Revista Visão - Edição #107 (Maio/2015)

revistavisao

Graduação x Vagas: O mercado de trabalho regional está preparado para receber tantos formados?
Entrevista: Conheça a história do professor e palestrante Érico Paes de Campos
Festa do Pinhão: Saiba mais sobre os shows e atrações da 27ª edição do evento
Voluntariado: Erci Luduvichack já viabilizou cerca de 300 cadeiras de rodas para os necessitados

14,90

mai.

15

r$ 12

ed.

107

ano

O mercado de trabalho regional está

preparado para receber tantos formados?

ENTREVISTA

Conheça a história do

professor e palestrante

Érico Paes de Campos

FESTA DO PINHÃO

Saiba mais sobre os

shows e atrações da

27ª edição do evento

VOLUNTARIADO

Erci Luduvichack já viabilizou

cerca de 300 cadeiras de

rodas para os necessitados


foto | Gugu Garcia


PRIMEIRAS PALAVRAS

0405

revista visão mai. 15

Conversamos com o professor, palestrante

e historiador, Érico Paes de

Campos. Ele nos contou um pouco sobre

sua vida, os desafios encontrados

na profissão e as lições para ensinar às

novas gerações. Uma aula de conhecimento.

É assim que descrevemos essa

entrevista.

Equipe de Redação | Revista Visão

A Garota Visão deste mês mostra a coleção outono/inverno

em roupas e acessórios da loja Moda Ativa. A beleza da modelo

Rayane de Liz compôs as fotos feitas por Gugu Garcia num belo

cenário. Uma ótima leitura a todos!

Ouvimos profissionais

que já

se formaram há alguns anos e também

recém formados. Eles nos deram

depoimentos de como foi ingressar no

mercado de trabalho. Falaram sobre os

desafios e soluções para atuar na área

que escolheram. E citaram casos em

que as portas não se abriram e eles tiveram

que seguir outras carreiras.

Conheça a história do rotariano Erci Luduvichack. Há

mais de 30 anos ele adquire cadeiras de rodas para as pessoas

necessitadas e hospitais. O Destaque Empresarial deste mês

evidencia a Santíssima Catarina, uma empresa lageana sustentável,

social e artesanal. As alpargatas do ateliê são exclusivas

e feitas à mão.

Confira a programação completa da 27ª Festa Nacional do Pinhão,

que traz como destaques os shows de Michel Telló, Victor

e Léo, Lucas Lucco, Henrique e Juliano, Lulu Santos, entre outros

artistas nacionais. E promete uma Sapecada da Canção Nativista

para ninguém colocar defeito. O evento começa dia 29 de maio e

vai até 7 de junho.

Formação superior X mercado de trabalho

08

20

foto | Gugu Garcia

entrevista

esporte

52

foto | Vani Boza

54

42

garota visão

foto | Divulgação

foto | Gugu Garcia

Capa do mês ed. 107

Foi-se o tempo em que

a graduação garantia

espaço no mercado de

trabalho. Conheça os

desafios e alternativas

dos egressos da região.

Tema

Graduação

Foto

Shutterstock

Nossa gente

Diretor Geral .............................. Gugu Garcia

Diretor de Redação .................. Loreno Siega - Reg. Prof. 2691/165v-PR

Repórter ...................................... Liana Fernandes

Gerência e Dir. de Criação .... Eder Pitz de Lima

Diagramação e Arte ................. Chelbim M. Poletto Morales

Ilustração ..................................... André Paes

Assinaturas ................................. Luiz Wolff

Comercial ................................... Suely Miyake

Administrativo ........................... Edmara Muniz

Distribuição ................................ Robinson Marcelino

Impressão Impressul

Tiragem 3.500 exemplares

Fale conosco

Redação R. Dr. Walmor Ribeiro, 115 - Coral

88.523-060 Lages/SC - 49 3223.4723

www.revistavisao.com.br | portal.revistavisao.com.br

facebook.com/revistavisao | twitter.com/revistavisao

contato@revistavisao.com.br

Não é permitida a reprodução parcial ou total das reportagens, entrevistas,

artigos e imagens sem prévia autorização por escrito do editor. A

Revista Visão não se responsabiliza pelos conceitos e opiniões emitidos

nos artigos assinados.


foto | Shutterstock

reportagem

14

Professor, palestrante e historiador, Érico Paes

de Campos, dá uma aula de conhecimento

sobre a vida e o ato de lecionar.

A visão dos alunos graduados sobre o

mercado de trabalho de Lages e região.

Entrevista ....................................................................08

Reportagem .............................................................. 14

Veja nesta edição

PARA COMEÇAR

0405

revista visão mai. 15

Garota Visão ..........................................................20

A bela Rayane de Liz modela a coleção

outono/inverno da Moda Ativa.

Festa do Pinhão ................................................24

Confira a programação, ingressos e valores da

27ª edição da Festa Nacional do Pinhão.

Destaque Empresarial ............................26

Conheça um ateliê de alpargatas

sustentável, social e artesanal.

Voluntariado ...........................................................30

A história do rotariano Erci Luduvichack,

que já doou mais de 300 cadeiras de

rodas para os mais necessitados.

Habitação ....................................................................32

Mais 300 casas populares são

entregues à população de Lages.

Cultura .............................................................................42

II Feira do Livro da Serra Catarinense

e seus atrativos deixou saudades.

Vida e Saúde ....................................................52

Conheça o novo método não invasivo de

diagnosticar intolerância à lactose.

Esporte .............................................................................54

O Inter de Lages conquistou o 4º lugar

no Campeonato Catarinense de 2015.

Visões do Ozóide ............................................64

Os “imbróglios” da Via Gastronômica – uma obra que

já causou muitas dores de cabeça.


+1+39

LEITOR ONLINE

foto | Cao Ghiorzi

Meu professor dizia: “respeite ao professor

pois o futuro de todas as pessoas

de bem espelha-se no professor.

Agora se o professor não é respeitado,

vamos nos espelhar em quem?

f

Willian Pelincha

facebook.com.br/revistavisao

Sobre o post: “Protesto dos professores

em frente a SDR de Lages”

Trocaram seis por meia dúzia, na novela

da Festa do Pinhão.

06 07

f

revista visão mai. 15

A solidariedade dos lageanos possibilitou arrecadação superior a quatro toneladas de água e

mais quatro toneladas de alimentos não perecíveis para ajudar Xanxerê

É ótimo ver nas ruas e avenidas de Lages, as pessoas

se preparando para participarem do evento. Isto prova

que o 2° Desafio SEMASA na Carahá está alcançando

os resultados esperados, ou seja, o incremento e adesão

da prática de exercícios físicos. Estamos trabalhando

com todo empenho para fazermos que esta edição

seja ainda melhor que a primeira. Muito obrigado a

Revista Visão pela parceria na divulgação do evento.

Tyrone Machado

Sobre o post: “Desafio Semasa na

Carahá já tem mais de 600 inscritos”

Há muito tempo não víamos o nome de

Lages divulgado nacionalmente como

nos últimos meses. Nós Lageanos devemos

muito ao atleta Marcelinho Paraíba,

que nos encheu de orgulho com o nosso

“Inter-dos-gols-bonitos”, como dizem no

Globo Esporte. Agradecemos pelas belas

jogadas e gols fantásticos.

Renato Castro

Sobre o post “Marcelinho Paraíba deixa

carta emocionada aos torcedores do Inter”

Leonardo de Oliveira

Sobre o post: “Gaby Produções ganha

licitação para tocar Festa do Pinhão”

Parabéns pelo trabalho, ficou top.

f

Danieli Porto

Sobre o Making of da edição de

abril da Garota Visão.

Que outros aplicativos da Gestão Pública Colaborativa

sejam usados pela Prefeitura de Lages. Quem sabe o

Amarildo usa algo semelhante em parceria com as Associações

de Moradores para melhorar a eficácia dos

programas e das políticas públicas sociais... Quem sabe.

Rui Alvacir Netto

Sobre o post: “Estradas do interior

de Lages serão gerenciadas via aplicativo

de celular e tablet”

portal.revistavisao.com.br

Acesse nossa revista on-

-line! Este é um benefício

exclusivo para você leitor!

Para ver a edição deste

mês on-line, basta digitar:

Usuário: assinante

Senha: egresso

revistavisao.com.br

Enquete

Você é a favor ou contra

a redução da maioridade

penal, de 18 para 16 anos?

60+

O olheiro da Revista, agora também

no Portal da Revista Visão

A Revista Visão tem uma coluna para o Ozóide, por isso nossos

assinantes já conhecem o alienígena intelectual da Visão. Ele está

sempre atento aos acontecimentos da região. Nada escapa ao

grande olho do nosso mascote. De agora em diante ele vai dar

suas opiniões, sugestões e “puxões de orelha” também no Portal.

Fique de olho! Alguma coisa está errada na sua rua? Na sua cidade?

Com as lideranças políticas? Denuncie! Nosso olheiro mais

atento ficará feliz em contribuir. Envie um e-mail para ozoide@

revistavisao.com.br ou mande um WhatsApp para 49 8819 9814.

foto | Autorretrato do Ozóide

Resultado / Abril

59,9% A Favor

39,3% Contra

0,8% Indiferente


SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

EDITORIAL

Loreno Siega | Diretor de Redação

Precisamos evoluir cada vez mais

de uma mera sociedade da produção

para uma sociedade do conhecimento.

Tomamos

emprestado do SE-

NAI/SC o slogan –

“A Indústria do Conhecimento” – utilizado por

aquela instituição para melhor definir sua missão

junto ao público que atende e à sociedade

como um todo (uma frase muito inteligente

e apropriada, por sinal). E queremos discorrer

sobre o assunto – o valor do conhecimento –

com um pouco mais de profundidade nestas

linhas iniciais da Revista Visão deste mês de

maio.

Inicialmente, de acordo com o que dizem

e constatam inúmeros profissionais da área da

Economia, Administração e Gestão – e também

pelos exemplos práticos que temos de diversos

países e empresas – conclui-se que hoje em

dia a prosperidade é diretamente proporcional

ao uso do conhecimento. Ou seja, aquele país,

empresa ou pessoa que mais utilizar o conhecimento

e a tecnologia em seus processos (ou

produtos), mais obterá riqueza, valor agregado

e prosperidade.

Exemplificando. Se você produz soja (ou

qualquer outro produto alimentício), vai ganhar

um bom dinheiro se a safra for boa e se

o valor daquele cereal no mercado internacional

estiver bom, de acordo com a lei da oferta

e da procura. O mesmo vale para qualquer

outro produto. Mas, se além de produzir soja

você também fabricar azeite, margarina, farelo

para alimentação animal, ração, sucos e

inúmeros outros derivados, vai agregar muito

naquela matéria-prima. No final do processo,

ao invés de lidar apenas com um cereal, estará

adicionando valores, como: mais empregos especializados,

maior faturamento (cada tipo de

operação vai obter um tipo de receita específica),

uma cadeia muito mais vasta de clientes

e fornecedores, enfim, riqueza, muita riqueza.

A Serra Catarinense, outrora com uma economia

centrada apenas no segmento madeireiro/florestal,

aos poucos está despertando para

essa questão: agregar valor a seus produtos e

serviços. E isso vale não apenas para o setor

madeireiro/florestal, mas a todos os demais. Ao

invés de vender apenas toras e madeira com

pouco incremento, por exemplo, aos poucos

estamos trazendo empresas que transformam

a madeira em produtos de valor muito superior,

como: biomassa, MDF e MDP, compósitos

de madeira (espécie de estruturas para a construção

civil utilizando como base a madeira

tratada misturada com outros componentes),

indústrias diversas de móveis e até produtos

químicos fabricados através das resinas.

Na área da agricultura primária, acontece

a mesma coisa. Aos poucos, estamos buscando

agregar valor aos grãos, ao leite, à carne,

às frutas. E com isso geramos mais empregos

– e de alta especialização e qualidade. O que

não dizer então em outros segmentos como

nos serviços de saúde (aos poucos estamos nos

transformando num grande centro de várias

especialidades), no desenvolvimento de empresas

de software, no setor metalomecânico, de

bebidas, na “indústria” do turismo e do lazer,

e por aí afora.

Iniciativas como o Midilages, um Micro

Distrito de Base Tecnológica – incubadora de

empresas de tecnologia – vêm demonstrando

que esse é o caminho. Assim como o Órion

Parque, em fase final de implantação, que abrigará

dezenas de empresas do ramo da tecnologia

e da biotecnologia. “Felizmente, hoje, temos

centenas de doutores e pesquisadores em

Lages e na Serra Catarinense. Precisamos aliar

esse conhecimento com o espírito empreendedor

de nosso povo para criar novos produtos

e serviços e gerar maior riqueza e dinheiro”,

dizia certa vez, com muita propriedade, Dr. Roberto

Amaral, presidente do Órion Parque e do

CIASC. Amaral, aliás, escreveu há alguns anos o

livro “Sociedade do Conhecimento”. E abordava

estas e outras questões e o papel da tecnologia

no desenvolvimento local e regional.

O desafio está colocado. Precisamos evoluir

cada vez mais de uma mera sociedade da produção

para uma sociedade do conhecimento.

0607

revista visão mai. 15


ENTREVISTA

0809

revista visão mai. 15

LORENO SIEGA

GUGU GARCIA

ENSINANDO

E APRENDENDO

NA ESCOLA DA VIDA

O ato de lecionar está incutido em sua personalidade. A

eloquência e a extroversão conquistadas com a atividade de

professor e palestrante foram nascer mais tarde. Conheça a

história do professor Érico Paes de Campos, que encontrou

na arte de ensinar uma forma de autorrealização e também de

superar suas adversidades.

Érico

se diz um homem feliz

e realizado profissionalmente.

“Adoro ser chamado de professor

por meus alunos. Li, estudei e me preparei

muitos anos para isso. Avalio que

o papel de um mestre na educação é insubstituível.

Para obter o conteúdo e as

informações, a tecnologia hoje em dia

pode te ajudar. Mas quem vai te moldar

o caráter? Quem vai te transformar numa

pessoa melhor, mais honesta e íntegra?

Só a educação, que você recebe em casa

e na escola”, argumentou.

Por ser uma criança e jovem apontado

pelos outros com uma orientação

afetiva diferente dos demais, Érico sofreu

e sentiu muito na própria pele, quando

estudante do Ensino Fundamental e Médio,

as consequências do que se chama

hoje de bullying. Hoje completamente

recuperado daqueles traumas – e totalmente

posicionado em sua condição e

escolha – Érico virou uma autoridade conhecida

e respeitada no assunto no âmbito

local, regional e até estadual.

Por isso mesmo, depois de palestrar

em praticamente todas as escolas de Lages

sobre os perigos e como evitar o

bullying no âmbito escolar, ele está frequentemente

viajando para outras cidades

e regiões para proferir palestras sobre

o tema. Neste ano, ele ingressou no Mestrado

em Educação da Uniplac. E também

trocou a rede municipal de ensino pela

rede pública estadual. “Sou muito curioso

e proativo. E movido a desafios”, reitera.

Érico, você atuava em outro setor profissional.

E de repente virou professor.

Como isso aconteceu?

No ano de 1988, então com 17 anos,

eu saí de Lages e fui morar em Balneário

Camboriú para fazer faculdade de

Turismo e Hotelaria. Frequentei até

o 6º semestre, mas não me formei. O

mundo daquela cidade, seus encantos

e coloridos, acabou me desviando do

caminho. No entanto, trabalhei por

lá em hotéis durante pelo menos 10

anos. É um trabalho onde aprendi

muito. Ganhei jogo de cintura, aprendi

a lidar com a adversidade humana, a

resolver problemas dos mais diversos e

a enfrentar desafios. Depois disso acabei

tendo uma oportunidade para retornar

a Lages, mas ainda trabalhando no setor

de hotelaria, desta vez no Hotel Lages.

Se você gostava muito de trabalhar em

hotéis e já estava em Lages, por que

deixou essa atividade?

Certo dia chamaram todos os colaboradores

do Hotel Lages e informaram que

seria fechada uma parceria com a Rede

Bristol de Hotéis. Quando soube, fiquei

empolgado e já sonhava estar trabalhando

em Portugal, na Espanha ou

em qualquer outro país da Europa num

desses hotéis da rede. Mas no final da

reunião nos informaram que infelizmente,

11 pessoas da equipe não seriam

aproveitadas. E que um deles seria eu. A

empolgação deu lugar à frustração em

poucos minutos. Tempos depois, uma

família amiga me convidou para ajudar

a organizar uma Colônia de Férias para

o pessoal do SAMT (Sociedade de Apoio

ao Menor Trabalhador). Essa Colônia de

Férias era o pontapé inicial em Lages do

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

(PETI). Isso em 1999. E nessa época

tínhamos em Lages 351 crianças e jovens

(de 7 a 17 anos), que simplesmente

ganhavam a vida trabalhando no antigo

lixão da cidade. Eles não tinham qualquer

proteção para trabalhar num local

daqueles, a maioria não estudava e nem

tinha perspectivas de sair daquela situação

de miserabilidade. Sensibilizei-me e

entrei de cara naquele mundo.

Você saiu do hotel e foi fazer um trabalho

social? Já tinha experiência no

setor? Conhecia bem sobre a pobreza

de Lages?

Não. Eu na verdade era até então um

grande ignorante social. Sabia muito

pouco da situação de miserabilidade em

que vivia muita gente. Levei um grande

choque. Aquilo me impactou muito.

Imagina, sair de um trabalho em hotéis

onde só vão as pessoas que têm dinheiro

e ir trabalhar com crianças desassistidas

e carentes em todos os sentidos. No começo

fiquei com medo. Mas ao mesmo

tempo cheio de vontade e de amor por

aquele trabalho. Eu logo fui inserido

como professor daquele programa para

trabalhar com um grupo de 140 crianças

no CAIC do bairro Guarujá. Aí nasceu o

professor Érico. Quando eu vi que o que

eu dizia e fazia ajudava aquelas pessoas,

nasceu em mim uma vontade muito

grande de merecer, de fato, ser chamado

professor. Então ingressei no curso de

História, na Facvest, e me graduei historiador

no ano de 2007.

O que te atraiu tanto no curso de

História?


0809

revista visão

mai. 15

Eu queria oferecer a eles

talvez aquilo que me

faltou na vida enquanto

aluno e estudante:

carinho, atenção, respeito,

afeto. Quando aluno, eu

sofri muito do que hoje

chamam modernamente

de bullying.

Érico Paes de Campos

Professor, palestrante e historiador

Érico, 44 anos, é lageano

e graduado em História.

Atualmente, está cursando

Mestrado em Educação

(Uniplac), dá aulas na rede pública

estadual e no SESI Lages (Educação

de Jovens e Adultos), além

de proferir inúmeras palestras.


10 11

revista visão mai. 15

Acho que foi um presente que a vida me

deu. Eu não nasci professor. Mas tive a

experiência e me encontrei quando tive a

oportunidade. E quando isso aconteceu,

fui me preparar e estudar com afinco para

ser um bom professor. Ninguém nasce

professor, assim como ninguém nasce

médico ou jornalista. As pessoas estudam

e se preparam muito para se tornar aquilo

que querem. Comigo, inclusive, quando eu

estava em contato com aqueles jovens, eu

me lembrava de quando também fui aluno.

Eu queria oferecer a eles talvez aquilo

que me faltou na vida enquanto aluno e

estudante: carinho, atenção, respeito, afeto.

Quando aluno, eu sofri muito do que hoje

chamam modernamente de bullying, um

tipo de violência que deixa muitas marcas

na personalidade.

Em função do que você sofria de

bullying?

Caçoavam e riam de mim desde pequeno

talvez por ser uma criança e jovem apontado

pelos outros com uma orientação afetiva

diferente dos demais. Na época eu nem

tinha ideia de quem eu era sexualmente

falando ou do que seria quando fosse

adulto. Mas os colegas caçoavam muito do

meu jeito de falar, de me comportar... Riam

e faziam piadas... Isso me fez muito mal,

principalmente para minha autoestima. Eu

me achava feio, incapaz, não gostava de

mim mesmo. Quem hoje me conhece e me

vê bem encontrado como professor, comunicativo

e firme naquilo que acredita e faz,

nem imagina que até os meus 18 anos eu

me via e me sentia como a pessoa mais feia

e sem graça do planeta. Isso tudo era fruto

do bullying que eu sofria diariamente. Isso

faz muito mal às pessoas. E me deixou

marcas, que felizmente superei.

Por isso você se aprofundou profissionalmente

e como professor neste tema,

o bullying escolar?

Com certeza. No meu trabalho como professor

eu sempre gostei de lidar com questões

relacionadas à afetividade, saber quem

é você, saber quem é sua família, como você

se vê no grupo e como percebe que o

grupo te vê, a autoestima, etc. Foi quando

descobri que a Uniplac estava oferecendo

um curso de extensão de como enfrentar

o bullying na escola. Estudei e li muito a

respeito, me aprofundei. Lembro ainda da

frase de abertura daquele curso, do Jean

Paul Sartre, que dizia: “Não importa o que

fizeram de mim. O que importa é o que eu

faço com aquilo que fizeram de mim”.

O curso não serviu para você superar

os próprios traumas?

Sim. No começo, admito, o curso sobre

bullying foi para conhecer melhor e apagar

alguns fantasmas do meu próprio passado,

coisas negativas que eu tinha vivido

na escola. E depois também porque eu

queria trabalhar nas escolas sobre aquele

tema. De fato, a partir daquela extensão

acabei dando palestras e falando sobre o

assunto em todas as escolas da rede municipal

de Lages. E me tornei, digamos assim,

uma referência no assunto.

A homossexualidade continua sendo o

grande motivo das pessoas praticarem

bullying?

Não só isso. Tem o gordinho, o baixinho, o

sujo, o desajeitado, o negrinho, o malvestido.

Tudo o que for diferente é motivo para

piadas e gozação dos colegas, infelizmente.

Isso mexe muito com a autoestima das

crianças e com sua percepção de mundo.

Aqui em Lages, inclusive, no âmbito das

escolas, há um outro tipo de bullying: o

bairro em que eu vivo. As pessoas são classificadas

e rotuladas a partir do bairro onde

moram. Dentro de um mesmo bairro, inclusive,

há diferenças. Eu trabalhei numa escola

do bairro Santa Helena. Lá tinha o beco,

a taipa e a lomba, três lugares diferentes

dentro do mesmo bairro que são motivos

para bullying. Quem mora no beco quer

matar quem é da taipa. E vice-versa. Se

você mora num bairro onde vivem pessoas

mais humildes, é motivo suficiente para que

sofra de bullying, infelizmente.

Que tipo de consequências podem resultar

para quem sofreu de bullying?

Há pessoas que não ultrapassam a barreira

da sua autoestima. Ou seja, se sentem incapazes,

impotentes, ficam tímidos e imaturos

para o resto da vida e não superam esse

trauma. Certo dia, fazendo uma palestra

sobre o tema, uma aluna se levantou e me

disse: “Professor Érico, não aguento mais

ser chamada todo dia de cabelo de Assolan”.

No mesmo ato, uma professora negra,

com mais de 40 anos, levantou a mão e

disse o seguinte: “Eu chorei ouvindo isso.

Na minha época, na escola que eu estudava,

eu era chamada de cabelo de Bombril.

E até hoje, mesmo que bata o carteiro na

porta da minha casa, eu não saio para fora

se eu não amarrar o meu cabelo”. Ou seja,

isso deixa marcas muito negativas e profundas

na personalidade das pessoas.

Em que momento você superou esse

bullying?

Acredito que foi quando eu tive a força e a

coragem de sair de casa e de Lages, ir para

Balneário Camboriú, uma cidade que considero

bastante liberal e tolerante com essas

questões. E depois o trabalho na hotelaria.

Lá as pessoas, os clientes e meus superiores,

não davam a mínima para minha vida

pessoal, o jeito que eu falava ou me expressava.

Lá eles viam e elogiavam o Érico pelo

lado profissional, era isso que importava,

se eu os atendia bem, se resolvia seus problemas,

se era eficiente, criativo, atencioso.

Comecei a ver que meus medos não eram

nada perto do que eu era e sou capaz. Assim

fui me superando. E deixando de lado

os rótulos que me davam ou me dão. Hoje

sou uma pessoa muito bem resolvida: um

apaixonado por seres humanos, sejam eles

homens, mulheres, crianças, negros, brancos,

pobres ou ricos. Procuro ver em todos

as suas qualidades e valores.

O que fazer com um aluno que esteja

praticando bullying com um colega?

Que atitudes tomar?

Numa definição simples e curta, bullying

é tudo o que é repetitivo (uma, duas, três

ou dezenas de vezes), intencional (a pessoa

que faz tem consciência que está buscando

diminuir o outro) e negativo. Para coibir e

lidar com o bullying, hoje existem diversos

mecanismos, inclusive legais. As escolas não

podem e não devem deixar que isso aconteça.

E devem trabalhar com os alunos o

tema.

E quando você nota alguma atitude

que denota bullying no âmbito da escola,

o que faz?

Paro a aula imediatamente. E chamo as

partes para conversar. Tem vezes que faço

isso inclusive na frente de toda turma.

Um belo dia, enquanto escrevia no quadro,

notei que alguns alunos comentavam pejorativamente

sobre o ator que fez o papel

de Harry Potter, dizendo que o menino era

gay. Virei-me e sugeri expor a questão para

toda a sala de aula. Aí fiz várias perguntas

para eles: se o fato do menino ser ou não

gay atrapalhava sua performance enquan-


to ator e profissional. Se ele deixaria de ser

um ótimo ator pelo fato de ser ou não gay.

Perguntei também para a turma: “Quando

vocês vão lá na esquina comprar um pão

na padaria, digamos que sejam atendidos

por um gay. Os pães que vocês compraram

Bulllying é tudo o que é repetitivo

(uma, duas, três ou dezenas de

vezes), intencional (a pessoa que faz

tem consciência que está buscando

diminuir o outro) e negativo.

serão menos ou mais bons? E se alguém

da família de vocês sofrer um acidente e

precisar urgente de sangue. Vocês sabem

de quem foi coletado aquele sangue? Digamos

que foi um gay que doou... O que

vocês fariam? Desta forma, se enfrenta o

problema de frente. E se ensina a turma a

ter tolerância e a conviver com o diferente.

Nos seus temas de estudo, como faz

para se aprofundar?

Sou um aficionado em pesquisar e ler sobre

aquilo que me interessa e que trabalho. Tenho

em casa um conjunto de mais de 500

livros próprios, dos mais diferentes autores,

sobre História, Filosofia, Pedagogia, Direito...

Pesquiso muito também na internet.

Gosto de comparar autores sobre um mesmo

tema. Agora, que estou no Mestrado

em Educação, então, vou ler muito mais.

Importante: ler para mim é um prazer, não

um sufoco ou obrigação. Adoro fazer isso.

Não me causa cansaço ou irritação.

Além de professor, você é palestrante

profissional há alguns anos, com muito

sucesso. Há pessoas que dizem ser você o

melhor palestrante de Lages na atualidade.

Que temas trabalha nessas palestras?

A partir de 2009 comecei a ministrar palestras

nas várias escolas de Lages trabalhando

os chamados temas transversais, no qual

entra o bullying e vários outros assuntos. E

o pessoal gostava e elogiava muito. E volta

e meia me pediam para ir palestrar em

escolas e também para outros professores.

Adoro dar palestras, me sinto bem. Já fiz

palestras para grandes públicos em Congressos

de Educação em cidades como Rio

do Sul, Itajaí, Florianópolis, Passos Maia,

entre outras. Já fiz palestras menores também

para seguimentos empresariais sobre

motivação, autoestima e temas congêneres,

inclusive aqui para o pessoal da Revista Visão.

Enfim, é mais um campo que se abre e

que gosto muito de atuar.

Você fala muito em amor e afeto. Tem

algum amor específico hoje em tua vida?

(Risos)... Estou solteiro... Eu costumo dizer

que tenho muitos amores na minha vida:

meus alunos, meus colegas professores,

meus pais e familiares, as pessoas que me

relaciono no dia a dia. E até aqueles que

me desafiam. É muito fácil amar aqueles

que pensam como você e que te aceitam

do teu jeito. O desafio é conseguir amar

aqueles que são diferentes. Se você conseguir

fazer isso, aprender a conviver e a se

relacionar com o diferente, acredite, estará

no caminho certo.

O que tira o professor Érico hoje do

sério?

Várias coisas. Fico grilado com as injustiças

(de todo gênero). Fico indignado com pessoas

que dão opinião sem ter conhecimento

suficiente sobre o assunto. Irrito-me com

a corrupção, que não atinge apenas a classe

política mas está generalizada. Decepciono-me

com a hipocrisia. Por exemplo:

aqueles que criticam e saem em passeata

contra a corrupção mas furam fila de espera,

não param o carro na faixa de pedestres,

furam o sinal vermelho. Então, quem é

mais corrupto? Estava certo dia na praça de

alimentação do Serra Shopping, no centro

de Lages, quando de repente surgiram duas

crianças muito pobres que sentaram em

uma mesa em frente e estavam comendo

um salgadinho. De repente veio alguém da

segurança e falou no ouvido dessas crianças.

Senti que essas crianças tinham perdido

a alegria e a descontração e pararam

de comer o salgadinho. Fui lá perguntar ao

segurança o que tinha dito a eles. Ele me

respondeu que havia falado que para estarem

sentados naquela mesa eles precisariam

consumir coisas do shopping. E que poderiam

estar incomodando as pessoas. Não

aguentei aquela humilhação. Levantei, bati

palmas para o rapaz e gritei bem forte. “Essas

duas crianças aqui estão incomodando

alguém?”. Repeti de novo a frase bem alto,

para todos ouvirem. Ninguém se manifestou.

Acho que esse segurança nunca passou

tanta vergonha em sua vida.

Como fazer para superar essas questões

da corrupção, por exemplo? A violência

nas escolas? E a violência contra

a mulher?

Tudo, mas tudo mesmo, passa pela educação.

E educação se aprende em casa. Mas

também e principalmente, nas escolas. Nós

professores somos sim responsáveis pela

educação no mais amplo sentido. O conteúdo

técnico, o conhecimento, se o aluno

não aprender na escola pode pesquisar na

internet que o terá no Google muito facilmente.

Mas o caráter, a honestidade, a decência,

isso não se aprende sozinho. É preciso

alguém para ensinar, orientar, reforçar,

corrigir, impor limites. E quem faz isso é a

família e o professor.

10 11

revista visão

mai. 15


Unconference – ACIL

Feira de Gado Geral

Urubici

07/05

12 13

revista visão

mai. 15

Divulgue você também seus eventos! Mande sua sugestão para:

contato@revistavisao.com.br

Sua programação para os eventos

locais e regionais começa por aqui

7ª Exposição Morfológica e

8º Leilão Crioulo da Serra

Lages

Show banda Over &

Nova DC – Teatro do Sesc

Lages

Lages

14 a 17/05

15/05

27ª Festa Nacional do Pinhão

Parque do Conta Dinheiro

29/05 a 07/06

Lages

Lages

Lages

Cine Marrocos

Pré-estreia do filme “Da

Serra ao Seridó”

09/05

II Desafio Semasa

Carahá

26º Aniversário

de Urupema

Urupema

16/05

Food Truck Festival

Centro Serra

Lages

09/05

31/05

Moha Festival - Lages - 06/06

Desafrio Urubici - Urubici - 27/06

Baile de São João Clube 3 de Maio - Urupema - 27/06

09 e 10/05

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

S. 01

S. 02

S. 03

S. 04

S. 05

M A I O JUNHO


Fábio André Posselt Scorsatto

Na tela “Anoitecer no Vilarejo”, o artista Fábio André Posselt Scorsatto usou a técnica

mista em NAIF. Ela é desenvolvida com materiais diversos como rolhas, palitos de

churrasco, casca de arroz, cola colorida, tintas, palito de fósforo. O quadro lembra o

Pelourinho em Salvador e tiveram pessoas que falaram que ele lembra algumas cidades

indianas. Segundo André, a inspiração para a obra surgiu através de um sonho.

“Anoitecer no Vilarejo”

OLHAR CULTURAL

12 13

revista visão mai. 15

foto | Gugu Garcia

Veja esta obra completa e outras obras do artista

www.revistavisao.com.br


REPORTAGEM revista visão mai. 15

14 15

LIANA FERNANDES

Para encontrar um bom

emprego, com melhores

salários e vantagens é

preciso mais do que o Ensino

Médio. Lages oferece uma

série de cursos, em suas

diversas instituições de

ensino superior, formando

anualmente uma grande

quantidade de profissionais.

Como está o mercado

de trabalho para esses

acadêmicos?

OS DESAFIOS

DO MERCADO DE

TRABALHO APÓS

A GRADUAÇÃO

Há alguns

anos, os egressos

enfrentavam

dificuldades em se colocar no mercado

de trabalho, em suas áreas de atuação. Atualmente,

esse quadro mudou consideravelmente

em alguns setores. Com o desenvolvimento

da cidade e o crescimento de empresas,

áreas como Tecnologia da Informação, por

exemplo, tiveram um vertiginoso aumento de

contratações. Por consequência, as empresas

necessitaram ter profissionais de outras áreas,

absorvendo também Administradores de Empresas,

Contadores, Gestores de Pessoas, Professores,

só para citar alguns. Mas e quanto

às áreas de conhecimento que não são tão

requisitadas? Será que o mercado local está

preparado para absorver toda essa demanda

de egressos?

Buscando novos

horizontes

A lageana Marilia de Sá Arruda Michelon,

que há 10 anos cursou Ciências da Computação

na então Facvest (hoje Unifacvest)

teve que se mudar para Curitiba a fim de

conseguir uma colocação na área em que se

formou. Durante a graduação

ela não encontrou

nenhum emprefoto

| ©William Burlingham


Os cursos que

mais formam

em faculdades

presenciais

na cidade de

Lages*

190

160

180

80

100

80

80

80

60

80

*Números baseados

nas vagas oferecidas

por semestre e

anualmente das

faculdades Uniplac,

Unifacvest e CAV.

Uniplac

Unifacvest

Direito

Uniplac

Unifacvest

Pedagogia

Uniplac

Unifacvest

Administração

Uniplac

Unifacvest

C. Contábeis

CAV

Unifacvest

Veterinária

foto | Divulgação

go ou estágio no ramo. “Nunca trabalhei

na minha área em Lages. Atuei como digitadora

e secretária. Precisava trabalhar

durante o dia para pagar a faculdade e

estudava à noite”, explica. Após concluir

a graduação, ainda sem trabalhar na

área, Marilia buscou colocação em Curitiba.

“A empresa oferecia treinamento

por três meses, com uma pequena ajuda

de custo. Somente os melhores da turma

seriam chamados como estagiários.

Consegui a vaga de estágio e seis meses

depois fui contratada”, conta.

Depois de dois anos e meio em Curitiba,

ela foi contratada por uma empresa

multinacional e teve a oportunidade de

viajar para a Índia, onde permaneceu por

dois meses, participando de um treinamento

presencial.

Hoje, aos 30 anos e atuando como

Analista de Sistemas Sênior, Marilia

se mostra otimista quanto à oferta e a

qualidade das graduações em Lages, mas

pondera quanto à colocação profissional

dos recém-formados: “A quantidade de

cursos superiores em Lages aumentou

bastante e a qualidade do ensino não

Marilia de Sá Arruda Michelon

perde em nada para os grandes centros.

Sempre acreditei que quem faz a faculdade

é o aluno. Entretanto, possivelmente

o mercado de trabalho lageano ainda

não terá condições de empregar todos os

egressos”, enfatiza. Marilia não descarta

a possibilidade de voltar a morar em

Lages. “Minha família está toda aqui. Se

tivesse uma boa oportunidade de emprego,

sem dúvida, voltaria”, revela.

Da Publicidade

para as vendas

Thiago Córdova, 28 anos, formou-se em

2008 em Publicidade e Propaganda pela

Facvest. Durante o curso, Thiago já atuava

profissionalmente em sua área. “Estagiei

por 12 meses na agência de publicidade

da faculdade”, conta.

Logo após concluir a graduação,

Thiago conseguiu se colocar profissionalmente,

como arte-finalista em uma

gráfica. Entre 2010 e 2013, atuando

como Diretor de Arte passou por duas

agências da cidade. No início de 2013,

Thiago passou a fazer parte do quadro

de colaboradores da Revista Visão, também

como Diretor de Arte.

Em 2014, Thiago se deparou com

uma oportunidade na Sanjo (cooperativa

de frutas), em São Joaquim, e decidiu

encarar o desafio. Ele descreve os vários

motivos que o levaram a buscar novos

horizontes para a carreira, fora da cidade:

“O principal motivo foi o salário, mas

contou muito a possibilidade de crescimento

profissional. Esses dois ingredientes

fizeram com que eu topasse o desafio

de trabalhar em uma área diferente das

que já havia atuado anteriormente”, explica.

Thiago continua morando em São

Joaquim e atua como Coordenador de

Vendas na Região Serrana da Sanjo. Ele

afirma que pretende se especializar ainda

mais nessa área. “Pretendo em breve

dar continuidade ao MBA que iniciei em

2014 e que por conflitos de agenda com

o trabalho tive de trancar”, conta.

Thiago elogia a qualidade do ensino

superior em Lages. As ressalvas são relativas

às oportunidades de trabalho para os

egressos: “Lages tem ótimas opções de

graduação e de especializações. Quanto

à carreira, na minha área de atuação,

comunicação social, vejo que a cidade já

evoluiu muito desde

2004, período

em que acompanho

o mercado. Porém,

ainda está muito

aquém de grandes

centros, e até mesmo

de cidades com

porte semelhante,

como Chapecó, por

exemplo, que tem

algumas das maiores

agências de comunicação

do Estado”,

enfatiza.

Thiago Córdova

Realizado com o trabalho e a possibilidade

de crescimento no atual emprego,

Thiago não tem planos de voltar

a morar em Lages no momento. “Para

voltar a Lages, seria necessário que houvesse

uma oportunidade tão desafiadora

quanto a que levou à minha mudança”,

conclui.

foto | Israel Oselame

14 15

revista visão mai. 15


Total geral de

formandos em

Lages no período

de 2010 a 2014

895

872

822

686

841

716

776

737

Presenciais - Uniplac

e CAV*

564

564

EAD - Unicesumar,

UNC e Uniasselvi

*Esse levantamento não

inclui os egressos da Unifacvest,

que não forneceu

os números solicitados para

esse infográfico

2010

2011

2012

2013

2014

16 17

revista visão mai. 15

Buscando colocação na área

Cristiano Vicent de Sá, 36 anos, cursou

Administração de Empresas na Uniplac,

formando-se em 2001. E, alguns anos

depois, em 2004, cursou Publicidade e

Propaganda, na Facvest. Durante a última

graduação, ele recebeu alguns convites

de estágio e chegou a trabalhar na área.

Mas sempre de forma indireta. “As atividades

de comunicação e mercadologia

ficavam em segundo plano. E com pouca

valorização, tanto no reconhecimento

profissional, como financeiro”, diz.

Vislumbrando exercer atividades ligadas

à sua área, Cristiano resolveu participar

das fundações da “Minha Empresa Junior”,

uma agência Junior de consultoria

empresarial, onde foi Diretor de Comunicação/Marketing

durante dois anos e Presidente

durante um ano; e

da Agência Experimental

de Comunicação A6.

foto | Divulgação

Atualmente, Cristiano

trabalha como Consultor

de Vendas, em uma

empresa franqueada da

operadora Oi, em Lages.

“Optei por não trabalhar

diretamente em minha

área de formação por

Cristiano Vicent de Sá

questão de sobrevivência,

pois o mercado de trabalho é limitado,

não compreende a real função dos publicitários

e não os valoriza como deveria.

Apesar disso, me sinto realizado, porque

sempre tive muito senso de empreendedorismo”,

salienta.

Ao comentar sobre o ensino superior

em Lages e as possibilidades de emprego,

Cristiano lamenta que a cidade não

tenha condições de empregar ou valorizar

adequadamente boa parte dos egressos.

“Lages é por um lado um polo educacional,

com várias opções de cursos,

tanto superiores quanto técnicos. Em

contrapartida, com quase nenhuma oferta

de trabalho em relação a alguns dos

cursos fornecidos por nossas instituições

de ensino”, conclui.

Reconhecimento

profissional fora sua área

Alice Borges Buffon Costa, 30 anos, graduada

em Ciência da Computação em

2007, pela Facvest, optou pelo curso por

ser um segmento com grande potencial

de crescimento e por acreditar que encontraria

em Lages boas oportunidades

de trabalho. Durante a graduação, ela

nunca atuou em sua área de formação,

trabalhava como digitadora em uma

escola particular. “Tentei estágio em algumas

empresas de Lages, sem êxito. As

empresas selecionavam apenas os candidatos

com experiência. Mas como ser experiente

sem oportunidade?”, questiona.

Diante dessa realidade, Alice resolveu

ampliar suas possibilidades profissionais

e, durante a graduação, estudava para

prestar concurso público para uma instituição

financeira.

Logo após concluir a graduação, Alice

buscou oportunidades profissionais em uma

empresa de desenvolvimento de softwares,

em Porto Alegre. Depois de alguns testes,

foi aprovada. No entanto, optou por não

aceitar a proposta de contratação, devido ao

alto custo de vida na capital gaúcha.

Voltando a Lages,

algum tempo depois,

Alice foi convidada a

dar aulas de informática

para crianças e também

cursos aos professores

do colégio. Após um

ano e meio no novo

emprego e ainda sem

nenhuma possibilidade

de trabalhar na área em Alice Borges Buffon Costa

que se graduou, Alice

foi chamada para atuar numa instituição

financeira do bairro Coral para a

qual havia prestado concurso e onde

trabalha desde então, há seis anos.

Nesse tempo, Alice já atuou em três

agências em Lages, foi promovida duas

vezes e faz planos para uma especialização.

“Adoro o que faço e me dedico muito,

pois existem oportunidades de ascensão.

Temos ferramentas de treinamento

via internet, presencial, incentivo à graduação,

pós-graduação, línguas, entre

outros. Os desafios são cada vez maiores.

É isso que torna essa carreira interessante

e motivadora. Por isso, pretendo este ano

iniciar uma pós-graduação em Gestão

Empresarial”, salienta.

Para Alice, o mercado de trabalho,

em alguns casos, não acompanhou a

evolução do ensino superior na cidade.

“Hoje temos em Lages muitas opções de

cursos. O aluno não precisa sair da cidade

para buscar conhecimento na graduação

e, conforme a área, consegue encontrar

oportunidade aqui mesmo, porém a

remuneração em alguns casos ainda é

inferior à oferecida nos grandes centros,

tornando o mercado de trabalho pouco

atrativo”, comenta.

foto | Divulgação


foto | Shutterstock

Melhores salários ou

ganho de experiência?

Mariele França Machado tem

21 anos e faz Ciências Contábeis

na Unifacvest. A escolha

do curso veio da aptidão em

matemática. “Sempre gostei

de lidar com números, mas

não tinha planos de lecionar.

Então busquei outras opções

na área de exatas. Encontrei

Ciências Contábeis, cujo mercado

está sempre precisando de profissionais

e acabei me identificando. Hoje

não troco de jeito nenhum”, afirma.

Ela trabalha na área desde o início

do curso, em um escritório de contabilidade

local e tem planos de seguir carreira.

“Ter oportunidade de unir o trabalho

com o que é visto em sala de aula ajuda

a entender tudo o que é aprendido e

possibilita desempenhar melhor o trabalho.

Gosto muito do que tenho aprendido

e aplicado na prática. Pretendo me

especializar em auditoria fiscal”, conta.

Mariele acredita que as instituições

de ensino superior em Lages deixam a

desejar em alguns aspectos, no que tange

às aulas práticas, que proporcionam

experiência voltada ao mercado de trabalho.

“Há pouca prática em laboratórios,

principalmente na área de exatas,

em que a teoria muitas vezes se torna

diferente da realidade”, diz.

foto | Divulgação

Mariele França Machado

Um bom profissional se faz com estudo,

dedicação e experiência prática. Esse

terceiro item, parece ser o maior desafio

para alguns recém-formados lageanos.

Não basta arranjar uma colocação na área

se o profissional não é valorizado de acordo

com sua graduação ou sequer consegue

recuperar o investimento

feito nos estudos.

Mariele afirma que,

quando não for possível

encontrar experiência

e valorização em um

mesmo emprego, deve-

-se optar pela experiência,

para posteriormente

ter chances de alcançar

uma colocação melhor

no mercado de trabalho.

“Na minha área sempre

há vagas. Mesmo que seja uma oportunidade

não tão atraente financeiramente,

vale a pena para ganhar experiência naquilo

que você ainda não conhece”, explica.

Ela acredita que a tendência é que

mais egressos encontrem portas abertas

para atender às novas empresas da cidade.

“Os profissionais com ensino superior

são mais procurados, por terem um

pouco mais de conhecimento. Lages e

região vêm se expandindo, tornando-se

um bom mercado de trabalho, e acredito

que vão surgir cada vez mais vagas para

receber quase toda a demanda de egressos”,

conclui.

Incentivo ao empreendedorismo

Alguns cases apontam que Lages ainda

não está conseguindo absorver parte dos

egressos. Isso demonstra uma tendência

que vem crescendo e sendo incentivada

pelas instituições de ensino: a formação

de empreendedores. Para o reitor da Uniplac,

Luiz Carlos Pfleger, a cidade tem

condições de suprir a demanda, já que

as Universidades sempre se preocuparam

em formar profissionais de qualidade,

mas esse foco vem mudando. Hoje se

direciona o estudante para ser um bom

empreendedor, criando suas oportunidades

de trabalho e não para ser, necessariamente,

empregado.

O aluno de hoje é mais criativo, mais

ágil e exige mais do professor. E isso faz

com que a Universidade ande mais rápido.

Eles vão em busca das soluções para

construir o próprio negócio. “Foi realizada

uma pesquisa, a nível nacional, com

profissionais de todas as áreas, a qual

definiu que o empregado tem um trabalho

estável, o profissional autônomo tem

uma renda em média três vezes maior do

que o empregado e o empresário tem o

dobro do que ganha um autônomo. Os

estudantes deveriam se preparar para ser

empresários”, destaca Luiz.

O reitor salienta que a região precisa

de estudantes com esse perfil para promoverem

ainda mais o desenvolvimento

da cidade. “São eles que movem a economia.

O papel da universidade é encantar

o estudante na busca de coisas novas,

que sejam capazes de transformar a sua

própria vida e assim transformar também

o meio onde eles vivem”, comenta.

O curso mais antigo da Uniplac é Ciências

Contábeis, que já formou 1.064

alunos, enquanto o de Direito é curso

com maior número de formados, com

2.032 egressos. Segundo Luiz, os alunos

da Uniplac têm se destacado pelo Brasil

afora. “Alguns egressos ocupam cargos

de direção de empresas como a AMBEV,

empresas da região e instâncias governamentais.

E isso é o que torna a Universidade

tão importante. Muitos voltam para

dar aula, os que desejam seguir carreira

acadêmica fazem especialização, depois

mestrado e doutorado e voltam para serem

professores aqui”, conta.

16 17

revista visão mai. 15


18 19

revista visão mai. 15

Cresce a procura pelo EAD

A cada ano que passa a procura

pelos cursos a distância é maior.

Administração e Pedagogia são as

graduações mais buscadas, segundo

o diretor da UNIASSELVI, Diogo

Paes, tendo atualmente turmas

fechadas de 180 e 200 alunos,

respectivamente. Outro curso que

trouxe muitos alunos à instituição

é Bacharelado em Serviço Social,

que até então só existia na modalidade

presencial. Diogo conta que, no

início, as pessoas tinham alguma resistência

em aceitar o curso. “Existia certo

preconceito, no começo, por ser na modalidade

de ensino a distância. Mas logo

teve um grande aumento do número de

alunos. Além disso, o curso é reconhecido

pelo MEC, pelos conselhos Regional

e Federal. Então hoje essa má impressão

não existe mais”, salienta.

A instituição possui estágios obrigatórios

dos cursos, onde os alunos são

encaminhados e acompanhados pelos

professores. Os alunos de Pedagogia,

por exemplo, já saem da UNIASSELVI

empregados, com um salário base de R$

1.915,00 (Piso Nacional do Magistério),

que está muito acima dos valores pagos

pelo mercado de trabalho lageano.

O perfil do aluno em relação ao

mercado de trabalho mudou. Hoje são

poucos os que desejam ser empregados.

A maioria deles quer ser ou já é empreendedor.

“Muitos alunos são empresários

e vêm buscar mais conhecimento

na instituição. O ensino a distância faz

isso: aluno tem que ter autonomia, ser

responsável por si mesmo e ir atrás do

que deseja”, complementa.

EAD de qualidade em Lages

A Unicesumar, com sede física em Maringá

(norte do Paraná), foi fundada em

1990 (vai completar em 2015 apenas 25

anos). E hoje tem 58 polos espalhados

em vários estados e regiões do país. A

instituição fechou 2014 com aproximadamente

70 mil alunos matriculados

(sendo 50 mil no ensino a distância – e

15 mil alunos em sua sede, em Maringá).

Há quatro anos, a Unicesumar obtém nota

4 no Índice Geral de Cursos (IGC 4) do

Diogo Paes, diretor

da UNIASSELVI

foto | Liana Fernandes

MEC, uma avaliação

de 1 a 5 que é dada

às instituições a partir

da nota que seus alunos

obtém na prova

do ENADE (e que mede

o grau de conhecimento

que eles conseguem

ao concluir

sua formação). “No

Brasil, apenas 6% das

instituições de ensino

superior obtiveram

essa nota no IGC. E nós estamos entre

elas. Somos hoje a 15ª maior instituição

de ensino superior do país. E a única entre

as 15 com sede em uma cidade do

interior”, informou o professor Wilson de

Matos Silva.

Lages conta com um polo da Unicessumar

desde 2012 e quem comanda

o instituto é Andrey Schmitt Damas, diretor

do polo na serra catarinense e em

São Bento do Sul. “Em Lages, encerramos

2014 com 700 alunos. E nossa

meta é conseguir pelo menos 2 mil alunos

neste polo, cujas instalações foram

inauguradas recentemente. Oferecemos

educação de qualidade, a preços justos

e competitivos, com uma estrutura e suporte

de muita qualidade. São 27 opções

de graduação e 36 de pós-graduação.

Viemos para fazer a diferença na educação

superior à distância na Serra Catarinense”,

declarou. Cerca de 105 alunos

já concluíram seus cursos na Unidade de

Lages.

Graduação agora no IFSC

Hoje o curso superior de bacharel em

Ciência da Computação já é realidade

no Campus Lages do IFSC (Instituto Federal

Santa Catarina). A disputa pelas

40 vagas, no final do ano passado, foi

de 15,2 candidatos por vaga. A escolha

em disponibilizar o curso partiu da

grande necessidade da região por profissionais

formados na área. Essa falta

de pessoal qualificado foi observada

tanto pela rápida colocação no mercado

dos egressos em Técnico em Informática

(ofertado pelo Campus Lages do

IFSC), quanto pelos resultados de mais

de três anos de pesquisas realizadas sobre

os perfis mais procurados no cenário

regional.

“O Campus possui uma excelente estrutura

para receber os novos alunos. São

seis laboratórios equipados com modernos

computadores e todos os professores

que atuam no curso superior possuem

mestrado ou doutorado”, ressalta o chefe

do Departamento de Ensino, Pesquisa e

Extensão, Thiago Meneghel.

A ênfase do curso de Ciências da

Computação é formar profissionais com

sólido conhecimento sobre a computação

e suas tecnologias, como desenvolvimento

de sistemas, redes de computadores,

inteligência artificial, computação

gráfica, dentre outras. “Os formados devem

ser capazes

foto | Liana Fernandes

Thiago Meneghel, chefe do

Departamento de Ensino,

Pesquisa e Extensão do IFSC

de atuar em empresas

de tecnologia,

empreender

novas ideias, trabalhar

com pesquisa

aplicada ou,

ainda, lecionar na

área da computação.

O conjunto

de disciplinas do

curso foi cuidadosamente

escolhido

para contemplar

este perfil,

que será capaz

de atender às necessidades

da região Serrana e de onde

mais queira atuar”, esclarece Thiago.

Diferente da realidade encontrada

pelas entrevistadas Marilia e Alice, formadas

há mais tempo, hoje em Lages a

área de Tecnologia da Informação (que

engloba cursos como Ciência da Computação,

Sistemas de Informação, entre

outros) é uma das que mais emprega

egressos e também acadêmicos. O avanço

da internet e das tecnologias em geral

faz com que cresça também a busca por

profissionais de outros ramos, capacitados

a trabalhar com os meios digitais.

Portanto, a crescente demanda na indústria

TI, proporciona indiretamente o

aumento da busca por profissionais nos

ramos de Administração, Jornalismo, Publicidade

e Propaganda, Marketing, Gestão

de Pessoas, Gestão de Projetos, Gestão

de Processos, entre outras, fato que é

evidente nos vários eventos e Workshops

de instituições como a ACIL, por exemplo,

onde profissionais de várias áreas de

conhecimento são envolvidos.


Beleza, juventude e estilo. Juntos.

20 21

revista visão mai. 15

Entre flores e cores

O charmoso

ensaio deste mês do

Garota Visão foi na

Boutique das Flores, localizada na Rua Humberto de

Campos. A modelo da V Models, Rayane de Liz, vestiu

alguns looks da coleção outono/inverno Moda Ativa. O

Make Up ficou por conta de Caroline Tortelli. Rayane tem

21 anos e é estudante de Administração de Empresas. A

loira de olhos cor de mel, disse estar fazendo este curso,

pois a mãe tem uma loja e ela pretende dar continuidade

ao trabalho. Fazer musculação, sair com as amigas e viajar

são alguns dos hobbys da gata. “Na incerteza do amanhã,

escolhi o hoje para ser feliz”, é a frase de cabeceira da

modelo. Confira o ensaio completo com fotos de Gugu

Garcia e o making of no site da Revista Visão.


2021

revista visão mai. 15


GAROTA VISÃO

FOTOGRAFIA

Gugu Garcia

49 3222.5864

LOOKS & SAPATOS

Moda Ativa

Rua Correia Pinto, 93

49 3251-4300

22 23

revista visão mai. 15

Veja mais fotos e o making of

www.revistavisao.com.br


2223

revista visão mai. 15

Rua Correia Pinto, 93 - 49 3251-4300


FESTA revista visão mai. 15

24 25

SHOWS DA 27ª FESTA

NACIONAL DO PINHÃO

Com a presença de Beto e Guilhermo Ody, da Gaby Produções, do prefeito em exercício

Toni Duarte e do presidente da CCO, Gilson Máximo de Oliveira (da FCL), foram anunciados

na manhã do dia 28 de abril, na ACIL, os shows nacionais da 27ª Festa Nacional do Pinhão. O

evento começa na sexta-feira, 29 de maio e encerra no domingo, dia 07 de junho.

Antes

do anúncio, o prefeito

em exercício, Toni Duarte,

fez um rápido pronunciamento. E disse

que o evento deste ano esteve ameaçado

pelas questões que todos já conhecem (o

Gaeco recebeu uma denúncia, fez buscas,

apreensões e ouviu várias pessoas – acabou

não descobrindo nada ou quase nada

de irregular – uma nova licitação foi feita

– vencendo a mesma Gaby Produções

– que já havia vencido o certame no ano

passado).

“A gente ia de um lado na cidade e

nos diziam para não fazer a festa. Ia para o

outro e nos diziam que era para fazer, que

a cidade ganharia com isso. Então, ficamos

entre a cruz e a espada. Não foi fácil. Mas

bancamos fazer. Eu, na condição de ex-

-presidente da CCO, de prefeito interino e

de grande entusiasta do evento, não queria

deixar no meu currículo a marca de ter deixado

de realizar a festa”, disse.

Beto Ody, da Gaby Produções, também

falou. “Estávamos decididos a não apresentar

mais proposta para realizar a festa.

Mas fomos convencidos por várias pessoas,

entre as quais cito o presidente da ACIL,

Sr. Luiz Spuldaro. Então, faltando três dias

para o novo pregão presencial, resolvemos

apresentar proposta. A Festa do Pinhão

é muito maior do que todos os lageanos

pensam. Precisamos muito e mais do que

nunca do apoio e participação da imprensa

para divulgar o evento e nos ajudar a fazer

dele um grande sucesso”, reiterou.

Ingressos para lageanos

Os lageanos continuarão a ter 30% de

desconto para ingressos “Pista Cidadão”

adquiridos antecipadamente. A venda

ocorrerá de 5 a 15 de maio, em horário comercial,

na ACIL. Para garantir o benefício,

assim como nas edições anteriores, os lageanos

terão que apresentar comprovante

de residência (conta de energia elétrica ou

água) e poderão adquirir até quatro ingressos

por residência, por dia de evento. Após

este período os ingressos terão preços regulares.

Meia-entrada

O público que irá utilizar o benefício da

meia-entrada (estudantes, idosos e pilchados)

terão que comprovar sua condição na

entrada especial do parque, que neste ano

terá uma fiscalização rigorosa. Não será

admitido na festa o beneficiário da meia-

-entrada que não comprovar a condição.

Serão aceitas somente a carteira de estudante

com foto válida e documento com

foto do idoso.

Venda de ingressos

A venda de ingressos antecipados e com

desconto inicia na segunda-feira, dia 5 de

maio, por meio do site www.blueticket.

com.br, com parcelamento em até seis vezes

no cartão de crédito, ou nos pontos

de vendas, em dinheiro. Os ingressos serão

vendidos por lotes e poderão sofrer acréscimo

de acordo com as vendas. Para as

crianças de até oito anos a entrada é gratuita.

Dos oito aos 12, pagam meia-entrada

para todos os shows. E a partir dos 12,

a entrada é inteira. A compra de ingresso

antecipado irá evitar filas e melhorar a organização

para a entrada no evento.

Dias gratuitos

O parque será liberado com entrada gratuita

para a Sapecada da Canção, no domingo,

31 de maio, a partir das 19h, além das

noites de segunda, 1º de junho, e terça, 2.

Assim, os amantes do nativismo serão beneficiados

com três noites de entrada gratuita.

Valores dos Ingressos

29/05 30/05 31/05 01/06 02/06 03/06 04/06 05/06 06/06 07/06

(sex) (sáb) (dom)* (seg) (ter) (qua) (qui) (sex) (sáb) (dom)

Pista R$ 40,00 R$ 30,00 R$ 30,00 Gratuito Gratuito R$ 40,00 R$ 30,00 R$ 40,00 R$ 40,00 R$ 40,00

Pista cidadão R$ 28,00 R$ 21,00 R$ 21,00 Gratuito Gratuito R$ 28,00 R$ 21,00 R$ 28,00 R$ 28,00 R$ 28,00

Pista Vip R$ 60,00 R$ 50,00 R$ 50,00 Gratuito Gratuito R$ 60,00 R$ 50,00 R$ 60,00 R$ 60,00 R$ 60,00

Camarote R$ 80,00 R$ 60,00 R$ 70,00 Gratuito Gratuito R$ 80,00 R$ 60,00 R$ 80,00 R$ 80,00 R$ 80,00

Backstage R$ 100,00 R$ 80,00 R$ 100,00 Gratuito Gratuito R$ 100,00 R$ 80,00 R$ 100,00 R$ 100,00 R$ 100,00

* A Partir das 19h, entrada gratuita.

Os preços poderão aumentar conforme as vendas. Assim, recomenda-se a compra antecipada com preço reduzido. O valor

do ingresso Pista Cidadão, destinado aos lageanos, será fixo até o dia final das vendas. Os descontos não são cumulativos.


29|05 03|06

Sexta

Quarta

Victor e Léo

Michel Telló

Léo Rodriguez

Thaeme e Thiago

Marcos e Bellutti

30|05

Chimarruts

31|05

Chiquititas

01|06

Sábado Domingo da família Segunda

Lucas Lucco

Bruninho e Davi

Latino

Com atores SBT

Brasil, Maysa

Patati e Patatá

Sapecada da

Canção Nativa

Quarteto Coração

de Potro

02|06

Terça

05|06

04|06

Lucas e Felipe

Fernando e Sorocaba

Sexta

Lulu Santos

Quinta

06|06

Sábado

Tribo de Jhá Ira

07|06

Domingo

Luka

Humberto

Gessinger

2425

revista visão mai. 15

Sapecada da

Canção Nativa

Mano Lima

Henrique e

Juliano


DESTAQUE EMPRESARIAL revista visão mai. 15

26 27

Inovação, humanização

e sustentabilidade. Esses

conceitos estão incorporados

no DNA desse ateliê de

calçados. O jargão “estar na

moda” nada tem a ver com a

missão desta empresa.

LIANA FERNANDES

Há quase

Calcando

Sustentabilidade

três anos, Brianna

Betina Pelegrini,

recém-formada em engenharia

ambiental, e sua mãe Rosângela Cordeiro,

fundaram a Santíssima Catarina. O Ateliê

de sapatos é especializado em produzir alpargatas,

botas e coturnos exclusivos. São

diversas cores e modelos diferentes, que

atendem a todos os estilos.

Rosângela trabalha na gestão de

algumas escolas municipais de Lages.

Ela conta que por trabalhar na área da

educação, sempre teve certa autonomia

para criar, inventar aulas dinamizadas e

sempre gostou de inovar, sair do lugar

comum. Por isso partiu dela a criação da

primeira alpargata customizada e o início

de tudo. “Falta pouco para eu me aposentar.

Brianna e eu sempre conversávamos

sobre minha vontade de ser empreendedora,

de depois que terminar minha

jornada na educação querer continuar,

me sentir útil”, relembra.

“A Encantada”, como carinhosamente

a mãe e a filha batizaram o primeiro

calçado, foi feito com um retalho de

paetê de um vestido de Brianna. Depois

que Brianna viu a alpargata criada por

Rosângela, foi a uma festa calçando o

modelo e chamou a atenção de várias

amigas. “Elas adoraram e me pediram

para fazer. Então decidimos fazer cinco

pares e vender. Depois, muitas pessoas

queriam e contratamos um sapateiro.

Durante um mês fizemos 50 alpargatas e

todas foram vendidas”, relembra.

Crescimento

Com o desafio lançado, mãe e filha compraram

quatro máquinas e junto com

mais quatro profissionais começaram

a produzir os pedidos. Rapidamente a

procura foi crescendo e surgindo oportunidades.

A primeira foi a compra de

todo o maquinário de uma fábrica de

calçados de Anita Garibaldi. “O antigo

proprietário fez uma boa proposta e eu

pude comprar. A partir daí, eu e Brianna

mudamos para uma casa maior e montamos

o primeiro Ateliê em uma das salas”,

conta Rosângela.

Elas abriram uma Micro Empresa Individual

(MEI), fizeram empréstimos a juro

zero, tudo com ajuda do SEBRAE, do

Banco da Família e do Programa Em-


preender Lages. “Essas três instituições

foram fundamentais para darmos nosso

pontapé inicial. Fomos crescendo aos

poucos e sem esperar tanto retorno,

porque era uma pequena empresa. A cada

dia que passava tínhamos mais vendas,

muitas vezes nosso problema foi a

produção. Mas conforme as pessoas iam

conhecendo o modo do nosso trabalho

e como fazemos, elas iam entendendo a

diferença entre um ateliê e uma fábrica,

que nosso trabalho é artesanal, há

um processo de montagem”, descreve

Brianna.

Artesanal, sustentável e social

A Santíssima Catarina é uma marca artesanal,

pois nem a etiqueta é comprada,

tudo é feito no próprio Ateliê. Elas queimam

o couro para assinarem as peças. Os

tecidos para produzir os calçados são as

sobras de algumas marcas conhecidas.

A marca é sustentável, pois tenta

não gerar lixo. Os resíduos químicos que

porventura são gerados são usados para

fazer floreiras e os secos são encaminhados

para a Alpa (Associação Lageana de

Proteção aos Animais), onde são feitas

almofadas e roupinhas para pets.

médicos de uma menina que está com

um tumor.

Peças únicas

Os calçados são exclusivos, pois o intuito

não é uma produção em massa e sim

fazer peças únicas. “Não almejamos ter

muitas peças. Queremos fazer o diferente

e é por isso que atraímos tantas pessoas.

Tenho clientes que trouxeram a manta

da avó e fizemos uma bota. Bem como

temos casos de pessoas com joanete e

outros problemas e moldamos esses calçados

à necessidade e ao gosto de cada

um”, descreve Brianna. Ela ressalta que

elas trabalham com sonhos e não com

a última tendência da moda. “Fazemos

algo humanizado, tentamos resgatar ou

projetar aquilo que nossos clientes mais

desejam e tornamos isso real”, comenta.

Empresa de uniformes

Em outubro do ano passado, as empresárias

adquiriram a empresa Josi Uniformes.

Hoje as duas empresas se unificaram e contam

com 16 funcionários ao todo. O ateliê

e a fábrica de uniformes ficam no bairro

São Cristóvão. Rosângela citou que foi

oferecido para elas a Josi, justamente pela

forma como elas trabalham. “A proprietária

anterior falou que gostaria que a gente

colocasse nosso toque aqui e repaginasse

tudo. O uniforme tem sua especificidade

de uniformizar. Mas não precisa necessariamente

que seja todo mundo igual. A

gente gosta da personalização. Então continuamos

com a mesma qualidade da Josi.

Ficamos com a fábrica inteira, com todos

os funcionários, máquinas e matéria prima.

Mas estamos dando essa nova cara, que é

a mesma da Santíssima, de personalização,

de detalhes”, conclui Rosângela.

2627

revista visão mai. 15

A empresa também quer olhar para

o lado social. Por isso, todos os meses

uma ação em prol de alguma causa será

executada. No mês de abril, uma rifa

sorteando uma alpargata foi feita, para

arrecadar fundos para pagar os custos

Brianna Betina Pelegrini e

sua mãe Rosângela Cordeiro


28 29

revista visão

mai. 15

Um guia rápido para curiosos

muito bem informados

Curiosidade

Japoneses criam cebola

que não faz chorar

Uma empresa japonesa

criou uma cebola que

ao ser cortada não

faz chorar. O House

Foods Group conseguiu

criar uma variedade

antilágrimas bloqueando as enzimas que

produzem os compostos que fazem os

cozinheiros cair aos prantos. A empresa

não indicou quando começará a

comercializar essa cebola. Em 2013,

os cientistas da House Foods Group

venceram o “Prêmio Ig Nobel”

da Universidade de Harvard

pela descoberta do processo

bioquímico responsável por

fazer uma pessoa chorar ao

cortar uma cebola. A House

Foods se concentrou nas

enzimas da cebola por se

tratar de um ingrediente

muito utilizado na cozinha

japonesa.

Curiosidade

Urina de vaca é

saudável(!?)

Significado: Chorar

muito até os

olhos ficarem vermelhos,

parecendo duas

pitangas.

Histórico: Pitangas são

deliciosas frutinhas cultivadas

e apreciadas em

todo o país, especialmente

nas regiões Norte

e Nordeste do país.

A palavra deriva de

pyrang, que, em

tupi-guarani,

significa vermelho.

Embora você e eu achemos isso absurdo

e extremamente nojento, não é de hoje

que os indianos utilizam urina de vaca

para fins terapêuticos, em particular entre os

adeptos da medicina ayurvédica, uma tradição de saúde praticada

pelos hindus há mais de 5 mil anos. É claro que muitos indianos

preferem não beber, e foi pensando nisso que a RSS desenvolveu um

refrigerante chamado Gomutra Arka, que é feito com o xixi das vacas

virgens. Por lá, a bebida é promovida como um “refrigerante saudável

para consumo diário”. Eles pregam como

uma alternativa à Coca-Cola, Pepsi

e outros refrigerantes, que são vistos

como parte de um problema mais amplo,

de influências ocidentais corruptas.

O RSS amparado por um estudo recente,

afirma que seu refrigerante é uma

opção terapêutica para diabéticos.

Elas surgem por causa dos

melanócitos, e sim, são um

câncer! Mas calma, é benigno.

Existe uma camada mais fina

da pele, a mais externa, chamada

epiderme. E logo abaixo

dessa camada temos as células

que produzem a melanina, que dá cor à nossa pele.

Acontece que em algumas pessoas esses melanócitos

se aglomeram em pequenas regiões abaixo da epiderme,

o que provoca essa coloração mais escura a que

chamamos de “pinta”. Para ver o nível da gravidade de

sua pinta, é só seguir a regra do ABCD. Analise a sua

pinta e fique de olho nos seguintes

itens:

Expressão do mês

Chorar as pitangas

Curiosidade

O que são as pintas?

E como elas surgem?

As amêndoas

pertencem à mesma família

de plantas que os pêssegos;

Os seres humanos perdem

— em média — 200

fios de cabelo por dia;

As Ilhas Falkland

(Malvinas) contam com

uma população de 2 mil

pessoas e mais de 700

mil ovelhas!

Assimetria, borda irregular,

cor variável, diâmetro

maior que 6,0 mm. Em

caso de dúvidas, consulte

um médico!

O músculo mais

poderoso do corpo

humano — em

proporção ao seu tamanho

— é a língua;

Cuba é a única ilha

do Caribe a contar

com linhas de trem;

Shots


ESTUDAR PARA FAZER A DIFERENÇA!

ENCONTRO NACIONAL DE DIRETORES E ASSOCIADOS

À OMB (ORGANIZAÇÃO MONTESSORI DO BRASIL)

Todos os anos a OMB – Organização

Montessori do Brasil reúne os diretores

de escolas associadas e demais associados

para aprofundamento de seus estudos e, periodicamente,

realiza uma assembleia onde

se revisam e se atualizam os propósitos da

OMB. Da mesma forma, realiza anualmente,

o Encontro Nacional de Educadores, este

programado para acontecer em setembro de

2015 na cidade de Juiz de Fora, MG.

O Colégio Sigma mais uma vez se fez

presente com a participação ativa em todos

os trabalhos e estudos de Neide Gugelmin,

Diretora do Colégio e Rita Ramos, Assessora

Pedagógica.

De 10 a 12 de abril realizou-se em Balneário

Camboriú, SC, o 2º Encontro Nacional

de Diretores e associados das Escolas

Montessorianas. A Comissão Cientifica

destacou-se com a apresentação do estudo

sobre a importância do lúdico na aprendizagem,

com o auxílio dos jogos e uma reflexão

com o ambiente preparado na Ed. Montessori.

O artigo de Angeline Lillard, PhD

pela Univ. de Stanford e Profª na Univ. de

Virginia no laboratório de Desenvolvimento

Infantil foi a referência para o estudo. Sua

opinião acerca das formas de trabalhar em

prol do melhor desenvolvimento da criança

são especialmente relevantes.

... A brincadeira guiada ocorre quando

o adulto quer conduzir a criança para um

conhecimento específico de maneira descontraída

alegre e divertida; frequentemente

envolve o uso de brinquedos

/ jogos específicos com

os quais a criança interage

para ganhar conhecimento.

O adulto que supervisiona /

observa a criança de perto

e faz perguntas que auxiliam

a aprendizagem, mas, assim

como na brincadeira livre,

respeita o interesse e ritmo

da criança. Contrastando, a

instrução didática é centrada

no professor e no seu ritmo,

envolvendo mais escuta de

palavras do que o trabalho

Atividade de vida prática com objetos.

Pesquisas recentes apontam que a

aprendizagem lúdica é uma excelente abordagem

para auxiliar as crianças (Alfieri et

al. 2010).

Se o nosso olhar estiver direcionado

para os pontos mais altos do currículo e

das expectativas de comportamento essas

atividades parecem estruturadas.

Montessori assemelha-se à Aprendizagem

Lúdica em vários aspectos – em uma

sala de aula, uma rotina diária constitui um

aspecto da estrutura geral. Outro ponto é o

nível da estrutura própria de cada atividade

dada. Envolve liberdade com estrutura

e estrutura com liberdade. O princípio mais

abrangente almeja que o comportamento

da criança seja construtivo para seu desenvolvimento

– e para a comunidade. Montessori

tem um conjunto de lições e materiais

para cada nível de sala de aula e para as

matérias (matemática ou música, por exemplo),

professores apresentam os materiais

em uma sequência bem ordenada. Uma

criança pode optar por lavar a mesa, mas

existem passos específicos que devem ser

seguidos para realizar essa tarefa: carregar

um tapete para a mesa, levantar a mesa

sobre o tapete, encher o balde até um determinado

nível de água e adicionar certa

quantidade de sabão, carregar o balde e os

materiais de lavar para o tapete, colocar a

esponja na água, espremê-la, utilizando o

movimento ensinado para tal, limpar a mesa

da esquerda para direita (replicando a direção

necessária para a escrita), enxugar a

mesa com uma toalha (da esquerda para a

direita) e assim por diante, bem estruturado.

Na estrutura geral, a educação Montessori

se assemelha à aprendizagem lúdica.

As salas de aula estão repletas de materiais

elaborados para a manipulação no

curso da aprendizagem de todas as áreas

do conhecimento. Portanto, assim como a

aprendizagem lúdica, a Educação Montessori

envolve objetos, tipicamente autocorretivos,

o que nem sempre está presente

nos objetos da aprendizagem lúdica. O ambiente

científico requer o estudo e o olhar

do especialista que deverá estar preparado

para explorar todas as possibilidades para

o desenvolvimento da criança.

Estudo de Matemática - A criança passa pelo material

concreto para chegar na abstração

Neide Bunn Gugelmin

Diretora do Colégio Sigma


VOLUNTARIADO revista visão mai. 15

30 31

HÁ 19 ANOS

AJUDANDO

PESSOAS A SE

LOCOMOVEREM

Aos 76 anos, Erci Luduvichack, é um grande

exemplo de que disposição para fazer o bem não

tem idade. Funcionário público federal aposentado,

ele é membro do Rotary Club Lages, coordenando

o programa de doação de cadeiras de rodas. Com

ajuda da instituição, ele já conseguiu viabilizar 300

cadeiras de rodas para pessoas necessitadas.

LIANA FERNANDES

Tudo

começou em 1995, quando Erci foi visitar um

amigo rotariano, que era Coronel da Polícia

em Jaraguá do Sul. Lá ele percebeu uma grande quantidade

de bicicletas apreendidas. “Eu sabia que no presídio de São

Cristóvão do Sul havia detentos que faziam uma cadeira de

rodas através de três bicicletas. Pedi algumas e ele me deu 70,

então paguei um furgão para levá-las até São Cristóvão do

Sul”, conta.

Depois de chegar com as bicicletas, Erci recebeu uma relação

do material que seria necessário para fazer o acabamento

das cadeiras de rodas. Os valores sairiam mais altos do que

comprar uma cadeira de rodas nova. Então a ideia de produzir

as cadeiras a partir de bicicletas acabou ficando de lado.

Uma ação por dia

Erci começou então a comprar as cadeiras de roda em Rio do

Sul, até que um dia, ele fez contato direto com a fábrica, em

Curitiba. Foi até lá, inscreveu o Rotary Club Lages e passou

a obter as cadeiras pela metade do preço. “Eu tinha uma

caminhonete, e cada vez que ia a Curitiba, o carro voltava

lotado”, diz.

O aposentado se apresenta às instituições, como Hospital,

Pronto Socorro, entre outras e se coloca à disposição

para ajudar. “Sempre tenho cadeiras de rodas. Eles me ligam,

me passam o endereço e eu levo na casa da pessoa que ne-


cessita. Eu entrego, se tem alguma estragada,

conserto. E vamos levando. Até

que Deus me dê saúde, eu vou continuar

trabalhando”, destaca.

Ele se lembra de muitas das entregas

de cadeiras de rodas que fez, ao longo

desses quase 20 anos, mas se emociona

ao citar uma. “A situação do Dico (J.

Amarante, locutor da Rádio Clube), era

de cortar o coração da gente, ao ver a

mulher dele levando-o sempre no colo...

Então mandamos vir uma cadeira motorizada

para ele lá de Pelotas. Fizemos

a entrega com uma festinha no Clube

dos Oficiais, foi emocionante para todos

nós”, conta.

Erci foi o pioneiro junto ao Rotary

Club Lages na doação de cadeiras de rodas,

tendo entregue cerca de 300 unidades

em toda a cidade. “Não vamos parar

por aí. Minha função é essa: servir. Gosto

de ajudar, acho que nasci para isso. Pratico

o Rotary todo dia. O lema do rotariano

é fazer uma ação por dia, mas se

eu puder fazer mais de uma, não meço

esforços”, afirma.

Rotary Club Lages

Célio Vassen, Presidente do Rotary Club

Lages, destaca que o programa de cadeiras

de rodas, é um entre outros, desenvolvidos

pelo Rotary. “O seu Erci

coordena essa área e o faz muito bem”,

salienta.

Na gestão de Célio, de junho de

2014 a junho de 2015, a meta é entregar

50 cadeiras de rodas. As instituições

precisam ter a quantidade adequada de

cadeiras de rodas para atender à grande

demanda de pacientes que recebem

diariamente. “Quando chega um paciente

para ser atendido, não há como sair

à procura de cadeira de rodas dentro de

um hospital. Quanto mais cadeiras, melhor.

Esse é o nosso trabalho, se não resolvemos

o problema todo, minimizamos

um pouco. Estamos contentes por isso”,

explica Célio.

Doação para o hospital

Irmã Ernestina Pereira conta que as cadeiras

são muito utilizadas não só na

condução de pacientes pelo hospital, como

para locomoção externa, em clínicas

próximas à instituição. O Hospital Nossa

Senhora dos Prazeres recebeu recentemente

do Rotary Club Lages mais cinco

cadeiras de rodas. “Temos muito doentes

e às vezes não temos cadeiras para levá-

-los aos exames. Atos como esses engradecem

o trabalho no hospital”, destaca.

Canísio Isidoro Winkelmann, Diretor

Administrativo do Hospital Nossa Senhora

dos Prazeres, explica a importância

das doações das cadeiras de rodas para a

instituição. “O recebimento das cadeiras

qualifica o atendimento e a mobilidade.

Atendemos muitos pacientes graves, com

dificuldades de locomoção. Pelo protocolo

preconizado na OMS, todo paciente

que chega ao hospital, da recepção em

diante, deve ser conduzido por cadeira

de rodas ou maca. Seguir à risca esse

protocolo seria o ideal, infelizmente não

é seguido aqui no Brasil”, explica.

Atualmente, contando com as últimas

doações recebidas através do Rotary,

o Hospital possui 19 cadeiras de rodas

ativas.

3031

revista visão

mai. 15

Erci, através do Rotary doou 19 cadeiras ao Hospital Nossa Senhora dos Prazeres


HABITAÇÃO revista visão mai. 15

32 33

LORENO SIEGA

DIVULGAÇÃO

Mais famílias de Lages

realizaram na sexta-feira

(10/04) um de seus maiores

sonhos: ter uma casa própria.

No começo da tarde, foram

entregues as residências

do condomínio residencial

Pedro Filomeno de Abreu

(ex-vereador de Lages,

falecido em 1999), no bairro

Pró Morar. As casas foram

construídas com recursos

do Governo Federal, pelo

programa Minha Casa Minha

Vida, operacionalizado

numa parceria entre a Caixa

Econômica Federal e a

Prefeitura de Lages.

300 FAMÍLIAS DE LAGES

RECEBEM CASAS POPULARES

O

investimento na construção das residências

foi de R$ 15,8 milhões. E

as famílias pagarão apenas uma pequena

parcela do investimento, em suaves e longas

prestações (valores variam de R$ 55,00

a R$ 150,00 por mês – durante 10 anos).

As casas têm 44 m² de área construída,

com dois quartos, sala, cozinha e banheiro.

Além disso, há toda uma área conjunta

(cercada e com ruas e amplo espaço) no

entorno das casas geminadas, que também

será usada pelos moradores.

O Superintendente da CEF, Robert

Kennedy Lara da Costa, presente à solenidade,

informou que apenas em Lages o

Programa Minha Casa Minha Vida já entregou

mais de dois mil apartamentos ou

moradias populares. “Representa mais de

R$ 200 milhões em investimentos apenas

com esse programa em Lages, algo que

nunca havia sido feito nesta magnitude”,

informou. “A casa própria é talvez a maior

necessidade e aspiração do brasileiro. E

esses lageanos, agora, vão morar em uma

casa boa, pagando muito pouco por isso”,

acrescentou.

Outras melhorias no bairro

O vereador Adílson Appolinário, presidente

da Câmara, lembrou que além das

moradias, naquele local, um pouco acima,

foram entregues há pouco mais de dois

anos, mais 240 apartamentos (Condomínio

Valentin Elisboa Anacleto – Tozzo). E que

isso exigiu do poder público outros importantes

investimentos já que apenas naquele

local são 540 novas famílias. “Inauguramos

há pouco tempo uma nova Unidade

Básica de Saúde. Junto com o Governo Federal,

estamos construindo uma moderna e

grande creche, que atenderá 250 crianças

e que logo também vai ficar pronta. E assinamos

a Ordem de Serviço para construir

um novo reservatório de água com capacidade

para 300 mil litros para que não falte

água para esses moradores. Além disso, já

adquirimos terreno e vamos construir também

uma nova escola municipal, próximo

à nova creche, que garantirá mais 250 vagas

no Ensino Fundamental”, acrescentou.

O prefeito Toni Duarte agradeceu

a CEF e ao Governo Federal pelas várias

parcerias com Lages. “Essas obras todas

que estão vindo para Lages através do

Governo Federal não é para agradar a

Prefeitura. Mas para beneficiar diretamente

as famílias e os lageanos. Então, nós

agradecemos. E assim como essas famílias

hoje vão morar em suas próprias casas,

novinhas em folha, temos muita gente na

fila que ainda precisa da sua moradia e

de outras melhorias. Por isso, queremos e

precisamos que essas parcerias continuem

e sejam ampliadas”, argumentou o prefeito

para o superintendente da CEF. “Nós

pedimos que os moradores beneficiados

valorizem e cuidem muito bem destes

imóveis. E que sejam muito parceiros e

amigos dos vizinhos já que vão viver num

condomínio. E para que tudo funcione

bem, é importante que todos ajudem e

contribuam”, falou Toni.

Toni, prefeito interino entregando

as chaves a um morador


Respeite os limites de velocidade. Ofertas válidas para o mês de maio/2015.

FAÇA PARTE DE UMA REVOLUÇÃO

Venha conhecer o Honda HR-V na Tokio.

OFERTAS

DA OFICINA

HONDA

Troca de óleo e filtro R$189,90

Kit multimídia para todos os modelos Honda

Desconto de 50% na Mão-de-obra

para veículos fora da garantia

Higienização do ar condicionado com

filtro para todos os modelos R$139,90

Lages Av. Duque de Caxias, 995 49 2101.0770

Rio do Sul Al. Aristiliano Ramos, 1045 47 3531.7100

www.tokioveiculos.com.br f/tokio.veiculos


Viva as mamães!

GUGU GARCIA

SUELY MIYAKE

gente@revistavisao.com.br

Pessoas são nossas maiores riquezas

Por trás

dos seus olhos, verdade. Por trás

do seu abraço, ternura. Por trás

das suas palavras, sabedoria. Por trás do seu sorriso,

beleza. Com ela por perto, a vida tem um colorido

especial. Feliz Dias das Mães a todas as mulheres que

foram abençoadas com a maternidade!

Beijos, Suely.

34 35

foto | Gugu Garcia

revista visão

mai. 15

Luciane Ávila de Oliveira e Junior Claumann, com o Diplomata cheio de alegria: Analu, Alice e Augusto

foto | Gugu Garcia

Francisco Soares Pereira veio ao mundo para mudar

a vida dos papais Vanessa e Andrei

Nilda, Eluza Correa Branco e Marlene Aparecida Branco festejando com a Vó Lorena


foto | Gugu Garcia

foto | Gugu Garcia

A tão esperada Maria Luiza sem dúvida será muito paparicada

pela mãe Elaine Peireira Carvalho e pelo papai Luiz Ficagna Junior

Os gêmeos Victor e Eva comemorando o 1° aninho ao lado dos papais

Fernanda e Lizandro e da vovó Neuza Moreira Franco

foto | Gugu Garcia

3435

revista visão mai. 15

Flora (dir.) com sua equipe da Colours Club está

arrasando no novo espaço. Sucesso meninas!

Gabriela segurando o sapatinho da mana Isadora.

Fabiana e Junior Broering preparem-se para os mimos!

foto | Gugu Garcia

Um dia especial para Bruna Marin Peluso e Diego Silva de Oliveira,

comemorando suas bodas com familiares e amigos

Alícia de Bem Fernandes só trazendo alegria para os casal Bruna e Thiago


INFOVISÃO

36 37

revista visão

mai. 15

Veja notícias atualizadas diariamente

portal.revistavisao.com.br

Dia 16 de maio tem o II

Desafio Semasa na Carahá

As inscrições para o 2º Desafio Semasa na Carahá de Corrida

e Caminhada foram abertas no dia 15 de abril. Em pouco

mais de 10 dias os inscritos já ultrapassavam a marca dos 1.000.

Desafio acontece no dia 16 de maio e as inscrições são gratuitas,

ilimitadas e podem ser feitas através do site corridaecaminhadalages.com.br.

Faltam poucos dias para o evento, que já se

destaca como o maior da região para o incentivo da prática de

atividades físicas. Estão registrados participantes de 22 cidades,

incluindo Maringá (PR), Embu das Artes (SP), Florianópolis e

Itajaí (SC) e municípios da região. “Nosso objetivo é fomentar a

prática de exercícios e se de todos os inscritos pelo menos dez

incluírem a atividade física no seu cotidiano, o evento já terá

valido a pena”, afirma Álvaro Mondadori (Joinha), um dos organizadores.

As primeiras mil pessoas que garantirem inscrições

receberão um kit com camiseta do evento e sacolas sustentáveis

e as primeiras mil que cruzarem a linha de chegada receberão

medalha de participação.

CTG Barbicacho Colorado

conquista vários prêmios

Festival Nacional da Cultura Gaúcha aconteceu nos

O dias 18 e 19 de abril, em Pinhal da Serra (RS). E reuniu

CTGs de várias cidades de Santa Catarina e do Rio Grande

do Sul. O Centro de Tradições Gaúchas Barbicacho Colorado,

de Lages, foi o grande campeão geral da 5ª etapa do XIV

Festival Nacional da Cultura Gaúcha. O CTG obteve o maior

número de pontos nas premiações nas categorias de danças

artísticas tradicionais, chula, declamação, gaita e solista vocal.

O destaque ficou por conta da invernada adulta, que se

classificou em 1º lugar. No ano passado o Barbicacho foi o

grande campeão geral do Festival na edição de 2013/2014.

O Festival Nacional da Cultura Gaúcha é uma promoção do

COFAT - Comitê Organizador de Festivais de Arte e Tradição

e o objetivo é promover a integração da cultura gaúcha e catarinense

através do canto, da poesia e da dança. A próxima

etapa do festival acontece na cidade de Turvo (SC), no início

de maio. A última etapa acontece em setembro na cidade de

Canoas (RS), e os vencedores na soma de pontuação total

recebem indicação para participar de festivais de folclore na

Europa, na qualidade de representantes oficiais do COFAT.

Uma oportunidade

de divulgar e difundir

ainda mais

o tradicionalismo

do sul do país em

todos os cantos do

mundo.

Bicicletário é instalado

no centro de Lages

partir de agora os ciclistas terão um local apropriado para

A deixar suas bicicletas em segurança na área central de Lages.

Com o objetivo de incentivar o uso, a prática de atividade física

e ainda melhorar a mobilidade urbana e amenizar a poluição,

a prefeitura é parceira de um projeto do Serviço Social do Comércio

(Sesc). O primeiro paraciclo ou bicicletário (suporte físico

onde a bicicleta é presa) em área pública de Lages foi implantado

na manhã da quinta-feira (23/04) na Rua Nereu Ramos, próximo

ao calçadão da Praça João Costa, a área com maior fluxo de

pessoas na cidade. O que se tem percebido é que cada vez mais

pessoas usam a bicicleta como meio de transporte, principalmente

para o trabalho. A construção de faixas de ciclovias na cidade

incentiva a prática e esse é um conceito que a administração

municipal está tentando fomentar. A implantação dos biciletários

na cidade é um trabalho em conjunto com o Sesc, secretarias

municipais de Planejamento e Infraestrutura e a Diretoria de

Trânsito (Diretran). “Estamos dando uma demonstração prática

daquilo que vimos pregando

desde o início da

gestão. É muito importante

que a população

aprenda que o espaço

e a cidade precisam ser

inclusivos para todos”,

comenta o secretário

de Planejamento, Jorge

Raineski.

Fernando Leão fará pré-estreia do

longa “Da Serra ao Seridó” em Lages

olhar do cineasta Fernando Leão sobre a cultura e as particularidades

dos moradores da Serra Catarinense e do Sertão Poti-

O

guar, no Rio Grande do Norte, vai ser apresentado ao Brasil, no dia 9

de maio, pelo documentário “Da Serra ao Seridó – Vivências de um

Brasil de Contrastes”. O longa-metragem apresenta as semelhanças

entre duas localidades geograficamente distantes, mas muito próximas

pelas tradições e costumes de seus povos. Lages, no interior

de Santa Catarina, fica a quase 3,5 mil quilômetros de distância da

cidade de Caicó, no Rio Grande do Norte. A distância que separa as

duas cidades não é empecilho para que populações com vivências

tão contrastantes, sejam cheias de semelhanças. Seja um tropeiro

serrano ou um vaqueiro do sertão, seja os artistas que

pintam as paisagens de cada local, ou as benzederias e

curandeiras, cada personagem retratado no longa carrega

consigo partes que contribuíram para a construção cultural

de suas regiões. “Acho importante os espectadores

conhecerem as vivências desses personagens através de

suas memórias. Trabalho um documentário de memória,

onde aquilo que a pessoa vive se torna latente através de

seus gestos, formas de se expressar e mais. É o momento

de ouvir o outro e perceber o quanto nossas experiências

são humanas e nossas riquezas estão contidas dentro de

nós mesmos.”


Volpato anuncia instalação de

Centro de Distribuição em Lages

prefeito interino Toni Duarte, juntamente com os representantes

do grupo de lojas Volpato, assinou o protocolo

O

de intenções para a instalação do Centro de Distribuição Comercial

e Importadora da empresa. A solenidade aconteceu na

tarde de quarta-feira (22/04). Lages foi escolhida para receber o

Centro de Distribuição da rede. Instalada há 40 anos no município

de Lagoa Vermelha (RS), possui um faturamento anual de

R$ 200 milhões, havendo mais de 70 lojas espalhadas por Santa

Catarina e Rio Grande do Sul. A empresa será instalada na antiga

estrutura do grupo Batistella, às margens da BR-116. De

acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho

e Renda, Juliano Chiodelli, com a assinatura do protocolo

de intenções o município se compromete a oferecer incentivos

fiscais e econômicos ao grupo. Para a transferência do Centro

de Distribuição para Lages, os investimentos da empresa giram

em torno de R$ 1 milhão somente

para a adequação da estrutura. Dentro

dessa estrutura, conforme explica

o superintendente do grupo, Cristiano

Volpato, estará todo o estoque de

mercadorias para atender as mais de

70 lojas da rede. “Somando todos os

investimentos, os valores ultrapassarão

R$ 10 milhões”, diz.

Lages recebe em maio

Festival Food Truck

Os Food Trucks (gastronomia sobre rodas) são sucesso por

onde passam. A moda que recentemente chegou ao Brasil

está se espalhando por todo país e Lages não poderia ficar de

fora. O Centro Serra irá receber nos dias 9 e 10 de maio o maior

evento gastronômico itinerante, o Food Truck. Traduzido do

inglês: “Caminhão de Comida”. São verdadeiros restaurantes

sobre rodas, que levam suas cozinhas itinerantes para qualquer

lugar, oferecendo pratos elaborados, com uma pegada gourmet.

A organização é uma parceria entre a associação de Food

Trucks de Florianópolis com o Centro Serra em Lages e outras

associações como Curitiba e Porto Alegre. A coordenadora do

evento, Viviane Della Giustina, comenta que serão mais de 20

caminhões de comida. “Estamos trazendo a Lages essa novidade

gastronômica, ela já passou por várias cidades como Florianópolis

que teve a visita de 40 mil pessoas e Blumenau que em

18 horas chegou a 55 mil pessoas experimentando as delícias

preparadas pelos 20 caminhões”. A expectativa da organização

é que cerca de 15 mil pessoas prestigiem a primeira edição do

Festival em Lages, que

terá entrada gratuita.

O Horário é das 11h às

22h. E nos dois dias do

evento, o público poderá

aproveitar para conhecer

pratos das mais

diversas cozinhas.

Midilages inaugura terceira

ampliação em Lages

Governador Raimundo Colombo; o presidente da SC-Par,

O Paulo Cesar da Costa; presidente do CIASC, Roberto Amaral;

prefeito em exercício Toni Duarte, entre várias outras autoridades,

estiveram em Lages na terça-feira, 28 de abril. Eles participaram na

Uniplac da inauguração de novos laboratórios implantados naquela

instituição (que serão utilizados pelos cursos de Engenharia – investimentos

próximos a R$ 2 milhões), além da terceira ampliação

do Midilages (Micro Distrito de Base Tecnológica de Lages),

na prática a primeira e até agora única incubadora de empresas da

Serra Catarinense. O Midilages foi inaugurado em maio de 2005.

Portanto, no próximo mês vai completar 10 anos. Neste período, já

teve uma ampliação (há cinco anos). E agora inaugura uma terceira

ampliação do espaço físico, com mais 268 m² de área construída,

também edificada com madeira tratada (anexo à estrutura existente),

que teve um investimento total de R$ 550 mil. O professor,

fundador e que esteve à frente do Midilages até há bem pouco

tempo (atualmente presta apenas consultoria àquela instituição),

Carlos Eduardo de Liz, informou que atualmente são 23 empresas

incubadas no projeto, que juntas representam 62 empregos diretos

(de alto nível). “Teremos vaga para mais 8 ou 9 empresas no novo

espaço. E já temos até fila de espera”, comemorou. “São empresas

na sua maior parte concebidas por alunos egressos das várias instituições

de ensino superior e/ou técnico de Lages. E muitas delas

com produto inovador e de

alto valor agregado. Aqui

dentro já temos empresas

com até 20 funcionários.

E várias delas já estão no

mercado”, contou Caco de

Liz.

Deputado Gabriel Ribeiro apresenta

escritório de Lages para a imprensa

Com o objetivo de facilitar mais o acesso da população e das

lideranças de Lages e região ao seu trabalho de representação

política da região da Serra Catarinense, o deputado estadual Gabriel

Ribeiro (PSD) conta a partir de agora com um escritório em Lages.

Localizado no Edifício Azteca, salas 707 e 708 (anexas), o deputado

apresentou o escritório e os servidores que trabalharão no local no

dia 13 de abril à imprensa de Lages. “Nas terças, quartas e quintas-

-feiras são os dias em que temos sessões na Assembleia. E nestes

dias estamos lá em Florianópolis, com atendimento no gabinete da

Assembleia. Enquanto isso, a equipe aqui de Lages fará os trabalhos

da cidade e região a partir daqui deste escritório. E nas segundas

e sextas-feiras, à medida do possível porque também teremos

compromissos em outras

cidades, estaremos atendendo

aqui. Fica mais fácil

para prefeitos, vereadores e

lideranças agendarem suas

visitas aqui do que irem

até Florianópolis”, argumentou

Gabriel Ribeiro.

3637

revista visão

mai. 15


REGIONAL revista visão mai. 15

38 39

Veja notícias atualizadas diariamente

portal.revistavisao.com.br

Parque de Exposições de Anita

Garibaldi custou cerca de R$ 1 milhão

Exatos 21 anos depois, foi inaugurado na tarde de sábado

(18/04), o parque de Exposições Euclides Granzotto, em

Anita Garibaldi. O descerramento da faixa e da placa do pavilhão

de remates e a 10ª Feira do Terneiro com venda de 511

animais prenunciou a retomada de investimentos da pecuária

do município. Mais de 300 pessoas, especialmente compradores

de outros municípios, prestigiaram o evento que para

o prefeito Ivonir Fernandes da Silva, foi sucesso absoluto.

“As feiras de gado eram um compromisso com os pecuaristas

e um anseio da população. Foram cerca de R$ 1 milhão

em investimentos do estado, federal e contrapartida do município”,

disse o prefeito. A próxima etapa de melhorias do

parque será a construção de churrasqueiras e banheiros públicos,

além de uma dependência à parte para um caseiro que

ficará responsável pela manutenção e limpeza do local. Além

do novo pavilhão de

remates e do centro

de eventos, o parque

de Exposições Euclides

Granzotto conta

com 105 mangueiras

com capacidade para

abrigar mais de 1.200

animais.

Cadastro Ambiental Rural será

intensificado nos municípios da Amures

Um plano de ação regional para intensificar os registros

do Cadastro Ambiental Rural (CAR), nos 18 municípios

da Serra Catarinense, começou a ser preparado pela Polícia

Ambiental, Epagri, Amures, prefeituras, Udesc, Uniplac, sindicatos,

associações e pela Secretaria Regional de Lages e de

São Joaquim. O plano vai auxiliar especialmente as propriedades

enquadradas na agricultura familiar. A reunião para

discutir as estratégias de ação aconteceu no auditório da

Amures, coordenada pelo gerente de comunicação da SDR

de Lages, Pablo Gomes e pelo comandante da Polícia Ambiental,

capitão Frederick Rambusch. A meta é até final de

setembro levar capacitações e passar em todos os municípios

orientando e esclarecendo sobre o registro do CAR. Com auxílio

de estudantes da Udesc e Uniplac, será feita triagem de

atendimentos sem custos aos produtores rurais. Quem não

fizer o CAR pode sofrer restrições como não realizar operações

de crédito. Na região da Amures, são 28.191 imóveis

rurais que são obrigados a fazer o CAR.

Festa da Madeira de Otacílio

Costa foi cancelada

prefeito de Otacílio Costa, Luiz Carlos Xavier (Tio Ligas),

O reuniu a imprensa na manhã de terça-feira (14/04), para

anunciar um pacote de medidas para conter gastos e evitar demissões.

Parte das medidas já está valendo e outras passam a vigorar

por decreto, a partir de primeiro de maio. O cancelamento

da Festa da Madeira em comemoração aos 33 anos de emancipação

do município, em abril, foi a primeira medida anunciada.

“A prefeitura é a maior empregadora de mão de obra, com cerca

de 930 colaboradores e demissões poderiam gerar um grande

impacto social negativo”, disse o prefeito. Ao lado do vice e

secretário da Saúde, Silvano Antunes, o prefeito reiterou que um

grande esforço será feito para evitar demissões. Só com o cancelamento

da Festa da Madeira, a previsão é economizar R$ 200

mil. Com redução de carga horária de funções gratificadas, comissionados

e de confiança, a

pretensão é economizar mais

R$ 150 mil por mês. “Somadas

às medidas de contenções

de gastos, creio que teremos

uma economia de R$ 250 mil

por mês”, reiterou o prefeito.

Campo Belo do Sul inaugura

Posto de Saúde Central

Ao menos três mil pessoas foram atendidas no sábado

(25/04), no primeiro Campo Belo em Ação, Saúde e Cidadania.

A Força Tarefa mobilizou ao menos 250 pessoas e teve

a estrutura montada na Escola de Educação Básica Major Otacílio

Couto. Serviços como confecção de CPF, título de eleitor,

carteira de identidade, carteira profissional e até distribuição de

mudas de árvores foram oferecidos à população, sem qualquer

custo. A prefeitura disponibilizou nove ônibus para transportar

as pessoas das comunidades do interior. O Campo Belo em Ação,

Saúde e Cidadania reuniu cerca de 25 entidades como Correios,

Casan, Coopercampos, Escolas, Pastoral da Saúde, Sesi, Senac,

Samu, Corpo de Bombeiros e entidades privadas que deram sua

contribuição para melhoria da qualidade de vida dos atendidos.

O evento teve até inauguração da estrutura do Posto de Saúde

Central, que foi ampliado em cerca de 400 metros. A secretária

de Saúde, Terezinha Branco Moraes, explicou que a nova unidade

de saúde passou a ter quase 800 metros quadrados. E o

desafio agora é equipar a unidade com modernos instrumentos

médicos. A deputada federal

Carmen Zanotto prestigiou

a inauguração do posto de

saúde e anunciou a liberação

de R$ 100 mil para ajudar

na aquisição de equipamentos.

O prefeito Edilson

José de Souza, disse que

este modelo de Força Tarefa

deve ser realizada ao menos

duas vezes ao ano.


PROGRAMA

TERRA BOA

O GOVERNO DE SANTA CATARINA INCENTIVA.

O AGRICULTOR CATARINENSE COLHE O SUCESSO.

Começou a primeira fase do Programa Terra Boa. São 310 mil toneladas de calcário, 220 mil sacas de semente de milho,

3.500 kits de forrageiras e 430 kits apicultura à disposição do agricultor catarinense, totalizando um investimento de

R$ 48 milhões. É o Governo de Santa Catarina apoiando o agricultor e trabalhando para o desenvolvimento do estado.

Procure a Epagri do seu município e prepare o terreno para crescer.


REGIONAL

4041

revista visão

Novas negociações para o curso de

Medicina na UFSC de Curitibanos

Comitiva da região de Curitibanos formada pelo Presidente

da Amurc, José Antonio Guidi, Secretário Roque

Stanguerlin (SDR de Curitibanos), Prefeita Sisi Blind (São

Cristóvão do Sul), Presidente da Câmara de Vereadores de

Curitibanos, Arcílio Alves; Presidente da ACIC, Amarildo Niles;

vereadora curitibanense Vilma Fontana Maciel e do diretor

do Hospital Hélio Anjos Ortiz, Marcelo Pasolini estiveram

em audiência com o Secretário de Estado da Educação, Eduardo

Deschamps. Na pauta, a reivindicação de dilatação do

prazo de cedência do CEDUP de Curitibanos à UFSC para assegurar

a instalação do Curso de Medicina da UFSC em Curitibanos.

O evento contou com a presença de Julian Borba,

Pró-reitor de extensão da UFSC e do Deputado Aldo Schneider,

que mediou as negociações com o governo do Estado.

A UFSC pretende utilizar, temporariamente, as instalações do

prédio do CEDUP para dar início ao Curso de Medicina. A

proposição requer o uso compartilhado das instalações físicas

do prédio. Segundo o Prefeito Dudão, “o Secretário Dechamps

classificou a proposição como ousada e geradora de

muitos benefícios à região. Disse que não haverá obstáculos

políticos ao pleito e que a

demanda depende apenas

de ajustes técnico-legais

e a ressalva para que seja

garantida estrutura para

cursos técnicos profissionalizantes

previstos para a

região.

Evandro Badin lança livro de

fotografias

jovem Evandro Carlos Badin, Diretor Executivo do Programa

Junior Achievement em Santa Catarina (uma metodo-

O

logia internacional que incentiva adolescentes e jovens a empreenderem)

- com uma grande contribuição no Estado ao longo

dos anos - lançou-se recentemente numa diferente seara:

um livro de fotografias. “Gosto de fotografar desde criança”,

explicou. “Sou amador. Nunca me aperfeiçoei profissionalmente

no assunto, embora tenha curiosidade e goste muito de ler

e aprender a respeito”, explicou. “Então, em minhas andanças

pelo Estado – e em viagens que faço – costumo fotografar tudo

o que vejo. Dessa paixão, tenho milhares de imagens. E imaginei

fazer uma seleção e produzir um livro”, contou. A obra

de Evandro, que foi lançada através do projeto de Incentivo à

Cultura (Lei Rouanet), através da Prefeitura de Florianópolis e

Fundação Franklin Cascaes, com apoio da empresa Flex Contact

Center, foi lançada há poucas semanas, em Florianópolis.

“O livro teve a participação de 214 diferentes pessoas, de 3 a

81 anos, de vários municípios do Estado e das mais variadas

profissões. Foram eles que deram nome a cada uma das 87

fotos selecionadas para a obra.

Assim, cada imagem tem diversos

nomes. Foi uma construção

coletiva. Daí o título do livro:

‘Nominando’”, explicou. Evandro

Carlos Badin esteve em Lages

enos visitou na redação da

Visão, trazendo um livro autografado

de presente.

Jovem de Ponte Alta lança primeiro livro

jovem Leonardo Bianchine Farias,

O filho do ex-prefeito de Ponte Alta,

Luiz Paulo Farias, mora em Blumenau

há vários anos. É formado em Educação

Física pela Universidade Regional de

Blumenau – FURB e Faculdade de Desporto

da Universidade do Porto/Portugal,

Especialista em Musculação e Condicionamento

Físico pela Universidade Gama

Filho, triatleta amador e agora escritor.

Em seu primeiro livro (um sonho que

sempre acalentou desde a infância), o

autor declara seu amor à profissão e aos

seres gigantes que passaram por sua vida,

oferecendo-lhe apoio e estímulo e que

influenciaram definitivamente a sua vida.

sua trajetória, percebeu as circunstâncias

que lhe permitiram alcançar o que queria

e da ordenação destes escritos surgiu

também a vontade de compartilhar seus

pensamentos. “Sempre observei que conseguia

fazer tudo se seguisse os passos

daqueles que alcançaram ou estavam

alcançando o sucesso, me apoiando em

ombros de gigantes”. Leonardo sempre

admirou aquelas pessoas que chegaram

onde queriam “e admiro ainda mais

quando essas pessoas são jovens. Se já

conseguiram chegar onde estão, sendo

tão novas, imagina o quão grandioso será

seu futuro”, comenta o autor, entusiasmado.

taria de ser assim também!’, ‘Será que

um dia conseguirei chegar onde ele chegou?’,

‘Será que posso ir além do que ele

foi?’. Muitas vezes é o que me pergunto”.

Inspirado em sua experiência o autor faz

uma forte relação com a liderança e a autoliderança.

O autor do livro: “Você viu um gigante

por aí?” começou a escrever em

rascunhos as ideias que surgiram durante

uma caminhada, no decorrer de uma aula,

uma conversa, uma viagem, e então,

as primeiras páginas foram ganhando

forma. Reuniu fatos que o ajudaram em

A provocação para escrever o livro

veio justamente de pensamentos que

se tornaram frequentes e sobre os quais

pautou os textos reunidos agora em forma

de livro: “Quantas vezes você olhou

para alguém e pensou: ‘Nossa, como ele

consegue fazer tudo isso?’, ‘Como gos-


mettaincorporadora.com.br

49 3226.1445

Sky

Rua Santa Cruz, 65 . Centro

Maquifer

Igreja da Santa Cruz

Morar bem é um privilégio que você pode desfrutar a partir de agora, conheça o

Residencial Alto da Serra, um edifício pensado para aliar o conforto à qualidade de vida.

Apartamentos de 1 ou 2 quartos com suíte

Edifício / Área comum

Hall de entrada / Playground Mobiliado /

Elevador / Salão de festas / Bicicletário /

Hidrômetro Individual / Gás central /

Tubulação para TV a cabo e coletiva /

Tubulação para sistema de segurança

4041

revista visão mai. 15

Incorporação n.R-8-039 Cartório Primeiro Ofício

Registro de Imóveis da Comarca de Lages/SC

Apartamento 2 quartos

Sala de estar / 2 quartos (1 suíte) / Cozinha /

1 banheiro social / Sacada com churrasqueira /

Área de serviços / 1 vaga de garagem /

Infraestrutura para inst. de ar condicionado /

Revestimento Acústico

Área total 121,79m 2

Apartamento 1 quarto

Sala de estar / 1 quarto (suíte) / Cozinha /

Sacada com churrasqueira / Área de serviços /

1 vaga de garagem / Revestimento Acústico /

Infraestrutura para inst. de ar condicionado

Área total 86,41m

Bem vindo ao seu novo estilo de vida.


CULTURA revista visão mai. 15

42 43

LIANA FERNANDES

DIVULGAÇÃO

A Praça Joca Neves foi

palco do 2º Salão do Livro

da Serra Catarinense durante

o mês de abril. Com

a temática “Livro, Cidade

e Diversidade”, o evento

aconteceu entre os dias 11 e

19 de abril. O escritor Luis

Fernando Verissimo foi uma

das grandes atrações.

VERISSIMO FOI A

GRANDE ATRAÇÃO

DO SALÃO DO LIVRO

A feira

do livro foi aberta no sábado, dia 11, com 10 estandes

de livrarias locais e mais de 30 mil títulos à

disposição dos visitantes. A programação cultural iniciou na segunda-

-feira, dia 13, onde foi aberto o Salão de Ideias João Rath. Lá passaram

grandes nomes da literatura. A contação de histórias e a mesa de discussões

sobre os mais variados temas chamaram a atenção e divertiram

os estudantes que passaram pelo local.

Luis Fernando Verissimo

O bate-papo com Luis Fernando Verissimo, de Porto Alegre, um dos mais

consagrados e renomados nomes da literatura brasileira da atualidade,

ocorreu no sábado, dia 18, com muitas perguntas dos mediadores e do

público. Ele atraiu um público de 600 pessoas no Salão de Ideias. Solicitado

a opinar quanto à nova safra de escritores, qual a recomendação,

foi objetivo: “Quem lê bem escreve bem”, ou seja, para compor bons

textos é preciso estudar muitos livros e ter conhecimento da língua brasileira.

Sobre as tecnologias, uma porcentagem de escritores e de jornalistas

se preocupa com a possibilidade de os meios impressos (livros e

jornais) se extinguirem. Mas para Verissimo, sempre haverá a necessidade

de alguém escrever, seja para a mídia virtual ou impressa. “O que me

preocupa é se um dia as máquinas produzirem, você apertar um botão

e o texto ficar pronto”, disse. Aos interessados em serem cronistas e não

sabem o que é exatamente uma crônica, lembra que até hoje não há

uma definição onde começa e termina esse gênero literário. Por isso,

“escreva”, recomendou.

Luis Fernando Verissimo

Perguntado sobre quem indicaria hoje como um grande escritor

brasileiro, respondeu que até conhecer Milton Hatoum (um escritor de

Manaus) tinha problema em responder essa questão. O bate-papo rendeu

muitos risos aos espectadores. Uma dessas ocasiões deu-se devido

a textos que circulam na internet e que levam a autoria de Luis Fernando

Verissimo sem serem dele. O mais famoso chama-se “Quase”, e

teria sido escrito por uma catarinense e foi até mesmo publicado em

uma coletânea no exterior com o nome de Verissimo. A autora teria se

apresentado ao escritor e contado como tudo ocorreu: ela escreveu e

suas amigas gostaram tanto que postaram na internet e usaram o nome

do escritor para dar credibilidade. Outro texto citado é “Diga não às

drogas”. Neste caso, o autor, não identificado, refere-se às drogas co-


mo sendo as duplas sertanejas. “Tornei-me ‘persona

non grata’ (por causa do texto), em Goiânia”, brinca

Verissimo. Goiânia é uma região celeiro de cantores

sertanejos.

O evento literário encerrou no domingo, dia 19,

ao som de “O Jazz 6”, que reúne quatro músicos

profissionais e um quinto artista completo que se

tornou a atração do grupo: nada menos que o escritor

Verissimo. Mais uma vez com casa cheia.

Escritor indígena

A programação iniciou diversificada para o público

infantil. O escritor indígena Daniel Munduruku fez

um bate-papo com a criançada, na segunda-feira,

dia 13. Antes mesmo da conversa começar, a aluna

e professora Fátima Maciel e Silvana Dalla Costa,

do curso técnico em Biblioteca do Serviço Nacional

de Aprendizagem Comercial (Senac), fizeram

uma entrevista que vai incrementar o trabalho de

incentivo à leitura feito em sala de aula. “Adorei

a entrevista. Ele é superinteligente e objetivo nas

respostas”, conta Fátima depois de fazer uma série

de perguntas sobre leitura ao escritor.

De forma bastante lúdica e divertida, Daniel

atraiu e manteve a atenção das crianças que participaram.

Na primeira fila estava a pequena e atenta

Kamila Oliveira, de 5 anos. Quase sem piscar, ela

acompanhou cada palavra dita pelo indígena durante

a contação de histórias que trouxe o cotidiano

do povo mundurucu, que significa formiga grande.

“Gostei muito das histórias”, avaliou timidamente a

menina.

Natural do Pará, e morador de São Paulo há anos,

Daniel Munduruku é educador por formação. Na área

da filosofia, lecionou por 15 anos para jovens. A literatura

surgiu em sua vida por conta da necessidade de

se expressar e falar do povo indígena. E isso ocorreu

por meio da contação de histórias. Das indagações das

crianças surgiu seu primeiro livro. “Resolvi escrever um

texto sobre as perguntas que as crianças faziam. Mandei

para algumas editoras, umas me responderam

positivamente e outras não”, conta Daniel.

Bate-papo com Joanna de Assis

Esporte, jornalismo e inclusão foram temas do

bate-papo com a jornalista Joanna de Assis,

repórter do Sport TV e autora do livro Para-

-Heróis. Joanna participou no dia 14 de abril

da mesa “Esporte, jornalismo e inclusão”, com

o escritor Mauricio Neves de Jesus. Eles falaram

para um público de 200 pessoas, a maioria

alunos e professores dos cursos de comunicação

social da cidade. A conversa girou em torno da

experiência de Joanna como repórter que cobriu

vários eventos esportivos no Brasil e no

exterior.

Numa dessas oportunidades, Joanna entrevistou

dez portadores de deficiência que

tinham o sonho comum de se tornar campeões

paraolímpicos. Desse trabalho nasceu

sua primeira obra, Para-Heróis, lançada no

ano passado. “Textos jornalísticos e literários

são diferentes. Mas ambos me apaixonam”,

diz. Ela ainda falou sobre seu trabalho

como repórter esportiva, uma atividade

predominantemente masculina. “Enfrentei

muito preconceito, mas respondi com o meu

profissionalismo. E conquistei o respeito que

todas as mulheres merecem”, aponta. Depois

de responder às curiosidades dos acadêmicos,

ela fez uma sessão de autógrafos.

Segundo os organizadores, estima-se que

aproximadamente 25 mil pessoas passaram pela

praça para acompanhar a programação literária

e cultural e comprar livros. Para o coordenador

Adilson de Oliveira Freitas, o 2º Salão do Livro

foi um sucesso. “Estamos muito contentes com

o resultado e a nossa meta para o próximo ano

é melhorar ainda mais a qualidade daquilo que

está sendo oferecido”, avaliou.

4243

revista visão

mai. 15

Daniel Munduruku

Joanna de Assis


EDUCAÇÃO revista visão mai. 15

4445

AMPLIAÇÃO DO IFSC DE URUPEMA

SERÁ ENTREGUE EM AGOSTO

O pequeno município de

Urupema, com uma população

de pouco mais de 2 mil

habitantes, pode se orgulhar. Em

nível de Brasil, é o único com

menos de 50 mil habitantes a ter

uma unidade do Instituto Federal

(aqui em SC, Instituto Federal

Santa Catarina – IFSC).

LORENO SIEGA

Não

bastasse isso, é o único de

Santa Catarina até agora a

ter um curso de graduação em Viticultura e

Enologia (que começou em fevereiro deste

ano). E talvez seja o único do Estado e do

Brasil deste porte a dispor de uma instituição

tão importante quanto o IFSC.

Por falar nisso, no dia 05 de agosto deste

ano serão entregues oficialmente à comunidade

as obras de ampliação daquela unidade,

que está em obras há mais de um ano e que

representou até agora quase R$ 4,9 milhões

em investimentos na construção da estrutura

física.

Ao todo, são dois mil m² de área construída,

que somados aos 651 m² que já existiam,

vão compor uma moderna estrutura

para sediar cursos técnicos na área de fruticultura

e alimentos (de duração de um ano

e meio a dois anos), cursos de graduação

(Viticultura e Enologia é o primeiro deles) e

cursos de menor duração (várias modalidades).

No futuro, de acordo com informações

do diretor da unidade, Professor Marcos

Stroschein, a intenção é implantar cursos de

pós-graduação, mestrados e até doutorados.

“Teremos em Urupema um dos maiores

centros de excelência na área de fruticultura, agroindústria e tecnologia de alimentos,

com modernos e sofisticados laboratórios, coisa de primeiro mundo. E, o que

é ainda melhor: com professores de altíssimo nível. Praticamente todos os docentes

do IFSC de Urupema são doutores. Essa é uma grande conquista para Urupema e

para a Serra Catarinense”, comemorou o prefeito Amarildo Gaio, que vem lutando

por isso desde que ocupava cargo de Secretário Adjunto na SDR de São Joaquim

(quando o então Secretário era Humberto Brighenti, hoje prefeito de São Joaquim).

O IFSC de Urupema emprega diretamente 31 pessoas (entre professores e técnicos).

E vai empregar 48 quando toda a nova estrutura estiver em funcionamento,

gradativamente a partir de agosto deste ano.


46 47

revista visão


4647

revista visão mai. 15


foto | Divulgação foto | Divulgação foto | Divulgação

BELEZA

4849

revista visão mai. 15

LIANA FERNANDES

SUELY MIYAKE

A Designer

Micropigmentadora,

Kate Karine é

especialista na

nova técnica de

maquiagem definitiva,

que é chamada de

micropigmentação. Os

resultados obtidos são

naturais e harmoniosos.

Micropigmentação

revoluciona estética facial e corporal

A técnica

é aplicada na primeira

camada da pele. Pode

ser usada para cobrir falhas nas sobrancelhas, camuflar

acromias ou couro cabeludo. É possível também

repigmentar aréolas de mamilos após cirurgia

ou mesmo o mamilo inteiro em mamas reconstituídas.

A duração desta técnica é de 2 a 5 anos, sendo

necessário um novo retoque após esse período. O

resultado final da micropigmentação tem o objetivo

de realçar a naturalidade de sua beleza.

Kate também trabalha com Design de Sobrancelhas

e maquiagem. Ela atende na Joice Neto Cabelereira,

bairro São Cristóvão e o agendamento pode

ser feito pelos telefones (49) 3225-2180; 9936 3603

ou 8436 6586.

Kate Karine,

Designer Micropigmentadora


GASTRONOMIA revista visão mai. 15

50 51

Panquecas

Deliciosas

de Carne


Sabe aquela receita reconfortante

com cara de “comida de

mãe”? Essa panqueca tradicional

de carne moída é tudo isso e

muito mais. Perfeito para um

almoço em família.

Todo

mundo tem um receita de massa

de panqueca com seu recheio

favorito. Mas essa opção que propomos, tem

um sabor incrível, a massa fica fininha e elástica

e é muito simples de se fazer. Todo o trabalho

envolvido, certamente será recompensado pelo

resultado final. Essa receita rende seis panquecas

bem recheadas. Se quiser fazer mais é só dobrar os

ingredientes.

o

foto | Shutterstock

Massa


2 ovos

1 xícara de cerveja

Pitada de sal

1 colher de sopa de óleo

1 xícara de farinha

Recheio

3 ovos cozidos

2 cebolas

400g de carne moída

sal

pimenta preta

1 xícara de caldo de legumes

Salsinha picada

Molho

1/4 de xícara de azeite de oliva

3 dentes de alho

1 ramo grande de manjericão

1 lata de tomate pelado

sal e pimenta preta



Para fazer a massa, bata todos os ingredientes (pode

ser à mão) até obter uma massa fina e lisa. Deixe

descansando na geladeira. Esquente bem uma

frigideira antiaderente, e besunte com óleo. Disponha

uma concha da massa, virando a frigideira

para que forre todo o fundo. Vire a panqueca com

uma espátula e deixe dourar do outro lado, fazer

isso até terminar a massa.

Para o recheio, refogue a cebola picada em

uma frigideira com um fio de azeite. Quando ela

estiver bem dourada, retire e reserve. Adicione um

pouco mais de azeite e frite a carne, tempere com

sal e pimenta e adicione a cebola, o caldo de legumes

e deixe reduzindo durante 5 minutos em

fogo baixo. Desligue o fogo e adicione a salsinha

e o ovo cozido picado.

Para o molho, em uma panela coloque o azeite

com os alhos e o manjericão. Deixe em fogo

baixinho, até o alho começar a dourar. Adicione o

tomate pelado, tempere com sal e pimenta e deixe

reduzindo até ficar um molho mais espesso.

Para a montagem, recheie as panquecas com

a carne, enrole e disponha em uma travessa uma

do lado da outra. Coloque o molho por cima, rale

parmesão e leve ao forno médio, até que as bordas

das panquecas fiquem douradinhas.

fonte | projetobanquete.com

5051

revista visão mai. 15


VIDA E SAÚDE

LABORATÓRIO

PALMA

revoluciona técnica que

acusa rejeição à lactose

52 53

revista visão mai. 15

LIANA FERNANDES

GUGU GARCIA

Após consumir leite ou seus derivados,

algumas pessoas podem sentir dor

abdominal, náuseas, diarreia e gases. Em

geral, tais sintomas são percebidos como

um simples mal-estar, típico de estômago

sensível. Mas atenção: se o incômodo

aparecer num período entre meia hora e

duas horas após o consumo de laticínio,

pode significar intolerância à lactose.

Agora

já é possível verificar a intolerância à lactose –

uma rejeição do organismo ao leite e seus derivados

– com mais conforto e sem precisar coletar sangue. O teste do

hidrogênio expirado utiliza o gás formado no interior dos intestinos

pela ação bacteriana dos carboidratos para o diagnóstico final.

O bioquímico e especialista em Microbiologia, Dr. Rafael de Lima

Miguel, do Laboratório Palma, explica que este hidrogênio se difunde

pela corrente circulatória e chega aos alvéolos pulmonares. Com isso é

possível detectá-lo através do ar exalado pelo paciente.

Este teste é, segundo Dr. Rafael, o melhor exame para o diagnóstico

de intolerância à lactose realizado atualmente. “Além de ter uma

grande sensibilidade e especificidade, é um exame não invasivo, pois

não utiliza amostra sanguínea, com a utilização de agulhas. Ele também

é totalmente indolor, o que facilita realizá-lo em crianças de qualquer

idade”, avalia o bioquímico.

O procedimento

Para realizar o teste, o laboratório pede que o paciente fique em jejum

por pelo menos oito horas. Depois disso, é necessário ingerir uma

solução aquosa contendo lactose – medida conforme o peso da pessoa

que realizará o exame. “Com isso, as amostras de ar expirado

serão obtidas em intervalos de tempo pré-definidos. O teste dura em

média três horas”, explica Dr. Rafael.

Além do teste do hidrômetro, o diagnóstico da intolerância à lactose

pode ser feito pelo método tradicional, onde é coletado o sangue

ou pelo teste genético, através do DNA. Este último também dispensa

coleta sanguínea.


Dr. Rafael de Lima Miguel, bioquímico

Dr. José Américo do Amaral, farmacêutico,

bioquímico e responsável técnico

Rendimento esportivo x

doenças cardiovasculares

Buscando sempre trazer o que há de melhor

em exames a Lages, o Laboratório

Palma disponibiliza dois novos métodos

de diagnóstico: o primeiro é específico

para avaliação genética de rendimento

esportivo. O outro verifica o risco de doenças

cardiovasculares precocemente.

Os fatores genéticos contribuem,

segundo diversos estudos, de 20% a

50% na variação individual para determinadas

características relacionadas ao

rendimento esportivo. A análise genética,

associada ao rendimento, permite

a individualização do treinamento

e a prescrição do exercício saudável. O

exame de nome “Sport” é indicado para

pessoas que desejam manter ou melhorar

seu rendimento esportivo e prevenir

as lesões frequentes da atividade

física, tanto para atletas quanto para

pessoas comuns. Segundo o bioquímico

Dr. Rafael, o exame permite que a pessoa

aperfeiçoe o treinamento, além de

identificar os indivíduos que necessitam

adotar medidas de prevenção das doenças

frequentes do esportista.

Há 30 anos fornecendo resultados

O Laboratório Palma foi fundado em

1985 pelo então jovem farmacêutico-

-bioquímico, Dr. José Américo do Amaral

Palma. Segurança e confiabilidade em

análises clínicas sempre foram as preocupações

da empresa, que busca contribuir

para o desenvolvimento regional. A utilização

de tecnologias de ponta, associada

à capacitação continuada de seus colaboradores

e à valorização do ser humano,

tem feito do Laboratório Palma um grande

aliado na promoção, prevenção e recuperação

da saúde da Serra Catarinense.

Com quatro unidades de atendimento

em Lages e uma em São Joaquim, o

Laboratório foi um dos pioneiros da região

a promover o “Programa de Gerenciamento

de Resíduos de Serviços de

Saúde”, em plena conformidade com os

requisitos da RDC 302, de 13 de outubro

de 2005, da Agência Nacional de Vigilância

Sanitário (ANVISA). A empresa promove

medidas de segurança e saúde aos

colaboradores e clientes, preserva o meio

ambiente, reduz a produção de resíduos e

principalmente, proporciona um encaminhamento

correto e eficaz ao lixo gerado.

A bioquímica Dra. Fabiola Rossi Campos

Bumm é a responsável pelo setor de

qualidade e conta que desde que o Laboratório

aderiu ao programa a empresa cresceu

gradativamente. “Hoje temos padrões

para todas as funções realizadas dentro do

Laboratório, se algum colaborador faltar,

saberemos quais as funções e como realizar

as suas tarefas”, destaca.

A garantia da qualidade de todas as

fases pode ser conseguida por meio da padronização

de cada uma das atividades envolvidas,

desde o atendimento ao paciente

até a liberação do laudo, tornando assim, o

laboratório totalmente acreditado em todos

os seus setores, pelo Departamento Interno

de Controle de Qualidade (DICQ). Com isso,

pode-se alcançar a qualidade que se almeja

e, com a gestão da qualidade, garanti-la.

5253

revista visão mai. 15

A doença cardiovascular é a principal

causa de morte no mundo. O componente

genético dos antecedentes

ou da doença cardiovascular pode ser

analisado por meio de teste de genética

molecular, capaz de avaliar o risco

cardíaco. O objetivo do teste é analisar

genes importantes em processos como

a alteração da função endotelial, hiperlipidemia,

hipertensão arterial e processos

inflamatórios, além de pesquisar as

condições genéticas associadas ao sistema

de coagulação, que podem contribuir

para a trombose venosa.

Controle de qualidade

A melhoria contínua dos processos envolvidos

deve representar o foco principal de

qualquer laboratório. Para isso, o Laboratório

Palma procura oferecer, cada vez mais, os

melhores produtos ou serviços para os pacientes.

Por isso, há anos o laboratório participa

do Programa Nacional de Controle de

Qualidade (PNQC) da Sociedade Brasileira de

Análises Clínicas (SBAC), e anualmente auditores

passam por todos os setores do laboratório

avaliando os procedimentos realizados.

Rua João de Castro, 290 | Lages SC

www.laboratoriopalma.com.br

palma@laboratoriopalma.com.br

49 3222.2312


ESPORTE revista visão mai. 15

54 55

O Internacional de Lages

terminou o Campeonato

Catarinense em 4º lugar

(à frente de equipes

de renome como

Avaí e Criciúma, por

exemplo). O time teve

vitórias consagradas

e derrotas suadas. Ele

lutou até os últimos

minutos do segundo

tempo, no último jogo

contra o Figueirense,

em Florianópolis, onde

perdeu de 2 x 0 e ficou

com a quarta posição.

Este foi seu melhor

desempenho desde 1985.

LIANA FERNANDES

DIVULGAÇÃO

A SENSAÇÃO DO

CATARINENSE

Há 30

anos o Leão Baio levantou

a Taça Dite

Freitas, conquistada com a melhor campanha

na terceira fase da competição.

A Taça Dite Freitas, que colocou o Inter

no hexagonal decisivo do campeonato

daquele ano (1985), é até hoje um

dos grandes feitos do clube na primeira

divisão do estadual. O presidente do

clube, Christopher Nunes disse que o

resultado foi satisfatório, mas que sabe

que o time pode ir mais longe. “Eu considero

extraordinária a trajetória do Inter,

já que vem conquistando todas as

metas que traçamos. Conseguimos mostrar

nosso time em âmbito estadual e

até nacional, unificamos a torcida e fizemos

com que o poder público passasse

a nos valorizar. Em breve, por meio

do governador Raimundo Colombo e do

deputado Gabriel Ribeiro, vamos conseguir

construir o nosso Centro de Treinamentos

(CT). Assim os jogadores vão

ser melhores capacitados para os jogos”,

destaca.

O ex-presidente do Inter, José Carlos

Susin, o Zezé, ressalta que desde que

o Inter ressurgiu em 2012, o time vem

crescendo gradativamente. “Vejo que

demos aos lageanos a alegria de ver seu

time brilhar e ter orgulho. Daqui para

frente a expectativa é maior. Mas sei que

o time não irá decepcionar”, diz.

2015

O último jogo

O jogo do dia 19 de abril contra o Figueirense,

na capital, apesar da derrota

por 2 x 0 (o Inter jogou desfalcado

de seus principais jogadores), marcou

a trajetória do clube. Se o Inter tivesse

vencido, conquistaria vaga para a Copa

do Brasil de 2016. Um simples empate,

combinado com o resultado de Chapecoense

e Criciúma, poderia dar ao colorado

lageano essa conquista. Mas, com

a derrota, combinado com a vitória da

Chapecoense sobre o Criciúma por 1 x 0,

o Inter acabou na 4ª colocação (e a Chape

ficou em 3º). Com o 4º lugar, o Inter

ainda pode obter uma vaga, mas a definição

só ocorrerá em dezembro, quando

a CBF ratificar o número de representantes

de cada estado. Santa Catarina pode

conseguir uma vaga extra por causa de

sua melhora no ranking de federações

da CBF, mas, caso essa vaga extra surja,

ainda não está certo se ela seria dada ao

quarto colocado no estadual – no caso,

o Inter.

Despedidas dos artilheiros

Marcelinho Paraíba foi o principal goleador

do Inter no estadual, com 8 gols. O

vice-artilheiro do Inter no campeonato,

com seis gols, foi Reinaldo. Juntamente


com o goleiro Fernando Henrique, outro

grande destaque do Leão Baio no campeonato.

Os três se despediram do clube

antes do último jogo do time.

Em coletiva de imprensa, a mensagem

dos jogadores foi de satisfação por

terem contribuído para a marcante campanha

colorada. Reinaldo foi o primeiro

a falar. “Com 36 anos, é preciso ter desafios

para continuar jogando. E o meu

desafio foi ajudar o Inter de Lages a reaparecer

no cenário nacional. O Inter tem

uma média de público que poucos clubes

no Brasil têm hoje. Era um gigante

que estava adormecido”, disse. O camisa

9, disse já ter proposta de dois clubes da

Série B do Brasileiro, mas que vai se recuperar

da lesão na coxa, sofrida na reta

final do certame, contra o Criciúma, antes

de definir seu futuro.

Marcelinho Paraíba, que acertou

um ótimo contrato com o Joinville (vai

disputar a série A do Brasileirão pela

equipe catarinense), antes de ir embora

destacou o espírito de grupo do Colorado

Lageano. “Cada gol que fiz aqui foi

especial porque foram gols bonitos e importantes,

mas, antes de qualquer coisa,

a gente pensou no coletivo. Quando o

lado coletivo da equipe fica em primeiro

lugar, o destaque individual aparece”,

ressaltou. A projeção que o clube ganhou

com a boa campanha no estadual deve

aumentar o interesse de atletas de ponta

em trabalhar na equipe, acredita ele.

Um dos clubes com

maior média de público

O Inter encerrou sua participação no

Campeonato Catarinense como um dos

clubes com maior média de público da

competição. Com o desempenho, mais

uma vez o Colorado Lageano atestou a

força de sua torcida, o apelo de sua marca

e o carisma de sua camisa.

Ao fim das nove rodadas da fase de

classificação e das dez do hexagonal decisivo,

o clube recebeu, em média, 2.159

torcedores pagantes por jogo. Com esse

número, ele só ficou atrás dos chamados

“cinco grandes”, os clubes de Santa

Catarina que disputam as séries A (Avaí,

Chapecoense, Figueirense e Joinville) ou

B (Criciúma) do Campeonato Brasileiro.

O Joinville foi o clube que mais atraiu

público no estadual até o momento.

Foram em média, 7.537 pagantes. O levantamento

considera o número de pagantes,

e não o total de presentes no estádio,

porque é esse o número expresso

nas súmulas disponíveis no site da Federação

Catarinense de Futebol.

Internacional em Números

(Campeonato Catarinense)

Jogos ......................................................................19

Vitórias ................................................................. 7

Derrotas ............................................................... 7

Empates ................................................................5

Marcou ................................................23 gols

Sofreu ...................................................25 gols

Nos próximos anos, o Internacional

pretende elevar paulatinamente sua média

de público. Uma das armas para isso

será a ampliação e modernização do

Estádio Vidal Ramos Júnior, uma obra

que contará com recursos do Governo

do Estado e que pode começar a sair do

papel ainda em 2015. A reforma do estádio

permitirá a criação de mais faixas de

preços de ingressos: o plano prevê tanto

um setor de cadeiras, mais caro, quanto

uma ampla arquibancada geral, com bilhetes

mais baratos. Hoje, a configuração

do estádio só permite a prática de duas

faixas de ingressos.

Brasileiro

O Inter estreia no Brasileiro da Série D

no dia 12 de julho (a tabela ainda não

foi divulgada). A permanência do treinador

Marcelo Mabilia ainda está em fase

de negociação. Mas existe um interesse

tanto dele quanto do clube pela continuidade.

Isso será definido nas próximas

semanas.

As observações de atletas para a recomposição

do elenco já começaram.

Mas a chegada de novos jogadores para

a Série D do Brasileiro ocorrerá somente

em junho, já que o campeonato começa

no dia 12 de julho. Não será um time

totalmente reformulado porque muitos

dos atletas da equipe que disputou o Catarinense

têm contratos mais longos com

o clube. Entre eles estão vários titulares,

como Canavarros, Lázaro, Jefinho, Lucas

Gabriel e Calyson.

5455

revista visão mai. 15


Ler

Ver

Ouvir

Jogar

EDER PITZ

DIVULGAÇÃO

56 57

revista visão

mai. 15

O Analista de Bagé

Um pequeno guia para

entretenimento de alta qualidade

Difícil não mencionar a passagem de Luis Fernando

Verissimo pela II Feira do Livro, em abril último. E como

forma de uma mini homenagem, escolhi

“recomendar” a vocês esse livro, escrito em

1981, um dos muitos marcos literários desse

consagrado escritor gaúcho. Irônico, engraçado,

direto e muito gostoso de ser lido.

Com algumas pitadas de reflexão social, os

textos de O Analista de Bagé tratam dos

bastidores do consultório de um psicanalista

gaúcho, que faz uso de conhecimentos

“científicos” aliados à sabedoria dos pampas

para auxiliar seus pacientes a resolver seus

anseios. O sotaque forte e suas conclusões

sobre os problemas dos clientes geram uma combinação

divertida das situações e práticas de trata-

Murdock (Charlie

De dia, Matt

mentos nada ortodoxos. O autor é um mestre

Cox) advoga e tem uma

na criação de diálogos ágeis e antológicos,

sociedade com o amigo e

“tchê”. Vale a pena a leitura.

conselheiro Fogg Nelson (Elden

Henson) e tentam limpar a criminalidade

do bairro de Hell’s Kitchen em

Nova Iorque pelos meios legais. À noite, no

entanto, o homem inteligente e católico que

não enxerga, sente como sua sociedade está abalada,

deixa de lado suas convicções pessoais e parte

para a tentativa de fazer justiça a qualquer preço.

Esse é outro das antigas.

Lançado em 1990 e baseado

em fatos verídicos, esse longa

conta a história de Malcolm Sayer

(Robin Williams), um neurologista que

começa a trabalhar em um

hospital psiquiátrico. Lá ele encontra

vários pacientes em estado

vegetativo. Assim está Leonard Lowe

(Robert De Niro), que há décadas estava

Essa série da Netflix em parceria com a Marvel

(algo inédito) mostra o herói cego criado por

Stan Lee e Bill Everet numa atmosfera

violenta e sombria. “Demolidor” que

estreou em 10 de abril deixa um

pouco de lado as conspirações

Tempo de Despertar

governamentais e ameaças

cósmicas, para dar espaço

aos problemas

enfrentados

por pessoas

“adormecido” e é escolhido para receber um

medicamento experimental que muda o curso de

sua vida. Essa é uma história atemporal com atuações

fantásticas de Robert de Niro e Robin Williams. O

filme além de ser muito motivacional, nos mostra a alegria

e a felicidade em viver cada instante possível, a benção e o milagre

que é a vida, a saúde, e o valor da liberdade.

Demolidor

comuns, que temem

perigos muito mais

próximos de suas casas,

o que torna Matt Murdock

um super-herói não convencional.

Lançado em 1969, esse

álbum é um dos grandes

trabalhos gravados por Neil

Young. Ele marca também o início

da colaboração do cantor com o

Crazy Horse, a banda mais emblemática

a lhe acompanhar. As sete músicas desse

disco são documentos permanentes da genialidade

de um músico sem igual que, passados mais

cinquenta anos de seu lançamento original, ainda

mantém-se inquieto e contestador. Uma qualidade que

Neil, assim como pouquíssimos artistas, em todas as áreas,

pode se gabar de possuir: credibilidade. Se você ainda nunca ouviu

Everybody Knows This is Nowhere, faça um favor a si mesmo

e vá atrás deste disco. Não há como se arrepender.

Everybody Knows This is Nowhere

A imagem de um demônio astuto (Daredevil,

no original) se torna parte de sua própria

existência, levando-o a questionar ao longo dos

13 episódios da 1ª temporada sobre o que de fato está

fazendo. Um herói com falhas. Prepare-se para grandes

dilemas morais e muito sangue.

Ultra Street

Fighter 4

Dia 26 de maio promete.

Ultra Street Fighter 4, versão

mais recente do jogo de luta da

Capcom, foi anunciado há algum

tempo para o PlayStation 4. Agora o

USF4 ganhou finalmente uma data de

lançamento que será

no final de maio para a

plataforma da Sony. A versão

traz novos personagens (Poison,

Hugo, Elena, Rolento e Decapre), cenários

e um modo de combate aleatório

para deixar a jogatina mais

emocionante.


Iris de Fatima Carvalho Mello,

aniversariou em abril. Parabéns!

Você na Revista Visão

5657

Paulinho, Elenise, Leonardo Farias e a irmã Letícia no

lançamento do livro: Você viu um gigante por aí?

Os vovôs João Clovis e Elza Silva felizes comemorando

o 1º aninho da netinha Heloísa, que aniversariou no

último dia 22 de abril

revista visão mai. 15

Wagna Oliveira Campos, que comemorou

aniversário em 14 de abril,

ao lado do esposo Cláudio Campos

Lucas Schuvartz de Liz, proprietário da

Churrascaria Del Paco e sua esposa Daiane

Os proprietários da JC Estamparia, Cristina Eger e

José Luiz, com sua filha designer, Erika

Festa da Família Duarte que aconteceu no dia 19 de abril

em Anita Garibaldi. Na foto os irmãos Duarte

A felicidade do casal Camila Mariê Neto e Cesar

Jairo Keller após a troca das alianças no dia 28/02

Este espaço é exclusivo para assinantes. Envie sua foto:

mural@revistavisao.com.br


Pensando bem

MARCO CORDEIRO

marco@revistavisao.com.br

O Príncipe nosso de cada dia

58 59

revista visão

mai. 15

Você já

deve ter ouvido

sobre

Maquiavel, ao certo. É um desses

clássicos da literatura que poucos leram

e muitos repetem. Todo aquele

que tem pretensões políticas e não

leu “O Príncipe” deve preparar-se

para o pior. Nicolau Maquiavel (Florença,

1469-1527) foi um italiano,

funcionário público que teve sua

reputação questionada ao ser acusado

de conspirar contra a autoridade

máxima da época (século XV), Lourenço

de Médici para ser mais preciso.

Forçado a se refugiar para não

ser preso, Maquiavel escreveu então

sua obra máxima (quase única), O

Príncipe, texto basilar da Política

desde então, com poucas variantes

nas suas ações pelo planeta.

Bem, “O Príncipe” é um livro

de autoajuda para governantes. O

príncipe era qualquer autoridade

constituída, desde um edil ao rei. O

que importa na ética de Maquiavel

é chegar ao poder, manter-se no

poder e os cuidados para não perder

o poder. Para Maquiavel, o homem

é mau por essência e age por

puro interesse, para atingir seus objetivos.

Se para alcançar uma meta

é necessário dizer-se bom, virtuoso,

uma pessoa do bem, nada mais

correto que o fazer. Se para eleger-

-se é fundamental prometer ações

impraticáveis, não tem problema.

Elegeu-se? Sim. Então sua ação foi

boa, mesmo que mentindo. Não se

elegeu? Então foi mal, mesmo que

tenha agido na mais absoluta virtude.

Parece moderno o pensamento,

mesmo que escrito há 500 anos?

Ainda tem mais. Maquiavel recomenda

que se faça o bem a conta

gotas e o mal de uma só vez, pois

o ser humano demora muito mais

para esquecer um mal que um bem

e o tal príncipe agindo bem de vez

em quando, mas sendo pragmático

(seja lá o que isso signifique) sempre

é mais fácil conter as revoltas e

manter-se no poder. E como tema

central de sua obra, recomenda que

o governante deva ser amado e temido,

mas se tiver que escolher entre

um deles, que seja temido, pois

é mais difícil trair a quem se teme

que a quem se ama.

O primeiro método para

estimar a inteligência

de um governante é

olhar os homens que

estão a sua volta.

Nicolau Maquiavel

Há o mito que a épica frase “os

fins justificam os meios” é de Maquiavel,

mas é uma leitura um tanto

distorcida de sua obra, que não quis

dizer exatamente isso, mas algo parecido

com “Atingidos tais fins, para

que servem os meios então?” Perceba

com nada mais atual na ação

política que tal pensamento, pois

a política, como já disse em outros

momentos, não se trata de valores e

ideias e sim pessoas e instrumentos.

E vingando a ideia, os instrumentos

são meramente descartáveis. Conhece

algum “príncipe”?


Recadastramento de imóveis em Lages justifica atualização de taxas

Atendendo ao requerimento do

vereador Enio do Vime (PSD), os

secretários municipais da Fazenda,

Mateus Lunardi, e do Planejamento,

Jorge Raineski, compareceram a Câmara

de Vereadores, aonde responderam

dúvidas dos edis a respeito

do Imposto Predial Territorial Urbano

(IPTU) e da taxa de lixo em Lages.

A Secretaria do Planejamento (Seplan)

conta com um sistema que tem

a foto do imóvel e a planta do terreno.

A diferença de valores das taxas se

dá pelo aumento da área edificada e

pelas mudanças das características

da pavimentação. Em 2015, foram

lançados os carnês de IPTU atuali-

zados de 20 mil imóveis. Outros 40 mil

imóveis ainda não tiveram alterada a

base de reajuste.

“O recadastramento imobiliário foi

feito para que se tornasse uma base

para o IPTU. Tem que ver caso a caso,

mas muitas pessoas mexeram em

seus terrenos, o imóvel que haviam

Desenvolvido em parceria pelas

secretarias da Educação e da Saúde

do município, o Programa de Atenção

Psicossocial atende crianças

e adolescentes que apresentam

transtornos biopsicossociais que

interferiram no processo de ensino

aprendizagem. O Paps também

garante encaminhamento a psicólogos,

fonoaudiólogos, fisioterapeutas,

assistentes sociais, neurologistas e

tratamento odontológico.

declarado antes com o que possuem

hoje. Ainda não achamos um caso

com outro tipo de erro. O que tem

acontecido é esta diferença de metragem”,

explica Lunardi, que diz que

o cidadão tiver dúvidas sobre o valor

pode buscar a Seplan e, caso houver

erro do município, este será corrigido.

Ampliação do programa de atenção psicossocial

O atendimento é feito em uma

casa alugada no Centro e, devido

ao pouco espaço, está havendo

dificuldades em atender a demanda,

que já chega a mais de mil crianças

que aguardam pelo serviço. Por conta

disso, o vereador João Chagas (PSC)

propõe na moção 043 a realocação

do espaço para local que forneça

mais conforto aos profissionais e ao

público e a contratação de mais profissionais

para trabalhar no programa.

Compras de tubos de cimentos de maneira emergencial

Em matéria encaminhada ao

prefeito em exercício, Toni Duarte, o

vereador Adilson Padeiro (PTB) sugere

a compra emergencial de tubos

de cimento para fazer a reposição

dos que se encontram quebrados,

além de que sejam realizadas novas

obras na cidade.

Padeiro argumenta que todos

os dias a comunidade reivindica a

ele este pedido. “A falta de tubos

na cidade é um problema antigo na

cidade, temos muitos esgotos a céu

aberto, que além do mau cheiro podem

transmitir uma série de doenças

Destinação de terreno às empresas locais

Na moção 088, o vereador Marião

(PSB) solicita que o Governo do

Estado destine terrenos como o da

Sinotruck, caso ela não se instale na

cidade, para outros empresários de

Lages. São várias as empresas que

aguardam terrenos para ampliar seus

investimentos, o que proporcionaria

mais emprego e renda aos cidadãos

lageanos.

“Sabemos que a compra do terreno

que seria destinado a Sinotruck

foi uma aquisição de alto custo, e que

a instalação da empresa seria um

grande investimento, mas na impossi-

à população. Temos de contribuir

intensamente para o bem estar de

nossa gente, retribuindo os tributos

pagos pelos cidadãos”, disse.

bilidade da instalação da mesma, que

o terreno seja loteado e distribuído a

outras empresas de Lages ou a quem

deseja instalar-se no município”,

recomenda o vereador.


Panorama

PAULO RAMOS DERENGOSKI

Jornalista e escritor

derengoski@revistavisao.com.br

Grandes pintores

6061

revista visão

mai. 15

Tendo

escrito o livro

“Olhar Brasileiro

Sobre Grandes Pintores”, ainda nas

livrarias, muitos leitores me escrevem

perguntando quais são, afinal,

meus artistas preferidos. Uma resposta

difícil. Mas me situo sempre

com os Clássicos e os Figurativos,

principalmente os ligados ao corpo

humano, pois sou daqueles que

acho que os modernos sobem nos

ombros dos gigantes do passado,

para enxergar mais além. Mas vamos

lá:

Caravaggio: o maldito precursor

no barroco, onde raios fulgurantes

de luminosidade contrastam com

densas sobras de desespero.

Géricault: quadros agitados e

violentos, plenos de cores e movimentos,

retratista da saga sofredora

humana.

Michelângelo: anjos e pecadores,

santos e demônios em imagens

convulsionadas pela dor, onde as

gradações cromáticas transcendem a

condição humana.

Turner: um universo pictórico

vaporoso e esfuziante, que entendia

a linguagem secreta dos ventos, das

ondas, das nuvens.

Tintoretto: sagas mitológicas e

nus femininos de forte beleza, quebrando

o reino das imobilidades, onde

o céu e a terra se confundem em

abismos sensuais.

Os modernos sobem

nos ombros dos

gigantes do passado.

Renoir: otimismo, leveza, vibração,

folhas ao vento, seios nus,

sorrisos, águas límpidas, manhãs

iluminadas, gordas mulheres nuas e

evanescentes.

Bosch: um universo habitado

por monstros, massas delirantes,

tarados, atravessando a noite dos

tempos como fantasmas insondáveis,

retratando a ralé que se arrastava

em torno dos castelos, como

hoje se arrasta nas ruas.

El Greco: paisagens visualizadas

como sonhos, onde surge o equilíbrio

no desequilíbrio, figuras sinuosas

e envolventes que parecem voar

sob uma atmosfera irrespirável.

Delacroix: cenas tumultuadas,

dominadas pelo habilíssimo domínio

das cores, luzes e sombras multicoloridas,

a liberdade guiando o povo.

Modigliani: romântico, quadros

de mulheres com plasticidade tão

forte, que lembram esculturas.

Gauguin: quadros e esculturas

totêmicos, onde as curvas adquirem

sentido simbólico, misterioso, metafórico,

essencial.

Van Gogh: o que transformou

árvores, estrelas e olhares em labaredas

de fogo que parecem querer incendiar

o mundo – o gênio absoluto.


ALMANAQUE

ALMIRANTE SOARES FILHO

Comerciante e ensaísta

almirante@revistavisao.com.br

A primeira imprensa de Lages

62 63

revista visão mai. 15

Na troca de

jornais

entre a imprensa,

nosso jornal “Região Serrana”

de janeiro de 1910, estampava

a seguinte notícia: “Dia 1º de janeiro

havia falecido em Itajaí, João da

Cruz e Silva, muito conhecido pelo

apelido de ‘Janja’. Sabia-se que tinha

pouco estudo, mas possuía

uma inteligência natural. Conseguiu

fundar com esforço próprio o primeiro

jornal de sua terra: ‘O Itajahy’

em 1884”.

Acontece que Janja, morando

em Lages, foi o homem que fundou

o primeiro jornal na serra catarinense:

“O Lageano” cujo primeiro

número foi datado de 14 de abril

de 1883. E foi passado de mão em

mão, nas principais ruas da cidade

como a Rua Presidente Araújo, Rua

da Cadeia, Rua do Lageadinho e

Rua Boa Vista.

Alguns anúncios curiosos

dos primeiros jornais

• Dr. Sartori compra qualquer

quantidade de tomate, sendo de

meio quilo para cima, verduras

boas e frutas bem maduras.

1877 a instalação do primeiro estabelecimento

comercial com nome

fantasia. Era a Casa do Castello.

• Tínhamos também a “Sellaria

Rio-Grandense” de José Formolo

na Rua Correia Pinto;

• “Loja Carvalho” do Seu Abilinho

Carvalho na XV de Novembro;

• “União Serrana” de Josaphat Lenzi

que fabricava e vendia vinhos

na Rua Mal. Deodoro, esquina

com João Pestana (atual Hercílio

Luz);

João da Cruz

e Silva foi o

homem que

fundou o primeiro

jornal na serra

catarinense.

• O retratista mais importante e único

anunciava: “Atelier Photográphico

– Henrique Walbroel trabalha todos

os dias das 7h da manhã às 5h da

tarde tanto com bom tempo como

com chuva, garante-se perfeição

nos serviços e bom preço”.

O comércio no final do século 19

Em 1893 havia 14 comércios instalados

na cidade de Lages. Foi em

• “Restaurante Estrella” na Praça

Coronel João Ribeiro, entre outros.

Não tínhamos hospital, mas o

Dr. Sartori mantinha uma Casa de

Saúde na Rua Benjamin Constant,

num velho sobrado perto do Palácio

Municipal. O Dr. D’Acâmpora montou

uma farmácia no pavimento debaixo,

em sociedade com Domingos

Brocatto.


DECISÕES E ESCOLHAS PARA A CIRURGIA PLÁSTICA

A

tualmente o acesso à cirurgia

plástica, felizmente, está mais

fácil, com isso mais pessoas estão

decidindo realizar sua cirurgia desejada.

Nesta hora começam as

dúvidas: devo realmente fazer, é

seguro, com quem fazer? Primeiro,

o paciente tem que querer fazer a

cirurgia porque ele realmente deseja

e não porque os outros vão gostar,

quem tem que gostar e querer é

o paciente.

Ao ter a certeza sobre a cirurgia,

o próximo passo é escolher o

profissional. Sendo esta uma parte

importantíssima. Muitos pacientes

nem sabem como começar esta

fase. O ideal é começar com uma

indicação de algum familiar ou amigo

que já fez a cirurgia e perguntar

sobre o profissional e como foi todo

o processo desde o pré até o pós-

-operatório.

Outra parte importante que a

maioria dos pacientes não faz é

checar junto aos órgãos reguladores

(CRM e Sociedade Brasileira

de Cirurgia Plástica) se o profissional

é capacitado. Todo cirurgião

plástico tem seu registro nesses

órgãos. Se não encontrar este registro

evite este profissional.

Após escolher e ter certeza da

capacitação do profissional, você

deve ir à consulta e neste momento

é importante tirar todas as dúvidas,

por mais simples que pareçam. Informe

o que você almeja alcançar

com a cirurgia, o bom profissional

irá informar se isto é possível ou

não. Fazendo isto você evita malentendidos

e aumenta as chances

de ter um bom resultado.

A relação médico-paciente deve

ser boa. Se você não gostou ou

não sentiu confiança, procure outro

profissional, afinal de contas, este

convívio irá se estender por todo o

período de recuperação!

Dr. Murilo Dalponte | CRM 14713 | RQE 7353


Um olhar para muito além do óbvio

OZÓIDE

Alienígena, intelectual e olheiro

ozoide@revistavisao.com.br

6465

revista visão

mai. 15

OS

“IMBRÓGLIOS”

DA VIA

GASTRONÔMICA

Ajude-nos a construir esse espaço: elogie, critique ou denuncie !

ozoide@revistavisao.com.br

Os moradores

da Rua Emiliano Ramos, através

de uma associação, pleitearam

em 2008 do poder público local a possibilidade de transformar aquele local

numa “Via Gastronômica”. A ideia seria incrementar ao longo daquela rua

o funcionamento de estabelecimentos que lidam com gastronomia como

restaurantes, bares, pizzarias, lancherias, entre outros. Para isso, inclusive,

queriam que os comerciantes pudessem ampliar as calçadas em frente a

seus estabelecimentos para colocar mesas e cadeiras e atender os clientes

na parte externa em algumas situações e datas.

Proposta aceita

Com apoio do SEBRAE, a Prefeitura foi convencida de que o pleito era bom

e legítimo. Depois de dois anos de muita luta e mobilização, em novembro

de 2010 o projeto foi apresentado pela administração local (prefeito Renatinho).

Previa uma série de melhorias e obras de urbanização no local,

inclusive já tendo uma lei municipal aprovada pela Câmara que permitia o

comércio a utilizar as calçadas. Infelizmente, o tempo passou, Renatinho

deixou a administração (no final de 2012) e o projeto ficou no papel.

Projeto adaptado

A atual administração de Lages, convencida de que o projeto era bom, tratou

de levá-lo adiante. Mas... Faltavam recursos. Uma emenda federal de

pouco mais de R$ 800 mil (Carmen Zanotto) foi o caminho encontrado para

tocar as obras. Mas... Aquele recurso era insuficiente para executar o projeto

original. Fizeram-se então várias adaptações (com aprovação dos moradores

e comerciantes). E começaram-se as obras (em

2014). Além da revitalização da rua, fez-se o

cabeamento elétrico subterrâneo pela Celesc

(que não estava previsto no projeto). A prefeitura

substituiu ainda a rede de distribuição

de água e o esgoto (cujas tubulações originais

eram antigas e apresentavam problemas). Isso

sem falar nas obras de revitalização (em curso).

Audiência pública

No entanto, alguns moradores e comerciantes

estão indignados. E não é para menos. Alegam

que as obras estão muito demoradas, que

há problemas sérios com a drenagem pluvial

(quando chove há alagamentos em algumas

casas e prédios) e que também estariam havendo

problemas de mau cheiro pelo esgoto

em alguns pontos). Recentemente o promotor

público Renee Cardoso Braga foi chamado para

uma audiência pública já que os moradores

queriam embargar as obras. O promotor não

concordou. Mas disse faria uma vistoria geral

ao longo da via, cobrando a adequação das

obras ao projeto. Isso foi feito. Agora espera-

-se que as partes envolvidas cumpram seu papel.

E que a obra seja concluída o mais breve

possível.


Muito cuidado com quem está

ao seu lado nestas passeatas e

protestos. Eu jamais sairia em

passeata ao lado de pessoas que

pedem a volta da ditadura militar.

Luis Fernando Verissimo – Escritor, jornalista e

humorista, no Salão do Livro, em Lages

Muito triste e desesperador.

Quem passa por uma tragédia

desse tamanho fica sem chão.

Ingrid Fester, no Correio Lageano,

sobre tornado que atingiu Xanxerê

Entre

Aspas

Quem vive nas trevas

não consegue ser

visto, nem vê nada.

Khalil Gibran – filósofo

Nunca vi projeto algum

ser tão divulgado e

discutido como esse da Via

Gastronômica. Portanto,

não procede qualquer

embargo da obra.

Promotor Renee Cardoso Braga – na audiência pública

sobre a obra promovida por moradores (dia 14/04)

6465

revista visão

mai. 15

Descendo

Má qualidade de várias obras em colégios

entregues pelo Governo do Estado

(algumas arenas esportivas, por exemplo);

Governador Colombo, indignado com

as cobranças (legítimas) dos lageanos

no início de seu segundo Governo (neste

ano esteve poucas vezes na cidade

em missão oficial);

Passa ano e entra ano e continuamos

sem voos comerciais regulares para São

Paulo ou para qualquer outra cidade;

Vândalos continuam depredando lixeiras,

placas, luminárias e outros bens

públicos em Lages (e as câmeras pouco

resultado trouxeram até agora neste

sentido);

Até o final de abril obras do cabeamento

elétrico subterrâneo no centro de Lages

ainda não haviam sido retomadas;

Motoristas que desrespeitam regras e sinais

de trânsito em Lages (um problema

que parece não ter fim).

Sem muito alarde (e nenhuma festa de inauguração),

as obras das vias marginais da BR-282 em

Lages foram concluídas. E ficaram bem melhor do

que muita gente acreditava, esperava e previa.

Projeto de implantação da indústria Ekomposit

em Lages avança a passos largos (e logo teremos

mais uma grande empresa atuando no município);

A administração de Lages se mobilizou para ajudar

vítimas do tornado que atingiu e destruiu

Xanxerê;

Aos poucos (mas ainda de forma tímida), lageanos

e serranos estão “descobrindo” os atrativos

do Lages Garden Shopping;

CTGs Barbicacho Colorado e Anita Garibaldi, de

Lages, abocanhando muitos prêmios em eventos

tradicionalistas pelo Brasil afora;

Prédio do Órion Parque está pronto. Agora só falta

concluir a infraestrutura do local e até o local e

levar as empresas de tecnologia para lá;

Excelente campanha do Inter de Lages na Série A

do Catarinense 2015.

Subindo


foto | Divulgação

PASSATEMPO

Independente dos acertos,

a diversão é garantida

66 67

Difícil vai ser você desistir antes de

encontrar 10 pequenas diferenças

nessas imagens. Boa sorte!

revista visão mai. 15

Resultado da edição 106 - Abril 2015

Público infantil compareceu em peso no II Salão do Livro da Serra Catarinense

Similar magazines