Views
1 year ago

Síntese TFG I 2017

Síntese TFG I – 2017 Arquitetura UNIMEP Título: Jardim Sensorial - Parque dos Jacarandás , Santa Bárbara d’Oeste – SP Aluno: Lídia Ferreira Chaves Orientador: Ligia Nerina Rocha Duarte PROPOSTA O trabalho consiste na elaboração de um Projeto de Jardim Sensorial no Parque dos Jacarandás, localizado no município de Santa Bárbara d’Oeste, a fim de proporcionar aos portadores de necessidades especiais um espaço onde possam ampliar suas possibilidades e ultrapassar barreiras que os limitam, e também promover a integração dos mesmos com os demais cidadãos da cidade, através de um projeto socioambiental inclusivo. Da mesma forma que, FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Atualmente, os jardins representam uma das alternativas de lazer e de recreação para o homem urbano que, cercado pelas edificações das cidades, pode encontrar nesses espaços, o bem-estar físico e emocional. Nos parques, praças e jardins, podem ser também desenvolvidas atividades esportivas e hobbies, e funcionam ao mesmo tempo como pontos de encontro, servindo para a socialização, e melhorando as relações interpessoais e familiares, servindo como locais de reflexão e introspecção, trazendo calma e tranqüilidade. O Jardim Sensorial difere dos jardins comuns em sua proposta, pois deixa de ser apenas uma área de lazer para se tornar, além disso, uma ferramenta de inclusão social para portadores de necessidades especiais e também, ferramenta para educação socioambiental inclusiva. simultaneamente, proporcione para as demais pessoas sem qualquer necessidade especial, de diferentes faixas etárias e níveis sócio-culturais, um espaço para renovação física e REFERÊNCIAS PROJETUAIS mental através da estimulação dos sentidos que se encontram, por vezes, estagnados pela prioridade dada a visão. LOCAL Jardim das Sensações Curitiba - PR Jardim de Portas Abertas Rio de Janeiro - RJ Jardim dos Sentidos São Paulo - SP INTENÇOES PARA O TFG II / PROGRAMA DE NECESSIDADES O projeto de Jardim Sensorial tem como proposta para o Trabalho Final de Graduação II, a implantação na área de intervenção de conjuntos de plantas com diferentes texturas e aromas para aguçarem os sentidos dos freqüentadores, Parque dos Jacarandás, Santa Bárbara d’Oeste - SP tais como visão, tato, olfato e paladar, percurso de caminhada ornamentado com plantas e materiais de diferentes texturas e formatos, e espaços de descanso e contemplação, em um ambiente adaptado para livre circulação de portadores de necessidades especiais. Parque dos Jacarandás, Santa Bárbara d’Oeste - SP BIBLIOGRAFIA BÁSICA -FILHO, José Augusto de Lira. Paisagismo: Princípios Básicos. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001. -BORGES, Thaís Alves; PAIVA, Selma Ribeiro de. Utilização do jardim sensorial como recurso didático. In: Revista Metáfora Educacional (ISSN 1809-2705) – versão on-line, n. 7, dez/2009. 27-38 p.

Síntese TFG I * 2016/1 Título: Mobilidade Complexa: Pequenas Iniciativas Como Atratores Para Uma Mobilidade Urbana Sustentável Aluno: Luan da Cruz Coelho Orientadora: Profa. Dra. Renata La Rocca Arquitetura UNIMEP TEMA Estudos de mobilidade, diretrizes para a implementação de um sistema de carsharing e a construção de um edifício garagem na região central de Campinas. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Mobilidade é um atributo associado às pessoas e aos bens; corresponde às diferentes respostas dadas por indivíduos e agentes econômicos às suas necessidades de deslocamento, consideradas as dimensões do espaço urbano e a complexidade das atividades nele desenvolvidas. (MINISTÉRIO DAS CIDADES, 2007, p.41) Apesar da recente popularização, os problemas ao redor da Mobilidade Urbana não são tão recentes assim: em 1898 aconteceu a 1ª Conferência Internacional de Planejamento Urbano de Nova York, que foi o primeiro evento reunindo planejadores e autoridades das grandes cidades da época com o intuito de solucionar os problemas que as grandes cidades enfrentavam, mas acabou sem que chegassem a um resultado. Algumas soluções para o problema que as grandes cidades passavam à época vieram somente mais tarde, no início do século XX, a partir de iniciativas particulares que surgiram de forma espontânea por diversos setores da sociedade, sendo a principal delas a popularização do carro, que, à época, era sinônimo de salvação, limpeza e avanço para os habitantes destes lugares. Durante o século XX houve uma série de esforços de políticos e de setores da sociedade para incentivar o uso do automóvel. As grandes cidades começaram a se espalhar e a funcionar em torno do uso do automóvel. Reduziu-se, então, as oportunidades do pedestrianismo. A preocupação com a perda da escala humana nas cidades não é recente. Nos anos 1960, Jane Jacobs já alertava que o aumento do tráfego de automóvel resultariam em cidades vazias e sem vida e que o planejamento urbano de uma cidade a descaracteriza. Esta preocupação em como as cidades modernas foram projetadas de cima para baixo é vista no pensamento de Jan Gehl, em seu livro Cidades Para Pessoas. Os conceitos de Jan Gehl tratados em Cidades Para Pessoas, de como construir uma cidade convidativa para as pessoas usarem, em vez dos carros, bem como o potencial que muitas iniciativas privadas tem para mitigar os problemas da Mobilidade Urbana, em especial os sistemas de carsharing, norteiam o presente trabalho, que tem como intuito não ditar como a Mobilidade Urbana deve ser, objetivando diretamente a sustentabilidade, mas explorar as possibilidades que pequenas iniciativas tem de serem fortes atratores para que a Mobilidade Urbana Sustentável seja uma consequência. PROPOSTA O presente trabalho tem como objetivo a construção de um edifício garagem na cidade de Campinas, com vagas exclusivas de carsharing, bem como explorar as potencialidades do sistema e propor diretrizes para a implementação de um sistema de carsharing na cidade, ainda inexistente. Tendo em vista a dinâmica de uxos da cidade de Campinas, é notável que o edifício receba demandas diferenciadas em virtude do dia da semana e do horário, desta forma, o intuito é que o edifício funcione como uma continuidade do espaço público, ainda que verticalizado, e dê suporte para que aconteçam atividades coletivas, públicas ou privadas, tais como eventos, o cinas de dança e a ns, aulas, etc., em algumas partes ou andares do edifício nos períodos de demanda ociosa. A intenção é que o edifício seja dinâmico e permita que, com o passar do tempo e conforme a demanda por vagas de estacionamento diminua, partes ou andares do edifício sejam isolados da prática original para receber outros programas. PROJETO DE REFERÊNCIA 1111 LINCOLN ROAD Herzog & de Meuron LOCAL A escolha do terreno teve como premissa a importância da localização estratégica para o bom funcionamento de uma empresa de carsharing. Para isso, foi escolhido um terreno na região central da cidade de Campinas, localizado entre as ruas: Lidgerwood, Avenida Andrade Neves, Rua General Osório e Avenida Dr. Campos Sales. O local ca entre as estações dos principais modais da cidade: estação rodoviária, futura instalação da estação do Trem de Alta Velocidade (TAV), terminal de ônibus urbano, terminal central de ônibus metropolitano e o terminal central do futuro BRT. INTENÇÕES PARA O TFG II Espera-se que os resultados do TFG I, bem como as diretrizes traçadas a partir dos estudos desenvolvidos nesta etapa, deem bases para a composição de um projeto arquitetônico de um edifício garagem, no TFG II. BIBLIOGRAFIA BÁSICA Em vermelho: terreno e s c o l h i d o p a r a o p r o j e t o ; e m a z u l : terminal rodoviário, e s t a ç ã o central d e ônibus metropolitano e futuras localizações do TAV; em amarelo: terminal urbano de ônibus e futura estação central do BRT GEHL, Jan. Cidades Para Pessoas. Tradução Anita Di Marco. 3ª Edição. São Paulo: Editora Perspectiva, 2015 HIDALGO JUNIOR, Jaime M. As relações das políticas públicas e o uso do solo para sistemas de Carsharing. Dissertação. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia Civil. 2015. MORRIS, Eric. From Horse Power to Horsepower. University of California. 2007 WRI. Carsharing: A Vehicle For Sustainable Mobility In Emerging Markets? World Resources Institute. 2015