Grupo - Solvay

solvay.pt

Grupo - Solvay

Futuro

[ Editorial ]

Um novo arranque

O ano 2006 correspondeu às expectativas e encerrou

com um balanço francamente positivo para as

diferentes sociedades do Grupo em Portugal.

Na Química, assegurámos a nossa competitividade

resistindo bem à alta nos preços da energia

e registámos máximos históricos de produção em

carbonato de sódio, clorato de sódio e peróxido

de hidrogénio.

Lançámos os projectos de investimento na

Fábrica, para entrada ao serviço este ano, que nos

permitirão modernizar equipamentos, vencer

estrangulamentos na produção e diminuir impactes

ambientais. Alcançámos excelentes resultados em

Qualidade e Inovação (com um índice anual de 1,8

ideias por pessoa). Concluímos e submetemos às

autoridades o pedido de licenciamento ambiental

(dossiê IPPC). Lançámos um projecto de empresa e

um programa de mudança de comportamento na

área da Segurança, com o qual pretendemos melhorar

os indicadores.

Fechámos o ano com a notícia de que o processo

de alto rendimento na produção de peróxido de

hidrogénio, desenvolvido e ensaiado na Solvay Interox

portuguesa, foi distinguido com um prémio especial

atribuído pela Comissão Executiva do Grupo, no

âmbito do Troféu Inovação Solvay. Melhor seria difícil!

As nossas equipas estão de parabéns pelo trabalho

executado, pela responsabilidade, pela

motivação e pela criatividade demonstradas.

Temos, pois, razões acrescidas para voltar a

arrancar com confiança, desde que saibamos

empregar os nossos recursos como alavanca para

vencer os desafios que as tendências económicas,

sociais e ambientais, a nível global, nos colocam.

As nossas equipas estão de parabéns

pelo trabalho executado, pela

responsabilidade, pela motivação e

pela criatividade demonstradas

A direcção do Grupo aponta-nos uma estratégia

de crescimento ganhadora e sustentável. Os

objectivos, recentemente confirmados (opções

estratégicas Hanzinelle III ), são claros e traduzem-se

em desafios concretos, que estão ao

nosso alcance. Para fazer o caminho, só temos

mesmo que caminhar…

BASILIO GARCÍA-PEÑUELA

Director das Fábricas

2 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

[ Sumário ]

Grupo

4

Mecenato

Negócios

6

Inovação

8

Investigação

11

Comunicação

Região

12

Sede

de barcelona

Portugal

14

Gestão

Local

17

Melhoria

Ambiental

20

Portas Abertas

Revista de

Comunicação

Interna do

Grupo Solvay

em Portugal

IV Série

nº 8

Janeiro 2007

Capa: os colegas Eduardo

Rosa e Luís Barradas,

do DQIP

4 À descoberta de outras dimensões

do Grupo

6 Quando a química vem em auxílio

da natureza

7 Os Poligliceróis: Especialidades

da SUB-EDS

8 Resultados experimentais

promissores contra a trombose

9 Jornadas dos Investidores Solvay

em Weesp: um sucesso

10 Campanha Vinyl 2010

11 IXEF ® coloca a Solvay na vanguarda

da electrotecnia

12 Equipa Europeia prepara negociação

do transporte de sólidos

13 Solvay Portugal e Solvay Interox

renovam certificado de qualidade

14 Christian Jourquin preside

ao CA da Solvay Portugal

15 Responsáveis de Compras e Engenharia

da Guardian visitaram a nossa Fábrica

16 Taxa de resposta de 91 por cento

ao inquérito Solvay People Survey

17 Fábrica instala nova unidade

de desmineralização de água

19 “Temos pessoas de muito valor”

para enfrentar os desafios da 3S

20 Crianças das escolas inundaram a Fábrica

21 As pessoas primeiro que tudo

Edição: Direcção Comunicação e Relações Institucionais

Director: Mário Branco

Coordenador: Ricardo Silva

Paginação electrónica: João Tavares

Colaboram nesta edição: António Duarte, António Mieiro,

João Gouveia, Lurdes Dias, Rita Rodrigues, Sofia Pereira e

Susana Faneca; António Monteiro e Filipe Guerra (Fotografia)

Redacção: Solvay Portugal - Produtos Químicos, S.A.

Rua Eng. Clément Dumoulin, 2625-106 Póvoa de Santa Iria

Tel. 219534000

E-mail: mario.branco@solvay.com Internet: www.solvay.pt

Execução Gráfica: Loures Gráfica, Lda.

Depósito legal nº: 20235/88 Tiragem: 2750 exemplares

Membro fundador da Associação Portuguesa

de Comunicação de Empresa


SIT 2006

Projecto desenvolvido pela equipa Interox

portuguesa recebe prémio especial do Grupo

O processo de alto rendimento na produção de peróxido de

hidrogénio, desenvolvido e ensaiado na Solvay Interox

portuguesa, foi distinguido pela Comissão Executiva do Grupo

com um prémio especial, durante a proclamação dos

vencedores do Troféu Inovação Solvay 2006.

A numerosa equipa técnica, que desenvolveu

e ensaiou à escala industrial, nas instalações

da Solvay Interox portuguesa, o processo

inovador de alto rendimento na

produção de peróxido de hidrogénio

(H 2 O 2 ), está mais uma vez de parabéns.

No decurso da cerimónia de proclamação

dos vencedores do Troféu Inovação Solvay

2006, acontecimento relevante na vida do

Grupo, organizado em Bruxelas, nos dias 19 e

20 de Dezembro, aquela equipa foi galardoada

com um prémio especial atribuído, pela

primeira vez, pela Comissão Executiva. A distinção

pretendeu realçar o projecto inovador,

já premiado no SIT 2003, que demonstrou

criar mais valor e rendibilidade para o Grupo.

Com efeito, o projecto “Produção de H 2 O 2

revista e actualizada”, que deu origem à nova

tecnologia de alto rendimento e foi desenvolvido

conjuntamente pelo Grupo e por técnicos

portugueses, nas instalações Interox da

Póvoa de Santa Iria, vai ser aplicado na maior

fábrica do mundo de produção de peróxido

de hidrogénio (água oxigenada), presentemente

em construção na cidade de Antuérpia.

O nosso colega Arlindo de Carvalho, na

qualidade de ex-chefe do Departamento Produtos

Clorados e Peroxidados, representou a

equipa portuguesa que participou no projecto

e subiu ao palco para partilhar a distinção

conferida pela Comissão Executiva.

Este constituiu um dos momentos altos

do acontecimento, que congregou, num

imenso pavilhão instalado junto da sede do

Grupo, cerca de 500 convidados.

Primeiro, houve lugar à descoberta dos

32 projectos nomeados pelo júri, patentes

na “Feira da Inovação”, e à antecipação de

cenários do futuro da humanidade; depois,

a provar que a inovação brilha e está no

coração da estratégia Solvay, desfilaram as

14 equipas finalistas e os seus projectos.

Nesta quarta edição do Troféu Inovação

houve sete projectos reconhecidos e premiados,

um em cada categoria, com dois vencedores

ex aequo na categoria Parceria.

A criatividade marcou de forma notável o cenário

do Solvay Innovation Trophy, momento de

consagração dos vencedores, entre os quais

figurou um projecto desenvolvido e ensaiado na

Póvoa (à esquerda, Arlindo de Carvalho integra a

equipa premiada pela Comissão Executiva)

SOLVAY Notícias

Três desafios

Três novos desafios no campo da

Inovação, no horizonte 2009, foram

lançados pelo Grupo:

• Crescimento – 30% das receitas do

Grupo deverão resultar de aplicações

de produtos, mercados e tecnologias

desenvolvidas durante os últimos

cinco anos;

• Parcerias – um em cada dois projectos

(50%) deverá ser executado no

âmbito de uma parceria externa oficializada;

• Pessoas – cada um(a) de nós

(100%) deverá estar envolvido(a) na

Inovação: cada um(a) apresentará,

pelo menos, uma ideia inovadora

formalmente aceite por ano; todos

os quadros terão de definir os seus

objectivos de Inovação.

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

3

[ Inovação ] [ Póvoa ]


[ Grupo ]

4

Mecenato

À descoberta

de outras dime

Conhece realmente bem o Grupo? As

suas actividades industriais, sim, claro.

Mas sabia que a Solvay está também

empenhada no patrocínio de uma série

de projectos visionários, coerentes

com a sua estratégia e os seus valores,

embora a sua ligação ao nosso dia a

dia não seja evidente?

Vamos então descobrir, juntos, dois projectos

direccionados para o Desenvolvimento

Sustentável, nos quais a Solvay participa

como parceiro empenhado.

O primeiro é a “Jangada dos Cumes”, um

imenso tubo em PVC dobrado em figura de

oito, mais conhecido, devido à sua forma

característica, por SolVin Bretzel (especialidade

de pastelaria muito apreciada pelos

alemães), que transporta consigo a imagem

do Grupo e o seu apego a uma gestão adequada

dos recursos naturais.

Desde há uma dúzia de anos, esta jangada

tem sido um instrumento inovador e

mediático utilizado em expedições científicas,

no estudo da copa das árvores da floresta

tropical a diferentes latitudes (Camarões,

Gabão, Madagáscar, Panamá).

A “Jangada dos Cumes” representa uma

abordagem moderna e inovadora, para

reforçar o interesse e atracção pelo estudo,

bem como para preservar as espécies que

povoam o nosso planeta.

Os directores científicos deste projecto

colocaram-se, no ano findo, perante um

desafio sem precedentes – a missão

SANTO 2006.

Ao cabo de cinco meses, juntamente

com outros 160 investigadores de 25 países

do mundo inteiro, montaram a maior missão

científica internacional jamais dedicada

à biodiversidade. Dispondo de excepcionais

recursos técnicos, procuram:

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

SOLVAY Notícias

• Estabelecer as bases do maior inventário

global da biodiversidade alguma vez

realizado;

• Encontrar e aplicar diferentes métodos

de investigação, que permitam acelerar

a aquisição de conhecimentos nas ciências

da vida;

• Compreender, explicar e partilhar a biodiversidade

e os seus desafios com o

maior número possível de pessoas.

Esta missão, em curso na ilha de Espiritu

Tenda das Árvores SolVin/Solvay

Planador dos Cumes © L. Pyot

SolVin Bretzel © Pyot – Océan vert

Santo, a maior do arquipélago do Vanuatu,

situado em pleno Pacífico Sul, está a utilizar

novos instrumentos de exploração derivados

da “Jangada dos Cumes”, como o

“Planador dos Cumes” e a sua base no

solo, a “Tenda das Árvores”.

O primeiro consiste num balão dirigível,

cuja secção ultra-leve permanece insuflada

por hélio durante as missões. Este invólucro

precisa de protecção face às intempéries e

aos raios UV, pelo que a equipa imaginou

uma tenda insuflável de protecção, com 20

metros de diâmetro e também ela ultra-leve.

Esta tenda proporciona, igualmente, às

equipas um espaço de trabalho no solo,

apto para todas as condições climatéricas.

Sempre montada e visível de dia ou de

noite, é uma estrutura vistosa, que atrai a

atenção do público para as missões em

que está envolvida.

A Solvay e a SolVin forneceram o PVC e a

tecnologia que tornaram esta estrutura possível.

O nosso envolvimento neste projecto

representa, também, uma oportunidade única

de apreciar um ecossistema completo, a floresta

tropical, que gere os seus recursos de

forma sustentável. Como tal, esta participação

pode reflectir-se em indicações úteis para

a gestão das nossas próprias actividades.

Voar na direcção

das energias renováveis

Decerto já reconhece a Solvay como parceira

principal do projecto Avião Solar, a

“menina dos olhos” do pioneiro suíço Bertrand

Piccard, que pretende circum-navegar

o mundo num avião alimentado apenas por

energia solar.

O que se passa? A Solvay está a mudar

para o negócio da aviação? Fique tranquilo(a):

não está.

Então por que motivo nos envolvemos


ensões do Grupo

Espaço dedicado ao Avião Solar na sede da Solvay (Ixelles/Bruxelas)

neste tipo de projecto? Muito simplesmente,

porque representa, ainda que de maneira

emblemática, o empenhamento da Solvay

na construção do futuro:

• Queremos prosseguir o desenvolvimento

tecnológico numa perspectiva de Desenvolvimento

Sustentável, o que abrange materiais

de alto desempenho e energias alternativas,

como as usadas no Avião Solar;

• Queremos assumir riscos calculados, com

todos os sonhos e a aventura que envolvem,

o que inclui novos comportamentos a

adoptar, se queremos ser bem sucedidos.

Nos últimos dois anos, a Solvay tem estado

activamente envolvida no desenvolvimento

do avião solar, nas seguintes áreas de competência:

• Avaliação mecânica e teste de materiais

nos nossos laboratórios;

• Modelização técnica e simulação do comportamento

de componentes de grande

dimensão (asas com 40 metros de comprimento);

• Pesquisa dos melhores materiais para:

• a estrutura do avião,

• o encapsulamento e a montagem das

células fotovoltaicas,

• as baterias,

• um isolamento térmico de alta eficácia,

• a lubrificação dos componentes móveis

em ambiente extremos.

Este trabalho de desenvolvimento está a ser

efectuado activamente com a equipa do

Avião Solar, com investigadores da Escola

Politécnica de Lausanne (EPFL), com investigadores

e engenheiros de outros parceiros e,

claro, também da Solvay.

O projecto vem decorrendo como previsto

e a chegada em 2006 de um segundo grande

parceiro, o relojoeiro suíço Ómega, contribuiu

com um óptimo financiamento adicional.

As várias etapas do projecto Avião Solar

foram já definidas para os próximos anos,

em crescendo até ao voo à volta ao mundo,

SOLVAY Notícias

que se pretende histórico:

© Jens Bacheberle

• Conceito, design (2005-2006) e construção

do protótipo (2007-2008)

• Primeiro voo de 36 horas do protótipo

(2009)

• Construção do avião final (2009 – 2010)

• Primeiros testes em voo do avião (Verão

de 2010)

• Primeiro voo transcontinental (2010)

• Primeiro voo transatlântico (2011)

• Voo de volta ao mundo por etapas (2011).

O nosso Grupo pode, de facto, congratular-

-se por ser o primeiro grande parceiro deste

projecto extraordinário. Foi graças à Solvay

que o projecto descolou, com a estrutura e a

publicidade adequadas, passando da ideia à

prática e ganhando agora a sua velocidade

de cruzeiro, com o apoio de outros parceiros,

em particular da Omega e da Altran.

Para saber mais sobre o projecto Avião Solar:

www.solar-impulse.com

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] 5

[ Grupo ]


[ Negócios ] [ Química ]

Globalização

Inovação

6

[ Janeiro 2007 ] [ nº 08 ] SOLVAY Notícias

Quando a química

vem em auxílio

da natureza

Ao utilizar uma gama de

produtos químicos para

libertar oxigénio para o solo,

a nova Solution Unit (SU) Soil

Remediation da Solvay está a

contribuir para dar uma nova

vida à nossa terra poluída.

Numa lógica de Desenvolvimento

Sustentável, a descontaminação

“no local”, por tratar os poluentes

através da sua decomposição

ou fixação aos solos, é preferível

aos tratamentos “à distância”,

que envolvem a escavação e o

transporte dos solos poluídos

para locais de armazenamento

caros e de capacidade limitada.

Os poluentes do solo consistem,

na sua maioria, em matéria

orgânica derivada do crude

(combustíveis, solventes, subprodutos

petroquímicos), que

irá decompor-se quando

exposta ao oxigénio do ar.

A SU Soil Remediation propõe

uma gama de produtos, que

permitem a descontaminação

dos solos no local ao libertarem

oxigénio sob diversas formas:

por oxidação violenta, através

de oxidantes destinados a

degradar os poluentes, ou por

oxidação suave, que favorece a

regeneração natural recorrendo

a métodos de bioremediação.

A oxidação violenta dos

poluentes funciona através de

reagentes ricos em oxigénio,

que se decompõem rapidamente

no solo, tais como o

peróxido de hidrogénio, o percarbonato

de sódio, os permanganatos

de sódio ou de potássio

e os persulfatos de sódio.

A oxidação suave processa-se

de maneira mais natural, utilizando

as bactérias do solo para

oxidar os poluentes. Neste caso,

como os solos poluídos são

geralmente pobres em oxigénio,

este elemento é introduzido

no solo para activar o trabalho

das bactérias e acelerar o

processo de biodegradação. Isto

é conseguido quer por injecção

directa quer, com mais eficácia,

por introdução de produtos químicos,

que hão-de libertar oxigénio

enquanto se decompõem.

Os peróxidos de cálcio e

de magnésio e o peróxido

de hidrogénio altamente

diluído permitem a

descontaminação dos

solos

Assim, a natureza desenvolve

as suas próprias defesas contra

a poluição, com o auxílio da química

e da SU Soil Remediation,

que ajudam a nossa terra poluída

a adquirir uma nova vida.

Jean-Marie Blondel

Solution Unit Soil

Remediation Reagents Manager


Tribuna

SBU Advanced Functional Minerals: a inovação paradoxal!

Competitividade

Como criar valor a

partir da transformação

de uma matériaprima

num produto

final com uma composição

química

idêntica?

Os Poligliceróis:

Especialidades da SBU-EDS

Os Poligliceróis constituem uma

excepção na carteira de produtos da

SBU EDS, composta na sua quase

totalidade por “essenciais”, como o

cloro ou a soda cáustica. Os

poligliceróis estão presentes num

número alargado de produtos

utilizados na nossa vida quotidiana.

Já alguma vez reparou

na lista de ingredientes

dos bolos, dos chocolates

e das margarinas

que compra no supermercado?

Se essa lista menciona

os emulsionantes

E 475 (ésteres de

poliglicerol de ácidos gordos) ou E 476

(polirricinoleato de poliglicerol), é bem provável

que os respectivos alimentos contenham

algum poliglicerol saído da nossa

fábrica de Rheinberg.

Recorrendo a um processo único, que

permite a produção de diglicerol e poliglicerol-3

de alta pureza, a Solvay tornou-se no

fornecedor preferencial da maioria dos grupos

industriais fabricantes destes aditivos

alimentares.

Este é o desafio paradoxal e diário que

se coloca à SBU AFM, que tenho vindo a

descobrir nos últimos meses.

De facto, decompomos calcário (carbonato

de cálcio na sua forma natural) em

cal viva (CaO) e dióxido de carbono

(CO 2 ), que depois recombinamos em carbonato

de cálcio precipitado (PCC

SOCAL ® e WINNOFIL ® ), com uma forma

cristalina, uma granulometria e, no caso

vertente, um revestimento orgânico que

A indústria dos cosméticos também é

grande consumidora de poligliceróis. O

nosso diglicerol é utilizado como agente

hidratante para a pele, para os lábios e o

cabelo. Além disso, consegue prolongar a

acção dos sabores e das fragrâncias de

pastas dentífricas e desodorizantes.

O nosso poliglicerol-3 serve como matéria-prima

para a produção de tensioactivos

particularmente suaves e amigos do

ambiente.

Outros produtos de consumo final susceptíveis

de conter derivados dos poligliceróis

da Solvay são as películas plásticas

usadas na embalagem alimentar e na construção

de estufas agrícolas.

Nestas aplicações particulares, o papel

do aditivo consiste em evitar o embaciamento

causado pela condensação do vapor

de água à superfície.

Os poligliceróis da Solvay são vendidos

principalmente na Europa e na Ásia, onde,

por serem não-tóxicos e altamente biodegradáveis,

se tornaram muito populares

nas duas últimas décadas.

Thibaud Caulier

Gestor de Marketing e Vendas

Poligliceróis / SBU-EDS

asseguram ao produto final a funcionalidade

que os nossos clientes procuram.

A combinação destes elementos oferece

um vasto campo de investigação

para inovar no desenvolvimento de novas

variantes de alto valor acrescentado,

como por exemplo os NANOPCC TM , que se

encontram em fase de lançamento no

mercado.

Jean-Luc Préat

Director-Geral Adjunto / SBU AFM

SOLVAY Notícias [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] 7

[ Química ] [ Negócios ]


[ Negócios ] [ Farmácia ]

8

Investigação

Resultados experimentais

promissores contra a trombose

Após a cedência da licença do Odiparcil

à Glaxo-SmithKline (GSK), em 1999, a

Fournier Pharma continuou a investir na

pesquisa de medicamentos inovadores

anti-trombose. Estão em curso testes

clínicos de fase IIb para o Odiparcil e

dois potenciais sucessores entram

agora em desenvolvimento pré-clínico.

Os resultados de ensaios clínicos de fase IIb

efectuados com pacientes sujeitos a cirurgia

para colocação de uma prótese total do

joelho estarão disponíveis muito em breve. O

estudo procura avaliar se o Odiparcil tem um

efeito potencialmente protector contra a

trombose venosa profunda, que constitui um

risco elevado durante os dez dias seguintes

àquele tipo de intervenção.

Um segundo estudo de fase IIb, cujos

resultados serão conhecidos durante o primeiro

semestre de 2007, investiga qual o

efeito a longo prazo do Odiparcil em pacientes

com risco reduzido de fibrilhação auricular.

“Estes pacientes apresentam risco de formação

de coágulos na aurícula esquerda, um quadro

que acarreta perigo sério de acidente cerebral,

dado que um desses coágulos pode

migrar para uma artéria do cérebro a qualquer

altura e aí permanecer alojado bloqueando a

corrente sanguínea de irrigação do cérebro”,

explica Bruno Fraitag, director de investigação

clínica e assuntos médicos.

O que é uma trombose?

O termo trombose significa a formação

de um coágulo (thrombus) num vaso

sanguíneo ou numa das cavidades do

coração.

Se o obstáculo se formar numa veia

superficial, raramente existe motivo de

preocupação. No entanto, se afectar

uma veia profunda, o problema torna-se

muito mais sério, com risco de embolia

pulmonar.

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

“Os testes clínicos em curso permitem

avaliar o efeito de várias dosagens de Odiparcil

nestes pacientes”, acrescenta. Se os

resultados forem positivos, a fase III do programa

clínico do Odiparcil começará quase

de imediato.

“Os anticoagulantes orais actualmente receitados

na prevenção de acidentes, para pacientes

com fibrilhação auricular, precisam de ser

monitorizados através de análises sanguíneas

mensais, visto que uma dosagem demasiado

pequena é ineficaz, ao passo que uma dosagem

excessiva pode provocar hemorragia”,

esclarece Bruno Fraitag.

“Esperamos que o programa clínico venha

a confirmar que, com uma dosagem fixa de

Odiparcil, os pacientes ficam efectivamente

protegidos e esta monitorização e constante

reajustamento deixam de ser necessários”.

A GSK e a Fournier Pharma consideram os

resultados disponíveis muito encorajadores,

para mais num domínio com forte necessidade

clínica e com elevado potencial de

crescimento nas vendas. Com efeito,

estima-se em 6,5 milhões o número de pessoas

que, nos EUA e na Europa Ocidental,

sofrem de fibrilhação auricular e que apresentam

um risco moderado a elevado de vir

a sofrer enfarte, sendo apenas 55% as que

se encontram em tratamento. A Solvay Pharmaceuticals

está muito interessada neste

programa e apoia activamente os investimentos

na pesquisa.

“Se o programa de ensaios clínicos se desenrolar

sem percalços, o Odiparcil poderá entrar

no mercado em 2012”, adianta Sandrine Cailleteau,

directora para desenvolvimento de

negócio da Fournier Pharma.

“Como temos direitos de promoção e marketing

conjuntos para a Europa e o Sudeste Asiático,

isso permitirá à Fournier Pharma / Solvay

Pharmaceuticals fazer crescer significativamente

o seu negócio cardiometabólico, juntamente

com o parceiro GSK, um dos líderes na área das

doenças cardiovasculares”.

Aliás, a identificação pela Fournier

Pharma de dois potenciais sucessores do

Odiparcil possibilitará à dupla Fournier

Pharma / Solvay Pharmaceuticals reforçar a

sua presença futura no mercado dos anticoagulantes.

Dois candidatos estão prestes a entrar na

fase de desenvolvimento pré-clínico. “Estes

compostos poderão revelar-se mais poderosos

e/ou ter um efeito mais duradouro que o Odiparcil”,

observa Pierre Broqua, director do

programa de pesquisa.

O próximo passo será o dos ensaios toxicológicos

pré-clínicos, com o intuito de verificar

a inocuidade das moléculas identificadas.

“É muito gratificante para a equipa de

investigação constatar, após três anos de

desenvolvimento, que duas moléculas passam

à etapa seguinte”, observa com entusiasmo

Vincent Peyrou, responsável pelo projecto

de acompanhamento do Odiparcil.

Um vaso sanguíneo antes e depois da formação de um coágulo - © Getty images


Comunicação

Jornadas dos Investidores

Solvay em Weesp: um sucesso

A edição anual das Jornadas dos Investidores Solvay decorreu em Outubro

último, no nosso centro farmacêutico de Weesp (Holanda). Uma mudança em

relação à habitual reunião na sede do Grupo.

Visita às instalações de fabricação das vacinas antigripais

Este tipo de eventos atrai, sobretudo, os

analistas que publicam regularmente estudos

de investimento sobre a Solvay.

Organizadas anualmente, estas jornadas

constituem uma prática de excelência no

campo das relações com os investidores e

proporcionam aos analistas e aos investidores

a possibilidade de obterem as informações

mais recentes sobre a empresa, a

sua estratégia, as suas diferentes actividades

e a sua posição concorrencial.

Agenda e apresentações

As Jornadas dos Investidores Solvay iniciaram-se

com apresentações a respeito da

estratégia mundial em matéria de vacinas

antigripais e da tecnologia de base celular

implantada em Weesp. Realizou-se, em

seguida, uma visita às instalações de produção

das vacinas. As apresentações e as

sessões de perguntas e respostas acerca

da estratégia da Solvay, da situação financeira

e de cada sector de actividade decorreram

no dia seguinte.

Os 47 participantes, dos quais mais de

35% eram gestores de carteira, mostraram-

-se particularmente agradados com a visão

que obtiveram sobre a estratégia e o desenvolvimento

do Grupo. As análises posteriormente

publicadas ilustram bem o grau de

satisfação que estas jornadas registaram

junto da comunidade financeira.

A operação de enchimento em seringas

Notícia

Solvay e Quintiles

renovam aliança

estratégica

por cinco anos

A renovação reflecte o sucesso

que a aliança estabelecida em

2001 obteve na aceleração do

desenvolvimento da carteira de

produtos Solvay e na melhoria da

sua eficácia.

A 24 de Outubro de 2006, a Solvay

Pharmaceuticals renovou por cinco

anos a sua aliança estratégica de

desenvolvimento clínico com a Quintiles

Transnational Corporation.

“A utilização da infra-estrutura

global da Quintiles e dos seus

especialistas como um trunfo estratégico

permitiu-nos fazer avançar

projectos muito mais depressa do

que se o tivéssemos feito sozinhos,

e com maior flexibilidade”, afirmou

Werner Cautreels, CEO da Solvay

Pharmaceuticals.

“Nos próximos cinco anos, pretendemos

alcançar níveis ainda mais

elevados de eficiência, rapidez e

redução de custos”, reforçou o

mesmo dirigente, que acrescentaria:

“Felicitamo-nos também pelo

facto de podermos acrescentar as

competências IIIb-IV da Quintiles a

esta aliança, o que reflecte não só a

nossa confiança nesta empresa,

como a crescente importância que a

investigação reveste para demonstrar

a segurança e o valor dos

medicamentos recentemente lançados

no mercado.”

Para o Presidente e CEO da Quintiles,

Dennis Gillings, “a Solvay e a

Quintiles partilham um único objectivo:

fazer com que novos produtos

sejam desenvolvidos eficazmente e

colocados à disposição dos pacientes

que deles necessitem. Esta

renovação demonstra os progressos

que alcançámos e a paixão comum

que alimentamos na concretização

objectivo.”

SOLVAY Notícias [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] 9

[ Farmácia ] [ Negócios ]


[ Negócios ] [ Plásticos ]

10

Comunicação

Campanha de cartazes Vinyl 2010

dirigida aos utentes do Metro de Bruxelas

Os passageiros do Metropolitano da capital

belga terão certamente reparado na

recente campanha promocional Vinyl 2010,

cujos cartazes estiveram afixados durante

o passado mês de Setembro. Vinyl 2010 é

o programa que leva à prática o compromisso

voluntário da indústria europeia do

PVC face ao Desenvolvimento Sustentável.

Quatro anúncios diferentes veiculando

Inovação

Partilhemos a inovação

Innovinyls é o nome de um processo

destinado a facilitar a difusão das

boas ideias e das boas práticas no

seio da SBU Vinyls. Constitui,

também, a oportunidade de

reconhecer a criatividade, a

perseverança e o trabalho de equipa

de todos os envolvidos.

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

mensagens consagradas ao tema estiveram

expostos nas estações de Demey, Mérode,

Schuman e Trône. Dois dos conceitos gráficos

já tinham antes sido utilizados em

anúncios e suportes, enquanto os dois

mais recentes salientaram as maiores vantagens

que os produtos vinílicos representam

para a sociedade.

O “slogan” dos novos cartazes publicitá-

Para este efeito, foi editada uma brochura,

que apresenta os 54 projectos

inovadores desenvolvidos no seio dos

Vinílicos. Onze deles foram seleccionados

para o Solvay Innovation Trophy

2006, embora todos mereçam ser conhecidos

e reconhecidos.

A SBU decidiu, por isso, organizar o

seu próprio concurso, a 19 de Dezembro.

Neste dia especial, os representantes de

cada projecto puderam encontrar-se, trocar

experiências e descobrir ideias com

potencial de replicação.

rios - “Promising a better future” (Promessa

de um futuro melhor) - estabelecia a ligação

com a mensagem “We’re keeping our

promisses” (Mantemos as nossas promessas)

dos cartazes originais.

O objectivo desta campanha consistiu

em atrair a atenção do público para o relatório

anual de progresso da Vinyl 2010 e

encorajar os passageiros do Metro a visitarem

o seu sítio Internet.

O programa Vinyl 2010 publica, anualmente,

este relatório com o objectivo de

descrever os desenvolvimentos e os sucessos

alcançados no quadro de projectos

individuais, bem como os progressos de

ordem mais geral. Estes incluem a melhoria

dos processos de produção e da qualidade

dos produtos em PVC, os investimentos em

tecnologia, a redução das emissões e dos

resíduos e a intensificação da recolha e da

reciclagem.

A acção Vinyl 2010 recolheu reacções

positivas dos utentes do Metro de Bruxelas,

que repararam nos cartazes publicitários.

Para mais informação, visite a Vinyl2010

na Internet em:

http://www.vinyl2010.org/


Crescimento

IXEF ® coloca a Solvay

na vanguarda da electrotecnia

Um dos produtos de maior crescimento

desenvolvidos pela Solvay é o

termoplástico IXEF ® . A rara

combinação das suas qualidades

torna-o concorrencial com as ligas em

metal. Já se encontra presente nalguns

modelos de telemóvel, como o famoso

Motorola SLVR L7. Falámos com Bruno

Keramsi, Gestor de Mercado Global da

Solvay Advanced Polymers.

A resina de base do polímero IXEF ® é a

poliarilamida. Em vários produtos de tecnologia

de ponta, vem sendo utilizado o

polímero IXEF ® 1622, que contém 50%

de fibra de vidro e se destina à moldagem

por injecção.

Este material possui numerosas qualidades:

é leve, rígido e oferece uma resistência

às restrições mecânicas e à flexão

superior à da maioria dos polímeros técnicos.

Permite, também, um acabamento de

superfície notável para peças sólidas

(“blindadas”) obrigadas a resistir aos choques

e que apresentam habitualmente

uma aparência menos elegante.

É fácil de processar e de injectar em

peças complexas ou finas. Os componentes

fabricados com IXEF ® oferecem boa

precisão dimensional (tolerância aproximada

de 0,05 % em comprimento).

Para Bruno Keramsi, “o polímero IXEF ®

está a substituir o metal em várias aplicações

de telefonia móvel. Tem sido utilizado

em peças de estrutura, como as

tampas dos aparelhos, e é particularmente

competitivo em componentes produzidas

em grande série: os moldes em

aço não precisam ser substituídos tantas

vezes”.

Os componentes moldados por injecção

do polímero IXEF ® podem ser encontrados

em muitas aplicações industriais, particularmente

em telemóveis e em aparelhos

Blackberry.

O IXEF ® já foi também escolhido por

alguns dos maiores fabricantes mundiais,

como a Nokia e a Motorola, para os seus

mais recentes telemóveis e smartphones,

como o Motorola Q, chegado ao mercado

A Research in Motion escolheu o IXEF® para

produzir as tampas do primeiro modelo de

Blackberry destinado ao grande público, o Pearl

no Verão passado.

O último sucesso é o BlackBerry Pearl,

aparelho concebido pela Research in

Motion (RIM) para o público em geral e já

em distribuição na Europa. A Solvay recebeu

o desenho desta empresa canadiana

e adaptou-o tirando o melhor partido das

possibilidades oferecidas pelo polímero

IXEF ® . Resultado: um produto de

sucesso, quer no campo técnico, quer no

estético.

Uma enorme vantagem do IXEF ® reside

no facto de poder ser adaptado ao design

imaginado pelos criadores, tanto na forma

como no acabamento. Pode ter um

aspecto metalizado, do agrado do consumidor

mais habituado ao metal do que ao

plástico.

Não restam dúvidas acerca do futuro

prometedor que se augura à Solvay e a este

seu polímero. Para o Motorola RAZR existem

já dois sucessores na forja: um destinado

ao segmento médio e outro ao de

topo, e as opções de marketing colocaram

novos desafios em termos de acabamento.

“O projecto BlackBerry da RIM ficou

pronto num ano, um recorde absoluto para

um produto deste tipo. Os outros dois projectos,

ainda em fase de desenvolvimento,

estão a percorrer o mesmo caminho, o que

demonstra a competitividade da Solvay e

do IXEF ® neste mercado”, conclui Bruno

Keramsi.

Tribuna

“Um grupo mundial,

RH globais”

Em fins de Outubro

último, uma

centena de colegas

responsáveis

de Recursos

Humanos reuniram-se

em

Ostende (Bélgica).

Foi um acontecimento excepcional,

o primeiro no género. Seu objectivo:

partilhar a estratégia “Desenvolver

as pessoas para desenvolver o Grupo”.

Na evolução do Grupo desde a

reflexão “Hanzinelle I”, chegou agora

a vez dos RH actuarem relativamente

ao eixo dos objectivos de negócio do

Grupo: “Um Grupo mundial, Recursos

Humanos globais”.

Estamos cientes da urgência de fornecer,

a todos os níveis, um serviço

ainda mais eficaz aos nossos clientes

internos. A função RH está em profunda

mudança; os centros de competência

RH preparam o quadro de

novos processos e as ferramentas que

cada Sector utilizará no conjunto das

suas unidades (empresas, fábricas…).

Este alinhamento permitir-nos-á contribuir

melhor para a estratégia dos

negócios e estabelecer a capacidade

de iniciativa dos RH nas sociedades,

numa base de procedimentos partilhados.

Fortaleceremos, assim, uma cultura

comum, conferiremos mais consistência

e visibilidade às competências

e reduziremos os custos

associados a uma diversidade de

abordagens.

Precisamos de gerir bem os planos

de sucessão de funções a todos os

níveis da organização, tal como se

revestem de urgência a gestão das

carreiras, a mobilidade internacional

e o desenvolvimento pessoal. Os CC

são os arquitectos e nós os construtores.

Estamos prontos para deitar

mãos à obra!

Michel BOKOBZA

Director RH do Sector Plásticos

SOLVAY Notícias [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

11

[ Plásticos ] [ Negócios ]


[ Região Ibérica ]

Sede de Barcelona

Equipa Europeia prepara negociação

do transporte de sólidos

A Equipa Europeia de Transporte,

criada durante o primeiro semestre

de 2004, tem como um dos seus

objectivos principais a dinamização

de um grupo de trabalho

permanente dentro da organização

FOCUS, que, com o apoio da DIA, se

adapta ao nível de serviço requerido

pelos diferentes negócios, além de

ter um sentido homogéneo e

coerente em toda a Europa.

Esta equipa europeia liderada por Jaime

Ballbé integra, actualmente, Alain Fromont,

David Ryckembusch, Dominique Delcoigne,

Marco Donati, Jos Vanbenthem e Giulio

Amore. Todos trabalham para cumprir as

principais finalidades atribuídas à EET: partilhar

e desenvolver um sistema de “boas

práticas”, e optimizar a logística de distribuição

contratando actividades e explorando

sinergias.

Outras competências consistem em

seleccionar os melhores fornecedores, com

vista a obter um bom nível de serviço,

assim como melhorar a segurança e mini-

Saúde

Campanha de detecção e prevenção

do risco cardiovascular

nos centros ibéricos do Grupo

As doenças cardiovasculares

provocam 17 milhões de óbitos

por ano, sendo a primeira causa

de mortalidade a nível mundial.

Estamos perante características

“epidémicas” associadas aos

hábitos de vida e ao aparecimento

dos chamados “factores

de risco cardiovascular”. A modificação

destes factores de risco

demonstrou, de forma inequívoca,

a redução da alarmante

taxa de morbilidade em pessoas

com ou sem doenças cardiovas-

12 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

A Equipa Europeia de Transporte, criada em 2004 e liderada por Jaime Ballbé

mizar o impacte ambiental, tudo isto através

da utilização das ferramentas necessárias

a uma gestão eficiente do transporte

em toda a cadeia de fornecimento.

No quadro das reuniões periódicas mantidas

por este grupo, realizou-se um novo

encontro, de 7 a 10 de Novembro último, na

sede de Barcelona, que teve por tema principal

a negociação do transporte de sólidos

a nível europeu, para os próximos três

anos.

Com os contributos e a troca de ideias

entre todos os membros da equipa, bem

como com o estudo das consultas realiza-

culares diagnosticadas.

Com o objectivo de prevenir a

incidência de ocorrências clínicas

ou recorrentes destas doenças

cardiovasculares (enfartes

de miocárdio, angina de peito,

acidentes vasculares cerebrais

isquémicos transitórios, ictus

cerebral isquémico e arteriopatias

periféricas) e reduzir a incapacidade

e a morte prematura

por elas provocadas, o Grupo

Solvay decidiu desenvolver nos

seus centros ibéricos uma cam-

panha de detecção e prevenção

do risco cardiovascular.

As actividades necessárias

para concretizar este projecto,

que terá uma duração de três

anos (2007-2009), passarão

pela identificação dos trabalhadores

com risco cardiovascular,

das, e tendo por base o novo sistema de

avaliação dos transportadores, foram seleccionados

aqueles que assegurarão as

entregas aos nossos clientes, com a qualidade

requerida e ao mínimo custo possível.

Os preços acordados manter-se-ão constantes

durante todo o contrato, prevendose

apenas margem para uma ligeira revisão

face a alterações significativas (em alta ou

em baixa) no preço do gasóleo.

Isto permite-nos manter custos logísticos

abaixo dos aumentos verificados no

índice de preços no consumidor em toda a

Europa.

pelo cálculo do nível de risco

individual, segundo um método

homologado e criando grupos

homogéneos de actuação.

A formação de todos os trabalhadores

sobre este tipo de

doença, sobre a influência dos

chamados factores de risco e

sua possível correcção

mediante a alteração de estilo

de vida e a adopção de comportamentos

saudáveis, está também

prevista.

Os serviços médicos da

Empresa dedicarão especial

atenção ao controlo dos grupos

de risco detectados em cada

centro oferecendo apoio individualizado

a cada trabalhador.


Póvoa

Solvay Portugal e Solvay Interox

renovam certificado de qualidade

Em finais de Setembro, auditores da Associação Portuguesa de Certificação

(APCER) visitaram as instalações da Solvay Portugal e da Solvay Interox, na

Póvoa de Santa Iria, com o objectivo de auditar as suas actividades no âmbito da

norma NP EN ISO 9001:2000.

Esta visita englobou todos os serviços de

produção e apoio permitindo que os

auditores se informassem acerca dos

processos e da aplicação da norma,

sobretudo em aspectos relacionados com

o Plano de Qualidade e de Melhoria Contínua

e a prática do ciclo PDCA (Plan, Do,

Check, Act).

Os auditores da APCER destacaram

alguns pontos fortes das duas empresas

localizadas na Póvoa, especialmente o

grande envolvimento de toda a estrutura

organizativa no sistema de gestão, o compromisso

da Direcção, o processo de avaliação

dos fornecedores, os processos de

formação, a estruturada base de dados

laboratoriais e o domínio dos processos a

todos os níveis auditados.

A evolução desde 1996, e especialmente

Granada

Reunião Ibérica HSE

A cidade andaluza de Granada recebeu, de 14 a 16 de

Novembro, a edição 2006 da Reunião Ibérica HSE, que

proporciona o encontro anual dos coordenadores de

Segurança, Saúde e Ambiente das nossas fábricas de

Portugal e Espanha.

A fábrica da Solvay Minerales

S.A. de Escúzar foi a anfitriã do

programa, que decorreu num

hotel do centro de Granada e

incluiu uma visita às instalações

de Escúzar, onde os participantes

tiveram a oportunidade de

conhecer uma actividade

mineira a céu aberto, desconhecida

até à data pela maioria dos

componentes do grupo.

Christine Tahon, responsável

do Centro de Competências HSE,

desde 1999 até agora, tem sido bastante

positiva e foram realçados fortes sinais de

melhoria.

A NP EN ISO 9001:2000 é uma norma

consensual. Contém requisitos de aplicação

universal, está focalizada na eficácia

do Sistema de Gestão da Qualidade da

Organização, de modo a identificar e a

satisfazer requisitos, necessidades e

expectativas dos clientes e de outras partes

interessadas e assenta em princípios de

Controlo de Gestão e Melhoria Contínua.

O processo de renovação da certificação

implica uma auditoria específica para esse

fim, cada três anos, e a realização de auditorias

intercalares anuais de acompanhamento.

Para António Duarte, responsável Qualidade,

“os resultados desta auditoria reve-

e Luis Serrano, Director-Geral

para Espanha, foram presenças

marcantes, contando-se também

com a participação de

outros colaboradores do CC HSE

dos centros de NOH e Paris.

As sessões principiaram por

uma apresentação feita por

Christine Tahon, a respeito dos

princípios de política e estratégia

do Grupo Solvay em matéria

de HSE. Desenrolaram-se,

depois, sessões específicas

O grupo durante a visita a Alhambra

sobre Segurança, Saúde e

Ambiente, nas quais se abordaram

temas como índices de acidentes,

planos de acção, controlos

ambientais e biológicos,

emissões e novidades legislativas.

Por último, estabeleceramse

objectivos precisos de melhoria

para 2007 nas três áreas

mencionadas.

laram o esforço e o empenhamento de

todos os colaboradores ao longo destes

anos e demonstraram a maturidade do

nosso Sistema de Gestão”.

O facto de a Fábrica ter adoptado o

Modelo EFQM na sua gestão diária e ter

estado fortemente envolvida, em 2002 e

2004, nos processos de candidatura ao

Prémio Europeu da Qualidade (EQA) serviu,

também, para que estejam hoje bem enraizados

os conceitos de Gestão da Qualidade,

que vão para além da norma NP EN

ISO 9001:2000.

SOLVAY Notícias

Houve ainda tempo para o

enriquecimento cultural: os anfitriões

proporcionaram uma

espectacular visita a Alhambra.

Ignacio Aguilar, director da

fábrica de Escúzar, serviu de

guia durante a visita patenteando

os seus conhecimentos

sobre a história desta obraprima

da arte islâmica nazarí.

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

13

[ Região Ibérica ]


[ Portugal ]

Gestão Organização

Christian Jourquin preside

ao Conselho de Administração

da Solvay Portugal

Christian Jourquin, Presidente da Comissão Executiva do

Grupo, passou a presidir ao Conselho de Administração da

Solvay Portugal – Produtos Químicos, S.A.

A prática inaugurada por Aloïs Michielsen,

ex-Presidente da Comissão Executiva do

Grupo Solvay (cargo que deixou de exercer,

em Maio último, para ascender à posição

de Chairman, isto é, à presidência do Conselho

de Administração da Solvay, S.A.), ao

assumir também a presidência do Conselho

de Administração da Solvay Portugal, S.A.

acaba de ser retomada pelo seu sucessor.

Com efeito, Chistian Jourquin decidiu,

igualmente, passar a presidir ao Conselho

de Administração da nossa Empresa preenchendo,

assim, a vaga resultante da saída

de Aloïs Michielsen.

Por outro lado, a nomeação de Christian

Jourquin, que já detinha o cargo de Vogal,

deu lugar à admissão de um novo administrador.

Trata-se de Vincent De Cuyper, também

membro da Comissão Executiva e que

desempenha, desde 1 de Março de 2006,

altas funções como Director-Geral do Sector

Químico do Grupo.

Nova composição do CA

da Solvay Interox

Verificam-se, também, alterações na composição

do Conselho de Administração da

Solvay Interox - Produtos Peroxidados, S.A.,

Diplomacia

Embaixador

em Bruxelas visita

a Solvay Portugal

14 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

O líder do Grupo preside, também, ao Conselho

de Administração da Solvay Portugal

presidido por Marc Duhem.

Assim, Basilio García-Peñuela passa a

desempenhar o cargo de Administrador-

Delegado e Francisco Lozano integra o CA

na qualidade de Vogal.

O Embaixador Manuel Nuno Tavares de

Sousa, que passou agora a chefiar a representação

diplomática do nosso País junto

do Reino da Bélgica, visitou a Solvay Portugal,

no âmbito de uma ronda de contactos

preparatórios da sua nova missão em Bruxelas.

O diplomata foi recebido, dia 2 de

Novembro último, pelo Director das Fábricas,

Basilio García-Peñuela, e também pelo

seu antecessor, André Laurent, e ficou a

Filipe Constant

lidera SBU EDS

No âmbito da

carreira internacional

que

vem desenvolvendo,

desde

há anos, no

seio do Grupo

Solvay, Filipe

Constant,

actualmente

baseado em

Bruxelas e a exercer o cargo de Director

Comercial Europeu para o Sector Químico

(acumulando com a responsabilidade

pela Unidade de Marketing Distribuição),

foi agora chamado a desempenhar

novas funções.

A partir de 1 de Abril próximo, Filipe

Constant passará a liderar a SBU Electrochemistry

and Derived Specialties

(Unidade Estratégica de Negócio EDS),

sucedendo a Freddy Gielen, que à data

se tornará encarregado de missão para

o Presidente da Comissão Executiva.

Filipe Constant, 49 anos, engenheiro

químico pelo Instituto Superior

Técnico, com formação complementar

no INSEAD, será o primeiro quadro português

a dirigir uma SBU do Grupo.

Três das 13 unidades estratégicas

de negócio em que os sectores de

actividade do Grupo se encontram

organizados passarão, em breve, a ser

dirigidas por quadros oriundos da

Região Ibérica.

conhecer em pormenor quer o perfil do

grupo químico e farmacêutico Solvay quer

as actividades que, em diferentes domínios,

desenvolve em Portugal.

O nosso País mantém duas representações

diplomáticas em Bruxelas: uma acreditada

junto do Estado belga, agora chefiada

pelo Embaixador Tavares de Sousa; e

outra permanente (REPER) junto da União

Europeia, liderada pelo Embaixador Álvaro

Mendonça e Moura.


Carbonato de Sódio

Os responsáveis de Compras e Engenharia da Guardian acompanhados, a certo passo da sua visita,

por António Mieiro, António Garay, João Gouveia e Verónica Ribeiro

Responsáveis de Compras

e Engenharia da Guardian

visitaram a nossa Fábrica

Um grande cliente de produtos Solvay à escala europeia, a Guardian, grupo

activo no sector vidreiro, fez deslocar a Portugal alguns dos seus responsáveis

pelas áreas de Compras e Engenharia, para uma visita técnica à nossa Fábrica.

O grupo norte-americano Guardian, um dos

líderes mundiais na produção de vidro

plano e nas tecnologias de transformação

do vidro (espelhos, fibra de vidro, vidros de

isolamento e controle solar, vidros de segurança

temperados e laminados, serigrafados…),

realizou uma visita técnica à nossa

Fábrica, na Póvoa de Santa Iria, no passado

dia 3 de Novembro.

Cliente de produtos Solvay a nível europeu,

a Guardian detém duas fábricas em

Espanha, localizadas em Llodio e em

Tudela, que são abastecidas em carbonato

de sódio denso, produto transportado quer

por comboio quer por camião, a partir de

Torrelavega.

Deslocaram-se a Portugal vários responsáveis

das áreas de Compras e Engenharia

daquela empresa, a saber: Luis Solaun,

Director de Engenharia, Conservação e

Compras; José Maria Pejenaute, Director de

Gestão e Desenvolvimento de Negócios; e

Marta Lopez e José Ferrer, ambos técnicos

do Departamento de Compras.

O interesse manifestado por estes

representantes da Guardian, um dos maiores

clientes de carbonato de sódio Solvay

na Região Ibérica, no complexo industrial

da Solvay Portugal foi grande, como tiveram

ocasião de testemunhar Basilio Garcia-Peñuela

(Director das Fábricas), João

Gouveia (Chefe do Departamento Produtos

Sódicos e Utilidades) e António

Mieiro (Country Sales & Marketing

Manager SBU Soda Ash), que receberam

os visitantes e com eles trocaram impressões,

demoradamente.

O programa constou de uma apresentação

das actividades do Grupo em Portugal,

da caracterização dos principais sectores

produtivos da nossa Empresa e de uma

visita às principais instalações do complexo

industrial.

Refira-se que a Guardian, além de ser

um dos maiores produtores mundiais de

vidro “float”, também fabrica uma

grande variedade de produtos para a

indústria automóvel, como pára-brisas,

retrovisores e peças termoplásticas, e

está presente na comercialização e distribuição

de vidro e outros materiais de

construção, de que é considerado um

dos gigantes à escala global.

Toda esta actividade posiciona a Guardian

como o terceiro maior fabricante de

vidro do mundo, logo a seguir às bem conhecidas

Pilkington e à Asahi Glass.

Sediado em Auburn Hills (Estado do

Michigan), nos EUA, o grupo de empresas

privadas Guardian Industries detém 20 linhas

de produção de vidro “float” distribuídas

por cinco continentes e emprega,

actualmente, mais de 19 mil pessoas.

De um início modesto até à presença global

A Guardian Industries iniciou a sua actividade na cidade norte-americana de Detroit, no

Estado do Michigan, como uma pequena fábrica de pára-brisas para a indústria automóvel,

com o nome de Guardian Glass Company.

Em 1970, inaugurou a sua primeira fábrica de vidro, em Carleton, também no Michigan,

precursora na fabricação de vidro plano pelo processo ”float” (massa de vidro

fundido, que flutua sobre um banho de estanho líquido).

A partir de então, integrou 23 novas linhas de produção de vidro “float” em todo o

mundo, além de mais de 21 fábricas de transformação de vidro.

Ao mesmo tempo que se expandia como indústria vidreira, a Guardian diversificava

a sua gama de negócios no mercado. Em 1980, abriu várias fábricas de fibra de vidro

para isolamento. Em 1998, adquiriu a Builder Marts of America e, em 2000, comprou a

Cameron Ashley Building Products (agora Guardian Building Products Distribution).

Tais movimentos proporcionaram à Guardian uma presença sólida e crescente nos

negócios de distribuição de materiais de construção em toda a América do Norte.

SOLVAY Notícias

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

15

[ Cliente ] [ Póvoa ]


[Póvoa ] [ Actualidade ]

Compromisso

Taxa de resposta

de 91 por cento

ao inquérito SPS 2006

A taxa de resposta ao inquérito Solvay

People Survey 2006 (SPS2006),

referida ao universo dos 414

colaboradores dos vários centros do

Grupo em Portugal, situou-se em 91

por cento.

Não se pode afirmar que a forte adesão dos

colaboradores Solvay em Portugal ao

inquérito global SPS 2006 constitua uma

surpresa. Com efeito, a taxa de 91 por

cento agora alcançada é precisamente

igual ao índice registado na edição precedente

e está em linha com estudos anteriores

de idêntica natureza.

Mesmo assim, não deixa de representar

uma notícia muito agradável e reveladora

do sentido de responsabilidade e da

vontade, de todos nós, de dar opinião e de

participar na construção de uma empresa

melhor.

Resultados apurados pela firma norte-

Esclarecimento

A Solvay

Portugal

e o traçado

do TGV

em Vialonga

Notícias publicadas em órgãos

da Imprensa Regional com circulação

no concelho de Vila Franca

de Xira fizeram alusão à Solvay

Portugal, a propósito do futuro

traçado do TGV na freguesia de

Vialonga.

Para não dar azo a especulações,

afirmações infundadas ou

qualquer tipo de dúvidas a este

respeito, a Direcção da Fábrica

emitiu um Comunicado à

Imprensa, no dia 22 de Janeiro,

com o seguinte teor:

“A Solvay Portugal tem acompanhado

com atenção a informação

disponibilizada acerca dos

estudos do futuro traçado de

atravessamento do concelho

pela Rede de Alta Velocidade e

tem procurado manter um contacto

actualizado com os representantes

das autarquias mais

directamente afectadas por este

projecto, no quadro de relações

regulares de cordialidade e boa

colaboração.

16 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

americana Sirota - o parceiro seleccionado

pela Solvay para a condução técnica deste

inquérito interno de opinião – e fornecidos

ainda a título provisório revelam duas

situações notáveis.

Taxa de 100 por cento

na 3S e na Pedreira

Tanto na 3S Solvay Shared Services, onde

foi utilizada exclusivamente a versão digital,

como na Pedreira de Vialonga, onde se

recorreu unicamente ao suporte papel, o

índice de resposta ascendeu aos 100 por

cento, isto é, todos os colegas, de uma

forma ou de outra, preencheram o questionário

proposto.

Magnífica, também, foi a adesão entre

o maior efectivo (273 pessoas), que está

adstrito à Fábrica de Póvoa de Santa Iria:

aqui, a taxa de resposta atingiu os 95

por cento.

Por ordem decrescente no mesmo índice

Segundo o que é dado conhecer

até à data, através dos estudos

preliminares vindos a

público, nenhuma das duas alternativas

de traçado na freguesia de

Vialonga colocará em risco a actividade

de exploração de calcário

que a Solvay Portugal exerce na

pedreira concessionada nos seus

terrenos em Vialonga, de onde

extrai matéria-prima indispensável

ao seu processo de produção.

Carecem, por conseguinte, de

qualquer fundamento as afirmações

produzidas no sentido de

que a Solvay Portugal estaria a

exercer influência para que fosse

adoptada uma determinada alter-

de participação situaram-se, depois, os

centros farmacêuticos de Vila Nova de Gaia

(75%) e de Porto Salvo (59%) e a Mina de

Matacães (64%).

O processo Solvay People Survey não

terminou com o inquérito efectuado

durante os meses de Novembro e Dezembro.

Vai prosseguir com a análise dos

resultados e a comunicação das conclusões

às entidades competentes do

Grupo, com vista à definição de projectos

de melhoria.

Seja como for, para já, os colegas

Susana Faneca, Thierry Hénaut e António

Osório merecem parabéns pelo trabalho de

preparação e divulgação efectuado.

nativa de traçado, em detrimento

de outra, de maneira a

que a sua exploração não fosse

afectada.

A Direcção da Fábrica da Solvay

Portugal compreende a legítima

preocupação da autarquia e

da população de Vialonga face

às consequências que o atravessamento

da freguesia pela Rede

de Alta Velocidade possa acarretar,

todavia entende dever

sublinhar, publicamente, que

não é parte interessada na polémica

em curso sobre este problema,

posição esta que foi

transmitida, pessoalmente, à

Junta de Freguesia de Vialonga.”


Melhoria ambiental

Fábrica instala nova unidade

de desmineralização de água

A nossa Fábrica dispõe de uma nova

unidade de desmineralização de água,

que, por reduzir de forma muito

acentuada o consumo de água potável

no processo industrial, proporciona um

significativo benefício ambiental.

O Departamento Produtos Sódicos e Utilidades

concluiu, há dias, o anunciado projecto

de instalação de uma nova unidade de desmineralização

de água, pelo sistema de

osmose inversa, através de membranas, o

que permitirá passar a utilizar água de

menor qualidade no processo industrial.

Este investimento, estimado em 1,760

milhões de euros, consiste na substituição

de quatro cadeias de desmineralização de

concepção antiga por modernos módulos de

troca iónica por osmose inversa, fiáveis e

totalmente automatizados.

O projecto, que corresponde a um desejo

antigo da Solvay Portugal, foi executado

em conjunto com a empresa italiana Idroconsulting,

já responsável por outro trabalho

no nosso País, e vai traduzir-se numa diminuição

muito acentuada quer do consumo

A Empresa vai agora reduzir

significativamente os encargos

com a aquisição de água de

consumo público

de água potável – um recurso essencial,

cada vez mais escasso e dispendioso – quer

de reagentes.

Esta tecnologia ainda só se encontra aplicada

numa outra fábrica do Grupo, a de Martorell,

situada próximo de Barcelona, mas a

uma escala mais reduzida.

Benefício para o Ambiente

A água desmineralizada é utilizada em

várias fabricações - mais concretamente,

nos processos de produção de carbonato e

bicarbonato de sódio, sal e soda cáustica,

entre outros - sendo também fornecida à

central de cogeração, para produção de

A nova instalação de desmineralização evita o recurso a água de consumo público e proporciona

benefícios ambientais

vapor.

“No Verão - explica Sofia Pereira, responsável

pela condução deste projecto -, a água

é um recurso natural escasso e de pior

qualidade, nomeadamente porque apresenta

um teor em sal muito elevado. Para

compensar esta salinidade, a Fábrica vê-se

forçada a consumir mais água potável do

que desejaria.

Trata-se, de facto, de antecipar o futuro, quando

um investimento estratégico é concretizado

“Com a desmineralização pelo processo

de osmose inversa, a nossa Empresa vai

agora reduzir significativamente os encargos

com a aquisição de água de consumo

público, visto que passa a poder aproveitar

e recuperar águas de pior qualidade. Pelo

que estamos em presença também de uma

clara melhoria ambiental”.

Por outro lado, no que diz respeito ao próprio

processo de desmineralização, Sofia

Pereira esclarece ainda:

“Este investimento permite-nos reaproveitar

água graças a um processo de características

diferentes: passamos ‘do químico

ao mecânico’. Logo, reduzimos ao mesmo

tempo o consumo de reagentes, o que

também se revela benéfico na perspectiva

ambiental”.

Como nota ainda a destacar na parte respeitante

à construção civil deste projecto,

refira-se a opção por um novo telhado,

autoportante, que dispensa a estrutura

metálica de suporte, visto que se encaixa

em ambos os extremos e arqueia com a

pressão.

SOLVAY Notícias

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

17

[ Investimentos ] [ Póvoa ]


Serviço

com reflexos na imagem do Grupo

O pagamento a fornecedores influencia

a imagem do Grupo Solvay perante o

mercado. Daí a sua relevância para a

3S, como esclarece Rui Rodrigues,

Process Expert para Accounts Payable.

O centro 3S Solvay, em Carnaxide, é uma

autêntica fábrica de e-serviços, em que o

pagamento a fornecedores exige o funcionamento

de mecanismos sincronizados e a

observação rigorosa de prazos acordados.

O nosso colega Rui Rodrigues, gestor do

processo, explica-nos as diferentes etapas:

“Existe aqui uma autêntica linha de montagem.

Após a recepção da factura enviada

pelo fornecedor da empresa cliente, verificam-se

os dados de remetente e passa-se à

digitalização. Na fase seguinte, há uma área

de trabalho que centraliza toda a informação

recolhida por leitura óptica.

“A factura pode ser reenviada para o comprador,

caso não coincida com a encomenda,

ficando bloqueada até posterior aprovação,

ou ser logo aprovada. No final, procede-se ao

pagamento pelo CICC, entidade comum do

Grupo”.

Neste serviço, a concentração é essencial:

“Se houver uma falha, corremos o risco de

atrasar o pagamento. Fazê-lo a tempo e horas

é muito importante em Accounts Payable”.

Ana Batalha

Quando 100

não é apenas

mais um número

18 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

Rui Rodrigues, Process Expert para Accounts

Payable

Na 3S, o Inglês vigora como língua de trabalho.

O conhecimento de idiomas pesa na

escolha dos candidatos e reflecte-se na qualidade

dos contactos. “A relação com os clientes

internos é diária - directamente com os

compradores, para aprovação das facturas

que fiquem bloqueadas, ou com os nossos

correspondentes locais, para um apoio mais

técnico”, elucida Rui Rodrigues.

Há vantagens em ter uma base de clientes

interna pois por já o terem feito conhecem

o processo.

Uma das apostas fortes da 3S consiste

no recrutamento de recémlicenciados.

No final de 2007, será

provável que, num dia normal em

Carnaxide, se possam ver cerca de

200 jovens colaboradores.

Prova viva desse crescimento

é Ana Batalha, 23 anos, licenciada

em Gestão. É a colaboradora

nº 100 do centro de serviços

partilhados, sendo operadora

financeira para o processo Close

the Books, ou seja, o cálculo das

receitas e despesas mensais das

empresas clientes da 3S, para

posterior consolidação nas contas

do Grupo e definição dos

encargos fiscais imputáveis.

Um dos valores que a Solvay

promove é o da responsabilização.

Perante a hipótese de viajar

a Tavaux (França), para

acompanhar uma migração,

com apenas três meses na

empresa, Ana Batalha não

esconde a sua forte motivação.

“Sinto que depositam confiança

em mim e isso é muito

O ano de 2006 constituiu um verdadeiro

desafio para este gestor. “Iniciaram-se as

migrações de três países importantes, na

Química e Plásticos. É normal que surjam

alguns problemas, mas correu bem e o

ano pode ser visto como positivo”.

Para 2007, prevê-se a migração da maioria

dos países com actividades naqueles sectores.

Será um ano de “muito trabalho e

empenho, mais desafiante do que 2006”,

sublinha Rui Rodrigues.

Para quem já é experiente em serviços partilhados,

esta missão poderia ser uma repetição.

A 3S, porém, representou um novo desafio:

“Nas outras situações, já encontrei as

migrações feitas. Aqui, criou-se uma empresa

de raiz e foram preparadas desde o início. É

muito mais desafiante. Aliás, a dimensão

geográfica é maior”.

A 3S aposta em jovens recém-licenciados,

em regime de estágio profissionalizante, e

acaba por representar, para muitos, um primeiro

emprego. Para Rui Rodrigues, este factor

é positivo. “Gosto de trabalhar com jovens e

os da nossa empresa já têm alguma maturidade

– sabem separar o trabalho da diversão.

O facto de muitos não terem experiência

laboral ajuda-nos, pois não transportam

alguns ‘vícios’. É mais fácil para quem tem a

função de ensinar”, argumenta.

compensador. Espero lá chegar

bem preparada, de maneira a

desempenhar bem o meu trabalho”,

refere.

O companheirismo também

fica patente nas suas declarações.

“Os colegas da vaga

anterior de admissões têm sido

compreensivos e ajudam-me no

que é necessário. Pela minha

parte, estarei também pronta a

ajudar a integrar os futuros

colegas, que chegarem na próxima

vaga”, realça Ana Batalha.

[ Portugal ] [ 3S ] Pagamento a fornecedores: um processo


Entrevista Annie Gaudy

“Temos pessoas de muito valor”

para enfrentar os desafios da 3S

O ano 2007 vai pôr à prova a 3S Solvay. Avizinha-se a migração dos processos

para a maioria dos países e, por esse facto, há que acolher uma “onda” de jovens

recém-licenciados. Annie Gaudy mostra-se, porém, confiante, como refere em

entrevista, por sentir que “temos pessoas de muito valor” para responder aos

novos desafios.

Fomos ao encontro de Annie Gaudy, directora

belga com trabalho desenvolvido no

Brasil, que lidera o Departamento Financeiro

da 3S Solvay Shared Services, o centro

europeu que o Grupo instalou em Portugal.

Num diálogo vivo, analisa a evolução

da 3S em 2006, ajuda-nos a compreender

melhor o trabalho desenvolvido por esta

entidade e perspectiva o futuro da “fábrica

de e-serviços” do Grupo.

SOLVAY Notícias – Explique-nos o que são

“serviços partilhados”.

Annie Gaudy – Trata-se de um conceito utilizado

por grupos empresariais, geralmente

para centralizar serviços que não representam

o seu negócio principal (Core business).

São geralmente serviços de suporte,

cuja centralização permite aumentar a eficiência

dos processos.

O que representa para o Grupo Solvay um

centro deste tipo?

O centro 3S foi criado para operar transacções

financeiras e de recursos humanos

depois de serem harmonizadas/redesenhadas

(redesigned). Aqui existe um procedimento

único para cada operação, logo, simplificamos.

Torna-se mais fácil conseguir

resultados utilizando um ERP (Enterprise

Resource Planning) único (no SAP) e reduzem-se

custos através da uniformização

das operações.

O ano passado foi o da consolidação. Que

perspectivas têm para 2007?

A nossa folha de pagamentos incluía 14 pessoas

no final de 2005, mas já 105 no final de

2006 e, a partir de Janeiro, passámos a cerca

de 130…

A consolidação só começou, verdadeiramente,

no Outono de 2006, após a

mudança para as novas instalações.

Antes tínhamos seleccionado os edifí-

cios, aguardado pelo projecto de adaptação

do open space e mudado para Carnaxide

no fim de Maio. Durante o Verão

estabelecemos o orçamento para 2007 e

preparámos as condições do desenvolvimento

da empresa.

Este ano vai ser decisivo para as migrações

dos processos?

Os processos de Finanças estão a ir ao

encontro do planeado e têm, em 2007, a

etapa final. Nos RH, as recentes alterações

estratégicas nessa área obrigaram a uma

pausa nas migrações: está a ser preparado

o processo da folha de pagamentos (salários)

e aguardamos indicações dos centros

de competência e dos detentores dos processos

para melhor definir como decorrerão

as migrações dos outros processos.

No final destas migrações, quantos países

servirá a 3S?

A empresa vai trabalhar processos para 12

“Sem os clientes

não somos nada!”

Que qualidades pessoais são desejadas

para trabalhar na 3S? Annie Gaudy

não hesita na resposta:

“A capacidade de enfrentar situações

inesperadas e a abertura a ideias

novas. Os colaboradores devem fomentar

o trabalho em equipa - pois sozinhos

não são nada - e incorporar bem o

espírito da empresa. Não menos importante:

a orientação para o cliente,

mesmo sendo interno. Procurar saber

como nos avalia é um esforço essencial,

visto que sem os clientes não

somos nada!...”

países. Mas, dentro destes, há várias sociedades,

num total de mais de 100. A parte

mais difícil reside na gestão das relações

contratuais com todas as empresas.

A aposta em Portugal foi ganha?

Na fase da procura de instalações, os escritórios

e os arquitectos consultados tinham

preços convidativos face ao orçamento.

Entretanto, encontrámos muito bons profissionais,

graças ao IEFP e a empresas de

recrutamento. Os jovens adquiriram

depressa (e bem) a cultura Solvay.

O país, pela língua, lembra-me os anos

passados no Brasil e, sendo belga, tenho

também algo de latino. A nível pessoal,

dou-me muito bem com quem trabalho.

Os jovens adquiriram depressa

(e bem) a cultura Solvay

Quais os grandes desafios que se colocam

à gestão da 3S?

Prendem-se com a chegada de muita gente

num curto período e ter de facultar uma

“educação empresarial” aos jovens recémlicenciados.

Mas, sinto que temos pessoas

de muito valor. Estamos muito contentes,

qualitativa e quantitativamente, com o que

encontrámos!

SOLVAY Notícias

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

19

[ 3S ] [ Portugal ]


[ Póvoa ] [ Reportagem ]

Xx Portas Abertas

Crianças das escolas

inundaram a Fábrica

Dia 7 de Dezembro, a Solvay Portugal abriu os portões do seu complexo industrial à geração

do futuro - alegre, irrequieta e muito curiosa…

A jornada foi pontuada pelo

tom carregado do céu e por

alguns aguaceiros, mas os 217

alunos do quarto ano do Ensino

Básico de algumas escolas do

concelho de Vila Franca de Xira,

que nos visitaram, deliciaram-

-se com o seu primeiro (para a

grande maioria) contacto com a

Química.

Respeitando o circuito delineado

para esta acção anual,

os passeios (em autocarro fretado

para o efeito, devido à

chuva) decorreram com a energia

característica da idade dos

participantes.

Química e alquimia

O primeiro contacto com o

mundo Solvay aconteceu na

sala-museu, situada no antigo

edifício de Escritórios. Aqui são

expostos documentos de

enorme valor para a história da

Solvay em Portugal (incluindo

espólio da Soda Póvoa), produtos

finais que utilizam matériasprimas

Solvay e equipamentos

antigos. Observaram-se as primeiras

expressões de espanto

e curiosidade.

20

De seguida, o auditório serviu

de espaço para a visualização

do vídeo protagonizado

pelo “Chemini Doc”, personagem

de animação com traços

físicos muito próximos aos de

Einstein e que explica os cuidados

a ter no manuseamento

dos químicos, bem como as

inúmeras utilizações dos produtos

Solvay no dia-a-dia.

À introdução didáctica

seguiu-se a componente lúdica,

com a actuação de um mágico

para o extasiado público. Com

diferentes truques, música a

condizer e convidando alguns

voluntários, o profissional cativou

a plateia e aguçou o apetite

para verem alguns produtos

dignos dos “magos” de outros

tempos - os alquimistas.

O percurso, que também

incluiu passagem pela fabricação

da Soda, pelo empacotamento

do Sal e pela fabricação

de Peróxido de hidrogénio, culminou

na visita ao Laboratório.

Neste local, os olhos ganham

outra dimensão perante a

demonstração das capacidades

dos nossos produtos, numa

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

apresentação destinada a evidenciar

a proximidade da Química

com a vida quotidiana.

Um docente

por cada dez alunos

Por último, e porque mesmo o

conhecimento provoca desgaste

físico, as crianças receberam

um lanche para retemperarem

forças, antes de partirem

em busca de inspiração para,

com os seus desenhos e composições

dedicados à visita,

disputarem o concurso lançado

pela Empresa.

Os guias/especialistas Nuno

Almeida, João Matos, Conceição

Ferreira, Rui Rocha, Carlos Faustino

e Sofia Pereira, com o

apoio de António Monteiro,

Neuza Silva (DADM) e Ana Cristina

Ricardo (SIS) conduziram

as crianças, devidamente

acompanhadas por educadores.

De facto, devido a novas

regras impostas pelas autoridades

educativas, o acompanhamento

das crianças respeitou

sempre o rácio mínimo de um

professor por cada dez alunos.

Feedback

Inquérito revela

satisfação

dos visitantes

As visitas à Solvay Portugal

envolvem uma máquina organizativa

considerável. Além da

recepção e acompanhamento

dos visitantes, é necessário

algum esforço logístico para fornecer

equipamentos de segurança,

lanches de boas-vindas e

suportes informativos.

A reacção (feedback) dos visitantes

é, também, indispensável

a uma gestão profissional destes

eventos. Para o efeito, os estudantes

transmitem a sua opinião

sobre a Empresa através de um

inquérito de satisfação.

No biénio 2005-2006, apurou-

-se que 61% dos 411 inquiridos

tiveram o seu primeiro contacto

com uma fábrica de produtos químicos.

Para 82% dos inquiridos,

esta visita alterou favoravelmente

a opinião que tinham sobre a

indústria química. Outro número

significativo refere-se à mudança

de opinião a respeito da Fábrica,

com 69% a considerarem que a

visita alterou “favoravelmente”

essa visão e outros 18% a responderem

“muito favoravelmente”.

Fábrica recebeu 544

visitantes em 2006

Registaram-se 544 visitas à

Fábrica, no período de um

ano compreendido entre as

últimas jornadas Portas

Abertas (a 25 de Novembro

de 2005 e a 7 de Dezembro

de 2006). Aquele total

engloba alunos dos ensinos

Básico e Secundário

(a maioria) e Superior e seus

professores, bem como

clientes, entidades oficiais e

outros visitantes nacionais e

estrangeiros.


Jubilados

Xx

As pessoas primeiro que tudo

Há valores que duram sempre. A

Solvay acredita, firmemente, que o

respeito pelas pessoas é um deles e

faz por demonstrá-lo em concreto.

Mudam os tempos, mas a festa dos jubilados

continua a ser isso mesmo… uma festa. O tradicional

jantar teve lugar dia 5 de Dezembro,

no “Redondel”, em Vila Franca de Xira, e voltou

a constituir um momento muito especial a

recordar.

Marc Duhem, Director Regional para a

Europa e Administrador-Delegado da Solvay

Portugal, não faltou com a sua presença e,

juntamente com a equipa de direcção, felicitou

e presenteou, um a um, todos os jubilados.

Para vincar o alto significado deste acto

social, em que transmitiu o agradecimento e

“as mais vivas felicitações” da Empresa, pelo

esforço, empenhamento e motivação

demonstrados pelos jubilados, Marc Duhem

entendeu oportuno tecer considerações sobre

a dinâmica do nosso País no seio do Grupo.

“Os 12 milhões de euros em investimentos

em curso, anunciados por Aloïs Michielsen,

então Presidente da Comissão Executiva,

são o testemunho da confiança do

Grupo no capital humano por todos vós

representado”, afirmou.

Para referir em seguida:

“No sector Químico, os nossos negócios

Após o jantar, a foto de grupo para recordar a homenagem

têm revelado um comportamento francamente

bom, com alguns máximos atingidos, o que

se reflectirá de forma muito positiva nos resultados.

A área farmacêutica teve um ano marcado

pela incorporação da Fournier Pharma

no nosso universo, facto também verificado

em Portugal. E também por cá vai crescendo

a 3S Solvay, uma das ‘crianças’ mais desejadas

no Grupo. Um investimento no País, mas

também em pessoas qualificadas.

“Mais de cem jovens já trabalham no

nosso centro europeu de serviços partilhados.

Jovens licenciados, motivados no seu primeiro

contacto com uma dimensão empresarial

internacional. Muitos deles, a grande maioria,

arrisco dizê-lo, não tinham sequer nascido em

1981.

“É com este esforço de renovação permanente,

porém respeitando os mais antigos,

que procuramos fazer crescer as nossas pessoas,

de modo a melhor crescermos como

Grupo.”

O Administrador-Delegado salientou ainda,

que, em 2007, “não há razões de ordem

estrutural ou económica que entravem a

robustez da estratégia de crescimento do

Grupo” e concluiu felicitando os 21 jubilados

pelo seu quarto de século de serviço e, em

particular, o colega António Júlio Antunes,

pelos 40 anos de carreira, agradecendolhes“por

manterem a chama da motivação

sempre acesa”.

SOLVAY Notícias

Jubilados em 2006

Marc Duhem entrega a lembrança (um

relógio) ao jubilado com 40 anos de serviço

O nosso colega António Júlio Antunes

atingiu, em 2006, a notável antiguidade

de 40 anos de serviço prestado à

Empresa.

Outros 21 companheiros somaram 25

anos de carreira.

Eis os seus nomes:

Dr. António Pedro Mieiro

José Augusto da Silva

Leonel Fernandes da Silva

Ernesto Pereira Filipe

Henrique Sardinha Amaro

Aníbal Alves Pinto

Francisco Bragança Albuquerque

Horácio Silva Correia

José Rodrigues

Eng. Luís Saldanha da Gama

Vítor Gonçalves dos Santos

José Maria Valente

Augusto Alves Correia

José Quintão Alago

José Martins

Carlos Manuel Bastos

Francisco António Caeiro

Vítor Manuel Mateus

Luís António Malaca

Luís Alberto Correia

José Luís da Silva

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

21

[ Entre Nós ] [ Póvoa ]


[ Póvoa ] [ Entre Nós ]

Registo

Nascimentos

Temos notícia do nascimento de três

meninas:

Marta Sobreira da Rocha, filha do Eng.

Rui Filipe Esteves da Rocha (do DPSOU),

nascida a 2 de Setembro último;

Madalena Mendonça Pinto, filha de

Carlos Júlio Pereira Pinto (do DPSOU),

nascida a 7 de Dezembro;

e Ana Lúcia Silva Caeiro, filha de Francisco

António Franco Caeiro (do

DUE/PCL), nascida a 18 de Dezembro.

Muitos parabéns aos pais!

Casamento

Um matrimónio a registar. O colega Joaquim

Manuel Neto Gonçalves da Bispa,

do Departamento Electricidade e Automação,

casou, dia 14 de Outubro último,

com a Sra. D. Ruth Rodrigues de Brito.

Votos das maiores felicidades para o

jovem casal!

Admissão

25 An0s de Serviço

ENG. NICOLAS

ELISABETH DIDIER

VASBINDER

Admitido no dia 2 de

Outubro último, no

DPSOU.

JOSÉ MARTINS

Foi admitido no dia

6/07/81, aos 30 anos

de idade. Começou

por trabalhar no Serviço

de Reserva, em

que se manteve até

1996, passando então

para o Departamento Produtos Sódicos,

como Condutor de Embalagem de Cloro

Líquido. Desde 2001, tem a categoria profissional

de Condutor de Sala de Controlo.

José Martins, nascido em Pessegueiro

de Baixo (Coimbra) e morador no Forte da

Casa, é casado com a Sra. D. Maria Helena

Ribeiro e pai de Pedro Miguel, de 31 anos.

22 [ Janeiro 2007 ] [nº 08 ] SOLVAY Notícias

CARLOS MANUEL

TEIXEIRA BASTOS

Nascido em Lisboa e

morador na Póvoa de

Santa Iria, foi admitido

em 6/07/81, com 24

anos.

Principiou no Serviço de

Reserva, transitando para o Departamento

Produtos Sódicos, dois anos depois, como

Ajudante de Condutor de Silicato. Desde o

ano 2000, tem a categoria de Condutor dos

Fornos de Silicato.

O colega Carlos Bastos é casado com a

Sra. D. Maria Graça Maia e pai do jovem Rui

Pedro, de 24 anos de idade.

FRANCISCO ANTÓNIO

FRANCO CAEIRO

Foi admitido no dia

1/08/81, aos 27 anos de

idade.

Iniciou a sua actividade

no Serviço de

Reserva e, em 1992,

transitou para o Departamento Produtos

Sódicos, como Supra, ali exercendo funções

até à data.

Natural de Vimieiro (Évora) e residente

no Forte da Casa, o colega Francisco Caeiro

é casado com a Sra. D. Francisca Maria

Rebocho e tem quatro filhos: Joaquina de

Jesus, de 29 anos; Milene Alexandra, de 22;

Gonçalo André, de 17; e Ana Lúcia, bebé

com dois meses.

VÍTOR MANUEL CANHA

OLIVEIRA MATEUS

Nascido na Póvoa de

Santa Iria e morador em

São João dos Montes,

ingressou na Empresa

no dia 12/10/81, aos 28

anos.

Tem trabalhado sempre no Departamento

Mecânica e Construções, inicialmente

como Preparador Auxiliar de Trabalho

e, a partir de 1990, como

Contramestre.

Vítor Mateus é casado com a Sra. D. Idalina

Conceição Ferreira e tem dois filhos, os

jovens Ricardo Jorge, de 28 anos, e Sónia

Filipa, de 22.

LUÍS ALBERTO

RODRIGUES CORREIA

Iniciou a sua actividade

na Empresa no

Departamento Electricidade,

como Pré-Oficial

Electricista, no dia

2/12/81, aos 22 anos

de idade.

Em 1993, passou para os Serviços

Gerais, como Vigilante, e em 1995 ascendeu

a Contramestre. Desde 2002, está

colocado na Solvay Interox.

Natural de Marinhais e morador na

Póvoa de Santa Iria, Luís Correia é casado

com a Sra. D. Maria Albertina Carvalho

Correia e tem dois filhos: Paulo Ricardo,

de 22 anos, e Pedro Miguel, de 17.

40 An0s de Serviço

ANTÓNIO JÚLIO

DA COSTA ANTUNES

Nascido na Póvoa de

Santa Iria, cidade onde

habita, ingressou na

(então) Soda Póvoa

no dia 28/02/66,

contava apenas 17

anos de idade.

Tem exercido a sua já longa carreira

profissional sempre no Departamento

Electricidade, onde principiou como

Aprendiz.

Ascendeu à categoria de Contramestre

em 1988.

O colega António Júlio é casado com a

Sra. D. Olívia Martins Narciso Antunes e

tem dois filhos, os jovens Mário António

e Ricardo Jorge, de 31 e 26 anos, respectivamente.

Falecimento

Com sentido pesar, registamos o óbito

dos antigos companheiros, já aposentados:

Alfredo Soares Salsa, falecido dia 24

de Dezembro último, e Olímpio Afonso

Ferreira Monteiro, falecido dois dias

depois.

Apresentamos condolências às famílias

enlutadas.


Inovação

Solvay Portugal atingiu índice de 1,8 ideias por pessoa

O sistema de recolha de ideias

inovadoras continua a provar que está

bem enraizado na Empresa. O balanço

do programa relativo a 2006 prova isso

mesmo: foram recebidas 472 ideias

criativas de melhoria atingindo-se um

índice de 1,8 ideias por pessoa, o que

ultrapassou a meta fixada (1,6) para o

ano transacto.

“Observa-se uma forte dinâmica no processo

de geração e apresentação de ideias

- comenta António Duarte, coordenador

Inovação -, o que demonstra que o sistema

está plenamente consolidado e já integrado

na nossa cultura. Todos os departamentos

da Fábrica atingiram o objectivo fixado”.

A marcha anual do referido índice fala por

si: tem subido de forma gradual e consistente

– desde 0,6 ideias por pessoa, em

2001; 0,8 em 2002; 1,0 em 2003; 1,2 em

2004; 1,6 em 2005; até 1,8 em 2006 – e de

maneira ainda mais notória nos dois últimos

anos, a ponto de superar os objectivos

definidos.

Inquérito

Colaboradores externos

receptivos a um maior

entendimento mútuo

A esmagadora maioria dos colaboradores externos da

Solvay Portugal considera-se conhecedora do grupo Solvay,

das regras de segurança que norteiam a sua presença nas

nossas instalações e vê na nossa Organização um exemplo

de empresa socialmente responsável relativamente à

comunidade em que se insere.

A Solvay Portugal realizou um

inquérito junto dos 202 colaboradores

externos (em representação

de 27 empresas) que desenvolvem

actividade na Fábrica

da Póvoa, na Pedreira de Vialonga

e nas Sondagens de

Matacães.

Este estudo marca um ponto

A Empresa recolhe e reconhece um número cada vez maior de ideias criativas de melhoria

apresentadas pelos seus colaboradores

Com referência a 2006, foram aceites

89% das ideias apresentadas e premiadas

16%.

Desde o arranque do programa Inovação

de viragem nas relações com as

empresas externas prestadoras

de serviços, em permanência,

nas nossas instalações. A

caracterização socio-demográfica

deste conjunto de trabalhadores,

a aferição da sua integração

no circuito de

comunicação interna e a busca

de sólidos indicadores da avaliação

que fazem da Solvay

enquanto vizinho industrial

(90,7% de concordância) representam

algumas preocupações

centrais das 45 perguntas formuladas.

A execução, distribuição e

tratamento estatístico dos

questionários foram responsabilidade

do Grupo de Comunicação

Interna da Solvay Portugal,

acompanhado pela sua

comissão de validação e

apoiado “no terreno” pelos responsáveis

daquelas empresas.

As respostas confirmaram o

desejo partilhado de fomentar a

comunicação como meio de

ligação aos colaboradores

externos, não só para a promoção

informal da sua integração

no espaço e nos valores Solvay,

na Empresa, isto é, num período total de

3 071 dias, o número acumulado de ideias

recolhidas ascende a 2 371, das quais 1 583

foram aceites.

SOLVAY Notícias

mas também para prover um

fluxo de informação indispensável

em áreas como a segurança

e a higiene, necessidades

permanentes para o

correcto desenvolvimento do

seu trabalho.

Uma das acções decorrentes

desta avaliação, e já

implementada quando da

última edição, passa pela distribuição

desta revista entre

os colaboradores externos.

Uma medida que os aproxima

à realidade da empresa onde

(muitos) desempenham as

suas funções há largos anos.

Sem segredos ou conteúdos

pré-seleccionados.

A Solvay Portugal agradece,

também por este meio, a elevada

taxa de resposta (80%

dos inquiridos) a este inquérito.

[ Janeiro 2007 ] [nº 08 ]

23

[ Actualidade ] [ Póvoa ]

More magazines by this user
Similar magazines