Revista Kids+ - Edição 16 Maringá

revistakidsmais76924

Revista Kids+ - Edição 16 Maringá

Leve um Doce Mimo

para quem você ama!

oficialfabricadedelicias

Fábrica de Delicias Maringá

44 3346 5559

44 9 8464 1205

Av. Rio Branco, 273A | Maringá - PR


Meningites

meningocócicas

PG.

40

Sedação na

odontologia

PG.

42

Benefícios

da Laserterapia no

tratamento fonoaudiológico

PG.

44

A criança com recusa/

seletividade alimentar

PG.

45

Criança não é adulto

em miniatura

PG.

46

Tratamento odontológico

para gestante: sim ou não?

PG.

48

06


Mastopexia: cirurgia

plástica para

levantamento dos seios

PG.

A moda que está

redesenhando as

sobrancelhas

PG.

É hora de cuidar

das mamas!

50 PG.

51

54

Implantes dentários

PG.

55

10


14


16


22


30


32


33


35


36


Meningites

meningocócicas Vacinação

A

Meningite Meningocócica (infecção das membranas

que recobrem o cérebro) certamente

está entre as doenças imunopreveníveis mais

temidas. Ela é causada pela bactéria Neisseria meningitidis

(meningococo) e é mais grave quando atinge

a corrente sanguínea, provocando meningococcemia

(infecção generalizada). De 1.500 a 3.000 brasileiros

são acometidos por doenças meningocócicas (DM)

todos os anos. São cinco os sorogrupos de meningococo

que causam a maioria dos casos de DM. São eles:

A, B, C, W e Y.

O meningococo é transmitido principalmente por

meio de secreções respiratórias e da saliva. Felizmente,

essa bactéria não é tão contagiosa como o vírus da

gripe, por exemplo, mas ambientes com aglomeração

de pessoas oferecem maior risco de transmissão e

contribuem para desencadear surtos.

Segundo o Centro de Prevenção e Controle de Doenças

dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês),

cerca de uma em cada dez pessoas (dependendo da

idade, até mais) é portadora do meningococo no nariz

ou na garganta, sem apresentar qualquer sintoma, e

essas pessoas acabam sendo transmissoras da doença,

sem nem saber.

A evolução da DM é muito rápida, com o surgimento

abrupto de sintomas como febre alta e repentina, intensa

dor de cabeça, rigidez do pescoço, vômitos e,

em alguns casos, sensibilidade à luz (fotofobia) e confusão

mental. A disseminação do meningococo pelos

vasos sanguíneos pode produzir manchas vermelhas

na pele (petéquias, equimoses) e até necroses que

podem levar à amputação do membro acometido.

O risco de morte pela doença é alto: 10% a 20%, podendo

chegar a 70%, se a infecção for generalizada

(meningococcemia). Entre os sobreviventes, cerca de

10% a 20% ficam com sequelas como surdez, cegueira,

problemas neurológicos, membros amputados.

O tratamento é feito com antibióticos e outras

medidas de preservação do equilíbrio do organismo,

em Unidade de Terapia Intensiva isolada.

A vacinação é a principal forma de prevenção da doença

meningocócica. As vacinas contra os sorogrupos

A, B, C, W e Y são seguras e com boa eficácia (em média,

mais de 95% dos vacinados ficam protegidos).

Mesmo quem já teve a doença precisa ser vacinado,

pois a quantidade de anticorpos cai ao longo do tempo

e o indivíduo deixa de estar protegido. Por esse

motivo, também são necessárias doses de reforço,

conforme as recomendações das Sociedades Brasileiras

de Imunizações (SBIm) e Pediatria (SBP).

As Vacinas Meningocócica B e Meningocócica ACWY,

não são oferecidas na rede pública, apenas nas clínicas

privadas de vacinação. Ambas podem ser feitas

em bebês a partir de 3 meses de idade, jovens e adultos.

O número de doses varia de acordo com a idade

em que se inicia o esquema vacinal.

A CENTROVAC é um centro especializado em vacinação,

autorizado pela Vigilância Sanitária para atuar

na área de aplicação de imunobiológicos. Contamos

com profissionais treinados e capacitados e equipamentos

exclusivos para o armazenamento de vacinas,

com controle rigoroso de temperatura para

manutenção da temperatura ideal dos imunobiológicos.

06.

40


Sedação na

odontologia

Odontologia

S

entar-se na cadeira de um dentista, cercado de

equipamentos e do barulho do temível “motorzinho”

chega a causar pânico nos adultos e

também nas crianças. Aproximadamente 20% da população

mundial apresenta a chamada odontofobia –

medo de ir ao dentista.

A odontologia tenta afastar o fantasma do medo dos

atendimentos com o uso de novas técnicas que simplificam

os procedimentos, tornando-os mais fáceis,

e rápidos tanto para o profissional quanto para o paciente,

muitas vezes os atendimentos são realizados

em uma única sessão.

Nesse contexto, a sedação é uma forma de fazer com

que o paciente “durma”, ou esteja em estado de relaxamento

profundo, mesmo estando acordado. Vários

pesquisadores afirmam que essa técnica tem contribuído

de forma positiva para a mudança de atitude

de muitas crianças, que inicialmente exibiam extrema

ansiedade e fobia ao tratamento odontológico. Existem

três tipos de sedação: sedação oral (medicamentosa),

sedação inalatória (óxido nitroso) e sedação

venosa (em ambiente hospitalar).

A utilização da sedação com óxido nitroso é amplamente

recomendada e atribui mais tranquilidade ao

procedimento e anula a dor, o pavor e a ansiedade.

É um gás incolor, com odor e sabor agradáveis, não

irritante, seguro, não há riscos nem contraindicações

e acalma o paciente. A principal vantagem desse método

é a ausência de efeitos prolongados após a sessão

do tratamento, pois o óxido nitroso não é metabolizado

pelo nosso organismo, já que possui pouca

solubilidade no sangue.

Os medicamentos sedativos, incluindo o midazolam

(dormonid), são usados para reduzir a dor e a ansiedade.

Pode ser ingerido na própria clínica, alguns minutos

antes de o paciente entrar na sala clínica, estando

assim mais tranquilo e relaxado para o procedimento,

podendo até pegar no sono na cadeira odontológica.

O medicamento é injetado diretamente na corrente

sanguínea e tem efeito quase imediato.

Apesar de ser um procedimento muito seguro e não

apresentar riscos, alguns pacientes têm limitações

quanto ao uso das técnicas de sedação, como pacientes

com doença orgânica (pressão alta não tratada ou

não controlada), doenças cardíacas graves, diabetes

não controlada, hipertireoidismo, feocromocitoma,

sensibilidade aos sulfitos e usuários de antidepressivos

tricíclicos, compostos fenotiazínicos.

Todos esses tipos de sedação são menos traumáticos

e na maioria dos casos os pacientes fazem os retornos

odontológicos sem problema, e, dependendo da

escolha da sedação, o paciente não se lembra do

procedimento, mas é bom lembrar que o profissional

precisa estar capacitado e apto a oferecer esses

tipos de atendimentos odontológicos, também é

fundamental o paciente seguir as recomendações

do seu dentista.

06.

42


Benefícios da

Laserterapia no

tratamento fonoaudiológico

Fonoaudiologia

L

aser é uma luz amplificada (luz pura) que apresenta

características próprias, atuando em inúmeras

áreas de modo pontual. Por se tratar de

um laser de menor intensidade, fornece ao organismo

energia suficiente para promover mudanças bioquímicas

no meio intracelular, como aumento da produção

de ATP (adenosina trifosfato, uma molécula indispensável

que garante a liberação de energia para as células

dos seres vivos). Também promove a ativação de enzimas

antioxidantes, permitindo que o organismo retome

sua homeostase e seu bom funcionamento.

Indicações

Voz clínica e/ ou profissional;

Cirurgia ortognática;

Disfunções temporomandibulares;

Tratamento de paralisia facial;

Dor orofacial;

Nevralgia do trigêmeo;

Parestesia;

Estética facial.

Benefícios

Na Fonoaudiologia, o laser pode ser usado como

recurso terapêutico, potencializando a ação de manobras,

manipulações e técnicas fonoaudiológicas.

Trata-se de um recurso não invasivo e indolor e que

pode ser usado em conjunto com outros tratamentos.

Seus benefícios no treino muscular potencializam

a terapia miofuncional e a mioterapia, acelerando o

ganho de força, reduzindo os níveis de fadiga e melhorando

o desempenho dos músculos durante a execução

de diversas funções. Dessa forma, torna-se um

ótimo recurso que pode ser explorado nas áreas de

motricidade orofacial, estética, ronco, disfagia e voz.

Analgésico e Anti-inflamatório;

Antiedematoso (drenagem linfática);

Bactericida;

Redução da hiperemia;

Nutrição e regeneração tecidual;

Combate de radicais livres;

Estimulação do sistema imunológico;

Aumento da microcirculação periférica profunda;

Melhor performance na função muscular;

Regulação do metabolismo celular;

Estimulação da cicatrização;

Prevenção de lesões musculares.

Lembrando que, como em qualquer técnica de tratamento

fonoaudiológico é fundamental que se conheça

bem os princípios básicos envolvidos, assim

para que a laserterapia possa ser bem empregada

e para se chegar a resultados satisfatórios no tratamento,

é imprescindível conhecer, além da técnica,

o perfil do paciente.

06.

44


E

A criança com recusa /

seletividade alimentar Nutrição Infantil

stamos vivenciando um século em que o sobrepeso/obesidade

infantil é crescente, e consequentemente,

isso gera muita preocupação, visto

que a obesidade precoce tem como consequência

a possibilidade de sua continuidade na idade adulta

e riscos à saúde. Em contrapartida vemos famílias angustiadas

e vivendo um caos para alimentar os filhos.

Os pais fazem o possível e o impossível, mas os filhos

muitas vezes parecem se afastar cada vez mais

do momento da refeição. Percebemos aí uma guerra

em que não há vencedores. Nesse sentido, é de suma

importância que compreendamos o desencadeamento

de toda essa relação atual com o ato de “comer”.

Viemos de uma geração em que a maternidade muitas

vezes era validada pelo peso corpóreo do bebê,

eles precisavam ser “fofinhos” mesmo que não tivessem

potencial genético para isso, e temos a geração

que cresceu a base de multivitamínicos, açúcar, mingaus.

Essa forma simplista de enxergar o ato de comer

criou adultos com dificuldades de confiar na autorregulação

natural do corpo em relação à fome /saciedade,

deixamos no meio do caminho o comer intuitivo

e passamos a terceirizar a nossa fome a profissionais,

revistas, blogs.

Os filhos nascem e, para os pais é desafiador confiar

na capacidade dos pequenos de se autorregularem.

É difícil para uma mamãe compreender que para os

bebês, o comer está muito além da nutrição, é necessário

o desenvolvimento cognitivo, sensorial, o prazer

da autonomia e liberdade, a descoberta de um mundo

de cores, texturas e sabores. Enquanto os pais focam

na nutrição, os bebês querem liberdade, autonomia,

intimidade com o alimento, segurança e conforto para

se alimentarem. Quando insistimos para “só mais

uma colherzinha, só mais um pedacinho” os bebês

registram que esse momento não é agradável, assim,

iniciamos um ciclo de pais que tentam controlar o ato

de comer do filho por meio do uso de artifícios como

tablets e celulares. Andam com uma colher para alimentar

a criança, enquanto ela se distrai, usam todos

os artifícios possíveis. Certamente, podem ter sucesso

uma ou duas vezes, mas nada disso é sustentável, e

assim o momento da refeição vai perdendo o encanto

que deveria existir em todo lar. Os pais são cobrados

para terem filhos saudáveis e que gostem de comer,

ônus e bônus de ser responsável pela saúde e nutrição

de outro ser, até que ele mesmo possa fazer isso.

Os pais geralmente sentem culpa e frustração por não

obterem sucesso nessa tarefa. As crianças, com o intuito

de se protegerem, desenvolvem mecanismos de

fuga, como: vômitos, choro, dor na barriga, agitação,

sintomas esses disparados por uma cascata hormonal

de medo e fuga.

Por isso, é essencial enxergar a criança com uma visão

ampliada, toda a história com a nutrição desde a vida

intrauterina até o momento presente. É preciso descartar

causas orgânicas, sensoriais, fonoaudiológicas,

psicológicas, observar quais pontos podem ser melhorados

na rotina e comportamento da família em relação

ao momento da refeição, elaborar estratégias para

criar na criança o que ela muitas vezes ainda não tem.

Por exemplo: intimidade, curiosidade, prazer em ver,

brincar e falar sobre alimentos, de forma lúdica e de

acordo com cada idade aproximar os alimentos do dia

a dia. É primordial que se compreenda que esse trabalho

deve ser feito em equipe, nutricionista, família e

criança e muitas vezes se faz necessário outros profissionais

para trazer conforto ao ato de alimentar. Fonoaudiólogas,

gastropediatras, terapeutas ocupacionais,

psicólogas fazem parte desse time que trabalha rumo

ao bem estar e conforto necessário para desenvolver

um bom relacionamento com a alimentação.

Algumas das causas da dificuldade alimentar infantil

são: Alergias alimentares; Prematuridade; Refluxo;

Constipação crônica; Reflexo de protrusão lingual;

Preferências sensoriais; Disfunção do processamento

sensorial; Transtorno do espectro autista; Hipersensibilidade

oral; Fraqueza muscular (mandíbula).

Um olhar de carinho e acolhimento para as mães deve

fazer parte do trabalho dos profissionais que atuam

nessa área, isto porque, a mãe geralmente chega para

a consulta sem esperança e mergulhada na própria

dor de não ser capaz de alimentar o filho. O caminho

não costuma ser curto/rápido, todavia

é possível e vem recheado de conquistas e

aprendizado que essas crianças e as famílias

vão levar para toda vida.

Com carinho!

06.

45


Criança não é adulto

em miniatura

Psicologia

E

sta parece ser uma afirmação óbvia, contudo, no

dia a dia não é a constatação que observamos. A

compaixão para com a compreensão da criança

e do universo infantil são cada vez mais escassos. Vemos

a busca por filhos brilhantes, filhos que se destacam

dentre os demais. Filhos para mostrarmos aos

outros, ao meio. Mas, a criança não tem essa função,

e, na verdade ela não pode tentar ocupar essa função

ou papel.

Os pequenos estão com as agendas hiperlotadas. Inúmeros

são os compromissos e, junto com a maioria

desses compromissos, várias tarefas que se somam

àquelas já pedidas pelas escolas regulares. Muitos

afazeres e pouco tempo para a tomada de consciência

sobre quem ele é, do que gosta, ou o que proporciona,

de fato, prazer nesse curto período de vida que

é a infância.

Muitas exigências e um vocabulário inadequado

sendo usado para lidar com uma cabecinha em desenvolvimento,

para uma visão sendo estabilizada, e

para uma audição aprendendo a lidar com a realidade

externa. “Você precisa aprender mais de duas línguas,

pense no seu futuro”, “você precisa ser bom em

matemática, um médico precisa disso o tempo todo”,

“você precisa de disciplina, seu corpo precisa de condicionamento,

precisa de ballet, de natação, de aula

de tênis, de aula de capoeira” dentre tantas outras

coisas ofertadas ao mundo infantil. Vejo os pais falando

isso para aqueles seres pequeninos que olham

para eles e se questionam: “O que é futuro? Será que

tá longe?” “Quando eu for grande eu precisarei ser o

melhor em tudo?”.

Mas muitas vezes, nem tempo para questionar, essas

crianças conseguem. Chegam até as clínicas de psicoterapia

cansadas, têm receio de falar que não estão

contentes com tantas atividades, pois afinal, precisam

delas para o futuro. Quando essas crianças percebem

que no ambiente da clínica psicológica não há julgamento,

aprendem que ali podem falar sobre o que as

incomoda e expressam a dor no brincar. Descobrem

que podem simplesmente ser crianças, sem comparações

e qualificações com mais ninguém. Custam a

aceitar o fim do tempo de sessão justamente por isso,

pois ali podem ser aquilo que querem: médicas, enfermeiras,

professoras, modelos, e acreditem... alguns

querem ser apenas uma “uma ambulância”. E por que

não permitir?

É esse respeito que pedimos aos cuidadores, respeito

ao tempo de cada criança, o respeito à faixa etária e

aos sonhos que ela carrega em seu pequeno mundo.

E antes de pensarmos no futuro das crianças, o

qual precisa sim ser ponderado, precisamos pensar

no presente, no agora o qual a criança presentifica

o tempo todo. Ela está sempre inteira naquilo que

faz, por isso, ela ama brincar, ama fantasiar, ama rir. A

criança saudável apenas ‘é’, é inteira, plena e sensível

naquilo que faz. A criança saudável é feliz. E entendemos

que a criança feliz hoje é o adulto realizado

de amanhã.

Pense nisso, seu filho não é uma miniatura de você.

Ele é criança, e criança veio ao mundo para dar trabalho.

E que trabalho maravilhoso que dão! E passa

rápido... muito rápido.

Até a próxima!

06.

46


47


Tratamento odontológico

para gestante: sim ou não?

Odontologia

D

e todo o universo feminino, a maternidade é a

fase de maior sensibilização para uma mulher,

pois ela se depara com mudanças físicas, psicológicas

e fisiológicas e a combinação desses três

elementos faz com que a gestante se sinta vulnerável

e ao mesmo tempo muito satisfeita por estar

gerando uma nova vida, um ser que será seu total

dependente por um longo tempo. Essa confusão de

sentimentos, emoções, ansiedades, medos, sensações

e mudanças físicas tornam as gestantes pacientes

mais do que especiais.

Infelizmente para a odontologia a gravidez é sinônimo

de nove meses de espera, ou seja, a postergação

de um tratamento que poderia ser simples e realizado

nas melhores condições possíveis e que por falta

de orientação ou conhecimento do profissional e até

pelos mitos que rondam essa área, o problema poderá

se tornar mais sério através do desenvolvimento

da doença diagnosticada e não tratada.

Por isso não se deve deixar de dar atendimento à

gestante. O profissional deve fazê-lo com o cuidado

apenas de restringir os procedimentos aos menos invasivos

e mais urgentes.

No entanto, muitas são as dúvidas dos dentistas

com relação ao tratamento para com as pacientes

grávidas. Dúvidas que vão desde o posicionamento

da paciente na cadeira odontológica, que requer

certo cuidado; horário de atendimento e sua duração,

pois os enjoos geralmente se tornam empecilhos

durante o tratamento; os cuidados quanto ao

exame radiográfico; os tipos de procedimentos que

podem ser realizados; a melhor época da gestação

para o atendimento; o tipo de anestésico a ser usado

em uma gestante e a quantidade correta; o uso de

medicamentos durante a gravidez e no período de

amamentação; e por fim o uso do flúor pré-natal. O

esclarecimento de todas essas dúvidas por parte do

cirurgião-dentista é o suficiente para haver um atendimento

adequado, com muita qualidade, fazendo

com que a paciente se sinta muito à vontade e segura

com o profissional.

Outro aspecto muito importante é que o dentista

deve estar preparado para instruir e educar a respeito

da saúde bucal e sua preservação, informando

à gestante todas as alterações a que estará sujeita,

principalmente as bucais, aproveitando a oportunidade

em que a grávida é muito receptiva, pois as

informações se reverterão em benefícios ao bebê e

toda a sua família, através da incorporação de hábitos

de higiene mais criteriosos, de alimentação mais

adequada e todos os métodos de prevenção à cárie

e doença periodontal.

Sendo assim, embora existam vários entraves culturais

e sociais, as gestantes necessitam de tratamento

odontológico preventivo e quando houver necessidade

do tratamento curativo, ele deve ser feito sim,

pois sua postergação pode trazer consequências negativas

tanto para mãe quanto para o feto. A odontologia

para gestantes é extremamente segura, basta

que os profissionais saibam algumas particularidades

do tratamento.

06.

48


Mastopexia:

cirurgia plástica para

levantamento dos seios

Cirurgia Plástica

D

esde a puberdade, os seios sofrem várias alterações

causadas pelos hormônios, uso de anticoncepcionais

orais, gravidez, grande variação

do peso, amamentação ou menopausa. Por isso, com

o tempo, os seios alteram o seu aspecto e consistência,

tornando-se mais caídos. Para ajudar a restituir a

forma jovial dos seios, pode-se realizar a cirurgia de

Mastopexia.

A cirurgia de Mastopexia, ou lifting de mamas, tem

o objetivo de remover o excesso de pele da região,

remodelar e levantar os seios e também possibilita

reposicionar a auréola da mama e alterar o tamanho

do bico.

A cirurgia pode ser realizada com implante de silicone

nos seios ou não, dependendo da quantidade de

tecido mamário. No caso de ser sem o implante de

silicone, o tamanho da mama permanece o mesmo,

mas a sua forma e projeção são alteradas, deixando o

mamilo mais levantado.

As incisões geralmente são realizadas ao redor da

região dos mamilos, podendo estender-se em uma

linha vertical saindo da aréola em direção à base do

seio (em L) ou ainda para um formato de T invertido,

dependendo da quantidade de pele que será retirada.

Independente do formato da cicatriz, são usados

pontos internos que serão absorvidos pelo organismo.

A recuperação após Mastopexia envolve o uso de sutiãs

pós-operatórios para proteger, segurar e moldar

as mamas, devendo ser usado pelo período de 3 meses.

A drenagem linfática é importante para diminuir

o inchaço das mamas e aliviar a sensação de peso e

desconforto comum nos primeiros dias pós-operatórios.

Evitar esforço físico, incluindo dirigir, pelo período

de 30 dias, as atividades físicas mais intensas

como academia só são liberadas após 3 meses ou de

acordo com o critério médico. Evitar exposição solar

em média de 3 a 6 meses. Não dormir de bruços e

nem levantar os braços acima dos ombros por 30 a

60 dias. A avaliação e acompanhamentos do seu cirurgião

são importantes na completa recuperação

pós-operatória.

O mais importante para o sucesso da cirurgia é se

informar bem sobre o procedimento, passar por avaliação

com um cirurgião plástico e realizar o procedimento

com um médico de confiança. Dessa forma

a expectativa da paciente e o resultado obtido geralmente

são mais congruentes. Para uma correta

avaliação procure sempre seu cirurgião plástico

de confiança.

10.

50


E

A moda que está

redesenhando as

sobrancelhas

star com a sobrancelha sempre bem preenchida,

sem falhas e com o formato que deseja, é uma

ideia ótima, não é mesmo? Pois é, hoje já podemos

contar com a micropigmentação de sobrancelha.

A técnica é conhecida como “maquiagem definitiva” e

é um procedimento estético que ajuda na promoção

da autoconfiança e autoestima das pessoas pelos excelentes

resultados que proporciona nas sobrancelhas

e em outras áreas do corpo, que também podem ser

pigmentadas.

A escolha do profissional é essencial!

Para escolher o profissional ideal é necessário considerar

muitos fatores, tais como, qualificação, resultados

cicatrizados, uso de equipamentos com certificação da

ANVISA, uso de descartáveis, técnica adequada para

cada cliente, conhecimento em visagismo e anatomia

facial, satisfação dos clientes, entre outros.

Nos últimos anos, as técnicas de micropigmentação se

espalharam pelos salões, clínicas e estúdios de beleza.

O grande problema é que o número de mulheres que

procuram reparos para procedimentos malsucedidos

tem aumentado significativamente. Falhas no desenho,

sobrancelhas esverdeadas, azuladas e com formatos

desarmônicos, são algumas das causas da crescente

procura pela despigmentação. É bom lembrar que são

poucos os casos em que é possível fazer a correção

com uma nova micropigmentação por cima da antiga.

A despigmentação é difícil, mas é possível!

Existem várias técnicas para realizar a despigmentação,

a mais utilizada atualmente é o laser, pois é uma opção

segura e seletiva, atinge somente o pigmento, não

prejudicando a pele ao redor. Ele quebra o pigmento

em partículas menores, e estas são removidas pelo corpo

através dos glóbulos brancos (sistema linfático). A

despigmentação total nem sempre é possível, varia de

acordo com a quantidade de sessões, cor e tipo do pigmento

implantado.

A despigmentação por Eletrocautério atua por meio

de uma descarga elétrica controlada para a remoção

superficial de pigmentos endógenos melânicos e exó-

Design de Sobrancelhas

genos (dentro e fora das células de melanina), nesse

procedimento ocorre uma espécie de cauterização,

em que o tecido é destruído através da eletricidade.

Nesse processo se utiliza um bisturi eletrônico que, se

aplicado delicadamente em cada ponto da sobrancelha,

remove o tecido tingido dando origem a um tecido

novo e limpo. O tempo para concluir a despigmentação

varia de caso para caso, dependendo diretamente,

do tamanho, cor, forma e local pigmentado.

Pode ser utilizada também a despigmentação química

(com ácidos) que clareia o pigmento após algumas sessões,

porém essa é a técnica menos eficaz para casos

de implantação profunda ou muito escura, dependendo

o caso o profissional pode levar um longo tempo

para se conseguir um resultado satisfatório. Essa técnica

é mais indicada para desenhos bem clarinhos. Existem

casos em que o procedimento foi feito de maneira

superficial, sendo assim, a pigmentação desaparecerá

sozinha com a regeneração natural da pele que ocorre

a cada 30 dias.

Por isso para não ter que passar por esses procedimentos

de remoção é essencial avaliar o profissional que

vai realizar a micropigmentação em suas sobrancelhas

ou em qualquer outra área do seu corpo.

Acompanhar o trabalho, buscar resultados cicatrizados,

informações sobre satisfação das

clientes, garantirá que você não tenha problemas

futuros.

10.

51


É hora de cuidar

das mamas! Ultrassonografia

E

m uma pessoa saudável, quando as células envelhecem

e morrem, o organismo as substitui

por células novas e saudáveis através de divisão

e reprodução celular. O comprometimento desse processo

pode fazer com que células sejam produzidas

em excesso formando um tumor, também chamado

de nódulo.

Um nódulo pode ser benigno ou maligno. Os nódulos

benignos não causam graves danos para a saúde,

suas células têm aparência próxima do normal, crescem

lentamente, não invadem os tecidos vizinhos e

também não se espalham para outras partes do corpo.

Por outro lado, os nódulos malignos, são prejudiciais

à saúde e podem levar à morte. Suas células têm

a forma alterada e, se não forem controladas, podem

crescer e invadir tecidos e órgãos vizinhos, eventualmente

se espalhando para outras partes do corpo

(metástase).

não têm origem hereditária. Mesmo assim, conhecer

o histórico familiar é importante para avaliar o risco

de câncer de mama.

Apesar de ser o segundo tipo de câncer mais comum

entre as mulheres, o câncer de mama é o que causa

mais mortes neste grupo. Quanto mais cedo ele for

detectado, maior a probabilidade de cura. Por isso, o

cuidado com as mamas é muito importante e um dos

exames que seu médico pode solicitar para ajudar

nesse cuidado é a ultrassonografia.

A ultrassonografia das mamas é um exame que ajuda

a esclarecer a natureza dos nódulos vistos na mamografia

ou palpados pelo médico ou pelo próprio paciente.

Nesse exame, são analisadas algumas características

dos nódulos como formato, dimensões, se

é sólido ou líquido e até mesmo se ocorre invasão

de tecidos vizinhos, permitindo avaliar o risco de o

nódulo ser maligno. Dessa forma, o médico que solicitou

o exame pode definir uma conduta adequada

para cada caso.

O câncer de mama é um nódulo maligno que se desenvolve

a partir de células da mama. Ele pode ser “in situ”,

isto é, localizado nas células superficiais da mama, com

chances de cura de aproximadamente 100%. Mesmo

os tumores invasivos podem ser curados se o diagnóstico

for estabelecido em fase precoce.

O câncer de mama pode ser hereditário ou adquirido.

O primeiro caso corresponde a cerca de 5% a 10%

dos casos, ou seja, aproximadamente 90% dos casos

A Ultrassonografia é um exame realizado por médicos,

pois requer conhecimento aprofundado da anatomia

humana e do funcionamento das doenças. Deve ser

realizado num local tranquilo, sem distrações, por um

profissional atento e meticuloso. Por isso, quando

seu médico solicitar um exame de ultrassom, procure

uma clínica de sua confiança.

10.

54


Implantes dentários Odontologia

I

mplantes dentários são suportes ou estruturas de

metal (normalmente de titânio) posicionadas cirurgicamente

no osso maxilar abaixo da gengiva

para substituir as raízes dentárias. Uma vez colocados,

permitem ao dentista montar dentes substitutos

sobre eles.

Como funcionam os implantes dentários?

Por serem integrados ao osso, os implantes oferecem

um suporte estável para os dentes artificiais, confere

ao paciente mais segurança em todas as funções

bucais proporcionando uma situação mais natural do

que pontes ou dentaduras convencionais.

Para algumas pessoas, as próteses e dentaduras comuns

são simplesmente desconfortáveis ou até inviáveis,

devido a pontos doloridos ou falta de adaptação

a estes aparelhos.

Em casos de edentulismo (falta de todos os dentes),

poderemos implantar uma arcada completa (ou dentadura

completa) sobre os implantes (prótese protocolo).

No caso de faltar apenas um dos dentes poderemos

recorrer ao implante dentário (1 dente apenas). Nesse

caso depois do implante estar consolidado será colocada

a respectiva coroa sobre o implante unitário.

A coroa é uma peça anatomicamente semelhante ao

dente natural e normalmente elaborada em cerâmica

ou zircônia.

Vantagens do implante dentário:

Ajuda a fonética;

Melhora a mastigação;

Aumenta a autoestima;

Aumenta o conforto;

Fornece estabilidade para a arcada dentária;

Aumenta a qualidade de vida.

No caso de existirem vários dentes em falta e juntos,

poderemos recorrer à colocação de uma ponte fixa

aos implantes. Uma ponte é uma estrutura constituída

por várias peças unidas entre si (fundidas), representando

os dentes naturais, e elaborada com os

mesmos materiais.

Para receber um implante, é preciso que você tenha

gengivas saudáveis e ossos adequados para

sustentá-lo. Você também deve comprometer-se

a manter estas estruturas saudáveis. Uma boa

higiene bucal e visitas regulares ao dentista

são essenciais para o sucesso a longo prazo de

seus implantes dentários.

10.

55


56


A Revista Kids Mais atua há mais de DEZ

anos no mercado, no segmento familiar,

sendo um veículo efetivo de comunicação.

Registramos recordações e levamos informações

ricas em conteúdos para o dia a dia.

Somos uma mídia regional e sua eecácia se

dá por meio de publicações e divulgações,

as quais são desenvolvidas em parceria com

as melhores empresas da região, gerando

grande credibilidade e interesse dos leitores.

More magazines by this user
Similar magazines