JornaL Páscoa 2012.pdf - Agrupamento de Escolas António Sérgio

agrupamentoantoniosergio.pt

JornaL Páscoa 2012.pdf - Agrupamento de Escolas António Sérgio

A G R U P A M E N T O

D E E S C O L A S

A N T Ó N I O

S É R G I O

S U M Á R I O

PÁG.

PALAVRAS SOLTAS 2

BE/CRE 5

FRANCÊS 12

INGLÊS 13

MATEMÁTICA 15

CIÊNCIAS NATURAIS 16

CIÊNCIAS FISICO-QUÍMICAS 19

DEP. EDUCAÇÃO ESPECIAL 20

E. B. QUINTA DA FIDALGA 22

E.B.1 N. SRA ANUNCIAÇÃO 24

ESTÁ ESCRITO

EDITORIAL

P Á S C O A 2 0 1 2

Escrevo, sentindo o prazer do calor do sol que anuncia o fim do

Inverno e a chegada da Primavera. Mais um período escolar se aproxima

do fim, a escola anima-se com a celebração da Páscoa, os alunos

preparam-se para um merecido descanso. Foi um período cheio de

atividades no Agrupamento, a que a BE/CRE se associou, promoveu

ou impulsionou. É à reabertura da BE/CRE e ao sarau de leitura, que

irei dedicar a minha reflexão, neste breve editorial.

A nossa BE/CRE reabriu em Janeiro, num espaço melhorado,

confortável, alegre, onde nos sentimos bem. As instalações estão renovadas,

o espirito e o dinamismo já têm história. A função das BE/CRE,

no contexto da educação para a literacia, assume cada vez maior complexidade,

conectando a aquisição dos múltiplos saberes com o saber

ser. Tem sido esta a consciência da nossa BE/CRE que tem assumido

determinadamente esse desafio. A dedicação de todos os que aí trabalham

é garantia de sucesso desta missão.

No primeiro período, apesar de ter sido obrigada a encerrar as suas

portas, para as tão ansiadas obras, a BE/CRE manteve ativos todos os

serviços que garantiram o acesso à informação, à leitura domiciliária

(que atinge valores que nos orgulham) e à dinamização e suporte do

PNL. Neste segundo período, recebeu escritores, organizou exposições,

concursos de leitura e escrita, dinamizou ainda mais os hábitos

de leitura autónoma, formou os seus tutores e, como corolário desta

multiplicidade de atividades, organizou, mais uma vez, o Sarau de leitura,

o quinto.

O Sarau é um acontecimento importantíssimo na vida da Escola

pelo que representa. É muito mais do que uma tarde e noite em que se

lê e ouve ler, é um momento em que se vive a leitura. O Sarau ilustra

todo um trabalho que se realiza na escola em torno do prazer de ler. O

que assistimos, na passada sexta-feira, foi à revelação desse prazer,

dessa paixão. A BE/CRE, os professores de Língua Portuguesa , as

famílias, estão de parabéns pois inspiraram nos alunos estes sentimentos,

e isso, só se consegue com uma enorme dose de amor.

Apreende-se a ler, lendo: a quantidade e qualidade da participação

dos nossos alunos no sarau é fruto de muito trabalho em sala de

aula, de muitas horas dedicadas à leitura. O Sarau é, pedindo emprestada

a comparação ao nosso patrono António Sérgio, as pérolas de

um colar, o trabalho quotidiano, intenso, abrangente e contínuo, o fio

que permite que as pérolas mostrem toda a sua beleza. Depois, o

prazer de ler é maior quando partilhado, quando constitui uma forma de

entrar em relação com os outros. Este espírito de partilha esteve clara

e amplamente na nossa escola na passada sexta-feira. Por ultimo, e o

ultimo aqui é verdadeiramente o primeiro, o sarau foi momento de

encontro dos pais na escola, e com a escola, demonstração de envolvimento

das famílias na prática da leitura e dos valores que perfilhamos

na nossa presença nesta comunidade.

Concluo, orgulhosa por ter assistido a tantas e tão boas leituras, a

tantos e tão inolvidáveis momentos de paixão e partilha. Concluo feliz

por termos um espaço com qualidade para continuar a desenvolver o

nosso Projeto.

A todos uma Boa Páscoa

A Presidente do Conselho Geral

Manuela Rebelo


PALAVRAS SOLTAS Página 2

A propósito de

“Os sonhadores”

O sonho está dentro da vida,

A vida está cheia de sonhos…

A vida vai acontecendo,

Os sonhos

Nem sempre…

Mas,

Sonhar é poder encarar

A vida de frente,

É beber água da nascente,

É conversar à noite,

À luz do luar…

É sair madrugada fora

Ao encontro da manhã.

Sonhar é viver!

7.º D – Texto coletivo (7/2/12)

Receção ao escritor António Mota

Rosto triste e solitário.

BULLYING

Enfrenta essa dor que magoa.

Junta a tua força e o teu grito.

Envolve a tua solidão.

Integra-te num mundo em que não estás só

Integra-te num mundo em que não estás só

Traz força no olhar e no sonho.

Traz força no olhar e no sonho.

Amarra a tristeza dentro de ti.

Amarra a tristeza dentro de ti.

Recomeça a olhar a vida.

Recomeça a olhar a vida.

Agora vais ter força e coragem

Agora vais ter força e coragem

Ata o silêncio no fundo de ti

Grita Ata o bem silêncio alto no o teu fundo sofrimento de ti

Rejeita Grita bem a maldade alto o teu e sofrimento

a agressão

E Rejeita juntos a vamos maldade fazer e a agressão diferença

Sempre E juntos numa vamos luta fazer incessante a diferença

Sempre com numa a luta alegria incessante e amizade

Aguardar a vida sem muros e agressões

Sempre com a alegria e amizade

O sorriso da manhã espera por ti

Aguardar a vida sem muros e agressões

O sorriso da manhã espera por ti

Texto coletivo do 7.º D

Texto coletivo do 7.º D

Ficha técnica:

Professoras responsáveis: Hélia Reis e Virgínia Caetano

AMIZADE

A amizade é a palavra que designa vários sentimentos,

que não pode ser trocada por meros

objetos materiais. Deve ser guardada e conservada

no coração.

Às vezes, é preciso esquecer um pouco a pressa

e prestar mais atenção em todas as direções ao

longo do caminho.

A verdadeira amizade é aquela que o vento

não leva e a distância não separa.

Não é amigo aquele que sabe olhar com piedade

para o nosso sofrimento, mas sim aquele que

sabe olhar sem inveja para a nossa felicidade.

A amizade não é receber, é dar

não é magoar, é incentivar

não é desacreditar, é acreditar

não é criticar, é apoiar

não é aprender, é compreender

não é humilhar, é defender

não é julgar, é aceitar

não é esquecer, é perdoar

amizade é … simplesmente amar!

E com estas poucas palavras podemos aprender

que a amizade se constrói, evolui, cresce e

quando é realmente verdadeira nada a faz perder.

Ana Marisa Gomes e Bruna Gomes,

5.º I


Página 3 PALAVRAS SOLTAS

Agualva-Cacém, 9 de fevereiro de 2012

Amigos professores,

Esta minha carta é dedicada a todos os professores.

Se os professores não existissem, nós, os alunos, não podíamos

aprender, estudar ou fazer seja o que quer que fosse para o

nosso futuro, por isso, devemos muito aos professores por nos ensinarem.

No futuro, gostaria de ser cientista da NASA porque gosto

bastante de astronomia e das teorias sobre o Universo, que me deixam

bastante curioso! E isto é porque os professores nos ensinam a

gostar, se não, nunca saberia o que é astronomia, pois não? Assim

devemos muito aos professores.

Os professores quando dão aulas fazem alguns gestos com as

mãos que fazem perceber como eles gostam muito de ensinar! Mas

quando os professores se zangam, batem com o livro de ponto, com

réguas na secretária, põem-se com aquelas vozes graves e outras

coisas que eles fazem. Mas isto é mesmo sério! Isto é porque eles

tentam ensinar e nós estamos sempre a conversar. Já a minha professora

da primária dizia que os que querem aprender aprendem os

que não querem não aprendem.

Quando nós falamos na aula, os professores zangam-se, mas

quando se passa algo que nos perturba, eles ajudam-nos no que

puderem, por exemplo, no primeiro ano parti o nariz a jogar no recreio

com a minha professora e os meus colegas. A minha professora ficou

tão preocupada que nunca mais fez jogos coletivos, porque além

disso foi a primeira vez que a professora tinha experimentado fazê-lo.

Assim, eu termino a minha carta aos professores do 5ºA e à

minha antiga professora da escola E.B.1/JI.Agualva2, com um beijinho

muito doce recheado de mel e mais mel, sem parar. Espero que a

minha antiga professora chegue a saber desta carta que lhe escrevi,

assim como os professores da minha nova escola, que eu gosto muito.

O vosso aluno que vos estima,

Vítor Gonçalves, 5.ºA

Era uma vez uma mata em que todos os animais viviam

em harmonia até ao dia em que a família dos Bisnaus (umas

aves meio estúpidas) parou para fazer um piquenique na

mata!

Todos comeram, comeram, comeram, comeram, e comeram.

À medida que iam comendo, eles iam deitando os papéis

e as coisas que envolviam os alimentos para o chão.

Depois de muito encherem a pança, os pássaros Bisnaus

decidiram deitar-se, menos o pai Bisnau que decidiu fumar um cigarro. Quando acabou, atirou a

beata mal apagada para o chão e adormeceu.

Bocadinho a bocadinho, a mata começou a arder e, quando se aperceberam, a família dos Bisnaus

e os outros animais fugiram.

Quando um pequeno passarinho soube que a sua árvore estava a arder, ligou aos bombeiros

mas… Os bombeiros não compreenderam o que o pequeno pássaro explicara. Contudo pelo seu

tom de voz, perceberam que algo se passara. Dirigiram-se até à mata e verificaram que estava tudo

a arder. Passados alguns minutos, com muito esforço, conseguiram controlar o incêndio. Mas o mal

já estava feito! Algumas árvores tinham morrido mas, felizmente, outras tinham sobrevivido.

Algum tempo depois, o ar já estava de novo límpido e puro, no entanto, só na primavera seguinte,

quando tudo já tinha voltado a crescer e a mata já estava bonita, é que os animais voltaram.

E a partir desse dia, viveram felizes para sempre e os pássaros Bisnaus aprenderam a lição.

Olavo Freitas, 5.ºR

Tudo começou numa bonita tarde, em que a capuchinho vermelho,

a Zezinha (ela gosta de ser chamada de capuchinho vermelho),

ia levar doces e coisas boas feitas pela mãe à avó.

Cinco minutos antes de sair a mãe disse-lhe:

- Capuchinho Vermelho, não te esqueças, não vás pelo bosque!

É que é perigoso!

- Está bem mãe! – Exclamou a capuchinho vermelho.

Após ter saído de casa, a capuchinho vermelho pegou no seu

MP3 oferecido pelo Pêlos, o seu amigo lobo de longa data, e

começou a ouvir música. A meio da viagem encontrou o Pêlos e

perguntou:

- Oi Pêlos! Tudo em cima?.

- Oi Capucho! Yah! Tudo nas calmas!

- Estava mesmo agora a ouvir música no MP3 que me ofereceste.

- O que é que estavas a ouvir?

- Estava a ouvir Madona.

- Boa, boa! É fixe! - exclamou o pêlos.

Depois de muito andarem, a Capuchinho e o lobo chegaram a

um sítio que tinha dois caminhos, um pelo bosque e outro por uma

linda floresta cheia de flores. Foram pela floresta e rapidamente

chegaram a casa da avó. Bateram uma vez, duas vezes, bateram

inúmeras vezes. Algum tempo depois, a capuchinho disse:

- Estou a começar a ficar preocupada! É melhor entrarmos

pelas traseiras!

Quando chegaram ao quarto da avó, a capuchinho e o lobo

viram que a avó estava estendida no chão. A capuchinho gritou:

- Avó! Avó! Acorda!

E o lobo ao ver aquilo exclamou:

- Pára capucho! Eu tenho o curso de enfermeiro!

O lobo pegou em si e fez respiração boca a boca e a reanimação

necessária.

A avó acordou! Levaram-na ao

hospital e informaram que tinha sido

um princípio de ataque cardíaco. Felizmente

acabou tudo em bem porque o

lobo conseguiu salvá-la!

Olavo Freitas, nº14, 5ºR

My daily routine

Sometimes I get up at 7

o’clock to get ready for school. I wash

my face and my teeth and I brush my

hair and put on my clothes. Then I

have breakfast. I love cereal and

toasts. I leave for school at 8 o’ clock.

Today is Thursday, on

Thursdays , lessons star at 8.15 a.m..

I have Science, Maths and English in

the morning. At 13.15 p.m. I have

lunch in the bar. In the afternoon I

have Art class. When I get home,

around 5p.m., I do my homework.

Before dinner, I have a shower. We

have dinner at 8.30p.m. after dinner I

watch Tv and play games in the computer.

I always go to bed at 10.30p.m.

Alexandra Barroso , nº1, 6ºH


PALAVRAS SOLTAS Página 4

Arroz do Céu em B. D.


Página 5 BE/CRE

Caminhamos para o desfecho de mais um período letivo e as páginas

deste jornal devem, pela função que lhe está inerente, espelhar a vida quotidiana

desta comunidade tão vasta e diversificada. Em tempos tão dificeis,

de tantas adversidades económicas e sociais, de crises, não podemos deixar

de enaltecer aquilo que melhor fazemos.

O mês de janeiro trouxe mudanças e novidades. Abrimos finalmente a

BE/CRE à comunidade. Depois das obras tão desejadas e necessárias,

assistimos ao envolvimento de toda a nossa equipa, da Dona Vírgínia, dos

alunos e dos colaboradores na vontade de fazer renascer um novo espaço,

agora mais agradável, mais funcional e mais apelativo. A desmontagem das

inúmeras caixas de livros e do restante fundo documental, a organização

das estantes, dos armários, do novo mobiliário, ocupou-nos o mês de janeiro.

Foi realizada a reunião com a equipa e com os colaboradores para

retomarmos o nosso Plano Anual de Atividades e reajustarmos as nossas

ações à nova realidade.

Retomámos então as nossas atividades do dia a dia, de apoio ao estudo,

à pesquisa, à leitura, ao quotidiano dos alunos na escola. Muitos foram

os alunos que se inscreveram paraTutores. Foi feita a seleção e formação

de vinte e dois tutores, do quinto ao nono ano, que se distribuem por diversas

tarefas, conforme as suas carateristicas, o turno e as necessidades

(manutenção de estantes, apoio a alunos com mais dificuldades, o cumprimento

das regras de utilização, o apoio a trabalhos de pesquisa e outros).

Muitos, do 3º ciclo, organizam a estatistica, apoiam a programação de atividades

e a animação de leituras e de projetos.

A BE/CRE apoiou e dinamizou a formação de professores, na formação

em Bibliobase, para a equipa; de“Literacia Estatistica”, do Instituto

Nacional de Estatística, para os departamentos de Ciências Humanas e

Sociais, de Matemática, da equipa da BE/CRE e da Assistente Operacional,

Dona Virginia Nunes, e ainda, sobre “O Novo Acordo Ortográfico”, com

o Doutor António Pereira e apoio da ASA, para todos os professores do

agrupamento.

Os Projectos de Leitura e Escrita continuam a mover a comunidade,

neste período. Receberam-se os escritores António Mota e José Fanha e o

ilustrador Rui Castro o que envolveu vinte e cinco turmas do 2º e 3º ciclos.

Organizaram-se exposições, dinamizaram-se ainda mais os hábitos de leitura

autónoma e realizou-se o concurso “A melhor carta de amor”.

O seu momento alto, com a comemoração e participação de um vasto

programa de atividades que já vem sendo habitual, nos últimos anos, é a

Semana da Leitura. Alunos, professores e a comunidade em geral envolvem

-se na animação e realização de leituras e de escrita em várias tipologias,

amostras do trabalho desenvolvido, ao longo do ano, quer do PNL, quer de

projectos de Língua Portuguesa e de outros interdisciplinares. O culminar

desta semana, já tão esperado e desejado, é o Sarau de Leitura, realizado

já no quinto ano consecutivo, com momentos de partilha, profissionalismo,

afetividade, cooperação, envolvimento e motivação. O Sarau de Leitura

alargou-se já a todas as escolas do agrupamento. Na nossa escola, realizou

-se em dois turnos, das 15.30 às 19h e das 19.30 às 23.30.

A inauguração oficial da BE/CRE realizar-se-á a 22 de março, às 15

horas, com a presença de representantes da RBE, DRELVT, CMS, BMS,

representantes da Associação de Pais, de alunos e de pais/ encarregados

de educação.

Vamos de férias…e, regressaremos com novas surpresas! Mas, não

se esqueçam …a Maratona da Poesia espera o vosso envolvimento e participação,

no final do mês de Maio.

Até lá, uma Páscoa recheada de amêndoas e umas FÉRIAS BEM

MERECIDAS!

A Coordenadora da BE/ CRE


BE/CRE Página 6

Encontro com o Ilustrador Rui Castro

No dia 13 de Março, a Diretora de turma e a nossa professora de Língua Portuguesa levaram-nos

ao auditório para conhecermos o ilustrador Rui Castro.

O Rui mostrou-nos algum do seu material de pintura e também alguns dos seus trabalhos efetuados

ao longo da sua carreira: desenhos pintados a acrílico, bonecos feitos em plasticina e alguns

desenhos que fazia de várias personagens.

O Rui disse-nos que as suas personagens tinham geométricas porque a sua cara era quadrada,

rimo-nos muito com esta comparação mas é mesmo verdade!!

Depois alguns alunos fizeram perguntas ao ilustrador e foram bastante interessantes. De seguida

num papel de cenário, o Rui desenhou um rei montado caneta e folhas a voar e ficou muito giro!

Foi muito atencioso da parte do ilustrador ter vindo á nossa escola e a nossa turma adorou!!

João Silva, Edgar Marques e Marta Lopes- 5.ºO

Receção ao escritor António Mota

No dia 7 de fevereiro, o escritor António Mota veio à nossa escola e foi-lhe feita uma

receção com as turmas 5.ºM, 6.ºA, 6.ºN, 7.ºD e 8.ºB.

Previamente, as turmas tinham lido várias obras do autor (“Os sonhadores”,”Pardinhas”,”Casa

das Bengalas”, “Ninguém perguntou por mim”…), e feito pequenos

trabalhos sobre as mesmas. Havia vários tipos de trabalho: poemas, ilustrações,

resumos, recontos, crítica, entre outros.

Por volta das 11h00, o escritor chegou à BE/CRE, onde foi recebido por representantes

das turmas selecionadas, que apresentaram alguns dos trabalhos realizados e

expostos.

Seguiram depois para o auditório, onde as turmas o esperavam com grande ansiedade

e curiosidade, pois algumas nunca tinham recebido um escritor tão famoso como o

António Mota.

Após algumas apresentações, foram partilhados poemas, dramatizações e um jogo,

que agradaram ao autor das obras em que os alunos se basearam para realizar os trabalhos.

Para nós, o escritor preparou uma apresentação, com suporte de um powerpoint com

fotografias, onde apresentou aspetos da sua infância e da sua vida que o motivaram a

escrever livros com aldeias - os sítios que o inspiram. Finalizou com uma fotografia que

comoveu toda a gente: uma menina de cinco anos que só tinha um braço a segurar o

seu livro com todo o agrado.

Foram feitas algumas perguntas, uma por turma, em relação aos seus livros.

Enquanto as turmas iam saindo em direção às salas, o escritor autografou livros da

sua autoria e conviveu com algumas professoras que tinham assistido à sessão.

Foi uma manhã bem passada, que nos deu oportunidade de conhecer um dos principais

escritores da língua portuguesa atual.

Inês Poças , 8.ºB


Página 7 BE/CRE

António Mota na nossa escola.

Quando o famoso escritor António Mota nos visitou, senti-me feliz e

orgulhoso porque a visita de um escritor é, sempre, uma ocasião muito

importante.

Depois de termos lido o livro “A casa das bengalas”, fizemos muitos

trabalhos em que também participaram os professores de EVT. Os nossos

trabalhos foram expostos na BE/CRE. Todos os alunos participaram

num poema sobre os avós para apresentarmos na receção ao escritor.

O António Mota é uma pessoa carinhosa e simpática. Ouviu os nossos

trabalhos e autografou os livros. O que eu mais gostei foi de ele ter apresentado

um Power point, com fotografias dele. Com essas fotografias,

quase que fez uma autobiografia. Vimos a terra onde vive, Baião, a sua

casa, a grande árvore que ele adora.

Contou-nos como foi a sua infância e a história da sua cabrinha de

estimação, que foi vendida, o que ele detestou. Nesse momento decidiu

que ia estudar muito para ser escritor. Eu acho isso carinhoso. Essa

parte eu não vou mais esquecer! Uma coisa que ele disse, é que se

esquecia das histórias dos seus livros assim que os acabava de escrever.

Só sabia sobre o livro que escrevia em cada momento.

O António Mota é uma pessoa muito agradável e o tempo passou a

correr. Adorei ter estado presente. Se puderem digam-lhe obrigado da

minha parte.

Denis Comlev 6.ºA

A Casa das bengalas: poema ao avô

O avô vive na aldeia, olha as serras e os caminhos,

O avô tem o tempo prisioneiro nas paredes da casa.

O avô recorda a vida nos calendários espalhados,

O avô guarda o tempo e guarda a memória das coisas.

Quem tempo para o avô?

O avô sabe histórias da realidade e da imaginação,

O avô sabe da terra, e da chuva, e dos montes,

E dos frutos, e das pessoas, algumas já lá vão…

O avô mostra o tempo ao seu neto, Tião.

O avô olha o tempo e o tempo marca o avô.

Quem tempo para o avô?

O avô olha o céu e lê as estrelas,

O avô ouve o boletim meteorológico,

O avô entende a Natureza,

O avô cuida das sementeiras,

O avô ouve as violetas.

Quem tempo para o avô?

Avô, dos teus lábios esvoaçam frases sábias.

Avô, dos teus olhos voam beijos,

Avô, no teu colo aprendo a vida.

Avô, o teu tempo é a nossa história.

Quem tem tempo para o avô ?

Poema coletivo do 6º A


BE/CRE Página 8

A vinda de José Fanha à escola

No dia 1 de Março de 2012, as turmas do 5.ºA, 5.ºB, 5.ºD, 6.ºB,

e 7.ºA, foram ao auditório da nossa escola receber o escritor José

Fanha. Adorei os trabalhos das outras turmas. Estavam todos muito

bons, mas de facto, o que mais gostei foi o “O sou

Português aqui”, e o “Máquina de apanhar poetas”.

José Fanha é o meu escritor favorito porque

todas as suas histórias têm uma lição de moral.

Ele é muito engraçado, porque é gordinho, tem

pouco cabelo, usa óculos, tem um bigode muito

giroe tem um grande sentido de humor. Eu não

conseguia parar de sorrir, pois o meu sorriso e

alegria eram visíveis.

Enchemos o auditório de barulho e confusão,

mas também de partilha e emoção. Eu estava nervosa, ansiosa e

receava bloquear quando chegasse a minha vez, pois já me aconteceu

isso e foi muito vergonhoso. Felizmente correu tudo bem.

Adorei quando o autor disse que escrevia no computador e

depois deitava fora.

Eu aguardei, em silêncio e com muita calma, o momento em que

ele me daria o autógrafo. Achei engraçada a sua assinatura, por

outras palavras, foi o melhor dia da minha vida.

Beatriz Lemos, 5.ºA

Partilha de leituras

No dia 12 de Março, na sala 3 do pavilhão 6 as duas turmas E,

G do 8.º ano reuniram-se para partilhar leituras. Convivemos

saudavelmente durante a apresentação destas doces leituras.

O 8.º G apostou na poesia e brindou-nos com excelentes textos,

alguns da autoria dos próprios alunos, que nos deliciaram.

Nós, o 8.ºE, oferecemos-lhes, textos narrativos e dramáticos e

uma pequena lembrança para que pudessem avaliar o quanto

apreciámos a sua presença.

Acreditamos que as turmas jamais se esquecerão deste

encontro.

Foi de facto um momento muito feliz!

8.ºE

A visita de José Fanha à escola E.B. 2,3 António Sérgio

Quinta-feira, dia 1 Março, pelas 10 horas, recebemos um escritor,

José Fanha.

Foi um dia fascinante, alegre, sem dúvida engraçado.

A parte que eu menos gostei não existe, porque

foi tudo muito bem elaborado, ensaiado e apresentado

ao escritor.

Embora tudo tenha sido bom, o meu coração

começou a bater, a bater, e a bater na parte dos autógrafos.

Como se costuma dizer «Quem espera, desespera»,

isso aconteceu-me. Esperei, esperei, esperei

até que chegou a minha vez. A primeira coisa que

aconteceu, foi o senhor perguntar-me o nome. Depois,

ele fez uns rabiscos que diziam «Para a Maria com

quilos de ternura!» A segunda coisa que ele me disse era que tinha

cara de ser alegre e eu respondi “Às vezes”, e a terceira coisa e a mais

importante, foi quando eu lhe perguntei «Pode-me dar um abraço?» e

ele respondeu - me «Claro que sim» e deu-me um abraço com tanta,

tanta, tanta força, que até fiquei como um tomate, os meus colegas que

o digam…

Foi o melhor dia da minha infância ou pré-adolescência!

Maria Martinho, 5.º A

Gostei muito de ler para os colegas

da outra turma. Lemos todos muito bem.

No momento em que eu ia ler, senti-me

acanhado. Mas, depois, achei que nunca

tinha lido tão bem. Adorei termos

partilhado leituras com o 6ºF!

Fui ao sarau e adorei. Ainda li melhor

que da última vez. Viva a leitura!

Duarte Coelho, 5.ºC

Eu gostei muito da semana da leitura.

Vi muitos meninos cheios de vontade

de participar e preocupados com a

escolha dos textos. Havia um grande

movimento na BE/CRE. Foi um acontecimento

muito especial, porque até

veio, à nossa turma, o 6.ºF para nos

apresentar os livros que tinham lido e

publicitar os que mais gostaram de ler.

Foi muito importante para mim e

para a escola este acontecimento. Eu

acho que todos adoraram esta festa da

leitura. Fomos presenteados com a

vinda de um ilustrador de livros que

falou dos seus desenhos. Todos os que

participaram na semana da leitura

estão de parabéns.

Sara Pereira 5.ºC

SEMANA DA LEITURA

Eu gostei muito da semana da leitura. Nós

trocamos leituras com o 6º F. Pudemos aprender

a ler melhor, ouvindo outros colegas mais

velhos. Leram-se textos de vários autores como

por exemplo «Cão como Nós» de Manuel Alegre

e o «Segredo do Búzio».

Eu gostei muito da semana da leitura, foi uma

experiência única.

O que eu mais gostei foi de ir ao Sarau de

Leitura e da partilha de leituras com o 6ºF.

Estes são momentos da minha vida escolar,

que eu nunca vou esquecer!

Sara Almeida, 5.ºC

A semana da leitura foi muito divertida .

Numa 1.ª fase lemos na turma e quando veio à

nossa sala o 6.º F, senti-me cheio de vontade de

apresentar o meu texto.

A semana da leitura é muito divertida porque

podemos aprender a ler melhor com os colegas

mais velhos.

O sarau também foi divertido, foi uma experiência

inesquecível, porque lemos e ouvimos

ler e os pais, os avós e os amigo não faltaram.

Leonardo,


Página 9 BE/CRE

5.º Sarau de Leitura

Realizou-se, pela 5.º vez na nossa escola, a “Semana Da Leitura”. Este evento teve

uma grande adesão da comunidade escolar e várias turmas partilharam leituras. A

minha turma partilhou leituras com a turma 6.º A e foi com grande prazer que assistimos

a belas representações de várias obras de grandes autores portugueses.

Para além das partilhas de leituras, foram ainda entregues, na manhã do dia 16 de

março, os prémios do concurso da melhor carta de amor, que também obteve uma

grande adesão, quer do segundo ciclo, quer do terceiro.

Mas o ponto alto da “Semana da Leitura” foi o “Sarau de Leitura”, que este ano,

devido ao grande número de participações, se desdobrou em duas sessões: uma à

tarde e outra à noite. Nesta, eu fui apresentadora e participei com um texto de António

Sérgio, em conjunto com a minha colega Ana.

O tema principal deste Sarau era a solidariedade. Ao contrário de anos anteriores,

houve também bastantes intervenções de alunos do 3.º ciclo, com textos originais.

Houve grandes leituras/dramatizações. As minhas interpretações preferidas foram”A

Reviravolta”, texto original interpretado pelos alunos do 5ºR, Olavo e Amadeus, uma

dramatização feita pelos alunos do 6ºG, baseado na obra “Leandro, rei da Helíria”, de

Alice Vieira, as interpretações de textos feitas pelas alunas do 8.ºE e a leitura do texto

“Dom Pimpão Saramacotão”, feita pelo Nuno Matos e o seu pai.

Acho que a qualidade de leituras está cada vez melhor nas nossas partilhas.

Após a leitura de todos os textos, fomos para a BE/CRE cear.

Foi uma semana importante na nossa comunidade, que teve muita adesão e ficará

sempre na nossa memória.

Inês Poças – 8ºB

Eu estive lá!

Há cinco anos que se realizam saraus de

leitura na nossa escola. Infelizmente, no ano

passado não pude vir, mas de certeza que deve

ter sido muito bom. Este ano, já pude assistir e

gostei muito.

Para podermos ir ao sarau, com leituras bem

preparadas, tivemos de trabalhar muito. Lemos

duas obras de Sofia de Mello Breyner Andresen:

“ O Rapaz de Bronze” e “ O Cavaleiro da Dinamarca”.

Do livro, “O Rapaz de Bronze”, selecionámos

um pequeno excerto que um grupo de

alunos dramatizou e que nos diz que todos

temos os mesmos direitos. Do livro “ O Cavaleiro

da Dinamarca”, dramatizámos uma parte que

relata as dificuldades que os nossos descobridores

tiveram em comunicar com os africanos e

ensina como é importante dialogar.

A mim e à minha amiga Inês coube apresentar

a nossa leitura do livro adaptado, “ Carta a El

-rei sobre o achamento do Brasil” de Pêro Vaz

de Caminha. Escolhemos tratar os primeiros

contactos entre os portugueses e os habitantes

do Brasil. Um último grupo, criou um texto dramático

a partir do livro: “ O Banqueiro Anarquista”,

muito divertido e que apresentaram também.

Depois de muitos dias a ler, escrever, aperfeiçoar,

ensaiar e ensaiar, estávamos bem preparados

para a nossa participação no dia 16 de

Março. Lemos todos muito bem. Eu estava

nervosa pois é uma grande responsabilidade ler

para tanta gente mas, depois, fiquei muito contente

por ter participado. Gostei muito.

Marisa Ferreira 6.º A

Gostei muito deste 5ª Sarau de

Leitura na nossa escola. O auditório

estava cheio de gente com curiosidade

de ouvir os textos, e apresentações

de todos os participantes.

Eu e os restantes colegas da

turma, chegámos à hora marcada,

fomos pôr as mochilas e os adereços

e já não arranjámos lugares sentados

em cadeiras, tivemos de nos

sentar no chão. Gostei das palavras

que a professora Graciete Monteiro e

a professora Manuela Rebelo disseram

para iniciar o Sarau. Gostei muito

dos textos que ouvi, muitos engraçados!

Há alunos a ler e apresentar

muito bem e pais também.

Adorei participar neste evento, em

que basta ler textos, o que eu adoro,

para fazer as pessoas felizes!

Lucas Nabais, 6.º A

De todos os saraus de leitura a que nós já fomos, em várias as escolas,

este, para nós, foi o melhor. Houve bons textos a boas atuações!...

Esta foi, de longe, a melhor atividade escolar. Nós adorámos!

A ceia ajantarada também foi muito boa! Mas o melhor foi poder

partilhar uma emocionante noite com todas as outras pessoas e ter

estado a conviver com todas elas.

Este sarau foi emocionante, giro, com muita qualidade, muita emoção

da parte de todos e com bons apresentadores.

Foi o melhor.

Tomás e Olavo,Tutores da BE/CRE do 5.ºR

Eu gostei muito da

semana da leitura. Nós

trocamos leituras com

o 6º F. Pudemos

aprender a ler melhor,

ouvindo outros colegas

mais velhos. Leram-se

textos de vários autores

como por exemplo

«Cão como Nós» de

Manuel Alegre e o

«Segredo do Búzio»

Patrícia Candeias, 5º.C


BE/CRE Página 10

Premiados

Alexandre Morais – 5.ºL - 1.º Prémio

Duarte Ramalhete – 6.ºD - 1.º Prémio

Ana Catarina Marques – 8.ºE - 1º Prémio

Noelvin Morais – 5.ºA – 2.º Prémio

Inês Ferreira Rochinha – 6.ºD – 2.º Prémio

Ana Isabel Freire – 8.ºE – 2.º Prémio

Beatriz Carrilho – 5.ºE – 3.º Prémio

Nazariy Kovalyuk – 6.ºD – 3.º Prémio

Diogo Rodrigues – 8.ºD– 3.º Prémio

1.º prémio

Agualva, 14 de Fevereiro de 2012

Querida Raquel,

Depois de tanto tempo sem te ver, começo a

sentir saudades…

Este poema que te mando é para o dia de São

Valentim. É a tua prenda. Pode não ser caro, nem

um objeto, mas o que conta é que veio do coração:

Saudades

Com saudades por amar,

Com dor fico eu,

Por de ti gostar.

Com o amor no coração,

Comigo por perto,

não sofres, não!

Espero não errar,

Por de ti gostar,

Pois com o coração

Despedaçado vai ser

Difícil voltar a amar!

Espero que tu gostes da prenda. Sempre te

amei e sempre te vou amar…

Beijinhos

Alexandre

P.S. – Feliz dia de São Valentim

2.º prémio

3.º prémio

Rua de St. Helena dos Amados, 9 de Fevereiro de 2012

Meu Sol!

Como vais meu sol? Eu cá passo mal pois não estou contigo!

O amor é um sentimento tão alucinante, que nos leva a actuar de modos tão estranhos! Sinto-te tão distante, que penso que mal te posso

tocar. Ai essa tua distância mata-me, é como me faltasse o ar que respiro. Estás tão longe e o meu coração tão débil!

Às vezes adorava que existisse um portal mágico que me levasse até ti, para te dar a mão, caminharmos à beira-mar a ver o pôr-do-sol,

sempre juntos. Esse é o meu grande sonho que espero que se cumpra! Tu és um beijo de mel. És o meu sol. És o sangue que circula nas

minhas veias e bombeia o meu coração. És o meu oxigénio sem ti não vivo. Tu és tudo isto e muito mais, és uma droga, és o meu maior vício!

Às vezes sinto que a timidez nos separa, queria tanto dizer a todo o Mundo o quanto eu te amo, mas não consigo, parece que as palavras

que tento dizer voam com o vento e fico sem poder fazer nada.

Bem sabes, quando estou contigo e tu falas comigo, as minhas pernas tremem tanto que pareço uma gelatina. O meu coração bate tão

depressa que parece um metropolitano, mão consigo falar e a minha mente apaga-se!

Por mais que te escreva não consigo explicar o que eu sinto por ti, pois é mais forte do que eu! Mesmo que o que eu te escreva aqui não

seja suficiente, lembra-te , que os sentimentos valem mais que as palavras!

Lembra-te que tu és cada batida do meu coração ! És o meu MUNDO!

Despeço-me dizendo esta frase: sabes que te amo loucamente, que sem ti não vivo e quase morro por não te ter comigo!

Um beijo !

Ana

2.º prémio

Cacém,14/02/12

Meu amor:

Todos os dias tornas a minha vida mais doce. Quando te vejo o

meu coração fica como um vulcão em erupção. Tens um sorriso

meigo, os teus olhos brilham como o diamante mais lindo do mundo.

Sempre gostei de ti, mas se eu te pedir em namoro, não sei se

tu vais aceitar.

Não sei se gostas de mim, mas eu adoro-te, gosto quando tu

olhas para mim com aquele olhar brilhante. Estamos tão perto, mas

ao mesmo tempo tão longe, gostaria que fosse só eu a encher-te de

beijos.

O destino une e separa as pessoas, mas eu sou incapaz de

esquecer pessoas que me fizeram feliz, principalmente tu.

Não estás comigo agora, mas eu contento-me com isso, porque

todos os dias te vejo na escola.

Mesmo quando estiver com sessenta anos, não me vou esquecer

de ti.

Tu és a pessoa mais bonita do mundo e neste momento, adorava

sentir os teus lábios junto aos meus, num beijo muito doce.

Daquele que te ama muito,

Noelvin, 5.º A

Cacém, 25 de Janeiro de 2012.

Querido André,

Não sei o que te dizer pois tu bates forte no meu coração.

Quando estou no meu quarto, fechada, vou buscar o mau diário para

escrever em letras grandes que gosto de ti.

Passo o tempo a ler as tuas cartas e, às vezes, elas fazem cair uma lágrima

do olho, mas sinto que fazes muito falta.

Dantes, quando passeávamos juntinhos no jardim, tu colhias-me a flor

mais bonita e davas-ma com um sorriso no teu rosto. Às vezes levanto-me à

noite e olho para as estrelas e nelas vejo o teu retrato desenhado.

Sei que podes estar longe, mas estarás sempre no meu coração com as

nossas belas recordações.

Para mim tu és o rapaz mais lindo do mundo e às vezes quando estou a

passear pela praia lembro-me as vezes que íamos os dois pela praia fora de

mão dada.

Sinto-me a rapariga mais privilegiada da terra, pois tenho o rapaz mais

lindo, forte e corajoso do mundo. És um rapaz que me protegia de tudo e de

todos e que continues a ser assim.

Espero que te estejas a divertir, mas espero que nunca te esqueças de

mim como eu nunca te vou esquecer, pois tu és uma pessoa linda.

Gosto muito de ti e espero que voltes depressa, mas que ao mesmo tempo

aproveites as tuas férias.

Tenho muitas saudades tuas.

Um beijo: Matil- 3.º prémio


Página 11 BE/CRE

Agualva, 14 de Fevereiro de 2012

Querida Joana

Chegou este dia maravilhoso e eu, ainda criança,

como não tenho dinheiro para comprar uma grande

caixa de bombons, resolvi escrever para ti esta pequena,

sincera e humilde carta. E, nesta carta, Raio de Sol, escrevo

– te um poema e que foi propositadamente realizado

para ti com muito carinho.

Eles não sabem que o amor

É um raio de luz

Que não causa nenhum temor

Mas sim muito calor.

Eles não sabem o que é sentir

Depois de um dia empolgante

Encher – nos o coração

Aquele sentimento aconchegante.

Mas não sei,

Se o que digo

Está certo,

É preciso ver ao de perto

Para sentir coisa assim.

Nem sei se

O que digo

Está certo,

Nem sei se o amor

Está

Dentro de mim.

1.º prémio

Este humilde poema prova que Cupido disparou a sua

seta certeira na pessoa sincera e que infelizmente não te

merece por seres tão querida.

Que este dia de S. Valentim te dê amor.

Duarte.

São Francisco dos Amores,

13 de Fevereiro de 2012, 23:31

Meu querido Bombom!

Tenho o coração aos saltos para te ver amanhã. Vi-te hoje

de manhã e já estou cheia de saudades tuas. Não sei como

hei de expressar o que me vai na alma e no coração!!!

Estava na aula, e vê lá tu, que não parava de pensar em ti

(como sempre). Quando dei por mim estava a professora a

ralhar comigo, sabes porquê? Porque tinha adormecido e

estava a ter um sonho com o nosso amor. Estavamos no

topo de uma montanha, nevava como se fosse dia de

Natal. Sentados num banco de baloiço, e tu tinhas na mão

esquerda uma taça cheia de morangos com chantili e eu

tinha na mão direita uma taça de morangos com chocolate

quente. Davamos morangos um ao outro e olhávamo-nos

como se nos tivéssemos apaixonado à primeira vista. A lua

fazia com que os nossos olhos brilhassem, e quando tu me

ias começar a fazer a declaração de amor, a professora

tinha que me acordar e começar a ralhar comigo.

Apetece-me dizer-te algo, mas não sei o quê!!!

Para mim por vezes és um ananás acido, mas eu gosto de

ti assim. Quando me declaras o teu amor, derreto-me como

uma tablete de chocolate. Quando me dás beijocas e chicorações,

fazes-me lembrar um moranguinho a envolver-se

numa banheira cheia de chocolate quente.

És tudo para mim, simplesmente porque és perfeito

(inteligente, carinhoso, fofo,…), não sei que dizer mais. És

tudo para mim, que mais te posso dizer?

2012 beijoquinhas,

da tua fofinha.

1.º prémio

P.S.- Esqueci-me de te dizer que estou a escrever esta

carta à luz do luar. Ah!!! Agora é que vi, já é 00:03h, um

feliz dia de namorados para nós! Amo-te e Adoro-te muito,

Agualva, 3 de Fevereiro 2012

Doce! . . .

Esta carta é para saberes que ainda gosto muito de ti ! Todos os dias falávamos

por mensagens através do telemóvel . Mas hoje decidi fazer uma coisa

diferente, sendo o Dia Dos Namorados . Fiz este poema a pensar em ti . Aqui

vai :

Esta mensagem é para ti

Para saberes que ainda não esqueci

Esse teu sorriso lindo

Que perdi !

Foste um sonho

Tornado realidade

E agora,

Tornaste-te na minha cara metade!

És uma pessoa incrível,

Que eu nunca esqueci

Serás uma pessoa inesquecível

Mas que perdi!

Dei de cara contigo,

Num instante.

E agora,

Estás tão distante!

Olho-te nos olhos

Vejo no teu olha

Não consigo

Parar de sonhar!

Meu amor,

Tu és muito especial

Não há nada de cor

Que seja igual !

Com apenas um olhar

Apaixonei-me por ti

Quando te vi

Quase de amor,

Morri !!!!

Um beijo grande da tua amiga,

Bruna!

P.S.: Quando leres espero que percebas o quanto gosto de ti, depois diz-me

alguma coisa. Amo-te !

3.º prémio

Olá Amor!

2.º prémio

Agualva, 25 de Janeiro 2012

Dia de Natal começámos a namorar e por ter sido nesse dia tornou-se ainda

mais especial o nosso namoro.

Hoje já é dia 25 de Janeiro e tu estiveste sempre a lembrar-me do nosso

aniversário de um mês.

Eu decidi dedicar-te esta carta de amor. Espero que gostes.

Ma chérie, ainda antes de começarmos a namorar já gostava de ti, mas

nunca te disse e quando disseste que gostavas de mim foi como se entrasse

num sonho que não iria acabar .

És uma rapariga única. Cada segundo que passo sem ti faz aumentar as

saudades que tenho de estar contigo e cada segundo que passo contigo é

inesquecível.

O nosso amor é perfeito e ainda bem pois não imagino mais ninguém na

minha vida além de ti.

Tu não tens defeitos, mas sim infinitas qualidades, és linda, és inteligente,

és divertida…, ou seja, tu para mim és perfeita.

Bem espero que gostes da carta embora o amor que sinto por ti seja infinitas

vezes maior do que o que demonstrei neste “presente”.

Amo-te e Feliz aniversário de um mês.

Beijos

O Teu Anjo


FRANCÊS Página 12

LE FILM FRANÇAIS “L´ARTISTE” TRIOMPHE AUX OSCARS

Avec ses cinq statuettes, dont celle du meilleur acteur pour le Français Jean Dujardin, le

long métrage muet "L´Artiste" est le premier film non anglo-saxon à être sacré meilleur film de

l’année par la prestigieuse académie des Oscars.

“L´Artiste” est un film français muet en noir et blanc, sorti en 2011, qui a été écrit et réalisé

par Michel Hazanavicius. Tourné à Los Angeles, plus exactement à Hollywood, il met en scène

Jean Dujardin dans le rôle de George Valentin, star du cinéma muet confrontée à l'arrivée des

films parlants entre la fin des années 1920 et le début des années 1930.

Ce film est un hommage aux films muets des années 1920 et aussi au célèbre acteur Charlie

Chaplin.

14 FÉVRIER, LA FÊTE DES AMOUREUX

Gâteau au chocolat pour 8 personnes (Préparation : environ 20 min / Cuisson : environ 30 min)

Ingrédients:

- 5 oeufs

- 1 verre de sucre

- 1 verre de farine

- 1/2 sachet de levure

- un sachet de sucre vanillé

- 180 g de chocolat dessert

- 50 g de beurre

Préparation:

Dans un saladier, mélangez les oeufs entiers et le sucre. Ajoutez

la farine, puis mélanger. Ajoutez la levure, le sucre vanillé, et mélangez. Dans une casserole, faite

fondre le beurre avec le chocolat. Versez ce chocolat fondu dans le mélange (oeufs, sucre, farine,

levure, sachet de sucre vanillé). Versez la pâte dans un moule beurré. Enfournez à 180°C

(thermostat 6), pendant 30 min.

Voilà les cartes postales que les élèves

ont réalisé pour la Saint Valentin


Página 13 INGLÊS


INGLÊS Página 14


Página 15 MATEMÁTICA


MATEMÁTICA Página 16


Página 17 CIÊNCIAS NATURAIS

Ecoscópio na nossa Esco-

Nos dias 7, 8 e 9 de março, os alunos do 5º ano visitaram o

Ecoscópio – Unidade Móvel de Sensibilização Ambiental da

SUMA, que era constituído por uma sala polivalente com duplo

auditório, palco de artes e novas tecnologias, representação

teatral e de marionetas, bem como jogos interativos. Os alunos viram e ouviram a informação transmitida pelos

suportes de sensibilização, tendo sido fornecidos exemplos de boas práticas e comportamentos sustentáveis a

seguir no que diz respeito aos resíduos.

Neste âmbito, sensibilizaram-se os alunos para a política dos 5 R´s. Como tal, as palavras “Reduzir”,

“Reutilizar”, “Reciclar”, “Respeitar” e “Responsabilizar” foram incutidas aos alunos para que cresçam conscientes

VISITA AO ECOSCÓPIO

No dia 8 de Março, a nossa turma, que é o 5ºO, foi com

a Diretora de Turma visitar o Ecoscópio, uma carrinha que

foi encontrada na sucata e posteriormente remodelada e

reutilizada pela Suma.

Quando chegámos foi-nos dado uma fita (passaporte).

Umas fitas tinham uma mão desenhada e as restantes

tinham um olho, formamos assim dois grupos.

Um dos grupos assistiu a um teatro que a Tânia nos mostrou,

com duas personagens: um caixote do lixo e um

sapato abandonado. Ficamos a conhecer os 5 Rs: Reciclar,

Reutilizar, Reduzir, Responsabilizar e Respeitar.

Depois de assistirmos ao teatro trocamos com o outro

grupo e fomos para outra sala ter com o Pedro para nos

mostrar um pequeno filme de animação sobre os 5 Rs e

para que serviam.

Esta visita serviu para aprendermos muitas coisas mas

principalmente para aprendermos a cuidar do nosso Meio

Ambiente. Foi sem dúvida uma boa lição de vida.

Cláudia Saraiva, Marta Lopes e Emanuel- 5ºO

No dia 20 de março realizou-se uma visita de estudo

ao Oceanário de Lisboa, envolvendo cerca de 52

alunos das turmas do 6ºO e 6ºP.

Os alunos usufruíram de uma visita guiada ao

Oceanário, por um educador marinho, tendo visitado

os habitats, no piso superior, e vários aquários, no

piso inferior. Ao longo da mesma, os alunos reforçaram

e/ou alargaram os seus conhecimentos sobre a

vida marinha e dos oceanos, tendo compreendido

como os animais evoluíram até hoje e como se adaptaram

ao meio aquático.

Os alunos adoraram esta

experiência educativa, de descoberta

das maravilhas do

oceano, conhecendo os seus

segredos mais profundos!

do papel que têm na preservação do ambiente. Reduzir o

lixo, reutilizar o maior número possível de objetos, reciclar

os materiais, respeitar a Natureza e responsabilizar os

outros deve ser o lema de todos.

“Abre os olhos, toma atitude, passa a palavra!” foi o

mote desta atividade que abordou os conceitos de Globalidade

e Sustentabilidade, mostrando que a problemática

dos resíduos, embora global, deve ser agenciada a um

nível local. Assim, os alunos tomaram consciência de que

simples atitudes individuais podem, no seu conjunto,

melhorar o ambiente global.

Os alunos participaram nesta atividade com interesse e

motivação!

Naturais

de Ciências

No campeonato interturmas do jogo SuperTmatik

participaram cerca de 50 alunos do 2.º e 3º ciclos,

previamente selecionados nas diversas turmas. Durante

o campeonato os alunos tiveram de criar e utilizar

estratégias próprias e inovadoras para responderem de

forma rápida e correta às perguntas que lhes foram

colocadas. Fomentar o gosto pela aprendizagem das

ciências, contribuir para a aquisição, consolidação e

ampliação de conhecimentos de Ciências são alguns dos

objetivos do campeonato.

Os alunos apurados para a grande final on-line, foram:

5.º ano - 5ºH - Ruben Lourenço

6.º ano - 6ºP - Mamadu Darame

7.º ano - 7ºG - Marcos Rodrigues

8.º ano - 8ºE - Ana Isabel Freire

9.º ano - 9ºD - Mauro Freitas

Parabéns a todos os alunos participantes e

aos professores envolvidos!


CIÊNCIAS NATURAIS Página 18

Clube de Ciências

colher de chá de leite.

Material: 2 copos de plástico transparente; 3 colheres de sopa de sal refinado; 2 ovos pequenos; 1/4

Procedimento: Enche de água 3/4 de ambos os copos;

Adiciona o leite a um dos copos de água;

Adiciona o sal ao outro copo de água e mexe;

Põe um ovo em cada copo.

Resultados: O ovo flutua na solução salgada, mas afunda-se na solução de leite.

Nota: Se o ovo não flutua na solução salgada, adiciona mais sal à água.

Porquê?

O leite só foi adicionado para dar à água uma aparência parecida com a da água salgada. O ovo flutua, porque não é tão pesado

(tão denso) como a água salgada. A água muito salgada consegue sustentar o ovo em cima.

O ovo, na água com leite, é mais pesado do que a água (mais denso), assim, ele afunda-se.

2012: Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos

As Nações Unidas elegeram 2012 como o Ano Internacional da Energia

Sustentável para Todos. O objetivo é melhorar o acesso à energia e consciencializar

a população mundial para a necessidade de promover uma utilização sustentável dos recursos energéticos.

Atualmente, um quinto da população mundial não tem acesso à energia elétrica. Assegurar o acesso universal à energia até

2030 é um dos objetivos principais desta iniciativa, que procura também reduzir a intensidade do consumo energético e aumentar

a utilização de energias renováveis.

Apoia esta iniciativa em prol de uma energia universal e sustentável.

Vê em baixo algumas ações simples e quotidianas que, quando são realizadas por

todos, têm um grande impacto positivo no meio ambiente e na sociedade:

Planeia com a tua família as compras;

Lê os rótulos dos produtos atentamente antes de os comprar;

Usa integralmente os alimentos, evitando o desperdício;

Fecha a torneira enquanto escovas os dentes;

Apaga a luz ao sair de um ambiente;

Desliga um aparelho eletrónico quando não está sendo utilizado;

Separa o lixo para reciclagem.

A professora Marisa Bernardo

Os alunos e as professoras do Clube de

Ciências desafiam-te a experimentar Ciência! em


Página 19 CIÊNCIAS FISICO-QUÍMICAS

Ciências Físico-Químicas

Fontes de Energia Renováveis e Não Renováveis

O ser humano precisa de energia para sobreviver. Mas, para além da simples sobrevivência, o ser humano aprendeu também a

utilizar a energia de modo a melhorar as suas condições de vida.

O carvão, o vento, o Sol e o petróleo são exemplo de constituintes da Natureza a partir dos quais o Homem pode obter energia

diretamente. Por este facto, são designados recursos energéticos.

Fontes de energia não renováveis

Combustíveis fósseis Combustíveis nucleares

Carvão Petróleo

Gás Natural

As fontes de energia não renováveis são aquelas que se encontram na natureza em quantidades limitadas e se extinguem

com a sua utilização. Estas fontes de energia têm reservas finitas, uma vez que é necessário muito tempo para as repor.

São consideradas energias sujas, já que sua utilização é causa direta de importantes danos para o meio ambiente e para a sociedade:

destruição de ecossistemas, deterioração da camada de ozono, aumento do efeito de estufa e dependência económica dos

países não produtores das matérias-primas.

Sol

Fontes de energia renováveis

Urânio

Água Vento Biomassa Geotermia

As fontes de energia renováveis são aquelas que se renovam continuamente na Natureza, sendo, por isso inesgotáveis.

Para além do facto de serem inesgotáveis, a utilização destas fontes não gera materiais poluentes e o seu aproveitamento

leva ao desenvolvimento económico do local em que está a ser explorada. Têm contudo alguns inconvenientes, como poderem

causar impactos visuais negativos no meio ambiente, poderem gerar algum ruído durante a sua exploração e necessitarem

de um investimento inicial significativo para a instalação de toda a tecnologia necessária à sua utilização.


EDUCAÇÃO ESPECIAL Página 20

O SUB-DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL presta acompanhamento a crianças e jovens com diferentes

necessidades e síndromes vários, sendo alguns do conhecimento da maioria das pessoas que com eles convivem mas,

outros, pela sua raridade, podem causar alguma insegurança e receio na forma de trabalhar e até abordar estas crianças

e jovens. Assim este subdepartamento irá, através deste jornal, procurar levar alguma informação alargada a todos

quantos trabalham e se cruzam no dia a dia da escola com estes alunos.

SÍNDROME DE WILLIAMS

O Síndrome de Williams (SW) é uma desordem no cromossoma

7 que atinge crianças de ambos os sexos.

Desde o primeiro ano de vida, essas crianças costumam

irritar-se com facilidade - em parte devido a terem hipersensibilidade

auditiva. Problemas motores e falta de equilíbrio também

são comuns: demora para começar a andar, incapacidade

para cortar papel, apertar os atacadores dos sapatos, andar

de bicicleta ou dificuldades para se alimentar (devido ao formato

da arcada dentária), por exemplo. Por outro lado, há um

grande interesse por música, boa memória auditiva e muita

facilidade na comunicação. Pessoas com este síndrome sorriem

com frequência, utilizam gestos cordiais e mantêm o contacto

visual para comunicar.

Problemas cardíacos, renais e otites são frequentes nas

crianças com este síndrome. Por isso, é importante manter um

acompanhamento clínico para evitar o agravamento de doenças

decorrentes. Na adolescência, escolioses também podem

aparecer.

PRINCIPAIS SINAIS CLÍNICOS DA PESSOA COM

SÍNDROME DE WILLIAMS

A face de um indivíduo com SW é bastante

característica, com o aumento do volume da região

das pálpebras, nariz com ponta arrebitada e lábios

grossos;

Problemas de coração e vasos, como a estenose de

artéria pulmonar (estreitamento da artéria que leva o

sangue para os pulmões);

Dificuldades de alimentação nos primeiros meses de

vida;

Atraso de desenvolvimento neuromotor / deficiência

mental;

Atraso de crescimento com baixa estatura na idade

adulta;

Aumento do nível de cálcio no sangue (mais freqüente

no 1º. ano de vida);

Íris (“menina dos olhos”) com padrão de estrela;

Ausência de alguns dentes, dentes pequenos e, às

vezes, com mau fechamento das arcadas dentárias.

Voz rouca;

Personalidade amigável;

Aumento da sensibilidade ao som.

OCORRÊNCIA

Ocorre entre 1 em cada 20 000 a 1 em cada 50 000

nados vivos. O diagnóstico no recém-nascido é difícil, a não

ser quando se verificam elevados níveis de cálcio, já que as

manifestações como a "face característica", o aspecto da íris,

o estrabismo, os lábios grossos e o sulco naso-labial só se

tornam mais evidentes em idades mais avançadas.

A CRIANÇA COM SW NA ESCOLA

A sociabilidade não é um problema para crianças com

Síndrome de Williams. Mas é preciso tomar cuidado com a

ansiedade desses alunos. Geralmente preocupam-se demais

com determinados assuntos.

A música é das actividades que mais atraem a atenção

dessas crianças, pela sua sensibilidade auditiva.

Cromossoma 7


Página 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL

Dos alunos que frequentam o agrupamento de Escolas, cerca de 6% apresentam

necessidades especiais de educação, encontrando-se abrangidos

por legislação específica, visando a promoção da aprendizagem, da participação

escolar e social e do emprego. Para prosseguir com este objectivo, o

Agrupamento de Escolas conta com uma equipa de educadores e professores

especializados, com psicólogos e outros técnicos. Alguns destes técnicos

actuam no agrupamento através de parcerias com instituições, como o Centro

de Educação para o Cidadão Deficiente de Mira-Sintra; e programas

específicos, como o Viv@cidade.

Uma das dificuldades sentidas pelos técnicos e Direcção prendia-se com a

necessidade de criação de um espaço onde as crianças e jovens com maiores

dificuldades escolares pudessem desenvolver as suas capacidades de

realização de tarefas da vida diária e profissional. Através de um projecto

financiado pela Câmara Municipal de Sintra, foi criada uma sala multifuncional,

equipada com máquinas e instrumentos de cozinha e oficinas que vai

permitir a aproximadamente duas dezenas de alunos desenvolverem capacidades

e habilidades, como por exemplo: cozinhar, pôr a mesa, cuidados de

higiene e segurança; e, noutros casos contactarem com actividades oficinais

como: lidar com máquinas, efectuarem concertos e reparações do mobiliário

escolar, cuidarem da horta pedagógica, efectuarem vendas e publicarem o

seu jornal de parede. Esperamos, em breve, contactar com pais, professores

e outros envolvidos no processo, para fazermos uma pequena festa de inauguração.

Mas, sem perder tempo, pensamos já no próximo passo: a sensibilização da

comunidade local, nomeadamente os empresários, para que disponibilizem a

estes jovens postos de formação e inserção profissional, para que a transição

para a plena inclusão venha a ser uma realidade, e nisso temos todos a

nossa responsabilidade!

Marmelada e doce de abóbora confeccionados pelos

alunos em AVD (Actividades da Vida Diária)

Horta Pedagógica

Alguns artigos feitos pelos alunos na Oficina de

Expressões e na Oficina de Madeiras.


E. B. QUINTA DA FIDALGA Página 22


Página 23 E. B. QUINTA DA FIDALGA


Página 24 E.B.1 NOSSA SRA. DA ANUNCIAÇÃO

Os meninos do Jardim de Infância de

Nossa Senhora de Anunciação, fizeram

várias actividades alusivas ao Inverno.

Em grupo decoraram um boneco de

neve, utilizando vários materiais e também

aprenderam algumas canções e

poesias, aqui estão duas delas.

“Boneco de Neve”

Chapéu de palha

Nariz de cenoura

Olhos de azeitona

Braços de vassoura...

A cabeça é uma bola

Branca e leve

No meio da praça

Parece uma estátua

O boneco de neve!

Poesia do Inverno

O Inverno começou

tudo molhou…

o vento soprou…

o frio chegou…

a mãe me agasalhou

com um camisolão

as botas, o gorro

e um blusão.

Mas eu, mesmo assim,

fiquei constipado

tive que ficar

em casa deitado.

O senhor Inverno

traz o frio à gente

e por culpa dele

eu fiquei doente!

No passado dia 1 de março, fomos à Biblioteca Municipal de Agualva-Cacém, participar num ateliê intitulado:

“História Maluca”. Iniciámos o nosso ateliê, ilustrando uma colher de pau. De seguida, foi-nos dado um texto para ler

chamado “O Pedido de Uma Colher de Pau”. Lemos o texto de diversas formas: a rir, a chorar, deitados no chão de

barriga para baixo, a cantar, a saltar, a gaguejar, como se fosse um relato de futebol, entre outras. Quando já nos

tínhamos divertido bastante a ler, escrevemos um texto a pares, onde os protagonistas foram as colheres de pau que

tínhamos ilustrado. Por fim apresentámos / dramatizámos os textos aos colegas. Foi muito divertido!!!

J.I.

3.ºA

More magazines by this user
Similar magazines