15.04.2024 Views

Biomais_62WebOPS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

Entrevista José Carlos Haas Junior revela sobre a produção de pellets de eucalipto<br />

TECNOLOGIA<br />

PARA PELLETS<br />

EMPRESA MULTINACIONAL<br />

DESENVOLVEU EQUIPAMENTO<br />

PARA PELLETS DE MADEIRA QUE<br />

GARANTE MELHOR RENDIMENTO<br />

PELLET TECHNOLOGY<br />

MULTINATIONAL COMPANY HAS<br />

DEVELOPED WOOD PELLET<br />

PRODUCTION EQUIPMENT THAT<br />

GUARANTEES BETTER YIELDS<br />

ENERGIA<br />

GERAÇÃO DE ENERGIA BATEU<br />

RECORDE EM 2023 E TENDÊNCIA<br />

É SEGUIR EM ALTA<br />

MERCADO<br />

ASSOCIAÇÃO INCENTIVA PRODUÇÃO DE<br />

BIOMASSA FLORESTAL EM GOIÁS


ITECNOLOGIA EXCLUSIVA<br />

PAT EN T E<br />

MTAB


SUMÁRIO<br />

06 | EDITORIAL<br />

Inovação para<br />

biomassa<br />

08 | CARTAS<br />

10 | NOTAS<br />

24 | ENTREVISTA<br />

36 | PRINCIPAL<br />

42 | BIOMASSA<br />

Recorde de geração de<br />

energia<br />

48 | PRODUÇÃO<br />

Biomassa em Goiás<br />

54 | CRESCIMENTO<br />

58 | ARTIGO<br />

64 | AGENDA<br />

66 | OPINIÃO<br />

Gerenciamento de equipes:<br />

como melhorar os resultados<br />

dos times?<br />

04 www.REVISTABIOMAIS.com.br


EDITORIAL<br />

A tecnologia para<br />

peletizadoras Twin Track,<br />

exclusiva da CPM, é o<br />

destaque da capa desta<br />

nova edição da <strong>Biomais</strong>.<br />

INOVAÇÃO PARA<br />

BIOMASSA<br />

A<br />

nova edição da Revista REFERÊNCIA BIOMAIS traz como destaque principal a tecnologia Twim Track, da multinacional de<br />

origem norte-americana CPM. A empresa, que foi pioneira na fabricação de peletizadora, desenvolveu a tecnologia que<br />

garante mais rentabilidade e menor consumo de energia para fabricação de pellets de madeira. Na editoria de Entrevista,<br />

conversamos com o diretor executivo da Haas Madeira, José Carlos Haas Junior. A empresa lançou recentemente o pellet de<br />

eucalipto, após 8 anos de pesquisa sobre a matéria-prima que era considerada inapropriada para produção de pellets. O mercado de<br />

biomassa no Estado de Goiás, e o crescimento do uso da biomassa para geração de energia no Brasil, são temas de outras reportagens<br />

publicadas nesta edição. Ainda temos notícias com informações sobre ações para redução da emissão de carbono, ações de incentivo<br />

para redução no consumo de energia, entre outros demais temas. Desejamos uma leitura proveitosa!<br />

IN THE SEARCH FOR INNOVATION<br />

T<br />

he latest issue of the REFERÊNCIA Madeira Industrial highlights Gaidzinski Máquinas, a company that manufactures finishing equipment<br />

for the housing and decorative woodworking industry. Recognized by its customers as a reliable company committed to presenting<br />

the best solutions, Gaidzinski completes 45 years with its trajectory marked by the incessant search for industrial innovation.<br />

Today, the Company, which is headquartered in the South of the State of Santa Catarina, is present in the four corners of the world. In<br />

the Interview Section, we spoke with Fernando Nunes Gouveia, Coordinator of the Forest Products Laboratory (LPF), who told us about the developments<br />

already presented by the LPF team. The issue also features an article about the Napi Wood Tech technical mission to Germany, the<br />

preparations for the 10th Formóbile, and the projection that the machinery and equipment market is growing. In addition, the issue features<br />

news about the economy, exports, and wood products. Pleasant reading!<br />

EXPEDIENTE<br />

ANO XI - EDIÇÃO 62 - ABRIL 2024<br />

Diretor Comercial/Commercial Director:<br />

Fábio Alexandre Machado<br />

(fabiomachado@revistabiomais.com.br)<br />

Diretor Executivo/Executive Director:<br />

Pedro Bartoski Jr<br />

(bartoski@revistabiomais.com.br)<br />

Redação/Writing:<br />

Gisele Rossi<br />

(jornalismo@revistabiomais.com.br)<br />

Dep. de Criação/Graphic Design:<br />

Fabiana Tokarski - Supervisão -<br />

Karla Shimene - Julia Harumi<br />

(criacao@revistareferencia.com.br)<br />

Dep. Comercial/Sales Departament:<br />

Gerson Penkal<br />

(comercial@revistabiomais.com.br) Fone: +55 (41) 3333-1023<br />

Tradução / Translation: John Wood Moore<br />

Dep. de Assinaturas/Subscription:<br />

(assinatura@revistabiomais.com.br) - 0800 600 2038<br />

ASSINATURAS<br />

0800 600 2038<br />

A REVISTA BIOMAIS é uma publicação da JOTA Editora<br />

Rua Maranhão, 502 - Água Verde - Cep: 80610-000 - Curitiba (PR) - Brasil<br />

Fone/Fax: +55 (41) 3333-1023<br />

www.jotaeditora.com.br<br />

A REVISTA BIOMAIS - é uma publicação bimestral e independente,<br />

dirigida aos produtores e consumidores de energias limpas<br />

e alternativas, produtores de resíduos para geração e cogeração de<br />

energia, instituições de pesquisa, estudantes universitários, órgãos<br />

governamentais, ONG’s, entidades de classe e demais públicos,<br />

direta e/ou indiretamente ligados ao segmento. A REVISTA BIOMAIS<br />

não se responsabiliza por conceitos emitidos em matérias, artigos,<br />

anúncios ou colunas assinadas, por entender serem estes materiais de<br />

responsabilidade de seus autores. A utilização, reprodução, apropriação,<br />

armazenamento de banco de dados, sob qualquer forma ou meio, dos<br />

textos, fotos e outras criações intelectuais da REVISTA BIOMAIS são<br />

terminantemente proibídas sem autorização escrita dos titulares dos<br />

direitos autorais, exceto para fins didáticos.<br />

REVISTA BIOMAIS is a bimonthly and independent publication, directed<br />

at clean alternative energy producers and consumers, producers of residues<br />

used for energy generation and cogeneration, research institutions, university<br />

students, governmental agencies, NGO’s, class and other entities, directly and/<br />

or indirectly linked to the Segment. REVISTA BIOMAIS does not hold itself<br />

responsible for concepts contained in materials, articles, ads or columns signed<br />

by others; these are the responsibility of their authors. The use, reproduction,<br />

appropriation, databank storage, in any form or means, of the text, photos<br />

and other intellectual property of REVISTA BIOMAIS are strictly forbidden<br />

without written authorization of the holder of the authorial rights, except for<br />

educational purposes.<br />

06 www.REVISTABIOMAIS.com.br


A Benecke é uma tradicional fabricante de<br />

caldeiras, máquinas para o segmento madeireiro<br />

e sistemas de secagem de grãos direto e indireto.<br />

Ao longo dos nossos 70 anos de mercado e<br />

presença em 21 países, com um parque fabril de<br />

18.500 metros quadrados, a Benecke estabeleceu<br />

uma sólida reputação, atendendo diversos<br />

mercados ao redor do mundo com mais de 5.400<br />

equipamentos vendidos.<br />

Com uma engenharia qualificada, aliada ao uso<br />

do software ANSYS e compromisso com a<br />

excelência e qualidade, nos posicionando como<br />

líder indiscutível no mercado.<br />

Projetamos e desenvolvemos toda a automação<br />

dos equipamentos, desta forma conseguimos o<br />

melhor rendimento e uma assistência técnica<br />

remota ágil.<br />

A unidade Caldeira é voltada para qualquer<br />

indústria que necessite de água quente, vapor<br />

saturado, superaquecido ou óleo térmico.<br />

Customizamos a caldeira de acordo com a<br />

necessidade da indústria, oferecendo soluções<br />

sustentáveis e com a garantia de qualidade,<br />

eficiência energética e confiabilidade de um<br />

produto robusto.<br />

Processos verticalizados em todas as áreas<br />

da indústria, garantindo mais qualidade no<br />

produto final entregue ao cliente.<br />

Caldeiras Flamotubulares e<br />

Aquatubulares, com capacidade<br />

produtiva de até 60ton/h e até 45 bar de<br />

pressão.<br />

Projetos customizados de acordo com a sua<br />

necessidade, garantindo qualidade e<br />

principalmente a confiabilidade em quem<br />

carrega 70 anos de experiência no mercado.


CARTAS<br />

PRINCIPAL<br />

Muito bacana a reportagem sobre a Andritz. Uma empresa com atuação global que vê<br />

oportunidade no nosso Brasil.<br />

Antônio Fontana – Farroupilha (RS)<br />

Foto: divulgação<br />

BIOMASSA<br />

Importante estabelecer parcerias com unidades de pesquisa, como a da reportagem que cita a Embrapa e Arefloresta,<br />

para podermos conhecer melhor nossos produtos e reduzir riscos.<br />

Teodoro Fanceli – Campo Grande (MS)<br />

ENTREVISTA<br />

A transição energética é uma pauta mundial e é bom ver que a geração de energia eólica<br />

também tem crescido no Brasil.<br />

Gláucia Blum – Campos de Goytacazes (RJ)<br />

ECONOMIA<br />

Espero que o mercado livre de energia contribua efetivamente para redução da conta.<br />

Os valores andam muito altos.<br />

Idalina Camargo – São Paulo (SP)<br />

Foto: divulgação<br />

www.revistabiomais.com.br<br />

na<br />

mí<br />

energia<br />

biomassa<br />

dia informação<br />

@revistabiomais<br />

/revistabiomais<br />

Publicações Técnicas da JOTA EDITORA<br />

08 www.REVISTABIOMAIS.com.br


NOTAS<br />

SENAI NA AMAZÔNIA<br />

A construção de um instituto multi institucional no Brasil, para o desenvolvimento de soluções voltadas<br />

à transição energética e à biodiversidade a partir das riquezas da Amazônia, foi discutida no Senado,<br />

em Brasília (DF). O Imeb (Instituto da Margem Equatorial Brasileira), como foi batizado o futuro complexo,<br />

será implantado no Estado do Amapá pelo Instituto SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial)<br />

de inovação em energias renováveis, sediado no Rio Grande do Norte e principal referência do SENAI no<br />

Brasil para pesquisa, desenvolvimento e inovação em energia eólica, solar e sustentabilidade, incluindo<br />

novas tecnologias em hidrogênio e combustíveis avançados. O Imeb “deverá adotar um modelo de operação<br />

multi institucional, agregando universidades, institutos de pesquisa, institutos de inovação do SENAI<br />

e empresas que tenham interesse no investimento e no resultado voltados à sociedade, a partir da riqueza<br />

amazônica”, explica o diretor do SENAI-RN e do<br />

ISI-ER, Rodrigo Mello. “Certamente ali nascerá<br />

um instituto que impactará muito positivamente<br />

o meio ambiente, para uma transição<br />

energética justa, respeitando a biodiversidade<br />

do Brasil”, garante Rodrigo.<br />

Foto: SENAI (RN)<br />

Foto: divulgação<br />

10 www.REVISTABIOMAIS.com.br


A ComBer possui uma linha completa<br />

de automatizadores e fornalhas a cavaco<br />

para melhorar ainda mais o rendimento de<br />

seu secador de cereais. A empresa trabalha<br />

com atendimentos personalizados a partir<br />

das necessidades dos clientes.<br />

É uma empresa de Rio Verde-GO, pioneira e<br />

líder nacional em seu segmento, que há mais<br />

de 10 anos fornece soluções em secagem de<br />

grãos para todo o Brasil.<br />

Os automatizadores ComBer CBI e LBI ganham destaque pela sua eficiência.<br />

Confira alguns benefícios:<br />

• Redução da mão de obra e seus passivos;<br />

• Estabilidade da temperatura de secagem<br />

e aumento da produtividade do secador;<br />

• Melhoria na qualidade do grão seco;<br />

• Redução dos gastos com manutenção<br />

de fornalhas.<br />

www.comber.com.br<br />

(64) 3018-2522


NOTAS<br />

USINA TERMELÉTRICA NO PARANÁ DEVE<br />

CONTINUAR OPERANDO<br />

O governo federal está em busca de alternativas para a manutenção da UTE (usina termelétrica) de Figueira.<br />

Localizada no norte do Paraná, a unidade foi desativada pela Copel (Companhia Paranaense de Energia), que<br />

devolveu a concessão à União. Segundo o deputado estadual Luiz Claudio Romanelli (PSD), o MME (Ministério de<br />

Minas e Energia) pretende que a usina, instalada na década de 1960, continue operando. O parlamentar esteve<br />

em Brasília (DF) para participar de uma audiência com o secretário nacional de energia elétrica, Gentil Nogueira<br />

de Sá Júnior. “O secretário foi muito propositivo e pretende que a usina continue operando”, afirmou Romanelli.<br />

“Encontramos um ambiente de resolução no governo federal e saímos da reunião esperançosos da manutenção<br />

do funcionamento da termelétrica de Figueira”, emendou o deputado. Ainda segundo ele, a viabilidade do uso<br />

do carvão como combustível da usina depende da aprovação pelo senado do projeto de lei número 11.247/2018,<br />

que já passou pela câmara dos deputados. Isso porque um dos artigos da lei prevê a extensão do prazo para o<br />

fornecimento da energia gerada por usinas movidas a carvão até 2050. A medida atende as térmicas de Candiota<br />

(RS) e Figueira (PR), que têm contratos em vigor somente até 2028. A Copel, por sua vez, sustenta que a devolução<br />

da concessão faz parte da estratégia de descarbonização das operações da companhia, que já havia sido<br />

anunciada em 2023, e também segue diretrizes do setor energético nacional para mitigar emissões de gases que<br />

provocam o efeito estufa, para atender os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), da ONU.<br />

Foto: Prefeitura de Figueira (PR)<br />

12 www.REVISTABIOMAIS.com.br


NOTAS<br />

USO DE ETANOL ALAVANCA ENERGIA LIMPA<br />

Ter atenção com o uso de energia limpa, a fim de reduzir os efeitos do aquecimento global e a<br />

poluição, é mais do que fundamental. Por isso, o Sistema Fiems (Federação das Indústrias do Estado de<br />

Mato Grosso do Sul) está apostando no etanol, biocombustível mais limpo do mundo, para abastecer<br />

sua frota de veículos flex, e garantir uma redução de 207 toneladas de carbono emitidas por ano na<br />

atmosfera, equivalente a 35,44% do consumo (em 2023). A medida, além de proteger o meio ambiente,<br />

também irá contribuir para o desenvolvimento da indústria no Estado, como aponta o chefe de<br />

gabinete da presidência da Fiems, Robson Del Casale. “A transição considera pontos bem importantes,<br />

afinal, parte deste etanol é produzido no Estado, gerando emprego e fortalecendo a indústria”.<br />

Complementando a fala, o presidente do conselho da Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia<br />

do Mato Grosso do Sul), Amaury Pekelman, afirmou que esse compromisso valoriza a produção local,<br />

podendo ser um importante agente de sustentabilidade e substituição dos combustíveis fósseis.<br />

Foto: divulgação<br />

14 www.REVISTABIOMAIS.com.br


Empresa pertencente ao Grupo Gaboardi, especializada na fabricação de<br />

máquinas e equipamentos para produção de biomassa (pellet) e ração<br />

animal desde 1968, atendendo também demandas e necessidades no reparo<br />

e fabricação de peças de reposição do setor.<br />

www.gell.ind.br<br />

BR116-KM 180 | São Cristóvão do Sul - SC<br />

Fone: +55 (49) 3253-1100<br />

Fone: +55 (49) 9 9927-5926<br />

E-mail: comercial.gell@gaboardi.com.br


NOTAS<br />

PESQUISA E INOVAÇÃO EM BIOMASSA<br />

Para incentivar a área de ciência e pesquisa no ramo das indústrias de energia, a ISI Biomassa (Instituto<br />

Senai de Inovação em Biomassa) sediou recentemente, em Três Lagoas (MS), a CT&I (Conferência<br />

Livre de Ciência, Tecnologia e Informação), onde foram feitos importantes debates sobre o papel<br />

das empresas no futuro da geração de energia sustentável no país. O evento foi realizado como um<br />

preparatório para a V Conferência Nacional, a ser sediada em Brasília entre os dias 4 e 6 de junho deste<br />

ano, com o tema: CT&I para um Brasil Justo, Sustentável e Desenvolvido. Dando jus a esta temática, o<br />

diretor da ISI Biomassa, João Gabriel Marini, afirmou no evento que a geração de energia a partir de<br />

resíduos agroflorestais tem um potencial que vai além da energia, e esse potencial pode ser estudado<br />

pelas empresas. “Temos estudado muitas tecnologias de descarbonização da indústria e recebendo<br />

investimentos muito grandes para encontrar o aproveitamento das biomassas geradas na produção”,<br />

explica Marini. Diversas empresas e importantes representantes de órgãos governamentais do Mato<br />

Grosso do Sul também compareceram ao evento, e destacaram as importantes frentes que a indústria<br />

deve tomar para a produção, inovação e consumo de ciência no país.<br />

Foto: divulgação<br />

16 www.REVISTABIOMAIS.com.br


Aponte sua câmera e<br />

veja como é o<br />

funcionamento do<br />

Piso Móvel Hyva!<br />

®<br />

Líder no segmento, o Piso Móvel Hyva<br />

é de fácil instalação e o sistema ideal<br />

para carregamentos e descarregamentos<br />

horizontais, garantindo a segurança e a agilidade<br />

no transporte de diversos materiais.<br />

PRATICIDADE,<br />

AGILIDADE E<br />

ECONOMIA<br />

em suas cargas e<br />

descargas horizontais<br />

Venha visitar o stand da Hyva na Agrishow!<br />

Te esperamos para trocar experiencias e<br />

soluções para sua empresa! nº F11D1<br />

R. Ernesto Zanrosso, 2794 – Caxias do Sul -RS<br />

+55 (54) 3209 3464 | +55 (54) 3209 3400<br />

@hyvadobrasil<br />

hyva.com


NOTAS<br />

ENERGIA EM EDIFÍCIOS<br />

Buscar alternativas sustentáveis ao consumo e geração de energia é uma das principais pautas na<br />

gestão de cidades, visto que, cada vez mais, casas dão lugares a prédios e edifícios, que utilizam muito<br />

mais energia. O setor de edificações é responsável por 50% do consumo de energia elétrica no Brasil,<br />

segundo dados do MME (Ministério de Minas e Energia), e, tendo isso em mente, o Procel (Programa<br />

Nacional de Conservação de Energia Elétrica) oferece o Selo Procel Edifica, que incentiva e atesta o uso<br />

de práticas e tecnologias que melhoram a eficiência energética sustentável, tanto para a etapa de projeção<br />

e construção, como para a etapa de operação e manutenção do edifício. A edificação deve atender<br />

às regulamentações do Procel, que estabelece normas de sistemas eficientes de iluminação, climatização,<br />

isolamento térmico, monitoramento do consumo de energia, dentre outros aspectos. A utilização<br />

sustentável de energia é essencial, e incentivos como este impulsionam ainda mais sua prática: No<br />

último ano, 26 selos Procel Edifica foram concedidos no país, o maior desde o período pré-pandêmico.<br />

Foto: Emanoel Caldeira<br />

18 www.REVISTABIOMAIS.com.br


NOTAS<br />

INVESTIMENTOS NA REDE<br />

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) realizou no final de março, na B3 (bolsa<br />

de valores brasileira), em São Paulo (SP), um leilão para definir as empresas responsáveis<br />

pela construção e manutenção de 6,4 mil km (quilômetros) de linhas de transmissão em 14<br />

Estados. A previsão é que sejam investidos R$ 18,2 bilhões em 69 empreendimentos, com a<br />

geração de 34,9 mil empregos diretos. Os Estados com obras previstas no leilão são Alagoas,<br />

Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio<br />

de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Segundo a Aneel, dos<br />

15 lotes propostos, seis têm investimento previsto superior a R$ 1 bilhão. O prazo para operação<br />

comercial dos empreendimentos varia de 36 a 72 meses, para concessões por 30 anos,<br />

contados a partir da celebração dos contratos. Foram concedidos à iniciativa privada 15 lotes<br />

de linhas de transmissão em 14 Estados. As obras visam à expansão da rede básica, além de<br />

ampliar as margens para conexão de novos empreendimentos de geração de energia.<br />

Foto: divulgação<br />

20 www.REVISTABIOMAIS.com.br


Mais que<br />

uma fábrica:<br />

Engenharia<br />

aplicada para<br />

todo projeto.<br />

Conheça todo nosso trabalho,<br />

descubra mais em: burntech.ind.br


ITECNOLOGIA EXCLUSIVA<br />

PAT EN T E<br />

MTAB


ENTREVISTA<br />

Foto: divulgação<br />

ENTREVISTA<br />

JOSÉ CARLOS<br />

HAAS JUNIOR<br />

Formação: Engenharia de Produção na Unisc (Universidade Federal de<br />

Santa Cruz do Sul); MBA em Gestão Empresarial pela FGV (Fundação<br />

Getúlio Vargas); pós em Economia Circular em TU Delft - Technology,<br />

Policy and Management, na Holanda, entre outros.<br />

Education: Production Engineering at the Federal University of Santa<br />

Cruz do Sul (Unisc); MBA in Business Management from the Getúlio Vargas<br />

Foundation (FGV); and postgraduate studies in Circular Economy and<br />

Technology, Policy, and Management at the Delft University of Technology -<br />

in the Netherlands, among others.<br />

Cargo: Diretor executivo da Haas Madeira / Coordenador do Comitê de<br />

Paletes e Embalagens da Abimci (Associação Brasileira da Indústria de<br />

Madeira Processada Mecanicamente).<br />

Function: Executive Director of Haas Madeira and Coordinator of the Pallets<br />

and Packaging Committee of the Brazilian Association of the Mechanically<br />

Processed Wood Industry (Abimci).<br />

PELLETS DE<br />

EUCALIPTO<br />

EUCALYPTUS PELLETS<br />

C<br />

om mais de 50 anos de atividade no mercado,<br />

a Haas Madeira é uma empresa familiar sediada<br />

em Venâncio Aires (RS), especialista em paletes.<br />

Recentemente, a empresa começou a produzir<br />

pellets de eucalipto, após 8 anos de pesquisas. A empresa<br />

transpôs barreiras, pesquisou as propriedades do eucalipto,<br />

desenvolveu o produto e colocou no mercado. Em entrevista<br />

para a Revista REFERÊNCIA BIOMAIS, o diretor executivo José<br />

Carlos Haas Junior, que também é coordenador do Comitê<br />

de Paletes e Embalagens da Abimci (Associação Brasileira da<br />

Indústria de Madeira Processada Mecanicamente) conta sua<br />

trajetória na empresa e como foi o processo para desenvolver<br />

os pellets de eucalipto, aproveitando resíduos produzidos na<br />

própria empresa, além de abordar a importância do comitê<br />

para padronização dos produtos.<br />

W<br />

ith over 50 years in the market, Haas Madeira<br />

is a family-owned company located in Venâncio<br />

Aires (RS), specializing in the manufacture<br />

of pallets. After eight years of research, the<br />

Company began producing eucalyptus pellets. The Company<br />

overcame obstacles, researched the properties of eucalyptus,<br />

developed the product, and brought it to market. In an<br />

interview with REFERÊNCIA <strong>Biomais</strong>, José Carlos Haas Junior,<br />

Executive Director, who is also the Coordinator of the Pallets<br />

and Packaging Committee of the Brazilian Association of<br />

the Mechanically Processed Wood Industry (Abimci), tells<br />

us about his career at the Company and how the process of<br />

developing eucalyptus pellets using waste produced in-house<br />

came about, as well as the importance of the Committee in<br />

standardizing products.<br />

24 www.REVISTABIOMAIS.com.br


PELETIZAÇÃO<br />

DE EUCALIPTO<br />

E MADEIRA<br />

DURA<br />

A maior capacidade instalada<br />

para produção de pellets<br />

no país é KAHL<br />

Distribuidor e representante exclusivo<br />

Kahl Brasil


ENTREVISTA<br />

A sua experiência como executivo empresarial ajudou<br />

a te alçar ao cargo de coordenador do Comitê de Paletes e<br />

Embalagens da Abimci?<br />

A Haas Madeiras é uma empresa familiar que recentemente<br />

fez 50 anos. Quando nasci, a empresa já existia e sempre<br />

acompanhei meu pai na sua trajetória profissional. Em 2007,<br />

comecei a trabalhar na empresa. Conciliei meus estudos<br />

com os compromissos profissionais, trabalhei em diferentes<br />

setores para conhecer o negócio e dar continuidade. A Haas<br />

faz paletes de madeira desde o início dos anos 1980. Vivi<br />

essa trajetória, as várias etapas do palete no Brasil, a criação<br />

da primeira associação, depois veio a Anapem (Associação<br />

Nacional dos Produtores de Paletes e Embalagens de Madeira).<br />

As associações nacionais sempre tiveram alguma dificuldade<br />

para desempenhar seu papel e faz alguns anos que trabalhamos<br />

com a Abimci. E enquanto fazia esse trabalho na Abimci,<br />

chegou um momento de repensar o que a Anapem fazia e veio<br />

a sugestão de abrir um comitê dentro da Abimci, compartilhar<br />

a mesma estrutura, o que acabou sendo mais representativo<br />

pela força que a associação tem.<br />

Quais os desafios do trabalho do Comitê dentro da<br />

Abimci?<br />

No comitê, os desafios geram oportunidades. O Brasil é um<br />

país continental, que depende muito da logística e o palete<br />

está diretamente relacionado a isso e ao armazenamento.<br />

A grande questão é que no palete, assim como em outras<br />

frentes, o Brasil não é muito bom de formalização e padronização,<br />

não costuma seguir normas, o que faz o setor ser, de certa<br />

forma, precário, bastante informal, sem um regramento explícito<br />

para operação. O nosso grande desafio é criar uma norma<br />

nacional, que está em desenvolvimento e será o ponto base<br />

para, a partir daí, trabalharmos a padronização. Ter uma regulamentação<br />

para que se alinhe o discurso entre o consumidor de<br />

palete, o transportador, o armazenador, o fabricante de palete,<br />

o fabricante da madeira serrada, para que todos falem a mesma<br />

língua e com isso traga ganhos para toda sociedade. Desde<br />

ganhos econômicos de produtividade, de competitividade, de<br />

segurança, um ganho real para todos.<br />

Did your experience as a business manager help you<br />

become the Coordinator of Abimci’s Pallets and Packaging<br />

Committee?<br />

Haas Madeiras is a family business that recently celebrated<br />

50 years in operation. When I was born, the Company<br />

already existed, and I followed my father in his professional<br />

career. I started working for the Company in 2007. I combined<br />

my studies with my professional commitments and<br />

worked in different areas to get to know the Company and<br />

keep it going. Haas has been manufacturing wooden pallets<br />

since the early 1980s. I have seen this evolution, the different<br />

stages of the pallet in Brazil, the creation of the first association,<br />

and later the creation of the National Association<br />

of Producers of Wooden Pallets and Packaging (Anapem).<br />

National associations have always had some difficulties<br />

in performing their role, and we have been working with<br />

Abimci for a few years now. While I was doing this work with<br />

Abimci, the time came to rethink what Anapem was doing,<br />

and the suggestion came to open a committee within Abimci<br />

to share the same structure, which ended up being more<br />

representative given the strength of Abimci.<br />

What are the challenges in the work of the Abimci<br />

Pallets and Packaging Committee?<br />

At the Committee, challenges create opportunities.<br />

Brazil is a continental country that relies heavily on logistics,<br />

and pallets are directly related to this as well as to storage.<br />

The big problem is that in the Pallet Sector, as in other areas,<br />

Brazil is not very good at formalization and standardization;<br />

it does not usually follow norms, which means that<br />

the Sector is somewhat precarious and quite informal, with<br />

no explicit rules of operation. Our big challenge is to create<br />

a national standard, which is under development and will<br />

be the base from which we can work on standardization.<br />

A standard is needed to align the discourse between the<br />

pallet consumer, the transporter, the warehouser, the pallet<br />

manufacturer, and the sawmill so that everyone is speaking<br />

the same language, bringing benefits to society as a whole,<br />

from economic gains in productivity, competitiveness, and<br />

safety to real benefits for everyone.<br />

Temos a cadeia total e na produção da madeira se gera<br />

biomassa, cavaco e serragem. Optamos por entrar no mercado<br />

de pellet de madeira para ter mais segurança na nossa operação<br />

26 www.REVISTABIOMAIS.com.br


A AFIAÇÃO CHEGOU<br />

EM UM OUTRO NÍVEL!<br />

Nova Afiadora de facas Energy:<br />

alta performance com um<br />

simples toque na tela.<br />

Máquina totalmente automática<br />

com sistema de comando CNC,<br />

SIEMENS TOUCH SCREEN, e<br />

com o novo Sistema de<br />

separação de resíduos, que<br />

garante uma afiação livre de<br />

resíduos ferrosos.<br />

SIEMENS TOUCH SCREEN<br />

SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS


Fone: +55 47 3520-2500<br />

Rua dos Vereadores, 410 - Itoupava - Rio do Sul - SC - Brasil<br />

www.engecasscaldeiras.com.br


CPM, o seu parceiro em produtividade,<br />

reduzindo custos com operação!<br />

Vida útil<br />

prolongada<br />

Otimização no controle de processo<br />

Expressiva redução de custos<br />

Otimização no<br />

controle de processo<br />

Rolos Lubrificados a Óleo<br />

Vida útil prolongada<br />

dos rolamentos;<br />

Menor custo com<br />

manutenção;<br />

Maior disponibilidade<br />

de equipamento;<br />

Redução expressiva no<br />

consumo de lubrificante;<br />

Temperatura nos rolos<br />

135 o C<br />

Temperatura média dos rolos<br />

Redução de temperatura<br />

35°C<br />

de redução de<br />

temperatura<br />

135 o C<br />


PRINCIPAL<br />

QUALIDADE<br />

EM PELLETS<br />

EMPRESA PIONEIRA<br />

NA FABRICAÇÃO<br />

DE PELETIZADORA<br />

CONTINUA INOVANDO<br />

COM A TECNOLOGIA<br />

TWIN TRACK<br />

FOTOS DIVULGAÇÃO<br />

36 www.REVISTABIOMAIS.com.br


REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

37


PRINCIPAL<br />

D<br />

e origem norte-americana, a CPM iniciou<br />

sua história como fabricante de prensas manuais<br />

voltadas para o mercado de vinhos, e<br />

hoje, desenvolve equipamento para pellets<br />

de madeira e outras aplicações do mercado que garante<br />

melhor rendimento com tecnologias inovadoras no<br />

setor. Presente no Brasil, com uma unidade para atender<br />

a América do Sul, a empresa é reconhecida pelos<br />

produtos que atendem as demandas de todas as aplicações<br />

possíveis da indústria de processamento com<br />

máquinas resistentes e confiáveis. Com sede em Waterloo,<br />

Iowa - EUA (Estados Unidos da América), a CPM<br />

projeta e fabrica uma ampla variedade de peletizadoras,<br />

equipamentos de processamento de sementes<br />

oleaginosas, extrusoras de dupla rosca e equipamentos<br />

térmicos em escala industrial.<br />

Pioneira na fabricação de equipamentos e com<br />

mais de 80 anos de mercado, a CPM foi responsável<br />

pela fabricação da primeira peletizadora comercial do<br />

mundo, em 1931 e desde então, vem liderando projetos<br />

e fabricando peletizadoras de qualidade mundial<br />

com os menores custos operacionais e o maior valor<br />

agregado a longo prazo. Para a área de pellets de madeira,<br />

um dos diferenciais da empresa é o Twin Track,<br />

um equipamento da linha Pellet Mill que apresenta<br />

uma tecnologia que transforma o processo de produção,<br />

garantindo redução no consumo de energia,<br />

qualidade do pellet e aumento da capacidade da peletizadora.<br />

QUALITY IN<br />

PELLETS<br />

PIONEERING PELLET MILL<br />

MANUFACTURER CONTINUES<br />

TO INNOVATE WITH TWIN<br />

TRACK TECHNOLOGY<br />

O<br />

f North American origin, CPM began its<br />

history as a manufacturer of manual presses<br />

aimed at the wine market, and today,<br />

it develops equipment for wood pellets<br />

and other market applications, guaranteeing better performance<br />

with innovative technologies in the industry.<br />

Present in Brazil, with a unit to serve South America, the<br />

Company is recognized for products that meet the demands<br />

of all possible applications in the processing industry<br />

with resistant and reliable machines. Headquartered<br />

in Waterloo, Iowa, CPM designs and manufactures<br />

a wide range of pellet mills, oilseed processing equipment,<br />

twin-screw extruders, and thermal equipment on<br />

an industrial scale.<br />

A pioneer in equipment manufacturing with more<br />

than 80 years in the marketplace, CPM was responsible<br />

for building the world’s first commercial pellet mill<br />

A Twin Track melhora a<br />

alimentação ao longo<br />

da largura da matriz, os<br />

pellets são distribuídos<br />

50% à esquerda e à direita,<br />

o que proporciona melhor<br />

distribuição, promovendo um<br />

desgaste mais uniforme<br />

Evandro Magnus, diretor da CPM<br />

na América do Sul<br />

38<br />

www.REVISTABIOMAIS.com.br


BIOMASSA<br />

RECORDE DE<br />

GERAÇÃO<br />

DE ENERGIA<br />

EM 2023, A FONTE<br />

RENOVÁVEL E LIMPA<br />

CONTRIBUIU COM 3.218 MW<br />

MÉDIOS, COM DESTAQUE<br />

PARA O BAGAÇO DA<br />

CANA-DE-AÇÚCAR<br />

FOTOS DIVULGAÇÃO<br />

42 www.REVISTABIOMAIS.com.br


REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

43


BIOMASSA<br />

A<br />

geração de energia a partir da biomassa<br />

bateu o recorde de contribuição ao SIN<br />

(Sistema Interligado Nacional) em 2023.<br />

Foram 3.218 MWm (megawatts médios),<br />

o que significou 4,6% de toda a demanda de energia<br />

consumida no ano passado. As informações são da<br />

CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica),<br />

vinculada ao MME (Ministério de Minas e Energia). O<br />

SIN é o sistema hidrotérmico para produção e transmissão<br />

de energia elétrica, coordenado e controlado<br />

pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).<br />

“Estamos atuando em várias frentes, para seguir como<br />

referência de energia limpa em todo o mundo. Em<br />

2023, 93,6% da nossa eletricidade foi gerada a partir<br />

de fontes renováveis, o que reforça o Brasil como<br />

liderança mundial na transição energética”, destacou o<br />

ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.<br />

O recorde anterior foi registrado no ano de 2020,<br />

quando a geração média das usinas de biomassa<br />

ficou em 3.140 MWm. Em 2023, houve acréscimo na<br />

capacidade instalada de biomassa de 223 MW e, para<br />

2024, o incremento esperado é de 1.155 MW, o que representará<br />

o maior valor da série histórica. Em 2023, a<br />

contribuição da biomassa à geração de energia variou<br />

de 3,2% a 4,9% ao longo dos meses.<br />

EMPREENDIMENTOS DE BIOMASSA<br />

Conforme o levantamento, são 637 empreendimentos<br />

movidos a biomassa espalhados por todo o<br />

Brasil. A maioria deles (422) utiliza bagaço de cana-<br />

-de-açúcar, com uma potência total de 12.410 MW. O<br />

material é obtido após o esmagamento da cana para<br />

obtenção de álcool, como o etanol combustível e as<br />

bebidas alcóolicas, ou para a fabricação de açúcar.<br />

Sendo a cana-de-açúcar um componente importante<br />

para a geração de energia em duas etapas, tanto no<br />

transporte, quanto na geração de energia.<br />

Os resíduos florestais são o combustível de 76<br />

usinas, que geram 820 MW. A lenha, material utilizado<br />

na queima em termelétricas, que pode ter origem<br />

em florestas nativas ou de reflorestamento, move 13<br />

empreendimentos, contribuindo com uma potência<br />

de 263 MW. O biogás contribui com uma potência de<br />

201 MW.<br />

44 www.REVISTABIOMAIS.com.br


www.metalsulindustrial.com<br />

PROJETO<br />

PARA PRODUÇÃO DE<br />

PELLETS<br />

Sistemas de processamento<br />

completos para secagem de<br />

biomassa destinado para<br />

produção de pellets<br />

(49) 9 8806-7493 | 9 8817-2113<br />

(49) 3353 6101<br />

Rua 05, Distrito Industrial Sérgio, Anestor Davi<br />

nº 26 - Bairro Industrial - Xaxim - SC


FAÇA UMA COTAÇÃO CONOSCO<br />

Rua Walter Erich Obenaus S/N<br />

89107-000 Pomerode - SC<br />

+55 (47) 3334-1388 (47) 99180-1663<br />

www.walterfundicao.com.br


PRODUÇÃO<br />

BIOMASSA<br />

EM GOIÁS<br />

ASSOCIAÇÃO BUSCA<br />

ESTIMULAR PRODUÇÃO<br />

DE BIOMASSA DE<br />

MADEIRA NO ESTADO<br />

DO CENTRO-OESTE PARA<br />

ATENDER A DEMANDA<br />

FOTOS DIVULGAÇÃO<br />

BIOMASS IN THE<br />

STATE OF GOIÁS<br />

ASSOCIATION SEEKS TO<br />

STIMULATE WOOD BIOMASS<br />

PRODUCTION IN MIDWESTERN<br />

STATE TO MEET DEMAND<br />

48 www.REVISTABIOMAIS.com.br


A<br />

busca por fontes de energia renovável tem crescido<br />

e estimulado ações para reduzir as emissões<br />

de GEE (gases de efeito estufa) e aproveitar todo<br />

resíduo possível para geração de energia. O<br />

Estado de Goiás não tem tradição na silvicultura, mas é um<br />

importante produtor agroindustrial, cujas indústrias, em sua<br />

grande maioria, se utilizam da biomassa para geração de<br />

energia.<br />

Com a corrida para aumentar a geração de energia renovável,<br />

várias frentes estão sendo organizadas. O governo<br />

de Goiás anunciou que está com dois projetos de destaque<br />

na área de energia neste ano de 2024, que são os programas<br />

T<br />

he search for renewable energy sources has increased,<br />

stimulating actions to reduce greenhouse gas emissions<br />

(GHG) and use all possible wastes to generate<br />

energy. The State of Goiás does not have a forestry<br />

tradition, but it is an important agro-industrial producer, and<br />

most companies in the State use biomass to generate energy.<br />

Several fronts are being organized in the race to increase<br />

renewable energy production. The Government of Goiás<br />

has announced that it has two outstanding energy projects<br />

for 2024: the Energy Efficiency and the Energy Matrix<br />

Programs, under the responsibility of the General Secretariat<br />

of Government (SGG) through the Sub-Secretariat of Energy,<br />

REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

49


CRESCIMENTO<br />

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA<br />

BATE RECORDE NO<br />

BRASIL<br />

FOTOS DIVULGAÇÃO<br />

54 www.REVISTABIOMAIS.com.br


POTÊNCIA INSTALADA<br />

CHEGOU A 28 GW, O<br />

QUE COMPROVA O<br />

AVANÇO CRESCENTE<br />

DO PAÍS NA GERAÇÃO<br />

DISTRIBUÍDA DE ENERGIA<br />

LIMPA E SUSTENTÁVEL<br />

A<br />

geração de energia limpa e sustentável é<br />

uma marca do Brasil e continua avançando.<br />

No último mês de março a GD (geração<br />

distribuída) de energia bateu novo recorde<br />

e alcançou 28 GW (gigawatts) de potência instalada, resultante<br />

de micro e minigerações distribuídas de energia<br />

solar. Em 2023, o país registrou 7,4 GW de acréscimo<br />

na capacidade instalada, segundo a Aneel (Agência Nacional<br />

de Energia Elétrica). Os dados da agência levam<br />

em consideração os sistemas próprios de produção de<br />

energia nas residências e empresas. Conforme dados da<br />

ABGD (Associação Brasileira de Geração Distribuída), a<br />

potência de 28 GW equivale à produção de duas usinas<br />

hidrelétricas de Itaipu.<br />

Este número representa um marco para o cenário<br />

energético e a tendência é aumentar ainda mais, visto<br />

que a instalação de usinas próprias vem crescendo<br />

entre consumidores individuais e entre empresas que<br />

constroem fazendas solares, fornecendo energia mais<br />

barata ao consumidor final. Os números comprovam o<br />

crescimento e a popularização da GD no país. Atualmente,<br />

dos 5.570 municípios do Brasil, 5.547 possuem<br />

instalação de geração distribuída e a quantidade de<br />

sistemas instalados é de 2.466.416, que no conjunto<br />

geraram 28 GW de potência no último mês de março.<br />

São dados que destacam a adoção de fontes de energia<br />

limpa, promovendo a sustentabilidade ambiental.<br />

REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

55


ARTIGO<br />

ESTOQUE DE CARBONO<br />

E DE BIOMASSA<br />

EM VEGETAÇÃO COM<br />

DIFERENTES ESTÁGIOS DE<br />

REGENERAÇÃO E ALTERAÇÕES<br />

ANTRÓPICAS EM ÁREA URBANA<br />

FOTOS DIVULGAÇÃO<br />

58 www.REVISTABIOMAIS.com.br


YURI ROMMEL VIEIRA ARAÚJO<br />

UFPB (Universidade Federal da Paraíba)<br />

ZHAYNE CHRISTINA GONÇALVES MOREIRA<br />

UFPB (Universidade Federal da Paraíba)<br />

ARINALDO INÁCIO DAS NEVES<br />

Secretaria Municipal do Meio Ambiente de João Pessoa (PB)<br />

REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

59


ARTIGO<br />

RESUMO<br />

O<br />

estudo teve como objetivo quantificar<br />

o estoque de carbono e biomassa em<br />

vegetação com diferentes estágios de<br />

regeneração e alterações antrópicas em<br />

área urbana. Para a obtenção dos resultados foi realizado<br />

o inventário florestal de seis áreas com diferentes<br />

características fitofisionômicas, grau de antropização e<br />

estágio de regeneração. Para a quantificação de estoque<br />

de carbono e biomassa foram utilizadas equações<br />

alóctones adaptadas para floresta estacional semidecidual.<br />

Das seis áreas, duas foram classificadas como<br />

estágio médio de regeneração, uma em estágio médio<br />

inicial e três em estágio inicial. O estoque de biomassa<br />

abaixo do solo encontrado variou entre 28,66 t/ha e<br />

0,12 t/ha e acima do solo entre 155,75 t/ha e 0,67 t/<br />

ha, dependendo do estágio de regeneração e grau de<br />

antropização. O estoque de carbono total variou entre<br />

88,51 tC/ha e 0,38 tC/ha, conforme a fitofisionomia da<br />

área. A vegetação em estágio médio inicial apresentou<br />

maior média de biomassa arbórea e carbono estocado<br />

em comparação aos demais estágios de regeneração.<br />

O fuste apresentou o maior estoque médio de carbono,<br />

seguida pelos galhos e raízes. Com os resultados, foi<br />

possível concluir que as áreas que apresentaram vegetação<br />

com características mais próximas dos remanescentes<br />

florestais, apresentam maior capacidade de<br />

estoque de biomassa e carbono. As áreas em estágio<br />

médio inicial absorvem maior quantidade de carbono<br />

e biomassa por hectares, e em estágio inicial, pouca<br />

capacidade. À medida que um remanescente florestal<br />

passa por um processo de antropização e de degradação,<br />

reduz sua função de sequestrar e estocar.<br />

60 www.REVISTABIOMAIS.com.br


INTRODUÇÃO<br />

O aumento da concentração de CO2 (gás carbônico)<br />

na atmosfera, a partir da Revolução Industrial, seus<br />

respectivos efeitos sobre a população e o ambiente<br />

vêm se tornando cada vez mais relevante e preocupante,<br />

sendo um desafio para a sociedade mitigá-los<br />

(Freitas Júnior, 2017). O acréscimo entre 1ºC e 3ºC<br />

(graus Celsius) na temperatura média global, acima dos<br />

valores registrados na década de 1990, poderá beneficiar<br />

algumas regiões do planeta, no entanto, trará custos<br />

econômicos e sociais em outras partes (IPCC, 2019).<br />

Uma das ações antrópicas que contribuem para<br />

a emissão de CO2 na atmosfera são as alterações da<br />

cobertura vegetal, mais especificamente o desmatamento<br />

e as queimadas, onde as mudanças provocadas<br />

pela fragmentação florestal e redução de áreas nativas,<br />

resultam na perda de funções ecológicas, incluindo<br />

a produção de oxigênio, estoque e captura de CO2<br />

(Dantas et al., 2017).


Os locais com uma<br />

cobertura vegetal<br />

em estágio médio<br />

ou inicial/médio<br />

apresentaram os<br />

maiores resultados de<br />

estoque de carbono<br />

e de biomassa por<br />

hectare, cumprindo<br />

com a sua função<br />

ecológica<br />

por um processo antrópico e degradatório, perdendo<br />

suas características naturais, a função ecossistêmica de<br />

sequestro de carbono e acúmulo de biomassa se reduz.<br />

A estrutura vegetal que absorve maior quantidade<br />

de carbono foi o fuste. A quantidade de carbono<br />

estocado total médio por indivíduos foram maiores nas<br />

áreas A5 e A6, tratando-se de locais antropizados.<br />

Uma estratégia que o município de João Pessoa<br />

tem para contribuir com a redução do aquecimento e<br />

sequestro dos GEE (gases de efeito estufa) é mediante<br />

a criação de parques e UC de áreas que apresentem<br />

cobertura florestal nativa e realizando o reflorestamento<br />

de áreas degradadas.<br />

Para acessar esse conteúdo na<br />

íntegra acesse o QRcode ao lado:<br />

REVISTA + BIOMASSA + ENERGIA<br />

63


AGENDA<br />

MAIO 2024<br />

DESTAQUE<br />

CIBIO 2024 – CONGRESSO INTERNACIONAL<br />

DE BIOMASSA<br />

Data: 29 e 30<br />

Local: FIEP – Curitiba (PR)<br />

Informações:<br />

https://www.congressobiomassa.com/site/<br />

CBENS - CONGRESSO BRASILEIRO DE<br />

ENERGIA SOLAR<br />

Data: 27 a 30<br />

Local: Natal (RN)<br />

Informações:<br />

https://www.abens.org.br/evento.php?evento=3<br />

JUNHO 2024<br />

HYDROGEN AMÉRICAS<br />

Data: 11 a 12<br />

Local: Washington D.C., EUA (Estados Unidos da América)<br />

Informações:<br />

https://www.hydrogen-americas-summit.com/<br />

EUBCE – EUROPEAN BIOMASS<br />

CONFERENCE & EXHIBITION<br />

Data: 24 a 27<br />

Local: Marselha (França)<br />

Informações: https://www.eubce.com/<br />

BIOTECH FAIR E<br />

CONGRESSO<br />

DE BIOENERGIA+<br />

Data: 4 a 6 de junho de 2024<br />

Local: Porto Alegre (RS)<br />

Informações:<br />

https://congressodebioenergia.com.br/<br />

O Congresso Internacional de Bioenergia<br />

acontece juntamente com BIOTECHFAIR - Feira<br />

Internacional de Tecnologia em Bioenergia e<br />

Biocombustíveis -, ocupando mais de 10 mil m2<br />

(metros quadrados) do Centro de Eventos da<br />

Fiergs (Federação das Indústrias do Estado do<br />

Rio Grande do Sul), em Porto Alegre (RS). O evento<br />

é consolidado como um importante fórum de<br />

discussões sobre energias renováveis do Brasil e<br />

América Latina.<br />

64 www.REVISTABIOMAIS.com.br


VEM AÍ!<br />

02 DE DEZEMBRO - CURITIBA (PR)<br />

PATROCINADORES:<br />

ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE<br />

MADEIRAS E DERIVADOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO<br />

SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS<br />

envimat<br />

www<br />

revistareferencia.com.br<br />

comercial@revistareferencia.com.br


OPINIÃO<br />

Foto: divulgação<br />

GERENCIAMENTO DE<br />

EQUIPES: COMO MELHORAR<br />

OS RESULTADOS DOS TIMES?<br />

À<br />

medida que os modelos de locais de trabalho<br />

evoluem, também se aperfeiçoam os termos e<br />

práticas utilizados pelas empresas. Nos últimos<br />

anos, o trabalho híbrido disparou. A missão dos<br />

líderes e esforço de gestão mais dinâmica dos times para<br />

potencializar os resultados vem se tornando cada vez mais<br />

desafiadores.<br />

As organizações estão começando a entender que uma<br />

equipe de sucesso não é apenas o resultado de compartilhar<br />

um espaço físico ou de indivíduos trabalhando isoladamente<br />

de forma eficiente. Para proteger e reter os melhores<br />

talentos, a implementação de práticas ágeis está se tornando<br />

rotina em todas as áreas.<br />

Com a crescente demanda por flexibilidade, transparência<br />

e engajamento entre os funcionários, o gerenciamento<br />

de trabalho colaborativo tornou- se uma prática essencial<br />

para o sucesso das organizações.<br />

A gestão colaborativa do trabalho, também conhecido<br />

como CWM (Collaborative Work Management), é a prática<br />

de gerenciar uma equipe de maneira a promover a comunicação<br />

e o trabalho em colaboração. É uma abordagem que<br />

enfatiza a importância de trabalhar em conjunto – mesmo<br />

que os membros da equipe estejam em locais separados<br />

usando dispositivos diferentes – para um objetivo comum,<br />

em vez de trabalhar em silos ou abordagens individualistas.<br />

O gerenciamento de trabalho colaborativo envolve a<br />

criação de um ambiente em que todos da equipe possam<br />

compartilhar ideias, recursos e feedbacks e trabalhar juntos<br />

para atingir um bom desempenho coletivo dentro de uma<br />

empresa. No entanto, sendo um conceito da era digital, não<br />

se manifestou por meio de materiais como papel e canetas.<br />

O CWM surgiu pelo domínio de plataforma de softwares.<br />

O gerenciamento eficaz do trabalho colaborativo requer<br />

uma compreensão clara da dinâmica da equipe, pontos fortes<br />

e fracos individuais e a capacidade de criar uma cultura<br />

de confiança e respeito. Essa abordagem também requer o<br />

uso de ferramentas e tecnologias que permitam que todos<br />

se comuniquem e colaborem de forma eficaz, independentemente<br />

de sua localização ou fuso horário. As principais<br />

características do gerenciamento de trabalho colaborativo<br />

passsam por: comunicação aberta e transparente, colaboração<br />

e trabalho em equipe, compartilhamento de recursos,<br />

tecnologia colaborativa, flexibilidade e adaptabilidade.<br />

Com tantas características construtivas disponíveis, já<br />

é de se imaginar a infinidade de benefícios que CWM pode<br />

trazer. Em primeiro lugar, incentiva o trabalho em equipe e a<br />

comunicação, cruciais para o sucesso de qualquer organização.<br />

Quando as pessoas trabalham juntas, elas podem<br />

compartilhar ideias, debater e resolver problemas com mais<br />

eficiência. Isso, por sua vez, leva ao aumento da produtividade<br />

e a melhores resultados.<br />

Em segundo lugar, essa gestão promove a responsabilidade<br />

e a transparência. Quando os colaboradores trabalham<br />

de forma colaborativa, é mais provável que eles assumam<br />

suas tarefas e responsabilidades. Em terceiro lugar, a gestão<br />

do trabalho colaborativo pode melhorar o envolvimento dos<br />

funcionários e a satisfação no trabalho. Os resultados de um<br />

estudo de Stanford mostraram que sentir que você faz parte<br />

de uma equipe de pessoas trabalhando em uma tarefa,<br />

torna as pessoas mais motivadas ao enfrentar desafios.<br />

E como último e possivelmente um dos maiores benefícios,<br />

o CWM aumenta a produtividade da equipe. Com uma<br />

gestão mais eficiente, as equipes podem trabalhar de forma<br />

mais produtiva, otimizando o tempo e cumprindo os prazos,<br />

e atingindo os resultados estabelecidos.<br />

C<br />

M<br />

Y<br />

CM<br />

MY<br />

CY<br />

CMY<br />

K<br />

Por Hermínio Gonçalves<br />

CEO da SoftExpert Brasil<br />

Foto: divulgação<br />

66 www.REVISTABIOMAIS.com.br


A FACA<br />

GIGANTE<br />

DO AGRO<br />

SERRAS E FACAS INDUSTRIAIS

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!