15.05.2013 Views

baixar pdf

baixar pdf

baixar pdf

SHOW MORE
SHOW LESS

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

girista.com<br />

Ano I - Ed. 3 - Março/2013<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Waldyr<br />

Barbosa de<br />

Oliveira<br />

Junior


É uma revista temática em busca de<br />

um resgate histórico de uma raça que ao<br />

descer em terras brasileiras, oriunda da Índia,<br />

se sentiu em casa.<br />

Exalando magia e mistério transformou<br />

em girista todo aquele que com ela<br />

poetou.<br />

É um projeto desafiador pela sua veiculação<br />

digital. Mas foi essa a maneira encontrada<br />

para deixar registrada a história e<br />

ações dos que a preserva.<br />

É um resgate daqueles que foram além<br />

da simples criação, transformando-a em<br />

estado de espírito.<br />

O editor<br />

Expediente<br />

Jornalista Responsável<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

MTb GO 01438 JP<br />

Editor<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

l.carriao@bol.com.br<br />

Revisora<br />

Carmem Marize Lima<br />

Diagramador<br />

Thales Moraes<br />

virtuadigital@gmail.com<br />

Goiânia – Goiás<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

girista.com<br />

Ano I - Ed. 3 - Março/2013<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Waldyr<br />

Barbosa de<br />

Oliveira<br />

Junior<br />

2 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Não são poucos os anos que a Lei que estabelece<br />

e mantém a harmonia do Universo tem me privilegiado<br />

nessa arte de escrever, e agora, com uma experiência<br />

por mim já exercida, a de editor, porém, com uma<br />

diferença: sem a intervenção de patrocinadores sobre<br />

a linha editorial do que se escreve como vergonhosamente<br />

ocorreu com as escolas de samba do último carnaval<br />

no Rio de Janeiro, ou de censura ao pensamento<br />

como ocorreu em veículos anteriores.<br />

Poderia estar editando uma revista sobre história,<br />

literatura, música, política, filosofia, educação,<br />

religião, esoterismo ou resenhas de livros como chegamos<br />

a fazer em alguns blogs, com um sucesso de visitação<br />

gratificante, mas aqui estamos para falar de Gir.<br />

Falar de magia, do que gosta, propondo um resgate<br />

histórico e com um olhar crítico sobre a mesma. Resgate<br />

histórico numa parceria editorial com historiadores<br />

que testemunharam e viveram a história da raça.<br />

Dito isto, uma justificativa. Como a revista está<br />

enquadrada em um eixo temático, a raça gir e seus<br />

criadores, normal seria uma entrevista referenciada,<br />

porém, num ato não muito comum, diria até surrealista,<br />

a revista faz uma entrevista “in memoriam” com<br />

o escritor e poeta Francês Victor–Marie Hugo sobre o<br />

gênero humano: masculino e feminino, cuja resposta<br />

é dada através do poema O homem e a Mulher, onde<br />

na visão do poeta completam-se, embora reconheça a<br />

supremacia divinização da mulher.<br />

Embora, referenciando-a ao dia Internacional da<br />

Mulher, não se trata de simples comemoração à data,<br />

ou homenagem às mulheres, em especial, às “mulheres<br />

do gir”, carinhosamente assim chamadas. Também,<br />

uma proposta de discussão mais ampliada sobre o que<br />

queremos da raça dentro de uma ótica de responsabilidade<br />

e respeito à mesma.<br />

Com cumprimentos a revisora Carmem Marize<br />

Lima e a articulista Patrícia Sibin, esta revista estende<br />

esse gesto a todas as mulheres deste planeta, em especial,<br />

àquelas que no gir, têm apresentado-se como<br />

lideranças classistas, criadoras, selecionadoras, simpatizantes,<br />

pesquisadoras, escritoras, articulistas, etc.<br />

Boa leitura!<br />

Editorial<br />

3


4<br />

Nesta edição<br />

5<br />

7<br />

10<br />

14<br />

17<br />

18<br />

20<br />

28<br />

30<br />

32<br />

Entrevista<br />

Ao ressuscitar nesta entrevista o escritor e poeta francês Victor-Marie Hugo sobre sua<br />

visão a respeito do gênero humano, referenciando-o ao dia Internacional da Mulher,<br />

8 de março, não se trata de simples comemoração à data, mas uma proposta de discussão<br />

sobre o papel da mulher no criatório gir nacional.<br />

Matéria de capa<br />

Waldyr Barbosa de Oliveira Junior por Waldyr Barbosa de Oliveira Junior<br />

Hélio Ronaldo Lemos – de A a Z<br />

P de Puhspano<br />

“... Juntamente com Roberto Azevedo, contornamos o caminhão e lamentamos com<br />

lágrimas nos olhos a escolha de Celso para cobrir as filhas e netas de Krishna. Pushpano<br />

frustrou toda nossa expectativa. Era de um fenótipo nada agradável. Um animal grosseiro<br />

e de mãe grosseira”.<br />

Cartas de Curvelo-MG<br />

“Quanto a Puspano, cuja “produção” não se tem uma opinião convergente, uns falam<br />

“isso” outros “aquilo” foi posto à disposição do Dr. Evaristo, Fazenda do Cortume/<br />

Curvelo, por Celso Garcia com o propósito suponho, de testá-lo com uma vacada uniforme<br />

e de alto valor genético”.<br />

Confissões Sexagenárias<br />

“... eu disse a ele que em minha opinião o seu melhor touro era o Sagrado ZS. Baixou<br />

a cabeça por alguns instantes e disse: _ professor, o Secretário vem para o doutor<br />

Bezerra para coletar, e com ele, o Sagrado para o senhor. É um presente meu. Esse era<br />

o jeito Zeid de ser”.<br />

Paty Sibin<br />

A proibição da prova exclusivamente testemunhal em contratos de compra e venda<br />

de gado.<br />

Livro: Vida e morte de um touro, por Aristóteles Góes,<br />

1951, 6 p.<br />

“... O seu berro era puríssimo, igual aos melhores gires de Kathiawar: baixo, profundo<br />

e cavernoso. Curto, gutural e vibrado”.<br />

Pedro Wilson<br />

Sustentabilidade: ... . “Aliança entre a humanidade e a natureza, toda natureza<br />

de Deus...”.<br />

Tiãozinho Cunha<br />

“... Tiãozinho Cunha mostrava a Aderbal um livro do Gondin da Fonseca, sob o título<br />

Camões e Miraguarda, editora Fulgor, 1962, que traz na apresentação uma informação<br />

interessante: “Uma das maiores riquezas atuais do Brasil é a pecuária”. Possuímos<br />

talvez uns cinquenta ou sessenta milhões de bois. Qual o capim que cria esses bois em<br />

grande parte das zonas de pastagens? O colonião. E como chegou aqui o colonião”?<br />

Retratos no Gir<br />

Homenagem ao saudoso girista Jairo de Andrade.


Victor-Marie Hugo<br />

Autor de “Os miseráveis”<br />

e “O Corcunda de<br />

Notre Dame”, entre outros.<br />

Filho de Joseph Hugo e de<br />

Sophie Trébuchet. Nasceu<br />

em Besançon, mas passou<br />

a infância em Paris.<br />

Em 1819 fundou, com os<br />

seus irmãos, uma revista,<br />

o “Conservateur Littéraire”<br />

(Conservador Literário) e<br />

no mesmo ano ganhou o<br />

concurso da Académie des<br />

Jeux Floraux, instituição<br />

literária francesa fundada<br />

no século 14. Aos 20 anos<br />

publicou uma reunião de<br />

poemas, “Odes e Poesias<br />

Diversas”, mas foi o prefácio<br />

de sua peça teatral<br />

“Cromwell” que o projetou<br />

como líder do movimento<br />

romântico na França. Casou-se<br />

com Adèle Foucher<br />

e durante a vida teve diversas<br />

amantes, sendo a mais<br />

famosa Juliette Drouet,<br />

atriz sem talento, a quem<br />

ele escreveu numerosos poemas. O período<br />

1829-1843 foi o mais produtivo da<br />

carreira do escritor. Seu grande romance<br />

histórico, “Notre Dame de Paris” - mundialmente<br />

conhecido como “O Corcunda<br />

de Notre Dame” - (1831), conduziu-o<br />

à nomeação de membro da Academia<br />

Francesa, em 1841. Criado no espírito da<br />

monarquia, o escritor acabou tornandose<br />

favorável a uma democracia liberal e<br />

humanitária. Eleito deputado da Segunda<br />

República, em 1848, apoiou a candidatura<br />

do príncipe Luís Napoleão, mas se exilou<br />

após o golpe de Estado que este deu em<br />

dezembro de 1851, tornando-se imperador.<br />

Hugo condenou-o vigorosamente por<br />

razões morais em “Histoire d’un Crime”.<br />

Durante o Segundo Império, em oposição<br />

a Napoleão 3º, viveu exilado em Jersey,<br />

Guernsey e Bruxelas. Foi um dos poucos<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Entrevista<br />

a recusar a anistia decidida algum tempo<br />

depois. A morte da sua filha, Leopoldina,<br />

afogada por acidente no Sena, junto com o<br />

marido, fez com que o escritor deixasse-se<br />

levar por experiências espíritas relatadas<br />

numa obra “Les Tables Tournantes de Jersey”<br />

(As Mesas Moventes de Jersey). A partir<br />

de 1849, Victor Hugo dedicou sua obra<br />

à política, à religião e à filosofia humana<br />

e social. Reformista, desejava mudar a sociedade,<br />

mas não mudar de sociedade. Em<br />

1870 Hugo retornou a França e reatou sua<br />

carreira política. Foi eleito primeiro para<br />

a Assembleia Nacional, e mais tarde para<br />

o Senado. Não aderiu à Comuna de Paris,<br />

mas defendeu a anistia aos seus integrantes.<br />

De acordo com seu último desejo, foi<br />

enterrado em um caixão humilde no Panthéon,<br />

após ter ficado vários dias exposto<br />

sob o Arco do Triunfo.<br />

5


Girista.com – Feminismo é um movimento<br />

social, filosófico e político buscando<br />

objetivar direitos equânimes e uma vivência<br />

humana libertária de padrões opressores<br />

baseados em normas e gênero, nascido na<br />

transição do século XIX ao século XX, WikpédiA,<br />

2013. O livro A mística feminina,<br />

1963, de Betty Freidan, critica a ideia de que<br />

as mulheres poderiam encontrar satisfação<br />

apenas através da criação de filhos e das atividades<br />

do lar. Em 8 de março de 1857, operárias<br />

de uma fábrica de tecidos, situada na<br />

cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram<br />

uma grande greve. Ocuparam a fábrica<br />

e começaram a reivindicar melhores condições<br />

de trabalho, tais como, redução na<br />

carga diária de trabalho para dez horas (as<br />

fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário),<br />

equiparação de salários com os homens<br />

(as mulheres chegavam a receber até um terço<br />

do salário de um homem, para executar o<br />

mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno<br />

dentro do ambiente de trabalho. A manifestação<br />

foi reprimida com total violência. As<br />

mulheres foram trancadas dentro da fábrica,<br />

que foi incendiada. Aproximadamente<br />

130 tecelãs morreram carbonizadas, num<br />

ato totalmente desumano. No ano de 1910,<br />

durante uma conferência na Dinamarca, ficou<br />

decidido que o dia 8 de março passaria<br />

a ser referenciado como o “Dia Internacional<br />

da Mulher”, em homenagem as mulheres<br />

mortas na fábrica nova-iorquina. Em 1975,<br />

através de um decreto, a data foi oficializada<br />

pela ONU. Passados 100 anos de seu início,<br />

o movimento encontra-se reivindicando<br />

o reconhecimento dos direitos econômicos,<br />

sociais, culturais e ambientais das mulheres;<br />

necessidade do reconhecimento do direito<br />

universal à educação, saúde, previdenciária;<br />

defesa dos direitos sexuais e reprodutivos;<br />

reconhecimento do direito das mulheres sobre<br />

a gestação, com acesso a qualidade de<br />

concepção e/ou contracepção; descriminalização<br />

do aborto como um direito de cidadania<br />

e questão de saúde pública; e, em especial,<br />

a violência contra a mulher. Na raça<br />

Gir um avanço extraordinário! Cada dia mais<br />

mulheres estão a participar. Sejam como líderes<br />

classistas, criadoras, escritoras, pesquisadoras,<br />

etc. E nesse embate de gênero,<br />

com a palavra Victor Hugo (1802 – 1885): O<br />

que é o homem e o que é a mulher?<br />

Victor Hugo - O homem e a Mulher! Digo-vos:<br />

O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher<br />

é o mais sublime dos ideais.<br />

Deus fez para o homem um trono. Para a mulher,<br />

um altar.<br />

O trono exalta. O altar santifica.<br />

O homem é o cérebro; a mulher o coração.<br />

O cérebro fabrica a luz; o coração produz amor.<br />

A luz fecunda. O Amor ressuscita.<br />

O homem é forte pela razão. A mulher é invencível<br />

pelas lágrimas.<br />

A razão convence. As lágrimas comovem.<br />

O homem é capaz de todos os heroísmos. A<br />

mulher de todos os martírios.<br />

O heroísmo enobrece. O martírio sublima.<br />

O homem tem supremacia. A mulher, a preferência.<br />

A supremacia significa a força. A preferência representa<br />

o direito.<br />

O homem é um gênio; a mulher, um anjo.<br />

O gênio é imensurável; o anjo, indefinível.<br />

Contempla-se o infinito. Admira-se o inefável.<br />

A aspiração do homem é a suprema glória. A<br />

aspiração da mulher é a virtude extrema.<br />

A glória faz tudo grande. A virtude faz tudo divino.<br />

O homem é um código. A mulher um evangelho.<br />

O código corrige. O evangelho aperfeiçoa.<br />

O homem pensa. A mulher sonha.<br />

Pensar é ter no crânio uma larva. Sonhar é ter<br />

na fronte uma auréola.<br />

O homem é um oceano. A mulher um lago.<br />

O oceano tem a pérola que adorna. O lago a<br />

poesia que deslumbra.<br />

O homem é a águia que voa. A mulher o rouxinol<br />

que canta.<br />

Voar é dominar o espaço. Cantar é alegrar a<br />

alma.<br />

O homem é o tempo. A mulher é o sacrário.<br />

Ante o tempo nos descobrimos. Ante o sacrário<br />

nos ajoelhamos.<br />

Enfim, o homem está colocado onde termina a<br />

terra. E a mulher onde começa o céu.<br />

6 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Capa<br />

Waldyr Barbosa de Oliveira<br />

Por Waldyr Barbosa de Oliveira<br />

Minha trajetória no gir remonta a primeira<br />

metade da década de 60, na Fazenda Bocaina -<br />

Guará SP, e assim se passa:<br />

A Fazenda Bocaina foi adquirida por meu<br />

tataravô, por volta do ano 1850. Mineiro, oriundo<br />

da cidade de Ouro Preto MG, entrou no estado<br />

de São Paulo pelo lado do Sul de Minas, tendo<br />

se radicado inicialmente em Delfinópolis MG<br />

que fica nas redondezas de Passos. Seu nome<br />

Major Joaquim Dias de Oliveira, era casado com<br />

Armanda Malvina Borges de Campos. Inicialmente<br />

adentrou o Estado de São Paulo por Franca<br />

vindo adquirir terras onde hoje é a Bocaina<br />

(nome que o próprio deu as terras), teve cinco<br />

filhos, entre eles meu bisavô Capitão Antônio<br />

Dias de Oliveira (ambos os títulos da guarda na-<br />

7


cional) que veio a casar-se com Bernardina Barbosa<br />

Sandoval (aqui meu nome mais forte BAR-<br />

BOSA) que residia em Ituverava SP. Em Ituverava<br />

SP, meu avô Marcílio Dias de Oliveira tinha um<br />

primo em primeiro grau que se chamava José de<br />

Freitas Barbosa, por ser um homem alto e corpulento<br />

tinha a alcunha de Jucão Barbosa, e já<br />

nos anos 40 dedicava-se a pecuária zebuína (Gir<br />

e Indubrasil). Assim meu avô abastecia-se de fêmeas<br />

e machos da raça Gir do criatório de seu<br />

primo Jucão, o qual chegou nos anos 60 a expor<br />

na afamada exposição agropecuária de Franca,<br />

inclusive tendo um touro de destaque nacional<br />

Ipiranga filho de Czar do Nicolau Maluf, o qual<br />

sempre que encontro Hélio Lemos ele se refere<br />

ao touro. Assim, no início da década de 60,<br />

quando de meu nascimento, o gado da Bocaina<br />

já possuía uma base sólida no gir, por animais<br />

oriundos de Ipiranga que por sua vez vai a Czar.<br />

No ano 1966, com apenas cinco anos, foi a<br />

minha primeira EXPOZEBU. Acompanhava meu<br />

Pai à Capital do Zebu, quando encontramos um<br />

primo de meu pai, Hilário de Freitas Barbosa,<br />

que estava expondo Indubrasil em Uberaba. Havia<br />

feito o Grande Campeão Nacional Indubrasil<br />

de Uberaba em 1963, um touro cinza chamado<br />

Pagé. Meu pai como entregava leite a COONAI,<br />

uma cooperativa antiga com raízes em Franca<br />

e Ribeirão Preto, gostava de Gir. Assim fomos<br />

apresentados ao Sr. Josias Ferreira Sobrinho<br />

pelo primo, e naquela exposição fomos até a<br />

Chácara Maracanã onde adquirimos Gandhi<br />

da Maracanã que veio apadrinhar as vacas da<br />

Bocaina. Meu encanto de criança com o touro<br />

Gandhi era incrível. Manso, chitado, meu pai colocava-me<br />

em seu dorso, onde eu sonhava. Ali<br />

com a compra de Gandhi da Maracanã nasceu<br />

um girista, deslumbrado com a mansidão da<br />

raça que tanto amamos.<br />

Os anos 70 foram difíceis na Bocaina, e ao<br />

mesmo tempo veio uma transformação econômica<br />

no final da década. A propriedade de 280<br />

alqueires foi dividida, restando ao meu pai apenas<br />

41 alqueires. Onde era pasto de gir, transformou-se<br />

em área de soja, o gado que era em<br />

comum com meus tios, repartido. Como havia<br />

necessidade de fazer “renda” na propriedade, a<br />

parte que coube ao meu pai no gado foi alienada,<br />

restando poucas vacas Gir e algumas Indubrasil,<br />

as quais nos anos<br />

80 ele me presenteou.<br />

Em 1981 adquiri umas<br />

fêmeas registradas do<br />

criador Ayrthon Alves<br />

Ferreira, filhas de Ganges<br />

e Lembrado, touros que<br />

eram genéticas de Malsim<br />

que por sua vez era Cajubi<br />

e Mineirinho, dava início aos<br />

meus próprios passos, até que<br />

em 1988 fiquei sócio da ABCZ.<br />

Confesso que me encantei com a<br />

pecuária zebuína, com o mundo que<br />

gira ao redor de Uberaba e do Parque<br />

Fernando Costa, mesmo que ilusório e efêmero,<br />

mas magia pura. Dando seguimento no<br />

ano 1997, fiz minha primeira exposição, em<br />

Cássia-MG, terra de Roberto Azevedo, tendo<br />

recebido alguns prêmios, e fiz um campeonato<br />

bezerra. Em Cássia, naquele ano adquiri<br />

de Roberto Azevedo duas fêmeas, uma por<br />

nome Urca RGD 2473 e outra Pantera. Ainda no<br />

ano seguinte adquiri duas fêmeas de seu primo<br />

Flávio Azevedo Borges, que eram crias<br />

de Aderbal e Leda Góes, uma<br />

delas Raquete da Favela<br />

RGD X 2696<br />

que era Monge<br />

(Colosso X Esti-<br />

8 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


Da esq/dir: Waldyr Barbosa, Leda e Aderbal Góes<br />

mada) e Lauda da Favela (Lord Junior x Câmara<br />

que vai a GORI II).<br />

Em 1999, adquiri algumas fêmeas Gir Mocho<br />

e um Touro de Manoel Carlos Barbosa, o<br />

qual estava desfazendo-se do gado GIR para dedicar-se<br />

exclusivamente ao nelore. No mesmo<br />

ano iniciei a inseminação artificial, e digo que foi<br />

um ano importante porque passei a fazer parte<br />

do Sindicato Rural de Ituverava, onde pude ser<br />

um dos organizadores da Exposição local.<br />

Em 2.000, vou a ASSOGIR/UBERABA onde<br />

conheço Leda Goés e Luiz Humberto Carrião e<br />

torno-me sócio da entidade, onde mais tarde<br />

ocupei cargos na diretoria. Em 2.003 fiz minha<br />

primeira EXPOZEBU como expositor levei Gir<br />

e Gir Mocho. Nesse primeiro ano, enfrentando<br />

Carlos Mário de Morais, Alesson Pereira e outros<br />

criadores. Fiz meu primeiro Campeonato Na-<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

cional com a novilha Dama. Em 2005 consegui<br />

mais um Campeonato Nacional, agora na raça<br />

Gir com a novilha Fidalga.<br />

Ano passado, 2012, fui novamente expositor<br />

na EXPOZEBU e digo que o encantamento<br />

é como o da primeira vez. Ver tremular aquela<br />

bandeira no Parque Fernando Costa é algo contagiante.<br />

Digo que fiz vários amigos na pecuária<br />

nacional, como já disse é efêmero, mas de pura<br />

magia. Além de Uberaba participei de exposições<br />

em Araxá, São José do Rio Preto, Franca,<br />

Ituverava e outras cidades menores.<br />

O Gir é uma magia! Espero ter saúde e continuar<br />

a participar dessa pecuária maravilhosa<br />

que é a zebuína.<br />

Waldyr Barbosa de Oliveira<br />

é funcionário do TJSP e criador de Gir<br />

9


História<br />

Hélio Ronaldo Lemos de A a Z<br />

P de Pushpano<br />

Por Hélio Ronaldo Lemos<br />

A importação de 1920 trouxe da Índia para<br />

o Brasil 804 cabeças zebuínas. No ano seguinte,<br />

1921, devido à peste bovina, o governo brasileiro<br />

proibiu as importações. A partir daí, somente<br />

através de Licença Especial até a liberação pelo<br />

governo Juscelino Kubitschek de Oliveira, 1961,<br />

voltando a ser proibitivas durante o governo militar<br />

de 1964.<br />

Em 1930 a outorga dessa Licença Especial<br />

coube a Manoel de Oliveira Prata (Nequinha Prata)<br />

e Ravísio Lemos, com os quais vieram, dentre<br />

outros, o touro Gandi vendido ao criador baiano<br />

Otávio Ariani Machado, que com Cabana II produziu<br />

Bey, vendido ao Cel. Rodolfo Machado Borges,<br />

Uberaba – MG, por 50 contos, uma fortuna à<br />

época, e, com Serena, produziu White, cedido ao<br />

doutor Evaristo Soares de Paula, Curvelo – MG,<br />

dando origem à linhagem EVA. Uma observação:<br />

quando em julgamento em Vitória da Conquista<br />

-BA, o doutor Jaime Machado, filho de Otávio Machado,<br />

mostrou-me no Hotel em que estávamos<br />

hospedados, uma foto do White, escrito no verso<br />

a punho pelo seu pai, identificando White como<br />

filho de Bey com Serena. Doutor Jaime Machado,<br />

engenheiro, muito amigo meu, fazia aniversário<br />

em 24 de dezembro, um dia antes do meu.<br />

Em 1934, através do Decreto nº 24.548, de<br />

Pushpano importado<br />

3 de julho, o Chefe do Governo Provisório da<br />

República dos Estados Unidos do Brasil, Getúlio<br />

Vargas, aprovou o regulamento do Serviço de<br />

Defesa Sanitária Animal com o objetivo de executar<br />

medidas de profilaxia, preservando o país<br />

de invasão de zoonoses exóticas e combater as<br />

moléstias infectocontagiosas e parasitárias existentes<br />

no território brasileiro. Também, como<br />

defesa dos rebanhos nacionais, ficou terminantemente<br />

proibida à entrada de animais em território<br />

pátrio,e, de produtos ou despojos de animais,<br />

forragens ou qualquer outro material presumível<br />

veiculador de agentes etiológicos de doenças<br />

contagiosas.<br />

Em 1957, Joaquim Martins Borges, mais conhecido<br />

como Quinca Borges, com propriedade<br />

na cidade goiana de Anicuns, mesmo com a vigência<br />

desse decreto, enviou à Índia um despachante<br />

uberabense, Paulo Roberto Rodrigues da<br />

Cunha, com a determinação de comprar animais<br />

da raça Gir, inclusive o touro Krishna, uma recomendação<br />

de Pedro Cruvinel Borges que havia<br />

estado em território indiano. Negócio que, em relação<br />

ao Krishna não foi concretizado pelo representante<br />

de Quinca Borges. Porém, 72 cabeças<br />

fêmeas, entre bezerras, novilhas e vacas foram<br />

adquiridas, além de vários touros e garrotes. Proi-<br />

10 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


ido de desembarcar o gado em território brasileiro,<br />

ameaçado de rifle sanitário, seguiu para<br />

a Bolívia e depois, através do “jeitinho brasileiro”<br />

entrou no Brasil.<br />

Em 1960, Celso Garcia Cid tendo indeferido<br />

seu pedido de importação de gado indiano através<br />

da chamada Licença Especial pelo Ministério<br />

da Agricultura, mandou para a Índia seu gerente,<br />

Ildefonso, para procurar, identificar e comprar os<br />

animais zebuínos puros. O ocorrido com Quinca<br />

Borges repetiu-se. Foi<br />

necessário Celso fazer<br />

a doação dos animais<br />

ao governo do Paraná,<br />

interferências políticas<br />

para que os mesmos<br />

fossem finalmente desembarcados<br />

no Porto<br />

de Paranaguá e levados<br />

para a Fazenda Cachoeira,<br />

ao norte do<br />

Estado do Paraná.<br />

Em 1961, através<br />

do Decreto nº 50.194,<br />

de 28 de janeiro foi<br />

autorizada as importações<br />

de reprodutores<br />

zebuínos, bubalinos<br />

e outros animais<br />

domésticos e silvestres,<br />

procedentes<br />

de países, domínios,<br />

possessões, protetorados<br />

ou regiões<br />

dos continentes<br />

asiático e africano,<br />

condicionados à<br />

prévia manifestação<br />

do Ministério<br />

da Agricultura,<br />

através do Departamento<br />

Nacional<br />

da Produção Animal,<br />

desde que, a solicitação partisse de<br />

órgãos dos governos, estaduais ou federais, e da<br />

Sociedade Rural do Triângulo Mineiro (SRTM).<br />

Também, nesse mesmo dia foi publicado<br />

o Decreto nº 50.193 criando um quarentenário<br />

destinado a disciplinar e assistir as exportações<br />

e importações de animais que fossem objeto de<br />

transações entre o Brasil e demais países que delas<br />

participassem.<br />

A presença de Celso na Índia levou-o a uma<br />

amizade estreita com o Marajá de Bhavnagar,<br />

proprietário do Krishna comprado por Celso, e<br />

ainda, um dos que mantinha um rebanho fechado<br />

contra a inserção de cruzamentos com animais<br />

de rua, ou mesmo de outras raças que não<br />

fosse a Gir.<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Relação do gado Gir/importação de 1960/62<br />

Em retribuição a gentileza por parte do Marajá<br />

de Bhavnagar com Celso na Índia, este fez<br />

um convite para que o mesmo viesse conhecer o<br />

Brasil. O livro “O tempo de ‘seo’ Celso”, Domingos<br />

Pellegrini, 1990, narra que quando o Marajá de<br />

Bhavnagar (filho) chegou à Fazenda Cachoeira e<br />

viu o gado belo, gordo e bem tratado, debruçou<br />

a cabeça em um mourão e chorou copiosamente.<br />

Nesta mesma oportunidade, Celso fez várias<br />

homenagens a ele, na Fazenda Cachoeira e no<br />

Parque de Exposições da cidade de Londrina,<br />

no Paraná.<br />

A partir de<br />

então, essa amizadeconsolidouse<br />

de tal forma,<br />

que o mesmo livro<br />

narra uma passagem<br />

interessante.<br />

“Agora Celso tem<br />

mais um forte motivo<br />

para conseguir a<br />

importação. Enviou<br />

seu filho Fernando<br />

à Índia em 64, e<br />

em 65 recebeu uma<br />

carta de Virbadrasingh,<br />

filho do Marajá<br />

de Bhavnagar:<br />

‘Meu caro senhor<br />

Cid: Escrevo esta<br />

carta para que saiba<br />

que, na última vez<br />

que estive com meu<br />

pai, pouco antes dele<br />

expirar, seu desejo foi<br />

de presentear-lhe todas<br />

as vacas. Em tais<br />

circunstâncias, permita-me<br />

pedir-lhe que<br />

gentilmente nos visite<br />

o mais breve, conforme<br />

sua conveniência. Tudo<br />

isso seria um presente<br />

de meu estimado pai ao senhor”.<br />

Quando da chegada do Krishna, Celso colocou<br />

-o para apadrinhar suas melhores vacas, inclusive<br />

aquelas oriundas da importação. Com Sakina II produziu<br />

Krishna Sakina POI DC, que ficou conhecido<br />

como Krishninha do Celso, o 6666, seu número de<br />

registro. Este com sua mãe produziu Sakina II, produzindo<br />

dois machos: ambos nominados de Krishna<br />

Sakina Sakina, com a diferenciação determinada<br />

pelo número do registro. Um deles, o mais velho,<br />

deveria ter sido mais bem aproveitado. Comentei<br />

no livro Gir: a raça mais utilizada no Brasil, Rinaldo<br />

dos Santos, 1994, que o trabalho de Celso Garcia<br />

Cid deveria ter seguido essa linha, ao invés de tentar<br />

utilizar o touro Pushpano. Explico!<br />

11


Quando da chegada do touro Pushpano,<br />

juntamente com sua mãe Pushpa, e as vacas<br />

Krishnaia, a filha da Pushpa com Roopano do<br />

Jasse e uma filha do krishna em vaca da India,<br />

havíamos pernoitado na cidade de Sertanópolis-PR,<br />

na espera do caminhão que deveria<br />

chegar pela manhã, e que só o fez às 14 h. Em<br />

minha companhia estava o Tio Nilo Lemos (Ribeirão<br />

Preto-SP), Mário Silveira (Anápolis-GO),<br />

doutor Benjamim Ferreira Guimarães (Taquaritinga-SP),<br />

Roberto Batista de Azevedo (Cássia<br />

-MG), este meu compadre.<br />

A foto do Pushpano saindo do caminhão,<br />

divulgada na página 242 do Livro Gir: a raça<br />

mais utilizada no Brasil, Rinaldo dos Santos,<br />

1994, foi tirada por mim. Nela visualiza-se Celso<br />

Garcia Cid à direita do touro segurando o<br />

cabresto e Tio Nilo do outro lado. Juntamente<br />

com Roberto Azevedo, contornamos o caminhão<br />

e lamentamos com lágrimas nos olhos a<br />

escolha de Celso para cobrir as filhas e netas<br />

de Krishna. Pushpano frustrou toda nossa expectativa.<br />

Era de um fenótipo nada agradável.<br />

Um animal grosseiro e de mãe grosseira. Em<br />

relação ao Krishna importado, seus filhos e netos,<br />

Pushpano pecava na caracterização racial.<br />

Para quem trouxe o melhor touro do mundo,<br />

Pushpano deixava a desejar. Em meio a tantas<br />

dificuldades, Celso foi à Índia e trouxe na primeira<br />

importação um verdadeiro diamante, e<br />

depois, com todas as facilidades pela liberação<br />

das importações no governo Juscelino, acrescido<br />

da amizade gozada junto ao Marajá de<br />

Bhavnagar, de quem passou a ser hóspede na<br />

Índia, trouxe um cascalho.<br />

Toda importação gera euforia, talvez, a<br />

maioria dos criadores não pensava como eu e<br />

meus companheiros de viagem de quilômetros<br />

para esperar a chegada dos animais da segunda<br />

importação. Muitos achavam que Pushpano<br />

daria certo nas filhas e netas do Krishna importado.<br />

Acreditavam nisso! Outros, pelo instinto<br />

da bajulação diziam que Celso havia acertado<br />

na escolha.<br />

A realidade é que Pushpano retrocedeu<br />

todo trabalho levado a efeito através da linhagem<br />

Krishna. Sou da opinião, e já manifestei<br />

isso publicamente, de que os touros filhos de<br />

Krishna Sakina 6666 coma sua própria mãe, os<br />

“Krishnas Sakinas Sakinas” deveriam dar seguimento<br />

ao trabalho, e não, um touro muito<br />

aquém. Talvez, na tentativa de abrir a consanguinidade<br />

“Krishna” Celso foi à Índia em busca<br />

desse touro, e, infelizmente, errou. O único filho<br />

de renome de Pushpano é o Bahadursinghji<br />

– DC, com a vaca Krishna Sakina Virbay III DC,<br />

12 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


uma vaca excepcional de tipo, carcaça, leite e<br />

grande-campeã em quase todas as pistas em<br />

que participou. Em idade adulta seu peso médio<br />

era de 700 quilos.<br />

Uma curiosidade é que nessa 2ª importação<br />

Celso adquiriu todas as fêmeas filhas do<br />

Krishna que encontrou na Índia, quase todas<br />

oriundas do “gado do povo”. O posicionamento<br />

dos chifres do Krishna saindo na linha dos<br />

olhos para baixo e para trás não era o tipo recomendado<br />

para tração, que sob a influência dos<br />

ingleses, optavam por chifres tipo torquês que<br />

melhor seguravam e amparavam a ganga. Com<br />

isso, emprestado a uma sociedade campesina,<br />

Krishna passou a enxertar o “gado do povo”.<br />

Dessa 2ª importação destacaram-se duas vacas<br />

filhas do Krishna, inclusive muito próximas as<br />

que vieram na 1ª importação fenotipicamente,<br />

Krishna Sakina Dhamal e Krishnaia.<br />

Com o modismo do importado, objetivando<br />

mercado, mesmo contra a sua íntima vontade,<br />

doutor Evaristo, com o seu tino comercial,<br />

aceitou Pushpano na Fazenda do Cortume, Curvelo-MG,<br />

onde trabalhou em todo o gado EVA,<br />

indistintamente. Com uma vaca EVA chamada<br />

Harpa, descendente da Baianinha, Pushpano<br />

produziu um filho lindo! Chita de vermelho,<br />

Pushpano importado<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

muito bem caracterizado e conformado. Com<br />

isso, muitos achavam que Pushpano daria certo.<br />

Só que, seus filhos não reproduziam a expectativa.<br />

Quanto às filhas de Pushpano nascidas<br />

na Fazenda do Cortume, José Lúcio Rezende<br />

propôs uma troca entre vacas EVA adquiridas<br />

junto ao doutor Evaristo, a livre escolha deste,<br />

pela cabeceira das “Pushpanos”, que face ao vigor<br />

híbrido eram muito boas de leite e tipo. Foram<br />

trocas dez vacas tiradas na cabeceira. Nesse<br />

negócio doutor Evaristo recuperou 10 vacas<br />

puríssimas dentro do trabalho de EVA, tiradas<br />

em mais de 200 vacas anteriormente adquiridas<br />

por José Lúcio.<br />

A falta de consistência genética, a descendência<br />

de Pushpano diluiu-se ao longo dos anos<br />

em vários plantéis brasileiros. Às vezes me vejo<br />

perguntando a mim mesmo se essa visão sobre<br />

o touro Pushpano não é pelo que representou e<br />

representa o Krishna no rebanho brasileiro Gir,<br />

mas nunca consegui convencer-me disso.<br />

Hélio Ronaldo Lemos, jurado das raças<br />

zebuínas, criador de Gir e Nelore,<br />

Com a colaboração de<br />

Luiz Humberto Carrião.<br />

13


Cartas de Curvelo-MG<br />

Prezado Hélio Lemos:<br />

Há mais de cinquenta anos nos conhecemos<br />

e desde então, em permanente convivência, “trocando<br />

ideias”, sabemos de “coisas” que a maioria<br />

de nossos companheiros giristas desconhece.<br />

Nesse passo, tenho ouvido versões sobre rebanhos,<br />

fatos, situações e pessoas, dentre as quais<br />

me reporto apenas a duas delas reservando para<br />

outra oportunidade “estender o papo”.<br />

É sabido que a estória do nosso Gyr é cheia de<br />

versões e por sabermos que a versão do fato supera,<br />

em muito, a verdade que o fato revela, considerei<br />

oportuno deixar registrado dois fatos “nomeando”<br />

você, eventualmente, minha testemunha.<br />

O primeiro, diz respeito sobre a permanência de<br />

Puspano em Curvelo, na Fazenda do Cortume. O<br />

outro se trata de uma questão hoje muito polemizada:<br />

o gir leiteiro.<br />

Referentemente a Puspano até hoje não<br />

pude entender porque Celso Garcia, ao importar<br />

Krishna, importou também na mesma época, dentre<br />

alguns outros espécimes, o touro Puspano.<br />

Para que não fiquem dúvidas sobre a importação<br />

(1962) promovida por Celso Garcia, considero<br />

essencial fazer uma ligeira interrupção para um<br />

breve destaque a Krishna. A contribuição deste<br />

touro é indiscutível; valendo o seguinte registro.<br />

Sendo um reprodutor de uma seleção consanguínea<br />

(terreiro de Marajá) e tendo “trabalhado”<br />

num rebanho também consanguíneo, digase<br />

Gaiolão, provocou um fenômeno da heterose<br />

legando aos currais paulistas animais funcionais<br />

bem superiores aos então existentes. Fato também<br />

recorrente em rebanhos oriundos da genética<br />

Ghandy. O que quero dizer é que a participação<br />

de krishna foi positiva, todavia, não fora Ghandy<br />

e Gaiolão...<br />

É o meu ponto de vista, ele, Krishna, se pontificou<br />

através da parceria genética com Gaiolão de<br />

onde foi gerado o touro Alecrim. Já lhe falei numa<br />

ocasião, lá nas Caraíbas, a admiração e respeito<br />

que sempre tive, seja por Gaiolão ou por Redino,<br />

através dos quais, não há como negar, a linhagem<br />

de Krishna melhor se conformou.<br />

Quanto a Puspano, cuja “produção” não se<br />

tem uma opinião convergente, uns falam “isso”<br />

outros “aquilo” foi posto à disposição do Dr. Evaristo,<br />

Fazenda do Cortume/Curvelo, por Celso Garcia<br />

com o propósito, suponho, de testá-lo com uma<br />

vacada uniforme e de alto valor genético.<br />

O Dr. Evaristo atendeu ao pedido de Celso<br />

Garcia e apartou na ocasião sessenta (60) reses<br />

na “cabeceira” de seu rebanho e acasalou-as com<br />

Puspano que lá permaneceu durante aquela safra,<br />

retornando ao Paraná no final daquele ano, ou<br />

seja, 1965.<br />

14 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


De toda a produção, no meu ponto de vista,<br />

destaco dois descendentes de Puspano no rebanho<br />

EVA, por considerá-los racialmente bons: uma<br />

fêmea filha de Uranga que integrou a apartação<br />

do Dr. José Lúcio e um macho filho de Harpa de<br />

nome Cajuí; esse o Dr. Evaristo presenteou a um<br />

filho.<br />

Também, foram vendidas, ao Dr. José Lucio<br />

Resende, cerca de dez fêmeas, apartadas de toda<br />

a produção de Puspano. Registra-se, por se tratar<br />

de um acasalamento que envolvia animais de<br />

origens genéticas diversas (White x Puspano), o<br />

fenômeno da heterose não foi correspondente à<br />

intensidade admitida, ou mesmo suposta.<br />

Racialmente a sua descendência mostrouse<br />

de “fraca” qualidade: os cupins (giba) das crias<br />

“sumiram”; os chifres grossos e arredondados; os<br />

aprumos posteriores não eram bons; perfil destoou,<br />

inclusive, com o chanfro curto (Kankrej); e,<br />

com um temperamento “enérgico”.<br />

No rebanho EVA não ficou uma única rês<br />

descendente de Puspano. Todas foram descartadas.<br />

Se, ao invés de Puspano, tivesse sido o Redino...<br />

No que diz respeito aos comentários que tenho<br />

dirigido ao gir leiteiro, criticando a gestão da<br />

A.B.C.Z., no tocante à política adotada com relação<br />

a esse segmento da pecuária leiteira, são criticas,<br />

a meu sentir, válidas, respeitosas e desprovidas de<br />

radicalismos.<br />

Na verdade, o que tenho procurado demonstrar<br />

é a existência de um fato que por si só, além<br />

de gerar, concorrer e encorpar incertezas, dúvidas<br />

e indefinições, também as dissemina: as quais,<br />

munidas de forte potencial publicitário, provocam<br />

consequências desastrosas: seja em relação aos<br />

conceitos raciais; seja em relação à produtividade<br />

dos rebanhos.<br />

Por esta forma, atraindo dúvidas, desorienta<br />

o processo seletivo a ser adotado pelo criador/selecionador<br />

e ainda, relativamente à produtividade<br />

dos rebanhos, contraria um espaço há muito conquistado<br />

pelo produtor rural quando sua intuição<br />

guiou seu empirismo e garantiu-lhe “explorar a<br />

aptidão leiteira das raças europeias, sem propriamente<br />

criá-las”.<br />

Razão pela qual, prejuízos mais intensos e de<br />

maiores proporções poderão ser levados a efeito,<br />

porquanto não seria nenhum absurdo admitir,<br />

com o passar do tempo, a permanecer como se<br />

encontra a situação, ocorra uma indesejável supremacia<br />

(qual dos dois gires sobreviveria?) o que<br />

se desbordaria em prejudicial hegemonia: ou então,<br />

se assim não for, o engessamento da raça.<br />

O gir leiteiro passou a ostentar tal rótulo, não<br />

por ter sido submetido a um procedimento ad-<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

15


ministrativo específico ou mesmo via de testes<br />

confiáveis, ou melhor, incontestáveis, mas<br />

clandestinamente por ter sido gerado de duas<br />

fontes: uma primeira, omissiva e oriunda de<br />

uma parcela do segmento de criadores coadjuvada<br />

com a leniência da ABCZ; uma segunda:<br />

proveniente de um expediente comercial, aliás,<br />

compreensível, imposto pela perseverança<br />

e determinação de alguns criadores, impulsionados<br />

pelo intensivo “marketing” posto à sua<br />

disposição a entronar o gir leiteiro numa área<br />

de penumbra que se localiza entre uma “realidade<br />

plantada” e o imaginário, uma corruptela,<br />

diria, da evocação leiteira da Raça Gir propriamente<br />

dita.<br />

Paradoxalmente, quero crer, se projeta<br />

um ponto de convergência nesta divergência:<br />

se por um lado existe a determinação e perseverança<br />

de alguns criadores no sentido de se<br />

submeterem às regras do Regulamento Racial<br />

e claro, sem perder de vista a produtividade<br />

do rebanho, não é menos verdade que, por<br />

via oblíqua, a gestão do órgão oficial (ABCZ),<br />

quanto ao gir leiteiro está mais voltada e empenhada<br />

na sua melhoria funcional.<br />

Todavia, quem corre o risco é a ABCZ. Temos<br />

exemplo disto. Para formação do Indubrasil<br />

e “com a corrida para o gado gir, consequente<br />

de sua extraordinária valorização” – é o que<br />

nos relata o professor Alberto Santiago – as<br />

raças nelore e guzerá estiveram ameaçadas de<br />

desaparecimento, não se consumando o fato,<br />

é o que deixar entrever o autor, em virtude da<br />

dedicação de Pedro Marquês Nunes pela raça<br />

nelore, e João de Abreu Jr., pela raça guzerá.<br />

Um abraço, o Amigo Certo,<br />

José Alfredo de Alencar Barreto<br />

( Fazenda Caraíbas/Curvelo/MG. Marca do<br />

Gado: EVA WHITE. Janeiro de 2.013)<br />

16 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


O jeito Zeid de ser<br />

Por Luiz Humberto Carrião<br />

A segunda exposição que participei foi na<br />

cidade de Rio Verde, sudoeste goiano, a convite<br />

de Alberto Ferreira Motta e Wagney Azevedo<br />

Leão. Uma das mais qualificadas em Gir no Brasil.<br />

Ali comparecia criadores de sucesso como<br />

Zeid Sab, Edmardo Naves Pereira, Leda e Aderbal<br />

Góes, Luiz Antônio Figueiredo, Fábio André,<br />

dentre outros.<br />

Naquela época encontrava com um gado<br />

novo provindo de umas matrizes com a marca<br />

BIG (Bigatão) originárias da marca Favela, de<br />

Aderbal Góes, ainda na cidade de Barretos – SP,<br />

que haviam sido enxertadas por dois touros ZS,<br />

Tereré (Napy ZS x Quicanga) e Tabó (Napy SZ x<br />

Saquina).<br />

Entrando no pavilhão, à esquerda ficou o<br />

gado do Zeid com um touro enorme, chamado<br />

Viratro ZS, seguido da Olhada e suas filhas que<br />

enchiam os olhos de todos nós e em seguida a<br />

marca LHC, seguida da marca ADAO.<br />

A expectativa era muito grande com a chegada<br />

do Zeid. Todos nós tínhamos por ele uma<br />

enorme admiração. Era um companheiro diferenciado.<br />

Lembro-me que uma vez discutia-se numa<br />

reunião da ASSOGIR a questão financeira. As<br />

associações promotoras das raças sempre, pela<br />

sua própria estrutura de entidade sem fins lucrativos,<br />

estão de pires na mão. Foi então que o Zeid<br />

ofereceu dez novilhas mestiças (gir x holandês)<br />

para levantar fundos para a associação, no que<br />

foi seguido pelo Carlos Mário de Moraes, de BH,<br />

à época numa parceria com o Jairo de Andrade,<br />

no gado Gir Mocho, com o qual, aliás, levantou<br />

o troféu José Zacarias Junqueira, por ter conseguido<br />

por três anos consecutivos fazer o maior<br />

número de pontos na EXPOZEBU. Aderbal Góes<br />

perguntou qual era o preço e fez o cheque. Assim<br />

funcionava a coisa com a “velha guarda”.<br />

Zeid chegou muito festejado pelos companheiros<br />

e na primeira escapada daquele assédio<br />

entrou pelo corredor a observar o gado. Olhava<br />

de um lado, olhava de outro e ao final veio a<br />

pergunta: e aí Zeid, o que achou do gado? Meteu<br />

a mão no bolso da camisa, tirou um maço<br />

de cigarros Charme, acendeu e olhando para o<br />

lado esquerdo do pavilhão disse: _ Tem dois gados<br />

muito bons neste pavilhão. O meu e o do<br />

professor.<br />

Claro! Fiquei muito lisonjeado com aquela<br />

observação feita pelo Zeid, mas só que, excetuando<br />

as cinco novilhas e um garrote com a<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Confissões sexagenárias<br />

marca ENE, o restante era todo oriundo de seus<br />

touros. Mas, enfim, não deixava de ser uma declaração<br />

de muita importância para um principiante.<br />

Um dia, o Alberto Motta ligou-me dizendo<br />

que o Zeid havia comentado com ele que gostaria<br />

de ter um animal com sua marca em meu<br />

plantel. Foi então, que adquiri um dos animais<br />

mais extraordinários que conheci: Sagradinha<br />

ZS, filha de Sagrado e mãe de Gioconda LHC que<br />

tem no balde, honrado a mãe, o avô e a marca<br />

ZS na produção de Leite.<br />

Posteriormente, na mesma cidade de Rio<br />

Verde, durante um jantar, perguntou-me qual<br />

era o seu melhor touro. Já sabia o que ele queria<br />

ouvir. Porém, a resposta que lhe satisfaria não<br />

era o que eu concordava. Disse que não gostaria<br />

de emitir esse juízo de posição. Que todos os<br />

seus touros eram extraordinários. Mas, de imediato<br />

vem a “cornetagem” dos companheiros<br />

para que você desça do muro. Foi aí, descendo<br />

do muro, que eu disse a ele que em minha opinião<br />

o seu melhor touro era o Sagrado ZS. Baixou<br />

a cabeça por alguns instantes e disse: _ professor,<br />

o Secretário vem para o doutor Bezerra<br />

para coletar, e com ele, o Sagrado para o senhor.<br />

É um presente meu. Esse era o jeito Zeid de ser.<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

Jornalista Profissional e editor da Girista.com<br />

17


Direito<br />

A proibição da prova<br />

exclusivamente<br />

testemunhal em contratos<br />

de comprae venda de gado<br />

Por Patricia Sibin<br />

Escrever para agropecuaristas é uma tarefa<br />

árdua, especialmente pelo fato de não ter a disposição<br />

um ramo específico da Ciência do Direito<br />

que permita delimitar os acontecimentos tais<br />

como eles são- in loco- no campo, nas fazendas.<br />

A lei básica do Direito Agrário (Estatuto da Terra<br />

- Lei Federal nº 4.504) remonta quase 50 anos de<br />

existência, não sendo capaz de suprir as necessidades<br />

do Homem do campo.<br />

Atualmente, a mania nacional é o Direito<br />

do Agronegócio, mas por anos estamos falando,<br />

escrevendo e arriscando implantar a ideia<br />

da necessidade de atribuir-se um novo ramo da<br />

Ciência do Direito, qual seja, Direito Agropecuário,<br />

pelo qual entendemos ser o mais adequado<br />

para definir e, a partir daí, tutelar as especificidades<br />

nas atividades agropecuárias.<br />

A nosso ver, Direito Agropecuário, é o que<br />

melhor define esse ramo, pois a partir daí absorve-se<br />

o agronegócio, não o agronegócio o<br />

engloba. Definir, reconhecer as problemáticas<br />

do homem do campo é trazer-lhe uma nova<br />

perspectiva jurídica, um novo modelo de atuação<br />

do advogado.<br />

O tema desta edição é apresentado tomando<br />

em conta que a cada novo assunto que<br />

propomos discorrer ponderamos a importância<br />

de angariar as provas do fato ocorrido em<br />

cada caso concreto.<br />

A razão de elucidar, ainda que sucintamente,<br />

sobre a questão da prova nos contratos<br />

de compra e venda de cabeças de gado cujo<br />

valor ultrapasse o limite legal, dar-se-á na medida<br />

em que o cotidiano negocial e o costume<br />

de determinada região permitiu uma concreta<br />

“exceção” à regra.<br />

Dispõe o artigo 401 do Código de Processo<br />

Civil que:<br />

“A prova exclusivamente testemunhal só<br />

se admite nos contratos cujo valor não exceda<br />

o décuplo do maior salário mínimo vigente no<br />

país, ao tempo em que foram celebrados.”<br />

Desta mesma forma determina a legislação<br />

civil no seu o artigo 227:<br />

“Salvo os casos expressos, a prova exclusivamente<br />

testemunhal só se admite nos negócios<br />

jurídicos cujo valor não ultrapasse o décuplo<br />

do maior salário mínimo vigente no País ao<br />

tempo em que foram celebrados.”<br />

Pois bem, a letra nua, crua e fria da lei, proíbe<br />

a utilização da prova exclusivamente testemunhal<br />

em negócios jurídicos que ultrapassem<br />

o valor equivalente hoje a R$ 6.780,00 (seis mil,<br />

setecentos e oitenta reais).<br />

Como base exemplificativa, na hipótese de<br />

uma compra e venda de 2 (duas) cabeças de<br />

gado GIR a um valor médio de R$ 3.500,00 (três<br />

mil e quinhentos reais) cada uma, pago o valor e<br />

não entregue as reses ou, entregues e não pago,<br />

ou ainda, pago, porém entregues defeituosas/<br />

doentes, pela legislação apontada acima, não é<br />

permitido fazer a prova, exclusivamente, testemunhal<br />

da existência desse contrato, podendo<br />

consubstanciar-se de um conjunto probatório,<br />

desde que não seja unicamente testemunhal.<br />

Entretanto, a interpretação de um caso<br />

ocorrido há anos na cidade de Barretos, Estado<br />

de São Paulo, fez com que o Tribunal de Justiça<br />

deste estado, prolatasse julgamento inédito<br />

até então, vejamos:<br />

“Contrato de alto valor. Admissão de prova<br />

meramente testemunhal. Segundo os usos e<br />

costumes dominantes no mercado de Barretos,<br />

os negócios de gado, por mais avultados que<br />

sejam, celebram-se dentro da maior confiança,<br />

verbalmente, sem que entre os contratantes<br />

haja troca de qualquer documento. Exigi-lo agora<br />

seria, além de introduzir nos meios locais um<br />

fator de dissociação, condenar de antemão, ao<br />

malogro, todos os processos judiciais que acaso<br />

se viessem a intentar e relativos à compra de<br />

gado (Revista dos Tribunais - RT 132/660).”<br />

Digna de aplausos, a decisão do TJSP de<br />

fato ocorrido nas terras internacionais do Rodeio-<br />

Barretos fez a jurisprudência da época,<br />

aliás, até os dias de hoje esta decisão é consolidada<br />

em todos os Tribunais brasileiros.<br />

Com muita propriedade, diga-se de pas-<br />

18 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


sagem, os Desembargadores daquele Tribunal<br />

tiveram sensibilidade ímpar ao analisar o caso<br />

apresentado em grau de Recurso, o Juiz singular<br />

da época não agiu da mesma forma, visto ter<br />

decidido pela improcedência dos pedidos do<br />

Autor da ação judicial.<br />

In casu, embora a corrente doutrinária<br />

dominante analisando a mesma jurisprudência<br />

entenda estar se decidindo contra a Lei,<br />

pelo que dispõe o já citado artigo 401 do Código<br />

de Processo Civil, o fato é que ditas normas<br />

devem ser afastadas porque o rigor legal<br />

que nelas contém é incompatível com a Constituição<br />

Federal de 1.988, além disso, o uso<br />

e costumes negocial do Homem do campo,<br />

especialmente na cidade de Barretos, como<br />

também na capital do Zebu- Uberaba, os costumes<br />

locais hão de prevalecer em detrimento<br />

da letra fria da Lei.<br />

No entanto, faz prudente frisarmos, ainda<br />

que a jurisprudência brasileira declina-se pela<br />

aceitação da prova exclusivamente testemunhal<br />

de negócios que ultrapassem o décuplo<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

do maior salário mínimo vigente no país face<br />

aos costumes da atividade agropecuária, conforme,<br />

ainda, o local do acontecimento, não<br />

significa dizer que o agropecuarista deva agir<br />

sem as cautelas necessárias a fim de evitar<br />

transtornos e aborrecimentos.<br />

Ditas ressalvas são bem vindas, especialmente<br />

na assessoria preventiva, retirando-se<br />

a ideia enraizada de que o Advogado serve<br />

para resolução de problemas previamente implantados.<br />

Por fim, o caso ocorrido há muitos anos na<br />

cidade de Barretos, Estado de São Paulo, exprime<br />

a máxima criada pelo respeitado e competente<br />

Juiz Gaúcho, Dr. Moacir Danilo Rodrigues,<br />

de que: “A lei é injusta. Claro que é. Mas<br />

a Justiça não é cega? Sim, mas o Juiz não é. “<br />

(cfr. Sentença de um Juiz gaúcho, publicada no<br />

Suplemento Jurídico: DER/SP nº 108 de 1982,<br />

extraída do site: atualidadesdodireito.com.br).<br />

*Patricia Sibin,<br />

advogada focada no Agronegócio.<br />

19


Leitura<br />

Vida e morte de um touro,<br />

por Aristóteles Góes, 1951, 6 p<br />

“O livro é muito mais que o limite mínimo<br />

de 48 páginas para ser tributado.”<br />

Royalties a Stella Dauer, 2011.<br />

Por Luiz Humberto Carrião<br />

A Escola dos Annales substituiu o tempo<br />

breve e cronológico do registro dos fatos<br />

históricos pela visão de processo que implica<br />

longa duração objetivando a inteligir o que se<br />

chama de Civilização e Mentalidades. Todavia,<br />

me sinto no desejo de voltar aos conceitos de<br />

antanho que dividia o caminhar do homem no<br />

tempo e no espaço em Pré-História e História.<br />

O período anterior à invenção da escrita ficou<br />

convencionado como pré-história e o do aparecimento<br />

da escrita aos dias atuais, História.<br />

Faço isso para uma maior facilidade didática no<br />

assunto aqui abordado, o Livro.<br />

Na História Antiga – do aparecimento da<br />

escrita ao ano de 476 da nossa era marcado<br />

pela queda do Império Romano do Ocidente<br />

– apareceu na Mesopotâmia o registro de<br />

tabuletas de argila. Ainda neste período, no<br />

Egito, o registro sendo feito através de papiros<br />

extraídos de vegetal. Este foi substituído pelo<br />

pergaminho confeccionado a partir de peles<br />

de animais nas civilizações clássicas. Na Grécia<br />

Antiga, o “volumen”, registro em forma de rolo,<br />

foi substituído pelo “Códex”, mais tarde aperfeiçoado<br />

pelos romanos “Códice” com o apare-<br />

Aderbal Góes com o touro Nagpur, filho de Gaiolão do Norte<br />

cimento da costura na fixação das páginas.<br />

Na Idade Média – do ano de 476 a queda de<br />

Constantinopla aos Turcos Otomanos, em 1453<br />

– período em que predominou fortemente a<br />

Igreja Católica no Mundo Ocidental, os livros<br />

eram exclusivos aos mosteiros. Uma característica<br />

marcante nesse período foi o surgimento<br />

dos monges copistas. Com eles o aparecimento<br />

das margens e páginas em branco na estética<br />

dos mesmos. Também se dá notícia de índices,<br />

sumários e resumos. Aos poucos o pergaminho<br />

foi sendo substituído pelo papel utilizandose<br />

da gravação do conteúdo de cada página<br />

numa placa de madeira, como uma escultura,<br />

que, depois de molhada na tinta era pressionada<br />

sobre o papel em branco. Uma espécie de<br />

carimbo. Em 1405, surgiu na China através de<br />

Pi Sheng a prensa de tipo móvel.<br />

Na Idade Moderna – do ano de 1453 ao<br />

surgimento da Revolução Francesa, em 1789<br />

– mais precisamente em 1455, Johannes Gutenberg,<br />

na Alemanha, inventou a prensa com<br />

tipos móveis reutilizáveis inaugurando-a com a<br />

impressão da Bíblia. Com o italiano Aldus Manitius<br />

o que hoje é chamado de desing gráfico<br />

ou editorial.<br />

Na Idade Contemporânea – do ano de<br />

1789 aos dias atuais – um avanço extraordinário<br />

com o aparecimento de publicações digitais,<br />

o E-book.<br />

Para André Maurois, “A leitura de um bom<br />

livro é um diálogo incessante: o livro fala e a<br />

alma responde”.<br />

O livro de Aristóteles Góes registrando<br />

sua relação com o touro Gaiolão do Norte é<br />

um desses livros que “fala e a alma responde”.<br />

Chamá-lo de opúsculo é reduzir sua grandeza.<br />

Seis páginas compõem a obra que se colocada<br />

à apreciação da alma, esta responderá em centenas<br />

de outras páginas.<br />

Pelo seu projeto gráfico, 1951, e numa homenagem<br />

ao autor, com a autorização de sua nora,<br />

Leda Ferreira Góes, a revista publica-o no original.<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

Jornalista Profissional<br />

e editor da Girista.com<br />

20 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

21


22 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

23


24 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

25


26 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

27


Sustentabilidade<br />

Sustentabilidade /Desenvolvimento<br />

Por Pedro Wilson Guimarães<br />

O que é sustentabilidade? É uma forma de<br />

crescer a economia com mais e melhor produção<br />

para a população do país e do planeta. Produzir<br />

com mais tecnologia, insumos, habilidades, oportunidades,<br />

quantidades e qualidades para que o<br />

objeto produzido seja consumido pela população<br />

humana, animal. E mesmo vegetal mantendo a preservação<br />

das espécies naturais, habitats, nascentes,<br />

covais, berçários, floras, faunas, clima. E condições<br />

de sobrevivência e evolução da vida ampla, geral<br />

e irrestrita na terra/água. Sustentabilidade significa<br />

que uma plantação, criação, melhoramentos<br />

estão fundados nas teorias e práticas tradicionais,<br />

modernas, científicas, tecnológicas, culturais locais,<br />

regionais, nacionais e mundiais respeitando a natureza.<br />

E a sua biodiversidade, potencialidade, com<br />

usos, modos que permitem alargar o presente e o<br />

futuro de um bioma, ecossistema terrestre. Sustentabilidade<br />

é ter consciência e jeito de ver, avaliar e<br />

“Nós prosperamos e sobrevivemos no planeta<br />

terra como uma única família humana. E uma<br />

das nossas principais responsabilidades é deixar<br />

para as gerações sucessoras um futuro sustentável.”<br />

Koffi. A. Annan<br />

agir na natureza para que ela exista hoje e amanhã<br />

no terceiro milênio. Sustentável é tudo aquilo que<br />

pode sustentar/segurar pela base, por baixo, pela<br />

raiz, suportar, manter, firmar, alimentar, prover deviveres,<br />

defender com argumentos, conservar, suster,<br />

equilibrar, aguentar, nutrir e amparar. Sustentabilidade<br />

é colocar em prática os direitos humanos<br />

e dos animais e vegetais universais nos variados<br />

aspectos biodiversidades, materiais, culturais e espirituais.<br />

Direitos econômicos, sociais, políticos, culturais<br />

e ambientais para que as riquezas, bens, matérias<br />

e suas apropriações públicas, comunitárias,<br />

cooperativas, comunais, familiares, privadas sejam<br />

reconhecidas. Reconhecidas como bens de toda<br />

humanidade do planeta azul. Toda natureza toda<br />

seja ela qual for. E suas histórias, posses, domínios,<br />

usos, manejos, empreendimentos e ganhos e perdas<br />

devem ser olhadas continuadamente face as<br />

precisões, necessidades, interesses e aspirações da<br />

própria natureza. E da humanidade planetária e no<br />

28 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


futuro quem sabe sideral? Sustentabilidade deve<br />

ser uma prática humana de amizade, amor, relação,<br />

vivencia com boa convivência com a natureza, para<br />

o desenvolvimento crescente numa espiral ascendente<br />

criativa e evolutiva até Deus. A terra e água<br />

deste planeta já sofreram muitos impactos, tremendos<br />

tsunamis vindos do mundo sideral e do centro<br />

do planeta. Muitos colocaram a terra/água em perigo<br />

e destruíram muitas áreas e animais aquáticos<br />

e terrestres segundo públicos e provados estudos<br />

de nossas arqueologias. Temos tido muitos estudos<br />

científicos e filmes sobre os dinossauros, eras do<br />

gelo, dilúvios. E maremotos, terremotos, placas tectônicas.<br />

E mesmo recentes tsunamis que atingiram<br />

a Indonésia e Fukushima no Japão. No século XVIII<br />

um atingiu Lisboa e arredores, numa época que o<br />

Brasil era colônia de Portugal. E Portugal obrigou<br />

nosso país mandar muito ouro, prata e diamante e<br />

madeira para restaurar a querida capital lusitana.<br />

Não será por isso que Tiradentes e outros revolucionários<br />

lutaram contra o domínio opressor que depois<br />

foi invadido por forças napoleônicas. E assim<br />

obrigou Maria I, a louca e seu filho João VI e sua mulher<br />

a espanhola Carlota e grande corte, fugir para<br />

o Brasil, com seu filho Pedro I.E ele que em 1822,<br />

declarou nossa independência? Ai é outra história.<br />

Queremos dizer em tempos de outrora os perigos<br />

vinham dos céus estelares. Agora o perigo pode vir<br />

de cima das nossas cabeças/céus, mas pode também<br />

vir não do centro da terra, mas da ação da<br />

própria humanidade. Na virada dos séculos XX para<br />

XXI o homem cientista, político/poder, econômico<br />

proprietário/concentrador de bens teve a imensa e<br />

irresponsável possibilidade de destruir nossa terra<br />

com as bombas, nucleares e químicas? E mais as<br />

poluições, agrotóxicos, consumismos, experimentos,<br />

lixos, degradações aquáticas e terrestres, terrorismos<br />

de grupos e de estados. E muitas fomes,<br />

misérias, êxodos. E as intolerâncias religiosas e políticas,<br />

podem hoje ajudar a destruir a terra. Não<br />

precisa nem do calendário maia. Hoje podemos<br />

destruir a terra. E tem os perigos com monoculturas<br />

rurais e aglomerações urbanas metropolitanas<br />

sociopáticas na expressão do professor Luiz Pereira<br />

da USP, sob o tema sociologia e desenvolvimento.<br />

Assim e assado a sustentabilidade em grande parte<br />

está nas mãos de todos nós homens e mulheres.<br />

Uns que fingem nada ver ou responsabilizar por<br />

esta situação preocupante de nossa nave terrestre<br />

denunciada na conferência Rio +20. Outros como<br />

o Brasil da Eco/Rio 92 e desta agora tem lutado para<br />

que haja responsabilidades compartilhadas entre<br />

todas as nações. E a própria ONU (um poder que<br />

pouco pode fazer), está depois da Rio +20 elaborando<br />

os objetivos do desenvolvimento sustentável.<br />

Entretanto nós podemos ir adiante e contribuir<br />

com políticas públicas municipais, regionais latinas,<br />

africanas. E mesmo com ajudas europeias, americanas<br />

e asiáticas gestar novas, boas políticas públicas,<br />

girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

comunitárias<br />

mesmo privadas<br />

(tem muitos movimentos<br />

sociais<br />

e empresariais<br />

que tem responsabilidades<br />

de<br />

ações concretas,<br />

contínuas pela<br />

sustentabilidade),<br />

para a terra<br />

crescer, incluir e<br />

proteger hoje.<br />

E amanhã não<br />

termos desertificações,tsunamis<br />

que coloquem<br />

nosso lugar em<br />

perigo na galáxia<br />

via láctea. Precisamos<br />

ter mais atenção, consciência, sensibilidade,<br />

criatividade e ação nos nossos empreendimentos<br />

urbanos e rurais, públicos e privados. Toda a viabilidade<br />

de negócios de terra /água passa pela sua sustentabilidade.<br />

Passa por boas ações, boas práticas<br />

rurais e urbanas que devem ser replicantes, terem<br />

efeitos demonstrativos e multiplicadores face pesquisas,<br />

estudos e extensões. E planos, planejamentos,<br />

indicadores, programas realizadores do desenvolvimento<br />

econômico e social harmônico com<br />

nossos ecossistemas. E os biomas interligados por<br />

geologias, hidrologias, sociologias, agronomias,<br />

geografias, engenharias, biologias, arquiteturas do<br />

saber e poder democrático e ou arbitrário? Pensar,<br />

avaliar, comparar maneiras de intervenção humana<br />

e técnica na natureza. Ver as que levam o desenvolvimento<br />

material, cultural e espiritual para a humanidade<br />

e para sempre. E aquelas intervenções que<br />

levam para a realidade que estamos vivendo hoje.<br />

Levem a humanidade para as guerras, mortes, envenenamentos<br />

do planeta, misérias, migrações. E<br />

para violências financeiras, bancárias, armações de<br />

estados e de grupos urbanos, detentores dos domínios<br />

e controles da própria violência pública e<br />

privada (vide SP, Rio, Goiânia, Oriente, Ásia e África).<br />

Nossa resposta é pela sustentabilidade. Novo nome<br />

da paz e da justiça e prá o desenvolvimento econômico<br />

e social sustentável. Aliança entre a humanidade<br />

e a natureza, toda natureza de Deus. Crescer,<br />

incluir e proteger sempre, a árvore da vida digna de<br />

viver, conviver.<br />

Pedro Wilson Guimarães. Secretário Municipal<br />

da Agência Municipal do Meio Ambiente<br />

(AMMA) de Goiânia-GO. Deputado Federal de<br />

1993-2011 PT/GO. Professor da UFG e da PUC-GOI-<br />

ÁS Militante dos Movimentos de Direitos Humanos,<br />

Fé e Política, Educação, Cerrados e Participação Social.<br />

e-mail:pedrowilsonguimaraes@yahoo.com.br<br />

29


Histórias e estórias de Tiãozinho Cunha<br />

Essa vaca dá Leite?<br />

Por Luiz Humberto Carrião<br />

Éramos três sentados defronte o pavilhão que abrigava o gado Gir na Exposição<br />

da cidade de Uberaba – MG. Luiz Humberto Carrião, professor de História e girista;<br />

Aderbal Góes, engenheiro Civil e pecuarista, e Tiãozinho Cunha, ex-empresário no<br />

ramo de transporte coletivo interestadual, que vendeu tudo, transformou em barras<br />

de ouro legalizadas junto ao Banco Central e entrou como ele mesmo dizia, em “lua de<br />

mel permanente” com Tia Fiúca após 60 anos de vida conjugal.<br />

Tiãozinho nunca teve um imóvel, sempre viveu de aluguel. Diz que o dinheiro que<br />

iria imobilizar na compra de um apartamento ou casa, bem aplicado na produção ou<br />

mesmo na ciranda financeira, pagaria o aluguel e as taxas básicas com o que chamamos<br />

de residência. Conta de luz, IPTU, telefone, etc.. Ou então um bom quarto de hotel,<br />

aliás, segundo ele, a melhor residência para a 3ª, 4ª, 5ª e sucessivas idades.<br />

Tiãozinho Cunha mostrava a Aderbal um livro do Gondin da Fonseca, sob o título<br />

Camões e Miraguarda, editora Fulgor, 1962, que traz na apresentação uma informação<br />

interessante: “Uma das maiores riquezas atuais do Brasil é a pecuária. Possuímos talvez<br />

uns cinquenta ou sessenta milhões de bois. Qual o capim que cria esses bois em grande<br />

parte das zonas de pastagens? O colonião. E como chegou aqui o colonião? Cid de<br />

Castro Prado explica num de seus livros: pretas escravas transportaram sementes nos<br />

cabelo. Transportaram sem saber. Lavando aqui as cabeças desprenderam-nas. Nasceu<br />

o capim e logo o colonizador o aproveitou em largas plantações, para a invernada de<br />

rezes. Sem o colonião, impossível a grande pecuária no Brasil”. Aderbal franziu o cenho<br />

como que concordando com o livro e acrescentou: _ Sempre tenho dito que comida<br />

de vaca é capim, e de bezerro é leite.<br />

Mal acabara de pronunciar a frase, um cidadão aproximou-se de ambos e perguntou:<br />

_esse gado Zebu é do senhor? Ao que Aderbal respondeu afirmativamente que<br />

sim. Daí estabeleceu-se o seguinte diálogo:<br />

_Meu avô e meu pai criaram esse gado, retrucou o ilustre visitante.<br />

_E você, cria? Perguntou Aderbal.<br />

_Não. Mas estou com vontade de iniciar um pequeno rebanho numa nesga de<br />

terras que herdei de meu pai.<br />

_Muito bem. Expressou em sinal de concordância Aderbal.<br />

Olhando para uma vaca da marca Favela chamada Tribuna, voltou ao diálogo:<br />

_Essa vaca dá leite?<br />

Aderbal já desconfortável naquela conversa respondeu: _pergunte a ela?<br />

Coincidência ou não, neste exato momento a Tribuna fez Muuuuuu! Tiãozinho<br />

não se fez de rogado: _Olha aí Aderbal, ela tirou a palavra de minha boca.<br />

O cidadão saiu de fininho e com ar de desconfiado.<br />

Enquanto Aderbal resmungava, Tiãozinho dava suas singulares gargalhadas.<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

Jornalista profissional e editor da revista Girista.com<br />

Tiãozinho Cunha é um personagem ficto,<br />

qualquer semelhança é mera coincidência.<br />

30 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

Emy Whinehouse<br />

“Lindo é o que a natureza faz de belo”<br />

Asseverou em um de seus sermões<br />

O padre Antônio Vieira.<br />

Pena que essa mesma natureza que faz<br />

Dá, nega e tira.<br />

Dia internacional da mulher<br />

31


Retratos no GIR<br />

32 girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê


gir LHC<br />

Luiz Humberto Carrião<br />

Espanto AMJ MOT 36 (Krishna II POI DC x Douçura da Mata)<br />

(62) 9917 3341<br />

Goiânia - Goiás


girista.com<br />

A revista do Gir que o mundo vê e o girista lê<br />

A revista<br />

digital do gir

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!