e também com as que<br />

atuam em outras áreas.<br />

DURADOURO - “Pretendemos<br />

desenvolver um programa duradouro<br />

para que os produtores<br />

estejam sempre ouvindo<br />

falar da importância da correção<br />

adequada do solo para<br />

Lançamento foi dia 29/5, reunindo toda a<br />

equipe técnica e gerências de unidades<br />

melhorar suas médias de produtividade”,<br />

afirma o gerente<br />

técnico.<br />

NÃO ESQUECER - Dependendo<br />

da situação, a aplicação pode<br />

ser feita a cada dois, três ou<br />

quatro anos, “só não podemos<br />

deixar que essa prática seja relegada<br />

a um segundo plano ou<br />

caia em esquecimento”. Este<br />

não é um programa de um, três<br />

ou cinco anos, trata-se de uma<br />

iniciativa que deve ser vitalícia<br />

na cooperativa para que a cada<br />

ano seja possível evoluir e construir<br />

uma base mais sólida para<br />

produção dos cooperados.<br />

Jo r n a l C o ca m a r | 5


COCAMAR 60 ANOS<br />

Paiçandu, a primeira unidade<br />

Em 1970, a cooperativa deu início a expansão de entrepostos<br />

fora de Maringá, ocupando as instalações que pertenciam ao IBC<br />

Nos primeiros anos<br />

da década de 1970<br />

a diretoria da <strong>Cocamar</strong>,<br />

tendo à frente<br />

o presidente Constâncio Pereira<br />

Dias, começou a planejar a implantação<br />

dos primeiros entrepostos.<br />

Assim, a primeira unidade<br />

da cooperativa fora de Maringá<br />

foi instalada no vizinho<br />

município de Paiçandu, ocupando<br />

as instalações que pertenciam<br />

ao então Instituto Brasileiro<br />

do Café (IBC) e estavam<br />

subutilizadas. Um enorme depósito<br />

com 31.824 metros quadrados.<br />

RESPONSÁVEIS - O primeiro<br />

responsável, Jamil Jaloto, permaneceu<br />

um tempo na função,<br />

confiada depois ao português<br />

José Maria Leal Pessoa Paula<br />

Soares, profissional especializado<br />

em armazenagem e conservação<br />

de grãos, que havia<br />

chegado de Moçambique um<br />

ano antes. José Maria assumiu a<br />

gerência dessa unidade, ficando<br />

Jamil Jaloto como seu subgerente.<br />

ESPECIALISTA - Certa vez, em<br />

entrevista para a produção do<br />

livro <strong>Cocamar</strong> 50 anos, editado<br />

em 2013, José Maria lembrou<br />

que tinha vindo ao Brasil para<br />

passar apenas alguns dias, mas<br />

quando o amigo Antônio Almir<br />

dos Santos, engenheiro civil e<br />

dono da Construtora Enorpa,<br />

examinou seu currículo, disselhe:<br />

“Se você quiser, não sai mais<br />

de Maringá”. Antônio Almir mantinha<br />

estreito relacionamento<br />

com a administração da <strong>Cocamar</strong>,<br />

da qual, no futuro, seria<br />

conselheiro. Ele apresentou José<br />

Maria a Constâncio, que o contratou<br />

sem hesitar. Um profissional<br />

assim não poderia ser<br />

desperdiçado, tanto porque a<br />

cooperativa estava entrando<br />

para valer na área de recebimento<br />

de grãos, construindo<br />

graneleiros.<br />

ADAPTAÇÃO - José Maria trazia<br />

a experiência da atuação de<br />

anos nesse setor em Portugal.<br />

Ele contou que o armazém em<br />

Paiçandu era espaçoso demais<br />

para comportar tão pouco café<br />

– a capacidade era para 1,2 milhão<br />

de sacas. “A grande geada<br />

de 1975 havia acabado com a<br />

maior parte dos cafezais e a<br />

produção era diminuta”, recordou-se.<br />

Então, a cooperativa<br />

arrendou a estrutura, que estava<br />

ociosa, adaptando-a para o recebimento<br />

de milho, produto<br />

que ganhava escala na região.<br />

EXPANSÃO - Depois de Maringá<br />

e Paiçandu, a cooperativa passou<br />

a contar com instalações<br />

próprias para o recebimento de<br />

grãos em outros municípios da<br />

região. Os de São Jorge do Ivaí e<br />

Jussara ficaram prontos em<br />

1976 com capacidade, respectivamente,<br />

para 33 mil e 12 mil<br />

toneladas. Em 1977, mais dois:<br />

Doutor Camargo e Floresta, para<br />

25 mil toneladas cada.<br />

A História da <strong>Cocamar</strong> continua nas próximas edições<br />

J o rn a l C o ca m a r | 7


ENERGIA SOLAR<br />

Doação impulsiona projetos sociais<br />

Entidades assistenciais que receberem os sistemas fotovoltaicos são as<br />

primeiras de uma série que a <strong>Cocamar</strong> pretende contemplar em várias cidades<br />

A<strong>Cocamar</strong> formalizou<br />

dia 24/5, durante solenidade<br />

no salão social<br />

da Associação <strong>Cocamar</strong><br />

em Maringá (PR), a doação de<br />

sistemas de energia solar para três<br />

instituições sociais do município.<br />

São as primeiras de uma série que<br />

a cooperativa pretende contemplar<br />

em várias cidades das regiões<br />

onde atua. Outras seis vão ser instaladas<br />

nos próximos meses.<br />

BENEFICIADOS - Conselheiros,<br />

gestores e colaboradores da cooperativa<br />

participaram do evento,<br />

que reuniu também autoridades<br />

municipais e representantes das<br />

entidades atendidas - a Associação<br />

Norte Paranaense de Reabilitação<br />

(ANPR), o Recanto Espírita<br />

Somos Todos Irmãos e o Encontro<br />

Fraterno Lins e Vasconcellos.<br />

APOIO A COMUNIDADE - “Sempre<br />

inovando e pensando nos<br />

princípios ESG (Ambiental, Social e<br />

Governança), a <strong>Cocamar</strong> fortalece<br />

ainda mais a sua parceria com as<br />

entidades”, declarou o presidente<br />

executivo Divanir Higino. Segundo<br />

o presidente do Conselho de Administração,<br />

Luiz Lourenço, “uma<br />

das preocupações do cooperativismo<br />

é apoiar as comunidades<br />

onde o sistema está inserido<br />

e participar do seu desenvolvimento”.<br />

FAZ JUS - Acompanhado da secretária<br />

de Assistência Social, Sandra<br />

Jacovós, o prefeito de Maringá,<br />

Ulisses Maia, lembrou o quanto a<br />

<strong>Cocamar</strong> já fez e tem feito pelo<br />

município e iniciativas como essas<br />

“fazem jus ao título que recebeu,<br />

pelo segundo ano consecutivo, de<br />

melhor cooperativa agropecuária<br />

do Brasil”.<br />

ECONOMIA - O vice-presidente<br />

da ANPR, Eduardo Peinado, destacou<br />

que com o sistema de energia<br />

fotovoltaica doado pela cooperativa,<br />

a entidade que atende a<br />

254 alunos vai economizar cerca<br />

de R$ 5 mil mensais e direcionar<br />

esse recurso para o atendimento<br />

a outras demandas.<br />

PANIFICAÇÃO - Já os dirigentes do<br />

Encontro Fraterno Lins de Vasconcellos,<br />

os irmãos Cláudio e<br />

César Ivantes, afirmaram que redução<br />

na conta de energia elétrica<br />

deve ficar entre R$ 7 mil e R$ 8 mil<br />

por mês, montante esse que será<br />

revertido em uma panificação para<br />

Diretorias da <strong>Cocamar</strong> e das entidades beneficiadas em solenidade<br />

produção de mais alimentos ao<br />

público atendido. Desde sua fundação,<br />

há 26 anos, a entidade tem<br />

como foco famílias em situação de<br />

risco e vulnerabilidade, com mais<br />

de 2,5 mil cadastradas.<br />

ENSINAR - O Lins de Vasconcellos<br />

atende a 1,2 mil jovens diariamente<br />

e 250 famílias que<br />

precisam de assistência, sendo<br />

aos sábados fornecidas entre<br />

600 a 700 marmitas. “Temos a<br />

preocupação de atender àqueles<br />

que necessitam, mas também<br />

de ensinar”, conta César, explicando<br />

ser desenvolvido no local<br />

um trabalho de contraturno com<br />

crianças de 7 a 14 anos e a preparação<br />

dos jovens para o primeiro<br />

emprego.<br />

ASSISTÊNCIA - Por sua vez, Cilso<br />

Luiz Benedito, do Recanto Espírita<br />

Somos Todos Irmãos, citou que a<br />

doação da <strong>Cocamar</strong> vai representar,<br />

para a entidade, uma economia<br />

de R$ 3 mil a R$ 3,5 mil por<br />

mês e proporcionar avançar em<br />

seus projetos, no atendimento a<br />

crianças, pessoas idosas e famílias<br />

carentes. São mais de 100 famílias<br />

supridas com cestas básicas e outras<br />

20 em situação de emergência<br />

social, além de 75 crianças matriculadas<br />

em contraturno.<br />

RATES - De acordo com a <strong>Cocamar</strong>,<br />

os recursos que viabilizam a<br />

doação dos sistemas fotovoltaicos<br />

para as entidades são provenientes<br />

do Rates (Reserva de Assistência<br />

Técnica, Educacional e<br />

Social). As entidades são selecionadas<br />

levando em conta os serviços<br />

oferecidos, a reputação e o<br />

impacto promovido na comunidade,<br />

iniciando-se um processo<br />

cuja primeira etapa é a realização<br />

de um laudo estrutural, seguida de<br />

uma avaliação técnica. Após aprovação,<br />

a entidade é comunicada<br />

sobre os tramites para a instalação<br />

do sistema, que tem seguro<br />

de um ano e é transferível, caso a<br />

entidade mude de endereço.<br />

QUALIDADE - “O sistema é um<br />

produto da mais alta qualidade”,<br />

destaca o gerente comercial de<br />

energias renováveis da <strong>Cocamar</strong>,<br />

Eduardo Carvalho, ressaltando que<br />

o mesmo faz parte da linha de<br />

produtos comercializados pela cooperativa,<br />

a qual responde também<br />

pela sua instalação.<br />

Jo r n a l C o ca m a r | 9


PESQUISA<br />

Satisfação elevada com serviços<br />

Foram avaliados facilidade e tempo<br />

para entrega de grãos, confiabilidade<br />

na classificação, conhecimento técnico<br />

do agrônomo e assistência oferecida<br />

Dentro da Jornada do<br />

Cooperado, pesquisa<br />

realizada pela <strong>Cocamar</strong><br />

durante a entrega da safra de<br />

soja, e que compreendeu também<br />

o trabalho prestado pela<br />

assistência técnica, apontou<br />

para níveis elevados de satisfação.<br />

RESPOSTAS - De acordo com o<br />

Departamento de Cooperativismo<br />

e Experiência com o Cooperado,<br />

1.800 produtores consultados<br />

responderam às indagações,<br />

atribuindo notas.<br />

SAFRA - Em relação à safra, no<br />

quesito sobre a facilidade para a<br />

entrega dos grãos, as respostas<br />

apresentaram a nota 8,5; quanto<br />

ao tempo de entrega, a nota no<br />

geral foi 8,0 e em relação à confiabilidade<br />

na classificação, que<br />

obteve a mais alta pontuação,<br />

ficou em 8,8. Com isso, a satisfação<br />

geral no que se refere à<br />

safra atingiu nota 8,7.<br />

DESAFIO - É lembrado que,<br />

com a supersafra de soja do<br />

ciclo 2022/23, o recebimento<br />

de grandes volumes ao mesmo<br />

tempo impôs um enorme<br />

desafio em todas as unidades<br />

da cooperativa que, mesmo<br />

assim, conseguiram atender às<br />

expectativas dos cooperados,<br />

conforme demonstra a pesquisa.<br />

ASSISTÊNCIA - Quanto ao trabalho<br />

da assistência técnica, o<br />

conhecimento técnico do agrônomo<br />

recebeu nota 9,4 por parte<br />

dos cooperados respondentes,<br />

que consideraram, também, a<br />

assistência oferecida suficiente<br />

para a tomada de decisão, atribuindo<br />

nota 9,2. No geral, a satisfação<br />

dos cooperados em relação<br />

a esses dois itens foi de<br />

8,8.<br />

1 0 | Jo r n a l C o c a m a r


LARANJA<br />

Infestação de psilídeos<br />

assusta citricultores<br />

Para ajudar o cooperado no enfrentamento desse problema,<br />

foram adotadas algumas estratégias emergenciais<br />

Nas últimas semanas<br />

as taxas de capturas<br />

de psilídeo (inseto<br />

vetor da doença<br />

HLB, o greening, considerada a<br />

mais importante da citricultura e<br />

ainda sem tratamento), em armadilhas,<br />

aumentou exponencialmente<br />

em todas as regiões<br />

produtoras de laranja da <strong>Cocamar</strong>.<br />

Esse fato surpreendeu e deixou<br />

assustados os cooperados,<br />

os quais acreditavam que a situação<br />

na região se encontrava sob<br />

controle e que os manejos à base<br />

de pulverização semanal estavam<br />

sendo efetivos.<br />

MIGRAÇÃO - Segundo o Departamento<br />

Técnico da cooperativa,<br />

um dos fatores que corroboraram<br />

para o aumento da taxa de<br />

captura do inseto vetor foi a chegada<br />

da frente fria, que pode<br />

deslocar a praga por distâncias<br />

de até 30 quilômetros, sendo<br />

que grande parte desses insetos<br />

provém de pomares não comerciais,<br />

como por exemplo as plantas<br />

de limão, laranja e mexerica<br />

poncã cultivadas em fundo de<br />

quintais nas cidades, chácaras e<br />

pastos, onde não se faz um manejo<br />

adequado com defensivos.<br />

Nessas condições, tais plantas<br />

acabam servindo para a reprodução<br />

da praga que, em seguida,<br />

migra para áreas comerciais,<br />

contaminando as plantas sadias.<br />

Reuniões para tratar sobre ações de controle do inseto vetor já vêm acontecendo<br />

ENFRENTAMENTO - A coordenadora<br />

de Culturas Perenes e<br />

Mandioca da <strong>Cocamar</strong>, Amanda<br />

Carolina Zito, informa que para<br />

ajudar o cooperado no enfrentamento<br />

desse problema, foram<br />

adotadas algumas estratégias<br />

emergenciais. “Emitimos um<br />

alerta em todas as redes sociais<br />

e grupos de mensagens, pedindo<br />

que os produtores se unissem e<br />

fizessem a pulverização ao mesmo<br />

tempo em um intervalo curto<br />

de uma semana, para reduzir a<br />

incidência do inseto”, detalha.<br />

GRUPOS - Outra medida foi a<br />

criação de grupos de mensagens<br />

com produtores em um raio de<br />

até 20 quilômetros, dividindo-os<br />

em microrregiões, onde ações<br />

são tratadas nos locais para o<br />

controle do inseto vetor. No total<br />

são 24 microrregiões em toda a<br />

área de atuação em citros da<br />

cooperativa, sendo que reuniões<br />

com cada grupo já vêm acontecendo<br />

- as primeiras delas ocorridas<br />

em Santa Fé e Nova Esperança,<br />

no dia 22/05, lideradas<br />

pela engenheira agrônoma Veronica<br />

Kastalski, da unidade de<br />

Nova Esperança.<br />

J o r na l C o ca m a r | 1 1


ARENITO<br />

Parceria em prol da mandioca<br />

<strong>Cocamar</strong> e Fecularia Lopes programam<br />

ações visando fortalecer a cultura<br />

na região noroeste<br />

Uma parceria firmada<br />

entre a <strong>Cocamar</strong> e a<br />

Fecularia Lopes, de<br />

Nova Londrina, no<br />

noroeste do Paraná, reforça<br />

ainda mais o objetivo da cooperativa<br />

de implementar ações para<br />

o fortalecimento da cultura da<br />

mandioca na região.<br />

PESQUISA - A fecularia cedeu<br />

uma área de 17 alqueires (41,4<br />

hectares) no município de Marilena<br />

para que sejam realizados ali<br />

protocolos de pesquisa, sob a<br />

coordenação da <strong>Cocamar</strong>, além<br />

de dias de campo com a participação<br />

de técnicos e produtores.<br />

Serão realizados protocolos de pesquisa e dias de campo<br />

SOLUÇÕES - De acordo com<br />

Paulo Lopes, presidente da Alimentos<br />

Lopes, a empresa compartilha<br />

do mesmo propósito da<br />

<strong>Cocamar</strong>, que é a busca de soluções<br />

para fomentar o incremento<br />

tecnológico e assegurar melhores<br />

resultados aos produtores.<br />

PROTOCOLOS - O engenheiro<br />

agrônomo Jorge Vecchi, da unidade<br />

da cooperativa em Nova<br />

Londrina, ficará responsável pela<br />

área, que já conta com alguns<br />

protocolos definidos: fungos micorrizicos,<br />

adubação nitrogenada<br />

e novas cultivares de mandioca,<br />

a cargo da Embrapa; plantio direto<br />

em diferentes coberturas,<br />

milheto e braquiária, com o Instituto<br />

de Desenvolvimento Rural<br />

do Paraná (IDR-PR); e manejo<br />

nutricional (<strong>Cocamar</strong>).<br />

UDT - Os mesmos testes e experimentos<br />

vão ser conduzidos<br />

também na estação experimental<br />

da UDT (Unidade de Difusão<br />

de Tecnologias) da <strong>Cocamar</strong> em<br />

Guairaçá, município da região de<br />

Paranavaí.<br />

Câmara Técnica visa fortalecer mandiocultura<br />

Diante da queda que vem<br />

sendo observada, nos últimos<br />

anos, das médias de produtividade<br />

da mandiocultura na região<br />

noroeste do Paraná, a<br />

<strong>Cocamar</strong> Cooperativa Agroindustrial<br />

instituiu no final do<br />

mês de abril uma Câmara Técnica<br />

da Cadeia Produtiva de<br />

Mandioca.<br />

RENTABILIDADE - O objetivo,<br />

segundo explica sua coordenadora,<br />

a engenheira agrônoma<br />

Amanda Caroline Zito (que responde<br />

pela coordenadoria de<br />

Culturas Perenes e Mandioca<br />

da <strong>Cocamar</strong>), “é fortalecer o<br />

trabalho da cooperativa nessa<br />

cultura, além de fomentar pesquisas<br />

e estudos que promovam<br />

a adesão de tecnologias,<br />

garantindo assim mais produtividade<br />

e rentabilidade aos<br />

produtores”.<br />

RELEVÂNCIA - Amanda acrescenta<br />

que a cultura da mandioca<br />

apresenta grande relevância<br />

econômica para a região<br />

do arenito caiuá e em toda a<br />

área de atuação da <strong>Cocamar</strong><br />

em municípios do noroeste paranaense,<br />

com aproximadamente<br />

80 mil hectares cultivados.<br />

A preocupação da <strong>Cocamar</strong>,<br />

observa Amanda, é que<br />

mesmo com o Paraná mantendo<br />

a liderança na produtividade<br />

nacional da raiz, grande<br />

parte dos produtores<br />

J o r n a l C o c a m a r | 1 3


ARENITO<br />

não se mostra receptivo<br />

a incorporação de novas<br />

tecnologias e conduz seus negócios<br />

de acordo com um perfil<br />

conservador e extrativista.<br />

REUNIÕES - Com reuniões trimestrais,<br />

a Câmara Técnica é<br />

integrada por um grupo de produtores<br />

tecnificados e reconhecidos<br />

por suas produtividades,<br />

os quais, não raro, obtiveram<br />

cerca de 60 toneladas/<br />

hectare na última safra, ante a<br />

média regional que varia entre<br />

25 e 33 toneladas. Fazem parte,<br />

também, os engenheiros<br />

agrônomos Willian Martins e<br />

Jorge Vecchi, respectivamente<br />

das unidades da <strong>Cocamar</strong> em<br />

Paranavaí e Nova Londrina, e<br />

representantes da Embrapa,<br />

Instituto de Desenvolvimento<br />

Rural do Paraná (IDR-PR) e indústrias<br />

processadoras.<br />

MANEJO NUTRICIONAL - Na<br />

primeira reunião, em abril, o<br />

tema Boletim 100 da Cultura<br />

da Mandioca analisou o manejo<br />

nutricional com um pesquisador<br />

especialmente convidado:<br />

Dirceu Mattos, do<br />

Instituto Agronômico de<br />

Campinas (IAC).<br />

Câmara Técnica terá<br />

reuniões trimestrais<br />

Manejo bem feito<br />

é foco em encontro<br />

A <strong>Cocamar</strong> foi uma das parceiras<br />

da Prefeitura de Terra Rica<br />

(PR) na realização no 2º Encontro<br />

de Mandiocultores promovido<br />

dia 24/5 no Salão Paroquial<br />

e que reuniu mais de 230<br />

participantes entre produtores,<br />

técnicos e estudantes do município<br />

e região.<br />

PALESTRAS - Quatro palestras<br />

fizeram parte da programação:<br />

Uso de plantas e cobertura de<br />

manejo de solo, com o especialista<br />

Rodrigo Liu Vieira, do<br />

IDR/PR; Manejo integrado de<br />

pragas e variedades de mandioca,<br />

a cargo do pesquisador<br />

Rudiney Ringemberg, da Embrapa;<br />

Solo Forte, apresentada<br />

pelo engenheiro agrônomo Jorge<br />

Vecchi, da <strong>Cocamar</strong>; e Crédito<br />

rural, proferida por Carlos Augusto<br />

Del Ducca, do IDR/PR. Ao<br />

final, o prefeito Júlio Leite destacou<br />

a importância da cultura<br />

para o município e região.<br />

IMPORTÂNCIA - De acordo<br />

com o gerente das unidades da<br />

cooperativa em Terra Rica e<br />

Nova Londrina, Fábio Assis, o<br />

evento é estratégico por ser a<br />

cultura da mandioca a segunda<br />

mais importante da região, depois<br />

da cana-de-açúcar. Ele<br />

observa que as médias de produtividade<br />

vêm caindo nos últimos<br />

anos, situação que pode<br />

ser revertida com um manejo<br />

adequado e bem orientado<br />

tecnicamente.<br />

REFÉM DO PREÇO - Em sua<br />

palestra, o agrônomo Jorge<br />

Vecchi, da <strong>Cocamar</strong>, destacou<br />

que “o produtor precisa olhar<br />

mais para a propriedade e aumentar<br />

sua produtividade para<br />

não ficar refém do preço”. E<br />

orienta que o produtor faça<br />

uma análise de solo criteriosa<br />

no sentido de que tenha informações<br />

precisas de como se<br />

encontra o solo.<br />

2º Encontro de Mandiocultores reuniu mais de 230 participantes<br />

ANÁLISE DE SOLO - Como, geralmente,<br />

os mandiocultores<br />

fazem arrendamentos todos<br />

os anos, eles nem sempre<br />

sabem exatamente as condições<br />

do solo que estão cultivando.<br />

Por isso, entre as práticas<br />

indispensáveis, segundo<br />

Vecchi, uma adubação bem<br />

feita, correta e na hora certa vai<br />

permitir que o potencial da cultura<br />

seja devidamente explorado.<br />

Jo r n a l C o c a m a r | 1 5


DIFUSÃO TÉCNICA<br />

Dia de Campo de Inverno será dia 12/7 na UDT<br />

Já o Dia de Campo de Cultivares de Trigo,<br />

em São Sebastião da Amoreira, deve ocorrer<br />

entre o final de agosto e início de setembro<br />

Está programado para<br />

o dia 12 de julho mais<br />

uma edição do tradicional<br />

Dia de Campo<br />

de Inverno da <strong>Cocamar</strong> na Unidade<br />

de Difusão de Tecnologias<br />

(UDT) em Floresta, região de Maringá.<br />

A participação é aberta e a<br />

expectativa é que cerca de 2 mil<br />

produtores líderes em seus municípios<br />

- nas regiões Norte e<br />

Noroeste do Estado - compareçam.<br />

PARCEIROS - O evento contará<br />

com a participação de 25 empresas<br />

parceiras da cooperativa,<br />

entre as quais produtoras de sementes,<br />

fertilizantes, micronutrientes,<br />

defensivos e maquinários,<br />

entre outros itens. Participam<br />

também a Unicampo, Sicredi,<br />

<strong>Cocamar</strong> Máquinas, Fertilizantes<br />

Viridian, Sementes <strong>Cocamar</strong>,<br />

Energia Solar e Irrigação<br />

<strong>Cocamar</strong>.<br />

MATERIAIS - Segundo Felipe<br />

Morota, coordenador técnico da<br />

UDT, os participantes terão a<br />

oportunidade de avaliar o desempenho<br />

de híbridos de milho<br />

e cultivares de trigo em espaços<br />

onde especialistas estarão disponíveis<br />

para prestar as necessárias<br />

informações, além de variedades<br />

de sorgo, cultura que<br />

tem ganhado espaço como<br />

opção de cultivo de inverno nas<br />

regiões que apresentam condições<br />

mais adversas.<br />

ESTAÇÕES - O Dia de Campo<br />

contará com cinco estações técnicas:<br />

os benefícios da correção<br />

do solo na produtividade; importância<br />

do uso de herbicidas préemergentes<br />

na cultura do milho;<br />

importância do manejo fitossanitário<br />

no milho; manejo da mela<br />

na cultura do sorgo e manejo de<br />

solos, água e nematoides.<br />

TRIGO - Entre o final de agosto<br />

e início de setembro acontece<br />

também o Dia de Campo de Cultivares<br />

de Trigo nos cinco hectares<br />

localizados no fundo da<br />

Unidade da <strong>Cocamar</strong> em São<br />

Sebastião da Amoreira. Segundo<br />

o gerente técnico Rafael Furlanetto,<br />

são esperados mais de<br />

500 produtores participantes<br />

que poderão conferir o desempenho<br />

de 11 materiais, entre os<br />

grupos branqueadores, trigo pão<br />

e melhoradores, já multiplicados<br />

pela Unidade de Beneficiamento<br />

de Sementes da <strong>Cocamar</strong> em<br />

São Sebastião da Amoreira, além<br />

de 10 lançamentos e parcelas<br />

com coberturas de solo. O<br />

evento contará com a participação<br />

da Embrapa, de 15 empresas<br />

parceiras e de empresas da<br />

<strong>Cocamar</strong>.<br />

1 8 | Jo r n a l C o c a m a r


FEIRA<br />

Sucesso na participação da Expoingá<br />

Além de tradicional expositora e apoiadora,<br />

a cooperativa é parceira da SRM na<br />

promoção de vários eventos durante a feira<br />

A<strong>Cocamar</strong> Cooperativa<br />

Agroindustrial finalizou<br />

com sucesso a sua<br />

participação na Expoingá<br />

<strong>2023</strong>. Ao longo da feira, a<br />

cooperativa, uma das mais tradicionais<br />

expositoras e apoiadoras<br />

do evento que chegou à sua 49ª<br />

edição, promoveu em parceria<br />

com a Sociedade Rural de Maringá<br />

(SRM) a quarta edição do<br />

Fórum Nacional de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta<br />

(ILPF), e<br />

o 1º Programa de Ganho de Peso<br />

(PGP) que reuniu animais das<br />

raças Nelore, Angus e Brangus,<br />

eventos prestigiados por centenas<br />

de produtores e técnicos.<br />

E-COMMERCE E RELACIONA-<br />

MENTO - E, no estande, que celebrou<br />

os 60 anos de fundação da<br />

<strong>Cocamar</strong> - completados em março<br />

- foi instalada uma loja para divulgar<br />

o e-commerce, a ferramenta<br />

de comercialização eletrônica<br />

da cooperativa, a qual prevê<br />

negócios da ordem de R$ 10 milhões<br />

neste ano. Ao mesmo tempo,<br />

foi desenvolvida uma agenda<br />

de atividades e relacionamento<br />

com o público, além da apresentação<br />

de produtos de empresas fornecedoras<br />

parceiras, com foco em<br />

produtores rurais e pecuaristas.<br />

ÁGUA LIMPA - Para completar, a<br />

<strong>Cocamar</strong> participou com o IDR-PR<br />

(Instituto de Desenvolvimento Rural<br />

do Paraná) da divulgação do<br />

Projeto Água Limpa, com o protótipo<br />

de uma nascente preservada<br />

no Parque Didático, como uma das<br />

atrações da Fazendinha. Cerca de<br />

1,6 mil nascentes em várias regiões<br />

do estado devem ser preservadas<br />

até o final de 2024, utilizando<br />

a tecnologia de solo-cimento.<br />

No estande, que celebrou os 60 anos da <strong>Cocamar</strong>,<br />

foi instalada uma loja para divulgar o e-commerce<br />

PRODUTORAS - Um grupo de<br />

associadas representou a cooperativa<br />

no dia 12 do Encontro<br />

de Produtoras Rurais organizado<br />

pela SRM, que reuniu<br />

cerca de 600 participantes de<br />

várias regiões. Um dos destaques<br />

do evento foi a palestra<br />

virtual com a senadora Tereza<br />

Cristina.<br />

COCAMAR MÁQUINAS - O espaço<br />

da cooperativa ficou ao<br />

lado do estande da <strong>Cocamar</strong><br />

Máquinas, que fez a exposição<br />

de máquinas e vários outros<br />

produtos, além de divulgar os<br />

seus serviços.<br />

Prova de ganho de peso mostra qualidade da nutrição<br />

O touro NWP – 2.353 foi o<br />

grande campeão da Prova<br />

Ganho de Peso da Raça Nelore<br />

da Expoingá <strong>2023</strong>, evento promovido<br />

pela Sociedade Rural de<br />

Maringá (SRM) com o apoio da<br />

<strong>Cocamar</strong> e que foi realizado pela<br />

SG Assessoria.<br />

ENGORDA - Durante o período<br />

de confinamento, o animal campeão<br />

“engordou” 167 quilos,<br />

chegou com 429 quilos, e terminou<br />

a competição com 596,<br />

média de 2,783 quilos, por dia.<br />

No geral, os 29 machos Nelore<br />

que participaram do desafio, alcançaram<br />

uma média de conversão<br />

de alimento em carne de<br />

1,750 quilo, por dia.<br />

OUTROS DESTAQUES - A prova<br />

contou também com a participação<br />

de 10 animais Angus e 27<br />

Brangus, mantidos em separado.<br />

Em relação ao Angus, o<br />

animal vencedor, de propriedade<br />

de Ivo Arnt Filho, entrou com<br />

550 quilos e saiu com 670. Já o<br />

Brangus campeão entrou com<br />

473 quilos e saiu com 576. Na<br />

média, os animais Brangus ganharam<br />

1,5 quilo por dia e os<br />

Angus, 3 quilos por dia.<br />

NUTRIÇÃO - Toda a alimentação<br />

foi fornecida pela <strong>Cocamar</strong>,<br />

sendo que o zootecnista da cooperativa,<br />

Luís Henrique Pangoni,<br />

coordenou a parte da nutrição.<br />

“Além da silagem de milho, os<br />

animais receberam ração da <strong>Cocamar</strong><br />

com 16% de proteína,<br />

72% de NDT e gordura protegida,<br />

que garante uma dieta mais<br />

energética, com maior ganho de<br />

peso e melhor balanceamento<br />

dos nutrientes, o que ajudou a<br />

atingir esses números”, comenta<br />

Pangoni.<br />

SURPRESA - Ricardo Pulzatto,<br />

proprietário do animal vencedor,<br />

destacou que o resultado o surpreendeu.<br />

“Eu acreditava em<br />

um bom desempenho, mas a<br />

vitória foi uma surpresa”, comentou.<br />

Na opinião dele, o título<br />

coroa o “rigoroso trabalho de<br />

seleção genética”, que está na<br />

2 0 | Jo r n a l C o ca m a r


segunda geração, ao recordar<br />

do pai, Wilson Pulzatto; fundador<br />

da Sociedade Rural de Maringá,<br />

que morreu em 28 de<br />

junho de 2021, vítima de complicações<br />

provocadas pela<br />

Covid-19.<br />

RETORNO GARANTIDO - A<br />

constatação de que melhoramento<br />

genético, associado à<br />

nutrição, resulta em investimento<br />

com retorno garantido,<br />

também pode ser visto nos leilões<br />

que comercializaram os<br />

animais participantes da Prova.<br />

No total, o Primeiro Leilão Prova<br />

Ganho de Peso Nelore Maringá<br />

contabilizou R$ 631.200,00.<br />

ELOGIO - Em visita à Expoingá<br />

<strong>2023</strong>, o presidente da Associação<br />

Brasileira dos Criadores de<br />

Zebu (ABCZ), Gabriel Garcia Cid,<br />

elogiou a iniciativa da diretoria da<br />

Sociedade Rural de Maringá<br />

(SRM) de resgatar a realização<br />

da prova. Citou que a entidade<br />

foi “feliz” ao adotar os critérios<br />

técnicos de avaliar rendimento<br />

de carcaça, cobertura de gordura<br />

e índice de marmoreio, por meio<br />

de exame de ultrassom, aliados<br />

aos aspectos e características<br />

visuais da raça.<br />

DIETA EQUILIBRADA - O rebanho<br />

ficou mantido em regime<br />

de confinamento, nas instalações<br />

do Parque de Exposições<br />

de Maringá, e recebeu uma dieta<br />

equilibrada, de acordo com as<br />

Família de Ricardo Pulzatto, proprietário de um dos animais vencedores<br />

características e peso de cada<br />

um. A cada 15 dias, foram pesados<br />

para avaliar a evolução e verificar<br />

a taxa de conversão. O<br />

tempo do Nelore foi de 75 dias;<br />

Angus e Brangus foi de 45.<br />

ILPF é a resposta em sustentabilidade e rentabilidade<br />

“É uma tecnologia que entrega<br />

mais valor ao produto, aumentando<br />

a rentabilidade do produtor,<br />

mas com o benefício da sustentabilidade”.<br />

Assim o médico veterinário,<br />

especialista em produção<br />

animal e atual consultor sênior do<br />

Criatec, Willian Marchió, definiu o<br />

sistema ILPF em sua palestra no<br />

4º Fórum Brasileiro de Integração<br />

Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF),<br />

evento promovido pela <strong>Cocamar</strong><br />

em parceria com a Sociedade<br />

Rural de Maringá (SRM) durante<br />

a Expoingá.<br />

PARTICIPAÇÃO - O evento, que<br />

conta com o apoio institucional da<br />

Associação Rede ILPF, Embrapa,<br />

IDR/Paraná e governo do Estado,<br />

reuniu produtores rurais que já<br />

praticam a ILPF e outros interessados<br />

em aprender mais sobre o<br />

novo modo de trabalhar as culturas<br />

e contou também com a palestra<br />

com Felipe Fabbri,<br />

zootecnista, mestre em nutrição<br />

de monogástricos e analista de<br />

mercado da Scot Consultoria.<br />

CHOQUE DE GESTÃO - Para<br />

Marchió, o maior benefício do sistema<br />

de ILPF é o choque de gestão<br />

proporcionado ao pecuarista,<br />

que passa a ter maior controle<br />

sobre as muitas variáveis que englobam<br />

a produção de carne e<br />

grãos. “Apesar do maior esforço<br />

demandado, quem começa não<br />

retrocede porque os resultados<br />

bem maiores são muito interessantes”,<br />

afirma, citando exemplos<br />

de pecuaristas que aumentaram<br />

em três vezes o rebanho, destinando<br />

ainda 60% da área para a<br />

produção de grãos. “O potencial<br />

de entrega é muito maior com a<br />

ILPF, com modernização da gestão<br />

e produtividades crescentes<br />

de grãos e carne”, comenta.<br />

DESAFIO - Marchió cita que no<br />

Brasil há 60 milhões de hectares<br />

degradados passíveis de se instalar<br />

o sistema ILPF. “Nosso<br />

grande desafio é que em 2050<br />

serão mais de 9 bilhões de habitantes<br />

no mundo e todos com<br />

fome e comendo mais e melhor.<br />

Temos que produzir 70% a mais<br />

ou dobrar a produção de alimentos<br />

nas próximas décadas para<br />

atender a demanda”, diz. É aí que<br />

o sistema ILPF tem papel fundamental:<br />

“com o cultivo da soja, há<br />

uso de 42% do tempo do solo,<br />

com o milho, 50%, soja e milho,<br />

80%, e com o sistema ILPF, dá<br />

4º Fórum Brasileiro de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta<br />

para fazer o uso de 100% do<br />

tempo do solo”.<br />

BIODIVERSIDADE - Apesar do<br />

custo de implantação, Marchió<br />

ressalta que a agricultura paga<br />

parte da conta da conversão do<br />

pasto degradado e o boi converte<br />

fibra de baixa qualidade em carne<br />

nobre, produzindo animais de<br />

qualidade e grãos, preservando o<br />

solo e a biodiversidade para colher<br />

dinheiro. E, lembra o especialista,<br />

implementar o sistema de<br />

ILPF pode ser feito de várias maneiras,<br />

de acordo com a aptidão<br />

da região.<br />

“O ILPF é reconhecido como<br />

um sistema sustentável, que<br />

permite a venda de crédito de<br />

carbono. No Brasil ainda não há<br />

regulamentação do mercado<br />

de crédito de carbono, mas<br />

quem está investindo, vai colher<br />

bons frutos. Há também<br />

uma pressão enorme sobre a<br />

pecuária alegando que o arroto<br />

do boi favorece o aquecimento<br />

global. Dá para fazer desse limão<br />

uma limonada, sendo<br />

mais rentável, fazendo uma<br />

agropecuária sustentável e<br />

blindando o setor com o sistema<br />

ILPF”, finaliza Marchió.<br />

Jo r n a l C o c a m a r | 2 1


EXPERIMENTO<br />

Alta produtividade de soja na areia<br />

Uso de pivô permitiu colheita de 61,4<br />

sacas por hectare em média nos últimos<br />

4 anos, contra a média de 28,1sacas<br />

onde não havia irrigação<br />

A<strong>Cocamar</strong> demonstra<br />

na prática que o uso<br />

de tecnologias adequadas,<br />

com um<br />

acompanhamento técnico especializado,<br />

não apenas possibilita<br />

a produção de soja em solos<br />

de consistência muita arenosa<br />

do noroeste do Paraná, como<br />

pode levar a altas produtividades.<br />

GUAIRAÇÁ - Foi o que aconteceu<br />

na safra 2022/23 na Unidade<br />

de Difusão de Tecnologias<br />

(UDT) da cooperativa em Guairaçá,<br />

município da região de Paranavaí.<br />

"Foi a nossa quarta safra<br />

de soja com a utilização da<br />

irrigação na região de Paranavaí”,<br />

conta o gerente executivo técnico<br />

Renato Watanabe, explicando<br />

que os resultados têm se<br />

mostrado economicamente viáveis<br />

mesmo com os custos da<br />

irrigação. A produtividade média<br />

chegou a 61,4 sacas por hectare<br />

nos últimos quatro anos. Sem a<br />

utilização de pivô, a média é de<br />

28,1 sacas por hectare no mesmo<br />

local.<br />

SUSTENTABILIDADE - “A tendência<br />

é que agora a produtividade<br />

aumente. Estamos com<br />

um protocolo de diversificação<br />

para o inverno, com foco em culturas<br />

que tragam também melhorias<br />

físicas e biológicas ao<br />

solo. Em regiões de solos mais<br />

arenosos, o manejo é extremamente<br />

importante para termos<br />

sustentabilidade no sistema",<br />

avalia Watanabe. Para se ter<br />

uma ideia, quatro variedades<br />

cultivadas alcançaram as seguintes<br />

médias: 65,6, 70, 72,2 e<br />

72,9 sacas/hectare.<br />

IRRIGAÇÃO - O plantio foi concentrado<br />

no dia 27 de outubro e<br />

a colheita se deu no dia 20 de<br />

março. Durante esse período, os<br />

pluviômetros da UDT registraram<br />

975 mm de precipitação<br />

acumulada, temperatura média<br />

de 24,3 °C para a máxima de<br />

35,2 °C e mínima de 11,3 °C.<br />

Como a área possui estrutura de<br />

irrigação com pivô central, foram<br />

realizadas dez sessões de irrigação<br />

com o total de 112 mm.<br />

SOLO - Segundo o engenheiro<br />

agrônomo Takao Hashiguti, coordenador<br />

da UDT de Guairaçá,<br />

a área servida com pivô compreende<br />

12 hectares. Já o solo<br />

apresenta uma porcentagem de<br />

argila que varia entre 8 a 10%,<br />

com 85% de areia (60% areia<br />

grossa e 25% fina).<br />

2 2 | Jo r n a l C o c a m a r


GERAL<br />

Conselheiros viajam à Brasília e Curitiba<br />

Conselheiros da <strong>Cocamar</strong>, liderados<br />

pelo presidente do Conselho<br />

de Administração Luiz Lourenço,<br />

participaram de uma viagem de<br />

conhecimento e contatos em<br />

Brasília e Curitiba, onde foram recebidos<br />

por lideranças cooperativistas,<br />

parlamentares da Frente<br />

Parlamentar do Cooperativismo<br />

(Frencoop) e o governo do estado.<br />

ROTEIRO - O roteiro começou dia<br />

17/5 na capital federal, onde visitaram<br />

uma propriedade rural que<br />

é referência em alta tecnologia em<br />

irrigação e integração lavoura-pecuária<br />

(ILP). À tarde, a delegação<br />

foi recebida pelo presidente da Organização<br />

das Cooperativas Brasileiras<br />

(OCB) Márcio Lopes de<br />

Freitas e sua equipe, para uma<br />

visão geral do relacionamento<br />

com o Congresso Nacional na defesa<br />

dos interesses do cooperativismo.<br />

“Nossos conselheiros ficaram<br />

muito bem impressionados<br />

com a qualidade dos profissionais<br />

da OCB e a excelência do trabalho<br />

que vem sendo realizado”, comentou<br />

Lourenço.<br />

FRENCOOP - Na manhã do segundo<br />

dia, na Câmara Federal, os<br />

conselheiros foram recepcionados<br />

por lideranças da Frencoop.<br />

Na ocasião, eles se inteiraram de<br />

vários assuntos relacionados ao<br />

setor, que foram debatidos com<br />

os parlamentares, e se encontraram<br />

com a senadora Tereza Cristina.<br />

De acordo com Lourenço, “a<br />

parlamentar encantou a todos<br />

com a sua simpatia, as ponderações<br />

e o profundo conhecimento<br />

do cenário político”.<br />

CONHECIMENTO - Completando<br />

a agenda, dia 19/5, o<br />

grupo esteve em Curitiba para<br />

uma reunião na Organização<br />

das Cooperativas do Estado do<br />

Paraná (Ocepar). Presidida por<br />

José Roberto Ricken, a entidade<br />

“é a nossa casa”, comentou Lourenço,<br />

e que apresenta historicamente<br />

uma atuação exemplar<br />

em defesa dos interesses do<br />

setor. Por fim, os conselheiros<br />

visitaram o Palácio Iguaçu, sendo<br />

recebidos pelo vice-governador<br />

Darci Piana, o qual comentou<br />

sobre as principais pautas<br />

do governo, no momento.<br />

“Em resumo, a viagem foi importante<br />

pelo relacionamento e<br />

o conhecimento, uma grande<br />

aula para todos nós”, completou<br />

o presidente do Conselho de<br />

Administração.<br />

<strong>Cocamar</strong> marca presença na APAS Show<br />

O departamento de marketing e<br />

comercial varejo da <strong>Cocamar</strong><br />

marcou presença na 37ª edição<br />

da Apas Show, a maior feira de<br />

alimentos e bebidas das Américas<br />

e maior evento supermercadista<br />

do mundo que aconteceu<br />

de 15 a 18 deste mês na Expo<br />

Center Norte em São Paulo.<br />

TENDÊNCIAS - O objetivo foi<br />

conhecer novas tendências e<br />

oportunidades de negócios,<br />

além de estreitar o relacionamento<br />

com fornecedores e<br />

clientes, conforme explica a gerente<br />

executiva de Marketing e<br />

Comunicação, Vânia Almeida.<br />

PROGRAMAÇÃO - A feira contou<br />

com a presença de mais de 850<br />

expositores e aproximadamente<br />

60 mil visitantes, entre eles empreendedores,<br />

executivos, distribuidores<br />

e profissionais do setor<br />

de alimentos. Durante os quatro<br />

dias de evento, os participantes<br />

conheceram novos produtos, soluções<br />

tecnológicas e serviços,<br />

além de acompanharem palestras<br />

e debates sobre temas variados e<br />

as perspectivas do mercado.<br />

Jo r n a l C o c a m a r | 2 3


GERAL<br />

Lideranças femininas no Cooperlíder<br />

Vinte lideranças femininas da<br />

<strong>Cocamar</strong> participaram dias 11<br />

e 12/5 do Encontro das Lideranças<br />

Femininas Cooperativistas<br />

(Cooperlíder Feminino)<br />

em Toledo, na região oeste do<br />

Paraná. No total, o evento organizado<br />

pelo Sistema Ocepar,<br />

por meio do Sescoop/PR, contou<br />

com a presença de 450<br />

mulheres e teve como anfitrião<br />

o Sicoob Unicoob Meridional. O<br />

grupo da <strong>Cocamar</strong> foi acompanhado<br />

pela analista de cooperativismo<br />

Aline Achete e<br />

segundo uma das suas integrantes,<br />

Taís Gonçalves, a realização<br />

“foi uma oportunidade<br />

para uma experiência muito<br />

produtiva”.<br />

PALESTRAS - Entre outros<br />

temas, o Encontro apresentou<br />

um painel de Educação Política,<br />

com a participação da secretária<br />

estadual da Mulher e Igualdade<br />

Racial, Leandre Dal Ponte,<br />

e do deputado federal Dilceu<br />

Sperafico, que foram recepcionados<br />

pelo presidente do Sistema<br />

Ocepar, José Roberto<br />

Ricken, e pela presidente do Sicoob<br />

Unicoob Meridional e diretora<br />

da Ocepar, Solange Pinzon<br />

Martins. Por sua vez, a palestrante<br />

Bianca Vilela falou sobre<br />

a importância de cuidados com<br />

a saúde para uma vida longa,<br />

com qualidade de vida e produtividade.<br />

SomosCoop na Estrada visita a <strong>Cocamar</strong><br />

Mostrar a cooperativa paranaense<br />

que por dois anos seguidos<br />

foi eleita a melhor do setor<br />

agropecuário do país, conforme<br />

levantamento realizado pela revista<br />

IstoÉ Dinheiro. Com essa finalidade,<br />

o projeto SomosCoop<br />

na Estrada, promovido pela Organização<br />

das Cooperativas Brasileiras<br />

(OCB) e Serviço Nacional de<br />

Aprendizagem do Cooperativismo<br />

(Sescoop), esteve dias 15 e<br />

16/5 na <strong>Cocamar</strong> em Maringá,<br />

colhendo imagens e depoimentos<br />

para a websérie que, em sua<br />

segunda temporada, vem fazendo<br />

grande sucesso.<br />

ILPF - Protagonizada pela jornalista<br />

Glenda Koslovski, a série deu<br />

foco, na <strong>Cocamar</strong>, ao sistema de<br />

integração lavoura-pecuária-floresta<br />

(ILPF) em relação ao qual a<br />

cooperativa é uma das pioneiras<br />

no país, e à agenda ESG. Eles visitaram<br />

as propriedades dos cooperados<br />

André Carlos Garcia<br />

Vilhegas em Presidente Castelo<br />

Branco, e José Rogério Volpato,<br />

em Nova Esperança, que há<br />

anos implementam programas<br />

integrados. E, na cooperativa em<br />

Maringá, conversaram com o<br />

vice-presidente executivo José<br />

Cícero Aderaldo e a gerente executiva<br />

de Governança, Fernanda<br />

Volpato.<br />

VISITA - Uma das estruturas visitadas<br />

na <strong>Cocamar</strong> foi a indústria<br />

de fios têxteis, onde a<br />

jornalista conheceu a produção<br />

de fios sustentáveis que utilizam,<br />

como matérias-primas, embalagens<br />

pet, algodão certificado e<br />

desfibrados. A equipe esteve<br />

também no Centro de Futebol<br />

onde um grande número de<br />

crianças e adolescentes recebe<br />

treinamento. Glenda se surpreendeu<br />

ao saber que ali foi revelado<br />

o ex-jogador Alex Santos, o<br />

qual, aos 14 anos, seguiu para o<br />

Japão onde se tornou um grande<br />

ídolo, tendo defendido a seleção<br />

daquele país em duas Copas do<br />

Mundo, em 2002 e 2006.<br />

2 4 | Jo r n a l C o c a m a r


Noite de Negócios em Nova Fátima<br />

Mais de cem convidados, entre<br />

cooperados e familiares, prestigiaram<br />

dia 17/5 a Noite de Negócios<br />

promovida pela unidade da<br />

<strong>Cocamar</strong> em Nova Fátima, município<br />

da região norte do estado.<br />

Além de produtores locais, o<br />

evento reuniu participantes de cidades<br />

próximas, entre as quais<br />

Cornélio Procópio, Coingoinhas e<br />

Jundiaí do Sul.<br />

OPORTUNIDADE - Conforme explicou<br />

o gerente Claudinei Donizete<br />

Marcondes, o objetivo foi<br />

levar informação aos produtores<br />

que começam a fazer o planejamento<br />

da safra de verão<br />

<strong>2023</strong>/24, cuja semeadura inicia<br />

em setembro. Claudinei falou aos<br />

cooperados sobre a relação de<br />

troca favorável, no momento,<br />

entre a soja e os insumos, demonstrando<br />

que o custo de produção<br />

será inferior ao da última<br />

safra, mesmo com a queda dos<br />

preços da soja. E orientou que os<br />

produtores aproveitem a baixa do<br />

dólar como uma oportunidade<br />

para travar os custos.<br />

PALESTRAS - Tendo como tema<br />

Complemento Nutricional Via<br />

Folha, o encontro constou de três<br />

palestras. A primeira, com os resultados<br />

dos foliares e adjuvantes<br />

Viridian, produzidos pela <strong>Cocamar</strong>,<br />

apresentados pelo engenheiro<br />

agrônomo Leandro Luppi, da<br />

equipe de assistência técnica da<br />

unidade. Na sequência, os técnicos<br />

Cristiano Bao e Eliza Zanardini,<br />

da empresa parceira Yara, discorreram<br />

sobre fertilização com produto<br />

específico, e o engenheiro<br />

agrônomo Lucas Eduardo Miranda,<br />

da Bayer, comentou a respeito<br />

de defesa sanitária.<br />

Feira Original <strong>Cocamar</strong><br />

Máquinas é sucesso<br />

A tradicional Feira Original, promovida<br />

dia 29/4 em todas as lojas da<br />

<strong>Cocamar</strong> Máquinas/Concessionária<br />

John Deere, contou com a participação<br />

de centenas de clientes para o<br />

feirão que ofereceu as condições<br />

mais competitivas do ano em negócios,<br />

como descontos em peças,<br />

serviços, equipamentos e agricultura<br />

de precisão.<br />

INFORMAÇÃO - Além disso, o<br />

evento proporcionou muita informação.<br />

No espaço Arena do Conhecimento,<br />

a produtora Carla<br />

Rossato palestrou sobre os benefícios<br />

que as tecnologias John<br />

Deere, bem como os projetos de<br />

agricultura de precisão, têm trazido<br />

para a sua produção. Uma demonstração<br />

de limpeza química do<br />

sistema de lubrificação do motor,<br />

conduzida pelo consultor técnicomecânico<br />

Fernando Ortega, completou<br />

a programação.<br />

LOJAS -A <strong>Cocamar</strong> Máquinas possui<br />

lojas em Maringá, Paranavaí,<br />

Apucarana, Ivaiporã, Cambé, Cornélio<br />

Procópio e Andirá, com unidades<br />

express em São Pedro do Ivaí, São<br />

Jorge do Ivaí e Querência do Norte.<br />

AMEA – AMEA – Presidida pelo engenheiro agrônomo Paulo Roberto<br />

Milagres, a nova diretoria da AMEA – Associação Maringaense<br />

dos Engenheiros Agrônomos, para o período <strong>2023</strong>/25, tomou<br />

posse no último dia 26/5. Na oportunidade foi lançada a<br />

revista que conta a história dos 54 anos da Associação.<br />

NA EXPOINGÁ - Marcos Roco, juntamente com Jair Gazin, dois<br />

cooperados da <strong>Cocamar</strong>, Edson Oleksyw, Gerente de Marketing<br />

Nacional e Maria Luziniria da Silva Gazin, esposa de Jair<br />

Jo r n a l C o ca m a r | 2 5


PLANO SAFRA<br />

Produtores se antecipam<br />

e planejam investimentos<br />

A antecipação tem explicação: os recursos de algumas<br />

linhas de financiamentos costumam se esgotar rápido<br />

Com a proximidade do<br />

Plano Safra <strong>2023</strong>/<br />

2024, em julho, produtores<br />

rurais têm<br />

se antecipado para atualizar<br />

o cadastro rural e apresentar<br />

o projeto de financiamento<br />

nas agências da Sicredi Dexis.<br />

A antecipação tem explicação:<br />

os recursos de algumas<br />

linhas costumam se esgotar<br />

rápido. No ano passado as linhas<br />

ABC (demais finalidades),<br />

Programa para Construção e<br />

Ampliação de Armazéns (PCA),<br />

Prodecoop, Pronamp e Proirriga<br />

não tinham mais recursos<br />

menos de um mês após o lançamento.<br />

CUSTEIO - As linhas do Plano<br />

Safra podem ser usadas para<br />

custeio da atividade agrícola;<br />

compra de tratores, implementos,<br />

colheitadeiras e máquinas<br />

agrícolas; automação, aquisição<br />

de computadores, softwares<br />

e sistemas de energia solar;<br />

implantação de estação meteorológica;<br />

entre outros. Os recursos<br />

são voltados para agricultura<br />

familiar (Pronaf), médio<br />

produtor (Pronamp) e demais<br />

produtores, conforme a classificação<br />

da renda bruta anual,<br />

sendo que os juros e os valores<br />

variam conforme a classificação.<br />

ESPECIALISTAS - O gerente de<br />

Desenvolvimento Agro da Sicredi<br />

Dexis, Vitor Pasquini, reforça<br />

que todas as 111 agências<br />

no norte e noroeste do Paraná,<br />

centro e centro-leste de<br />

São Paulo contam com especialistas<br />

agro para ajudar os<br />

produtores no acesso ao crédito.<br />

No Plano Safra vigente –<br />

2022/<strong>2023</strong> – a cooperativa liberou<br />

mais de R$ 2 bilhões em<br />

quase 7,5 mil operações.<br />

REPASSADOR - Segundo<br />

maior repassador de crédito<br />

rural entre todas as instituições<br />

financeiras brasileiras, o sistema<br />

Sicredi concedeu R$ 36,4<br />

bilhões em mais de 238 mil<br />

operações no Plano Safra.<br />

CPF FÁCIL - Outra opção de<br />

crédito rural, só que com recursos<br />

livres, é a CPR Fácil, solução<br />

oferecida pelo Sistema Sicredi<br />

que completou um ano em<br />

abril. Neste período, foram<br />

mais de 10 mil operações e R$<br />

384 milhões liberados. Só a Sicredi<br />

Dexis liberou R$ 37 milhões<br />

em 740 operações no<br />

último ano.<br />

MENOS BUROCRACIA - Menos<br />

burocrática, a CPR Fácil<br />

tem contratação e liberação<br />

100% digital, além de isenção<br />

de IOF. Os produtores também<br />

têm a opção de emitir a CPR<br />

nas agências. Os recursos podem<br />

ser usados para investimentos<br />

agrícola e rural.<br />

No Plano Safra vigente –<br />

2022/<strong>2023</strong> – a<br />

cooperativa liberou<br />

mais de R$ 2 bilhões<br />

em quase 7,5 mil<br />

operações<br />

Jo r n a l C o c a m a r | 2 7


2 8 | Jo r n a l C o c a m a r


MEMÓRIA<br />

O que fazemos em vida,<br />

ecoa pela eternidade<br />

Em memória daqueles que deixaram seu legado na história da <strong>Cocamar</strong>,<br />

falecidos entre 20/04/<strong>2023</strong> e 20/05/<strong>2023</strong><br />

Jo r n a l C o c a m a r | 2 9


3 0 | Jo r n a l C o c a m a r


J o r na l C o ca m a r | 3 1

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!