MANACORDA, Mario Alighiero. A educação no Oitocentos. In

Português
proferlao.pbworks.com - 8 other Mags
MANACORDA, Mario Alighiero. A educação no Oitocentos. In
|
12 Pages
|
8
|
0 Views
|
MANACORDA, Mario Alighiero. A educação no Oitocentos. In Inappropriate

MANACORDA, Mario Alighiero. A educação no Oitocentos.

MANACORDA, Mario Alighiero. A educação no Oitocentos. In História da Educação – Da antiguidade aos nossos dias.7ª ed. Rio de Janeiro: Cortez, 1999. pp. 269 – 310. I A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO . (p. 270 – 289) 1 A Revolução Industrial e a instrução (p. 270 – 272). Nos Oitocentos (século XIX) a educação que antes era uma questão política torna-se um problema social. A questão é: em que sentido ela transita de política para social segundo a compreensão de Manacorda? Logo no início do texto o autor aponta as condições que explicam essa alteração: • o mercador capitalista que foge das Corporações de artes e ofícios e destina a matéria prima a indivíduos dispersos e não associados, que são por ele controlados; • o estabelecimento da cooperação simples: os artesãos concentrados numa mesma oficina realizam a mesma forma de trabalhar nas Corporações, mas em novas relações de propriedade; • a produção manufatureira onde “[...] se efetua uma primeira divisão do trabalho […]” (MANACORDA, p. 270): rotinas no interior dentro do setores da produção em que o trabalhador realiza somente uma parte do processo de produção de um determinado produto; • o surgimento do sistema de fábrica e indústria onde a força produtiva se concentra nas máquinas (esse processo foi acelerado pela transformação das descobertas da Ciência em tecnologia, e as alterações no uso das das fontes de energia. O processo de transformação do trabalho deslocou populações inteiras das atividades artesanais para as fábricas e dos campos para as cidades. Este novo contexto manifestou conflitos sociais e culturais jamais experimentados pela sociedade até então. Segundo Manacorda (1999), os teóricos das velhas classes não tomaram consciência da complexidade desse processo e das questões dele decorrentes. Lembra que Rousseau fazia a defesa do artesanato e do retorno homem à proximidade da natureza. Proudhon entendia a indústria como soma de trabalhadores ainda na tradicional divisão do trabalho nas oficinas. Não entendeu que as novas relações de propriedade alteraram o modo de produção. A questão que deve ser buscada segundo Manacorda é: o que esse novo contexto implica para a instrução, sobretudo a popular? O velho artesão desapareceu, e se permanecia, não era mais figura determinante. Nesta direção Manacorda alerta que Comenius já identificava a necessidade da constituir como lugar de educar (entendase, de formação do homem moderno) também as armanentarias (os canteiros, os estaleiros navais) e dos mercimoniorum loca (as Bolsas da Holanda e Inglaterra). O Revolução Industrial mudou as só as exigências da formação humana, mas também as condições. O que a R.I. Permitiu? Acumulação de grandes capitais; exploração de novos continentes; grandes descobertas científicas; transformação das descobertas científicas em tecnologia; num longo processo de expropriação dos artesãos das corporações tomou-lhes a liberdade e toda sua propriedade (o artesão é expropriado de tudo, não era dono de mais nada): tomaram-lhe a propriedade, o conhecimento total do processo de produção); a expropriação de terras e fontes de matéria-prima. Estava esgotado o aprendizado das massas produtivas artesanais. O que substituiu essa processo de ensino? Nos primórdios da R.I. Industrial os trabalhadores não tinham instrução. As operações das atividades na fábrica não exigiam mais que ignorância. O processo de incorporação das descobertas científicas ao provocar rápidas mudanças nas máquinas passou a exigir um trabalhador disposto a essas transformações. Nesse sentido, os filantropos e industriais estavam diante do desafio da instrução das massas operárias exigida pelos surgimentos dos novos instrumentos e processo produtivos. A instrução surge como demanda da fábrica. Neste cenário a pedagogia moderna se definiu a partir do desafio das relações entre trabalho e instrução ou instrução técnico profissional, expressando-se nas propostas de formação para o trabalho de forma específica e de formação para a perspectiva do trabalho conforme se evidenciou nas mais variadas proposições da Escola Nova. Neste sentido duas soluções foram tentaras: 1) a formação pela observação e imitação que já estava proposta lá nas obras de Platão; 2) a transformação da “desinteressada” inserindo conhecimentos profissionais. Ou seja, a criação de “[...] várias escolas não só sermocinales, mas reales, isto é, de coisas, de ciências naturais: em suma, escolas científicas, técnicas e profissionais.” (MANACORDA,

2ª A - Organização dos estudos do capítulo 7 - “A ERA VARGAS ...

2ª A - Organização dos estudos do capítulo 7 - “A ERA VARGAS ...

2ª B - Organização dos estudos do capítulo 7 - “A ERA VARGAS ...

2ª B - Organização dos estudos do capítulo 7 - “A ERA VARGAS ...

A EDUCAÇÃO NA ALTA IDADE MÉDIA - SALA DO Professor Luiz

A EDUCAÇÃO NA ALTA IDADE MÉDIA - SALA DO Professor Luiz

O IMPÉRIO E AS PRIMEIRAS TENTATIVAS DE ORGANIZAÇÃO DA ...

O IMPÉRIO E AS PRIMEIRAS TENTATIVAS DE ORGANIZAÇÃO DA ...

MANACORDA, Mario Alighiero. A Educação no Setecentos. In ...

MANACORDA, Mario Alighiero. A Educação no Setecentos. In ...

educação anarquista no brasil da primeira república - SALA DO ...

educação anarquista no brasil da primeira república - SALA DO ...

CURY, Carlos Jamil. “A educação nas constituições brasileiras”. In ...

CURY, Carlos Jamil. “A educação nas constituições brasileiras”. In ...

Eliane Damas Vieira Silva Fabiani Aparecida Bozelli de Souza ...

Eliane Damas Vieira Silva Fabiani Aparecida Bozelli de Souza ...

© 2006-2014 by i-Magazine AG