06.01.2023 Views

A coragem de ser imperfeito - Brené Brown

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

A jornada da vulnerabilidade não foi feita para se percorrer sozinho. Nós

precisamos de apoio. Precisamos de pessoas que nos ajudem na tentativa de

trilhar novas maneiras de ser e não nos julguem. Precisamos de uma mão para

nos levantar quando cairmos (e se você se entregar a uma vida corajosa, levará

alguns tombos). Durante o desenrolar da minha pesquisa, os participantes

foram muito claros em relação à necessidade que sentem de apoio,

encorajamento e, por vezes, ajuda pro ssional quando voltaram a entrar em

sintonia com sua vulnerabilidade e sua vida emocional. A maioria de nós sabe

muito bem prestar ajuda, mas, quando se trata de vulnerabilidade, é preciso

saber pedir ajuda também.

Só depois que aprendermos a receber com um coração aberto é que

poderemos nos doar com um coração aberto. Ao vincularmos julgamentos à

ajuda que recebemos, de forma consciente ou inconsciente, também estaremos

vinculando julgamentos à ajuda que prestamos.

Todos nós precisamos de ajuda. Sei que não poderia ter concluído nem a

pesquisa nem este livro sem estímulos fortes, que vieram de meu marido, da

minha terapeuta, de vários livros e de amigos e familiares que estavam em uma

jornada parecida. Vulnerabilidade gera vulnerabilidade; e a coragem é

contagiosa.

Há alguns estudos muito respeitados sobre liderança que sustentam a ideia de

que pedir ajuda é essencial e que vulnerabilidade e coragem contagiam. Em um

artigo de 2001 publicado na Harvard Business Review, Peter Fuda e Richard

Badham usaram uma série de metáforas para explicar como líderes estimulam

e sustentam a mudança. Uma das metáforas é a de uma bola de neve. A bola de

neve começa a rolar quando um líder se dispõe a car vulnerável diante de seus

subordinados. A pesquisa demonstra que essa atitude de vulnerabilidade é

considerada corajosa pelos membros da equipe e estimula os outros a seguir o

mesmo caminho.

Um exemplo da metáfora da bola de neve contida na pesquisa de Harvard é a

história de Clynton, o diretor-executivo de uma grande empresa alemã que

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!