14.11.2023 Views

Revista Dr Plinio 308

Novembro de 2023

Novembro de 2023

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Publicação Mensal<br />

Vol. XXVI - Nº <strong>308</strong> Novembro de 2023<br />

Ut adveniat regnum Christi,<br />

adveniat regnum Mariæ


Almas-albatroz<br />

Antoine Lamielle (CC3.0)<br />

Oalbatroz é uma grande ave marítima dotada de um voo elegante,<br />

uma espécie de águia desse setor privilegiado da natureza<br />

onde o ar e a água se tocam.<br />

Feito para voar, quando se encontra no solo ele anda de um modo<br />

ridículo, podendo tornar-se objeto de chacota e gargalhadas.<br />

Assim são certas almas chamadas a fitar largos horizontes,<br />

realizar maiores desígnios, praticar heroísmos. Quando<br />

se deixam cair dos grandes voos a que a graça<br />

as convida para se entregarem a uma vidinha<br />

medíocre, preocupadas com questiúnculas,<br />

tornam-se ridículas e escarnecidas,<br />

como o albatroz caminhando. *<br />

* Cf. Conferência de 12/9/1973.


Sumário<br />

Publicação Mensal<br />

Vol. XXVI - Nº <strong>308</strong> Novembro de 2023<br />

Vol. XXVI - Nº <strong>308</strong> Novembro de 2023<br />

Ut adveniat regnum Christi,<br />

adveniat regnum Mariæ<br />

Na capa,<br />

A Virgem com o Menino<br />

Museu Hyacinthe-Rigaud,<br />

França.<br />

Foto: Flávio Lourenço<br />

As matérias extraídas<br />

de exposições verbais de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

— designadas por “conferências” —<br />

são adaptadas para a linguagem<br />

escrita, sem revisão do autor<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

<strong>Revista</strong> mensal de cultura católica, de<br />

propriedade da Editora Retornarei Ltda.<br />

ISSN - 2595-1599<br />

CNPJ - 02.389.379/0001-07<br />

INSC. - 115.227.674.110<br />

Diretor:<br />

Roberto Kasuo Takayanagi<br />

Conselho Consultivo:<br />

Antonio Rodrigues Ferreira<br />

Jorge Eduardo G. Koury<br />

Redação e Administração:<br />

Rua Virgílio Rodrigues, 66 - Tremembé<br />

02372-020 São Paulo - SP<br />

E-mail: editoraretornarei@gmail.com<br />

Impressão e acabamento:<br />

Pigma Gráfica e Editora Ltda.<br />

Av. Henry Ford, 2320<br />

São Paulo – SP, CEP: 03109-001<br />

Segunda página<br />

2 Almas-albatroz<br />

Editorial<br />

4 Reino de Cristo ou<br />

Leviatã totalitário<br />

Piedade pliniana<br />

5 Misericórdia que preenche<br />

o abismo de indignidade<br />

Dona Lucilia<br />

6 Mãe incomparável,<br />

consertadora de temperamentos<br />

De Maria nunquam satis<br />

11 Mãe da Divina Graça<br />

Reflexões teológicas<br />

17 Dois reinados opostos que se decidem<br />

no coração da sociedade<br />

Calendário dos Santos<br />

22 Santos de Novembro<br />

Preços da<br />

assinatura anual<br />

Comum............... R$ 300,00<br />

Colaborador........... R$ 400,00<br />

Benfeitor ............. R$ 500,00<br />

Grande benfeitor....... R$ 800,00<br />

Exemplar avulso........ R$ 25,00<br />

Serviço de Atendimento<br />

ao Assinante<br />

editoraretornarei@gmail.com<br />

Hagiografia<br />

24 Rainha santa, flor da<br />

civilização ocidental<br />

Luzes da Civilização Cristã<br />

27 O mais alto símbolo da<br />

dignidade humana<br />

Última página<br />

36 Contemplar o olhar de Maria<br />

3


Editorial<br />

Reino de Cristo ou<br />

Leviatã totalitário<br />

queremos que este reine sobre nós!” (Lc 19, 14). “Não temos outro rei a não ser César!” (Jo<br />

19, 15). Eis os termos com os quais os judeus repudiaram a Realeza de nosso Divino Salvador.<br />

“Não<br />

Mas não são inimigos da Realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo somente os que se confessam<br />

contrários a seu plano de Redenção. Fazem coro com essas vozes ímpias e renegadas aqueles católicos<br />

que deformam as palavras do Divino Mestre perante Pilatos, quando declarou que seu Reino não<br />

é deste mundo (Jo 18, 36), emprestando-lhes sentido restritivo, como se essa realeza fosse exclusivamente<br />

espiritual e não uma realeza social sobre os povos, as nações e os governos.<br />

Quando Nosso Senhor diz que seu Reino não é deste mundo é para significar que não provém deste<br />

mundo, porque vem do Céu e não pode ser arrebatado por nenhum poder humano. Tal afirmação se prende<br />

à origem da Realeza Divina e não significa que Jesus recuse à sua soberania um caráter de reino social.<br />

De outro modo, se não passasse da órbita espiritual ou da vida interna das almas, haveria flagrante contradição<br />

entre essa declaração de Nosso Senhor e aquela em que Ele diz que “todo poder me foi dado no<br />

Céu e na Terra” (Mt 28, 18).<br />

Uma das principais características do espírito revolucionário é a pretensão de realizar a divisão entre<br />

a vida religiosa e a vida civil dos povos. Não é a vontade expressa de Deus que prevalece nas leis, como<br />

um ditame da reta razão promulgado pelo poder legítimo no sentido do bem comum, mas a expressão da<br />

maioria ou da vontade geral todo-soberana.<br />

Ora, antes que a Revolução Francesa implantasse de forma tirânica o artificialismo do “direito novo”<br />

revolucionário, todos os países tinham instituições políticas e sociais baseadas nos costumes cristãos e não<br />

elaboradas por assembleias eleitas pela burla da soberania do povo. Transferindo o direito de sua fonte<br />

natural, que é a vontade de Deus expressa pela lei natural e pela Revelação, das quais a Igreja é guardiã<br />

e intérprete infalível, para os sectários que, por golpes políticos, se assenhorearam dos corpos legislativos<br />

através da alquimia do sufrágio universal, o liberalismo preparou o mundo moderno para as cadeias que o<br />

prendem ao Leviatã totalitário.<br />

O ponto geral de convergência de toda a obra revolucionaria é, portanto, a radical negação do Reino social<br />

do Divino Salvador. “Não queremos que este reine sobre nós!” “Não temos outro rei a não ser César!”<br />

Para não desertar de sua Fé, como membro da Igreja Militante, deve o católico lutar pela restauração<br />

do Reino de Cristo como única via para a restauração da verdadeira civilização, a cristã.<br />

Se Jesus Cristo é Rei de toda a Criação, temos, em sua Mãe Santíssima, a Rainha dos Céus e da Terra.<br />

Diz São Luís Maria Grignion de Montfort que foi pela Santíssima Virgem que Jesus Cristo veio ao mundo,<br />

e é também por Ela que no mundo deve reinar.<br />

Na Festa de Cristo Rei, façamos subir até o trono da Mãe de Deus as nossas ardentes súplicas, a fim<br />

de que seja apressada para a humanidade sofredora a plena restauração do reinado de seu Divino Filho. *<br />

* Cf. Excertos retirados de Catolicismo n. 22, outubro de 1952.<br />

Declaração: Conformando-nos com os decretos do Sumo Pontífice Urbano VIII, de 13 de março de 1625 e<br />

de 5 de junho de 1631, declaramos não querer antecipar o juízo da Santa Igreja no emprego de palavras ou<br />

na apreciação dos fatos edificantes publicados nesta revista. Em nossa intenção, os títulos elogiosos não têm<br />

outro sentido senão o ordinário, e em tudo nos submetemos, com filial amor, às decisões da Santa Igreja.<br />

4


Piedade pliniana<br />

Luis Samuel<br />

Samuel Holanda<br />

Misericórdia que preenche<br />

o abismo de indignidade<br />

Ó<br />

Virgem Santíssima, não somos dignos de nos aproximar de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, pois conhecemos o abismo incomensurável de indignidade que<br />

nos separa d’Ele. Mas, maior do que esse abismo, ó Mãe, é a vossa misericórdia,<br />

vosso amor por cada um de nós, especialmente pelos batalhadores que, por<br />

toda a Terra, travam o bom combate da Fé nos dias amargos que vivemos.<br />

Mãe de Misericórdia, vida, doçura, esperança nossa, que a vossa clemência preencha<br />

esse abismo e faça descer até nós a plenitude da misericórdia do vosso Divino<br />

Filho; que a vossa intercessão alcance para nós aquela perfeição moral, aquela integridade<br />

de doação, aquele pleno cumprimento da vocação que é a glória esperada<br />

por Vós e que nós queremos Vos dar por inteiro. Assim seja.<br />

(Composta em 13/4/1990)<br />

5


Dona Lucilia<br />

Apenas transposto o limiar da eternidade,<br />

desvaneceram-se certas barreiras<br />

estabelecidas pela prática exímia da<br />

humildade no convívio entre mãe<br />

e filho, fazendo com que <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

compreendesse aspectos novos da ação<br />

de Dona Lucilia sobre as almas.<br />

Fotos: Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Minha posição de alma<br />

com relação a mamãe<br />

foi de uma consonância<br />

enorme e completa; mas, de outro lado,<br />

sempre ligada à preocupação de<br />

evitar qualquer movimento de amor-<br />

-próprio ou algo que pudesse girar em<br />

torno de mim mesmo. Enquanto ela<br />

estava viva, eu nunca ousei meditar e<br />

fazer grandes reflexões a respeito dela,<br />

com receio de redundar em grandes<br />

considerações a meu respeito.<br />

Incomparável dama,<br />

envolta em mistérios<br />

Eu estava para com mamãe muito<br />

mais como diante de um sol que me enchia<br />

do que de algo que eu precisasse<br />

analisar. Debaixo de um certo ponto de<br />

vista, ela era para mim um mistério.<br />

Recordo-me de me fazer muitas<br />

vezes esta pergunta: “Ela não será<br />

uma pessoa inteiramente incomparável?<br />

Não há no interior dela um<br />

mistério que eu não consigo, não ouso<br />

e nem devo desvendar? Na medida<br />

em que ele existe, qual é esse mistério?”<br />

E eu mesmo parava no limiar<br />

dessas considerações...<br />

Minha admiração para com ela foi<br />

crescendo cada vez mais, sobretudo<br />

nos últimos tempos da vida dela, os<br />

dois ou três anos que precederam minha<br />

crise de diabetes em 1967 1 .<br />

Desfeita a união entre<br />

mãe e filho, que restará<br />

da Contra-Revolução?<br />

Lembro-me de uma reflexão que<br />

fiz quando, depois da amputação dos<br />

artelhos 2 , eu já conseguia ir de muletas<br />

até a sala de jantar para estar um<br />

pouco com ela durante as refeições.<br />

Naquela situação eu pensava:<br />

“Coitada, ela está chegando a este<br />

fim que vejo e eu estou nestas condições<br />

em que me encontro. Há um binômio:<br />

aqui estão dois a quem Nossa<br />

Senhora amou muito e que, por<br />

sua vez, amaram muito a Ela também.<br />

Ora, sobre estes se descarrega<br />

de repente essa série de golpes: sobre<br />

mim, as pancadas que eu sinto;<br />

sobre ela, um fim que se aproxima. E<br />

o que parecia ser uma conjunção de<br />

almas que Nossa Senhora tinha desejado<br />

e que Deus tinha criado para<br />

O amarem de um modo tão especial,<br />

a própria iniciativa d’Ele parece desconjuntar<br />

e no que isto vai dar? Inteira<br />

consonância comigo só ela tem<br />

6


e mais ninguém. Desfeito isso, o que<br />

vai resultar?<br />

“Mas, meu Deus, ela, este filho<br />

dela e todo o ambiente criado por<br />

ela existem para Vós. Vós os suscitastes,<br />

Vós os articulastes, Vós os ordenastes<br />

e Vós fareis o que quiserdes.<br />

Mas, tenho a impressão de que<br />

se Vós desfizerdes isto, destruireis a<br />

Contra-Revolução e, se a destruirdes,<br />

será o fim do mundo. Ora, historicamente<br />

ele não deve chegar agora.<br />

O que fareis, meu Deus?<br />

“Fico diante de um mistério, o<br />

qual aceito, nem seria preciso dizer;<br />

aceitaria inclusive a minha própria<br />

morte e o que fosse da intenção<br />

de Nosso Senhor e de Nossa Senhora.<br />

Mas não compreendo o que<br />

está se passando; vou continuar para<br />

a frente!”<br />

Narro isto a fim de exprimir até<br />

que ponto eu a admirava e era consonante<br />

com ela, e assim não parecer<br />

inexplicável que eu me tenha,<br />

entretanto, atrevido tão pouco a<br />

analisá-la e a formar uma teoria a<br />

respeito dela.<br />

Início de uma<br />

pós-história<br />

Ora, com os acontecimentos<br />

e a atuação dela<br />

post mortem, muito da<br />

grandeza e do esplendor<br />

de sua alma foi-se revelando.<br />

Notei que ela começou<br />

a atuar a seu modo,<br />

por si mesma e quase<br />

à minha margem, agindo<br />

de um modo extraordinário<br />

e começando<br />

uma post história. Foi então<br />

que compreendi a necessidade<br />

de analisá-la,<br />

não para conhecer algo de<br />

novo, mas para explicitar<br />

aquilo que correspondia à<br />

minha admiração, cujo limiar<br />

não ousara transpor<br />

enquanto ela estava viva.<br />

Isto deu-se a partir de algumas<br />

graças que recebi por meio dela e de<br />

outras que ela, sem interferência minha,<br />

começou a dispensar a outros.<br />

Porque disso todos são testemunhas:<br />

eu nunca impulsionei uma devoção<br />

a ela; sempre dei minha aquiescência,<br />

mas nunca a incentivei.<br />

A primeira dessas graças insignes<br />

recebidas dela depois de seu falecimento<br />

foi de eu senti-la falar à minha<br />

alma, sem eu saber o modo como<br />

isso se dava. Eu, que nunca tive<br />

visão ou revelação! Falar para a minha<br />

alma como?<br />

“Meu filho, ele voltará”<br />

O primeiro fato no qual este fenômeno<br />

se deu foi a propósito de<br />

um rapaz que havia se afastado de<br />

nosso Movimento. Lembro de ter sido<br />

em semanas posteriores à morte<br />

de mamãe, quando me encontrava<br />

em repouso em uma fazenda.<br />

Eu estava deitado quando me<br />

veio ao espírito a lembrança dessa<br />

pessoa, e eu senti como se minha<br />

mãe me sorrisse, com um sorriso iluminado,<br />

generoso, cheio de felicidade,<br />

e me dissesse: “Meu filho, ele<br />

voltará e o caso dele não está perdido,<br />

ele continuará o caminho.”<br />

Eu pensei com os meus botões: “É<br />

para mim evidente que é uma comunicação<br />

dela e que isto vai dar-se. No<br />

entanto, pela contenção que eu devo<br />

pôr-me a mim mesmo, não darei<br />

a menor importância ao que aconteceu.”<br />

E assim o fiz, tanto é que não<br />

comentei com ninguém.<br />

Ora, depois os fatos confirmaram,<br />

e de modo maravilhoso, a intervenção<br />

dela no caso.<br />

Apesar da admiração enorme, da<br />

veneração, do afeto, respeito que eu<br />

tinha por ela, a minha posição foi de<br />

estabelecer uma espécie de dúvida<br />

metódica diante daquilo que eu havia<br />

sentido. E não só dúvida, mas de<br />

relegar o fato, ignorá-lo, embora desejando,<br />

como podem imaginar, que<br />

aquela promessa se realizasse.<br />

Aspectos da fazenda em Amparo.<br />

Em destaque, <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> no<br />

mesmo local, em agosto de 1968<br />

7


Dona Lucilia<br />

Ela mesma como que, afetuosamente,<br />

carinhosamente, forçou a barreira<br />

metódica que eu tinha estabelecido,<br />

mostrando-me que, de fato, ela<br />

ocupava um lugar que o meu temor,<br />

a minha vigilância impediam de afirmar,<br />

como também de negar. Eu fizera<br />

tábula rasa a respeito disso.<br />

Barreiras simétricas,<br />

santamente estabelecidas<br />

Depois houve um outro caso,<br />

mais pessoal e relativo à minha saúde,<br />

no qual também ela falou claramente<br />

e os fatos se cumpriram conforme<br />

havia dito.<br />

Eu não sei explicar como, mas é<br />

um falar não falando, um dizer não<br />

dizendo, com muito sorriso, e cujo<br />

sentido profundo me preparava para<br />

admitir como autênticas as graças<br />

que ela tem dispensado junto à<br />

sua sepultura e cuja autenticidade<br />

eu não poderia negar. Porque, para<br />

quem tem um pingo de discernimento<br />

dos espíritos, constituem<br />

uma tal evidência, que eu não poderia<br />

negar.<br />

Para dizer logo tudo de uma vez, a<br />

barreira que eu coloquei na consideração<br />

da pessoa dela era talvez a mesma<br />

que ela havia posto na consideração<br />

de minha pessoa. Quer dizer, talvez<br />

fossem barreiras simétricas, estabelecidas<br />

por ela e por mim, vindas da<br />

mesma preocupação. Eu não tenho<br />

certeza, mas era bem possível.<br />

No entanto, ela passou por cima<br />

da barreira que eu aprendi dela<br />

a traçar, tanto no que diz respeito a<br />

ela, como no que diz respeito a mim;<br />

ela entrou e abriu.<br />

E isso me leva então a reestudar o<br />

assunto da pessoa dela, sem algumas<br />

limitações que eu mesmo me julgara<br />

obrigado a estabelecer outrora.<br />

Ao fim da vida, ela me transmitia<br />

alguns pensamentos, não à maneira<br />

de quem vai pronunciar ditos sublimes<br />

supondo que vai morrer, mas eram<br />

coisas que lhe escapavam por acaso; e<br />

eu fui interpretando depois, com mais<br />

profundidade, algumas ideias que eu<br />

tinha desde o tempo de minha infância,<br />

reconstituindo uma porção de impressões<br />

que ela me dava.<br />

Uma alma à espera<br />

de outros filhos<br />

Uns vinte anos antes<br />

de ela morrer, comecei<br />

a prestar atenção nela<br />

e pensava: “Mamãe foi<br />

uma filha excelente, uma<br />

irmã ótima, uma esposa<br />

pacientíssima e dedicadíssima;<br />

mas ela, principalmente<br />

é mãe, e não quero<br />

dizer que ela seja sobretudo<br />

minha mãe.”<br />

No decurso do tempo,<br />

passei a notar nela uma atitude<br />

de alguém que possui<br />

uma alma de mãe para ter<br />

uma quantidade de filhos<br />

Visitas de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> ao túmulo de<br />

Dona Lucilia no Cemitério da Consolação<br />

8


que ela não teve e dir-se-ia ser<br />

uma alma à espera de outros<br />

filhos que ela não teria, tanto<br />

mais que eu não haveria<br />

de me casar. Como é que se<br />

explicava isto que ficava em<br />

suspense?<br />

Mais tarde eu comecei a<br />

perceber que ela apresentava<br />

uma atitude de mãe<br />

em relação a todos os meus<br />

amigos que se aproximavam<br />

dela. Veio-me à mente essa<br />

pergunta: “Será que um dia ela vai<br />

ser mãe de todos aqueles que são<br />

meus filhos espirituais e que toda<br />

a TFP, que deve crescer ainda muito<br />

mais, vai ser um Movimento de filhos<br />

dela?”<br />

Com efeito, o modo de ela agir<br />

com os que vão rezar junto ao túmulo<br />

é assim: ela toma um por um<br />

como filho, estabelecendo um vínculo<br />

materno e, mais do que atender<br />

à graça, ela faz sentir àquele a<br />

cujo pedido diz “sim” que, a partir<br />

daquele momento, providamente<br />

toma conta dele; toda a série de<br />

outros pedidos que ele fizer, ela<br />

atenderá como uma mãe faz com<br />

aquele o qual, de fato, toma como<br />

filho.<br />

Impulsar, fazer com que cada um<br />

seja filho dela é, vamos dizer, o objetivo<br />

dessas relações que ela estabelece<br />

no Cemitério da Consolação.<br />

Um múnus materno para<br />

recompor almas órfãs<br />

Isso tem uma reversão em outra<br />

realidade.<br />

Muitas vezes, comparando-a com<br />

outras mães que eu conhecia, tinha<br />

uma sensação curiosa e pensava:<br />

“Tenho a impressão de ser ela a última<br />

mãe sobre a Terra, porque mãe<br />

como ela é – com tal plenitude da<br />

maternidade –, eu não conheço ninguém,<br />

excetuando, como é evidente,<br />

Nossa Senhora.<br />

As mães vão morrendo sobre a<br />

face da Terra. Há restos disso nesta,<br />

naquela e naquela outra, mas<br />

com esta totalidade de predicados<br />

não vejo ninguém. Creio que haverá<br />

uma época na qual o relacionamento<br />

entre mãe e filho vai desaparecer.”<br />

E eu tenho a impressão de<br />

que Dona Lucilia entra nesse<br />

cenário e toma um cuidado<br />

especial dos que são<br />

mais órfãos, daqueles cuja<br />

mãe foi menos mãe. A<br />

esses ela pacifica, apazigua,<br />

entretém, enfim,<br />

realiza um trabalho como<br />

só ela poderia fazer,<br />

e o faz de um modo<br />

esplêndido, excelente,<br />

com afagos, revelando-lhes<br />

o que é<br />

ter uma mãe.<br />

Desse modo, a axiologia<br />

que ela recompõe<br />

carinhosamente<br />

corresponde ao sentido<br />

de orfandade. Um órfão<br />

que nunca teve mãe<br />

ou quem nem sequer conheceu<br />

uma boa mãe,<br />

este fica com a axiologia<br />

trincada.<br />

Ora, dar axiologia é próprio ao<br />

múnus materno e é o que Nossa Senhora<br />

faz. O universo não teria sentido<br />

e seria uma sucessão de cóleras<br />

ininterruptas de Deus se não fosse<br />

Nossa Senhora intervindo, unindo,<br />

consertando. E o que a Santíssima<br />

Virgem realiza de um modo universal,<br />

mamãe parece ter a incumbência<br />

d’Ela para fazer de um modo mais<br />

particular, preciso, pequenino.<br />

Durante a vida, eu via mamãe<br />

com muitas interrogações e, desde a<br />

eternidade, ela parece respondê-las<br />

por inteiro. Com o fato do raio de<br />

luz sobre as orquídeas 3 e pelos acontecimentos<br />

que sucederam, se me fixou<br />

esta ideia de uma missão dela<br />

post mortem.<br />

9


Dona Lucilia<br />

Consertadora dos<br />

temperamentos,<br />

cuja bondade forma<br />

para a luta<br />

Algo no qual também entra<br />

a ação de Dona Lucilia<br />

é na questão dos temperamentos.<br />

Ora, o temperamento<br />

das gerações que viriam seria<br />

marcado por uma espécie<br />

de incapacidade para as<br />

grandes asceses, por causa<br />

de um minguamento da natureza.<br />

E ela, a senhora do<br />

Quadrinho, com sua forma<br />

de carinho, de acessibilidade,<br />

resolve inclusive o problema<br />

temperamental, cujo<br />

reflexo pode-se ver no próprio<br />

modo de eu me portar<br />

diante da virtude dela.<br />

Quando era de se esperar<br />

que as almas não teriam<br />

mais acesso a isso, nasce<br />

uma forma nova de ascese,<br />

de axiologia, toda feita da bondade<br />

dela, da misericórdia, de uma suavidade<br />

recomponente, que tem isto<br />

de curioso: refeito por ela, dá para o<br />

combate; sem ser refeito por ela, não<br />

dá para nenhuma luta.<br />

E mais ainda: aqueles que não são<br />

capazes de maiores esforços ela os<br />

apresenta aos olhos de Deus com uma<br />

aparência de ascese; não consigo exprimir<br />

bem, mas seria algo dessa natureza.<br />

Ela como que consegue, com o sorriso<br />

e uma ação na alma, o que a grandeza<br />

dos séculos passados – que eu admiro e<br />

procuro representar –, de si, não causaria.<br />

Desperta admiração, mas não move<br />

à imitação. Ela, no entanto, vê, preenche,<br />

completa e faz andar.<br />

Complemento de suavidade e<br />

doçura à ação de <strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong><br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1985<br />

Há aqui uma espécie de cruzar de<br />

ações: em certo sentido, eu represento<br />

o futuro e ela o passado; em<br />

outro sentido, eu represento o passado<br />

que se levanta esbravejando, de<br />

garras diante da Revolução, e ela representa<br />

o futuro.<br />

Há, por exemplo, casos de pessoas<br />

que se aproximam de mim com<br />

desejos de me seguir, mas com dificuldades<br />

temperamentais. Mamãe, a<br />

seu modo, alisa o temperamento, o<br />

põe em ordem. Onde eu não poderia<br />

chegar, ela, pelo sorriso, encaminha<br />

a alma. É um ponto por onde eu a<br />

sinto completar-me magnificamente.<br />

Certa vez, eu estava conversando<br />

com um rapaz; estávamos cada qual<br />

em cadeiras de vime, lado a lado. Depois<br />

de eu lhe haver apontado certos<br />

deveres a cumprir, ele respondeu-me:<br />

“Para isto, eu não tenho força nem<br />

coragem, e é inútil o senhor pedir de<br />

mim, porque não consigo.”<br />

Aos meus lábios veio o desejo da<br />

increpação: “Como pode ser isto?<br />

Você tem a graça de Deus<br />

como eu tenho e tem obrigação<br />

de exigir de si mesmo<br />

o que eu exijo de mim. E o<br />

que não for isto é, de sua<br />

parte, um amolecimento e<br />

uma insinceridade...”<br />

Quando eu olhei para<br />

ele, percebi que teria o seu<br />

propósito eu dizer-lhe isto;<br />

mas seria, ao mesmo tempo,<br />

uma ação tão descabida,<br />

que eu não deveria fazer.<br />

Engoli a censura e deixei<br />

correr o marfim.<br />

Anos depois, esse rapaz<br />

mencionou-me uma ação<br />

de mamãe sobre sua alma –<br />

creio que ela já havia morrido<br />

– que era o de consertar<br />

o temperamento. Eu compreendi<br />

que aquela minha<br />

atitude teria sido, de fato,<br />

fora de propósito, porque<br />

ela arranjou o que eu não<br />

teria obtido. Esse jovem teria<br />

admirado meu “rugido”,<br />

mas a repreensão não teria<br />

consertado o temperamento dele.<br />

Há algo por onde ela me completa<br />

com doçura e suavidade, alcançando<br />

o que eu não conseguiria. E<br />

eu, muito agradecido e enternecido,<br />

não tendo nem sequer palavras para<br />

dizer quanto sou grato, registro estes<br />

fatos. Isso é assim! v<br />

(Conferência de 30/10/1977)<br />

1) Em fins do ano de 1967, como resultado<br />

de um esgotamento físico, <strong>Dr</strong>.<br />

<strong>Plinio</strong> foi acometido por uma grave<br />

crise de diabetes.<br />

2) Devido à gangrena ocasionada por<br />

uma infecção no pé direito, foram-lhe<br />

amputados quatro artelhos.<br />

3) No momento da Consagração da Missa<br />

de sétimo dia de Dona Lucilia, celebrada<br />

na Igreja de Santa Teresinha,<br />

um raio de luz incidiu repentinamente<br />

sobre as orquídeas, que constituíam<br />

o centro da cruz floral que se encontrava<br />

junto à mesa de Comunhão.<br />

10


De Maria nunquam satis<br />

Mãe da<br />

Daniel A.<br />

Divina Graça<br />

À obra magnífica da Redenção operada por Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, quis Ele associar sua Mãe Santíssima. Ela é o<br />

funil sagrado por onde todas as orações da humanidade são<br />

atendidas. Devemos nos habituar a pedir a Ela tudo quanto<br />

precisamos, ainda que pareça algo muito difícil de ser obtido.<br />

Quando surgiu a invocação a<br />

Nossa Senhora das Graças e<br />

o que ela significa?<br />

Nossa Senhora das Graças é a<br />

Mãe da graça divina, Ela é Mãe de<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo.<br />

A Santíssima Virgem:<br />

caminho para a<br />

vinda do Messias<br />

Havia uma ruptura entre Deus e<br />

os homens. O caminho do Céu estava<br />

fechado para a humanidade. Por<br />

causa do pecado de Adão e Eva, o<br />

pecado original, havia uma mancha<br />

que se propagava deles sobre todos<br />

os seus descendentes, tornando-os indignos<br />

de aparecer diante de Deus.<br />

Quando Deus pronunciou a sentença<br />

para o homem, prometeu também<br />

a vinda do Redentor, do Messias<br />

que haveria de tirar o gênero humano<br />

daquela condição miserável na<br />

qual estava e restituiria aos homens<br />

a possibilidade de verem a Deus. Esse<br />

Redentor veio, mais ou menos,<br />

cinco mil anos depois de o homem<br />

ser expulso do Paraíso.<br />

Para se ter uma ideia do que isso<br />

representa, basta considerar que o<br />

Brasil foi descoberto em 1500 e ainda<br />

não estamos no ano de 2000. São 500<br />

anos. O Brasil não tem 500 anos de<br />

idade completos... Cinco mil anos são<br />

dez vezes a história inteira do Brasil!<br />

Por este cálculo pode-se ter uma<br />

vaga noção de quanto tempo o gênero<br />

humano ficou esperando o Redentor.<br />

Até que Deus, na sua sabedoria<br />

e bondade, determinou o momento<br />

e preparou o caminho para o nascimento<br />

do Messias. E a preparação<br />

do caminho era Nossa Senhora! Filha<br />

de um casal santíssimo: São Joaquim<br />

e Sant’Ana. Ele, descendente do Rei<br />

Davi, escolhido com Sant’Ana para<br />

terem uma filha de pureza imaculada.<br />

Todos os homens nascem concebidos<br />

no pecado original, porém Deus<br />

suspendeu esta lei no nascimento de<br />

Nossa Senhora: “Esta não! Esta vai<br />

ser concebida sem a mancha original.<br />

Será puríssima desde o primeiro ins-<br />

11


De Maria nunquam satis<br />

tante de seu ser, em vista do Menino<br />

que nascerá d’Ela.”<br />

E o Divino Espírito Santo gerou<br />

em Nossa Senhora a Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo. Ela é esposa do Divino<br />

Espírito Santo. E Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, a Segunda Pessoa da<br />

Santíssima Trindade, Deus feito Homem,<br />

nasceu das núpcias sobrenaturais,<br />

celestes e magníficas<br />

entre o Divino Espírito<br />

Santo e Nossa Senhora.<br />

Ela é a Mãe de Deus, o<br />

veículo pelo qual Jesus Cristo<br />

veio à Terra. Ela se tornou<br />

o canal de todas as graças.<br />

Nosso Senhor visita<br />

o Limbo dos Justos<br />

Flávio Lourenço<br />

São Joaquim e<br />

Sant’Ana com Nossa<br />

Senhora menina<br />

Museu Federic<br />

Marés, Barcelona<br />

A partir do momento<br />

em que Nosso Senhor Jesus<br />

Cristo expirou e disse do alto<br />

da Cruz: “Consummatum<br />

est”, o sacrifício d’Ele<br />

terminou e o gênero humano<br />

estava remido, as portas<br />

do Céu se reabriram.<br />

A alma de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, separada<br />

do Corpo, desceu para<br />

o lugar onde se encontravam os<br />

homens que tinham morrido antes<br />

d’Ele e que mereciam ir para o Céu,<br />

entre os quais São Dimas, o bom ladrão,<br />

que provavelmente morreu antes<br />

de Nosso Senhor e foi esperá-Lo<br />

no Limbo. Ali estavam todos os justos<br />

que tinham morrido desde Adão<br />

até aquele momento, num lugar sem<br />

Anunciação<br />

Galeria<br />

Nacional de<br />

Úmbria, Itália<br />

fogo, sem tormento, numa longa espera<br />

de cinco mil anos, até que afinal<br />

viesse o Salvador.<br />

No Credo se diz que Ele “desceu<br />

aos infernos”. Não é o inferno de Satanás.<br />

Inferno, em latim, é uma palavra<br />

genérica que significa lugares inferiores.<br />

O Limbo era um lugar inferior.<br />

Puro, digno, mas um lugar de<br />

saudades e de esperança,<br />

sem nenhuma alegria beatífica<br />

presente. Esse era o<br />

Flávio Lourenço<br />

tal inferno onde a alma de<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo<br />

desceu. Um inferno sem<br />

relação nenhuma com os<br />

demônios. E pode-se imaginar<br />

a alegria de todos os<br />

justos quando viram, de<br />

repente, o Salvador que<br />

descia.<br />

Desde Adão e Eva, que<br />

se salvaram e são santos,<br />

pois Deus os perdoou, até<br />

os que tinham morrido naquela<br />

hora e foram salvos,<br />

todos eles, recebendo<br />

a boa notícia, estavam resgatados<br />

por Nosso Senhor.<br />

É de se admitir que<br />

quando São José morreu<br />

ele contou no Limbo<br />

o nascimento do Messias<br />

e todos ficaram alegríssimos!<br />

Também quando São<br />

João Batista morreu sua<br />

alma foi para o Limbo e é<br />

provável que ele tenha contado o início<br />

da pregação do Messias e anunciado<br />

ali quem era Nosso Senhor Jesus<br />

Cristo. Portanto, todos no Limbo<br />

já sabiam quem Ele era, mas nada<br />

se comparou à alegria de ver o Messias<br />

e de, afinal, terem o sacrifício liquidado<br />

e irem com Ele para o Céu!<br />

Nossa Senhora, medianeira<br />

de todas as graças<br />

Que obra magnífica de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo! Que ação santíssima<br />

e inteiramente à altura incompa-<br />

12


ável d’Ele, o ter resgatado por esta<br />

forma todo o gênero humano! Nosso<br />

Senhor quis que o valor do sacrifício<br />

d’Ele fosse aceito pelo Padre<br />

Eterno como expiação pelos pecados<br />

que se cometeriam desde Adão<br />

e Eva até o fim do mundo, mas Ele<br />

quis assim em união com o sofrimento<br />

de Nossa Senhora, e nisso Ela entra<br />

enquanto a Mater Divinæ Gratiæ.<br />

Nossa Senhora é, portanto, chamada<br />

a Co-Redentora do gênero<br />

humano. Se não fosse o sofrimento<br />

d’Ela, Deus não se contentaria. E,<br />

realmente, Ela teve um martírio incomparável.<br />

Podem imaginar o que<br />

representava para Nossa Senhora<br />

ver seu Filho, a quem adorava como<br />

Deus e Homem, morto daquele modo<br />

ignominioso na Cruz?<br />

Uma coisa tremenda! Nunca, até<br />

o fim do mundo, se poderá calcular o<br />

que Nossa Senhora sofreu. Isso Ela<br />

sofreu para nos salvar. E, por todas<br />

essas e outras razões, Maria Santíssima<br />

foi considerada, aclamada, reconhecida<br />

pela Igreja como a Medianeira<br />

de todas as graças.<br />

Deus não dá uma só graça para os<br />

homens que não seja por pedido de<br />

Nossa Senhora. E não atende uma<br />

só oração dos homens que não seja<br />

por meio d’Ela. Ela é a Medianeira<br />

de todas as graças. Medianeira é a<br />

que está no meio. A palavra diz: entre<br />

Deus e os homens, no meio está<br />

Ela. É um funil sagrado por onde todas<br />

as orações da humanidade aflita<br />

ou reconhecida, alegre, abatida<br />

ou triste, ou na luta e no caminho do<br />

Céu, rezam, rezam, rezam para obter<br />

graças.<br />

Essas orações, os Anjos, os santos,<br />

os nossos santos padroeiros apoiam.<br />

Não seria nada, porém, se Nossa Senhora<br />

não rezasse junto. Tanto vale a<br />

oração de Nossa Senhora!<br />

O que todos os Anjos e Santos do<br />

Céu pedissem sem Ela, não receberiam.<br />

Ela, pedindo sem todos eles,<br />

recebe. De maneira tal e unicíssima<br />

Deus A ama.<br />

Jesus ressuscitado desce ao Limbo - Galeria Nacional de Arte, Washington<br />

As aparições de Nossa<br />

Senhora a Santa<br />

Catarina Labouré<br />

Para lembrar essas graças e avivar<br />

os homens na piedade, Nossa Senhora<br />

apareceu no ano de 1830, na França,<br />

a uma freira francesa, da Congregação<br />

de São Vicente de Paulo. Elas<br />

usavam uns longos toucados brancos<br />

muito bonitos e hábito preto.<br />

Ela morava no convento que até<br />

hoje essa Ordem religiosa possui, na<br />

Rue du Bac, em Paris. A freira estava<br />

dormindo, durante a noite, quando<br />

um menino – eu suponho ser um<br />

Anjo – apareceu, dizendo que Nossa<br />

Senhora queria falar com ela e a<br />

esperava na capela. A religiosa acordou,<br />

vestiu-se e foi; o menino guiando-a.<br />

Nesses conventos antigos a disciplina<br />

era verdadeira. Havia várias<br />

portas internas fechadas e, portanto,<br />

não se entrava nem se saía com<br />

facilidade. Mas, quando o menino<br />

Gabriel K.<br />

13


De Maria nunquam satis<br />

se aproximava, as portas se abriam.<br />

A irmã Catarina Labouré, de classe<br />

social muito humilde, muito modesta,<br />

e ela mesma uma pessoa de dotes<br />

comuns, não era uma grande estrela<br />

de inteligência. No silêncio do<br />

convento que dormia, foi seguindo o<br />

menino. A capela estava toda iluminada,<br />

resplandecente. Nossa Senhora<br />

sentou-se numa poltrona que até<br />

hoje se conserva nessa capela. Catarina<br />

Labouré aproximou-se d’Ela e<br />

começaram a conversar.<br />

Nossa Senhora fez várias revelações<br />

a essa freira, manifestando estar<br />

muito aborrecida com o estado<br />

da França, que andava mal, e anunciando<br />

em breve a chegada de uma<br />

revolução que deporia o Rei Carlos<br />

X e seria seguida de outras, até a revolução<br />

comunista, que deixaria Paris<br />

toda em sangue.<br />

A revolução liberal depôs o Rei<br />

Carlos X, ainda conservando a forma<br />

de governo monárquica. Cerca<br />

de vinte anos depois, a monarquia<br />

caiu e seguiu-se a república. Mais<br />

tarde, veio mais uma vez o império.<br />

Depois, afinal de contas, a república<br />

foi proclamada. Porém, por ocasião<br />

dessa proclamação, então definitiva<br />

na França, houve uma revolução<br />

comunista como Nossa Senhora<br />

predisse.<br />

E Nossa Senhora alertou que rezassem<br />

muito a Ela, recomendou<br />

que todos portassem a medalha milagrosa<br />

consigo e assim obteriam<br />

uma especialíssima proteção.<br />

Graças que não são<br />

pedidas e, por isso,<br />

não são concedidas<br />

Nossa Senhora prometeu conceder<br />

inúmeras graças aos que Lhe pedissem.<br />

Alguns meses mais tarde, em outra<br />

aparição, Santa Catarina Labouré<br />

viu que os dedos de Nossa Senhora<br />

estavam carregados de anéis com<br />

pedras preciosas, os quais chispavam<br />

Aparição de Nossa Senhora a Santa Catarina Labouré<br />

Capela da Medalha Milagrosa, Paris<br />

cores lindas e eram um símbolo das<br />

graças que Ela obtém aos homens.<br />

Os anéis sem brilho simbolizavam as<br />

graças que não eram pedidas e, portanto,<br />

não eram concedidas.<br />

É uma grande lição para nós nos<br />

habituarmos a pedir a Nossa Senhora<br />

tudo quanto precisamos, ainda<br />

que pareça muito improvável ou<br />

muito difícil conseguir. Pedindo, Ela<br />

concede. E como cada favor que Ela<br />

dá é uma graça e uma manifestação<br />

da grandeza d’Ela, nós A invocamos<br />

sob o título de Nossa Senhora das<br />

Graças.<br />

A imagem de Nossa Senhora das<br />

Graças está com as mãos abertas para<br />

indicar a disposição de acolher as<br />

nossas orações. Ela apareceu com<br />

sóis partindo das mãos. Esses sóis,<br />

estão à nossa disposição.<br />

É questão de pedirmos que Ela dá.<br />

Nosso Senhor disse no Evangelho:<br />

“Pedi e recebereis. Batei e abrir-se-<br />

-vos-á” (Mt 7, 7). Ele indicou a porta:<br />

é sua Mãe Santíssima. Batei na porta<br />

certa e se abrirá! Para abrir, precisa<br />

bater na porta e não na parede... A<br />

porta é Ela. Batendo na porta certa,<br />

recebemos as graças que desejamos.<br />

Pedir toda espécie de graças<br />

Devemos ter o hábito de pedir a<br />

Nossa Senhora toda espécie de graças.<br />

Podem ser as graças pequenas<br />

da vida cotidiana, por exemplo, para<br />

ser bem sucedido no apostolado,<br />

rezar antes de iniciar uma conversa:<br />

“Nossa Senhora das Graças, ajudai-<br />

-me!” Também enquanto está conversando<br />

dizer uma, duas, três vezes<br />

essa jaculatória. Isso é ultracheio de<br />

propósito!<br />

Podemos pedir a Ela outras coisas.<br />

Se temos uma obrigação a<br />

cumprir e estamos indispostos,<br />

com dor de cabeça: “Nossa Senhora<br />

das Graças, ajudai-me!” Ou<br />

nos encontramos num apuro, fizemos<br />

algo que não devíamos e teme-<br />

Samuel Holanda<br />

14


Flávio Lourencço<br />

mos as más consequências: “Nossa<br />

Senhora das Graças, perdoai-me<br />

e ajudai-me!” Ela dá o perdão e a<br />

ajuda.<br />

Ela é de uma bondade sem limites,<br />

como um caudal correndo continuamente<br />

sobre o gênero humano.<br />

É questão de os homens compreenderem<br />

e pedirem, pedirem, pedirem<br />

que serão ajudados.<br />

Nas nossas dificuldades interiores,<br />

quantas e quantas vezes a prática<br />

da virtude parece difícil... É um<br />

problema de pureza; é um problema<br />

com alguma pessoa hostil, em casa<br />

ou fora dela; é problema a respeito<br />

de tanta coisa!<br />

Infelizmente, às vezes as pessoas<br />

tomam maus hábitos. Como é<br />

frequente o hábito da preguiça, por<br />

exemplo. Há certo gênero de pessoas<br />

que não sabe fazer uma gentileza,<br />

o que é vergonhoso! Se alguém pede<br />

uma cadeira, o certo seria levantar<br />

com alegria e levar a cadeira. É<br />

assim que as coisas devem ser feitas.<br />

Ou quando alguma pessoa pede um<br />

copo de água, o indivíduo deve ir depressa<br />

trazer o copo de água, de modo<br />

agradável, perguntar se deseja<br />

mais, ficar de pé enquanto está servindo,<br />

para que a pessoa tenha liberdade<br />

de pedir mais um copo. O contrário<br />

disso é a preguiça: sentado,<br />

deitado, acabrunhado!<br />

Eu diria que quase posso ver nos<br />

rostos quem é preguiçoso. Se não se<br />

tem coragem de vencer um hábito<br />

tão velho: “Nossa Senhora das Graças,<br />

rogai por nós!” Peça uma porção<br />

de vezes e, quando parecer que Ela<br />

não vai mais conceder, porque tantas<br />

vezes pediu, é então a hora em<br />

que Ela vai atender. Devemos pedir<br />

sem parar. Em certo momento a ajuda<br />

d’Ela virá!<br />

Aos filhos a quem mais ama,<br />

Nossa Senhora faz esperar<br />

Virgem do Carmo resgatando almas do Purgatório - Igreja de São José, Cádiz, Espanha<br />

Assim, nas coisas mais várias,<br />

mais diversas, Nossa Senhora gosta<br />

de fazer esperar aos filhos a quem<br />

Ela mais ama. E é porque Ela gosta<br />

que se reze para Ela.<br />

Quando se obtém logo uma graça,<br />

a natureza humana é tão miserável<br />

que deixa de pedir. E Nossa Senhora,<br />

então, para fazer aquele filho rezar,<br />

deixa demorar.<br />

É como uma mãe que tem um filho<br />

muito indiferente e que quer<br />

dela certo dinheiro para viajar. O filho<br />

pede uma vez, ela não dá. Depois<br />

de ele ter pedido cinquenta vezes,<br />

ela dá. Aí o filho está mais unido<br />

a ela, porque procurou agradá-la<br />

para obter.<br />

Às vezes, Nossa Senhora faz assim<br />

conosco, Ela demora. Mas devemos<br />

compreender essa demora e pedir,<br />

pedir, pedir!<br />

15


De Maria nunquam satis<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

Os Santos e os Anjos são intercessores<br />

junto a Nossa Senhora<br />

Então o culto aos Anjos ou aos outros<br />

Santos é inútil? Não. Nossa Senhora<br />

ama os Anjos. Ela não estava<br />

criada quando eles travaram aquela<br />

batalha tremenda no Céu, mas a batalha<br />

se deu por causa d’Ela. Antes<br />

mesmo de ser criada, Maria Santíssima<br />

dividiu os Anjos. Por quê? Porque<br />

Deus lhes revelou a criação dos homens,<br />

criaturas inferiores aos Anjos.<br />

Com efeito, somos de carne e espírito<br />

e eles, puros espíritos, são muito superiores.<br />

Ademais, lhes revelou a Encarnação<br />

na natureza humana. Deus<br />

nasceria de uma criatura humana,<br />

que seria Rainha dos Anjos. Quando<br />

Satanás – o mais alto dos Anjos –<br />

viu que uma mulher, uma Virgem frágil<br />

e débil seria sua rainha, se revoltou.<br />

Então São Miguel e os Anjos fiéis<br />

lançaram o brado: “Quis ut Deus?”<br />

em resposta àquele “non serviam” de<br />

Lúcifer, que consistia em dizer: “Não<br />

servirei Àquela Virgem.”<br />

São Miguel Arcanjo levantou-se:<br />

“Quem como Deus?” E levou todos<br />

os Anjos. Esses foram cruzados de<br />

Nossa Senhora antes de Ela existir.<br />

Como Nossa Senhora ama esses Anjos!<br />

Ela poderia ser insensível à oração<br />

de um deles? Não.<br />

Houve tantos Santos na Terra. Ela<br />

foi quem os fez santos, pois sem a oração<br />

de Nossa Senhora eles não alcançariam<br />

a santidade. Portanto, Ela ama<br />

a cada um deles como obra de suas<br />

próprias mãos. As orações dos Santos<br />

Lhe são muito caras. E mesmo as almas<br />

do Purgatório que estão cumprindo<br />

pena, rezando por elas, elas rezam<br />

por nós. Nossa Senhora as ama e tem<br />

pena. Com frequência Ela desce ao<br />

Purgatório e liberta legiões. Devemos,<br />

portanto, pedir aos nossos intercessores<br />

celestes. Mas, para eles pedirem a<br />

Nossa Senhora e Ela pede a Deus.<br />

Assim temos a escada de ouro<br />

magnífica que nos leva aos pés do<br />

trono onde está sentado eternamente<br />

o Rei da Glória Eterna, Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo.<br />

Eu gostaria que essa ideia estivesse<br />

presente no espírito de quem olha para<br />

aquela imagem tão risonha de Nossa<br />

Senhora das Graças. Ela é Mãe de<br />

toda bondade. E, ao nos aproximarmos<br />

d’Ela, deveríamos dizer:<br />

“Minha Mãe, aqui está um filho<br />

trazido por Vós. Eu não Vos peço<br />

que me queirais bem, porque me<br />

quereis mais do que me quero a mim<br />

mesmo. Peço-vos, então, que me manifesteis<br />

o vosso bem querer. Dai-me<br />

uma graça, minha Mãe, dai-me um<br />

sorriso para eu andar e Vos servir!”<br />

A primeira imagem de<br />

Nossa Senhora das Graças<br />

Qual foi a primeira imagem de Nossa<br />

Senhora das Graças que vi em minha<br />

vida?<br />

Eu ignorava toda a história de<br />

Nossa Senhora das Graças. Só quando<br />

estava concluindo meu curso na<br />

Faculdade de Direito, ou quando já<br />

estava formado, me caíram nas mãos<br />

papéis contando a aparição. Mas,<br />

num certo oratório na Rua Alagoas<br />

350, primeiro andar, havia uma imagem<br />

de Nossa Senhora das Graças.<br />

Nunca a olhei em minha vida sem ter<br />

uma especial inclinação por ela. Eu<br />

gostava de osculá-la. E sempre que<br />

eu pedia, uma certa senhora, com<br />

um sorriso, me dava para oscular. v<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1983<br />

(Extraído de conferência de<br />

22/5/1983)<br />

16


Reflexões teológicas<br />

João C. V. Villa<br />

Dois reinados<br />

opostos que<br />

se decidem<br />

no coração<br />

da sociedade<br />

O mundo contemporâneo marcha para<br />

um desregramento moral sem limite,<br />

que lhe arranca a Fé, o desejo das coisas<br />

sobrenaturais. Esse caos é uma consequência<br />

da supressão da realeza de Jesus Cristo, a<br />

pedra de ângulo sem a qual nada se constrói.<br />

A<br />

respeito da festa de Cristo<br />

Rei, temos a considerar o<br />

seguinte texto 1 :<br />

Hoje a Igreja quer nos fazer refletir<br />

sobre as consequências desse chamado<br />

universal para a Fé de Jesus Cristo.<br />

As nações foram no conjunto convertidas<br />

para o Senhor, que lhes trouxe,<br />

com os conhecimentos sobrenaturais,<br />

os benefícios de uma civilização<br />

que o mundo antigo tinha sempre ignorado.<br />

Mas, infelizmente, há dois séculos<br />

um erro extremamente pernicioso<br />

devasta todas as nações e particularmente<br />

a nossa. Esse erro é o laicismo.<br />

Esse erro consiste na negação dos<br />

direitos de Deus e de Nosso Senhor Jesus<br />

Cristo sobre toda a sociedade humana,<br />

tanto na vida privada e familiar,<br />

quanto na vida social e política.<br />

Os apóstolos dessa heresia retomaram<br />

para si o brado dos judeus deicidas:<br />

nós não queremos que Ele reine<br />

sobre nós.<br />

Altar-mor da igreja de<br />

São Domingos, Cuenca, Equador<br />

17


Reflexões teológicas<br />

Luis Samuel<br />

Em face dessa peste de nossos tempos,<br />

os Papas não deixaram de elevar<br />

sua voz. Mas o flagelo crescendo sempre,<br />

Pio XI quis aproveitar o ano jubilar<br />

para lembrar solenemente ao mundo,<br />

pela Encíclica Quas Primas do dia<br />

11 de dezembro de 1925, o pleno e inteiro<br />

poder de Jesus Cristo, Filho de<br />

Deus, Rei imortal dos séculos, sobre todos<br />

os homens e povos de todos os tempos.<br />

De mais a mais, para que esse ensinamento<br />

tão necessário não fosse deveras<br />

esquecido, ele instituiu, em honra<br />

de sua universal realeza, uma festa litúrgica<br />

que foi, a um tempo, um memorial<br />

solene e uma reparação dessa apostasia<br />

das nações, que tende a se manifestar na<br />

doutrina e nos fatos, em nome do laicismo<br />

contemporâneo. Enfim, o soberano<br />

pontífice prescreveu, nesse mesmo ano e<br />

nessa mesma solenidade, a renovação<br />

da consagração do gênero humano ao<br />

Sagrado Coração de Jesus.<br />

Tríplice realeza de Cristo<br />

É preciso lembrar alguns aspectos<br />

sobre a realeza de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo que nem<br />

sempre são postos na<br />

evidência necessária. Se<br />

Ele é Rei, o é por três<br />

títulos diferentes, cada<br />

um dos quais marca sua<br />

realeza com uma qualidade<br />

especial.<br />

Em primeiro lugar,<br />

Nosso Senhor Jesus<br />

Cristo é Rei por ser<br />

o Unigênito de Deus e<br />

tem o pleno e absoluto<br />

domínio sobre toda<br />

a criação; em segundo<br />

porque, pela Encarnação,<br />

é o Homem-Deus<br />

e chefe natural de toda<br />

a humanidade, todos<br />

Lhe devem obediência;<br />

em terceiro lugar, Ele é<br />

Rei por ser nosso Salvador.<br />

Morrendo na Cruz,<br />

conquistou-nos a salvação<br />

eterna; e pelo fato<br />

de nos ter comprado<br />

a vida sobrenatural, de nos ter redimido<br />

com sua Paixão,<br />

tem sobre nós um direito<br />

pleno e é, na verdade,<br />

o nosso Rei.<br />

O que é próprio à realeza<br />

é que qualquer ordem<br />

só pode existir na<br />

dependência do rei legítimo.<br />

Quando este é<br />

afastado, tudo não passa<br />

de desordem, sobretudo<br />

quando se trata do<br />

Rei por natureza, Jesus<br />

Cristo. Os melhores<br />

sucessos não são senão<br />

ilusão; as piores coisas<br />

que venham a acontecer<br />

são ainda uma pequena<br />

amostra do mal profundo<br />

a que se pode chegar.<br />

Isso porque o normal<br />

é que o reino esteja<br />

dependente de seu rei<br />

e não se pode encontrar<br />

paz, tranquilidade,<br />

Papa Pio XI<br />

honestidade, progresso, não se pode<br />

encontrar o verdadeiro caminho,<br />

a não ser em união com seu rei. Um<br />

reino privado de seu rei é como um<br />

corpo privado de sua cabeça.<br />

Assim sendo, o mundo privado da<br />

realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo<br />

nada tem de realmente bom.<br />

Símbolo da sociedade<br />

atual no fenômeno<br />

da roseira cortada<br />

Compreendo que se possa considerar<br />

muitas coisas boas que existem no<br />

mundo contemporâneo. Pode-se falar<br />

a respeito dos sistemas de encanamento,<br />

da aviação, do telégrafo, da televisão;<br />

maravilhas ou pseudomaravilhas,<br />

grandes ou pequenas, da modernidade.<br />

A verdade é a seguinte: depois de<br />

ter eclodido a Revolução e os povos se<br />

terem afastado de Nosso Senhor, podem-se<br />

até encontrar coisas boas, que<br />

têm em si mesmas utilidade para o homem.<br />

Ora, como se desenvolvem num<br />

Daniel Dias<br />

18


Gabriel K.<br />

mundo separado de seu Rei Divino,<br />

nada é, de verdade, bom e só concorrem<br />

para acelerar a decadência.<br />

O mundo atual está vulnerável,<br />

porque atingido no que tem de mais<br />

profundo, a sua própria raiz; ele está<br />

cortado, seccionado em relação<br />

Àquele que é a fonte de toda vida,<br />

que é o Caminho, a Verdade e a Vida,<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo.<br />

Na natureza encontramos uma explicação:<br />

depois que cortamos uma<br />

roseira, durante uns dois ou três dias<br />

as flores ainda desabrocham, devido<br />

à seiva existente antes do corte.<br />

A planta está morta e, apesar de haver<br />

nela alguns fenômenos esporádicos<br />

de pós-vida, não se passará outra<br />

coisa senão a marcha para a morte.<br />

Seria um bobo e faria um comentário<br />

sem propósito quem, olhando-a<br />

cortada, dissesse: “Ah! Cortar a raiz<br />

não tem importância, porque veja, a<br />

roseira ainda floresce.” Na realidade,<br />

sabe-se que na planta, uma vez cortada<br />

a raiz, tudo caminha para a morte.<br />

É exatamente isto que se passa no<br />

mundo contemporâneo.<br />

Tirada a Pedra Angular, a<br />

decadência torna-se inevitável<br />

Nós, que temos a consciência exata<br />

da festa de Cristo Rei e do que significa<br />

a realeza d’Ele, devemos evitar qualquer<br />

forma de otimismo bobo a respeito<br />

do mundo contemporâneo. Ele marcha<br />

para sua ruína em virtude de um<br />

desregramento moral sem limite, que<br />

lhe arranca a Fé, o desejo das coisas sobrenaturais,<br />

que estanca nele o amor<br />

ao sacrifício, à Cruz de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, que orienta o dinamismo<br />

de todas as suas apetências para o mal.<br />

É algo tão profundo, que não só<br />

no mundo de hoje os maus são péssimos,<br />

mas os bons amam fracamente o<br />

bem, como uma espécie de repercussão<br />

dessa atração geral para o mal, a<br />

qual arrasta alguns de modo efetivo,<br />

em outros neutraliza a apetência para<br />

o bem. De maneira tal que quase<br />

ninguém na Terra tende com seriedade<br />

para a virtude, para a imitação de<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo e das virtudes<br />

de Nossa Senhora.<br />

Eis o fruto dessa grande apostasia<br />

chamada Revolução, porque o mundo,<br />

isolado de seu Rei, não pode produzir<br />

senão infâmia, vergonha e degradação.<br />

Este caos para aonde vamos<br />

avançando é uma consequência<br />

da supressão da realeza de Jesus<br />

Cristo, que é a Pedra de ângulo sem a<br />

qual nada se constrói. É por isso que<br />

diante de nós, no caminho do mundo<br />

contemporâneo, existe a perspectiva<br />

da ruína, da morte e mais nada.<br />

Confissão - Igreja de Santa<br />

Segolene, Metz, França<br />

Não há autenticidade na<br />

virtude sem vida interior<br />

O mesmo princípio aplica-se à vida<br />

interior dos indivíduos. Onde<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo não está<br />

presente por uma vida espiritual levada<br />

com seriedade, pelo desejo sério<br />

da santificação, não nos iludamos,<br />

as virtudes que possam ser praticadas<br />

não são autênticas, é um simulacro<br />

e mais nada. Não quero dizer<br />

que sejam virtudes fingidas, mas<br />

são como esse fim de desabrochar na<br />

roseira cortada.<br />

Há uma “pós-virtude” que faz<br />

com que um ou outro filho das trevas<br />

consiga ser ainda um bom pai,<br />

um profissional mais ou menos correto,<br />

um amigo que presta assistência<br />

a outro na hora do apuro. São resíduos<br />

de Cristianismo que estão aí<br />

dentro, mas que subsistem no estado<br />

de resto.<br />

Flávio Lourenço<br />

19


Reflexões teológicas<br />

Porque a Igreja nos ensina que a<br />

virtude é uma só: a do homem que<br />

está em estado de graça. Mas, quando<br />

alguém comete um pecado mortal,<br />

todas as virtudes que ele tinha –<br />

não só aquela contra a qual ele pecou<br />

– deixam de merecer o nome<br />

de virtude; são restos mortais de<br />

uma virtude que existiu, mas não o<br />

é mais. E aquela alma está toda ressequida<br />

pelo pecado, marcada para<br />

ser entregue ao demônio se ela morrer<br />

de um momento para o outro, se<br />

dela não tiver pena Nossa Senhora,<br />

que é a Medianeira universal de todas<br />

as graças, de maneira a lhe obter<br />

a conversão.<br />

Afirmar haver virtude séria, estável<br />

e consistente na pessoa que vive<br />

no hábito do pecado e se encontra<br />

em pecado mortal, é negar a realeza<br />

de Jesus Cristo. Porque Ele é o<br />

Rei das almas, e se Ele não está em<br />

uma alma, nela tudo é treva, tudo é<br />

desordem, ainda que por um lamentável<br />

xodó nós queiramos imaginar<br />

que não seja.<br />

Flávio Lourenço<br />

Ricardo Haiti<br />

Nós devemos desistir<br />

dessa visão: “Tal parente<br />

meu, tal professor,<br />

tal amigo está em<br />

estado de pecado mortal,<br />

mas tal virtude ele<br />

a tem seriamente.”<br />

Eu digo: comece<br />

por não chamar isso de<br />

virtude; depois, lembre-se:<br />

se em cada homem<br />

é fraca a virtude,<br />

tanto mais será nos pecadores<br />

com restos de<br />

virtudes.<br />

Alguém dirá: “Mas<br />

o senhor não tem pena<br />

do pecador?” Enorme! E a razão<br />

pela qual a tenho é a miséria na<br />

qual ele se encontra e que estou descrevendo.<br />

Se eu achasse que ele está<br />

num estado bom, não haveria razão<br />

para ter pena. É porque o estado<br />

dele é miserabilíssimo, é tristíssimo,<br />

que devemos nos compadecer<br />

dele, rezar por sua conversão. Mas,<br />

enquanto ele está em estado de pecado…<br />

Escravos de Jesus Cristo<br />

ou servos de Satanás...<br />

Isso é muito necessário ter em vista<br />

nesta época em que se esquece ca-<br />

20


Arquivo <strong>Revista</strong><br />

da vez mais aquele princípio enunciado<br />

por Nosso Senhor no Evangelho:<br />

“Seja o vosso ‘sim’, ‘sim’, e vosso<br />

‘não’, ‘não’” (Mt 5, 37). Se é bom,<br />

é bom; se é ruim, é ruim. Vamos dividir<br />

os campos, abrir as trincheiras<br />

e mostrar bem o que está de um lado<br />

e de outro, lembrando-nos de que<br />

um verdadeiro abismo separa aquilo<br />

que é do Reino de Cristo daquilo<br />

que não o é.<br />

E o que não é do Reino de Cristo?<br />

São Luís Grignon de Montfort<br />

desenvolve bem isso no Tratado da<br />

Verdadeira Devoção. Ele mostra que,<br />

depois do pecado original, a condição<br />

natural do homem é ser escravo.<br />

Ou nós concordamos em ser escravos<br />

de Nossa Senhora, de Nosso<br />

Senhor Jesus Cristo, reconhecendo<br />

o senhorio e a realeza d’Ele, ou seremos<br />

escravos do demônio. Portanto,<br />

passamos de modo obrigatório de<br />

uma escravidão para outra.<br />

Não chamaremos de caos, de desordem<br />

aquilo que não é o Reino de<br />

Cristo. Daremos o nome mais concreto<br />

e que vai mais longe: o que<br />

não é o Reino de Cristo é o reino<br />

de Satanás.<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1966<br />

Uma nação leiga, como são tantas<br />

da América Latina, como é<br />

nosso pobre Brasil, que declara:<br />

“Não sou oficialmente um Estado<br />

católico, eu não tenho religião de<br />

Estado, eu me coloco indiferente a<br />

todas as religiões”; essa nação aboliu<br />

em si a realeza de Cristo, declarou<br />

que Ele não é seu Rei. Mas, é<br />

só isso? Não há meio, se Cristo<br />

saiu, o trono foi ocupado por<br />

Satanás, porque não pode deixar<br />

de ser ocupado por um dos<br />

dois. E o laicismo, contra o<br />

qual falava Pio XI, é o reinado<br />

de Satanás. É, portanto, o reinado<br />

da irreligião, da indiferença<br />

diante de Deus, da impiedade,<br />

o qual não é senão o<br />

reinado de Satanás.<br />

E não haverá teólogo ou<br />

pessoa capaz de raciocinar que<br />

derrube a lógica e a segurança<br />

desse raciocínio.<br />

Quintessência do<br />

Reinado de Cristo,<br />

o Reino de Maria<br />

Então, o que devemos pedir?<br />

Nós precisamos ter postos os nossos<br />

olhos dia e noite nesses fatos e<br />

desejarmos o advento do Reino de<br />

Maria. Como um justo da Antiga<br />

Lei desejava a vinda do Messias,<br />

nós devemos pedir, com todo ardor,<br />

que venha essa quintessência<br />

do Reino de Cristo, que é o Reino<br />

de Maria. E o que o Reino de<br />

Cristo tem de mais característico,<br />

de mais ardente, de mais ele mesmo,<br />

é o Reino de Maria. E é por<br />

causa disso que nós devemos dizer:<br />

Ut adveniat regnum Christi, adveniat<br />

regnum Mariæ – para que venha<br />

o Reino de Cristo, que venha o<br />

Reino de Maria! É isso que de todo<br />

coração nós devemos desejar.<br />

E em homenagem a Cristo Rei,<br />

cuja festa comemoramos, sugiro oferecer<br />

nossa Comunhão e nosso Rosário<br />

a Nossa Senhora, para que Ela<br />

Nosso Senhor Jesus Cristo - Igreja<br />

de Santa Maria, Cracóvia<br />

Gabriel K.<br />

obtenha, desde logo, a vinda do Reinado<br />

d’Ela!<br />

v<br />

(Extraído de conferência de<br />

29/10/1966)<br />

1) Não dispomos dos dados bibliográficos<br />

desta ficha.<br />

21


Flávio Lourenço<br />

C<br />

alendário<br />

Beato Bernardo Francisco de Hoyos<br />

1. Santo Audemaro, bispo (†c.<br />

670). Na juventude, abraçou a vida<br />

monástica, foi discípulo de Santo<br />

Eustásio, abade de Luxeuil. Eleito<br />

bispo dos Morinos, desempenhou seu<br />

cargo com vigor, renovando a Fé cristã<br />

nesta região.<br />

2. Comemoração de todos os fiéis<br />

defuntos.<br />

São Vitorino, bispo e mártir<br />

(†c. 303). Redigiu diversos escritos<br />

para explicar os livros da Sagrada Escritura.<br />

Recebeu a palma do martírio<br />

durante a perseguição de Diocleciano.<br />

Santa Vinfreda, virgem (†c. séc. VII).<br />

Santa galesa, venerada em Holywell<br />

como monja insigne.<br />

3. São Martinho de Porres, religioso<br />

(†1639). Membro da Ordem dos<br />

Pregadores.<br />

Santa Ida de Fischingen, reclusa<br />

(†c. 1226). Condessa de Kirchberg.<br />

Sendo atirada pela janela por ciúmes<br />

do esposo, teve a vida salva por milagre.<br />

A partir disso abraçou o estado<br />

eremítico, tornando-se, mais tarde,<br />

reclusa junto ao mosteiro de Fischingen,<br />

na Suíça.<br />

dos Santos – ––––––<br />

Samuel Holanda<br />

4. São Carlos Borromeu, bispo<br />

(†1584).<br />

Santo Henrique (ou Emerico) da<br />

Hungria, príncipe (†1031). Filho de<br />

Santo Estêvão, rei da Hungria, teve por<br />

preceptor o bispo São Gerardo Sagredo;<br />

assimilando profundamente seus<br />

ensinamentos, levou uma vida virtuosa.<br />

Morreu ainda jovem, de modo inesperado,<br />

no transcurso de uma caçada.<br />

5. Solenidade de Todos os Santos.<br />

(no Brasil, transferida do dia 1º).<br />

São Guetnoco, abade (†s. VI). Venerado<br />

como irmão dos Santos Vinvaleu<br />

e Jacuto.<br />

São Claro<br />

6. Beata Cristina de Stolmeln, virgem<br />

(†1312). Na adolescência, entrou na beguinaria<br />

de Colônia, Alemanha; entretanto,<br />

não pôde prosseguir nessa via.<br />

Não obstante, perseverou em sua consagração<br />

total a Deus. Foi favorecida com<br />

êxtases e revelações privadas, recebendo<br />

também os estigmas da Paixão. Sua vida<br />

foi escrita pelo dominicano Pedro de<br />

Gotland, o qual a conheceu desde jovem<br />

e com quem manteve correspondência.<br />

7. Santo Atenodoro, bispo (†s. III). Irmão<br />

de São Gregório Taumaturgo; tornou-se<br />

eminente nas ciências divinas.<br />

São Vilibrordo, bispo (†739). De<br />

origem inglesa, foi ordenado bispo de<br />

Utrecht pelo Papa São Sérgio I. Pregou<br />

o Evangelho na Frísia e na Dinamarca,<br />

fundando sedes episcopais e mosteiros.<br />

8. São Claro, presbítero (†c. 396). Foi<br />

discípulo de São Martinho de Tours.<br />

9. Festa da Dedicação da Basílica<br />

de Latrão.<br />

Santas Eustólia e Sópatra, virgens<br />

e monjas (†s. VI). Nascida em Roma,<br />

Eustólia mudou-se para Constantinopla,<br />

dedicando-se a uma vida de intensa<br />

piedade. Lá conheceu Sópatra, a filha<br />

do imperador bizantino, com a qual<br />

estabeleceu grande amizade. Obtendo<br />

de seu pai um terreno, Sópatra edificou<br />

um mosteiro, assumindo, junto com um<br />

grupo de jovens, a vida monástica sob<br />

a guia de Eustólia, a quem sucedeu no<br />

governo após o seu falecimento.<br />

10. São Leão Magno, Papa e Doutor<br />

da Igreja (†461). Confirmou com vigor,<br />

por meio dos seus legados, ao Concílio<br />

Ecumênico de Calcedônia, a reta doutrina<br />

sobre a Encarnação de Deus.<br />

11. São Martinho de Tours, bispo<br />

(†397).<br />

São Roque González<br />

Samuel Holanda<br />

22


–––––––––––––– * Novembro * ––––<br />

Santa Marina de Omura, virgem e<br />

mártir (†1634). Recebeu do Beato Luís<br />

Bertran o hábito de terciária dominicana.<br />

Dedicou-se intensamente às<br />

obras religiosas e de caridade, e acolheu<br />

em sua casa vários missionários.<br />

Na perseguição desencadeada contra<br />

os cristãos, foi presa e, por manter-se<br />

fiel à Fé e à virtude angélica, foi queimada<br />

viva, em Nagasaki.<br />

12. XXXII Domingo do Tempo Comum.<br />

13. São Brício, bispo (†444). Discípulo<br />

de São Martinho de Tours, a<br />

quem sucedeu no encargo episcopal.<br />

14. São Serapião, religioso e mártir<br />

(†1240). Nasceu em Londres, filho<br />

de Rotlando Scot, capitão e fidalgo<br />

da corte de Henrique II. Participou<br />

da terceira e da quinta Cruzadas. Em<br />

Daroca, Espanha, conheceu São Pedro<br />

Nolasco, e, decidindo segui-lo, abandonou<br />

a vida secular e entrou para a<br />

Ordem de Nossa Senhora das Mercês.<br />

Empreendeu diversas viagens para o<br />

resgate de cativos, sendo o primeiro<br />

membro da Ordem a ser martirizado.<br />

15. Santo Alberto Magno, bispo e<br />

Doutor da Igreja (†1280).<br />

16. Santo Leocádio, pai de família<br />

(†s. IV). Senador das Gálias. Sendo<br />

ainda pagão, recebeu os primeiros<br />

arautos da Fé cristã nesse território,<br />

transformou sua própria casa em igreja<br />

e converteu-se ao Cristianismo.<br />

17. Santa Isabel da Hungria, viúva<br />

(†1231).<br />

Beata Salomé de Cracóvia, abadessa<br />

(†1268). Rainha de Halicz, antigo<br />

reino da Europa oriental. Ao falecer<br />

seu esposo, o rei Columbano, professou<br />

a Regra das Clarissas e desempenhou<br />

santamente o cargo de abadessa<br />

num mosteiro por ela fundado.<br />

18. Dedicação das Basílicas de São<br />

Pedro e São Paulo, Apóstolos. A primeira<br />

foi edificada pelo imperador<br />

Martírio de São Serapião<br />

Constantino sobre o sepulcro de São<br />

Pedro na colina do Vaticano. A segunda,<br />

edificada pelos imperadores Teodósio<br />

e Valentiniano, junto à Via Ostiense.<br />

Nesta comum comemoração é<br />

simbolicamente evocada a fraternidade<br />

dos Apóstolos e a unidade da Igreja.<br />

19. XXXIII Domingo do Tempo<br />

Comum.<br />

Santos Roque González e Afonso<br />

Rodríguez, presbíteros e mártires<br />

(†1628). Missionários jesuítas em terras<br />

paraguaias, aproximaram de Cristo<br />

os povos indígenas, fundando as Reduções.<br />

Foram assassinados à traição por<br />

um sicário adicto a artes mágicas.<br />

20. Beata Ângela de São José (Francisca<br />

Lloret Marti) e catorze companheiras,<br />

virgens e mártires (†1936). Superiora<br />

geral da Congregação da Doutrina<br />

Cristã que, durante a perseguição<br />

religiosa na Guerra Civil Espanhola,<br />

padeceu o martírio junto com as outras<br />

religiosas da mesma congregação.<br />

21. Apresentação de Nossa Senhora.<br />

No dia seguinte à dedicação da basílica<br />

de Santa Maria a Nova, construída<br />

junto ao muro do antigo templo<br />

de Jerusalém, celebra-se a dedicação<br />

Flávio Lourenço<br />

que Maria Santíssima fez de si mesma<br />

a Deus, desde a infância.<br />

22. Santa Cecília, virgem e mártir<br />

(†data inc.).<br />

23. São Clemente I, Papa e mártir<br />

(†s. I). Terceiro sucessor do Apóstolo<br />

São Pedro.<br />

São Columbano, abade (†615).<br />

24. Santo André Dung Lac, presbítero,<br />

e companheiros, mártires (†1625-<br />

1886). Neste dia veneram-se os cento e<br />

dezessete cristãos que, por sua fidelidade<br />

à religião, sofreram o martírio no<br />

Tonquim, Anam e Cochinchina, regiões<br />

do atual Vietnã.<br />

25. São Moisés, presbítero e mártir<br />

(†251). Após o martírio do Papa São<br />

Fabiano, unido ao colégio dos presbíteros,<br />

assumiu o cuidado dos cristãos<br />

romanos. Durante o longo período de<br />

sua detenção no cárcere, foi revigorado<br />

pelas inúmeras cartas enviadas por<br />

São Cipriano de Cartago.<br />

26. Solenidade de Nosso Senhor<br />

Jesus Cristo, Rei do Universo.<br />

27. São Valeriano, bispo (†388). Defendeu<br />

a verdadeira Fé, no antigo Ilírico,<br />

contra os arianos e reuniu clérigos<br />

e leigos para viverem em comunidade.<br />

28. Beato Jaime Thomson, presbítero<br />

e mártir (†1582). Condenado à morte<br />

no reinado de Isabel I da Inglaterra<br />

por ter reconciliado muitas pessoas<br />

com a Igreja Católica, sofreu o suplício<br />

do patíbulo.<br />

29. Beato Bernardo Francisco de<br />

Hoyos, presbítero (†1735). Sacerdote<br />

Jesuíta, foi o primeiro e principal propagador<br />

da devoção ao Sagrado Coração<br />

de Jesus na Espanha.<br />

30. Santo André, Apóstolo (†s. I).<br />

Irmão de São Pedro, Apóstolo.<br />

São Mirocletes, bispo (†d. 314).<br />

Santo Ambrósio o menciona entre os<br />

bispos fiéis que o precederam na sede<br />

de Milão.<br />

23


Hagiografia<br />

Samuel Holanda<br />

Rainha<br />

santa, flor<br />

da civilização<br />

ocidental<br />

A vida de Santa Margarida<br />

da Escócia contrasta com o<br />

minimalismo do apostolado<br />

de hoje e demonstra o quanto<br />

o extraordinário e o estupendo<br />

são realizáveis nesta Terra.<br />

Santa Margarida da Escócia - Catedral de Nossa<br />

Senhora da Imaculada Conceição, Puebla, México<br />

A<br />

intenção de comentar Santa<br />

Margarida é muito boa, porém<br />

deram-me poucos dados<br />

biográficos, de maneira que, à falta<br />

de melhor, lerei as informações contidas<br />

no Missal Quotidiano e Vesperal 1 .<br />

Padroeira da nação escocesa<br />

Santa Margarida, Rainha da Escócia,<br />

descendia, por seu pai, dos reis da<br />

Inglaterra e, por sua mãe, dos Césares.<br />

Como a mulher forte de que falava<br />

a Epístola, a prática das virtudes cristãs<br />

tornou-a mais ilustre ainda. Penetrada<br />

do temor de Deus, impôs-se terríveis<br />

mortificações e soube, com seu<br />

exemplo, levar o rei, seu esposo, a uma<br />

conduta melhor e seus súditos, a costumes<br />

mais cristãos.<br />

Educou oito filhos com tanta piedade,<br />

que vários deles viveram em alta<br />

perfeição. Nada nela, porém, foi tão<br />

admirável quanto sua ardente caridade<br />

para com o próximo. Chamavam-<br />

-na Mãe dos Órfãos e a Tesoureira dos<br />

Pobres de Jesus Cristo. Margarida se<br />

privava não só do supérfluo, mas até<br />

do necessário, comprando assim a pérola<br />

mais preciosa do Reino dos Céus.<br />

Purificada por seis meses de sofrimentos<br />

corporais, entregou sua alma a<br />

Deus em 1093, em Edimburgo.<br />

A santidade da sua vida e numerosos<br />

milagres operados depois de sua<br />

morte tornaram seu culto célebre no<br />

mundo inteiro.<br />

Foi designada por Clemente X como<br />

padroeira da nação escocesa, sobre<br />

a qual reinou cerca de trinta anos.<br />

Admiremos a obra do Espírito Santo<br />

na alma da santa rainha por Ele escolhida<br />

para o desenvolvimento do<br />

Reino de Cristo na Escócia, e roguemos<br />

à santa pela volta desse país à<br />

unidade romana.<br />

24


O maravilhoso é<br />

inteiramente realizável<br />

Parece-me que a propósito dessa<br />

biografia se pode fazer um comentário<br />

a respeito da existência do<br />

maravilhoso na Idade Média. Não<br />

do maravilhoso como uma fábula<br />

ou uma lenda, mas como algo realizável.<br />

A brumosa Escócia era considerada<br />

uma espécie de Congo daquele<br />

tempo, uma terra de missão,<br />

pois o povo era meio selvagem. Entretanto,<br />

naquele meio floresce essa<br />

flor.<br />

É uma princesa que vem trazendo<br />

sangue do mais ilustre para a Escócia<br />

e consigo toda a flor da civilização<br />

ocidental. Ao mesmo tempo,<br />

é uma rainha maravilhosa, que deixa<br />

vários filhos em estado de perfeição,<br />

ilustres por suas virtudes; que intercedeu<br />

a favor do povo, deu esmolas,<br />

realizou milagres e tudo isto sempre<br />

ungido pela coroa real. Dá uma ideia<br />

tão completa de realeza, mas também<br />

de um mundo concreto no qual<br />

maravilhas são possíveis e onde o extraordinário<br />

e o estupendo são realizáveis,<br />

que acaba sendo uma espécie<br />

de plenitude de princípio axiológico:<br />

aquela afirmação de que as coisas<br />

podem encontrar ordem, estão<br />

naturalmente numa disposição ordenada<br />

e de que a ordem, mesmo a<br />

mais maravilhosa e audaciosa, é realizada<br />

na Terra.<br />

É interessante ver como isso contrasta<br />

com o minimalismo do apostolado<br />

de hoje. Quando se consegue<br />

que uma pessoa seja mais ou menos<br />

boazinha, logo se faz uma festa.<br />

Naquele tempo, pelo contrário, o<br />

apostolado da Igreja era maximalista:<br />

as rainhas deviam ser santas e algumas<br />

delas, de fato, o eram. E essas<br />

santas de tal maneira difundiam<br />

o bom odor de Jesus Cristo por toda<br />

a parte, que isso acabava sacralizando<br />

a própria dignidade régia e<br />

criando uma espécie de ambiente<br />

de feeria, de maravilha da civilização<br />

medieval, da qual os vitrais são<br />

um reflexo.<br />

Os vitrais apresentam os santos<br />

no meio de fogos incandescentes, no<br />

meio de pedacinhos de vidros dourados,<br />

cor de rubi ou de esmeralda,<br />

com uma luz na cabeça, a coroa real<br />

sobre uma mesa, a santa que derrama<br />

flores em torno de si, etc. Tudo<br />

isso é a imagem do modo como o<br />

medieval concebia a vida, por exemplo,<br />

de uma Santa Margarida, Rainha<br />

da Escócia.<br />

Ou o povo se maravilha<br />

com Jesus Cristo ou<br />

opta por Barrabás<br />

O povo, queira ou não queira,<br />

procura o maravilhoso e uma rai-<br />

Santa Margarida socorrendo os pobres - Basílica de São Patrício, Montreal<br />

Gabriel K.<br />

25


Hagiografia<br />

Flávio Lourenço<br />

Santa Margarida - Museu de<br />

Belas Artes, Dijon, França<br />

nha assim evita que o povo se entretenha<br />

com a vida abominável de atores,<br />

atrizes, jogadores de futebol e de<br />

tantas outras coisas assim. Tomem,<br />

como prova disso, a facilidade com<br />

que foi possível realizar o culto de<br />

personalidade na Rússia com aquela<br />

horrenda “maravilha” que foi Stalin.<br />

Não se apresentando um certo tipo<br />

de maravilha, tem-se de apresentar<br />

um outro tipo. E quando o povo não<br />

se maravilha com Jesus Cristo, acaba<br />

se maravilhando com Barrabás.<br />

Para ver o efeito do que seria a vida<br />

de Santa Margarida sobre a alma<br />

das pessoas, imaginem, por exemplo,<br />

que a Princesa Margaret Rose 2<br />

se convertesse e começasse a realizar<br />

milagres; fosse vista dando esmolas<br />

para os pobres – mas não de um<br />

modo socialista –, seus filhos fossem<br />

tidos como verdadeiros santos e tudo<br />

isso se desse num ambiente de legenda.<br />

Sem dúvida, ela seria odiada e<br />

contra ela se desencadearia uma<br />

perseguição horrorosa; mas, ao mesmo<br />

tempo, milhares de almas vibrariam<br />

de entusiasmo por ela e sua fotografia<br />

estaria nas paredes das casas<br />

de operários, de camponeses, de<br />

todos os lugares do mundo. Como<br />

esse simples fato impressionaria de<br />

modo prodigioso!<br />

O prestígio de uma rainha na Escócia<br />

naquela época era imensamente<br />

maior do que o de uma rainha de<br />

hoje, a fortiori, de uma princesa.<br />

Pode-se imaginar, então, o que seria<br />

a fama de Santa Margarida, Rainha<br />

da Escócia, em toda a Cristandade.<br />

Acentuo mais: imaginem que isso<br />

não fosse feito pela Princesa Margaret<br />

Rose, mas pela Rainha da Inglaterra.<br />

Haveria alguém capaz de derrubar<br />

a monarquia inglesa? Talvez,<br />

porque a monarquia inglesa colocada<br />

nessa linha, seria ou a<br />

mais frágil ou a mais forte<br />

das instituições. Mas,<br />

se não conseguissem derrubá-la,<br />

durante séculos<br />

ninguém mais a derrubaria,<br />

simplesmente porque<br />

só uma santa, uma<br />

verdadeira e grande santa,<br />

passou pelo trono.<br />

Um castigo para<br />

toda a Cristandade?<br />

Agora faço uma aplicação<br />

e levanto uma pergunta:<br />

por que razão nas<br />

famílias reais não apareceram<br />

mais santos como<br />

Santa Margarida?<br />

Pode-se até pretender<br />

que santos assim tenham<br />

aparecido nas famílias<br />

reais depois da<br />

Idade Média. De fato os<br />

houve, porém não foram tão grandes<br />

nem tão ilustres, pois veio a Revolução,<br />

destronou muitas dessas famílias,<br />

liquidou-as, deixando-as reduzidas<br />

a nada. E quando se pensa que a<br />

santidade vai florescer em suas fileiras,<br />

vê-se que ela se torna mais rara<br />

do que nunca.<br />

Há nisso um castigo para toda a<br />

Cristandade, porque o rei santo é<br />

suscitado, muitas vezes, como prêmio<br />

para o povo. Entretanto, o povo<br />

está merecendo cada vez menos o<br />

rei santo ou o príncipe santo ou o líder<br />

santo nascido de uma estirpe real.<br />

Essas coisas, portanto, vão desaparecendo.<br />

(Extraído de conferência de<br />

9/6/1964)<br />

1) Missal Cotidiano e Vesperal, por<br />

Dom Gaspar Lefebvre, p. 1227. Bélgica:<br />

Desclée de Brouwer, 1940.<br />

2) Condessa de Snowdon, irmã da Rainha<br />

Isabel II (*1930 - †2002).<br />

<strong>Dr</strong>. <strong>Plinio</strong> em 1964<br />

Arquivo <strong>Revista</strong><br />

26


Luzes da Civilização Cristã<br />

O mais alto símbolo<br />

da dignidade humana<br />

Flávio Lourenço<br />

Entrega da espada de Santo Inácio de Loyola a São José<br />

pelo Geral da Companhia de Jesus - Manresa, Espanha<br />

Flávio Lourenço<br />

Uma das obras mais eminentes do amor é a disposição de<br />

lutar, e a virtude na qual todas as demais encontram seu<br />

esplendor e uma perfeição incomparável é a combatividade.<br />

A espada é o símbolo da varonilidade inteira, da disposição<br />

de enfrentar a morte e lutar por aquilo que se ama.<br />

Hernán Cortés - Medellín, Espanha<br />

27


Luzes da Civilização Cristã<br />

Flávio Lourenço<br />

Temos para comentar uma ficha com considerações<br />

a respeito da espada, tirada do livro São Fernando<br />

III e sua época, do Padre Luís de Retana 1 .<br />

Arma que condensa as virtudes do cavaleiro<br />

A espada era algo grande e sagrado, nessa época da Idade<br />

Média na qual os heróis não tinham outra profissão senão a<br />

guerra. Desde o dia em que era armado, o cavaleiro não podia<br />

descingi-la nunca, mesmo quando estivesse sem armadura:<br />

com ela vivia, com ela junto a si dormia, com ela entre as<br />

mãos morria e era sepultado.<br />

A espada era a arma nobre do cavaleiro cristão e a poesia<br />

medieval é infatigável na descrição das espadas.<br />

A palavra “espada”, no idioma nórdico, procede da mesma<br />

raiz da palavra “chama” ou “incêndio”; a espada brilha<br />

na noite e brilha nos combates à luz do sol. A de Carlos Magno<br />

tinha trinta refrações. A espada do cavaleiro não podia<br />

ser tocada senão por ele. Osculando e tocando sua cruz, ele<br />

Flávio Lourenço<br />

Fernando III, o Santo - Museu do Prado, Madri<br />

Angelo L.<br />

fazia seus juramentos e quando ele a legava a um herói ou a<br />

seus filhos, era o mais precioso presente do mundo.<br />

A espada tinha seu nome com o qual, se fosse gloriosa, deveria<br />

passar à História, assim, o romance e a poesia imortalizaram<br />

a Tizona e a Colada do Cid, a Joyeuse e a Hauteclaire<br />

(esplendorosa) de Carlos Magno, a Gleste, que quer dizer<br />

“esplendor”, de Siegfried. [...]<br />

A razão pela qual a espada era a principal arma do cavaleiro<br />

é que ela significava e condensava em si as quatro principais<br />

virtudes do cavaleiro: cordura, fortaleza, equanimidade<br />

e justiça.<br />

A cordura estava representada no punho da espada, que o<br />

homem tem encerrado na mão, e, enquanto assim o tiver, está<br />

em seu poder levantá-la, baixá-la, ferir ou deixá-la.<br />

No pomo da espada está toda sua fortaleza, já que ela sustenta<br />

o punho, a guarda e a lâmina.<br />

A guarda, colocada entre o punho e a lâmina, é o símbolo<br />

da equanimidade. A justiça aparece na lâmina da espada,<br />

que é reta e pontiaguda, e corta igualmente de ambos<br />

os lados.<br />

28<br />

Don Pelayo - Santuário de<br />

Covadonga, Espanha


Por todas essas razões, os antigos determinaram que os<br />

cavaleiros trouxessem sempre a espada consigo.<br />

É uma ficha lindíssima, merece ser analisada com<br />

mais vagar.<br />

Símbolo da dignidade humana<br />

Para se compreender algo do passado<br />

há um método que aconselho ser utilizado<br />

aos que cultivam a tradição: procurar,<br />

antes de tudo, os resquícios desse passado<br />

enquanto ele está vivo. Porque não há nada<br />

melhor do que analisar a coisa viva, para depois<br />

se entender o passado.<br />

Há algo curioso: como arma de guerra, a espada está,<br />

hoje em dia, completamente superada. Não se cogita uma<br />

pessoa afiar uma espada para entrar em combate. Pode-<br />

-se dizer que da lista dos armamentos modernos ela está<br />

cancelada. Ninguém, por exemplo, podendo comprar um<br />

revólver para se defender, vai adquirir uma espada.<br />

Entretanto, apesar disso, os oficiais de todos os exércitos<br />

do mundo usam espada. E não se compreende o<br />

contrário.<br />

Quando um oficial comanda um destacamento e apresenta-se<br />

a este, ele fala com a espada desembainhada.<br />

Flávio Lourenço<br />

Samuel Catar<br />

O Cid - Burgos, Espanha<br />

Carlos Magno - Catedral de Colônia, Alemanha<br />

29


Luzes da Civilização Cristã<br />

Luis C.R. Abreu<br />

Luis C.R. Abreu<br />

Batalha dos Guararapes<br />

Museu Nacional de Belas<br />

Artes, Rio de Janeiro<br />

Luis C.R. Abreu<br />

Batalha do Avaí<br />

Museu Nacional de Belas<br />

Artes, Rio de Janeiro<br />

Ele poderia fazer isso com um revólver, mas que graça teria?<br />

Seria cômico, ridículo. Que graça haveria em fazer<br />

isso com a baioneta? Somente a espada serve de símbolo<br />

para a atitude de disciplina cavalheiresca, nobre, inerente<br />

ao militar.<br />

Séculos depois de a espada ter entrado em decadência<br />

como arma, no momento em que o seu desaparecimento<br />

é total, ainda hoje, como símbolo, não se compreende um<br />

oficial sem sua própria espada.<br />

Por outro lado, em quase todos os países existem academias<br />

de letras. Os acadêmicos com seus fardões usam<br />

uma espada. No momento em que o literato chega ao auge<br />

de sua glória, quando ele é proclamado imortal – da<br />

mais mortal das imortalidades, enfim... – para entrar na<br />

imortalidade não lhe dão uma grande pena para ele colocar<br />

ao lado, ficaria uma tralha ridícula. Usando o fardão,<br />

usa-se a espada. E ele se sentiria inibido se não portasse<br />

uma espada.<br />

Não sei como é hoje, mas também até algum tempo<br />

atrás, o traje dos diplomatas era usado com espada.<br />

Qual a razão disso? Porque a espada ficou associada<br />

a uma série de coisas poéticas, de símbolos de cavalaria,<br />

de dignidade humana, uma série de coisas que não<br />

se dissociam dela. E isso não é um mero efeito de seu aspecto<br />

material, é uma bonita arma, enquanto o revólver<br />

é um monstrengo.<br />

Os da Antiguidade Clássica, antes da Idade Média,<br />

não tinham feito em torno da espada toda a legenda<br />

construída durante o medievo. Foi a Idade Média que<br />

soube ver a espada, sublimou-a e transformou-a no mais<br />

alto símbolo da dignidade humana. Um rei, para se coroar,<br />

portava sempre uma espada. Inclusive para todas<br />

as coisas que o igualitarismo ainda deixou em pé, usa-<br />

-se espada.<br />

Se em nossa época isso é assim, o que seria a espada<br />

na Idade Média? Esse autor mostra o papel dela e como<br />

ela estava ligada indissoluvelmente ao homem por um<br />

afeto pessoal.<br />

A espada era considerada – diz ele muito bem –, quase<br />

como um sacramental, ela trazia corporificada em si<br />

algo da dignidade do homem, da varonilidade dele, da<br />

hombridade, da sua capacidade de ataque e de defesa.<br />

Tudo isso estava consubstanciado nela. E por causa disso<br />

os homens não se despojavam dela jamais.<br />

Combatividade, virtude que<br />

aperfeiçoa todas as demais<br />

Até a Revolução Francesa, os nobres, nas funções civis,<br />

como num baile de corte, por exemplo, ou numa recepção,<br />

num aniversário, numa visita na casa de um parente<br />

para uma conversinha à noite, ele levava sua espa-<br />

30


Gabriel K.<br />

Oficiais da guarda francesa no tempo<br />

de Napoleão I - Museu Histórico<br />

do Estado, São Petersburgo<br />

Flávio Lourenço<br />

da, numa época em que ela já não tinha significado como<br />

defesa, porque as ruas já estavam bem policiadas, os<br />

ataques noturnos quase não existiam. Por outro lado, já<br />

havia armas melhores para defesa, mas os fidalgos usavam<br />

a espada, porque ela era o símbolo da fidalguia.<br />

Com isso havia uma noção a respeito da qual eu quero<br />

insistir particularmente, porque me parece ser muito<br />

importante para termos em mente. Embora o homem<br />

deva ser adornado por toda espécie de virtudes, como<br />

a sabedoria, a castidade, a virtude na qual todas as demais<br />

encontram um esplendor e uma perfeição incomparável<br />

é a combatividade.<br />

Nisso se encontra a glorificação da espada como sinônimo<br />

da varonilidade inteira, significando que o verdadeiro<br />

varão católico mostra a integridade da virtude nele<br />

pela disposição para lutar, pela combatividade. Porque é<br />

na disposição de lutar por uma virtude que mostramos a<br />

integridade dela.<br />

Espírito combativo, plenitude do católico<br />

Isso se explica muito bem por um episódio da vida<br />

de Nosso Senhor, no qual a mãe de dois Apóstolos prostrou-se<br />

diante d’Ele e pediu para seus dois filhos toma-<br />

Santiago Matamoros - Mosteiro de San Martín<br />

Pinario, Santiago de Compostela<br />

31


Luzes da Civilização Cristã<br />

Fotos: Flávio Lourenço<br />

1<br />

2<br />

3<br />

Nesta página e na seguinte: 1. Conquista de<br />

Toledo; 2. Conquista de Cuenca; 3. Conquista<br />

de Málaga; 4. Rendição de Córdoba; 5. Conquista<br />

de Granada; 6. Conquista de Almería;<br />

7. Juramento de Afonso VI ante O Cid; 8. Conquista<br />

de Badajoz - Praça da Espanha, Sevilha<br />

rem lugar um à direita e outro à esquerda d’Ele. E Nosso<br />

Senhor disse: “Podeis beber o cálice que eu vou beber?”<br />

(Mt 20, 22). Era como se dissesse: “Sois capazes<br />

da luta, que é a condição para o que pedis? Sois capazes<br />

da abnegação, condição para se provar o amor?”<br />

A prova do amor está na dedicação, na abnegação.<br />

Nosso Senhor disse muito bem: “Ninguém tem maior<br />

amor do que aquele que dá a sua vida por seus amigos”<br />

(Jo 15, 13).<br />

Como o varão era um homem responsável pelos direitos,<br />

pela vida de muitas pessoas de sua família, ele provava<br />

essa integridade pela disposição de defender, com<br />

risco de seu próprio sangue, aqueles valores morais que<br />

representava. Disto decorre que o uso da espada é a disposição<br />

de dar a vida, de enfrentar o risco de morte e lutar<br />

por tudo quanto se ama.<br />

Houve um magnífico costume de adoração, dos fidalgos,<br />

até a Revolução Francesa: quando iam à Missa, na<br />

hora do Evangelho, todos puxavam a espada e ouviam a<br />

leitura com ela desembainhada. Era o modo de o varão<br />

amar: “Sei que esse Evangelho é odiado, porque<br />

tudo quanto é bom, santo e verdadeiro é odiado<br />

neste mundo de trevas. E eu estou aqui para<br />

afirmar que odeio esse ódio e estou disposto a ir<br />

à última luta de ódio ao ódio.”<br />

Nessa disposição de luta se manifestava a integridade<br />

do católico. O amor sem as obras não<br />

é nada, mas uma das obras mais eminentes do amor é a<br />

disposição de lutar por ele. Em última análise, aqui temos<br />

a justificação do espírito combativo, como sendo a<br />

plenitude do católico e da varonilidade de um homem.<br />

4<br />

32


5<br />

Fulgor simbólico e poético da espada<br />

6<br />

A ficha nos descreve, de um modo muito belo,<br />

o papel da espada na Idade Média. Os medievais<br />

souberam ver tudo isto simbolizado nela.<br />

A espada de Carlos Magnos, por exemplo, tinha<br />

trinta reflexos. Podemos imaginar a beleza<br />

do gesto: Carlos Magno, imperador possante,<br />

germano corpulento, montado num cavalo lendário,<br />

na hora de rachar um pagão ou um maometano,<br />

movido pelo amor de Deus, puxava a espada<br />

e a descarregava sobre um brutamontes, como<br />

um novo São Miguel. Porém, antes de cair<br />

vitoriosa sobre o adversário, a espada brilhava<br />

com trinta refrações.<br />

Essa ideia de algo que brilha à luz do sol antes<br />

de desferir o golpe da morte, é eminentemente<br />

medieval. É o fulgor simbólico, poético, artístico,<br />

da espada que brilha, porque é brilhante fazer isso.<br />

É o brilho do varão na plena expansão de suas qualidades,<br />

de seu fogo, de seu senso de responsabilidade,<br />

de sua abnegação, indo para a frente e, antes de matar,<br />

o sol baixa sobre sua espada, dá trinta refrações diferentes<br />

e depois obtém como resultado um sarraceno ou um<br />

pagão morto aos pés dele. É uma beleza tão superior que<br />

se uma alma fica insensível a essa forma de beleza, não<br />

sei a que será sensível.<br />

A certa altura, o autor descreve a cordura como sendo<br />

a virtude da disciplina, a qual está simbolizada no<br />

mango da espada. Isso significa que a espada é obediente,<br />

pois ela faz tudo quanto seu dono lhe manda. Ela fura<br />

tudo quanto ele quer, ela corta tudo quanto ele quer<br />

que corte; ela previne todos os golpes. Então, a cordura<br />

é uma virtude ativa, própria daquele que, destinado ao<br />

combate, luta como lhe foi mandado. Essa cordura é a<br />

disciplina militar.<br />

7<br />

8<br />

33


Luzes da Civilização Cristã<br />

Divulgação (CC3.0)<br />

Sepulcro de D. João d’Áustria - O Escorial, Espanha<br />

A mais preciosa das heranças<br />

O militar presta seus juramentos sobre a cruz da espada.<br />

A cruz é sagrada para ele, porque representa o sacrifício<br />

de Nosso Senhor Jesus Cristo, é a honra dele como<br />

cristão. Inclusive na hora de morrer, o fidalgo é sepultado<br />

com sua espada, exceto se ele a lega para algum<br />

herói ou para um filho. Essa é a mais preciosa das heranças.<br />

O que é mais bonito dizer: “Eu herdei de meu pai uma<br />

espada”, ou “Herdei de meu pai uma indústria, uma Frigidaire<br />

2 , ou um Cadillac”? Pode ser mais lucrativo herdar<br />

uma indústria. Mas, como é mais bonito dizer: “Eu herdei<br />

de meu pai a espada que ele usou como militar, como<br />

combatente, nos campos de batalha, onde defendeu a Civilização<br />

Cristã; ele foi um herói e morreu na guerra.”<br />

Essa espada se transformaria numa relíquia, podendo-<br />

-se colocá-la sobre um altar ou guardar numa capela.<br />

A coisa mais bonita que um homem pode deixar, nessa<br />

ordem de valores, para seus descendentes, é um bonito<br />

nome. Pois bem, a espada é algo quase tão belo quanto<br />

o nome. Melhor elogio da espada não poderia haver.<br />

Noções que foram desaparecendo<br />

Surge uma pergunta: por que razão os homens de antes<br />

da Revolução Francesa podiam usar espada e depois<br />

desta, no traje comum, não se usou mais? Em primeiro<br />

lugar porque o espírito da Revolução Francesa não só é<br />

contrário à nobreza como instituição, mas também enquanto<br />

valor, ou seja, a Revolução tende a enxovalhar<br />

cada vez mais tudo quanto é nobre.<br />

Em nossos dias, com frequência ouvimos falar que as<br />

coisas são caras ou baratas, úteis ou inúteis; quantas vezes<br />

ouvimos dizer que uma coisa é nobre? Esta palavra<br />

está quase eliminada do vocabulário.<br />

Os trajes espelham a vulgaridade dos homens. É impossível<br />

portar uma espada com um paletó. Por quê? Não<br />

é porque a espada fique ridícula, mas é<br />

porque fica-se apalhaçado com ela. Essa<br />

indumentária e incompatível com a<br />

Flávio Lourenço<br />

Flávio Lourenço<br />

Carlos Magno com um de seus pares - Igreja de Santa Eulália, Bordeaux, França<br />

34<br />

Godofredo de Bouillon<br />

Cosenza, Itália


João C. V. Villa<br />

Ou seja, um país se transforma<br />

numa cooperativa, num negócio. A<br />

ideia de uma alma comum, de uma<br />

honra comum a defender, vai desaparecendo<br />

da própria ideia de pátria.<br />

As questões diplomáticas não<br />

envolvem mais pontos de honra,<br />

apenas questões de interesse.<br />

Então, devemos voltar nossos<br />

olhos com reverência para a espada.<br />

E como seria bonito se tivéssemos<br />

uma bela espada para venerá-<br />

-la como símbolo de uma tradição à<br />

qual nós somos fiéis! v<br />

(Extraído de conferência de<br />

9/5/1969)<br />

1) RETANA, Luís de. San Fernando III<br />

y su época. Madri: Editorial El Perpetuo<br />

Socorro, 1941.<br />

2) Marca de eletrodomésticos.<br />

“Rainha Maria Santíssima da Aurora, que dissipa as trevas da Heresia”<br />

Museu Palácio de Cultura Citibanamex, Cidade do México<br />

espada. Pode haver algo que mostre mais a degringolada<br />

de uma civilização do que ela se arranjar de tal maneira<br />

que o símbolo da honra não caiba mais em seus varões?<br />

Há algo mais chocante do que isso? Isso é obra da Revolução<br />

Francesa, completada pelo comunismo.<br />

A noção de honra, de grandeza e de dignidade vão desaparecendo<br />

cada vez mais.<br />

Lê-se, por exemplo, no noticiário internacional, sobre<br />

o centenário da guerra de 1871, entre a França e a Alemanha,<br />

na qual a Alsácia-Lorena, duas províncias francesas,<br />

foram anexadas à Alemanha. O principal comentário<br />

dos franceses a respeito daquela ocupação foi o de<br />

que era contra a honra deles.<br />

Hoje não se diria mais isso. Dir-se-ia: “Essas são províncias<br />

fecundas e rendem para o erário nacional. Têm<br />

vacas de leite que dão dinheiro. Infelizmente desfalcaram<br />

nosso orçamento...”<br />

Roland (coleção<br />

particular) - Madri<br />

Vicente Torres<br />

35


Contemplar<br />

Gabriel K.<br />

o olhar de<br />

Maria<br />

Quem fitasse os olhos de<br />

Nossa Senhora contemplaria<br />

a mais alta manifestação<br />

de uma alma, o espelho<br />

da santidade de Deus. A<br />

expressão do olhar d’Ela é inefável.<br />

Uma pessoa poderia ficar<br />

casta a vida inteira só por ter<br />

contemplado o olhar imaculadamente<br />

puro de Maria.<br />

Que a Santíssima Virgem<br />

nos conceda a apetência de ver<br />

os sagrados olhos d’Ela, espelho<br />

de seu Coração.<br />

Devemos pensar na eternidade<br />

tendo pousados sobre<br />

nós esses olhos, contendo todas<br />

as variedades de expressão<br />

da sublimidade, da grandeza<br />

de Deus e do amor<br />

para conosco, a nos verem<br />

e a nos analisarem,<br />

e nós, pela eternidade,<br />

embebidos neles. Não<br />

precisaria mais nada<br />

para termos um imenso<br />

desejo do Céu.<br />

(Extraído de conferência<br />

de 19/9/1966)

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!