O Expressionismo e a Cadeia de Cristal - USP

usp.br

O Expressionismo e a Cadeia de Cristal - USP

O Expressionismo e a Cadeia de

Cristal


A pintura expressionista

• Um enfrentamento ao positivismo e à

postura estética do olhar pasmado.

A arte da ação e do gesto primordial que

imprime a consciência subjetiva ao plano

pictórico.


A ênfase expressionista está na modificação

gestual e agressiva humana sobre o material

que resulta no discurso visual.


• A apreensão

subjetiva da

realidade se dá

numa chave

trágica e

existencialista

perante a

época de crise

da

racionalidade.


A arquitetura expressionista

• Um movimento de contracultura com anseio

por uma nova sociedade e uma nova

arquitetura.

• Vertente tardia do movimento expressionista,

tem suas primeiras manifestações em 1914,

resultantes de uma cisão ideológica surgida

dentro da Deutsche Werkbund.


Algumas influências diretas

• Neue Künstler Vereinigugung (1909)

Movimento proto-expressionista liderado por

Kandinsky, opunha-se à cultura estatal industrial

da Deutsche Werkbund.

• Glasarchitektur (1914)

Texto de Scheerbart (1863- 1915) exaltando o

vidro como material de liberação moral e

material da arquitetura e da humanidade, por

consegüinte.


A cisão da Deutsche Werkbund

• Kunstwollen:

“vontade da forma”

O desejo expressivo

afirmado

individualmente

Expoentes:

Behrens, Gropius,

Muthesius.

• Typisierung: aceitação

coletiva da forma

normativa.

Expoentes:

Van de Velde e Taut.


•Pavilhão de Vidro, obra de Bruno Taut, foi

construído para a exposição Werkbund de

Colonia de 1914. A construção se inspira nas

catedrais góticas e explora novas

possibilidades técnicas expressivas no uso do

vidro.

Apresenta o conceito de Stadtkrone (Coroa da

cidade) introduzido por Taut, paradigmático

da construção religiosa como sendo elemento

urbano fundamental de reestruturação social.


Arbeitsrat für Kunst e

Novembergruppe(1918)

• Conselho de Trabalho para a Arte; funde os

dois grupos, que se uniram atuando através

de manifestos e exposições com o princípio da

união entre as artes e vivência destas por toda

a população.

• Eram mais de cinquenta artistas, arquitetos e

mecenas, entre eles Mendelsohn, Taut,

Gropius e Behne.


• “ [...] o europeu está certo quando teme que

a arquitetura de vidro possa tornar-se

incômoda. Ela o será, sem dúvida. E esta não

constitui sua menor vantagem, pois, em

primeiro lugar, é preciso arrancar os europeus

de seu comodismo.” Adolf Behne, 1918.


“Exposição dos arquitetos

Desconhecidos” (1919)

• A exposição representava as posições

defendidas pelo Arbeitsrat für Kunst, como

canteiros de experimentação ligados à prática

de idéias socialistas utópicas.

• O manifesto de sua apresentação preconiza as

ideias do Manifesto da Bauhaus, de Gropius,

que foi fundada no mesmo ano.


• Proposição de novos

emblemas para a arquitetura

moderna: não mais os

transatlânticos e locomotivas,

objetos industriais, mas a

catedral do socialismo, como

obra de arte coletiva.

A Bauhaus unificaria as artes,

como uma “Catedral do

Futuro”.


Cadeia de Cristal (1919)

• Uma correspondência de utopias. Corrente de

cartas e desenhos de livre expressão iniciada

por Bruno Taut após o fechamento das

atividades do Arbeitsrat für Kunst.

• 14 arquitetos e artistas participavam do

círculo, entre eles, Gropius, Luckhardt,

Scharoun.


• Volta às discussões da Werkbund de 1914.

• “ Seria completamente errado recusar-se a

admitir essa tendência da época, uma vez que

se trata de um fato histórico. Além do mais,

não há como provar que ela seja hostil à

arte.”Luckhardt, 1920.


• Bruno Taut conserva-se

fiel às concepções de

Scheerbart.

• Publica Auflösung der

Städte (Dissolução das

cidades) onde idealiza

comunidades rurais

artesãs anarcosocialistas.

Alpine Architektur, 1917.


• Bruno Taut torna-se arquiteto da prefeitura de

Madgeburg em 1921, e entra em crise com seus

projetos, sendo obrigado a atender à demanda social

da República de Weimar.


• muitos arquitetos tiveram parte de sua obra

inserida dentro da corrente expressionista,

porém sem fidelidade ao movimento, e

realizando, também, proposta vinculadas

diretamente à proposta racionalista.


Casa Sommerfeld, de Walter Gropius - 1921


Escritórios da Höchster Farbwerke, Frankfurt – de Peter Behrens , 1920-1924


Hans Poelzig

• Vem a ser o

concretizador da

imagem da Stadtkrone

de Taut; a poética de

cristal chega à

plenitude no seu teatro

de massa, para cinco

mil pessoas.

Torre de Água, Posen


Grosses Schauspielhaus, Berlim, de Hans Poelzig –projeto de 1919


Indústria Química, Luban, de Hans Poelzig -1911


Erich Mendelsohn

Torre Einstein, 1919-1923


Mendelsohn intensificou a pesquisa na

representação

abreviada da forma, desenvolvendo um traçado

característico à arquitetura expressionista.


Herança tardia

Filarmônica de Berlim, de Hans Scharoun, 1960.


Filarmônica de Berlim


Flávio de Carvalho

• Multi-artista de vanguarda

• A poética de Fábio de Carvalho é aproximada

por Luis Carlos Daher à expressionista no que

diz respeito à postura contestadora de sua

arquitetura.

• Aproxima-se também da poética futurista.


Casa Modernista de Fábio de Carvalho, Valinhos, 1929


1919: fundação da Bauhaus.

Instituição mista:

Academia de Arte e

Escola de Artes e Ofícios.

Unir Artesanato e

Produção Industrial;

Walter Gropius assume a

direção da escola.


Proclamação da Bauhaus:

“entrar nos edifícios, dotálos

de contos de fadas (...) e

construir com fantasia, sem

preocupar-se com as

dificuldades técnicas”. (W.

Gropius) [expressionismo]

Oskar Schelmmer: Bauhaus

como catedral do socialismo.

Cathedral, 1919. Lyonel Feininger, Capa do

Manifesto e do Programa da Bauhaus


Johannes Itten

• lecionou por três anos na

Bauhaus.

• Sofreu influência de Franz

Cizek - estímulo da

criatividade individual

através de colagens de

diferentes texturas e

matérias - estudo da forma

e da cor.

• A pedido de Itten, Schlemmer,

Paul Klee e George Muche são

convidados a lecionar na

Bauhaus.


Horizontal – Vertikal. 1915. Johannes Itten


Theo van Doesburg e Gropius x Kandinsky e Itten

• Doesburg: estética racional e

antiindividualista; De Stjiil.

• Kandinsky: abordagem emotiva,

subjetiva e mítica da arte


Moholy-Nagy

• Responsável pela oficina

de metalurgia.

• “elementarismo

construtivo”

conveniência dos

objetos produzidos -

revelar as propriedades

estáticas e estéticas das

estruturas.

• Materiais como

madeira, metal, arame e

vidro.


• “elementarismo-construtivista” foi

complementado em outro segmento da

Bauhaus pela influencia De Stijl de Van

Doesburg .

• Exemplo disso: tipografia sans serif, usada por

Herbert Bayer e Joost Schmidt para exposição

Bauhaus de 1923.


Sans serif Bauhaus


Casas construídas pela Bauhaus

• Casa Sommerfeld

• Casa Versuchshaus


Casa Sommerfeld

Projetada por Gropius e Meyer. 1922. Casa de madeira tradicional, com

interior enriquecido por madeira entalhada e vitrais, para criar uma

gesamtkunstwerk [integração de múltiplas expressões artísticas

diferentes]

Casa Sommerfeld

Vitrais


Móvel projetado por Marcel Breur

Interior entalhado em madeira


Casa Versuchshaus – Planta

Cozinha – Máquina de morar


• Abordagem da Bauhaus se torna mais

objetiva, afiliada ao movimento Neue

Sachlichkeit [Nova Objetividade - recusa o

expressionismo] massificação um tanto

formalista.


Bauhaus Dessau. Walter Gropius

Bauhaus em Dessau


Mestres da Bauhaus: Josef Albers, Hinnerk Scheper, Georg Muche, László

Moholy-Nagy, Herbert Bayer, Joost Schmidt, Walter Gropius, Marcel Breuer,

Vassily Kandinsky, Paul Klee, Lyonel Feininger, Gunta Stölzl e Oskar Schlemmer


• 1926:Marcel Breuer na direção dos ateliês.Produção

de mobiliário cadeiras e mesas de aço tubular, mais

econômicas, práticas e fáceis de limpar.

• Em 1927 era grande a produção licenciada vinda da

Bauhaus, entre ela estava: mobiliário de Breuer,

tecidos de Gunta Stadler-Stöz, lâmpadas e artefatos

de metal de Marianne.


Mobiliário de Breuer.

Tecido de Gunta Stadler-Stöz

Lâmpada de metal de Marianne Brandt


• 1928: Gropius se demite e indica Meyer em

seu lugar. Moholy-Nagy, Breuer e Bayer

acompanham Gropius em sua decisão.

• Mudanças que aproximam a Bauhaus da Neue

Sachlichkeit. Segundo Moholy-Nagy, a adoção

de um método rigoroso de design por parte

de Meyer seria prejudicial.


Hannes Meyer

• Meyer: design mais

“socialmente responsável”

simples, desmontável e

barato, o mobiliário em

madeira compensada veio

para primeiro plano.

Muitos projetos

fabricados, ênfase sobre o

social e não considerações

estéticas.


• Catálogo da exposição de produtos da escola (1929) e mesas

dobráveis feitas na oficina de móveis.


Bauhaus em 4 departamentos:

• Arquitetura [construção];

• Publicidade;

• Produção em madeira;

• Têxteis.

• Introdução de cursos como organização industrial e

psicologia. Setor de construção:otimização econômica,

cálculo preciso de luz artificial, solar, perda e ganho de

calor, acústica.

• Novas contratações: Ludwig Hilberseimer, engenheiro

Alcar Rudelt, Alfred Arndt, Karl Fieger, Edvard Heiberg

e Mart Stam.

• 1930: Meyer é demitido.


Mies van der Rohe

• 1930:direção da

Bauhaus.

• 1932: outubro, o que

restava da escola foi

transferida para um

depósito nos arredores

de Berlim. Política

municipal: exigiram que

a Bauhaus fechasse suas

portas. Fachada sachlich

revertida por um telhado

“ariano”.


• Em 1933 a

Bauhaus foi

fechada pelo

governa Nazista. A

escola foi

considerada uma

frente comunista,

especialmente por

possuir em seu

quadro de

professores muitos

artistas russos.


Art Déco

A busca de um comportamento novo refletia a instabilidade de uma

sociedade mais preocupada com os prazeres efêmeros que com realizações

duráveis – o termo “les anées folles” aplicado a década de 20 é sintomático -,

incapaz de fixar uma escolha entre uma herança cultural do século XIX e as

perspectivas industrialistas da era da máquina” (Segawa. Arquiteturas no

Brasil)

Sociedade instável recém do conflito que definia duas frentes opostas:

Alemanha humilhada – França Vitoriosa

Ao contrário do design criado pela Bauhaus, na Art Déco não há exigência de

funcionalidade

Tentativa de racionalização dos volumes e dos elementos de ornamentação

Rigor geométrico e predominância de linhas verticais


Auguste Perret

Paris


Enquanto que urbanismo na Europa nasceu no bojo de um processo de

modernização e reforma social, no Brasil ele encontrou um país que não

era verdadeiramente urbano e industrial. Portanto, teorias européias

desenvolvidas em resposta à modernização chegaram ao Brasil antes que

a modernização acontecesse.

“Conciliar a erradicação das epidemias que varreram a cidade ao longo do século XIX, afastar

a população pobre de setores estratégicos para a expansão urbana e conferir à paisagem uma

estética arquitetônica de padrão europeu caracterizaram iniciativas para a modelagem de um

Brasil condizente com o figurino de uma nação civilizada.”

(Segawa. Arquiteturas no Brasil)


Estação de trens

Goiania


Ministério do Trabalho


Ministério da Fazenda


Ministério da Guerra


Central do Brasil


A NOVA OBJETIVIDADE

1923-1933


Rússia e

Alemanha

• Russia – Revolução;

Políticas Lenin

• Alemanha – pós-

guerra

• Tratado de Rapallo


El Lissitzky

Projeto: Prounenraum para a Grosse Berliner Kunstausstellung de 1923

“O espaço é concebido com

formas e materiais elementares e

com superficies que se estendem

sem relevos sobre a parede(cor) e

superfícies que são

perpendiculares à parede

(Madeira)… o equilibrio que

procuro obter nesse espaço deve

ser elementar e capaz de mudar

para que nao possa ser pertubado

por um telefone ou uma peça de

mobiliário. O espaço está ali para

o ser humano – e nao o ser

humano para o espaço.”.


ABC

• Grupo esquerdista ABC, em Basileia.

• El Lissitsky;

• Mart Stam;

• Emil Roth;

• Hans Schmidt;

• Hannes Meyer;

• Hans Witter.


Projeto: Petersschule para Basileia 1926 de Meyer e Witter


• Projeto: Liga das Nações em Geneva 1927

Meyer/Witter

• Meyer: “nada de corredores reconditos para a prática

de diplomacia clandestina, mas salas abertas e

envidraçadas para a negociação pública de homens

honestos.

• ARQUITETURA DE RELEVÂNCIA SOCIAL

• STAM: ”o isolamento do indivíduo levou-o a deixar-se

dominar por suas emoções. Mas a perspectiva

moderna vê a vida como um impulso único a partir de

uma força única. O que é individual deve ceder diante

daquilo que é comum a todos.


Nova Objetividade na Holanda

Stam e Vlgut com a fábrica de Van Nelle

Projeto: Existenzminimum Bergpolder

Van der Vlugt

J. J. P. Oud – casas funcionalistas de cobertura

plana para operários


Projeto: Fábrica Van Nelle. 1929 L. C. van der Vlugt / Stam

LE CORBUSIER:”… lugar sereno

tudo se abre para o exterior…

uma criaçã da era moderna ,

eliminou por completo todas as

conotações anteriormente

associadas a palavra proletário. E

esse desvio do instinto egoísta

de propriedade que ali caminha

para um sentido de ação

coletiva, leva a um resultado

extremamente feliz: participação

pessoal em cada etapa do

empreendimento humano.’


Quartiere Kiefhoek, Rotterdam,

J. J. P. Oud, 1925-29


Stam em 1926 faz um projeto para o bairro de

Rokin em Amasterdã.

• Subversão do padrão urbano

tradicional;

• Cidade Aberta

• “O volume casa vez maior do tráfego, devido ao

crescente desafio economico, transforma sua

organização no fator determinante do

planejamento urbano arquitetônico. O

pensamento arquitetonico deve romper comas

atitudes esteticas que nos foram legadas pelas

gerações anteriores. A concepção de uma cidade

como um espaço fechado é uma delas e deve

ceder lugar à cidade aberta.


Cidade aberta X espaço fechado


Amsterdã - Holanda


Dessau


• Projeto: Escola ao ar livre de Amsterdã –

Duiker


CEU Butanta


• projeto Heuberg de

Viena - Adolf Loos


• Otto HAESLER (casa em fileria – piorneiro)

'Italienischer Garten’ em Celle de Otto Haesler


• May: arquiteto de Frankfurt

• Projeto: Bruchfeldstrasse, Frankfurt

• Projeto: Complexo Vale do Nidda: Hehnblick e

Praunheim em 1927


• Bauhaus em Dessau: Gropius 1926

• TEATRO TOTAL 1927

• 1927 Gropius despede-se da Bauhaus e

envolve-se com a construção de moradias;

melhoria dos padrões habitacionais e

desenvolvimento dos projetos urbanos


DE STIJL


DE STIJL - Neoplasticismo

• Movimento estético - social –

‘filosófico com grandes influências

sobre o design, a arquitetura e artes

plásticas;

• Nasceu no ano de 1917 na Holanda,

durando apenas 14 anos;

• Principais integrantes: Piet Mondrian,

Theo Van Doesburg e Gerrit Rietveld.

• Propagação das idéias através de publicação

homonima, com textos dos próprios artistas.


DE STIJL - objetivos

O objeto da natureza é o homem, o objeto do homem é o estilo.

• Busca do equilíbrio entre o individual e o universal;

• Libertação da arte no que diz respeito à tradição e ao culto à

individualidade;

• Criação de uma arte nova e internacional, expressando um novo ideal

utópico de harmonia espiritual e ordem;

• Pregavam o abstracionismo puro e a universalidade pela redução ao

essencial da forma e da cor.


DE STIJL - influências

FILOSOFIAS (metafísica)

• Spinoza,

“Pensamentos Metafísicos”

• Schoenmaekers,

“A Nova Imagem do Mundo”, “Princípios da Matemática Plástica”

- origem da paleta de cores restrita, das linhas verticais e horizontais

e do termo neoplasticismo.

• calvinismo holandês;

• Madame Blavadsky – “Teosofia”

ARQUITETURA (solidez)

• Hendrik Petrus Berlage,

crítica sociocultural, ‘pai’ do termo DE STIJL

• Frank Lloyd Wright,

Publicação de duas edições do Wasmuth com suas obras nos EUA


"Os dois contrários fundamentais completos que dão forma à Terra são a

linha horizontal de energia, isto é, o curso da Terra em redor do Sol, e o

movimento vertical, profundamente espacial, dos raios que se originam

no centro do Sol”

"As três cores principais são essencialmente o amarelo, o azul e o

vermelho. São as únicas cores existentes... O amarelo é o movi­mento do

raio... O azul é a cor contrastante do amarelo. Como cor, azul é o

firmamento, é a linha, a horizontalidade. O vermelho é a conjugação de

ama­relo e azul... O amarelo irradia, o azul 'recua' e o vermelho flutua."

Schoenmaekers, “A Nova Imagem do Mundo”


DE STIJL - cronologia

• FASE 1:

Início do movimento, rigorosidade em seguir às influências;

• FASE 2:

Theo Van Doesburg na Bauhaus e aproximação com o Elementarismo russo;

• FASE 3:

Rompimento de Van Doesburg e Piet Mondrian, fim do movimento.


Pintura – Piet Mondrian e Theo Van Doesburg

• Mondrian:

- primeiras obras pós-cubistas em 1914;

- longo período na França com

Schoenmaekers e Van der Leck;

• metafísica – influência da religião

calvinista fortemente presente em sua

família;

• absorção plena dos ideais estéticos de

Schoenmaekers, resultando na publicação

de “Neoplasticismo em Pintura”,

DE Stijl, edição 1.


Design – o mobiliário Red/Blue

• criação de Rietvelt, primeira peça em 1917;

•estética neoplástica em três dimensões;

• uso das cores primárias juntamente com o preto, o cinza e o branco;

• mobiliário estruturado em traves e planos retilíneos;

• material: madeira.


De Stijl na Bauhaus

• novas faces permitem a internacionalidade do movimento:

-El Lissitzky - grande influência na obra de Van Doesburg após 1921,

inserindo as questões da escala ambiental e a condição do objeto em

questão, trabalhando a noção de que o ambiente construído deveria

ser concebido de acordo com uma ordem, um programa.

• 1920 - Van Doesburg visita Bauhaus à convite de Hans Ritcher;

• 1921 – apenas Van Doesburg representava o De Stijl:

- Mondrian se reestabelece em Paris, como artista independente;

- outros artistas se desligam do estilo;

- Van Doesburg é convidado por Gropius à lecionar na Bauhaus;

- Van Doesburg causa um forte impacto entre os estudantes e professores

da Bauhaus, influenciando fortemente o ensino e as composições da

escola. Em 1924 publica “Dezesseis pontos de uma arquitetura plástica.”


Arquitetura – Gerret Rietveld

• A arquitetura neoplástica surgiu apenas após 1920, na segunda

fase do movimento;

• 1º projeto: Casa Schröder-Schräder de Utrecht, 1924;

• construção em alvenaria e madeira;

• características:

- elementar;

- econômica;

- funcional;

-não-monumental;

- dinâmica;

- forma anticúbica: volumes e planos que saltam do elemento;

- cor antidecorativa;

- planta transformável;


Arquitetura – Café L’Aubette

• último projeto: Café L’Aubette, Estrasburgo, 1928, Theo Van Doesburg;

• dois grandes espaços públicos somado a espaços adicionais, inseridos

em uma fachada do século XVIII;

• Dependências projetadas por Van Doesburg associado à Hans Arp e

Sophie Täuber Arp, moduladas por relevos de parede abstrados e

superficiais;


De Stijl – fase final

• divergência entre Mondrian e Van Doesburg: o último introduz as linhas

diagonais em suas obras, resultando, para Mondrian, na perda da unidade

inicial (contra-composições);

• Rietveld redesenha seu mobilário utilizando-se das questões relativas

à ergonomia e resistência estrutural;

• Van Doesburg também passa a situar a estrutura social e a tecnologia

como os principais determinantes da forma, algo que não era proposto

no movimento originalmente;

• Em 1930, o ideal neoplástico – unir as artes e trancender a divisão

entre arte e a vida – já não era defendido, apenas tendo Mondrian como

representante, culminando no fim do movimento.

More magazines by this user
Similar magazines