A Saúde & os Campos Eletromagnéticos de Telefones Celulares

mmfai.org

A Saúde & os Campos Eletromagnéticos de Telefones Celulares

A Saúde & os Campos Eletromagnéticos

de Telefones Celulares


INNER FRONT COVER


Conteúdo

Introdução 1

2 Como funciona a telefonia móvel 1

3 Tecnologias da telefonia móvel 2

4 A segurança dos telefones celulares: diretrizes e pesquisas 3

5 Demonstrando conformidade: Taxa de Absorção Específica 4

6 Fontes adicionais de informação 5

Introdução

O crescimento da utilização dos serviços de comunicação móvel tem sido substancial nos

últimos anos. E a partir da introdução de novas e diferentes tecnologias, tal fenômeno deve

continuar no futuro próximo.

Este documento traz informações fundamentais sobre a operação dos telefones celulares e sua

estrutura de suporte. Além disso, responde a algumas das mais freqüentes dúvidas sobre saúde

e segurança, relacionadas a estes equipamentos.

2 Como funciona a telefonia móvel

Quando se faz uma chamada, o telefone celular envia ondas de rádio,

também conhecidas como campos de radiofreqüência (RF). As ondas de

rádio têm sido utilizadas há muitos anos por serviços de emergência,

táxis e emissoras de rádio e televisão. Os campos RF são uma forma de

energia não-ionizante, sem poder para quebrar estruturas moleculares, ao contrário da energia

ionizante (gerada pelos raios-X ou gama).

A antena da estação rádio-base mais próxima recebe as ondas de rádio e encaminha o sinal

para um comutador que, por sua vez, conecta a chamada para uma rede de telefonia fixa ou

para uma outra estação rádio-base. As redes de comunicação móvel dividem-se em áreas

geográficas chamadas de ‘células’, cada uma delas servida por uma estação rádio-base

(Figura 1). O sistema é planejado de forma a assegurar que os telefones celulares mantenham

sua conexão com a rede à medida que o usuário se movimenta de uma célula à outra. Esse

processo é conhecido como ‘handover’ – literalmente, quando um a rede ‘passa’ a chamada de

uma estação rádio-base para outra. O ‘handover’ acontece automaticamente e é imperceptível

para o usuário.

O nível dos sinais enviados entre telefones celulares e estações rádio-base é cuidadosamente

otimizado para que a rede opere satisfatoriamente. Os sinais são ajustados e controlados de

forma a não permitir a interferência de outros sistemas de rádio.

Informações detalhadas sobre estações rádio-base podem ser encontradas na brochura

‘Mobile Phone Base Stations EMF/Health Fact Pack’, disponível no website do MMF.

Figura : Estrutura de uma rede

PAGE


3 Tecnologias da telefonia móvel

Várias diferentes tecnologias são utilizadas pelos telefones celulares, com radiofreqüências

que variam de 450 MHz a 2.500 MHz (2,5 GHz). Atualmente, a maioria dos telefones celulares

em uso baseia-se nos sistemas de comunicação móvel GSM (utilizando tecnologia TDMA),

incluindo GPRS e EDGE, ou CDMA One (utilizando tecnologia CDMA).

De maneira crescente, os telefones celulares vem

incorporando tecnologias 3G, ou seja, de terceira geração.

Trata-se de um grupo de padrões e tecnologias que buscam

aumentar a eficiência e melhorar a performance das redes

móveis. As tecnologias 3G combinam acesso móvel de alta

velocidade com serviços baseados no Protocolo de Internet

(IP), que se refere ao protocolo de transporte na rede para a

troca de dados via Internet. Os serviços móveis 3G oferecem

melhorias como maiores velocidades na transmissão de dados, capacidade otimizada para voz

e dados, e o advento das redes de pacotes de dados ao invés das redes comutadas de hoje.

3G é um termo genérico que abriga várias tecnologias

de redes móveis, como WCDMA e CDMA2000. O UMTS,

por sua vez, é um sistema 3G global implementado com

tecnologia WCDMA.

Telefones celulares usam o controle adaptável

de energia como um meio de redução da energia

transmitida ao mínimo possível, sem que se perca

qualidade na chamada. Por exemplo: enquanto se

utiliza um telefone celular, a média de saída de energia

pode variar do nível mínimo, de menos de 0,001 watt,

ao máximo, que é inferior a 1 watt (Figura 2). Essa

característica prolonga a vida da bateria e o tempo

possível de conversação.

Tecnologias e sistemas

de comunicação móvel

CDMA – Code Division Multiple Access, ou

Acesso Múltiplo por Divisão de Códigos

EDGE – Enhanced Data for GSM Evolution, ou

Dados Ampliados para a Evolução do GSM

GSM – Global System for Mobile

Communications, ou Sistema Global para a

Comunicação Móvel

GPRS – General Packet Radio Service, ou

Serviço Geral de Rádio para Pacotes

TDMA – Time Division Multiple Access, ou

Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo

UMTS – Universal Móbile Telecommunications

System, ou Sistema Universal de

Telecomunicações Móveis

WCDMA – Wideband CDMA, ou CDMA de

Banda Larga Gerais

Figura 2: A força do sinal é impactada por vários fatores, sendo a proximidade em relação à estação rádio-base, um dos mais importantes.

PAGE 2


4 A segurança dos telefones celulares:

diretrizes e pesquisas

Em 1998, a Comissão Internacional de Proteção Contra

a Radiação Não-Ionizante (ICNIRP), organização

independente e reconhecida em todo o mundo,

anunciou as diretrizes que recomendam os limites

de exposição à RF, fornecendo grandes margens de

proteção para toda a população.

As diretrizes do ICNIRP vêm sendo amplamente

adotadas em muitos países, e se tornaram padrões de

segurança. Essas diretrizes são aplicadas a telefones

celulares, sites de estações rádio-base e outros dispositivos wireless.

Com investimentos de mais de 200 milhões em pesquisas apenas na última década, os efeitos

biológicos dos campos eletromagnéticos de radiofreqüência vem sendo estudados há mais de

50 anos.

Até outubro de 2005, havia cerca de 1.700 publicações revisadas por pares no banco de dados

de pesquisas da Organização Mundial de Saúde (OMS), relacionadas aos efeitos biológicos dos

campos de RF. Dessas publicações, existem mais de 400 estudos independentes, também

já revisados por pares, realizados sobre as freqüências utilizadas pela telefonia móvel.

A associação entre câncer e as ondas de rádio foi o tema de mais da metade desses estudos.

Para mais informações sobre os diversos estudos realizados sobre esse assunto, acesse o

website da OMS: http://www.who.int/peh-emf/research/database/en/.

Todos os efeitos estabelecidos de exposição à RF nas radiofreqüências utilizadas pela telefonia

móvel, relacionam-se ao aquecimento (efeitos térmicos). Quando a energia de onda de rádio

é absorvida pelos nossos corpos, um efeito de calor pode ocorrer, dependendo da intensidade

de exposição. Entretanto, não ocorre nenhum efeito significativo de aquecimento a partir da

exposição a ondas de rádio dentro das diretrizes de exposição.

Os chamados efeitos ‘não-térmicos‘ – ou sejam, aqueles que podem ocorrer em níveis de

exposição muitos baixos para causarem aquecimento – foram explorados com profundidade.

O consenso dos especialistas em saúde é que os resultados desses estudos têm sido

inconsistentes, e falharam ao estabelecer a existência de efeitos não-térmicos capazes de

serem replicados.

PAGE 3


Revisões por Especialistas

Desde 1995, mais de vinte painéis de especialistas e de agências governamentais

examinaram a evidência científica relacionada aos efeitos à saúde, causados pela exposição à

RF. A conclusão consistente dessas revisões é que o conhecimento científico mostra que não

existe nenhuma evidência de efeitos adversos à população, causados pela exposição à

RF abaixo das diretrizes de exposição aceitas internacionalmente.

Em 2004, a OMS afirmou:

“Na área de efeitos biológicos e aplicações médicas de radiações não-ionizantes,

aproximadamente 25 mil artigos foram publicados nos últimos 30 anos. Apesar de muitos

acreditarem na necessidade da realização de pesquisas adicionais, o conhecimento

científico nesta área é mais extenso do que aquele relacionado à maioria das substâncias

químicas. Baseado numa recente e profunda revisão da literatura científica existente, a OMS

concluiu que a evidência atual não confirma a existência de quaisquer conseqüências à

saúde, a partir da exposição a campos magnéticos de baixos níveis”.

A visão da indústria em relação aos efeitos à saúde causados pela exposição à RF a partir

dos telefones celulares, estações rádio-base e outros sistemas de comunicação móvel, estão

em concordância com as conclusões da OMS e de outros diversos painéis de revisão de

especialistas, realizados por organizações nacionais e internacionais. Essas revisões têm,

consistentemente, concluído que não há nenhuma evidência crível ou convincente de que

a exposição à RF a partir de telefones celulares, estações rádio-base ou outros dispositivos

wireless que operam dentro dos limites de exposição do ICNIRP, cause câncer ou qualquer

outro efeito adverso à saúde humana.

As empresas-membro do Mobile Manufacturers Forum testam seus produtos para garantir que

estejam de acordo com essas diretrizes de segurança.

5 Demonstrando conformidade: Taxa de Absorção Específica

O conceito de Taxa de Absorção Específica (SAR)

é utilizado para medir a quantidade de energia

absorvida pelo corpo. Os fabricantes demonstram

que estão de acordo com os padrões e as diretrizes

nacionais e internacionais, baseados em testes de

compatibilidade utilizando as medições do SAR.

PAGE 4


Entendendo o SAR

Embora o SAR seja determinado no nível mais alto de energia certificada em condições de

laboratório, o nível real de SAR do telefone em operação pode ser bem abaixo desse valor. Isso se

deve ao controle adaptável de potência mencionado anteriormente e a outros fatores, incluindo a

maneira pela qual o telefone é utilizado.

As variações de SAR entre os modelos de telefones não significam que existem variações

em termos de segurança. Os usuários podem confiar na segurança dos aparelhos, devido à

existência de diretrizes baseadas na ciência e reconhecidas por autoridades em todo o mundo.

Seguindo uma iniciativa voluntária introduzida pelo MMF e por seus membros em 2001, os valores

do SAR e o seu significado estão disponíveis nos manuais dos telefones dos usuários, nos

websites dos fabricantes, e no website do MMF (que apresenta mais de 400 aparelhos atualmente

disponíveis).

6 Fontes adicionais de informação

ICNIRP Guidelines for limiting exposure to time-varying electric, magnetic and

electromagnetic fi elds (up to 300 GHz)

http://www.icnirp.de/documents/emfgdl.pdf

2 World Health Organisation International EMF Project.

http://www.who.int/peh-emf

3 L’Agence Française de Sécurité Sanitaire Environnementale et du Travail (AFSSET)

http://www.afsset.fr/

4 UK Health Protection Agency - Electromagnetic Fields.

http://www.hpa.org.uk/radiation/understand/radiation_topics/emf/index.htm

5 La Asociación Española Contra el Cáncer - Campos Electromagnéticos Y Cáncer

Preguntas Y Respuestas.

http://www.todocancer.com/ESP/Informacion+Corporativa/Publicaciones/OtrosCampos

+Electromagneticos.htm

6 Report of the Health Council of the Netherlands.

http://www.gr.nl

7 Australian Radiation Protection and Nuclear Safety Agency (ARPANSA).

http://www.arpansa.gov.au/

8 Council of the European Union Recommendation of 2 July 999 on the limitation of

exposure of the general public to electromagnetic fi elds (0 Hz to 300 GHz) ( 999/5 9/EC).

http://europa.eu.int/eur-lex/pri/en/oj/dat/1999/l_199/l_19919990730en00590070.pdf

9 Professor John Moulder – Mobile Telephony and Human Health FAQ.

http://www.mcw.edu/gcrc/cop/cell-phone-health-FAQ/toc.html

0 The Wireless Information Resource Centre (WIRC) of Canada.

http://www.wirc.org

PAGE 5


O Mobile Manufacturers Forum é uma

associação internacional de fabricantes

de equipamentos de comunicação via ondas

de rádio.

Para mais informações, acesse: www.mmfai.org.

Diamant Building

80 Boulevard A. Reyers

B-1030 Brussels, Belgium

Telefone +32 2 706 8567 • Facsimile +32 2 706 8569

Internet www.mmfai.org

© MMF 2005 • December 2005

More magazines by this user
Similar magazines