06.02.2024 Views

JORNAL FOLHA SERTANEJA - Edição 229 de Janeiro de 2024 • 31 de Janeiro de 2024

JORNAL FOLHA SERTANEJA - Edição 229 de Janeiro de 2024 • 31 de Janeiro de 2024

JORNAL FOLHA SERTANEJA - Edição 229 de Janeiro de 2024 • 31 de Janeiro de 2024

SHOW MORE
SHOW LESS
  • No tags were found...

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO

Criado em 18/02/2004 • Fundador: Antônio Galdino

Edição 229 de Janeiro de 2024 • 31 de Janeiro de 2024

Até aqui nos ajudou o Senhor.

(I Sm 7:12)

Paulo Afonso já tem oito candidatos a prefeito

O ano de 2024, também bissexto

e com eleições municipais

em outubro, começou em Paulo

Afonso com 9 (nove) pré-candidatos

a prefeito: Anilton Bastos

(MDB), Dra. Onilde (NOVO),

Dudé Motta (PSOL), Evinha

Oliveira (SOLIDARIEDADE),

Jean Roubert (PSD), Dr. Juliano

Medeiros (REPUBLICANOS),

Marconi Daniel (PV), Marcondes

Francisco (sem partido)

e Mário Galinho (PSDB). Jean

Roubert desistiu para apoiar

Mário Galinho. Ficaram oito

pré-candidatos.

E, desde 2023 já há grande

movimento com o olho de

pré-candidatos à cadeira do

prefeito municipal.

Páginas 3, 4 e 5

Geraldo Carvalho nomeado novo

Secretário de Agricultura e Aquicultura

O prefeito em exercício, Marcondes

Francisco, nomeou na quinta-feira, 4

de janeiro de 2024, o novo secretário

de Agricultura e Aquicultura, Geraldo

Carvalho. O gestor ainda conduziu ao

cargo de subsecretário da pasta o veterinário

Nilson Caparelli Nascimento

Tenório.

Os dois nomes substituem Jandirson

Campos e Alvânio, respectivamente

secretário e sub da Seagri.

“Essas mudanças representam uma

nova fase na gestão municipal,

substituindo Jandirson e Alvânio

aos quais agradeço pelo trabalho

realizado até aqui. Estou confiante

de que, sob a liderança de Geraldo

Carvalho e com o apoio de Nilson

Caparelli, fortaleceremos ainda

mais as iniciativas voltadas para

o desenvolvimento da agricultura

e aquicultura em nossa cidade.

Juntos, trabalharemos para impulsionar

o setor e promover o bem-

-estar da nossa comunidade”, diz

Marcondes.

Página 6

Prefeito Luiz de Deus recebe visita

do Presidente do Progressistas da Bahia,

Mário Negromonte Júnior

A foto regista uma visita de cortesia da família Negromonte à família Luiz de Deus,

embora observadores políticos já associem esta visita de Mário Jr. ao prefeito Luiz

de Deus como uma forma de mostrar a solidariedade do presidente do PP à decisão

política de Luiz de Deus para a gestão municipal, uma vez que na reunião

de Mário Galinho realizada na terça-feira, 23, nomes ligados ao Progressistas com

Raimundo Caires, Almeida Jr e outros.

Página 5

Página 16

Página 3

Página 16


A2

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

EDITORIAL

2024, ano bissexto

de eleições municipais:

Coincidências ou estratégia política?

Esta edição de véspera

de aniversário de 20 anos

do Jornal Folha Sertaneja,

assim como tem feito o

site www.folhasertaneja.

com.br está mostrando algumas

curiosidades, em relação

à política municipal,

que aconteceram no ano de

2004 e estão se repetindo

neste ano de 2024.

Entre as mais marcantes,

destacamos as seguintes:

- Em 2004, quando lançamos

o Jornal Folha Sertaneja,

no mês de fevereiro,

também era um ano bissexto,

como o atual e também

naquele ano, como agora,

a prefeitura de Paulo Afonso

estava sendo gerida pelo

vice-prefeito.

- Em 2004, a partir de

1º de abril, o vice-prefeito

Wilson Pereira, irmão do

ex-prefeito Anilton Bastos,

assumiu a gestão porque o

prefeito Paulo de Deus decidiu

renunciar, quando exercia

o segundo mandato, para

se candidatar à prefeitura de

Canindé do São Francisco.

- Em 2024, o vice-prefeito

Marcondes Francisco

está prefeito em exercício

(desde fevereiro de 2023)

por afastamento do titular,

Luiz de Deus, por problemas

de saúde.

- Em 2004, o vereador

Raimundo Caires, então no

PSB, já se mobilizava para

reunir os colegas de partidos

de oposição e em 21 de

abril, feriado de Tiradentes,

o Deputado Federal Mário

Negromonte, pai de Mário

Jr., do PP, dava o “ponta

pé inicial” para essa união

das oposições promovendo

um café da manhã no Clube

Paulo Afonso, embora,

no mesmo dia, José Ivaldo

(PT) estivesse realizando

Os Mais Valiosos Presentes

Em um mundo envolto

em papel de presente, onde

o brilho dos laços muitas

vezes encobre o verdadeiro

significado, descobrimos

que os presentes mais valiosos

não são comprados em

lojas, mas são tecidos com

os fios da alma.

Para o inimigo, desdobre

o papel do perdão, um gesto

que transcende rancor. Ao

vizinho, ofereça o embrulho

da tolerância, permitindo

que a convivência seja um

jardim de respeito mútuo.

Na caixa para o parente,

coloque o tesouro do afeto,

um vínculo que transcende

os laços sanguíneos. Para os

pais, presenteie com a honra,

uma medalha reluzente pelo

uma reunião dos seus liderados

no BTN. No final a

oposição, então liderada por

Caires, venceu a eleição derrotando

Wilson Pereira do

forte grupo político de Luiz

de Deus que estava no poder

há 16 anos e poder foi compartilhado

por uns tempos

com os nossos amigos: Francisco

Araújo, do PP, foi eleito

como vice-prefeito, Ena

Vilma(PP), assumiu a importante

Secretaria de Saúde,

José Ivaldo (PT) ficou com

a chefia do Gabinete, que

depois foi exercida pelo seu

irmão, José Ivandro e José

Ivaldo foi para a Secretaria

de Turismo, dentre outros

ajustes administrativos para

atender aos acordos políticos.

Depois, como se sabe, houve

rachas internos e Caires não

conseguiu a sonhada reeleição,

permitindo ao grupo de

Luiz de Deus retomar o poder

onde está por mais 16 anos.

Desde 2023 que alguns

nomes já despontam como

pré-candidatos a prefeito

neste ano de eleições municipais.

Alguns, velhos

conhecidos, ex-prefeito e

ex-vereadores e outros novatos,

ainda pouco conhecidos

dos eleitores. E, em 1º de

janeiro já somavam 9 candidatos.

Logo, um deles renunciou

para apoiar outro nome

e, até o fechamento desta

edição oito nomes se apresentam

com pré-candidatos

a prefeito de Paulo Afonso.

O que, novamente, nos

remete ao ano de 2004, há

20 anos atrás é também alguns

desses muitos pré-candidatos

estão começando a

se entender com o objetivo

de fortalecer a oposição.

O pré-candidato Mário

Galinho, que foi vereador

por um mandato e, quando

caminho que trilharam. Nos

braços dos avós, envolva a

ternura, um abraço que transcende

o tempo. Ao desfavorecido,

entregue o pacote da

solidariedade, uma dádiva

que transforma realidades.

Para a criança, seja um

modelo, uma referência

que transcende brinquedos.

Aos filhos, presenteie com

o exemplo, um legado que

transcende gerações. Na esfera

da família, cultive o

respeito, a fundação de laços

inquebráveis. No coração

do cônjuge, deposite o

tesouro do amor, a força que

transcende as adversidades.

Ao concorrente, ofereça

o presente da ética, uma coroa

que transcende vitórias

se candidatou a prefeito em

2020 conseguiu um segundo

lugar, deixando o ex-prefeito

Anilton Bastos, de três mandatos,

em terceiro lugar tendo

o Galinho mais do dobro

dos seus votos e perdendo

para Luiz de Deus com a diferença

de apenas 805 votos.

Mário Galinho sai na

frente no quesito negociação

de apoios e já conseguiu

que o vereador Jean Roubert,

que se declarou também

pré-candidato, renunciasse

para apoiá-lo e numa

recente reunião, dia 23 de

janeiro, em uma Chácara,

na Vila Matias, recebeu o

apoio de seis dos 15 vereadores,

vários deles ligados a

partido da base de apoio ao

prefeito Luiz de Deus, como

PP, PSC, UNIÃO, AVAN-

TE, PSD, agora gerido por

Jean Roubert. Na reunião

também estavam presentes

Caires (PP), Almeida Jr (PP)

e outras lideranças políticas.

Há quem jure de pés juntos

que uma visita promovida

por Mário Júnior com

seus familiares ao prefeito

licenciado Luiz de Deus

logo depois dessa reunião

promovida por Mário Galinho

são temas associados e

que logo depois, teria havido

outra reunião “secreta”

de Mário Júnior com outras

lideranças políticas locais...

Sobre o assunto – eleições

municipais 2024 - que

está apenas começando, há

expectativas sobre a posição

de outros vereadores

da oposição como Evinha

que declarou recentemente

que “não é candidata a vice-

-prefeita”, mas que “é de

diálogo” com os seus colegas

de oposição ao governo

municipal. Alguém lembra

que ela é do Solidariedade,

Luciano Júnior

Do livro: Minhas Crônicas no Exílio

vazias. Ao cliente, preste o

serviço com qualidade, um

compromisso que transcende

transações comerciais.

Para o solitário, envie o

consolo, uma luz que transcende

a escuridão. Ao doente,

proporcione a alegria,

um bálsamo que transcende

sintomas.

Ao perdido, estenda a

mão da esperança, uma bússola

que transcende os caminhos

tortuosos. Ao esquecido,

dê o abraço, um gesto

que transcende a memória.

Ao nervoso, ofereça o presente

da paciência, uma brisa

que transcende tempestades.

A todos, presenteie com

um sorriso, uma expressão

que transcende barreiras.

mesmo partido que elegeu

Galinho vereador para o

mandato 2017/2020.

Outro que é o líder da

bancada da oposição na Câmara

é o Marconi Daniel,

também candidato a prefeito

mas alguém lembra que ele

é muito próximo de Anilton

Bastos, assim como o vereador

Bero do Jardim Bahia.

O que se vê, ainda nesse

início do ano de 2024 é que a

antes sólida bancada de apoio

ao prefeito na Câmara que

era de 12 vereadores, hoje se

limita a metade ou menos...

O possível candidato

Marcondes Francisco, ainda

vai ter que procurar um partido

para concorrer porque

negociações de Jean Roubert

com Oto Alencar deram

a legenda do PSD para Jean.

Enquanto isso realiza a gestão

municipal com inauguração

de obras e fazendo uma

reforma administrativa, já

iniciada com a troca do Secretário

de Agricultura.

Outros candidatos como

Dr. Juliano Medeiros, do Republicanos,

Anilton Bastos,

do MDB e Dra. Onilde, do

NOVO, valem-se das redes

sociais, que não existiam

com tanta força em 2004

como agora, para se apresentarem

para os quase 90 mil

eleitores de Paulo Afonso,

dizendo o que já fizeram ou o

que poderão fazer no quadriênio

2025/2028.

Então, leitores, o que se

vê entre 2004 e 2024, são

apenas coincidências ou

uma estudada estratégia

política? Sabe-se que, entre

os nomes citados há quem

tenha feito o Curso de Política

e Estratégia, realizado

em Paulo Afonso, pela

ADESG/BA e FABAC, há

alguns anos atrás...

Para Jesus, seja fiel, uma

aliança que transcende os

tempos. Para o Criador,

obedeça, uma reverência

que transcende entendimento.

Ao Espírito Santo, submeta-se,

uma entrega que

transcende vontades. Na

trindade, cultive a adoração,

uma sintonia que transcende

o terreno.

Estes presentes, entrelaçados

com o fio do coração,

não são efêmeros como as

festas de fim de ano, mas irradiam

luz e calor por todo o

ano, transformando simples

momentos em celebrações

eternas.

Que o Pai Celestial tenha

misericórdia e nos abençoe!

Feliz 2024!

O sabor da velhice

e ser amigo

Francisco Nery Jr

O jovem – um velho ainda jovem, um velho potencial,

que se não morrer será velho –; o jovem se engana com o

velho. O velho é, na mais pura realidade, um jovem liberto.

Conheci alguns velhos. Eu menino, os conheci; livres, leves

e soltos. Um deles, o coronel Oseias, amigo do meu pai,

nem mais se importava com o dia do seu aniversário. Era,

para ele, um simples dia, um dia atrás do outro. Eu mesmo

me sinto desconfortável no dia do meu aniversário. Os parabéns

que me dão, deveriam, no meu entender, ser dados aos

meus pais, os responsáveis pela obra.

O tenente Juvenal, tenentão reformado do exército, outro

amigo próximo do velho, já não respondia aos insultos.

Com insultos quero dizer incompreensões, chistes e desprezos.

“Ah, é, muito bem”, costumava ser a sua reação. Pra

que se aperrear? O mundo breve ficaria para trás com todos

os seus defeitos.

Recentemente, aprendi com um sábio companheiro aposentado

da velha Chesf a fórmula para a paz domiciliar, matrimonial

em outras palavras: “É só dizer sim a tudo. Balançar

a cabeça e prosseguir”. Com o meu bordão “muito bem,

é isso mesmo”, vou tocando a vida recomendando ao outro

lado aplicar a mesma fórmula.

Velho ou novo, e os amigos? Além do celular na mão,

eles são poucos. O que nos leva à busca de artifícios para os

manter. Amigo é aquele a quem não há necessidade de pedir

perdão. O ofensor, para o amigo, já está perdoado. Pedir

perdão é perda de tempo, mesmo reabertura de uma ferida

que já está cicatrizada. Seria o caso dos caciques a discutir

a qualidade do fumo após terem fumado o cachimbo da paz.

Amigo, neste mundão do Senhor - o cônjuge assim considerado

–, é uma pessoa cheia de virtudes e cheia de defeitos.

A sabedoria está em nos esquecermos dos defeitos e nos

concentrarmos nas virtudes.

Ademais, um “defeito” pode ser resultado de uma situação

passageira, até uma doença; um incômodo físico. Carece

sempre perdoar. Não é fácil e é cômodo preconizar e

escrever. Mas é o único caminho.

Procurar não estragar uma amizade é fundamental. Evitar

o sincericídio ajuda. Não praticar visitas demoradas. Os

conselhos, só com palavras bem medidas e com a certeza da

hora certa para tal. Muitas vezes o silêncio e a tolerância são

o melhor conselho. Um olhar ou um piscar de olhos pode

ajudar mais que um discurso, pra não grafarmos reprimenda.

Embora a bíblia recomende (preconize) o empréstimo a um

amigo necessitado, só em último caso tendo como certo que o

empréstimo recomendado pela bíblia é aquele que será pago

quando possível. Melhor, para a durabilidade de uma amizade,

considerar que dinheiro, carro e mulher não se emprestam.

Podemos mesmo evitar favores desnecessários.

E por considerar que um amigo é fundamentalmente uma

joia rara é que tomamos a liberdade de comentar para o leitor

o que acabamos de escrever.

DIPLOMA

EXTRAVIADO

EXTRAVIADO DIPLOMA DE GIULIANA BE-

ZERRA DE ANDRADE, CURSO DE PEDAGOGIA

- LICENCIATURA PLENA, HABILITAÇÃO EM

SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL,

CONCLUÍDO NO 1° SEMESTRE DE 2016, NO DE-

PARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS VIII,

PAULO AFONSO/BA, DA UNEB - UNIVERSIDADE

DO ESTADO DA BAHIA.

EXPEDIENTE

O JORNAL DA REGIÃO DO SÃO FRANCISCO

Rua da Concórdia, 555-B - Gal. Dutra - Chesf

Tel: (75) 9 9234.1740 - CEP: 48607-240

Paulo Afonso - Bahia

E-mail: professor.gal@gmail.com

Diretor

Antônio Galdino

Diagramação

Admilson Gomes

Colaboradores desta edição

Francisco Nery Jr, Luciano Junior, Érico Israel, Rebeca Mendes Paz

e Edson Mendes

Fotos

Ascom/PMPA

Os textos assinados não representam necessariamente a opinião do jornal,

sendo da responsabilidade dos seus autores.


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A3

Eleições municipais serão no domingo, 6 de outubro de 2024.

Paulo Afonso já tem oito candidatos a prefeito

Breve história de 2004... e de 2024

A ano de 2024, em Paulo Afonso, se apresenta

com muitas semelhanças em relação ao

ano de 2004, especialmente no que se refere

à polícia municipal

Como em 2004, este ano de 2024 é bissexto

e, como há 20 anos atrás, também é um

ano de eleições municipais para prefeito e

vereadores.

Em 2004, ano do lançamento do Jornal

Folha Sertaneja, noticiamos a renúncia do

prefeito Paulo de Deus e a gestão municipal

passou a ser exercida pelo vice-prefeito Wilson

Pereira, do grupo Luiz de Deus.

Em 2024, a gestão municipal está sendo

exercida pelo vice-prefeito Marcondes Francisco,

em face do afastamento do prefeito

Luiz de Deus, por razões de saúde.

Em 2004, já no início do ano vários nomes

eram citados como pré-candidatos a prefeito

e o Jornal Folha Sertaneja anunciou o desejo

de Raimundo Caires, do PSB, de reunir

os demais partidos políticos em uma frente

única como forma de conquistar o poder municipal.

A ideia de Caires logo ganhou forma

quando o líder do PP, Deputado Mário

Negromonte (pai de Mário Jr.) organizou um

café da manhã, no CPA, no dia 21 de abril

“como um ponta pé inicial” para a união da

oposição, embora, na mesma data José Ivaldo

(PT) estivesse fazendo uma reunião com

seus liderados no Bairro Tancredo Neves,

para ajustes do seu programa de governo,

como anunciou o Folha Sertaneja de abril

daquele ano.

Mais adiante, Val Oliveira deixa o grupo

Luiz de Deus e se associa a Caires. Em outubro

de 2004, Raimundo Caires vence as eleições,

quebrando a hegemonia do grupo Luiz

de Deus que estava no poder há 16 anos desde

1989 com os mandatos de Luiz de Deus,

Anilton Bastos e dois mandatos de Paulo de

Deus, concluído pelo vice-prefeito com Wilson

Pereira.

Caires não se reelegeu nem fez o seu sucessor

e o grupo Luiz de Deus reassumiu a

gestão municipal por outros 16 anos, com

dois mandatos de Anilton Bastos e mais dois

mandatos de Luiz de Deus, que tem o vice-

-prefeito Marcondes Francisco no cargo de

prefeito em exercício desde 17 de fevereiro

de 2023.

Há quatro anos, em 14 de janeiro de 2020,

Val Oliveira, no PP, assumiu a Secretaria

Extraordinária de Articulação Política do governo

do prefeito Luiz de Deus e em 30 de

dezembro de 2021, com o falecimento de Jânio

Soares, Val Oliveira assumiu a Secretaria

de Cultura e Esportes. O PP, antes adversário

de Luiz de Deus agora tem apoiado a gestão

municipal, embora vereadores do PP tenham

declarado o seu apoio a Mário Galinho.

Quanto a Marcondes Francisco, está administrando

a prefeitura com a incômoda

posição de interinidade, prefeito em exercício,

o que lhe limita as ações. Procura realizar

obras de maior apelo popular, como a

reforma do Estádio Ruberleno Oliveira e várias

outras que já entregou à comunidade e

anunciando uma reforma administrativa que

foi começada com a troca do Secretário de

Agricultura e Aquicultura e, nos corredores

fala-se também em outras secretarias. Também

está lidando com a incômoda situação

de ver muitos vereadores que apoiavam a sua

gestão e de Luiz de Deus, apoiando outros

pré-canditados...

O ano de 2024, também bissexto e com

eleições municipais em outubro, começou em

Paulo Afonso com 9 (nove) pré-candidatos a

prefeito: Anilton Bastos (MDB), Dra. Onilde

(NOVO), Dudé Motta (PSOL), Evinha Oliveira

(SOLIDARIEDADE), Jean Roubert

(PSD), Dr. Juliano Medeiros (REPUBLI-

CANOS), Marconi Daniel (PV), Marcondes

Francisco (sem partido) e Mário Galinho

(PSDB). Jean Roubert desistiu para apoiar

Mário Galinho. Ficaram oito pré-candidatos.

E, desde 2023 já há grande movimento

com o olho de pré-candidatos à cadeira do

prefeito municipal.

No jogo político, o vereador Jean Roubert

passa a ser o presidente do PSD, deixando

Marcondes Francisco sem partido e Jean e

outros cinco vereadores, a maioria ligados

a partidos que apoiaram a atual gestão municipal

nos seus primeiros tempos, Zé de

Abel (PSC), Pedro Macário (UNIÃO), Paulo

Tatu (PP), Gilmário Marinho (PODEMOS)

e Keko do Benone (AVANTE), declaram

apoio ao candidato Mário Galinho (PSDB).

Ao apoiar Galinho, Jean afirmou que ele se

filiaria ao PSD.

A reunião de apoio a Mário Galinho foi no

dia 23 de janeiro. No dia 25 de janeiro, o Deputado

Federal Mário Jr., com familiares, faz,

oficialmente, uma visita de cortesia, ao prefeito

licenciado Luiz de Deus em sua casa.

Como todos os movimentos que acontecem

nesses tempos são preparatórios para as

convenções dos partidos que conforme estabelece

a Lei n° 13.165/2015, Lei da Reforma

Política, só devem ocorrer no período de 20

de julho a 5 de agosto deste ano eleitoral, só

então se saberá quem serão os candidatos em

Paulo Afonso.

Mas isso não impede os atuais pré-candidatos

que continuem a sonhar e fazer seus

próprios planos e um observador político de

longa experiência fez a seguinte cogitação:

- Se considerarmos o apoio dos vereadores,

pode ser que Galinho consiga o apoio

de Evinha que é do partido em que em ele

foi vereador. Marconi Daniel, também pré-

-candidato, deve apoiar Anilton, assim

como Bero do Jardim Bahia. Leco e Jailson

e agora, talvez Zezinho devem somar com

Marcondes Francisco, o que também deve

acontecer com a Irmã Leda e Bero do Jardim

Aeroporto.

O fato é que existe já muito barulho, movimento

e articulações em janeiro e faltam

seis meses para as convenções partidárias...

O que o futuro prefeito vai ter pela frente como gestor municipal...

Há um bom tempo, por estas terras sertanejas,

vários cidadãos e cidadãs filhos ou

moradores de Paulo Afonso, já olham para

2024 com a cabeça e os interesses voltados

para as eleições municipais que só vão

acontecer daqui a 10 meses, no domingo, 6

de outubro e cujas convenções partidárias só

acontecem entre 20 de julho e

Como tem acontecido nas últimas eleições,

são muitos os que, por esse tempo, já estão

com os olhos e toda a atenção voltados para a

cadeira de Prefeito do município. O gabinete

do prefeito é o foco central. Ali, um destes,

por enquanto pré-candidatos, uma vez eleito,

estará acomodado a partir de 1º de janeiro de

2025, daqui a um ano, para uma gestão de

quatro anos – 01/01/2025 a 31/12/2028.

E Sua Excelência, o prefeito ou a prefeita,

terá a oportunidade de administrar alguns

números bastante interessantes.

Quem for eleito em 6 de outubro de 2024, ao

ocupar a cadeira do prefeito de Paulo Afonso

em 1º de janeiro de 2025 vai encontrar um município

caminhando para os 120 mil habitantes,

dos quais quase 90 mil são eleitores.

Estará administrando com os seus conhecimentos

de RH e quem ele escolher com

esse perfil, um quadro de cerca de 5 mil empregados

lotados em cerca de 15 Secretarias,

dezenas de Departamentos e outros tantos

cargos comissionados, chamados de “cargos

de confiança”, aprovados por sua caneta poderosa

e mais centenas de outros prestadores

de serviço de empresas terceirizadas

Quem for eleito para administrar o município

de Paulo Afonso no próximo quadriênio

vai precisar lidar com os próprios

correligionários, alguns um tanto inconvenientes,

e com os adversários, na visão

de que terá adversários mas não inimigos

e o exercício do diálogo, da política, na

essência de sua origem na Grécia antiga,

poderá ser a solução para o enigma que se

apresenta indecifrável...

Se escolher bem esse time, valorizando o

mérito, a capacidade de gestão de cada um

em sua área de atuação, e não se deixar levar

apenas pelo apadrinhamento de amigos que

não sabem o que estão fazendo ali, vai ter

grande sucesso e até deixar o terreno pronto

para voltar à gestão outras vezes.

Vai gerir um município onde mais de 85%

de sua população é urbana, mas os 15% dos

habitantes da zona rural, alguns povoados

bem distantes do centro das decisões, como

já provaram, precisam da mesma, até maior

atenção e têm o poder de mudar o curso de

uma eleição, nas últimas urnas.

Quem pleiteia esse cargo deve conhecer

bem todo o município, o nível de pobreza e

de cultura, as precárias condições da saúde, o

ônus do Hospital que já foi da Chesf e agora

é gerido pelo município e que atende a pacientes

de cerca de 25 municípios de quatro

Estados vizinhos, mas o município de Paulo

Afonso é quem paga a conta, todo mês.

Quem quer ser prefeito, precisa saber,

com total segurança, que vai precisar administrar

duas grandes cidades – a cidade/ilha

e os bairros periféricos e o Bairro Tancredo

Neves e ainda uma extensa e carente zona

rural, embora com tanta água à sua volta.

Vai gerir mais de 60 unidades escolares,

mais da metade delas na zona rural e onde

estudam mais de 16 mil estudantes e atuam

cerca de mil professores e centenas de outros

profissionais da área da educação que

precisam ser valorizados em seus méritos.

Claro que, para administrar tudo isso e ainda

promover o desenvolvimento com investimentos

em grandes projetos, obras essenciais,

o município vai dispor de um orçamento

aprovado pela Câmara, que desde o ano de

2024 ultrapassa os 500 milhões de reais, mais

de meio bilhão de reais. E vai ainda precisar

correr atrás de investimentos do governo do

Estado, de emendas de deputados estaduais e

federais, de dinheiro do governo federal...

Certamente, como vem se fazendo em Paulo

Afonso e pelo Brasil afora em todas os anos de

eleições municipais, cada candidato se esmera

para ouvir quais são os desejos dos moradores

para a sua cidade, e não vai poder ficar só na

promessa de atender os desejos da população

da área urbana e da área rural, porque pode

querer voltar um dia...Vai precisar entender

que, se está bem, pode melhorar ainda mais.

Ao acordar todo dia e dirigir-se ao seu gabinete,

quem for eleito deve ter em mente que

é apenas um servidor público, escolhido pela

maioria dos eleitores para administrar, com

honestidade, sabedoria, humildade, as ações

que foram anunciadas em seu programa de

governo nos palanques físicos e online, planejadas

para o desenvolvimento, o progresso, o

crescimento da melhoria da condição de vida

de cada morador e para que a imagem, a boa

imagem do município se espalhe pelo mundo

e faça também crescer o número de turistas,

que vão escolher esse destino porque foram

cativados pelo marketing turístico que lhes

mostrou tantos agradáveis atrativos...

Ora, administrar um município que se transformou

num grande Polo Universitário – UNI-

RIOS, UNEB, IFBA, UNIVASF -, que se limita,

estrategicamente como quatro Estados

nordestinos, que é onde estão as primeiras grandes

Usinas da Chesf, a maior empresa hidrelétrica

do Nordeste, que se tornou em um grande

e belíssimo Oásis Sertanejo nessas terras secas

da caatinga, com uma bela ilha rodeada de

muitos lagos, um cânion fantástico, município

abençoado pelas águas do rio São Francisco,

com um potencial turístico adormecido mas já

reconhecido pelo próprio Ministério do Turismo

que já colocou Paulo Afonso entre os 115

destinos turísticos do Brasil e, para isso vai ter

um orçamento anual superior a meio bilhão de

reais desde 2024. Assim, administrar o município

de Paulo Afonso parece ser o sonho de

muitos políticos...

Por isso que muitos se apresentam como

sendo o nome ideal para fazer com que este

município cresça ainda mais e certamente

que todos farão, nos palanques, nas lives,

em todos os lugares, como já se vem fazendo

desde as primeiras eleições municipais, o

sério compromisso de transformar este município

no melhor lugar para se viver, para

se investir, para visitar, para se curar das doenças,

para que cada um dos seus habitantes,

possam se orgulhar muito de sua terra natal e

deste lugar onde moram...

Nos próximos meses, quem deseja ocupar

a cadeira do prefeito vai estar tentando convencer

a cada eleitor, habitante deste lugar,

que aquela cadeira e o poder da caneta que

terá em suas mãos, estarão muito bem utilizadas,

se deles se apossar, com a ajuda do

seu voto em 6 de outubro...


A4

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

Conheça um pouco mais a história dos pré-candidatos

a prefeito/prefeita de Paulo Afonso

Anilton Bastos Pereira (MDB)

Nasceu em Brejo Grande/SE. É médico.

A sua experiência política está marcada por

três mandatos de prefeito desde a sua eleição

em 1992, para o quadriênio 1993/1996, indicado

pelo Grupo Luiz de Deus, para substituir

o próprio Luiz de Deus que deixava a

prefeitura para ser Deputado Estadual. Anos

depois, em 2008, Anilton Bastos é novamente

eleito prefeito para o período 2009/2012,

sendo em 2012 reeleito para mais um mandato,

2013/2016, totalizando assim 12 anos

de gestão municipal em Paulo Afonso. Em

2020 candidatou-se ao seu quarto mandato,

sem sucesso, ficando em 3º lugar, atrás de

Luiz de Deus e Mário Galinho. Em 2022,

sua esposa, Ana Clara, foi candidata a deputada

estadual e teve 7.622 votos na Bahia,

sendo 4.849 em Paulo Afonso.

Dra. Onilde (NOVO)

Advogada e pós-graduada em Direito Público,

Dra. Onilde é Presidente do Instituto

Cavalcante Carvalho, que agrega parceiros,

voluntários, empresários e profissionais de

diversas áreas para promover a realização

de ações sociais e educacionais direcionadas

à população da cidade. Sua trajetória é

marcada pelo compromisso com a comunidade,

ênfase na inovação e transparência.

Com valores que se alinham com o NOVO,

Dra. Onilde está mais do que preparada para

transformar Paulo Afonso. O NOVO está

chegando, e juntos faremos a diferença! (Do

Instagram)

Dudé (PSOL)

Nasceu Itabaiana/SE. É Cidadão de Paulo

Afonso - O nome de Dudé Mota, aparece

no site www.bobcharles.com.br e nos grupos

de WhatsApp como pré-candidato a

Prefeito de Paulo Afonso pelo PSOL. José

Oliveira Mota, conhecido como Dudé, sergipano

da zona rural de Itabaiana mas desde

pequeno acompanhava os familiares que

eram comerciantes de legumes e frutas na

feira livre de Paulo Afonso. Passou a vender

semi-jóias ao lado das frutas. Nesse ramo e

depois com confecções, se estabeleceu no

comércio de Paulo Afonso há mais de 25

anos, trazendo as irmãs para ajudá-lo. Foi

diretor da VITRAN – Vitória Transportes –

por mais de 8 anos. O empresário estudou

Contabilidade no Colégio Carlina Barbosa

de Deus e é bacharel em Teologia. Em 26

de setembro de 2019, por uma iniciativa e

autoria do Vereador Pedro Macário Neto,

recebeu da Câmara Municipal o título de

Cidadão de Paulo Afonso.

Juliano Medeiros (Republicano)

É médico e mora em Paulo Afonso há

cerca de 18 anos onde tem prestado seus

serviços como médico, tanto em PSFs da

Prefeitura como no HNAS e em clínica

particular. No dia 30 de setembro de 2023,

em solenidade na presença de vários deputados

do partido Republicanos, Juliano

Medeiros se filiou a este partido e oficializou

a sua pré-candidatura a prefeito de

Paulo Afonso, “cidade que amo, honro e

desejo cuidar ainda mais. A filiação ao partido

Republicano é um ato de compromisso

com a democracia, a liberdade individual

e coletiva, e acima de tudo é um ato de

compromisso com o povo de Paulo Afonso

para um futuro próspero”, o que reafirmou

em entrevista com Ozildo Alves, na Rádio

Angiquinho. Ele é também empresário da

área do turismo, administrando, ao lado da

esposa, dois grandes hotéis de Paulo Afonso

e uma loja de produtos de decoração no

comércio local.

Marcondes Francisco

Nasceu em Paulo Afonso/BA. Fez

uma carreira política como vereador cargo

para o qual foi eleito por 8 mandatos

consecutivos, a partir de 1988, somando

32 anos de atuação como vereador na

Câmara Municipal de Paulo Afonso de

onde foi Presidente por três vezes. Em

uma de suas gestões, em 22 de dezembro

de 1995, inaugurou as modernas instalações

do Poder Legislativo Municipal na

Av. Apolônio Sales. Em 2020, foi eleito

como vice-prefeito de Luiz Barbosa de

Deus que conseguiu 23.015 votos, apenas

805 votos à frente do segundo colocado,

o Vereador Mário Galinho. Em face

do afastamento do prefeito Luiz de Deus,

por motivo de saúde, Marcondes Francisco

está no cargo de prefeito de Paulo

Afonso, em exercício, desde 17 de fevereiro

de 2023.

Evinha Oliveira (SOLIDARIEDADE)

Nasceu em Paulo Afonso/BA - É vereador

da Câmara Municipal de Paulo Afonso

Marconi Daniel (PV)

Nasceu em Buíque/PE - Está no seu primeiro

mandato de vereadora da Câmara de

Paulo Afonso – 2021/2024. Evinha se considera

uma pessoa consciente do seu papel,

que vê nessa função a possibilidade de contribuir

de forma positiva com o crescimento

da cidade e da população.

Em recente entrevista a Ozildo Alves, na

Rádio Angiquinho falou sobre uma foto em

que aparece ao lado do Deputado Bacelar,

junto com Marconi Daniel e Anilton Bastos

e esclareceu: “Eu não serei candidata

a vice-prefeita de ninguém. Sou candidata

a prefeita. Se lá na frente não for viável a

minha candidatura, não tenho paixão nem

vaidade nenhuma, eu a retiro e serei candidata

a vereadora”. Está no seu primeiro

mandato de Vereadora, tendo sido eleita em

2020 com 729 votos.

Em 2022, Evinha Oliveira foi candidata a

deputada federal e teve 8.764 na Bahia, sendo

7.915 votos em Paulo Afonso.

e está no seu terceiro mandato consecutivo,

eleito sempre com grande número de votos.

Foi funcionário da Prefeitura por muitos

anos. É o líder da bancada de oposição na

Câmara de Paulo Afonso.

Desde mais jovem está ligado a movimentos

a exemplo da pastoral da juventude

do meio popular, grupos jovens, catequese

e movimentos estudantis, o que foi desde

cedo alicerçando seu desejo de contribuir

com o desenvolvimento de sua cidade almejando

como principal sonho a melhoria

de vida para os menos favorecidos e principalmente

o desenvolvimento dos serviços

públicos de saúde.

Em 2022 foi candidato a Deputado Estadual,

obtendo 8980 votos em todo o Estado da

Bahia, sendo 8.092 votos em Paulo Afonso.

Mário Galinho (PSDB)

Nasceu em Paulo Afonso/BA - Foi vereador

na legislatura 2017/2020, pelo Solidariedade.

É Técnico de Informática, trabalhou

por 8 anos na Prefeitura Municipal de Paulo

Afonso. Atuou profissionalmente também

como mecânico de automóveis. Em

2018, foi candidato a Deputado Estadual,

recebendo 8.618 votos. Em 2020 concorreu

à eleição para prefeito ficando em segundo

lugar, com 22.210 votos, perdendo para

Luiz de Deus, que foi reeleito, com apenas

800 votos à sua frente. Deixou o Solidariedade

e filiou-se ao PSDB. Em 2022 foi

candidato a Deputado Estadual, obtendo

14.156 votos em todo o Estado da Bahia,

sendo 12.730 votos em Paulo Afonso. Tem

usado as redes sociais, desde quando vereador,

para reivindicar à Prefeitura melhorias

para áreas do município em apoio à

população mais carente.


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A5

Movimento União por Paulo Afonso: Vereadores oficializam apoio

à pré-candidatura de Mário Galinho em evento democrático

Na noite desta terça-feira (23),

a Chácara São Domingos, localizada

na Vila Matias em Paulo

Afonso, foi palco do evento político

"Movimento União por Paulo

Afonso", que reuniu a imprensa e

seis vereadores para oficializar o

apoio à pré-candidatura de Mário

Galinho à Prefeitura Municipal.

Jean Roubert, Pedro Macário,

Gilmário Marinho, Zé de Abel,

Paulo Tatu e Keko do Benone foram

os protagonistas do anúncio

que formaliza o respaldo do grupo

à candidatura de Galinho nas eleições

deste ano.

O encontro buscou esclarecer o

posicionamento político do "Movimento

União por Paulo Afonso",

além de discutir os rumos e novos

caminhos para o município. A iniciativa

dos vereadores representa

uma significativa demonstração de

unidade política em torno da pré-

-candidatura de Mário Galinho,

projetando força para a campanha

eleitoral.

Os parlamentares expressaram a

expectativa de que o apoio conjunto

fortaleça a campanha, consolidando

alianças importantes para as

eleições vindouras e apresentando

uma visão clara sobre os rumos do

município. Em um compromisso

além do respaldo político, o "Movimento

União por Paulo Afonso"

prometeu contribuir para o debate

democrático e para a construção

de propostas alinhadas com as demandas

e aspirações da população

local.

A oficialização desse apoio marca

um ponto crucial na pré-campanha

de Mário Galinho, posicionando-o

como uma figura de destaque

no cenário político de Paulo Afonso.

O "Movimento União por Paulo

Afonso" surge como um agente

ativo na promoção do diálogo e na

busca por soluções que atendam às

necessidades da comunidade, prometendo

um envolvimento efetivo

na construção de um futuro mais

promissor para o município.

(Dra. Jamille Coelho -

Assessoria do candidato

Mário Galinho)

Dr. Anttonio Almeida Júnior: “Sou progressistas,

mas em Paulo Afonso apoio o projeto

do pré candidato Mário Galinho”

Na noite da última terça-feira,

23/01/24, durante a coletiva de

imprensa do Movimento Unidos

por Paulo Afonso, o âncora do

Programa Prosa Rural da rádio

Web Caiçara, o Médico Veterinário

e Mestre em Extensão Rural

e Desenvolvimento, Dr. Anttonio

Almeida Júnior, declarou apoio ao

pré candidato a prefeito da Cidade

de Paulo Afonso Mário Galinho,

bem como a sua adesão à proposta

de construção de um modelo de

governança municipal, buscando

a reconstrução econômica e social

do município, baseado na união e

no diálogo com os diversos atores

e segmentos da sociedade.

Almeida Júnior destaca que “o

próximo governo deverá focar nas

vocações e oportunidades econômicas

para o desenvolvimento

sustentável da cidade, baseadas no

turismo, agricultura irrigada, piscicultura,

apoio a agricultura familiar,

programa das cidades inteligentes e

em inovação tecnológica, sem esquecer

o viés e a priorização de serviços

de excelência na prestação de

serviços ao cidadão e nas áreas da

assistência social, educação e saúde

em sintonia com as propostas e

programas do governo do estado da

Bahia e do governo federal”.

Sobre a relação com o Progressistas,

Almeida Júnior informou

que “sou filiado ao partido Progressistas

desde a sua fundação e

em nenhum momento disse estar

me desligando do grupo do deputado

federal Mário Negromonte

Júnior, com quem mantenho uma

relação fraternal, assim como com

o prefeito David Cavalcanti de

Glória, o presidente local Diego

Odisseia e os demais companheiros

de partido.” Segundo Almeida

Júnior, “ainda no final do ano

de 2023 fiz contato com Nivaldo

Lopes - que deverá ser o futuro

coordenador da campanha da pré

candidata a prefeita de Glória Dra

Vilma Negromonte (PP), me colocando

à disposição para, no tempo

oportuno, colaborar no processo

eleitoral de 2024, o que também

deverá acontecer em Jeremoabo

com o candidato indicado pelo

prefeito Deri do Paloma, em Chorrochó

com a indicação do prefeito

Humberto, em Pedro Alexandre

na reeleição do prefeito Yuri e, em

Rodelas, na pré candidatura do ex

prefeito Geraldino”.

Já em relação a Paulo Afonso

afirmou que “busco um novo projeto,

pois o que aí está não atende

mais aos anseios da sociedade,

está vencido e caduco, faz-se necessário

um novo modelo para recolocar

Paulo Afonso no seu lugar

de destaque, como protagonista

do desenvolvimento regional. Sugiro

inclusive a leitura da matéria

publicada em 27/09/23, no site do

Bob Charles, com o título “Cidade

Latinha” cujo link de acesso é

https://www.bobcharles.com.br/

internas/read/?id=22947”

Prefeito Luiz de Deus recebe

visita do Presidente

do Progressistas da Bahia,

Mário Negromonte Júnior

Em pequena nota publicada por

Renaldo Carvalho no site panotícias

nos primeiros minutos do dia

26 de janeiro, faz-se o registro da

visita que fez o Deputado Federal

Mário Jr, presidente do Progressistas

ao prefeito licenciado de Paulo

Afonso, Luiz Barbosa de Deus.

A foto que ilustra a matéria mostra

o prefeito Luiz de Deus ladeado

pelo seu genro, Luizinho e por Mário

Jr. Atrás do prefeito está Agnelo

Negromonte e atrás de Mário Jr.

está Cíntia Rosena, nora do prefeito

Luiz de Deus e citada por analistas

políticos como a candidata a vice-

-prefeita na chapa encabeçada pelo

prefeito em exercício, Marcondes

Francisco. Ao seu lado está Gabrel

Negromonte, filho de Agnelo e sentado

ao lado de Mário Júnior está

Tony, filho o prefeito Luiz de Deus.

Como me informa Agnelo Negromonte,

a foto regista uma visita

de cortesia da família Negromonte

à família Luiz de Deus, embora observadores

políticos já associem esta

visita de Mário Jr. ao prefeito Luiz de

Deus como uma forma de mostrar a

solidariedade do presidente do PP à

decisão política de Luiz de Deus para

a gestão municipal, uma vez que na

reunião de Mário Galinho realizada

na terça-feira, 23, nomes ligados ao

Progressistas com Raimundo Caires,

Almeida Jr e outros, até indicados por

Mário Jr. para assumirem cargos no

município, estejam declarado o apoio

a Mário Galinho.

A nota do site panotícias.com.br

destaca a recente atuação do Deputado

Federal Mário Jr. junto à Secretaria

Estadual de Saúde e outras

ações realmente muito importantes

para a revitalização do Hospital

Nair Alves de Souza.


A6

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

Geraldo Carvalho nomeado novo

Secretário de Agricultura e Aquicultura

O prefeito em exercício,

Marcondes Francisco,

nomeou na quinta-feira, 4

de janeiro de 2024, o novo

secretário de Agricultura e

Aquicultura, Geraldo Carvalho.

O gestor ainda conduziu

ao cargo de subsecretário da

pasta o veterinário Nilson Caparelli

Nascimento Tenório.

Os dois nomes substituem

Jandirson Campos e Alvânio,

respectivamente secretário

e sub da Seagri. “Essas

mudanças representam uma

nova fase na gestão municipal,

substituindo Jandirson e

Alvânio aos quais agradeço

pelo trabalho realizado até

aqui. Estou confiante de que,

sob a liderança de Geraldo

Carvalho e com o apoio de

Nilson Caparelli, fortaleceremos

ainda mais as iniciativas

voltadas para o desenvolvimento

da agricultura e

aquicultura em nossa cidade.

Juntos, trabalharemos para

impulsionar o setor e promover

o bem-estar da nossa comunidade”,

diz Marcondes.

Geraldo Carvalho fala sobre

a expectativa a frente da Seagri

Em entrevista à Assessoria

de Comunicação

(Ascom), o novo secretário

de Agricultura e Aquicultura,

Geraldo Carvalho,

compartilhou suas

expectativas em relação

a sua atuação à frente da

pasta, a sua trajetória e

projetos para a melhoria

da vida do homem e mulher

do campo. Sua nomeação

para o cargo foi

publicada no Diário Oficial

desta quinta-feira (4),

onde também foi conduzido

ao cargo de subsecretário

da pasta o veterinário

Nilson Caparelli

Nascimento Tenório.

“Quero agradecer a Deus

pela oportunidade de poder

prestar o serviço que de alguma

forma mude para melhor

a famílias das pessoas.

Nós somos um facilitador

e condutor de ações. Já estive

a frente fomentando a

área rural de Paulo Afonso

pelo município quando então

o Secretário de Desenvolvimento

Econômico,

Gilberto Sérgio, me convidou

para ficar à frente do

Departamento de Fomento

Agrícola. Sou filho de homem

e mulher do campo,

pecuarista, da agricultura

familiar, então me sinto

muito à vontade nessa pasta

porque eu já passei por esse

serviço aqui dentro e os resultados

estão aí para serem

ditos pelas pessoas pelas

quais eu trabalhei. Tenho

um carinho especial pelo

homem do campo”, diz

Geraldo.

Em sua fala, o secretário

agradeceu ao prefeito

Marcondes Francisco

pela confiança. “Estamos

hoje iniciando esse

desafio e quero agradecer

ao prefeito Marcondes

Francisco pela confiança

na minha pessoa

em encarar um desafio

desse com uma grande

proporção e responsabilidade.

Durante o período

que eu passar à frente

dessa pasta vou procurar

fazer o bem, melhorar a

vida do homem da agricultura

familiar, fomentar

para que o homem do

campo sobreviva na área

rural com as condições

pelas quais ele necessita

para que ele permaneça

no campo”, explicou.

Ele agradeceu o trabalho

do ex-secretário Jandirson

Campos. “Quero

agradecer ao ex-secretário

Jandirson pelo trabalho

que fez frente a pasta e

ao subsecretário Alvânio,

que é meu amigo e esteve

comigo também na época

que trabalhei no departamento.

São duas pessoas

que têm competência e

mostraram isso durante

o período que estiveram

aqui”, ressaltou Geraldo.

De acordo com o secretário,

as portas estão

abertas para receber todo

mundo. “Além de eu ter

sido nomeado Secretário

também foi nomeado o

Subsecretário Nilson que

é um rapaz competente,

que vai trabalhar em parceria

comigo, já conversamos

e falamos sobre

projetos, mas primeiro

vamos nos situar dentro

da pasta, quero ver todos

os contratos, saber o que

estamos administrando

porque eu vou administrar

o que é do povo. O

que é meu eu administro

dos meus modos, mas o

que é o povo a gente tem

que administrar como a

lei manda. Primeiro vou

me inteirar de tudo e em

principio ficam todos

como estão e onde estão,

porém o caminhar eu vou

fazendo adequações dentro

daquilo que eu projeto,

dentro daquilo que eu

proponho dentro da secretaria

de agricultura”, diz.

Segundo Geraldo, algumas

ações já estão em

andamento. “Estou saindo

agora com Marcondes

para Baixa Verde onde

estaremos entregando um

poço artesiano e estamos

colocando água agora

para 35 residências, já

está toda prontinha e vamos

agora efetivar esse

trabalho que foi um pedido

da vereadora Irmã

Leda e uma demanda do

povo. Estamos com o

pessoal da Companhia

de Engenharia hídrica e

de Saneamento da Bahia

(Cerb), fazendo uma inspeção

no poço, no sistema

de abastecimento que

nós fizemos a captação do

poço na serra da Várzea

que atenderá a comunidade

da Várzea, Lagoa do

Rancho, Serrote, Alagadiço

Bonomão. Hoje recebi

a ligação do Secretário de

Desenvolvimento Rural

do Estado, Osni Cardoso

para felicitar e conversar,

tenho bons amigos lá e em

Brasília e não vou medir

esforços para que a gente

traga para Paulo Afonso

o que for de melhor para

a pasta de agricultura”,

concluiu.

Há notícias que nos fazem

ganhar o dia. A nomeação

de Geraldo Carvalho

para a Secretaria de Agricultura

e Aquicultura do

município me fez ganhar a

semana. Melhor dizendo, o

fim de semana.

O novo secretário foi

aluno da Escola Rural da

Chesf, escola resultado do

sonho de alguns patriotas

que amavam o Brasil, escola

da professora Dirce

Georgina. Geraldo foi meu

aluno de inglês. Não se trata

de valorizar o meu currículo,

mas o dele. Geraldo foi

aluno da professora Neuza,

de Juvenal, Ernestina e Socorro

Jucá juntados a outro

tanto de nós lá acantonados.

Acantonados e quietinhos,

no campo e na zona rural,

salário congelado mas garantido

pela companhia,

procuramos fazer o nosso

trabalho. O mérito de chegar

a secretário é, definitivamente,

dele.

Agricultura em Paulo

Afonso pode parecer um

paradoxo. Não se tira leite

de pedra, somos induzidos a

pensar. Partindo para a pes-

Geraldo Carvalho

da Escola Rural

Francisco Nery Júnior

quisa e procurando ouvir os

semeadores de esperança,

vamos mudando o nosso

conceito.

No IFBA, convivi com o

doutor em agricultura Diógenes,

com experiência em

órgãos ad hoc do Governo

da Bahia. Dele aprendi que

as terras ao nosso redor são

efetivamente agricultáveis.

O estouro do agronegócio

no oeste da Bahia pode chegar

até Paulo Afonso. Sol e

água abundantes e uma certa

previsibilidade, e podemos

decolar para sermos mais um

parceiro da agricultura capaz

de alimentar o mundo.

Quanto à aquicultura,

criação de peixes em cativeiro,

temos as condições

ideais para a atividade. O

teor da água (temperatura,

composição e outros fatores),

que nos Estados Unidos

é atingido com técnicas

especiais e alto custo, é ideal

na nossa região. A informação

me foi passada pelo

doutor Aécio, pioneiro na

criação de tilápias em cativeiro

por aqui.

A Geraldo, [bom] aluno

de inglês, good luck,

boa sorte em português,

que certamente acontecerá

com dedicação, trabalho e

persistência; talvez com

muita paciência aos dizedores

de não, nay sayers

em inglês.


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A7

Requalificação e ampliação do CEO é entregue e obra

proporciona atendimento mensal de 500 pacientes

Mais uma importante obra

foi entregue nesta segunda-feira

(29) – a reforma e ampliação do

Centro de Especialidades Odontológicas

(CEO). O novo espaço,

que foi reinaugurado pelo

prefeito em exercício, Marcondes

Francisco, vai ofertar uma

assistência ampliada e humanizada

na área de saúde bucal.

“É com muita alegria que entregamos

esse espaço que foi

requalificado e ampliado. Está

montada toda essa estrutura

para atender os nossos munícipes

da melhor maneira. A população

que necessitar dos serviços

do CEO será atendida com

serviço de alta qualidade”, diz

Marcondes.

A unidade, que está funcionando

de segunda a sexta, das 7h às

11h e das 13h às 17h, dispõe de

cinco consultórios odontológicos

para atender as especialidades de

diagnóstico bucal, cirurgia oral

menor, periodontia, endodontia e o

atendimento de pacientes com necessidades

especiais. O local conta

ainda com salas de radiologia, esterilização,

expurgo, arquivo, recepção

e cinco banheiros.

De acordo com o secretário de

Saúde, Adonel Gomes, a Prefeitura

continua investindo e procurando

melhorias na saúde e isso é

um compromisso da gestão. “São

cinco cadeiras odontológicas e já

estamos em busca da sexta para

ampliar ainda mais a oferta do

serviço. A média de atendimento

é 500 pessoas, mas com procedimento

que pode ser mais de um,

pode chegar a mais de 700 atendimentos.

Esse é o compromisso

dessa gestão, de ofertar cada dia

mais investimentos na saúde”, diz

O coordenador do CEO, Robson

Teixeira, ressaltou que para os

pacientes serem atendidos na unidade

tem que passar pelo PSF para

fazer a avaliação e agendamento.

“A gente vai atender as especialidades

de acordo com o SUS, que

são canal, pacientes especiais, realizar

biopsia em pacientes que

tiveram alguma lesão, extrações

e outros serviços. Para eles terem

atendimento no CEO têm que passar

pelo PSF para fazer a avaliação

e será agendado”, diz.

O momento ainda contou

com a presença da população,

servidores, imprensa, e os vereadores

Leco, Jailson Oliveira,

Valmir Rocha, Zezinho, o representante

da Irmã Leda, Eraldo

do Pop Shopping e os secretários

Cíntia Rosena, Francisco

Alves, Dernival Oliveiral, Geraldo

Carvalho, Elza Brito, Miguel

Leite, Cléston Andrade e

Maria da Saúde.

Desvendando as Engrenagens Políticas: Lobby, Relações

Governamentais e Public Affairs na Realidade Brasileira

Você tem conhecimento sobre

Lobby, Relações Governamentais

e Institucionais e Public Affairs? Já

se questionou sobre o processo de

tomada de decisões políticas e o papel

dos profissionais nesse cenário?

Estes termos são cruciais para

compreender a dinâmica política.

O Lobby envolve pressão política

por grupos de interesse para

influenciar decisões governamentais,

como uma empresa de energia

que busca políticas favoráveis

à indústria.

Um exemplo notório de lobby

na política brasileira ocorreu durante

as discussões sobre a reforma

da Previdência em 2019. Diversos

setores econômicos, sindicatos e

organizações empresariais mobilizaram-se

para influenciar a redação

final da reforma, visando proteger

seus interesses.

Empresas e entidades realizaram

intensas atividades de lobby junto

a parlamentares, promovendo encontros,

fornecendo informações

e argumentos que respaldavam

suas posições. Grupos de pressão

buscaram assegurar que certas categorias

ou setores não fossem impactados

de maneira desfavorável

pelas mudanças propostas.

Setores empresariais buscavam

condições favoráveis para garantir

a estabilidade econômica, enquanto

sindicatos tentavam proteger os

direitos dos trabalhadores e minimizar

possíveis impactos negativos

nas aposentadorias.

Diversas associações e entidades

de classe, representando profissionais

de diferentes setores,

também estiveram envolvidas no

processo. Advogados, médicos,

professores e outros grupos buscavam

influenciar as regras específicas

aplicadas às suas categorias

profissionais, por exemplo.

Esse caso ilustra como o lobby

é uma ferramenta estratégica utilizada

para influenciar a elaboração

da legislação, adaptando-a aos

interesses específicos dos grupos

envolvidos. O processo, frequentemente

conduzido de maneira discreta,

revela como diversos atores

buscam exercer sua influência nos

bastidores para assegurar que suas

visões sejam levadas em consideração

nas decisões políticas.

Por sua vez, Public Affairs trata

da gestão da reputação e comunicação

organizacional, exemplificado

por uma ONG que utiliza

estratégias para sensibilizar a opinião

pública sobre questões ambientais.

Durante a pandemia da

COVID-19, diversas organizações

de saúde e empresas farmacêuticas

lançaram campanhas de Public

Affairs para promover a importância

da vacinação. Essas campanhas

visavam não apenas influenciar

a opinião pública a favor da

vacinação, mas também buscar

apoio governamental para facilitar

a distribuição e administração das

vacinas.

E quanto às Relações Institucionais

e Governamentais (RIG)?

Essa área foca na interação entre

empresas/organizações e o governo.

Um exemplo real de funcionamento

de Relações Públicas e

Governamentais no Brasil ocorreu

durante debates sobre a regulação

de serviços de tecnologia de transporte,

como Uber e similares.

Empresas desse setor enfrentaram

desafios regulatórios significativos,

com diferentes cidades

brasileiras buscando estabelecer

legislações específicas para esses

serviços. Durante esse processo,

as empresas de tecnologia de

transporte empregaram estratégias

de Relações Públicas e Governamentais

para moldar a percepção

pública e influenciar as decisões

governamentais.

Vale frisar que essas três áreas

estão interconectadas, todas lidando

com a influência e interação entre

setores público e privado para

moldar o ambiente político a seu

favor. O Lobby muitas vezes está

presente nas práticas de Relações

Governamentais, enquanto ambos

envolvem interação com autoridades

públicas. Além disso, o Lobby

pode ser usado em Public Affairs

para fortalecer a percepção pública

sobre temas específicos.

Relações Governamentais e Public

Affairs se entrelaçam, gerenciando

as relações de uma organização

com o governo e o público.

A interconexão destaca a complexidade

dessas interações, onde estratégias

complementares nessas

áreas buscam objetivos específicos,

seja na defesa de interesses

empresariais ou de organizações

não governamentais.

Compreender essas interconexões

fornece ao cientista

político uma visão abrangente

dos mecanismos de influência

política, contribuindo para uma

análise holística dos fenômenos

políticos e ajudando na resolução

de desafios cotidianos na

profissão.

A proximidade entre o mercado

de Relações Institucionais e

Governamentais (RIG) e a academia

na formação de cientistas

políticos é crucial. Essa colaboração

garante que a formação

acadêmica esteja alinhada com

as demandas práticas do mercado,

permitindo atualização

constante, desenvolvimento de

habilidades aplicadas, pesquisa

relevante e construção de pontes

entre teoria e prática. Essa integração

beneficia tanto estudantes

quanto profissionais, promovendo

inovação, networking e

uma compreensão mais ampla

das dinâmicas políticas.

Rebeca Mendes Paz, nascida

em Brasília, filha de nordestinos,

22 anos.

Estudante do 4⁰ semestre de

Ciência Política na Universidade

de Brasília, apaixonada por

estudos legislativos e pelo universo

da política e das relações

governamentais e Institucionais.

Fluente em inglês e espanhol,

possui proficiência básica em

francês e italiano. Coordenadora

da Pesquisa do Projeto Política

na Escola (PNE) - UnB e diretora

geral do Comitê de Adequação

e Treinamento da AMUN

(UnB) 2024.


A8

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

15 de janeiro de 2024. Há 69 anos era inaugurada

da 1ª Usina da Chesf. Começava a redenção do Nordeste!

Nas manhãs do dia 15 de janeiro

recebo sempre uma mensagem

do Dr. Luiz Fernando Motta

Nascimento lembrando que nesta

data, no ano de 1955, há 69 anos,

era inaugurada a 1ª Usina de Paulo

Afonso e, com ela iniciado o

processo de redenção do Nordeste

brasileiro que tinha, naqueles

tempos, os índices de desenvolvimento

inferiores aos mais pobres

países africanos.

Este ato de inauguração da primeira

grande usina hidrelétrica do

Nordeste, trouxe a Paulo Afonso,

além do presidente da República,

Café Filho, nordestino do Rio

Grande do Norte, que trabalhou

como jornalista durante a juventude

e entre 1918 e 1919 atuou como

o primeiro goleiro do Alecrim Futebol

Clube, sendo o único presidente

a já ter atuado como jogador

competitivo de futebol adulto.

Com o presidente Café Filho

vieram cerca de 250 pessoas, entre

ministros de Estado, governadores

do Nordeste, autoridades civis,

militares, eclesiásticas, muitos outros

brasileiros de outros estados e

estrangeiros para um evento que

ganhou as manchetes das grandes

publicações do Brasil e noticiário

no exterior.

O pioneiro chesfiano Luiz Fernando

Motta Nascimento, que foi

estudante na sala de aulas improvisada

em 1946, para receber os

filhos dos trabalhadores da Usina

Piloto, como seu pai, Mestre Alfredo,

e depois foi aluno das Escolas

Reunidas da Chesf e do Ginásio

Paulo Afonso, onde concluiu

este Curso Ginasial em 1958, ano

da emancipação política do município

de Paulo Afonso. Formado

em engenharia, Luiz Fernando foi

diretor de duas diretorias da Chesf:

a de Suprimento e a de Construção.

Hoje, chegando aos 85 anos

de idade – ele nasceu em Serrinha/

BA, em 30 de julho de 1939 - continua

pesquisando e escrevendo

sobre hidroenergia e a Chesf.

Em seus depoimentos para a

Memória da Eletricidade, em suas

palestras e no livro Paulo Afonso

– Luz e Força Movendo o Nordeste,

ele também traz relatos preciosos

sobre a história da Chesf e de

homens e mulheres pioneiros de

Paulo Afonso.

Ele lembra que nesse ato de 15

de janeiro de 1955, o presidente

Café Filho, ao lado do Presidente

da Chesf Antônio José Alves de

Souza, do Diretor Técnico Marcondes

Ferraz e de outros diretores

da Chesf, exatamente ao meio dia

inaugurava a Usina Paulo Afonso

I com apenas dois geradores.

Lembra também Luiz Fernando

que “Recife já recebia a energia

elétrica de Paulo Afonso desde o

dia primeiro de dezembro de 1954,

pois às 6 horas da manhã o Diretor

Técnico Marcondes Ferraz fez a

energização do primeiro alimentador,

enquanto que o velho amigo o

engenheiro da Chesf Geraldo Barreto

energizou o segundo”.

E acrescenta o ex-diretor da Chesf

que “esta data representa o início da

Redenção do Nordeste, assim como

o início da construção das grandes

hidrelétricas brasileiras.

A Usina de PA – I foi a primeira

hidrelétrica subterrânea das Américas,

sendo uma verdadeira escola

para a incipiente engenharia

brasileira”.

O grande pesquisador da história

da hidroenergia no Brasil conclui

afirmando: “Hoje registramos

com muita satisfação e orgulho a

participação dos pioneiros e seus

discípulos na construção das grandes

hidrelétricas do Brasil tais

como: Itaipu, Tucuruí, Belo Monte

e dentre outras”.

De fato, uma data como esta,

em outros tempos seria motivo de

grandes festejos, de intensa programação

festiva principalmente

em Paulo Afonso, berço da Chesf

ainda no final da década de 1940

e em todos os Estados nordestinos

onde a chegada da “luz de Paulo

Afonso” mudou radicalmente a

forma de vida desses brasileiros

sempre tratados com raça inferior,

infelizmente.

O evento me fez lembrar de

outra matéria que fiz sobre a importância

da Chesf para todo o

Nordeste brasileiro e agora, com a

interligação das linhas do sistema

elétrico, para todo o Brasil.

Nele, eu comentava o depoimento

de um grande engenheiro

da Chesf, José Antônio Feijó de

Melo, escritor, para o Jornal do

Commércio do Recife. Ali, ele,

há alguns anos atrás, ainda emocionado

disse da sua alegria de

dar de presente à sua mãe o primeiro

liquidificador, com a chegada

da energia elétrica de Paulo

Afonso e logo, encomendou uma

geladeira e teve que ficar na fila

de espera porque a corrida para

a compra de eletrodomésticos foi

intensa...

Antônio Feijó, no ano de 2004

publicou Chesf – Memórias, registros

e lembranças, um livro de

mais de 600 páginas, onde também

fala da importância da Chesf para

mudar a história do Nordeste.

Os dois grandes chesfianos,

historiadores, relatam momentos

importantes da história, das lutas,

dos grandes obstáculos encontrados

pelos técnicos, engenheiros,

operários da Chesf. Um dos maiores

deles, sem dúvida, foi o fechamento

do rio São Francisco para a

construção do Reservatório Delmiro

Gouveia.

Sobre isso, ouvi depoimentos de

pioneiros como o Sr. Miguel Correia,

conhecido como Seu Miguelzinho

que dizia: "Difícil foi cercar o rio", e

também de Euclides Ribeiro, assim

como do operador das Koerings, o

Sr. José Vitorino Diniz, que me disse

orgulhoso, "eu fui quem coloquei a

primeira carrada de pedras para fechar

o rio", quando lhe entrevistei

para o projeto Chá da Memória, realizado

pela Chesf, anos atrás.

Tenho a alegria de, um pouco

menos, bem menos que o Dr. Luiz

Fernando Motta, ter vivido grande

parte da história da Chesf, pois

cheguei em Paulo Afonso em 20

de novembro de 1954, menos de

dois meses antes desta inauguração

histórica e, no mesmo mês de

janeiro de 1955, quando aconteceu

essa grande festa da inauguração

da 1º Usina, meu pai começava

a trabalhar na Chesf, como gari.

Anos depois também eu e meu irmão

fomos chesfianos, com todo

orgulho. Meu irmão, ficou pouco

tempo e eu trabalhei na Chesf por

exatos 36 anos e seis meses.

Há dois anos atrás, no aniversário

dos 67 anos da inauguração

da Usina Paulo Afonso I as

muitas chuvas em Minas Gerais

e no Sul da Bahia trouxeram

grande cheia do rio São Francisco

e as cachoeiras de Paulo

Afonso, que foram a origem e a

razão de toda essa história e que

estavam sem águas desde o ano

de 2010 voltaram a deslumbrar

os nordestinos brasileiros e estrangeiros

que chegaram, embora

limitados pela pandemia do

Covid-19, para vê-la grandiosa

em sua majestosa imponência

que motivou até o Imperador

D. Pedro II, em 20 de outubro

de 1859, a mover-se da corte, no

Rio de Janeiro para visita-la e

lamentar que dela só pôde fazer

“desenhos imperfeitos”.

Mesmo sem o anúncio de grandes

comemorações nesta data,

registramos esse evento como da

maior importância e reafirmamos

o que temos dito em outros artigos

e em livros sobre a região.

O Nordeste brasileiro tem a sua

história claramente dividida em

dois grandes capítulos. O primeiro

é o do Nordeste miserável, sem

desenvolvimento, sem perspectivas

de futuro, sem energia elétrica.

Este era o Nordeste A/C – Antes

da Chesf. O segundo capítulo

é o Nordeste D/C – de Depois da

Chesf. Uma região rica, pujante

de grandes investimentos e de desenvolvimento

que tem superado

as expectativas mais otimistas. E

tudo começou com a instalação

da maior empresa da região, a

Companhia Hidro Elétrica do São

Francisco – Chesf em Paulo Afonso/BA,

onde foram construídas as

primeiras grandes usinas da Chesf.

Hoje, o Complexo Paulo Afonso

de Usinas da Chesf reúne as Usinas

Paulo Afonso 1, 2, 3 e 4 e a Usina

Apolônio Sales instaladas em Paulo

Afonso e a elas se juntam a Usina

Luiz Gonzaga, em Petrolândia/PE e a

Usina Hidrelétrica de Xingó, em Canindé

do São Francisco. Juntam têm a

capacidade de produzir mais de 85%

de toda a energia de fonte hidráulica

gerada pela Chesf, em grande maioria

nas águas do rio São Francisco.

Foi muito feliz o nordestino de

Exu/PE, Luiz Gonzaga e o médico Zé

Dantas, de Carnaíba, também no Estado

de Pernambuco, ao criarem a música

Paulo Afonso para homenagear a

grande empresa que inaugurava a sua

primeira Usina naquele ano de 1955,

com a música PAULO AFONSO.

=Delmiro deu a ideia

Apolônio aproveitou

Getúlio fez o decreto

E Dutra realizou

O presidente Café

A usina inaugurou

E graças a esse feito

De homens que têm valor

Meu Paulo Afonso foi sonho

Que já se concretizou

Olhando pra Paulo Afonso

Eu louvo nosso engenheiro

Louvo o nosso cassaco

Caboclo bom, verdadeiro

Oi! Vejo o Nordeste

Erguendo a bandeira

De ordem e progresso

A nação brasileira

Vejo a indústria gerando riqueza

Findando a seca

Salvando a pobreza

Ouco a usina feliz mensageira

Dizendo na força da cachoeira

O Brasil vai, o Brasil vai

O Brasil vai, o Brasil vai

Vai, vai, vai, vai, vai, vai


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A9

A história da inauguração desta

primeira usina hidrelétrica de Paulo

Afonso, só aconteceu pela garra

do trabalho dos nordestinos, os

“cassacos” que abriram túneis para

instalar as máquinas geradoras de

energia hidrelétricas a mais de 80

metros de profundidade dentro dos

enormes paredões de granito.

E tudo começou em 3 de outubro

de 1945, quando o visionário

Apolônio Jorge de Farias Sales,

nordestino de Altinho/PE, Engenheiro

Agrônomo, Ministro da

Agricultura do Presidente Getúlio

Vargas levou para o presidente assinar

os Decretos-Leis Nºs. 8.031,

criando a Companhia Hidro Elétrica

do São Francisco – CHESF

e 8.032, disponibilizando recursos

do tesouro nacional para as obras

desta empresa.

De fato, a ideia original do aproveitamento

da força das águas da

Cachoeira de Paulo Afonso para

gerar energia hidroelétrica é de

Delmiro Augusto da Cruz Gouveia,

cearense de Ipu, que criou, na

margem alagoana do rio São Francisco,

junto à Cachoeira de Paulo

Afonso, a sua Usina Angiquinho,

inaugurada em 1913.

32 anos depois, Apolônio Jorge

de Farias Sales levou a mesma

ideia de Delmiro Gouveia, muitas

vezes ampliada, para criar a Chesf.

Os Decretos-Leis levados por

Apolônio Sales foram assinados

pelo presidente Getúlio Vargas no

dia 3 de outubro de 1945, mas no

dia 29 de outubro daquele ano, o

Presidente Getúlio Vargas foi deposto.

Em Dezembro daquele ano,

o General Eurico Gaspar Dutra foi

eleito de forma indireta e os decretos

de criação da Chesf ficaram nas

gavetas do governo por um bom

tempo.

Pouco menos de dois anos depois

da assinatura desses Decretos-Leis,

em julho de 1947, o Presidente Dutra

e grande comitiva, ministros,

militares, governadores, visitam a

Cachoeira de Paulo Afonso e a visita

merece a cobertura jornalística

de várias páginas pela revista O

CRUZEIRO. E a grande reportagem

trazia como título: ENERGIA

PARA O NORDESTE.

Oito meses depois, em 15 de março

de 1948, o Presidente Dutra nomeia

e empossa a primeira diretoria

da Chesf formada pelos engenheiros

Antônio José Alves de Souza – Presidente;

Adozindo Magalhães de

Oliveira – Diretor Administrativo;

Octávio Marcondes Ferraz – Diretor

Técnico e Carlos Berenhauser Júnior

– Diretor Comercial.

Seguiu-se a intensa luta do homem

rude, sertanejo, contra os

paredões de granito, contra calor

intenso da caatinga, num ambiente

de trabalho insalubre, enfurnados

dentro dos túneis, como verdadeiros

cassacos, animais mamíferos

conhecidos como gambá, sariguê,

que têm como habitat natural buracos

na terra. O nome cassaco foi

dado aos trabalhadores que abriam

os túneis para a instalação da primeira

Usina Hidrelétrica da Chesf,

cujos geradores foram montados a

mais de 80 metros de profundidade.

Com esse nome também eram

chamados os trabalhadores de engenhos

de açúcar, das estradas de

ferro e até serventes de padarias.

Todo esse grande esforço, essa

energia sertaneja permitiu que em

15 de janeiro de 1955 fosse inaugurada

a Usina Paulo Afonso I. Começava

a redenção do Nordeste.

A produção desta 1ª grande usina

hidrelétrica do Nordeste dividiu a

opinião até de especialistas na área.

Uns acreditavam que a energia gerada

nesta Usina de Paulo Afonso

seria suficiente para atender a toda

a região até o ano 2000 enquanto

outros já defendiam que deveriam

ser construídas outras usinas.

Logo se viu que a segunda opção

seria a correta e novas usinas

foram planejadas para a região e,

como a primeira usina, também

subterrâneas.

Essa sequência de grandes obras

em Paulo Afonso trouxe também

para a região uma situação inusitada.

Era comum que quando da instalação

de uma obra em um lugar,

formar-se no entorno dessa obra

um grande povoamento. Mas, concluída

a obra, alguns anos depois,

o lugar se transformava rapidamente

em uma cidade deserta, com

casas abandonadas, destruídas aos

poucos.

Em Paulo Afonso e no seu entorno,

tudo aconteceu de forma

diferente. A grande sequência de

construção de usinas hidrelétricas

e grandes reservatórios ao longo

do rio São Francisco, especialmente

nessa Região dos Lagos do

São Francisco – entre Petrolândia/

PE e Piranhas/AL, fez com que os

trabalhadores de Paulo Afonso se

fixassem na região.

O Povoado Forquilha, que

quando a Chesf nele se instalou tinha

8 ou 10 casas espalhadas pela

Caatinga, o que levou os primeiros

engenheiros a ficarem morando

em Delmiro Gouveia, como informou

o Engenheiro pioneiro Bret

Cerqueira a este autor, três anos

depois da inauguração da Usina

Paulo Afonso 1, já se transformava

no município de Paulo Afonso que

já começava a sua história com

cerca de 25 mil habitantes e não

parou mais de crescer.

Assim como Paulo Afonso, vários

outros grandes municípios

foram criados na região, como

Delmiro Gouveia, Rodelas, Chorrochó

e outros, a partir da chegada

da Chesf na região.

Paulo Afonso caminha para os

seus 66 anos (em julho/2024) e

tem uma população de cerca 115

mil habitantes.

Quando a Chesf caminha para os

seus 76 anos de vida e está sob nova

direção, agora privatizada, não se

pode deixar de se olhar pelo retrovisor

e ver o quanto de importante

foi a sua presença nesta região.

A expectativa dos que aqui decidiram

viver é que, mesmo com os

grandes investimentos em outras

fontes de energia, continue a Chesf,

nessa região desenvolvendo projetos

de ampliação dos seus negócios,

talvez impulsionando com recursos

próprios ou através de empresas

terceirizadas o turismo de que é

detentora, em sua área de jurisdição

de excepcional atratividade,

reconhecido nacional e internacionalmente,

como as próprias usinas

hidrelétricas, quadro delas subterrâneas,

a cachoeira de Paulo Afonso,

que poderá vir a ser programada

sem nenhum desperdício de suas

águas que seguem para a Usina Hidrelétrica

de Xingó, o início cânion

de 65 quilômetros e sua própria

história de sucesso pelo trabalho

heróico dos pioneiros chesfianos,

“cassacos” que lhe deram vida.

A Usina Paulo Afonso 1, foi o início

de uma mudança radical em toda

a história do Nordeste do Brasil e os

pauloafonsinos, pioneiros, chesfianos

e seus dependentes sentem muito

orgulho de ter saído dos seus braços

sertanejos a verdadeira energia que

criou a Chesf que continua neste ano

de 2024 contribuindo muito para

o desenvolvimento desta região e

agora, com as linhas de transmissão

interligadas, a Usina PA 1 e todas as

outras são muito importantes para o

desenvolvimento do Brasil.

O começo de tudo, o início desta

redenção do Nordeste e maior

desenvolvimento do Brasil tem

data inesquecível: 15 de janeiro de

1955, há 69 anos, com a inauguração

da Usina de Paulo Afonso, a

primeira usina subterrânea da América

Latina, começo de um grande

complexo regional para a real RE-

DENÇÃO DO NORDESTE!

Usinas PA 1, 2 e 3 Usinas PA 1, 2, 3, 4 e Apolônio Sales Usina Luiz Gonzaga (Petrolândia/PE) Usina Hidrelétrica Xingó (Canindé São Francisco/SE)


A10

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

Posse dos novos conselheiros tutelares e CMDCA

no BTN marca uma nova era na garantia

de direitos de crianças e adolescentes

Mais um passo importante para

a garantia dos direitos das crianças

e adolescentes foi dado na manhã

da quarta-feira, 10 de janeiro de

2024, com a entrega do prédio do

Conselho Municipal dos Direitos

das Crianças e dos Adolescentes

(CMDCA) no Bairro Tancredo

Neves. O prefeito em exercício,

Marcondes Francisco, participou

da solenidade, junto com a secretária

de Desenvolvimento Social,

Cíntia Rosena e a presidente do

conselho, Alícia Martins, inaugurou

a nova sede e deu posse aos

novos conselheiros da ilha e do

BTN para o quadriênio 2024-2028

e aos seus suplentes.

Com a entrega deste novo espaço,

localizado na Rua Wilson

Pereira, os conselheiros que irão

atuar no Bairro passam a ter uma

estrutura ampla para a prestação

do serviço. A solenidade de posse

e diplomação aconteceu no

auditório do Sesc Ler e reuniu os

conselheiros, familiares, equipe

da Sedes, secretários municipais,

equipe do CMDCA, convidados e

autoridades políticas.

Em sua fala, Marcondes destacou

que a gestão municipal está à

disposição para continuar apoiando

e sendo uma grande parceria na

missão de proteger e garantir os direitos

das crianças e adolescentes.

“Com o conselho nessas duas localidades

estaremos garantindo uma

atenção melhor, maior e mais resolutiva.

Espero que cada um desses

conselheiros tenha o sentimento de

que essa é uma missão árdua, que

eles trabalhem com muito amor.

Estamos juntos para unir forças

para proteger as crianças e adolescentes

do nosso município”, falou.

Cíntia ressaltou a importância

da atuação dos conselheiros

e agradeceu ao trabalho dos que

deixavam os cargos e parabenizou

os novos empossados. “Hoje é um

dia muito importante porque estamos

dando posse aos novos Conselheiros.

Nós vivemos hoje uma

nova era, onde o conselho vai ter

sede no Bairro Tancredo Neves

e na Ilha. Eles irão trabalhar em

conjunto com a gestão e nós da Sedes

estaremos juntos dando todo

apoio. Agradeço o trabalho dos

que estão saindo e parabenizo os

que estão chegando”, ressaltou a

secretária.

O Conselho Tutelar é um órgão

encarregado de zelar pelos direitos

das crianças e adolescentes quando

ameaçados ou violados, de acordo

com o que determina o Estatuto da

Criança e Adolescente (ECA).

Para o novo conselheiro, Armando

Gomes, é importante ter

o prédio do conselho nas duas

localidades, porque irá abranger

o atendimento no sistema de garantia

de direito desse público. “A

população pode esperar um bom

atendimento, acolhimento e com

todos os direitos garantidos. Todos

nós estamos unidos para garantir

que funcione de forma ordenada

para que os direitos e a políticas

públicas das crianças e adolescentes

sejam efetivadas”, diz.

A Presidente do CMDCA, Alicia

Martins, reforçou que Paulo

Afonso está à frente de muitos

municípios baianos com a instauração

de um novo Conselho Tutelar

que vai sem dúvidas favorecer

e beneficiar a população do BTN.

“O Conselho Tutelar é de extrema

importância na articulação da própria

rede da proteção de crianças

e adolescentes porque ele age fazendo

encaminhamentos. Estamos

hoje vivendo um marco no nosso

município que é a inauguração do

Conselho Tutelar do BTN, o bairro

que é um complexo enorme e que

tem diversas demandas”, disse.

Na oportunidade ainda foram

entregues o diploma e o Título de

Amigos do CMDCA para as pessoas

parceiras que ajudam na promoção

dos direitos das crianças e

adolescentes.

Conselheiros Tutelares da Ilha:

Dayse Maria de Queiroz Ferino

Tatiane Araújo Chaves

Lucicleide Coelho da Silva

Rodrigues

Vilne Jean Oliveira Santos

Ana Telma Bezerra da Silva

Suplentes da Ilha:

Klécia Patrícia

Luciana Bandeira

Sarah de Sá Santos

Carla Geová Lopes

Conselho Tutelar

Bairro Tancredo Neves:

Jelson Barbosa da Silva

Armando Gomes da Silva Junior

Sebastiana Selma Soares dos

Santos

Suplente do BTN:

Leila Rísia Soares Bezerra

Ex-colegas do antigo CIEPA promovem o 4º encontro da turma

4º Encontro dos amigos ciepenses. Em pé: Ericson, Antônio Augusto (Toca), Jean, Clécio, Gilsomar,

Josair e Ernesto.

Agachados: Augusto Leonardo, Flávio Lima, Érico e Ednilson Lima (Chumbo).

A quadra do CETEPI - Centro

Territorial de Educação Profissional

Itaparica, em Paulo Afonso/BA, foi

palco do 4º Encontro de ex-colegas

do Centro Integrado de Educação

de Paulo Afonso – CIEPA.

O evento, ocorrido em 26/dezembro

próximo passado, contou

com descontraídas partidas de futsal,

recheadas de muita disposição

e diversão dos atletas cinquentões.

Após o futebol, os amigos se

deslocaram até o centro da cidade,

onde completaram as comemorações

com comes, bebes e muitas

histórias dos tempos áureos no antigo

CIEPA.

O que parecia ser apenas mais

um encontro de amigos, teve dessa

vez um significado mais que especial

para os saudosos ex-alunos

dos anos 80: A prática esportiva no

mesmo local frequentado há mais

de 30 anos por aqueles jovens garotos

do primário, ginásio e segundo

grau, hoje chamados de ensinos

fundamental e médio.

Hoje, toda modernizada, com

novo piso, grades e cobertura, o

local não conseguiu apagar as memórias

recorrentes da velha quadra

de cimento queimado, toda rachada

e exposta ao sol e chuva, onde

os “moleques” serelepes aproveitavam

os minutos contados de intervalo,

as atividades de Educação

Física, para brincar de bola (muitas

vezes até sem ter bola), de fardas

e com sol a pino.

Protetor solar? Tênis de futsal?

Hidratação adequada? Que

nada! Eram jovens raízes a desafiar

a razão em troca da hiperatividade

saudável e feliz da época.

Destaque-se: Sem celulares,

sem redes sociais, sem filtros.

Tudo no mundo real e de forma

presencial.

É mister lembrar dos amigos que

não estão mais neste plano, a exemplo

de Wagner, Cristiano, José Heleno

e Sérgio, os quais seguem fazendo

parte dessa turma maravilhosa e

de seus momentos inesquecíveis.

Encontros anteriores foram realizados

pela mesma turma em novembro/2021,

janeiro/2022 e agosto/2023,

todos com muito futebol,

cerveja, emoção e diversão de sobra.

Érico Israel

2º Encontro dos amigos ciepenses no dia 09 de janeiro de 2022. Em pé: Dilson, Jean, Flávio Lima e

Saulo. Agachados: Gilsomar, Chumbo e Léo.

Fica aqui o agradecimento ao professor

Edson Barreto, que intermediou

o contato dos organizadores com a Direção

do CETEPI, e ao Sr. Wallace Ribeiro,

Diretor da Instituição, o qual

cedeu gentilmente o espaço para a

realização do memorável encontro.

1º Encontro dos ex-alunos do antigo CIEPA no dia 14 de novembro de 2021. 3º Encontro da turma realizado no dia 27/08/2023 no campo society do CETEPI (antigo CIEPA)


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A11

Sebastião Leandro de Morais celebrando a vida aos 82 anos

Quem começou o ano de 2024

celebrando a Vida foi Sebastião

Leandro de Morais, paraibano que

nasceu na Serra das Queimadas em

3 de janeiro de 1942, filho Zé Paizinho

e Dercília Cordeiro de Morais

e foi batizado em Monteiro.

Lá na Serra das Queimadas

Foi aonde ele nasceu

Obedecendo aos seus pais

Poucos anos ali conviveu

Deixando seu pé de serra

Veio morar em outra terra

Usando o que Deus lhe deu.

É um dos pioneiros de Paulo

Afonso aonde chegou, ainda pequeno,

acompa¬nhando os pais,

comerciantes dos primeiros tempos

de Paulo Afonso.

Tem sido citado constantemente

por escritores e produtores culturais

como apoiador das artes, especialmente

da literatura.

Frequentemente tem aberto os

Supermercados Suprave para o

lança¬mento, exposição e venda

de livros, revistas, em apoio a

muitos escrito¬res pauloafonsinos,

vários deles membros da Academia

de Letras de Paulo Afonso

– ALPA, onde ele também foi

recebido, em Dezembro de 2017,

como Membro Honorário, imortal

da ALPA, como homenagem e

em reco¬nhecimento pelo seu trabalho

em benefício da cultura e a

cultura literária em Paulo Afonso.

Nos seus aniversários e no Natal

ali sempre esteve o Coral Chesf de

Paulo Afonso, regido por Sandro

Rogério, cantando músicas em sua

homenagem.

Talvez pelas suas origens sertanejas

sempre gostou muito de ver

os poetas sertanejos, repentistas.

Nas cantorias e festivais de violeiros

ele ali estava, lá atrás, discreto

ouvindo e aplaudindo. Muito

incentivou o jovem repentista Rafael

Neto, neto de Poeta de Cristo

que estudou no Colégio Carlina, é

membro da Academia de Letras de

Paulo Afonso e hoje, casado, mora

no Piauí. De Sebastião, ele recebeu

a primeira viola.

O hoje empresário Sebastião

Leandro de Morais cresceu de

forma simples e pobre em Paulo

Afonso, onde estudou e trabalhou

muito, em várias atividades.

Estudou no Murilo Braga

E na Escola Adozindo

Foi Escoteiro de Abel

Em tudo foi bom menino

No Ginásio estudou

E para todos mostrou

A força do seu destino.

Como afirmaram os poetas no

cordel sobre sua vida, Sebastião

guarda lembranças valiosos do

seu tempo de Escoteiro do Chefe

Abel. A foto acima fiz em uma

das muitas visitas que fizemos

ao pioneiro da emancipação política,

Abel Barbosa quando estava

escrevendo a sua biografia

ABEL BARBOSA - O inventor

de Paulo Afonso, infelizmente

somente lançada após a sua morte.

Coube a Sebastião Leandro de

Morais, por justiça, fazer o prefácio

desse livro a que deu o título

de Memórias de um pioneiro.

Sebastião estudou no Ginásio

Paulo Afonso por pouco tempo.

Fez-se autodidata. Quando adolescente

já trabalhava buscando conseguir

o seu dinheirinho. Levava lenha

para as padarias e transportava

água em galões do Chafariz 2, que

era localizado na Praça Bráulio Gomes,

construída na gestão de Metódio

Magalhães e conhecida como

Praça dos Sete Dias, para a Sorveteria

Sergipana, do Mestre Brito,

onde hoje é a Casa da Cultura.

Lembrando da sua infância

Vendo o seu nome da tela

Para os outros pode ser feio

Pra ele é perfeita e bela

Veja o seu primeiro ensaio

Vendendo pão num balaio

Pelas ruas da favela.

Levou boa parte da juventude

com um balaio na cabeça vendendo

pães da Padaria União de seu

pai, instalada na Rua da Palha. Foi

também feirante da feira livre que

existia no entorno do mercado público

construído pela Chesf onde

hoje é a UNEB, em frente ao Clube

Operário de Paulo Afonso.

Também trabalhou muito para a

Igreja Católica, transportando pedras

para construções, no tempo

do Padre Mário Zanetta que depois

foi sagrado como o terceiro bispo

da Diocese de Paulo Afonso.

Foi carteiro eficiente dos Correios

em Paulo Afonso.

Depois de servir ao exército

Ele encontrou outros meios

Testemunhou muitos feitos

Traçando de meio a meios

A vida não foi menos dura

Pra mim foi uma bravura

Antes dele ser dos correios.

Dos investimentos que foi fazendo,

como a compra de um caminhão,

com o irmão, com um

empréstimo do Banco da Bahia,

“trabalhando pra Sacol, carregando

areia e barro e prestando

serviço á CHESF, Sebastião da

ração”, ao longo da caminhada,

fundou o Supermercado Suprave.

Não é novidade hoje encontrar

o octogenário Sebastião Leandro

de Morais no Supermercado Suprave

ajudando os idosos como ele

levando suas sacolas de compras

até os carros. Talvez por gestos

simples assim que ele já recebeu

o Prêmio Destaque do Sertão em

todos os anos, desde que o projeto

criado e dirigido por Derinho

Oliveira foi criado, há mais de 20

anos.

Aos 82 anos de vida continua

sendo o irrequieto jovem paraibano

que não consegue ficar parado.

Um amigo comum o descreveu

assim:

-“Esse Sebastião não para. O

sobrenome desse homem devia

ser Sebastião Trabalho...”

No cordel que o Poeta de Cristo

e seu neto Rafael fizeram sobre

sua vida foi acrescentado um pequeno

texto em prosa que é uma

mensagem de Sebastião Leandro

de Morais aos jovens.

Palavras aos jovens

“O Brasil não pode prescindir

da ajuda de sua juventude. Um

jovem cético é como se estivesse

morto para si e para a sociedade;

um homem envelhecido por uma

juventude apática logo atinge uma

velhice pessimista, pois somente

aquele que povoou de ideias a sua

juventude e soube servi-lo com fé

entusiasta atinge a idade provecta,

sem envelhecer.

É evidente que não basta

ser jovem na idade para

ser entusiasta.

Mas só a juventude

mental possui a plasticidade

para abarcar

o panorama da vida e a

força elástica para vencer

as resistências ancestrais

de uma comunidade.

A juventude que

descrê de seu

país, descrê de

sua capacidade

de trabalho

e de sua

inteligência.

É uma negação

de si

mesma.”

Em um dos livros que organizei

para a Academia de Letras de

Paulo Afonso tive a oportunidade

de prestar uma homenagem àqueles

membros desta Academia que

já estão vivendo nesse temos de

mais de 80 anos e entre eles está

Sebastião Leandro de Morais que

completou nesse dia 3 de janeiro,

82 anos.

No grupo de WhatsApp da

ALPA foram muitas mensagens de

regozijo por mais um aniversário

deste sertanejo também homenagem

por esta Academia de Letras

como Membro Honorário e, certamente

foram muitos os abraços e

os votos felicitações com a pedidos

de oração para que ele fique entre

nós por muitos mais anos para que

continuemos nos alegrando na sua

companhia.

Abraçamos daqui e de perto

este Cidadão que nasceu na Serra

das Queimadas, foi registrado

em Monteiro, na Paraíba, mas

foi homenageado pela Câmara

Municipal de Paulo Afonso com

o título de Cidadão de Paulo

Afonso pelos muitos e louváveis

serviços.

A esse apoiador da cultura de

Paulo Afonso, e do jornal Folha

Sertaneja desde a sua criação, há

20 anos atrás, o nosso maior reconhecimento

e aplauso.


A12

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

Professor Galdino, celebrando a Vida

aos 76 anos. É tempo de agradecer!

O livro de Eclesiastes, na Bíblia

Sagrada dos cristãos, diz no

seu capítulo 3, versículo 1, que

“Tudo tem o seu tempo determinado,

e há tempo para todo o

propósito debaixo do céu”.

Chegando ao fim o dia 18 de janeiro

de 2024, para mim, é chegado

o TEMPO DE AGRADECER:

Em 18 de janeiro de 2024, o

calendário da minha caminhada

cravou 76 anos de vida.

Interessante é que, nesse meu

dia de aniversário de 76 anos,

ainda cedo fui invadido por cenas

que sempre voltavam à minha

mente: o momento da defesa do

meu Mestrado em Portugal, no

dia 25 de novembro de 2005, há

mais de 18 anos. Talvez pela carga

de emoção que ele me trouxe,

por me sentir (sem ser) representante

de Paulo Afonso na terra

mãe do Brasil.

O fato é que a lembrança daquele

dia, intenso e cheio de esperanças

me envolveu, de forma

inexplicável todo esse dia. Resolvi

então ilustrar esse momento

de gratidão pelos 76 anos com

imagem daquele inesquecível e

histórico momento, quando um

sertanejo de Zabelê/Paraíba, morador

e cidadão de Paulo Afonso

tem a ousadia, sem nenhum

apoio oficial, de defender as belezas

desse lugar e ainda merecer

aplausos e elogios de estrangeiros

e dos colegas brasileiros que

ali estavam.

Isso talvez tenha sido a maior

de todas as emoções pelo crescimento

pessoal que tenha tido...

Registro feito e ilustrado, falemos

das alegrias desta celebração

da vida, aos 76 anos de idade.

Para chegar até aqui reconheço

ter isso acontecido pela graça e

misericórdia de Deus, que me deu

nova vida em pelo menos dois

graves momentos em que passei

por intervenções cirúrgicas de

elevado risco, em 2015 e em fevereiro

de 2023

Nesse dia de aniversário tive a

alegria de receber muitas mensagens

de colegas da ALPA, de amigos

e pessoas outras pelas redes

sociais, WhatsApp, Instagram, Facebook,

por telefone, o que me fez

sentir novamente muito agradecido

a Deus, pela sensibilidade destas

pessoas, o que me tocou bastante.

Aprendi nessas muitas décadas

de caminhada, que cada um presta

contas a Deus dos seus próprios

atos. Também aprendi o valor da

Gratidão e tenho procurado ser

agradecido. Tenho caminhado na

direção do futuro, semeando sementes

do bem para que, lá adiante,

elas possam dar frutos sadios e bons

para alimentar as novas gerações. E

hoje, lembrei de um poema de Cora

Coralina onde ela escreveu:

O que vale na vida

não é o ponto de partida

e sim a caminhada.

Caminhando e semeando,

no fim, terás o que colher.

Faz um tempo que li e há pouco

reli Aliviando a Bagagem, de

Max Lucado onde ele nos ensina

como não precisamos levar tantas

cargas pela vida.

Esse tema também mereceu a atenção

de Cora Coralina quando disse:

“Fechei os olhos e pedi um favor

ao vento:

Leve tudo que for desnecessário.

Ando cansada de bagagens pesadas...

Daqui para a frente levo apenas

O que couber no bolso e no coração.

E essa mulher, que se chamava

Anna Lins dos Guimarães Peixoto

Bretas e usava o pseudônimo de

Cora Coralina, foi uma poetisa e

contista brasileira. Considerada

uma das mais importantes escritoras

brasileiras que teve seu primeiro

livro publicado em junho de

1965, quando já tinha quase 76

anos de idade, apesar de escrever

seus versos desde a adolescência.

Com esse pensamento de leveza

e gratidão, alcancei a marca dos 76

anos e tive um dia belíssimo, de muitas

mensagens de apreço, afagos no

coração desse caminheiro ainda um

tanto cansado pelas muitas bagagens

carregadas ao longo da caminhada...

Ainda no dia 17/01 o querido

amigo Edson Mendes já me antecipa

seu abraço de parabéns numa

chamada de vídeo do Recife.

E, no dia 18, recebo uma poesia

de Aníbal, um texto poético

de Isac e muitas outras dezenas de

mensagens. De um simples Parabéns

a outras com palavras profundas

de bem querer...

Ao celebrar essa idade, no

aconchego da família e semeando

palavras de gratidão por onde passo,

lembrei de um encontro com

um senhor evangélico já idoso,

que não via há um bom tempo e

nos encontramos há uns anos atrás

em uma clínica médica e ele, me

cumprimentou feliz e perguntou:

- Mas que bom vê-lo e o irmão

está bem! Está com quantos anos?

Eu lembrei que há uma citação

bíblica que diz que “A duração da

nossa vida é de setenta anos, e se

alguns, pela sua robustez, chegam

a oitenta anos, o melhor deles é

canseira e enfado”. (Sl.90:10) Eu

citei esse versículo e lhe respondi.

- Estou com 73. Já estou no lucro!

O irmãozinho muito sério me

disse:

- Nunca diga isso, meu irmão.

O irmão está na graça, pelas bênçãos

de Deus em sua vida.

Nunca mais esqueci dessa lição.

De fato, a simplicidade daquele senhor

me fez entender que foi pela

graça e misericórdia de Deus que

saí de delicada situação depois de

sepsemia que me deixou mais de

20 dias em um hospital do Recife,

seis deles em UTI, em 2015 e, em

fevereiro de 2023, infartado, recebi

de forma emergencial 4 stents

em coronárias...

Assim, chegar aos 76 é momento

de gratidão, a Deus, por essa

graça e misericórdia, aos familiares,

pelos cuidados, esposa Maria

de Lourdes, (53 anos de casados),

filhas, netos, irmãs de Paulo Afonso,

Juazeiro/BA, Minas Gerais...a

todos os demais familiares e aos

muitos que me trazem o carinho

de muitas mensagens que são um

afago... É tempo de agradecer...

A minha palavra é de gratidão

a quem, de forma simples e direto

ao ponto, pelo pulsar real do seu

coração ou não, para quem disse

Parabéns e para quem foi mais extenso

em sua mensagem. Todos,

igualmente, me sensibilizaram, me

emocionaram, me fizeram feliz...

A gratidão é também para aqueles

que ajustaram as palavras em textos

em prosa de pura poesia cheios de

versos brancos que remetem às minhas

origens na pequena Zabelê, na

Paraíba ou quem, em poemas de

matizes coloridas decidiram contar a

minha história de menino que se fez

homem nestas terras pauloafonsinas

onde vivo há mais de 69 anos...

Também aqueles que tomaram

emprestadas canções lindas para me

homenagear e outros que se utilizaram

de imagens, figuras simbólicas,

são merecedores da minha Gratidão.

18 de janeiro de 2024 foi realmente

um dia intenso. De muitas

mensagens da família, de ex-alunos,

colegas da ALPA, do prefeito e de

candidatos, de vereadores e gente

dos tempos da Chesf, dos colégios...

A estes todos, com a vivência

destas muitas décadas de vida,

desejo que continuem sonhando

bem alto, muito além do que a

vista alcança, sonhos altos como

os das águas, sábias, que voam

acima das tempestades... e que

continuem espalhando sementes

do bem, para que seus frutos possam

alimentar as gerações futuras.

Muito, muito, muito obrigado

a todos e a cada um que teve um

tempo, por pequeno que tenha sido,

para compartilhar comigo o seu

abraço e receber o meu de volta.

Para todos, ao agradecer por esse

dia especial, quero dedicar esta canção

de uma paraibana, (Vejam o vídeo

abaixo) já cantada por muitos

como o Padre Fábio de Melo, que eu

já conhecia e recebi hoje. Também

deixo esses versos de Cora Coralina

citados acima e recomendo, especialmente

para os que andam sobrecarregados

do peso de muitas bagagens,

que leiam o livro Aliviando a

Bagagem (e outros) de Max Lucado

(que recebi de minha filha Patrícia

no meu aniversário de 2005).

Porque nós nascemos a cada

novo amanhecer.

Assim, que todos possam sentir

e viver intensamente, um novo

tempo de caminhada na direção

do futuro de suas vidas, a cada

novo amanhecer.

Seduc promove Curso de Libras em parceria com o Rotary Club

ações educacionais positivas visando

a melhoria do ensino e da

aprendizagem, bem como busca

promover ações que estimulem a

cidadania.

“Agradecemos ao Rotary

local por tão nobre

parceria que dignifica

novos horizontes na

educação especial”, diz

a secretária Municipal

de Educação, Elza Brito.

(Ascom/PMPA)

“No Rotary, entendemos que

o cultivo de uma cultura diversificada,

equitativa e inclusiva é

essencial para concretizarmos a

nossa visão de um mundo onde as

pessoas se unem e entram em ação

para causar mudanças duradouras.

Nesse sentido, com foco na inclusão,

solicitamos à Seduc para

realizar um curso de Libras.

O curso foi realizado com certificação.

Os Rotarianos participaram

no curso e tivemos grande

aceitação no âmbito municipal”.

A Secretaria Municipal de

Educação, em parceria com o

Rotary Club de Paulo Afonso,

promoveu o Curso Introdutório

de Língua Brasileira de Sinais

- Libras, explorando o tema

“Mãos que acolhem, comunicam

e constroem”.

A formação teve o propósito

de subsidiar profissionais da educação

e de outras áreas a conhecerem

essa tão importante língua

para melhor auxiliar pessoas da

comunidade surda.

A gestão municipal está sempre

empenhada em desenvolver

Em mensagem de WhatsApp

enviada ao editor deste site, a

presidente do Rotary Club Paulo

Afonso, Simone Lunguinho, fala

de sua satisfação de ver pessoas

desse Clube de Serviço, participante

deste Curso de Libras.


Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A13

Dificulidades: a língua portuguesa do Juá

Edson Mendes

Padrinho João me repreendeu,

áspero: “Vóliti!”. E em seguida:

“sálivi!”.

Titubeei, mas logo compreendi.

Depois de subir a calçada, um

grande esforço para meus 6 anos,

e vendo, da ponta dos pés, que ele

estava na sala, sentado na cadeira

de balanço, empurrei a porta e

cometi o pecado de pedir a bença

sem fazer a necessária salva, ou

saudação. Voltei, então, rápido,

de costas, fechei a porta, pus-me

novamente empertigado e juntos

cumprimos o velho ritual:

- Louvado seja Nosso Senhor

Jesus Cristo.

- Para sempre seja louvado!

- A bença, Padinho João.

- Deus abençoi.

Como eu morava na cidade, comecei

desde pequeno a me achar

“civilizado”, uma vez que não falava

”errado”, como meus primos

e parentes do Juá. Sem falar da

experiência que tive com o Mestre

Gervásio, quando, no primeiro dia

de aula, ele me mandou que entrasse

e fechasse a “posta”!

Para mim foi um assombro.

Como era possível um professor

falar posta em vez de porta? Fora

posto a estudar o “abc” no Nambebé,

em companhia de Bola e Dão,

filhos de seu Cazuza, nosso “morador”.

Já no dia seguinte estávamos,

os três, a passar o tempo das aulas

na estrada, comendo araticuns e

atirando pedras nos passarinhos,

costume esse que não chegou a se

consolidar, pois meu pai logo o extinguiu

com algumas chineladas.

Voltei então à cidade, como agregado

na casa de dona Raimunda,

prima de minha mãe.

Hoje me detenho, vez por outra,

a saborear o linguajar matuto,

o dialeto sertanejo, a fala do meu

povo a trazer de volta os tempos da

infância descompromissada e feliz

– que não voltam mais.

A ideia de que há uma ciência

na voz do Juá só me chegou à

consciência muito depois, quando

li que “dialeto é a variante regional

de uma língua” (Darmesteter).

Aldo Bizzocchi diz que “língua

é um sistema de comunicação formado

de sons vocais (fonemas),

que se agrupam para formar unidades

dotadas de significado (morfemas),

que se agrupam para formar

palavras, que se agrupam para formar

frases, que se agrupam para

formar textos”.

E aí se misturam a língua, o dialeto,

o território, a história, a geografia

e a gramática, constituindo-

-se afinal, da minha lembrança

infantil, a explicação do adulto: há

o Brasil, mas há também o sertão

brasileiro, o grande sertão nordestino

de Zé Lins do Rego, de Graciliano

Ramos, de Franklin Távora,

de Raimundo Reis, de Ulisses Lins

de Albuquerque, de Ascenso Ferreira,

de Jorge de Lima, de Euclides

da Cunha.

E há, por fim, o meu sertão particular,

o grande sertão do Juá, e

sua periferia: Nambebé, Brejo do

Burgo, Várzea, São José, Caiçara,

Campos Novos, Pocinhos, Macururé,

Uauá, Gloria, Jeremoabo,

Paulo Afonso...

E é nesse pedaço do meu sertão

particular que insiro a explicação

de Gilberto Freyre: “É a massa,

o povo, a província, a região, a

aldeia, o próprio analfabeto que

dá força aos idiomas, que lhes dá

viço, saúde, turbulência, diversidade,

tudo que na língua se opõe

aos excessos de graça ou de arte

de estilo, de uniformização de pronúncia”

(...).

Diz Durval Muniz de Albuquerque

Jr, citando Mário Marroquim,

que, “devido à extensão territorial

do país e ao contato com diferentes

grupos étnicos e linguísticos, a língua

portuguesa teria se segmentado

em línguas regionais, em torno

dos diferentes núcleos de povoamento

e colonização”.

Ora, pode-se deduzir que nos diferentes

núcleos do interior do país

a língua portuguesa se estabilizou

em suas formas arcaicas, imunes à

oxigenação e às mudanças que poderiam

advir por conta de migrações

“estrangeiras”. O Juá de minha

infância, portanto, não falava

“errado”, necessariamente – isolado,

distante, com imensas dificuldades

de locomoção e interação

social, falava também o português

original de sua formação, com derivações

a partir da contribuição

africana e indígena, naturalmente

modificado e acrescido de novas

pronuncias advindas dessa circunstância

endógena.

Assim é que, desse português

arcaico, aos meus ouvidos soavam

estranhamente alguns vocábulos

que me pareciam esdrúxulos: amenhã,

coidado, fruita, loita, causo,

apôis, deferença, dispois, dereito,

premêro, entonce, saluço, reinar,

punir (defender alguém)...

Hoje, é claro, com as estradas

e os meios de comunicação de

massa, tudo vai mudando... O Juá

tem água encanada, energia elétrica,

televisão, internet, postos de

saúde, escolas, transportes, igrejas,

restaurantes, comércio; mas tem

também barulho, lixo, poluição,

crimes, violência – e aos poucos a

linguagem antiga vem se restringindo,

sem fôlego suficiente para

resistir aos novos dialetos da modernidade...

Mas continuamos todos por

aqui com o nosso “falar nordestino”,

de pronuncia demorada,

arrastada. Falamos cantando,

como dizem os filólogos. Trocamos

o “e” pelo “i” (di manhã, di

tarde), e o “l” pelo “r” (sordado/

soldado). Engolimos os “s” e os

“r” finais (vamu/vamos; comê/comer).

E anasalamos a pronuncia

com a presença de um “m” ou “n”

posterior (ingnorante, inlustre).

A “classe educada” diz mubilha,

familha; o povo diz mubia, famia.

E ólho e ólio são corruptelas

de óleo... Cultos e incultos pronunciam,

indistintamente: quejo,

bandera, brasilera, mantega,

bejo, fejão, pexe...

Concluo aqui lembrando

meu Tio Joaquim a dizer sóli,

doutôri, sáli, acrescentando

um “ï” aos “l” ou “r” finais

(sol, doutor, sal), como era

praxe. E quando me chamava

de malino, eu gostava! Depois

descobri que ele suprimia um

“g” (maligno)...

Uma pérola guardada desde

agosto de 2017 –

Bom dia, Edson Mendes,

cidadão do Juá. Rapaz essa

sim, uma pérola que qualquer

filólogo, gostaria de ter

para enriquecer a sua aula,

seu conhecimento sobre os

muitos falares desse nosso

rico Brasil. O melhor de tudo

isso é que estas pérolas da tua

e da minha infância, ainda

podem ser encontradas por

aqui, pertinho de nós, com

uma força linguística e uma

poesia que deixa os que acham

que são “sabidos”, porque

E ainda esta homenagem final:

quando diziam Baxa do Chico,

Baxa Grande, Baxa da Égua, meus

iletrados tios e primos não estavam

falando errado, como eu supunha.

Apenas seguiam, ali no Juá, no

Raso da Catarina, o exemplo culto

e castiço do vate português:

Logo os Dalmatas vivem; e no seio

Onde Antenor já muros levantou,

A soberba leveza está no meio

Das águas, que tão baxa começou.

Lusíadas, III, 24

Fontes:

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de.

A Invenção do Nordeste e outras artes.

Recife: FJN, Ed. Massangana; São Paulo:

Cortez, 1999

MARROQUIM, Mário. A Língua do Nordeste.

Pernambuco e Alagoas. Maceió:

EDUFAL, 2008

REIS, Roberto Ricardo do Amaral. Paulo

Afonso e o Sertão Baiano: Sua Geografia

e Seu Povo. Paulo Afonso: Editora Fonte

Viva, 2004

31/08/2017

edsonmal@uol.com.br

(81) 98105-1952

frequentaram as universidades,

envergonhados com essa

sabedoria das raízes sertanejas,

de quem nunca foi numa

escola e que, assim, de forma

simples e direta, se comunicam

sem a menor "dificulidade".

Pra você, que nos mostra

estas coisas maravilhosas

de que parecemos, nós,

os pseudo-sábios, ignorar

quando, na verdade, devíamos

estar era envergonhados por

não aplaudir tanta riqueza.

Parabéns, Edson Mendes,

filho de D. Rita e de Seu Pedro

Mendes!!!

Reunião entre Seagri e Sebrae alinha

estrutura e logística do Festival do Mel,

que será lançado no mês de abril

Em 26 de janeiro, com o objetivo

de fomentar a produção de mel

e a cajucultura no município, a

Secretaria de Agricultura inicia o

alinhamento para a realização do

Festival do Mel, que acontecerá

no Parque de Exposição Djalma

Wanderley.

Para realizar o evento, o

secretário Geraldo Carvalho

esteve reunido com os representantes

do Sebrae. “Foi uma

reunião preparatória para esse

evento que iremos realizar no

Parque de Exposição, que é o

Festival do Mel, em parceria

com o Sebrae, Senar e a iniciativa

privada, onde fomentaremos

a cajucultura com uma

empresa de Fortaleza, com

iniciativa privada e também

fomentar a produção do mel”,

explicou Geraldo.

De acordo com o secretário,

será realizada uma reunião com

os secretários de agricultura

de outros municípios, Sebrae,

BNB, Uneb, Senar e Codevasf

para discutir sobre o festival.

Mais desenvolvimento econômico

para a área rural: produção de caju,

castanha e mel será adquirida por

empresas de beneficiamento

Duas importantes

reuniões foram realizadas

pela Seagri de Paulo

Afonso, com foco na

produção de caju, castanha

e mel. Uma no

dia 16 e outra em 26 de

janeiro.

Na reunião de 16 de

janeiro a Secretaria de

Agricultura e Aquicultura

(Seagri) mostrou

que tem o objetivo de

proporcionar mais desenvolvimento

econômico para o homem do campo.

Dessa vez será com a produção

de caju, castanha e mel, que será adquirida

por duas empresas de beneficiamento

das culturas.

A ação foi reforçada durante reunião

do secretário de Agricultura

e Aquicultura, Geraldo Carvalho,

com as equipes de duas empresas

pioneiras no beneficiamento. As

empresas estão comprometidas em

adquirir a produção desses produtos,

com investimentos projetados para

gerar cerca de R$60 milhões por ano

em faturamento com a produção de

Paulo Afonso, Jeremoabo e Glória.

A atividade garantirá crescimento

econômico para os produtores

de Paulo Afonso e região e

todos os produtos contarão com

o recém criado selo de qualidade

“Raso da Catarina”.

Durante o encontro, Geraldo

informou que no final de fevereiro

será realizado um evento

que reunirá os segmentos de mel

e agricultura. “Será uma oportunidade

única para os produtores

conhecerem mais sobre essa

parceria, geradora de emprego

e renda, além de valorizar o homem

do campo. Em breve estaremos

informando mais sobre o

evento”, diz Geraldo.


A14

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

Floresta/PE, viveu uma noite inesquecível de cultura e arte

com a posse dos membros da ABRAES

Gilmar Teixeira e Luma Oliveira, de Paulo Afonso, também foram empossados

FLORESTA/PE – 05/01/2024

- Para os que não conhecem os

costumes da região, havia um

movimento estranho nas ruas centenárias

de Floresta do Navio, na

tarde/noite do dia 5 de janeiro de

2024, véspera dos festejos tradicionais

do Dia de Reis. Mas não

era esta festa que se comemorava

embora pelas ruas da cidade, entre

os tamarineiros, estivessem muitos

vaqueiros em seus trajes regionais

e ainda os índios da etnia Pipikã

e os membros da Irmandade do

Rosário dos Pretos, instituição de

quilombolas de Floresta.

Em frente e dentro da Câmara

Municipal de Floresta, o motivo

desse agito em Floresta, neste dia

5 de janeiro do ano bissexto de

2024 era outro.

E ali, na Câmara dos Vereadores,

estudiosos da cultura regional,

escritores, poetas, pesquisadores,

historiadores reuniam-se, ao lado

e sob os aplausos da população,

autoridades municipais para serem

empossados na Academia Brasileira

de Estudos do Sertão Nordestino

– ABRAES.

Algo que também chamou a

atenção dos que não conheciam a

fundo as raízes culturais de Floresta

cuja formação administrada

como o Distrito de Floresta por

alvará, data de 11-09-1802 mas

a história da região remete ao

ano de 1777 quando José Pereira

Maciel mandou construir, em sua

propriedade, um oratório privado,

dedicado ao Senhor Bom Jesus

dos Aflitos.

Ali, esses estudiosos da região

estavam sendo empossados como

membros da ABRAES por aqueles

que são as primeiras raízes

desse lugar, os vaqueiros, índios e

quilombolas, para que eles, nessa

Academia, se dediquem a estudar

mais e mais sobre as muitas histórias

talvez ainda encobertas pela

poeira dos séculos.

Gilmar Teixeira e Luma Oliveira

pauloafonsinos empossados na ABRAES

A natural expectativa que envolvia

os florestanos e os muitos

dos acadêmicos da ABRAES que

chegavam a esta cidade sertaneja

e esperavam a hora de sua posse

nesta Academia de Estudos do Sertão

Nordestino também alcançava

os pauloafonsinos Gilmar Teixeira

Santos, membro fundador da Academia

de Letras de Paulo Afonso

e Lúcia Maria de Souza Holanda,

conhecida como Luma Holanda,

Geógrafa, que se preparavam para

viajar para Floresta, acompanhados

pela também acadêmica da ALPA,

Lúcia Teixeira, irmã de Gilmar.

Embora de João Pessoa, Luma Oliveira

é membro de família pioneira

de Paulo Afonso. Gilmar Teixeira,

nasceu em Glória de onde Paulo

Afonso se emancipou há 65 anos

e onde ele vive desde criança. Ele

tem formação em Teologia e História

e pós-graduação em Museologia

e Patrimônio Cultural.

Ao retornar a Paulo Afonso era

grande a alegria destes pauloafonsinos

e não mediam elogios para falar

da carinhosa receptividade dos florestanos,

do agradável encontro com

os outros acadêmicos, muitos deles

de destacado caminho percorrido

nos estudos sertanejos e na beleza

da cerimônia, envolvendo os habitantes

e personagens importantes da

história de Floresta, os vaqueiros, os

quilombolas e os índios que participaram

ativamente da festa.

Também se mostraram encantados

com o cuidado da gestão

do município, em todo o tempo,

na preservação de suas histórias e

memórias do município e dos casarões

que contam essas lembranças

ao longo dos séculos.

“Um dos mais belos prédios de

Floresta, tombado pelo IPHAN é

a sede desta Academia Brasileira

de Estudos do Sertão Nordestino

que reúne muitos pesquisadores

conhecidos por sua atuação nas

muitas edições do Cariri Cangaço

e escritores renomados e conhecidos

nacional e internacionalmente

como Frederico Pernambucano de

Melo que está tendo um dos seus

grandes trabalhos Guerreiros do

Sol, como referência e base de

novo trabalho da Rede Globo de

Televisão, neste ano de 2024.”

O que dizem a mídia e as redes sociais: ABRAES empossada em Floresta

O Blog de Assis Ramalho e as

redes sociais, O Instagram, Facebook

e os grupos de WhatsApp,

cuidaram de espalhar a boa notícia

pelo Brasil e pelo mundo a fora.

“Aconteceu na noite da última

sexta-feira (5), em Floresta, Sertão

do Estado, a posse coletiva da

Academia Brasileira de Estudos

do Sertão Nordestino – ABRES.

Numa concorrida cerimônia realizada

na Câmara municipal de

Vereadores, 16, dos 33 acadêmicos

fizeram seu juramento solene

de entrada na academia perante

às autoridades locais e a plateia,

que lotou aquela casa legislativa,

depois de serem escoltados por cavaleiros

a caráter, nação de maracatu,

índios da etnia Pipikã, além

da Irmandade do Rosário dos Pretos,

instituição de ex-escravizados

mais antiga de Floresta.

A ABRAES, instituição com

apenas três meses de vida, é presidida

pelo escritor florestano Leonardo

Ferraz Gominho e, além

dele, compõe a novel academia, os

escritores/pesquisadores Adriano

Carvalho (CE), Dênis Carvalho

(PE), Frederico Pernambucano

de Mello, da Academia Pernambucana

de Letras, José Anderson

Nascimento, presidente da Academia

Sergipana de Letras, Idemberg

Sena (CE), Antônio Porfírio,

curador do Museu do Cangaço de

Alagadiço, em Sergipe, Benedito

Vasconcelos, do Museu do Sertão,

em Mossoró, Sousa Neto (CE),

Hildo Rosa, do Arquivo Público

de Pernambuco, o forrozeiro

Ivan Ferraz, André Nunes (BA),

Gutemberg Costa (RN), o médico

Leandro Cardoso Fernandes (PI),

Manuel Dantas Suassuna (PE),

Gilmar Teixeira (BA), o promotor

de justiça Ivanildo Silveira (RN),

Luiz Ferraz (PE), o premiado fotógrafo

Ricardo Beliel (RJ), Ângelo

Osmiro (CE), Antônio Guimarães

(MA), as pesquisadoras Luma Holanda

(PB), Juliana Pereira (CE),

Célia Maria (PB) e Cristina Couto

(CE), Gustavo Costa Farias (AL),

Nivaldo Carvalho (PE), Yony

Sampaio (CE), Emanuel Arruda,

presidente da Academia Princesense

de Letras, João Paulo (CE),

Valdir Nogueira (PE), e mais os

capoeirenses Junior Almeida e o

Pós Doutor Expedito Leandro”.

O que disse o presidente da ABRAES, o florestano Leonardo Ferraz Gominho

Em seu discurso de abertura,

o presidente da ABRAES,

agradeceu a presença da vice-

-prefeita de Floresta, Bia Numeriano

e do vereador Peu Vilarim,

representando o presidente da

Câmara Municipal, Ezequiel

Rodrigues, apresentou o soneto

Vozes da Morte do poeta

paraibano Augusto dos Anjos:

Agora, sim! Vamos morrer, reunidos,

Tamarindo de minha desventura,

Tu, com o envelhecimento da nervura,

Eu, com o envelhecimento dos tecidos!

...

E falou dos objetivos e finalidades

desta Academia e dos pré-

-requisitos para aqueles que dela

desejarem participar.

Nasce a Academia com a finalidade

não só de estudar e pesquisar

os temas mencionados, mas,

principalmente, para fomentar o

desenvolvimento e a produção literária

e cultural, a divulgação de

artigos, livros e eventos com foco

nessas temáticas.

A presença, nos quadros da

ABRAES, de dois florestanos, um

como Acadêmico Correspondente

e outro Acadêmico Honorário, não

tenho dúvida, orgulham esta cidade:

Hildo Leal da Rosa e Ivan Ferraz

- o Embaixador do Forró.

Para integrar esta Academia, os

acadêmicos necessitam deter conhecimentos

em pelo menos uma

das seguintes temáticas: cangaço,

messianismo, genealogia de famílias

sertanejas, geografia cultural

sertaneja, religiosidade, regionalismo

sertanejo, folclore sertanejo,

musicalidade regional, festejos

sertanejos/nordestinos, vaqueiros,

culinária sertaneja, personalidades

sertanejas, poesias relativas a essas

temáticas, e outros temas comuns

ao Sertão nordestino.

A Academia Brasileira de Estudos

do Sertão Nordestino tem por

finalidade não só estudar e pesquisar

os temas mencionados, mas,

principalmente, fomentar o desenvolvimento

e a produção literária

e cultural, a divulgação de artigos,

livros e eventos com foco nas citadas

temáticas.

Com esse fim, a ABRAES buscará

reconhecer valores e estimular

novos talentos, valorizar e

preservar a cultura nordestina, discutir

e programar ações conjuntas

com entidades governamentais e

outras instituições, estimular o intercâmbio

cultural entre entidades

congêneres; promover palestras,

encontros, seminários e afins; publicar

antologias com artigos relativos

às aludidas temáticas, outorgar

prêmios literários; promover

o congraçamento e a cidadania

através da educação e cultura, da

proteção e preservação da história

e do patrimônio histórico material

e imaterial regional.


A ABRAES, sediada na

cidade de Floresta, sertão

pernambucano, foi criada

em 29 de setembro de 2023

por um grupo de historiadores,

pesquisadores, escritores

e estudiosos das mais

diversas áreas ligadas às

temáticas do Sertão Nordestino

e será composta por 40

membros.

Na ocasião, 19 cadeiras

foram ocupadas pelos sócios

fundadores e as demais

foram sendo ocupadas por

Quem são os membros da ABRAES, patronos/patronesses

meio de processo eleitoral.

Na ocasião da criação da

Academia, por aclamação,

foram eleitos e empossados

os seguintes membros:

Da Diretoria:

1 - Leonardo Ferraz Gominho

(Presidente, patrono

Luís Wilson), residente em

Maceió;

2 - Dênis Artur de Barros

Carvalho (Secretário-Geral,

patrono Oswaldo Lamartine

de Faria), residente em

Floresta;

3 - Emmanuel Conserva

de Arruda (Tesoureiro, patrono

José Américo de Almeida),

residente em João

Pessoa;

4 - Adriano de Carvalho Duarte

(Diretor Cultural e de

Relações Públicas, patrono

Rodolfo Teófilo), residente

em Jardim/CE.

Do Conselho Fiscal:

5 - Gustavo Costa Farias

(Presidente, patrono José

Aloísio Brandão Vilela), residente

em Maceió;

6 - Euclides José de Almeida

Junior (Junior Almeida,

patrono Ulysses Lins de

Albuquerque), residente em

Capoeiras/PE;

7 - André Luiz de Carvalho

Nunes (patrono Daniel Parish

Kidder), residente em

Lauro de Freitas/BA;

8 - Gilmar Teixeira dos Santos

(suplente, patrono Cid

Teixeira), residente em Feira

de Santana/BA.

Além dos componentes

da Diretoria e do Conselho

Fiscal, tomaram posse os

seguintes acadêmicos: 9 -

Frederico Eduardo Pernambucano

de Mello (residente

em Recife, patrono Gilberto

de Mello Freyre),

10 - Ricardo Beliel (residente

no Rio de Janeiro, patrono

Ariano Suassuna),

11 - Juliana Pereira (residente

em Fortaleza, patronesse

Rachel de Queiroz),

12 - Severino Neto de Souza

(Souza Neto, residente em

Barro/CE, patrono Abelardo

Montenegro), 13 - Antonio

Guimarães de Oliveira (residente

em São Luís/MA, patrono

Nina Rodrigues),

14 - Angelo Osmiro Barreto

(residente em Fortaleza, patrono

Paulo de Medeiros Gastão),

15 - Gutenberg Medeiros Costa

(residente em Nísia Floresta/

RN, patrono Câmara Cascudo),

16 - Nivaldo Alves de Carvalho

(residente em Floresta,

patronesse Benedita Maria

de Carvalho Barros),

17 - Leandro Cardoso Fernandes

(residente em Teresina,

patrono Napoleão Tavares

Neves),

18 - Yony de Sá Barreto

Sampaio (residente em Recife,

patrono José Guimarães

Duque),

19 - Ivanildo Alves da Silveira

(residente em Natal,

patrono Nertan Macedo).

Acadêmicos empossados

por meio de processo

eleitoral:

20 – Luiz Carlos Fernandes

Ferraz (Patronesse Elvina

Gameiro), residente na cidade

de Serra Talhada/PE.

21 – Benedito Vasconcelos

Mendes (Patronesse Maria

Isaura Pereira de Queiroz),

residente em Mossoró/RN.

22 – Valdir José Nogueira

de Moura (Patrono Francisco

Freire Alemão e Cisneiro),

residente na cidade de

São José de Belmonte/PE.

23 – Célia Maria Silva (Patrono

Alcino Alves Costa), residente

na cidade de João Pessoa/PB.

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A15

24 – José Idemberg Nobre

de Sena, Jinsena (Patrono

José Martiniano de Alencar),

residente na cidade de

Morada Nova/CE.

25 – Lúcia Maria de Souza

Holanda – Luma Holanda

– (Patrono Ranulpho Hora

Prata), residente na cidade

de João Pessoa/PB.

26 – Manoel Dantas Vilar

Suassuna (Patrono Graciliano

Ramos de Oliveira), residente

em Recife/PE.

27 – João Paulo de Souza

Costa (Patrono Francisco Augusto

Pereira Costa), residente

na cidade de Jardim/CE.

28 – Expedito Leandro Silva

(Patrono Guilherme Studart,

o Barão de Studart), residente

em São Paulo/SP.

29 – Cristina Maria de Almeida

Couto (Patrono Padre

Antônio Vieira), residente

na cidade de Lavras da

Mangabeira/CE.

30 – José Anderson do Nascimento

(Patrono José Lins do

Rego), residente em Aracajú/SE.

31 – Antônio Porfírio de

Matos Neto (Patrono Euclides

da Cunha), residente em

Aracajú/SE.

Acadêmico Honorário:

1 – Ivan Ferraz, residente na

cidade do Recife/PE.

Célia Maria Silva:

A Academia de Estudos

do Sertão Nordestino

também prestou uma justa

homenagem a uma das acadêmicas,

Célia Maria Silva,

“Escritora, Cordelista

e Mãe, natural de Campina

Grande, na Paraíba, filha de

Carlinda Teodora da Silva

(in memoriam) e de Cícero

José da Silva. É mãe de Elaine

Crystine e Alberto Felipe

Magno Diniz”. Célia Maria

criou o escudo da ABRAES

em couro.

Numa noite em Floresta, calor ardente,

Do sol que castiga o homem com a terra quente.

A caatinga prenuncia em segredo ao vento,

Valorosa Academia, és o teu momento!

No coração do Sertão, a Academia se anuncia,

Vaqueiros a guiar, na trilha da sabedoria.

A secular Confraria, resistência e devoção,

Acompanhou o cortejo, agregando tradição.

Academia do Sertão – Sertão de Bravos Por Dênis Carvalho:

Academia do Sertão, sábia guardiã,

De estudos profundos, como a seca que não tem fim.

Entre veredas e caminhos, cada saber floresce,

Naquele SERTÃO DE BRAVOS a cultura resplandece.

Repentinamente, ressoa na escuridão,

O batuque dos quilombos consagrando a união,

Os Índios guardiões de mitos ancestrais,

Surpreendem os confrades com cantos e rituais.

Mais tarde, em Nazaré, se desenha um tiroteio,

Ecos do passado, volantes e cangaceiros,

Teve confrade assustado, com medo da confusão,

Imagina como era no tempo de Lampião!?

Mesmo em meio à terra seca, a ABRAES desabrochou,

Vaqueiros, maracatus e índios, o sertão todo abraçou,

Raízes entrelaçadas, como fios no tear,

A cultura do Nordeste, vamos todos preservar!

Professor Edvaldo Nascimento empossado como diretor

da Agência Reguladora de Serviços Públicos de Alagoas (Arsal)

A Agência Reguladora de

Serviços Públicos do Estado

de Alagoas (Arsal) empossou

na segunda-feira, dia 8,

o novo membro do Conselho

Executivo da agência alagoana,

o educador Edvaldo

Francisco do Nascimento.

Nascido em Paulo Afonso,

na Bahia, Edvaldo Francisco

do Nascimento, 50

anos, traz a força do sertão

para compor a diretoria da

Arsal. Residindo há mais de

30 anos em Delmiro Gouveia,

iniciou sua trajetória

no movimento estudantil,

foi eleito vereador por três

mandatos, mas é na Educação

alagoana que se fez

ainda mais atuante, como

professor das redes estadual

e municipal, além de pesquisador

e escritor.

A solenidade de posse

ocorreu no auditório da Arsal

e contou com a presença de

diversas autoridades, entre

elas, secretários de Estado,

deputados, senador da República,

diretoria da agência,

além de funcionários e familiares

do novo diretor.

Em seu discurso, o recém-

-empossado diretor destacou

suas raízes sertanejas, agradeceu

a acolhida e salientou

que veio contribuir no quer

for possível, sobretudo com

o objetivo de fortalecer a regulação

em Alagoas.

Nomeado no final do mês

de dezembro pelo governador

Paulo Dantas, após ter

seu nome aprovado pela

Assembleia Legislativa, o

professor Edvaldo passa a

integrar a diretoria da Arsal

com a presidente, Camilla

Ferraz, e com os demais diretores,

Andresa Pedrosa e

José Márcio.

Estiveram presentes à solenidade

de posse o desembargador

José Carlos Malta

Marques, promotor Antonio

Malta Marques, senador

Fernando Farias, deputados

estaduais Ronaldo Medeiros,

José Wanderley Neto

e Remi Calheiros, secretária

da Fazenda, Renata dos

Santos, secretária de Cultura,

Melina Freitas, secretário de

Recursos Hídricos, Gino César,

os prefeitos Hugo Wanderley

e Ziane Costa, reitor

da Ufal, Josealdo Tonholo e

vice-reitor da Uneal, Anderson

de Almeida Barros.

“O professor Edvaldo

Nascimento, é membro correspondente

desta Academia

de Letras de Paulo Afonso

onde ocupa a cadeira Nº 30

que tem como patrono o poeta

alagoano Jorge de Lima.

Bem antes da participação

do Professor Doutor Edvaldo

Nascimento na ALPA, já havia

um vínculo deste pauloafonsino

que se estabeleceu

em terras alagoanas há cerca

de 30 anos com o diretor do

Jornal Folha Sertaneja. Quando

ainda vereador no município

de Delmiro Gouveia

Edvaldo Nascimento apresentou

Moção de Aplausos ao

Professor Antônio Galdino da

Silva e a João de Sousa Lima,

aprovada por unanimidade na

Câmara Municipal daquela

cidade, pelo lançamento do

livro ANGIQUINHO – 100

Anos de História.

Leitor rigoroso do Jornal

Folha Sertaneja, o Professor

Edvaldo presenteou este

Jornal que completa 20 anos

em fevereiro de 2024, com

todas as suas edições impressas,

até o ano de 2000,

encadernadas.

Edvaldo Nascimento é um

pesquisador respeitado na

área de Educação no Sertão e

sobre a vida e a obra do cearense

Delmiro Augusto da

Cruz Gouveia sobre quem escreveu

o livro, Delmiro Gouveia

e a Educação na Pedra,

analisando processos educacionais

nos sertões do Nordeste,

tema de sua dissertação

de Mestrado em Educação

Brasileira.

Edvaldo Nascimento é

graduado em Pedagogia,

tem Especialização em Psicopedagogia

e concluiu em

23 de Setembro de 2019,

na Universidade Federal de

Pernambuco o seu Doutorado

em Educação, tendo

escolhido com tema de sua

tese a Modernização e Educação

Escolar no Nordeste

Brasileiro: As Escolas da

Companhia Hidro Elétrica

do São Francisco (1949 a

2000).”


A16

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024

O Parque Belvedere está mais triste.

Morreu seu Nestor da Kombi, aos 84 anos

Recebemos, com grande

pesar, a notícia do falecimento

do Sr. Nestor que, por

mais de 40 anos estava instalado

no Parque Belvedere

onde vendia caldo de cana

e outras bebidas e petiscos

para os turistas e os pauloafonsinos

que ali chegavam.

Chega a notícia que, nesta

segunda-feira, dia 8 de janeiro,

o Seu Nestor, pernambucano

de São José do Egito,

nos deixou, aos 84 anos.

Deus lhe concedeu a bênção

da longevidade e o recebeu

no Lar Celestial mas os

de cá, seus familiares e amigos,

os conhecidos de tantos

anos, todos ficamos entristecidos

com a sua partida.

Sobre a sua viagem de

volta à Casa do Pai, o Capitão

Paz escreveu em seu

Instagram: “Em 13 de março

de 2022 registrei um dentre

vários encontros, para

saborear uma boa comida

e bater um bom papo com

meu amigo Sr. Nestor no

Parque Belvedere. Pioneiro

e também velho conhecido

do meu saudoso pai. Infelizmente,

na madrugada da

segunda-feira, 8 de janeiro,

a população de Paulo Afonso

recebeu a triste notícia do

falecimento de Nestor Veras

Leite, carinhosamente conhecido

como “Seu Nestor”,

aos 84 anos. “Seu Nestor,

descanse em paz, pois sua

presença calorosa e sorriso

amigável serão lembrados

por muitos que tiveram o

prazer de conhecê-lo ao longo

dos anos”.

Sempre que ia ao Belvedere,

conversava muito com

ele. Na última conversa, ele

já se queixava do cansaço

que a idade traz a todos os

longevos...

Apresento aos familiares

do Sr. Nestor os meus

sentimentos de tristeza pela

partida do velho sertaneja

depois de cumprir a sua missão

aqui na terra. E rogamos

que o Espírito Santo console

a cada um e que dele nos

lembremos sempre pelas

boas qualidades de pai, esposo,

amigo de todos.

Na recente reforma dos

espaços do Parque Belvedere

feita pela Prefeitura, o espaço

onde estava a Kombi do

Seu Nestor por cerca de quarenta

anos foi urbanizado e

foi disponibilizado para ele e

família outro espaço em área

ampliada para ser a praça da

alimentação deste Parque, ao

lado da fonte.

A Folha Sertaneja sugere à

gestão municipal que no espaço

onde sempre esteve o Seu

Nestor e família, e sua Kombi,

seja colocada uma placa

em sua homenagem, pois a

sua figura sertaneja sempre

será associada a este local.

O carinho que todos sempre

tivemos com o Seu Nestor,

como era conhecido,

pode ser explicado quando o

artista plástico Hilson Costa,

ao realizar a Exposição Paisagens

Urbanas, no CPA, em

fevereiro de 2015, colocou

entre as 40 telas ali expostas

O rio, o homem e a Kombi

Assim escreveu João de Sousa Lima na página 8

do Jornal Folha Sertaneja de 31 de maio de 2015

O homem do caldo de cana

do Parque Belvedere

Por João de Sousa Lima

uma da Kombi de Seu Nestor

compondo a paisagem deste

Parque Belvedere, onde ele

se instalou há 40 anos, desde

março de 1983.

Essa aquarela me foi presenteada

por Hilson Costa,

agora também um renomado

arquiteto e embeleza o escritório

de redação do Jornal

Folha Sertaneja, ao lado de

fotografias também a mim

presenteadas pelo saudoso

fotógrafo João Tavares e

quadro pintados por minha

esposa, Maria de Lourdes.

A matéria que fiz sobre

essa Exposições Paisagens

Urbanas, com especial destaque

para Seu Nestor e sua

Kombi, publicada na Edição

132 do Jornal Folha Sertaneja,

de 28 de fevereiro de 2015,

foi reproduzida em sites e blogs

de Paulo Afonso, entre eles

o https://acertepauloafonso.

com.br que escreveu:

Do Belvedere Hilson

imortalizou alguns espaços

e um deles chama a atenção

porque está ali há mais de 30

anos e nunca mereceu esse

foco na visão de um artista:

a Kombi, antiga do Sr. Nestor

que atende aos visitantes

há mais de três décadas, todos

os domingos, vendendo

água de coco, rolete e caldo

de cana, além de outros produtos.

Seu Nestor, agora assessorado

pelos netos e sua

Kombi, serão personagens

da página Histórias Sertanejas

que João de Sousa Lima

escreve para o jornal Folha

Sertaneja todos os meses.

De fato, na Edição Nº 135

desse jornal, datada de 31 de

maio de 2015, o historiador e

escritor João de Sousa Lima,

de ligação familiar muito

forte com o Sr. Nestor, ambos

nascidos em São José do

Egito, escreveu no espaço

que tinha no Folha Sertaneja

chamado Histórias Sertanejas

o texto O rio, o homem e

a Kombi – o homem do caldo

de cana do Parque Belvedere,

que reproduzimos aqui,

como uma homenagem a

este pioneiro de Paulo Afonso

que se tornou figura sempre

associada à paisagem do

Parque Belvedere.

Há coisas materiais que

se incorporam às paisagens

e o tempo se encarrega de

torná-las indissolúveis.

O Parque Belvedere é um

dos mais bonitos cartões

postais de Paulo Afonso.

Seus jardins floridos, sua

fonte jorrando água, suas

enormes e frondosas árvores

e um espelho de água cristalina

formam uma imagem perfeita.

Foi do Belvedere que

vi o mais belo e perfeito nascer

de Lua Cheia. Uma bola

de fogo refletida nas águas

claras onde o Rio São Francisco

se precipita nas quedas

das usinas Paulo Afonso I, II

e III, gerando energia.

Há anos, mais precisamente

desde março de 1983, temos

um veículo branco, marca

Volkswagen, modelo Kombi,

que nos finais de semana passa

a fazer parte da paisagem do

parque do belvedere.

A Kombi branca está lá

aos sábados e domingos e de

suas entranhas jorra o mais

doce e puro caldo de cana.

Nos finais de semana quase

todos os moradores de Paulo

Afonso já visitaram aquele

espaço e até hoje é fácil

encontrar pais que levam filhos

para curtir as belezas do

Belvedere e saborear o caldo

de cana da Kombi branca.

Sempre escutamos falar:

Vamos lá no homem do caldo

de cana do Belvedere!

O que pouca gente sabe é

que daquela Kombi branca,

os roletes de cana caiana e a

doce garapa vem das mãos

de Nestor, mais precisamente

Nestor Veras Leite.

E quem é Nestor Veras

Leite? Nestor é um conterrâneo

meu que veio de São

José do Egito, na década de

1970, pra trabalhar em Toritama,

no DEPA – Departamento

Estadual de Poço e

Açudagem.

As obras do DEPA tiveram

que ser paralisadas por

falta de verbas e Nestor voltou

pra São José do Egito,

para ficar aguardando a normalização

financeira da empresa

e um novo chamado.

Nesse espaço de tempo

que Nestor ficou desempregado

e o meu irmão José de

Sousa Lima “Zezé”,

que na época trabalhava

como motorista de Pedro

Ferreira, dono da empresa

SACOL, foi em São José do

Egito, com o intuito de trazer

a família pra morar em

Paulo Afonso, depois

de convencer papai e mamãe

das boas perspectivas

para a família. Arrumamos

as coisas e viemos embora.

Zezé também convidou

Nestor a vir a Paulo Afonso

prometendo que aqui arrumaria

emprego pra ele. Dias

depois Nestor comprou um

caminhão Ford 1959 a Zé

de Mariquinha e se dirigiu a

Paulo Afonso.

Zezé apresentou Nestor a

Pedro Ferreira e Pedro fichou

Nestor e seu caminhão na SA-

COL para transportar pedras e

areia do Serrote do Boi para

as construções da CHESF.

Nestor a princípio ficou

morando em nossa casa, na

Rua Ribeirão. No quarto

destinado a Zezé e Nestor

havia na porta a inscrição:

QUARTO DOS ÉBRIOS.

Zezé e Nestor quando saiam

do trabalho iam direto para o

bar de Manuel do Mauá, onde

entornavam a velha caninha.

Eram assíduos frequentadores

do bar de Manuel.

Na SACOL o caminhão

de Nestor começou a quebrar

muito e como ainda faltava

pagar umas prestações

do carro, ele o devolveu a

Zé de Mariquinha e foi trabalhar

na CHESF, na construção

da usina P.A. III.

Zezé também foi trabalhar

na CHESF com Nestor

e quando a Mendes Júnior

chegou oferecendo um salário

melhor, ele não contou

conversa e se transferiu para

a nova empresa.

Nestor preferiu permanecer

na CHESF onde ficou

até se aposentar, no ano de

1991. Nestor passou pela

operação, SE III e aposentou

no corpo de bombeiros

da empresa.

Em 1980, com 12 mil

quilômetros rodados, Nestor

comprou a Kombi branca

que até hoje está com ele.

Na verdade Nestor já possuiu

mais duas Kombis mais

novas, porém se desfez das

duas e ficou om a que ele

chama de original.

Quando foi para conseguir

a autorização para explorar o

espaço do Parque Belvedere

quem liberou foi o administrador

da Chesf, Antonio

Correia de Albuquerque.

Até hoje Nestor guarda a documentação

assinada por Antonio,

tenente Iran e Dr. Hugo.

Se algum dia de sábado ou

domingo, se por acaso você

for lá ao Belvedere, mesmo

que seja apenas para apreciar

a exuberante paisagem do

parque, se por algum motivo

você ver uma Kombi branca

estacionada na sombra de

uma árvore, ela é parte da

paisagem do Parque Belvedere

e dentro dela estará um

engenho moendo a mais pura

cana e as mãos que embalam

o bagaço da cana moída

e extrai a doce garapa é de

um homem simples, honesto,

trabalhador fiel, amigo e

cheio de histórias para contar,

seu Nestor da Kombi.

Na exposição de aquarelas

de Hilson Costa que

ficou no Espaço Cultural

Raso da Catarina até o final

de Maio, uma das telas

retrata a Kombi branca de

Nestor no Belvedere.

João de Sousa Lima

Historiador e Escritor,

Membro da ALPA – cadeira 06.

Paulo Afonso, Maio de 2015


Recebemos na Redação do site

www.folhasertaneja.com.br através

de Robson, da ADAB, a notícia

do falecimento na manhã desta

sexta-feira, 19 de janeiro, de Admilson

Gomes da Silva, conhecido

como Totó, de intensa vivência política

em Paulo Afonso pelo Partido

dos Trabalhadores.

O seu velório foi realizado no

Ginásio de Esportes Luiz Eduardo

Magalhães no sábado, 20 de janeiro

e sepultamento aconteceu no

final da tarde no Cemitério Padre

Lourenço Tori.

Sobre o amigo, companheiro de

tantas lutas, assim escreveu o ex-

-vereador e ex-prefeito José Ivaldo

de Brito Ferreira.

Tanta vida pra viver

Tanta vida a se acabar

Com tanto pra se fazer

Com tanto pra se salvar

(Geraldo Vandré)

Totó era um lutador. Era um

sonhador.

Adolescente ainda, começou a

acalentar sonhos, a lutar por sua

realização. Caminhada iniciada na

Pastoral da Juventude, sob a inspiração

de Alcides Modesto e padre

Mário Zanetta, com este último

percorrendo as estradas poeirentas

da Diocese de Paulo Afonso.

Participou do movimento estudantil

local e vinculou-se ao PT logo

após sua fundação, partido ao qual

manteve-se filiado até agora.

Em campos opostos da esquerda,

durante a década de 80 até

meados dos 90. Juntos, durante

muitos anos e muitas lutas, seja

na direção do PT local, nas campanhas

eleitorais, na Chefia de

Gabinete da Prefeitura Municipal

e na Secretaria de Turismo, Cultura

e Esportes. Juntos ou afastados,

mantivemos o hábito de dialogar,

sempre que possível, sobre o futuro

de Paulo Afonso.

Hoje, recebi a triste notícia de

sua partida precoce.

Sei bem que sonhos não morrem.

Mas, quando morre um sonhador,

que falta que ele faz.

Um lutador, como Totó, é sempre

insubstituível, por mais que

outros surjam em seu lugar. Gente

assim deveria ser eterna.

Edição 229 • Janeiro 2024

31 de Janeiro de 2024 A17

Faleceu em Salvador, Ademilson, conhecido como Totó, ex-diretor

da Clínica Regional e ex-Secretário de Turismo de Paulo Afonso

Réquiem para Totó

Ademilson Gomes da Silva,

Totó. Presente!! (José Ivaldo de Brito

Ferreira, em 19/01/2024)

Ao tempo que nos solidarizamos com os familiares e amigos mais próximos de Totó nesse momento de tristeza, de saudade, de lembranças, de perda deixamos essa mensagem

como um conforto para para todos: “O Senhor está perto dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito abatido.” (Salmos. 34:18).

No início da tarde o site www.pa4.com.br do conhecido radialista Osildo Alves trouxe mais detalhes desse triste acontecimento.

Reproduzimos a matéria publicada no site www.pa4.com.br do conhecido radialista Osildo Alves no início desta tarde (19/4) onde trouxe mais detalhes desse triste acontecimento.

Faleceu o popular “Totó”, ex-diretor da Policlínica Regional

e ex-secretário de Turismo de Paulo Afonso

Nesta sexta-feira, 19 de janeiro,

a cidade de Paulo Afonso se

despede de Ademilson Gomes da

Silva, carinhosamente conhecido

como “Totó”. Totó foi um dos

militantes políticos mais ativos de

Paulo Afonso, dedicando grande

parte de sua vida ao Partido dos

Trabalhadores (PT).

A triste notícia foi anunciada

pelo radialista Giuliano Ribeiro,

diretor da rádio Angiquinho FM,

no início da tarde: “Infelizmente,

o nosso companheiro Totó faleceu

na tarde desta sexta-feira (19), em

Salvador, Bahia. Meus profundos

sentimentos de pesar. Que Deus

console a família e amigos”.

Atualmente, Totó ocupava o

cargo de gerente administrativo

da Agência de Defesa Agropecuária

da Bahia ADAB, território Itaparica.

Também exerceu o cargo

de secretário de Turismo, Cultura

e Esporte durante a gestão do ex-

-prefeito Raimundo Caires, e recentemente,

desempenhou o papel

de Diretor Administrativo da Policlínica

Regional de Paulo Afonso.

Totó enfrentava uma batalha

contra o câncer e, apesar de ter

passado por uma cirurgia recente,

não resistiu à agressiva doença.

Sua esperança na recuperação era

evidente, mas o destino nos surpreendeu

com essa perda irreparável.

Sérgio Ricardo, presidente do PT

Paulo Afonso, publicou nas redes sociais

uma mensagem de pesar para o

amigo e companheiro de partido:

“Com imenso pesar e tristeza,

soube do falecimento do Companheiro

Totó! Totó dedicou sua

vida, desde a juventude, a Militância

Petista, no Movimento Estudantil,

nas Pastorais Sociais da

Igreja Católica, nos quais muito

contribuiu para a organização e

Luta dos Trabalhadores, e para a

construção do PT em Paulo Afonso

e região. Estamos consternados

com a sua partida, que representa

grande perda para nosso Partido

e sua Militância. Nesse momento

de dor, externamos o nosso Pesar,

a nossa Solidariedade e Fraternidade,

a toda sua Família, Amigos,

Companheiros e toda Militância

Petista. O seu legado de Militância

e dedicação a Luta dos Trabalhadores

e ao nosso Partido,

jamais será esquecido. Companheiro

Totó! Sempre Presente!”

Neste momento de dor, nossos

pensamentos estão com a família

e amigos de Totó. Que encontrem

conforto e força para lidar com

essa grande perda. Paulo Afonso

perde não apenas um militante

político, mas um ser humano querido

por todos que o conheceram.

(www.pa4.com.br).

Paulo Afonso se despede de um patriota: Acilon Gomes dos Santos,

ex-combatente do Exército, nos deixa aos 100 anos

Nesse sábado, 27 de janeiro,

a população de Paulo

Afonso, Bahia, despediu-se de

um grande homem e patriota.

Aos 100 anos, Acilon Gomes

dos Santos, ex-combatente do

Exército, partiu deixando um

legado de bravura e serviço

dedicado à nação.

Casado com Niuza Tereza

dos Santos, Acilon residia na

rua André Falcão, no centro

de Paulo Afonso. Ele nasceu

em 3/3/1923 e faleceu

ontem, dia 27/1/2024, com

uma vida marcada por mais

de um século de experiências,

sabedoria e coragem.

Incorporando nas fileiras

do Exército em 23 de

novembro de 1943, no 14º

Regimento de Infantaria em

Jaboatão dos Guararapes –

PE, o então soldado Acilon

desempenhou com maestria

a função de tiros da peça

de destruição Madson. Sua

habilidade excepcional fez

dele as melhores capturas de

captura do Regimento.

O velório em homenagem

a Acilon Gomes dos Santos

foi realizado neste domingo,

28/1, no SAF, das 13 às 16

horas. O sepultamento aconteceu

às 16 horas no Cemitério

Padre Lourenço Tori A cidade

presta suas condolências

a esse cidadão marcante que

deixa saudades e um exemplo

de dedicação à pátria.

Nos muitos anos em que

apresentei o desfile cívico

do 7 de Setembro, eu o via

empertigado em seu traje

de gala, ao lado de outros

pracinhas, desfilando garbosamente

pela Avenida

Apolônio Sales e recebendo,

merecidamente, os muitos

aplausos da multidão.

Também nos associamos

a este momento de dor dos

familiares e sabemos que ele,

o Pracinha Sr. Aciolon deixa

um grande legado de serviços

prestados ao nosso Brasil

e exemplos também grandiosos

para todos os familiares

e os que o conheciam e conviviam

com ele! (Professor

Antônio Galdino da Silva

– Diretor do Jornal Folha

Sertaneja e do site www.folhasertaneja.com.br).(com

o

site www.pa4.com.br)

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!