03.08.2022 Views

PNLD 2023 - Aquarela Ciências 5

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

Trivellato • Cida Lico

Aquarela

CIÊNCIAS

MANUAL DO PROFESSOR

5

5 0 ANO ENSINO FUNDAMENTAL • ANOS INCIAIS

CIÊNCIAS DA NATUREZA



Aquarela

CIÊNCIAS

MANUAL DO PROFESSOR

Trivellato [ José Trivellato Júnior ]

Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da

Universidade de São Paulo (USP). Licenciado em Pedagogia pela Faculdade

de Ciências e Letras Nove de Julho. Doutor em Educação e Mestre em

Didática pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP)

Cida Lico [ Maria Aparecida de Almeida Lico ]

Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da

Universidade de São Paulo (USP)

1 a edição | São Paulo | 20215

5 0 ANO ENSINO FUNDAMENTAL • ANOS INCIAIS

CIÊNCIAS DA NATUREZA


© 2021 Kit’s editora

São Paulo • 1 a edição • 2021

Kit’s Editora Comércio e Indústria Ltda. - EPP

Rua Henrique Sam Mindlin, 576 – Piso Superior

Jardim do Colégio – São Paulo – SP

CEP: 05882-000

Tel.: (11) 5873-4363

www.kitseditora.com.br/

Direção administrativa

Jane Soraya Apolinário

Equipe M10 Editorial:

Coordenação editorial

Fernanda Azevedo

Coordenação de arte e projeto gráfico de capa

Thais Ometto

Projeto gráfico

Sérgio C.

Edição

Bárbara Odria

Preparação e revisão de textos

Brenda Silva

Assessoria técnica

Giovanna Sarli

Sandra Helena Dittmar Sarli Santos

Produção editorial

Vanessa Dionello

Coordenação de editoração eletrônica

Eduardo Enoki

Editoração eletrônica

Fanny Sosa

Nathalia Scala

Iconografia e ilustrações

M10 editorial

Impressão e acabamento


SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO.................................................................................... IV

1. ORIENTAÇÕES GERAIS DA COLEÇÃO......................................... IV

1. 1 PRESSUPOSTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA COLEÇÃO.............................IV

1.2 O ENSINO FUNDAMENTAL ................................................................................................V

2. A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)................ VI

2.1 – UNIDADES TEMÁTICAS................................................................................................... VII

3 – O ENSINO DE CIÊNCIAS.............................................................VIII

3.1 O CONHECIMENTO CIENTÍFICO.................................................................................... VIII

3.2 LETRAMENTO CIENTÍFICO................................................................................................IX

4. - A DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS...........................................................X

4.1 - AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)...............XI

5 - A PRÁTICA DOCENTE................................................................... XII

6 - A AVALIAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM.XII

7 - APRESENTAÇÃO DOS RECURSOS DIDÁTICOS DA OBRA..XIII

8 - TEXTO DE APROFUNDAMENTO................................................XIV

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................... XVI

ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS PARA O VOLUME ............................ 1

III


APRESENTAÇÃO

Elaboramos este livro especialmente para você. Na parte inicial, incluímos uma série de temas e discussões a respeito do trabalho

nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental que tratam do ensino de Ciências nessa etapa da educação escolar.

Conscientes da importância do trabalho colaborativo entre os profissionais da educação, dedicamos grande parte desse projeto

editorial a pesquisas e leituras de textos, dialogando tanto com professores de Ensino Básico quanto do Superior sobre a

educação em geral, propostas e recursos didáticos, currículo, legislação e avaliação. Este material é fruto desse trabalho, que foi

desenvolvido paralelamente à escrita dos livros dos alunos.

Esperamos que esse Manual e as orientações específicas para cada ano possam contribuir para as aulas e sua atualização docente

ao apresentar as perspectivas teóricas que sustentaram este projeto editorial. Ao apresentá-las estamos colaborando para a ampliação

do seu repertório de formação e para a reflexão acerca das transformações recentes no processo de ensino-aprendizagem de Ciências.

Ótimo trabalho!

Autores e equipe editorial.

1. ORIENTAÇÕES GERAIS DA COLEÇÃO

1. 1. PRESSUPOSTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA COLEÇÃO

Quando as atividades didáticas propostas pelo professor proporcionam o engajamento dos estudantes na busca pelo conhecimento

científico de modo ativo e colaborativo, a aprendizagem se dá de modo significativo, ou seja, a busca por respostas a

questões instigantes permite que os estudantes reestruturem a sua rede de conhecimento e ampliem a compreensão que têm

do mundo natural, científico, tecnológico e social.

Para promover a aprendizagem significativa, essa coleção se estrutura sob quatro pilares: o conhecimento científico, englobando

suas práticas, teorias, leis, conceitos, metodologias e história; a linguagem e seu papel mediador na construção do

conhecimento; os valores sociais, políticos e éticos; e o desenvolvimento socioemocional que deve ser estimulado durante

a formação educacional e humana dos alunos.

O conhecimento científico permeia nosso mundo atual e constitui um dos saberes que devem estar presentes na Educação Básica.

O conhecimento científico não consiste apenas em um conjunto de conceitos e teorias, mas sim uma forma de interpretar o mundo à

nossa volta. Ensinar ciência se refere aos modos como os cientistas e pesquisadores trabalham, como e quais são as práticas que eles usam

para elaborar o conhecimento científico e como o contexto cultural e político influencia na construção de tal conhecimento.

Pensar cientificamente diz respeito ao desenvolvimento de habilidades e competências que permitem aos alunos resolver

problemas, interpretar evidências e dados, comunicar ideias, ler e entender textos, argumentar e explicar fatos e teorias com

base em justificativas válidas. Essas habilidades e competências são desenvolvidas na interação com o professor (mediador) e os

problemas ou temas propostos pelo material educativo ou propostos pelo docente autonomamente. Elas também constituem

um repertório cognitivo que permite ao aluno lidar com a diversidade de situações-problema que nos deparamos no dia a dia.

Aprender ciência também implica compreender o caráter coletivo e processual da elaboração do conhecimento científico, que se

desenvolve continuamente por meio da colaboração de diferentes pessoas e do compartilhamento de conhecimentos entre pesquisadores

de todos os cantos do mundo. Espera-se que os alunos consigam ver os cientistas como pessoas participativas e integradas ao

contexto histórico, cultural, social e geográfico que influenciam suas decisões e as formas como a ciência é elaborada.

Para ensinar Ciências da Natureza, os professores precisam conhecer os processos e procedimentos empregados nas investigações

científicas e a historicidade do desenvolvimento dos conhecimentos científicos; planejar e utilizar abordagens didáticas adequadas,

que orientem a aprendizagem dos conteúdos trabalhados; compreender a importância da ludicidade, do brincar e das atividades

dinâmicas como instrumentos que motivam e aguçam a curiosidade dos alunos; criar situações de ensino capazes de

promover uma aprendizagem significativa de conceitos complexos; e estimular a criatividade dos alunos por meio de um ensino

que não encare a aprendizagem como um processo exclusivo de memorização e repetição de conceitos, teorias e leis.

A compreensão da ciência como um empreendimento coletivo e situado em um contexto social e cultural também permite

aos estudantes entender como ela se relaciona com os valores éticos, políticos e estéticos presentes na sociedade. A

IV


importância da responsabilidade social e da promoção do bem-estar individual e coletivo; do desenvolvimento sustentável; da

preservação ambiental; do papel da ética, do senso de justiça e da perseverança na construção do conhecimento científico são

alguns dos aspectos trabalhados nas aulas de ciências. Discutir com os alunos os princípios éticos, relacionados aos seres vivos e

à natureza como um todo, fomenta a compreensão da importância da honestidade, da empatia, do comprometimento com a

sustentabilidade e das relações da ciência com a sociedade e o meio ambiente.

Trabalhar e aprender ciência na sala de aula também promove o desenvolvimento de habilidades socioemocionais. Trabalhar em

grupo, se comunicar, dividir tarefas, lidar com problemas de diversas naturezas e com experimentos que exigem comprometimento e responsabilidade

incentivam os alunos a conviver socialmente. Assim, as aulas de ciências também trabalham com o desenvolvimento de

habilidades pessoais e sociais, como a capacidade de dialogar e resolver conflitos, de lidar com frustrações e perseverar, entre outras.

Nas aulas de ciências, os conhecimentos científicos são trabalhados por meio da comunicação, que se dá por diferentes formas:

texto escrito (linguagem verbal), discussão de ideias, informações contidas em representações como gráficos, tabelas, ilustrações,

desenhos, diagramas, imagens, vídeos, histogramas etc. Todas essas ações comunicativas constituem formas de linguagem.

A linguagem, assim, tem um papel importante para o ensino, na medida em que ela possibilita que os alunos tenham

contato com a ciência e aprendam quando participam de atividades de discussão, leitura, escrita etc.

As tecnologias da informação e comunicação (TICs) também são formas de linguagem. A internet, vídeos, fóruns online, imagens,

ilustrações digitais e podcasts podem ser utilizados como recursos didáticos que enriquecem as aulas e ampliam o contato

dos estudantes com a cultura digital.

A linguagem desempenha uma função de organização do pensamento e possibilita que o aluno entre em contato com o

conhecimento científico e se aproprie de saberes sobre o mundo em que vive. Ela também permite que o aluno comunique

suas experiências de vida sobre um tema, objeto ou fenômeno. Os conhecimentos prévios dos alunos constituem um repertório

sobre o qual o professor deve trabalhar, promovendo oportunidades para que os alunos aprimorem, critiquem e avaliem o que

já sabem, reestruturando a sua rede de conhecimentos.

Esperamos que o professor explore os conhecimentos prévios dos alunos, estimule a curiosidade e dê liberdade para que

possam observar e explicar os fenômenos naturais. Nesse processo, as crianças se engajam em práticas científicas como o levantamento

de hipóteses, a identificação de relações de causa e efeito e a elaboração de explicações com base em evidências.

O trabalho do professor apoiado pelos materiais educativos, como livros didáticos e mídias digitais, deve fomentar nos alunos a aprendizagem

dos conhecimentos científicos, o desenvolvimento de habilidades socioemocionais e o gosto pela ciência e pelo pensamento

científico. O livro didático é um instrumento de auxílio à prática docente, cabendo ao professor inseri-lo em seu planejamento e nas suas

aulas em conformidade com os objetivos de ensino e com a realidade da comunidade em que a escola está inserida.

Esse material visa apoiar o professor na árdua atividade de ensinar.

A coleção apresenta uma diversidade de seções que incluem

Formação integral do cidadão

atividades, textos, experimentos, projetos, discussões em grupo,

debates, reflexões individuais, contato com outras fontes de conhecimento

e valorização das experiências da comunidade. Esperamos

que esse material seja utilizado de diferentes formas e finalidades,

visando contemplar o seu planejamento e objetivos educacionais.

É importante ressaltar que o professor, em virtude de sua

convivência com os alunos, é capaz de reconhecer as características

e necessidades da comunidade escolar. Assim, a coleção e o

manual não procuram estabelecer um receituário com formas de

ensinar, mas auxiliar no planejamento, no aprimoramento da prática

docente e no cotidiano de sala aula, oferecendo subsídios

para o ensino e a promoção da aprendizagem.

1.2. O ENSINO FUNDAMENTAL

A Educação Básica de qualidade é um direito assegurado pela

Constituição Federal, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente

e pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), e se

constitui pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio.

V


De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, um dos fundamentos do projeto de Nação que estamos

construindo, a formação escolar é o alicerce indispensável e condição primeira para o exercício pleno da cidadania e o acesso aos direitos

sociais, econômicos, civis e políticos. A educação deve proporcionar o desenvolvimento humano na sua plenitude, em condições

de liberdade e dignidade, respeitando e valorizando as diferenças.

Os objetivos formativos da Educação Infantil prolongam-se durante os primeiros cinco anos do Ensino Fundamental, de

modo que os aspectos físico, afetivo, psicológico, intelectual e social sejam priorizados na sua formação, complementando a

ação da família e da comunidade. Os documentos oficiais que normatizam a Educação Básica no Brasil estabelecem que as políticas

educativas e as propostas pedagógicas do Ensino Fundamental devem seguir princípios:

a) Éticos, como a justiça, a solidariedade, a liberdade, a autonomia, o respeito à dignidade da pessoa humana, o compromisso

com a promoção do bem de todos, e o combate a quaisquer manifestações de preconceito e discriminação.

b) Políticos, como o reconhecimento dos direitos e deveres de cidadania, o respeito ao bem comum e à preservação do

regime democrático, aos recursos ambientais, a exigência de diversidade de tratamento para assegurar a igualdade de direitos

entre os alunos que apresentam diferentes necessidades, a redução da pobreza e das desigualdades sociais e regionais, e a

busca da equidade no acesso à educação, à saúde, ao trabalho, aos bens culturais e outros benefícios.

c) Estéticos, como o cultivo da sensibilidade juntamente com a racionalidade, o enriquecimento das formas de expressão e

do exercício da criatividade, a valorização das diferentes manifestações culturais (especialmente as da cultura brasileira), e a construção

de identidades plurais e solidárias.

Nos anos iniciais do Ensino Fundamental se intensifica e se amplia, de forma gradativa, o processo educativo que preconiza o

domínio da leitura, da escrita e do cálculo, sendo que nos dois primeiros anos o foco educativo recai na alfabetização. Ao longo

do Ensino Fundamental, busca-se que os estudantes consolidem uma compreensão do ambiente natural e social, do sistema

político, da economia, da tecnologia, das artes e cultura, dos direitos humanos e dos valores em que se fundamenta a sociedade.

Além disso, espera-se que os estudantes desenvolvam habilidades, atitudes e valores, buscando o fortalecimento dos vínculos

de família, dos laços de solidariedade humana e de respeito necessários à vida social.

O currículo e as propostas pedagógicas para o Ensino Fundamental devem ser construídos fundamentando-se na Base Nacional

Comum Curricular, que estabelece os conhecimentos a que todos devem ter acesso, assegurando uma uniformidade nas orientações

e propostas curriculares dos Estados, Distrito Federal e Municípios. Os conteúdos sistematizados que fazem parte do currículo são

denominados componentes curriculares e, para o Ensino Fundamental, esses são organizados em quatro áreas do conhecimento:

Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza e Ciências Humanas. Além disso, a legislação (por exemplo, a Lei de Diretrizes e Bases da

Educação Nacional) determina: que as comunidades indígenas podem utilizar suas línguas maternas e seus próprios processos de

ensino (art. 32 da LDB); a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena” nos conteúdos desenvolvidos no

âmbito de todo o currículo escolar, em especial na Arte, Literatura e História do Brasil (art. 26, § 4º da LDB); a Música como conteúdo

obrigatório, mas não exclusivo, do componente curricular Arte; a Educação Física como componente obrigatório do currículo do

Ensino Fundamental; o Ensino Religioso com matrícula facultativa e parte integrante da formação básica do cidadão; matrícula obrigatória,

a partir do 6º ano, no ensino de uma Língua Estrangeira Moderna; a abordagem de temas abrangentes e contemporâneos, como

saúde, sexualidade e gênero, vida familiar e social, os direitos das crianças e adolescentes (Lei nº 8.069/90), a preservação do meio

ambiente (Lei nº 9.795/99), a educação para o trânsito (Lei nº 9.503/97) e a condição e direitos dos idosos (Lei nº 10.741/03).

Os princípios éticos, políticos e estéticos propostos nos documentos do Ministério da Educação que norteiam a concepção de

currículos e propostas pedagógicas são inerentes ao ensino de Ciências. Ensinar ciências implica ensinar como os fatores éticos,

políticos e estéticos se relacionam com os constructos conceituais, teóricos e procedimentais desse campo do conhecimento, de

forma a favorecer que os alunos tenham uma aprendizagem significativa sobre como a Ciência da Natureza se relaciona com os

aspectos sociais e culturais de seu tempo. Preconizando que a escola é um espaço de constante construção e reconstrução do

repertório de conhecimentos dos alunos, espera-se que o ensino de Ciências proporcione oportunidades para que amadureçam

intelectualmente de forma a constituir entendimentos cada vez mais elaborados e adequados acerca do conhecimento científico

(práticas, teorias vigentes, objetos de estudo, metodologias e história).

2. A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC)

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) visa efetivar os direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento para os alunos

da Educação Básica em parceria com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. A BNCC consiste em um documento normativo

que deve ser utilizado na concepção dos currículos e das propostas pedagógicas dos sistemas, redes de ensino e escolas públicas

e privadas de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio em todo o território nacional.

VI


A Base reúne um conjunto de conhecimentos, competências e habilidades que representam aprendizagens essenciais que

todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica. Tais aprendizagens essenciais foram

orientadas e concebidas com base nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, que propõem que os processos

educativos visem à formação humana integral de indivíduos comprometidos com a transformação social por meio da construção

de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.

Para a Educação Básica a BNCC apresenta um conjunto de dez competências gerais. (BNCC, p. 9-10).

Cada área do conhecimento também possui competências específicas do componente, que devem ser desenvolvidas pelos

estudantes ao longo do Ensino Fundamental e Médio. A BNCC ainda propõe um conjunto de habilidades relacionadas a cada

componente curricular que objetivam o desenvolvimento das competências específicas. Tais habilidades se relacionam com

diferentes objetos do conhecimento como conteúdos, conceitos e processos que são organizados em unidades temáticas, as

quais agrupam os objetos do conhecimento de acordo com as especificidades dos diferentes componentes curriculares.

As 8 competências específicas da área de Ciências da Natureza do Ensino Fundamental estão disponíveis no texto da BNCC

(p. 324), disponibilizado no endereço: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ (acesso em: 13 ago. 2021).

2.1 – UNIDADES TEMÁTICAS

As unidades temáticas da área Ciências da Natureza estabelecidas pela BNCC são: Matéria e Energia, Vida e Evolução e

Terra e Universo.

A unidade temática Matéria e Energia engloba os conhecimentos que dizem respeito aos usos e propriedades dos diferentes

materiais, suas transformações e o uso consciente de materiais diversos; e às diferentes fontes energéticas, aos processos

empregados em sua geração e os usos da energia.

Sob uma perspectiva histórica, essa unidade também se preocupa em discutir as formas pelas quais a humanidade se apropriou

desses recursos e processos, resgatando os materiais e seus usos em diferentes ambientes e épocas da história humana.

Nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, as crianças já têm familiaridade com diversos tipos de objetos, materiais e fenômenos

que estão presentes em seu cotidiano. Essa familiaridade constitui um repertório inicial a partir do qual é possível trabalhar os conhecimentos

propostos por essa unidade temática. Por exemplo, a exploração das propriedades de diferentes materiais do cotidiano como

dureza, transparência, solubilidade e interações com a luz. Nessa unidade temática também são trabalhadas questões relacionadas a

água e seus usos, o clima, a geração de energia elétrica, a preservação dos solos e outros aspectos ambientais presentes no entorno das

crianças nos diferentes espaços que elas frequentam, como a casa, a escola e o bairro.

As questões relacionadas aos conhecimentos biológicos são abordadas na unidade Vida e Evolução. Essa unidade engloba:

os conhecimentos sobre as características dos seres vivos, tratando a vida como fenômeno natural e social que requer elementos

para sua manutenção; os estudos relacionados aos processos evolutivos que geram a biodiversidade do planeta; as questões

ecológicas como as características dos ecossistemas e as relações dos seres vivos entre si e o ambiente físico; as interações que

os seres humanos estabelecem entre si, com outros seres vivos e com elementos não vivos do ambiente; e a importância da preservação

da biodiversidade e como ela se apresenta nos ecossistemas brasileiros. O corpo humano consiste em outro foco

importante dessa unidade, sendo tratado de modo que os alunos percebam o funcionamento harmonioso, a integridade dos

processos e as funções biológicas desempenhadas pelos diferentes sistemas que compõem o nosso corpo.

Aspectos relativos à saúde também têm destaque e visam promover uma compreensão da saúde para além da ideia de

bem-estar físico individual, mas também como um bem-estar coletivo, destacando-se a importância dos programas institucionais

e das políticas públicas.

A terceira unidade temática proposta pela BNCC, Terra e Universo, engloba conhecimentos sobre as características dos corpos

celestes como a Terra, o Sol e a Lua. Nessa unidade temática busca-se que os estudantes desenvolvam um corpo de conhecimentos

sobre as dimensões, a composição, as localizações, os movimentos e as forças que atuam sobre os corpos celestes.

O ensino dessa unidade dá ênfase à ideia de que os conhecimentos astronômicos foram construídos ao longo da história da

humanidade e que diferentes culturas têm diferentes formas de interpretar os fenômenos astronômicos. Temas importantes

relacionados aos diversos fenômenos naturais como as condições para a manutenção da vida na Terra, o efeito estufa, a camada

de ozônio, as erupções vulcânicas, os tsunamis, os terremotos e os padrões de circulação atmosférica e oceânica também são

VII


abordados. Os assuntos dessa unidade temática normalmente despertam a curiosidade das crianças dos Anos Iniciais do Ensino

Fundamental. Assim, durante as aulas, espera-se estimular ainda mais tal curiosidade, propiciando o desenvolvimento do pensamento

espacial dos alunos por meio de experiências cotidianas de observação de diversos fenômenos celestes. As atividades de

observação, quando orientadas e sistematizadas, permitem a identificação e a regularidade de fenômenos que se relacionam

com a prática da agricultura, a construção de calendários, a determinação de cada estação do ano etc.

Nos Anos Iniciais, os temas abordados pelas unidades temáticas apresentadas anteriormente são tratados por meio dos

saberes intelectuais, linguísticos e emocionais que os alunos possuem. Tais saberes vão sendo aprimorados e organizados ao

longo de cada unidade com a mediação do professor. Dando continuidade às abordagens da Educação Infantil, nos Anos

Iniciais do Ensino Fundamental espera-se que as crianças deem prosseguimento ao processo de desenvolvimento de habilidades

cognitivas, ético-políticas e socioemocionais por meio do amadurecimento e enriquecimento de seu repertório de

conhecimentos científicos.

3 – O ENSINO DE CIÊNCIAS

A inserção do ensino de Ciências nos currículos da Educação Básica consiste em um fenômeno relativamente recente. Até a

promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, as aulas de Ciências só estavam presentes nos dois últimos anos

do Ensino Fundamental (antigamente, chamado de “ginásio”); em meados dos anos 1970 (lei 5.692/71), a disciplina passou a ser

obrigatória no currículo de todas as séries do Ensino Fundamental.

Com a obrigatoriedade do ensino de Ciências no Ensino Fundamental, os documentos oficiais normativos da Educação

Básica passaram a elaborar diretrizes e parâmetros curriculares para essa disciplina. Essas diretrizes e parâmetros refletem as concepções

didáticas e pedagógicas de um determinado período histórico e social. Com as alterações dos modelos de sociedade

que se deseja constituir, as concepções didático-pedagógicas também se ressignificam. Assim, no decorrer da história, o ensino

de Ciências no Brasil foi se modificando de acordo com as demandas e objetivos sociais e econômicos, que norteiam os objetivos

educacionais e orientam os currículos e a didática.

Atualmente, espera-se que a educação científica escolar estimule a reflexão sobre as Ciências e os processos envolvidos na

sua produção, comunicação e avaliação. Espera-se, portanto, que os estudantes se apropriem do conhecimento científico para

utilizá-lo como ferramenta na conquista de sua autonomia e exercício da cidadania crítica e consciente.

As aulas de Ciências representam um momento e um espaço em que é possível conhecer as diferentes explicações sobre o

mundo e os fenômenos naturais; se expressar, contrapor e avaliar diferentes ideias; se desenvolver intelectualmente de maneira

crítica por meio da indagação, da investigação e da análise do mundo e da realidade.

3.1. O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

Os conteúdos constituídos pelo corpo de conhecimento de Ciências estão presentes nos compêndios que apresentam

fatos, fenômenos, conceitos, leis, teorias, modelos e princípios científicos. A apropriação de tal conteúdo permite ao aluno

expressar-se cientificamente pela escrita ou verbalmente.

A metodologia de investigação científica diz respeito aos procedimentos e modos pelos quais o pesquisador obtém elementos

que apoiam leis, princípios e conceitos. Os procedimentos próprios da construção e reformulação do conhecimento

científico podem ser descritos como um conjunto de habilidades que devem ser desenvolvidos nas aulas de Ciências da

Natureza. Por exemplo, observar, classificar, seriar, medir, construir tabelas e gráficos, saber usar um aparelho, montar um modelo,

construir um equipamento, identificar problemas, saber buscar informações em fontes variadas, elaborar hipóteses, fazer previsões,

relacionar variáveis, planejar experimentos, analisar e interpretar dados, usar modelos interpretativos, concluir com base

nos dados disponíveis e argumentar com apoio da linguagem escrita e simbólica.

Os modos de pensar e de agir dos indivíduos são conteúdos que dizem respeito às ações das pessoas em relação à sociedade,

ao ambiente, aos cuidados com a saúde individual e coletiva e à valorização da atividade científica/tecnológica.

O desenvolvimento de habilidades e competências cognitivas nas aulas de Ciências permite que os alunos interpretem e utilizem

modelos, teorias e explicações científicas de maneira similar àquela dos cientistas.

VIII


Corpo de

conhecimentos

Ciências da Natureza

Caracterizam-se por

que determinam

Formas de pensar e atuar

que se manifestam como

Metodologia de

investigação

tomada de consciência

que deve implicar em

em relação a

mudança de atitude

avanços da

ciência

atividade

científica

desenvolvimento

sustentável

conservação

do meio

hábitos

saudáveis

3.2 LETRAMENTO CIENTÍFICO

Em atividades do dia a dia nos deparamos com o conhecimento científico e tecnológico que medeiam nossas ações e afazeres.

Assim, os conhecimentos científicos tornam-se mais do que necessários na formação do cidadão. A ciência colabora na resolução

de problemas ambientais; no desenvolvimento de medicamentos e meios de transporte; nas soluções para a saúde individual

e coletiva; na produção e conservação de alimentos etc. A presença da ciência na sociedade atual traz à tona a importância

do ensino de Ciências nas escolas de Educação Básica.

Espera-se que a educação científica institucional forme sujeitos que compreendam a relação entre ciência, tecnologia, sociedade

e o meio ambiente, visto que tal formação tem se estabelecido como uma condição para que cidadãos sejam capazes de

atuar de modo consciente e responsável no mundo atual.

No contexto do letramento científico, o objetivo central da educação em ciências recai sobre a necessidade de que os estudantes

não se limitem a entender os conteúdos, procedimentos e experimentos, mas entendam a própria natureza das ciências

e as práticas científicas, como forma de se inserir e estar apto a tomar decisões numa sociedade cada vez mais mediada por inovações

tecnológicas e avanços científicos.

A ideia de que a educação em ciências deve formar cidadãos participantes nas discussões científico-tecnológicas em voga

argumenta a favor de um ensino que contextualize os conhecimentos científicos de forma que os estudantes os compreendam

como uma ferramenta cultural que pode ser utilizada no campo social para a participação na tomada de decisões e nos juízos

de valor sobre as questões científico-tecnológicas da atualidade.

O ensino formal em ciências deve propiciar a compreensão dos processos sociais e coletivos de construção do conhecimento

científico ao longo do tempo e a conscientização do papel desses saberes no campo social, político, econômico e na preservação

da biodiversidade e recursos naturais.

É importante que o professor de Ciências reconheça o seu papel educativo ao propor e mediar atividades, discussões e questõesproblema

que propiciem o desenvolvimento das habilidades cognitivas dos alunos. As habilidades específicas que caracterizam o letramento

científico podem ser agrupadas em três eixos estruturantes da alfabetização científica (Sasseron; Carvalho, 2011).

O primeiro eixo estruturante preocupa-se com abordagens que permitam aos alunos construir e apropriar-se dos conhecimentos

científicos possibilitando a compreensão do mundo atual, de modo a serem utilizados no entendimento de informações

de natureza científica em situações cotidianas e na compreensão de fenômenos naturais.

O segundo eixo busca levar para a sala de aula a compreensão do caráter social e humano presente no empreendimento

científico, o entendimento de que as explicações científicas são provisórias e passíveis de modificações e que a produção de

conhecimento se dá de forma coletiva.

O terceiro eixo estruturante suscita reflexões sobre a responsabilidade social e ética necessária para a utilização dos conhecimentos

científicos e avaliação das consequências do seu emprego. Esse eixo preconiza a importância do desenvolvimento sustentável

para a promoção do bem-estar social e do meio ambiente.

De acordo com a BNCC, o letramento científico envolve a capacidade de compreender e interpretar questões relacionadas

com a ciência como forma de desenvolver uma capacidade de atuação no e sobre o mundo, sendo esse um importante

IX


aspecto no exercício da cidadania. Para compreender e interpretar questões relacionadas com a ciência, os estudantes precisam

desenvolver competências relativas às formas de trabalho e de raciocínio empregadas na construção do conhecimento

científico. Isso envolve, por exemplo, a capacidade de interpretar e avaliar criticamente informações de cunho científico; planejar

metodologias para a resolução de problemas; construir argumentos e explicações coerentes que se apoiam em dados,

evidências e justificativas; identificar termos em textos científicos; distinguir um texto científico de um texto de outra natureza;

relacionar variáveis; interpretar gráficos e tabelas com dados científicos e comunicar informações coletadas em textos

com linguagem típica da ciência.

4. A DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS

Planejar as abordagens didáticas que se adequam aos objetivos do ensino e aos conteúdos que serão trabalhados também é

algo importante na prática docente. A variação nas modalidades didáticas aumenta o interesse dos alunos, na medida em que

eles experimentam diferentes formas de aprender.

Aqui apresentaremos abordagens, modalidades didáticas e seus objetivos no ensino de Ciências. Essas escolhas perpassam por

um processo de reflexão, visto que devem garantir que os objetivos educativos propostos no planejamento sejam alcançados.

As aulas expositivas são comumente utilizadas para apresentação e exploração de conceitos e ideias, para enfatizar aspectos

importantes do tema em estudo e apresentar novos tópicos e assuntos. É possível tornar uma aula expositiva mais participativa

e ativa para os alunos, procurando, por exemplo, instigá-los intelectualmente por meio de perguntas e desafios, e abrindo

momentos para que possam expor suas opiniões e ideias. Além disso, o uso de gestos e recursos digitais como vídeos, músicas,

imagens, ilustrações, sites, recursos online etc. podem dar dinamicidade à exposição.

Nos debates mediados, os alunos têm maior liberdade para se expressar por meio da participação em um diálogo mediado.

Nessa modalidade didática cabe ao professor conduzir as discussões de acordo com seus objetivos e com os temas propostos. A

abordagem de temas que tratem da relação entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente pode ser beneficiada com o uso

dessa modalidade didática.

As demonstrações são comumente utilizadas para apresentar técnicas e fenômenos naturais. Nessa modalidade didática o professor

realiza uma atividade de demonstração para a sala, garantindo que todos os alunos observem o fenômeno, técnica ou objeto.

As atividades práticas aguçam a curiosidade e o interesse dos alunos, envolvendo-os em investigações científicas que promovem

a capacidade de resolução de problemas, a compreensão de conceitos básicos e o desenvolvimento de habilidades.

Essa modalidade didática é característica da disciplina de Ciências da Natureza.

O propósito dessa modalidade didática consiste em apresentar e envolver os alunos com aspectos e práticas da construção

do conhecimento científico, o que engloba uma série de atividades que podem ser trabalhadas isoladamente em sala de

aula ou laboratório. Algumas dessas práticas podem ser: delineamento de situações-problema, proposição de temas e questões

para investigação, elaboração de hipóteses, extrapolação de conclusões com base no exame e na interpretação de

dados, planejamento e condução de experimentos, coleta e análise de dados e interpretação de resultados expressos em

forma de tabela ou gráfico. Esses aspectos podem ou não ser desenvolvidos por meio de atividades manipulativas, como

experimentos empíricos.

Essas atividades visam mostrar que as práticas de construção do conhecimento científico não são procedimentos isolados,

mas sim aspectos interconectados da investigação científica. Dessa forma, é possível promover uma conscientização sobre valores,

objetivos e normas que regem o empreendimento científico.

A produção de modelos para suportar explicações e/ou propiciar o uso de conceitos em situações determinadas pode ser

incluída nessa modalidade. Ressaltamos a importância de fornecer instruções claras para os alunos sobre como assegurar a integridade

física de todos no laboratório.

As atividades extraclasse/estudos do meio representam momentos em que os alunos podem conhecer outros espaços

educativos, como museus, exposições, observatórios, zoológicos, jardim botânico etc. A realização de uma atividade extraclasse

requer planejamento e organização. É importante pensar que um estudo do meio representa um momento de lazer, mas deve

ter objetivos claros.

X


As simulações compreendem atividades em que os alunos se envolvem com uma situação-problema. Essas atividades

incluem a tomada de decisão e compreendem o uso de recursos como jogos, dramatizações e uso de simuladores em computadores,

aplicativos, softwares etc.

As brincadeiras e jogos desempenham um papel importante na aprendizagem e no desenvolvimento dos alunos. A ludicidade

e a brincadeira fazem parte da infância, possibilitam momentos de lazer, desenvolvem competências intelectuais e socioemocionais

e a criatividade.

Um projeto é orientado por uma situação-problema e resulta em uma produção como um relatório, uma maquete, um modelo

ou outro produto que represente o percurso do trabalho coletivo. Essa modalidade favorece: desenvolvimento da iniciativa, responsabilidade

individual e coletiva, comunicação interpessoal, autonomia das decisões, habilidades socioemocionais, entre outros aspectos.

Nesta coleção, os projetos estão sugeridos na seção Ciências em ação, com o professor orientando o seu desenvolvimento.

Nesta coleção, as orientações no Manual do Professor contemplam estas modalidades didáticas e oferecem sugestões de

encaminhamento, textos de apoio pedagógico e atividades complementares para estruturar a prática em sala de aula. A escolha

das modalidades e em que momentos serão utilizadas é uma prerrogativa do professor. O docente deve considerar a possibilidade

de fazer adaptações que atendam às particularidades da realidade da sua comunidade.

4.1. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

Na era digital, temos acesso à informação quase que em um piscar de olhos por meio dos celulares, tablets, computadores e

outras tecnologias. Esses aparatos tecnológicos e todo o repertório de inovações, informações e conteúdos que os acompanham

fazem parte de nossas vidas.

Pensando no espaço escolar, as redes e as tecnologias são tidas como ferramentas inovadoras que podem participar como

mediadoras dos processos de aprendizagem. Tais ferramentas oferecem novas perspectivas para a prática educativa, dando

suporte ao planejamento e à concretização de atividades didático-pedagógicas diferenciadas que utilizam a tecnologia a seu

favor, promovendo o trabalho em grupo e uma aprendizagem colaborativa.

As TICs são uma fonte de recursos que deve ser explorada com objetivos claros. Cabe ao professor selecionar, avaliar e refletir

sobre como e quais recursos tecnológicos da informação e da comunicação serão utilizados na sala de aula.

É importante avaliar previamente os conteúdos e recursos que se pretende recomendar aos alunos em relação à adequação

das TICs à faixa etária dos seus alunos e a conteúdos discriminatórios ou preconceituosos.

As simulações e a modelagem são exemplos de abordagens e modalidades didáticas que possibilitam a inclusão das TICs nos

contextos de ensino e aprendizagem. Comumente as simulações e os modelos científicos são utilizados de maneira demonstrativa,

isto é, para descrever, explicar ou ilustrar conhecimentos e ideias. A possibilidade de os alunos manipularem e trabalharem ativamente

com esses recursos consiste em uma maneira mais atrativa e motivadora para aprender.

Essas abordagens podem também fazer parte de um contexto investigativo. Fazendo essa articulação é possível utilizar as TICs para

desenvolver habilidades como o levantamento de hipóteses, o trabalho com dados, a construção de explicações e a argumentação.

Os jogos digitais são exemplos de TICs que permitem aliar a aprendizagem de conceitos científicos ao desenvolvimento da

habilidade motora, do raciocínio lógico e da leitura.

O site Escola Games reúne jogos gratuitos que versam sobre diferentes temas estudados nas aulas de Ciências e traz indicações

da faixa etária, objetivos para o aluno e sugestões de abordagem de acordo com a BNCC. Disponível em: www.escolagames.com.br/.

Acesso em: 13 ago. 2021.

Outra possibilidade de TICs são os podcasts, que podem ser utilizados tanto em sala de aula quanto em modalidades de ensino

híbrido, nas quais o professor pode indicar aos alunos episódios a serem escutados em casa para posterior discussão em classe.

O podcast Sci Kids tem episódios de 10 a 20 minutos que trazem respostas para questões comuns a muitas crianças.

Disponível em: www.deviante.com.br/podcasts/scikids/. Acesso em: 13 ago. 2021.

O podcast Histórias de ninar para pequenos cientistas discute temas como vida das estrelas, ciclo da água e a vida do

beija-flor. Disponível em: https://anchor.fm/pequenos-cientistas. Acesso em: 13 ago. 2021.

O Meu Gibi é um site gratuito no qual, mediante cadastro, os alunos podem criar histórias em quadrinhos. A variação da paisagem

e dos objetos e personagens disponíveis favorecem a construção de histórias diversas que abordem os temas estudados

nas aulas de Ciências. Disponível em: www.meugibi.com/. Acesso em: 13 ago. 2021.

XI


5. A PRÁTICA DOCENTE

É tarefa do professor planejar e conduzir a prática pedagógica. O processo de planejamento e da organização do

trabalho didático do professor é norteado pelo projeto político-pedagógico da escola. O professor consegue estruturar

sua prática docente por meio da definição dos objetivos educacionais, dos conteúdos que os alunos devem aprender, das

atividades a serem desenvolvidas, das técnicas e estratégias de ensino a serem usadas em sala de aula e dos instrumentos

de avaliação para cada um dos conteúdos estabelecidos. Planejar é importante para que seja possível otimizar o tempo

daqueles que ensinam e daqueles que aprendem. Porém, tal planejamento não pode ser um conjunto de práticas estanques

e imutáveis que impeçam os ajustes necessários para assegurar a aprendizagem dos estudantes.

O processo educativo é complexo e dinâmico, e a prática docente consiste em uma atividade social complexa e multifacetada,

à medida que se atribui ao professor a responsabilidade de formação de seus educandos em diferentes instâncias (intelectual,

socioemocional, valorativa).

É um consenso social de que para lecionar o professor deve dominar os princípios e a didática da área do conhecimento a ser ensinada.

Esses saberes constituem a base do repertório teórico e metodológico para que o professor oriente e racionalize sua prática.

Além disso, o professor desempenha um papel na formação humana de seus alunos. Atuando como mediador, o docente

necessita dispor de suporte socioemocional para perceber as diferentes subjetividades presentes no ambiente da sala de aula.

Empatia, senso de justiça, honestidade, ética, perseverança e respeito são algumas das habilidades socioemocionais necessárias

para o trabalho docente. A interação cotidiana com sujeitos que compartilham um mesmo espaço, mas que provêm de diferentes

origens e contextos sociais, culturais e econômicos, demanda uma conscientização sobre como interagir e lidar com essa

multiculturalidade presente nos espaços educacionais.

O processo de interação de duas ou mais disciplinas na abordagem de saberes e conhecimentos (interdisciplinaridade) pode

se configurar de diferentes maneiras, mas sempre visando à cooperação, ao intercâmbio e ao enriquecimento intelectual. A

interdisciplinaridade também é uma ferramenta didática para a promoção do letramento científico, na medida em que articula

conceitos, ideias e procedimentos de diferentes campos do conhecimento.

6. A AVALIAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO-

APRENDIZAGEM

A avaliação do processo de aprendizagem consiste em uma das principais atribuições da prática docente. Faz parte do ofício

do professor acompanhar e observar os progressos ou dificuldades dos estudantes durante o ensino.

Muitas vezes a avaliação é vista como um processo estritamente de verificação da aprendizagem, cujos resultados medem o

desempenho dos alunos e os classifica em categorias. No entanto, a avaliação educacional deve ser compreendida como um

aspecto formativo e um momento de diagnóstico do processo de ensino e de aprendizagem que permite a elaboração de indicadores

dos progressos de um determinado período.

Os momentos avaliativos também devem ser entendidos como oportunidades de reflexão em que o professor pode identificar

os pontos fortes e as fragilidades de seu trabalho. Essa reflexão é importante, pois possibilita o diagnóstico da prática docente,

direciona a reestruturação de práticas didático-pedagógicas e o replanejamento do trabalho educativo, focalizando as necessidades

formativas dos alunos.

A escolha das metodologias e instrumentos que serão utilizados na avaliação deve se basear nos objetivos formativos (habilidades)

e nos conhecimentos trabalhados em sala de aula, bem como devem ser coerentes com as modalidades didáticas adotadas

pelo professor.

O processo avaliativo exige uma imersão em diferentes aspectos da atuação do professor, que deve procurar conhecer e adotar

novas situações de aprendizagem e instrumentos avaliativos que se adequem aos objetivos estabelecidos no currículo, no

projeto político-pedagógico da escola e no planejamento dos conteúdos que foram trabalhados.

É importante lembrar que os processos avaliativos estão sujeitos à subjetividade, visto que avaliar necessariamente envolve um

juízo de valor. Assim, é importante estabelecer e compartilhar com os alunos, de maneira clara e objetiva, os critérios das avaliações que

serão utilizados. Dessa forma, os alunos terão clareza do que o professor espera e do que devem desenvolver ao longo do ano letivo.

XII


Os alunos podem ser avaliados com o uso de diferentes instrumentos: provas dissertativas; testes; construções de modelos;

redações e relatórios; pelas participações e desempenhos em atividades individuais e coletivas; apresentações de seminários e

de trabalhos; exercícios que proponham a resolução de problemas; entre outros. Esses instrumentos devem ser usados de forma

variada e fornecer subsídios para o monitoramento da aprendizagem dos alunos de modo que, assim, possam ajudá-los a sistematizar

suas aprendizagens e a remediar possíveis defasagens.

Diferentes modos de avaliação usados regularmente configuram uma avaliação formativa, a qual deve ser contínua, cumulativa

e sistematizada porque vai além da verificação se o aluno aprendeu determinado conteúdo. Ela permite detectar defasagem

de aprendizagem e a correção de rumos do ensino para um aluno ou um grupo de alunos. A avaliação formativa não tem caráter

classificatório e é realizada com frequência durante o ano letivo. Como toda prática docente, é importante planejar cada avaliação,

pois esta tem como principal função acompanhar a evolução da aprendizagem individual e coletiva dos alunos.

A autoavaliação consiste em uma outra opção de instrumento avaliativo. Com ela o aluno pode exercitar a capacidade de

reflexão sobre seu desempenho nas atividades propostas pelo educador.

7. APRESENTAÇÃO DOS RECURSOS

DIDÁTICOS DA OBRA

A coleção é composta de cinco volumes, sendo destinada para o ensino de Ciências da Natureza dos primeiros 5 anos do

Ensino Fundamental. Os conteúdos de cada um dos volumes estão organizados em unidades e capítulos.

• A seção Para começar compõe a abertura do volume e tem o objetivo de diagnosticar os conhecimentos prévios e

promover o interesse dos alunos, convidando-os a refletir a respeito dos assuntos que serão estudados na unidade.

• O Mãos à obra propõe uma atividade prática desenvolvida de modo colaborativo. Pode ser uma experimentação,

a observação detalhada de um fenômeno em estudo, a montagem de um modelo, a coleta de dados e montagem

de tabelas, a análise de uma tabela ou gráfico, o levantamento de hipóteses, responder a uma questão-problema e

outras situações que representam etapas da prática científica.

• O Trocando ideias solicita aos alunos que debatam em grupo tópicos relacionados aos temas e assuntos estudados.

Assim, os alunos terão a oportunidade de trocar opiniões com os colegas. Em muitas situações essa seção pode ser

utilizada como um momento da avaliação processual ou formativa.

• A Jornada do saber apresenta, de forma crítica e reflexiva, conteúdos vinculados a temas da unidade. A seção vai

além da disciplina de Ciências e interage com outras áreas do conhecimento ou com temas contemporâneos.

• Na seção Ciências+ há uma série de sugestões de outros materiais que podem ampliar o conhecimento dos alunos.

São sugeridos livros, vídeos, filmes e sites para consulta.

• Um pouco de história traz textos históricos, contos ou lendas para ampliar o conhecimento de temas relacionados

à unidade, valorizando a leitura e a oralidade dos alunos.

• A seção Curiosidade apresenta temas atuais sobre ciência e tecnologia, sempre contextualizados com o assunto

estudado.

• Brincando eu aprendo é uma seção que promove o trabalho didático por meio de atividades lúdicas como jogos,

brincadeiras, encenações, criação de histórias, entre outras possibilidades.

• A seção Atividades aparece ao final de cada capítulo. As atividades nela sugeridas estimulam os alunos a retomar e

repensar os conteúdos tratados. Podem conter questões que solicitam: interpretar imagens, ler tabelas ou diagramas,

justificar e explicar afirmações, relacionar colunas etc.

• A seção Ciências em ação está presente ao final de uma das unidades e consiste em um projeto para ser realizado

em grupo. Esses projetos objetivam o aprofundamento do conhecimento dos alunos e a promoção da interação por

meio do trabalho coletivo e colaborativo.

• A seção Para encerrar, presente ao final do volume, oferece aos alunos atividades de revisão que possibilitam rever

os conteúdos estudados. Essa seção é uma proposta de avaliação de resultados.

XIII


8. TEXTO DE APROFUNDAMENTO

Ensino híbrido como possibilidade

A importância do uso das tecnologias digitais na escola, possibilitando a personalização do ensino, é um desafio para

muitos educadores. [...] A expressão ensino híbrido está enraizada em uma ideia de educação híbrida, em que não existe

uma forma única de aprender e na qual a aprendizagem é um processo contínuo, que ocorre de diferentes formas, em diferentes

espaços.

[...] Podemos considerar que esses dois ambientes de aprendizagem, a sala de aula tradicional e o espaço virtual, tornam-se

gradativamente complementares. Isso ocorre porque, além do uso de variadas tecnologias digitais, o indivíduo interage com o

grupo, intensificando a troca de experiências que ocorre em um ambiente físico, a escola. O papel desempenhado pelo professor

e pelos alunos sofre alterações em relação à proposta de ensino considerado tradicional, e as configurações das aulas favorecem

momentos de interação, colaboração e envolvimento com as tecnologias digitais. O ensino híbrido configura-se como uma combinação

metodológica que impacta na ação no professor em situações de ensino e na ação dos estudantes em situações de

aprendizagem.

As modalidades ao longo do caminho de aprendizado de cada estudante em um curso ou disciplina são conectadas para

oferecer uma experiência de educação integrada. Os autores apresentam as propostas híbridas como concepções possíveis para

o uso integrado das tecnologias digitais na cultura escolar contemporânea, enfatizando que não é necessário abandonar o que

se conhece até o momento para promover a inserção de novas tecnologias em sala de aula; pode-se aproveitar “o melhor dos

dois mundos”.

[...]

MODELOS

Modelo de rotação: os estudantes revezam as atividades realizadas de acordo com um horário fixo ou orientação do professor.

As tarefas podem envolver discussões em grupo, com ou sem a presença do professor, atividades escritas, leituras e, necessariamente,

uma atividade on-line. Nesse modelo, há as seguintes propostas:

• Rotação por estações: os estudantes são organizados em grupos, cada um dos quais realiza uma tarefa, de acordo com os

objetivos do professor para a aula em questão. Podem ser realizadas atividades escritas, leituras, entre outras. Um dos grupos estará

envolvido com propostas on-line que, de certa forma, independem do acompanhamento direto do professor. É importante valorizar

momentos em que os estudantes possam trabalhar de forma colaborativa e aqueles em que possam fazê-lo individualmente.

[...]

• Sala de aula invertida: nesse modelo, a teoria é estudada em casa, no formato on-line, e o espaço da sala de aula é utilizado

para discussões, resolução de atividades, entre outras propostas. O que era feito em classe (explicação do conteúdo) agora é

feito em casa, e o que era feito em casa (aplicação, atividades sobre o conteúdo) agora é feito em sala de aula. Esse modelo é

valorizado como a porta de entrada para o ensino híbrido, e há um estímulo para que o professor não acredite que essa seja a

única forma de aplicação de um modelo híbrido de ensino, a qual pode ser aprimorada.

[...]

Lilian Bacich; Adolfo Tanzi Neto; Fernando de Mello Trevisani. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. In:

Lilian Bacich (Orgs.). Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. Cap. 2.

Para se aprofundar nessa temática que tem ganhado cada vez mais espaço nas discussões sobre a escola, sugerimos que

você faça pesquisas na internet ou consulte os seguintes links:

Ensino híbrido: quais são os modelos possíveis? Nova Escola. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/19715/ensino-hibrido-quais-sao-os-modelos-possiveis.

Acesso em: 13 ago. 2021.

Para entender o ensino híbrido em 14 perguntas. Nova Escola. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/19933/para-

-entender-o-ensino-hibrido-em-14-perguntas. Acesso em: 13 ago. 2021.

XIV


PLANILHA DE CONTEÚDOS E CRONOGRAMA – 5º ANO

Objetos do conhecimento

Nutrição do organismo

Hábitos alimentares

Integração entre os sistemas digestório,

respiratório e circulatório

Propriedades físicas dos materiais

Ciclo hidrológico

Consumo consciente

Reciclagem

Constelações e mapas celestes

Movimento de rotação da Terra

Periodicidade das fases da Lua

Instrumentos ópticos

Atividades – Para encerrar

Atividade – Para começar

Unidade 1 – Os alimentos e o nosso corpo

Capítulos e habilidades

Conteúdos

da BNCC

Nutrientes dos alimentos: carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e sais minerais

Culinária e pratos típicos do Brasil

Capítulo 1 – Do que é feito o alimento? A comida brasileira

Como é a nossa alimentação?

Alimento de origem animal e de origem vegetal

(EF05CI08)

Processamento dos alimentos: in natura até ultraprocessados

(EF05CI09)

Conservação e cuidado com os alimentos

Alimentação e saúde: obesidade e desnutrição

A prática de atividades físicas

Células, tecidos e órgãos

Capítulo 2 – Corpo humano I

Invenção do microscópio

Organização do corpo humano: sistema respiratório

Movimentos respiratórios

(EF05CI06)

Sistema cardiovascular: coração e vasos sanguíneos

Circulação do sangue

(EF05CI07

Batimentos do coração

Sistema digestório

Sistema urinário

Reprodução humana

Capítulo 3 – Corpo humano II

Puberdade e adolescência

Sistemas genitais feminino e masculino

Menstruação, fecundação, gravidez e parto

(EF05CI07)

Aleitamento materno

História: febre puerperal

(EF05CI09)

Tipos de famílias

Caminhos do interior do corpo (jogo)

Obesidade no Brasil

Unidade 2 – Propriedades e usos dos materiais: o ar e a água

Capítulo 4 – O ar e a atmosfera

(EF05CI01)

(EF05CI03)

(EF05CI05)

Capítulo 5 – A água na natureza

(EF05CI02)

(EF05CI04)

(EF05CI05)

Capítulo 6 – Água e saúde

(EF05CI02)

(EF05CI03)

(EF05CI05)

Capítulo 7 – Os movimentos da Terra

(EF05CI10)

(EF05CI11)

(EF05CI12)

Capítulo 8 – O Universo e o Sistema

Solar

(EF05CI13)

Composição da atmosfera

Características do ar

A resistência do ar

Respiração e fotossíntese

As camadas da atmosfera: troposfera

Os recursos da Terra

Biocombustíveis

Poluição atmosférica: queimadas

Chuva ácida e efeito estufa

Doenças contagiosas transmitidas pelo ar

Varicela, sarampo, gripe, Covid-19

Importância da vacinação

Queimadas em 2020

Água disponível para o consumo

Água subterrânea e água superficial

Água líquida, sólida e gasosa

A chuva e o vapor d’água

Ciclo hidrológico: evaporação e condensação

Rios voadores e hidrelétricas (impactos ambientais)

Consumo consciente de água e energia

Tratamento de água

Saúde bucal e a fluoretação

Água na cidade e no campo

Pressão da água

Tratamento de esgoto e resíduos

Saneamento básico e consumo consciente da água

Agricultura e poluição

Doenças transmitidas pela água

Amebíase, cólera e hepatite A

Dengue, zika e chikungunya

Poluição dos mares e oceanos

Unidade 3 – Astronomia: sistema Terra-Sol

Movimento de rotação

Lenda indígena do dia e da noite

Fases da Lua

Lenda inuíte: origem do Sol e da Lua

Movimento de translação

Estações do ano

Vida em outro planeta

Constelações no hemisfério sul

Constelações indígenas

Escala de tempo

Sítio arqueológico do Rego Grande

Desenvolvimento da Astronomia moderna

Da luneta ao telescópio

Satélites artificiais

O Sistema Solar

Planetas rochosos e planetas gasosos

Plutão e os planetas anões

Eclipse lunar e eclipse solar

Força da gravidade

Viagem pelo Sistema Solar (jogo)

Avaliação diagnóstica

Avaliações

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Ciências em ação

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Atividades

Ciências em ação

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação formativa

Avaliação formativa

Atividades

Avaliação de resultados

XV


REFERÊNCIAS

BIBLIOGRÁFICAS

LIVROS

ALVES, G. L. (Org.). O Pantanal e sua história na pintura sul-mato-grossense.

Campo Grande: Ed. UFMS, 2014.

ARROIO, A. (Org.). O ensino de Ciências da Natureza. São Paulo: Xamã, 2012.

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento

sustentável. São Paulo: Pearson, 2005.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília. 2018. Disponível

em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/.

CARVALHO, A. M. P. (Org.). Formação continuada de professores: uma releitura

das áreas de conteúdo. 2. ed. São Paulo: Cengage, 2017.

CASTELLAR, S.; SEMEGHINI-SIQUEIRA, I. Da Educação Infantil ao Ensino

Fundamental: formação docente, inovação e aprendizagem significativa.

1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

DI CROPANI, O. F. O mundo da eletricidade. Eletropaulo, Eletricidade de São

Paulo. São Paulo: Pau-Brasil, 1987.

FREDERICKS, A. D. Experimentos sencillos con la naturaleza. Barcelona:

Ediciones Oniro, 2001.

FRIZZO, M. N.; MARIN, E. B. O ensino de Ciências nas séries iniciais. Ijuí: Unijuí,

1989.

GARRITZ RUIZ, A.; CHAMIZO GUERRERO, J. A. Química. São Paulo: Pearson

Education do Brasil, 2002.

HELITO, A. S.; KAUFFMAN, P. (Orgs.). Saúde: entendendo as doenças, a enciclopédia

médica da família. São Paulo: Nobel, 2006.

HENRIQUEZ, G. A. C. A mais antiga ciência e a mais nova tecnologia: ensino

de Astronomia e a internet. 1999. 133 F. Dissertação (Mestrado em

Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

HORTA, N. Vamos comer: da viagem das merendeiras, crônicas e conversas.

Brasil: SEF/MEC, 2002.

LANGHI, R. Aprendendo a ler o céu: pequeno guia prático para a astronomia

observacional. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016.

MARTÍN, J. A. L. ¿Habrá um terremoto en mi ciudad? Alambique, n. 83, 2016.

MASSARANI, L. (Org.). O pequeno cientista amador: a divulgação científica e

o público infantil. Rio de Janeiro: UFRJ – Casa da Ciência – Fiocruz, 2005.

MIODOWNIK, M. De que são feitas as coisas: 10 materiais que constroem o

nosso mundo. São Paulo: Blucher, 2015.

PECLIYE, M. M. (Org.). Ensino de ciências e biologia: a construção de conhecimentos

a partir de sequências didáticas. São Paulo: Baraúna, 2018.

RAW, I.; SANT’ANNA, O. A. Aventuras da microbiologia. São Paulo: Hacker

Editores/Narrativa Um, 2002.

ROBERTS, R. M. Descobertas acidentais em ciências. Campinas: Papirus, 1995.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica.

Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Almejando a alfabetização científica no

Ensino Fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo.

Investigações em Ensino de Ciências, v. 13, n. 3, p. 333-352,

2008.

SERWAY, R.; JEWETT, J. Physics for Scientists and Engineers with Modern

Physics. Boston: Cengage Learning, 2013.

SILVA, P. P. Farinha, feijão e carne-seca: um tripé culinário no Brasil colonial.

São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2005.

TEIXEIRA, W. et al. (Org.). 2. ed. Decifrando a terra. São Paulo: Companhia

Editora Nacional, 2008.

TORTORA, G. J.; DERRICKSON, B. Corpo humano: fundamentos de anatomia e

fisiologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

SITES

NOVA ESCOLA. Disponível em: https://novaescola.org.br/. Acesso em: 13 ago.

2021.

Revista digital com temas e abordagens didáticas sobre educação em todos os

níveis.

CHC – Ciência Hoje das Crianças. Disponível em: http://chc.org.br/. Acesso

em: 13 ago. 2021.

Revista digital que aborda temas e curiosidades científicas com linguagem adequada

aos estudantes de diversos níveis de ensino.

REFERÊNCIAS

COMENTADAS

CARVALHO, Anna Maria Pessoa (Org.). Formação continuada de professores:

uma releitura das áreas de conteúdo. 2. ed. São Paulo: Cengage, 2017.

O livro trata da formação continuada dos professores de nossas

escolas do ponto de vista de seus conteúdos específicos, contemplando

as várias áreas de ensino. Os textos são resultado da preocupação

de se investigar a maneira como se ensina, como se aprende e,

principalmente, como se propõe a formação continuada dos

professores.

CASTELLAR, Sonia; SEMEGHINI-SIQUEIRA, Idméa. Da Educação Infantil ao

Ensino Fundamental: formação docente, inovação e aprendizagem

significativa. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

O livro reúne artigos de professores com vasta experiência

em pesquisa educacional e formação docente, inicial e continuada.

Inovações e contribuições concernentes ao ensino e à aprendizagem

de diferentes áreas do conhecimento são objeto de

reflexão.

GARRITZ RUIZ, A.; CHAMIZO GUERRERO, J. A. Química. São Paulo: Pearson

Education do Brasil, 2002.

A Química é uma das ciências que mais influenciam nossa vida,

mas isso muitas vezes passa despercebido. Para o ensino de Química

é importante mostrar que a enorme variedade dos materiais que nos

cercam é formada por poucas unidades químicas presentes na

natureza.

HELITO, A. S.; KAUFFMAN, P. (Orgs.). Saúde: entendendo as doenças, a enciclopédia

médica da família. São Paulo: Nobel, 2006.

O livro é escrito em linguagem médica acessível a leigos. Reúne temas como

nutrição, doenças mentais, doenças genéticas, pediatria, noções de primeiros

socorros, todos abordados em capítulos de autoria de grandes

especialistas.

LANGHI, R. Aprendendo a ler o céu: pequeno guia prático para a astronomia

observacional. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016.

Este guia incentiva os leitores a reconhecer o céu noturno e a se

interessar pela Astronomia, um campo científico que motiva a compreensão

da natureza e a consciência planetária. De forma didática, o

autor ensina a reconhecer as fases da Lua, eclipses, chuvas de meteoros

etc. Os fundamentos da Astronomia observacional articulam o

ensino de Ciências com Matemática, Artes e História, por exemplo.

MARTÍN, J. A. L. ¿Habrá um terremoto en mi ciudad? Alambique, Barcelona,

España. n. 83, 2016.

O terremoto de Lorca, em 2011, causou muita destruição e vítimas

na cidade espanhola. O autor do livro percebeu o grande desconhecimento

da população sobre a probabilidade de risco sísmico no país

e mostrou a necessidade de educar e divulgar medidas de autoproteção

para reduzir a vulnerabilidade frente aos terremotos.

MASSARANI, Luisa (Org.). O pequeno cientista amador: a divulgação científica

e o público infantil. Rio de Janeiro: UFRJ – Casa da Ciência – Fiocruz,

2005.

Este volume traz oito artigos escritos por autores do Brasil,

México e Chile, discutindo desafios e estratégias para inserir a ciência

no mundo infantil, explorando a curiosidade das crianças para

saber como as coisas funcionam e como é o mundo à volta delas.

MIODOWNIK, M. De que são feitas as coisas: 10 materiais que constroem

o nosso mundo. São Paulo: Blucher, 2015.

XVI


Este livro responde a muitas perguntas sobre os materiais dos

quais as coisas são feitas relatando suas experiências pessoais com

cada material. O autor fala de ciência de um modo acessível para

todos.

PECLIYE, Magda Medhat (Org.). Ensino de Ciências e Biologia: a construção

de conhecimentos a partir de sequências didáticas. São Paulo: Baraúna,

2018.

A construção do conhecimento e o processo de ensinar e aprender

não são rotineiros. Nesta obra, são apresentadas propostas nas

quais o conhecimento leva em conta a realidade dos alunos, a contextualização

e a menor fragmentação dos conteúdos, de forma que

o trabalho docente se torna intencional, planejado e reflexivo.

RAW, I.; SANT’ANNA, O. A. Aventuras da microbiologia. São Paulo: Hacker

Editores/Narrativa Um, 2002.

Este livro traz informações indispensáveis para tratar a história da

microbiologia com segurança em aulas e embasar discussões sobre o

surgimento deste como campo científico.

TEIXEIRA, W. et al. (Org.). Decifrando a terra. São Paulo: Companhia Editora

Nacional, 2008.

Depois de quase dez anos da iniciativa pioneira em lançar um

livro moderno sobre Geologia, a 2ª edição do livro Decifrando a Terra

chega com avanços significativos em termos de atualização do

conhecimento científico e tecnológico e estruturação dos

conteúdos.

TORTORA, Gerard J.; DERRICKSON, Bryan. Corpo humano: fundamentos de

anatomia e fisiologia. 10. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.

Este livro é uma referência da área: texto claro, objetivo e amplamente

ilustrado sobre os fundamentos de anatomia e fisiologia, com

ênfase na homeostasia.

LOCAIS PARA

VISITAÇÃO

Brasília

Zoológico de Brasília – DF

www.zoo.df.gov.br/

Jardim Botânico de Brasília – DF

www.jardimbotanico.df.gov.br/

Goiás

Parque Nacional das Emas – GO

www.icmbio.gov.br/portal/visitacao1/unidadesabertas-a-visitacao/204-parque-nacional-das-

-emas

Zoológico de Goiânia – GO

www.goiania.go.gov.br/

zoologico-de-goiania/

Pará

Museu Paraense Emílio Goeldi

www.museu-goeldi.br/

Paraná

Zoológico de Curitiba

www.curitiba.pr.gov.br/conteudo/

parque-iguacu-zoologico/313

Jardim Botânico de Curitiba

https://turismo.curitiba.pr.gov.br/

conteudo/jardim-botanico/1674

Piauí

Parque Nacional da Serrada Capivara – PI

Rio de Janeiro

Jardim Botânico do Rio de Janeiro – RJ

www.gov.br/jbrj/pt-br

Rondônia

Museu Regional de Arqueologia de

Rondônia – Presidente Médici/RO

São Paulo

Floresta Estadual Edmundo Navarro de

Andrade

Horto Florestal de Rio Claro – SP

Museu do Eucalipto

www.visiterioclaro.com.br/cultura-e-lazer/

floresta-estadual-edmundo-navarro-de-andrade/

Parque Estadual Campos do Jordão – SP

Parque Estadual Ilha do Cardoso –

Cananéia – SP

www.saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/

parques-e-reservas-naturais/parqueestadual-ilha-do-cardoso/

Instituto Butantan – SP

www.butantan.gov.br/atracoes

Museu de Zoologia – USP/SP

http://mz.usp.br/pt/pagina-inicial/

Jardim Botânico de São Paulo – SP

Zoológico de São Paulo – SP

www.saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/

parques-e-reservas-naturais/zoologicode-sao-paulo/

Museu de Arqueologia Hypólito Barato –

Monte Alto/SP

AQUÁRIOS

Rio de Janeiro

Aquário do Rio de Janeiro – AquaRio

www.aquariomarinhodorio.com.br/

visita-escolar/

São Paulo

Aquário de Santos

www.vivasantos.com.br/aquario

Aquário da Água Branca – município de

São Paulo

Sergipe

Oceanário de Aracaju

www.tamar.org.br/centros_visitantes.

php?cod=10

Rio Grande do Norte

Aquário de Natal

https://aquarionatal.com.br/

Minas Gerais

Aquário do Rio São Francisco

https://prefeitura.pbh.gov.br/fundacao-

-de-parques-e-zoobotanica/jardim-zoologico/aquario-do-rio-sao-francisco

Santa Catarina

Balneário Camboriú – Oceanic Aquarium

https://oceanicaquarium.com.br/

MUSEUS DE CIÊNCIAS

Amazonas

Manaus

Bosque da Ciência

http://bosque.inpa.gov.br/

Goiás

Goiânia

Pátio da Ciência

https://patiodaciencia.ufg.br/

Museu Antropológico

https://museu.ufg.br/

MUSEUS VIRTUAIS

E EXPOSIÇÕES COM

ACESSO ON-LINE

Parque CienTec – São Paulo

www.parquecientec.usp.br/

passeio-virtual

Museu de Zoologia da USP – São Paulo

https://vila360.com.br/tour/mzusp/

Museu do Amanhã – Rio de Janeiro

https://museudoamanha.org.br/

tourvirtualpratodomundo/

Museu Nacional – Rio de Janeiro

https://artsandculture.google.com/project/museu-nacional-brasil

Instituto Inhotim – Minas Gerais

www.inhotim.org.br/visite/

Museu do Sertão – Pernambuco

www.valetourvirtual.com/

museudosertao/

XVII


Aquarela

CIÊNCIAS

Trivellato [ José Trivellato Júnior ]

Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da

Universidade de São Paulo (USP). Licenciado em Pedagogia pela Faculdade

de Ciências e Letras Nove de Julho. Doutor em Educação e Mestre em

Didática pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP)

Cida Lico [ Maria Aparecida de Almeida Lico ]

Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências da

Universidade de São Paulo (USP)

1 a edição | São Paulo | 20215

5 0 ANO ENSINO FUNDAMENTAL • ANOS INCIAIS

CIÊNCIAS DA NATUREZA

1


© 2021 Kit’s editora

São Paulo • 1 a edição • 2021

Kit’s Editora Comércio e Indústria Ltda. - EPP

Rua Henrique Sam Mindlin, 576 – Piso Superior

Jardim do Colégio – São Paulo – SP

CEP: 05882-000

Tel.: (11) 5873-4363

www.kitseditora.com.br/

Direção administrativa

Jane Soraya Apolinário

Equipe M10 Editorial:

Coordenação editorial

Fernanda Azevedo

Coordenação de arte e projeto gráfico de capa

Thais Ometto

Projeto gráfico

Sérgio C.

Edição

Bárbara Odria

Preparação e revisão de textos

Brenda Silva

Assessoria técnica

Giovanna Sarli

Sandra Helena Dittmar Sarli Santos

Produção editorial

Vanessa Dionello

Coordenação de editoração eletrônica

Eduardo Enoki

Editoração eletrônica

Fanny Sosa

Nathalia Scala

Iconografia e ilustrações

M10 editorial

Impressão e acabamento

2


Apresentação

A curiosidade sempre impulsionou o ser humano na

busca por explicações sobre o que acontece no ambiente.

Você já observou os raios e ouviu os trovões em

um dia de chuva? Já se perguntou como nascem as

borboletas e por que temos o dia e a noite?

Se você é curioso e quer conhecer melhor os seres

vivos, compreender os fenômenos naturais e conhecer a si

mesmo, então, saiba que você gosta de Ciências.

As Ciências da Natureza explicam muitos dos

fenômenos naturais e procuram entender como funciona

a natureza.

Neste livro, que preparamos com muito carinho,

você vai experimentar, pesquisar, debater ideias, resolver

problemas e descobrir um novo jeito de olhar a natureza

e de aprender junto com os seus colegas.

Compreender Ciências significa conhecer o mundo

do ponto de vista dos cientistas, e você está convidado a

nos acompanhar nessa aventura, desde a primeira até a

última página deste livro.

Aproveite os textos, as imagens e as atividades

interessantes para compreender melhor o mundo em que

vivemos.

Os autores.

3


Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2000.

Não escreva no livro

1

2

3

4

5

Feira livre em Taboão da Serra, no estado de São Paulo, 2019.

Em feiras livres, encontramos alimentos frescos e saudáveis

indispensáveis ao nosso corpo.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

8

7

6

Água

1

Água

2

Água

3

Não escreva no livro

Sistema digestório

Para começar

Seção de abertura do

Volume para diagnosticar

os conhecimentos prévios

Conheça seu

livro

Além do gás oxigênio, os órgãos do corpo também precisam de nutrientes para o seu bom

funcionamento. O gás oxigênio é obtido do ar que chega aos pulmões e é transportado pelo

sangue para todo o organismo.

E os nutrientes? Como chegam ao nosso organismo?

É do alimento que obtemos os nutrientes que formam e mantêm nosso corpo em

funcionamento. O processo de transformação dos alimentos ingeridos em nutrientes é

chamado digestão. O conjunto dos órgãos que participam da digestão dos alimentos forma

PARA COMEÇAR

o sistema digestório.

Glândulas

salivares

Fígado

dos alunos.

Resposta pessoal. Os órgãos indicados são: (1) cérebro, (2) pulmão, (3) fígado, (4) rim,

(5) intestino grosso, (6) intestino delgado, (7) estômago e (8) coração.

1. Observe a ilustração a seguir.

Escreva no caderno os nomes dos órgãos internos do corpo humano que você conhece entre

os que estão indicados pelos números de 1 a 8.

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Boca

2. Escolha um dos órgãos apresentados na questão anterior, escreva seu nome e descreva

sua função. Resposta pessoal.

3. A imagem a seguir mostra um prato pronto para uma refeição.

a) Identifique os alimentos que estão no prato.

3. a) Arroz, feijão, filé de frango,

b) Você acha que essa é uma refeição saudável? Por quê? alface, tomate, pepino e cenoura.

3. b) Resposta

pessoal. É provável

que os alunos

identifiquem

que os alimentos

apresentados no

prato são saudáveis,

pela variedade

apresentada e por

serem naturais.

Faringe

Esôfago

ALEXANDRE R./ M10

CACIO MURILO/SHUTTERSTOCK

4. Pedro e Ana planejaram uma experiência para entender melhor uma das propriedades da

água. Eles usaram 3 garrafas plásticas iguais de 5 litros e fizeram furos de mesmo tamanho em

diferentes alturas nas garrafas. Tamparam os furos com fita adesiva e encheram as garrafas com

água. Depois, colocaram as garrafas cheias na borda de uma mesa no pátio da escola.

A montagem do experimento está representada a seguir. As setas indicam a posição dos furos

nas garrafas.

Resposta pessoal.

É provável que os

estudantes digam

que o jato de

água que sai da

garrafa 1 chegue

mais longe.

As 3 fitas adesivas que tampavam os furos foram retiradas ao mesmo tempo.

• Qual jato de água deve atingir a maior distância da mesa? Justifique a sua resposta.

5. Uma pessoa colocou uma pedra de gelo em um copo com água.

Analise as figuras a seguir.

Resposta pessoal. É provável que a maioria dos alunos digam que o gelo deve flutuar como na figura 2.

a) Qual das figuras representa o que vai acontecer com o gelo colocado no copo com água?

b) O que você espera que aconteça com a pedra de gelo depois de algum tempo?

Resposta pessoal. É provável que a maior parte dos alunos responda que o gelo deve derreter.

6. O Sol “nasce” e “se põe” todos os dias. Considerando os seus conhecimentos, explique por que

ocorrem períodos de claridade (dia) e de escuridão (noite) a cada 24 horas. Resposta pessoal.

10 Não escreva no livro Não escreva no livro

AZURE1/SHUTTERSTOCK

11

Vesícula biliar

Pâncreas

Intestino grosso

1

Estômago

TEMA DO VOLUME: SUSTENTABILIDADE

Intestino delgado

OS ALIMENTOS E

O NOSSO CORPO

ROBERTO EPIFANIO/SHUTTERSTOCK

Ânus

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2000.

Órgãos que formam o sistema

digestório humano.

Mastigação

Na boca, o alimento é cortado e triturado. Essa etapa é

chamada de mastigação.

Quem faz esse trabalho são os dentes, auxiliados pela saliva,

que molha Sistema digestório a comida. A língua e as bochechas ajudam a formar uma

Além do gás oxigênio, órgãos do corpo também precisam de nutrientes para o seu bom

funcionamento. O gás oxigênio é obtido do ar chega aos pulmões e é transportado pelo

mistura sangue para pastosa, todo o organismo. que será engolida.

E os nutrientes? Como chegam ao nosso organismo?

É do alimento que obtemos os nutrientes que formam e mantêm nosso corpo em

funcionamento. O processo de transformação dos alimentos ingeridos em nutrientes é

chamado digestão. O conjunto dos órgãos que participam da digestão dos alimentos forma

o sistema digestório.

Glândulas

salivares

Fígado

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Triturado: dividido em pequenas partes.

Boca

Faringe

Esôfago

Para explorar

No início de cada Unidade há uma imagem

relacionada ao assunto que será estudado,

com perguntas de introdução.

A mastigação

é uma etapa

importante da

digestão.

A. CARLÍN/ M10

PARA EXPLORAR

2. Sim. As frutas frescas são ricas em fibras

1. Que tipos de alimentos estão representados na

imagem? Os alimentos representados são

frutas frescas.

2. Esses alimentos são considerados saudáveis? Por

quê?

e vitaminas, elementos essenciais para a

saúde do nosso corpo.

3. Você acha que as suas refeições são saudáveis?

Por quê? Resposta pessoal.

Não escreva no livro

Vesícula biliar

Estômago

Pâncreas

Intestino delgado

Intestino grosso

Ânus

Órgãos que formam o sistema

digestório humano.

Mastigação

Na boca, o alimento é cortado e triturado. Essa etapa é

chamada de mastigação.

Quem faz esse trabalho são os dentes, auxiliados pela saliva,

que molha a comida. A língua e as bochechas ajudam a formar uma

mistura pastosa, que será engolida.

A mastigação

Triturado: dividido em pequenas partes.

é uma etapa

importante da

digestão.

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

45

Não escreva no livro

Glossário

Algumas palavras desconhecidas

estarão em destaque com os

significados no glossário.

45

4


ARTE

As sondas espaciais

CURIOSIDADE

Bê a bá na barriga

Em geral, as crianças começam a dizer suas primeiras palavras por volta de um ano

de idade. Mas o aprendizado para isso começa muito antes, ainda dentro da barriga de

suas mães – é o que indica uma pesquisa realizada na Universidade de Helsinque, na

Finlândia.

[...]

Para investigar se os sons eram mesmo percebidos e

aprendidos pelos fetos, os pesquisadores acompanharam

grávidas a partir da 29 a semana de gestação. Elas foram

divididas em dois grupos, e as que ficaram no primeiro

tiveram que ouvir, todos os dias, uma gravação de oito

minutos que repetia constantemente a palavra “tatata”

pronunciada em diferentes tons e intensidades.

A ideia era verificar se, depois do nascimento, os bebês

se lembrariam do som ouvido tantas vezes dentro do útero.

Então, logo depois do parto, os pesquisadores submeteram

os recém -nascidos novamente à gravação, mas, dessa vez,

alteraram algumas das palavras de “tatata” para “tatota”. [...]

Os bebês que não ouviram a gravação durante a

gravidez não mostraram nenhuma atividade diferente no

cérebro ao escutar as palavras. Já os bebês que ouviram

a gravação ainda no útero mostraram elevada atividade

cerebral ao escutar a gravação. O exame mostrou, também,

que esses bebês identificaram a mudança nas palavras.

“Nossos resultados sugerem que o cérebro do feto é

capaz de aprender sons antes de nascer e que mantém a

memória desses sons depois do parto”, diz o neurocientista

Eino Partanen, que liderou a pesquisa.

[...]

Segundo os pesquisadores, os

Sofia Moutinho. Bê a bá na barriga. Ciência Hoje das Crianças, 2 set. 2013.

Disponível em: http://chc.org.br/be-a-ba-na-barriga/. Acesso em: 1 jul. 2021. bebês são capazes de escutar sons

quando ainda estão dentro do

útero da mãe.

• Com base no texto que você leu, responda às perguntas a seguir.

a) Qual é o objetivo da pesquisa realizada? Respostas na Resolução comentada.

b) A que conclusão chegou a pesquisa?

CIÊNCIAS

CURIOSIDADE

Para estudar e conhecer mais sobre

os outros planetas do Sistema Solar foram

desenvolvidas sondas não tripuladas. As

sondas são controladas por equipamentos que

estão em terra e têm programação para realizar

tarefas específicas.

Por exemplo, as sondas espaciais Voyager

1 e 2, lançadas em 1977, enviaram informações

sobre os planetas mais distantes do Sistema

Solar: Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Hoje, as

Voyager 1 e 2 estão fora do Sistema Solar e não

enviam mais informações para os cientistas.

A sonda Curiosity, um tipo de jipe espacial,

foi enviada a Marte com o objetivo de obter

informações sobre a atmosfera e a composição

química do solo. Essa sonda é composta

Sonda Curiosity em Marte, em 2013. A sonda Curiosity

por 17 câmeras, 10 instrumentos científicos

pousou na superfície do planeta Marte em 2012.

para a realização de testes químicos e um

braço robótico de perfuração capaz de obter

amostras de rochas e do solo do planeta vermelho.

Em 2016, os cientistas decidiram que a sonda Curiosity continuará em Marte enviando

imagens e resultados de testes realizados por mais alguns anos.

SITE

• Tchau, Sistema Solar!

A notícia fala sobre a missão das sondas Voyager 1 e 2, lançadas em 1977.

Disponível em: http://chc.org.br/tchau-sistema-solar.

Acesso em: 1 jul. 2021.

• Parabéns, curiosa!

A notícia fala sobre o primeiro ano de atividade da sonda Curiosity em Marte.

Disponível em: http://chc.org.br/parabens-curiosa.

Acesso em: 1 jul. 2021.

64 Não escreva no livro Não escreva no livro

168 Não escreva no livro

Não escreva no livro

Curiosidade

Textos com temas atuais e

curiosidades sobre Ciências e

tecnologia.

A. CARLÍN/ M10

CIÊNCIA E

TECNOLOGIA

TRIFF/SHUTTERSTOCK

enviam mais informações para os cientistas.

A sonda Curiosity, um tipo de jipe espacial,

foi enviada a Marte com o objetivo de obter

informações sobre a atmosfera e a composição

química do solo. Essa sonda é composta

Sonda Curiosity em Marte, em 2013. A sonda Curiosity

por 17 câmeras, 10 instrumentos científicos

pousou na superfície do planeta Marte em 2012.

para a realização de testes químicos e um

braço robótico de perfuração capaz de obter

amostras de rochas e do solo do planeta vermelho.

Em 2016, os cientistas decidiram que a sonda Curiosity continuará em Marte enviando

imagens e resultados de testes realizados por mais alguns anos.

CIÊNCIAS

SITE

• Tchau, Sistema Solar!

A notícia fala sobre a missão das sondas Voyager 1 e 2, lançadas em 1977.

Disponível em: http://chc.org.br/tchau-sistema-solar.

Acesso em: 1 jul. 2021.

• Parabéns, curiosa!

A notícia fala sobre o primeiro ano de atividade da sonda Curiosity em Marte.

Disponível em: http://chc.org.br/parabens-curiosa.

Acesso em: 1 jul. 2021.

Ciências +

No Ciências + você encontra indicações de

livros, vídeos, filmes e sites relacionados ao

assunto estudado.

168 Não escreva no livro

BRINCANDO EU APRENDO

Caminhos do interior do corpo

Neste jogo, você acompanhará o movimento do alimento, do ar e da urina.

Objetivo do jogo

Formar, no mínimo, uma trinca, isto é, uma sequência de três órgãos de um mesmo sistema.

Por exemplo, estômago, intestino delgado e intestino grosso; ou cavidade nasal, faringe e traqueia.

Um pouco de história

Textos que contam um pouco de

como o conhecimento científico foi se

transformando ao longo do tempo.

A. CARLÍN/ M10

UM POUCO DE HISTÓRIA

Como funciona a força da gravidade?

Montando o jogo

• Vocês precisarão de folhas de cartolina, lápis de cor e

tesouras de pontas arredondadas.

• Organizem-se em grupos. Cada grupo confeccionará as

cartas de um sistema.

• Recortem a cartolina com o tamanho de cartas de baralho.

Todas devem ter o mesmo tamanho.

• Desenhem, em cada carta, um órgão de cada sistema e

escrevam o nome desse órgão, conforme o exemplo.

• Quando tiverem todas as cartas prontas, embaralhem-nas e

dividam entre a turma para começarem a jogar.

• Cada aluno deverá receber três cartas.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

A. CARLÍN/ M10

De verdade, ainda não sabemos tudo sobre como funciona a força da

gravidade. Mas o que podemos afirmar com toda certeza é que nada no Universo

escapa dessa força. Ela existe entre dois corpos sempre. Por exemplo, tanto entre

você e a cadeira em que está sentado(a) quanto entre a Terra e a Lua, a força da

gravidade atua. Mas vamos saber um pouquinho mais...

Passamos a vida toda experimentando a ação da força da gravidade sem

associar os fatos a ela. Notamos, por exemplo, que os objetos caem “para baixo”,

como a maçã madura despenca da árvore. E como?

Foi o físico inglês Isaac Newton o primeiro a apresentar, em 1686, uma

descrição correta do funcionamento dessa força na Terra e no Sistema Solar,

propondo que ela valesse para todo o universo. [...]

Ele concluiu ainda que, além de ser essa a força que puxa os corpos em

direção ao centro da Terra, é também ela a responsável pelo fato de a Lua ficar em

órbita ao redor do nosso planeta, que, por sua vez, gira ao redor do Sol. [...]

Carta representando os pulmões.

Eder C. Molina. Como funciona a força da gravidade? Ciência Hoje das Crianças, n. 241, dez. 2012, p. 8.

68

Não escreva no livro

Não escreva no livro

Lua

Brincando eu aprendo

Por meio de jogos e

brincadeiras, você vai

colocar em prática o que

estudou.

Não escreva no livro

Terra

Sol

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Esquema representando a órbita da Terra ao redor do Sol e da Lua ao redor da Terra. É a força da gravidade que mantém os

astros na órbita do Sol.

Não escreva no livro

167

VICTOR B./ M10

5


Ciências em ação

Nesta seção, você encontrará projetos

que serão desenvolvidos em grupo.

A chuva e o vapor d’água

Vamos imaginar que acaba de cair uma chuva rápida. Logo depois, a chuva para e o Sol

volta a brilhar. As poças de água que haviam se formado secam rapidamente. Você sabe por que

isso acontece?

CIÊNCIAS EM AÇÃO

TROCANDO IDEIAS

Reúna -se com três colegas e leiam a historinha a seguir.

Queimadas

Leia o texto a seguir.

De onde

veio a água da

chuva?

Para onde

foi a água das

poças?

Brasil encerra 2020 com maior número de focos

de queimadas em uma década

A. CARLÍN/ M10

O Brasil encerrou 2020 com o maior

número de focos de queimadas em

uma década, de acordo com dados do

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

(Inpe). No ano passado (2020), o país

registrou 222.798 focos, contra 197.632

em 2019. [...]

O destaque negativo do ano foi no

Pantanal, que registrou 22.119 focos de

queimadas, cerca de 120% a mais que

no ano anterior. Em 2019, foram 10.025

registros no Pantanal. Também foi o

maior número de queimadas observadas

no bioma desde o início da série histórica

do Inpe, em 1998. [...]

Ao longo de 2020, as queimadas

do Pantanal ganharam destaque

internacional, tal como havia ocorrido

com a Amazônia em 2019. Imagens de

animais carbonizados estamparam as

páginas de jornais pelo mundo. [...]

Os números do Inpe também

mostram que os incêndios persistiram na

Amazônia em 2020. A floresta registrou

103.161 focos de queimadas, antes 89.171

em 2019, um aumento de 15,7%, o maior

número contabilizado pelo Inpe desde

2017.

O bioma ainda sofreu com

desmatamento. A taxa oficial de

desmatamento da maior floresta tropical

do mundo em 2020, de 11.088 km²,

foi 70% maior que a média da década

anterior (6.500 km² por ano). Junto com

as queimadas, essa fonte foi responsável

por 72% das emissões [de gases do efeito

estufa] do Brasil em 2019, segundo dados

do Sistema de Estimativas de Emissões

e Remoções de Gases de Efeito Estufa

(SEEG).

Resposta pessoal. Sugestões de resposta: a

• Respondam às perguntas dos personagens. água da chuva veio das nuvens que estavam

carregadas. A água das poças evaporou.

A água da chuva acumula -se no chão e forma poças de água. O calor do Sol e o vento ajudam

na transformação da água líquida em vapor d’água (água no estado gasoso). Esse processo chama-

-se evaporação.

Você já deve ter percebido que a evaporação ocorre naturalmente, isto é, em condições

ambientais. O processo de evaporação faz a roupa molhada secar depois de pendurada no varal.

A evaporação da água é mais intensa em dias quentes e secos, mas acontece também em

dias frios.

100 Não escreva no livro

Não escreva no livro

Brasil encerra 2020 com maior número de focos de queimadas em uma década. DW Brasil. 3 jan. 2021.

Disponível em: https://p.dw.com/p/3nT9h. Acesso em: 1 jul. 2021.

Não escreva no livro

Jornada do saber

Seção com textos para estimular a

reflexão e o pensamento crítico.

93

MÃOS À OBRA

A gravidez e o parto

Você sabe como uma pessoa é gerada?

Com o auxílio do professor, organizem-se em grupos para fazer uma pesquisa sobre a

gravidez e o parto.

Trocando ideias

Aqui você vai compartilhar

opiniões e ideias sobre diversos

assuntos com os colegas.

Materiais

JORNADA DO SABER

A pandemia de Covid -19

[...] A COVID -19 (sigla em inglês para “Doença do Corona Vírus – 2019”) é

uma doença causada pelo coronavírus [...], que apresenta um espectro clínico

variando de infecções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a

Organização Mundial da Saúde, a maioria (cerca de 80%) dos pacientes com COVID -19

podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (poucos sintomas), e aproximadamente

20% dos casos detectados requerem atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade

respiratória, dos quais aproximadamente 5% podem necessitar de suporte ventilatório.

Algumas das recomendações de prevenção à Covid-19 são:

• Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então

higienize com álcool em gel 70%.

• Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com a parte interna do cotovelo. [...]

• Mantenha distância mínima de 1 (um) metro entre pessoas em lugares públicos e de

convívio social. Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento

amigável sem contato físico [...].

• Higienize com frequência o celular, brinquedos das crianças e outros objetos que são

utilizados com frequência. [...]

• Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.

• Se estiver doente, evite contato próximo com outras pessoas, principalmente idosos e

doentes crônicos, busque atendimento [...] nos serviços de saúde. [...]

• Recomenda -se a utilização de máscaras em todos os ambientes. [Elas] podem funcionar como

uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas.

• livros e outros

materiais de

consulta, como

revistas

trazidas de casa,

que possam

ser recortados;

• folhas de papel

pautado para

escrever o texto

final da pesquisa;

• papel pardo para

fazer um cartaz;

• tesouras de pontas

arredondadas.

Como fazer

A. Procurem informações que respondam às seguintes perguntas:

• Como a gravidez começa?

• Quanto tempo dura a gravidez humana?

• Quanto pesa e mede um bebê ao nascer?

• Qual é o tamanho de um útero antes da gravidez e qual é

o tamanho desse órgão no último mês de gravidez?

• Quais são os riscos de uma gravidez na adolescência?

• Que cuidados a mulher grávida precisa ter para não

prejudicar a sua saúde e a do bebê?

62

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

Não escreva no livro

Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Sobre a doença. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre -a-doenca#o-que-e-covid.

Acesso em: 1 mar. 2021.

Não escreva no livro

A importância da vacinação

A vacinação é importante para a saúde pública, pois promove proteção contra muitas

doenças contagiosas, incluindo a Covid -19. A função de qualquer vacina é preparar o nosso sistema

imunológico contra os agentes infecciosos (vírus ou bactérias). Assim, diante de uma possível

contaminação, o organismo vacinado já tem os anticorpos para o combate da doença.

A primeira vantagem da vacinação é a proteção individual, comum a qualquer tipo de vacina.

Mas há também um nível coletivo de proteção, que torna a imunização ainda mais importante.

À medida que a população começa a ser vacinada, há menos infecções e menos pessoas

transmitindo vírus ou bactérias. Com isso, a circulação desses agentes infecciosos diminui e há

redução do número de doentes.

1. Você tomou a vacina contra a Covid -19? Resposta pessoal.

2. Escreva no caderno um argumento que você usaria para estimular uma pessoa a se vacinar.

Resposta na Resolução comentada.

Não escreva no livro

91

Mãos à obra

Atividades práticas que envolvem

manipulação de materiais, levantamento

de hipóteses, observação e interpretação

de resultados.

6


1

ATIVIDADES

Respostas na Resolução comentada.

1. Leia as afirmações a seguir. Reescreva no caderno as afirmações falsas de modo a torná-las

afirmações verdadeiras.

F • Hoje, a ciência já demonstrou que a Terra é plana.

V • O tempo que o nosso planeta leva para realizar uma volta completa (órbita) em torno do

Sol é chamado ano.

V • Um dia corresponde ao tempo que a Terra leva para fazer um giro completo sobre o seu

próprio eixo.

F • Do ponto de vista da Astronomia, a primavera é definida pelo período do ano em que as

plantas produzem flores e o inverno é definido pelo período do ano com temperaturas baixas.

2. Comente a seguinte afirmação: “A Lua, satélite natural da Terra, só pode ser vista no céu durante

a noite”. Essa afirmação não é correta, pois é possível ver a Lua no céu durante o dia.

3. Leia o texto a seguir e observe as imagens. Depois responda às questões no seu caderno.

Muitas suposições foram feitas a respeito da forma da Terra e da existência do dia e da noite.

Os gregos, por exemplo, imaginavam que a Terra era plana, como um disco dentro de um rio, e

que o Sol era puxado por uma carruagem.

Os jurunas – indígenas brasileiros do Mato Grosso – acreditavam que a iluminação do dia era

feita pelos filhos de Kuandu, o deus Sol, quando estes saíam de casa.

MARCELLO S./ M10

154

Representação do mito grego.

Representação do mito indígena.

MARCELLO S./ M10

Respostas na Resolução comentada.

a) Em sua opinião, o que os gregos queriam dizer quando imaginaram o Sol sendo puxado

por uma carruagem?

b) Qual seria a explicação dos indígenas jurunas para a escuridão da noite?

4. Em seu caderno, desenhe como realmente ocorrem o dia e a noite. Resposta pessoal.

5. Identifique as fases da Lua representadas nas imagens I, II, III e IV.

I – Quarto crescente; II – Lua cheia; III – Quarto minguante; IV– Lua nova.

6. Você e sua família estão planejando uma viagem ao Canadá, mas não querem enfrentar o

inverno rigoroso desse país, por isso, decidiram viajar no verão do hemisfério norte. Entre quais

meses do ano essa viagem deve ocorrer?

7. Depois de aprender a identificar algumas constelações, Isabela tem observado o céu todos

os dias. No início de uma noite de inverno, ela conseguiu observar uma constelação e, algum

tempo mais tarde, ao chamar seus pais para mostrar o que havia visto, percebeu que essa

mesma constelação estava em uma posição diferente. O que pode explicar a observação

de Isabela?

8. Na aula de Ciências, a professora perguntou à turma por que é possível que, desde a

Antiguidade, diferentes povos utilizem a presença de constelações específicas no céu para

determinar as estações do ano. Analise as respostas dos alunos.

André: O movimento de rotação da Terra faz com que as constelações sejam visíveis no céu em

determinados períodos do ano, marcando as estações.

Paula: O movimento de translação da Terra em torno do Sol, ao longo de um ano, explica

por que algumas constelações são vistas no céu em estações específicas.

• Qual das explicações está correta? Explique.

Não Não escreva no no livro livro Não Não escreva no no livro livro 155

ALEXANDRE R./ M10

Atividades

Nesta seção

você encontrará

exercícios e

atividades

para retomar

e repensar os

conteúdos

tratados no

capítulo.

PARA ENCERRAR

Resposta na Resolução comentada.

1. Crie uma refeição saudável utilizando a imagem

ao lado como referência. A refeição deve ser

composta de 8 porções, sendo elas:

• 2 porções de proteína

• 2 porções de carboidratos

• 4 porções de vitaminas e sais minerais

Quais alimentos você escolheria para essa

refeição?

2. Considerando a imagem da questão anterior,

responda: Resposta na Resolução comentada.

• Qual pode ser a consequência para a saúde

de uma pessoa que não inclui regularmente

legumes e verduras nas refeições e completa

o prato só com porções dos outros tipos de

alimentos?

ALEXANDRE R./ M10

3. b) As trocas de gases ocorrem nos alvéolos (marcados com o número 3 na imagem).

3. Observe o sistema respiratório humano

Representação com diferentes

representado a seguir.

escalas e com cores fantasia

a) Qual é o nome das estruturas indicadas pelos

1 – traqueia; 2 – brônquios;

a) O que provocou os eventos representados nas imagens?

números 1, 2 e 3?

2

3 – alvéolos.

b) Que característica do ar permite ao garoto empinar a pipa?

3

b) Em qual dessas estruturas ocorrem as trocas

dos gases envolvidos na respiração?

7. As imagens a seguir mostram locais com diferentes características na natureza.

c) Qual é o nome dos gases envolvidos na

A B C

respiração? Gás oxigênio e gás carbônico.

d) Quando fazemos exercícios físicos, como

correr ou jogar futebol, nossa respiração

fica acelerada e o coração bate mais rápido.

Por quê? Porque, durante a atividade física,

precisamos de mais gás oxigênio para produzir energia e o coração bombeia o sangue

mais rapidamente para levar esse gás oxigênio para todas as partes do nosso corpo.

4. Considere as afirmações a seguir e responda ao que se pede.

• O sistema digestório transforma os alimentos em nutrientes que vão para o sangue.

• O ar do ambiente entra no nosso corpo pelo sistema respiratório e o oxigênio passa dos

a) Quais desses locais favorecem a formação de nuvens? Respostas na Resolução comentada.

alvéolos pulmonares para o sangue.

b) O que esses locais têm em comum? Explique a sua resposta.

Qual é a função do sistema cardiovascular no nosso organismo?

c) Você acha que no local da imagem B pode chover? Explique.

A função do sistema cardiovascular é transportar nutrientes e gás oxigênio por

meio do sangue a todas as partes do nosso corpo e assim produzir energia para

172 Não Não escreva no no livro livro Não Não escreva no no livro livro

as nossas atividades.

173

ALEXANDRE R./ M10

Resposta na Resolução comentada.

5. Analise as afirmações a seguir e copie, no seu caderno, somente as que estão corretas.

a) O sangue rico em gás oxigênio sai do coração e percorre todos os órgãos do corpo.

b) Não conseguimos perceber o batimento cardíaco em nenhum local do corpo.

c) O sangue que chega aos rins é filtrado e os resíduos vão formar a urina.

d) O sangue rico em gás carbônico sai do coração e vai para o resto do corpo.

e) O coração é o órgão que bombeia o sangue para os pulmões e demais partes do corpo.

f) O sistema circulatório é responsável pela distribuição de nutrientes e pela eliminação de

resíduos produzidos no nosso corpo.

6. As imagens a seguir apresentam um componente natural fundamental para que os seguintes

eventos aconteçam: empurrar o guarda-chuva, empinar uma pipa ou arrastar um telhado.

MGEQUIVALENTS/SHUTTERSTOCK

DOUGLAS FROIS/SHUTTERSTOCK

SERGEY NOVIKOV/SHUTTERSTOCK

WINSTON SPRINGWATER/SHUTTERSTOCK

MAURICIO GRAIKI/SHUTTERSTOCK

CATARINA BELOVA/SHUTTERSTOCK

Para encerrar

Nesta seção

você vai retomar

os conteúdos

estudados durante

o ano.

Ícones de atividade

Estes são os ícones utilizados

no livro:

Atividade em dupla

Atividade oral

Atividade em grupo

Selos interdisciplinares

Este ícone,

que aparece

no final de

algumas páginas do

seu livro, informa que

nelas há imagens

com elementos

representados fora de

proporção entre si.

TEMA TRANSVERSAL

7


SUMÁRIO

Para começar .......................................................................................... 10

UNIDADE 1

OS ALIMENTOS E O NOSSO CORPO, 12

CAPÍTULO 1 • Do que é feito o alimento? ......................................... 14

• Os alimentos e seus nutrientes ............15

• A culinária e os pratos típicos..............17

Um pouco de história – A comida

brasileira .......................................................... 19

• Conservação e cuidado com os

alimentos ................................................26

• Alimentação e saúde ............................ 28

Atividades ...............................................31

CAPÍTULO 2 • Corpo humano I ........................................................ 32

• Organização do corpo humano: células,

tecidos e órgãos .................................... 32

Mãos à obra – O movimento do tórax e o

ar dos pulmões............................................. 38

Mãos à obra – Contando os batimentos

do coração..................................................... 43

Atividades ..............................................48

CAPÍTULO 3 • Corpo humano II ....................................................... 50

• Reprodução humana ............................. 52

Um pouco de história – O mistério da

febre que atingia mulheres ........................ 61

Mãos à obra – A gravidez e o parto ........62

Atividades .............................................. 65

Jornada do saber – Famílias .................... 66

Brincando eu aprendo – Caminhos

do interior do corpo ................................... 68

Ciências em ação – Obesidade

no Brasil ......................................................... 70

UNIDADE 2

PROPRIEDADES E USOS DOS MATERIAIS: O AR E A ÁGUA, 72

CAPÍTULO 4 • O ar e a atmosfera .................................................... 74

• A composição da atmosfera ................ 74

Mãos à obra – Gases da atmosfera .........75

• As camadas da atmosfera ....................80

• Os recursos da Terra ............................. 83

Um pouco de história – Primeiras leis

contra a poluição do ar ............................. 86

• Doenças contagiosas transmitidas

pelo ar ..................................................... 89

Jornada do saber – A pandemia

de Covid-19 ..................................................... 91

Atividades .............................................. 92

Ciências em ação – Queimadas ............... 93

8


CAPÍTULO 5 • A água na natureza ................................................... 95

• A quantidade de água disponível para

consumo no planeta ................................ 95

Mãos à obra – De onde vem a água que

molha o copo? ...................................................97

• Água líquida, sólida e gasosa................. 99

Um pouco de história – O termômetro ....105

Jornada do saber – Os rios voadores .......106

• A água e a energia elétrica ....................107

Atividades .................................................112

CAPÍTULO 6 • Água e saúde ............................................................ 114

• Tratamento da água .................................115

Um pouco de história – O flúor e a

saúde bucal .......................................................116

Mãos à obra – Simulador do

encanamento doméstico ............................... 118

• O destino da água utilizada ..................120

• Doenças transmitidas pela água ........... 126

• A poluição dos mares e oceanos ...........131

Jornada do saber – Calcule a sujeira ........ 132

Atividades ................................................134

UNIDADE 3

ASTRONOMIA: SISTEMA TERRA-SOL, 136

CAPÍTULO 7 • Os movimentos da Terra ........................................ 138

• Movimento de rotação ........................... 139

Um pouco de história – Lendas

indígenas ...........................................................140

Mãos à obra – As fases da Lua .................. 143

Um pouco de história – A origem do Sol

e da Lua .............................................................144

• Movimento de translação .......................145

Jornada do saber – Há vida

em outro planeta? ..........................................148

• Constelações no hemisfério sul ............149

Atividades ................................................154

CAPÍTULO 8 • O Universo e o Sistema Solar ................................ 156

• Desenvolvimento da Astronomia

moderna .................................................... 157

Um pouco de história – História

da luneta ........................................................... 158

• O Sistema Solar ........................................161

• Eclipse lunar e eclipse solar ..................164

• Força da gravidade .................................166

Um pouco de história – Como funciona

a força da gravidade? ................................... 167

Atividades ................................................169

Brincando eu aprendo – Viagem

pelo Sistema Solar .........................................170

Para encerrar ................................................................. 172

Referências .................................................................... 176

9


PARA COMEÇAR

Resolução

comentada

1. e 2. Conhecer o funcionamento

dos principais

órgãos do corpo

humano permite que

as pessoas cuidem

melhor da própria

saúde. As habilidades

EF05CI06 e EF05CI07

estão relacionadas

aos temas de saúde e

nutrição, cujos conhecimentos

favorecem a

escolha de alimentos

mais adequados à idade,

condição de saúde

e atividades físicas.

3. Essa atividade contempla

a habilidade

EF05CI08, chamando

a atenção do aluno

para uma refeição com

alimentos saudáveis.

Depois de estudar os

nutrientes que compõem

os alimentos, os

alunos poderão organizar

um cardápio com

base nas características

dos grupos alimentares.

PARA COMEÇAR

Resposta pessoal. Os órgãos indicados são: (1) cérebro, (2) pulmão, (3) fígado, (4) rim,

(5) intestino grosso, (6) intestino delgado, (7) estômago e (8) coração.

1. Observe a ilustração a seguir.

Escreva no caderno os nomes dos órgãos internos do corpo humano que você conhece entre

os que estão indicados pelos números de 1 a 8.

2. Escolha um dos órgãos apresentados na questão anterior, escreva seu nome e descreva

sua função. Resposta pessoal.

3. A imagem a seguir mostra um prato pronto para uma refeição.

a) Identifique os alimentos que estão no prato.

b) Você acha que essa é uma refeição saudável? Por quê?

3. a) Arroz, feijão, filé de frango,

alface, tomate, pepino e cenoura.

3. b) Resposta

pessoal. É provável

que os alunos

identifiquem

que os alimentos

apresentados no

prato são saudáveis,

pela variedade

apresentada e por

serem naturais.

1

2

3

4

5

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

8

7

6

ALEXANDRE R./ M10

CACIO MURILO/SHUTTERSTOCK

10 Não escreva no livro

Apoio pedagógico

A avaliação diagnóstica proposta (avaliação de entrada) pode oferecer indícios dos

conhecimentos que os alunos já têm sobre alguns dos temas que serão trabalhados

ao longo do ano, como refeições com alimentos saudáveis, funções de alguns órgãos

do corpo e propriedades e usos do ar e da água, além do Sistema Solar.

Proporcione liberdade de expressão aos estudantes quando propuser as atividades

dessa avalição, a qual pode ser realizada por meio de uma conversa em sala de aula,

de discussão em pequenos grupos ou mesmo individualmente.

O importante é que os alunos estejam à vontade para dizer o que pensam sobre

os temas tratados e que você possa registrar o que eles sabem nesse momento.

Posteriormente, ela poderá ser comparada com as avaliações formativas realizadas

ao longo do ano e, sobretudo, com a avaliação final ou de resultado.

10


4. Pedro e Ana planejaram uma experiência para entender melhor uma das propriedades da

água. Eles usaram 3 garrafas plásticas iguais de 5 litros e fizeram furos de mesmo tamanho em

diferentes alturas nas garrafas. Tamparam os furos com fita adesiva e encheram as garrafas com

água. Depois, colocaram as garrafas cheias na borda de uma mesa no pátio da escola.

A montagem do experimento está representada a seguir. As setas indicam a posição dos furos

nas garrafas.

Resposta pessoal.

É provável que os

estudantes digam

que o jato de

água que sai da

garrafa 1 chegue

mais longe.

Água

As 3 fitas adesivas que tampavam os furos foram retiradas ao mesmo tempo.

• Qual jato de água deve atingir a maior distância da mesa? Justifique a sua resposta.

5. Uma pessoa colocou uma pedra de gelo em um copo com água.

Analise as figuras a seguir.

Resposta pessoal. É provável que a maioria dos alunos digam que o gelo deve flutuar como na figura 2.

a) Qual das figuras representa o que vai acontecer com o gelo colocado no copo com água?

b) O que você espera que aconteça com a pedra de gelo depois de algum tempo?

Resposta pessoal. É provável que a maior parte dos alunos responda que o gelo deve derreter.

6. O Sol “nasce” e “se põe” todos os dias. Considerando os seus conhecimentos, explique por que

ocorrem períodos de claridade (dia) e de escuridão (noite) a cada 24 horas. Resposta pessoal.

Resolução comentada

1

Água

2

Água

3

AZURE1/SHUTTERSTOCK

Não escreva no livro

4. A propriedade observada nessa atividade é a pressão de líquidos e está relacionada com a

habilidade EF05CI01 da BNCC. O tema é complexo e será abordado na unidade 2. No momento,

o importante é estimular a discussão sobre o experimento proposto na atividade

e observar a coerência dos argumentos que os alunos utilizam para justificar a resposta

do item (a).

A pressão exercida pela água em um objeto (ou pessoa) aumenta na medida em que ele se

distancia da superfície da água. Isso pode ser percebido por pessoas que fazem mergulho

em piscinas, lagos, rios ou mar, por exemplo.

11

5. A experiência pessoal de

cada um permitirá que

os itens (a) e (b) sejam

respondidos com facilidade,

pois a flutuação

do gelo em um copo

com água e as mudanças

de estado físico da

água acontecem com

frequência nas residências.

É provável que os

alunos tenham curiosidade

em saber por que

o gelo flutua na água:

nesse caso, explique

que a densidade do

gelo é menor que a da

água líquida e por isso

ele flutua.

A habilidade EF05CI02

trata de temas relativos

às mudanças de estado

físico que acontecem no

ciclo da água e ao uso

da água na agricultura

e na geração de energia

elétrica.

6. Ao trabalhar a habilidade

EF05CI11, os alunos associarão

o movimento

de rotação da Terra aos

períodos de dia e noite

no planeta. Apesar de

falarmos em nascer e

pôr do Sol e parecer que

é este astro que faz um

movimento ao redor da

Terra diariamente, nós

sabemos que é a rotação

da Terra que causa

o movimento aparente

do Sol.

Analise as respostas dos

alunos e use as informações

para planejar as aulas

sobre o Sistema Solar

que estão no livro.

11


75 a 90 cm

APRESENTAÇÃO DO VOLUME 5

Este livro não é consumível: ele será utilizado por outro aluno no ano seguinte,

portanto, oriente os alunos no cuidado com ele durante o ano. O reúso

do livro economiza papel, reduzindo o consumo de celulose, que é extraída

de árvores. Mesmo que praticado em pequena escala, o consumo consciente

representa uma ação sustentável quanto ao desgaste ambiental. O tema do

volume é a “sustentabilidade”, e você vai identificar com um selo os tópicos

que tratam desse tema.

A unidade 1 trata dos principais sistemas do corpo humano, como o digestório

e o respiratório. Ambos são a porta de entrada do alimento, da

água e do gás oxigênio no nosso corpo. A partir do estudo dos sistemas

que compõem o corpo humano, percebemos que há uma integração entre

eles, formando um organismo complexo. Para sustentar as funções de cada

órgão, nosso corpo precisa de fontes de nutrientes – como proteína, carboidrato,

gordura, água, sais minerais e vitaminas –, que obtemos por meio

da alimentação. O consumo de alimentos variados (cardápios equilibrados)

fornece a energia necessária para uma boa saúde e para as atividades físicas

que realizamos diariamente. A falta ou o excesso de alimentos gera distúrbios

nutricionais, como a subnutrição ou a obesidade – temas que também

serão abordados na unidade.

Na unidade 2, abordaremos as propriedades do ar e da água, elementos

essenciais para a vida no planeta Terra. Muitas atividades humanas contaminam

a água, o ar e o solo; por isso, a sociedade deve pensar em formas

sustentáveis de utilizar os recursos naturais. Cuidar do ambiente significa

cuidar de nós mesmos. A energia do movimento da água de rios e represas

pode ser transformada em energia elétrica, a qual melhora a qualidade de

vida das pessoas. A eletricidade é usada no aquecimento e resfriamento de

ambientes e na iluminação, além de garantir o funcionamento de um grande

número de equipamentos. Por fim, discutiremos atitudes que ajudam

na preservação do ambiente, como a reciclagem e a reutilização de objetos

que seriam descartados.

Na unidade 3, voltamos os nossos olhos para o céu e o espaço. A observação

de diferentes constelações, das fases da Lua e do movimento aparente do

Sol se deve, entre outros fatores, à rotação da Terra. A engenhosidade humana

desenvolveu instrumentos como lunetas, telescópios e satélites artificiais que

permitem o estudo dos planetas do Sistema Solar e do Universo.

1

Feira livre em Taboão da Serra, no estado de São Paulo, 2019.

Em feiras livres, encontramos alimentos frescos e saudáveis

indispensáveis ao nosso corpo.

2

PROPRIEDADES

Pinguins-gentoo na Ilha Greenwich,

localizada na região da Antártica.

3

ASTRONOMIA:

TEMA DO VOLUME: SUSTENTABILIDADE

OS ALIMENTOS E

O NOSSO CORPO

E USOS DOS

MATERIAIS: O AR

E A ÁGUA

SISTEMA

TERRA-SOL

A noite estrelada (1889), do artista holandês Vincent van Gogh. Óleo sobre tela, 74 cm x 92 cm.

A

12


INTRODUÇÃO DA UNIDADE 1

OS ALIMENTOS E O NOSSO CORPO

QUADRO DE OBJETIVOS PEDAGÓGICOS

Conteúdos e Habilidades da

BNCC associadas

Capítulo 1 – Do que é feito o alimento?

(EF05CI08) Organizar um cardápio

equilibrado com base nas características

dos grupos alimentares (nutrientes e

calorias) e nas necessidades individuais

(atividades realizadas, idade, sexo etc.) para a

manutenção da saúde do organismo.

(EF05CI09) Discutir a ocorrência de distúrbios

nutricionais (como obesidade, subnutrição etc.)

entre crianças e jovens a partir da análise de

seus hábitos (tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de atividade física etc.).

Capítulo 2 – Corpo humano I

(EF05CI06) Selecionar argumentos que

justifiquem por que os sistemas digestório e

respiratório são considerados corresponsáveis pelo

processo de nutrição do organismo, com base na

identificação das funções desses sistemas.

(EF05CI07) Justificar a relação entre o

funcionamento do sistema circulatório, a

distribuição dos nutrientes pelo organismo e a

eliminação dos resíduos produzidos.

Capítulo 3 – Corpo humano II

(EF05CI07) Justificar a relação entre o

funcionamento do sistema circulatório, a

distribuição dos nutrientes pelo organismo e a

eliminação dos resíduos produzidos.

(EF05CI09) Discutir a ocorrência de

distúrbios nutricionais (como obesidade,

subnutrição etc.) entre crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos (tipos e quantidade

de alimento ingerido, prática de atividade física

etc.).

Objetivos

1. Conhecer os nutrientes de alguns alimentos que

consumimos.

2. Reconhecer que a alimentação do brasileiro varia entre as

regiões do país.

Atividade

(número da

página)

14 a 16

21 e 22

17 a 20

3. Identificar uma alimentação equilibrada. 21 a 25

4. Reconhecer os benefícios de uma alimentação equilibrada e

os malefícios de uma alimentação desequilibrada.

26 a 30

5. Compreender o funcionamento do sistema digestório. 45 a 47

6. Compreender o funcionamento do sistema respiratório. 36 a 39

7. Reconhecer a importância dos pulmões nas trocas gasosas e

na manutenção do organismo.

8. Compreender a relação entre os sistemas respiratório,

digestório e cardiovascular.

36 e 40

41 a 44

9. Relacionar o sistema excretor com a filtração do sangue. 50 e 51

10. Reconhecer a importância da reprodução para a

manutenção das espécies.

11. Conhecer os principais órgãos do sistema genital

masculino e feminino.

12. Compreender os processos de menstruação, fecundação,

gravidez e parto.

13. Identificar que a obesidade é uma doença crônica e

divulgar uma campanha de combate à obesidade entre

crianças e jovens.

52 e 58

55 e 56

57 a 60

62 a 64

70 e 71

Pré-requisitos

Leitura de imagens e

textos científicos.

Compreensão de textos

de diversas fontes.

Leitura e compreensão

de infográficos.

Conceituar o que são

nutrientes.

Associar a entrada de

alimentos e de oxigênio

à produção de energia

pelas células.

Identificar a inter-relação

dos diversos sistemas do

corpo humano.

12 B


TEMA DO VOLUME: SUSTENTABILIDADE

Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes pelo organismo

e a eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e

nas necessidades individuais

(atividades realizadas,

idade, sexo, etc.) para

a manutenção da saúde do

organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

1

Feira livre em Taboão da Serra, no estado de São Paulo, 2019.

Em feiras livres, encontramos alimentos frescos e saudáveis

indispensáveis ao nosso corpo.

OS ALIMENTOS E

O NOSSO CORPO

12


ROBERTO EPIFANIO/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

A imagem de abertura

tem o propósito de estimular

o interesse dos alunos

pelo assunto. Eles devem

observar com atenção a

imagem, tentar reconhecer

alguns alimentos e relatar se

eles são consumidos no seu

cotidiano.

PARA EXPLORAR

2. Sim. As frutas frescas são ricas em fibras

1. Que tipos de alimentos estão representados na

imagem? Os alimentos representados são

frutas frescas.

2. Esses alimentos são considerados saudáveis? Por

quê?

e vitaminas, elementos essenciais para a

saúde do nosso corpo.

3. Você acha que as suas refeições são saudáveis?

Por quê? Resposta pessoal.

Sugestão de

encaminhamento

Peça aos alunos que falem

sobre os alimentos presentes

na foto.

De quais eles mais gostam

e de quais eles menos

gostam?

Aproveite essas perguntas

para promover uma discussão

com a turma para saber

se os alunos já ouviram falar

dos nutrientes presentes nos

alimentos.

Discuta com os alunos sobre

o que é uma alimentação

(dieta) saudável.

Resolução

comentada

Para explorar

Os alunos podem opinar

e conversar entre eles

sobre o que responder na

seção Para explorar.

13


Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Objetivos

• Conhecer os nutrientes

de alguns alimentos que

consumimos.

• Reconhecer que a alimentação

do brasileiro varia

entre as regiões do país.

• Identificar uma alimentação

equilibrada.

• Reconhecer os benefícios

de uma alimentação

equilibrada e os malefícios

de uma alimentação

desequilibrada.

O conteúdo do capítulo foi

agrupado em duas unidades

didáticas, e a primeira delas

está nas páginas 14 a 20.

Apoio pedagógico

O capítulo 1 trata dos alimentos

e seus nutrientes, da

culinária regional, dos cuidados

que devemos ter com a

qualidade do que escolhemos

para nos alimentar, da

conservação e da validade

dos alimentos e de distúrbios

como desnutrição e

obesidade.

14

1

Do que é feito

o alimento?

Todos os seres vivos precisam se alimentar. Alguns animais comem apenas plantas, outros comem

plantas e outros animais. As plantas produzem seu próprio alimento, e nós também precisamos nos

alimentar para termos uma vida saudável.

Porém, mais do que comer qualquer alimento, é muito importante prestarmos atenção ao que

colocamos no prato na hora das refeições.

E você, sabe por que é tão importante

escolher bem o que vamos comer?

Todos os alimentos têm nutrientes,

substâncias que desempenham importantes

funções no nosso organismo. Sem eles,

podemos ficar muito doentes.

Os alimentos são formados por

diferentes combinações de nutrientes, por

isso é tão importante escolhermos bem o

que vamos comer.

Nutriente: substância presente

nos alimentos e essencial para o

desenvolvimento normal e saudável do

organismo.

TROCANDO IDEIAS

Ter uma alimentação saudável é... Respostas pessoais.

1. Converse com os colegas e, no caderno, completem a afirmação acima.

2. Escreva o nome de um alimento saudável que faça parte das suas refeições e

compartilhe com os colegas.

Não escreva no livro

Apoio pedagógico – Trocando ideias

As frutas têm diversos nutrientes, sabor e cheiro agradável e podem

ser consumidas cruas.

Esta seção sempre propõe uma conversa entre os colegas, uma discussão que pode ser

feita em duplas ou em grupos. Essa interação melhora o conhecimento interpessoal dos

alunos, valoriza as opiniões e exercita a elaboração da fala e da escrita.

PAVLA/SHUTTERSTOCK

14


Os alimentos e seus nutrientes

Os nutrientes são encontrados nos alimentos. Conheça alguns deles.

Proteínas

As proteínas são nutrientes importantes para o crescimento do corpo, para a formação de

novas células e na defesa contra organismos invasores. Elas também estão presentes no cabelo, nas

unhas e na pele.

Entre os alimentos ricos em proteínas, temos as carnes, a clara do ovo, o queijo fresco, o camarão, o

feijão, as castanhas, a soja, a lentilha e o grão-de-bico.

Alguns alimentos ricos em proteínas.

Gorduras

As gorduras fornecem

energia para o nosso

corpo. Elas são importantes

isolantes térmicos,

principalmente contra

as baixas temperaturas e

estão presentes em todas

as células.

A castanha-do-pará,

o amendoim, as sementes,

o azeite de oliva, o abacate

e as nozes são alguns

dos alimentos ricos em

gorduras.

As gorduras podem ter origem animal, como nas carnes e nos derivados do leite, ou

origem vegetal, como no azeite de oliva, nas nozes, nas sementes e nas frutas.

Não escreva no livro

EDUCAÇÃO

ALIMENTAR E

NUTRICIONAL

15

AFRICA STUDIO/SHUTTERSTOCK

CRAEVSCHII FAMILY/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

Uma maneira de estimular

crianças e jovens a experimentar

alimentos ou ingredientes

com os quais não

estão familiarizados é convidá-los

a participar da preparação

desses alimentos.

Atividade

complementar

Após a leitura dos textos

sobre Os alimentos

e seus nutrientes, você

pode organizar um lanche

coletivo no qual os

próprios alunos preparem

sanduíches saudáveis,

sucos ou saladas.

Avalie a possibilidade de

preparar mais de uma opção.

Incentive-os a experimentar

pelo menos um

alimento que eles não

costumam comer.

Organize os grupos de

alunos que deverão trazer,

no dia determinado,

os ingredientes previamente

escolhidos – tanto

para os sanduíches como

para o suco ou a salada.

No momento da preparação,

os alunos devem ficar

encarregados de lavar

os ingredientes enquanto

você e outro adulto da

escola que possa ajudar

cortam e picam o que

for necessário. Não deixe

os alunos manipular

as facas.

15


Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Carboidratos

Os carboidratos são a principal fonte

de energia para o nosso organismo.

Como bons exemplos de alimentos

ricos em carboidratos, temos: a batata, o

macarrão, os pães, a mandioca, o arroz, o

mel, os cereais e as frutas.

Vitaminas e sais minerais

As vitaminas e os sais minerais são

importantes para o bom funcionamento

do nosso organismo.

As frutas frescas, os legumes e as

verduras são alimentos ricos em vitaminas

e sais minerais e, portanto, fundamentais

para termos uma boa saúde.

A água também é um nutriente

importante e indispensável para

que as funções do nosso corpo

sejam realizadas perfeitamente.

Cereais e alimentos integrais são fontes saudáveis de carboidratos.

MONTICELLO/SHUTTERSTOCK

TATJANA BAIBAKOVA/SHUTTERSTOCK

Sugestão de

encaminhamento

Leve para a sala de aula

alguns rótulos de alimentos

(leite, chocolate, sorvete,

barra de cereais, salsicha,

presunto etc.) e leia-os para

a turma. Discuta com os alunos

a quantidade de cada

nutriente nesses alimentos.

Realce a importância

de ingerir uma boa porção

de cada nutriente e de não

abusar dos alimentos ricos

em gorduras e carboidratos.

Apoio pedagógico

O Guia alimentar para a

população brasileira, publicado

pelo Ministério da

Saúde, tem informações interessantes

sobre alimentação

nas diversas fases do desenvolvimento

e uma vasta

explicação sobre alimentos

in natura, processados e ultraprocessados.

Disponível

em: bvsms.saude.gov.br/

bvs/publicacoes/guia_ali

mentar_populacao_brasile

ira_2ed.pdf. Acesso em: 2

ago. 2021.

As vitaminas não são produzidas pelo organismo, por isso é importante incluir frutas, verduras e legumes na nossa alimentação.

1. Os alimentos que compramos no

supermercado devem vir com uma tabela

nutricional. Essa tabela fica na embalagem do

produto.

a) Recorte a tabela nutricional da embalagem

de um alimento que você costuma

consumir em casa e cole no caderno.

b) Observe a tabela e responda: o alimento

que você escolheu é rico em nutrientes?

Resposta pessoal. Espera-se que os alunos percebam Tabela nutricional de alimento industrializado.

que muitos dos alimentos industrializados são pobres em nutrientes.

16 Não escreva no livro

DIVULGAÇÃO ANVISA

16


REINALDO447/

SHUTTERSTOCK

ADILSON SOCHODOLAK/

SHUTTERSTOCK

A culinária e os pratos típicos

A culinária brasileira é rica, saborosa e bem variada.

O Brasil é um país muito grande, e cada região tem seus

pratos típicos, feitos com ingredientes locais. O modo de

preparo dos alimentos e os temperos usados também variam

bastante.

2 . Você conhece pratos típicos de diferentes regiões do Brasil?

BRUNO S. / M10

Tacacá.

No caderno, associe cada prato típico à região brasileira a que eles pertencem.

Arroz com pequi.

Terminou?

Agora, vire a página e veja se acertou.

Fonte: Atlas geográfico escolar. 7. ed. Rio

de Janeiro: IBGE, 2016. p. 94.

Culinária: aquilo que é relativo à

cozinha; a arte de cozinhar.

Ingrediente: substância que entra

na preparação de uma comida ou

uma bebida.

Arroz de carreteiro.

Pão de queijo.

Acarajé.

Não escreva no livro

DIVERSIDADE

CULTURAL

17

FLANOVAIS/SHUTTERSTOCK

MARCELO_KRELLING/

SHUTTERSTOCK

VINICIUS TUPINAMBA/

SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

A cartilha Alimentação

Saudável traz informações

a respeito dos alimentos, as

quais podem ser úteis para

a sua aula. O trecho a seguir

é uma amostra do que você

pode ler.

Uma alimentação saudável

precisa considerar

as práticas alimentares

de cada região, assumindo

um significado social

e cultural dos alimentos

como fundamento básico

conceitual. A alimentação

se dá em função do

consumo de alimentos (e

não de nutrientes) que

têm gosto, cor, forma,

aroma e textura, e, portanto,

todos esses componentes

precisam ser

considerados na abordagem

nutricional. Os nutrientes

são importantes,

contudo, eles não podem

ser resumidos a veículos

destes. Os alimentos trazem

significações culturais,

comportamentais

e afetivas singulares,

que jamais podem ser

desprezadas. A comida

como fonte de prazer

também é uma abordagem

necessária para a

promoção da saúde.

Neste sentido, é muito

importante resgatar

a cultura das práticas e

valores alimentares, estimulando

o consumo de

alimentos saudáveis que

sejam regionais, ressaltando

sempre os aspectos

comportamentais e

afetivos relacionados à

alimentação.

BRASIL. Ministério da Saúde.

Biblioteca Virtual em Saúde do

Ministério da Saúde. Alimentação

saudável, maio 2010. Disponível

em: http://bvsms.saude.gov.br/

bvs/dicas/211_alimentacao_sauda

vel.html. Acesso em: 15 jul. 2021.

17


Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

ADILSON SOCHODOLAK/

SHUTTERSTOCK

Tacacá

O tacacá é um prato típico

da culinária amazônica. Ele

é feito com o tucupi, que é

um caldo extraído da raiz da

mandioca-brava (típico da

culinária indígena). Esse caldo

é colocado por cima da goma

da tapioca (também extraída

da mandioca) e é servido com

camarão seco e jambu.

Arroz com pequi

O pequi é uma fruta típica

do cerrado brasileiro e

costuma ser cozido com

arroz.

REINALDO447/SHUTTERSTOCK

VINICIUS TUPINAMBA/

SHUTTERSTOCK

Acarajé

O acarajé é uma comida

de origem africana. É um

bolinho feito com massa de

feijão-fradinho, cebola, sal e

frito no azeite de dendê. No

estado da Bahia, o acarajé

típico é servido com pimenta,

camarão seco, caruru e

vatapá.

BRUNO S. / M10

Apoio pedagógico

Conversar sobre os pratos

típicos permite aos alunos

conhecer a origem das famílias

e um pouco mais sobre a

formação do nosso país. Esse

assunto pode ser ampliado

envolvendo os conceitos dos

componentes de História e

Geografia.

Atividade

complementar

Pode-se realizar a seguinte

atividade com os

alunos: cada um deve

pesquisar, com seus familiares,

sobre algum

prato típico da família

e trazer a receita para a

sala de aula. Se for possível,

proponha que tragam

os pratos típicos

preparados e organize

um piquenique.

FLANOVAIS/SHUTTERSTOCK

Arroz de carreteiro

O arroz de carreteiro é um

prato típico da região Sul

do Brasil. É feito com arroz,

carne-seca desfiada, paio e

linguiça em pedaços.

Fonte: Atlas geográfico escolar. 7. ed. Rio

de Janeiro: IBGE, 2016. p. 94.

3. Existe algum alimento que você come somente na sua casa? Pergunte aos familiares qual é a

origem desse alimento e depois compartilhe a resposta com os colegas.

MARCELO_KRELLING/SHUTTERSTOCK

Pão de queijo

O pão de queijo é

uma receita típica

do estado de

Minas Gerais.

Resposta pessoal. Espera-se, com esta atividade, que os alunos resgatem

informações sobre a origem de suas famílias e que a discussão com os

18 Não escreva no livro

colegas promova a compreensão da diversidade cultural da formação do povo

brasileiro.

18


UM POUCO DE HISTÓRIA

CYSUN/SHUTTERSTOCK

A comida brasileira

A variedade da culinária brasileira está muito ligada ao processo de formação do

nosso país, ou seja, em como as pessoas, de diversos países que aqui chegaram, trouxeram

seus hábitos e sua cultura alimentar.

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, encontraram diversos povos indígenas

com hábitos alimentares muito diferentes dos seus.

A alimentação dos portugueses incluía óleos, peixe seco, carne de boi e açúcar,

que era utilizado para fazer muitos tipos de doce. Já os indígenas se alimentavam

principalmente de carne de caça e de peixes, da mandioca, da pimenta, do cacau, do

cupuaçu, do caju e de outras frutas regionais.

Os africanos que foram

escravizados e trazidos para o

Brasil também contribuíram com

a nossa alimentação. Foram eles

que colocaram o azeite de dendê,

o inhame, o coco, o camarão seco,

entre outros produtos, na culinária

brasileira.

Negras cozinheiras, vendedoras de angu, de

Jean-Baptiste Debret. Litografia colorizada. In: Viagem

pitoresca ao Brasil, século XIX. O quadro de Debret

retrata mulheres negras escravizadas vendendo angu

em um mercado no Rio de Janeiro.

Mulheres indígenas preparando

a mandioca para o cozimento. A

mandioca faz parte da alimentação

indígena e foi incorporada à

culinária brasileira.

Não escreva no livro

BIBLIOTECA NACIONAL, RIO DE JANEIRO

19

Apoio pedagógico

– Um pouco de

história

Esta seção aparece algumas

vezes nos capítulos e

busca ampliar e contextualizar

o assunto que está sendo

estudado.

A culinária brasileira foi

formada pelas influências de

portugueses e africanos que

aqui chegaram e pela interação

com a culinária indígena.

Com o passar do tempo, imigrantes

de diversos países

chegaram ao Brasil e foram

incorporando elementos da

sua cultura alimentar à nossa

culinária.

Atividade

complementar

Os livros abaixo são

sugestões de leitura para

você, professor, e trazem

histórias e receitas culinárias

que podem eventualmente

ter alguns de seus

trechos selecionados

para fazer parte de uma

aula.

Não é sopa

Autoras: Nina Horta e

Elisa von Randow

Editora: Companhia das

Letras

Ano: 2020

O frango ensopado da

minha mãe

Autora: Nina Horta

Editora: Companhia das

Letras

Ano: 2015

19


Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Muitas das receitas tradicionais brasileiras surgiram como

adaptação de receitas da culinária europeia. Os bolos de

mandioca e fubá, por exemplo, surgiram por causa da dificuldade

para encontrar farinha de trigo no Brasil do Período Colonial.

Outro exemplo é o manjar de coco, que na Europa

era chamado de manjar branco. Em sua receita original, os

Período Colonial: período

entre os séculos XVI e

XIX no qual o Brasil era

colônia de Portugal.

ingredientes eram: peito de galinha cozido e desfiado, sal, farinha de arroz e açúcar. Aqui,

a receita foi simplificada e os ingredientes foram substituídos por amido de milho, leite de

coco, açúcar, sal e calda de ameixa.

ACERVO FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL, RJ

Sugestão de

encaminhamento

A leitura do texto A comida

brasileira pode ser dramatizada.

A dramatização é

uma ferramenta interessante,

pois envolve os alunos em

uma dinâmica diferenciada.

Alguns tipos de alimentos

que são citados no texto podem

ser mostrados em imagens

ou podem ser levados

para a encenação.

As personagens precisam

ser reconhecidas pelos alunos

por suas vestimentas ou

seus afazeres. Essa atividade

permite uma interação com

a aula de Arte.

Os refrescos da tarde no Largo do Palácio (1826), de Jean -Baptiste Debret. Litografia colorizada. In: Viagem

pitoresca ao Brasil. Negras escravizadas vendem doces na praça XV de Novembro, no Rio de Janeiro.

Algumas das principais características da culinária brasileira são os bolos e os doces.

O açúcar era um produto muito caro na Europa, e os portugueses, quando chegaram

aqui, perceberam que o clima na região Nordeste era perfeito para plantar a cana-de-açúcar.

Então, depois de algumas tentativas fracassadas, o Brasil tornou-se o maior produtor de

açúcar daquela época.

Uma mesa cheia de bolos e doces era uma forma de mostrar a riqueza de uma família. Assim,

diversos doces tipicamente brasileiros foram criados naquela época, como o pé de moleque, a

paçoca, a rapadura, a mãe-benta (espécie de broa), a cocada, os quindins e o bolo de mandioca.

• Agora é a sua vez! Escreva no caderno o nome de três doces tipicamente brasileiros

que você conhece. Resposta pessoal. Sugestões de resposta: brigadeiro, bolo de fubá,

bolo de mandioca, bolo de milho, doce de abóbora, doce de leite

com ameixa, doce de leite com coco, tapioca doce, entre outros.

20 Não escreva no livro

Avaliação formativa

Sugerimos que a dramatização do texto A comida brasileira seja uma avaliação. A correção

da caracterização dos personagens e as falas sobre a influência de cada povo na

culinária nacional vão mostrar a expressão oral e o conteúdo apreendido. Em grupos, os

alunos deverão entregar um relato sobre a dramatização apresentada.

Para concluir essa avaliação, promova uma roda de conversa para analisar criticamente

as imagens das páginas 19 e 20. Textos de História do Brasil podem servir de apoio para a

discussão.

20


E hoje, como é a nossa alimentação?

Já vimos que os alimentos fornecem nutrientes

importantes para o nosso desenvolvimento e a nossa

saúde, e que as comidas também estão carregadas

de história.

Nossas escolhas alimentares refletem nossa

relação com a comida, uma ligação que começa logo

que nascemos. Nosso primeiro alimento é o leite

materno, por isso associamos o ato de comer ao afeto

e ao cuidado.

Nós também já sabemos que temos de comer

para fornecer nutrientes para nosso corpo funcionar

normalmente, mas não é só por isso que comemos.

As refeições costumam ser momentos de

socialização, quando estamos com nossa família ou

com nossos amigos.

Quando nascemos, somos cuidados e alimentados por

Algumas pessoas comem mais quando estão

nossos pais.

tristes, outras comem para comemorar. Cada um tem

uma relação com a comida, e isso se reflete em nossos hábitos alimentares.

4. Escreva no caderno as letras correspondentes às situações nas quais você sente vontade

de comer. Respostas pessoais.

A

Quando estou mal-humorado.

A. CARLÍN/ M10 A. CARLÍN/ M10

B

Quando estou muito triste.

D E F

Quando estou assistindo à televisão. Quando sinto cheiro de bolo. Quando vou ao mercado com meus pais.

A unidade didática das páginas 21 a 30 aborda os seguintes conteúdos: a origem dos

alimentos, conservação e cuidados com a nossa comida e dicas para uma alimentação

saudável.

Sugestão de encaminhamento

Depois de brincar com meus amigos.

Explique aos alunos os elementos afetivos associados às nossas escolhas alimentares – por

exemplo, uma comida que nos lembra de um lugar ou um momento especial, o cheiro de

bolo que nos lembra de nossa avó ou nossa mãe e assim por diante.

Converse sobre a relação que esses elementos têm com a comida. Explique que o apreço

(ou a falta dele) por comida é um reflexo de como nos relacionamos com a alimentação.

Reforce que nós nos alimentamos porque nosso corpo precisa de nutrientes, mas a comida

também pode ser prazerosa e podemos comer sem culpa (porém sem exageros).

Muitos distúrbios alimentares têm origem na forma como a pessoa se relaciona com

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

C

Não escreva no livro

EDUCAÇÃO

ALIMENTAR E

NUTRICIONAL

21

RAWPIXEL.COM/SHUTTERSTOCK

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

a comida. Algumas pessoas

utilizam a comida como

fonte de afeto e conforto e,

por isso, podem desenvolver

compulsões alimentares;

outras se preocupam demasiadamente

com o peso e

a aparência e enxergam a

comida como vilã, podendo

desenvolver quadros de anorexia

e bulimia.

Deve-se ficar atento aos

comentários preconceituosos

de alguns alunos com

relação à aparência dos colegas

(bullying). O texto disponível

no link a seguir traz

informações sobre como

identificar e tratar de bullying

na escola: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/31773/pdf

(acesso em: 2 ago. 2021).

Resolução

comentada

A atividade 4 pode estimular

a conversa sobre os

elementos associados à nossa

vontade de comer.

Apoio pedagógico

[ selo Sustentabilidade]

O desperdício de comida

deve ser evitado, pois reduz

a oferta de alimentos para

a população e implica uma

maior área de cultivo. Para o

aumento de produção, mais

áreas cultivadas são necessárias,

e isso pode envolver

o desmatamento de áreas

naturais, sendo que a preservação

de florestas favorece a

sustentabilidade do planeta.

21


5. Agora, observe os alimentos a seguir.

Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

Dependendo da região

em que os alunos vivem,

o contato com alimentos

in natura pode ser bem diferente.

Alguns talvez não

conheçam parte dos alimentos

apresentados, e as

atividades podem aguçar a

curiosidade deles. Aqueles

que têm maior contato com

esse tipo de alimento usarão

a atividade para rever seus

conhecimentos.

O ponto mais importante,

porém, é o reconhecimento

da origem vegetal e da origem

animal dos alimentos

que consumimos.

Pergunte que outros alimentos

eles conhecem e

anote os nomes na lousa.

KUTTELVASEROVA

STUCHELOVA/SHUTTERSTOCK

A

Abobrinha.

Espinafre.

• Você conhece todos os alimentos apresentados? Escreva no caderno o que eles têm

em comum. Resposta pessoal. Espera-se que os alunos reconheçam que todos os

alimentos são de origem vegetal.

6. Veja outros alimentos.

• Quais dos alimentos mostrados você conhece? Escreva no caderno o que eles têm em

comum.

Resposta pessoal. Espera-se que os alunos reconheçam que todos os

alimentos mostrados são de origem animal.

22 Não escreva no livro

Atividade complementar

ILDI PAPP/SHUTTERSTOCK

Cenoura.

D E F

Leite.

ANDREY_KUZMIN/

SHUTTERSTOCK

TATJANA BAIBAKOVA/

SHUTTERSTOCK

B

Goiaba.

Queijo.

Beterraba.

Carambola.

Ovos. Frango. Peito de peru.

Leve para esta aula alguns alimentos in natura ou peça aos alunos que os levem, pois

esse é um ótimo momento para utilizá-los. Após o manuseio e a percepção de algumas

características (como cheiro, cor e formato), os alimentos devem ser lavados. Então, dependendo

do que foi levado para a aula, vocês podem preparar um suco ou uma salada.

5 SECOND STUDIO/SHUTTERSTOCK

AN NGUYEN/SHUTTERSTOCK

ALL-STOCK-PHOTOS/

SHUTTERSTOCK

ANDREY STAROSTIN/

SHUTTERSTOCK

C

Carne.

TALYAAL/SHUTTERSTOCK

AMIRUL SYAIDI/SHUTTERSTOCK

MERRIMON CRAWFORD/

SHUTTERSTOCK

MARAZE/SHUTTERSTOCK

22


O primeiro grupo de alimentos,

mostrados na atividade 5, são de

origem vegetal e os do segundo grupo,

da atividade 6, são alimentos de

origem animal.

A maioria das pessoas come

alimentos tanto de origem vegetal

como de origem animal. Há aquelas

que deixam de comer alguns tipos de

carne, mas continuam incluindo leite,

queijos e ovos na alimentação. Porém,

algumas pessoas são veganas, ou seja,

optam por não comer alimentos de

origem animal.

7. Reúna-se com um grupo de

colegas, discuta as questões a seguir

e escreva as respostas no caderno.

a) Alguns alimentos que você e os

seus colegas costumam comer

estão nas fotos anteriores?

Resposta pessoal.

b) Quais alimentos apresentados

nas fotografias da página 22

vocês não conhecem?

Resposta pessoal.

TROCANDO IDEIAS

Muitas pessoas deixam de comer carne e outros produtos de origem animal por não

concordarem com a morte desses animais.

Discuta com os colegas o que você acha da atitude dessas pessoas. Você concorda?

Faria o mesmo? Você conhece alguém que não se alimenta de carne e não utiliza produtos

de origem animal? Resposta pessoal.

De onde vem a nossa comida

Grande parte dos alimentos produzidos atualmente passa por algum tipo de processo

industrial. O processo industrial é formado por um conjunto de técnicas utilizadas para conservar os

alimentos por um determinado tempo, torná-los comestíveis e garantir a segurança alimentar.

Os alimentos são classificados de acordo com o tipo de processamento que sofrem. Vamos

conhecer um pouco desses processos.

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

23

Apoio pedagógico

Espera-se que os alunos

não tenham dificuldade em

reconhecer os alimentos

da página anterior. Muitos

talvez não identifiquem o

queijo e o leite como produtos

de origem animal,

então relembre a origem

do leite e o processo de

produção do queijo.

Explique que nossa dieta

é constituída tanto de alimentos

de origem vegetal

quanto de alimentos de origem

animal, embora muitas

pessoas optem por não

se alimentar de carne e de

produtos de origem animal.

Explique também que essa

é uma escolha pessoal e que

deve ser respeitada.

Sugestão de

encaminhamento —

Trocando ideias

Promova uma discussão

sobre a escolha de não se

alimentar de carnes e produtos

de origem animal. Caso

algum aluno seja vegetariano

ou vegano (ou tenha

uma pessoa próxima que

seja), peça que ele converse

com a turma e conte o que o

motivou a fazer essa escolha.

23


Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Apoio pedagógico

Oriente os alunos sobre

a importância de incluir alimentos

in natura ou minimamente

processados em

sua dieta, pois são alimentos

mais frescos e com menor

quantidade de conservantes,

açúcares e sódio.

Os alimentos ultraprocessados

têm seu sabor melhorado

por conta da grande

quantidade de açúcar, sódio

e gordura, devendo, portanto,

ser consumidos de forma

moderada.

• Alimentos in natura: são aqueles que não sofrem nenhum tipo de processo industrial antes

de serem adquiridos para o consumo. Por exemplo: verduras, frutas, legumes e ovos.

• Alimentos minimamente processados: alimentos in natura que sofrem um processamento

leve, como as verduras que são lavadas e embaladas, as frutas secas, os grãos moídos, o leite

pasteurizado e as carnes congeladas.

Os alimentos in natura são essenciais para uma alimentação

balanceada.

Os alimentos minimamente processados são retirados da natureza

e passam por processos simples, como a limpeza e a remoção das

partes não comestíveis.

• Alimentos processados: alimentos que sofreram adição de sal ou açúcar em sua produção.

São exemplos de alimentos processados: legumes em conserva, frutas em calda, geleias,

queijos e pães.

• Alimentos ultraprocessados: esses tipos de alimento passam por diversas etapas e técnicas

de processamento durante sua produção. São exemplos de alimentos ultraprocessados:

macarrão instantâneo, biscoitos recheados, refrigerantes, salgadinhos de pacote, balas e

doces industrializados e chocolates.

Os sucos de fruta de caixinha sofrem adição de açúcar em

sua produção.

24 Não escreva no livro

A. BLANKE/SHUTTERSTOCK

NILOO/SHUTTERSTOCK

Os alimentos ultraprocessados geralmente apresentam grande

quantidade de açúcar ou sal.

ERLITA DWI ARINI/SHUTTERSTOCK

EVAN LORNE/SHUTTERSTOCK

24


Para uma alimentação saudável, devemos dar

preferência aos alimentos in natura ou minimamente

processados. Os alimentos processados podem ser

consumidos com moderação, enquanto os ultraprocessados

devem ser evitados.

8. De acordo com as informações que você obteve, construa no caderno uma tabela como a do

modelo e complete-a.

Alimentos in

natura

Alimentos

minimamente

processados

Alimentos

processados

LEMBRE-SE

Alimentos in natura ou minimamente

processados são mais frescos e têm menos

conservantes, açúcar e sódio.

Alimentos ultraprocessados são pobres em

nutrientes e têm grande quantidade de

açúcar, sódio e gordura.

Alimentos

ultraprocessados

Banana Salada de frutas Milho em conserva Achocolatado

A. CARLÍN/ M10

Resolução

comentada

Essa atividade é um alerta

aos alunos. Além de lerem

os textos e conversarem sobre

alimentação saudável,

o preenchimento da tabela

reforça os alimentos que devem

ser evitados.

A tabela da atividade 8

poderá ser completada com

os alimentos:

In natura: pera, maracujá,

pepino, ovo, leite.

Minimamente processados:

leite pasteurizado,

castanha de caju, carne

congelada.

Processados: ervilha em

lata, pêssego em calda, geleias,

queijo e pães.

Ultraprocessados: biscoito

recheado, salgadinhos de

pacote, chocolate.

Na hora do lanche, prefira alimentos frescos e ricos em nutrientes.

Não escreva no livro

25

25


Conservação e cuidado com os alimentos

SAÚDE

Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Apoio pedagógico

A conservação adequada

dos alimentos e a atenção

à sua data de validade são

importantes para evitarmos

a intoxicação alimentar.

Muitas vezes, os alimentos

não apresentam alterações

de cor ou cheiro, mas já não

estão bons para serem consumidos.

É preciso conhecer

não só a data de validade

como também a orientação

do fabricante sobre o modo

de conservação.

Assim, alimentos como leite,

queijo e requeijão podem

estragar mais rapidamente

se ficarem muito tempo fora

da geladeira.

A necessidade de conservar os alimentos surgiu há muito tempo

como uma questão de sobrevivência para os períodos de escassez,

durante invernos rigorosos ou secas prolongadas.

Os métodos de conservação impedem a multiplicação

de microrganismos decompositores e aumentam a duração

dos alimentos.

Entre os métodos mais utilizados estão: o resfriamento e o

congelamento e a adição de sal, açúcar ou óleo nos alimentos.

A. CARLÍN/ M10

Com o resfriamento, muitos microrganismos não

sobrevivem às baixas temperaturas, ou se multiplicam

de forma muito lenta.

A. CARLÍN/ M10

A adição de açúcar

dificulta a sobrevivência de

microrganismos.

Decomposição: processo de

transformação da matéria

orgânica por ação de fungos

e bactérias.

O congelamento ocorre em temperaturas abaixo de 0 ºC. Os

alimentos congelados duram mais tempo que os resfriados.

A adição de óleo em conservas

impede o crescimento de muitos

microrganismos.

Os alimentos industrializados são embalados de forma que o contato com os microrganismos

seja impedido e ainda têm conservantes que impedem a proliferação desses microrganismos.

26 Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

26


Quando compramos alimentos, devemos

ficar atentos à data de validade. Esta data nos diz

qual é o prazo máximo que temos para consumir

aquele produto com segurança.

Alimentos in natura não têm data de validade

e não devem ser armazenados por muito tempo.

Qualquer mudança de cor, cheiro e sabor pode

indicar que o alimento não está mais próprio para o

consumo e deve ser descartado.

A ingestão de alimentos contaminados

ou estragados pode causar uma intoxicação

alimentar. Os principais sintomas da intoxicação

alimentar são: vômito, diarreia e mal-estar.

Também precisamos prestar atenção em alguns hábitos de higiene ao nos alimentar. Com esses

hábitos simples você poderá evitar a contaminação dos alimentos. Veja:

Antes de comer, lave bem as mãos com água e sabão ou use

álcool em gel.

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

Normalmente, os alimentos têm data de fabricação e data de

validade, que indicam o período máximo em que podem ser

consumidos com segurança.

Lave bem as frutas, as verduras e os legumes antes

de consumi-los.

A. CARLÍN/ M10 A. CARLÍN/ M10

FERNANDO FAVORETTO/CRIAR IMAGEM

Atividade

preparatória

A leitura do texto indicado

no link a seguir, que trata

de intoxicação alimentar,

pode contribuir para que

esse tema seja desenvolvido

com mais segurança e

tranquilidade nas suas aulas.

Disponível em: https://

drauziovarella.com.br/doen-

cas-e-sintomas/intoxicacao-

-alimentar/. Acesso em: 15

jul. 2021.

Lave muito bem as mãos depois de ir ao banheiro.

Lave e seque bem os talheres, pratos e copos utilizados na

alimentação.

Não escreva no livro

27

27


Alimentação e saúde

Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

A leitura dialogada do

texto permite que os alunos

compreendam melhor o que

leram. Um aluno pode ser

convidado a ler os dois primeiros

parágrafos e, em seguida,

você pode perguntar

à classe: O que pode causar a

desnutrição? Qual é a consequência

da desnutrição?

Outro aluno pode ler o

próximo parágrafo, e a pergunta

seguinte pode ser:

Que outro problema nutricional

é citado?

O próximo aluno pode ler,

então, as dicas saudáveis

citadas.

No final, promova uma discussão

tendo como base a

legenda da imagem do prato

saudável e pergunte: Por

que a alimentação saudável

é colorida?

Os alunos devem perceber

que, se uma alimentação

tem nutrientes variados,

eles geralmente suprem as

nossas necessidades: por ter

tipos diferentes de nutrientes,

ela terá cores diferentes

também. Por isso, a frase da

legenda é verdadeira.

Muitas pessoas têm pouco acesso à comida

e comem menos do que seu corpo necessita.

Muitas delas passam fome e, se a situação se

prolonga, tornam-se desnutridas.

Crianças desnutridas geralmente ficam

doentes com mais frequência e demoram mais

para crescer do que crianças da mesma idade que

têm uma alimentação equilibrada.

Tanto a desnutrição quanto a obesidade são

grandes preocupações da saúde pública no Brasil.

Os profissionais que trabalham com problemas

nutricionais costumam dizer que as aparências

enganam. Veja por que: as pessoas associam a

desnutrição a alguém bem magro, mas pessoas

obesas também podem ter falta de nutrientes

no organismo e pessoas magras podem estar

bem nutridas.

Quando há carência de nutrientes no

organismo significa que as refeições estão

precisando de uma atenção especial.

Dicas para uma alimentação saudável

• Dê preferência aos alimentos in natura ou minimamente processados.

• Inclua nas suas refeições frutas, legumes e verduras.

• Faça suas refeições em casa.

• Evite as frituras, sal, açúcar e alimentos ultraprocessados.

ARTE/ M10 E SHUTTERSTOCK

28 Não escreva no livro

Desnutrido: aquele que não tem uma alimentação

equilibrada ou sofre com a falta de nutrientes no

organismo.

Obeso: aquele que tem excesso de gordura corporal.

O leite é rico em cálcio, um mineral importante para a formação

dos ossos.

A alimentação saudável é

colorida e rica em nutrientes.

TRISTANBM/SHUTTERSTOCK

28


CURIOSIDADE

CIÊNCIAS

De onde vêm as gordurinhas?

Comer demais engorda! Mas o que é comer

demais? Para os médicos especialistas em nutrição,

comer demais é comer acima do nosso gasto de

energia. E nós gastamos energia em tudo o que

fazemos – correndo, nadando, dançando,

caminhando, andando de patins, pensando e até

dormindo. Só que os gastos de energia são

diferentes: [...] Para dormir, por exemplo, ficamos

praticamente parados [...]. Neste caso, o gasto de

energia certamente é menor do que durante a

aula de educação física na escola.

[...] E a energia de que precisamos? Vem

de onde? Claro: vem dos alimentos, daqueles

que contêm proteínas, açúcares e gorduras. [...]

[...] Os atletas consomem muita energia,

por isso, precisam comer mais do que as

FILME

• Muito além do peso

Direção: Estela Renner

Ano: 2012

País: Brasil

Indicação etária: livre

Gastamos energia o tempo todo, até mesmo quando

dormimos.

Caloria: quantidade de energia presente

nos alimentos.

pessoas sedentárias, aquelas que não praticam atividade física regularmente. [...] Se

uma pessoa sedentária comer o mesmo que um atleta, as calorias que não forem

transformadas em energia vão se acumular e fazê-la engordar. [...]

Débora Foguel. De onde vêm as gordurinhas? Ciências de Amanhã, 26 jan. 2011. Disponível em: https://cienciasdeamanha.webnode.com.br/

news/de%20onde%20v%C3%AAm%20as%20gordurinhas-/. Acesso em: 1 jul. 2021.

Neste documentário, a diretora Estela Renner mostra a relação entre a publicidade de

alimentos, a qualidade da alimentação infantil e a epidemia de obesidade no país.

A. CARLÍN/ M10

Apoio pedagógico

— Curiosidade

O texto discute como a

quantidade necessária de alimento

está relacionada com

o gasto de energia de uma

pessoa. Assim, quem pratica

atividade física regularmente

gasta mais energia e, portanto,

precisa de mais alimento

do que uma pessoa que leva

uma vida sedentária.

É interessante conversar

com as crianças sobre como

ocorre o gasto de energia,

mesmo quando dormimos.

Ajude-os a perceber que

os nossos órgãos continuam

trabalhando: o coração

bombeia o sangue, nós

respiramos...

Atividade

complementar —

Ciências +

O documentário Muito

além do peso, sugerido

nessa seção, pode despertar

a consciência dos

alunos para a importância

dos cuidados em relação à

alimentação infantil.

Não escreva no livro

29

29


Você pratica atividades físicas?

Habilidades

• (EF05CI08) Organizar um

cardápio equilibrado com

base nas características

dos grupos alimentares

(nutrientes e calorias) e nas

necessidades individuais

(atividades realizadas, idade,

sexo, etc.) para a manutenção

da saúde do organismo.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

Mesmo que não tenha um

cadeirante ou outra pessoa

com deficiência na turma,

converse com os alunos sobre

as atividades físicas e as

brincadeiras das quais essas

crianças podem participar.

Você pode levar informações

e imagens sobre as

Paralimpíadas, por exemplo.

Avaliação formativa

Você pode avaliar essa

unidade didática pedindo

aos alunos que, em duplas,

elaborem um texto sobre a

importância do esporte na

saúde das pessoas.

Com isso, você avalia a argumentação

dos alunos e a

clareza na expressão escrita.

Uma criança pode se exercitar de várias maneiras. Por exemplo, em um parque ela pode: correr,

andar de bicicleta, descer pelo escorregador, brincar com outras crianças na gangorra, no balanço,

enfim, interagir no ambiente.

Toda criança precisa ter um tempo livre para brincar e escolher livremente o que fazer.

Uma alimentação equilibrada associada a prática de atividade física e mais situações de lazer

são muito importantes para se ter boa saúde.

Crianças brincando na Aldeia Pé de Coco, em Itacajá, no

Tocantins.

Esporte adaptado

Praticar esporte faz bem a todas as

pessoas. Algumas praticam como lazer,

outras para cuidar da saúde e há aquelas

para quem o esporte é uma atividade

profissional.

O esporte é universal e engloba inclusive

desportistas com deficiências. Por isso, muitas

modalidades esportivas foram adaptadas,

para que as PCDs (Pessoas com Deficiência)

pudessem praticá-las.

No esporte adaptado pode haver

mudança na quadra, no número de

jogadores ou em algumas regras.

O Brasil tem muitas equipes de

esportes adaptados que participam de

competições nacionais e internacionais.

As pessoas com deficiência, assim

como todas as demais, são beneficiadas

pela prática regular de atividades físicas.

30 Não escreva no livro

CAMILA_ALMEIDA/SHUTTERSTOCK

Brincar é gostoso e faz bem.

Jogadores da seleção do Japão e da África do Sul durante Campeonato

Mundial de Basquete em Cadeira de Rodas em Toronto, no Canadá (2017).

Velocista com deficiência participando de corrida de atletismo.

HTWE/SHUTTERSTOCK

ACHPF/SHUTTERSTOCK

MEZZOTINT/SHUTTERSTOCK

30


ATIVIDADES

Respostas na Resolução comentada.

1. Dois irmãos gêmeos realizam atividades bem diferentes após saírem da escola. Um deles pratica

esporte três vezes por semana, enquanto o outro faz aula de música no mesmo horário. As

aulas de inglês eles fazem juntos. Qual deles precisa ingerir uma quantidade maior de alimentos

nas refeições? Explique a sua resposta.

2. Uma pessoa não comeu durante o dia a quantidade adequada de proteína e gostaria de ingerir

proteínas no jantar. Que alimentos ela deve colocar no prato?

3. Analise as imagens abaixo e responda:

ABSCENT/SHUTTERSTOCK

A

a) Que alimentos você mais consome durante a semana, os que estão identificados como A

ou como B?

b) Você conhece e já experimentou os alimentos identificados como B?

c) Em que situações você costuma comer os alimentos identificados como A?

d) Você avalia a sua alimentação como saudável? Justifique.

4. Converse com as pessoas mais velhas da sua comunidade e pergunte a elas quais eram seus

pratos preferidos quando eram crianças. Pergunte como costumavam ser suas refeições.

Depois, pense sobre quais são seus pratos favoritos e como são feitas suas refeições.

Quais foram as principais diferenças que você notou entre seus hábitos alimentares e os hábitos

alimentares de antigamente? Faça o registro em seu caderno ou em uma folha à parte.

B

Não escreva no livro

31

Resolução

comentada

A seção Atividades propõe

questões para que os

alunos façam uma revisão

do capítulo. Você pode sugerir

que respondam em casa

ou na classe (em duplas ou

individualmente) e utilizar

essas respostas como mais

uma avaliação dos alunos.

Atividade 1 - O irmão que

pratica esportes gasta mais

energia em sua atividade.

Ele deve sentir mais fome,

por isso precisa ingerir

uma quantidade maior de

alimentos.

Atividade 2 - Essa pessoa

deverá comer algum tipo de

carne ou ovos e queijos.

Atividade 3

a) Espera-se que os alunos

comam regularmente

frutas e verduras (B) e eventualmente

os alimentos da

imagem A.

b) É provável que os alunos

identifiquem e já tenham

experimentado os

alimentos frescos apresentados

na imagem B.

c) Espera-se que esses

alimentos não façam parte

da rotina de alimentação

dos alunos, mas que sejam

consumidos em situações

pontuais.

d) Resposta pessoal.

Atividade 4 - Resposta

pessoal. É provável que os

alunos percebam diferenças

significativas quanto ao

seu hábito alimentar e o da

pessoa com quem conversaram,

principalmente se a

diferença de idade entre elas

for muito grande.

31


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Objetivos

• Compreender o funcionamento

do sistema

digestório.

• Compreender o funcionamento

do sistema

respiratório.

• Reconhecer a importância

dos pulmões nas trocas

gasosas e na manutenção

do organismo.

• Compreender a relação entre

os sistemas respiratório,

digestório e cardiovascular.

Apoio pedagógico

As páginas 32 a 47 constituem

uma unidade didática

cujo tema central são os sistemas

do corpo humano.

Este capítulo abordará o

corpo humano desde sua

organização, a partir das

células, até os sistemas e

suas integrações. Podemos

começar o estudo do corpo

humano por qualquer um

dos sistemas, uma vez que

todos eles estão integrados.

32

2

Organização do corpo

humano: células, tecidos

e órgãos

A invenção do microscópio, cerca de 400 anos

atrás, começou a revelar à humanidade o mundo

dos microrganismos e das células.

Resolução comentada

Cientista trabalhando em microscópio antigo na Ucrânia, por

volta de 1950.

TROCANDO IDEIAS

Corpo humano I

Respostas na Resolução comentada.

Converse com os colegas e respondam às perguntas no caderno.

1. Onde vocês imaginam que os seres microscópicos podem ser encontrados?

2. A descoberta desses seres pode ter melhorado as noções de higiene das pessoas?

Explique sua resposta.

3. Como o conhecimento desses seres pode ter ajudado na preservação da saúde

das pessoas?

Utilizando o microscópio, foi possível enxergar seres vivos em locais como: em uma gota d’água

do lago, no solo, nos alimentos estragados e nos materiais em decomposição.

Não escreva no livro

O microscópio mudou a forma de o ser humano

ver o mundo.

Trocando ideias

Essa conversa sobre os microrganismos remete ao avanço da tecnologia, que permitiu conquistas

científicas muito importantes depois da criação dos microscópios.

1. Resposta esperada: Os seres microscópicos podem ser encontrados na terra, na água de rios e

lagos, no mar e no ar.

2. Resposta esperada: Sim: sabendo que esses seres podem estar em muitos lugares, as pessoas

devem ter mudado alguns hábitos, como lavar as mãos antes das refeições, lavar as frutas

antes de comê-las, filtrar ou ferver a água antes de beber e cozinhar, cobrir os alimentos, lavar

os ferimentos, entre outras.

3. Resposta esperada: Sabendo que os seres microscópicos existem, as pessoas devem ter se preocupado

em manter hábitos de higiene, evitando, assim, a proliferação desses microrganismos.

Istomina Olena/Shutterstock

CIÊNCIA E

TECNOLOGIA

DARREN BAKER/SHUTTERSTOCK

32


Os cientistas do século XVII também começaram a observar pedaços muito finos de partes de

plantas e de animais. Viram que esses organismos são formados por estruturas microscópicas, as

quais chamaram de células.

A

(A) Imagem de uma casca de árvore vista ao microscópio. (B) Modelo de um dos primeiros microscópios usados

para estudar os seres vivos.

Após muitas observações ao microscópio, os cientistas chegaram à seguinte conclusão: todos

os seres vivos são formados por células.

O microscópio mostrava que as células eram delimitadas por uma membrana, que foi chamada

de membrana celular. No interior das células, observava-se uma estrutura de forma arredondada,

que recebeu o nome de núcleo. Entre o núcleo e a membrana havia uma massa transparente e

gelatinosa, que foi chamada de citoplasma.

O núcleo controla o funcionamento

da célula. Dentro do núcleo está o

material genético.

A membrana celular

reveste e protege a

célula, além de regular o

que entra e sai.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

MUSEU NACIONAL DE SAÚDE E MEDICINA

B

LYNEA/SHUTTERSTOCK

O citoplasma é um fluido gelatinoso

composto de água, sais minerais e

outras substâncias. No citoplasma ficam

diversas estruturas bem pequenas, que

são responsáveis pela alimentação,

respiração, reserva de alimento e

excreção da célula.

VICTOR B./ M10

Atividade

complementar

Para falar das células, é

importante que os alunos

compreendam o que é a

escala microscópica, ou

seja, que tamanho é esse.

Se você tiver microscópios

na escola, pode fazer

uma atividade de observação

com plantas de

aquário, como a elódea

ou a cabomba – plantas

cujas folhas são transparentes,

o que permite a

imediata observação de

células.

Outra observação

possível é a de paramécios,

seres unicelulares

do Reino Protista. Basta

deixar algumas folhas

de alface ou a parte final

do talo com as raízes de

verdura hidropônica em

uma vasilha com água

por uma semana e diversos

paramécios poderão

ser vistos ao microscópio.

(A unidade de medida

da célula é o micrômetro

/ 1 micrômetro = 0,001

mm.)

Elaborado com base em Bruice Alberts. Biologia

molecular da célula. 5. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

Não escreva no livro

33

33


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Apoio pedagógico

Os seres unicelulares têm

estruturas especializadas

nas funções de respiração,

alimentação, circulação de

substâncias e excreção. Essas

estruturas viabilizam sua

existência.

Além dessas funções vitais,

os seres unicelulares são capazes

de se reproduzir como

todo ser vivo. A maioria dos

seres microscópicos se reproduz

por simples divisão

ou bipartição (um indivíduo

que se divide em dois).

LEBENDKULTUREN.DE/SHUTTERSTOCK

Alguns seres são formados por uma só célula, são os seres unicelulares.

Existem, também, seres vivos que são formados por milhões, bilhões ou até trilhões de células. São os

seres pluricelulares. Os seres humanos são pluricelulares.

A organização do corpo humano

O estudo do corpo humano revela que todas as suas partes estão relacionadas.

Nós e todos os seres pluricelulares temos uma grande variedade de células no corpo.

Os cientistas descobriram que essa variedade de células desempenha diferentes funções no

organismo. As células da pele, por exemplo, nos protegem contra a entrada de microrganismos, e as

células musculares contraem e relaxam fazendo com que os músculos se movimentem.

100 μm

RATTIYA THONGDUMHYU/SHUTTERSTOCK

0,1 mm

A ameba é um ser unicelular. Imagem

obtida através do microscópio óptico.

Aumento de 11 vezes.

100 μm

PAN XUNBIN/SHUTTERSTOCK

Sugestão de

encaminhamento

Sempre peça aos alunos

que façam a leitura das imagens

e de suas respectivas

legendas. Essa prática é muito

importante no estudo de

Ciências da Natureza.

Células do sistema nervoso. Imagem obtida através do

microscópio óptico. Aumento de 1200 vezes.

34 Não escreva no livro

Células do fígado. Imagem obtida através do microscópio

óptico. Aumento de 120 vezes.

34


8 μm

No nosso corpo, assim como no de outros organismos pluricelulares, células de um mesmo tipo

se organizam em grupos. Esses grupos formam os tecidos.

JOSE LUIS CALVO/SHUTTERSTOCK

PLENOY M/SHUTTERSTOCK

Células do sangue que transportam gás oxigênio para os

tecidos. Imagem obtida através do microscópio óptico.

Aumento de 121 vezes.

JOSE LUIS CALVO/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

Os tipos celulares exemplificados

apresentam nomes

específicos que não precisam

ser conhecidos pelos

alunos nesse momento, pois

serão vistos em outros anos

da Educação Básica.

No quadro abaixo, estão

alguns desses nomes para

seu conhecimento e para

facilitar uma pesquisa caso

haja necessidade.

100 μm 50 μm

As células da pele formam o tecido epitelial. Imagem obtida

através do microscópio óptico. Aumento de 32 vezes.

Células musculares. Imagem obtida através do microscópio

óptico. Aumento de 132 vezes.

As células dos músculos, por exemplo, formam o tecido muscular.

Quando os tecidos se unem e trabalham juntos, temos um órgão.

O coração, por exemplo, é um órgão e pertence ao sistema cardiovascular.

Por que o coração é um órgão?

O coração é formado pelo tecido muscular e por outros dois tecidos de revestimento, um que

faz o revestimento interno e outro que faz o revestimento externo.

Não escreva no livro

35

Nome da célula

Neurônio

Hepatócito

Glóbulos vermelhos

Glóbulos brancos

Plaquetas

Localização no corpo

Sistema nervoso

Células do fígado

Células do sangue

Células do sangue

Fragmentos de células do sangue

35


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Apoio pedagógico

O estudo do nosso corpo

pode ser iniciado a partir de

qualquer sistema, porque

há integração entre todos.

Optamos por um caminho

no qual os conteúdos são

bem encadeados para que

os alunos percebam a integração

entre os sistemas

e sua importância para o

bom funcionamento do

organismo.

Os sistemas do corpo humano

estão representados

nas imagens, mas não é nossa

intenção trabalhar com

todos individualmente. Ao

conversar sobre a locomoção

e os movimentos do corpo,

por exemplo, o sistema ósseo

e o sistema muscular podem

ser estudados juntos, enfatizando

a integração deles

para que o movimento ocorra

– e não há necessidade

de citar nomes de ossos ou

de músculos.

Os sistemas reprodutores

não aparecem, pois serão

trabalhados no próximo

capítulo.

Quando diferentes órgãos trabalham em conjunto temos os sistemas. O organismo humano

é formado pelos sistemas: cardiovascular, nervoso, respiratório, digestório, urinário, endócrino, ósseo

e muscular.

Sistema

digestório

VICTOR B./ M10

Sistema

cardiovascular

VICTOR B./ M10

Os sistemas trabalham juntos e formam o nosso organismo.

Células → tecidos → órgãos → sistemas

1. Quais são os níveis de organização de um organismo? Responda no caderno.

Sistema respiratório

Sistema

respiratório

VICTOR B./ M10

Sistema

urinário

Sistema

nervoso

Sistema

ósseo

Sistema

muscular

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

O sistema respiratório é responsável pelas trocas gasosas que ocorrem no nosso organismo,

fornecendo o gás oxigênio utilizado nas células para obter a energia dos alimentos. Esse processo é

chamado de respiração e produz gás carbônico.

O movimento de entrada de gás oxigênio e saída de gás carbônico do nosso organismo

também é chamado de respiração.

Os pulmões são os principais órgãos do sistema respiratório.

Gás oxigênio

36 Não escreva no livro

Ar

VICTOR B./ M10

VICTOR B./ M10

Gás carbônico

A. CARLÍN/ M10

Ar

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

VICTOR B./ M10

A respiração é o processo de

trocas gasosas entre nosso

organismo e o ambiente.

36


Os órgãos que formam o sistema respiratório são:

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Traqueia

Pulmões

VICTOR B. M10

CURIOSIDADE

Faringe

Por que assoamos o nariz?

Laringe

Nariz

Brônquios

O muco produzido normalmente pelas cavidades nasais

funciona como uma barreira para evitar doenças, retendo

poeira e bactérias.

Em algumas situações, nosso organismo produz uma

quantidade maior de muco, como quando estamos resfriados.

O resfriado é causado por um vírus que ataca a

cavidade nasal, provocando uma inflamação. Nesta situação

de inflamação, nosso corpo reage produzindo bastante muco,

que nos leva a assoar o nariz muitas vezes ao dia.

Órgãos que formam o sistema

respiratório.

Elaborado com base em: Richard Walker. Atlas do corpo humano. São Paulo: Moderna, 1995.

O ar entra no nosso corpo pelo nariz e passa pelas cavidades nasais que existem no nosso rosto,

onde ele é umedecido, filtrado e aquecido.

Depois de passar pelas cavidades nasais, o ar entra na traqueia, passa para os brônquios e chega

aos pulmões.

A. CARLÍN/ M10

Apoio pedagógico

É importante que os alunos

explorem a figura do

sistema respiratório e sejam

estimulados a pensar nos

movimentos que realizam

ao inspirar e expirar. Dessa

forma, poderão trabalhar antecipadamente

as questões

que serão propostas.

O diafragma e os músculos

intercostais (aqueles que ficam

entre as costelas) são os

responsáveis pela entrada e

saída de ar nos pulmões. O

diafragma divide a cavidade

torácica e o abdome: quando

se contrai, ele abaixa e o

ar entra nos pulmões; quando

relaxa, ele sobe e empurra

os pulmões, expulsando

o ar.

Sugestão de

encaminhamento

Escolha um aluno para

ler a seção Curiosidade, que

traz um texto curto, simples

e bem explicado sobre por

que assoamos o nariz. A leitura

deve elucidar dúvidas.

Não escreva no livro

37

37


MÃOS À OBRA

Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Atividade

preparatória

Nesta atividade, usaremos

balões de borracha – também

conhecidos como balão

de aniversário, bexiga

de borracha, balão de festa,

entre outros.

Providencie balões de borracha

iguais, pois essa padronização

é importante para

que as conclusões sejam

confiáveis, ou seja, para que

possamos inferir que os alunos

com maior capacidade

pulmonar produzem balões

maiores. Isso só será possível

se toda a sala usar balões

com a mesma elasticidade e

tamanho. Cada dupla ficará

com dois balões.

Atenção: cada aluno deve

utilizar um balão de borracha

novo. Não permita que

um aluno utilize um balão

que já tenha sido usado por

outro colega.

O movimento do tórax e o ar dos pulmões

Entre os colegas, quem é capaz de fazer o maior balão de borracha em um único

assopro? Nessa atividade, você vai avaliar sua capacidade respiratória, ou seja, a

quantidade de ar com que você consegue encher seus pulmões.

Antes de começar, organize seu caderno para registrar as anotações.

• Coloque o nome do experimento e a data.

• Copie o quadro-modelo abaixo para anotar suas medições.

Materiais (por dupla)

• 2 balões de borracha do mesmo tamanho;

• 1 fita métrica;

• 1 pedaço de barbante.

Como fazer

A. Peça ao colega que respire fundo e encha os

pulmões com ar. Quando ele estiver com os

pulmões bem cheios, peça a ele que segure o ar

por alguns instantes e passe a fita métrica em volta

do tórax dele, na altura do peito. Em seguida, anote

a medida no quadro.

B. Peça ao colega que esvazie os pulmões soprando o

máximo de ar que conseguir para dentro do balão de

borracha. Neste momento, você mede novamente o

tórax com a fita métrica.

C. Anote as medidas na primeira linha do quadro

(1 a medição).

38

Medidas do tórax de:

1 a_ medida

2 a_ medida

3 a_ medida

Tamanho do tórax com os

pulmões bem cheios de ar

Não escreva no livro

(nome do aluno)

Sugestão de encaminhamento

Tamanho do tórax depois de

soprar o ar no balão de borracha

Oriente os alunos a construir no caderno o quadro-modelo sugerido no livro para as

anotações. Em seguida, podem receber o material para dar início à atividade.

Cada dupla de alunos deve seguir com atenção as etapas do Como fazer.

Oriente as duplas para realizar as medições corretamente.

As medidas do tórax com a fita métrica devem ser sempre no mesmo lugar (colocar a fita

métrica sempre na mesma posição e altura do tórax).

O balão de borracha não deve ser esvaziado entre uma medida e outra. Peça que segurem

firmemente a boca do balão.

Após a terceira medição, se necessário, use a fita métrica para descobrir qual balão é maior.

Depois da última medição, peça aos alunos que esvaziem os balões e, por segurança,

recolha-os.

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

38


D. Os itens a e b devem ser repetidos mais duas vezes, e o ar será soprado no mesmo

balão que foi enchido. Anote essas novas medidas no quadro (2 a e 3 a medições).

E. Amarre a boca do balão com o barbante e não deixe o ar escapar.

F. Troque de papel com o colega: agora usando outro balão de borracha, você sopra

o ar, enquanto o colega faz as três medições de seu tórax.

G. Compare o tamanho do balão de borracha que você encheu com tamanho dos

balões do colega de dupla e com de outras duplas.

1. Pergunte ao colega:

a) Quando você sente os músculos do tórax contraídos: quando o ar entra nos

pulmões ou quando sai deles? Os músculos do tórax ficam contraídos quando

o ar entra nos pulmões.

b) Quando você sente os músculos do tórax relaxados: quando o ar entra ou

quando o ar sai dos pulmões? Os músculos ficam relaxados quando

o ar sai dos pulmões.

2. Quem produziu o maior balão?

Resposta pessoal.

3. Em sua opinião, que característica do colega foi importante para garantir maior

capacidade respiratória? Resposta esperada: deve ser o maior aluno da turma, o que

faz exercícios físicos que exigem grande capacidade respiratória (natação, por exemplo) ou

4. Discuta com os colegas: será que as pessoas conseguem aumentar sua capacidade

respiratória? Resposta pessoal.

o que tem

tórax maior.

A. CARLÍN/ M10

Não escreva no livro 39

Apoio pedagógico

A atividade proposta na

seção Mãos à obra compara

de modo bem rústico a capacidade

pulmonar e permite

ter uma ideia das variáveis

que interferem no bom desempenho

dos pulmões.

A espirometria, também

chamada de teste de sopro,

é um exame que mede a

função pulmonar. O teste

quantifica o ar que a pessoa

assoprou e mede a sua

velocidade. Com isso, são

calculados alguns indicadores

do funcionamento dos

pulmões.

A maior quantidade de

ar nos pulmões está diretamente

relacionada com a

capacidade respiratória de

cada criança. Alguns fatores

que interferem nessa capacidade

são a altura, o tamanho

do tórax e a condição física

de cada aluno.

Nesta atividade, os alunos

atuarão como cientistas, pois

trabalharão com instrumentos

e unidades de medida,

organização de dados e

comparação de valores obtidos

experimentalmente.

Esses procedimentos são

comuns aos cientistas.

Sugestão de

encaminhamento

Explique aos alunos que

existem exercícios torácicos

que podem aumentar

a capacidade de inspiração.

A prática de esportes como

natação, remo e atletismo

melhora a capacidade de

inspiração das pessoas.

Ao final da atividade, descarte

adequadamente os balões

de borracha.

39


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Movimentos respiratórios

Os movimentos respiratórios que controlam a entrada e a saída de ar dos pulmões são

comandados pelo diafragma e por músculos intercostais, isto é, que ficam entre as costelas.

Quando esses músculos se contraem, o espaço interno dos pulmões aumenta e o ar de fora

pode entrar. Esse processo recebe o nome de inspiração.

Quando eles relaxam e voltam à posição inicial, o espaço interno dos pulmões diminui e o ar é

eliminado. Esse processo se chama expiração.

Inspiração

Entrada

do ar

Diafragma

Pulmão

Com o aumento do tórax, o ar entra nos pulmões.

VICTOR B./ M10

Costelas

Expiração

Saída

do ar

Diafragma

Pulmão

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Elaborado com base em: Richard Walker. Atlas do corpo humano. São Paulo: Moderna, 1995.

Costelas

Com a diminuição do tórax, o ar sai dos pulmões.

VICTOR B./ M10

Parte do gás oxigênio que entra nos pulmões durante a inspiração passa dos alvéolos

pulmonares para o sangue através dos vasos sanguíneos.

Durante a expiração, o gás carbônico que passou do sangue para os alvéolos é eliminado com

o ar que sai dos pulmões.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Alvéolos

VICTOR B./ M10

Vasos

Nos alvéolos pulmonares

ocorrem as trocas gasosas.

Elaborado com base em: Richard Walker. Atlas do corpo humano. São Paulo: Moderna, 1995.

40 Não escreva no livro

40


Sistema cardiovascular

O sistema cardiovascular é o responsável pela circulação do sangue pelo organismo. É através

da circulação sanguínea que ocorre o transporte de nutrientes e de gases como o gás oxigênio e o

gás carbônico.

O coração é o órgão principal do sistema cardiovascular. Está localizado entre os dois pulmões e

se contrai e relaxa constantemente, bombeando o sangue para o corpo todo.

Vasos sanguíneos

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia

humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

CURIOSIDADE

A medicina da Grécia Antiga

Os médicos da Grécia Antiga faziam seus

estudos em cadáveres de animais e de seres

humanos. Eles notaram que, nesses corpos sem

vida, havia dois tipos de tubos no corpo: um

que sempre estava cheio de sangue, que era

chamado de veia, e outro sempre sem sangue

no interior, parecendo vazio, chamado de artéria,

porque parecia cheio de ar. Veias e artérias são

tipos de vasos sanguíneos.

Gravura mostrando como os primeiros estudiosos

viam o interior do corpo humano na Grécia Antiga.

VICTOR B./ M10

Coração

Capilares

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Sistema cardiovascular. O sangue rico em

oxigênio é indicado pela cor vermelha,

e o sangue rico em gás carbônico é

indicado pela cor azul.

Não escreva no livro

U.S. NATIONAL LIBRARY OF MEDICINE

41

Sugestão de

encaminhamento

Solicite aos alunos que

percebam seu próprio ritmo

cardíaco e expressem

como sentem o batimento

do coração.

Se a aula anterior aconteceu

na classe, o ritmo é mais

lento; se estavam no recreio

ou na aula de Educação

Física, o ritmo é outro. A relação

do ritmo dos batimentos

cardíacos com os movimentos

respiratórios fica evidente,

e comentários importantes

podem ser feitos.

Direcione a conversa para

o lado da circulação do sangue

– da importância de o

coração bombear o sangue

para o corpo todo. É muito

bom que os alunos percebam

que um sistema está

relacionado com o outro e

que estudamos um de cada

vez apenas para entendê‐los

melhor, mas todos estão trabalhando

ao mesmo tempo

o tempo todo.

Dentro do estudo do sistema

cardiovascular, vamos

propor uma atividade de

contagem dos batimentos

cardíacos.

Apoio pedagógico

— Curiosidade

Este é um texto informativo.

Textos deste tipo

mostram o pensamento de

cientistas e filósofos que

contribuíram muito para o

desenvolvimento da ciência.

41


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Apoio pedagógico

Neste momento, o interesse

é ressaltar a circulação

que ocorre entre o coração

e os pulmões. Essa etapa

é conhecida como pequena

circulação, e é nela que

ocorre a troca de gases nos

alvéolos. A pequena circulação

pode ser representada

pelo esquema coração →

pulmões → coração.

Em uma conversa sobre

os batimentos cardíacos, é

importante ouvir as experiências

que os alunos têm

para contar. Eles com certeza

já perceberam diversas

situações em que o coração

bateu mais rapidamente –

em geral durante atividades

físicas, como em brincadeiras

de correr, pular corda ou jogos

com bola.

Há situações em que os

batimentos cardíacos aceleram

mesmo sem ter ocorrido

esforço físico ou muscular.

Isso pode acontecer quando

a pessoa passa por um susto

ou estresse emocional.

Nesses casos, a aceleração é

causada por um neurotransmissor,

como a adrenalina.

Circulação do sangue

O sangue circula, constantemente, entre o coração e os pulmões e entre o coração e outras

partes do corpo.

O sangue que chega aos pulmões passou por todo o corpo e é rico em gás carbônico. Nos

alvéolos pulmonares, ocorrem as trocas gasosas e o sangue recebe gás oxigênio. Esse sangue, agora

rico em gás oxigênio, chega ao coração e é bombeado para o corpo todo.

O sangue que sai do coração e chega aos órgãos fornece gás oxigênio para as células e, em

troca, recebe o gás carbônico que é produzido no processo de respiração celular.

O sangue rico em gás

carbônico chega ao

coração (1), é bombeado

para os pulmões (2),

recebe gás oxigênio e

volta ao coração (3).

O sangue rico em

oxigênio é, então,

bombeado ao corpo (4).

Os batimentos cardíacos correspondem

ao momento em que o coração se contrai e o

sangue é empurrado para os vasos sanguíneos.

Podemos perceber os batimentos

cardíacos em alguns locais do corpo em que

os vasos sanguíneos ficam mais próximos da

superfície da pele, por exemplo, o pulso e a

região do pescoço.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

42 Não escreva no livro

2

3

1

1

Elaborado com base em: L. J. A Di Dio. Tratado de anatomia aplicada. São Paulo: Póluss, 1999.

4

4

4

2

3

VICTOR B./ M10

A. CARLÍN/ M10

Circulação da cabeça e

membros superiores

Circulação dos

pulmões

Coração

Circulação do corpo

e membros inferiores

Cada pulsação corresponde a um

batimento cardíaco.

42


MÃOS À OBRA

Será que o ritmo de batimentos cardíacos é sempre o mesmo para todas as pessoas?

Materiais (por dupla)

• 1 relógio com marcador de segundos;

• quadro e lápis para anotações.

A. Antes de começar, faça um quadro seguindo o modelo abaixo para anotar os

resultados.

Nome do aluno

Como fazer

Contando os batimentos do coração

Batimentos cardíacos

em repouso

Batimentos cardíacos

após a atividade física

B. Coloque os dedos indicador e médio de uma das mãos sobre o pulso da outra mão,

como mostra a figura a seguir. Sinta a sua pulsação. Conte os batimentos do seu

coração durante 30 segundos.

C. O colega com o relógio vai avisá-lo quando iniciar e quando parar a contagem. Você

deve preocupar-se apenas em contar a sua pulsação.

A. CARLÍN/ M10

EDUCAÇÃO

FÍSICA

Não escreva no livro 43

Atividade

preparatória

Ao organizar as duplas,

informe aos alunos que eles

deverão providenciar um

relógio com a marcação de

segundos. O relógio pode

ser substituído pelo celular

ou cronômetro.

Sugestão de

encaminhamento

Nesta atividade, vamos

propor duas contagens do

ritmo cardíaco: uma em repouso

– sem atividade física

no momento que antecede

a contagem – e a outra após

uma atividade física, como a

corrida.

Essa pode ser uma atividade

integrada com a aula de

Educação Física. Sugerimos

que os alunos trabalhem em

duplas para que consigam

fazer a contagem da pulsação

sem se preocupar com o

tempo, que ficará a cargo do

outro colega. Peça aos alunos

que contem a pulsação

por 30 segundos e depois

multipliquem o resultado

por 2 para obter o número

de pulsações em 1 minuto

(60 segundos).

Para anotar os resultados,

faça na lousa a seguinte

tabela:

Batimentos do coração em

1 minuto / em repouso

Menos do que 50 vezes

Número de alunos

Batimentos do coração em

1 minuto / após atividade

física

Número de alunos

Entre 50 e 60 vezes

Entre 60 e 70 vezes

Entre 70 e 80 vezes

Entre 80 e 90 vezes

Entre 90 e 100 vezes

Mais do que 100 vezes

43


D. Multiplique o resultado por dois e anote o número de pulsações no quadro.

Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Sugestão de

encaminhamento

Peça aos alunos que levantem

a mão no intervalo de vezes

que o coração deles bateu

durante a contagem de tempo

(1 minuto) em situação de repouso

e após a atividade física.

Sugestão de pergunta:

Quem, em repouso,

teve entre 50 e 60 batidas

do coração por minuto?

E após a atividade física?

Repita a pergunta para cada

intervalo. Anote o número

de crianças na lousa.

Organize os dados levantados

pelos alunos para que

todos possam fazer a análise

dos resultados. Com a tabela

preenchida, as questões sugeridas

podem ser respondidas

e discutidas coletivamente.

Depois, os alunos fazem

seus próprios registros.

Quando a pessoa está em

repouso, o número médio de

batimentos cardíacos é 70 vezes

por minuto. Após a atividade

física, pode chegar a mais

de 100 batimentos por minuto

dependendo do esforço realizado

e da duração da atividade.

A respiração (movimento

respiratório) também fica

acelerada e o sangue circula

mais rapidamente pelos vasos

sanguíneos.

44

E. Realize uma atividade física durante 1 minuto, por exemplo, correr na quadra de

esportes, correr em volta do pátio da escola, pular corda, fazer polichinelos. Assim que

terminar a atividade física, repita os procedimentos B, C e D.

F. Anote o resultado no quadro. Agora é a vez de o colega medir os batimentos

cardíacos, enquanto você marca o tempo.

Agora, responda:

1. Em repouso, quantas vezes em 1 minuto bateu o coração da maioria dos alunos da

sua turma? Resposta esperada: entre 70 e 80 vezes por minuto.

2. Durante a atividade física, o que ocorreu com a sua respiração?

Resposta esperada: ficou mais rápida, acelerou.

3. Após a atividade física, quantas vezes em 1 minuto bateu o coração da maioria dos

alunos da sua turma? Resposta esperada: um número maior que 85 batimentos

cardíacos por minuto.

Quando fazemos algum exercício físico, o coração aumenta o número de batimentos por

minuto e a respiração fica mais acelerada.

Nosso corpo funciona de maneira integrada. O número de batimentos cardíacos e a quantidade

dos movimentos respiratórios ajustam-se de acordo com as necessidades do organismo.

Brincar aumenta nossos batimentos cardíacos.

44 Não escreva no livro

MONKEY BUSINESS IMAGES/SHUTTERSTOCK


Sistema digestório

Além do gás oxigênio, os órgãos do corpo também precisam de nutrientes para o seu bom

funcionamento. O gás oxigênio é obtido do ar que chega aos pulmões e é transportado pelo

sangue para todo o organismo.

E os nutrientes? Como chegam ao nosso organismo?

É do alimento que obtemos os nutrientes que formam e mantêm nosso corpo em

funcionamento. O processo de transformação dos alimentos ingeridos em nutrientes é

chamado digestão. O conjunto dos órgãos que participam da digestão dos alimentos forma

o sistema digestório.

Mastigação

Glândulas

salivares

Fígado

Vesícula biliar

Pâncreas

Intestino grosso

Ânus

Boca

Faringe

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2000.

Na boca, o alimento é cortado e triturado. Essa etapa é

chamada de mastigação.

Quem faz esse trabalho são os dentes, auxiliados pela saliva,

que molha a comida. A língua e as bochechas ajudam a formar uma

mistura pastosa, que será engolida.

Triturado: dividido em pequenas partes.

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Esôfago

Estômago

A mastigação

é uma etapa

importante da

digestão.

Intestino delgado

Órgãos que formam o sistema

digestório humano.

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

45

Apoio pedagógico

Vamos estudar as modificações

que os alimentos

sofrem quando entram na

boca, as transformações

que sofrem quando passam

pelos órgãos do nosso sistema

digestório e como os

nutrientes passam para o

sangue e chegam ao corpo

todo.

Na boca, o alimento é cortado,

triturado e dividido em

partes cada vez menores.

Esse trabalho é desempenhado

principalmente pelos

dentes, auxiliados pela saliva,

que umedece o alimento,

e pela língua, que ajuda a

misturá-lo, formando o bolo

alimentar. Essa etapa é muito

importante, porque as enzimas

– substâncias químicas

que realizam a digestão

– precisam entrar em contato

com as moléculas que

formam os alimentos para

poder transformá-las quimicamente.

Assim, quanto mais

triturada estiver a comida,

maior será a área de contato

entre o alimento e as enzimas

digestivas.

Os alunos vão perceber a

importância da mastigação

e do contato da saliva com

o alimento triturado ao realizar

a atividade com o comprimido

efervescente. Além

disso, poderão concluir que

o alimento triturado sofre

reações químicas mais rápidas

e eficientes do que os

alimentos inteiros.

45


Habilidades

• (EF05CI06) Selecionar argumentos

que justifiquem

por que os sistemas digestório

e respiratório são

considerados corresponsáveis

pelo processo de nutrição

do organismo, com

base na identificação das

funções desses sistemas.

• (EF05CI07) Justificar a

relação entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos

nutrientes e a eliminação

dos resíduos produzidos.

Sugestão de

encaminhamento

Explore a imagem detalhadamente

com os alunos.

Os órgãos numerados de 1

a 6 são aqueles percorridos

pelos alimentos. Essa informação

precisa ser bem compreendida.

Para isso, proponha

que os alunos percorram

com o dedo esse caminho

e nomeiem os órgãos que

conhecem.

O caminho do alimento

Tudo o que comemos e bebemos passa pelo tubo digestório, e as

primeiras transformações do alimento começam a acontecer na boca.

Da boca, o alimento vai para o esôfago e chega ao estômago.

Pouco a pouco, essa massa alimentar passa para o intestino delgado e,

em seguida, para o intestino grosso e reto.

Os seis órgãos destacados acima constituem o tubo digestório, órgãos

pelos quais o alimento passa durante o processo da digestão.

Há outros órgãos importantes para a digestão, mas os alimentos não

passam por eles. As glândulas salivares, o fígado e o pâncreas participam do

processo de digestão através da produção de substâncias que auxiliam na

transformação dos alimentos.

1. Boca: os dentes, a saliva e a língua fazem a mastigação e a deglutição.

Na boca, as substâncias presentes na saliva são produzidas pelas glândulas

salivares e fazem as primeiras transformações do alimento.

2. Esôfago: conduz os alimentos até o estômago por meio de contrações

musculares.

3. Estômago: produz líquidos digestivos que amolecem e transformam os

alimentos.

4. Intestino delgado: os líquidos produzidos no pâncreas, no fígado e no

próprio intestino delgado transformam o alimento em nutrientes.Os

nutrientes passam para o sangue. Esse processo recebe o nome de absorção.

5. Intestino grosso: apenas os alimentos não digeridos seguem por esse órgão

até o final. A maior parte da água e os sais minerais passam para o sangue.

6. Reto: eliminação das fezes que são formadas por restos de alimentos não

digeridos, água e bactérias.

46 Não escreva no livro

46


Apoio pedagógico

1

2

MARCELLO S./ M10

Quando colocamos um

alimento na boca, pouco a

pouco as transformações

vão ocorrendo e é somente

no intestino delgado que os

nutrientes são absorvidos

pelo sangue e transportados

para o corpo. O que não foi

digerido chega ao intestino

grosso, onde ocorre a absorção

da água e a formação

das fezes.

3

5 4

6

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Não escreva no livro

47

47


ATIVIDADES

Avaliação formativa

As questões e a análise

de imagens sugeridas nesta

seção Atividades podem ser

utilizadas como uma avaliação.

As respostas podem e

devem ser buscadas no livro

de modo que os alunos se

acostumem a tê-lo como um

aliado, uma fonte de pesquisa

e aprendizagem.

Resolução

comentada

1. a) A radiografia da esquerda,

porque mostra

os pulmões ocupando

um espaço maior no tórax,

o que indica que estão

cheios.

b) O diafragma, que está

localizado no limite inferior

do tórax, e os músculos

intercostais, que estão

entre as costelas.

2. Os nutrientes vêm dos

alimentos que comemos.

3. Os alunos devem identificar

os órgãos:

1. Esôfago; 2. Fígado;

3. Intestino grosso; 4.

Estômago; 5. Pâncreas; 6.

Intestino delgado.

Respostas na Resolução comentada.

1. Analise as imagens e responda às questões a seguir.

Radiografias de tórax mostrando os pulmões da mesma pessoa em duas situações.

a) Qual das radiografias mostra a inspiração? Por quê?

b) Quais são os músculos responsáveis pela inspiração e expiração?

2. De onde vêm os nutrientes que o nosso organismo usa?

3. Identifique os órgãos numerados de 1 a 6 na imagem.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

1

2

3

CHINASONG/SHUTTERSTOCK

4

5

6

ALEXANDRE R./ M10

CHOOCHIN/SHUTTERSTOCK

48

Não escreva no livro

48


Respostas na Resolução comentada.

4. Qual é a importância da mastigação no processo de digestão?

5. O sistema cardiovascular geralmente é representado como na imagem abaixo, com uma parte

dos vasos sanguíneos em azul e outra parte dos vasos em vermelho.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

a) O que essas cores representam?

b) Qual é o órgão principal desse sistema?

c) Por que o sangue precisa circular pelo corpo todo?

ALEXANDRE R./ M10

4. Na mastigação, os alimentos

são triturados e

misturados com a saliva,

formando uma mistura

pastosa que será

engolida.

5. a) A cor vermelha indica

sangue rico em gás

oxigênio, e a cor azul indica

sangue rico em gás

carbônico.

b) O principal órgão é o

coração.

c) É o sangue que transporta

nutrientes e gás

oxigênio ao corpo todo.

6. Resposta esperada: Por

meio do sistema respiratório,

ocorre a entrada

de gás oxigênio no organismo

e a saída do gás

carbônico. O gás oxigênio

é transportado pelo

sangue para as células e

tecidos do corpo junto

com os nutrientes que

foram digeridos durante

o processo de digestão

no sistema digestório.

6. Vimos no início deste capítulo que os sistemas trabalham juntos para manter nosso organismo

funcionando. Descreva como os sistemas respiratório, cardiovascular e digestório se relacionam.

Não escreva no livro

49

49


Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Objetivos

• Relacionar o sistema excretor

com a filtração do

sangue.

• Reconhecer a importância

da reprodução para a manutenção

das espécies.

• Conhecer os principais

órgãos do sistema genital

masculino e feminino.

• Compreender os processos

de menstruação, fecundação,

gravidez e parto.

• Identificar que a obesidade

é uma doença crônica

e divulgar uma campanha

de combate à obesidade

infantil.

50

3

Sistema urinário

Vimos que o sangue é o responsável pelo transporte de nutrientes e de gás oxigênio e gás

carbônico pelo corpo.

O sangue também recebe substâncias que são produzidas pelas células e que precisam ser

eliminadas do organismo.

O sistema responsável por filtrar o sangue e eliminar as substâncias em excesso no organismo,

que são prejudiciais ou que não são utilizadas pelo organismo é o sistema urinário, formado pelos

rins, ureteres, bexiga urinária e uretra.

Formação da urina

O sangue bombeado pelo

coração chega aos rins. Cada

rim é formado por pequenos

filtros que retiram do sangue

as substâncias em excesso ou

nocivas ao corpo.

Os rins também controlam

a quantidade de água e de sais

minerais do corpo e retiram do

sangue a ureia, uma substância

que pode ser nociva se estiver

em excesso. O resultado da

filtração é a urina, que passa

dos rins para a bexiga, na qual

será armazenada até o momento

da sua eliminação. O canal que

elimina a urina do corpo é a

uretra.

Não escreva no livro

Corpo humano II

Bexiga

urinária

Órgãos que formam o

sistema urinário feminino.

Esquema do sistema urinário feminino

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Rins

Ureteres

Uretra

Elaborado com base em: M. Downland. Biology. Londres:

Thomas Nelson & Sons Ltd, 1992.

50


Esquema do sistema urinário masculino

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Rins

Ureteres

Bexiga urinária

Uretra

Todos os dias, um adulto elimina mais ou menos um litro e meio de urina.

Devemos ir ao banheiro sempre que necessário.

A. CARLÍN/ M10

4

3

2

1

Etapas da formação da urina: (1)

Os rins filtram o sangue e formam

a urina. (2) A urina passa dos rins

para a bexiga (3), na qual fica

armazenada. (4) Ocorre a eliminação

da urina pela uretra.

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000.

VICTOR B./ M10

Não podemos nos esquecer de lavar as mãos depois de usar

o banheiro.

A. CARLÍN/ M10

Apoio pedagógico

Os rins têm duas funções

indispensáveis para a nossa

saúde: filtrar o sangue e

reabsorver substâncias. O

sangue arterial que sai do

coração chega aos rins com

muita pressão, e as substâncias

dissolvidas no plasma

(a parte líquida do sangue)

passam para as estruturas

internas dos rins. Entre essas

substâncias estão nutrientes,

sais minerais, ureia e água.

Ocorre, então, a reabsorção

dos nutrientes, de parte dos

sais minerais e de parte da

água. O excesso de água, a

ureia e o excesso de sais formam

a urina.

O sistema do corpo humano

que abrange os órgãos

genitais e a excreção é o

Sistema Urogenital – devido

à proximidade dos órgãos

responsáveis pela produção

de urina e os órgãos

reprodutivos.

Quando comemos uma comida muito salgada, sentimos mais sede e essa quantidade de água

extra que tomamos ajuda a eliminar o sal que está em excesso no corpo.

LEMBRE-SE

A urina é um líquido amarelado e com cheiro característico. Uma pessoa precisa procurar o posto de saúde ou um médico quando percebe

que a cor e o cheiro da urina estão diferentes do normal, quando sente dor ao urinar ou se tem dificuldade para controlá-la.

Não escreva no livro

51

51


Reprodução humana

SEXUALIDADE

Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

As páginas 52 a 61 formam

uma unidade didática que

aborda os temas: desenvolvimento

dos meninos e meninas

na puberdade, gestação

e parto.

Sugestão de

encaminhamento

Peça aos alunos que façam

uma comparação entre

as fotografias de bebês e

de adolescentes. Ajude-os

a perceber que não há diferenças

nítidas entre os bebês

do sexo masculino e os

do sexo feminino e que essa

distinção é mais fácil entre os

jovens.

Apoio pedagógico

Nesse momento, fique

atento aos comentários preconceituosos

de alguns alunos

com relação a aparência

ou opções de roupas, corte

de cabelos e maquiagem dos

colegas (bullying). Trabalhe

sempre com o objetivo de

valorizar a diversidade entre

a turma e enfatize que

as diferenças devem ser

respeitadas.

Muitas vezes, quando vemos um bebê vestido, precisamos perguntar se é menino ou menina.

Na infância, os corpos dos meninos e das meninas apresentam poucas diferenças.

Você consegue dizer quantos meninos e quantas meninas estão na foto?

Meninos e meninas são muito parecidos até chegarem à adolescência, quando ocorrem

diversas mudanças físicas. É nessa época, chamada puberdade, que se inicia o desenvolvimento dos

órgãos sexuais e das características sexuais que diferem meninos e meninas.

A puberdade não tem uma data exata para começar. Em algumas crianças as transformações

começam mais cedo, em outras pode demorar um pouco mais. A maioria, entretanto, inicia a

puberdade entre os 9 e os 12 anos de idade.

O início da puberdade

pode ocorrer entre os

9 e os 12 anos de

idade.

52 Não escreva no livro

Atividade complementar

Em uma escola inclusiva, os professores devem estar preparados para tratar com diferentes

realidades e situações em sala de aula. Às vezes, o bullying ocorre, e devemos

combater esse tipo de atitude. O artigo da Revista Especial Santa Maria, publicada pela

UFSM- RS, traz o tema “Bullying e inclusão no Ensino Fundamental I: ações de professores”.

Leia o artigo e fique atento a situações similares às que o texto aborda. Disponível

em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/31773/pdf (acesso em:

15 jul. 2021).

SERGEY NOVIKOV/SHUTTERSTOCK

SIRTRAVELALOT/SHUTTERSTOCK

52


TROCANDO IDEIAS

Respostas na Resolução comentada.

Reúna-se com um colega para conversar sobre as questões propostas.

1. As figuras a seguir mostram as etapas do desenvolvimento de meninas e

meninos, da infância à idade adulta. Observe-as.

a) Escreva no caderno o número da etapa identificada na figura da menina e do

menino que mostra os primeiros sinais da puberdade.

b) Quais características evidenciam que a menina está na puberdade?

c) Quais características evidenciam que o menino está na puberdade?

Puberdade e adolescência

Atividade complementar

1 2 3 4 5

1 2 3 4 5

Comentários expressos em sussurros ou em voz baixa são comuns quando o assunto

é sexualidade ou mudanças físicas da puberdade. Sugira um trabalho em duplas com

alunos do mesmo sexo. Faça alguns trios, se necessário, para que nenhuma criança fique

inibida por ter que trabalhar em grupos mistos. Ao trabalhar dessa maneira, os alunos terão

a oportunidade de fazer comentários para os colegas e trocar confidências com eles.

Pode-se organizar uma caixa de dúvidas que os alunos poderão utilizar ao longo

do estudo deste capítulo; assim, as dúvidas poderão ser trabalhadas em sala de aula,

garantindo‐se o sigilo. Essa estratégia é excelente para evitar que os alunos se sintam

constrangidos ao tirar alguma dúvida na frente dos outros, além de ser um modo de

incentivar a participação de todos.

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

Etapas do

desenvolvimento

do corpo de uma

mulher.

Etapas do

desenvolvimento

do corpo de um

homem.

A fase vivida pelo ser humano entre a infância e a fase adulta é a adolescência. O que marca o

início dessa fase é o conjunto de transformações físicas que caracterizam a puberdade.

Mas isso é só o começo!

Além das transformações físicas, fazem parte da adolescência muitas mudanças no modo de

ser, de pensar e de se relacionar com as pessoas.

O que provoca o início disso tudo?

Não escreva no livro

53

Apoio pedagógico

Alguns alunos devem estar

percebendo mudanças características

da puberdade.

Em um ano ou dois, essas

modificações acontecerão

em todos eles, e é importante

que a curiosidade natural

sobre o assunto seja discutida

e esclarecida na escola.

Talvez algumas meninas

já menstruem e/ou apresentem

certo desenvolvimento

das mamas. Os meninos, em

geral, começam a apresentar

características da puberdade

após os 10 anos.

Resolução

comentada –

Trocando ideias

1. a) Os primeiros sinais da

puberdade estão representados

pelo número 4.

b) Resposta pessoal.

Espera-se que os alunos

reconheçam o desenvolvimento

dos seios e o

surgimento de pelos no

corpo como características

que evidenciam o

início da puberdade.

c) Resposta pessoal.

Espera-se que os alunos

reconheçam o aparecimento

de pelos no corpo

e o desenvolvimento dos

órgãos genitais masculinos

como características

que evidenciam o início

da puberdade.

53


Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

Ao levantar as características

da puberdade que aparecem

nas imagens analisadas,

você pode aproveitar o momento

e seguir com a discussão

sobre a importância do

amadurecimento sexual e a

função biológica da reprodução

para os seres vivos em

geral e para o ser humano

em particular. É importante

ressaltar que os seres humanos

desenvolvem relações

afetivas com seus parceiros,

as quais independem da procriação.

Muitas vezes, eles se

mantêm juntos mesmo não

tendo filhos ou optando por

não ter.

Apoio pedagógico

A partir da puberdade, o

odor e a quantidade de suor

aumentam bastante.

Por isso, o banho diário

e o uso de roupas limpas

e de antitranspirantes são

fundamentais.

A higiene dos órgãos genitais

também é muito importante.

Na hora do banho,

todas as dobras de pele dessa

região precisam ser delicadamente

limpas.

Na puberdade, as transformações que ocorrem no corpo de meninos e de meninas são

controladas pelos hormônios.

Os hormônios são substâncias produzidas por células especializadas. Sua principal função é o

controle de funções biológicas. Os hormônios sexuais, por exemplo, são responsáveis pelas mudanças

que ocorrem no nosso corpo durante toda a adolescência.

Nos meninos, os órgãos sexuais se desenvolvem, os pelos das pernas e dos braços ficam mais

grossos e a voz muda (dizemos popularmente que ela fica mais “grossa”). Nas meninas, ocorre a

primeira menstruação, as mamas crescem e as formas do corpo tornam-se mais arredondadas.

Na adolescência, o aumento de oleosidade na pele favorece o

surgimento de espinhas.

CURIOSIDADE

As etapas da vida

Depois da puberdade, os jovens vivem

sua adolescência até a idade adulta, mas as

transformações do corpo continuam ocorrendo

durante toda a vida. Após muitos anos, os adultos

atingem a velhice. É difícil dizer quando essa fase

começa, pois ela depende de diversos fatores.

São consideradas idosas as pessoas com

mais de 60 anos, segundo o Estatuto do Idoso.

Os idosos têm tratamento diferenciado em

muitas situações.

Ao longo da vida, nosso corpo passa por diversas

mudanças.

• Por que você acha que esse tratamento

é necessário? Resposta na Resolução comentada.

54 Não escreva no livro

Resolução comentada – Curiosidade

Resposta provável: Esse cuidado é necessário, além de ser um direito adquirido. Os idosos podem

ter dificuldade de locomoção ou algum problema de saúde, mas tal tratamento significa principalmente

ter respeito a quem dedicou muito tempo de sua vida ao trabalho, à família e à sociedade.

SUZANNE TUCKER/SHUTTERSTOCK

Na adolescência, os corpos dos meninos e das meninas mudam.

PROCESSO DE ENVELHECIMENTO,

RESPEITO E VALORIZAÇÃO DO IDOSO

KAMIRA/SHUTTERSTOCK

A. CARLÍN/ M10

54


Sistemas genitais masculino e feminino

O amadurecimento sexual ocorre na puberdade e prepara o corpo para a reprodução.

O sistema genital é o responsável pela produção das células reprodutoras.

Sistema genital masculino

Ductos deferentes – canais que

ligam os testículos à uretra

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Uretra – canal que leva

os espermatozoides

para fora do corpo e

também elimina a urina

Pênis – dentro dele

está a uretra

VICTOR B./ M10

Sugestão de

encaminhamento

É importante saber o que

os alunos conhecem sobre

os assuntos relacionados

com a reprodução humana.

Neste momento, algumas

perguntas podem ser feitas:

O que é o sistema genital?

Qual é a função dos órgãos

genitais? Alguém sabe o

que é a menstruação? E a

fecundação?

Próstata –

produz líquidos

nutritivos que

garantem os

movimentos dos

espermatozoides

Testículos – órgãos

que produzem os

espermatozoides

Saco escrotal – aloja os

testículos

Representação esquemática dos órgãos do sistema genital masculino.

Elaborado com base em: L. J. A. Di Dio. Tratado de anatomia aplicada. São Paulo: Poluss, 1999.

Os testículos começam a

produzir os espermatozoides,

as células reprodutoras

masculinas na puberdade. É

nessa fase que normalmente

ocorre a primeira ejaculação,

que é a eliminação do sêmen

pelo pênis.

O sêmen é a mistura

dos espermatozoides com o

líquido produzido ao longo do

sistema genital masculino.

Os espermatozoides são células muito pequenas capazes de se locomover. Só podem

ser vistos com o uso do microscópio. Imagem computadorizada obtida a partir de

microscópio eletrônico.

Não escreva no livro

55

3DMOTUS/SHUTTERSTOCK

55


Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

Os alunos podem precisar

de orientação para interpretar

os esquemas dos sistemas

genitais. Uma boa solução

é usar um manequim ou

modelo anatômico didático

do torso masculino e do torso

feminino para localizar os

órgãos do abdome e facilitar

a compreensão.

Apoio pedagógico

Chamaremos o gameta

feminino de óvulo para fins

didáticos. No entanto, o gameta

feminino humano, antes

da fecundação, é o ovócito

secundário. Somente após

a fecundação ele passa a se

chamar óvulo.

Sistema genital feminino

Tubas uterinas – canais que

ligam os ovários ao útero

(os óvulos maduros percorrem

esses canais)

Ovários – órgãos que

armazenam os óvulos

Vagina – canal que liga

o útero à parte externa

do corpo

Representação esquemática dos órgãos do sistema genital feminino.

Útero – órgão no qual

o feto se desenvolve durante

a gravidez

As células reprodutoras femininas são os óvulos. Eles se formam enquanto a menina ainda está

se desenvolvendo na barriga da mãe e começam a amadurecer durante a puberdade. A cada mês,

um óvulo é liberado de um dos ovários e segue para a tuba uterina. Esse processo é chamado de

ovulação.

O óvulo humano é uma célula imóvel e bem maior

que o espermatozoide. Imagem computadorizada

obtida a partir de microscópio eletrônico.

Nas mulheres, o início do amadurecimento sexual é marcado pela primeira menstruação.

56 Não escreva no livro

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Elaborado com base em: Sobotta. Atlas de anatomia humana. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. v. 1.

3DMOTUS/SHUTTERSTOCK

VICTOR B./ M10

56


A menstruação

SAÚDE

Todo mês, a partir da primeira menstruação, o corpo feminino se prepara para uma possível

gravidez.

A parte interna do útero fica mais grossa e formam-se muitos vasos sanguíneos. Quando não há

gravidez, toda essa preparação é desfeita e dá origem ao sangramento menstrual.

Além do sangramento, a menstruação pode causar desconfortos, como a cólica menstrual.

Ciclo menstrual

Ciclo menstrual é o período entre duas menstruações. Em média, um ciclo menstrual tem 28

dias, mas pode variar entre 21 e 35 dias.

O início do ciclo é marcado pelo primeiro dia da menstruação.

A ovulação ocorre por volta de 14 dias antes da menstruação.

Outubro 2023

Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb

1 2 3 4 5 6 7

8 9 10 11 12 13 14

15 16 17 18 19 20 21

22 23 24 25 26 27 28

29 30 31

VICTOR B./ M10

ANDREY_POPOV/SHUTTERSTOCK

As cólicas

menstruais podem

ser aliviadas com o

uso de uma bolsa

de água quente e

analgésicos.

Apoio pedagógico

Como uma grande parte

das mulheres têm ciclo

menstrual de 28 dias, é comum

pensarem na ovulação

ocorrendo no meio do

ciclo. Entretanto, a liberação

do ovócito para a tuba uterina

ocorre 14 dias antes da

menstruação independentemente

da duração do ciclo.

Caso precise atender alguma

aluna em particular ou grupo

de alunas, haja com discrição

e em momento apropriado.

A coordenação pedagógica

pode ser acionada nesses

casos.

Atividade

complementar

Você pode sugerir a leitura

coletiva com as meninas

da classe do livro Já

começou pra você? – coisa

que todo mundo quer

saber sobre a menstruação,

de Ruth Thomson,

publicado pela Editora

Melhoramentos. Esse é

um bom momento para

dar uma atenção especial

para as alunas.

1. O dia 25 do mês indicado no calendário foi o primeiro dia de menstruação de uma mulher. Em

que dia desse mês essa mulher ovulou? Essa mulher ovulou no dia 11 do mês indicado.

Não escreva no livro

57

57


A fecundação

Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

Sugestão de

encaminhamento

Conversar sobre os sistemas

genitais e suas particularidades,

como a fecundação,

a gravidez e o parto,

inibe alguns alunos, apesar

de todos eles terem muita

curiosidade sobre esses

assuntos.

O grau de aprofundamento

deve ser adequado

à idade e ao interesse da

turma. Em geral, as dúvidas

que os alunos têm e as perguntas

que querem fazer

são mais sobre sexualidade

do que questões biológicas.

Muitas vezes, a escola

é o único lugar para se falar

sobre o tema.

A fecundação é a união das células reprodutivas feminina e masculina, o óvulo e o

espermatozoide, respectivamente.

Dessa união é formado um embrião, que vai se desenvolver e originar um novo indivíduo.

Normalmente, a fecundação ocorre após a relação sexual entre um homem e uma mulher. A

fecundação marca o início da gravidez. Veja o esquema a seguir:

KTSDESIGN/SHUTTERSTOCK

Milhares de

espermatozoides atingem

o óvulo, mas somente

um consegue atravessar a

membrana e fecundar o

óvulo.

Processo de fecundação.

Espermatozoide

Óvulo

Representação esquemática da fecundação.

58 Não escreva no livro

1. O óvulo é liberado pelo

ovário na tuba uterina.

Fecundação

2. Na ejaculação, são liberados milhões

de espermatozoides na vagina.

Embrião

Se não houver

fecundação, ocorre

a menstruação.

4. Se houver fecundação,

o embrião se fixa na

parede do útero, na

qual se desenvolverá até

formar um bebê.

3. Os espermatozoides se movimentam, utilizando as caudas, até

atingirem as tubas uterinas, nas quais podem encontrar um óvulo e,

então, ocorrer a fecundação.

VICTOR B./ M10

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Elaborado com base em: Gerard J. Tostora.

Corpo humano. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 555.

Atividade complementar

Para responder muitas das perguntas dos alunos,

é provável que você tenha de acessar alguns

artigos ou livros de anatomia e fisiologia humanas.

Consultas em páginas confiáveis da internet

ou em livros médicos fornecerão elementos para

solucionar dúvidas dos estudantes. Muitas vezes,

os alunos que vivem em situação de vulnerabilidade

não têm acesso a informações suficientes

para entender as transformações que estão ocorrendo

no seu corpo. Se você tiver um aluno ou

uma aluna nessa condição, procure dar o apoio

necessário a essa pessoa.

58


A gravidez

A gravidez compreende o

período de desenvolvimento do bebê

dentro do útero da mãe. Esse período,

normalmente, é de nove meses.

O desenvolvimento do bebê

começa logo após a fecundação,

quando o embrião se fixa à parte interna

do útero.

No útero, o bebê fica protegido por

uma bolsa cheia de líquido.

O bebê recebe nutrientes e gás

oxigênio através do cordão umbilical,

que está conectado ao corpo da mãe

pela placenta.

A placenta é um órgão que

fica aderido ao útero durante toda a

gravidez. É também através do cordão

umbilical que o bebê elimina o gás

carbônico e as excretas produzidas, que

passam para o corpo da mãe para serem

eliminados.

O parto

Quando o bebê completa seu

desenvolvimento após o término da

gestação, é o momento do nascimento,

chamado de parto.

Durante o parto, o útero sofre

contrações que empurram o bebê em

direção à vagina da mãe, por onde ele

sai.

Logo após o nascimento, o bebê

passa a respirar sozinho e o cordão

umbilical é cortado. A cicatriz que se

forma é o nosso umbigo.

Também após o nascimento, o

bebê se alimenta pela primeira vez,

recebendo o leite materno.

Ânus

Para ter uma gestação saudável, é importante que a mãe seja acompanhada

por um profissional de saúde. Esse acompanhamento recebe o nome de

pré-natal.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Placenta

Bexiga

Vagina

Representação esquemática do útero em corte com um bebê em seu

interior.

Cordão

umbilical

Útero

Feto

Elaborado com base em: Gerard J. Tostora. Corpo humano.

Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 558.

Não escreva no livro

59

VICTOR B./ M10 PROSTOCK-STUDIO/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

Os alunos estão entrando

na puberdade, os hormônios

começam a agir e a sexualidade

assume o primeiro plano

na vida dos adolescentes.

A escola pode ter papel

essencial nesse momento,

canalizando essa energia

para produzir conhecimento

e respeito a si mesmo, ao

outro e à coletividade. Nesta

fase do desenvolvimento, os

alunos precisam de apoio,

compreensão e responsabilidade.

Cabe à escola desenvolver

uma ação reflexiva e

educativa visando ao bem

estar dos adolescentes e

pré-adolescentes.

59


Habilidades

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

• (EF05CI09) Discutir a ocorrência

de distúrbios nutricionais

(como obesidade,

subnutrição etc.) entre

crianças e jovens a partir

da análise de seus hábitos

(tipos e quantidade de alimento

ingerido, prática de

atividade física etc.).

DIVULGAÇÃO/MINISTÉRIO DA SAÚDE

O leite materno

O leite materno tem todos os nutrientes dos quais o bebê precisa nos seus primeiros meses de

vida. Está sempre pronto, na temperatura certa e a criança amamentada recebe proteína, gordura,

açúcar, água, vitaminas e sais minerais na quantidade certa. Por isso, esse é o melhor alimento que

um bebê pode receber.

O leite materno ainda protege a criança de muitas doenças. Por isso, a doação de leite materno

é tão importante, ela garante que bebês recém-nascidos internados em hospitais e que não podem

ser amamentados pelas próprias mães recebam esse alimento tão necessário.

Apoio pedagógico

Verifique se os alunos sabem

ler histórias em quadrinhos.

Algumas crianças não

estão familiarizadas com

esse gênero textual e se

atrapalham com os balõezinhos

de fala. Uma discussão

sobre a comunicação a partir

de charges ou histórias em

quadrinhos (tirinhas) pode

ajudar os alunos a se interessar

mais pela leitura.

Sugestão de

encaminhamento

Ao fazer a leitura da tirinha

com a turma, explique

que Calvin é um menino

que tem um tigre de pelúcia,

o Haroldo, personagem

que dialoga com ele

como se fosse uma pessoa.

Se possível, leve para a sala

de aula revistas de histórias

em quadrinhos adequadas

à faixa etária da sua turma

e permita que elas sejam lidas

em classe ou em período

extraclasse.

2. Leia a tirinha e responda às perguntas.

a) Segundo a tirinha, qual é a origem dos bebês? Respostas na Resolução comentada.

b) Se a pergunta sobre a origem dos bebês fosse feita para você, qual seria sua resposta?

60 Não escreva no livro

Resolução comentada

As campanhas para

doação de leite materno

incentivam mães que estão

amamentando a doar.

2. a) Segundo a tirinha, os bebês são feitos em fábricas e vêm com etiquetas, como a camiseta do

Calvin.

b) Resposta esperada: Os bebês são formados pela fecundação do óvulo com o espermatozoide

e se desenvolvem dentro do útero materno durante nove meses até o nascimento.

CALVIN & HOBBES, BILL WATTERSON © 1986 WATTERSON /

DIST. BY ANDREWS MCMEEL SYNDICATION

60


UM POUCO DE HISTÓRIA

O mistério da febre que atingia mulheres

Por volta do ano de 1844, o médico húngaro Ignaz

Semmelweis (1818-1865) observou que muitas mulheres

Autópsia: exame que se faz

morriam de febre logo após o parto no hospital em

nos cadáveres para descobrir

que ele trabalhava, e que um número muito menor de

a causa da morte.

mulheres morria de febre quando tinham os filhos em casa.

Por que tantas mulheres grávidas morriam no hospital?

Após elaborar e testar algumas hipóteses para descobrir a causa da febre

após o parto, o Dr. Semmelweis observou que os médicos que faziam

os partos também realizavam autópsias no mesmo hospital.

Ele estudou o comportamento dos médicos e descobriu que, após examinar

cadáveres, os médicos lavavam apressadamente as mãos, enxugavam em toalhas já

contaminadas e seguiam para realizar os partos.

Nessa mesma época, um médico do hospital ficou doente ao se ferir durante uma

autópsia. Ele desenvolveu diversos sintomas, semelhantes aos que afetavam as mulheres

que tinham filhos no hospital.

A observação desses fatos fez com que o Dr. Semmelweis concluísse que a doença

que matava as mulheres era causada por “partículas cadavéricas introduzidas no sistema

vascular”.

A recomendação para

combater o mal foi lavar as mãos

com água clorada.

O médico sofreu dura

resistência de seus colegas, que

não acreditavam em sua hipótese.

Foi somente com os trabalhos

do químico francês Louis Pasteur

(1822-1895) que ficou comprovado

que existiam microrganismos, que

eles eram os agentes causadores de

diversas doenças e a importância

da higiene no combate

O cirurgião deve lavar as mãos antes de operar o paciente.

às infecções.

Respostas na Resolução comentada.

1. Segundo o texto, quais fatos fizeram o Dr. Semmelweis desconfiar que havia

algum problema nos partos realizados no hospital em que ele trabalhava?

2. Qual procedimento ele adotou para descobrir a causa das mortes das mulheres no

hospital?

Não escreva no livro

61

SANTYPAN/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

– Um pouco de

história

O texto escolhido conta

um fato da história da

Ciência que permite perceber,

entre outros aspectos,

como são difíceis as mudanças

de hábitos. Os médicos

limpavam rapidamente as

mãos entre uma autópsia e

um parto e achavam que o

Dr. Semmelweis estava errado

ao dizer que, de alguma

forma, eles estavam provocando

a morte das mulheres

que examinavam e das quais

faziam os partos.

Em suas observações o Dr.

Semmelweis verificava que

os médicos que seguiam as

suas orientações – lavavam

bem as mãos e secavam

com toalhas limpas – não

causavam infecção e morte

das mulheres. Somente anos

depois, com os trabalhos de

Louis Pasteur e outros cientistas,

foi possível mostrar

que muitas doenças eram

causadas por microrganismos.

Assim, as observações

do Dr. Semmelweis puderam

ser completamente

explicadas.

As questões propostas

nesta seção avaliam a capacidade

de leitura e compreensão

de texto.

Resolução comentada

1. O fato de que as mulheres que tinham seus filhos no hospital

morriam em maior quantidade de febre pós-parto

do que as mulheres que tinham seus filhos em casa.

2. Ele elaborou e testou diversas hipóteses e observou que

os médicos que faziam os partos também realizavam

autópsias. Entre um procedimento e outro, eles não lavavam

bem as mãos, contaminando, assim, as mulheres

na hora do parto, que ficavam doentes logo depois.

Avaliação formativa

Proponha um trabalho a ser realizado em duplas (ou trios, se

necessário). As duplas poderão fazer um relato curto sobre o que

aprenderam com 3 dos temas estudados nas páginas 50 a 61:

produção de urina, puberdade masculina ou feminina, gravidez,

parto, aleitamento materno e a história do Dr. Semmelweis.

As duplas poderão ser divididas de acordo com os critérios que

melhor atendam à turma: gênero, idade, interesses comuns etc.

Avalie principalmente a objetividade dos textos produzidos, a

pertinência ao tema escolhido e a clareza de ideias apresentadas.

61


MÃOS À OBRA

Habilidade

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

Atividade

preparatória

Ajude os alunos a formar

os grupos para o trabalho.

Procure na biblioteca da

escola livros (adequados à

faixa etária dos alunos) que

tratam do tema da pesquisa.

Além de revistas, que poderão

ser recortadas, procure

levar livros que sejam suporte

para a pesquisa, como:

De onde vêm os bebês, de

Andrew C. Andry e Steven

Schepp; O corpo da garota,

de Jairo Bouer; O livro

do corpo, de Nancy Rue; O

que está acontecendo comigo,

de Peter Mayle e Arthur

Robins; Manual de sobrevivência

da garota descolada,

de Nancy Rue.

Outras publicações podem

ser incluídas nessa lista. A

leitura sugerida servirá de

preparação para a pesquisa

sobre gravidez.

62

A gravidez e o parto

Você sabe como uma pessoa é gerada?

Com o auxílio do professor, organizem-se em grupos para fazer uma pesquisa sobre a

gravidez e o parto.

Materiais

• livros e outros

materiais de

consulta, como

revistas

trazidas de casa,

que possam

ser recortados;

• folhas de papel

pautado para

escrever o texto

final da pesquisa;

• papel pardo para

fazer um cartaz;

• tesouras de pontas

arredondadas.

Como fazer

A. Procurem informações que respondam às seguintes perguntas:

• Como a gravidez começa?

• Quanto tempo dura a gravidez humana?

• Quanto pesa e mede um bebê ao nascer?

• Qual é o tamanho de um útero antes da gravidez e qual é

o tamanho desse órgão no último mês de gravidez?

• Quais são os riscos de uma gravidez na adolescência?

• Que cuidados a mulher grávida precisa ter para não

prejudicar a sua saúde e a do bebê?

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

Sugestão de encaminhamento

O objetivo da atividade é permitir o aprofundamento de informações

sobre a gravidez e o parto, enfatizando os perigos da

gravidez precoce. O maior ou menor grau de aprofundamento

nesse aspecto pode variar em função da incidência do problema

na comunidade escolar em que você atua. Verifique a possibilidade

de contar com um agente de saúde para uma palestra. Há

alguns programas governamentais em postos de saúde nos quais

as palestras são complementadas com materiais e jogos que enriquecem

as informações e esclarecem as dúvidas dos alunos.

Você poderá incluir outras questões na pesquisa. Fique atento

àquelas que os alunos podem levantar durante o trabalho em

grupo e as esclareça na medida do possível em cada situação.

62


B. Além das informações obtidas no material de pesquisa, vocês podem conversar

com seus familiares ou, se preferir, conversar com um médico, uma enfermeira

ou outro profissional da área da saúde para obter mais informações para o seu

trabalho.

C. Organizem as informações obtidas e escrevam as respostas encontradas.

D. Façam também um cartaz com as informações importantes obtidas na pesquisa;

utilizem imagens para ilustrar o trabalho de vocês.

E. O trabalho deve ser entregue ao professor. Não se esqueçam de colocar o nome

de todos os alunos do grupo. O cartaz deverá ser exposto na escola para que todos

possam receber as informações pesquisadas.

GRAVIDEZ

A. CARLÍN/ M10

Sugestão de

encaminhamento

Explique aos alunos como

deverá ser feita a pesquisa.

Diga que o trabalho será em

grupo e explique como quer

que a parte escrita seja entregue,

como devem ser os

cartazes e onde serão expostos.

Sugira uma preparação

para cada parte da pesquisa,

pois assim poderão expor

aos colegas. Essa prática

exercita a oralidade, a desinibição

e a organização.

Aproveite essa atividade

para avaliar o processo de

coleta de informações, a

organização dos grupos e o

resultado final da pesquisa

(cartazes e textos).

Não escreva no livro

63

63


CURIOSIDADE

Habilidade

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

Apoio pedagógico

A Neurociência é uma área

de estudo e pesquisa do sistema

nervoso e que muito

tem ajudado a compreender

situações bastante comuns

na escola. Muito do que já

foi objeto de estudo da psicologia

cognitiva agora pode

ser explicado com base no

funcionamento do cérebro.

Resolução

comentada

– Curiosidade

a) O objetivo da pesquisa é

estudar a capacidade de

aprendizado dos bebês.

b A conclusão foi de que

os bebês são capazes

de aprender os sons que

ouvem enquanto estão

dentro do útero da mãe.

Bê a bá na barriga

Em geral, as crianças começam a dizer suas primeiras palavras por volta de um ano

de idade. Mas o aprendizado para isso começa muito antes, ainda dentro da barriga de

suas mães – é o que indica uma pesquisa realizada na Universidade de Helsinque, na

Finlândia.

[...]

Para investigar se os sons eram mesmo percebidos e

aprendidos pelos fetos, os pesquisadores acompanharam

grávidas a partir da 29 a semana de gestação. Elas foram

divididas em dois grupos, e as que ficaram no primeiro

tiveram que ouvir, todos os dias, uma gravação de oito

minutos que repetia constantemente a palavra “tatata”

pronunciada em diferentes tons e intensidades.

A ideia era verificar se, depois do nascimento, os bebês

se lembrariam do som ouvido tantas vezes dentro do útero.

Então, logo depois do parto, os pesquisadores submeteram

os recém -nascidos novamente à gravação, mas, dessa vez,

alteraram algumas das palavras de “tatata” para “tatota”. [...]

Os bebês que não ouviram a gravação durante a

gravidez não mostraram nenhuma atividade diferente no

cérebro ao escutar as palavras. Já os bebês que ouviram

a gravação ainda no útero mostraram elevada atividade

cerebral ao escutar a gravação. O exame mostrou, também,

que esses bebês identificaram a mudança nas palavras.

“Nossos resultados sugerem que o cérebro do feto é

capaz de aprender sons antes de nascer e que mantém a

memória desses sons depois do parto”, diz o neurocientista

Eino Partanen, que liderou a pesquisa.

[...]

Sofia Moutinho. Bê a bá na barriga. Ciência Hoje das Crianças, 2 set. 2013.

Disponível em: http://chc.org.br/be-a-ba-na-barriga/. Acesso em: 1 jul. 2021.

Segundo os pesquisadores, os

bebês são capazes de escutar sons

quando ainda estão dentro do

útero da mãe.

• Com base no texto que você leu, responda às perguntas a seguir.

a) Qual é o objetivo da pesquisa realizada? Respostas na Resolução comentada.

b) A que conclusão chegou a pesquisa?

A. CARLÍN/ M10

64 Não escreva no livro

64


ATIVIDADES

1. Observe as imagens e escreva a que fases da vida elas correspondem.

A

D

Adolescência

Fase adulta

2. Em que fase do desenvolvimento humano ocorre o amadurecimento dos órgãos sexuais?

O amadurecimento sexual ocorre na adolescência.

3. Cite duas alterações físicas que acontecem com os

meninos e duas que acontecem com as meninas

1

durante a adolescência.

Resposta na Resolução comentada.

4. Analisando o esquema do sistema urinário, responda:

a) Em que órgão a urina se forma? Nos rins (1).

b) Em que órgão a urina é armazenada? Na bexiga (4).

5. Escreva um pequeno texto citando os órgãos

envolvidos desde a formação da urina até a sua

eliminação do corpo. Resposta pessoal.

WHITETHEROCK PHOTO/SHUTTERSTOCK

B

Gestação Idoso Infância

MONKEY BUSINESS IMAGES/SHUTTERSTOCK

E

KARELNOPPE/SHUTTERSTOCK

3

4

C

2

VICTOR B./ M10

Não escreva no livro

G-STOCK STUDIO/SHUTTERSTOCK

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Elaborado com base em:

M. Downland. Biology.

Londres: Thomas Nelson & Sons Ltd,

1992. p. 247.

65

HARM KRUYSHAAR/SHUTTERSTOCK

Resolução

comentada

3 – Durante a adolescência,

algumas alterações comuns

a meninos e meninas

são: o crescimento

de pelos nas axilas e no

púbis, o aumento da

oleosidade da pele e o

desenvolvimento dos órgãos

sexuais.

Nos meninos, o pênis

cresce, a voz fica mais

grave e os pelos dos braços

e das pernas ficam

mais escuros e grossos.

Nas meninas, há o crescimento

das mamas,

ocorre a primeira menstruação

e o corpo fica

com as formas mais

arredondadas.

Atividade

complementar

Para saber mais sobre

a Neurociência, acesse o

link: https://novaescola.

org.br/conteudo/217/

neurociencia-aprendizagem.

Acesso em: 14 jul.

2021.

Nesse link, você

encontrará o texto

“Neurociência: como ela

ajuda a entender a aprendizagem”,

de Fernanda

Salla, publicado na revista

Nova Escola.

65


JORNADA DO SABER

Habilidade

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

Apoio pedagógico

O objetivo desta seção é

abordar as diferentes composições

de família. É possível

que, entre os alunos, existam

aqueles que pertencem

a formatos de família não

tradicionais. É importante

não os expor, mas criar espaço

para que eles compartilhem

suas histórias caso se

sintam confortáveis.

Famílias

VIDA FAMILIAR

E SOCIAL

Podemos definir família como um grupo de pessoas ligadas por afeto e afinidade, e

que por conta desse sentimento criam vínculos que garantem a convivência.

Você reparou que a definição acima não fala em estrutura familiar, ou seja, sobre que

pessoas compõem uma família?

Muitas pessoas acreditam que famílias devem ser sempre formadas por pai, mãe e

filhos, mas a realidade é que existem diversos tipos de famílias com estruturas diferentes

dessa tradicional.

Há famílias formadas por casais sem filhos, mães sozinhas com filhos, pais sozinhos com

filhos, crianças que são cuidadas por padrinhos, tios ou avós. Desde que exista afeto, todos

os tipos de famílias são possíveis.

VICTOR B./ M10

Não existe um modelo único de família. O que existem são diversas constituições de famílias.

E para você o que é família? Você concorda com a afirmação de que o principal é o

afeto?

• Converse com os colegas e descubra se eles dariam a mesma resposta para essas

perguntas. Resposta pessoal.

66

Não escreva no livro

66


Direitos e deveres

Com base no afeto, alguns casais optam pela adoção de crianças. Tempos atrás, era

comum apenas casais que não podiam ter filhos biológicos adotarem. Atualmente, há casais

que têm filhos biológicos e também filhos adotivos e alguns casais que optaram em ter

somente filhos adotivos mesmo podendo ter filhos biológicos.

Até a Constituição Federal de 1988, as regras para a adoção e os direitos das crianças

adotadas não estavam bem definidos.

O que será que mudou?

A adoção somente se tornou um processo mais amplo e justo com a promulgação

da Constituição Federal de 1988, pois esse documento garante aos filhos adotados os

mesmos direitos de filhos legítimos. Com a promulgação do Estatuto da Criança e do

Adolescente (ECA) em 1990 (documento estabelecido para garantir o que estava descrito

na Constituição), as regras de adoção tornaram-se melhores para adotantes e adotados.

Além do reconhecimento de igualdade entre os filhos adotados e biológicos, a idade

mínima para alguém adotar abaixou de 30 para 21 anos de idade, e a idade máxima do

adotado com plenos direitos subiu de 7 para 18 anos.

Francisco Porfírio. Adoção no Brasil. Mundo Educação. Disponível em: https://mundoeducacao.uol.com.br/sociologia/adocao-no-brasil.htm.

Acesso em: 1 jul. 2021.

A adoção no Brasil

No Brasil, existe um Cadastro Nacional de Adoção e o número de pessoas interessadas

em adotar é muito maior que o total de crianças e adolescentes que podem ser adotados. O

que acontece, então? Por que será que há tantas crianças em abrigos esperando para serem

acolhidas por uma família?

A maioria das pessoas procura por recém-nascidos ou crianças até 4 anos de idade para

adotar. Isso significa que crianças mais velhas têm menos chances de encontrar uma família.

Outra dificuldade é a adoção de irmãos. É raro que pessoas estejam dispostas a adotar

duas ou três crianças ao mesmo tempo. Além de todos esses fatores, ainda há a preferência por

crianças brancas e saudáveis.

Falar abertamente sobre adoção,

ouvir alguns depoimentos de crianças

adotadas e de pessoas que adotaram são

ações que podem melhorar bastante a

compreensão do assunto.

Pouco a pouco os adotantes podem

rever suas exigências, e mais crianças

e adolescentes que estão em abrigos

poderão ser acolhidos e ter uma família.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

Sugestão de

encaminhamento

Pode-se iniciar o assunto

perguntando à turma o que

eles entendem por família.

As respostas poderão variar

e refletir a realidade familiar

de cada um.

Ressalte que famílias são

formadas por laços afetivos

e que estes podem ser criados

independentemente dos

laços consanguíneos.

Ressalte também a importância

do respeito aos outros

e às escolhas individuais.

Use exemplos simples para

trabalhar a importância do

respeito às escolhas pessoais

– por exemplo, a escolha de

uma cor favorita: imagine se

todos que gostassem da cor

azul fossem discriminados?

Explique que isso seria o

mesmo que discriminar alguém

por suas escolhas em

relação à família.

Após a leitura do texto,

realize a atividade sugerida

nesta seção.

Não escreva no livro

67

67


BRINCANDO EU APRENDO

ARTE

Habilidade

• (EF05E07) Justificar a relação

entre o funcionamento

do sistema circulatório,

a distribuição dos nutrientes

pelo organismo e a

eliminação dos resíduos

produzidos.

Caminhos do interior do corpo

Neste jogo, você acompanhará o movimento do alimento, do ar e da urina.

Objetivo do jogo

Formar, no mínimo, uma trinca, isto é, uma sequência de três órgãos de um mesmo sistema.

Por exemplo, estômago, intestino delgado e intestino grosso; ou cavidade nasal, faringe e traqueia.

Apoio pedagógico

O jogo poderá ser usado

como momento de revisão

ou mesmo na avaliação dos

alunos. Enquanto jogam

(completam e observam o

caminho do alimento, do ar

e da urina), os alunos reconhecem

os principais órgãos

dos sistemas estudados.

Após o jogo, você poderá

realizar uma gincana em

que os alunos poderão responder

a perguntas sobre o

funcionamento dos sistemas

do corpo humano que foram

apresentados neste capítulo.

Montando o jogo

• Vocês precisarão de folhas de cartolina, lápis de cor e

tesouras de pontas arredondadas.

• Organizem-se em grupos. Cada grupo confeccionará as

cartas de um sistema.

• Recortem a cartolina com o tamanho de cartas de baralho.

Todas devem ter o mesmo tamanho.

• Desenhem, em cada carta, um órgão de cada sistema e

escrevam o nome desse órgão, conforme o exemplo.

• Quando tiverem todas as cartas prontas, embaralhem-nas e

dividam entre a turma para começarem a jogar.

• Cada aluno deverá receber três cartas.

A. CARLÍN/ M10

pulmões

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

A. CARLÍN/ M10

Carta representando os pulmões.

68

Não escreva no livro

68


Como jogar

• Somente sequências corretas de cartas formam uma trinca, e o participante poderá colocar

a sequência na mesa na sua vez de jogar.

A. CARLÍN/ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Sugestão de

encaminhamento

Prepare uma série de

questões e divida a sala em

grupos para que os alunos

as respondam coletivamente.

Assim, temas que

não foram tratados no jogo

poderão complementar o

estudo dos alunos e prepará-los

para uma avaliação de

aprendizagem.

• Uma vez decidido quem será o primeiro participante a jogar, ele deverá colocar na mesa

uma sequência (trinca), caso ele a tenha para jogar. Se não tiver, passa a vez para o próximo

participante.

• Se nenhum jogador apresentar uma trinca na primeira rodada, o primeiro participante

deverá deixar o segundo escolher uma de suas cartas e tentar formar uma trinca com ela. Caso

isso não ocorra, o segundo participante deverá deixar o terceiro participante escolher uma de

suas cartas, e assim por diante.

• Suponha que na mesa já estejam as cartas: estômago, intestino delgado e intestino

grosso. O próximo a jogar poderá apresentar uma nova trinca ou incluir, no jogo já

existente na mesa, as cartas boca ou esôfago para completar o sistema.

• O primeiro participante que terminar suas cartas ganha o jogo, e os demais continuam

jogando até que todas as cartas estejam na mesa e todos os sistemas estejam completos.

Não escreva no livro

69

69


CIÊNCIAS EM AÇÃO

As páginas 70 e 71 abordarão

o tema da última unidade

didática: a obesidade em

números no Brasil.

Atividade

preparatória

Você encontrará diversas

informações sobre obesidade

no material produzido pelo

Ministério da Saúde, disponível

em: http:// bvsms.saude.gov.br/

bvs/publicacoes/

obesidade_desnutricao.pdf

(acesso em: 14 jul. 2021).

Selecione previamente

sites com informações

confiáveis sobre a obesidade.

Em geral, sites da OMS

(Organização Mundial da

Saúde), do Ministério da

Saúde e das Secretarias de

Saúde trazem uma série de

informações sobre a obesidade.

Jornais e revistas de

grande circulação também

podem ser fontes confiáveis.

Se houver possibilidade,

convide um profissional de

saúde da sua comunidade

para realizar uma palestra

sobre obesidade infantil.

Apoio pedagógico

Esta atividade visa conscientizar

os alunos sobre

os índices de obesidade no

Brasil. Algumas habilidades

trabalhadas nessa atividade

são: desenvolver e utilizar

ferramentas para análise e

representação de dados (no

caso, a porcentagem); avaliar

informações e dados fornecidos

no texto ou obtidos em

fontes escritas ou digitais;

comunicar e apresentar informações

de forma oral, escrita

ou multimodal, buscando

apresentar os dados e resultados

obtidos ao responder

às questões de investigação;

participar de discussões de

caráter científico com colegas,

professores, familiares e

a comunidade em geral.

Obesidade no Brasil

A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo excesso de gordura corporal, que

pode causar prejuízos à saúde.

70 70

A Organização Mundial de Saúde afirma: a obesidade é um dos mais graves

problemas de saúde que temos para enfrentar. Em 2025, a estimativa é de que 2,3

bilhões de adultos ao redor do mundo estejam acima do peso, sendo 700 milhões de

indivíduos com obesidade [...].

No Brasil, essa doença crônica aumentou 67,8% nos últimos treze anos, saindo de

11,8% em 2006 para 19,8% em 2018. [...]

A maior taxa de crescimento foi entre adultos de 25 a 34 anos (84,2%) e de 35 a 44

anos (81,1%). Hoje, no país, 20,7% das mulheres têm obesidade e 18,7% dos homens.

Já em relação à obesidade infantil, o Ministério da Saúde e a Organização

Panamericana da Saúde apontam que 12,9% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos de

idade têm obesidade, assim como 7% dos adolescentes na faixa etária de 12 a 17 anos.

Mapa da Obesidade. ABESO – Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Disponível em: https://abeso.org.br/

obesidade-e-sindrome-metabolica/mapa-da-obesidade/. Acesso em: 8 jul. 2021.

Não escreva no livro

Mapa da obesidade no Brasil

Região

Excesso de

peso infantil

(5 a 9 anos)

em

porcentagem

*

Sugestão de encaminhamento

Excesso de

peso em

adolescentes

(10 a 19 anos)

em

porcentagem

*

Excesso de

peso em

adultos em

porcentagem

*

Norte 26% 17% 47%

Nordeste 28% 16% 44%

Sudeste 38% 22% 50%

Sul 35% 24% 56%

Centro-Oeste 35% 22% 48%

*As porcentagens foram aproximadas para fins didáticos.

Fonte: Atlas geográfico escolar. 7. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

Oriente os alunos sobre as recomendações de mudanças comportamentais que podem

reduzir o número de crianças obesas. Explique que a dieta sem uma reeducação alimentar

não significa melhora de saúde, mesmo que haja perda de peso.

BRUNO S. / M10

70


Organização

SERGIY BYKHUNENKO/SHUTTERSTOCK

• Com o auxílio do professor, organizem-se em

grupos de três alunos.

• Nesta atividade, vocês irão desenvolver uma

campanha de combate à obesidade infantil na

comunidade escolar.

Desenvolvimento

• Faça a leitura do texto que abre esta atividade.

Caso encontre alguma palavra que não conheça,

utilize o dicionário para compreender seu significado.

• Com a orientação do professor, faça a leitura do mapa.

As informações do mapa estão em porcentagem.

A porcentagem é uma forma de representar a relação entre dois números. Por exemplo,

quando lemos que na região Sudeste o excesso de peso infantil entre crianças de 5 a 9 anos

é de 38%, estamos dizendo que, a cada 100 crianças, 38 estão com excesso de peso, que é o

mesmo que escrever

38

100

.

Então, responda:

1. Qual é a região que apresenta a maior porcentagem de crianças entre 5 e 9 anos com

excesso de peso? A região Sudeste, com 38% ou 38

100 .

2. Qual é a região que apresenta a menor porcentagem de crianças entre 5 e 9 anos com

excesso de peso? A região Norte, com 26% ou 26

100 .

• Pesquise, na internet e em livros que estejam disponíveis na biblioteca da sua escola,

as principais formas de combater a obesidade em crianças e adolescentes.

• Organize as informações encontradas, pois elas serão utilizadas na elaboração da

campanha.

Comunicação

• Elabore com os colegas uma campanha de combate à obesidade infantil.

• Os grupos poderão produzir cartazes, peças teatrais, vídeos e músicas. Usem a criatividade!

• Todo o material produzido deverá ser exposto para a comunidade escolar.

Não escreva no livro

Sugestão de

encaminhamento

Ressalte a importância

das brincadeiras ao ar livre

e da prática regular de

atividades físicas para o

controle do peso. Oriente

os alunos a pesquisar, em

sites confiáveis, as recomendações

para combater

a obesidade infantil.

Auxilie-os na confecção

dos trabalhos. Incentive-

-os a usar a criatividade

e ir além dos cartazes. Se

optarem por cartazes, incentive-os

a misturar desenhos

com colagens e texto.

Fique atento para evitar a

propagação de estereótipos

sobre pessoas obesas,

pois a campanha deve ter o

objetivo de informar, e não

expor ou humilhar alguém.

Para a gravação de vídeos

e músicas, podem ser utilizados

aparelhos celulares.

Avaliação formativa

Utilize a campanha produzida

na seção Ciências em

ação para avaliar a organização,

a participação e a criatividade

dos grupos.

7171

71


CONCLUSÃO DA UNIDADE 1

FICHA DE MONITORAMENTO DA APRENDIZAGEM

Objetivos da Unidade 1 Aluno 1 Aluno 2 Aluno 3 Aluno 4...

Capítulo 1 – Do que é feito o alimento? P S I P S I P S I P S I

1. Conhece os nutrientes de alguns alimentos que consumimos.

2. Reconhece que a alimentação do brasileiro varia entre as regiões do país.

3. Sabe identificar uma alimentação equilibrada.

4. Reconhece os benefícios de uma alimentação equilibrada e os malefícios de

uma alimentação desequilibrada

Capítulo 2 – Corpo humano I

5. Compreende o funcionamento do sistema digestório.

6. Compreende o funcionamento do sistema respiratório.

7. Reconhece a importância dos pulmões nas trocas gasosas e na manutenção

do organismo.

8. Compreende a relação entre os sistemas respiratório, digestório e

cardiovascular.

Capítulo 3 – Corpo humano II

9. Compreende o funcionamento do sistema excretor e a filtração do sangue.

10. Reconhece a importância da reprodução para a manutenção das espécies.

11. Conhece os principais órgãos do sistema genital masculino e feminino.

12. Compreende os processos de menstruação, fecundação, gravidez e parto.

13. Identifica a obesidade como uma doença crônica e participa da campanha

de combate à obesidade entre crianças e jovens.

P = Objetivo atingido plenamente S = Objetivo atingido satisfatoriamente I = Aproveitamento insatisfatório

A 71


INTRODUÇÃO DA UNIDADE 2

PROPRIEDADES E USOS DOS MATERIAIS:

O AR E A ÁGUA

QUADRO DE OBJETIVOS PEDAGÓGICOS

Conteúdos e habilidades da BNCC associadas Objetivos Atividade (número

da página)

Capítulo 4 – O ar e a atmosfera

(EF05CI01) Explorar fenômenos da vida cotidiana

que evidenciem propriedades físicas dos materiais – como

densidade, condutibilidade térmica e elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade, respostas a forças mecânicas (dureza,

elasticidade etc.), entre outras.

(EF05CI03) Selecionar argumentos que justifiquem a

importância da cobertura vegetal para a manutenção do ciclo

da água, a conservação dos solos, dos cursos de água e da

qualidade do ar atmosférico.

(EF05CI05) Construir propostas coletivas para um

consumo mais consciente e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado e a reutilização ou reciclagem de

materiais consumidos na escola e/ou na vida cotidiana.

Capítulo 5 – A água e a natureza

(EF05CI02) Aplicar os conhecimentos sobre as mudanças de

estado físico da água para explicar o ciclo hidrológico e analisar

suas implicações na agricultura, no clima, na geração de energia

elétrica, no provimento de água potável e no equilíbrio dos

ecossistemas regionais (ou locais).

(EF02CI04) Identificar os principais usos da água e de

outros materiais nas atividades cotidianas para discutir e propor

formas sustentáveis de utilização desses recursos.

(EF02CI05) Construir propostas coletivas para um consumo

mais consciente e criar soluções tecnológicas para o descarte

adequado e a reutilização ou reciclagem de materiais consumidos

na escola e/ou na vida cotidiana.

Capítulo 6 – Água e saúde

(EF05CI02) Aplicar os conhecimentos sobre as mudanças de

estado físico da água para explicar o ciclo hidrológico e analisar

suas implicações na agricultura, no clima, na geração de energia

elétrica, no provimento de água potável e no equilíbrio dos

ecossistemas regionais (ou locais).

(EF05CI03) Selecionar argumentos que justifiquem a

importância da cobertura vegetal para a manutenção do ciclo

da água, a conservação dos solos, dos cursos de água e da

qualidade do ar atmosférico.

(EF05CI05) Construir propostas coletivas para um consumo

mais consciente e criar soluções tecnológicas para o descarte

adequado e a reutilização ou reciclagem de materiais consumidos

na escola e/ou na vida cotidiana.

Pré-requisitos

1. Compreender que o ar atmosférico é formado por uma mistura de gases. 74 e 75 Leitura de imagens

2. Conhecer algumas propriedades físicas dos gases (compressibilidade, 76 e 77

e textos científicos.

elasticidade e resistência).

3. Discutir a importância da fotossíntese para a manutenção do oxigênio 78 e79

Compreensão de

atmosférico.

textos de diversas

4. Compreender que a atmosfera pode ser dividida em camadas e que os 80 a 82

fontes.

fenômenos meteorológicos acontecem na troposfera.

5. Conceituar o que são recursos naturais renováveis e não renováveis. 83 e 84

6. Identificar situações e processos gerados pelo ser humano que

84 a 87

contribuem para a poluição do ar.

7. Compreender que o consumo de combustíveis fósseis, queimadas e 87 e 88

outras ações humanas aumentam o risco do aquecimento global.

8. Avaliar a importância da vacinação no controle de doenças viróticas

89 a 91

contagiosas (gripe, sarampo, covid e varicela).

9. Conscientizar-se dos impactos das queimadas florestais para o ambiente 93 e 94

natural e para o ser humano.

10. Discutir que atitudes, tomadas individualmente, reduzem o consumo de 83-84 e 92

bens e o volume de resíduos descartados.

11. Explicar o ciclo hidrológico na natureza a partir das mudanças de 95 a 104 Leitura e

estado físico da água.

compreensão de

12. Concluir que existe água no estado gasoso na atmosfera. 97 e 98

infográficos.

13. Compreender a importância do ciclo hidrológico para a manutenção do 99 a 106

clima, do equilíbrio dos ecossistemas e da água utilizável no planeta.

14. Compreender o processo de geração de eletricidade nas hidrelétricas. 107 a 110

Identificar fontes

15. Discutir a importância do consumo consciente da água potável para a 111 e 113

de poluição

evitar o desperdício desse recurso natural.

ambiental.

16. Conhecer os processos envolvidos no tratamento da água e do esgoto.

17. Reconhecer que a água exerce pressão.

18. Identificar os principais usos da água.

19. Identificar fontes de poluição das águas dos rios e dos mares.

20. Relacionar o saneamento básico com o controle de doenças

114 e 115 – 120 a 123

117 a 119

114 e 121

125 e 126 – 131 a 133

124 – 126 a 130

Estar consciente de

que o ser humano

utiliza os recursos

disponíveis na

natureza.

transmitidas pela água.

21. Entender que insumos usados na agricultura podem poluir as águas de 125 e 126

rios, de lagos e do solo.

22. Conscientizar-se de que o consumo consciente e a reciclagem são 121 e 122 – 134 e 135

formas de reduzir o impacto ambiental da produção de bens.

Agir de modo

a promover a

economia de

recursos naturais.

71 B


Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a

conservação dos solos, dos

cursos de água e da qualidade

do ar atmosférico.

2

PROPRIEDADES

E USOS DOS

MATERIAIS: O AR

E A ÁGUA

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

Pinguins-gentoo na Ilha Greenwich,

localizada na região da Antártica.

75 a 90 cm

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de encaminhamento

Analise a imagem com os alunos. Nesta conversa inicial sobre os estados físicos da

água na natureza, é possível que os alunos reconheçam a água sólida, a água líquida

e que falem sobre a água da atmosfera (vapor). Aproveite esse momento para ouvir o

que os alunos já sabem sobre alguns temas: poluição da água, estados físicos da água,

propriedades da água, consumo e economia de água potável. Apesar de não ser visível,

o ar faz parte dessa paisagem.

As dúvidas e questões que surgirem poderão ser esclarecidas nesta conversa inicial

ou nas aulas seguintes.

72


ANDRE DIB/SHUTTERSTOCK

PARA EXPLORAR

Respostas na Resolução comentada.

1. Que elementos estão presentes na imagem?

2. Podemos dizer que existe relação entre os

elementos da imagem?

3. Na sua opinião, a poluição pode afetar a relação

entre os seres vivos e o meio ambiente?

Resolução comentada

O ar e a água, essenciais à vida, devem estar livres de produtos tóxicos para satisfazer a necessidade

dos seres vivos. A poluição e a contaminação da água e do ar são objetos de estudo da Ciência e uma

preocupação da sociedade.

1. Espera-se que os alunos reconheçam que estão presentes na imagem: água, gelo, animais e ar.

2. Espera-se que os alunos reconheçam que os animais precisam de água e ar para viver.

3. Espera-se que os alunos reconheçam que sim, a poluição pode contaminar mares, rios, ar e solo

e causar a morte de muitos seres vivos.

73


Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana que

evidenciem propriedades

físicas dos materiais – como

densidade, condutibilidade

térmica e elétrica, respostas a

forças magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade etc.),

entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem a importância

da cobertura vegetal

para a manutenção do ciclo

da água, a conservação dos

solos, dos cursos da água e da

qualidade do ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente e

criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado e

a reutilização ou reciclagem

de materiais consumidos na

escola e/ou na vida cotidiana.

Objetivos

• Compreender que o ar atmosférico

é formado por

uma mistura de gases.

• Conhecer algumas propriedades

físicas dos gases

(compressibilidade, elasticidade

e resistência).

• Discutir a importância da fotossíntese

para a manutenção

do oxigênio atmosférico.

• Compreender que a atmosfera

pode ser dividida

em camadas e que os fenômenos

meteorológicos

acontecem na troposfera.

• Conceituar o que são recursos

naturais renováveis

e não renováveis.

• Identificar situações e processos

gerados pelo ser

humano que contribuem

para a poluição do ar.

• Compreender que o consumo

de combustíveis fósseis,

queimadas e outras ações

humanas aumentam o risco

do aquecimento global.

• Avaliar a importância da

vacinação no controle de

doenças viróticas contagiosas

(gripe, sarampo,

74

74

4

Você já reparou que existe ar

em todos os lugares?

Até na água existe ar, bem

menos do que na superfície

terrestre, mas o ar está lá.

O ar é importante para a vida

dos seres vivos.

Sem ar morreríamos em

poucos minutos. O cérebro

humano é o primeiro órgão

a sentir os efeitos da falta de

oxigênio no sangue.

A qualidade do ar também

afeta nossa saúde, um ar poluído

pode causar diversas doenças

respiratórias.

TROCANDO IDEIAS

A composição da atmosfera

A atmosfera é formada por uma mistura de gases que envolve a Terra, como o gás nitrogênio,

o gás oxigênio e o gás carbônico.

A composição exata dos gases da atmosfera só pôde ser identificada quando os cientistas

conseguiram analisar uma porção de ar seco (sem vapor d’água) e limpo (sem poeira). Depois de

muitas pesquisas, a quantidade de cada um dos gases na camada que forma a atmosfera foi

identificada.

covid-19 e varicela).

• Conscientizar-se dos impactos das queimadas florestais para o ambiente natural e para

o ser humano.

• Discutir que atitudes, tomadas individualmente, reduzem o consumo de bens e o volume

de resíduos descartados.

Resolução comentada

O ar e a atmosfera

Veículos trafegando na Avenida Paulista, região central da cidade de São Paulo (SP).

da concentração de veículos, da época do ano (em regiões agrícolas), entre outras. As

Reúna -se com os colegas e discutam a questão a seguir.

• O ar da região em que você mora está livre de poluentes?

Não escreva no livro

Resposta pessoal. A condição do ar de uma região

depende da presença de indústrias nela instaladas,

Apoio pedagógico

queimadas que ocorrem no

período seco do ano em várias

regiões do Brasil, por exemplo,

poluem o ar e causam

problemas respiratórios em

muitas pessoas.

As páginas 74 a 82 formam uma unidade didática e abordam a composição e as camadas da

atmosfera e as propriedades do ar.

A qualidade da massa de ar que envolve uma cidade ou região pode ser diferente de outras e

depende de situações particulares, como o tipo de atividade econômica predominante, as condições

de vento e o relevo, entre outros fatores.

ALF RIBEIRO/SHUTTERSTOCK


MÃOS À OBRA

Materiais

Porcentagem dos gases da

atmosfera terrestre (ar seco)

Gases da atmosfera

Quais são os gases mais abundantes na atmosfera terrestre?

Você vai descobrir quais são e qual é a proporção de gases na

atmosfera realizando a atividade a seguir.

• régua;

• lápis preto;

• lápis de cor verde e vermelho;

• malha quadriculada.

Gás Nitrogênio Oxigênio Argônio Gás carbônico

Porcentagem

(%)

MATEMÁTICA

Como fazer

1. Segundo o texto, temos um total de 100

caixas, 21 caixas ocupadas pelo gás oxigênio e

A. Leia o texto a seguir e interprete os dados. 1 caixa ocupada pelos outros gases. Portanto,

o restante das caixas seria ocupado pelo gás

nitrogênio (100 – 21 – 1 = 78), assim seriam

Componentes do ar

necessárias 78 caixas para o nitrogênio.

O ar que envolve a Terra, a atmosfera, é uma mistura gasosa formada pelos gases nitrogênio,

oxigênio, gás carbônico, argônio, neônio, ozônio, metano, entre outros. Os gases que existem

em maior quantidade são o nitrogênio e o oxigênio.

Para você ter uma ideia da quantidade de cada um dos componentes que existem em uma

porção de ar seco (sem vapor d’água), vamos fazer a seguinte comparação: pense em uma porção

de ar que caiba dentro de 100 caixas iguais. Se separássemos os componentes dessa porção de

ar e colocássemos cada um dentro de uma caixa, teríamos aproximadamente 21 caixas de gás

oxigênio. O gás nitrogênio ocuparia uma quantidade de caixas aproximadamente quatro vezes

maior do que o gás oxigênio. Todos os demais gases juntos só ocupariam o espaço de uma caixa.

1. Analisando os dados apresentados no texto, responda no caderno: quantas caixas

seriam necessárias para colocar a porção de gás nitrogênio na atmosfera?

B. Com o lápis de cor verde, pinte na malha quadriculada os quadradinhos que

representam a quantidade de gás nitrogênio na atmosfera.

C. Com o lápis de cor vermelha, pinte os quadradinhos que representam a quantidade de

gás oxigênio na atmosfera.

D. Deixe o último quadradinho sem pintar.

2. Que gases representaria esse quadradinho sem pintar?

Representaria os gases carbônico, argônio, neônio, ozônio, metano, entre outros.

Não escreva no livro

78,08 20,94 0,93 0,033

Outros gases aparecem em quantidades reduzidas, como ozônio, hélio, hidrogênio,

metano, óxido de nitrogênio, dióxido de enxofre, neônio, entre outros.

Fonte: Composição química da atmosfera. Instituto de Astronomia, Geofísica, e Ciências Atmosféricas

(USP). 2019. p. 7. Disponível em: http://www.dca.iag.usp.br/material/fornaro/

AGM5823/AGM5823_primeira_ago2019.pdf. Acesso em: 17 jul. 2021.

75

Sugestão de

encaminhamento

Durante as aulas, os alunos

poderão ser estimulados a

pensar em atitudes simples

que podem ser tomadas

em benefício do ambiente,

por exemplo: usar menos o

automóvel; reduzir o uso de

produtos como detergentes,

sabões e outros materiais

que são levados pelo esgoto;

diminuir o consumo de

produtos; reduzir a produção

de resíduos sólidos; enviar

materiais que possam ser

reciclados para cooperativas

ou centros de reciclagem;

não descartar pilhas e baterias

no cesto de lixo comum;

entre outras. Em todas as atitudes

descritas (ou em alguma

fase delas), componentes

gasosos são eliminados para

o ambiente.

Apoio pedagógico

A atividade proposta na

seção Mãos à obra favorece

a tomada de consciência

dos alunos quanto à quantidade

proporcional dos

componentes gasosos da

atmosfera de modo ilustrativo.

Assim, os alunos poderão

trabalhar com a ideia de

proporção e fração, representada

em um desenho

produzido por eles.

Além disso, o aluno entrará

em contato com um

texto informativo que deve

ser interpretado e utilizado

para responder à questão

proposta na atividade.

A atmosfera terrestre é

formada por muitos gases.

Os principais estão representados

na tabela ao lado.

75


Características do ar

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a

conservação dos solos, dos

cursos da água e da qualidade

do ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de

encaminhamento

As propriedades dos gases

(ar) devem ser exploradas

em sala de aula. Descreva

aos alunos alguns eventos

cotidianos que envolvem

determinadas propriedades

do ar.

O ar ocupa espaço. Percebemos

isso ao encher um balão de borracha.

Ao enchermos o pneu do carro ou uma

bola de futebol, as paredes do pneu

e da bola limitam o espaço que o ar

pode ocupar. Falamos, então, que o ar

está comprimido.

Você já notou que, quanto mais

ar é injetado em um pneu ou em uma

bola de futebol, mais duros eles vão

ficando? Isso acontece porque o ar

exerce uma força contra a parede da

bola e do pneu; quando isso acontece,

falamos que a pressão dentro da

bola aumentou.

Se a bola de futebol ou o pneu

furarem, o ar escapará e voltará a

ocupar o espaço que ocupava antes.

Vimos, então, duas características

do ar: a compressibilidade e a

elasticidade.

A compressibilidade está

relacionada à capacidade do ar

diminuir seu volume quando é

comprimido, como quando enchemos

uma bola de futebol.

A capacidade de o ar mudar de

volume dentro de um recipiente deve-

-se à sua elasticidade.

Quando o ar escapa da bola

ou do pneu furado, ele pode se

espalhar e ocupar todo o espaço de

uma sala fechada, por exemplo. Essa

característica é a expansibilidade. E é

por isso que o ar está em toda parte.

Ar comprimido: ar cujo volume foi

reduzido por compressão.

76 Não escreva no livro

Quanto mais ar expirarmos dentro do balão de borracha,

maior será o espaço ocupado por ele.

O ar está

comprimido

dentro da bola

cheia.

A. CARLÍN / M10

A. CARLÍN / M10

Atividade complementar

Para que a leitura do texto se realize de forma contextualizada, explique – e, se possível,

demonstre – aos alunos que, ao enchermos um balão de borracha de festas (bexiga),

podemos vivenciar duas propriedades do ar. A primeira é a compressibilidade: a parede

da bexiga vai ficando cada vez mais firme à medida que assopramos dentro dela.

Ao apertarmos a bexiga, o espaço ocupado pelo ar é reduzido. Ao soltarmos a bexiga,

o ar volta para o estado anterior, ocupando o espaço inicial (antes de apertarmos o

balão) – isso se deve à elasticidade do ar (e dos gases em geral).

Depois, pergunte à turma: O que acontece quando espalhamos um pouco de perfume

em um tecido, por exemplo? Explique para eles que o pano seca rapidamente e o

perfume (aroma) se espalha no ambiente, chegando até as narinas das pessoas. Graças

à expansibilidade, os gases se espalham pelo ambiente e sentimos o aroma do perfume.

76


A resistência do ar

Você já sentiu o quanto o ar pode dificultar sua locomoção em um dia de vento forte?

O ar é formado por matéria e oferece resistência ao movimento das coisas que estão imersas

nele. Essa característica do ar permite que a asa -delta e o avião voem, que o paraquedista chegue ao

chão com segurança e que uma criança possa manter uma pipa de papel

suspensa no ar.

Imerso: mergulhado.

ALEXANDRA LANDE/SHUTTERSTOCK

ZURIJETA/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

Quando um objeto se movimenta

em um meio gasoso

(ar) ou em um líquido (água),

surge uma força que se opõe

a esse movimento. Em se

tratando do ar, essa força é

chamada de resistência do

ar. Graças a essa resistência é

que o avião voa e o paraquedas

e a asa-delta funcionam.

Sem o ar, não é possível voar de asa -delta nem colocar uma pipa no ar.

Quando o ar se desloca, ele provoca um movimento na atmosfera chamado de vento. Ventos

fortes podem arrastar objetos soltos, derrubar árvores, destruir plantações e arrancar telhados de

prédios. Esse efeito se deve à força exercida pelo ar em movimento.

BEHINDLENS/SHUTTERSTOCK

Os galhos das árvores envergam com o efeito do vento.

Não escreva no livro

77

77


A respiração e a fotossíntese

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana que

evidenciem propriedades físicas

dos materiais – como

densidade, condutibilidade

térmica e elétrica, respostas

a forças magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Todos os animais e plantas que vivem no ambiente terrestre absorvem e liberam gases para a

atmosfera. Você sabia que os gases são trocados entre os animais e as plantas com a atmosfera?

Os animais e as plantas absorvem o gás oxigênio da atmosfera e devolvem gás carbônico. Esse

processo, que garante a sobrevivência dos seres vivos, é chamado de respiração.

Gás oxigênio

Além da respiração, há outro processo importante acontecendo: a fotossíntese. Nesse

processo, realizado por alguns seres vivos, ocorre a absorção de gás carbônico da atmosfera e a

liberação de gás oxigênio.

A fotossíntese, realizada pelas algas, plantas terrestres e plantas aquáticas, equilibra a proporção

entre gás carbônico e gás oxigênio na atmosfera.

Gás oxigênio

Gás oxigênio

Gás carbônico

Gás carbônico

Gás carbônico

A. CARLÍN/ M10

A. CARLÍN/ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Na imagem, as setas em

vermelho indicam a absorção

de gás oxigênio e as setas em

azul indicam a liberação de gás

carbônico.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Apoio pedagógico

Tema: Sustentabilidade

A fotossíntese é um dos processos

biológicos mais estudados

na escola. Isto significa

que seus alunos vão se aprofundar

no assunto à medida

que avançam nas próximas

etapas da educação. Neste

momento, é importante que

fique claro o papel dos seres

fotossintetizantes (plantas e

algas, principalmente) na manutenção

da concentração de

gás oxigênio e de gás carbônico

na atmosfera. A análise das

imagens mostra que o gás

carbônico e o gás oxigênio

participam de ciclos naturais.

A sustentabilidade do nosso

planeta está diretamente

relacionada ao equilíbrio

entre a absorção de gás carbônico

e a liberação de gás

oxigênio durante a fotossíntese.

O desequilíbrio por um

tempo prolongado coloca

em risco a vida na Terra.

78 Não escreva no livro

Atividade complementar

Na fotossíntese, as plantas

retiram da atmosfera o gás

carbônico e devolvem o gás

oxigênio. Na imagem, as

setas em vermelho indicam

a liberação de gás oxigênio

e setas em azul indicam a

absorção de gás carbônico.

A atmosfera mudou desde a formação do planeta Terra?

Estudos mostram que a composição da atmosfera da Terra sofreu alterações desde

o seu surgimento. Acredita-se que a Terra primitiva era muito quente e foi se esfriando

lentamente por centenas de milhões de anos até formar uma crosta superficial sólida.

Aos poucos, os gases que emergiam do interior do planeta formaram a atmosfera primitiva,

na qual existia vapor d’água, gás hidrogênio, gás metano, amônia, monóxido de

carbono, nitrogênio e gás carbônico. A concentração de oxigênio na atmosfera primitiva

era desprezível. Há cerca de 2 bilhões de anos, porém, o oxigênio passou a compor a

atmosfera nas concentrações atuais, ou seja, de aproximadamente 21%. A produção do

gás oxigênio começou graças à ação dos primeiros seres vivos fotossintetizantes.

78


A fotossíntese só ocorre na presença da luz. O Sol fornece a energia luminosa para o nosso

planeta.

Algumas atividades humanas também contribuem com a produção de gás carbônico e a

absorção de gás oxigênio. A queima de materiais, por exemplo, absorve gás oxigênio e libera gás

carbônico, do mesmo modo que a respiração.

Analise o esquema a seguir.

Gás carbônico

Fotossíntese

Respiração

As plantas realizam os dois processos: a fotossíntese e a respiração.

Gás oxigênio

1. O esquema a seguir representa as trocas gasosas entre os seres vivos e a atmosfera.

• Em duplas, analisem o esquema e discutam: quais são as palavras que estão sendo

representadas pelas letras A, B e C? A – Fotossíntese B – Gás carbônico C – Respiração

A

B

Gás oxigênio

C

A. CARLÍN/ M10

Apoio pedagógico

A interpretação de esquemas

e imagens é uma habilidade

que deve receber uma

atenção especial nas aulas

de Ciências, pois ela é fundamental

para a linguagem

científica. Essa habilidade se

desenvolve durante toda a

Educação Básica e é uma das

competências exigidas na alfabetização

científica.

Sugestão de

encaminhamento

Oriente os alunos a interpretar

cada uma das setas,

explicando que elas representam

processos em que

gases atmosféricos estão

envolvidos (fotossíntese,

respiração e combustão).

A tarefa deve ser realizada

inicialmente em duplas. Deste

modo, os alunos terão oportunidade

de trocar conhecimentos

e, de forma colaborativa,

um colega poderá ajudar o

outro a interpretar o esquema.

Combustão

Não escreva no livro

79

A composição da atmosfera não é estática, podendo mudar no decorrer da evolução

geológica e biológica do planeta. Os processos geológicos acontecem em escalas de

tempo que variam de dezenas de milhares a bilhões de anos.

O ser humano tem contribuído de modo decisivo para o aumento da concentração

de alguns gases na atmosfera.

Para saber mais sobre esse assunto, leia o artigo a seguir:

Eduardo Galembeck; Caetano Costa. A evolução da atmosfera terrestre e das formas de vida que habitam

a Terra. Química Nova na escola. São Paulo: SBQ, v. 38, n. 4, nov. 2016, p. 318-323.

Disponível em: qnesc.sbq.org.br/online/qnesc38_4/06-EA-57-15.pdf. Acesso em: 17 jul. 2021.

79


Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

As camadas da atmosfera

A atmosfera é uma porção de gases de, aproximadamente, 500 km de espessura e não é

uniforme. Ela pode ser dividida em camadas de acordo com alguns critérios determinados pelos

cientistas.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Termosfera: entre 90 km e 500 km do solo está a termosfera.

Sua temperatura varia de 90 ºC negativos até 2 000 ºC positivos.

Pouquíssimo gás é encontrado nessa camada. É nela que se

encontram os satélites artificiais.

Mesosfera: essa camada se encontra entre 50 km e 90 km de

distância do solo. A quantidade de gases é muito pequena, e a

temperatura chega a 90 ºC negativos. É na mesosfera que ocorre

o efeito luminoso causado pela entrada de fragmentos de corpos

celestes na atmosfera, os meteoros, também conhecidos como

estrelas cadentes.

Estratosfera: essa camada pode chegar a 50 km do solo. Sua

temperatura pode chegar a 80 ºC negativos. É nessa região que

se encontra a camada de ozônio.

VICTOR B./ M10

Apoio pedagógico

Além das camadas da atmosfera

citadas no texto,

também são identificadas

outras duas: a ionosfera e a

exosfera. A quinta camada é

formada por uma área com

íons, por isso recebe esse

nome: ionosfera. A sexta

camada limita a atmosfera

terrestre do espaço sideral;

ela chega a 10 mil quilômetros

do solo e, por ser a mais

afastada do planeta, é chamada

de exosfera. Nesta fase

de apreensão do conhecimento,

quisemos priorizar as

duas primeiras camadas (troposfera

e estratosfera) devido

aos importantes fenômenos

que nelas acontecem.

80 Não escreva no livro

Atividade complementar

Troposfera: camada mais próxima do solo, onde ocorre a

formação de nuvens, chuva, neve, ventos e outros fenômenos

meteorológicos. É nessa camada que vivemos e os aviões

comerciais e os balões meteorológicos voam. A espessura média

dessa camada é de 12 km. A maior parte dos gases que formam

a atmosfera está na troposfera.

O que está fazendo o ozônio desaparecer?

Os CFCs são substâncias produzidas em laboratório (não existem na natureza) formadas por

três elementos químicos: cloro, flúor e carbono. Os CFCs são liberados na atmosfera durante

a fabricação de certos tipos de plásticos e foram muito usados em geladeiras, congeladores

e aparelhos de ar-condicionado como gás para refrigeração, servindo também para impulsionar

os aerossóis (sprays), como os de alguns desodorantes e inseticidas.

Quando liberados na atmosfera, os CFCs são levados pelos ventos até as camadas mais

altas e, ao encontrarem com o ozônio, provocam a sua destruição. Desse modo, a camada de

ozônio fica mais fina. A solução para conservar a camada de ozônio é impedir a produção e

liberação de CFCs, substituindo‐os por outro gás. Muitos países, entre os quais o Brasil, não

os utilizam mais.

80


Fenômenos na troposfera

É na troposfera que

acontecem os fenômenos

meteorológicos: a formação de

nuvens, a chuva, o granizo, os

relâmpagos, os ventos etc. Já

vimos que os ventos são o ar em

movimento. Agora vamos ver

como se formam os raios e os

trovões.

Durante as tempestades,

podemos ver e ouvir a

formação de raios e trovões.

Muitas vezes, a chuva assusta as pessoas. Quem não treme quando ouve uma trovoada em dia

de nuvens negras e ventania? Só de pensar no estalo e no barulhão do trovão, ficamos arrepiados.

O raio aquece rapidamente o ar que está em volta dele, produzindo um som: o trovão. O som do

trovão pode assustar, mas somente o raio é perigoso, porque, se ele atingir um prédio ou uma árvore,

poderá causar incêndio e destruição.

Uma pessoa atingida por um raio pode se machucar gravemente ou mesmo morrer.

O Brasil é campeão mundial de raios. Cerca de 77 milhões de raios por ano atingem o solo brasileiro,

principalmente nas regiões Centro -Oeste, Sudeste e Sul. Os raios causam prejuízo de milhões de reais

e cerca de 100 mortes por ano. O Brasil é um país muito grande, e as altas temperaturas favorecem a

formação de raios.

CIÊNCIAS

TROCANDO IDEIAS

1. Para vocês, o que é trovão?

2. E o que são relâmpagos?

SITE

• Você sabia que existem super -raios?

Este artigo explica o que são super -raios.

Sugestão de resposta: estrondo, barulho, ruído causado

por um raio.

Sugestão de resposta: luz resultante de descargas elétricas

na atmosfera, clarões formados em dias de chuva.

Disponível em: http://chc.org.br/acervo/voce -sabia -que -existem -super -raios/. Acesso

em: 1 jul. 2021.

Não escreva no livro

81

VASIN LEE/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

A camada de ozônio

O ozônio é um gás que

existe em toda a atmosfera,

mas ele está mais concentrado

em uma região a

aproximadamente 30 km de

altitude. Essa região é chamada

de camada de ozônio.

Ela formou-se há milhões de

anos e funciona como um

filtro que protege os seres

vivos dos raios nocivos do

Sol – a radiação ultravioleta

(raios UV). Uma parte desses

raios, que fazem mal

a nossa pele, é retida pela

camada de ozônio e, assim,

não atinge a superfície da

Terra. A vida não seria possível

sem a camada de ozônio

para proteger os seres vivos

terrestres.

Apoio pedagógico

A curiosidade dos alunos é

grande em relação ao tema

tratado na seção Trocando

ideias. Entre os fenômenos

elétricos na troposfera está

o raio, que observamos em

dias chuvosos, por exemplo.

As descargas elétricas

podem ocorrer entre uma

nuvem e o solo, entre duas

nuvens ou no interior de

uma mesma nuvem. O trovão

é o som produzido devido

ao rápido aquecimento

e à expansão do ar em volta

da corrente elétrica do raio.

Atividade complementar

O interesse dos alunos pelo tema “raios e trovões” costuma ser muito grande, principalmente

porque esse fenômeno é muito comum no Brasil. O nosso país é o campeão mundial

de ocorrência de raios.

Leia para os alunos o artigo disponível no link da seção Ciências + e discuta com eles por

que os super-raios são perigosos e qual é o lado bom deles.

81


Agora, veja o que um raio pode causar.

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

Quando nuvens de tempestade

se formam, descargas

elétricas partem delas e

chegam ao solo. Essas descargas

elétricas são chamadas

de raios. A formação de um

raio em meio a uma tempestade

costuma ser acompanhada

de um clarão chamado

de relâmpago.

Homem morre após ser atingido por raio enquanto corria

na praia em Itapema

[...] Segundo os bombeiros, o acidente

Em seguida, o homem foi levado ao

ocorreu por volta das 19h no bairro Meia Hospital Municipal Santo Antônio, em

Praia, próximo à Rua 231. Os socorristas foram Itapema. No local, os procedimentos de

até o local com ambulância e caminhão. Ao ressuscitação continuaram, mas a vítima

encontrarem a vítima grave, viram que o não resistiu.

homem estava em parada cardiorrespiratória

e iniciaram os procedimentos de ressuscitação

cardiopulmonar.

O outro homem estava desorientado e

foi atendido inicialmente pelos bombeiros

do caminhão. [...]

Joana Caldas. Homem morre após ser atingido por raio enquanto corria na praia em Itapema. Portal G1, Santa Catarina,

2 out. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sc/santa -catarina/noticia/2020/10/02/homem -morre -apos -ser -atingido -por -raio -enquanto -corria -na-

-praia -em -itapema.ghtml. Acesso em: 1 jul. 2021.

Dicas para se proteger de raios

Ações e cuidados simples podem protegê -lo de raios durante uma tempestade.

Veja algumas dicas.

Evite falar ao telefone,

principalmente os fixos com

fios, pois o fio transporta a

corrente elétrica de um raio.

Fique longe de campos de

futebol, pastagens, estradas,

montanhas e à beira de lagos.

A água do mar favorece a

passagem de eletricidade, e

raios que ocorrem no oceano

podem provocar choques.

Procurar abrigo debaixo de

árvores é um erro muito

comum e pode ser fatal.

Em dias de temporal, fique

longe de postes de iluminação,

árvores e cercas de arame

farpado.

82 Não escreva no livro

Evite locais onde você seja

o objeto mais alto em relação

ao chão.

Nunca fique próximo a

automóveis. Ficar do lado de fora

é perigoso, pois deles podem

partir descargas elétricas.

Se possível, entre em um

automóvel, ônibus ou van

mantendo as janelas fechadas

ou parcialmente abertas.

Os aparelhos telefônicos devem

ser desligados da tomada. Com

isso, evita -se que eles queimem

ou provoquem incêndio.

Se não for possível entrar em

uma residência, é melhor ficar

agachado no chão, com as

mãos na nuca e os pés juntos.

Fonte: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

VICTOR B./ M10

Atividade complementar

Para saber como agir em dias de tempestade com raios, consulte a cartilha

do Inpe: Proteção contra raios. Disponível em: http://www.inpe.br/webelat/

docs/Cartilha_Raios_Alta.pdf. Acesso em: 4 ago. 2021.

O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) monitora as condições

meteorológicas em nosso país, alertando a população e os órgãos públicos

quando estão previstas tempestades violentas, grande intensidade de raios

e outros fenômenos que ocorrem na troposfera.

Avaliação formativa

Proponha aos alunos a produção conjunta,

em pequenos grupos, de um texto que responda

às seguintes questões: Por que uma

bola de futebol se deforma quando é chutada?

Por que a quantidade de gás oxigênio

não muda na atmosfera? Qual é a importância

da camada de ozônio para os seres vivos?

Quais são os fenômenos atmosféricos mais

importantes que ocorrem na troposfera?

Depois, deixe que socializem as respostas

em sala de aula. Dê atenção para a qualidade

dos textos escritos e a participação dos grupos

durante a apresentação coletiva dos relatos.

82


Os recursos da Terra

Atualmente, somos mais de 7,7 bilhões

de habitantes vivendo na Terra. Grande parte

dessa população mora em cidades.

O desenvolvimento da tecnologia e da

ciência favoreceu o crescimento das indústrias,

o aumento do comércio, a modernização dos

meios de transporte e a inovação nos meios de

comunicação.

Com tantos aparelhos que usamos

no dia a dia, o consumo de energia elétrica

e da energia proveniente da queima de

combustíveis é enorme.

O óleo diesel, a gasolina, o etanol e o gás

natural são os combustíveis mais utilizados

para fazer funcionar muitos tipos de máquinas

e de veículos.

A queima desses combustíveis lança

diversos resíduos no ar. Um deles é o gás

carbônico.

A cidade de Tóquio, no Japão, é uma das mais populosas do

mundo.

YEVGEN BELICH/SHUTTERSTOCK

NELSON ANTOINE/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

A segunda unidade didática

do capítulo se refere às

páginas 83 a 88 e 93 e 94.

São abordados os temas: recursos

naturais renováveis

e não renováveis; poluição

atmosférica; efeito estufa e

aquecimento global.

Resíduo: sobra, resto.

A cidade de São Paulo é a mais populosa da América Latina,

com mais de 12 milhões de habitantes.

FOTOKOSTIC/SHUTTERSTOCK

VANDERWOLF IMAGES/SHUTTERSTOCK

A máquina agrícola (à esquerda) e as indústrias (à direita) produzem grande quantidade de gás carbônico.

Não escreva no livro

83

Atividade complementar

Para saber mais sobre os tipos de poluentes e a qualidade do ar, você pode fazer uma

pesquisa na internet e encontrar muitos textos que tratam desses assuntos. Um deles é o

da CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Disponível em: cetesb.sp.gov.

br/ar/poluentes/. Acesso em: 15 jul. 2021.

83


Biocombustíveis e atmosfera

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

Tema: Sustentabilidade

A má qualidade do ar devido

à poluição pode causar

danos aos seres vivos e à

população humana. A discussão

sobre como reduzir

e controlar a emissão de poluentes

no ambiente pode

levar a uma mudança de

atitude individual ou mesmo

promover a formação de

grupos que proponham possíveis

alternativas para o uso

sustentável do ar, da água e

do solo.

O dióxido de enxofre é um

dos gases poluentes que

resulta principalmente da

queima de combustíveis que

contêm enxofre, como óleo

diesel, óleo combustível industrial

e gasolina.

A queima de combustíveis fósseis (gasolina, óleo diesel, carvão mineral e gás

natural) em atividades humanas é responsável por grande parte do gás carbônico lançado na

atmosfera.

Procurando alternativas para a redução do consumo de

combustíveis fósseis e a diminuição de problemas ambientais

causados pela queima desses combustíveis, pesquisadores

desenvolveram os biocombustíveis. São exemplos o etanol e o

óleo combustível de origem vegetal. No Brasil, o etanol é obtido

principalmente da cana-de-açúcar.

O que são recursos naturais?

O dióxido de enxofre (SO 2 ) se transforma

em um aerossol de ácido sulfúrico assim

que atinge a estratosfera e pode permanecer

lá por até sete anos. O ácido sulfúrico

produzido é um dos gases que contribuem

para a produção da chuva ácida.

Sugestão de encaminhamento

Os conceitos tratados no item sobre os

recursos naturais podem trazer dificuldades

para os alunos. Explique que os recursos

naturais renováveis são aqueles que,

depois de utilizados, ficam novamente

disponíveis graças aos ciclos naturais.

Usina de álcool e açúcar em

Campo Florido, no estado de

Minas Gerais.

Muitos materiais que utilizamos vêm da natureza: o alumínio, o barro, os alimentos de

origem vegetal e animal, a água que consumimos, a madeira, a gasolina (obtida de petróleo), os

biocombustíveis (álcool) e o ferro, entre outros. Todos são recursos naturais.

Os biocombustíveis, a água, a luz solar, os vegetais e os animais são recursos naturais

renováveis, pois têm capacidade de renovação, seja pela natureza (a água ou os ventos, por

exemplo), seja pela ação do ser humano (o replantio de vegetais colhidos, por exemplo).

O petróleo, os minérios de ferro e de outros metais, por exemplo, são chamados de recursos

naturais não renováveis, pois não têm capacidade de renovação em pouco tempo, podendo se

esgotar na natureza.

84 Não escreva no livro

Combustível fóssil: é um

material formado pelo

processo de decomposição

dos seres vivos.

A água, as plantas (biomassa) e os animais

são exemplos de recursos renováveis.

Aborde também o significado de recursos

não renováveis. Explique que esses

recursos são aqueles que, uma vez utilizados,

não se renovam naturalmente – pelo

menos não em um período de tempo relevante

para o ser humano. O petróleo, os

minérios de ferro e outros metais, os minerais

de fósforo e potássio são exemplos de

recursos naturais não renováveis.

T PHOTOGRAPHY/SHUTTERSTOCK

84


Poluição atmosférica

Nas grandes cidades, um dos principais

responsáveis pela poluição do ar são os gases

eliminados pelo escapamento de veículos.

Gases poluentes liberados por veículos,

principalmente os que usam gasolina ou

óleo diesel como combustível, podem causar

tontura, irritação nos olhos e na garganta,

agravar doenças respiratórias, entre outros

problemas de saúde.

Não são apenas as cidades que sofrem

os efeitos da poluição atmosférica. O vento

carrega poeira e gases que não fazem parte

da composição normal do ar, podendo

atingir também áreas distantes da região em

que os poluentes foram emitidos.

As queimadas e a saúde

Escapamento de veículo soltando gases poluentes na atmosfera.

TOA55/SHUTTERSTOCK

As pessoas que vivem no campo não estão livres da poluição do ar. Muitas regiões de plantação

sofrem com as queimadas feitas praticamente o ano todo. Esse método antigo é realizado antes do

plantio para a limpeza do terreno e prejudica não só o solo a ser cultivado, mas também o ar, que

recebe grande quantidade de fumaça e gases poluentes.

As partículas que formam a fumaça entram nos pulmões e podem causar doenças respiratórias

ao ser humano.

No Brasil, ocorrem mais de 200 mil focos de incêndio por ano. As regiões que apresentam maior

número de ocorrências são a Centro -Oeste e a Norte.

SAMUEL CHAHOUD DE ALMEIDA/SHUTTERSTOCK

Queimada em área de Mata Atlântica, em São Mateus, no Espírito Santo, em 24 de junho de 2020.

Não escreva no livro

85

Atividade complementar

É importante que os alunos reflitam a respeito do tema desta página. Você pode propor

um debate na sala de aula com a seguinte pergunta:

• Como será o futuro da humanidade se o consumo de recursos naturais se mantiver

no ritmo atual?

Ouça as opiniões dos alunos e estimule-os a refletir como será sustentar uma população

de mais de 7 bilhões de pessoas que consome uma grande quantidade de bens

materiais.

Os recursos do planeta são limitados; por isso, devemos consumir somente o necessário

para viver, evitando excessos. Praticando o consumo consciente, diminuímos o

desgaste dos recursos naturais.

85


Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

Conhecendo um pouco

sobre os recursos disponíveis

(renováveis ou não), os

alunos tomarão consciência

das atitudes que devemos

ter em relação ao ambiente

e aos recursos naturais

existentes. Afinal, a escassez

de alguns minérios, por

exemplo, preocupa toda a

sociedade. O desenvolvimento

científico procura

contribuir para a redução da

dependência da sociedade

em relação aos recursos não

renováveis – seja propondo

novos métodos de aproveitamento

ou a produção de

novos materiais a partir de

recursos renováveis.

Poluição natural do ar

Não é só a atividade humana que

polui o ar. Vulcões ativos, por exemplo,

liberam grande quantidade de partículas e

de gases na atmosfera, como o gás dióxido

de enxofre, prejudicando a vegetação e os

animais da região.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Primeiras leis contra a poluição do ar

Sugestão de encaminhamento

Erupção do vulcão Karimskiy, em Kamchatka, na Rússia.

As primeiras leis que tratam da qualidade do ar foram feitas na Inglaterra, em 1273.

Nesse ano, o rei Eduardo proibiu o uso de certo tipo de carvão, que produzia muita

fumaça e cheiro desagradável. Proibiu também a queima de carvão em Londres durante as

reuniões de governo.

No século XVII (de 1601 a 1700), aconteceram as primeiras tentativas de retirar as

indústrias da cidade de Londres. Nessa época, elas usavam muito carvão e lançavam

grande quantidade de fumaça tóxica na atmosfera.

O problema continuou e, em 1911, um grande desastre ocorreu na cidade de Londres:

cerca de 1 150 pessoas morreram por causa da fumaça produzida pela queima do carvão.

Principalmente

nas grandes cidades, a

poluição do ar ainda é

uma questão séria de

saúde pública.

Poluição do ar na cidade de

Widnes, Inglaterra, final do

século XIX.

86 Não escreva no livro

PRESERVAÇÃO

DO MEIO

AMBIENTE

O tema sobre recursos naturais renováveis e não renováveis pode ser debatido em grupos

ou com toda a turma, uma vez que ele é também objeto de estudo de outras áreas, como

a Geografia. Procure mostrar, a partir de exemplos, a relação entre a área de Ciências da

Natureza e a Geografia Humana, isto é, as ações humanas no meio ambiente.

BIBLIOTECA BRITÂNICA, LONDRES

LUKAKIKINA/SHUTTERSTOCK

86


Chuva ácida

VICTOR B./ M10

Além do gás carbônico, muitas indústrias lançam gases poluentes como dióxido de nitrogênio e o

dióxido de enxofre na atmosfera. O dióxido de enxofre também é liberado pelos vulcões ativos, sendo

uma fonte natural de poluição atmosférica.

Quando gases de dióxido de nitrogênio e dióxido de enxofre encontram o vapor d’água da

atmosfera, transformam -se em ácidos. A chuva formada nessas condições é chamada de chuva ácida.

As nuvens de chuva ácida podem ser levadas

pelo vento para lugares distantes de onde se

formaram. Assim, a poluição de uma região pode

chegar a outra na forma de chuva.

São várias as consequências da chuva ácida:

corrosão de equipamentos e estrutura de prédios;

poluição da água e do solo; além de afetar o

desenvolvimento das florestas.

CIÊNCIAS

1

SITE

• O que é chuva ácida?

2

Este artigo responde a esta pergunta.

Disponível em: http://chc.org.br/acervo/

o -que -e -chuva -acida/.

Acesso em: 1 jul. 2021.

4

3

5

1. As fábricas e muitos veículos liberam

gases poluentes.

2. Os gases poluentes na atmosfera

formam ácidos.

3. Os ácidos caem junto com a chuva,

formando a chuva ácida.

4. A chuva ácida pode afetar a

fertilidade do solo.

5. A chuva ácida pode causar a morte

das plantas.

Detalhe de escultura do profeta Jeremias danificada pela

chuva ácida. Congonhas do Campo (MG).

Não escreva no livro

87

RAFAELA ASPRINO/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

No texto sobre chuva ácida,

não discutimos as reações

químicas que provocam

o fenômeno. Os alunos escutam

notícias e veem algumas

imagens que dizem respeito

à poluição atmosférica e às

consequências da chuva ácida.

Os detalhes do processo

serão estudados no decorrer

da Educação Básica.

No processo de formação

da chuva ácida, o enxofre

– liberado durante a combustão

de gasolina ou óleo

diesel, por exemplo – e o

nitrogênio, ao entrarem em

contato com o gás oxigênio

do ar, formam respectivamente

o dióxido de enxofre

e o dióxido de nitrogênio.

Estes, em contato com a

água, formam o ácido sulfúrico

e o ácido nítrico, que são

carregados pelas gotas de

chuva, caracterizando o que

chamamos de chuva ácida.

A chuva ácida é prejudicial

aos seres vivos, às esculturas

e às construções.

Atividade complementar

O artigo sugerido na seção Ciências + traz elementos para a discussão sobre chuva

ácida. Acesse o link e faça uma leitura dialogada com a classe, chamando a atenção

para as ações humanas que aumentam a possibilidade da ocorrência desse fenômeno.

Peça aos alunos que reflitam sobre como as pessoas podem contribuir para a redução

do problema.

Para saber mais sobre os riscos da chuva ácida para a saúde, leia a notícia a seguir.

Disponível em: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2012/09/primeiras-chuvas-

-em-cuiaba-serao-acidas-afirmam-especialistas.html. Acesso em: 17 jul. 2021.

87


Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

A poluição do ar e a emissão

de gás carbônico na atmosfera

consistem em um

problema mundial que tem

despertado o interesse de

governantes e da sociedade

em geral. Em reuniões entre

os representantes da maioria

dos países, leis e regulamentações

são produzidas

com a intenção de reduzir

a produção de gases estufa.

A criação de legislação

para o controle da poluição

e para a fiscalização visam

ao desenvolvimento da uma

economia sustentável na medida

em que há o aumento

de proteção dos recursos

naturais. Os países mais

desenvolvidos industrialmente

são os maiores responsáveis

pela quantidade

de emissões de gás carbônico

para a atmosfera.

Efeito estufa e o aquecimento da Terra

Os raios solares que chegam ao

nosso planeta iluminam e aquecem

a superfície da Terra durante o dia.

Durante a noite, parte do calor é

perdida e outra parte é retida pela

atmosfera.

Planetas, como Mercúrio, que

têm uma atmosfera quase inexistente

absorvem e perdem rapidamente a

energia recebida pelo Sol. Assim, sua

temperatura é muito elevada durante o

dia e muito baixa durante a noite.

O gás carbônico, o gás metano e

outros gases presentes na atmosfera

terrestre garantem a lenta liberação do

calor, por isso são chamados de gases

do efeito estufa. Isso garante que a

temperatura média da Terra não varie

muito durante o dia e à noite.

A queima de combustíveis e as

queimadas contribuem para o aumento

do gás carbônico na atmosfera.

Algumas das principais fontes de gás

metano são: indústrias, criação de

gado e carneiros, aterros sanitários e

lixões, atividade de alguns tipos de

microrganismos, extração de petróleo,

entre outros.

O aumento da quantidade de

gases do efeito estufa na atmosfera

tem como consequência o aumento

da temperatura média do planeta.

Esse processo é conhecido como

aquecimento global.

Sem o gás carbônico atmosférico,

a temperatura média do planeta

seria 20 o C mais baixa do que é hoje.

Entretanto, com o dobro da quantidade

desse gás, a temperatura média da Terra

aumentaria cerca de 8 o C.

88 Não escreva no livro

Atividade complementar

A agenda de Desenvolvimento Sustentável Pós-2015 (agora chamada de Agenda 2030)

corresponde a um conjunto de programas, ações e diretrizes que orientarão os trabalhos

das Nações Unidas e de seus países‐membros rumo ao desenvolvimento sustentável.

Concluídas em agosto de 2015, as negociações da Agenda 2030 culminaram em um documento

ambicioso que propõe 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas

correspondentes, fruto do consenso obtido pelos delegados dos Estados‐membros da ONU.

Agenda 2030. Disponível em: www.agenda2030.com.br. Acesso em: 17 jul. 2021.

Avaliação formativa

Efeito estufa

1. O Sol emite luz e calor para a Terra.

2. Parte desse calor é perdida para o espaço.

3. O restante do calor é absorvido e aquece a superfície do planeta.

1. O calor emitido pelo Sol aquece a superfície da Terra.

2. O excesso de gases do efeito estufa impede que parte desse calor seja perdida.

3. O calor retido pela atmosfera aumenta a temperatura na superfície

terrestre, principalmente em áreas muito poluídas, como as grandes

cidades.

Essa avaliação formativa pode ser a realização de uma roda de conversa para debater quais atividades

humanas interferem na composição do ar, no equilíbrio e na sustentabilidade do ambiente.

Alguns tópicos a serem debatidos são: chuva ácida, efeito estufa e aquecimento global.

Após o debate, peça aos grupos que registrem as conclusões a que a turma chegou.

3

1

Aquecimento global

1

2

2

3

VICTOR B./ M10

VICTOR B./ M10

88


Doenças contagiosas

transmitidas pelo ar

O ar também transporta microrganismos,

como bactérias e vírus, alguns deles causadores de

doenças.

Várias doenças contagiosas são transmitidas

pelo ar. Pessoas com essas doenças liberam os

microrganismos patogênicos no ar quando tossem

ou espirram. Dessa forma, o ar contaminado pode

chegar até o nariz, a garganta ou os pulmões de

outra pessoa.

Veja algumas doenças transmitidas pelo ar.

Varicela

Também chamada de catapora, é uma

doença causada por um vírus. O doente fica

com a pele inflamada, formando pequenos

pontos vermelhos.

Depois de alguns dias, esses pontos ficam

maiores e cheios de líquido, e a pele coça.

Geralmente, a varicela não é grave; causa apenas

dor de cabeça, febre e coceira.

JOHN-KELLY/SHUTTERSTOCK

Ao espirrar, espalhamos vírus e microrganismos no ar.

Contagioso: que passa de uma pessoa para outra.

Patogênico: que é capaz de causar doenças.

Vacina: substância capaz de prevenir doenças

causadas por microrganismos.

SAÚDE

A. CARLÍN/ M10

TATIANA SHEPELEVA/SHUTTERSTOCK

Apoio pedagógico

A unidade didática que se

refere às páginas 89 a 91 trata

de algumas doenças transmitidas

pelo ar.

Os vírus são acelulares, isto

é, não possuem organização

celular típica. Por isso, nem

todos os cientistas os consideram

seres vivos. Os vírus

só se reproduzem dentro de

uma célula viva e, nesse processo

de reprodução, podem

causar muitos problemas

ao organismo hospedeiro.

Muitas doenças que atingem

os seres humanos são causadas

por contaminação viral –

por exemplo, meningite viral,

hepatite viral, poliomielite,

rubéola, varicela, gripe, resfriado,

sarampo, Covid-19,

Aids, entre outras.

Aspecto da pele de uma criança com varicela.

Representação do vírus causador da varicela.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

O doente de varicela não deve coçar a pele, para que as manchas não se tornem feridas.

A prevenção da varicela é feita por meio de vacina, recomendada para crianças com mais de 1 ano

de idade.

Não escreva no livro

89

Atividade complementar

Enriqueça a aula com uma conversa sobre o tema: pergunte aos alunos se eles tomaram

as vacinas previstas no calendário de vacinação.

Se possível, consiga uma carteira de vacinação – ou peça com antecedência que tragam

uma cópia da carteirinha deles – e comente como o calendário de vacinação está

organizado e quais são as épocas corretas para que as crianças tomem as vacinas previstas

desde o nascimento.

Ressalte a importância de uma pessoa estar com a carteira de vacinação em dia, pois

dessa maneira ela permanece protegida contra diversas doenças e não coloca em risco

a saúde das pessoas com as quais convive.

89


Sarampo

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

Sobre o vírus da gripe, é

importante saber que ele sofre

alterações genéticas com

muita frequência. Por isso,

todo ano temos cepas (linhagens

de vírus) diferentes do

vírus influenza em circulação

entre a população, justificando‐se,

assim, a necessidade

de produzir uma vacina diferente

da do ano anterior. O

inverno é o período em que

ocorrem os surtos de gripe.

O sarampo também é causado por um vírus. Entre os sintomas da doença estão: febre alta, mal-

-estar, manchas vermelhas na pele, tosse, entre outros.

Muitas mortes por sarampo ocorrem no mundo, principalmente entre crianças desnutridas de

regiões em que a população não é vacinada.

Aspecto da pele de criança com sarampo.

Gripe

Campanha de vacinação contra a gripe de 2021.

Representação do vírus do sarampo.

O vírus da gripe provoca febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, dor de garganta e tosse.

Quando a pessoa tosse, fala ou espirra, os vírus se espalham no ar e podem contaminar quem está

por perto.

Pessoas com o organismo enfraquecido apresentam os sintomas mais intensamente. Esses doentes

podem desenvolver também a pneumonia, uma grave infecção pulmonar. Geralmente, os idosos

são os mais sensíveis aos vírus da gripe.

Todo ano, o sistema de saúde brasileiro realiza a campanha de vacinação contra a gripe.

90 Não escreva no livro

FOTOHAY/SHUTTERSTOCK

DIVULGAÇÃO/MINISTÉRIO DA SAÚDE

Representação do vírus da gripe (H1N1).

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

MP ART/SHUTTERSTOCK KATERYNA KON/SHUTTERSTOCK

90


JORNADA DO SABER

A pandemia de Covid -19

[...] A COVID -19 (sigla em inglês para “Doença do Corona Vírus – 2019”) é

uma doença causada pelo coronavírus [...], que apresenta um espectro clínico

variando de infecções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a

Organização Mundial da Saúde, a maioria (cerca de 80%) dos pacientes com COVID -19

podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (poucos sintomas), e aproximadamente

20% dos casos detectados requerem atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade

respiratória, dos quais aproximadamente 5% podem necessitar de suporte ventilatório.

Algumas das recomendações de prevenção à Covid-19 são:

• Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então

higienize com álcool em gel 70%.

• Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com a parte interna do cotovelo. [...]

• Mantenha distância mínima de 1 (um) metro entre pessoas em lugares públicos e de

convívio social. Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento

amigável sem contato físico [...].

• Higienize com frequência o celular, brinquedos das crianças e outros objetos que são

utilizados com frequência. [...]

• Mantenha os ambientes limpos e bem ventilados.

• Se estiver doente, evite contato próximo com outras pessoas, principalmente idosos e

doentes crônicos, busque atendimento [...] nos serviços de saúde. [...]

• Recomenda -se a utilização de máscaras em todos os ambientes. [Elas] podem funcionar como

uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas.

Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Sobre a doença. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre -a -doenca#o -que -e -covid.

Acesso em: 1 mar. 2021.

A importância da vacinação

A vacinação é importante para a saúde pública, pois promove proteção contra muitas

doenças contagiosas, incluindo a Covid -19. A função de qualquer vacina é preparar o nosso sistema

imunológico contra os agentes infecciosos (vírus ou bactérias). Assim, diante de uma possível

contaminação, o organismo vacinado já tem os anticorpos para o combate da doença.

A primeira vantagem da vacinação é a proteção individual, comum a qualquer tipo de vacina.

Mas há também um nível coletivo de proteção, que torna a imunização ainda mais importante.

À medida que a população começa a ser vacinada, há menos infecções e menos pessoas

transmitindo vírus ou bactérias. Com isso, a circulação desses agentes infecciosos diminui e há

redução do número de doentes.

Sugestão de

encaminhamento

Você pode levar para a sala

de aula mais informações sobre

a pandemia do coronavírus

(Sars-CoV-2) no seu estado

ou cidade. Consulte sites

que tenham informações

relevantes, como gráfico de

contaminação e de casos de

internação/mortes no município

(estado), resultado da

campanha de vacinação no

município (estado), situação

do sistema de saúde do estado

durante o combate da

pandemia, entre outras.

As informações são relevantes

para estimular os alunos a

refletir sobre a importância

do conhecimento científico

no combate às doenças e na

melhoria da qualidade de

vida da população.

1. Você tomou a vacina contra a Covid -19? Resposta pessoal.

2. Escreva no caderno um argumento que você usaria para estimular uma pessoa a se vacinar.

Resposta na Resolução comentada.

Não escreva no livro

91

Resolução comentada

A transmissão de doenças contagiosas pode ser interrompida quando a população se vacina. Os alunos

devem refletir sobre essa premissa e escrever frases capazes de convencer as pessoas a se vacinar.

2. Entre os argumentos, os alunos podem citar: proteção individual contra a doença, proteção

coletiva e redução da possibilidade de propagação do vírus no ambiente.

Avaliação formativa

Muitas doenças transmitidas pelo ar são controladas com a vacinação da população. Você pode

aproveitar a seção Jornada do saber para fazer uma avaliação formativa e perguntar aos alunos que

outros argumentos eles usariam para estimular uma pessoa adulta a vacinar a si e a seus filhos.

É importante que os alunos se conscientizem de que a vacinação em massa protege toda a população,

pois evita a circulação dos agentes causadores de doenças.

91


Atividades

Tema: Sustentabilidade

Habilidades

• (EF05CI01) Explorar fenômenos

da vida cotidiana

que evidenciem propriedades

físicas dos materiais

– como densidade,

condutibilidade térmica e

elétrica, respostas a forças

magnéticas, solubilidade,

respostas a forças mecânicas

(dureza, elasticidade

etc.), entre outras.

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a conservação

dos solos, dos cursos

da água e da qualidade do

ar atmosférico.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de

encaminhamento

As atividades devem ser

realizadas com a consulta dos

capítulos anteriores. Solicite

aos alunos que realizem a tarefa

em casa e confira as respostas

na aula seguinte.

Cada uma das situações

pode ser discutida e ajustada

de acordo com o consumo

de bens e serviços da

comunidade escolar (alunos

e seus familiares). Estimule

os alunos a refletir sobre o

que é consumido de bens

duráveis e sobre a redução

de desperdício de alimentos.

Resolução comentada

3.

1. São recursos naturais renováveis: água (energia hídrica); plantas e

seus derivados (biocombustíveis, madeira e alimentos como arroz,

feijão, tomate, óleo etc.); vento (energia eólica).

ATIVIDADES Recursos naturais não renováveis: minérios de metais (ferro e alumínio,

por exemplo); derivados de petróleo (gasolina, óleo diesel).

1. Classifique os recursos naturais a seguir em renováveis e não renováveis.

• Água (energia hídrica)

• Minérios de metais (ferro e alumínio, por exemplo)

• Plantas e seus derivados (biocombustíveis, madeira e alimentos como arroz, feijão, tomate,

óleo etc.)

• Derivados de petróleo (gasolina, óleo diesel)

• Vento (energia eólica)

2. Espera -se que os alunos citem a redução do consumo, o reaproveitamento e a reciclagem

2. A população consome produtos, ferramentas e utensílios fabricados com diferentes tipos de

metais, como ferro, cobre e alumínio. Como devemos agir para diminuir a extração dos recursos

naturais usados na produção desses utensílios? dos materiais, além de realizar o conserto de

produtos metálicos, que diminui a extração de minérios metálicos da natureza.

3. Reflita sobre as situações descritas a seguir. Resposta na Resolução

comentada.

• Diariamente, cerca de 30% do alimento produzido em

casa é descartado, ou seja, acabam no lixo.

• Recebemos ou compramos frequentemente

produtos que estão protegidos ou

embalados em papelão,

vidro ou plástico e essas

embalagens são

descartadas.

• Móveis de madeira,

roupas de algodão,

objetos de couro,

entre outros, sofrem

desgastes e por vezes

são substituídos ou

descartados.

92

Que atitudes podemos tomar em cada uma das situações

visando à redução do volume de resíduos produzidos e de

objetos descartados em casa?

MOHAMED ABDULRAHEEM/SHUTTERSTOCK

Resposta pessoal. Sugestões: respiração dos seres vivos, queimadas, veículos movidos a combustíveis,

4. Quais são as fontes de produção de gás carbônico existentes na região em que você mora? indústrias

que consomem combustíveis, entre outras.

5. Qual das situações a seguir favorece a produção de gases do efeito estufa? Justifique a

sua escolha. Resposta na Resolução comentada.

• Transformar em parque público uma área de mata urbana de uma grande cidade.

• Construção de um empreendimento comercial na área de mata de uma grande cidade.

Não escreva no livro

• O preparo de alimentos de origem animal e vegetal exige gasto de energia e de recursos

naturais, por isso devemos evitar o desperdício de alimentos. O melhor aproveitamento

dos alimentos gera economia de dinheiro e reduz a produção de resíduos,

além da economia de recursos naturais como gás de cozinha, energia elétrica e água.

• Para reduzir o descarte de embalagens de vidro, papelão e plástico, devemos dar preferência

aos produtos que não necessitam de embalagens, produtos vendidos a granel

ou aqueles que têm embalagens feitas de materiais recicláveis. O uso de embalagens

e sacolas retornáveis em feiras e supermercados também é uma atitude desejável.

Dessa forma, reduzimos a produção de resíduos. Devemos separar para a reciclagem

ou reaproveitar as embalagens de papel, vidro, plástico ou metal.

JOSEP

CURTO/SHUTTERSTOCK

J.CHIZHE/SHUTTERSTOCK

92


CIÊNCIAS EM AÇÃO

Queimadas

Leia o texto a seguir.

Apoio pedagógico

Tema: Sustentabilidade

Brasil encerra 2020 com maior número de focos

de queimadas em uma década

O Brasil encerrou 2020 com o maior

número de focos de queimadas em

uma década, de acordo com dados do

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

(Inpe). No ano passado (2020), o país

registrou 222.798 focos, contra 197.632

em 2019. [...]

O destaque negativo do ano foi no

Pantanal, que registrou 22.119 focos de

queimadas, cerca de 120% a mais que

no ano anterior. Em 2019, foram 10.025

registros no Pantanal. Também foi o

maior número de queimadas observadas

no bioma desde o início da série histórica

do Inpe, em 1998. [...]

Ao longo de 2020, as queimadas

do Pantanal ganharam destaque

internacional, tal como havia ocorrido

com a Amazônia em 2019. Imagens de

animais carbonizados estamparam as

páginas de jornais pelo mundo. [...]

Os números do Inpe também

mostram que os incêndios persistiram na

Amazônia em 2020. A floresta registrou

103.161 focos de queimadas, antes 89.171

em 2019, um aumento de 15,7%, o maior

número contabilizado pelo Inpe desde

2017.

O bioma ainda sofreu com

desmatamento. A taxa oficial de

desmatamento da maior floresta tropical

do mundo em 2020, de 11.088 km²,

foi 70% maior que a média da década

anterior (6.500 km² por ano). Junto com

as queimadas, essa fonte foi responsável

por 72% das emissões [de gases do efeito

estufa] do Brasil em 2019, segundo dados

do Sistema de Estimativas de Emissões

e Remoções de Gases de Efeito Estufa

(SEEG).

Brasil encerra 2020 com maior número de focos de queimadas em uma década. DW Brasil. 3 jan. 2021.

Disponível em: https://p.dw.com/p/3nT9h. Acesso em: 1 jul. 2021.

A atividade da seção

Ciências em ação visa conscientizar

os alunos sobre as

consequências e os danos

de dois tipos de poluição

(atmosférica e aquática), possibilitando

momentos nos

quais eles tenham de argumentar

e justificar a importância

da preservação dos solos,

dos cursos de água e da

qualidade do ar atmosférico.

Algumas habilidades trabalhadas

são: avaliar informações

e dados obtidos de

fontes escritas ou digitais;

comunicar e apresentar informações

de forma oral, escrita

ou multimodal quando

apresentar os dados e resultados

obtidos ao responder

às questões de investigação;

participar de discussões de

caráter científico com colegas

e propor ações de intervenção

para melhorar a

qualidade de vida individual,

coletiva e socioambiental.

Não escreva no livro

93

• Os bens duráveis (móveis e equipamentos) devem ser conservados e consertados

quando sofrem avarias.

O descarte deles deve ser feito quando não é mais possível o reaproveitamento. Então, devem

ser enviados para a reciclagem. Roupas e objetos de algodão ou de fios sintéticos devem ser

substituídos quando necessários, e não quando “saem de moda”.

5. A produção de gases de efeito estufa, principalmente gás carbônico e metano, é maior quando

a mata é removida e substituída por um conjunto de edifícios comerciais, os quais consomem

combustíveis e energia elétrica e geram grande quantidade de resíduos.

93


Organização

Apoio pedagógico

Existe vasto material na internet

que trata das queimadas

que ocorreram no ano

de 2020 nos biomas Pantanal

e Amazônia. Apesar da ocorrência

anual de muitas queimadas

nessas regiões, a estiagem

em 2020 ampliou o

problema. As consequências

para o ambiente e a população

são muitas: aumento

dos problemas respiratórios

das pessoas, riscos de acidentes

em estradas, queima

de construções comerciais e

casas, riscos para a aviação

comercial, destruição de populações

de plantas e animais

(gerando perda da biodiversidade),

redução da fertilidade

do solo, alterações no regime

de chuvas em muitas localidades,

entre outras.

Os alunos podem encontrar

mais informações nos links a

seguir (acessos em: 4 ago.

2021). Indique‐os e acrescente

outros se achar conveniente.

• https://iusnatura.com.br/

queimadas-pantanal/

Com a orientação do professor, organizem -se em grupos. Nesta atividade, vocês

discutirão as informações trazidas pela reportagem que mostra o quanto do Pantanal e

da Amazônia foi devastado pelas queimadas em 2020. Para responder às questões, mais

informações podem ser obtidas por meio de pesquisa na internet e com o auxílio do professor.

Questões para investigação

A reportagem mostra os números de focos de incêndio no Pantanal e na Floresta

Amazônica em 2020.

1. Pesquise e responda: Quais são os impactos para o ambiente e para as pessoas que vivem

nas regiões afetadas?

2. Após responder à questão anterior e reler o texto apresentado, escreva com os colegas

do grupo um breve texto sobre os danos das queimadas nos biomas brasileiros.

Comunicação

Construam um cartaz sobre as consequências das queimadas para o meio ambiente

e para a saúde da população das regiões afetadas. Ilustrem o trabalho com fotografias e

desenhos. Exponham o cartaz na sala de aula e nos corredores da escola.

A. CARLÍN/ M10

• https://ambscience.com/

queimada‐na‐amazonia/

• https://portal.fiocruz.br/

noticia/radis‐mostra‐o-

‐impacto‐das‐queimadas-

‐no‐pantanal‐na‐saude-

‐e‐meio‐ambiente

94

Não escreva no livro

Atividade complementar

Ao organizar a exposição dos cartazes na sala de aula, proponha aos alunos uma roda

de conversa para debater a seguinte questão: Que ações deveriam ser tomadas pelos

governantes e pela comunidade para a preservação e o uso sustentável da Floresta

Amazônica e do Pantanal?

Ouça as propostas dos alunos.

94


5

A água é muito

importante para os seres vivos.

Se não houvesse água no

planeta, não haveria vida.

Apesar de haver muita

água em rios, lagos e oceanos,

ela não é um recurso

abundante, e diversas regiões

do nosso planeta sentem os

graves problemas da escassez

de água.

Escassez: falta, carência.

Muitas regiões do país sofrem com a escassez de chuvas, e falta água para beber, tomar

banho, cozinhar e para os animais. Na imagem, um jovem carrega água em balde no

interior do Cariri, uma região com longos períodos de seca, no estado da Paraíba.

A quantidade de água disponível para consumo

no planeta

7

do planeta Terra

10

é coberto por água.

A água na

natureza

VICTOR B./ M10

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

9

Mais de da água do planeta está

10

nos oceanos.*

EDILAINE BARROS/SHUTTERSTOCK

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Área do planeta coberta

por água

Fonte: Instituto de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos da América (EUA).

* Os valores foram arredondados para fins didáticos.

Quantidade de água nos

oceanos

Quantidade de água doce

Objetivos

• Explicar o ciclo hidrológico

na natureza a partir das

mudanças de estado físico

da água.

Apoio pedagógico

Não escreva no livro

As páginas 95 a 111 formam a unidade didática cujo tema central é a água.

95

• Concluir que existe água no

estado gasoso na atmosfera.

• Compreender a importância

do ciclo hidrológico

para a manutenção do

clima, do equilíbrio dos

ecossistemas e da água

utilizável no planeta.

• Compreender o processo

de geração de eletricidade

nas hidrelétricas.

• Discutir a importância do

consumo consciente da

água potável para evitar o

desperdício desse recurso

natural.

95


Água subterrânea e água superficial

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de

encaminhamento

Oriente os alunos durante

a pesquisa proposta na atividade

1. Se possível, organize

a turma em grupos para realizarem

a pesquisa utilizando

os recursos de informática da

própria escola. Caso contrário,

pesquise previamente a

origem da água que abastece

o município e compartilhe

com os alunos.

Existe muito mais água salgada (mares

e oceanos) do que água doce na Terra.

A água salgada dos oceanos não é própria

para o consumo humano nem para muitos

outros animais.

A maior parte da água doce está embaixo

da superfície, ou seja, no subsolo. Essa

água é chamada de água subterrânea. As

maiores reservas de água subterrânea no

mundo estão no Brasil, e são elas: o aquífero

Guarani, localizado entre Brasil, Uruguai,

Argentina e Paraguai, e o aquífero Alter do

Chão, localizado nos estados do Pará, Amapá

e Amazonas.

A água doce superficial é encontrada nos lagos,

represas artificiais, rios e ribeirões.

Tema: Sustentabilidade

Sugestão de encaminhamento

Aquíferos do Brasil

Serviço Geológico do Brasil. Aquífero Guarani. Disponível

em: www.cprm.gov.br/publique/CPRM -Divulga/Aquifero-

-Guarani -2617.html. Acesso em: 1 jul. 2021. Graça Maria

Lemos Ferreira. Atlas geográfico: espaço mundial. 3. ed.

São Paulo: Moderna, 2010.

Aquífero: formação subterrânea

capaz de armazenar água.

A barragem da Usina Hidrelétrica de Xingó está localizada

no Rio São Francisco, na divisa entre os estados de Alagoas

e Sergipe, e foi construída para navegação, abastecimento e

geração de energia elétrica.

1. Você sabe de onde vem a água que chega a sua casa? Pesquise de onde vem a água que

abastece o seu município e compartilhe sua descoberta com os colegas. Resposta pessoal.

TROCANDO IDEIAS

Sabendo que a maior parte da água doce está em reservas subterrâneas, é possível

utilizar essa água para o fornecimento à população? Discuta com os colegas.

Resposta pessoal.

96 Não escreva no livro

NIARKRAD/SHUTTERSTOCK

BRUNO S. / M10

Conduza a discussão da seção Trocando ideias entre os alunos e explique que a água

subterrânea pode ser acessível por meio de poços, servindo, assim, para o fornecimento à

população. Apesar do benefício, a utilização de poços pode esgotar as reservas subterrâneas.

Proponha aos alunos que busquem informações sobre a extensão dos aquíferos Guarani

e Alter do Chão – ou de outro aquífero que existe em sua região.

A pesquisa pode ser realizada em diferentes fontes, como livros, revistas, jornais e páginas

da internet.

96


MÃOS À OBRA

De onde vem a água que molha o copo?

Quando observamos uma garrafa ou um copo com algum líquido

gelado, percebemos que, em pouco tempo, o lado de fora do objeto fica

molhado. Isso também acontece com frutas e outros objetos que retiramos da geladeira.

Você sabe explicar de onde vem essa água?

Nesta atividade, você poderá responder a essa pergunta realizando um experimento.

Reúna -se com os colegas para realizar o experimento.

Materiais

• 3 copos de plástico transparentes bem secos;

• água de torneira;

• cubos de gelo;

• refresco de uva, de morango ou groselha (ou refresco de outra cor intensa);

• 3 pedaços de papel absorvente branco.

Como fazer

A. Ponha os copos secos em cima de uma mesa.

B. Depois coloque água até a metade de um dos copos. No segundo copo, coloque a

mesma quantidade de água e cubos de gelo. No terceiro copo, coloque a mesma

quantidade de refresco e cubos de gelo.

A. CARLÍN/ M10

Atividade

preparatória

Antes de iniciar a atividade

da seção Mãos à

obra, estimule os alunos

a sugerir uma explicação

para a questão-problema:

De onde vem a água que

molha o copo?

É provável que alguns

alunos tenham uma hipótese

que explica o fato

observado, porém também

é possível que outros

fiquem intrigados e

não tenham opinião nesse

momento. Não é obrigatório

que todos apresentem

uma hipótese.

Providencie os materiais

antecipadamente

para os grupos realizarem

a atividade: copos plásticos,

água, cubos de gelo,

papel toalha, refresco

em pó e um balde para o

descarte da água.

Água Água + gelo Suco + gelo

C. Agora, observe os copos por 2 minutos.

Não escreva no livro

97

Sugestão de

encaminhamento

Se você tiver a possibilidade

de usar o laboratório

da escola, faça um experimento

com as vidrarias lá

existentes (béqueres) ou

com copos de vidro. Nesse

caso, alerte os alunos para

que tomem cuidado ao manusear

o material.

97


Apoio pedagógico

Essa atividade prática permite

que os alunos concluam

que a água líquida presente

na parede externa dos copos

gelados origina-se do ar que

está em volta do copo, bem

como que há vapor de água

no ar atmosférico e que, nesse

estado físico, a água é invisível.

A mudança de estado físico

observada é a condensação

(passagem do estado gasoso

para o estado líquido).

Ao levantarem as hipóteses

para explicar a origem

das gotas de água, algumas

crianças podem sugerir que

elas “vieram de dentro do

copo”. Fique atento à discussão

da turma. Caso o grupo

considere essa conclusão

correta, pergunte aos alunos

por que o papel absorvente

que foi passado no copo com

suco não ficou colorido.

A turma precisa perceber

que os copos que estão

embaçados são os que têm

líquido gelado dentro e que

a baixa temperatura dos copos

com gelo deve ter provocado

o aparecimento das

gotinhas de água líquida

(gotinhas visíveis, que não

podem, portanto, ser água

no estado gasoso).

D. Em seguida, passe um pedaço de papel absorvente na parede externa de um dos copos.

Pegue os outros dois pedaços de papel e faça o mesmo com os outros copos. Observe o

que acontece nos três pedaços de papel.

1. O copo com água não

teve modificação. O copo com água e gelo ficou com gotinhas no lado de fora (ou o copo

com água e gelo ficou embaçado; a parte externa do copo com água e gelo ficou molhada).

98

Converse com os colegas sobre a atividade realizada e responda às questões a seguir.

1. Qual diferença é observada entre o copo com água e o copo com água e gelo?

2. Sugestões de resposta: ficou molhada, igual ao copo com água gelada; observam -se

2. Como ficou a parede externa do copo com refresco gelado? gotinhas no lado de fora do

copo; o copo fica embaçado; o lado externo do copo ficou embaçado.

3. Algum dos pedaços de papel absorvente ficou colorido?

Nenhum dos pedaços de papel absorvente ficou colorido.

4. Os copos que ficaram embaçados ou molhados estão mais quentes ou mais frios que o

ambiente à volta deles? Estão mais frios, porque continham pedras de gelo.

5. De onde vem a água que molha o lado externo dos copos gelados?

Essa água vem do ar (da atmosfera).

Agora, reflita sobre a seguinte situação: Os copos com água foram deixados sobre a mesa

e observados depois de algumas horas. O seu grupo percebeu que as paredes dos copos que

estavam com gotinhas de água líquida secaram e que não há mais cubos de gelo em nenhum

dos copos.

A água líquida voltou para a atmosfera na forma de vapor d’água.

6. Para onde foi a água líquida que formava as gotinhas da parede dos copos gelados?

7. O que aconteceu com os cubos de gelo? Eles derreteram, ou seja, viraram água líquida.

Não escreva no livro

A. CARLÍN/ M10

Resolução comentada

As questões propostas na atividade auxiliam os alunos a compreender o conceito de condensação

e da existência de vapor de água na atmosfera. Se necessário, complemente com outras

questões e exemplos de situações semelhantes à observada.

98


Água líquida, sólida e gasosa

Na natureza, podemos encontrar água em diferentes estados físicos: sólido, líquido e gasoso. A

água no estado gasoso, que se encontra na atmosfera, é chamada de vapor d’água.

No nosso dia a dia, podemos observar as mudanças de estado físico da água.

A B C

AFRICA STUDIO/SHUTTERSTOCK

(A) O gelo é a água em estado sólido. (B) Água em estado líquido. (C) Quando fervemos a água, uma parte dela se transforma em

vapor d’água que fica no ar. A água no estado gasoso é invisível. A fumaça que sai do bico de uma chaleira com água fervente é

formada por gotículas de água líquida.

Você já viu que a formação de gotinhas de água na superfície de um objeto acontece quando

existe umidade no ar e a temperatura do ambiente está mais alta que a temperatura de uma garrafa

gelada, por exemplo.

Olhando dentro da sala

de aula é possível perceber

uma variedade de objetos,

os quais apresentam cores,

texturas e formas diferentes.

Podemos separar esses

objetos de acordo com a sua

composição: há os de metal,

vidro, papel, madeira, plástico

etc. Todos os materiais citados

são sólidos, mas é provável que

haja também algum material

líquido na mochila de um

colega, por exemplo.

KRAKENIMAGES.COM/SHUTTERSTOCK

CAN BALCIOGLU/SHUTTERSTOCK

A. CARLÍN/ M10

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

TROCANDO IDEIAS

Resposta na Resolução comentada.

Considerando o que vocês já sabem sobre os materiais que nos rodeiam, escreva em

seu caderno uma diferença entre os materiais sólidos e os líquidos.

Não escreva no livro

99

Resolução comentada

Espera-se que os alunos digam que os materiais líquidos precisam estar dentro de algum recipiente

(garrafa, jarra, tigela, copo etc.), ou seja, eles assumem a forma do recipiente em que estão.

Os objetos sólidos mantêm a sua forma original.

99


A chuva e o vapor d’água

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

A observação do que

ocorre na natureza e o questionamento

de situações

do cotidiano é uma prática

importante. Esse Trocando

ideias estimula a curiosidade

e o interesse pelos fenômenos

físicos que ocorrem

ao redor.

Vamos imaginar que acaba de cair uma chuva rápida. Logo depois, a chuva para e o Sol

volta a brilhar. As poças de água que haviam se formado secam rapidamente. Você sabe por que

isso acontece?

TROCANDO IDEIAS

Reúna -se com três colegas e leiam a historinha a seguir.

• Respondam às perguntas dos personagens.

De onde

veio a água da

chuva?

A água da chuva acumula -se no chão e forma poças de água. O calor do Sol e o vento ajudam

na transformação da água líquida em vapor d’água (água no estado gasoso). Esse processo chama-

-se evaporação.

Você já deve ter percebido que a evaporação ocorre naturalmente, isto é, em condições

ambientais. O processo de evaporação faz a roupa molhada secar depois de pendurada no varal.

A evaporação da água é mais intensa em dias quentes e secos, mas acontece também em

dias frios.

100 Não escreva no livro

Para onde

foi a água das

poças?

Resposta pessoal. Sugestões de resposta: a

água da chuva veio das nuvens que estavam

carregadas. A água das poças evaporou.

A. CARLÍN/ M10

100


Evaporação e condensação

Normalmente, as correntes de ar levam o vapor d’água para pontos mais altos da atmosfera,

onde o ar é mais frio. Em temperatura baixa, o vapor transforma -se em pequenas gotinhas de água

líquida (condensação), que ficam suspensas no ar e formam as nuvens.

As nuvens carregadas que ficam mais próximas ao solo são chamadas de cumulonimbus, são

as nuvens de chuva.

As gotinhas de água nas nuvens se unem, até ficarem grandes o suficiente e caírem em forma

de chuva.

2. Observe a figura a seguir.

a

Agora, escreva no caderno as respostas das questões a seguir.

a) Qual é o processo representado pela letra a? Evaporação.

b) Que processo está representado pela letra c? Condensação.

c) Como são chamadas as nuvens representadas pela letra b? Cumulonimbus.

d) O que está representando a letra d da ilustração? Chuva.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

A figura acima mostra que a água circula pelo ambiente. Esse processo é chamado de ciclo da

água ou ciclo hidrológico.

A água que evapora dos oceanos, rios, lagos e dos seres vivos vai para a atmosfera e uma parte

volta para a terra na forma de chuva.

b

d

Não escreva no livro

c

a

101

VICTOR B./ M10

Apoio pedagógico

A leitura de imagens é um

aspecto importante da alfabetização

científica, uma vez

que ela representa modelos

interpretativos da realidade.

A imagem como forma de

comunicação é usada pela

Ciência com muita frequência.

A interpretação da imagem

do ciclo da água pode ser

realizada somente com o conhecimento

prévio do aluno

ou com a introdução de elementos

científicos. No caso da

imagem do ciclo hidrológico,

vários processos e nomenclaturas

estão envolvidos.

Sugestão de

encaminhamento

Dedique um tempo para a

análise da imagem. Faça associações

com as mudanças

de estado físico observadas

no dia a dia dos alunos, como

a formação do gelo e a condensação

do vapor de água

em superfícies durante o banho.

O objetivo da atividade é

que os alunos compreendam

o ciclo da água como um processo

contínuo. As mudanças

de estado físico da água representadas

são a evaporação

e a condensação, além do processo

de formação de nuvens

e da precipitação (chuva).

101


Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

Água no estado sólido no ambiente

MIRO VRLIK PHOTOGRAPHY/SHUTTERSTOCK

Nevasca em Norwalk, nos Estados Unidos

da América, 2021. Em regiões onde o

inverno atinge temperaturas próximas

de zero (ou abaixo) é muito comum a

formação de pequenos flocos de neve em

grandes altitudes. A neve se forma com a

passagem do vapor d’água em água sólida

no formato de flocos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de

encaminhamento

Ajude os alunos a identificar

os locais que estão citados

no texto. Descreva algumas

das características climáticas

de Norwalk, da Groenlândia,

do Monte Kilimanjaro e da

Serra Gaúcha. As chuvas de

granizo acontecem com frequência

no Brasil, e é provável

que os alunos já tenham

vivenciado esse fenômeno.

As regiões citadas provavelmente

são desconhecidas

dos alunos, por isso leve para

a aula imagens de alguns

desses lugares. Os icebergs

são comuns também no polo

sul (na Antártica).

NELSON ANTOINE/SHUTTERSTOCK

Chuva de granizo em São Paulo (SP), 2014. Muitas vezes,

a temperatura do ar onde as nuvens estão é tão baixa que

as gotas de água se solidificam, isto é, passam do estado

líquido para o estado sólido. Às vezes, essas pequenas

pedrinhas de gelo chegam até o chão, ocorrendo o que

chamamos de chuva de granizo.

102 Não escreva no livro

Apoio pedagógico

A neve ocorre em altitudes elevadas em que a água gasosa passa diretamente para o estado

sólido (sublimação). Como a temperatura do solo é próxima de zero, os flocos não derretem

e chegam até a superfície. Esse processo pode ser mais difícil de os alunos compreenderem,

porém, ele será estudado em outro período da formação escolar deles.

102


XPIXEL/SHUTTERSTOCK

Iceberg localizado na Groelândia, 2021.

Os icebergs são blocos de gelo (água no

estado sólido) que se desprendem das

geleiras e são levados pelas correntes

marinhas. A maior parte de um iceberg

fica abaixo da superfície da água. Nas

embarcações existem aparelhos capazes

de identificar os icebergs e outros

obstáculos que estão no mar, evitando

acidentes.

BRUNO S./ M10

VOLODYMYR BURDIAK/SHUTTERSTOCK

Neve eterna no topo do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia,

2021. Em regiões onde faz muito frio durante o ano todo,

a água se mantém no estado sólido, como acontece nas

geleiras e no ponto mais alto de muitas montanhas.

CARINA FURLANETTO/SHUTTERSTOCK

Geada em Caminhos de Pedra, na Serra Gaúcha (RS),

2021. Muitas vezes, geralmente durante o inverno,

ocorrem as geadas. Durante a noite, quando a

temperatura é muito baixa as gotinhas de água que se

condensaram sobre as folhas das plantas passam para

o estado sólido (solidificação) formando uma camada

fina de cristais de gelo sobre a plantas. Isto também

acontece com gotinhas de água que estão sobre os

objetos.

Não escreva no livro

103

Atividade complementar

Dedique um tempo da aula para analisar o mapa-múndi e o texto dos quadros explicativos.

Caso a escola não disponha de um, leve um mapa-múndi grande e um globo

para facilitar essa exploração.

A aula também pode ser conduzida com a ajuda de imagens ou vídeos de neve, de

granizo, de montes gelados de várias regiões do mundo, de geadas, do congelamento

de pequenas quedas-d’água e de outros fenômenos relacionados com as mudanças de

estado físico citadas no texto.

103


Quando a temperatura sobe acima de 0 ºC, o gelo derrete. Neste caso, dizemos que ocorreu a

fusão, isto é, a água sólida passou para o estado líquido.

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

R.CLASSEN/SHUTTERSTOCK

Para fazer a água líquida passar de maneira rápida para o estado gasoso, basta aquecê -la até

que ocorra a fervura. Quando a água ferve, dizemos que ela está em ebulição.

ROMAN SIGAEV/SHUTTERSTOCK

O gelo se funde quando fica fora do congelador.

As bolhas que observamos durante a ebulição nada mais são do que a

água em estado gasoso.

Podemos resumir, em um esquema, tudo o que vimos até aqui sobre a passagem da água de

um estado físico para outro:

Apoio pedagógico

Nesta fase, é comum os alunos

pensarem que as nuvens

e a fumaça que sai de uma

chaleira ou panela com água

fervente – ou mesmo durante

um banho quente – são exemplos

de vapor d’água. Na verdade,

esses fenômenos são

exemplos de água líquida sob

a forma de minúsculas gotas

em suspensão no ar. O vapor

de água é invisível, como o ar

que respiramos. É importante

estar atento ao uso da linguagem

em sala de aula, pois assim

não haverá confusão com

as designações.

Solidificação

SÓLIDO

Fusão

104 Não escreva no livro

LÍQUIDO

Condensação

Evaporação

GASOSO

ALEXANDRE R./ M10

104


UM POUCO DE HISTÓRIA

O termômetro

O termômetro é um aparelho utilizado para medir a

temperatura.

Em 1742, o cientista sueco Anders Celsius (1701-

-1744) criou a escala que utilizamos até hoje: a escala

centígrada, que varia de 0 a 100 graus.

Em sua homenagem, essa escala recebeu o nome

de escala Celsius.

Nos termômetros com escala Celsius, 0 ºC (zero grau

Celsius) corresponde à temperatura em que a água

líquida vira gelo, e 100 ºC (cem graus Celsius) corresponde

à temperatura de fervura da água no local em que Anders

Celsius estava quando idealizou o aparelho.

Muitos termômetros ainda são feitos de vidro, e em

sua superfície está desenhada uma escala. Dentro do

vidro, há um tubo muito fino que contém um líquido,

geralmente álcool colorido.

O líquido fica acumulado no bulbo. Quando

aquecido, esse líquido ocupa mais espaço e sobe,

marcando um valor maior na escala desenhada. Quando

esfria, ele ocupa menos espaço e desce, marcando um

valor menor. Para verificar a temperatura, observamos o

ponto em que o líquido está na escala.

Existem diversos tipos de termômetros.

• Escreva no caderno quais dos termômetros a

seguir você conhece. Resposta pessoal.

Termômetro clínico

de bulbo.

PEDAL TO THE STOCK/SHUTTERSTOCK

Termômetro clínico

digital auricular.

JPC-PROD/SHUTTERSTOCK

ROBERTO PIRAS/SHUTTERSTOCK

Termômetro digital

infravermelho.

OSORIOARTIST/SHUTTERSTOCK

Podemos

descobrir a

temperatura

do líquido do

copo usando

um medidor

de temperatura

(termômetro).

Tubo de

vidro

Escala

centígrada

Bulbo

Termômetro centígrado antigo. Esses

primeiros termômetros eram feitos

com um tubo de vidro e, dentro,

havia mercúrio.

PIXELBUSS/SHUTTERSTOCK

Não escreva no livro

Termômetro digital

de fita.

KORKE/SHUTTERSTOCK

105

Apoio pedagógico

O termômetro é um aparelho

usado para determinar valores

de temperatura. Existem

diversos tipos de termômetros.

Alguns deles são usados

exclusivamente para medir a

temperatura do corpo humano

ou de animais.

Os termômetros clínicos

(usados para medir a temperatura

corporal) têm escala

reduzida e não devem ser

utilizados para medir líquidos

aquecidos ou resfriados. Os

princípios de funcionamento

de alguns termômetros são:

– Termômetro clínico de

álcool colorido: apresenta um

bulbo (reservatório) que armazena

o líquido. Com a variação

de temperatura, o líquido

se expande ou se contrai,

subindo ou descendo pelo

tubo capilar.

– Termômetro clínico digital

axilar, retal ou oral: apresenta

um componente eletrônico

sensível à temperatura. Com

a variação da temperatura, altera

a condutividade elétrica e

registra um número no visor.

– Termômetro digital infravermelho

(muitos são auriculares):

medem a radiação

térmica do tímpano ou da

superfície da pele da testa.

– Termômetros termocrômicos

(de fita): funcionam

com cristais líquidos que alteram

a sua cor conforme a

variação da temperatura. São

muito usados para medir a

temperatura da água de aquários

ou como termômetro

clínico descartável.

105


JORNADA DO SABER

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI03) Selecionar argumentos

que justifiquem

a importância da cobertura

vegetal para a manutenção

do ciclo da água, a

conservação dos solos, dos

cursos de água e da qualidade

do ar atmosférico.

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Resolução

comentada

Tema:

Sustentabilidade

Espera-se que os alunos

compreendam que o desmatamento

da Amazônia

interferiria no regime de

chuvas do resto do país e

que a perda da vegetação

reduziria a capacidade da

reciclagem da água vinda

do oceano Atlântico, o que

poderia causar secas no restante

do país.

106

Os rios voadores são “cursos de água

atmosféricos”, formados por massas de ar carregadas

de vapor de água, muitas vezes acompanhados por

nuvens [...]. Essas correntes de ar invisíveis passam em

cima das nossas cabeças carregando umidade da Bacia

Amazônica para o Centro -Oeste, Sudeste e Sul do Brasil.

Essa umidade, nas condições meteorológicas

propícias [...], se transforma em chuva. [...]

A floresta amazônica funciona como uma bomba

d’água. Ela puxa para dentro do continente a umidade

evaporada pelo oceano Atlântico [...]. Ao seguir terra

adentro, a umidade cai como chuva sobre a floresta.

Pela ação da evapotranspiração das árvores sob o sol

tropical, a floresta devolve a água da chuva para a

atmosfera na forma de vapor de água. Dessa forma,

o ar é sempre recarregado com mais umidade, que

continua sendo transportada rumo ao oeste para cair

novamente como chuva mais adiante.[...]

Estudos promovidos pelo INPA já mostraram que

uma árvore com copa de 10 metros de diâmetro é capaz

de bombear para a atmosfera mais de 300 litros de água,

em forma de vapor, em um único dia – ou seja, mais

que o dobro da água que um brasileiro usa diariamente!

Uma árvore maior, com copa de 20 metros de diâmetro,

por exemplo, pode evapotranspirar bem mais de 1.000

litros por dia. Estima -se que haja 600 bilhões de árvores

na Amazônia: imagine então quanta água a floresta toda

está bombeando a cada 24 horas!

Todas as previsões indicam alterações importantes no clima da América do Sul em

decorrência da substituição de florestas por agricultura ou pastos. Ao avançar cada vez mais

por dentro da floresta, o agronegócio pode dar um tiro no próprio pé com a eventual perda

de chuva imprescindível para as plantações. [...]

Fenômeno dos rios voadores. Projeto Rios Voadores. Disponível em: http://riosvoadores.com.br/o-projeto/fenomeno-dos-rios-voadores/.

Acesso em: 8 jul. 2021.

Atividade complementar

Os rios voadores

• Converse com os colegas e escrevam, no caderno ou em folha à parte, algumas das

consequências do desmatamento na Amazônia para o regime de chuvas no restante

do país. Resposta na Resolução comentada.

Não escreva no livro

Rios voadores: são nuvens carregadas

formadas na Amazônia e transportadas

pelo vento até o Centro-Sul do Brasil.

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

Como se formam os rios voadores:

1. A água no oceano Atlântico evapora e

vai para o continente. 2. Chove forte sobre

a Amazônia. 3. A água absorvida pela

vegetação volta para o ambiente na forma

de vapor d’água por meio da transpiração.

4. As nuvens carregadas de vapor

d’água seguem para o Sul margeando

a cordilheira dos Andes. 5. As nuvens

desviam em direção ao Centro-Sul do país

provocando chuvas.

A descrição do processo de formação dos “rios voadores” merece uma atenção especial

na sala de aula. Muitos dos fenômenos climáticos que ocorrem no nosso país se

relacionam com a umidade proveniente da Floresta Amazônica. O texto a seguir dá mais

informações para você tratar do tema com os alunos.

Fenômeno dos rios voadores

Os rios voadores são “cursos de água atmosféricos”, formados por massas de ar carregadas de vapor de

água, muitas vezes acompanhados por nuvens, e são propelidos pelos ventos. Essas correntes de ar invisíveis

passam em cima das nossas cabeças carregando umidade da Bacia Amazônica para o Centro-Oeste,

Sudeste e Sul do Brasil.

Essa umidade, nas condições meteorológicas propícias [...], se transforma em chuva. É essa ação de

transporte de enormes quantidades de vapor de água pelas correntes aéreas que recebe o nome de rios

voadores [...].

4

3

5

2

1

VICTOR B./ M10

106


A água e a energia elétrica

No final do século XIX, depois de muitas pesquisas científicas, descobriu -se como usar a água

em movimento para gerar energia elétrica. No Brasil, a primeira usina hidrelétrica construída foi

inaugurada em 1889 e fornecia energia elétrica para a indústria e para a cidade de Juiz de Fora (MG).

Hoje, existem mais de 100 usinas hidrelétricas espalhadas pelo país.

Antes de construir uma hidrelétrica, os engenheiros e outros especialistas escolhem um rio e a

região dele que será represada.

A energia elétrica está presente no nosso dia a dia e a utilizamos para as mais diversas

finalidades. Você sabe para que utilizamos a energia elétrica?

3. Escreva no caderno quais das ilustrações representam ações que dependem de energia elétrica.

O que você considerou para reconhecer as imagens?

Nas imagens A (homem passando

roupa) e D (crianças jogando videogame)

percebem-se fios elétricos.

A

B

A. CARLIN/ M10

A. CARLIN/ M10

Apoio pedagógico

A geração de energia elétrica

altera o ambiente, seja

qual for a tecnologia utilizada.

A produção de energia

constitui um assunto de muita

importância nas sociedades

contemporâneas: é um tema

de interesse, veiculado em todos

os meios de comunicação.

A definição de energia é

complexa e exige grande

abstração; por outro lado, a

manifestação da energia está

associada a muitos fenômenos

e situações do cotidiano

de todos nós, como luz, calor,

trabalho ou movimento.

C

A. CARLIN/ M10

D

A. CARLIN/ M10

Não escreva no livro

107

A floresta amazônica funciona como uma bomba d’água. Ela puxa para dentro do continente a umidade

evaporada pelo oceano Atlântico e carregada pelos ventos alíseos. Ao seguir terra adentro, a umidade cai

como chuva sobre a floresta. Pela ação da evapotranspiração das árvores sob o sol tropical, a floresta devolve a

água da chuva para a atmosfera na forma de vapor de água. Dessa forma, o ar é sempre recarregado com mais

umidade, que continua sendo transportada rumo ao oeste para cair novamente como chuva mais adiante.

[...]

Expedição rios voadores. Disponível em: http://riosvoadores.com.br

/o-projeto/fenomeno-dos-rios- -voadores/. Acesso: 18 jul. 2021.

107


Construção e funcionamento de uma hidrelétrica

CIÊNCIA E

TECNOLOGIA

Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

VICTOR B./ M10

1

4

Representação com diferentes

escalas e com cores fantasia

5

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Apoio pedagógico

Procure saber como é gerada

a energia elétrica consumida

no munícipio. Além de ilustrar

a aula, essa informação

pode ser relevante dependendo

da localização em que

se encontra o município: próximo

ou distante de hidrelétricas.

A região é servida por

energia elétrica proveniente

de hidrelétrica, termelétrica

ou parque eólico?

1. Grandes tubos conduzem a água até as turbinas, que ficam localizadas nas partes

mais baixas da barragem.

2. A água da represa entra na tubulação e chega às turbinas. A energia da água em

movimento faz as pás girarem. As turbinas estão ligadas ao gerador, que também

passa a entrar em movimento.

3. Depois de passar pela turbina, a água retorna ao rio por um canal.

4. As peças do gerador em movimento

produzem a energia elétrica, que é então

transmitida por cabos (5) até a subestação,

que distribui a eletricidade às casas da

cidade e do campo.

108 Não escreva no livro

2

Cabo: fios metálicos unidos usados para

transmitir eletricidade.

Subestação: central de força que recebe

e distribui a energia elétrica gerada na

hidrelétrica.

3

108


ARQUIVO ITAIPU

A

Uma barragem é construída para impedir a

passagem da água de um rio. A barragem é uma

espécie de grande muro que atravessa o rio de

uma margem à outra.

Construção da barragem da Usina

Hidrelétrica de Itaipu na década de 1970,

em Foz do Iguaçu (PR).

B

BY DRONE PHOTOS VIDEOS/SHUTTERSTOCK

A água se acumula, transborda do leito do

rio e inunda as terras em volta, formando uma

represa ou reservatório.

Represa da Usina Hidrelétrica de Furnas

(MG), 2021.

Na barragem são feitas algumas passagens para a água,

chamadas vertedouros. Os vertedouros podem ser abertos ou

fechados por grandes portas metálicas chamadas comportas.

A legislação exige que se construa um caminho para os peixes

nadarem contra a correnteza nas barragens. Essa construção é

conhecida como Escada de Peixes.

C

FOTOWARE FOTOSTATION

D

TUPUNGATO/SHUTTERSTOCK

Usina Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu, com

vertedouro aberto. Sua barragem está localizada no rio

Paraná, na divisa entre o Brasil e o Paraguai.

Escada para peixes em represa na Suécia.

Não escreva no livro

109

Atividade complementar

Aqui, seguem algumas sugestões de sites para complementar o assunto:

• Eletrobras. Linha do tempo da energia. Disponível em: http://www.eletrobras.com/

elb/services/eletrobras/trilhaenergia/pdfs/linha-do-tempo-da-energia.pdf. Acesso em:

4 ago. 2021.

• Marcelo da Fonseca. Primeira hidrelétrica do país foi construída em Minas há mais de

100 anos. Jornal Estado de Minas, 18 maio 2013. Disponível em: https://www.em.com.

br/app/noticia/gerais/2013/05/18/interna_gerais,389704/primeira-hidreletrica-do-

-pais-foi-construida-em-minas-ha-mais-de-100-anos.shtml. Acesso em: 4 ago. 2021.

109


Habilidades

• (EF05CI02) Aplicar os conhecimentos

sobre as mudanças

de estado físico da

água para explicar o ciclo

hidrológico e analisar suas

implicações na agricultura,

no clima, na geração de

energia elétrica, no provimento

de água potável e

no equilíbrio dos ecossistemas

regionais (ou locais).

• (EF05CI04) Identificar os

principais usos da água

e de outros materiais nas

atividades cotidianas para

discutir e propor formas

sustentáveis de utilização

desses recursos.

• (EF05CI05) Construir propostas

coletivas para um

consumo mais consciente

e criar soluções tecnológicas

para o descarte adequado

e a reutilização ou

reciclagem de materiais

consumidos na escola e/

ou na vida cotidiana.

Sugestão de

encaminhamento

Na discussão proposta no

Trocando ideias, diversas soluções

poderão ser consideradas:

a construção de usinas

hidrelétricas ou de parques

eólicos? De termelétricas ou

termonucleares?

Nos debates que acontecem

na sociedade, é importante

a participação de profissionais

que se comprometam

com a qualidade de vida das

pessoas e com a preservação

do meio ambiente.

Geração de energia elétrica e alterações no ambiente

Para produzir energia elétrica, as usinas hidrelétricas constroem barragens que provocam

grandes alterações no ambiente. Para construir a represa e a usina, é preciso alagar uma área

enorme onde vivem pessoas e outros seres vivos. Alguns animais fogem dessas áreas, procurando

outros locais para viver, e a

vegetação da região alagada

é destruída.

Ao construir uma usina

hidrelétrica, é necessário

avaliar os problemas

ambientais que sua

construção causará. Muitas

vezes, cidades e florestas

ficam encobertas pela água

da represa. Além disso, é

preciso contratar equipes

especializadas para resgatar

animais e recolher mudas e

sementes de plantas, além

de realocar os moradores da

região em outro local.

TROCANDO IDEIAS

Reúnam -se em pequenos grupos e pensem na seguinte questão: a energia elétrica é

necessária para a sociedade, mas é possível obter energia causando menos destruição à

natureza?

Esta não é uma questão simples de ser respondida e é motivo de muitos debates

entre diversos grupos da sociedade. Resposta pessoal. Espera -se que os alunos proponham

alternativas para que as represas causem menos danos ao ambiente, e que também abordem o uso

de fontes de energia alternativa, como a energia eólica e a solar.

Economizar é bom

Já aprendemos que a água é encontrada no ambiente nas formas líquida, sólida e gasosa, e que

a energia do movimento da água é transformada em energia elétrica, nas usinas hidrelétricas. Vimos,

também, que o ciclo hidrológico representa a circulação da água no ambiente.

E a água que consumimos em nossas casas? De onde ela vem? A água que usamos em casa

deve ser limpa e sem contaminação de qualquer tipo. Nas cidades, a água é tratada em estações de

tratamento e distribuída por meio de canos para as casas.

110 Não escreva no livro

Resgate de animais na inundação da construção da Hidrelétrica Balbina, no município de

Presidente Figueiredo (AM), na década de 1980.

PRESERVAÇÃO

DO MEIO

AMBIENTE

Algumas das sugestões dos alunos podem ser: a necessidade de técnicos avaliarem e planejarem

melhor os locais em que a construção cause o menor dano possível ao ambiente; o

desenvolvimento tecnológico de geradores que produzam mais eletricidade em pequenas

represas; a possibilidade de construir pequenas usinas que necessitem de represas menores

em vez de usinas que exigem grandes represas.

CLAUS MEYER/TYBA

110


Como já foi visto, ainda que a maior parte do planeta Terra seja formada por água, apenas uma

pequena parte está disponível para consumo. E essa modesta parte ainda sofre com a poluição,

tornando -se cada vez menor a quantidade de água disponível para ser utilizada pela indústria, na

agricultura, na criação de animais e pelos seres humanos.

K61_CIE_V5_F115_NOVA

NELSON ANTOINE/SHUTTERSTOCK

Vista aérea de lixo nas

margens do Rio Negro,

em Manaus (AM).

Sugestão de

encaminhamento

Aproveite a conversa com

a turma para evidenciar o

quanto alguns dos recursos

ambientais são limitados e

que leis devem ser propostas

para regulamentar o seu uso.

Nem sempre as soluções são

simples, e muitos interesses

estão envolvidos em questões

como o uso da água dos rios.

CIÊNCIAS

SITE

• Agência Nacional de Energia Elétrica

A cartilha “Poupe Star” apre